Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03642


This item is only available as the following downloads:


Full Text
i$m
BE i838. QBARTA FEllU
MUIOS.
.J Woo "$00 "Ibas novas itfooo.
PalaoMus B.asileiro. i#67o a i#6go
Premio da. Letras p* > > Pr o*,
brea per cenio de descont
PARTIDAS DOS COBRIOS TERRfiSTKS.
*1
DE SKTEMBRO ItMERO mR
Tudo agora depinde denostrsalos ; da noss prudencia,
modeiac'o e energa: continuemos como principiamos,
a Barcinos apon lados cora admincSo entre as Nacoes w-is cui-
Proclamaco da Asscmblea Geral do Brasil.
GrdadfteVPr'^',Tlla!de,0*Pre!c,,,?Sos
Kisde do Rio lran le do Norte, e villas dem ... I
Cidade da Fortalesa e villas dem.......
filia d Goann.............
Ctdade de Olinda.....-......
Villa de Santo Anto............
Rila deGaranliuns. _.*,,*,
,!ua 1I0 Cabo, Serinhaem, Rio rormoso, e Porto Calvo
fajan' de Floree......... .
Todos ps correios partem ao meio dia.
Segundas Sextas feirae.
Todos os das.
Quintas leiras.
Da; 10, e 30 de cada mea.
hlem 11, e "1 diltodido.
dem 17, dilto dille
Subscrcve-se par esU folba a mil res mensaea paet adf-
ntados nesla Typoarafia, ra das Cruses D. 5, na Prae
da Independencia D.l-J e J8, onde se reoebem oorrespon-:
dencias legalisadas, e anmincios: ii.sirmdo se estes gralia
aeodo dos proprios assign-nlcs, cvindus asiignadoa.
OAS DA SEMANA.
10 Segunda S. Hcolo. Relacio de maobS aud. do J. do Orf. da tarde Qaarto miog.
11 TVrL"s,9,neo'doroPe"it. Aud^do Juido criraede tarde e sessSo da Thesouraria Prov.
ia OuarU S. Auta V- M. Sessio da Thesouraria Prov
i3 O inta S Felippe M. Relacodc nanui e audiencia do J. dos orfSos de Urde.
,4 &la baJtacSo da Santa Crua. SessSo da Tuce. Publica, e audacia do J do civl d. lar*.
i5 Sabbado S. omingoa em Seriano Relacodo manh eaudiencia do V. G. emlinoa de t
16 Domingo Eesta des Dores de Notsa Senoora.
liar ebeia para o dia 11 da Setetnbro.
? I bota 5o minutos da mauL A 1 hora 41 minuto da Urde.
PARTE OF.FICIALe
PERANMBUCO.
DIVERSAS reparticqens.
ALFANDEGA DAS FAZEND1S.
O Hyite Portugiiez, Mara vinda de
Liibaa entrada em iodo crrenle C-
pit) Jos Aotonia Cidada cousigiiado
ao rnestn > Capilo.
Manifestou o seguinte.
4o Moios do sal.
O Hyite Porluguez Libardada, viudo
Liaba entrada era 10 do corrente
piti Francisco Joaquina Tar, consig-
da a Jobo Piulo de Liemos.
Manifestou o seguidle.
8a Pipas co:n vinho, /f' birricas rorn
d'ilo la pipis cinadto branca, 13 me-
ias dita* coro, dito diio to barris com di-
to d-'to, 4p'pascon vinagre, 18 maias
ditas com dilo 14 ditas ditas com azeite ,
90 birns com dito 70 birricas com fari-
nlu 9 caitas com rape' 3o barricas
com raanteiga a barris com azeilonas I
fardo com taxo de cobre 1 caixote com
obras de lata a e cobre 1 dilo com di. ce ,
1 canastra com albas a fardos de ditos;
80 mollios desebollas, 15o ceulo.a de di-
tas.
Fora do Manifest.
I Caixote com ramos de flores.
MEZA DO CONSULADO*
A Pauta bes mesma do oum. |83.
CORREIO.
O Pataxo S. Ambroaio recebe a raaUa
para a Babia boje 1a as 9 hoiai da ma-
tobia.
ARSENAL DE GUERRA.
Arsenal de Guerra tem de arrema-
tar em hasta publica no dia i4 do corre-
le igums Carros Manchegot : quera os
pnrtender pode derigir-se ao mesmo Arse-
nal nd mencionado, dia das id hora* al
ao meio dia.
Arseoal de Guerra 10 de Setetnbro de
838.
fose Cari is Teixeira.
Director.
ARSENAL DE MARINHA.
O Arseualde Marinba em consequen-
cia das orduns deS. Exc. o Snr. Vice l're-
zidehte da. Provincia tem de fretar urna
Embarcaclo de aoo toneladas pouco mais
meaos, para condusir ditrer-Mf objeclos
a Una de Fernando. O inspector do mes
nao Arsenal convida por tanto aos Snrs.
Propietario, ou Consignitarios, que le-
nhlo Embarracoens de scmelhante porte ,
que compareci na Casa da Inspecca
nodia li do correnle pelos n horas da
m inbi para so tratar do fretamento a
vista das condiccoens qu,e sera apresen-
das*
Arsenal de Marinha do Ternambuco 10
de Setembro de (838.
Francisca de Assis Cabral e Teive.
Inspector.
PREFEITURA.
Parta do dia 11 de Stembro de i838.
Ulra. e Exm. Snr. Fora presos hon
tem a minba oid.-m e tivera desuno :
Ignacio dos Santos pardo mmijo, p-
l> Commissario da Polica do djistriclo de
Fora de Portas, par ter espiiicadu a urna
preta cativa ; Jos Ferreira da Costa e
Manoel foaquim Ferreira brincos, pe-
I) Sub Prefeito da Freguesia de S. Anto-
nio este por estar em desorden) com ou-
tro perto da meia noite e aquelle par in
fracciodas Posturas da Cimira Municipal;
Mariana Josefa da Conceico parda, pelo
Commandante da Guarda di Cadeia por
ter quebrado a cabeca de humi prela na
mesma Cadeia Hypalilo Saares e Fran-
cisco de Salles tambera pardos pelo
SubPrefeito di S. Amaro Jaboatio por
se nio quererem preitar ao servico da Po*
ticia ; Jo Nunes Tarares tobem par-
da, o Jlo Baptista de Cantalice bran-
bo, pelo Sub-Prefeito do Cabo, por serem
occiosos e estarem as circunstancias de
ser recriilados, Felippe Gomes. Manoel
Ferreira de Jerus e Andre Gomes de
Soma, pardos pelo Sub-Prefeito dos Af-
fogadus o 1. par ser suspeilo, o a.
por ser occios >, e o ultimo por Ihe ser ap-
preobendido hum cavallo furlado a Jos
Ouarte Rangel
E' o que consta das partes boje receba-
das mata Secretaria.
Dos Guarde a V. Exc. Prefeitura da
Comarca do Recife 11 de Selembro de
1838. Ulm. e Exm. Snr. Francisco de
Paula Catalcanti de Albuquerque Vice-
presidente da Provincia. Francisco An-
tonio de S Brrelo Prefeito da Comarca
TRIBUNAL DOS JURADOS.
Ssssio de 10 deSetembro da i838.
Jury de Accatacclo.
Daonncia de Manoel Francisco Gnima-
raens como Administrador de seo fHho
Jo*e Francisco Ribsiro Guimaraens centra
Antonio Pedro de Meneas por ferimen-
los; o Juryachou materia paraaecusac-
? Dita do preto forro Antonio Francisco
contra Antonio Jos Viinna por fenmen-
los ; o Jury acbou materia para aocusaa-
?a Dita de Francisco Jde Vianna Maxado
contra Benedito das Chagas .preto forro,
por fe. memos em a pitia Fraocisca ; o.
Jury nio achou materia para aecusaccio.
Sumario do extincto Juiso de Pai do
segundo districto de Santo Antonio con-
tra a preta Joanna escrava do Maria Jose-
fa da Ora por ferimentos em o preto Jor
squim es ravo de Antonio Pereira Tei-
; xeira ; o Jury nia acbou materia para ae-
cusaccio.
Jury de Se atenea.
Revista da Jury de Goiana do Reo Josa
losquim de Figueiredo; foi ooodemnado
ena 11 annos e 8 opsea de prio o Dou-
tor Promotar appeltou.
Sumario.' ex omcio contra Pedro No-
gueira, criouta. forro por tentativa de
marta, e uzo de armas-; fui abselvidj
quauto ao t. ecorrieraaado quinto ao
a^a 7 Wd? pr>ac>,
ED1TAL.
O Daator Jbio Paulo de Caralho, Julx
da Direito do Crime da Comarca de
Goiana Provincia da Pernambuco.
Fax saber qoe 00 dia 10 do corrente en-
cerrou a segunda S?s*o ordioaria dos Ju-
rados e que dos SeahoreaJixesde Faca
sortudos comprecera-3o que forados Se-
niiores Antonio Barbosa Aranba da Fonce-
ca, Antonio Minoel Ribeiro, Antonio
Jos de Millo, Ant. Candido Ribeiro. Ant.
Manoel d'Oliveira, Antonio Thoraai da
Silva, Bernardo Jos Pereira Dr. Do-
mingos Louieoco Vas Curado Estevio
Vicente Cavalcaole. Erancisco Marado
Freir, Francisco Fernandes da Ressur-
reicto-, Francisco X'ir Vat da Silva ,
Felippe Neri de M-ndonca Frapcisco de
Paula Cavalcanti d'Albuquerque Lacerda ,
Fraucisco Cavalcanle d Albuquerque, Pa-
dre Felipps d'Araojo Pinheiro Goopalo
Gomes di Si Leilio Joie Franci$co_de
Souia Joio Igoacio da Mello, Josa Ta-
i-ares de Mello Ja*o Alvea Pragaoa Jo-
io da Costa Villar fallando um dia Um
Lucas de Mello, Padre Luix Josa de Fi
gueredo, Manoel Tertuliano da CaUa ,
Miguel Peaioa de Araujo Mell, Manoel
VelhQ Brrelo, Manual Xavier Carneiro
daCunha, Miuoel Correia de OJiveira
Andrade ; for-5 chamados para suprirem
as faltas 17 Senhores Juisea de Facto e
foriooiSiirt.' Bernaido Josa Fernandes
deS Fraucisco da Paula Noberto de
Andrade, Francisco Marques da SiUa
Avillar % Jos Luia da Salea Barbosa Jo-
ao Daminguoa da SiUa tallando doos di-
as- Daut^r Jja6 de Cald.a Ribeiro Csm-
pos J-we Antonio da Silva Grillo, Ma-
noel Gancalves de Faria Padre Minoal
doa Reis Curado, Manoel Jos Pexoto
GuimaraV Mauricio Josa da Goveia ,
Padre Ricardo Jos Maxado, Sebastioda
Cuuba Axioli Lins Antonio Mximo
da Barros Leite Miguel Lins da Silva ,
faltando um, di forio dispeoc'dos por
apresemaivm excuias legitimas aA* Snrs.
Junes de Faci, e forio os Senbores A&-
tonio Alves Viinna, Antonio da Costa
Villar Antonio. Mslhtai Ribwro d Albu-
querquo Anlonio Soares da Silva An
tonio Jos Guimaries Cosme Ignacio do
Araujo Lima, Cosme Dainia da Silva ,
Claudino Augusto da Silva Freir Fran-
cisco Cavalcante de Vasconcelos Josa
Candido Xavier Carneiro da Cunha, Jlo
Moreira de Moraes Joio Velho Brrelo ,
JoioJose da Rocha Granga Joo Pinto
Pereira Lila, Joaquina Thom da Franca,
Joaquim Guedes Gondim Jos Camello
Pessoa d'Albuquerque Joaqu m Duarte
Pinheiro Naiareth, Logrenco do Albu-
querque M lio, Ludovico Francisco Ca-
valcanle Manoel Antonio Pinheiro Pe-
.1 A r....iu Andrade Pedro de Mello
u'..u" "/ M vUwb-v Co/ia
e Silva Ricardo NuntaLavaiu....-, ^*
illimiuad.s trez Senhores a forao Jofio Ve*
Iho de M~-llo Francisoo Tarareada Melr
u Jurrrr'f rru?iau uexar de \ascon-
cellos t \ fo'tmuhado um Sr. Juia de Fa-
cto era 3o.ooo re a Coi o Sr. Cusiodio
Aranba da Fonceca.
t pira que chegua a noticia de todo
mandei pasear o presente que val por mim
aasignado com o Sello des te Juiso qua
ante mim servo ou vaina sera Sello] ex
causa.
Gaiana 13 de Agosto de i83*. E en
Jos Gomes de Jexus Marreca Esorivio o*
aubscrivi.
Joio Paulo oa Cotvalho.
CORRESPONDENCIAS.
Sara* Redactores *- Transmiti ao p-
blico, a ao Sor. Antonio Joaquim da Cos-
14 1 naenlel, que nenhuma das alluzdes do
Echo, a de miohas correspondencias por
ele Diario sobre as cartas di L. O. C. a
A. L tiver porobject a sua pessoa }
e tanto, que boje mesmo q' S S. se declara
ser o a Amigo da Justica de hum dos
nmeros pasados e que exige bum pou-
co spero, huma resalva da parte do Re-
dactor do.Echo, este se aprax de o faser, es-
quecendo muito de boa grado a aecusa-
| ?io do Sur. A J. da C. P de ler dado o
K. por paos, e por podras respondendo
a L.O. C. Lea-se o Echo numere ti6 ; a-
h se responde a L. O. C. O Sr. Costa
nio tem sido o nico que tem dado ronli
gente para, o Diario sobre noticias de Hes-
pinha a Poituguil. Tenho respondido
quanto a supposicio de ser elle L. O. C.
r J Quanto a nao ser o porlugnez Cons-
Constitucional parece inc.ive que o Sor.
Costa se persusdisse que eu tal suptinha,
quaodo o Sor. Jos Joaquim doa Reis ga-
boa-s* a hum de cada canto de ser o autor
dessas cartas eleganlissimas do l'ortnguez
Constitucional. Por tanto o q' diaae anb e
este exemp!arissimo constitucional o Pitia
1 Bordo, nao perteace a rvdacca do E-
cbo ; se fosse, eu me assignaria como o
fu pelo Diario na Co'.heta dos pepinos da
perenne memoria.
Pode o Snr. Costa aceilar com esta do-
elaracaS a antiga estima, a oontinuapa6 doa,
rctpeiloij a consideiac5*sdo
. Redactor do Echo..
1
I


f!
i
E JlER V
AiBGO
Lll
C* Redactores Fiquei ai *f"
admirado'de 1er o roefavel nuncio
LnVd. no Diario de.sexta;fe, i I do
no Agosto, e de repente inda *m1 i
Finei pasmad co.noulro execravel an-
ecio lUado em o Diario de segunda
fXiodo correnta S-temb*. wmr%
2a de Andr Al ves do Iteo a Senho-
S Florea Margacida do. Prasere,
ruja Senhora Se achn cegado .b -o*.n-
bJ, e .ssicn mesmo nao dexada er per.
Wuida por mu genro o Illm. 5nr. I rao
jo pada p*ia t rur.
hoieala.^osC^iraW.mstralda 3.
Orden Serfica. .
Este Christao. Senho.esRedactores f
nuemfei escrevirthar ste annuncm ine-
, arravet em nomo de seu genro Jos J -a-
Sf de Sou ex soldado d Cavalt.rla
Municipal par. omojoar o pa.fieoJJ"-
lo desta desamparada viuv. daqu.l *
sou especiar Procurador era raslo de tef
sidoCaixeini d* sua casa desde 1800 Me
loi, e poris* incgnitamente se me
fnz esses mmasos elegios, cora pejbdo
de seu Cons.lheiro ( era lugar do dicer
seu defensor. ) ...
Para o publico julgar da raslo Rustica
o^nf. Francisco J*ie DUs da Cosa of-
fereeemos 9 Crrlidoens lancidis no re-
naermenlo junio ao mesmo lempa ad-
vertido o como eise Senhor za re hura
termo subterfugioso e maxavelrco nos se-
u$ annhncioa se'rvindo se de nome alheiot
nada mais he mister diser para te conhe-
cerpelo dedo gigante ; e mesmo qaan-
do e contra-di* a si mesmo qoeixando-se
queja maisselhn qtier mostrar livros.e.
papis &c. como afErma biMmenle que
se lirio folhs crditos, e papis.
Sou Seohores Redactores &c.
O Defensor da vio va.
Di* Francisca Margarida dos Prierel ,
.Tuva de Andre Alve* do Reg que pre-
-cita qne o EscrivaS Reg avista da* aut s
'de libello que a Supplicaute incaminh
1 pueeoro Francisca Jos Dia te. Offereco -M'.ra. Nada mais se
contmha era dilo requerimenlo que> eu
Escrivf ro principio desta declarado fiel-
menle fi* passar por-cerlidao do original a
queme reporto; esta vai sem conza que
du*ida fac, confiridi e concertada, e
por mm subscripta e assignada nesta Ci-
dadedo Recife de Pernambuco aos 10 de
Setmhrp de iP38. Sub aisignei em f
de Verdad.. Francisco Jos do Reg- E
comigo. J0S0 Francisco Regis.
Costa pedindo-Ibe cioou msqUc!>aonv.
da Supplicanle a falecid Anna Joaquina do
(Rgo uede 1833 aorjual libello oppor o
Supplicado artigos de rccovencii di-
' gendo que a Supplicanle Ihe deve p:3ooU
> lanos rail rs. da heranca doada f^recidj
inulter do Supplicanle par dods Titos do
''que eetes toca'se da casa do falccido ir-
moLuix Fraocisco do Reg cuja he-
raoca se toroo era crditos cartas e con tas
de ivro qu lhe de|r Ortidio se a
Supplicanle prestantemente fe*-juntar a
csss autos a conla Geral dos recebimentos
despesas feitss, e jontamente a conta ,
dos crditos que. se acho por cobrar ; e
igualmente o requerimento que a Suppli-
canle fez na contrai iedade as artigos de
recoveneo pedindo so nomrem Jui-
"es rrbitroS para tomar conhecimenlodessas
rontasdadita bertnca. P. a V. S.'Ulm.
'Bar. Dr. Juixde Direito e Cive rVa 1. Va.
ra lhe defira como requer. E R. M.
Fraocisco Jos' do Reg E crfVSo da
' 1. Vara do Civel desta cidade do-Rcfe de
Pemambuco &c. Certifico qu'rvrid os
autos de Libello declarados na p*lct6 re-
Iro delle* consta q/e a Sapplicanle jun-
tara a ellesa conta Geral dos recebim.enlos,
"Pdespsas da heranca do falejcido Lui*
'Franciscodo Reg prtnceote"aos heide-i-
ros do mesmo assim como a conta *-rJbs:
' crditos que s* achSo por cobrar da mesma
heraora, cujas Cohlasfo^o oiT^rendis com
a conlrariedade com que a mesma Suppli-
' cante veio aos artigos de recorenCio *Sopplicado. E he o llieor do requeri-
nu-ntu(pedido por certidio o segulnte
^Requer que afinal se nomeem arb tros ,
' no so' pifa1 tomaren) conhecimeulo das>
onlas nm de se everifiVar ou hSo o sal-
do a favor da Recovinda e bem cbmo
para dar curnprimento a E>crptura do do-
ao documenlii n. 1 a fl. a<{ /separan-
do se fibriga?&es das activas devedores da
^eri'nca pira ter inteirado Recoavte do
restante das duas pirles doadas para o
' TOesmO ReCoiivite pode a seo t)el praser
cuidar das arrecadaces do queche per-
> -nfi-r r-\mn Hie rinv'ipr porrpi R;-COr=
' vch fem de adiintadi em ano s, vinva ,
,.r d.-*mais a rhi cegvdeamboi os cilios ,
nao'p^d? ,- n*m eleve-continuar na Admi-
- nislracio do qurpfftenc -ao Revendican-
-EXTERIOR.
Coroacio di Rainha Victoria.
A a romper dodia de 48 de Sunho a r-
tilheria annunciou a grande solemni/tade ;
pof'm a atmosfera s'onbria e nublad*.
Desde a 4 7 'eras da manhi cahi -
ra6viHros fortes, eposlo que
algumas pess as se linhaS acautelado con-
tra esle incidente, com tildo a grande
nultidj de pessoaa j reunidas om (rente
do palacio aupprtara este conlratempo
mm estoica indifferena e todos conser
vartS seus logares como s estivessem inti-
mamente persuadidos de que devia ser
mothados ateos ossos em honra da Ra-
nha. As mestnas sehhoras. q>'e fora as-
sr. feliies *>ara apanharem logares junio ao
palacio soffreraS a ebuva, como se levea
chapaos fru toueados de seda fossem sega
rbs guardas chova oo como se seos ves-
tidos de aetrm fassem de couro impermee-
'H.: A atmosfera conservou se carregad
al depois de y horas, porem perto das
8, o sol appereceu, 'emostrou que tam
bem quera gosar de tao magnifico expec-
tarulo. J peas 5 horas s pderfaS fal-
VMcoWar no parque para sima de duas
Oiilpessoas, e aprsar da chuva nao erao
mapetes que vinhs chegando mas mu-
trdfies, e sem oaageraco, sepodia der
que c*da 5 minutos acresciaS oo pessoas
s neste ponto.
A' p oporoSo tambera qda a mullidla
erract", pobre gen le que tpba irazido
cadeiras, bancos, mezas &c. para os lo-
gares junto as grades onde isto era per-
mit ido, para commodid de dos experta-
doi'es augment^va os precos desle tras-
tes e banca podre hou*e que n9 valen-
do-em si meia coroa, rendeo a seu dono
ao sht-lings.
Entreunto sie ba apostado atropa for-
mando tres linhas.
Pela volla is. 9 horas entrara nn par-
que as earruagens dos diversos embiixado-
re estraogeiios as quaes se postara5 no
cwilro do caminlioque condac da columna
de York para o palacio; 'Depois da.procissi'o
era 'rtt o mais brillante expeclaculo, pe-
la riqueza e gosio das carruageas libres,
e arreios dos cavallos. Depois deestarem
orranjdas certas narrosgens cdmrcarao a
lomar logar aa dos membros da familia
real, ecinoo minutos depois destas pissa-
remas portas, entraia as de S. M. Se
riaS 10 horas qu ndo S M. enlrcu aoaru
coche e neste instante os marinheiros in -
5le7.es a qupm se havia confiado o esta-
arte real, o fizera tremolar sobre o ar-
io triumphal, por-entre miniares deap
plausos, e por entre oestrondo da arti-
Iheria, que annuneiava cidade que as
ceremonias do da tinha comecado.
Os brilhautes uniformes escarales dos
c eados, os mipnificamente ajaesados ca-
vallos, os- sob -i bos uniformes dos olliciaes
do estado ,' e brilbantes adornos das damas
de honor e das damas da cmara, tudo
esqueceu ,' todo passson sem ser notado.
' S ia pensamiento exisi, verarainha,
e applaudi-ia vr a rsinha alroar os
ares cem vivas e acc'amacoes.
' A Ordtoaa da pr cisso era a seguale :
Trombeteiros e timbaleires.
Um esquatro das life guardas, ia or
dens de um d.-s escudeir.s da uinba,
com d its ajudanK-s
As carruigeiiH dos embaladores resi-
dentes, e los ministros, na ordena em
que eHes neste paiz loma si preced ncia,
a':saber:
O'encarregado de negocios d-> Meziro _
n rwniraH V r(T.,oin de P ft'-al__
oeocareegado de negocios- di Suecw o
ministro da Sixonia nover o ministro da Grrc o minis-
Iro de SrdifftUa o'ministro de Hesp
nha o ministro dos Estados Unidos o
minihtro de Hollanda o ministro do Bra-
sil o ministro de Baviera o ministro
de Dinamarca o ministro Belga o mi-
nistro de Wurtemberg o ministro da
Prussia.
iy-goiaS- a estas a# carruagens dos em
bsixadores e miistios extraordinarios,
na ord m em que respectivamenle partici-
paras a sua ebegda a esla capital pelo
modoaeguinte:
jtm?d Filty Pacb, embaixsdor ex-
traordinario do Sultao.
Marech^l Soult embiixador extraordi-
nario do Rei dos Fraricezes.
O D | traoidinario da Rain ha de Portugal
O Conde Louxenhjelm embiixador ex-
traordinario do Rei de Su- c a.
O Marquea de Brienaln embaixador
exlrordinario do Rei de Sarrfenha.
O Conde Alten, embaixador exlraordi-
nario do Rei de IImover.
O Princip- do nlhus embaixador ex-
traordinario do Rei de Prussia.
Marque* ce Mira-flores, embaixador
extraordinario da Rainha de Hespanha.
O Birao de Capellen embaixador ex-
traord nario do Rei de Hollanda.
O Principe Schewarznberg, embaixa-
dor extraordinario do Imperador d'Aus-
tria.
O Conde Sirogonolf, embaixsdor ex-
traordinario do Imperador dj Russia
O Prinpipe de Ligne, embiixador ex-
traordinario do Rei dos Belgas
O Conde Ludolff, embaixador extraor-
dinario do Rei das Duas Sicilias.
O embaixador Turco.
O embaixador France*.
O embaixador Russiano.
O embaixador Austria o.
Urna banda de mu ica montada de um
regiment da brigada da casa real.
Destacamento de lile guarda, tb-baixo
da direccao de um dos escuJeiros da Rai-
nha com doisajuJantes'.
. As carrujgens dos ramos da familia real,
com at tu raspeclivas escoltas.
A Duqueza de.Kent e seu sequilo, as
duas carruagens de S. A. R., puchadas
cada urna por seis cava'tos com a sua com-
petente escolla de life guarda.
A Duqueza deG'ocester e seu sequilo,
as duas carruagens de S A. M. cada u-
ma del lis puchada por seis cavallos, rom
a sua escolla propr.a da guarda-i de aznl a
cavallo
O Duque e Duquera de Cambridge e se-
quilo as duas carruagens de S A. R.,
cada uma deltas puchada por seis cavallos ,
o a sin propria escolla de guardas de azul
a cavallo.
O Duque de Sossex e seu sequilo na
carruagem de S. A. R. puchada por seis
cavallos, com a sua propria escolta'das
mesraas guardas.
Banda de n tsica a cavallo de um regi-
ment da brigada da caza real.
Dcbaixo da direccio de um dos escodei-
ros da rainha, com dois ajudantes.
O rnestre salla de S. M.
Os. 48 aguadeifos de S M.
As carruagens da rainha cada urna pu-
chada a seis cavallos.
A primeira carruagem pnchada por seis
cavallos baios, conduzia doia pagens de
honra, e dois camaristas.
A segunda carruagem puchada por seis
en vatios b os, condiuia dois pagens de
honra e dois camaristas.
A terceira carruagem puchada por seis
cavallos baios, conduzia duas damas da
carnara e' dois mocos de ante cmara.
Qutrta carruagem puchada por seis ca-
vallos basos, conduca duas damas da c-
mara e dois mopos de ante cmara.
Quinta carruagem puchada por seis ca-
vallos baios. conduzia duas damas de ho-
nor 0 guarda roupa e o Clerk Marshal.
. Sexta carruagem. puchada por seis c-
vanos baios conduzi* duas damas de honor,
o guarda do bulsinhe privado, o vice-
eitamberUin.
Sjtiina carruagem puchada por seis
baios conduzia duas damas de honor o
ihesoureiro da caza e o contador da ca-
?v
Oitava carroagm paierada por eis
bajos i condunia.duas datnis de honur, e
dais,lord, de tervico.
Nona carruagem puehadi por sata,*s-
tanhos, conduca duas damas dacaiQi.
e dois lords de servico.
Decima carruagem puchad p0r ^
luios, conduzia dii damas da cmara
dois lords de servico.
Undcima carruagem puchada por ses
baios, conduzia duas damas di cmara ff
dois lords de servico.
Duodcima carruagem puchada por seis
cavallos pretos conduzia a caraareira mor
o lord chmarista, e o lord Steteard.
Cada urna distas carruagens levava doi
mocos a p de cada lado.
Um esquadrio das life guards.
Banda de msica montada da brigada
da casa real.
Estado maior rrilitar e ajudantes da
campo a cavallo a tres e tres.
Cada um delres scompanbado por uro
creado de libr, e cada lado pelo rqm>r_
ry da cavallarica. da. coroa e pelo caval-
leiro picador da casa real.
Deputado ajodiute general, deputado
quartei .meslre general, depulado ajudan-
le general daartilheria real, quartei mes-
%egeteral, secfetario iHil i lar do-com man-
dante em chefe ajudante general.
.0 etcadores reaes, yeo'men prickers,
e fore lirs
Seis cavallos de S. M. com ricos janes,
e conduzido cada um dilles por dois moejs
de libre.
O cava leiro marechal a cavallo.
Marshalmepem Bleiras de qualro a qua-
tro.
Os Iresexans mais mocos dos ycomen da
guarda a cavallo.
Cem yeomen da guarda a qualro e qua-
lro.
O xon mais Velho, al fe res, e lenle
dos yeomen a cavallo.
O cuche de estado puchado a oito caval-
los cor de leile, acompanh idj por um yeo-
men da guarda a cada roda, e dois mocos
a p a cada porlinhola.
O lord do estoque de ouro e o capito
dos yeomen das guardas, a cavallo, acom-
pmbados por dois mjcos cada um escal
lava5'a Rainha e sua camareira de ser-
vico.
Seguiao se o estribeiro mor, o cpTlIH
general dos aicheiros reaes, acompinhafc
dos por ifuis mocos. Um esquadro d
life guarda.
Pouco antes do meio da, annunciju a
artilheria a ebegada de S M. igrja.
Chegando S. M. abhadia de fr,sl-
minsier, os b pos, pares, e senhoras
com as honras de pares que j all se
aeha vnf t a vieraS receber & porla da igr-
ja, S. M dirigio-se ao gabinete que lhe
eslava preparado, e pouco depois lor-
nou a sabir em grande habito de ceremo-
nia. Rompiad o prestito os membros do
cbnSlho privado,' e os grandes ofRciaesda
coroa : seguiao-se as duquezas de Cam-
bridge, de Kenl, e de Glo'wcesler; <>
duques de Cambridge e de Sussex ; gran
condeMavel da Irlanda b grao 'condesla-
vel da Escossia, o conde.marechal da In-
glaterra, o duque de T^ellinglon como
seu baslo de frld-marechal: as insignias
da realeza- a patena, a biblia O calix le-
vados pelos bispos deBiogor, de West-
minsler, e de Lincoln. A"Rainha com o seu
manto real de velludo escarate com p"
dadura de ouro e forrado de arminbo,
levava to'da# as "insignias das suas ordens,
e na cabeca um deadema de ouro. 0.'to
damas de honor lhe seguravaS a cauda e
outras viole e qualro' dam is e camareira* a
seguiaS, O Coro entoou eolio a antfo-
na Eu me alegrei por encarar na casado
Senhor &.
Assim se dirigi o acompanhamento pe-
la igreja at ao estrado do ihrono. ^**J"
rj'ufos 'reis d'afrrias ehcarregadosda
guarda de S. M pararanJunio aoprinierro
deg'fo do estrado. Rnha depois da
haver ajoelhado para fazer urna brve ora-
ca; subi ao throno aJssentou-se.
Os eslddanteS de VVeslrainster com 0$
ile-
seu* prol'cssores, aeguuda seus preV1 "
gios,'Ievantra5 em forma de canuco ai
palavras-. Vi val Victoria Regina.
Esland a Rainha sentada o '*bf
de Carilorbery, assstido da lord "*
lre doconde-niarechatse enciminhpo
estrado do ibrono proceue -,-
nhpcimento .:'duendo : Sohdrs ,
aqu -vos apresftto^a Raihhi Victoria '
yim.8'J^an.'dUles rfeno, :'po/^


>mi
-M
E I N A M D U C O
SS3SSSI
'ni! ......i
5
j todo <1a so" *,ndoa "q"' para Uie
t#ler preil/ horaeoagein estis a fa-
se-lo 0% assistenles em altas acclama-
cfes, responderos: Dos salve a Rai-
nha Victoria: e tocava as fan farras a
troibb'elas. Estas pilavras foraS repetidas
utrto arccbispo- para es qualro lados do
lemplo e a cada repetico a Rainha
poodo-sode p, se voltava para o lado pa-
ra onde fallavat o arcebispo ; eos circum-
siates respondan com as mesmas accja-
f*fto s dirgu S. .\. ao altar pira fa-
te/ a sui bffjra, era cumprimenlo do
praeito que diz : Nao epparecers pe-
r.mse o senhor leu Des com as naos va-
zias. E tendo ajoelhado sobre uno co-
cbrtii de brocado tmou das mios dos
officiaes de sua casa eentregou ao arce-
spi, urna magnifica toalha d'altar de
-.isso de ouro, e urna barra de ouro do
Vpzodeutna libra. O arcebipo recitnua
(wraco O Dos, que habitas no aho o
snelo logar &c. depjis da qual S. M.
-< voltou ab seu tbrono.
O arcebispo de Cinlorliery celehroa o
ffieio divino, fiudo o qual o hispo de
indres subi ao pulpito, e prgou o ser-
ano.
\ A. Rain ha o ouvio cono rauta alinelo ,
sentada de fronte do pulpito.
Passju-se eulo aO juramento, e foraS
feitas estas peguntas a S. M.
S;nhora, qiur V. Vi.jurar?
E tendo respondido Quero conli-
nuou O
ArCebispo Prometteis solemnemente ,
le juris, de governar o povo deste Reino
unido da Gran-Brota uha e Irlanda e os
dominios que Ihe pertc-nct-m segundo os
estatutos concordados em pirlamento e
segundo as leis e costumes respectivos do
itoesmo?
R >mba Solemnemente prometi de o
raser.
Arccbispo Maniereis vos quanto po-
derdes es leis de DdOa, a verdadeira pro-
fisso do Evangelho, e a religio .protes-
tante reformada estabelecida por le? E
maniereis e conservareis tos inviolavel-
nvrte o wtabi*ctfn(-n!o da Igrerja unida
de Inglaterra e Irlanda e a doctrina a-
dorai,o e governo competente como sao
por le esUbehteidos em Inglaterra e Irlan-
da bem como nos territorios que Ibe
f periencem ? Conserrareis vos aos bispos e
| clero de Inglaterra e Irlanda e as igrrjas
'> al entregues a seu cuidado todos e laes
direitos e privilegios, que por lei perteo-
) cem ou possa vira pertencer a elles ou a
algara delles ?
Rainha Todo isso prometi fazer.
Eoto a Rainha levantando se da sua

j. eadira ajudada pelos ses ca
* tnnmninli^dj Art lr\rrl ilmnrill
marislas
J
icdmpmhada do lord camarista mor, ten-
do-lhe sido aposentada a espada do eita-
do, caiiinbou para o aliar e all vista do
povojurou de cumprir oque acabava de
prometter : pondo sua mo direita sbre
os Santos Eva.ngelhos na. grande Biblia
que tinha sido levada em procisso e
que O' arcebispo tirou de cima do altar
para Iba apresentar qnando ajoelhoa sobre
os degios S M. disse Tudo quanto
acabo de prometter oexecularei e guarda-
rei, assim Dos me ajude. Enlo S. M.
beijando o livro assignou urna copia do
juramento que acabava de proferir e vol-
cando fni ajoefhar junto cadeira onde an-
tes se tinha sentado. O arcebispo enloou
o hymno _. veni crealur spiritus o qual
-ocorocontinuou.
(Continoar-sc-ha )
A poli tica o aordem.
Ascienda poltica nio he meramente
.abstracta e theorica ; ella rauda com
X' lempos varia cora as circunstancas,
sofl'ie a influencia das nacionalidades ; e
'nada tem de empyrio. 'A experiencia a
rege, ehenecessirio que ella se modifi-
que- coniforme o seculo, e os cos ornes dos
homens : su esta a primeir condiccio, e
da qui nasce urna mobibdade de principi-
os e de meiot que sera -reeio Ihe imputa
como um crime. As bases *obre que re-
poezisao movis -este defeito her.he-
"rentea sua natureaa ; as'ateras- sebre
que traba Iba si reriaveis e a sna incerte-
s i.hoo resultado nect-ssarip dos deveres
que Ihe sao imposto*.
Mas, se tudo he excepcional *m polti-
ca ; he fixa a arte de appliear essa* x-
cepces, assim como os principios de mo-
ral que devem guiar aqutlles incumbidos
de^ dirigir os distinoa das naces. O
principios pol lieos nada tem de commum
com o carcter individual daqu lies que os
professam ; e querer confundir a ambici-
osa versatthdade oservilsmo cupido com
as modificacrs da doutrina he tctica
mesquinha, que de prompto se descubra
para discredito dosseus aulhores.
O Governo representativo be um dos
mais Ivllos e uteis dascobrimentos do
espirito humano ; por isso que habalita os
governanos para se aVscartarem legalm. n-
le dos funccion.irios que abuiam da sua
autoridade : he esta a sus cardeal vanta-
gem, e sem ella bldado seriam todos os
exforsos para popularisar um tal sistema.
Nao venham pois os aclitos da ordena
intentar justificar as sms manchas piso-
nes com a invocaoo da senlenc sapien-
tes est mulare concilium. Ninguem se
deixar burlar assim; todos concordaro
que a modificaco das opiniocs, e os cons-
tantes exforcos as aute-camaras dos Mi-
nistros em favor do churume pessoal, sao
cousas bem diversas.
Ha modificaco de principios reconhe-
cer actualmente que a constitu cao de i8aa
sem ulterai- 's nao seria propria para asse-
gurar a ventura dppaiz admittir que em
uossas circunstancias a Carta de ieifi se-
ria urna calamidade que para sempre in-
validara o espirito do progresso. Agora,
ameacar hum ministro de se pastar para
opposto partido por elle nio atleoder ex-
ajjgerad is pretencuas ; adular est>s em
quanto no poder para os deprimir desde
que se tornameidados ; incitar os exalta-
dos a excessos para depois os metralliar e
tancar Iheosanginlios : querer a forca vi-
ver a custa da nielo disfructando pingues
ordemnados sem Ihe prestar servieo al-
gum : t'is o que nnnea deixar de.ser ro
putado indigno, abjecto e despresivel :
mude-se ou nao de opiniao, conse vem se
ou abandonem-se theorias que se posso
turnar prejuisOSa
As beocaos de htun povo agradecido'
valem mais do que ttulos e condecoraedes
mais veses devido a aeices particulares
do que ao verdadeiro mrito e servicos
uteis. PensaraS realmente assim os Snrs.
Costa Cabral, Julio Sanches o Garret ;
enteodero acaso que os servicos por elles
prestados ao paiz Ibe hlo captado a aura
popular, e os tem eircundado de urna
aureola de gloria mais fulgente que o re-
flexodas suas insignias ?
A ordem tem sido o talismn do parti-
do que dirige os negocios pblicos; ea-
cerca della discorrem com a m>-sma inno-
cencia e-candura que uzam por occasiao
de traclar da coherencia publica, A or-
dem he a obediencia a lei ; mais os ordei-
ros substituem a ella a sua vontade e
querem que nos curvemos: aordem he a
obediencia as autoridades } mas os ordei-
ros demiltem as que cumprem os seus de-
veres para mandaren em seu lugar ho-
mens sem escrpulo que se ponbam em
guerra aberta coro os povos, obrgando os
a'guar-se nss elleicoes pela monila minis-
terial, e disem que hi falla de respeilo aos
magislrados.
As virtuosas massas dequem talla um
cuolemporaneo eronicameote; merecem
mais a qualificaco que Ihe parece contes-
tar do que o pequeuo grup da gente a-
aloada. As virtuosas massas irabalhaoxie
da e de noule para sustentar ociosos que
as deprimen e h jslilsam mal nao se
n.ieixam pertencera a guarda nacional e
vomonlar aguarda, ou as paradas ou
80S destacamentos, era quanto os do ter-
ceto partido obesas e inuteis rod-m em
as suas symptiUi equipagens A*1**
massas ero (ira foram roelralhadas apura-
os, dissolvidas, espionadas, -ten jd.
,,a o bsmwuo, e patritico do .ppdUr
Dir. a urna ele.lotat comoo on.codesfor.
Jo que llirt compete, como o nico recur-
drno dos Lmeos livre. em quanto a pa-
esta' enperigo ***J*!S
tanta-Lonrs, tant* ver
oscortesaos que as deprimen -terao el
intaverffonLa, tanto carc-
ter como essas mass.s qu6 isnundarr. as
u'sea. pracas, que sao -arnec.d.,
ed^spre.!*.. por jorwlt.Us quuno.con-
ce heno como o mrito pessa exislir onde
ni<> ha sedas, velludos, ou cambraias ?
,0 trabalho he o pai da virlude e da fe-
lcidade, e qoem assim mostra ter lido A-
(lamSniitli devena ter a bondade iJe lera-
brar-se que os economistas nao conccbcm
qu'.nos. cnicos chamados Reinos bajo
langos que so tratem de consumir o inel
da calmoia sem concorrer para a prodc-
elo- Para aconsolhar os outros que traba-
lliem he mister dar oexemplo alias tudo se-
r baldado : o governo instruido para a
manutenido da Liberdade, seguranca e
prosperidade doscidados jamis podera'
lisonjear se de despenar nos povos o a-
mor ao trabalho em quanto curar de a-
glomerar tropa na capital, deixando
Provincias entregues a bandos' de saltea
dores e assass nos em quanto prender
sem indicios de.culpabelidade, e dt>ixar a-
podrecer nos carceres homens carregados
deoriiues,' em qnanto nSo der execucao
lei do C-mgressi para o processo excep-
cional de certos crimes ; em quanto nio
prescindir de demittir fuuccionarins so
porque nio conseguem atlerrar os povos
por occasiadas eleict-s ; em quanto nao
aelivsr a cobrancados tributos : em quan-
to por Tactos nio demonstrar que he um
Gorerao de Jostica e de imparcialidade,
nao o instrumento de orna microscopa
pandilha.
(Nacional de Lisboa de a$ de JulhoJ
\ V I Z O N l> I V IG II K Quem annaueiou querer trezentos
mil reis, a premio de i e meo por cenlo
ao mei, com hypotheca sobre urna csza ,
dirija-se a venda da quina do beco do Ou-
vidoraLuit Marques di Silva Mello de-
fronte do Theatro que dir quem os d.
A pe soa que annunciou no Diario
de hontem morar no siti do Sr. Manoel
dtCarvalho, e querer ser feitor eser pe-
rito j dirija-se ra da Gloria em urna ca-
za terret I) f\i de fronte do porta o do
quintal das Freirs.
i No da do correte apareceu huma
canoa na ponte da Boa-vista anda por a-
cabir ; quem forseu dono procure em
Palacio vej|,., em casa do Senhor Nico-
MO.
Os Cnteos quequtserem por'pron-
tos 5o eonhaes de pedra para a obra da
torre da Matriz da Boa-vista, dirija-se
a roa da Gloria sobrado D. 38 para jus-
tar onegocio.
Lombard, ourives francez filagra-
neiro esmaltador, previne as pessoas qoe
o honro cora a sua confi.inca, e que tive-
retn algumas obras em sua casa, que esta
se acha feixada en consequennia dse
estar mudando para o atierro da Boa-vis-
ta casa terrea defronte da do Snr. Joa5
Pinto de L?mos, aonde com brevidade a-
brira' sua otficina.
Offerece-se para criado de qualquer
casa, on Hespanhol, qiem precisar po-
de dirigir-se a roa do Rosario Estreita lo-
ja D. *4.
Deseja-se saber seexisle eraPernam-
bueo algn filho da Senhora D. Anna
Pcssoa de Mello, e de seu marido o senhor
JoseJoaquira Pereira da Silva Pimentel,
moradores que foram em Sanio Amaro
freguesia da Boa vista : queira ir a praci-
nha do Corpo Santo D 67
Deseja-se s-ber a morada da Senhora
D. Anna Maria do Sacra-m-nto, para se
tratar de oerto negocio : dirija-so apraci
riba do Corpo Santo D. 67.
_ Quero precisar de duas canoas para
conduzr lijlos, ou ootra qual quer
dirija-se por deiraz de Sania P.ila No
brailo do Vianoa.
_ Quem qaiser dar tresentos mil reis
para receber ^Uooo reis no esp ico de
seis meses em pagamentos menraes e
oncenla e oilo mil, annuncie, par ser
procurado.
as mareis passadas desspareceu da
nraia do Colegio oo pranchs de louro,
quem tiver echado e-qaiser restituir,
dirija-se a roa do Rangel venda D. con-
ftonteo bec*do Licu, qe a hi se dir' a
marca que tem o praraxd e sera' recom-
couza
ova so-
pensado.
__ Precisa de um feitor trabslhsaor
a mrsmo lompo para oriaeif ia as Her-
rar um sitio o abrir um rvero : na roa
da Alfandega velba n. 5.
Roberto TelleS de Saldanha tendo re-
solvido de momento a sua partida- para
Lisboa nio Ihe foi possivel despedir-sn
de todos os seus amigos o mais pessws q'
o obsequiarao nesla Provinca por isso
recorre ao.nico mcio que lbn resla o
pre-ente anneio afim de auena pope,
com iuitica ser tachando do ingrato o
incivil.
Januario Alixandrino da Silva Cane-
ca tendo apresentado do 1. do corre-
le mrz dois Alumnos a exame poblioocom
a applicacao d tisl'atorio o dto exame por ser alguma cou-
r.a superficial e onstando-lhe no di 7 ,
e 8 por pessoas fidedignas, qua se fall no
dito exame de um modo desagradavel, Tal
vez por ser obra de um pemambucino ,
qu nunca sahio do sua Patria para fora ,
a nonselhado por pessoas sensatas nova-
mente aprsenla os mesmos meninos um
exame regoroso na mesma Salla do eflsi-
no mutuo no da quinta feira t4 do cor-
rente as nove horas da mauhSa, e reg por
tatito a todas as pessoas, queja virio o
primero examo a lodosos Snrs. Profes-
sores de primeiras letras e a todas as pes-
soas amantes da applicaco que Ihe faci
aonra e favor coroparecerem na dita Sal-
la as oras msreadas afim de qae com im-
parcialidade Ihe faci a ju^tica que me-
rece e nio se menoscabe a sua repulaco;
pois disendo ao publico que seus alum-
nos estavio promptos em primeirss letras,
os entregando aos exnminadores estra-
nlios he urna prova evidente, que Os
meninos Ihe faria toda a enra desemp-
nhando seos deveres.
As pessons, que lem aniiunc;ado pre-
cisarem de dinheiros a premio sobre boas
firmas ou pinhores : derijaS se a ra es-
treita do Rosario no S. sobrado D. 29.
_ Os andares, e armasens da esa d.i
ra da moeda, ltimamente reedificada,
pintada e preparada com todo o aceio;
juntos on separados ; a trsclar ns na do
Vigario D. 1% ; iodo munido d fiadores
idneos.
'Airenda se por anno oapara passnr
a (esta, um cilio na passagem da Magdale-
na com sofrvetcasa de vi venda, bahbo, ca-
sa para pretos, estribara para dous ravallos:
quem o pretender dirija se a pracinha do
Livrament D. -i.\ para Iractar do sea a-
jSle.
Quem preeissr de quslrocentos mil
reis a juros sobre penlmres de ouro diri-
ja se casa da rus do queinado qOe faz
esquina para o beto do peixe frito a.
andar.
-Quem precisar de um homem solteiro
chegado a pouco tempo .da europa, para
criado de casa particular, nesla praca ou
para algum engenho no matto ; dirjan-
se ao beco da Pol detraz da praca ds In-
dependencia venda D. .
Quem precisar de um caixeiro.Rra-.
sileiro para qualqner arromacio, o qual
desempenha bem sen Jugar, dirija-se so
Forle do Mallo em casa do Snr. 3oio Ma-
noel Pinto .Chaves que se dir quem
elle he.
_ Qusl quer Brasileiro, pu Portuguez
quequiser seresixeto de hum boa venda
dando fiador a soa conduela; falle na
ra direita botica que foi do Snr. Ignacio
Neii da Fooceca qne -ahije dir quem o
quer.
_. Quem precisar de um homem soltei-
ro chegado a pouco lempo da Europa pa-
ra criado, ou ootra qualquer occupacca:
dirija-seso Forte do Msttos rus do Cor-
donis n. 7. .
_ Luiz Sanl Agosao Cirurgiao den-
dista t mudou a sua residencia para o
beco do Peixe frito n. 5.
Arrenda-se ou vende-se huma boa
CKJU oda envidracada, com quintal da
quinhenlospslmos, a maior parte mora-
do cacimba de goa de beber, bastantes
conodos easseio no lugar da Estancia .
com portio largo e plantado em tenas
proprias: qaem a pretender dinj8 a
ra da Csdeia de Santo Antonio D 9.
__Quem i i ver para alugsr huma ne-
cia, qoe venda na ra dirija-se a rutda
Lapa caza terrea junto a caza de pasto.
Na mesma eaza tero htl'ma parda que se
nlorvce para aras de cn psra'tc-osser
vico da portas'dentro, t

__


t:*
i
DI X R I
Precisase de nma ama de le i te : ua
ra do S Tliereza 0. aa ou annuncie
Quem annunciou querer arrendar
uro sitio mo lean capacidade de ler vaccas
de leites, dirija te a ra nova no- primei-
ro andar do sobrado junto ao Sr. Felippe
Lopes Neto.
Precisa-se fallar o Sr. Francisco
Antonio Vanm a negocio de seu inte
resse : na ra de borlas D. 4 de meohi
at 9 horas e a tarda das duas as '\.
Roga-sea peste que por engao ti-
rn una carta do Correio vinda do porto
.para Victorino Mooreira de Sousa Jnior ,
o obzequio de a eni regar, na ra largado
Rozario I). 4 ou torno a botar no Cor*
Tero.
?-< Quero precisar de um portugus pr
ra feilr de alguna ilio di rija-se i ra do*
Quarteis no pr irueiro assougue.
Quera precisar de enlulbo de calica v
dirija-se a ra do Cabug loja de fazendas
D. a.
Precisarse de alugar um preto ca-
noeiro ; na ra Di/eita padaria de fronte
da venda que foi do fallecido Jos da. Pe-
olia.
Precisa-sede um. boro |feitor que
saiba trabalbarde eochada, alinhar plan-
tar e podar, pira um sitio perto da
praca prefere se a portugus : La ra do
Oueim.ido J). %,
O Sr. Peres, que queria comprar
oescravu na ra Direita no primeiro an-
dar do sobrado 1). 11 querendo pelo que
oflereceo pode hir busca- lo.
Quem precisar de um rapai Brasi-
leiro para caiseiro de loja, ra ou ar
maseni, ctijo d fiador a su .i conducta ,
dirija-se a ra Nova D g.
Arrenda-se um sitio na estrada do
Monti-iro i com urna boa casa de vi venda,
rom 3 salas 8 quaitos ceziuha fora ,
eoixeira estribara cuma grande cacim-
ba com rauito boa'agoa de beber tanque
todo de pedra e cal, com bastantes arvo-
rtdos de (Vuelos da diversas quididades ;
quera o pretender dirija-se a ra Nova se
gundo andar do sobrado O. 16
Urna moca donadla orf de pai e
mai, que sabe coser engommar e cot-
rinhar se olferece pata servir eos casa de
alguma familia capaz aem interesse al-
guro s sim de comer, e vestir a fim
de vi ver com oneslidade a familia que
a pretender annunc e para aer procurada.
AVISOS MARTIMOS.
PARA 3. CATHARINA com escala
pelo Rio de Janeiro at o dia a5 do corren-
te, sahir o Brgue Minerva ^de p imei-
ra marcha feriadoe encarilh bre pode anda receber carga para ambos
os por tos e tem superiores com modos pa-
ra passageiros ; trata-.-e cora os Consigna-
tarios Santos Braga na ru da Moeda Nu-
mero 14a.
PARA LlVERFO0L,>*Miito veHeiro
Brgue Cognac^Paeket oqiaal aahr aleo
fim desta semena tem lugar para too a
15o sacas de algodo; quem no mesara
quisercarregsr, dirija-se < eus Con-
signatarios Russell MeHW -. Companhia.
LEILAO.
Quinta feira i3 do corrente faz reilio
Ignacio da Fonseca Marque* por conla
de quem perteneer no Forte do Mallos,
eslaleiro do fallecido Jas Pinto de urna
lanxa em rao estado 3 ancoras, urna de
5 e duas de 4 qoi&Ues e 48 bracas
de corrente.
COMPRAS.
- O vid/o dos purgantes de Manoel
Lopes, por todo preco annuncie.
^ O autor de moral Culieniale j quem
ti ver annuncie.
- Um Diccionario de Costa e S*, de
Portugus pira Francez; e urna rotula que
sirva para casa terrea inda mesmo usa-
da : na ra da Madre de D*os n. 24*
Escravos mocse robustos, que sir-
Jf para o sen ico de campo ; na ra de
Wdes sobrado D; a6 defronte do> nel V.rrjlo Vr V" '^fro^da"
do Bandera ra do Cabug defronte a
Matriz.
Vinho sauito bom a 1120a caada e
garrafa a 16b dito a loooe garrafa i4<>
agoat
consistorio de S. Pedro.
Urna bengala de cana da India: n*
ra da Glora D. 43, casa que fica defron*
todo portio do quintal do Convento das
Freirs, ou annuncie.
Urna flauta de bano de urna oai
chaves : na ra do Wogueira D. 19.
~ 5ooo lijlos, poslos na obra : na roa
larga do Rosario.na veo* da qttioa D. t5.
VBNDA
A livrara que foi do fallecido Dr.
Padre Caetooo de Soisa Anluues, ou por
jonto -ou por classes de livres a vonlade
dos compradores, edita livrara ha mu
ricaem Direito Cannico, e mais- ramos
da scieocia Eccleciastica : a tratar no sitio
do Remedio na mesma casa que fui do fa-
lecidoDr. Padre ("aetano.
__Um moleque de lade de 10 para 11
anuos de bonita figura e proprio para a-
prender qualquer officio urna negrirdta
da mesma idade com principios de costu-
ra e muito geitosa para aprender todo e
sereico de urna- casa e tambero, se troca
por um molequ de 14 '&" annos, ol-
n ndo-se o que se ajustar : na ra de Her-
as D. 65.
-- Um relogie de lgibeira de milito
boa qunlidade e que d horas sera se lhe
bolir : na ra da Cadeia do Recife loja do
Sr. Pessoa.
Um carneiro grande,gordo e man-
co muito.proprio para montara de me-
nino ; tiesta Typografia se dir.
Um terreno de riropriedade, com
ino palmos do frente fundo abaixa mar
de capibaribe n<> atierro dos offogados,
junto ao Sr. Antonio Rabello Pereira da
Silva : na ma de [Agoas verde sobrado
D. 10
Urna canoa pequea de carreira ,
a com algum uso ; meias para meninos
de todos os lamanhos : na ra da M dre
de Dos o. a4 uo tlerro da Boa vista
D. 10.
Obreias.grandes de cores : no pateo
de Hospital O. vi.
Uma escrava d* naco 0109a co-
sinhacom muit^ iietfeifo e lint-pesa o di-
ario de uma casa cose engomte sofi U
veleeeote, lava de sabio e varrella ; na
rus estreta do Rosario uo terceiro andar
do sobrade '> 29-
__ Um moleque de idede de <> annos ,
propdo para aprender qualquer officio-,
orna escrava de na?io costa, de bonita fi-
gura efas todooservico do uma casa;
uma escrava de naci angola linda figu-
ra idade de ao a aa annos sen* icios
nem achaques o que se afitnce, engomma,
cowoha o diario de uma casa fas doces de
todas as qualidades e refina assucar :
passando a Igreja dos Martirios do primei-
ro andar do primeiro sobrado.
___4 oveihas dois costad i nhos de.a-
marellode dois palmos do largura f um
destrocedor de moer canas, muito bem
feito, umcasocom i5 palmos de cem-
prido proprio para padaria 3 cavalbsj de
pe para serrara, cal branca superior :
no attterro dos afibgados em uma casa ter-
rea nova com 5 janellas na frente defron-
te dos coqueiros do Mus,
Um cavatlo rudado a paUci-lo, mui-
to grande, novo, fiordo, passeiro, e car-
regador, e ptimo pare carro, peto la-
man bo cor e mancido; e esea cabra bi-
xo com uma cria boa leiler, e mu o
mansa : na ra da Gloria ]). 43 casa
que fica defronte do poilio do quintal do
Convento das Freirs.
Um escravo pedrsiro carnieeiro ,
ensaboa engomma, e cozinha o diario de
una casa e tem do idade a5 annos: na
ra Direita no primeiro andar du sobrado
D 11.
Tinta boa de escrever, a 4 "
por garrafa ; na rus da sansalla nova Nu-
mero 7.
Caf muido de boa qualidadf em
porcio e h relalho por preco eommodo ,
e tambem se recebe caf em gr : no for-
te do mallos ra do A morios verde Nu-
mero io3.
Rap de Lisb >a muito superior e ,
forle em libras e meis ditas e as oita-
vasa'ors. dito a rea prele e princesa
de Bihia e o d.i fabrica do Tee oto Co-
garrafa a 100 dito a loooe garra iot ,
dito a &5o e garrafa lao, sacas de roilKo,
ditas de arroz dv cascan, ditas de feijio ,
por preco eommodo : na la da Cadeia do
Recife N. 6.
r Uma avallo com todas as marchas ,
e por prec,o eommodo : cas 5 ponas De-
cima 43.
Bichas grandes e pequeas por
preco eommodo, ehegadas proximameii
te de Lisboa: na ra da Livramento vtnr
da do Cardial.
Um relog'o de sabnnele de ouro, e
maquina ori>ntal'; -na quina da ra do
Cabug loja que vira parados quarteis.
-- Paos de mangue de 3o "palmos db
comprido, e a e meios e 3 de grossura.,
e superior barro e a re*: por detras de
S. Rila nova no tanque d'ago do Vianna.
Um escravo crioolo de aa anuos de
idade proprio para oseivco de campe :
na ra da Aurora em casa de Joaquim
Francisco de Mello Cavaloanli.
Uma loja de miud;sas de ma s
porta cam- armacio toda envidrassada :
Da ra do Crespo D. 5.
Uma preta crioula de idade de 3o
annos, avistado comprador se dii as
hahelidades que lera : na ra do Crespo
no primeiro andar do sobrado D. 5.
A posse de nm terreno com todas as
bemfeitorias nclle existentes coniendo
175 palmos de frente, coro estacada,, e
principio de atierro noalinhamentoda ra
da Aurora e fundos al a Igreja 5 o lo-
cal he o melhor possivel para aej edificar
casas, segundo a influencia e bom gosto
dos habitantes desta Cidade ; a fallar com
Manoel Joaquim ascoal Ramos na ra
de Agos verdes cobrado de dois andares
dfron'e di consistorio de S, Pedro.
Uma porcio de ceia de carnauba e
4 grandes canoas de amarelo com to a 70
palmos de comprmenlo bastante grbssas
i* prnprjas per t>rUim barcadas de
conducir oixas, ou canoas rl a^
quaes se achio ex postas na praia- do Cotie-
gio : a fallar na loja de Manoel Francisco
L da Silva na pracinha'dojLivramento co-
brados n"k*osde 3 andares, lado da osea di*.
Umanelio de ouro com um grande
diamante em cima : nesta Typografia.
Licores de todas as qualidades a 180
a garrafa em porcio grande e pequea: na
ra da Roda D. 15.
Travs de todos os comprmenlo* e
!;rossuras de muito boa qualidada : a ful-
ar com Lu s. Jos Marques na ra do Ran-
*el .
Uma canoa que car reg um. mllhei-
ro de lijlos: a fallar com Domingos Jos
de Asevedo na ra Aova.
Duas moradas de casas terreas sendo
uma na ra de borlas lado da sombra, com
sabida para a ra do calderero e a ou-
Ira na 1 ua do Padre Fiorianno lado, do
poenle bstanle larga e com solio ;
uma raolatinhado 15 annos l> m pareci-
da e bastante habelidosa, coe bem en-
gomma e muito deligenie : na roja Di-
reita sobrado de dois andar D. 10.
Um prefo da costa, de idade do a5
annos sem vicios e nem bebe espirito ,
de bonita figura hscanoeirue padero ,
tambem enfeudado servio 1 da caixas e
socar assucir : ua ra Direita padaria De-
cima 3 .
Um preto de idade de ?6 annos,
sem vicios nem achaques a costumado a
tr.ibilhir de cuchad 1 e glnhar na ra :
na mi Direita D. 3o, venda que foi do Jo-
s Lourenco.
Lmi escrava preta, boa engomma-
deira, e cozinheira ; uma molata muito
ajva de idade de 18 a ao annos, cosa
engomma e faz todo oservico de unta ca-
sa ; um escravo de so annos bom offici
al de aapateiro ; e um dito de meia idade,
para lodo o servico : na ra de Bgoas ver-
des sobrado D lat, defronte do consisto-
rio de S. ledro.

- Benedicto naci congo bai.xo,
ptiotse bnc ifiti'-t, ceta alguma baibi ,
um dente do nienos da parle de cima n
si na frente muito ladino, fugn do en-
gf-nhocaxoeirinha fregueziade S Ahtao-
quem o prender leve ao mesmo eng^nhoa*
Jernimo Pereira Villar que tei ao re, de
grhlificacio
-*-. Joaquim crouto de boa. estatura ,
secco do corpd nem muito preto nem ful-
la, olhos grandes sussado ande cal ja-
do bem conhecido por ter estado por
muito tempo aervnd na Matriz de S. An-
tonio. Jos ,fcrioulo.ideestatura egurW
boca grande corpo mediano nio mai.
to preto, alguma coisa p>dr oso; quem ^ .
pegar leve a casa de seu Sr, Joio Manoel
deOlivera Miranda, na ra nova sobra,
do ao peda Igreja da Cooceicio dos, Mili-
tares.
--- No di 6 do rorrele, fugo da roa.
da Florentina segunda veza prela ciiou-
la de nome Luisa ,. escrava do Padre
Manoel Jos Gonsalves com os signaes se-
guntes.* levou uma saia de sarja preta y
mitra dita ou vestido de chita branca, so-
ja e panno da costa, he de estatura bai-
xa e andar a prestad otmiudinho, beben
faltante etm oais de So annos be feiu
de rosto, ejl foi vista de noile orna ou,
mais veses ataviada de calsas e chapeo da
palba &c. \ rog*-se as aothoridades poli-
ciaesjdesta e mais comarcas, e espities de
campo, oU qualquer pessoa particular
que a prender a faca entregar na nuncio- f
nada ra.
Gonsalo tle osefio angola officiaL
de serrador fugio em das de Agosto de
1836, comes signaes seguintes : altura
regular, olhos vermelhos pouca baiba.^.
com uma-marca do uma fu-tula que leve
em um dos lados do rosto e he quebra-
do de urnas da verilbas. Nicotn do na-
ci angola, fgido em das de Seteaibro
bastante birlado pernss finas, e cora
algumas coliladas m cabeca era uma das
<;,-i.lh8 tanto ste eolBo aqelTe quem
os prender Uve a Antonio Germano R-
gueira Pinto de Souza prooreiario dj
engenho Rozariofreguesia de 'Serinbaem..-
i ... lio .d tenhor ,oaa Hlanoel z Xv*-
vedo Maia, no attrro da 'Roa vista D iq
que gratificar eom 5o,ooo ahm da despe-
2a que ouver feito.
No principio do mes p. p. desspare-
ceo um escravo de nome Manoel, com os
signaes seguintes : cala de brim camisa
de riscado azul, bai.xo alguma coisa fol-
io biistiinle bai hado tem muifo cabello
pelos peitos e todo o corpo, semblante tris-
te e falla descansada ; mas muito ente-
legivel, he cozinheiro. pede-se a todas as
Aulhordades competentes, ou. qu Iquer
capitio de campo que delle fiver noticia,
o pegue e leve ao seu Sr. Joaquim Pereira
de Mendonca adianto da Ribeira era segui-
mento de S. Rita no sebiado novo do
lado da ruar, que gratificar com gene-
rosidade.
IIO VIAl KM !'O DO PORTO
N A VIQS EN IRADOS NO DIA to-
ARACATYj 18das, PaUcho Nsciomk
Mara Luisa de 137 Tooel. M Bee-
nardo de Sjuso carga sal e sola >
Antonio Joaquim de Sousa Ribeiro;
pass igeiros Brasileiros Lourenco Ale
de Lim 1 e Francisco Jaouario Buzio ,
com sua familia.
MONTEVIDEO; 3a das, Brgue Ho-
rental Montevidiano de u5 Tooel.,
Capitio FranciscoFernandes Gonsalres,
caiga carne : a G. A. de Barros.
PARAHUSA.; 4 d'. Lauxa Nac. &
Crus, M.FIorianoJos Pereira, r-
gi gneros do Pas a Jos Gonsalves
Lima. _.
ASS'; 37 das Brgue Nac S. Mr
Boa Sorte de a 17 Tooel. Cap. Anto-
nio Henrique Mafra carga sU ^,a"
Jos Gonsalves Cascio.
OBSERVAQES
RIO
F^- -*a fM d- Ismeirio tara O
DE JANEIRO o Urgo* Nc- *"****'
cano, quelinba fundado no da o.
-T^TiwS'
l ERW, HA i H'. W*- ** BE
7~


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EU5T8T12T_DV31GW INGEST_TIME 2013-03-29T16:11:03Z PACKAGE AA00011611_03642
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES