Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03702


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo XXVIII
Quartn feira 7
DIARIO DE
deJulho de 18b'2.
N. 148.
niaoimio.
smieoo sUBCbifoo.
I'MI'MHKT.I Aluminio.
,, trimestre............
r>rcinctre. ..........
Pof ion" ..*>
Pooiwiio riimiTU,
P iu,,,c^IIA;o iknu.'
i I* de Junho Minas... 26 deMaio
M.,,niVo. 21 de dllo S. Paulo. 8 de Jnoho
?,i... 8* <"" ft-de' 'S de dUo
arahiba 2 de Jullio Babia.. 13 dedil
4/000
8/000
l.'./M.H)
1/T'OO
Da.- DA MAM* AUDIENCIAS.
5 Seg. S. Fclomcna
6 Tere. S: Domlgnas
V. III.
7QuartS. Pulquera.
8 ulnt. S Piocopio.
0 Sesl. Ss. Cyiillo e
Unci.
lOSab. S. Silvano.
II I Iiiii fi.-S. Ni I va un
Imiorf OrpkSa
!,e5. s 10 boraa.
1. varad" civrl.
3. c 6. ao mcio-dia.
r'dicnil'j.
I. e6. i 10 horas.
2. vara do eivet.
^. e sbado ao melod
Rtlaeo.
Tercas e sabadoi.
Crescenie 24, a i hora e 17 minutos da m.
Chela a 3l aoi 7 minutos da manbaa.
Mlogoante i9, as 5 borai e 48 minutos da m.
Nova n, a I hora 46 minutos da manbaa.
niuuisi hoj
Primelra s Shorasr 3|| minutos da manbaa.
Segunda s 8 horas < ."> > minutos da tarde.
tiiTiDis ios oonniioi.
olanna e Parahlba, s segundas c leitn-
feir.
RIo-Oraude-do-Norte e Victoria as qulata
fe tras
Rolto,Caru.ru, e Garanhuns no i"c 15 .lecada
iar,
f loras,Ourlcurj.Eiu c Boa-Vista i 13 e 28.
Olinda, lodosos das.
Todos os Correios parleinaomeio.dia.
TOTIOIA HTBlKGriBlS,
Portugal ('de Junho Austria .
Despalilla 8 de dito Suissa....
Franca.. 8 de dito Succla...
Blgica.. 5 de dito Inglaterra
Italia..:. 1 de dito F..-Unidos
Alemanba 2 de dito Mxico...
Prussia .. .2 de dito California
l)in.amrca 3" de Halo Chlli.
Russia... 28 de dito Ruenos-A.
Turqua. 26 de dllo Montevide
J.clr .1 uiilin
i de dito.
25 de Malo
8 de Jnnho
23de Malo.
9 de dito
l de dito
10 de Abril
0 de Marco
eo & deJunho
CAMBIOS DE 6 OIJIIIHO
Sobre Londres, a 27 '/i por d. t/000 limu .
Pars, 355
Lisboa, 100 por cento.
TABA.
Ouro.Oncas hespauholas............29/000
Moedii de 6/400 Tenas......... 16/000
. de 6f400 novas......... 16/00*
* dc4/niHi................ 9/000
rata.Patacoesbrasilclro........... I/-'.1"
Pesos columnarios..
Ditos mexicanos.
1/80(1
cSo que a esta compete sobra tal objecto;
segundo, que no caso especial de que trata
devora recommendtr sos vigas do sncora-
douro e aos das praas a approhensSo da
, quaesquer objectos sujeilos a direitos en-
HclaJodos ofciacs '^f^Lti.T contratos no mar ou em acto dedesemb.r-
I quo, comp_determna o artigo 284 do regu-
PARTE OFFIC.AL.
MINISTERIO DA GUERRA.
,,,o dos officlaes do corpoi de invi
' promovidos por decreto deita dala.
l'r.mciroregimoio ^nwfumprindo que no dosempenho
Pan major, o Jr "*f'SSVnjIdeisel deveres procedam sompre os respec-
gimonloJoscLuiiMeniia uarreto, poran-|livos(imp^egI(lo8Com a maior prudenca e
;u,la,le .. ...a,,.in.iir.A..|circumspeccao; terceiro,
rara MpiUw, o capitao B" [|MpKj do gusrd. devci
o regiment Irincisco de Paula Oonm nforoiacOes e provas para
,a a quinta companha, o o lente do os OJtlravviauores e 0*ohi
ssmorocimenioMsnoel ledro Drago, pa .insambarnue. Para iu
inn
para
ni -mu rogimeni
it a stima companlii".
I'ara lenlos, os alferes do mesmo regi-
ment Jos Mara deCarvalho, llcrmenegil-
ilo Servlo Junquoira. Pedro Braulio US-
ssnee Cunha e Pedro de Araajo Rsogel,
Segundo regiment.
Para capilaes, o Cpilao graduado do mes-
mu regiment Manocl Igualo da Silva, para
a lerceira CQmpanlii, o lenle dp mesmo
regiment JoaoBsptista Alvcs Porto, para a
quarla companha, e o captao graduado do
primeiro regiment Jos Leopoldo Nabuco
Araujo, para a stima companha.
Para lenles, os alfares do mesmo regi-
ment Antonio de Souza Sevurno o JoSo Jo-
s Perr.ira
Terceiro regiment.
Par capillo*! o captao graduado do mes-
mo reg monto Jos Korreira da Silva Jnior,
para a primeir companha, o tonente do
mesmo regiment Luciano Joscda Rosa, pa-
ra a quinta compaulua, o o lente do pri-
meiro regiment Jos Mana llarrclo l'alcao,
para a sexta companha.
Para lenles, os nlfores do mesmo regi-
ment Carlos Francisco Cardozo, Jo3o Can-
dido (oularte o Gamillo do livoira Mello, o
alferes aiudaiite do mesmo regimouto Sora-
lim Antonio Tarouco, e o aleres secretario
do mesmo regiment Jo3o Lopes dos Sanios
i mu 1 i regiment.
Tara major, o major graduado do segundo
regiment Victorino Jos Carueiro Munteiru
pur anligudade.
I'ara capilaes, os capilSes graduados do
mesmo regiment Jo3o Sabino de Sampaio
Menna Brrelo, para a primeira cooipanhia,
Antonio Vctor doSampaio Henna Brrelo,
para a segunda companha, o Jos Ghris-
piniano (;ontreiras e Silva, para a quinta
companha; os lenles do mesmo regi-
ment Antonio Gandido Ortiz, pira a sexta
rampanhia, e Francisco Marques de Olivera,
para a oilava companha.
Para tenenlcs, os alferes do mesmo regi-
ment Gandido Jusliniano de Garvalho, Dio-
nyaio Francisco da Silva, Juaquim Jos da
Silvcira Jnior, Manool Alves milo de Li-
ma, e o alferes sccrclario do mesmo regi-
ment Manoel Antonio da Cruz tnlh'antc.
Gorpo de cavallaria do Malto-Grosso.
Para major. O maior graduado do primoi-
ro regiment Jos Itibeiro dosSanlos Mon-
tciro, por anligudade.
I'ara captao, o lonente quarlel-mestre do
V
vr
circumspeccao; terceiro, que sobre a pir-
'ever collgir todas aa
que se conlie;am
ectos extraviados
no desembarque, para instaurar o respec
tivo procesto e ser judemnisada a fazenda ;
quarto, nalinento, que neta data se cora-
niunica ao ministerio da marinha solicitan-
do as precisas arofldonciis na a respei-
to do acontecido, como para obviar a repro-
dcelo de'occoironcias semelhantes no fu-
turo. ^^^__^
GO YERNO 5 A PROVINCIA.
EXPEDIENTE. DO DA 16 DE JUNHO.
OITicio.Ao ( mi ni i mi" das armas, para que,
mandando proceder aos neceisarios eiaiucs,
informe, se para eccouomliar a despeza ac-
tualmente fcita com agua forneclda aos bala-
i Inn.-. aquartellados no hospicio e commodidade
das pracas dos mesuioi batalhdes, ser conve-
niente limpar-sc un doi pocos ali existentes,
quesedi ler agua de boa qualhiade, preparac-
do-se de maneira, que forneca agua ao referi-
do quarte!.
Dito.A' thesouraria de i./.nuli, para Infor-
mar acerca do ollicio que remelle, da cmara
as a paranoias me leva m a pensar assim. O
oosso povo, acoslumado sompro ver em
nm presidente, o instrumento ceg de um
i iu tnlo qualquer, admirou e adorou no Dr.
Olympio Hachado, o nico homem, que sim-
ba srguer a cabeea cima de todas as par-
cialidades, e exorcer em alta escala, os
grandes principios de tolerancia e justics
proclamados pola poltica actual. Ksse ho-
mem, foi entre nos o Souza Ramos de Per-
nambuco:honra pois aquelfes, que for-
tes na importancia de seus principios, tem
sabido quebrar ossa| infarnaes machinas de
montar e desmontar partidos, empregadas
contra todos os inleressos, os mais palpitao-
les, de urna sociedade, que ludo tem a ga-
hhar naordme ludo a perderna anar-
chia-. Os lempos calamitosos dos Chlchor-
ros, grabas a (eos, ja l se foram da enrol-
la com as sanguinolentas scenas do luctuo-
so 2 de fevereiro.
Alguos droguistas de novidades, alli ui-
cain ser o convite (clin s S. Exc para tomar
parte nos trabslhos da assembla,o prin-
cipio de urna polida demlss3o : e tudo isso,
la alende podem lomar grandes fardea desae quando ella concluir a santa missao ilccngaio-
llmenlo neceasario ao vlver elegante da nassa lar os cojiirirneias-loroas.
inoeldade deamboaos sexos. Vmc. cooceber Na 3 commarca vaitudo as mil inaravilhas.
hcllmente que a conveniencia be quasi sein- Esllve a noucos das com um serlanejo de l
pre solltlvt'l, em relaco ao uosso mundo Ja- quemedisse, que o major Deus e Costa rece-
rhtamiitil,. Ordinariamente concorrein a csse bcra urna epstola dos chefes dos anarchia-
baile 80 a SOsenhores: llrando-ae deale nume- las da aeguranca Individual, chcia de proles-
Iho poder dlzera trra llio seja leve. Mas
nesle mundo o mal mora paredes-meias do
bem, c vice-versa : se a sorte Ihe negou um
punhado de Ierra amiga sobre a Ilustre ca-
beea, Netuno Ihe concodeu um tmulo dig-
no de um Almirante Baluvo no buxo dos tu
ro, m invalidas' Viida restrvm e as dapeiuadas, los de estima," e coocidera^o quelle" digno barOes. Assim ouvi exprmir-se naquella
podamos de certo contar eom urnas 50 ou 60 do major, e de amcacaa ao delegado, as quaesj cuja casa um sujoilinho, em cuja caneca tu
ico activo Sem esiar-se sujeito s lyrannas respira lodo o veneno do odio, que Ihe elle
lela da arma mssante etiqueta, senipre ae paisa consagram. Disicram-mc mala que aquella
ntttn. reunan, uraa nolle aiss divertida; c major, lendo varejado todos os valbacoutoi
anda mls ella o deve ser para aquelles que l dos laca desordeiros sem poder por-lbes os
rSo Mtsfcl censacoes nos olhos de alguma bel- olhos, prepara-se para regressar a cala capi-
la, etliym oprarer de com ella dincaremal- tal delxando ali toda a forca ao caminando do
Suma msplrada quadrilha. Hullaiveseaoidei- lente iGlaudino Agnello Caitello Branco. ea
vcterdesle* meui lenhores, supre-nos opti- de polica ao lenle daquellc corpo DcIBno
mente as copinos de sorvete, que por aqu Morelra Lima, ou Severlano F.lyslo de Souza
nos fallara. Orunage do baile, naohedoline- Govcla ( capito ) que para ali scgulo. I
Hieres: baila dlier-lbe que i tena dos bichos A aneinblca oonilnua som maior novidade.
rtaisailnha. acha-se urna mulher que ordinaria- Gonsta-me que paasaiain Ires mu justas apo-
niente enfronbada em um pesslmo challe, cau- zentadorlas; a saber: urna da prufeasora de
sa repagoaneiis aos delicados estmagos daa primeirasleltras da cidade alta, a de um an-
nossas deidades. O lugar aonde o lervico lie ligo olticial da secretaria, c a do porteiro, ou
felto, acha-se mullo mal collocado, oceupando continuo, da mcv i reparlicao.
parle do tramito da varaoda ao terraco. Algu- llouve-quem apresentasse un projecto de
mas veies ha alli singular contraste eptre o aposentadorias, como crelo que ja Ihe dille,
iminundo abano da mnrmilda e os delicados le- mas lornou-se elle n'uui tamandu de unbas
r acerca uo omciu que rcmiiir, aa cmara 7.^., ~ ...___.-.i,... ..
...nicipal desta cidade, pedlndo seja medida c Lxc. para o fim, que possam aspirar, bas-
demareada a praca chamada do caplm, alim de ta saber-se, que acabam de ser demlltidos
que se passe titulo de posse munlclpalidade, pelo governo goral, os afamados Antooio
visto tenido o dito terreno destinado para ser- Bernardo, Carneiro e Coque, dos eminentes
venlia publica. | poslos, que lnham na guarda nacional ; os
Dilo.A mesilla, para mandar pagar a I'r-!qUaes eram agentes importantes do grupo a
prielariadailhadoPina, Viccncla Ferrelra de^J alguem-perlence como um dos
Albuqucrque Nascimcnto, o aluguel da caa da e. *
mcsiiialiba, vencido de 23 de abril ultimo ate.se"s riele. ___
53 de inaio subsequenie, dia em que expirou o' Em todo o SO, a ida de S. Etc. a corto,
contracto da referida casa. ter a dupla vantagem de ir desmascarar
Do.A thesouraria da faieoda provincial, peranle o governo imperial, qualquer po-
licVido' "iluencia" de'c" rto deputado pof I que dai nonas bellss. lao "" esta provincia,-.que pertencendo p.rcia- Quasi sempronast.s reun.Oes M carra- M^vgtoj^nol^*, ja
l.dadedasirsHa.nuaealevoubem, quo ft fes de bol, o os vetto abandonando m^^tVS^!St.itS^*.'SSSStin\.
S. Exc. mostrasse a lolorancia, quo tanto
caracterisa a sua u lministr;n;*n>. Os homons
sensatos nenbum crdito d8o asemelbante
carrapet3o; porsaberom perfeilamanto, que
o ministerio conheca mais do que ninguom,
o que s3o partidos nesta nossa Ierra, e qual
o valor real, que temos seus chofes. I'ara
desmentir-so a influencia-desse alguem,
a queo se atribue a provisoria retirada de
teda-a a.egri. tumul.u.ri. do baile limi- ^.^T^nZ^Zo^^tt^-
Um-e a jogar o sea voltaroto, apreciando gelar- terlalllen,e aio podcr|a achar lllail) 8U.
de voz emqumdo alguma pitada do princesa, cuienu cepa. Dos lede vida filho de minha
omquanlo as charas matronas nos cantos cntranhai l
dos saltOes cochilatn soffrvelment com o Ollie, lenho um amor paterno quelle pro-
ai .l.nii
que o j
vivos /
nao serias capaz de descubrir um cabello
para nie-inlia, o osle magano ri-se da ca-
beea de um pobro donato I! Em summa, i
diz o Mercantil quo Pedro Ivo morreo no
primeiro de marco nocamlnho de Pernam-
buco, o JoiTii do Commcrcio diz quo no ca-
minho da Europa mas ambos guardam
misterioso silencio cere do navio, qu
conduza : aos morios sepultura, aos
escpula.
Giiusnii aqu sensacSo a absolvi;3o do
Lobo pelo jury do Recife, o isso tem dado
motivo a mil imprecaefles contra semelhan-
to instituicao ; porm desta vez este pobre
dnalo n3o se pede conter, e intromclten-
do-me na conversarlo, porguntoi com al-
gum calor, para ondeos haviamns de vol-
i.ir, vendo o escandaloso julgamento e ab-
solvicaodo llygino pela relac.lo d Bahia i1
E foi liro de lesta tudo encolheu os hom-
bros, c o prlnlo foi tirando pela sota.
A discussBo d estrada de ferro lem dado
panno para mangas: em tudo se tem fallado
por parte dos oppositores, menos na estrada
de ferro; eo llollanda diz que tem manda-
npilo adiantar da noito, o asjovens per- jecto ; porque tentiotalnhai paiica pelo thca-'do dizer a seus nobres iiin.ius que se vo-
dam-so no labyrintho di danca. Em um iro, e as capoeiras, que .qul icmos, siic- capa-
baile qualquer. as respeilabilissmss matro- zes defazer inurcbar o mal vlcoso altelos_
n.s, .ssen.elham-so a vordadeir.s hoi.s, rumVrrorcoriirpe.o^re.erd^e'c.trt
collocadas nosso mar de HlusOcs para inlt- co uuc clrcU|, liaquelles amblenlea.
cirom que s alli est3o os bancos dos deson- ja ,,Ue eslou com esta materia cin mi dir-
gno ; aonde mais tarde ou mais cojo de- lhc-hcl, que asslsii autc-honicni a una reprc-
vem necessariamento encalhar as gales da aeniaco, que bastante me satlsfez. Nao ria-
nossa vai.lade..... e de inlnha a'rrogaucia em lulgar de bonda-
" falla de
Antes de bontem falleceu nesU ciJade de daquellc genero pela falta de frenuencia
fm um, id.de bastante mNrtMlr. SMWftfflffJ^^tt
Antonio Corra de Ucerd, medico celebro, ra P curso da cnchorrada popular, 'Cer-
como profundo botnico que era. Lm suas lameil,e nao teoho Irequcntado essea lugares
disposicOes tsstamentarias instituio como onde se jogam paixOea, c all'ectos arliliciaes, e
su universal herdeir c testamonteira emprestados, que n'mn ou n'outro genio se
ra deila "dala, conccdcu i5 dias de licenca com nhecdo : e que j conta em sua carreira urna fazem parte desse logado, existo a su gran- tencao, lamben representando nellc, o meupa-
venciinenioaoicrceirocoininandaoie pode polica, Manocl Rodrigues de Araujo Li- Ja(|os 0 mjisterio n3o ser dcil emdei- Ps. que um da dover ser publicad cus- com conhccimentos, queme nao suppunlia.
ma, para Ir a cidade uc Goianna.Communi-; .,,: 11 do governo geral: para o quo ello ja ha- oou proiessionai. .,,,,
cou-Sc ao caminando da. .r.n.i. .. | "."i^'me a ausencia de S. Exc. fie. em ..u vi d.do os primeiros paraos. O Dr. I.acer- >> Prlnc'P' J"5L
ni
d
ra Hinto
Gompanhia de cavallaria do corpo de guar-
nirlo fixa de Goyaz.
Para captao, o tenente da misma compa-
nha F.lizeo Xavier Leal.
decaridade, Jiiendo que, do formularlo medi-
co do hospital militar, existente na secretaria
da presidencia, v-se, que o prero da formula
66 he 440 ra. c o da formula 601 rs. 610 seudo
porttil i esle. os precos que devem regular.
Para lente, o alferes d niesma compa-Neitc sentido olliciou-ic a thesouraria de fa-
lla Joaquim Francisco Ramos. I zenda.
....... ~---------------0--------------- --- i ( nial luir 'i' ^ "> .- i '---------- ..
Gompanhia de cavallaria do corpoueguar- t0i c sjmdo Bacaldaquella cmara, eumpnoo
lli^ao liza de S.-Piulo po'rlautu que a mesma cmara faca conservar
Para lenle, o alferes Jo quarlo reg- a obra da dita puulc em boin estado por ser cs-
menlo Francisco de Asss de Araujo Ma- la de evidente utilidadc para os habianles da
.., mesma cidade.Olholou-se a thesouraria da
,l""" ., ., faaenda provincial para pagar so dito arrema-
Gompanhiai decallaycllarla do corpo de guar- ultima iire.lacao, e ao director das
nlA,in litf 4a llan* li _^-_.
que liga esta
xe que merec espe
provincia ao tear c ao Plauby, Blis|a por agora- ,|0je he ve8pertl do g|0.
Iho.
O Sr. Guimarcs he um cxccllcnlc criado, c
ohras publicas para passar-lhe o competenle
. ri M lira Iu.
Portara.Ao ageule da companha das bar-
cas de vapor, para mandar Irausporlar para as
Alagoai o preso Beruardo Jos Correia, que
alli tem de ser entregue ao respectivo chefe
de policia.-Couimunicou-se ao chefe de polica
dcsla provincia.
nico lisa da Babia.
Para lenles, o alferes de cavallaria do cor-
po de ^ii .ni.., a i fixa de S, Paulo Manocl Rodri-
gues de Oliveira Netto.
Gompanhia fia de caaallaria de Pcrnambuco.
Paracapilo, o tenente de cavallaria do Corpo
de gnarnico lixa de S. Paulo Francisco de Si-
queira Ouciros.
Para lenle, o alferes do primeiro regimen-
t Francisco llenriques de Noronha.
N. B. Noso contemplados, por eslarcm em
lonsellio de inquerico, os alferes Manocl Car-
IcNat'etfo^u^^ Keci M0,,,er ''-CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PER-
Palacio do Rio de Janeiro, em 19 de junho de NAMBIICO.
18SS.aVinorl Fitisardo de Soma c Mello. .Miranlian 2 de junho
llrlaro dos oj'/iciacs dos cor/ios de cavallaria i/ut,\ a noticia a mais importante, que por es-
por decreto delta dala, sao' transjeridos para o (0 vap0r Ihe pOSSO dar, O que como n ni gul-
tslado-moior da segunda clasie, nos temos dnx inoSera() |0,n causado grande SOIlti-
w.'5ai TtT't XiT'"^'"" ''""""' i ment ^todos os habitantes dost cidade ;
772 de 31 rf^f';r^mcolo assirn comp, causar em breva toda a pro-
f.apilaograduado Manoel Verlssiino. vincia, logo que ella sj generaliso : -he a
Tenente Antonio Carlos Soveral, aggregado| prxima retirad deS. EXo. : oSr. Dr. Olym-
rmqiianio nao houver vaga. po Machado, que vai op prmoro vapop,
Alferes Joao Manoel da Cunba. qUe d'aqui partir, tomar parte nos trabalhos
guano regiment. | pirlatnentares. Julgo, que por um carta
Major gradu.do Manoel ttibci.o de Moracs,; Darlicular deS Exc. o Sr. ministro do tm-
ggregado einquanlo nao houver vaga ; f O.nosso presidento consultido a
r.ila.i.i do Ido de Janeiro, em lodeiunho D \ ,":, ..P,. ,t h
c mi.-Manoet fetaardo de Souza e Mello. rospeito do sua ida a corle, a qual nao de-
d
Por decreto de 12 do correnlc pasiaram aag-
t;regados, em vlrtudc do disposto no arl. 3 i,
iSil, os catiites de cavallaria Francisco l.lru-
Iherio da Fontoura Palmcira, doseguntlo regi-
ment, c Jos Antonio Crrela da Cmara, do
liiarlo rrgimenlo.
ver realisar-se, se acaso S. Exc onlender,
quo a sua presadla lesta da adminislracau
da provinei, se lorn indispensavel aos in-
do decreto n. 260 de" i de dczembro'dej toresses della ; porque enlSo, u.-i serBo sa-
i ;.si..iTns os desejos do ministerio em ter mais
MINISTERIO DA FAZENDA.
EXPEDIENTE DO DIA 8 DE JUNHO.
Ao Sr. ministro da marinha, cominuni-
rando a participadlo do inspector da alfan-
dega sobre o facto de haverem desembarca-
do do vapor i4ma;onai volumes o fazendas
eslrangeiras para um escaler da armada, o .
haverem tlm dosses outros a bordo sujei-1 vanados divertimenlos de urna corte,
losa diroitos; e que, advertido dissu o se-i Tenho robusta f em que o n
gundo commaodante, esle responder de
mu iu inconveniente, alim deque se sirva
osso Ilustrecampi.lo as lucirs daquolles,
que o del'endem na ramar temporaria. S.
Exc. conhecendo, que em pcrl'oila paz, se
acha oslo povo, que lano o ama, e aiinuin-
do aos desejos do S. Exc. o Sr. ministro, re
solveu deixar-nos temporariamente l o
oncorramento da presonto legislatura. O
que o nosso bom povo Maraohense rdante-
mele deseja, he que S. Exc. nSo se caque?a
dalle no breva lempo, que vi gozr entre
os gloriosos trabalhos dess cmara, e os
'componelrando-sedos vordsdeiros interos-
ses desta povo, Ihe restitu o sou presiden-
niindar proceder s nocessaria's averigua- le, lambein o mais estimado, quo tem pos.
Oes, e tomar promptas e convenientes pro- suido ; por isso que nunca deixou amoldar-
videncias nao s sobre o prsenle laclo, seao jugo dos partidos, esempre cuidou nos
enmn para .,i..i ..- a ...... nn fnlrjrn < vardadeiros interesses, tralatido-o com
duzarri occorrencia'semelbanles. i umaafabilidade, que nunca se vio. So ana-
Ao inspector da alfandeg, sobre o csoI lysarmos a historia poltica dos presiJen-
eima, se responde: primeiro, que com-! tes, que tem tnlo osla provincia desdo 183G
quanlo os regulamenlos liscaes no autori-late ao presente, nao encontraremos um so,
sem visitas o buscas a bordo dos navios do; que como o Dr. Olympio Mchalo, tenh s-
piorra, nSo isentam todava a carg que'bido conservir-se neutral no moio de tras
elle irazem perleucente aos passagetros mi [grupos polUiOOl desabridamente inloloran-
peasoas da IripolicSo do direitos que de-I les, no poni de ser mais uu monos oslim-
vem pigar na lndeg, nem da 0*calisa-ldo por lodos os souscoripheus: pulo menos
aanhou urna companha nue por ora lem co- ",," ',. "----- ",J------LYT- O Sr.uimarac he um excciicnic criaao, c
1SSLSTdireclo'r o negociante inglez Sea- ,"0!io S-,Jo30- e ,e,n nonra sua- Son Jo a em boa doze de sal, pelo que le. sabido cap-
ion, a culo fim, ser catal.eleccr nina linha de louvavel pratica do oosso poyo, vou correr rjvr minha altcncao.
navegaco vapor entre ella provincia e aquel- o seo de minlia familia a regosijar-me (ls mais deiempcnham sottnvclinente, c al-
ias ; devendo esses barcos que por cmquanto com a alegra della. Costo multo destes guns posso dizer que satislaiorianienie.
sera um s, locar nos ponos da Granja, cidade festejos familiares: nellcs aprecio O conten- A 2'dama esleve ante-honlcm mcllior, esc
da Parnahyba c Fortaleza. Julgo que no dia lamento dos pequeos em lancar innocen- continuar assim nao duvido que me ae multo,
fogos; mUc0 I cus.o reprimid.,^-p- Sma*2.n.D. Carolina
se v n.s faces das meninas ao lorem a lnodioha Ado,cl ai,d i,pura e a
fervorosas ao vivo br.lhar .las ogueiras a r.lpa,|aaa aplaudio-a com furor. A vos da-
ces da companha. devero ser consumidas uo sorto que o glorioso Santo Ihes reserva: e ,,Uella senhora he fraca, mas lem bastante
su nesta provincia, como fura della. A supe- depois de tudo isso, la vamos lomar parte graca.
rabuudancia de inocda, que cxisle aclualuienlc n grinde ceia dos bolos, do milho e da Eis o quanlo aprccici no thcatro, co quanlo
nosul, talvcz desali a especulafao de mulla cangca... Na verdade, n.lo ha consolac3o pomo avallara respetto da companha; mas,
rao capilaes n;uma m.ior para o velhos como a de que %ssa "'JEI' !S,.,0!|,uqlS, ^paco": 'a' ra
os..... liii.iii maldice a
..nda naquellc da, com-
aonde sentimos a nossa existencia Jennar batUnoo o projecio do theairo, disse, saciilc-
em rasao da nar ron,sc'r nos loces sorrisos dos limo- g0 que nao nccessliavamos de llieatro, por-
falta d-aeoa, aclualmcnie nao passam da villa cantes filho! que anda nao linhamos goslo, e que ncm
do Iiapicurii-merin. Da 8. | mesmo ssa provincia o tlnha, P"
Nodia 10 do correte, leve lugar aprocissao Ilontom note o glorioso Santo foi tus- nao cuidar, como devera, no uielhoraineuto
de Corpu.-Cbrl.iL que e.ieve mdicamente ar- lale festejado : por toda a parl houvcram ".J, podc haTCr lnaior desl.mpalorio, e
' ijii'.ii', i. Como quera iqucllc scnbor
o, com o devldo respeito, que mini-
inos maior goslo ? I'oii uo ser gos-
gosto c gosto a um grao cacessivo, oque
era nronrio. Os"tVne"otes-coro"oca, m- levo um verdarteiro inferno, aonde os atira- nosobrigna soflrer uinsuador cmuinacapoeira
mandRQles do primeiro c aegundo batalho de Joros dos buteapi assemelhavam-se a ou- mal 3egura, encouimoda, c seini ar respiravel,
ts oaciooaes da capital, c o major ajudan- iros Untos demonios que despejavam do para devertirmos urna noiicf ^ao sera somen-
cenle eui empregar
imprea qu
bastante*
cede softjivc! presta*;
senielbante naturexa.
As viagens do vapor Ca.viente
empregar os seua capnacs n urna maior para os velhos como a de que ssa -mu iii.ts. w
que neccisa.iamenie ineauevera uar elloquonlo paz que se goza no sejo de nos- t?!. i'Z\'a 1 (,.
lucros. Ogovcniogeraljulgo, coq- sa8 \miU d4essas p%uenas sociedades S^udo nue aii
ivcl presfcao aonual a cm-prezas de A1 ,,' n^mJ^t^mnMm l.flnh um depuido, ^que ain
guarda
meoto da nova g
tra, um guarda lambetn se fardou em grande
mullirme, iudocomo orden-anca dotenente-co-
i une!, conunandantc do primeiro batalbao, o
cominendador Doirringos Porto.
lia multo que j l se foi esic lempo em que
taes procUsdes se faeiam com estrondosa pom-
pa. Alm do mais, o Sao Jorge nunca dciav
de ncllas comparecer ricamente trajado, c a-
compaaliado pelo seu immcoso estado, em cu-
ja frente a o homcm de ferro. A proporcao
porm, que o cofre da nossa illustrissima c-
mara municipal, fol-se debilitando ao progres-
sivit mal de urna pccunitriite, o esplendor da-
quellc santo foi-se umbem ressentindo dellc,
at que vio-se obrlgado nao comparecer mais
oom piejui/.u dos devotos, nestes dias nicos
de seu festejo, e a reconetntrar-st em um arma-
rio na santa casa da misericordia.... Caso cs-
tranho a pobreza do santo, fe-lo buscar abri-
go na casa de caridade, nicamente reservada
aopeccadr! Nao parou ah a calamidadc do
nosso San Jorge: depois de alguna annos do
seu cruel retiro, aonde a poelra pareen querer
consuini-lo, consta...; (horror!) que Ibe decc-
param a cabeea, e laucado o corpo a chamas,
foi aquella servir ao corpo acephalo de um dos
aantos da ordem tercelra de Santo Antonio, que
gura naa noaaas prociaaocs de quarta-feira de
Cintas! O Santo, que assim usurpou urna ca-
beea alacia, devendo ser imberbe; para logo,
eli.iiiti.ir.im de todo, as preciosas barbas do
santo Inglet'. I.., Tal foi on desastroso do
noaao oan Jorce, ou antes a sua transgura-
co!.... IN. '-e deva iiso admirar: luda n lia muito lempo, que um vendedor ambulante
de figuras de gesso, possuindo, sem nunca ter
1> uiiti dar estraccao, urna grande porco de
bustos do imperaunr napoieao; ug^ua cpn.-
to, envernisuii-os, e pelos nossos certdca, fui
vende-loa, co graude lucro, como vernicas
do unlagroaoSau Itenediclo:... LVio sei quando
dcsapparecero caaea abuaoa de que coialaiue-
ineuti- a nossa religlo lie victima '
o dia 18'do correnlc, den a cociedade terpi-
chore o seu b'tilc mcnsal, Sendo esta soca-om-
cap, entrando pela porla da ra, foi eslou- slvas despesas, que lem leilo com a edilicaco,
lo arsenal de sua bem conceituda botici.
Ilontem houveram solemnes vesperas na
igreja do S. Jo3o, que he a dos militares,
a cusa de quem, ajudados pelos dovolos,
e faz a fest. Moje dnpois dola ter lugar
a complanlo procissao.
I'ffrora oflose publicou orendimentoque,
t dala desta, lem produzido a allande-
ga desde o ultimo dia do mez prximo pis-
sido. No porto acham-se lundoadas i _'.....-
li.in-1.,..... mercantes e 2 brigues-cscunas
de guerra.
Dj da 2 at o dia 15 do crrente fallece-
r m 27 pessoas: sendo dos adultos 12 bo-
ceen e 8 mulnores; o dos prvulos 3 ho-
mons e 5 mulheres: entre todos 17 eram es-
eraros c 10 livros.
por taita ae meta auna uc pas
ser mais do que injusti^a comentir ella, que
sejam lirados pelos particulares carros e car-
ros de areia das ras, deixando cicavacoei
capases de sepultar un boi ? He e inaii do
que he dlgo-lb'o cu, ora cil.
Uiiein-mc, que a postura municipal a ros-
pello dos dol.rcs le lembrar ao nosso reve-
rendo parocho, que havia um artigo da cons-
tituico do bispauo, que Iralava deise iin|ior-
tanli'ssiuio assumplo de inleressc de nossos
ouvido, e que reclamara, por que o numero
dos dobres pcrrnlltido era ul'crlor ao que con-
cede quelle artigo, i>ao acbo inuita raio
no nicu pastor, porque quelle arl. eslava en-
tre ns em desuso; pelo incuos cu, que teuho
ncus cajs, nao lioba dcllc conhcciuieiilo,
sabia que os dobres eram regulados lauto uo
uumero, como na duraco, eiam regulados
pela capacidade da 11019a do lioao, c se as-
sim era de necessidade ilcvla apparecer una
medida repreiva ao abuso de poder dos si-
neiros.
nham ombera para o llio de Janeiro.' Ora
isto !..... Bom tolos scriam clles, que sei-
pre einfim he madrasta a trra alheia. Quo
mal Ibes vai 11 sua terr ? Um ou outra
rivalidad.', um OU oulro invcjOSO iienliuiii
mal Mies faz : viveodo do seu, e indepen-
dentes, respeitindo asais do seu paiz ne-
nlium mal tem que temer, que Ihes seja
cspeciil : as coinmo^OB polticas no sSo
privativas do l'ernambuco. E o que lem
com isso a estrada de Ierro ? O I). Manoel
tomou quarteis de invern com a remocSo
do prosidente Cunha do Rio Crande.
Ilontem debutou a cantora Stoltz, quo
tantos cont de ris custa ao mino. He
urna cantora que foi, 1.1 eu a muito tintn
ouvido dizer, e honteui deo provts disto
segundo ouvi estar dizendo: be um per-
fcila cmica, diz-so, he senliora da scena ;
he perfeta em as notas graves, mas para as
agudas ja no alcanca bem a voz : ora al-
caide nos theatros da Europa : o eatylo di
zem quo he mais francez do que italiano,
grita mais, por cujo motivo alguos gosta-
ram menos. Quando appareceu amoou-se
com ossiosquo rcclimavim silencio,ms
m 1 i 111 canlou, e no lim levo mutas palmas.
Kstas cousss pouco interessam a donatos,
mas com que le hei de entreter as minhas
inspidas correspondencias? Somanto com
as intrigas do convento ? sso so encarre-
gam os libertinos, nos c devemos encobrir
noaaaa m ..:!. i-ara bem da ruligiSo, e do
oslado ; apenas urna ou outra ancdota po-
do lor lugar, mas isso no basta para o Cr-
relo,
Corro agora que partero para a Rabia os
vapores de guerr Colfnho o Amasonas,
porquo segundo noticias alguma desor-
den! se receia naquella cidade no dia 2 do
julhoj ate ouvi dizer, que por isso nSo to-
ma assenlo este anno o marechil Coelbn.
como supplcnte por Pernambuco. Bom ho
lomr oslas cautelas; mss me parece quu
melhor seria Dio ter tolerado lauta auda-
cia no partido anarchista conslituinte dan
do-so-llies al favor eazo. Tambero corre,
que das tropas boje escusadis no Sul cinco
mil homons vo ser distribuidas pelas pro-
vincias do norte. Dos quoir que possam
elles fazer urna boa cabida de assassinos;
quo parecom ser hoje o mtior llagello, o
vcrgouha dessa parto do imperio; vergonha
e llagello, quo creio no desapparecerSo,
porque so d mais um ou dous deputado, n
sonadores para lies e taes provincias, no
quo iu.' parecen) muito empenhadas agora
corlas a:r,,;;Joc mdivjjpa.ei: ms so uoi
donato tivesso vol na maleri, pe minha
parte protesto que Ihes havia de fazer que- .
in.ir a castiiilia na bocea ; porque enjik
ver proor mais dous dcpulados para o l'ar,
depois do se llie htver cortado o Rio Negro,
e o Terry Ass.
Passou por lim no senado a le para a es-
trada de ferro, c por glande maiori, vo-
tando apenas seis contra. Seria urna lis-
tima que este melnoramento to applaudi-
do, e uo to decididas vantagens na Europa
o na America, fosse repudiado no Brasil a
titulo de miseraveis inlriguinhas.
I'assou hoje em segunda discussSo a le
augmentando o ordenado dos presidentes
de provincias, o discule-se um sorrilho de
artigos additivos augmentando o de outros
ompregados. SeuSo passar cerlo addilivo,
os ministros de estado ficam com menos or-
donadodo que algun9 presidontes, a quem
seconcoleoito contosde lis.
Nilo obstante o quo acm lo digo d cn-
tora Sloltz, vejo que ha grando euthusias-
mo a favor della ; mas eu que aqu ostou a
annos, o vi o furor que houve pola Candia-
ni,c pela Ids, nio me admiro do que ouco,
o creio que com elleilo se ella aiuda agora
fosso na Europa, o que dizem que outr'ora
lora, no viria ca n3o obstante a enorme
quantia porque foi coulratada, e que se-
gundo ouqo, vai pozar com outns anda
mais avultadas sobre os cofres pblicos.
A robre amarella nSo nos quer deixar.o
esta um pouco assanhada. Um navio ta sa-
hiudo, o levo de dar fundo om Villcganbon,
porquo leudo Iho morrido logoquatro ma-
rinhelros, o resto da tripularlo abandonou
o navio, c ninguom quer l ir, dizem. Ago-
ra ouvi a pessoa multo qualilicada, que o
tenento general Jos Maria Pinto Peixolo
est nial dessa cruel visltanto ; o nSo eslava
osles
esto Sr. aclimatado ? Nao atravessou
ires anuos inclume? Sim Sr. eloma ola
lehzinente a asscnblca reconhecendo o ar- disto ; mas elle eslava a lempos em Petro-
iBo da consiiiuitao arcbiepiscopal, deu-lhc a poli, e lendo vindo a cidade agora, ro ac
saneco, que llie lallava, c marcou a duracao cummellido. Pelropoll esla em cima ua
dossigoaes, falta de que lambein se reiseu- Ser,8l |,e lugar mu fro, onde nao1 lom cne-
PARAIIIBA J DE JULIIO DE l85J.
Sahio junho como enlrou, chuvoso, c frgido,
c ojulbo encelado val na mesma marcha. Ilon-
tem tlvemos um da d'ngoas, c cu tive hem }
fundados recelos de ser disfeilo como boneco """^rii'ojc'a'casa 'acom.noda'iia"coii luda i^j'J.'oJro^oc^to'moz'deTuuho tem osla -
pffSS&S&i provncl!.Za'.::T -f' 'fci ^ 1 i- *\%^a^^^^
Ibados, pouco mais ou menos, seus deis 1"- .----------------------- dosso a0 Rio de Janeiro. E conciuo aqu,
,. ,'..,..;dIde; ,.i,-s aterrlrc!, eabeado sg!- "rn. I. oree!9 mandar esta ao cor
ria aos cinco ltimos dias de verem a prisao |>|Q |j|.; JANEIRO.
da meiadc daquellc numero. Se liverinus um ;
anuo de mczcs como o passado creio que ve- { Rio 21 de juulio de 1852.
remos acabada a_raea Ikuggal, c que de cnlao erando dosgra;a, meu bom laboro I Dos-
dea nica que elrc ns olltrece aos cultiva-j agradecimento, c protestos de promover una
dores das quadrilhas c ivalsas urna ocaslau cer-1 suhscripcao par inaugurar-Ule um obelisco,
em diante entrar Dos uo seu exclusivo direi- grall0il erando verdaderamente gratulo
lo via el necii. Bem baja quem para lal lem .,, ,^ nl, j0S nraieiros Moirou o horoa
concomido, e receba a polica mcus volosde JJ^ m.|lS( 0 rival do Viciinlo de Paula, l'o-
tiro Ivo ; em lim niorrou, o morreu em so
f~-1-- -- *
Adcos.
Olrmno^nr/re.
P.S.Ouvi dizer que a comiuissSo da cama.;.
dos dcpulados apresentira um parecer an
la id cer.a le densa .ssoml) ea, que
criara o emirato das carnes verdes Como
,nte constitucional. Ozem que os depu-
/:
ot
o.
1-
a|
1 k
1
\
i
'1!.'""T f'.-LLJijii' '.
-.....*-* -
m


Fr



1

li
I 1
I
lulos Jo Cear sustentan quo alei he snto-
constitucional, mas deputacao de Por-
nambuco sustenta o contrario : veremos o
quo dizem os barbeirot.
DEM 23 DE Jtisno.
Recebemos hontcm folliai do Rio Grande al
2 do crreme.
O Sr. vice-prefjente di provincia era espe-
rado naquella cidade no da a. S. Iic. sahira
da capital para receber o Sr. conde de Caxias,
i|iic tenclonava eguir do Jaguarao para o Rio
Grande apenas o excrcilo imperial se acbasse
acampado no nosso territoilo.
O Jt> Grandenie do dia 2 da ns scguinlcs por-
menores de mu assasslnato coinmcttido na ci-
dade do Rio Grande:
liara ebrgado da cidade de Santos o cala,
no brigue tan-albo I, um boinrin natural do
l'oi lo, por uomc Dioiiysis da Silva Diiarro, o
qual licou inorando a boido do barco cmquanto
acbava cin trra onde se arranjar. Ignoramos
quacs os inolivos porque foi despedido do bar-
co o conlraincstrc que fez a vlagcm de Sanios
para esta, entrando em scu lugar novo contra-
mestre por nomc Francisco Goncalvcs Chaves,
o i|u ii ti ii -11 do mu i,- ir o bospede Bizarro
iiim o capito. Vendo esle isso, inudou-sc de
bordo c velo para trra. O capilo, depois, ten-
do algumas explicares com Diiarro, csclare-
ceu-s deludo, e lica rain satisfeitos de parte a
parle. No cnlanto que o contra-mestre Cha-
ves foi despedido de bordo, proincttcu matar
a tticarro ; c procurando-o no domingo noile
i ni onliu-o ii.i ra Dirella, no liotei du Bom
f.oslo. AH houvcram csclarccimcntos de urna
c mu .i parte, at que por liin licaram de inc-
Ibor humor couvidando Bitarro a Chaves para
comer, o que nao aceilou. Pouco lempo de-
pois sahtQ Bizarro, tomou a chave da esa em
que morava, na ferrarla que licapoucos passos
adiantc do hotel, mas immediatamcnte que
chrgou porta de casa fot assaltado por Chaves
que, tocando-lhe no hombro, disse: o S patife,
o iruc disse est dito; e linmedialaiiicnte
ferio no veulre com um cauivelao de mola c fu-
gio. Urna hora depois fui o assassino preso no
Fargo da cmara pelo Sr, subdelegado Xorrc6,
que immediatamentc poz-sc no meio da ra
com seu ordenanca c prestou mais esle relc-
vaute servico socicdadc.
Biiarro era casado. Ha tres tcstcniunhas
de vista, c he natural que o malvado Chaves
expi uin lo horrivcl atlcntado i acha-se na
i uli 11. Consta-nos que houvc urna seena to-
cante na occasiao ciu que foi o assassino con-
frontado com a sua victima. O malvado licou
de urna pallidez mortal e como petrificado
vista >\> victima, que imincdiatatncntc ocouhe
ceii cnlic diversas pesioas que se acliavaiu pre-
sentes ao auto do corpo de delicio.
Abaixo trauscrevemos o attestado que
medico astllente pallara para Uizarro ser In-
humado.
" Augusto Caudido L'errcira, doutor cm medi-
cina, cirurgia, etc.
Altalo que falicecu hontcm s 5 horas da
tarde, 22 horas depois de ser ferido gravemen-
te no ventre, Dionisio da Silva nitarro, branco,
casado, idade 30 auno, natural do Porto (rci-
iio de Portugal): o referido he verdade c allir-
uo infide doctoiis j cin hora apropriada pude
ser inhumado.
. llio Grande, 1 de junho de IS52. m Vi. A
i'., ferreira. ^^^^^^^
1.6-sn no C. Mercantil do Rio :
CERTIFICADO DE (HilTITO 1)0 CAP1TA0PE-
DRUIVO.
No anuo do 1852 dia de Icna-l-ira 2 do
M de marco, a bordo d... na lat. 7-7, sul o
long. 36. I' (testo Jo Paris, ou cap., cslan-
Jo prcsonlo a maior parlo da tri ulaeau, li-
to he. I'... do 34 minos, contia-meslro F.
do 58 anuos, despeiiseiro, (..., de 22 anuos,
F... Je 21 minos, !'.,. do21 anuos,marinlioi-
ros; assim como !'..., passageiru ; declaro
que foi oscripto a provado como s o uui-
ci verdade o que se segu, isto he :
Aos8 Jiasdo moz de foveroiro do 1852,
Jia de domingo, s6 horas pou:o mais ou
menos, A. M.,' estando na..., recebornos a
bordo o Sr. P. em companhia de um sen
criado, dirig lo para... No sabbado 1$ o
supramenciouado Sr. P. so aclia incommo-
Jadn, o segundo ello diz, andr do sllimii,
-iillorir.lii do puito o dilalac3o do boles ; su
lie propra a paluvra), accresconUiido o mes-
mo quo ja oulras vezes tinha sido accooi-
uiutido de igual molestia, motivo porque ti-
iilin Ine sido aconsolliada esta viagem de
mar. Torca-fcira, 17 dito, bein que so lulo
possa dizer que o doonte estoja mais grave,
dimitido sofl're e bastante. Aosl9, o enrer-
nio est em sovora Jiela, toma um hinho
com idea doalllviar. Do 23 a 24, o doonle
aprosoula simplonas espantosos de incha-
53o no estomago o as pomas. Do 24 a 25
Jilo, indepeudenlodos ja moncionailos in-
commodos, o nosso doonle declara ter-lho
sohrovindo sobro os losliculos urna erisi-
pela, o esto oslo despropositadamente Jo-
chados. De 26 a 27, pouco ou naila corneo
doeulo, a exeepeo dcnlgum caldo, o diz
achar allivio om bobor cerveja ; a inchafSo
em todas asparlos ho espantosa. De27 a 28
hoje o Sr. P. apresenta um estado Je melho-
i amento, toado menos inchaciloocom phy
ion.nina mais alegre, assim como por ler
comido alguma sopa em nossa coiupaiibia
De 28 a 29, fevoroiro. 0 dor lito se ar.ha ele
novo baslanloirii'rtin facomB40dAdO "srl:
| i'ularmonte as partos baixas, sondo cousa
aterradora o dcsenvolvitnoiito do inchaclo.
He 29 ao Io de marc.0 estovo toda n uoilo o
lempo em borrasca, relmpagos, Iroves, o
co nublado, horisonte oscuro oameacando
choveiro do 4 quadrantc, vnnlo impetuoso o
variavol de N E. e NO, chuva fortlssima o a
inlcrvallos ; as 3 horas A. M. o lempo segu
como cima dito, pouco mais nu menos ; s
4 lloras o doente, fosse a torca do mal jun-
tamente ao estado presento a almos hora
se queixa fortomente o de utni maneira ex-
traordinaria, linalmculc soriam 4 horas o 35
minutos A. II, do 1* do murrio, voncio pila
dor, i' ---o de existir, estn lo presente to-
da a guarda da dirota. Porlanlo bojo 2 de
marco, dia do terca-foira, s 4 horas o 22
ininulus A. M., achando-so presunto toda a
iiiiiuliico.il, assim como o passasciro F. .,
dopois do vorillculo e fcita constar que o
corpo do que foi Sr. P. esleve por ospaco do
24 lloras sem movimentoo cadver, depois
do follas as devidas formalidades com roli-
gioso recotiniento, fui dcscido|to mar: tic
Iransit gloria munrli.
Do quaeu F. pillo, a pedido do cap
13o que he Iliterato, oscrevi este verbal qui
li em clara e intelligivol voz as supramou-
conadss e abaixo assignadas tcstemunhas,
isto he eslava osignal do f de F... contra-
mestre, Iliterato.
Dito de F... despeneciro dito.
Dito de F... marinhciro dito.
Como teslemunha do todo oslo nconlc-
cimento, ecomo teslemunha dos signaos do
que precedem, fassignailo) F... mariohei-
i -1 iiiiiin leslemunlia de lodo csse succes-
so, e como tostemunhi dossignaesdo i quo
precedem fassignado) F... marinheiro.Co-
mo testemunba Jo ludo quaoto cima, (s-
cignadoJF.. passagciro.--Qor copia confor-
me ao original o pillo a bordo d... 2 do
marco de 1852, (asignado) F...
S. Antonio, o portuguez Manoel Antonio da
Silva Amoro), por cime de cslilionato ; a
or.li'in do subdelegado di frcg^iezia do S.-
Jos, Antonio Luiz Viraos, sem declaracOo
do motivo, e Jos Mara da Conoeicao, por
achar-su pronunciado; o do subdulogado
da freguozia Ja Boa-Vista, Francisco Xavier
Forrera, para averiguarOes policiaos o Ma-
noel Antonio Rosas do Amaral, sem decla-
raQSo do motivo.
Dos guarde a V Exc. Secretaria da poli-
ca dePernambuco Sdejnlbo de 1852.
lllin. e Exm. Sr. Dr. Francisco Autonio Ri-
beiro, presidente desta provincia.Jos Ni-
colao Rigueira Costa, chefo do polica inte-
rino.
DIARIO DE PERN4IBC0.
RECIFE 6 DE JI I to DE 1852.
O vapor lliinna, entrado neje dos porlos do
norte, trouxe-nos gazetas do Para com datas
i ir I lio p.issadii, do Maranhiio at 24, c do
Gear ate 2(5.
Todas as provincias ficaram cm tocego.
No l'ar concluioa cmara municipal da ca-
pital, no dia 17 do passado, aapuracao gcral da
cleicao para deputados provinclacs, (juc tcm
de servir no bienio de 18M a 1853.
Lc-sc uo Trcw. itc ttaio de i!) do dllo niez
a Na madrugada de anlc-hontein chegou a
esta capital o Exm. Sr. Joo Bapiista de Figucl-
redo Tenrciro Aranha, presidente da provincia
do Ah mu i., de vlagcm para acorte ahm de
Ir tomar asiento na cmara dos Srs. depuiados.
Consta-nos, que aqni se demorara at a chega-
da do prximo vapor que devera ter lugar no
lint deste mcz. Aquella provincia ficou cm ple-
ua paz, encarregada aos cuidados do priineirp
vicc-prcsidcnteoSr. Or. Manoel Gomes Crrela
de Miranda.
O uicsmo jornal de 5, iranscreve do Bom Pa-
tacnse o seguinte :
Pelo Cabo de urna canoa chegada do Ama-
p a 2U do passado, sabe-sc positivamente que
os tiros de peca, de que demos noticia cm uin
dos nossos uumciospassa4os, segundo as infor-
maedes do pescador da Vila, nao forain outra
cousa, seno o signal para chamaicm pralicos,
ou pessoa queos gulassc Caycnna. lie exacto
que 3 navios de guerra, condusindo deporta
dos, chegaram aquella paragem e deram tiros
de peca. "
Ao que coininunica o nosso correspondente
do Maranbao em sua carta, insera cm outro
lugar, resta-nos acrescenlar que, no da 7 do
passado procedeu se al! a apuracSo da elcicio
do senador, que tem de prcencher a vaga do
fallecido dcseiubargador Franco de S, aaliin-
do volados ein primeiros lugares, segundo o
cdilal publicadii pela cmara apuradoura, os se-
guinles seuhores : dcsciubargador Jos i)larlani
Com *2'J votos; Ur. Joo Caelauo Lisboa con,
com 388; conselhciro Joaquim Vichada Silva ,e
Sonta com 103 i conselhciro llcrculauo Fcrrei-
ra l'ciiua com 53 nmjoi llouoralo Alves de
Souza com 47.
No Cear, liuha-sa declarado a febre auiarcl
lana cidade de Sobral, seguudo noticia o Ccu-
'tf/J.C.(
Contiiiuava por ali com actividade a perse-
- ni- .ni dos criminosos, uiuilos dos quacs lam
acudo succcssivamciilc capturados c rccolhldos
as cadeias.
Lc-sc no l'cdro I de 12 do passado :
A polica lea apprehcndido uliimanicn-
tc nesla provincia os segumics escravos, Alc-
landre c Jos no termo de Baturit, d'oudc j
fnram rcmctlidos para esta cidade, os quacs di-
lem perleucer ao Sr. Francisco Jos de i.jh.i-
Iho l'acs de Anarade da provincia de Pcrnaiii-
liiico : oulro cm Inhamuus, que diz perlCHcer
ao Kxiu. Ii.ii.id de Suassuna daquclla incsiua
provincia ; c oulio finalmente no termo do lp
chamado llcrmino, pcrieuceulc ao Sr. Jos An-
tonio Barros da villa da Grauja nesta provincia .
lodos cslcs csciavos se achain guardados com
scguraiifa al que scain procurados pelos se-
nhores, quem inlorinaiii-nos que a autorida-
dc policial tcm feilo os compeleulcs avisos.
i'clo vapor nacional rernni6iie(nii elie-
gndo boje du Sul, recebemos jornaes do Rio
(lo Janeiro, quo alcancama 26 Jo passijo,
da Halna a 3, Je Mac.-i ate Jo 4 correlo
S. A. Imperial linliu sJo acommutlda,
no principio da noite Je sabbado 12 Jo pas-
sado, do umaccosso febril com signaes de
irritac3o cerebral, o qual so ronovou cotn
alguma gravidade na inusma hora dos tros
das seguintos, mas dosappareceu felizmon-
to do loJo, com o Iralumonlo posto om pra-
tica.
Km sigilo de 25 do dito DM passou, cm
segunda Jscusso, na cmara dos deputa-
los, o projecto, que eleva os ordenados dos
i presidenles do provincia do 5 a 8 contos de
*ris, segundo a classificaclo das provincias,
e lamlicm eucerrada a discusso dosartigos
aJditivosao mesmo, sendo approvadas s
seguimos dispusieres :
Os.mnistros do o"tado venccr5o 12 con-,
tos de lela por auno, continuando os conso- Antonio Jos Pi.nentel soffreu uin uro de em
luciros do estado a vencorem a mesma gra- ^riuHb^m-^Trv^mandantes. c .ao
tlhcscuo, que acluilmoulo porcobem. | uwraves as atlribuicacs e de algumas dcol.ll-
Os membros do supremo tribunal do Jlf-jdameota duvidamos por todas as raides, e
tQa eos das relacjoes telando oiJouaJu, 01 naln inieressc que ha cmcompromciter. que
piiiiu'iros 4 contos do res, o os segundos 3 aguardamos informacScs dcsapaixonadas ecs-
conlos, vencendo alem disto, a titulo de clarecimenios siuccros
quo a nSo considera existente desde longos
llllllllS.
OSr. Jos Francisco de Paola Cavtlcanii
de Albuquerque, ox-ministro residente do
Brasil em Madrid, acha-se nomoado enviado
exlraordioaiio e ministro plenipoloDCiario
no Pe- 6.
Segundo o Jornal do Q quo estavara nomeadoi:
OSr. conde do Caxias, marquez do mesmo
titulo; *
OSr. Honorio llermto Carneiro Leso, vis-
condo Jo Paran;
O Sr. Antonio Paulino Limpo de Abrou,
grSocruzda ordem doChristo.
Foram inais nomoaJus: ollleiaps da or-
dom da Rosa, os Srs., Dr. Lallumant, Fran-
cisco Fcrreru do Almeida, Julio Vlleneuve,
o Jos Ignacio da Souza Vernek ; cavallei-
ros, os Srs., Dr. Jorge Cade, Jos Antonio de
Oliveira o Augusto Pradier.
Cahio ao mar, no Rio do Janeiro, um va-
pordo forca do40 cavallos, conslruiJo no
estabelecimontu da Ponta da Ara, o encom-
mendado pela companhia Ntherohy.
A crvela americana James loivn hava sa
hido d'ali para o Rio da Prata, levando a
seu bordo o ministro da mesma nacSo Ro-
beckonck, em cdmmssno do sou goven.o
para tratar com a repblica argentina acer-
ca da navegafSo dos ros.
Do Correi'o Itcrcunil do Rio tramcrvemoi o
seguinle: ,
.( Koram approvados socioi dasocledaile coa-
lla o trauco de Africanos os mi. coosellialrosilc
estado Montezuma.Dr. Joi l'elxolo Ypiranga
dos li ii ai aun, francisco Marques de Soua, Joao
Martina da Silva Couiinlio, Constantino do
Amaral Tavarcs e Joo Gclulio .Monteiro ic
Mcndonca. a
Lc-se no Vhila/drofro :
a A sociedade contra o trafico voto^uuja
coininisso que agradecesse ao ex-chefe de po-
lica, o Sr. Francisco iogo Pcrclra de Vascou-
celloa, o relevantes aervlcos que acaba
prestar cxtincfo do trafico.
Volou i.uiibciii urna inedalba de ouro de
duas on9as ao mesmo senhor, com a scguiotc
nscrpean de um lado- Sociedade contra o tra-
nco de Africano e promotora da oolonisacao c
civilisaco dos Indgenas, cm signal de agrade-
cimento. E do outro ladoAo Sr. francisco
Dlogo Pereira de Vaaconccllos, chefe de po-
lica ciu 1852. .
Do Rio Grande do sul deixamos transcriptas
em oulro lugar as noticias que se tinham na
corte, e que pnblicou o Jornal do Commcreo.
No dia 2a do passado havia chegado a Baha
procedente de Brate, com 25 dias de viagein
a Iragata a vapor Caimn, conduzindo a scu ior-
do o ministro francs, cavalleiro de St. Gcorge,
que devla seguir para o Rio de Janeiro cm mu-
llo cspcciil do seu governo relativo aos nego-
cios do l'rala, acompanhado do ministro ioglez
Sir Cbailes Ilstralo, queja all o esperava.
O Caimn i unliriii conduilo o almiranteSula,
3ue vai substituir o Sr. Lcpredour no comman-
o da esquadra franceza, estacionada aciual-
incnlcein Montevideo.
O dia2 do crreme, vigsimo nnuo anniver-
sario da entrada do excrcilo pacificador na ca-
pital da Bahia cm 1823, fo'i nella festejado om
a maior pompa c regosijo, c sem occurrencla
alguma, que allerasse a ordem pnblica
l.i-si- no Mercantil de 28 do passado-:
Us boatos que por ahi correin, c que oSr-
culo de sabbado exagerou de baver occoriido
grande conllicto na cidade da Cachoeira entre
o povo c a for{a de polica all eslaciouada, por
molivoVc recrutaiucnlo, nao sao exactos.
tacto foi este, segundo nos consta com toda a
certeza.
Kxistlndo no lugar denominado Recua-
da um batuque, sem que o delegado do ter-
mo para Isso houvcssc perinillido licenfa, cn-
tcuJcu esle dever inanda-lo irissolver, e ncslc
intuito expedio um cabo depolicia com alguna
guardas; os batucadores porin dcixaiaui de
obedecer proinptamcnte dctcrmlnafao da au-
loridadc, c chegaram a fcrls com uina cacelada.
a um dos ditos guardas. Ento o mencionado
delegado quarlo aupplcntc cm exercleio, Dr.
Garlos de Cirqucira Pinto, dlrlglndo-sc pes-
soalmente ao lugar do conllicto inandou retirar
a forja de polica, c s, entre porco brpovo
que para all se havia Ja aoonmuldo, dlspcr-
sou a rcuniao, sempre respeilado noempregu
de suas providencias, c pacificamente atendido
pelo mesmo povo. l'oraui entretanto presos
dous guardas pollciaes, contra os quacs se quei-
xara o subdelegado daquclla cidade, dizendo
havercm-lhc desobedecido, quando Ibes decla-
rara que para tal divertimenlo tlnha concedi-
do liecnca. .
Proccdcu-sc corpo de delicio no ferimenlo
feilo ao guarda, c proscgne o Sr. Dr. Parauagua,
que ja se acha no exercleio da dclcgacia as
mais averigoacOes convenientes para punicao
do dellnqucntc.
Els mais ou menos o que oecnrrCU. sendo ab-
solutamente falso que se tratasse de recruta-
ucnto, c que este all se fava como diz a lolha
da onposicao. .
Em JlacciO cncerrou a asseinbla provincial
os seus trahalhos, no dia 20 do passado.
Lc-sc no lempo de 3 do correte.
MADEIO' i DE JUNI1U.
. No da 21 do crreme o administrador
da mesa de rendas da villa de Porto Calvo.
2
V. S., respondo do modo seguinte aos que-
sitos de sua carta. Em quanto ao prltne-
ro, teobo dizer, que V. 8. sempre foi ami-
go sincero de mou cunhado lluailn, eelle o
era igualmente de V. S., assim como tam-
ben! era o scu advogado, ctijos olllcios bem
falta llie la/cni, pela grande amizada e con-
lian,' i que V. S. deposita va nelle. Quanto
ao segundo, estoucertoque V. S. leve mul-
to desejo de prender o assassino, j como a-
migo de Duarte, ej como autondade que
V. S. era ; mas houve um grande dosistro
ou desgraca entre V. S. e o Sr. Jos Paulo do
Reg Brrelo, a qual desgraca impossibili-
tou V. S. de fazer todas as diligencias ne-
cessarias, quo meu ver, era de esperar das
autoridades, pois no julguei, como nSo
julgo, sulTIclentes as que foram feitas por
iiiiin o por oulros, amigos meus, como diz
V. S. lio corto porm, que, depois de acal-
mado o desaguisado entre o Sr. Jos Paulo e
V. S., eu o vi assignando uns odelos, que
suppuz serem para alguns inspectores de
quartoirSo,eque trataran! da pris3odo as-
sassino ; digo suppuz. porque nao os li.
A' rospeito dos 60, o 100,000 ris, que diz
V. S. ol 'ri.vra quem proudesse lliyniun-
do, creio que o iizesse ; mas nSo o ouvi.
Quaoto ao quinto, o tal Raymundo nunca o
servio, e supponho que nem o conhecia,
pois elle, nesta frequezla, a pessoa quom
servio, por.espaco de 14 inezes, foi a Duarte,
e depois quo sabio de sua companhia, vivs
vagabundo, o o lugar onde mais parava era
lias proprias trras do Duarlo. No cntanto,
sepre se oceultava dello, mas nSo de mi ni,
que o vi anda 2 mezos antes da norte de
meu cunhado. Consta-me, quoUouve quem
imputasse a V. S. esse assajssinato ; ilqne
porm certo quo uem eu, oinom qualquer
que o conhecer, dar i isto a menor alin-
elo ; e acho cousa bem trisue esses senho-
resandarom por ahi a fazer o'a espaldar jui-
zos temerarios, pois eu, que liei de tola a vi-
da de meu cunhado, o que tqnho observado
todas essas eousis, anda nOoj pude fazer jai-
zo al..'un para suspeitar o(0 Rsymundo o
instrumento de um terceiro. lie quaoto te-
nini responder V. s com o que pens,
que lenhosatisfeito. Estimo a sua boa sa-
de, e sou etc. Jos da Silva CisueiroGui-
aiarSos.
N.' 3. Do igual theor ho a caria an re-
verendissimo vigaroda fregueza Jo Cabo,
oxcep(3o das palavras Cunhado de V
tanto alguns amigos e prenles daquello
doutor mandarem logo correr as matas pr-
ximas ao lugar do delicio, foram frustra-
dos todos os passos. Finalmente respondo
a V. S. : que a slnceridade de sua amizade a
aquello doutor, o os seus suntnientus 13o
recnhocidos, privam conceber-se, quo por
quslquer principio, V. S. protegesse ao as-
sassino ; nSo me constando que em lempo]
algum estivesse om sua conpanbia tal Ray-
mundo; e ignoro quando fosse elle para a
companhia do fallecido Dr. Duarle.
Prezo-mo do ser com sinceridado etc.
Francisco Paes Barrlo.
Engenbo Molinillo, 25 do junho de 1852.
N. 5.Des'.e mesmo llioor ao lllm. Sr. Dr.
Alfonso J'Albuquerque Mello.Es a sua
resposta : lllm. Sr. Joaquim Msrques da
Cosa Soares.Sci que V. S. era amigo o
muito amigo do falt cido Dr. Duarto: sei que
elle ora seu advogado ; se que V. S. muito
e muito precissva dalle : sei que elle llie uz
mu grande falta; se quo V. S. mostrou om-
penho em pronder o s-u assassino; nao sou-
be.que V. S. livesseofferccdo alguma quan-
ta para cfTactuar tal prizSo ; sei quo us p-
renles do Dr. Duarto e outras pessoas lize-
ram immediatamente dopois do tiro deligou-
cas infiucliforas ara apanhar o asstssino;
sei quo V. S. nao poda por nenltum molo,
nem ao menos desejar sublrair tal assassino
das man-, da juslirja; no mo consta que ello
estivesse em lempo algum cm sua casa ; sei
que elle fui para a companhia do Dr. Duar-
to (assim como oulros muitos Irabalhadores,
fugitivos da Escoda, dos quacs elle pareca
sor um dos nielliocs ) pelo lempo pouco
mais ou menos cm que Jos Podro fazia le-
vas na Bscada, para fazer iosurses ou doli-
i'iu i ,(iiM.u ido quzerem chamar) pelas
reguezias da mesma Escoda, Ipoiuca, e Ca-
bo. Sei de ludo isto, porque tonho estado
muito lempo, e por militas vt/j-, em casa do
Dr. Duarte, por ter sido muilu'seu amigo,
como o sou do sua momoria,'que vejo com
dor do altrum modo D}*r'6,tiada pela nido,
que ;-'.'.'.;> s !;,\iresa, se dexaram, nescia c
mis jr.iv.'l nenie, so nflo voluntaria o perver-
samente engaar pelos manejos da mais des-
prezvel intriga.
Nilo admira pois quo V. S. que est vivo,
seja victima dola. Em quo lempo estamos
nos ? NSo temos chegado 13o alio grao de
immoralidade e ili.-solurao .' Quo admira
pois, que V. S. queira encobrir esse musle-
.1 ruado polo quinto. Eis a resposta.
lllm. Sr. Joaquim Marquos Ja Costa Soares
Em resposta ao que mo porgunla, ten ho a
dizor, que sempre observe muitu Je porto a
amizade, que o Sr. Marques cunsagrava ao
Sr. Dr. Duarte Coelho Je Albuquerque Mol-
i, por sera minha casa on lo esto infeliz
meu amigo eslava lodasas somauas Jouso
mais dias, o onde o Sr. Marques estavacom
elle quasi lodos estos Jias, ii3os para tra-
tar Jos seus negocios, como lambem pela
amizade que tinha ao dito Dr. Duarte; em
sogundoe terceiro la;; -r, respondo pela af-
lirmaliva, por ler observado, tanto o Sr.
Marquesott'orccers quautiasquo mencio-
na, como as pessoas quo foram em segui-
mento do assassino : o finalmente, nSo me
consta que o Sr. Marques em lempo algum
prolgesso dito assassino, e nem que esto
estivesse em sua casa. Quanto ao lempo,
em que dito assassino foi para casa do Dr.
Duarto, ignoro. Desejo V,S. todos os bens,
pois com sincera estima sou ele. Jos
Luiz Pereira do Quoiroz.
N. 3. De igual llieor de n. 2, he a car-
ta dirigida ao lllm. Sr. doutor Fulgencio
Infante de Albuquerque o Mello, cuja res-
posta so segu:
lllm Sr. Joaquim Marques da Costa Soa-
res.Com ingenuidade confesso, que mo
be muito doloroso satisfazer a exigencia de
V. S. em sua caria, nao s por ter de entrar
no desenvolvimento o apreciacSo de factn.
quo, somelhante um aguilho, vem ma-
goar as profundas feridas do meu coracSo ;
como tambem por ter de sinceramente car-
pir, quasi sem remedio, a sorte do meu in-
feliz paiz, ondo a immoralidade sobre as
ruinas da honra, Ja verdade, Ja lei e da re-
li;:i,iu ha fundado seu imperio: todava,
como V. S. ha empenhado niinha honra om
respoodcr-lbe, forca he satisfazer a sollici-
tude de V. S.
Respondo ao primoiro quesilo da caria Je
V. S., asseguranlo-lhe, quo meu prozado
i i inao sempre ma nieve. rela(es Je intima
amizade com V. S.; e com o mesmo grao de
certeza afllrmo, que at a hora em quo o
S. e do quarlo quesilo, cujo lugar he riot da nobresa da Ierra, e que Jos Paulo do
Reg Barreto os queira descobrir?
E que isto seja dito pola Imprento ? pela
Imprenta I pela Imprenta !... Na verdade o
quo admira na Imprenta ? olla quo repele
urna mentira mil ve es, o que nfio sustenta
urna verdade duas vezes! O quo mais so mo
ver .' Quo admira quo maligna e perversa-
monto, nilo so acho bastanto que um saltea-
Jor mate um horneo, para rouha-lo, e uns
nventem mandanlcs, instrumentos o man-
datarios, o oulios atribuam ao infeliz assas-
-in id-i a causa de sua morte .' N.1o estamos
in'ci ii'i teiiipo da mentira o da c-iufuzo,'
Pois o ro-.ultad i do ludo sor a montira o a
coufusSo. Reslgne-se por tanto V. S. e ofTe-
ri'Qa Dees o sacrilicio involuntario das ca-
lumnias de que ho victima, pois dos mcios
sociacs pi'tis i n.li haver mais o quo osperar.
Sou ccl.AiTiiiio d'Albuqucrqao Moli.
N. 6.Do igual llieor llualmenlo ao lllm.
Sr. Joaquim Tnoodoro da Silva Cisrreiro, o
qual responde uestes termos: lllm. Sr. Joa-
quim Marques da Cosa Soares.Tenho pre-
sente a cartt que V. S. mo fez a honra de
derigir, na qual exige do mim, que respon-
da aos tpicos que na mesma se lcom, o que
passo a cumprir com a sinceridade que me
caraclerisa.
Em quanto ao primeiro, rospondo: que sei
por conhecimonto proprio.quo o meu infe-
liz cunhado Dr. Duarle Coelho d'Albuquer-
que Mello, manlinha ostreita relac.lo Jo ami-
a'rl r-nm V S.. p consta quo odvofliira algo*
mas causas no foro do Cano.
Quanto an sogunJo tpico respondo : que
por nao me achar no Cabo na occasiSo do
homicidio, uo tenho sciencia propria do
empenhoodeligencia, que V. S. por ventura
empregasso para a captura do facinora, e
smente dias depois, soube por couversacao
quotive com um amigo, que compartilha-
va commigo a dor o perda do mou infeliz
cunha, que V. S. se mostrara inleressado na
captura do assassino, olforcceudu a quanlia
de 100,000 rs. quom o apprehondessse.
Ao torcoiro quosilo respoudo: quo lonbo
conhecimento de que alguns membros ala
familia do assassinado, e amigos desto im-
Movimento do porto.
Navlot entrado no dia 6.
Para e porlos intermedios 15 dias e 10 ha-
ras, vapor brasileiro Bahiana comman-
danteLuiz Crrela de Mello, equipagein
30. Traz a scu bordo : para esta provin-
cia, D. Mara Brasilina de Vasconcellos,
Miir .lino Joronymo dq Azevedo e 1 es-
crava, JosSamico, Silvestre Ferroira dos
Santos e 1 escravo, Raymundo Pinto do
Mendonca Caminha, Manoel MarquesCi-
macho, Jos lliboiro Cuimares, Joslli.
beiroda Costa, Manoel de Almeida Lima
o 1 escrava, Joo Xavier Vidal, Antonio
Venceslao Borges o 12 escravos, cnsul di
ParahiliaBron AmyMansell Power, llcn-
rique Krause, Antonio dos Santos Coe-
lho, Ernesto Justiniano Freir, Jos Anto-
nio Pereira Cuimaifies, Manuel Rsymundo
Ferreira, o Joaquim Jos de Santa Anua:
seguem para o Sul, Jos Tell Ferrlo, An-
gollo Rodrigues Samico, 14 prac.is para o
excrcilo o marinlia o 26 escravos a en-
tregar.
Rio de Janeiro 9 dias o 19 horas, o de Ma-
celo 14 horas, paquete de vapor Pernam.
bucaoa, de 240 toneladas, commandanln
Joo liennque Olton, equipagem 30. Traz
a seu bordo, para esta provincia, o pri-
moiro cirurgiflo do excrcito l'raxi '., .
i. mi-'- de Souza Pitaoga, com sua fami-
lia, D. Maria Lucinda de Miranda Araujo,
Anlonio Pires Ferreira, capito Domingos
de Lima Vciga, com sua senhora o 1 es-
crava, Francisco Jos Rodrigues Bastos,
Serallm Teixeira Bastos, o II. Gansly : se-
guom para o Norte, Ayres da Serra Sonto
Maiur, com sua familia, piimeiro cad'lo
Joaquim Alexandriuo Bello,primeiro sar-
gento Feliciano Jos llonriques, llonn-i i
S. Luiz, 2 ex-pra;as de pret eamulhcr
do um.
Parahiba-- 7 dias, hiato brasileiro Paquete,
de 33 tonoladas, uiestre Joo Pereira di
Silva, oquipagem 4, carga assucar e mais
gneros ; a Justino da Silva Boa Vista.
Passagelro, Juaquim Francisco da Rocha.
Navios sabidos no mesmo dia.
Canal brigue inglez Favorita, capitn \V|.
liam Weckei, carga assucar.
Aracaty -- hiato brasileiro Capibaribc, mes-
tre Antonio Jos Viauua, cirga vanos g-
neros. Passageiros, Napolen Gabriol diz,
Manuel Jos Pereira Pacheco, Jus Ricar-
do Ferreira Mircal, Joaquim Jos do Arau-
jo, Joo Cyriaco da Cosa, e Clorindo >.u-
nos da Cruz.
Parahiba-hiato brasileiro Flor du Brasil,
mostr Joaquim Antonio do Figueircdu ,
carga varios gneros.
dem hule brasileiro Parabibano, mes-
Ire llenrique Ja Silva Mal a carga la-
zondas e mais genero. Passageiros, Ma-
noel Joaquim dos Res Sulio Pompeo
de Barros Lima, Francisco Jos de tirito ,
Djmingos Ramos, e Adriano da liorna.
~HSKP!M
EDITA ES.
ferro homicida roubou-lhe a vida, estas re- peludos pela noticia do Uo doloroso aconle-
laeoes de amizade n5o foram inlerrompi- cimento, dirigiram-so Inmediatamente ao
das; e que ello era advogado de V. S. no j lugar ondoso acliava a victima, o que em-
IViro da infeliz villa do Cabo, on le s im-
pera o patronalo, a licen;a o o crimo.
Em quanto ao seguudo respondo : quelo-
nhii sciencia de quo V. S. desenvolvera
muita actividado, e ompregaiia todas as
diligencias, como autoridado policial, na
pregaran) os meios de que podiam dispor no
momonto para a captura do scelerulo, po-
rm que infelismenlc, loram iuutcis o in-
fructferos.
Ao quaito quosilo respondo : que no tom
chegado ao meu conhccimculo acto algum,
gratificarlo, aquelles 2 contos, eestisl, a
qne t--i.... direito quando so acharem em ef-
foilivo oxercicio.
Aos membros das relacoes lie un .sondo
apflicaveis as disposicOes do artigo primoi-
ro da lei n. 557 do 26 de junho de 1850 e lo a pro uessa quo fiz em ininlia corre.pon-
MUS paragraphos. dencia do 19 do prximo passido, inserta
Nascs.lodoaiapprcsontou o Sr. Frm- no sou conceituado Diario, n. 1, venho
no Rodrigues da Silva o procosso do Sr Mel- boje rogar-Ibes o favor de publicaren) os
Correspondencia.
Scnhorcs RiiJactores. Em cumprimen-
1 > I I 1 I I i 11 1 I i V 11 i l i .1 > i i" i. i u ,
o Franco, que foi remetliJoa conmlsslo sois documonlos juntos que oxuboranle-
loconstituicaoopoleres. o pe.linJo o Sr. mente provam a falsidadede impulacOcs,
irnandes Chaves dispensa Jo m'embroJel- quese molom foito. por occasiao Jo mu
.acamara, consultada, decidi negativa- lamentavcl assassinato, commetudo nesta
elltl comarca a 27 do maio prximo lindo, na
No sonado termioou no dia 19 do passado Pessua Jo hachare! Duarto Coolho de Albu-
prolongada discussao do projecto da ou- querquoIMollp. Chamando so bree Um a_jt-
PERNAMBUCO
ciiai titao da policiu.
DIA 5 DE JULIIO.
lllm. e Exm. Sr.Das partos bontem o bo-
je recebidas nesla repartiefio consta terem
sido cresos : A minha ordam. um injlo n.
jo nome se ignora, per embriaguez ; or-
dem do delegado do primeiro districlo des-
te termo, o escravo Antonio, por briga, eo
preto Alexandre, tambem escravo, sem de-
r'ameno Jo motivo ; i ordem do subdelega
do da fregueza de S. Fr. Pedro Concalves
a prolong
Ira cmara, quo aulorisa o governo a .,
ceder a urna ou mais companhias a cons- oes, pretendo nao accrescenlar mais urna
IruccSo Jo urna cstraJa do forro, desde o palavra a respeilo; bom corto do que nao
municipio da curto at as provincias de '? B'aojs Minas e S
do por g
Foi appresentado polo Sr. senador Monto- lo. Joaquim Marques da Costa Soaros. -
zuma o seguinte importante projecto : Villa do Cabo 5 do julho de, I8a2.
A assembla legislativa resolvo : not.U.heios.
Art. 1.* governo he aulorisado a fa- N. 1.0 lllm. Sr. Jos da Silva Cisneiro
i C0[1. tencao do publico, a quom s devo satisfa-
go da curto at as provincias do he a Um Jo.as conveniencias uo aiguui peno-
S. Paulo, sondo o mesmo approva- dico, ou um trillo individuo que podom con-
irando maioria, c regoiladas lodas seguir desconccituar-mc. bou, senhoros
ja rodadores, seu voneraJur, criado e obriga-
justi?a nSo fosse interromoida por um for-
te, triste e criminoso conllicto, que, segun-
do mo informaram, se deram onlro V. S. oo
advogado Jos Paulo, em cas> do nosso mui
ilislincto e prestimoso amigo Francisco Paes
Brrelo, que dellc, assim como muilas mi-
tra-, grsdas pessoas foram testom.inhas:
conflicto, que anda hoje msgua a todas as
pessoas sensatas polas consequencias funes-
tas, que poderia acarrelar, o que at hoje
anda nflo foi pelas autoridades competen-
tes seriamente examinado, alim do ser com-
petentemente punido : o quo na verdade
nSo maravilba, atiento o grao do immora-
lidade o con upean, qne lavra na maior par-
te da familia pernambucana!
Respondo ao terceiro lopico da caria de
V. S. : que mo consta, quo algumas pessoas
de minha familia o alguns amigos do mou
fallecido irmSo, quom gralosou, muilas
horas dopois do forimenlO do mesmo, so-
guiram em busca do assassino ; mas com
pouca actividalo e inrructiforamonto, m
virludo das horas do avanco que o mesmo
levava.
Em quanlo ao quarto, tenho a dizor a V.
S. : que he oscanda-lo inaudito, so se diz,
que V. S. prologou ou protege o autor do UO
monstruoso crime ; por quanto isto repug-
na com os principios ue sua honra sua
educacilo, e com a amizade quo V. S. sem-
pre lem mantidoo tributado a nossa fami-
lia; a qual aproveita o ensejo para rogar a
V. S., que desprezo 13o vil o indigna calum-
nia. Finalmento assoguro, que V. S. nun-
ca levo semolhanto monstro por nomo Ray-
mundo, o matador Jo mou sompre chorado
irmSo, em sua companhia, o nem me cons-
ta, quo livesse nunca assassino algum ;
assim como ignoro a poca em que o mes-
mo Raymundo foi para companhia de meu
irm5o, o o tempo que.com elle pormancecu
engajado.
Desojo que V. S. faca da nimba resposta o
usoquoquizor, ecrciaque estarc sempre
prompto para mostrar quo sou oleFul-
gencio Infante de Albuquerque o Mello.
S. C. 23 Jo Junho Jo 1852.
N. 4 Do mesmo theor ao lllm. Sr. Fran-
cisco Paes Barreto, que assim respondo :
lllm. Sr. Joaquim Marquos da Costa Sos-
< itmnnnin ao que V. S. exige nesta sua
carta : que, alm de ser geralmente raco-
nhecida a amizade quo V. S. tinha ao falle-
captura do brbaro assassino, que ceifou a pur ondo supponha quo V. S. linba prologi-
oreciosa vida iln mnil irmiln, su a arcan Ja Hn n criminoso nom tn mineo nijo I!
I
lei
Vcrg
Abra
ra
Este projecto, que honra o senado brasi- no, offerocendo mesmo a quanlia de 6U.O0O
ro, oi assignado pelos Srs. Montezuma, ris do urna voz o 100,000 res de outra
rgueiro, Costa Ferreira, viscondo de quom o prendosso : terceiro so nSo ho corto
rite. Tosa, Clemente Pereira, Olivei- quo algumas possoas da ramilla uo inieliz
Coutinho, Lopes Cima, Jobim, M. Mal- Dr., o alguns do seus amigos, ao sabercm
tos, M. A. Monteiro, Vallasqucs, A. Bran- do facto, correram logo ai os o assassino, e
co. Silva MatTra, L. de Abroo, A. C. Muoiz, sem nenhum resultado : quarlo so o inl.liz
marquez do Hanhaem, D. Manoel, Lima o Dr. Duarto nflo me disso na occasiao cm qu'i
Silva, Araujo Itibeiro, Gabriel Mondes dos cheguei ao p dolle : meu amigo estou mor-
Santos, visonde do Olinda. to pelo caboclo Rsymundo, quo foi meu
l.-s noCVre/o l/erewiHI do 22 do pas- morador, tou amigo tem completado o. seus
M(j0 dias : o so eu ent3o nSo mostre scnli-
.. liontcm no senado alguns membros d'a- montos de verdadoiro amigo : quinto Imal-
quclli cmara discutiam om una das sallas monto so llio consta, que por qualquer m-j-
conveniencia de ser mudada para outro do ou principio, tenho protegido ao mesmo
nni o.p.;.-! -jo is-.pcrio. Da projecto criaisess j ssiscom?? St "m SOO
que para tal lim devia ser iniciado, foi en- tempo esleve em minha casa, o quando fui
treguo por um sonador, que j o tinha es- elle para a casado mesmo Dr._PUrH>
cripto, a um dos seus collegas para o oxa-
minar o dar a sua oplnio.
Qualquer quo soja o ac
lenlia de chegar, he incoufcslavel a conve- alca
houvesso cm lempo algum estado em sua
companhia ; o finalmonto soi quo esso per-
verso de nome Raymundo oslivera ao sorvi-
;o particular do men infoliz cunhado no an-
no prximo passado.
Assim julgo haver respondido ao que V.
S." mo pedo om sua carta, podoudo usar como
Um aprouver dcsla minha resposta, um quo
exponbu a vordade; llcandu-me o sonlimun-
to de conservar anda outra venale bem
amarga para mimquo dcsgrac.adamcnlo se
u3o icnha vericado a caplura desso muns-
truimqualilicavol, quo impune goza o of-
feitosdu sua iniquidade. ~ Para o que llie
poder prestar, mu tora sompro prompto, por
sor ele, ele.
Joaquim Ihcodoro da Silva Cisnoieo.
Eslavam lodas as firmas roconhocidas.
COMMERCIO.
ALFANDKCA.
lien .lllm niu do dia 1 a 5. .
dem do dia 6. ....
46:293,375
14:338,875
60:632,250
Descarregam boje 7 de jullio.
lirigue portuguez Laia mercadorias.
Brigue americano Wiitiam l'rice -Jtri-
nha de Irigo.
palacho inglez Bambeo bacalbo.
CUNSULAllDGEUAL.
Rondimontodo dia 1 a 5. 8:183,437
dem do lia 6........1*84,039
9:867,476
O Dr. Jos Raymundo da Costa Menczc<,
juiz municipal sty>plente da segn la va-
ra e do commercio desta cidado do Ite-
cifo de Pernambuco por S. M. I. e C.,
que Dos guarde, etc.
I-neo saber aos quo o presente odital vi-
ren), que da data dello a vinte dias, se h3o
do arrematar por venda em pra;a publica a
quem mais dor, um sitio no lugar da Tor-
re, avaliado em 3:000,000 do rs., o urna ca-
sa terrea na ra da Concejero da Boa Vista
n 18, avahada om 1:600,000 rs. penliora-
das a Luiz Antonio Rodrigues de Almeida o
sua niulher, poroxocucSo de Joo Pinto do
Lomos i\ l-'ilho.
para que chegue a noticia do todos so
passou o prosonlo, e mais dous do mesmo
theor. sendo um alixadn naprc locom-
mom.i, outro na casa das audiencias,o ou-
tro publica lo pela imprensa, na forma de
terminado no a'tigo 538 do regulamento n.
732 do 25 do novombro do 1850.
Dado nesta cidade do lenle, de Pernam-
buco. em 12 de junho do 1852. Pedro Ter-
tuliano da Cunha, e-envau o subscrevi.
Jos Raymundo da Costa Mcnezes.
-- U lllm. Sr. inspector da thesouraria da
fazenda provincial, om cumprimento da or-
dem do Exm. Sr presidente da provincia de
II do correle, manda fazer publico, quo
nos dias 6, 7 o 8 Jo jullto prximo vimlou-
ro, so ha de arremata/ peranlo o tribunal
administrativo da mesma thesouraria a
quem por menos fizer a obra da ponte
da Passagom da Magdalena, avahada om
24:880,810 rs.
A arrematacSo ser fcita na forma dos
artigos 24 e 27 da lei provincial n. 286 do
17 de maio de 1851. o sob as clausulas espe-
ciaos abaixo copiadas.
As pessoas quo se propOzcrcm a esla rro-
matac3o, coniparec,nm na sala das sessoos
do mesmo tribunal, nos dias cima mencio-
nados ocio meio dia. competentemente ha-
bilitadas.
E para constar so mandn afllxar o pio-
sente, e publicar pelo Diario. Secretaria da
thesouraria da fazenda provincial do Por-
namburo, 15 do junho do 1852.-0 secreta-
rio, Antonio Ferreira da AnnuuciacSo.
Clausulas espeeiats da arrematado.
I.* Esta ponto sei executaJa do conlor-
miJaJo com o orcanionto nesla data apre-
sonlado a approvacflo dn Exm. Sr. presi-
dente da provincia na importancia Jo
24:880,810 is.
2.* Estas obras sei o principiadas no pra-
so de 111 ola ilia-.o concluidas no do dez me -
zes.
3.a Durante a oxecuc,3o Jas obras o arre-
mtame ser ohrigudo a Jar livre passagem
ao publico, laiiio a pe como a cavallo.
4." A importancia desta arrematadlo ser
paga na forma do artigo 38 da le provincial
n. 286.
5.* Para ludo mais, que nSo estiver de-
terminado as prsenles clausulas, scguir-
so-ha o que dispoem a respeilo a lei pro-
vincial u. 286.Conforme. O secretario,
Antonio Ferreira da Annunciaco.
Deelaracdes.
1
uo un ii(-biic/.n nc a. 11. rouiu '(i',-il> icuua av".,.., a ,..^,....w3..... .-----.. ----,'.";,:_. .mu, lia f'nsla Soares i nO, ale OliereCOIlUU racuuipuusa
duRecife.ollespsnholFelippeJos.porbri- niencia da discusso, para fazer lomar,-, paquim "^"S" ^8""c^ do 0 prndessem. lio verdade, que
ci; 4 ordem do subdelegado da fregueza de I igual a communhSo, ou Jestruir a opmiSo' lllm Sr. Salisfszenuo a exigencia uo o v
sino, ate otlerecondo rocomponsas aos q
- ii3o obs-
DIVERSAS PROVINCIAS.
Rondimnnlododia 1 a 5 .
dem do JS6.........
78,859
154,529
233,388
Kxporl lico.
Parahvba hiale brasileiro Parohibino Je
:il toneladas OOIlduzlO o seguinle : 48 vo-
Dimos fazenJis, I sexto Cbampagae, 1 Uixo
Jo cobro, 2 panelas Je fero, 1 chaleia, 100
calxas charutos, 100 arrobas Jo carne, I rol-
lo Je fuuiu, 12 barricas assucar, 2 barricas
manteifra, 4 caixai. folhas de flandres, 24
resmas de papol, 4 taixas.do ferro, 6 arados,
3roJelos, 1 jogo de tambores 12 barras de
ferro, 1 caixole impressos.
HECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS CE-
RAKS DE PERNAMBUCO.
RmiJimenlo do Jiali..... 923,420
CONSULADO PROVINCIAL.
Rend mou to do dia C.....3:586,969
CORREIO-
0 vapor fahiano recebo as malas para os
porlos do Sul hoje as 5 horas da tarde, ss
correspondencias doverSo ser entregues a-
l. 1 hora, e depois dessa com o por-
to duplo.
CORREIO.
O vapor PenmiHuucima recebo as mal
para os porlos do Norte boje as 4 horas da
larde : as correspondencias devor3o sor en-
tregues a 1 hora o depois dessa s su recebo
com o pono duplo.
Banco do Pernambuco.
Os D-iscontos da semana quo doceurre do
5 a 10 Je julho. s3o d 6 % ao anno para as
otras a vencer al o tiin do outubro, o paia
as vencer at 6 mezas lio o do 8 /V
- Os subditos britnicos residentes nesta
ci la o qualflcado pelo acto do parlamento 6
Gco 4, cap. 87 s3o convidados rcunir-se nev
lo consulado no dia 12 do crranle ao meio
dia em ponto. Consulado Britnico em Per-
nambuco 5 de julho de 1852. A. Augusiius
Cocoper, cnsul.
~ Pela segunda seceso da mesa Jo con-
sulado provincial s* faz publico, que do da
2 do correlo mez se principia a cobrar 0
imposto de 20 por cento. do consumo das
agoas-ardenlus do prodcelo brasileira do
segundo semestre do auno liuanceiro de
1831 a 1852.
tt^ars---.
t '^"'-^tfsSaVtt*-* '


.. O capiSo do POrto desla provincia,
....j0 ,|p oogejar dous marinhoiros de classe
Ucrior, ilous primoiros marinheiros e
j,,us grumotes rara servirem a bordo do
hiicuo-oscona Olinda, convida a marine
uuncssa embaroasno quoira servir, a com-
, irocer nesla capilania, coro a maior bre-
lijado possivel aDm de so tratar do ajusto
l laos cngajamenlos. Capitana do porto
ft Perneo.buco. 28 de junho de 1852.-0
Tbom Fernandos Madcira '
jecro.lano,
L O arsenal de marinha admlte, para
mus obras e para as do melhoramcnto do
Mito, sorvontos livres, pagando o sala-
rio Jo 640 rs. nos das om quo trabelha-
bom assim, engaja 10 ranoeiros
r mez 141000 rs, alm

rom ; o
livres. auando po. _
oun a rao avallada em 6#000 rsi. tam-
tam por mez. E por isso couv.de por
ata annuncio a quem convier, a compa-
recer no mismo arsenal, a qualqucr hora
,l da. para so inscrevorem. Inspectora
jo arsenal do marinha, 28 dojunho do 1852
- 0 socrotario, Thom Fernandos Madeira
de Castro.
Ilodtgo Thcodoro do Freilas, olTicial da
impoilal ordom da llosa, cavallciro da de
S bunio do Aviz, condecorado com a mo-
dalha da restauracSo da campanha da Ba-
ha capillo de mar o guerra da armada
nacional e imperial, inspector do arsenal
de marinha ccapitSo do porto desla pro-
vincia dol'crnambuco, por S. M.I., que
Heos guarde &c.
l'aco sabor que, om virtude das ordena
,la presidencia da provincia, o conhecimen-
|o ila alfaudega das fazendas, be llvro a en-
trada o sabida das barcacas, ceneso jan-
eadas, pela barreta do aul, continuando a
jicar vodada essas onlradas o saludas pelo
.-.uldaquclla mesma barrla: sendo obriga-
do a todas essas pequeas emharcacOos,
ciuir as sabidas qur as onlradas, tanto
por aquella barreta como pela barra desic
porto, a alracarcm as barcas de viga, pres-
lando-su a todas as posqulzasquo frir de mis-
tor fazer-se; lieando sujoilas multa do
art. 114 do regulamento das capitanas,
combinado com asmis ordens em vigor,
na falta do cuniprimonto dcslo edital.
Capilania do porto de l'crnambuco, 16
de junho do 1852.Ilodrigo TbeoJoro do
Frotas.
Administracao do patrimonio dosorplios.
Perante a admlnistraclo do patrimonio
dosorpblol se bao do arrematar a quem
maia der, o por lempo do 3 anuos, quosehflo
do lindar, em 30 do junho de 1855, as rendas
dos predios seguintos, o us dias abaixo
declarados :
Em 7dojulho.
Itua do Rangel.
,N. 58 casa terrea.
Itua do S. GODcalo.
N. 22 dita dita.
Ilua da Madre de lieos.
Casas terroas n. 2, 8 e 20..
Itua do Torres.
N. !8sobiadodo2 andares.
Ra do Amorim.
Cali terroa n. 55.
Itua do Azcite de Peixc.
N. 14 sobrado do 1 andar.
Ilua da Cacimba.
N. 5 dilo dito.
Itua doVigario.
N. 22 e 25 do 3 andares, n. 27 do 2 dilos.
Itua di) I'ni-.iiiliiiii-iiI<. '
Casas torreas 7 e 9; de 2 andares n. 11 o 13.
Itua da Scnzalla Velha.
N. 132, 134ol36 de 2 andaros j u. 16 o 18
terroas.
Ilua da Cuia.
N, 25e27 terreas.
Itua do Trapiche.
N. 30 do 3 andares.
Em 10 dojulbo.
lleco dal.inguila.
\. 14 do 2 andares.
Ilua da Cruz.
N. 11,12, 14 o 29 do 2 andares.
l/ra do Pollas.
Casas terreas n. 89, 99,101, 103 c 105.
Em 14 dejulho.
Fura de Portis.
Casis terreas n. 2, 94, 96, 98, 100, 102, 104,
106,108 0 110.
O silio do Rozarinho, em quo mora o Dr.
J".i" Domingues da Silva-
luto na Mu ni ir .i, em que mura o Dr. Manocl
l i.i'iiiii:i Carneiro da Cuaba.
Aspessoasque so propocrcm a arrema-
tar ditas rendas podero comparecer na casa
dassossos diadiiiMii.-liai.'.'ii, nos dias ci-
ma indicados,as 4horas da larde, rom seus
dadores.
Secretaria da administracao do patrimo-
nio dos orplios 1. dejulho do 1852. O
secretario interino Manuel los do Sauta
Auna e Araujo.
Pela segunda secf.lo da meza do Con-
Milaili nrnviiirmI so avisa ansnroprictaiins
de predios urbanos nesla cidadt, quu no dia
10 do andante mez so linda o tiaso para o
pagamento da decima do segundo simostre
do anuo financoiro Ue 51, a 52, t que desse
diaom dianlo incorrem na mu lado 3%
sob o valor do sous dobitos, todas os que
dciiarcm do pagar.
O lenunic encarregailo do rjeonheci-
ment, o medidlo dos terrenos do marinha,
convida aus senhores coronel Joi Pedro
Velloso da Silvcira, Jos Viris-dme de Aze-
vcdtf, padre Joto Jos da Costa llibeiro, Joa
quim Cardoso Ayres, capitao Firmino Anto-
nio da Cmara Santiago, Jos do Freilas llar-
liosa, Hilario de Atthaydo, Anna do Freilas
Barbosa, o Ignacio Jos da Luz, para que
romporceam por si, ou sous procuradores,
na casa de sua residencia, na ra Dircita n.
78, afim do se Ibes marcar odia en) que hilo
do roniparorcr para assistircm a medicSo
dosseus lorenos sitos nos Afogados
Para a l'arahiba.
Saho por toda cata semana o biato naci.
oal Paquete para Varga trata-so com o mes
Ir JoSo Poroira da Silva, ou na Iravcssa do
Vigarlo n. 3.
I'ara o Rio de Janeiro, sahe
inipretcrivclmente sabbado 10 do
corrente, o hiate nacional ,1'ieda-
dc, s recebe carga miuda e escra -
vos a rete: trata-sc cora o capitao,
ou com Novacs rk Companlna, na
ra do Trapiche n. Vi.
Para o Rio de Janeiro, salie
cora a maior brevidade possivel, o
patacho nacional Valente, capitao
Francisco Nicolao de Araojo : pa-
ra carga, passageiros c escravos a
frete, trata-se com o mesmo cap
tao, na praca do Commercio ou
cora os consignatarios Novaes &
C'ompanhia na nu do Trapiche
n. 34.
Para c RO de Janeiro, sahe
com a maior brevidade possivel, o
brigue nacional Rio Ave, capitao
Elias Jos AI ves: para carga, pas-
sageiros e escravos a frote, trata -
se com o mesmo capitao, na pra-
ca do Commercio, ou com os con-
signatarios Novaes & C'ompanhia,
na rua do Trapiche n. 34-
A barca portugueza Olimpia
sabo pi ra o Porto sachado 10 do corrento :
quem quizer irdepassagcm, para oque tcm
os melhores commodos, dinja-se a ruado
Vigario n. 19, piimoiro andar, aos scus con-
signatarios T. do Aquino Fonseca & Filho ,
ou ao capitao na presa.
Para o Maraohio e Par o brigue escu-
na Doiirii. capitao Jos Pinto Nunes,recobe
rarga e passageiros: quem pretender dirja-
se a rua do Trapiche n. 26, a fallar com o
consignatario Manoel Duaito Rodrigues.
Para o Kio de Janeiro.
U brigue escuna nacional Dun-
da, capitao Manoel 31. Ferreira ,
segu para o Kio de Janeiro, com
muita brevidade, por ter a maior
parte do sen curregamento enga-
jada : para o resto e escravos a
No dia 9 do corrente tcm do sor arrema-
tada porania o juizo da primoira vara civel
ilesi.ti-id.idii urna taberna no lugar de AII'"
gados,peteneentea Bernardino l.uizFerrei-
ra.por oxccuco do Jos Alvos dos Res, cs-
crivQ Santos.
-- Francisco Jos llaplisla deixou de ser
caixeiro do lllm. Sr. Manoel Francisco Coim-
bra desde 30 da junho Ando e agradecoao
mosmo senhor o sua lllustru familia a deli-
cadeza com que o tratara iu uo espoco do 11
annos 5 mozos e 7 dias.
Manoel Francisco Coimbra declara ao
respeitavel publico que nilo he mais seu cai-
leiro, o Sr. Francitoo Jos Uaptista, e con;
fessa que Iho lio oler menlo grato, nSo s
pelos seus boas sii virus, como mesmo pela
sua fldelldade e tudo quanto possa tor um
verdadeiro hometn do bem.
Um moco com as huhilitaccs necossa-
rias se offerece para fazer qualquer eseriptu-
Qraito das 3 bons da tarde pordiaote.onlian-
do mosmo pela nouto, so tor preciso a fal-
lar no atierro da lioa vista n. 58, loja do cal-
cados.
,\luga-so um prclo ptimo canooiro,
remador o propriu para qualqucr servido : na
rua do llangcl o. 59 segundo anJar, do ma-
iilifia al as 9 horas o das 2 da tardo em
diante.
Jos Raymundo Feria, embarca para
o Rio de Janeiro a sua escrava creoula do no-
mo Violante idade 12 anuos.
Dczela-so saber a residencia do Sr. Joa-
quim Joso Pacheco, que voio dos Porlos do
Sul no vapor S. Salvador, cbogado a 21 do
pissado.
(jj Enlia-sc rosario! com bcrlotas a IGOrs.
a 'dmu i na rua da AssuinpcSo n. lt>.
No palco dcS. Pedro n. 10, lava-sc c cn-
gumma-ac com loda proinplidao eporprejo
commodo.
-. D-se dinheiro a premio om pequeas
porcOes, coro peohoros do ouro: na rua lar-
ga do Rozario n. 26, se dir quem d.
-> Precisa-se alugar urna casa de 2 anda-
res, ou do um andar e sotSo, com commo*
dos para grande familia, nos bairrosdoS.
Antonio, ou Boa Vista : dirija-se a rua do
Queimado, luja n. 4!, quo ah se dir quom
precisa. ,
O absizo assignado dcixou do vonder
bebidas espirituosas doproducco brasilei-
re, do 1." dejulho em dianto, na sua labor-
Da da rua ostreita do Rozario 11.16. Bor-
nardiooDomingues Porlo.
Precisa-se de um l'oitor do campo, pa-
ra um engenho, distante desta pra? 8 le-
goas : quem esliver nostas circumstancias ,
dirija-so a rua larga do Rozario n. 44, quo se
dir com quem deve tratar.
Offerece-se urna mulnor do idado media
som vicios para o servido interno do casa de
humen soltciro ou casado som pencos de
criancas, a qual sabo cozinhar um tudo.tan-
to doces como mac,as o lambem cnlondi do
todo o mais
5
Aluga-se um sitio com casa.do vivon-
da com commodos para grande familia, na
rua Imperial, junto a fundicHo do Sr. Leal.
Tambe]) se dar a morada gratis a quem
quizer fazer algumas hcrcfcitoriss uo mos-
mo sitio: a Iratar na rua do Crespo, loja
n 16.
Norborta Antonia da Silvcira tem con-
trolado a compra de urna casa lerroa ainda
por acabar na Capunga, da estrada quo vai
para s. Jos, a JoSo Monteiro de Quoiroz,
quomsejulgar com djreito a mesma annun-
cio no praso de trez dias.
.Ainda acha-se fuhida a negra oscrava le
mu.o Delflos.que desappareceu no principio
de mai 1 p 1 v-a.l.i.a qual fui comprada ao Sr.
Manoel Joaqulml'ascoal llamos, tem os sig-
naos seguintes : idade 50 annos pouco mais
ou menos, levando um vestido, docilita, o
oulro do riscado, he alta o magra, o com
poneos denlos na fronte, levou com sigo
um panno da Costa tem do costume as
vezes andar vcnJondo agoa e tambem fruc
las. Roga-sea lodosas autoridades policiaes
e capillas do campo ou qualquer pessoa que
dola livcr noticia a mande apprehonder e
levar na ruado Apollo cm casa do Sr. Norber-
Joaquim Jos Guedes. Existiodo suspeitas
que est occultnda.
Gratiicacao.
A quem pegar elevara rua Di re i te, cm
casa de Bairilo & Meccdo n. 17, a prela An-
gela crooula de 32 annos, pouco mais ou mo-
nos, estatura rogular, secca do corpo, cor
fulla, os poitos um tanto seceus, ontro olles
urna sicatriz. um dos tornozelus alguma
colisa enxado por causa da irisipola, foi os-
crava de l.ourenQo Machado Dias, morador
ui Boa-Visla, elieali muito condecida. Ro-
ga-so por tanto a todas as authoridad?s po-
liciaca e capitles de campo a captura da
mesma escrava.
Coorgo, R. Aughlorsou subdito inglez
rctira-sepsra o Rio de Janeiro.
Pede-se ao Sr. tcnente Jo5o
-- D.Luiza Aunes do Andrajo Leal e suas! geometra por Laeroaix paga-se bem-
menas, compraram ao Sr. Manoel Francisco na livraria da pra^a da Independencia nu:
dos Santos c Silva, a escrava Francisca; o'moro 6 08.
iara que nSo appsrecam queiides para o II. D. Rodrigues, rua do Trapiche n.
uluro, fazcm o presente annuncio: quem 26, precisa comprar urna escrava prela, que
dirolto liver sobro a mesma, comprela na (engome o cusa; sendo recolhida e de boa
rua da Concordia 11. 4, Com casa do vigario oonducta, pagara com generosidade.
por estos oito das. I Compra-so um escravo pardo de boa
t *?? ?f Wfff:f t ff fff f tin8u" e moco> Perito no ofUcio de earpina.

Botica homopathici.
28 11UA DAS CltUZES 28,
m
tatm irili-p rnm ns consiirnii ta.' r"ler comeres eslrangoiros o
Ircte, trala-sc com os consgnala-; scr mmM cngomm,r; qu9rn de seu
nos Machado & I inlieil'O, na rua preslimo so quizer utilizar dirija-so a ruada
Guia casa de marcineiro n. 7.
Precisa-se do um trahalbador de macoi-
ru : na rua do Dircita du All'ogado padaria
n. 66.
Prccisa-so alugar um prclo quo saiba
do Vigario n. 19, segundo andar,
ou com o capitao na piara do
commercio.
Para Babia
Sabe al o lim desla semana o hiale Canri- trabalhar do cuchada : na rua da Cruz n. 2.
dioso, bem conhecido por sua velocidadc e Aluga-so um secundo andar, com gran-
fnrlaleza de construccSo : para o resto da des commodos, na rua do Rangel n. 4i : o
carga e passacciros.trata-socom Lino J. do Iratar no caos do Ramos, armazem e Icnha.
Araujo. na rua da Cruz n. 34. -Aluga-so um moloque de 20 annos.mui-
i^.. .. 11 11 to bel, o oplimo cosinheiro na rua do Ran-
I ,ii la o gol n. 44.
*" !iescja-se saber a morada dos senhores
. Antonio Jos da Fonseca,Antonio deyueiroz
1 Forreiia, Antonio Jos deOlivoira, Antonio
Castro
SC de Paula Mello Junior.Francisco do Res Co-
Manocl Luiz
uza Bellr3o,
io da As-
- Prccisa-so de urna ama forra brasileira,
ou estraigoira pata engommado de urna ca-
sa iugleza : na rua da Aurora casa junto ao
Collegio dos orpbos.
Os flenh.res Joo Glimaco
No dia 8 do
de idilio, as 11 horas do dia,
lar IrilSo nnr nrdem c Pin nrr- mes, Joaquim do ReisGumes, Man
iara eiiao por orucm c cm pre- da Vegaf Francsc0 Mena do Souza
senca do senhor doutor jail do Lxoquiel Jos do Carvalho, Lugon
fom'niorrin fin um dos armnzfns sumpiao Villa ova, Manoel Jusc da Silva
commercio, era um aos rmanos fjnff 8ol)tino do m.-.Uo liego, ou iguom
do 1'orle do Mallos, conlronte a pur ello, Manocl Joaquim v-iroda, Manoel
casa da assembla, do casco e mais Bezerra Cavalcauti, Augusto Xavier de sou-
, 1 za Fonseca, o o procurador do Joso Coni;ul-
perlences ua liarca nacional Amen- CsCascao, alinideserem procurados.
cal, abandimada aos seguradores,
cm lotes ; os senhores prclenden-
les qticiram comparecer no lugar
indicado.
Lino Jos do Castro Araujo, far leilao Fernandos Cavalcauti, Antonio
uor.ulervensao do corretor Miguel Carneiro, y CoelliO de liarros >Vauder-
decerca de 300 saccas com larinha do man- ,,,. ., ., ,
dioca do superior qualidade.no dia quera- ley, lillas Uoellio de carros VVa-n-
feira ao moiodia.om ponto; no primeiroan- acr|ev. nueiram mandar a rua lar-
dar da case da rua da Ciuz n. 34. i J ,, ____..
--O corretor Miguel Carneiro, far leilao gado Hozarlo, pagar a pessoa que
110 dia quinta fera 8 do concillo ao mcio ng0 ignoram, gneros e fazendas,
dia cm ponto no seu armazom na rua do 11 ., ,,,,,,,!,
Trapichen. 38.de 95 pocas do lonas amcri- que ha mais de J annos manua-
canes. ram buscar.
O leilao da arroacSo,miudozas, e ferra- prccisa-so alugar urna prela para lodo
gens da leja dos fallidos Souza c Moli bcou scrvi(.0 uc uraa c,SBf qu0 seja robusta ;
liansferido para sexta-feira 9 do corrente as na da Indcpendoncia, loja n. 3.
10 oras da manliSa por ordem do Sr. Dr. _. nrreisa-so de um molcquo para servi-
juiz municipal suppienlo da segunda vara e ^ dl) casa lle familia, o quo venda na rua;
annuncio un dirija-so a rua do Hospicio,
casa n. 17. .
Roben, escravo do abaixo assignado,
. creoulo, o paroco da Costa, alto, cr bem
1 prela do 28 a 30 annos de idade, bonila ligu-
Marinho Cavalcanti de Albuquer-
que, o favoi de ebegar a esla pra-
ca, para negocio de seu interesse,
n5o se qitercndoir ao Poco da l'a-
nclla, onde reside.
A praca do sitio do lugar da Torro, a-
v.ili.i lo em 3:000,000 do rs e a casa terrea
da rua da Con.-ru-a-i n. 18, avaliada em rs.
I 600J00O, penlioradas 11 luiz Antonio Ro-
drigues de Almcula o sua mulhcr, por oxe-
cusi do Joao Pinto do Lomos & Filho, 68-
crivfio 1 "iili 1, flcou transferida para hoie
7 do enrenle, na casa das audiencias do
Sr. Dr. juiz do commercio da segunda va-
ra, dep ns da mesma audiencia, de meio
dia para 1 hora da lerdo.
Joaquim l'ereira Arantes faz
scicnte ao rcspeitavel publico, que
deixiram de ser seus caixeiros os
senhores A nIonio Augusto d?s
Santos l'oito, e Antonio Pereira
da lincha Bastos.
Prccisa-si de urna ama do leitn, nflo
so olha a preci): na rua do Rangel, loja do
cera 11, 1.
Avisa-sea quem convier, quede ama-
nh3a em diante, se proceder a venda dos
ponboresquose acbam om poder do abauo
assignado, cujos prazus oslSo ha muito ven-
cidos. Joaquim i'eroira Xavier de "
Dirigida por um pAnrmoceuiico
approvado.
Esleestabelecimento possue todos
os medicamentos at agora experi- 2!
mentados, tanto na Europa como no ^
Brasil, e proparados polas machinas ^
da invoucSodoDr. Mure. -ag
PREgOS.
das carleirai homopathicas.
Emcarteiras de 12 tubos grandes 12/
u 24 a < 20 m
24 pequonos 15/ *
agradando paga-so o seu merecimento: na
I rua da Cruz, em can de Luiz Jos de SaA-
raujo.
I Na rua daSenzalla Volhi.dofronlo de
3-St. Hootoiroointor.compra-so todas ssque-
I i dados de ferros ve I los e motees de todas
ej 'as qualidades assim como purelos de pannos
Tubos escolhidos (cada um)
a
Tintura s demodicamentos em ^|
frascos de 1|2on;a (cada umj 2? ^
Ha mais, alom destes, outras muitas ^g
caixas com glbulos e tinturas por M
presos variaveis, conformo o tama--fi
nho ea qualidade das caixas, e a
quantidade dos remedios e as suas *
dynamlsacOes, etc.
AVIASE GRATUITAMENTE
para os pobres, todas as reccitas quo 2
para ali mandar qualquer professor. ^
Precisa-so
do um homcm, quo soja perito mostr de
marcineiro, quenotenlia familia, para to-
mar cunta do um cstabelecimcnlo por ba-
I.un; 1, com bastantes fundos, om bom locar,
fazen lo-so-llio um bom interosso: quem
pretender, dirija-so a esta typograpbia que
so dir a pessoa.
Os Senhores quo devem contas do mais
de anuo, na loja da rua do Crespo o. 12, de
Jos da Silva Camoos & C, queiram lora
bondade de manda-las pagar al o lim do
corrente mez (julho), do contrario ser.lo
seus nomos publicados neste Diario, sem
excepcSo de pessoa.
Desappareceu no dia ai do
passado mez um cabra de nome
Antonio, que representa ter 3o
annos d>: idade altura regular,
bem feito do corpo, ps pequeos
he aleijado do braco dircilo ao p
Ja munheca, proveniente de feri-
hnns.casi miras o todasas qualidades do mu-
lamhosque servirem para fazer papel: as-
sim como cebos velhos, lonas etc.
Compra-se
garrafas vasias quo tenham sido de le roy
a 80 rs.; na rua Direila n. 7.
Compra-so trastes usados, e tambem se
trocam por novos : na rua .Nova armazem de
mobilias do Pinto defronte dsrua deS. A-
maro.
Compra-so urna caa terrea pequea ou
meia-agoa : quom a liver dirija-se a cam-
ba do Carmo n. 32, que abi se dir quem
compra.
Compra-so urna taberna, que seja em
bom lugar c bem alrcguezada : quem liver
annuncie.
Compra-se urna negra quecosinbe,en-
gommo, e ensaboo, ainda mesmo senda de
meia idado : no boceo da Viracho n. 39.
Compram-se duas creoulas ou pardas,
de boas liguras, com habilidades; pagim-
se bem : na rua da Cruz n. 40.
V enuas.
ment d'arma de fogo, etem todos
eommeicio.
Avisos diversos.
gura, com falta de denles na frente do lado
Publicacoes litterarias,
ELEMENTOS.
DE I
HOMEOPATIIA
SAIIlll A I UZ A 3.1 E ULTIMA PARTE *
desta obra composla pelo professor de
homopathia Cosset Uimont. CustarS
5/000 a obra inteira at 30 de junho,
*
da om que lic.ua encerrada a assig
_ ^9
natura. Esta obra he til, tanto pera
* os mdicos que se dedicaren ao es-
* lu lo da nove medicine, como para
* todas aspossoes de boa vonlede que
% quizorem convencer-so por oxperien- _
** cas da vordado desta doulrina, por #
't> sor ella muito clara, e a inteligencia
* do lodos, jp
* No consultorio homopalbico rua
9 dasCruzes n. 28.
Avisos maritiuios.
AttcncSo.
. ...II .., WUI I lili. .. ...,.,. ..- ..u.v
A nova fabrica do chapeos do >ol do el- SUp0nor, cheio do corpo, pomas o bracos
torro da Boa Vista recebeu um novo e lindo yiossus o regulares a sua altura, espaduas
sorlimento de chapeos do sol do ultimo gos- ,, |argas, pouca barba, o sem suqss, olhos
lo tanto, do soda como de paninho.para lio- pequeos, com o dodo pollogar da m3o di-
mom, rico chapos do seda para senhura o rolla eleiiado na ponlo.serio.roslo u3o mui-
vende-so por menos proco do que em oulra t0 rcd0ndo. o com o ollicio do sapaloiro, fu-
qualqucr parte.assim como um grande sor- g|0 |U) j|a 18 do corrente da villa do brejo,
limoiito do sedes o paninhos do todas es c- |BVanj0 carniza do algodnozinho braii-
rosc qualidades para cobrir chapos voltios, I co ca|-u0 algo,i!Io/.inho azul com lista
vendo-so baleas para vestidos dosenhoras.o brancas, c carapuca de lia escura na cabe-
faz-so concert om chapeos velhos. I ^a _e|0 q1|0 r0ga-so aos sonhores capit.los
Aviso, ao publico o principalinoiilo ao jc camp0l U outras pessas quo custiimam
commercio, quo desdo o da 26 do Dczom- apprehomler escravos fui,idos,quoo agarrom
bro do 1832, deixei do comprar debaixo da I e |evi)m.0 na mosma villa 1I0 Ilrcjo da Ma-
lirma de Jos do Medciros Tavarcs, por com I dre Ja |l003 a casa do mesmo abaixo assigna-
ellenSo tor mais em commocioo transac.lo do, que sorSo bom recompensados.- Bento
alguma.Manoel do llego Soarcs. Jos do Suza.
No dia 20 de junho do corrento anno ,.., .
desappareceu do sitio das rozeirss, do mejor I, Precisa-so dedKM mo lequo para
Joaquim Elias do Moura, defronlo de capel- fezer o sovico de urna casa do pone f.imi-
hozarinho. o seu escravo creoulo, ''- -^^X'u^al'au'g.....
liii a o ideara e raiu-
A escuna nacional Emilia segu para o
I -ira com escala peloCeari, et sehbado 10
do corrente impreterivelmente 1 quem na
niesrna quizer renegar, ou ir de passagam
I ara qualquer dos porlos, poder* di 1 ja-se a
Hieda Cruz n. 13, a entender-secom o capi-lde cures. ,.., _-,!__
15o Antonio Silveira Meciel Jnior, ou com Bento Alves, subdito llospanhol ret.ra-
I C. Augusto da Silva. (se para o Rio de Janeiro.
mostr podroiro, do nomo Silvano, com os
signaos seguimos: estatura regular, secco
do corpo, bem proto cabera quequena ,
olbos vivos, pouca barba, ja brsnquejando,
o com singas linas e compridas, muito falto
de denles, s lom na mandbula superior um
dente canino, peitas cabeludos, com elguns
cabellos lilil"-"-, lano trabalha com a mflo
diroita como com a esquorda, com a qual
toca viola ; pomas linas com urna cicatriz
vormclha na canella.e outra no pello do p
dtoutra perne, lovou caiga ejaqueta bran-
ca, e um bonelo branco do cabello o paHa,
tem sido vista pelas Cinco Ponas e Boa-V'it-
U : quem o pogar, ou delle der noticia cor-
ta, va aodilo sitio, quo ser roeompunsado
com gencrosidado.
Lava-so e engomma-so com toda a per-
leii;."i",uii ru de Alegra 11. 44; quom se qui-
zar utilizar podo dirigir-ao a mesma casa a
qualqucr hora.
Precisa-se de um le tor para um sitio
porto da praco, e quo enlouda de plantadles,
quem o pretender dirija-se a ru des Flores
-A. Coloaibier mudou a sualojadeelfeia-
te com roupa feita, para a quina etraz de ma-
triz n. 2, sendo sempre o meslre o brezilei-
ro Manoel Jos Ferreirama mesma loja ecinia
ten: um sortimeulo de palitos do panos Unos
gundo andar do urna casa, com basUntcs
commodos, ni rua da Senzalla-Velha n. 42,
portnconlo aos orphilos do fallecido Anto-
nio Rodrigues Lima.
Aluga-so urna grande casa o sitio, com
todes as commoJidaJos o com rio no fundo,
na piviiei" do Monteiro: a traler rom
Joo Jos do Carvalho Minaos, ua rua da
Cadeia do lenlo.
__Dsseja-se alugar um sito com bastan-
tos commo los para pequea famalia, i inar-
g'm do Capiharibe, e quo nSo seja mais
longo cilio Ponte d'llcho : quom quizor
alugar, achara com quom tratar na rua da
Cruz n. 55.
O S'. J. P. R. B-| queira dar soluc.lo
do quo promcllco por sua carta de 24 de
abril do correlo anno, cquodevia ter lu-
gar por todojo mez do mam, legando po-
da por sua referida carta do contrario se
publicar qual o negocio, quandu lovo prin-
cipio, e a maneira por quo lom procedido :
na ma do Collegio n. 8, primeiro andar,
oMiar ?nm miflin conclua este negocio, se-
gundo a resposta dada a sua mencionada
carta.
Aluga-se urna oscrava para lodo o ser-
vido, que saiba oiigommar o cosinhar:na
rua Nova esquina da do Sul n. 71,1 andar.
Jos luymundo de Feries leva 0111 sus
cni.'nina, u seu escravo menor do nuino
Evaristo creoulo, para o llio de Jauuiro.
Oli-
veira.
r- O abaixo arsignado deiiou do vonder
bebidas espirituosas do proJucc.50 brasilei-
ra, do I.' dojulbo em diante, na sua ta-
berna do atorro da Boa Vista 11. 20. -- Jos
Faustino do Lemos.
iMobiliasilealuguel.
Alugam-so mobilias rompilas, ou qual-
quer trasto separado, 11 vontade do aluga-
dor; assim como so alugam cadoiras em
Brando porcJu.para bailes, ou quelquer ou-
lro diverlimonlo perticular : na ma .Nova ,
armazem do mobilias do Pinto, delronle da
rua de Santo Amaro.
OITercce-so urna mulhcr de mcia ida-
de, muito Del, para o sirvlco interno, de
urna casa de pouca familia : no atorro da
Roa Visla n. 65, so dir quem he.
OITorece so urna ama para casa do pou-
ca familia, para soivigo deportas a doutro:
uo pateo do Carmo n. 10.
-- Manuel Jos Barboza Braga, mudou a
sua residencia da rua do Vigario, para a do
Amorim n. 17, segundo andar.
Arronda-se, ou vende-so unisiliojmu-
rado na Trono, com casa do vivenda de so-
brado eslribaria, senzalla para escravos,
muitas arvores do fructo, com ,iortilo de
ferro, ua estrada dos Alllictos : a Iratar da
venda, ou arrendamento, com a Viuva do
Juaquim do Olivelra e Souza, no For lo do
Mallo, ou comClorinio Forreira CetSo, ua
Roa Vala, na rua da (onceicao 11. 2.
Aula de primeiraslotras.
Oahsixo assignado avisa aos respeitaveis
pais do familias, a quem esto possa inters-
sar, quo na rua das Agoas Verdes n. 22, so-
i:nmo .in.l.ii', ensina primeiras letrascum
todo o esmero o porfeicSo, visto ter obtido
do Exm. presidente da provincia a liceuca
do que traa o artigo 38 do regulamento do
12 do maio>doanuo prximo pessado,son-
do es malones quo licione Icilura, esciitu-
racln, doulrina chrisUa, arithmotica om as
quatro oporaccs do iuteiros, quebrados,
decimaes, complexos, regra de tres,jurse
companlna, grammatica portugueza, geo-
metra roctelinea.e nocos de geographia o
olTeroco para I icio -
os costumes e Tala So mato. Este
cabra foi lurtado cm t83.*i, e an-
dn pelo serlao em varios lugares,
como fossem Uiacho do Sangtie,
Breio de Bananeiras c Catle ate
i8f>2, em queveio para esta cida-
de para o poder ile seu senhor o
abaixo assignado; roga-se por-
tanto as autoridades policiacs e ca-
pitaes de campo a captura do mes-
mo, e mandar entregar na rua dos
l'iies na Boa-Vista n. a8, que se
recompensar generosamente.
Manoel Joaquim Carneiro Leal.
Hdame Routier, modista trancoza
rua Nova 11. 58,
avisa ao publico, o particularmente a seus
freguezos, quo acaba de roceber um grande
sorlimento do fazendas modernas, ricos
chapeos do seda para senhora, ospaililbos
de primeira qualidade para senhora e meni-
nas de idado de 7 a 12 anuos, chapeos re-
dondos do soda para meninos e meninas,
um rico sortimento do manteletes o capoli-
nlios 00 cores com collotos, lilas de velludo
e livellas do madreperola, ricas touces de
senhora, rices espolias para noivas o madr-
nhas de casamento, ricas luvas do pellica,
um grande sortimoiilo de bicos do blonda
da largura do um dedo at um palmo, ditos
de soda largos c ostreitos, litas do todas as
cores, luvas prelas para sonbora o meninas,
ditas de pelica para homoin, lindos veos
para noivas, franjas o trancas do suda prela
e de cores, chapeos do palba lina, ditos ro-
dondos para meninos do 1 a 6 annos, man-
guitos do ultimo goslo. Na mesma loja fa-
zem-so vestidos de casamento, do baptisa-
dos toucas do meninos e desonhoras, ca-
potinbose mantclolos do todas as qualida-
des, com pcrfeiclo e proco commodo; re-
cebem-se ludos osmezesligurinos moder-
nos, quo' emprestam aos seus freguezos.
.-..:.. 1.. \ ....... ------1...... 1..
lUioim ui. iwom 0UliUea w
Hozariu.
As rodas desta lotera andam no
dia 29 do corrente, o respectivo
thesoureiro roga aorespeitavel pu-
blico que concorram a dar cx-
tracao ao resto dos bilhetes, os
quaes acham-se a vend nos luga-
res do costume.
--lis tcslainnutoiros do linado Archibald
Me. Callum avis.ini a quem intcrossat quo
v3o fazor remessa do producto da massa do
dito linado aos hordoiros do mosmn. Se al-
historia; assim como te
uar oxtarnamonto ditas materias : a quem -----^Q ju|Karcrud0r dovo apreseuUr suas
do seu presumo quizer ulilisar-sr, prome^|*u||(iis H c, 48( ,la ru, Jo Trapiche
quina da praga do Corpo Santo, para serom
leudo aos illuslros peis, quelite counaiom
aoducac.lo descuslilbos, csforc.ar-se quan-
to om si couber, aflrn de bom dosempenhar
a ardua trele a que se propOe. Simplicio
da Ciuz llibeiro.
- Na rua doQuciniado n. II doseja-so
saber so existo ueste preca o Sr. Joaquim
Pinto Franca natural do Para, cujo Sr. se
esporava ltimamente doCcnova.
Na rua do (Juoimado n. 11 desoja-se
fallar com o Sr. Jos Antonio de MagalliSes
Bastos a negocio.
Iiomingos Jos Merques solicitador
dos auditorios da primeira o segunda ins
laucia, rapcllas, residuos o ausentos, mu-
dou sua residoucia para a rua Nova 11. 41 ,
primeiro andar : quem do seu prestioio so
quizer utilizar, devora procura-lo de nia-
nhaaatas9boras, o a tardo das tem di;
ante.
-- Nanoilo de 5 do corrente, perdou-so
11111 allincilo do peito do diamantes, da rna
da Pcnha adoCollogio: roga-soaos sonhores
ourives, quo quando lile furem ofToreccr lal
allinoite, queiram lova-lo a rua da Pcnha
n. 7 que ser recompensa lo,
'-*> tt > -r +> v % ? Alugem-so o vendom-so bixasna 5
prega ila Independencia 11 10, con- *
Jl fionte a rua das Cruzes *
-- Aluga-se um primeiro andar, cujo alu-
guel no excoda a IG.OO rs., sotivor quin-
tal o cacimba sera mellior, as spguinles
mas : Cdele do nccie e do sent Aiiiuuiu,
rua do Collegio, Queimado, larga do Roza-
rio, e estrelle dile, Cebuga, Crespo, de S.
Amaro, Direila, da Praia, do Fogo, Nova,
dos Quarleis, do I mmenlo o praciuha do
mesmo, un mesmo na freguezia do San Jos
Beodo en boa rua : quem liver annuncio
para ser procurado.
o
pagas neste 8 dias, do contrario perder o
dircilo contra a dita massa, c Icstamoutei-
Ptiulo CJuisiioiix, dentista
riiict'ZOn"ercce hcii pretl #
< moao |ii>Hco para torios o.t ey
4 mlateres ,le prorissao: J
9 priCNcr procui-itrio 11 qual-
m quer nor di en eaaa, mi 9
rua larga do Rozatrlo, a. :i,
t$ eegaurio anriar. #
90MI ?**'*#*"?
Lava -se c ongomma-so com toda a per-
feiclo ; a tratar na rua do Amorim n. 27,
lercoiro andar.
Hotel Kcciie, rua do Trapiche
n. 5,
lom sallas e quartos preparados com decen-
cia pare recober hospedes.
Alilos o janlares avulsos.
Vinlios de todas es qualidades, serveja,
refrescos, *c. _
Korneco, cum todo o aceio o prompliuao,
diariupara mesado qualquer individuo ou
familia.
Kncumbo-so de fazer janlares para lora,
dando lou^-u, vidros, Ac.
DI comidas por assigiulura monsal, tanto
un cslabolecimonlo como fura doli.
Tudo pelo mais commodo proco possivel,
com limpeza e promplid3o.......
No patoo a inocua do -S. Jos, luja uo
sobrado n. 15, lava-so e ongotiina-sc, com
a.sein o perfejcBOi por preeo commodo.
Compras.
Precisa-se comprar um compondio de
Vondo-so urna preta de 20 annos com
um.lillio de 8 mozos, cozo, faz laberyntbo,
marca, ongomma, ludo fez bem feito, urna
dita do 30 annos cozinba, lava roupa e en-
gomma ; na ruado Collegio 11.21, t.* andar
se dir quem vendo.
Loja n. 2, atraz da Matriz
Vende-se cazacesdo peno fino muito em
conla, a ellas sonhores ollioiaes de justic*.
continuos de reparticos, e entregadoresde
cartas do correio.
Loja n. 9, rua NoVa.
Vende-so chapeos par homens, bonitas
furnias, sapatOos do lustro para homem tem
um sorlimento do calcado para senhora, bo-
lins pare senhora com ponta do lustro, 1,600
rs., sapatos do bezorro para homem bolins
decoro de lustro do cores para meninos.
--Vonde-soum escravo creoulo, e cozi-
nheiro : a tratar ua Iravossa do Arsenal da
Lucira H. 11,
Na leja do Jos dos Santo, Noves rua do
Crespn. 17 vende-seo superior rap Paulo
Cordci 1 o a 1,440rs. a libra.
VENDE-SE.
Ilap Paulo Cordciro chegado prxima-
mente do Rio do Janeiro de superior quali-
da. i. 1 .1 peo 1 de 1, lio is. a libra no Passeio
Publica loja n. II.
Vcnuo-so um cabriolet: cm Fra de
Polas, o. .sena do Pedro, Francez.
Voudom-so saccas com 1.1 re lo, o mais
novo quo ha 110 mercado, e por preco com-
modo : na travessa do (Juoimado venda
n. 3.
Vende-so um piano, com pouco uso e
boasvozes, um toucador o urna cadeira de
piano, tulo com muito pouco uso na loja
do louca 11. 28, na rua larga do Rozario, se
dir quem vende. .
Na estrada Nova, rancho do
Vicente, vendem-sc superiores
vaccas paritlas, da bem conhecida
fazcntla Tanque do Vieira : quem
as quizer comprar dirija-se ao
mcMiio rancho que achara com
quem tratar.
Vende-so urna cadeirinba do arruar ,
om muito bom estado, forrada de damasco
do seda c dourada, com corrame novo, fsr-
damoutu o chapeos : na rua Velha n. 57.
Vendo-so um violilo de chaves, madei-
ra de Jacaranda, com excellcnles vozes na
rua du Rangel 11. 59, segundo andar.
P3o do senteio.
Vendo-so pilo de sonteio, na padaria da
rua da Scnzalla Nova n. 30, as quartase
sabbados, do meio dia as 2 horas da tardo ,
sse faz pera as cncommeudas.
Vondem-se 2 canoas, urna om perfeito
oslado, o outra om mo estado, a qual se di
por 00,000 rs. : na rua do Oueimado n. 46 ,
primeiro andar.
Vendam-so esleirs do palba de carnea-
ba, regulares c grandes, de 2 varas de cotn-
primcnlo; chapeos do palhe a 8,000 rs. o
cento; pellos de cebra a 20,000 rs. ocen-
lo, oh-g idos agora do Aracaty : na rua da
CadCM io liscifs ".!?, egundo andar.
Farinha de mandioca a 1,600 rs. a
socea.
No armazem do J. J. Tasso Jnior : na rua
do Amorim 11. 35.
Vendo-so um molatodo bonita figura o
hocarreiro, por preco commodo: a tratar
na rua das Cruzes n. 40.
Vendo-se um escravo de ino.n), com
idade do 25 a 30 anuos, cozinhoiro ecom
principio do sapateiro, por preeo commodo:
a fallar na rua estreita do Rozario n. 19, das
6 as 9 horas da manliSa, ou das II s 4 da
tardo.
Na fabrica de charutos da
rua larga do Rozario n. 3a, ven-
dtfni-sc os verdadeiros charutos de
llavana, em caixinhas de vidroen-
(sitadas, de a5, 5o, e de 100 em
caixinhas envernisadas, da melhor
qualidade que tetn viudo a este
mercado
Vende-so por commodo preco um boa
casa de podra e cal, chaos proprios sita na
rua do Jugo da Rola em Oliada: a tratar na
rua do Cotovclo n. 17.
Vendo-so utua burra Hespanhol,proprie
para carga ou carro por ser muito mansa :
as Cinco Pontas 11. 66..
Vendo-so um cavilo muito novo manso
o do bons andaros,quem pretender pode ve-
lo na cocboira da rua da Cuia de Lourenco
Forreira Alvos o tratar do sou ajuste ua tra-
vessa da Medro do Dos n. 1, venda.
Vendo-so um palanqun) em muilo bom
uzo e por proco commodo : na rua Nova ar-
mazem rt. 67.
Vendo-se urna prelado m'oa idade com
algumas habilidades o por preso commodo ;
na ruada Roda 11. 52.
VcnJo-so
Um prolo do sorviso do padaria e proprio
para cuchada: na rua larga do Rozario lo|a
35.
Ven lo-so uns canteiros para pipas e um
deposito para sal e harris do azcite do cerra-
palo vazios, tudo por preso commodo : na
rua de Sen?alla velha venda n. 15.
livraria ila ruadoCrespon.fi-
Vende-se os Mystorios do PariajMSS vo ti-
mes uovos, oncedornedos em 4 ditos. Upo
grande, por 12,000 rs. ; Instiluliones Tbeo-
lo -iciede Caspar Juenin, 7 volumes, por 5#
rs. Na mesma loja precsese de urna ama
nara lodo oservico do portes a dentro; ad-
verle-se quo a femilia he pequea.
/
'/IO
ai


'

1
*

u
AC'IDAEDKPAHIN.
W4
Itua do Collegio n. 4
J. Falque, dono d fabrica cima mencio-
nada, participa ao rospeitavcl publico de
Pernambuco, e principalmente a seus fre-
guozes, que olio recebeu pelos ltimos na-
vios, mulos da I- jiii!.-.-, um grande e rico
sorlinienlo dos molhorcs chapeos de sol de
seda, quo tem Tin lo a esta prega, proprios
para a estago do invern, c para senhores
de engonho, por screm muito fortes ; sor-
timenlo de chapeos de sol deseda dodilTe-
rontes qualidades de 5,000 rs. para cima,
lindo sortimento do chapeos de sol do seda
para senhoras, de todos os feilios e taa-
nnos, quo vende muito emeonta ; ditos de
panno para meninos de 1,500 a 3,000 rs.; di-
tos para homm de ferro e de balea de
2,000 rs. para cima ; ditos de junco de 1,500
rs. para cima; grande ocscolhido sortimen-
to de chamaloles, sedas o pannos om pega,
para cobrr armares servida, baleias de
todas as larguras e lmannos, para vellidos
e rsparlillioa para sanhora ; fazem-seum-
bellas para Igreja; concerla-se toda e qual-
quer qualidade de chapos de sol, ludo por
muito menos prego do que em outra qual-
quor parte. Vendc-se om porfo e a reta-
Iho. No mesmo cslabolecimento acha-se
um bonito sortimooto de bongalas.
2,000. '
Vendem-se cortes de brins troncados os-
curos de puro linhe a 2,000 rs., dito de pele
do diabo a 900 od 210 rs. o covado, cortes
de camhraia de salpicos de cores c brancos
com sete varas a 4,500 rs. o corle, e 720 rs.
a vara : na ra do Crespo, loja n. 6.
Vendc-se um terreno com 107 palmos
de frente, e 90 de fundo, silo cm Fora do
Portas a beira mar, um dito com 100 pal-
mos do frente, e 500 de fundo, silo na l'as-
sagem da Magdalena,ebaixo da ra publica,
entre as duas pontos ;'e quo lom no fundo
outra ra que d despejo para a camboa da
ponto pequea ; um dito com 100 palmos de
frente e 300 de fundo at a mesma camboa,
e que lem urna ra na frente, o outra de um
lado, que" he aquella queda despejo pora a
mesma Camboa. Ilous ditos.com 50 palmos
de frente, cada um, o 300de fundo, alca
mesma camhoa : na Pracinha do Livramento
loja n. 57, se dir quom vende.
CHA PREfO.
Vende-sc superior cha prelo,
em caixasde 3o lunas cada urna :
em casa de J. J. Tasso J unior, na
ra do Amorim n. 35.
* AHADOS aMEIUCANOS. U
fe Vcndcm-se arados ame- +
& rica nos, chegados ilos Esta-
* dos Unidos, pelo barato pre- i
g 50 de 40,000rs. cadaum: na jj
. um 1I11 Trapiche n. 8. ,
*** *? 1* *#?*#??
. Farinha
SSSF.
Fontana.
Galega.
Haial.
No armazem de j. J. Tasso .lu-
nior, na ra do Amorim n. 35.
Deposito de cal e potassa.
(No armazem da ra da Cadeia
do ltecife n. ia, lia muito supe-
rior cal de Lisboa, cm pedra, as-
sim como potassa clicgada ltima-
mente, a precos milito rasoaveis.
Armazem de vinhos.
Na ra da Sentalla Vclha n. /|8,
vendem-se vinhos de Lisboa c Fi-
gueira, dos mais superiores que lia
no mercado pelo diminuto preco
de 200 e a4 rs- a garrafa, e i,5oo
a 1,800 rs. a caada : para confir-
mar d-se a provar, c para ver da-
se a beber ; be baralinho, 3 ec
freguezes que lie bom vinbo.
Deposito de cal virgem.
Cunha & Amorim, na ra da Cadeia do
necite, n. 50, vende-se barris com supe-
rior cal em pedra, chegada pelo ultimo
navio de Lisboa, por menos prego do que
em outra qualqnor parte.
l'otassa americana.
No anligo deposito da cadeia vclha, n.
12 existe urna pequea porgo de potassa
americana, chegada recontcmenle que por
superior rivp'aua com adallussie: vnde-
se por prec razoavel.
Agencia de Edwin Maw.
Narua de Apollo n. 6, armazcui de Mc.Cal-
mmiisi Coinpanhia. acha->e conaianteiiienie
lupus sortimentoa de i.u.x.i de ferro coado e
batido. lano rasa como fundas, moendas in-
e i ras (odas de ferro para aniniaea, agoa, ele,
ditas para armar em madeira de todos os ta-
manhos c'niadcllos o uiais moderno, machina
hoti&oulal para vapor, com forfa c 4 caval-
los, couCos, pasaadeiras de ferro eslanhado
I
e
de trigo
Sara caaa de pulgar, por menos preco que os
ecobre, escovens para navios, ferro ingle
tauloem barrascouio em arcos fothas.ctiado
por barato nreco.
VVff f Vff VffffVf f.fVfV *f
! .11111 lia de mandioca
U Vende-so, por prego rasoavel, la- 2
y, rinha de S. Malheus a mais nova, .s
p, que existe nesto.mercado : na ra ^5
a> da Cruz n. 34, dclronto da I ingocla. <|
Moinhos de vento
com bombas de repuxo para regrar hortas
o baixas decapim na (undigode David Wil-
liam Bowman: na ra do llrum ns. 6, 8 e 10.
AGENCIA
da ftindicao Low-Moor.
KUA DA SENZAI.LA NOVA N. 48.
Nos te estabeleeimento conti-
na a liaver um completo sorti-
mento de moendas o meias moen-
das para engenho, machinas de
vapor, e taixas de ferro batido e
coado, de todos os tamanhos, pa-
ra dito.
Aos fabricantes de velas.
Vende-se superior cra do carnauba, e se-
bo refinado, em porgos o a relalbo, por
comino !o prego: noarmazom do li. 11. A-
il nulo & C, ra da Cruz coufronle ao cha-
fariz n. 1.
Vendem-se relogios de ou-
ro epr&ta, patente inglez: narua
la Senzalla Nova n. '
Vendetn-sc os verdedeiro solins in-
glozes, patente, de molla e sem ella : na
ra da Son/al la Nova 11. 42.
Deposito de panno de algodao da
febrica Todos os Santos da Ba-
nlua.
Vende-se por preco commodo
o bem conhecido panno de algo-
dio desta fabrica ; cm pessa, a
vontade do comprador .- no escrip-
torio de Novaos & Companhia, na
ra do Trapiche n. 34
Arados de ferro.
Na (undic.no da Aurora, em S. Amaro,
vendem-se aradosde ferrode diversos mo-
tlos.
Mocntlns superiores.
Na fundigSo deC. Slarr*i Companhia,
em S.-Amaro, acbam-sevonda moendas
de canna, todas deferro, o um modoloe
construego muitosuperior
Vende-se urna bonita oscrava,moga, pa-
rida de poucos dias, sem cria, com bom
leilc e muilo carinhosa para criar, e sabe
bem engommare cozinhar o diario: na ra
do Cotovelo n. 75.
Venaem-se asseguintes sementes:
nabos,rabanos.rabanetes encarnados e bran-
cos, sobla, couve trinxuda alfaco ala-1
moa, repulhuda,chicoria, aenoulas, feijilo 1
carrapalo de tres qualidades, crvilha torta e
direita, fave, coentro de touccira, salea, to- ,
males grandes, repolho, couve lombarda, |
saboia, e moatarda : na ra da Cruz n. 46,
defrome do Sr. doutor Cosme.
mummmmmmmm mmm.m^,-m i
Bom e barato.
Palitos feitos, verdes e pretos.
ai Na ra Nova, 11. 26, tem para ven-
S der palitos do panno a 20,000 rs., co-
H lotes de setim rreto deMaco .1,000
rs., fazenda muito lina, ditos de fus-
U 13o a 2,560 rs. cada um.
lima*?- **** wmwKmMW/t
A iao rs. cada um.
Na ra do Qucimado h. 3. defronte do
beceo do Peixe-Krito, vende-se loncinlios
de cambraia pintados, para niOos de^enbo-
ras, pelo baratissimo prego de sois vintens
cada um.
A a4o rs ocovado.
Dcfronlo do beceo do l'cixe-Krilo, loja n.
3, vende-se cassa chita, cores lixas, de lin-
dos padrCes, pelo barato prego de dozevin-
lens o covado; bem como chitas baratas
e mili.1.- fazendas mais.
a 380 rs. o covado
Defronto do beceo do Peixe-Krito, loja n.
3, vendo-se alpaca do algodao pelo barato
prego dequatorze vintens o covado; esta
fazenda lorna-se recommeri'lnvcl OSO s
para veslidos do senhora, como tamben
para palils o casacas de hotncm.
AllcngSo ao numero 39 A.
Quom to mandou esto docoi1 pcrgunl.iva
em una mesa coito individuo, nflo me o
mandaran) comprei-o por me parecer bom,
Iherespondeu o amigo; ena verdade igual
a este so no numero 39 A deposito, da ra
cslrcila, he justamente ondo cotnprei esta
n, n 1 i..\i I marmeliida pernambucuna que
assim so lliodevechamar; sabendodistoo
possuidor dcsle doce lembrou-so de annun-
ciar para que todos possam apreciar a boa
qualidade; no mesmo continua-se a vender
bolachinhas, biscoilos, o fatias de farinha
de ararula, e nutras qualidades, os mais li-
nos possiveis, etambem de aniondoas con-
fesadas, laranja, limSo, canella, chocolale,
o brancas etc. etc. No mesmo sedirquem
vende urna carroga com pouco uso, propria
para vender agoa, em urna pipa, o de um s
boi.
Vende-se
Boticas homeopalhicas de 30 modicamen-
tos,a 20,000 rs.,3.e 4. eddicgfio da pratica <
lementar, em 2 volumes, vindas do Rio do
Janeiro da botica central da ra de S. Jos
D. 59,dcclerando que sSo as verdadoiras bo-
ticas homoepathicas: na ra do Crespo loja
amarclla n. 4.
Anligo deposito de rap princeza
de Gasse do R0 de Janeiro ,
grosso, meio grosso c fino na
ra da Cruz do Recife n. a.3.
Viuva Pereira da t'unha, encar-
regada desle deposito scicnlifca
aosconsumidoresdeste rape, que
para mclhor sercm servidos seus
pedidos, tem estatieifcido ser pro-
p t c -c o* o tt '* rr r sr
or5BHfBB8c
a
o
"' B 3 B7iT.
-i??
2 ="
v Or "2ot.
^c.!-! o-"-' 2.2 2 a.3 o
"9 *
a. a a a 9 t, p E a o
lifflilflsl
I;f:iUr^fI
= i rr < V.
I.efB
& = 9
= 9 n"Z,
1*8
1 B B

o o
iHHzsHHttti
0-0 = o
oi?2v
?=B?-SoS' - o f>. c(eoo J"
.2 2 o'c
co s o
-o.'
0 S
:9 ff .
I
=?'" ti i! ^2 s
S.gSSoV3'-9'i55
-' o o
B S>S &?>" 9.9*
2|o5S?5g.,3-
rflllllflfl
'rSs!!o.2eB
c a = if a
2.2a?A "are
/
c
o- -. 9 9 8 ojcr
n "-gaaisioiij
;Er5S---tt.5"o
a, 5. ^< 3
S ai"* %B "Sn- %-
3 S q 2*=.S *
:V Bs.s-Sg-'SSS-Ss-g
.E3cIl3lglS:-
f O flj
18l
3-c.g.|'So5o- -<
8*85,8 s S-5-S.
^mpa
o o ft o 1 1 o = o 1 1
Vendem-se no armazem de
Ceo Kcnworthy & Companhia, na
ra da ('n n. 2, o seguinte :
elogios de ouro de sahonete, pa-
tente inglez.
Sclins inglezcs clsticos.
Ditos ditos de patente.
Lanternas para carro c cabriolel ,
de A1 -reos para carro de um c dous
cavallos
Amarras de ferro de 45 braca?.
Ancoras de dito para navios.
Cabos de linho sortidos.
Vendc-se um cabrinha de llannos, o
um prcto, crooulo, de 28 annns, vindus do
serlSo: na ra do Trapicho Novo n. 4
Vendem-se charutos de Maraa verda-
deiros : em c na ra da Cruz 11. 38.
Tai xas para cH/enhos
Na fundicSo de ferro de Da-
vid William Bowman na ra do
Brum, passando ochafariz, conti-
na a haver um completo sorti-
mento de taixas de ferro fundido e
batido, de 3 a 8 palmos de bocea ,
as quaes acham-se a venda por
preco commodo e com prompti-
dao, embarcam-se, 011 carregam-
se em carros, sem despezas ao com
prador.
Algodao para roupa de escravos.
Vende-se algo dSo muito encorpado, pro-
prio para roupa de escravos, com pequeo
. Msicas para pianno.
\ onde -so metliodos e muzieal para pjann
do differootesautores, e juntamente niciin,"
dos para flautas, violSo, e rabees, tu J<> nnr I
nienos pregos do que em outra parte : na'rn.
Novan. II.
Sedas vergenis a 1,200 rs.
Vende-aeseda vergini de cor a 1,200,.
o covado: na ra Nova 11. II.
Carnizas fcitas.
Vende-so camisas de chita e de madapolj,,
muito bem leitas : na ra Nova n. II.
Vendo-se um sitio na Capunga Nora
com 2 casas de pedra e cal, sendo I ultima
mente acabada com muito gostocom hasun
tes fruteiraa novissimas, cacimba, t miis um sobrado no fundo dos Quariais'n
25 : quem pretender comprar dirija-se ,
ra do Livramento sobrado n. 22, segunio
an lar,|qiio todo nrguciose fni-a.
- Vende-se um grande sitio do coqnein
na praia do Janga.com grande casa de viven
da e capella, pasto aufflciente para sustanin
de nmitas vacse, e ptimos loeaes par.
curraos de peixo: na ra da Santa Crt
-- Vendem-se seis escravos ; sen lo trn
ditos de todo servico, de bonitas lignras-
uma mulata com idadede25 annos; u-,,,'
escrava que engomma o cosinha ; urna diia
com habilidades, e dousTilhos: naruabi-
reila n. 3.
-- Vendem-si 3 pequeas casas terreas
no largo da igreja do S. Amaro, que d I po
cento, ou mais : a tratar na ra das Cruz
n. 40.
Vende-se por metade do scu
valor, uma parte do. eogenho Cai-
te, da freguezia de Iguarass, per-
tencente a Amaro do Reg liar-
ros : os pretendentes dirijam-se
a ra do Crespo, loja n. 16.
Vendem-se saccas oom farinha de min-
toquo de vana, a 140 rs. a jarda ; dito diuca, chegada doCear a 1,600 rs., e em
limpo a 180 rs : na ra do Crespo n. 5. ; loles de 10 sscoas a 1,500 rs. : no armazem
Chapeos do Chile pequeos. | *??,f_'?!- & uias> defronte da escadinha di
^-..,,_ _--------r__---------- AIfandeea
Vendem-se chapeos do chile pequeos a __ 521
~ Vende-se farinha de mandioca
muid
3,500 rs., um proco osle por que nunca se h. .
vnderam : na nova loja de miudozas, de- P.0*.9"04".! ,600 rs. asacca :
Na ra do Crespo, loja n. 5, vendem-
se corles de meia-casimira de pura 13a, c
gostos nonio bonitos, pelo mdico prego de
2,560 rs. o corte; brim pardo de linho, su-
perior fazenda, a 610 rs. avara.
Vcndem-so arcos de ferro para tonois,
pipas e barris, enchadas clgadas com ago,
panellas do ferro, grandes para fabricas de
ongeohos, e outras muilas ferragens, que
so voudi-iHo baratas para acabar : na ra
Nova, loja deferragons n. 16, t!e_losc Luiz
;Pereira.
-- Vendcm-sc colhcrcs do mclal do prin-
cipe, facas com garfos linas, lalheres para
meninos, bandejas linas, bocotas pinladas
para iiocrs, torneiras de metal com chavo
para barris c pipas, uadiados do segredo,
ehalekas, cassarel*?, frigideiras o panellas
de ferro forradas de porce"
Casa da fortuna, ra Direita n. 7.
O respectivo thesouroiro da lotera do N
S. do Itozario, marcou odia 29 do corren te
para o andnmonlo das rodas, o cauteljsla
tem a venda um completo sortimento de
cautelas, na loja do Sr Fortunato praga da
Independencia, o na casa assima, rucios bi-
Iheles o inteiros
Bilhetes 8,000
Mems 4,000
QuarlOS 2,200
Decimos 1,000
Vigsimos 500
-- No passoio publico n 17, loja de 3 por-
tas, vondem-se chalesde lila o seda o molino
que se tem visto neste morcado pelo barato
prego de 3,200 rs., ditos do la a l,G0 rs.,
ditos de tarlatana a 1,000 rs., cortos dit.cam-
5J*i.l**ir.?i*. n" braia com barras lindos padres a 3.50'0 rs
va, loja de ferragens n. 16, de Jo>e Luiz l'e- lH, ,, __K,, Jn
reir.
Vendem-se marroquins de todas as co-
res a 1,110 rs -. na ra Nova n. 16.
-- Vcndem-so pregos para caisas do cha-
rutos*: na ra Nova n. 16.
Vcndc-so uma casa terrea, sita no Alio-
gado, no pateo da l'az 11. 80, com duas sal-
las, dous quartos, quintal murado, cozi-
nha fra e cacimba mi, ludo de pedra c cal ;
jna ra do llangel 11. 56.
-- Vcnde-se s verdadsira ,.".i mineral,
ehtUda iss Caldas ua itainlia ptimo
conforto para todas as molestias do ostorra
vido o deposito mcnsalmrntc com igo.rhcu.iiaticas.ooutr.s; quem quizer di-
remessas feitas pelos vapores da 'rija-so a (toa-vista, na botica de Ignacio Jos
carreira, e assim poderao seus fre- d0 Cuut0 6
guezes ter rap muito iresco, cir- Aproveitcm aoccasiao.
cumstancia a mais esecncial 5 sup- Tcnd chegada a loja de ferra-
piido pois regularmente este de- igens do aterro da Boa Vista n. 46,
psito com rap assim fresco, he
para ai firma 1 que esta boa pitada
se tornar recommendavel a todos
os tomantes : os precos sao os de
seu principio estabelecidos de i28o
rs., as duas primeiras qualidades
e 900 rs. a ultima, sendo de 5 li-
bras para cima.
Vende-sc cal virgem cm pe-
dra, cabeca de carnciro; no ar-
mazem de assucar da Viuva Pe-
reira da Cunha, na ra da Cruz do
11 (XI le II. 23.
Mercurio.
Vendo-so mercurio do primoirasorto: cm
casa de Augusto C. de Abreu : na ra da
Cadeia do Itccifen. 48.
Deposito iia fuhrlcu 1I0 Todos os
Sanio- na allia.
Vende-se,em casa deN. O.llieberA C ,
na ra da Cruz n. 4, algodo transado I a-
quolla fabrica,muitopropnt) para saccosde
assucar eroupa deoscravos.porprogocom-
modu-
Na loja das seis portas
Vendem-se chapeos de massi franeczes a
5,000 rs. de superior qualidade.
Bom e barato.
Ra do Passoio Publico, loja n. 9, de Al-
bino Jos Leite. Vendem-se linissimos cha-
lesde 18a e seda a 3200 rs., ditos de 13a a
1,000 rs., ditos de tarlatana a 1,000 rs ditos
braucus a800 rs., meias cruas (nasa 200rs.
o |' r, em duzia 2,200 rs. cortes de culele de
fus o a G40 rs., ditos dn 13a o seda a 800 rs.
longos encarnados a 160 rs,ditos brancos ro-
1I1 hir-n 320 e 440 rs., ditos )
deadn
grvalas a 120 rs., chapos do sol a 1440 rs ,
chita para coberlas a 160 rs., ditas linas a
240 rs-, ditas para vestidos cor lixas a 11.11 o
200 rs. o covapo, madapoln unlro linos a
3,200 rs, cada pega 3,500e 4,000 rs ,liulio de
cores para caiga e jiquotas a 300, 320, o 360
rs., castores para caigas a 200 rs., o outras
muitas fazendss, por pregos cmodos.
1I0.I. S. de Menezes, um grande
sortimento de charutos superio-
res, vindos da Bahia, para acabar
e agradar aos freguezes, vendem-
jsepelo custo; por isso aproveitem
a occasiao de fumarcm um bom
charuto, e por pouco dinheiro, al -
fiando-se que silo da melhor qua-
Ii lailo, que tem no mercado, vin-
dos daquclla praca, e os precos sao
os seguintcs :
Boa lama
Cata llores
Primorosos
Emilios
Fama da Bahia
Flora
Hcgalia de 1-. M. de Souza
Ditos tle Al verga
Quem fumar saber
Fama va de a I verga
Calgadns.
Vendom-se sapatOca de bozerrodc Nanles
do sola grossa, ditos do sola dobrada o pro-
gados, de minio boa quali lsde,que se fazem
recommendaveis para este lempo de chova,
bolins (rsncezes, o oulros muitos calgados,
tanto para homeascoirio para senhora c cn-
angas : na praga da Independencia 11. 13 u
15, loja de calgados do Arantes.
Calgados.
Vcndcm-se sspatOes inglezrs de muito boa
qualidade, famosos para esto lempo de clin-
va, pelo prego de 3,000 rs. : na praga da In
dependencia n. 3 o 3, iuja do Arantes.
1,400
2,000
3,000
2,000
1,200
1,200
1,600
i,5oo
2,000
i,Goo
-- Veodom-so lonas, brinzo, brins, o
meias lonas da Russia ; no armazem do N.
O. Uiebcr n 4.
Vende-se uma loalba de lavarinlo a ro-
da sendo nova e de muilo bom :n-i.i por
prego commodo : na ra daj Cruz no llecilu
n. 31, adiar com quom tratar.
ditos de cassa-cbla a 1,800 rs., chitas para
coberlas, cores fizas o bonitos padiOes a 200
rs,. o covado, dila para ve-lulo .1 ICO, 200
rs., meias cruas americanas para homcn
duzia 2,200 rs., par 2011 rs, iiins do linho
propiio para palitos a 240, o 300 rs., o cova-
do, cortes para colele do ISae seda o 804 rs ,
leiiginhos para m3o de Scnliora c 1111 lur.i om
volla a 28G, e 320 rs., llsorJSo americano
com algum toqbo doaviria a 180 rs n \;i. .1,
e outras mullas fondadas por pregos como-
Anm
Calgados mofados.
Vendom-se sapatos do marroqnim do cor
e protos para senhora a 800 rs., ditos do lus-
tro a 1,440: na praga da Independencia 11
13 c 15, loja do Arantes.
- Vende-so uma morada do cala torrea
sita na ra das Trincheiras 11. 22 : a tratar
na ra da Cruz do Rocife, armazem de as-
sucar da Viuva l'ereira da Cunha.
Na loja das sei* portas
Vendo-se panno lino de todas as cores a 2/
rs., proprios para palitos,vestidos de senho-
ra para monlaria, c oblas para oeninos.
-- Vondem-se saceos com barroduras de
tarinha a 1,000 rs., trazendo o sacco : na na
da Cruz do Recife 11. 33, armazem de St
Aojo.
No aterro da Iloa-V'isli, loja D. 18, de-
fronlodo tribunal do conimoicial, venuein-
se panno preto fino prova do limito a 3,900
rs. o covado, longos brancos do cambraia
muito finos, pelo baratissimo prego de 200
rs ditos pintados, propiios para meninos a
80 rs., algodo da Uahia em fardos de 10
pegas a 260 rs. a vara, dilo traugado escuro,
ptima fazenda para roupa de oscravatura a
160 rs. o covado, e se o comprador comprar
mude porgo so far um abatimento ; ves-
tidos de cassa pintada a 1,600, Cmbralas do
cores do bonitos desenbos por 100 rs. a vara
ou 240 rs. o covolo, e urna grande porgSo
doriscados de cores lisas a 120 rs. o co-
vado.
Na luja das seis portus
Vendem-se chales pretos de redo a moja pa-
taca cada um, cambraia para enoiio de ca-
misas de senhoras e meninas a duas patacas
a poga, cassa prela a sois vintens o covado,
chitas boas a seto vintens, ineia pataca, e
dous tuslOes, do bonitos tadiOcs, o outeas
muitas IY/.01 las por pr^go barato, por so
querer acabar.
Muitas fazendas por pouco dinhei-
ro na roa do Crespo n. 6.
Cortes do brim oscuro do purolinhn a
i ,' lo 1.-. .ditosdclistia de bom gosto a 2,000
rs., dito amarello a 1,800 rs. riscado de li-
nho proprio para caigas e palitrisa ISO rs. o
covado, panno lino prelo a 3,000 4,000rs. o
covado.oessas dn cimas curasGOai 30 co-
rado* a 4,500,5,000 e 5,500 rs., cambraia de
llores com 8 l|2 varas a 2,400 e350ors. a pes-
trono do Livramento.
Viho do Porto, superior
fciloria,
Vende-so, pelo barato prego do 40,000 rs.
cada barril, para concluir a conla : no ar-
masen) de Rarroca & Castro, na ra da M.i
dre de Dos n. 26.
JNa loja das seis portas
vende-se lengos brancos, com cercadura, a
qualro vintens, proprios para moninas.
Vondo-se um negro, bonita ligura, de
25 a 30 annos, propria para padaria, por ser
boip masseiro o foroeiro : a fallar na ra
Nova n. 27.
Vendem-seamarrasiloferro: na "ia da
lSenzalla Nova n. 42
Vendem-se remos de faia ,
Madre do Dos, venda de Clemente da silva
Uma.
Escravos fgidos.
No dia 29 do mez de junlio.desapparrrcu
uma negra de nome Antonia, quo repsenla
ter 30a 35 annos.denago angola,mas parece
ser creoula, altura regular, cheia docorpn,
de foigOes o corpo no he mal parecida; tem
uma sicatriz em uma das pas, levou diversa
-roupa que senSo sabe da que usar, levou
um ferro aop e com uma correte. Roga-se
as autoridades policiaes ecapites do cam-
po, ou qualquer pessoa a prenda ou faca
prendero levar ao sen senhor Antonio Man
Cortos,na ra das l.arangoiras ; que ser re-
compensado generosamente.
Do bordo do briguo Foliz Destino, fu-
oleo de linliac.a embotijas, barr-igio ha diwotterivo msrinheiro, denome
cas com cimento ees tinas, vende-i/0"uia,1 *<> >aa Mossambiquo, do idaJo
, ', tnnta e tantos annos, estatura regular, ro<-
se a vontade dos compradores e to eomprido, barba serrada, o qu por pre9os commodos : noarma- cea Joa RodriguesCardoso.do RioCraode.
zem de taboas depinho, atrs do
theatro velho.
1'uis para sapateiro a 5oo rs.
a libra.
Roga-se a sua apprebengo.o offerece-se boi
gralilicago a quem o trouzor a ra da Cruz
11 3, escritorio de Amorim & Irmos.
Na madrugada do dia 28 de junho do
corrente anno, fugio do ongenho Cacbocira
doGuodes,*comarca do Coianna, um escri-
Nanova loja Je miudezas, na frente do' vp de nome Joo de Torres, oqual lomos
Livramenlo, vrfode-se fio de sapateiro de8|8naBS seguintes: cabra, alto, serco (lo
puro linho daacWdilada casa do Adamson. eorpo, tem barba, representa ter de ida le
aSOOrs. a libra, o em porgo de 5 libras 25 annos, pouco mais ou menos, nariz pe-
para cima a 480 rs.: no pechincba.a ello n- queno e ahlado, pomas grosaas, olhos gran-
les que so acabe: tambem se vende marro- des, um dos caleanharcs Inchado, cabellos
quim amarello, rouxo, encarnado e azul a uni ta"lo sollos; levou uma camisa de al-
15,000 rs. a duzia, a pele a 1,440; isto para godosinho, outra de algodo da trra, cal-
acabar. "'';''" algodSosinho riscado, ceroula de algo-
-'- Vendo-se marmolada nova, vinda ul- d3oda Ierra, um couro de ovelha; foi mon-
limamenle do Lisboa : na ra da Cruz n. J"1 civallo, o quol he rugo, capaco,
46, defronte do Sr. Dr. Cosme. !tcm u,m belide em um olho, lerou uma
iin..i ;,io a nann. fi,,n e rice.1 c>ngllia velha e um sacco, o ferro do ea-
orttmen os de panos linos ecase-,vallo ne JE. pag>_80 bern',quem 0 pog,r
miras de todas as qualidades. je leva-lo, ou ao mesmo engeoho, ou a ra
Na ra do Crespo loja da esquina que vol-' da Cadeia do llecifo n. 9, em casa de Jos
ta para a cadoia,vonde-sc panos finos pretos, Raptista Ribeiro de Faria.
a 2,800, 3,200, 3,500,4,000, 5,000 rs., e fran-' Boa gratiflcago.
cez muilo superior a 6,000ts.,o covado, di-! Gratifica-so con 50.000 rs. a quom appro-
to verde a 2,800 rs. dito a.ul a 2,880, 3,500,1 hender um mulaque crilo, por nome Mi-
4,000 o covado, cortes de caiga de casemira | guol, de idade de 15 a 16 anns, fgido
prota infestado a 5,000 c 6,000 rs., dita fran- desde sexta loira 28 demaio prximo pas-
ceza elaslica a 8,000, 9,000 e 10,000 o corte, i sado, de gancho ao pescngo,secco do corpo,
e outras muitas fazendas por prego com- cor bem prela, boigo inferior grosso, com
modo. marcas de chicote pelas costas, vestido do
Cortes de brim de puro linho. camisa dealgolSo branco com mangas cur-
... .,*____:______^.i tas, caigas do algodSosinho de lastras aviles:
Na ru. do Crespo loja da e.qu.oa que vol-. ,,e t)[ ^ f d
a para. cade,avende-,e corles de calca.le ba an'daj0 yenenl0 ,rucll
."'S ", lUn r'V^ ,f J an oso mandioca, micaxeira pela ra ; oslo mole-
1,280 e 2,000 rs dito in eiro pardo a 1.280 e H ,
2,000 rs. o corlo, riscado do linho de lislra 0los' inquie;o8) e faze'ndo moyifenlos cnm
a 720 rs. o corte. ... os dedos dai mffos. PJe ser que so intitu-
Lambraias de salpico bronco e ue:iedeforro,oque d outro nome, como ja
cor lencos de cambraia de Uro gancho do pescogo que Hnha quan-
.' r do fugio dt casa. Portento roga-so a todas
"""O. asautoridados policiaas, capit3es do campo,
Na ra do Crespo loja da esquina que vol-jo mais peasoas, que fagam todas asdiligen-
ta para acadeia, vende-so cortes de cambraia ciaa de capturar este moleque, o msnda-lo
de salpico hranco a 4,000 rs., dito do cor a i entregar a seu senhor, Jos Saporiti, mo-
4,500 rs., lengos de cambraia de linho a 500 rador no principio da estrada dos Afilelos.
e 600 rs. cada um.
Com toque de mofo.
Na ra do Crespo loja da osquina quo vol
Desappareceo no dia 11 de abril prxi-
mo passido, do engenho Estiva, umescra-
vo de nigo, de nome Ignacio, que repro-
l'O IUO UU UIV1IKI mi. M1IMIN* ...... .. I J .." .
ta para a cadeia,vende-se chitas escuras com 'r nnos de idade ; altura regular,
poqueno toquode mofo a 5.500rs. a pega,eo cor bem preta, espadoas largas, pomas h-
covado a 160 rs. "" /S.Vf.m>l C0'LSt P"Jhel,(l08 PO em
Fitas de vellido.
Vende-se filas de voludo recortadas pira
pescogo de senhora com a sua competente
livela de mado-pcrola |or menus que em
outra parte : na ra Nova n. II.
Vendo-se uma casa terrea cita na ra do
Moudogo o. 139: na ra da Sania Cruz
n.70.
Na ra das Cruzcs 11. 22, segundo andar
vende-se uma escrava de na(,:3o Costa do bo-
nita figura ptima quilandeira.
A neis de ouro.
no Um bichos, cabellos brancos na cahe-
ga e barba, falta de dentes na frente, urnas
cicatrizes no brago osquordo junto ao hom-
bro, peito cabelludo, bstanle cortoz c ale-
gre no Tallar e bem explicado, um tanto
moco, sendo, em algumas occasifles, preci-
so fallar-lhe mais alto, muito convivenlc,
loca mandolina e canta ; levou camisa e si-
mula de algodosinho americano, sondo a
simula bom comprla, jaqueta do brim do
quadrinho azul, vclba, chapeo do limbo ve-
' Um o muito mal feilo; o em sua companhia
uma escrava de nomo Vicencia, pequea,
Vende-so aneis do ouro com cabello, obra secca do corpo, cor fulla, dentes porfoitos
muito bem feitae muilo baratos: na ra No-! e alvos, afavel no fallare bem explicada.
va 11. II.
Tonca- de seila.
Vcnde-se toucas do soda para senhora as
mais ricas possivol e por muilo diminuto
prego : no ra Nova n. 11.
Instrumentos de msica.
paitos grandos, pos pequeos e bem foitos ;
ho creuuls, lovou saia de chita desbolada pa-
recendo panno branco, mal amanhada 00
vestir, muito caximbeira'e toma tabaco:
quem de ditos escravos souber ou os appre-
heudoi', leve-os ao dilo engonho Estiva,
seu legitimo senhor, Joo Nicolao de l.ira
Pinto da Fonseca e Silva, hoje de N. Caault
vendo-se todas as qualidades de instrumen-
tos para msica militar, e tambem so vendo
violos, rabecas, ludo por mcuos do que cm
outra parto.
Flautas de flodfroy.
Araba de rcccbc-se um grande sorlimonto
do flautas do Godfroy, do bano, e de buxo
oom boniba de I o 4 chavos o com a sua com-
petente caixinhado madeira,as quaes sevon-
dem por menos do que cm outra parle
ra Nova n. II.
Talagaic.t para bordar.
Vende-se la legaros, Ua e teda, para bor-
la, longos do cambraia do linho a 400, 480, l'ua?Zn. ^'V**! ...." -' v
e 60 rs. proprios pera mflo, risrados assot,: J"r.c as OompelOoUtt agullias ... ra Nova
latios m algodo muito encornado proprios I 1
para oseravos .1 ICO, 180 c 200 rs. 11 covado, lirovata.S de mola.
ztiarto azul com 4 palmos a 200 rs. o cova- Vende-sc gravita- do mola pifltu, c mo-
do, e muilas mais fazendas por prego com- las para cobnr por btalo prego : na ra No-
modo da loja cima roforida. ,'vatt. II.
par."
V^tlLfl
loja n. 50, Cunha & Amorim, que se re-
compensar.
Da fabrica docaldereiro da ra do Brum
n.28 ausentaram-se, no dia 10 do passado,
o prelo Antonio de nigo Cabiuda, estatura
regular, cabellos um pouco brancos, cheio
do corpo e muito cabelludo nos peilos, ros-
to carregado; costuma em suaj fgidas fre-
quenlar a Suiidade, Manquinlio o Afoga-
dos, e en. sua ultima fgida foi pogado no
engonho Cuca dislrirlo dn Rio Formse: o
no dia 13 do corrate o preto Alexniidro, do
uago S. Thom, alto, corpo rofurgado, o
legre, o ja foi eseravo do Sr. Ilolly o do
francez Melequer, morador no Rio Doce, lu-
gar quo omusiiioescravo costuma froquen-
lar nas diversas fugidas que lia feilo :
roga-seiis uuloiidades poliriai'S c a quom
quer que dellei der noticias, dirijfio-so I
inesnia fulinca quo sci looiniipoiisado. _
I'iiin. : Tn\ iik M. !' di Paria. I85i.

Na ra Nova loja que foi do finado Jos': Cavalcanli, 011 ra da Cadeia do Recife,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E2AZ7Z8O2_3HHZ2E INGEST_TIME 2013-03-29T16:22:53Z PACKAGE AA00011611_03702
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES