Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03616


This item is only available as the following downloads:


Full Text
XXVI1T
de Abril de 1882.
1 i
N. 80.
PERMMBICO.
vncoo a snawiivQAo.
PlOmTO AaitRTlDO.
Miirlmof.............'
for">e,,re.............
. 1U0O........i.....
P00 DIKIID 00 TIlNItTal.
'' """irOTwui" aVimio*.'
4/000
8/000
lo/UOO
4/roo
. ; ii de Marjo iMInn... de Marco
5,'nnMo a>e dito |S. Piolo, i de dito
SST 7'd dito,'
,hib.. 2
Abril
R. deJ.. 25 de Jilo
'Babia... 3o de dito
Ia\s DA Kllll. AVDinrOlAf.
5 Seg. S. Vicente.
6 Tere.S. Dtoglnes-
7 Quart.dcTreraf.S.
Epifaolo.
8 Qulnt. de Endoen-
cat-
9 ieit. da Palsjno.
0 Sab. da Alleluia.
1 Dom. i e Patcboa da
Retuirricfto.
Juilodt Orvkao
2. eS. a 10 boraa.
I. varado civil*
3. e6. aomelo-dla.
tunta.
3. f6.ii 10 borai.
2 vara do civel.
4. eaabadoa ao iuclo-d.
Arlara.
Tercas e tab.dot.
imiiiMi,
Oncate S7, ai 6 boraae 48 minutos da t.
Chela a 4 aoa 5 minutos da m.
stlngoantell, as 6 hora e 41 mlontoa da t.
Nova i 19, as 9 horas e 26 minutos da m.
rstiaiaDiaOJ
Prime Ira as 7 boras e II minutos da manhaa.
Segunda asi horas e (minino! da tarde.
rianDi dos ooBKitioa.
Oolaana e ParahiDa, as segundas aexUa-
felras.
Rlo-rande-do-Horte, todas at quintai-feirat
ao mel da.
Garanhuns e Bonito, i 8 e 23.
Boa-Tlata, e Florea, 13 e 28.
Victoria, a qulntae-felras.
Ollnda, lodosos dlaa.
aroTiciaa iiTuiaonnis.
Portugal
Hrspanha
Franca ..
Blgica...
Italia....
Alemania
Privaiia
18 de Marro-
8 de dito
7 de dito
3 de dito
4 de dito
3dedlto
.3 de. dito
Dinamarca 28 de Fevr
Ruasia... 30 de dito
Turqua. i4 de dito
Austria.. I de Marco
Sulssa.... 2dedlto.
Suecla... -jode Fevr
Inglaterra 0 de Marco
F..-Unidos 25de Fer
Mxico... 31 de Janr
California 21 de dito
Chlli. 2 de dito
l'urnos-A. 6 de Marco
Monterldeo 10 de dito
cambios de 9 as anuir.
Sobre Londres, a 27 a 60 d.
a Parla, 355
> Lisboa,90 por canto.
KZTAEI.
Ouro.Oncasbeapanholas...-.T.T;7:;. 2o/000
aloedas de 6/400 Telhas......... 16/000
dc6400novaa......... 16/000
,_e de 4/000................ 8/1OO
Prata.BTatacSeabraaileiroa........... 1/u2o
Pesos columoarlos............ 1/920
Ditoa mexlcanoi.............. 1/800
B*BB;-va ___lj.j_j^ ^
"guvek d,\ PUUVlNClA.
EXPEDIENTE DO DA 5 DE MARgO DE
nnttlo Ao Eim. presidente do supremo
tribunal de Ju.tica, remetiendo a resposta da-
da pelo juli de dlrcito da comarca de Waia-
rfth idoas portarlas, que S. Ec. lhe dirigi
poriDtermedioda pre.idraela.
Dilo A' thesouraria de fairndi, diiend'
ue, visto nao haver inconveniente em ae adl-
anta'r ao coronel commandante do nono bata-
nao de I nfan liria a siimina de, >:550|000 rs.
para occorr.r rin o presente inei ao pagamen-
in das pracas do misino batalhio, que ae acu.iu
'.lacadas era algumaa daa comarcal lena
nrovlacla, a autortsa a mandar entregar ao
r "'ni 1 coronel, era presencado reclhofque re-
melle, a referida soinma, que ser* lerada em
1,11111 nos prets e rrlacdes.de moslra do aob, e-
diio bstilho Cominunlcou-se ao inarechal.
Dito A' mesiria, remellando oa avisoa de
doiilettras sacadas pela theeourarla da provin-
cia do Blo Grande do Norte aobre a deala, sen-
do mus na importancia de 1:000/000 a favor de
Manuel Ferrelra Nobre Palluca, e a oulra oa de
ili/118 a favor de Canuto Ildefonso Emeren-
clano. Partlcipou-e aoEam. preaidenie da-
quella provincia.
Dito A' mesina, cominunlcandoque o juii
municipal e de orphot do termo de Santo An-
uo, bacharel Gaapar de Meneiea Vasconcellos
de Druinond, eutrou no goio de 15 das de ll-
anca, que lhe fol concedida pela preaidencla
Dito A' cmara muuicipal desia cidade.
Trndo ouvfdo o promotor publico desta capital
jobre a duvlda por V mes. proposta em officio
de 16 de setembro do aono passado, transmil-
lo a Vinca, a inclusa copia do parecer do inea-
mo proin#tor, com cuja concluso me confor-
mo, nao devendo por lano eisa cmara pagar
ni,polio da nanea prestada pela paite, visto
n-io se dever tal imposto considerar como cus-
las do processo.
Parecer que te refere o officio cima.
I ni e Esin. Sr. Em cumplimento do dea-
pacho de V. Esc. esarado 110 ouicio junto da
cmara municipal deata cidade. pasto a dar o
meu parecer cerca da duvida que a meama
cmara sub'relteu a conslderaco e esclarec'
menina de V. Eic.
Entendo que he bem fundada aquella duvida,
porquaoto a limen he uin favor, que a lei con-
cede etn puro prnveito do reo, que pretende
livrar-se sollo, favor a que a mesma lei iiupde
como condlcao o pagamento de una certa por-
centagem fazenda publica ; com oque cerla-
rneole nada iem a outra parle, nem lao puuco
o processo,onde a fi que spparece apenas como um documento do
afiancado. Sendo assim, claro fcaque as dea-
przas feltas para oble-la devem de considerar
no ineamo caso daa que futa parle intereasida
coin nitros quaeaqurr documentos acus que
produt em juiso. "
A llanca nenhuma llgaciio tem prnpriamente
nem cora a accu um facto a parte e completamente destnelo
da questao judiciaria, que simplesmente, per
accidtne. a occatlona ; ny> be urna consequen-
ca das diligencias do julio com relaco ao pro*
crsso, ou ao seu andamento e termos; he um
mel lodo pessoal, voluntarlo~e' limitado a
conveniencias daquelle que o solicita : e a con
lar-se corno cusas judiclarias os gasios feilos
por occasio delta, coin igual razao se devra
cootar como taes o valor do lempo de priso,
que, a nao ser ella, sotTresse o reo durante su
livrainnto em crlme afiancavcl. Poder-se-hja
quando muito reputar essas ilcspezas oa mes-
ma classe daa chamadas cusas pessoaes de que
fu menco a ord. liv. 3 la. 01 g, porui esias,
alem deestarem em completo desuso no foro
Prreira e Sousa nol. 58'i, e ate como que impll-
cits>i>eote derrogadas pels nnssos modernos
rrgiilatnentos de cusas, de mais pela antiga le-
gUlaco s eram cobravea do particular que
decana da querella, porque enlao ae lhe sup-
punha m f. o que n cusaco ulilica por obrar eala sempre em ra-
io do seu officio.
Qusntnao juizo por onde foi absolvido o reo
i!e que trata o officio junto, tenho a diter a V.
tic. que fui o tribunal do jury. Recife, 26 de
f'icreiro de 1852. O promotor publico mtc-
Hao, JoSo bilvtira de Soma.
1DKM DO DA 6.
do Das. Flierain-se neite temido as convc- 1 de f vereiro allimn, declarando, em a
nleulea cotniniinicacdea.
DEM DO OA 8.
Officio Ao Eatn. blsno diocetano, remet-
tendo oa papis rclatlvoT a nrudanca da matriz
da frrguesia de Cimbrea para a povoaco de
Pesquelra. e bem anim a represenlaco que a
lal reapeilo dirigi o delegado daquelle termo,
acompanbada de Inforinacdea ministradas pelo
julz de dlrelto da comarca do llrejo. e pelo pa-
rocho daquellafregueiia, aHm de que. em vis-
ta do que poudeou o mesino juii de direito e o
referido parocho, ae digne S. Etc. diter oque
julgar conveniente, para que se potsa tomar
urna resolucao deliniliva aobre a materia, de
que u ,11:1111 taea papis.
Dilo Aocominandn das armas, recommen-
dando a eipedico de suas ordent, para que a
troii.i de primi'iia linha marche para o paleo
do palacio da presideocia amanha as lo horas
do dia, afm de atsisltr a poate do Etm. Sr.
I)r. Fraucitco Antonio Rlbeiro, presidente no-
meado para esta provincia ; e bem assim para
que a fortaleza do Bruin He a salva do cotlume
a hora em que tlver lugar a referida pot'te.
Officiou-te aos commaiioantes dos brigues-es-
cuuas Legalidade e Otinda para darcm as aalv.s
doeslylo, e zeram-se o oecessarioa conviles.
Dito A'lbesouarla de fazenda, lutelran*
do-a de haver approvado o contrato que, se-
gundo cotnmunicou o inarechal commandante
das armas, pretendem faier, para continuar no
aervico doetercllo, ai cinco pracas uj qoarto
l> it ilii.in de arlilbarla a p, Indicada! na rela-
co que remelle ; e recoiniiiendando que man-,
le abonar aa referida! pracas, de coufurmlda-
de com as ordens da presidencia, os premios
que vao Indicados em dita relaciio. -- Cointnu-
utcoU'se ao mesino inarechal.
Helafo dqueecrrfere o officio lieimn.
Cabos, Reinaldo Jos Pereira, 0110 anoos,
tmenlo ao de 9 do dinamo mez, que en
os membrot do conselho da mlmims r.it;l"
do quartu hatalnSo de a-tildaria a p, que
devem inriemnisar em rateio o que (Icpu do-
vendo 0 fallecido (inittn liidoro Jos Ro-
cha do itrasii, >e comprehendeo fiscal, aue
entilo servia. Igual copia remelteu-se a
theaouraria de 1./ tuli.
DiloAo mesmo, remeltendo copia do
aviso do ministerio da guerra, de 31 de Ja-
neiro ultimo, no qual se del rmina que a
presidencia, em ben do serslco, mande
orrnder corrcccionalmenle os ofllciaei do
cortil) deengenneiros que at qumze das
depois do praso marcado no aviso de 4 de
iolho de 18H3 no apresentarem, para ae-
rem enviados ao mesmo ministerio, os re-
latnos das rommi le que sil'i iiicumbi ios.
DitoA' thefouraita de fazenda, reoet-
teodo novamenle os papis da divida de
60,000 ris, da qual po.ie pagimento Joa-
quim Barbosa de Moura, r-fnn deque lhe
mande ssti-fa/er essi quantia em vi-la dss
informac'S, de que faz menc9o o ofllcio,
que tambem remelle por copia, domare-
chai commandtnle das arma*.
Dito- Au juiz relator da junta dejustica
Iransmitlindo, para s*r relatado em ss*3o
da iiie-iii.i junta o proceso verbal feito ao
soldado do decimu balalliSo de infantsria,
Athanazio Rodrigues de Souza.Commuoi-
cou-se ao comman 10 das armas
Dito Ao en|; -11 li i o encarregtdo das
obras mililarrs, aut'irisand>>-o, n3o s a
mandar fazer no qusrlel do Hosoirin a b>r-
nocessaria
nta-
mas tambem para fazer robnr com um
di- iclal trtnsmtltindo por copia as clausulas e
ilr' o orcamenio para a c mclu-So do altorro ex
leriorda catare detenfSo, fim de que
ounJe 1 r eaaarohra em arremalacflo.
DEM DO DIA 13.
O!."o Ao comman lo das a'mas, recom
mondan 'o a espedi(lo de suas ordens no
sentido de seren observadas pelas sentinel
las encarregadas da prohibico dedesoijos
em logares vedados pelas po ra municipal, as iiislrucc0<'s dos respecti
vos flseaes, conforme requisita a mesm>
ctmara,--Commonicou-se a esta.
DitoAo mesmo, pifa mtndir per em
lihenlade o rrcruta J0.I0 Raptistn da Silva,
visto ler sido julgado pela junta de saude
ineapaz do aervico mi se ao chufe de polica para fazer c instar ao
delegado de Santo Antlo que o recrutou.
Itito-Ao mesmo, iransmiltindo porci-
pia o aviso do ministerio da guerra, d 13
de fevereiro ultimo, man lando descontar,
pela quinta parle do- respectivos Sildos a capit.lo Mannol Jos da Soledade a q ianti>
198,500 ris, e ao alfures reformado Jor-
ethibaiu, a6m de te conhecer adtnlnlttrativa-
nente a quem pertence o terreno, mande V. 5.
passar titulo ao supplicanle.
de malo de i85l e como quer que nao eiista
ese na casar requer que, pelos meios compe-
tentes, se o requisite ao goveroo da provincia.
Dito. Ao mesmo, lnlelrando-o de haver o'Sala das cointnlssdes. 6 de abril de 1852. -
Eira, hispo diocesano participado, que suspen-i eiW Wonteiro. Corra rft Hnlto.
lera ao Icario da Ireryetla do Hlo Fonnoso, ( A coinmlssao delnstruccao publica, apre-
tnlouio Marques de Castllho, do uso daa res- clou quemse conten na peur.no em que Joa-
pectiva ordens, e da adiuioistracio paroclilal, I qulin Jos deCarvalho de Slqueira Varelao eo-
por ter commeitldo crimes, cujo eiaine com licita a crea;io de urna cadeira de deaenho
3i'0a0'io : Manuel Joaquliu de Sanl'Auna. sel.
anuos, 300/1)00 ; Jos Marques, dem, 200/000: "Ca delelha que S. me julga nocess
loldados. Manuel Theodoro.qualro annoa l50/ pira a msica do noOO jDttalDM lie ma
Juo da Mh.i, olio .mu is, v ,(1,111111.
DiloAo julz relator da junta de juilica,
IranaiHillindu, para ser relatado em aeaso da
mesiua juula, o piocesso verbal feiloao solda-
do do nouo batalho de infanlaria, Joo Ro-
zendo dos Praaerei. Participou-se ao com-
luando das armaa.
Dilo Ao rinde de polica, reineitendo, pa-
ra lerezecuco, copia do aviso do ministerio
le lulo o quarto em que actualmente s
acha a mesma mtisica, vislo que, segundo
Vine, declara, a despeza a fazer rom essas
obras importara em pouco mais de qualro-
cenlos mil ris. Communicou-se ao mare-
chal e thesouraiia de fazenda.
DitoAo mesmo, dizen lo licar inteindo
il.ie.uei i d .'! de i'.'v 00 ultimo, e bem assim de eslarem concluidos os reparos mandados
os papis a que elle se refere, relativos a pre- fazer na COchia pequena da Comianhia de
ten9u de D. Thereta de Jeaua Coelhode bouza;Cavl||ar, 0 no xadrez do quar'el do Hos-
Leo, pedindo a entrega de teu eteravo Slmpll-' picj, e J,pprov,11(i0 a de|ueraCBO que S
ci que. havendo-sc alistado con. o'd>Jo- lomolivn man,lar ,p,0mpt.r a Urimba
t Caoloana 00 segundo DatalMO de arlilbarla ..,,,________ ,,. ;..
ap.ach.-seacialiiienieaddidoa-oquarloda requstlada para aquella prisSo.
mesma arma; eprcvenindoo de haver nos ter-1 DitoA cmara municipal do Cabo, ac-
mos do cilado aviso officiado ao inarechal com-, cusando recebi 10 o officio com que aquella
mandante das armas para mandar por a diapo- cmara rem 11- 11 as cuntas de sus receila e
aicode S. S. o referido escravo. Officluu-te despeza pe't ncentes ao annu finsneeiro
nestesentido ao referido uiaiecbal e a theaou- municipal de 1850 a 1851, e O'Camenlo re-
rarla de fatenda.
Dito A' Ihesourarla da fateuda provine!
al, dizendo que, para talisfazer a etlgencia da
assembla provincial, cumpre, que S 111c. en-
ve as aegulntes intorinacea : qual a impor-
tancia da divida do ex iusprclor daquella lhe-,
l.-ilivo .oide tsii a 185J, o declaran lo que
com a copia do otado ofllcio foram apr-
senla,los a assembla legislativa provincial
os referidos orcainenlo e ront DiloA' cmara municipal de Goiaena,
"ni 1111. lo.io Baplista Prreira Lobo, cuja declarando que fez cnegar ao eonh, i'.in 11 -
cobranca fot aubuieiida ao juico dos le toa da tu da assernbia legislativa provincial, alim
f.zenda : 2' qual a que por coula ae tem reco- de que e|(, ,on)n coosideracao que mero-
liinln aot cres da fazend. provincial : # qual cer d() ofncj0 em que n,eSma Ca-
?.Prregaco!,gdTe?eUcuJ5aof'" *""""* PC'" "" I -l' providencias D0 sen.i-I, de ser
Dito Ao julz do clvel desta cidade, trans- 'desobstruido o curso do rio Laptbaribe-Moi-
millindo unta portarla, que por intermedio rim, allegando que desse tr.alho resulta-
da presidencia, lhe fol enviada pelo presiden-' rao granaos melnoramentos >0 comuioicio
te do supremo tribunal de justica, devendo mariumo d'aquella comarca.
S. 111c. reiiiclter a sua resposta secretara, |DE\I DO Dl\ 12
t dTrX^a^r^rc.^doS,:,-a..r^: Of.icio.-A,, co'inm.ndod.s armas trans-
Pao doAlho e Roa Vitta. i meltmdo por copia a provtsao do consolho
Dido Ao director das obras publicas para su.iremo militar de 21 de Janeiro ultimo, es-
mandar recollier qual quer anuazem ou de- Uhelec?ndo a diaria que se deve abonar aos
psito, snjelio a sua Ascalisaco os bancos de forrados a gil-s empreados em servido da
honra, que lhe forem maudados apresenlar reparlicSo da guerra, quando elles s3o re-
pelo director geral da inatrueco publica ; col|ii los ao hospital regimental para seren
Coininunlcou-te a este director. | ,ra ,, ,gu| c remelleo-Se a thesou-
Dilo Ao jolt de paz do \* QlIttlrlO oa fr*?- # a r
gueiia da K-ca.-a, anprovando a deliberaco r"ria *jo lazenua.
que S. me. lomou d, coiitocar para o dia 28 | Dito.Ao mesmo tnnsmiUindo copia do
elellores e supplenles da mts- viso do ministerio da guerra de 16 de fe-
gn Rodrigues Sidreira a de 318,890, qu* es-
iflo devendo, o pnmeiro A cana particular
do eitincto uitavo tm.ilh.n de r -r i.iuiv.s,
e o segundo caixa do nono batnlh.lo de
infantil-.t, outr'ora pnmeiro d'aquella ar-
ma.Igual copia remetteu-se thc-ourana
de fazenla.
Dito-Ao mesmo. recommendando a ex-
ppdicflo de suas o dens pira que no dia 17
do corrodo cumparecam na secet^iii da
polica, cunforme requjsilou o respectivo
chefe, o alferps llanoel Carneiro Machtdo
Fieire, o sargento Ttrgino Jos das Neves
e o soldado Jo- Joaquim deSanti Annat
todos por lantn Ul ao dcimo brilalhAo de
infanlaria, afim de depor<-m mu um procos
soque vai ser inst*u se ao mesmo ch-f de polica.
DitoA' thesuuraia de fazendn, remet-
t-ndo por copia o aviso do ministerio do
imperio, *! 6 de fevereiro ult qual se determina que aquella ihesouraria
redita Innocencio Scralicu de As-is Car-
v;i h > o que este p*g iu de mais pela nomea-
cSo de substituto oas caleiras de rhetorict,
geographia e Historia do collegio das arles
emlinds; e bem assim as notas de que
trata o citido aviso, e em original o conhe-
cimento possolo pp(a recebad ira de rendas
internas ao mesmo substituto, amdoque
nos termos do mencionado aviso mande fa-
zer semelhante rodituic/.u.
DitoAo chefe de polica, dizendo que
para ter lugtr o pagamento das despezaa
na unnert nci.i d 9, subdel gado do prfm< iro uistricio da fre-
gut-zia dete/erros, convmque S. S. exija
do m-suio suh :e c-h iu coui-s em separado
do funifcimentu que elle l'--z ao soldado da
fr>;a i|!" coinmaudou o ten-Mito Seveiiano
Maitios da Fonseca, doquedespenJeo cun
oaluguel da c pr(e ao vlgarlo geral desia Hncese. iRUaei
i'iiiiiiuiiiin'niM's furam feilus aojuis de direito
do Rio Foriiioao. jult municipal e nnnn.
Dilo. Ao mesmo, communlcando haver no-
meado o contado* d'aquella thcaoui^arla, l nardo do Canto Bruin, para eiamiuador de et-
crfpturaco por partidaa dobrada no concurso,
i que aetem de proceder boje, para provimen-
to dos lugares v.tgus de escripturarlos da inea-
inat ideaouraria.
Olto. Ao commandante superior da guarda
ii i .n-1.1 a
pintura neata cidade; e o*nslderandu que j
eslsteno lyceu urna cadeira de deaenho, que
alias n-o lem ulumnos, como conl* do relato-
rio da presidencia ; bem com que aa aciu,aet
circumstanclaa dos t lu proiincae nTo per-
millem que ae esiabeleca outra de pinlum, pa-
ra ser porvenlura tofrequenlada quantooea-
t sendo aquella a que j te referi, he de pa-
recer que se indeliraa mencionada prtlco. Sa-
la daa coimnlasd>4, & de ab 1 de 1852. Ma-
eiit MohUto. Corra de Mrillo Siqueira Fa-
rr>|o
Na petlcaojunla pede Kslevao Soares Lel-
nacional desle inualcipio, recoinaacndin
eipedican de suas ordens no sentido de nao ser
cumpeilHo a servir na mesma guarda incn- r i"n> de Albuijuerque, profeaior Jubilado de prl-
nal nlanoel da aSIlva Carralbo, residente na fre-Nmeirat letlraa, que esu avsembla o mode
guezla das Alagoas, visto aer elle subdito de S.lservlr em qualquer das cadeiras vagas de im-
VI. Kidelissiina. l.'oininuaicou-se ao reapec- truclo publica, considerando que, aegondo aa
livo cnsul.
Dito. Ao director do arsenal de guerra
aecusando recebida a conta dis grades de fer-
ro, que ae mandaram apromptar pelos machi-
nlstas C. Mu k C. para a cadela da capitil du
Jear, e inteirando-o de haver nesta data aoli-
citado do Exm. presidente d3qutlla proviacia o
l>againeoto da importancia das ditas grades, de-
veudo S. me. as m ni l ir receber e entregar no
arsenal de marinba, a cujo inspector se exprde
ordein, *Am de reinette-las para a mencionada
provincia a priineira opportuoidade. Neste'
sentido "lliciou-je ao referido presidente e ao
dito Inspector.
Dito. Aojuii municipal da primeira vara
de*i,a cidade, remeiteudo a guia com que re-
gresnu do presidio de Feroaudo o preso Anto-
nio Francisco da Costa braga, que se acha a
su* dispuslcoa bordn do patacho firapama,
OIHclou-se ao coinniaudante do mesmo patacho
para pr o ineucionado preso a dispotico do
dito juiz e respondeu ae ao comoiaudaule da-
quelle presidio.
Ou i. A ihesourarla da fazenda provlnclil,
nw.Hiiinrn i.ii i que quando houver de reme-
ter a relaco daa dividas de exercicios flndoa,
a faca acompauhaf dos documentos lelativoa a
divida de Joaqulm Jos Pinto Guimarea.
Dito. A junta de qualiticacao da fregueila
da liti i Vista, aecusando recebida a auiheutica
da revisufeita na lista dos votantes da meama
freguezia em o presente anoo.
IIIKM DU DIA 16.
0fficio.--Ao Exin. bispo diocesano, remet-
iendo por copia o blelo, em que o capello do
presidio de Fernaudo requisita novus Santos
leos para a igr;eja do mtsiuo presidio, afim de
que s. Iwc ae digne da di*r suas ordent no sen
tido de ser satisfeita semelhante requisico.
Dito.--Ao enmmando das armas, recomo.en-
dando a expedico de suas ordena para que no
dia '!'< do corieute, auuiversario do juramento
da chis ituicao do imperio, a tropa de primei-
ra linha em guarulco nesta provincia, reuulda
primeira e segunda legio da guarda nacio-
nal deste municipio, se fui me em parada a ho-
ra e uo lugar do costume sob a dircccao do of-
flcial superior, quem competir o respectivo
coinmando, eprevenindu-o de que a guarni-
co da praca uos dias 24 e 25 diste mez ser
d. __ ii a. "a > I V *"u u" 1'itjt.it uu9 uias *T C M utsic mts, acra
eslacamento de polica existente n'aquella feUa pCio sexto baUlbJo da freguezia do Poco
Ireguezis, e com luzes para o mesmo quar-
tel.
DiloA' Ihesooraria da fazenda provin-
da Pauella.e pelo primelro da legiu deOlinda,
para o que ficam espedidas as convenientes or-
dens.-.Neate sentido expediram-se as ueccssa*
leis re^ul itforas da materia, nloguem poda aer
prvido em taea cadeiraa aem que se teaha au-
jeitado a um concurso ; e consideradlo alada
maia que o suppllcante, por confisao proprla
exarada no requeriiuento, que coin a referida
peticfo submette a consideracSo da casa, est
phyi r: imt-ntr Impossibilltado de preatar o me-
nor servico, he de parecer quese mdefira ae-
melhante preteoco. Sala das comuiisudea, 5
de abril de 1852. Maeitl Monteiro. Correa
de H riti. iqueira Varejdo. <
Na jn n; ii> |nii(.i, que em virtude de reso-
lucao desta asaembla foi prevente ooininiaso
de lostruccao publica, solicita Jauo.-io Altf-
xandriuo da Silva HabelloCaneca, profeaaor de
deaenho uo lyceu desta cidade, ae eleve seu or-
denado a um cont de ris annuaea, bem como
que sedlspeusein do exame da Hogoa nacio-
nal e do pagamento da matricula os individuos
que se quizerem iurterever em aua aula.
Considerando que a aula do supplicinte he
to pouco Trequentada que, segundo cousla do
reldtorio que a pr,e idencla leu nesta aasem-
bla ao intalUr-te a presentesesso, fioo um
anno sen. mu alumno aequer, e que elle por
conseguinte pouco (rabalho tem, heacommis-
io de parecer que se iudelira a 1.a parle da re-
ferida peticao; e como quer quenada ae deve
resolver ceicadas outras aem as precisaa ui-
formafdes da adininistraco da provincia, re*
<|uerque, pelos meios competentes, ae a ouca
arespeito. Sala daa comiuissdea. 5 de ab il de
lj. Mnciel MunUiro. Cortea de Brillo.
Na seguiida parte do officio junto, reme-
tido honiem commisso de lastrucco pu-
blica, pede camra municipal do Llmoeiro
que se crie naquella villa urna cadeira de
primeiras letras para o sexo femlnioo.
n Considerando que nada convem resolver
acerca da creacao de tea cadeiras, emquanto
nao boucer urna escoii normal de ustrucfo
primaria, na qual devidamente se preparem
para o magisterio aa pessoas que qulserem
exerce-Io, he a cummissu de parecer que'fi-
que adiada seuielhame pretenco, para aer
atundtda opcortunamente. 5ala das commis-
itOes 6 de abril de I8. ttaeiei Monteiro,
Correa de tnllo Stqueira Varejdo.
" INa peticao junu, que por deliberado
deaia assembla loi presente a coinmlssao de
instruccao publica, aulicila Jaaquiui Jua de
Carvaliio de dlqueira Varejao a creac.io de um
collegio normal de agricultura, theorlca e
pratica, segundo as basca por elle ofiereclcaa.
Apreciando devidamente oa sentinientoa
patriticos do peticionario, e nao ae negando
a reconhecer aeua louvaveis exforcos pela
prusperidade da industria nacional, he a
cumu>8Stio de parecer que se Indifira sua pre-
tenco ; visto como as (oreas doa cofre da
oi I, para que, avistt do pe n lo que remet- ; "" ordeus,
te e de conformidade Com a aua informaco, 'o.-Ao mesmo, para mandar postar no dia
mame entregar ao tliesour,iro das obras W do corrale em rrcoic da igreja do Scnhor
n.ii.n.. .r.A*i i ... -tl. .00 .Ai dos Mar.yrios urna guarda de honra para aconi*
publicas aquanti. de 3 581,166 r*U, que panhar/(,rocioBd .., Senho'r.
requtttla o respectivo director, para occ.r- uuo.-Ao mesmo, ira......Itundo o requerl-
rer ai J-Spezas andamento poradfiiiuidtrac3o.*-Cummuii- da Agonia pede una guarda de haura para as- que ella liaveria initler para crear e suste n-
C0U-S6 tu ii esirio director. jsisllr ao da 19 do corrate a feau Dito-A'ni-sroa, duendo que, avistados Santo, aflu de que atienda a easa requisito, i comoo concebeuo meaiuo peliciooano. Sala
documenios que devolre. relativos as fallas co,no fjr eoiupaii.elcoui o serviCo, ucaudo cer- das coinial.ses 5 de abril de 1852. i. P.
to de que nesta data se eipeoe ordem ao direc-] aeiet lUonlctro Correa de Brillo Slijuelro
lor do arsenal de guerra para foruecer median- Varrja.
commettidss por alguns etnprega'los d'a
quella retarlicdo no met de fevereiro ulti-
mo, dea du tulo inteiralo, devendo, po-
ri'ni. o praticaate Joio Cesar Cavalcanti jus-
te a coinpeteule indeuiuisacao o cartutaine,
aem balas, que lur pedido para at salvas da so*
bredita fesia. -- |OIBciou-se neste temido ao
inesuio director.
Olio.Aojuit municipal da priineira vara
Uejutgado objecto de deliberaco e man-
dado imprimir o SCguiote i
" A assembla legislativa provincial de Per*
nainbuco decreta:
Art. nico. O subsidio, e ajuda de cutio
dot deputadot provinciaet para a legislatura
bem de i8.'n a l8J&Mero reguladas pela lei pro-
"7 de 3o de abril de 1844.
teiidetB de abril de 1852. JM-
"'; legsdo do llio-Formoso o soldado Umbelino IICO compaliv-l com o seu estado --Remet- ullJ""A0 U"'Ctor das obrts puDIicas, doi, regrettaram esta capital no patacho Hi- lo lirgo. a
10 pracas, que | MiIque, c,rnr jro> que t,m ue 8er julg.do' leo-se igual copia a thesourana de fazenda." .l,rf EiS,dJ'H ,d.?. a.V.'.S. J.f,.'!P"lS '">"""< 0"e "c.nai" a sua ditpo..tao.-Om- j He laulbemapprovada a ultima redaccSo
m fregt,Vfi,n de" Cerina, organlsa-1 vereiro ultimo, no qual M declara htver-S ',?.'" f,"?"".18 J'',' ues,rrtt"yalCi,n,11
cSodae.peciiv.Juntadequalllicaco. I permittido, que o soldado do asilo de n- l'"'- faltas que leve e declaian lo que
1,1. a. no i.i. q 1 valiilna ra riirlra Auliinin lmirn .k, rn O cllffe da r,n ;in ii;.,n llca sempre SI VO O
otoio-j^VL}*^ p ^^r^zzx sass ^^^^^^^^^ **..
Ulen lando a eXpedicSo desdas ordens UO dos corpos do exercito, Para por elle receber pl? ," 'ini,i, i remette, oa uuaet, tendo cainprldd'no pretidio viudal o. ,17
0iricio-Ao coinmando d.s armaa, para qne sentido de ser enviado com b.evidade .0 de- OS respectivos venciotentOS, e fazer O ser- P ^er de justica de Herniado ai penal que fura,., coudemua-' Sala das >
fd?SLL*it?Jl^^ DCO compalivel com o seu estado-Remet- D,tJ* director das obrts publicas, do., regressaramesta cip.t.l no patacho H- lo Rrgo.
&l2%^2rito$^Tf\*m M,,1ues C-meiro, que Um de ser jolg.do leo-se igual copia a thesourana de fazenda." lr..iSm,tt.i,Jo eppi. do aviso da repartido
sin que aufragou a barca sarda llallila, como i "jury d'aquelle termo por crime de homi-1 Dito.-Ao meamo. S'ndo-me pres-rnle o "J '* "',". ?.,e,? ?iin! "7'". """"""a" '"''"""""'"" ""
r.for'to.o destfc.mento que para .11, sgalo. I "dio, segundo delar- o chele de polica no onicio que V. El. dirigi a esta p-csi leticia *"*?*' eutende ndo-*a com o presidente mo patacho.
nn.de .cautelar o eatravio das mercadorisi oincio que remelle por co.da.-Cominuni-, em data de 19 do mez passado, bumpre-me interino do conselho de salubridad.., preste, Relacio a ,,ucse rejer,o ojfmo A cuna.
niufr,K.daS. Cotnn.unicou-te ao iiesmo cou-so ao mes no cliefe de poheis. responder-lhe, que pode V. Ex. mande por 'nfurmacOas e osclareemientus eligidos {o*f.".W *l*<>-
mipsctor.
Dito A' Ihesourarla de fazenda, intelran-
do-a de haver approvado o contrato que, se-
gundo cominunicou o inarechal commandante
das armas, pretende faier e paisano Fernando
da Costa par servir no exercllo por oilo ao-
noi, e recommendando que mande abonar ao
referido paitano, de confoimidade coin aa or-
aros da pretldencia, o premio de l8o000. pro-
posto pelo nusiiio inarechal. Participou-se
este.
Uno v i ursina, trantmiltlndo o avilo de
nina l'ttr.i iu Importancia de200/000, sacada
pela thesouraria da provincia do Rio Grande
doNortesobre a desta, ea favor de Antonio
Jaaquiui Gomes. Participou-te ao Eim. pr-
ndente daquella provincia.
Dito A' meama, para que, i vista de aua
infnrinacao, mande entregar ao cominand.nle
do d '
i!!!ir.b,wlSo ^ i"'"" 1"n"a,! provincia: o que commun
.....OfuDO, importancia do recibo que remette, ___i...._M n
fin. de que pona o met.no commandante oc eu Conhecin.Pi.lO e afim i
vender, aflm de ser convenientemenle cum-
pt no o desposto o n dito aviso.
HiloAo director do arsenal de guerra.
.\i> nt'i lu presidente desla provincia por
carta impeiial de 3 de feverrirn ultimo, to-
ro i huje posse da ,imiinslracio da mesmi
uro a Vine, para
de que me dirija
a correspondencia bfllc al. Iguaes commu-
nicacoes fui,.ni feitas a todos os chefes de
rejarliclo, commandos superiores, juizes
municipaei, de direito, cmaras, etc.
DEM U0 DIA 10.
Ollicio ,\o cnininan lo das armas, para
mandar postar no caes do Collegio amanhSa
as quatro horas da tarde um dos corpos de
primeira linha em gusrnico nesta provin-
cia afim de faer as honras do estilo ao Eiui.
Sr. Viclor de O'tveira, que tem de retirar-
se para a Uahit no briguc-escuoa Olinda,
bem como ordenar que o commandame da
fo ( lr/a ,o lii mu d a silva docoslume na
occssiSo em que o mesmo brigue demandar
a barra. Officiou-se aocommndo do brt-
gue-escuna Legalidad para fazer o brigue
sob seu mando salvar na occasiAo em que o
OHmlu se fizer de vella, e ao inspector do
ars'tial do msiinha para mandar postara
galiota nacional no eses do Collegio s qua-
Iro horas da'tarde.
Ditoo mesmo, remetiendo conia do
>'iidi"sii":o rfd.'^I,0i7';,,d^ | vereiro ul.imo, Uo qual se del ,mi. que
"".tea.nmlssafio'.oelnador. e.n cont- !"> enviados mesma rcparticSo os ter-
inncla de ter S. me. de tomar parte como de- i mos de inspeccao de saude porque passaram
l'UUdo nos tr.balhot da aasemblca legislativa o cabo de esquedra Francisco deUliveirae
"f"ta provincia. Ncsto smtids fi.crain-sc as os suida los Kilicisno Jos dos Santos, Joan
convenientes coinniunk-acAes. I Remigio de Sotiz.i, Mauoel de Sonta e Innu-
"""'--Exonerando, de conformidad* com CUCju Mai-hado, que foram fi-rtdos na mar-
Wica X';, ,clorB'rsl '"""'ff" P- cha domino b.t.lhSo de infanla. it, a q-i.e
" S'?eBrdc ,0'Plor a c',cul.0 '""'J*: pertencem, quando este segua para a 2t?-
n. j tm t.aisnbnna, o bacharel Hodrhro 1" ._ .I .,,.,i, r
'"tor de Albuquerque M.r.uho pvjr "ter de marca do Pao d Alho.
,F'lrar-sedaquella comarca, e neme-ansio para DilOAo meamo, transmtttindo por CO-
o teendo cargo o bacharel Francisco alacha- pia o aviso do minlsteiio da guerra, da 19
sigam oportunamente para
urgencia tulo qutnlo* julgar conveniente, j deslino.
nao s sobre os melhores limites, que, na Eporque muito convenha dar-ae impulso
fima do ait. V" do regulamenlo oe 9 de'a funlacSo delo uttl estabelecimento, pa-
novemhro de 1850, devalara rulonia a seu| receo-mo conveniente recommndar V.
mani, mas tambem acerca das Ierras que Ex. se sirva promover o engajamento de
na circumvisinhanca sepossam aforar OU' maior numero de pracas, que estejam no
fin ae que polla
correr no presente ratz ao pagamento dos ven-
cmentos dos deslacaiuenloa do Liinoeiro e
Aga Preta. Communicnu-seao inarechal.
lto A' mesma, Inteirando-a de baver con-
cedido ao promotor publico da comarca de San-
io Anto, I.uir. Crrela de Queiroz narros, vio-
le dias de licenca com vriicimentopara tratar
ir sua sade. Communicou-se ao juiz dedi-
>eito da mesma coimrca.
Dito Ao director da inatrueco publica,
intelrando-o de haver designado os profrssoies
M instruccao elementar Jos Joaquim Xavier
ira, Antonio Rufino de Andrade Luna e
Jjare Miguel Vlelra de Barros Uarre'-a para
'minadores no conciir.o da segunda cadeira
pninelrai lettrai da cidade de Ollnda.
Olto--Ao chefe de polica, remetiendo por
copla o officio que o ajudante do guarda-mr
oa alf-ndega deata cidade dirigi ao inspector
01 niesina alfandrga, afim de que, a vista do
'u*.'onledo, das precisas providencias para
iUr-,e o eatravio das mercadorias naufraga-
*' dl barca sarda Bolillo, informando a pre-
wencia sobre ludo o que occorrer.
"uo Ao Dr. Joaquim de Aqulm Fonseca,
'Pprovando a dcliberafio que tomou, de pas-
"'" medico deste municipio, Dr. Joio Fer-
dai I
elbo geral de
caso do art, 2 do decreto n. 729 de 9 de no-
vi-nit' o de 1850, com as con lico-.s exprs-
sas i.o aviso da reparticilo da guerra de 31
de Janeiro do anno passado, que foi cornmn-
niesdo ao quartel general em dala de 19 de
fevereiro segutnte. Effactuado o engajamen-
to espero, queV E- me remelta a relacSo
dos engajados, alim de queo oflic al nomea-
do par. o coinmando das Culouias possa s.e-
guir quanlo antes. *
Dito.A thesouraria de fazenda inteiran-
do-a de haver nomeado para examinadores
no concurso, a que se tem de proceder no
dia 15 do crreme, para preenener-se as va-
gas de escfiplurarios que exislem n'a quel-
la Ihesuuraria, a Antonio Pedro do Fi/ueire-
do, Autonio Egidto da Silva, e Joilo Feroaa-
des da Cruz, sendo o 1 em escripia o gratis-
matica da iiiigua nacional, o S* em arith-
melica, e o 3 em principise pratica dees-
cri.iiiir.ic.ii! por partiJaa dobradas.Com-
munico i-so aos noineaJos e ao director do
lyceu.
Dilo. A mesma dizendo que visto uo
haver incoiiv.inieiite em abonar-se confor-
me requisitou o inarechal commandante
das armas, ao capitSo Jos i'li mu i. Gongal-
v -s do ll.itanu a quantia de 1:31)0,000 rs.
para occorrer no presente moz ao pagamen-
to dos vencimentos das pracas da guarda
nacional destacada na comirct deSautoAn-
tio, a aulurisa a man lar entregar ossisom-
ma meJiaute recibo do referido capiUo, a
qual se levar etn coma nos prets, e rela-
css de mos Ira do sobredito destacamen-
to. Communicou-se ao mesmo inarechal
Qjlo.Ao director do lyceo para foruecer
p'ir emprestlmo a ihesouraii. de fatenda,
conforme raquisitou o respectivo inspector,
a pedra ou tabn de fazer clculos, existen-,
te n'a quella lyceo, aliji deservir nos exa-
mes, Aqueta letn de proceder na mesma
thesourarii nos dias 13 e 15 do corrente.
Conriniiiicou-sa ao referido iospector.
Hilo.A thesouraria da fazenda provin-
|irni -.- ir da cadeira de instruccao elemen-
tar do segundo grao no Curato da S a Jos
Ireneo da Silva Santos, que segundo cousla
do termo do concurso, a que se procedeu,
foi ipprovado plenamente.Neste seatidu
lizeram-s as communicacOes do eslylo.
DEM DO DIA 15.
Officio. .Ao inspector da thesouraria de fa-
zenda. IHSo tendo potsfvel considerar os ber-
deiroi de JoSo Ceiae UeaerraGavalcanli.'cnino
senhoret directos do terreno de marinha, em
3ue eat altu.ada a casa vendida a Joo Paulo
e Souza pelos herdeiros de Thereza de Je-
ss, c ao ineimo lempo mje.ltot a tomar um ti-
tulo de aforainento da fazenda nacional,1 nem
tuppor que aquellet herdeiros no caso dse
reconhecerein sujeitos pedir um titulo, a-
chein vantagem eiu recebe-to da lazenda, quan-
do j conseulirain na venda da referida casa,
ein vez de toma-la tanto por tanto, como nc
licito ao seohoriu directo, e poda dar-ae quan-
do os vendedores solicitarain o seu consenli-
inento para a transferencia do dominio que
Ibes pertencia, e parecendo por outro lado evi-
dente que os nerdelroi de Joo Ce.ar Ueierra
Cavalcanti ho de querer cooservar-ae a res-
pelto.do terreno, na mesma poslco, em que
de faci eslava seu sntecestor, o qual figuran-
de aenhorio directo, recelando o.laudemloe
declarando que os vendedores da casa, seut fo-
relroi, ettavain quites quanlo a penso ou foro
.iiMni.i i, vantageos incompativeis coin o reco-
nhrcimenio dodomloio directo da fazenda, e
que nao podem por comeguinte ler lugar,
qAandoo reconhefain e llrem uin titulo de fo-
reiroa da fazenda, lendo tambem inadmissivel
que Juo Paulo de Souza pague foro fatenda
e aoa herdeiros de Joo Cezar, porque ou estei
to tenhore do terreuo, e eolio o comprador
da cata nao precita de outro dtulo alem da et-
crlptur. de compra e venda onde lera inserida
a licenca do lenhorio, cujos herdelrotconti-
nua a pagar a penso J estipulada, ou ae re-
conhecem foreiros da fatenda, e todava a pos-
ee do terreno e o seu duininlo til pasta para
Jalo Paulo, visto estar nelle situada u cas.;
por loda estas conslderacdes nao pode ter lu-
gar o alvitre constante do ollicio dc V. S, de 2.1
de detembro coiu referencia ao de 20 de oulu-
bro de 185i doaegundo tenenle Antonia. Egidiu
da Silva, informando o requeriineuto Incluso
du mesmo Juo Paulo, e cumpre que oa her-
deiros de Joo Cezar Ueierra Cavalcanti sejau.
convidad >s a ea'bibir o titulo pelo qualeuten-
dam perteocer-lbes o terreuo, ssHhreando-ie-
lhei para Uto praso ratoavel; e quando nao o
Vicente Ferreira da Silva.
Joo Carlos da Cunta.
Xoo Jos de \zevedo.
Jos Benedicto.
Mauoel Itcrnardo d'Alcantara.
Joo Roque Jaclntbo.
Joaquim Porfiro da Vista.
Mauoel Frauciaco de Oliveira.
Franciaco Herelra de Araujo,
Joaquim Kodngues Mala ue Uliveira. '
\ iiioniu Fe.uaudcs Rodrigue!.
Custodio Coellio de Azevedo,
Portarla.Mandando dar passagem para o
Marauho por coula do governo no prinielro
vapur que patsar para o uorle a Rayu.uudo
Perpetuo que obleve balita doservifo ilo eaer-
ctto. ^^^ ^__ __
Commando das armas.
Quarlil general na cidade do Rccift 6 de abril
de 1852.
, ordem ou Da a. 81.
Manda o Sr. marechal de campo Aalonio
Cortea Seara com nandaute d.sarmas, fa-
zer publico para os flus convenientes, que
Sua Migeslsde o Imperador houve por bem
determinar por aviso do miuistono da guer-
ra de 22 Je marco prximo linio, que siga
a reuuir-se ao sau respectivo corpo na pro-
vincia Jo CearaoSr. alteros Luix da Fran-
ca do Carvalho, que nesta provincia por
ordem do governo oxerce as funcedes de
ajudante interino da fortaleza de llama-
r.ca.
Candido Leal Ferreira,
Ajudante de ordens encarregadu do detalhe.
PEBMAMBUCO
StS5A i K\\ 6 ni', AHIL Di; 1852.
P'esidencia do Sr. Or Pedro Cavalcanti.
A' ome horasda inanhila, IViti a chamada,
acham-se presente* >Ubn. depuiados.
O Sr. Pretidenle abre a .ea^o.
O Sr. 2. Secretario le a acia da sesso antc-
cf'iU'iiu, que he approvada.
O Sr. 1. Secretario declara nao harer expe-
dienle.
Vao mesa e t2o succeislvaineute approva-
do o* segtllniei pareceres i
a tara poder einiillr pwr.cer acerca das pe-
icdi juulas de Mexandrlna de Lima Albutjuer-
ue e francisco Hereoguer Cezar de Meneies,
professores publico de primelras leluas, este
na poroacao de Natareih do Gabo, e aquella na
fregueiia de Santo Antonio do Recife, em af
,|uaes sqliciuui ambas a grstlficaco de que
trata o artiga 10 da lei de .5 de outuro de
(827, carece a coininissiio de lastrucco publi-
ca ter em vista o regulamenlo provincial de 12
doa arligosaddilivos ao regiment interno da
casa.
ORDEM DU DA.
2 discussao do projeto de orcamento pro-
viucial.
i-.nti i mi discussao o art. 1., c-uja volaco
Dea adiada para o fm da discusso.
Art. f. O presidente da provincia fica aulo-
risado a despoder no esercicio de 1852 a 1853,
conloruie a distribulcao felia nos artigos sc-
guiij)ien a quautia de
Entra ou diKussoo art. 2. e seus $$
Art. i. Com a assembla provincial a saber .
I. Com o subsidio dosseus meiu-
brs em tres inezes de sessao 16:560^000
| 5 2. Com a ajuda de custo para
as vlagens de ida e volta 1:453/0uo
S 3. Com osempregados da secre-
taria 3:4501000
I (4. Com o sxpediente e asselo da
i cata 400/000
5. Com a publlcacao dos trabi-
ll)">. poi* tachigrapbos 4:500/ooo
, Vai a mesa e be apolada a segulnte emeada:
i Suppriiua-se o 6o Manos/ C...- lr-in.
[ O r. \ Reg i Sr. presidente, acom-
panhaado o pensamento do oobre deputado,
autor da emenda, no posso todava votar por
ella: acompanho o penaamento do nobre sle-
pulado, qu.nto a nao ae fazer despea coin a
publlcacao dos trabalhos por tacuygraphos,
mas creio, que nessa rema se acha compre
hendida a despeza com as impreasoes de pro-
jectos e mais Impresses da casa,...
O Sr. Jos Pedro : Nao Sr., he couza dl-
veraa.
O Sr. Meti Reg : Eolito nesse caso voto
pela eineuda.
O Sr. Manoel Cavalcanti l Com quanlo a
emenda que tlve a honra de apresenlar nao
fosse Impugnada, creio coin tudo que ella nao
h'i appruvda....
Un Sr. Diputado : -- Tem consciencia de qne
ella ii.ii) he juila.
Sr. Manoel CavaZcon(: No, nao he li-
so. Alem de ouiroa motivos, cu creio que
so,, bastante para jusncar a emenda, isto
be, para a nao publlcacao dos trabalhos o se-
guidle : u-nuo tido occaslo ( e creiu quequa-
sl todoa os nobres depuiados ) de ver que na
publicaco, ( pelo menos a iiipu respeitu) ha
bastante ineaclldo, porque alem doque eu di-
go aer mal dito, he multo peior irancrlpto; sujei-
uvam-uo, he verdade, mtnha correceo, mas
eu asaentei que o nao devia l'aaer, cr tambem
asiento que nloguem deve co* ngr discursos,
f .xer discursos de novo, f Apoiadoi. )
lia outro motivo ; esta curreccao lie preju-
dicial aos iraalhns da casa porqtle como nos
presenciamos, na occaslio da dlscuasao tnui-
' Sra, depuudos seoccupam a corregir dis-
to s
cursos, nao a to mo, nos todos devemoa estar presentes a
discussao....
Sr. Paes Barrete : K nao ae pode cor.-
rigir ein casa ?
O Orador % --Nem lodos o podem fazer, e
T MUTILADO j


i


,.,.,., til,,,,,. oDWi 3o preferivrl quando 1
diou* "I"0"'0' "le,B "eau$-
<" "a I"0 ol,rl"tfl" "rtu
uj"li.i'- uchygnphoi pelo contnclo, nem
^2S *S*"i.. obng.ta-o d
um redactor toi dbale.
O radar : M >> caio ae lurracclo, no
caso de uina loveno do que e poiiou ha rei-
.,011-; .bllidade para lo?
O Sr. Mil o Higo i ,- lia mullas, mu nunca
je fierein rlfectivai.
O Sr. Mano! CiM.'e : E creio que nun-
ca ae artiii....
uiea. ,.
'Jnior: En digo o mesin que be dlmcll o saber-se ae esta u
nao eaaoio, por Uso eu acho eonrenlenie
er-se eaia 'economa de deipcia: iniibllcl-
dide Ule ; nos lodo* lallainoa qilWeiii pu-
na : a ni
ot aquwe
Islloo, a< uotsas opinin nao ficain ein e-
redo, pelo contrario, com a publici{ao actual
Re que licam ein grado, poique le publica o
que e uo diese, e o que ae Mba, au he o
que le pana na caa, mil o que cada um quli
que ae diitesae.... ,
O l'into dt Cnwpoj : Maa lio lio abusos..
O Orador : Maa he uui faci e por Uio
acho ineihor que le faca eiia economa de
4:500freli. i -
Um Sr. Diputado: Eu nao roto a rivor
porque com atiuioi ae nao argumenta e nao
ae legue que tal, ou tal coua efja ma, l por
e dar abuioi.
f Conliiufir-ji-fto.
DIARIO B PEKNAMBUCO.
EC1FE 7 DE ABRIL DE 852.
X anembla approvou hoje um parecer da
coramisso de priicoea, declinando para a com-
nilsao de obrai publicas a prtlcao > Lula da
.Souto Barbosa; ouiro da comiulsio de orca-
menlo de camarai, pedindo Infurmacde peloi
caad coinpetenlea acerca da pretendo do le-
crelarlo da cmara deOlinda nutro da com-
nitiio de faienda e orfaineulo para que le ou-
a a tbeaouraria acerca da preti-njao de D. Isa-
;
bel Diaria da Conceico; oulro da uieiinacum-
nlsio Indltteriudo a prelenfSo de Jos Miguel
de Lyra outro d* commliaSo de Inuruccio pu-
blica, para que aoja rcmettido ao govemo a pe-
ni.10 de D. Laura Tneren AogclicaJJavalcaui
de Albuquerque, e adiou um da coinroissao de
commerclo e obras publica relativo a peticao
dos habitantes de beberlbe e oulra da commis-
aio de pellffles acerca do requerimento de r ir-
aniano Jos Rodrigues Ferrelra e Antonio trau-
claco Velloio, cm que pedcm, i luesina assem-
bla o aforamento e peni.uta de predios do pa-
trimonio daa orphoi; mandou imprimir um
projecto da couuulsto de iustruc(o public.
creando urna cadeira de latiin na Tilla de Igua-
rass.
Entrando na ordem do da approvou O rti-
cos 8 a 12 do orcamento provincial, ftcaodo
adiado pela hora o artigo i.i. Levautou-se a
ess as 3 l|2 horas da tarde.
Aorur vonoi-u nrsse momento> s-ienoia
dos Escribas,a incrodulidado dosSidducaus,
a cubica dua Publcanos, e a loberba dos
Phonseus Tk
Da eulfio al ao prsenlo o Evigelho
lern levado por toda a parte. O Evangelho
a lavar toa confina dos sculos.
Salve, Arvoro da f 1
Salve, paginas de esperanza !
Embora o implo a o incrdulo zombem
ilesta saulaclo, nos a repetiremos al ao
ultimo momento da vida. ^
A PAIXA'O.
Os dias da PaixSo e da morte do Re lemp-
tor do inundo devem ser dias de dr e de
pranto para toda a ChrUlandade.
Qual he o fllho tBo degenerado, que nSo
consagra algumas lagrimas morie de seo
pai ? e qual he o pal que lanto as merece de
seus (Unos como equrlle que, para os res-
gatsr, verteu por elles todo o seu sanguo
soTrou por ellas a murta mais nlTrontosa ?
. Quilo mudados, porm, estilo entre nos os
lempos a esle respeilo I Onde se ouvem
presentemente os suspiros os ais, que ou -
tr'ora se ouviem em nossos templos, ao re-
cordorem-se os padeciinento do Homem-
Deus? -. j
Apoderou-seum fro glacial do nossos co-
racOes, ou desaniparou-nos a fe.'
A f nSo pode crer-se que ella nos des-
amparasse. A vidaea morte de Jess Chtis-
to, oontam urna serie de acontecmentos
tses, que entre portuguezes nSo pode havor
incredulidado que Ihes resista. NasciJoa-
penis, urna msica celeste velo festejar o
seu nascimento ; os Magos, guiados por
urna estrella, atravessindo os ardentes de-
serlos da Syri, vierara adora-lo. E linda
elle nSo tinna expirado, anda estava pen-
dente da cruz, e jt o sol tinha escondido a
sua face, j as trovas cobriim toda aterra.
Ao expirar, a torra tremeu, as pedras se fcn-
deram, os tmulos se abriram.....
Estes e outros muitos fados vivero em to-
das as tradiefles, eslo consignados em to-
das as historias sagradas e profanis, nas_ do
povo deicida mesmo. Quem duvidar d'el-
las, que cois poder haver.de que nSo du-
vide? QuemsdnAo enternecer ao coman-
moral-as, com que sa enternecer ?
Se nos agora fossamos a Jefusalem, no
veramos menos de dez ou doze mil pere-
grinos, do diversas. nacOes. idorando o Deus
humanisado, nos propnos lugares em que
se operarim os maiores prodigios. Custar-
nos-hia a penetrar na igreja do Sinlo Se-
pulcro, a percorrer via dolorosa, por cau-
sa da mullidSo d'aquelles pereg'inos. Ve-
ramos a matori parto d'elles vettendo la-
grimas, e a sua fe viva animara a nossa ti
bia f.
Mas nem todos podem ir ISo longe ; e 6
chrislianismo, assim como possue em loda
a parte a presenca real do sau divino funda-
dor, em to la a parte tem procurado solem-
Isarns acontecimentos da sua Pililo, du-
lorosi e da sua morte.
Os templos, em que elle estes das est
exposto is nossas adoricOes, sao outras tan-
tas eslacOes a que nos deve levar, nao umi
curiusidade estril, mis urna fervorosa pe-
dide.
Frequentemos estes templos, mis deixe-
istoria ,1o passido e do futuro do Chtisiii- mos as suas portas todas >s lembrancas to-
nismo. E,s aqui o fructo d. uedem, co ca-: dos os cuidados profanos depu. de .do
hilo da irvore do Calvario, e regado pelo rarmos o Deus, que tan lo por nos soffrra.
singue do que lora o prim.iro da lerra.por- transpo'temo-nos ''f'ffJUS\
uu ia er o nrimeiro no Ceo 1 dlm das Olivei.as, ao Pretorio, ao Calvario
qAV^xim..sa?.iora suprema. > ssistamos a OigellacSo, acoro.oao da espi-
O for.gido v por toda a parte o seu trium nhos ios improperios as injur as a c uc,-
. o r r noa3o, a morte d'Aquelle, que nao morre-
p". ,. ria, que nilo paleca'ii, quenodesceria do
Entra em Jerus.lem. 'cuterr-, sernos nBotmaaw Unto.
E a gloria que o carca he o aviso ds sua Que ^(.f lMleinuoho poJi, e,|e j,r.n0,
paixao. > _iii do seu amor, que o Ue lmmolar-se por nos?
mendo SHCnficio, cuino se nao hi-de com- "'V..',..."... o
mover a alma meditando ne-U sceoa ma-
Correspondencias.
Srs. Redactores. Residindoeu nesta co-
marc do Limoeiro, e sendo testemunhi do
compottamenlo que nella leve o honrado
capio Carlos de Moraes Cimisdo, durante
o lempo que commandou o destacamento
que me conflaram os Exrns. presidenta e
commaudante* das armas desta provincia,
nlo me posso dispensar de levar ao conhe-
cimento do respeitavel publico, sem>re
apreciadordoverdadeiro mrito, as boas
qualidades desse distincio militar. Ellesou-
be por til frm maniera paz e tranquilli-
dade nesta comarca ; Iteradas ltimamen-
te em alguna pontos da provincia, que os
bous coniaioJes no c?ss.1o de o louvar. O
procedimenlo do Sr. i:......-;i", como militar
activo e prudente, como excellenlecidadJo,
a docilidade do seu caroct-tr, e as boas ma-
neiras com que sempre tralava ao grande.
A ilmpllcidade he inigestosa c grande como
o Universo.
O sangue he ta precioso, que a por il val
todo u que antea ae havla derramado.
Entre a cru e aspalbas.tque servlrain de ber-
co ao rrcem-aaicldo de aelm da Jud, le ad-
lalrao cuinprlmeiito das propheclas.
Tudo ella enunciado, eo eucceiio eapanla
como ae nao fra previsto.
O Homem-Deoi he apenas o fllho do povo e
j lleiode rere ia, que as adoraedes do tres Ma-
gos, vindoa do Oriente, le troquem as adora-
ces de toda a tetra 1
Anda o descendente de David e de Abrahao
est in volt as inantllha da pobre, e J tre-
me Jrrusslein, pensando na queda do leu
poder!
Ilirolles interroga o'l chefra (las vlnte e qua-
tro familias, que -ri via ni no Templo, e jul-
ga seguro o seu reinado mandando matar lodos
os luiiocemes, que pnssRiu 1er a idade de Jess.
O justo, que pelo amor havla preferido o po-
bre ao rico, fjge dos homens, que logo ao na-
cer tanto amava, para que aa propbeclaa le
cumprlssrrn como estava cicripto.
A' fuga para o Egyplo, srgue-se a morte de
Herodes.
i,'11 indo o Salvador apparece na cldadede Na-
zaielh, o precursor annuncla a sua vlnda pelo!
deierloi da Juda.
De Jeruialm, da Jqda. das margeos do Jor
do, correui todos para ouvir a boa aova: Joan
01 confessa eoabiptlia.
Jess aahe de Uallla, e drpols de baptisada
noJordio, vai para o deserta jejuar quarenta
dias e quarenta noltei.
I'elo baptismo, o Filho de Deo le iguala ao
Ribo do lio me m. Desde ento se aa suas pala-
vraa vem do Co, a sua vida he toda da Ierra.
Como nomein, he tentado pelo eaplrlto do
mal para desistir da grande obrada Redemp-
cSo.
Como Dos, enslna ao mundo urna lingua-
gem nova.
As treva recelara a lu. O erro teme a ver-
da de. a
Ao principio a sua missSo he escarnecida;
depois da exigencia de que mostrease o seu
poder pala onvewSo das palias cm po,
ou poladosciJa do pinculo do lomplo da
cidide Santa, vem a ollerta dos reinos do
mundo e da gloria delles.
Verdadeeterna. Otnalat desejs com-
prar a possibiliJade do bem !
Os reinos que o Justo avislava do alto do
monte hsviain de ser seus pela doutrin,
que o espirito rato nSo queria ver propa-
gada.
Jess indo para Cafaroaura, dah cornaca
pregar a nova le.
A obra do Evangelho principia entilo a
surgir inaravilhosa e respailada.
Nunca na teira sotinlum ouvido precei-
tos mais justos, o une i a virtude haviisido
revelada dessa modo.
lio impiissivel cjnier nestas linhas o que
apenas cabe no mundo e no Evaug-lli >.
A Syna tola se cummove ouviudo a nova
doulnna.
Ofilhodopovo acompanhado de alguns
pobres pescadores annuncia, que sobran-
caira ao inrooo dos res, seergueraa cruz,
que pela sua morte injusta sera transfur-
mada em symbolo da verdaJe eterna, que
pela sua bocea o espirito de Dos proclamo
ao mundo.'
Tres palavras resumem a vida de Jesj
Christo, tres palavras formam o seu testa-
mento.
F, Espennco e Caridade. Eis aqu a
dosos'pela sua retirada. Elles fazem votos ,
ao Elerno pela conservc3o de seus dias.ro-
gsndo-lhe auxilie e forlalega ca la Vez mais '
o seu bratii para defender a lei, a pairia e
ao soberano.
Dignem-se, Srs., Redactores, inserir om
seu dislincloe conceituado jornal.eslas tos-
cas linhas, comoquemuito obrigara, por
coito, a inaior parle dos Limoeirenses, es-
pecialmente ao S'-ti all'eciuoso venerador e
criado
Uarlinho da Silva Cosa.
"ira. Redactores.
Pelo dedo se conhere o gigante, dizla
nossa bisiv inai Mara Rila. Pelo eslylo
/uni ila correspondencia do Diario Novo
n. 48 de-te auno conhecemos nos o amavel
cavalheiro do Uarro-Vermelho, digno ad-
vogado deseu inleresse, e por conseguinte
do hom no me artislico-musical do noss} pa-
tricia vi ja ule em projecto nos aues da
Italia.
O Sr. K. L. fez-nos o especial favor de la-
dear a queslSo, que encetamos no n 71 des-
te Diario para o ridiculo que sem duvtda o
euvolvo. Agradecemo-lo pois assim nos
despensou de descernios a polmica, que
alias nSo tinhamosem mente, com urri con-
tendor que despresando os argumentos e as
boas raiOes, apiesenta-sc em publico escu-
dado com o ridiculo, arma (avonla da ig-
norancia da falla e polidei, e bem con-
digna de sua ma causa.
O Om nico a que se prupoz n Sr. K. I.
lu dar-te em espectculo o publico, e nSo
contestar o que allirmamos relativo a ur-
chestra do theatro de Apollo, e ao sau hi-
hilliisimoe meritorio director, e couio no
queirantos acompanlia-lo em tSo singular
utnpenho, licamos em n3 i dizer sobre o ob-
jecloa mais mnima palavra pela imprensa,
por msis que a isso nos provo i u tu as cho-
csrrices Jo Sr. R. L.; deixan lo-lhe livre o
campodas bulTouerias, no qual po le sempre
que assim lue conveiiha, tratar a voutade,
sem rocoio de que sobro S. S. cavaUue.
______________________________J. C.'
L1TTERATUKA.
A redempcaO.
... atravesiando hoje nesta jornada de
perigrlnos a grande Semana, Monu-
mento mximo da historia do inundo,
deter-noi-hcmos... e soltaremos a nos-
sa vos,
(Artigo escr///o na Revista Uuivcrsal
' Lisbonense peloSr. A. F.tle Castilho, seu
fundador, no Tomo /I. 30. )
Amar e padecer. Eii aqui a vida do Re-
deiuplor.
Da gloria do eu viver, da paiao da la mor-
te, surge a nova le.
O mysterlo da lledctnpca esl escriplo na
primelra paginada nova era, comecada como
naiolmenlo de Jess.
He o malor fasto do mundo.
Ha aeculos, que urna semana serve, para com-
memorar lamanho prodigio, e nessa semana,
um dia he consagrado recordacao da ir gc-
dla do Glgotha.
A vida parece cenar pelas cldadei e aldeas
calhollcas.
O coraefles, como aCrui, le cobrem de lucio.
0 silencio parece annunclar, que se espera
por um grave conteciinent,.
A Igreja symbolisando, em um da, a orphan-
dade, que ha tanto lempo sollreu, exclama por
entre os gemidos da la dr :
Fazel penitencia, porque est prximo o
reino dos Cos
1 Que seriada humanldade, se todos o an-
uos ae no ouviase esta advertencia, perdida pa-
ra algnni, mas aproveltada por multo!?
Meditemos sobre o inysterio, etn quanto a
Igreja o celebra.
aV vida da Jeaui Christo he simples como a
historia dos lempos primitivos. O aeu fltn he
aiinilhante aoi lacrlnciosiangulnolenloi dcstei
lempos, I
ges'osimeule liorrivel!
. i h mi ni mais justo d
do e renegado pelos que
corso, *>o!
.0 oselo da pzo entrega aos que na-
vt a ni pago o preco do su sanguo !
\ j ii,i ira .la ierra ht surprehendida pelas
Iranias dus luini gis da verdade.
Caifia*nSo aclia testemunhas, que juta tu
contra Jess.
E Pililos, vencido pola voz dis turbis, I
que tantos beneficios linham recebido do'
lilhii Je Dos, lava as mSos a vista do povo,'
dizendo : a Eu sou innoceute do sangue
dcste justo 1 a
Os apostlos, que no llortn se hivian a-.
dormecido, desap.aricem agora e o que de
tonga segu o lleslre mais de uina vez o
nega I
he o pidec ment nSo devra ser tSo a-
cerbo, como nunca liouvcra outro, por cer-
to, que os labios de Jess, orvalhidos pelo
suor de sangue, sa nao leriam ai rodado tres
vezes do calix da amargura.
Ntillorlo, como sobre a montanha, o Re-,
ilemptor fui liomem e foi Daos. Mas desde a \
accusi^So, o liomem desapparec-, at que
os doisderradeiros suspiros apagam o ves-
ligio, que anda hivia da oiyslenosa uniSo
do >erh.) Com a liti'iiani la le.
ijuan in o principe dos laeerdoles o ac-
cus, perguiil i mi Tu s o Christo Filho (
de Daos ? S responde Tu o disseste.
Antes da murte ainda Jess soll'ro o oppro-
brio. '
O povo que tinha o direitode soltsr nm
preso em dia de festa, quando Pilotos Ihe
pergunla qualquer que seja sollo, se Cbris-
lo,se Rsrrabs, prezo allantado; responde
Derrabas.
E interrogido sobre a sorte do Redemp-
tor, brida seja crucificado!
Os llllios i- ni io un i ni o i-11 a morte ; ar- |
rastam-noao nretoiio ; despem-no; poem-!
Ihe sobre os hombros um manto vermelho ;
tecem do espinhos a coros, que Ihe poem
sobre a cabeca ; tani-lin- p r sceptro urna
cma; e entre apuposo acclamam Reidos
Judeos! I
NSo contentas com tanta profani(3o dBo
em seu pai, cospem-lhe no rosto, e pagara- '.
Iliossim o sacrificio da urna vida inleira
l.evam-noao Glgotha, dam-lhe a beber
vinho misturado com fl, e perlendem in- [
11-t ni tu ar o proprio singue crucificando seu.
pai entre doisladrdas !
Quandoosque passam, onsullam, elles I
re n ebrios de prazer.
O Co ja nao pode ver tanta profanicSo, e
desde a hora sexta at hora nona os trevas
vBocobriudo a Ierra.
Eos (litios ingratos, aipda no derradei-o
transe, queriim mitigar com vinagre o ul-
tima sede da vida /
II'Vio parlo da cruz olhos que cho'ovam.
Eram do Virgem M3i. Eraos do disoipu-
loamado. Enm de mulheres que foratn
gratas ao Redemptor, que as desllnon paro
milis e pira esposss,
O corpo do (lino de Dos, depois Je cru-
cificido, i* s por um Do se ligava ierra.
Ao olhir angustiado da n.flt, aos gemidos
do discpulo s responde; Mulherj eii-ihi
teu fllho Discpulo, eis-abi la m3i 1
Opaiecimeuto nSo poda ser excedido.
O opprobio nSo podia ir mais ovante.
A ierra tremeu. As pedras partinm-ss.
E Jess, dando um grandobrodo, rendeu
.lores huesas P
Oh esti inJiUerenco, esta insenstbihda-
.amiinilnlin trahi- de, d-pondo muilo contra a nossa roligio,!
a maU cheKr. ao de nao deoem menos contra o nosso ca-
e mais cnegora ao ^^ m} etparejt n urD, anl|g, m-
xima, que seja grato aos homens quem he
ingrato a Daos.
Abril 188. ,
Hiendes Leal.
CHRISTUS REX !
Ei-Io, so Glgotha vai suando em bigss
Oorvalho da agona ;
E pelos rubros labios de con chagos
Siudo o noto dio !
A purpura real leva cingida
P r llena lei'a frontl !
Sobem-no i cruz : despede-se do vida
Ealiberdade apona !
Psrlirom-so os ilgemas neste empenho
A' humonidade inteira ;
He o bordo pedestal, he basteo lenho,
E a purpuro bandeira !
He bindeira que, esplendida, voltea
No pincaro sagra lo;
He o symbolo, o mysterio, a santa ideii
Do mundo resgitado !
\
II.
O espirno
Era a victima da humanldade Mudando
ji da manalo eterna a regenereco da socie-
dado, alcancada com o seu precioso o divino
sangue!
Ave, Christo-Chrlfto rei,
Que no throno da montanhi,
A' custs de dor lamanha
Proclamaste a nova lei.
Foi cumprida, at s metas,'
Apalavra dos prophelas
Pelo mundo penirei.a
Tinlias dito,e nesta scona
Te romleste dura pena :
Ave, CbristoLhristo rei !
Nobro herdeiro de Jud
Acceitasln nessa naranja
Aquella flor deesperauQi,
Que no mundo nSo se d.
Era do co, d'onde veio;
Abrigaste-a no teu aeio
E, para colher-se ja,
Deitaste, no extremo abollo,
Al ao-fundo rasga-lo,
Nobre herdeiro de Juda I
Das rosss de Jerich
Fosto vergontea florido ;
SoflVeste : deixaste o vida
O que era da vida-o p I
as miserias do Calvario
Dever quizaste um sudario
A piedoso, alheio l I
Para ser do mundo a estrella
Murchou-se a rosa mais bella
Das rosas de Jerich.
O signa! da ItedempcSo
Dla no transe suoremo.
Que exemplo !teu brado extremo
Foi um brado de perdflo.
O ferro do crua langa
Ceifou mais urna esperanca
No esgolado eoraclo.
Dosalfoxes o delirio
Fez 'do lenho do martirio
O aigoal da Redemp;9o.
O mundo ji livre he :
Nem hide mais ser rendido;
Porqoe do sanguo vertido
Forte se fiz toda o f;
E ene sanguo espadaado
Do divino, aberto lado
Diz ao mundo fc* espera e er I
Silo s d'mr estes lar;os :
Do mirlyratlos rulos bracos
O mundo ja livre he !
Qne faz, neste holocausto venerando,
Das nir,fl*s o clamor?
Ir no p dosseculos medrando
O verbo do Senhor.
A cruz ser as proras da constancia
Raio d'um novo sol;
E brilhara tus tievas da ignorancia
Como eterno pharol.
E em vBo, cruzan lo o raio, a vaga irada
Vai bater-lhe ao sop :
Como 0 fogo da Vest Tabulada,
Arde o I time da f.
Multiplica-se a crua cobro a cidide,
O campo e a serra agreste ;
Levinta-seonde avulti humanidade :
Noloiro...enocyprestel
Sobe do cilmo i cu pul preclara ;
No universo discorre ;
Peleia e roarena ; morcho e nunca para ;
Padecemas nSo morro I
(Revista 1 niversnl Lisboense.)
A PAIXAFDO REDEMPTOR.
Jeii.r attttm. emUia toce ma-
gua, expiravit.
(S. Marcos cap. >5.)
Depois de Jasus Christo terioffrldo
Dol monslroi qu'o cercavara injurlai mil
E por Judas traidor vendido a* turbal
E negado por Pedro Ingratamente
Para oGolgath caminlta a pasaos firmes.
Maltratado, ferldo, c j ein Torcas
Levar o duro lenho he-lhe linpossivel,
Cahindo a cada paito, quaal inorto.
i -In g i csangue, ao lugar do sacrlcio
Al mus e ps Ibe cravam (cena liorrivel I)
Ouem pode Imaginar seu soll'riraenlo
Nesse lrnce cruel de acerbas dores!
Mai mesmo assim leu pello agonizante
Quer forca de dore e lormeutoi
Itemlr o peccador (bondade extrema 1!!)
Maa antea OV-pirar, o autor da vida
Procura perdoar ieu Iuimigoa,
Implorando do pai perdi p'ra elle.
Qual duro coracao d'beinein era alma,
Que de dor ae nao parla a ver eu Deo
Entre a lanca, entre a crin, e raals tormentoi
Esalar o suspiro derradelro 1
T mesmo o sol parou sua carreira,
E os morios dos sepulchroi resurgirn!,
Odia se toroou medooba noite,
U montes desabaram, e tudo e tudo
N'uiu chaos, medonho chao e transformou
t sobre o madeiro Jess esplrou.a
loaguim Jos Raymundo di Uendonca.
VARIEDADES.
CARTV DO BARA'O DE HIKIRIK.1. EX-DE-
PUrADO, A SU F.SPOS.t A VARONESA Do
MI-MI) TITULO.
1.
Vou dar-lhe grande noticia,
Nollcia mui festrjada I
Temos Bulla daCrusada 1
J o Lusitano povo
Pode comer o seu ovo,
2.
E beber leile de cabra,
E mais da femea vacuin,
Nessrtdias dejejum, _
Que consagrou gott man
Ao raio do bacalho.
3.
A esse grande prllsco,
Que ima vem da Terra Nova ;
Y. que noi d grande sova,
Delxando a cabeca l,
Gastando o reato por c .
4.
O Santo Padre, que tem
O annel do pescador,
Concedeu este favor,
Esta ;r ir i especial
Ao leu caro Portugal. .
5.
Deus te salve, alma pia.
Alma chrlsla sem refolbo !
i traite ao diabo um olbo !
Perdoatte os airaiados,
E evitaste mais peccados.
6.
E tu, grande minislro,
Tu dos ministrla nata.
Que arranjasle a concordata,
bem que seja de passagem
Acceita a iniuna homenagem.
7.
Sim, senhora, o tacto grande,
Poaso dizer colossal.
Salvar assim Potugal
Da estrada do peccado,
E' um faci sublimado.
8.
Em vez de estradas noi deriru
l.ieenva de tu I er OVO.
Felice! todoa o povoa,
Sejam d'aquem, ou d'alem,
Que lio boni governos tem.
Mandarel comprar, senhora,
Logo lgo a inluha bulla.
Eu tintn o vicio da gula ;
Gosto multo d'um piteo
E de loucinlio do cee.
10.
Digo l o que dliserem :
Sem ovos nao ha coslnha.
A1 ovlvera galllnha
Devla crguer-se um padro
Em signal de gratldao.
II.
Erguer estatuas nao vemos
Por esse mundo de Chriato
A bures, que temos visto
Feriis campos aasofar,
Povos cen Incendiar l
12.
E a galllnha que po> ovos,
Sem tr Inda um obeluco I
Confeato, que nao eapisco :
Em portugus, reverendo,
' Ouei dizer que no tnlenato
13.
E' palavra italiana
Do lempo dol Capadlnbos.
Reales anlinaes gordinhol ;
Que as '.'apellas (Reaei
iran tiple, nada mala.
H.
Inda me lembra d'ouvir
O Angeleli cantar.
Quem me dera Inda boje citar
Noa bellos lempos d'enitio,
Nos leupoi queja lvao.
15.
Nee lempos nao grauavam
Cambalas, nem Klolaa.
Minguem fallava as nolai.
em nos bonds: s corrlam
Louras pecas que liniain.
16.
O bom caplto d'Arroioi
Nesaes lempos louraava.
A Cataln! cantava :
Vinha o caaslno e o cb,
E o Londuui do Monroa.
17.
Noai mais mia lam
Sempre de capole, e lenco.
Nlnguem f illava no cenco.
Nem era dlreito elelloral,
E lulraglo univenal.
18.
O Troca alugava bestai,
E segel sem bandeirlnha.
Bavla a celebre raiinAa,
Qne rapava bons loilOei
Ao rebeldes vendilbdM.
10.
."Veise bons dourados laaapoi
Em jornaei nao e fallava.
Portugal e contentava,
Cora Joutquart-' de eaiela,
E coma a iua pela :
20.
Boje, hora, o oruaei,
Pcrarguein de dr a'ilharga1
Seja ruaealrelta, ou larga
On inesmo beccfl^lodecente,
Era jurnaes esbarra a gente !
#21'
Ha joraes grandes, pequeos,
Da polica arinazens.
Outros 'que por tres vlntens
Cada semana nos do
Recreios, illustraco.
22.
Nos anllgo bellos tempoi
Quem gasiava mais papel
Era Josa Daniel,
Que Impingla aos Lisboetas
O Aluiucreve das Pelas.
2.
Ol cegos apreguavam
Mui interessantes obrtnhas.
Reportnos e Folblnhas.
Ou da porta ou d'algibeire,
Do bom Vicenic Ferrelra.
E a Malicia da* Mulheres,
E outras obrai de cuobo,
Indelevel testemunho
Po noso velho saber,
Que era cousa de tremer !
25.
E a reipeilo de Almanacki I
Isio mu, que faz palmar 1
Anda a geule a tropecar
Em Almanucks, e leiu
Tres ouzlai porum violera.
2C.
Deiculpe, senhora mlnha,
l'.sta mui grande inasiada,
Que nao presta para nada.
K' triste recordacao.
Dol lempos que | lvo
27.
Agoaa paasadas, ll.iro.i,
Nao fazem moer nioinho.
J enmprei o maciqi-inho,
Que voiso' encia me otdenou,
E seis pintol me custou.
28.
Vou manda-lo no vapor
Onde os pais da patila vem,
Ma Ihe peco lome bem
Cont nelle, que o animal
Ferra o denle menoa mal.
28.
Qui-Io capar, mas nao pude,
Que o Incln nao consenllu.
Quando preparada viu
Na ifliiiha uni a lacela,
Me fez terrlvcl careta,
30.
Lancou-se a inlin, e ferrou-me
Os denles, que por un tris
Eu ficava sem naris !
lu li ai ai desnarigado !
Orasouutn seu criad.
_______(tiras rinma.)
AS ROAS FbST\S A'~TU MICH.ELA.
Factlili, lia Michiela Quem me honra
em paleos! porem paciencia, qUe h.
muito boa para a vista Todos ni nolTre.
mos os meamos calles, e uinguom poda
dizer desta agua no berei. Eqi,etilr
aconcoad. tiaMiehieii? ""
Gracasa Dos, Mest'O, foisoffrivel; iD0.
breo nflo deia brilhir I mas assim mM.
mo tivemos bacalhso com balitas, boltnhos
de bioilbo, grelos, mendos, nbanadn, e
ligos de com id'e, e a indtspensavel pmg .
enxugoram-se duaa garrafas do choco, qu
me manilaram de presente com o seu -per-
doe o atrevimento.-Ficimos comouns pal
dres. No Qm denos grabas a Dos, eatylo
antigo K levantada o mesa a llittnhi pr'n.
cipiou a dangar com as pequeas ; e coro 0
meu visinho Tiburcio, que he sargento de
velerenos, e que pira a barriga que (C[n
iilfni que se meche, que parece um |'
nota. '
A minho Ritinha queria hir a misti do
gallo, mis o nosso Prelado nSo dnu licen-
(t I NSo houve missa do gallo por causa dos
enconlifles, das apalpadellas, et religua, co-
mo di i tai meu defunto irmSo que f,i.,_
chrislo do S ; e Dos Ihe o3o peca eontis
ero bastante femieiro! 0> claustros di S
q.ueodtgim Elle encubra ossenhoiesco.
negos, e estes sonhores faziam-lhe, a Vita
grossa Elles l se entendam ; poitn que
temos nos com isso I Sui alma, sua pilan,
O inferno, Meslre, nflo se fez pira os ritos]
Porm como Ihe hia conlindo, como i,,
houve missi do gallo os pequeas tirarant o
seu vonlre de miseria a danzar Pulirui
os estopinhis '
A muiha Comadre D. Anlrezo, que est
agora de cima, pois o mirido, aqui pira
nt, he o inaior troca tintas da cidide, velo-
nos fazer companhii, e trouxe cotnsigoo
Milu i litio, que ne folhetinista examinulo, e
tuca rabeca : o joven artista he phylarnto-
ntco honorario, e prendado: Irouxeo ins-
iiiiiiiotiti), o eni.i i, he ndiio seja lieos, tu-
cou-se, iiiineo i-.s-', polkou-se, e wilsou-se
por uina eleruidade I Fot urna noitocheia !
Esquecia-me dizei-lheque houve ptohO.'s
em abundancia.
!'. cuino a Ritinha casa, ou nSo cssa ? A
pequea vai sasouando demais I He verda-
de, Mestre ; a mmlia Ktlinha ja est na tli-
de nubil, e com mais dous, ou tres Abiis es-
t mesmo legal eexaciameule muito liabilt-
lada para conlrahir o sagrado matrimonio.
A pequea nao detxa de ser apetitosa, mas
esta a espera de verse ipjarece olgum bra-
stlero, que se tente, porque ello no gosla
dos nossos. Algum janola que por ah ap-
parece em dispotiibtliilade, olio Ihe faz m-
ranjo : a pequea pucha a coosas,gian les!
quer cilech, parelha, camarote ellectivn;
e desgracadamenle os nossos janutas silo
apenas uns hachareis, cuja banca he no Gui-
ichanl, e no caf Portuense. Desses bone-
'crinhus a hei-de eu livrai se Dos me df
Ivida e saude.
E os seus bacorinhns ? tia Michaela, como
He Vmc. Sr. Mestre pois no ; entre; olhe vflooaseus baconnhos 1 Passam sem nov
dade, Meslre, na sua importante ski ;
mas mu distnquielos ; quando Ihe cheg i
hora do farelloolhe que se nu podetn sof-
fier. Gruuhem que tem diabo.' Ian;am-se
todos maceira, e igors o v-remos. Pare-
cem um bando de cidados loltlicot, dis-
putar quaeshSo-de salvar a patria A pro-
posito da patria, Mestre, que me diz ? cun-
leme alguma cousa ; porque eu eslou aqui
cotonada e nada sci. J nSo leo os pe-
ridicos : anles da regene'afSo tinha quem
mos emprestase, mas perd esse arranji-
ti .o, porque o lal sen'ior, que me fazia a
.rae.i, deu baixa na letra rodonda.
As ih vi lades, lia iltchiela, >lo grandes.
Parto a rainha de lles>ianlia. .Yin Ihe inve-
ja o peltsco, Mestre, ja por c passou. Em
franea, mulla tia, val tudo s mil niaravi-
Ihas : o principe, presidente ds repuplica,
metteu a repblica! na gaveta! mandoua
asseinbla nacional o tahua, metteu-mo os
pas da patria as enxovia, e deu pancada
de ceg nos socialistas, e communista, clarando-se omnipotenti>simo t os fran-
cezes, Mestre, no 1 lie pucharam a- nr i .
Pelo contrario, minha tia, deram-lhe um
lijll de indemnidade / NSo se admire, Mes-
tre, os taes francezinhos sempre forain uiiii-
to ralfles Espere-lhe pela volta.
Em Inglaterra, tia Micha-la, cahio Lord
Palmerstou ; e por isso andam os do direi-
to Divino esfregando as inflo-, e dizem que
neste novo auno temos o Ihrono, e altar i
lar as leis na Europa. Entilo que taes so
estas novidades ? Consoladinho seja no ou-
iro mundo, meu charo Meslre, assim como
consolou a pobre velha. Deixemos rorrer
o mundo, e nada de affligir ; o peior he es-
tar eu ciptilisda licor sem os meus or-
lenodos, que me linham custado a ganhar!
Em quinto a senhora poltica, deixa-la es-
.lemearsua Vonli-let Hoje por bailo, a
nanii.Vi por cima E as nossas cflilesji
irabalham .' por hora, lia Michaela, esli a
folheir os livros linios. Dos Nosso Se-
nhor, Mestre, os ajude, e a nos oSo nos de-
mio ciilii, que se apagou a canieia Esli
casi he sua. Pois ento, venenado tia Mi-
chael, com sua licen(a, aqui me tem is
suas ordens. Ora sente-se, mestre, que ha-
de vir candido. Vmc tamhem mora too
longe foi habitar como se la diz para fra
de villa e ermo I Perdoe a minha conlian-
ca ; que motivo o traz por esta sua casa ? e
depois de urna ausencia t.lo prolongada ? ha
lano lempo que Ihe nlo ponho o lusio !
Eu venho lia Michaela, dar-lite as sabidas
do annu velho, e entradas do novo. Pois o
meslie anda l pelo rtpanco velho anda
segu as velnas costumeiras de nosso pai/ .'
Autigamente, isio he, no t^mpo do meu fal-
lecido conjugo, meu sobre lodos muilo a-
mado, e presa lu marido, era essa a moda,
mas hojo que tudo esta virado do direito pa-
ra o avessu, la me admira. Mestro, deixo
s de antigualhas ; oa*o queira ser fossil, co-
mo hoja so diz por esses taberuaculos pon-
cheantes, e Citar i tiltiles.
Tem Vine, muta raso, tia Michaela : os
nossos velhos costumes v3o perdendo de
muda : hoje j innguein d as boas Teatis a
n.lo seren os emprogalos da alfandega ao
sou chefe os clrigos ao Sr. hispo os
militares ao seu general e os ollliiaes da
senhora justica ao presidente da relacSo '
outrus lempos outras baldas. Antigamen-
te nSo havia freguez, por mais somiligo
que elle fosse, que na ves jera de festo nSo
metlesse ni nt;lo do seu barbetro o seu cru-
zio, ou-pelo menos a plac de doze; boje
ja ninguem cabe nisso.
Pois, mestre, estimo que as tivesse muito
felizes, corpuraes, e espiriluies. As mes-
mas !he apeleco, ta Michiella, em compe-
ndia do Sri. D. Rilinha, das meninas, e dos
bacorinhos. A proposito, e como vai de
saude .' a taboleta, vamos, uo esl m !
mas, se nie no engao, parecj-me que a
vejo mais magra, e algum tanto cadavri-
ca Silo paixrtes talvez pois, minita cara
ta, se sao paixfls, tomo tabaco, e no se
consuma. Eu por mim em apparecendo
cousa me que mcornmode, fa(0-me inglez, e
dou-me bem com a recetta.
Vmc, mestre. Ma com cabeca : bom se
v
que tem um olhinho msis indagador do
lueo olhinho do grande cabo de policio !
he verdade que estou magra, e que se me
coolamas costellas; mas que quer 1 se es-
tivo vai n5o vai. com os pos no prado do re-
pouso Tiveafehre amaiclla, ej o senhor
regedor da parorhia tinlia decretado na sua
secretaria, 2 direcsSo, queme'passem opas-
soporte, com o seu compleme Desleede
assignar tanto quando o meu senhor je-
ss da Pedra me fez o milagro de me dar
mais alguna das de vida para ter hoje o
desgoslo de ser capitallsada Eu eapitilisa-.
da, mestre! eu que Dio dizia mal dogo-
verno nem por pensamento, jolsvras, eo-
hnis! Eu, mestre, que al no leio o peri-
dico dos pobres !
Do mesmo mal me queixo eu, tio Mi-
chaela. Pois que, mestre/ Vmc. tambem
come mesa do orcamento t aposto que he
jurista S eu, desgracada creitun, nun-
ca pude ser jurista '! Tu Michaela, palavra
/es homo nao como ao estado nem urna de
X ; mas nem por isso deijei de ser capita-
lisado por meus peccados. EnlOo como foi
isso, mestre, se nSo he sogredo de gabine-
te, vomite paro ohi o shu negocio.
Eu Ihe cont, tia Mcbael ; um freguez
meu, a quem eu dava excellencia, devia-me
simpare
E IMllUllsaeo !
(Bras Tizara.)
COMMERCIO.
ALFANDEGA.
Kendimento do dia 7.....10:163,9:10
Descarrejam no dia 10 de abril.
Barca ingleza Linda mercadorias.
Barca porlugueza -- Ligeira idem.
Bnguo porlugupz CvnceifaS demaria--
dem.
Birgue inglez -- Oriente idem.
Brigue inglez Carolina bicilho.
Ilrigue amerismo -- Acora familia do
trigo.
CONSULADO GERAL.
Rendimento do dio 1 o 6.
dem do tlia 7 ..... .
16:607,393
1... \i..l
18:136,021
DIVERSAS PROVINCIAS.
Rendimentodo dio 1 o 6.
dem do dio 7
758.11
66,061
790,175
I. xpiirtni.no.
Havre brigue francoz Eloile, do 383 toneln-
ilas, couduzio o seguiote:--2100 saceos con
uiunf 1 ------- a i I talaba vuuuuom v citj,mu+Um-----*
um onno de barba, com seis tosquiadelasde 1050|) arrobas e assucer 210 csacis com
cbelo* guichird ; val sen3o quando faz 1173 ,rr0bas e 20 libras de a
ponto, mas ponto linil com seiicentos dia-
bos Quero dizer, tu Micbaele, deu as tran-
cas evadiu-se I volitisou-se / e uo me pa-
gou'' E que Ihe parece, minho. lia, o lal ra-
llo ? e de mais a miis fazia a barba todos
os dias magros, e gordos 1 e exiga sempre
sa bonete de perfume / e toalha de folhos!
Isto Ka Mensela, isso he que he desgra-
na desgraca fatal, fatilissimo be um che-
que tenivel nos meus fundos 1 o Vmc. oo
menos do-lhe um titulo, e promettem pi-
gar-lne os juros mis eu I eu f'pobre bar-
beiroque gaslet um atina econmico, civil,
e astronmico as inhibas solas que estra-
gue! as 111 i 11 ti a s toalhos de folhos, o de mais
mais engomadas I e as novolhas I e os sa-
honetes! K lifar ssim com carada pedaco
d'asuo, sem oo menos me dar um titulo ;
um devo ao meu barbero fulano Uto
sim, irlo he que he falolidode 1
Vmc, til Michaela, anda ho-de sobar ol-
gum agioto caritativo,e pbylantropico que
com os olhos na eleruidade loe rebato 00
teui recibos mis qual ser o cambista que
me queira deacontor o divido da barbisl
Pniaolbe que as deale patuaco ; e d'oulroai -No du 7, n ao entrou, nem sibio embor
que taca aa davo eu por 80 por cento mesmo oaglo.
Igodo, 5 bar-
ris azette do carrapato.
Baha lliate brasil, iro Santa Cruz, comlu-
Zioo seguiite : 4 guarilas com timpaS
de pipas e mais objtclos, 4 molhos orco de
ferro, t6 volumes e I picote fazeodas, 2 po-
cas de esleir, 32 barricas palo e ehouncis,
9 volumes fazendas.1 oaixa colohetes,3 SiC-
cs cera de Carnauba, 60 etixas vellis, 2
guarilas e 7 barricas de azeile de carr.pa-
4 barricas doce d calda, 3 meias e 5 bsrris
azeite de carrapato, 30 siesos cera de car-
nauba, 3 barricas caximboo. .
pini 1 iil.itia patacho americano Glenroy
de 172 toneladas, con luxio oieguinte :
300 barricas e 2350 soceos com 13974 arro-
bas e 16 libras no asoucar.
RECEBEHIA DE HE.NUAS INTERNAS CE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dio 7..... 207,992
CONSULADO PROVINCIAL.
Renttimonto do dio 7. ". .1:081,939
Movimento do porto.
MUTILADO 1



r*
EDITAES.
escolas do Brasil pelo desembargador Lou-
riuigo J --------- ~,:-----7T T7T ri* depragada Independencia ns. 6 e 8,
..Pe inspectori. d alfani''65" "?,'! clflcq mil ri por c.d.exymplar encider-
ngnodialodocorrente.depoudo r *
di s' "So d" irritar ora baaia P-
E sport-da repartidlo 300 duii.l de
fr.iuOMinoy.ldT do 960.000 re, .b.nJo-
nd. p.-los direitos porE II Wyatt; sen-
n.rrematagaolif re de direitos "'"'
mXdei?.dePern.mbuco 7 de abril de
. "spector interino.
m Bento Jos Farnndes B.rros.
Pelt inspectora da aifandega e faj
nblico no no da 10 Jo correte depon do
E diasahSo de arrematar em bula pu-
hh.apori da reparti, *barrica com
iarrobas a 30 libras de s.rdinhas cora ava-
ri, no valor de 52.700 rs; ahaodunadas
nel'.sdireilos por Antonio Joaqu.m de bou-
Hibeiro, sendo a arremata livre de
direitos aoarroTialante.
iifaudeg do Pernaoibuco 7 de abril de
,* O inspector Interino
Denlo Jos FernandosBerros.
Declaragoes.
Avisos martimos.
*
Para oaH'ivre.
A birc franceza Cdmta Rqger, pretende
siliir al o aia 20 a 35 do correte mez ; .in-
di recebe ilguma cirga e passageiros, para
os quaes lem excellenles commodos.
Para o Rio de Janeiro sabe impreteri-
velmente na prxima semana o brigue bra-
sileiro Rio Ave. Para o resto di carga o es-
" OExm. e Rvm. Sr. blspo dioce.iano.man-
rl/dfCl-rar qoe poden lucrar no domingo
i. sclioa, indulgencia plemni, concedida
D mu san.iJ.de, todas as pessoas que.dis-
S,,,i,, com a conlissflo e communbao visi-
Rrao wrej. >"atr.z de S. Pedro Gongalves
nnacio da missa solemne ilo,mencionado
2Vr,gando a Dos pela taraje c.tliol.ca.
JVn sanUd.de, o por S E*c. Rvma. N.
'na occiiao, por indulto da ;Sei.U ISo.
Sm ,nr 8. BlO. Rvma. a bengBo papal,
comoefoasa conferid, por soa sairtidade.
.. Caitas seguris >" os Srs :IomU-
dido de Carv.lho Medeiros, Jos da lloclla
Paraolios Rodrigd da Costa Carvalh ie Fran
ri.co Nicolao da Roca M nezes
\u ordem do lllm. Sr. diroc or geral
d in.strocc.ilo publica fago sabcr.que S F.IC
Sr presl lente da provincia, allendendo a
r-i s ulteriores, houve por bem marcar o
da 28 do maio prximo para o concurso a
rad-ira de priineiras leiras da .zonda Oran-
de. licando de neobumetTeito o aviso ou
cdilal de .2 da mar?., prximo Pa8,"<0-
Pela subdelegada d. freguezia de S. Ano-
do licite, foi aprehendido uo. cavallo,
.lecoralaza-, a uro hoiBem que andava of-
f,.rereodo-o venda quem se julgar coin
dir-ito ao mesmo cav allo.ompareca na uli-
uelegacia com os signaes, e maia esclareci-
in.nios necessarios, para aer-llie entre-
gue. ________'__________^^
Aluga-se urna gnnde casa torrea rom
orooorcOeapara qoalqur cstahelecimenlo
n. rea Imperial n. %: a tratar na ra de 8.
Gonealln n. a.
Preciaa-se de duas inulheres para ser-
virom em urna o.aa estrangeire de pouea .a-
milia.sendo que urna dellas seja boa engom-
madeira, o ouira coainhe.ra : quem estiver
nealecasn dinja-aea raa do Trapiche Novo
n. 18, primeiro andar. .
Desappareceu bontem as liona.ai
tarde a prela creoula de nome Flori.o. por
appelido Flor.levando vostido de chita azul,
ojlro Oe oambraia com palminha verde, e
panno fino preto com relo, lem os signaes
seguinlea : majira, de estatura regular, ps
THEATRO
DE
S. IZABEL.
TfcRV
8,000
10.000.
8.000
4,01.0
2,000.
DOMINGO, II DK ABIHL lB 1852,
LUCAllll PitlMElKO
Grande baile de mascaras.
A's81|2horns precisas, a orcheslra exe-
culara urna brilhante ouverlura, finda a
qual o meslro sala dar signal para o come-
codo baile. As quadr.lima serSo interv.la-
d.ssmente com dez minutos da descanso.
Obailotermina>aBS 2 hnra da madrugada.
l'rrcos j esabtlevidos.
Primni'a orileui con. 4 eutradas
Segunda dita
Te caifa dita
Quarta dila com 2 entradas
ntrala geral
A snnhoras que se apresent.rem masca
radas lei3 i enlrada K|a"*
Os b.lnet-'s desde ja sUo venda no lu-
gar do co.stume.
Tlinillll DE APOLLO.
RECITA EXTKAORDI.NAHIA.
EM rAVOR DO ARTISTA DRAMTICO
Francisco de -Salles Guimaraes e
Cunlia.
QUARTA FEIRA, I 4 DE ABRIL DE I 85l
Depois de una nova ouverlura exeruta la
pela orebestra, sob a directo do hbil pro-
lessoroSr. Pedro Nolasco Ba,.tUte, subir
scena o cxcellente drama ehi 4 actos
Joanna de K landres.
Seguir-se-ha urna jocosa Pnr^a, denoisda
qual a senbora D.Carolina e o Sr. Guima-
raes em caricato] c mtar.l i o mu.to applau-
dido duelo,
UMA licaO HE MUZICA
ou
Jiravas, meu bem, est de Iremer.
No fim do drama o artista, em cojo pro-
veilo se da esta lecila, i' pelos camarotes
recebrr a iuiflo, que Ihequizerem dar.
U actor Gui maraes, con ti ainda esta vez
encontrar a benevolencia e protec3o de que
o publico Ibe lem dado tantas pruvaa.
Publicaca5 litteraria.
AOS* ACADMICOS.
0 cdigo penal do Imperio do Brasil, com
or-s.TVafrtes sobre alguns de seus artigos
pelo llr. Mnool Mendos da Cunta Azevedo.
Esta-ae acabando de imprimir a obra cima
aununciaJa, Faltando nicamente notar tres
uu quatro artigos, os quaes logo que o au-
tor so restabtdrca sor3o impressos. Itece-
bew-so as tssignatiiras na. livraria .da es-
quina do Dollegio a 5,000 rs. cada exemplar
pagos na occisio da entrega.
ELEMENTOS
DI
Homaopatkta.
Sahio a luz a segunda parle desta obra
composta polo professor homceopalha Gos-
set Uimonl. Rccebem-se asaignaturas para
a obia inteira a t,000 rs., no consultorio
liomceopatiiicoda ra das Cruzes n. 28. De-
pois da publicaf 3o da terceira parle, o pre-
(osera elevado a 8,000 rs. para aquellos
que ii3o tiverem asMgnado. No mesmo ron-
suliono, acha-ae a veoda ludo quanto he
'mcessario para o estuloe a platica da ho-
inrfupathia, como seja : livros impressos
para Misionas de doenles. regimrns apro-
priados para a provincia de Pernao.buco, e
encarreua-s e de mandar fornecer.qualquer
cncoinmomia do medicamentos homceopa-
thicos, tanto avulsos como em caixas, em
glbulos como em tinturas.
No prelo : Vaihugmeiia dos mediosmen-
tus brasileiros.
Elementos de anatoma e phiiiologta com ea-
taeipss, paraos curiosos em bomoeopathtt.
Roga-se aos seohores asgignantesoob-
' |iiio de mandar receber seus exempl.-
res no consoltrvio bomceopalbico da ru>
das i.ruzes n. 28.
TftATAJUEHTO H031EO-
PATU1GU.
D18 MOLESTIAS VENESE18,
e conselhos aos doeoiea para se curarem ,
si Die.Miio, seo precisarem de medico,
pelo professor bomceopatha
Gotiet- Bimont.
Sahio a luz e aoba-se a venda no consul-
torio homceopathico da roa daa Cruzes n.
28. pelo pre^o de 1,00t ra.
Historia Universal
Resumida para oso das escolas communs
dos Estados-Uoidos da America do norte
por Pedro Porley, iraduxida para uao das
*9W9W
Lourenco Feroandes do Carino : q
mesmo quizer earregar ou ir de passagem
pode iratar com o retando capilBo,na pra-
Ct ou com seu consignatario Antonio Joa-
quini de Souza Ribeiro.
-- Para o Ro de Janeiro, segu com a
matar brevidado a galiola S. Tnndade'i re-
cebe carga, passageiros e es?ravos, tendo
para ludo bonscommodos: trata-se na ra
do Vigario,escriptoiio n. 11, primeiro an-
dar, ou com o capilBo Maia.
Para Lisboa cum toda a brevidade.a bar-
ca portugueza Mara Jos.de qual he capillo
Jos Ferreira Lessa : lem a m.ior parle da
carga pronpta para o resto ou passageiros
fala-se com os seu consignatarios Francisco
Severiano Rabello & Filho: ou com o capiao
na prafa do commercio.
Paia afidhia.
Segu com a maior brevi lude possivel a vo-
leira e bem conheoida escuna brailoira Ade-
laida : quem nella qulter earregar dirija-se
a ra do Trapiche Nova n. 16, segundo an-
dar, ou na ra da Cad'eia do Recite n. 23.
-- Para o Aracaly pretende seguir viag m
nestes 15dias o niateCapibarlbe,mestre An-
tonio Jos Vianna por ]a ter a maior parte
da carga ; para o resto ou passageiros trata-
se na ra do Vigario n, 5.
Para o Ceara sabe com muita brevida-
de por ler parte da carga prompta a sumara
brasileira Flur da Aiigehm forrada e prega-
da de cobre, BMalrO Bernardo de Souza :
quem na mesma quizer earregar ou ir de
passagem pode entender-se cum o mesmo
meatre ou com o consignatario Luiz Jua de
Sa a-,mi i, na ruada Cruz n. 33.
A barca? Flor do Dia recebo carga pa-
ra lodos os portos do No> le,t o Ass;quem
quizer dinjie a r.u da Cadeia do R cife
loja n. 43, ou ao mestre noto l-< do Mallo
Para n ttio dtr Janeiro sabe
no dia II do corrate o brigue
brasileiro S gitano ; aiuda recebe
carga, passageiros e escravos a lre-
le: ira a-se na ra do Collegio n.
17, segundo andar, ou com o ca-
(lilao Joo de Dos Percira.
Fren -m' para os portos do sul al M-
c-ii a baica^a 2." Feliz Ventura de luie 45
caixas : a tratar na la da l'raia n. 15. ou
com o mestre da mesma Heniiqoe Luiz dos
Passos, no caes >!o llamos.
-- Vende-sb o brinue brasileiro Audaz da
lote de 201 toneladas, forrado e ancavilhado
de cobre, de cunsirucclo americana, prom-
to de I0J0 o aparelbo, e mal! necessarios pa-
ra navegar a qualquer destino, tendo urna
boa lincha, e bol.); quem o piotendor pu-
le mandar examina-lo no ancoralouro de
descarga de carne secca e para ajust
* ra da Cruz n. 3, com Aiuorim
nlo.
me dos Santos Sazes, que se recompensara
bem. .
Na ra de llorlaa, na loja do sobrado
o. 70, lava-se e ennomma-se com prompti-
dao e selo, mais barato do que em oulra
qualquer parte.
Attencao,
O Sr. Manoel Antonio da Silva Amorim.no
annuncio que acaba de faztr contia os seos
socios convida aos credores da firma de sil-
va Amorim iiCompanhia, aflm de se ciri-
vencerem da verdade.se dirijam a dita venua
para examinarem o Iralado social; este con
vile be urna esprtela alias do moita sus-
peita e doscoohanc.a ; porqoe o convite de-
fia e deve aer feiio para oa credores eximi-
oarein os fundos da casa, o estado do ne-
gocio e o resultaJo dos interesses qu-f a
mesma lem proJuzdo; islo sim. ho oque
querem ver os sucios, he o que o Sr Amo-
rim nao tom querido nem quer legalmenle
mostrar, cujaa acc'io e repugnaucia, nao
mostra milito boa f, que d lugarasus-
peucSu pelo diario aiinmiciada.
--Desappareceu no dja 6 do crrante o e-
cravo ciioulo de nome Policarpo desegiiin-
les signaos: estatura pooeo baixa. grosio do
corpo, mana grossis, ps grao les, e cu >tos,
lem urna pequea falta d > cabello no alto da
Cabeca proveniuto da earregar peso, pouca
barba'noquelxo, algumas espiuhas pela ca-
ra, e quaudo falla mostra os dente 1 pouca
cousa, tenJo-os perfailos reoresnta ler 28
a 30 anuos do idade, he mui.o limado,
e lem uiuila proas que he capaz de il-
ludir a qualquer 'peaao'i levuU oaaiia |
Bilhetes 2a,ooo
Mejos 11,000
Quaitos 5,5oo
avos ^^ a,800
Vigsimos i,3oo
Semana Santa.
Os irmSos das irmanda les de Nossa Se-
nhora da Conceif3o e do Divino Espirito
Sanio, su o Convida los a assislir a todos os
actos da semana Santa na rospecllva igreja,
o a acompanfiarem aaprocissdas, dos foga-
reoa, enterro e ressurreicao, l-u lo aaduas
ultimas de percorrer as ruaa Nova, Cabuga,
Cruzes, 1; .itrio, Collegio, Queimado, l.ivra-
mento, Direila, dorias, drmo, Caitiboa e
Flores, a cujos moradores se roga deman-
daren) lim ja-las, pois do contrario ellas to-
niarSo a diregaoque sejulgar conveniente.
~ Precisa se de urna ama que tenha leile
para apa bar de criar urna menina : na ra do
Paire FlQriano o. 29.
-- Quem precisar de um peo de bandeira
para algum consulado dirija-se a ra do Vi-
gario 11. 10, loja de pintor. Na mes i.a pro-
cisa-ae de urna imagem de N. S. das Naves,
urna dita de N. S. da Conceicao, urna dita>dc
S>nta l.uza; todaa que leoham um palmo
punco mais ou menos ; e compra-se um vio-
lo > que lenha boas vozes e estoja em bom
estado: na ra do Vigario n. 10.
D. U.nbelina Wanderloy Peixoto, pro-
fessora de primeiras letras e bordados, resi-
dente no seguodo andar do edificio n. 14 da
rea da Cadeia de Santo Antonio, contina
a receber alumnas internas e externas.
-- Apromptam se todas as qualiJades de
costuras, laberintos, bordados de seda e de
inatiz,loncosde relroz, tapetinfios para lae-
i".na o candieiro fraocciz, ludo por prego
multo coiiimodo : na ra .la Cadeia de Santo
Amonio, segundo an lar do sobrado n. 14.
O abaixo assigoado, n3o sahenJo que ma-
110 1 s mais empreguo para obler da alguns
senlior.s as quaulias que Ibe deven-i, roga-
Ihes novamenle por meio d^ste, o favor de
Ibe iiagaroin at o li n do corrente mez, do
contrario ver se-ha na |ir iimu de recorrer
a ineos de quo bem contra sua vonlade usa-
r para obler ser pago.
Anio no Jos Moreira Pontea.
-- Prccisa-se do um ou dous escravos pa-
ra trabalhar n'um sitio : na ra do Cabuga
loja do Sr. Iluarle se dir quem precisa.
A pessoa que Iho fallar urna charuleira
"111 um cliaruio dentro e mais pe lencos
dirija-se a ra Direila u. 16.
Guilherme Augusto Rodrigues Sctte,
Ir-
Leilau.
-- II. II. Sevift, lendo-se retirado p^ra Eo-
ropa, orde..ou previamente ao corretor Oli-
ira, o lailAo da niubilia da sua casa de
camno, a rr or parle nova e com pouco uso,
lauto ile Jacaranda, como de amarello, e
Je algodao ,- calcas de riscado de i|u i-ii o, i,. i,, ^.-nt.- neces-ida e do u a Eu'o.a
e cbapoo de palha, suep -so andar p>ra as ,., cuosequencia da recente falleciinentode
bandas dos Afogados, por ser a estrada en M, .,,,, declara que durante a sua ausencia
que est mais deslro, ou pelas ras e escun- (quesera muicoMa) deixa na a Iminisliacao
Jrijos dasles qualro bairros : roga-se a lo la ,|e gua casa, como seus procuradores, em
a autoridade policial, ou pessoa particular primeiro lugr a sua mulher I). Auna Joa-
quo preoder,lva-lo ao seusenhor: na la ||u|ua de Mello Carioca, e em. segundo aos
da Penha n. 23, segundo an lar que pagara |0US amigos e primos Miguel Jos Alv
toda a despeza e gratificara g 'ii/'io-ii- i:u>to 110 Jos de ('. iv.IIio Coi oarfles. O
mente. nuncianle aproveita a'occsiao para f.zer
fieiouterias. 'publico que nada deve absolutamente, nem
. .. J.qui, nem em p ac alguma ; quer pursi s,
Kalkmann Irmilos ra da Cruz n. 10. roce-, f |o 9eu CMa, 01| 8ea d0 cuntas al)ll.
ber.m pelo uliimo vapor inglez um novo 1(| moJeril,s. I)ec|,r, a,ai8 qu8 n3o
soitnnento de obras de ouro o mais bello .nitle litu|0 a)|(unl filoso a que oannon-
que lem vindo aqu como sejam muiros o cijn(e QU 3i(U CMa, s,,jam oBrg,j0!(ip0r |0r.
meios aderecos, brincos, allinete, o braco- mi B, ma_ 4cns,deiar-se algue.n pr-judi-
letes com perolas, e san ellas do tolas ascs)o com -w 09lu cimSi Ueve declarar
aoalidadns, boldes para camisa, o coleta, por pgla fo|h, 0 pmso de8 das.
Na ra daa Agoai-Verdea, sobrado de
om andar n. 14, d8o-se boloa deveodagem
a80rs. a pataoaj bem comoarmam-ae Dan-
dejaacom muilo guato, por prego maia em
conta do que em ouira qualquer parte.
-- Precisa -ib de offlciaes de latoeiro ni
ra Nova n. 38.
A pesaoa, que annunciou por osle jor-
nal, querer comerar um diccionario de pro-
nuncia por Walker: pJe-se dirigir a ra da
Gloria n. 81.
J. Robert e sua familia reliram-se para
fra da provincia.
Jnio Alves de Souza, subdito portu-
guez, vai a Europa.
Aviso.
Cliegou ltimamente da Europa o muito
auperior espirito extrahido do vinbo, e pela
SUa 11; lima qil.i I idade .-(' torna III 01 lo i ercioi-
mendado tanto para conceller os meamos,
romo lamben) para marcineiros e botica-
rios. O prego 11B0 desagrada: na ra Direita
n. 17.
Precsa-se de uma mtilber
forra, que queira acompanhar urna
familia pequea em servico, para
uma das provincias do Norte, alfi-
ancando a sua conducta : a tratar
iic 11 typographia, ou no Hospi-
cio, piimeiro sobrado depois do
quartel, nlVerecem-se boas condi-
9fies no ajuste.
Instrurc&o publica.
Oestabeleciaiento de i o.-lrcelo elemen-
tar do atierro da lloa-Vista n. S dirigido por
Jos Xivier Faustino Ramos conlinua regu-
larmente em seus exTCicios. -e leudo sido
augmentado com as caieiras de francez e
llngoi nacional dirigidla pelo Sr. Jos Ber-
nardinn do Souza Peixe devnlauonle auclo
rilado por S,' Ex. o Sr. presidente da pro-
vincia, continua t-mbem a recebar alum-
nos para est s disciplinas e para in>trurcao
elementar, no ensiuo oas quaes sei3o e.n-
pregados lo lo o zelo e esmero.
Permutarn-se 3 pequeas casas terreas
110 Rio Form.no, por uma nesta ciliado uu
em seus arrabal les, lecebon lo-ae ou pagan-
do-so o excelenle que possa haver; etam-
bein se veiidom pur pre(o acomuJadu : na
ra da Cruz n. :it
As pesaoas que oinrla devem
ciint '..s, na loja di ra Nova, que
foi do liuado Jos Pinto da r'onse-
ca e Silva, s3o rogadas a satisfue-
rem os seus dbitos, em cata de J.
Keller & Companhin, na ruada
Cnun. 55, como liquiditarios da
dita I ) 1 : isto at o fim do corren-
te mez, a n3oquererem passar pe-
lo desgosto de verem seus nomes
publicad s neste Diaria.
Roga-se aos Srs. Manoe
Cadas Barreto, Francisco Xavier
iJarneiro 'la Cunba Campello, e
Ji* de Mello Cesar de Andrade,
o ob equio de appareccrem na loja
n 6 da roa di Cadeia do llccile,
que sa Ibes de-eja (aliar,
Ocatttelita Salustiano de A-
quino Ferreira, avisa ao respeita-
vel publico, que as suas cautelase
corradles para r.dogioranneis, canelas, com .. ^^cjg,.,,, de uina ama para serVico in
lipis e pennas d ouru.dedaes, vollase bro- tl)rno de un)a A||. nQ alprr0 it Boa.Vrst>
quinhos de coros, viJioe ouro proprio para l75
eninas. .... _,.' -- Precisa-se de uma mulher forra ou cap-
-- Desappareceu no1 da 4 do correle om liva qlle 8a4bl bem engemmar ecosiobar,
preto de nome Salvador o qual tom os .jg- pB\ma cTg, de pouca familia : na ra do
naes seguimos: cor preta abura, e corpo CreS|10 I0, primeiro andar,
recular, tem no la ludo rosto esquerdo.inua __' p^,.^,.,,, ,|ygar urna casa que lenhal I,:!!,"., .0 [._. .)o il.e.lro
r^%rrdoXr^^ .ij*-.- ^ ^ ..oe,po.-
dar, que se,a bem recompensado. tann.ca, s-gue para Inglaterra com sua mu-, tos nicamente a Venda, na pra-
l,m4den,.rSodocu:rete anno, de-: ||)er e h||lo meil0rMi naJai nM0. CJ da | iependencia, loja de cal-
' is do gua firma so-
praga Fox Urotliers ao Sr.
mala utencllioa inherentes e necessarios pa-
ra a continuadlo do acamo eslabelecimen-
to, e nlo ha uuvida de ae Tazar todo e qual-
quer negocio : a Iratar no aterro da Boa-
Viata n 43, primeiro andar.-
l'reciaa-ae de uma ama desompedida
rara casa de uo-a familia fra da eidade :
quemquuer appareca ni rta da Guia n. 64.
-- Quera quizer negociar tres ricoa ro-
quetes crespos de cambraia de linho, diri-
ja-so ao pateo do Carmo, sobrado de um an-
dar, por cima da botica, daa 6 as 8 da ma-
nhaa, ou daa 5 da tarde em diaute.
Botica homnpathica. |
28 RA DAS CKUZES 28,
Dirigida por um pharmaetutico 2
ai>provado. ^l
Este estabelec ment posaue todoa -4f
os medicamentos al agora experi- !
mentados, tanto na Europa cuno no ^
lira-ii, e preparados pelas macbioaa *
J da infn^ao do Dr. Mure.
PRECOS.
,-f das cari/iras homoputhicis. 2
> Emcarteiraa de 19 tubus grande* 12/ *
> 24 t < 20/
24 pequeos 15/ 4K
Tubos escolhidos (cada um) 1/ <>
Tinturas de melicamentos em'
frascos de t|9onca (cada um] 27 *|
Ha maia, ilem deat-s, outras muitaa 2
caixas com (lobatos e tinturas por 2
prefbs variavels, conforme o tama- ^
nho ea qualidade daa caixas, lia
quanlidade dos remedios e aaauaa u ii.ioi's.coe,, etc. 4
AVIAO-SE GIIATUITAMF.N'Mt *" ."
pa os pobres, todas 8 receitss qu 2
para a I i mandar quslquer prufesaur. 2
finturaria franceza
No aterro da Boa-Vista n. 17, tingem-se to-
da e qualquer fazenda, seda, la, algodoe
Imiio, tanto em ubra comoem pe(a, e com
muilo aceio ; asaim como se limpam casa-
cas e oulra qualquer roopa do panno que ti-
ver nodoas, pondo-se como novas e por pre-
ces moitoc 'Mmenlos.
r- Aluga-se um arinaiein, 011 cala larrea na.
ruaa leguinle.: travesa da Madre de Deoa, A-
iiKii un, Moda, L*ppa,ou Guala; afallar nolar-
gu da .-...111I1I,. d. .
=*
>
->
>
*
a>
>

i*

Compras.
consistinduemsofa, cadeirasusuaes.de lia- regular, e reforca 10 do corpo: roga-se
cic.trizq.ie bem parece sor queunadur. .lo boa g8|, em alguma"das ras s.-giimlea pa- j-""" ,
ita Nova nes-j de S. redro de Alcntara, e dt o.
'ti tjrpographia se dir quem 1
'] Edw.rdH. J. Fox subditi
de
sap|)8ieCfUdo engonho Primavera an co-v -. .- .
m..cad.N...re.hV.escr.o. relo, creou.)qrJa^ ,3 e l5, do Arantes, C
lo, do nome Sevenno, de idade i ou menos 22 annos. bastante fulo, e quand
anda arqueia as pernas para lora, estatura
Precisa se de 1 ou 3 escra-
vos crioulos: quem quizer vender,
diriji-se a ra do Trapiche n. 36,
segundo andar.
--Compram-se para fora da provincia i
escravascrenutasou pardas, de Ha 14anno
com boas figuras, pagam-se bem: na ra
.Nova n. 16.
Compra-se um preto que seja bom bar
b.'iro, e sangrador, pa-a fora da provincia,
sendo bom se pagar bem : na praca do
Commercio n. esuriptorio de Manoel Igoa-
co de Oliveire.
Compram-se escravos de ambos oa se-
xos de i lade de 6 a25auuos, p.ga-ae bem :
111 1111 das 1.arangenna n. 14.
Compra-se uid escravo moco bolieiro,
oa ra da Cruz do Recife n. 40, primeiro an-
dar, na mesuii casa aluga-se um andar de
sobrado em qualquer ra que tenba quin-
tal, ou mes o., casa terrea.
Compra-ae urna bomba para cacimba
em segunda nulo, porin que esteja em bom
estido: quem liver anuuucie oudiiija-sea
Cocbeira da ra da Florentina
Compram-pe 2 prelo de naQao, robus-
tos e possantes : na ra estrella do Rozario,
travessa para o yin-una lo n. 39 A.
Compram-se escravos de ambos os ie-
xns, de 15 a 30 nnos de idade pira migo-
nho, dan lo-ae preferencia aos de Angola: no
armazem da ra Nova 11. 67.
o7urbfc
rua da Cadeia do Hecife n. 46,
lanco o do bracos, ditas de jigo, ditas d
sola, commolas, aparadores, misas de jan-
lar, guarda-loo^a, lavatorios, mesas para
cngominar, cimas, toucadorea, ospolhos,
lanternas, candieiros de globo, apparelho
le cha, dito de mesa, galbeleiros, compo-
teiras, garrafas, copos, esleir de forro
treui de rozinha, uma carroca com arreios
para cavallo a muitos outros artigos uteis :
lera pois lugar dito I. il.io na segunda-feira,
12 do corrente, as lo horas a manbaa ,
principiando pelo trem de cozinha, n casa
dentro do sitio do Sr.Elias Usptista da Silva,
na ostrada do Arr.ial, com entrada pela d
Ouz de .v ni-.-, contiguo e immediato ao
sitio do sr. visconde deLoures Angelo Fran-
cisco Carneiro.
Avisos diversos.
0 ahaixo .asignado, socio geren'e da
firma Silva Amorim lecida na taberna da rua larga do Rozarlo
o. 9, por contrato particular celebra lo em
23 de selembro de 1851 para vigorar por es-
paco de 3 anuos, scieolifica ao respeitavel
publico o com especialidade aos credores
la referida (Irma, que mnlium caso deveo
fazer do annuncio publicado no a Diario de
Pernsmbucu de bontem 6 do corrent', as-
signado por Joaquim Duarte Pinto o Silva e
Francisco Antonio de Carvalho Siqueira;
porque a 11B0 esiarem is ditos aniiunciantra
lira de suas facoldades intelectuaes,be es-o
annuncio o parto da mais requintada m fe,
e para os Srs. credures se cunvencerem da
verdade, pudem dinglr-se a mcama taber-
na examinar o contrato social: assiro co-
111.1 roga au Sr. Jos loaquim da Silva Go-
mes que se deixe de andar insuliandu-o,
queraudo fechar as portas do estabeleci-
meulo por auloiidade pio.ria, -omento por
se dizer procurador do sucio Silva, alim de
>iueseevitem eleitos e desgoslos, eapecial-
nienle para S. S
Manoel Antonio da Silva Amorim.
Previne-so ao Sr thesoureiro da lotei ia
de N. S. du Livramentu para que nao pague
qu-lquer premio que possa sabir no meio
bilheie de n. 753,taiao n. 7 da segunda quar-
la 1 ai I- da quinla luleria concedida a lavur
daa obras da igreja da mesma senbora, pois
eate I.Hielo pe Unce seu legitimo donu
Jorge Ferreira de Nojoza, e Ibe fui rouba lo,
pnristuse fz eata prevencao para que nBu
seja pago scnlo a sei legitimo dono.
Aluga-se o torceiro andar da casada
rua do Amorim n. 46: a Iratar na rua da
Cadeia do Recife n. 18
Acna-se josla compra d. casa de 1
andar e autao Ja rua da Lapa n. 3 ; se ouver
quem se^>osidere com dirito a ella, quei-
ra anounciar por eate jornal no praaodes
das.
-- Um escravo do coronel Chaby,indo la-
var um cavallo achou 110 riacho que corre
por bal 10 da ponte da rua da Aurora,uma
colher de soupa de prata: a quem ella fal-
tar aprsenle oulra igual em Casa do dito
corooel, que i vista da que ae afbou ae co-
nbeceri a quem pertence, vislo que tom aig-
naea que devem combinar cum as maia.
Roga-se aoaSra. que devem na Ioj.de
alfaiafe na rna Nova n. 14, desde o anno de
1848 af 1851 que bajam de f ir pagar no pra -
so de 15 das, do contrario ter So de ver os
seus nomes por extenso neste jornal.
autoridades policiaes e capia.'S do campo
de o aprobender e levar 110 oiesme engenbo
ou nesta prac.a a Manoel Ig.ltCio de Oli-
veira.
-- Jos Mondes de Oliveira, embarca para
o Rio do Janeiro.
AttencSo.
Desappareceu no dia 6 do cor-
rente, um cachorrinbo rafeiro, de
raca ingleza, muito novo, d pelo
nome mulambo, tendo os signaes
seguiutes : cor preta peito
branco, pese focinbo cor de rap,
com uma mam branca no pesco-
co, urna das maos um tanto tor-
- Onem livor cn-rentes1 para relo^io, o l0ja de mudezas de Jos Fortuna-
quizer ven 1er som fetiu, iimja-se a rua do ..
brum n. 26, quo sendo de ouro oe le paga-, toj dos dantos rorto esperam-se
se bem; elaiiibem compra-se uma burra del as |jstas Je ambas as loteras, no
Ierro j usada : quem 11 ver annuncie para .. ,
iratar-se do ajuste. diaig do c irrente mez, pelo va-
liumingus Francisco da Suva, relira-se, por da companbia brasileira, e no
para l'oilugal alim de liatir de sua saude. ] j:______i_______:___i_. u_..
ta : quem o levar a rua atrs da
Matriz da Roa Vista n if> ser I 0s "b,IX0 ,ssin"103 deelaram pelo
matriz da Jtoa Vista n. IO, er jpfeseiite que Manoel Antonio da Suva Amo-
gratifcado altn do que se ficara riro, socio da firma Silva, Amorim & Com-
iipiilu 11I11 i" iln pandia, n8o lem mais gerencia alguma na
nimio oorigauo. I ,e )a cftas esquina du beco do l'eixo-Fri-
- Napolen Gabriel Baz, embarca para o to 9 em c<,11SBquencia do nao sor compe-
lo de Janeiro o sou escravo, donme Al-, lenle |iar, l0liar cunU do e8iabB|ecmeilto
berlo, creoulo. deque eslava eucarregada; ars.im cumo n3o
Jarros para flores. S8 responsabiiisam por ii:uis 11;.lo aiKuma
rVa rui da Cadeia lio Recife n 6, vendern- feila pelo mesmo em uome.da firma de boj
se jarros para Hores, pelo diminuto preco em diante. Juaqi.m Duaite Pinto e &,.-
de 2,000 rs. grandes, o t,000rs.os pequeos, va. rranciscu Antonio de C.rv.lbo Si-
-- Na rua larga do Horario n. 27, desoja- queira
ae fallar com o Sr. Aprigje Ferreira Comes,' f'^isa-se de uma ama, senda irefe-
ira l'oituua a lili de liaiir ueauasauae. 1 ;____i_ ______:___l._ c____._ .
- I'revine-se a todas as pessoas que de- dla ao Pel v,Por ,nglez ^evern j
vam a eximia loja de Francisco Concalves as 10 lus da 23. lotera do (heatro
di Silva Peieira sita na rua da Cadeia do He- 1 m no ,j;a __ ,ln nassaitn p
cife n. 40,onde outr'ora foi a do Sr. Joaquim 1alndram, n" e
Concalvos Caseto, hajam de virou mandar] da .io.do Uoule l'l), flCavam a
lugar na mesma rua, loja de miu lozas n. 7,
i-to no i'i aso de 8 11 is contados desta dala,
eos que assim nao cumprirem, lindo esle
preso,serSo cnamados por esle diario,decla-
rmdo-se seus nomeii, quanlias, e moradas,
ludo por extenso, visto nao ler podido re-
ceber pariicolarmeole.
J.iiu aimll faz constar quo sua se-
nhora Eluaheth'Carroll, subdita ingiera,re-
tira ae i.ara fura do imperio, levando em sua
companhia 4 lilbos menoies.
Vendas.
- O Sr. Francisco Corris Povoas tenha
ou annnncie a sua residencia para ser pro- rida Ul"a prola.forra, para lodo o srvico de
curado, negocio quo Ihe diz respeito. "m c"a ds P/uca familia : na rua Direila
- Precisa se de uma ama, par. casa de ,0! ?*8".d?.?n.dr:
familia; na rua d> Cadeia de S. Antonio, ar-
mazem n 15 a bonda le de declarar sua murada por esta
--Aluga-se uma preta, que faz todo aer-1'"1" ou dirigirse a ereca da Boa-vistan
vico de uma osa e compra na rur, por pre- 3i' primeiro andar, allm de recebor uma n-
eo c immodo por levar UQa cria : na rea do .omnenla.
Periiunta-se o Sr. fiscal da rreguezia
de Santu 1 n 1 uni se n 1 he prohib lo pelas
posturas da camaia municipal desta eidade
criaiem-se cabras solas pels ras, e sendo
aasim, como he que cuuseule, que Joau Ma-
noel, morador n Cambla do Carmo, con-
serve na rua um lote-de cabras, quo oliu de
outros preJuizos,que causam aos moradores
da meama rua, offeudem a decencia o bu-
nestldade daa faiiiiliaa?
Jos Boma do Galvao Alcoforado pede
as pessoas a quem emprea'oo ae colleccOes
das leis brasileas de 1822 a 1826 e 1832
1841, que leiibania bondade ile manda-laa
enliegar ,em seu escriptoi io.
l'iecisa-se de um caixeiro qWS tenba
pralica de veiua,de 14 a 20 annos de idade :
na rua do Pilar eui Fra de Portas o. 143.
Atlenco Sras. noivas.
Constando ao abaixo a asignado, que mui-
tosc.is-iinontos se bao de effecluar oa pr-
xima pasenoa, uianduu vir da Franca um
completo sorlimento de trancas brancaa de
seda para ornamento de fallidos, as quaes
j eatao expostas a venda por proco coinmo-
do; na mui acreditada loja de mibdezas na
rua larga do Hozarlo n. 38, do Cardeal.
--Na rua Nova n. 60, loja de alfaiate, pre-
cisa-se de um ofllclal para concert.
Na rua da Peoha, loja n. 21, lava-se e
engomma-ae com perfelgfio : na meama casa
faz-se almoc, janlare cela, ludo por pre;o
commodo.
i
(.ollegin n. 16, Urcairo ainlar.
O Sr. Dr Fernando de S o AlbuquT-
que, nu alguma pessoa pelo mesmu quei'a
apparreer na rua do AragSo. sobrado n. 26,
a negocio de seu i ulerease.
U cautelista Souza Jnior faz
scienteao respeitavel publico que
vendeu em sua loja de ferragens,
na ruado Queimado n.37 A, alm
de uniros premios o de4oo,ooo
rs. que sabio em o n. 5779 em um
quarlo ecinco vigsimos da 16 lo-
teri i das matrizes da provincia;
avisa pois aos possuidores de ditas
cautelas qne vcnluini receber o
respectivo premio sem ganancia e
nem descont algum, bem como os
outros premios : o mesmo canle-
liata tem exposto venda os seus
bilhetes, meios, quartos, oitavos e
vigsimos da i3. lotera do tbeatro
ie S. J?ed/o, e da 3o. lotera do
Monte Po, cujas listaa devem clic-
gar pelo primeiro vapor do Sul,
pelos baratos precus abaixo:
MUTILADO
correr no da 6 a 7 do presente.
I'ng 1 em continente sem descont
algum,todi e qualquer premio que
salarnos bilhetes e meios, vendi-
dos aslojas cima mencionadas.,
logo que receber as listas.
Bilhetes iuteiros 33,003
Alcios 11,000
Quartos 5,5oo
Uitavos 3,800
Vigsimos i,3oo
* Uaile Misqu.
9 No Apollo, sabbado de Aleloia, ha- f
4 vera esse agradavel diverlimonto pa- ?
4 ra o qual vendem-se ricos vestuarios 0
9 de perfeitus costures, tolos de fious <> vellidos, pelo baralissimo preco de ?
4 40,000 n. : na loja pernatnbucaiia da aj,
4 rua 00 Ces 01 n. II. fe'
IIm das Triiicbeiras n. ia.
Tiram-se passapo'tes para dentro o f'a
do iinperio.assiui como tiram-se folhas cor-
ridas e lainliem litulua de residencia, tu lo
nais barato do que em oulra qualquer
parte.
A'vista do annuncio do diario n. 65 de
20 do paasado a respailo do engeiiho Una na
fregu-'Zia de Santo Anin, em que a propri-
ei.ii 1,1 pretende veoder, permurUr ou arren-
dar, e para qualquer peaaoa nao se ch uar
ao engeiio, o abaixo assignado declara que
ueste engeiiho lem 1101a liypoiheca, o parle
ja vencida. Joflo Cavalcautl de Sou/a lelo.
Precisa-se de I ama aCi,parda ou pre-
ta, para se'vico do urna casa de pouca fami-
lia, que oe fiador sua conducta e que nBo
teolia einbarago algum, quem pretender di-
rija-ao a rua Direila n. 76, uu na rua Velha,
ua Boa-Vista n. 55,nas alosmas precisa-ade
o .11 padeiro que eulenda bem de tuaceira, e
Ionio, dauJo-ae roupa lavada e bom orde-
uado.
Na rua do Hospicio n. 52, precisa -se de
uma ama que engomme com perfeicao : pa-
ga-se bem.
-- l'recisa-so de urna pessoa forra,quo n.lo
exceda de 20 annos de idade, para tratar de
cavallos e servir de pageiu : a tratar ua rua
de S. Francisco cas. oiuzenl. n. 68.-A-.
Nu pateo da Ribeira deS. Jos, sobra-
do n. 15 na loja, lavase e euigoma-ae,
com toda perfeifao e aceio, e por preco
commolo.
Arreoda-se um engoaho distante desta
praca 9 legoas, com muito boas torras de
plantacdea, e cercados, moante e crrante,
veode-ae na meama occasiSo em que se fiser
o arrendameolo, alguns escravos, safra ,
criada, boiada muito boa, carros, e todos os
Lotera do Rio de Janeiro.
Aos 30:000,000 de rs.
Na loja de iniudezas da praca da
Independencia a. 4, ven fem-se bi-
lhetes inteiros, meios, quartos, oi-
tavos e vigsimos, a benedeio da
33- lotera do tbeatro de S. Pedro
de \Icantara; ditos inteiro*,meios,
quartos, oitavos c vigsimos da 3o
lotera do Monte l'io, que vem as
duas listas no primeiro vapor do
I', i o il<; Janeiro; na mesma loja rc-
cebetn-se bilhetes premiado*! em
troca dos que tem a venda e mos-
tra-se as batas.
-- Vende-so fumo da Ierra de superior
qualida ie e por prego commodo: na rua da
Cruz n. 34, taberna.
-- Anda continua-se a vender farinh. do
reino, assucar, tapioca, e gomma multo al-
va a 80 rs a libra, n tambem assucar refina-
do minio alvo a 100 rs. a libra, bom queijos
do reino,sery?j< da ntelhor, garrafaaemeias
ditas, vinbo do melhor que existe oeste lo-
cal, dito muscalel, cna hysun, toucinho,ar-
roz do Ma unirlo, lats do giaxa, manteiga
ingleza, e outros muilus generua do bom e
melhor por prego commodu : no piteo do
Carmo, venda da quina do beco da Bomba,
por baixo do sobrado de um miar n. lt;
lamben! ha baoha de porco muito nova.
W Uvas excedentes de llamaraca.
Na rus estrella do Rozario n. 43, havers.
s 111(11 e uvas de llamaraca para se vender por
piego com Vende-so urna linda escrava creoula de
idade 22 annos com todas as habilidades:
oa rua da l'raa n 43, primeiro andar.
Vendem-se 100 es,>anadore8 mito bem
feitos, proprius para embarque: quemoa
pr. ten ler annoncio para ser procurado.
ptimos pe iscos para a paacoa.
Veo i.-ui-s viieiios muito gordos por pre-
go commodo: na estrada nova, adianto da
Hagdaleua, l1. casa cSr de chumbo.
Vende-se um cab iolet em muito bom
uso, com todos oa seus apparelhns: afal-
lar com in-e Pires de Moraes, na rua da Ca-
deia Velha, loja de ferragens.
Na rua da Clona n. 60, vende-se mui-
lo supiMur doce secco docj, e tambem
de caj ecidrSo decida,
o||.i|V. ep (Jiaiej luinbnof
osi'f op '.9apuaj|f p u.nbs'a.p aunan
uo : e|s|A ojjaquip 'aojas apM u OS'S ap
's^eni ap qouBj jouadug
Vende-seum viulasAm muilo bom es-
ta lo, e um metilo lo enea iorn.1.10 e perfei- .
lamenta novo, por mdico prego : no aterro
da Boa Vista, luja n. 58.
Veo iem-r.a S esenvos d servigo de
campo ; 3 negras com algumas habilidades;
I dita deaervigodeca npo; 1 caDrt, o 1 es-
crava de mela idade : na rua Direita a. 3.
Vende-se um depozito deasauCar, bes
afreguezado : a trat.r na pr.ga da Boa Vis-
ta n. 7.
veode-se um. mulata de 16 a 18 annos,
robusta e s.dia, por 330,COO n eom um
pequeo defeilo nos olhoa : na rua da Ca-
deia de S. Antonio, armazem o. 15.


*rr*

Lotera do Hio de Janeiro.
AOS 20:000,000, 10000,000, 4:000,000 ,
9:000.000 e 1.000,000 da r.
Na loja di Viuv. Vieira & Filhos, oa ra
da Cadeia do Recita n. 94, aioda acham-ae
a venda um resto de hilhetea e cautelan da
93. lotera do theatro de 3. Pedro de Alcn-
tara : como bomnovo bilhetea.ecautelas
da 30. lotera do Monte Pi Gerai7*cujas lis-
ta* esperam-so pelos vapores, da clrreira e
inglez: os precos sSo os soguintes:
Bilhetes 99,000
Meins' 11.000
Quartos S.SOO
Oltavos 9,800
Vigsimos 1,300
-- Vende-se um cirneiro grande, muilo
manso e proprio par* menino, por preco
commodo : na ra do Cotovello da Boa Vis-
ta D. 57.
Sementes de ortalice.
Vendem-se sementes de ortalice, muito
novas, do todas as qualidades, vindas de
Lisboa na galera Margarida: na ra da Cruz
do (lucir, atrs do Corpo Santo n. 69v>
Casa de mo las francezas de Bues-
sard Millocheau no aterro da
Boa-Vista n. i.
Pelo navio frsncez Cont Roger, recen-
temente chegado do Havre, recebeu um va-
riado soi tmenlo das ultimas modas escolhi-
das por peasoa de guslo apurado e vindo di-
rectamente, o que promette vender mais
em coala. Este aortimento compfle-se dos
objectos srguinles que se farSo patente aos
com oradores : chapeos de pal na enfeitados e
de seda para senhoras os mais lindos e ricos
possivel, chapees de meninos e meninas ri-
cos enfeitos para cabeca, turbantes e capel-
las, romeiras de toco, cabecOes de bco e de
blondes verdsdeirs, mangas da ultima mo-
da, capoliohos de rede de retro?, de seda de
coreaos nicos no Recife, luvss de pelica
moda nova, capellas e dores de laraojeira
para noivas, corpinhoa e visitas de bco
branco e preto, ricas capellas e flores roiSes
daa Jilas para enlejiar vestidos, ricos cortes
de vestidos de baile o de casamento, chales
de rede.de retroz de cores, trancas e franjas
de todas as cores, plumas, um grande sur u -
ment de bicos ae linho, rendas ebicosde
Lloode, mantas de caneca para missa, pul-
ceiras de tita de perolas e oe Tita de veludo,
gravatas de veludo, cam braia de linho trans-
parente, lentos de dito bordados, camisas e
colariolios para hornern, grvalas de mola
para osmesmos, espartilhos, fitas, Mantele-
tes ecipminhos, toucadus de ISa para se-
nhoras e meninos, baleas etc. ele. Recbe-
se regularn.enie toos os flgurinos de lodos
os diarios de modas de Paria, e faz-se con-
forme as modas chapeos, vestidos.toncados,
e em geral o que necessiti o goslo da mo-
dista.
Veodem-se 2 canoas, que pegsm 1900
lijlos cada urna, um alambique de nove ca-
adas, pelo tnudello deChaptal, com mais
melboramentos,e que distilla 94 caadas por
da, alguns barris para deposito de espiri-
taos, urna prensa para espremer qualquer
qualldade de frutas, por ter as proporcOes
necessarjas ; adiciona-sa quem comprar o
que partete a destiladlo, um completo re-
ceilarlo para licores e esph-ilos ; um ter-
reno com 130 palmos de fren tu e 900 de tun-
do, promplo para se edificar : na ra Impe-
rial n. 195.
1,000 I'S.
Vendem-se Voltas de veludo de todas as
cores,lizaselavradas,para pescoco de senho-
ra a 1,000 rs., luvas pretas de torzal para
menina o senhora a 1.000 rs., peotes de tar-
taruga para coco a 3,500: na ra largado
Rozarlo, loja de miudezag n. 38, junto a bo-
tica doSr. Bartholomeo.
Para baile de mascaras.
Vendem-se lovas de pelira a 400 rs., ditas
de algodSo de cores a 400 rs., leocos de se-
da de cores para grvala a 640 rs.: na ra
larga do Rozario, loja de miudezas n. 38,
junto a botica du Sr. Bartholomeo.
Vendem-se na ra do Collegio, loja de
enoadernaejio n. 8, por preco commooo os
livros seguidles: desengaos msticos pa>a
as almas detidasou engaadas no caminho
da perfeicfio 1 volme, peccador convertido
ao caminho da verdade 1 volume, sermOa*
da quaresma 1 volume, oraches sacras 1 vo-
lume.oecclesiastico instruido I volume, ca-
tliecismo das verdades catholicaa 1 volume,
tratado da religo 1 volume, relicario an-
glico de Jess Christo i volume.
Attencao.
Vendo-sena loja da ra do Crespo n. 10,
excel lente mirin de cores para roupa de
meninoa, ricos manteletes de seda pretos e
de corea, por menos preco de que em ouira
qualquer parle, sedas furia-cores a i,300
rs. o cuvado, chales de seda a 4, 5 e 6,000
rs., chilas francezas a 940 rs. o covado, uilas
com listra ne frente a 300 rs. o covado, lin-
das casaas francezas a 800 rs. a vara, palito
de brim a 4.000 ra.; e outraa muias fazen-
dsaquese veadem por todo dioheiro vita.
Vndese a obrad e Watel em 3 volu-
ntes, sendo o terceiro das notas de Silvestre1
Pinbeiro, boa eocadernacSo: na ra do Ci ca-
po, o. II.
Vende-se orna parte deum sobrado de
dous andares, no aterro da Boa-Vista,um so-
f e duas bancas de angico em bom uso, c
quelorze quadros de molduras douradas, lu-
do por commodo preco; na ra da Alegra
Na ra da Cadeia do Recife n. 93, ha
para vender urna poreflo de correntes Unas
para laborar, como sejam esctaa de gavia,
ote. etc., que tudo se vende por todo o pre-
go para fezo de conta.
AitencSo.
Estilo venda 3 escravos creoulos ; I cabra
de 45 annos, 1 negra de 30 annoa, e outra de
96 ; lodos robustos e de boas figuras : na ra
da Cruz n. 14, ou no pateo do Pilar, casa da
esquina, se dir quem vende.
Baoha de porco.
Vends-ie superior b.nha, recontimente
chegada : na ra da Caddla do Recife n. 93.
Vendem-se a bordo do brigue Mafra,
fundiado defronte do passeio publico, lai-
nltas do mo Grande muito boas, e por prejo
commodo. I
Capel pauttro para msica.
Veode-se papel paulado para msica de
10,19 e16 paulas a 40 rs.aroldana ra do Ra-
zano estreitu iraveaga doUueimado loja de
Barateiro do Recife.
Na ra da Cadeia do Recife loja n. 50, ven-
dem-ae cortea de magniDcas sedas pretas,
lavradas, recentetnente chegadas, corles de
chitas achamalotadaa, mantelete pretos
ctales de seda de corea, grandes e pe-
queos, mantas, da seda, sarjas prelas, lu-
vas pretas de torcal, e de seda de cores pa-
ra Sra., ditas e seda, e pelica para homem,
gravatas pretas, coletea de casemna, cam-
braias delinho muilo fina, ludo moderno e
bom, aasim como outraa muitas fazenrtas,
que atroco de dinheiro se ven lm por ba-
ratissimos procos, bem como pannos azul,
verdee preto para casaca, palitos, e farda
de 4,000 a 6,000 rs. o covado; ditos mescla-
dos para palitos e para acabar a 1,800 r. o
covado, e cortes decasemira de corea a 4,000
e 5,000 rs. o corte.
Cassas de quadros avariadas.
Vendem-se na ra do Crespo, loja da es-
quina que vira pye a Cadeia, cassas de qua-
dro averiadas com 81|9 varas 1,00o e 1,980
rs. a peca, chitas de cores Oas e bonitos
padroes a 160 rs. o covado.
Vende ae urna parda com bonita figura,
moca, tem todas as habeldades ; urna pela
com babelidades, e tem um molatinho que
esta criando; urna outra que cosinha e lava.;
e outra peifeita cosioheira, o engomma-
deira de proflssHo : na ra larga do Rozarlo
35, loja.
vende-se urna taberna com poucos lun-
doa, a dinheiro.ou prazo, com boa firma, al-
ta na ra do Sr B. J. das Crioulas por baixo
do sobrado de dous andares : a fallar atraz
da fundicBo em S. Amaro com Manoel Fruc-
tuoso da .sila.
Rap de Lisboa.
Vende-se rape vindo do Ro de Janeiro,
feto por um meslre da labrica de Lisboa ;
he o melhor rap que tem aparecido e ven-
de-se om libras e meiea libras a 1,600 rs. a
libra : na ra do Queimado loja n. 19.
Fitas de velludo lizas, e aberlas de
todas as cores.
Na ruado Cabug n. 6 loja de miudezas
vendem- se litas de velludos de todas as lar-
guras, e cores com suas competentes fivel-
las por preco muilo commodo.
Ao bom e barato.
Vendem-se na ra larga do Rozario u. 40,
luvaa pretal de torzal e de seda para bomem
e senhora, ditas de fio da Escocia, laolode
cores como brancas, como tambem na mea-
mola, pentes pretos de baleia para alisare
para coco, escovas muito Qoas e pozes para
denles, abotuadurss muito finas psra casa-
ca, ludo por mais barato prego do queem
outra qualquer parte.
Grande sortimento de madapoles
muito finos e largos com pe-
quena avaria.
Vendem-se na ra do Crespo, loja da es-
quina que vira para a Cadeia, madapolOes
muilo superiores e largos com pouca ava-
ha a 3,500, 4,000. 4.200, 4,500, e por ser
pechincha se avisa aos freguezes que gostim
$ini&o de LYanttia
800 rs.
4
a
Vende-se a historia de Simio de Mantua,
aj8oo rs. : na liveaVia da praca da Indepen-
dencia n. 6e8.
__No Passeio Publico n 15, vendem-se
naceos com alqueire de milho, pelo barato
preco de 1,700 rs. cada um.
Madama Theard modista franceza
na ra Novan. 3i
Ma lama Theard hoje acaba de receber pe-
lo navio francez Conle Roger a 8 dias che-
gado de Franca os seguinles ohjecto de moda
abaixo deca ados :muilo ricos cabecOes de
linho bordado de um so bico bordado para
esso flm, muito ricos enfeites de cabera pa
ra bailes o thealros, chapeoa de seda e de
veludo de todas as cores, um grande sorti-
mento de flore,'6 chapeos de palha e de se-
da,trancas brancas com aljofrese sem elles
bicos de linho brancos e pretoa muito riejo,
fltasfla veludo preta e encarnada com sua
competente flvela paia o pescoco, e braco,
corts de vestido de seda,groz de naples,lo-
co cor de roza.branco e cor de onrode mui-
to bom goato, marabus pequeos muito fi-
no? proprios para enleites de cabera de se-
nhora, luvas de pelica para senhora, cortes
de vestido de soda furtacores, e multas ou-
tra s fazendaa de goato;tambem recebeo mui-
tos preparos para enfoitar chapeos de palha
e de sada.e para qualquer entalles de senho-
ra,que encommendou para agradar aos seus
freguezes.
Couro de lustre a a,56o rs.
No aterro da Boa Vista n. 73; vende-se su-
perior couro de lustre, que por sua quali-
dede he por commodo prego, e nSo dexa de
convidar a compra-lo em quanto he tempo
Azeite de carrapato da fabrica de
Aranjo & Fillio, no Penedo.
Acaba de chegar maisdeste ja conherido
azeite, ornis proprio e econmico, para
usodecandieirosdesala, tanto pela ana do-
raeflo, comolimpeza, e continuar a haver
setnpre um depozito para suprimentoregu-
lardos freguezes: no armazem deJ. J.Tas-
so Jnior: na ra do Amorim n. 35.
Lotera de N. S. do Livramento.
Aos 5:ooo,ooo de rs.
Na loja de miudezas da praca
da Independencia n. 4 j vende-
se um resto de bilhetes inteiros
- Vendem-se saccas com tari-,
nha de Santa Catharina 3,3^0
is. : na ra da PVaia de Santa Bi-
ta, venda defronte da ribeira do
peixe, n. 1.
Vendem-se tainnaa da altgoa a 100 rs.
cida urna, eaando porcOes dar-ss-ha mais
em conta : na ra da Praia,.armazem n. 18.
As mais superiores vela de car-
nauba, que tem apparecido no
mercado.
Vendem-se velas do carnauba, vindas l-
timamente do Cear, de superior qualida-
de, em caixas de 33 libras, a 9,000 e 10,000
rs. a cana : na ra do Crespo, loja da es-
quina, que volla para a Cadeia.
Vinio de Champagne,.
e superior qoalldade : vende-se no arma-
em Kalkmanu IrmSos Rua da Cruz, n. 10
Deposito da fabrica le Todos os
Santos na Balita.
Vende-ae.emcasa deN. .Bieber&C,
aa ra da Gruz n. 4, algodSo transado da-
qnolla fabrica, muito proprio para saccosde
assucar e roupa de escravos, por prec,ocom-
modu.
Para a quaresma.
Casemira preta infestada a 5,000 rs., o cor-
le de calca.
Na ra do Crespo loja da esquina que vol-
ts para a cadeia vendem-se casemiras preta
entestada a 5,000 r9. o corte de caifa, sarja
pieta despalillla a 9,600rs. o covado; co-
mo outras fazendaa que por sua boa quall-
dade se tornaO recomendaveia.
facas e garfos.
Na ra do Cabug n. 6 loja nova de miu-
dezas vendem-se facas, e garfos decabo de
balando a 5,600 rs a duzia, ditas de cabo
oitavado a 3,000 rs. a duzia, assim como um
sortimento de colheres de soupa e che.
Bicas fitas para sinteiros.
na ra do Cabuga n. 6 loja nova de roiu-
lezas, vendem-se licas filas de saija de seda
para sinteiros de menino, sssimeomo um
grande sortimento de ditas a setinadas pa-
ra chapeos de Sra. por presos muito com-
mo ios.
Na ra do Cabug vendem-se charuleirss
a 320 rs., ditas mais pequeas a 940 rs. cada
urna.
Luvas de fio da Escocia.
Na rua do Cabug n. 6 loja nova de miu-
meios, quartos, decimos e Vlgesi-i dezss, vendem-se luvas de fio da Escocia a
mos a beneficio de.JN. S. do Li- 320rs. o par, sem mofo algum.
Na rua do Capuga n. 6, vende-se marro
vramento.
Bilhetes inteiros 10,000
Meios 5,ooo
Quartos a,6oo
4>ecimos 1,100
Vicsimos 600
CHA PRETO.
Vende-se superior cha preto,
em caixas de 3o libras cada urna :
em casa de J. J. Tasso Jnior, na
do bom e barato.
Vende-se muito superior fa-
nnha de Santa Catharina a Mr d Amorai 35.
rs. a sacca, assim como tambem __ Ntruado.A i|0
barreduras da mesma a 1,000 rs. o
alqueire : na rua da Praia, arma-
zem de carne n. 10.
Esporas d'asso.
Na ras do Cabug n. 6 loja de m
vendem-se esporas d'asso muito finas a 1280
rs. o par. Na loj
no trapi-
che do Ferreira, vende-se cal vir-
gen de Lisboa, em barris, chega-
da ltimamente no brigue Laia ,
iudezas pelo diminuto prefo de 3,5oo rs.
Pechincha.
do Passeio Publico n. 15 vende-
llicas fitas de veludo. 'se superorcal virgem, chegada ultimamen-
No rua do Queimado n. 16 loja de miude- le de Lisboa, por preso muito commodo pa-
zas ha um completo sortimento de Otas de ra acabar.
veludo, o qual se vendem por menos preso Banana e goiaba.
do que em outra qualquer parte. | Vende-se superior doce d'aquellas fructas
A boa pitada- do mais lino que ha : na venda da rua
lio chegado novamente o muito supe- da Cadeia do Recife defronte do Beco Lar'
rior rap Princeza do Rio de Janeiro, em li- go n. 95.
ora e 1 [8dita: na rua do Queimado n. 95 Monillos de vento
loja de miudezas. com bombas de repuxo para regrar hortss
Cemento novo a 7,000 rs.a barrica. ; balsas decapim nafundic.aodeBowmaux
Noarmazem de Antonio Aunes; no caos&^l. Calhem: na rua do Brum iis.6, 8el0.
Allanjdega
Attenao.
Na rua do Queimado n. 95 loja de miude-
Grande sortimento de fazeadas
, baratas.
Panno lino preto a 3,000 rs; sarja preta
sas, veudem-se o segu ote muilo; superior hespanhola, de superior qualldade a 9,500
linha de meadoa mais lina aue lia no mer- rj. 0 COvadn; selim prelo macao, muito sa-
cado, redes chegadas ulliaamente da pro- peror a 4,000 rs. o covado; alparca, multo
vincia do Ceara, e bengalas de licorne por nna a 640. 800 e 1,000 rs. o covado; cassas: ?|M par, cortinados de cama e jaoellas a
encastoar, por piegoscommodos. de flores brancas, proprias para conloados, jno rs. apeca, dilas msisenferioresa 3,000
-- Wende-se urna carroca nova e um boi ae cima.com 8 1|2 varas a 3.500 rs. a peca; rs ditas estrellas propnaa para toalbas
gordo muito manso: emFora de Portas, pa- ca9S,g Chnas a 2,000 rs. o corle; lencos de 100 rs. a vara ; na ruado Cabug n. 6 loj
dara do Sr. Pena. cambraia delinho, para homem a 480, 560 e nova de miudezas.
-Vende-se superior farinba da S. Ca- 640 rs.; riscado assenladoem metim, pro-; rflrP(,|Pl Ae ono ardas
tbarina abordo do brigue paquete de Per- prios para ropa de nieninosa200 rs. o cov- Pinnas ae carretel ae 300 jaraos
quinas 1,500 rs. apelle.
Pentes de alizare de coco.
Na rua do Capugi o. 6 loja nova do miu-
dezas, vendem-se pentes de bfalo para ali-
zar a 320 rs., cada um, ditos para cocaber
tos a 280 rs. cada um.
Hicas toucas de laa.
Na rua do Cabug n. 6 loja nova de ntiu-
lc as vendem-se ricas toucas de ISa chega-
das ullimameniede Lisboa para Sra. e me-
nina a 9,000 rs, cada ums.
^gullias franceza <;
Na rua uo Capuga n. 6 loja nova de miu-
dezas, vendem-se agulhas francezas ns. 1, 2,
3, 4, 5, 6,7,8, 9, 10, a 40 rs. o papel, ditos
muito finas ns. 11,12,13,14, a 80 rs. opapel.
Cartas de jogar.
Vende-se na rua do Capuga n.6, loja de
miudezas cartas para vollarete a 560 rs. oba-
ralbo.
O barateiro est em campo.
Na rua do Cabug n. 6 loja nova de miit-
dozas vendem-se bicos de largura de palmo
mcio a 720 rs. a vara, dito de palmo a 610
rs., e dito pouco mais eslreilo 560 rs., as-
sim como um sortimento de bicos eslreitos
por presos multo commodos.
Caivetes de 6 folhas.
Vendem-se na rua do Cabug n. 6 loja de
miudezas, caivetes com 6 folhas cabo de
crine de veado muito fui nos a 9,000 rs.
oitos de 2 folhas a 790 rs., tambem mudo
finos.
Biquissimas franjas, e trancas pa-
ra mantelete.
Ma ruado Cabug n.6 loja nova de miu-
dezas, veodem-se franjas e trancas pretas de
seda as mais ricas que tem apparecido, por
precos muito commodos.
He barato que admira.
Vendem-se ricas franjas de bolotas pro-
nambuco, fundiado defronte do caes do Ka- do, e outras muitas fazendas em conta : na
rps; a tratar abordo do mesmo, e em trra loja da rua do Crespo o. 6.
com Manoel Maximiano Guedes, ua rua da Velas de espermaceti:,
Senzala Nova n. 40.
lie to barato,
Que laz animar ;
Quem vir a pechincha
Nao deixarde comprar.
ca loja n 5 muepeiiuen bom reguUllor> mull0 em conta, por aer de
-vendem-se peles de marroquina de to- 8to antigo : na rua do Queimado, loja
daa ss cores a 1,600 rs., bandejas finas, ta-
case garfos, colheres de metal do principe,
machinas para caf, todo o trem preciso
para coflnha, o muitas fnrrageus e uiiu le-
zaa que se venderSo muito barato : na rua
Nova'loja de ferragens 11. 16 da Jos
Peroira.
a 900 rs., a duzia.
Vendem-se na rua do Cabug n. 6 loja no-
va de miudezas, linhaa em carreteis de 900
Vendem-se velss de spermacete, em csi- jardas a900rs. a duzia, dlaa de 100 jardas
xinhas de 20 libras: na rua da Cadeia do ?*>rs tendo todas as grossuras desde n.
Recife n. 48. ,6'' n',S.*:. ,
- Vende-se lona americana de algodSo, 1 Oh ; que pechincha.
I muilo encorpada. proprias para volas de na- Na rus do Cabug loja nova de miudezas
ivio.rodas edcnles pertencentes a bolintes,: n. 6, vendem-se luvas de torcal a 640 ra. o
Na rua do Crespo loja da quina que vira escovens e gollas ludo de ferro edado: na | Mt> i%iis dlt,s a 800 rs.f ditosdtos muito
para a cadeia, vende-se panno fino preto, a rua da Cadeia Velha n. 37. supperiores com bolotas a 1280 rs.
10,4,000 4,500,5,000e5.500 rs. Vende-se urna mesa de amsrello, coin: L pelica.
dito f.ancez muito superior, a T P oa e COmprimentO e 4de lugur. 1 Vendem.8e ~ 0.
1,000 ra.; dito azul, a 9,600, 3,500, 4,000 e rua Bella v e miudez.s luvas de pellica muito novas
5,0 10 rs. ; dilo verde, a 9,800, 3,000e 6,0110- Atten?ao. nara Sra. a800rs. o par dilas muito finae
rs.; dito cor de rap, a 9,600 rs. ; casemi-1 Vendem-se na rua estreila do Rozario n. com palma e bolotas a 1,600 rs. o par, ditas
ra preta, a 4,800 6,000, 7,500 8,500e 10 000 11, bolacluohas muilo finas de leiteem la-'para homem a 1,000 rs. o par, ditos de pon-
rs. o corle; sarja preta deseda muito su- lis de 8 libras e a retalho, vindas de Lisboa, to ioglez a 1,600 as., ditas ditas prelas a
oerior, a 2,500 rs. o covado ; merino preto pronriaflaara almoQo de cha.Ilgos em calla, j,600 rs.
muilo bom, a 2,800 e 3,200 rs. o covado cor- passas muito grandes, ameixasde Iresqua- f ,B, A~ ,.,! nr|a narn senlnra
tes de cassa chita muito bonitos, a 1,920 lidades muito peiloral. e na mesma se dir J"V8S oeseaa preta para sennara.
Na rua do Cabug n. 6 loja nova de miu-
dezas,vendem-se as mais ricas luvaa de seda
prea que tem aparecido para Sra. proprias
para a semana santa pelo diminuto preco de
1,600 rs. o par,a elles que se caldo acabando.
Luvas de seda preta para homem
a 1,000 rs. o par.
Na rua do Cabug o. 6 loja nova de miu-
dezas ven lem-se luvas prelas muilo su,po-
riorea a 1.000 rs, o par.
Acudara ao barateiro.
Na rua do Cabug n. 6 loja de miudezas,
veodem-sethezouras muilo linas para cos-
1 ora a 320 rs., ditas ditas maiores a 400 rs.,
ditas para unhas a 560ra.
Farinha Fontana,
chegada ltimamente: em caaa de J. J, Tas-
so Jnior, na rua do Amorim n. 35.
Vende-se um carro dequatro roda8 por
2OOJ00O rs., com arreios e assenlo para qua-
tro pessoas: na coxeira atraz do Carato ae
dir quem vende.
Cobertores de algodSo.
Suoeriores cobertores de algodSo de di-
ferentes cores, lecidoa a dous Dos, muito
grande, tem todaapplicaco om urna cassde
lamilin, por servir para meza de engom-
inado e forrar camas e mesmo para escra-
vos, pelo diminuto praco de 1,440 rs.: na
rua do Crespo o. 6.
No armazem da rua da MoJa n. 15 ,
vende-se cal de Lisboa em pedra, a mais no-
va que ha no morcado, chegada -no correle
casa de Avrial Irmaos.
Vende-se 1 casa terrea com soto, e ou-
tros muilos cornudos, e grande quintal com
arvoredos : na Solidado n. 42, logo adianto
do chafariz, indo nara o lado do manguinho;
a chave se acha na venda do Sr. Francis-
co, na esquina. .
I-'nio em l'olha.
Vende-se na fabrica de charutos da rua
larga do Rozario n. 39, fumo de 1.*, 9.a e
3.* son, em porc9o e a retalho, conforme o
comprador quizer, e por preqo que agradara
ao mesmo
Veude-se mais barato do queem ou-
tra qualquer parte, ricos manteletes pretoa
e de cores : na rua da Cadeia do Recife, lo-
|a n. 18.
Vende-se um relogio deouro, patente
inglez, do melhor autor, muito proprio pa-
ra. ; e outras muitas fazends por preco quem vende 100 espaciadores muito bem
cjmmodo. j feiloa.
Veidem-se ricos espelhos Cortes de tapetes a 100 rs. o par ,
com molduras douradas de 4 a 6 no aterro da Boa Vista n. 14
palmos de altura ; vinho chtm- defronte da boneca,
pagoe de excedente qualidade a ha chesado cortea de tapetes, para sapa toa/
, _i. <'_ Icom um toque de avaria, a 100 rs. o par, e
4o,ooors. o cesto: na rua da Cruz, .mpos,a320rs.; couro de lustre omelor
que ha, a 2,500 rs. a pelle; sapatOes de lus-
tre, para bomem, os melhores que tem vin-
do da Bahia, a 3,000 rs.; ditos do Aracaty,
a 2.500 ra., e brancos, a 800 rs., de orelha, a
1,000 rs.; assim como, um novo e completo
sorii atento de ca Isa Jos francezes de todaa
>a qualidades, tanlo para homem, como
para sennora, menina e menino, ludo por
preco muito commodo, a litn de se apurar
diuheiro.
Vendem-se, por prec,o com-
modo,"Superior vinho do Porto,
em barris de quarto, quinto e oi-
tavo : no armazem de Jos Joa-
quina Pereira deMelb, no caes da
Alfdiidega armazem n. 7 ou
com CSovaes & Companhia, na rua
do Trapiche n. 34*
Sedas, no aterro da Boa Vista, lo-
ja de calsado n. i4. delronte da
boneca,
ha os maissuporjores cortes de vestidos de
soda pretos e de cores, de muito lindos gos-
tos e por presos, que muito animar ao com-
prador.
goato antigo
n. 10.
Baratissimo.
Vende-ae um terreno ns rua da Aurora j
aterrado, tendo fundo at a rua do Hoapi-
cio,efrente 55 palmos: tambem se vende
Luiz so a ruada Aurora: a tratar na praja da ln-
depeudeucia n. 17.
I'otassa americana.
No antigo deposito da cadeia velha. 11.
19 existe urna pequea porgan de potassa
americana, chegada recentementa que por
superior rivalisa com a da llussia : vende-
se por preco razoavel.
ivap PauloCordeiru..
recentementn che%ado do Rio de Janeiro :
vende-se na rua da Cadeia do Recife loja n.
50, de Cunha '& Amorim.
Vendem-se relogios de ou-
ro eprata, patente inglez: na rua
da Senzalla Nova n. /|3.
Deposito de cal virgem.
Cunha & Amorim, na rua da Cadeia do
Recite, n. 50, vende-se barris com supe-
rior cal em pedra, chegada pelo ultimo
navio de Lisboa, por meooa prego do que
em outra qualqner parte.
Principios geraes de economia pu-
blica e industrial.
Vnnde-seeste compendio, approvado para
I aulas de primeiras letras, a 480 rs.: na
piafa da Independencia, livraria n. 6 e 8.
Arados de ferro.
Na fundicBo da Aurora, em S. Amaro,
vendem-se arados de ferro de diversos mo-
delos.
Mullida-, superiores.
Na fundicSn de C. siarrtv. Companhia,
em S.-Amaro, acham-se venda moendas
de canna, todas de ferro, de um modelo e
construcQfio muito superior
(asa de commissS de escravos.
Vendem-se escravos e recbem-
ete de commisso, tanto para a pro-
vincia como para lora della, para
o que se olferece muitas garantas
a seus tionos : na rua da Cacimba
n. 11, primeiro andar.
Vendem-se superiores boli-
linhos em caixinhas e embrulhos,
proprios para cha e caf, chegaJos
ullimamentsdo Havre a preco de
/|Oo rs- cada um : na rua da Cruz
do Recife, armazem n. 62.
Luvas de todas qualidades para ho-
rr.ens e senhoras.
Na rua da Cadeia loja de miudezas n. 17 ,
existe um completo sortimento dnste gene-
ro que por algumas estarem principiando a
mofar, senilo engeita dinheiro, assim como
ha entre ellas urnas prelas de seda emitan-
do a torcal a 640 r>. cada pa-, que a vista da
qualidade se conhecor que nada pode haver
tSo barato.
-- Vendem-se luvas de pelica ponto Inglez
pelo diminuto preco de 1,000 rs. o par, as-
sim como se vende ss excedentes pennas de
ac, proprias para escriptorio, fitas de velu-
do lavradas e lizas, proprias para pescoc/t e
sinto de senhora o mais moderno que aqu
tem vindo, molas para gravatas, e outras
muitas cousas por preco muito commodo:
na rua da Cadeia do Recife, loja de miude-
zas n. 7, de Antonio Lopes Pereira de Mullo.
Aparelhos de metal.
Vendem-se anarelhos de metal para ch>
de bonitos e difluentes modellos : na rua
da Cadeia do Recife n. 64, loja de Antonio
Francisco Correia Cardozo.
Chitas finas de corea fixas, com to-
que de avaria, a 4,5oo, 5,ooo e
5,5oo rs. a peca.
Vendem-se na rua do Crespo, loja da s-
quina que vira para a Cad-iia, chitas finas,
decores lizas e bons padrrs, com pequeo
loque de avaria, a 4,500, 5,000 e5,500rs.a
pee*.
Quasi de gra^a.
Vendem-se superiores chapeos francezes
a 5,000 rs.: na rua do Crespo o. 16, loja que
volts para a rua das cruzes.
Para o madamismo.
Vende-se no sierro da Boa-Vista, loja de
miudezas so p ds ponte, fitas de veludo de
cores e pretas por multo mo tico preco.
Vende-se um sobrado de um andar e so
tSo no principio da rus do Hospicio, cons-
truido hs pouco lempo com tola solideze
perfeicSo, r n canlaria de Lisboa ; grande
quintal murado e plantado de arvoredo; es-
tribara e cacimba : na mesma rua cima,
taberna do leo de ouro, junto ao quartei.
-- Vende-se una escrava da costa, moca,
com cria ou sem ella, que sabe bem engom-
mar, lavar e cosinhar, sem vicios : quem a
pretender dirija-se a rua da Senzalla Velha,
armazem n. 6.
- Vende-se um sitio beira do no,nd i an-
te da ponte de Uchda, com casa magnifica,
tendo adiante gran te sala, 2 gabinetes e 2
alcovas, sala igual alraz, mais 3 quartos e
cosinha, terreno com mais de mil palmos
de comprmanlo, e grande baia de capim :
a fallar na rua de Santo Amaro 11 16.
Vendem-se por muilo barato preco tai-
nhas chegadasuitimamente do Rio Grande a
100 rs. cada urna, em porcao > 80 rs.; na rua
do Vigario n. 13.
- Vende-se um cavallo alasan, passeiroa
desalisfazerao cavalleiro,e com urna muda:
por fazer, ecom bonita ligura, sem deleito,
na rua do Cotovello, casa n. 4-
Vende-se por prego commodo 1 ptimo
jogo de pistolas de espoleta mai bem acaba-
das, novas, cuja hala cursa a distancia de 50
pasaos, empregada ao alvo, com o compe-
tente baleiro; 1 silhSo para montan de se-
nhora pouco usado, com os seus pertences,
obra forte e que nSo molesta cavallo, e por
isso proprio para viagem; 1 "ama do vento
com muito pouco uso, propria para casal,
bandada loda de sola com tirantes e ferra-
gens proprias para intezar a lona; 2 corren-
lea paia relogin, sendo urna de ouro com
mais de duas oitavas, e outra de prata bem
Jourada e nova : na rua Nova, armazem
n.67.
- Vende-se rap de Lisboa em frascos a
4,000 rs., chegado agora pela barca Ligeira;
os Srs. freguezes que estn acoslumadosa
tomar a boa pitada nSo deixarSo de mandar
buscar no largo da assemhi.a n. 4.
Madama Bosa llardy modista bra-
sileira : na rua Nova n. 34,
acaba de receber de Franca pelo navio Con-
t Roger os objectos seguintea : um grande
sortimento de chapeos de seda da ultima
moda para senhora e para meninos da idade
de 9 annos a 13 de todas as Cores, riquasi-
mosenfeitoa de cabeca para bailes e theatro,
lindas pulceiras de veludo com (velas, ri-
quissimas capellas de Horas de laran/as pa-
ra noivas. ricoscapolinhos pretos4p groz de
aples muito enfeitados e de cores para se-
nhora e meninas, rico groz de aples fur-
ia-corea, orles de vestido branco para noi-
vas, transas de seda branca e decores para
enfeitar vestidos, bicos de seda e de blon le,
ricos cabecOes para t-ilho devestido,mantas
de seda preta e cabecOes protos,luvas pretas
e de pelica branca.
Queijos de manteiga.
Na rua do Queimado loja n. 39, vendem-
se os bem conhecidoa queijoa de manloiga
do ceriSo do Cuid,muito fresees.
mez, no brigue Laya ; assim como, mercurio I Vende-se franjas prelas para manteletes,
doce enf Caixinhas de libra Cada urna; tudo I pelo bsrato preco de 480 rs. a Vara: na ma
jor menos prerjo doque em outra qualquer larga do Rozario n. 26, loja de miudezas de
parte. I JeSo Francisco Maia.
Nova fabrica de tamancos.
Na ruaaTo Encantamento loja amarella, ha
um completo sortimento de tamancos de to.
daa as qualidades para ambos os sexos;o do
no deste estabelecimeoto promette vender-
pelo menos que poder,lint de agradar aos
seus freguezes; assegurando em parte algu-
ma encontrar melhor qualidade e tem mais
em conta os pretndanles podero dirigir-
se a mencionada fabrica, ou na rua da Ca-
deia n. 17, loja de miudezas onde he o depo-
sito,
O bom barateiro.
Na rua Nova n. II, loja que fui do finido
Jos Pinto da Fonseca e Silva, pertencente
hoje a Nicolu Gadault, vendem-se opiimaj
luvas de torcal pretas a 640 la. o par, ditas
de seda curtas com bordado amalizasoo
ra., ditas rompridaa a 1,190 e 1,280 ra di-
tas de algodSo compridas e curts, con de-
dos, a 200, 300, 400e 500 rs., ditas de escocia a 300 e 400 r., meias de seda prolas
para senhora a 1,600 e 2.000 rs. o par, ditas
curtas para homem a 1,00 e 1,600 rs. cor-
tes de seda preta por baratissimo preco cha-
les de suda preta e do coras, voa de fil de
linho, preloa com bordado de sela, man-
tas de seda de corea e preta de 5,000 rs.a na-
utas de seda lavrada, bicoa de blonda e de
seda, brancos e pretoa, papel pintado para
sala, aiem dout as muitas fazend a proprin
de lujas francezas.que s ah se podero veo-
der por preco lao commodo.
Vendont-ae amarras de ferro: narui
Ja Senzalla Nova n. 42.
No eacflptorlo de Manoel Joaquim ria-
mos e Silva, na rua da Cadeia do Reoifa,
vonde-se por pre^o commodo cal virgem d
Lisboa chegada no ultimo navio, bezerro de
lustro, mercurio, linha de Rori?,retroz, fei-
rbaduras do Poilo, pannos e casemias
do laa.
Superior cha nacional
em csixinhasde9 libras, e da melhor qua-
lidade; vende-se por preco commodo, na
rua do Corpo-Santo n. 9, primeiroandar.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na rua do Trapiche, n. i muito superior cal nova em pedra,
:hegada ltimamente de Lisboa:
tambem se vende potassa da Rus-
sia, nova e de superior qualidade.
Vende-se um terreno oa rua da Aurora
rom 50 palmos de frente e S80 de extensSo,
tundo caes de lijlo a beira mar, fleando en-
tre as casas dos lllms. Sra. Cualavflo Jos do
llego e Francisco Antonio de Oliveira: os
prelendentesdirijam-se a rua daa Torres n.
8, primeiro andar.
4,000
Vende-se rape de LisbOa, chegado lti-
mamente, vindo de encommenda, cous
superior, e responsabisa-se pela qualidade:
11a rua da Cadeia do Recife, loja de Jlo
da Cunha MagalhSes, n 51.
Escravos rugidos.
Ii"sappareci>u no dia 4 do corrento um
moleque de nome Fernando, o qual he que-
brado de um quarto, parece que anda com
elle a banda : quem o pegar leve-o ao ater-
ro da Roa-Vista, venda n. 70, a J0S0 Coelho
de .Imeida, depositario dos bens de seu so-
uro Manoel la Cosa Oliveira a quem o mes-
mo moleque perlenc-f, e como se ache no-
meado Joaquim Ignacio Ribeiro Jnior tu-
tor do dito Oliveira, acontece porm que
leudo hoje o depositario de fazer entrega ao
mesmo tutor, este o pz de ladriio em virtu-
de do moleque de qusajo dito depositario lo-
mo teslemunhas para que Ih'o prove.
-- Oesappsreceu do engenho Sabueiro da
Parahyba do Norte, um preto de nome Pe-
dro Sigano, alto, seco, olhos grandes e es-
branquiados, beipudo, deutes compridos:
quem o levar a dito engenho ou nesta pra-
ca padaria do Sr. fenna em Fra de Por-
tas, se a generosar..ente recompensado. Na
mesma casa vende-se urna carroca nova com
um boi gordo muito manso.
No dia 28 de favereiro desappareceu do
engenho Cajabussu' o escravo creoulo de
nom Mariano, bem preto, altura regular,
com falta do denles, tem ar alegre, ha noti-
cia certa de ter seguido para a freguezia da
Escada, e ter ficado por ahi mesmo: quem
o pegar leve ao aterro da Boa-Vista |n. 43,
ou no meamo engenho cima que recebera
100,000 ra. de gralificacSo.
Desappareceu no dia 10 de nurco um
molecote de nome Cardoao, que representa
ter 20 annos de idade, baito, cheio do cor-
po, cor um tanto fula, nflo tem nenhuma
barita, tem urna especie do aristins nos cal-
esnhares, levuu camisa e ceroula de algoda-
zioho, chapeo de palha : roga-se as autori-
dades policiaea campanhaa ou qualquer
pessoa, o pren lam e levem ao seu senhor
SebastiSo Antonio Paes Barieto, no engenho
Rodiro, ou nesta praca na rua das Cruzes n.
40, que sero recompensados.
-- Em principio do anno psssado desap-
pareceu o muleque creoulo de nome Anto-
nio Caiana, representa ter 16 al8annos,ps
e maosgrandes.bocca edentes grandes.tem
em cima de urna orelha a dobra cortada, ha
probabilidade de andar na freguezia da Es-
cada: quem o pegar e levar ao aterro da Roa-
Visla n. 43, lera 100,000 rs. de gratitJcacao.
Recomendac&o a polica, cap-
(Oes de campo, e mais pessoas
particulares.
Desapparecen no dia 5 do cor-
rente pelas y horas da manh3a,em
occasio que desceo para a poita di
rua do terceiro andar da casa do
sobrado smarello defronte da ma-
triz da Boa-Vista, um molequinho
de nome Estev5o,creoulo, de ida-
de 4 annos, meio fulo, olhoj car-
nudos, nariz chato, cabeca loria,
as pernascomos joelhos mettidos
para dentro, e levou camisa de ris-
cado azul j ha toda probabilidade
de ter sido seduzido e agasalhado
por.... para o mandar para fora da
cidade conduzido por alguem ; por
isso muito se recommenda a t das
as autoridades policiaea, cepilles
de campo, e mais pessoas particu-
lares que delle tiverem noticia de
o aprehenderem e participar na
referida casa, que com genetosida-
de ser recompensado.
-- Desappareceu segunda vez o escravo
Luiz, cabra, de idade 25 annos, pouco mala'
ou menos, com oa aignaes seguinles : l'"
tura e corpo regalar, com aignaes do boxiga
no roslo, levou calca e camisa branca, cha-
peo branco de castor porm nsado; suppoe-
se andar pelas pratas do Hio Duce atUarii
Farinha : quem o pegar leve-o ao Caxng">
em casa de Luiz Antonio Rodrigues de Al-
mejas, que aera granllcado.
.-J MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EUIK37QJ3_90NQ8I INGEST_TIME 2013-03-29T16:54:12Z PACKAGE AA00011611_03616
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES