Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03714


This item is only available as the following downloads:


Full Text
*


'
.

'a-
Anuo XXVIII
Quarla feira 21
DIARIO DE
deJulho de 1852.
N. 160.
PEM4MBIC0.
ruego A ivua&irgio.
PiamxiiTO Aduntido.
ji trimestre............
rnr semestre ..........
Poi anno...... t.....
PtOODSNTaO DUTaiMESTal.
Por quartcl
OTICIAS DO IMPERIO.
firii-*' 11 I ii I li o M i ii .t. '. IDIA-DA IMiKA AUBia^OlAg.
l'JSeg.S. Vicente. I luiModt OrphSt
20 liic.s Jcronymol, e5. a lOhorat.
Emiliano. I. rara do civil-
21 QuartS. Prxedes. 3. c 6. ao meio-dia.
Urnho. 21 de dito S.Paulo. 8 de Jnulio
(rara.-.- iBdedUo R. deJ
Parablba
11 de Julho Hahia.
22Quiut. S Mara M.l Paleada
53 Sext. S. ApoIlna-3. e 6. as 10 horas,
rio b. 2. vara do civtl.
:!i S.iii. S. Cbriilina. I. csabadoiao mciod,
2> de Julho 25 Doln- 8. 8. Thiago Rilacio.
I de dito ap. Jtercas e sabidos.
Cresceate 24, al horae 17 miautotda in.
Cliei.ia.il os 7 mi autos da manba.
Mingoante '.i, as 5 boras e 48 minutos da m.
Nova i II, a I hora 4(i minutos da manba,
naiiiDi aOJ
Primera as/ horas e t- minutos da manba.
Segunda 8 horas c G minutos da tarde.
fianl SOS OBBIIOI,
dolama e Parahlba, ia segundas e aextas-
feirai.
RIo-Crande-do-Norte e Victoria as quinta
letras
Bonito,Caruarn,eGaranhuns no le isdecad
maz.
Clores,Ouricmy, Kxu e Boa-Vista i\'A e 28.
Ollnda, lodosos da.
Todos os Correios parteinaomcio-dfa.
aroTiciaa HTBiKatiBia.
Portugal isdeJuoh
Hespanha 8 de dito
Franca
Blgica...
Italia..:.
Alemanba
Prussia
8 de dito
'ule dito
1 de dito
'' 'le dito
J de dito
Dinamarca 30 de Malo
Rsala... 28de dito
Turqua. 26dedlto
o Austria..
Suissa..
Suecla...
Inglaterra
E.-nidos
Mxico...
California
Chlll.
Bunios-A.
Montevidc
2|deJunbo
i de dito.
q5 de Maio
8 de Jnnho
23de Maio.
0 de dito
1 de dito
10 de Abril
15 de Maio
o 5de Jtinho
caaiotoa BE 20 DI
Sobre Londrea. a 27 27 "I, por
Paria, 34a
s Lisboa,iOOpor cento.
KTAII.
Ouro.Oncaa hespanbolas....
Moedaa de 6/400 vclhas.
. de 6|400noTs.
del/000........
Praia.Patacdesbrasilelroa...
Pesos columnarioa.
Ditos meiiaanoa.......
JULHO.
d. i/ooo
........VJ/WI*
........ lyKiO
........1S000
........ 9/00O
........ 1/320
,....... 1/920
....... 1/800
PARTE OFFICIAL.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 9 DE JULHO.
Ollicio.Ao commanilo das armas para
man lar apresontar ao chofe de polica uuia
I nistrador do patrimonio de Nossa Senho
ra da Palma; appellado, o juizo,
Appellante, Vicente Jos de Souto ; appel-
lado, Mauoel Francisco da Almeida,
, Appellautes, Mara da Ponlia de Franca o ou
Uro; appellado, Joflo de Abreo Franca.
llvuAM.
.'..--ni do Sr. desemhargador l.e.'io ao
joolla sullicieiite, para conduzr a Goianna Sr uesembargador Souza a seguinte ap-
eom seguran?" tres prezos de juslica, que p,,||acao om que s0 .
vilo ser enviado anjutz municipal d aquello App0||ante, o jizo de dreito; appellados,
Icrmo, aliin de assistirem a roroiacuo da josGoncalves da Silva c Januario Fran-
i'iilpa. comniutiicou-seao mesmo chele de cjsco QtrDeiro
policiia. I passaram do Sr. desembargador Kebello
Dito.Athesouranade fazenda paraman- gQ Sr desembargador Luna Freir as so-
dar fornocer aodirectorda colonia do Pi- K,linl(,s abellacos om quo s3o .
meoteira (i arrobas de ferro e 2 de seo, quo A,ipcllantos, Antonio Correia de Aiaujo e o
filo tequisitou no uflicio sobro que aquella i uj20 appe||aj0( 0 juiz0.
thcsouraria infurmou. I Appellante, o juizo da fazonda; appellado,
Hito.A menina inleirantlo-a do liaver, Ma,,0el Bento do Mendonca.
oii=edidol5diasdelicenasem Vjjncjmeti- Appe|lan[Pi 0 ll0 app0||ados, Jolmston
Palcr & Companhia
toaojuiz municipal o d'orphiio* do termo
ile Santo Ant3o, bacharol Gaspar de Mcnezes
Vasconcellos de lirumond, para vir esta
capital tratar do sua saude.Fizeram-sc a
respeilO as convenientes communicaces
Appellante, Joaquim Ferreira da Cunta Sou-
to Jl mu ; appellado, Jo3o Baptista de
l'aiva.
Passaram do Sr. desembargador Luna
Hito.-Aojuiz dos leilos da fazen la di- Krejl.0 M Sr desembargador Telles as se-
/eudo quo para poder cumprir o que foi iio-| guinU,s aB)e||acoos om ouo s5u
1..-__:....l~ ..n ........ ..i.n ..nlln 1\,\ Anilla ...
Icnniudo no aviso, que remelle por copia,
dii reparticSn da Justina de 5 de juoho ulti-
mo, faz-sc misler, quo.S Me. mando proce-
der lotacSo do ollicio du contador do tri-
bunal da rolacSo, remettendo o seu resulla-
do a secretaria da presidencia.
Hilo.A tliesouraria da fazendl provin-
cial remellen loacjnta da despe/.a feila rom
0 Mstenlo dos prezos pobres da cadeia da
villa do Cabo, desde o Io do abril ale o ul-
timo do loobo lindo, a fin de quo oslando
nos tormo lgaos, seja paga a su Impor-
laniia86,5201s., ao carcereiro da niesma
Cldeil EstcvJodos Anjosda Porciuncula.
t:oinmunicou-se ao chelo de polica.
Hito.A mesnia para que t vista da con-
la quo romelte, mando indemnisir the-
souraria de lazenda da somma de 13,410 rs.,
em quo importSo as races I'ornecidas de
a 10 do levoreiro deste anno peio brigue os-
i'uua legalidad* a 8 sentenciados, que fo-
ram rinetlidos para Fernn lo no mesmo
hriguo.t:ommunicou-sc a referida lliosou-
rana de fazenda.
Hilo.A mesma para mandarpag^ra Sim-
plicio Jos de Mello, caso esteja Ic.^al a coti-
la quo remelle om duplcala, a quanlia de
13,200 rs., que se despendeu com o sustento
dos prezos cobros da cadea da villa do llro-
|o desde o 1. aleo ultimo do ino'. lindo.
Communicou-saaocliefe de polica.
Hilo.AocomiiiHiulante do vapor Golfi-
nAodizendo licar scienie do liaver S. Me.
Appellante, a justig; appellados, Antonio
Pereira Baroclio o outros.
Appullanto, a juslica ; appellado, Francisco
Ignacio dos Sanios.
Appollante, Mauoel Alves Guerra ; appella-
do, Jos Nicolao lliguera Cosa.
Passaram do Sr. desembargador Telles ao
Sr. desembargador Pereira Munleiro as so-
puntes appellacOcs om quo silo :
Appellante, ojuizo; appellados, Frei Anto-
nio do oraejo do Mana e oulro.
Appellante, o juizo; appellado, Manoel Jos
Pereira.
Appellante, o juio ; appellado, Galdino
Guedes da Silva.
DISTRIBUICKS.
Ao Sr. desembargador Le3o o seguin-
'! te aggravo em que s3o :
Aggravante, Ignacio Luiz do Brito Taborda ;
aggravado, Anlouio da Silva Ferreira.
Ao Sr. desembargador Souza a seguiu-
le ipiioHar;Jo em que s3o :
Appellaule, a juslica; appellado, Antonio
do Faria Brand3o.
Ao Sr. desembargador Kebello a seguin-
tc appcllaco em quo sao:
Appellante, o juico ; appellado, Gonc,aIlo
Jos de Souza.
Ao Sr. di'-i'inli ii nlii. Luna Froire a so-
guinto appcllaco em que s3o :
Appellante, o promotor publico ; appellado,
o juizo de dirello.
AoSr. desembarga lor Telles a seguinte
chocado esto porto com destino ao lo Mar-
nhilo.e declarando que pelo clief, de poli- '!""' *c "< ques o
rll llieserSoremetlidosos prezos Frailis- APPC' ''. JU'; PPalUdo, Raymundo
ro Rodrigue da Paixo, rnai oonbecldo -ornia oo Araojo
por Amonio Beii, e Lucas, os quae S. Me., A0 ?' "cmb.rgador Pereira Montero
rara transportar a bordo d npor sol. sen 8" u ,fP^,!g c" 'luo :
mundo aquello par. o Ido Grande do .Norte, ^!}T'.!!!? Lcr'""U "a 6"V' ; ",|,el'
coste para MareiihSo.Neslc sentido fizo -
rain-se as necessarias communicsQoi s.
Dito.Ao ougenlieiro cucarregado dos
obras militares dizendo licar inteirado de
quanlo communica om ollicio de 17 de ju-
nhn ultimo, e cxiginJo que inforuie quae
as voncimentos que se abonaram ao mestre
das obras militares, e bem assim quae os
objeclos que eslSo a cargo do mosiuo mor-
ir.
Hito.Ao juiz municipal supplento da 1"
vara dcsla cidado para mandar rceber a
burdo do vapor de guerra tMfinho, i (im de
sei conservado na cadeia desla cidado, al
que "--.i seguir a seo dostiuo, o sentencia-
do Domingos Jos Vieira de Carvalho, do
que tiata a guia que rcmette.- F.xpediraoi-
H a espcito as convenientes ordens.
Hito.Ao director das obras publicas au-
lirisondo a desposa do non S. Me. I;.ll qq
ollicio, cm que pedo autorisacSo para n 11-
zendo a proporcJo quo o poro'illerem os di-
\er-os Iraballios dos actuaos engenheiros,
as diH'ert'tites obras de que traa a le do or-
caueulo provincial vigente, iiioticionadas
em dito ollicio, dovendo porm liaver loJa a
" "lunilla u cuidado na sua applic(3o.
Hilo.Ao delegado soppleute do termo
do Bonito, Gandido Jos da Silveira, sppro-
vando a deliberacSo quo S. Me. loinou do
alugar por 5,000 rs. incnsaes a casa de Ja-
rinllio Jos de Mello para quarlol do dosla-
ranicnloestacionado n'aquclla villa, e de-
elarando que csse aluguei sera pago pela
Ibosouraria do fazenda, vista de documen-
to rubricadu poraquella delegada,em quan-
lo o destacamento for composlo do pracas
de I." I loba, para o quo licam j expedidas
as convenientes ordens, c quanlo o for de
pracas de polica lera lugar o pagamento de
dito aluguel pela lliesourana da fazenda
provincial. l'ulcio-sa a respuito a mesnia
l1' Mirara de iazeuda.
Portara. O presidente da provincia teu-
' 'Mil vi-ta a iiiliirinaca" dada pelo fiscal
do contrato das carnes verdes cm data de 8
do correlo da qual consta ler o agente do
mesmo na freguezia da Boa-Visla, l'c.lro Ci-
ado, o juizo
Yin loram julgadoi os de mais feitos com
da assignadu por liaver rallado a sessJo os
Srs. desembargadorescima iiioiiciouados.
I.evanlou-si' a sessiJo depois domeiodia.
TaasfiM^Maamtm.^
EXTERIOR.
PRAHQA.
Paris lli de maio.
O movinicnlo que se inanilesla sempre na
Allcinanha nesta epoca do anno principia a tor
lugai, c e dcvemol julgar pilas correspon-
dencias que nos chesam de ludas as capitaes
.la | o .1.- pail, pareceque este auno omoviineu-
to est j oais gcral o mais animado.
remoa dlier do Br. conde de Uuol-Scbaucns-
leln.
O Sr. de lluol nao recebeu toda a aucecsto
do Sr. de Schwarliemberg : elle nao o tem
substituido seno na direccao da poltica le-
terna do imperio ; mas a este titulo, he sobre
elle que recabe a i mi i de manter a influencia
da Austria na Alleiuanba c a sua siluacsu para
com a Europa.
Na Allemauba, a iolluenria da Austria leude
a oceupar-se ao mesmo teinpo dasquestoes que
suscitain os inlcresses puramente materiacs,
os do coinuicrcio c da industria, e das questues
polticas.
A Austria precisa restabelecer suas liuaucas
complicadas desde muito lempo e ha quatro
annus seriamente comproinctlldas. Ella pode-
r rrfazc-las com mais ou menos successo c se-
guranza, segundo as questes materiaea tlverem
uina solu;a'o favoravcl o u contraria aos seus
ioteresses.
E be por isto que ella quiz inlcrvir no lloll-
wereln, e representar ahi um papel que pro
curarla lomar propouderantc. Os Estados que
formaram o Zollwerein coma Prussia besilaui
c procurara esclarecer-se pela experiencia
tes de admiltirein a Austria cm urna assocla-
;ao que nao he talvci sein perigo para elles.
Pelo que respeita s questes polilicas,
Austria nao scdissiinula; elladcscja que certos
estados inodiliquem suas constiluiedes inaiaou
incuos parlainenlarcs pede que os poderes dos
soberanos sejam consolidados de tal sorte que
elle nao sejam contestados iicm contealaveis.
Ella quiOa que a confederaco germnica loa-
se composla de estados poucos mais ou menos
homogneos, alien de que as reiisteucias im-
previstas de uui.i cmara electiva ou de una
cmara loamovive! nao podessem embaiacar
ein auu execuco urna medida j adoptada, ou
por obstculo a nina ucgociaco ccmccada e
prxima a ser terminada.
O principe de Schwartiembcrg linda traba-
Ihado bastante debaixo destes dous pontos de
vista ; no iulerior linha preparado graudes re-
cursos tinnneeiros, dos quaes o thesouro impe-
rial gosar brevemente, e elle havia obtido es-
tes recursos por nielo de reformas internas cu-
jo beneficio be seguro para o futuro; porm
elle leria provavclmenlc naufragado no eslabe-
leumento de seii systema de coinmercio exter-
no c de alfandcgas, couipleineulo necesaario
das suas instrucedes administrativas c eccouo-
micas. No extenor elle havia couseguido res-
taurar a Hiela germnica da qual a Austria
cousarvou a presidencia, c elle tiuba obtido
desta assembla urna serie de actos que Ibc pa-
reciam muito proprios para augmcuiar a auto-
ridade dos goveruos mas elle uispirava a cer-
tos gabinetes, ao gabinete de llerliu princi-
palmente, urna sorlc de dcscontiauca que tor-
nava as boas relaccsscmprc incertase as soiu-
ces semiire difhceis.
liueiiii.il> que o conde de lluol parece deci-
dido cm continuar a obra do Su de Schwarl-
zemberg, mas por outros meius. ti uovo mi-
lilitro do Imperador d Austria nao be da es-
cola do seu predcccASor: elle intrulo-sc no
mauejo dos negocios pblicos por outros ex-
euiplus c por outras lines. Elle servio com o
priucipede Mclteruicli, que o havia dcstingui-
do e appreciado seus counecimentos c sen ca-
acter reservado.
O Si. de i o 'l he sobre ludo um diplmala,
oii'. Hu diplmala hbil; ningucm pois parece
umis apto para dirigir os negocios externos do
imperio debaixo da direccao suprema do im-
perador. O Sr. de buul conservuu sempre a
estima e amisade do Sr. de Mctlcruich, o qual,
em caso de iieccssidade, dizem, uo ihe uegaiia
seus cousellios. Sabe se alm disto que o novo
ministro be coohado do baro de Meyendorll,
ministio do iuipcrador da itussia em Vicua.
lie por ccrlo um espectculo singular e bem
ili.'u i de lixar a atteuco do publico aqunllc
que ha dous das leve luj;ar na capital da Aus-
tria. Os imperadores Francisco Jos c Nicolao
enconlrarain-se ahi com os sensores de Melter-
nlch, de Nesselrode, de Meyendorll'c de Baol.
Para que esta reunlo de um carcter ao mes-
mu lempo lo elevado c l.o Intimo Que so pas-
bou nesta confereucia? E o que resultar d'aht?
IJiein cm Vienna cgeralineotc se pensa na Al-
leie.aiiha que por auora Irata-sc principalmcn
Nossos correspondentes se Inquietam por Is-I mesmu arma. He homem de merecimenlo. lavrns, nSo o restitue na administracHo des
lo em multas sentidos : elles tcinein o resulta- de inui boas qualidades, vai para Hallo Gr o
dnde una allianei muito estrella entre as tres
grandes cortes; assuslam-se pela llberdade da
Europa; iulgain entrever que aquiilo que res-
la anda das formas constilucionaes est ainea
fado na Prussia atUlgem-se desla lula que aca-
ba de etnpenhar-se em Berln entre o re e a se-
gunda cmara do parlamento e lamcntam que
se nao llvessem entendido quando era to f-
cil entender-ie.
Nossos correspondentes so coucordam cm
un ponto ; he que at aqu a conservaco da
paz he uina uccessidade geral, deaeja-se para
' a ir ni.mil.i a paz, a uulo, a allianca inti'a
hoje e sempre deseja-se laiiibem a paz cun a
Europa e eremos que a desejam sinceramente.
Todava ha soberanos c homens de estadui que
afiectatn dlzer que a guerra be inevitavcl, e
que ella rebentar brevemente. Alguns ha que
chegaui mesmo aftirmar que ella faedesejavel;
n aos seus olbos, a pax que dura j quasi a qua-
i cma annos, tem produzdo inuilo mal e milito
bem ; os ocios desla longa pai tem criado as
idelas aote-sociacs que dcvastaui a Europa, e
desenvolvido os progressos do espirito de revo-
luco; a guerra l poder curar esla chaca fu-
oesta : a guerra pola seria o nico ineio de sal-
vacao da sociedade. Heais a carta da Europa
loi mal feila pelas grandes guerras do impera-
dor Napuleo. Cerlos estados forain mal limi-
tados, outros mal compostos, resullam d'ahi
siluaedes falsas e governos Impotentes. Ora a
carta da Europa nao pode ser emendada seno
oo ii in de urna guerra que destrua o que a guer-
ra tem produzdo ; preleuder corrigir pacifica-
mente, e pelo nico ineio das negociacOes di-
plomticas, os erro* que se poderam coiiunet-
ler ein 18l i c cm 1816, he uina esperau^a van
que nao poderla ser alimentada seno por es-
piritas chimericos.ii
A isto be fcil responder que a guerra n.lo
est hoje na vootade de nlnguem ; que os re-
sultados que se prometle sao iocertos; que a
Europa tem soll'rida muito, bem haquarenta
auuos, a ordein que a paz estabclcceu; e que
nao ha verdadciramenlc motivos serios para
i"i em i] ues i jo estes resultados to custosa-
inente adquiridos c a preco de tantos sacrifi-
cios. Felizmente os partidarios da paz sao mui-
to mais uumerosos na Alemauba
so deixaudo-nos plnhorados.
MaranhSo 4 do julho de 1852.
De certo, ha do Vmc. ostar lembrado que
na ininha ultima correspondencia, apresen
tei-lhe como o melhor brasSo da adminis-
tracSu de S. Exc. o lir. O. Machado, essa
imparcialidade, essa tolerancia que nunca
loi inceladi entre nos por presdeme algum,
que se achasse como, S. Exc, no centro do
tres grupos polticos, cujas tendencias a
deslruirem-so mutuamento, collocava a
rbssa sociedade om urna perfnlta conllsRra-
(3o. Pois bem : essa administracSo mode-
lo, que no espirito da Estrella bastante a
encommodava; por isso que nunca poderia
ella fazerde S. Exc. ceg instrumento to-
dos os seus dosvarios, acaba du ser forte-
monte abocanha la no Estandarte n, i. A-
pesir do engaadoras apoarencias, do lia
muito que a livro ailministraQJo do Sr. Dr.
0. Machado ero para aquello grupo um peso
enorme, quo ello desejava sacudi-lo com
grave prpjuizo dos ioteresses de urna pro-
vincia mi.'ira do ha muito quo por todos
era prosentido csse rumor surdo o prolon-
gado, que quasi sempre annuncia tremon-
dos furaces ; ou por outra : o mixto honivol
dos tres chefes da t'sre//u,s8tnclhonte ao mix
to resultante do carvSo, salitre o do enxo-
l'io, apenas necessitava de urna sontellia
para eslourar como una voi ladeira bomba.
A scntclha nada monos foi do que a dtnuis-
ta provincia... Aisum lineales I Quando le-
ra a Estrella um homem mais atTecoado
causa da monarchil, da ordr.m do que o Dr.
0 Machado / Quando teri ella, um homem
mais amante das instituiedes do paiz do qu
S. Exc.! I Por ventura jnSocoota elle,urna
gloriosa presidencia, e outra que o nao be
menos : ou entSo, pensa a Estrella, que S.
Exc. para gozar do alto conceito em que he
tido polo ministerio, precisa dos encomios
do meia duzia de desafeicoados, a quem nSo
quer de modo algum, curvar-se a seus dita-
mos Estou convencido de que o goveroo
oral conhoco S. Exc. no aferr de auas opi-
nioes saquaremas, e mais anda conhece o
que s.lo os partidos na nossa torra o seu
chefes ; o deste modo restituir-uog-ha bre-
vemente o Dr, O, Machado, de quem a Es-
irdl.i a conta com a demissSo.
l'ara domostrar evidentomenlo at onde
chega a modera(3odo lie. O. Machado ; bas-
ta dizer-lhn ;quo, agora, que a Estrella aca-
hou de o agredir injustamente, e quo elle
por duplicado motivo, poda esmagar como
oulro Theseo, esseMitiolauro, que o procu-
ra tragar na>la tem feilo, que denote o me-
nor despoito ; antes polo contrario, tratt-os
com a mesma urbanidade, com o mesmo ca-
valheirismo de que elle s nos pode dar o
exemplo. Siga sempre o Dr. O. Machado, a
sonda gloriosa, quo urna vez trllhuu ; faca
-'mi i re fallar em seu abono, esses melhora-
mentos reses apresentados provincia no
curto espaco de 11 mezes de sua admnis-
trac.ln; continuo a conservar-nos essa segu-
ranca individual, de cuja prora a estatistica
sao dada pelo governo geiral aos tres gran-
des partidarios da Estrella, Coque, Antonio'fallabom aito, pois basta dizor-se, que nes-
Bernardo e Das Garnoiro, dos emmnenles'tos ltimos 6 mezes, apenas se deraru 4 as-
poslos da gualda nacional..... Essas demis-sissiuatos em todas provincia; ao passo
ses dadas a lamanlios scelerados, que por que nos ltimos 6 mezes da administrarlo
tantos annos dovasteram a nossa Caxlas,' passada, coiitaram-seitl! Sim, continu S.
loram golpes mortaes leva los ao coracSo! Exc. na perseguirlo dos criminosos, livran-
desse raJavor galvanisado que so chama do a sociedade de lamanho (lagello, quo
Estrella, e que pretende arrogar a si a ex- sempre lera os elogios, o amor, a dedicarjo
"so"; ina'ls pololos SgSteVtZ *" <"* "os *" fflC- d t0d? S h0,De"S TUtM '' mUd VZ '
bedoria, dizem-nos, temerla a mais pcqucuaIOs nomens dessi* pa'cialidade atordoadqs ra maldizenles, invojusos o procurem abo-
....- ~ i i. I >.* 1 .., ii 11 > ii,, un \ ,\ niiiiiii.'iiii'i il or ni 11 .,1...... j- i> i .v. .... I.. m ......1 ......."m A iis>iiilir>i
Pelo que nos escicvcn, prcpara-ic de todos Icinaulia que por agoia Irala-sc priiicipalmen
os lados reuniOes de soberanos, de ministros. lc lle iciiioveras dilllculdades que dividen! alu-
de homens de estado organisaiu-sc conferen- I a Austria e a l'rus.ia ; de relabelecer a bar-
cias debaixo de diversos pretextos, as margena """'ia entre estas duas potencias, e de cunen.
In nhenn <>. < '.arl.inH r n.iim. insares. O im- tar sua unluo; esla ulna de conciliacao noinc-
derador da Ilussia ; visitou o Imperador da cada cm Vieuna, sena acabada cm l'erllu. Di-
\ustria ua sua capital: c breve os dous iuipe- acn ainda que para estrellar esla allianca, o
radores M dirigirlo Juntos para Hcrlin para ahi imperador da Austria esposara a joven priucc-
coulercuuaieni com o rei da Prussia. O vclho za Sidonia de Lase, sobrinha ao mesmo lempo
e bab.l chancclcr do imperio da Kussla, o con- do re Luiz de Bavtra e di rainha da Prussia.
de de Kesselrodc, acompauba scu sobcraoo, Se tor verdade que olmpcialor fticolao leiiba
elle tornou a ver cm Vienna o principe de Met- recoiumcndado a allianca sincera c cordial das
lerriel o amigo c companlieiru de sua moci- tres graudes corles do norte, como devendoscr
dade, com o qual este esta ligado pelos iuteres- "base fundamental e constante de sua poltica,
ses de urna longa poltica, praticada em com- deve-sc ver ua rcuuio de Vienna c na pruxi-
iiiuiii, cm idelas anlogas, com uina perseve- Ma unido de Hcrlin o cometo di evecuco dos
.CIU-M.'I ...hi. a Ma I" MU II I .-, .. B i I L
nudaoca. Como elles ealo habituados aI mo- j Pr lamanho golpe, do incetisanto despe- canbar: a osles callo a applicacSo da celebre
ver-se noijttttna actual da poltica europcia, i to. bem dopressa chegaram ao delirio da stroplie de Pompignau : '
lendein essencialinente para a conservaco dos raiva; e entilo, osquocidos das rogras tr-
actot nos quaes esla poltica repousa. j naes do cavalheirismo, quo prohibo atacar-
Quaulo a nos, nao eremos na guerra, mas'sea qu0m ellosjulgam j dtmittido; ain-
snn na dura9ao da paz. A aquelles que pretcn- l,a maji nsqUecidos dos rauitos l'avoros quo
de.n que a guerra ha de s.hir necessaria e fa- rf () ,Uchaa desbaratadnmen-!
talmente da siluiicao actual da Europa, respon-' :. ,' j .___. i
deremos que depois da revoluto d 1830 pie-1to lantjaram no seu Ai/anfiarjc as horriveis
diila-ac tambeiu a guerra europea, a qual se diatribes que nolle so l contra 8. r.\\ : e
julgava ioevitavel, que dlataia. o mesmo cm lo los aquellos quo u3o portencondo a / uro-
1810 depois do tratado de 15 de julho repe- tagrey, acliam-so livres do certos crimes,
tiam-nodepois da revoluco de 1818 ; que du- cuj innumeracSo faz estremecer a outros,
rantc dous anuos Inteiros a guerra parcela emi- quo tl3o aos calumniados pelo Estandarte.
nente entre a Prussia c a Austria, e que cutre. ,>,,, ,ei!o .j f,bula, lia partidos que'
tanto a tranca e, Europa teem atravesado to- n> conel,om ., igllll, .',., :. quorem que
n Lo Nil a vu sur sos nvagos
Les noirs habitaos des oserts
l i-mi -i par lour cris sauvagos,
a L'astro clatantdu l'univers ; >
Cris impuissaus, furrours bizarros! !>
Tatilis c|uo eos monstres barbare u
l'oussaioiil d'iiisolontes clamcurs,
Le 'H'Mi poursuivaul sa carriro,
Versis des torren de lumicre
Sur ees obscurs hlaspliimateurs.
das estas crizes lao dilrlceis e lo perlgoias sem
A em |iir.n; jo dos [negociantes Britantuco
que paz tenha sido verdadeiia:iente"pVrur- um prcsidcnto seja gmente dolles e n3o de desta praca, om sigttal de. sympathia o reno
bada. He que ha cima de lodos os iniercsscs todos ; quo siva nicamente aos seus lulo- nheciincnto para com o Dr. O. Machado pela
e scsubmeltem a ella; he esta uccessidade c...( invocando SUas retniniscen- lein.no
rol^""^?^^ ci's' n-osso enumerar os ,u,l,s Uvoros qu.,1 de
e iioshadepermillir que guiemos por muitu que lleve, ao Sr. Dr. O. Machado, do certo deste ni
ni urna mes.
/.erra do Menezcs, abandonado o seu lugar ,, |,. politica e estrellar sua allianca com a
i i o., a infaligavel
Os soberanos c os gabinetes, que iuteuces c
seniiincntas oppostos linhain desaBei^oado, se
reconciliam ; as relaedes diplouiallca inler-
rompidas ha dous annos entre os rcis da Prus-
sia e de Wuriemberg foram reslabclecidas.
Sao outros taulcs syinptomas que inostram
que se f.i uaquelle paiz um grande trabalbu de
concillaco e de coheso ; que se procura ar-
deoieinentc terminar as conleslacoes, snppri-
inlr as causas uiiu de prevenir que ellas appa-
refam outra vez, e regular lodos os assumplos
deconlcstacu ; entc-sc que um grande dc-
sejo de concillaco procura substituir o espiri-
to de rivalidade e de antagonismo ; que se se
pretende assiinilar ai msiltiiiccs polilicas dos
estados allciuaes tanto quanlo permittir a na-
iiii i das |-"i.....'....-, adiversidade c algumas
veaes a opposlco de ioteresses. ir-se-hia que
se faz esforjos para construir urna Allemauba
unida como urna s potencia
seus designios
Esta publica se aparta da do Sr. de Schwarl-
zeirsbcrg ; mas nao be esta a nica dcriuta que
nuil o seu systcma. Parece certo que os
principios da sua aduiinistraco interna ho de
ser logo |n olMiel niienie mudilicados.
O priucipc de .'elnvariieinher;; linha entre-
gue o governo interno do imperio as mos do
Sr. Itacb que gozava de toda a sua conlian^a.
O Sr. Uacli era considerado como u depositario
dos seus pcnsameiitns eoexeculor dos seus pro-
particulares, como alm de todas as paixoes in- rosses o n3o ao do toda a provincia. A sua inulta protoucSu, que este sempre dou ao
dividuaes, uina necessidade que as domina e divisa para com a primoira nutoridadc da coinmercio tojas as vezes, que dclla preci
.in- ..s loiiiem. Etanccessidadc be absolun c provincia he csli :ou os nossos olios, ou .son; rcsolveii ullerecer a S. Exc. um bri-
iiilexivel; a Europa e o mundo a rcconheccm 0s nossos ferros. '. Ilianto baile, quo leve lugar mitos duhnn-
Se a Estrella, invocan lo suas rninitiiscon- tem, no sal3o da sociedade Tcrpcckhor,
boa volitado su proslou a concorre
modo, para una 13o justa ovocito. .S.
lempo ainda dos maores hcuclicios que a Pro- nSo devera esquecor-se do qu s Exc. con- Exc, nao poda tor demonstradlo mais im-
videucia tem concedido s geraces presentes, tinua a crinservar om favor della essa cuna- parcial do alto aproco em que lio tido, do
| ra municipal, cuja illogalidaie espanta; que essi teslemuiiho, lilho dos loaussenli
e quo a elle (levo a nomeag.lo intoriui du montos do urna oorporacilo tilo indepondon-
I am Chafo de polica, o qual al boje, pis- te odispostn unicainento n render lio ii"M i
I to so tenha portado como deve, he todava i gem ai|uellos, quo devulamente as mero -
seu partidario. A' S. Exc. deve olla a con-jeem. Bramen) muito emhora, os adversa-
"~~~"" I srvag3o nos cargos policiaes de muitos ira- j rios de S. Exc, que elle sempre ter desses
CORRESPONDENCIA "O DIARIO HE PEB-, dividuos quo silo creaturas suas; c llnal-l triumplios lodas as vozos, quosoubor mar-
.W.MIliilo. monte be ainda S. Exc. que, alm do ou-ichar tilo dignamente na estrada da honra o
PARA.') DEJULHO DE 1852. 'tras nomeaccs, dove ella duas quo, roca-1 da juslica do quo ho acrrimo sectario !
Pelo ultimo vapor pouco ou nada Ihes di-'hindo ein genio de sua oll'eic.lo, no pensar j Teudu assijtidn a esse brilbanle baile, dcllc
ra a nao ser da fuga do moedeiro fal- de lodas as possoas honestas, foram os dous. passarci dar- Ibc algumas noticias ; ainda qu<
Artnand Bor/i.
(loHrnal da eall.)
se
INTERIOR.
so ftasciiucuto,
tale/.a,
do
que pode cvadir.se da for- j uncos faCt.)S que so poj-rin reprolien-Jar na,StfJ*de Um lod bc''" WWo-
lUineo
CUIO Cu i'iui oau ii'' .......... um n > i mnaua* i .-------- .
edes desta capital. J be segunda ves que a'quarema, repeli d'uiil modo enrgico nos fernicic/'ore lopctavam-se com a I inmensa con-
juslica deve aos cuidados dcsle exccllente ina- i seus nmeros 45, 46 e 47 ludo que a Eslrcl-, currcucia dos convidados a csse baile ; no qual
gisirado a captura deste reos, cojo processo I / em sua injusta ira vomilou conlra o Exm. i|ho da soberba Albion mostraram eatre-
tem sido moroso. A efficacldade das penas he | prcs ionlc. o illustro redactor do orgo ,mos que nos pode trazer a moralidade, cestas de- longas nos processos Taz grande mal ao paiz.. ,,|is|.r,ri0 dumooslrar'acbava-sc postada em duas lilas, um banda de
Correo noticia de demisso para o nosso pre- u um moo m,ls s, 1 ...iisiea nilliiar ouc de iutervallo a intervallo,
aidnl.com a chegada do vapor pas.ado, iin- ascontradiCCes palpa veis em que 0 hir.m MU nlwr. que 00 rail >* jrv.l.o,
guem acreditava, mas hoje a vimos realisada os homens do Estandarte, arrogando a S. 1o loj c ,larin.,J, g, E,c. apenas chegado,
com bastante petar porque be sem duvida dos Exc fados quo elle nunca pralicou. e ou- foi tecei,Bo porta do edilicio por uina coin-
poucos que se tem iuteressado pela nossa pro- \ tros que elles d'anlemo calumniaran! comoJ,|jS5odc quatro negociantes imjlcies, a cuja
viucij. eixa-nos o Emi. Sr. Dr. Eausto as 8e pralicados fossem. So Vine, ler O CoMI-j fronte vioba o Sr. Evans, escudo logo depois
estradas quasi todas macadainisadas, os P- ntuconul ver que olio n3o diWCOU como o Introduiido nosalo, a msica l'czsoar por to-
tanos com proporces de licilinente seren des- | pandarte, as baila regios das diatribes : dos os ngulos da casa que o baile ia coinecar.
secados, o caes da marinba concluido, c
aterrada, nova ra por este formada, quasi coiiscrvou-so na sena posicflo queoecup,
concluido um exeelleute quariel principiado I-'d'ahi, como um gigante, osinagou o seu
pelo coosrlhelro i.oclbo, c o que mais honra adversario debaixo do eoonno poso de suas
Ibc deve fazer concluidas as assignaturas paia I argumeulaces o pruvas.
a foruiaco du bancu. Suas exccllcnles manci- | q verdadeiro partido saquarema, esse que
jectos: c'esta eplulJo era Uto bem acreditada ras, liicram-n cmquanto presidente digno de n-0 conia (ni sua historia una revolta o
' umaaposlasia, bratnio em sua jusla ludig-
por espado do alguus dias,visto tor-so dedi-1 Russia
que se julgou um moinenlu que elle havia de toda a coiisideracodos bous Paraenses, e boje
substituir ncccssariamentc ao Sr. de Scbwart- queja nos vimos privados delle, de sua adnil-
icmberg. |niitraco, s Ihe podemos desejar que sejam
Os amigos do Sr. Ilach f.llaram sobre isto i reconliecloos, e bem aquilatadus os servijos
bastante, c Icmbramo-nes ler lido a respeitodo por ella feilo ocsla provincia.
Sr. Ilach, irimiiro minisliu, longos arligOl pu- I Ha poucos das Biicldou-se um tabernciro
blicados quasi no mesmo da por pcrlodicu Portugus degolando-sc com urna uavalba ,
fraueczes c eslrangciros. Auibus elles seiitiam uppdc-e ter ebegado tal pouto de desespe-
por Isto uina viva seusajo c nao a dlssiinu- rafo por falla de melos pecuniarios,
lavan). Itcappareceu o Corrtio dot pobres, depois de
O Sr. r nli lie.ni sen ilo ministro do interior, i longa auzencia por falta de redactor, visto como
eado a oulro emprego, resolve considerar
Viga o refoi ido lugar enomoa paraoexercor
Joaquim Correia da Costa.Fizoiam-se nes-
lc sentido as convenientes cotiitnuuii'.ic s.
Parece-no uue nossos corrcspoodcnles do Nesta iiualidade linha a direco da polica do se despedir, o scu proprielario, que o era ; es-
- \ ...i* _.._ ii_____-_ ..._ I...____.__._ i. ......I.>.!.< ..I. i....... i,.a. I .. 1... 1. o I. ...... ..
'I'UIBUNAL DA RELACA .
SESSAO DE 1 DE JULHO DE |8.
Yntulencia do Exm Sr. conselheiro Azevedo.
As lo lloras da manliSs, estando presente,
os Srs. desembargadores Le3o, Souza Re-
bollo, l.una Freir, Telles, Pereira Muntoi-
lo, fallando com causa os Srs desembar-
gadores Villares e Bastos: o Sr. presidente
declara aherla a ses-o.
JOLOlMESjTOS.
Bceurrente, Jos Matheus da Graga l.eito;
lecoriido, o conselho municipal d'Ana-
dia.Negaram provimento ao recurso.
Hecorrenles, ItomSo Gomes do Araujo e ou-
tros; recorrido, o conselho municipal.
Nogaram provimento ao recurso.
Appellante, os herdeiros de Braz llamos
Chaves; appellado, Francisco Jos de MI
a estas dcmonslraces, que uo sao lalve se-
uo bous proccdiinenlos, mais imporlaucia do
que nos meamos ; mas elles nos iiilo9lraiu so-
bie oque agorase passa na Allemauba cxpll-
e.i. > que lalvci nao sejam despidas de algum
iniei i ...e. Vamos reproduii-las, limilaudo-uos
ao papel de simples narrador.
A oiorte do principe de Schwartrcmberg le-
ve as conecqucncias que liiiliainos previsto ; a
lula lo vivamente empenhada, to ardentc-
meote sustentaila por ete iniuilro contra a
l'ni-sii priucipia a calinar-sc; e a poltica
milito exclusivamente austraca j nio he mais
a do gabiucle de Vicua, o qual se diBpde a en-
trar nos melos tradiciouaes de una poltica
mais gcral. Sem duvida o pcusamcnlo domi-
nante do imperador Franciico Jos aubsislc ; o
joven soberano da Austria no dcixar deque-
imperlo, e esta dlreccio era a mais importante U revelando pela imprensa facto tendente a
de ua atiribui(de: ella acba de Ihe cr tira- clicalura de polica do Dr. Magalbacs, os quaea
da. O imperador quiiretirar este eleinentocon- com ludo nao eram cstranhos a quem por ca
aidcravel de scu governo : acabamos de saber i vive.
que a direccao da polica foi dada ao general) As eleices lervcm, ludo se prepara, e quau-
i onde li.mu o o de !'ei:hien-i iiiiin, o qual far do mal pensarem, o dou supplcntcs rs. Ma-
partc do conselho na qualldadc oe ministro da gallies e Leile, que ae acliam na corle, he
policia. O general Rompen, inspector geral da quando.jabcro que iicsla barca segucm a to-
:" id 11 iii"i i i, foi nuuieado ltimamente guver- mar asiento com llccuca de S S. o deputa-
uador militar de Vienna. Asegura-e que elle do proprielario os Exm. Dr. Pacs, c Aranha.
he provisoriamente ministro da polica, c que Que logro I ? Minguen! cria ate o dia da sahi-
estas delicadas funcedes eslo reservadas para a do vapor que scgiilsseo r.Paes : ocaso he
nina ouira pessoa que o imperador nao ez ain- que embarcou ja os bas, c nao resta mais du-
da coulieccr. vida.
illas oque d a esla medida ama grande ig- 0 invern parece querer deixar-nos, esta-
nlcaco, he que ella eufraquecc nutaveliuenlc mos eui julho: Dco queira que posssuios pro.
a posico do Sr. itacb. Nossos correspondente vcltar o lempo, e que o negocio do ceulro
invencidos de que clc ministro nao lar- tomeiii milbor attilude
Os saldes da rerpicichore cun duplicadas lu-
/.cs, apreseiitaram um brilho fraiutciramcutc
do usual. Na varanda exista un i extensa me-
sa cheia de delicado doces: o terraco que se
achava todo colicrto de bandeiras de dilfercn-
ics naces, apresentava entre os encanto das
muras c das llores um sumptuoso barraco,
dentro do qual eslava colloeada uina lauta mc-
etao ci.-----------------^---------..........-------
rer u que sempre te lu procurado, agranden e'dar cm ser sibsltuidu, c cousideram esla a Icbre amarella, apenas llvcmos a da um
a nroineridade de seu imperio e o inelnura-1 ubatui(o como um uovo successo para o ad- caso cm um navio auiericauo.
ment progressivo da orte de eu povo roa: versarlos da poltica do Sr. chwartiemberg. Do Amaiona tem sido a noticias maitsa-
o incis nao aero o meiiuo tudodiaen-) Ei-aqui poi a situaco em que se esta em lisfaturia, apelar do^tran_"0.r;; "i'* J.0^'."
imperial tem diiigido s corte da Europa, lo- no promctteiam, reduziram-sc a fuuiaca, e
' o que pode faicr um presidente
UESIGIACOBS
Appellaule, o juizo do auzenles ; appollu-
dus, Viceutc Forrcira da Costa o outros.
Appellaule, Manoel Jos de Siqueira ; appel-
Udo, Jos Francisco do llego Barros.
Appellante, Thcmoteo Ferreira Lima, admi-
tratados com os visi-
ecesidadeos har-
commuoicaco en-
a do uiiuii- mi-ios e os procsiosiio dilleieutc. Ir esta provlucia, e a do Amaionas. O Te-
ir uue leem tomado parle no governo da K lie iilo o que d icoiifereucia impeiiae nente coronel de rlilharia Albino do anto
Ausuia Seu carcter audaiioio, eu plriio de Vieuiia.be islo u.le ha de d.ii conleren- Pereira que na nova provincia servia como
.liivue'arrebatadocontrasiaiucoiii o carcter, cas de lierliu um lo grande iuiercsse, .. que comiiiandante militar ha perlo de cinco au-
^Vinrito desensillis celebre, predeces.ore, faz pressenlir que ha ue s.bii desias coufereu- nos, ja chegou a esta capital para seguir para
e lanbciii cremu quede eu ucceor, que-1 cia decisea importante. Mallo Groo a coinmaudar um balalhao da
leram licar silenciosos, o um, sahinlu em
dell'eza de S. Exc nao como homem
quem dovossem favores; porm sim instica
o tolerancia. Oullimo d'aquellcs jornae,
transcrevondo vanos trechos do Estandarte
nos quaes S. Exc. lio aggrodido, aprsenla
tambem outros, nos quaes, lula n3o ha
muito tumpo, a mesmo lolha grandemente
o elogiava ; por isso quo com extrema im-
parcialidade, que muila conta lez Estrella,
S. Exc. doiioii correr a rovellia as oleices
para deputados proviueiaes : facto esto que
causou bastante constoriiaco parculida-
de dos/mro quo desejavam lerdo governo
de quem oram verladeiros aectario, essa
protoccSo que nem sempre lio repugnante
ao nosso sysloma ropresentalivo. todas as
vezes bem entendido quo com ella mo se
atropelam diroitos anteriores a peqioias
conveniencias polilicas. A esse rospeilo o
de lustrosa garrafas do precioso cbampanhc,
que com os scu boccacs pratcados. nsseinelba-
vaiu-soaoulrus taulo canhes, queenlo mu-
dos, nao deviam lardar mullo, qnc despedis-
sem de si, nao a inorte, porm sim o cnthusias-
inoalegria. O balco do refresco apreaeu-
lava una profuso c varlcdade que milito hon-
iou a Mr. Luriue, como o agente cucarregado
do crvico do baile. ci ve a mariniloa da
locicdade l e acbava ; porm em carcter d<-
ajiidanle do autigo cozinheiro do general Sil-
veira: por um reniorso bem cxplieavel, ella
dealerrou de si o seu massanlc chailc para to-
mar um elegante leando de primorosa cam-
braia, que apellando-Ihe suavemente o eolio,
uo dciiou de atrabir sobre si, os j amorteci-
dos olharcs do Lurinc.
Seria cousa superior s minlias toreas o pin
tar-lhc a iulluencia e cntliusiasmo, que reiuou
nesta uoilc de verdadeiro prazer. O uiadaiuis-
uiu inaraubcuse c iuglc, com lodaauacle-
eancia, e seus surrisos, apreseulou-sc coiu ta-
Constitucional n. 46, domunstra clara mente I lliallha dciiionslraco de jubilo, queao ve-lo>,
que S. EXC. alm de nao quorer, por Urie|dir-sc-lda que ca mulildo de deldade, ata-
sobre elles pesam : ro^ugnava inteiramon
te ao carcter de S. Kx., ter de se acinr om
amavel correspondencia com os Dungas, Co-
ques, A. Bernardo, o outros que lies asso-
ladores do Casias.
Para aquello, que como eu, lorom com a
devila aliene,.!.i, o artigo do Estandarte a que
mereliro, ronhoeeriln immediatauculu urna
cousa, c ho : que a Estrella por faz OU por
nefas, quor l'a/.erpissar o Dr. O. Machado
,-,iiiiu um i'ii.'i um constituate; alim do ver
se o governo gortl acreditando em suas p.i-
m
iuteressante da noa alta jocicdade.
l'oroccado da eia houvcrami var o brn -
des, lendo p.imeiro e segundo, dirigidos pelo
s Beatdr S. M. o Imperador, a S M. a Impe-
?a,r zea familia imperial .!l foi fello
''"" l .. "t- ,.,.-. .'iih- i iiuiitili
nelo Sr. "d ao Eim Sr. presidente da provi..-
rla 8 K.c.replicou-lhescoiudousoulru.brlu-
H... um a ." a 'inuJ c '"B'aterra e oul.o
ao corno cominereial brltannieo 'e'ionle neia
", .' .ndo Me ultimo precedido de una
brevellocuc.lo. na qual S. Esc. agradeceu o
obscmiioque acabavade icceber.ealiaiifouque
cierna sciia sua gralidiio pela prova nao equi-
i
\
i .<
i
J


a
vo< do alto apreco cm que era ledo por urna i commandantei doi doui primeiro batalboes
cornoracao lio rcipeitavel, qual a dossenlio- da guarda nacional da capital,
res ncRoclautei brllannicoa. Depola deste Acba-se nomeado procurador fiscal d. faien-
da provincial, o Or. Joao Pedro Diai Vlelra :
eaia nomeacio cahlo cm uin moco baatantc
Inteligente e probo.
Esqucceu-me dizer-lbe, que no dia 2 do cor-
renle, sahiu a luz uta pequeo porlodico inti-
tulado o Disperlador} cujo fin be alassalhar
a honra c vid de todas ai pessoas, qu* n3o
pertenrem ao credo da Fsliella. Felizmente
ningiicm d hoje importancia a esies uogentos
pasquina, que em nada desacreditamos pessoai
contra quem sao clles dirigidos: entretanto
i'.id tardar mullo tempo, que nao appareca a
represalia.... e cnlo adeus, tudo quanto ba
de ni H, sagrado, nao i neste, como no nu-
tro mundo.
11>KM !>.
ego
brindes do eilylo, seguiram-M varios oulros,
que fura longo o iouroera-loe, nomo eieusado
dizer-lhe o cnthuslainio com que foratn cor-
respondidos, Por occaslio de ui dessea brin-
des, urna senhora houve que eom anglica voi
cantou o hymiio nacional. Kaie baile de dura-
doura leuibranea para quelles que o deram, e
para aquello que o recebeu, findou-sc as J i|J
horas da madrugada, tendo-se dancado setc
contradancaie duas wal.cn. O numero dos ca-
valhelros aurila a 130 e o das senhoras aitO; c
maior seria ainda a concurrencia, a uo ser a
cliuva que houve ao principiar da nollc. ro-
ram mostr desala, o Sr. Santlnhos e osr.
Beatty.
Esqueceo-me dizer-lho que a orchestra
dirigida polo insigne maestro francisco Col-
las, estove como sempre, digna de mil ello-
gios.
Para o dia 6 do corrente, esta marcado
um outro grande baile, que deve ser dado
pelos dous tenentes coronis, commandan-
tesdo l'o2 baUluao da guarda nacional
da capital, o commendador Domingos u'a
Silva Porto, v o I)r. Jos Mara Brrelo Ju
S. Ex. o Sr. Dr. O. Machado entiegou boje,
pela volla do meia dia, a adinlolstracao da
Srovincla ao Eim. Sr. Ilrlgadciro Manoel de
ou la Pinto de Magalhaes, na qualidade de seu
primelro vice-presidente.
Para a inanb, as 1 horas da manha, esta
maacada a sabida do vapor, que deve levar
em seu bordo o Exm. Sr. presidente da provin-
cia, nessa occaslao pols, todos os bona mara-
nhenses rao saudar o Exm. Sr- Dr. O. Jtlacua-
IrsvencBo de poaturi municipal, LuizeJos orgmisaram o seu plano de aggressSo, ou, lado njcadeira de geographla a historia do
escravos. por desorden., Matheus escravo, Id; tlroteios a cossaca contra a administra-j >yu do 'clf:. 8.T0 .FF0HS0 ,em
aera declarando motivo; orden, dosub- .lo da provine,., eat.beleceram como pon- i', |r 0c*e
delegado da freguozi.de S.-Jos, o preto to principal da controversia a en^dur. /|J^
Victorino da Coila de Jesua, por haver es- que na cidaile do Hio-Formoso soirraram os' ,orlo| que no colleglo datarles do curio
pincado a u mulher, o Eutabio Ribelro da cav.lleiros da cruzada constltumte, e a ro-. jurdico.
Ilna-Morte, por desordem ; e do subdele- integracSo do nosso dlstincto amigo, o te-; Art. 3. Para o ensinodas respectiva! mate-
li-nlo da freguezia dos Afosados, JoSo lu/, nente-coronel Lopes Lima, na delegacia da ras serio nomcados profeisores de reconbe-
c Antonio Jos dos Santos, sem declararlo -
mor. em obsequio 80 Exui. Sr. presidento do cm sua retirada, cando anejlos pela jus-
.1 nrnvinei que o governo de S. al. I. rara, restituin-
U8 prOVineid. < ..___ n.|J..,. |no i.
prov
Hoje pelas 6 horas da manhSa, reuniu-se
no campo da Ourique pela primi'.ira vez, o
Io ea batalhSo da guarda nacional : quasi
do-lhes o seu digno presidente logo que se
cncerrem os trabalhos parlamentares para os
quaes foi elle convidado. Sejan pola, uiar e
\cntus, proprlclos S
Ex.: levondo-o em
todos os guardas compareceram trajados ; paz e ,a|vaolCnto ao porto de seu destino, pa
com pequeuo uniforme. Vmc. mal podo fa- ra brevemente trase-loao meio deata popula-
zer idoia do onlhusiasmo, que abrasa os pei-|Cjo, que tanto o estima .'!
tos desta nova e valente milicia Tal he sem i O rendimento da nona alfandcgaem todo
duvida af nue ella deposita nos seus res- o mez ltimamente lindo, foi. de z.ioiju
auviua, aie quo sita u|i ordinaria-' As sacas de algodo annaienadas no inez de
poct.voscommandaiitcs ; do i ft MM cntraram duranlc o mea
mente parte o contentamoulo ou d
tontamento, que quasi sempre nella
mente parto o contentamoulo o" escon- ~-ox-.mi-mciitefiidosubiualt3M.de,|a;cjpor.
so ue-1 taram.,c nesse mesmo mes : 8:524: llcao por-
taran) -----------.........
visa. i tanto armaienadas: 7:79o. As cinbarcacoes de
No dia 10 do corrente, pelas 11 horas da;varias especies entradas na capital, viudas do
noite, (bollo luar? quando o Dr.jchcfe de po-, interior da provincia, montam cmiil,
licia voltando dum passcio, derigia-su polo | Ksqueceu-mc diter-lhc que MklW-
bocodorfonleiro.ohservou que com lige- do. ...dgita.lo. como.g*"*l%
n.ad6 g.to.um individuo pu^vaj-arajo,,-. tcm *jM iSfSStSWnB
he, de ccrlo, com duas rasdes e meia, que cl-
les adiviuharao quero eu seja! SoilVam pois com
paciencia, as inuocentes victimas do Globo, os
resultados necessrios de taes iuipuiacdes:
por isuo que nao he a primeira vea, que vemos
o justo pagar pelo pecador. Desculpe o raeu
egosmo; antes soll'ram ellee do que eu, j que
o uosso rauudo he tudude engaos. Guarde-me
Vine, segredo. c deixe correr o barco por inl-
nha coma c risco. Adeus.
Parahiba, II dcjulho ii I85J.
Tenbo sido alordoado nesies ltimos das,
ni ii- do que nuoca, pela iusopporlavel classe
do motivo.
Da meia noite para u amanhecer do dia de
liontom foram os ladrfjcs as lojas da praca
da Independencia n. 31 e ng. 37 e 39, esta
pertencente a l'orlo o Companhia, e aquella
a Aprigio Carlos Pessoa de .Mello Saboia, da
primeira roubaram as petas de ouro so-
guintes : 1 barra com 16 oitavas e 18 grSos,
1 resplandor pequeo da imagem do So-
nhor, com 4oitavas menos um quarlo ain-
da por acabar, 1 coroa tambem por acabar
com 3 oitavas, 2 oitavas de ouro em limsia,
1 Carolina de menino e 1 rozeta franceza ;
n da segunia roubaram o valor do 100,000
rs. em calcados, islo conforme deelaram os
proprios logistas.
Logo que me foi communicido este acon-
tecimento, dirig -me as referidas lojas e com
eireito presonciei quetinnam sido arrum-
badas pelo telhado, sendo que immediala-
mo ti le proced a competente vistorla, e fleo
na diligencia de descobrir os autores do
roubo para os fazer prender e punir na for-
ma da le.
O delegado do termo de Goianna commu-
nicou ao Dr. chefe de policia em oflicio de
14 do corrente que no lugar denominado
Guabiraba do dlstriclo de Itamb Manoel
Ignacio de Tal, asstssinara a Miguel Peizo-
to, homem inteiramente invalido, qie nao
andava sem ser seguro a um bonillo, mas
que o assassino havia sido preso e acha-se
recolbido a cadeia daquella cidade para
contra elle se proceder como he dedireiio.
Dos guarde a V. I.ir. Delegacia de poli-
ca do primeiro districto doste termo, 19 de
julho de 1852. lllm. e E*m. Sr. Dr. Fran-
cisco Antonio Rbeiro, presidente da provin-
cia. Antonio Itangel de Torres liandeira,
delegado.
DIARIO DE PKRWOtO:
tro do convento do Carmo por urna das ja
nellas do andar torreo, qua em grande altu-
ra, lancam-io para aquello beco : a estupc-
laufo do Dr. choto do policia foi inmensa :
o para logo, apitando reuniu alguns solda-
dos ; cercou o convento, o dorigindo-se
portara fez ver ao provincial, quo desejava
passar urna revista no mesmoconvonto, pois
acabava de presenciar urna escallada, aqual
muilo bn.ii podiasor obra d'algum ladrSo,
quo nessa oecasiSo devera achar-se encur-
rallado dentro do odificio. O provincial an-
iiuio tal podido, c o convento foi corrido
do cima abaixosemqoe possoa algtima es-
11 inli.i nello so enconlrasse. A veriguado
deboil o negocio
Viagante ora um
sem cliivilla acab
horas de fazor alguma romiria. j importuno do que a mosca, mais impertinente
A ianella por oudo saliia o enlrava o nos-.do queo persevejo, mais intrnduzido do que o
.so fradiiihn.era apenas guarnecida por nina ipiollio, maispcrliuadoque o burro, mais tolo
,'ra le porttil, da qual o Dr. chefd do poli l'lo que o asno, eso comparavel a si mesmo ;
ca fez presente ao BXffl. hispo que passan- portaulo, como desviar, como espantar, como
,. .? nocessarias proviien tas pe ,,o -. -&& *
o provincial a pnsaoem suas resDCCtivasI Fef,xmenM que os actuacs nao sao da classe
.solas, ,le 3 frades indignados, como os Ir- Idos jornalisias, o que seria ainda peor ; mas as- liva aiscmblca provincial tioba sido marcada
ilt:zes dessas nocturnas petinencias. Juro-sim (ncsmo me incommodaiu, me aborrecein, pela presidencia para odia 23 do corrente, de-
l!i" que tal pona, de cerlo niio est em pro- cm qualquer parle emqtie me acbo, sem poder| vcodo vencer cada um dos scus mcrubros o
pnrcSu gravidade do delicio. (appllcar-lhes as disciplinas com que ao exor- subsidio de J^iGO rs diarios.
n| q : i Ismados os pocessos. Le se no Trtze de taio :
1 Em casa, na ra, na praca, no theatro, un o Clicgou esta capital o insigne artista fran-
Mo dia 6. leve com ell'eito lugar o baile que, qualquer parle ero que me acbo, ouco sempre ce/. Mr. t'ilippc Deban, ej nos tein dado duas
deviaser ollerecido ao Exm. Sr. presidente da a|gU, Iliterato de pulto O correspondente noilea deliciosas, representando no theatro Pro-
provincia pelos dous tciicntes-coroncis com- ,ia parahiba he inspido, l'altou a verdade, nao videncia, onde tem sido grande a concurrencia
inandante, do primeiro c segundo balalhcs le leus boin gosto, lo i injusto, peccou contra a de espectadores, c de faci ababilidade do Sr.
guardas naciouacs da capital como ja cima! grammatica, elogiou milito alguein da compa- Dcbarr he digna de ser apreciada, nao s pela
Ih'o annunciei. uhia dramtica sem rao, nao tem boa critica, variade serie de admirareis jogos fautas-
lla muilo tompo, nSo temos Ulna noile. hei'cdro, he Paulo -c oulras quijandas esiul- ticos que aprsenla, mas tambem pela espan-
RE'JIFE 20 DE JULHO DE 1852.
Pelo S. Salvador, entrado boje dos portos do
norte, recebemos gaietas dc/Par com dalia at
3 do crrente, do .".:.: mliau.ate 9e doCeardat
13. \
Ao que coinmuDica o nosso corresponden-
te na primeira das mencionadas provincias, em
sua carta exarada em outro lugar, resta-nos
acrescentar o seguintc :
Tinha-se procedido a eleico de um senador
na provincia do Amazonas e nos collegios da
capital e de Maucs, obtiveram votos osSrs. Fer-
reira Peona 36; J. A. de Miranda 3*; Tenrelro
Arauha I5 arceblapo da Hahia 15; Souta Fran-
co 9 ; Pimenta Magalhaes 1. llavia, porin, cer-
teza deque iriain na Usa trplice os dous pii
mekros senliorcs.
A reunio da primeira legislatura da respec-
lilo anciosamenlo osperada, o l.lo completa
monte gosads como a d'antes de hontem.
Se osla minha correspondencia ja nSo fosse
Uo oslensa, ou de cerlo far-lhu-hia miuu-
ClOU descnpQilo deiSO baile, o mellior tai-
vez, quo a nossa socieda lo niaranlicnseloin
osado.iNelle nada faltn, que niio enrres-
poodesie a Tontada dos Ilustres obseguia-
dores o a nobro pessoa do obsequiado. A
casa aonJe teve lugar csso biilhaulo baile,
i .:u I ao que cm palacio se deu por occaslao
ucias. losa destreza com que se aprsenla.
Par Dio, incus senhores! Encolhaina lingos, i.uin summo prazer noticiamos tambem
aparcm as pennas, e escrevam tambem suas que a estada do Sr. Debarr nesta capital, alean
epistulas correcta!, classicas c erilicas, justas,
ebeias de sal e espirituosas, c dcixcui-mr, dei-
xciu-mc, nao inc alormcnlem com lanta sandi-
ce, que j temo me nao causem alguma apo-
|>le\ia. Sou um pobre vellio. de lettras grossas,
de gusto auligo, de espirito (|iiasi inorto, que
touiei poi desenfado escrever duas niissivas se-
maiiaes, cm que com a minha romba penna
lo recreio, j nos foi de summa utilidade pela
cura inaravllhosa que elle ha operado, c que
nos apressamos a publicar.
Joo da Silva Pinentel, morador na cida-
de de SantarCm desta provincia, tendo sido ae-
coiiunettido de urna oiui violenta dorna cabe-
ca, dcpois de varios remedios, toinou um sudo-
rfico na parte enferma, c por e&sa occasio ten-
do infelizmente apanhado ar, ticou alienado, e
casligasse o vicio, c planlassc, principalmente,
dTwBSVd"o~00>W^ vcuha alguem ajudar- assim pcr.uaneceu por espaco.de um anuo
. ? ...__i_ ..,:...,....<.... ,.i /i... le. app-reca mais alguem, que cudeixarc gos- por ulliino nielhorou da alicnacao, mas perdeu
nador Angelo Moniz na rim,uindc. OsiBOO- ,,; atacada a un. incllior canpelo: cm o uso da falla, Bcando cm completo mutismo
vnlados snhiram o numero dcoOO pessoas; (mau,0 .,0i tenbam anU paciencia, que cu por tempo de (rea aunos, o que ludo sabendo o
sen lo 200 senhoras, n 300 cavalleiros. Una-j j,c dando, apesar de lud os zoilos do man- Sr. Ucbarr, homem pbiiaolroplco( benfico, of-
s todas SS notabilidades da DOSSa SOCeilade do, tpeiar decenos lolrlgantlilubosfe estes lereceu-sc para applicar-lbc choques electrl-
alli coinparoceram sem mesmo exceptuar sao muito peores) que envenenam quanto di- eos, e o fez com tanta fcllcidade, que com tres
S. Esc. Ilvm. quo Com sua presunta quiz g. c vo appica-lo a pessoas a que uo diz res- applicacoes o paciente recobrou a faculdade
"c subido apreco of- pcito, oudiz de una maucira iuuocente, pro- perdida, c ora falla perfeitamente.'!!
Aceite o Sr. cbarr os mui verdicos agra-
ic, em noinc dos bainlanies desta
bulamos, e em nomc da lumia
comarca do Nazareih, a par de oulros re-1 cldo mrito.
paros do igual signiflcacSo ; acantonados,' Arl- } OCollegio recebe pcmionitaa, meio
pois, nessa cidadella. cujas muralhas j se, peniionUtaa, e alumnos externos,
esbo'roarain.o clangor das noss.s troche- [ ^ ZSTSSSSJ^SU
tas, continnam d all a queimar oscorvas, i nlgta, n/ooo ri. e os externo, de ltiro,
somque no decurso de tanto tempo hajam a,j000rs., e dos oulros preparatorios 5000r
feito novas evolucOes, por falta talvez de Art. 6, O Collegio nao droupa lavada, oem
brecha por onde faiam sabir as reliquias do emgomada, e aquelles que a quiterem receber
seu exercito estrompado. Ao vermos, en- delle, pagarao mala 5J000 ri.
tretanto, a comedia visvel que v3o repre- Arl' Os pensionistas terao, regularmente,
sentando estes nossos propagandistas, |em. T'l<. h ou "" P'ct. P l''X?
hramo-no, do pregado qungpunh. o'b.rre-' 5S?tiW&TSfl ^ -
tona borda do pulpito, encarregava-o do me,mo que o almoco: havendo feijoada ai
papel do dinlm, o depois convenca-o i sua I quimas (ciras, e mao de vaca aos domingos,
vontade. Assinj fazem c os nossos cama-; Os meios-pcnslonistas tero o nicsino trata-
radas.' Criam immensos fantasmas na sua, ment aparte que Ibca diz respelto.
imaginacao, verdadeiro deposito de albo- Art. 8. O Colleglo tambem dar luiea de ve
mos faiscantes quechamam thoorlas trans- Pr e,tua ,""e. b>"bo aosalumnoa
cendaes; pejam as descarnadas paginas do ai quartas e sbado,
sen folicolario de grosseiras inexaccOes, do
faclos suppositicios, a de tudo quanto o em-
buste e o soflsma tem de genio, o ei-los,
maneira do hroe de Cervantes, debellando
ni i i ii h ns de vento, ou os artefactos de urna
intelligencis atrofiada
Taes so por va de regra as accusac,0es,
as censuras, os clamores, ou a gritara in-
freoc, que os melros da constituinto n m
cessam de alevanlar contra o illibado pro-
ceder do Exm. presidente da provincia, cujo
systoma de administrac3o, excluindo o em-
pregodo todos os meios que a ras3o repro-
va, assenta nos clculos da mais consuma-
da prudencia, e em todos os bons principios
acceitos pela moral universal, e confirma-
dos pela pratica d'aquelles governos que
soem desenvolver em seus actos todos os
germens da justicia, e que sahem conservar
em sua batanea a recta do equilibrio entre
os seus deveres e os interesses dos povtis.
Heesteojuizo e o merecido conceto que
todos os homens justos e desapaixonados
formam d marcha governaliva do Sr. Ri-
beiro, cojos designios apoiados sinceramen-
te pela inaioi 11 dos Pernambucanos, bao de
arrancar-nos da situac3o dubia e mal assen-
te em que nos temos achado.
Hem se v, pois, que quem assim proce-
de niio poaeria agradar i conspiradores de
patente, homens cujas cabecas vulcanisa-
das querem reduzir a humana sociedade ao
chaos de Ovidio, para lirarem ( dizcm el-
les) desta medonha conlusiio um mundo
mais perfeilo, cujo cmponlio v3o e tres-
loucado i-hainiiii por antifraseregenera-
i8o socialo que nos chamaremos sub-
versSo do todos os elementos constitutivos
de urna boa associacSo; porque he este o
sentido genuino do texto quo elles adopta-
ra m por inscripQSo do sua bandeira :
Mola cun duris, sino pondere, habentia
pondui.
Por mais que revolvamos todos os annaes
do mundo; por mais que os rttpassemos
pela nossa momoria, nSo encontramos na
historia antiga o moderna urna assoeiaflo
estavel de homens, que baja adoptado por
principio fundamental da sua soita o cons-
pirar coutra os legtimos poderes da socie-
dade. P le haver ein um s homem o in-
teresse, a ambicfto, al a vinganca de una
real ou supposta affronta, quo nesto ou n'a-
quelle paiz o tenha ohrigado a robelar-se
contra as leis pode este desojo derebeliSo
o obrigar a chamar a si outros homons para
eogrossar o seu parlidu, eimpelli Jos a en-
trar nas mesillas vistas de conspirarlo. Po-
do haver ainda mais urna reunan de ho-
mens que, descontentes ou ncontestaveis,
Art. 9. As despezas com molestias, e oulras
imprevistas sero por conta dos paes dos alum-
nos.
Art. 10. iNemhum pensionista ou meio pen-
sionista ser conservado no colleglo deixando
de pagar as suas mensalidades, segundo
estabelecido no arl. 5, e bem- assim ser des-
pedido aquello alumno de qual quer classe que
leja, que dentro em tret meses, se mostrar
inapto para o aprendizado, ou de um proce-
dimento reprehensivel e Incorregivel.
Art. II. O allumno, una vez matriculado,
estar sujeito ao pagamento de suas mensa'
ldades, e o collegio nao admitte descont al-
gum sob qual quer pretexto que seja. O inez
prlnciplauo entende-sc vencido para seu paga-
mento.
Art. 12. Cada pensionista trar seu balui
com roupa sumeiente de uso, cama de veoto,
espclbo, pentes e tesnura de unhas, cscova de
dentea e defacto, baca de rosto.
Art. 13. Ncinliuiu pensionista poder aalilr
do colleglo sem previa liceoca do director e
aempre accompaubdo por pessoa de sua con-
lianfa.
Art. 14. O Collegio Irabalhar lodosos das
uteis de manh c tarde.
Art. l. Sao feriados no collegio, alem dos
domingos e das ssutos, os tres das de entru-
do al a quarta tetra de cinza inclusive; de
quarta-felra de trevas at a ultima oltava de
paschoa; e os das 25 da marco, 7 de septem-
bro, e 2 de dezemhro, c de 20 de dezembro al
(> de Janeiro de cada anuo.
Arl. l. Tambem ser feriado o dia '' de
agosto, da de Santo-AQonso, padroclro do
collegio.
Arl. 17. Os alumnos do collegio faro seus
eximes na academia, depols de vencidas as
materias do eusino.
Hecife, 5 de juaho de 1852.
Affonso Jote de Oiieeira.
Em virtudc do arl. 4> do regulamcuto de II
de niaio do auuo pruximo passadu, approvo os
prcscolcs estatutos. Directora geral da ins-
tru eao publica, 12 de julho de is .;,
Miguel do Saeramenl0 Lopes (ana.
Dliectur geral interino da instrueco P.
_ -ti --i.-,r i a~~ ...... ""~ _^Jj'i
COMMERCIO.
ALFANDEGA.
i'.i'ii.i i iiicii do dia I a|19. .
dem do da 20......
.191:453,512
. 8:021,828
199:475,370
lnipoi-tiicu.
Vapor brasileiro S. Salvador, vintlo dos
portos do Morte, consignado a agencia, ma-
nifestou oseguinto :
1 caixa ; a altar cVOliveira.
I fardo ; a Jos Martina Fcrreira.
Biigue escuna brasileiro Graciosa, vindo
do Mamulla.! e Ceara, consignado a Jos
impacientes ouallucinados queiram mudsr: Raptist da Fooseca Jnior, manifestou o
forma do governo estabelecido, comolseguinto :
multas vezesvio-se em Florenrja, naexpul-j 50 paneiros tapioca, 7 barricas alpiste, 2
honrar ossa leal prova d
.. ao Maranbo referimo-oos intei-
nnonia com as sedas,o pedrarias das nos- muilo breve, com a mesma libeidadc com que ramrnie a carta do nosso correspondente, que
: 0 diamanlcs eluminado luz dos candela- quer parte em que se ach, pelo queja tem di- do nada que addcionar-llie.
hros : totl'lo por fundo a negra somba dos ""o. depassagem oseja dito, a boaiiaga. No Cear dcseovolveu-se gravemente a
ivuocfls.o poraiiimacSoomeigo olhar das Paaaeuios ao que mais iulercssa. Afora una febre amarella, na cidade de Sobral, bavendo
..ellas, os Sdoman-e. dos /,*,, n zombete.ro ^^^f ^^^^T^l *ffSS &&&Z&IXSZ
aspecto dos vemos ii.-si lorriiuc copiosa cl,otati0 nada mais me consta que baja oc- o qual, dizia-sc, seria cncarregado pelo gover-
do meloda, que se despenda dos labioso currd contra a seguraufa individual; c nada no do tratamenlo da pobreza, logo que Ihe fos-
dos dodos dos nossos insignes ministros. na qUe diga rcapeito a iranquillidadc publica. sem pedidas providencias.
Para dar-lbo una idea do rogosijo ir,- Nenliuuiaoccorrcocia tcm havido de qual Fallecer no dia 26 do passado o Dr. Manoel
menso, quo prosidio a esta esplendida rou- quer especie, que marcea iiienfSo. Caetanodc Uouveia, segundo lente de en-
11180 basta dizer-lho, que ella durou at Com a noticia de que o Kxm. presidente ia gcnhclros, com 28 para j9 annos de idade.
as 4 til horas da 11 adrucads : tendo-se dan- "'" comecaram os prophetas polticos a im- Em Aqurat foi assassinado um cscravo de
, !,, 1 iiuulriiins -1 vairas e 1 s.-liulsehs provisar. Estes daiu, que elle nao toruava, Joao llaplista c Jlcneses por outro de Antonio
las, 1 van iii ns. 'nnmn liraha sid chamado, c isso Imnonava Lopes, no dia ali do referido mez.
de S. Exc.. e como aoinos justos desejaremos
sempre ler que cominemorar actos seme-
Ihautes.
Sr. Fedegoso,
Illa pretexto de
madrugada ; tendo-se dan- c"c comecaram o prophetas polticos a un-
as, 2 valcaa e 1 schotschs. provisar. lisies duinu, que elle nao loruava,
., ^ '"'v ..I noruuc nnha sido chamado, e isso Importara
iiiinanmniw que ostevo de urna es- uma'aeillisslo poltica aquellas, que elle des-
funlosa prolusSo, houveram varios brindes, go,,o,0 procurarla outra presidencia; quol ca- Capital Consta-nos que S. Exc. ordena-
os quaes foram saudados com msica, hiir- pin, M Wtttnllai. Creio que cstaro todos des- raque a alfandega nao consentisse que o ser-
rus do estyllo, o uma graudo quantidadede aponlados, se lie que prophclas polillcos leem vico da capatatia se lizesse por escravos, esim
logeles, que no espaco echoaram os gritos dcsapontamciiio quando inenteui, agora, que por braco livre. Louvamos csse procedmento
do enthusiasmo, sollos pela mmetisa mol- 111c parece que S. Exc. novaiuiais.
lidio dos convivas. O primeiro brindo foi,' Muitos dos ditoi prophclas annunciavam a
pelo Exm. Sr. presdanlo da provincia, feito lemiiso de S. Exc. nicamente pelo gosto de
ill \l .1 lmm.ra.inr n a ma anala ramilla novidade, porque, como sabe, o gosto francez Jnnmnuui. Consta que
a S. M. o imperador o a sua augusta lamina, ^ lnnulu|ail0 ncsla provincia, mxime 110 preso nacadeia daquella vlll
00 segundo parti do commendador Do-. d|7 rc5pcUo a c,opr,.gos pblicos. Reli- ser criminoso na comarca de Jacobina, tendo
mingos do Silva Porto ao Exm. presidenta ra.lc qUC quero entrar -be a divisa de quas| apresentado folha corrida daquelle lugar, e
da provincia : o 3." foi do S. Ex"., feito aos todas as baudeiras. nao tendo o delegado querido faser-lhe justi-
dous teuentes coronis commaildautes do 1 Um con liceo eu, que na chegada do vapor do 9a, suicidara-sc, dando-se varias puuhaladas,
11 J". batalhSo da G. N. da capital ; O 4, foi sul, ouvindo dizer, que vinha presidente, nao do que todava nao llulia aiuda morrldo.
dirigido pelo Sr. canitSo Almeida ao Exm, curou mais saber para onde, c sahlo para a ra -- Do Rio Glande do Norte sabemos porcar-
Sr enmmanilantn uiiprliir SsA?l? Si.ninia lr>'B, Bl. iWente. Ha .erdade, dise-lhe um, mas nos de Carvalho tomara posie da presidencia no dia
oa. uosr. u. rranciscoas. t,x. o or. dis- ic9UU10s |la para|,iUJ, c 0 presidente he do Ro 11 do crreme, permanecendo aluda all, au-
po Diocesano. 'Grande. t,>ucdii?! Relorquioelle, ora sempre hidado presente vapor, o seu antecessor; c
Duas bandas do msica militar, postadas penjava que tiveuemoi essa uovidadel bem assim, que acamara municipal supplcn-
a eutrada do edificio, o uma ctcellonte :--. c a estima, v para o Rio Grande, tornou- te da capital, na apuraco que fez da eleico
diestra na sala de ospera, innundavam con- Ihe o outro; j que tanto gosta de administra- para dcpuiado, expedir o diploma ao Dr. Oc-
liiiuamente em doces torrentes de harmo-; dores. Nao, dlsse elle, Dao val a pena; nao es- taviauo C. II da Cmara, o qual segu agora
na, a mull I3oenormodos convidados, quedamos mal servidosl mesmo para a corle, ccom elle o Sr. Joao tar-
so aiiinhavam nm Indo n i-snaru do uuatro E enlo, digo cu, nao vamos bem, com taes os Wanderlei, que vai munido de documentos
.las rlnciwe o olras aufecnte? ho':'" P'"ica/ fmtte clle he U1" '""'"- cln conlrario dIue,1l d,'rci"0 V"!"",0,ft-
saiUS principies, c ouiiasauaccnu..___ ,de mo chei. slva do direiti, que Ihe foi conferido pela dlla
No intorvallo da quinta para sexta con-, v5o p0o por |l0jc ,et mai9 (1(cn)0, porquc cicicao.______________________________
me falla materia, e bem sabe, que sem ella uo
lradsnc.a. a Exm.Sr. Il.lgnoz Cuuha, em ob-
sequio ao Exm. Sr. presidente, caolou uma
diHcullosa aria da Souambula, acompanha-
da pela orchestra Esta Senhora possuo uma
las molhores vozrs, que entro nos conta-
mos, e satisfez completamente a chusma
dos diletanle, quo da boca aberts, a mu-
nv3o a facillidade co n quo ella percorria
as passageus mais difliceis d'um dos cliofes-
d'obra de Uellini.
Para aquelles, que conhocom o genio e o
apurado gosto dos dous lenles coronis,
p iderao fazor idea do como n3o estara
completa essa reunilo verdadeiro baile
aristocrata-SSo dignos dells, como do im-
portante ohjectO a que foi dedicado.
Iloulem pelas II c roela da manha, chegou
o vapor S. Salvador proveniente do Para ; tra-
scuelo a seu bordo o Exm. Sr. Tcnrciro Arauha
c o Dr. Paea de Souza, que vo tomar asiento
naanembla legislativa como membros, que
della io. Neite vapor legue tambem para o
uiezes de licensa, o Dr. Joao de
Commuiiicadu.
he possivel lser obra. Saudc, patacos, e
quanto estima, Ihe desejo.
1N. It.--Esquccia-me diser-lhe, que no dia Temos por coslume ajuizar_da juslica ou
10 foiasceuao drama Otdoui arrenegadoi -; mus ira de uma causa pela le tura dos pro
. ... t,______. J------................ 1 .1 ......... ...i '. > ....________r___1>...___..___
e, com licenca de quem competir, dirc que fot
mu bem executado. A Sra. D. Carolihda, os
Srs. < ostu, Icllcs, Mello, Guimarcs, cumque
uo conheco, mas que desempenhou^o papeldc
piesidcutc do tribunal da inqulsijao, estive-
.aiii Impagavcis.
PERNAMBUCT
varas dos jurisperitos ou jurisconsultos, ou
como mclbor nomo tenhaiu nas apostillas
da ii'i-si academia; mas cm vendo quo o
cujacio ombrulha muilo ou embrulha
tudo, subilo concluimos das suas embru-
lliarn-'s que a causa manqueja ; porque
quando a justiQa he patento, basta uma
simples expsito do fado para a verda-
de se conhecer em todo o seu fulgor.
1 Esta regra, que he infallivel nas chicanices
do foro, he tambem a quo nos legula em os
nossos juizos e raciocinios a rospeilo da mo-
lit'parlii'do da polica.
DIA 19 DE JULHO.
lllm. e Exm. Sr.-Das parles hontem e ho-i ralidad do grupo poltico ou impoltico,
jo recebidas nesta dolegacia consta teroni| que ruge no meio de nos.
sido presos ; minha orJem, Antonio Fran- | Em passando pela vista qualquer numero
cisco Gomes Pereira, por achar-se pronun- do periodioo, que forma nesta provincia a
S?;.2on o Snct^j smuo'lcip^e dTeg -c do Ta orde, do subdolegado da freguezia | v.ngu.rd. das idelas do progresso atrope.-
,mrr ?.'.,ai de S. Fre Pedro Concalws, Domingos de hado, quena signi(lc.c3o larga da pslayra
S Ex o Sr.'presidente foi hoje obsequiado'r.minao, Francisco Carduzo da Fonseca, quer dizer delirio ou redicula especulado,
plendldo banquete dado pelo lllm.' n.ymundu Jos de Lima o Miguel Joaqun conhecemos logo que a sua cansa he ma, e
-mi um eiplendldo .
teuente coronel Joi Joaqun)
Teixelra
Vlelra Beslord.no qual compareceram mn'"inio~eriV'0. SBm declararjSo do motivo,,
tu peisoas de .lestlaco notando se entre el-, ,, subdelegado da freguezia de San-
las, o Dr. chefe de polica, o commandaMe da ordin 1.k i k M..uBlaro, por cotl-
di visti do Norte, eos dous tenentes coronis, tu Antonio, w"""" r
e
e de Turto, e Anto- I que os seus defensores vivem por ah a fa-
I zer cordas de ari na superficie de um oeea-
- : 110 agitado.
Desde que esses patriotas do rdante zelo
s.lo c no chamamento dos SlJics; pode fi-
nalmente haver grandes abales ua orden)
social, como cffeciivaincnte totn havido em
diversos paizes da Europa, qurem pocas
mais affsstadas, quer nas contemporneas;
mas tambem a verdado he que todas as con-
vulsOes nSo leem tomado um carador de
permanencia; >3o meteoros que fulgen) e
passam; s3o tentativas que licam no sou
mallogro;s3o especulaces malaventura-
das quo refogoo) ante o negro painel da re-
incidencia, e que se coupungem das cha-
gas quo abrirn no seioda patria, n3o len-
teando-as de novo, maneira da sevandija
importuna quo n3o cessa de esvoarjar sobre
o cancro que visa. Entretanto, com pozar
o durillos, so o que ainda ninguem deseo-
lo 10 mu moral o em poltica be o que us
presonciamos no bando quo imbicou com as
instiluirjues do nosso paiz !
I > po::: de frurem, por espado de 5 anno,
os provenios do pouer puuiieo, OOIE iori i-
vel devastarlo de ludo quanto de justo, so-
lido o honesto existia 110 Brasil, foram ex-
pedidos da cpula da corrupcao pela sabe-
dona do monarcha, quo por ultimo so con-
vencen de que cercava-se de abutres, em
vez de servidores fiis e zelosos da prospe-
ridade nacional. Dado esso passo, sem duvi-
da O mais digno da sollictudc e amor da-
quelle, que tem em suas mos o rgimen
dos povos, cis os bons monarchistas da ves-
pera derramados nas vas da insurrei(3o, n5o
contra o Imperador smenlo, mas sim con-
tra toda a o-ganisasao social, cujas perfei-
c,0ese manilicencias aiuda ha pouco eleva-
vam at as estrellas !
Para logo, trocam as fardas bordadas, as
a selvageria : mortes, ssassinatos em mas-
sa, singue em jorro, desracs sobre des-
granas juncr/So o solo da patria, mas a patria
vence o coila a torrente d anarchia. Ha urna
tregua, ha mais, ha perddes, ha amnistas,
ha contemplacOes, ha tudo quanto um go-
' prodigalisar em favor
caixas lirros, 10 saccas ospccianas ; aos
consignatarios.
1 caixa mudezas : a Pommateau.
2 caixas pelucia ; a L. Bruguiro.
23 fardos ionios dealgod3o; a Desne
Youl rv Companhia.
1 caixa ditos; a Foidol Pinto 6 Com-
panhia.
6 caixas pellos preparadas ; a Manoel Joa-
quitn Ramos e Silva
1107 saccas arroz, UO ditas cjim, 152 pa-
neiros fejo, 1 alqueiro fariiiha d'agua, I
fardo uma rede, 3 rolas de ferro para en-
genho, I pet;a do dito dilo, 20 paneiros ta-
pioca ; a ordem.
CONSULADOGERAL.
Rendimonto do dia 1 a 19.. .
dem do dia 20.......
27:592,253
123,258
Quacetma Trrelo Jnior, Dr. Manool Ga-
briel da Carvalho, Adolpho Cabral Rapo,
zo da Cmara, Antonio de Souza o Silva,
0 criminoso de morte Jos Harinbo de Fa-
ria, e escravos a entregar ; para o Uin
de Janeiro ,'ns depuUdos Joo Biptisli
Figueiredo Tenrelro Aranha, e 1 escravo,
Dr. Eduardo Olimpio Machado, e 1 criado,
e o Dr. JoSo Lourenco Paes de Souza, eom
1 criado e 1 escravo, Dr. JoSo de Carvalho
Fernindes Vieira, e 1 escravo, Dr. j00
Carlos Wanderley, Dr. Octaviano Cabral
Rapozo da Cmara, JoSo Farreira Lima,
O.Mana Lucia da Silva HopheminD.l cria,
da com 1 filha menor e I escrava, Agosti.
nho da Silva Pinto, Francisco Correia di
Conc-icSo, soldado particular Marcellino
11 ilioro Barboza, 1 cabo, II pracas parto
exercito e 62 escravos a entregar.
Rio de Janeiro 18 das, galeota brasilea
Santissima Ti nielado de 223 toneladas,
capitln Joaquim Goncalves Uaia, eqaipa-
gem II, carga plvora e armamento para
o governo, e varios gneros; a Francisco
Alvos da Gunha & Companhia.
Buenos-Ayres 22dias, polaca hespaohoU
Madrona de 136 toneladas, capilSo Roque
Alcina, equipagem 11, carga carne secca;
a Bailar & Oliveira.
Navios sahidos no mesmo da.
Philadelphia hiate americano W. W. Ful-
ton, capilSo Welleam Joline, oarga Isla-
car.
MaranhSo -- vapor de guerra brasileiro Gol
linlio commandanlc o capitSo-tcnento
Antonio Carlos Figueira de Figueiretlo
EDITAES.
O doutor Jos Rsymundo da Costa Menezes,
juiz municipal supplenteda segunda vais
o do commercio nesla cidade do Recife de
Pernambuco por S M. I. e C. oStnhorD.
Pedro II que Dos guarde, etc.
Facn sabor aos que o presente edital vi-
ren), que no dia II de agosto prximo se-
guintc, na casa das audiencias, depois do
meio dia, se ha de arrematar em praca pu-
blica, por venda, um terreno na nova Iri-
vessa que segu da ruada Soledade parai
estrada da Eslancia.com 32 palmos de fren-
te e 425 ditos do fundo, ch3os proprios, ava-
hado por 240,000 rs., penhorado a Jos Ans-
cleto da Silva, por execujSo do Manoel Fon-
seca de Mcdeiros.
E para que chegue a noticia de todos msip
dei passar o presente edital, e dous do mes-
mo loor que serio afiliados na pra$a do
commercio e casa das audiencias, o palm-
eado pela imprensa.
Dado e passado nosla cidade do Recife do
Pernambuco aos 20 de julho de 1852.Eu
Manoel Joaquim llaplista, escrivSo interino
o esc revi.
Jos Raymundo da Costa Monczes.
O lllm. Sr. inspector da Ihesourariadi
fazenda provincial, em virtudeda resoluc>
do tribunal administrativo de 15 do crran-
te, m.Hiila fazer publico, que nas sesgue*
seguintes do mesmo tribunal, que sSo ms
quintas-feiras, continuarSo as pracas dos
contratos de obras publicas abaixo decla-
rados :
ConclusSo da parto da casa do detengan,
constante do raio do norte, casa central da
inspeccSo geral o casa da administrico,
avaliada om 70 000,000 rs.
Ponte da Passagem da Magdalena, avalia-
da cm 24:880,810 rs., tomando-se por baso
d'arrcmatacSo o offerecimento feito pelo
licitante Jos Goncalves da Porciuncula, de
2 por cento.
As arrematarles sorSo foitas na forma dos
arts. 21 e27 da iei provincial n. 286 de 17
de maio do 1851, e sob as clausulas espo-
ciacs j anunciadas. .
E para constar se man Ion alixar o presen-
te, o publicar pelo Diario.
Secretarla da thosouraria da fazenda pro-
vincial de Pernambuco 16 do julho de 1851
Osecrolario, Antonio Francisco d'Annun-
ciacSo.
Declara^es.
DIVERSAS PtlVioiCiAS
Rcndimentododia 1 a 19 .
Munido dia20......
I -i \ |H'l!ot.;iil.
CORREIO GERAL.
i As malas que deve conduzir o vapor A'.
Salvad*, para os portos do Sul, principism-
so a fechar hoje (21) a 1 uma hora da farde,
e dcpis dessa hora al o momento de fe-
char, reeebe-se correspondencias com o
porto duplo : os jornacs dever.lo achar-sa
po corrcio 4 horas antes.
O arsenal de marinhaadmittoseis pri-
nieinis ofliciaes de carpina, peritos no seu
trahalho, assim como oito canteiros ou cn-
teos ; os individuos quo esliverem nests
circumstancias comparecam na secretirn
para tratarem com o senbor inspector.
O arsenal do marinha compra mil al-
nnnir. .!.- nal prela de llamara, a, pOtOS do
lado da maro grande em uma das rampas du
1:129,350 mes(rl0 arsenal, duzeotas folhasdecobredo
25,912 furro je dozoito oncas, dez arrobas detula
"::"""" da Bahia.dez arrobas de algodJu em rama,
|.lM,soa enQ0 e segunda sorte, e quatro canoas cm
"'estado perfeilo.que possam pegar cada uma
' na carga de dez toneladas inglezas para
27:715,511
MiranhJo, brigue escuna brasileiro Dou- ml|9 send0 e9t,9 construid8S de madeira do
I lOil Innn1i.li* mi n.lnf i M 1% JiIrVIltnl ___l >.*..___
do chumbo, 9 caixas latas desardinhas e or- no ^ 23 do correnie ao meio dia, derenJo
vilhas, 70 arrobas de gesso, 5 latas agoa- M c,noa9 serem aposentadas em frente do
raz 2 saceos de farellos, 2 caixas chapos de arsen| alim ne sorem examinadas,
sol, 1 dita pilulasde Parr, barril presun- A,im|listras3o du pairmonio dosorph3o>.
Perante a administracSo do patrimonio
arrematar a quem
que precisa o
s em 287,680
trigo, 57 rardos e40 rolos rumo, 150 saccas "oVVpdwro, e em'451,580 rs. os de
calT, 3 caixoes charutos, 12 caixas rape, 1 v qm s prpozerein a
dita espan.dores. 80 barriquiuhas eom 34. arrePmat,r jitos concerlos, poderlo com.a-
arrobas do assucar. 3 caixas, caixes de ,, 9e8s0es da mestIla adnn-
doce, 1 dito lio de algodSo.100 caixas sabSo, r d| 22 u0 Dto mez as I
1 macaco do rodisio, 12 pegas de ferro ma- da tarde
chinisino para engcnbos, 12 ditas para car- j. ger3o ,tmbem arrDmntadas
tos, 45 ditas loocinho do Lisboa, 20ancore-
nas matlas de Agoa-Preta do pcnd3o realca- RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
Os descontos da semana que decorre e
do!.. Novas desventuras chbvem sobre a' RAES DE PERNAMBUCO. 19 a 24 de julho, s3o os de seis por; cento
provincia Armamentos de tropas, despon-; Rendimento do dia 20.....483,271 atino para as letras a vencer ateo hm do ou-
dios do dinbeiros pblicos, levas do povo,
lagrimas de familias e de todos os horro-
res emfim da guerra civil Triumpha a le-
galade.extinguio-se a segunda revolta !
Prcndo-so gctile, processa-so gente, e no
cabo desso cortejo de formulas, l deslisa-se
das dadivosas mSos do mouaicha um novo
decreto de esquecimeulo dos aggravos rece-
Indos, o vio os homens para suas casas. Para
suas casas i Enganamo-nos ; v.lo para as ty-
pographins arruinadas, e em vez de sauda-
retn a mage.'tade do principemagnnimo,
recomegamas hostilidades contra o seu go-
verno, contra os seus liis amigos, contra as
instituicesjuradns, o contra tudo que nfio
glila -- abaixo o throno, viva a consti-
tuirle .'
Onde ja se vio tanta obstina;3o ?
U mundo, o paiz, o a posteridade que res-
pondan!...
O Canco do Capitolio.
Publicado a pedido.
ESTATUTOS
I)., rolleui" Santo Affonio.
Dirigido pelo abaixo assignado proiessor jubi-
CONSULADO PROVINCIAL. lubrol e para as a vencer at seis mezes do
Rendimonto do dia 20.....528,108 oito por cenlo ao anno.
Companhia de Uebcribe.
A adminiilraclo da companhia do II
quim Salom Ramos de Azevedo, equipa- bairros da cidade ; as quaes 'JL'J
gen. 31. Traz a seu borlo : para esta pro- treges em carta fechaos no_ _oripi<"
viuda, Joaquim Giudino Alves da Silva companhia aleo ultimo do corrente mi,
primoiro lente Jos Joaquim de Bar- xar-se-ha o contrato no da que sera
ciado no principio do mez luiuro.
O director, JoSo Pinlo do Lomos.
Barros: os naufragados do brigue brasi- _- tmrt srti
leiro Pensativo, que naufragou no canal REAL COMPANHIA DE PAQUETES l.NOLtZti.
do S. Roque, capilSo Joaquim Uiptista
dos Santos, marinheiros Pedro, Raymun-
do, e Luir, mo?o, escravos de narjSo, Jos
Ignacio da Silva, Benjamin Frsnklim de O-
liveira Mello, Antonio Marques de Albu-
querque, Jos de Azeved
eir de Azevedo, Biaz F<
ubeiro, Jos de Souza e
A VAPOR.
No dia 21 desle mez, espera-
se do Sul, o vapor Severa ,
.Marques ueAinu-, ^'^k^^kM Huml uopv "=
ido Silva, Julo Vi- costume seguir para os portos da tui r
r'erreir* Maciel Pi-'para passageiros, trata-so em casa oa >
i Silva, Dr. Bazilio [cia, na ra do Trapiche Novo n. ?-.
commsndante Cliapman
qual depois da ueniora
I**


.
"
.
.. Pela segunda scelo di mesa do con-
sulado provincial se faz publico, que do da
,', j correle mez so principia a cobrar o
rnposlo soas-ardenlos de produccao araaileira do
segundo semeslro do anno lluancelro de
1851 a 1852.
I'ublicaces litterarias.

ELEMENTOS.
DE
HOMEOPATOIAi
* SMllO K LUZ A 3.' E ULTIMA PAUTE
* desta obra com posta pelo professor de
I* homopathia Gosset Itimont Gustara
* 3/000 a obra inloira at 30 de junho,
* clia em que licar encerrada a assig-
m natura. Esta obra he til, tanto para
* os meilicos que se dedicaren! ao es-
* luilo da nuva medicina, como para
i todas as pessoas de boa vontade que
quizorem convencor-se porexperien- 0
J> oias da vunlade Jesta doulrina, por *
a serellarauito clara.ea intelligencia
do todos,
No consultorio homeopalhico ra *
S dssCruzesn.28. _______9
?**Sfl>
Aviso maritituos.
Para o Rio de Janeiro sahe
com a maior brevidade possivel ,
o patacho nacioml Valente, ca-
nilao Francisco Nicolao de Arau-
jo : para carga, passageiros e es-
clavos a Irete, tra,ta-se com o mes -
mo capitao, na praca do Commer-
cio, on com os consignatarios No-
vaes Se Companhia na rua do
Trapichen. 34-
Para o Rio de Janeiro sahe
com a mior brevidade possivel, o
brigue nacional Rio Ave, capitao
Elias Jos Alves: para carga, pas-
sageiros e escravos a fretc, trata-
se com o mesmo capitao, na praca
do Commercio, ou com os con-
signatarios Novaes & Companhia,
na rua do Trapichen. 34-
Navios a carga.
Para o Rio de Janeiro .ahe por estes dias
patacho brasilciro Bolla-Annita, capilo
cipio ao inventario do seu casal pelo falle-
cimentode sua mulber D. Leopoldina Emi-
lia de Horaes Cisneiro, no juizo de orphSos
desta cidade, avisa a todos os seus oradores
para que comparefam no mesmo jaizo jus-
tificar seus crditos, aoi de na partilha se
separaren] bens para o seu pagamento.-Luiz
Pires Ferreira.
- Eu abaixo assignado declaro que ven-
d o meu armazem do carne secca^ito na
rua da Praia n, 7*, ao Sr. Joo SimOesda
Costa, por conta doqual osla correndo des-
de o t. de Janeiro do corrente anno; assim
como supponho nada dever a esta praca tran
saches relativas ao dito armazem ; porem se
acaso alguem so julgar meu rredor podar
apresentar suas comas no praso de 8 dias
para seren conreridas e pagas. Assim como
pesso aos meus devedores tanto do mato co-
mo da praca, vonham satisfazer seus dbi-
tos em dito armazem que o mesmo Sr. Si-
mfles Iho passar recibo.8ernardo GoD(al-
vesMaya.
Manoel Jos da Costa Olivcira para res-
pondor ao insolente e adulador aulor do
annuncio sabido nos Diarios de 19 e 20 do
corrente, sendo que tenba vergonha, preci-
sa primeiramente que tire a mascara para
se Ihe responder|como merece, em attenco
ao publico faz ver que seu ox caixeiro Ma-
uool fui despedido da fabrica de charutos
por receber varios dinheiros sem dar entra-
da, porem nada Ihe licou devendo, e sobre
30,000 rs., que o calumniador diz que Coi
chamado a juizo pelos Srs. Mearon &Com-
panbia.segunda mentira como se prova no
recibo abaizo.
Hecebi do Sr. Manoel Jos da Costa livei
ra a quantia de 30,000 rs., importe de 30
libras de rap areia preta saldo de cootas a-
tc boje. Hecife 15 de Julho do 1852.
Rs. 30f000 P. Meu'on & Companbia.
Jos Martina Dias.
Urna pessoa rosidento em um primeiro
andar, no melbor local da rua estreita do
Itozano, com duas salas, alcova o quinto,
quintal e boa cacimba, pagando 12,000 rs.
mensaes, troca esta moradia por urna casa
terrea, na Camboa do Carino, pateo do di-
to, principio da rua da llortas e rua das Cru-
zes, cuja casa lenha quintal e cacimba, e
niio exceda o seu aluguel de 10,000 rs. : a
quemeoovier este negocio, anuuncie.
UITerece-se uina ama, para urna casa Je
pouca familia, para cosmhar : queni do seu
prestimo so quizer ulilisar dirija-so ao
becco das CreouUs n. 5.
__ O cautclista Salustiano de
Aquino Ferreira, avisa ao respei-
tavel publico, que vendeu em vi-
gsimos o premio de 10*000,000
de rs.,emo n.ia66 da loteria a fa-
vor do hospital de S. Pedro de Al-
cantara da cidade de Goyaz, e pa-
em continente logo que receber
as listas que deve hoje chegar
pelo vapor da companhia brasilei-
1
Na rua da Assurapc.no n. 16,enfla-se ro- lulidaDoulrina da Bicola HtmeopalMca do
zariosa 60 rs. a duzia.
O annuncio pela repartido da polica
lado de 10 do corrente,insorido no Diario
de Pernambuco desegunda-feira 19 do mes-
mo mez, relativo a prisSo de Ignacio Jos da
Silva por crime de reduzirt escravidSn pes-
soa livre, n.lo se entende com Ignacio Jos
da Silva, estabelecido com loja de fazendas,
na rua do Crespo desta cidade.
-- Quem precisar de urna ama com muito
bom leite, dirijase a rua de Santa Rita n.
88, que se dir quem quer,
Aluga-se um excellentC muloquo para
casa estrangeira, o qual sabe bem servir e
preparar urna mesa, entende de bolieiro, e
qualquer outro servido que se Ihe mande
fazerdesempenba sstisfaloriamcute.lio mui-
to Hele humilde : quem o pretender dirja-
se a rua do Vigario n. 20, segundo andar.
Alugueis.
Est para arrendar-sc o ar-
mazem da casa da rua do Ti a pi-
che n. i4 trata-se no escriptorio
no primeiro andar da mesma.
Loja de cutileiro e armeiro.
Pommaleau,no alorro da Boa-Vista n. 16,
participa a seus freguezes, que resolveu-se
nSo sahir para a franca e coutiuuar seus
negocios; alm dislo previne que est para
receber um grando sorlimcnlo do objectos
aperfeicoados e do rnclhor gosto possivel,
dos quaes elle afllanca a boa qualidade.
MMiiMt^^ quejando, e com suicas finas a
Jos Ignacio Per.wa, morador no f) m e COllipridas, multo falto do *J
lugar doaloge.iro, declara pelo pre- J (lPn|p X ipln na mln,||... M
sent, que londo fallecido seu irmflo tj entes, so tem na mandiDu-
Antonio Francisco l'ereira, morador u aj la superior um dente canino, 4
na barra de Natuba; roga as pessoas | \ a> elos cajje||u,|0s con, ,|_
que tiverom letras ou outros quaes #Ji r
' *:' guns cabellos brancos, tanto
RIO DE JANEIRO, pelo DR. MURE. Este vo-
lunte ser augmentado da Thtoria da appli-
cacSo das dozei pelo Dr. Mure, lacuna im-
portantsima deixada por Hahnemam ao
cuidado dos seus discpulos. Recobem se
assignaluras a 3,000 rs. pagos na occasido
da entrega, no consultorio do prof. bomeo-
pailia Gosset Bimoui, rua das Cruzes n. 28.
Dos isp5e.
Acaba de chegar do Rio de Janeiro, tradu-
zido em portuguez, o excellente romance de
Alexandre Humus,que tom por titulo, Daos
HispSe, vende-se na livraiia da praQa da in-
dependencia ii. t M, a 8,000 rs. constando
de 6 voluntes.
*Si*J?*^ oW*i^?rS**P "j"8? 59 9 w*r
No da 20 de junho do cor- 9
rente anno, desappareceu do ^
fe sitio das rozeiras, domajor #
* Joaquim Elias de Moura
i defronte da capelia do Ro- i
J| zarinho, o seu escravo creou- 2
# lo, mestre pedreiro, de no- 4
? me Silvano, com os signaes |
t seguintes: estatura regu- fe lar secco do corpo bem jj
preto,cabe9a pequea, olhos ,
vivos, pouca barba, j bran-
da munheca, proveniente de feri-
mento d'arma de fogo, e tem todos
os costumes e fala do mato. Este
cabra foi turtado em i833, e an-
dou pelo sertao em varios lugares
como los.seni ltiacho do Mangue,
Brejo de Rananeiras e Catle at
i85a, em queveio para esta cida-
de para o poder de seu senhor o
abaixo assiguado; roga-se por-
tento as autoridades poiiciaes e ca-
pitaes de campo a captura do mes-
mo, e mandar entregar na rua dos
l'iies na Roa-Vistan. a8, que se
recompensar generosamente.
Manoel Joaquim Carneiro Leal.
Compras.

Manoel Jos de Senna Nartins; recebo pas- ra ou pe|0 vapor inglez Scvern ;
s-icciros e esrravos a Irete: trata-se na rua I '. ______ ,i
dnTrapiche ... 14, p.iaieiroandar, ou com;os premios sao pagos, na praca da
o capitao na pra?a. 'independencia n. i3 e l5, loja de
- Para Lisboa sahe no primeiro de agosto i *,,, na rua Ja
0 brigue portuguez Laia de que he c.pitso aleado do Arantes e na rua ua
Jos de Abreu; para o rosto da carga ou pas- Ladea do KeClle n. 40, loja de
sagoiros, trata-se com o mesmo capitao na mudczas e J0S Fortunato dos
praca ou abordo, ou com os seus consigna-, ut""' M
arios. i Santos Porto.
- Para o Aracaty segu em poucos dias o' Tomem nota para n5o esquecer.
hiate Ligeiro; para o resto da carga trata-se ( por ft,u do cravos n3o so dojxa lie casar,
na rua do Vigario n. i mae tres dias antes os devo encoinmondar
Para a Baha na casa n. O da Soledade ; e podo encontrar
Sahe com a presteza do costumo a velei- tambem bonitos ps do sapotll nara pla-
a ej bem condecida escuna brasilciraAdo- tar.
luje : quem nella quizer carregar, queira .-Offercce-seum homem som familia pa-
dirigir-se a rua da Cadeia do Recite n. 23, ra ensinar meninos ou ser caixeiro, e mes-
"u a do Trapiche Novo n. 16, segundo an- mo feitor om qualquer engonho, por mais
d,r- distante que seja desta praca ; o pessoa que
Pnrn o Rio de Janeiro de seu prestimo se quizer ulilisar, dirija-se
I ara o mo de Janeiro. a r ^ praj|i do (.^(lereirj casa d0 ,,orta
O brigue escuna nacional Ulin- ojanella, junto ao cirurgiSo Miguel Folelo
da, capitSo Manoel M. Ferreira da silva.
' ... Esla justa a_compra da casa n. *, sita
segu para o KIO de Janeiro, com na rua da Alegra, com o sonnor Francisco
mulla brevidade, por ter a maior Ribcirode Brito: se ha alguv embaraco a
, mesma. "oparuca por osle Diario no praso
parte do seu carregamento enga- do ,,,,% nvd0IHos quaes ser paasada a
i .id it : para o resto e escravos a escriptura.
I'rrte Irata-se rom os consicnata- Um moco brasileiro de bol conducta,
irete, irata-se com os consgnala- quo sabe bem |er> 0SCri.Ver c contar.por nSo
1 ios Machado & Pinheiro, na rua adiar em que se empregue, so oll'erece gra-
lo Vigario n. in, segundo andar, tuitamentu pan caixeiro de q*Jqu
o ?' b ,' de commercio ateo lempo quo so conven-
ou com O capilao na piara do clonar, o qual se preciso fr dar contioci-
menlo do sua conducta e capacidado : quem
deseo prestimo so quizer ulilisar anuuncie
quer documentos, assignados pelo j
dito seu irmSo, que hajam de deca- ||
i rar por cstt folha e rooietlorom os o- m
; rgiuaes ou publica forma, para o di- g
| lo lugar do Mogeiro, para serem in- g
cluidos no inventario, que se est *
procedondo do dito fallecido.
-- Roga-se ao Rvm. Sr. I. C. O. P. B., que
morou na villa de Porto Alegre da provin-
cia do Rio Grande do Norte, e agora mora
nesta provincia, mande pagara divida quo
S. S oonlrahioua dita villa no da 20 de ou
fe trabalha com a mo direita, *
lar* 4
e, como com a esquerda, com
i
a qual tuca viola; pernas fi-
^ as, com urna cicatriz ver-
* melba na canda e outra no
peito do p da outra perna ,
V levou calca c jaqueta brinca,
e um bonet branco de ca-
bello e palla; tem sido vis-
tubro de 1845, consta de umii obrigaco 9 j c p t jj
pertencente a D. II. O., da cidade do Natal, r W
Vista : quem o pegar,
pe....
em cujo poder existe o mencionado creiiilo.
- J. H. Gamsly embarca para Europa'os
seus douslilhos menores Fernando Gamsly
o Frederico Gamsly subditos suissos.
~ Deseja-se alugar um prelo fiel, anda
que idoso, para servico de ostribara : na
rua do Trapiche Novo n. 16.
-- Precisa-se de una ama forra para urna
casa estrangeira do pouca familia: na rua
da Aurora u. 8, segundo andar.
O ti
dio der noticia certa, v ao
que

fe dito sitio, que sera recom-
fe j -iid
.;, pensado cout generosidade. ^
Passa portes.
Tirarr.-so passaportus para dentroe fura
do imperio, assim como folhas corridas, o
Prccisa-se alugar um primeiro andar, titulo de residencia, c despacham-se escra-
quotenlia boa sala de frente, anda que seja vos ; ludo com umita piomptido, e cora-
da poucoscommodos no interior, na rua do modo preco : na rua estroitu do Rozarlo so-
Collegio, Queimado, Rozario, Livramenlo, brado n. 28, soguudo andar,
ou das Cruzes: na rua do Queimado, loja n. ^'ayM0MI|WH|aJ|af Uitf WyyVV$!V
Botica homopathica.
28 RUA DAS CRUZES 28,
14 se dir. .,.
-- Otenente encarrogado da modicao n ^
dr:i nrrae.ln dos terrenos de marinha, con- ^
vida an senhor Manoel Alves Guerra Jnior, ./>
para comparecer na casa de sua residencia, ..^ Ihrtgidapnrvm pharmactutico
na rua Direita n. 78, alim deso Ihe marcar y- appravado.
o dia.em que tem de assistr a medicSo do & Esteestabelecmento possue todos
terreno, que Iho foi c incodido por alora- = os medicamentos at agora esperi- J
ment, no bairro da lloa-Vista, cmfrcntooo 9 montados, tanto na Europa como no
quartel do Hospicio. J Brasil, e preparados polas machinas
Ignacio Jos da Silva, morador na rua ^,
dos Martirios n. 12, declara que de hoje em ^
diante se assignar por Ignacio Jos Coelho ^.
<
da Silva por encantrar outros de igual
nome.
~ Aluga-se um primeiro andar de um so-
brado, na rua do Raxgel, defronte da boti-
ca; a fallar na rua do Cabug, loja de Joa-
quim Jos da Costa Fojoges.
Adverte-se ao Sr. Manoel Jos da Costa
Olivcira, quo Ihe he mais airoso pagar o or-
denado de seu caixeiro Manoel, que tem do
la invoncSo do Dr. Mure.
PRECOS. 41
das carttiras Komcoputl.icas. 43
* Emcarteiras do 12 tubos grandes 12/ ^
;> 2* a < 20# *
* a n < 2t a pequeos 15/ J
1/
* Tubos esoolhidos (cada um
f J Tintura s demedicamenlos em
>
->
o capitao na piara
commercio.
L i
Sahe com brevidade.o bem conhocidohia- Na rua Velha n. SI, precisa so de urna
le Novo Olnda : para carga trata-se com o ama de Icito forra ou escrava.
- Aluga-se o primeiro andar do um so
lirado em Fra de Porlas,prompto o 3ceiado
a fallar na mesma rua, venda n. 86.
-- Miguol Luiz lijarte Amaral, subdito
portuguez, reiira-SO para fra da provincia.
- Jos de Viveiros Benevides subdito
.'onsignatario J. J. Tasso Jnior.
Leilao.
-- Porordemdo senhor doutor juiz mu-
mripal supplenle da segunda vara do civel portiigez, retira-se para fOra da provin-
e do commercio, se fara leilflo, a requer- rli,
ment dos administradores da massa fall- .'. Antonio Jos Machado GuimarSes Ju-
ila de Marcelino Jos Ribeiro, c por nter- nior, subdito de S. M. Fidelissima, relira-so
medio do agente Oliveira, do todas as farra- para fra do Imperio,
gens, miudezas, e de algumas fazondas das .. Quem precisar de urna ama de ba con-
loas do dita massa, sitas na rua do Quei- duct,t par, clsa estrangeira : annuncie.
mado ns. 49 e 65, em um ou mais loles, .. aj, rua 0 Crespo n. 10, precisa-se fal-
voulade dos pretendeutes: sabbado, 24 do |,r com 0, SOnhores Antonio Vicente da
correle, as 10 horas da manhaa, as indi- Cr0fj Anlonj0 dcSouza Giraldes, Joo Joa-
eadaslojas. ... quim llabello.e Manoel Dias de Macedo, res-
Por ordem do Sr. Dr. juiz municipal peito a negocio,
supplenle da sogunda vira 00 civel e do precisa-se de um pequono porluguez,
rommercio, se far leSo. por intermedio do 12 ,, dc dadn, pouco mais ou me-
do agente Oliveira, por conla o risco de n0s, para caixeiro do urna venda : na praca
quem pertencer, e a requerimenlo do Kalk- ,ja fj0a Vista n. 5.
inaiin & Irmflos, de duas caxas sob a mar- yuem precisar de urna ama deleite
I'D ns. 900 e 901, contendo velludo c
Ig'avatas de seda avariadas d'agua salgada,
labordo do vapor nacional S. SebastiSo, au-
llragado ao sul de Marei na sua ultima via-
forra, com todas as qualidades precisas pa-
ra crear: qusira dirigir-se a rua do Col-
legio n. 17, torceiro andar.
Precisa-se de om caixeiro, que toliha
gen, do Rio de Janeiro para este porto: pratica do vonda, o que de fiador a sua con-
quarta-feira, 21 do corrente, ao meio-dia ucta em pora je porlaJ n. 135.
em ponto, no armazem de Brunn Praeger, .. precisa-se alugar urna escrava, que
ct C, rua da Cruz n. 10. 8ajba fazer iodo o servico de urna casa de
--O corretor Miguel Carneiro, fara leilflo pouca farni|a ; sendo de agrado paga-se
no da sextaleira 23 do crranle, as 10 ho- bem defronte do thoatro de S. Francis-
rasda maiihaa, no seu armazem na rua do co g.
Trapiche D. 38, de varias mobilias, proprias' -- precisa-se alugar um preto, para o ser-
para sala, gabinete, quartos, sala de janlar,'v0 de um rapaz solteiro quer-se que s-
rosinha, ele.; assim como um balcSoe urna1 ia |ei e quo n3o seja bebado : na ruado
carteira do amarello, propria para qualquer i Trapiche Novo n. 16.
II ?' 1 li.-iu-iment,ricos cortinados com guar-
III ;;>---- douradas para sala; louca, vidros,
Icandieiios, q und' os com estampas sendo em
I papel, palmo, chapa de metal e outros mul-
lios oLjcclos : e ao meio dia em ponto ir a
IleilSp urna porfo de sal retinado.
Avisos diversos.
--Precisa-sc fallar com o Sr. Dr. Manoel
lUamede da Silva Costa : na rua do Livra-
Imentn. 4.
Roga-ss ao reverendo Sr. J0S0 llenri-
Iquo da Silva, o obzeguio de se dirigir a rua
Ida Praia deS. Rita casa n. 1, afim de tratar
I* negocio de seu interesse.
Prxedes Gomes de Souza Pilanga, Dr.
I ere. medicina faz sciente ao publico que se
lacha residindo no largo da Boa Vista casa n.
|13, segundo andar, onde podeser procura- Iher.
|do para o exercicio de sua faculdade, bem
como que d consultas gratis aos pobres,das
|:' as 4 horas da tarde.
0 abaixo sssigoado, leudo dado prin-
Alugam-se e vrndem-sc bixas na 0)
fg praca da Independencia n 10, con
fronte a rua das Cruzes.
O senhor Luiz Ferreira Novaes, mora
dor as Cinco Ponas, queira ter a bondade
de apparecer na rua do Pillar em Fra do
Portas n. 131, a negocio que no ignora.
- Aluga-se o terceiro andar e sotflo da
casa n. 7 da rua da moedu.com muitos com-
modos e bem fresca: a tratar no segundo
andar da mesma casa.
-- No dia 21 do corrente se ha de arrema-
tar em hasta publica do doutor juiz muni-
cipal da segunda vara, urna casa de sobrado
de dous andares, sita uo pateo do Ter(0 por
execucTo de llenrique Forster& Companhia
contra Francisco Maitins Ferreira e sua mu-
. -
frascos de l|2onca (cada um; 2f ^
Ha mais, alem destas, outras muitas <3
csixas com glbulos e tinturas por ^
presos variaveis, conforme o tama-
retirar-so para o Rio de Janeiro, bom como nho ea qualidade das caixas, e a *
30,000 rs. aos Srs. Meurom & C, pelos quaes quantidadeilos romedios e as suas 4Jt
la loi chamado a juizo, do quo andar gas- m" dyiiuinlsm,-e.->, etc.
lando o dinheiro de seus eredores com ca- 1* A VIAfl-SE GRATUITAMENTE ^
pricnosas denuncias. S P>ra os pobres, todas as receitas quo *|
-- i'recisa-se de. urna escrava para lodo o K para al i man Jar qualquer professor. *
servico de orna casa p.ga-se bem; no aler- ^ ,. ^^ ^ ft ^ ^ .... ... ^.a ^ -,
ro da Boa-Vista 11. 77.
l'recisa-se fallar ao Sr. Joo Rapli.sli,
arrematante dosservicos da Africana Mana:
annuncio para ser procurado.
Agencia de Ieil5es.
Gregorio Antunes do Oliveira participa
ao respeilavel publico, o particularmente ao
cooimurcia desta prac^, quo so aclia nomca-
do agente do ieiies, por uiuiu ounuedido
em 15 do correle, pelo tribunal competon-
te, em consequencia do que tom estabele-
cido urna casa de lelles na rua da Cadeia
do llocife n. 8, primeiro andar, aonde podo
sor procurado, o ahi recebora em deposito publicaram-se ultimameute na i O prensa
quaesquer objeclos que quizerem por em do msica, na rua Bella n. 28, as soguinles
ieao, prestando-se o annuuciaiito igual- pecas do msica :um numero de lindas
mente a fazer Icilcs as casas, e armazens quadrilhus para piano e flauta a 1,000 rs. ,
particulares, quo o quizerem honrar. pura flauta s a 500 rs., a muito applaudida
O senhor Jaciiilho Jos Nunes Loite, modinliaquer o fado quor a sorlo-para
tero urna carta na rua do Trapiche n. 17, o piauo 11 610 rs., para violo a 500 rs., modi-
precisa-so Tallar com o mesmo senhor a ne- nha abaianada-o oncontropara piano a
gocio de seu interease. 610 rs., para violSo a 500 rs., mo linha alta
OffiCM.es de funileiro. noite oh quo silencio vals 11WMJM
ka a pernambucana, ludo em um lolhelo,
BELLAS.ARTES
/;B-13: l
Compra-so urna preta que seja moca e
lid,s 1 hendo cozor, engommar, lavar e co-
sinhar: na rua do Queimado, loja a. 41, se
dir quem compra.
Na rua da Senzalla Velha, defronto do
Sr. Martins, pintor, compram-so todas as
qualidades de ferros velhos e metaes de to-
das as qualidades, assim como ourelos de
pannos linos, casimiras e todas as quali-
dades de mulambos, que servirem para fa-
zer papel; assim como cabos velhos, lo-
nas, ect.
-- Compra-so pennas deema em grande
e pequea porreo : na pra{a da Independen-
cia 11. 19.
Compra-sc um escravo moco o robus-
to, e que seja de bous costumes ; paga-se
bem; na rua do Aruorim n. 41, segundo
andar.
Compram-so couros de lustro a 24,000
rs. a duzia : quem tiver annuncio para ser
procurado
- Compram-se oscravos do ambos os so-
los, de bonitas figuras, de 10 a 25 annos,
tamo para a provincia como para fra, pa-
gam-so bom : na rua da Cacimba 11. II,on-
de morou o finado vigario do Hecife.
Coropra-se toda a qualidado do metal
velli 1 : na rua Nova defronlo da Conceic3o
n. 33.
Vendas.
Na rua do 1 ollcgio n. 7, acaba de abrir-
se um pequuuo, ibis inimosamentu sonido,
armazem de Iciuqb do Porto, de diflerenlcs
cores e delicados gostos: e vende-se por me-
nos do que em outra qualquor parle; a elle
pois que ho pechineha.
Vende-sn para a praca ou mesmo para
o molo ii'". 1 boa escrava creoula muito ss-
dia, boa lavadeira outende do cosioha, e al
est propria para o servico do algum onge-
nho ; as pessoas quo a quizerem comprar
podero dirigir-se a rua do S. Theresa n.
46, oao comprador so dir o motivo porque
se vende.
Vende-se para foi a da provincia, ou pa-
ra algum engenho, um negro creou lo de
20 a 24 annos de ida le, bom cozinheiro, la-
va ongomma, o lem principio de alfaiale por
prcc,o comino lo : na rua da Praia n, 20.
Calcado.
Sapal,isde lustro para homem o moni-
nos lodos pregados, ditos de brim, ditos
do Aracaty: sapa tos de lustro e setim dos
inclinos para senhorasemeninas : 110 at-
ierro da lloa-Vista loja n. 58, junto ao sel-
leiro.
Vcndc-se urna escrava, creoula, moca,
dc bonita figura, a qual lio pefeita costu-
rera,faz camisas do homeai.laz lahynnlho,
o ho pirita engommadeira : atraz da matriz,
da Boa-Vista n. 21.
Vende-as urna preta de maior idaile,
muito servir.il: quem quizer dirija-so 1 rua
do AragSo n. 9.
JofoDonnclly inglez.com loja de alfaiste
na rua da Gadeia do Berilo n. I6,icba-se com
um grande sortimento de rnupas faltas no
paiz o vindas da Inglaterra da ulti na moda,
as quaes se vender* por todos o procos a
dinhoiro.
Na rua da Cadeia do Recife n. 16, exis-
te vindo de Inglaterra de prximo urna por
cSo de palitos, calcas o colotes do todas as
qualidades de fazendas o goslos modernos.
-- Vende-se um preto creoulo, muito hom
pescador 1 na rua do Quoimido n. 31, loja
de forragens.
-- No escriptorio do abaixo assigoado, na
rua di Cruz do Recife n. 52, primeiro an-
dar, existo urna grande quintidade dos mais
linos charutos de S. Flix, vindos pela escu-
na Adelaide, apresos rasoavels. -- Domin-
gos Alves Matheus.
Lotera de N.Senhora do Rozario.
As i-mi1, desta loteria anda 111
no dia 19 do corrente, o reto dos
bilhetes estilo a venda nos lugares
do costume.
~ Vendem-se um guarda-lour;a todo en-
vidran lo, dous caixes de armacSo de ven-
da, um carro de roSo, urna mesa grande pro-
pria para jantar, ou outra qualquer cousa
por sor bastante com prida e larga : na rua
da Roda n. 52.
No pateo do Carino, taberna n. 1, ven-
de-se um preto de idade de 25 a 26 annos.de
bolilla figura, proprio para todo servico
Vonde-se urna casa terrea na rua do Pa-
dre Florisno, no becco tapado decima 34 11.
8, com pequeo quintal: quom a pretender
comprar, procure ao senhor ThomazdoA-
qoino Fonseca, na rua do Vigario, quo est
aulorisado a vondnr porcommodo preto.
.migo deposito de rap princeza
de Gasse do l\io de Janeiro ,
grosso, meio grosso c fino na
rua da Cruz do Recife n. Vi.
Viuva l'ereira da C'unha, encar-
regada deste deposito scientilica
aos consumidores dcste rape, que
para melhor serem servidos seus
pedidos, tem estabelecido ser pr-
vido o deposito inensalmente com
remessas feitas pelos vapores da
carreira, e assim podero seus fre-
guezes ter rap muito Iiesco, cir-
cumstancia a mais escencial ; sup-
piido pois regularmente este de-
posito cej/n rap as-im fresco, he
para aflirmar que esta boa pitada
se tornar rccommendavcl a todos
os tomantes : os pi ecos sao os de
seu principio estabelecidosde (28o
rs., as duas primeiras qualidades
e 900 rs. a ultima, sendo de 5 li-
bras para cima.
Vende-se cal virgemem pe-
dra, cabeca de carneiro: no ar-
mazem doassucar da Viuva l'e-
reira daCunha, na rua da Cruz do
Recie n. a3.
Oleo especifico para curar o
caspa, contina a vender-se, na
rua do Rangel n. fi.'i.
en
i
a
-o
es
es
iafai ] ,

2 i
1 o 5 JJ-a'Z-3 f
- 3 a a
S. 2 e S
s-S&jS
e -
= o s S s
2 o S o
< a

^ o
g *
Q..2-
lili1 ?l si 9
e 0 sallopara piano a 320 rs., a luzeadu,
Krando valsa, para flauta a 320 as
Urna senhora brasileira, com loJas as
luil'.l lo;cie- precisas, lano do escripia c
liorna na rua das Cruzes, desde o primeiro
de julho.
lenlo Ferreira Bailar.
Precisa-se alugar um sobrado de um
a
sej
ver
p ,
Francisco n. 6, ou no Manguind, casa junto j r0C1)ber |gum, escrava, sendo d.
boa conducta; c promette, no desempenlin
-- Aluga-se um grandesoto para peque- ; de suaJ funC(oeSi deixar satisfeitas aquel
las pesso.s quo de seu prestimo se quize-
rem ulilisar, medanlo una menaali la le
a padaria do senhor l.apa.
-- Aluga-se um grandeauiu. fimpcApa
na familia ou algum moco solleiro na rua d ^^[r^r,^ S
do Rangel n. 47 a tratar no armazem de
lenha do caes do Ramoa.
- Prccisa-se de um caixeiro quo tenba
pralica de negocio dc venda : a tratar na
rua da Seuzalla Velha, venda n. 15.
' Na rua do Liviamcnto, sobrado 11. 10,
se dir quem vende ires trancelins, dous
conloes, un a.lereco, vallas, brincos, aune- '9 Jo sua ai te, das 8 as 9 horas do dia,
loes, medalhas, alline.tes, urna corrento para ( t as 6 da tarde, e nos domingos ate
senhora, um pnnleiru, tres relo^ios, urna W 10 meio dia, tira hom denles, cilsi
corrente, um par de casticis do praia, co- bem os de.utes turados, sepaia peifei-
10 os para cha, ditas paro sopa, fivellas pa- | lamente os denles da frente, sangra
mdica.
*o respcitavel publico
Jos Adelo, dentista e sangrador,
* exorco com promplidilo as runcfdes
ra cs, ditas para suspensorios, um fai|uei- ^ bem, e applica bom ventosas sarga- ^
lase socas, pelo proco mais comino-
ro, c um palitelro.
.Manuel Alves (atierra J-
nior mudou o seu escriptorio, para
a rua do Trapiche n. 1 i.
Tinturara da rua Velha n. 72.
Na rua Velha 11. 62, lloge-as toda a qua-
lidade do fazenda, para a cor que so qmzor,
com promplidflo, e de modo quo se nflo co-
nhece a cor primitiva : As pessoas da cida-
de de Olinda que liverem objectos para Un-
gir podem levar rua de Mathias Fcrreirs
casa do Sr. Cosme, alfaiale.
'ublicaces llomeopathicas.
A 25 DE AGOSTO sahiri luz a coutinua-
Aluga-se a grande loja da rua cslreita do I cUo da palhogenesia homeopathica.compos-
Rozario n 43, com armaeflo propria para la de 12 medicamentos BUR0P1OS, trrduzda
qualquer eslabolecimento : a tratar na roa do manual do l>R. JAUII, ea do 1-2 niodici-
do Crespo n. II. .melos Biusaniaos extrjlii.la
da obra inli-
.*
do quo poJor.tanto no largo do lioza-
yi rio junto da igreja, casa da estrella ?
r n. 7, bairro de Santo Antonio, como S
o, fra della; mandando-Ihe por escrip-
M to, indicirao o lugar, nomo da rua, s
r numero da casa, com o nomo do mo- w
A r olor. i"
m N. I'- ,,,ra l'rar denles c sangrar a
*s pobreza pagar o quo poder. frj
Desappareceu no da 21 to
passado mez uiu cabra de nome
Antonio que representa ter 3o
annos de idade, altura regular,
bem feito do corpo, ps pi-quenos,
he aleijudo do braco direito ao p
o
Q
5
v
a
tr
B
c
O
O
v
rs
e
a
te
ai
3
O
n
V
T3
2
o
fifi)
V
-3
O
-a

v
a
e
i
I! se
lo
s
i o
s ?
3 tm
i

S -
3 3
s-
3
O
E ai
-o
s> Si
-u o
a; k a.
2<= a
n *r: '5

i
ata
er 3 a :
9 B s 3-a
i
S te
o -
g
L o
ll
|{M
a .
1 f 4'
1
2's:
5-2-S o o-
a 3T3
J -3
o V

II
eS,
3
O"
o
3
a,
"- o _
= = 2
a>> 25 =
a> i.
B ^
Se
o-3
i 3
si
-
"3 -.2
-^r o ^ c! o- >n
ssli*i.al
g2-Sa2"=.sa
32SSgas8
2 3.-3
i
2 -g
I *
"aAt
11
22
e s

Ss
s:
3 3
-2 2
^ 2

i6y&iiiil-s^ii#
3|tni>ll*i3jillll
&-oj|S-SS.5,S| ,.B2^.2'
Ililpf||ilPl!l
as-=
a a
z: 41 w tn _
o.2!"g^S
2| .5> 35-03 = S35;s
-.^l-s Os', >ol>-'||.^,:
* a'2n2o*tt TaaSs 2
.B " s25S^g.2|-2S-=.g3 5-S
S o-as s g-o o- j>.2 g-5.S 3 g
te X *
ca i_ > dj
a
g krj a-a |-a II 8 || 8||
8 !%%_
^2 l?S-=
*- 3 *> 3
al
_ 3
i 3
o.
\v
l"
14!


m "- ^i^
Verniz di gomma copal ,
contina a vender-se a 1,600 rs. ,
a garrafa : na botica da ra do
Rangel, que foi do finado Sebas-
t rio Jos de Oliveira Macedo.
Moinhos d vento
rom bombas do repuxo para rearar hortas
n baixasdecaplm na fumli<;fl<> de [). W. Bow-
inan:na rua do Urum ns. 6,8 c 10.
CHA PRETO
Vende-se superior cha preto,
em caixas de 3o libras cada urna :
em casa de J. J. Tasso Jnior, na
ra do Amorim n. 35.
ARADOS AMERICANOS.
1$ Vendem-se arados ame-
9 ricanos, chegados dos Esta- #
dos Unidos, pelo barato pre- #
t 90 de 40,000 rs. cada um: na ~
! i-ua do Trapiche n. 8. *,
'arinha de trigo
SSSF.
Fontana.
No armazem de J. J. Tasso J-
nior, na ra do Amorim n. 35.
Deposito (le cal e potassa.
1N0 armazem da ra da Cadeia
doKecife n. ia, ha milito supe-
rior cal de Lisboa, empedra, as-
sim como potassa chegada ltima-
mente, a precos muito rasoaveis.
Armazem de vinbos.
Na ruada Senzalla Velba n. 48,
vendem-se vinhos de Lisboa e Fi-
gneira, dos maissuperiores que ha
110 mercado pelo diminuto preco
de 300 e a4 rs. a garrafa, e i,5oo
a 1,800 rs. a caada : para confir-
mar d-se a provar, e para ver da-
se a beber; he baratinho, a elle
(reguero que be boni vinho.
Deposito de cal virgem.
Cunha t Ainoriin, na ruada Cadeia do
Hecite, n. 50, voiidc-se barris com supe-
rior cal em pedra, chegada pelo ultimo
navio de Lisboa, por renos prego do que
em outra qualquer parle.
l'otassa americana.
No antigo deposito da cadeia velha, n.
12 existe urna pequea porgao de potassa
americana, chegada recootcmentc que por
-. 1 11>r r.valisa com adallussia: vnde-
se por proco razoavcl.
Agencia de Edwin JViaw.
Ka ra tlr Apollo n. 6. aruiazciu de.Uc.Cal-
oinnlSt Compaiihia, aclia-se constantemente
Taixas para engento*
Na fundicSo de ferro de D.
W. Bowman na ra do Brum,
passando o chafariz, contina a
haver um completo sortimento
de taixas de ferro fundido e ba-
tido, de 3 a 8 palmos de bocea,
as quaes ocham-se a venda por
preco commodo e com prompti-
do, embarcam-se, ou carregam-
se em carros, sem despezas ao com-
prador.
Vcndem-se amarras i!c ferro: na "ia da
Son/alia [Nova n. 42.
Deposito la fabrica de Todos os
Santos na lialiia.
Vende-se,em casa deN. O.Bicber& C,
na ra da Cruz n. 4, algodSo transado a-
quella fabrica, muitoproprio para saccosde
assucareroupadeescravos.porpregocom-
l.llldli.
-- Vendem-se lonas, briozlo, brins, e
meias lonas da Itussia ; no armazem de N.
O. Bieber & Compauhia, na ra da Cruz
n.4.
Na ra do Crespo, loja n. 5, vendem-
so cortes de meia-casimira de pura 13a, e
gostos muito bonitos, pelo mdico preso de
2,560 rs. o corte; brim pardo de linho, su
perior fazenda, a 640 rs. avara.
Algodao para roupa de escravos
Vende-se algo d5o muito encorpado, pro-
prio para roupa de escravos, com pequeo
toque do avaria, a 146 rs. a jarda; dito
limpoa 180 rs. : na ra do Crespo n.5.
Sortimentos de panos finos e case-
miras de todas as qualidades.
Na ra do Crespo loja da esquina que vel-
padaria
He urna pechincba.
Vendo-se a dinheiro ou praso a padaria do
largo das Cinco Pcntas n. I54,asaim como se
d onecessariosupprimonto dofarinha.seo
comprador dor a necessaria garanta ; tam-
ben) se arronda : a tratar com J. J. Tasso J-
nior, na ra do Amorim n. 35.
-- No Hotel Itecifa, ra do Trapiche n. 5,
vende-se farinlia de maudioca por 2,000 rs.
a sueca, he muito nova e de boa qualidade.
Vendem-se noves cassas chitas de lin-
dos gostos a 2,340 rs. o corte, cassa de qua-
dros lina a 280 rs. a vara 1 na ruu do Crespo,
loja da esquina que volta para a Cadeia.
-- Vende-se urna taberna com poucos
fundos, sita na estrada nova da Soledado ,
quevai para o Manguinho : a tratar com J.
J. Tasso Jnior, na ra do Amorim n. 35.
Sentido! 3i) A he ao p do Kozazio
de Santo Antonio.
Quom te mandou este doce? Pcrguntava
em una mesa um hospedo a scu amigo; do
tantos amigos, ainda nenhum mo mandou,
que se compare com este, Ihe toroou o ami-
go, em abono da verdadu que s ainda o sa-
borici igual a este, comprado ao J. J. Men-
dos da Silva n. 39 A da rua estreita do Ho-
/ai ni; amigo, satisfazei o appalite que esto
l l'oi comprado j lamben) por me o terem
informado. Carissimos leitores,sendo o hos-
pede ini'ii amigo,comruunicou-mc o que re
lato cima, o ou para que o respeitavol pu-
blico possa apreciar a boa qualidade edar
crdito a sinceridade com que Ihe fallo, os
convido a que venham antes quo so acabe,
juntamente a muito acreditada bolachinha
de a raruta.biscoitinhos,latas, e nutras umi-
ta.- qualidades, coinu sejain aincudoas con-
fetadasna trra,holinhos francozes e amen-
doas linas de cores, ludo por commodo pre-
{o, como he de coslume no 39 A.
De castor finos.
Superiores chapeos de castor brancode
4
A 120 rs. o covado. Desenlio.
Na rua doQueimulo, del ron te! Vende-se tinta de difieren tos coroa multo
do becco do Peixf Frito lm. t "na.crefles, papel de superior qnalidade,
" rwW 'ja n. J,?r0rmato grande, no pateo do Collegio, loja
vende-se riscadinho azul, com a'n. 6 de joSoda Costa Dourado.
largura de tres palmos, pelo bara-i vndS"8,0 u01erava ereoula de 20
,. r '.I'"""'" annos de idade. sem vicios e de bonita flgu-
tissimo preco de seis vintens o CO- ra :na rua Direila n.6l.
vado: esta fazenda he muito reconi- *" Vcn,le,n-se 8 seis primeiros volumse
.,..,.,,),..! 1 1 i- 1 ldo Panorama, e urna grammatica franceza
mendavel aos senhores cheles de I de Sevene 1 no caes da Alfandega, arma-
da-se
as amostras com
zem o. 4.
Vendem-se duas bonitas pret s sem
habilidades, um preto de bonita ligura e
muito moco, um dito bom para campo, um
dito de moia idade bom para todo o servigo:
na rua da Cacimba n. II, onde morou o fi-
nado vigario do Itecifo.
OQQQQQQQQOO9000000
Q Para criados. n Vende-se chapeos envernizados.ga- *
/-[ 13o do ouro e prata para guarnecer A
os ine-iiin-, assim como glOes es- ?
' iiiMtn. tudo por commodo preg> :
tffl^'XwW^ a* W
ecz mullo superior a 6,000 rs., o covado, di-
to verde a 2,800 rs. dito aula 2,880. 3,500,
4,000 o covado, cortes de caiga de casemira
prota entestado a 5,000 e 6,000 rs., dita fran-
ceza elstica a 8,000, 9,000 e 10,000 o corte,
e outras muitas fazendas por preso com-
modo.
Cortes de brim de puro linho.
Na rua do Crespo loja da esquina que vol-
ta para a cadeia, vende-se cortes de caiga do
n., superiores e modernos chapeos de seda
francezes, a 6,400 rs,, na loja e fabrica de
chapeos da piara da Independencia ns. 21,
26. o 28.
vondo-se, no escnplorio dos senhores
Carneiroda Cunta Companhia, na cidade
da Parahiba, o superior rap Paulo Cordei-
ro, chegado ltimamente do Hio do Janeiro.
Falitos a ia,ooo rs.
liona sorlluicnlos de uixa de ferro coado e
balido, lauto rasa como fundas, inocndas in-
elrai todas de ferro para animaes, agoa, etc ,
lilas para armar em madeira de lodos os ta-
mauhos c madellos o mais moderno, machina
hurisontal para vapor, com torca de 4 caval-
los, coucos, passadeiras de ferro cstanhado
para casa de pulgar, por menos preco que os
decobre, escovens para navios, ferro inglez
iinini ni harrascomo cm ircosfolhas, eludo
|>or barato nreco.
I',ir 1 nlia de mandioca ~t:
^ Vende-so, por prego rasoavel, la- ^
,-. rinha do S. Mathcus a mais nova ^r
: que existe ue.sto mercado : na rua <^
^ da Cruz u. 34, delronlo da l.ingoota. <^
Vcndem-sn palitos feitos, do panno mos-
, ciado, pelo baratissimo prego de 12,000 rs.
2,000 rs. o corle, riscado de linho de lislra Dra0 """l,
a 720 rs. o corte. Vende-se a excellente typo- i
Cambraias de salpico bionco e de( graphia uo Diario Novo estando
cor lencos de cambraia de
linho.
Na rua do Crespo loja da esquina que vol-
ta para acadela, vende-se cortes de cambraia
de salpico braoco a 4.0C0 rs., dito do cor a
4,500 rs., longos de cambraia de linho a 500
e 600 rs. i-ida um.
Espcllios por pouco dinheiro.
familia;
penhor.
Vende-so um balcSo com novo palmos
dn comprilo, e taboa de amarello : na rua
do Cabug, loja n. 10.
Na loja das 6 portas.
Chitas escuras a seis vintens, sele, meia
pataca e dous tusldos, lengos brancos para
mSo de senhora o meninas a dous tuslOes,
longos pequeos para meninos a quatro flo-
tens,e muitas outras fazendas por pregos ra-,
soaveis. \J! treitos.
Vendo-so urna preta moga e sadia, en-,O na praga d Independencia n. 17. Q
gommadeira. cosinheira, costurcira, lava e, QO<> OOOOOOOO
faz o mais arranjo de casa tcui muito boa A ttcncao.
conducta, e foi recolhida ; urna pardinha de; Vende-se um cabra de 35 annos, porcom-
doz annos muito bonita, chegada do sertSo moo pro-0 cauga porque 8e vende se di-
para pegamentos, c um moleque de sete an-, ra t0 coa,praljor: na rua de S. Coogalo u-
os lamben) pega : na rua larga do li/aim IIH,ril |t
*m**l***,*L 1.* I "' Vende-se um Ierro de fazer hostias,
MMMie||W^^t-^,ffi^ta^>UJl8l^!%^ obra superior, o por prego commodo : no
Aviso para qnem quizer. S passeio Publico, loja n. II.
I A. Colombiez avisa aos seu !! Vende-sc urnacadeira de arruar, em
' 1 1 s? muito bom estado, de goslo moderno, rica-
Ireguezes da sua loja de al- g ment domada, com caixilhos de vidro.for-
" rada do damasco de soda, com corrame de
i msrroquim, fardamento e chapeos com fia-
_ loes de ouro lino, tudo no melhor estado
atraz da matriz, loja n. 1 em possivel: na rua Velha n 57.
I _. <. .i u m.i j Vende-se, por prego muito ca conla .
I que esta O Sr. Nabuco.sendo II 'uma exollente cas. terrea, toda envidr.g.:
* sempre O mestre daollicina O *? i da, com 7 quartos, 2 grandes salas forradla,
f Iii-imI,.;,,, M-m.irl ln Kpr_ corredor ao lado, cosinha fra, estribara
te urawieiio JUanoel Jos te.r- | awlloa,ejoarte para prctos, quintal
.rcna. Na mesilla loja cima todo murado; he pechincba para quem qui-
tcm sempre um completo ^^f comprar : na rua Nova n. 1, esquina ao
1 I P voltar para a rua dasTrinchciras, ah so di-
sortimento de roupa Icita. | ra qaaa faz negocio.
--- --, -;. -:- :aj-T; Vendem-se na rua dasCruzcsn. 22, se-
Casa da Fortuna, na rua Diie-ta gundo andar, urna parda de30 annos, com
1 todas as habilidades, e ptima para tomar
"'7' jconta do arranjo de uma casa ; duss pretas
Na rua cima e na praga da Independen- mogas, una ereoula e outra de nago, que
cia, loja do senhor Fortnalo, esl venda engommam, cozein, cusinham e lavam de
um completo sortimento de cautelas n hi- 'sahflo ; e uma dita di Costa vendedeira de
lhetes da lotera de Nossa Senhora do Itoza- fazenda e quitandeira ; e um escravn para
rio, cujas rodas aodain 110 da 29 do cor- lodo servigo.tsnto da praga como do campo.
Buchadas de superior qualidade
calcadas de890.
Vendem-ie em barriquinhas de loo n,
muito commodo prego, no armazem doR
roca & Castro: na rua da Midre de fieos m,
mero 26. "u-
Escravos fgidos.
* faiate, com roupa, feita que
!i transferio para a da esquina,
. rente.
Rilbeles
Meios
Quartos
Decimos
Vigsimos
8,000
4,000
2,200
1,000
500
Calcado.
io couro de lustro, francezes e
Vonde-se uma preta mosa boa lavadei-
1 a e vendedeira de rua, he em cunta, porque
' seu senhor que he preto da Costa se disgos-! falla ; trajos, saia de chita encarnada, esbe-
No dia 13 do corrento as 7 horas H
noite fogio do engenho caxoeira do Sen-
nhaoai O escravn Mallions,levo 11 11 un arcn||j
no pesrngo.ea lea de algodSo de listri e ,,m
sa ile inadapulan ; e lem os signaes mvihh
tes : estatura regular, eapadado,ps seceos'
porem achatados com callor deliagdo.ecom
sicatrizes as nadigas ; a tal argolla so elfo
tiver tirado deve ter a marca no pescogo.tem
mais esses signaes: cara curta porem bonita
boigos grossos e muito regrista, rogs-ae,J
authoridades policiaes e capilSes do campn
captura do dito escravo : quem o pegar leve
a roa Nova sobrado n. 58, primeiro anuir
quo ser bem recompensado.
100,000 rs. de gratificarlo.
Desappiroceu no dia 7 de maio'proximo
passado, o pardo Leonardo, de idade \n .
nos, pouco mais ou menos, tem os signaes
seguintes :baixo.o peito um tanto mettidn
pira dentro, cabello carapinhado e at n
mciii da testa, e falla de vagar. Este escraro
vinha lodos os dias vender leite no Kecif*
de um sitio da Boaviagem, pertencontei
Joinna Mara dos Passos, de quem foi escra.
vo: quem o apprehender e levara rua di
Senzella Velha, defronto o n. 144, aeguriilu
andar, recebera a gratificagSo cima.
No dia 17 do corrento desappareccuo
preto Congallo, creoulo, quo representi trr
45 annos, com falta de denles no lado supe-
rior, tem uma pequea belide no olhoes-
qnenio, he nifin fulo, cun punca barba, en
melhor signal que tem he ter os dedos do.
pcsvnltados para dentro, he bem conhecido
de muitas possoas nesla praga, por ter ser-
vido em muitas cocheiras ; suppe-se tcrsi-
do seduzido e levado para fra : por atoo
abaixo assignado roga a polica desta pro-
vincia, o aos cspites de campo.que o pren-
dam e levem-o ao scu sitio capellinha dn
Mondago, que segratillcar genorosamen-
lo.Sebastiilo dos denlos Arco-Verde Per-
11. ni lm ni Cavalcanti.
50,000 rs. de gritificago
Do engenho Santos Meo ib--, no dia 13 da
junho, ausentou-se a escrava Mara, de .''i
unos, ereoula, fula, de hoa estatura, e hooi
corpo, os pos carnudos, tem alguns cabellos
no Inieu, heiii ladioa, com desembarago na
tou della por a mesma o nao querer servir:
na rua larga do Itozario n. 35.
Iapilc Lisboa e Mcuron.
Vende-se rap de Lisboa a 40 rs. a oitava,
etresoitavas por inn r.- dito Mcuron a
Familia de niandiocaa 1,600 rs. a
sacca.
No armazem de J. J. Tasso Jnior : na rua
do Amorim n. 35
Do Chile c de Italia.
Completo sin 1 inieiilo do chapeos do Chil-
le,os melhoics em alvura oduragio que lom
viudo ao mercado, o por pregos muito ra-
zoaves, ditos de llalla para hornese se-
nhoras, sendo estes ltimos ptimamente
uopaiciliados: na loja e fabrica de chapeos
da praga da Independencia ns. 24, 26, c 28.
alocadas superiores.
Na fundigSo doC. Starr& Companhia,
bem montada, tanto de bons pre-
los, como de lypos : quem a pre-
tender, dirija-se a rua da Praia
n. 55, a tratar com a Viuva ftoma.) SP|0S
7 :de Lisboa, para scnbora, a 1,280 rs. o par ; ; 1,000 rs. a libra, e meias libras a 500 rs., e a
Ancoras para navios. na praga da Independencia, loja do Ara ni es 20 rs. a oitava : na rua da Cadeia Velha nu-
Vendem-so em casa dn licardo Itoyle, na [n. 13 o 15. mero 15.
rua da Cadeia Velha n. 37, ancoras de supe- j Qtieijos baratos Na loja de miudezas da rua do Crespo
tterro da Itoa-V.sta n. 49. venda no-'n- '.' *e"dm'" ,in'l" dBen carri,el de 200
ruad'Auroran.32vonde-sequeUoSdoJarl,fs.n 100' l-'Oe 150 a 80 rs.; o nesmo
610 rs por estarem alguma cousa vendedor se responsab.lisa pela qualidade,
,r cartas porluguezase francezas selladas,pen-
Vendem-se 4 escravos mogos, de boni-
Lisboa, por commodos pregos: na rua *\to$S?Z3XXttl3lSZrZ
Vigar.o ... 19, primeiro andar moWchola jdaile '& 16 e um'a es.
... .. ..':"i.Jf ''* ':!_________ crava : na rua Direit. ... 3.
lia um sortimento decalgido para homem i
esenhora, dito para meninos, chapeos fran-.
cozes (in.ssimus, ditos de meninns; ven-,
dcin-se Minenle a dinheiro vista. ,
Cal virgem
Modas francezas.
Un.1 do Altsrro da Ha-Vista, n I
Btiessard Millocliau,
1 avisa ao publico o aos sous freguezes, que
tos do marlim de muito boa qualidade.
Vende-se um preto bom padeiro, viu-
do do Cear : quem o pretender dirija-se a
rua da Cruz do Itecifo, casa n. 28 segundo
andar.
Igual pccliimlia nunca se vio a
14o rs o covado .'
Vendem-se chitas escarales muito linas
de ramagons para cobortas a Icirs. cada
um covado : na rua do Crespo n. 14, loja
de Jos Krancisco Dias. "
AGENCIA
da fundicSo Luw-31oor.
KUA DA SK.NZALI.A NOVA M. 42
Noste estabelecimento conti-
na a haver um completo sorti-
uiento de mocadas o meias moen-
di para cngcnio, machinas de
v.ipor, e taixas de Ierro batido c
coado, de todos os tamaitos, pa-
1.1 dito.
A io rs. cada um.
Na rua do Queimado u. 3. defronte do
beCOO do Peixe-b'nto. vende-se lenr.inhns
do cambraia piulados, para mosdesonho-
ras, pelo baratissimo prego de seis vintons
cada um.
Vendem-se os verdadeiros selinsin-
ajlozes, palele, de molla e sem ella : na
rua daSenzalla Nova n. 42.
Vende-se mannelada nova, viuda l-
timamente do Lisboa : na rua da Cruz ...
46, defronte do Sr. In Cosme.
Vendcm-se relogios de ou-
ro epr&.ta, patente inglez : na rua
da Senzalla Nova n. :\-.
Arados de ferro.
Natund.gao da Aurora, em 8. Amaro,
m odeni-se. arados le ferrode diversos mo-
delos.
Deposito de panno de algodao da
febrica Todos os Santos da Ba-
nhia.
Vende-se .por preco commodo
dao desta fabrica ; em pessa, a
vontade do comprador: no escrip-
torio de Novaes ck Companbia, na
rua do Trapiche n. 34.
Vendem-se as seguintes sementes:
nabos,rbanos,raba netos encarnados ebran-
l'OS, .-olila, COUVO tri.IXUda alinee ala-
no m, repulhuda,chicoria, senoulas, feij3o
< arrpalo de tres qualidades, crvilha loria o
d.reita, fava, coenl.o de touceia, salga, to-
mates grandes, repolho, couve lombarda,
.-ahina, o musanla : na rua da Cruz 11. 46,
delronlo do Sr. douior Cosme.
.Uci 1111III.
Vende-so mercurio de primeirasorte: em
casa do Augusto C. de Abreu : na rua da
1 alcia 'lo Hecifen. 48.
A a4 rs- o covado.
Defronte do becco do Peixe-Krilo, loja n.
3 vende-so cassa chila, cores lixas, de lin-
dos padrOes, pelo barato prego de duze vin-
tens o covado; bom como chitas baratas
e uutras fazendas mam.
a 280 rs. o covado
Defronte do becco do Peixo-Krito, loja 11.
3, venJe-se alpaca de algodao pelo baralo
prego de quatorze vintens o covado; esta
fazenda lorna-se recommendavel no s
para vestidos de senhora, como tambern
para palita e casacas de homem.
Com toque de molo.
Na rua do Crespo loja Ja esquina que vol-
ta para a cadeia,vende-se chitas escuras com
pequeo toque de mofo 5.500 is. apegs.eo
covado a 160 rs.
Vendc-se cal, de Lisboa a mais nova do lom venda pmsnutemenlo um n.ui escolbi-
Oereado: na rua do Vigario 11. 19, primei- do sortimontodas verdadeiras ultimas mo-
an la 1, cscriptorio do T. de Aquino Tonseca das de Parla, cm chapeos do palha da llalla,
r.Kll.o, ounarua do Trapiche, amazem do i ditos do dita da Cima, brancos, ditos do O? Vv ff fVff VVf ffV**'* ft*
Antonio Augusto da Koiiseca. blondo o de palhi, ditos de seda, Velludo ^ Deposito de lecidos da labri-"*^
*T9 Calilos fritos VS- 1 aillos leitos. ^-> deseda e de palha; chapeos de pall.a da Ha-; ca de 1 odos OS bailtOS, $
Na rua Nova n. 26 tem para vender-se, j* mujl0 B|1M| ^ JJonliri,p. ,icos cha. a Ba|
na.
-".
^*All*MaVA*Fft*^^^^ fei['os^trsTr.7od.loa,,reem
AKKNCIA de can..., todas deferro, o um modeloe .' XV;^, "".h!m ."rd'.dos; c.begOos de bico de blondo, d.-> ves Malheu, na rua da Cruz do lc-1
Vende-se om casa de Domingos AI-43
quer parte; a cll s antes que se acaben..
Tudo ; fui pechincbas,
construcgSo muilnsunerior
A Amazona.
Chapeos de seda para as senhores passea-
rem a cavallo,o mesmo a 1 de nova mona,
o muito bem onfeitados, bouels do panno
para .enduras o meninos, de todas ns quali-
dadis, chapeos do castor de differenlea co-
res para meninos c meninas, com efleiUs c
sem ellos, tudo por prego muito commodo;
lia loja c fabrica do chapeos da praga da In-
dependencia ns. 24, 26 e 28.
Para debruar palitos.
Filas de superior qualidado, e dilTerenles ,. toalhas a 3,600 rs a pega ; e outras muitas
padres, c larguras por mdico prego na lo- j facndas por pregos extraordinariamente
ja c fabrica de chapeos da praga da lndepen-| baratos: na loja da estrella da rua do Quel-
donois ns. 2i. as. e 28. I rr.sdo ?.. 7, COBrOle :o becco do !'cixe
De castor a G,000 rs. Frito.
I tos de linho brancos; romeiras de bico bor-
dadas ; ricas capollas e caixos de Dores,
cifon. 52, primeiro aadar, algodo^
mcio covados, corles do afamado KinibroSo
a 1,800 rs., fazenda de muila durago para
caiga ; madapnlos a 160,180, 200, 220, 210,
e 280 rs. a vara ; pegas de dito a 2,800,3,000,
3,400, 3,600, 4,000 rs., o multo lino a 5,200
rs. ; algoJo Irangado, propiio para lenges
Voltarete.
Vendem-se cartas finas para voltarete pelo
praga da Independencia ns. 24, barato prego de 500 rs. o baralbo: na rua
do Queimado, loja 11. 8, defronte da botica.
Chapeos de castor brancos inglezcs, de bo-
nitas lm un.-, a 6,0*00 rs na loja e fabrica de
chapeos d
26, e 28,
Oleados para mezas.
Vonde-so oloado pintado, de muito boni-
tos padrOes do quatro a oito palmos do lar-
gura, e por prego muito barato na praga da
Independencia loja e fabrica do chapeos, ns.
24, 26, e 28.
Toda attencaoao barateiro !
Bita do Crespo n. i4, loja de Jos
Francisco Dias
F.xisle um delicado sortimento do linissi-
simas chitas do cores com salpicos, os mais
lindos gostos que tem vindo ao mercado a j Q vado
240 rs. o covado, ditas cores de vinho o cafe, I tg
muito miudiulias de novosdesenhos e coros
que em outra qualquer parle. j*AMAAAA&sHAAAA*AAMiS
Vende-se uma inolali ptima cozi-
nheira, c ungomma sofTrivelniente, c uma.
preta nropria para servleo do campo, ou;
quilandena; na rua alraz da matriz da lio. \ Pc ^r'.nr- (-u","". meJlC0. da ^ul.-auo
Klixir tnico
Aiiti-lleumatico,
Vista, n. 21.
Novo sortimento de fazendas na
loja da rua do Crcsp>i 11. ti.
Bn...AM. *..-(-. .1- i.-aa. -i-:.- <- n-------
................ Ut. M -T.I -. ... ..,.! il.l I 1 -.
desenhos, a 2,240e 2,500 ; cambraias fran-
cezas do coros a 440 a vara ; chita para co-
berta, de tintas seguras, a 200 rs. o covado; .
cassas lavradas a 2,400 a pega ; diti de fio- a >Sr- Joso da Rocl,a MMOBoa, rua Diro.ta
res, com 8 el/2 varas, propria para corti-: n-n88, em Pernambuco.
do Paris, mombro de varias sociedades
medicas, assim nacionaes como ostran-
goirns, cavalheiro da real ordoin dri/Le-
gio de Honra jic.
(Dlinntlt phsrniSeSUtlCOf cm l'a:: ,
rua Tiquetonnc n.* 14. )
O nico deposito verdadeiro desle elixir
he estabelecido pelo mesmo aulor na botica
i nado de cama, a 3.500 a pega ; cambraia t'o, ,clsir anli-flougmatico he ossencial-
Jirim trancado de puro linho n 020 salpico?, tanto brancos como decores, ;l, menln lomeo, reanima o principio vtalo
1 lile o fortifica o estomago.
Pde-se administrar na maistenra infan-
... !cadodolinho'a180ocovado; dido do'algo- ci* cam" na volhico; nada be mais doce
. o covado IVOO a pega; lengos de cambraia de linho da fora s "hrs, destaca os humores vis-
...... a inn o "ii;u o r is ile einias i'S'-iu-is -i 00(1 ''"sos, os (> r ti olla em lia i x o, a v i v a o a oe-
Na rua do Crespo loja da esquina quo vol- "*oue oou. pegas oo cunas escuras a j.u ...
tapara calca vendo-se hrin Irangado par- 'lc,s de brim de l.stras, de puro linho, a !
do de linho puro a 320 rs. o covado. 2'0u0 ," '} "1 1.440 e 1800; ns
. _. col do linho a 180 o covado; dido do algo-
d3o, proprio para escravos, a 160 e 180 o|1"e seu eu'ito: Tundo, d.ssolvo os hu-
covado; p.nno preto a 3,000 e 4000 o cova-'mores e lhes da sabida sem algumi agita-
do : o muitas oulras fazendas, por prego a' *em suspender as occupagOes, non.
commodo. mudar os hbitos : se pode tomar deste clli-
-- Vendem-se as obras de Virgilio, Salus-caz"u'ntc uma colher domanhSa em jejum,
lio, Horacio, Selecta, Comedio, Sintaxo do '. P"rlcularmente no invern o nos lempos
na ran do llresnn B "aulas, Novo Melhodo, Maguum Lexicn, I hnmidos.
, uci iud uu crespo, jF Avenlur.18 j Telemaco em francez, Dicio-I s asthmaticos. golosos, hydropicos,
loja amarella de n. 4, de I! naiioom franceze porlnguez por Constan- ;1.uelles cuja fibia he mollc, (cam sstis-
o casos de consciencia por'fcitos dn sc" us bem como os quo sof
Vendem-se as modernas
chitas francezas, de lustro e
desenhos da ultima
rs. o co-
1 ramage,
ij moda, a 24o e 3oo
ci, e a obra de -.
Ponas, tudo por commodo prego: quem rrem dclinSo catarral do peito, azedun.es
do L.vramento n.|do estomago, syncopos e
muito (xas a 200 rs. o covado, diiasdo di- jj Antonio Francisco Hcreira. jj
sima^pT." d\dSdV.6 coreCsa' Mu".'o = "***, i5SaarTw|a*T5a^ OSSmSSZ i d ^"o, syncopos e" pa.pilagdes do
cdo d.as com li, do seda e de novas Chita para coberta, cor lixe a : 26, segundo ...dar. cor.go, cohea. e.np.ngens, catarro da be-
co7JilIM rs ditas preU com nores! 9no reis covado Vondo-se unu negra moga, crooula, do 'B. popleaia enrosa, rheumatismo, fi.i-
fmllan lo Sha la o o de seda a 1 00 rs i COvailO. t para qualquer soivico na ?"? alvos 'loongas de le.lc as senhoras,
Na rua do Crospo.loja da esquina que vol- rua Ua Jic^ d Ylecjr^ L prmero ,. iodigesUO, vermes intestinaes as c-iaogas,
e outras muitas entern.idades quesera Ion-
ende-so a casa terroa n. 16, sita na 6 enumerar.
' rua do Amparo da cidade do Olinda, conli- Eile medicamento salutar tem produzido
gua ao sobrado cm que morou o fallecido :s mais favoraveis efltitos nos casos, para
, l*r 1 iw I lid Md UO id trai'w.ii'jea na loiiuuiu *iui-i fu.- r(ia (I *
covado, cortesde csem.ras de Oa o algodlo ,a a g (:aile8/iende-se chita para cober- ,,"? d"
de lindos gostos a 1,000rs o corte, os mais t, ,e noVj ^-^ e cr fixo 200 0 "".
superiores brins do puro linho e de riqii.s- ......i., I *
. r .__.._. ,.,..______u.:-- .1^___ co^aiio. rn.i ,tn
simas cores a 1,280 is. a vara, brins de puro
linho de uma -n cOr, fazenda propria para
palitos a 320 rs. o covado, as verdadeiras
lucanla- de rolo de 10 vares a 1,800 rs. a
pega, idem de 5 varas, fazenda muito cncor-
pada a 1,000 rs. a pega, assim como muila*
outras fazendas queso veiideriio por muilo
menos prego do que em outra qualquer
parte. ,
Vendem-so esteras do palha de carnau-
ba, regulares e grandes, dn 2 varas de com-
pr miento; chapeos do palha a 8,000 rs. o
ccnio; pclles de cabra a 20,000 rs. o con-
t, chegados agora do Aracaty : na rua da
Cadeia do Itecifo n. 49, segundo andar.
o l'asseio Publico n. 17, loja de
portas.
Vendem-se chales de 13a c seda o melhor
quo se lem visto neste mercado pelo barato
prego de 3,200 rs.; ditos de la a 1,000 rs.;
dilos de tai I .llana a 1,000 rs., cortes de cas-
sa-clula, bonitos padrOes, a 1,800 rs.; chi-
tas para coberlas, corea filas e bonitos pa-
d.dosa 200 rs., o covado; ditas para ves-
tido a 160 e 200 rs. o covado ; meias
cruas americanas para homein, duzia
2,200 rs., pr200rs. ; milis de linho pro-
prio para palitos, a 240, i-300 rs o cova-
do; corles para colele de IBa e seda a 800 rs.;
ienginhos para m3o de scuhora con bico em
volta a 280, e 320 rs., e outras mullas fazeti-
das por pregos cmodos
A
0,000 rs.
Superiores chapeos do sol de seda inglo- hispo D. Tl.omaz do Noronha a tratar na 1 ssim d.lzer. desesperados. Desta sorte,
. ... .... __._ .1 I..... I\:..< ... ..-.. _..!.. il.'sil a l1 I 1 11 ni iv I 1 1 I lira-e rt i.l 1 1 11 1 1 I iili 1- 11.
zcs chegados polos ltimos navios, pelo di !rua Direila n. HI, segundo andar,
n-inulo prego do 5,000 rs. cada uma : na venle-se um moleque de 18 anuos de
rua do Collegio n. 4. (idade: na rua das Cruzas n. 3!, segundo
Os lllms. Srs. esludanles do quinto an- andar.
nosSo convidados para compraron! como ~ Coutinua-so a vender batatis de Lis-
dinheiro vista, litis encarnadas quo ser- hoa, novas a 1,000 ris a arroba ; na ruada
vem para as suas cartas de hachareis em sci- Cadeia do Itecife n. 25.
cncias juridiras; fallem com osenhor Nahu-I l'ara latoeiros e I muirnos
'-'- '- "-''" .....- Nova;
co na loja de A. Colombiez da rua
atraz da matriz n. 2..
Vendo-so um negro mogo, perito co-
zinheiro, do boa conducta,o que se afianga.
duas mualas mrris de lin las figuras, 1 no-
gra boa COiinheira, e mallo robusta o sabo
lavar roupa de sablo e vnrrella, un. mulata
serrador, e dous negros do trabalho do en-
Xiidu : na rua larga do Itoza.io n. 22.
A itio rs. cada um.
Defronte do becco do Peixc Fri-
Vende-se na rua Nova n. 38, defronte da
ConceigSo cadiohos de n. 1 ale n. 40 a 120
rs o numero, arcia de moldar, Ihczouras
grandes, muito boas, Vidroa para \ hliaca,
lano em caixa como a retadlo, muilo bara-
tos, oleo de linhaga, tezooras pequeas, mo-
las p ra esporas, rozelas para as ditas, ver-
niz copal, folna de llandrcs em caixa, e a
retalho mais baralo do que em outra qual-
quer parte
Vendem-se 4 carrinhos de carrega.
'mercado.as da Alfaudega, por muito bara-
to, loja n. S, vendem-se lencinlios t ,ireC : na |0ja de fazendas, amado
de cambraia pintados, para mao det'f"si'0 *
meninas e senhoras, de muitosl l'oll,i e ""'dies.
, ^1__ __i- i .-. Vende-se fulUa do Ihndres do lu.l.i. as
bonitos desenhos, pelo uaraUaai-lqlM||(illdM g-ossura.s tanto cm porcSo
mo preco de meia pataca cada ti.11; j eoom em loialho, por piego muitu lumavel:
dar-se-J.5o as amostras com o com- -{- f, N- V"C "uii U
ptente penhor. 'compra cola o o latao velho.
desde seis annos foi proscripto por lodos os
mdicos Ilustres, e os suecessos qsotidia-
nos quo obten., lauto 0111 I/ranga como nos
paizes e'strangciros, furmam o melhor elo-
gio quo deste possa fazer-se, e a prova deste
be a grande sabida que esle maravilhoso
remedio lem lido as provincias do Brasil,
principalmente na llahia o Dio de Janeiro,
onde ha taas illustragOes medicas.
AVISO ESSENCiAL.
Deve-se smenle iuleira confianga as gar-
tafas que teem uma marca que leva a firma
do autor, scmclhante aquella queseviiem
lia 1 vo KiiiIih, para evitar o perigo das fal-
silicagOes.us accidentes que podenam acon-
tecer, e arrastar a cobiga dos falsificadores,
o publico he prevenido que cada garrafa
deve ser acon.panhada d'uma 1 n-li ucciu im-
pressa que iudica a nidiiuira de empregar
este me.lie.ilucillo, compilado pelo Sr. Cuil-
lie com a sua firma, e impreso 01.1 Paris por
o Sr. Goelschy; caracteres esseuciaes
go)de cassa, chale de 13a rouxo, ple mu-
dar os trajos; o andar da dila negra lie pisar
duro, o he descargada, denlos perfeilos, foi
vista na ribeira de Po-d'Alho : roga-sea
apprehengSo da mesma oscrava.e sua enlr-
ga no dito engenho, ou nesta cidade na pra-
ga do Coiiiincieio n. 6, a Manuel Ignacio da
Oliveira.
Desappareceu no dia 8 do
presente mez, um escravo de no-
me Jos que representa ter 41'
annos, grosso do corpo bastite
gordo, meio fulo; nariz chato, de
iiaeiio, tem uma perna grossa, um
escroto grande, que eslava em cu-
rativo, levou vestido uma calca a-
zul de ganga, camisa branca, cha-
peo de couro, foi escravo do cap-
taozinho i rogi-se as autoridades
policiaes e copitaes de campo, a
captura do mesmo a entregara
seu senhor, na rua da Madre Dos,
Joaquim da Silva Lopes.
Desappareceu no dia 8 de jolln dn cor-
rente anno oca bocio Jos, escravo de Pa-
checo, K1II10 & Meo les do Aracaty ; o qu escravo tem os signaesseguintes ; u braga
esquerdo quebrado na munheca, cabelles
pretos e grandes, bem fallante, o qual pude
Iserque quoira inculcar-so de torro, levim
caiga azul de algodSo, camisi de algodao I
listra, quando falla aperla um pouco a lu-
goa entre os denles: quem o pegarloviia
rua da Cruz do Recife n. 33, casa de I.ui
Jos de S Araujo, aonde se chava parase
vendido, que so recompensar.
Desappareceu do engenho Fragoso.ler-
mo do Olinda, o preto de nome Cuilhrrmo,
de iiac.n, bem ladino,estatura regular.uiein
corpo, bom preto; quem o encontrar levp-n
ao referido engenho, ou a rua da Aurora 11.
11, que ser bem recompensado.
ba f,iiniKi',c.iii.
Gralifica-sc com 50,000 rs. a quero appre-
heiiiiei um mulequo crilo, por nome Mi-
guel, de dado de 15 a 16 annos, fgido
desde sexla-leira 28 domaio prximo pas-
sado, de gancho o pesogo.secco do corpo,
cr bem preta, beigo inferior grosso, com
marcas de chicote pelas costas, vestido de
camisa dealgodo mineo com mangas cur-
tas, caigas de algodSosinho de listras azues;
he bastante ladino, tem falta de cabellos na
calicca por ter andado vndenlo fine! i-,
mandioca, macaxeira pela rua ; este mole-
que quando Ihe fallam, esta sempre cornos
olhos inquietos, e fazendo movimentoscom
os dedos das mos. PJe sur quo sc intitu-
le de forro, oque d outro nome, como ja
tirou o gancho do pescogo que linha quan-
do fugio do casa. Perianto roga-se a tolas
as autoridades policiaes, oa pitaes do campo,
o mais pessoas, que fagam todas as ditigeo-
ciaa do capturar esto moleque, e manda-lu
entregar a seu senhor, Jos Saporiti, mo-
rador no principio da estrada dos Afilelos.
Ua fabrica ocaldereiro da rua do Unnn
n. 28ausenlaraui-se, no dia iodo passado,
o preto Antonio de nigSo Cabinda, estatura
regular, cabellos um pouco brancos, cheiu
do corpo e muito cabellado nos peitns, ros-
to carregado; costuma em suas fgidas fre-
quenlar a Soiidade, Manquuiho o Afoga-
dos, eemsua ultima fgida foi pegado m>
engenho Cuca dislricto do Pao Formse: o
no dia 13 do correle o preto Alejandre, di
linean s. I hume, alto, corpo reforgado,
alegre, e j foi escravo do Sr. Holly e do
li anee/ Melequer, morador no l!io Doce, lu-
gar que o rnesinoescravo cosluu.a froquen-
lar as diversas fgidas que ha feilo.
loga-seas auto.idades policiaes e a quem
quer que delles der noticias, dirijao-.-ei
mesma fabrica quesera recompensado.
50,000 rs. de gratificagSo.
Desappareceu 110 dia 25 de dezombro ilu
auno prximo passado, do poder do seubor
Francisco Ignacio Mendes,do Itio do Janeiro,
o seu escravo Alexandre, de nago Cagangr,
estatura regular, o qual linlia sido aqu. do
Itecife, do senhor Luiz Carlos Freier.co do
Sampaio, quo por intermedio dos sonbores
Amorim irmios, o liana remcllido para a-
quella curte ao senhor Jos Antonio de .' 1 -
gueircdo Jnior, quo a. 111 o veudeii coi 17 de
junno de 1818 ao referido senhor lUcudrs,
em poder de qnem dilo escravo leve bexi-
gas, que Ihe occasionaram uma belide 0111
um oiiio, nao se sabe se 110 direilo ou no *
para
evitar u lian .o.
Vende-so urna mogi.o linda rscrava querdo, ignorando se lamben, ao etilo qua
parda, de 18 anuos de i lado, sadia e reca- idade que reprsenla : quem o pogar lu-
tada, propria pata muc-amha : na la do ve-o a rua do Viga.io, casa n. 7, onde sera
QiieiiiKi.il), loja u. 39. f proinptamenle |pagu da gralilicago aciuu
~ Vendc-se um oratorio grande, para se | indicada.
diier inissa em casa : ua rua do S. Conga-! __
lo II. 20. fiJuT : Til'. I>I Jl. (. ut F.vl.U.
I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ESYFYA0AY_U7P2X0 INGEST_TIME 2013-03-29T18:16:44Z PACKAGE AA00011611_03714
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES