Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03686


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno XXVIII
Terga fera 15
deJunho de 1852.
N. 132.
DIARIO DE

fntijn omonirijio.
PlOaMalTO AlUHTADO.
Mitrimaire............4/000
totun'Urt............. 8/000
POI !> .. 1.....l.'i/lMO
PaOOlUUTaO DUTIimiTIB.
Poi aliarte............. 4/500,
otioias do mrinio.
r-..- ade Hiio. Uims... 14 de Mio '
vtjuoho Si de dito S.Pealo, a de dito |
O.r 28 de dito. R.deJ.. 25 de dito
Parahiba 7 >e Junho habla... 2 de dito
DIAlDA MIMS. DDICli-.
HSeg. S, Bulla.
15 Tere. 8. Vilo
iBQuaitS. ureliino.
17Qulut S Nicaudro.
18Se.t, SBSBOSs Co-
racao de Jeui
]Hito de Orfhdt
t, e.i* 10 hora.
I. varadocivtl.
3. e 6. ao melo-di*.
Fattnda.
3. e 6. ii 10. borai.
i'.iS.ih. S Juliana de 2 ara do eivel.
Palcoulerl. i. csbadosao inelod,
20 Doni. 3. S. I Ivi-.in Silicio.
P- lrr(i e sitiados.
raanalau.
trocale i 24, II huraj e 28 miautei di I.
Chela a 2 4 horas e 7 mlautoa da larde.
Mlngoante i 9, aoi 4o mloutoa da larde.
Roti 17, ai 2 horas 28 minutos da larde.
niMiiDiiOii
Prlmelra s 2 horai e 64 mlnuloi da larde.
Secunda a3 noria e IX mininos da mnima.
naiinii sos oobbbios.
Qolaan e Parahiba, i segunda! seitia-
elria.
Rlo-Crinde-do-Horte e Victoria ai quista*
felrai
Bonito,Caruam, e Garanhun no l'e la de cid
mei.
Florea, Ourlcury, Eu e Boa-Vilta 13 e 28.
Olinda, todos oa dial.
Todos os Corceios partem aomelo-dla.
arOTiciaa* kitb^noeib ai .
Portugal 13 de Abril. Austria .. 6 de Abril.
Hespiohi lo de dito 'Sulisa.... I dedlto.
Franca.. i3 de dito SaeciS... isde Marco
Blgica... 2 de dito
Italia.... 3 dedlto
Alemanl.a. 4de dito
Prussia ... de dito
Dinamarca 30 de Marco
Bussla... 3l dedlto
Turqua, ib de dito
Inglaterra 7 de Abril.
E.-Unido 20 de Fevr
Mxico... 31 de Janr
California 2 de Marco
Chlli. 2< de Fevr.
Buenos-A. 6 de Marco
Montevideo ;"> de ala o
CAMBIO! D 14 D JO I
Sobre Londres, i 27 por d. 1/000
> Piris, 345
i Lisboa, 100 por csnto. -
HITAEI.
Ouro. Oncas hespnbolas.........
locdas de b/400 velha.......
a de6>400ooTi.......
* de 4/000.............
Prata.PctaoBeabrasileiros........
Pesos columnarlos.........
Ditos oievloanna.......
.. 16/01(1
.. WOOO
9/COn
1/V2"
1/920
1/800
a' i
PARTE OFFICIAL.
' A'gut a movimenlos no mesnio sentido li-
. veram lugar as reguezias de Jabuatlo, S
ai "aaaaa.a. IdiirelICO 6 MUIlluV.I, dO HTn.O lll> iTlIl!.
RELATORIO Al'RESENTADO A ASSEMBL|e as comarca da Victoria eCu-nni Nes
GERAI. LEGISLATIVA NA. UU A UTA SESS AO" n ultima foi assalta o o engenho Giitiba,
piopriedade e residencia do subdelegado
Amonio d Araujo A|buquerquo por uro gru-
po de it uili o lano* homens armados, que
all commelteram varios actos de lioslili la-
do, e tentaran! matar o mesmo subdelega-
do, que p eescaoar com vida fugiodo par
a capital da comaica. Na cidade do Rio-
Founoso magotes de homo is armados de lo-
do o geneio dd ari.-.as, eai mullie ei, m-
valiram as grojas para imlesiar lontra
e cuelo do regulamento. A villa de Gi-
raubuns (oi assalladi no dia 25 de Janeiro
por um grupo de imoliaaaaaaisv-afue tanta
rim occupaa: bisliram, porm, as ad-
noealauei Je alguns moradores para os a-
/cr dispersar, conservndose a villa m oaia
perfelta piz.
Ni provincia das Aligis tiveram lugar
os rnovioientos sediciosos em principio de
Janeiro : fui to primeiro desse mez que, na
l,"ge do Canlioio, termo da Impenlriz, reu-
ni se um grupo de honens armados com
o litn de se oppr publicarlo do regula-
meiiio, e obrigou o capell.loa fazor 09 bap-
tisados iodependente de cerlidfle dos os-
crivlrs do juizo de paz. Ani o subdelegado
de polica com lgn.na ii ca que reuni,
apreseniou-so aos sediciosos, conseguio dis-
porsa-los. Nesse oiesmo dia lu cercada a
villa na Imperatrlz por raais de 200 homens
armados protestando rasgar o regulammito,
assassinar quem o puhlirasse, ou se ojuu-
zesse aos seus criminosos mtenlos. He f-
cil cumprohender o susto e tenor que es-e
bando desatinado inculto na populaclo p<-
cilica da villa. O piesidenlo da provincia
lez marchar mime listan ente urna Corea de
40 piacas de primeira linna com o lim de
acauteiar qualquer evenluahdaJe. Uispe -
saodu-se osle grupo no dn 2 de Janeiro, li-
cu, a villa di luiperatriz desassombrada
Iguies lacios occorreram tas mallas do An-
gi'iun, na viziulianca do Cimiragibe, ni
aldeia de Jicuipe e tus povoigues de Salo-
m eS. Braz, do i'.iin oo Puuedo. As me-
didas de prudencia lomadas pelo presiden-
te da provincia uuzeraoi lim aos inovi iien-
tos, e esta conserva-se tranquilla.
U iiiii'.-inn resullalo leve a sedicSo as
provincias da l'ar.liy na o Snrgype. Um un
lias ellas os am
A or lem publica, apenas se dispersara*
"s turbulentos, oi immedlstameole reala-,
beleci'la na Bagigem : a Justina compete la-
zar o restp
Continuam os etforcos do governo piW
tnanttr a segurante individual, e como vo
disseno ultimo relatorio, ge ella nilo offa
rece igridivel aspecto, be certo com tudjfe
que temos melhondo. Grande numeio <*
reos de omos graves, amigos ou modei
nos, tem sido capturados ou seguidos cu
ctividide. %
Especiilmente em algumas provincl
como, por eiemplo, Piauny, Cesra e Ser,
pe, muilo felizes resultados tem d-inonstri-
doascia ittencfio ques respectivis di
ministraedes tem merecido este imporlantJI
rimo de servido' publico.
A provincia da l'arahyba he orna daquelBuaes.
la em que o zelo da administrarlo la fazenfi Oconselheiro Antonio de Menezes Vascon
do man aensiveis progressos auanto ao me*lcellos de liuimoml, enviado extraordinario
Ihoramento da seguranca individual, Infe do imperador niqnelle reino, tem dado pro
t\ aTAVA LEGISLATURA. PELO MINIS
TKO E SECRKTAKIO E E-TADO l)l)S NK-
I.OCIOS llt JUSTIC., EUZEHIO DEQUEI-
ItOZ COUTIMIO HATTOSO CMARA.
Augustos e dignissimos senhores repre*
sentante da nacSo.Venho dar-vos, como
mecumpre, informacSo do negocios mais
importantes que corren pelo ministerio da
j usina.
tmquilluluU publica e seguranca
inaiv dual'.
fenlro o prazer de aununciar-vos que
ordeni publica continua inalterada em loto
a imperio. A nagSc m,ml.-sta mais plo-
na c.uiliaiit,a na actual ordem de cousas, e
nao lia um so ponto em que a coiisciencn
publica, o resuelto ao dever, a adhesfto e o
amonios pavosas insliluir;Oes mona.cliiro-
le, resenlativus, nilo teoham zumbado dos
esfurcos empregados pin levantar pertur-
bar/)-s. O go'ernn imperial ufanase de
haver conseguido este gratule resultado pe-
la maia severa observancia dos principios
de juaiica emoleracfio em lo los os seus
aclos. He esta a giah.de barreira por elle
opposta aos perturbadores e s peiturlia-
tes.
Eotrelanto a propaganda, que procura
por meios ieolucionarios reformas ndi-
cae as inslituicOes do paiz, continu drs-
cumedid em sui imprens: reconhecenJo,
i 'iicm, que suas declamafdes uo encon-
tram apoio, recorre a novos meios. Ora,
p.ocurando illualir, ei-la lingindu encontrar
na coustiluicao o mo lo legal de convocar
urna tssenibla constituinte para fazer re-
l'mts que nao tenhim sido interiormente
decretadas pelo poder legislativo, e con as
quacs prouetle que ha de r -nascer idade
de ouro; ora esperando ludo da igitscao,
ei-li o'gmiaandu suciedades contri os prin-
cipios lundamrntaes da constituiclo.
Esse nUfacto desophismas e promessas
engaadoras e irreal isa veis nilo p Ih resis-
tir aos exames da rasSo e da experiencia;
e aa sociedades, consentidas com toleran-
cia, que Ulvez parec ixagorada, denm
eotrelanto a aeus organiaidore urna provei-
losa licao, porque uemonsiraram a fraque-
id dos seus meios. Multiplicimn-se as i,s ellas os am -tinados ipresentaram so ridades, animando a mxima parte da popu- revelam as apprenencdes, e que constan
circulirea: deram-lhes nieamo puhlicidade com idnticas preteocOea, fundadas em pre- lacao contra o crime. fazen lo convencer osdis relacOes ibaixo transcriptas, raros fo-
omseaajornaes, cartas, emissarios, lig del |Cxto iguaea ios a i. gados em Pernambu- proprio criminosos que auas accoes sao ^nm os desembarques.
interesaes ejeiloraes, lulo foi em pregado; co AiagOaa. Esta alteacao aioda que consiantemente vigiadas, que seus aclos de ( He iguMmente fra de toda aduvidaque
e, apeaar de tantos eafurrjos, os que esne- inom-ntancu da urden, publica animou a hostilidaJe contri sociedade nao HcirSo em sua grande maioria negociantes que an-
muilns faccinoroso, e leo do polica qoe, imunes, tonlia o governo que a seguranza tigetnetile e enrulviam no trauco, estSo
at entSo foragidos, julgaram asida a oc- individual ha de chegir um estado satis- completamente retirados.
casino para cuiiiiiietler.-m os crimes a que fictorio como ja se goza as chales, que Alguns miis obstinados ainda procuritn
estao avesidos. Felizmente a agitacSa a- m verdade, 4 este respeito, no lem que occasiao, mas a diiculdades, os perigose
Iii.k.ii ir ... ..._..- m.lls. il. l.'.l.i. .-I '., ,.|iilii.' IUI li ... I..... I. ......... ..__..-._-.
prehensSoe pronuncia ti ve a honra de vos
oarticlpir np ultimo relatorio, F. Villar,
morreu na pristi. Seus socios foram eoo-
lomnados, saber: Antonio Meodes Baga,
gravador, a 10 annos de degredo para An-
gola \ Joai|iiim Mana Rodrigues l'assos, pas-
aador, a Iftannos para Mocaoibique; eJos
Borgioli, pasaador, a 5 anima pira Gibo-
Verde.
He de esperar que osle exemplo (o primei-
ro deati especie) diminu pelos menos o
escndalo com que no porto aenegociavaa
mooila falsa dif imperio; oa agentes desaa
criminosa industria adquiririui i certeza
de que ios olhoa dis leis e tribuales porlu-
guezesa falsiftcicao de moela, por ser es-
Irangein, nSo deixa de constituirjim crine
grave. Esta decalo honra aquefTei tribu-
iizmenle o abalo prod-nido i pretexte, d
rug_ulamento de 18 de junho do anno passi
do (que mencionei em logar competente
uo po lia deixar de enfraquscer a accSo d
autoridade e augmentar a audacia dos mal
felores que, reunidos em um lugar chama
do Caonoeira a nove leg.ias de di alia
ca da villa do l'iinc, ousanm oppor, m
dia 20 de marco, (orinal resistencia forfi
que o delegado reunin pan o fazer captu
rar. As promptas providencias idopt-d
pelo presidente e chefe de polica para cun-i
centrar naquelle ponto destacamentos pos-
eaos mais viainhos.devem de ter a esta hon
des continuara provavelmente a correspon-
der aos esfurcos de seu zelos> admnistra-
dor.
vas de muilo zelo e aclividide ni diligen-
cia descooerlas pin a. reprsalo dease
crime.
Trafico.
O governo contioi i etnpregar o maior
zelo e energa para extinguir o trafico, e
seus clreos vio produztudo os mais felizes
resultados.
as provincias oa presi lentes e em geral
todas as autoridades t.ni cumorido o seu
dever com zelo digno dos maiures "elogios.
Nem de oulra surte, com a vtstiasiiaa'ex-
tenclo de ausso littoral, e a pouca mirinbi
de que temos podido diapr, se teriam con-
seguido to grande resullido.
Um desembarque do Africanos nao heob-
jecto que possa estir por muito'lempo oc-
cullo; aioda quan'do se reilise desaperuebi-
do, o grande numero de pessoas, que pan
os desembarcar, internar, vender e comprar.
A provincia de Maianlilo, e, mais que lu-
do, o municipio de Gixias, que ao lempo do'
ultimo relatorio tantos rrceius inspirava devem ter conliecunentodo fado, dentro em
pela frequencia de crimes graves, tem mu- punco lempo odivulgam.
dado completamente de aspecto. | O governo nfio Uro desorezado urna soc-
Seem toJas as provincia nlo tem sido casilude esmerilliarcom a maiur sulicitu-
possivel conseguir lio grandes resultados, de o fundamento de qualquer boato a seme-
ueui por iaao deixaram-as respectivas admi- I liante respeito ; e se ulo be impossivcl qu-i
ntstrages dse haver empenhado nrssa lu- alguma vez a verdade liie louna escapado,
la contra o crime, da quil hSo de aihir vic- nlo he men certo, ltenla a natureza da
loriosas pel constancia e persevera tica no materia, que bem uros serlo os desembir-
emprego dos meios de que si tem servido que em que ialopussa ter-severilcado.
al agora pira proteger a vida e a proprie-i Fundadu puis na informscoes escruju-
da le de seus conciJadloa. j loaimente obtidas, pens poder aflirmar
Ivslimulaniu o zelo o aclivilade da auto- que alem da especulafes, cuja existencia
ravim cubrir o Brasil com as sociedades Ti
lues, vu.itn-.-e reduzidos muito puncas
villa do interior; e nesgas resmas, em It-
uiiladu numero o socios as frequenianv.
Se, poi'ii, o imor do povo a msliluf-
cOi s que nos regem bal Ja iodos rases esfm
cabuuso maisdepressi do queeile peuai- invejari miis cultasd Etnoja. ofrcelos lem piralysido quasi sempre es-
imuerio da le. e Concluimlo, dar-voa-boi noticia da terem sis tentativas aatus da uxecuciu ou logo em
m. I, ,..,.I,. ,..,. .........,.,,.,. .1.. II,., i,- .,,:! i ,li, 11-, j if.u m, i-p...... i van., reslalirieceo-s* o <. *i
coa, e nao ha que rece.r pela Iranquillidade i muitos uesses c imiaosoa caiiuim as mflos invido nua provniciaa do Rio Grande do bul, comeco.
publica, he entretanto incontcstavel que da polica, que os vigiava e procura. Santa Catharin-e Goyaz algumas incursOeS; A verdide destas proposicOes torna-ae
Nlo doixarei este tpico di trinquillida- oe ludioa selvagens. O governo, certuique muito Sen*.val, iltendendo-se revolucAo
de pnblici sem reerir-vos ua acunlecimen- mai Pe'os meios brindo do que pela furca operada no preco dos escravo aqu e nos
toa, que ultimameolo tiveram lugar na po-, b decona-guir cha-na-los so estado deci- purtu d'Africa donde os costuniu. tra-
voacau da Bagagem, em Minas Genes. 0 vihsaclu, I.....e nease proposito, lem
esles abno8 manlem em alguns lugares
um estado de aguaclo, que intimida os Tra-
eos e di>pfle o< crdulos para aceitar os mais
revolviles absurdo. Ah cneontran ex-
plicarles os movimon'os s-dicioso, que
arrstaram a genie m* rude o crdula pm-
urasi9o de executar-se o regulamento n.
79S de 18 de junho do anuo pissado.
Afumas diiculdades pralic nesse re-
gulamento, a novidide de suas diposicOes
il.-r a ni causa qoeixa da parte dos habitan-
les dos logares distantes dos povoados. Al-
guns parochos, ent-ndendo que o regula-
nonio ce cava-lnes alfibuico-'S e rendi-
meulos, exageranm estas dilliculdidesv.
alguns agentes di propaganda, mais sofre-
g e menos rcnVctidos, entendeum que
ra chegado o momento de ce.r emban-
co ao governo, que cnllo lutava com em-
espinto de paituu nlo deixou da aprovei-
tar a uccasilo para exagera-los o cummen-
ta-losem detrimento da autoridade publi-
ca : mais um* vez porm folguu o governo
do ver a c.i da auiundadc auxiliada o
vigurosamenle apoiada pela guarda nacio-
nal e por luda a populaclo moralisada, e
com domiciliu certo e fixo.
licves saber, que a povoaclo da Baga-
gem lem alirahido, oestes ltimos lempos,
gran le numero de avenlurciros, que egje-
raneados do chegar A fortuna co,n pouco
cusi, ah luter de todas as'parles da pro-
viucia de Minas e de nula-, hule lem che-
gado a noticia da riqueza de seus torrnos
penhos mais graves, e iozeram em cnnpo iinmauiiius. Esta populacSo sem residen
asedelo, agitanuo.o espiiilo da gente me-< ca |t|a| gem oul'OS lacos com os habitan-
nos tilnstiada na piovincios de Pernambu- tes jj |Ug,r qUe 0s resuilantes de relacOes
cj, Alagas, Parahjba eSergype. 'ephemeras, vive em arranchacOea que se
Nos ultimo dias de dezemoro pissado agcuplo, e a que dio o nome de Commer-
comecou o povo reunir-se em grupos ar- ,.,
madosem d llerentes comsrcaa da provincia t Tendo o antecessor do actual presidente
de Pornambuco, e pozeram em sobresalto a > da provincia incumbido o ilferes do corpo
I o.iulacio picilica : ameacindu vida dos ; policial Antonio Garrilho de Catiro da ui-
o /es no paz e de uros scrivSe*, fazendo versia commissOiia.deu-lhe tambem ioslruc-
'ugir ilgumas auloridados policiaes o pen- cues para n cuitar as prssoas, que eslives-
tionilu uutras; invadindo as igrejas matri- :senl ,10 CdS0 je servir no exercilu ou ni mi-
zcs ua uccasilo di celebraclu da missa con- rnhi. A Uigagem era sem duvi la um do
ventea! pan impedir qoe os parochos des- jugaros em que mais fcilmente se po lena
sem publicidade ao regulamento, e revol- execular esta commi>sli>, e o alfere Ca. -
laodo-se contra as pessoas mus illustndas r|r.u ali fui coso intento d apurar ilgus
que inteiuavim conveoce-los do erro em recrutss, presumihdo com muilo buns fun-
que rstavam. diu.entos.que encontniia individuos, em
Koi nessa provincii qoe o movimenlo ap- f,\ur d0, quiea nlo ao dessem as isencdes
pareceo com coract-r mais grave, nlo so da ie. com elTeilu cooseguio elle recrulir
pelo numero de grupos que se srmirim, vinleedujs pessoas, mas o delegado de.po-
cumo por s- rem mais numerosas as fregu- Ucia, talvez receandua irritar,.lo dos nimos,
zias e termos em quo elle se manifeslou. as fez logo soltar.
Logo que o presidente leve noticia de Uo j inolilisada primein diligencia, relirou-
funesta o aoiurdi hallucinaclo popular, su par> a villa do Patrocinio; e voltio io
deu ordem io chefe de pul.cii pan que lo- inesperadamente i Bagagem, comocou no-
masse as providencss que cabiam en. suas V recrutameuto e ipuruu 10 recrutas, com-
Bltiiboic/ies, expedio circulares todos os prehendrnlo2deserto.es. Eai 29 de feve-
iuizes de direito, delerminando-liies que reiru man ou o alteres urna escolta iu Goi-
auimiasem as luloridades policiaca a cun- mvcio denumini lo do Rufino, a qual, como
prir com os seus deveres contra o amoti- | encootre mullos gariaipeiros irmulos,
nidos, e solicitou do reverendo bispo di retroceded para o rancho, onde eslava
liiocese, que, i or inUrmedio dos pirochos, aquartelada i Torca, sem tr luvidu cuo-
csclatecr e o povo i Iludido ub.e verdi- dicto. .
dciri signiDcaclo e fim do regulamento. pj0 dia 2 de marco, pelas 9 horas da noite,
as cuniTcs iio Nazaielh, Pao d'Alno. e he atacado o destacamento. Depols de 3|l
l.imoeiro commetleram os amotinados os de hora de fogu furam os aggressores com-
inaores cxreasos, chogindo a desarmaros pletamente repellidos, ficando mortosoes-
ili siacanirnlo i de i olicia que guarneca m as envo do soblelegado e urna esenva doste;
villas do Linioeiio o Pao d'Alho ; e, apode- gravemente forillos un suida lo e um recru-
raiid'o se da autoridade publica, ene leiam la, e levemente o cummandantee osargen-
de consternaclo o cididlos pacficos. lodo desucimento e Asoldados Uusag-
fui balallilo de infamara de primeira l- gressore n.o.reram no lugar 6 homens,
nha que fo.a mandado para reprimir os sendo depois encontrados mais alguns ;
lu bu Ir utos lia comsica do Pao d'Alho, ae cunsta quo muilos forim fondos. Na oc-
tor meios biandus nlo desislissem de seus cisilo du couilictu, o coronel chefe de le-
ciimitioso intentos, loffreu em caminhu gilu da guarda naciunal.com as praca que
a Igum foo da millas, e levo dous homens pode rrunir no momelo, apreaentou-se
monos e cinco feriaos. Entretanto, ante no qusrteldo desticimeoto, ecooperou pi-
de enipreeir a 10 <; foi mindajo o misio- ra sus uef(a.
nano rapuchinlio Fr. Caetano da Messioa, Mo dia 3 de manilla, o destacamento por
que prtdispoz os nimos do sediciosos pan lhe faltaren. muoicOes. reiirou-se debanco
a paz e obediencia s leis; e gratas mia- de forma e levando ot reerulas para Sanl An
slo e ao desanimo em que cslnram oa aedi- -na, eaeguiu depuis para liberaba. Os ga-
cioaoa vendo que o governo ibes tirara rlmperos, sabendo di retirada du desl.ca-
mesm a esperanc da esistencia, fazendo ment, voltaram^io quartel, laiicanm-lhe
reunir aquee bal-lhlo oquarto de aitilhi- fogo, e logo drpois dispersinm-ae.
lia disDersaiani-seos gruposaem miis op- O presidente di provincia deu lumedii-
' .......___.. '*al.- Iamli> aa r.inw^ninnlai nrnviilrnc.laa. Orde-
as providencias conseuieiiles para impedir | Oaugmentp de preco aqui parece fibulo-
suas ggresOas, procurando prrm sempre so ; paga-sede coatado o duplo do que ha
CIOSOS.
vallara de pritneir linna.
evitar as violencias que algumas vezeS Cun-
Ira elle empregiin.
MiiciIh falsa.
A polica i-'tn proseguido na su diligen-
cias, e importante resultados se lem con-
seguido.
No dia 15 de setembro do anno passado, o
Chefe de polica interino da provincia da Bi
liia, bacliarel Andr Cirsino Pinto Chichur-
io ila Gima, conseguio descubrir o CSCOO'
drijo do tiabil abridor Jos Maria Candido
llibeiro, a por crime da mueda falsa, con-
demnado em consequencia di appiehenslo
de urna fabrica em estado completo', de que
vos dei conla no relatorio de Janeiro de
lijo. Havia conseguido evadirse ds pnsiu,
masa bem combinadas diligencias daquelle
maglstra lu, deram em resultado nlo s a
nova ca tura do r i, como a apprehenslo
de urna segunda fabrica de muela, munlada
na mais ampia escala no engoho Praia Gran-
de, dislnclu du finja, conteodo chapa para
nulas de rs. 100,Olio, 50,000,10,000 e 5,000,
3,300 pspeis de 50,000 rs. preparados com a
maior perfeir,!o anida por gravar na impor-
tancia de 105:000,000 reis, papel brinco
prouiplo pira cdulas de 5,000 rs., ciinhos
para moedas de prata de 2,000 rs muito
bem acabado, e que parece que anda nlo
liiiliiin Irabaihidaseulo em provis, porqu
apenas se acnarimduas muedas do dito pa-
drlu, e um inolie de chumbo ; grande oa
cliioade cjnbar com todos os seu perten
ce ; vouliladores para fuodiclo ; telas de
rame pura fazer papel com linlias e letras
d'sgoa, grande porcao de massa de linln.
para papel, cylindroa e muilos uniros appa-
reliius e uiensis.
O eximea que se procedeu na caixa da
amortiaaclo revela o grande alcance desta
importante diligencia, pois declaram o ie
rilo que as chapas de 10,000 e 50,000rs. es-
lavam corrillos lodos us dufeitus, que at
oeditslde 5 de agoslu de 148se haviam
nutadu us exames foitus subre nulas falsas
cuucluindu pelas seguintes formaos pala-
vns : a u proprio papel j nlo tem tanto al-
godlo cumoo primeiro, o nu fabrico esta
appruximadu io verdadero. Anda nlo pu-
dufam aceitar con a cor do verdaJeno ; se,
porm, o cunseguirem, muilo de cerlu sof
fren o publico, porque aa chapas eslo liein
felas.a
Das qual.o reos presos como falsificado-
res de moeda de cobre por meio di machi-
na appreheudlda na capital du Part, segui-
do vus participe! no ultimo relatorio, fo-
ram ja condemnados tres 8 anuos, u nu-
tro 4 e 2 meze de gales pira a ilha de Fer-
nando
Duu destes reos haviam conseguido evi-
dir-se di cadeia em 2 de ago,to ; mas feliz-
mentii a polica conseguio captura-Ios no
tnez seguinle, j na cidaie de Sainaren.
Em 25 de Janeiro do correnle anno, Olio-
fe de polica dessa proviucia deu busca na
loja de um porluguez Manuel Guncalves Gil,
e aprelieulou dentro de umi pequea Calla
31 nota falsas do 1,000, 25 de 2,000, e urna
oe 20,000 18. UlU'iiiilo asenlinella que o
Picara guardando vista, rvidio-se. Keliz-
menle as diligencias da polica conseguirm
em pouco dias descobri-lo e preade-l > na
casa em que se hivn occuludo.
Se deoiro du imperio a polica vii colhen-
do estes resultados, os filsiBcidores da nos-
si moeda em Portugal nlo lem sido mais
felizes. O ebefe dessa quadrilba, cuja ap-
pouco lempo ae uromettia a unzo; e esses
precus ae sustentante esleudem mes no aos
escnvos|que por vicios uu defeitol anterior-
mente nlo achavam compradores.
E ialo acout-ce quandu pan este merca-
do tem ifDudo e.crivos remellidos das
provincias em grande escala. 0 numero dos
eolrados neste porto viudos das provincias
do uuriuu su I, iiim em 1849 foi do lo, e em
1850 de 1,074, sumo em 1851 a 3,048, e do
fdejaueiro a 15 do ab.il no anuo correte
jachogou a 1,473
As provincias don lo elles vem comecam
a empregaros maiures esfurcos pira impe-
dir sua expurlaclo. A de Pornambuco oc-
cupa-ae muito seriamente de elevar a um
poolo Ulvez prohibitivo o imposto que de-
vem pagar ni escravus i saluda. Varias pro-
vincias a esto imitando, e entre nutras a di
Baha, que na bem poico te npo procurou
al favorecer sua eoiigraclo.
Ora isto prova que a excessiva elevadlo
dos precosaqui nlo pode explicar-se por
um simples desvio ua direcelo das especu-
lacOes do trafico, e sito, e lmente, peto
sua qussi cesssclo.
Seos trancantes ombaracados de realisar
seus desembarques nesta provincia lvesse
aponas mudado para oulras o theatro de
su as especulaces, comu alguns prelendom,
nem o preco tena lidu iqui llu considera-
re! subida, nem esta clevaclo se estn loria
as provincias, onde polo contraiio deveiia
haver baixa.
Se po'm nos vemos qne naquellas d'on-
de vem o esenvos, os preces sobem e sua
ezporticflo asosla aos intereses rues des-
sis provincias, lu ponto de piucurarem em-
baraca-la, he cla-o que e-sas remesis alo
feilas por coala de existencias interiores, e
nlo de uova imaoiUci'i s.
Ao mesmo passo nos portos da Costa d'A-
Iri'.M e especiilmenle naquelles que forne-
ciam eacravos ao Brasil, seu preco tem deca-
hido em umi propurclo igualmente npida :
e, a seren verdadeiras algumas infomacOeS
oblidas, fetorri houv-i em que uireceu mis
acertado abandooa-los que trinspurta-los.
Estas consUericoes se acham ainda con-
firmadas peta abundancia de capilae, que
a maior ani.i.aeflo iucouloslaval em nossa
transacr;Oe commerciaes, e novas em-
prozas nlo to.n podido oceupar.
Resultados lio concideriveis nlo se po-
Jeriim explicir cum umi simples dimioui-
(3o no trafico senlo pela sua quasi x-
liacclo.
Entretinto convm nlo dissimular, que
baixa dos preces us poitos africanos e
sua eleraclo no Brasil slo um incentivo po-
derossimo para a cubirja dos traficantes;
sen pois oecossirio olu lites dar tregoa, e
redubrar as diligencias.
Felizmente a upmilo .los faxendeiros vii
les do lillonl pel espersnc de um premio
como o que le garante aos appreheaso-
res no mar. E pira prevenir oa obvios in-
convenientes qm poderla otTerecer esta me-
dida,*se, es'abel "Cda imperalivameule pela
lei, cuirctasse liberdade de apreciai todas
as circunstancias di apprehenslo. dirig aos
presidentas das provincias do littoral umi
circular aulorisando-os para fazer constar
a resoluclu em que o governo est de fazer
extensivos esses premios aos queconcorre-
rem para t-aes aop-ehensOes no acto du de-
sembarque ou logo depois. urna vez que se
lenham mostrad disao merecedores.
tolas c-tas ilillieuldades, porm desap-
parecerfio, e os desembarques sorlo sem o
menor inconveniente combatidos enrgica-
mente, ponto dse tomaretn monlmeote
nnpossi veis desde o momento em que liver-
mus rons-guidn alfastar a etcravalura do
littoral para o entro.
Pira issu he necesssrio comcar por af-
fista-la das cidades martimas, onde mais
fcilmente podem ser substituidos : o resto
do littoral seguir-se-ha depois.
A occasilu nlo pieser mais favoravel;
cumpre iproveili-li com prudencia, mas
com peis-ivcranca.
Ja em meu passado relatorio tive honn
de indicar alguns meios. Ui /.ja eolio a reci-
to agora :
A prohibiclo de aerem trazidos de fora
para as cidades, a obrigarjlo de seren ven-
didos pan o interior a luelles cijos senho-
res nlo quizerem continuar a possui-los, e
os Uiiiisiiiitiulns por legado ou heranca fon
di linha recta descendente, e o lanetmento
de'impoato modralo, mas de crescimento
progressivo, poderlo pruduzir o resultado
que se desoja dentro leslgum lempo, ec>m
a vantagem de nlo ferir miereases, hbitos
e mos.no ail'm;flos que cumpre respai-
lar, a
Por este modu, sem que oenhum possoi-
dor fosso obrigadu a vender os seu* escravus
actuaos, learnos dentru em poucu lempo
reduzdo consideravelmente o seu numero
as cidades.
O alto preco que elles actualmente obtem
no Interior coadjuvaiii muito us riei lo ef-
loito.s que se procurim com este system,
cojas vantagens me parecom incalcuiaveis
Primeiro que ludo a retirada de bracos
para o iutenor seria um poderoso auxilio
ara a nuss agricultura que tanto delles
necessita.
A dimioiiitlo dos escravo na cidades
martimas, augmentando uellas a prucura
Je servreo livree facilitan lo por consequen-
cia os meios de subsistencia dosrecem-che-
gidos, seria um poderoso incentivo pira i
colonisaclo. Oadu o primeiro impulso e-
migraclo pm as nossas cidades, concbe-
se qu i fac I maulo dola so propagara pira
u interior.
A coexistencia do sarvicp escravo he, co-
mo todos reconhecem, umi dis maiores
difliculdades pan i emigriclo de trabalha-
lores lvres ; esta dilllculdade iria deaappa-
recendo pruaorfiu, que poJessomos ir cir-
cumscrevendo ao .interior o 8rvicjdos es-
cravus.
Felizmente ao norte e sul te nos provin-
cias a que poderiamosapplicar o mesmu sys-
tema cum as alleragoes que a experiencia e
dive sldade das cTrcumstsiiciss aconse-
lbassem.
Finalmente, para cootrabalancar os inte-
resaes que advoglo a causa do trauco, he
necessarlo crear outrus que Ins sej im com-
pletamente hostia e domoustnr praiicimen-
tecomo nos lO-tidus-linidus a superiuridade
do irabalno livre.
Em quauta} estas ou oulras medidas que
produzam o mesmo resultado ulo forera s-
duplidas, estaremos condemnados a urna
lutl permineule com a cobirji dos trafican-
tes, tanto mais estimulada pela prespecliva
ue gran es lucros, quinto maiores resulta-
dos uvero govurno ooudo.
Depois du ultimo relatorio foram apresa-
dos os seguidles navios :
la Patacho Hio Tameqa, apresado em Santos
por suscitas. Julgau, mi presa em prunei-
ia instancia, fui juigadi. ''a presa, o como
til cundemnaMu em segn la.
Barcaca Pibijsma do Maceta, ipprehendida
na barra do Poiim CAlagda; por suspeitas.
Fui julgidi mi presa.
Bi igue Saz/os, uu sotes os restos que esca-
paraui ao incendio laucado pela gente que o
tripula va, em Gibo Fro ni praia do re. .
Julgiuo boa p'isi em primein e segunda
instancias, e como tal con Jemuado.
Hiile Tru Amigos. Julgado boa presa em
primeira e segunda instancias, 0 como lal
C'indemnido.
Ilriguc sem nome. Encilhou entre n pon-
tal da barra deS MalQeus eMiriric, pire-
cendo ter sido abandonado por e npregar-
se no trafico. Hi duvidis sob e o seu desti-
no ciminoso. Espedidou-se, e por isso nlo
entrou em processo.
Ilute SocerAirfc fefi':, ipprehenilido em
Itapemerim e ibandouido. fui levado pira
o porto da Victoria, onde foi queimado por
ordem do governo.
Palhaboto sem nome appreheadido em
Uiugninhos com africanos pelo vapor de
guerra Urania. Julgado boa presa em pri-
mein e segunda iuatmcia, fui orno tal
condomnado.
Palhabote Seauiad,ippreliendido pelo de-
legado de Itapemerim. Pende de julga-
menti.
Escum B/rimpiir/o.ipprohendida pelo hia-
to Itapiujipc. Julgadi boa presa em prioiei
ra instancia.
Na mesan poc tem sido feitas as se-
guint'S approhencOos de africanos :
Apprehenclo de um palhabute em Man-
gumlios pe vapor I ania.
Africanos 396
Estlu julzslos livres em primein e
segunda instancias.
"U.ta de um bngue em libos.
Africanos
Julgndos livres em primeira e ae-
Ju gados livres em primeira instan-
cia.
Sommi 1,006
Hos dous navios que ao apresentar o ul-
timo relatorio nlo t nham tolo juigamento
ni 4.a instancias, llelmondu, Trrnton ou
Lembranca, foi julgidi ba presa em pri-
meira e segunda.
1) h.atn abandonado em Itapomerim ain-
da espera jutgimintu, quaadepende de dili-
genciis, que se recommendmm na provin-
cia do Espirito Santo.
0 5 que esperavaoa o julgimenlo en 2.a
foram lodos considerado boaa presas, in-
clusive o Caito, que o ulo havia sido na I ."
in-tancia.
Dos africanos declarados livrea Mi.' mi-
tmeia da poca do relatorio, foram confir-
madas todas as senlencas na 2.a O qu i es-
perava julgimrnto foi declarado livro em
prm-ira o segn la.
D a 31 de msio de 1851 at 20 de ab'il de
1852 tem sido pr-'Cessidos pela aulirtoria
da uiariiiha 25 leo* a saber ; 13 brasileiros,
21 portuguezei, 4 hespaohoe, 2 italiano o
4 afriemu.
Um desse reos en dono do carrrgamen-
to, 8 olliciaes do navio, 36 de equpagem e 7
cuadjuvadores. Fonm proounciadus -29,
foram condemnados 27, edessis condem-
uacoes ja passaram em julgadns 14.
Appellaram 13 o desses tiveram conlir-
ma(lo de sentenca ; a respailo de 4 ainda
nlo huuve julgado e.n segunda instancia.
A distribuiclo feti ni cuite, dos Africa-
nos nella appr.liendidos ou recebilo, tem
sido e si-^uuite :
A proviucia de Minas-Geraes
A do Rio de Janeiro
A de S. Paulo
a sociedade de miuerac,lo de Mallo
Grusso
a casa de correcelo da corte
A illluminac publica
aos religiosos Franciscanos.
A Sania G isa da Misericordia de Porto
Alegre
A sociedade de imtrunccdo elementar.
Existente oa casa de correcelo
no I." de mam (77
Entrada dos apprebendidos em
llabapoana 121
Fallecarim at 17 de abril de
1852
733
798
65
45
20
ludiendo leusivcl modificar;!. Alguns que
para compra resera vos se oneravan oedivi- gund inatincias.
Jas sempre crescenles, porque tambem sem- j D.ta em lt>bapoina comprehen-
pre crescia a nece.-sidade de escravus, for-ldendo 17 apprehendidos pelo delega-
cido pela falta delles a dar oulro emprego do de polica em S. Julo da Barra
aos prdMuctos de suas collieitas, tem-se li-j Julgados livres impiimeira eseguo-
berladu de seus interiores empenhos, e re- da instancias.
112
eonhecid pialicamenlc que essis repelidas
compras os iim arruinando.
Esta opiuilo fari muito em favor da re-
prsalo do tralicu.
A experiencia me tem convencido que
para dificultar os desembarques, un dos
meios poderosos he estimular os babitio-
Diti em Giranhuns, provincia de
Pernambuco, de africanos pertoooea-
tes a um desembarque feito as Ala-
gOas
AinJi nlo consta o Julgimento,
Dita ni Pontiohi, Baha.
Africanos
1J6
H
Existen
Esta dit'ibuicOes datan do primeiro do
maio de 1851 a 23 de abril da 1852.
Devo observar que a provincia deS. Pau-
lo ja receheu 107, mais os 14 lo excesso slu
dos qu >. foram tiradua do* arrematantes e
de outrus que fonm cedidos.
V-se pois qu i actualmente ha a distri-
buir 20 que, por enfermos, nlu poderam ser
entregues cum us uut'os.
as provincias os presdanles os tem dis-
tribuido na frm da lei, segundo as mea-
mas instruccOes aqui observadas
He damaior impuitancia e conveniencia
para o paiz que se verifique su i reexportl-
clo com atnaior urgencia; e neste sentido
p-la icparticlo competente, se lem aherto
as negocifdcs necessaria. Eotr linio o go-
verno lem per un ti i lo a reexportadlo para
paizeaeatringeiros lodus iquelles que o
requerem, e se moslrim habilitados para
pagara passsgem. O numero desses, po-
rm, tem sido al o presente ctuito limi-
tado.
urj.
0 mappa dos Julganv ntos ho jory do an-
no de 1850 aprsenla 908 reos, dos quie.s
583 absolvidos.
O perteocence ao anno de 1851, ao qual
falta ni ainda os parciaes de tres provincias,
cumpreheode 1,518 ros,doquaes 1,004 ao-
solvidos.
Estes dados conlirmam as observa^fc
que no u timo relatorio tive a honra de fos
subnn ti -r.e que se fun iavam em aerem ab-
solv 10 2 le>eos dos reos julgsdos
Convencido ainda das ideas que nessa oc-
casiao expuz, reflro-me para nlo repe-
tir.
Julset munlcipaei.
Em virtude da outoi i sacio que concedes-
tes para elevar al 1,000,000 os ordenados
dos juizes raunicipses, segundo a circuns-
tancias de cada lugar, com tanto qu'. nlo
excedesse de 40,000,000 esta nova despeza,
o governo por decreto n. 825de 21 desmem-
bro de 1851 Mlevuu i 1,000,000 os ordena-
dos dos juizes municipios da Barra do Rio
Negro o anelos, na provincia do Amizo-
nas, de Miu, na mesma provincia, de Ma-
cap e aunexos, Porto dn Mozeaunexo, no
Pin ; da Chapada, e do Riacugo, no Mira-
nda ; de Pillo Arcado, na llallis ; de Ara-
xa, Uberaba, Paracutu'e Minas Novas, em
Mi as Cor aes ; de Cuy az, S .ota Cruz, Civil
Caoti, Pal ua o innexu. Gatillo e Carolina,
emGoyaz; Cuyiba, I) imantinu a Pucon,
em Millo Grosso ; da Cruz alta, S. Borja.
Algrele, Uruguyaina, e S. Gabriel, Do Rio
Graude do Sal ; ea 800,000 as de Ubidna e
annaxos, Melgarjo eaonexu. Gachoeira e an-
nexo, no l'.ara ; de Pastos- Bons, no Mara-
nhlo ; de (Jairas e inuexo, Parnagp Prin-
cipe Imperial e Jaics, em Piauhi ; de llu',
S. Jlo do Principe, Granja e annexo, oo
Ceara ; do Natal e annexos, Msioridade e
aonexus, principe e annexo, no Rio Grande
do Norte ; de Ganubuus, Ba-Vista, Oori-
oti .y e Flores, em Pernambuco : de Urub'
e annexo, e Pambu' na Baha ; de S. Ma-
Iheus e annexo, e Itapemerim e aunexos.no
P.spinto Si.t; de Gnrvjlo, Presidio, i.a-
vras, Jacuhy.Formigas, Jinuiria, S. Rumio
o Ouro l'ret., em Minas ; di Gachoeira, Ja-
guar.lo, l'ir.tinim, Sonto Antonio e Bag,
em S. Pedro do Sul.
O decreto de 18 de outubro de 1851 elevou
a 800,000 o de Campo maior e annexo, no
l'.ioli y. Alem deat lugares a que se aug-
mentara) os ordenados, lisou-se o de 800/
para o nuvimente creado de Liohar^sean-
notos,no Espirito Santo.EstiselevafOeanlo
abaorvein os 40,000,000, e deixan disponi-
veis 8.300,000, mas nlo s pareceu mais
prudente esperar a respeito dos outrus lu-
gares, em que o direito preferencia nlu
pareceu lio evidente, as ioformicflesquo se
exigirn dos diversos presidentes, senlo
i tambem conveniente, por algtim touipo, a-
guardar o effdito dessa eleviflo circuets-
313] cripta ao lugares senos cubicados, e taes
H
i"


em *rv

120
30O
93
100
40
32
30
95
3

MUTILADO



-----------

m
So elles qua. apsaar al* alavaolo, eoali-
num pela maior parte vagos.
Depois do den lo de 21 da setembro de
1851 (jniidoaomrelo joii i>ar o II
sejuwtes lugares i Nrto dCMas e Gro|,
r.aciioeira e-Munsa no Pirt Chapada,
no Mi"finio ; Ipo", Granja a Villa Vle-ia.,
do Cear MaiWadede anoexo, ni Rio
Grande do Norte; PtiSo Arcado, Urub' e
Macaube. na Baha; Itapemirim e anne-
xos, no Espirito Sinto ; Algrete e Jagua-
rio. no Rio Grande do Sol.
Este beneficio j he algum coosi, entre-
tanto recoohecer-se-ha incompl-1 >, Ooiin-
se qu-, de 85 lugares, cujos ordenados lo
rara elevados a cont i de ris, 80 eslo vagos
som apprecer quera os pretenda.
Psreee-me, cois, quescris necsssrioele-
ve-Ios a 1,6.0.000 rs.. o quo darle um ac-
crescimo de 15 eolitos de despeza, quan
do mesmo podesaero so prvidas, o que de
certo nlo se realzarla ; essa d-speza, po-
rui, nlo seria com usura compensad" pela
vinUg 'ni de dar juizes letrados aos habitan-
tes desses u unicipio* que, por mais atraa-
dos, menos gente habilitla tem para os
MiMtuir?
Seria lambeta multo ut'Iolever pelo me-
nos a 800,000 rs. os or lena los de todas os
oul'os fuizos municipios. Um bacharel for-
mado ein dimito pelan nossas academias, a
lem de inatru^fio primaria, represuit 19
unos de esludo, e de desprzas avu t.da
Exigir driles aiuda um de pratica, e depois
conaidera-lus ha b litados para lugares de
juiz municipal com 00 000, 300,000 e at'
250 rs., he querer queesses lugareseslejam '
vagos, e desviar da adniinistracflo da justica |
ato aimoiiocriiladrs, e t mesmo as pnsitOes mais elevad as da uaagis-
t-atura sao to mal rttnbuiJas
lo tarn que apreciar aquellea.que neaaa al ir, -vanea pessoss, que tinhim relacoes como
A"'"j n". '"""' .I"," f'":S*" d* \EHleno, oueorn os ofllclscs do vapor,
lkffiiUkj.ffl&Mnll IToh.blvIo leva .cimenta por
HlsvidlaalmealantoartWIflo. Temos dalo eer.<"n avilar antrasse lOdiSl.nctsmei.te
tela, poia, Ji o vlmoa, na abertura do ibealro o q'iem quiztsse, pira que nSO amharicassem
a
anno panado, oeste parj.
Um Jocoso DUr.TtJ castado pela azazai-
ciaoa e o Ir. Leu AnTONiuguMoimiao, tcnuti.a-
r o dlerllmeoti>.*Para noa he deaconbecldo
file DUEl'O porin catamos ceiloa que
milito una ha de agradar, pelaa pessoas encar-
regadas de o cantar.
O reapeltavcl publica deata bella cldade, que
lio protector le tem mostrado por mala de urna
vea. do deltai de concorrer neata nolte ao
espectculo no iheatro de Santa liabrl, ji por
aer elle ein favor da Sra. D. CAanaut que
tanto ae lein feito dlgoa de o merecer, j pelo
leu brllbautluno.
r. w. k.
o -e' vtflo, nem se repellasen scanis como
que se dera ns esmara.
Quanto a censura, que Uteratn os oniciaes
do navios ordem doseu coromandante, se-
gundu dizem os senhoies correspondentes,
eu mullo duvidarla sendo fose por gsles as-
severado pois que esses olliciaes roohecem
perteilamento seus deveres, e essas satisfa-
ceos ou desculpas dadas >8o ezpreasOes co-
meainhas e banses, que emuregam todas as
pessoss educadas, que tem de ezecuta- qual
quer ordem, que pode desagradar a algunm.
Termino pedindo aossenhores correspon-
dentes desculps por os ler contrariado dejen
sao. que amante, d. sua. obre^ obr.g.rfio ao .eu liento venerador.
Apiiuc.is 13 de juntan de 1853
Pedro Jos Cameirn Uontiro.
Al dos encantos que ja nos tem dado a' dendo ara amUo ausente, e lembrarldo-
Illma. Sra. D. Carmena Adelalde Luccl, ein Ibes, que nlo he cavalheiroso ferir um bo-
inas habed repreaeotacoee, nlo i com sen* mom peles costas.
admlravela rasgos de iceoa. como tambera Sirva-se Senbor redictor, dodsr publici
com a sua mf li'ilnaa vn* *
de aeu brnrtt
riRMMIDC*Ndl que
quall'tadea, t de aua lerna ?or. a procurarem.
Mal o que devem laier 01 brloso I'arnainbu-
canofe, a vista dai circumaianciai querereaiein
alUioa. Sm, I). Cannclla Luccl ? Arcorrerein
ao ihealro de Sania Izab'-I, para rerein o bom
deteuipeuho.que dar i aua i>arte ouvlndo
a aua luellQua rus, ehelos de praier vollarem
a auaa nabUacdea e o .neanio tara o
JI. de <,
Correspondencias.
Fublicavao a pedido.
Ilt ao eleitos um son isa a anorte.
Bocaat.
Po da 9 do correte pelas 7 horai da ma-
_ nbaa, fallecer noengenbo Ribelrao, freguezia
Sr.trdarmr llepnli do refreno da encanta- de serinhkm, o coronel.Jos Morelra Alve da
dor.iaciru,a.Sra.U. MaNitLiT,a cala cidade t.-ii- Silva, cldlo bem conhei-ldo na provincia por
clooamoipedir aoinuidiguoempreaarlodothea- aeu caracier dcil, e nimiamente brando pe-
As economa que a > fazeui a cusln da *d I iro de banla laabel, que uu proporclonaaae oc- lo que se trt seuipre amar, nuranle a aua vida.
mi listracSd da iustica cu-tata multo caro I caaio de veranos em acta algum Jraiiiaeinqu I Oa aeui renoi clnieraiios dormein na capella
s raciei tlveasem de represeatar as dual ramaa Boma ; do mearan eugenho. O cue Ibe arjaui propl-
J -I.a. ... n i nn.,i.i da noiaa baui organisada compauhla drainati- cios, e a trra leve.
Se, porm, parecer quo nlo he possivel e do pat, n0, prep,r.va,Uos. ca |
fazer desdo j esta olevaco garal, que cus- |.ue dep,ra,Uos. em leu muliu conceltuado Jor- "
tarta 87,860,000 rs, jlllgo que serla con ve- ,| como programina do espectculo eacolnldo
mente auto'isar o guverno a despender a- pela Sra. I) Caruiella Adelalde Luccl, para o
inda 30 ou 40 contus para ir realisando esse 'seu beneficio no dia i5 do correte. O drama
augmento nos lugares ein que a ne:ossi Ja- ^deque Uncou inao a Sra. U.Garinella paraob-
P. e C.
de he mais seusivel.
Anda continuo a crer que deveis dispen-
sar o aono de pratica ; a msior psrte dsa
Vczes ella he puramente nominal, e apenas
s-rve pera desviar da magistratura alguna
bichareis, que Ulvoi uciia permsneces>em
se pudesaem ao sabir da academia ser ligo
despechados. Ocrtolio que temos 62 lu-
gares vagos de juizes muoicipaes, e uiesmo
dos prvidos iio cott-ta na secretaria que
leonina entrado em exercicio 71. Asaim de
-'ff lugares que tem o imperio de juizes mu-
mcipaes e da orphJos, mais de lOOesUoJpor
preencher.
lio ludispencavel augmentar os incenti-
vos qu'i possacn altrehir para a magistra-
tura bacnareis de merec neuto. Nao pole
lnvr boa adminislriflo de juiliea s-tn
bons magistrados.
Depois do ultimo relatorio aigumas alt-
raeflesse lzeram ni divislo do%termos dos
juizes iiiuiiici jaes, a saber :
U decruto de 30 de julho de 185! soparon
o termo da Imperairiz, no Cear, do do
B tilinte, e o annexou ao municipio de San-
ta Cruz.
u decreto de 25 de outuhro do mesmo sn-
noreumu o termodeCaeth ao dcS i rita la r -
bira em Minas,
O decreto n. 851 di tnesina data reumn o
termo da Conceicflo ao da Palma em Goyaz
decreto de 9 de marco de 185-2 separou
o lermo le Valeoct do de Vassuuras ao Rio
de Janeiro
decreto de 15 de marco de 1852 rcumu
o termo do Ileso nboqu ao do Araxa, e o de
Pasaos ao de Jacuhy em Mi mis.
O decreto de 19 s-parou o termo ilo.S. Miguel dos do Alagas
e Santa Luzia,eo le Atalaia e A-seubla ua
provincia das Al*gas.
ti de n. 'j i7 da uicsma data reuniu os ter-
mos de Linhares, Santa Cruz, iNova Almi-i la
e Sorra oa proi inuu do Espirito Santo, e
deu-lhcs nin juiz municipal.
O de 30 de marco do mesmo anno reuniu
Porto Feliz C-pivat y e l'irspoia sol s ju-
risdicflo de utnjuiz municipal.
Multas outras alterarles sSo exigidas,
mas importando quasi sompre augmento de
juites quando, como acaliaesde vor, se nfio
polem preencher os lugares existentes, o
enverno ss tyin adiado.
( Con I nuii -te-ha. )
tequiar oa seus convidados e au publico ein ge-
ral, be por certo um doa inelbores do enligue
eicrlptur portuguei, o Sr. Mendei Leal, e pela
aua distribulcu bem le v qual ser o leu dea-
einpenho.
A parle de Leonor confiada a Sra. D. Mara
Leopoldina, ufierecendo uin vaato campo para
o deieovulviiueato do talento arllilico, nevera
produzir um maravilboio rtt'ello.e aiainoi cer-
tos de que esta seubura einpregar toda a capa-
cidade que ae Ibe recooliece, pata abrilhauur
mais cata ves, no cncatro de Santa Izabel, a
cnecucao ds drainai, sempre dlguua da acei-
tadlo e louvor publico. E que podereinoi us
dher da bella Manuellta na parle de tranca de
i.ordova ? Ja llveiuos o praier de a ver deaein-
peuha-la< e boje que o uuiiiero de aeus adiailra-
dore tem multiplicado, cunianioa que envida-
r todoa os seui rorcoi para divldaiueute,
como sempre, colber os applauaoi jualiceiroi
d publico l'cioau.bucanu. Todos o, mala ae-
nliore a.torea", acbam-se incumbidos de pa-
pis propriaiuente de leu genero, e podemos
aiseverarque a repreieutaclo do drama, obte-
r um completo Irlumplio. .
Damos oa noaaoieuiburaa Sra. D. Carraella
por tio acertada eacolba, e loe aiieveramoi
Imiiieosa ciucorrencia ao leu benebicni, j
pelo capcctaculo, ja porque u nono generoso
publico jiuais delia de preitar-ae a proteger o
artista que, como a Sra. I). Carmena, tem ni-
camente em Vi'la o agradar-lhe.
O ferllai.
COMMERCIO.
glex Golchester, cspltlo Thomas Evsns ,
equipaaem 8, em lsf- : ao calillo,
Baliia 5 diaa, brigua wcuna bnalleiro
Duuro, de 132 tonelada), capillo Jos Pin-
to Vunei, eqoipagem II, arga caf e
ma't geno os;a Uanonl Duaita Rodrigues.
Navio salida) no matsaao afta.
Hsrjelhi e Genova -- brigue sardo S. Jlo ,
" eipHSo Pedro Angelo Campo lonl, carga
asnear.
ED1TAES.
Gommaado das armas.
Quarttl general na cidade do Hecife tide fumJtO
de 1852
osobm oo du n. 102.
0 mareclial de campo coinmandantedis
armas, determina que o Sr. alleres da ter-
cei
r
ira classedooxerctoJoanu'm los l'e-ei- I "f veroaue, que os senno.es corre.
Viinna.pasaeaexorceroempregode.ju. i^iUesjade aniemSo esligmat.sam de
aatfda fo.Uleza de lUm.raca, e que oSr. "t!^?'?lS8Ai"'.s*[ m,?.nlr,
autos,
Sr..re laclor Louge do bulicio da cidade,
e nicamente oceupado dos mnus t'ahallios
agrcolas os laclo*, os acontecimentos a to-
das ss noticias me chegam sempre Une;
por esta raslo so hontem 13 do correle lu
que soube harer sido publicada em sua
prestimosa Mhi n. 127 des do mesmo mez,
umat correspondencia assignada pelos Srs.
los Vello/o Soar.'s, Julo Jos Lins, Antonio
lln.-irqoe deCusmSoe Vicente Ferr ira Co-
mes, na qual he acremente maltratado o Sr.
capillo lenle Elisiario Antonio dos San-
ios, deqjiem inuito me honro de ser amigo.
Posto qoejs Imilla tu decorrido alguns das,
Hiendo toiva, que nlo posso deixar de
pagar o trbulo de'ido a amizade respon-
deudo-lli"8 ; e espero que os senhores cor-
respondentes a queo p*reato a maior consi-
li" n.'ii, relevarSu, que eu cumurindo um
dever, restaheieca o Tacto em toda a sua pu-
reza i i'erindo as circumstanciis, que o nr-
i'usio laram. Masantes la ni um breve repa-
ro, e he que qoem lauca a um cidadlo tilo
retommendavel e Ifio digno dos respeilos de
todos os Brasiletros, js pela sua pogicao,
ja pelos relevantes servidos presta-ios ao paiz,
como bao Sr. Eltstario, eapreisOds Uu du-
bem como sejam--incivel--grosieiro
bruto- seivsgem, nlo pode pretender os
loros de delicado e civil, o anda menos dar
KOss de civillJade e corteis.
Ha verdade, que os senhores correspon-
ene-
rio da
la exposicio ; po em permittam,
_eda quarlaclasse Jlo Francisco dos ^i; f P. ',era"",m1- Q?. et nho, 300 caixaspassas, 50 barr.s azeitooa
SanTSs, passoaexercer omesmo en.prego-decllneau,,y'un' ,9'e, t.U9in"d'8'a fardos alfasema, 300 gigos batatas, 140
na fortaleza de remandar, ambos nter....-, fue "moh- fesseole-s. dealguui.
mente.
Antonio Corra Sera.
PERMAMBUCO
Hepartic3o da polica.
Ilim. e t'sm. Sr. Das partes houtem e
bojresabidas nesta re.iarticio consta lerem
si io presos, minha ordem o po tuguez Jo-
i Hartins da Silva pura correcclo ,- a onlem
do delegado do primeiro districlo deste lor-
rno, o pardo. JoBo, esclavo, para o mesmo
Jim ; i ordem do subdelegado da fregueiia
le S. Frei Pedro Concalves, Manuel Jos
I .oxeiri Fmils o Jofln Antonio l'ereua Li-
ma, por br.ga ; a ordem do subdel-gado da
Ireguezia de ti Antonio, Manoel Paulino Ha-
mo, Julo Jacinthoile Souia Valte, Zeli ino
V- ..laudes da Silva M-utas eSebsstilo, es-
travo, por uso de armas, Alexandre Jos Pu-
rera, sem declaradlo do motivo, Paulo, es-
crave-, por briga, Jos Vieira de liveira Ma-
nel, or oOeflsaa physicas, e o pardo Anto-
nio Vicente, escravo, por andar fugi lo ; a
ordam do subdelegado da Creguetia de S.-
Jos, Francisca Maris, por desoaJean,* Lucio
Mximo vor ebrio e a do subdelegado da
f'eguezis da Moa Vista, Jlo Uamasceno e
Lourenco Justinisoo, pata avenguarjOos po-
llones.
Ueoaj goarde a V. Exc. Secretaria da ooli-
cia de l'emaubuco lide junhode 1853.--
Il'm. e bxoi. Sr. Ilr. Francisco Antonio lli-
- oro, presidente desla provincia. Jos Ni-
colao Itiguoirs Costa, chele de polica inte-
rino
Communicados.
Um brllhante espectculo deve aubir i siena
no llieatro de Santa laabel, segundo o pro-
..riniina annunciadn, em favor da cantora
Ciaaiu AostaiDE Locci, boje 15 do crreme.
O drama escomido pela beneficiada lie O lili-
JI1EM UA MSCARA NF.GRA- esta rae.Ilia he
na vardade, urna irova baataote do apurado
goata da Sra. D. Caimcu a du ardenta deaejo
que nutro em agradar ao publico delta ci-
dade,
O drama-O HOUEM Di MASCADA NL-
GHahe una das mala bellaa couiposicdes do
dislinctoeacilptor portugurzMendea Leal.edes-
la ves, man que sempre, esperamos, elle ha de
agradar, vino que se achara Incumbidas das par-
tea de tiranta de Cordova a encarnadura amala
iiisiiim Leeci, e da ale teoiaar a Sra. Mima
I.EOroLHaiA, amatas de mereciuienlo, a qua ae
echando ambas com partes de leu genero muf-
inexactidSo, que ne locada de despeno, e
que oulros que nlo conhecessem os senho-
res correspondentes, tal vez di, vi Ja sien) da
sua bos f vendo-os referir um fseto sem ss-
sigualaroma causs, que o proluzio, e prin-
cipalmente lendo ja um dos mesmos senho-
res o referido com circumsiancias diversas.
Kts o csso.
Fon loando ueste porto o vspor Amatonat,
quo os senhores correspondentes chamam--
patriciofab iodo na Inglaterra, innme-
ras pessoss foia n a bordo ve-lo ; e coustau-
te nenie o navio so schava oceupado por tan-
ta gente, que de algum mo lo emberacava
o servico recular do mesmo. Ns vesptvs, po
' ni Je sua sshids, estando o Sr. Glisiario
em sua caara a escrever, penetraran! nella
ion; individuosp san Ihedl'igirem se quer
0 menor cumpr.mento desses, que a civ.M-
lado prescreve, nem ao meuos lirarem os
seus chapeos altondendo, que a cmara de
um navio lio o mes no que a sala de qual-
quercasa particular, onde a nSo haver mul-
la famititridade nenhum homem educado
eostuma entrar sem orscolinr-se, um de-ises
individuos, que talvez algum dos senbores
con espondeo tes conheca, enderecoo-lhe a
segutnte perguntaislo aqu he casa de es-
crever 1 Uuvindo o Sr. Elisiarto semoltian
te pergunta, em que primam a sen saboria
a u i.scr.prSii, indignado com maueiraa
to incivse descortezas, e alm disto re-
etiudo, que o vspor devie estir desemba-
racadupara poder recebe/ a seu bordo o quo
1 na era preciso, e pnp rar-.-o para a via-
gem, cnegoo pe*olmcnte ao tomba.iilho, e
iiiodoaadmenle disse, que era necessario,
que as pessoas estraiilas que se aciiavam a
bordo do navio o evacuassem : pode ser que
enllo algum marojo iraoeuiii'.isse a sua or-
dem aos olliciaes. que s nlo linna.ii ouvido,
como alTJrinam os senbores coirespomlerr-
les ; mas o que he corto he que o Sr, Eliiia-
rio veio cima da-la pessoalmenle, e vddou
que d'ahi em diante o vapor esiivesso con-
liona mente inundado de pesioaseatrsnhas.
Onde est pois a giosseria e inctvilidadeuo
Sr. Elisia io ?
Os senhores correspondentes bem sabam,
que os uavios de guerra es So -io mesmo pa-
rale||o, que as prafas forlilicadas; e nin-
guetn eoi boa f dir, que be muito regular
que um commanlante consinla que qual-
querpraca esleja constanlemente oceupada
por pessoss estrantiss.
Ha inexacto dtzer-se, quepessoas distinc-
tas quo vieram depois ao vapor foram mal-
PRAgA DO RECIPE II DE JU.NUO, AS
3 HURAS DA TARDE.
coTAfOisorricuis.
Frete para o Canal a 30 e 5 p. c, com acres-
simo para o continente, e 50 cents, por
saccotle assucsr para Philadelphia.
ALFANDEGA.
Mendimento do dia 14 de junho 19:158,530
Deiearregam hojt 15 de junho.
Patacho hespantiol Vreiidtntc meres-
cadortas.
Brigue usfiaco leubJca farnha de
trigo.
Hiate brasiletro Capibaribe gneros do
paiz.
Barca brssileirs Firmesa o resto
Kiste brastleiro Fiidade idem.
< llll|)lll mciti".
Barca biasile.ra Firmeza, vnda do Rio
de Janeiro, manifestuu os segulntes gene-
ros, a saber :
Estrangeiros despachados com caria de guis.
6 pipas azoite ; a D Iflno Goocalves Perei-
rs Lima.
50 volumen minteiga, 800 ditos barricas
valias, 3 caixfies phosphoros ; a ordem.
Naclunaea.
1 calxSo rap; a Vicente Mandes W.
Ocaixas, Scajxotes dito, 197 jacazes ba-
tata?, 320saeees, meta barries cafe, 230 ro-
los fumo, 1,400 caixas sabio j ao Cuuisigna-
tario Manoel da Silva Santos.
Hiele hr isileiro Piedade, vindo do Rio de
Jsneiro, consignado a Novaes & Companhla,
mu i.lesin o seguinte:
ca.xoeg chapeos; a Joaqun de Ollveira
Mata.
. 100 caixas holaxinba, 481 rolos fumo, 50
barris, 10 jacazes touc.nho, 3 caixotes rap,
60 saceos cafe. 35 jacazes batatas, 2 caixoies
mercsdorias, 700 csixas sabio ; a ordem.
Gneros e mercaduras eatrangeiras com
guia.
15 barris alcstro, 3 amarrados de cha-
peos, 10 saceos cunnnlios ; a ordem.
Ilergantim austraco Ljubica, \ i 111., de
Fiune, consignado a N. 0. Bieb jr & Compa-
iiln-, manife.-lou o seguinte:
2646 barricas fariuhi de trigo, 35 caixas
pao-1, I pecte amostras : aos mesmos.
57 cestos de palha ; ao capillo.
Hiate nacional Capibaribe, vindo do Ara-
caty, consignsdo a Luiz Borges Siqueira,
manifestou o seguinte :
120 caixas, I caixotevellis
Q doutor Jos Raymundo ds Costa Menczes,
juiz municipal supplenle da segunde vara
e o'o commercio nesta cidade do Recife'de
Pernambuco por S M. I. e C o Ssnhor D.
Pedro II, que Dos guarde ele.
Fago saber quo por este juizo no dia 15 de
junho prximo seguinte, pelsa 4 horas da
tarde, na pona da casa de minha residencia
na ra da Madre de Dos n. 1 do hairro do
Recife, se ha de arrematar a renda do sillo
com casa de viveoda o. 22, na ra da Passi-
gem entre as duas ponteada Maglalena,avs-
liada por 500,000 rs. cada um anno, penho-
rado a Ignacio Firme Xavier e Jos Firmo
Xsvier, por execuflo de Frederico Chaves,
pelo lempo que fr preciso para solver exe-
euclo.
E para que chegue a nolic a de todos man-
dei psssar o presente edital e duus do mes-
Dio theor, que serlo afixaios na praca do
Commercio e casa das audiencias c publica
do pelo jornal.
Dado e passado nesta cidada do Recife de
Pernambuco, aos 34 de maio de 1858.Eu
Hauiel Joaquim Baplista, esrrivlo interino
0 escrevi.
Jo.- Raymundo da Costa Menezes.
Odnulor Jos Raymundo da Costa Menezes,
juiz municipal supplenle da segunda vara
e do commercio, nesta cidada do Recife
de l'ei iiinibuco por S. M I. e C. que los
guarde etc.
taco saber ans que o presente edilal .vi-
fem, que da dala delle a vinte oas, se bflo
de arrematar por venda em praca publica
queni mais d-r, um sitio no lugar da Torre,
avaliado em 3.00U,000 do lis, o orna oasa
terres na rua.da C nceiclo da lioa-vsia n.
18, avahada em 1:600,000 rs. penhoradas a
Luiz Amonio Hodrigues de Alinrida e sua
mulher. por oxecu(Sii de Jlo Pinto de l fi-
mos At Filho.
E para que chegue a noticia de lodos se
pasrou o presento, e mais dous do mesmo
theor, sendo um atizado na p aoa do co u-
mercio, nutro na casa das audiencias, e un-
ir publicado pola un prensa, na forma de-
terminado no aitigo 538 do regulamento o. I
732 de 35 de novembro de 1850.
Dado ne-ta cidade do Recife de Pernam-
buco, em 12 de junho de 1852.Pedro Ter-
tuliano da Cu iiia, escrivSo o subscrevi.
Jos Raymundo da Cosls Menezes.
O Illm. Sr. inspector ds thesouraria da
E para conitir aa mandou alisar o presente e
publicar pelo fiarlo.
Secretarla da theiaurarla da faaenrla provin-
cial de l'eroambuco 4 da Junho de llil.
O tecretarlo,
Antonio Ferralra d'AanuneiKlo.
O Illm. Sr. inspoctor da thesnur.na da
fazenda, manda fazer publico que nos da
I, 8 a 15 de junno, proxiaio viudouro, liSo
a praca, parante a mesma thesouraria, para
serem arrematados quero mais der, por
um trienio que cometarn I conlar-se do 1."
de julho segointe, a renda dos predios
allanto declarados, pertencentes sos pro-
prios nscionaes: si peasoaa que quizerem
la ncar eomparetam nos referidos das a* 19
horas da manhla, com seus Hadoies compe-
teniemeute habilitados.
Secrelsria ds thesouraria de fazenda de
Pernambuco, 18 de maio de 1853.
O ofllcicial-niaior interino,
Emilio Xai'icrSoliieirnde Helio.
^ RelacaH dos predtot a-que se refere o
edital supra.
1 casa de sobrado na ra Di reta, de dous
an Isres e loja.
1 dita terrea na roa de Santa Tberasa,
numero 31.
1 armazem no Forte do Mallos.
1 oasaterre na ra das Aguas-Verdes.
1 dita dila na rus de Santa Theresa.
-- O Illm. Sr. inspector da thesouraria da
fszends provincial, em cumprimento da re-
soluclo do tribunal administrativo de 3 do
correle, manda fazer publico, que no dia
17 do meamo, ao meio dia, pera me o tr.es-
mo tribunal se ha de arrematar a quem mais
ol rerer, por lempo de tres anuos a contar
do piime.ro de julho do crrenle anno a 30
de junno de 1855, o imposto da uxa da bar-
ria do Mutocolomb, avaliado novamenle
por anno em 2 2u4 000 rs.
As pessoas qoe se propozerem a esla ar-
rematadlo, compareoam na sala das sessOes
do mesmo tribunal, nodiascima indicado,
competentemente habilitados.
E para constar se mandou ilixaro prose-
le e publicar pelo diario. Secretaria da the-
souraria da fazenda p'ovincial de Pernam-
buco, 7 de junho de 1852. -ti sec curio,
Antonio F. da Annonciaclo.
Manoel Joaquim da Silva Ribei-o, fiscal em
exeroioioda freguezia de Santo Antonio
do termo dasla eidade, etc. etc.
Faco publico para conhecimenlo de quem
conviero artigo 6 do titulo 6 das posturas
municipios em vigor.
Ai liso da o uao de roqueiras, bombas e fogn sollo
(busesiisj: oa Infractores serlo multados
em 10,000 rs e soffrerflo dous das de pri-
sti. A cmara por edil gares em que possam soltar os buscaps, ru-
quetas e bombas de que trata este ariixo.
E para constsr manual publicar pela nl
prensa. Freguezia de Santo Antonio l-j i,-
junhode 1858.Manoel Joaquim da Silva
Ribeiro.
Declara9des.
- 0 Illm. Sr. inspector da thesouraria da
fazenda provincial, em cumprimeuto da re-
solurSo do tribunal administrativo de 27 de
maio prximo passadn, manda fazer publi-
co, que nos dias 15, 16 e 17 do correle, pe-
mil, i o mesmo tribunal, se ha de arrematar
a quem por menos flz-r o fornecimenlo dos
medicamentos eot-nsis para a enferma a
da cadeia desta cdsde, pelo lempo de um
anno a contar do I.* de julho do coi rente an-
no a 30 de junho de 1S53.
As pessoas que se propozerem a esta ar-
remalscflocompsrecam na sala dassessOes
do mesmo tribunal, nos dias cima men-
cionados pelomeio-dia,
. competentemente
fazenda provincial, em cumpnmenlo ds re- JJliKM' "hi ",Ch.rl0 formul,rio e
solacio do fibun.'l adminis .UvS de 3 dp 'tSSU72SL ahitar o nr
corrente, manda fazer publico, que no, dia, ^.'^^'pSlo5jr*" *" """
perante
3ue
ia,
u mesmo tribunal, se ha de arrematar em
hasta publica a quem mais der o im-mstoue
20 por cenlo sobre a agurdente que for con-
sumida nos municipios sbaixo declarados :
ll-cife avaliado amiualmeole em 18:501,(100
Olinda a em 810,000
Secretaria da thesouraria da farends pro-
vincial de Pernambuco 4 de jtinbo de
1852.
0 secretario,
Antonio Ferreira d'Annuociaclo.
- O Ulm. Sr. inspector dathesou'aria da
i.r" ...,t...irti ? '. fazenda provincial, om virtude da resolu-
^'!tf!?rt&V2i!Sr*.f"'aa 8o d0 lr,bu"'1 '"nnistr.li,o, de 3 do
remeaa a a SJtah i.Vu^ ^ *,"" C0"enle- 0,S* f"8r P"'l). que 00, da.
rnnn,rre?>hr. s VSi amd0 "' e do mesmo ao meio da, peran.e
imposto cobrado na razio de 353 rs. a ca- 0 me3mo lrlbun ,e ha de ,,,,{ err,
- quem por me"os lempo
lo publica na
costeio diario
lempo de 6
provincial
ssr ssssl' r*por me,,os f,zer 'w M^z%VtJ:^S:.^
lXr^\Z%^]? -OaTro,ario( Antonio Ferriir. o'Annun-
avahada em 699,600 rs. v nuu B- ,. a ,u .
O Illm, Sr. inspector da Ihesoursrii da
. de carnauba,
13fanlos, 3 barricas calfaoo, 4 fardos cha-
peos de palha, 136 molhos, 490 a granel es- c,,e b'*n copiadas.
piral, 82 saccas cera, 3 ditas algodlo. 387 As Pesl*oas que se proposerem a esta sr-
de 31 de maio pioximo p<-ssado, manda fa-
2 saccas cera, 3 ditas alodio, 387 oposerem a esta ... M^M^^finJJ^tUl e-
couros salgados. 358 molhos courinhos, 530 remaUlo compareci na sala das sessfles r,nlB o Iribunsl adniinistraiivo dmela
par-s coturnos, lOOu ujollos pirs Isstro ; a
ordem.
cues abaixo copiadas. zer pub|iro %* d
lamA'm ?. """! "'t? "e''S?''S r""lB o Irbunat admiolstiativo .
bSfaaa ?'' T Jl* T"" m.enCJu- lheourria, a quem m.ior p.eco
nado pelo meto dia, competentemente ha- ,l importancia de 1:400/000 rti
i-..*A.a.. i < foram adju licadas 4 fazenda p'ovl
JLPZ*.constsr se msndon afllxsr o pre- moradas de casas na povoac.lo dos ,1
.?.r..PublTr,Pel D,ar'- I Os cotorreles comparan. nou,
40 pipss.10a mej.sditase1l2qu.rlolas vi- -^cr1et)" ,! ^Oaia fends pro. mll jnd|C,do ,o me o dia na salla dasses-
. vincial de Pernambuco 1 de]unhoJln1852. goe, do n,0jl0 trlbun,|. .
aai v___-. s,!crelarl- I E para constar se mandou allixar o pre-
Antonio Ferreira d Annunciacflo. ,on,e c pu0|ic,r pe|0 /Mar0.
! I1SIK" ""o. j Secretarla da thesouraria di f.zend.pro-
32:053,280 A'^r" constantes d este concert Tinc,, de perambuco, II do junho de
4 581,058 2J**"" .d conformMsdacom o ore.- ,852.- O sec.olsrio, Antonio Ferreira da
--------------ment ip.rivado pelo xm. Sr. presidente > Anr.unciacio.
Hergantim hespsnhol Presidente, viudo
de Malaga, Barcelona o Tenerife.-ao capillo
os seguiutes gneros que manifeslou
qutnlaes ceblas, 300 pedrasde lousa.
CUMSULAUUCERAL.
Kendimento do da 1 a 12 .
dem do dia 14........
DIVERSAS PROVINCIAS
.....unciacl
36:635.338 < provincia em data de 231 do crrente .. 0 ,*,. Sr. nsp(,c,0|. j, usurarla la
.. (abril) na Importancia de 699.600 is. | hloorti p.ovtncal, em cump.imenlo da .o
Kendimento do dia I a 12
Idemdo dia 11. .
Exportuco.
V. Sl?...brV 225 .'r'"""*"no p""' ol-SK a iribaoV TSSShST do 9 o
2:100 383 z0 de 30 das, e concluidas no oe quatro
.1 ie'll4i nieres, a contar da dala d'.rrcmalacno.
_____1___ 3 A importancia total d'esia rremati-
2:446,409 closeri paga em urna s presUclo qusudo
.________estiverem Concluidas todas as obrss.
4 Para ludo mais que nlo estivor deter-
Ro Crsode do Sul, patacho brasilelro minado as presentes clausulas seguir-se-
164 toneladas, conJu- "'
ha o quedispOe o resucito a le provincial
o. 286 de 17 de malo de 1851.Conforme.
O secretario.
Antonio Ferreira d'Annunriaclo.
O Illm. Sr. Inspector ds thesouraria da
fazenda provincial, em cumprimento da re-
r.zenoa provine,.! em cumprimento dai re- secela-ia da Ihesourari. da fazenda pro-
'goso, de soloclo Jotiibiinal administrativo de 97 de Tinc,.| de Pernambuco. 11 du junho do 1852
. : ""i ,.,~ l&XSSLteffES' -ciarlo, Antonio Fece/ra da Annun-
a.aj, o> iiuu iiuiaui uviitiia aaa* |ii -.. .------------------------
tratadas porqusnto depois dessa ordem di- ] lilis de Santa Helena
Dous de Agosto, de
zioo rcguime :
400 alqueires sil del.isbs, 510 bsrricas
com 3,387 arrobas c 9 libras de sssucar, loo
ditaa com 824 ditas e 37 cillas dito, 13 pipis
agurdente, 3,000 cocos seceos.
As-ii, p.tacho nacional Ama'.
40 toneladas, conduzio o seguinte.
4 caixas diversss miudezas, 4 bairicas e que perante o mesmo tribunal, se ha de ar-
I caixa diversss ferragens, 1 caxlo enxo- 'emalar nos diss 15, 16 e 17 do corrente, s
fre, I barril n I garraflo azeiie doce, 13 qoem por menos Hzer as impressOes dos tra-
barris vlnho. 3 barricas servfja. 2 barrili- balhos dss reparlcfles provinciaes, avalis-
nhos manleiga, 4 barris bolaxmhas, 3 cai- dosennualmente em 3:646,000 rs.
xes Ir.ques, 3 caixas passas, 1 batril ch- A arremataeloaar fetta por lompode um
ricas, 1 barrica, b-caiblo, 1 gigo hat'at-s, anno. a contar do Io de julho do corrente
6 resmas papel paruo, 3 gigos e 1 caixlo anno a 80 de junho le 1853.
ouca, 1 bar.ca temperos, 4 Mas e 1 bar- *s pessoas que-ae propozerem a ests ar-
rice tintas de cores, 3 pecas brim, 2 ditas remitaclo comparecam na sala das sessOes
lona, 500 esiouares, 1 bail aement, 1 do mesmo tribunal, nos das cima man-
dilo el botija oleo, 4 quiniaes ferro, 1 feize donados pelo meio-dia, competentemente
arcos de lorio, 4 barras dito, 1 Vrrgalhlo habilitadas.
dito, 2 birris pixe, 2 ditos breo, I caixlo E P,r* costar se mandou allixar o pre-
graxa, 8 barris vinagre, 12 ca.xOes, 6 far- a0la e publicar pelo Diario,
dos fazeodas, II barricas genebra em bo- Secrelans da thesouraiia ds fazenda pro-
lijas aixa drogas, picarias, I foga- iocial do Pernambuco, 4 de juoho de
reiro, 1 baca de rame, 8 fardos pecas d< si-
alK-idflo, I caixa cera em velas, 400 saccas O secretario,
familia de mandioca.- 8 na I z(Js- chipos Antonio Ferreira d'AnnunciicIo.
sonidos, I duziss cocos de folna, 4 ditas lllm-Sr- iospeclor da thesouraria da
funizdediis, Sdilas cah lieirus de diu, 13 fajenda provincial, em cumprimento da re-
latas fallas son idas, 2 lalxos ds col-re, 3 aolui,lo do tribunal administrativo de 27 de
gigos chapeos da seda, 2 caixoes rii-os e m'u proxiiuo passado-, manda'fazer publi-
bouoies. co, que nos dias 15,16 e 17 do corrente, se
RK..EBEDORIA DE RENDAS INTERNAS CE- ha de arrematar om basta publica perante o
RAES DE PERNAMBUCO. mesmo tribunsi, a quem por menos llzer o
Rendimeiilo do dio 14.....1:239 922 servico da capalasia Uo algodlo, avallado em
CONSULADO PROVINCIAL 2:5uO,0OO por arloo.
Rendimentodo dia 14.....3:463.393 arrematarlo ser fetta por lempo de 8
simo*, a contar do I. de julho do corrente
anno a 80 de junho de 1855
Ai pessoas que aa propnerem a aitai arre-
matacoei, comparecam na aala dai aeisaa do
mesmo tribunal, noa diai cima Indicados com'
petentementc habilitadas.
crranle, manda lazer publico, que no da
17 do mesmo, ao meio uia, i ci ule o Bies-
mo tribunal se ha de srrernitar a quem
mais ollcn cer, por lempo de 3 anno* a con-
tar do primoiio de julho do correle auno
a 30 de junho do 1855, o imposto da laili ta
barreira da ponto-do Unjan, lo uando se
por bate o oifeiectn ouio de 5U0A)00 ris
por anno, fetlo pelo licitante Luiz da Cus-
a Poitocarreiro.
E para constar se mandou afixar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Movimento do porto.
Vatiiei enlradti' aa dia I i.
brigue io-
ciaclo.
- Perante a cmara municipal desla cida-
de estar em praca nos dias 14 e 15 do cor-
rente a obra da bomba e*atterro a ejecutar-
se na estrada nova da Capunga, no alagado
prximo ao rio, oreada em 875,525 rs. Os
pretendentes podem comparecer nos men-
cionados dias, munidos de dadores idneos.
paco da cmara municipal do Recife em
sesslo ordinaria de 13 de junho de 1853.--
Frsncis"0 Antonio de 0 ivcira, presidente.
Manoel Ferreira Accioli, secretario interino
U Sr. Di, j ti i z i!e direilo ch> fe de polica
interino da provincia manda convidar a lo-
dos os senhores negociantes logistss e msis
pessoas desla cidade, que venden, armas,
plvora, chumbo, e salitre s compsrecerem
nesta lepaiticlo o piaso de quinza dias
cuntidos da publiciclo oeste, afim de serem
matriculados na conformidad*) daa ordejis
existentes, sub peoa de que o nlo fazendo,
nlo lliea ser permettida a venda do ls> s ob-
jetos. Se-crelaria da polica de Pernambuco
15de maio de l853.Antonio Jos de Frenas,
I.* amanuense.
O mesmo Sr. hr. Juiz de direito chefe
de polica interino manda declarar, que lie*
prorrogado por mais quinze diss, contados
da publicaf3o deste, o preso psra a matricu-
la, de que trata o edital cima, fisto nlo se
ler ella podido eOectuarero virtude de grao-
de afluencia de Ira balhos desta reprtalo
Pels recebelorla de rendas internas
geraes, se faz publico, que, em comprim n
to do artigo nono do regulamento de II de
abril de 1812, he o crranle mez de junho o
em que os donos e administradores dos rs
cravos, sujeilos so pegamento da taza an-
imal, il verlo fazer a trazar rtcebedoria
ileclaracOes assignadase justiflcs'das, assim
dos que adquirirem de mais por nascimen-
lo ou oulro meio, cono nos qae deizsreni
de i o*suir pnralforris, allenaffio ou mo.le.
CertidOesde bapliamo ou bito, eose^crip-
tos de I i bordado, compra, venda, doac,3o
etc., devem ser apiesentauos como docu-
mentos justillcaiivus de t*es diclancOes,
que virio averbados nn livro da matricula,
e no certificado de que trata o artigo oitavo.
U qusito bslslhlo de artilhana a pe ne
cesaita comprar panno peto; quem o tivet
e quizer vender, dirija->e com aa amostra.-.
secretaria do mesmo batalho, boje a< lo
horas da manhfls.
Crrele
Claudino Falclo Dias, tem urna carta
recommendsda.
-- Pelo presente se faz sciente aos credo-
res do fallido Marcelino Jos Ribeiro, que
por esle juizo do commercio fot mercado o
lia 19-do corrente junho, para si tratar do
contrato de un.So, e se nomearem adminis-
tradores a massa fallada; por isso deverlo
os meamos oradores comparecer m no indt-
cido dia, as 10 horas da mannil*, na casa de
residencia do Sr. Dr. juiz do commercio Jus
Raymundo da C isla Menezes, na rus da Ma-
d.e de Dos n. 1, primeiro andar, para o di-
to lim.
Adiriinistraclo do patrimonio dosurphSos.
Peanlo a adminlstriijlo do patrimm.ro
dos orphSos se hlo de arrematar a quem
mais der, e por tempo de 3 innos, que bio
de ter principio do l.*de julho do corrente
son, a 30 de junho de 1855, aa rendas dos
prediosiseguiotes, e nos diss sbaixo da-
clarados :
Em 17 de junho.
Lsrgo do Coliegio.
Y 1 o segando andar.
Ra das l.arangeiras.
N. 17 casa teirea.
Ra do Raugel.
N. 58 dila dila.
Ra Vellia.
\. 33 dita dita.
Rus de S. Goncalo.
N. 22 dita dita.
Ra do Sebo.
N. 3 dila dila.
Ra da Madre de Dos.
Casas terreas n. 20, 10, 8, 2 e 18.
* Ruada Lapa.
Casas torreas n. II e 12.
Ra do Codorniz.
Casas terreas n. 1 a 3.
Ra da Moda
Casss terreas o. 17, 41, 43 a 45.
Ra do Amonio.
Casas terreas n. 5S, 54. 53. 47, 45, 43 e 21.
Em 33 oe junho.
Ra do Amorim.
Casas terreas n. 34 e 36.
Rus do Azeite de Peixe.
Casis t- rreas n. 21, 19, 15,13 e 3 ; de I an-
dar u. 17,18 e 14.
Ruada Cacimba.
N. 5 de 1 andar, e casss terreas n. 12 e 10.
Rus dos Burgos.
Casssterreas n. 18 e 31.
Emol.'dejulho.
Hua .lo V.gario.
N. 23 e 35 de 3 andares, n. 37 de i dito.
Roa do Encantamento.
Casas terreas 7e 9; de 3 andares o. II e 19.
Ra da Seozalla Velha.
N. 136, 134 e 133 de 3 andares ; n. 16 e 18
torreas. .
Ra da Guia.
N. 25 a 27 larreas.
Ra do Trapiche.
N. 30 de 3 andares.
As pessoas que se proposerem a arrema-
tar ditas rendas poderlo comparecer na casa
das sesses da administracflo, nosdissaci-
ma indicados com seus Madores.
Secretaria da adniinistracko do patrimo-
nio dos orohlos em II de junho de 1853.
0 secretada Interino, Manoel Jos de Sants
Anna e Araujo.
-- Pela secretaria da Ihesourarla de fa-
zenda drslo provincia, se faz publico is pes-
soas (Musanles ds releloabaixo, psra quo
dtrijam-se mesma repartirlo Um de fa-
zerem sellar os docuTientos, que se achem
sppensos s seus requerimentos.Secrelaria da
thesuuraria 12 de junho de 1852 U oflicial
maior interino Emilio Xavier Sobreira de
Mello.
Ilelaclo dos requer.menlos existentes ua
repartilo cima.
De Fortuoso Alvea.
Di Julo Baplisla.
D< Luiz da Fooseca Gonzaga.
De Evarislo Antonio.
lie M -riauo Antonio.
De Antonio Joaquim Meadas.
De i.eral lo de Souza.
It Marcelino Antonio de Souza.
De Felisberlo Marinbo Lizardo-
l)e Manoel Joaquim da Costa,
ho Manoel Pedro.
Do Belmiro Joa dos Sanios,
lio Francisco Antonio da Cruz.
Uj Francisco Xavier Cavaloaata Lina.
lio Alexandre Joa de A-aujo.
De Joae Manoel de Almeida.
De Maoo< I Jos do desciment. *
O arsenal de marmita desta provincia
quer conlralaro fornecimenlo decarvSo de
pedra pur ospaco de seis a dosa mozas, psra
os vapores de guena que I oca re ni e estive-
rem nesta porto, e put isso convida a quem
tees fniutciuieiitos convjer a comparecer
nesta secrelsria no dia 10 do mez de julho
prximo vindouro trazeodo as suas propos-
tas em carta frich*datrom a declaraclo de
seos Hadoies, e debaixo das seguinles cun-
dieres. Fornecer rarvlo proprio para vapor,
de trinieira qualidade, a posto sem dispen-
dio algum d* fazenda atracado a bordo do
vapor que o liver de receber, alo sendo
nunca menos, caso ss circunstanciaos o
extjlo, de 150 tonelladss inglesas de se-
tenta arrobas de 28 libras; devendo poram
oslar a bordo em 12 horas a quanlidade de
carvlo indicada, sendo cnulaiH ss horas
quer Media quer de noite desde que fOr in-
timado a necessidado do. fornecimenlo. E
na falla docompment Incorrera o furne-
cedor na mu U que Ih for corominada nu
termo do contracto. Secretaria da inspec-
Sacelaria da polica de Pernambuco 12 de- co do arsenal de mariuhi de Pernambuco
junhode 1852.-- Antonio JosdeFreitesl.'i 12 de junho de 1853. Oseereiario.
amanuense. Tnome Fernsndes Madeirs de Castro.
MUTILADO


m
BK
R|;a C0MP4NHU t>E PAQUETES INCLEZES
A VAPOR-
No di 21 dette mez, espera-
se do Sul o vapor Tay com-
mandante Hom, o qual depots
da demora do costme, sngui-
., ,,ar os porto da Europa i para pastagei-
' triU-se em oass da agencia, oa ra do
r,oicheNoon.49. Aslsrerte-se que rece-
5C. dinheiro pare psagem, como abaixo
?k,cM hepinhola, a ahillloe cada urna.
Ouo americano, peca de 10 patacOes e 0
shiltinea, cada una.
Hilo france. Napolen de 20 franco, 15
hillmea e iO panes, cada utn.
yito Jito de dito de 5 dito, 3 shillines e 10
oennes, cada um.
i'ilacOM, brasileiro, hesptnhoes, ou ame-
lenos, 4shillnea e 9 penne, cada um.
Duro po.tuguez, pee de ,400 rs. SO sin Hi-
pea cada urna.
Hito de 4,000 ra. 90 ahillioes, cada urna.
pela segunda seccBod meaa do consu-
lado provine! ae fai publico, que do dia 9
do correle mes.se principia a contar oa 30
ji,j para o pagamento, a boca do cofre, da
dcima do predio urbano deal cidide, e
ueguesia dos AtTogedos, e qne lindo o prtso
mirrado incorram na mulla de 3 por oenlo,
sobre o valor de eu debito o proprleta-
rsquederem de pagar, eerSo ejecu-
tados- ,
AssociarSo commercnl.
A direccao dea'la ssociao querendo con-
rorrer quanto em l couber psrao'incre-
aienlo da agricultura desta provincia, oom-
rnunica aoa aenore do engenhos, razendei-
ros e I.viadores que na sal. da mesma ao-
riicSo ae acham modelo de maquina no
vS i.,r< n fabrico do assucar, para descaro
ri Igodlo e oulro, que flguiaram na ex
posicilo deLonires, ludo remeitido pelo
lucncavel a.iiig dos nielborameutos do
Br#il, lllm. 8'. Stu' cnsul hr.sileiroem
Beiltrn, encarregado pelo n sso governo
de sstttir dila exposicSo e esle objec-
tos podem an -r valo, copi dos, oh por
oulra qualquer forma propagados, lodo o
das ulei oa 10 boras da mnha ale s 3
da Urde, par o que te faz o presente an-*
i unci.
THEATRO
DE
S. IZABEL.
iiecia exiroriiinana*m favor
da cantora
Carmela Jldelalrle Imcu.
TERCA-FEIIU. 5 DEJUNHO DE 1859.
j>pois de urna ecoibida outerlua. subi-
r a scena o insigne e muilo applaudido
drama em cinco acto, do Ilustre escritor
rortuguez Mende Leal, intitulado
DA MASCARA NEGRA.
DivruiBUigAu' do dkama
rmonaftni. Actores.
II momo, prior do Cralo Pinto
0 con le li Alvaro
II. Fernando de Cordov
li GoncOo de Cordova
Antonio Biracho
Hu Mende*
Mingo Bolelho
Obispo di Guarda
1 juiz
J."dilo
S0r|(llu
I.' homem do povo
-' dito dito
U na oiulher do povo
Branca de Cordova
Leonor
tem bous commodos para paasa-
geiros i para o resto da carga e
escravos a f rete, traa se como ce-
ptfio, na praca do (ommtrcio, ou
com os comignitarios Novaes &
Companhia, na rm do Trapiche
n. 34,.
Para a liria Je 8.Miguel o patacho por-
tuguez Destino para o que tem a maior par-
le da cama prompia. (juem no meamo qui-
zar cirregar ou hir da passsgem dirija-se
quanto amesaosconsignatarios Thomaz de
Aquiuo Fonseca & (lino na ra do Vigario n.
19, primeiroandar.
Para o Aracaty
sabe com bre.idade o hiate Anglica : a tra-
tar Oa ra da Cadeia n. 49, segundo andar.
Pera o Aracaty
Sahe com brevidadeo bem conhecido hi*
te Novo Olinda para carga a tratar com o
sea consignatario J. J. T.sso Jnior.
Para o H10 de Janeiro, de-
ve sahir com a maior brevidade ,
a barca brasileira Firmeza por
tet a maior parte da carga ja
prompta : para carga e passsgei-
ros, trata-se na ra da Cadeia n.
4o, ou com o cspitSo Joaquim An-
tonio Goncalves dos Santos na
praca.
Para o Porto segu com brevidade a
barca portugueza Olimpia : quem na mesma
quizar c.rregarou ir de patstgetv, enleil-
da-se com osseus consignatarios T. de A-
quino Fonseca & Kilho, ou com o capitSo o
Sr. Jos Thomaz de Lima, na prafa.
Para a Parabiba.
Segu com brevidade, o novoe
veleiro hiate Santa Gru, anda re-
cebe alguma carga: os pretenden-
tes dirijan, se ra da Cadeia do
Kecife n. a3, 011 56 A, qu ra
do Trapiche Novo n. 16, segundo
andar-
Para o Aracaty
Sabe om brevidade o biate Fordo Cururi-
pe: a IraUr-se na ra da Cadeia n. 49, se-
gundo andar.
wtmmmm
3
Leilao.
""--O correlor Migool Carnero fr loilSo
hoja,-no seu rmazem, na ra do Trapiche
n. 19, de toda qualidade de mobilia, e por
todo o preco.________ ^^_^______
Avisos diversos.
Antonio da Coala Ferreira,respondeao annun-
eio de Joa da Coala Durado puDlicado do Dia-
rio a. 130 de tabbado \i do corrente que mullo
a mes de trr a infellcldade de receber a sua
proenrajao, |i llnha de que vlrer, llobalhe
felto favores, sido aeu credor e nao preclaava,
Eido, nem rindo acllea, o que eapariTa.
la falla fri oom ara (U alo obllveaac o ein-
prrgo para o Joaquim, e me obrlgava a embar-
car logo oom toda a mlnh> nenie, se nfio for
rsisr a capera, que meu lilho acabaste a aua
ormalura, que pouoot meses Ihe falla dndo-
me anda tm vooa inerc que nao deliar da re-
nieuer-ma mala 60 barricas com assucar, sendo
40 brancoe 0 uilicavado pelo primeiro navio,
iie vler, alera das 60 qua Ja recebl, vlndaa na
eniadora e mal me val, ae v. m. delaar da as
carregai. Como porem pouco leret aqu de es-
tada, eu intimo serel o portador de aua coma,
para ento veruios, ae recobramos o perdido
*a eartae qua v. ni. me falla, lenlio-aa ein meu
podar, ha umanno, aein aaber que de.liao, ou
para qua fim eeu mano nao as llnha mandado
3usado esttve era Lessa: aeu mano me raand.u
uaa carias, una fechada e oulra aberla, dlzen-
do que era para eu ver, e por Isso as driiei
ealar. inaa agora con. o recebimen o de sua car-
la, maodel saber de seu mano, ae aquellaa duas
carias ermn as que v. ra fallara, e dlssc-me.
que tlin, e que gallara com isso 460 rs., e por
uso aqu as achara agora. Vi o amnelo que o
procurador da cmara mandou afilar por edic-
tos, citando Anlonio da Coala Domado, como
ein parte iucerta, dando unicamenie 3o das,
sabendo esse procurador, que eu eslou aqu, e
que nao sou Antonlo.e que recebeu cartas ml-
nliai, euiqne Ihe dislaque a casa era queslo
era de um filho meu que se achata era Colrabra.
que aale eslava a ultimar a sua frmalo ra; e que
brevemente ah se apresentava para negociar
com a cmara, mas o procurador nao esleve
por Isso, erequereu como Iguorandotudo. alim
de prrjudlcar o proprlelarlo, e nao poder aer
ouvidu. E em consequeocla pols, v. m. deve
se a cmara qulier demolir a oaaa, levar o aeu
louvado e fallar coraos da cmara e ao mesmo
procurador dando-ae-lhea alnuraa nuanlia, pa-
ra qne arja a casa avallada em 8:000*000 ra co-
mo la Ihe lenhu feilo ver 1 e se ella Ja eatlver de-
molida, e mi lenha aldo avallada oeasa quantia
ou cousa arrarlliante. c que llnha sido f pelo
que qniscram, faca favor da pedir ao liorna que
lucir no seu peridico o seguale annuncio:
Jos da Cosa Domado Jnior cldado brasile-
ro, aciualmente em Colmbra vendo no Mario
de Peruambueo, a, 110, um edllal.nquerido pe-
lo procurador da cmara municipal, paia ser
demolida sua caaa. ella na (.amboa do Carino,
daodo unicamenie 90 dias para o prupriclariu
ser ouvldo, sabendo o procurador da cmara,
que eu me achava em Colmbra. e meu pal na
cldade do Porto, e ler recebido deatc cartas a
semelhaoic fim ; saben 100 procurador da cma-
ra que a casa nao perlence a Antonio da Costa
Dourado, e por ouiras multas clrcumslancias
occorrldaa ein um lal cllial, o annunclanle lein
de reclamar a aua propriedade da lllm. cmara,
percas, e dainnoa, e o tsala que for necorrendo
era seu prrjulso. pelo prelaato doloso com qne
a cmara quli privar a um cldado da sua pro-
priedade. cogauaudo a jusilc-i do seu subrluho
Vidal Dio Ihe quer eirtrenurgar o que eu aqu
del ao seu pal, diieodo-lbe que o cambio era
gi-ande acreveo-me, p.ssado um aono, que rae
ic melle ra pe i Peruacnbucana. esta chrgou. e
nada loniou-ineaescrever, dlzrndo.que man-
darla pela lloa-Vlagem chegou e nada : Deus
o ajude he o que eu encontr. Hada mala pode
diaer, n aeu primo compadre e amigo.Joseda
Costa Dourado. S.
Mande tirar a certldao de idade do meu li-
lho Joaquim, reconheya-a pelo coosul porlu-
guei, e reincua-ma, para Isso no cuslar, inul-
to a procurar no assent o saiba, que elle est
com i.'ipara l6 anuos Dourado.
Sr. t utonlo da Cosa Ferreira, etc., etc., etc.
Pernainbiico, Primo compadre e amigo.
Villa do Conde 18 desetembrode 1*36. Mon-
tera mesmo Ihe eacrevl, nao so por o Sr. Eiulg-
dlu, como por o seu sol>rlnho, lilho do seu ir-
Cermano.
Coimbra.
Amoio.
Bezerra.
Rsyinutido Jo-
s Aranjo.
dem,
N. N.
Cabral.
Roten lo.
Pereira.
L A. Monteiro
R N.
A Sra D. A ma-
l Monteiro.
A Sra D, ala noc-
la Lucci. I
A Sra. I). Mara;
Leopoldina, j
llomens do povo, cavalheiros soldados.
Termioar o espectculo com o lido o.
jocoso duello, em porlogez, das
TBOMBETINHAS. |
cantado pela OeUtliCiada o o 8r. LulzAOlo-;
1110 Muiil 'iro.
A benelli iada espera proteccao do res-
peitavel publico, a quem desde ja si cou-
!'>st grila.
Os biiheie icham-ie venda em casa da
beneficiad*, ru da Cadeia n. 7, e no da do ;
espectculo no escriolono do triedro.
Recita extraordinaria a fa-
vor dos artistas
Luir Antonio Monteiro e Ma-
ra Amalia Monteiro.
OCISTA FEIBA 17 DE JUNHO DE I 85l.
Grande espectculo.
Depoi de 001 fcolhida ouvertura, pe
orchettr *oblr i cen o intoreisante
''raro em 5 co, ornido de muzica :
AGRACA DEDEOS.
1
PerotiBgens e actores,
Lauatalot o Sr Coimbra.
ocommendador o Sr Germano.
limarquez rlhur rioSyvry --oSr. Bizerra
0 cura o Sr. Pinto.
I'tiii mhn, cabrriro das montanhas 0 Sr.
Mouleiro
Jcob--o8r Monteiro.
Fanchet o Sr. Ilozendo.
CnarlOU O Sr. Cabral.
Mara aenhora D. Mauoel i.
Magdalma a senhora D. Amalia Monteiro.
Chonchn a senhra D. M. Leotoldina.
A eiibur* d'E|bu a aenhora N N.
A marqueaa de Syvry a senhora Car-
mella.
Tm minar* o espectculo, com a graciosa
ftrta
i)Recruttimento iia Aldea,'
uoqulhverso*ngiace.loleieeto !
LUNDU E MNROY,
ilaneado pelo artiatas Monteiro, Mnoeli e
Amalia. '
Avisos martimos.
nem nunca preclsou do que tem Dourado, ou j mao Luit, e por doua rapases, que Ihe vao re-
ontro qualquer; csiuigando os oulrol por ai Icomineodados, quaudo me velo lioie a mao por
pode Dourado ler a audacia de diaer que a o crrelo desla villa viuda por o de Lisboa a aua
mesqulnna admlidsiraco de scus poucos pee- estimada caria cora dala de 14 de Jnuho Uo an-
dlos he capa/, de locuplelar a alguem ; mas fe- ; no crreme na qual me diz. vinba por mao u
lizmenle todo o commerclo de Pernambuco nosso patricio o Sr. Floreuclo da Cosa Junquei-
me conhece e aabe que nao mando dlser para j ra, por cuja mao tambera me reineula os trat-
Portunal qu eslo pagas letras, que se devem, ros, mas estes anda nao os vi. Inclusive na
i-enitenhodeliado olrllho da honra e dignldi- su carta vejo o accordam em relajo sobre a
de. Dourado afag paramorder.edepois que apa- casa da ra do Rosario para aer arrematada coi
11 lia a prea, a dilacera e chora como o croco- hasta publica: se isso atslin s.hlo hedevidoao
dilbo; suppi mal de lodoa : e por isso na ques-
lo da cmara ordeuon que ae corrompesse o
avaliador desla para levar o preco da deaapro-
prlacio a 8:000,0')0 ra. dacitmento n. I accu
3r. deaembargador pequentnoquepor nao del-
aar orden para continuar eom a subscrlpcao
a sru cuohado, fea como assim aconlrceSse.maa
nao obstante, nao delat de flear sem ella. as
eslrintura de compra que nrovava .. ., -- ..-----
e vendo que nao llnha elleit. seu manejo, ti- ra in.is de qualro cool s de rls. pore.n como
cou furioso, enlemieu desfclchar os golpes da V. me. me dli que esse genero subi, laca as
aua ra centra mlni Falou Dourado era repa- suas combioafdea a vista do preco, que aqu
ros da casa da ra de Agoaa Verde. mas este tem dado ltimamente par ver ae sera meiiior
cinismo basta somenle para relratal-o.pols que isso, ou as letras, ou por qualquer mel, que y.
es.a casacsiando em estado de ruina e lendo i me. Iraagiue. que me venh ca aquanilaque
por laso de ser demolida por ordem da aulori- Ihe digo, afiui de eeciuar o meu Intento, ao-
dade pnbllca. foi forcoso reedlfica-la desde os bre o que me diado Jo.qulm Jos da cosa,
alllcercrs, efaier utn predio de dols andares nio esperava eumenos, e por isso lo que eu
com coiinhas fora, ludo em prove.to do mes- Ihe deliel os recibos e a caria, e alnd. Ihe pode
Dourado que boje percebe por esse predio a- | aflirmar que nada Iraioucomlgo,_qur P^
sendo que
vulladas rendas, sendo que seno fosse a rec-
dificafo leria perdido o capital da decadente
casa nao goiiria boje do novo predio e do reo-
riimento desle, essa obra e a despea para ella
f.il com o; inmola a Dourado e por elle aprova-
da documento 11. 2. Debllei a Dourado !00.n00
lar a caaa ou de outra qualquer cousa Sobre
0 procurador Concelcio u.id. Importa que elle
queira ou uo disso se incumbir, ellessque-
1 em quera Ibc d multo dinheiro, e por ultimo
nada rasera. Sobreo Caetano nao querer pa-
gar de aluguel do sitio mais de ce......II rls,
ara'd'esiiacharse remelter-lhe, e o beneficio 1 sssll tK e eslou ceno que a festa nao sena bos.
nao me devla ser ma s dainjoso. pols que alera \ Sobre o eonceito que V. me. de.er 011 entender
de n5o receber commissiu dava casa, mesa. f.r oas ralnbaa esas, dou por bem felto, as-
roup. lavada e Ingom.daao caseiro emprega- sira como se euleuder f.ter a obra, que dis na
dono seu servico Hemiseravel leuibraoca casa em que ,-ora o Justlnlauo. se for para
de 467,180 rs. com despesas Judlciae., pola que bem e utilidade minha e de ludo mais a esle
opondo-me a causa de desa,.ropriacu por sua respcllo. Fleo entendido sobre a ca.la que re-
firdem e faiendoa depall prolesto. decaindo cebeu do Iguaclo Pereira de Castro, no que es-
da causa havia de pagar as cusas em que ou- lou conleme. Quanto aos meiis devedores vejo
ve conderanaco e ah eslao oa autos no' cario- que nada te... nado de M, e de ler dado o be-
cscrlvo HandelraeMoiu para provar serra Cavalcanti 50/ rs. Quaulo a lia pode di-
TO do l'SVnv.ll; aBMai:i" isinsi |Maasja iismu a
aue era nueside renhlda. levadas alea .upe- ser-lhequeo dinheiro que V. me. recebeu doa
rlor instancia nao he caccsslva a quanla de. negro esia metildo em conla, que Ihe maodel,
desnr/.as alte aprsenle! c pague! Inclusive ese laso oao for baauote, por a primeraem-
custas Sobre a litependencl. na.l. dase Dou- i barcacao que daqul sahir, mandare! outra con-
rado c aeora so acrecentaremos que contesta- la e diga-lnc que eu ca nao lenho papel alguiii
da a lid! nao pode u.na parte desistir da de- da dcima porque la ludo delaei, mas a.sl.o
manda sem o concenll.nenlo da oulra, pols um mesmo verrl se por ca lenbo ...ais algu.n pa.a
dos rlleltos da Ules conlesiacSo be produ.lr Ihe mandar. A aua receba que agora me pede
um quasi coulraclo. e obrlgar as p.ne. a ou- Ihe remetiere! na p.imelra occa.lao. Mu 10 es-
vira semenca, ejasev que o fundansenf. limel aaber do reverendo I "Jauo, e ler dado a
comqueque Dourado renovar aqu a aeco me.ada Emilia Josefina. De ludo o mal. que
he destituido de todo o l'i.ud.imenio. Nio Uve
animo de fiaar a inlnlia residencia em Portu-
gal quaudo para ali fui tratar da mlnha saude.
or conselhos doa facultativos, mas depuis que
l seguei melborel. conirahi rela(0es,tomei es-
tad, tuudel de rezolucao, e niopo-so agora
delsar de voltar para o sel de nimba familia.
ua carta contera fleo enteudldo. Toda a sua
familia llca de saude. Incluso achara u.na car-
la a u.na procaraco do Sr. Jos Goncalvea
Ferreira, para V. me. lomar conla de duas la-
tas con. renda ou o sru producto da mo da
Sra. D. Feliaarda Leal da barros, conforme o
recibo, que lambe, achara, a do que bouver a
lie aingular aopinlSo de Dourado que pensa respello me avisar. Sou seu primo, compa-
baver e! perdido o foro do domicilio por ler dree amigo ob.lgadls.lmo. 0. Para10 fim
vitado a este lugar, e quer que o acompanhc
as suas mudencas, e por Isso'dlssisllrda accao
queconlra.nlmlntenlouno "orlo para Inaiau-
rarnovaaqul sobre 01 auspicios de pessoa a-
queui por si ou por outem agora afaga;mas esl
deste mes pretende aahlr unta embarcaco pa-
ra essa,' e rubio Ibe responder inelhor a sua
carta. Jos da Coala Uourado.
-. a pe.aoa que se quizer encarregar de
aterrar um pequeo alagado no becoo da
engaado e crea que leuho f as loslllulcoes B,rioiraa d Bu-Viat, dirjase 10 a'ina-
e n.jusllca da mlnha causa que espero erjIem d|| ru, Nov, n#67.
- Par Lisbo pretende seguir al 30 do
frrenlo mez, o veleiro bnguo fcugemo, o
qual somonte recebe pSgeiros para o que
I rn bons comajodo; quem pretender p le
entender-se com o cpilBo bordo, 011 com
os consignatario Amorim & iraiBo, o ra
da Ciuzn. 3.
Para o Aracaly
Setue em poucoa dias o hiato Capibaribe,
llegado e forrado de eohre; par o resto
d carga trala-se na ra do Vigario u. 5.
Para o l.io de Janeiro, solie
foni maior brevidade potuivel, o
lindo e veleiro hiale brasil.eiro Pie-
dude, forrado e pregado de cobre,
reco.iheclda noa tribunaes.
IMogue. he obrlgado faser aquillo que a le
no manda,r ae na especie em queslo a le nao
manda piolar fiauca.ru nada devo, e a aeco
que Uin Dourado he em Porlugal.e para ahi in-
do l he que leu. lugara execuvo da arntenca
qne por venlurahoover, he visto que aquiem
Pernars.buco nao lenho obrlgaco de i-ar nan-
ea. He materia de riso a repugnancia de uu-
rado acerca da parda Justina que por ordem
delle sustente! at falescer de sua enfermldadc
e por decioao publico iu< limito a dlier que
lenbo domnenlo do punho de Uourado auto-
rlsandoessa despea. He alleosla de Dourado
dlier que chamado a acelo de conlas em l'or-
tugal vlm para o llratll pola que lendo crditos
ein Pemambuco, clrcumslancias supervenien-
tes me fieram peailr passsaporte emSTde dtae.n
bro de i5o, depols Ue estar em Portugal Irluta
mese e quatorr.e dlas.e so oa vespora de ml-
nha partida foi que mecha.nou a Julso para na
mliiaa amencia formar as contal que Ihe pa-
receu. He mullo slnistno p ds que cliaco
consta ds, certido e dala do embarque con.la
de cerlldo e reglsto publico, e quem se atreve
fallara verdaue ein cousas que constara oe
documentos autnticos oque ser no mais ? I o
Diibllco que ajuliee responda)
P H Atimio da Costa r*.rir Sr. Antonio da Cosa Ferreira-Pern.mbu-
co -Porto 1* de agosto de l8s.NJo so prl.s
mirhas molestias co o pelos desgostos que
"nio lldo. tenbo deliad. de Ihe crever. e
mesmo por que nlo tenbo receb docar-
las sua em algun osvlos, que tem ebe-
- IV.rdnii-sa um Irai.rohm do miro de le
com sjBra q -ana de cu 11,ni lo e seis oila-
v-s de peso, desde a ra Direila al o becco
do Sarapatel, no dia 12 do crreme ; roga-se
a pessoa que o achar lonlia a bondad de o
r sthirir uo becco .lo Sa.apalel, cas. u. t,
ou na ra da l'raia de Sania Una, venda n.
I, que sera geiierusiment-s recompensa lo.
Desoja-se fallir com Joanna Mara da
Coneeii;.!'!, conhecid por Jisiin do Pas-
aos, mi com quem f.c susivezes ; na ra
estreila do Rozarlo n. 36, a negocio de seu
iuteresse.
-- Pivri'n-SH de uro prelo pr o servico
ordin.rto de um cis; no pateo Ja Santa
Crut, padaria 11. 106 Na inesni. casa se
yemioi m- Aluga-se pira quslqoer negocio,e por pre-
co commodo, lojt do leiro da Boa-Vist
o. 38. -
-- Anda se conserva o terceiro anlardo
obrado da prega por (lugar, muilo fresco,
com comtnoJos par grande fanili. e ricas
salas forsdas de papel, com tres salas e 14
quartos ; na ru Nova. n.*7.
Precisa se de uro cano berta, bas-_
lante grande, para carregar lenhs, de Ponte
do cho< para esta praca: quem tiver e qui-
zeraluga-la, com canoelro, ou sem elle h
dlrij-e csa do l)r. Bredorode, n E
lauci.
-- Aiuga-e o (obrado de uro andar na ru
Augusta n. 91, que faz quina com o viveiro
do Muniz, com bacante coaaodoi; a tra-
tar oa ra das Cioco Pomas o. Si.
O abaiso aaiignado, ex-encarregido
do brigue escuna Legslidade, presentemen-
te desembarcailo para seguir para s corte no
primeiro vapor que par. ah seguir, faz
sciente ao raspellavel publico desta capital,
quenada deve a pessoa slgtJUa ; porem se
alguem se julgar ero lor, pode annunciar
pe. folba da provincia, fim de ser satis-
feto. Eliso da Oliveira llurg- s.
-- No di 10 do correle mez de junho
deaapparecou om ecrvo creoolo, de oome
I.iiz, estatura baixa, reforjado do corpo e
e-p.diudo, com nariz chito e beicos gros-
so<, ten lo sobre o boico aunerlor um golpe
que sin la esta por feeh.r.ps g mdes a lar-
gos, foi vestido com cale de finm pardo, e
camiside algodlo trancado azul, econsta
que}foi valo Com caifa e jaqui-la branca.
toda e qualquer pessoa quedar noticia e le-
va lo a seu senhor, no primeiro sitio o li-
10 do iMigenho ila Torre ou na serrana, na
ru da Ca lea em Santo Antonio n. 19, aera
genero.mente recomoensado, pagando-se
toda e qualquer dnspeza qua le tiver feto
oom o mesmo esersvo.
5 000,000!!!
na; liso vivo oom o tal freguez que esta
gastando o dinheiro de votsos genero com
caprichosas denuncias.
Co n.'dorias.
Na ru da Senzall Velha n. 126, confron-
te ao berco do Campello. aprompta-arreo
medoria todos os dias de almoco a j.ntr
por nrero cnnim i-io assim como mfio de
vaoca ncaf, ludo com multa limieza.
Detappareceu na nuitu de t do cor-
re e da casa do abaixo assigoado, o aeu rs-
cravn, creoulo, do ir.me Ignacio, que repre-
senta te-32 annosda ilade, baixo, reforja
do, pouca barba, risnnho, tem um pequni.o
taihosohrn o olnodireilo; o annunciante
eomprou este escravo no da 28 de maio pro
Ximo passadn, a Antonio Con,alvos ua 1:011-
eeicRo, morador em Ipojuc, que lendo-lhe
fugi lo navia tres mezes par esta cidade,
iniiliilando-sn fono coro o supposto mime
de Jos Francisco; fora preso no dia 6 de
man para averigoacOes polieiaes a ordem
do lllm. Sr. subdelegado de Santo Antonio,
t'iido ido reclamado pelo dito Conc n.'.lo,
foi-Ine entregue no dia em que o annunci-
aote o coinprru j para melhor esclarecera
quem posss int-resssr, ferido escravo foi ven lisio nesta cidadeem
I8SI 10 dilo ConceicSn por Jos Francisco
de .Moura, om cuja poca achavi-se hypo-
Inec.do a Joao Xavier llibeiro de Ai.drad,
consta mais, que durante o temuo que es-
tove nesta ci lade com o tiiulo de forro, e de
Hmu lu possue o annunci inte al o evadir-
se, trabalhava na escadinha da .Ifandena;
recommendi-se as autoridades policiaes o
capilSes de Campo, gratilica-se a quem o
pegar e levar a casa do abaixo assignado,
na rindo Vigarirtn. 23,segundo andar.
Jos Baptista da Fonseca.
Atlencao.
Na noite de IS do crrante, dessppareceu
urna mulata por nona Mariana acompanha-
da d urna aua Diha de 7 annos, por nome
Consianca, a mulata reprsenla ter 30 an-
uos, alta, clara, rosto descarnado e sem os
lentes de frente, tem os cabellos grandes
que os costuma amarrar, e f.t-se mais co-
ndecida por estar prenh.,com a bafr'ga bas-
tanto grande, foi com um vestido do chita,
saia de 1 la preta e panno lino, e tambem
um. trouxa com alguma roupa, desconfia-
so e.-tar em ceda casa occull, porlsnto. ad-
verle-sn a esta pessoa que a mande entregar
na Passaxem. casa terrea entre a do Sr. Jos
dos Santos Nunes de Uliveirs, e a senhora
I). Ignacia, do contrario se proceder com
to-lo o r 1 -nr ila lal, e adverte-se tambom a
policia ecapilSes decampo que'a levem ao
supradito lugar que ser recompansado.
- No di 13 lo enrente, ausenlaram-se
2 prolus tenilo os signaes seguiufs :
Joaquim, esnoeiro e padelro, do nacln Ca-
fango, representa t-ir 25 a 30annus, estatu-
ra regular, CBra re tonda e cor um pouco fu-
la, nariz chalo, mais todo repuchado em
vulta, que parece trr sido queimado, po'ro
he dofeito do bexigas, dasquaes anda tem
hastantes signaes eni todo o rodo, tem pou-
ca b-rba, e he quebrado da verilh esquer-
d : Francisco, padeiro este s d pelo no-
mo de C ico ) le n.ieao tteiuimila, alio, re-
presenta ler 40 anuos, mais ou menos, ros-
to comprido, testa bastante larga, entrando
nos cautos para o centro da cal ec. ; olhos
hugalhudos, ea vista bastante estacada, fal-
la um pouco embarazada, tem o an lar dea-
caneado o levanta mais a pema esquerd ,
quaudo deila a pissada 1 o primeiro Ionio
camisa denlgodSo americano ooalfacom-
prida or cima de oulra mais velha e chipe
lo sed prelo ja salo, e o tegundo levou
camisa do mesmo algodlo acuna, ec.lc
cuita da mesma fazen la : roga-se a qual-
quer pessoa particular e canilles de campo,
ou autoridades policiaes, o favor de os man-
dar c.pturar e entreglos, na ra larga du
Hozaiio, padaria n. 18, que se gratificara ge-
nerosamente.
Precisa-se lugar una prela boa vn-
detela, equeenlenda tamboril Jo s rvico
Je cas.: no aterro da Boa Vista 11. 10.
Precisa-se de urna ama, para casa de
pouca familia, que engorme e cozinhe, pa-
ga-se bem: quem quizer, annuucie para ser
procurado.
P eciss-se.ilugsr um prelo, ou mulli-
que, que seja fiel, para o servico externo de
urna C'S. de pouca familia : na trsvessa do
Queimado, ven la n. f.
J. P. Adour t Companhia, mudaras
seu escriplorio e irmizem de fazond, pa-
ra a ra da Cruz n 43.
-- Precisa-aede uro hom foroeiro, e que
sej desembarazado: na ru estreila do llo-
lario, ocotito n 2.
Francisco de Paula Borges, vai a liba
de S. Miguel, a negocio seu.
- Precisase de urna ama, para servico
de orna cata de pouca familia : no beco da
Viracn n. 39-
I'reclss-se de um rapaz, para caixeiro,
que d fiador a sua condrjfeta : na praca da
los Vist n. 7. Na mesma vende-so um da-
pozito de assucar o m-is cousas
Joaquim Jos da Cosa. Portuguez, re-
tira-se para Portugal, a t'cl-r de sua saude.
Precisa-se de um caixeiro, que lenha
alguma pralica do venda, e que d liador a
tua conducta: quem esliver tiestas cuciriis-
tanciis, annuncie.
Aluga-S'i urna preta, que cose, lava ,
engomroa, no tom vicios e be fiel: na roa
doCollegion. 15, primeiro anJar.
--Precita-ae da um pessoa habilitada,
para ensinar lelim, na comarca do llio For-
mse : na raa das Trinclieiras n. 17, em
cas do hachare! Ivo Miquilino d Cunta
Souto Maior, dir-sa-ha o lugar e os tormos
do contracto.
Alberte Legarle, eh'g'd.s a poucos
dias de Franca, pela barca Pernatobuco,
tem osubleoidosiia ollicun de aerralheiro
a ferruiro, na rus da Sondado n. 1H n< qual
estilo promplos a imcumbir-so le qualquer
obra quo seja ten lenta ao aau odlcio, t ni>
par carros como para casis, como sejSo :
varan las, corrimOeS, cama, marquez,
esleirs de ferro, portdos para cilio, etc.,
s peaso.s qua aa dignaren, incumui-lo de
qualquer obia serlo aervi las com exaoti
dio o sera demora.
Iloga-se ao Sr. qae pediu na loja de
nh abon lado de o raitituir, viato que tal -do bol figuras; na ra das La-
pbjectoalemalguaivlor par o proprio ._ ./ _____^j .,i-
objecto stVtemIguaa valor para o propil
dono, e com quanlnje ignoro tu reziden
0i, saba-se parfeitamenio seu nome para o
chamar popaste jornal, se a Unto delxr
ehegar seu descuido ao qual so a trtbue de-
mora.
Desappareceu no dia 11 do correle!
muleqne por nome Fioriano, mullo confla-
cido pela alsunha daaturinga, de idad de
13 14-aniios, seco do corpo, olhos vivus,
nariz chito e pe um pouco grtnde, he na-
turalmente multo ligeiro em todos osseus
moviiiientos, porem apauhado de surpreza,
torna-se muilo sonco, sabio sem chapeo,
e levou caifa rte riscadinbo azul, chamado
americano, o urna blouie, ou camiaa larga
di ritcado do quadros, ja desbotado. Este
moleque seguio um boi, qu acossalo por
diff-rentes pestoa, passou pela estrada dos
All tos, e depoia disto consta ter andado
em couieanhia de outros moloques, pelas
Cinco Puntas e Ribeira de Santo Antonio,
quemo pegar, ou d. Me tiver noticia diri-
raogeiras n. i4, segundo andar.
Comrr-se ama esorva pfet ou par-
da, at 12 annos de idada : n ra da Cruz
n.44.
Comprase urna venda em born logar, *
qne lenha alf urna frrguezia : na ra da
Roda 11. 52, m dir quem compra.
Com> ra-te um casa terrea en ru bo,
sendo chflo proprio ; quem a tivar annun-
cie por este Diario.
Ciioinr.-ae urna carrosa nov que pot-
conduzir quilquer carga, n om bol tam-
heni novo, gordo a de bonita flgura : era
Fora de Portas, n. 21 aira da igreja, da parle
do mar.
Compra-te um pparelho de clii, om
hom uso, e um pir de manga de vldro
com caslifie : quem tiver annuncie.
Compram-se 2 escrvs creoulis da
bonita figuria e de 12 20 snnos de idada
na ru Direila o. 82 primeiro andar.
Com ora-te o solfejo de Rodolpho. ou
j se ao sitio da Ptmaiinhelr na estrad dos principio elementare.! de msica .-quemo
Aflictos, ou a ra aa Cruz n. 55, que ser tiver annuncie par e' procurado,
gratificado. I -- Compram-ae 4 escravas, ou eacravOI
Precina-se de um bomem 801 I"1"* .8c,vi de c,mp: "ro* D,r,iu BU
, mero 3.
teiro, ou casado que tenha pra-j compn-se umescr*vaquesib bem
tica de jirilirn e iiorta, para um engommir ecozinbar, equenacitanlii vi-
^ 1 ci nem achaques, eque lenha boa Ogura,
engenlio em berinliSem : quem ,gfidindo p.J,.,,' bJm ru do Amo-
pretender l'axer trato, ou engaja- rim n. 25.
mrntn iliriia sp n rua daa ( ruzes Manoel Alve Cuerr Jnior, cumpr
ment, diri|a-se a rua aaa v. ruzes iCfles do btnco dejU pr0Yncll. nt ru, d,
n. '|i, primeiro andar. Cruzo. 40.
- Perdeu-ae urna crranle de ouro de re- -- Na ru d Seuzll.Velh, defroote da
logio com sei e mei o.lv quem a- Sr. Moitolroolntor,compr-e todiaaaqua-
enou leve- a ru do Livramente n. 14, que lidades de ierro velho e maltes de todss
ser gralilicado *9 qualidadrs assim como ourelos de pannos
-- Jos Alves da Silva uimarSes.coinprou Unos.casemiras o todas as qualidades da mu-
porcoota dosSrs. Antonio Rodrigues de Cas- lamhosque servirom p' fazer papel : as-
tro Nev, Jos Lope Peuo da Costa.e J0A0 im como cabos velhos, lonas ele
Jos da Piedaoe, oa bilhete da 31 loteri Compr-ge um escrvo par servico de
concedida beneficio du Monte Pi, do Rio que 11,01 lenha vicios nom achaques,
de Janeiro, de nmeros 6li7,bilhel intoiio, e que lenha boa figura e seja Torta, de 20
eos 111 dos de 200, 1273, 2197, e 1112 lc 26 anuos : na rua do Amo-im n. 25.
Desappareceu da povo.3o de Tabatin- Compra-ae urna loja d
ga, comarca
rente, um pr
de idade 22 a.....
do corpo.com urna cicatriz no braco esquer- abano assignado compra1 duas; creou-
do, cor bem preta : lovuu camis c ceroula ls. ou pardas, prendadas de boa liguras.
da algodfiosinno, o chapeo de patita : quem na rua da Cruz ti.40.-Mac Ouorra,
lereceu da povo>c3o de Tbatiu- --t.ompra-se urna ioja ue io.. a de Uuras, no dia 2 do ror- mesmo um armacao para a mesma, as se-
pteto do nome Miguel, creoulo, guinte ras, fjueimedo. I.ivremenlo, Cres-
I annus, estatura regular, grosso P" e Cahuga : quem tiver annuncie.
al I...... .r..;...a .nntu.u ,!. ,raail.
o pegar leve-o o lugar cima declarados
seu senhor Jos da Silva oliveira, ou nesta
praca, na rua da Cruz n. 39, que ser bem
rcompensado:
Mii.-n s- urna prets que sabe cos.inhar,
lavar de sabSo e varrela,compra o (.z mais
airanjo de urna casa, e lanibem se vende,
havendo quem a queira comprar quem a
pretender dinjs-se a rua do Sol n. 7, que
M9>"sa>asasjJi
Veudas.
laoteria doBio de Janeiro.
aos ao.000,000 de rs.
Na loia de miudezasda praca da
I' 1 m hu 1 u 1 1 -v- s u a 11 v .u 1 1 s i,uum f .
achara com quem Iral.r. Na mesma casa se Independencia 11.4, vendem-se Dl-
dirai,uam prectaa de urna ama para o ser- inleiros, meios, quartos, oi-
vico interno e externo de um cas de pouc *"* "I '
ramilia. tavos e vigsimos a benelicio ta
Aluga-se um sU'10 nos a- 3i. lotera do Monte Fio, espera-
flictos; o primeiro e o terceiro an- se ovopor que traz a lista nodia
dardo sobrado n. 6 do aterro da 18a 19 : na mesma loja receban
Boa Vista, eo terceiro andar do se bilbetes premiados do Rio e do
sobrado 0.4 do aterro da Boa Vis- Livramento, em troca dos.que tem
ta : quem os pretender, queira a venda.*
dirijs-se rua do Trapiche n. 36 Vendem-se na praca da lndepeo-
segundo andar, a tratar com Sa-
lustiano de Aquiuo Ferreira, das
7 horas at as 11 da manhSa.
Jencia n. 12, por metade do seu
valor, os eguintes livros:
Tratado dos testamentos por A. J. Gouveia
zario da Boa Vista n. 58. obre a conslituica.. do .mperio do Brasil e
de;- nzz: r z e-se % vsg g-wa ^>
ru.s da Boa^ista/annuncio su. mor.da. Z^^^uT^r^'b^^
Lotera do luo de Janeiro. Ipelo barflo de llolback, 3 volumts. 3.009 rs.
aos 20:000,000 e 10 000.000ers.! Vfiiidfru->e por menos do
Na praca da Independencia n. Seu valor 2 bombas de repucho ,
i3 e 15, loja de calcado do Aran- commuito pouco uso, proprias pa-
les, e na rua da Cadeia do ttecife ra levaren, agoa ao segundo and ir,
n. 46 loj' de miudezas de Jos 8ao muilo recommendveispor sua
Poitunato dos Sanios Porto es-'construccSo simples e duradoura :
taoexpostos a vendo, bilhetes in-
teiros, meios e cautelas da 3i. lo-
tera a beneficio do Monte Pi,
que correa no da 6 de junho do
corrente e espera-se a lista da
mesma no dia 20 do corrente, pe-
lo vapor da romp tnbia brasileira,
ou 110 d por inglez Tay ; sao psgos todo-
os premios que nelles sahirem sem
descont algum.
bilhetes inteiros 22,000
Meios 11.000
Quartos 5,5oo
Uitavos 2,800
Vigsimos l,3>o
Casa da fortuna, rua Direila n. 7.
Pagam-seas cautelas da lotera de Nossa
Senhora do L'Vramento, e eslo a venda aa
cautela e biinot 's da lotera de Nossa Se-
nhora do Rozario, cujas rolas tldenlo no
dia 23 do correle e paga-ae lio dia 24,
quartos 2,200, dcimo 1,000 rs., vigeciinos
500 rs.
T. Nish. subdito de S. M. BriUoio,
relir-e pra Inglaterra.
- No paleo de S. Pedro, n. 24, coze-se.
lava-se e engomnu-se com toda a peiTeiflo
e aceio, e por preco muito commodo.
Compras.
Compram-te pra engenho.escravos de
ambos os sexos, sendo aquelles de 15 a 10
anuos, e estas at 25 ; no rmizro da rua
Nuva n' 67.
-- Comprm-se 4 ou 8 car itilios de mao,
em meio uso na rus Nov n. 7
-- Compra-sa um relugio de ct de me-
as ou de parede, qoe regulo bem e estoja
perfeito; uoarmazom da rua Nova n. 67
Compra-so urna b.lanca lOioana, es-
tando em bom uso, qoe poto < t 500 libras;
oa ru< ua Cadeia do Recite n. 1.
-- Co npra-se urna escrava que saiba co-
sinhar, e ensaboar, ainda mesmo de meia
idade no becco d Vir.co n. 39.
-- Comp am-se para u na encommenda
do Rio de Janeiro, duas escrava creoula ou
pardas, do 14 a 20 annos, que tanhsm boas
figuras, um muleque de 14a 1* annos; na
rua Nov n. t6.
-- Compram-se 30 trsves de qualidade*
lendo 45 palmos de comprmanlo : annun-
cie, ou dirija-te a rua de S. Concalo, sobra-
do n. 29.
.- Compra-so um mulatinhn da 14 a 18
aonos de idade, assim romo um prelo de 18
a 21 annos.robusto e proprio par todo ser-
vico; ir.tir com Luir Come Ferreira, no
Hondego.
Compram-se escravos de
miud*xd rua lrg do Roz.rio n. 38, tiro sex0s. D8lta-se bem, ten
litro de emoslras de Iranj* e lrnos, ta-1 amoo> os sexo, paga e ">
na rua ii > Queimado, loja de ler-
ragens n. 12
N rua do Crespo 11. 10, terceiro andar,
ven lem-S'i duas escrava muilo boas figu-
ras, vindas do serlSo.
Vendem-se dous escravos, da bonitas
figuras, por preco-commodo : no pateo do
CarmQ n I.
Vende-se urna negra e um moleque do
servico de campo: ns rua da Conceicao da
Boa Vista n. 14, lo los os dias at 9 horas.
Venden, s 3 losillas de labyrintho ,
obra rica e de muito bom gosto, por preco
commuito: no paleo de S. Pedro, casa u. 12.
J ose. Lo i Pereira, decididamente vou
de a sua loja de ferragens da rua Nova n.
16. a praao, com Urinas a contento, e em
quanlo nSo elTecluar. ven Je qualquer ob-
jeclo de lorr-geus, ou iniud -zas. pelo pre-
co que Ihe custaram, o q e mostrar aos
compradores; tambom rog pe ultima
vez seus devedores, queTrim tstisfazer
seusdbitos, at o Om do crranle mez,
pois deseja evitar disgoslos.
Vende-se, na tua da Senzalla Velha, lo-
ja n. 36, urna porrjSo de madeira de Jacaran-
da da Baha, de in imeira qualidade.
Vendem-se 3 portadas de rotulas, mui-
to bem feitas: na rua da Srnzilla Velha a.
126, confronte ao becco do Campello- .
Vendem-se gtgos com champagne do
bem ereditdo autor Perrier, pelo com-
modo preco de 20,000 ra cad um: na rua.
do Trapiche n. II.
Vende-s vinho branco superior de
Bucell em barris de 51, superior vinbo da
Campagne, preco cmodo, em casa deJ.
Kcller & lornaarihi.
|3 Objectos biralos.
Venle-sem aa rua estreit. do Rozsrio o.
43, um rico espelho, urna carter, ISeadei-
rs americanas, cinco mesas de p, e nula
alguns objectos, por precos commodos; a
quem esle annuncio nteresstr appsreca que
o (iiecoohadeahimar.
Vende-se om terreno silo na roa dos
Prazere, no del io, com principio de ili-
cerco e cacimba <1 boa agoa de tiedra cal;
aue-r- pretender dirijs-se s ru DtreUaH.16.
Vendo-so urna escrava parda de Mau-
llo com um (lino de 10 mezos. corta a taz
omisas de homem, vestidos da senhora.ves-
te o penteia muito bem urna senhora; ns
rua do Coilegio o. 21, prim-iro anlar.se
dir quem veude.
Vinde-se m.n-lioc duri emole, para
os bolo de S. Joao; na estrad de Joo de
Birros, quina do becco do Espinheiro, aillo
do Ptricio.
1,000.
Vendem-se c tes decambraia de oores
nas, pelo brlissimo preco de 1,600 rs. c-
da um ; na loja nova da roa do Rangel n. 8.
Vende-se uaa mulato da idade da 17
annos, ptoprio psra pagem, por tar um fi-
sura muilo bonita; um moleque do ti an-
nos, e duas pretas dalda.de 18 annos, cern
bonitas (lgurs; quem preUnder dir.ja-se ,
ru do Peixolo n. 1, que ae dir quem
veude.
v


> I

::




MUTILADO 1


Deposito de,cal virgem.
Cooha & Amorim, na ra da Cadi
llecite, n. 50, vende-se barrls com
rior cal em pudra, chegada pelo ultimo
navio de Lisboa, por menos prego do que
em outra qoaliiner parlo.
r'arinha de mandioca.
Veodem-ie sar.cas com firinhi nove, che-
gada ltimamente do f.ear, a 2,000 rs. e
em lotes de i0 mecas par* aima,i l,800rs.,
ca'la urna aacca : no armazem de J. J. Tas-
>o Jnior: na ra do Amorim n. 35.
Vendem-se os verdadeiros selins in-
gleses, patente, de molla seni ella : na
ra da Senzalla Nova n. 48.
Armazem de vinhos.
Na ra da Senzalla Velha n. 48,
vendem-se vinhos de Lisboa e F-
gueira, dos maissuperiores que ha
no mercado pelo diminuto preco
de ioo e 340 rs. a garrafa, e i,5oo
a 1,800 rs. a caada : para confir-
mar d-se a provar, e para ver Ja-
se a beber ; he bratinho, a elle
fregueiesquehe bom vinho.
Novo sortimento de panos finos e
casimiras de todas as quali
dades.
Na ra do Crespo, loja da eaquina, que
Tolla para* Cadeia, endem-ae panno pre-
to, a a.soo, 8,200,3,500, 4,000 e 5,000 rs. o
cuvado; dito frarrcez, multo superior, a
6,000 rs.; dito verde, a 9,800 rs.; dito azul,
a n,800, 3,500 o 4,000 rs.; dito crdorap,
a 1,800rs.; cortes de calaa de casimira pre-
ta infestada, a 5,000 e 6,000 rs. ; dita fran-
ceza elstica, a 7,500,8,000, 9,000, 10,000e
11,500 rs.; sarja preta, a 3,400 rs. 0 covado;
dita hespanhola, a 2,800 rs., eoutras umi-
tas fazendas por presos com modos,
t'ariuha de trigo
SSSF.
Fontana.
Galega.
Hazal.
No armaxemde J. J. Tasso Ju-
nior, na ra do Amorim n. 35.
Mina o de JNaiitua a
800 rs.
Vende-sa a historia de Simio de Nantua,
a 800 rs. : nalivraria da prscada Indepen-
dencia n. 6 e8.
CHA l,n.ETO.
Vende-se superior cha preto,
em caizas de.3o libras cada urna
em casa de J. J. Tasso Jnior, na
ra do A mor ti n. 35.
Tainas para enyenhos
Na l'undico de ferro de llow-
man & Me. Gallum na ra'do
firum. psssando o chati tu, conti-
ni a haver um completo sorti-
mento de taixas de ferro fundido e
batido, de 3 a 8 palmo* de bucea ,
as quaes acham-se a venda por
preco commodo e com prompti-
do, embarcam-se, ou arregam-
se em carros, sem despezas ao com*
prador.
g ARADOS AMERICANOS.
m Vendem-se arados ame- !J
ricanos, chegados dos Esta-
* dos Unidos, pelo barato pre- 4
t> co de 40,000rs. cadaum: na
ra do Trapiche n. 8.
Multas fazendas por pouco dinhei-
ro na ra do Crespo n. 6.
Cortes de brim escuro do purolinho a
1,440 rs., ditos du I istra de bom gusto a ,00
rs., dito smarello a 1,800 rs. riscado de II-
nlio proprio para elijas e palitos a 180 rs. o
covadu, panno lino preto a 3,000 4,000 rs. o
covado,pessas do chitas escurasco ji 38 ro-
yados a 4,500, 5,000 e 5,500 rs., cambraia de
llores com 81|2 varas s 2,400 e 3500 ra. a pes-
as, lencos de cambraia de linho a 400, 480,
e 560 is. pro luios para inflo, riscudos (asen-
tados em algodSo muitoencorvado proprios
paraescravos a 160,180 e 200 ra. o covado,
zuarte azul com 4 palmos a 200 rs. o cova-
do, e multas mais Uzendas jor prego com-
modo ds loja cima referida.
l'otassa americana.
--No antigo deposito da cadeia velha, n.
12 existe urna pequea porcSo de potassa
americana, chegada recentemente que por
superior rivalisa com adaitussia: vende-
se por preco razoavel.
Deposito da fabrica Santos na Baha.
Vende-se,em casa de.N. U.Bieber&C.,
na ra da Cruz o. 4, algodSo transado da-
qnella rabrica, muito proprio para saccosde
assucar eroupadeescravos, porpre^ooom-
modo.
Deposito de cal e potassa.
No armazem da ra da Cadeia
doltecife n. 12, ha muito supe-
rior cal de Lisboa, em pedra, as-
.sinj como potassa chegada ltima-
mente, a precos muito rasoaveis.
Agencia de Edwin Maw.
Na ra de Apollo n. 6, armazn de Mc.Cal-
moutfc Companhla, acha-ae cormanlenienic
liona aortiiueotoa de taixa da farro coadoe
balido, tanto raaa como fundas, troenda In-
di aa lodas de ferro pava animaca, agoa, ele,
dllaa para armar em inadelra de iodos oa ta-
inaohoa e inadelloa o mais moderno, machina
burisoDtat para vapor, com forca de 4 caval-
lus, coucoi, paaaadeiraade ferro ea'tanhado
Sata casa de pulgar, por menoa preco que o
e cobre, eacovena para navios, ferro ioglei
tatito em barrascoino ein arcos folhas, e ludo
Iir barato preco.
Vendem-se relogios de ou-
ro eprata, patente ingiez : na ra
da Senzalla Nova n. \i.
AGENCIA
da fundicao Low-Moor.
HUA DA SENZALLA.NOVA N. 42.
Nsste estabeleeimento conti-
na a ha ver um completo sorti-
mento de moendas o meias moen-
das para engenho, machinas de
vapor, e taixas de ferro batido e
coado, de todos oa tamanhos, pa-
ra dito.
-Moinbos de vento
AlgodSo para roupa de escravos.
Vende-se algodSo mito encor|$4o, pro-
prio para roiipa de escravos, coja pequeo
toque d a'Sria a 146 rs. a jarda ; dito"
Uffipoa ISOrt. : na ra do crespo 11 5
fffffWffWff#VfV ft
r'arinha de mandioca
Vendn-se, por preso rasoavel, la- 2
a^ rinha de S. Matheua a msjs nova ^,
p. que existe nette marcado : na roa .#j
> da Cruz n. 34, detronte da I ingoeta. *********** ***********
Deposito de panno de algodo da
febrica Todos os Santos da Ba-
nhia.
Yende-se por preco commodo
o bem conhecido panno de algo-
dSo desta fabrica ; em pessa, a
vontade do comprador: no escrip-
torio de Novaes & Cqmpanhia, na
ra do Trapiche n. 34.
Arados de ferro.
NafundicSoda Aurora, em S. Amaro,
vondem-se aradosde ferrode diversos mo-
delos.
Surtes a ao'rs.
Na livraria ds prsca da Independencia n
6e8, vade-se papel em sortes impressos,
para homeoa esenioras, muito lindas e a-
propriadas, para os diss de S. Antonio e S
JoSo, a 20 rs. cada un papel.
Vende-se a typographia do
Diario Novo, propriedade da Viu-
va liorna a qual est montada ,
tanto de bous t y pos, como de pre-
los, e de todas os utencis necessa-
rios a urna boa typographia : tra-
a- se com a proprielaria na ra
da Praia n. 55.
Moendns superiores.
Na fundicSo de C. Starr& Companbla,
um S.-Amaro, acham-se a vonda moendas
de canna, todas de ferro, e um modelo e
conslrucc,3o muito superior
Veude-se urna bonita escra, moga, pa-
rida de poucos dias, sem cria, com bom
leilo e muito carinhos para criar, e sabe
beui engoinmar e cozinnar o diario : na ra
do Cotovelo 11. 75.
aumentes de hortalice
de todas as quali la les, muito novas, vin-
daa |d Lisb, e por meaos que em outra
qualquer parle: na ra da Cruz, al's do
Corpo Santo, l, 61.
Mercurio
flpTm.eirasorte: ei
oa ra
um andar e
4
Vende-se
casa ilo Auj
|Cw* do Ud^B n.
ILagVsntfcMBtrn sobr
solio, em ufe* das iiuilhores ras da llni-
Visla, eoaitfaflo, ha pouco tempo, com
toda a solidez e i'erfeicSo cpm cantaria de
Lisboa, grsntje quintal, murado e plantado
de arvoredos,~8iribaria ecacimba ; na ra
da matriz da Boa-Vista n. 26.
-- Vende-se um preto, proprio para lodo
o sorvico, por ser ton i 10 robusto, lamliem
sabe cozinhar, o qual se vendo per commo-
do prego : na ra do Qneimado, loja n. 32.
Finissimas nnvalhus.
Vendem-se pavalhas Anas para barba, as
melhorsa que tem vindo a este mercado,por
preco commodo; na loja de ferragens n. 56
A de Antonio Joaquim Vidal, na ra da Ca-
deia do llecife.
Vecdom-se lonas, brinzSo, brins, e
meias lonas da Russia ; do armazem de N.
O. Bieber & Compauhia, na ra da Cruz
n 4.
Interessante para os proprietarios
de navios.
SaTIOP^i
SAISi PABHILHA
kDEBRISTOL
KNCONTRO
MODINHA \ 1; \ I AN \ l)\

^: 4 -== ', -
(l. ..
* *
Certa uieiiiiiatllCummi,
Grscas taoscomoas que tinha,
Nunca mais encontrarel.
Ouando me vio.
Il.-u-me urna flor,
i: deoiro delta
Soprode amor.
Esta mn'linli.i tem 5 quadrss, \e para cada
urna seu estribilho differonte. A muzica he
do insigne artista perhambucano, o Sr. P.
N. Baptsta. Vende-se na imprrnsa de muzi-
ca da ra bella n. 28, para piano a 640 rs. e
para viulilo a 500 rs.: nesta imprensa su im-
prime com p"ifeicrto qualquer obra de es-
tampara, como M'jnm, letras, conhecimen-
tos, carines de visita, tarjas, registos, etc.
Vende-se urna cabra muito boa de lei
te, ooni dous filhos, orna cabrita ji taluda,
e um cabrito,, um caroeiro grande que pode
servir para um menino, e urna ovelha com
dous carneiriuboa mullo bonitos ; no prin-
cipio da estrada dos Aflliclos, primen o sitio
do lado direito.
Vendem-se asseguintes sementes :
nabos.rsbanos.rabaneles encarnados ebra li-
eos, sebola, couve trlnxuda alface ala-
moa, repulhuda, chicoria, senoulas, f carrapalo de tres qualidades, ervilha torta e
direiin, fava, coentro de touceira, slca, to-
mates grandes, repolho, couve lombarda,
siboia, e muslaroa : na ruada Cruz o. 46,
defronte do Sr. doutor Cosne.
Na loja de seis portas.
Troca-se por s, dulas alguns alcaides que
quer acabar chitas a seis vinlena, sele, e
meia paiaca.o covado; laoibem veude-se
a douslustOes, chitas propnas para o uzo
de casa, sendo bonitas e de tinta segura;
riscado francez a meia pataca, o covado;
lencos loamos com flores nos cutos a
doustustOes, proprios para m3o de senbo-
ra, e ineninns ; leinjns de seda pequeos pa-
ra meninos a sello; chapelinas de pslha
franceza para enlatar com fitas, a sinco pa-
tacas, e nutras muitas fazendas que quera
cabar.
^^to**"^^*to^rto ^^^^to^.^
Uji Vendem-se chapeos envernisadoi,na- M
j 13o de "uro e prta para OS mesmos, 9
t. por commodo preco ; na praca da In- (
t dependencia n. 17. aj
-- Vende-se urna casa terrea aira na Sen-
zalla do Desterro em Olinda, junto a osa do
Sr CalSo, a qul tem duts salas, 4 quartos,
cosinha f'S, quintal oiurado, e um terreno
contiguo ao tnesmo quintal ; os pretenJen-
les podem dirigir-se a loja n. 6 da ruada
Cadeia do Ri-cife, onde se trata drsta venda.
Vende-se um mloque creoulo de 16
auuos de idade com excollanle figura, sem
vicios nem achaques, sabe tratar de caval-
los, e tem principios do bolieiro ; s- tratar
na ria Nova, toja nova do Sr. Andrade, na
quina que vira para a ra da Camb* do
Vende-se um negro moco, ro-
busto, de bonita figura e perito ina-
rinheiro : na ra do Trapiche No-
vo 11. 16, segundo andar.
Seguranca para portas.
Vendem-se ferhaduras com muita segu-
ranza e com modas proprias.para portas.car-
leiras, gavetas e armariqs, tudo o melhor
que tem vindo a este mercado, por precos
commodos; na loja de ferragens n. 56 A de
Antonio Joaquim Vidal, na ra da Cadeia do
Recife.
mmmmmmmmmm i-*****;.,*
A Bom e barato. 9
Palitos feitos, verdes e pretos.
S Na ra Nova, n. 26, tem para ven- 9
der palitos de panno a 20,000 rs., co-
leles de selim 1 reto de Mario 5,000
rs., fazenda muito fina, ditos de fus-
I tilo a 2,560 rs. cada um. a
WWlrW|ra ^ftSWttHWS
Vendcm-se linhes dernriz do Porto, e
mercurio do Lisboa, ludo le superior qus-
lidade, por preco commodo : na ra do a -
pollo, armazem n. 18, de Tinoso & Com-
panhia.
Fazendas e miudezas baratissimas
Na loja da ra larga do Kozario n. 44, ven-
dem-se luvas de pelica, para homem e se-
nhora a 500 rs. o par; ditos do cores a 1.000
rs.; capachos compridos e redondos a 480
rs.; pulccira8 de goslo muito modernos, e
outras fazendas por orminulo preto.
A Henean.
Na n iva fabrica de chapeos deso,
no aterro da Boa V\'sta n. aa,
neste estsbelecimento reriebeu-se um novo
e lindo soriimeiito de dameos de sol do ul
timo gosto, tanto de seda, como de panni-
nbo para homem ; ricos rlwpeos de seda ,
para senhora, do ultimo .gosto, o vende-se
por menos preto doquaem outra qualquer
parto; assnn c mo um grande sortimento
le sedas e panninhos du todas as cirese
qualidados, para qoejn quizer mimi.r n-
b ir armatesservidas; lambeui vendem-se
baldas para vestidos de senhora, e conecr-
lam-se chapeos veibos esteja em que estado
estiver.
Na ra do Collegio, loja n. 3 existe
orna por(3o de livros, em poituguez e fran-
cez, os quaes sevendem por pieco exlraor-
in liaineiiie barato, a quem as quizer com-
drar por junto.
Chapeos do Chyle a 5.5oo e
6,5oors.,
na loja de 6 portas em frente do Livramen-
10, vendcm-se chapeos do Chyle, muito li-
nos, chegados do Rio de Janeiro, pelo ulti-
mo vapor.
No escrii lorio de Francisco Severiano
Rabello eV Filho, no largo da Aesembla ,
vendem-se telhas de vidro, e vi Jros para vi-
dracas do Jifferentes tamanhos.
Bom e biralo.
Itua do Passeio Publico, loja n. 9, de Albi-
no Jos Leite,
vegdem-se ricos chales de 19a a 1,000 rs. ;
ditos de larlatma a 1,000 rs.; ditos branco*
de cssa a 800 rs.; lentos de grvala ds cas-
as, padrss bonitos a 120 rs. ; m -ias rruas
para homem superior qmlnl.nlo a 2,200 rs.
duzia, par 200 rs.; los de Unho brai eos
5,000 rs.; cortes de cassa chita a 2.000 rs.
e outras muilss fazendas em conta.
Vende-se no caes do Ramos, ao pedo
armazem de sola, muito bom milho o ar-
roz, tanto de casca, como pilado, boas es-
leirs de pilpir doSul, urna porgSo de cal
branca e preta, superior lenha de mangue,
propria para consumo de cozinba, por est-r
muito secca, tanto aretalho, como aos ce-
ios, lijlos de ladrilho, telhas e outroa pre-
paros para pedreiro .- no mesmo lugar tem
um divertimento para quem gostar dojogo
da bola, isto principalmente nos domingos
e diss santos.
Vende-se urna morada de casa terrea
em chSos proprios, a qual tem duas salas,
dous quaitos, e quintal murado com cacim-
ba s, sita na ra direita dos Afogados. A
dita casa tem armates para venda que tam-
bem se vende s, ou com a mesma casa; tu-
do istn por preco muito commodo : oa rus
Direita n. 63.
- Na ra do AragSo n. 19, vendem-se 2
qasrlaos muito boos, para todo servic.0.
-- Vende-se um mulatu muito bonito, de
18 minos de idade, i un moleque muilo
lindo de II annos de idade : na ra dnPei-
xoto n. 19, se dir quem vendo.
. Vende-se um rico piano de jacarandi,
de mesa, novo e de excollenle vozes, urna
duzs de cadetras de mogno de bom gosto,
urna mesa de eugommar com gaveta, urna
cama nova de amarello com traveceiro, e
competentes colxes, anda nBo servidos;
dous pares de mansas de vidro bordadas e
lisas, dous pares Be jarros de bom goslo,
um csndieiro ingiez de mejo de sala, muito
rico, sem ser servido, um tocador de Jaca-
randa, tudo por preto commodo; na ra
das Flores, casa n.21.
Na ra das Cruzes n. 22, segundo an-
idar, veude-se nma escrava creoula, de 22
A salsa psrnlha deBristol data desde. 18JS, e tem constantemenle manlido sua repls-
elo, sem necessidade de recorrer pomposos snnuncios do que as preparares de m-
rito podem despeusar-Be. O sucesso do Dr. Hristol tem provocado infinitas invejas, e
entre outras,as dos Srs. A. It.ll.Sands, de New-York, preparadores e proprietarios da
salsa parrilba contiende pelonomede Sands.
Estessenboressoficitiraoem 1842 a agencia de Salsa psrrilha deBristol. e como nio
o pudessem obter, fabrioarSo urna imitacSo de Bristol.
Eis-aqui a carta queos Srs. A. R. D. Sands escreveram ao Dr. Bristol, no dia 20 de abril
de 1842, e que seacha em nosso poder 1
Sr. Dr. C. C. Bristol.
Bfalo, etc.
Nosso apreciavel stnhor.
Em todo o son passado temos vend lo quantidades coisidersveis do extracto de
sslsaparrilhadevm. e pelo que ouvtmoadizer de suas virtudes aquellas que stem usa-
do, julgamos que a venda da dita medicinase augmentara muitissimo. Se Vm. quizer
um convenio comnosco cromos que nos resultara multa vantugem, tantos nos
1 a Vm. Temos muito prazer que Vm. nos resuonda sobre este assumpto, e se Vm.
vier a esta cidade daqui a um mez, ou cousssemelhaiile, loriamos muilo prazer em O
ver em nosss botica, ruado Fulton n. 79.
FicSo ssordensde Vm. seus seguros servidores.
ella
droguis-
(Assignsdos) A. R. D. Sands.
CONCLUSAS-
l.'Asntiguidsde dasslss psrrilhade Bristol, he claramente provada, pos que
dala desde 1832, e que a de Sands so appaieceu em 1842, poca na qUal este drog
la nao pode obter a agencia do Dr. Bristol.
. A superioridade da salsa parrilhs de Bristol he inconlostavel, poisque mo obs-
tante a concurrencia da deSands, e de urna porcSo de outras preparaces, ella tem man-
lido a sua reputtcao em quasi toda a America.
As numerosas experiencias feilas com o uso da salsa parilha em toda* as informida-
des originadas pela impurezs do sangue.e o bom xito oblidoaesta corle pelo Ulna. Sr.
Dr. Sigsud, presidente da academia imperial de medicina, pelo lllustrado Sr. Dr. Ao-
lonio JosePeixotoomua clnica, e em sua afamada casa dessude na Gamboa,pelolllm
Sr. Dr. Saturnino de Oliveir, medico do exercito. e por varioa outros mdicos, per-
millem hoje de proclamar altamente as virtudes efficazes da sslsa psrrilha deBristol
Vende-se a 5/000 o vidro ; na botica de Sr. Jos Mara (oncalves Ramos, rus dos
(Jimneis pegsdo ao yuariel de Polica.
\ende-se a verdadeira graxa smericn
de James Masn em latas. Esta ra, n
a mais prompta eeconmica para limp.rn
calcado, torna-lo macto, de manelra t j
enenmmodar os calos ; assim como em
tempos chuvosos, impede a homidade ten
do a virtude de lustrar o calcado molado
qualidade esla que nao seencontraemou
ira qualquer graxa. He nica usad. ,
EsUdos Unidos, Mxico e ouljos estados di,
NotlAmenes, tendo ultimameutu tj0 1,1
aceitacao na Europa qu seu autor r,j
dovida ser logo quasi a nica usada : Ten.
de-se no armazem da Vicente Ferreira d.
Cosa, ns ros da Madre Dos, e de J. J.Tai-
so Jnior, na ra do Amorim.
Vinho de Champagne,
o superior qualidade: veode-se no erro,
zem KalkmamiIrmsosRus da Cruz, n. lo
. Vende-se a verdadvira eo
mineral
ser e
C"'nVeudem.se seis escravos. sendo um ca-' ZT' Zl di.To" Z^n' X" *
1 a. ti ... II- 1 lava ; ulna una ue ju ai us, Que oneom-
sal, um bonito esersvo com oIDc. de carp- ollnhi ,,y, uma ^ J nej P.
..du. cscavas de bonitas figuras Cum dp,'que C0linh.. lava e he quitan.te.ra.
habilidades, urna dita de semeode campo ; .'.s Van,,e.ae 0 Bngenno ^,noi R,csid
ua ru. Direita n, 3 jb d Una, com 1 legoa do fundo ,'
- Veodem-sedua, ^etas ssdi.s, um.'eo)eil de freDte, dliUBU embarques
engomma e cosioha.e outra cosinha, am- moenle cotttol,t C0unui 0\0
bas faz. m todo o servifo de cass, o s3o ven-
obras, mon com agua e he de urna poduc-
dedeirssderua; na rus larga do lunario cao e,traordinarU : a pessoa que oprete.i-
n. JSjioja. |dori djrjja.se aoengvnho Bo. Sica, ou ao
Lialxas para rape. :ongenho Souza da mesma ribeira de Una
Vendem-se ss bem enaltecidas caias de -- Vende-so uma casa terrea, ha travesss
chifre do Aracaiy, imitando as de larts'ru- de Joto Francisco, nubairro da Boa Vista
ga, a por muilo commodo preto: na rus n. 20 : naTua Nova, lujan I.
larga do Kozario n. 20. Vende-se na rus do Livrsmenlo, loja n.
Veode-se na luja de calcado e Blinde- 11, espatos d doyque preto, francez, para
zas do aterro ds Bos-Vista n. 78, mullo s- senhora a 900 rs o par; esleirs muito gran
Eerior linha de carmel do 100 jardas, tanto des, uma mesa e uma Caixa de pint.o.
rauca como de cores, pelo diminuto croco Bolo de S. J0S0.
de 240 rs. 1 duzia, e Je 200 jardas s 640 rs.,' Ricas formas de dillerentes gostos, e pe-
bezerro fredeez a 3,000 rs. a pele, couro de neirasde metal branco proprias para pene-
lualru a 2.840 rs., sapatos de couro de lus
rsr.masssa, e o mais preciso para o mesmo
com bombas de repuxo para regrar borlas) tro para senhora a 1,000, e 1,600 rs. o par, flm : ludo por precoscopimodos : ns loja de
e baixas decaplm nafundicBodeBovrmaux) ivelas para spalos a 120 rs. a duzia,alQue- ferragaas de Anlouio Jeaquim Vidal, ruada
& M. Calben:na ra do Bfum ns. 6,8 e 10.'tea de ferro para armador a 1,600 rs. a libra. Cadeia do Recite n. 56.-A-,
itua do Collegio n. 4-
J. Falque, dono da fab ic. cima mencio-
nads, participa so respeitavel publico de
Pernambuco, e principalmente a seus fre-
guezes, que elle recebeu pelos ltimos na-
vios, vindos da Franca, um grande e rico
soi limento dos melhorcs chapeos de sol d
seda, que tem vnlo a esta prsea, p.oprios
paraaestaeflo do invern, e para senhores
do engenho, por serem muito fortes ; sor-
timento de crspeos de soldeseds de dille-
rentes quslidsdes de 5,000 rs. para cima,
lindo sorlimenlo de chapeos de sol de seda
para senho.as, de todos os feilos e tama-
nhos, que vende muito emconla ; ditos de
panno para meninos de 1,500 a 3,000 rs.; di-
tos para homem de ferro e de balea de
2,000 rs para cima ; ditos de junco de 1,500
rs. para cima; grande e escolbido sorlimen-
lo de chamelotes, sedas epsnnos em peca,
para cobrir armafes servidas, balei.s de
todas as larguras e tamanbos, para venidos
e espartilhus para senhora ; fazem-se um-
bellas para Igreja; concerta-se toda e qual-
quer qualidade de chapeos de sol, tudo por
muilo menos preco do que em outra qual-
quer parte. Veode-se em purcBo e a reta-
blo. No mesmo estabeleeimento acha-se
um bonito sortimento de bengalas.
Vendem-se diccionario de Moraes 4. e-
digSo; diio francez e portuguez uor Foose-
cs, historia do Brasil por Ali.cn Lima; dita
por Salvador, his'ory of Crecce, dita ssgra-
da por Beroardino F. de F ; vida de Jess
CUristo ; historia antiga ; dita universal por
Bossuel; mximas e pensiuiento* do mar-
quez de Marica, ditas pelo conselneiro Bas-
tos, em iirdcm alfabtica, Lusiadas de Ca-
mes, jurisprudencia do contracto mercan-
til por Ferreira Borges quem quizer snuun-
cie.
~ Vendem-se amarras do ferro: na "'la da
Senzalla Nova n. 42
Vende-se uma pedra para filtrar aeoa:
na ra da Aurora, loja de fuuileiro n. 62.
-- Vende se marmelada nova, vinda l-
timamente de Lisboa na ra da Cruz n.
46, defronte do Sr. Dr. Cosme.
A 2,56a rs.,
cortes de meia casimira, de superior quali-
dade e gostos bellissimos, pelo mdico pre-
go de2,560 rs. o corte : na rus do uros-
fV?ffffftffffffVf*
Deposito de tecidos da fabri- *
ca de Todos os Santos, #
na Bahia. J
Veode-se em casa de Domingos Al- 4
ves Mattieus, na ra da Cruz do Re- *
cifen.52, primeiro andar, algodSo *
* transadodaquellafabrica, muitopro- *
prio para saceos e roupa de escra- 2
- vos, assim como lio proprio psra re- 2
des de pescar e pavios para relias, 41
por preco muito commodo. ^
kM& kkik
Vende-se
um bom quartio, bom carregador, serv
para ambas asselas, por ureco commolo
ua ra da Coiicei(3o o. 60.
Aos fabricantes de velas.
Vende-se superior cr de carnauba, e se-
bo reiinsdo, em porefies e a relslho, por
comn.o o preso : no armazem de D. R. An-
drade & C, ra da Cruz confronte ao cha-
fan z n. 19.
Vendom-se dqus violes, um rico, ou-
tro de menor preco, com suas compertnles
caixas, uma collectao de estampas lytno-
grafaJas,e urna caixa para rau, de taitaru-
ga, feita em Lisboa ; 110 segundo sobrado ds
casa n 89, na ra Direita, de manhaa, flesde
as 9 horas al ao meio dia.
-- Vende-se ou permuta-se por actes da
Farello.
No armazem do Dias Ftrreira ,
na escadinha da *lfandega, jren-
de-se ferello, chegdo ultimamcn-
le pelo preco de 5,000 rs. cada
sacca.
--Vende-es uma srmscSo nov para ven-
da : nada ra Pr.ia n 22
Vende-se um cssal do oscravos seido o
escravo bom serrador, e a escrava de bonita
figura e moca, 2 ditas que lavam e vondem
na ra, I dita de meia idade, que cosinha
pBrfeitamenteelava.um preto do meia ida-
de bom parn sitio, 1 mulequn de 14 annos
na rus da Cacimba n II, onde morou o fi-
nado vigario do Recife.
--Ven le-so um carreo novo de trabaltiar
na alfandega com 1 retos, bem construido e
com boss ferragens: na ra do Vicario n.
20, segundo andar.
-Oleo especifico para curar a
caspa, con'ina a vender-se, na
ruado Hangtl n. G4.
' Salitre refinado vende-se
na botica da ra do Hangel n. 64 ,
por menos pre^o do que em oulra
qualquer parte.
Verniz de gomma copal ,
con11 mi 1 a vender-se a 1,600 rs. ,
a garrafa : na botica da ra do
goa
, chamada Selters Was-
uma pequea porcao de
charutos da Bahia : em casa de
Le Scholer & Gompanhia, ni ra
da Cruz n. 4<>
AVISO AO PUBLICO.
Na botica da rus do Collegio n. 18. conti-
nuam-se a vender as verdadeiras e betn
conceituadas pilulas para bobas, cravos se-
cos, e dores venreas, por mais antigss que
sejsm;cujus bons efteitos confesssm tod..,
que deltas tem feito uso. ComposicSo do
pharmaceutico Sebastiao Jos de Oliveira
Macado; e para, cbnhecimenlo do mesmo
publico e principalmente de algumas pes-
suasque n]o estejam ao alcance, o conl.e-
cimento das verdadeiras pilulas, se faz pu-
blico por osle aviso.
(jasa de commissSo de escravos.
Vndem-se escravos e recebem-
se de commisso, tanto paro a pro-
vincia como para fra della, para
o que se offefece omitas garantas
aseusdons : narua da Cacimba
n._ti, primeiro andar.
Escravos fugidosT"
A dous mezes que anda fgida a preta
Antonia, quo representa ter 30 a 35 anuos
de natfio angola, altura regular, bstanle
cheia do corpo, beitos g'ossos, nao he. msl
caiecida ; tem uma sicatriz de relrron'um
das pis; levou diversa roupa, lem por cos-
luiiio embriegar-se, e lem sida vista pelos
arrebaldes desta praca, com sais do ganga
azul, e panno da costa ; desconGa-se estar
acoutada; dizenio que he forra, e a outros
que anda pagando semana, qual |uer pessoa
oue a tenlia na boa f, queira denunciar, e
do contrarise usara dos tumos que faculta
a le. Roga-se as aulondadospoliciaes que
a prendam ou facam prender ou qualquer
empatilla, e leven a seu senhor Antonio
Mais Cortez os rus dasLarangeirss, que se-
' rs recompensado.
T. nanoucaaa ra do n.^^tK'XS^
Kangel, que loi do finado Sebas- .m 'boleiroem que venda laranja, man-
ttao Jos de Oliveira Macedo.
- itemedio especial para bou-
bas e cravos seceos continua
vender-se na botica da rui
a
do
dtoca e macaxeira, e vestido caifa de algo-
dSo de listras azues, e camisa de algodflo
branco de mangas curtas, e anda cum um
gancho- no pesclo da primeira fgida :
quem o pegar e levar a seu senhor, no seu
sitio no principio da estrada dos Afflictos
ngel, que foi do finado Sebas-1 au,'|uer Dur?- ou na ra-lo Trapiche No-
li5n ln*p rt fili,r., Al j |Von. 18, segundo andar, das 9 da manhaa
nao Jos de Uhveira Naced... al as 3 da tarde, ser* recomp.nsado com
irados da fabricados Srs. Ranos- eeuerosidade.
m- M,v I, V No d., ,0,de "'O. desappareceu a pre-
me xa ts Joaquina, de nacSo Cassange, reoresonta
.ilTfl7i,nU.Sr7.P|UnU/e,,Imp,rc'nn,Qe lCf 35.40 annos? b.ixa. chei'a do co? lo
,ida r!h e. ?'l0,Sffeit08 "a "iered|. sendo regular, cor ful,, olhos pequeos, i
tada fabrica na Inglaterra ; sendo muito so-' com csrnesobre elles, tem uma costura na
..,.mm,Hanl|..,.uv.l .o algumas cicatrizesde relho
mnlt. ,lfrTra ?a ">" que sao de as costas ; lem ss oadsgas empinadas para
sobre McnSiJ r" Tx"""- ?icos de f'?; h858n""'e.represent.sercreou-
soore-excellenle:na rus do Trapiche n. 14. la, levou diversa rou^ que sanio sabe do
(escn 1U8 BSr : ltimamente estove occupadi
noservico de cosinha, costumava andar suja
Veude-se gesso em barricas, chegado ul- e en,bnsgar-se : qusndo foge tem por cos-
limamenta : em casa de J.Kelleri Comps-1 .lumeindrPelosar'bsldesdetsprac,qui-
nbia, na ruada Cruz n. 55. laudando o lavando roupa, intiluliido-se
Bejouterias. Ide '?" "ouDa-ss que esteja servio.lo
Kalkmann Irmo. ra da Cruz n. 10 rece-; sTilan".'".?^?!forM L" V"0"-que
bersm pelo uliimo vapor imlez am a "o servindo aetla na boa f, queiram
so.t.mento de obras de oUrngn m.?I ZV,0 denunciar, do contrario se. osar dos meios
lZZ\e ^>^,^7^XZSam re,-
frnon. r 0ei de ml8j|ia de que acauou a ouo.
rTensas para fannha. carniza de cuita encarnada, com um cavaii
Na lundico da Aurora emSan-! n,cl,doi>'in fendano pello :quom o pe-
to Amaro, enodepozito da mesma BUi..r "M r" de *'"" cm e
na entrada d*-rua do Itrum a-' ~ Desappareceo no d'a 8 do carrete um
cham-se venda machinas nar fn9t denon,eE''. Jo idade d*ioannoi
. *~""a "".ninas para pouco mus ou menos, altura regular cor-
imprensar larinha de mandioca, e P S8rco' em uma pequea co-c.na, ros-
outraa para espresso do olio di ,La"c,l.uc,d(!' lem 0jU'dul mnimos dos
namn.. A Z P4 a""lu m,li pequeos fra do commun
mamona, de uma invengo intei- emonico ce senador e de pMeadw c'
ramente nova. Os annunciantes ma*fm/re ,"dar limpo *com a "'oups
nao hesitan, em publicar, que es- ^^r^r^St^T^
tas mnchinas de sua invencJo sao p,g0 doscu trab.iho. '
superiores a ludo, quanto at aqni ^^^<2%& '?'
tem apparecido neste genero, re- ,,J'd 2 ">vs, pouco mais ou menos ves-
unindo agrande fdre* de nressao V?uHc,mM e Ctf'01" d8 '^o, ie-
a malo, .;.!= :jJ.9J.e.Pr.40 T.*1'^!tn_"" ="nP".ia mu>herde n'ome
K^s:SaSS SiH%S3
Vendem-so NsfundiCao da Aurora em 6
10, excel
prttos e de cores, por menos preco" do"que h. .
em outra qualquer parte, ditos ds bnm de tachas
linho a 4,000 rs. trangei
Vendem-se ires ou qualro escravos,' quenas
mesmo em uma
uel dos
. qoaie du
que nelle seguirn
proprios para todo servico decampo o oui gareseiislem Euindaaia
n. 8, terceiro sndar.
Venderse um scravo da costa, que re-
preseula ctncoouta o Untoaannos, robusto,
com uma canoa de Carruira, que cooduz pa-
ra mais de duse pesaoas, e serve tambero pa-
ra condutiio de trastes e gneros, s qual se
acba calafetada, e pintada de novo : quem
prelendor, dinja-se a ras de llort.s n. 140.
Charutos da ahia.
Vendem.se charutos da Bahia,
de differentes qualidades : no ar-
maaem da Kalkmann IrmSos, na
ra da Cruz n. lo.
MUTILADO
k ... 4 o----> wmwv ouuai tomn, r
ata'. cJonduzif eu senhor Concallo
ch i r M,rlDn". engenho Ria-
cnao, em t.amaraglbe, na provincia das Ala-
(in.J,?. I*'" fd,de, Nanoel 'nc'o ""
IT"!*"0 "oSr- "que
fo Vtq r "**' fefofem entregues se-
>ao bem recompensados.
aa- ; T,h. D2 M. r. rt^ZrS.
^J-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZLZIGZND_NTAUS8 INGEST_TIME 2013-03-29T16:47:42Z PACKAGE AA00011611_03686
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES