Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03710


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo XXV11I
Sexta feira 16
DIARIO DE
deJulho de 1852.
N. 156.
I'MIM UBICO.
nir.^i a sBCiipgio.
P&OkHINTO AOUNTADO.
rm trimestre. .......
for semestre .
Poi on .......-..
PlOOOltlT DuniUlMH.
Pili nuarlc!.............
OTICIUDO UPIIUO.
'il. .. ) il. J ii ii h u Minas... 26 dr Mi,i
aljranhao. 21 de tli>o S.Paolo. 8 de Jnnho
(Vari. .- idedllo R. deJ.. 2' de Julho
l'.rilulti -.le Julho tahia... 31 de dito
DiA-D unini AUDicraclM.
fjSS ,2Seg.S.J..on.
i^SoS."!"0-8'*""1"01''
._ JU QuartS. Foca.
4/T'OO i5 Qulnl. S Camilo.
I(> Jext. S. Ma
Juitode Orphiv
1, e5. s III horas.
I.'vara do civil *
3. e 6. ao meio-dia.
Valetta.
Mara Ma-J. e6. a 10 hora,
gdalena. 2. vara do eivcl.
I" S.ii. S. Aleiio. i. e sbados ao melod
iS lidin. 7. O Anjo C.I Melacio.
Custodio do Imp. JTercas e ainados.
Crescete 24,11 hora e 17 minuto! da tn.
Chela a 3l aoa7 minutos da manhaa.
Mingoante 4 9, M 5 boraa e 48 minutos da m.
Nova i 17, a l hora 46 mlnutoa da manhaa,
whuami n ds oji
Primelra as 3 horas e i minutos da tarde.
Segunda s 4 horas e ti ininutoa da manba.
HaTiot oi ooimioi.
Oolanna e Parahlba, s segundas c aeitai-
felras.
Klo-Oiande-do-norte e Victoria as quinta*
felras
Bonlto,Carura,eOaranhum no ie I5dccad*
maz.
Florea,Ourlcurv.F.xu c Boa-Vlita i 13 e 28.
Olinda, lodosos diat.
Todos os Correios parteinao melo-dia.
TOTICIAS I1TR1NOI1B1I.
Portugal tide Junlid Austria 2;deJunho
Heapanba 8 de dito iSuissa.... I de dito.
Franja.. 8 de dito ISuecfa... as de Maio
Blgica... 5 de dito 'Inglaterra 8deJnnho
Italia.... 1 dedito E.-Unidos 23de Maio.
Alemanha. de dito Mxico... 9 de dito
Prassia ...> dedito California de dito
Dinamarca 30 de Maio Chlli, 10 de Abril
Ruasia... 28 de dito Humos-A. 15deMaio
Turqua. 26 Je dito iMontcvideo 5 de Junho
CAMBIOS Dr 15 DI
Sobre Londres.a 27- '/, por d.
i Paria, 355
> Lisboa,lOOpor cento.
ETJEI.
Ouro.Oncas hespanholas...
Hoedas de ti/400 reinas,
a de li'-luunovas.
> de 4/000........
Prata.Patacdesbrasilelros...
Pesos cu i ii ni ii a r ii,.i.....
Ditos ineiicanos......
jumo
/000 firme.
20/000
l/tioO
16/000
0/00O
1/J20
1/1)2
1/800
PAUTE OFFICUL.
GOVERNODA PROVINCIA.
F.XPKDIENTF. DO DA |. DE JUUIO.
Ollicio. Ao commanJo das armas dovol-
vendoos olllcios do capilSo commandanto
dn destacamento d'Agu Prela, o do 2o ci-
rurgiSo de cjnlralo encarregado da emfer-
maria ali existente, e declarando que quan-
do n3o se fizei necessaris a dita enfermara
cnnviranncxa-la da colooia mililar de
Pimentelrsa.
Dito.Ao mesmo para que a vista do que
oipe o comtnandante da culonia militar de
l'imentciras no cilicio que remelle, o quo
devera ser devolvido, providoncie sobre
a entrega da oflicina existente em Agoa
re*.
Hilo.A thesourari da (tienda remet-
iendo os papis relativos a pretendi de J>>-
sfi Virissimo d'Azovedo, padreJoSo Jos da
Costs lliheiro eoulros, a hu de quo man-
de proceder as necessarias dcligcnciasepas-
Sir (iluto a cada iim dos supplicantes, pelo
estado de echrysoliJade. O que compre de-
sojar, he que o espirita de partido delie filial-
mente de andar de rojo, c que o espirito pu-
blico desprenda logo suas asas.
O espirito de partido ouza ludo c nao pode
nada.
O espirito publico nada ouza c pode tudo.
O espirito de partido divide.
O espirito publico une.
O espirito de partido fmnenta a agilacao.
O espirito publico estimula a actividade
O espirito de partido perpeta o arbitrario.
O espirito publico consolida a liberdade.
O espirito de partido precisa da mentira.
O espirito publico nao pode passar sem a
verdade.
O espirito publico he tac favorarel ordem
pela liberdade, como o espirito Ihc he con-
trario.
O espirito de partido faz aos governos a sua
larefa to dificcil, quanto o espirito publico a
torna fcil.
O espirito de partido he lio engenhoso em
multiplicar os obstculos e ai rivalidades,
quauto o espirito publico he hbil em des-
trui-las.
O espirito de partido compiula tudo
O espirito publico simplifica.
O espirito de partido he a impotencia desci-
da ao seu nivelo mais baixo ; o espirito publi-
que perloncer a frente de suas propiedades uo mmm ul
lasendn-s-i na mesilla occasiao a mcdicao he a forja de piopulsu elevada sua inaia
doiorrenoem freole das propiedades do alta atmosfera : um he o genio da guerra civil ;
coronel Jos Pedro Velloso da Silveira e Fir- o otitro o genio da actividade nacional,
mino Thoolonio da Cmara Santiago, os Infelizmente, c ha bastante tempn em Fran-
quees serao avisados para estarem presentes, ljfcS espirito de partido comprime o espirito
inscrindo-se no termo do modicBo o Ululo
que so houverde passar as clausulas cons-
lanles da iiiforiiiacSo do cngcnhero medi
dor, e a de seren os furrirus ohrigados a at-
lerrar a maiinha c Inzer o caes, conforme a
I lana respectiva, dentro de um pra.-o ri_
soav<
publico ; he a esta compressao que cumpre
attribuir este desejo infinito de inudanca, que
consume igualuieote depressa as Inslituices
e os homens.
A falta de espirito publico entretein o espi-
lito de partido ella retarda os progresos so-
ciacs faz eternas as dlssenscs civis aggra-
vol. que a dita thesouraria marcar, sob va o mal gerol ; loma esteris os homens ca-
pona de licar sem cTei lo a ConcessflO, como I? cufraqueceas uacoc. as mala fortes,
ndica o., coronel, c parece de utili- &*^'St)J^*Z*tt
dade publica. l'ui paii ao qual falta o espirito publico, nao
Hilo. A mrsma para enviar um prcamen- ,em lq|ml|oque mais deva temer senao a ai
lo da dfspt'sa precisa com o pessoal da co- mesmo.
lonil de Pimcnteiras, declarando a impor-
lancia da consignafao votada para maniera
dlla colunia.
Dilo Atnesma diztndo ficar inteirado do
que aquello Ihesouraria expoz a cerca d
espirito publico de urna naco, he o que
constitue sen typo, seu valor, esua superiori-
nerado, ella nao produz seno a mediocridude
e o rgoismo, o provisorio c a perplexidade .
urna naco que nao temo espirito publico
Dl\ 14 DE JULHO DE 1852.
Pretidcncia do Sr. Dr. Slanotl Clementino Car-
Miro da Cvn/ia.
Ao meio dia, feila a chantada, verilica-se
estarooi preaentes20 seuhores jurados.
Nada consta, relativamente as nolilica-
(Oca dos 21 jurados sobre quapiuizde di-
reito ofllciou ao juiz municipalrro dia 12.
SSo multados em 10,000 rs. por nSo cooi-
parecerem, iiem apresenlarem cauaa logal,
os senhoros :
Jos Kernandes Eiras.
Jos Machado Porlella.
Jos Pedro do liego.
Jos Caelano Vieira da Silva.
Joaquim Carneiro Machado Ros.
Jos dos Santos Mues de Oliveira.
Jos Xavier Faustino Ramos.
Pedro de Moraes Carneiro da Cunta.
JoSoLeite Pitia Ortigueira.
Bruno Antonio do Serpa BrandSo.
Jos Venancio Machado da Paz.
Jos Alexandre Ribeiro.
Antonio Vicente GuimarSes.
Caelano deSouza preira de Unto.
Foi dispensado o Sr. Dr. Firmo Xavier, a
requisigSodo caminan Jante das armas.
Em seguida silo tirados da urna subsidia-
ria dos supplentes os seguinles 29 se-
nhores.
Manoel Ignacio de Olivea Lobo.
Francisco Antonio da l< Francisco Joaquim Machado Freir.
Jos Ignacio Soares de Macedo.
Manoel Antonio Marlios l'crcira.
Bellarmino dos Sanios llulco.
Francisco Camello l'essoa de Lncerda.
Anlonio'Joaquim de Mello Pacheco.
Juflo Francisco Regisdos Alijos.
Jo.1o llaptista Accioli.
FelippeNery Collaco.
Joaquim JosMorcira.
Dr. Juvcncio do Reg Rangel.
Antonio Pires Foireira.
I.uiz Conzaga de Sena.
Joaquim Jos de Carvalho Siqueira Varojo
Jos lgidio Ferreira.
Luiz Anlonio dos Sanios.
{8o de quebra do fallido Pedro Alves Pires,
que iian assignou termo de compareclmento,
segundo o art. 822 do cdigo do commer-
cio;e antes ausenlou-se passsndo-se para
outra provincia, admittio Jos Antonio P-
reira Guimares, um dos ndigitados como
seductor do fallido para que Be apresentasse
quebrado, como procurador do mesmo dei-
xando-o contestaras testomunhas, e fazen-
do assim a sua defosa, apontando at leste-
innnhas, que foram chamadas pelo juiz, e
depozeram no proc.sso, documentos ns. 2.,
3ei.
3. Ilavendo admiltido procurador na au-
soncm do fallido Pedro Alves Pires, reque-
reu este que cassava os poderes de seu se-
ductor, e que queria se aceitaaae oulro pro-
curador ; o juiz despresou o novo procura-
dor, continuando a centestatao o seJuctor,
e s no dia seguinto ao em que isso se re-
quoreu n.lo admittio procuradores, docu-
mento n. 5.
4. Presidindo o jury no dia 3 de marcp,
declarou publicamente em HttBo, que um
jurado, Jos Antonio de Araujo, estava por
elle pronunciado prisSoe livramenlo por
i'iimn innaliancavel, o o deixou relirar-se
aern ordenar sua prisSo, e nem o promotor
a requereu, documento n 6.
. 5. Ilavendo-se arrematado os gados do
ausente, Fidelis Duaile de Albuquerquc, na
eatrega conheceu se que haviam sobras, o
juiz sahio do Penedo, foi ao lugar, verilicou
a sobrade 14 caberas, mandou-as arremn-
tar, e tudo fundi as cusas, nfio entrando
pata o cofre real, documento ns. 7, e 8.
6 Passando-se para o outro termo de Por-
modia, estando em lugares moito distantes,
como furam as avaliafOea do casal do fina-
do Manoel de Almeida Souza, no 1.deo'J-
tubro de !851,avaMando-se fazendas de ga-
dos apartadas urnas das oulras, fora mullas
legoas da povoar;!lo de Malta Crande, e nesse
mesmo da, avaliou-se urna morada do casa
em a dita povoac,Sode Matta-Crande, docu-
mentos ns.-4 e 5
Nesse mesmo dia fez a 'discripfSo, o ava-
liaciio dos bens do casal do Hilario Pereira,
distante 4 legoas da povoaclo de Malta-Gran-
de, documento n. 5, Era esto juiz invisivel o
infatigavel a ponto de obrar irjpossiveis
com o seu escrivao Jo.lo Antonio llaplista,
figurante em todos estes procossos !
Occurro ainda mais para cumulo do tudo,
que para cada um destes actos, l.o avalia-
epes do casal de Almeida e Souza, e 2. in-
ventario de Hilario Perei-a, feitos no mes-
mo dia e hora, mandou o juiz contar cami-
nho desde esta cidailo uP Penedo, que lica
em outro termo, e onde mora, e cada urna
conta de emolumentos importou em cenlo
o tantos mil ris, documento* ns. 6 e 7.
ltimamente, seulo Benedicto Soares de
Freltas Mello, quem requereu por seu pro-
curador (que dizem lersnlo o Dr. promolur
(7ni.iv.irm n lovaiitsmcnto do depositada
casa fallida de Pedro Alves Piros, comoae
evidencia dos documentos oflereciiios con-
sideroslo do governo, sol ns. 11, 12, 13so-
bre o art. 7.0 do meu ollieio de 15 d i mar-
co, tiveram a habilidade de licarem-se com
o (IiiiIii'.m levantado, e darem ao dito Be-
nedicto Soaros do Freilas Mello, ordenspara
cobrar, pelo lado do promotor 100,000 r.s. d'i
lodaFolha, na forma do deercto n. 278 de mo do Jos Dimetrio lavares, e pelo lado
24 do marco de 1843, para all praticar actos; do Dr. juiz municipal, das cusas do inven-
remitacao do trab.tho d.cap.t.zi. da ... SS^VOT 'ZZJgZZJBSZZ I ?ffi^^d.1Svf "^
landega dcsta cidade, c declaran io que ap- i0UIVidtialinenie tem-se menos valor, urna na- Alexandre Juso da Rosa.
proa o laiiQO de 57 pur cont olT.irecido por (ao que nao tem mais espirito publico be una I Antonio Joaquim de Souza Ribciro
Jns Thumaz de Campus QuHresma, poden- cadea rota que uu tem mais taco. Bernardo Jos da Cmara.
doa mesma thesouraria eifectuar com elle Admira-ac sem ratao que a Franja, outr'ora; Manoel Ephigenio da Silva.
oconlrato. 10 fecunda em graudes homens, seja agora Dr. Joaquim CyriacoConcilves da Silva. .
Dito -A meQ>a transmistindo urna copia to estril. Sada mais simples de explicar : Joao Policarpo dos Santos Campos,
do ofiicio do cheo de polica de 28 de junho esl,rl dc ""lido' H"'^"" 1ue "fJ* cor ] "So Carlos de Lemos.
,mo,.companha,laPda c,,nt. em Jupli- ^^^5?". <%tvSJSVSZ *'21nJ,LUC,,,f d9 Horm """"^ tt'
ctadadespeza leilacomo roniecimenlode 0 nve| ,.uc C0I1, clle niede as suaa milicias, o'. 8"l8lv .
luzesao quartel do destacamento de Niza- espirito dc partido nao tolera que os homens J.osu Mauricio de Bilencourl Lacerda.
rclhilcsdeo 1 de setemlxo at 31 de de- superiores c conscienciosos tenham urna opi- 'redertco Augusto de Lomos,
/timbro do atino passado; e bem assim as de nio que seja diU'crcute da dc seus fautores, i NSo havendo mais a Iratsr-se
mais cotilas da conli usclo do mismo for- que ctles cipeiu.cm ciu outros termos que nao O juiz presidonle mandou fazeras respoc-
n?cimenlo al maio prximo lindo, lim da sao os couseucionados, e que conservara final- twas notilica?(5es, marcando a sossjo pora
lineas mande examinar o pagar, no caso m!nle ,clcvu Uc ,*fu"'",1i.in,1,r.he .. niantiia (15) s 10 horas da manhaa, edis-
3. SSUrm conforme., a Mam, Di.S Fer- Z&SZ&^eSPJffSXZ ^o.veu reunid,
nandes.Coinmunicou-se ao enero de po- s|1(,cru,ri a capacidade dcslc bomcm que nao
licia.
Hilo.A mesma intciranJo-a do havor
t'oncodulo 20 dias de liceuca com ordenado
ao piovnotor publico Ja romarca do Pao
d'Alliu, Joaquim Canuto de Figueredo para
vir esta CapitalFizeram-se OBslO sonll-
do as necossarias cominunica^dos.
I)ito.--Ao juiz lelator da juntado juslica
Iraiisinillindo, para seren relatados em
sr.ss.1n da tnesuia junta, os processos ver-
protege mais a independencia se cxlriogue; se
pelo contrario, desengaado elle ee retira,
loina-se logo suspeitos todas as opinides ;
dizem dclle que he inconstante. Elle est ucs-
cuncciloado.
Kis-aqui o mal que produ etn um paiz o es-
pirito dc partido. Elle isoia, desanimaos do-
mea independeules ; crea a indiUrenca cin
materia de governo.
fto conllicto das ambires os interesses do
paiz &e olvidam, as revoluedes se preparatn
Tiibunal do commercio.
. De ordem do tribunal do commercio da pro-
vincia de Pernambuco, se faz publico a icbco
abaixo transcripta dos agentes dc Leilei que
c liuliicularainno ineimo.
^Jofio* Ignacio dc Medcitol Reg,
iervindo de secretario.
RLACAO'.
N lO'.i. OSr. Francisco Gomes de Olivcira,
cidado porluguez, domiciliado nesla prica
baes feitos aos soldados Cosme Ferreira da porque os povos, a seu turno abedeccm a una
Silva, Honorato Jos da Rucha e Feliciano le eterna de progresso; lei invisivel que dir- foi desouerado por haver requerido do cargo
Rizrra Santiago, esto do corpo de pulicii, liba os governos que a desconhcccm. i de corrector, e matriculado nesta daM-ageuic
o aquellos do 4 balalhuo de arlilharia a p. A2" dc dezembro de I8jl o espirito de par- dc ledes para servir no destriclo do tribuial,
--Cummunicou-so ao comtnandanle das ar- 'cccbeuum violento golpe que o alterrou, de que prestou juramento
mas eaocommandante do referido co.po. e do qual nao he para desojar que elle se le- P..IJ0 O i-r. Groguno At.tuncs deOlivera,
elle deixou
110
cidado brasiteiro,
domiciliado neala cidaie i
sttspen lain as diligen-
Clia do recrutamonlo duraniu o louipo em
que o vigario da pnmi ira das moncionadas
Iregtiezias Antuuio lligino de HolUnda Ca-
valcanti Chacn, que se acha autorisado
por S. Eic. Rvm. para crismar c pregar na
sua eoulras Iregtiezias da provineja, exrr-
i' ir nos lugares cima mencionados as func-
cOoa do seu sagrado ministerio. Cummu-
inrou-se ao referido vigario.
luto. Ao juiz de
],i ni,"ira vara desta cidade dizendo, que pa-
ra ser cncaminhada a petieflo do Custodio
dc seu oflicio, cobrB custas desde a cidade do lariodeJo- Vieira Jnior, dando procura-
Penedo, quo dista 14 legoas, o representan-;{Soso oosnvi Freilas Mello, nfio lindo al
do-lhe o contador, ordena queas contasse,'quando mo respoiidou recehtdo essa quan-
documenlos ns. 9 e 10. ta, documentos ns 8, 9 e 10.
7. Nos processos de quebra earrecadscao' Assimcom csses documentos combina los
de Pedro Alves Pires, nfio bavendo-se acha- so demonstra o conloio e commercio que ti-
llo dinheiro algum de deposito, documen- nham'ostes empregados, o com as partes,
ton. 11 : nSo tendo ainda classificadooscre- quo perante ellos demandara O, ponto de
dores, documento o. 12, ordenou o paga- com ellas terem transacepes, e se constiloi-
menlo do crodor que se dizia senhordo de- rem devedores.
psito, e apezar da opposicao de todos os Rogo V. Exc. a dovida direccao para o
outros credores da massa fallida, mandou governo gcral destes olllcioa e documentos,
pagar contra a lei comtnercial, documento como be de lei.
13. i Dos guarde a V. Exc. Cidade do Po ieJo
8. Sondo condemnado o reo, Manoel Joi- 2i dc maio de 1852 llltn Exm. Sr. vice-
quim Braco-Forte, 20 aonosd gales, o'presidonte, Dr. Manoel Sobral Pinto.--Jos
sendo esta pena confirmada pela retaceo, o Vieira Rodrigues de Carvalho Silva, juiz de
juiz mandou prem exorno, jo, diminuindo direito da comarca.
ao reo 2 annos, e contra toda a lei e regula-
mento de 31 de Janeiro do 1842, documento, DOCUMENTOS.
n. 14. j a N. 1.Cumprindo a portaria supra, ccr
9. Havendo pronunciado em reo em Teri- tfico quo revendo os autos de que (.i/, men-
mento do artigo 201, nao londo havido re- c3o a tnosrna portaria, dclles a lolhas 3 na
curso nos 5 dias depois delles, e passadns reto,"),) do queixa dada pelos negociantes
tempes requereu o promotor um oame de Araujo 6i Filhos, contra Podro Alvos Pires, e
.-aullado sobre o ol ndi lo, c com seu re- outros, por or une do eslillionato, e furto, se
sultado flonge de guardir para olibello) re- v c mustia o despacho di llieur seguinto:
querett aojuiz municipal para reformar a Doslribuindo c jurando, noliliqiem-se
sentenr;a, e elle sem mais altcuc3o lol os denunciados para a instrucc3o da culpa,
mandou vir os autos, o reformou a sentonca no dia 19, na sala tttt audiencias as 10 bo-
de pronuncia para o artigo 205 ou 20K. Eite ras da manhaa.
documento est no 1. oflicio reservado quo fanlo 18 de dczetnbro do 1851.Rarros
enviei a V." Exc. com data de 24 do ja- Leite.
nciru. i o E na la mais so continha em dito drs-
A respeito do promotor. ; paclio, depoll do que a rolhas 25, em urna
1. Os documentos que provam os aitigos policHo do queixado Jos Anloniu l'oreira
4 e U, contra o juiz municipal, pruvam igual- cuimaros, requeren lo a suspei(8o do juiz,
mente contra o Dr. promotor publico. [sev o uioslra o despacho do tlieor seguinto:
2. N3o cumpre com seus deveres, on>re-j Suspeito-me no processo de quoixi in-
cendo os libellos sompre Tora de lempo, do-| tentada por Araujo & Filhos, por ser amigo
C'imento n. i e2, tratando mais do sor ad- intino de algumasdas parles, o quoalirmo
vogado departes doquo de ser promotor.com juramento, o esciivao jutitaudj esta
publico. jaos autos, remella seu conliecimonto ao
3. Requeren contra lei expressa, para n3o, juiz quo mo substituir, citadas as partes.
'8 de dezembro de 1851.Barros
mais se continha em dilo tlrs-
s do quo em una policio tos
Jnac' Silrcira tic Souiaf
nir.n.i m.iif,t<
estiva balanciando, do fallido a este inti-
mo i um despacho do juiz municipal dado em
urna peticfi do curador fiscal, para o mes-
mo fallido dentro de 3 dias apresentar o ba-
i un; >. ou vn -o proceder na forma da le.
No dia 19 do mesmo mez, assistio pes-
soil o dito fallido, ao termo de inserra-
monto e juramento, que assignou.
no dia 20 do mesmo mcz.no armazem
do fallido intimei a este para apresentar no
juizoos escravos e maisohjectos quo oxis-
tiam em seu poder conforme liavia decla-
rado, no termo de incerramento.
a Isto he o quo consta dos referidos autos,
porm tora desses dias, algumas vezes o vi
nesta cidade e no herr novo em oecasiao
da arreesdacao.
Certifico mais que no processo de ins-
trucc.30, oslando eu cscriv3o na casa do Dr.
juiz municipal, cscrevendo no mesmo pro-
cesso, na m,|uine>> de testemunhas, no dia
21 do mez prximo lindo, as 4 horas da
tarde, pouco maisou menos, appareceu um
mosso que se disso ser do villa Nova, o en.
tregou um requerimento ao Dr. juiz muni-
cipal, o qual despachou, e declarou-lbo
que a ii.Jo admiltia como procurador do fal-
lido.
E mais certifico que no dia anterior 20,
estando eu escrivao no mesmo servicp do
processo em casa do Dr. juiz municipal, de
II horas para meio-dia, pouco mais ou me-
nos, ali appareceu um homem morador na
ra do Cortume desta cidade, que ignoro
sou nome, o entregou ao r. juiz municipal
um papel dobrado, que me pareceu urna pe-
ticao, o dizondo-lho < mesmojuiz que opro-
curasse, logo por quanlo estava ocupado in-
querindo testemunhas e nSo podia ver o
que era ; depois das inquericOes foi que eu
escrivao ouvi di/.erquoera urna petiefio do
fallido Podro Alves Pires, requerendo quo
fosse escluido de seu prucurador, Jos An-
tonio Poreira Guiniar3es.
leo que certifico a tal resperto, e delu-
do dou r.
Penfido i de marco de 1852. O escri-
vfio, JoaoLouronrp llarreiros.
a N. 3.Cumprindoa portaria supra cer-
tifico que revendo os autos cima mencio-
nados, o pela contestaepo feita pelo procu-
rador do falli lo, se v que o mesmo pro-
curador, declarou tor fcito o- requerimento
de quebra na luja de Jofio de Almeida Roiria-
ris, o qual sendo chamado a juizo, seu de-
."I moni i lie O SegUitltC !
Jo3o do Almeida Romaris, braceo, ca-
zado, morador tiesta cidade onle vive de
seu negocio, com iilade quo disse ter 30 an-
nos, jurou aos Santos Evar.gelhos em um li-
vro delles em que poz sua m3o direita, e pro
metteu dizer verdade do que soubesso e Ihe
fosse porguntado, do cociumo disse nada.
E sendo polo juiz perguntado sobre os para-
grapbos coudos no art. 800do cdigo com-
inercial ; quanlo ao 1. paragrapho, dissa
que sabe quo o fallido Iralava-se rcgular-
nent'), o dc conformidad" com as suas pos-
ses quanto ao 2 paragrapho, disse que
guorava que o Taludo perdesso algum di-
nheiro om jogo, ou a postas ; quanlo ao 3.
dissoque nunca llieconstou, que o fallido
ven lesse por menos do preep corrate os ef
feitos quccomi'rou nos ltimos 6 mezes an-
teriores a sua quebra, e se acha ainda de-
von.lo; quanlo ao paragrapho 4. disse que
i.no-.iv i se o fallido, entre o seu ullimo
balanco e falencia se achava devendo o do-
bro de seus rundos, sondo porguntado a res-
peito do paragrapho 3. do art. 801, disse
que sabe ter o fallido, se auzenlado para
Villa Nova dopois da falencia, e suppoe ello
oslar oceulto por nfio vir a esto lugar. Sen-
do perguntado a rospeilo dos paragraphes
do art. 802; quanto ao paragrapho 1. disso
quo ignorava se o fallido tivosse despezas ou
perdas feclicias, ou falta de justificacao do
Correspondencia.
receres onV,r,*ces2e es beo* 0 roz com
maior parcialidado apresentando lodo o ri-jdespacho seguinto :
O espirito publico he ludo oque he grande c
OClio, iii'7, BUC i*C iiuain fl jusu u O
inlcresse de lodos, o direito de todos respeita-,
do e rcconliecido por todos.
U espirito departido olba para tras dc si, he
o passado
O espirito publico olh.i para dianle, he o fu- :
turo.
A nossa escolha nao pode ser duvidosa.
Nao temos de viugai .. denota do espirito ,orI,e> srranc? dehaixo de urna longa irozia parem- n< lihellnj, documento n. 4.
diraibi interino da de paitido. nue na Casa Forte se commettem frequentes 5. Requereu contra a lei expressa, docu-
Temos dc preparar a gloria do espirito pu- 'unos; queos objoclos fuados sao deposlia- mentn. 5.
n dos sitios do Sr. Nuno alaria de 6_ t;ICedeu-se as suas atlribuicOos re-
gor das leis contra o juiz de paz Manoel io-
, se da Costa Batinga, porque he seu desafec-
Senhor redactor. Lcndo uin artigo pubii- lo' c a m,ior impcidade nos du seu amigo
cado na Impresa (peridico,; n. 149, de 12 lo Jofio Antonio Baptista, pelo que mandei re-
' corrente, em que seo autor sem duvida mal In- Miniar o segundo llbello, e o inultoi : rom
Se oespliilo publico quer ludo o que pode. Sellas; e que a policia tcitamente consealei d .. esc'riracs o
lerrcira de Mello, laz-se necessano, que S. a pac||c8'c-u dos espirites nao tardara* em res- dormlodo ao >om da msica como seja a ae- i P.r?n*.,\"e.r _." ,_"J" Aa .?V.r"?.?
Me declare quando loi ello preso e romelta timir a Franca a liberdade que Ihc fez perder Bunda jrez que sementantes alelves :e repelein
!autoridades processantes, como se fosso nao
Inil" Girardin.
( I'ICSIC. )
S"
cu sinto-mc ua ncccssidadc de por amor ver-
dade dar mu solemne desmentido a (ios reve-
; lardes, declarando pela sua prestimosa fnlha
j qua he falso e falsissimo tudo quanto a tal i, ,-
I peltn ae tem publicado na /m/irenin. Vou fre-
quentemenic a frogueila do Poco da Panclli
i conservo all umitas rclaccs, inclusive com o
digno subdelegado do lugar o Sr. major Jos
Theodoro dcScua, que me honra coro a sua in-
liinidadc, e posso asseverar que aquellc tugar
gosa damalor tranquillidadc em todas as rea- prido, quando V. Exc. de mim exigia.
(des; e que, se alguma viola(o do direito de' D-us guarde a V. Exc. Cidade do Penedo
propriedade actualmente se tem dado, os oll'en- |5 je mar^o de 1852 lllm. e Exm. Sr. con-
,f dldoa nao tem procurad a interveocio da po-' se|hero presidente da provincia.-Jos Viei-
ronstou que foram eflectl va mente notifica-1 'c'f; e da natureza daqucllas qi e se com- uodrigues Je Carvalno Silva, juiz de di-
- dos para comparecer na presente sess3o 27 ""I*" "'"da os i..., bem policia- ,,. SZmm
PERNAMBUCO___
JUKY DO I.ECIFE.
DA 12 DE JULHO DE 1852.
Prcst/eiicn do Sr. L)r. Manoel Clementino Car-
neiro da Cvnha.
Ao meio dia comccindo-so os trabalhos,
urna copia authentica dascnten;a di pro- a diviso dos partidos,
nunria e da cundemna^So final em virlude
da 0ccis3o do jury.
Dilo. A thesouraria da fazenda provin-
cia! inleirando-a dc haver, de Conl'ormida-
dc com o que expoz o director das obras pu
Miras ordenado, que os accrescimos dos
concerlos da ponte dos Carvalhos, constab-
les do orcamento, quo remelle por copia,
uissem Teitos pelo arrematante dos rol'. 11 io>
roncertos, com o mesmo abato j reito no
pnmelro orcamenlo. Olliciou-se nesle
sentido ao .-ererido director.
Portara. Mandandoem vista do qua re
querou o hachan I Antonio Aunes Jacome
Pim, que liquo sem ctToito a purlaiia,| ola
qual foi comeado o mesmo hachare! para
excrcor as runcepes do cargo de procurador
fiscal da Ihesouraria da tazenda no hi ello
que pelo juizo dos Teilos movo Lau.-iana
Roza Candida Rigueira contra a razenda na-
cional, a Sania casa da Misericordia do Rio
do Jineiroeoutrus, c Horneando para servir
o mesmo cargo em dito libolloo Dr. Braz
Florentino Henriqucs de Souza. Fizeram isjl,va dee ,ne plrrlicipas"se "quaes
sea respeito as convenientes cummuoi- iUaquelles2l j(lraquos fossePm al aquella da-
urna parto, porem um superior, domnen-
lo.- ns. 6e7.
Abi lom V. Exc os relos especificados c
a Junto aos autos subam a ronclus3o.
v pen lo 23 de Janeiro de 1852.Assump-
53o
. Dopois do que subindo os autos a con-
clus3o proferido mesmo juiz o seu despa-
cho do Ihoor seguinto :
a 11, le indo a peiici a lolhas 33, pro-
ciga-se nos termos da prosebe queixa, ci-
tadas as parles, e as testemunhas," WS'CC^
o dia 31 do corrente mez as 10 horas na sala
das audiencias, para virem jurar as mesmas.
Pnelo 29 uc Janeiro de 1852. Assump-
?3o.
E nada mais se continha em dito des-
documentados, e (ico anda extrihindo ou-| pacho, depois do quo a folbas 38, em una
tros documentos, dentro os quaos um dear- peticao, do queixado Jos Antonio Pereira
rriuat icprs de bens de orphSos de conluio Guimar3es, em que requereu fosso despre-
cutre esles dous empregados, e logo que os
tenha em miio, enviatei a V. Exc. em addi-
tamento deste meu oflicio. Julgo ter cum-
dos, e que semprc se coniinettcro emquanto a
jurados, dos quaos apenas se apresentatam ocedade se com puerrde homens. IHui. e Exm. Sr.Prometiendo, em addi-
13. O juiz de direito dispensou da sessBoj Senhor redactor, eu vejo as cousas como el- tamooto ao meu ollicio den. 17 de 15 de
por escusa legal cinco jurados, e multou na las sao, e nao costumo torce las, ou envenena- marco, enviar V. Exc. os documentos quo
quanlia de 10,000 rs. a 9 las em favor ou etn detrimento de quem quer ficava exlrahir, agora os remello, o por
Como nao houvessetn sido citados 21 jui- que seja: por isso peco-lhc a publlcacao destas ellos cnilirrera V. Exc. o conloio de que fal-
zos do fado, mandou sortear da urna subsi- l'oucas linhas.eom o que muito Ihe ficar obri- |e nosuppracilado ollicio ; por quanto sen
3nas 14 jurados e 6do "<> venerador ele pro^olor bljco dcs;
cnmnetent-.com- .......^. J. rfe oraes Silao. mnJ mm ,
diaria dos supplentes ape
ofllciou ao juiz muuicipal competente, com
municando-lhe, que havendo espadado para
o dia 14 do corrente a sessfio do jury, rc-
l'.e, :e li de julho de 1852.
racocs.
EXTERIOR.
Pubhcacao a pedido.
U LSPlItriO DE PARTIDO E O ESPIRITO
PUUL1CO.
A paz he iropossivel em quanto as di-
versas ( l.i.-e- e os grandes partidos poli-
ticos que encerra a nossa soceidade,
.iioeiit.iii ni a esperanca de destrulrem-
sc mutuamente e dc possuirein sos o
imperio. He este, de />oi* dc 89, o mal
que nos pertegue t pertuba peridicamente :
l in.i-, vezes os ('lencelos democrticos
a cuniarca, mo(,o
pobre, e com O pequeo ordenado do res
500,000 poranno, n8o seria possivel razer
; urna arrematadlo de-I :I36,100 rs. em gados.
| Consta publicamente quo csses gados loram
mandados para Camaragibo, para casa do
ATTENCAO juiz municipal, como diziara.osconducto-
N. 17.--lllm. o Exm. Sr.Paaso cum- cesa quem cncontravam, e eram intllula-
prir o que me ord-nou V. Exc. om ollicio ra- dos--a boiada do Dr. Caldino. Fcil ser
servado da data do 1. doste, especificando coohecer-se pelos forros c'os gados, onde
ta notificados, e Ihe transmittisse toda
correspondencia havida com o subdelegado
do termo a semolhanto rcspeilo em ordem
a se po ler proceder nos termos da le contra
aquellos que se conhecessem omissos no s factos documentados Vcerc dos bacila- param, quetn boje pertencemfe por quem
cumprimetilodos seus deveres.
Foram mu lados os seguinles senliores :
joo Leite Pitta Orligueira.
Jos Fernaudes Eiras.
Jos Machado Porlella.
Jos Pedro do Reg.
JosCaotano Vieira da Silva.
Francisco Serfico de Assis Carvalho.
teem estado a ponto de extirpar o elemen- jo.ouiai Carneiro Machado llios.
lo aristocrtico; oulras vezes o elemento >, s,|ll0, Nunes de Oliveira.
aristocrtico tem tentado destruir os ele- '" Y p...,.;.,. n.mn
memos democatlcos e rrassumlr o do- Jos Xavier I ausliuo Ramos,
minio. As constituiedes, ai lels, a pra-' Foram dispensados os seuhores :
Uva do governo teem sido deregidas al- Juan Gregorio dos Sanios,
tomadamente como machinas de guerra Antonio Cardozo de yueiroz Funseea.
contra um ou oulro designio, uirra {\ernii de Sa e Albuquerque.
ile mor/ona qual neubum dos coinbalentea itlanoel Antonio Comes,
iulgava poder viver em quanlo o seu ri- jos |.edro da Silva,
val eslivesse em p i
Guizof. ^~^
espirito publico em Franca aluda esui oo 1
rois juiz municipal, Caldino Augusto da Nac- foram vendidos, documentos ns. 1 e 2.
tividade e Silva, e promotor rublico Lou- Vai out'0 documento, pelo qual ver V.
renco Accioli Wanderlry Canavarra, em ob- Exc. os pareceres, que deu o Dr. promotor
servancia do art. 28 do regulamenlo do n. Luurencp Accioli Wanderley Canavarro, so-
120 de 31 de Janeiro de 1842. bre um crime de morle, slirmaudo nclles,
A respeito do juiz municipal. que havia prova sulllciouto para a pronuncia,
1. n.iven lo-so aprosentado urna queixa n3o obstante o Dr. juiz municipal, Caldino
de estellionatoe-furlo contra varias pessoas, Augusto da Nactividadee Silva, dospronun-
sendo esta queixa acceita, jurada pela par- clou o criminoso, o vindo os autos a uiiuha
le, marcado o dia para as inquirieses, e ha- correicao, deu o provimenlo, que muito me
Ordenando', que nSo obstante seus pa-jquejxozos, a rolha 37, o 3, em que reque- emprego do todas as suas recitas j quanto
a iroranj o nroseciiimenlo da queijca, so v o !ao Daraataplio 2., disse que sabe por ouvlf
dizer, que o fallido occultm 6lras, u.x:
negrinha, dizendo qu1! tiulia morrido afl"o-
gada, porm que n3o Ihe consta que elle ti-
nha occullaJo dinheiro ; quanto ao para-
grapho 3 disse quo ignorava seo fallido
desviasse ou applicaso fuudos.ou vallores da
que fosse depositario ; quanto ao paragra-
pho 4., disse quo ignorava se o fallido tives-
se feilo vendas, negociacoes, e doacOes ou
contrahido dividas com lingimento; quanlo
io paragrapho 5., disse que ignorava, so o
falliu'c-tivesse feito compras de alguna bens
om nome oVoifJ.pessoasj sendo pergun-
tado mais sobre os pjragraMN?.<.o.0 '' 80S
quanto aol. paragrapho, disse que Jgoora-
va se alguem se livesse manoumunado com
otfallido para mudar os credores ou oan-
xiassom para occullar bens.
Quanlo ao S''. disseque sabe por ou-
vir dizeT, que o' lallido lizera entrega a An-
tonio Vasco Cabral, de urnas letras, igno-
rando os valores destas, e se isto he exacto.
Quanto ao 3, disse que ignorava se al-
guem depois do publicada a declaracSo do
lallimento admiltisso, scss8o ou endosse do
fallido, ou cora ello celebrasse algum con-
trato, outransicr;3o.
Quanto so 4., disse quo silbo por Ihe
ter dilo o mesmo fallido o ser publico, que
os credores Araujo & Filhos quoriamqueo
fallido Ihe hypothccasse os seus bens, em
garantia de gneros que o dito fallido Ihe
havia comprado, recciando algum prejuizo,
por elle fallido estar com oulras letras ven-
cidas do quantia avultada, o que estando
ua ra da l'raia em casaonJeso achava An-
lonio Jos da Silva Travasso, o o referido
crodorJoso Antonio de Araujo, o socio do
fallido Manool Joaquim Pinheiro Simos, O
foi chamar para n3o assignar a hypollieca,
o d,.ni vcio para a loja dclle fallido, e pou-
co depois appareceu na loja dalle teslemu-
nha Jos Antonio Pereira Cuimarfies, e ou-
tros credores do i.ili lo,onde se achavam nao
varios crcdorcs.eelle tcsmunba.e disseram
ao la I in lo, que elle nao ilevia assignar a hy-
potheca, pelo contrario devia apresentar a,
reito da comarca.
zada a queixa, se v e um -ha o despacho
seguinto:
Sondo o crime do eslellionato diferente
dodc banca rota, nSoter lugar oque requer
o supplicanle.
Penedo 29 dc jinoiro do 5852. Assump-
53o.
E nada mais so continha em dilo despa-
cho ; depois do que c n oulra pelic3o do
mesmo Guimariles, de rolhas 39 a fulhas 42,
feila ao Dr. juiz municipal, pruforio este a
seu despacho snguinle :
i Junto aos aulos respectivos ser defe-
rido.
a penedo 31 do Janeiro de 1852. -Silva.
a Dopois do que subindo os autos a con-
clusSodo mesmo Dr. juiz municipal, nclles
proferio seu despacho do thpor seguinto :
Roformando o despacho que admetio a
queixa intentada contra Pedro Alves Pires, o
outros pelo crimp de furto, e eslellionato,
mando que fique de nenhum efloito es.se
prncedin ento como contrario as di-posi-
"es das lcis em vigor, por quanto os rtin-
dainentos da presento queixa slo os mos-
mos j apreentados nesle juizo em outra
queixa contra essas mesmas pessoas, como
auluras de bancarota, ou quebra fraudulen-
ta e so mandou juntar aos autns respectivos
>- IIUIII (,'(( J ( (i (('. a\ia a u**io iw|'.v iv. ,------------,------, .----------------------------------
no divido lempo tomar-se o nocossa- ua falencia por meio de um requcrimcniu
inhpcimento conforme dispon o co- e que se elle a nSo lizesse lam elles creuo-
pira
d^gocommVrciVio^creguyaiJorde^ fllete.sl?n!.^
icfc.usas. I nha par. ua toja appareceu os J
Penedo 31 de Janeiro dc 1852. Silva
1 Pereira Cuimaraes, oalleres Jo3o
de Carvalho Morcira, mais oulras pessoas, o
cumpriiiienlo da portara ahi o dito (iulmarSes Tezo requir nenio
gum ao quel___
mentn. 1. que o juiz municipal, sem respeito t lei, la-
2. Urganisando um processo de itislruc-1 zia diversos actos de seu ullicio em um mej-
illa os domis bens que possua. ao juiz dilo requorimento, mas
No dia 15 do rnesmo mez, na loja que so quem.
MUTILADO


(leu
fXffi^ -pnoroMJefcvoreiro de .859.-0 escri-
c"redore i a que n devia letr.s venoidas, e vio, J >9o Lourenco Birr.iro.
SuenSoqifrr'mconcordirque elle assig- Acioo.ndo a cerlldao supra. certifico
1_____.i!. ,.., .):,. nij|,irl \l'!llllart
rtm mina flllfl UVI'la ItVf POrCHl OTiptU i;r.iiimiun nvHv-------------------------- -
a antenado confer la a concertada por un. o promotor publico da comarca, o Dr. Lou-
eouWimfwmp .....ro.baixo.oco.i- renco Accioli Wanderley Canavarro eeu
certo a sfgnido nU cidade do Penado aos escrivo de ,D cargo. deu-,. prlnpo .o.
trablhOJ pelo toiue dr c.mpanhia, o em
,(?^Up".DlO di portarla MPH fi naaall. como jurado em.ra.io do.e
crti ico que revendo o proceso de instruc- tobar pronunciado em crimo toHmL
cSo de quebrado fallido l'odro Alves Pires ao quo se rctlrou o mesmo jurado, pelo que
delWoMh as constc.slacOasfeit.sas lea- iicaram 40 jralos fal-ndo con,11cau"
7u,b M^ procurador do fullido, Jos Sr. Francisco Antonio eriiandoa Pinhe.ro.
2g8 HU GU-artM, do theor ~.~^tt^~^
3b*sssars ssMf fiMS*
SS*l" fali'pola tes.emunha.rolativ.meo- hilado I BejrtO do hoj>J conltou do ma
|n* uarannla do .. do art. 803, na parto a serem esperados os Srs. mogo 'oso i mo
nuedLse QU9 elle prrtcur.dor do fallido Cabrel e Jos Antonio .de Coala; e. conti-
?MM.o.iqPeMtoVi!I..Boa. abrigaran, 'nnando a serom esperados o, domis sup-
II do a assign.r o requer-;penles, quo furam esperados t por In-
do Paula Rodrigues oni nonio de Pedro Al-
vos Pires, dizen lo a ello procurador, que li-
zesseo requerimento do decliirac/au do fal-
lencia em nomo Jo mesmo fallido Pedro Al-
ves Pires, O qual a quoria asssiguar, visto
que seachava em estado de insolvencia, a
quo ello procurador solisfi. mandando o
meilDO requerliiienlo naquclla loja oni que
colindas as leslemunhas para fra da salla
dos debales, passou o juiz a fazer por um
menor sorliai os 12 jurados que o deviam
julgar, e sahiram os Srs. Joilo Ilodriguoa Co-
yas, Luiz Machado Lnite, Joiquim Casimiro
Pereira, Manuel de Souza I'it.hciro, Jos
Juaquim Fernaodfl Firmo, Joaquim Anto-
nio da Silva, Antonio le l.cmi s Moreira,
quanll. de (10/680 r., que fon. Escrivo, ln-
icrloculorio, folhas, 90 r(. ; certido, lilem rii
fiOO lermo, dem, >0-rs. dilo, dem, 120
ra. cerlldao, dem,400 ra. termo, dem, lio
ri. ; cerlldao, dem, 8i>0 ri. | termo, dem, 320
re.; Inte i locutorio, dem, 90 n.; cam.nho In-
3
lu.ntia alguma om dinheiro nardo, o nualvlndo hojea Julio, deolarou que o
ndo mais que o diobeiro que se ferro do gado de #u. mil era o guete -ll-
.osito, be provenanlo da arre- ."'""> To..guinier aaa.ca .o
i genoros.e f.jenlaa,queno.ro- p Vi"'0 '
s,sendo portento eaie producto o em Daet
.-.cente exclusivamente. Eilando, ...Jj.jar
TiolZ" ^$***KM ~? <". rco" ?.'invent,da T r?
Omcial -- Carninho, UjOOO re. i calada, 6#ooo bra todo irregu ar, e nullo, quo como tal Pinedo
ra.: ludo Importa em (9|900 rs., que sal; va
lladorcs, 00 n. ; desneza eom junla do no he de di re lo, pode o supplicante recor
gado, (tf'iOO rs. ; coma 300 ra. : aomma -ludo Irerso remedio da lei f.zendopronderao dito
I33|200 rs. Silva. --E nada inals se conll- pejro Alvos Pires na qualidade de depozi-
nha, c ero deelarava em dllaa contas do que o I t|)r 0 q|]al n5o oustante 9Si9 chamado fal-
" "pSSf1ort5t*l,"d,"U>' 4e ,cha em Vill.-Nova, neg-
nfo achoo q
casa, consta
ach. em deposito, be" provenienlo da'arre-1 <.e J"?." "['.
ra.tacSo dos genoros.e fajenlaa.que no f->- """."Vi" que cenata do dito termo que flcou
rem furt.d.s.sendo port.nto esie producto o em -er J0 ,alt municipal supplente o com-
aos pertiMicento exclusivamente. Ellando, lcndador Jos Antonio de ArauJ, que a elle
-lo : o referido he verd.de.
-...do J8 de abril de 1852.Em fe de ver-
nSo pode produzIrefTeitosIgum valido, co- dade o eacr.vlo de orpho, Lulz Fernaodei
dos Santo.
Cerlleo que estando na sala daa audien-
ciaa desla cidade do Penedo o Sr. julr munici-
pal e orphioa, supplente o coinmendador Jos
Antonio de Araujo, comigo esoiivao, e o eicrl-
vo Fraucisco Merlina Velga, c de orphaoa Luis
que dito declarado lica, que ei
llclmcnte pasaei P''"''.^0/.0'"X" aoouall ndo, faiendo IransscOes e administrando I Fma'npea doi Sanloa, lindo ole apresentado
jS&X*EXUfimmwm bons. lieoquosenosofferecede responder, em jul/o o. auios de iavcni.rio do finado Ka-
SSB^m^mrSSm&TmUZ a conoloimoa protestando oonUa qualquer noe.de Abnelda *SJSSS^*m
duvida tac., aenuo por .mra I .ii!in Bm ir.,in aue certllicaase avlsla delles oaegu.nle.
S :v o7^ Id7;m^a 7.T. quo ah o Flix C.e|3n do Godo,, Jo; lento Viera
s,""u,sem estar elle procurador presenta, da Cunlia, JoSo Antonio de Mallos, l.omin-
eo inanJou despachar pelo sou socio Ma-'gos Jos da Silva t-rico e PraoO.SCO Jos
noel Joaquim Pinheiro SimOcs, pelo juiz, iIMntas-, os quaes presUram o juramento
oue entilo eslava nevara, Jos Antonio de doestyllo, de que lou nunlia fe; nao po-
Arauio. o qual devoi.do logo declarar-so .den lo fazer parte do mesmo c.nselho api-
uaneito ..or ser credor do mosno fallido, zar do sorti.doi. Joro Antonio d, Araujo,
por estar pronunciado ; Jos Ignacio do Bar
suspeilo por se
assimo nao fez e volliindo o mesmo socio
sem despacho, dizendo, que o juiz disssera
procurasse-odepois, ello procurador ontao
aconaelhou ao mesmo Pedro Alves Pires, r.
dizendo-Ihe que visto ja estar cmjuizo oiLemos Morena, tondo orco recusado dous,
seurequer.mentode deelaraco de estado e o promotor dous. c o Dr. Promotor n-
de insolvencia, dovia de couinium accordo nhum ; do,.ois do que procedeu-ae a tnler-
ros l.oite, po' ser fiador do reo; Joaquim
llodrigui'S de Meleiros, por lor sabido om
primeiro lugar o seu cunhado Antonio de
eom a maior parle dos crodores dello quo
ali ssachavam reunidos, trancar as portas
ile su casa e entregar as chaves a um ne-
gociante da escollia delle fallido e dgs ere-
dores, o que sondo approvado por toJos,
o mesmo ociodo fallido eom elle tranca-
ran! as portas e entregaran! as chaves ao ne-
gocenlo domingos Ferreira liveira Cuima-
r3os e lindou sua c inlestaQo. D ipois do
quo se v do mesmo procosso, a conslesta-
c^o foila a testomunha Agusiinho da Silva
Itaslos no me^mo dia 20, do theor seguinte :
yue a lesiiunlia quo acaba de depor
nenhuma fpde mcrocer em juizo, ja por
ser caixeiro de uoi dos credores do fall lo,
ej pelo modoiucerlo, e litubiantocom que
dopo, dizendo ora urna cou*a, ora outra,
em contrario, nlo aabando as daias nem o
lempo em quoaconteceu os fados referidos,
n3o sabondo timbem os nomes dos devedo
resquedissepagaram ao fallido depois da
quebra, faltando inteiramenle a verda-
de, quando disse que o fallido cicculliva
os
.oratorio do reo sobre os artigos do libello
smenle, por nflo haver conlrariedade por
escripia, proced lo o qual proco leu sa logo
i leitura do processo e ultimas respostas
do roo, dada a palavra ao dr. promotor pu-
blico para tazar a accusaQSo, podio osle o
mximo das pennas do art. 201 do co ligo
penal eom as aggravants do numero prt-
meiro, quarto, Sixto, quartorze o descete
do art. 16 do cdigo pennal, leu outra vez
o libello e provas eom que se aehava sus-
tentado, dopoisdoque foram inlroduzilas
na salla as lestemunhas da accusac,So, o ra-
tllicaram os seus depoimentos om numero
de urna, o dala a palavra ao defonsor do
reo, Jos Antonio Pereira Cuinarfles, para
fazer a defeza, desenvolvida a qual por nflo
haverom testemunlns de doroza, o tercm
desistido asparles da replica verbal; con-
cluidos os debates passou ojuiz a fazer a
recapituladlo do esljfllo, o'a propor os qui-
sitos legacs, eom os quaes foram recolhi-
dos os jura los eom as formalidades legaes
McravJs,"p.)rqinto, longe do mesmo na salii seciola das suas conferencias, e
fallido os ccultar, os declaiou ja por,dola voltaram eom as suas dpc.s0.-s, Ni
altou a verdade quando se roferio ao do a favo' do.reo. o condemnou o cofreida
esmo fallido, declarado que est Ibodice- municipalil.de as cusas. L por nflo Ha-
ello c por isso esla acia em que assig iou eom o l)r. pro-
....arado haver coni-;.n"t->r. dopois delida por mim Joaquim da
metido ocrime do bancarrota, quo tanto 'N.lividado Pnos Caco, rsenvaoo escrevi-
importava o liavor-lhcdeclarado ter extra- Galdlno Augus o da Nalivtdade e Silva.-
mais secoinmunicou eom
impossivul era.ler-lbedec
do, conferido e concertado, por mim proprlo
cscrivao, e outro cscrlvo comigo, abaiso ao
conccrio assignado, neiU villa do porto da to-
Iha aos 10 das do inc de fevereirode 185. Eu,
Vicente Ferreira Cavalcanll Mangabeira, escrl-
vaoqueo escrevl. Conferido e concertado por
mim proprlo cscrivao, Vicente Ferreira Gav.l-
canli Manaabclra. Conferido e concerlado
comigo cscrivao. Luis Albertaoo Cavalcanli. -
Est conforme.-- O cscrivao, Joaquim daa-
UvIdadcPirea Caco.
N. 0. -- Certifico que me aprcaenlando o
eacrivao, Joao Aotoclo Bapllata, o inventarlo
do finado Maooel de Almcida Souia paro con-
tar, promplamente o fi, e contando o caiul-
uho para o Sr. dr. juli municipal da comarca
dcsta villa at a Malla Grande, lornou-me dilo
cscrivao a traier os aulos, dltcudo-me qu,c o
sr li., iuu. inuoiclpal mandara dlzcr, que a
conla nao cstav certa, que eu devia contar o
caminho para elle desde a cidade do Penedo
at a Malta Grande, e eu tendo duvida nlsso,
fui pcssoalmcnle enteodcr-ine cora o >r. Ur.
juit municipal, disendo lhe que o contador
dcsla villa nao devia contar custaa, que per-
tcnciamao termo do Penedo, ao que me rea-
poudeu elle, que cu devia como contador con-
tar as cusas que o juiz mandava, e que elle
nao liaba mandado contar caminho do l enedo
cm alguna inventarios que lluha fello, porque
crain de peaaoaa pobrea, mas este que "nna
bens devia pagar o caminho deade a cidade do
Penedo al a Malla Graude, o que eu nao puz
mala duvida cm coutar, e asslin come!, c se
acha ..o dito inventario tincado. Pono da ro-
ma, I de fcverelro de 1851. O contador, Ma-
uocl dos Sauloi Moreira. Est conforme, o
escrivao, Joaquim da Watlvidade Pires laco.
N. 10. Manoel Vlelrade Citra Ilalalua, se-
gundo tabelliao do publico judicial c notas, ea-
crivao do crlme e ch-el vitalicio na villa do
Porto da Folba e acu termo, por S. M. 1. e^.,
que dos guarde, ele. ~ Aos Srs. que a presen-
te viren certifico e fajo cerlo, que revendo os
aulos de inventario a qnc se procedeu por fal-
Icciincnlo de D. Joanna Vieira de Sandes, em
ciiinprliiicuto a portarla do Ulan. Sr.Dr. Juizdc
dlrello Jos Vieira Uodilgucs de Carva"-
decisflo em contrario
Penedo 3 de fevereiro do 1852.Araujo
(\ Filhos.
Concordo eom a primeir. resgosta.
Penedo 3 de fevereiro de 1852.
< Como procurador da Jos dos Santos,
Corris, Francisco Jos Ui.s da Hocha. Sou
gnforme eom a resposta dala pelo ere-
dor Manoel Peixoto Villas Boas pelos seus
fundamentos.
< Pnelo 4 de fovereiro ds 1852:JoSo
Itodriques Canas.
a Passe, omandado requerido.
Pnelo4 do fevereirode 1852.-Silva.
o i: n.d. mais a tal respeito consta dos
referidos autos e vai a presente cerlidflo na
verdade sem cousa que duvida fara por mim
escripta o assignada, conferida e concerta-
da commlgo proprio e outro olilclal compo-
nboiro assignado ahaixo ao concert nes-
ta cidade do Penedo aos 28 de fevoreiro de
1852.
Eu Joflo Lourenco Barreiros cscrivao t
escrevi e assignei, confer o consertei.
Km lostemunho do verd.de.conferi lo e
concertado. O eseriv3o, Jo3o Lourenco Uar-
rciros Commigo escrivflo, FranciscoMar-
tins Veiga. .
n N. 14. Gonformando-rne eom a declaao
do jury c eom aa regras .de dlrello condemno
ao reo Manoel Joaquim por alcunho Braco
Forte, apeona de galea por 20 anuos, inaslmo
do arligo 193 do cdigo penal, eom referencia
ao 34 periodo do mesmo cdigo, absolvo porem
o mesmo reo da aecusato de ameacas, e se lhe
d por seu crlme bal- \ na culpa : o escrivo lhe
intime a sentcnca, i rccomiiiendc na prlsao
cin que ae acba ; paflae "> cuatia um e mel pe-
lo cofre da inuniofpalldadc. atienta a pobresa
do Rio.
Cidade do Penedo 13 de marco de 1851
Joac Vieira Rodrigues de Carvalboe Silva.
E nada inaia ae conlinba cm dita seotenca,
ifco'iJl" oue lendo sido publicada, fii uesae mesmo da
,..!' aeieutc o meiiuo reo. A folhas 10 do meamos
nellcsseacha coudas e sominadas as cusas ,,, se ,c|lalll 0 aCCordam em ielat5o do tcor
do dito Inventario, perlenceotc aojuu muni- :'
cipal. o dr. Galdlno Augusto da Nalmdade a Accodara cm relaco.-Que Julgam im-
Silv, pela maneira aeguinte : ......... procedente a appellacfio intcrpoala aloIbuM,
. Para o Sr. dr. ju.z. nwnlelp.1, JIJBIMU P 6eno ter4,*, 01u|Uid. formalidades l,,!-
ao inventariaulce ouvadosijOOOrs., mauda- ,ubslanciacs, e pague o appellaute as
do, fulbas duas, ibOrs ; louvacao, dem, ll
cnccrrainenlo, idem,
declaraco dos louvados,
ICO rs.
60 rs.
i; re i ir -.!; (le agosto de 18l.Aacvcdo, pre-
Uiith Recite 2 de agosto
""V" ------ -:,,'-; p.T>n sidsnle; Valle, Villares, llaslos. Souaa, Leao,
0/rjoOrs.i juramento aos partidores 400 rs. Sa ,_, Pereira Montelro, Luna Freir, e lli-
dcfeniliva 1*000 ra. ; caminho cootado da el- ?*5"
dade do Penedo a lazenda d. Calcara, 4S le- ( malj | cont|nna n0 dil0 accordaro,
goas, 5ij80U rs.; estada, aete dias. oOjtuo rs., ) Q |ca d||0 fj|nJ$ ,, do, dl.
que lodas estas parccllas soinmaram a quantia ., sac(os ,e acna exaradn o deapacho do teor
dellujl40rs.,queseacbamainargem. L na- uinlc .
da mais se coulinha cm ditos emolumentos, CuInpra-se o accordamde folhas, eo cscrl-
que percebe o dr. juiz munblpal, do que oque j5o em CUuipriiiicnto ao diapoato no J i do art.
dilo be c declarado lica, que cu eacrivao aqu ^ io tegU|amenlo aDra 0 compclento acecu-
liclmcntc passei por cerlldao cm imprimen- ^ nCHndo o reo recolhido na cadeia por nao
lo a mui rcspellavel portara ; e vai esla na ver- ^ayer casa decorreieao, conlando-sc ocuuipri-
dade sem couaa que tmida laca, e ao proprio lnenl0 da ,cntcnca do dia em que o reo foi in-
invculario me reporto, c eom elle eata ccriioao Unio da dcc|sa0 do iury, yisto nao poder a
li, coaferi, c coui outro oficial ao concert a cUaca0 tUspeoder a eaecuao.
aballo assignado, nesta villa do porlo da foina, ; Peuedo3, dc iaeiro de 1852.-Silva.
comarca da cidade do Peuedo, provincia das
Alagoas aos 10 dias do mes da levereiro do | N 5>_|||m. .r.-Coostando-rae que o es-
anno do nasclmeolo de nosso Sr. Jess Cliriaio crivo desJa 6Ubdelegacia soltara um individuo
de 1862. Emfc e lesteu.unho de verdade.--u de no|M Miaoeii prel0p offlcial de juatlca da
eacrivao, Manoel Vieira el Cetra Bataina.-wn- lne>ma subdelcgacia, que lora preso pelo ins-
fcrldo comigoescrivSo, Lulz Alberlaool.av.i- pec,or de quartelrao da ra da Santa Crur.
canil. dessa povoaco no da 21 do crreme, por ter
a aj ||__Em cumprimenlo da portara pcriubado o socego publico, c feilo tamullo,
sunra,'certilico, que na arrecadacao dos bens moUm, e .uada neaaa nolte, chegando o arrojo
supra, .civ.M ., p; f(1i in. do mesmo cscrivao a tirar o dilo preso do pu-
da casa lallida de Pedro Alves Pires, lo ^^ cicol[a ^ q conduiia para prls50i e
contrado, o descripto em dinheiro o
guinle:
Km dinheiro de cobro 27,800.rs., 5 pala-
cOos, o 2 moedas de duas patacas de pra-
ta, o nada mais a respeito do dinhoiros, dou
Peodo 28 de fevoreiro de 1852.0 es-
crivflo, Jo3o Lourenco Barreiros.
ii N. 12.Observando a portara supra,cer-
lifico quo os trabalhoi da arrecadacao da ca-
sa fallida do Pedro Alves Pires.ostau conclui-
dos,
ai
sifle.Qto
f. DCCCMENTOS EM RKFEItENCIA AOSF.UN-
I. Pnelo 28 dc fevorjiro de 1852- O os- do OFFICIO.
crivflo, Joflo Lourenco Barreiros. | Ao, ,en|10res que a presente v rem certlfi-
N. 13.Cumprir.lo a portara supra c(1 ,., do meu cartorio nao consta ter o O
certifico
ment
sendo este facto de grao da maior estraDhesa c
de merecer a punifo, requisito a V. S. que pro-
ceda quaiito antes a forma(o do respectivo
processo contra o mencionado cscrivao,pelo crl-
me cualificado no art. 130 do cdigo rrimioal,
devendo para csse fim uomeav inicrinainrnle
outro cscriviio c cm poder o actual participan-
do ao delegado, liem coino dever formar a cul-
pa o mesmo individuo, qnc o far solt; espe-
ro cjue V.S. scdigne dc acusar-me a rcccpr.o
do prescn para ininha lnlclli|tencia.
fJeos guarde a V. S. Penedo 23 de fevereiro
is aoxcepcaodasdivilas.eumaescrava.s de i852.-lllm. Sr. subdelegado de polica de
o, que do; autos roipectivos, do falli- Lourenco Accioli Wanderley Canayarro, arre-
de PeufO AlvesPi.es, consta a peti- mUdobewialwiflj^tf^Vj!:
Cflo do ihenr seguinte : 'l"' d Anton, VMc"p d* Roct"
...ni' i .i i
viado, peia insneira por eiie iesiemuuha di- ,-'"'"i" -w" >""" lo, os mismos dez-sotc crelitos, ,jn-nada mais s,!Conlinhie nciii declaray
cm
da mais faltou a verdade lambjm quando
declarou que o fallido fugira para villa No-
va, por quanlo esle liponas so mudara pira
i.h em principio da sua doclaraQflii do esta-
do dc insulvencia, pelo terem avisado de quo
i .-i IIH--III.I falli io, JS Antonio de
Araujo, bavii requerido contra elle, manda-
do do detencSo, o qual mandado sondo-lnQ
negado pelo juiz municipal que onlilo [un-
cionava, e sendo dissosabr;; mesmo fal-
lido, uiitiie'ii ''.,;,uni .-e apresentou nesta
cidad>;f constantemonlo andava nelle, o
por muitaa vezesso apresentou em juizo na
occasiflo om que se eslava procedendo aqs
termos da sua quebra.
E mais tifio disse. E tudo mais recla-
mou a leslemunha e deposto lornou o pro-
curador a contestar do modo seguinte :
ainda veio tornar mais falso o depoimento
dola o ainda calumniozo.por qusulo he una
aleivosia e urna fsl9dade,ellodizer que vio o
fallido a9sign>r o requorimento de queso
dila acta, do que o quo cima lica referido,
e vai na vordade som cousa quexuvida ftfa,
por mim escrivflo j e assigOAja, conferida
oconceriada eom outro ofli^ui compinhoi
ro comigo no cartorio, ^signado nesta ci-
dada do Ponedj, j0 po ,o S. Francisco, co-
IPtfSS ilr' provincia das Alagoas, aus quitro
das do mez do marco do auiiodo nascimen-
lo do Nosso Senhor Josus Quisto do 1852,
trigsimo da indojendencla o do imperio do
B'.sil. i-:ii Joaquim da Nalivi lade Pires
Caco, esciv3o o escrevi e assignei, confe
ri e concertei. En f c testemunho de
vrdado, confer lo e concerlado.O escri-
vflo, Joaquim da Nalivi lade Pirej Caco co-
migo tabeliao publico, Joflo Lourenco Bar-
reiros. Esl conforme. O escrivo, Joa-
quim da Nalividade Pires Caco.
i N. 7. Vicente Ferreira Cavalcanli Manga-
beira, escrivo de orphos vitalicio, ede defun-
tos c ausentes nesta villa do porto da Polka, c
6eu termo, por be.n da lei, etc. Aos Srs. que
a presente certido vlrem, certifico que reven-
do os aulos dc entrega dos gados do ausente
Irat., ourigado por elle procura lor, e Ma- dc aportarla supra fat menfao, nelle cons-
noel PeiXOlo Villas lliias, dizendo de mais I u haverem de accresclino, ou de mais 14 cabe-
cllo lestcmutihaque vio o fallido assignar ojeas. A saber : 4 vaccas, i novilliaa. 1 novilhota,
requerimento eom a mflo tremendo, quan-
do do mesmo requerimento quo servio de
liaze ao procossu de quebr, se ve que a as-
signalura nflo esta tremida comoquiz a tes-
i.-iiiuiihn eneulcar, mismo porque nSo bn-
vor urna possoa quo &<-ja consensiosa, que
pussa alirma, que nem ao menos viesse, ou
ouvisseeu dizerao fallido, que assiguasse
o requerimento, quanlo mais obriga-lo.
E nada maisciiiitestou nos refer los au-
tos, o vai apreseole cerlidflo na verdadosem
causa que duvida fa?a por mim escipta e
assignada, conferindo o concerlado cosigo
. proprio e outro companhero obaixo ao
coneorlo assignado, nesta cidade do Penedo
aos 3 dias do mez de marco de 1852.
Eu Jofio Lourenco Barreiros cscrivao o
escrevi o assignoi, confer e concertei.
Em fde verdade conferido e concerta-
do. O escrivflo, JoJo Louronco Barreiros -
Comigo escrivo, Francisco Marlins Veiga.
N. 5.Em cumprimenlo portara supra
corlifico.que revendo os autos cima mencio-
nados, nolles cousta ter comparecido como
procuradpr do fallido, o contealedo leste-
munhas, Jos Antonio Pereira Cuimarfles,
e isto nos das 19 e 20 do crrante mez, e
do dia 21 em diente teem sido as testemu-
nlns inquiridas revoli. do fallido, por nflo
tor mais o Dr. juiz municipal aceitado ao
dito Cuimarfles como procurador, isto he
o que consta dos autos; e mais cerlilico que
estando eu escrivflo na casa do dito Dr. juiz
municipal em servico, all appireceu um
boraem, que se disse ser de Villa-Noya, on-
' garrotes e 1 beterra, cujas retes foram arre-
matadas pela quanlia dc i4l|000 rs., eom essa
foi paga as cusas feitas judicial, da entregado
gado ao arrematante, da quantia dc I3.V200 rs.,
e mais as despcus da prafa dos ditos gados ar-
rematados, que sao da quanlia de9aS25 rs.,
prefazendo todas as cusas a quantia dc rcis
H3*015, faltando por conseguinle para paga-
mento das dilas coutas aquaolia dc 2*025 rs.
K nada mala se conlinba, nem uiclbor posso
declarar a respeito do quanto .me he ordenado,
do que o que dito bel e declarado lica, que eu
escrivo bein e fielmente paeaci por ceidlo
dos proprlos autos a que me refiro, e vai na
verdade sem cousa que duvida fac, e vai por
inliiiescriplo eaasiijnado, conferido e concer-
tado por mim proprio escrivo, e outro eacri-
vao i.iuii.e.n coiniiiigo abaixo ao_ concert as-
signado, nesta villa do porto da Folha, comar-
ca da provincia das Alagoas, aos 10 dias do mes
dc fevereiro de 185*. Eu, Vicente Ferreira Ca-
valcanli de Albuquerque, cscrivao o escrevl. -
Conferido e concertado coimuigo eacrivao.
I.ui Albertaoo Cavalcanli. Esl conforme.
escrivo, Joaquim da Natividadc Pires
Caco.
N. 8. Vicente Ferreira Cavalcanli Manga-
beira, escrivo de orphos vitalicio, ede defuu-
tos e ausentes, nesta villa do porlo da Folha c
seu termo, por bem da lei, ele Aos Srs. que
a presente certido virem, certifico que reven-
do conla de que a portarla aupra fai meiif.5o,
acbei contadas nos autos a oonta do teor se-
guinte : -^
Conta para o jilii, dous termos, JZra
um dilo de juranieuto 300 ra.; um dilo de av
liaco lO rs. / caminho raleado, dez legoa
i,-ii- ---
_ ni/. iHiiienii" justos l-ICIKl "hu 4""
Podro Alves Pires negociante, ora fallido
nesta cdado, lio dopositario da importancia
das fazendas salvadas no naufragio d> hiato
S. Joflo, que foram arrematadas nesta cida-
ventario de Antonio l'olicarpo
;<" o mesmo Dr. arrematado os aados c ani-
ones perlencentesa dizacisada Anua Vieira da
Costa,e a seu filho o mudo Jos .Nicolao, cujo
tejrdaarrem.tiohe o seguinte:
Autodearreinalacaoque maodou azer o
parle portencent') ao supplicante so ach
ainda impedir o doposito do supplicado, nflo
sendo bem do mesmo quo possa entrar no
raloio da massa fallida e sim integralmente
restituida conforme dispOem o art. 87*, 1.
e art. 881 do cdigo commercial. Itequer
prtenlo a V. S. quo mandan lo avisar ao
curador fiscal, se sirva mandar passar man-
dado contra os depositarios para lhe ser on -
treguo sua quarta parlo na forma do citado
ait 881 na importancia de 320,981 rs., como
se mostra da certdSo junta. Pode a V. S.
Illm. sr. dr. juiz municipal assim lhe delira,
passando-se o mandado requerido. E. B.
M.Francisco Mauool de Souza, procura-
dor.
Responda o curador fiscal.
Pen lo 31 do Janeiro do 1852Silva
a Itequeiro que sejam ouvidos os credo-
res da massa fallida, para eolio podor dar o
meu parecer.
Penedo 31 de Janeiro de 1852. Joflo Ro-
drigues Canas.
a Saptisraca-s J o pedido supra.
Penlo 31 de Janeiro de-1852. Silva.
A vista do disposto nos anigos 112 do
rogulamonto, o 8V2 do coJgo commercial, e
aiuJa mais do a.t. 859 do mesmo cdigo, ne-
nhuma quantia devida pelo fallido pode ser
pigi sem quo sej primeiro verificado em
debilo pela forma aiarc.da nesteartihoc ou-
tros, pelo que entendo que s pode ser .Hen-
dido o supplicante na occasiflo da liquidadlo,
capitulo i.*, do titulo 3., do citado cdigo.
> Penlo era supra.Manoel Peixoto Vi|-
las-lloas.
Concordo eom a resposta acuna.
< Pendo 31 de Janeiro de 1852.domin-
gos Ferreira Sien les.
a Concordo eom a resposta cima.
Pendo 31 do j.noirode 1852.Francis-
co Mendos da Costa. -
Concordo eom o mesmos cima.
Pendo er sopra de 1852.Joflo Luil
Rodrigues.
Concordo eom a resposta retro.Joao
Jos Fernandos.
Concordo eom a resposta. retro.Jos
Joaquim Rodrigue Cuimarfles.
Nflo pode ser o supplicante attendido no
*'' que roquer porque allegando estar em podor
laVtde Podro Alves Pires como depositario a
adat qu.nti. do 220.98* r., se prova pelos autos
.....i-l-___..*.,,, .1.. ,1.1,. UpiB .ni,, aa

1:035/10(1. Auno do naacimento de Nosso Se-
nhoi Jess Cbrislo de 1851, Ir.geslmo da inde-
pendencia c do imperio do brasil, aos 10 dias
do incide selcmbro do dito anno nesta cidade
do Penedo do llio de San-Francisco, em caa
do luis municipal e orpbos, o Ur. Galdlno
Augusto da Nallvidade Silva, onde fui eu escri-
vo dc seu cargo, estando presente o porleiro
Manoel de Jess Paralita, pelo dilo jun lhe foi
dito, flz uip Icilo dos gados c animaes perico-
cenes a Uiaaclaada Anna Vieira da Costa e de
seu lilbo mudo Jos Nicolao, o que logo o dilo
porteiro sabio dlicndo em alias e inlelligentes
vozes, quem quizer lancar em ai vaccaa parl-
delras no aillo Trincbciras, avallada cada urna
em 101, dua novillias no mesmo sillo, avalla-
das cada urna em 1C/, tres garrotas avalladas
cada una em 8/, seta bezerras avallada cada
urna cm 'i/, quatro garrotes grandes, avallados
em M# cada um, dous garrotiubos pequeos
avallados cada um em lOf, seis beicrros avalla-
dos cada uiiicm.'ty. um novilho em SO, uma
besla rudada vclha avallada em 11/, outra dita
rudada grande, nova, cm 20/, urna poldracspa-
duada, em 10/, outra poldra caslanba grande,
avallada cm 18/, outra dita pequea, em li),
cujo gado e animaes sao da Dizacisada Auna
Vieira da Costa. Oito vaccas paridelras avalla-
das cada uma em lb|, duas beserras avahadas
cada o o. i, em J*. quatro oeterros cm 3/ cada
un, cujo gado he pcrlcncenle ao mudo Jos
Nicolo,cheguein-sc a mim que rcccbcroo seu
lanco i e andando assim por largo lempo apre-
goando, chegou-scao juta e d sse, que o maior
l.iin, o i|i.i: a. luv.i .icim.i das aval io, i n-' dos ga-
dos e auinacs da Uciaclsada era sobre o gado
162/500, ns animaes 17/500; c sobre a avallaco
do gado do mudo 24/lOO.iiuc oil'erccia cima de
tudo oDr. Lourenco Accioli WanderlcjXanavar-
ro. E vendo o dito juiz que nao havia quem mais
desse uiaudou ao porteiro afrontasse, arrcina-
tasse centregasseo ramo. E logo pelo porteiro
foicumprido eom todososaelose solemnidades,
da lei, c fol-se chegando para o dito lanzador,
c mclleu-lhe na mo um ramo em sigual de
sua arrcmalacao, dltcndo-lbe bem prl lhe r-
ca. E pelo arrematante foi contado na mesa, a
quantia 1:036/.00, que mandou o dito juiz, que
abatidas as cusas, o liquido fosse recolhido ao
cofre par lhe dar seu deslino da lei.
E para constar lia este aulo em que aaalg-
uou comigo o arrematante, o porteiro, como
lula. Eu, Lulz Fernandcs dos Santos, esurivao
dcorphos, o escrevl.Silva.Lourenco Ac-
cioli Wanderley Canavarro.Manoel de Jess
Paralita.
. Certifico que sendo notificado o vaqueiro
que enloera Anioulo Ferreira da Coala, para
ueste juizo declarar os ferros que liuha os ga-
dos deau mal Uiaacisada e de aeu mano o lau-
que ce.---------
O dia, mea e anno em que se liieram todas
as avaliacSes dos bens deasc casal ezisienle
na Malla Grande e seu termo, e bem assim ,
conla dos emolumentos contados por case tra-
badlo ao Ur. jnii municipal Galdlno Augusto
da Nallvidade Silva, pelo contador do Porto da
Folba, segundo lerino dcala comarca. O que cu
escrivo revendo os actos certifico que consta
um termo dc ausentada no da :.* de oulubro
de iS.'n.c dcbalio dclla avaliaram-se lodos os
bens, nao podeodo ccrli8car-se foram feltaa di-
las avaliares netse seu da, porque conata o
lermo de encerramenlo lavrado no da 4 do
mesmo inc ; sendo o lermo de assentada la-
vrado na (i/.coda ile l'.mo Verde, termo da vil-
la do Porto da Folha. c o de encerramenlo na
povoaco da Malta Crande ; c mala certifico
que revendo a conla, ou emolumentos conta-
dos pelo conlidur do termo da villa do Porto
da Folha, para o Ur, juii municipal lOl/ltO.
lie o que tenboa certificar c dou f.
Penedo 29 de abril de 185!.Araujo.O
eacrivao, Joo Lourenco uarreiroa.O escrivo
de orpbot, Lula Fernandca dos Sanloa. >
J ulgo que ha neste sumarlo prova sufnclen-
te para a pronunc.a do reo Manoel Keaerra e
Antonia Joaquina, cm o artigo 182.
a Agoa branca l de uoveiubro dc 1850. O
promotor publico, vVanderlcy Canavarro.
a E nada uials se conlinba em dito parecer
do que o .que dilo he, c .u ma transcripto tica,
depoia do que se v a fulbas 2o verso dos mes-
mos aulos, oulro parecer dado pelo momo Dr.
promotor publico, o qual certifico ser do tcor
seguinte :
- Iteporto-me eom maloria dc raso, agora
depois da luquirico daa novas tcsteinuobas, ao
meu parecer de fulbas 11 verso.
Pono da Folha 3 de dcaeml.ro de 1850,
VVaoderlcr Canavarro.
E nada mala se conlinha cm dilo parecer
do que o que dito be e cima tranacripio lica,
que aaaim ae acba escripto nos proprlos autos.
Lenifico mais que nos mesmos autos sumario
a folhas 2l e 2l verso, se acba aseutcn(ade
pronuncia a qual he do teor seguate i
a A'vista dos depoimentos daa teatemunbas
de folhaa, moalra-ae que Antonia Joaquina ma-
tara em ana caaa sen marido, na occasin que
dormia, e por Isso julgu procedente o procedi-
iiienio olficial, c pronuncio a mesilla r Anto-
nia Joaquina, como Indiciada e iucursa ao arti-
go 192 do cdigo criminal, e a obrigo a prlsao
e livramciito, e ao pagaoicnio das cuitas, lan-
cando-se seu nome no rol de culpadas, e pas-
saode-sc mandado dc captura. Julgo porin
improeedeole o mesmo sumario contra o reo
Manoel Bcierra envolvido por algumas teste-
munhas no mesmo chine, por serem seus de-
poimentos nio conformes c al contradictorios,
eom os das testemu ihas referidas, por falla dc
alguma outra prova, ou Indicio vehemente.
Porto da Folba 3 de de/e.nl.ro de 1850.Gal-
dino Augusto da Natividadc Silva.
E nada mais se conlinba nem deelarava em .
dita senttoca de pronuncia do que o que dilo |
he e cima tranacrqilo lica; depois do que cer-
tifico mala que nos proprlos auloi a foli.aa 21,:
se acba proferido o despacho dado cm convlc-
co pelo Dr. juli dc direlto Jos Vieira llodri-
ijuea de Carvalho c Silva, o qual he do teor ae-
gulnte;
Vistos, c multo me admirarel se o Dr. pro-;
motor nao recorrer da dispronuncia, alientas
aa suaa respostas de folhas a folhas.
Porlo da Folha 5 de dezembro dc 1850.
C. Silva.
i Em cumprimenlo da portarla s.ippra do
I Um. Sr. Dr. juu de direito, certifico i dou f
que os Inventarlos que recebi do escrivo de
orphos Joo Anlouio Uaptista por occasin dc
sua suspenso, um delles foi o do liuav mia-
rlo Pereira de que trata a mestua poilarla, o
qual tendo sido comecado pelo Sr. Dr. Galdlno
Augusto na Nallvidade Silva, peranlc este fdra
feita a discnp(o dos bens no primeiro dc ou-
lubro do anno passado, e se aubavam os etilos
autos quando os recebi eom despacho de deli-
beraco deparlilua proferido pelo juit munici-
pal supplente desla villa em data de I de no-
vembro do dito auno, e eom certido pasaada
pelo escrivo de lereiu sido citados os respecti-
vos herdeiros para a dila partilba, cujas certi-
ddes liiihain adata de i de nove.nbro, e foi es-
te o estado cui que recebi os ditos aulos, c at
taoje eeno tcni feilo a respectiva iui nih ., pri-
meiro porque do titulo dos herdeiros nao cons-
i iv.iui quaes eram os numeroa, e c.u aeguudo
lugar, porque tendo sido a cila(o para a par-
tliba leu em 5 dc novembro, aem que ae mu -
casac dia ceno, eulcudi que cram necesaaiias
uovaa cilacoea, c ueste sentido oll'ercci duvidas
ao juiz municipal suppleule em tres de feverei-
ro dcsle auno, o qual supplente cm cousc-
quencia das uiinbas duvidas, mandou que se
uotilicassc u a dos herdeiros, para esclarecer
quaes cram os herdeiros menores, e infsriuar
a residencia dos demais herdeiros, c compare-
cendo um delles, a vista dos esclarecimeolos
que din uiaudou o dilo supplente por seu des-
pacho datado dc hoje, que se procedesse a par-
dilla, e he esle o estado cmque se acba o refe-
rido ...vi ni ii i". Emquanto ao terceiro quisilo
da porlaria teuho a certificar que o herdclro
Francisco dc Paula me disse que j liuha page
ao juiz o Sr. Dr Galdlno c escrivo llaptisla, as
cusas do inviut.no na Importancia de !u2|000,
e que nao obstaulc isso, elle Paula pagarla to-
das as custas da partilha, sello e julgiuicolo fi-
nal, para tudo ao haver do mesmo Sr. Dr. Gal-
dmo, c be o quanto posso certificar a respeito
do contesto da dila portarla.
n Porto da Folha 2K dc marco de 1852 O
escrivo dcorphos, VlcenleFerreira Cnvalcan-
tc Mangabeira.
a Esla couforme. O escrivo, Joaquim da
Nalividade Pires Caco.
Ion/ Fcrnandes dos Santos, cscrlvo dc or.
phos c auzentes vitalicio nesta cidade do Pe-
uedo e seu termo da provincia das Alagoas,
por S. M, 1. c.C que Dos, etc. Aos scnborcs
que a presente vlrem, eextifien que, revendo
os autos dc inventarlo dc que a porlaria supra
faz uienco, delle a folhaa 17 constado lermo
dcauscntada.no dia iv deoutubro dc I8M, fei-
lo na fazenda do Ouro Verde, termo da villa
do Porlo da F'olba. cm que prlncipiou as ava-
iiaces de gados, animaes, Ierras, e uma caaa
na Malta Grande ; e dos meamss aulos consta
cm .un das folhis do tim ter o contador do
julio do Porto da Folha, contado de custas pa-
ra o juiz municipal c orpbos o Dr. Galdino
Augusto da Natividadc Silva, a quantia de
111(140.
i. 11c o que eonsta dos ditos a-tos, que
cllcs me reporlo : o referido he verdade.
i Penedo 78 de abril de lS5:.Em f de ver-
dade.O eacrivao dos orpbos. Lua Fernan-
des doa Santos.
.i Certifico que revendo oa autos dc inventa-
rio, de que a porlaria suppra faz menco, tulle
a folh.i primeira, se v que o aulo Col feilo ua
povoaco de Malta Grande no dia pri.neiro de
nomino de l8l, c no mesmo da foi recebido o
juramento a inventariante inulher do finado
in vi ni ii i el' na fazenda Jabur e todos os inaia
termos c discripye dos bens foram fettos no
mesmo dia, mez, anno c lugar, constando ape-
nas que o eucerraineuto se fez no dia 3 do mes-
mo mes ; o referido he verdade, dou f.
a Villa do Porto da Folba \ de malo dc 1852.
U escrivo de orpbos, Vicente Ferreira Ca-
valcanli Manitabeira.
Est couforme. O escrivo, Joaquim da
Nallvidade Pires Caco.
> i nioprimi a porlaria suppra, certifico que
foi benedicto Soares de Freitas Mello, morador
no Traip, na pcasoa de seu procurador nesta
cidade, que levanlou urna dinhef roa que se devia
existir em deposito do fallido Pedro Alves Pi-
res. Aos autos me reporlo e dou f.
Peuedo 15 dc malo de 1852. O escrivo,
Joao l.ourein,o barreiros.
F.hi.1 conforme. O cscrlvo, Joaquim da Na-
tlvidade Pies Caco.
PUPLICA FORMA.
Carlrt.
Illm. 8r. Joad Demetrio Tavarea. Traip 5
de malo de l8U. Bogo a V. S. aue rae infor-
me ao pd dcsta, .e per ordem do Dr. Lourenco
Acciole Wanderley Canavarro, deu ao Sr. Bena-
dlto Soares de Freitas Mello, a quantia de ion/
rs.,cemque dl. fes casa entrega. Comino
mullo me obrigar podando uaar da respoiu
par. meu documento. Sou dc V. S atiento ,e.
nerador e criado Jos Vleli. Rodrigues de Car-
valho e Silva.
Illm. Sr. Dr__Pelafaeuldade que med, per.
niltla-me V. S. que aqu incamo eu d a aeguin-
te reapoala. 'I'enho lembranca que a entrega
doa 100/ ra. de que V. S. fas menco, eu fi ao
Sr. benedicto Soare em fevereiro depoii que
elle chegou do Penedo. Sou dc V. S. menor
criado. Jos Demetrio Tarares.
Reconheco a lellra e firma da reaposta re.
Iro ser do proprio nella firmado, a que dou f.
Villa do Porto da Folba 5 de maio de :,i
Eslava o algnal publico eom ealaa letras I
A. C. Em teatemuobo de verdade o tabclls
publico Lula Alberlaoo Cavalcanli. N. l. _
16o.Paajou 100 ra. Penedo 25 de maio de 1852.
Coala Medelrus.
Esl conforme ao original que nesta dala
entregue! aoSr. Dr. juiz d( direlto que me h-
via requerido a extrahiaae em publica forma, ,
dc seu receblmcnlo aballo assignado, nesla ci-
'dade do Penedo dorio de San Francisco, pro-
1 vincla daa Alagoas, aos 25 dias do mea de mam
de iS.i. KuJooi Lourenco Barrelroa tabelliao
'cacrevi e assignei de meu slgoal o seguate:
J. L. B. Em testemunho de verdade. o
tabelliJo publico, Joo Lourenco Barreiros. -
Jos Vieira Rodrigues de Carvalho.
PUBLICA FORMA.
Caria.
, Illm. Sr. Benedicto Soares de Freitas Mello.
Rogo a V. S. o obsequio de dizer-mc ao p
deata, se j recebeu de Joa Vieira Jnior o
100/ rs. por ordem do domar Galdioo, que
cram para pagamento de V. S., afim de exigir
eu do mesmo Vieira outro pagameolo. Espero
2uc V. S. assim me responda eom verdade, po.
indi usar da caria como quizer. De V. 5. at-
iento venerador e criado. Jos Vieira Hodil-
guea de Carvalho e Silva.
Traip 5 de maio de 1852.
Illm. Sr. Dr. juiz dc direito. Perniltla-mc
o libcidade d'aqui mismo responder, o que V.
S. manda saber; esle homein ainda nao msa-
don cate dinheiro, nada mala. Sou dc V, S. sea
amigo obdienle. Mello.
a llrcoiihcro a letra c rubrica da resposta re-
tro ser propria de benedicto Soares dc Freilai
c Mello, a que dou f.
Villa do Porlo da Folha 5 de maio dc llj!.
Eslava o aigoal publico coiu estas letras -
L- A.t:. Em i. s te mu iil.o dc verdade o label-
lio publico Lulz AIbcrlano Cavalcanli.
N. 2. 160. Pastpa ISO rs. Penedo 25 de maio
d 1857. Cost Medelros.
Esl conforme ao original que entrrguc
ao Sr. Dr. juit de direilo que ine bavia remien-
do cstrahiaae em publica furnia, e dc seu rece-
bnenlo abaiso assigua, ncsla cidade do Pene-
do aos 25 dc maiu dc 1852. Eu Joo I.ourcuco
barreiros tabelliao o escrevi c assignei dc meu
signal o seguinte :J. L. I*.
" Em les ii ni un lio de verdade. -- O tabelliao
publico, Joo Lourenco Barreiros. Jos Viei-
ra Rodrigues dc Oarvalbo.
*r~-
COMMERCIO.
ALFANDECA.
ilondimenlo do di. 1 al.. .125:437,1111
dem do di. 15.......18:402,991
143:810,601
Dtuarrcga hoje 1S tlejuil'o.
Brigue inglez, Riohard f.zendss.
1 iii|Miil:..(,u(i.
flrigue inglez Richard, vindo do Liver-
pool, consignado a J. Crablroe & C, tnatu-
festou o seguinte:
50 gigos, 82 moios ditos, 1 barrica, e I
cesto louca; a DoaneYoulo <\ ('.
59caixas, o 23 fardos tecidosdiversos; i
R. Itoyle t C.
3 caitas tecidos diversos, 1 dila tniule-
zas ; a A. Cezar de Abren.
100 barricas manteiga, 18 fardse IB ca-
xas tecidos diversos; a J. Ryder c.
6 costos e I gigo louca; a VV. W. Hipe.
52 peca< machinismo, 6 caixas dilo, 8 tai-
xas para assucar ; a Rotbe Bidoulac.
t caixa rendas de algodo ; a S. P. John-
ton & C.
8 fardos tecidos do algodo; a Itostron
Ro ikar & c.
I barril farinha d'avei. ; o Dr. Arbuckle.
200 barris plvora, 30 ditos manteiga; a
I, G. do liveira.
6 caixas tecidos do algodSo e linho; a J.
Pater & C
9 fardos tecidos do 15a ; a J. Keller&C.
II caixas tecidos do.lgodao; a Foxlliu-
thers.
1 caix. mcias; a R. Croen.
31 fardos e 17 caixas tecidos diversos; a
Rosas Braga ce C.
134 barricas cerveja; a Adamson llowic
& Co!TiDnhia.
76 caixas, 67 fardos s i voiuuio leuii
diversos ; a II. Gibson.
6 barricas ferragens, 6 caixas chapeos de
sol; a E. II. Wy.l.
5 caixas tecidos do algodSo ; a Jones Pa-
tn ti C.
26 ciixas e 15 fardos tecidos de algodo,
1 fardo ditos do 13a; a Russoll Melluis
& Companhia.
30 barris manteiga, 8 caixas lindas, 1 di-
la cadeiras e encost*, 100 gigos louca, I
dito mangas do vi lio e figuras; a Me. Cal
MKUl I & C.
136 caixas o 29 fardos tocidos divorsos,
fardos Imhas de s.pateiro o fio de vela ; ae
consignatarios.
3 saceos amostras; a diversos.
CUNSUI.AOGERAL.
Rendimento do dia 1 a 1*. 22.185,217
dem do dia 15........2:381,010
8*:566,2o7
DIVERSAS PROVINCIAS.
Itendimcntododia 1 a 14 .
Idemdodialj...... .
964,031
61,709
1:0-25,713
I \|MM-|UI.'II<1.
Parahyba, lancha n.cional Paquete, ds
31 fondadas, conduzlo o seguinte:
119 volumos fazendas, 1 barrica alvaiaile,
1 barril oleo, 1 barrica er, I embrullin
drogas, I barril alcatrSo, t s.cc. colla, 4
caixas velas de cera, 1 barril manteiga, 150
arrdbas de carne, 2 meios de sola france-
za, 1 peca de luu, t dita panno para col-
chao.
Ilahia, hiate nacional Caprichoso, de 3a
toneladas, conduzio oseguinle:
1 (ardo fazendas, 10 barris atnendoas, I
caixa in i iid i zas, 20 gigos Champagne, 1 sac-
co carnauba, 1 caixa espanadores, 10 bar-
ris azeito de carrapato, 2 caixas e 76 cai-
xOea doce, 1 rollo pavios, 1 caixa colxelrs
3 caixaa fazendas, 1 dila chapeos de Braga,
I dita caixas de chumbo para rap, 1 dita
pilulas, 5 pipas azeite da carrapato, 100 ca
xas velas de carnauba, 1000 couros de ca-
bra, I omhrulho eom quatro queijos,
1000
i'in, Vlllbl UIIIU < "'in u *>- -^ -4----
esleirs de p.lha do Carnauba, 20feixsde
a imillas para pipas. .
Canal, brigue inglez Enchantrcss, de w
toneladas, conduzio 4,600 saceos eom a*!,u'
car pesando 93,000 arrobas.
RECEBEDORIA DERENAS INTERNASbt-
KAES DE PEIINAMBUCO. ,
Rendimento do dia 15..... 50l>3t,J
CONSULADO PROVINCIAL. .
Rendimento do dia 15.....1:467,2J
MUTILADO mm
llllllllllllllaM



Mo viniento do porto.
Navio entrado no tita 15.
h,o Jo Janeiro pel Bahia do ultimo por-
" di, brigue ua Buerra .>.to,,ro r
o,rc, commandante o primeiro tonente
K'Jos do C.rv.lho. Segu p.ra Ma-
i.iiIi.'ki ... ,.
JViif/o sahidos no wijbio oa.
H,ilia .. insto brasileiro Caprichoso, meslro
"iriqueJosVieira da Silva, carga va-
rio" goneros. Passageiro, Chr.stovSo de
PinbTbtA"bllU brasileiro Paquete, mes-
' tro U Pereira da Uta, ff WlOlte-
tro
eros
Passageiros, Manoel de Alni.eida
Manoel Lopes da Silva, Antonio
Lm',u.ne'pe7eirVdeM.UoS'B I Ollio
menor, e Jos Ribeiro Gulmarae.
Jorge,
EDITAES.
OJoulor JosRaymundo da Costa llene-
iI juiz municipal supplonte da segn la
vari e do commercio desla c.dado do Re-
cito por S. M. I. e C. etc.
I ac saber aos que o presente edital VI-
MB, que ..o dia ndc Julho crrante, pelas
1 hora* da mantilla, se lia do arrematar de
venda em leililo publico, a quem mais der,
na cali do minha residencia na rua da Ma-
dre de Heos n. 1, primeiro andar, a barca
brasileiri America. abandonada eosjiegii.-
ndores na ronformidado do artigo 753, ja
c -56 do cdigo coomereial requenmento
do Novaes& Companhia, negociantes nesta
rulado coi o consignatarios do negociante
Viconte Ferreira de Azevelo Castro do Rio
do Janeiro, propietario da dita barca, ava-
llada a mesroa barca o todos os seus perten-
ec na quantia de 2:635,000 rs.
K para que clieguoa noticia de todos man-
dci'passar editaos que sorSo publicados pe
los jornacs e atizados na praca do commer-
rio o casa das audiencias.
Dado o passado nesta cidade do Recife.aos
II de julho de 1852.Ku Manoel Jos da Mo-
la cscriv3oo subscrevi.
Jos Raymuuiu da Costa Menezes.
Declaraijoes.
Companhia de Beberibe.
A administraco da companbia de Biberl-
he faz publico, que vilo ser substituidas as
plices dos nmeros abaixo declarado*,de-
scncaminh.das as cinco primeirasdo poder
dn senhor accionista Justino Martyr Cor-
roa de Mello, as vinte quo se seguem do po-
der do S'iihor iloulor Francisco Jo3a Car-
noiroda Cunt,que as ceder ao saibor ac-
cionista Manoel Concalves, d Silva e s ou-
trasdozdo poder do sanbor accionista Jo3o
Moreira Marques.a quem pcrtcnciam ; como
liieram certo os ditos inleressadns, o consta
dos annuncios publicados ueste Diario. Pelo
q.\e licarSo sem vigor as primitivas apolicos
correspondentes aos referidos nmeros, cm
poder de quem quer que so achem e a todo
e qualquer lempo que apparegam. Cinco
nmeros de 131 a 135 ; vinte nmeros de
1332 a 1315, e de 1317 a 1352; dez nmeros,
de 3700 a 3800.
O director, JoSo Pinto de l.emos
Consulado de Portugal em
l'crnambuco.
Avisa-so a lodas >s pessoas que, por qual
ipicr titulo, sejulgarom credoras do liii.nl>>
subdito portuguez Antonio Jos do Mallos,
que morava na casa n, 4 da rua do Codor-
niz, comparecerem neslc consulado ( rua
do Trapiche, casa n. 6) para a respectiva
venlicagSo c pagamento do seus crditos.
Consulado de Poitugal cm Pernambuco,
jos U de julho de 1852.
Companhia de llcberibe.
A administragSo da companbia do liebo-
rilio contrata com quem mais der o molho-
re garanlias offerecor, a cobran;* da tacha
de 20 rit por balde d'agoa,vendido noicha-
farlzes ; acceila propostas para o contrato
de toda a arrecadago, ou de cada um dos
lia ir ros da cidade ; as quaes devem ser en-
tregue em caria fechad no eseriptoiiodi
companhia ale o ultimo do corrente inez, c
lixar-se-ha o contrato no dia que ser an-
nunciado no principio do mez futuro.
O director, JoUo Pinto de Lomos.
A cmara municipal desta cidado ven le
os materiaes da meia-goa, que vai ser do-
tnoli la por utilidade publica, sita no beoco
que da sabida para a rua da Praia do 8, Ri-
la, ao sul do sobrado em que mora o 8r.
franca, ncumbindo-se a pessoa a quem
ronvier compra-Ios da demoligoda mesma
meia-agoa : a tratar com o procurador da
mesma cmara.
O vapor brasileiro S.Salvador, com-
man Unte o primeiro loncnenteda armada
imuerial Joaquim Salom llamos de Azr-vr-iln
espora-so dosportos do Monate o dia 19 de
julho corrente e seguir paraMacei, Babia
e Itio do Janeiro no dia segnuilo ao da sua
chegada.
lll*L COMPANHIA DE PAQUETES INCLEZES
A VAPOR.
No dia 21 drsle mez, espera-
se do Sul, o vapor Severn ,
commandante Chapman o
qual depola da uemora do
roslumc seguir para os portos da Europa :
para passageiros, trala-so em casa da agen-
tia, na roa do Trapicho Novo n. 42.
Banco de Pernambuco.
Os dcsconlos na semana que decorro de
12a 17 de julho, so de 6 por cento ao an-
no, para as letras a vencer al o lim de ou-
luhro, e para as avencer al 6 mezes he o
de 8 por cento Banco de Pernambuco 10
dojulho de 1852.
Pela s gunda sccgSo da mesa do con-
sulado provincial so faz publico, que do din
2 Jo corrento mez so principia a cobrar o
imposto do 20 por cento do consumo das
agoas-ardentos do prodcelo brasileira do
segundo semestre do auno fiuanceiro de
1851 a 1852.
O arsenal do marinha adtnitte, para
suas obras e pira as do melhoramento do
porto, serventes livres, pagando o salla-
rlo de 640 rs. nos das em que trabalha-
'iii; o bem assim, engaja 10 canoeiros
Irvres, pagando por mez 14//000 rs., alm
do una ragJo avahada em 6/000 rs tam-
liem por mez. E por isso convida por
este annuncio a quom convier, a compa-
recer no mesmo arsenal, a qualquer hora
do da, para se inscreverem. Inspectora
do arsenal do marinha, 28 de junho de 1852.
O secretario, Thom Fernandos Mtdeira
de Castro
I'erante a cmara munici; al desta cida-
de continuar a estar em piara no dia 20 do
corrate a obra a executar-sc no acuugue da
Hua-Vista, que lem sidoaoounciada.
O conselho daadministragSo naval com-
pra para o fornecimento dos navios arma-
dos, cem alqueires de familia da mandioca
da medida antiga ; polo que convida-so a
quem convier a dita venda, a comparecr s
12 horas da manhSadodia 17 do corrente,
com suas propostas e amostras.O secreta-
no, (,lll3l0v!0 Santiago de Oliveira
padre Muir, Oliveira, Antonio Domingues,
Lopes & l-arias. Lodo, Cardeal, uarto, Esli-
ma, (lardoso Ayres o padre Ignacio. O edi-
tor espera o concurso do publico para o osi-
to de uma publicarlo que tanto tom de ro-
en ialiva como de instructiva.
I ELEMENTOS. }
DE
fHOMEOPATHIAl
19 *"
8AHIO A LUZ A 3.' E ULTIMA PARTE 1
desta obra composta pelo professor de .
_ homopalhia Gosset Bimonl Custar Z
5 5/000 a obra intoira at 30 do junho, 5
dia em que Picar encerrada a assig- z
" natura. Esta obra he til, tanto para 7
os mdicos que se dedicarotn ao es- 5
9 todas as possois de boa vontide que m
quizerom coovencer-se porexperien-
9 cas da verdade desta doutrina, por i)
ser ollamuito clara,o a intelligoncia y
9) de todos, *
1 No consultorio homopathico rua fl)
m dasCruzesn.28.
3
Precisa-se do uma negra para Tender
doce: na rua Direita n. 102.
Contina a andar fgida desde o primei-
ro do corrente, a preta Angela, creoula, de
idade 33 annos, pouco mais ou menos ; es-
tatura regular, secca do corpo, cor fula, os
peilos um tanto seceos, eotre elles uma ci-
catriz, um dos tornozelos alguma cousa ju-
chado por causa da erysipeUa, dosconlia-so
achar-so acollada em alguma casa e se
protesta empregar o rigor da lei; por isso
se pede a todas as autoridades policiaes o
capilSe de campo a captura dola, o levar a
rua Direita n. 17, en casa de Bairflo & Ma-
cado, que generosamente recompensarse.
O abaixo assignado fazsciente ao pu-
blico, que desde o dia 7 de junho de 1852,
deixou de ler toja de calcado aborta na rua
do Alagan 11. 10. Manoel Muniz de Hitan-
court Brrelo.
Botica bomopathica.
38 RUA DAS CRUZES 38,
Dirigida par um pharmaceutico
approvado.
Lotera de Nossa Senhora do
Hozario.
O theaoureiro achando-se com-
petentemente babilitado, annun-
cia que as rodas desta lotera, an-
dam no dia 39 do corrente, no
consistorio da gruja de Nossa Se-
nlior.i do Livramento, os bilbetes
esto a venda nos lugares do cos-
tume.
U consulado dinomarquez
mudou-se para a rua do Trapiche
n. 17.
precisa-se de um feitor para
um sitio pequeo perto da |ra<;i,
que entenda dejardim e tratar de
cavallos ; a filiar na rua do Tra-
piche n 13, primeiro andar.
No dia I6,na sala das audiencias do Dr. 1 A 5,000 r.
juizdocivel da primeir.vara.se ha de arre- Superiores chapeca do sol do seda ingle-
malar os al.igueis da casa terrea, da rua da m ^f$lt03 pelP0S MmM niY(o,( polo di
tuuIo prego de 5,000 ra. oada orna: na
rua do Collegio n. 4.
, -- Prccis8-se alugar uma prota para co
Estoestabelecimento possue lodos J sinhar, olodoo mtis arranjo de uma casa
os medicamentos ate agora experi- "
Avisos martimos.
^k.
Vpnde-sea barcat;a denominada Uniflo
Rrasilcira, do porto do Rio Formoso, de lo-
to de 30cixas, ou troca-se por outra do
monos lote : quem tacs negocios pretender,
dirija-se a rua do Amorim n. 33, ou a mes-
mi cidado cima, a fallar com os senhores
Corris & Hyr-olito.
Pan o Itio de Janeiro.
brigue escuna nacional Ulin-
da, capito ftlanoel M. Ferrcira ,
segu para o Rio de Janeiro, com
umita brevidaiie, por ter a maior
parte do seu carregamento enga-
jada : para o resto e escravos a
frete, trata-se com os consignata-
rios Machado & Pinheiro, na rua
do Vigario n. 19, segundo andar,
ou com o capillo na pra$a do
commercio.
Para o Maranbao c Para o brigiM escu-
na Dnuro. capito Jos Piulo Nunes,recebe
carga o passageiros : quem pretender dirja-
se a rua do Trapiche n. 26, a fallar com o
consignatario Manoel Duaito llodriguos.
Para o Rio de Janeiro o briguo nacional
Flor do Itio, sane no dia 30 docorronte, re-
cebo tmente passagoiros, cescravos a frote
para o que tem excellentes commodos, para
Iratar com o capito abordo ou no escripto-
rio da rua da Cruz n. 66, de Jos Candido Ue
Barros.
Para o Aracaly.
Sabe com brevidade.o bem conhecidohia-
to Novo Olinda : para carga trata-se com o
consignatario J. J. Tasso Junior._
Para o Rio de Janeiro, sabe
com a maior brevidade possivel, o
patacho nacional Valente, capilao
Francisco Nicolao de Araujo : pa-
ra carga, passageiros c escravos a
frete, trata-se com o mesmo c ipi
to, na prac.a do Commercio ou
com os consignatarios Novaes &c
Companbia, na rua do Trapiche
n. 34.
Para c Itio de Janeiro, .alie
com a maior brevidade possivel, o
brigue nacional Itio Ave, capitao
Elias Jos Alves: para carga, pas-
sageiros e escravos a fete, trata-
se com o mesmo capilao, na pra-
ca do Commercio, 011 com os con-
signatarios Novaes & Companhia,
na rua do Trapiche n. 34-
l'ara o assi com escala pe-
la Paralaba, labir impreterivel-
menlc, sabbado 17 do corrente, o
hiate nacional S. Joo, com a car-
ga que tiver: para carga, trata-se
com o mestre a bordo, ou na tra-
vessa do Vigario n. 3.
~ Para o Rio lio Janeiro o brigue brasi-
leiro Flor do Rio, sane no dia 20 do corren-
te ; roecbo somonte passageiros o escravos
a frote, para o que tem excellentes commo-
dos : a tratar com o capilSo a bordo, ou 110
escriptorio da rua da Cruz n. 66 de Jos Can-
dido do Barros.
a de homem viuvo: quem ostiver nestas cir-
mentados, tanto na Europa como no ^ cumslancias dirija-so a rua do Codorniz n.
Brasil, e proparados pelas machinas^ 1 ou S.quoachsr com quem tratar.
Otfercceso uma mulbor de idado me-
dia para o servirlo de casa de homem soltci-
ro ou casado, que nSo lenha pencOes de cri-
an c, os, a qual sabe cotinbar um tudo e fazer
doces o macas': quem do seu prestimo se
quicr utilisar, dirija-se a rua da Guia, den-
tro do Recife, casa n. 7.
O abaixo assignado declara ao respei-
tavcl publico, que ninguem recoba em ia-
da invencdodoDr4 "ure.
PRECOS. 1
das carlelra homopathicit. <3
EmcarteiraS do 12 tubos grandes 12/ g
24 30/ c 24 < pequeos 15/
Tubos escolhidos (cada um) 1/ 2
Tintura a demodicamentos em .-.
fraseos de 1|3once (cada um,) 2/'^
Hamais, alomdestas.outras mullas ^ gmCiito uma letra da quantia de 500,000
caixas com glbulos e tinturas por M rl s |,a do voncer a 36 do corrente, a
presos variaveis, conforme o tama- <| qu,| he sacada pelo major Raymundo Jos
nho ea qualidade das caixas, e a *g |.creira Bello, o acceita polo abaixo assignu-
q.uanUdade^dos remedios e assuas ^} d()( c da ,g em pagament0 ,0 capitao Lean-
dro Guedos Alconforado, por isso que esle
tem de desonerar o abaixo assignado de al-
gumas duvidas do engenho Aca.
Filippo Oiniz Cavalcanti.
Pega ladrao.
Furlaram uma barrica com bacalhio,mar-
ca escova, no dia 14 do corronle, as 7 horas
lamente 10 respeitavel publico, que o po- da noito, da porta da votida da rua Direita
.t-. nrnn..r> nara nnl nllAf fTIIClnr ll O filil ^ ,._ ...
*? dynamlsacoes, etc.
* AVIA-SE GRATUITAMENTE
? para, os pobrs, todas as receitas quo <-
jf para ali mandar qualquer professor. 2
MI i **i*: *^ i l ^ ^ ^ I Francisco Pinto Osono, sangrador e
Icntisla, participa a seus froguezes o jun-
dom procurar, para qualquer mister de sua
arte, em sua toja na rua estreita do Rozario
n.3.
A viuva do Manoel Joaquim Pinto Ma-
chado Gultnarfies ( conbecido por Manoel
n. 76, esquina do becco dos Peccados Mor-
aos ; na mesma noite fui encontrada na ca-
bera de um prcto 110 bairro de S. Jos : por
isso roga-se as nutoidades policiaes c todas
as pessoas a quem forolToreeida, o mandom
pequono ) faz scionte a todas as pessoasqua lurar para ser pago do sua espereza, o
ompenhsram em mo de seu fallecido man- >Der do rereij0 roubo, dirija-se a
do.objoctos de qualquer natureza, os vSo venda que sor gratific.do.
remir tanto vencidos como osa voncor, islo 7 .
no prasodel5dias, por quo milito prcisa no orines.
liquidar os negocios de suacasa; assim .i5 ^^^H^LJJj jji ^riiJjM aiwi, es.iriios de produc-
' (lo brasileira,tn sua taberna sita na rua da
" !i.u-| Jo l.l'lia.
quenas quaotias
ceulo, com po-
rga do Rozario,
Roda n. ti.
O abaixo assignado deixa de vender
agoardente do producSo brasileira, desde o
t de julho em diante, em sua taberna, na
rua do Furte o. 3. Joaquim Antonio de
Oliveira.
-- Precisa-se de uma possoa para tomar
ronta do um taboleiro de fazendas para ven-
der, sen lo a pessoa mesmo quem carreguo,
dando fiador quo possi respondor a tojo
lempo : quem quizer fazer esto negocio in-
nuncie a sua morada.
-A. Colombier, mudou a sua loja de al-
faiatecom roupa le la, para a quina atraz da
matriz loja n. 3, sendo sompre mestre o
brasileiro Manoel Jos Ferreira : na mesma
loja cima lem um sortimento de palitOs de
pao fino do coros.
Desoja-se litigar um sitio com bastan-
tes oommodos,psra uma pequea familia es-
trangeira, nos lugares da Solodade, Mon-
dago ouManguinho : quem o tiver dirija-so
a tratar na fundico de ferro da rua do
Brum.
O escrivSo actual da Jrmaodadc do Se-
nhor Bom Jess da Via Sacri, convida aos
irmas da mesma ota goral, para que com-
pareeam no da 18 do correlo mez, as 10
horas da manhSa, afim de so tratar de nego-
cio tendente a mesma irmandade.
Passa portes.
Tiram-so passaportes para dentro o fora
do imperio, assim como folhas corridas, e
ttulos de residencia, edespacham-se escra-
vos ; tudo com muita promptidAo, e com-
modo prego : na rua estreita do Rozario so-
brado n. 38, segundo andar.
-- Traspassa-so a hypotheca de um cs-
cravo, daudo-sa osservicos por premio da
quantia : quem pretender dirija-so a rua do
Rozario estreita sobrado o. 28, segundo
andar.
l)ozeja-se sabor as moradas dos Srs.
Joaquim Pedro da Silva 'lavaros, Francisco
Jos Augusto Ferreira, Antonio Jos Conexi-
vos, Antonio Joaquim Farreira da Silva, An-
tonio Alves da Silveira, Antonio Rodrigues
de Castro Fidcs, que morou cm Ribiribo, o
Antonio do Alemn Cisneiro, afim de serom
procurados.
Aldgam-se 4 armazens grandes, citos
na rua Imperial, no corrCr do sobrado do Sr.
1.11-ma". e juntos ao sobrado do Sr. escrivflo
Campollo : a tractar com Jos Das da Silv-i,
na rua da Cadoia do Recife n. 59 : na mesma
casa se vende urna porcSo do rezina dean-
gico.
O abaixo assignado faz scicntoao lllm.
Sr. administrador do consulado provincial
que deixou do vender desdo o dia 31 deju
como tambem roga aos sous devedoros (or continua a por denlos artillciaes de
ceram da praia, junto aoestaleiro do senhor nSo Hondo os denles tilo bom collocaios. 8e dir quom da.
JoaodeBritoCorreia.dez pranchOes do lou- que Dio se possa dilTere.ntar dos proprios: "
ro, sendo um de sedro.todos de mais de tres naturaes.podendo-se mastigar qualquer co-
taboas de costado cada um, com dilTorenles m'da sem sentir a menor dor nem
Precisa-so alugar uma pela cscrava
.paracozinharolBzer tolo o maisservic.o de
.'uma casa depouca familia, agradando pa-
Leillo.
l'i]l>li(:cs ltterarias.
- Tem de sor publicado a BIBLIOTIIECA
HMANTICA, peridico dedicado exclusiva-
mente vulginsacSo dos melhores roman-
ces modernos. O seu prograrama e modo de
assigi.atura podem ser vistos no prospecd
xislenie un casa doi senhores Dourado
Por ordom o em presonga do Sr. Dr. juiz
municipal supplenle da segunda vara doci-
vel, e do commercio so fari leilao por in-
termedio do agente Olivein, do casco, mas-
Iros, gurups, vergas, vellame, cordoalha, e
mais perteucesda barca brasileira America
abandonada aos seguradores por Novaes A
Companbia, na qualidado do consignatarios
do seu propietario, o negociante Vicente
Ferreira do Azevodo Castro, do Rio de Ja-
neiro : sabbado, 17 do corrento s 11 horas
da ntauhaa, porta do referido Sr. juiz, rua
da Madre de Dos n. 1, ou no arroazem sito
no Forte do Mallos, onde so acham osartu
gos designados menos o casco, que podo se-
antecipadamonto examinado polos preten-
dontes, no lugar do seu ancoradouro ueste
porto.
- O agooto Oliveira far leil3o, por or-
dem do capilSo Kanc,em presenr;a dosenbor
cnsul do S. M. Biitaunica,e por conla o ris-
co do quem porlcncer, de 350 toneladas de
guano, para occorrer aos gastos com o bri-
gue Corsair, arribado a este porlo na sua
rcente viagem, >rocedeiite da Patagonla
com deslino ao canal inglez : segunda-feira
19 do corrento, ao meio da cm ponto,
porta da associac,3ocommercal E pede-so
aos senhores prctendenles hajam do exami-
nar antecipadamonte o guano a bordo do di-
to brigue, donde o comprador tora de rece-
be-lo,
Avisos diversos.
Aluga-seo lerceiro andar da casa da rua
da Cruz n. 40: a tratar no armazem da
mesma. ...
.. 0 abaixo assignado previne aos senho-
res cautelistas, quo aBo pagucm no caso do
sahirem premiados os dous quartos dos bi-
Ihetes de nmeros 5372 e 3164, peiteucen-
tos a lotera da cidade de C >yaz, 01 quaes
acham-ae assignados da maneira seguintc 1
caixa Passos Ramos, o outro caixa F. P. Ra-
mos, por seterom perdido.
Francisco dos Passos Ramos.
.. O Sr. Manoel Cavalcanti l.ins Walca-
eer, queira ter a boodade de apparecer na
rua Direita, venda n.72, a negocio quelite
ol rua
1,1 diz
respeito.
par. .na de cas. de pone, familia, a qual os damnifica e coopera par. cimao, .li,c,d,, ^^ ^ i do naqu'ah.
'""".^a rFoqgoenh47PreC,SO '" Um8 "" Z3U?!^f^&&* ~"r "S -fe2 +
I. O ^.rx"o-;sV,gWdo, tendo comprado cidade. eos muilosexemp.os que ^
concedida a benefi- nossa longo lempo sera qu.nto^ basta par,, "^gVd'ron.l, na rua doLivramen-
comprada a Francisco Jos Pacheco de
meiobilheteda loleria
ci do hospital do S. Pedro de Alcntara da garantir sua residencia na rua Nova n. 49, '>
cidade de Goyaz.de numero 2902,e umquar- primeiro andar. ; '
to da loloria de Nossa Sonhora do Rozario Aluga-se o primeiro andar do sobrado
da lloa-Vista 11 1017, o cono os mnsmos se da rua das Cruzcs 11 32, para qualquer lio-; I -
desencaminharam, se previne aos senhores mem solteiro! a iratar no segundo andar da N88Cjalent0 Pert
..-deiros, e esta mesma parto so vende
"quem quizer tratar dirija-scao dito abaixo
na rua do Trapiche n. 13.Ma-
Ihesourciros das mcsinas loteras, quo no mesma casa,
paguem scnSo ao tbaixo assignado.
Ilonriquc Ehrich,
Precisa alugar uma preta oscrava para f>
COSinhar : quem livor adnuncie por esto t>
Diario.
Na na Bella n. 13, existo uma pci'soa v
quo se offerece para sor ama de um homem (?)
soltcjro. 5
-- Aluga-se a grande oja da rua estreita do W
Rozario 11. 43, com ariuac.3o propria pira ^
qualquer eslabelecimento : a tratar na rua
do Crespo n. fl. m
Manoel Jos da Costa Oliveira mudou a
sua fabrica de charutos quo tinha na rua
jlo respeitavel publico
Jos Anacido, denlisla e sangrador,
oxorco com promptilo as funcQOcs
desusarle, das 8 as 9 horas do dia,
a
Precisa-se de um mestre ou tr.estra, que
so ache habilitado a ensillar francez e msi-
ca, num engenho ilistanto dea la praca no-
ve leguas ; annuncio para sor procralo.
Aluga-so uma graudo casa e sitio, com
todas as commodidados c com rio no fundo,
lo as 6 da tardo, e nos doanngos al ^ na povoa(3o no .Motilen o: a tratar com JoSo
o meio dia, ttra lien denles, calsa X j0s do Carvslbo Moraes, na rua da Csdca
bem os dentcs turados, sepaia peifei- a0 Reciro.
lamento os denles da freule, sangra >? ; ..o Sr. Manoel Saturnino da Cunta, que
bem, o applica bem ventosas sarga- 9 he sa.genio do dcimo batalhSo do inlanra-
dase secas, polo prcr;o mais commo- rjSl haja do vir a rua da Roda 11. 52, con-
do que po 1er,tanto no largo do Roza- !> c|Uir aquello negocio quo nu ignora.
4 rio junto da igreja, casa da cstrolla .) .. Tendo dcsanparecido no dia 5 dejolho
a> n. 7, bairro do Santo Antonio, como 5# da passagem da Magdalena, um mulatiuho
utos, o fumo mutto bom, de todas as quali
dades.
Offcrcce-so uma ama de leito, na pra-
cinha do Livramento n. 28.
--.llanoel Pereira de G.rvalho, morador,
e estabelccido com loja de fazendas na rua
do Crespo desta cidade, encarecidamente
roga a um outro Sr. Manoel Pereira de Car-
v.lllm, que tambem aqu existe, o favor do
augmentar, diminuar, ou fazer qu
ferenca em seu nomo, a lim do ovil
to equvocos, quo por esta semeliianQa lem
-iiiln tu o annunciaute, bem como agora
acontece, que acaba de ser penborado pelo
juizo da fazenda para pagamento de foros
de terreno de mariohas, quando nunca tal
terreno aforou, e nem possu ebens de raz,
como he geralmenle sabido; o que sendo as-
sim senfio iodoattribuir esle incommodo, e
oulros de igual jaez, senSo a esta igualdade
de nome. O aunuuciante bem poderia fa-
zer qualquer mudanza om seu nomo, porem
deixa de o fazer, pelo grande transtorno,
quo istolhe pode causar visto que envolvido
em transaeOescommcrciaes, eja muito co-
nhecido por oslo nome, podo talvcz alguem
malignamente interpetrar tai inudanfa:
--No dia 17 do corrente se deve arrema-
tar cm hasta publica do r.juix municipal da
segunda vara uma casa de sobrado de 3 an-
dares no pateo do Torr;o por oxocuqSo do
Ilonriquc Froster de Companhia contra Fran-
cisco Martina Ferreira c sua mulhor.
Jos Mara Borges vai a Portugal, e
deixa no seu eslabelecimento, fazendo as
suas vezes, a Bento Jos Peroira, e para que
consto, o possa seguir viagem faz o presente
annuncio, declarando que deixa por seu bas-
tante procurador aoSr. Jos Antonio. Perei-
ra de IIrilo.
Aluga-se um excellente negro para
vender. p3o, por ser muito fiel, ou mesmo
para carroiro, quem pretender dirija-so ao
atierro da Boa-Vista n. 65 que so dir quem
o tom.
Tinturara da rua Velha n 73.
Na rua Velha 11. 62, tinge-so luda a qua-
lidao de fazenda, pa>-a a cor que se quizer,
com promptidSo, e de modo quo so 11S0 co-
ndece a cor primitiva : As pessoas da cida-
de do Olinda que tiverem objectos para Un-
gir podem levar rua de Mathias Ferreira
casa do Sr. Cosme, alfaiale.
Os Srs. Francisco Pedro, alteres da ci-
dade, Francisco Urioger de Almeida Guedes,
0 lnnocencio da Cruz Cordeiro, por canda-
do dirijam-seao Passoio Publico, loja 11. 9,
1 pagarem o quo dovem.
Kothe & Jjidonlac mudaram
o seu escriptorio da rua do Tra-
piche n. i'|. para 11. 13 Ja mesma
rua.
Procisa-se de um amissador para uma
padaria nos Apipucos: a tratar na rua Di-
reita n. 6.
>JJJ (. II. Para tirar dontes e sangrar a 4 menda-sc as autoridades do polica o a par-
f> pobreza pagar oque poder. 9 Oculares, quedello tiverem noticia, do di-
142MM #^###^ 4)&9f>B9 rigirem-soa ruado Vigaiiun. 22.
I ncn..5 i n;;;o: S q'je! frt' offeroeidn 11 TuCkniU, re'irii-nn para r>vi da pro-
umdo'daldeouroiavrado,smentflcom urna vincia.
listra liza, e com duasoitivas, do o mandar .-Pcrcisa-sc do uma ama deleite prefe-
ontregar no atorro da Boa-Vista, no segundo rindo-se sem fllho : na rua da Cacimba n.
andar do sobrado 11. 26; supp-se tor si lo n, 0de morou o (inado Vigario do Re-
.imi^r'di'r" furtado por uma preta escrava : quem o en- cife.
jiiaiquer aii- receber urna gralilcac3o. Precisa-so do alugar uma ama forra ou
"".?. i. -- Hento Alvos Tupinamb, respndalo ciptiva, que faca lodo o c0rvicn de casa o
espoleta annunciaute do Diario do Pernam- rua: confronte ao thcatro de S, Francisco
buco, do 13 do corrente, que nao tom neg- n. 8
" lem ssBBT~
Ci alnm com elle, quo com quem
negocio respeito .os alugueis do que o es-
poleta trata ho com o reverendo Ricardo
Jos Machado, do quem tom a recober maior
quantia, ejnSo tem liquidado sua cunta
om razao do mesmo Sr. reverendo se schar
rra desta cidade.
- Procisa-se do uma ama, para casa do
pouca familia, o quo cst. lenha bons costti-
mes : a tratar no psloo do Paraizo, sobra-
do n. 18.
Compras.
Vende-ae, permuta-ae, ou rronda-so
. propriedade do passo do Ciqula, com quaai
uma legoa de trra de planlarjSo, com bai-
las para todo vcrSo, pasto para gado, qua-
tro boas casas de lijlos envidracadas, es-
tribarla e casa para prcto*, grande arma-
zem de lijlos com guindaste, olaria o (or-
no par. dezaaeis milheiroa de lijlos, lenha
de mangue e capoeiras para sustentar doua
fornos, quatro viveiros promptos com pei-
xes, o oulros por apromptar-se, e lugares
pioprios para se fazer o que quizer com
pouca despeza, e a vista dos pretendentes
se far ver os ren.lmenlos que tem esta
propriedade, o o mais que pode dar 1 quem
pretender dirija-se a rua Nova, casa n. 39,
do sen propietario Amaro Goncalvea dos
Santo.
<*& Palitos feitos. s5
Na rua Nova n. 26, tem para vender-se
palitos de panno verde e preto muito bem
feitos, e mais barato do que em outra qual-
quer parle; a ol les antes que se acabem.
Na rua Nova n. a6
Vendem-se sapatOes de couro de lustro
polo diminuto prego de 3,500 rs. o pr; di-
tos virados a 1,600 rs.; a elles antes que se
acabem.
Vonde-se um poquono sobrado de doua
andaros, sito no principio da rua do Caldei-
reiro, contigua a de Santa Thereza.em chSos
proprios, e faz parto do mesmo sobrado duss
casas no fundo, o uma cocheira, o que tudo
rende mensalmente 55,000 rs., e mais Ten-
der porque a cocheira tem solio e estriba-
ra, o nflo osla alugada om proporcSo do seu
valor. Esta propned.de se vende por com-
modo preco.ose recebe em pagamento apo-
licos da companhia de Beberibe por seu va-
lor real, islo he, apolices de cincoenta por
cincoonta.embora estojam ellas porquaren-
ta, o talvez menos : trata-se na rua de Santa
Rita n. 37.
Vonde-se uma cas. terrea om caixSo,
com chaos proprios, e grande quintal, com-
prehendendo dous terrenos cercados de es-
tacas nativas, na rua de Baixo, em Olinda :
quem pretender dirija so a rua da Boa-Hora,
taberna da esquina n. estrada nova.
-- Vendem-so soto casas na Capunga,sen-
do tres de ponto alto il.s posturas da cma-
ra ; uma que tem uma grande taberna, e
ronde 12,000 rs. mensaes; outra que rende
8.000 rs. c outra que tem assougue e rendo
6,000 rs. ; e as quatro de taipa que rendem
20,000 rs. por mez, o tem o oitSo do leste do
podra c cal, o tolas as casinhas fra, foitas
do pedra o cal, com duas cacimbas ; tudo se
vondo por 4:000,000 de rs. obrigando-se o
vendedor murar lu lo em volt., e fazer
torno para padaria, para o que tem excellen-
te quintal, em chlos proprios: a fallar com
Francisco de Freitas Gamboa.
Vcndcm-so duas mulatinhas do 9 a 12
unos, sem vicios, tondo uma principio de
costura ; 1 prcto de bonita figura, de 33 an-
uos pouco mais ou menos: na rua da C.deia-
do Recife n. 19, se mostrara.
Vende-souma parda boaongommadei-
ra o do lodo o servido de casa : na rua do
AragSo n 35.
Vende-se urna mulata, de 22 .unios de
idade, de bonita figura, com principio de
ongomrn.do, costura e cosinha : na rua do
Cabug, sobrado de um andar com ooitao
para o pateo da matriz, das 9 horas da ma-
nhSa om diante.
- Vende-se uma balanc grande, autor
RomSo, com seus compotontes pesos, assim
como um deposito do folha do flandres, que
piulo sei vir para qualquer quslidade de o-
lo : na rua larga do Rozario n. 36.
Veodc-se um mulato carroiro, mo;o ,
de bonit. figura, por proco commodo: na
rua das Cruzes n. 40.
Vcndo-se, no escriptorio dos senhores
Carneiro da Cunha & Companhia, na cidade
daparahiba, osuperor rap Paulo Cordei-
ro, chegado ltimamente do Rio do Janeiro.
Palitos a 12,000 ra.
Vendem-so palitos feitos, de panno mes-
ciado, pelo baratissimo proco de 19,000 rs.
cada un: na rua doQuoimado, loja do so-
brado amarello n 29.
Palitos feitos.
Na loja do sobrado amarello, nos quatro
cantos, da rua do Queim.do n. 29, contiuua
a haver um completo sorlimenlo de palitos
do panno fino, o por prego muito commodo.
Vende-se a excellente typo-
graphia do Diario Novo estando
bem montada, tanto debonspre-
los, como de typos : quem a pre-
Innrlnr. dirija-sc a rua da Praia
n 55, a tratar com a Viuva Boma.
Vendcm-se casas terreas e
de sobrado, sitas nos bairros de S.
Antonio, Boa Vista e Capunga : a
lallar com o corretor Miguel Car-
neiro.
Ancoras para navios.
Vendem-se em casa do Ricardo Royle, oa
rua da Cadeia Velha n 37, ancoras de supe-
rior qualidado, e por commodo proco.
Vondom-se superior champagne,vinhos
finos engarrafados de diversas qualidades.
nado lugar quo ahi achara com quem
tractar.
Na rua da Sonzalla Velha, deronto do
Sr. Marlins, pintor, compram-so todas as
assim como cabos velhos, lo-
aina para casa de pouca familia. zef papt,| .
Attenclo. naa.eet.
A nova- fabrica do chapeos do Sol do at- Compra-se um prcto quo soja forte,e
torro da Boa Vista recobeu um novo e lindo que n3o Unha vicios nem achaques, para
sorlimenlo de chapeos dosol doultimogos- servico decasa : na rua do Amorim n. 25.
to tanto, do sed. cmodo panlnho,para ho- Compra-se um. prota, quo lenha bo-
mem, rico schapeos de seda para senhora o nita figura, o que seiba engommar o cosi-
veode-so por menos proco do que om outra nhar, o no lenha vicios nem achaques : na
qualquer parto,assim como um grande sor- ruado Amorim n. 25.
timento de sedas o paninhos do todas as co- Gompram-so escravos de ambos os sa-
resc qualid.des para cobrir chapos velhos, xos, de bonitas figuras, do 10 a 25 annos,
vende-se baleas para vestidos dosenhoras.o tamo para a provincia como para (ora, pa-
faz-se concert om chapeos velhos. g.m-se bem : na rua da Cacimba n. I"
v>e>>'*>;<*^**:.-^** do morou o finado vigario do Recite.
Alugam-se o vondom-se bizas na
? praga da Independencia n 10, con- ">
|JJJ| fronto a rua das Cruzes.
Dos Dispo.
Acaba do cliogar do Rio do Janeiro, tradu-
zido em portuguez, o excellente romance do
sifet -6 e 8'" M0rs consUnJo &?^'^pS-
Antonio da Costa Ferreira, no poden- d;^r,ut,.^V'^cs'Vi. 22,segundo andar,
do despcdir-se pessoalmenle doseus amigos
por causa desui molestia.o faz por meio do venlo-se urna parda de 30 anno., co 1. lo
presente, e om Villa do Cor.de o encontr.rSo das as habilidades, umapreU^a costa, de
prompto a cumprir seus man l.dos. bonita gura, vendedeira.de fazenda o opti-
lugar um sobrado de ma quilandeira, urna cr.e
no Recife, n. ru. com algumas
- Quom quizer
um andar, com armazim.
da Moda n. 23 : dirija-se a rua da Gloria
d. Boa Vista n 87, segundo audar, quea-
cl.ara COIO quem tintar.
-- OHcrece-so urna ama de leile : na rua
Imperial u. II.
Na rua Imperial n. 31, compra-se 2 hois
mangos, proprios para carroga, que sejam
Lisboa, por commodos pregos : na rua do
Vicario n. 19, primeiro andar.
Vendem-se. oitenta ps da coqueiros
om bom estado de so plantaren, a 200 ra.
cadap; na rua do Queimadon. 57.
.- Vendo-so uma cadeirinha de arruar,
em muito bom estado, de gosto moderno,
ricamente dourada, com caminos de vidro,
forrada de damasco de sed., com corrame
do m.rroquim, f.rd.ment o chapeos com
galoos de ouro lino, tudo no mclhor estado
possivel: na rua Volha n. 57.
A olios.
Vende-se urna porgSo de barra que foram
de oleo, Imlijoes de barro emp.lhados.flan-
dres de diversos tamanhos, etc. a quan-
lidadeque o compradora quizer, por pre-
gas commodos: na rua larga do Rozarlo
"' vende-se um ptimo moleque, creou-
lo, de bonito figura.com 19 anuos.bem edu-
cado, sem vicio algum, muito intclligente
p.ra todo serv.go, lem algum principio de
cosinha, por prego commodo : na rua do Li-
vrameuto, loja n. 19.
. Na rua Nova, loja n. 2
Ha um sortimento de calgido para homem
o sonhora, dito para meninos, chapeos ran-
cezes finissimos, ditos do moninos; von-
dem se smenle a dinheiro visla.
. Cigarros de palha.
Na rua do Collegio, vend,e n. 1, "t um
sortimento do cigarros de Ralba, vados l-
timamente do Rio de Janeiro,
vendem tanto em porgSo como a retalho.
pechifichos.
Vende-so um rologio de ouro, com um
corren 3o de ouro do lei por 50^00 rs., e
H.'aloMde couro de lustro por 3,000 rs ou
por menos algum. cou.a.e sapatos do m.r-
roquim para senhora pelo d minuto
de720 rs o par- na ru. D.reita, loja
Compram-se duas crooulas ou pardas,
do boas figuras, com habilidades; pagam-
so bem : na rua d. Cruz n. 40.
V eudas.
Vende-se uma (reta de
meia idade
o diario
habilidades, e um escravo,
nnos, proprio para todo servigo.
Vende-se um oscravo, pardo, que re-
presenta ter 18 aunos de idado : na rua d
ivramenl, sobrado n. I, primeiro andar,M0 ,, 50
quo faz visla para a rua do Kangel.
prego
nova
f*<
Tr


m


I
1
i."
B


i

XCIDDEDKPMUN.
Hua do Collegio n. !\.
J. Falque, donoila fabrica cima mcncio-
imla, participa ao respoilavel publico de
Pernambuco, e principalmente a seus fre-
guezes, que elle recebeu pelos ltimos na-
vios, vindos da I-1 anca, um grande e rico
sortimento dos molhores chapeos de sol seda, que tem vindo a esta praga, proprios
para a estacan do invern, c para senhores
de engenlio, por serem muito fortes ; sor-
timcnlo de chapeos de sol do seda dediITc-
rentesqualidades de 5,000 rs. para cima,
lindo soilimento de chapeos desoldoseda
para senhoras, de lodos os feilios e tama-
nhos, que vendo muito em cania ; ditos de
panno para meninos de 1,500 a 3,000 rs.; di-
tos para homem de ferro e de balea de
2,000 rs. para cima ; ditos de junco de 1,500
rs. para cima; grande c escolbido sortimen-
to de chamaloles, sedase pannos empega,
para cobrir armacOes servidas, baleias de
todas as larguras e lamanhos, para veslidos
e cspartilhos para senhora ; (azem-se um-
bollas para Igrcja; concerta-se toda e qual-
quer qualidade de chapos de sol, tudo por
muito menos prego do que cmoulra qual-
quer parle. Veudc-so cm porgSo e a leta-
Iho. \d mesmo eslabelecimento acha-se
um bonito sortimento do bengalas.
a,ooo.
Veodem-se corles de brins trancados os-
curos de puro linho a 2,000 rs., dito de pele
do diabo a 900 ou 2(0 rs. o covado, cortes
de cambraia de salpicos de cores e brancos
com seto varas a 4,500 rs. o corle, o 720 rs.
a vara : na ra do Crespo, loja n. 6.
AloinlioN de.vento
com bombas de ropuxo para regrar borlas
o baixasdccaplm na fundigSode I). W. Ilow-
inan: na ra do llrum ns.6,8o 10.
CHA 1'ltb.TU
Vende-se superior cha preto,
em caixas de 3o libras cada uma :
em casa de J. J. Tasso Jnior, na
ra dn Amorimn. 35.
"t**ltV*)*ff*!i V(f y ^
2

ABADOS aBERTCANOS.
Vendem-se arados ame- tt
ricanos, chegados dos Esta- |*
dos Unidos, pelo barato pre- +
* cu do '0,0(10 rs. i :ada um : n,i |
* ra do Trapiche n. 8. ^
-- Vendo-se urna cscrava rom habilidades,
do bonita figura, edo boa conducta, erroula:
na rua do (jnciniado n. 52, primeiro andar.
l'arinha de trigo
SSSF.
Fontana.
No armasen de J. J. Tasso J-
nior, na ra do Amorim n. 35.
Deposito de cal e potassa.
No armazem da ra da Cadeia
do ltecifc n. i-x, ha muito supe-
rior cal de Lisboa, cm pedra, as-
sim como potassa ebegada ltima-
mente, a precos muito rasoaveis.
Armazem de viulios.
Na ruada Scnzalla Velha n. 48,
vendem-se vinhos de Lisboa e Fi-
gueira, dos mais supcriori-s que ha
no mercado, pelo diminuto preco
de 300 e aqo rs. a garrafa,e i,5oo
a i,8oo rs. a caada : para confir-
mar d-se a provar, e para ver da-
se a beber he baratinho, a elle
fregueses que lie bom vinho.
Deposito de cal virgem.
Cunha & Amorim, na ruada Cadciado
Recite, u. 50, vende-se barris com supe-
rior cal era pedra, chegada pelo ultimo
navio de Lisboa, por menos prego do que
em oulra qualqncr parte.
potassa americana.
No antigo deposito dacadeis vellia, n.
12 existe uma pequea porgSo de potassa
americana, chegada recentemente que por
suporior rivalisa com a daltussia: vende-
se por preco razoavel.
Agencia de Ldwin Maw.
Narua de Apollo n. b, armazem man! Si Companbia, acha-se coiiitanleincnte
nona Bortimenlos de uixa de ferro coado e
balido, tanto rasa como fundas, moendas in-
eiraa todas de ferro para aninaea, agoa, ele,
ditaa para armar em madeira de todos o ta-
maitos e inadellos o inais moderno, machina
borisoDtal para vapor, com forja de A caval-
los, coucos, passadeiraa de ferro eslanhado
ara casa de pulgar, por menos preco que os
ecobre, escovens para navios, ferro inglez
laliiui-ni lu la-i-iiiiiii i-iu rcosfolhas,eludo
l>or barato oreco.
ia> farinha de mandiocu j Vende-se, por prego rasoavel, la- ^g
^ rinha de S. Malhous a mais nova ^
5 que existe ueste morcado : na ra ^
,. da Cruz n. 34, delronlo da l.ingoota. <
AMAiAftAMA AAAAAAAAAA
AGENCIA
da fundicao Low-Moor.
HUA UA SrC./.ALLA NOVA I. 9.
Ncste estabeleeimento conti-
na a lia ver ur.i completo sorti-
mento de moendas o meias moen-
das para engenho, machinas de
v.ipor, e tai xas de ferro batido e
coado, de todos os tamaitos, pa-
ra dito.
A iao rs. cada um.
na ra do Queimado h. 3, defrunte do
beceo do Peixe-Frito, vende-so leucinlios
do cambraia pintados, para mSos de senho-
ras, polo baralissimo prego do seis vinlens
cada um.
Vendem-se os verdadeiros selins n-
glezos, patente, de molla e sem ella : na
ra daSenzalla Nova n. 42.
Vende-se marmeladi nova, viuda l-
timamente de Lisboa : na ra da Cruz n.
46, defronte.do Sr. Dr. Cosme.
___ Vendem-se relogios de ou-
ro epr&ta, patente inglez: narua
da Senzalla Nova n. 4a.
Arados de ferro.
Na fundicao da Aurora, em S. Amaro,
fendem-se radosde ferrode diversos mo-
delos.
Deposito de panno de algodSo da
febrita Todos os Santos'da Ba-
nlna.
Vende-se por preco commodo
o bem conhecido pumo de algo-
ili.o desta fabrica ; em pesso, a
vontade do comprador : no escrip-
torio de Novaes& Comjianhia, na
ra do Trapiche o. 34.
Moerulus superiores.
Na fundigSo de C. StarrA: Companhia,
em S.-Amaro, acbam-se a venda moendas
de canna, todas deferro, eummodeloe
construfcgSomuilosuperior
Vendem-se asseguinteg sementos:
nabos,rabanos.rabaneles encarnados e bran-
cos, sobla, couve trinxuda alface ala-
moa, repulhuda,chicoria, senoulas, foijao
carrapalo de tres qualidade, ervilha loria e
direila, fava, coentro de touccia, salga, to-
mates grandes, tepolho, couve lombarda,
saboia, e muslarda : na rus da Cruz ti. 46,
defrome do Sr. doulor Cosme.
A a4o rs. o covado.
Defronte do becco do Peixe-Frito, loja n.
3, vende-se cassa chita, cores fxas, de lin-
dos padrOes, pelo barato prego de doze vin-
lens o covado; bem como chitas baratas
o oulras fazendas mais.
a 380 rs. o covado
Retronle do becco do PeixeiFrito, loj n.
3, vende-se alpaca de algodSo pelo barato
prego de quatorze viutens o covado; esta
faienda lorna-se recommendavel n3o se-
para vestidos de senhora, como tambera
para palitos e casacas de homem.
antigo deposito de rap princeza
de Gasse do Rio de Janeiro ,
grosso, meio grosso e fino na
ra da Cruz do Recife n. a3.
Viuva l'ereira da Cunha, encar-
regadd dcsle deposito scientifica
aos consumidores deste rap, que
para melhor screm servidos seus
pedidos, tem estabelecido ser pro- i
vido o deposito mensalmete com
remessas feitas pelos vapores da
carreira, e assim poderao seus fre-
gueses ter rap muito lresco, cir-
cunstancia a mais escencial ; sup- j
piido pois regularmente este de-
psito com rap assim fresco, he |
para aflirmar que esta boa pitada' I
se tornar recommendavel a todos \
os tomantes : os precos sao os de
seu principio estabelecidos de i28o
rs., as linas primeias qualidades
e 900 rs. a ultima, sendo de 5 li-
bras para cima.
Vende-se cal virgem cm pe-
dra, cabeca de carneiio .- no ar-
mazem de assucar da Viuva l'e-
reira da Cunha, na ra da Cruz do
Recife n. a3.
**ia.+*(d4..i.*****-
* Vendem-se boticas horneo- *
a a>
4 pallucas de 3o medicamen- ^
tos, a 30,000 rs., e a quarta *
cdic9ao da protica elementar 2
em 3 volumes, viudo- doRio fe*
de Janeiro, da botica cen- I
tral, da ra de S. Jo.- n. i
5g declarando que sao as 9
verdadeirt-s boticas horneo- a>
pallucas: narua do Crespo, i
loja amarella n. 4* *
m !*,****^ff*f 99999
Deposito da rubrica le Todos os
Minio- na Knllill.
Vendo-se,em casa deN. O.ltieber&C,
na ra da Cruz n. 4, algodSo transado da-1
qnellarabrica.Tnuitopropnoparasaccosde
Sapeareroupa dcescravos.porpregocom-
modn
Vendem-se lonas, brinzlo, biins, e
meias lonas da Itussia ; no aruiaiem de N.
O. Iliebor & Compauliia, na ra da Cruz
n.4.
-- Na ra do Crespo, loja n. 5, vendem-
se corles de meia-casimira de pura lila, c
o ff b333! Bfrs
o ^
4
5 s s* j. c 2-i5 o c.
5 cr a. 5 c m> c
=;.< S-* 3.SSaa o
? 9" 2 9 9-=2
0 C S S13 -" =1= = D
0. o- C*.^^ =1 2
O^lB; S0J0OS
ss=rf r--"5
8
3-1*
8*lBg|lfff2 8
"'S 2.-5320.2,
05
8 =
1 =
a-a
VE
S"3
o
i!

s
r_
n
ot
wo o-
- zas Sd
llltllf1
m n r i. 2g
e
(A
E -
O
X
o
O 3
O
- ss

3
o
a
93
o
-1

o
3
n
B
"2
B o, S'o 2. a" Sz 5
S35=-

cr "2 _.
E=8.;tic.o33C
1.8
o o
^i3ailt|2:!rti
sill|iBHs|i
iifE|j
? si ?-
S o
1 fia/E JF^ "5"
SaS-g- 5-oIo.b
o- 'S C.O-"1 S.?-
a 3 c 5.S eB 3 Sis g -.=
S-Zxo-^gs.c = <
-> a. ** 3 r>
B-o-ig-g
4 n 3 T? 9 5*
if Sg 0.5- _
lb" a-s 1
^^ i
l_3l B
3 6 i
d :
tf'

o
c
o
o
I

^
I
0
s

s
S3srs--=
s
:?=.
- (0 w
o-
2 o
3
5f co o _
2 S ft B
3
c--
I V B B> 1 _
m c y. _.
5 O 2 P
1
u
1
o o
1 i gal
2"B
3o>5
B5g2.BS
f^ aa ^ re
S
o
o-S ff 2
09 3 S'e- _.
..So 2.-
oS-2Sca = oa
^- So."it
a. ^ o tr o c
o *'
3g. 98002.
i-O (B
B s ;
2 o 9n-&
SSaS o-" o o S-a b o.
" oi^riioj1"
s-e. -
s
O)
a;
B*
01
en
09
s
c.
(S
CA
1
O
o
3
J3
rs
D
ci
(A
09
"o
6
a.
e
3
OJ
IN loja dan seis portas
rom borels de viludllhn pintadoi.qoe troca
por urna pi Inca ; sii os aprecia quem quer
estar a fresca em can.
Atierro' da .Boa-Vista, loja ama-
rella de qualro portas, n. 60.
Veodem-ae legcinhos de chita, lindos pa-
drOes, com (lgurss, a 70 rs.; riscadinho para
todo servido, encorpados, o covado a 140
rs.; cortes de riscado francez, com toque
de avaria de oleo, a 1440 rs.; ditos de cas-
sa, de 7 varas, a 9,500 rs. ; cortes de cami-
sas de chita, snuito lindos, a 1,000; chapos
deso a 1,280, alpaca dnnlgodSo, o covado
aSOOrs., chitas muito Tinas o moderna!, o
corado a 200 e 240 rs., e ordinarias a 160 rs.
ma la lidian para forro, com avaria, a 2,000
rs., riscadinhos francezes, muito linos e
la 1 fus, a 280 rs. o covado ; o outras minias
fazendas por preco commodo.
Na loja das seis portas
vendem-se manteletes de fil pretos,a 4,000
rs. ; barretinas de palhinha franceza a 1,000
rs.,e borladas a 3,000 rs.
Panno preto fino a a,5oo rs.
o coyado.
Vende-se panno preto lino, a
rs. o covado : na loja de
Flores & S, na ra da Gadeia do
Uecife.
Vendem-se dous c oncliz e uma carau-
na muito mancos, que cantam na mito : na
tiavessa da ra Bella, coebeira n. 2.
Vende se um paiol para dopozilo de sal
com suas competentes mo lidas, proprio pa-
ra qualquer pessoa que de novo se queira
cstabelecr em dito genero : na ra Imperial
n. 31.
-- Vendem-se saccas com farinha de man-
dioca, chegada do Cetra, a 1,600 rs., e cm
loteado 10 saccas a 1,500 rs. ; no armazem
de Cova & Das, defronte da escadioba da
alfandega.
->.,.><<)
paduria
He uma pecliincba.
Vende-se a dinheiroou o raso a ptdaiia do
largodas Cinco l'ontas n. l54,assimcomog
d o nec'-.ssnri o su piiriniiii 111 dofarinhas sen
comprador der a neceasaria garanlia ; tan,,
bem searrenda : a tratar com J. J. Tis nior, na ra do Amorim n. 35.
-- Vendem-se dous conclize uma caray,
na muito mancos, que onlam na m3o na
Iravesaa da ra Bella, cocheira n. 2.
Vende-se um par de caslicaes de prala
para lantcrn*, os quars serrem igualmente
de paliteiro: na roa da Cadcia do Rocife nu-
mero 6.
-- Na ra Nova, loja n. 2, atraz da matriz
tem um grande sortimento de casacas do
pannos de cores que sBo muito em conta.um
grande dito de coletes de varias qualidadci
de fazendas, grande sortimento de cairas
de varias fazendas, um bello sortimento palitos do bonitos pannos, chapeo* ila ul(|.
na moda de l'aris, grvalas, collarinhos
peilos de merculina para camisa, lencos i|g
setim preto, luvas, sapatos de lustro (orma
ingleza, ditos ruciana, um bom sorti-
mento de ('aseoras,c de pannos linos; ven-
dem-se barato a diubeiro a vista.
Vende-se um casal de escravoscrcoi,!o
ainda mocos, mui robustos, o macho en-
tende muito do sorvico de engenho por sa-
at carreiro ; e lambem cuten .le de carnicei-
ro, a mulher he muito propria para o servir
co de campo : quem os piolen lia comprar,
podo diiijir se a Fora do Portas, roa do Pi-
lar ; a entender-se com Flix da CunhaToi-
xeira.
Sentido! 3;j A he ao p do Rozaiio
de Santo Antonio.
Quom te mandou este doce .* Perguntava
em urna mesa um hospede a seu amigo i|..
tantos amigos, ainda nenhum mo mandou,
que se compare eom este, Ibe tornou o ami-
go, em abono da verdade que so ainda o sa-
boriei igual a este, comprado aoj. J. Mon-
des da Silva n. 39 A da ra eslreita do Rn-
mwwmmafwmm mmmwwtsi^mm "". '?Jl0', f,ii8.',"L!'SS qu.e ebl6
'4

Mercurio.
Vende-se mercurio de primeirasorte: em
casa de Augusto C. de Abreu: narua da
Cadeia do Itecife n. 48.
(Jorlcs de brim depuro linho.
Na ra do Crespo loja da esquina quo vol-
ts para a cadeia, vende-se corles de calija de
brim de quadros, e listras de puro linho a
1,280 e 2,000 rs.,diloinleiro pardo a 1.280 e
2,000 rs. o corte, riscado do linho de lislra
a 720 rs. o corte.
Com toque de mofo.
Narua do Crespo loja da esquina que vol
ta para a cadeia,vende-sc chitas escuras com
pequeo toque de mofe a 5.50O rs. a pe5,e o
covado a 160 rs.
(amliraias de salpico blanco e de
cor, lencos de cambraia de
linho.
Na ra do Crespo loja da osquina que tol-
la para acadeia, vende-secorlesde cambraia
desalpico 1 1 nuil a 4,000 rs., duo de cor a
4,500 rs., 100(08 de cambraia de linho a 500
e (1M1 rs. cada um.
s
Vendc-seuns canteirospara pipas e um
deposito para sal e barris de azeite do carra-
palo vazios, ludo por preco commodo: n~
gostos muito bonitos, polomodico preco de ]rua da Senzalla velha venda n. 15.
2,560 rs. o coito; brim pardo do linliu, su- Espedios por poilCO dinliciro.
perior fazenda, a 640 rs. avara. | Na ruada Cruz n. 20,casede Avrial Ir
.Minias fazendas por potteo dinhei- mSos& Companhia vemiem-se oplimos es-
. na ra ,ln Rreano n fi luelhos, com moldura, e sem ella, chegados
ro na ra ao crespn, o. ;ultimamenle da Franca, tor prbeo dimi-
Cortes de biim escuro do puro linho a
1,440 rs., ditos de lislra de bom gusto a -2,000
rs., dito amarclloa 1,800 rs. riscado de li-
ndo proprio para calcas e palitos a 180 rs. o
covado, panno fino preto a 3,000 4,000rs. o
covado,pessasdo chilasescurascott 38co-
vados a 4,500,5,000 e 5,500 rs., cambraia de
llores com 81|2varas a2,400e3500'rs.a pos-
sa, lencos de cambraia do linho a 400, 480,
e 560 rs. proprios para mSo. riscados assen-
tados em algodSo muilocncorpado proprios
para cscravos a 160,180 e 200 rs. o covado,
zuartc azul com 4 palmos a 200 rs. o cova-
do, e muitas mais fazendas por proco com-
modo da loja cima referida.
Vendem-se amarras do ferro: na "ia da
Senzalla Nova n. 42
-- Vende-se farinha de mandioca, muito
boa e nova, a 1,600 rs. a sacca : na ra da
Madre de lieos, venda de Clemente da Silva
Lima.
Taixax pava engenho
Na limilirao de ierro de D.
W. Bowman na ra do Brum,
passando o chafariz contina a
iaver um completo sortimento
de taixas de ferro fundido c ba-
tido, de 3 a 8 palmos de bocea ,
as quaes acham-se a venda por
preco commodo e com prompti-
dao, embaicam-se, ou carregam-
se em carros, sem despezas ao com-
prador.
Algodo para roupa de escravos.
Vende-se algo d3o muito encorpado, pro-
prio para roupa de escravos, com pequeo
loque de avaria, a 140 rs. a jarda; dito
limpo a 180 rs. : na ra do Crespo n 5.
Sorlimentos de panos finos e case-
miras de todas as qualidades.
Na ra do Crespo loja da esquina i|ue vel-
la para a cadeia,vende-se panos finos pretos
a 2,800, 3,200, 3,500, 4,000, 5,000 rs., e fran-
cez mullo superior a 6,000 rs., o covado, di-
to verde a 2,800 rs. dito a. ul a 2,880, 3,500,
4,000 o covado, corles de caifa de casemira
preta enfestado a 5,000 e 6,000 rs., dita tran-
ceza elstica a 8,000, 9,000 e 10,000 o corle,
e outras muitas fazendas por preco com-
modo.
nulo.
Farinha de mandioca a 1,600 rs. a
sacca.
No armazem do J. J. fasso Jnior: narua
do Amorim n. 35.
Chapeos do Chily.
Vonilem-sc chapeos do Chily, pequeos a
2,500, e 3,000 ti. : na loja de chapeos da Pra-
ga da Independencia, luja do Joaquim de
Oliveira Maia.
A 4,000 rs. o corte. ^
Vendem-se corles de laa -ej
para vestido de senhora,com *
i5 covados, de cores lixas e
dcscnlios muito modernos ^
fazenda mais barata do que ^
chita c demonstra duracao : -
na ra do Crespo, loja ama- '
->
B>
->
^>
f>

-?
:>
>
>
&
Para debrunr palitos.
Fitas do superior qualidade, e dilTerenles
padres, e larguras por mo tico preco na lo-
ja c fabrica de chapeos da prnc da Indepen-
dencia ns. 24, 26, e 28,
Ue castor finos
Superiores chapeos do castor brancode
lun a- modernas, e muito leves, a 10,000
ra., su,rieres e modernos chapeos do seda
francezes, a 6,400 rs., na luja e fabrica de
chapeos da praca da Independencia ns. 24,
28,e 28.
De castor a G,ooors.
Chapeos de castor brancos inglezcs, de bo-
nilas formas, a 6,000 rs na loja c fabrica do
chapeos da praca da Independencia ns. 24,
26, e 28,
Oleados para mezas.
Vende-se oleado pintado, de mullo boni-
tos padrOes de qualro a oito palmos do lar-
gura, e por preco muito barato na praca da
Independencia loja e fabrica de chapeos, ns.
24,26,e28.
Vcndem-se 1 alambiques de
carapuca e novos, por mclnde do
valor, porque ordinariamente se
VCDucui : na ra nova, ioja (te IU.
1 1
l foi comprado j tambero por meoterom
informado. Carissimos loitores,sendoo hos-
pede meu amigo,communicou-ma o que ro-
alo cima, e ou para que o respeitavel pu-
blico possa apreciar a boa qualidade edir
crdito a slnceridado com que Ihe fallo, os
convido a que venham antes que so icabr,
juntamente a muito acreditada bolachinfa
de araruta,biscoitinhos,fatias, e outras mui-
! las qualidades, como sejam ainriiots ron-
feladas na Ierra,bolinhos francozeseainon-
doas finas de cores, lulo por commodo pre-
co, como he de coslumn no 39 A.
Yendo-so marmolada em latas do qua-
lro libras a 1,280 rs. ; do duas libras a 8O1)
rs.; soblas de Lisboa, um molho 1,000 rs,
(un 1 i-na 1,280 rs. : na ra das Cruzes, pn-
meira venda pintada de azul.
Vende-se um txcellento quarln, qi|
n.lo tem ainda a segunda muda, e mui car-
nudo, com todos os arreios quasi novos pi-
ra montara, tambm se vende sem arreios;
na Cstancia,casa contigua a capella,defron-
te do s-nlini Cardoso Ayres.
Escravos fgidos.
A .'1,000 rs
Vende-sepanno fino pre-
to verde e cor de caf, a
4,ooo rs. o covado, panno
g este, que em sua qualidade
ip vale 8,000 rs., tem um pello
M muito fino, cor fixa prova
g de liniao, e j esperimenta-
y do, vcnbam os freguezes ver |$
I e comprar que encontra- W
K ram a verdade : amado |
P Crespo, loja amarella n. j i:
g de Antonio Francisco Pe- j
reir. I
<%mmm aMMi aWtaWMMMlp
- Nodopositoda fabrica de bebiJas espi-
rituosas e sem espirito, de Joaquim Lobato
forreara, narua da Senzalla-Velha n. 110,
vende-se espirito de 36 a 37 graos, em gran-
des e pequeas porches.
Vendo-se uma escrava parda, de30an-
nos, perfeita coslureira de cortar e fazer; IJesapparcceu no dia 8 do
camisas de homem, vestidos de sonhora ,, r ,
marca e fiz labyrinlho, vesle e penteia uma presente m, um cscravo (le no-
senhora ; uma ^rota de 30 annos, cozinba,' me Jos que renrese.ita ter '
engomma e lava roupa ; na ra do Collegio 1 k. 4 1
11. 21, primeiro andar, so dir quem vende. antlOS, grosso do COrpO bastinle
Miudezas baratas na loja pernan- (gordo, meio fulo; nariz chato, de
Luv.s do pellic.U,Cdea'bas qualidades,'nac3o> tem uma pema grosa, um
brancas e de cores, tanto para homenscomo escroto grande, que cstava em cu-
para senhora, a 5o0 rs. o 1,000 rs; ditas de'ratvo |ev01| vcstido uma caira a-
torca I, ditas de seda, ditas de algodSo, fi-, .
tas de velludo do diversas cores, lisas eaber-.zul de ganga, camisa branca, cha-
tas, com fivellas douradas e de madrepero- peo de couro, foi cscravo docapi-
la, agulhas fr.ncezas, bicos e rends mui- J- '
lo finas, ligas bordados, iivrinbos dourados laoznho : rogi-se as autoriuades
com espelhos, que seivem para guardar agu- policiaes e copites de campo, a
Ihas, trancas de seda, ponas deaco flnissi-
man, capachos a 480 r?., ompridos e re- "ptura do mesmo a entregara
dundos, caixas J; vidro para guardar jols, sen senlior, na ra da Madre Dos,
ooquim da Silva Lopes.
Desappareccu do engenho Fragoso.ler-
mode Olinda, o preto de nomeCuillnimo,
do naeiio, bom ladioo.estatura regular.incm
corpo, bem preto: quem o encontrar leve-u
VSOde-M na livrana do pateo do Collegio il0 referido engenho, ou a ra da Aurora 11.
n. 6, doJo3oda(.ostaOourado. ; II, que ser bem recompensado.
- Vndese um preto, que trabalha em Boa gralincacao.
pa,lari8, ou sitio : na ra larga do Rozarlo 1 Gratifica-sc com 50,000 rs. a quem appio-
lojan.35. 1 hender um muleque crilo, por nome Mi-
- Vende-seo engenho Pao-Singue, sito -. do idade ,le 15 a 16 anno< fugj,|u
na comarca do Rio-Formoso, a margem do desde sexta-leira 28 demaio prximo pas-
mo Sorinhaem, moenle o correte, de gran- sa,|0 de Kanch0 ao peiC ,COlsecco do corpo,
do produccSo, e boas malas : quem o pre- cor bom prela DeQ0 nforjor grosso. con
1 ..11 i... a 1111.. 1.. .. .... .i...- 1 ,.........1.. ... 0 ..
as mais bonitas que lem vindo; c oulras 1
muiUs fazendas e miu lezas, que pelas qua-
lidades o precos agradarlo aos freguezes :
oa ra larg-i do Kozario n. 44.
Cha de superior qualidade.
4, de
A.'F. Pe- %
relia n.
reir.
OilAAWAi A fafa di A AAAAAe
l'o Uhile e de It-ha.
Completo sortimento de chapeos do Chil-
lis melhores em elvura o durazno que tom
vindnao mercado, e porpregos muito ra-
zosveis, ditos de llalla para homensu se-
nhoras, sendo estes ltimos ptimamente
apparelhados : na loja o fabrica do chapeos
da piac da Independencia ns. 24, 26, e 28.
A 10,000 rs
Ven lem-se chapeos do Chily, muito finos
e j aparelnadus, a 10,000 rs : na Praca da
Independencia ns. 24, 26, e 28
A Amazona.
Chapeos de seda para as senhoras passea-
rem a ra vallo, e mesmo a 1 do nova moja,
e muito lioiu onfeitados, bouels de panno
para senhoras o meninos, de todas as quali-
dades, chapeos de castor de difierentes co-
res pare ipcnino.se meninas, com effeilcs e
sem elles, tuJo por prego muito commodo;
na loja e labren de chapeos da prag da In-
dependencia DS. 24, 26 e 28.
Vende-se um escravo, creoulo, de ida-
de 28 annos, o qual entende de canoeiro c
de embarcadigo, o mesmo prefere ser ven-
dido para o niislerdeeoibarcadigo: oa ra
do Trapiche Novo n.4.
tcndor dirija-so a ruadas Larangciras, so- marcas de chicote pelas costas," vestido do
hrailn n t, (l(!<|i i hOTt i ui.uia., o camisa dealgodao branco com mangas uui-
das 3 as 6 da tarde ----------
nileiro d. 38
Toda alten, ao ae baiatciro !
liua do Crespo n. i4, loja de Jos
Francisco l)ias
I Aisle 11111 delicado surlimenio de finissi-
simas chitns do cores com silpicos, os mais
lindos gostos que lem viodo ao mercado a
210 rs. o covado, ditas cores de vinho o rafe,
muito miuliiihasde novos desenhos o cores
muito fixas 200rs. o covado, ditas do de-
ferentes qunlidades a 160 rs. o covado, finis-
sirr.ns alpakas de todas as cores a 640 rs. o
covado, ditas com (los de seda e do novas
coros a 1,000 rs., ditas prolas com llores
imitando cliamaloto do S'da a 1,100 rs. o
covado, corlesde casemiras de l1aealgo de lindos gostos a 1,600 rs. o corte, os mais
superiores brins de puro linho e de riquis-
simascoresa 1,280 is a vara, brins do puro
linho de uuia s cor, fazenda propria para
palitos a 320 rs. o covado, as verdaderas
brelauhas de rolo do 10 varas a 1,800 rs. a
pega, idem de 5 varas, fazemla muito encor-
pada a 1,000 rs. a pega, assim como niuilns
outras fazendas queso vndenlo por muito
menos prego do que cm uutrn qualquer
parte,
~ Nollol'l Recife, ra do Trapicho n. 5
vendo-se farinha de mandioca por 2,000 rs'
a sacca, he muito nova c de boa qualiJaile
Vendem-se esleirs de palha de Carnau-
ba, regularas e grandes, de 2 varas de co.n-
pr ment ; chapeos do palha a 8,000 rs. o
ccnto; pellos de Cabra a 20,000 rs. o con-
t, chegados agora dO ArsCSty : na ra da
Cadeia do Recife 11. 49, segundo andar.
Sapa tos .'
Aeaham do chegar do Aracati os mais
apreciaveis sapatos de couro blanco. O
forte cabedal dequo sSo faltos* nnliJa sola,
e a moderna 'orma os confundem depois de
engraxados com a bela graxa de lata de Sas.
S. Masn, com o calgado melhor da Europa,
elles se ven lem a 800 rs. o par, e a grasa a
120 rs. a lata, ora boin.islo cliega a todos ; e
recotnmendar a compra deslo calgado feilo
no paiz he duvidar da protecgflo que se tem
desenvolvido a industria nacional, he por is
so que se avisa a quem os quizar va na rua
ra larga do Rozarlo loja n. 35.
Veodem-se bengalas de legitima can-
na da India, de dilTerenles grossuras a
1,21111 rs. cada uma, cundegas de grandes e>
pequeos lamanhos, por precos muito ra-"
zoaveis : na rua larga do Rozarlo 11. 44, luja una faboa requisitas, uma' l.boadinha, un if^kwOMitmn Morara!* luiTenri"
do miudezas. 'bezoul.u.ii1 tratado completo da navegagao, igno dll0 engenho. ou nesta cidad.
-- VenJem-se oito escravos.seodo um del-_e um o.tante, ludo em bom uso. U ,:ornlJ,eBrcu '. 6 a ManoeI ,K
ios bom carreiro, um dito ra pina, duas es- -- vende-so um burro multo manso, gor-i otiveirat.
cravas mogas com algumas habilidades; nal do e novo, por prego muito commodo : na] ______'._____________________________
ua Direila 0. 3. .' cocheira da rua da Florentina. : l'i.nx. : 'I ve. de M. F. de Faria. 185-'
tas, caigas de algodSosinho de listras aiuHj
No Passeio Publico n. 17, I o 1 t ti c lie bstanlo ladino, tem falla de cabollos na
. 1 > caboga por ter andado vndenlo fructis,
O portas. mandioca, macaxeiri pela rua ; este mole-
Vendem-se chales de 13a c soda o melbor que qutndo Ihe fallam, est sempre com os
que se tem vislo neste mercado pelo barato, oihos inquietos, e fazendomovimentosenra
prego do 3,200 rs.; dito* de 13a a 1,000 rs.; os dedos das oi3os. Ple ser que so inlitu-
ditosde tarlatana a 1,000 rs., corlesde cas- le de forro,eque do outro nome, comoj
sa-chita, bonitos padres, a 1,800 rs.; chi-, tirou o gancho do pescogo que linlia quin-
tas para cobertas, cores fixas e bonitos pa- do fugio de casa. Portanto roga-sea loilas
droesa 200 rs., o covado; ditas para vos- as autoridades policiaes, capites de campo,
lido a 160 o 200 rs., o covado; meias o mais pessoas.que fagam todas as diligen-
cruas americanas para homem duzia ciaa do capturar este moleque, o manda-lo
2,200 rs., par 200 rs.; bins do linho pro-'entregar a seu senhor, Jos Saporili, mo-
prio para palitos, a 240, e 300 rs., o cova- rador no principio da estrada dos Afilelos,
do; cortes para colote de I3aese.da a mu rs ; --[) fabrica ocaldcioiro da rua do Brum
lenginhos para m3o de senhora com bico em n. 28 auseutaram-se, no dia 10 do passidp,
volta a 280, e 320 rs., e outras muitas fazen- o preto Antonio de nig3o Cabinds, estatura
das.'por pregos cmodos. : regular, cabellos um pouco brancos, ebeio
Vendem-se novas cassas chitas do lin- do corpo e muito cabelludo nos peilos, rua-
dos gostos a 2,240 rs. o corte, cassa de qua-, tocarregado; costuma em suas fiigidasfre-
dros fina a 280 rs. a vara: na ru do Crespo, quenlar a Solidado, Manquinho e Afoga-
loja da esquina que volta para a CaJeia. I dos, e em sua ultima fgida foi pegado no
Vende-se para fora da prorincia, um engenho Cuca districto do Rio Formoso: o
ptimo oflicial de alfaiate, creoulo de 24 a nodia 13 docorrenteo preto Alexandre, da
26 annos,o de boi lisura proprio para pa- nagSo S. Thomc, alto, corpo reforgado, e
gom na loja das seis portas defronte do alegre, e ja foi escravo do Sr. Uolly e do
Livramcnlo. francez Melequer, morador no Rio Doce, lu-
Vende-SC agoardente de can- gar que omesuioescravo costuma fraquen-
111 ila suni'i un iiiahilaiti- eximida Ur "*s <"veraa fgidas que ha feilo.
na ue superior quaiiaaae, cxiraiua roga.seas autoridades policiaes o a quem
io caldo da canna, em garraies quer que delles der noticias, dirijao-sca
de 3 caadas, muito proprios pa- mesma fabrica que ser locompensado.
,, '1 Desappareceu no da 8 do julho do cor-
ra mimos para a Uuropa : na tra- rente auno o cabocio Jos, cscravo (lo i'i-
vessa (Ja Madre de Dos n. e6. checo, filho de Mandes do Aracaty; o qu?l
Vende-se nmcavallodeestribaria com escravc',lem Koaesseguimos ; o braco
todos os sus prrtences, cm bom uso, car- esue"lu quebrado na munheca, cibellus
000 rs : P,clos e Brindis, bem fallante, o qual polo
annos de idade, sabo cozmhar e engommar: 1 vendido, aucse recompensar,
narua do Rangel, loja de ceian. 1. 50,000 rs. de gratihca3o.
Vendem-SP narua ,|n ( Venuem-se, na rita Uo Crespo ,|junrl0i ausenlou-se a escrava Mara, de 23
loja amarella 11. .'1 de Antonio annos, creouls, fula, do boa estatura, e bom
l'ianriirn l'pri-ira I corpo, os ps carnudos, tem alguns cabellos
i lancisco creira, no ;u bam ,a(|j0 cum de^muara0 ,
chapeos do Chyle, os mais linos que lem falla ; trajos, saia de chita encarnada, cibc-
vmdo a csle Oieicado. tanto para homom c3o de C15s) c,u de |Sa rouxo poJo nlu.
como para sonhora andarem a cavallo. dar tl.jo8 0 ail(lar da dM, ,,e pisar
- \endem-se ua rua do raguudoa n. 14, duro 0 he desfarcaJa, denles pSrfeilos, fJl
. segumles obrasi-um piloto instruido, visla na rjbmr, rte p10.u-A|nu rogJ se
Illa t-
je na pr"
Kiiacio di


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKGDYFP1H_P37MFC INGEST_TIME 2013-03-29T15:34:04Z PACKAGE AA00011611_03710
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES