Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03622


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo XXYHI
Sabbado 17
DIARIO
de Abril de 1852.
N. 86.
PEMAMBlCa
ruego a cuoairgio.
PtSlHINTO AjHlrtTiDO.
m, trimestre............i
for,emeue. .,#-.........
Poi uno .^,
Pioooiictao DOtimiiTtl.
fefqaartel
OTIOrAS DO lHtlMO
Ulna
S. Piulo.
15/liO
4/500
...i.....il de Marco
.r.ubao 25de dito
Cetra... 77 de dito,
p.riuiba. a* Abril
( de Marco
4 de dito
R. deJ.. 25 de Jilo
Baha... 30 de dito
DAS DA IH AMA. AUDIIWOlAs.
12Scg. ** I.OiUva.
<"*. Vctor e Venia.
13 Tere.* 2. Oilava.S.
11 ri nif i]<: 11 l>.
M Quart. 8 Domnlna.
5 Quii S Kuibiquio
16 Seat. S. 1.:i-1-.i .
17 Sab.S. Aulceto.
18 Doin. I. depoli da
Paichoa.
Jahorf* Orp"'*
2. e5. as lO horas.
t. varado civil,
3. c6. ao melo-dia.
/alenda.
3. e6. i JO hora*.
2 vara do civil,
i. e aabadoi ao melo-d.
Relacao.
Tercase fibadoi.
irHaiaiDii,
Cre.ceate 27, a 6 hora* e 4 minuto* da t.
Chela a 4 aoa 5 minutoa da m.
Mingoanleil, a e hora e 41 minuto* da t.
Nova i I, a* 9 horaa e 26 minuto, da ni.
riiiniB BI OH
Prlmelra t 2 hora e 51 minuto* da tarde.
Segunda i 3 hora e I 1 minuto* da inanbaa.
aTAKTIaVM DO OOKKSIOa.
Golaaina e Parahlb* segunda* C leitae-
fclrai.
Me-Orande-do-rlorte, todas ai quUUa-felra*
ao mel dia.
Garanhun* e Bonito, 8 e 23.
Bo.-VIsla, e Florea, i 13 e 28.
Victoria, i* qulntai-felra*.
Ollnda, odot os dial.
MOTICIAB xa1
Portugal IS de Marro
Hespanha. 8 de dito
Frauda ... 7 de di lo
Blgica... 3 de dito
Hall*.... 4 dedito
Alemanba. 3de dito
Pruaaia ...3 de dito
Dinamarca 28 de Fevr
Rumia... 30 dedito
Turqua. a4 de dito
TBABJM
Austria..
Slita. ..
Suecla...
Inglaterra
E.-Unido
Meilco...
California
Chill.
Huenoi-A.
MonteTlde
IBAS.
1 de Marco
2 dedito.
16 de Fevr
9 de Marco
25 de Fevr
31 de Janr
21 de dito
2 de dito
6 dr Marco
o 10 de dito
OABfBIOB DB 16 DX
Sobre Londre*. a 27 a 60 d.
. Par*, 35
> Lisboa, 90 por canto.
BfETABf.
Ouro.Oncaa heapanholaa...
Ifoeda* de 6/400 velba*
. de M0O noy*
, de4/000.......
Prata.P.t.ce.br.iilelro..
Peao* coliiinnar lu*...
Ditoa mesioanos.....
ABBII.,
16|0
16JC0O
t/ioo
i/no
1/920
1/860
PERNAMBUCO
CAMiAUA MUNICIPAL.
sRSSA'OEXTRAOrlDINAni4.,DE 8 DEMARCO
1)1''. 1852.
Vesidencia do Sr. Olivsiru.
Prsenles osSra. Mimada, CarnoiroMon-
guezi* no Bimestre findoem dezembro ul-
timo. Inteirada e quo so archivass".
(luni ilo jni/.ili' paz, presdanle da junta
revisora da qu.liflcacfio di rreguzia de
Santo Antonio, remllenlo ores;>eclivo II-
vro. Oue se archivasse.
Ontro do secretario da junta revisora da
freguezla dos Afog.doa, fszendo igual re-
messa. Quese archivaste.
Prsenles oSara. ai -...-- rf do .,destriclo
le.ro, Franca, rto"""*'SZ da fregueria dos Afogidof. Bernardo Da.
0rma,SP^T.PbrioO..8r. S oro? Md'.'e -Un. *nco. prepondero cid.d.o Francisco
aporovada a acta d'unlecedento.
Follidooiegolnte
EXPEDIENTE
Um odicio do venador Mmele, dando
narlede ja se haver despindidocorn a obra no da provincia,
SomaUdouro, deaJe 15dadez-mbo Joan- mar a Informar,
nopioiimo lindo, quanlo leve principio, a nasse a cmara o
Romo Alves da Fonseea, para escrivao do
uiesmo juizo. Addiado.
Foi hdo um oulcio dirigido pelo presi-
dente doconselho de salubriJade ao guver-
e por este mandado a ca-
. pedin lo que S. Exe. orde-
._ ocumprimeotodos.rts.3.'
nanita do 2.539,1 a5, segundo a conla que e lit. 12 da* poslu.s, aflm de que seiam
'resenloo, ale' da de 909,000 rs. em que recolhilos.o hospital de caridade os n.en-
imnorlaram 150 barrisde cimento,quejulgou digos chig.Jos que s posenlam ns pon-
convoiii<'nlecoiiprar,pelavahlageudo pro- les, arcos, e ouiios lugares pblicos ^so-
co,
IH
?drcomUmissao,VAntonio da Silva Rogo,' dos riUbelecimentos de caridide, eml.ora
pan administrador da obra, veocetido oes- a desposicSo dos ailados art<;, ^pnrecia-lne
o inclusive a dispeza do canetodo mesmo:, bre o que rosolveu a ornara que se inior-
a'linenio participava haver naquella data masse ao Eim. presidente, que nao lenio
romea lode accordocom o seu comp.nhei- ella ingerencia alguma na administ'acao
ineD lio de 40.000 rs. mensaes, po'ser de que divia partir ordem de S. tic. para que
necessidadeUI nomeacSo ; ede ludo pedia a adminislracao fuosse recollier ao hospital
.iiuruvacao. Approvou-se urna e oulra dilos mendigos, pois que sen injusto ra-
' I ze-los retirar d.quelles lugares, sem Ihes
Oulio do sdvogado da casi, dando seu'dar logo um azilo, ou recollier uns, e ou-
nirecer acerca do ohlciodo baeb re Jos tros n3o. ..
tviii de Brillo acedo, eiiderc^ado o go-l Fol .p^rovado um parecer da comtissilo
verno da provincia, relativo competencia de edillcacao, n3o se oppoudo a que so in-
da iunsdicJo de iuiz de pz do segundo dis- formasso f.voravelmenle ao governo d pro-
iriclo lia [reguelia do Sanio Antonio desla vincia a pelicao de Antonio Piulo de Azeve-
rilade Conrormou-se a cmara com o do, roquerendo Ululo de aforau,ento d um
parreer, e mau lou-o remoller por copia ao lerreno do m.nuli, no lugar da E.nbenbei-
eino governo, afllrmand seren verda- ra,
deiios osf.ctos indicados pelo dilo baclia-- Avistadas infortnacaas do flseas da ci-
rel en. seo offlcio. dade, l.d.s na MeaSo precedente, de nSu na-
Uutrodo Qscal da Boa-Visia, ommuni- ver o arrematante da limpeza dis ra leilo
cinJoacli-r se arruinado o calamento da esle ser.itocotnose obrigou,_resiileiila
ra
ro antes q
tacamos urna eirosiSo circumslancieda;
porque declamacOes vagas n.da provam
O 16 17 a 25. lanco da estrada d Vic-
leria eiecutaram-se com um acerfseuno de
orcam-nto; porm acc.so ignora o Sr. Jo>e
Pedro que estes foram eito pelo ex-rng-
nheiro II. A. Milet, e approvados pelo go-
oerno ant'S da reforma da roparlicao.
posto que ao d Edevera sera actual administracBo resion-
savel por isso?
Dos orcamentos organnados em lempo
da actual ieparlic8o apenas qulro tiveram
supplem'ntos, que foram : o 18.* lanco da
estrada da Victoria,es dos redros d.s pon-
tes do Anjo, Jaboitao, o .lo caes do Apollo:
uurm vejftnos so s cansas quo para jsso
se clersm poaiam fccrprevist-s. salvo por al-
guma notabilidale como o Sr. Jos Pedro.ou
por algumdessosarch tartos de obrs reilas,
deque ass'S iDun la onosso paiz. Na nu-cu-
?'o do 18. lauco, estudado pelo ex enge-
nheiro Milet, na qual havia gran les csca-
vacrtes, encontrou-se muiti quanti lade de
pedr* em lugares onde se n3o osperava ;
or isso que cstavam cobert'S de urna ca-
rnada de Ierra vegetal, o quo deu lugar a
qiio se (izesse somonte um urc'menlo sup-
ploment-r Os orcamentos dos reparos ds
ii'.as pon les mencin idas, do Anjo o Jaboa-
tao, L.iniiuui tueram supplement >s ; mas
lOTque? Em consequnncia deehaveiem
descoberto algum^s pegas arruinadas que
nSo i inli.iin ser bom oxaminadassonJo de-
pois do desmanchada a ponte; o quo de
certo nSo pode ser calcan no senao por
quem nunca soubco quo cram obras dess
nalurca.
(juanto ao caes do Apollo nao posso dei;
x-r Pedro, quando iiisse tivers dous orcaincn-
tiissu.ipiementares; pois n3o leve aanao
um, e islo pea rasSo que passo a expen-
der. Quan lo se princiiiiuu com ossa obra
havia apenas a profun lidado meli de sete
a oitu palmos nesse lugar ; porm logo que
se fincaran! as primeras estacas par* fun-
quo
iloachir-se arruinado O caicainamu a ojio ""h vumv k" .o, -----------------
do aterro, precisando de promplo repa- mar que ditos liscaes p.asassem a manq.r
,, ante* non su v* auKilienln lo a ruina, fazer lannedialameute esse traballio, e a-
^J, ouq-s expoir Nem ,o dito flaca* p-esenUssem a des,eza o ai que elle impor- j d.cio do .licerce a co rente d.a agiiaa.quo
p.r. Je ?ccdo com o eng.nheiro cordi.I lar, a daapacnou a peuelo do arrematante era muito orle n'-quelie s1..o ennontrao-
Z procXr a diios reparos, rec,mmen- no lenUdo de que a er.a elle pago, dapoia do ohUculo esevou balt>ntementa Uto
dndo-se lhe narfaiCBo nesse trabalho. I de deduzido o costu da Jespeza assnn feta n'aqoelie al.nhamento, de maner* que n-
Oulro du fiscal de S. Jos paiticipando o pelos lisces, rescindindo lugo o contrato ; cou em a proun lidade de 15 palmos, a por
aeaain o estado em que se .cha o pateo do M.ndou-se pedir auto.is.c3o ao Exm.pre- { eunaegu.nta forcoso o, ugmentar nao so
Terco clieio de lama furnia, onde ja se des- sidenle d provine, par se poder conli- | a profun nd.de do alicerce, como lodo o
edacou um ca.ro de passelo! e tem c.hiJ nu.r a fazer as despez.s evMitu.es, por se enroch.menlo exterior, ahm dr e.ilar qu.l-
MVllloa com ca.gas. -Uu.lmer.le dez.a tor cxliucloi resp.cliva quot.. quer ruina. Eis-qui o nico orcamcnlo
cna.-se promoveiido dentre os moradores M.ndou-se remellar a commiss3o de edi- suppleinentar queleo essa obra du,cacs
daquella ra um contiibuijao pecuniaria flcaa.i os re |uerimenlos de Jo.quim Clau- I do Apollo, proveniente uo causa maior'que
para o auxilio do seu caiga cuento e postp dio Mouteiro, Manuel Francisco Conubra, nSo lur. prevista e com o lim de melbor
emdiscussao.oSr. F.anc. m.ndou meza Vicente Anaslacio do Nascimento. e Fortu- segurar toda a obra.
o secuinte requeritneuto que foi appto- n*lo orrea de.Menees, lodos .-obre afo. a-! Multo mal escolln la loi esl pelo br. Jos
,lJu6 H menlos de terrenos de marinna, e com- j Pairo para alvo deseus maiores tiros; por-
tenueiro nae esta ornara peca com ur- missSo des.ude o de Sabino Antjnioda Sil-, que o caes do Apollo ( com gloria o digo )
gencia.oExm presidente da provincia, de V Coulinho, pedin lo licmca pan exercer tem sido a obra m-is diflicil al boje co-
ordenaroinspeciordoarsenalderoarinha a arte de Curar, julgando se habilitado para c.tadanesti cid.do, e ontretant > aeha-M
que tornee a pedra precisa paia o promplo o faz .Icamentudo paleo ^ Terco, visto o esta- Despacharam-se as pelicOes ue Anni Ale-; prometan lo um lon durac-io : om la
ulro do m*mo, panicipanuoesiai |no- i.....n, un ,n.ni ..Mu.... ..-... ...-,.., ,-----------------------------r---------------- --
limo a desabar urna peJra collucada per- de Thome Fetnandes Madeira Castro, e le- de cinco orcamentos: ms quanto nao ne
pendiCiilarmenle nn>arede da esquina do' vantou-se a sess3o. desigradavel ao Sr. Jos Peiro tio saber
quarteirao velho das cazmlias da ribeira do! Eu Manoel Ferreira Acciole, secretarlo in-, distinguir os orcamentos, como tem leito,
dem ao procurador tinno.a eser^vi. Oliveira presidente,Mi-, o classilic tspeilu com urgen- mede, Barros C.rnoiro Munteiro, e Figuai- obra em dous arligos de despeza ?
| redo. Finalmente he.ccusaJa a actual reparli-
pei\e.Mandou-ie ord
pira providenciar resp
cia.
Uutrodo mesmo> presentando mappas aa^a*^^^HMHP",'^'^^
semanaes -o gado morto. tanto pe.os con-; ^Q ||g pgg^lg^O,
tratadores, como pelos urdanles avulsos, |
para consumo, desde 2 de fevereiro at 7 do------------------------------
correnie, (205t rezes). lnlei ada. IIEClF 16 DE ABRIL DE
Oulio do administrador do cemilerio, in- Ai
formando sob e
c as estrilas. NSo (icara esta increpac3o
sem a devula .esposta. (Juando tomei c il-
la desla repartidlo haviam apenis fetas
34,131 bracis de estrada, e isto no espaco
sicinblca discuti eaddlou pela hora, um de quatorze annus. Mas oque he que S)
queixa contra elle ende- parecer da commi.so de iostiuccio publica tem visto nestes dous annos de minha ad-
Mcida pelo juiz depaz da freguiziaduS relativo preienco de D. L*ur* Gavlcantl. ministr-c'o? Prlncipiaram-se e ja se con-
Jos ao governo da provincia, re .tivamen- Entrando na ordem do dia, approvou o art 'cluir.m 7,09 bras, a saber: n i eslraiia
le a urna cert.dlo do obilo de pessoa da ca- .. A...........,..,......---------, .,,,.,, do Pao d'Aiho o 12 lanco com 420 lirac-s
Parte hojo( 17 de abril j una Italia o nos-
so dislincto amigo o Sr rcenlo Fortunato
da Silva Jnior, com o fim de estud.r a pio-
lan classic. para que tem urna propendo
eum talento admiravel. Em seus verdes
annos, sem meslres nem escola de nenhuma
especie, essombra a sua maravilhoa apti-
o, e sobre ludo esse goslo especial, esse
instinto imitativo que o torna senhor de tu-
das as formas externas, de todos os con-
tornos, de todos os malises de qualquer ob-
jeeto d. o.tureza.
I Temos prov.s evidentes de seu grande ta-
lento, e nos lisongeamos de que, filho de
pal* extremosos, conviessem em fazer o
grande sacrificio de mandar este fllho que-
rida t Italia, Ierra clstica da pintura, para
ejajhdar lodosos seus aagredos e todas a-
suas mar vil luis. Tennis fe em que este
muso patricio honrars sua patria, eque
algum dia teremos que memorar enlre os
grandes genios da pintura, um Pernambu-
cano Ilustre, e mais Ilustre pelo seu talen-
to artstico do que lodos quanlos lonban
empunhado a espada e vertido ssngue hu-
mano.
Sonemos qoe. c.rlnhosa inii do uosso
amigo lie.i inconsolsvel pe. sua sep.ra-
c3o ; mas quanta compensacSo nao.cliaia
ella, aperlando contra seu s.-io maternal a-
quelle que j illustre por seu nobre talento,
venha ainda mais illusirar a sua patria com
o seu genio transcendente, ecom a sua fa-
ma immoital -
Desojamos ao nosso amigo a mais feliz
vjagem, e que em sua nova carreira so en-
contr dures, al que tenhamosa dita de
alnac; i-l.i nesta trra, que nos vio nascer.
O amigo saudoso
Bacharel A. e L.
le a urna ort.dlo do obilo de pessoa da ca- ,4 0 imeilto p,.ovlnclal com urna emenda- doiwa A.no o n.-,. ZTEEST-
s* no oiajur reformado Mano I Cav.lcanli -----------..... o 13.* com 1,000, e o 14.a com 600 bracas .
V.....;. l>OllltnilIllCa(10s. bracas, 0 17.' com 750, o 25." lanco com
' 1,310 bracas : na rauilieacao da estrada do
.Mello e AJbuquerqu. Addiado.
Outro Jo mesmo remelendu a qu.ntia de
3,000 rs- que pagara por um. sepultura re-
seivad. a pessoa que acompauliou o cadi-
ver, que se refere agu sob ti. 2005, ob-
tida gratuitamente. Que se remetlesse o
diuhi iruau procurador.
Oulro do mesmo, remetiendo a nota dos
(1 uew deipma o cuidado de sui su| nrimciro lanco com 1,000 bracas; na
rcpulardu he indigno d'ella. [estrada dos remedios 850 bragas.
Comeln. Ilusius. Alm deslas 7,029 bragas do estradas que
Na sessSo da no de 30 de marco, proseguindo segunda ij0 hrevemente a concluir sa, as quas s3o
carro fnebres que no mez (lodo forneee- discusso do piojecto n. 13, quo auturisa o n, estrada do sol o 7. lanco com 1,318 bra-
ra o respectivo coulratador par. conduegao governo a contratar com urna companhia de cas ; na estrada do norte o 2.* lauco com
de cadveres ao eamiWrlO, com deel r" iiaciouaes ou eslraugeiros a factura de cer- ,359 bracas, o 3 com 851 bracas : na rstr*-
de seus preco-, na importancia de 416,000 tas estradas, fui chamado a juizo, fui posto d, a Victoria, o 18 o lauco com 998 brcs,
rs. Que se remetlesse a ola ao procura-1 eu mesmo em diacussilo, e tive do sof er os 0 gj.' com 920, e o 24." lanco com 956 bra-
dor para exigir do ditJ contraa Jor os 10 % apo ios principalmente de dous llu>tres cas: 0 attorro da esrada do Rio-Formoso
dcduzidus da referida quaotia com que se memhios dessa aisemblci. o Sr. Dr. Manoel com 220 br*cs. Desla exacta conti se
obrigou a entrar para o cofre municipal. Cavalcauti e o Sr. Jo6 Pedro da Silva. Fui Conclue que nestes dnus ltimos mos ( de
Outro du mesmo. remetiendo a foiha dos aecusado perante o publico em lugir onde rra i ra I a a adminislracSo ) lem-se feito 12,351
Tencimentos dos empiegados daquelie es
l'belecimenlo; perleneenle ao mez de fe-
vereiro ultimo. Man lou-sii pagar-
utro do procurador, apres'iilanilo o ba-
lanco da receita e despnza municipal 00 mez
lindu, e o mapp* das itihumacOes feitas no
me nSo poli defender : por isso recorro ao( bracas de estradas, que he mais da l-re
prelo, aliiii de que o iivsiim publico sen-alo pnr 1',. ,in que se fez nos quatorze annos ante-
julgue entre m i in e meus nubres detracto-! riores! Este argumento d*s cifras res-
res. I ponde cabalmente *s accusacOes feitas
Nada direi respeito da vaga accus*c3o a dilliculd.de de obter de prom, lo o pre-
doSr. Dr. Manuel Cav.lcanli, poique este 50 medio das estradas feitas .nterior-
miierio no mesmo lempo. Que se re- Sr. parece esnrsempredisposlo dlverlir-sa, mente me priva de apreaentar } a comoa-
meitesse aqualie i commissSo de pulida, e
se mandasse publicar este.
ulro de JoBoSilveira de Snuz., de feve-
loiro, participando achar-se npmeadn pro-
niulor publico interino do termo desta ci-
dade, por provisOo do respectivo juiz de.
rJircilo de 10 do n>esmo mez Inteirada
Ouiro do subdelega lo da freguezla de
Nuribeca, dizendo ser desconheci lo na
quella freguezla, Hrmenegildo Eduardo
llego Monleiro ; que o juiz do paz do l.or-
to propozeia para Sdu esciirao. Inlei-
lada,
Outro do fiscal de Santo Anlooio, juntan-
do a pailicii ai.3o quo llie Hzeia o guarda
municipal ao servico do m s mi baiiro, de
ler sido preso a ordem do cammandaiile
do coito de polica, em occas8o que se a-
chava o n cumprimeiito de deveres, e pe-
dindo providenoiasse a cmara de modo
que se nao conlinulsse lirar assim a forc<
moral dos agentes municipaes. A com-
11 1--M1 de polica.
Ouiru du contador, participando schar-se
exl
ra
urde
dou nella averbar a despeza _
feiti no auno psasado rom qxcesso das es- res ? ao Sr. Jos PeJro om sua aecusac. lo quoi-
cectivas quotas, lut-ir.da. M*s como proviri o Sr. Jos Ped'o que os r,m |er o.t muiha dotoza, e decid.m com
Outro do juiz municipal da primeira varaiacluars eogenheiros nao sabem faier um jmparcialidadn se eu mereca essa aggres-
ileatetermo, de 26 do fevereiro ullimo, par-" orcamento, e aBo desleixados? Como den- sg0 do lltm. Sr. inspector da tnesuuraria
licipando ter entrado na mesma data em tro d'um auno lornou-se to censuravel provincial,
tiercicio da funccOes. Inteirada. urna reparti que merecer a conOanca de Jos Hamede Alvu ttrriira.
0,trodovigariodoPoco, remellando o S. S. ? Quanlos equees sSo esses oreamen- -
mappados baptizados folios na quella fre loa supplementares? Vamos por parts o
ecath guriomenle profeno que os empre-; raca0 Com as actualmente feitas; mas pro-
gadus ua reparticBo das obras publicas nem ln n0 r,/.e-lo mais deespafo em oulra oc-
ap en ti/es eram ; e que infelizmente na casla0.
provincia n3o liav.m eug'iiheiros que os Alm de todos esses trsbalhos releva pon-
podesse substituir, sem rcllectir que com dorar que, quando tomet conta de-ti rrpar-
tal pro;CNic3o agravava a dous prenles seus iqJ0, to )a a parte nova das estradas esla-
aUi presentes. I va quasl ntraimlsvel; por isso que havia
A espcilo dosr. Jos Pedro da Sjlva mi-, no |et0 das csliadas g-audos atoleirus, e
l.lun muras rasOos. Esle Sr. valeu-se da | ern d^uns lugares havia arvurelo no meio
sua p i-ii.ao de inspeetor da thesoura.ia da eslra la, quo ubngiva aos viandantes a
provincial, e por coosoguinte em relacao desviarem-i della, o que hoje se nSo en-
immediata^ojn as obras poblicas, para desa-, contra ; s>nd<> mudo para notar que nesta
crcditar a tolos os trab.loos desla rjti Co, eassirq dar pasto as suas desifreicOes bom estado de conservaelo como qu*lu.uer
P-rlii'Ul ires sL'inse. ru -oularqu 'ain laoauno das estradas. Fura US lefondos trabalhos
pi-si'i.i ii-s-a mesma assembla profenra outras muit a propnslc3u de que a repaiticao das obras d,i, como sejam as de diversas poutes,
publicas lhe mereca toda a confianca ; mas bombas, empadramenfos, etc., ele, as
he porque entilo estava em boa harmona qoa'S suppooho desnecessario enumeiar,
com o aeu chefe. E seo p'ssoal dehoje he visto estar ludo mencionado nos meus re-
om-'smo do Jo auno piss.do, como ous. o Morios do anno p.ss.do o do correte.
Sr. Jos Pedro apreenlar-se agora com es furor contra a rrputicao a poni de dizer obras publicas sob miiina ad-ninislracj.
*! O filo principal, o toJo oempondo ifoSr.
que os eng nheiros nSo sabem fazer um or-
Correspondencia.
Senhor Redactor,
Tendu sillo dirigidas assembla provincial
1I11 n represeula[e*, por parte do coinmerci-
amea de vendas e tabernas, relativas a l> ao
modo prailco, porque e arrecada o imposto
de 20 por cenlo aobre o cunauno das aguar-
dentea neate inunlcipio, e J* .obre a Injusta,
vriatorla e imoral dispoaicao do att, 9 iliulo
11 da* posturas inuuicipaea do Recite, julga-
luoa de nosso dever maniTeat.11 ao publico as
raides juaiilicaliva* dessas represeutacoa, aliui
de que e nao atlnbua i classe dos laberneiros
um desejo, ineuoa licito, de aublrair-ae ao
pagainen to do iuipuato de 20 por cenlo sobre
o couBUiuo das agurdenles, e de viciar v cor-
romper a populaco escrava d. cidade, oque
parece querer eviiar o precitado ait. 0 titulo
11 das posturas referida.
Desde mullos annos eiistc o imposto de 20
por cenlo sobre o consumo das Dehidaa epi-
riiuosas de pioducco do paii; imposto alias
rasoavel e juslo, considerado cin relacao a
materia, ou ubjecto aobre que elle recahe, e
aasiiu ae acba utiiinameote consignado no 5
14 art. 35 da le provincial de 8ue maio de
18*1. A arrrcaatacau porcm deste imposto,
lem sido fell de dillereme modo : porque
oracorre ella por arremalaco de paitlculare,
c har por adminislracao da respectiva repar-
tir riscal; as veiea, tendu por base o preco
da bebida e*piriiuosas, marcado pela cma-
ra municipal, a vete a vonladedoa collecto-
re, que sendo intercalado* na referida arreca-
cao, iralaiu de elevar o preco das aguarden-
lago mal* alto, que he posslvel, para sobre
sea. preco cobiarein o imposto, do qual Ibes
rtaulu una uorcenlagem nao pequen*.
Debati desle ultimo ponto Ue vista inul-
ta* e insuliius teeiu *ido oa grvame, (|ue
suppoi luii o* coiuinerciante de venda e la-
beroas.
He regra geral e comesinha, que o impos-
to, para que nao aeja arbitrario, deve assen-
tar sobre um lacio ceno c indicativo de que
o coniribuiute est no cao de poder e dever
paga-lo, e aobre ludo proporcionar o leu gr-
vame aos i ..ni 111 nliii e a i'." ion 1 do que guia,
debaixo da proteceo do estado ; nas o im-
posto em quesuio he hoje cobrado arbitraria-
mente, sem base nerla e invariavel, aobre que
elle asiente, e em a menor atleucao a cir-
cunstancias, que podem iuflulr aobre a pro-
duccao c consumo da materia, que fat o obje-
co drllc.
Auugameoie, pela dliposicao do art. 8 do
regulaueuto de J8 de Janeiro de 1812, a c-
maras inunicipaea eram compelentea, para es-
1.....iin.r 11 preco da caada de agurdeme de
producyo brasllelra, soiuenle para ervlr de
base ao lan(auirnio e coDranca do respectivo
imposto pela reparlicao cotupetente B eniao
as vendas e uberna aablam pcifeilamente
quauto deviain pagar do referido imposto, Tel-
ia a collecta da quanlidade de agurdenles,
que cada urna della. venden..; poique o pre-
co da cmara nunca eicedeo 16O rea por ca-
ada, como ae v nos edtiaea de 4 de juuho de
IS'J e8de abril de 185 *. *; nial depois
que aeinelliante allribuicao ficou pertencendo
i me mu na pruvlocial em virtude do g!4
ari. 34 da le do orcainento de I85U iob o. 2bl
o modo pralico di cobranca do imposto, de
que ie trata, tem sido o mal velatorio pos-
uvel, contrariando loda al regrai e todoi 01
piluciploi, peloi quaes ae pode e ae deve regu-
lar a cobranca das liuposicde.
A theiouraria provincial, sempre apolaodo
os tactos do comulado, c esle uniendo ea n-
sjoi de auomenar o renda publicii, embora o
veame do pubres veudelhues e laberneiros,
tem llenado correr esta materia por conla dos
respectivo collecloies, que, connderadoa so.
bre o assumplu verdadeiroi auberanno, col-
lectam seu bel praser qualquer venda ou ta-
berna, nao a quanlo a quanlidade de liquido
espirituoso, que ellei eutendem atanerna
vender, por Inineitre ou limeitre.ie nao quan-
to ao preco da venda, de modo que o coiumer-
ciaule vem a ser gravado, nao su pagando o
imposto de roaii agurdente, do que vende,
como o imposto de um preco, pelo qual elle
ouuca vende eisa agoardeule, ou a vende mu
rarai veie. ,
O preco mais alto, porque le pode vender a
;oardeule, poique haja grande procura e
mea ollera, he de 400 res a sanada, regu-
ag
po___
lando 4 garrafa* por caada, e o preco coin-
iiniiii, o preco effeciivo, pode-se asalin di-
er, be de 2,K> a 3no res: ora se 01 collecto-
res procuraisein um meio termo enlre este
dols ultimo* preco, e obre elle eeoiasaem o
iuipoato, como determina o regul.mento de
lideiunbo de 1845, mandado aubsliiuir por
decreio da ineama dala ao de de abril de
1841. na cobranca do linpoato em questao no
luuuiclpio da corte; regulainenlo, que Tul
inaudauo auopiar aqui por portarla do preal-
deute da provincia, de B de eleinbro de 1851
na parte appllcavel 4., bero eaurlam o
taberneiroi. alai nSo ; a collecla he sempre
lena obre o mais alio preco, lobre 100 res
por caada, e ease augmento de valor no pre-
co da agoardeule, unido ao augmento de
quanlidade, que o cullidores creem, ou sup-
purui vender cada taberna, forma buin pre-
juizo nolavel no li01 do anno ao pobre laber-
uelro, que em vio seeal'uica para recupera-lo.
He beui admiravel sem duvida, que aendo
a baie para o Imposto em queilio al 8 de
abril de 1850, 160 res por Canad de agur-
denle de prodacelo do pan, como o tiavla
determinado a cmara municipal desla cidade,
hoje, em menos de dula anuos eaaa base teoha
crescldo mala do duplo, lito he, na raxao Je
150 pur ceuto! Eiquer-e aaber qual be o
prejulio du tabernelro 1 Ello em poueal pa-
lavra. e o mal* resumidamente que he pos-
llvel.
Urna labarna por exemnlo, que vende 300
c.nada de agoardente por tnmeiire, r.tiu
de 240 rel a caada, tem apena de pagar
I4100 de imposto por eise trimestre, ou
57^600 por anno ; maa e a callela avallar o
consumo daa 300 caada a rairio de 40.1' rri
cada nina, tem esta taberna de pagar Z4I00"
por trimestre, ou 961000 por anno, hcando
aiaiiu prejudicado em 88/400 por cada anno ;
c le a ene prejuio juouriuo* o augmento de
mal J00 ou 300 canadaa por trlineiire, que a
oollecia entender que *e vende na taberna,
a tem realmente ie veuder, el* aqu o pre-
Juno elevado a uin poni eaaraordinirio, eo
coinmerclo das la'>ern r**)o violenlamen-
le pelo poder publico, oMe tem obrig*a;io de
zela-lo, e dar-lhe todo iucremento.
Esle modo pratico de realiiar a Ascalitacao
do impo-to, deque se trata, heporaem duvi-
da demasiadamente abutlvo, e pode produzir
graves malea, vitlo como o effelio necenario
de qualquer contribuido he diminuir 01 ren-
dlmeuloi, orlgein nao t de goioi c comiiiodi-
dade*, maa de 110*0 capllaes. Elle pode favo-
recer a fraude da paite do vendedores, desna-
turando u liquido para augmentar a materia
de consumo, e dar ao mesmo vendedor um ga-
nho proporcional ao iinnoilo eiagerado que
pagan, i elle pode faier subir o preco do ge-
uero, obre que recahe oliupo.lo, e o grva-
me vem a er mala pelado, e cahir de um mo-
do mal seusivel obie os conauuiidoree ; elle
pode empecer a inaior praduefudesse mesmo
genero, purqne era reg a, quando 01 Imposto.
3o eiorblranle e vealirio, a produccao tor-
na-se pequea, e o paiz Ue quem perde.
Assimpoit a primeira representacao, que os
taberneiroi dingiram a aaseinblea legialaliva
provincial, tem por flu pedir que a mesma aa-
scinbla, conciliaudu o justos inleresses do
coinmerclo dai tabernas com as renda publi-
cas, eslabeleca de um modo claro e positivo, e
sobre una base certa e invariavel o processo
de arrecadaco do impoito de vO por ceuto so-
bre o consumo das bebidas espirituosas de
produccao do paiz, que forein vendidas as ta-
bernas, ele.. etc., de lorie que nem a fatenda
provincial sollia Icsao, nem os cominercianle
conlinuein a viver ob a vonlade do colleclore
e do :-r. administrador do consulado provin-
cial, com quem j ubre ede assumplu multas
e diversas qursioeiicha msciudo.
A segunda representacao he relativa adi sico cuntida no aillgo 9. lit. II das posturas
da cmara municipal do Ilecife, que nao pode
emiiiiio.il como le acha por eminentemente
injusta e vexaloria do coinmercio, jubjeitan-
do o tabernelro a snllrer ama pena. em que
alias lenli.llii 1:11111.....Ill.lii delicio algllin.
Segundse acha consignado nesse arlgo hca
prohibida venda de agu'ardenies ana escra-
voi, semque apresentem bllhcies de leui le-
ubore, por elles assignadoa, que auloriseui a
venda : os mfraclorea ficam ubJeiio _. mulla
de 3O1OOO r., e na reincidencia oltrerao, alm
do duplo da mulla, lo dia de priso.
U simple bom senso, Independenlemenle de
conliecliurntos Jurdicos, que aejam nagldus
para eslabelecimenio da base do crlme, e ua
punirn proporcional, no mostra o absurdo
da diiposlco citada, redigld ou coDcebida co-
mo te ella acha, o grvame que d'ahi vein ao
coinmercio das tabernas e linnioralidade, a que
pode dar lugar.
C>ual he o disticilvo ou caacleristico, pelo
qual os laberneiros ou seus caiieiros ponem
conhecerquein he escravo e quem nSohr, que
val a sua taberna couiprar-lhcs ago'aidentes.
Como i.....ni u escravo e o livre ou forro
em um pal, onde mullos lbenos andain mais
sujos e irapilhos do que os escravos, onde nao
lia dill'erenca, nem as cores, nem nos veslua-
. riot, e multas vezes nem na educaco ?
Dcmals, quando inesniu podesse ser conhe-
cida dos laberneiros e de seus caiieiros toda a
pnpulacao escrava desta cidade, como era p^a-
sivel conhecer-se todos os seus senhores, e a
Icilra de lodos elles, para saber-se que o bi-
Ihetc, que n escravo traz, autorisando acom-
1 pra d-agoardeme, he com rll.it de seu se-
nhor? Ouem pode privar, que qualquer siijel-
to forneca esse bilhele, abusando da boa fe do
tabernelro' E hcjuMo que esle soilra urna
mulla de 30jO0O rs., e que no calo de cah.r
novaincntc no mesmo laco, que cabio da pri-
meira vez. pague O//II0O ra. e aoflra I j das de
' cadel ? Nao ha nada mais absurdo.
I Os inconvenientes da dipusicao do art go .
das posturas cliada e faiem aentira primeira
r.neaoqucsefiter obre ella; porque, alein
do que ficam dilos, ha um lobre lodos, que
por ilenii.ii.li. nominal deve concorrer pra
prompla elliiiin.cao ou revoga{ao de emc-
Ihanlearligo. Qualquer inimigo ou detaltei-
co.do do tabernelro mande all comprar bebi-
das espirituosas por escravo, mas escravo que
por ir be.n irajado e deceno modo, inculcan-
do- mesmo livre, etc., nao da ao pobre
vendelhao a menor suspeita de que o ne.
Depois disto apparece o Inimlgo ou aea.-
.aeicoado denunciando do tabernelro, por-
que inflingi a.po.iura. da cmara, c l le
inoa. ou que o pobre hoinem ha de pagai a
mulla e ir para a cadela, ou que, para evitar M-
sedamno.temde untar a, mflo. do m'levolo,
que lhe annou o la5o. e em todo o caso sofl.e
una pena e um prejuio sentivrl. .
, E ser i..o mera i.naBin.So ? *o tera jiba-
'vido eie.nplosde lacios semelhanies? Digan,
o que quUere... o defen.ore. dessa posiura la.
bernelru. ha que par. evliarein denuncia, dee-
sa., e viverem soc.-gadineule ein *ua* lascas.
teem despendldn nao pouco mil r.i com oa
tae* denunciantes. ___ .
A classe do. vendelbOe.e taberneros nao te
1 nuer e.im.r de pagar o imposto legal, nem de
l?..fe.frqpae.q..cr obrlgaeOe, que de, aa-
ilsfaaer em razio da proftsso que adopta ; nao,
a oe.io he multa diversa, ella o que nno quer
he pagar un, imposto arbitrarlo, o, qu.i nao quer
, he eoncorrer p.ra encher as algibeiraa de al-
l^nsespeilalliftes, cando disf.lc.da en, seu.
Justos litera*..*, e coalinuando afazand.pu-
blica a suMVer como dame.; afa.enda publica,
de que lamo se falla, e de cojo asas lauto se
abusa : a hunda publica, que serve inultas ve-
zo, de capa para cubrir oc.perio e tenaz pre-
varicador. f ,, _
Nao fazemos appllcacao a nlnguem fallamos
en. geral, e he justo que na defesa de nossos
Inlerestet licilus aprsentenos todas quaulas
: razes pndem valer a nossa causa.
j Ossoll'iimeuio. dos co.nincrciaotes de ven-
das e t.beruas nao dalam de hoje; ellea vem
de multo luuge. e o Imposto de 20 por ceulo
'lobre ocomumo dai ago'ardeulea, ea postu-
ra da cmara municipal do Kecife no artigo ci-
tado..... teem ndodou* manauclacs fecundos
par* certa gente, e dous germens de ruma e de
atrazo para o oommercio das laberoas.
| Dos quelra que assembla legislativa pro-
vincial, a quem recorremos, provtja nossos rg-
cursus e u.elhorc nossa son.
I .Aecifa, 15 de abril de 1852 ,______^
Somos, etc. Jo*, de UUmcurt *"
com mala nuvenla e cinco a.aignaturas____;
VARIEDADES.
O SENADO.
A nslllulcao do senado nao he particular *
Franca ; ella ae encontra em um grande nume-
ro de eaiados constituidos, quer em repblica,
quer em inonarchia. m todas ai naedea onde
rslstc, o senado he um* assembla de homen*
chamados por dtre.lo de nasclnieiilo, p"r sua
fortuna, por servleosf*itos|opalz ou pela elel-
cio, a constituir o piim.iro corpo do estado, o
carpo moderador da usembleai popularea.
Mullos povos daajiliguld.de tlv.ran um lle-
nado. Tatea fllre os Hebreos o conulho do*
artrnta anclaos que Moyses formou nodeierto, e
que gnvermu depeii dlle o povo judeu, "nJ-
do quetiibilne alud, hoje deb.izo do nomede
gr.n-sauhedriin.
Se deveinos dar crdito s primeirai chron-
cai da Grecia, e aos poemas de Homero, os res
de entio nao tomaram jiinait urna determln-
co Importante aem consuliar os chefci da a-
fio reunido! cm aueiublea. A .oosillulcao
dada a .'parla por Lycorgo creou um senado de
vlnlc olio (libros. Ein Alhenas exisila o con-
selho dos quatrocenios, chamado tambera coo-
selho superior, instituido por Soln, e coio-
posto de sead otea ado a so.le nss qUa-
iro tribus da Atfloa, denominadusem rszSo
doste fado, leadores da /aun. Seu numero
fui ao depois elevado a quinhenlos, e como
havi i eolodez tribus, c.d. una nSo no-
meou inais que cincuenta sensdores. Ocon-
selho ora renovado lo los os annos;
Osena lo mais Ilustre do que a historia
faz meuco he sem cnnlradiccSo, o de llo-
ma. Instuui lo pelo proprio Romulo para ser
o conselho pemaneute da Kepubl poz-se.o principio do cem senadores cha-
mados paires os quaes eumrpe(.ram sua
carreira Rovern.meiilal fizando matar a
Romulo, seu fundador, afim deocollocarem
ua ordem dos deoses.
Tullo llostilio elevoa a duzenios o nume-
ro dos senadores, Tarquinio accre-centou-
Iho cem que furam chamados parS mino-
rum genlium. Porm como qu-r que este
curpu fosas dizimado pur elle, llnilu creou
em lugar das victimas novos senadores quo
se chamaran) paires conscriptl, nome dado
o dupois corpurirjo tods iul un. No lem-
po de Syda o senado ja conlava tnaf de
qu.trn centos membros. Este numero foi
elevado a nuve ceutos por Julio Cezar, e de-
pois de sua murle elevou-se al mil.
Os senadores escolbidos ao principio pe-
los res, depois pelos cnsules, ltimamente
pelos tribunos, loram Humeados al ao Um
ta Repblica pelus censo.es. Glies eram es-
coltados d'eulre os patricios e na ordem
equeslri, devi.m ter de 30 a 35 annos de
idado e possuir 800 sesterclos, isto be liin/
mil francos de nos-amoeda. Era um censo
minio elevado para a poca e p.r. urna Re-
publica. O sena lo romano c-ijo poder foi
inmenso, ecuja gloria fol bullanlo m.lem-
po da Repblica romana, cabio om um pro-
fundo avlltamenio no reinado dos Impera-
dores lleliogatialo fez entrar nelle sua
m3i e out.as mulneres. Ello nao era mais
um monumento venenvei posto que
innl.l, da antiguid.de romana, quando
Juliano o .holio em 552
P.atemoa repblicas da meta idade. Venc-
a eseii senado 'representaran! um papel uu-
pn'l-ole iiaqni lia cpuc.i no coininerclo, na
industiia e mesii.o na poltica. A repblica
venezlanaera governada por du atsembl.s:
o senado que raprezentava ari.tocr.cia e o
grande conselho que repreientava ademnera-
cia. Para ser.smador era perciso aer nobre
e ter2o anuos. O senado compnz-se ao prin-
cipio de 6n, depol. de 300 Miembro!. A rep-
blica de Kagusa fui governada por muito lempo
ecom labedoria por um leado que er. tira-
do deoirc os meinbro. que sahiam do grande
conselho. Havia 6o senadores, todos nobre.
e de Idade de 40 annos, pelo menos; 7 dentre
elle, exei ri un o poder executlvn. As cidade*
livre il i Alleinanha. Lubeck, Hamburgo, llre-
inen, Francfort aobre o Meno, llnhio cada
urna un. teoado electivo. O re da Suecia era
asistido por um cunselho, cujas membros U-
nham o tilulo de seoadorea du reino. Dissolvi-
da por Gustavo 111. em 1772, esta corporaefio
foi restabeieclda em 1800 debaiio do nome de
conselho de esiado. Na Suissa a cidade de
Berna posauia Igualmente um. ssembla
arlsiucratica, chamada indiiferentemenle gran-
de con-elho, ou senado.
Em 1144, Roma, agitada um momento por
Arnand de lirecia, vio reslabelecer-se seu an-
ligo senado, o qual leve ainda a sombra de
sua amiga ezistencia durante um seculo ou
dous, e procurou cercar-se de algum esplen-
dor, chamando para aeu irlo homen* emi-
nentes, laeicoino Cailoa de Anjou em 1263, c
o imperador Luii de lia viera em 1283. Rien-
zi. depola de ler lido o audacioto tribuna que
te conhecru, obtrve de Innocencio VI o tilulo
de leador em t'il. A volu dot papa, i Ro-
ma depoit do ichitma de Avlnhao deu lim ao
que esisiia do senado e da repblica, lluuve
un ivia um seuador eilrangelro nomeado pelo -
papa, o qual reiiuia no capitolio.
Finalmente nal naces modernai, o senado
que us lutereisa mal, por cauta do papel
que repreaentou ein nossa historia, e das gran-
des cnusas ein que ae envolveu, he o senado
cnneervidor, creado pela constllulcao do anuo
VIH. 0 conselho dos amigos, no lempo do
directorio, era ja urna surle de senado. O do
anno VIII cou.poz-ie em ua origem de 88
memoro, todo vitalicio c inainevlveis. Nin-
guem poda faier parte do tenado ante, de
ler quarenl. anno. de idade. O senadores
eram nun.eadus pelo proprio leado, que os
escolhia deotre tre. candidato aprezentado.
um pelo corpo legislativo, oulro neto tribu-
nato, eo lercelro pelo priineiro cooaul.
o senado conservador nome.va. pelai Ha-
la feta. not deparlamento!, o legiiladore,
tribunos, consule, juizei de caasacau, e com-
missarios da comptabllidade; elle lluha o direi-
to de sustentar ou de aunullar todoi os acto!
que lhe eram delleridos como loconsttlucio-
uaei pelo tribuoalo. ou pelo governo. Na
menina poca, a repblica liguriaoa, a itali-
ana, lialava e a dai irte Hitas, noli un tambein
senados; porem leudo aido estas republicaa
reunidas todas ao Imperio, o senado do reino da
Italia fui o uuicoque subsltllo. Noleiupodoiin-
perlo, oieuaUoconseivador cou.punl.a-se do*
principes Irancize, qu tinhum segado a ida-
de da dezuito suuiis, do graodes dignatarios
po impeiio e de eterna Miembros noineados
pelo sruado aobre a apreienlacao de oandida-
losescolhidos pelo ftnperador, na Usa envi-
adas peloscollegio eleitorae do departamen-
tos, finalmente de cldadaos escolbidos dile-
ctamente pelo imperador. O presidente era
nomeado pelo Imperador e eacolhido dentre
us senadores.
linas commissilcs, compostas cada urna
le 7 metbros, eram formadas em seu aeio
um. para a liberdade indlndusl.a outra pa-
ra a lbenla lo da un prensa. NIo he nosso de-
signio narrar a historia do senado conserva-
jo, atas sempre diremos que estas duas
liberd.del n9o sentirm nunca qoe suas
cmmi-soes tinh.m sido creadas em sau fa-
or. Ajunlaremusque esle senado foi o pri-
iniro em iralur o imperadoresteudendo os
orafjos aos Bourbons vencedores; elle pros-
tou-se oulra vea aos ps de NapoleSo, em
,ui volt, da lina d'Elba, ab.ndunou-o,
lun lo sua fortuna o trahio segunda vez.
ilejuslodizer que se encontrara em seu
telo, urna minora muito fraca, sem duvida
mas indepeudeole: Gregorio, Gsrat, Lio-
MUTILADO

h
v,
A
0


=
o e-timava manoi por mo.
Ozonadores peroebiam M.oOO mocos
de subsidio. Um deerelo da 92 de nivoso
,lo anuo XI eslibalaceu 35ienaloria, urna
por cadairihunalde relicto, doladas cada
urna de 25,001) francoa. i titulares prvi-
dos neaiaa senatorias deviem poas.ul-las por
toda a vida. Ellea eram escolhidos por Na-
poletosobre urna lista de 3 candidatos apre-
senladoi pelo sealo. Em 1811 o numero
dos senadoros era de 37, entre os quaes ha-
vism muilosestrangeiros. EmOm tomado
o mmassi o senado no era franco/, se de-
vemns julgar deaeussenlimentos pela re-
cepc*0 iiub Tez aos adiados.
Existem ainda actualmente na Europa al-
guna outros senados. Eoi Francfort, em
Bramen, em Lufcacke em Hamburgo, ello
5ncomi'0edemembro9, entre os quaes
seescolhe dous burgomeitrei.--Ni Blgica,
o senado partidla com urna cmara dos de-
puta ios, o poder legislativo. Ambas as ae-
semblas sSj o resultado da eleiolo.4
Russia possuetetnbotn um senado diraclor,
a qual ha o primeiro doa trea corpos do Es-
tado.
O autcrata preslde-o nomia seus
mombroa om numero lilimilado. Todos os
decretos desta assembla tem forja de l-i.
AsilhasJoniassSogovernadisdebaixoda
protcccBo da Inglaterra, por um senado
com posto de aete membroa.
Finalmente e.ba-an que us Estados-Uni-
dos o senado forma urna parle Integrante
do congresso americano, que seus membros
bo Horneados por 6 annog, e qaie cada um
doa 24 Estados da UniSo di doua sena lores
Presidido pelo ice presidente da Repblica
elle aedovide em tren aeries que se reno-
vam, uma apos a nutra, da 9 em 9 annos.
O Brasil, o Hait e alguna outros Estados
da America meridional tem lambem a si
frenteas assemblas senatorias.
Estas particularidades histricas sobre ss
divorsas-essembleas que tem governsdo de-
baixodo lime de senado, dBo a ressurm-
r.lo do senado pel ODSliluicBo de de Ji-
nebro, um nenio do conveniencia 8 de c-
tuilidado, e podero oftVecer mais de um
ponto de com jaracSo aos humana polilicos
que se comprnze.u em medir o valor das
nstituicOus pelos servicos que ellas tem
prestado no psssado.
j. Paradis.
Pressa. )
Estaliilha de beneficencia em Franca. Nn
lapso de lempo oecoindo desde 1800 at
1815, a qeanli -tade total de legado" feitus
oincialmento aos pob.es, monta a 122 nii-
Ihoes de fianoos, aeiu comprehender certas
dadivaa em gneros autorisadas pelos prc-
felos.
O valor dos bens productivos dos hospi-
taes e hospicios ascemle a 500 milhOes de
rmeos ; possuem alcm dlsso um grande
numero de censos nos montes de piedade,
subvencOes ministradas pelos povos, o di-
reito sobre os esqectaculos, o producto do
trabadlo nos hospicioc, etc.
A somma total das rendas anuuaes desles
cstabelecimentns em Franca he de francos
M.ti6,660 -. as rendas das administracOes
hospitalarias mais consideraveis sSo as de
Paria que sobem a 12.960,823 francos, as de
LySo de 2:279,990 francos, as de Bulo de
1:135,908 francos, as de Marsedia de flancos
1.069,257 etc.
A quaulia em que importa o custo do
sustento dos indigentes lie do 22:191,441
francos. O numeio de camas nos hospilaes
e hospi'ins eleva-se a 126,142; so o depar-
tamento do Sena conla 15,353. O numero
dos enfermos tratados nos hnspitaes em
j847 ( anuo medio ) foi de 486,083; os hos-
picios rrcilherain no mesino auno 77,653;
J, doa alienados recebidos em difiranles
e,tabelrcimenlos 12,087; o que ludo pref.z
575,223 individuos snecorridos.
Totprancia da l'orta Ollomana O seguin-
te documento, publicado em algons jornaes
estrangeiros de dezemhro ultimo, he cu-
riosa amostra da singular rodaccSo dos de-
cretos emanados dos conselhos do impera-
dor da Turquia.
Firman de S. M. I. o aulto Abdul-Mcd-
jid, dado a favor dos subditos protestantes.
Ao mau visir Muhamed Baii, ministro
do polica na minha capital, honiado mi-
nistro e gloiioso c-ciiis. ih.'iid, mtelo do
mundoedliector doa negocios estrangeiioi,
que guiando os inleresses pblicos com su-
blime prudencia, Armando sabiamente o
o liiicio do imperioe consolidando as cotum-
osa de eua prosperidade, he o ohjecio de
tndaa as gracas do Allissimo; augmente
Dos a sua gloria :
Quando receheres esta ordem sublime
o augusta furas constar:
Gomo os .sol ni. s christos que abra-
caran) al agora a fe protestante estSo so-
frendo vcxacOes equebras ile justiQa, pur
nSo gozarem de uma jurisdieflo especial, e
ja nSo poderem participar da dos palriar-
ctiaa e primazes (1 ) da antiga crenca que
abandonaran]:
E como em virtude da nova crenca for-
ma m urna commnnh.o sepirada, he nossa
vontade imperial que seadoptem os meios
neceasarios para facilitar a sdministracSo
de seus negocios, de modo quo passam vi-
ver tranquillo* em paz e s-guranea.
Permitlirs, pois, que se aggregue
rapaiticSo de poliria uma pessoa reapeita-
vel e digna de conlianca, eleiti por elles e
d'entre elles, cuja nomeacSo s ja por ti con-
firmada.
a Este agente lera a seu cargo na. secre-
taria da polica um registro, que oompre-
henda todos os indivouos da sobredita co-
munhBo. Os passaportes, lie neis para
so caaarem, < os contrato* esiecraes dos
mesmos, que teem do sor remelti ios Su-
blime Porta, ou aqualqucr oulra aulori la-
de, virao aulorisados com o sello deste
agente.
Para que lenha o cunipi ment devldo
a nimba vontade se expedirn) pela minha
cbancollaria i.m erial o presente mndalo
aos mala cora-,e_ caso necesasrlo dirigir petlcfle a Su-
'bli.il
pial.
Kr^elt
. Logo que lenhss conhecimento da roi-
nhi present vontade Imperial publicars
esta adido augusto, Tlenlo qua ohegue ts
mfloi dos sobradnos subditos; velars
por que se observe Belmente o seu con-
tando.
No entinta, assim o flca entendendo,
e vonrra o nr^Magrado sello.
Cartis do MR a nosjornaes polticos re-
feren) que so entabolaram rel.ic.os entre a
Santa Se e a l'orta Ollomana, lelativaa S
.si tu .cao dos ctiristos da Bosnia e da Tner-
gowind ; e accrescenta que o aulUo dlgira
ao santo padre uma carta affecluoaw'pro-
mettendo proteger to tos os que residem
nos duminios da sus corda imperial, e des
mentuid os falsos rumores que circulsvam
quanlo a suppostos veames
Material de guerra em Franed.8fgundo
os mala recentes mappas ofllcisea, todo o
malo'iil do exercllo que possue esta naclu
impurts na enorme quanlia de 429.000,000
de francos, dlvidlndo-se em dez classes
principaes, que poden resumir-se Desla
sele :
Vveres
Hoapitaes militares
Fardamento e acamp-
mento
servico de csvillarli
Forrageni
Artilheria
Material de engenhini
RECEBEDOftlA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 16..... 449,023
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do da 16. 3:892,001
3
99:000,000
17.000,000
45:000,000
' 53.000.000
15:000,000
368:000,000
10.000,000
429 000,000
Ha 4,967 perjas de bronze dos diversos cs-
lihres e 9,411 de ferro, 3,800 pecas de cam-
iniolia e 3,975 morteiros, 4,382 obuzes de
sitio e de campanha; 229 morteiros
17,073 carrelaa de aillo, de prsca e campa-
nha.
Os depsitos dos arsenaes militares con =
tsm; halas 6:091,934, 935.360 bombas,
1:600,000 balas pira obuz, 213,215 grsnidas
16.000,000 kilogrammos do bala miuda
25:000,000 k'logrammns de plvora
99:00U.00Od8dfrdrentescsrtUXOS,28.000,000
contila em projecteia o.iooa : sem fsllarrnua
em multa plvora tyn fabnc i e materiaes
necessano para Isso.
Possue finalmente o estado 9903,801 es
plngardas de pederneira e do pislBo, de que
se serven) o ezercito e a guarda nacional,
151:023 carabinas e 184,336 piallas.
tlorrer alegre.Km Soecrebaya, no arctii-
pelsgu aMiliro, fallrceu no meado do anno
ultimo um China que pnisuia mui avulla.li
riqueza, e era dotado de um genio e carac
ter e lira va g i ii tea. Poucas huras antes de
morrer mandou reunir urna orrhestra de
msicos europeus, e lnes ordenou que to
cassem as percas de msica mais aleg.es de
seus repelinos, Ilipoz que o seu corpo
fosse encerrado n'um caixio de madeira
preciosa, aindiada de chi o mali exceden-
te. Deixou em faendaa e dinbeiro quatro
a cinco milhOes de cruzsdos.
Sanfo hespanhol.K igreja de Hespanha
vai enumerar nocalhalogq de seus santos
o vcncravol servo de Dos frei JoBo Pecca-
dor, natural da villa de Ubrique, provincii
deCadi, da ordem doshospitaleiros do S.
J.i.io de Dos. O poslulsdor na causa d
beatficacBo avisou de Roma que no dia 27
se reunira peranle o santo padre a congre-
gacflo de ritos para decidir a mesma beatifi
oaolo,
Bibliolheeas na.Dinamarca.Este reino he
sem controversia o que possue maior nume
ro de livraras puhlicas. Em 1849 havia 700
pa'ochias pruvidas des'a clasaa de estabe-
leci i.entos, para OS quaes contrihuem u.on-
salminla al os lavradores e joinileiros
.'ooi qiiiutias nninre* o o menores, para as
frequent rivalissm neste ponto comascldade; e em
quasi todos os edificios pblicos acha-se
uma bibliolheca.
Munificencia raia. k ralnha cHholca
don ha iiouco uma nova demonstraco da
proteccBo generosa que conoidea ditera tu
r.i heapanhola. A.bitrnu ao distmeto es-
crptor e poeta dramtico, D. Thomaz Ro-
liiguei Rub, uma pensSo vi'adcia de tnn
ta mil reales annuacs, enesrregando-o de
reunir noiaichivos a onde convier os mate-
riaes necessaroi para escrever depois a
Historia geral philosophica da monarchtn het-
panhe/a.
COMMERCIO.
orden* augustas e esperiaes. Boi ronsequen
ca dellaa, tu, sobrrdilo ministro, obiarta
oonformo as etplirav.es dadas,"execulando
a letra a ordonacBo precedente, excepto oo
relativo ao imposto pesaoal e panaaportes,
que se rege por especiaes regulamentos,
cujns artig'S respeiiar|a.a
TBo pouco d v. ras consentir que se exi-
ja couaa slguma ilebaixo do pretexto de
emolumentos o despez-s pelas licen^as de
casameiitos, e por inscrever no icgistro os
individuos que se apreseotarem para este
elTeilo.
Vigiars que lodos goiem em todo o
geoero de nrgoeio oa mesmos direitos que
ns outros individuos de outrat religi0s,
e com especialidade no que respailar aos
remtenos e aos sitios em que se congre-
gan! NSo toleraras, de modo algum que ou-
lra qualquer oommunhfio se intromelia era
seua ritos nem em o concernenle rellgiSo
dudes, e em uma palavra no que se referir
a seua negocios seculares ou religiosos, an-
tea cumpre que possam observar com segu-
Tanoa os usos de suaa crencas.
Previno-te que nlo consinlas que se-
jam molestados neste particular ou n'outro
qualquer, e que se preste a maior alinelo
e peraeveaoca em manter-lhes sus tranquil-
lidale e seguranca, sendo-lhea permittido
(1) Ve-se (or isto que se refere aosseis-
maliooa gragea elalvoi armenios, subditos
do impeno.
PRAGA DO RECIPE, 16 DE ABRIL, AS
3 IIOI1A8 DA TARDE,
cotac,0bs OFFICIAES-
Camhio sobre Londres: a 37 d,
das.
Dito dito i 37 l|4 d.
Descont de lotras: de 3 mozos 7|8 p. c.
ao mez.
ALFANDEGA.
Rendimento do da Ib 15:119,369
Deicarregam Aoje 17 di abril.
Barca americana I.Uhurado merca-
dorias.
Barca franoeza-- Cleopnlr ditas.
Barca sarda Affonio I. ditas.
Brlgue nglez --Aman manleigae ferro.
Iiii|ii>rtiu.'in>.
Patacho brasileiro Aracaly, vindo de S.
klatheos, oonsignado a Manupl Das, mani-
festou o seguiute:
1,206 aiqueires farinhi de mindioca ; ao
Moviraento do porto.
Haviot entradni no Ha 16.
Mar Pacifico tndo sabido de Myslic -ha 33
mezes, galera americana Areonaut, capi-
tSo Guvynne. Anda a pesca da balea,
velo a este porto refrescar e segu para
Mylp- .
Baha 9 dias, patacho inglez Fortuna, de
102 toneladas, capitSo Angelo Dassoy .
equipagem 8, em lastro e alguna gneros;
a Olivera IrmBos & C
Rio de Janeiro--18 das, hlate brasileiro
Anglica, de 88toneladas, capitSo Ale-
jandre Jos Alves. equipsgem 8, carga ra-
rios gneros; a Theolilo Seve & Comna-
nhia. Paissgeiros, JoBo Jos Pinto Jnior,
Mmioel Jos Pereirs Marioho, e Jos da
funh< Pinto da Fonseca.
Navios eahidoi no mesmo dia
Marselha -- barca francea Colingulbs, ci-
p Ion Bessel, ctrga ssiucir.
Por'to brigoe pnrtuguez 8. Manoel I., ca-
pitBo los Francisco Ca'neiro, carga as-
sucar a algodBo. Passigeiroi, Manoel
Joaquim Lams e sua familia, Dorpingni
Francisco da Silva, e padre Carlos Antonio
VieradeCarialbo.
Rio da Prala brigue hamburguez Cinoe,
capitSo Birens, cirga assucar.
Rio .1" Janolro patacho seciliann Adelina
capiao Callero, carg a mesma que
trouxe, _____M
BU1TAKS.
Pela iuspectoria da alfandega se faz
publico que, a requerimento de Fox Bro-
thers, se hflo do arrematar no dia 20 do
enrrente, depois do meio dia, i tortada
mesma reparticSo, 1 vo-tido de fil borda
dn no valor do 10,001) n-is ; 2 ditos de tar-
talana bordados no valor de 16,000 2 ditos
de caca com barra brdalos no vilor de
20,000. ris; 1 peca de rac,a o-tampada com
20 varas no valor de 16.000 rs.; 1 mantele-
te de fil bordado no valor de 10,000 rs. ,
3 chales do fil bordados no valor de 15,Ouo
2 mantas de filo bordados no valor do 8,000
2 duzas ds lencos de fil bordados no valor
de 16 000 rs. ; sendo a arrematarlo livre de
direitos ao arrematante
Alfandega no l'ernamhuco, 16 de abril de
1852. O Inspector interino, Bento Jos
Fernn le Barros.
Pela inspectora da alfandega se faz
publico, que no da 20 do corrente, depois
do meio da, sobrio de arrematar embasta
publica, a porta da reparticSo, 60 figuras
de porcelana para agua de cheiro, sen lo 46
at 6 pologadas de altura a 2,500, total ris
115,000, e 14 do mais de 6 at 10 polega las
a 4,000, lot'l 56,000, abandonad .8 pelos di
n: tos i .ir V II. Donkor; sendo a anemata
..'.l.i livro de direitos lo srrematante.
Alfandega de Pernambuco, 16 de abril de
1852. O inspector Interino, Bento Jos Fer-
nrnde* Barros.
Pela inspectora da alfandega sa faz
publico, quo no da 20 do corrente, depoa
do meio dia, se hSo de arrematar em hasta
publica, po'ta da repa'ticSo 100 duzlasde
oculos com mola de metal no Vlor de ris
250,000. sbmdonolos pelos direitos por
Ce-ai- Kruger; sondo a arromatac,3o livrede
lireitos ao arrematante.
Alfandega de Pernambuco, 16 de abril de
1859 O inspector interino, Beato Jos Fer-
nandes Barros.
Pela Inspectora da alfandega so faz
publico, que no dia 90 do corrente, depois
do meio dia, se hilo do arrematar er hasta
publica, 4 porta da rcparlicfio, 24 Tascos de
vi.lu rom essenca do rosa, nesan lo bruto
dezenive oncas a 3,750, l tal 71,950 ris,
abanlonados lelos direitos por L. Schuler
& C., sendo a arremata.;'.o livre de direitos
ao arremaiante.
Alian lega de Pernambuco, 16 de abril de
1152. O inspector interino, Bento Jos Fer-
iiaiidcs II .r os,
Parante a cmara municipal desta ci-
dade eaia em praca nos das 16, 17 e 20 do
corrente a obra dos concertos deque preci-
sa n acougue do balrro da Boa-Vista : os p-e-
tendenles podem comparecer nos indicados
d8 no pico da mesma cmara, onde Ibes
seri prsenle o orcamento da mesma obra.
Paco da cmara inuniciusl do Recito, em
snssBQ de 14 de alml de 1852, -Francisco
Antonia de Olivein,presidente; Minoel Fer-
rein Acciuly, secretario interino.
O Iilni! Sr. ofilcial-maior servindo de
inspector da freguezla da fazeoua provin-
Icial, om cumprimento da ordem du Exm.
nraan iA Sr. presidente da provincia, manda faier
v publico, quo nos dias 20,21 e 22 de abril
prximo vindouro, r4 a praca para ser ar-
rematado, perante o tribunal administrad*
vo ila mesma tbesourana.. a quem por me-
nos flter a obra do acudo na villa de Garuar
avadada em 4:080/098 ris.
A aneroatacSo sera leila na forma dos ar-
ligos 4 o 27 da le provincial n. 386 de 17
de maio de 1851, o sob ai clausulas espe-
ciaes abaixo copiadas.
As pessoas que se propozaiem a esta ar-
rematacSoeumpareoam na isla das sesses
do mesmo tribunal, nos dias cima men-
cionados pelo mei i-dia, competentemente
habilitadas.
E para constar se mandou afiliar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da faonda prn-
ralidade, quesnlhe reconoeoe
Peisonsgens.
D. CleoTas, o Gaslroiiomo Monteiro.
D. Judas Raymuudo.
I). Manoel -- Amudo.
D.Gaspar Bizerra.
D. Pascoal da llibeira Coimbra.
Luiza -- D.Carmela.
Simplicio--Piolo.
Zapata Joiquim Jos Perelra-
Uui mairinho -- Cabra!.
Mocos, trabalhadorea, etc.
Comecara as 8 horas.
Os biihetes acham-se a venda no lugar do
costume.
O administrador empresario tem a satis-
r.rao de annunciar ao publico, que a senho-
ra D. Maria Leopoldina, acha-se completa-
mente restabelucida, e quo os espectculos
cooliuuarfio om sua marcha regular, sem
intoi ropero nos das ja designad.is, quarlas
feiras sabbados.
Acham-se em enssios os dramas --Joan-
na de Flandres -- e os Jesutas, ou o Bastar-
do d'EI-llei, que subirgo a scoua esto cor-
relo mez.
TIITIIII DE APOLLO.
HECHA KXIItAlll'.lli.MAItlA.
EM FAVOB DO ARTISTA DRAMTICO
Francisco de Salles Guimaraese
Cuoha.
8ABHADO, 17 DE ABRIL DK 185a.
Depois de uma nova ouvertura executada
pela orchestra, sob a dIreccSo do hbil pro-
essor o Sr. Pedro Nolasco Baptista, subir
cena o excedente drama em 4 actos
Joanna de Klandre.
Seguir-se-ha uma jocosa tarca, depois di
quil a lenhora U.Carolina e oSr. Guima-
r.i.'B ( em caricato) enlacio o mullo sppliu-
dldo duelo,
UMA LIGAD DE MUZICA
OU
lir.tvas, me bem, est de tremer.
No lim do drama o artista, em cujo pro-
veito se da esta recita, ir pelos camarotes
roceber aquillo, que ihequizerem dar.
lleelararo :" ""'w'r""i" ""S".* Oaclor Guimaraes, conta ainda esta vez
de mencionar no mmifesto da *" ^ **''TdVd^Sranlan.? *, encontrar a benevolencia e proiecSg deque
ac. Cleoealra 200 moas com ., y ^tgj ^\% Hf4 o publico Ib. tem dado lanas prov...
n'e,-'imo' -_:i___i___. :<. ,i ir, ,i 1.. vinciil de Pernambuco, 23 de mirco de
Escuna inglezi Argos, vinda do Rio de Ja-
nciio, consignada a viuva Amorim & Fllho, O secretsrio
ininifrstnu o seguinte : Anlonio Ferreira d'AnnunclaeSo.
3,200 quintaos bospanhes carne de chsr- clausulas especiaes da arrewtacao,
que, 20 cnuros aaliadoa; aos consignatario 0braa par. a conslrucB" de um
Barca americana Eldorado, v.nda de Ba I *> ft f f ,u de
limore, consignada a De.ne Youle & Com- midad. com .'orcamento e planta .-
panhia.manifestouoa.guinte: pre8et.dos nesta data a app.ovacBo do
85 caix.l ecidos de algodlo \.00 birn- P pre9i,,enl9 da provincia, na impor-
case200 meias ditas hrinlia de Ingo; aos ^t del4:08Oi09.ri#
cousigiialanos. | 8. Aa obras deverBo principiar no pra-
Deixou-se
barca Fiancisca Cloopatra 200 pipas com
m
uralg aa evadi no momento de lar feita ap-
preheoslqi quem direilo tifer a mesma car-
ne apreiente-sa para Iheser entregue: bam
assim foi apprehendldo um cavado, queso
acaa de;iosita lo,"por andar sollo, com cin-
galha e sem conductor : quem fr sau dono
spresenta-se que justificados os signaei Iho
sor entregue.
REAL CUMPANIIIA DE PAQUETES 1NGLE-
ZES A VAPOR.
No dia 20 deata mez, esperi-se
dos por los 1I0 Su 1, o va por Se-
vern, cuinmandaiito Vincent,
o qual depois da demora do
costume, seguir para a Europ.:para passa-
gem, dirija-ae a casi da agencia, na ra do
Trapiche Novo n. 42.
.. Pela aubdelegacii de S. Jos do Recifo
se niinuncia que foram apprebendidos os
psrdosManoel e Benedicta,com um filho me-
nor,de 10 mezes, de nome Jacintho, que de-
clarou o primeiro serem escravos de Gon-
falo Rodrigues Mannho, senhor do engenho
BlhCbBodo Paco de Ciinaragibe: seu legiti-
mo senhor comparec, que prestando os le-
gtimos titulos de sua posse e dominio, Iho
serflo entregues.
Perante o conselho da administrsefio
naval tem de comprer-se pira fornscimento
dos navioa armadoi 01 seguintes gneros ;
carne de vacca salgada em banis, e fariuha
de mandioca ; pulo quo convida-ie a quem
oouvier dita vend 1 comparecer no da 17
do corrente as 12 horas do dia na sala de
suaa testOea com mis amostras e propostas,
declarando o ultimo preco. Sala das ses-
afles do conselho di idmiiiiatraeBo nival em
Pernambuco 14 de abril de 1852. O escrirfio.
Chrisintio Sant'lago de Oliveira.
-- Pela adminisiracBo da mear do consu-
lado, ae faz sabar que no dia 17 do corren-
te se ha de arrematar em hista publica, a
porta di'meana, 90 este-iras de perpari, uo
valor de 4,800 rs. ippreheodidas pelo guir-
di conferenle JoBo Bapliati de Aiaujo. Me-
sa do eonsulido de Pernambuco, 13 e abril
de 1852.O adminlilridor.JoBo Xavier Car-
neiro da Cunba. ___________
THEATRO
DE
S. IZABEL.
55. recita da asignatura.
8ABBADO, 17 DK ABB1L DE l85j.
Depois da cxecurflo de umi bnlhinte ou-
vcrlura pela orchestra, subir 1 scena, com
todo o aparato, a grsnde e excedente trage-
dla em 5 actos, donosso mui b.im conheci-
do literato, o lllm. Sr. Dr. DomlDgos Gon-
C-ilvcs de MagalhBes :
OTHBLO
U
O Motilo de Vanesa.
PERSO.NAGENS.
(libelo Cermano.
Iledelmondi Mirli Leopoldina.
Hermanee D. Amalia Monteiro.
1 ida iberio Coimbra.
Loredano Amodo.
Pezaro Bizarra.
Moncenico, doge de Veneze -- Pinlo.
Senadores, ofllciaes, etc.
Terminara o espectculo com a nova e
mui graciosa comedia em 1 acto :
o gastrnomo
rea no conaultrvio bomooopathlco da ra
'"fSSSiMEHTO HbMEO-
PATH1GO.
nal MOLiiTua vBKsaiaa,
e cooallios ios doentes para ae enrarem ,
-si mesmo, sem preoisirem de medieo,
pelo profeaior homceopiiha
Gossct-Bimont.
Sabio a luz acha-sca venda no consul-
torio homcBopatliico da ruadas Cruzes n.
28. pelo preco de 1,000 rs.
Avisos Aaritimos.
O brigue nacional ilio Ave,
sahe para o Hio de Janeiro no fim
da presente semana : recebe al-
guma carga miuda, escravos a fre-
te e passageiros, para os quaes
tembonscommodos : trala-se com
os consignatarios Novaos 6c Gom-
panhia, na ra do Trapiche n. 34
Para o Rio de Janeiro, vai
sahir com a maior brevidade pos
sivel, o bem conceituado e veleiro
patacho nacional Valente ; ainda
recebe alguma carga : quem no
mesmo quier carregar, embarcar
escravos, ou ir de passagem, en-
tenda-secom os consignatarios No-
vaes rk Gompanhi 1, na ra do Tra-
piche n. 34 ou com o capitSo
Francisco Anlonio de Lima na
prat;a do Gommercio.
Para o Ilio de Janeiro, vai
sahir com a maior brevidade pos-
sivel, o veleiro patacho nacional
Confianca : quem no mesmo qui-
er carregar, embarcar escravos ,
ou ir de passagem dirija-se aos
consignatarios JNovaes &c Compa-
ulia, na ra do Trapichen. 34>
l''reta-se
Pan qualquer porto,ilc a Babia, ou at Ces-
ra o hiato Cajricioso de 37 toneladas, mui-
lo veleiro e seguro de conslruccBo ; trata-
se na rui da Cruz n. 34.
Para o Cear
Segu no fim da presente semana o hiato
Ligeiro ; para carga trata-se na ra do viga-
rio n. 5.
Pira o Aracaly
Segu por estes dias o hiite Capibsribe;para
o resto da carga trati-se na ra do Vigario
n. 5.
Gear MaranhSo e Para.
O bem conbecido brigue eicum Cracimo,
chegado da Babia, com 1 maior parte do seu
carregamento, seguir em mui poucos dias
para aquelles poitos; recebe carga, e tem
ptimo commodus para passageiros : tra-
ta-se com o consignatario J. B. da Fonseca
Jnior, na ra do Vigario n. 23, ou com o
cipii.10 11.1 piara.
-- Para o Porto sabe com muita brevida-
de 1 galera portugueza Bracharense, de pri-
meira marcha; ainda recebe carga e passi-
geiros para os quaes tem excelentes como-
dos: trati-ie com Jos Moreira Lopes na ra
do Uueimado, ou com o capitSo Rodrigo
Joaquim Correia na pca do commercio.
Para o MaranhBo segu uestes oilo dias
OU
O Aventureiro das taberna.
.. -- 1 11 1 y 1 (~ "'' VI V ., -
. O Sr. Monteiro acha-se encarrega lo do di-. esCllIli s, jOSOi forrada e pregada de cob vertidlasimo papel de gastrnomo ao a resl0 da carga,trita-ae na ra da Cruz
qual darA rodo n desenvolvimenlo e natu- 0 necfa n, 24.
litio por descuido.
CON8ULADO GERAL.
Rendimento do dia 1 a 15. .
dem do .ha 16 .
(*u o" ***- p..-v- -- :----
...... oo guinle : a piimein dos uous quintos do va-
iifi"9Q lor total quando tiver concluido melada da
_____ obra ; a segunda igual primeira depois de
DIVERSAS PROVINCIAS
Rendimento do dial a 16..
|dem do dia 18. -
t-ohi -aa lavrado o termo de recebimenlo provisorio ;
;.-'..,.._ a tercelra flnslmento de um quinto depois
do recebimento dellnitivo,
pago em tres preslacoes da miueiri aa-
Publicacoes Iliteraria.
ELEMENTOS
DK
Homaopatkia.
Sahio a luz 1 segunda psrte desta obn
5irremiinte ser obr'igldo com-'composta pelo proressor homcaopatha Gos-
r a reparticSo dal obras publicas set Bimont. Recebem-ae assignsturas pira
antecedencia de trinla dita, o dii fizo a obra inteira a 1,04)0 rs., no consultorio
que lera de prioeipiar 1 eKeculir aa bomasopethicoda na das Cruzes n. 28. De-
_.a.i,.3 obrt^ -Hm como Irabalhari segu lamen- pois da publicaclo da terceira pirte, o pre-
i.'v.w,.i,.,,. "le a esse durante 15 dias ifl)t|e que pona coier* elevados 8,000 rs. para aquelles
liva.rno.nl nelaPPar.hfba barca ioalea engegheiro enCirregido di obra, aasistir que no tiveremast.gnado. No mesmo coij-
Liverpqoi, pela uraniDi, oarc iDgiezi o traballi09. aultorio, acha-se a venda ludo quinto he
Anglica, de506 tooel.dii conduzo o "- ,0f tf'! ,?'jQ8D'maisquinloealver es- apario parao esludoea pralic. da bo-
_l_V_r"%sT..M_ 5 519 .""b." pecifio.do'nX'erBl.u0,ul.. aegqir. S.thi. como sej. : livros impressos
de>ssuoar 1,033 saooaa 00m *.5l9 arronaa p__h> g dBlerln|ni |,i provincial u.' pira hialoriaa de doentes. regimeos apro-
9:307,856 *_*
814,098 asua,<"
_____I___com *
do algo -IB o
Rio de Janeiro
brigue bnzileiro Sigila-1< de 17 de mnode IM^oi.furme.
rio.de 26B tonelaiias.conduzio oseguinle :
,000 sacess e 3 barricas com IU.008 arrobas
a 27 libras de assucar, 60 pipis agurdente,
iO sicens com 240 arrobas de algodBo, 555
aieios de soda, 549 siccis milbo, 3000 cocos
Jo casca.
Buenos-Ayres.brigue Hamburguez Cinoe
O secretario
A. F. d'Annuneiacio.
tidlaruyoes
afilo
Pela subdelegada da freguezl
Fr. Pedro Cuncalves do Rrcife, foi app
louduZ oU,o o": 9 bfrr ca; 4_ nudid. um. porSBo de carpe ,ecc, ,..., |.mp.s.
priados para a provincia de Pernambuco,*
aocarrega-s e de mandar fornecer qualquer
encommenda de medicamenlos bomoeopa-
thicos, tanlo avulsos como em oalxas, em
: glbulos como em tinturas.
No prelo : PaiAoiimiia dos medlcsmen
aTi los brssileiros. 10 do que Ihe dejo para serem immediata-
niira Elementos de anatomiae phisiologia com ei- monle psgMob, Paa,.'J9 em Pr
dqs orite-' usmnoa.
-- Precise-se de um caixeiro que entend
de venda : na ra daa Cruzes n. 20.
Para o Rio de Janeiro, segu com s
maior brevidade s giliota S. Tnndade : re-
cebe carga, passageiros e esrravos, leu 'o
para tudo bons r.uiimodos : trata-se na ra
do Vigario, escriptorio n. 11, p.'imeiro an-
dar, OU COm O C apila, i M.. i i.
Pata a ii.hu.
Segu com a maior brevidade possivel a ve-
len-a e bem conuecid escuna brssileira Ade-
laida : quem nella quizer carregar dinja-se
a ra do Trapiche Nova o. 16, segundo an-
dar, ou na ra da Cadea do Recife n. 23.
Para o CeirA sahe com mulla brevida-
de por ler parte da carga prompti a sumaca
brasileira H'lor do Angelim forrada e prega-
da de cobre, mestre Bernardo de Souza :
quem na mesmi quizer carregar ou ir de
passagem pode entender-se com o mesmo
mostr ou com o consignatario Luiz Jos de
Sa Arauio, na rui da Cruz 11. 33.
Para o Rio de Janeiro sahe
com brevidade o brigue brasileiro
Animo, capitSo Domingos Anto-
nio de Azevado, por ter parte do
carregamento prompto : quem no
mesmo quizer carregar, ir de pas-
sagem ou embarcar escravos, quei-
ra entender-se com o mesmo ca-
pito ou com o consignatario Luiz
Jos de S Araujo, na rna da
Cruz do Recife 11. 3'3.
Avisos diversos.
O abaixo assignado, co-herdeiro do
c.sal deseu finado sogro, Joiquim Jos Ra-
b lio, lendo o Sr. Anlonio Paes da Siva em
o Orarlo de Pernambuco de hoje protestado
eih.bir o papel de compra da escrava Jeio-
iiiiua com o .jti;iI pretende most'ar a 1 -vi
ti mida lo .lo s-'ii do 1111110 sob'e dita escrava
Jurn.ma, que foi aprehendida em o seu
engeriho Cova-da-Onca, por ordem do Sr.
I)r delegado da villa do Porto Calvo, sen-
do que em o Interroga tono, 4 que so pro-
ce lou, e quo fui publicado no mesmo Dia
rio n. 82, elli confessou quo r.t m- jh
d'aquelb Reb-llo, e que havia si.lo furta.la
pelo mesmo Sr. Paes da Silva, prote-la con-
tra todo.e qualquer papel de venda que fr
assigua to a rogo do n-ferioo Rabello ( que
nflo s.bla escrever^ por Ai.tomo Joaquim
Rabello, ououtia qualquer pessoa que nio
for Luiz Jos deSa Ar.ujo, q.|e ei lhiioio
do dito Joaquim Jos nal. lio, que sben-
te por elle maniava esoever' + tiugw os
papis do todas as suas IransaccOes, e quars
quer negocios, como de compra e venda.
O abaixo assignado tem a certaia de que
seu sogro em nenhum te.iipo traqsmiltira
outrem odominiq que.linba em dita es-
crava ; e por is reilo, requerendo as precisas averiguares
aiim de se Conhecer a Maidade do titulo,
que por ventura fr apr. sentado.
Hanoct Antonio Coelho de Oliveira.
__O abaixo assignado declara, que uma
pequea quanlia que devia ao Sr. Jos Ma-
ra Concalvos Ramos, ji se aoha paga desJe
1850, e d'alli para ca negocio nenhum leve
com dito senhor. Galdino da Silva Marlins
... A Sra. t). Maria Francisca de Souja Ra-
mos com sou marido.apreaeplem documen
paraos eurioaos em homcoopithii.
gi-so aos senbores iisigninles o ob-
de mindar receber seua exempli-
A viuva e berdeiros do finido Sr. M-
noel Lopai Machado, declanm a Sra. n u,
ra Francisca de Souzi Ramos, qun nmi ,f"
vem ao seu casal, como consta dos r.'cihn"
nsssados por seu marido o Sr. Joa Mari.
Goncalrea Ramos; a porlanto que deva,
mesma aaphora contar con esse deve.lnr d-
menos ns sua relacSo publicada no r),.
da Pernambuco n. 81 de 15 do cirrenti.
Jos Moreiri Lot>es, declira que nidi
deve a Sr.' I) Maria Fnncisc de Soun .
mos, por ter pago 10 Sr. Jos Mirn Con!
Calves Ramos.
-- Pergunti-se 10 actual thesoureim a,
lotera de N. S. doLIvramento, quanlo 1.
r principio as rodas di mesma ? Su i re'
posta muito gradara a um amante dodii
jago.
D. Vcencia Ferreira dn Albuquernn,
Nascimento, viuva de Silvestre Josquieido
Nascimento, drelars s senhora Ii m.iu
Francisca de Souza Ramos, que seufi||.C|.
do n ando nada devr ao Sr. Jos Maria Con.
Calves Ramos, marido da senhora D. Mara
por hiver a annunciante p.go comoconi-
ta do recibo que existe em poder da mesma.
Oabaixu assignado faz sciente ao pui
hlico, que uma cisa terrea, aita nn Biqui-
nhi de S. Pedro da cidida de Olmdi, per.
tencente a Januirio Antonio Costa, sa \\w
schl bypolhecada, e para quo ningurm alie.
gue ignorancia se frz o presente annuocio.
Jos Barbota de Suuti.
Precisa-se de uma ama de
leite, forra, ou ciptiva, para tnn,
casa de muito pouca familia : no
pateo do Terco n. as primeiro
andar.
Deseja-se filiar com o Sr.
Paulino Bezerra de Andrade Li-
ma, para negocio de seu interes-
se : na ra do Queimado loja
n. 17.
Rogi-so a lllm.* Sr.a 11 Anna Maria Cls-
neiro, o obsequio] de innunciir sua mora-
da, ou mandar a ra do AragBo n. 32, a na-
gocio de seu inleresse.
Us senhores Joao Thomiz
Pereira, Francisco Joio da| Costa
Guimaraes, Jos Anlunes de Oli-
veira Ltiiz de Moura Accyole,
Antonio Pereira Diniz, Jos dos
l'icis Gomes, Jos Antonio de Oli-
veira, .lufiu Francisco Vluniz, Ma-
noel Pereira GtiimarScs, Francisco
Antunes de Olivara : queirain
mandar pagir o que devem, na ra
do AragSo n. 3a.
Manuel Peregrino da Silva, declara 1
lllm.* Sr D. Maria Francisca de Souza Ra-
mos, que nada deve a seu casal, por ter pa-
go, ha quasi 2 annos, a seu marido oSr.
Jus Maria Concalves llamos, o importe dos
remedios quo comprou em sua botica, como
consta das receitas que as tem em seu poder.
Domingos di Silva Campos, Manoel
Antonio t.nicalves, Domingos Sorisno Cor-
deiro Sinies, declaran) 1 Sra.O. Maria Fran-
cisca de Souza Ramos que nada devem ao
sau marido o Sr. Jos Mirla Gonf alves lla-
mos, e nem 1 dita senhora.
OfHciaes.
iva fabrica de Caldereiro da rui do llrnm
n. 28, precisa-so de ofliciaes de laloeiro e
serralheiro.
A'vista do annuncloda tilma. Sra..O lia-
rla Franciaca de Souza llamos, Inserido ueste
Diario de 15 do corrente, em que o abaixo as-
s.guado ae acha inclul4> na lisia dos .Ir.-.-.t .<
lllba*. por occaslo de ae ter arvorciado de --u
marido o Sr. Jos Mari! Goofalves Itaonos, h.d
pode o iiics.i'o abaiio aaslguado .l.ni. de ... .-
ni.-i.1 .. in.s.na illuatrsaiina aeubora, queo
seu referido conaorte J recebeu aoa J5 defe-
vereiro de S.'.I luda a importancia de aua divi-
da, como consta do seu recibo de laido de con-
tas, que abano val transcripto.
Espera o annunciante que o Sr. Jos Maria
C.mtaiv.-s Ramos haja de declarar por este
un- m.1 Diario se o abaixo assignado deve algu-
ma cousa aoseu casal.
O ui.-ij.ir, Joio Nepomuceno da SilVa Portilla.
O tiln. Sr, Joto rsepomuceoo- da Silva For-
leda deve a Joa Alaria Goocaaves Ramos:
Pela importancia de oaajec'fllas (para
sua familia) desde 18,19 a" 1842, que
Ibes fornecl por aua ordem durante
aua ausencia tiosut; e cuj) divida
me coube em dividendo da extincla
firma de Ilartbolomeu e llainoa r20a790
.. Itecebl o aaldo desta conla. Becle, 15 de
feverriro de 18ii. Bamor. Ra. ft0|000ri.
No dia 20 de marco p. p. desappareceu
da tema de marcinriro do Sr. Luis Fcican-
iles na ra de Hortas um pardinho de nooie
Msnoel de II annos de idade, bastante claro,
gago, de estatura regular e rheio do corpo ;
quem o encontrar, queira cunduz-lo a ra
da I' iia tercoiro indir do sobrado n, ii,
quesera recompensa lo.
-- Precisa-se de ofllciaes de latoeiro : ni
ra Nova n. 38.
No dia quinti-feira de endoencas a Qui-
te, perdeu-se ums pulceita de pedras deco-
res engrastadaS : quem a adiar querendo
restituir, queira levar na ra Augusta, casa
n. 60,-loo receberS a gratificacSo do echado.
Francisco diSiiva Beato ivisa a Sra. I).
Maria Francisca do Souza Ramos que nada
devo a sau marido Jos Mana ConcBlves lla-
mos, como consta do recibo que se ach em
seu poder.
Nu segundo indar, por cima uo bi- (/>
Ibar airas do thealro velbo, se dir
quem beque quer porarrendaroenlo (8
annual um sito.o qual teuha boas ir <
vo"es que dm l'ruclos, eseja da Es- V
tancia at o Monteiro, ou Futrada 0
9 Nova.
t_S 15,000 rs. e comer.
Na ra eslreita do Rozar io n. 43, precisa-
se alugar um moleque esperto o fiel pr
o servico "te sorvete.
Francisco Mathias Pereirs da Cosa,ex-
porta para o Itio de Janei.o us seus escravos
Tbome, Narciso e Ignacio, pardos, Manoel,
Anlonio e Miguel, ceoulos.
- Oabaixu assignado faz sciento a lllma.
Sra. I). Msna Francisca de Souza R*mos,quo
nada devo a S. S-, porque o debilo que ludia
na boiica de seu casI at noveinhru do
1848, foi pago a seu mando Jos Mana (.011-
Calves llamos, logo que apresentou sua coo-
la e receilas.
Jos dos Santos Naves.
O abaixo assignado, lendo em o Diario
n. 84 de la do correnlo um annuncio da Sra.
D Mana Francisca de Souza Santos, cni-
mando-oa pigar-lhei quantia de 39.620 rs.;
declara pelo presente, que nada deve, e que
a conla de reroodios que leve cm a botica do
Sr. Jos Mana Guncalve Ramos, mariodi
annunciante se acha liquida la desde o anuo
de 180: flcando saldado li esta .lata.
Jnaquim Viegs.
Precisase do um homem, que nflo le-
nha familii.para feitor deeogenho, e deco-
nheeimento de su conducU e capacidiae'
noengenhoNoTo di Mmibeci.
-. J080 Flurentino Coelho de Go?, antbjf-
ca para o Rio de Janeiro o seu escravo
noel, cabra.
Luiz Coelbo da Silva, eqjbirc Pr
Rio de Janeiro o sau eicrato de nome Ve-
nancio, pardo.
I MUTILADO L
-<-


pao
.. o abaixo Hignido, ancrregdo do
a,r,l,.rouDa do tboatro da Santa-lzabol,
imo setcha dan'lo'bilanoo no mesmo pa-
enirecir ao empresario, ato echar-e
jMpadido, roga a todaa aspeasoa que lo.
m-rini rounas emprestadas e alugadas por
ordam do empresario delevarem ao mesmo
>uirila-roupa;epeile a todos que a alugaram
?..., escondido do empr .sirio Jeclarem sea
orne Pr '' foln,t vist0 'ue durant8
empo que occupira dito lugar.nflo empres-
(ou nada a ninguem j e por esta clama hou-
woempreairio deapedilo.
Benvlndu Marcelino de Almeida.
Torra ou
i: un par o servico de urna casa depouca
da rus Nov,e continuar* todo) os dita das Na ra do Vigarlo n. 19, primeiro an-
3
sw
Frecisa-ae alugar urna ama
mitra par o servico de urna casa ,,
f.milia: na ra da Concordia n. 8, reflutoflo
fnncea. .
L preclsa-sa de um homem que entend
daliorla para trabalhar en um sitio no Poco
diPanell: aqun convier,dlnjs-sequel-
|i freuezi* para tratar do ajuste : oa casa
aU8 fie por detris da Igreja matriz.
Jos Igaaoio Soares de Maceado, deela-
n a Hiena Sra. D. Maria Francisca da Soma
Ramos, que nada deve a aeu casal, visto t-r
i mullo pago aconta e receiisa, que por
rlc de aeu marido o Sr. Jos Mana Con-
nive Ramos Ihe foram entregues por aeu
ciiseiro
, .- Napoleflo Gabriel Bez, embarca para o
niodeJaueiroosaeus escravos aeguintea :
Basilio, pardo, Claudino, pardo, Antonio,
parlo, Florinda creoula, com urna cria,
Francisco, creoulo, Manoel,creuulo, Jerony-
ma, crooula, Clemente, pardo, Antonia,par-
as, Edoardo, creoulo, Conatanca, creoula,
Cecina, creoula, Benedicta, ceoula, Marco-
lina, creoula, Joaquim, pardo, Manoel de
paci. .
Do engonho Santoa Mendos, proprie-
dada doLaurentinoGomasda Cunta no da
17 de fevareiro desle anno, desappan ceu o
escravo Feliz, creoulo, cor fula, de 20a 22
innos de idade, suppOe-se ler em um dOs
pesa marca de mecho de correte, o qual
esclavo foi comprado *o Sr. Luir. Jos da Sil-
va no enflo do Oaca. Ha evidentes suapeilas
que i Igoom o tem acollado, o que se viera
realisar-se protesta o seu senhor exigir da
pessoa que o tiver acoitado, tolos os das
da servico a 610 ra. diarios: roga-se as au-
toridades puliciaos e capiliea de campo o
ficain apprehender, se fr encontrado, e re-
metier ao.Sr. Ltureulino no dito engenho,
au uu Recife ao Sr Manoel Ignacio de Ol -
rain, .|'"' recompensara coi 50,000 rs. de
gratifica ci.
Hrevine-se a todas as poisoas quede-
vem coulas contralii las no anuo pateado
invens de L'iiff Jet Pinto da Costa, sita
us qualro canlosnm Olin-J hajio de vir
au anudar pagar aeua dbitos ale o lim do
crrenla mez de abril, aobre pena oe aerem
depuis dela data ciiamadoa por esta folha,
deciaraodo-se-llie os names,qunliaa o mo-
radi s.
J aos senhores cummerciaiites 0
* Chegando ao conhecimeuto do se- se*
(B nhor Antonio Carlos Pereira de Bur- A
" gos Punce LeAo, que alguem tero-se $
f valido de aeu nome, para lomar (a- 0
t, sendas, elle pelo presente faz declarar 0
9 a quem convier, que porcouza ne-
j> nliuma respousabilisa-se qusndo t>
r- qualquer nio anpresenlar-se conipe- a*
tentemanie authorisado por sua fir- ?
# mi. ?
ff a> aa m 9) a? > H *
- Di'sappareceu do engenho Goianna-gran-
de un moleque de nome Mauricio 0 entrou
para rata citado na quarla-feira de trevas
em um ra vallo caslanlm rabio, que furlou,
os signaes do moleque aio os seguintes ; c-
lices muilo comprioa, ollios vermelhos. Icm
i ciheca do dedo ndex de urna das mSos
corlada por orna roda de moer mindioca,
hebtixoe cheio do corfo, tem de idade I i
a llannos puuco anais ou menos, trouxnca-
misa e ceroula da algodio da tetra e c.iaprn
de pallia de pjrovona r o csvallo anda de
baixoalmeo. Koga-se a quem quer que
pegr o cvbIIo ou o moleque de leva-lo a
Sr. Domingos do Souza Han loira no paleo
do Paraso, que sera recompensado.
Lino Jos de Castro Araujo previne aos
develoies desla o.rac,a que deixem de pagar
> Ignacio Joaquim dos Santos,a quem tinba
encarregado para receber essas contas, o
qual nfiii tem dado conla do quo ha recebi-
do ; asaim como roga aos mesmos senhores
de Ihe pagareio com a nuior brevidade
poativel,em aeu eacriplorio aclualmento
lia rus da Cruz n. 3,
-Joo Carlos Augusto de Figueiredo lom
iberio na ra de S. Francisco urna cocheira
obre a adminiatracio do Sr Thomaz Uo-
aJejr.
fia ra larga doBosario n. 50, precisa-ae
' urna ama que tenha bastinte leite e saiba
''.l.ir de urna manca.
-Na ra estrella do Rozario n. 36, tira-
so pasaportes folhas corrida para dentro e
fura da provincia e ttulos de reaideucla por
preco commoqo e com promplido quem
Suizer dinja-se a meama ra primeiro 10-
ar das 6 lloras da manli i al as 8, e a tar-
de das tres em diante.
AVISO.
Aluga-so por 14.000 rs. mensaea a casa
terrea o. t, em Oliuda ra da Biquinha de
8. Pedro, muilo propria para morada da i
senhores acadmicos por ter bastantes com-
modos, e estar em bom estado : a tratar no
recita ma doQueimado Iota n. 37-A-.
"Uctaviano de Souza Franca como cor-
respondente dos Sra., l)r. Domingos de Sou-
za i.i'o a Antonio dos Santos de Souza Lelo,
faz scienle a Sr. D. Maria de souza Ramos,
que os ditos senhores nada devem ao seu
casal, por quanto suaa conlae com o Sr. Jo-
s Mara Connives Hamos se achSo pigas
ai drzembro de 185t como consta dos do-
cumentos de quitac,ao,que existen) em poder
duanuu'iciante.
- Iv.cisa-S'i de um caixeiro para venda,
de iOa 12 annos.dus chegados ltimamente
dul'nrlo i na ra da Seuzalla Nova n. 1.
- Aluga-so urna ama de portaa dentro,
lavaileira, engommadeira e cosiuheira : na
ma da Aurora n. 26.
l iiuiiiliiis na carreira de Oliinla.
" un.: v.u principiar suaaviagens pa-
ra 11 iii.Ui ( lugo que tenba numero suOicien-
lo de aaaignantea: as pessoas a qutm inle-
ressar podem dinglr-ae a cocheira da ma da
1 .i. o.i.i de Santo Antonio n. 13.
Antonio Ricardo do llego.embarca para
o llio de Janeiro os aeguinies escravos i Jo-
anna, parda,lnnooeucia, cabra, ll-rcuiano,
cabra, Rodrigo, ceonlo.
-- Manuel Riloiro Ba.-los, embarca para
o llio de Janeiro a escrava l.uiza.
O bacharel formado l.uiz Corrria de
. ,M./ Barros, encairega-ae de qualquer
qursiSo judicial na comarc de Sanio AnUo,
unde advoga prometiendo desempenhar
co'mzclue ,-ciivi lado lo lo oa negocios de
seus cumiteutes: as pessoas que se quize-
'iii utilisar do presumo do aununcianle
l'o-leiiiu diriiiir-se a elle peasoaimaole ou
em carta fechada.
-- n abixo assignado, faz ver ao respel-
livel publico e a lllma. Sra. I) alaria Fran-
cisca de Souza llamos, q jo oeulunia quau-
ha deve ao caaal de seu marido o Sr. Jos
Mara Con;alves Ramos por se adiar quite
com o mesmo desde 1850, e desta data para
fa ui'iiiiuma irinsacco mala leve com o
mesmo, isio como mostrara se preciso for
'!> conla com recibo que lam em seu poder.
Manoel BuarquaM. Lima.
quetes crespos de cambrsia de linho, din-
ja -so ao pateo do Carmo, aobradq da um an-
dar, por cim da bolica, das 6 as8 da ma-
chia, ou das 5 da Urde em dianle,
BANCO OE PEHNAMBCO.
A directora do banco de Fer-
nnmliiico annuncia aos senhores
accionistas, quesubscreverarn ac-
c5es, que tem deliberado princi-
piar a receber a printeira jiresta-
980, conforme determina os arti-
go! 3 e 5 dos estatutos no dia 15
de abril prximo vinduro, efinn-
lisar o recebimento no dia 3o do
mesmo mez. Os senhores subscrip-
tores de acedes, que as tem cedi-
do a outras pessoas, Ibes passai5o
um titulo de transferencia, que a
pessoa dever apresentar na occa-
sioem que vier fazer entrega do
dinheiro, e o mesmo titulo deve
vir reconliecido por um tabellio.
Em te'mpo se annunciar 8 cata
onde se devem dirigir.r- U seere-
polio, n< iioiiedodiaierca-feiasodofj j direccSo, Manoel Ignaeio
conenle, com o Va-udeville-- O CamOes do ..
llocio programma desle mesmo cs.'cla- de Uliveira.
culo annunciar com mnuciosidaJe todo o f s;.-|() grecas que Ctislao a snlfrnr.
Daaappareceu a cousa de um mez urna
6 i|2 hora* olaataida : as pessoa que l fo- dar, anda tem para vender-se car* em gru-
rcm serio aervls com asaeio e prompli- me em barricaaaasim como Flanalla, e urna
ddo, o Crvete ser sempre dss melhores pequea porcSo dos auperlorea vintios en-
friadas, garrafados Porto, Carcavellos, Selubal e
-- llavera de hojeem diante sorvpto uq doce para aenhora em porfOos vontde.
bolequim dos arcos, junto ao thoa ro ale S. fferece-ae urna mulhor, par ama, tan
Pranciscoo continuara todoa os das das 6*e lo do exterior, como dointerior de urna ca-
mela horas da tarde: os frguezes serio sa : quem pretender, Jinja-ie ao becco
serv los com aaselo e promptidllo, o sorvote tapado do Padre Floriano n. 6.
ser* sempre dss melhores frucla. 1 -- Alugt-se urna ala com dous quarto ,
Sabhado havei sorvele no botequim ecomduas vistas, na ra do Livramenlo : a
de Sania Izahel, e cortnuart lodos os das tratar na inesma ra,no I.* andar dosobn
de espectculo ; adverase aquelUa pessoas n.l.
que coatumam levar aorvetea para oa cama- Preclaa-se de duas mulherea para ser-
rotea e I* deixarem aa bandejas e copo<,que virem em urna casa eatrangeira de pouca ta-
hajam de nSo conlinuarem com snmalhante mili,sendo que urna deltas seja boa engom-
brincadeira, do contrario deixarSo de serem madeira, e ouira cosinhelra : quap eativer
.servlas; u sor veto sera se ni .re das ni'-lhoo neate caso drija-se a ru do Tra plebe Novo
res frucla, e serio Berridos com useio n. 18, primoiro andar.
promptidSo Na ra da Agoas-Verdes, obrodo de
Ha-so de vendigem azeite de carrapato: um andar o. 14, dao-ie bolo de ven lagem
na ra d.s Trinchen as, sobrado de um an- a 80 rs. a pataca; bem como armam-an can-
dar n 40. idejasoom muilo goslo, por preco mais em
-- N ru das Agoas Verdes, sobrado n. conta do que em oetra qualquer parle.
100, laa-sa, engomma-se, e coze-se com Quem quizer negociar tres r^cos ro-
perfeiQSo.
Preciaa-se alugar um moleque, creon-
lo, de 18a ao annoa di idade', de boa con-
duela, para servico de copeiro em urna casa
inglea : a tratar na roa do Vigarlo n, 3.
Trocam-sn por dinheiro 700 garraflnhas
pequeas de mua garrafa : na ra larga do
Rozarlo o. 37.
O abaixo 'assignado declara
que nada dcv.: a casa do Sr. Jos
filara Gongalves Hamos.
Jos naptista Braga.
-- O abaixo assignado deejara que nada
deve ao Sr. Joa Mana-0"r;ilvW Ramos,
por isso que satdou sua contas um "ll's
I mo aeuhor, no anno do IK:> \^
Jos Rebelo Pfdilha.
-- lio-so pequeas quaolias a premio, so-
bre penhores de ouro.e prata : na ra da So-
ledade aobrado antigo 11. II, a qualquer ho-
ra do dia.
A pessoa que doseja saber a morada de
Joio Jos do Rogo, procure-o no sobrado n.
18, da ra do Queimadn; o qual he com ef-
feio o procurador do ur. Luiz de Boa Ven-
tura Saleroo.
Ao publico.
O actor Pedro Baptisla de Sania Rosa de-
clara ao respjitavel publico, que o espect-
culo em seu beneficio lora lugar 110 Tneilro
de A
se una muner para am. f c- ; |e Mndo branc, cum
pouca familia ou homem sol- J com umsign,| im,.
lo o aervico deportas a den- f" d a^arrjga e p0t,a da o-
saiba cozinbar, para
familia:
diverllmenlo, quo vai a serna.
Offeroce-se urna mulher para ami so.c
ca de casa de p
(eiro, paia todo
tro : na ra do Rangel n. 24, luja. 1 re-,",eudo uias antes paridooto caclior-
iVecisa-ae de urna am1, q ne rinhoa os quaes morrerSo por falta da dita
uma Casa de roga-se ao engracado que a tem presa, o l
n v. ; vor de a soltar, 01 quem souher onde ella
no aterro, da loa Vista ,exlsu; de dar parle na ra damoedan. SI,
loia de calcado n. 58. [lU6Sera recompensado, equedezejaconbe-
I- Jos Joaquim de Carvalhp, brasileiro,;cero esperto,
vai a Babia. lioga-se aos Srs. inanoel
Madama Itoutier, modista trance- Caldas Barreto, Francisco Xavier, homem) queirarealitui-loao respectivo sa-
,, cu A r. 11 chiislo, e de le receera o casquete.
" -" N"n- '- ''"' -mllA _no.1I. primeiro de abril do presente
anuo desappareceu um escravo de uome
Thamaz, de afio Congro, de idade pouco
mais ou menos25 annoa; estatura baixa.uio
muito gordo, com falla de di-nt s na frente,
e consla que no da da fgida pasaou a noi-
- Antonio Marques, subdito porluguez
retira-se para o Par.
AOS DENTES.
J- A. S. Jane, o bem conbocido dentista,
nesta praca a 19 annos,pode ser procurado
na sua residencia ra Nova p. U, primeiro
andar, para todos msteles de ua arte, nio
so em su casa,como fora delta.
O Jardim das flamas.
Sabio i luz o quarto numero drste peri-
dico contendn como ns tres primeros ma-
terias do instruccio ed* recrelo. Acompa-
nlii a esta numero uma estampa grande
cbea de lindos riscos de bordados impres-
aos em tinta azul aobro campo amarello. As
assignaluraa recebem ae na ra larga do Ro-
zario n. 35, primeiro andar, a razio de aj
rs. por sene de seis nmeros.
abaixo assignado, prafessor particu-
lar de pnmeiras Julias, resllente no segun-
do andar da casa n. 48 da ra larga do Ro-
aario, da lirces tambem de grm "lira la-
tina, e franceza, para o que eali devidamen-
le auto'isado. como na inalruccio de anua
lumnos e 111 prega toda aasiduidade e zelo,
espera que oa paia de familias ae dgneo
conliir-lhe sena filhos para aerem Instrui-
dos as andrditas facilidades.
Jos Maria Macha lo de Piguelredo.
O mercailor de pratos, res-
ponde ao roceiro Manoel. Caldas
Brrelo, que na sua loja da ra di
Cadeia numero 6 beque Ihe de-
ve mandar satisfaier o seu de-
bito, pois alii he que o oontraio ,
e nao emS. Amaro JaboatSo no
engenbo Macuj, como declara no
seu aununcio de i3 do corrente.
U thesoureiro da irmandade
do Divino Espirito Sanio pede aosirmios
que tem capaa em aeu poder, que hajam de
as mandar entreg.r, pola muito neceasita
deltas para escolber as que perteucem a ou-
tras corporales para as entregar, visto que
ellas precisan! para oaseus actos.
-p Da-se dinheiro a premio at seis can-
tos mil ria, com penhores deouro, ou lir-
maia contento : na ra do Cabug n. 3.
Precisa-se de uma ama que tenha bom
leita, para criar uma crianfa rescemnaacuia,
paga-se bem : na ra da Cruz n. 50, segun-
do andar.
-- Precisa-se alugar um pret, que co-
zinhe o engomme, eque sa afllance a con-
deca, paia o servico de urna casa de peque-
a familia : na ra da Cruz n. 50, segn Jo
andar.
Ogeneral Sera, preois de um bom co-
zinheiro.
Deseja-se comprar a casa terrea n 100,
da ra de Hortas, pertencente a senhora u
Hila Mara do C- rnm quem se julgar com
dlrvilo a dita casa, haja de declarar por es-
ta folha, no praso do 8 das da dala desle
l)a se. 1:000,000 rs. a juros a um por can-
to ao mez sobre hypotheca em prouio Iivre
e desembarazado: na ra Di re lia n. 59.
Tiocaram um chapeo velho por um no-
vo, na igreja do Terco, no da da piooissio
deenfermos, o fieguez que tal fez, se tem
coascienaia, (o novo peitence a um pobre
Roga-ie ao Sr. Jos Joa<
'l'iini Soares, que venlia, ou man-
de pagar a quantia de 16,000 ra.,
importancia de faienda, que com-
pnu na ra do Gres .0, emno-
vemtiro do anno de tH5o.

za, na ra Nova n. 58 Carneiro da Gunba Gampello ,
temente cnegado do fJXSXZ *1* ^T^T St
riadoaortmento das ultimas modas de l'a- jn. O da ra da jaaciB ao necue,
riz, a saber ricos chapeos de seda de todas I g ||ie9 (|e.e;a fallar.
acores oa mM^*m*f**> \*.. Arrend,.8e um ngenho diatante desta ,.
gas da ultima moda, capellaa de nroreVlB'.,*"""" com muilo boaa trras de te em un: sobrado na. ra do Livramenlo :
larangeira para noivas, esparlilhoa mu, o P ca ^ g < correte, podanlo roga-se as autoridades plices e
ricos enfles de cabeca para b,lle V T Cde-se ni mesma ocoasiio em que se fizer caailies de campo quo o conduzam ao pa-
iros, trancas brancas com aljov-res, fitas ^\^S!3!iSSrJSS escravos, laffl leudo P.r.110 ... 30, ou na Boa-Vista na ra
,\.i no.sin i loja fazem-se vestidos de casa-
mento, de ha plisado, toucas de meninos e
desenhoras, capolinhos do lo las as qual-
dades com penoicio e preco commodo, re-
cebein-se lodosos mezes figurinos moder-
nos, que empresta a seus fregueses-
Banco de Pernaoibuco.
0 conselho da direccio participa aos Srs.
Accionistas que tem deliberado receber em
p-gamenio da primeira presumi letras com
venc ment, cujo praso nio exceda de 6
mezes, com o descont de 9 por cenln au
anno. at o dia 2t do corronts ; e desle dia
em dianla recehera moeda legal at o fim do
mez As operares g-raes do banco piinci-
. iiii.'hi no dia 1,* de maio prximo futuro;
eseu expediente,ser das9119 horas da ma-
nhi al aa 9 4 taroe, na ru do Trapiche
n. 2. O Secretario do Banco.
M 1. de Oiveira.
Tinturara franceza
Noaterro da Boa-Vista n. 17, lingam-se to-
da e qualquer fazenda, aeda, la, algodioe
linho, tanto em obra comoem peca, e com
muilo aceiojassim como se limpam casa-
cas e outra qualquor roupa do panno que li-
vor nodoas, pondo-aa como novaa e por pi 0-
ros multo r minodus
-- Na Trempe, o voltr para a Soledade,
lado do poonle, terceira casa depoia lo so-
brado, ae precisa de uma ama secca que sir-
va para comprar na ra.
-- Preciaa-ao eirendar por anno um ailio
quo tenha arvoreaque deem fiuctos, embo-
la a c-sa de vivenda nio seja moito boa
para uma familia morar, e que pretende nio
s Halar doa arvoredos existeules, como
plantar novos: prefere-se do Mangumnoa
seguir al o Monteiro.
Hreciaa-se alugar um primeiro ou segun-
do andar de aobra lo, que tenha commodoa
para familia, e que seja as ras do Vigario,
das Boias, do Apollo, do Brum, da Guia para
o arsenal, o,largo da sssembla : quem li-
vor niiiiiinrir.
- Da-se 2 a 3 contos de rs. a premio, sob
as condiqes que aa exigirem : quem pre-
tender, dirija-se a ra do aterro da Boa Vis-
a n. 6, que se dir quem i*
do n. 15
com
commod
na loja, lava-ae
emgoma-se, Um homem solteiro so ulfereco para ad-
MODN 11 ,\

auure todo u muii >0 gira
Todoa dormem co n descanco
S meu peilo he quem suspira.
Com maia lies quadras.
Poesa de uma senhora:a modinha cima
a sencitiva, valsa -- a pernambuoana porka,
tudo em um folheto por 1,980 ra. : na i.n-
prena de muiic, ru Bell 11. 2$.
N ra do Vigario n. 1. primeiro an-
dar, ou no largo da asaembla n. 5. arma-
lera da tanoeiro, junto a coeneira, ha para
vender a superior cal virgen de i.isboa,che-
gada agora oobrigue Conceicio de Maria.
Proia-se de ut lrblnaior de ma-
I ceira e que e sujeite a entregar po na ru:
-- JiojbYi orete no bilbr frmoez | aa ru lrga do Rozario o. 48.
I j n 1 I '' 1" 1 va ai* v">n-------------- ------- -~
toda pertecio e aceio, e por preco ministrador de engenho, du que tem bas-
d v v u, u pratica.ou mesmo paia dialilacflo de
-Os ahaims assignados moradores na oi- Qualquer apparelho, aprestando algumaa
dadedaP.nalivba 3o .Norle fa/em sciente vantagens que ea presenca se ex,ilicarflo;
ao respeitavel publico o eanecialmeole ao eaua conducta he amaneada : a quem con-
corpudo commoreio d'essa pra?a de Per- vier aununcio ou procure na ra do V.gano
nanibueoqueacliaodo-secm lii|uidQo de; n. 12. .....
soas contas alim de .Jissolverem a socieda- | No da 13 do crrante a nolte furtaram
ilequetemn'eataci.lado em o esl.belcci- um cavallo rusao cardio, carnudo, com oa
ment de fazendas que gira sob firmado seguiutes signaea: he inleiro, tres pea cal-
viuvaGuimaries&C. e tendo pago todas cadus de prelo e um de branc, l.rro B, an-
as dividas pertencente* i mesma sociedade dador, cairegajor.eeaquipador: quem del-
se alguem nio obstante se julgar crelor da le souber dirija-e a ra do l.ivraineiil... loja
mesria, aprsente assu.s cuntas legal.sa de ouri.es n. 28, que sera rocompensaoV
das dentro do praiO de vmte dias a contar -. Urna pessoa com aa neceasanas habi-
da data desle lindos as quaes os ebaixos as- lidades, se propOe a promover qualquer co-
aignadossei.aoreapons.bilisaoj por divida branca, lauto na cidade como 110 interior da
alguma. Cidade da Parahyba 14 de abril provincia, mediante ajusle razoave para o
de 1852, Mana Umbelina Fernandos, que d garanta : na ra estrella do Rozario,
Jna de Azevedo o Silva. armazeui de trastes de Jos Morena.
Aluga-se um armaiein, ou casa lerrea as -- Fernando Jos da Rocha Piolo, exporta
ruasaeguiniea: Iraveaaa da Madre de Deoa, A- para o Rio de Janeiro o seu escravo Luiz,
murim,Moeda, Cappa,ou Coala; afallar nolar- caurai
go da aaaeuibta o. a. i .. i>r> cisa-se alugar um moleque para o
-- Kntri ga-se urna venda de socieda-lo servj0 de umt CMta de .pouca familia : oa
em uma das principies ruaa desta cidade ru,ajV, 36, toja de cutileiro.
e bom local, com fieguezia do malo e com _. prccsa be alugar urna ama forra ou
os fundos
que eulie
quem convier isti negocio annuncia por jejr'0>
este Diario. I J,^Scasso, vai lazer uma vi-
--U procurador da cmara municipal | ^F '
desla cidade do Recife, faz publico a todas agem.
as pessoas que liverem a seu cargo euterra-1 __ peJe.fle ab Sr. J.J. S. S.
ltenlos da cadveres no cemit no publico; ...;. j
que ae dirijam ao paaao da mesma eamaia qufira mindar pagar u quantia ae
lodos os oas uUis das 9 horaa da maniiia 5o,000 rs. importancia da Sarja
l&?oY%^.Vl:? ?"* seda; e"mPra,,a em abrl1
das santos e domingos, na ra do Sebo Jo anno prximo passado, na ra
n do Crespo.
VVVW1?fffsffttfffff OSr. Luit Pires Ferreira ,
% queira mandar, ou vir pagar a
^quantia de 38,5oo rs., importin-
BOWMAN or MC. CALI.UM engenhei-
ros machinistaa e fundidores de ferro, mu
respeitosamente annunciam aos aenhores
proprietanos doengenhos, fazendeiros, e
ao respeilavel publico, quo o seu estabele-
cimento de ferro movido por machina de
vapor, na ra do Brum, paaaando o chafa-
rla, contina em effectlvo exercicio, eae
acha completamente montado com appa-
relhoa da prirneira qualldade par a per-
reltl i-oiifrrc.Mi das ma lores peras de rn-i-
chinlsmo.
Habilitados para emprehender quaes-
quer obraa da aua 'arte, Bowman & Me.
Callum, desejam maia particularmente
chamar a aitenco publica para aa se-
Kuinlrs, por terem deltas grande sorti-
meulo j promptaa, em deposito na mesma
nn ir.ii), aa quaes construidas em aua fa-
brica pdem competir com as fabricadaa
em paiz eatrangeiro tanto em prego,
como om qualidadoda materiaes primas e
mi d'obra, a saber :
Machinas de vapor da melhor c
truccao.
Moenilas de raiiiia para engenhos de
todos os tamaitos movidas a vapor por
agoa, ou animaes.
Rodaa d'agoa moinhos de vento e
ierras.
Manejos independeolos para cava 11 os.
Rodas dentadas.
AguilhOcs, bronzes e chumaceiras.
CavilhOos eparafusos de todos os ta-
maitos.
Taixaa, paros,, crivoseboceas de for-
nalha.
Moinhos de mandioca, movidos a nio
ou por animaes, e preusaa para a dita.
Chapas de fogio e frnos de farinha.
Canoa de ferro torneiras de ferro e
do bronze.
'Bombas para cacimba e de repucho,
movidas a mi, por animaes 011 vento.
Guindastes, guinchos a macacoa.'
Prensas hydraulicas e de parafuao.
Ferrageoa para navios, carros e obras
publicas.
Columnas, varandas, grades e portos
Prensas de copiar carias e sellar.
Camas, carros do mi carados de fer-
ros, ele etc.
Alm da superioridade das suas obras, j
geralmente reconhecid Bowman & Me
Callum garanlem a mais exacta conformt,-
dade com os moldes e dezeuhos remettidos
pelos senhores que se dignarem de fazer-
Ihes encommendas, aproveilando a occa-
siio para agradocorem aoa aeua numero-
sos amigos o frguezes a preferencia com
que tem sido por riles honrados, e asse-
guram-lhts que nio poupario esforcos e
diligencias para continuaron! a merecer a
sua confianca.
-- Previne-se a todas as pessoas que de-
vem a extinta loja do Francisco Goncalvea
ila Silva Peioira sita na ra da Cadeia do Re-
r te 11. 10,011.le nuil 'ora foi a do Sr. Joaquim
Goocalvcs Cascio, hajam do vir ou mauder
pagar na mesma ra, loja de miudezaa 11. 7,
islu no praso de 8 diaa contados desla data.
e os que asaim nio cumprirem, findo este
praso.serio chatnadoa por este diario.decla-
raudo-se seus uooieu, quantias, e moradas,
tudo por extenso, visto nio lor podido re-
ceber particularmente.
I'recisa-se de uma mulber
forra, que queira acompanbar uma
familia pequeni em s t-virn, para
uma das provincias do Norte, alli-
.1111;.mili) a sua conducta : a tratar
ne.ta typograpbia, ou no Hospi-
cio, piimeiro sobrado depois do
quartel, offerecem-se boas condi-
i.cs no ajuste.
Compras.
..,.-- ...p-._,_-------------. 11.,,^,,-,. .,......
que tiver oentro, a uma pessoa capiivit para o servico de uma casa de pou-
tambem com alguna lundos : a C( (,lnl|lu Da rua >0Va n. 36, loja de cuti-
liolic 1 homopathica.
28 RU V DAS l.l.l /.KS 38,
Dirigida por um pharmaceulico
approvodo.
Esteestabelecimento poiaue todos
os medieamentos al agora experi-
mentadoa, tanto na Europa como no
Brasil, e preparados ,iolas 'machinas
da inveocio do Dr. Mure.
PRECOS.
ef< carliirat iomopall.icai.
Emcarleiras de 12 tubos grandes 12/ 41
94 < 20/ !
< 91 pequeos 15/ Tubos eacolhidos (cada um) 1/ *
Tinturas de medicamentos em
frascos de t|9onca (cada umj 21 2
Ha mais, alem dest caixas com glbulos e tinturaa por ^
precos variavoia, conforme o tama- *g
un ea qualidade das caixaa, eiaj
quanli lacle dos remodioa e assuas^B
dynamlaacOea, etc.
aviaO se giiatuitamente m
para ospobr-s, todas asreceilas que *
pira ali mandar qualquer profeasor, 2
A**ft*A6*aVA**J)****Ml*
-- O Sr. Joio Nepouiuceoo Ferreira ae
Mello, tem urna carta o praca da Indeden-
denoi, livraria ns. 6 e 8
Napolen Gabriel Bez embarca para o
Rio de Janeiro, oaseus escravos seguinles :
Alberto, Cerina, l.uiza, de 8 annoa, Marcel-
lina, Luiz, Benedicta, Archanj, l.udgeru,
e Josepba, creouloa.
cia de 7 covados de panno verde ,
comprado em marco do anno pr-
ximo passado na rua doGrespo
-- Precisa-sede uma mulher, que esteja
no raso do dirigir uma casa de familia :
quem estiver neslas circumstanciaa, podo
drocurar na rua Nova, sobrado n. 56.
Preefka-ae do um caixeiro, de 18 a 20
annos de idade, que calenda de venda : em
Fora de Poetas, na rua do Pilar n. 145.
Preoisa-ae da um feitor de boa con-
duela, para um sitio perto da praca : na rua
da Cruzn 2.
Precisa-se de 1:300,000 rs. a premio ,
por om anno, dndose duas casas terreas
pesia praca, por garanlia, livres e deaempe-
didaa: quem liver, annuncie para aer pro-
curado.
Roga-se ap Sr. Gaudino Lo-
pes, ex-caixeiro dos senhores Di-
tlier &c Gompanhia, que venba, ou
mande pagar a quantia de a 1,000
rs., de fazendas que comprou em
setembro do anno de i85o, na rua
do Crespo.
Russoll Mellon & uompanbia, muda-
ram seu esoriplorioearmazem de fazenda,
d esquina da Ungoeta, par a ru da Ca?
Jeia do Retiren. 36.
Compra-se papel de embrulho, (impres-
sos) na praca da Santa Cruz na padaria de
aixo do sobrado n. 106.
Compram-se escravos de ambos oa se-
xos de idade do 6 a 25 annoa, paga-se bem :
oa roa das Larangeiras n. 14.
Compra-ae uma negra de 30 a 40annos
de idade sem vicios nem achaques com algu-
ma habelidade : na rua larga do Rozarlo lo-
ja demiudezas n. 26.
-- Compra-ae uma estante para livros, e
um guarda-roupa : quem tlver anuuncieou
dirija-se a rua da Cruz n 34.
Compia-se o melhodo fcil de eserip-
turaros livros porDegrauge, em bom esta-
do : no pateo do Carmo n. 17, ou annuncie.
Compra-se uma preta que saiba cosi-
nhar e engommar bem, e que tenha boa
conduela : na praca da Independencia, loja
I. ______________
aar iagmiSfSmteS0BBKBSSaBK!
Vendas.
Lotera do Kio de Janeiro.
Aos ao:ooo,ooo de rs.
Na loja de miudezas da [iraca da
Independencia n. !\, vemiein-se bi-
Ihetesinteiros, indos, quartos, oi-
tavos e vigsimos, a beneficio da
a3. lotera do tbeatro de 5>. l'edro
de Alcntara;ditos inteiroa,meos,
quartos, oitavos'e vigsimos da 3o
lotera do Monte l'io, que vem as
duas listas no primeiro vapor do
Kio de Janeiro; na mesma loja re-
cebem-se bi I beles premiados em
troca dos que tem a venda e mos-
Ira-se as listas.
Faz admirar ver linhas de 400 jardas o
carntel.
Ven Ir,n se linbas de 400 jardas a 140 ra.
o carritol de todas as grossuraa, em duzia a
1,600; o lom de 900 jardas muito lin- a
I no rs linhas de todas aa corea, caerilel,
novellos e outras minias cotilas; assim co- ,.
mo lampas om caixinhaa a 100 rs..agulhei- eneiUr vestido, tucos do aeda e de "lonJe.
..... ... .... :_.___. ... ..k.AD, n... hn ila vpslido.manlas
Instrumentos e msicas.
Na rua Nova o. II, loja que foi do falle-
cido Jos Pinto da Pontee o silva, e hoje
da Nicolao Gadault. acaba-aa de recebar
inatrumentos de metal dedifTerentna qu'li-
dades, sendo : baixos, tromb mes, trom-
pas, clarinetas, requ nlaa, pisions, ciavl-
rorues, ranos, c. i'iietis de chives, pratos,
campas, llintis, fio,Una, rebecas, vlolOes
e vloloncellos. Nesta mosma loj au nr-se-
hi i tniiheiii mellioloa pa-a violio, (lauta,
rabee* e piano, assim como diversis mu-i-
ca< pira piano ; alm diasn, balitas de ve-
luilo, largas e estrila, para pescoco de se-
nhora, trancas |iritis oilociVcs, de dilTe-
riite.s largoraa, leques com plumas, caitas
-I i costura com msica, le'ifna de cmhraia
de linho bordad ia riquiasimos o propnos
para presentes, ditos dooambraia da linho
com cercadura de cor, aapatoa deduraque
branco a I.OOO o par, ditos de marroqum
prelo e decOrea a 1,000 o par; e muilaa ou-
t as fazendas cujo preco commodo agrada-
ra por cerlo ao comprador.
Na rua Nova, loja n. II, vende-sa mar.
roquirn de todas aa corea 1.900 ri a pel-
la, e sanio em porc'o dar-se-ha ainda maia
barato] a ella antea que ae acabem.
Fio de fapaieiro.
Vende-se fio pardo 600 ra. i libra ; dito
amarello a 1,600 ra. : no ateiro da Bol Via-
a, loja n. 58,
Remello para os quebrados.
Vendem-ae na rua .Nova, loja p. 9, boas
Tundea, forradas de camurca.
Vendom-ae na rua Nova, loja n. 9, bons
Charutos do Avana, lieos loncos do sod par
| senhora, bonilaa grvalas para a rapaaiada
de bom gosto, o multas oulraa fazenda.
Vendem-se duas propriedadea com sitio
na estrada da Capuuga nuva, sendo urna l-
timamente acabada de muito bom goalo : a
tratar na rua do Livramenlo, botica n. 29.
Vendem-se sapatos de lustro para se-
nhora a 1,200 e 1,000 rl, ditos para meoina
a 1,000 e a 800 rs., ditos para homem a 28
ra.: na rua da Cadeia do Recife n. II, luja.
Vendem-ae 2 moradas de casas terreas,
uma na rua das Cruzes n. 7, outra na rua do
Calabouce n. 9: na rua da Gloria n. 91, ae
dir quem vende.
Gesso.
Vende-se gesso em barricaa, ctiegtdo l-
timamente : em casa da I. Ueller & Cooipa-
lohia, na rua da Cruz n. 55.
Na loja das seis porta.
i:oniinoa a vender cassa pela 120 ra, o
revi :o, ca-aa de qusdros, para ourtinado o
bailados a 210 rs. chitas a 120, 140, 160, 200
rs. riscado Trancoz para vestidos ejaquetas,
a 160 rs. o cova lo e todas as maia fazeodaa
por pirco commodo.
Nova fabrica de chocolate.
Em nova Turica de chocolate da ru
das Trliixniras n. 8, ao p da matriz ae an-
conlra o chocolate homeoptico aprovado e
a lira lo pelos Sra. lirs da homeopata, o
grande chocolate hesoanhol fino amargo,di-
to entre lino temperail","hocolate para odia-
rlo, cha preto homeoptico, cha da india
muito superior, cafT muido puro, dito de
seva la, cafT de caroco e cavada em grio,
assucarretinado e carneo, le toda qualidade,
charutos da Baha, caucha muida, puturi
em lavas, farinha de mandiooa, dita do Mi
ranhio, etc.: na mesma a diz quem vende
a coht'cio inteira deale Diario de 1851, e o
primeiro Quartel de 52, tambem ae veode
uma porc'o desacos vatios e peroist-sa (lu-
gar um preto.
-- Vende-se um relogio de sala : na roa do
llospii lo u 21, das 6 as 8 da manhia, e das
i as 6 da tarde.
Vende-se uma parelha de cavalloi ala-
zios, ja ensllalos para carro : na cocheira
lo Lourenco no lim da rua da Guia, ou na
rua da Cadeia do Recife n. 42.
Vendem-ae 9 caaa terroas, contiguas
uma a outra reedificadas o com gran-
des comino ios cada urna, em chios pro-
nos sitaa na rua doa Pires o bairro da
lloa-Visli: a tallar na rua da Gloria do enea-
mo bairro aobrado n. 7.
Farinha de mandioca.
Vende-se saccaa com superior familia de
mandioca a precos rasoiyris: a tratar coa J.
J. Tasto Jnior rua iiu Amor i ni n 35,
Vende se um bonito moleque de 15 an-
uos de ida le, r. I/.HII.I o diario de uma cas
e com principios de engommar : a tralar u,
rua do Crespo n. 16, loja da es tuina.
- Vende-se ur... cabriole! muito maneiro,
com todoa os seus bous aparelhos: a fallar
com Jos Pires do Moraes, ru da Cadeia Ve-
lha,loja de ferragena.
Na rua da Seuzalla Velha n. 94. vende-
ae uro bom eacravo crioulo, e bom foi -
nero.
Vendem-se relogios de ouro e prata de
patente suisso, do melhor autor: em caaa
>le Scnarneilliu & Tobler, oa rua da Cruz
n. 38.
Vende-so uma carrosa nova para boi,
6 cadenas de Jacaranda inoilernas.uilia por-
fi de Caibros, uma mulata do 18 anuos]:
na rua da Cadeia de Sauto Antonio n. IS,
armazem.
Vende-se uma carro; com om boi
grande e bonito; quem precisar dirija-so a
Capunga nu sitio do Sr. Duburque.
* Uvasexcellentes da Itamarac.
Na rua estrella do Rozario a. 43 continua
a ter aempre uvas frescas para so veuderoiu
por preco commodo. I
Grande labrica de chapeoa de sol,
de J. Falque ma do Collgeio
n.4-
Neate novo estabelecioiento receban-te
um'novo e lindo soitmenlo do chapeos de
Sol dos ltimosgoslos, tanto do seda eomo
de paimilio para homeua e aenhoraa, de ar-
mario de baleia e de atso que ae venden
por menos preco que em outra qualquer par-
te ; grande aortimento dachamalole, aedas
e paninhoaem peca do todas aa cores equa-
lidades para aa peasoas que quizerem man-
dar cobrirarmae-ies servidas. Completo sor-
timenlo de hlelas para vestidos espartilhos
r_ra aenhoraa, fazem-se timbe lias de igreja e
concerta-se qoalquer qualidado de chapoa
do sol: lodos os objectoa cima mencionad ns
ae vendem em porfi e a retalho, por prego
quo agradara aos frguezes a visla da quali-
dade.
Madama llosa llardy modista bra-
stleirn : na rua Nova n. 341
aoaba de recober de Franca pelo navio Con-
t Roger os ubjoolos seguinles : um grande
sorlimenlo de chapeos de seda da ultima
moda para sanhora e para meoinos da idade
de 9 annos a 13 de tudas as corea, riquissi-
mo onfeitos de ctbeca para bailes e tlieatro,
lindas pulcelraa de viudo com flvelaa, ri-
quisaimaa capailas de dores da laranjaa pa-
ra noivaa. ricos capolinhos pretosdegroz da
aples multo eufeita.ios e de cores para ae-
nhora e meninas, rico groa de Napolea fur-
ta-corea. corlea de vestido branco para ooi-
vas, transas de seda branca e de corea para
rinhos de metal com agolpas francezas a ricos cabecOea para talho de veatido.maoUs
da aeda tirela e cabeciles pretoa.luvaa pretas
140 rs., e tambem em caixinhaa a 280 rs
na rua do Calinga, loja de Costa Fajozes.
Vaode-ae banha da porcoda ierra mui-
to aoperiot-a 400 rs. a libra: na rua do Ran-
gel n. 95, onde se vende carne de porco.
A. Colombiez, com loja n. 9 na rua No- .__
va, atrs da matriz, tem para vender-ae a nova, por 80,000 ra., compondo-se de 8 vo-
dnheiro a viala, rlcoaencalados de btMitaa lumea, inclusive os dous supplementos :
coreado 6 a 12 palmos da largura, que ser-1 quem pratendor di rija-sea esta lypogiaplua
rain para ooberla de pianos, e mesas Je jan- ja 10 horas ao meio dia, quo ah se dir
lar. quem vende.
do pelica branca.
Aos advogados o acadmico.
Veode-se a collecclo da legialacio porlu-
goeza pelo dosembargador Delgado, e*oet- '
lenlemenie encadernad e complitamente
11
'i.
I
1 MUTILADO 1
l
m.




Presuntos do Porto a 3ao ris
libra.
Na ra do Colleglo, venda n. li, Tande-
as muiLo superior presunto a 300 ri a
libra.
Vendem-se na livrrla do ja conhecido
barateiro da ra do Crespo n.11 os litros so-
Kuintes;e lrica deQ. Horacio Flaco, poeti
romano trasladada liltaralmenle em verso
porigoez porElpino Duriense, 2 volumes;
uragesde Cicero, grammatica de Uurgain,
piloto instruido da ultima edicgSo de 1851
comqualro estampas, muzeo pitoresco, en-
caderoaglo inteira, 2 volumes riacho his-
trica, statislica etnedica da co'era murbus,
por Francisco de Assia Souia Vas, tliesouro
da mardade portuguezaa ou moral em ec-
CBo por J. I. Roquete, Evangellios de Jess
Chrisfe segundos Matheos com suss com-
petentes notss a 640 ra., o elemento de geo-
metra por Lacroi em portuguez e francez
a 3,000 rs., historia da vida de Jess Chrlslo
por Bernsrdino Freir deFigueire-lo Abreu
e Csstro, 2 volumes a 3,000 rs. ; breviarium
romauum a obra completa em umsovolu-
me, 7,000 ra.; virgilium a2 e 3,000 rs., ora-
do novo 4,000 ra Janea Thomson a 1,000
ra., salustio eocaderne-lo 2.000 ra. traduc-
(8o de portuguez e latim, selecta e aalustio
a 6*0 rs., memorias histricas da provincia
de Pernambuco, 3 volumes, 2,000 ra. ; poe-
sias do 8r. Barros 2,000 rs., SebastiSo,
romance histrico em 6 cantos e outras poe-
iasa 80 rs.,erisaios sobre a reselo do mun-
do, por Manoel Rodrigues dos Passos a 60
ra.,caliecismoa a 320 e 80 rs., cartas e ta-
Loteria-do Rio de Janeiro.
OS 20:000,000, 10:000,000, 4:000,000 ,
2:000.000 e t .000,000 de rs.
Na toja da Viuva Vieira & Filhos, na ra
da Cadeia do Recito n. 24, ainda acham-se
a venda um resto debilteles e cautolas ds
23 lolerja do thealro de S. Pedro de Alcan-
taia: como bom novoa bilhetes acautelas
di 30. lotera do Monte Pi Geral, cujas lis-
tas esperam-se pelos vapores, da carreara e
ingiez:nsprecossao ossoguinles:
Bilhetes 22,000
Meios 11,000
QusrtOS 5.500
Oitavos 2,800
Vigsimos 1,300
Na rus da Cruz, armazem n. 39 de l.uiz
Jos de Sa Araujn, veode-se em saccaa de al-
queire farinha de Santa Calharina e S-. Ma-
mos, quem levar a aacca fice muilo barato,
tsto para se Techar contag.
Vendem-so os verdadeiros selina in-
boadas;e na mesma ae eqcarrega demandar _iele, p,tenie ae molla e Sem ella : na
ja.ie ae l.vros por *M d,'sJDall,'N
encadernsr toda a qualid
presos commodos. Alm dos llvros cima
mencionados tem msis Coursde DroitCom-
uiercial, parJ. M-Hardeasoa troiaieme edi-
tion, por 3.000 cinco volumes.
Fuiendas baratas, no atierro da
Boa-Visto, loja de quatro por-
tas, n. 6o.
Vende-se pegas de algodSozioho tranca-
do, de 17 varas, com toque de avaria, a
2,000; dito uso, com 16jrJas, muito oa-
corpado, a 2.-240; madapoiao muito fino a
3,600 e 4,000; riscadinhos francezes, mul-
to finos, miudinhos, a 280 rs. o covado;
ditos de chita a 140 e 160; ditos escossezes,
ptdrOrs escuros, a 1*0; e outros ditos a
100 ra ; chapeos de sol a 1,000; lencos de
chita a 1*0 ditos de seda a 1,280; e outras
inuitas fazendas por precos commodos.
Aterro da Boa Vista, loja de cal-
cado n. 58, junto aoseleiro,
vendem-se sapatoesfrancezee, de courode
ova n. *2.
epuslo depnnno di algodao da
l'ebrica Todos os Santos da Ba-
nhia.
Vende-se por preco commodo
o bem conhecido panno de algo-
dao desla fabrica ; em pessa, a
vontade do comprador; no escrip-
torio de Novaes & Companbia, na
ra do Trapiche n. 3'|.
o||,in ap U|oj04 mtnbaof
esofop 'e3.fitipjia ap umhs.i ap uiezaioi
ou ; bjsia oJjaquip 'taiti apea sj 009'S up
'aSepj ap eqouej jouadtig
Antigo deposito de ca
virgem.
Na ra do Trapiche, n. 17, ha
mutr/superior cal nova em pedra,
hegada ltimamente de Lisboa:
o- a c <
'B"
O T3 O M
sil* bS &$>;.
:2&
-s
4
ii:
a C5 S-. l
M 8r
o S" => 2. m e u. e c ei n
f]!l|MUrfi3.:l
a,oS -. a v
-a
m
3
Ti
O
3
23
2.0
5 l
6*1
illfizt
TO^arF
B c" a L
. 111*9
.fl 3 9 Bj o 2 21 "
"\ 2 o r- a 2 c
s-S
> = ;SJ;8o.;;.c3
lIrt-illli
;-c3
?Bi.?
ISafsfl
0.0
a
k .T ai
erg a
Sf1

r.i
B.SS O
H. P o '
flilHi
O E.H
^ = "8
lustro, ds ultima moda a 5,600 ra. o par;
sapatos do Aracaty a 800 rs. ; superiores lu-
SiftS'r."-^-.-S'J^Ti S tambem se vende potassa da Hus-
ingiez a 2,000 rs; ditas a 800 rs. o par; es-^.gia, nova e de superior qualidadc
covas para denles (las; potes de porcelsoa, ,
com b.nha; frascos com cheiro; luvas de -"V.-u. ,K ..m
torcal; cortes de tapete; sapatos de dito para [ Vende-se rapo de Lisboa, chegado ulti-
horneai:sapatf5osJeluslroa2,500rs.opar; mmente, vindo de encommenda, couss
pelledelustroa2,*00rs. ; assim comosa- aupenor.erespoosabilisa-sepeluqualidade:
natos para senhors, tanto de marroquim ". ra da Cadeia do Itecife. loja de JoSo
como de lustro, e para menina feitos 00 ua CunnaMagalnSes, n. 51.
paiz, o que tudo se vende muilo emconla, Aitencflo.
fil de apurar-se dinheiro. I Es.tSo venda 3 escravos creoulos; 1 cabra
w .*__ j 1 ...__ ___...'.,%c de 25 annos.l nsiiro do 30 annos.c 1 negra do
>apat5es de lustro, para meninos 26.ludos robust0sedebo.sUguras:r7a ra
de 6 a 12 anuos, \ da Cruz n. 14, ou no pateo do Pilar, casa da
no aterro da Boa Vista, loja de, quina, so dir quen. vende.
calcado n. 58, junto ao seleiro' N. rui^ITotl^. 50. ven-
vendem-se sapates francezes de dem-se cortes de magnificas sedas pretas,
couro de lustro, para meninos de 'vradas, recentemente chegadas, cor
chitas achamalotadns, manteletes
| chales de seda de cores, grandes
prelos
pe-
6 a 12 annos.
Vende-se, por preCO muitO quenos, mantas, da seda, sarjas pretas, lu-
, '.* r V i i., vas pretas de torcal, e do seda de cores pa-
COmmodo, cal virgem de Lisboa, r, Sra., ditas e.eda.e pelica para homem.
em barris, muito bem acondecio- grvalas pretas, coletea de casemira, cam-
. ,J. f..m m r-lUa iv,n Min braias delinho muitofina, ludo moderno e
nada ; fumo em lolha para capa bom >f8jm como oiitrM mujUs rMeodt^
de charutos; napelao para fdbnca que troco de dinheiro n ven tem porba-
dt? chapeos : trata-se no armazem
de Jos Joaquim Pereira de Mel-
lo, no caes da ,\lfandeg% n. 7, ou
com Novaes & Companbia, na ra
do Trapiche n. 34.
Vende-se una completa ferrsmenta de
carpine, com seu competente banco, e tu-
do em bom estado; alraz da matriz da Boa-
Vista, n. 21. -
Superior farinha de S. Matheos e
muito nova,
Vende-se a bordo do hiate Caprichoso, fun-
diado em frente do caes do liamos, e na ra
di Cruz n. 3*.
Vende-se
Urna preta. rreoula, de meia idade por
280,000 rs.; co-intia bem, coze, e faz renda,
he boa enfermeira, e faz o mais servico com
perfeicSo, isto porgue morreu sua senbora
e os herdeiros querem partilhar ; umapar-
dinha moca habilidosa o quauo he possivel
se-lo urna mumbanda, a qual e se vende
cara a praca tor ler aqui seua prenles,e
ter urna irrepreensivel conducta ; urna ouira
parda de vinte e tantos anuos que coze, faz
renda, cosinha e engomma liso, e com bom
corpo para servido; urna ouira parda para
fradesta provincia por estar grvida de 5
mezes, a qoal em habilidades, figura, he
modelo, assim como urna preta que lem al-
gumas habilidades por 400,000 rs., tudo na
ra larga do Rozario n. 35, loja.
Farinha barata.
Vende-se a bordo da escuna alaria Firmi-
na, fundiada defronte do caes do llamos,su-
perior farinha de man Jioca de S. Matboos,
Eor precocommodo para acabar: trala-se a
ordo com o capitdo, ou com Luiz de Sa
Araujo, na ra da Cruz n. 33.
- ARADOS AMEKlCAiSOS. ^
ij Vendem-se arados ame- ,4
V ricanos, chegados dos Esta- '*
* dos Unidos, pelo barato pre- S
g 90 de 40)0ors. cadaum: na
i. ra do Trapiche n. 8. *?
Vendem-sa 2 esenvos do servido jB
campo, 3 negras com algumaa habilidades,
1 dita de servico de campo, 1 parda de boni-
ta figura, que coze, engomma, cosinha e faz
doce de todaa aa qualidades, 1 escrava de
meia idade : na ra Direite 11. 3.
Aos amantes dos bons charutos.
No aterro da Boa Vis'.a n. 46,
loja de ferragens, ebegou um gran-
de sortimento de charutos, dos
mais superiores, que ha na piara
da Bahia, assevera-se a qualidade
ser verdadeira, e nao falsificados,
como por ah apparecem; assim
como vendem-se mais barato do
que em outra quulquer parle, a-
proveitem pois a occasiSo que as
qualidades sao asseguintes :
boa fama, cata flore.", primorosos,
emilios finos, superfinos, fama da
Baha, flora, regala, quem fumar
sa ber, fama vda.
ralissimos presos, bem como pannos azul,
verdee prelo para casaca, palitos, e fard
de 4,000 a 6,000 rs. o covado, ditos tnescla-
dos para palitos e para acabar a 1,800 rs. o
covado, e corles decasemu a de cores a 4,000
e 5,000 rs. o corle.
Nol'asseio Publico n 15, vendem-se
saceos com alquoire de milho, pelo barato
pre(o de 1,700 rs. ceda um.
Attencao.
Vendem-se na ra estreila do Rozario n.
11, bolachinhas muito linas de leileem la-
tas de 8 libras e a relalho, vindas de Lisboa
proprias para almorjo de cha,figos em cal la
passas muito grandes, amenas de tres qua-
lidades muito peiloral, e na mesma se dir
quem veude 100 espanadores muito bem
feitos.
As mais superiores vela de car-
nauba, que tem apparecido no
mercado.
Veudem-se velas do carnauba, vimlas ul
timamente do Caar, de superior qualida-
de, em canas de 33 libras, a 9,000 e 10,000
ra. a caisa : na ra do Crespo, loja da es-
quina, que volta para a Cadeia.
Vnho de Champagne,
e superior qualidade: vende-se no arma-
era Kalkmaou IrmSos Itua da Cruz, n. o
Deposito la fabrica de Turtos os
Santos na llahla.
Vende-se, em casa deN. O. Bieber&C.,
na ra da Cruz n. *, algodSo transado da
quolla rabrica, muito proprio parasaccosde
assucar o roupa de escravos, por pre^ocom-
modo.
Farinha Fontana,
chegada ltimamente: em casa de J. J. Tas-
so Jnior, na ra do Amorim n. 35.
Cobertores de algodo.
Superiores cobertores de algodSo de di-
ferentes cores, lecidos a dous fios, muito
grande, tem todaapplicacao em urna casa de
lamilia, porservir para meza de engom-
mado e forrar camas e mesmo para escra-
vos, pelo diminuto prefo de 1,440 ra.: na
ra do Crespo n. 6.
No armazem da ra da MoJa n. 15,
vende-se cal deLl'boa em pedra, a mais no-
va que ha no mercado, chegada no correnle
mez, no tingue Laya ; assim como mercurio
doce em caixinhas de libra cada urna, ludo
lor menos preco doque em outra qualquer
parte.
r Vendem-se relogios de ou-
ro e prata, patente ingiez: na ra
da Senzallu Nova n. 4a.
Moinhos de vento
com bombas de repuxo para regrar borlas
e baixaa decaplm na fundicSode Bowrusux
|r. M. Calhem: na ra do liru 111 na. 6, 8 e 10.
O
ps
H
p a ? I 9 f r S ? I^aaja* I
oSo..,oi<,3".<5.. o '
s* ___*
hS
s: o t, m r. I .A. I
n
a. mJV < *> 3' ra
Bor",tt.".iia;
m
o a
a _
- P W r
ISs-go-s*}..
?-9B:b.S-2-?78-


o-5'
0 =
* a.S s '
o .0
ai" 3
9f
> t c
o 5
3 W o
3 t>s
[OmmA
< o 3 g a -.53?
liifnjflt
a.. J3;5!;
aa 111 -
3.'
a r- C
s5
" o o
151. "

O) Et3
3 =' =
lili
S^r"
2. m
a C
c
oS-2
a vi 0
arS'.S,
l{
B0
5. =13
3
afilg
i o
\ 9 i na "
j 8 i B
=- SS=oeSS.
9
a m
r o n c -, 3
rS o s o
"9 S
"o
3
Mi
o a. ~.
a-, *m
a
1 1 uno?
0
D a O
P 2
O. -cu 9
O 0 O
e-a, O "1
99 aj
Maajajl n 9
Cf)
0 V O
-O
O
m O
mm a
fm 1 O
aaaH aa w
O O CT" Cu O 9 S.
* 0
B va c O
%Si B3
O " 5" ftf-
r s a c 0 S 9 re u
D S
<
O 0n
a p 0
z* Ga
3
Cu O c
O 0
0 Crt a> o.
TD 0 5S
& 0 N

2? e s
LO
0 S
s: era "1
& r^
a? 01
aoana e goiaba.
Veode-se superior doce d'aquellas fructas
do mais liuo que ha : na venda da ra
da Cadeia do Recife defronte do Beco Lar-
go n. as.
Vende-se mais barato do que em ou-
tra qualquer parte, ricos manteletes pretos
ede cores: na ra da Cadeia do Recife, lo-
ja 11. 18.
." Pecliincha.
Na taja do Paaseio Publico n. 15 vende-
se superior cal virgem, chegada ullimamen-
te.de Lisboa, por preco muito commodo pa-
ra acabar.
He lao barato,
Que Iiz animar ;
Quem vir a pecliincha
Nao deixar de comprar.
Na ra do Crespo loja da quina que vira
para a endeis, vende-se panno fino prelo, a
3,000, 3,500, 4,000 4,500, 5,000 o 5,500 rs.
o covado ; dito francez tnuilo superior, a
6."00 rs. ; dito azul, a 2,600, 3,500, 4,060 e
5,0 10 rs. ; dito verde, a 2,800, 3,000 e 6,000
rs.; dilo cor de rap, a 2,600 rs. ; casimi-
ra preta, a 4,800 6,000, 7,500 8,500 e 10.000
rs. o corte; sarj preta de seda muito su-
oerior, a 2,500 rs. o covado ; merino preto ^
muito bom, a 2,800 e 3,200 rs. o covado cor-
les de ca-sa chita muito bonitos, a 1,120
rs. ; e nutras mullas fazendas por prego
commodo.
Vendem-se ricos espelhos ,
com molduras douradas de 4 & 6
palmos de altura ; vnho cham-
pagne de excellente qualidade a
4o,ooo rs. o cesto: na ra da Cruz,
casa de Avrial Irmios.
Earatissimo.
Vende-se um terreno na ra da Aurora j
aterrado, tendo fundo at a ra do Hospi
ci,(frente 55 palmos: tambem se vende
so a ra da Aurora : a tratar na praca da In
dependencia n. 17.
No escriptorio de Manoel Joaquim Ra
mos e Silva, na roa da Cadeia do Recife,
vende-se por prego commodo cal virgem de
l.iaha chegada no ultimo navio, bezerro de
lustro, mercurio, linha de Roriz,retroz, fei-
rliaduras do Porto, pannos o casemlias
do lia.
Vendem-se, por pre;o com-
modo, superior viuho do Porto ,
em barris de quarto, quinto^ oi-
tuvo": no armazem de Jos Joa-
quim Pereira deMell, nw caes da
Alfandcga armazem n. 7 ou
com Novaes \ Gompanhia, na ra
do Trapiche n. 34.
Azeitc de carrapato da fabrica de
Araujo 8t Filho, no Penedo.
Acaba de chegar mais destej conhecido
azeite, o mais proprio o econmico, para
uso decandieirosdesala, tanto pela auadu-
raco, como limpeza, econtinuar ahaver
sempic mu depozito para suprimentoregu-
lar dos freguezea : no armazem de J. J.Tas-
so Jnior : na ra do Amorim n. 35.
Lotera d N. S. do Livramento.
Aos 5:ooo,ooo de rs.
Na loja de mudezas da praca
da Independencia n. 4 > vnde-
se um resto de bilhetes inteiros ,
meios, qiiartos, decimos e vigsi-
mos a beneficio de N. S. do Li-
to, 000
5,ooo
a,600
1,100
600
vramento.
Bilhetes inteiro
Meios ^
Quartos
Decimos
Vigsimos
CHA PRETO.
Vende-se superior cha prelo,
em caixas de 3o libras cad t urna :
em casa de J. J. Tasso Jnior, na
ra do Amorim n. 35.
-- Trsspaasa-sea chave, vonde-se a OTma-
5II0, e mais objectoa de urna loja de couros ,
com minios commodos para familia: aa ra
Oireita q. 55.
I'ripcipios geraes de economa pu-
blica e industrial.
Vnnde-seestecompendio, approvado para
as aulas de primeiras letras, a 480rs.: na
piafa da Independencia, livraria n.6 e8.
Velas de espermacete.
Vendem-se velas de espermacete, em cai-
xinhas de 20 libras: na ra da Cadeia do
Recife n. 48.
- Vende-se lona americana de algodflo,
muilo encorpada, proprias para volas de Da-
vio,rodas e denles perlencenles a bolinetes,
escovens e gollas ludo de ferro coado : na
ra da Cadeia Velha n. 37.
Grande sortimento de fazendas
baratas.
Panno fino preto a 3,000 rs.; sarja preta
hespanhola, de superior qualidade a 2,500
rs. o covado; selim preto macao, muito su-
perior a 4,000 rs. o covado; almarca, muito
fina a 6(0, 800 e 1,009 rs. o covado; cassas
de flores brancas, propiias para cortinados
de cila, com 8 1|2 varas a 3,500 rs. a pega;
cassas ch 1 las a 2,000 rs. o corle; lencos de
cambraia delinho, parahomem a 480, 560 e
610 rs.; riscado assontado cm melim, pro -
prios para ropa de meninos a 200 rs. o cova-
do, e outras muitas fazendas emconla: na
loja da ra do Crespo n. 6.
siiimo de iSantiia a
800 rs.
Vende-se a historia de SimSo de Nantua,
a 800 rs. : na livraria da praga da Indepen-
dencia n. 6 e8.
I'otassa americana.
No antigo deposito da cadeia velha, n.
12 existe urna pequea porgSo de potassa
americana, chegada recentemente que por
superior nvalisa com adaRussia: vende-
se por prego razoavel.
i<;i[i<; Paulo Gordeiro.
recentemente ebegado do Rio de Janeiro :
eude-se na ra da Cadeia do Recife loja n.
50, de Cunha & Amorim.
Deposito de cal virgem.
Cunha & Amorim, na ra da Cadeia do
Recite, n. 50, vende-se barris com supe-
rior cal cm pedra, chegada pelo ultimo
navio de Lisboa, por meaos prego do que
lem outra qualquer parle.
I \ rudos de ferro.
Na fundigSo da Aurora, em S. Amaro,
vendem-se aradosde ferrode diversos mo-
jlos.
Moeiidos superiores.
Na fuodigSo de C. Starr& Companhia,
um S.-Amaro, acham-se venda moendaa
de canoa, todaa de ferro, de um modelo e
cooatrucgSo muilo auperior
l^asa de commissSo de escravos.
Vendem-se escravos e recbem-
ete de commissao, tanto para a pro-
vincia como para lora della, para
0 que se olfcrece muitas garandas
1 seu.s ilonos .- na ra da Cacimba
11. 11, primeiro andar.
Deposito de cal e potassa.
No armazem da ra da Gadeia
do^tecife n. ia, ha muito supe-
rior cal de Lisboa, em pedra, as-
sim como potassa chegada ltima-
mente, a precos muito rasoaveis.
Chitas finas de coreo fixas, com to-
que de avaria, a 4,5oo, 5,oooe
5,5oo rs. a peca.
Tachas de ferro.
Na fundielo da Aurora JirTSanto Amaro,
e tambem no deposito na ra do Brum logo
r.a entrada.* defronlo do arsenal de mari-
ntia ha sempra um grande sortimento de
tacha tanto de fabrica nacional como ea-
u-anV'ir, batidas, fundidas, grandes, pe-
queas, razas o fundas ; e em ambos os lo-
gares existem guindastes, para carrrgar ca-
noas ou canos, livresdedegpeza : OS prego
silo os mais commodos.
Agencia de.lchvin Maw.
Na ra de Apollo d^ 6, arinanew de Me. Cal-
monl&L Coinpanhla, acha^ae coRalanlemeole
bona sortimeoioa de Uia de ferro coado e
batido, tanto rasa como fundaa, moendaa In-
elia todaade ferro para anlinaea, agoa, etc,
ditas para armar cm madelra de todos oa ta-
manhoa e nisdellos o mala moderno, machina
burlaontal para vapor, com forca de 4 caval-
lua, coucos, paaaadeiraa de ferro eatanhado
para casa de pulgar, por menoa prejo queoa
de cobre, eacovens para navios, ferro ingiez
lauto em barras como em trcosfolbaa, eludo
por barato preco.
AttencSo.
Na ra do Rosario estreila travess para o
Queimsdo, dopoailo de JoSo Jos tiendes da
Silva n. 39-A-,continua-ae a vender Illas de
srarula muito sopperior como he sabido;
vende-se em libras a 400 rs., bolachioha, re
K lia muito lina, a 320 ra latase biscouli-
iho de araruta a 320 rs., bnlachinha ingiez
a 200 rs., dita quadradaa 240, faliss e bis-
coutos tnais inferiores em libra a 200 ra
anda vende urna peqneua porgSo de bfscou-
los derenns que para acabar vendem a 480
rs. uin embrulbo cootendo 1 dozia, vende
tambem castanhas e amen loas por commo-
do prego, portanto os froguezes devem pre-
ferir, a visir dQ >U*ee;oe qualidade.
Vende/ge uni sobrado de um andar e so-
tan no principio da ra do Hospicio, cons-
truido ha pouc :empo com toda solidez e
perfeigo, < m cantaria de Lisboa ; grande
quintal mu.ado c plantado de artoredo; es-
tribara e cacimba : na mesma ra cima,
la/ern do leSo de ouro, junio ao quartel.
Cemento novo a 7,000 rs. barrica.
Noarmazem de Amonio Annes, do caes
a-Altan idega.
AGENG1A
da fnmlirao Low-Moor.
RA DA SENZALLA NOVA .N. 42.
Neste estabeleeimento conti-
na a haver um completo sorti-
mento de moendaso meias moen-
daa para engenho, machinas de
vapor, e taixas de ferro batido e
coado, de t# ta dito.
Vendem-se superiores boli-
linhos em caixinhas e embrulhos,
proprios para cha e caf, chegados
tiltimamenl1 do Havre preco de
4oo rs. cada um : na ra da Cruz
do Recife, armazem n. 62.
Deposilo de doces.
Vende-se doce de todas as qualidades, se-
co o de calda em caixinhsa de todos os ta-
maitos bem enfeitadas a vontade do com-
prador e de calla em barrilinhos mais bem
feilo do que em outra qualquer parte na ra
da Lingueta n. 5.
Vende-se um terreno na ra da Aurora
com 50 palmos de frente e 280 de extensao,
tondo caes de lijlo a beira mar, Meando en-
tre as casas dos lllms. Srs. GuatavBo Jos do
llego e Francisco Aotonio de Oliveira : os
prelendentesdirijam-se a ra das Torres n.
8, primeiro andar.
-- Vende-se um uioinho de moer caf com
seu competente loriad >r e fogSo ainda no-
vo : na ra larga do Rozario, padaria n. 48,
ou troca-se por oulro qualquer objeclo.
Grande porc,ao de fazendas baratas,
na ra do Crespo n. 14, loja de
Jos Francisco Dias, a 16a rs. o
covado !
Vende-se urna grande porgSo de chitas
muilo fixas, de novos padiOes, com um pe-
queo loque de mofo, a 160 rs. o covado ;
ditas escuras cores de caf e de vinho, e ou-
tras.maiscores rquito fixas, a 200 rs. ocu-
vado ; ditas as mais linas quo tem appare-
cido no mercado, tanto em pannos, como
as tintas, fazenda do ultimo gosto, a 240
rs.; Tincados francezes de quadros, fazenda
muito fita, a 200 rs. o covado ; corles de
chita trainv/as, com barra, a 3,000 rs : ma-
rinos pretos de superiores qualidades, e
1,800, 2,500, 2,800 e 3,200 is.; liuissima al-
paka preta e de cores fazenda propria pa-
ra palitos, a 640 rs. o covado; algo 13o azul
Vende-se um excellente ca-
vallo, por preco muito commodo;
na ra do AragSo n. 3i.
AVISO AO PUBLICO.
Na botica da ra do Collegio n. 18 com
nuam-e a vender as verdadeiras a hnm
conceiluadas pilulas para bobas, cravoj?
eos, e dores venreas, por mais antigs us
aejam; cujo bona efTeitos confossam t0ji
que dellas tem feilo uso. CnrniiosicSo i
iarmaccutico SebastiSo Jos de Olits
acedo; e para coohecimenlo do mMlLf
publico e principalmente de algunas aaa!
soasque nJo estejam ao alcance, o coohs
cimento das verdadeiras pilulas, se 71?"
blico por este aviso. ,u'
Vendem se amarras de ferro: n.,.
daSenzallaNovan.4i. m
O Tres libras e meia de marmolidi
por 1,000.
Na ra estieita do Rozario n. 43,existe um
pequeo numero de latas para ae vender a
1,000 ra. cada urna. por
f&* Carnauba superior a retalho
Na ra eatreita do Rozario n. 43, contina
a vender-se carnauba em grandes e peque
naa porgOes por prego de 6,000 rs.
Vende-se a verdadeira agoa mineral
chamada Selle-a Waaser o urna pequen pot!
gao de charutos da Baha : em cas de i '
Schuler it Companbia na ra da Cruz n. 19
Vende-se um aobrado de um andar ni
ra da Calgada, por 2.000,000 de rs.; re'nde
20,000 rs. mensae, o qual est rceliQ.
cado : a tratar na ra das Larangeins
11. 18.
Vende-se urna caooa aberta de millv,.
ro: quem pretender dirija-se a ra das Tria-
(heiras n. 12 das 3 as 6 horas da tarde.
Vende-se feijSo molatinho em aaccas de
alqu irn mu oovo, e mais barato do que em
outra qoalquer parte, pelea de cabra a 20
22,000 rs. o cont, sola boa.cera de carnau-
ba,prlmeira sorle.a 5,000 rs. arroba em lac-
eas : na ra da Cadeia do Recife n. 49, se-
gundo andar.

Escravos fgidos.
100,000 rs. de gralificagao.
Desappareceu ou foi seduzida no dia 19
de fevereiro p. p. urna pardlnua de nomo
Archanja, de idade 12 annos, com os siii-
naeaseguinles: cabello coi lado rente.olhos
meiusvesgos e pequeos, levou vestido da
chita com listras brancas o cor de c>f,e
ramage encarnada, as orolhas grandes iiu'i
inclinadas para fra; es'a escrava veio do
Limoeiro para Sanio AnUo, e de la v io para
o Recife ao Sr. l.uiz Gomes Silverlo: roga-
se as autoridades poiiciaes, capitaes de
campo, e pessoas particulares a captura dol-
a ; julga-se que estar acuitada, dizendo
que he forra, em casa de alguma senhor
quenaoleia Diario: quem a pegar ou der
noticia certa della na ra da Cadeia do ll-i-
cife n. 17. segundo andar, recebera 100,000
rs. ; e protesin-se contra quem Ibe der co 11-
to, e os prejuizos causados,
-- Em4 de margo docoi-rente anno, de-
sappareceu do engenho Primavera da co-
marca-de Nazarolb, o escravo, prelo, creou-
lo, de oomeSeverino, de idade pouco mais
ou menos 22 annos, bstanle fulo, equando
anda arquis as pernas para fia, estatura
regular, e reforgado do corpo : roga-je as
autoridades poiiciaes e capitSea de campo
de o aprehender e levar no mesmo engenho
ou tiesta praga a Manoel Ig.iaciu de Oli-
veira.
No dia 28 de fevereiro desappareceu do
engenho Cajabussu' o escravo creoulo ds
iiiuiie tlariano, bem prelo, altura regular,
com falla de denles, tem ar alegre, ha noti-
cia cerla.de ler seguido para a freguezia di
Escada, e ter Meado por abi mesmo: quem
o pegar leve ao aterro da Boa-Vista 0.43,
ou no mesmo engenho cima que receben
100,000rs. de gratilicagao.
Em principio do anuo passado desap-
pareceu o muleque creoulo Be nome Anto-
nio Can na, representa ler 16 a 18annos,ps
e m3os grandes,bocea e denles grandes,tem
em cimadeuma oroihaa dobra cortad, ha
prutiabilidaTdu de au Jar na freguezia da lis-
cada: quem o pegare levar ao Ierro ila Una-
Vista n. 43, lera 100,000 rs. de gralilicagSo.
-- Desappareceu de bordo do palachu bra-
sileiro Astra, fundiado junto a ponte do
Recife, um preto creoulo natural desta pro-
vincia, com os signtes seguintes: estatura
baixa, barba serrada, algumaa marcas de
bexigas, os testculos inelildoj, ropresenla
ter 35 a 40 anuos de idade,-e be um pouco
per nstico ; Irajava caiga camisa de gangt
azul e barrete, e levou ferro ao pescogo,u,uo
pode ser o tenlia feilo tirar : quem o apre-
hender leve-oa bordo do dito patacho, ou
ra da Cadeia do Reoife, armazem n. 12,
que ser gratificado.
Desappareceu na noite desabbado, 27
muito largo, a 160 rs. o covado ; pegas de do passado um moleque, creoulo, deidado
brelanh de rolo, com 10 varas, fazend
muito encorpada, a 1,800 rs. a pega ; assim
como existem outras muitas fazendas, por
pregos mata baratos do que em outra qual-
quer parte.- de tudo se mi rilo amostras,
deixando seus compeleutes pentiores.
Taixas para engenhos
Na fundicao de ferro de liow-
man & Me. Gallum na ra do
Brum, passando ochafariz, cont-
II a 12 annos, de nome Cypriano ; o qual
tem urna ferida em un das peinas junto do
lornoolo, e urna cicatriz 110 rosto ; achavi-
se vestido com caiga o camisa de riscado
azul. Deseoofia-se que fora fuitsdo porque
leudo viudo as 5 1|2 horas da tarda da lis-
tancia ao Recife busca- uns remedios di
botica do Sr. lira vn, e sendo aviado as 6 ho-
ras nao tem apparecido al o presente: ro-
ga-se a todas as autoridades poiiciaes eca-
pitSes de campo de descobrirem o referido
moleque e trazerem a ra da Cruz n. 6, ou
ao sitio da Estancia, junto ao do Sr. Jo3o
l '' l-iuu uaa j_.3ki 111 m, luiivu aw uis ui, 4
n 1 a haver um completo sorti-; Cardoso Ayres, quesera recompensado.
menlo de taixas de ferro fundido el Jsl fgido desde segunda
batido, de 3 a 8 palmos de bocea | fe'? 5 do corrente, o escravo de
as quaes acliam--.se a venda por nome Felizardo, corpo relorcalo,
preco commodo e com prompti-j ra larga e grande, picado de be-
d3o, embarcam-se, ou carregam- xigaa, talla demujher e descanca-
se em carros, sem despezas ao com*, dd : roga-se as autoridades poli-
prador. ciaes e cupilaes decamp, que o
Novos cobertores de tapete a
i,44 rs.
Na roa do Crespo loja da esquina que
volta para a cadeia, vendem-so cobertores
de tapete, grandes e bonitos, pelo diminuto
prego de 1,440rs. ;emqualidadesoosme-
Itiures que tem viudo no mercado, por isso,
recommenda-se aos Srs. de engenho que
quizerem comprar da pichincha, oBuseae-
rnorem, porque ja ha poucos pela estrg3o
que tem/tido,
-- Veride-so oa ra do Caldeireiro n. 42,
urna eacrava de meia idade que sabecosi-
nhar e vender na ra.
Vende-se um carro, dos me-
Ihores que setemfeito nesta cida-
de, tanto no esmero do trabalho
como na forma, que he urna das
mais elegantes : para ver e tratar
do ajuste, dirija-se a praca da Boa
Vista ollicina de carros do Sr.
Francois Coutet.
- Vende-ae urna casa terrea, no fcairro da
Boa Viata : quem a pretender, annuncie por
este Diario, para ser procurado.
Venderse urna bonita escra-
va creoula,' de ao annos, bonita fi-
Veodam-se na roa do Crespo, loja da es- Bur"> recoln'*> muilo bem pren-
quma que vira para a Cadeia, chitas finas dada, e faz tudo que he necessario
apprehendam e levem-no na ra
Imperial n. 3^, que ser recom-
pensado.
Desappareceu na noite de 13 para It ilo
correnle um escravo por oome Joao (criou-
lo ) levando urna clga de brim braoco com
list'a ao lado, 2 caigas de casemira de cor, -1
culletes de selim preto, 2 dilos de fuslo de
cor,chapeo prelo de massa e camisa de ma-
dapoln; o escravo tem ot signsea seguale:
cor io ili,altura regular, reforgidu do corpo,
urna Penda na peroa oireita du lado de fura,
um pouco cima oo tornozello, representa
ter de idade 30 annos pouco mais ou menos:
roga-se as autoridades policiaca e aajaisca-
pilles de campo a captura de dito esCiavo,
e de o levar ao engenho das Hallas a seu Sr.
Antonio do Paula Souza Lefio, ou a ra do
Vigario n. D.armaaem de Caroeiro & Ramos,
que se gratificar generosamente. .
No da 10 do correnle desappareceu o
escravo, pardo, de oome Jos, ofllcial de si-
paleiro, de idade 85 annos, pouco maisou
menos, pcrleoi'Oule ao bacbarel Alfonso
Jos de Mendonga ; estatura regular, secco
do corpo, e b.slantt barbado 'lenvanJo
aloro de alguma roupa do uso urna jaqueta
de risodo azul j desboladu, outra de alpa-
ca preta, um par de sipaldea de couro de
lustro e dous chapeos, um preto de maga e
outro branco sem pelo : roga-se perianto as
uloii ladea policjaes ecapiules de campo
que o apprehenderem.queo conduzam < rua
Mrn,'rp"iT.Ath.Vi^,' t""" "..... *"" ""|UBntj necessario da Palma, aobrado di'quina, ou a ruado
^.."ri:,1^ f"1 uma cas.,- na.ru. Imperial de Rimado ,. 32, que seL recompeosad^-
pega, Ironte do clialanz n. 37.
MUTILADO
M
. Mi
T~*~~"~~


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ENPTJRX8D_9X6YCH INGEST_TIME 2013-03-29T17:06:51Z PACKAGE AA00011611_03622
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES