Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03609


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AnnoJULVIIl
Sabbado 29
deMa.odel852.
N. 120.
PEMAMBTOO.
a\rjo ii suscbifijIo.
PieiMIMTO DI1KT1D0.
, tr I m tslre .......
for semestre
Por ano........i.....
PiaoDiRTio luiiinimi.
or auartel.........
1 otioiai o wrmo.
i.,.. iJJrMirto Mlm<... 2 de
Mat.obio i de Abril. S. Paulo, a de
O.r 7dedilo. R.deJ.. i.de
IMr.hiba 21 Jtalo. Baha... 19 dt
4/00* 2i
f/000
is/imo
*/s*>
Halo
dito
di lo
di lo
OA. BA IW1U. AVBinfOlAa.
Seg. S. Vicente. I Imito it Orpao
Tere. S. Gregorio. I, (5. a 10 horai.
Quarl.S. flIlppeK. I. tmrmdocip4.
ulr.l Joo p. ni S.
nululo.
Sen. S i'riaiiio.
Sab. 5 Maxlmlaao
b. ; S. Reililulo.
Dom. Pascoa do Ea-
pirllo Santo.
3. e 6. ao melo-dla.
Pastnda.
I. 8. a 10 horas.
i. vara do civil.
4. esbadosao melpd,
Melocr,. '
ifrcae atbadoe.
lalBio.
Cresceate 26, a I hora e 2o minuto! da
Chela a a aa 6 bor.s e mlnutoa da tarda.,
Miaf oaote 'l o, aa 9 hora e 4 mlnutoa ata
Rova I*, aoa 47 mlnutoa da m,
' AMA BOJ
Prime Ira 1 hora e 18 mlnutoa da Urde.
Segundas I hora e 42 mlnutoa da mann'a.
ATiAa sos coaanoi.
ia segundas e sextas-
, e Vlclorii aa quintas
lOolaana e Parahlba
|j| felraa.
I Rlo-0 ra nde-do-Nor te
tMrM
abito,C.ruaru, e Garanhuns no l'e 15 de cada
, nra.
rioraa, Ourlcury, Exu e Boa-Vlatal3 e2S.
'Ollnda, lodoso, dlaa.
Iodos os Corrrioa parlem ao melo-dla.
OTICIAa BTnAMOEIBAI.
Portugal U de Abril-Austria., a de Abril.
Heapanba ln de dito Sulaaa.... I dedlto.
iSuecla... j.'ide Mir(o
laglaterra 7 de Abril.
Franca.. i3de dito
Blgica... de dito
Italia.... 3 dedlto
Alemanha. 4 de dito
Pruaaia ...2 dedlto
Dinamarca SO de Marco
Ruaala... 3l de dito
Turqua. i de dito
E,-Unido. 20 de Fevr
Meiloo... 31 de Janr
California 1 de Marco
Chlll. 2 de Fevr.
Hueaoe-A. 6 de Mar;o
Montevideo 5 de Mb'o
cambios na at DB MAM.
Sobre Londres, a 27 a 27 '/, d.
i Parla, 355
i Liaboa, 91 por cauto.
aaiTAra.
Ouro. Oncas heapanholaa.. ..7.,.'.?.
Moedaa de 6/400 velhaa........
. de 61400 novaa........
de 1/tK'u...............
Prata.PatacSeabraailelroa..........
Peaoa coluuiuarios...........
Dlins mllenos........



PAUTE OFFICIAL
Uommando das armas.
Quarttl giiural na ct'iade do Recife 26 it malo
d 1852.
OBDBM DO DU X. '.'6.
0 marechel de campo cornmandaiite das
arma* tendo a vista o aviso do iniiiist-rio da
guerra da 7, que por copia Ihe foi endore-
cado pelo E*m 8r. prndente desta provin-
cia na data de 24, lado do oorrenta tnez de
oaio. tai puVIico para os dos convenientes,
que Sua Mageslade o Imperador houve por
,.-m por decreto de 30 de abril ultimo pro-
mover os Sra. oUciaesdoscorpos dearlilhs.
ria do emercito, eujos nomes s-iguum abaixo
declarados.
Segundo batalliio de arlilnaria a p.
Para capitn.
O primeiro tenente do mesmo bsUlliSo
Joo Evangelista Nery da Fonseca para a pri-
meir companbia. Achs-se tiesta provincia
naqualidade de director da colonia militar
de Pimenteiras.
Para primeiro tenente.
0 segundo tenente da companhia de art-
fices desta provincia Trajano Alipio de Cer-
raltio Mindonca.
Tcrceiro batalhto de artilhart a p.
Para primeiros tenentos
Os segundos tenentes do quarto bitalho
da mosma arma llrazilio de Amorim Beter-
ra o Hennques de Amorim Beterra.
Qinrlo balalhao de arlilharia a p.
Para mejor.
0 capitSo do mesmo batalhSo Alexandre
l.omes de Argollo Forillo por merecimento.
Para primeiro leneote sjudanie.
0 segundo tenente ajudante do mesjiio b
tslhlo Manoel Deodoro da Fonseca.
Para primeiro lente guarlel meslre.
0 segundo l-nentequarlel mestre do mes-
mo lut.lhSo Caetano da Silva Paranhos,
Para capilSrs.
Os primeiros tenenlesdo mesmo batalhSo
Francisco Primo de Souza e Aguiar para "
Da meama aorte fol recebidn na cmara do ae- i Art. 79 -- Toda a pcaaoa que fallar b
nado e ua doa deputadoa Uin grande banque- nos aeua traloa coi o banco Acara excluidj
le do congreaso fol dado ein aua honra, Nesia [ orgociar com elle directa ou indlrectamen
oicaalao exprimi Koaautt a aua Intencao der Art. 8o Havendo Ireadlaa santoa succ
viajar pelo oriente, eiu lugar de rollar Eu-lvos, e.n um delles vir un. doa directores
ropa, o gerente e portelro facer avala Interna
Jennv Lind devla partir para Inglaterra a 24. lema do eatabelecimeoto, para verificara'
Lola Montea ful eotTrlveluiente recebida no motivo de descoofianca que eilja pro video
tbeatro de Uroadmay. Art. 81 A dlrcccuo fica authoriaada |
Oa aviaos da California menclonam que ex-! presentes estatuios a demandar eacrdem
tenaaa carnadas de murmure e pedra de cal ti-1 dada, e a eiercer, com llvre e geral dminlti
ola ni aido deacobertos perto do .acmenlo. cao, plenos e poitlvo poderes comprehendl
a uoiicias das ininaa eram favoravela. A pro-je outorgadoa lodoa.e aera reserva de algr
duccao do pait de Maripoaa era enorme. Ha vis f meama os poderes eui causa propria
locrgo : cin San Francisco porein oa Indlglna'i
cslavain excessivamente revoltosos.
MMt Liverpool Chmnitjta.)
TITULO 10.
tendo estes retirado os'paderea que bavlam! Art. 8 Aapeasoaa, que contrataren) era erfldos aportlos procuren), por urna 6
- banco. bagario a laxa do sello doa tuTM lili
conferido a D. Jo Manoel de llosas para oa
repreaentar no eaterlor.
Aa defeccea aofl'ridas pelo general Oribe, a
imposalbilidade eiu que eatava de realstir s
lorcis alliadas acceleraram a aua queda, e ole-
varain a capitular, com o genaral D. Justo Jos..-
de Urquiaa
o baoco. pagar
por que cooatarem.
Art 83 "Ao banco competir o direito lo
accionar aeua devedorea e obrigadoa, no fofo
do contrato, sendo sumcienle para comproitkr
este direito o lugar da dala dos ttulos.
Art. 84 Ficaa dirceco authoriaada pan
Tendo o gorernador de Buenos Avrea for- requerer ao governo Imperial a approvacfa
malmenle declarado a Intencao de faier a gucr- doa presentes estatuloa, e aeu beneplcito para
ra ao brasil, cootrabi com a repblica Oriental, la Installacfio do banco; bem oomo para veri-
e com os catados de ttntre Ros e Corrientes Hcal-o, logo que esta poaaa ter lugar regular-
uina nova alliaoca, em vlrtude da qual Ibes
prestel auillloa, aflin de, destruido o poder
pesaoal do mesmo goveroador, e constituida e
orgaoisada a Cunfederacau Argentina, cultivar
com esta aquellas relaedea polticas e de boa vi-
ilnbanea que Unto cooviu a auiboa os pases,
e que o sraieina, vistas e precedentes do i
mencionado governador tornavain linpoaaiveis,
a A victoria coroou splendldamente aa ar-
mas do eicrcilo alllado, e o poder de D. Joio
Maooel de Rosaa lerroinou na batalha de Monte
Caseros. ,
a Com a maior ufana, declaro era vossa pre-
senca que o nosso eiercito, lauto a prlmeira li-
nha como a guarda nacional, se houve incon-
lestavelmenle cora o malor bro e disciplina, c
queadiviso qnc assistio batalha de Monte
Caseros adquiri para ai, e para o aeu paii uuia
gloria que nunca ha de perecer.
A pericia e valor da nbsaa inarlnha cabe
nio ineuor parte em tao felit resultado. A pas-
sagein doTooelerobe mu feiiobilibante que a
historia.tu de registrar.
Cora o governo oriental, eotao investido de
todas aa faculdadca, pela ausencia de outros
i
ctarif.
ecuoda companhia e JoSo Mana de Almei i poderea, pela neccsjid.de supreraa de a.lvar
. c.,i.'. .. n. cnmn.nliii, en Dri- a repblica, foraiu celebradoa os cinco tratados
da FejO para a sexta compsnliu, o prl i outubro proiltao paseado, que voa ac-
meiro tenente do primeiro btlalliSo da mes- f ,enles. '
toa arma Joio Carloa de Villa Grao Cabrita g 0 gOTerno oriental novsmente elelto tem
psrs a quinta companhia. ,, J valldade deaaea tratudoa dundas pro-
Para primeiros tenentes. I venientes de nao haverem obtido a approvaco
Os segundos tenentfS do mesmo batalhSo da aasemblCa legislativa. A queatao est pen-
Fcliclano de Souia e Aguiar, Jos Ignacio daole, e ba rasdes para crer que vira a ser re-
Coimbra, Jos Angelo do Uoraai llego e Ay- olvida ..il.f.clo.i.menie. 1Em iodo o cas os-
r'es Aa^ninoeMraiS Ancora; n segundo re vaer co.r,> S^""^ ^
lencnte do primeiro bataltiao da mesma ar- tm 'de er pre,enlc vereis aue a rea, pu-
ma los Antonio da Fonseca Lesss, e os se- b|c(| conl|nu, augmentar progressivamente.
gundos tenente* do segundo hatslhSo da, % Augustos e dlgoissimos seaborea represen-
meama arma Apollonio Peres CampolloJa- t,ntca da nacol Cont cora a vossa coadjuva-
couie, Jos de Cerqueira Lima e Antonio {io para ludo quanto for tendente a firmar e a
I miz lluarle Nunes. deaenvolver cada vei tuaia as nosaas institu-
Pr.me.ror^.^^na a ravallo. j?"^^,' &&aUtJStf&
O primeiro tenJnte^o'qu.Vto b.t.lh.o do Ettti2\\VSttX
rlilharia a p Severianoalsrtim da ronseca na
para a sexta companhia.
Carpo de arlharia de Vallo Grosso.
Para capitSo
0 primeiro tenente do quarto batalhSo de
arlilharia a p Denedicto Mariano de Cam-
pos para a quatta coinpauhi.
Antonio Correa Sera.
Esl abena asesao.
D. PEDRO II,
Imperador ConililueOKol e De\en-
______ $or Perpetua d" Uttil.u
PERNAMBUC0
EXTERIOR.
Tribunal do commercio.
ESTATUTOS DO BANCO Dt PERNAMIIUCC-
OhcIuh". )
mente.
Recife 29 de novembro de 1S5I.
Dr. Pedro Praneiieode Paute Caoalcanli de
querqui. Presidente.
Jote Bernardo etiSo Alcanforado. Secreta
frrfinu (ioncatve da Silva, Secretario.
DECRETO N. 888 DE 22 DE DEZEMOIto
DE 1851.
Approva o Etietvlot do banco >li Provincia de
Permimbuco com alyumat alteraeo'ii.
Attendendo ao que me representou a Directo-
ra do banco da provincia de Pernatnbuco,
bel por bem approvaroa aeua estatutos comas
segulntes alierafoes:
1.a N> artigo 15, no fun, licao supprlrnidas
as palavras He prohibido o exarae nascon-
las de depsitos e registros de letras, que ao
aeio patentes cominlsso. deexarae.
2." Pela approvaco deates estatuloa ae nSe
revoga a dispoalcodo artigo 10 do decreto de
10 de Janeiro de 1849. Joaqun. Jos Rodri-
gues Torres, do meu conseibo, aenador do im-
perio, ministro e secretario- de estado dos ne-
gocios da fazenda, e presidente do tribunal
do theauuro nacional, assiin o tenha entendido
e faca executar. Palacio do Rio de Janeiro cm
viole e dous de dezeuibro de mil oilocentos
cincoenta e tira, trigsimo da independencia e
do Imperio. cora a rubrica de S. M. o Impe-
rador. Joaquiu Jos Rodrigues Torrea.
Conforme. Joo Maria Jacobina.
Conforme. O ullicial in.ior. looqaim Pi-
res Machado Porulla, Confer, Bandeira.
Eatava o aello Numero li -- ICO. Pagou
cento e cesaeota res.
Recife 12 de Marco de 1852 Carvalbo Bap-
tlsta de Si Nada man se contlnha era din
estatuios e decretos, que eu Maximiano Fran-
cisco Duarle, official raslor interino desta se-
cretaria, bem c fielmente copiel dos proprios
origioaes a que me reporto, e vai na verdade
ae.n co tado na forma do eslvllo, nesta aecretaria do
tribunal do commercio da provincia de Per-
naiubuco aos 12 dlaa do.nez de marco do auno
do nasciraento de NoaaaSenhor Jeius Chrislo
de 1852. .
Escrevi c assiguci
Em f de verdade
afdximi'ano Franctieo Ruarle Official maior
interino.
raslo deve ser fe'ida em suas bages!' Ad-
uiitts-se, or momentos, que ella cuntenhe
em si deleitos e vicios, como he natural,
visto ser obra dss mSos dos homens, mas
nioestatuio ella os meins de remedis-lo*,
independente do tempestuoso apparato d'-
uma constituinte? Em que artigo da cons-
tituifSo se recommenda esso recurso vio-
lento, na hypothese de reformas ou mo-
dilicacors em algum dos seus pontos t
Ora, nSo estando este tneio extraordina-
rio comprehendido em a sua ampia esfera,
he evidentissimo que he elle attentatorio da
mesma constituifSo, como tal lgicamen-
te reprovado, e criminlo; embora os seus
DIARIO DE PERNAIBUCO.
ItECIFE 28 DE MAJO DE 1852.
Por pesioa fidedigna somos informados do
fgulnteaueoudo, cominetndo boolem, 27 do
crrente, na comarca do Cali. Tendo o Dr,
Duarle Coelbo de Albuquerque Mello sabido de
:c.;rcorco.loc.d-o tope U ".Id e cummissi um litlM% I ^^^^t^.UT^SS'^ Evange.ho, que nao sao m.ii do que a confirma
de S Jaque.-.a-Hocherle. entregar o saldo, ae o houver, a-quera per- P ^ o caminhcTdenomin.do-In- tao divina da moral universal. ... vez de ln-
'ferno-, proal.no aoeng.uhoMulinole.recebeu|cucar-,e-lhe a necesaidade de reformas nno
Daa letras e vales. i ^ ,h M a*,ao do acclr0 de umigidas pelas precisoea aoclaes, cumpre incul-
Art. 67. -- A. letras ou valea que o banco "aSaa..!____i lsn .',..... rriH .,. car-lhe o. principios do chrlstlanlsmo. cas con
'"i?in que Parla val ser lllumluado por um liquidada a con1
.-----... vencidos,
Su
daadespezas de leilo, juras
ao de um por cento, sel
lea insud>ta, decollar o veneno de suas
malvolas intencoes, Inculcando com a im-
pudencia do facioso, que a Contiluinte he
urna /Aeve, e que os meios com que preten
dem realisa-la s0o os mu brandas a paci
fieos.
Que osthaphisici arguciosa 1
yne ardil levado ao ultimo requinte !
Isto he o mesmo rjue diter, que he IiciCo
incendiar utoa cidade inteira; com tanto
que o i nc'mi 10 s'j i promov Jo lentamente,
e sem estrepito tjue os slvsgens do C*oa-
diotenham por costume mstsr as arvores,
lirando-lhes pouco e pouco a casca, e fus-
tigando os seus arrbenlos, nSo admira que
ssim procedan, ltenlo o euibrutecimento
dosses entes digmerados; masqueosnos-
ans consumados publicistas queiram aoni
quillaro pacto fundamental da nacSo por
meioapacficos, sem se convenceren, de qu'
heisso um crime de lesa constituifSo, he o
que por certo excede a humana expecta-
Cio Segundo taes principios, pode-'su ma-
tar sem respoussbilidade peranto a le um
homem qualquer, uoia vez quo se discuta
primeiro a necesaidade de sua moitr, e os
meios de executa-la com toda a brandura I
Com essa tctica artillosa e ridicula os
nossos consliluiutes nSo se assemelnam so-
mente aos selvagens do canadi, mais Ion-
ge os arrastra o p'urido da imita;So ; a sa-
bor, fazem o que fazem o morcegos chu-
pam o sangue, e sopram com as azas, para
adormentaba victima I
Que nuvem de tuorcegos hffvia de cahir sobre
cdigo do iin.nor tal fundador do Imperio .'
Mas enganai-vos no alvitrr.
0 governo do pala, de accordo cora todos os
cidadaos, que amara de coraco as suaa iusli-i
lutedes, esl no firme proposito de conter oaj
vetaos exeessos : sobelja tem aido a tolerancia,
para com facciosos que nao cessam de cavar a
rulaal da patria, despopularlsando suaa cren(as,l
fermentando as paltes contra ellas ; tornando I
ioso o rgimen fundameAul.do solo, ail;an-(
do o fscho da discordia entre os cidadaos, e.
procurando por IWor os meios oppur embaracoa
marcha regular e tranquilla.daa couaaaf
Por menoadoque iaao uoa Estados-Unidos do
torta a voz da iuiprenaa aoarchica serla aballa-
da ; 4spasrlados os Innovadores, e devldamen-
le ezcarraentada a audacia de machinar-se con-
tra a esistencla politice do paiz: maa nos nao
aconsejaramos nunca o emprega.de meios tao
severos, nao a porque arria dar as honras de
inai ivrrs a pobres especulador es, que ho ven-
dido a alma ao demonio da demagogia, como
porque na lenidade, e brandura daa noaaas lela
temos todos os recursos contra os desmandos
da imprenaa, e daquelles que a descarreiam das
sendas da tnoderaco, do comediinento e da
moralidad,*. Assiiu se cumpram as lela com op-
portunidade e vigor. Nao temos neiii foma
uein sede de refonnas as nosaas insllluicdes
polticas ; precisamos sraenle de reformar os
costumet daquelles, que querem reformas i
cute o; precisamoa de banlr o crime da socieda- ]
de. reprimiodo os insllnctoa feroses dos seus
autores.
Um povo para ser llvre, he mlster que seja
religioso e honesto. Para ser urna e outra cou- ',
sa, benecessario quecooheca as doutrinaa do
trario fizer ser I inmediatamente preso a inioba
ordem.
7 Em urna reunido de pessots deaconheci-
daa pelo seu disfarce, ealge a boa ordem, que
lenham ninas para com aa oulras a malor at-
ientan e urbanidad*ie portamos* petsoaa que
liverem compo.tamento opposlo, sero lime-
diatamente expulsas do theatro.
8.* No vestuario com que oa mate-irados se
dislarcarein, nao se far aluzo a nenhuma pea-
toa cenhteida, netn aa elat aa a corporal dea da
provincia, e ae procurar, que o saea.no vestua-
rio srja aempre decente, como conven. % reu- )
nio publica. Qi.e.n le apreaenlar deiaando dt
cumprlr estas duas condic'Oes, serexpellido do
theatro. V
9. Nlngue.n poder* oceupar o luga, destina.
do para as controavaneas, ata. quaolot ellaa ae i-
seren ; e ealaa serio dlrlgidaa pelo aaunlnlttra-
dor do theatio, ou por pessoa para e 1ro por
elle designada.
0. 1 autoridada policial, encarregada da
inspecciono theatro, dever vigiar que dentro :
dalle, ou VJS recinto destinado para o baille te'
observe a ordem, dece-icla e silencio necessa-
rlo, fazendo espedir delle os que o merece-
rem, prendendu-ot, procedendo na forma da
le, se o oaso aasim o merecer.
Secretaria da pulida de Pernambuco 27 de
fevereirode i85l. O ebefe de pollcia,Jertfnv,/no
Uartniaiw Fiaucira de Mello.
VARIEDADES.
torre de S. Jaq^___------------------
Esl decidido que urna ealatua collosaal do teiicer.
imperadar Napoleio de ao pea de altura, aera
-.ollocada aobre o arco Iriumpbante doa Cam-
ferno, prosi.no aoengeuhoMulinole, recebeuIcu!c*r-"-|he a necesaidade
,' ...o tiro, que lhe fol desperado do acelro de um'"-K das pelas preciaors ocla.
, canavial, do qual ricou gravemente ferldo, eu- | ?f r"l_nA?,.pI'c!P.^.* _.,-L',
- jtt do nesae estado recolbido quclle
rda nacional de Parla, depols de dissol- res pagavels a vi.la, e ser.o P"^08 J11' dl: He de notar-ae que. cot.duz.ndo o
substituid, por um. guarda de vo- "^""PW^^i'i^'.'LTleo^ lo8' com eadel... fol-lhe ea
s. Intitulada -guarda do prealdente da gerente, e rubricados pelo pre'ldente secre- liraodo.,Be.lhe ,, Uln bollo de ,
pos-Ellzios.
Agua
rida ser
lunlarios, Intitulada
repblica,
eminir no aerao de valor menor de cem mil
Wo m. iei no Wurtemburg, prohibindo vale, aera, lod.de banco e..
a uu.lquer cidado contratar casamento, quan- ou endossadores, que o-mhu
larlo da direceo. A reaponsabilIJade desles
e nao dos portadores
o^r=riu^^rr: .-asas dcu!
'"".dlr.c.ore.dob.nc, d.^^-tjo*. ^.^ ^gK^ii* .*''
, paredes sao de .presentados. Ne.uhuma emlss&o, porm
r._.: ni *... .ai. si.ihr
inundo no meio do jardlm c
d" 2t2M25Sr*ff SS q"" aPr. que STmBa^Sn^^SS
recolbido quelle engenbo.' equencias daquelles principios cutipre lUtZS-
o Dr. Duarle tra-lo mas nao transvia-lo por meio aenoutrl-
le deiado |oaa 'I1"' nau po em perigo a paz da buropa,
' e que por veaea teera infestado cora seu balito ,
malignoo nosso paiz.
Rio ha niiiguc.n por abi, que lenha a mala
leve tln.ura de conbecimenios blsiorlcos, que
ignore quaolos perlgoa pode accarret.r um
Nao valis a pena de vos combaler, senbo-lpovoa reforma do aeu pacto fundament.l, por
pagos no banco re3 t Constituinte. I.ueio de urna constituinte, a qual, na phraae de
NSo leudes doeas, porque nHo tendea Cap'fiquc, be semelbante i procela, que leva
geDI diaotu de ai ludo que eocontra ; be o somidou-
'ro dascrencas e t adicoes de un. povo ; he A-
Comniunicado.
di.to fechada cora groaaas porlaa de ferro, aao
destinado a recel.er a linmensa maasa de ouro "lul"
eprata, nio td cunbad. corno en. barra, que dividendo. c fundo.de reserva
forma a reserva do memo banco. Art 69 --llavera um balanco todoa o. sela
. velmcute asaemblea geral em suas reuuioea
3o).
Ilia.
Uberd.de, lgu.ld.de. fr.terold.de- sero levada, as dividas que forera reputadaa
...... o. edificio, publico., he de 1,00o pouco Inteir.n^ente perdid,..^^ ^ ^^ g
''.ViST. Jo- inr.nid. Ileapanb._. ^'T^Z^^^to^^^at.
lilim segundo de D. Carlos, fugio de ...a mu- pllal, e dividido pelo, a
li.er cara urna ala Ingleza. A mulher he Irma, proporcinaseme ao ou
accionistas
mero dc.uas accOea.
do duque de Modena.
Segunda-felra, lide Janeiro, 38 casas de ma-
rliiniataa engenhelro. em Coodres e Manches-
ler fecbarasn eus esl.beleelmenio, Hondo
I ur esle motivo d.recia ou indirectamente sem
' ...prego un. 10 mil operarios.
G.lcula-se em 447 mllbdes delibras esterli-
nas (10 mil is.ill.de* nioeda br.stlelra) o capital
que luui at agora tldadetpcndido, na constru-
yo de ca.ninboa de ferro, as dlffereotea par-
les do mundo.
Outra tornada de mulherea, compoila de 5
raparlgaa de 19 a <0 annot, principalmente cos-
tuieir.s e cri.daa de ervlr, acaba de paitlr da
Cria-Kr.unha para Sidney.
0 numero de paasageiros que deaembarca-
dur.nte o auno de IS5I i
TITULO 9.
Ditposicdr. gerac.
' Art. 73. O falleciiuento do accionista nao
obrig.raliqud.robanco; .os eu. herdelros
ou repreeotaole. nao poderao de forma algu-
na por einb.raco .o andamento das oper.coe.
do mesmo baoco. e terao direito a percepcao
doa dividendos, e tranaferencla de suas ac-
edes, se lhe. convier. ,
" Art. 74 A dlreccio procur.ra seropre ul-
timar por meio de arbitro. s conlesUcOea,
que se posamuscltar durante a ua aduilqis-
rt. n -- O banco poder requerer dos po-
-'-- ou medi-
lur. e artes: _
tm varias labe.nas e caHt de Par euo afo-
lados editaeeprobibindo rallar em poltica, aob
pena de espulaao
como oa doanacionaes.
Art. 76-0 banco nio poder negociar
or sua coota em mercadorlat ou bens de rait;
e asando oa adqulra. por trato cora eeue deve-
dorea, ezeoucoe, ou adjudicarles, deverf ven-
Epir. a, novas obras annuociada. .ra Parla dore., ezecucoe. J''alc*'
r..aum.por Ale.andre Domas, Intitulad, -j delHa ""/^P^" J^ ^Ip,., ep0..ulr
"r^.e'.-Brgrre'petemobo.todeque,,, '^^^^^^^1^.
'"VSS^jfOS^tm receben ^\A'0-- *" d,mn0: "
rrsioalmente Koisult com multa cordiaildade. resultar, sera expuUo.
principios, e um grupo sem crencase
principios mo merece as honris de antago-
nista leal.
Cegam-vos as paixOes. Ao clarSo de
maior luz, desstinaes como insensatos, e
ei-vas ululando pelos ermos espatos do de-
lirio, e at da insolenci
salmele o abysmo emque se bao precipitado
sociedades inteir.. I
A lda de constituinte foi sempre o ulli.no ap-
pcllo d.slacces desesperadas, que a nos tu-
multos e notbalos reallaam o aeu bello ideal.
Uin partido q>e confia na justlca da sua causa,
Sois incapases de critica, porque vos fal- e no futuro de >u.t ida't nao se arftmessa as
la o bom tenso: e vos avassallam os vis, da d.amoralls.cio busca oa calma da r.-
que nSu be parar no que he justo que dc leDr,ro a'onel que o liga epe-
recalcitra i vos da syulensis, eado propuo
infortunio .'
0 que queris vos .' Uuma constituin-
te soberana, i dizeis toJos os das .. 0 que
ligntica, na linguagem da historia, essa
palavr. de terror em um paiz bem constitui-
do e organisado ?
Confusao e anarchia
Sun confusBo e aoerchia, eis a legenda
sinistra da vossa bandeira de ungua '
pena dc quebr.ro .noel q
rj.i;.i, primeiro elemento de actividad, na vida
das ovoides, e de todas as traoiiccde hu-
manas.
Quera aasim ae prime, be retribuido com
ioaullos coasaco ; mas nao importa ; ai inju-
rias, as enromas, e aa dittamaide. aio armas da
covardia e da baiseza ; nao as cinjirelnoi nun-
ca ; ella, tao digna, dos lardes que aa manej.m,
aos quaea e.n contr.poalco su- proverbial in-
solencia applicarerao. a passagem de S. Am-
I brollo:
E serio estes os verdadeiros elementos de I Atlolat licci somis emittius latebra colaba ptrfi-
ordem, de progesso e de prospendade em dice capul, et serpentinis evomat pectoribus : con-1
umanaQo? fiisus el distrmcli esl.
loterrogai-o bistoris, e ella vos respon- I Levante embora o dr.g.o. ahiodo dos hor-
dera com os qutdros medonhoi deisai 10- 'epdo escondrijos a c.bec. da perfidia, e .o-
.:.... r...:;.j____^.i.....i. a______..,_ He do eu serpentino pello o veneno ua i
cha; elle ser confundido e anniqulllado.
OGanco do Capitolio.
Publicaco a pedido.
ciedides fulminadas pelos raios dairevolu-
crtes.
A ronsi.'iiinfe he um tkese ; queremo-
la, mal queremo-la por meioi pacilicos
sofismsis vos.
Sooponhsmos.porem.quecom effeito a cons-
lituinle eeja urna these.e que os meios que rtEGULAMENTO POLICIAL SOBRE OS OAi-
empfegais para leva-la aos seus ltimos re- UJS HASCAHADOS.
sullsdos sejam paeAeo : mas, aiods assiin, i_. ninguem pod.r fumar aenio dos corre-
sera licito em face da nossa legislarlo, dis- dores debalio, ou no aalio da entrada onde o
cutir essa Uios-1, e applic.res.es meios? soiu aeacba lageado.
Quaei lo OS flng da vossa constituinte? 2. Smente as pessoal mascaradas be per-
Reformar algumas bases esaenciaei o pac- niittldo o tomar parte as d.nca do baile,
lo fund.mental do imperio. >' Benhuraa pri.oa mascarada poder entrar
Bem : ., M po.itic. do Bra- ZEX>\Z ^^SSJT1' ""
zil he coomdereda pelos melhor^i publicis- 4 Htnouill lnc;r.do poder dirigir i pes-
tas da Euiopa a obra da sabedoria e da pru- so, ,igumJp .inda mesmo mascadas dltot ou ln-
dencia, por ser fun la la nos lentimeotos e suaedes que poas.m oonsider.r-se Injuriosas,
opioioss dos maisabalisadoa Ealadslas. e li- ao*rca de aua conducta civil e moral eo que
gada i moral chriitfla, que he um doi seus oAser ser immedi.ua.ente eipellldo do thea-
principiol fuidamentaes, como ha quem tro, ou recolbido a cadel., e a oflen.a for gra-
ouie a conceber o lio. roroso plano de dis- ve. a hil.o do inspector do theatro.
losa em seus pontos c.rdeses? Se ella, .en- grolnmli u,_ ou chelrol de qUaiidde .1-
donoiapresentadous saudaveis effeiios da guln# e aquelle que fizer ser imraedlatam.n-
sua boa organisacSo, nao revelou anda mal te lancado lira do theatro.
algum oppoito a liberdldes publicas, nem I 6.* Nlnguem poder arrancar a mascara a
tos direitOS lualieuaves dos povos, porque I pessoa que a trouxer : e aquelle quo o con-
MUTILADO I
epstola
Diriijiti'i no prineipto do annoproximo pastado, pe-
lo tleitor de provincia Ptro Jaco, a um eu ami-
go diputado aaitttntt em Lisboa.
Ha multo q ue nao te eicrevo,
Do que estou envergonhada :
Porein nao go*to, oem'dero
Ser de Importuno tachado;
lNem a liso, emtim, me atrevo.
Mai boje, galhardo amigo.
Viito que eslou de pachorra.
Quero enlender-me comtlgo:...
Releva poit que eu recorra
Aqueiu pdedar-me abrigo.
Como canto de cigarra
Eita carta nao lera:
Vai ein trovas de handarra,
Para ver se assiin dar
Uva bastante e nao parral.
Com estas trovas, e raais
As do Prelo do Japao,
Me i!/, poeta, dos taes,
(ua do r.-i tiebastio
!>Jo noticias idefaes.
Mas ser poeta smente.
Nao quero, nem meconvm ;
Pofs, c oa trra, essa gente
Ja nao respeita a nnguem,
Por ser douto. ou cloquate !...
Ser abaslado, isso sim.
Desojo eu, e i*s apraz;
Porque tenho pata inlm '
Queodinheiro ludo tas,
h d nobreza por liiii.
T.t dinbeiro, e figurar
No gremio da fdalguia.
He quanto nos pode dar
O resprito, que boje em da,
lodos querem disfrutar.
inhero, pompa e uobresa
Hel de ter, se conseguir
Que a tu* astuta esperte
Maja nisso de iutluir,
Com diligencia e firmeza.
Sou. eleitor,... bem me enteadM,
1. tenho na mlnha mo
Conseguir-te b que pretendes...
Logo, pois, be de razo
Nao te esquecer que dependes!...

Sou valentc, e destituido'
Vis guerras eleitoraes
Mas quero tirar partido
Das intrigas infernaes.
Km que me vejo envolvido.
Muitoameaco, e praguejo,
Seja l contra quem for
Quando preciso, ou desejo,
lmulir inedo, e terror
Em alguina lorpa que ve'jo.
Por esta guisa coinsigo
Fazer-ine sempre seguir
Por amigo, ou inimigo,
Que tentasse divergir
Lio meu voto decisivo.
Portante, se te agradar
Essa casa de S. Benio,
Equizeres conservar
Cadeira no paiamento;
Podes, amigo, contar...
Farel tildo o que poder,
Hem certo de conseguir.
ntreos mais, de se eleger
Para a sessoquc ha de vir,
Se elelto quizeres ser,
Dtze o mesmo a teus collegas.
Que o meu vol axibicionarem ;
E ve que eirado navegas
He todos nao concordaren*
Em andar nisto s cegas.
Sem despender, malogrados
Picaran, seus pedidos:
Jamis serao deputados,
Hem me seren remettidos
Alguos centos de cruzados!...
o sejam mesquinbos, venha
O dinbefio, e fiquein certos
Que nao ba fugo sriu lenha;
Nem teme acuar-se em apertos
Quem uuiilia, e dlnheiro tenba.
Se largamente pagarem
Terelem breve oppolencia;
E quaodoos mais me fallarem
Me difo vossa excelleocla
Para em ludo um agradaren..
A miiiha rnulhcr, (coluda!)
Com lito bem folgariaj
Porque est infastiada
Da sedlca Benhorla
Que lhe d sempre a criada:
He caprichosa... apetece
( K faz ella muito b:m)
As honras que aasaz merece.
K que gente igual ja tem :
Cosa que nunca lhe esquece.'
Nao quer ter s dona Audreza
( Nlsso tem ella raio )
D-lhe este no me tristea !...
Suer que me laca ni barSo,
lhe cha ni em haroueza I I...
Sabe que sou cavalleiro,
Por me ver sempre montado :
Eme chama a conse.helro *
Por Ibe haver coaselhoa dado,
Dando-in'us Olla primeiro.
/
Quebra-me a pobre cabeft,
K .e torna impertinente.
Porque nao tenho urna peca
De metal mullo iuaente.
Que no gibo*esplandeca.
Todo, teem agora aquiHo,
Que parece um aol, no pello ;
- ( Me dl> ella ) e congul-Io
" Devea por forca, ou por grito ;
- Ora, pola, manda pedi-lo!...
Eu, que son um bom marido,
Ea quero satislaser;
.Yi<> tirei ...ais do sentido
O fallar-te, ou eacrever
Sobre o tal aol tao querido.'
Be inlster, poit, contenta-la,
E mandares-lba a cerleaa
Oe vir a luzente gala,
E alcunha de ba ooesa,
Em que noite, e dia laUa'...
Nisto bem esperanzada.
Se eipressa alegrej'e toa
Na mstica lingos/usada
Pelas damas ne Mshoa
A quem, diz, nao cede em nada.
Chama ao tocador ~ toalsu,
Soars chaina aoa aere. ;
E isii.it -m vezra pete
slou engajada ao poltrse)
Com quem Uan(tr nao prometle.
Do plaono o grato om
Lhe causa vivos prazerea :
Coala de ludo o que he bom l ..
E chama a ludo ifaisre
Da gente do grande toui.
Pouco eotendo esla engrimanca
Mas dia Aodreza couteute.
Que da Turquia a da franca
Viera, conjunctameote,
Com as quarilhas que daoca.
Quer aempre, ao Jantar, per,
E veatlr uiuito franceza :
Nada de aia e b.J,
Como qualquer camponeza :
Quer vezite, e padessb l ...
Quando me indu. a]comprar
l'.ii s dixes, e mais algum,
Me obriga a hlr consultar.
0 livro qur chama lbum.
Para os mues recordar.
O t.i livro be abundante.
De nomc. crespos, e naos.
Que traz-n judeo errante,
bipllcando os flgurlnos
Da moda mal. el.gautc.
Saber Iraucez lamben, quer.
Porque as damas delicadas
Deven estudar Voltahe,
Par. ter Iniciada
Nos direltot da niulber!...
A ilain.M que mal. Ibe agrada
He grega, alemS, ou turca
Aa outr.s nao valeu. nada I ...
Sd na />o/tii e na monarca *
Quer ser bem ejercitada' ...
V, amigo, que tbeaouro
Tenbo na minba consorte I ...
Vale mais que prata, ouro
E bem pode desta sorle,
Tornar um cbrislio em tnouro.
He extenso o aranzel
Porem aei que has-de folgar
D'eoconlrar neite papel.
Para ver, e admirar,
Um bom galante ouropel.
Fallar de inioi methor fra,
Eira terca ruudamenlo -
e tratares, sem demora,
Com cuidado e mullo alenlo,
Do que mais ...e importa agora.
Quero ser barao, j ditse,
Quero rxcellencia, e cornenda ;
ijur entrar, aem tal garridisse,
> i eleitoral conlenda,
Fra urna grande lolice.
Servicos, tenbo bastantes,
Qualidades, de obejo ; -
Meus avrts foranl postantes,
K liveram bom desejo
De ser tartos, e abundanlet-
Vem a minba geracao,
('egundo diz n uita gente )
Das terrea, e da nacao
Do divi o iiiiiiniii.il Eot.
Que nos deu a salvatao.
Meu pal, assaz cobecdo,
Fol reg.lo de um convento ;
Minba tni, como be sabido,
Teve estalagein de assenlo,
E nella fui eu nascido.
AosTrades mais sabiebdes.
Sendo pequeo aervi :
Com suas domas licor*,
Entre o malt, logo aprendi
As manilas das eleiedes.
A ntia Ibes ajunava,
Com prestesa, e galbardla
Aos sermdet tamben, locara
Nos sino, da tregala,
Quando algiK.n nella pregava.
Armado de opa^ eacola,
Ou de csuohada bandeja,
D'anliga forma, e bilolla ;
Pedia, porta; da Igreja,
Para as almas benla esuiolla,
Dos cobres que gandajava,
Doa conlaaoa fiadeadei ;
Mat a prata que apanbava.
Para ver se era de Iei,
No meu bolcinbo ajuntava.
Dat almas era o dinbeiro
Divla ter parle a minba ...
Eu, como bom despemelro,
Eoteodi que me coovloba
(.uau.ii a tua primeiro.
O tempo assiin foi pastando,
Te que xeguei a juntar
Com que podesae hir comprando
Duas quintas, e um pomar,
Que depols fui cultivando.
Quando veio o re cliegou
Era cu j verlador;
Eo conselho me envin,
Como aeu procurador,
.Va corles velbaa que arinou.
Fui logo condecorado
Com Ata, e rral etligie ;
Porque diste iu.perllgado
Demora tanta mearuige...
Jaque he rei, seja accionado ..
Velo depois a Ralnha
Cm seu direito melbor'. jp
^
rs
r
X


-_
^L

4>
( Dlretwqn elUJd Jlh )
Chamal loga uiurpaair
Aowllllgutl, mallo atahls-
loml armli. lli ifuirra
Lu gaenilbi liber.il :
8#rrei|omauMllouTberta :
Viva > Cana coDiiitOolonil ..4
Vi o diipoaina a teira I
lito reodeu-me.lte verdade,
Alguna toatdea bem bonitos:
Uavla gollo e vunlade
De vender beui oa laca grlloi,
Km honra da llberdade ....
Ful ama ve 1 de mporli,
LUonio a mlnba Andina dli:)
ai la encerrar a inorle,
Deoa me livre 1 .. Nao, nao quli
Deiar viuva a comerte.
Na citrema diiclla aalava
Da guerrilla avaalurtilra,
Quaodo o logo ic eogajava
L na frente, onda o Terceira,
t.omo um leio pelrjava,
tu ful-ma logo eacender
Na averna de iftu roebeds
Porque uio podia ver ;
(laaa nao la chama medo / )
ONBgua huiniiio correr.
Quando o combate acabou,
San I eu multo contente;
E como bravo que sou,
l'ouiei parte activamenta
No deipujo que licou.
Euonutrel bem eicoltadoi,
I'iaa firldoi prliionelroa :
Grltei-lhc --Fura malvadoi,,.
> Cobarde.. burros.. brejeiros!
Quera ve-loi enfurcado ...
Qula a um logo malar,
Km po va do meu valor:
.Vio a Ha, por nlo delxar
De faiercouia melbor,
Indoua mortot laquear.
Km um dlqbelro encoatrel,
N'uulroi relogio, e cordoes :
De ludo me apoderel,
Com luali algum valeuies
Que no mesiiio afano acuel.
De guerrai nao quli mais nada.
Vlm para cata alegrar
A boa Andrria prelada .
A qual veudu-ine chegar
Flcou leda, e aocegada.
Larga conla entao Ihc del
Do taqueado deipojo ;
ftieus altos felloi contel!..
n Sao lYuclo do leu arrojo ...
( Ella me duse bem sel .' !
Nuuca depoli tomel parte
Eiii aeinelhantescontciidas :
Eu nao aouft'hode Marte I ..
Engrosar as mlnbas rendas
He omeueuipenho, carie.
Agora, amigo presado.
Cuido era votos de eleledes ...
S lilo me d cuidado ...
Hende nobresa, elosldcs...
E pode dar-me uai condado! ..
Ora poli, como tu vea,
Teuho aervlcos bastantes.
Que multa gente nao le;
E devo ser, quanlo antes,
Bario, ou conde, ou marques !
Com diligencia, e cuidados
Me podes tudo alcaocar :
Duas duslas de apoiados --
Suando o ministro fallar
os dacio taes resultados l.,.
Mas, voltando as elelcdei,
Vol dizer-le o meu sentir;
pois, cm taes occasldes,
Ha cousas que faaem rir;
Qutras dao Indlgestdcal..,
Ando agora ( couia c.tranh 1.' }
Quasi sen prc a malncar
Na maneira, guisa, c manlia
De nunca desagradar
Aoconde, nein ao Saldanha.
He preciso estaos bem
Com ambos ao inestno passo :
Isto la custa, porm
Tirar-uie deite euibaraco
Podes melbor que uluguein...
Ej que te nao esquivas,
A'a veres, de me escrever ;
Esperarei que me digas,
Como devo proceder,
No inelo de laca intrigas.
Recebe gratas lembraocas
Da futura baronea;
E ve, einrlu), se Ihe alcance*
Ksses brilhos, e graudea
De que temos esperanzas.
Adeos, mea galhardo, e guapo
Se bem que mudo, orador:
Couta c'um forte sopapo
Se nao mostrares amor
Ao teu leal l'ero Jaco.
FIM.
( Bm Tizan.)
um* popular,!! to cooilderivel coma a da
Fratra -
0 censo do UM verillco quo no** pn-
puli{SilviTi-e eolio* 35,401,741 lubi-
tintes, ,
Oa augmento* su 11 mas fortis* 00 modo
que >o segu :
Km 1847 2.555 pefiot.
im 104.590 a
1819 13,58
Total do augmento 180,603
Ete numero reunidos occesivsmete
i populacho de 1848, dio i populacho de
oada suno. dio para o ultimo 35,582,3*4
habitante.
Eis-squi pira o* quatro oliiinos anuos
conherldos, oa movlmenlos da populaclo,
com sua relelo so num<*ro total das pessoss
existentes eoi cada pocha.
1.* Naieimmtoi.
1848 1)83,473 t aobra 86 habitante*
1847 9l8,a8l I 38
1848 918,748 I 17
1849 993,480 I 38
S.* Obilot.
4846 831,488 la 42
1847 806,096 t a 41
848 844,158 t a 49
1849 982,008 t a 36
S.'Caiammlti.
1846 370,633 1 130
1847 849.797 1 143
1818 992,977 1 a 191 1
1849 .978,614 1 128
1.5ir tr/s quadrot exprimen! oa e-finitos
doa acontecimonlo* physieo e polticos, e
119 diversos gioa de socio que elle* ttveram
sobre 'ipulacjlo.
U anno de 1846 pode ser considerado co-
mo normal. Os slgarismoi que represen-
tana suas mudincaa, nu-slnin sflhrdem es-
t'belecida 110 meio do aeculo MX cm urna
ds* inaiure* socieJades da Europa, debaiio
du imperio de urna oivilisaclo inulto *dun-
I na e com todas a vant-gens de urna orgs-
nisaclo ancial aperfeicoa la.
Nrslas feli/ea clrcuAiiisncia* mace utn me
ninoaobro 36 habitantes; morelldade es-
l ri'.Inzua a 1 individuo obie 42 OU 43.
ll quasi melada menos do quitantes da re-
voluto; e vida humana ae tem protn
gailo de metido.
Neslo t stado de couaas satisfactorio, os
calamentos nBo alo muito multiplicados :
lia somonte 1 sobro 130 habitsdti a dos doua
sexos. HeocITeito da prolongado da viJa
queloroa dilllcil o eslabelectiueiito deno-
tas familia*..
Cumpre dl/erque os nascimentos seriam
levados a 1,013,347 le oa meninos nio los ao
n-scor alii les.011 compiehen li los, como
i'in'iii outros psizea, que, por causa desto
augmento ilusorio, parecem poasuir urna
pnpulaclu mais fecunda. Seguindo este
exenaplo, leriamos lido pira 1846 um nes-
cjuienlu sobre SJ pessoas. .
He intil insistir sobre a utilidade de sup
iu unir doa nascimentoa os meninos morios
ao nascer, e todava esta disposiclo nos
cusi) para ser mlroduzida muitos annos
do tribulaces.
O augmento da populaclo, peloexceden-
1 dos nascimentos sobre os bitos, foi,
cm 1816, de 151,975 individuos ou 1 sobie
233 habitantes. Esta proporclo promettia
que o duplo da populadlo di Franca se ef-
recluaria em 160 anuos, e que o paiz con
44.693 morlo*.
3
7,632
1,880
4,715
4,011
.. 1,379
1,564
,500
19.188
18,569
Noria
l'is-ee-Calais
LaaaWe
Aln
Lelne-et-nia*
01*
Yairne
oc do Rhod*no
Iris perdeu ertl 1819
Em 1882
A populacSo nucluante deata grande ci-
dade n9o permute determinar exactamente
a prnporclo desta mortalidade com o nu-
mero real doa habitantes.
O numero total do morios em Franca
durante o anno de 1849, lando sido de
982,OJO, exce leu em 9<8,000, ou quati DO
quarlo a mortalidade do anno de 1848, o
qual rol, he verdad*, mu lo benigno; mas
oque he naisadmiravel he que elleexcc-
deu un 396,000 os bitos de 18*7, que 10-
di ro um anno de tnlsefU, par* nlodi
zer de fume.
Por eieito desta immeni moilslidade, o
ac.T-'scimn da populaclo, o qual resulta do
excedente doa niaoimentoaaobre os bito,
achou-* reduzidea 13,458 pessoaa, ou 13 a
14 vezes menos quo o termo medio do ac-
creacimo ordinario
He Iriite ler de na-rar dtlistres que lo-
mntn o terrivol carcter do urna falalidade
irreaistivel. Esperamoa todsvia que o* os
Torcos da (ciencia principalmente 01 d*
urna presidencia esclarecida, activa o enr-
gica serlo para o futuro menos desgra-
eado*.
As calamidades do pe'iodo trienal que
(.'animamos teom ao menos diasipado o*
recrio* que linham apparcido sobro oulio
flagelo ;o augmento da populsflo dlspro-
porcional como n Irlanda o n Blgica,
cjm o territorio e 01 recursos da sociedade.
O anno de 1845 que tiniis dado um iccrea-
Simo de 237,060 pessoss. fornccia um aug-
mento a ra ipprehencOes. Sua proto (So
de o tu n tivi luo oble 14* dava lugar a cter
que s populado tluplicira no espado de um
secuto e que no auno de 1845a frang teria
70 milhOes de habitante ou 9,600 por legua
quadrada: porem era ito contar em prever
a intervengo dua mil accidente quoaus
pendem o progressos das na(0es como os
di carreira do individuu.
O augmento total di pupulaclo nlo foi
durante o ices annos de 1847,1848 e 1849
seofio de 180,000 pessoi, numero intimo u
por assim dizer imperceplivol, qurnd) se
detlribuo por urna luperlicie de 53 miltiOes
de heclares ou 27,000 leguas quadrsdss.
'a in"guint"mi ule, durante aquel'* pe-
riodo noasa populacho nlo gaodou, cada an-
no, senSo 6(),iii 0 individuos ou I sobro 590
ha lu" utos,o que dnvo dessipar lodo o racoio
de urna exnuoerancia d> especia humana,
poi* que lido osla nos amoagados de ter utni
populacho dupla seufio em tres nlosouqna-
iroi'i utos anuos
I dita drogss, 1 ombrulho chicotes, 3 eiixas
silln, 1 uita objeetos tggeicriplorlo, 1 dita
tioU* i a J. Crabtree & Comparta.
1 dita chapeos 1 f. F. Tm*B.
* birricas ferragen* ; | Btendar Brendis.
* fardos tecido de ilgoulo; 1 Augusto
C*sr de Abreu.
I dito dito dito; Kalkmam Irmfios.
" 8 TtOS lglr*-**| a Hoitron Dotton A
Companliia.
9 saceos amostra* ; diverso.
CONSULADO GEIIAL.
Rndlmentododl*l 37..
dem do da 38......
41:481,303
1 3.908,128
16:389.331
m
DIVERSAS PROVINCIAS.
Randimenlodo da 1 37..
dem do da 18.......
2:304.480
273,578
2:578,CS8
iXxpoi'liH'iio.
Rio de Janeiro, bngue nocional Recife,
t 826 toneladas, ron itizio o argointe :
14* barris vinho branco, 30 bailas papel,
II ceos, IOsp'ss e 9 barticas imendois,
Saceos nozes, 1 caiilo pecas de franja de
Ma e tranca de dita, 70 pacote caboade
linlio, I eaixi peca de setim, 1 qunola,
9 pipas e 5 barril azeite de cinapato, 13o
tolos fumo, 185 mulhoi esleirs de pilhi
decsrmbi, IcsilOis dooe de calda, 300
(icen* arroz com casca, 90 barricas rasu-
ear,-.36 asccos castanhas do Par, 1 caixflo
cautas de doce de goiabs, 1 barrica um
Jarra de bario, 172 molbitihos courinhos
lo cah'u, 3,300 cocos com cisci, 30 pipis
agurdenle, Siccos arroz, 70 ditas algodo,
1,300 meios vaqueta,
HM.KIII.DIIIUA DE HENDA8 INTERNAS GE-
RAES DE PERNAIHBUCO.
Rendimento do dii 28..... 322,430
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do di* 28. .3:448.636
EDITAL.
ra das Agoaa Vm-des o. 66, ap-
prehendido peb ynpectivo fiscal
da niesBii fregueiia.
O V**0r bnsileiro Pernimbocana,
commandaHe Otten, d*ve obegar dos por-
to do nort eu 5 de Jonho prximo, e se-
guir* 'par* lUcel, flibu e Rio de Janeiro
no di* IcculAla ao da sua entrada.
RE4L C0MP4NHIA HE PAQUETES INGLEZES
. A VAPOR.
No da 31 do correnle, al
1 de juoho esper-se d
Europ o vapor Tay eom-
miDdanle lio O qual de-
pon da demora do costume seguir* para
os portosdoSul para paassgeiro, l1*-
se em cs* d* agencia, na roa do Trapicha
Novo o. 43.
Vico consulado de Espiiti en I'erns/n-
buco.
Por dlspoiicion de S. Excia el Sf flor mi-
nistro residente, de S. M. I* reyna de Espi-
na, en li corte del Rio de Jinero, se con-
vida t todos los subditos Espaolea rezi-
denles en esta ciudad, e suburbios, que
dezcen concurrir p*ra la edificacin dlos
estsblecimentoa de caridad, que ae deben
edificar en Madrid, eu memoria del Miz
natalicio do h. princesa de Asturias, se sir-
van concurrir a esta cancillera, en la Calle
de Amorim n' 15, Inscribirse en la lisia
de la subscripcin. Pernamboco de mayo
1852. por orden el canciller Inteiino:
Nudo Maris de Seixas Jnior.
A cmara municipal deila cidade do He
Ufe, manda fazer publico, para conhecimento
c seus inuniclpes a falla aballo transcripta,
ebm que S. M. o Imperador abri a quarta lea-
sao da oltava legislatura da Issembleageral no
da 3 de malo do crreme anno.
Pico da rimara municipal do necife em aes-
sao extraordinaria de '.(i de maio de i85?.
Francisco Kntonio de Oliteira,
Presideute.
Kanoil t'trreira Aeeioli.
Secretario Interino,
a Falla com qut 5'. 4f. o Imperatlor abri a auar-
la sessio da oitava ttqiilatura da autmliUa ae-
rar* leqislaliva no dia 5 de maio de 1852.
- Augustos e digulssimos senhores represen-
tantes da nacSo. O vivo prazer quesinto sein-
prc que he chegada a pocha de abrir as vossas
sessdes, torna-ie anda malor quando pesio
THEATRO
BE
S. IZABEL.
PIBMUffi BASJB8
baile
n.wvn rado.
SABOADO, 39 DE MAIO DE iH'jn.
As8 horas precisas orchestri executir*
urna linda pega de muztea, linda a qual o
meslre sala dar* aignil para c-omegaro bai-
annunclar-vos que o Imperio gota de tranquil
ilivia-se lomido,emesmolgumas possoaj llade. .....
pouco ou mal instruidas nestas materia! 0"Pf da panada sess.o leglalstlva era,
teem anda boje,0 augmento progrossivo ^^J^^I^^^tXu
meacador que se suppOe existir no numero pilcados assumptos que recommendel ao vosso A qusdnlhis serlo intervilidas por 10
dos iiiiios naturaes, dos meninos morios lltustrado patriotismo na ultima falla de ber- Iroioutos de descanso, e o baile terminarAs
ao nascer e dos expostoe. tura. '3 horaa da manilla.
Tirnrain-se de alguna factos eatstlaticos, a Conflo que proseguiris com vigor novo na Em tudo, so observar o regulamento j
paiciaes ou imaginarios, a mais terrlves dlIBclle gloriosa tarefa que entlo vos lembrei. publicado do lllm. Sr. chefe de polica,
consequenciaasobre a decadencia doscoslu- O meugnvernocontiuuae continuar a re-; as senhoras que se apresentarem miaca-
mes, o despreso da sanctidade do malrU.o- P,n *,, t",n1co. S&J2L* "''"' """" radas terlo entrada gralia; sendo expressa-
nio o a mulitplicclo dos enmos commel.i- %$$ ^WSSSft rlf.'.w'prl..' "'"4 "h.b.d. 10. bomens disf.rc.do. em
dos por mies desnaturadas. He satufactorio nena tarefa, deupparecerlo de todo as poucas mulheres, a entrada sem o competente hi-
lara 70 milhos de peasoaa para o anuo de poder dizer com certeza que, apezarduei- e Indignas especulacoes com que a avldea do lj>8aI_______________________________
ho mais engaador quej lamidades dos tempos alo lia nenlium ag- lucro procura emi*raca-la Cont sempre com
a vossa inteira coadjuvaco para todas as med-
das que a experiencia aponte como necessarlas
Declarayoes.
2000. I'orm nad- ..
os c.lculos losquies o futuro fornece os I gravo nessas alllicOes dai gnndei socleua
elementos. Desde o anno seguinte come- des do nniso seculo.
i'o'.i un eriodo triennal de decepgOes ede! Hi sempre e desde muito lempo a mesm
infelicidades. Todos conlisvam em umi I propirclo dos lllhos nsluraescom o nume-
cnlheits ibundsnle, a ceifa nlo deu senlo ro total dos nscimentos: 1 sobre 14. Ha
eom parcimouia urna puto da subsistencia igualmente a mean a proporclo do* menino
do povo, osperava-ae a continuaclo de urna | morios ao nascer com os que nascom vivos : torio da repblica Orleail e manier la inde-
prosperiilaJe da muito annoa, urna grande'I sobre 39.
perturbadlo acibou de repente com olla. rioalmenle hs conslsntemente sempre
lis deasssele annos a saudo publica era mesma proporclo dosexpostos para a popu-
perfeia.Oenfriquecimento gradual di mor-j'sQlo geral : 1 sobre 1,350 habitantes. Sem
talidede tinha iccumulsdo, de 1839 a 18461iluflda, o numero destos orphlos augmenta,
no estuco de 8 annos, um augmento de po-i mas nlo he porque clles nasesm em maior ,
pulscilo de 1,383,461 habitantes, o quo d, numero, he porque sua conafrvic8o est Admlnisircno do pslrimonro dos orphlos.
tormo medio para cada anno, um augmento muito tnelhor segura boje do que oulr'ora. I Pr"lo a admmialrsclo do patnmnnlo
de 173 000 pessoaa, isto he urna popuiaclo'"e um dos mais bellos ttulos com queso nos orphlos seiham de arremitir quem
cjmoa del.ylo. De repente em vez det podo honrar a sociedad* contempornea e mais der, eportsmpo de 3 annos, que hflo
prosperid.le qoe se julgava inalteravel, os para lamentar ste feliz progress >, fora pre-! d8 ,er >rJnc,"" '; J" JU"' ',0 Pr,Mente
ciao ser suctario de Moloch ou de Melhets. | ,nno- 30 de 4 ue ,855i renil,s dos
Etas pagina cujos felo numericus alo 'ogui""" predios, nos das abano de-
inedito, serlo bastsntes, o mono osla ha clarado I
a nossa esperance, para mostrar que a e.-ta- Em 3dejunhn futuro.
listica pode dar historia civil e econmica "", ua l.arangeirs.
do paiz nogOes importantes de umi verdad* e,* l8'"4-
incontrita**) e cujo interesse estende-se Ru do Ringal.
at ao futuro. Com cff ilo, seu testemunho N. 58 dita dit*.
prova quo uirasnciedade que t*ni resistido, I ""a Velhs.
durante tres snnos consecutivos, as miseria* N'32 dita dit*.
da romo, ais desastre da guerra civil i* I ,nu> de S. (tngalo.
calamidades de urna epilimia mortal, he N. 23 dill dita.
dolad de urna vida forte, enrgica, podero-1 RuidoSebo.
as eque deve esperar sem temores adversi- N. 3 dita dila.
dades que possam reservar-lbe os destinos.
(Monileur.)
L'ublica^a litteraria.
pira" a completa eitlncco de to aboinloivel &
commercio.
O Imperio acha-je em pat com todas aspo- RB
tenclas estrangelras. f*>
Para a eipulsjo do general Oribe do terrl- g
pendencia; conlrahl urna allianca com o seugo- 2 fT ~il\/l iTaar? P \ T^ U I A
verno c os Estados de (olre ios e Corriente!, ^ 11 VjlUVjLi 17 A 1 TI Ja. *.
i
ELEMENTOS.
Pin o Aricity.
Salieoom brindido o bis te flor do Cu ru-
rpe: a iralir-se o* rui da Cadeia do Kectfa
n. 49, **gundoand*r.
-- Pr* o Rh) Grande do Norte, o Asan
sahe eom breviJida o patacho Amargozo,
buem no mismo quiztr carrrgar ou tur de
iicsigem duija-so a ra da Csdea Vellu
o|a' de ferragem n. 99, que achira com
quem tratar.
Para o Rio Grande pretende sabir com
brevidade O bngue Marcial, capillo Jni-
quim Francisco do Eapirilo Santo, o qual
pode acceitar algum frele. Quem no mes -
mo quizer oarragar pode eutender-se com
os consignatarios, Amorim & irmlos, tua
di Cruz n. 8.
Fara tiCear e Far.
A escuoa nicioml t.milu, cuj extraor-
dinaria marcha he j bem publica nesta ci-
dade, e da qual be capillo e pratico Antonio
Silveira Maciel Jnior, segu em breve para
o porto do Orara e Para; e para o mes-
moa propfle-se a raceber cargas epasaagei-
ros: pira qualquer dos objeetos trati-se
com o capilAo, ou na ra da Crnz o. 13,
armasem de J. C. Augusto da Silva.
-- Par o Porto aegue com brevididei
barca \ orlugueza Olimpia : quem na mesma
quizer cirregsr ou ir de pasaagem, enlen-
oa-se. com oa *eu rousiguatarioaT. de A-
quino Fonaeca & Filbo, ou com o opilau o
Sr. Jos Tbomsz de Lima, na prac*.
Far a Farahyba.
O biate Caprichoso sil .domingo, 30 do
conenle; par* algum carga, que anda
pude roce ber, assim Como passsgeiro, pira
o que tem ptimos commodos; dirijau-se
ra da Cruz n. 34.
LiClIfU.
-- O ti rulot Miguel u metro, lata hnlo
boje 10 meio tli em i otilo, no seu uma-
icui, na ra do Trapiche n. 19, do urna por-
eo de ctvalios gurdos e grandes, lano pin
sella como pata cario.
ata
A CADEMIA DASSCIENCUSMORAES E PO-
LTICAS.
(Presidencia de Mr. de Tocqueville.)
Movimentos da populaclo da I-Yanca du-
rante o anno de 1849, por Mr. Moseau de
Jonnes.
Os movimenlorinterno das populac>s
verificadonnualmeiiie peloa actos do os-
lado civil, lo nam archivo que conten no-
c,es esta nticas precisase certas sobro a
liistorii domestica dos povos e particular-
mentn sobro a lufluoncia que experimenta
a vida humsna pela celo do acontec men-
toisoclies.
A l'ratic possuo colleclo destes docu-
mentos a 111aisextensa, amis Completa, a
mais aulhenlica que tenba existido depois
da do imperio romano Ella abraca um
meio aeculo e continua de anno em anno
sem nenhuma inlerrupclo o tem mudanca
de typo, o que permiti comparar cada po-
ca com as que a prece lem ou segunm-na,
tilla p-inoipiou em 1800, pela minuta o
pelo ti. ment metiiotico de 1,864,017
factos numricos olla continua em 1849
pela verilioaQo de 2,287,516 fictos eatalis-
tlcoa que tem afTectado o* sentlmentos e os
interessos de quasi trez miihes de fa-
milias.
Esta obr* laboriosa oxige o concurso de
mais de cem mil funeciooarioa. Ella tem o
mrito de nada odstar ao Estado, entretan-
to que os Estados-Unido para urna s parte
rie sua estatislics ofllciil acaban) de despen-
der seis millioes de trancos? Anda nao ln
certeza de qun clles obterlo resultados co-
mo merocem'seus esrorgos, em :101a empie-
za digna de olgios ; mas estas gran les opo-
racous eiicoiiirain poderoso! e numerosos
obstculos..Tenho tido muilas occasiOes de
tisab^r, depoisqueha meio seculo, mocou-
be pralica-las.
Para jolgar os movimentos da populaclo,
cumpie compara-los com o numero total
doa habitantes no meio dos quaes elle* II-
veram lugar, duu lose seguaquohe neces-
itarlo censos genes ilmn du minutas dos
nascimentoa e dos obitoa. Desde comee do
seculo estas duas especies de documentos
tem sido execuladaa em Franca de modo
que Se pode aohar fcilmente a proporflo
dn cada moVIment quer para a populaclo
lotal quer para a doa deparlainonto on dos
I--iricto.su mesmn para as de esdi umi das
n issis cidados : operarjOe eita que se nlo
poH\}fi tier nm oenhum oulro Ettado da
Europa'para um periodo to extenso e para
crueis ffeitos de um contagio mortfero
auiMuentou de tal sorte a mortilidado de
1819, que ella exceded de 1816 em 151,000
pessoas: ludo precisamente tudoo que nos
linba dado em augmento este ultimo anno.
Assim durante um periodo trionil junti-
raw-se consskutivt-menlo um ao outro os
flagellos que de ordinario nlo sobrevem se-
nlo de lempos em tempos. Mostremos sum-
mariamente quaca forun seu efTeitos sobre
1 populaclo.
Em 1817,a escassez elevou o proco do tri-
go ao triplo, e meimo 10 quidruplo do seu
' valor actual.
65,000 meninos deixanm de macar.
42,000 adultos de ambos sexos tilo so ca-
ssram por causa da dureza do lempo ; oan-
| no precedente os leris upido.
25,000 pessois morieran!, sua vida 'se te-
ria prolongado se 1847 tivesse sido igual a
i 1816.
Em 1848 houvo umi revoluflo ; eis-aqui
os efTeitos de lia.
O dficit calculado no anno normal de
j I84S foi :
Sbreos nacimentoa de 30,000 meninos.
Sobre os casamenlos de 98,000 uni s,
deixando como lio anno da (orne 42,000 pes-
soas no celibato por causa da incerteza do
. futuro.
A mortalidado foi augmentad* smente
do 13,000 bitos, numero que parece muito
acuna do que deixa imaginar a ipprecil(lo
1 mais imparcial dos acontecimentos.
(Juan lo veio o anno de 1849, pareca que
ia reparar os moles dos doua precedentes.
As cifras etam abundantes, as paixOes esta-
vam acalmadas, as Imites da riqueza publi-
ca 1 am abrir-se ; porem novas calamidades
foratn desemeadeadas por una molestia ter-
COMMERCIO.
PIUCA DO RECIFE 38 DE MAIO A8
8 HORAS DA TARDE.
cotacObs orriciass.
Cambio sobro Lon>)re. Descont de letras : 8 o 9 p. c. ao anno.
ALFANDKGA.
Rendimento do dia 58. 13.611,129
Desearretom hajt 29 Jt maio.
Ilirca i'ernambiico-- mercaduras.
Gsiera -- Runder m dem.
Patacho lo/ten dem.
1 iii|na'(acniV
(alera inglezi Relndeer, vinda de Liver-
pool, consignada, a Dame Youle & Compa-
nma, maoifestou o seguinte :
17 fardos, 5 csixa, lecidos de algodlo,
71 gigos, SI aeios ditos, I casto, I hamo
louca, I caixt conservas, I dita ubjectes de
gomosa olastica, 2 ollas com 3 rha.rj*, 1 di
urna cirruagem, I dita urna almofsda pa-
rvei, o cholera asitico, flagelo mortal que ra a dita, 1 dila arreios dtls, t lanca dita ;
aos consignatarios.
caixaa, 16 fardos lecidos de algodlo ; a
dopois de vinle annos de estragos na Euro-
pa nlo pode ser anda nein deudo nem pre-
venido. .Sua celo sobre nossas popaUfAifl HrCibsoo.
lem se cxeicido do modo que ti segu, | 2 ditas, I caixa ditos de linho 1 Ridg-
comparativamente a um anno normal. 1 way, llobilliard 61 Cumpanlua.
Ilouveram 13,000 niscimenlos de miis 3 fardos lona, 5 toneladas ( peso inglez )
quo cm 1816, oonumero inmenso de 77,000
ue mais queem 1847 debaixo da influencia
da miseria. Ileum novo exemplo em apoto
deata anttgi observiclo, que is po-
pula^Oes nunc produzem mais do que 111
poca dasepedemias. Nlo fontn novos casa-
montos multiplicados quo produsiram este
i'il iio, porque o numoro dos contrahidos
durante este anno nao excodem o termo
modio ordinal io.
Mas a mortalidade foi augmentada deplo-
ravelinento pela propagaefio do cholera
silico e pola prolongacao de sua durarlo
nos 62 departamentos. -He verdade que na
melado dtntre ellcs, a molestia nloatacou,
polas mortes que ctusou, o numoro 1,000,
e quo Uiesitiu em um* nuca, dellesejla nlo
fe io mortalmente senlo algumas pessoas.
Todava, as ouiras partes ao territorio fo-
ratn devastados por esle flagello com lanta
violencia, que no correr du anno morreram
pelo menos 95,000 inJirtduos de lodos os
sexos e de todas as idadea ou I sobre 973
habitantes.
Em 1832 1 mortalidade do cholera, nos
AO departamentos infeCionados elevon-so
a 100,301 pessoss ou 1 sobre 809.
Os departamentos que em 1849 mil SOf-
frersm, silo os seguintes
\
ferro ; 1 E. H. Wyitt.
1 crnica cubera, 9 caixas sellins, 2 ditas,
5 fardos teciJos do lia ; a G Kcnworlby &
Companhia.
96 telos gigo, 10 barricas tauo* ; Ittts-
sell Mellon & Companhia.
17 toneladas tVrro em chipa, 4 .ditas dito
em barra peso inglez ; a C. Stsrr & Compa-
nhia. .
43 ditas 3 quintaos dito dita dilo, 46 cai-
xas chapas de foi ha ; a Rulhecx Bidoulac.
1 barrica louga, 100 birria soda ; a ordem.
180 barricas ceneja ; a C J. Aalley.
12 caixa, 7 tardos lecidoi de ilgodo, 1
dita dilo de lioho ; Fox Brolher.
10 ditas dilo* dito, 135 barrica* ceivej;
AdamaooHowiecc Companhia.
I clxa livros; a Manuel Juaquim Runos
o Silva.
1 di ia roupa, S ditas, 37 fardos tecido* da
algodlo; a J. Palor 61 Companhia.
70 caixas qusijoa ; a Machado Ai Pinhoiro.
1 pacota objeetos de eacriplorio ; a Le Bre-
tn Schramm.
10 caixas linliss, 1 barrio* vldros, 1 cai-
xa, 3 barrica* ferragens, 3 dita, 3 birria
tintas, 1 caixa c.ixiuhis par* plulas j a S.
P. Johosionot Companhia.
3 fardos tecidos de lia, 3 barricas louca,.
SAHIO A I UZ A 3 E ULTIMA PARTE
desta obra composia pelo professor do *|
hnmcspalliia Gusset tlimon Custar
* 6/000 a qbrs inteira at 30 de junho,
^ dia em que ficar encerrada a assig- ^
9 natura Esta obra he til, lano pira 9
9 os mdicos que se dediesreo ao es-
lulo da nova medicina, como pan C
t todas as pessoas de boa vontade que #;
9 quiserom convencer-so porexperien- 9
9 cas di verdade deata doulrins, por j
(* ser ella muilo clara, e a intelligencia 9
9 de todos, D
*> No consultorio homcefathico rui 4
9 disCruzes n. 28. mi
? ??ary^**?V ?9****t999
TRATAHENTU homeo-
PATHICO.
OA, MOLESTIAS VIKEISIS,
e conselhos sos doentes para so enrarem ,
si mesmo, sem precisirem de medico,
polo professor homceopalhs
Gosiel-llimonl.
Sahio luz e aoha-se venda no consul-
torio hoinceopatinco da ra ilas Cruzea n.
28. oelo prejo de 1,000 rs.
FubiicacSo juriilica.
ndice alfabtico da Legislado brasileirs
promulgada al 1850, com a legislarlo an-
tiga a respeito das lels promulgadas, pelo
desembargador Julo Joaquim da Silva.
Nloteve o autor disie ndice em tisti
confeccion-r 11 m repertorio de tola a legis-
laeo em vigor, pois que acerca de objertos
relativos as repartieres de marinlia e guerra
slo apen-s indiesdos os que podrtn ser le-
vados por qualquer motivo ao conhecimen-
to do poder judiciano e do gove no provin-
cial ; Foi seu intuito smente facilitar an
juizea, advoga los, em regidos pblicos di
uslir;, fin-ndi e polic, e sos negodin-
ts o meio de contiecer is leis 1 romuigadaa
e asdecisOes do governo al-o fim do anno
de 1850, compreheiidondo tmbe:n o ndice,
materias que intersalo ao clero o aos
cidadlos em geral. Entendeu,.portanto, o
autor que serta de elguaia utilidade as difi-
ranles classes da socielade publicarlo do
seu Indico Alfabtico, que abrange extrac-
tos dos spontametitos do Exm. cunselheiro
de estado, oSr. Jos Antonio da Siva Mais,
e disposifOo* anida em vigor de leis anti-
gs, ilviras e assentos dis extinclas casas
ds supplicsclo
Veude-se por 5,000 rs na pr*c* da Inde-
pendencia, livrara n 6 e 8.____________
Avisos martimos.
^__________^ 1 -----------------------'
Pan o Rio de Janeiro sahe al o dit 6
de iunho o brigue bnsileiro Vencedor, lin-
de pode recebar lgoma clrga, ejeravos a
frease passagairos; Irsts-se com os con-
signatario Nevaes 61 Companhia, na ruado
Trapiche n. 84.
Barcic*.
Vendo-so, por preco commodo, s linda
barcaca Viajante Feliz, nova, ha jouco cons-
" trada no Pilar dis A'agoas j he muilo bem
Roa du Pires.
|N. SSmeia.egoa.
Rus dsCsdeis do Recife.
,N. 61 cass de 1 andar e luja.
N 59 dita de 3 ditos e dita.
N. 57 dila dilo dit.
N. 44 dita dito dita.
Ra da Madre de Dos.
i\". 9 casa de 1 andar n loja.
N. 1 Jitade 3 ditos edita.
N. 26 lila dito dila.
N. 21 dila de I dilo dita. .
N. 32cisa lerroa.
Em 9 de junho
Ra da Madre de Dos.
.V. 20 casa terrea.
N. 18 dita dita.
\. 16 dita diti.
N HdiUdita.
>'. 13 dila dill.
N. 10 dita dita.
N. 8 dita dila.
N. 6dila dita.
N. 4 dita dill.
N. 3 dita dita.
Ra doTorrei.
N. 14 caa de 3 andire e loji.
N. 16 diU dito.
N. 18 dita dito.
Em 17 de junho.
Ra da Lapa.
N, 11 casa terrea.
N. ISditaditi.
Rui do Codorniz.
N 1 casi terrea.
N. 3 dita dita.
Ra da Monda
N. 17 casa terrea.
19. 41 dita dita.
N. 43 Jila tilla.
N. 48 dila dita.
Nua do Amorim.
N. 36 casa terrea.
N. 44 dita dita.
N. 52 dila dill
N. 47 dita dita.
N. 45 dita dila.
N. 48 dita dit*.
N. 91 dita dita.
As pessoss que m proposerem s arrema
lar ditas rendas podarlo comparecer na casa fen, minio veler, lie 22 a 94 caixn: a
das aeasoes da adminiatraclo, nos dias ci-
ma indioadoa com leus dadores.
Secretaria da administradlo do patrimo-
nio do oruhloa 38 da maio de 185*.
A. J.deOliieira.
ver 00 Pono do Mallos, e a tratar na ra do
Crespo n 13.
Para o Forto.
Sabir* nestea oito dia* o brigue portu-
gus Mari* Pelil, capillo l.ourcnco Fernn-
., guet liarla Feliz, capillo l.ourcnco reman-
Hoja, 39 do corrente, as 9 pei do-c,r|B0( receben 10 so algum* carga
horas da manha, ha ver leilSo de I miada e pas.-ageiros, pan o que tem bons
________ ...._i, .._*.,. ;., Hat commodos : os irctendentes tntom con
porcos, perante o senhor juii ae 1 dilo cip|lBo na pTtll ou C0|n 0 consigru.
paz dj freguezia de S. Jos rm [tarto Antonio Joaquim deSoux* Ribeiro.
Avisos diversos.
irmandade do divino espirito
santo.
A mesa regedora rogaaoiseus chsros r-
. mos, bajam de com, aiecer ni igreja w\
S. di CoiiceicSo, 00 domingo 30 do crran-
le as s horas da manhla, afim deiiem en-
corporatlos, anles de pnncipisr a festa, le-
var a esmols do carne e pflo aos presos. po-
bres da cadeia edocalahoupo da polica.
O ibaixo asaignado, rendendo um In-
halo I verdade, nlo pode drixar de palen-
tiar e fazer publico a promptidlo com que
1 m a tardo do dia 16 de abril (ln lo, se di-
rigi I sua casa o Sr. Franrisco de Paula
Carneiro Lelo, A pedido de uns pessoa de
sua amisade, para o fim de ver urna chanca
ue treze mezes de idade, que acloco dias
sofTria urna grande febre seguida de urna
desinteria contumaz; aendo que depois de
i n'orinado o Sr. Paula Lelo do estado do pa-
ciente, e ha ven io procedido sos exames quo
julgou convenientes, prescreveo um reme-
dio hon ceopathico que spplicado em urna
dose cada tres horas, como determlnou,
baataram smente duaa doses para reslabe-
lecer completamente, e como que por en-
canto, a enferma, que se acba como sena-
da houvessu padecido. O sbaixo sssignado
est mu i distante de pretender avahar a su-
periondado que pode hsver entre ss duas
medicinas, mas o que be verdade, he, que
elle se nlo pode escusar de referir o farto
que exposto lira, avista do qusl ho innega-
vel a habilidide e pericia .do Sr. Carneiro
Lelo, a quem o abaixo atsignado protesta,
por semelhante motivo, o seu reconheci-
mm ln e.segur gratidlo. Caelano Pintoile
Veras.
No dis 26 de maio desappareceo a ne-
gra errla de nome Manoela, de idade de
18 annos, pouco mais ou menos, baixa e
chela, do ctrpo, rosto redondo e nariz cha-
lo, com falta de dous dente* n* frente; foi
vetilla com vestido de chita rox, panno da
Costa om litrss azues ebranrss: quem s
pegar leve-a i ra da Madre de Dros n. 28,
loja do tamanqueiro, que ser* gratificado.
-Desapi aroreo no dia 37 do corrente, a pre
ta de nomo Joanna.-de afio Angola, estatu-
ra baix, Cira bexigoaa; levou vestido de
chila roxa e pinno da Costa : quem a trou-
xer na ra larga do Rozarlo n. 31, ser* gra-
tificado.
-- Precisa-se do urna ama que jaiba co-
linhar, tara cas*de familia i no atierro da
lloa-Vista n. 58, loja.
Precisa-se de um bom forneiro, desem-
hmeado no andstnenlo dolo serviqo: na
ra larga do Rozaiio n- 32 se diri quem pre-
cisa.
-- Prociss-se de urna ams, forrs on esp-
tiv, para o servico de urna cass de pouca
familia: tratar na ra larga do Rosario,
Inj n. 48.
Os crednres -do Dr. Malet que iran
comparecer no armazem do conetor geral
Miguel Carneiro, al o dia 2 de-junho pr-
ximo futuro, flm de trtr-se a respeito do
pagamenlo.
Previne-se sos vendedores e pagadores
dos lulhetes das lotera do Rio de Janeiro,
que nlo paguen), nem troquen) dous monis
bilhetes, cujos suppoem se terem o n. 2,007
per luc utos um destas duas ultimas lo-
teras que vieram as listas no corrente mez
da maio, pois os ditos meios bilhetes se
acham sssignados as costas com a roi de
Jozuino Preira da Silva e J. C. Ayres
Precisa-se de urna ama para o servico
interno de urna casa de familia : nu Qua-
tro Cantos da Boa-Vista n. 5,
Precisa-se alugar urna ama para o ser-
vico interno de casa de familia, piefeiindo-
se escrava : no I eco do Sanialel, sobrado
n. 16, de3indires,que tem o laoipeSo jun-
to a porta. ,
Os senhores Louronco Jos de Csrva-
Iho, e Francisco Alves de Csrvalho, com-se-
nhores do engenho Una, queiiam entnider-
se enm o Sr. Burgos no engenho Agoas
Claras do Uruc, ou ns ra Direila, venia
n. 14, a negocio que muito Ibes inteiessa.
- Lino Jos deCasUo A'aujo, compra
um eicravo carpluteiro: na ra da Cruz nu-
/nero 34.
.- Francisco Jos da Cunhi Vitnni, vn a
Portugal tratar de sua,laude.
O Sr. Jlo Marcal'de Almeld, morador
om Olinda, queira lera bomlidedevir pa-
gar 6,500 rs., que deve, na lojt da ra do
C'eipo n. 10.
Tiram-ie retrato* a oleo, e aminilm ',
de todos os lmannos, com a maior perfei-
Clo : na ra do tollegio n. 9, no primeiro
andar.
O Sr. quo offerrcou no irmszem ds rus
do Sol, 20,000 rs pelo milbeiro dostijolos
de la liillio ; diiija-se ao mesmo irmazem.
-- O abaixo asaignado, declara que enm-
prou por cont e risco do Sr. lento Di**
Minina, um meio bilhele da lotera de N.
S. o Livramenlo, n. 68. -- Francisco Igna-
cio Forreira Diis.
-- A pessoa que innunciou no Diario de
28 do corrente, que precisara de um caixei-
ru para eitar com oulro, annuncie a ua
morada ou dinja-se a ruado llangel n. 43.
Ai.ionio Francisco da Viahi. tubdito
portuguii rrtira-M para Poilugal, alialar
de sua saude.
Precisi-se lugar um escrivo para o
ser'ico o diarlo de pidaria : no paleo di
Saoli Cruz, debtixo do sobrado n. 106.
MUTILADO


F
w
^H"
"
.. ivrd'u-se umi carteirhih da narro-
nim encrndo, contando dentro di mes-
, dus notas de 5'* iienoi PP8
Z n.iuc importmcii,* um (loa de iros apo-
hi, compnhie de Reberihc em poder do
I L sr. secretario di meneionadi compe-
l,' o pe tencentea a t>. Francisca Guilher-
I mlDi de Albuqueique. pira ae recrber o o-
I >aro dividendo': peaaoa iue i aehoe, qoe-
I ,.nio estilui-le, tntia a bondad de ea-
.UIlCiar su monda, oo dirija-se a ra do
I crespo. 'ui* n- E 'OK1-"9 ,0 ll,m- 8r-
I tuxa da coaipanhia de Bebanbe que ae air-
I (i PKr supedito dividendo, lio emen-
I e> pnssoa aulO'iaada por aquella senhora
I .. Antonio Kraneiaco, porluguez, relira-
I -pira Portugal.
.. Nanoile do da 2 do correle, furia-
I rin) do sitio do Sr. Or. Antonio Vicente o
I iseimeoto Feitnsa, em Beln, doua caval-
I los, uro russo pedre, e ornado, de oito an-
nos, o outro russo cardfio, intelro, de ele
innos, amboa oom peladura no espinhaeo :
noem delle tiver noticie oa queira levar ao
Seu dono Joaquim Jos do Souia Serrano,
m ra do Collegio. caaa do Sr. Joiguim de
Albuquerque Mello.
.- Neceent-se de um pequeno para orna
|nj> de niiudexaa: & fallar ni ra larga do
Hozrio n. 35, loja.
56/000
A quem aprehender e levar 4 ra da Moedi
n. 7. leroeiro indir, o pirdo Leonirdo,
que fugio no da 7 docorreole, e tem o aig-
nacs seguinles : baixo, e o peilo alguna
rousa meltido par dentro ; fui eicravo de
II. Joanna Nina do Panos; e coslumava
vir vender leite todos oa dial no Recite, To-
do de um litio da Passagem,
Prccisi-ie da urna ama de leite, pre-
[ r-re-so em (litio, e raga-se bem: na ra da
Cacimba n. II.
l'reciaa-ae de urna eacrava, para todo
oiervico de umi cua: oo atierro da Hoa-
Visla, n. 77. \j\V>
O bacharel Sergio Diniz de Mo,. oMal-
los advoga noa auditorios deata ciJade; e
ra d'Aurora n. 9, podem dirigir-se aquel-
es que ae dignaron) hooral-o com sua con-
lianca
.. lugi-se urna casa terrea ou sobrado,
com commodos pan pequeni familia, que
tetina quintal e cacimba, na ra das Cruzes,
l.ivramento.pracinha do dito, pateo do Car-
ino ra do Queimado, ra Direita, Cadeia
,1o itecife, e de Santo Antonio,'ua dos Quar-
pc, ru larga e estreita do Itozario.ou mes-
mo'no bairio de S. Jos, sendo em boa ra :
quem tiver annuncie.
Arreii.i-8o urna cisa de dooi andares,
na ra do Amparo, em Ulinda, onde moroo
o tinado hispo 1). Tnomai, medanle a con-
dujo ileser concertado pelo anendalario,
letando-se em conla os concertoa : na ra
da fiuii n. 6*. ... ,
Aluga-se o pnmeiro andar do sobrado
r|a ra da Guia n. 42 : a tratar com a u do-
no, no segundo an lar.
s nucieres da casa do bal, da ra
ilo Collegio n. 13, queiram aprelentir suas
conls no pnio de 3 dial pan serem veri-
ficadas, plisados os quiea o comprador por
na i se responsabilia.
Aluga-ae
ii terceiro andar e sola de urna casa na
praca da Boo-Visti, com U quirlos e 3 sa-
ls, sendo estas Torradas do rico papel, rotu-
lo frese e deexcellente vi-la; lm deou-
Iros commodo*pra grande Emilia i no ar-
mtzem da ra Nova n. 67. O pnmeiro an-
uir .lo sobrado da ra das Aguas-Verdes,
n. 48, multo fresco, com grandes commo-
ilos: no mesmo irmaz'em cim.
- AnnaMa.ii do Eapirito Santo, retira-
se para Portugal.
OlTerece-se urna' pessos, para alminis-
Irar algom engenbo, perto da p-aca, ou po-
ra fellof de algum silio, ou meirr.o par cai-
soiro de algum eslatielecimento, do que dA
lia lor a sua conduela: quem se quizer uti-
lisardoseu preslimo, dirija-se a ra do A-
raggn II. 23.
-- Precisa-sealugar omi pret escrava ,
que saiba engommodar e ensiboar, para
i>ma cas ingiera depouca familia : quem
i ti Ver, dirija-a;' a rui do Sol n. 21, que a-
rhaia com quem Iraiar.
-- C. J. Astley deixa a procurado de sua
Mit, durante a sua ausencia, aos Srs. Itu-
olru K'uckenberg c Julio C. Rabe.
-- ISa noite de 24 para 25 do corrente
(urtaram dous carillos do sitio da residen-
cia deJoSo Ignacio de Medeiros Reg, na
estrada nova que vai para a Passsgem : sen-
do um de oito annos, grande, em bs car-
ne, cor alasa, e malbado de-brancr na
tests e nos qualro ps, com um trago de
ouralas por cima dos cascos; e o oul'O
fequeno, de 10 annos, em boas carnes tam-
lum, do cor russa : quem os aprthende>
leve-os ao mesmo sitio quesera recompen-
so.
-- O abaixo assignado avisa as peesoas ,
que llie devem contas de a loguis elralos
de cavados, que as mandem pagar at o dia
idejunho prximo futuro, do contrario se-
rio chamados a juizosem ecepcflo domaior
amigo." SebastiSoLopes Guimrlles Jnior.
-- Precis-se alugar urna eicrava ou
rnesn o mullier forra, para to lo o servido
de uma rasa depouca famili I na ruada
Udcia do Recife n. 52.
- Precisa-sede um criado, piri hornera
solteiro: quem neslas circurrstanciisesti-
>er, iiinja-se ao aterro da Boa Vista n. 4S ,
para Iratardo ajuste.
-- Roga se o Sr. clete Joo Antunesde
Mencies, morador em Tamarace, que quan-
'lo vieraorerlfe, queira apparecer na venda
Ja ra da Cadeia do Recife n. 25, defronlo
o hreco largo, que ae ir quer fallar.
Bernardo Domlugues Silva Arsujo ,
l'oituguez, rftira-se para o Rio de Janeiro ,
levando um leu escrivo para o servir.
-- Prfoisa-sedeumcaixeiro, de 20 annos
di idade, queentandi de venda: em Fra
de Portea, oa roa do Pilar n. 145.
-Polo presente ae annuncia e fax publico,
que oa doutorea May e Malet compareceram
leranteo Sr. cnsul de S. M Bntnnica. e
no reapeclivo conaulado neala cida.de, aum
ilc anoullarero o Ir.to, cjne entre o mesmou
tiislla relaiivamente ao exercicio de suas
piosiOes medica-cirurgici, e quo.de mu-
tuo consenso, o denm por Ando inleira-
menlf, subscrevenlo esta declaracao em
piesenca, e de conformidade com o cerlllj-
itdo, competentemente sellado, do referi-
do Sr. cnsul. :
- Joo Antonio Cirpinlciro da Silva.ten-
ilu de e retirar para Portugal, roga as pes-
^oasque tem penhons em sua niflo hajam
'!c os respetar no preso le 15 das, do con-
trario serio veodidoa para seu pagamento,
"ssimeomoas pesooai qte Ihedeveni hijjm
de pigar no mesmo praao, e os leui creo-
res de Ihe apesentarem sua comal cr-
rante), ,.
- uem quiaer comprir duis casinhas
Wagoai oa ra da Calcada ; dirija ae a pra-
C da Independencia o. 9.
-Desappareceu no da 8 do correniemez,
un, prcto oe nome Jaciolo, que represeota
i annos pouco ma8 ou menos, com um
Mide no olho direito, alto, cojpo regular
en,. igumacouza aberUs, p S""^'' e
rrl feiios, falla de denle na frente, pouca
barba, levando camisa de aleod02inho ve-
Iba, calca de brian de quadros 'ud0'**;'
Ib. e p.lil6 de chiU parda miada ;*"
que loi dofillecidoMinoel di Cunh mor-
or i,o sitio da fazenda junto a "*""
*>*ie no Ciquit donde fogio: quem o|P'g'
(< re.u o rotmo lugar, ou a ra Nova loja
uerl:ape0SD. 5*.
XADK 00 BOSQUE
< lllm. Sr.- Em reiposta carta, pe-
la qual V.8. pede a minha opinio acerca das
virtudes meolcln.es doX.rope do Bosque
ir.nsmiito-lhe o resultado de minhao m ia-
efles aobre o dito remedio no parece' que
vera annexo minha carli. **:?:
com dedicaSo, alenlo 'n,r,Jd^ e,"d',d'
. Rio de Janeiro, >0'lon(?n1?'_i
< Hola que a polencia doanounclo uomi-
0. sobenn-ament. que ella se *''
a al.vanca da industria e do comcrclo, en-
gnndecendo o circulo de suss oueira oee
diarias, e quo para as rel.cfles dos povos e -
1. he urna g-r.nlia, .ssim como um. neces-
sid.de ieoprrioM. europio, em vei doipro-
eurir .nniquili-li. dirigi-la.e te con ala o
comporlamentoque observ.m os e.t.d. lis
a respeito ds .evolugOes que nao pJem
soOocar, porm que aabem dirigr.
OXarope da Bosque oceupa entre nos
as ceui boceas da Tama, quer na capital,
auer as provincias do imperio e sustenta
a sua .eputado de lo uma sene de annoa. O
creJilo de remedio peitoral he bascado so-
bre repet las e numeio*aacurisdo bronci.i-
tea. deaffeesdes calarrbaes, de asthmas, e
mesmo de ihlhlca oulmonar nos aeua i-ri-
miros periodos. El o que um iu.p.rci.1
averiguaco di porceito, e pela applicaco
que por tres anuos seguidos tenho feto do
Xaropedo Bosque em caaos iJenticos, o re-
medio nao tem desmentido a sua valiosa o
benfica reputacao em todas ae oro.siei
que Uve de o empregar. Fundado no prin-
cipio deque a umo de varias aubitanci.a
era neceasaria pan compr um reme.noer-
ncaz contra as numerosas mol- aliaa do pel-
lo, o autor do Xarope do Bosque, .jud-io
pelo pliarmaceulleo que legalmento oinge
a su ontcina.conseguioeonalruir una nn-
va prepanolo com boa porclo de vejo'aoa
de plantas conhocidn ni maletjca medica,
ejuolououlra parte deagentea therap-uli-
coi, os quiei de ordinario se empregam se-
paradamente j poim, que deata vez pe
auareuoio, correapoodem ao lim a quew
pro,t o autor, que foi de preencber al-
mu|laneamente al variaa moiiilieaeOea olla-
recjjas ao tratameulo daa moleatias do peito.
Reaiitl. da compoeicBo do-Xarope do Boaaue
uma acco que opea aobre a composnao do
sangue i olla torna-so aasim nica, e vem
ser depoia sedativa. O efeilo expedprtnte
he puramente secandstio todava he cac-
to e 1,8" deixa de valer omito para o cura-
tivo de calarrbos chronicos, de bronchitel
teimos, de certas especiei de aathma, e
para modificar as lesoes luberculosaa no
periodo de seu desenvolv ment, s elo-
gio! que se fazem ao Xarope do Boaque para
curar a phUlisica pulmonar equivalen aos
gritos de onthusiasmo quu em oulroi lem-
pos so sollaram com igual lervor em abono
do cloro uos vapores de carvSo, dos xeropea
deCodeina, de phelland-ium, do metbodo
do r Lilour, das marmeMee de Tron-
cnin e de Lanetli, e al -'a gomma elaaticac
55ooa meamoa que boje so prodlgallsam ao
oleo de nguo de bacalhao. Todos estes re-
medios valem alguma cousa no principio e
no desenvolvimenlo da tuberculac^o j po-
rm qoando a dialheae purulenta esta pa
tente, ninguem se atreve a proclamar n-
fallrvel qualquer agente therapculico ; o
mtllus ancept quam nuilam serve de dsculp
para todos, lie nnslor poilnlo perdoar aos
sectarios do Xarrrpe do Bosque a gralldao
que os anima, sem todava partilhnr cega-
ment a sua fanslica llngoagem. OXarope
do Bosque he um poleruso lem'edio para
curar valias enfermidades guilas e cliio-
nioaa do peito, mas o seo proprlo autor
nflo o quer inculcar, como alguna o dizem,
remedio universal.
Decerto o Xarope do Boaque no be
uma couii'OiicSo feila por curiusoa ou cu-
ran leiroa ; he o resultado de conliucimentos
praticos em cbimica o em materia medica.
Sabeudo aggregar com babil escolua aub-
taucias invdiciuaos, as quaei Oto Salo i iicoin -
pitiveis, o autor nBo perdeu do vista o prin-
cipio salular que a unio fz a forja, e
entilo soubo unir plantas e tirar partido del-
tas, nflo querendo iotroduzr na ooulecjao
do s u xarope peitoral agentea minaraaa ou
curposaclvoa, coja iccflu lici depoia oeu-
tr.hsad. pela fermeotaf5o ou pola mistura
de quilquer lcoolle,
A analyse do Xarope do Bosque de-
monstra que nada' de nocivo entra em sua
composicao, e que o autor teguio as regra
de uma sensata posologia para a distribu-
ello daa substancias uit-diciuaes, fugindo
imitar certos curandeiros que carfegamas
suas rtcettis com ddses exagera Jas.equenSo
sabemreconhocer a vir la le de certas plan-
tas indgena) que ato venenosas,e como taes
poden prejudicar muito a aaude publica.
a Af.sioj-so o autor doXar'ope do Bosque
do emurogo de medicamentos allerantos.nos
quaea os alcalinos oceupam um lugar l.lo
importante como o do mercurio, do iodo,do
arsonico. Os .Icolinosexercem sobre a eco-
nmiia uma grande influencia, do meimo
modo que os cidos; o sangue he natural-
menta alcalino, porm ate ceilo ponto, e
be jieciso terem lisl a sua composigo
para ato intrvduiir em remedios peiloraes
agente ou substancia que o neutralisa.ou
alten as qualidides ehimics que do san-
gue reparto as virias secretes do corpo
nomino. O flm que tencionou seguir o au-
tor do Xarope do Bosque foi de ggregar
substancias que operassem sobro o sangue
segundo o mesmo modo que operan) as pre-
p.rc0fls de ferros, e enUo a sua ecolha
foi feliz, polsos ingredientes satisfazem, a-
meu ver, o iin proposto.
O Xaropo do Rosque he uma composl-
co pharmaceullca complexa ; no. ae ba-
a aobre um agente nico, como certos re-
medios que ae procurara Inculcar encerram
isoladamente. Ella nlo perlenea i claase
dos rebufa ios p itoraes ou daa paslilhaede
aasucar qu imido, que tanto ae gabam ;
sonrio o seu valor Cousa trivial, o Xaropo
perlence n maia elevada e sciontifiea cate-
gora pela aua composicSo pharm>ceulica,
e naturalmente i Je-ae rollocar na lista dos
Xaropes de reputaflo merecida que liguram
nos formularios,como os xaropes letoraea
de Lamonroux, de Desrasirty, e os xaropea
IvpuMlivos de l.arrey, de Portal, de Ricord,
e ua Devergie, remedio magialraea que o
nuaaOs facultativos receitam diariamente,
sem lodavU serem ioleirados de sua intima
composicfio.
A minha experiencia dioica declara-se
em abono do crdito do Xarope do Bosque,
ilepois de havar eu leito usoem m pica-
dos caos de bronchitei, coqueluchii, ingi-
na du peito, e as leaoVg agudas e chromcaa
doa puhiiea pelo eepaco de tres annoa,
consecutivos, ueeejo que boje, quo o ere-
dito du Xarope do Bosque est lirmadn, o
seu autor no conlinue i or omito lempo de
o donar na categora de remedios secretos,
e que ffa ao povo, que too boa aceilafo
faz ao seu remedio, um benelicio do graii-
dSo, publicando a sua receita. Es o meu
votosnic io, eis a opiniSo que professo em
abono das virtudes medicinaos do Xa-opo do
Bosque.________________J. Sigud.
Compram-M algumsi pecii do uma
armaflo de loja franceza, 00 dous armarlos
grindea envidnoados : no aterro da Boa
Vlati n. 14.
Compra-se om eicrava que eji bem
mofa, sem defeito algum e com oibilidades,
oom cria ou tero II; ni ro di Concordia
'-' Na roa di Senzilli Velbi, defrooto de
Sr. Hou tniro ointor,rc.n|ira-ae todas is qua-
lidade de rarros velhos e metaos de todas
as qoaltdades asalm como oureloa de pinnos
linos,curmins e todas aa quilididoa de mu-
limbos que servirem pira fazer papel i as-
sim como cabos velhos.-lonaole.
Compra-se uma prela, queaiba oozl-
nhr o engommar, que aeja folie e no le-
nh vicioa, agradando paga-se bem: na ra
do Amonm n. 25.
Compra-se umi r.onha pan casados,
o psga-se bem, mas que seja toda a berta:
na ru di Cruz n. 40, primiiro indar.
Compra-se um cordlo de ouro de iei,
oo'u 28 otavaa, em bom estado osen) fei-
'lio : na ruada Cadeia doReeife, loja o. 5.
Coinpra-ae una oaso terrea em qual-
quer daa ras de S. Joso, ou 8 Antonio, que
esleja em bom estado, e tenba quintal e ca-
cimba : na ra do Livramenlo n. 38, pn-
meiro andar, se dir quem pretende.
Compra-e uma taboadioh aingela, pa-
ra cirtiar millns: na ra direita n. 30, 3.
andar.
Compram-se 6 varas de bteco largo,pan
toalha, em bom estado : quem tiver aonun-
cie pira aer procurado.
-- Compra-se um preto, de ti ata W an-
nos, que seja forte, para aervico de casa, o
que nSoteuba vicios, nem achaquea: 08 ra
do Amorim o. 25.
- osr .asinu Alnerto l'imenta oirijj-
sc i rui do Livnmento n. 10, oegooio de
seu interesse. ,
'omoolllm. 5>r. r- Tlieo-
philo Olegario de Andrade e Ol
veira, residente em linda, se nao
haja difj/tiado comparecer na na
do Vicario n. 7, para que foi cha-
mado por este i>iario, de novo ae
Hie repele o mesmo pedido, ro-
gando-lhede, para negocio de aeu
interesse, comparecer alli com to-
da a urgencia, e isto antes da pas-
sagem do vapor Pernambucano
para o Sul, que do Norte se espe-
ra at 6 do vindouro juniio.
Alnga-se um boa cas de poJra ocal,
na Capunga, por menos alguma eOusa, um
vez que pague adiantado seu anenlamen-
to : trata-se na ra oa Cruz n. 2.
- Manuel Alvcs Guerra Jnior compra
acedes do banco desta provincia : na ru da
Ciuz n. 40.
Precisi-se alugar ums prel captiva ,
para todo o servfo de uo,a csa fle mullo
pouca familia: quem tiver, dinji-se a ra
dos Quarteis n. 24, que se du* quem pro-
' Uasej-se fallar ao Sr. Antonio Martin
Viania u ra da Cadeia do Recife, loja n.
5, e ao mesi.o lempo enlregar-lbe urna cr
t que -hi tem, viuda do Pono, e como se
ignora o lugar da sua residencia, por isso se
Ine roga o obaequiu d apparecer na loja
indicad!.
O propietario da coxeira
do Forte do Mallos, avis-
por meio deste aos scus
frrguezes, e junlamonte a
pessoas ,ue precsarem a-
lugar carros, queparalhes
poupsr o irabalbo de rom a coxeira, plem
diiiuir-ie a rui di Cadoia, loja n H.
-Ocngu.heiroManoel de Barros Brrelo
formado aescol. cenlral das ailes,. M
f.turas de P.ris, encumbe-se de dar o ri.co
e dirigir a consliucfo, e collucafSo de
lalquer m.ch.nsmo ou aparelho empr. ga-
do peio ay.ie.11a clu.l no EabriM to WMJ-
Croados de que se uzo M Europa pa,a
rSS Mi,*, ou par. I*"""*
manufaciura. A. pessoas WV*gj*
* oTrr^xToixotodeuT.lloeMel-
cordealmente os "tequio .evmt.s, :a
oue receber.m de seus rmigos.no pe- g
oeno periodo om que csl.ver.m u.
Se 'o P-n.mbuco.o Ihes d,,igern I
aua^espedid-soTerecento-h-sseusg
Lotera do tuo de Juneno.
aos ao:ooo,ooo e 10:000,000 ders.
Na praca da Independencia n.
i3 e i5, loja de c->lcado Ho Aran-
tes, c na ra da Cadeia do Heci-
fe n. 46, loja de miudeas de Jos
Fortunata dos Santos Porto, ven-
dem-se billietea i iteiros meios ,
quaitos oitavos n vigsimos da
quarta lotera, a beneficio da ma-
trii do Campo Grande cuja lista
se espera no dia 4 ou 5 de junho
vindouro, pelo vapor da compa-
nliia brasleira, e as lojas cima
mencionadas paga-se sem descon-
t algum todo e .qualquer pre
mi que miles sahirem.
lbete* aa,ooo
Meios 11,000
Quarlos 5,5oo
itavos a>8oo
Vigsimos i,3oo
Kilippa Josefa Praieres dos Santos,
profrssoia particular provisionada, faz oc-
enlo aos pais de suas alumnns que sua aula
da ru dos alarlyrios, seactia abarla na iua
da Unio n. t ; e con'ioua a receber alum-
ns externas o tensiouislas para ensinar a
ler e escever cunfoime s regras da ^ram-
mitlCI, o contir as qualro especies, bem
como complexos c companhia; e doutrini
Clinsta, cosluris, marcas, borda los de
todas as qa ilidadcs, .. esmo em '.i 10.
-- PeMiite o Sr. Or. juiz de orpbos oau-
senles derla'idade, se ha dearrematar em
prafa publica do mesmo juizo, pelas 4 ho-
ras da tarde do dia quinta feua, 37 do cor-
rele mez, na esquina da ra 01a Flores 11
I, duas escravas, que representam 50an-
ima de idade, do sei vico de casa erua, ava-
hadas em 200,000 rs. cada urna; aa quaea
vio aer arrematadas a requeiimonto do res-
pectivo curador da heranfa jacente da Ua-
da Mara da Luz.
ft>vffVfVffrfV>fffffffff
Botica homopathica.
28 RA DAS CltUES 28,
5 Dirig Ja par um pharmaceutico -
approvado. m
9> Este estabelecimento pgssuo todos *
=* os medicamentos li agora experi- Tj
* mentados, tanto na Eunjpi c^mo no ^
et Sun? ud^|^'...... .,
I seivifoa no Ro de Janeiro pan
H,P"W?a.la1aallal
M^r!.Hse .."sSrnidt retira-so par. fo-
r"d,rjT'recCe-".e um r.p.zbnsleiro, par.
"*SiZXSi+ engenbo
8f],ndo me co. eMBf,f0|-doien-'
= rqr^ecerre8U.e,,fdrrendeiro,o:
eu nome e do prOPMOlaVlO
de_-
duss pessoas
Z Na roa do Vigano n. 17
precisa-ie de ofliciaesde latoeiro e
|^ Companhia de Bcberibe. J
f O cauta da companhia de |
f Beberibi) acha-w autonsado
f a oo-ar o bitavo dividendo.
Brasil, e proparados pelg machinas
ila invenco do Dr. Mure. -US
PRECOS.
dru earUirat homtxypatUeit, ^
Emcirteiras de 12 tubos grandes 2t/
, a 84 a 20/ J
i> 24 a pequeos 15/ T*
a> Tubos escolhidos (eadk om) 1/ ^
* Tinlura s dcmedlcamentos em ^
frascos de l|2onfa (i-ada um) 2(
J lia mais, alem dests, nutras muits <;.
. caixs com glbulos e tinturas por
> prefos variaveis, conforme o aa" JJ
y nlio ea qualidide das- ciirt. *
# qutntidade dos remedios e a aoje. *
? dynamlaacOe, etc. ,..__
> AVIA SE GIIATUITAMEM J
psra 08 pobr s, todas aa receilas qu
W pan ali mandar qu.lquer profes&pe ^
Z Mbi I la^al MWM
|'recis.-ao saber so existe uesta/cida-
oe, ou seua suburbios, um mullir, por
nome Hoz. Hri di Coneeifo^que tem
duas Gil), oeuomes MsH,*'Antonia, nja
stas filh.s se iChm- legiliioada, como II-
Ihas de Antonio Jos So.res Borges de Me-
nize,ecaso assim eiistam, publique por
este jornal no praso de 30 das, alias perde-
ro todo direito a qualquer reclsmicao a
respailo.
USr.Jos"deUliveira Cam-
"Tecis'.-sedeu'ma'i'n.p.r. osorico'poil> ^ ykt ou mandar p.gar
,compras e ;m"'to. de ^ "Velna ago oo rs., importancia de f.zen-
de.-s e dinheiros pedidos a Joaquim
'de liveira Maia Jnior quando
encarregado da minha loja n. 15 ,
Ida ra do Crespo, que recebi
por balanco, e em quanto nSo pa-
gar-tiit,- ter de ver o aeu nome no
Diario. Antonio da Cunha Soa-
res UuimarSea.
.. [ ra do l.ivramento, o. i, aobrado,
se dir* quem d dinheiro a premio, e quem
vende ou alug I piaoo, 1 ca.ro de qualro
rodas para um e dous eavallo. 1 cavilo
com oscompelentes irreoa, I pontenro de
,,, relogio de patente. I corrente para
om'sm. gdiU pira senhora, med.ia...
tr.jcelios, cordO-s. bnncoa, anneldes vol-
as aJIinetes, 1 aderefo. 2 colheree ue tl-
,r sopa, i pir de cstifiei e outraa obras.
endO. I Preciaa-ie de um cnluneUo_-0.Ciia do
miiiSSS^^^"^ dgener"C
Attoiifao
Jos Francisco Das, com loja ni rui do
Crespo n. 14, rog 1 todos os Senil res que
tcem contas antigs ou Irtlras vencidas ns
?ia leja, que as venham salisfazer, os da
rafa al 15 dejonho do corrento anno, e
o' do mato at 30, afim de te nSo ver na
du'o necessidade de os chamar com os seus
nomes tor/xtenso por esta folha, o que fa-
r sem excepfSo de pesso, e entregar
mi.is conlas ao procurador para receber pel-
los meios que Ihe facultam as leis do paiz.
-- O abaiio assignado faz sciente ao res-
peilavel poblco, que ninguem fafa nego-
cio algum com Mari Francisca da Concei-
fSo, a respeito de uma murada de casa
e torras annexas mesma iropriedade, no
lugar de Tigii'i, por se achar a oesmi su-
jeita a um debito judicial; e para qete ido-
guemsed ignorancia faz rila adveilen-
cii. Antonio Domingues Ro lrigues_
Consla que a escrava fgida
no dia ao doeorrente, pertenecn-
li'ii ,lo;"i> Valentim Villele, se aclia
occuta em casa do senhor.. e
por sao desde j so prote.ta con-
tra o dito senhor, se a n9o vier ja
enlreg*-la.
Sr. JosGoncalves lir'aga,
queira mandar pagar o que deve
ao ibaila) assignado, e em quanto
nao o lizer ver oieu nome ueste
Diario. Antonio di Cunha hon-
res Guimaiaes.
.- Traspassa-se ou rz-so alguma Iran-
sicfo, com urna hypoti.ee de debito, e
obricafilo, que existe no engenbo Santa Ha-
ri, h pouco levantado, na comarca rio Ca-
bo, a qual devide cm os engenhos de Sibi-
r de Santa Ciur, Caxoeira, tjueluz, Giapi,
eJussara; he de buaa lerraa, mataa, e do
muit producfo ; ea miior paite us Ier-
ras compradas pelo dito hypothecario, que
lorneceu dinheiros para ronieccfl, levania-
menlodo engenho, para moenda,taxas, ani-
mes, a tez aupprimenlos o mesmo enge
nho; o que ludo consta da hypothec, ele-
Ira pagas, e da Cunta car reme, approvada
pelo hypultiecaiite. Os juius que le. m de-
corrido a um e meio pi r cento o mez, com
o pr:ncipl, at esta data prefaiem a quau-
lia de 1 28.81)9,560. Todo o engenho,teus
pertenes, e mais beris possuidos, e poa>ha-
ver eslo comprenendidos na escripturade
bypolbeca, Uvrada no cnrlorio do labeliflo
Guilherme Patricio, em 11 do s-temhro rio
1850, e regatada na coma..: a do Cabo: o
negocio faz-secom sciencia, e approvafSo
do mesmo hypolhecai.te, o qual nenliuiiia
objecfSo op.Oe em vender dito engenho,
para desonerafao desl l.yioti.eca : outro
sim o mesmo abaixo aasrgnado fara lain-
bem qualquer transacfSo com a oito letras
que possuo, aceitas pelo actual condeno do
eng-nho Barbalho, na comaica do 1 abu,
eaiando seis vencidas desdo 1847 al so cor-
rente anuo, e duas a vencer em 1853 e 1854,
no valor principal, e juros, de um por reulo
ao me, at esta data 15:007,000 : quem pre-
tender dirija-ae a 1 ua do Hospicio, a fallar
com Jos Marques da Costa Soa.es.
-- perdeu-sequartt-feira, 19 doeorrente,
da ra Nova at a ra larga do lluzaro, de-
fronte do beccodo Peixe Frito, um brinco
deouro eom um diamante: quemo live
adiado querendo restituir, leye-o a ra do
Koiario da Boe-Vlata 11. 46, que ser re-
compensado, e rog-s bem pels falla ,- e as-
sim espora-s de quem o acltou por bonds-
de.e conciencia o e.itrrgue.
Hotel Hecife, ruado Trapiche
n.5.
Tem sal e quarlos preparado) com decen-
Ci para receber hospede.
Almofos e jamares avulfos a qualquer bors.
Vlnho de todas as qualtdades, arveja, re-
frescos etc. ele.
Fornece com lodo o sceio o provlmento dia-
rio para mesa de qualquer individuo ou
familia.
Kmcumbe-ae de fazer jantares pira fon,
dando louf a, vidro, ele. ete,
D comida por assignalora mensal. tinto
no estabeleciraentocomo fora dalle.
Tudo pelo maia commodo pre;o possivel,
com limpeza e promptido.
-- As pessoas que livere.n contas com o
Dr Malel, queiram presenta-las em 8 das,
contadoa da data deste, afim de seren ve-
nlicad,", que depoia de lindo oa 8 diaa,
nenbuma conla sera reconhecida : no ar-
rnazem dooorrelor Miguel Caroeiro, na ra
do Trapicho n. 12.
Na Soledade, casa n. 70, te alaga o
bom oouhecido moleque Joas, acoatumado
a servir em cesas eslrangelna ; cosinhs, ha
bom compiador, flel, muito dellgeute, e nlo
tem vicioa; outro para qualquer servifo,
mesmo de sitio, he bom trabalhador. Tam-
bem ae vendem 1 a deapoli, de laranja tim-
boa, e oulres planta, assim como taaibom
eaiente de-orvillua.
-- Perdeo-se uma.pulceir com o engredo
de fllsgran deouro, civaf^bapa do mesmo
toelal por cima, u abrma oa dona, com as
3 letrasS G. S., perdeo-se no .lia 23 do
conente na igreja de Santa Rila at o heco
do Peixoto, quem a chou e quizer entre-
gar, dinja-se repr lfSo do sello, e procu-
re a rranTsco .!' Paula de Albuquerque, que
receben urna gratilicifSo do mesmo.
Iiescmciminhanor-aa do poder do a-
hiixo issiguido no dji 22 do rorrento 4 le-
tras passa.las a lavor do Sr. Jo5b Jos de
Carvalbo Morara, todas na importancia de
199,930rs., j vencidas, e pagas; rog.-se
a pessoa que achou as queira restituir, visto
que sao nuteis aoa possuidores, lauto mais
por ja ler o dito Sr Muraos passado tecibo
da importancia de taes letras perdidas. Re-
cite 24 de maode 1852.
Luiz da Costa Portocareirro.
Prcns-se de um csixeiro de ISa 20
annos para uma venda, porem de inoito boa
conducta n que d um dador spesar do
ser para rstancum outro : quem eslivor as
circuoslaiicjs innuocio.
J ..itlin dus Damas.
Sabio luz o quinto numero des-
te peridico contendo, como todos
ua outros, materias de inslruccio
e recreio ; he armpanbado de
uma modinba com acompanha-
mento de piaui, pelo distincto ar
tista pernambucano, o Sr. Pedro
Nolasco Uaptiata. Continua a re-
ctber-sc assignaturas para este pe-
ridico a rmao de 3,000 rs. por
serie de seis nmeros, na ra lar-
ga do Koimio n. 35.
U cetitelUta A. J. R- deSou-
jza Jnior, expoz a venda em sua
loja n. 37 A, na ra do Queima-
do, junto ao neceo da Congrega-
c3o, os seus bilbeles a 22,000 rs. ,
unios a i i,ooors.,quartosa 5,5oo
rs-, oitavos a 2,800 rs e vigsi-
mos a i,3oo rs., da quarta lotera
do Mo de Janeiro da matriz do
Campo Grande, a qual correu no
dia ai, ou 32, e deve cliegara lis-
ta do di i 3 do mez que vem em di-
ante : o mesmo vendeu em sua lo-
ja o meio bilhete n. 5192, ao qual
sabio 4<>o,ooo is ,bem como em b-
Ihetes e cautelas outros nmeros
com premios menores ; convida ,
pois, aos possuidores a virem re-
ceber os seus respectivos premios
O Alug.m-se e vendem-se bixas na ~
a]) prafa da Independencia n 10, con-
<{i fronte a ra das Cruzas.
&r$4B990$499flB^)9t*w9 -.
Aluga-se o primeiro a.dar do aobrado
; n. 9, da ru Direita : a tratar na loja do mes-
mo sobrado, ou ni ra do Queimado, lo-
ja n. 24.
jse AnlonioVasques, fsz publico que
comprou a venda do Sr. Antonio da Silva
Pimentel, sil na ra da matriz da Boa-Vis-
lu. i*; e 1180 lies responsavei por qual-
quer debito anterior p.rrtanlo quem fr
oiedor aquello t stabeleciinenlu lome suas
medidas dentro de Irea diaa.
Preciss-se de um caixeiro purtuguez
Vara vend e que tenhi pratici de negocio,
diodo Oidor a su. conducta : pode vir tra-
tar na praf a da Boa-Visti venda n. 5.
Oui'in liver para vend-r, estando em
bom uso, as vestimenta neceaiariaae com-
pletas para um padre celebrar mas, seodo
duas, uma com ai corea rouxa e verde, e
mit'a branco e encarnado: queira dirigir-
se Joaquim Jos l'erreira, na sua prensa
no Fote do Mallos.
Yendas.
Compras.
MUTILADO
-- Comprsm-sequalro mundis de calaa
terreas, sendo em boaa ruis, e citando em
bom eitado: na ra larga do Rorario, no
terceiro andar do sobrado por cima da loja
de louf, da porta larga.
Compra-se uma casa terrea pequen,
de chSos proprios, livre e desembarace la,
que eateja em bom estado : ni ra Augusli
11. SO, so dir quem comp.a.
Compra-se ubi sobrado de um andar
com bom commodos, que aeja no bairro da
Uoa Visia : annuncie ou dirija-se a ra do
Hospicio casi n. 17, que ae dir quem
compra.
Compram-se 4escnvos, aendo de am-
bos 01 sexos, moco, pagam-se bem: ni roa
Direita n.3.
Compram-se pomhos : ni ra da Cruz
n. 9, ni ra da Linguete n. 5.
Compra-se um rscr.vo moco, miri-
nheiro, eque sej crelo: quem lircr in-
nuacie.
O.
Lotera do Rio de Janeiro aoa
2o:ooo,ooo.
Na loja de mintieras da praca da
Independencia n. 4; vende-ae bi-
Ihetea inteiros, meios, quartoa, oi-
tavos e vigsimos a beneficio da
quarta lotera da freguexia do cam-
po grande, espera-se a lista no pri-
miiro vapor.
PLANO.
Pura a extrajo da liretira quarta parte Ja
tereeira lotera a fovor iai obrat da Igrtia
de N Sen'*ara do Retarlo da oa-Vttta, con-
cedida peta Iei provincial n. 92 de 8 de
maiode 1841:
2,000 bilhbtf s a 8,000......t:000,000
12 por cunto para aa
obras da igreja. 1:920,000
3,000 verbis de sallo
para o Iheaouro a
150 rs........ 300,000 2^*0,060
13:780,000
t. . , a a . 5:000.000
1. . . 1:500,000
2. . . 400,000. . 800.000
4. . . 200.000. . 800,000
5. . . 100,000. . 500.000
10. . . 40.000. . 400,000
21. . . 20,000. . . 4M.000
545. . 8,000. . . 4:380,000
589
1411
13 780.000
2000 .
Ficim sujelos os premios de um cont oe
ris, aos 8 por cento pin o tbeaouro na for-
ma di Iei.
Aopiovo- Palacio do govemo fle Par-
namhuco 30 do aelembro de 1851.YMorae
Oliveira.
Os bilhetcs desta lotori achSo-se a ven-
da ni bulici do Sr. Mureira Marques, piafa
da Independencia, loja do Sr. Fortunato,
largo do Livramenlo botica do Sr. Chagas,
atierro da Boa-Vist loja do Sr. Veriato. O
thezoureiro deata lotera espera fazer corror
as rodas por lodo o mez de Julho.
.- Vende-se ums muala de 20 annos,
linda figura; uma nrgrlnha de 10 annoa,
muito linda e esperta; uma negra d.Co.-U
moca, boa vendedem de ra; mas tres nu-
gras mocas, sem habilidades; uma negra
de miia idade, boa oaiuUeira j s qualro
prelos bous Irrbalhadorea de enxidi: n*
ra larga do Rozario n. 22, segundo andar.
Vende-se uma pieta crela, mullo bu-
nila, de idade 16 annos, e um mulatiiiho
muito lindo, de idade de 4 annos; quem
pietendor dirija-se ao boceo do Peixoto n.
19, que so din quem vende.
Vende-se um preto de menor idade,
muito proprio pira servifo de cimpo : na
ra dos Martyrio, cisi tonea n. 19.
Vendem-se por prefo commodo os se-
guinleegenero;chpeos do chile, luitia de
roris e de CoimaiSes, panno de Hubo, cera
em tolas muito bom sortimento : trata-se
na caaa de Novaea & Companhia, oa ra do
Trapiche n. 34.
Vendem-ae por preco commodo os te-
guintes gneros, fumo em lolha tara cha-
rotos, c>l virgem de Lisboa em barra, fa
rinha de mandioc, superior vinho do Por-
to em barra de qusrlo, quinto, e Qitavo.fei-
xiduns de porlSo, foucee ue rofir ; a tra-
tir no ar. azem do ciea di alfandega n. 7,
deJo- Joaquim Perelra de Mello, ou com
Novaea & Compatible, na ra do Trapicho
u. 34. .
Vende-se a typographia do
Diario Novo, propriedade da Viu-
va liorna a qual est montada ,
lano de bons lypos, como de pre-
los, e de todos os utencis necessa-
rios a urna boa typographia : tra-
ta-se com a proprielana na ra
da Praia n. 55.
Vende-seurocivallo que est enslna-
do para carrofa ou cirio, carreg haixo: na
roa da Conceifo di Boa .Vala n 60.
.- Vendo-se um molrque creoulo de 20
annos; na rus de 8. Frsnciaco, casa apala-
Vende-se por seu dono se retirar, ai-
sumas obras quasi novas.rotnosejim o dic-
cionario do Napolen L'iid, o diccionario
de medicina por chernoix, o panorama
completo, a revista universal, dit popular,
a galera das ordena religiosa, e outros
maislvros: na ra do Queimado, loja do
fazendaa n. 21 A.
.. Vendem-ae queijos do reino a 1,120 :
na ra Direita n. 14.
-- Vendem-se lingnicaa do certao aaoo
rs. a libra : as Cinco Ponas n. 21.
Aviso aos amantes da bpa pitada.
Vende-ae na loja n. 2 do arco da Concel-
cao, tap de Lisboa a to rs. a oitava, dito
Paulo Cordeiro 0 meurou. 20rs.
Vende-se um cabriole descuberto, mul-
to forte : na ra aa Cruz n. 40, prlmeir-
Vendem-se as melhorea redes alcoxoa-
d.S de coros lind.s : na ra do Crespo, loja
da esquina que volt para a da Cadeia.
fara o baile de mascaras.
Vendem-se ns rus do Queimado, loja do
miudezaan. 25, jneia mascaras de veludi-
nim or oreco commodo.

r.
.
I
'
*
I
UMUUtr* ...-----,--------------- -----
nho, por pre$o commoap.
i


Pertences par escriptono e repar-
t ir Sea publicaie.
Papel da peao, dito almaco, incluindo
urna pequea quanttdade; d'uma marca
miior, p'opria para doapichoj lapl, lacre
encarnado e preto, obreja de diversas C-
rea em ctixiiibas de pipelo, papal maia-
borro, machinas para copiar cartas, tinla
preta de escrever, papis oleados, livros
com ndicos e papel em reamas, proprios
para os meamos, balanzas para pesar canas,
etc., etc.; tudo reccbUo ltimamente de
Inglaterra, de superior qualidade, e por
preco commodos : oo escriptono de F. luir-
doll. Wyatt, rua do Trepicbe-Novo, n. 18.
Linhas de novello.
de muilo boa qualiaade, e varios sorliraon-
tos, por presos muito commodos, no escrip-
tono de Eduardo H. Wyatt, ra doTrapi-
chu-Nuvo, o. IS. -^Mafcaaaa>v^-
Bicos e rendas.
Ricos aorlimentos, em caixi de pipelffo
eufeitidis, por precos muito em conla : no
escriptono de Eduardo II. Wyatt, ra do
Trapiche-Novo, n. 18.
Fio de vela.
Muito auperior fio ioglez, ltimamente
recebido, por prcco mdico: no escripto-
no de E. H. Wvatt, ra do Trapiche-Novo,
d. IB.
Deposito geral do rap
Gasse do Rio de Ja-
neiro, na ra da Cruz
n. 25.
ACABA DECHEGAR A E8TE DEPOSITO A
BOA PITADA DO RAPE'
Grosao, meio grosso e fino
Pelos presos j sabidos de 1,'280 as duaa pri-
meirasqualldades, e900 rs. a ultima, sendo
de 5 libras para cima. Eacusado he enfadar o
publico com a descripcSo da bondade do ra-
pe deste fabricante; a aua anliguidade a
atiesta, eem verdade pela simples e audi-
vel compoaicSo colloca os tomantes ama vez
habituados em Dio o poderem substituir
por outro. Comparem pois os amantes da
boa pilada a qualidade deste rap com a des-
sa mollidSo do nnvus raps, e o seu oIV i lo.
os resolver a tomar deslo uu daquelle.
9 Na loja l'ernombucana, ra
do Crespo n. 11.
m Vendem-so caaemiras franezas mo- y
^ dornas e de excellenles qualidades e q
y padrOes, pelo baratsimo prero de am 4,000 rs. o corle, para caifa *
l'otassa americana.
Ijfr No antiga depositoda cadela velbi, n.
II existe urna pequen* porfi da potasas
americana, cnegada redantemedte que par
sunWior rlwlisa con da Rutila: vende-
aaor preco razoavel.
Vendom-se dous excedentes terrenos
proprios, na Boa-ViaU, ra do Pire, Junto
acaixad'agoa, de um outro lado, lendo o
do lado do Norte um bom alicerce na frente,
com esto, em estado de ruina mea be ca-
par de sobre dlle ae levantar qualquer so-
brado de dous andares tem este I0 pal-
mos de frente, e de fundo 125, o do lado do
Sul, da caixa d'agoa tem 68 palmos de fren-
te, o 123 de fundo : a tratar dentro do mes-
mo sitio com Manoel Joaquim '
Leal. .
___ Vendem-se relogios de ou-
ro eprata, patente ingle: na ra
da Sentalla Nova n. 4a.
ARADOS AMERICANOS, f
Vendem-se arados ame-
ricanos, chegados dosEsta-
dos Unidos, pelo barato pre-
B co de 40,000 rs. cada um: na
ra do Trapiche n. 8
4

Deposito de cal virgem
Cunha & Aroorim, na rna da Cadeia do
Recite, n. 50, vende-so barris com supe-
rior cal em pedra, cnegada pelo ultimo
navio de Lisboa, por menos prefo do que
em outra qualqner parte.
AttencSo.
Vende-sena ra estreita doRozario n. 11,
amaras muito novas, sendo cada caixinha a
600 rs. e maiores a 800 rs., estrelinha a 320
rs. a libra, bolachinha de Lisboa a 360 rs. a
libra.
l-'ai inha de mandioca.
' Vendem-se saccas com farinha nova, che-
gada ltimamente do Cear, a 2,009 ra. e
em lotes de 10 saccas para sima, a 1,860 rs.,
cada urna sscca : no armazem ue J. J. Tas-
so Jnior: narua do Amorim n. 35.
Vendem-se os verdadeiro selins in-
glezes, patente, de molla e sem ella : na
ra da s<-nzalla Nova n. 42.
Vendem-se no becco do Conejal ves, ar-
mazem de oeaneYoulei Companbia, meias
harneas com superior farinha de trigo.
Cortes de brimde linho, a 1,280,
3,24 e 3,000 rs.
Vendem-se cortes de brim pardo, de li-
nho puro, a 1,280 rs.; ditos de cores com
listras debomgosto, a 2,240 rs.; ditos de
liniis amarellos, a 2,000 rs.; cortes de calsa
de riscadode linho de listras, a 720 rs.; cas-
sasescampinadas para cortinados, com 8 1|2
varas, a 2,400 rs. a pega.
Armazem de vinlos.
Na ra da Senzalla Velha n. 48,
vendem-se vinhos de Lisboa e Fi-
gueiro, dos maissuperiores que ha
no mercado pelo diminuto prego
de 300 e s4o rs. a garrafa, e i,5oo
a 1,800 rs. a caada : para confir-
mar d-se a provar, e para ver da-
se a beber ; he baratinho, a elle
freguezes que he bom vinho.
Novo aortimento de panos finos e
casimiras de todas as quali-
dades.
Na ra do Crespo, loja da esquina,' que
roltu para a Cadeia, vendem-se panno pre-
lo, a 2,800, 3,200, 3,500, 4,000 e 5,000 rs. o
covado ; dito francez mtiilo superior,
Multas fazendas por pouco diuhei-
ro na ra do Crespo n. 6.
Cortea de brim escuro de purolinlio
1,440 ri .dilosdulistradebom gostoa2,n00
r.t d amarello a 1,800 rs. riscado de li-
nho proprio para calcase palitos a 200 rs. o
covado, panno Tino prelo a 3,000 4,000 rs. o
covado, pessas de dulas escuras coa 38 co-
vados a 4,500, 5,000 e 5,500 rs., cambraia de
filos com 81|2 varas a 2,400 e 3,500rs. a pes-
aa, lencos de cambraia de linho a 400,480,
e 560 rs. proprios para mSo. riscados assen-
lados em algodflo muitoeoenrpado proprios
para escravos a 160,180 e 200 rs. o covado,
zuarte azul com 4 palmos a 200 rs. o cova-
do, e muitas mais fazendas por preco com-
modo da loja cima referida.
ACID \M!
Acudam innocencia, gritava um pobre
miope, que por alTectafSo andava sem
oculoa, de bracos abertos e olhos no co.
correndo pelas ras para aparar um vesti-
do de menina que, eugotnmado su linba
despregado de uma alia varanda, e vinha
caindo discriflo do vento maneira de ^
maquina, jolgando ser urna crianfa que por jj^^p^^^g|) jj| 4<#W9##
descuido se linha precipitado de alguma .. Vendem-ae 2 mulata*, .sendo una uo
Ijanella baixo, ale que os mulequeg o 2o anuos, boa figura e. hl)il p*a qualquer
desenganaram pelos assobios e cafoada quel >ervifo, e a outra de 6 annoa, muito linda e
Ihe fizeram. Lis ao que se expoem to.ios propna para educar-ae, a p'imeira ser pre-
aquellesque, necessilando de oculos, an- fcVida a venda pa'a fra da provincia, ou
da en sem ellos ; se 16 he perfeitamente para engenho : na ra da Cruz n. 34.
- VendB-se urna rede de palha abarla,
enejada ltimamente de fra ; tambem se
venda um reloglo patente de prata dourada:
quam quijar annuncie par ser procurado.
#*?>***!#
Na loja pernambucanu
KuadoGreapon.il. 2
"VEfttiEH-SR
fj Toucas de la para senhorss.c elegan-
8 tes enfeites para cabera, ornados de
reiroz.
#
DU ALI'ARCATAS
Asslmandaria a classe media desta eldade
a nSo ser a apparifo dos estimavei aapa-
toa do Aracaty, feitos a capricho, que hoje
sem duvida rivalisam depois de engrealos
com o molhor calcado da Europa. Kilo se
tornam recommendaveis j pela aua longa
duraco, j pelo seu diminuto prefo; e mal
que tudo por seren de industria nacional,
quedeveser animada : quem os quizer va
a ra larga do Rozsrion. 35, onde se ven-
den] a 800 rs. o par.
Na ra Nova n. 36 tem para vender-ae um
completo sorlimcnto de coletes de fuslflo
lino, pelo diminuto preco de 2,560 n. cada
um.
Bom e barato.
Ra do Passeio Publico, loja n, 9, de Al-
bino Jos Leiln, vende-se meias cruas mui-
to linas para homem, a 200 rs. o par, em du-
ziaa 3,290 rs., chita para coberta, ( boa fa-
zen la ) a 140 ra. o covado, ditas para rostido
a 140,160 e 200 rs. o covado, chapeos de ol
asteas de balea, a 2,000 rs., ditos de janeo, a
1,440 rs., grandes e fortes, proprio jara o
lempo prsenle,chales de 19a de ricos gostos
a 1,000 rs dito de chita roxas a 500 rs., di-
tos branco a 800 rs., ditos de tarlalana a
800 ra., grvalas ricas de eassa a 120 rs.,
lencos de bico rodeado a 320 a 440 rs.; ditos
pequeninos proprios para criancas a 120 rs ,
cuites de colele fuslSu a 640rs., rends da
Ierra a 120 rs., a vara, cassa bordada pro-
pria para cortinados a 320 rs. a vara, casto-
res para cslc/s a 200 rs o covado, ditos pa'
ledodiaboa 360 rs hrins de linho azul a
de cores a 100 rs. o covado, cortes de cassa
chita,a 2.000 rs., e outras mullas fazendas
queagradarSoaos compradora',
Na loja peinamhucana
Rua do Crespo n. 11
VENDEM-SE
Cortes de riqulssimas sedas furta-eo
res para vestidos de senhorss l 13
a< e 14,000 rs.

um diccionario vivo de asneiras, se cum-
primenta he ordinariamente a quem n.o
conhece, se anda na rua, acontece-llie des-
tas e outras raladas, lie por isso quo se tur com
Ihe avisa que quem os quizer v na rua lar-
ga du Rozario, n. 35, luja, que os achar
buns o baratas.
Novosortimeto de fazendas ba-
ratas
Na rua Jo Crespo loja da esquina que vol-
la para a Cadeia vendem-se pe$s de uiada-
polSo largo muito fino com pequeo toque
de avaria a 4f500 a pec,a,ditas limpas a 2.400
rs., pecas de chita de cor lixa a 4,500, 5,000
5,500 e 6,000,riscado do linho a 180 1*. o en-
vido, lencos brarfrios de cassa a 160 rs., ditoa
de cambraia de linho Tino a 400, 500, 600 rs.
cambraiasdn cor fiza padiOesmodernotcom
7 varas a 2,500 rs., merino prelo superior a
2,800, 3,000 e 3,800 rs dito snlim a 3,600
rs. o cnvuJo, o outras multas fazendas por
prego commodo.
Aviso cm tempo.
A. illustrissima senhora pernambucana,
que se quizer apreseular no suspirado c
memorsvel da de seu casamento, com um
vestido digno de to mrgnifico acto, queira
mandar comprar na loja, alxiio designada,
asmis nr is trancas de seda branca o de to-
das as cores, bem como lindissimas flores
franerzas para enfeile dos ditos vestidos,
que nunca se arrependerSo de to diminuta
despeza. DSo-se as amostras: na rua lar-
ga do Rozario, luja de rniudczas du Cardeal,
junto a botica do Sr. Barlnolomeu.
Bom e barato.
Vendem-se pelo diminuto prer;o na rua do
Crespo n. 10, luvas cumpridas de pelica eu-
feitadas para senhora a 2,000 rs. o par.peca
debretanha depuro linho com 5 varas a
1,8(10
*
fe
Na loja pernambucana
'.na do Crespo n. 11
VENDEM-SE ,
ptimas sedas furta- cores de bellissi- 4
> mos padrOes e differentes larguras, 9
a>: pelo .iiniiuiih.-sHiio prefo de 1,000, (f
j t,500e2,000 rs. o covauo. 4
O A fitt atttf itt 6 i tt tfl afi M tt S ^ A tt Vil
AttencSo, com dinheiro.
Na rna Nova n. 26, loja dealfaiale de Ma-
6,000 rs.; dito verde, a 2,800 rs.; dito azul, riano & Tinooo tem para vender-se um com
a 2,800, 3,500 e 4,000 ra.; dito crdo rap,
a 3,800rs.; cortes de calsa de casimira pre-
ta infestada, a 5,000 e 6,000 rs. ; dita fran-
ceza elstica, a 7,500,8,000, 9,000, 10,000 e
11,500 rs.; sarja preta, a 2,400 rs. o covado;
dita hespanhola, a 3,800 rs., e outras mui-
tas fazendas por presos commodos.
Farinha de trigo
SSSF.
Fontana.
Galega.
IIaxal.
No armazem de J. J. Tasso J-
nior, na rua do Amorim n. 35.
Mniao de Mantua a
800 rs.
Vende-sa'a historia de SimSo de Nantua,
a 800 rs. : na livraria da praca da Indepen-
dencia n. 6 e8.
Vende-se Rezina de angico de muilo
superior qualidade em arrobas a 5,120 rs.,
em libras a 320 rs. : na rua da Cadeia Uo He-
rir loja de ferrageus n. 53.
CHA l'KETO.
Vende-se superior cha preto,
em caixas de 3o libras cada uma :
em casa de J. J. Tasso Jnior, na
rua do Amorim n. 35.
Taixas para engenhos
Na fundico de ferro de Jiow-
man Se Me. Callum na rua do
Brum, psssando ocbafariz, conti-
na a haver um completo sorti-
mfnlo de taixas de ferro fundido e
batido, de 3 a 8 palmos de bocea ,
as quaes acham-se a venda ,
pleto aortimento de palitos de panno lino
preto, dito de panno verde meselado, sendo
debruados de fita muilo fina pelo preco
de 20,000 rs. cada um.
Na roa Nova o. 26. loja de alfante, tem
para vender-se um comuleto sorlimeulo de
Veode-se um sobrado de um andar com
muitos commodos pia grande familia, e
lem terreno para um gran lu quintal: a tra-
uoel Luiz da Veiga.
Um caldeiro.
Na rua da Cruz n. 13, compra-so umeal
deiro de cobre ou ferro, em bom uso, e
que nSo seja muito pequeo : quem o li ver
quizer vende-lo dirija-se ao mesmo lugar,
un annuncie.
Vendem-se pas de ferro muilo fortes,
todas direitas, proprias para se abrir vala-
du* : na rua da Cadeia do Recife, loja de
ferrageus n. 53. a relalho eem duzias.
-- Vende-se o sobrado novo deduui an-
dares e sitio proprio para quem passa festa,
por ser muilo fresco, e mais alguma casas
lerrcas, na rua Bella: a tratar na rua de
S. Francisco, sobrado apalagado, das duas
horas at as cinco.
, Veud-se um preto muito saio, de 24
annosde idade, e bom cozinheiro na rua
do Queimado, loja n. 32.
.Morma- superiores.
Na fuid'CJO de ('.. Marre; Companhla,
em S.-Amaro, acham-se a venda moendas
de canoa, todas de ferro, de um modeloe
conslruccSo muilo superior
Bom 1 barato.
Na loja Ja rua do Crns'po n. 10, vemlnm-
se paulse casacas de brim de linho 1,000
rs ; chales de seda a 4,000, 5,000 e 6,000 rs.;
cassas para habado a 240 rs. a vara ; manti-
uhas de seda para menina a 640 rs. cada
uma ; cortes de garnbries de core para
cal;a a I.OOOrs., e nutras muitas fazendas
que se vendem por todo preijo.
No deposito de doces da antiga fabiica
da viuva de Manoel Ferreira Pinto, vende-se
doce de todas as qualidades, secco e de cal-
da em barrilinhus bem enfeitados.e om bar-
ril o de calda, e latas com gelca de goiaba,
e araci mais ben fdila do que em outra
quajquer parte.
Vendem-se 2 negros creoulos, ambos
de bonitas figuras, de 20 a 25 anuos de na -
d8 : no pateo do Carmo, venda n. 1, a tra-
tar com Antonio Joaquim Ferreira de Souza.
Admirara o.
Na loja da rua do Crespo n.10, vendem-se
pelo diminuto prer,o de 1,500 r. cada um ;
lindos chapeos deso de panninho bemen-
feilados, para meninas, obra prima ; a el-
los antes que se acabem.
Vf Vf f WjHpf f i f f f ajy f vf f
* Miudezas e ferngens J
j. No atierro da Boa-Vista, loja 11. 2
'.. 46, de J. S. de Menozes, tem um <
p. grande ortimenlo de ferragon de j
?#. todas as qualidades, luvas de seda *''
SALSA PARRILI
DE
aaraTO&ft
A numerosas experiencias feitas como
uso da islaa parrilha em todas a.ifnferrol-
dadas,originadas paja impureza dosangue,
e o bom axlto obtido na corta pelo lllm.
Sr. Dr. Sigaud, presidente da academia im-
perial de medicina, pelo lllustrado Sr. Dr.
Antonio Jos Peixoto em suaclnica, eem
sua afamada casa de saude na Gamboa, pe-
lo lllm. Sr. Ur. Saturnino de Oliveire, me-
dico do oxercito a por vario outros mdi-
cos, permiltem hoje de proclamar allameule
as virtudes efllcates da
SALSA PARRILHA
DE
Nota. Cada garrafa coniem dua libra
de liquido, o a salsa parrilha de Bristol he
garantida, puramente vegetal sem mercu-
rio, iodo, potassium.
Vende-sea 5/000ra. ovidro na botica do
Sr. Jos Mara Conexivos Ramo : rua dos
Quarleis pegada ao uuartel de polica.
Caf auperior.
No aturro da Boa-Nista,.loja n. 46,
de J. S de Menezes, tem caf o mais %
superior, deCaravellas, qne ae ven- Q
de por 4,500 a arroba. 9
AGERCIA
da fundico Lovr-Moor.
RUA DA SENZALLA NOTA N. 43.
' Reste estabeleeimento conti-
na a haver um completo aorti-
mento de moendas o meias moen-
das para engenho, machinas de
vapor, e taixas de ferro batido e
coado, de todos os lamanhos, pa-
ra dito.
mwmmmmm mwwmm*?#mwm
Bicos fios.
No atierro da Itoa-Vi-l., n. 46, lo-
ja de J. S. de Menezes, ha um grande i
soilimenlo de bico de seda e algo-
ii.'io, de diversas largura, que le
vendem por prrcoa commodos.
mmmmmmmk mm*w*mm*$.m*>
.Monillos de vento
com bomba de repuxo pira regrar hortas
ebaixa decaplm nafundic,8odeBowmaux
& M. Calhem: na rua do Brum ns. 6, 8 e 10.
Vende-se um terreno na rua da Aurora
com 50 palmos de frenle e 380 de extensSo,
tendo caes de lijlo a beira mar, licando en-
tre as casas dos lllm. Sr. Gustavo Jo do
llego e Francisco Antonio de Oliveira: os
pretenden tes di njam-sn a ruadas Torres 11.
8, primeiro andar.
Deposito de panno de algodao da
febrica Todos os Santos da Ba-
nhia.
Vende-se por preco commodo
o bem conhecido panno de algo-
da o desia fabrica ; em pessa, a
vontade do comprador no escrip-
tono de Novaes & Companhia, na
rua do Trapiche n. 3'i.
\ rudos de ferro.
Na fundicSn da Aurora, em S. Amaro,
vendem-se aradosde ferrode diversos mo-
delos.
Pecliincha.
Na loja da rua do Crespo n. 10, vendem-
se chitas, com um pequeo defeito, ruida do
cupim a 100 rs. o covado ; ditas liffipas
130,140 e 160 rs.
itefre.scos e xaropes a 5oo
ris a garrafa
Sendo, da-capil, lamarindos, orcbala, gro-
S'lles, laran|T"im8o, vinagre, gomma e
outros muitos na Iravoisa da Ma Ir de
Dos n. 4 a 6.
-- Vende-se um cavallo preto, ainda no-
vo, de 11.uno bonita ligura, com lodosos
andares, e mullo bom esquipador, selado e
enfreiado, com tolos os arreios novo, con-
forme ronviiT ao comprador: para ver na
rua do Itangel n. 7, e tratar no pateo do
Collegio n. 4.
Vende-se um eacravo muilo moco,! Yista loja n. 58.
proprio para pagem, por ser bastante inlel-1 '_.,,'.,.._. ...
ligrnte : ns rua da Guia n. 61.
Pecbincba para quem edilica,
Vendp-se por todo o preco, para ae desoc-
cupar o porto da'olaria, uma grande por-
(9o de melralha de lijollos propna para ali-
corees ou atierros n'agua; assim como pe-
damos para qualquer obra : quem pretender
dirija-sea Yua Nova, loja do chapeos, n. 52.
laBaaaiaai ^aaaaa'aw^w .a? ww ^paaiawaiajaMawavaaaaj
(Charutos superiores.
No aterro da Boa-Vista, loja n. 46
v de J. S. de Menezes, chegaram os
No paaseio Publico n. 17,
vendem-se coites de cambraia com barras,
excedente padrde a 3,200 rs.; ditoa de ras-
ja chin a 2,000 rs.; ehilaa para cuberas bo-
nitos padrOes e cores flxas a 200 rs. o cova-
do; chales de 13a e seda a 3,200 r. ; ditos
de lia a 1,000 rs.; cortes de coletes de 13a e
soda a 610 >s. ; riscadinhos de linho pro-
prios para palitos a 240 rs o covado: meias
americanas muilo finas a 2,200 rs. a duzia ,
e 300 rs. o par, e outras muitas fazendas de
cujos preco os pretndeme se agradarSo.
Vende-se um sobrado de 2 andares,
com muitos comrr.odose em boa rua: a tra-
tar na rua do Collegio n. 15 primeiro
andar.
Vende-se uma escrava da meia idade,
'' que lava e engomma bem, o preco lio bara-
' to por estar com um dos olhds algum 1 cau-
sa iofiammado : na rua Nova n. 16.
.Vende-se uma preta de meu idade, sa-
be fazer lodo oarranjo de uma casa, lava
muilo bem de varrela : para ver e tratar, na
rua do Crespo n. 10, primeiro andar.
Sebo purificado.
Na rua Direita n. 59, vende-se sebo purifi-
cado por preco muilo em cunta.
-- Vendem-se amarras do ferro: na da
Senzalla Nova n.42
Fio para sapateiro.
Vende-se fio para sapaleiro a
600 rs. a libra : no aterro da Hoa
-- Vende-s um escrava moga, de linda
figura, com pabili lades ; ingomma,
cuse e cozinha : na rua larga du Rozario
n. 22, segundo andar.
Ha para vender, na loja de
fuojleiro de Jos Baptista Braga ,
3 alambiques por 400,000 rs. cada
um, em tu !o iguaes aos que se
| vendem por 600,000 e 700,000 rs.,
em lugar de carapuca tem colum-
muito superiores charutos da Rahia na, e alguns nicllior,enlos que
que t-eorpor titulo-quem fumar concorre asas para O producto das
i' saliera, chaira-llores e primorosos;
cor isso se convida sos amantes desies jfj garapas.
I charolo, e todos quantosgSslim de
de tragar uma boa fumaba, cheguem
a elles que estilo fresquinhos : na
mesma loja se vende uma porcSo de
charutos muito em conta.
Na livraria da rua do Crrspo n. II,
vendom-se os seguintes livros : liezeoas de
Santo Antonio, Casos Reservados no bispa-
dode reman lineo, um jogo de Breviarios
Romanos, encadernacSo nea, Rossi, direito
jaqueles de linho a 2,5,60 cada uma, palito 4 para senhora, de todas as cores, di-
de brim de linio a 4,500, e outras muilas
obras que precisaren), e tambem se aprom-
pta mili a qualquei obra com umita pres-
teza.
Carnauba.
Vende-se a mais superior cera de carnau-
ba, que ha neste mercado em por(3o e as
sacens de 2 a 6 arrobas, rio armazem de cou-
ros de D. R. Andrade& Companhia, roa da
Cruz n. 19, junto da casa ainarcla,confronle
o chafanz.
Vende-se na rua do Livrameuto loja n.
II, sapa ios de dursque preto para senhura a
900 rs. ao par, obra muito boa, assim como
esleirs muilo grandes.
Deposito de cal virgem (cabeca de
carneiro.)
Na rua da Cruz n. 23, armazem
de assucar da Viuva Pereira da

las de torzal, lencos para grvala de
.._> padroes muilo ricos, fitas de vellu- <-
m- do para grvala, ditas de seda, la- z
jv vradis e lisas, linhas de 200 jardas,
a ditas para marca, caivetes elhssoa- "*
> ras asmis linas que p.liin haver,le- "*
i> ques linos, agulhas porluguezss, rti- "*
ia> ta francezas, banpejas Unas, bas
i-*- de lodus os lamanhos com diversos
* desenhos, tapete dp esparlo, couro "Z
*? de luslro e marroqum, bezerros, 2
: meia para senhora, ditas cruas para 2
^ homem, e outras muilas fazendas ^
J*. que se vendem muilo baratas, assim *
a> venha'm freguezes. ^
lu lio-ito da fabrica de Todos os
Santos na llalila.
Vende-se, em casa deN. O.Bieber&C.,
na rua da Cruz n. 4, algodSo transado da-
queilarabrica, muilo proprio para saccosde
Cunha : vende-se superior cal, a assucareroupadeescravos. porprecocom-
mais propria do fabrico de assu- JJ^ t d potassa<
car, e por preco rasoavel. I i *.,,-
-Na loja uealfaiaie de Marianos: Tino-' No armazem da rua da Cadeia
co, na rua Nova n. 26, lem para vender-se do Kecife n. 13, ha muito supe-
um completo sortimento de obras fcilaa ; .1 j. I ;,hna em nedra an
caaacasde panno, muito superior fazenda, r|or Cal "e VISDOa> m peora, aa-
soHrecasacas do panno, ditas de merm,pa- snn como potassa cnegada ultima-
mos de panno prelo, verdee azul, dito de mente aprecosmuilo rasoaveia.
merm preto, e outra muitas obra quo K J .,, .,
procurarem ; tudo islo por preco muito Agencia de tidwin lUaw.
commodo. (la rua de Apollo n. 6, armazem de Me. Cal-
Vendem-Se quatrO bonitos P""tSl Companhia. aeha-aa conalanteiente
., J bona aortlnienioa de laiaa de ferro coado e
eSCraVOS j despachados para O balido, tamo raaa como funda, moendas In-
Kin j,a I eliaa todaad ferro para anlmaea, agoa, ate,
RIO Ue Jane ro na rua aas i.a- ji,aipra armar em madelra de todoa oa ta-
"' franeeirasn. l4 Segundo andar, nianha emadelloa o mala moderno, machina
preco commodo e com prorapti- ..BVenae.,epor^pouc0(J7nneiroolerreno ^' \* *!!'. '" ^.^VJ-
do, embarcara-se, ou carregam- que confronta cuma ruad.. Carnario e com ^V. M..d;K;:^;.5^^^
se em carros, sem despezasao COm, oheccodo Ferreiro: os pretendente diri- decobre, eacovena para navios, ferro logle
7 r Mam se a rua do oitao da matriz da Boa-Vis- lantoem barraaeomo em arcoafolhai,eludo
pratlor. [ta, casa n. 26, primeiro andar. pur barato preco.
wmMmmnmmmmmmmwmmmwm penal, ediccaodetsso, .,ov; geo.netria d
Calcado. Lacroi!, Euclidns, Catneoismos das verda-
Botins de bezerro francez pira homenf, les catholicas, encadern.dos, Director Es-
diloa de couro de lutro; ato de ver^ WU' >ermOes de varios autores, Cthe-
n z par. d.nCa, s.pales de Paria e Nan.es, ?- {" rD>emnot "ue "*" "' "'.
deverniz e bezerro de feilioa difTerenles "",'? ''>. romaneo h,orico, D Se
' bastan, Ensato n gerafSo do mundo, Vor-
., 1 e i Soasors, Burro da Salustio e Horacio; e
l 11 le Hlo motado. ttoibem se vende caitas francezas selladas,
Sapalos de vrniz para senhora a 1,600, para a rapaziada se enlreter ns horas va-
ditos de marrooAiim preto e de cires a 800 : gas.
na praca da Independencia o 13 e 15, luja 9 s/^:|> ^i^^lt/f yy fffff^l Vf*
do Arantes.
Chapeos do Chyle.
Vendem-se chapeos do Chyle linos e
grossos, grande e pequeos por prego
muilo barato : na rua do Crespo n.23.

Deposito de tecidos da fabri-
ca de Todos os Santos,
na Babia.
Vende-se em casa de Domingos Al-
Algodo para roupa de escravos. ves Matheirs, na rua da Cruz do Re-
Vende-se sIl
prio para roupa de escravos, com pequeo
klgouao para mu|ia uccunaiva.,; .=,.,... .vu, ... u> u ... a- ** ..o- -
Vende-sealgodSo muito encorpalo, pro-'J '.52; primeiro andaralgodSo
rio para roupa de escravos, com pequenol Z '"."sadodaquellafabrica, muilopro-
* K ... .. j:._ aa^ nrin nar> sneos .' ni..... .le perra- ^
toque de averia, a 140 rs a jarda ; dito
limpo a 180 rs. : na rua do Crespo n.S.
-- Diccionarios da lingua porlugueza,
por Constancio, em ptima encaderuacjlo,
e por preco commodo : na rua do Sol n. 1,
em casa de Elisa Baptista da Silva.
Livros baratos.
Febm a manila, sua historia, ymptoma,
na ture ausas, contagio,lralainento,clc ;
alman populare e universaes; revista
unive ; dita militar; jornal de pharma-
cia; r jeismo de doutrina por Urculu; his-
toria Portugal; dila de Heapanha; uni-
v'ersra itoresco; romances diversos, hespa-
nlioc/, com muito boas gravuras -} illustra-
(3o hespanhola coro ditas, e varias cintras
prio para saceos e roupa de escra-
fT vos, assim como lio proprio para re- ^m
ly des de pescar e pavios para relias, .43
,}. por prego muilo commodo. -4J
AAMAMAASM A A AAAAAA*
Grande labrica de chapeos de sol,
de J. Falque la do Collgeio
n.4-
Neste novo estabeleeimento rocebeu-e
um novo e lindo aortimento de chapeos de
Sol dos ltimos gostos, tanto de seda como
de paninho para bomens e senhoras, de ar-
maciio de baleia o- de asso que se vendem
por menos preco que em outra qualquer par-
te ; grande sortimento de chamelote, aeda
Escravos futidos.
100,000 rs. de gratificacao.
A quem appreheader a preta aban,, a..
clarada.
Conlinaaestar fgida a preta FelicidH,
deade o di 17 de marco prximo passadn '
o goaeasaguirite:eautura regular'
falta de denles na frenle. mareas a..... '
tem
tem
publicases modernas : defronte do Trapi-. e paninhoaom pe^a de todas as cores e que-
che Novo, cas* n. 6. < lidades para as pessoas que quizerem man-
Em cata oeJ.R. Lasserre & Companhia | dar cubrir armacOes servidas. Completo sor-
1 rua do Trapiche n,. II tem para vender | tmenlo de baleias para vestidos espartilho
ns seguintes-artigos : cabos de linho e ma-| para senhOraarfaiem-seumbellas de igreja e
nilha de todas as grossuras. champagne concerta-aeqnalquer qualidade de chapeos
marca estrela. sardinhas em latas de varios de sol: lodos os objectos cima mencionad os
lmannos,penas de ac, velas decomposi- se ver.dcm em porc.oi e a retalho, por preco
(9o a garrafes vaz por commodo preco. dade.
W?ffffffVV *ffffffftf I A dinheiro a viata.
* farinha de mandioca No engenho Gaipi, na freguezii
Vende-se, por pre^o rasoavel, la- ^
rinha de S. Mslheua a mais nova ^
que exisle neste mercado : na rua S
de Ipo-
juca, em uma cala junto i ponte, acha-se es-
labelecida umi fabrica de fazer superiores
velas de carnauba, com tuda a limpoza e
os son lluros
di Cruz n. 34, delronte da I ingoeta. ^ perfenSo ; avisa-ie poitanto
AAAAAAAAAAA AAAAAAAAAAA do oogenl.o, e m.i* muradore circumv.zi-
1 nhos, que Ins he mais commodo inanda-
hiquissiraas luvas de pehea, pro- rem ^feomprar, do que nu Recife, ","..
prias para noivas. doassimoquebramento dellas, e a demora
Na rua Hn 'al,,,,.-, n fi aaon d* viager-, levando logo o por
a rua dO IjdDuga n. O en- dequem for, o dinheiro a vial
dem-se as mais ricas luvas de pe- 360 r., por cada urna libra ; afflanca-se a
lica, que aqu tem apparecido, com ** ,q,.'!rd.,,d,?1f L'*n8,..e na" 8e duv'd'd,r "
. *..*. ^ r j a mojlra gratuita a quem quizer expermen-
riquissimoa enfeites de flores e re- ta-las.
quififes, proprias para noivas, por Bejouterias.
precos commodos. attlkmann Irmo rua da Cruz n. 10. rece-
a fi .. barita pelo ultimo vapor inglez um novo
* 'jJOO rs. sortimento de obra de ouro o mais bello
Vendom-se cortea de meia casimira, de que lem vindo aqu como aeiam; inleiros e
superior qualidade e goslos bellissi mos, pe- meio adereces, orincos, a I Tete, e brce-
lo mdico preco de 2,560 rs. o corte : na leles com perolas, e sem ellas de todas as
ru do Crespo o. 5. qualidades, botdes para Camila, e cuides
Vndese um carro pequeo de 4 ro- corrente para relogio, inneis, canetai, con
da, pin 1 e2carallos, todopintado e for- lapis e pennas d'ouro.dedaes, vollase brln-
rado de novo, vende-ss em conla: 1 tratar quinhos da cores, vidro e ouro proprio pin
na rua do Queimado, loja n. 10. menina.
tea na frente, marcas de n,;
no no rosto, cor nao muilo pret, muito oro
tiala, levou vestido de chita ji deaboiaiin
panno da Costo udo. um taboleiro pean.'
no em que andava vendendo, lem por cu
lume ter ropa fra e mudar quandosaj
tem sido vista muitas veze, urna no Mnn
teiro, e outra em Bebiribe, lavando ropa a,",
ganho, eilizondo que pormandado desui
san ora; tem sido encontrada junto com um
anoeiro, q,ue navega para lindi, ella tcm
1 mil no engenho S. Cosme : ropa se nor
tanto, a autoridade policiaca ecapn.,.s,i,",
campo, a sua ciptur, inda mesmo ella di-
zendoque nfio est fgida, e alevem a tal
senhora, na rua da Cruz do Recife n. 15
assim como e protest contra quem a tiver
oceultado e oobrar-se os das de servtro.
No dia 10 de maio, desappareceu a pre-
ta Joaquina, de nacfloCassange, representa
ter 35 a 4d innoi, buza, cheia docurprj
sondo regular, cor fula, olhos pequeos
com carne sobre elle, tem uma costura ni
cara noladoesquerdo, porm muitoapaai.
da,que mal se percebe, nariz chato, com
falta de alguns dente, de ume outro lido
ba feia, lem uma empinge no roato, qu
parece ser bexiga, peilos muilo pequeos e
inii'xos, lem alguma sicatrize de ralho
n8 costas, tem as nadigas empioadas em
tras, he bem fallante, representa ser creo'i-
la, ltimamente esleve oceupada noservicn
de cozinha, levou diversa ropa, que sen3o
sabe da que usura, coslumava andar suiae
embriagar-se, quandn.ttge ten7j.br cost-
me andar pelos arrebaldes desta Draca,"qU|.
tandando e lavando ropa, iotitulndo-se de
forra ; desconfla-se quo esteja serviiido ero
alguma can como forra : aa pessoas que se
estam servindo della na boa f, queiram
Jenunclar, do contrario se usara dus meioa
queconredealei: roga-se 14 autorilados
pul irises e ca pitaes decampo, ou a qualquer
pessoi.que a apprehenda, ou a faca ippro-
hender e leva-la a seu senhor Domingos da
Silva Campos, na rua das Cruzes n. 40, que
serio generosamente recompensados.
Desappireceram do engenho do meio
oropriedade de Francisco de CarvalhoPaes
de Andrade, na madrugada do dia 12 de mar-
co, os seguintes escravos : Manoel pardo, de
idade 45 a 50annos,corescura,barba preta,o
bem feixada,cosluma usarsomentode meias
suissas e lem um pequeo signal prelo qua-
si na macan do rosto ; Alexind-e tambem
pardo, pouco mais escuro que o sobre lito,
idide 20i 25 innos, estatura alta, espadau-
do e bem filo de corpo, ten lo panos pretos
pelo rosto e por lodo o corpo; Miguel, creou-
ln, estatura baixa, reforcado de corpo, rosto
quasi redondo e ja desceido, idade 381 4o
anuos. Os dous primeiros se dizem irmSos,
e slo de Paj do Flores; mas aqu manda
ram forjar uma caria, para Ihe? servir de pas-
saporles, a qual foi dirigida para Inhamuns,
" talvez para ahi fossem, ou para ss vizi-
nhmcis.
5oiooo.
Paga-so 50/000 qemtrouxerum c%cn-
vo de 110 nu- Manoel, de na cao, bonita figu-
ra, cor pela, altura regular, xuio du corpo,
com um signal ao p do olbo esquerdo, cu-
jo signal he uma rodinha mus preta que
a propria cor do escrivo, desppirrceu no
dii 2 do corrente mezytem silo visto ni ri-
heira da U01 Vista, passagem da Magdalena,
roga-se autoridades policiaes, e capiteles
de campo, que o capilure, e tragam na rua
do Crespo loja amarella n, 4.
Desappareceu no dia 23 do corrente o
moleque Ciaudino, escra vo, que foi de Jos
Joaquim de (desquita, e hoje da viuva do
mesmo, deidade pouco mais cu menos de
14anuos, tem urna cicatriz saliente ero urna
das faces e peito du queixo, be magro, de
rusto redondo, olhos grandes, pernas Duas,
o parece mui simple no fallar: roga-se as
autoridades policiaes ou a quem couvierde
o prender e leva-lo i rua de Sanio Amaro
n. 6, quesera recompensado.
-- No dia 23 do corrente fugiram do en-
genho Novo do Cabo o escravos creoulos
seguintes: Luiz, carapia, he mettre de as-
sucar, alto, reforcado do corpo, cara des-
carnado, qu.i.-i sem barba, orelbas peque-
as com recortes, p e mSos grandes.
Renedicto, carrciio e carguoiro, alto, re-
forcado do corpo, punca barba, nariz chalo,
falla meia fanhosa, com (alta de denles ua
frenle, |s emSos bastante grandes; am-
bos s3o de 20 a 28 anuos; sio irn.iio-
quem os pogar leve-psao dito engenho qii"
sera bem rrcompedsado.
Desappareceu no dia 94 do corrente,uni
preliylo mime Bertol Jo,do na;9o lleuguella,
quo representa ler 24 anuos, pouco mais 00
menos; he de boa altura, cheio do corpo.cor
preta ; lem os ps, pernas e bracos grossos,
levou vestido caifa de ganga azul, o camisa
branca de algo I.V.zinho, chapeo de pilha, e
laln/. Imiha uiuilado a n^ia; Supp-se an-
dar pelo bairro de S. Antonio, ou Boa Vista:
roga-so a quem o pegar, leva-lo a casa de
seu senhor, oa rua un Amorim n. 25 que
er bem recom pensado.
-- Esl fgido desde domingo o moleque
Africano, de nome Antonio, bem couheci-
do por vendedor de tapiocas, grudes e do-
ces; levou camiaa de chita azul e calca <>>
algudo meselado timbem azul; do uso do
tabuleiro elle tem uma falla de cabellos
como urna cora; levou um taboleiro gran-
de com ps envernisados de enc.rmdo o
una bandeja glande; henitural queja le-
nbi guaralo irto, e ande sem nada; por-
tento pede-se ao capitfie de campo o pe-
guem e levem rna Augusta n. 33 Na
mesma casa se carece alugar uma preta ou
moleque para vender, que nSotenha vicios;
e se da venda as pelas que quizerem, pa-
gmdc-3 8O11 do veniligem, empatara.
No dia 26 do corrente (desapparreoo da
casa da abaixo assignada a sua escrava de
nome Bernardina de Sen, crela, de idade
de 30 auno, baixa, cheia doco po, cor fu-
la, tem em um braco o nomo escripto, gin-
givas preta, tem dua cssluras na cara,
sendo uma na fonte e outra na face, e pa-
dece de totura ni bexiga ominara ; cna-
la que esta escrava osla occulla por um ca-
bra com promessa dualfurri, e protesta-so
usar de todo o rigor das leis contri quem
1 occoltir; e roga-se 4s autoridades poli-
ciaes e capites de campo a aprehendan! e
levem a abaixo assignada, narua da Mal .1/
da Roa-Vista, casa do Sr. Jos CandiJu do
Barros, quo ser recompensado.II. Mana
Benedicta IV.ce de Lelo.
-- Desappareceu no da 26 do corrente, o
escravo Benedicto, preto, creoulo, de 18 a
20 anuos, pouco mais ou menos, alto, n.lo
muitu Cheio do Corpo, nariz chato e falta d"
denles ns frente, levou caifas de algudSu
do listras e camisa de riscado j* diabolado :
quem o pegar, levo-o a rua da Mal re dt>
Dos, loja n. 16, que sera recompensado.
- Anda lugiuo, desle quinla-teira 20 do
crranla, o preto de ni{So, de nomo
Caetano, alio, muito barbado, olhos gran-
des ear alegre; quem o aprehender queira
leva-lo I Santo Amno (Cidade Nova) em
casa de Manoel Cirdoso di Fonseca, ou na
praca do Commercio a qualquer hora.
MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E3CI2FXXJ_9KYSSR INGEST_TIME 2013-03-29T15:53:18Z PACKAGE AA00011611_03609
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES