Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03708


This item is only available as the following downloads:


Full Text
~T vr-
Anuo XXVIII
Quarta feira 14
DIARIO DE
cleJulho de 1852.
N. 154.
-
PEMAMBlfCO.
vacuo a icborivoao.
PAOkNBifTo Aduntado. .
I, trimestre............
t,, semestre.............
Tor tono .*"
Pioodiictuo wriwam,
l'.n quir(cl
OTIOIAiD0 1MFBIO.
m,, iTdcJunha Minas... 1 de Maio I gdelene.
i,,,i'ih3o 21 de Jilo 'S.Pauo. 8 de Jnnlio 17 Sab. S. Alcixo.
(vira idedito IR.deJ.. 2* de Julho" l8Doiu.7. O Anjo C.
Parahiba i de Julho Baha... 31 de dilo Custodio do Iinp.
DAS DA SEM* NA AUDIENCIA*.
4/000 ,2 Seg.S. Jason. I Jnied. Orpa
8/000 13 Tere.S, Anlelo p, ,e6. Ai 10 hora'.
15/UOOl ,. |. taraHncivtl.
III "lian S. Foca. 3. e 6. ao melo-dia.
4/T>00 15 Quii, i) Camilo. I Faiiitia.
16 Sctl. S. Mara M.i- i. e 6. l 10 horas.
2. vara do eivel.
I. esabadoiao mclod
feltMie.
Tercas e sbados.
Creaceate i 24, a i hora e n miautol da m.
Chela a 3l eos 7 miautos da manha.
Mingoante 9, as & borai e 48 minuto* da in.
Nova 17, A J hora Mi mininos da inenba.
"nmm oji
Prime ira as 2 horai e r, minutos da larde.
Segunda s 2 horas e30 mi nulos da inanbaa.
liatlDll BOA OBBIIOI.
Qolanna e Parahlba, s segundes e aextaa-
felrai.
P.o-Grande do-Norte e Victoria as quialas
leiras
Ronlto.Caruara.eGarenhuns no l"c i;, dcada
wsz.
flores,Ouricurr.Exu e Boa-Vista i 13 e 28.
"Imil, lodosos diat.
Todos os Cor reos parlcm ao mcio-da.
aTOTIOIAA IITBlKOIall.
.Portugal l.'.dr Junlio Austria -!dc Jnnlio
Hespanha Sdedilp .Suissa.... Idedito.
Franca.. 8 de dito jSuccie... ai de Malo
Blgica... de dito Inglaterra SdeJnnho
Italia.... Idedito E.-Unidoi 23de Maio.
Alemanha. >de dito Mxico... 0 de dito
Prussla ...J dedito California Idedito
Mi ni m .roa 30 de Malo, Clnli. 10 de Abril
Russla... 28\lediio Hnenos-A. ISdcMsio
Turqua. 26de-dlto [Montevideo hdeJunho
CAMBIO* DE 13 DJUI.HO
Sobre Londres, a 27 '/ por d. 1/000 firme,
i Pars, .1 ..">
Lisboa, 100 por cento.
HETill.
Ouro.Onces hespanhola............l'.iflXI)
lliiedas de 6/400 velhas......:.. lli/(MHl
. (le (i|400 novas......... 16/00*
de4/000................ 9/000
Prala.Patacfiesbraslleirol........... 1/920
Pesos columnarioe...*....... l/2'.'O
. Ditos meiloanos.............. 1/800
PARTE OFFICIAL.
GOVERNODVPKOYINCIA
EXPEDIENTE, DO DA 26 DE JUNHO.
O(llcio.-Ao Exm. Sr. presidente do Ceari
iransmitlindoa cont, com rtCH* l**0
arr&f.. da auantia de 2:122,801?
por
assignada.a quantia de *:9:10,000 rs. impor- l DEM DO DIA SI.
lancia de 3 mezes do sold para os destaca- ,' Olficio. A thesouraria de ftzenda inlei-
moutos queso acham as comarcas de Pa-', rando-a de haver expedido ordem ao di-
je de Flores e Boa Vista,'a cantar do Io de rector das obras publicas, para faier reco-
Iher aquella thesouraria asotnma de2'2l,SS0
por C. Starr & C. da qu.ntia de2;122,800 rs.
importancia das grades de ferro, que
ells furam fabricad para a cadela da capi-
tal ti aquella proviocia. Commumcou-se
ao director do arsenal de guerra.
Dito.-Ao comroando desarmas intoiran-
dn-o de liaver, em vista de sua inform.cau,
deferido o requerimeoto em que o 3. com-
uiaudatedocorpode polica, Uaiioel Joa-
quim de Castro Madoira poda 15 das Uc U-
conca coiii venc ment.Commumcou-sea
thesouraria da fazenda provincial.
Oiio.A thesouraria do hienda Pra que
cm vista do que pondera o marechel com-
mandanle das armas nos dous oflicios que
remelle, contrate a obra do telheiro quo so
fsz preciso construir no quartel das Cinco-
ponlas para guardar o parque de artilhana
decampanha cargo do 4. batalhiio ilar-
tilhariaapc. devendo servir de bazo para
c*se contrato o orcamenlo que se refere
julho prximo futu'o.--Communicou-se ao
coinmando das armas.
Ditv.--Ao juiz de pat do 1 districto da fre-
gucsia do Itecife. Julgo cjnvenienle remet-
lera Vmc-. copia impressa d circular que
dirig as cmaras monicipaes relativamente
as elei?oes que hSo de ter lugar nesle anuo,
a fin da que logo ebegue ao seu conheci-
mi'iiio, e fiqua prevenido para sua execu-
c.lo na parte que lbe toca, cumprindoque
em pregue os meos seu alcanco para se ef-
fectuarem toda a regularidade, roantda a libertada
do voto, a tranquillidado e aeguranca pu-
blica e individual, como he do rigoroso de-
ver das autoridades, o de tolos os cidadaos.
Em observancia da le tenho ordenado
que se suspenda o recrutamento desde o 1*
de seterabruatc 9 de dezemhro inclusive.
.\este senti Id blliciou-so a to los os jnizes de
paz das frugueziasda provincia.
Copla que te refere o officio a cima.
Devendo ter lugar no dia 7 de setembro
do crranlo anno a eloicSo dos juizes depaz
e cmaras muiiicipaes, na conformdado do
umdoscitsdosollicios.Communicou-seao, rl M(J| (uj Jc |(J Jaagoslo do 1846, cum
mesmo marocha I, 'pre que Vmes. expeijim as precisis ordans
HiloA mesma. Accuso recibo o ollicio no auj jujzej Jo pH2 mais volados dos districtos
23 do crranle, com que Vme. trouxo ao mcu j4s m,,rizos dcsse ,nunicpo para proceJo-
lonhcciment o quo Iho dirigi o collecior rem a inosm, c|0j?ao, observadas as dispo-
do diversss rendas de Caruaru, rep'esenlan-|s fls ua clMn |e( e corn especialidade
do sobre Ol embaracos que tem encontrado tend0 S6 fl|n v|sU M trts oi 9j com refe.
no exercicio da suas funcfoes, e em respos-
la Icnio a dcclarar-lho em lugar, quo dos
documentos annoxos ao oflicio que Iho do-
vnlvo, nao cdoprobiiletor hav lo abuso
roncii aos arls. S, 3, 39, 94 ate 10i; e por
quo tambom deva ter lugar a dos eleitures
que 1)30 de nomoar os deputado por esta
provincia, rounindo-se paraesse llin em as-
,1a parte dos delegados o subdelegados u a- som|,i,jas pnrocliiaod no din 7 de novembro
quella termo ni arrecadac.So do sello e que os cjj.a.lo!1 qUa||ficados votantes (art 40 da
para ter lugar a anvcadaco da semelbanlo |ei) prevnuja a vmes. de que Ihes cumpre
l ii In, nos tormos do artigo 68 s 2" do regu- expe jjr as ordens mancionadas'no art. *1
lamento de 10 de junho de 18a0, cumpre que providoncian.lo em lempo para nHo sa dar
essa thesouraria, nSososa dirija aochele de a|guin, f.|la na execucSo da loi, guardadas
polica para expedir as convenientes ordens as j jpost(,0s dos arls. 39 al 61, da sirle
ao.ssubdolegadosquermiccionaremem des- qU0 a e|0jsa0 se faca cim a regularidade
tricto onde n3o baja colleclona, mas tam- or e||a presCfpta o possa realisar-so a nn-
bemaos juizes de direilo das comarcas pa- maio fios .imputados, raunindo-se os col
ra liscalisarem essa arrecadacilo na lumia iPK0S eleiloracs no dia 8de deembro (art.
o^pressa no art. 85 do citado rogulamento, 6Hj e |-u[lccjonaj0 pela manaira esjecilica-
c em a* lugar, que se o acto a que primeiro i d(),jlu|0 3 rapilu|0 | o
se rorere o oflicio do mencionado collecior ju|g0 necessano prevenir po.- ultimo
foi umadecisaodo juizde paz de Caruaiu a vmes. de quo as parochias nn le n5o tiver
respeilo da importincia diviila por urna i ni- sjJo ,ela |ies[|) anno a r0ViSa da qualilica-
posicSo que a parle contcslav, tachando-a g0 J(, (jU(J rjt, 0 lf|< i5 ja |8j_ dovd rugu-
deoxcessiva, tambjm comuelea ossa the- |jr a |jSta ,tos volantes do anuo anterior,
souraria dirigir-scao dito juiz, pedin lo-lhe p,rticua,,do logo Vine, essa oceurrencia, j
rxphcacno, e fazen io-lho ver que nao he co dec|irifilo ,|0S motivos que liverem da-, h b> d ,jcendio. -Inteirou-se o
'l'bu'*od,c,j'l*12"Vil1,d*\K do lugar a essa falla da observancia da lei, 00B,II,tndinHto"30 rehrido corpo.
que reconhecondo-seelle c ite. ^s- p,ra,BproclJdor contra quera foro^espon-( Di1u.-ao juiz municipal de 2'. vara, Jos
ra., que existe em mSo do respectivo the-
soureiro pagador, sendo 206,550 rs., de al
guns objectos arruinados, pertencentes ao
palacio da presidencia, que foram vendidos
pelo mesmo director.e 15/ rs. de urnas por-
tas velhas da repartirlo do Correid. Com -
municou'Sa ao referido director.
Dito.A mesma auto-isando o augmen-
to do 1:222,733 rs., que aquolla thesouraria
diz ser necessano. para ocuorrer s despe-
zas do arsenal de guerra, visto ter sido in-
sullluiiateo oredilo lixado para Ues despea
zas em o crrante exercicio.
Dito Ao juiz relator da junta de justica
trausmetlindo, #ara ser relatado em sessSo
da mesma junla, o processo verbal feto ao
soldado do 4*. batalnao de artilharia ap,
Francisco Antonio Ferroira.Communicou-
se ao coman lo das armas.
Dito.Ao director do arsenal de guerra
con ce lendo a autorisafSo, quu s. me. pedio,
para despender a quantia de 180,000 rs. co ni
a acquisi(9o dos objectos necessarlos para,
no prximo vindouro mez de julho, poder
aqualle arsenal forneccr de luz o palacio
da presidencia, hospital regiment!, guar-
das, fortalezas, e quarteis dos corpos da
,'uaniicoo desla provincia.Commuuicou-
se a thesouraria de fazenda.
Hito. Ao juiz de dircitn da I,' vara desta
cidade recoramendando,qua d'ora em dian-
te remella impreterivelmenie no principio
dos mezes de jinoiroe julho a informacilo
circunstancia la o fundamentada, de que
trata o artigo 38 do regulamenlo n. 120 de
31 deJmeiro de 1852, visto terem alguns
juizes de direilo duixado do curaprir oppor-
lunaraeote a obngacAo, que Ihes im>>0e o
moucionado artigo.Noste sentido ofOciou-
se a todos osjuizes.de direilo om exercicio
na provincia.
lutoA thosouraria da fazenda provincial
para que, visla do certificado passado pe-
lo director das obras publicas, mande pagar
ao arrematante das 16 grades de ferro da ca-
sa do delenco, Domingos JosPereira da
Cosa, a quiiilia de 1:304,1560 rs.. em que
imporlam as referidas grades. Communi-
cou-se ao mesmo director.
Dito.A mesma para mandar indemnisar
o curpo de polica da qusntia de 16,440 I*.,
em queseguudo os documentos que remet
te, importaram as desbezas feitascom o tra-
ballio de alargar a poita da arrecadacSo do
mesmo corpo, afim dse guardar alli urna
Dito A'mesma, dlzendoque, visto ter ap-| tem i presidencia da repblica, oceupada
parecido inais de uin licitante ao imposto de 2o pnr a|r, f.uiz Napolelo Uouaparto.
por cento aobre ai{o'ardente no municipio do
Rccife, dere a ineama thesouraria por nova-
mente em praca o referido Imposto, servindo
de base para a licitacao a quantia oQ'erecIda por
l.oi/. Jos Marques, no requeriincnlo que re-
melle.
Dito A' mesma, dzendo que, a vista de sua
iiifnroi.ic.nl snlire o requerimenlo que devolve
de Felippe Rodrigues Cimpello, deve ser pos-
to eramente em praca o pedaglo da ponte do
Motocalomb, servindo de base para a licita-
cao a quantia de J:000|00o rs. offerccida pelo
suppllcante.
Dito Ao director das obras publicas, ap-
provando a despeza de 36|00o rs. que a. me.
fez com a compra de quatro canoas de pedra
para se proceder a alguns peqnenos reparos nos
empedramentosdacstrada da Victoria : c bein
assim a de 4fooo rs. coin a acquisico de oito
piloes para conservacao da estrada do sul, --
Communicou-se a thesouraria da fazenda pro-
vincial.
Dito >- Ao mesmo. Convimlo dar execu-
co a lei n. 207, que manda proceder ao calca-
meoto das ras desla cidade, informe Vtnc. com
seu parecer sobre o systeuia, que convir adop-
tarle, enviando o plauo e orcaincnto das obras,
e indicando as ras ou lugares por onde deve
comecar esse melhorauento, tendo attenf o aos
que de presente eslao mals sujetos a estagna-
codas agoas das ebuvas, em detrimento do
transito e da sade publica : adverlindo que o
orcamento deve ter por base a braca quadrada.
EXTERIOR.
que os contratos so millos uno si pagan- ""Ar, i- u corpo do polica da provincia
uoo imposto da siza na estacao competen- corllpr-.se ln do Io dojulh) prximo futu-
le, cumprindo por tanto, que o mencionado n| em jj,,,,., je qualro-cenlas pracas divi-
eollector lela nuilpOJiliro em objecto de didas em4 compaobiai e orgamsado con-
lanla gravidade. forme o plano junto.
Hito.Ao inspector do arsonal da man- Arl o 0j 0|liciaes o miis pragis aclu-
nha para que infoime quantos serventes so a|,nente existentes quo excjdeicm o n. a ci-
emprogam diariamente n'aquille arsenal,_o.inl| ri.r(,r|llUj tCrao CJsilorados como ag-
no molhoramento do porto, com declararlo grcgados, dcslribuindo-so pelas companlnas
de sercmescravosou livres,deveudo terem
vista, que segando s ordens do governo|
imperial, cumpre emprogar noservico dagj
icpsi'li(Ocs seivenlas
Irnhalhadores li-'
copia, aciii|i,ioh ida deoulra do plauo que
appruvou.
DEM D DIA 3o.
(Hliii Ao cumulando das armas, inlciran-
do-o de liaver expedido as convenientes or-
dens, nao so au agente da compauhia dos pa-
quetes de vapor uo sentido de fazer transpor-
tar para a corle, no vapor que se espera do nor-
te, o iciienlc da terceira classe do exercito Ma-
. noel Juaquim de Uarros c sua mullier, mas lm-
ale > oruom. __ I bem thesouraria de l'ateuda para passar guia
Art. 3.' PlOsa classe cntrar.10 os 3 coai" de soccorrimenlo ao referido teneiiie. Ncsic
maudanlos Jos Ferreira l'eiiha, Bayurdo ,enuij0 cxpediraui-sc as convenientes ordens.
Leopoldo do Souza MagalhSes, C.aetauo d As- | Dito Ao mesmo. dizendu licar nteirado
no caso de no comparecerem ucslaisij (;an,p0Si 0 u aju lano JoJo Chrisostomo de liaver aquelle commandu transmittido ao
rlajse em numero sulliciente para o servido '.-errejra Santos, quepassara para a lileira director do arsenal degueira s chaves do bar-
poderasupprir-so a falta por africanos '- no seu posto de 2o commiudaiite, e em seu raco, que se coustruio no Isihmo ntreos for-
vresdosquoesto no arsenal de guerra. |ugHrsorvira da ajudautoo 30coiumandan-] ale"s do Brum c Huraco, alim de ser para a
Hito. -Ao director das obres publicas P-le jo-10 Germano da Paula na mesilla
II que vista do sua informacao, empreste.,,,,,^,, ,.,10 ora tBm_.. Oomn,
sjua prOpricUriOS i'- roa do Apollo o macaco i ........... i con;r!;r.Ja:'.c di" "
do ferio que pedem para os trabalhos "taJB1M'iilli,d0 meooiOOido corpo.
caos que eMes tem do construir. ,
Dito.Ao mesmo approvando o contrato I Piano a aui se re/ere a portara cima.
que segundo consta de seu oflicio de hon-l Estado maior o monor.
tem, fez oengenboiro f rancheo Itaphael dej
Helio llego com Manoel Jos Machado para;Commandanle goral-toneula corouol.
cate concluir o* concertos dnque necessita:20coninianilanto gcralmajor.
a ponte do Anjo por 215,000 rs. Commu-1 Aju Innlutenonle ou alfares,
nictiu-so a thesouraria da azenda provin-. Quarlcl-meslro-tenonljou alferos.
t.|a jSecrelanotenla ou alferes.
HiloAo mosmo dizendo que sobre o"<:i'urgHO-iiir-tenonto ou aleos,
preso concedido ao arrematante da obra do (Sargento aju lauto.
2 isneo da estrada do norte Jos LnpusCui-1 (Juarlel-raestre.
niaros para conclusilo da mesma obra, deve I Uma compauhia.
Stic, guiar-so pelo que lbe foi cummunica- jl* como-andantocapilu.
do om oflicio de 20 do foverciro ultimo,2o commandaiiloteiiuiitx.
O SUI'PLICIO DA FKANfJ/v.
Paris 2 de maio de 1852.
Osuppl coda Franca, supplicio mortal,
he ser puxada em todos os sentidos:
Por duas formas de governo diamttral-
mente oppostas.
Por tres dynastias obstinadamente rivaes.
Por quatro. partidos igualmente exclusi-
vos, cada umdosquaes tem duas tenden-
cias inversas.
As duas formas de govoruo dia metraI-
inenle oppostss s9o:
A hora nca : ~ lodos goVernados por naje,
A eleifuo. uui nomcado por todos.
As tres dynastias obstinadamenla rivaes,
disposlas por ordem chronologica s3o :
O ramo mais vellio dos BurbOes, o qual
representa a soberannia feudal.
A familia Bonaparle, a qnai representa a
0 general Cavaignac he relativamente a
Mr. I.iiiz NapoleSo Bonaparle, cleitodosuf-
fragio universal, o quo o princiro Luiz Na-
poleSo Bonaparlo he relativamente ao con-
de de Chambord, como hordeiro de coroa
indivisivel.
Em materia de heranca real, o direilo prr-
teuce ao primeiro que herdou ; em materia
de eleicBo nacional, o direilo pertence ao ul-
timo que foi eleito.
A horanfa n3o he, nem pode ser urna
questflo de numero.
A heran;a he um principio inllexivel; elle
pode sor quebrado, mas uSo pode ser do-
orado ; elle nao pode desapparecer senSo
absorvido pelo principio superior.
O principio superior heranca, lie a
eleicSo.
Cada um destes dous principios tem a lei
de existencia que lbe be propria ; assim a
eleico n9o pode legar-se, bem como a he-
ranca n3o podo por-se a votos.
O principe Luiz fiapole3o Bonaparle, pon-
do a coroa sobre a cabee, ou deixando en-
trever que podora um dia pola, entretom as
esperances o legitima as pretcncoos das duas
dynastias rivaes.
Mr. Luiz NapoleSo Bonaparle, empenhan-
do sua honra em fundar o rogimen electivo
em Franca, quebra o tridente monarchico,
Suppnme de um s golpe tres partidos ri-
vaus e absorve o principio inferior.
He isso o menos que elle deve ao sufTra-
gio universal, que o rovocou do exilio e
constiluio-lhe uuia postilo nica no mundo
inleiro.
lula i uilo haveria mais em Franc sonflo
ums principio, a ulei(o; entilo o suffa-
gio universal no tardara a pussar seu ni-
vel sobro as dynasliasea fundar a unidade
de partidos, como a realeza secolar acaben
por passar o sou sobro as suscrenias e fundar
a ui:i ia i.- do territorios ; enlao n,1o haveria
mais ,-eiMu estas duas tendencias, este ilu-
xo eeste refluxo do espirito humano, quo
exislem ua Inglaterra, onde se denominam
wighs e lories, e nos LMados-Utiidos, ondo so
nomeiam, xutght e radicaes.
Qualquer outra poltica, qualqucr oulra
conduela ter por olfeito prolongar o sup-
plicio da Franca e leva-la, qur ruina pola
guerra, quera decadencia pela discordia.
guiando fallo assim, no sou, ou pelo me-
0 lim merecido dclles ser o feliz tormo do
longo supplicio da Franca.
Emilio de (Uranlin.
_______ ____ ( Da Vretu.J
mm&imamm^mmmmmmaBmamm
INTERIOR.
CORRESPONDENCIA 1)0 DIARIO DE PER-
NAMBUCO.
Glora do Coila, 12 de julho de 1852.
Sr. redactor.Como piomotti, na minliii
de 3 do correle ir noticiando-lbe as occor-
rencias quo fossem tendo lugar nestl fre-
guezia, assim o cumpro.
No dia 3, foi assassinado brbaramente
com urna grande faada, oo logar denom-
nadoDusrto Diasptrtencente a esta fre-
guozia, e distante d* povoacio 4 legoas, Joa-
quim JosdeSanta-Anna, por JoSo Ignacio;
porque, tendo aquello infeliz urna escrav
casada com o assasslno, e ordenando a olla
que ilornns.se em casa, e no gostando
Jo.ii Ignacio disso, t'atou de praticar o
horrendo crirae quo pralicou : dizem-me,
que participando o inspector do lugar, ao
commandante do destacamento ( e isto
quasi dous dias depois), que nSo nha
prendido o assassino por falta de bomens, o
coniiiandanlo o reprehondeu em oflicio, e
deu ordens terminautes para a prisSo do cri-
minoso ( no quetem sido puntual. )
Li com mullo espanto, no seu conceituado
Diario n. 14-2, urna rosposta do delegado des-
ta comarca, ro Dr. chefe de polica, sobre o
assassinato feito na pessoa do infeliz inspec-
tor oo Cumbo, Florencio Jos llotelho, no
dia 14 de maio, om que diz o mesmo dele-
gado, quo nao sabia quem tinha sido o as-
sassino, ou assassinos do infeliz Florencio, e
qoe licava na diligenciado Tazeras desco-
llaras : na verdade, ludo est perdido I! !
cu a isso posso dizer, que o commandanto
do destacamento d'aqui, dando ( como deu )
todas as providencias ao seu alcance, disso
na parte oflicial ( como mesmo delle ouvi),
que era voz publica, ter sido o assassinato
mandado fazer pelo sogro de Florencio, mo-
rador om Malii i i .ola ( districto do Limoei-
io), e que so offerecera ao mesmo delega-
do, para ir prender aquelle malvado ( so
he como dizom ); mas que no fora aceito
seu offerecimento, o que na parle que deu,
disse, que todos os indicios indlcavam vera-
cidade da voz publica : ate o presento o pro-
cesso nao se fez, e nem se faz, porque a jus-
tija da nossa trra ( com honrosas excep-
soberania nacional.
A familia do Orleans, a qual representa a nos uBo'dYveria S-r s'uspeito, jois su lgica
soberana mixta. ie patriticamente considero como um de-
Cada urna dostas tres dynastias tem seu ve ilKT .ntesqtie a ressurroic.no do im.cOes ) s descarrega seu forte bra?o sobre os
partido igualmente exclusivo. | perio soja um facto consummado, tudo o P"3. f nao sobre os ricos, como he oso-
0 partido legitimlsta, o qual repousa so-j ^ poi'0 preveiiir osla falla, o apartroste1 8r0 Jo ta( Horencio. Outros mullos pro-
breo direitu excepcional de nascunenlo,so- perjg0| retrospectiva e pessoalmenle nilo
bre a conquista esobre a aiistrocacia heri- tenho uonhum motivo particular para que-
ditaria | rer a lodo o preco a manuten;3o da repu-
0 partido imperialista, o qual repousa so- blica
O partido orleanista. o qual repous. so- ^-j cnnta nzera,n dos esforCO. que
bre o direilo restricto do oleiCao, sobro a o- ,,.,, em 18t9, qu.nta haviam
conom.a e sobre a burguez.a preponde- ^as7dvertcnciiis que l.es liz para im-
A estes tres p.rtidos.dymsticos f^f^j^giSf^f, fi-lo sem
ajunlaro partido republicano, o qual repel-
la a heran(a do poder debaixo do todas as
formas o debaixo da todos os nomes : quer
monarchia feodal, quer monarchia popular,
quer monarchia constitucional.
Cada um desles qolro pailidos tem duns
tendencias inversas :
l. giiiiin.sUs que quercm a autoridade ab-
soluta.
Lcgilimistas que admittem a liberdado
limitada,
Imperialistas quo admittem a liberdade
limitada.
Imperialistas quo querem a autoridade
' 11 transferido o laboratorio de fogos aniliciacs. Orleanistas quo querem a liberdado cs-
Dito -- A' thesouraria de fazenda, para man- tacioilliia.
mu.ion m ao jM .,||,,nr ,lln nl n, ,0l,io ao tcncnic da Orleanistas que admittem a liberdado
'" tcrcci.a ii,c ds eseresto. M.nnel Joaqulm de nrogr,.iva
llirros, fazeudo as necessarias declarares na Rapublicsnos que admittom, antes de tu-
guia do mesmo lente. Communicou-sc j0 a lihcrdado
a..coinmando das amias. Ripublicanos que querem, antes de ludo,
Dito --Ao chefe de polica interino, rccoin-
incndando a expedico de suas ordena no sen-
tido de ser recolhido c tratado na enfermarla
dictadura.
Tal lie a situadlo da fi .un; i no anno da
rumr rindo qued seitncia ao dito arrem-
tame desla deciso, o qual poder usar dos
recursos, que Ihecompelirem.
Dito.Ao commandante do brigue escuna
l.fjilidade dizendo', que deve 8mc, chamar
para bordo do navio uob leu coinmando o
gualda u.nimba Antonio Botelho l'inlo de
Uosquitl, que era consequencia de roquesi-
caoleita purSmc. foi tratar-so om sua casa
desda o dia 21 do de/ombro de 1851.
Hilo.-A Ihcsounirie da fazen la proyincial
aiilorisando-a om vista do sua infoimaco,
a mandar abonar ao commandante do corpo
de polica, mediante urna cautella por eilo
i-1'... --' "-- "'
FOLHETIJU.
0 CONDE DE CARIAGNOLA.
(TOR MOLE liEMrlLIIOMJli;.)
PROLOGO.
0 CAPITAO BRAMANTE.
I.
O pastor.
""i iiiiiiiiiiI ava com seus raius as ras de
Milao que ne.-sc dia cram percorridas pur urna
i.......I.ei fra do costume ; por toda a parte as
lojassc i.. li ivan, por toda a parle os cidadaos
em vez de se cntregarem a seus Iraballios dia-
rios, rciiniain-ae por grupos econversavam so-
bre o limar de suas catas. Ter-se-hla-podid.i
crcr que algiima fesl la celebrar-sc ua capital
do paiz lombardo, se a dor e a tristeza nao esli-
vrssrm imprcssasein todos esees rostos.
Ue porque coin rlteilo nesse dia o povo de
Mil.'.i, ia ver consuiniuar.se um desses fados
que revollam todos os coraedes c que impresslo-
itaiu tudas as imaginaces. A duqueza Beatriz
leuda, mullier do duque Pliillppe Alaria Vis-
'mili, condeinuada i mortc como culpada.do
eiuiie de adulterio, derla ser executada deulio
de imiicas horas, com seu cmplice, un praca
glande de HilSo. Ora a duqueza llcalrie era
3* commandanles alferes.
1" sargento.
2 sargentos.
Furriel.
Cabos do esquadra.
Soldados.
Cornetas.
Ilee i;.|lul n; i i.
Olliciacs do Calado-maior.
Olliciaes do 4 cumpanhias.
Pravas -o prat do estado menor.
Pracas do pe de 4 compauliias.
1 da caiera desta ci'dTde, o" preso MauoeTGo'uibeo revoluco do 1852.
| dos Santos, que se acha doentc em urna das Eis-aqui porque supplicio esta grando na-
I prlics Uo quartel do corpo de polica. Gom- (So he cundemnada a perecer so urna mSo
I iniinicou-sc ao cnmmaudaute do mesmo corpo. firme nao se der pressa em subtrai-la a
. Dito Ao capiUo do porto, dizendo que as (,>1(
liantas. que devem prestir o. donos das cm- meio para conseguir esto lira., he aolir
' li ia',"i:' mercantes, pelos escravusnue se ma- ,, ,. (i :, .i,i;J, i, -.-
I iricularc.n.deveraoser lomadas pela mesa do 08 partido,. 0 01610 de 01 abolir lie entrar
cnsulidu i.rovincial, como nesia,lata faz ver "os principios para mo sabir mais del
1 ao inspector da respectiva thesouraria; e de- les.
1 clarando que os donos de cuibarcacdcs de ou- Cumpro escolnor clciinitivamcnto entre
2 tras p oviucias, que deta levarein escravos, fa-' cssaS duas formas de governo, das quaes
7 zendo parle da iripolaco, estao igualmente uina exclu' lgicamente a OUtra : -- a he-
. sujeitos ao pagamento uo imposto do a. do ran-a ou a eleico.
artigo 33 da lei n. 300. Neste seniido oili- L,,gcameDtfl i.ioimpossivol he havor dous
0 ttrfiSZSSttfcmU provincial,'herde-iros de urna coroa indivisivel quam
75 para lulbrmar com o seu parecer, ua parle que impossivel he liaver dous clcilos do sullra-
2 Ihe loca, sobre a execucao di lei n, 296, que gio universal.
nutorliou um emprestiino para se promover o O prineipe Luiz Napoleilo Bonaparle, her-
g inellim un. nt'i das estradas da provincia, in- doiro do iuipcrador Napolcao, nSo tem mais
,6 dicanduos mcioi de elt'cclua-lo da maneira dircitos A coroa revindicada pelo conde de
, menos onerosa a fazenda, e mais proveiiosa chambord, hcrdeiro de Carlos X e desecu-
provincia, c otterecendo para esse l.me ue.se d u c j 0 g0llcral C.
-- XZSE^SaSSte vaignacoqu^reunio. ."o de dezemhro de
400 blicas. 18ts am milhao o quinlientos mil votos,
amada c i..eii.nl i dos Milaneze. como urna quellea
ue o nao sabiam cunieeavam ja a aus- fallar a um honiein que habita no palacio Uo
sania, c ninguem cria no criuie de que era ac- pella-lo," era lei-dcz anuos de mala que seu es- duque Viscouli, cis-aqui porque vos pec.o que
cusada, crinie do que os juizes nao tinbam po- puso, o qual nao liulia viilo nesta unio seuio me indiquis o camiulio que conuuz a esle pe-
dido obter outras provas que as conlisses ar- um nielo de augmentar seu poder; cram sobre lacio.
raneadas pela tortura ao seu pretendido com- ludo a docura, a screnldade. a calma iinperlur- Nada he mu, fcil a adiar liojc uo que o
plicc. Miguel Orambrlli. Iiavcl que ella oppunha ascus mos tralanien- palacio Visconli. Esui vendo loda esta gente
Submellida lainbem tortura, a duqueza a tos. Tanta virludc c reslgnacao, looge de en- que passa pela sua freulc .
tinha sott'rido com urna coragem admiravel, Icniccer-lhc a alma c de uispirar-lhe inclhorcs Sem duvida.
preferiodoque lbe quebrasseiii os mcmbius a seuliineulos, cxciiavam aiuie a colera de Phi- fiio observa que lodos segucm a mesma
proferir una palana que mancbasse los honra I ppe Mara, fazcndo-lhe sentir mais vivamente dircejo r
As particularidades desla tortura linham traus- a baixesa e a perversldadc de seu carcter. [ Com cficito.
piradu entre o povo, c sua vcurracao pela du- Alguns bomens do povo, reunidos debaixo Pois siga-os, ande cmquanlo andarcni, c
queze, longe de ser por isso abalade, linba pelo do fruniespicio de cathedrai conversavam cun quaodo vir que param, pare lambem, que cs-
conlrario augmentado de loda a pledadc que calor sobro o sinlslro acunteclincnlo que prco- lata no paleo do palacio ducal,
nao poda dcixer de ioapiar um lo lgubre cupava toda a cidade, quaudo um mancebo, E que vo cllcs fazer ueste pateo
successo. quasi uin uienino, pois pareca ler apenas desa- Vo procurar alli una hoia de dislracjao.
Telera o assumpto subre que conversavam seleaunos, velo pedir-Ibes que lbe Indicassem Ah alguma feslapubllca?
os cidadaos de Miln, grupedos as ras e as n camiuhu que conduzia ao pelacio ducal. Seu Sim, urna uiulhcr adorada de lodos os ui-
praeai. Bllea recordavam as alias virtudes de accenlo eia o de ella llalla, seu tiagc o de um lenezes, a duqueza Beatriz leuda, val ler :i ca-
que a iufeliz duqueza tinha scinprc dado o ex- pastor ; sua palavra breve, seu' ar livrc e deci- beca corted, e todos os bons Milaneze vao as-
emplo, seus scullmcnlos religiosos, sue Incsgo- dido, a laca que Hazla em seu cinto de couro si.lir a eata execuco.
lavelcaridade, sua lidelidade parecom sen pri- annunciavam um hebilaute das monlaiilias. A mulbcr do duque exelamou o iiian-
meiro marido, Faciuo Canc, Ivranno de Ale- Sue estatura mediana, cujas felizes pruporves cebo.
xandrla, quaudo sua maravilbosa belleze bri- se revelavam debaixo de seus vestdos grossei- A mulher de Visconli.
Ilievu coi lodo seu esplendor ; elles pcrguuia- ros, sua cor queimada, seu ulhus grandes e K que fea ella para issoT
ram mis eos autros como se liuha podido en- pretos all'nulns c lulclligeiites, forinavaui um Klla se tem de tal sorle dislioguido par
conlrar um homcm lo cruel e lo infame que lodo lianuoiikiso sclregein que excitava ao suas virtudes, que seu espuso, echando quo a
eceusesse le mulher de um crime que todas mesmo lempo a admiracao c e sympatliia. torra en Indigna de a ler por mala lempo, dVM
suas acedes e lodo seu patsads d. smcntiaiu de Ah'l responden UlU dos Individuos a quem pressa cm envia-laao eco. Isso he ludo o que
um modo esiroudoso ; como se tinliain achadu vilo se di. gio, qur vr e execucao, ja sci. Puis
juizes lo perversos que coudcuiuasseui mor- vcio de suas iiioulanbas oxpreaaameolfl para
te, cuino manchada de adulterio a esposa, coja isso, meo bello menino ?... .
pureza Ibes ere lo bem coiihecida que nao le- Nao sei da qoe execucao me falla, le.p.in
i,un hesitado cm de-lo por cxcmplu a suas deu gravemente a joveu pasloi ; veuho las
inulberesra suas lilhes. moni-inlias do Pieiiinnie, be verdade; mas por
O verdadciio crlme da duquesa Ucalriz, a- uui motivo todo dillereiile; leubo preolsAo do
enlevo, sem illuso, e determinado pelos
mesmos motivos que furam expostos por Mr
de l.amatirne no prembulo da Historia da
Rcslaurazdo.
Sou pois tilo ilesintoressadi) quanto se po-
de sor na qucslSo que so debate entre a re-
publica nominal e o imperio restaurado.
So insisto repetidamente, be porque nilo
vejo outio iiiem seno o q n- ni lien para fe-
char a periodicidado das revolurjooso. dis-
solveros partidos som que nm proscreva os
outros, ha porque vejo quo todos, menos o
ultimo, se extermnalo reciproca c successi-
vamente; hopnrquo a sorle dos desgrana-
dos quo nSo podem consumir senSo tanto
quanto polcm trabalhartem sido somprc a
primeira deminhas prooccupafOes.
L'ma colheita insullicipnte, comoem 1847,
urna compiicac,o ezterior, cusieem 1840,
podem sobrevir ; se laes provac,i5es, que se
devem prevor para attenua-las, seno para
preven i las, ainda eslivessem resorvedas
franca, seriam muito mais peniveis c peri-
gosas a atravessar por isso que acha-la-
In.im mais enfraquecida por divisOes intes
tinas, por tres djuaslias rivns o por quatro
partidos exclusivos.
No deve ser esquecido o quoMr. Ilabert
leu em 1814 na tribuna da cmara dos depu-
ta dos.
lio na ni Pesia a impossibililadc de por de
accordo os partidos dynasticos que tres re-
volucflos fizeram r.ascer.
Jia revoluto de mais nSo supprimiria
nenhum ; urna restauradlo nova daixana
todos subsistindo ; o sulIragio universal lie
quom ofl'erece o nico meio de bsorvc-los
cm sua massa ; mas com a cndilo oxpres-
sa de quo a eloicBo permanocer a oleicflo, o
nSo aspirar a transformar-se cm herinca,
o que a desnaturarla.
Conlonlc-so o cscolhido do seto milliOes
cessos se tcem deixado do fazer ( I! ) ha-
vendo fortes motivos para isso (porm es-
peramos nSo continuar isto assim. )
As febres tem abran lado sua furia, gra-
tas a 11 n-..
As ebuvas conlinuam.
A policia vai proseguindo seus tormos
com vaiitagein, segundo tenho observado.
Adoos at outra vez.Seu criado
OCasuinha.
perhambcq~
lii'iim ii au da policia.
DIA io DE JULHO.
Illm.c Kxm. Sr.Foram lionlem presos;
a ordem do subdclegaduda freguozia de S.-
Antonio, Manoel Lourenco, por haver es-
pancadoa sua mulner; edo subdelegado
da freguezia da Boa-Vista, o menor Theo-
tonio Rodrigues da PaixSo, porservadio.
Dos guarde a V Kxc. Secretaria da poli-
cia de Pornambuco 10 de julho da 1852.--
Illm. cKxm. Sr. Dr. Francisco Antonio Iti-
beiro, presidente desta provincia.--Jos Ni-
colao Rigueira Costa, chefe de policia inte-
rino.
DEM DO DIA 12.
Illm. c Exm. Sr.--Das partos hontem e lio-
jo receidas uuuois terem sido presos ; mi-
nha ordo-n, Mathias, escravo do Gustavo
Jos do llego, para correccSo; ordem' do
subdelegado da froguezi de S. Kr. Pedro
Concalvcs do Recie, los Ribeiro Firmino,
por ebrio e turbulonlo; ordem do subde-
legado da freguozia de Santo Antonio, Ig-
nacio Joaquim dos Santos, para averigua-
ces policiacs; e do subdelegado da fro-
guezia da Boa-Vista, Manool Joaquim do
Nascimonto, spm declara?ao do motivo.
Foi recolhido ao quartel do corpo de po-
licia om frica no de nomo Joaquim, que co-
mo bocal mo oi romettido pelo delegado
do termo do Po-d'-Alhe com ollicio de 7 do
corrento.
Este delegado me communicou na mesma
data, que na povoac.lo de Duarte Dias da
freguezm da Gloria do Coila fora por JoSo
Ignacio assassinado Jos Joaquim de Sanla-
Anna, pola rasSo de haver esto prohibido
que sua cscrava estivesse na companhia da-
quelle com quem ello era casado, sendo quo
sonSo ptido prender o assassinu por se ha-
do votos comotilulo electivo do qual hej ver logo evadido, mas que para esse fim li
devedor ao sulfragio universal imponha
ella tem feito.
- Adcus, ilgnorl, disse o piemontea em
encrgia, vou ver o bomeiii eoin quem lenho
negocio o deuliii do una llora lorei deisado
Mil.io.
Dizendo lato, elle cunl'undiu-se na iiiultido
que se diriga para o lugar do supplicio.
.-ilencioa gazetos imprudentes, que a urna
Sleltoral nilo turdar om tornar-so a urna
cineraria dos partidos.
---------------------------^"==
Depois de dez minutus de marcha, o pastor
achou.se de repenle em frente de um cedefalso
cobcilu de veludo prcio. Posto que fossem
apcuas duas horas ea execucao au devesse ler
lugar seno sseis, urna onda de povo inunda -
va a prace c esperava em silencio o momento
fatal. Como se o lempo tivesse querido favo-
recer a curiosidade desla uiuliido, o calor li-
nda diminuido de repente; algumas nuvens
..ii.iiii uu azul do eco, interceptando os raios
do sol e um venlo forlc, supraudo da sul, rc-
frescave a almospliera.
Grecas ao vigor de que era dolado, o joven
pastor conseguio abrir jiassagcm alrevez dcsie
massa compacta e gauhou a entrada do palacio;
elle ia passar alin, quando um soldado se lbe
apreseulou diente cum a espada em punho.
Ola, amigo, Ihe grileu elle, cnlo pensas
que se entra aqui como em tila clioupanai*
Aparla-lc, seuo queres que te amacie as espa-
dues coin a pra cha de niiiiba espada.
O mancebo levautou os olbos pare equcllc
cavam dadas es convenientes ordons.
Dees guardo a V. Exc Secretaria da poli-
cia de l'ernambuco 12 de junhodo 1852.--
Illm. o Exm.Sr. Dr. Francisco Anloniu Ri-
que eu Ihe falle ja e ja.
Ol! Como he coohecido do ar. hnccio, o
cato lie oulro; enlre, amigo, entre.
E deque lado acharei aquelle a quem pro-
Est vendo cm frente aquelle veslibuli-
nlio sombro cm cujo lliniar eslo cm p alguns
soldados?
He laque elle more i
Niel mes debeixo dequellc vestbulo
acber um poiteiro que o levar sua prc-
senca.
Ohrigado.
Sobre ludo, disse o soldado, nem urna pa-
lavra ao Sr. Ercelo sobre o que se passou en-
tre nos.
J nao pens mais uisso.
Por uiinha vez, obrlgado.
Ah! disse coinsigo uPieinontcr, aperteu-
do-se,este Ercelo he cntao aqui omnipotente.
Cbegado ao vestbulo que lbe indicare o sol-
dedo, elle vio ainde urna ves que Ihe Inipediam
dailu oue anu viui. Conlieci-a liedle iialacio um ituc era bom eviler.
lumen" queiU chamam Ercelo Aquellos que saln Ihe faljevam |ancavem ao
_ Se o cunbeco! dase o soldado, m dando I mesmo lempo U oler inquicio para o toado
.. | ......* ......I.M I lllollMHIIii 111 li.lr!4 (a
le lom, quom eque nao co- do veallbulo. naalor dirigi seu olber para o
Sr Brcelo, leen larlo Intimo, I ...eimo lado o eilalou enlao um homcm que alo
passeava coin ludos os siguaes de una viva gi-
taco. Elle homem era alio, de urna megreza
cxtrenia, mu pouco corcovado, posto qtieparc-
lepeuliulliieiit
lllie, e l'llll o
quasi amigo do duque Visconli, nosso amo.
__ Eli mu sabia quo elle era lo ella perso-
nagrm, mas mu pouco me Importa, compre
,vl
I'
e*
e,


i
beiro, pres lente daiU provincia. Joi Ni- renco Cavelc.nta de Albuquerque, da Pe-
cla I iguoira Costa, chefedepolichlnle- droJosode tari, de Horneo Antonio-da
i b silva, c levaritou-se a seasto.
Eu ManoelKerreiraAcciole, a escrivi no
mpo lmenlo do ecreta'ia. Olivoira,pre-
sidente, Franca, tarneiro Monleiro, Barros,
CMARA MUNICIPAL.
6 SESSAO' EXTRAOIIDINABIA DE 86 PE Ferreira,
JIMIO DE 1853. i ^^m
Fraidencia do Sr. Ollvelra.
Presentas os Si*. Bar os, Mamede, Car-
neiroslontoiro, Pires Ferreira faltando os
mais Srs. Abrise sessBo, e foi lid e ap-
provada a aclaila .ntocedenle.
Foi liJoo seguid
EXPEDIENTE. |
Um ollicio do Exm. presidente da provin- '
ci remetiendo, para que a camera lhe des-
Comniunicado.
Qucm /at injuria vil e sem raio,
a Com for^ai t poder tm que est posto
,, ffo vence; que a victoria verdadeira
c lie sabir ler ntica una e inteira.
( CamOes. )
i'iicimmodos de saude vicam
ca remeiiciiuii, lo.yqHo^-...-....---- Alcun encommodos de saude vic'am,
se execucOo, copia do aviso do ministerio *d s,,rPreza, partir o fio dos nossos
do imperio.do 2 do crrante ^in.no s / h| 8lffnc0 de ,
do confonniladeconi a reaoluj5o da cmara "'b
dosdepuiados.quasechamasseosopplente "' ,,,,, injpUnh,r ,
competente em lugar do daputldo supplen- f > J discu,.
te Domingos de Souza UO. M. ndou-so PJJ. .dejos de ./o dos
odlciarao m.recb.1 los Joaqun Coelbo, ^^JK demora na mesma t-
Pr. ubatiuiir a aquel e. d deixamos. No sentido do
Outro do presidente do conseibo ger.l do Pmedaiililldd publica, a ntetligencia
salubri Jade em.ttindo sua opiniSo sobre a estacionaria seoSo cdxa. Nenhu-
materia do omoio do cnsul de S M. Itrit fc nsame(lto u,|.
mea, de que faz menedo MUdafB> penhu-n theoria que contraste com as vo-
rente. -Conformou-se a cain racoma res- esclci!1> r(,v|,m neSSCs bomens o me
posta do cooselho, ea mandou remetter, fceiplrllo ..a invesligacllo da
por copia, ao Exm. presidente da provin- ^ verda(le he un|i
i'un u :".i niui sec :iul ira : a mentir., esta
Outro do procurador pedrndoc|MM "m, OoMtttoi todo o seo doga,. I Assuas
r. lrmit.sso a qOMtia *fm*" declarares nauseabundas e asquerosas n3o
pre.t.r, visto que a actualtafUMM> passBnl de recriminacoestao infames, quan-
sujoilatodososbensdeseu fiador. Man- r se(li. c multas vezes pulverissdas at
dou-seouvir.oadvogado. .... a ultima evidencia. A imaginacSo delles
Outro do contador paricipandoqu.es a dosangue edefnrror, s
letras que aevencemllo ultimo do corren te n rB cou9as trjsU.s e ^Uncolicas; e d'ahi
o no pmneirodo "fbiPue"rlere*;d,l'm,?1 cssas pinturas carregadas de negras cores,
serem tiradas do co re, e ser roaWdaOBO- ^gN||n de f,zer do estado da pro-
importancia total de 7:496,450. Que se gem se ,embrgrBm de que s3o elles
tir.ssem no ullimo do corrente. ,s causas nicas o Immediatas dos males
Outro do engenueiro cordiador, nitor- porventura, anda ludamos!
mando nao ser o deposito da lenlia da ra Jmj! se n3a estivessomos ISoeos-
do Sol feito sobre o t"rrono ali distinadopa- Joj a iuiquidade do proceder da im-
..,., -,,,.-..,........---------------------r- InmidOI iiHUUKlaae ao prucaucr ui mi-
ra servontia publica, de que tem a cmara demaggica, cujas lavas furibundas
tilulo.p.reeendo-lhepoieo estar sobro ou- Pre"|V1,f jlin % proprio Dos, se esso ente
tro timbam distinado para urna prac-, se- emu se aecfraaae de modo visivel con-
gunlo a planta aprovadi pelo govemo da ?r'!, "jUventurad
provincia em 25 de selembro de 18i0, para '?" ^ do-ftod
egularisaraalteracaofeit-naplanlidac,- P" Bl
dade por causa da elilicacJo da casa de de- ,J?V.,...
a constituale, teiia sido
e surproza, de escndalo
manoira descortz e picara
grr
ten?8o -yuese solicitase da presidencia bes accommeltorB, em um de seus ltimos
o titulo (leste ultimo terreno.
Outro do fiscal de S Antonio, participan
sse vil conducto denojentas dialri-
mettera, em um de seus ultimo
nmeros, a primeira autoridade da provin
I E porque? Porque ossa autoridaie,
do, afim de que a cmara aprovasse.ou nao, cunscia Fdc Hsu, mmensa repoouabilid.de
haver encarrt-gado Antonio do Barros lllrono e 0 psjz reCusou o con-
W.nderley o planto do nHHM do u rBllo 0 inaidloao d'uioa/iicfda, que
Coll-'gio me liante o jornal diario 6*0 r=.-A- fld(ir|Iljnl0 c mono ul) t|ir0no e
provou-so, durando a paga em quauto du- aQ J.^ ,
raresso traballio _.,.An J Prct-cSo lie essa, quos a estupidez em
Outro do fiscal de 8. lose romettondoo V j( d ^ d u diclnr .
inappa dogado niorto par. consumo na se- (su|n 0 CiS"es m doorro .
iri.na de ti a 20 do corrent, 150* rezos) inclu P l se sua.
sive 23 pelos marchames avulsos. Queso qu(j fg lurba8 "os p^.Sdem, quando
"'ou'tro'd'o masmo,_____.....*-UllM escrevem i luisas banalidades com
entre|
/aros
quidodas duas arrematucOs de porcos, ap-
communicando baver
Uro do mesmo, commuiiica o navef prelenUm prejudicar o mrito illibado
rnsssrs^jns^t }ss\prosido ,os ,lesli,,us da
prehendidos em oorraicfio, foitas no me?
de maio. Inteirada.
Outro do administrador do comitorio, par-
ticipando haver dado sepultura ao cadver
d'um preto quena noitododia 12 para 13 do
correte deitar.m no porlJo do mesmo cc-
miterio. Inteirada.
Outro do fiscal da Mu'ibeca participando
ter entr.doem func;es no da 10 do corron-
te. Inteirada.
Entrando em discussSo a peticSo, vinda
com diversas infor.-.iaces da presidoncia
para a cmara informar, de Floiiano Jos
Uiseravaisl
S3o antigs manhas, que muito teem per-
dido deseu valor, proporgao que.snos-
sas gcntilcsas hOo feito conhecerque lou-
vor ou vtoperio vosso leni urna significa-
(3o negativa !
Deprima boje aquolle que ainda honic n
por pouco n3o o levastes ao stimo co
Quem poder crcr emvs. homons bell-
guins ?vos que luilo sacrilicaes vanglo-
lia de um triumpho ephmcro sobre os vos-
sos advorsarios, venda ou n3o delle o labo
do infamia, que sempre acompaQba urna
como a de calumniar os actos
inislra;So circunspecta e pru
deCarvalhoquepor ter sido absolvido da ,.f**Jfrp5'
suspenso do lugar de Agento do fiscal do' '"J um,a aam
contrato das cernes verdes, requor sor roon-; .
trogado no mesmo lugar, resolveu a oamara '. J .""
se inform.sso S. Ki., que alen do f.cto "'"*"",;,,f"Va.""7 C-ta de
que lhe motivnu a suspenso, outro oSn Ihe nao que lies qu e. na lal de
consta que praticasse com falta de seus de- ?.' ""''i. Pw'*<">
consta que pral
veres ; assim como que o individuo que ac-
tualmente o subalilue, parece ter cumprido -.-- b p-oprios autores,
com su.s obrig.cfles, por olo oonst.r a ca- 3,^^'X merecidas, nem provee-
niara o contrario. ..: _._..-------...,.!,.,. p..
Ver lade he quo nos sabemos quo as in-
ju'ias e as calumnias n3o enxovalham se
le argumentos
m contra os
seus adversarios
Sabemos igualmente quo ellas muito mais
o pali: e aenSo Qzerdei, da modo que faca
f, altendoi bem, continuareis ainda o re-
pitilos, a ser.tratados como liomens aam
pudor, se o honeaiilade, aeo conacieocla
e sem Justina ; e conseguiolemcnto indig-
nos de crdito a de conllanca publica !
alas, o que dltemos nal Essa gente he
obrigada afTerir-nos pela 6ofa do seu cy-
iisoki'. Como a corrupto foi sempre o seu
nico meio do governo, perauade-se de que
ser lambem o nosso; eng.na-se, porm,
rendondamenle; os designios da nossa po-
ltica demandan! moralidale ajuslica em
su. realisacflo, nicos instrumentos quo ha
venos manejado na pratica das nossas Iheo
rias, que por certo n3o s3o as do machado,
nem as da foice rocadoura.
Dito islo, dirigimos duas palavres ao pris-
co raboleva do todas as faccC-es que o averno
ha possuido !
Esse sandeu n3o coss. de soltar sobro b
ave querida dos rnanos eapadanas de bi-
lis negra, e t3o pestfera quanto o seu ca-
rcter; mas nos que vemos nelle a conli-
nuac3o dos Coiiru e dos fres Gerundioi, li-
mitamo-nos a envii-lo s idades futuras,
involvendo no esfarrapado sudario do op-
[i ubi in como um dessea embryflos que, ser-
vinlo de mofa aos seus conieaiporaneos,
n3o deixar de enlreter a curiosidade dos
vindouros, pela clebrid.de ridicula que o
circonda.
Esse malvolo, que tem tanto de oensor
quanto Judas de fiel a Christo, nSo escreveu
nunca cousa alguma que n3o fosseurna
rastoira copia de originaos soberbos, he o
menos ap'.o sem duvida para criticar os ou-
tros; elle, finalmente, que o3o pissa de
um zoilo ridiculo e bofsrioheiro, sem men-
t ainda mesmo neste genero.
Pavoneado de ment tas plumas,
a Falsos adornos do saber em nomo,
Trafico vil da vil pedantara.
O Canco do Capitolio.
2
Pubhcagao a pedido.
ltelac3o dos 8 africanos de ambos os sexos
baixo declarados, que estando no servi-
co deste arsenal s3o nesta dala entregues
administracSo dos est.belecimonlos de
ca-iJadeem cxecugSo ao ollicio do Exm
Sr. presidente d. provinoia datado de
hontem para serem empregadoa ao servi-
co do grande hospital do hospital, dos la-
zaros, e casa dos exposlos, a saber:
David, recolhido ao arsenal em 12 da no
vembro de 1850 por ollicio da presidencia
da mesma data, remelliJo pelo chefe do po-
lica, idado 2t annos, nacSo Nagou, cor pro-
ta, altura 5 ps, corpo regular, rosto com-
ando, olhos pretos, boca regular, com den-
Ua sem falla orellias e beigos grossos, na
ris chato, ps compridos e chatos, e tem :
sicalrizes de compridos lalhos tiansversaes
em ambas as faces, junto as extremidades
da bocea.
Bom-I'im, idemem 16 de Janeiro de 1851
por ofiicio da presidente da mesma data, ro-
metlido pelo esefe de polica, idade 2t an-
nos, nacSo Costa, cor preta, altura 5 pese
duas polegad.a, carpo seco, rosto comprido
olhos prelos, olenas pequeas, boca eden-
les regulares, beicos grossos, naris grande
e cinto, pern.s direit.s, e ps regulares.
Braz, idemem 16 de Janeiro de 1852, por
ollicio da prosi lencia da mesma data, re-
mettido pelo chafe de polica, idade 28 an-
nos, nac3o Angola cor Preta altura ps e
7 e meia polegadas, corpo grosso, rosto re-
dondo, com alguos signaos de becliiga, olhos
pretos, orolhas.boca e dootes regulares, bei-
cos grossos, naris pequeo e chato, pernas
direitas e ps regulares.
Jorge 2., idem em 8* de dezembro de
851, por ollicio da presidencia de 19 do
mesmo mer, vindo de Garanhuns, i lade 30
annos, nac3o Uss, cor fula, altura 5 ps e
una polegada, corpo giosso, rosto redondo,
com algunssigiiaes proprios da trra, olhos
pretos, orelbia pequeas, boca e denles re-
gulares, beicos grossos, nariz grande e cha-
lo, pernas direilas o ps regulares.
Izabel, recolhida em 16 de Janeiro de 1851
' II- VI III I III IWMM*.----------------------------------- ., "
calma, e com lalhos proprios da trra, olhos prelos, ore-
, os actos admi- Ibas pequeas, boca regular, denlos sem fal-
,, confrontem-nos ta, beicos grossos, nariz pequeo e chalo,
rom a rasSo e com a lei: coir binem-os com pernas direita, ps grandes, e tem em cada
dascircumst.ncias, queseha brapo 3 sicalrizes de compridos lalhos da-
arsen.laoSr. Antonio Jos Comea do Cor-r 250 rs., total 2,500 rs 20 ditos o. 3, a 350
relo eacrlvBo da admlnis'trac3o doa estabe-trs., total 7,000 rs., 17 cafetelraa n. i, a 480
lecimenlos de carldade, oa 8 africanos II- rs., total 8 160 ri,, 19 ditas n. 8, a 600 rs.,
vrea de ambos oa sexos constantes deat. re
dacSo, cojos aignaes confarlram com ai pes-
soas dos mesmos africanos que le achavue4
Presentes. e de como o mencionado Sr. An-
tonio Jos Gomes do Correio, os recebeo as-
signou comigo.
Arsenal de guerra 7 do julho de 1852.O
r-c i v.l i, Tliomaz Antonio Maciel Mooleiro.
Antonio Jos (.ornes do Correio, escriv3o
da administracSo. Conformeno impedi-
mento do escrivao.
O amanuense
JoSo Ricardo da Silva.
Ilocebi do Sr Anlonio Jos Comes do Cor
reio, escrivSo doa eslabeleclmentode cari-
dado, os africanos David, Bom-Fim, JoSo, e
Braz, para seren empregados no seivipo do
hospital dos lazaros. Hospital dos Lazaros
7 de julho do 1852.
J oan Francisco de Oliveira.
Regento.
Recebi do Sr Antonio Jos Comes do Cor-
reio, escriv.lo dos eslabelecimeuto de carl-
dade as africanas, Izabel, Esperance, F,
Roza, para snrem empregadas uo servico da
rasa dos exr ostos. Casados exposlos 7 de
julho de 1852.
Ceraldo Correia Lima.
Rogonte. ______
COMMERCIO.
ALFANDECA.
itendimento do da 1 a 12..
dem do dia 13......
.109:350,610
. 9:535,920
118:886,530
Descarrega hoje 14 S julho.
Galeota hanoveriana Helena o resto.
lmportacad.
Escuna bras'leira Adel.ide, vinda da Ba-
ha, consignada a Antonio do Almeida Go-
mos, manilestou oseguinte:
5 volumes tecidos dealgodSo, 6 pipase2
birris azeto da palma, 1 tambor de ierro
coado, 1 caixa calcado, 18 caixas, 18 ca-
xot"S a I amarrado caixinhas de charutos,
1 cjx3o lo'os, 159 saccas caf, 150 feixes
piacaba, 2679 caixinhas charulos, 1 pacote
dito, 2100 quartinhas, 6 cadeiras ordinarias
1 barrica tabalioga branco, 25 fardos taba-
co, 5 t.lhas lou^a vidrada, 15 saccas tapio-
ca, 1 caixSo fio do algodSo; ordem.
2 c.doir.s do armar; a Manool Joaquim
Ramos e Silva.
CONSULADOCERAL.
Rendimento do dia 1 a 12. .
dem do dia 13
18:385.106
2:626,845
21:011,951
DIVERSAS PROVINCIAS
Rendimento do dia 1 a 12
Idemdo dia 13.
844,753
113,233
957,986
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS CE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do di. 13.....2:316,365
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 13.....2:088,274
1; \|ioi lu :in
Rio de Janeiro, hiale nacional Piedade,
di 145 toneladas, coniuzio o seguinto :
100 saceos assucar, 168 saccas milho, 1
pipa e 5 barris azeite de carrapato, 1,000
cos de comer, 87 rolos de salga parrilha,
1 caxs colxetes, 1 dila folhetos, 5 caixas
doce, 5,932 meios sola, 145 molhos couri-
nhos, 60 sacca- algoiao, 9 pipas vinlio, 5
caixes camisolas, 2 caixas fazendas, 1 dita
b Mgalas, U caixoles conhaque, 243 rolos
turno.
i-UB_jui-:~. ^rrzr ~^aw~inaw*
Movimento do porto.
i- '
Navto entrado no dia 13.
Rio de Janeiro pela Babia do ultimo por-
to 6 dias, brigue escuna de guerra brasi-
leiro Andorinlia, commandanlo o primei-
ro lenle JoSo Gualberto de Andrade
M .i.i. Segu para MaranhSo o conduz 3
presos de ju-lica, 1 segundo tenente da
armada, 1 ex-soldado, e 1 c.rpinteiro.
na
EDITAES.
tua uu .v. ..^
-- Pela inspectora da alfandega se faz
publico, que no da 15 do corrente, depois
do meio da se h3ode arrematar em hasta pu-
blica, Porlada mesma reparlicSo, as mer-
inas abaixo declaradas por n3o terem
despachadas em o lempo marcado pelo
lo, a sabor: 1 tigella e 2 pratos
6 caixes com madeira de pinho
576 caiX'S para sab3o, no va-
aMa- BBS ffASft ,ptt?;SfttM
no
do
c
du a .__. d(
um
andes
lazenda reslitui;3o da importancia dosello;
quo pagou de 42 Iivros para o registro do
nascimentoebitos, visto que pilo decre-
to ns. 907de 29 de Janeiro duelo auno, que
suspendeu a oxecuc3o do do n. 798 do 10
de juuliodd 1851,qne creou dito registro.fi-
cou iuulilisad. smelbanle deapeza.
Foi exonerado do cargo de guarda muni-
s'So se diz sem da los mu s guros, que peitoesq
um presidente oaoreaiin a provincia que es- Arsena de guerra
t confiada ao seu zelo c aos seus cuidados, julno rio lo
de Pernambuco
Nos pois, dHada de .6 do corrente mez, foram entre-
! qu a ten- guos polo illrn. Sr. lenle coronel Jo3o Pe-
dido.
Certifico que poranto mm escrivSo doar-
sin.l de guerra, em cumprimenlc a porta-
ra do Exm. Sr. presi lento desta provincia
raria semellianlc propoiir;3o.!
Despacharam.se as pelic.0es de Francisco ----------
K AnuifSer :oos"c:r'poDUeog B'SSSS
l'creira Lcmos, de Francisco Jos
Auna, de Jos
rior 3,000 rs., 3 pares de tinteiros o arieiros
do louca n. 1, o par a 400 rs lotal 1,200 ra.,
86 dlos do ditos n. 3, por600 rs., total
51,600 rs 3 assucaroiios de lotiza n. 1. a
250 rs., lotal 750 rs 4 ditos n. 3, a 400 rs.,
total 1,600 rs 12 bacas para lavar m3os
n. 1, a 250 rs total 3,000 rs 12 dit'S n. 3
tolal 4.HQ0 rs., 10 bulos n. 1, a
total 11,100 rs., 142 canecas n. i, a 80 ra.,
total 11,360 rs 470 ditas n. >, a 14o ra ,
tolal 65,800 ra 54cange0os n. 1, aSOOra.
total 27,000 rs., lUdltol u. 3. a 700, total
79,800 rs., 24 caaes de chicara e pirca n.
t, ii ."".( rs-, total 1,200, 22di(os ditos n. 3,
a 70 rs Mal 1,540 rs., 8 manteigueiras n.
3, a 200 rs., total 1,600 rs 55 ourinoes
"sem lampas, n. 1, a 250 rs., total 13,750
59 ditos n. 3, a 400 rs., total 23,600 rs., 144
duziaa do pratos o. 1, a 600 ra., tolal rs.
86,400, 40 ditas dilos n. 3, a 1,000 rs., to-
lal 40,000 rs.. 4 pralos com lampa n. I, a
600 rs., total 9,400 ra., 2diiosditon 3, a
1,000 rs., total 2,000 rs., II snpeir.s n. 1.,
a 250 is, total 2,750 rs., toditas n. 3 a
400 ra., tolal 4,000 rs., 83 1/2 duziaa de li-
gellas n. 1, a 600 rs., total 50,100 rs., 67 di-
tas ilo duas n. 3, e 1,000, total 67,000 rs
14 cilxaa em que veo a louca a 2,000 rs.,
lotal 28,000 rs.; sendo arrematacSo livre
dedreilos ao arremtame.
Alfandeija de Pernambuco, 10 de julho
de 1852.O inspector interino, Bento Jos
remandes Barros.
Tiibunal do commercio. "
Por ordem do tribunal do commercio da
provincia de Pernambuco, se faz publico
que lim i social Germnica do Kalkuiann
IrmSos matriculada no mesmo,passou a de-
nunci.r-se do ultimo de junho do corrente
anno em dianleBrunn Praegerc Compa-
nhia por se lorem retirado da socio lade oa
socios Ermano e llenriqua Kilkman, conti-
nuando os nais no gyro da nova firma adop-
tada, como tu lo foi por estes allgalo n.
sua pelic3o ; em vrtude doqu.l e de con-
fiinniila.ii' com o disposto no arligo 8. do
cdigo commercial, man Ion ii referido tri-
bunal do commercio por despacho na mes-
ma exarado em 8 deste mez fazer a presente
publicaban e as competentes notas ao regis-
tro da matricula da mencionada firma.
Secretaria do tribunal do commercio da
provincia de Pernambuco, 10 de julho de
1852.
JoSo Silveira de Souza,
Oflicial-maior.
Illm. Sr. impeclor da lliesouraria da fa-
/eiiil i provincial, em cumprluirnlo da ordem
do Exm. Sr. prcildente da provincia de 8 do
corrente, manda fazer publico, que uoa das 3,
i e 5 de agoilo prximo vlndouro, ir a praca
para acr arrematado, perante o tribunal adinir
ni-ir mvii da un- mi Un un..ra, a quein po-
inenoa fuer as obraa aballo declaradas.
Conclusadodcclmo-oitavo lauco da estrada
da Victoria avallada em 2:1197/762 rs.
Dila du n:p -nno-oii.il i.i Unco da mesma es-
trada avallada em o:5ti#873.
Aa arremataces sero feilas na forma dos ar
tlgoa 21 e 27 da lei provincial n. 28t de 17 de
in un de i',, c aob as clausulas capeciaes abai-
xo copiadas.
Aapcsaoai que te propoierem a esta arreina-
taco comparecero na sala des seasdea do mes-
mo tribunal, noa dias cima mencionados pelo
melo-dia, compctenleinenle habilitados.
E para constar se mandn aduar o presente
e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesourarfa da faienda provin-
cial de Pernambuco 13 de jollio de 1852.
- O secretario,
Antonio Ferrcira U'Anmiriciacao'.
Clausulasespeciaes para a conclua dan'obras
do decliuo-oiiavo lanco da estrada da Vic-
toria.
Primeira. As obraa da concluso deslc lanco
sero leitas de conformidade com o orcameulo
nesta dala apreienUdo approvao do Exm.
Sr. presidente da provincia na importancia de
fcMrT/tti.
Segunda. O arrematante dai principio a el-
las obras no praio de um mea, e coucluir no
de mi metes, principiados a contar cada um
desles prazos da data, ein que se cllectuar a ar-
reniataco.
Terceira. A importancia desta arremataco
ser feita em duas prcslaccs iguacs; a primei-
ra quando estlver Icito melado du obras do
seu contracto, ea segunda quando estiver con-
cluidas todas aa obras
(Juana, i'ara ni J maii que nao estiver de-
terminado as presentes clausulas observar-
le-ba o que dispoe a respeilo a lei proviucial u.
. vi de 17 de maio de 1851.
Clausulas especiaos para a conclusSo das obras
do vigeslmo-quarlo laoco da estrada da Vic-
toria.
Primeira. As obras da concluso deste lnco
sero feilas de conlormiJadc com o orc.nnento
nesla data apresentado appruvaco do Exm.
Sr. presidente da provincia na importancia de
ra. n.Gi/873.
Segunda. O arrematante dar principio a ea-
tas obras no prazo de um inrz, e concluir no
de cinco inezea, principiados a contar cada um
deslca praioi da dala, em que se atecluar a ar*
remataco.
Terceira. O pagamento desta arremataeo
ser lelto de conformidade com o disposio no
artigo 3'J da lei provincial u. 280,
Quarta. Para ludo mais que uo estiver de-
terminado as presentes clautulas observar-se-
lia o que dispOe a respeilo a lei provincii.1 n.
28r> de n de maio de is51.
Cuiiiorine.
O secretario,
Antonio Ferreia d'Annunciiicao'.
O Illm. Sr. inspeclur da lliesouraria da fa-
zenda provincial, e:n cuniprinionlo da roso-
liici do tiibunsl admiuislrativo de 17 do
correlo, manda fazer publico, que nos dias
18, 14 e 15 de julho prximo vindotiro, ir s
praja para ser arrematado, perante o mes-
mo tribunal, a quein por menos lizor a obra
da conclusSu da parte da casa de delencSo,
constante do raio do Norte, casa central da
ni-piv ,.m geral e casa da administracSo ava-
llada um 70:0008000.
A arrematacSo ser feit i na fo~m. dos ar -
ligus 24 o 27 na le provincial n. 286 de 17
do maio de 1851,e sob as clausulas especiaes
abaixo declaradas.
As pessoasquesc propozerema esta arre-
mataco comparecam na sala das sessos do
mesmo tribunal, nos dias .cima menciona-
dos pelo mcio-dia, competentemente habili-
tados.
E para constar se mandou lixir o pre-
sento e publicar pelo Diario.
Secretaria da lliesouraria di i'iz inda pro-
vincial de Pernambuco 23 de junho de
1852. O secretario,
Antunio Ferrcira da AnnunciacSo.
_TT'a
ur-ieiembuTbai"i>Wmou logo eu partido. A ll)3r- disse o enbor lombardo nuel- liso, Vhc verdaderamente triste, pola me
, ordcmXloa soldado., elle repelllo ..^.^SSlL^S^uSJ^lStimta o eludi de um demoninli. Incarnado ; e.lou
i-aui a todos ci snaa invencivcis redes.
I ou vci no campo da ualallin, elle se bada
com furia porque era amoroso do perigo ; mas
acabada a balalha, c vendo sua campanilla fura
de perigo, pouco lhe importava saber qual dos
doui partidos Hulla tido vanlagem, salvo quan-
do o resultado da victoria era a tomada de urna
costal murmurando
comigo!
de Bramante una nhllosonliii que o lornava j conliada a guarda da duqueza, nao devo mais
iuvulneravel aos golpes da sortc c o garanta dcixa-la senaoao pe do cadafalsn.
contra as affeleOe. c avmpathias que nos eola- 1 Umostrou sua cominlssao asslgnada e sellada
com as armas do duque.
O capltao llraccloli era nm liomcm de seus
[ii i1 ni i annos, pouco mais ou menos, de cr
pallida, de incoes angulosa*, de pbvsionomia
discreta c astuciosa.
He um alto slgnal de conllanca que voa
d nosso amo o duque Viscontl, respondeu elle
a llramantc, mas he justo dlier que elle nao
pode mclhorcolloca-la. Vamos retirar-nos, ca-
pito, todava, accrescentou depnls de una
pausa, se fosse de vosso^osto, cu e ininlia gen-
te poderiamos vigiar com voseo, seria este um
meio de abreviar as horas que leudes que pea-
lar nesta galera.
_ Vosso nlli'i. eimenti. lie multo obsequi-
lo, capltao lliaecioli, responden filamente Bra-
mante, e sou a elle muisensivrl, bem como s
piopuslas ainigaveii que me leudes l'eito em di-
veraaa circumstancias mai sois venezaiio, c
ni I devo dlier-vos, dcsculpal uiiulia franqueza.que
Clautulas especiaes da arrematv;.
1.a Todas aa obraa aerBo execuladas do
eonformidade com aa condiedes do orcameo-
4o, nesta data .presentado a approv.cSo do
Exm. Sr. presidente da provincia na impor-
tancia de 7O.O000OO.
9.' Kslaa obraa deverSomerchir de manei-
r. a aerem demudes por partes, e nos cin-
co periodos de lempo seguintes : primeira,
1 no praso de 30 dias deverfio estar principia.
1 das e em andamento todas as obras ; segn-
, do, no prazo de qu.tro mezes estarSo todas
as paredes internas e externas n. altura das
j.nellasdasprisOes doprimeiro and.r, .s-
sonlad. toda a cantara e grades de ferro
desla jaoellas ; terceiro, no praso de 7 me-
zes llover o estar todas as paredes ua altura
do receber as cobertas; quarlo, no praso de
10 mezes deve.'So estar interamente con-
cluidas ludas as cobertss, e roborado o ex-
terior de todo o edificio ; quinto, nopr.so
do 13 mezes est.rSo concluidas todas as o-
bras e entregues provisoriamente. Cada um
destes prasos he principiado a coularda da-
ta da arrematacSo, do msneira que tola a
obra ser concluida em 13 mezes.
3.* Se no Um de cada um dos prasos mar-
cados no artigo anterior a obra nSo se achar
no respectivo estado deadiantamentosofre-
iio arrematante, pena marcad, no artigo
32 da le provincial n. 286, e quando pela
dispOiicQo do artigo 31 d. mesma lei oblo-
nha o arrematante algum. prorogr.cSo de
praso, ser esta contada proporcionalment)
aos prasos mrcalos no artigo 2.das pre-
sentes el.usul.s.
4," A importancia total da arremalacSu
ser. paga em seis preslafOesdi maneirase-
guinte: a primeira do valor de um quinto no
liui de 4 mezes, se a obra estiver no estado
marcado pelo artigo 2 dostas clausulas co-
mo lim do segundo periodo de lempo: se-
gunda tambem do valor de um quinto no lim
de 7 mezes, so as obras esliverom no estarlo
marcado pelo lim do terceiro periodo de tom-
po ; a terceira tambem de um quinta se no
lim de 10 mezes estiver a obra no estado ao
lim do quarto periodo ; a qua>la tambem do
um quinto quando for a obra recebida pro-
visoriamente, a quinta de um dcimo se seis
mezes depuis de recebido provisoriamente,
non se recouliicer defeito de construcc3o di
parte do arrematante ; a aexta e ultima fi-
nalmente lambem de um dcimo quanto
IV)r recebida di unitivamente a obra, que se-
r um anuo depois do recebimento proviso-
rio, uo se reconhecendo defeito.
5.' A importancia dos materias existentes
na obra, que forem entregues ao arrematan-
te ser descontada proporcionalmente em
cada una daa prestarles.
6.a O arrematante ser ohrig.doa empie-
gar na obra melado dos trsbslhadores
livios-
7.* Para ludo m.is que nSo estivorexpres
smenle determinado as prosentes cl.usu-
las,.seguir-se-ha a disposcSo de lei proviu-
cial u. 286 de 17 do maio de 1851.
Conforme.
O secretario,
Anlonio Ferrcira da AnnunciacSo.
0 In Jos Quintiiio de Castro l.e3o, juiz
municipal e de orpliSos do termo do Olin-
da, comarca d. cid.de do Recife de Per-
nambuco, por S. al. o Imperador, a quera
lieos guarde etc.
Kaco saber os que o presente edilal vi-
rem, que achando-so vago o ofiicio do es-
crivSo do crirr.e, civel, judicial, e olas dos-
te termo, convido os prelendentes, n. forma
do disposto no arligo 11 do decreto n. 817
de 30 de agosto do anno prximo pass.do,
a apresentarem seus requerimenlos no pra-
so de 60 dias a contar d. dala deste. devon-
do, artigo 12, serem apresentados a estejui-
zo para faze-losacompanh.r de informaces
sobro as habililacOes, o merecimonto do ca-
d. um delles : outro sim, os prelendentes
devoran obsorv.r o determinado no artigo
14, sendo o exime do sulllcieucia feito pe-
rante o Exm. presidente da relaclo.
E para que cliegue a noticia de todos se
passou o prsenle, que ser publicado pela
imprensa, e mais outros do mesmo tlieor,
sendo aflixados na casa das audiencias.enos
lugares mais pblicos deste termo, na forma
do mesmo artigo 11 do cilado decreto.
P.ssado nesta ridade de Olinda, em 10 de
julho de 1852.-Eu Eduardo Daniel Cavsl-
c.oll Vellcz de Guevara, escrivSo interino
o escrevi.
Jos Quintino de Castro Uio.
O l li.i). Sr. inspector da lliesouraria da la-
zenda provinciil, em virtude da resoluto
do tribunal admini-trativo de 8do correle
manda fazer publico que as sesscs se-
guintes do mesmo tribunal que silo as
quintas-feras continuar am a piac dos con-
tractos do obras publicas abaixo declarados.
iviite da Passagem da Magdalena, avaha-
da em 24:880,810 rs., tomando-se por baza
d'arrem.t.cSo o offoreciment feito pelo
eeittSte JsCosetiTM da Porntnncula. do
2 oor cenlo.
Quarlo I.neo da estrada do Norte avahado
om 18:215,915 rs., tomando-se por baze
d'ai i .'ni itag.i.i offerecimento feito pelo li-
citante Manuel Antonio dos Passos e Silva,
de 12 por cunto.
As arrooiBtacOes serSo feitas na forma dos
arts. 24 e 27 da lei provincial n. 286 de 17
de maio .le 1851, e sob as clauzulas espe-
ciaes ja anniinciadas.
E para constar se man lou allixtr o pie-
sentc, publicar pelo Diario.
s.'i" olalia da lliesouraria da fazenda pro-
vincial do Pernambuco 9 lio 1 llllio do ls '.
O aecret.rio, Antonio Ferreir. d'Annun-
ciacao.
BBwei-)- m i -m-----------j
Declaragoes.
REAL COMPAM1IA DE PAQUETES INGLEZES
A VAPOK.
No dia 21 deste mez, ospera-
so dcSul, o vapor Severn,
commandante Ch.pman o
qual depois da demora rio
eostu se seguir para os portos da Europa:
para passagoirns, trala-so em casa da agen-
cia, na n.a do Trapiche Novo n. 42.
as:a
9l
*-__
ludo o que vem de Veneza nao me lusplra se
nao nina conliauca... mu hgi.iada.
Um ligelro rubou colorou a lace do veueiiauo
ao oiiva estas palavras, uiaa ningueiu perca
beu Itao.
A' vossa ordem, capito, disse elle sem
que sua voz rcvelassc a niais ligeira allcracao;
DOS vos den i un s.
Elle oh a nioo o soldado que eslava col p com
a espada uua diantc do calaboucc dadu.|ucza
Ueatriz, c ordenando depois sua gcnlc aparlou-
sc com ella.
Tu ests inui orgullioso pelo favor de que
gozas junio do duque, unir......mi elle laucan-
do um ultimo olhar para Diamante, mas pa-
ciencia, eu dcscobrirci talvci a falla de la coi-
raca: Esle desrjo de ficar s junto da duque
deve occuliar algum projecto...
Depois de um momento de illencio, I rae-
cioli iln inoo um de seus soldados a pane c fal-
lou-thc assim i
Dize-nic, Albini, tens algum iilho.
Siip, mcu capltao, um Iilho bello como
um anjo.
*~* Um maroto, segundodiiein ?
Um menino encantador, maliguo como
um macaco, mocomo um demonio, e perlnlo
como urna mulber; todo o mundo o adora.
Que idade tem ?
Uei annoa incompletos.
Manda-mo c depressa, e ic elle desem*
peuhar convenientemente a coiuniisso dei|ue
vou eucarrcga-lo, tu uo leras que arrepeu-
per-le disso, uein elle to pouco.
(Cen/muar-J-".)
P-T"


Pela secretaria da cmara municipal
, "Recie, so declara aos senhores escri-
,1 pez da todo o districtosdas Ir.
!Ma deile municipio, que receberam I.-
o para o registro dos nnscioientos e ob.-
ie doverSu recolher quanto antes
i?!,,, secretaria ditos livroa, visto quaae
,c"a suspensa a ezecugSo da lei que creou
^Sftiafc ""da declarar que tem
ncarPgado o Kvm. provisor do Rispado,
,,,cisco Jos lavares da Cama residen e
ra da Cruz do Itecife, sobrado n. 56, de
r.wlicr os donativos que forera offerecidos
ral religiosa obra da PropagagSo da F,
.nlasoessoas que quizorem lucrar o presen-
L iibilOJ, concedido pelo sapientsimo pa-
,,-l'io IX, aiinunciado por S. Eic. Rvcna.
en sua pastoral de 9 de junl.o prozimo pas-
.,1,1 alim de os remeller para a cidade do
cJo'do Franca. Palacio da Soledade, 8 de
uTlbo de 1852. O padre Jos Antonio dos
Sanios Lessa, secretario particular do S.
tXC Pela segunda seceso da mesa do con-
sulado provincial se faz publico, que do da
ido corrente mez se principia a cobrar o
nposlo de 20 por 0nt0 do consumo das
oas-ardenles de producgSo braaileira do
segundo semestre do anno fiuanceiro de
.. O arsenal de marinha admitte, para
suas obras o para as do melhoramento do
porto, serventes livres, pagando o sa la-
rio de 6*0 rs. nos das om que traba Iha-
reni; e bem assim, engaja 10 canoeiros
livres, pagando por mez 1*1000 rs., alcm
de urna regio avaliada em 6/000 rs tam-
licm por mez. E por isso convida por
eat< annuncio a quem couvier, a compa-
recer no mesmo arsenal, a qualquer hora
do dia, para se inscreverem. Inspectora
do arsenal de marinha, 28 de junbo do 1852
O secretario, Thomc Fernaudes Madeira
de Castro ,
--O arsenal de marinha compra 120 to-
neladas de carvSo de pedra de primeira qua-
lidade. para o vapor de guerra Colpbinho,
sendo ou atracado a bordo do vapor, ou om
Ierra no lugar em que for indicado. As pes-
da, comparecam amanliSa 13 do corrente
pie! na secretaria da inspecgSo do mesmo
arsenal, pelas onze horas do dia munido do
suas proposUs em cartas feichadas, e des
resperlives amostras paraserem azamina-
das. Secretaria da InspecgSo do arsenal de
marinha 12 de ulhn de 1852. -O secretario,
Thomc Fernaudes Madeira de Castro.
AdininistragSo do patrimonio dosorphSo".
Peranto a adininistracSo dn patrimonio
dosorphos aehao de arrematar a quem
mais dor, e por tempo de 3annos,quo.seh3o
de lindar em 30 de junho de 1855, as rendas
dos predios soguiulcs e no dia abaixo
declarado :
Em Hdcjulho.
Ilua do Rangcl.
N. 58 casa terroa.
Ra de S. Concalo.
N. 22 dita dita.
Ra da Madre de Dos.
Casa lerrca n. 20.
Kua do Torres.
.Y 18 sub ado do 2 andares.
Ra do Azeite de Poixc.
\. 14 sobrado do I andar.
Ra da Cacimba.
N, 5 dito dito.
Ra do Encantamento.
N. 76 de 2 andares.
Ra da Senzalla Velha.
N. 132, 134 e 136 de 2 andares ; n. 16 o 18
terreas.
Ra da Cuia.
,\. 25 terrea.
Kra de Portas.
Casis terreas n. 2, 94, 96, 98, 100, 102, 104,
106,108 ello.
0 sitio do Rozarinho, em que mora o Dr.
Joilo Domingues da Silva.
Dito na Miroeira, em que mora o Dr. Manoel
Joaquim Carneiro daCunha.
As pessoas que se proposcrem a arrema-
tai ditas rendas podero comparecer na casa
das sesses da administracSo, nodiaac-|
ma indicado, as 4 horas da tarde, coin seus
liadores.
Secretaria da administrago do patrimo-
nio dos orohSos 12 de julho de 1852. -- 0
secretario interino, lose Victorino de l.emos.
'8
carga e passageiros: quem pretender dirija- Traapiisi-ie a hypolbeca de um es-
so a ra do Trapiche o. 36, a fallar com o cravo, dando-ae osaervicos por premio da
consignatario Manoel Duarte Rodrigues. quantia : quem pretender dirija-so a ra do
Para o Aracaly. Rozario estreita sobrado n. 28, segundo
Saheoombrevidado.obemTonhecidobia- inar,-)ezela-se saber as moradas dos Srs.
te Novo Olinda: para carga trata-se com o Joaquiin p'edro da Silva Tavares, Francisco
consignatario J.J .Tasso Jnior. Jos Augusto Ferroira, Antonio Jos Goncal-
rara o Rio de Janeiro, sane ves,Antonio Joaquim Farreirada Silva, An-
rnm a irmiiir ln-i'i iil uli' nnssivel. O Ionio Alves da Silveira, Antonio Rodrigues
com ai maior Dieviade possiveo,d( Cntro m^ que marou gm BJbi,,K e
patacho nacional V alent, copuao Antonio de Ajenio Cisneiro, aflm deserem
Francisco Nicolao de Araujo : pa-
procurados
Alugam-sc 4 armazens grandes, citos
ra carga, passageiros c cscravos a nirui|,npcr,i, no correr do sobrado do Sr.
frete, lala se com o mesmo cap-Cusm3o, o juntos ao sobrado do Sr. escrivSo
* i <<.,..;,i ii Campollo : a tractar com Jos Dias da Silva,
to, na praca do Comrnercio ou na f da CiideU do |lecre n 59. M me9ma
com os consignatarios Novaes o casa se vende umaporgSode rezinadean-
Companha, na rui do Trapiche Colombier( mudoo tl0t ,ojt de ,,.
n. ,).'(. faiatecom roupa feila, paraa quina atraz da
1 Para a llin re Janeiro, sahe matriz loja n. 2, sendo sempre mestro o
i ara omoae Janeiro, wn bragjIeiro Hanoe| Jog Ferreirl. na mesm,
Com a maior brevidade possivel, O j0ja aaca brigue nacional Rio Ave, canitao pao fino de cores.
r.i. i '*i ..... ... I -- O abaixo assignado deix
Elias Jse Alves: para carga, pas-iritos do paiZi em SU9 la
sageiros e escravos a frele, traa-
se com o mesmo capitao, na pra-
ca do Comrnercio, ou com os con-
signatarios Novaes & C'ompauhia,
na ra do Trapiche n. 3q
Para o ass com escala pe-
la rarahiba, sahir m-prcterivel-
ou do vender
taberna o. 27 da
ru das Cinco Ponas, desde 3 de marco do
corrente anuo.Antonio Joaquim Silgado.
D-se dinheiro em pequeas quantias
a premio de um e mel porceoto, com pe-
nhores de ouro: na ra larga do Rozario,
loja u, 26, se dir quom d.
O Sr. Manoal Cavalcanti l.ins Walca-
cer, queira ter a bondade de apparecer na
ra Direiti, veuda n. 72, t negocio queltie
diz rospeito.
mente, sobbado 17 do corrente, o -- No da 15 do corrente, as 8 horas da
" o \- ---- manhaa, na sala das audiencias dojuizo
luate nacional o. Joao, com a car- nici fll dol8raj0 delioda, tem dase
ga que tiver: para carga, trata-se
com o mestre a bordo, ou na tra-
vessa do Vigario n. 3.
Leilao.
- Ocorrector Miguel Carneiro, fara leilo
no .un quarla-feira 14 do corrente as 10 ho-
ras da manhaa, no seu armazem na ra do
Trapichen. 38, de diversas mobilhas para
sulla, gabinete, quartos, salla de janlar, cu-
sinha etc. etc., assim como um ptimo pia-
no^relogios para cima de mosa, ricos qua-
dros com eslampas, prenca para copiar car-
tas, burra de ferro, e outros mullos objec-
tos quo valem a pona sorem arrematados:
oaomeiodia em ponto ir aleiao, "
cxcellentucavallo, proprio para carro.
Avisos diversos.
Fiancisco Pinto Osorio, sangrador e
dentista, participa a seus rreguezes c jun-
tamente ao rospeitavel publico, que o po-
dem procurar, para qualquor misler de sua
arte, em sua loja na ra estrella do Rozario
n. 2.
A viuva do Manoel Joaquim Pinto Ma-
chado Guimaraes (conbecido por Manoel
pequeo ) faz scionle a todas as pessoas que
empenharam om mSo de seu fallecido man-
do, objectos de qualquer nalureza, os vilo
rcniir tanto vencidos como os a veucer, isto
no praso de 15 dias, por que muito pr. cisa
liquilar os negocios do sua casa; assim
como tanibpin roga aos sous deedores t.or
qualquer titulo, queiram lambem no refe-
rido prazo, concluir seus dbitos; as Cin-
co Puntas n. 4.
Precisa-so do um caixeiro para venda:
na ra do Rangcl n. 81.
Precisa-se alugar urna prata para co-
sinhar, e todo o mais arranjo de urna casa
de horneo viuvo: quem estiver nestas cir-
cuinstancius dirija-se a ra do Codorniz 11
1 ou 3, quo adiar com quem tratar.
Os abai\o assignados participan) ao
respcitavel corpo do comrnercio, que entre-
garam o estabelccimenlo quo nesta praca
existia debiixo da firma de Kalkmann Ir-
maos,sob a data de boje cun todo o seu ac-
tivo epassivo aos Srs. Henriquo lirunn e
Gustavo II. Praeger.Ilerm. D. Kalkmann,
arrematar duas casas terreas, urna noJogo
da Bola, a outra na ra do Cabral, por
execucSo de D Catharma Francisca do Es-
pirito Santo, contra Jos da Silva Braga e
sua mulher.
O escrivSo actual da irmandade do Se-
nhor Bom less da Via Sacra, convida aos
irmSos da mesma om geral, para que com-
parecam no da 18 do correle mez, as 10
horas da manha, afim dse tratardenego-
co tendeot'! a mesma irmandade.
-- OtTerecn-seuma ama deleite: na rus
Imperial n. 11.
O abaixo assignado dcixa de vender
agoardente do producto brasileira, desde o
1.a de julho em dianle, em sua taberna, na
Perdeu-se no dia 10 do cor
reate, das 11 horas da manhaa ao
meio dia, um pentc de tartaruga ,
peqaeno para prender cabello,
imitando em cima a urna transa ,
dede a ra do Brum, at a ra da
Gaaeia de S. Antonio, junto a ca-
de : quem o tiver adiado e qui-
zer resttuir dirija-se a ra do
Brm, armazem de Antonio Mar-
tini Carvdlho, que ser generosa-
mente gratificado.
-- Precisa-so de um amassador para urna
padirfa noa ApipucoS : a tratar na ra Di-
roitan. 69
Jos Ro lrigues Sordos tendo por noticia
queWanoel l.uiz dos Reis o temealunia do a
ponto de at dizer que pretende dar urna
denuacia contra o annunclanto por esto
lercnntascnm oditoSr, Reis : e o annun-
cianle ter vendido o seu estabclecimenlo e
2 esoravos da posse e dominio do annuncian-
te. 1 para inteligencia do raspeitavel om-
meriio o mesmo dequalquer autoridade a
quera o dito Reis pertenda Iludir com al-
gum estratagema fingido,o annuncianle faz
publico ser faifa semelhante venda, quo o
anuinciante esl coolinuando nogirodeseu
negocio, ecomfundos,g'BC*sa providencia,
para liquidar qualquer IraosacSo legitima
queselhe aprsenle, sem percizar de uzar
do trios dolosos.
-- Manoel Rodriguos de Carvalho aub-
dito rorluguez embarca para o Rio do Ja-
neiro.
Jos Goncalvos Ferreira o Silva, em-
barc para o Rio de Janeiro, a cscrava Qui-
tea, creoula, por ordem de sua senhora ,
Alhaoazia Maria do Espirito Santo, mora-
dora na povoacSO do Oratorio, comarca do
Limaeiro.
-- No dia 16, as 4 horas da tardo, na pra-
ca do Dr. juiz docivel da primeira vara, se
ha i'e arrematar os alngueis da casa terrea,
.1-i,'-iki da Roda n.41.
- O abaixo aasignado, mestre alfajalo,
declara aos seus freguezes o ao rospeitavel
publico, que mudou seu estabelecimento
da rua da Cadcia de Santo Antonio para a
ra Nova, casa terrea, junto a Concoico
dos Militares n. 49, onde o encontrado
p'omplo para tomar qualquer obra de seu
rua do Forte n. 2. Joaquim Antonio de' 0|Ileio,ou qualquer encommonda para oque
Oliveira. tem um completo sortimenlo de pannos,
Precisa-se alugar urna p-eta escrava ,'ctsemiras, brins, setins para colete, e mais
para cozinhar elazur lo lo o maisservico de varias fazendas ilehom gosto.
urna casa de pouca familia, agradando pa-
ga-se bem : a tratar na rua do Mondego nu-
mero 107.
Dos Dis'nV.
Acaba dechegardo Rio de Janeiro, tradu
lid
Ale
Jo8o Gon^alves Evangelista.
- Urna pessoa com as habiliacjes neces-
suias, se oiTcreco para ensillar primeiras
letras em qualquer engenho uu fazenda.fra
desta praQa : quem de seu presumo sequi-
AdministraeSo do patrimonio dosorphaos.
Perante a adminislracSo do palrimouio
dos orph&os, se hSo de arrematar a quom
por menoslizer, os reparos de que precisa o
collegio dos orphSos, oreados em 287,680
rs.,os de pedreiro, e em 451,580 rs. os de
rarpina : as pessoas que se propozerem a
arromalar ditos colicortos, podoro compa-
recer na casa das sessOcs da mesma admi-
".jl.'UywC uO dio 4 (1U IH'.Viii UltiL !-. '
horas da larde, para se tratar do ajuste.
Societaria da administraco do patrimo-
nio dusorphfios 12 de julho de 1852 U se-
cretario interino, Jos Victorino de Lomos.
Banco de Pernambuco.
Os dcsconlos na semana que decorre de
12 17 du julho, s3o de 6 por canto au an-
uo, para as letras a vencer at o liui de ou-
tubro, e para as avencer at 6 mezes he o
de 8 por canta Banco de Pernambuco 10
d"julho de 1852.
'.- r'T-'iL- isr
Avisos martimos.
Veude-se a barraca denominada UniSo
Itrasileira, do porto do Rio Formos:>, de lo-
tc de 30caixas, ou troca-se por outra do
menos lote : quem taes negocios pretender,
dirija-se a rua do An.onn n. 33, ou a mes-
ma cidade cima, a fallar com os senhores
Correia & llypolito.
Para o Rio de Janeiro sahir imprete-
rivelmente no dia 14 do corrente a barca na-
rional Firmeza ; pa'a passageiros e escra-
vos a frete pode-se tratar na ruadaCadeia
n. 40, ou com o capitao Joaquim Antonio
Coucalvas dos Santos, na praca do Com-
rnercio.
-- Para o Aracaly saho o hiato F.*halac3o
por tor a maior parle da carga prompta ; pa-
ra o reato e passageiros trala-se na loja de
lorragens, na rua da Cadeia do Recife n.
56 A, com Antonio Joaquim Vidal.
Para o H10 de Janeiro.
O brigue escuna nacional (Jim-
da, capitao Manoel Al. r'erreira ,
segu para o Hio de Janeiro, com
niuita brevidade, por ter a maior
parle do seu carregamento enga-
jil.i : para o reslo e escravos a
rcte, trata-se com os consignata-
rio. Alachado & Pinheiro, na rua
do Vigario n. 19, segundo andar,
ou com o capilSo na praca do
commercio.
Para o Assu' com escala pela Parahyba,
sahe o veleiro hiate S. Joao para carga ira-
ti-sc na rua da Madre de Deosn. 34, ou
rom o mestre a bordo.
Para Lisboa com brevidade, por ter ja
parte dacarga prompta, segueobrigueportu-
guez laia.capilflo Jos de Abreu, para carga
ou passagi-iros, para o quelemosmelhorcs
commodos, a Miar com o mesmo capilSo.ou
rum os seus consignatarios Francisco Seve-
nano Rabollo&lilho.
Para o Maranhio e Para o brigue escu-
na Uouro, capilo Jos Pinto Nunes, recebe
lo em portuguez, o excellente romance de zer utilisar,dirija-so a rua do Vigario n. 20,
...exandre Dumas.que tem por titulo, bao Sg.mdo andar, ou annuncie para ser pro-
DispOe, vende-se na livraria da praca da In- curado,
dependencia .n. 6 e8, a 8,000 rs. constando A Henean.
de 6 volumes'. | A pessoa que no Diario de segunda-feira
-- Pordeu-so no dia 8 do corrente urna n, 152 annunciou querer comprar>uma pro-
camisinha de menina, do cambraia de linho |a ou parda, de idado 40 annos, achara urna
em folha, bordada por baixo, com um bor- rBrja como pedo em seu annuncio.na rua da
dado da largura de quatro dedos no tallio, Lruz jj itecife n. 28, segundo andar. Na
accenlus e mangas com outro de dous de los, mcima Casa ha outra parda de ida le de 20 a
toda aberla de renda franceza, embrulhada ^ annos : quem a pretender pode tratar
em mua folha de papel ahinco, desda a (0m Lima Junior& Companhi.
igreja de N: S. do llomedioem seguimento a _. Antonio d Costa Ferreira, niio poden-
passagemdaMagdalena.Chora-menino.Mon- d0 despedir-se pessoalmente de seus amigos
dego, becco das IHrreiras, rua dos Jasmiua, porciusa de sua molestia.o fat por meio do
doCoelho, S. Gon?alo, patoo da Santa Cruz presente, e em Villa do Coudeo encontrarao
at a rua do AragSo : quem a achou queren- pr0-npn a cumpnr seus man lados,
do reslitui-la, dirija-se a rua Nova no bilhar .. Alugam-so 2 casas terreas, na Iravessa
francez, que se gratificar com gencrosi- da -rrempe n. 9 e 11, com 4 quartos cada
dade. urna, bom quintal ecicimha: a tratar na
Toma-se ropa de alguma familia gran- pra^a da Boa Vista, sobrado quo tem botica
de, para lavar eeiigonvr.ar, com toda a per- na esquina, que volt para ollospicio, pri-
feic.ao e asseio, assegurando a pessoa que a meiro andar.
lomar pela falta que houver: quem quizer, precisa-se de urna ama forra, para o
aonuneie. serviejo de urna casi estrangeira de pouca
AltencSo familia: na rua da Aurora n. 8 segundo
A nova fabrica de chapeos de Sol do at- andar,
trro da Boa Villa recebeu um novo e lindo -- Ruga-ao ao Sr Bento Alves Tupinam-
sortimentode chapeos deso do ultimogos- ba, baja de pagar a quantia do 130,000rs. ,
lo tanto, de seda como de paninho.para ho- que Ocou a dever de aluguel da casa n. 54 ,
mem, rico schapcos de seda, para .eohor. e na_rua_d, Gu^onde mo^u.d.de^d^de-
fizer continuar a ver
llenr Kalkmann.
Referindo nos ao annuncio cima, temos iijwiij .lv,,..r--------------r_.
a honra de levar ao conheciin"1" do corP.vende-so por menos preco do queem outra sembr ue iau, ate o
commcrcial, que desta data em dianto e de- quaiqUer parte.sssim como um grande sor-, ce rio de queseo nao 11
baixo da razio do Brunn Praeger &Com;.a-1 ,|rIlenl0 desedase panmhos de todas as c- o seu nome neste Diario,
nhia.conlinu.remos os negocios da exlincta rete qua|idades paracobrir chapeos velhos. | Iroca-se o seguido andar da casa n. 13,
firma de Kalkmann IrmBos da cuja activo o;vende-s) baleas para vestidos de senlioras.o 'di rua do Collegio, por umpr.meiro, ou se-
p.uivo a nova firma se encarregal-llenri- faz.se conce,to Sol chapeos velhos. Bando andar, na rua Nova 1 a tratar na rua
qUB "/oTdriS "oK do annun- lobilhaf. de 'J- ftQ \ *" Um rap.z br.sileiro, com 22 annos do
nXc do tK1 Diario de Pernambuco, o Alugam-so moh. .as complelas, ou, qual- iMe e com a|gU,a prtlic. de negocio, se
nue ten. de ser epel do, pelo procodwue.ito quer traste separado, "VOjil.de do. luga- 0|rcrece para caj,ciro de ,rm,IIB de assu-
nue acaba de' pwt car contra o annuncian-1 dor; assim como so alugan. caderas em ou outru qu,l<|uer estabelecimento,
",....:. ./. f... ,i> ...\rm'orando norclo. na pojs tem soffrivel letra, e se fr preciso da-
r fiador a sua conducta: quem do seu pres-
umo se quizer utilisar, dirija-so a rua 00
Livramcnto n. 15.
- ijiiein quizer alugar um sobrado do
Alugam-se o vendem-so bizas na V um andar, com armazem, no Rocife, na rua
praca da Independencia n 10, con- da n0Rja n. 23 : dirija-se a rua da Cloria
fronte a rua das Cruzes.
50,000 rs de gralifi.-acao.
Do engenho Santos Mendes, no dia 13 de
junho, ausentou-se a escrava Maria, de 25
annos, creoula, fula, de boa estatura, o bom
da Boa Vista n 87, segundo andar, que a-
chara coin quem tratar.
; Joao Martins de Barros, mudou o seu
escriptorio, da rua do Vigario, para a rua do
Ainon01 n. 41, segundo a.ndar
-- Aluga-soum mulatinhode idade',16an
corpo, os ps carnudos, tem alguns cabellos I MM cnsjnhRr o diario de urna casa
no buco, bem ladina, com desembaraco na I ]e pouca familia, e proprio tambero para
falla; Irajos, saia de chita encarnada, cabe- maridajos 0u servir a algum homem soltei-
c5o de Misa,Chale de 13a rouxo, ple mu
dar os trajos; o andar da dila negra he pisar
duro, o he desfartada, denles perfeilos, foi
vista na ribeira de Po-o'Alho : roga -se a
ap;irchenc8o da mesma oscrava.e sua cntre-
ro por ser muito fiel e nao ter vicio algum :
as Cinco Ponas n. 71.
Os Srs. Francisco Pedro, a I fe res da ci-
dade, Francisco Bringer de Almcida Cuedes,
c Innocencio da Cruz Cordeiro, por carida-
ga no dilo ongenho, ou nesta cidade na pra- ( djrilim.sc a0 Passeio Publico, loja n. 9,
ca do Comrnercio n. 6, a Manoel Ignacio do 1 paga,em 0 quedovem.
Oliveira. o abaixo assignado faz scinte ao illm.
Publicacoes llomeopathicas. [sr. administrador da mesa do consulado
A 25 DE ACOST sahir luz a continua- provincial quo deixoii de vender agurdente
hjla, a-Ooulri/i-i da Escola Homeopalhlea do nhora do Rozario da Boa-V.sla, laz scienlo
RIO DE JANEIRO, polo DR. MURE. Este vo- queem virtude do annnncio que sahioi.es-
umeToaugincnU lo da Theoria da appli- 1* Diario de n 151,, de 9 do corrente, fe.o
CacSo d." dotes pelo Dr. Mure, laeaoaim- palo 8r Alezandre Ferreira da Silva, sobro
norantissima deixad. por llahnema.n ao os dous bilhet^s inteiros1 de na. 1974 e 1980,
! seus discpulos. Reccbom-se da 3.' o 4." parte da 3.- loen, a favor das
asignaturas a 3,000 rs. pagos na OCCailJo| obr.S da igrej. acm.; advertc ao senhor
da entrega, no consultorio do prof borneo-
patita Gossct Bimoui, rua das Cruzes n. 28.
co pu
ae XrSKi oTn^unc^ldo-r ; assim orno se alugan, catiras em Q0 -^ ,
se cTuw'jWt.'do inimiz.de, que l'^vocasse ruade Santo Amaro
aoSr Res a intentar urna denuncia falsa I'*-**1?! '"~*i ""2
feomo se diz) contra o snnuuciaiitc, espa-|
Ibando de mais a mais ter o annuncianle
vendido o seu .stabelecimonto sito na rua
do Pillar em Fura de Portas n. 120 assim
como maisdius cscravos lulo da posso c
dominio do annuncianle; o Sr. Rodrigues
e muita gente sabe que o annuncianle n3o
fez venda de nada.e que esla como sempre
com a sua casa em gyroessnn o quo o a o-
nunciante foz foi urna sociedado com o Sr.
Jos Joaquim Conalves.cujo credo, fundo
ereputaQao,s3u publicse notorios, fican-
do desta maneira os fundos das duas casas
reunidos em maior oscala : e o Sr. Res qoo
tanto excesso fez para entrar nella n3o I01
admiltido pelos dous socios : esta he que be
a verdade, esta be que he a queixa e a in-
disposic3odo Sr. Reis contra o anuuneaii-
to, quo na verdade por algumas ingratidOes
praticadas pelo Sr. Reis contra a generosi-
dade do annunciante foram causa de ser ex-
cluido do sor socio. Agora para quo o com-
rnercio, principalmente com o annunciante
viva ligado e dependonle,fique cerlo do pro-
cedimentoa respailo dn annunciante; pelo
presente convida a todas as pessoas a quem
o nnuncianle possa dever.a apresenlar suas
cootas 110 seu eslab-lecimento na rua do Pil-
ar em F-a de Porta n. 120, ou na rua da
Cruz n. 53, a seu socio o Sr. Jos Joaquim
Concalves, para immedatament" sorem pa-
gas e sxtisfeitas. O mesmo Sr. Manoel l.uiz
dos Reis he convidado publicmienle a apro-
sentarasua conta de dove cha dehaver que
tem com o annunciante, ficando cerlo que
sondo justo o verdadeiro o resultado, a dif-
ferenca que houver lambem ser immc H-
lame,te paga. OSr. Reis seja franco o nao
uzo de iiccOas indiscretas, muito principal-
mente quaudo mo he capaz de provar legal*
mente. ..
Oabaizo assignado faz scionle ao Illm.
Sr. administrador do consulado provincial
quo deizou de vender desde o dia 31 de ju-
nho prximo passado, espirilos de produc-
cSo brasileira,na sua taberna sita na rua da
Aurora n. 48.Joaquim Raphael Jo Lima.
Rogase ao Sr. Leandro Cvale mil da
Silva CuimarScs, do Sibir.de passar na ca-
sa dn Pomaleau para fechar nm negocio que
elle bam sabe.
Passaportes
Tiracn-so passaporles para dentro a fora
do imperio, asaim como folhas corridas, o
ttulos de residencia, e despacham-se escra-
vos ; ludo com muita proinplidSo, e com-
modo preco : na rua estreita do Rozarlo so-
brado n. 28, seguudo andar. ....
O Sr. Jo3o Antonio Pereira Monleiro ,
tom urna carta vinda de Lisboa 1 na rua do
Trapiche, armazem n. 9.
Aren, Bananeiras, Igoarabira, Laga Nova,
l.agoi Grande, ltabaiana, Podras de Fogo, o
outros lujaros,quo oestes quatro dias parle:
a tratar na rua do Qu.'imado n. 16, loja de
miudezas.
Precisa-se de dous olTIciaes de charu-
teiros quesejam peifeitoa no seu trabalho ;
em fra de Portas, venda da JosGoocalves
Ctelo.
- Manoel Teizeira de Andrade fazscien-
te ao rospeitavel publico, que o Sr. Almlno
Cantidio Jos Machado deixou de ser seu
caizeiro desde o dia 7 do corrente mez.
Quem tiver urna carroca nova,ouem
bom estado que a queira vender, dirija-se a
rua Nova, casa n. 52, segundo andar, que l
achara com quem tratar.
~ Quem precisar de um fornoiro, dirija
se a rua larga do Rozario, ao p da policia
n. 19.
-- Precisarse de urna pessoa para tomar
conta de um taboleiro do fazendas para ven-
der, senioa pessoa mesmo quom carregue,
dando fiador que possa responder a todo
tempo : quem quizer fazer este negocio an-
nuncie a sua morada.
Precisa-se de 400,000 rs., a juros dan-
do-so por garanta um negro para lo lo servi-
co, flcando o servico do dito negro pelo ju-
ros ; quem convieresle negocio dirija-se a
rua larga do Rozario loja de miudezas n.
26, que se dir quem he.
Urna senhora portugueza com todas as
habilitacOes precisas para o ensiuo e educa-
ca$3o de meninas, oflerece-se para algum
collegio ou caaa particular,tanto nesta prega
com fora della, e promete no desempenho de
suas funcOes deixar salisfeilas aquollas pes-
soas que do seu prestimo se quizerom utili-
zar, dirigindo-se para isso a rua Nova 11. 8,
loja de Jos Joaquim Moreira & Companhia.
-- Arrenda-se um sitio na estrada do S.
Amaro, quem vai para Bolem, com muilo
boa casa, sotSo, estribara, casa para oscra-
vos, cosinha fora, com baslautes arvoredos'
como sejam Mangeira, cejueiros, pitombei-
T8S, en luciros o nutras u.iiiins frutas, assim
como baixa para capim, e para roga feijSo
etc. com muito boa agoa de beber, o banho
muito perlo: quem pretender, dirija-se a
rua do Nogueira sobrado n. 39, ou na rua da
Cruz n. 7, pnmeiro andar.
.- O abaixo assignado previno a quem
possa interessir, que os escravos, Sevenno e
Mari*, uu ,-".< Angola, que estfio em poder
do Sr. lente Jo3o Marinbo Cavalcauli de
Alhuquerque, perlencemao abaixo assigna-
do por compra que deiles lzera em 8 de ju-
nho p. p por conta de urna execugSo que
o mesmo abaixo assignado move contra o
mesmo Sr Marinho. Cumpre declarar ,
que ten lo o dito Sr. Marinho vendido os re-
fehdos escravos, por um abuso de confianca
licou com elles em seu poJer, pelo quo o
abaixo assignado protesta haver perdas e
damnos, dias da servigo etc., nao poupando
para isso acg3o da justiga civil e crimi-
nal.Jos Ignacio de Loyola.
Quem precisar de um cosinheiro hes-
panhol, tanto pera fogSo, como pora foroo,
0 que emende pe ledamente da sua arte, di-
rija-se a rua do Sol 11. 1, quo achara com
quem trtar : a Iverte-se que lambem se of-
fereco para embarquo a algum cepilSo de
navio, quo do seu prestimo precise.
Em 21 do passido mez le junho, tomou
posse judicial o abaixo assignado na quali-
dada de Diocurador dos testamente i ros e li-
quida tarios do finado Manoel Ribelro da Si Iva,
do Lisboa, do urna parte de rs. 700/000 na
casa de 2 anderos n. 9, na rua do Livrainen-
to, comprada a Francisco Jos Pacheco de
Medeiros, e esla mesma parte se vendo :
quem quizer tratar dirija-se ao dilo abaixo
assignado: na rua do Trapicho n. 13.Ma-
noel do Nascimento Pereira.
Precisa-se de um meslre ou oicstra, que
se ache habilitado a cnsinar francoz o msi-
ca, iiim engenho distante dosla praga no-
ve leguas ; annuncio para ser procura lo.
O Sr. Luiz l'ires ferreira ,
queira mandar, ou vir pagar, a
quantia de38,5oors. importan-
cia de 7 covados de panno verde ,
que comprou em 26 de marco de
i85i : na rua do Crespo, loja de
fazendas.
Pelo juizo do civel da p-imeira vara e
comrnercio, escrivSo Cunha, so lia de arre-
matar, lindos os das da lei, cm asa publi-
ca, a quem mais der, urna parto da casa ter-
rea, sita nosAlogados, na rua do Motoco-
lonib n. 19, por execugao do Jos da Silva
Moreira, contra Bento Correia de Oliveira e
Mello: quom nella pretender langar, ple
comparecer na sida das audiencias as II ho-
ras da manhaa, no da corto que sera an-
nunriadn.
liase de commissao de escravos.
Na rua Direita sobrado de 3
andares, defrontc do becco de S.
Pedro n. 3 recebem-sc escravos
de ambos os sexos, para sevende-
rem de commissao, nao te levan-
do por esse trabalho, mais do que
1 por cento, e sem se levar cousa
alguma de comedorias, ofl'erecen-
(lo se para isto toda a seguranca
precisa para os ditos escravos.
Prccisa-sc alugar urna prcta cscrava ,
que tenha bastante leile, para criar um me-
nino : quem tiver, dirija-so a rua do Cotu-
vello n. 57, ou Eiinunaio para aer procura.lo
J0B0 Baptista da Lagoa : vem a lis-
ta no primeiro vapor que chegar
do Rio de Janeiro.
Sentido! 39 A he ao p do Roiazio
de Santo Antonio.
Quem te mandou este doce.' Porguntava
em 'una mesa um hospeda a seu amigo: da
tantos amigos, anda nenhum me mandou,
que se compare com este, Ibe tornou o ami-
go, em abono da verdade que a ainda o sa-
boriai igual a este, comprado ao J. J. Man-
des da Silva n. 89 A da rua estreita do Ro-
zario ; amigo, satisfazei o appetite que este
l foi comprado ja tambero por me o terom
informado. Carissimos leitores.sendoo hos-
pede meu amigo,comniiiiiicou-mo o que re-
lato cima, e eu para que o respeilavel pu-
blico possa apreciar a boa qualidada e dar .
crdito a sinceridade com que Ibo fallo, os
convido a que venham antes que so acabe,
juntamente a muito acreditada bolacbinda
lo ararul,biscoitinhos,fatias, e outras mui-
tas qualidades, como sejam amendoas con-
feitadas na trra,bolinhos francezes e amen-
doaa finas de cores, tolo por commodo pre-
go, como he de costume no 39 A.
Vendem-se dous conclize urna carau-
na'muito mangos, que cantam na nulo: na
travessa da rua Bella, coebeira o. 2.
paduria
He urna pechincba.
Vende-se a dinheiro ou praso a padaria do
largo das Cinco Ponas n. 154,assim como se
d o necessario suppnmento do familias,se o
comprador dor a necessaria garanlia ; lam-
bem se arrenda : a tratar com J. J. Tasso J-
nior, na rua do Amorim n. 35.
Vendem-se vaccas paridas de bezerres
novos, boas de loite e livre de mal triste : a
ver o tratar do ajuste, no Afogado, sitio de
Theophilo de Souza Jardim.
Vendem-se na rua do Fagundes n. 11,
as segmntes obras:um piloto instruido,
orna laboa requisitas, urna taboadioba, um
bezout, um tratado completo da navegagao,
e um oitanto, ludo em bom uso.
Vende-se um casal descravoscreoulos
amia mogos, mui robustos, o macho en-
tende muito do servigo de engenho or se-
al carreiro ; c lambem entendo de carnicei-
ro, a mulher he muito proprix para o servir
go de campo : quem os proteoler comprar,
pode dirijir se a Fora do Portas, rua do Pi-
lar ; a ontender-sc com Feliz da Cunha Tei-
zeira
Na rua Nova, loja n. 2, atraz da matriz,
t"m um grande sorlimento de casacas do
panuos de cores quo s3o muito em conta.um
grande dito de coletea do vanas qualidedos
de fazendas, grande sortimento de caigas
de varias fazendas, um bello sortimento de
palitos do bonitos pannos, chapeos da ulti-
ma moda de Pars, grvalas, collahnhos,
peitos de merculina para camisa,' lengos de
sotim prtto, luvas, sapatos de lustro (rma
ingleza, dilos ruciana, um bom sorti-
mento de casemiras,e do pannos finos; ven-
dem-se barato a dinhoiro vista.
Attencao.
Vende-so um ezcellenteescravodenagSo,
muito robusto, com principio de sapateiro,
por commodo prego: na rua do S. Congallo
^*t*mwmmmw mtmmmmm
I & '|.oiKi rs.
'Vende-se panno (ino pre- |
) to verde e cor de cal, a
I 4,ooo rs. ocovado, panno
I este, que em sua qualidade |
vale 8,000 rs, tem um pello tt
muito fino, cor fixa prova V
jj de limo, e j esperimeuta- j
$3 do, venham os freguezes ver g
S e-comprar que encontra- j
ram a verdade : na mado I
Crespo, loja amarella n-4 j
I de Antonio Francisco Pe- j
b reir.
Vende-se agoardente de can-
na de superior qualidade, extrada
do caldo da canna, em garraf5es
de 3 caadas, muito proprios pa-
ra mimos para a Europa : na tra-
vessa da Madre de Dos n.^e .6.
Vende-se umcavallo de estribara com
todos os seus pertences, em bom uso, car-
regador baizo e mantoudo, por 80,000 rs. :
na rua do Livramooto n. 25, segundo andar.
O*V?fftVtW Vf fffffVfO
A 4>oo rs. o corte. J|
Vendem-se cortes delaa
para vestido de senhora,com
15 covados, de cores fizas e
desenhos muito modernos ,
fazenda mais barata do que
chita e demonstra duracjSo :
na rua do Crespo, loja ama-
relia n. 4 de A. F. Pe-
reira.
al
al
t
<1
'
Compras.
Aluga-se um negro ptimo (anoeiro ,
remador c proprio para qualquer servigo:
na rua do Ringeln 59, segundo andar. Na
mesma casa vende-se un; violSo do Jacaran-
da do excellcntos vozes.
Quem annur.ciou querar comprar um
caixao para depuzilo do padaria : dirija-se
rua do Rangcl 11. 59, segundo andar.
Quem precisar de urna ama para casa do
homem soltero. a qual faz todo o ssrvigo,
diriia-so a rua das Cruzes n. 18.
' ATTENCAO.
A pessoa qun tiver o testamento o co lici-
lio do fallecido Jo3o Paea Rarrelo Velho,
em modos quo faga f, o quizer negoca-
los ou dar urna CerlldSO venha uestes
tres dias ao patoo do tergo n. 9, quo achira
com quem tratar, ou annuncio para ser pro-
curado.
Aluga-se urna grando casa e sitio, com
todas as commodidados e com rio no fundo,
na povoagSu no Monteiro: a tratar com Joao
los de Carvalho Maraes, na rua da Cadeia
do Recife.
A pessoa que annunciou querer com-
prar um ou dous caixoes, para deposito:
dirija-so a rua Nova, venda n. 50.
quelicuu-so com os bilheles qoe os venha
pagar ou traze-los. em caaa do thesourei-
ro, na rua Direita, sobrado n. 18, pnmeiro
andar, ou na casa da Fortuna, rua Oirata
n 7, senaoquer ver seu nomo 'Ublicado
nesta folha, licando cerlo qu-i pessoa algu-
ma tem direilo ao premio que tiver de sabir
nos bilheles,s se os pagar em tempo, o que
obriga-sc a fazei aviso.
OlTerece-se um rapaz poituguez para
caixeiro de venda, ou outro qualquer esta-
belecimenlo, para lomar conta por balan-
go ou sem elle, para o quo tem bastante
pratica ; quem de seu prestimo se quizer
utilisar, dirjja-se pracinha n. 10, das 10
as 3 da tardo.
Di'scja-se alugar um sitio com bastan-
tes commodos, pora urna familia estrangei-
ra, nos lugares da Soledade, Mondego ou
Manguinho : quem o tivrr dirija-so a tratar
na fundigSo do ferro da ruado Rrum.
-- A pessoa que annunciou no Diario de
9 do corrente, precisar de um caizeiro bra-
sileiro para um deposito, na rua de Sania
Rita, dirija-so a rua do Rangul n. 36, segn
do andar, 011 aiinuncie a sua morada para
ser procurado.
lima pessoa mui habilitada para cobran-
tes se olferece para cobrar para o Urojo de
"fT?
-- Compra-se urna escrava prota ou parda
us seja porita engonjmadeira o coslnheira,
inda que seja de 40 annos de i Jade, n3o se
olha a prego : quem tiver aonuneie.
Compra-so um preto quo seja forte, c
que nao tenha vicios nem achaques, para
servigo do casa : na rua do Amorim 11. 25.
Compra-se urna piola, quo tonha bo-
nita figura, e quo saiha engommar e cosi-
nhar, o nSo tenha vicios nem achaques : na
ruado Amorim n. 25.
Coaipram-se duas crooulas ou pardas,
de boas figuras.com habilitadas; pagam-
se bem : na rua da Cruz n 40.
Na rua da Sonzalla Velha, defronte do
Sr. Mirtins, pintor, compram-so todas as
qualidades de ferros velhos e metaes do to-
das as qualidades, assim como ourelos de
pannos unos, casimiras e todas as quali-
dades do mulambos, quo sorvirem para fa-
zer papel; assim como cabos velaos, lo-
nas, ect.
-- Compram-se escravos do ambos os sa-
xos, de bonitas figuras, de 10 a 25 anuos,
tanto para a provincia como para fora, pa-
gam-se bem : na rua da Cacimba n. II, on-
de momu o finado vigario do llocife.
Vendas.
Lotera do ttio de Janeiro.
aos 20:000,000 de rs.
Na loja de miudezas da praca da
Independencia 11. 4 vendem-se
meios billietes, quartos, oitavos e
vigsimos, da quarta lotera para
coaclusio da igreja matriz de S.
Vonde-se urna taberna com poucos
fundos, sita na estrada nova da Soledade ,
que vai para o Manguinho: a tratar com J.
J. Tasso Juoior, na rua do Amorim n. 35.
- Vende-so urna prcta de nagSo, de 28
annos de idade, sabe cozinhar o engommar;
na rua do Rangel, loja da cora n. I.
Bapi
Vende-se rap de Lisboa a 40 rs. 11 oitava
0 3 oitavas por 100 rs.: na rua da Cadeia do
Recife n 15. '
Vendem-se, na rua do Lrespo ,
loja amarella n. 4 de Antonio
Francisco Pereira,
chapeos do Chvle, os mais finos que tem
vindo a este mercado, tanlo para homem ,
como para senhora andarem a cavallo.
* Vendem-sc boticas horneo- w
U pallucas de 3o medicamen- a
;* tos, a ao.ooo rs., c a quarta
! edicejio da pratica elementar *,
2 em 1 volumes, vindo-* do Rio '
* de Janeiro, da botica cen-
1 tral, da rua de S. Jos n.
5) declarando que sao as
% verdadeiras boticas bonico- >>
I pallucas: na rua do Crespo, 9
1 loja amarella n. 4- ______
,*T:^'^^:...^esdeVra,a,
ara lanternas, os quaes servem igua mente
!e paliteiro: ni rn. da C.de.a do Recife nu-
"""ve'nde-se um burro muito manso, gor-
do e novo, por prego muito commodo : na
coebeira da rua da Florentina.
T-
\
.'.'


.<~-
OT
^('IDDEDKPXlLS.

Kua do Collegio n. 4
J. Flq tic, dono da faiii i.'h ecima mencio-
nidi, participa ao respeilavel publico de
Pernambuco, e principalmente a seus fre-
guezes, que elle recebeu pelos ltimos na-
vios, vindos da Franca, um grande e rico
sortimento dos molhores chapeos de sol de
seda, que tem vindo a esta praga, proprios
paraa estagSo do invern, e para sonhoros
doengenho, por seren muito lories ; sor-
tmenlo de chapeos de sol de seda dedilfe-
rentesqualidades de 5,000 rs. para cima,
lindo sortimento do chapeos de sol de soda
para senhoras, de todos os feitios e tama-
itos, que vende muito em conta ; ditos de
panno para meninos de 1,500 a 3,000 rs.; di-
tos para iiomeni, de ferro e de balea 'de
-.Vino rs. para cima ; ditos de junco de 1,500
rs. para cima; grande e cscolhido sortimen-
to de chamalotes, sedas 3 pannos empega,
para cobrir armages servidas, baleias de
todas as larguras o tamaitos, para vestidos
e cspartilhos para senhora ; fazem-se um-
bellas para Igreja; concerta-se toda e qual-
quer qualidado de chapos do sol, tudo por
muito menos prego do quo cm oulra qual-
quer parte. Vende-se em porgSo o a reta-
Iho. No mesmo eslabelecimento acha-se
um bonito aortimoDlo de bengalas.
3,000.
Veodem-se cortes de linos trancados cs-
curos do puro linho a ,000 rs., dilo de pule
do diabo a 900 ou 240 rs. o covado, curtes
do camhraia de salpicos do cores o brancos
com sete varas a 4,500 rs. o corlo, e 720 rs.
a vara : na ra do Crespo, loja n. 6.
-- Vende-sc um carro de mSo, novo, por
pie^o commodo : ua ra do Rozario da Boa
Vista n. 2.
Na rui das Cruzes n. 22, segundo an-
dar vende-sc duasescravascreoula.'.eom al-
gumas haboliilades, do bonitas liguras de 18
a 22 anuos, e urna dita da costa boa figura
veodedeira de fazenda e oplima quitan-
deira.
Moinhos de vento;
com bombas de repuxo para rograr horlas
e baixasdecaplm na tundizno de I>. W. Bow-
man: na ra do Brum ns.C, 8 o 10.
CHA PRETp
Vende-se superior cha preto,
em caixas de 3o libras cada uma :
em casa de J. J. Tasso Jnior, na
ra do Amorim n. 35.
o.
AKAOS AMERICANOS.
Vendem-se arados ame-
f
ricanos, chegados dosEsta-
Vendcm-sc relogios de ou-
la Senzalla Nova n. .'a.
Deposito de panno de algodao da
febrica Todo os Santos do Ba-
nhia.
Vende-se por preco commodo
o Lem conhecido panno de algo-
d5o desta fabrica ; em pessa, a
vontade do comprador: no escrip-
torio de NovaesJk Companhia, na
ra do Trapiche n. 34.
Arados de ferro.
Na fundigSo da Aurora, em S. Amaro,
vendem-se aradosde ferrode diversos mo-
delos.
Mociulns superiores.
Na fundigSo deC. Starr& Companhia,
em S.-Amaro, acham-sc venda moendas
de canna, todas deferro. o um modeloe
construego muitosuperior
~ Vendem-se as seguintes semenies:
nabos,rbanos,rebneles encarnados e bran-
cos, sobla, couve trinxuda al face ala-
ma, repulhuda,chicoria, senoulas, feijo
carrapato de tres qualidades, ervilha loria e
direita, fava, coenlro de touceia, salga, to-
mates grandes, repolho, couve lombarda,
saboia, e mastarda : na ra da Cruz n. 46,
defronte do Sr. doutor Cosme.
A a4 TS' o covado.
Defronte do becco do Peixe-l'rito, loja n.
3, vende-se cassa chita, cores fixas, du lin-
dos padres, pelo barato prego de doze vin-
tens o covado; bem como chitas baratas doposito para sale barris de'azeitedoearra-
o mitras fazendas mus. |pato vazios, ludo por prego commodo: ni
A 380 rs. O covado ra da Senzalla velha venda n. 15.
Defronte do bocio do Peixe-Frito, loja n. Espclhos por pouco dinheiro.
3, venJe-se slpeca do algodao pelo baralo ; Nl ru, ja Cruz n. 20, casa de Avriil Ir-
prego do quatorze vinteos o covado; esta mjos Companhia vendem-se ptimos cs-
fazenda lorna-so recommendavel nSo s peltio, com moldura, e sem olla, chegados
para vestidos de senhora, como lamben] lll|[m,imclll da Franca, por prego djmi-
para palitos e casacas de homem. nulo.
Farinha de mandioca a i,6oo rs. a
sacca.
Mercurio.
Vende-se mercurio de primeira sorb: em
casa de Augusto C. de breu: na ra da
Cadeiado lleclfe n, 48.
Sortirucntos de panos finos eca-e-
miras de todas as qualidades.
Na ra fo Crespo loja da esquina quevel-
ta para a cadeia,vende-se panos finos pelos
a 9,800, 3,200, 3,500, 4,000, 5,000 rs., e Iran-
cez minio superior a 6,000 rs., o covado, di-
to vorde a 2,800 rs. dito a:ul a 2,880,3 500,
4,000 o covado, cortes de caiga de rase nira
prela enfestado a 5,000 e 6,000 rs., dita Iran-
ceza elstica a 8,000, 9,000 e 10,000 o carie,
e outras muitas (zondas por prego com-
modo.
Cortes de brim de puro linho.
Na ra do Crespo loja da esquius qiif vol-
t para a cadeia, vende-se corles de calja de
brim de quadros, e lislras de puro liilma
1,280 e 2,000 rs., dilo inteiro pardo a !H80e
2,000 rs. o corle, rascado do linbo do lislra
720 rs. o corle.
Com toque de mofo.
Na ra do Crespo loja da esquina que vol
ta para a cadeia_,vende-sc chitas escura* com
pequenu toque de mofo a 5.500 rs. a peia,e o
covado a 160 rs. 1
Camhraias de salpico bronco e de
cor, lencos de cambraia de
linho.
Na ra do Crespo loja da esquina que vol-
la para acadeia, vende-se corles de camtraia
de salpico braoco a 4,000 rs., dilo do cora
4,500 rs., lengos de cambraia de linho a 500
e 600 rs. cada um.
Vende-se uns canteiros para pipas e um
4
Marmefada nova. Cha de superior qnalidade.
Na ra da Cruz n, 57, vendo-so rurmela- j Vendo-re na livraria do pateo'do Collogio
da, nova do Rio do Janeiro, o de Lisboa da [ n. 6, de J080 da Costa Dourado.
melhor qualidade que tem vlndoa esle mcr- Vende-se superiores batatas 800 ri. a
cario. f arroba no armasem do Dias Ferreira defron-
No Hotel Recife, ra do Trapicho n. 5, te da eseadinha da alfanJega.
vende-se farinha do mandioca por 2,000 rs. 1 -- VenJe-se superior bolaxinha de araru
a sacca, he muito nova e de boa qnalidade! ta, erva-doce etc. 1,500 rs. a lata, farinha
Vellas de carnauba J,e n>,>ca 2 00 : nu armasen
Feitascom toda a porfeigSo cuja luz tivali- C
Boticas homeopathicasde 30mcdicamen
tos,a 20,000 rs.,3. e 4. eddicglo da pralica e-
Icmentar, em 2 volumos, vindas do Rio de
Janeiro da botica ccotral da ra de S. Jos
n. 59,declarando que sSo as verddeiras bo-
ticas homoopathicas: na ra do Crespo loja
amarella o. 1.
nligo deposito de rap princeza
de Gasse do Rio de Janeiro ,
grosso, meio grosso e fino na
ra da Cruz do Recife n. 2.3.
No armazem de 1.1. Tasso Jnior na ua
do Amorim n. 35.
Vendem-se esteiras de palha de carnau-
ba, regulares e grandes, da 2 varas de cotn-
primento; chapeos de palha a 8,000 rs. o
cento; pelles de cabra a 20,000 rs. occo-
to, chegados agora do Aracaly : na ra Ja
Cadeia do Recife n. 49, segundo andar.
Chpeos do Chily.
Vendem-se chapeos do Chily, pequeos a
de
de
f)eos
sacom onspermacclc.vendom-seem caixas
de uma arroba ou om porges menores : na
ra da Cruz n. 34.
Sapa tos .'
Acabam do chegar do Aracati os mais
apreciavcis sapatos de couro branco. O
orte cabedal de que sSo feito<,a balida sola,
e a moderna 'orma os confunden) depois de
engraxadoscoma bel graxa delata deSas
S. Masn, com o calgado melhor da Europa,
ellos se vendan) a 800 rs. o par, o a raza a
120 rs. a lata, ora bem.isto choga a lodos; o
recommendar a compra desle caigado reito
no paiz ho duvidar da protecgilo que se lem
desenvolvido a industria nacional; heporis
so que se avisa a quem os quizer va na ra
ra larga do Rozario loja n. 35.
Na livraria da ra do Crespo n. 1 Ivon-,
dem-se os Misterios de Pars, composlo por
Mr. Eugf ne-Sue, 8 tomos, encadernados em
4 ditos por 10,000 rs., poesas de Fclinlo Eli-
zeo.ll volumes, por 15,000 rs poesas de.
Elplno, 3 volumes, por 4,000 rs., obras de, tender dinja-se a ruadas Larangeiras, so-
na travessa da Madre
n. 5.
Vende-se uma negra da Costa, muito
boa lavadeira, quo represonta 40 annos de
idade, de muito boa conducta : as Cinco
Pontas n. 112.
Vende-so uma vacca muito boa de lei-
to, panda de pouco lempo : na ra Formo-
sa, na quarla casa terrea.
Vende-se um preto, que trabalha em
pariaria, ou sitio t na ra larga do Rozario ,
loja n. 35.
-- Vende-se um caldeiro de cobro, em
bom estado, proprio para engenho : na ra
da Cadeia do Rocife o. 43*.
Vendem-se 3 caixOes grandos para de-
posito, sendo um delles todo eirvidracado;
1 balcSo, I balansa grande e 3 arrobas e 16
libras do pezos, lulo por prego commodo:
na ra Nova, venda n. 50.
Vende-se o engenho Po-Ssngue, sito
na comarca do Rio-Formoso, a margem do
Rio Sorinhaem, raoente e correte, de gran-
de produego, o boas matas 1 quem o pre-
l'rcnsas para farinha.
Ha fundicSo da Aurora em San-
to Amato, eno depozito da mesm
na entrada di ra do Brttm a.
. |cham-se venda machinas pan
imprensar farinha de mandioca c
outras nara espressSo dooriiode
mamona, de uma invencSo intei-
ramente nova. Os annunciantcs
nao licsitnm em publicar, que es-
tas machinas de sua nvciuao sao
superiores a tudo, quanto at aqu
tem apparecido neste genero, re-
unindo agrande frca depresso
a maior simplicidadc de construc.
9o, e facilidade na opera^ao, o
que faz com que.diflicilmcntc se
possam desarranjar.
Escravos futidos.
Viuva l'ereira da C unha, encar- 2,500, e 3,000 rs. na loja de chapeos da Pin-
. .. __.[__ira da Independencia, loja de Joaquim de
regada deste deposito scientifica |oii-eir Maia.
^. dos Unidos, pelo barato pre-
co de 4000 rs- cada um^na 1
4, rua do lrapiche n. 8. ^
Vende-se uma escrava com liabilidades
de bonita ligura, ede boa conducta, creoula:
ua rua do Uucimado 11. 52, primeiro andar.
t'urinha de trigo
SSSF.
1'ontana.
[So armazem de J. J. Tasso J-
nior, na rua do Amorim n. 35.
Deposito de cal e potassa-;
No armazem da rua da Cadeia
do Recife n. 12, ha muitosupe-
rior cal de Lisboa, empedra, as-
sim como potissa ebegada ultirua-
mentc, a precos muito rasoaveis.
Armazem de vinhos.
Na rua da Senzalla Velha n. 48,
vendem-se vinhos de Lisboa e Fi-
gucira, dos mais superiores que ha
no mercado pelo diminuto preco
de 200 e 240 rs. a garrafa, e i,5oo
a 1,800 rs. a caada :. para confir-
aos consumidores deste rap, que
para melhor serem servidos seus
pedidos, tem estabelecido ser pr-
vido o deposito mcnsalmcnte com
remessas eitas pelos vapores da
carreira, c assim poderao seus fre-
guezes ter rap muito lresco, cir-
cunstancia a mais escencial sup-
piido pois regularmente este de-
posito com rap as-im fresco, he
para afirmar que esta boa pitada
se lomar recommendavel a todos
OS tomantes : OS precos sao OS de I para senhoras o meninos, de todas asquali-
mii nrincinioestabelccidosde liBo\itn' chapeos de castor do diffcrentes co-
sen principio CBiaucicciuuB ucaou ires para B,oniDOSO meniiias, com effeites e
rs.
e 1
Do Chile e de Itelia.
Completo sortimonto de chapeos do Chil-
lis melliores em alvura e durago que ten
vindo ao mercado, e porpregos muito ra-
zoaveis, ditos de Italia para homensese-
nhoi.is, sendo estes ltimos optimamenla
apparelhados: na loja o fabrica do chapcot
da praga da Independencia ns. 24, 26, c 28.
A 10,000 rs.
Ven jem-se chapeos do Chily, muito finos
e j aparelnadus, a 10,000 rs : ua Praga dj
Independencia ns. 21, 26, e 28.
A Amazona.
Chapeos do seda para as senhoras passoa-
rem a cavallo.e mesmo.a 16, de nova moja,
e muito bem onfeitados, houets iio panno
rs., as duas primeiras qualidades Uem clles, tudo por prego muito commodo;
! OOO rs. a ultima, sendo de 5 li- na loja e fabrica do chapeos da praga da ln-
J dependencia ns. 24,26 o 28.
Inas para cima
Vende-se cal virgemem pe-
dra, cabe?a de cameiro ; no ar-
mazem de assucar da Viuva l'e-
reira daCunha, na rua da Cruz do
Recife n. a3.
-- Vende-
cote, ambos
Para debruar palitos.
Fitas de superior qualidado, o dilTorentes
padrdes, e larguras por mdico prego na lo-
ja c fabrica de chapeos da praga da Indepen-
dencia ns. 24, 26, o 28,
l)c castor finos.
Superiores chapeos do castor branco de
'-seuma negra moga e um mole- tora.as modernas, e muito leves, a 10,00.)
os creoulos, do mato, e proprios I-, su;.inores e modernos chapeos de ndl
para'qualquerservigo: na rua da Cadea do lrrncezes, a 6,400 rs., na loja e fabrica da
aceito n. 24, primeiro andar. Ichapeos da praca da Independencia ns. 21,
OepoMilo Santos mi Hnliin. Ve castor a G,000 rs.
Vcndc-se.emcasa dcN. O. Iliebor & C., Chapeos do castor brancos inglozes, de bo-
na rua da Cruz 11. 4, algodSo transado da- IniUl formas, a 6,000 rs na loja c fabrica ile
quellafabrica,muitopropriopara saccosde chapeos da praga da Independencia ns. 24,
assucar eroupa deescravos.porprogocom- 26, e 28,
moa';i Oleados para mezas.
- Na rua do Crespo, loja n. 5, vendeni- | VpndMB o|oado r do mu.(o bon|_
Mrquez d Pombal, 4 volumes, por 3,000
rs., Higiene arle de prolongar a vida, 2 vo-
lumos, por 1,600 rs., as fadas, 2 volumes,
por 1,600 rs as ruinas sobre as revolugOes
dos imperios por Volney.por 1,000 rs., obras
de S de Miranda, 2 tonos, por 1,600 rs.,
Historia Clironologica desde a poca da re-
volugSo franceza at depois da rejzeneragffo
portugueza, 9 volumes, por 6,000 rs ins-
litutiones theologirac ni usum seminario-
rumaulhoreGaspare Juenin, 7 volumes,por
5,000 rs.,euclides compeiiilio^.OOO rs.,a re-
volugSo do 17,1,000, Virgilio., 3,000 rs., Ho-
racio, 2,000 rs a revolla praieira, 1,600 rs.,
Historia do Brasil, 1,0(0 rs., philosophia de
Cousin encadernada, 3,000rs: e varios ou-
Iros livros de dircilo para aulas e recroio
das oras vagas; cartas portugnezas o fran-
cezas selladas.
Vende seuma taberna naiuadosPes-
cadores n. 38, defronte do forte das Cioco
Pontas, muito afreguezada para a trra.
-- Vendem-se bengalas de legitima can-
na da India, do difTorcnles grossuras a
1,200 rs. cada uma, cundegas du grandes e
pequeos tamaitos, por prego muito ra-
zoiveis : na rua larga do Rozar-o n. 44, loja
de miudezas.
Na loja das seis portas
Tem bonels de viludillio pintados.quo troca
por uma pi laca ; s os aprecia quem quer
oslar a fresca em casa.
Sapotis .
Vendem-se para serem embarcados 011 pa-
ra amadurocerem em casa, ptimos e gran-
des sapolis a 1,600 o cento ; na taberna do
IcSo de ouro no Hospicio.
Vende-se uma oscrava, creoula.que sa-
be lavar desabao ede varrella, he muito
sadia o propria para o servigo do campo ;
na rua da Cruz do Recife 11. 50, segundo an-
dar.
-- Vendo-sc uma morada do casa na po-
foaco dos Afogados, rua do Motocolomh,
fcila a moderna, com tijollo o cal.'o por com-
modo preco; quem a pretender dirija-se a
rua Imperial n. 31.
Vinlio do Porlo, superior
feitoria,
vende-se pelo bratro preco do 40,000 rs. ca-
da barril, tara concluir a coula : no arma-
zem de Barroca & Castro, na rua da Madre
de Dos n. 26.
Vtterro da Ra-Visla, loja ama-
rella de quatro portas, n. 60.
Vondom-se lencinhos do chita, lindos pa-
drees, com figuras, a 70 rs.; riscadinho para
todo sorvigo, encorpados, o covado a 140
mar d-se a provar, c para verd-jgosto
m' rnrlna .!
elle }
se a beber ; he baratinho, a
freguezes que he bom vinho.
Deposito de cal virgem.
Cunha & Amorim, na ruada Cadeiado
Roe 1 le, n. 50, vende-se barris com supe-
rior cal em pedra, chegada pelo ultimo
navio de Lisboa, por menos prego do que
em oulra qualqucr parle.
l'otassa americana.
No antigo deposito da cadeia velha, n.
12 existe uma pequea porgo de potassa
americana, chegada rcconlemente que por
superior rival i-a com adaitussia: vende-
se por prego razoavel.
Agencia de Edwin Maw.
Na rua rtc Apollo n. 6,armazeui de Me. Cal-
montar Companhia, acha-ae conalanlcmeule
boas aorlinienios de taixa de ferro coado e
batido, tanto rasa como fundas, inoendas lu-
cirs todas de ferro para aniuiaes, agoa, etc ,
ditas para armar cui madeira de todos os ta-
nianhos e inadellos o mais moderno, machina
borisoolal para vapor, com torca de -i caval-
loi, coucoa, paasadeiras de ferro catauhado
para caaa de pulgar, por menos preco que os
decobre, escovens para navios, ferro inglez
lautocm harrascouio em ircosfollias, eludo
por barato Dreco.*
* farinha de mandioca J
S Vende-se, por prego rasoavcl, la- ^
a, rinha de S. Matheus a mais nova ^=
%p, que existe tiesto mercado : na rita ^s
ja. da Cruz u. 34, detronto da I ingocta. <
AGLiMJlA
da futid ico Low-Mooi-.
RUA 0A SENZALLA NOVA .N. 42.
Neste cstabeleeimento conti-
aa a ha ver um completo sorti-
mento de moendas o meias moen-
das para engenho, machinas de
vapor, e taixas de ferro batido e
coado, de todos os tamaitos, pa-
ra dito.
A 120 rs. cada um.
Na rua do Queimado 11. 3, defronte do
becco do Petxe-Krito, vende-se lencinhos
de cambraia pintados, para tniios de senho-
ras, pelo liaratissimo prego de seis vinteos
cada um.
--Vendem-se os verdadeiros selins in-
glezes, patente, de molla e sem ella : na
rua da Senzalla Nova n. 42.
Vende-se mamullada nova, vinda l-
timamente de Lisboa : na rua da Cruz n.
46, del -i.iii'-.'do Sr. l>r. Cosme. I
L
^oVUnTa1.8; Sirtm 'n,%r^ra loj"e rabrica d c"apcos, "'
Vondem-se lonas, brinzSo, btins, e
meias lonas da Russia ; no armazem de N.
O. I!iebcr| & Companhia, na rua da Cruz
n.4.
Algodo para roupa de escravos.
Vende-se algo d3o muito encorpado, pro-
prio para roupa de escravus, com pequeo
toque de avaria, a 140 rs. a jarda; dilo
limpoa 180 rs. : na rua do Crespo n. 5.
Vendem-se remos de faia ,
oleo de linha^a em botijas, harn-
eas com cimento eos tinas, vnde-
se o vontade dos compradores e
por procos commodos : no arma-
ztm de taboas depinho, atrs do
tbeatro velho.
Militas lazendas por pouco dinhei-
ro na rua do Crespo n. 6.
Cortes do brim escuro do puro linho a
1,440 rs., ditos de listra de bom gosto a 2,000
rs., dito amarclloa 1,800 rs. riscado do li-
nho proprio para cagase palitos a 180 rs. o
covado, panno lino preto a 3,0004,000rs. o
covado,pessas de chitas escurascom 38 co-
vados a 4,500,5,000 e 5,500 rs., cambraia de
flores com 8112 varas a 2,400 o 3500 rs. a pes-
sa, lengos de cambraia de linho a 400, 480,
e 560 rs. proprios para mflo, riscados assen-
tados cm algodflo muiloencorpado proprios
para escravos a 160,180 o 200 rs. o covado,
zuarte azul com 4 palmos a 200 rs. o cova-
do, e muitas mais fazendas por prego com-
modo da loja cima referida.
~ Vendem-so amarresdeferro: ns "ta da
Senzalla tvova n. 42.
Vende-se farinha de mandioca, muito
boa o nova, a 1,600 rs. a sicca : na rua da
Madre de Dos, venda de dmenlo da Silva
Lima.
Tahas para engenhos
Na fundicSo de Ierro de D.
\\ Rowman na rua do Brum,
pssando o cbafariz contina a
haver um completo sortimento
de taixas de ferro fundido c ba-
tido, de 3 a 8 palmos de bocea ,
as quaes acham-se a venda por
preco commodo e com prompti-
dao, emba cu 111 se, ou carregam-
se em carros, sem despezas ao com-
prador.
24, 26, e 28
Servejasupeiina.
Vendem-se cm barricas de 3 duzias, mui-
llo propria para miaios, pela sua apreciavel
Iqualidadc, que bem pode rivalisar com o mo-
jlhor Champsgno quo vorn 11 este mercado :
,na travessa da Madre do lieos ns. 4 e 6, ur-
imazom pintado decr.
Attencaoa pccliinclia.
Na rua do Collegio, loja n l,vondem-so
as superiores batatas de Lisboa, pelo bara-
tissimo proco de SOris a libra, cm porgfo
de 8 libras para cima.
Rap l'aulo Cordeiro.
Na rua da Cruz n.57, vende-sc o vorda-
deiro rape Paulo Cordeiro viajado do Rio do
Janoiro, ao I'ar a 1,440 rs. a libra.
Vendc-seum cscravo, crcoulo, de ida-
de 28 anuos, o qual cntende do canociro e
de embarcadigo, o mesmo prefe.ro ser ven-
dido para o mister de embarcadigo : na rua
do Trapiche Novo n. 4.
Vendem-se 2 alambiques de
caraptica e novos, por metade do
valor, porque ordinariamente se
vendem : na rua Nova, loja de fu-
mili o o. 38.
Vende-se um escravo crcoulo, bonita
ligura, de todo'scrvigo, por ser do muita ha-
liili lade, o lie carreiro: ns quarta casa ter-
rea, da rua Formoza.
Toda altencaoao barateiro !!
Kua do Crespo 11. 14, loja de Jos
Francisco Dias
ICxislo um delicado sortimento de finissi-
simas chitas do cores com salpicos, os mais
lindos gostos que tem vindo ao mercado a
210 rs. o covado, ditas cores de vinho e caf,
muito ni 1 iiiliolas de novosdesonlios e cores
mu 1I0 fixas a 200 rs. o covado, ditas de dif-
ferentes qualidades a 160 rs. o covado, llnis-
simas alpakas de todas bs cores a 640 rs. o
covado, ditas com fios de seda o de novas
cores a 1,000 rs., ditas pelas com llores
nu liio.l.1 1 .,,.',1.1 ". do soda a 1,100 rs. o
covado, cortes de casomirasdo lilaealgodSo
de lindos goslos a 1,600 rs. orrtc, os mais
superiores bnns de puro linho e de riquis-
simas cores a 1,280 rs a vara, lirins de puro
a 200 rs., dulas muito linas o modernas, o
corado a 200 e 240 rs., e ordinarias a 160 rs.
madapolo para forro, com avaria, a 2,000
rs., riscadinhos francezes, muito finos e
largos, a 280 rs. o covado; o outras muitas
fazendas por prego commodo.
Na luja das seis portas
vondem-se manteletes de fil pretos.a 4,000
rs. ; barretinas do palhinha franceza a 1,000
rs., e bordadas a 3,000 rs. j
Panno preto lino a 2,5oo rs.
o covado.
Vende-fe panno preto lino, ai
brado 11 5, das 6 as 9 horas da maohSa, e
das 3 as 6 da tarde
-- Vendem-se oito escravos,sendo um del-
les bom carreiro, um dito carpina, duas es-
cravas mogas com algumas habilidades; na
rua Direita o. 3.
-- Vendem-se novas gassas chitas de lin-
dos gostos a 2,240 rs. o corlo, cassa de qua-
dros lina a 280 rs. a vara: na rua do Crespo,
loja da esquina que volta para a Cadeia.
Vende-se um palito de pao fino sem
ser servido: nos llamo Baixosn. 1.
Vende-se para fora da provincia, um
ptimo ollicial de allante, creoulo do 24 a
26 annos, e de boa figura proprio pfra pa-
gom -. na loja das seis portas defronte do
Livramenlo.
liorta e jardim.
Vendem-se semeotes muito novas, de to-
das as qualidades,tanlo para horla como pa-
ra jardim ; na loja de ferragensde Antonio
Joaquim Vidal, na rua da Cadeia do Recife
n. 56 A.
Tesouras para tirar fruclas.
Vendem-se tesouras para tirar fruclas e
podar flores, muito hoas.chegadas ha pouco
de Inglaterra, ludo por baratissimo prego:na
loja de ferragens do Antonio Joaquim Vidal,
na rua da Cadeia do Recife n. 56 A.
Paquete ingloz.
Vende-se papel paquete paulado e sem ser
paulado, proprio para escrever para a Euro-
pa, alim de poupar menos dinheiro no por-
te; na loja de ferragens de Antonio Joaquim
Vidal, na rua da Cadeia do Recife ti. 56 A.
Vende-se uma grande por-
cao de ardiles, de superior qua-
lidade e por prSCO muito commo-
do, na rua do lirum n. 28.
-- Vondem-so batatas de Lisboa, a 1,000
rs. a arroba : na rua da Cadeia do Recife,
venda n. 25.
-- Vende-so um selim inglez, com pouco
uso : na rua do Queimado, sogunda loja nu-
mero 18.
No Posseio Publico n. 17, loja de
portas.
Vendem-so chales de lilao soda o melhor
que se tem visto neste mercado pelo barato
prego de 3,200 rs.; ditos de lita a 1,000 rs.;
ditos do tarlatana a 1,000 rs., cortes de cas-
sa-cbtla, bonitos padres, a 1,800 rs.; chi-
tas para cobertas, cores fixas e bonitos pa-
dres a 200 rs., o covado; ditas para ves-
tido a 160 e 200 rs. o covado ; meias
cruas americanas para homem duzia
2,200 rs., par9001?. ; brim de linho pro-
prio para palitos, a 240, e300rs., o cova-
a800rs.;
com hico em
uitas fazen-
Anti-fleumatico,
Pelo Sr. Dr. Cuillie, medico da facuXide
do l'.ins, Miembro de varias sociedades
medicas, assim nacionaes como estran-
geiras, cavalheiro da real ordoia da Le-
gio de Honra &'c.
lu pon, pharmaceutico, em Paris,
rua Tiquetonne n.* 14. )
O nico deposito vordadoiro deste elixir
he eslabelecido pelo mesmo aulor na botica
do Sr. Jos da Rocha l'aranhos, rua Direita
n. 88, om Pernambuco.
O elixir anti-fleugmalico he esscncial-
!,5oo
rs. o covado : na loja de
Flores & Sa, na rua da Cadeia do
Hccife.
-- Vende-so uma parda moca, bom pare-
cida e multo -ada, perfeita cnslureira, cor-
ta vestidos, sabe ornar urna senhora, engom-
ma bem, lava, cozinha, o est certa em to-
do o arranjo e aceio de uma casa : o motivo
por queso vendo so dir ao comprador: na
Solelado, silio dos quatro lees, a qual-
quer hora dodia
Vendem-se saccas com farinha da man-
dioca, ebegada doCeari, a i,600rs., e em
lotes de 10 saccas a 1,500 rs. ; no armazem
de Covea 6 Illas, defronte da "scadinlia da
alfandega.
Troca-se por quarlos ou ven-
do-so um bonito cavallo rodado,
anda poltro, muito proprio para
um cabriolet; na rua da Guia,
cocheira de Joaquim Paos l'ereira da Sil-
va, n. 13. ou na rua da Cruz n. 34.
para quem se qtiizer eslabelecer
Vende-se a a'inago do uma fabrica de
charutos,propria para qualqucr negocio, no
becco da Lingoeta n 6 : a tratar na mesma.
Nu deposito da fabrica de bebidas espi-
mente tnico, reanima o principio vital e
da torca es filfas, destaca os humores vis-
cosos, os precipita em baixo, aviva o ape-
tito e fortifica o estomago.
PJc-sc administrar na maislenra infan-
cia como na velhice; nada he mais doce
que o seu cfTeito: funde, dissnlve os hu-
mores elhes d sabida sem alguna agita-
go, sem suspender as oceupages, nom
mudaros hbitos so pode lomar deste cfli-
cazmente uma colher dcmanhSa em jejum,
particulaimente no invern o nos lempos
hmidos.
Os asthmaticos, gotosos, hydropicos,
aquellos cuja fibra ho moli, ficam satis-
fcitos do seu uso; bem como os quo sof
frem dcllluxao catarral do peito, azedomes
do cMomago, syncopes e palpilages do
corago, clica, etnpingens, catarro da he-
xtga, apoplexia cirrosa, rlieumatismo, flu-
Xos alvos, doengas do leile as senhoras,
indigestSo, vermes intestinaes nascriaogas,
e outras muitas enfermidades quesera lon-
go enumerar
Este medicamento salutar tem produzido
os mais favoraveis 1 lcitos nos casos, para
assim dizer, desesperados. Desta sorle,
desdo seis annos fui proscripto por todos os
mdicos Ilustres, e os surcessos qaotidia-
rituosas e son espirito, de Joaquim Lobalo I nos 0-ue ob'em, tanto em Franca como nos
a-Velha n. 110, P"izfs cslrangoiros, formam o melhor elo-
Kerrcira, na rua da Senzall
vende-se espirito de 36 a 37 graos, em gran-
des o pequeas porges.
-- Vcndom-se no alerto da Iloa-Visla n.
su, bolacha o ti i seo i to do milho muitosu-
perior a 1,920 rs. a arroba.
Vendo-se uma escrava parda, do 30 an-
uos, perfeita costurcira de cortar e fazer
camisas de homem, vestidos do senhora ,
marca o fiz litiyrintho, vesteo peuteia urna
senhora ; uma urola de 30 annos, cozinha ,
engomla elava roupa .- na rita do Collegio
11. 21, primeiro andar, se dir quem vende.
Miudezas baratas na luja pernam-
bucana.
I.uvas do pellica do boas qualidades ,
brancas o do cores, lano para liomenscomo
para senhora, a 5oO ts. e 1,000 rs; ditas de
torgal, ditis de seda, ditas do algoJiio, fi-
tas do volludo do diversas cores, lisas 11 aber-
t'i-, com fivcllas douradas o do tnadrepero-
la, agulliBS Ir ncezas, bicus e rends mui-
to linas, ligas bordadas, livriulios dourados
linho de uma s cor, fazenda propria para com eapaltaof, que serven) para guardar auu-
palits a 320 rs. o covado, as venladniras litas, trangaa de seda, penas de agu DoMl-
hrelanhas de rolo do 10 varas a 1,800 rs. mas, capachos a 4s0 rs., compridos e re-
pac, idem de 5 varas, fazenda muito encor-i dundos, caixas Ja vulto para guardar Jolas,
paila a I.OIIO rs. a pega, assim rumo minias 1- mais bonitas que tem viudo; 1; outras
outras fazendas queso vndenlo por muito muUs fazendas e miu lozas, quo pelas q-
menos prego do que em oulra qualqucr lidades o pregns agradarlo sos freguezes
parle, .'na tita larga do (lozano 11. (4.
gio que desto possa fazer-se, o a prova deste
he a grande sabida que esle maravilhoso
remedio tem tido as provincias do Brasil,
principalmente na Babia e Rio de Janeiro,
onde ha tantas illustrages medicas,
AVISO ESSENCIAL.
Devo-se smente intcira conlianga s gar-
lal.is quo teem urna marca que leva a firma
do autor, scmolltanto aquella que se ve em
baxo. Lniliin, para evitar o perigo das fal-
silicages,os accidentes que podenam acon-
tecer, o arrastar a cobiga dus falsificadores,
o publico he prevenido quo cada garrafa
deveser acompanhada d'uma instruccSu 1111-
Ainda acha-se fgida a negra escrava lo
nome Delfina,que dosappareceu no principio
de maiu passado.a qual (oi comprada ao Sr.
Manuel Joaquim Pascual Ramos, tem OS sig-
naos seguintea : idade 50 annos pouco mais
ou menos, lovandoum veslido, de chita. ,
outro de riscado, he alta e magra, ecotn
poucos denles na frente, levou com sigo
um panno da Costa tem de cusime as
vezes andar vendendo agoa e ta m bem fruc-
las. Ruga-sea todas as autoridades policiaes
e capitSes de campo ou qualquer pessoa que
lolla liver noticia a matute apprehnnder t
ovar na rua do Apollo om casa do Sr. Norber-
Joaquim Jos Guedes. Bxislindo suspeitas
que est oceultada.
Boa gralificagn.
Cra tilica-so com 50,000 rs. a quem appre-
licnder mu muleque crilo, por nome Mi-
guel, de idado de 15 a 16 annos, fgido
desde sexta-leira 28 de maio prximo pau-
sado, de gancbo ao pescigo,soccodo corpa,
cor bem prela, beigo inferior grosso, com
marcas de chicote'pelas costas, vestido de
camisa dealgodo branco com mangas cur-
tas, caigas de algodSosinho de listras aiiies;
lie bastante ladino, tem falta de cabellos ni
cabega por ler andado vndenlo fructis,
mandioca, macaxeira pela rua ; oslo molo-
que i|iimlu Un- fallam, esta sempro cuinos
olhos inquietos, e fazendomuvimentoscnn
os dedos das roaos. Pode ser quo so intitu-
le de forro, e que de outro nome, como ja
tirou o gancho do pescogo que tinha quan-
do fugio de casa. Porlaoto roga-se a tintas
as autoridades policiass, cspitos do campo,
o mais pessoas, que faga ni tudas as diligcn-
riia do capturar esle moleque, o manda-io
entregar a seu senhor, Jos Saporiti, mo-
rador no principio da estrada dos Afilelos.
De 8 para 9 de abril do 1851, pelas 8
boras da noite, desappareceo o escravo da
nomo Paulo, do nagSo Benguella, repica-
la ter de 25 a 30 annos, pouco mais ou me-
nos ; lem os soguinles signacs : es:atura re-
gular, cor preta, cabello grande, ten lo uma
falla na cora da cabega que inda corlan-
do se conhece, a qual falta he proveniento
de carregar peso; roslo um tanto largo,
sem barba, nariz chato, bocea grande ebei-
gos grossos, falla um tanto fina o descanta-
da, conservando um pouco os beigos aber-
tos e os denles fechados, e em certas per-
guntas usa da respostasenhor sim, o a se-
nhor n3o ; tem tolos os denles, sen lo
dous furados na frente, um em cima e oulro
em baixo que visivelmente se v; no peitu
tem a marca >f< querendo parecer uma mo-
dalha ; o alm desta, em um dos lados, tem
uma marca mais prela do que a cor do cor-
l'O, proveniente de um caustico; em um
dus lmeos 1 marca \, e em cima de urna
das sobrancelhas urna costura do um peque-
no talho que tevo; quando anda ginga um
pouco com o corpo e d um tal geito nue
empina um tanto a barriga para ditnte,
trocando os joelhos para dentro ; lem o vi-
cio de tomar tabaco, beber garapa e agu denle : levou caigas de casimira azul ferre-
te de listras ao comprido o alravessadas for-
mando quadros; camisa de madapoln c
chapeo preto novo, de pello ; sendo muito
provavel quo tonha mudado o traje. IMo
escravo foi do Antonio Joaquim, morador
em Fora de Portas, com tonda desipateiro
na rua da Cacimba; tondo o dito escravo
principio do mosmo ollicio. Roga-sc, per-
ianto, s autoridades policiaes o obsequm
de coadjuvarem na captura do referido es-
cravo, e qualquer pessoa que o pegar sera
gStocrosameatc rcso.T.pc::s;-j pe! mu tr-
balho e despezas, podendo entrgalo n>
ras da Cruz do Recifo n. 63, no segundu
andar, e Trapicbe-Novo n. 16, ou atrs do
theatro, artnazom de taboas deptnliu; 111
Parahyba, ao Sr. Jos Ribeiro Cuimariles,
ou aos Srs. Jos Luiz l'ereira Ltau&C;
em Cedras do Fogo, ao Sr. Mariano llamos
de Mendonga; no Brejo de Ara, ao Sr. Joso
Antonio Congalves Lima ; e em Coianna, ao
Sr. Juin francisco Fernandos. O abaiio
assigoado est enCdiligencia do seductor
que lite roubou o seu escravo, c protesta
usar do todo o rigor das leis contra aquella
pessoa que o tiver. Recife, 30 dejunhodo
1852. Joaquim Lopes de Alien.la.
Da fabrica docaldereiro da rua do Brum
11. 28 ausentaram-se, no da 10 do passado,
o preto Antonio de nsgSo Cabinda, ostatura
regular, cabellos um pouco brancos, cheio
do corpo e muito cabelludo nospeilos, ros-
to carregado; cosluma em suas fgidas fro-
quenlar a Sulidado, Manquinliu e Afuga-
dos.eemsua ultima fgida foi pegado nu
engenho Cuca dtstricto do Rio Formoso: o
no dia 13 do crrente o preto Alexandre, do
nagoS. Thom, alto, corpo reforgadu, o
alegre, e j foi escravo do Sr. liolly e do
Iram e/. Melequer, morador no Rio Doce, lu-
gar que omesmoescravo costuma frequon-
lar as divorsas fgidas quo ha fcilu:
roga-se as autoridades policiaes e a quem
quer que delles der noticias, dirijflo-iei
mesma fabrica quo ser rocompensadu.
-- Desapparecou no dia 8 do julho do cu.'-
rente aunu o caboclo Jos, esciaio do Pa-
checo, (ilho de Mendos do Aracaly ; o qii'l
escravo lem os signaes soguinles; o lingo
esquerdo quebrado na tnutilicca, cabellos
pelos e grandes, bem fallante, o qual pode
serquequuira inculcar-so do forro, lovuu
caiga azul de algodSo, cainisi de algod3u do
listra, quando falla aperla um punco a Itn-
goa entre os denles: quem o pegar leva a
rua da Cruz du Recife 11. 33, casa do l.uiz
Jos de Sa Araujo, aonde se acltava para.-er
vendido, que se recompensar.
Attcncao.
Anda so acha fgida desde 13 do junlm
pretil que indica a iiianeira de empregarj prximo passado, a mulata Mariana com s.n
este modfcamento, compilado pelo Sr. Cuil- filha Constancia de 7 annos, a primeira re-
lio com a sua firma, e impreso em Paris por
o Sr. Goelschy ; caracteres essonciaes para
evitar a fraude.
Encliadas de superior qualidade
calcados de 090.
Vendem-so can barriquinltss de 100, por
mullo cominillo prego, no armazn! do Bar
roca o. Castro; 11,1 rua da Madre de Dees nu-
mero M,
Oleo especifico para curar a
caspa, contina a vender-se, na
rua do liangel n. 64.
presenta ter 30 annos de idade, alta, rosto
descarnado, falta do dontos na frente, e tus-
luina amarrar o.cabcllnquo 11S0 he bem es-
lirado, levou uma Irouxa com roupa, cons-
ta que tem andado pela Torre e Poulo do
Uclia acollada, e por isso roga-so as auto-
ridades policiaes.capitilosdo cainpo.ou qual-
quer pessoa particular, a captura da referida
mulata o Pitia ; o a leven na Passagom, Pil-
tre as du 11 puntos, casi terrea, juntu au su
brado do Sr. Jus dos Santo* vunes do Oh-
voira, que so recompensar generosa mente.
pean. 1 Txp. ue M. F. ue Fama. !***


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EFQD3SE4P_I98O7Q INGEST_TIME 2013-03-29T15:45:45Z PACKAGE AA00011611_03708
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES