Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03659


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO DE i838. QUARTA FEIRA
CAMBIOS.
Dezembro i.
Ldndrvs 29 l)$. St. por ijfooo ced.
Lisboa 90 a q5 por 100 premio, por metal. Nora.
Franca 335 a 340 Rs. por franco.
Rio re Janeiro ao par.
Moedas defino i5#ooo as velhas novas i<$5oo.
,, 4foo;> 8^000 a Bfton
Pss Columnai io< ijjf5to a i(ffi3o
Dittos Meticauos i(i >o a 1 jv(iai>
Patacdes Brasileiros irrito a 1063 o
Premios das Lelras por raes 1 i{ por 100.
Cobre a p. c. disconto.
partidas dscorreios terrestes.
Cidade da Paraiba e villas rlr su* pretenco ....
r'^!O?iU/;^aO,ed;l1N0M,n. ''""* Id,,B I Segunda, e Sextas feir.s.
C dada da Fortaleza e villas dem ....... | 6
Villa de tioianna ........<
Cidade de Ulinda............. Todos os dias.
Villa de Santo Antao........... Quintas feins.
Una deGaranliuns e Povoacid do Bo'iilo. ..... Dias 10, e 24 de cada me*.
Dittas do Cabo Serinliacm, Kio Formoso, e Porto Calvo dem 1 11, e 11 ditto dido
Cidade das *lagoas e Villa de Macelo...... dem dem.
Villa de Pajau'de Plores.......... dem i3, ditlo dille
Todos os correios parlem ao mcio dia.
._ 1
5 DE DEZEMIUIO. NUMERO af.'
Tndo asora depende de n&s ir.psmos ; da nessa prudencia
modeisco e energa continuemos como principiamos,
.e seremos aponiados com admiraco entre as Naces mai* cul-
ta.
Proclamacao da Assemblea Geral do Brasil.
- Subsciev^-se para, esta follia a mil res mensaes pagos adi-
anlndos nesia Tvpogiali, ru das Oores D. 3, e na Praca
da Independencia D. 37 e 38-, onde se recebein correspon-
dencias legalisadas e Hr.nuncios*' insii iwito se estts gratis
sendo dos proprios assignantes, e viodos assignados.
DIAS DA SEMANA.
. ... '-
. 3 Segunda S. Frunc* Co Xavier. And. do Juiz do crime de larde e sesso da Tbes. Pr
4 Terca S. Barbara V. IM. lielacfo de manli aud. Oiiiia S CJeraWo Are. Sesso da Thesouraria Provincial.
6 Quinta S Nicolao B llelaco de maiili. 1 'audiencia do J. dos orlaos de larde.
7 Secta S. Ambuisio Are Sesso da Thex Publica, em.d do JuildaCivelde tarde. >
k Sabbado >,"< Conceico de N. S I aiioeira do impeli. Quarlos cresoentes as 8 horas t iS
trun, da maulla. ...
9 Domingo a. do Advento S. Leocadia.
Mar ebeia pam o da 5 de De/, mbro.
As 7 horas 4a miuutos da mauliS -- As 6 hora o minutos da Urde.

PARTE OFFICIAL.
RIO DE JANEIRO.
Falla com que o R -geni, em no'ma do
Imperador o ScnliorD. Pedro Segundo
encermu a Sesso 'da Assembl-a Geral
Legislativa, 110 dii ao de Oatubro de
18J8.
Augustos e dignissimos Sjnhores Repre-
sentantes da Nac.
Congratulando-me com vosco pela pros-
pera saude de S. 1YI. o Imperador, e de
su as Augustas I ms,
Contiuuando inalteradas nossas rellac5s
com ai pot-ncias Esi.-angeiras. A p-iz est
restabelecida na Provincia do Para ; e igual
beneficio espero que mediante os auxilios*
da Divina Providencia, gozai brevemen
te o Rio-Grande do Sul.
En Nome do Imperador venho com a
mais viva satisfaco testemnhar vos a Im-
perial gralidb pelos inces-antes exfoieos
edesveladasolicilu.de com que vos empe-
nhales em su (locar a anarqua, consolidar
nossas insliluicSes e promover a feleci-
dade do nosso paiz.
Depois de lo longos e pnosos traba-
llios, he indispensavel tepotuar 5 mas con
tinuand- no remando do lar domestico a
ser a Patria o conslaute objecto dos vossos
pensamentos, ao tornardu* ao exarcito de
vossas augustas fu ncedes proseguiris em
bur servil-a e !>em acrecer d'ell.. N es-
te vosso patritico e glorioso erapeirho o
Governo se esmerara' em corresponder a
leal e franca cooperacio qila'Ihe haveis
prestado, e que tanto assegura a esta bri-
dada de nossis inslituieoes e proraelle
hura esperanc-iso fui uro.
Est encerrada a sesso.
Pedro de AranjoLima.
CMARA DOS SENADORES.
Sesso em 22 de Setembro de i838.
Pressidencia do Snr. Mrquez de Bae-
pendy.
Fcita a chamada eachando-se presente
numero legal dosSnrs. Senadores, o Sr.
Presidente abre a sesso, e lida a acta da
anterior heapprovada.
O Snr. primeiro secretario da' conta do
expediente.
Ordem do dia.
Introduzido o ministro de negocios es-
trangeiros com as formalidades do etilo lo-
ma assento e entra eui segunda discuss.
o artigo 4. e seus pa^grapbos da proposia
do governo aobie o ornamento da recrita
e despesa geral do Imperio para o anno
financeiro de 183981840 conuor-tameule
com a emenda respectiva, approvada pela
r/imara dos Srs, deputados, ao ^ 3. do
dilo artigo,
Discutida mileria retirou se o minic-
tro com as formalidades com q-ie f^ra in-
troduzido, s1 ndo posto a Vlacio o ai ti
go 4- eseu- com'a^emenda da cutra c-
mara, heepprovadd.
Sao approvadas em terceira dis.-u sao ,
para serem remettidas a cmara d"S Snrs
deputados, duas resulu;6.-s approvando as
tencas do coronel Lpu da Cuuha de Eca
Coila e do tenente coronel Joo Rehel-
lo de Vasconcellos e Sjuza Coelho Hen
qu.
He approvada em primeira e segunda
discostio, para passar a teiceira a resolu-
co q'approva a aposentadoria concedida a
Antonio de Castro Vianna.
Entra em primeira discusso a reso-
lucio da outra cmara de i836. queau-
toris'a o governo a conceder a empanhia.
que organisar Joo Gomes Netto privile-
gio exclusivo da navegaco por barcos de
vapor em varios ros da provincia da Bi-
hia, conjunctamente com o pirecer da com-
miss) de fasenda e commercio, que pro-
p5* regeic > do projecto.
Vem a mesa este requerimento.
Prponho que fique addiado o presen
te parecer at a sesso seguiute. Valas-
ques.
Introduzido o ministro com as formali-
dades do estilo toma ssento, e hejulga-
do discutido o artigo 5- e 1. da proposta
do governo sob'e o oicimunto'ipara o futu-
ro Hnno funnceiro.
O Snr. Hollanda C u .|.-mti prop5a que
a votaco tpnhi lugar log^i depon de in-
cerrada a discusso de cada hum (loa oni-
gos e pasta a votaco esti proposta, fica
tu patada.
O Sur. Presidente dtcKri que h-.je se
voturia logo no m da dirctiatlo de cada
artigo, e retirndose o ministro p-rase
votar be appprovado o artigo 5 e para-
grapbo 1. da proposta bemeomoospa-
tagraphos desde o a. al o 7 dj dito ar-
tigo, sahindo o ministro todas as v^sl-s qus
se vota va.
Segue-se a discusSo do 8. do mesmo
artigo 5, e fica a mesoia aduiada pela hora,
retirando-se o mini tro com as formalida-
des do costume.
O Snr. presidente da para ordem do dia
as mesmas materias dadas.
Levautou-se a sesso as duas boras da
tatde.
ciaes de primeira linh'i qu, durante asm
vida entrarem com hum da de sold, to-
das os meses para o monte po militar, os
meios sidos dts pateiites com qusVstes fal
lese<-tem.
Entra em discus cao, principiando p lo artiga 1.
A assemblea g-^ial legislativa resolve :
Aitigo 1. Fico prorogadas por niais
'ii n'i 1 neste sentido porisso que podia
a cmara reigeitar aquella emenda fun-
dada em que a materia do aitigo 1. podia
se tratar <'in huma rcsoluco e nao pensa
da mesm 1 forma a respeito da do segundo.
C"IDU Ihe partee nao ha ver regra'estabe-
cida para distinguir o qne deve fazer obje-
cto de resolueso ou de decreto, guia se,
tiesta, questio, pela iir.p-utai'.cia da mate*
lium anno os decretos d' g de outuhro de ; ria, e, por isso prope de novo aques-
18 3 7 n "3, de 11 de outuhro do mes I 'lo de orden, para q' a dotitrjna do artigo
mo atino, n. 1 g, com a declaraco de qu-. a. seja separada da resoluco, para faser o-
a suspen.-ao de garantas so podera' ter lu hjecto de decreto especial. ,,.
gar na Provincia do Rio (runde de S. Pe- Esta questo de ordem heapoiada, ede-
drodoSul pois de discutida he tegeitada.
Artigo a. No caso de rebllio, podera' Continua, por cons*. quencia a discusso
o governo ordenar que se observem no ex-
ererto as leis militares em tempo de guer-
ra, a
Artigo 3. Fico revogadas as outras
leis em contrario.
Paco da cmara dos deputados l5 de
setembro de i838. Bernudo Pereira
de Vasconcellos, Sebastin do Reg.
O Sor. Resende ola que, pelo artigo
a., o que se quer he estabelecer huma no
-e legisheo : oque, alias, nao era ne-
cessario 5 quer-se faser desaparecer a dille-
renca que ha entre guerra estrant>era, e
rtb-iliao e $.edico, o. que nao coiislitue
estado de guerra: querrS^ a deelaraca'o da
le marcial e como entende. que isso se
nao deve fajer por meio n huma resolu-
doaitigo a,
Tomo paite na discusso os Snrs. Coe-
lho t Ministro da guerra, Carvaiho de
Mendonca, e Francisco do.Reg. .
Heapoiada o seguinte artigo additivo :
No caso de rebelin a fon?* militar
da provincia, ou provincias rebellsdaaser
regids pelas leis militares em tempo ds
guerra. -- (arvalbo de Mendonca.
He tambem apoiada a seguinte emenda:
Ao artigo a. Se o artigo passar seja
neste sentido, dando-se-lhe a conveniente
redaeco : ,
No caso de rebellio nos delictos 'mili*
tares cimm^ttidos no lugar d-lla se apli-
cara' aos individu is dapiimeira liaba do
exercilo a respectiva L-gislicio criminal,
CMARA DOS DEPUTADOS.
Ses-a em 2a de Setembro.
Presidencia do Snr. Araojo Vianna.
Logo que se rene numero legal de de-
putados, lieaberla a sessa, lida e appro-1
vada a acta da amerior.
O Shor primeiro secretario da' conta
do expediente.
Ordem do dia.
O Snr. Clemente Pereira fundamenta e
remelle a mesa lium projecto garautindo as
viuvis fillias e irmgs solteiras dos olfi-
cao, manda huma emenda, pira que em como seo debelo lora pralicado em lem-
lu;ar do resolve diga-se -- decreta. po de guerra. A odiada Machado Coe-
Esta em-nda (I ? onlcin. d p.'i-de apoia lito. ,
da, he rigeit.rla : continua por tinto a Tomo ma's parta na discuti os Snrs.
discussod.j artigo ptnn aro. Fianri-cu do Tugo, Carvaiho de Mendon-
Heapoiada a seguate emenda do Snr. ca, Coelho, Cemeiro Lelo t Andtada
Coelh '. Machada, e Seh isli.io do Reg.
r Depois da palavra de* l'iraco --em Fica a materiaaddisda pela hora,
lugar do resto do artiga, diga-te; Continuar-se ha.
i- Que a suspensa o de garan'ias M) po
dora' le lug.r na ptovincia do Rio Gran
de do Sul.
a. Que o presidente da provincia ,nfo
podera' del-'gar em outra pessoa a facul-
dade que Iba he conferid 1 por isla le, em
cuja execussio aere' auxiliado pelas auto-
ridades, criminare competentes.
3. Que o auno da porogaco seconla
ra' da iiita desta lei em diarite.
4 Que em quanlo durar a suspenso
de giidittias o governo, todos os anuos,
e Ou principia da sesso legislativa dai
PERNAMBCO.
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 3 de Dezembro do
1838.
Ojficio Ao Commsndante das Vmas,
coiiiiiiii'.icando Ihe que havendo a Presi-
dencia observado o aceio discepina v"'m
gaib.i com que se presentarlo os Corpos
crita a assemblea geral, nn forma do ar- j de Artiihena Eugaj idos na Gande Pa-
tigo '79^ 35 di consliluico. rada do Dia a do emente mez, nao podo
Tomao pule na disrusso desta materia j d"i\ar de o luuvar e aos Commandante*
os Sais. C<>elho, Vasconcellos, Resende, i Officiaes e mais Pracas dos oiencionadea
e andrada Machado. i Corp-s pela maueira porque se portarlo
Dase por discutido o artigo, que he ; naase Da o (|ue Ihes far constar cm or-
approvado por 48 votos contra al ; da e- i dem d Dia.
menda do Snr. Coelho, julga-se compre- l;;ml cilicio fui expedido ao Comman-
luuilida a piimeira pule ua volacao do danto Superior da G N. do Recife a res-
ai ligo, e o resto he reg lado.
Entra em discusso o a-ligo a.
O Snr. Coelho persuade-se que .1 mate-
peilo dos. trc Hilillioeiis e Esi|Hadro des-
la Cidade es qunes fico ''expensados dos
Exeicicios at o fim de Janeiro prximo
ra de.le artigo deve ser tratada em lei i futuro.
esptcial, e anda que foi rrgeilada a e- Da mesmo theor re expedio outro of-
m>-nda do Snr. Resende para que se con ficio ao Chele da i^ gio de Oiinda man
verlesse esta resoluto era decreto, toda-; dando igualmente despernar dos KxwfCTOfof
viajulga poder agosa offereccr huma e- 1 o i. Ritalho d'aqui 11 Cidau'e.


BUCO.
Dito Ao Commandanle Giral do
Corno de Polica pisa louvar em Ordem
do Dia ao Commandante Orficiae', mais
Pracas da Companhii. Montada do mesmo
Corpo pelo aceio disciplina gaibo *
maneira coro que se portarlo na (iande
Parada do Oa a do corren!.
I)to_ Ao lnspetor da Thesouraria ,
communicando-llie que a Presidencia
lem norneado para Membros Supplentes da
Comroissio de machinas ao Coronel M.-
noel Cavalcanti d'Albuquerqoe por puto
da Agricultura c a Nuno Mara de Sei*as
pda do Cunvnjicio o que Ibes far
constar.
Dito Ao Inspector G?ral das Obras
Publicas, approvamlo a arieroalaCa" leila
por Joaquina Jos de Mello das obras ne-
ressarias pira completar a runslrucco di
Estrada do Giqui cuj > Termo enviou
cum o seo ortno desta data.
Dito Ao Director do Arsenal de Guer
ra ordenando que conserve no mesmo at
se dar destino apee de bronza que se
achava na Serra d< Russa e que fui re-
met da po Prefeito di Comarca de S.
Antao em consequencia das ordena da
Presidencia devendo pagar ao conductor
Saturnino Peieha da Silva a quantia de
iaj' rs. porque foi justa a condcelo desdi-
aquella Villa al o Eugenho Giqui onde
se acha.
]),toi Ao Coramandante do Brigue
Coustanc pa enviar com Urgencia a
Secietaria da Provincia urna re icio nomi-
nal de todos os reciutas de Mariuha que
exislem a seo bordo-
Dito.-. A Cmara Municipal de Sri-
niiaeot communicando-lhe que pelo
seo cilicio de a6 de Outubro foi a Presi-
dencia setenta de baver-se arruinado a
Ponte d. Engeobo Anjo desaliando in-
teiramente a m dre da mesma ; e s-ntin-
do a mesma Presidencia que a Cmara
nao tenha tido o necessario cuidado em
promover o concert das obras de sen de-
ver avista dos arligos 36 da Lei provincial
nao. 9 47 e 66 6. da Lei do i de
Agosto do mesm aouo ; Ibe ordena que
ni forma da Lei ltimamente citada man-
de levantar a planta e plano da dita Pon-
te orear a sua despesa por Engenheiros
ou pessoas inteligentes e amxar a dita
planta e orcimenio nos lugares pblicos,
a fim de que possio coucorrer empreiteiros
e dar sea preferencia ao que mais vanla-
gens offerecer, ficando a Cmara na in-
leiligencia de que se nao concorrerem Em-
preiteiros deve ella faser o dito concert
por jornal, e com osrenditoentos que llie
lem sido consignados al boje.
Portara .\o Commandante da Escuna
L<>bre para apromptar-se com a brevidade
possivel para ir levar a Prov ncia da Para-
bibi o Exm. Duutor Joo Jos de Moura
Magaibaens Presidente nomeado para a
qU'-IU Provincia.
Dita __ Ao Capita Lial Commandante
interino do Batalhio Provisorio para vir
fallir ao Go ver no as la boras do da 4 do
torrente.
__ Igual Portara foi expedida ao Com-
mandante da Corveta 7 de Abril.
COM MAN DO D\S ARMAS.
Eipedieute do dia ab* de Novembro de
1838.
Portara Ao Mijor Commandante do
Deposito, mandando dar demicio ao sol-
dado Manoel Francisco do Jesu* p->rqu -
segundo a Lei eslava izempto de servir em
Primeira Linha.
Expediente do dia 3 de Dezembro.
Oficio Ao Exm. Presidente, pedin-
do-lbe a expedicio de su-a ordens para
que fossero no Arsenal de Guerra ferropi-
adoa oa soldados desertles do 4 Corpo
de Artilhena Jernimo J ss dus Santos,
Jos Alvea da Silva julgados pela junta
deJuslica inemsos no artigo nico di l-
jalo 4* ds Ordssacca de 9 de. Abril di
j8oj.
Dito Ao mesmo Exm. Sur. infor-
mando o requeiimento da Irmandade de
N. S. da Conceico Oiago da Freguesia
de I tu marac que pedia authorisacio pa-
la que a Furtaleaa salvasse no da do
corrente por occasiio da Festividade da
mesma Senbora.
Dito Ao Inspector da Thesoiiraria ,
communicando-lhe qu em confoi mida-
de do art. io do Regulamento de 17 de
Fevereirode l8.ia havia mandado reco-
llier ao Hospital Begimental pira ser Ira-
da lo o i. Sargento Reformado Manoel
Gomes Ferrera, eque devendo perder em
favor da Caixa do mesmo floajnUl os seus
sldoi em quinto nelle estivesse tnha
anear reg do aoQuaitel Meatre do 4- Cor-
po de Artillieria a cobianca dos seos sidos
pira proceder os discontos.
Dito \o Majo Felippa Dukrte Perei
ra disendo-lne que necessario se torna*,
va qua novamenle comparecase perante
a Commis>o qualificadora dos Ofticaes do
Exeicilo nesta Provincia e que o devia
fiser na manhia do dia 5 do corrente.
Que igual aviso Bsea'se ao Ajudante Auto
n.o Bernardino dos Reis qua liaba de
ser inspeccionado.
Duo No mesmo sentid) se officiou ao
a Tenente Jos Pedro da Silva.
Dito ._ Ao C> intnandante interino da
Foitalesa de Itainarac mandando dar
uma salva de ) tiros no da,da Fi alivid." da
Sehora da C'iiu-eico ,Orago daFr-gue-
zia da Ilha eque independente de novas
ordens devia dar seroelhanles salvas nos
anuos viiidouros.
Porlsra Ao Capi'.ao Comniandanle do
Ihtalbio Provisorio d 1 C'issadores, man-
dando considerar pracas do mesmo as rio
quecon-^tavo de uaia retacan que su the
enviava assignada p-lo Secretario Militar,
e que tendo p>rlencido ao extincto Corpo
de Engajados qmseri voluotriameiite
servir ni Primeira Linha gosando das
vantagens que a Lei a estes nulborgada.
Dita Ao mesma mandando dar de-
micio a 34 pracas do Corpo de Engaja-
dos que por occasiio de sua extincto decla-
rarlo nao querer servir na Primeira Ltnha
e rujos nomes bio diacriptos na relacio
que se llies enviava.
Dito Ao MajorCommandante do De-
pozito 1 mandando dar demicao ao recruta
Antonio Gomes Baracbo, por nio estar
uocasode servir na Primeira Linha.
Diversas Repartic^ens.
TRIBUNAL DARELLAQAO'.
Sessio de 4 de Dezembro de i838.
Na appellac-i Civel do Juiso de Direito
da Villa de S. \ligu-l, appellaute Jos Jo
aquim Ignacio dos Smtos e Silva e ap
o. liado Jos I .ouienco da S Iva e su mn
Iher Escrivao Postbumo ; foi julgado
nullo todo o Processo e condmnados os
appellados as cuttas.
Na appellaco Civel do Juiso de Direito
do Civel de Goianna p a|>p''llanle Caetauo
Jote de Oliveira e appellado Jos Rodri-
gue da Brito EscrivaS Beb"llo ; nao se
lomou conhecimento da appt-llaca por ter
a mesma passado em julgado.
ALFANDEGA DAS FAZENDAS.
Rendimenlos da Alfandega de Pernam-
buco no roez de Novembro p. p
Di re tos He 5 por ce uto 139:090916
Plvora 5o por cento 8:992,28a
Cb 3o por cento i:i64,6oo
Reexpoilacio a por cento a5 33o
Expediente de 1 i/aporc. i4'64o,5t5
Dilo Addii'Conal de 1 porc. 9:696,666
Arinazenagi-m de 1 aprcen-
lo ao miz 1:8io,636
Dita Addiciondl de 1 3(4 Por
ci nto ao m>z ia:542,8i9
Premio de meio por cento ao
mea a:a*8,i4i
\lullas calculadas nos Dd-pa-
chos 4&-
i84:i8G 4>1
Emolumentos de Certides 3,68o
Multas Avulsas i6oo
84 9!6tfi
Alfandega 1." de Desembro de 18J8.
O Escrivio.
Jacome Gerardo Mana Lumacbi de Mello.
MEZA DO CONSULADO.
Renpimentos da Meza do Consulado
desta Cidade 110 mez de Novembro p. p.
Direitos de 7 por cento de
Exportarlo. a4:3oa,34a
Ditos de a pjr cento de dita. 99' )b
Ditos de Ancorageiii 4i39,>^"
Ditos depositados que exce-
derao di nno i-a6i
Emolumentos de Certidoes "}Ma
^apel dos Passaportes lmperiaes ,5oo
Mutas por infiaccoeos do
ReguUmeiito vjA 9
Reodimeoto das Provincias.
29 730 861
Dizimo do assucar das Alagoas a, 17 '
Dito do algodio de dita 1 999.347
Dilo de dito do Rio Gran-
de do Norte 59 ^
Dito da dito da Parahiba 3oO,66o.
3a:i i6,64l
Dizimo do assucar da Pro-
vincia 1:54-4^'
Dito do algodio do dita 6:061.487
Dilo do Cat 4-5
Dito do fumo 3a,8i3
Taua de 4 rs. por sacca de
algodio inspectado a6'j,4<>>
D.la de 160 r$ por caixa da
aasucar dito 4^680
Dita de ao rw* por Barrica e
sacca de dilo 68,14-
Dita de 5 res por Escravo
expoliados 80,000
Disconto tie 6> por cento
dos Ordenados 85.4o4
4,>:9,0>a5t
*
Meza do Consulado de Pernanduco 3
de Dezembro de i838.
O Administrador.
Vliguel Arcanjo Monteiro de Andrade.
A Pauta he a mesma do num. aSo.
OBRAS PUBLICAS.
Nos dias i5, 17 e 18 do corrente
mez ir a praca para ser arrematada a ree-
dificacioda po o te sobre o rio Tracunhaem
na estrada de Goianna, avahada em res
i:5a5.34o. Os Licitantes devem compe-
tentemente habilitados de Fiadores idneos
comparecer nos referidos das ao meio
dia a dar os seus l.nces na Reparticio
das Obras Public is aonde est. pateute o
respectivo orcamento para ser examinado
pelos Perteadenl^s em qualquer dia til as
horas do expediente.
Inspeccio das Obias Publicas 3 de De-
zembro de 18 Jo.
Moraes Ancora.
ANNUNCIO.
O Cnsul de Portugal precisa ajusta1
para a Provincia do Angola don* Meslres
Aguardenteros e outros dous manipula
dores de Assucar. As pessoas que eslive-
rera as circuutancias de bem desempe-
nliarem ali ou ensinarem a confecca
d'eslea dous arligos de Cosnmercio e de
ludo o mais que fnr a ellea concei nenie ,
poden dirigir se a Chancellara do Con-
sulado na Prac* do Comraercio defron-
te do Corpo Sinlo, para Iralar-se do ajus-
te f e das necesarias estitiulacoeos com que
se pretende faser.
BAHA.
iCRT D* VILLA DK 8. FilAKCISCO.
Da 8 de Novembro.
Presidencia do Sr. Juiz Municipal Campos
Aberta a sessio cosa 4 jurados rnan-
dou-se conduzir o reo Joio Carneiro da
Silva R*>o que i a horas da tarde, foi
atroduxido na>alla, vindocom passos va-
garoso, e pouco firmes denotaudo aba
(menlo vestido de calca branca naz.ca e
colele prelo : seo semblante era sereno ,
conseivando-u immutavel todo lempo que
esleve perauleo jury. O reo o ebegar
a meza cumprimentou venialmente ao
juiz de Direito, e jurados os quaea com
urbaiiidade Ibes corresponders; lomou
assento o defensor do i-> o bacbarel >for-
mxdo Luiz Birbillio Muuiz Fmza. Pro-
cedeo-se ao sorteamento para osjuizes que
devia comp." o jury de sentenca e reca-
liio a surte nos Jurados Jos Joaquim Ra-
mos Miguel Jo Mara de Teive e Argo-
lo Jos da Rocha Passos Muioel Joa-
quina de Araujo Goes, Pedro da Veiga
Ornellas Jos da Costa Dorea Joio da
Costa Silva Jnior Pedro Masques da
Costa Alexandre Gomes de Argolo Fer-
rio Joio Pedro Bizerra Joo Jos de
Macedo e Heraeaegildo Mont iro d'Aze-
vedo. O promotor d-o de suspeito dous
jurados e tres s suspeitarao ; o reo nao
recusou nenbiim tendo o seo advogado
declarado que seo cliente nao suspeitava
nenhumjuiz, porque todos Ibe servia.
Na occasiio da primeira recusa do Promo-
tor ao jurado Francisco Xavier Ferreira
Borges olise.rvuu o advogido do rj que
o Promotoi nao poda recusar porque ni j
era plausivel que a lei mandasse recusar a-
quedes mesmos quem ella chamava para
desagrava-la e que declarando a le que
o aecusador s poderia recusar lanos jura-
dos quantos o reo recusasse e depois des*
le, e nao leudo o leo rocuiado algum ,
nio poda o promotor faze-lo o que o lvi-
do pelo juiz d 'le o que a le nao ap lia va
a prelencio do nobre advogado antes era
contraria ella e por isso subsista a re-
'cusacio por parte dajustica, em consa-
quencia do que aggravou o illustre advoga-
do no auto do processo.
A's 3 boras e huro (piarlo principiou O
i>a ser interrogado,' respondendo asseu-
tido requ -rmenlo deseo advogado : suis
resposias 'orao com Ihaneza decencia
dign.dade que guardou sempre. A's 4
horas principiou a ieitUra do processo,que
terminou s 9 e meia. O promotor prin-
cipiou a aecusaco por hum breve discurso
que levou escripto em o qual fez veros
crim.es do reo e conclua pedindo a confir-
inacao das penas impostas pelo jury da ca-
pital. O i pedio a paUvra e dssse que
diria muito pouco, j pelo neo u I do fui-
co e moral nio o permiltirem j por ter
seo lado hum babilissimo defensor, que
de certo se exforcaiia por moslral-o perante
o jury, 'tal qual elle era, e nio como pa-
reca. Defendeo-se a respeito das aecusa-
ces de incendias e de insui reico pre-
srutando documentos prohibitivos de as-
senlaneuto de piaca em escravos que fi-
zera exped* e que nao foraS cump'ido8%
dr.c, defendeo-se sobre a impulacio res-
pectiva privacio do Imperador de sua au-
thoridadeconstitucional, e mostrou docu-
mentos a respeito transcriptas em peridi-
cos ; e sobre os ouiros pontos da aecusa-
co deixa va pericia de seo advogado a
defeza. luvocou o testemunbo do Dr. Cal
mon sobre vario p-ntos relevantes sua
defeca o qual os confinnou prestando o
devido juramento exigencia do advogado
do reo, depois do que lomou este a pala-
vra desenvolv. o a defesa com energa e
chamou em primeiro lugar a attencio dos
juizessobre vida publica do leo, seos
servicos prestidos independencia do Bra-
sil e na tribuna Bahiana como seo digno
representante, e depois entrou na auaiite
das provas da aecusacao, sbreos diversos
crimes que ella chamava o reo responsa
bilidade, combitendo-a fojiemenie na
parir relativa aoscriotes de homicidio, in
surreico, ferimentos rouliUc-a &C. ,
e final rooslrou que aeo cliente s era es-
poosavel pelo criroe do art. 89 do cdigo
penal (privacio do regente de sua autbori-
dade) e concluio conimovendo os affectos ,
e pedindo commiseracio para oseo cliente,
atiento seo estado idade, e pezo de fami-
lia. As 10 boras da noite recolhera-se os
jurados salla de suas conferencias,' vol-
lando as a i/a horas da m. decisio confirmatoria da sentenca do jury
da capital.
O reo Sabiuo appellou para a Relacio, e
J ao Carneiro d Silva Rtgo filbo entra bo-
je (a) em julgamenlo.
(Do Correio Mercanii.)
Correspoiideiicia.
Seuhorea Redactores. Viodo ter s i-
I
v-_


DIARO DE PERNAMBUCO
mam
tihas mos o Diario N. 186 de 39 de Agos-
\o do corrente auno n'elle vi inseiida a
''Hojosa e ridicula correspondencia com
que me provocou Francisco Estoves da Co>-
ta proprietano do Engenho Canoinhi na
Comarca do Rio Formoso em disfoico
de haver eu annunciado ao Publico, que
nin;uem compr-asse o dito Enge.nbo, sem
que entrasse no cnnln-cimeuto da exlensio
de suas Ierras ; visto e-Ur apossado de al
{unas que me perteneca ; e no pude
4ogo retorquir llie com a' uecessaria respos-
t, por ser-me preciso examinar certos
documentos, para nVlles fundar romlns
'assercdes : agora porem cumpre que eu
responda cathegoricamento a esse Sniihor.
Eu bem quiscra Srs. Redactares evi-
tar polmicas para nao entrar em lici
com bomem de tal jaez : e mesmo na do-
via fjZT caso ;il;um das fofices d'esse ve-
llio orgulboso e f.if.n rio porque si>
voze de bum gozo, que ladra para a Lua ;
porem sempre quero desraa^cara-lo em suas
imposturas, e falsidades c dar Ido as
merecidas palmatoadas como a huma cri-
anc bolicosa e malcread<< ; posto que
sempre respeitei as sos caes, em quantu
ine enganei com apareucias.
Sendo o Eng-nbo Canoinha situado em
meta legoa de trras c reprehendida entre
orneo Engenho Limcira e os Engenhos
Sitio do iMeio eSiueznho; ao proprie-
ario desle o finado Joo de Bastos Sj
res, venxieo o Jilo Francisco Esteves da
Costa huma poreio de lenas desmembra-
da d'aqueila meia legoa por huma Escriptu
ra publica lavrada na Nota do Tabelliio
Ja Villa de Serinbem em 27 de Junbo de
18 <4 1 e depo's do falecimento do dito Joo
de Bistos Soares entrou aquode Senhor a
apossar-se da trra assim vendida e igual-
mente das ierras do dito meo Engenho L-
meir a fin de inteirar oulra vez u sua
meia legoa ; de mam-ira que meo anteces-
or Joo da Costa Piroentel, sendo eolio
propnelario do mesmo Engaito Limeira ,
vio se na preciso de dar-I lie a quantia de
seiscentos mil res ; para elle concordar em.
huma diviio amiga vel, a fin de evitarem
demandas; oque na concluio por ter
logo depois falecido ; e passando o referido
Engenho ao meo dominio u ralifiquei
sta mesma composico por huma Escrip
tura publica lavrada na Nota do mesmo
Tabellio da Villa de Sertnhero em 26 de
Fevereiro de 1820 em a qual aquelle
me>mo Francisco Esteves da Cusa nao
s obrigou-se a convir em huma demarca-
cao, como ate sugeitou-se a restituir
quantia de seiscentos mil res por elle reci-
bida no caso que controvertesse a dit>
Demarcarlo. Nao obstante islo, lendo eu
requerido essa D<-marcscio apenas prin-
cipiou-sea correr a linb 1 da testada pela
margem do rio fjnna ; eis aquelle bom ho
mem pedindo vista e allegando Embar
gos ; e apezar de ler sido conderonado por
entenca proferida em x'j de Marco de
18 lo, a restituir a nn'sma quantia ; assim
mesmo chicanou at que fui conficuada
a S'utenca por h lado em 19 de Abril de 18 io : mas eu al o
presente apezar de ser ambicioso cora
elle diz, nao quiz anda mandar executar a
entenca, para exigir a quantia de seiscen
tos cincoenta e seis mil quatrocentos e je-
ten t e tres res do principal, e cusan,
constantes do rosto da sentenca que existe
em meo poder.
Nao parou aqu a pertinacia desse velho
inconsequente e rabujeiito ; elle inda
depois lisio mand. u corlar madeiras e
abtir togados as niiuhas matas escandalo-
samente em consequencia do que requer
huma vistura e a esta se procede em a
deSetembro de i8i5: chamei-o consi-
liario em 3o do mesmo mez e anuo ; e
por hum termo de convenci dle se obri-
gou a nao lirar mais madeiras sino tre-
zentas bracas desviado de hum Po-d'Atco
para o lado do seo Engenho Canoinba ; *
ca/o fizesse o coulrai 10 pago> ia duzenl-'S
mil res por cada hum pau permanecendu
esU diviso al que eu coucluisse a Demar-
caeo coulractada,
Que tal <,Senhores' Redactores .
ta, Senhores Red ictores : eu podia dizer
mais cousas porem contentar-me-hei em
concluir com as palavras do Santo Psalmis
ta Judtca me D u> el discanta cau
sam mea.11 : de gente urm snela b ho-
lline ini no, et doloso rue me
Queira poii >rs Bedactores inserii
na siia-folha estas qualro linhis para daten-
;;uo do respeilavel Publico e para ver ,
le assim se corrige o referido Francisco Si*
leves ila Costa a quem protesto nio res-
ponder mais, aind 1 que elle continu
dar as Irlas, porqUH diz o rifo Palavras
loucas ouvidos mnucos.
Sou Senhotes Bedactores ,
Seo alenlo venerador
Joo Carlos di S.lva Guiraaiaes.
Variedade.
o
i^ugm sea auis {ciaso c mu;, jqUJC-
tador dus tisinbos ; eu, ou Francisco E-
teves da Cosa ? Quem mais intraclavel e
mais falto de boa l nos seos contractos ?
Preciso he pois multa paciencia para su
portar a hum bomem desta estofa !. lia-
O amor maternal.
He lio inherente esspncia de mi o ex-
cessivoamor pelus filhos, que em seu mo
deposita a notureza he lal a forca daquel
le senlimento in 11 vtl dilumiido em todo
o ser des-as crealurasa quem a providencia
dotou com faeulda.de adoravel de adcar ;i
outra metade da'especie humana as amar-
guras d> vida sempre agitada e tempestuosa
a que foi desde a origem condemnadi que
os maiores stci ificios para conseivar a ex-
istencia aos carissimos penhores do seu af-
fecto menos pareuem aeces nascidas de
estudada obrigacao, do que effetoa de
hum sagrado e quasi divino instincto su
perior a todas as contemplacos inunda
uas.
Sem duvida o hadito em que estamos
de considerar como inseparaveis do car-
cter de mi os actos mais elevados do amor
maternal faz que a aperacoens daquelle
lypo, felizmente muito raras em nos pro-
duzio extraordinarios movimentos de es
panto e de horror. Parece-nos incompre-
liensivel que a mi deixe hum instante de
amar o fructo desuas eniranhas : hum tal
sforco de perveaidade julgamos superior
a natuiesi humana 0 como que nos recu-
zimos a acreditar a evidencia.
Com praser tradusimos do .M-gasin P t-
toresque para transmiltir ao leitor, o ex-
emplo seguinl" no qual briiha em loda
a puresa e .sublime simplicidade o amor de
urna trna mi por sm innuceute filinba.
He majs hum fado de herosmo santo ,
digno de augmentar o numero dos muilt.'s
que ornio a historia de u.n sexo em to-
das as pocas mal apreciad cujas excel
lentes quabdade* a si proprio d ve e aos
homeus os vicios ou defeitos que por vezs
offuseo suas virtudes naluraes.
Depois de lutar alg.im lempo com furiosa
tempestarle 11 m navio ingbz veto final
mente dar costa no rochedoa septenlrio
naes da Es< ossia aonde ficou ei.calhadt.
e submergido pelas ondas al a pupa cxclu-
ziv;>< nit.
Houve quem viste a gente da equipa-
gem faser grandes esforejs pira silvar-so
ua lancha porem urna onda enorme os
inecipitou no tundo. Durante o espicode
oito das a contiuiMcio do mo lempo
nao perm.llio aos pescadores Irabilbar no
su officio ; e s nove das depois do nau-
fragio llie foi possivel embarcar.
Aquelles homeus, endurecidos nos pe-
ricos de lio arriscada profisso confess
to que neubuma das innnmeraveis scenas
lastimosas que linhio presenciado Ihes cau
zara lio dolorosas impressoens e os lisera
erramar tantas lagrimas como a que se Ibes
.ipresentou ao visitar o navio encalh ido.
No mais alto da popa que o mar ludia
respeilado jazia inulta urna bella mulber,
na fl.ir dosannos ; e junio della urna cri-
ancinba de poucos mazes, chupando com
avidez algumas gotas de sangue que ain-
da escorno da p> quena ferida aberla pela
mo da propria mi debaixo do eioBes-
querdo t>om um grande alnele que ali
mesmo se encontrou.
As forcas inleiramente exhaustas sec-
eai na sua origem as fontes do suave licor ,
ac em eus neitos ao fructo de sua en-
iVanhis prepara va a nalu.csa, poder do
amor maternal .' Ao pouco empobreci-
do sangue que vageia e lentamente cir-
cula m suas veias na agona da norte, es
la creatura anglica da sahida t o faz pa-
sar com a propria alma an rlij-cto em que
para ella se re lime o universo e d-s'a
*ortf cons-gue alotigir-lhe a ex Steoca, al
que o ceo Ihe envi o soccorr.i que perder
a d'ice espera oca de llio continuar .'
Aquels bons pescadores queriio ado-
ptar em comnum a cri-uicinln que acnba-
vo de salvar ; mas um re 1 acto que se
descubri no peno da Infeliz mulber -u a
conhtcei a familia a que arob o. Ante, por-m dea eut.egar a s-us
pirenles levaro-ua em piocisaiq o sitio
aonde linhio depositado os restos noria ni
de sua mi e aii postos de j jelho, com
ealci descoberta : Pnis nao querem
consentir que em no.ssos lares se abri.ue a
lua innocencia dis>ero para que a me-
moria se nao perca do mdagie de a ni .1
maternal deque tu es o vivo teatemvpho
juramos sobre a Ierra que encubre o mo-
delo das boas miis adoptar a primeira
orla que de jo-lhosem cima desla sepul
tura invocar a nussa assistencia. '*
Hum sacrificio generoso raa vezes dtxa
de produtir outros que o imilio. S. o
Sol tai iu.
C DoCorreioOfBcial. ;
THEATRO.
Para dar a devids satisfacio aos rectos
Magistrados, e mais Patiiotas Pernambu
canos, de que nao houve parcialidade no
Elogio Dramtico que se representou no
dia a de De/.embro quindo se nomeara
os lllustres Cavulcantes, Regos Harros 5
foco aqui Iranscrever os seguiutes Versos ,
icios quaes se mostra a generalidad do
Elogio, aos verdadeiros Patriotas. Diz a
Liberdade a Themis a respeilo da uniio
do Imperio
Sede commum acord os Va< des justos
Que sustentad as redeas do Governo
Na Corte e as Provincias equilibrad
a A batanea que tanto te distingue
D'huma banca tal a gloria he certa.
lllustres Cavbanles, Regos Barros ,
E outros muitos mais Varoes sublimes
&C. &C. 1)
Daqui se cooclue que nio houve parcia-
lidade. Quanto a alguns me argirpm de
ter apresentado em Seena smbolos Mico
nicos somente direi que be preciso ser
muilo curto da vista para nio distinguir
hum Arado Foices, Machados, Alvie
e oulios instrumentos da Agricultura que
estava no Emblema competente ; "issim
c mo a Navegacio, Comercio, e artes que
eslav O nos outros Emblemas. Eu ji mais
seguiei o exemplo de alguna Tlieatriihos
paitii-ulares nos quaes as figuras repre-
sentantes se tem adornado com osSiinbolos
de huma Sociedad* tanto particular quan-
lo respeilavel; porem'ser virlude nesses
l'beatros, o que nesle seria hum crime
nperduavel? Se fiz cantar horo D.ielo
que tanto tem sido aplaudido foi pia
mais agradar aos meos prutetore e como
eslava Gado o expetcuto os que nio gosti-
va pudiio relirar-se. O plauso g rol
tanto no Drama como na P.ca i e escu-
da conlra os Zoilos e a minha consciencia
est pura. Os Zoilos reduziraS os lucros
da O diestra a mrtade do que ganhou o au-
no de i87 em que luciou -a,o3os'ooo rs.,
a Tvp. 5Gj,s', e lodos o- ais empegados
em "propoicio: este auno dedarou-se o Sr
X Zes Alireu e quanlos prelendera fa-
zer a desgraca dos Empregadoa (e nio a
minha) apenas se podea fazer 48 ex
peclaculos quando o anuo passado lura
o5 : embora eu tivesse perdido nos raezes
deMaio, Junho, e Julho ; porem ganha-
rau os meus Empregados : e como me be
igualmente fcil manejar o martello, ou a
agulba o djickI ,. ou" a penna, uzando da
minha incabC4vel aclividade ou experleza
(licita) obtenho o resultado que neuhum
dos Empresarios meus antecessores, ja-
mis obteve ; porem os Zoilos nio podem
suportar que eu seja Emprezaro desde o
anno de 1827 e que lendo largado volun-
tariamente o Tbeatro em i8J3 a Freitas ,
lu rogauo pelo Sr. Passos e mesmo Frel-
ias para tomar conla n<> anno de 35 at o
de i845. Tenho conservado illeso o meu
crdito, nio tenho despresado antes mair-
lido todos os Empregadus, e feito o possi
vel por aformosear com pinturas illuroi-
nar,5es e vestuario este velho desvalido
Tbeatro: filialmente tenho mandado ir
Drarims e Muzicss, o que jamis fet
neuhum dos meus antecessores. Critiquen
embora os Zoilos, o Poblico sensato me
lata justica : os verdadeiros homens de
bem me presa; eis a minha gloria.
Francisco de Freitas Gamboa*
LOTERA da m. da boavista.
-- O Thesoureiro da Lotera da Boa-
vista faz sciente que as rodas da mesma
contm tnpreterivelmente no dia on-
M d 1 prximo mee de Desembro, e por is-
so o ni> smoTliesouieiio roga aos amantes
iie-ie jogo, para que enmprem o restante
dos 1511 leles inteiros, que seacha a venda
nos lugares do costume.
LOTERA DO LIVIUMENTO.
As rodas da Lotera deven andar no
eonenie anno por estar j mu adiantada
a venda dos respectivo) bilhetes, e para
que se possa com seguranza e brevidade
possi vel marcar odia imprelerivcl do an*
damenlo das ditas 1 d 1 s faz-se preciso que
cunoorri- os amadores deste jogo a darera
prompla extraeco aos referidos bilhetes
comprando os qoe restad por vender. O
uuvo plano convida e os premios de que
se ellecompoem assegur>-o huma festa van-
ajosa a quem tiver a entura delles Ihc ca-
iberem en sorle.
Avisos Diversos.
t^p. A viuva F^biana de Barros Nigro-
monle declara que seu filho Antonio Fran-
cisco do Reg Barros nio he mais sea pro
cuiador que a procuracio que Ihe dea
a aiinunciante por motivos, que logos fa-
ra' patente, nio tem mais vigor, as pesso-
as queliveremde pagar dinbeiros a annun
liante ou laseiem qoalquer negocio ou
tranzaos podem procural a nesta Cida-
dade na ra das Trinchciras casa D. 9 ;
declara mais a annunciante, que nao ten
dado seu conaentimento ou ordem para
venda de seus beas, e se alguna venda se ha
fe.uo he simulada, enadaaprova a ao-
nuacianle. que desde j protesta reclamar
conlra taes vendas e qualquer outro con-
trario que em no me da annunciante se
trlibi feito.
_ Quen quiser vender um palanqun
novo Teico D i.l, tu aniiuucie sua inorada
par.t se procurar.
Piecisa-sede um Mestie de Arilhmet-
ca e Geometra para ensinar a um meni-
no por lempo das ferias: a pessoa q'se adiar
pesias cicuuslancias e se queira encarre*
gao deste trabalho lenba aliondade de
declarar a sua moradia para ser procurado
ou dirigir-se a casa do inspector do Arse-
nal de M mola em Fota de Porta no mes-
mo Aiseal. .
__ Acliou se huma figa de ouro cufiada
em humas ronlinhas do Rio de Janeiro na
lua do Qmamado botica D 8.
Fui tarad da caza dos Sis. Ciabtree
ll.-vw.ii 1I1 & C 1.0 Fui te do Mallos no dia
2 do crrenle das 3 at as 5 bor.s da tar-
de hum relogio de saboneta coro caixa
de ouro, e de repeticio, fabrica inglesa,
nomo do Fabricante Brckbank London ao
qq4 s. e com cordio de ouro fino: a
quem esles forem apresentados e queira
entregar n'acima mencionada casa falla
com o Caixa da mesara que ser genero-
samente recompensado.
_ Precisa se de 6 srvenles pata o ser-
vico de pedreiro em huma obra na Boavis-
ta : quem os nver queira ir ajusfar na ra
da Cruz N. 56.
_ A abaixo assignsda avisa ao rspeita*
vel Publico, e especialmente aos inquilinos
das casas de que he quasi no lodo seuhora ,
que tem constituido novos procaradores
bastantes, e revogado os poderes que n
anteiior procuracio havia dado a seo genro
Basilio ,\lves de Miranda Varrjao j com o
qual ninguem devem contraclar no supp<>e
lo de eo procurador e menos os ioquiii-
nos pagarem a elle a parte dos sllogueiec,
que perlencem a Annunciante.
Rita Mari* de Carne Meadcafs.


r~
DIARIO DE P E R N A M B U C O.
Precisa se de alugar urna casa terrea
-grande, eon quintal que o aluguel nao
?> ceda de aoos'ooo por anno pagndose
3 meze.s adan lados : na padaria da Bsnlo
Antonio Domingues na ra nova se dir
quena precisa.
Offcrrce 9a um Sacerdote para hir di-
zeras Missas do Natal Tora di praca no
pateo de S. Pedro por cima da loja de h-
vros, i.o ptimeiro andar achtro com quera
tratar.
Precisa se de *ma le cata de pequea
familia : na padaria de B^nlo Antonio !).>
mingues, na iua nova se dii quero
precisa.
A pesoa qu quer fallar a Manoel
Ignacio Garca til lio de Antonio (Jarcia ,
natural do Hispido de Angra, dirija-ae a
ru do A mor IB a fallar cum Aitooio Jj
s Francisco V'ei{ja, 0 qn -I la/, s suas ve-
zes era quauto o dito Garca est ucete.
*- Arrenda-se pelo lempo de teja umi
boacisaem Apipucos a margern do rio ca
pibaiiba cotn os scguintes com modos : a
las, 4i|uar(oj, co/inlia lora, uno g'o-
de copiar, diadas e p:nl\dadas capa
para qudquer 1'aradA que quitar paliara
etta ; ijuein a pretender dutja-se a rna d
Ii'itiscisa D 14 juitio ao escrivo do Ju
u de Paz.
- Aluga se a casa da ruado Ampim fui
Olinda o. (jj : a fallar com o Padre Joo
Rodrigues.
-- Piecisa-se
de urna'ma captiva ou
forra que sa'ba engoromar cozinhar ,
fiiobo.ir e fasaa as compras : na iua ve
Iba n. US.
- AiTinda-sc por tempo de um anno
u mai it piopnedide lunnminada liha .
em trras do antigo erignlio Apipuco-, com
csa; de vivt nda estribara, 8 grande ter-
reno para capnn e pistagt-m para gado :
i tratar no Atierro da Una vista, venda d>
Manoel de Azevcdo Muta.
-- Prccisa-se da alagar um i.ou se-
gundo andar para a inoradla de a h'tmein
soJleiios cun tar,lo que tenha, quintal ,
que admita dois cavalloH que. seu alu-J
guel nao exceda d Kimono e seudo em
boa rus ; o ra d. Rtttgel D. i3.
-- No novo butequioi da i ua da Madre
de Dos piensa de um bom coziuheiro;
ssim como tem ;.ia vender um bom ca-
v-llo da primen,, muda.
- Arrenda-' al o Uro de Fevereiro ,
tima casa a^margt-m do capibaribe, na po
vua, i do caxangi a qual tem urna sala .
3 tai no segundo andar da ultima Data da
praca da Boa-vista.
- Alugo-se pretos pn las ou mole
que* para venderem oa ra, pa ine asooo raensaes : nr ra de II jrtas so-
brado I). 65.
-- Mr, Kiisel relojoeiro francez no
alterro da Uja vista acha-ss prompto *
cencettar qualjuer relogio que I be aeja
confiado ptlo inais Comroodo preco ; rll-
obriga-se a restituir o dinheiro que tiver
rececidopni pagamehtn de qualquer con
cuta, que nofui bera executado.
-- Ib nrique Mu.ci'l fazaciente o res
peita(el pubi.coque elle vi m se estabebcei
com tema de mu: cineiro e carpina na ru
do Arago D. 'i5, as pessoas que se qui-
ser utilisarem de seu preM rao mormenl''
para fazer e cadas de todas as qualidade*- pa
ra casas, cojos modelos sj acho na aaenrio
uada te.ida.
Desaparecer da ra de H >rtss um
caxorrinha do reino branca com o ca
bello cortado a qu-l acode chimando se
Acuerna rega-aea quem a achou a q aei-
ia restituir na casa [). i\ da mesma iui .
que se agiadecei.
PARA ANGOLA, com escala por Ben-
guels a E cuna Poilugueza Esperauca, for-
rada e pregada da cobre da lote de a68 to-
neladas do primeira marcha 5 qupm qui-
zer carregar ou hir de passagem dirjase
a ra da Cruz 11. 6. 011 a bordo da oc=ma
at as 10 horas da roaohj,
PARA LIVERPOOL, lahir* com toda
brevidada a supeiior Galera Dryope Ca-
pitao llim.lions ; qui-m quiser carrejar ou
liir de patsagem diiija-.-e a Me. CuUoont
& Cmpanbiu,
PARA O ASSU* sabi. esm toda bre-
vidade o Patacho BrasileiroS. Jo>e ; quera
qi'iser carrejar ou hir de passsgem diri-
ja se a Manocl (ions Ivs Pe re ira Lmi 11 >
ra nova.
PARA H iMBRGO. sab-enm a m=>ior
brevidada poasivel a minl veleira e b.>m
constru U I tarca R.imbur%Qa%a (^athi-in*
Djrolhea forradl de cub caiT'gar ou hir d'-pissag'm dirija-se aos
musconsignatarioi N O, Beber A Compi-
nliia ra da Cruz 63.
PAtl\ O MARANHAO' Sgue vis
ji'm co n inda brevidade o Brigue Escuna
Duirle 3. Capito Jo^ Metido de Son
za ; quem no mesruo quiser carregar ou ir
de p ssagein entenda se com o Capitio na
praca do commercio ou com Jou Vieira
Lima iui do Vig lio u. 17.
j < 1 a o
Que pretendo f.izer Jos Rodrigues
rere ira d.- urna porclo df manteiga ingle
zanodia 5 do correle pelas 10 I ras d'*
manb detVnnte da e cadinha da alfand^ga
Q unta feira 6 do torrente p6e se 001
arreniaiaco a queo> mais der a c-isa de so-
brado da rua da Aurora D. j os pr-ten-
dentes podem com antecedencia bir ver a
casa e qutndo ipiiserem podem pedir as
chaves na rua da cadeia do Recife, 11 4^ ,
ou na mesma rua primeira casa terrea a
ai r< mi tacan sei na p> ac do commercio ,
b ter piincipio as 10 horaa do da e fim
metadla, advertindo-so que ser & a1-
I ma praca.
C o m j) r a s
Acomedia intitulada Restaurado jde
Cirdnada : ne.ta Typografi.
Vendas
Avisos Mari ti ti ;>s
PARV LIVERPOOL, a Bare Ingle*.
Supeib di primeira classe (. A I ) Wliii
com toda hrevidc.de por ja ler p-rle di
carga prompta qu>ra quiser corriga'-, ou
hir de paatagrai uirija-s- aos s us consigna-
tarios Jon-B FPynne & Edwafds. .
PARA OCKARV a Hura c B alei
ra D.a|jiira M Jo- Jia^uim Al*s; otreiq,
oa mesm< quiser carregar, <>u hir d>- p."-
sgem pira o que tem excllenLs commo
u, dirijio-seao di'.o Mt-sire.a bordo ou
o consignatario Antonio Joaquim lie Suu-
V^ Folliinhas de Porta de
ylgibeira e de Padre, para o
anuo de 1839, Pe'os precos de
seis vintens as de porta-, doze
"s de algibeira e pataca as de
i>tfdre; todas impressas tiesta Ty-
pogralia bom papel e ptimos
fypos e bem coiiltecidjs pela
cereza do calculo c redigidas
pela primeira pessoa (jtte em Per-
nambuco fez bl tito has: as de Al-
gibeira alem d'.s noticias do eos-
tumefontem urna tabella cbronolu-
gicis dos principies factos de:la
ra todo o servico : na rua da Florentina ,
venda D. 8.
Meios billietes ds Lit ria da Boa vis*
ti que corre no dia 11 do corente : na
rua d-> Cabug luja de miu Jezas jonlo a bo-
tica.
-- Ouas escravas de nacSo urna de 'o
annos boa engommadeira cezinheira ,
e lavadeira ; e a outra de 25 annos com as
iDi'srau habeldadea e coro urna fiiha de
i annos ; e um pelo de bonita figura ,
de -jo anuos opt>mo para todo o servi'-o:
no pateo de S. Pedio sobrado de um andar
D. 8.
-- Urna eslava de agndavtl figura e
de idade de 3oannos engomma lis co
/i 11 lia o diario de urna rasi e mu t > boa
bnrreieira e quitandeira e tambem st-r-
ve para o scrvic> de campo por ler disto
praiica ; a vista do comprail >r se dir o
motivo ; atiMzdi Mitrizda Boa la, se-
junda casa a fallar com Manuel Elias de
Maura.
-- Um porcio da rouito bom fi> de al
godo por preco c immodo : na padaria da
rua do P ixoto das 5 o^ntas.
Ni atteiro da B a vista, venda de
Mino'-I d- Azevedo \laia, a;;ua (Ir Selu .
propria p.na molestia d estomago che-
;ada rec ntemciite de Franca pela Galera
Ctrot-lia.
-- U.iis corij 6 ora pipi cipim to-
dos hons cantadores: na rua de Hartas
D '7
-- Um esc ava de naci boa cozinhei
ra lavadeira sem vicios nem achaquei .
urna dita de nacao banguella propri para
qualquer servico um> moldea creoula de
Lianda de idde'de la n 11 nos cSe so
Irivelmente um molequa da mesma ida
deenaro, propiio para aprender qual
queroffieio, ambos de agradavel figura :
pissando a Igreja dos Martirios no primei-
ro andar do priineiro sobrado.
-- Uma negriuha de 11 annos de idade .
da bonita figura com principios de cos-
tura e muito propria paia se educar : na
rua d<' Hoitas D 65.
I) )is escravos mocos e ladinos, de
bonita figura : no atierro dos nff gados ca-
sa terrea defronte de Tbom Pereira La-
gos.
com o fundo da Igreja de 3 portas ver-
des.
Escravos Fgidos
Joaquim de nsco Baca idade de
aa a %\ anuos, altura medianna, olhos
grandes, nariz rombo, baibado boca
pequea beicos giossos, os dois dentes
'la trente lugos p-rnas pouco arquiadas,
Ivvou seroula e camisa de algodo grosso,
chapeo di* couro levando tambera urna
irouxinha de roupa contendo urna camisa
de madajiolao urna baota verde, a cal-
sas urna de Insta > branco e outra de cor,
um jaqueta de chita de assento branco e
flores encarnada fugio a 8 do correte ,
do engenhe Caiana ; quem o pegar leve ao
iiie.-mu engenho ao Capilo Mauoel Jos
Serpa ou mi Piecife a Jos lavare Caj'
com venda na rua do Rangel ou no sitio
das salinas na freguesia >e Miiauguapo ao
dono do mesmo escravo que se dar ao
mil lis.
Moviineuto do Porto
rovincia m ensato
Topogr;
leo da mesma segundo a divi-
zao das novas Comarcas e um
Almanuk a breviado : na praca
da Independencia bija de livros
n 37 e 3tf ; rua do Cabug luja
do Sr Bandeira no hecife rua
da Cadeia lojt do Sr Quaiesmi,
e rua da Madre de )eos delronle
di Igreja vend que Ib i 'Jo He-
zende e vm Oliuda botica da rila
d^ Amparo.
Um esc-Hvn que tem prinr po d<
roxmbeiio ua rua do muro da i'eni.aca.
,aD. 17.
-- Mu lupetidre bem fabricada tint^
de csc-.'Vfi-: no paleo do Cam> D. II.
Urna preta iada moca e lobusta pa-
Urna preta de idade de ao annos
c^se engomma lava e coziuha urna
dita de 11 an.10 cozinha e cose ; i.\
pdias de cantara para poitacs : na ruado
Trapiche drfronte ao caes da lingoeta Da-
cima O 10.
Urna venda na rua da Cruz do R ci'fe
u. 19 a tratar na mesma
-- Meios Bilhetes da Lotera la Boa vis-
ta : na prada da Independencia n. 4
-- Um moleque creuulo d idade de i3
annoo com principios de nfficio de lato
i-iro : no pateo de S Pedio D i3.
-- Bichas grandes e pequenas de mui-
to boa qualidade ; folhinlias de porta de
algibeira e de Padre, para o anuo de
iM3g pilo preco de seis vioteoi as de
porta doze vintenias deal;ibeira e pa
inca as di: Padre; na p'ca da Boa vista
O. 1 (i.
As 8".guintes obras viudas do porto :
a faqueiros com todos os seus prtenca ,
e alguns castic es de prata, caixa p;ir. ra-
pi; urna ccriTaninha, prnlinho e tisnur 1
pertencentH os caslicaes e dois casdeaes
mais p'-quenos pr> -prins para pian no cooi o
Sfu competente pratinho a salvas pira
copos a botuaduias, brincos, e dois trn-
c< lius para S.'iihuia: na rua do Livramen
to'D. '9.
Um cavallo muito hom carregador e
em boas carnes : na ma vi-lha D. i8.
Urna casa grande e boa na princi
pal rua d casa Lite, sendo no lugar de
quina e ptima para negocio ; e i sepo<
pira assou;ne ou lanoeiro, tudo por
preco comaiud) : ua Camboa do Cumio
D aq.
Sil de Liboa a bordo do Brigue Es
cuna Ou ut- i s : a baldo do memo ou
na 111 do V gario n. 17.
Umi coro moda de conduru' : na rua
do I- ,",n O. 4
DoiS scravo posSantes um da eos
t< e o oulro de nngila sem vicios nem
achaques, vend ni se por nao serera pre-
cis'is ao Sr : ni Irempe ob ado de um
andar de Maiioei J'sdi SiUa GuimaiSea.
Um fscr-vo do genlio de angola: na
rua atr.:z dos Milirios c-'sa qu- faz fente
NAVIO ENTRADO NO DIA a.
B\M\ ; 1 a das, Crvela Nc. 7 de Abril,
Cummandanle. o Capilo de Fragata Jo-
aquim Erial Feneira ; Iraz a seu bordo o
Exra Presideoteda Provincii da Parahi-
ba e 10 deportados para a liba de Fer-
nando
DITA ; 8 das Brigue de Guerra Nac. 3
de Maio Commaniiaine o Cap de Fra*
gala .ioo Francisco Urgs undiou no
l.rneirao.
ST0EK.OVJ ; 75 dias, Patacho Sueca
S-n.ippopde 1 ao Tonel. VI. Larohc ,
carga ferro : a Calmout & Companhia.
S >HIDOS NO MESMO DIA.
BAHA ; Sumaca Nac. Feliz Aurora M.
Antonio dos Santas Vlartins ca nh ; p lestino de Matos e Joo Antonio Sal-
gado.
ENTRADOS NO DIA 3

ANGOLA; ai das, Patacho Portugar
ia de Janeiro de lio Tonel, M. Al-
xaimIre Jos da Costa em lastro.
ABICHAT,- 5' dias, Brig.e Inglez Ma-
riana de i6(.i Tonel. M. John le Gros,
carga hacalhu : a Me. Calmont & Com-
panhia.
S AH DOS NO DIA 3
MARANHAO' : Qrigae Escuna Laura Se.
gunda M. Franc co Ferreira da Silva,
carga vario* gneros passageiros Jos
Custodio Vieira com um escravo 3 es-
c avos peitencentes a Nuno Mana de
Seias 5 esclavas e doas ditas de Fran-
isco Antonio di- S B irrelo e urna es-
crva de Pedro Bernardo de Amorim.
ASSU'; Sum ci Liureiina M. Antonio
(jermaii'Di.i Nevas carga vario* gne-
ros ; passagtiros MigUel Ferreira dos
Aojos Manoel Duarle e S Jjo An-
tonio Pedro Jos Gome* de Amorim ,
com umescravo, o Alfares Joo Filguei-
r"atde Millo com I criado, Manoel de
Mello Moutcrtegro coro um escravo ,
Manoel de Mello Sores Flix da Silva,
com um escravo, Antonio dos Santos
Raposo, Manoel Rodrigues Pereira do
Nascimento levando em sua companhia
Daniel Jos do Rozurio e um criado,
Joaquim de Aluieida Cmara, com um
e emio.
OBSERVACOENS.-
Fundiou no lam<>iio o Brigue Inglez Marf
Ano Mi John U Gros viudo da
N- W-Scolland em 3o dias carga baca-
Ih.o : a Me. Calmont & Companhia ;
ficou sobre a talla.
A (illera Americana Bnvdi 1, M. Joba
RaCMttdi, vem da pesca carga azeite:
ab mesmo Mestre, veio refrescar, G"
cju sobie a vella.
Pkr, a ff#, us u.r. na r. itJB.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EX074PR15_HDGKHZ INGEST_TIME 2013-03-29T17:45:47Z PACKAGE AA00011611_03659
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES