Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03607


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-
DIARIO
Quinta, feira 27
N. 118.
PEMAMBICO.
S
%&
rugo a sooiF9lo.
PzeiKarlTO ADUNTaDO.
f0r trimestre............VOOO
,r.eraestre............. 8/000
Por anno........1.....IV"
PiaODIHTaS |HIlStll,
foi auarlel......... V**
otioia do laicmo.
,,, ... i7ile Harto
Maranho 1 de-Abril
Cea ti 7 de dito.
Parahlba 21 i alo.
Mini... 2*le Maio
S.Paulo, s *e dile
R. de].. 15 de dito
Babia... 10 de dito
21
fe
M

M
311
BIA.SDA IU1U. AUDIIMCIA.
Sea;. S. Vicente.
Tere. S. Gregorio.
QuartS. MllppeN.
Juioit OrakAe
>, e5. a 10 horas.
1. eararfoeiMi-
Qulni Joo p. in S. 3. e 6. ao melo-dia.
Ranufulo. Fmxena.
anufulo.
Seal. S i'riamo.
Sab. S Maxlmlano
b j S. II es titulo.
Doin Paicoa do Es-
pirito Santo.
Fatenda.
I, e6. ai 10 horas.
2 ara de eitel.
t. eaabadoiao melod
Mtlf:
I erene aab.do.
HHalDIl,
Creiceate i 2, a I hora e 20 minuto! da t.
Chela a 1, ai 6 horaa a 4 minutos da urda.
Mingoanleio, as hora e 4 minutos da t.
Nova i i'i aoi 41 minutos da m,
Hiiaism BOJ
Prlmeira s II horaa e 41 minutos da manha.
Segunda 0 e 6 minutos da tarda.
rABi'iDAa >oa ootios.
Oolanni e Parahlba, s segunda! a seitas-
telras.
Rlo-Orande-do-florte e Victoria as quialas
falras
Bonito,Caruarn, e Oaranhuns no Io e 16 de cada
moa.
Floras, Ourlcorr, Cxu c Boa-Vista l3 a 28.
Olinda, todo) oa" das.
Todos os Corrrios patteiu ao melo-dia.
noticia a utihiioiiiiai.
Portugal II de Abril.
Hespanba lude dito
Franca .. l3 de dito
Blgica... 2 de dito
Italia.... 3 dedlto
Alemania, 4 de dito
Prusaia ...1 dedlto
Dinamarca 30 de Marco
Ruisla... 3i dedlto
Turqua, ai de dilo
Austria., de Abril.
Suissa.... I dedlto.
Suecla... a5 de Marco
Inglaterra 7 da Abril.
E.-Unldoi 2da Fevr
Mlico... 31 de Janr
California 2 de Marro
Chlll. 2i de Fevr.
Buenos-A. 6 de Marco
Montevideo 5 de Ma o
OAMBIOa BB 17 SI MAIO
Sobre Londres, a 27 27*/, d.
i Pars, 35
i Lisboa,9i por cauto.
ITAIS.
Ouro. Oncas hrsnaolilas...;T.T.'.Ti
Moedaa de 6/400 velhaa........
de 61400 nove.........
de 4/ihio...............
Prata.Patacdesbrasilelroi.........a
Pasos col u ui o a rio).. ....
Ditos mexicanos.. ......
2O/000
i&oco
16/000
9/000
]/l2o
1/92"
1/800
PARTE OFFICIAL.
RKLATORIO
Aprtimt'du d assemJia geral legislalioe na guar-
a leuo da otava lryiil*tnra peto snirii'ro e
secretario de estado dos negocios da fnienda o Sr.
Joaqun Aue led-ieon fbrrri.
Auicusto* e diguissinios S-s. representantes ,-.
da 'uaco. Do exercclo de 1847 -48 em di-1 alm da quanlia precisa para pagamento das
aute uo tera bavldo luterinlttencla no progres-|f. lOO.oOO que Ihe devemos, ed Juros, a-
so das rendas publicas
concluir dahl que alie
cuuistsiiciaa occasiooaes e passag
Cabe- aqui declararque tenho as m ns beta
fundadas esperaneasde que se leallsem breve-
inentr, e de uin modo vantajosa, as opra-
teles do crdito para que o goveruo fol auto-
rlsado pela lei de 6 de seleii.bro de i8S0.
As reuessas feitas em Londres, de lo de
abril de l85l ao ultimo do mea prximo plisado
de que ha conheclmento no thesouro, sobem
I (ili,(i",:.(i, tabella u. li ; e temos pols em
poder dos nosaoa agentes inais de t. 50,000
iiriuam esta asserco as tabellas ns. I e l, das
qu.es se ve que a receila geral do imperio fu
Em 1*47-48 da..................24,73a:3U0/
1848-49 de.................. 6.lrJ3:oih/
/84-5o de..........-.......28.2oo:ii7<
1850-51 de....'.............. -i.655:iOI|
E seguudo a tabella n. 2 calcularse
que subir em I8il -42 a.......36,76i;oooj
Donde se deduz que o termo medio do cres<
cimento nos referidos annos be de 11,2 por cen
lo. e que, fazendo conta com a lucarna progres-
iio, .i ve ii.i a rccelta subir a mals de 45,000
coutos no exercicio de 185454, para o qual
ir ni de aer decretado o orcamento, cuja pro-
poala acabo de apresentar-vos.
lie todava de saber que nestas quantlas es-
lio incluidos os depsitos, empresliuios dos e*>
fres dus orpbos e bens de defuntos e ausen-
tes, os quaes nao podendo ser couslderados co-
mo vcrdsdelra renda do estado, deve a impor-
tancia delies ser deduaida dos algarlsinos ci-
ma iudicados.
A bella n. 3 mostra a quanto montou
omina dessesdepsitos em cada um dos exer-
dcios a que me retiro ; e que o termo medio
dtlles auda por 06:8,.ilJ> annualmente.
Por laso, e po'que ninguein deaconhece
iiuauto sao contingentes os clculos fundados
em circumslanciaa que eslo sujeitas a lama-
ulias altera(ea, uo ouso avahar a receila do
exercicio da 1853-54 em inais de 33,000:000/.
A despera geral
foi oreada em. 30,09:6o3/S70
l'i Ju/.iildo a a-
uiorlitaco dos
e iii prestimos
internos...... 45:264/000
sjaisan------29,S47339/970
lermltiencla no progres-IJ. iou uuo que m oerenm., = j
I a parece permittidol inortixaco e mslsdespeasque se bao de reli-
no be dendo a clr-Iiar ale o flu de juntao proiimo futuro. O cam-
s e passagrias. Con- blo medio das reiuessas foi de 28.0S, ou 4 por
5,900:473/575. a qual s 'llevara em II de de- i dade de detennlnarein essas diligencias por das alfandrgasdas principad provincias resull
aembrode 1850 a tJ0>'2:468/U90, aperar de ae I nielo de mandados em toda exteosao das pro- o quadro segulnte:
haver cobrado entre essas duss datas a quan-
lia de S9:>6'/7l9. O augmento pols de.
78i,'.iJ5jli:. prorem de liquidacoea feitas no
decurso do ultimo dos dous indicados anuos
Celxa d'avwrtitacio.
Durante o pagamento dos aemastres venc
dos em junho e detembro do anno pasudo
trantferirau-se 2,159:200a em apolices de 6 e 5
por cento oque jiwlilica cada re mal) o
acert das dlspoiides da lei de 22 de julbo de
1850.
Achando-se quasl esgotada a reserva das o-
las de a/ e 500f, com qu a seceo respecllva
eslava faaendo a subslilulco das que por di-
laceradas acodem ao troco, ordenei que se re-
correrse para esse fluas notaa de 50/da,3. es
Poiler-se-ba
saldo de...
contar com um
3,74J:6()ii/o3o
Comparada a despexa Asada pa-
ra oexerclcio de 1851-53... 31,481:820/607
Com a oreada para o de 18536. 2,247:33j7C
llavera
um accressimo de.....' 1,764:510/363
Do qual o de 1,749:031)747 pertence repart-
i-oda faxenda, e proviu: I", de se haver con-
templado no orcamento deste ministerio
iinoriiatau dos eiupresltinos estemos, que es-
tsva suspensa desde i83l, a qual com ilespe-
is de commissaes se eleva a I,4to.648j000 3-
da reforma do thesouro e tbe9ouranas que, aug-
inenundo cuino era lodispcDsavel uDumeoe
-encimemos dos einprrgaclos dessas rcparli-
.oi), elevou tambjbiu a despeza deste ramo do
>ervlco -. 3, do augmento de porcenlagem aos
eiupregados das alfandegas, consulados, re-
cebedorias e colleclorlas, proveniente do cies-
cimento das rendas dessas reparlicOcs ; e 4, fi-
nalmente, de se contar com a despcr.a da ofti-
iiua do papel sellado.
Vivida lauita externe.'
Elevava-se esta divida no lim de marco do
.muo passadoa f 6,183,559 nominar), que se
jcham reduildas agora a 0,009.850, tabella
n. 5, por se haverein comprado ltimamente
por conta do thesouro, e ainorllsado na forma
dos respectivos contratos 1!. I7'J 700.
Tomeiesta dellbcraco, e a de mandar con-
tinuar a auiorliaaco do semestre de abril des-
le anuo em diaue : I; porque j nos d recur.
sos para Uso a renda ordiuaria i 2a, porque leu-
do de fairr opeaces oauceiras paia aalisfa-
oento cima do par,
Em 8 de marco ultimo estavain as kpolices
brasileiras dos eraprestlmos de 18a4 e 1825 a
97--UU ; a a 95 -98 as do porlugurzde 1133.
l>it>ida p'uni'n i'nlerna.
No quadro da divida interna fundada, tabel-
la n. ^. nota-se a dlH'erenca para inais de
l,289:0O0f nnmlnaes, comparando-se com o que
apreseutei junto ao reiatorio do anno passado
Provm ejsa dlfferenci: l, de 3,287 apolices
de 6 porccnln, resto das 4,000 vendidas a Gomes
b Pafva, e que nao forsm incluidas ah por nao
lerem aldo eiuittidas aoles de 31 de marco ; 2,
das 1,000 apolices vendidas o mes passado ao
banco coinmercial; e 3. de 3:010/ em apolices
de 5 por ceulo para pagamento da divida ins-
cripta anterior a 1827.
Hilhettt ou /films do Iheiono.
Nao eicedia no ultimo do mea de abril pr-
ximamente pasiado a 5.658:500/, tabella n, il.a
divida representada por estea papis de crdito,
e .ii li.ii -m -1 a a i ella aioda inais redusida s< os
portadores de todas as letras vencidas nodecur
so do dito mes, as tivessem apresrntado no
thesouro, o qual linha sobrjos recursos para
pagailh'ai, pols que s nos cofres da Ihesoura-
rla geral e nos daalfandona, licou cxlsliudo no
inesino ds um saldo de 082:251/.
K posto leiilum sido emiltidos l,447000/
por conta do exercicio de l850 5i, e smenle
4.2il;500/ por conta do de IS51-57, todava
como, feito ii encontr dos supprlmenioa rec-
procos desses dous exercicios, tem de Acara'ja fundir diariamente com facilldade i,jOU
favor doprliiieirouinsallosuperlora3,oiiO:iiOO^, I marcos de prata em tres fundiedes, para o
manifest se torna que a lotalldade dos blllie- que eram precisas at agora trinta com granie
tes em circulaco representar defiulllvamente i estrago de cadinbos e augmento conslderawl
despens do anuo flnancelrocorrenle. [dedespeas.
Releva porero advirlir : I, que nesta despexa [ Alem de outros objectos necessarlos, fes a
eslo comprebendidus 7,o44;000/que mandei casa da moedaacquisico de urna boa inachiaa
.ippiicar i amorlixaco doa emprcsliinos esler- ( de transportar, para a offleina de abrifio ; uva. e 2,135:56e:/emprestados aos goveruos do tres fornos para a casa de eosaios ; e maodjei
Estado Oriental e Enirc-Rios em virlude das vir da Europa varios apparelhos para as ou-
convencdejde i2de oulubro e 2o de oovembro Iras oflicinas.
de l8il;2a, quea diderenca del,488:034/entre No edilttcio flxeram-se os melboramenfos
aiommadas dilas2 parcellas e a lotalidade dos | que permillla o acanbamento del le aflu de
bilhetes do thesouro representa mera antecl-' dar-lbe inais cmodo, claridade e venlilacso.
pa;o dereoda, pols a tabellan, la inosii a que Comales inellioramaotos e fabrico dasiuie-
os saldos disponiveis existentes nos cofres do the- das de ouro e prata despendeu-se do I', e
souro e thesourarias excedem a 4,000:000/ | abril do anno passado ao flin de marco ulll-
No peco na propulla do oTCamauo nenliu- mo a quaotia de 129:004/350, incluidos os jor-
nia iji..mili para pagamento dos juros cune, naes dos operarios e vencimeotoa dos emprc-
pondcnies fuudaco desses bilueles: i", por gados. O reodlmento da casa elevou-ae o
achar-se anda aberlo o exercicio oque elles iiiesmo periodo a i3J:I76/. a saber: 91:530/ fie
perlencem e dever resgatai-se com rcuJa fundicao, cunhagem, aliuaco e ensalo do ou-
oidinan, oinenos a parle Jclles que ligura ro e prau de particulares, 4:l6/ de obras
comoautecipacodereceiu; 2". parque neunum feitas as oflicinas de serralhelro e abrico pa-
inconvenieuie cnxergo na eaiatencia de urna ra outras reparlicdes publicas ou para os par-
moderada divida llucluaule, que alias poder ticulares : e 33:038/ de fabrico de moeda de
ser anida redunda cusa da lenda ordinaria conta do thesouro.
do segulnte exercicio logo que desapparecaiu os | Ue 35 de agosto de 1849 a 30 de marco de
motivos que oos tem obligado afazerto a- '85i forain amoedados na forma das leis de
vuitadas despesas. de selembro de 1840. 20 de srtembro de
As tabellas ns. I2e 14 manifeslam que oexer- '847, e decreto de 38 de julho de 1849 :
vincias onde exeicem jurlsdicco, excepto
talvsi nos casos de penhora ou arreen.tacao
dos bens de nizes nos termos em que lrem
situados.
Thesouro e Iheiourariai.
O numero dos empregados do thriouro foi
Asado pelo decreto de 4 de feverrlro deste au-
no a basura attender aos multiplicados traba-
dlos que esto a seu cargo, equanto cumprc
que sejain pontualmente desempenbados, para
reconhecer-se que esle numero na i he exage-
rado.
Nenbuin svstema de flnancas pode dlser-se
bem organisdo sa nao estabelecer inelos de
jo
o.
I
2
3
a
53
o
a.
lampa, ja asslgnadas, esde 10/. lainbemda lassegurar a exacta observancia das medidas des-
3a. estampa, cuja assignaliira commetli aos j tinadas a garantir a regularldade da arrerada-
proprlos empregados da caixa, a eseinplo dojcao e emprego dos dinheiros pblicos. Para
que ja ern 1817 se pralicra
As notas de l| e 3/ conllnuam a ser subsll-
luldas por moedas de prata que o Ihesoaro
furnece aquella estacao, reeebendo o equiva-
lente em notas de maiores valores.
Cura da mictla.
A necessldade de dar a esle estabelecimenlo
proporces convenientes, enhn pata cun,,ir
com presteza e economa as novas moedas dr
ouro e prata, como para recunho das amigas.
era teconhecida de quantos viiltavam suas al-
ucinas. Ubrigado pols desse motivo fiz com-
prar uina machina de vapor de loifa de 8 sb-
vallos, que se est montando em lugar da que
esislia o anno passado, a qual apenai tana
mover dous laminadores. A nova machina
poder por em movlmento alternadamente os
cunhadores, os saca-boca-dos. os plles e ci-
lindros de amalgamacoda offleina de escovi-
Ihas. os tomos da de serralheiros, e quaoto-
lairiinadores f^rem precisos.
Na offleina propria consliulram-sc tres for-
nos para adocar e fundir ouro, e um para fua-
dlr praia em grandes poredea. O servlfo des-
te ultimo requera cadiuhosde ferro balido
colIncacHO de uin guindaste para suspende-los
do lomo, cooslrucco de carnnhos para sus-
tentar as rilheirai, e assentamenlo de irilhos
de ferro que faciiltassein o movlmento delies.
Estes Irabalhos eslam concluidos, e pode-e
ciclo de 1850 a 1851, a pezar de haver sido
(iiiihrm ooerado com grandes deipezas extra-
urlinarias, vai encerrar-se com um saldo a
seu favoi.sem legar neuhum ouos aos exer-
cicios seguiules :
Em ouro
I ni prata
1,470:110/
362:3?af
E aqui vem a proposito nolar que importan- de 185a :
do as remessas feius para Loudres por conta. Em ouro .
do exercicio de 185051, Incluidas Em prata.
t. 165,902180, saldodo de 1849
-50eu............................ 6,413:663/
1,833:58)
Do 1. de abril de 1851 ao ultimo de muco
8,156:31"
. 635:873/
consrgul-lo he Indispensavel reunir e descrever
todos os fados da receila e deapeza, submeller
prova da publlcidade todas as operaedrs dos
agentes da arrecadaco e dispendio do produc-
to dos linpostos, e loinar-lhes regularmente
contas. .vu assim pode a fortuna publica ser
protegida contra a malversaco e abusos, o go-
verno ler inelos de exercer a necessaria iuspec-
co sobre este ramo lo vilal da admlnislraco
do Estado, e assemblea geral Informafdea cla-
ras e positivas da situaco econmica e fiuan-
celra do palz.
J a le de 4 de outubro de 1831 e os regula-
memos feitos para sua execuco haviatn reco-
hecido a verdade desle principios, eorgaulsa-
do em tal sentido a conlabilldadedo iiilnialerio
da fatenda ; mas tamanha foi a Insufflclencia
do pessoal creado por ella que, apezar de nao
pequeo numeru de addidos ao thesouro, nein
elle nem as thesourarias pudrrain iiunc.i des-
einpenhar senu nina mui diminuta parta de
suas importantes incumbencias.
Os relaiorlos, que a esle ajunto, doclrcums-
lanciada coma do estado das dilterentes direc-
toras e dos Irabalhos que se liseram do anno
passado para c.
Nao se couseguio anda moutar completamen-
te a cnni.ibihd.ide, e por em dia o.< Irabalhos
do thesouro, mas be lora de duvida que j inul-
to ao tem feito.
Os resultados da refrtn bao da ser lentos e
graduaes, como acontece sempre com as loali-
lulcdes cujos pmgressos depsndem daohserva-
co e da experiencia.
O decreto de 22 de novembro de 1851, que
reorganlsou as thesourarias de fazenda, he de
lo moderna dala, e lo desfalcadas esto anda
as mals dellas do pessoal nrcessario, que nao be
possivel siiiui-ja o resultado da reforms.
Parece-me pula conveniente nao submetter
aiupa a approvaco da assemblea geral legisla-
tiva o$ decretos que reformaram o thesouio e
thesourarias.
I
r
i -
f
*
lia
r iiussosempenhos no que toca aos einprcs- E as despezas em.................3,882:i72/
timos portuguez de 1823, e brasileiros de
1814 e 18(5, cuinpria forliricar o nosso crdito
oa Europa, e a esse flin concorreriam, como
ii. ni ii r.iui cun elli itii, .is indicadas medidas'
I>o ajuste leiio em 183 j com a casa de Golds-
mid, Kmg, e Thompson, ao encarreg.ir-sc da
8 783:322/
ta indispensavel construir outro ediflcio
para a casada moeda a qual nao tem, no lo-
2.531:491/ cal em que se acha, commodos e capaeldade
--------------que requeren eslabejeciinentus de tal naturea.
Apparece parte deste excelso na tabella n. O^uaulo mals que uo be prudente conierrar
2 como saldu do dito exercicio, e a oulra par. por baixo das repariicdes do Iheiouro ol&ci-
te tu tabella n. 14 como supprimenlo ao de as em que se trabalha fogo. Com este intuito
agencia do thesouro' eul Inglaterra, elipul ou 185152. mandei trajar aplaula e fazer o orcameiflu Be
si: i, que seria ella incumbida eselusivamen- Provcm Isso de que, nao podendo as despe- uina nova fabrica, que poder ser edificada
te de receber lodos os fundos remellidos para zas de Londres no primeiro semestre de cada uo terreno contiguo ao paco do senado.
.mu lie paii, querpara pagamento dos divi- auno financeiro ser pagas, ao meuoi cni grau- Aeja-uie permitido lembr.ii anda a conve-
lindose ainoriisacao dos nussos empresllmos, de parte, senu com l'uudos remeilldoi no iute- niencia de cunbar-se nova moeda de cobre ma-
lucr para quaesquer outras despesas, e bem rior, asseulou-se que para claresa e regulari- is porttil do que a actual e que menos ac-
iisiin de fazer todas ai compras de que care- dade da escripluraco lojsem as taes deapezas cuse a luiperfclcao do nosso svslsaaa mooeta-
u-sse o goveruo do Hrasil; 2, que perceberia a leltas integralmente por esse modo, e escrip- rio.
cumiiiisso de 1'/] por cento soDre as ditas turadas nu thesouro como suppriuiento de um Papel Sellado.
loinpras, de 1 por cenlo sobre o producto das ao outro exercicio. E poli na liquidaco das Por decreto de 31 de deiciiibro'ulilino regu-
bjrrasdeouro c diamantes, de '/a por cento comas e encerramenlo do exercicio emprestor lou-se o uso e vendado papel sellado, e creuu-
bre seguros, de 1 por cenlo sobre aceite e pa- se Ibe ha de laucar em haver a quantla luppri- se, como era indispensavel, urna oficina par
nreuiu de leltras.e, finalmente, de i por cen- da, e em debito aoque a llver tomado por em- prepara-lo, a qual cuinecuu a fuoccinnar no di
sobre cobranca d letlras e pagamentos que presliino apparecer em ultimo resultado nos 6 de marco deste auno. Esto ah empregado
* _.A.--. i a-a ->-. t_______ 1 I ^ .. ..... ^ I i m f sil a________1___* _^__- A____ -II- J
liiejit-; 3, que serla emprrgada na negocia-
[ao tle quaesquer eiiipresuios que o governo
huperlal precisasse contiahir na Europa, pa-
v MiUo-sf-ltic a coiumissio de 'l por cenlo.
Uijiigou-seeui compensacau a dita casa a
iLirir-uo uro crdito de luO.noo durante a
ni i agencia, a juro de b por ceuto.
Deta ultima clausula aproveitou-se logo o
Ihesuuro, recebeudo adiantada em i839 e 184o
a luilidade dessa quanlia.
A condifao terceira era tanto mais onerosa
1 aia ni, porqne. teodo o governo Imperial de
Mtxular a Ieiile6 de aeleiubro de 18&O, esu-
v.i inhibido ele recorrer a outros capitalistas,
|ut uo toase 111 os referidos agentes. Cuinpria
pols deseuibaracatino-oos de tal dlfticulade;
r ao nosso ministro plenipotenciario na corte
de Londres incumb de examinar se a raesiua
ou outracasa Igualmente acreditada se cucar-'
.Velo cirtulonte.
Expuz no relalorlo do anno passado as raries
3ue, ao nu'u parecer, encontravam a evecu^o
a lei que autorlsou o governo a substituir a-
gumas ou todas as clinses de valores da uioda-
papel ora circuidme por outrai de gyro limita-
do. Teudo porm cessado agora esses motivos,
coiivmeutrar h entender na execuco da dlia
le, para cujo boin-resultado be necessarlo des-
linar a quantla annual de 500 a 1,000 contos,
para ser empregado no reigate da eferida
moda,
Felizmente oexcfsso da receila sobre as des-
pezas ordinarias torna drsneceasario recorrer
aos emprestimos para obter essa conslgnaco,
que poder aer no futuro augmentada se for
preciso e continuar o progresairo crescimenlo
da receila do Eitado.
Do anno passado para c tem-se retirado da
circulaco 3(58:397^ em notas di aceradas de \
e 2/, ks quaes foram substituida! por outras de
inaior valor, porque neui o estado do meio cir-
culante exigi que l'osiein deliuivaineolc res-
gatadas, ue 111 a prudencia aconsrIhava que o li-
zesseinosnascircumstauclas extraordinariasem
que nos achamos.
a\\ inaior escala se bouvera feito a substitui-
cao das ditas ootas por wodas de prata do va-
lor equivalente, se nao tivesse allluido casa
da moeda lamauha abuudancla de ouro para ser
cuubado, ou se oacauhamento deste estabele-
cimenlo nacional bouvesse permltlido que, sem
prejudicar os interesses dos portadores do
ouro, se fcuobasse mals avullada porco de
piala.
Essas inesmas circunistancias foram causa de
n.io se ler encelado o recunho das moedas de ou-
ro de 4e 2 i/t oilavas, como tanto convin pa-
ra regularldade e perfeicu de nosso systema
monetario.
Cabe aqu coinmunicar-vos que, por decretos
de 10 de Julho e 22 de dezembro do aupo pas-
sado, o governo autorlsou a incorporac.10 e ap-
prorou os estatutos de dous novos bancos de
depsitos e descont* ; um oa cidade do Rio de
O quadro 11. 33 aprsenla o pessoal dos qustro
grandes ramos do iervi(0 da collecta dos iuipos
tos, c a relaco entre o | roductoe despesas da
percepeo de cada um delies no exercicio d
1850a 11 .1.
Resulta dahl quito desproporcionado he o nu-
mero de empregados das diflerentes alfande-
gas com a importancia das rendas que arre-
cadam-
\-sini, comparando as do II i > de Janeiro,
labia, Pernambuco, Maranho e Para, reconhe-
ce-se que o pessoal dimlnue da prlmeira para
as segulntes na razode 18: 2: 3:4; entanto
que a renda decresce na razode 2.7; 2,0:12: 16
de modo que a alfandega do Para tem compara-
tivamente 4 vezes mais empreado* que a do
Rio de Janeiro ; a do M aran bao 4 vezes mais,
etc.
Se em lugar de comparar o numero tolsl de
empregados, nos limitarmos categora dna
que esto iinmediatamente Incumbidoi do exa-
ine e vencaco da qualldadee quaniid de das
mercaduras e suas avallacdes, a desproporco
parecer anda malor.
Inclino-me porm a pensar que realmente ha
demasa em algurnas, mas iningoa em outras ;
o que estorva o expediente e empece as opera-
c>s do commercio.
A desfgualdade que se observa no numero de
empregados maulfesta-se tamben, comparando
os encimemos dos de algumas clasies.
Para me nao tornar prulixo lecer igual compairaco eotre e>tas e as mals
alfandegas, oude se reconbeceram Idnticos re-
sultados.
He puis indispensavel alterar quanto antes
as diriposlces do regulamento de 22 de junho
de iSlt, na parte que Usa o numero e porcen-
lagem dos empregados, por modo que faca des-
apparecer as anomalas e desigualdades que le-
vo indicadas.
O j citado quadio n. 33 moslra que com
arrecadaco dos dlreitof de importacao nuo se
despeudru mals >le i,9 '' do producto total
delies, bem que esla despeza varia He urnas pa-
ra outras alfamlegat entre 3,3 e 61,2,1* ; e pelo
que diz respelto aos Impoaios. cuja cobranca
est a cargo dos consulados, Kcebcdorias e
colleclorlas. nao excede a despesa de arrecada-
co do primeiros 4,1, dos segundos a 3,0, e
dos ultimus a lO'U. Comparando porm a im-
portancia total do producto das reudas comas
despeas de arrecadaco, reconhecer-ieha que
estas nao excedem de 4,9 |; despeza em verda-
de mdica, prlncipalmenta te altendennos ao
3ue custa entre outras nacoes inuio adianU-
as neste tamo de administrado.
Com as rendas ilas alfandegas tem intima le-
t.'-i', .id o coinmercio estrangeiro. Os mappas ns.
34 e 41 mostram que no anno de (850-51 a hn-
porlacoeexportaco do Hratil reunidas eleva-
r un si- a soiiima de I42.l24.a09i em valores of-
Hclaes. Ilouve pois augmento de 33 por cenlo
sobre o meio termo das do quatriennio de i840
-47 a 1849-50.
Para dar completa idea da eilcnso do mo-
vimento coinmercial do imperio, apiesento
tainbem sob ns. 30 e a? as tabellas do valor das
mercadorias estrangeiras reexportadas ou bal-
deadas, e o dos gneros de produeco nacional
sujellos a direilos de expediente, e despa-
chados por linportaco, em cada um dos ditos
annos.
O producto das rendaa de exporlaco, que
balancos respectivos
Janeiro, eoutro na do Recife. O fundo capital
'- dopr^neiro hcde ,ft.^cpnloiodo"Ku.odo havia'decreVc^doVe i48 a 18.50, elevou-se nu
importancia das despe- um meitre e olio operarios, que tem sellado |de ,'-10'' cad_* u_"| !!.pc""_ V.7.* exercicio de 1850-51 a malor somma W que
111 nuc cada exercicio liicr por sua propria regularmente por da 0 a U.uoO Iblhis para [n"" <" valea ou letras, com lano qua o em ntnhllln doa ,, anteriores. Da testemu-
conta, e o saldo ou dficit que Ihe couber. o sello liso. E linio que eslea prompla suffi- 'Pr delle' Da0 "'" "'c"" de cloco dl"' ne,n "
Paialacllilar a e.ecuco desta medida, de- cente quanlidada de papel para os docuroea-. qu"ll menor de S00|000, e queasoinmaeiii
i> ". .*.*'. *limili. mil Ipi'n lili liiisiln
abo disso o quadro segulnte :
leiiiinii que nenhuma reines se la. i para tos sujeilos a esle sello' e ao proporcional,
landres pelas thelourarlas de lazeoda seoo Aiar-se-ha o prazo em que deve comecaro
cuita do anno naocciro a que perlencer o uso d.lie no municipio da corte, donde se ir
mneinque for realiaada. eslendendo gradualmente ao resto da provin-
cia do Rio de Janeiro, e is mais do Imperte.
Con/ircimtncii rs inscrip-.tes. | Tendo de eecut.r o supracilado decreta,
enirei em duvida se devia-fazer cobrar das
As tabellas ns. 9 e 10 demonstran! o estado compradores do papel sellado, alm das laaai
da divida Inscripta no graode livio e nol auai- do sello, a quantla que se julgasie rasoavel,
liare dai proviuitai, e aialleraces que tem como iuidemnisaco do cuito do papel; e ou-
viodo sobre isto a seccao de fazenda do con
selho de estado, couformou-seo goveino coan
a oplnio de sua inai.ui.-i, a qual consulten
havido do anno passado para c.
Emprestimos do cofre dos orphSos.
circulaco nunca eiceda a um terco do Tundo
ell'eclivo do banco.
Alfandegas, consulados, receotdorias.
rindas ceolteetorias.
mesas de
J u'outra occaslao dei conta de haver nomea.
Annos.
1846-47
1817-4
t8449
1859-fio
I88U-SI
flendas.
3,066:000
4.118000/
3.8J4:00i'
3.815:000/
4,718.000/
O decrescimenlo nosdoui annos de 1848i'J
e 18405 relativamente ao de 184748 eipli-
do uina coiumisso composta do inspector e ca-se sailsfaioriamenie asslin pela redueco no
oulroa empregados da alfandega.lta] (orle, e de direilo dos couros como pela menor rsporucao
Segando
legaiia da ageucia do thesouro do brasil sem a | relalorlo do
indicada coudico, ou mediante outras mals fa-
voraveis do que as estipuladas no j citado
ajuste.
E com clleilo precedendo proposta do ines-
hiu ministro, daclar.ram o nussos agentes que
annuniaiii a renovar o ajuste de 1 3tf com as se-
^ainies modrflcaeAes : Ia, deaislirem da condi-
cao que Ibes dava o dlreito de seren eucarre-
gados eiclusivamenle das coinpiai e eucomen-
das de que precisar o governo imperial: aap com-
picbendeiem a correiagein ua cummisso de 1
poi cenlo lobre a venda de barras, ouro em
pe diamantes ; ', red un re ni a '/] l"'r cenlo
a cominlsiao por aceite c cohran(a de letlras
e ptlu pigamentol que tisrreui exceptuados os
que lorem relativos ao panoli do corpo diplo-
mtico, poique- desses nao recebero cuinmisso
ueohuma c 4a, deiiattiem do dirailo de lerem
empregadus exclusivamente na negociafio dos
cuipresiimos que houveriuos de contraiur.
Km compeusacao dessas uiodificatdes exigi-
i-ni ser dtsunerados da obrigayo de adlaiiii -
rein diuheiro ao governo imperial. Esta exi-
KCiicia iinpurtava o piomplo pagamento das
l, IOa.100 que nos emprestarain cin 1830 e
1840, e que desde eulo lhei eiUvamos de-
veudo.
Taiuanhai sao as vantagrn do novo conlrac-
'", que reolvi reinetter casa quaotia daqui e
< a bahia pelo paquete inglez do mal passado,
r ordeoarao mtuislro brazilelro que o levaste
a ettcilo.
lu [>uis para realisar a remessa dessa ovul-
i-ida aomuia que aceitei no da 10 do meimo
inei nina proposla do banco ciiiiuiierci.il do
1 m de Janeiro, que se ull'ereceu a tomar mil
apolices de porcentoa preco de 101 eineio,
pagas de contado.
a deaionstraco apreientidi com o
iannc4jpaaado era de i,". 8ii:'Jjj iflli a
que, comquanto llie parecerse, a vista das lea
cooceruenies a esta materia, lio dev. r pesar
snliii: os cofres pblicos a despera do papel,
lodavia, lendo mullo difcil, seno Impoislvel,
flxar e haver dos conirlbuintes o valor reil
da porco de que cada qual carecer, se coml-
dei.is-e a indemnlnco inclu la na tasa actual
Cofre i/os depsitos pblicos i de dinheiros de de- do sello, at que o corpo legislativo decid
fuios i ausentes. a lusr.liada duvida.
i Jaiso dos Feitos da Fasenda.
As tabellas ni. 28 e 30 dam conta do citado Peco venia, senbores, para losiiilir atodi
importancia deste, einpreiliinos ; e da tabella
n. 27 se vd que os balancos existentes igora no
Iheiouro aelevavam a 2.063.071/118.
deitai dividas.
Exercicios findos.
na neceisidade de alterar ilgumai ajjiposlcdes
di lei que reitabrleceu o julio dos frito da
fazenda. do sentido que o ana passado Uve a
honra de propor-vos.
Vai nisso a inelhor c mals prompta arreca-
l'alenla-ie das tabellas ni. 21 e j2 que por
cunta do crdito aherto pela lei n. 599 de 10 de dacao das rendas naclonaes, e o propiio lule-
selemhro de 1850, e custa da receila do exer- resse dos conlribuinles.
ciclo de 1850 a 5l, pagou-se > quanlia de A approvaco doprojectoollerecldo na ul-
4U:328/264, reatando aluda o saldo de..... tima sesso por um distinclo membro desta
44:084*432 ; e que oulrosim se lein despend- augusta cunara produzlrla grande uielhora-
do a quanlia de l0u:377/549, ua coofurmldade ment neste ramo do servico publico,
da lei de 6 do mesino mes eanno, a qual man- E porque nio parece raio que si-ja mals
dou applicar os saldos dos crditos anterior- suminari. o processo formado contra os deve-
niente concedidos ao pagamento do passivo do dores de linpostos e contribuirles (aneadas
1 thesouro exilenle no ultimo de dezembro de do que contra os thesouieiros. almojarifes,
I $11.
A tabella n. 70 mostra o que le tem pigo, e
o saldo que anda existe doa ditos crditos.
JVolas ou papel moeda.
recehedores e outros agentes da percepeo e
dispendio dos dinheiros publicus, Julgo tim-
bem vantajoso que sobre esle assumpio sa to-
ineni as providencias indicadas pelo llluitrado
jurisconsulto que exerce as fuocedes de procu-
rador-fiscal do thesouro ao reiatorio appenso
Oa tabella a. 30, comparada coma que jun- aestamlnha esposicio.
le ao reiatorio do anno panado, vise que A experiencia demonitra quolidianmnenle
nenhuma alieracao bouve neila divida. quanto o uso dos precatorlos do Julio doi fei-
tos empece o avdameoto e augmenta ai de*-
IHviia activa. Pas das citacdei, aaquesiros, embargos ou
peolioras contra ai devedore da fazenda.
Segundo o quadro annexo ao balaneo apre- Em grande numero de casos .i desnetas ab-
sentado o anno passado, Imporuva a divida lorvem a lotalidade das dividas. Seri. pols
activa liquidada al 3i de dezembro de i849 em conveniente dar aos juuei dos feitoi aficui-
do principal producto da'noisa lavoura.
A tibella n. 41 atiesta que em 1847 48 o va-
lor do cafe exportado foi de 2!>.l3U:OnO', que
desceu a ll,5i3:000/e 22.838:000/ uoi dous an-
nos segulntes, para elevir-ie avullada lom-
ma de 3l,43i:00of em l50-il. Nem foi su a
cultura do caf que deu esse anno lo prospero
'resultado. Ahi eslo o algodo, o tumo eos
couros, cujos valores de exporlaco cresceraui
proporcionalinenle mals nos dous ltimos ex-
ercicios. -
O valor do fumo exportado em 18447 foi
de 966:0004, entretanto que ni I8a0SI essa
planta pieclosa contribuir, para a balaota do
alguns negociantes, para rever e propor a refor-
ma da tarifa sobre as bases que Ihe prescrevl ;
e cumpre-ine boje inf.irmar-vos que esse triba-
Ihoest coocluido, dependendo nicamente sua
publlcaco de se lmprlmirein ai respectivas
taliellas.
He tal a difliculdade e Importancia da uin boa
tarifa, e tanto pdde ella (afluir fivoravelaieuie,
nio l as nudas do Estado, seno tamtirm no
coinmercio e na industria nacional, que certo
lera a coiumisso f. iiu um servico relevante se
os seu. irabalhos rtalliareni minhas espe-
rancas.
Felizmente, se, ajudado da protec;o divina, ,.
continuar o Brasil a prosperar lio accelerada- ] coinmercio externo com quasi l,700:O00f.
mente como at aqui, teremos r'iicido grande | o termo medio do valor dos gneros da la-
parte das didiculdades que eL-ootram outros voura e manufacturas naclonaes, exportados
palzes em reforma desta natureza. I para o estado Oriental e Huenos-Ayres no quin-
l'elo que tocaao regulamento das alfandegas, quennlo de 1840-47 a 1840 61, tabella n. 45,
nao tem a coinmisso respectiva podido proie- anda por 2,400:!>77r, que juntos a 2,821:890/,
guir em seus irabalhos, J porque em parle de- valor da importaco media no meimo periodo,
pendem da reforma que le houver de fazer na tahellai ns. 43 e 4!, eleva annualmente a ris
tarifa,Ja porque a seu. inembroi maia impor- 5,224:473/ a importancia do coinmercio do hra-
tantei me tem sido forcoso coiumeller ouiros sil com os estados do flio da Prata, nao metien-
eocargas. do em conta as mercadorias eitraogeiras leva-
Pelo decreto de II de novembro da 1851 foi das de nossos portos por baldeaco ou reexpor-
lupprimida a a faudega do Aracatjr. Al razi.es lacao.
queme moveram obrar usim.J as expuz nos I Avulta pols j esse commerclo, mas pouco,
relatnos que Uve a bonra de apreseular as- multo pouco em comprtelo da desenvolvi-
sembla geral legislativa nis icisdei dos annos ment que vira a tomar se o esiabeleclmenioe
anteriores. cousolidac.au da pn e das Inililuicdei proiecio-
Se he verdade que um dos mais concludenles ra dos direltoi de leus habitantes e da lltier-
leitemunhoi da prosperldade ne qualquer paiz dade coinmercial penuilUrem que se desenvol-
be o augmento progresslvo das rendas de im- vmi os imiiieuso recursos desses fertilissituoi
ponaco, deve llsongear-nos mullo o quadro palzes.
aeguiule, que mostra quanto de anuos a esla Nos annos flnanceiroa a qne me tenho repor-
parle tem crescldo a das alfandcsias do im- lado nroduslo o despacho martimo, a saber:
Em 1846-47
perla.
Anuos. Renda.
1847-48, I4,219;!>56/
1843-49. 15,455:0141
1840-50. 17,429:436,
185051. 20,607:218/
I semestre de 185152 12,526:154/
184748
848-40
1849-50
liiO-Si
458:2li3/
541:803/
573:9,5f
567;035f
52ti 18
Poder-se-ha fazer reparo em que, revelando
o mappa n. 38 uinanoiavel dlmlnuico ua tone-
Da coinparafu da rendiincnlo de cada una lag.iii dol liarlos de longo curio lahidoi Jos
porloi do Hrasil em 1*505l, em relaco dos
dous anteriores, a nao seodo o precos dos nos-
sos productos no primeiro periodo superiores
aos do segundo, liveise todava augmentado em
185051 a renda de esporlacfio, a nio diminua-
se a do despacho martimo na proporcoda to-
nelagrm. Fcil ser porm a expli cacao delta
apparente anomalia, noiando-ae que, alm de
grande numero de eiubarcacei que, deman-
dando a California, entraran, por franqua noa
portoido Rio de Janeiro e Babia noa annos de
I84U e 1850, outras inultas carregaram por bal-
dearan e reexportacogeueroi estrangelroi.
Que o imposto de ancorigein be um dos que
mais acanham o deaeiivolviiuento do conmer-
cio, he mais perniciosamente affeclo a iodusti ia
agrcola, reconbeceu-o o corpo legislativo
quando, approvando oa decretos de 20 de Julho
e ii. de naveinbro de 1844, autorlsou o governo
para disaatasai-lo aioda se parecesse neceasa.io ;
r l.'u i fazer injuria ao bom seoso e patriotismo
da assemblea geral pretender eu demonstrar-
Ule quanto convin proteger estes dous fecun-
dos manauciaes da riqueza publica, e especial-
mente a lavoura, que luta com a crescenle ei-
cicei de braco! e cousrquenle augmento do
despezas de sua produeco.
Por isso, e porque iam j desapparecendo os
motivos que oos lobibiam de eerrearos recursos
ordinarios do thesouro, publicou o governo o
decreto de 5 de marco desle anno, reduzndo a
en;. parte o imposto sobre a oavegaco de lon-
go curio, e exliuguindo de lodo o que pagam os
uavioi de cabolagem.
Nao baila porem esta medida para dar effi-
caz prolerco a nossos agricultores.- parece-me
ainda indispensavel, como j n'outra occasio
o declarei, abolir os direilos de exporlaco;
nao de um s jacto, seno gradualmente.
Poder-ae-hia desde j i euuiir a 6 os 7 por cen-
to deste imposto. Resultarla d'aht urna dimi-
nuicode 1,10(1:000/ a 1,400:00(1/na receila do
estado ; mas estou qua nem esse desfalque em-
barazar o thesouro, nem delxar de aer com-
pensado dentro de pouco lempo por mala abun <
producto dante as outras fontes da renda pu-
blica.
Acredito porm anda que, tomando-se esta
medida, fdra necessario acouipanba-la de pro-
videncias para impedir que as assemblas pro-
vluciaes ueutralisem seui benficos elieitos.
A tabella n. 42 iodira o preco medio doa nos-
sos principaes gneros de exporlaco em cada
um dos tres ltimos annos fioanceiros Pea-
me confessar que nao tenho pleua confiauca
nos algarisinos que ella apreaeola, pono que
deduiidos sejam com exaclido dos mappas
ministradas ao Ibesouro pelas mesas doa con-
sulados rucarregadas de avahar e verificar a
quanlidade do, gneros exportados. Iuapira-
mi: i s-.i dcsriiuiianc.1 .i punca regularldade com
que iriii sido organisadas as tabellas parciaes;
a diversidadede pesos e medidas uas dill-ren-
les provincial; e mais que ludo a sumuia difli-
culdade deestabelecer uas pautas semanaei um
preco ini-'ii.i raaoavel para cerlos productos,
cujas qualidades dillercm mullo urnas das ou-
tras.
Parece-me, porm, de tama importancia o co-
nhecimento dos felos que tem iuiu.rdi.it. re-
laco com os nossos luleresses agrcolas e in-
dustriar,, tiue nao pude acabar coinigo elimi-
nar deala exposlcao os que cnalam da mencio-
nada tabella, euibora uo a repute extreme de
Inexaciidoes.
Mostra ella ao menos que, ia a produeco lea
crescido progresivamente, neus' porissa o pro-
ductur fui menos bem reuiuuerado uestes ulti-
mo, .uni,.
E devo apressar-me em declarar que, se o
algarismos da labella u. 12 ditlerem dos que
apreseolel no primeiro relalorlo de 1850 relati-
vamente ao auno financeiro de 18481849. pro-
vm isso: primeiro, de haver eu reduzido os
precos daquelle anno ao cambio do de 1839
1840 para faier a compararlo que Uve em vista;
c segundo, de seren talvez menos completos
os dados a que enlo foi preciso recurrer.
A renda das seis recebedorias do Kio de Ja-
neiro. Babia,' Penalinbuoo, Maranho, Para e
Rio Graude do sui pouco incremento tem tido
de 1848I8i7 para c, como se observa da ta-
bella u. 48.
Neste anno renderam ellas 2,510:517,000 e
2,630:391/ em 1850-61.
A boa arrecadaco dos impostos, cuja collec-
a pertence s recebedorias, depende em gran-
de parte dos Untadores ; e nem sempre be pos-
sivel achar pessoa paia esses emprego., que
sem sufiiclrnle remunrraco para assrgurar-
Ihes meios de commnda existencia, submetiam
consciencia da dever outros sentimcolos que,
se menos nubres, nem por isso deixam de exer-
cer puderosa Influencia as aeces humanas.
Outro tauto, seno peior aluda, acontece com
as mesai de rpndas e colleclorlas, as quaes,
pimliiiniln 1,735 (i'.ilf em 1846-47, nao deram
mais de 1,761:864/ uo anno fiuanceiro prxima-
mente passado.
E bem que a redueco da cisa possa ter al- .
gum tanto concorrido para tal resultado, acre-
dito que a arrecadaco dessas eslacdes liacaes
est longe ainda de ser feita corn a devlda exac-
co ; pols he obvio como o producto de quail
indos os outros impostes devera crescer com o
progresso da riqueza publica.
Conlesio porm que nem atino, nem roe pa-
rece fcil de atinar com outro meio de roelbo-
iar este ramo de servico, a nao ser a arremata-
can total ou parcial doi mesinoi iinpoitoi mas
faz luir em meu animo o recelo de renovar as
vexari.es exercida, e os justos clamores excita-
dos pelos amigos diziineiros.
As circunstancias de nosso paiz e os peque-
os rditos da inaiiusa parte das colleclorlas
nao convidam a encarregar-ie dell.s houieus
capszes de adminiatra-lai com zelo e pontuili-
dade. Asslm he que boa parte dos iuinosios ou
deixa de ser cobrada, nu se esvaece, o que an-
da he peior, das unios dos colleclores.
Da d ispusir.au do art. 31, 9.', do decreto que
orgmiiou as ihesoursrias de fazenda bons re-
sultados se poderiam colber se as grandei dis-
tancias e as difflculdades e despesas de viagein
nao impossibilltassem os inspectores de fazer
frequentenienie inspeccionar as colleclorlas de
las respectivas proviocias.
Obras.
Oei coDta no ultimo relalorlo de e haver co-
metido a conilracco de cinco armazeni no
segundo paleo da estiva da alfandega delta ca-
pital. O primeiro dellei est quaii concluido,
epeijidode uiercadorlai; ontroi dous vlgados,
barrotados e telliados de levadlo com caooi de
.obre; oquarto vigado, bairolado e o madei-
ramenlo quasi prouiplo; o quinto finalmente,
com paredes feitas al aliura do inadeirainen-
to, que lamben, j se acha apparelhado. ^"a
parede deatei irmizeni, que do lado do mar
tem 240 palmos deextenio, com 21 de altura
e quatro de groisura, eslo praticados poruei
de cantarla com portas de madeira laminada!
de ferro.
Ao lado do armazein n. 6 construlo-ie um
caei d pedra com 190 palmos do coroprldo,
dual cicadas de cantarla no meio, e alicorees
para paredes de pedra, que bao de substituir
as lapageos de madeira.
Os armase ns de ferro de que fallel no inen-
ciouadu reiatorio esto concluidos. Assentou-
le pormcollocar no inlerlur dellei pratelelrai
ou galerlaa par. ic odaco de maior quan-
tla de voluinei, ia ..aaei foram coutritada
com o proprietario da fabrica da Pona d'Ara.
Cuncluio-sc igualmente a reedlficaco do
vasto armazein denominado dos trigos; o con-
ceno do trapiche da cidade; e cullocaraui-se
novoi irilhos de ferro que, coiuinunlcando este
com o >.migo edificio dt alfandega, se ramlfi-
cam pelos armasens ni. vela,
No espico que medea entre o dilo trapiche e
I MUTILADO


.*-**-*,. m
r-~u
. pool, gr.nd. I* Prt"|tl,n'"!fij!.",
k:"at'.^'V- ,;tu,,jou,ro
Uiuo de altura. "5*3 f"-"lc -dP*
Irue
De
Tip- pool'- oom ll< palrao.de eSKnste.
ueu-s tambe. principio a oulro rmate.
uu paleo dacs.lv.. e coat-alaa-ae re^lnca-
,. daca*ondeicliocd**pooM do
T.cho* "'.es, a qual Acara mulio mal. vasta, e
'era cm parte aprovellada para o servlco da al-
ContaUI eoutraa algorn obra de menor
Importancia de.pendeu-.c, no cclelo de
183)a |8M, a ominad* M:'/.
De obria necetsldade en levantar a planta
de todos o. edificio da allandega, c tracar o
ulano a que devem flear uhordluadoa o. que
re novo te llverem de faier. Ruc.rrcgu'l des-
ta la rafa ao henil elaborioao engenhe.ro nrll
Fernando Halfeld, e aei que brevemente catar*
niompto o acu trabalbo.
He de tanta Importancia a conalruccao do
uea una auc a lei da ib' de ictembro le 18JI
eoncrdcu o crdito de 70l>:000j, e lito encontra-
da a oplnlflea a reipelto do melhor sj.tcn.a
de leva-lo a effelto, que entend aluda aubinel-
te-lo ao eaame de urna cmninlaaao co.npoata do
narechal do e.erelto Soarea de Aodro, chele
dedivlaao Pedro Ferrelra de Ollreira. corone
Antonio Joaqulm de Souza, leuenie-coronel
Itvcardo Joi Oouiea Jardlm, e do engenbeiro
llalfcld. O parecer que ha poucoi da. me lol
entregue, appen.o-o a ene rel.torlo.co.no pro-
va do eamero coui que acouiiiilMioprocurou
atlsfaier aa vial* do governo, o qual nio dei-
aar de lomar coin breridade uina reaolucio
deliollira lobre eite anuinpto. para dar priucl-
plo obra, que oada re ae toma man necea
rieconbecendodoieamea a que maodei pro
ceder no Doro edificio da altandga da ttahla
que, apeiar de algn.defeitoa, era lorcoso pru-
egulrnaexecucao do plano com que fora co-
mecado, e lendo demai cerlo que ao Janinna-
i,iroiacanh.do.o.r.naen e.i.leuiea, con-
afgoel a .luanlla de I0;00/ meoaaea para mal
prompla concluso Ja obra.
Contara pola que ella creieeiae proporclo-
nalmeote. enao quando recebo paitlcipacao
de que o proprio engenheiro director procura
-(.i i mi e retardar o tralialboi. Averiguado
ote facto. nao deiiar othciuuro de por cobro
ein lo Ininsilficarrl procedlinento, e de em-
peohar todo o estveos para que ae lere iiuan-
to antea ao cabo o edificio da nova allandega da
Habla que, segundo a eupreaaao de seu lllu.tra-
do pre.ldentc, he o mal. eon.iderarel de quau-
lo mi- lempo, moderuos lol all emprcliendido.
lulurm. o ins|iector da allandega de Pern.m-
buco que, lendo abarca de e.cavacao empre-
ada no melhoraineiilo do porto traualhado al-
guin lempo em frente daquella reparl.cao, con-
egulo-.e atraer ponte c'a. dcacarga cuco
_ U'S hoje que, pela constituidlo do es-
tado, o rei leiti urna pnsicto social ojreums-
crpl* o dentuda, omlo considerado rn I-
dsntida le puramente benfica, o sustent-
clio da ordom publica *Jm que forera
o| alnenlos dell constitu loa" Bo mmis-
leJHo reiponsm-l, a quesillo mudou ds fi-
gura, O rei ama->8 oSo como governo,
ms corto symbtod constituir;!! e dm II-
berJadea publicas, sej qual for i poltica
do governo, que gira n'uma rbita mui a-
baiio daquella donde o rei sustenta a mi-
china social.
J *5 v que be um enme de less-na
co, um ludibrio que naci se faz, incul-
i-in -Ii.> o rei coito urna bn lera da frgil
e mudavni politict governameotal, quando
sua lia cathegona he como acabamos de
dizer, de symbolo da constituidlo e das II-
berdades publicas.
Ass'in S. M. a rs;nha reinante de Portu-
gal per correr o reino como um astro bene-
Uoo que arraigara cada voz mais no coraciio
los portuguezes o amor pala cun*titujr;8ii e
pelas liberdades publicas, pela juMica, boi
li'. ilusirac;lo e progresSO que Mies silo i-
nnerentes, assitn como para com bu Sa-
grada Pesaos na siA exeelsa qualidade de
representante de todas aquellas entidades
cujo coroplaio conslituc a base da vida, da
honaeda dita da nacSo portnguezi ; tudo
istoinJapendentetnenteda politict do go-
verno, que a mes na iihc.1i adoptar ou re
talara conforme adiar boa ou m.
J temos um oxemplo de ludo isto na via
gem que S. M. fez ao sul : o memo esp
liz ao noria.
a
es
A intrenjlo ppoJSftada ou proposta, zade dealguma pessoa d# tanUs oot fre-
(em um llm duplo : um nm epparinte que'quentam ecaaa do 8r. dMOmbargador Luna
he constranger os giernolda Sulsta i a- Freir, asslm como ontro oo nmunioado in-
dontar melidas sererss ontra o refugia-1 serto oo Diario (ItPernambuco de 19 do cor-
dos estrangelro* eum lim mais mi roanos rente, m que seT-atabelecem algons lacios
dlssimuNilo que lie di t"rmln>r, pola pro-
senca do torca! auxiliare*.' nitidancas nt
constiluifto interna da auissa.
O Impera Jior da Austria nomara presi-
dente de ministros o ministro do ml-.n ir
M. Bach. Est nomoacBo foi faTorarelmen-
te acolbida, porquanto o nomeado, ton lo
Iterados ou negados pelos fCUltllos al-
lopathas, a quem respondemos
Agorapergunliromos aoSr l)r. Mavignier:
M'la
seno hara congestfio cerebral, a que llm,
que proposito Coz sangrar horrirelmento I bulacSo e agonas, em que me achara nesse
___ III
nm.
Leflo. Pensando bees, e por eonselho de
alguna amigos, ten'io rrsolvido nlo inlro-
menlter-me nessi polmica susciladaa entra)
V.S. eos 8rs. dnntores, que no dia 11 do
mareoso ocarregiram do curaiiro doml-
nluSra., e por isso de lio de responder OS
quesitos, como V. S. exige em sua carta a-
clma i e anda mais porque o estado de iri-
a paciente a ponto de perler os sentidos, | dia de dor, e que me nSo permitliam asis
talvoz para sempre, seno fossea milagroza tira todas as phases di molestia, e notar
peitencidoerii 1818ao pirli lo da oposicSo, Ihomceopathia ? para quecorlir-lhn o c.bel- to tos osseus movimentos, me nSo habilita
era olhado no gabinote Sehwartzemberg lo? pa'a que dous furiosos disteis de pi- ja fizer esse relatono de tudo quanlo o"or-
como urna sorte degarantia dada aos pnn-.ment* t Clialeis de pimenlaem umasenlio- reu entretinto outras mullas pessoas de
cipios liberaos ; no se sabi* ainila rom cer- ra gravita! I Apinhado em flegrenle, o que .fon, que assiatiram e obstrvarim lods as
lera a quem aeria enoarregada a pasta doa responder a isso o reJactor do communica- circunstancias da molestia, poderllo infor-
negoclos estrangeiros, pols o Imperador re- lo? Ainda mais nega o oommunicado que |mar, o satisfazor a V S. Sinlo no poder
solver septrar cates dous cargos; todava os facultativos allopathss quizessem proro- corresponder ao dotejo de V. S., que pode
ha toda a probabilidad de que o conde de car oaboito, porqu> no caso em quesillo crer, que Ihe votarei somoro o mais vivo re-
Buol ministro da Aust'la em Londres, ser soria parto, ainda que provocado O que conhecimenlo pelo zdo e promplidao, con
querr a hs de dirigir. lentender por aborto o redactor do comrau- que se presin it'sse di,o qoe com a maior
O marechal lladezky ainda vive. Oque f z nicado? e nesse caso para que a pplicacao estima e respeito son de V. S. amigo vet
correr o boato de sua mor te foi o ssber-se do ceuteio, para que os disteis de piiunta rador o criado obigadissimo.
que achando-se olle em Manlu, fora tt-|e oufaa bugiari.s.malsp oprias de um bar- Antonio Thomat de Luna Frtiri.
cado de urna tosso catarral que Ihe no per- beiru de aldi que de mdicos titulados.' s. C. 18 de malo de 1812.
miltio recebar as visita das autoridades. I Puia bem, 17dias depois tevea paciente o !
As ultimas parles ollleiaes sobre a sanie seu botn successo, e 13o feliz o pouco labo- Ulm. Sr. Francisco de Paula Carneiro
do gran-duque de Badn dio como eminen- rioso como nunc--enUo, como se chama- LeSo. Km resposl a sua caria tentio a di-
te mortn do me*mo ris esse parlo viol-nlo c forcdo 17 dias zer v. 8. quo com elTeilodo dia II de msr-
Falleceu a rain ha Mara Soda Fredeiica, an'.es ? Ico amanhecend > minha presada mfii muilo
viuva do re de Dinamarca Federico VI. | A senhora estsva melhor, diz o commu- doonte, fui IralaJa allopalhicameole t as
O Diario do Governo tublicao seguintes nicado, porqueduranleos intervalloadeuma ; l| horas da noito : quo a ess hora oto ton-
respeito da Sublime Porta : outra convulsilo, para a noito principal- do-se esperance de qoe a doente escapease,
< Por nolicios dignas de ere lito consta 'monte, a do me gilava se em S"u leilo, ac- e em rasllo de um billnle, que recebi, de
hsver o ministro dos negocios estrangeiros conava, ergdia-se, dava alguna pasaos, eae um amigo, queme man lava dizer, que o
da Sublime Port, n3o obsun'e a tinazop- mis nlo andar era porque* conduziam Sr. Dr. Mavignier pssan lo pela cs do Sr.
ramos na que agora Taz o noria. da Sublime l'orl, nao oDSisn'0 a iinz op- m*ia "i""" i>iqo ">i""'.in .ir. ur. ninviginur pas.au io pea cas uu ar.
Na llespanha nada de extraordinario ti-IposIcSo do governo russo, dirigido em 8 para a cama, bebi, posto que nlo como nu ; Dr. Poggi dissera, quo minha uifli nlo ofTc-
nha Udo lugar Um decreto fora publicado de fevereiro ultimo, urna ola ao represen- estado de saude. ouvia o al Tallava, bem que recia|a menor melhora, se r'SOlveu recorrer
mandan lo sobreestar ns causas pendentes lante do governo francez emCunslantnopla com cerla prisilo de grg.nta. o nlo mui li-j, v. S que, depoisd esitar em daralgum
por delirios le imprensa.
nunciando Ihe. nue o sultflo conceder ao vremeule ; acciunava como quem pedia al-! medicamento, recejando que nlo aprovei-
... *. .... .... .,...,....,............... ...1............I..R.1 I.I-. I I ............... I ~ .4____t. .. J.......
BbcAii diz que, nlo obstante esta me- j religiosos latinos d Terra Sania ; 1 O di- gum coua, mas que nlo era entendida 11 : tsse visto o estado da doente. se deternn-
dldaaf al cerlo poni o corolario natural ireito de celebrarem as suas tonecoes reli- Essas proras das melhoras recapituladas nou a mandar um frasquinho com duas do-
das novas di-poaicoes sobre a imprensa quo glosas no sepulcnro da Sanllssima Virgoro. pelo communicado I e ae tuJo islo lo fora SeS.
cm tudo assignalam um novo perio lo para 2 O mesmo direilo polo que toe ao snc- f'lso, prinw vulmenlo pela noile, quando a ignorando eu a elucida dos remedios sl
ahistoMadoiornalismo.hedignadelouvor tuario denominado dos Sete-Aicos. 3. As proslracflo era absoluta, ponto dei se tor-, entlo ompreg.dos, nlo sel, si con effeilo
uo" s-r do justica e liumanidade. chives da igreja de Belhlo n. i A inspec- nar mu dillicil a applic.clo da dose homoeo-! poderiam obrar depois da doente ter loms-
Em Franca o corpo legislativo continua co, em uniflocum os gregns, dos jardins p(hic, oque se dira delaes mdicos, que do as doses homceopathcas ; in.s o que
em seus trabalhos, mas Uo pouco importan
les slo elles que as sessdea nlo tem durado
mais de moja hora.
Do Bras Tiana transcrevemos as seguin-
tes noticias
Parece que L. N, est resolvido a por
em vigur algumas daa formulas essenciaes
do governo represenlatvo.
c Anuuncii-se ueste sentido a prxima
.mbarcaede., sendo a loiayo de una della. aprcsenlaclo ao COrpo legislativo d um
i*i toneladas; que o fondo junio aponte era rnonsagem do presidente.
< Annunca-so timhein que o Senado, cu-
jas daliburacOes deviam ser socretas, vai :
mandara lodosos jornses a acta das suas exista n igreja do lelhlcm
ou nulas pe'lencntes a dita igreja." oscrevessem semolhanle rel.rjlo como pro-| posso asaegurar, hoque pouco depois des-
Estas concesjo hiam ser consi nadas va de nielnoria ? Se se quizesse pintar o es- tas. a melhora era patente !
em um halli scherlT(rescrit) imperial) que tado violento, agitado, emoacador e quasi II. quetenhoa responder a V. S., de
era entregue a cgaclo franceza. deseaperado de um doente, rar-sd-hia me- i quem sou com estima empello
Consta nutro sim quo o dito represen-'ihor do que islo J" ouvia, est fallara, e ao| Atiento venerador e creado ohrigailo.
tanta recebera um firman aulorisando os' mesmo lempo accionava de modo que nin-j Adelina Antonio de t.unt Freir.
nossos religiosos a roparar o convenio do gueni entend., gilava-se no leilo, levanta-1 rtecife 18 do maio de I8S2
S.nlo Salvador, a igreja do convenio conti- v-se, maa sgrravm-u'a ea rorcvam a ( \\m. sr. Francssco de Pula Carneiro
guo, a denomiualada Rosurreiclo, os ter-;deitr-se miseria das misenss Lilo. Em respost a caria de V. S., datad
reos o aqiKduotos do convento grand, e a Agora diremos nos a verdade. Quan lo de- ] ,ie 8 do correte, tanho a dizer que aehan-
caiella, citds na pnvoarjlo de Beii-Chalc. pois das doses homeopathicas a doenlo vol- domeem cas do Sr. Dz. Lon Freir, na
a A Porta ohriga-ae mais a reslhelccer tou a si, e accordou como de um letargo, de nnite ilo dia !2do mez passado, por oca-
no prazo deumannoa estrella de prat que nada so lembrara, nem dos c/uiei's. nem das s0 da molestia de sua souhora, vi quiche-
, o fora exlor- sangras ; e fui para ella um rerdadeiro as- gando o remoli a V. S pedido uara s>:u
-I.ii-l i pelos gregos.
sombro quando deu fe pela falla dos sous i tratatnento, depois de algum t bal io pan
eolia de 20 a 25 palmos na preamar, uno ae ha-
vendo piolundado ruis pelo receio de abalar
us eateos'e destruir a inesma ponte; maa que
caaal* as arelas redu.lram en. pouco. dia. a se"[J*'i!i'IJ5 umVo^masai ../'oni 'lalo- ^-^nuTnliTs-ra'concedida aos religiosos catiello^.'que linham cabido deb.ixod ine-1IIM appiYc'oo', apresetar' ras aenhora
,,l7" i i .M,1iecn.1,ade.czade3a muntias nresantou-se no castello de Neuil- latinos a f.coldade de cuaip-arem certos xorave ihesoura allopalhica.-l'.Oameus ca- promplamc.le visiveis sig de molnora,
tvSr^TX*^^ I "par. oTariosseem nomo do estado. O I Predios contiguos ao convento grande, ac ^^^^[!^l^T2t'.\rjPVVmtnVma''' pnS"'m PC"
a. e,b rcacoe b. lando par. co.egui-lo ., *i'mlniaiird.r i.oteslou, o quiz oppor-se, !tu*lmai.taoeeupad.M celos turcos. Uve, porque eorUra no* meus c.bellos m,nh3 a po.
ncar ro5. e'leiS., depol.'d. fe,., a cara- ;Vm resollado. Par. pendrar ... ...liga h.I S os que conlnjcorem e comparareninl ^M^fMM V"*T'
cJo, a urna ou dua. braca, mais p..a o le.to do .. flV0rit, de l.u.z l'l.iliippe, chama- meios de .celo do que respectivamente d.s- porque de nad linh consciencis, nem se
rio, e augmentar al ah o pavimento da ponte. srralheiros para arrombar as p.rl*s, Ive a Franca n a Russia em Conslantinopla lembrava ; entretanto quedu noite fallava
ouiro.quce.se trabalbo. aiem ,, rfBaln mo,n \,a 0 cmmjj.rj,, elTec- he que poderlo apreciar o serrico que pros- ouria, andar o accionava '.! isto nlo tem, i te proslada e n'um incerlo estado de vida,
lou o lepreaenlante da Franca misslo da nem merece respoeta. s percebid pelas convulrjoes deque eia
Terra Santa, Sublime port, ao seu gorer- Pedimos a todus os me lieos sllopathas ou continuamente assallads.
no, e a Europa inter*. homeopalhas, que leilo 0 citado commu-! Vi tai: bem,que al es.a hora, essa senho-
0 correspondente do Times em Vienna, re- nicado, e o des^nganarilo de quo seme-i ra fora tratada por cinco mdicos allopalhas,
far.ndo-se a urna cait do Cairo de 3 do Ihantearanzel foi oefe profundi cantado a que empregaram lodosos meios para sua
abril, diz que a esi erada chegada de Fual bordo do sepulcro da ailoplhia em Pernam- salvlo.
rran- EfTendi l.nha dado lugar all a grandes re- buco Veja-ae aenlo o introito ilo segumle He tambem cerlo termos Udo um bilhcto
Pe.,...n porcm SKflSS^S sendo" Veste modo que O commisssri eiTec:
de Intil para conseguir o Um de.eja.lo, prejii- ,,,,,
Mirarla dr.necesariaucnte as uropriedadej la- tuou a pussf.........
teri. TrMo decoi,,,.,, inloruiacOe. de pe..oa. Um dccolo de Luiz Napolelo tira aos
habilitadas e conliecedora. do lugar, e e fun- maires a direccn d polica municipal, e
dada for a epuaUa do Inspector da allandega, cria para o uxercicio d'ella um vasto corpo
derer reorrer-se medida por elle indicada, de empregados dependentes exclusiramen-]
ledo ministerio da polica.
O principo de Canino regressou f
anda quando cuite inulto maior quanna
t iosuHciencia dos armaieua da allandega do
Partornou ueceasario unir ae-lheagiaodepar-
le do edificio que servia de qu.rtel. Aguardo
o plano e orcamento que o in.pector derere-
iii, un ao li.eaouro para autorisar a- -
da sua cxcurslo Italia.
Slo 37 os senadores a quem foram con-
cedidas dotr;Oes vitalicias. Na primeira c-
nidas neto novo de.tino dessa parte do edificio, thegona (le 30,000 f' ancos por anuo
com-
prehendem-so 20 .tomes, sendo 10 generaos
e 10 personagens ci vis.
> Na 3' cathegorla 190.000 francos^ con-
tsm-se 16 nomes, sendo sele g-neraes. Na
3" (de 15,000 francos) contam-se 3 nomes,
sendo 2 vice-almirantes. O total das dota
eieiai autoiUadas pclu gove-no.
O decreto de iu de marco ultimo atiri um
crdito .uplemenur de 8rj0:00<>/ao nnui.terio
da fatenda, loui o lim de acudir Insulhciencia
presumida da quantia votada para alguu. do.
seivlfo. deltareparllcio no eaciclcio crrente.
Prorelo a lusuHtlencia: primeira, ala refor-
ma do thesouro c tbe.ouraria. da l'aaeuda; .e- ces ho de 965,000 francos,
gundo, do augmento da casa da moeda, e da a No dia 10 de maio deve ter lugar no
neceisldadej ponderada de melhorar suas of- campo do Mar,e Ulna gran le revista para a
licina.; teiceiro. do cresciinenlo das renda .iistritainclo das aguisa. Os rogimcnlos do
da.alfrndegas, recebedoria. e c-jllecioria., que cxcrcjt (,u0 nlo esto em l'aiiz, serlo re-
feserescer lambe.u a porcentagcn do. respec- .,r<,sent,dos pr s. coronel, c por um* de-
tiro, empregados; e da conslrucfao ou coin- L..,.-.
No dia 9 o oxercito francez dar um
celos, que nove das portas daquella cidade periodo-- Aconslitulclo/iffAor/cn da Sra. de um amio doar. Dz. em que diz.a ter ou-
lino n silo fechadas, as guardaa dobradis, li. Auna, o estado taburral das vas gas-1 vido do Sr. Dr. Mavignier, que a enferma
a gaaroiclo .lo Alesaudria reforfad oque Hiis..., atin/UtracOes que occupuvam os sous nao poda escapar.
Ahli.s Pacii linha removido seus thesouros membros inlerioies,paitesuperiordocor-- Sempre as orden* de V. S. Sou.
psrlicolares para o palacio Abbasia. a po etc., etc Quando nlo estivease.banida Aliento veneriador a criado
Na Inglaterra goiava-se de paz e socego. das escolas modornas essa theoria hmoris- ot Antonio da Silva Mello.
Os consolidados llcaram, de 99 3|8 a 99 I2 ; la por Inexacta, ella se tornara ridicula co-' RacifgJO de malo do 1852.
os fundos brasil-iros a 99 3|4 ; os cinco por mo causa pre lsponente para a molcsliaem1 ^f^f^^t^tta^t^^mt^a^aajeiBaajaBaaaaajsi
cont po'tugu zs a 987|8. questlo NflO ha eSeito s-ni causa, mas COMMERCIO
>i"i^araaljaja-^aa?ajaaa^^ eis abi o que descouhcccu inleirainunte o vacare
CoilllllUllicadu. aulordo communicda
pra de oras narras de rigia e cscalereapara o
No
Nlo slo as deca-:
nnci}'S i ana-s contra o Sr. Paula ou contra '
fl/or/,1 de Praam6uc3 de 8 do corren- a nonieopallua quo (arlo convencer a nin-
aervlcu do. porlos e liscallsaco enema; quar- r"~" ,-----
lo.dacreacao Indi.peo.avel da ollicioa do pa- funcplo o presidente da topublica, que ac-
pe sellado; quinto, de ac haver posto em ad- coilou o convite.
uno ->tr Hmo o trapiche da Ordein, e portauto
ser preciso ao thesouro pa^r o preco do arren-
danicn.o, que au.es eslava a car)>o do .ubloca-
tarlo, d'ondc re.ultnu nlo pequea vantagem
para a I liu 11 nacional; e\lo, de haverem
crescldo as rcclainacde. de pagamento, de de-
posito, de ausente., reposicoe. e resilluicdes ;
stimo, finalmente, de se ter recouhecldu in-
ta do minias teslemunnas, acoin; anlia I
Antes do (Mil,-, ter lugar um fogo d'ar- i facise c.rcumstancias, que nlo era .no
te, vem um communica lo subscripto ror guon q..e a espoiado br dezembargador ,, .. /j<(./I(Iiii6i1.0 .. ine,cadorias.
cinco facullativos allopathas, cent'e ellos '"" F.eirefo. ailva por dout disteis de pi- R. .. pt,ut .. f,zend,s.
iros doutores em medicina, dramenlindo '"".e oulr' tanl,s sangras, acompanha- G,^ti .. feemder tJnax.
urna cura milag-o-a operada pela horneo- dasdo urna .erados seus cabillos -tr*. G<|efl .. Sv,rlik .. merc.dorias.
palhia na pe-soa da Exm.' espoza do Sr. datludeus Appetla, non lego. I Briguo--7ario/.--idem.
gador Luna Freir. Esla cura a vis- IHz tambem o communicado, que o Sr. CONSULADO GERAL.
Sr. Prpcia*o de Paula Carneiro maia dr, depoia di audiencia dnste juiza
na esa das audieociis, os eseravos segmi).
tes : Praociico, de naci Angola, i.j,,jc
SOaonos, achacado de cravos nos ps, ava-
dado em 400/000 res; Hita, crela, nh|,
45 anuos, pelO.valor.le 380/000 ris; Anlo-
iiio, Angko, I lado 70 annos, com una fu.
rida na peni, no valor de 120#joo res-
Antonio. Congo, Idade 60 nnoa, com uma'
ferida chronica em um peni, ach.cido
de erisypela, pelo valor de 130/000 ris-
Silveri*, parda, Idade 45 annos, ni v.lur
do 350/UOO ris ; Ignacio, creoulo, i < i
12 anuos, no valor de 400/000; penlin ,,
dos por ex'.cuc.lo do brigadero Antonio Un.
drigues de Almeida contra Luiz Antonio llu-
drigues de Almeida. E para que cheguo a
noticia de todos mandei passar editses qce
atrio publicados pela imprensa o stixij,,.
ns piac do Commerrio e casa das audi>n.
cias.
Dado e passado nesta cidade do Rerir
aos 26de maio de 1852. Eu Manoel Jos da'
Molla, escrirlo o subscrevi.Jos hayrrjun-
do da Costa Menezes.
O Ulm. Sr. inspector da tbesouraria da
fazenda provincial, em cumprimento da or-
dem do Exm. Sr. presidente da provincia
manda fazer publico, que noa dias 25, 2(1 c!
27 docorrente ir sprafa para ser erreina-
tado perante o tribunal administrativo da
mesma thesouraria, a quem por menos litet
a obra do 3* lauco da estrada da Escad.
avaliadaem 13:911,810 rs.
A arremalaclo sera feita na forma dm
arligos24e27 da toi provincial n. 286 de
17 de maio de 1851, esob ssclsusulas e3.
peciaea abalxo copiadas.
As pessoas que se propozerem a osta ar-
ri'iiint. i\h) co i,p._ri'ram na saladas se.v -
do mesmo tribunal, noa diaaacina men-
cionados polo meio-dia, competenlemetile
habelitadas.
E para oonstar se mindou ilxar o pre-
sente e publicar pelo Di.no.
Secretaria da fazenda provincial de Per-
nambuco 1*de maio de 1852.
0 secretario.
Antonio Ferreira d'Annunciacdlo
Clausulas especiaes da arremolacio.
1 As obras do 3' lanco da estrada da
Cacada serlo follas de cunformidade cun
o orcamento e planta aporovadns pela di-
rectora em eonselho n'esla data, e aprsen-
la loa a appiovarlo do Exm. Sr. prpsideule
da provino*, tudo na importancia de
13:911,810 rs.
2-* O arrematante comecar as obras mi
praso de um m. z e concluir no de um n-
no, contado da data da (asignatura do con-
tracto.
3. A importancia desta arremalaclo se-
r paga pela forma determinada no art. 3!)
da le provincial n. 286.
4. Para luto o mais que nlo esliver de-
terminado as presentes clazulasseguir-sc-
lia o que dispoe a lei provincial n. 286 '
17 de maio de 1851 Conforme.
0 secretario.
A. F. d'Aonunciaclo.
O lllm Sr. Inspector da thesouraria da
fazenda provincial, e.n cumpnmenlo da re-
suluclodo tribunal admitiislralivo de 6 do
crrente, mauda fazer publico, que nosdiis
25, 26 e 27 do mesmo ao meio da, perante o
mesmo tribunal ae ha de arrematar a quem
mais olTerecer, por lempo deSannoaa con-
tar do |.* de julho do crrante tnno a 30
de junhooe 1855, o imposto da laxa das
barreiras dss estradas e pontes abaixo de-
claradas.
Giqui, avallada annualmente por 7:101,000
Magdalena dita dita dito 4:450,000
Mntocolooib dita dila dito 2:721,000
Cachang dita dita dito 2:100,000
Tscaruna dita dila dito 611,000
Hoja' y dita dila dito 641,000
A. pe.aoas que e propozerem a e.laa arrt-
inatacdes, comparecan na sala da. .e.se. do
mesmo tribunal, noa da cima Indicado, com-
petentemente habilitada.
E para constarse inandou afi.ar o pre.entee
publicar pelu Uiario.
Secretarla da thesouraria da fazenda provin-
cial de l'ernambuco 7 de maio de I85t.
O aeeretario,
Antonio Ferreirad'Aiumneitcao.
Cumpre-mc mais dizer a V. S conforme
seu pedido, que antes de ser applicado esse
seu remedo. doente se achara inteiramen
A LKANDEGA.
Itendlmnnto do dia 26. 19.979,589
Descarreoam hoje 27 de maio.
lilicio as alturas de Chaillot, preparado pe- Intente possivol negar nem atenuar, foi in
lo regiment d'artilharia oa guarnicSo em
Vincennes,
Alguns jornses (allam d'uma outra Tes-
ta que o ciercilo dar, sua custa- o que of-
ferecar ao presidente no dia seguinte ao
, oe dezambargadorLuna1ie.ro mandara logo a Bn,,imBr,to do dia 1 a 25 .39487 711
iri|. casi doSr Paul, pedir-lhe uma dose lio- MJSdSu M imtM
ver. tr.ecpa.hlc, ms nlo conHsndon.s virtudes ,,dem aod,t26.........ilj'
DIVERSAS PROVINCIAS
dispen.avel acudir a urgente, reparta de alguna da distribuirjlo das bandeiras.Construir-se-
proprio naciouacs, augmentar o edificio do ihe- ha uma especie do campo militar, no vasto
souro, e com mal. prnniptidan concluir a. recinto do Campo de Marte. No centro hi-
obras das alfandega. ua Haba elllo de Janeiro. yerSo milharesi do tenias para os delega loa
Pondo aqui termo a eta .ucc.ota ciposico, rf d graduicO.s, e uma grande ten-
sea-me heno accresceniar que fellimcuic no- "" luu*a *"~ v". ',., ,e.i|,,n
aa .uuaci. lioancelr he hoje multo mal. pro '' D"'1"' au0 D"SM ronl8' 5 6 mM c '"
lid* pelo dito communicado da maneira o'eli., nlo a dera a doente, e enllo manda-
tornar dubia e atnullaa enicacia da ho- ra chamar a seu viainho de oseada, o outrosj
mceopalhia em semelhsnte conjuncl.ira. mejicos. Ora muitobcm ; isto roma inva-i
Vamos pois por nosaa vez mostrar falsi la- aSoda molo-ti., quando o Sr. dezembarga- Rendimento do dia 1 a 25.. .
de das assercOesdaquella cerebrina exposi- dordcvia estar assusladoe aprehensivo ; e. d, .
co, e prov.r espantosa re.lidde da eUl- '"a depois resista a pesaos de sua intima
caciada homceopalhia na molestia de quo amizade, que Ihe aconselhava mandasse
sllala.' chamar o Sr. Paula, e islo quando o ma:
Devoraos antas uma declaradlo, para nlo progredla, e ameac.va tragar sua eaposall
confundir as pessoas daquelles senhor.s fa- era coman? na homoopathia nem na
. cultativoa na no-sa reaposta, com quanto anajiade durante o lance tenebroso dos
A mew do presidente ser enllocada Isu.s ..asignaturas os lornem solidarios por tuea repel ios dss convulsdes! M.s
41:287.320
2:233.717
4,177
2:237,794
planada com tropbeos d'armas' emblemas, nos asseveram, noseafurcosdo* dous facul- P".
natidolraa, etc. .lativos a-sislentes. eo Sr. Miguol Felicio o,ui;e conlianca na ho-neop.thia, cede
ae. resultado.. luipenhcuiu-uo. em la.ercuu-
trlbulr toda. a. lorca. vivas da nacaio para >eu.
progrcoae melhorameuto. rcaea; em dearlar mUicas de Pi,r, executarflo lamben, entreva como pilalos no credo ; por amizade, e man la suppl.C.r, pejirpor quau-
o pinto de domo, eou.p.in.1*. de roa. chl- Tod"s ."?J,JSmUW|I so- tanto o que dissermos ira s ter com o Vela- t"S s.ntus luna, uma dose homeopathic. "
mera., que serrein aparacoiiduiir os poros a uma contal* g'iorro.r compusi. ui. >u ......# H ____...,,.... .. ,,._.. a nm udo eanaai-riao r-anuria n.iln n.,r
Inevl.ivelpe.dico; eeren.o. cumprlilo com Icmnidadi da feala, que terminar porumlhirou red.lor do communicado, a.
m tarefa que no. cabe de concorrer para a gran- gigantesco fogo d artificio,
dea c pro.peridade do Hra.ll.
I.lode Jaueiro, cm 8 de maio de ISt.
:muilor|ue o Sr. Dr. Comes fosse apainnhar quanlo he scontradicclo, he uma eslulta
I A grande runccloquese propOe dar o com oseu nomosempre respitavel seme- alieanlina.
Sleihte do corpo legislativo llcou p.ra 8 Ihante producSSo. Sr. Paula he laxado de mi f,
porque]
5'emlr?l"U^"'P"'"B' '......'....."'"ie feilo; Vaat'aria aquella aranzel, infor- seiltribuea cura da Sra. D. Anna, diz o
Gommando das armas. Tpm..'e norcerto que Luiz NapoleSohre- mo esem nexo, indiscreto e pouco limado, comtnunicado ; e porque nlo o sore.s vos,
(Juartela.n.ratnaeidadedoReciferode.naio "mwl* tomar o titulo de Imperador, en- conlraJiciono obao.lp.r. d.r urna i lei. MIMMn^%S^^J^MS "
de 1852 tretanto sbese tmbem que escories de |da allopath.a em Peuiambuci. e da sua pro- V
oaoaM do du a. 93. Berln, eS. Peleraburgo slo co.corjos em
. nlo reconhecer-llie este Ululo
Omarechal decampo eommandanle das! N Rufg,, 0 almanack imperial do corren-
armas faz constar s guarnigln. que Sua Ma- ann0 no rlig0 pr,nc, tral 0 aeguinle :
t;eslde o Imperador, hotive por bem por Franc-Hnnque IV.
Ilerdelro presumpvo--0 con le de Paria
A Sussa licara em paz.
decreto de 30 de abril ultimo nomear segun-
do cirurgilo ulceres do corpo des*e do
exercito ao doutor em medicina o Sr. Fran-
cisco (.oiirnIvs de M rao-, que em execurjlo
lo aviso do ministerio da guerra do 4 do
correte, devu quanto antes seguir para a
corte, conforme foi declarado em odie.o que
o mes no marechal rocebeu do Exm. Sr, pre-
sidente desta provincia com a data de 22
ti in hem do concillo acompanhado da copia
do citado aviso.
Anoitm Corren .Seiira.
DIARIO DE PERMITO.
IIKCIFF. 26 DE du DE 1852.
Recebemos gazet.s inglozas o portugue-
zas, lie me indo as prime.r.s a 21 de abril
prximo psssido e as segundas 24.
Em Portugal lnvi.i psze socego :a rainha
audava visitando as provincias do norte do
y'i, teodo por toda a | arlo multo bem aco-
lbida.
I js-aqui o que sobre esta visita diz a Jtu-
titu ( peridico ):
< Por estes das tem noticiado os jornaes
a hIda de SS. MM. por trra as provincias
do norte, allribulndu-a alg ins a litis polti-
cos.
a Asseutamos que os res e os povos g*-
uliam muilo em se fazer' conhecdos re-
ciprocamente. Alguns..o nossos melho-
res rois familisriasvam-se com os nossos
vos por toda a exlenclo do reino ; o amor
dos povos subi para com elles qunsi ao
:-i jo da idolatra, proporcionou prodigios
de valor e dedicarlo pela causa publica e
pela ordem publica, se consideraran! iden-
tificados coin os res porque nelles estar*
pen* govenuclo dos povos.
A seu respailo le-se na gaz-ta portugueza
ltimamente citada o seguinte:
a.Nuticias dbeme de 2 docorrente.dizem
que no dia primiro o gov"oo federal linha
entregado ao ministro de Franrja a resposla
sus ultima nota de 6 de marco. Nesta no
la o eonselho federal responde .. muitos
eontis da nota francesa, e Iracta de eslabe-
lecer com .rgumentos dos factos, qua tem
foito quinto posta nooncernante aosrefu
^i .diis. aem conrtudo querer scrificar od-
reito d'asylo, um dos mais preciosos preri-
legios das nr,oes civilisad.a.
.i EITeclirme.ile muis de 50 refugia-
dos, Innt* francezes e o resto allomles,
tem sido mandados sabir da Suissa ; seodo
internados alem iiestes uns ra le. Os coi-
misssrios federaes, MM. Kern, e lio.', tem
obrado prudentemente neal* circunsiancia,
mas ao mesmo lempo com energa, de modo
que se po te dizer, aem temor de desmenti-
do, que o governo fe leral provou nesta con-
jiiiu l ira, que tur. a p il i manter as suas
boas relafes com a Fraii(a, aem prejuiso
do direito internacional e direilo de asylo.
Le-ae no lornal dos Debates : Tem-se
fallado muilo d'um projeclo d'iotervenslo
combinada da Franca e da Austria na 8uls-
ss. Um jornal Inglez que recebe muitaa
vezescommunicacOes diplomticas, annuna
ciuud'u.u modo positivo, que sa linha con-
cluido uma convenslo secreta entro as dua-
polencias, nos termos das quaes as opers-
r;6e8 comecaram por um bloqueio, sendo se-
g.i.ilas d'u.naoccuiaflo militar. A Franca
oceupar o eantOes ue Genera, e'do Vaud,
e a Austria o Tosaimo.
Apesar da maneira aillrmativa porque
esta noticia he dada, acreditamo-la Inewc-
ta, ou ao menos prematura.
malura mono; aqnlle commun.cado foi o tesa pariente, emesladoque oSr. Miguel
ultimo loque de agunia, foi o ullimo lam- Febeo d.zia qoe all s a providencia divi-
pejarda Can le. que se extingue-sdeos al- na? Para que empenhastes tolos os voasos
lopathi, quo te vas par* o oulio mundocom esfbrcos alim de que o Sr. dezembargador
pass.portu de seis facultativos!! Haveria Luna Freir nlo diCesse a verdade? Eis ahi
por ventura lido o Sr. Dr Gutoes aquella pa- a sua respost, e por ella se evidencia dus
i el sutes de asignar nelle o seu mime t Se.- cousas, a I* a rossa impertinente sollictude
ra mera condescendencia para com seus P"a queoSr dezembargador Luna Freir
companheiros e collegas, ou aasumio a res- nlo resoondesse como doria ao Sr. Paula;
puusabilidalu de todas aquellas propusieres a 2*0 mais vivo recouhecimenso desaa Sr.
por couvicslo? Emquauto ao Sr. Aquino acrescenUndo muit.s pessoas de f-a, que
in >a ha urna desculpa, e he o odio profun- assistiram e observar.m todas as circums-
do que eonsagra hornea ipathia ponto do tadcta da molestia o poderiam informar a
cegr-se, mas o Sr. Dr G imes aatisfazer. Pois bem, shi adiarlo os leito-
Diz o cotr.municado que a molestia da res mus duas resposlas. alem do commuui-
Exm Sr.' D. Anna nlo era congesllo cere- cado inserto n'este Diario de 19 do correte
bral, como o denominou o Sr. P.ula Caroei- esor.pto pur urna lesiemunha occolar.
ro(o facultativo nomceop.tha, que salvou Como este artigo ja vai longo, concluire-
a n.esms aeubora), maa aim eclampsia mes com o linal do coiumnincado a quo res
convulsoes puerperaes das mulbrresgravi- pondemos. OSr Paula nlo quer perceber
d-s-entretan" o mesmo commun.cado cjn- que nooaaopaUia ja lende para a aeu occa-
fessa i|iie a expressloconge-tlo cerebral, so I e poqua niaipereel'e essa iiicliiiac.no na
fora a do que se s.-r,'iiam os facultativos al- Sua rbita ? he pereque a homcop.it na anda
lopathas para explicar no Sr. desembarga- nlo ci.egou ao ponto culminante de sua as-
dor Luna Freite a molostia, com que lula a ceuflo ; e como ha de descer, ella que ape-
sua consorte. Anda diz mais em outro peno- as nasco entre nos, e que as faxas da in-
do, e vem a ser, que o Sr. I)'. Mavignier re- faoci arca peilo a peito com o Collosso olU-
ce.lava no intuito de aatisfazer como paja- cil da allopathia f
cipaesas ndicacles seguintes : (entre ou- Dizeis que a sciencia que ensioou Hipo-
tras J enfraquecer e desvanecer a congesllo cratls tem visto nascer e uiorrer muitaa dou-
cerebral! Esta coulissOo est em inidra trinas medicas; po m nlo reparis que um
contradic(lo com a negativa posterior, e uzo poda durar mi I bares de annos, equea
purquo? Somante para aienuar a dlmiuuir o verdade por Dm o destronar.-Por mata de
monto da cura do Sr. Paula Carneiro. Quan- oinco mil annoadurou o uzo deque o sol se
do se escreve oom tanto desaso e incoheren- mova e a larra eslava parada ; quando a pa-
ca, nlo he muilo qoe o ataque sirva de recao a verdade euaiou o aeu autor o-.i dea-
propria defesa ; a malevolencia he, como oobridor uma retractarlo, e anda aaaim,
diziam os uossoa antigos, espaja em mlodo depois de relraciar-se, dizia o infeliz, mas
caboclo. glorioso Galileoe todavia he a trra que ae
Com que flm tratou o redator'do commu- muve Qu.ntos mil anuos durou ou relnou
nicado do chamar a terreirooSr. P.ula Car- a i lolalria obrea trra, at que a verdadel-
nelro? Talvez Ihe atlrlbuissero o commu- ra rehgilo vaiu coufuudi-la eaoiquila-la
meado inserto no Diaria de l'ernambuea de neis bem, para vos, idoUl/as de um falao
20 do mez prximo passado, ao menos por'tullo, temosa redem icloda v.rdadoira me-
influxoaeu jpois bem, nos podemos sseve-jdecin** homeopatbl.
ra que nanhuma pirteleva o S-. Paula era]
semolhanle communicado, fl!ho soda *ml-i *
Kxporl :tc:iii.
Rio Grande do Sul, brigue nacional Dos
Te Guarde, de 149 toneladas, conduzio o
seguinte:
580 hsrrlcss com 4,205 srrobas e 21 libras
de assucar, 3,000 cOcos com cases, 300 al-
11iii-i i'- sal, Hf.rdo; estop'.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PEIINAMBUCO.
, Rendimento do dia 26..... 890,782
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimontodn dia 26. 1:242.661
twmm^mmmmmmmaammmmmmwmmmaawem*
Movimento do porto.
Navios entrados no dia 26.
Porto 30 dias, barc porlugiez S. .M > noel
ll.de 4i8 tooela ls, capillo Manoel Al-
ves da Cunh, equipagnm 26 carga yi-
nho e mais gneros; a Man el Juaquim
Ramos e Silva. Passigeiros, Jos Alvos da
Cunta com sua senhora, Thomz Fer-
reira da Cunha, Francisco Alvos, Manoel
Teixeira Antonio Rodrigues da Silva ,
Antonio t a-do/.o Pinto, Fraucisco Coireia,
Antonio Faustino, Tnstlo Antonio Dias,
Manoel Soares Antonio Jo^ Ferreira ,
eAlexanlre Pinto Jnior; os 6 ltimos
sem passsporles, llcaram a diapO.iclo da
pulid.
Illia do Maio 17 dias, brigue sardo Mara ,
de 198 toneladas, capillo Tbomas Mazzi-
no, equipagem 9. carga sal; a Oliveira &
Irmlos.
Novios sahidos no mesmo dia.
Ass escun brasileira Tentador., espi-
llo Belmiro Baptista de Souza, carga va-
rios geniros. Passageiros. Jnse da Cunha
Piulo da Fonseca, e Jlo Ferreira do Vs-
cimento.
Rio Granie do Sulbrgue brasileiro Fe-
liz Unilo meslre Jlo Jos Fernandes ,
carga assucar.
Declaragoes.
A VAFt
aa*ln. No dia 31
yJ&Ams, I J jun
9 T Europa o
^ mandante 1
BD1TAES.
-- Pe|a iospeclori da alfandegaae f.z pu-
blico, que nu dia 27 do crrante, depois do
moio dia, poda da meama repartilo, ao
lilo de arrematar 72 barricas com saruinhas,
e 33 caitas com ligos, ja annunci.das em
eilit.il de 23 do co rente: o lance ser en-
tregue a quem maior peco olTerecer, e se-
rlo deridldas em lotes a requermeniu do
licilante, sendo rremataclo livre de di-
reilo. Alf.ndega de Pe.nambuoo, 26 de
maio do 1852.
O inspector interino.
Rento Jos Fernandas Barros.
O Dr. Jos Raymundo da Costa Menezes,
juiz municipal supplenie da segn la va-
ra e do comuiercio deata cidade do Re-
cito, por S. M. I. a C, &c.
F*co saber ana qne o presante edital vi-
rasa, que no dia 12 de juuho prximo te-
luro, ae h* de rremaltr por venda, quem .
REAL COMPANHlA HE PAQUETES INGLLZKs
A VAPOR.
do correnle, al o
nho espera-se da
vapor Tay com-
Moss o qual de-
pois da demora do co.tume seguir para
ns pottos do Sul : para passageiros, trata-
se em casa da agencia, na ra do Trapiche
Novo n. 42.
Pela subdelegada da freguezia des
Afogados so faz publico, que se ada reco-
mido na cadeia desta cidade o p-eto do no-
mo Scbaslilo, que diz ser escuro de Jos
Francisco Cavalcantc, morador em Maria-
Fa.inha: quem si julgar com direilo a ello
compareca nesta subdelegada nimilo dus
documentos precisos, que provando Ihe se-
ra entregue.
O subdelegado,
Maciet Yiatinn.
Vice consulsdo de Espsfi. en Peinan
' buco.
Por dispozicion de S. Excia el Seor mi-
nistro residente, de S M. la reyjla de Espa-
iii, en la cotle del Rio de Janero, se con-
vida todos los subditos Espaoles rezi-
dentes en esta ciudad, e suburbios, que
dezcen concurrir para la edificacin de los
estahlecimentos de caridad, que se deben
edificar en Madrid, en memoria del feliz
i alalino de la princeaa de Asluiias, se sir-
van concurrir a esla cancillera, eu la Cal.'e
de Amorim n" 15, insc.ibirse en la lisia
de la subscripcin Pemembuco de mayo
1853. Por orden: el canciller inteiino:
Nuno Maria deSixas Jnior.
Administrado do patrimonio dos orphiot.
Peante a i>dmiiiislrac,lo do patrimonio
dos orphlos se hlo de arrematar a quem
mais dar, e tor tempo de lies tunos, que
hlo de ter principio do I. de julho do cor-
rete aun., a SO de juniio du IHiJ, aa reti-
das dos predios seguintes, e nos dias abai-
xo declarados.
Em 27 de maio crrante.
Ra do Queinwafo.
N. 33 loj.i grande
N. 33 dita pequea.
Ra do Collegio.
V. 23 ctaa de dous andares e lojs.
Largo do Paraizo.
N. 4 Os dous andares.
N. 4 a luja.
Rus das Larangeiras
N, 17 ca* lene*.
Riin do Rangel.
N. 58 dita dila.
I'r-ca da Bda-Vista.
N. 13 casa de dous andares e tojs.
Ru. Velha.
N. 32 essa terrea.
Ru de S. Concillo.
N. 22 casa terrea
H. 24 dita dita
Ra do Sebo.
N. 3 casa tarrea.
Ra do Pires.
P. 39 meia-sgu*.
Ra do Ro/aiio.
i2. to cas terrea.
Em 3 de jinilio.
Rita da Cadeia do Recife
. 61 casa de uta anda a luja.
N 59 dita de dous ditos a dita.
MUTILADO


^m
v 57 dita Ji Jous ditos e dita.
V 41 dita de dous ditos dita.
bus di Madre Ja Daos.
v. 9 casa da um ailar e loja.
% i ilita de dous ditos a dita.
>,. 26 dita dn dous dltoa dita.
jl, 21. dita de dous ditos dita.
jv- 22 esas terrat,
Em 9 dsjonho.
Ruada Madre de De o.
ti. so'caas terrea.
\. 18 dita dita.
y 16 dita dita.
a. 1$ ilita dita.
N. t2dit dita.
ti. |0 dita dita.
N. 8diladila.
K 6 dita dita.
N l dita dita.
n. dita dila.
Ra do Torrea.
N. 14 rasa de 2 andar
|V. 16 dita dita.
v 18 dita dila.
as pessoas que snpropozerom a arroma-
lar ditas rendas po-ferSo comparecer na
casi das leudes da mesnu administncBo
nos dias cima indicados, as 4 horas da tar-
de, ('' seus dadores.
Secretarla da administrsfo do patrimo-
nio dos urphilos, 21 de uiaio -le 1852.
A. J. iTUlivtir*.
THEATRO
BE
S. IZABEL.
rija-ssaom antecedencia aotseus consigna
tiriosT. de Aquino fonseci & Filho, na ra
do YigirioB. 19, primeiro andar.
Para o Araoily.
Sahecom brevidade o hiato Plor do Curu-
ripn : a tralar-se na re. da C.dell do Recito
n. M, segundo andar.
-- ll.hi, aogue no dis 37 do crrante o
patacho Santa Cruz, pira o resto da csrga
e Ipassagelros trati-le ao lado do Corpo
Santo, fines n. 95.
Para o Porto.
S'lii' nesles oito das n brue portu-
gus alaria Mis, capillo lourenco Fenian-
pos do Girino, receben lo SO alguniu carga
mluda o pistageiros, para o que tein bops
commodos: os prrteudentes Intu com
o dito capitdo na priei ou com o consigna-
tario Antonio Juaqmm de Souza Itibeiro.
I'ara a Parahyba.
O hiato Caprichoso sai domingo, 30 do
conente; para algum carga, que amia
poda receber, i s-im como passageiros. para
o que lem ptimo* commodos; dirijatn-se
ra da Cruz n. 34.
Leiloes.
-- O curador flaosl dos 'falldos Horses
Sonre risa ios ileredoies dui meamos que
venhada pagar as sitas letras e contas eoi
maia demora ni sus cata ra da Cruz n, 10,
(icnrnlo oerto, que nSo dando cumprimenlo
a este SvU i lerSo o deigosto de ver o leui
nomei no Diario; assicn como, que qualqiirr
pagamento frito aos fallidos depon da aber-
tura da fallencia se considera millo esla ulo
so o sbliio aisignado por ora habilitado a
receber estas dividas.
Cultivo H. Pneger.
-- O Curador riscal do f-11 i -t o Joiqoim de
Oliveira Hala Jnior convida aos devedorea
do menino para vlrem pagar na sua casa rus
da Cruz n. 10, ai rontas que ns loja do fl-
lido.rua do Crespo,conlrahiram flcando cor-
to que fora do abaixo assignido, por orr
ninguem mala esta habilitado a receber des-
sis divids.
Gustavo H. Praeger.
--S.hb.do 29 docorrentae hSo de arre-
s
O abaixo signado plurma-
ceutico approvado transferio os
fsiabe-lecimentos de pharmacia e
drogas, que tinha abortos, na roa
da (ra do Recife, e na ra estrel-
la do Hozario, pira a ra Dreila
n. 88, onde continuar a prestar-
se aoi seus freguezes. e aquellas
pessoas, que o qoizerem honrar
com sua confianca no desempenho
das funches de sua arte. O mesmo
abaixo assignado tem um compi-
to sortimento de drogas e tintas
para aviar qoalquer encommenda,
nSo so da provincia, como para
-- O corrftor Miguel Carneiro, f' lei-
13o, no dia quinta-feln 27 do corrente, l
10 horas de manhSi, no tea armizem na
baile
Malcarado.
SABBADO, ag DE MA10 DE l851.
As 8 horas precisas a orcheslra executir
lima linda pe mesire aala dir siitnal para cometer o bai-
le. AS quadrilnas sordo intervaladas por 10
un mos de descanso, e o baile terminar is
horas da manlifia
l.niliilo ao observar o regulamentn j
publicarlo dn IIIm. 8r. chefe de polica.
As .aenhorss que ae presenlirem msca-
la las lerdo entrada gratis; sendo expressi-
niente prohibida aos homena diafa.rcados em
omitieres, a entrada sem o competente bi-
llielo
Avisos martimos.
CARREIRA OE VAPORES ENTAE LIVER-
POOL EOS P0RT0SD0 BRAZIL
leudo qualro pialollas com tndoa os per-
tences necessarios para as inesm.s, relo-
gios patentes ingiezes e algumas obris de
ouro, etc., etc. ___
PWHBW
Avisos diversos.
dirija
-- OfTerero-se um rapaz brasileiro, pal xeiro para venda, de 18 a 20 annoa :
caizeiro de luja, ou cob'.nc.s, o qual d sea ra do Rangel n. 4J. w
li.dor 1 sua conducta: quem o pretender Roga-ae aoSr. Antonio Goocatves Fer-
diriji-se a ra Vcllia n 56 "'". i" at's.'lf >nlr P" seu engciiho,
- Oahaixo sssignado avisa as pessoas, faca o favor dingir-se a ra da Gadea Ve-
O Sr. Jos Goncalves Braga,
queira mandar pagar o que deve
ao abaixo assignado, e em quinto
nSo o fizer ver o :eu notne neste
Diario. Antonio da Cunlia Soa-
res Guimares
-- Al pessoas que tivereo contas con) o
Dr Malot, queiram apreserrta-lis em 8 dias,
contados da data deite, aflm de aerem ve-
rificada*, que depois de Iludo os 8 dias ,
nenbums conta sor reconbecida : noar-
mizom do corretor Miguel Carneiro, na ra
do Trapiche n. 12.
O Sr. Jos de Oliveira Cam-
po, queira vir, ou mandar pagar
290,000 rs., importancia de f.zon-
das e dinheiros pedidos a Joaquim
de Oliveira Maia Jnior quando
cncarregado da minha loja n. 15 ,
da ra do Crespo, e que recebi
por batanen, e em qtianto nao pa-
gar-me ter de ver o seu nome no
Diario. Antonio da Cunba Soa-
res (iiiiinarcK.
-- Prcciaa-se saber se existe ueata cida-
de, ou seus sutiurbios, urna mulher, por
que tem
"ia, eji
como li-
- es de Me-
m 'o. O mesmo abaixo assignado pro- nezea, ecaao assim eiislam, publique por
Precisa-se alugar uma ama ,. P este jornal no praso de SO dias, aliaaperde-
dc loite, queseia de boa conducta mfUc. Pu>licar brevemente uma ro,Jodo direUo qu,lquer recltatl - _r a., ttlk. o n;....,i, relacao de todo o sorhmento que reipeito.
e nao traca lilho : na ra Uireita 1 i -.ii; ~ a i u !.;,.
n i fB ato hr ltir.ii.ia tem com os cus ltimos precos.' U cautelista A. J. K.deoou-
-- Sem .niiou pfeci..r de^um cai- Pern.mbuco, ? de abril de .85a. Jnior, expoz a venda em sua
.-l'ilallll V III" III IUHI" ,-0 lilil mi f
tar na sala dasaudiercias do l>r juit muni- lora, o que promelte lazer por pre-
ciai da segunda vara dous escravo.,um de ?og resoaveis e coro promntidao ;
nome Joaquim, o outra ile nome Mara, P"-', a j j
nnorados 10 casal do finado Francisco Jos 'nao como seu administrador no
Luduvico tor execucSo do Dr. Francisco mesmo estabelecimenio ao Sr-Joa-
Carloa.Brandfln, e avallados por 180,000 rs. : ,.,.: a__1 .__ a i_
os licitantes comparecsm naquell. aullen- 'lulm > Moreira, bem conlieci-
c, pms que 1 compra hn excellente. do ne.sla cidadn pelos seus conbe-
- Joaquim Hlbeiro Ponte, pela sua repen- cime, nharmacia o nual
tina vngem a Europa no Ihe pormettiram ,,"r",o ae pnarmacia o quai
os leus tazares de peasoalmentfl despedir- esta tnmbrn aut irisado em aiisru-
u loa IXO assignaiiu avisa a pessoa, ;-*-.".-----------o- -- ,r 7------ c a ai i / >
ue Ihe devem contas de alaguis e tratos Iha, loja n 19, para liquidado do.negocio I'rancisco de Paula Carneiro
Jos da Rocha Paranhoa I loj n- 37 Ai na "" do Queima-
Caridade sem limiles, ;,, Junt0 obeccoda Congrega-
SI- ._ ."l ?3i os seus bilnetea a 23,000 ra. ,
ciencia sem privilegio.
preta, com o peito e uma mo bran-
ca, levando uma corda amarrada
ao pescoco : quem souber, ou a ti-
ver, poder leva-la, na casa cima
que ser bem gratificado.
- Aluga-se urna casa larrea ou sobrado,
com commodos para pequea familia, qui
tenha quintal e cacimba, na ra das Ciuzes,
Livramento,pracinha do dito, pateo do Car
mo, ra do Qneimado, ra Direlta, C do Itecife, e de Santo Antonio,ra dos Qusr-
lels, ra larga e estreita do Hozario.ou mes-
mo no bairro de $. Joi, sendo em boa rui
quem tiver anouncie.
bom goslo da Europa.
O mailaiiismo das principies cidides da
Europ t*m desold de si os iucommodos
e dlsuendiosos iderecos de ouro, pira s
ornarnm de nulas e elegantes voltas e pul-
seiras de liniasimas lilas de velludo, lisas e
lvr.das, de variadas cores. Deltas Otas
araba de c> egar ra larga do hozario n.
3H, loja do CarJoal, algumas pecas que
vieram para amuslra acoiupanhadasd* deli-
cadas fivellase franjas do madrrpu ola, la-
vradas, lisas o douridis, as quaes bem com-
binadas ru'n as lindas cores das litis sobre-
sahem de forma tal que torna-so urna se-
nliora encantadura !... I'ranquea-wasamoa-
Iras ; e a paichoa do Espirilo Sanio lie no
da 30 do corronte.
-- 0(Terece-e um pequeo de 13 snnos .
chegadu ha i ouco do Portugal, para qual-
3uer irrumicao, o ae dar fiador a sus con-
u"la : na ra daa Cruzes n 40.
Precisa-ae de uma escrava, pin todo
o serviaa.de uma casa: no atierro de Ba-
Vista, n. 77.
Compras.
meios a 11,00o rs., quartos a 5,5oo
oitavos a 3,800 rs
iiue Ihe devem conlas de elugueis etralos "">'"J" ">,"' "i"1 Jv "."'b'"' < ..isw uc im v-oaiiciiu ra o tavos a 3 Roo rn e vi-rpai.
de c.v.iios.queasm.ndem p.gr at odi. que s. s. nao .gnora. Le5o, reside no aterro da Boa Vis-I a 'j 1?
s de junho prximo futuro, .1 contrarise- B">t Rodrigues dos Santos, Porlu- o, resiae 00 aierro aa dob vis mo8 a B ,3oo rs., da quarta lotera
rao chamados a juizo sem eacepeflo do maior i"- retira-se para Portugal. tan. 10 onde Olterece-se pira j0 nj0 (|c JaDer, di matriz di)
amigo.-Sebutao Lopes GuimarSea Jnior. Antonio Rodrigues ionilo, retira-se curar
-- Precin-M alugar una escrava ou P,r Portugal,
mesmo mulher forra, para tolo o servico Lotera do Uio de Janeiro,
do urna cas. de pune, 'lamilla i na ruad. A0S ao:oo0)000 K 10:000,000 de rs. rando nSo ,em direito a "enbum
--Precisare de umferiado, p.r. homem Na praca da Independencia n. pagamento, sendo chamado lojo
solleiro
ver
pa
Sr. llrG. do Monea Jnior, antes
ae retire, dirija-seso aterro da Iloa Vlsl
46, a negocio que no ignora.
-- lloga-se ao Sr. ca irte J0S0 Antunesde dem-se bilbetes i itciros meios ,
Menezes, morador em Tamarac, que quan- liar.n4 nilavo* < vio-piiinno iln grandes quedas OU pancadas por
do v.er.oreci e, queir. app.recer na venda 1*"* Olla o e v.gesimos aa 6 ti resnirHndo a-
da ru. da Cadeia do itecife n. 25, defronte quarta lotera, a beneficio da ma- maiores que seiam, respirunao a-
homeopalicamente as e-jCami-o Urande, a qual correu no
gnintes enfermidades e n5o cu- ,,jfl aI0|1 e deve ciiegara lls_
ta do di 1 3 do mrz que vem cm di-
o principio da molestia e nao
>maiido o doenle nenhum medi-
lleiro: quem nestas circunstancias esti- ,3 e ,5 |0a decalcado do Aran- nc
r, diria-se so atorro da Iloa Vista n. 46 ... ,, In
r. tratar do ajuste. te*, e na ra da ( adea do Hcci- lu
qe fe n. 46, loja de miudezasde Jos ment alopathico e mesmo ca-
*" Fortunato dos Santos Porto, ven-8e,ro- ''"enmentos de bala, onde
bilbetes i ,1 te i ros meios qaesquer outros 1
quartos oitavos e vige
quarta lotera, a beneficio .
dobecco largo, que se Inequ-rMIar. ^j, do (;am0 Grande cuia lista mda o paciente; pleunzes, os DMII
-- Bernardo Dumii.gues s.iv. Araujo 1 J agudos e violentos ; febre amarel-
Porlugiiez, retira-se para o R o de Janeiro se espera 110 na 4 ou 3 ue J11 ti lio o > _
vindouro, pelo vapor da compa-
nhia brasileira, e as lujas acuna
mencionadas paga-se sem descon-
-JSS&d0 EspirilSan,p' re,i,,'1to a|gui. ..lodo e i"a|iuer Prp-
levando um seu escravo para o servir.
Precisa-se de um caixeiro, de 20 anuos
le i li.le, queenleiida de venda; em Fra
de Portas, na rus do Pilar n. US.
se p
I...... v>. > ",. i *. .
Otl'erece-sc uma prssoa, para a lo.inis- mo que nelles sahtrem.
A COMPAMIIA ANGLO-I1RAZ.1LEIRA desll
na a esla carreira os navios aeguintes, todo.
iiovus, poiaaolea, e arraojadoa com maior
cominodidade e elegancia.
i./wpal'., de 1,500 tona, d. forca de 300 caralloa.
H ''.!i. de 1,500
Piala, de l ,500
(I prlmelre paquete da llnh, a Cltopalra,
iniii.iiid.iiiie II H. Cummlng, clieg.r a este
[uno do meado do mea dejuolio, e a.hir de-
paii de pouca demora par. o Rio de Janeiro,
totando na Rahia, e chrg.do ao Rio de Janei-
ro, saliirem poucos das depois para Liver-
pool, tocando na Paliia, Pernambuco e Lisboa.
Prrpoi de pnnngtm, inelniite rancho, mal tem ti-
vhus ou bebiilai.
J.a cmara 2.a cmara.
lie Pernambuco Liaboa l.o.o < io0o
.1 Liverpool 3U.0.0 2iilln
lia llahia aLlaboa a700 18ioo
a a Liverpool 3500
lloR.de Janeiro a Lisboa l?co
. a Liverpool 4no.o
22i0"0
11.0.0
a5>.o.o
Pesoa.
16
Dr Pernambuco a llahia ou vice-versa
ao Rio del.
tapera-sc que ealea vapores podero entrar
ncaie porto, ou no Poco, aegundo as marea na
scoaillo,
Ha i.miiIm mi um humero limitado de camaro-
ifa aiogeloa, d. primrlr. clasae smenle, pelo
piejo addicion.l de I0>0.0.
J saldes e cimaiai sao espafosos e elegan-
Ifs. Ha quartos par. baohos e todos os uie-
llioraincntos mals modernos, rmqusnto i vin-
iilicii.i e s coiuinodldadea paraoa paaaageirns.
Cada navio leva um medico a bordo, e h.
I i nseiras para servir as aenhor.s.
Para o Cmtineult da Europa. Gneros recehl-
doa a ti ele p.r. os porto, de Antuerpia e Rot-
erdam por um preco fao (inclusive .a despe-
'itdebaldeac.o) aerao levados quelles portos
l*i vapores da pilinelr. classe que sahem de
vrrpool de olto em olio dl.s.
O..ajanase ell'ecln.ra aum premio mdico.
Cara maia InfovmacOe., dirij.in-ae neau a
c. CaLMONT t C.
^aBahl JHNhTON NAPICR 61 >
No Rio de J.neiro EDUARDO JOHNSTON
C."
tem Liverpool a Me. KEAN Me. LARTlf
C.a
- Pan o Rio Grande do Norte, e Assu
sahe cum brevi Indo o patacho Amargozo
liuetn no mesmo quizer carn gar ou liir de
pa:saem dirfi.-ae a ru da Cadeia Velha
luja de ferrageo n. 59, quo achar com
quem Ira'ar.
Para nCearae Para.
A escuna nacional Emilia, cuja extraor-
dinaria marena ne j bem publica nesta ci-
da.li-, a da qual he capilAo e pratico Antonio
Silveira Maciel Jnior, segu em breve para
'U o loa doCei e I'ara; e para os inos-
le propOe-aei receber cargaj e passagei-
r,s: para qu 'om ocapiUo, ou n. ru. da Crnz n. 13,
"maseui de I, C, Augusto da Silva.
- I'ara u Rio (.rinde pretende sahir com
"evidade o lirigue Marcial, capiUo Joa-
'imni Francisco 4o Espirito Santo, o qual
lodeacceitar algum frele. Quem no mes-
'" lui/i-i c-in-^ar pode enlenJer-se com
a consignatarios, Amorim & Irmaos, ra
"Cruz ti. 3.
- I'ara o Porto segu com brevididea
irca i ortoguuza Olimpia : quem na mesma
luiiei carreg.r ou ir de p.asageai, enlen-
'-se com os seus consignis rios T. de A-
Quino Funsec. & Filbo, ou com o espito o
''"" lliouiaz de Lima, Da prac.
- Ejper.-se por este* di.* de Liabos o
i'i'cho portuguez Destino, o qual se pro-
trar algum engenno, perto da praca, ou pa-
ra Intu do algum sitio, ou mesrr.o para etl-
xeiio de algum eslaheircimentp, do que da
fia lor su. conduele quem so quizvr uti-
lisardo seu preslimo, dinja-se a ra do A-
rigSo n. 83.
Offerece-ac uma ama de leite, forri :
n. ra Nova em csi ds pinhoas, segundo
andar.
A possoa que annuncion querer cou-
prar un co il- fila : dirija-se a pra;. da
Iinl"l endeuda n. i-i.
Piecisa-sc alugar uma preta escrava ,
que saiba eogommoJar e enaaboar, para
ma casa ingiera de pouca familia: quem
Bilbetes 33,000
Meios 11,000
Quarlos 5,5oo
Oitavos 3,800
Vigsimos i,3oo
Antonio d. Costa, sobdilo ll-siisnliol,
i relira-se para Portugal.
I -- Alugam-su superiores bixas de ll.m-
, burgo, mais baratas do que cm mitra quul-
quer'parte: defronle do pateo da Penhi,
loja do bsrbeiro.
O abaixo assignado, fiz sci-
jSo^S^5"1"-2'' que ")- aoseus deredores, que at
C. i. Astley deixa a procurarlo de sua 'o lim de maio, queirum vir liqui-
caa., duranlo a su. ausencia, aosSrs. Hu-,'(jar 0 que ||ie ,|evem, e lindo este
dolfo kruckinherg e Julio C. Itabo. n ...
Ki noite do S4 pan 25 do crrante.praso, eiilslo nao llavera queixa na
furtaram dous civallos do sitio da residen- publicacSo dos tetlS nomes. An-
da de JoSo l.'iiiicio de Medeuos Reg. n. ,, o ,- _. .
estrada nova que vai rara a Passagern : 8en-,ton10 da C.unhaSoareS boimaries.
do um de oilo anuos, giand--, em has car-I Prccisa-se de urna ama de leile, pre-
nea, cOr alasil, e malhado de branco na ;fere-seseni fillio, e iaga-se bem: na rui di
testa e nos qualro ps, com um traco de Cacimba n. 11.
cralas-l pur cim dos ciscos; e o oul'o! Cuimarles & Oliveira, commerciantea
poiueno, de lOannos, em b.s carnes lam- na villa de Porto Calvo, avisam ao publici,
bem, do cor russa : quem os aprehender que devendo aos Sri Souza di Moli, esla-
leve-os ao mesmo sitio que ser recumpen- belecidoa no alerro d. Roa-Vista a quantia
,l0i i de 356,000 rs. em um. le ta passada i or el
Diccionarios da iingua portuguezn,' lesna data d* 4 de nuvembio de 1851, pro-
por Conslaneio, em optim. cncaderua<;ao,!ximo passado, e que se venc. rmAdemar-
e por preco commodo : na ra do Sol n. I.code i85-2 os mesmos Srs. Souz. & Mello
em ras de His llaplista da Silva. rece-beraai o pagamento dcsia lelra,rema|iido
Ollerece-sc um caixeiro para ven-la ou em carta com o faixo d: 8 do mesmo mez de
nutro qualquer estabelecimento: quem o margo o que aquellos senhores aecusaram
pretender dinja-se ao becco dos A{ougui-iem sua c
nhos o. 36, ou aonuncio pira ser procu- "
la, desenteria sangunea, bexigas,
sorampo, e sarnas inda as mais in-
tensas e rebeldes, erisypellas, to-
da molestia venrea otisyphlytica,
bobas, seja de que carcter forem;
rlieumatismos agudos, e em geral
todas as mais enfermidades em
tempo que possam ser curadas.
*-.'

ante : o mesmo venden em sua lo-
ja o meio bilhete n. 5 193, ao qual
sabio 400,000 rs ,bem como cm bi-
lbetes e cautelas outros nmeros
com premios menores ; convida ,
pois, aos possuidores a virem re-
ceber os seus respectivos premios.
~ Jos Condal ves Braga responde losan-
nuncios do Sr. Antonio di Cunha Soares
CuimarSes, que ihe nSo deve imporlancia
alguma, e so t>. S se julga seu credor, srva-
se apresenlar a conla do seu debito.
9
>
Companhia de Bcberibe.
a> O caixa da companhia de j
8 fieberibe acba-se autorisado |
(,. a pagar o oitavo dividendo. '
MMiINI **###
I,niz Jos de S Araujo, se-
gu para Lisboa e Porto, no vapor
Co.fulto.o horneo- !'"'"' ecomoPe!cs '"""'
* Iatazeres e rpida vi gein, deixa-se
j Me despedir-se de alguos seus
2j, pn- v#, amigos, u faz por meic do presen-
meiro andar. te, offereccndo-Ihes o seu limila-
.Dr. P. A. Lobo Mosco- 9 do prestimo naquellas duas ci-
so, d consultas gratis aos dades.
/flirt do Collegio n
rado.
Deseja-so saber quem lio o procurador
ou corroapundente fiesta prafa do II.n Sr.
Ilr, Jo.-o fiauliylino Mendes de MagalhSes;
quem fr tenha a bonjade do mnunciar
sua mora la ou uirigir-su loja n. 46 da ra
do (Jueimado, qui se ihe desoja fallar.
__Airend.-so uma cas. de uuus andares,
na ra do Amparo, em 0:111 ta, onde morou
ta como feixo de tC do mencio
nado mez terem recela 10, nella der.m qui-
tarlo de paga a mes na lel-a. de qun lam-
bemcousa alguma sedevia,comodeclaram,
o que no remeltia n a letra paga por des-
ciiili.nici do portador, e que comavbl
nos emreg.ri. ; port.nto, pesso. alguma
receba dita letra por qualquer transaceflo,
ou negocio,porqu j est paga,a os aunun-
ciantes n3o estilo obrigaiio', 1 malicia e m
l ilaqnellos senhoies ; e O mesmo aconle-
0 finado bispo" D. Tomaz, medanle a con- ce" quellelque a tiver, e .presentar,
dicitu ue ser concertado pelo arrenualario, I --0 abaixfc assignado, professor jubilado
levan loso emcmU os concert. : na ra na/Cidein diArjeographiiehistoria .10 Lyco
d. Cuia n. 64. s~ iV*1' c,J,u'e- Ym estabeleci lo um collegio
-- Aluga-se o n/rnoiro andar do sobrado '^nominado Santo Alfonso n. ru. da Cadeia
da ra da Cu i jifia : tr.t-r com su a0.do bairro de S Antonio subrado n. 13. onde
no ni leija/noo .11 ir. i.ctunlmonte efiiln. I.llu, fnncea, rhetori-
-V Ustradores da casa de baa, d. ra <* geog-aplii., p.ra o que obleve do Eim.
do'Coll-gio n. 13, queiram .presentar suas Senhor Souz llamo* quando pre.-ideule
pobres, todos os dias das 8
as 13 horas da manbaa. Pra-
tica qualquer operacao de ci-
fD rurgia, ou de partos, llece-
! he escravos doentes para tra-
I l.ui An'ouio da Silva, subdito porlu-
jguez, retira-se para f a do Imperio : o
I mesmo julga nada devor mas so.igueo
sejulg.r seu credor, dirija-se 1 ra do VI-
gai 1,1 n. 6. pira s"r pago.
; l'rorisa-se do um caixeiro, para venda,
do 10 a 12 aunoa I idade na Ling ca ,
m tar dcsuasenferniidadeSjOii 8 venda n 3.
M r .. Zj uSr. J.I C. M M. queira ter a bon-
fazer qualquer operacSo, por j.de.ie vir psg.roquedeve n. confeii.ri.
tg |irec;o commodo.
a#afa9##ai6#a9#a94
AOS DEN TES.
J. A. S. Jano, o bem conbecido dentista
nesta 'prac* 12 anuos,pode ser procurado
ni sua residencia ru. Nova n. 14, primeiro
andar, p.ra todos mistares de sua arle, nSo
m em su. casa,como fora deila.

da ra do Hozario, du contrario se continua-
ra e.s'c at seu final 1 mmico.
Precisa-se saber quem silo os procura-
dores dos herdeiros do laleci lo Antonio Jos
Du-rte de Souza (iondim : dirij.-s^ ra do
Collegio cas. do solicitador Dar.ln.
Rila Mana le Moura, convida todas
ai pessoas que se julgayem credoras do seu
II
com
Compra se urna gramtica de Sevene,
mesmo usa la : na praca di Boa-Vista 0.17.
Compr.-se um escrava que sej. bem
moca, sem defeilo algum e com habilidades,
com cm ou sem ell. ; na ru. di Conco'dia
n. 4.
Ni ru. da Senz.lla Velba, defronte de
Sr. Mootoiro oinlor,compr.-se lod.e.squi-
lidades do ferros velhos e melaes de todis
as qualidades assim como ourelos de pinos
tinos,casemiras o todas as qualidades de ron-
limbos quo servirem para f.zer papel : 11-
sim cuoio cahos velhos, lonas ote,
Compra-se um sobrado de um andar
com bons commudos, que sej. no bairro d.
Boa Vial. : annuncie ou dinja.se a ra do
Hospicio casa n. 17, que se dri auem
compra
Compra-se uma preta, quo saibl cozl-
nbar o i-.ngomni.ir, que seja forte e rido te-
lilla vicios, agradando pag.-se bem: 111 rui
do Amorim 11 25.
Comprini-so 4 escravos, sen lo de im-
bos os sexos, mucos, pagam-se bem: na ra
Direilan.3.
Compm-se pombos: ni rui da Cruz
n. 9, na ra da Linguete n. 5.
Compra-se um preto, do 16 at W an-
nos, que seja forte, para servico de casa, e
que nao tenha vicios, nem achaques: ni ra
do Amorim n. 35.
1 iiinpian so algumas pecas de uma
aiuiar,ao de loja franceza, oudous armarlos
grandes envidrafados -. no aterro da Boa
Vista 11.14.
Compr.-se
casas lerio.s ou sobrados de um indar, em
b.s ras: quem as tiver dinja-ae i rui
das Aguai-Vi rji .-> la ver na n. 48
Compra-se I c9o de lilla, ou a travessa-
sadode ba rac,a : quem u tiver iniiuucie
por este jornal.
Compra-se nina catira mansa que de
liaslaiil I -il- : na ra do Vigario aruiazem
Cumpra-su um escravo moco, mari-
uhriro. equo seja crelo: quaai livor an-
nuncie.
Vendas.
Lotera do Rio de Janeiro aos
2o:ooo,ooo.
Na loja de miudezasda praca da
Independencia n. 4; vende-se bi-
lbetes inteiros, meios, quartos, oi-
tavos e vigesimo a benelicio da
quarta lotera da freguezia do cam-
po grande, espera-se a lista nopri-
ineiio vapor.
Vende-se urna loja,
no passeio Publico n. 13. muo afregueza-
da : a tratar na nesma,
Vi-n i'-m i -2 uegros creoulos, imlius
i.do Ribo, Joao Hodiigues rio Moura, .! de bonitas gura., do aoa 25 .onosde idi-
,mp.rece,em, munidas do seus lit ,1o.,, ; MV^^SSSSSbtt
su. cas. ni ru. Augusta, p.r.lnlarem lar cotn Antun.o Joaquim 1-erre.r.deSouzi.
o
espeito, no pr.zo de 15 dias.
--*Roga-se .o Sr. K. A. I-'., o obsequio de
Alberto Prevosl segeiro tem hon- ~l *'
. de prevenir o respeitavel publico 2 P'8" o restante de_su. prest.sflo de con-
prevcnlr .o respcitavel puinn-u ~
slabeieceu-se nobeccodo Tim- =
ennlas oo prazo de 3 das para aerem veri-
ficadas, plisados os quaes o comprador por
nads se responsabilisa.
Alaga-la
desla provincia, Iiciici_de quo tr.cla o
ortigo 38 do regul.menlo do df>-niaio do
nuu p oximo pats.do O mesmo ahaiixo as-
signado recebe pensionistas 20/000 ineB-
o tercoiro andar o solo de uma casa na ses pagos di.ntado, nao dando roupa II-
pnca da Boo-Vist, com 14 quartos e3 sa-
las, sendo estas fo> radas de rico papel, mui-
to fresca e de excedente vi>u, alm de ou
vua e engumm.da a d.ndo-i, 25/0
m-ios peniionistas a I5|000, e alumnoa
ternos'de latim a 4/d00 e de qualquer nutre
tros commodos p-ra grande familia: no ar- peparatorio a 5/uno. Os paes de familia,
mazem da ru. Nov. n. 67 O primeiro in-
dar do sobrado da ru. d.s Aguas-Verdes,
n. 48, multo fresco, com grandes commo-
dos : no mesmo armazem cima.
Par guata.
Pergunla-se r.paziid. ie j se vilo es-
qoecendo de relrescar os intestinos com os
bellos sorveles, tos alguns dias inverno-
sos que lem apparreido no be molivo suf-
lu-ient'i par. entregi-lo ao abinlono; as-
sim advene-se novamenle aos ip.ixon.dos
dos mesmos s conlinu.'em, do -contrario
a febre amarilla Ih.s lomara conti, e os
mamlarSo em poucos dial para Santo Ama-
ro, lugar sequlssimo : ru ealreit. do Ho-
zario n. 43.
Deiappareceu no dil B do corrento da
rasa da ra do Vigirio n. 14, um cliexeo :
rogi-se i quem u pegar leve-o mesm. c-
sa que ser* generosamente recompunsido
Alugi-se una preta para o irraujo de
umi casa ; quem tiver dirija-se ra Direl-
ta can n. 47
D, C. Mones Jnior relin-M para fora
do imperio.
Alag.m-ie bichas muilo superiores pe-
H'^7ll?rt.8a "que" no XZU, pre^d. M. 3a0 rs. : na ru. do Aragao
>" quizer cirreg.r ou ir de pungen, di-1 n. 21, loj de barbeno.
que quiserem matricular seus lilho*, poafem
uirigir-to so mesmo collegio a qualquer ho-
ra do dia, cerlos de que o mesmo abaixo as-
signado se extorcar. i|iiantn em si couber
por bem des un culi ir ardua rbissao, de
que se enc.rrega. Alfonso Jos de Oli-
veira.
-- Miguel Jos da Molla, emprog.do ni
instu' cj.lo primaria, mora na ru. da Con-
cordia,primeira casa em continuscSoda rui
do Sol, so lado do nascenie, o pode lmit-
tir alumnos internos ou presionislas aflO
a mensa I 'd ole de 13,000 ra. nflo dando lW>
pa lavada, nem eogommida ; e oa meios
pensionistas com de 8.000 rs. Quinto lu
mais parece su. erno declarar ao publico,
pois que ha muilo vive oceupado oeste en-
cargo, sen lo bem conbecido nesl. cid.de, e
at fura della
O Sr. Jos de Alinr-i la Brrelo Bastos,
queira vir pagar quantia de 26/rs., de que
he devedor, lia 3 anuos : n. ra do Queim.-
lo n. 20, isto proveniente de lnlhel.es d. lo
lerii do Rio, cm qaaafo onBolizer ver o
seu nome ueste Durlo.
-- Precls.-se de um hora cosinheiro e da
um copelro activo: na ru. d'Aurors, esa
junto ao collegio du orphfles.
I
que'sv.uvitruou-ao nvinnaaiuu ..m- --
V ti. defronle do chif.ric d. piscada
v Roa-Vista,p: ineia cucheiraa esquer-
O da onde as pessoas- que du seu w
O preslimo precis.rem, oacbarSosem- '-*
O pre prompto para servil-as com bre- O
9 vidade e preco commodo. 0 mesmo O
fj cncarroga-se de qualquer cunceito Q
oooooooouo QOGOOOOO
O tbesoureiro da lotera do
Livrnmenio, faz scienteao respei-
tavel publico, que a lotera corre
impreterivelmente no -diaT 29 do
corrente, anda mesmo que iquem
bilhetes por vender, o restante dos
bilbetes inteiros, meios, quartos,
decimos e vigetmos, estim ex pos-
tos a venda, na loja de miudezas
da praca da Independencia n. 4-
Bilhetes inteiros 10,000
Meios 5,000
Quartos j,6oo-
LiecimL. 'j100
Vigsimos X, ^00
~ Di-se de 500,0P "' P' b'xo. *
premio, .obre pmboriV do ouro ou pr.ta 1
m ra Direill, n 4, seg'Pd" "<" Ji-
ra quem d. \
Ma ra do l.ivramenlo/tt; ? sobrado,
se dir quem d dinheiro a pn>'> ; quem
vendo ou aluga 1 piano, 1 caulp do i"^">
rodas para um o duus cavalM)*, '
Com os competentes ai reios/l poi
ouro, 1 relogio de palate,' I corre
c.v.llo
eiro de
o mesmo, I dita para
trancelina, cordO-s,
tas, allinoles, 1 adere)
r.r sopa, I par do ci
OITeruco-so un
dor a sua coaducti
hora, m-,
IOS, anneb'
2 colhcie
es e oulra.
inem, o qua
lldmill'.slr :
idsde: quem
.
engeuho perto
der, annuncie.
Na ra dasTfiuieirag n. 12, iram-so
pampones p.rjffora do Imperio por\2'-0
rs-, para dentrofuo empe por 14,00 '" '
quem do sau resumo sequitrriul -rlsar,
dirija-se a lodffnori do dia que ach *C01
quem tratar^ |
MUTILADO
las da Piac... do Esp .. I.y. do contrario
ver seu nome por extenso todos os dias
nesta folha, at se proceder judicialmente.
O annuncio acuna no se enlenda com
o Sr. Fimo Antonio de logueireo.
iMailam Koulier, modista france-
za, ra Nova n. 58,
acaba de recebor de Kranca, pelo navio
a Cont Hoger > os ohjectos seguintes 1 um
grande soriimenlo de cuapos de montarla
da ultima muda oe Pars, pulseiras, clia-
peosinhosdsela e ilepillia redunlos para
meninos e meninas de um a seis annos,
com abas largas de lindos enfeites e de to-
das as cr^s, vest los para baptisar, lur-i
banles n capellus, 1 icos chapeos de seda de
lo US ss cies, manguitas do bico, da ulti-
ma moda, randas o bicos de blon le, mullo
ricos enfeites de cal coa, para bailes e inca-
Iros, grvalas do veludo, ricos opolinlios
e inaiiieleles muilo enfeitados, touca.ios do
lu 1 ara senhoras e meninas, esjartilnos,
Algodan |>ara loupa de escravos.
Vende-sealgodSo muilo encorpalo, pro-
prio pata roupa de escravos, com pequeo
toqu d alaria, 146 rs 1 jirdl ; dito
limpo.lSOrs : ni ra do Crespo n. 5.
Clupeos do C'hyle.
Ven lem se chpeos do t.hylo linos e
grpssus, grandes e pequenoi, pur preejo
inuio barato : na ra do Crespo o.23.
(.'alcedo mofado.
Baratos de feroh par aenhora a 1,609,
ditos de marroquim preto e de Core 800 :
n. praca d. Indopendencla o 13 e 15, loja
do Arantes.
Calcado.
Botins de bezerro francez para boiiiem,
ditos de couro de lustro; sapatos de ver-
ni par. llanca, sapalOos do Paria o Manes,
d v'erniz o bezerro de feitios difforentes,
pan h me n ; borzeguius elsticos, ditos
com butrV-s pretos o do cores, ditos com
salto e boi -s, obra de muito goslo, par
-1 nlior.1, ditos para ciianijas de 2 a 5 oros ,
e lodos 08 mais calcados do costil me: II.
jprtci da In'ie.endrncia n. 13 e 15, loja do
trancas brancas com .Ilutares, lita de a- V
nlo
ludo de tudas as cures c m sua cqiaaiten
fivella, baleas, lalctaaa tolaa.s i6ra para
chalos o vostidos, canusi/thas com aber-
tura o bordado, ditas edm goufias borda-
das o com bicos, casaquinhas brancas bor-
dadas para meninos; na mesma loja fazem-
se vestidos de casamento, de ba, Usado, lou-
ck .01111 mno e de souhora, caputinhos de
todas as qualidades, com perfeigao e preco
commodo; rocebnm-se lo ios os niezes fi-
(iirinos modernos, que empresta a seus fre-
gueies.
Na ra do Vigario n. 17 ,
precisa-se de olliciaesde latoeiro e
funleiro.
Precisa-se alugar um. ama forra, ou
captiva, de boa conducta, par. o seivico in-
terno de urna ras. de pouc. familia: tra-
tar di ru. do Uueimado n. 4 segundo
andar.
-- O bichirel Sergio Diniz de Moura Mal-
los advoga nu auditorios riesl. ci l.de; e
ru. 'A'irom n. 9, po lem dirigir-se aquel-
los que se dignarem honral-u com sus con-
ilioca.
Oesappareceu da casa da roa
do Trapichen, na noite do dia
31 do corrente uma cadella da
raca de Terra Nova, grande, cor
Vende-se um escravo muito moco,
propriopara p.gem, por ser Instante inlel-
ligentt: na iu. da Cuia n. 64.
Pechincha p.r. quem edilic,
Veude-se por lodo o preco, par. se desoc-
cupir o porto da otaria, um grande por-
Slo do metr.llia de lijolloa propria p.r. ali-
corees ou ltenos n'agua; assim como pe-
dazo para qualquer obra : quem uro en ler
dirija se ru Nov, loja do chpeos, n. 52.
vonriem-se 15 vareas com bez'rrua
novos e muilo boas de leite, e da pasto li-
vre de mal triste, por prer;o commodo : as
pe.-so dem ir ver tirar o leile s 5 hor.sda ma-
nbila do dia 28 do corrente em diauto nos
Afogados, aillo de Tneolilo de Soma Jar-
dn), que al achiro com quem tratar.
nfreseos e cbaropes a 5oo
ris a garrafa
Sendo, de capil, lam.rindoi, orchita, gro-
selles, laranja, limlo, vinagre, gomma o
outros muito: pa Irivuisa da Madre de
Deus n. 4 e 6.
Vende-ie om cavillo preto, linda no-
vo, de n.uito bonita ligura, com lodosos
andares, e multo bom squipador, sel.do e
enfreiado, com todos os arreioi novos, coa-
forme coovier ao comprador: para ver n.
roa do Rangel n. 7, e tratar no |iteo do
Collegio n. 4.




. ::
1"
1*
I


**
Pertenec para escriptono e repar-
tieres publicas.
Papel de.peso, dilu almago, iociuindo
urna pequea quantidade d'uma marca
maior, |iipri p*ra despachos liptl. lacre
encarnado e pelo, brelas do divs***s co-
res em calimbas de ppiI3o, papel mala-
borrHo, machinas par copUr crta, tinta
prela de escrover, pipis oleados. hvros
com adices e papel em resmas, proprios
para 08 mesmos, balancia para pesar caria.',
etc., etc.; ludo recebiJo ultimatnonlo de
Inglaterra, de superior qualidade, e por
precos commodos: oo oscriplorio de E luar-
do H. Wyatt, ra do Trapiche-Novo, n. 18.
Linhas de novelio.
de imito boa qualidade, e varios soi limen
toa. por presos muito commodos, no escrip-
tono de Eduardo II. Wyatt, ra do Trapi-
chi-Novo, o.. 18.
Bicos e rendas.
Ricos surtimentos, em caixa de papel.lo
oufeiadas, por precos aiuito era conta : no
escriptono de Eduardo II. Wyatt, ra do
Trapiche-Novo, n. 18.
Fio d vela.
Muito superior fio inglez, ltimamente
recebido, por proco mdico: no escripto-
no de E. H. Wvatt, ra do Trapiche-Novo,
n. 18.
Deposito ge ral do" rap
Gasse do Rio de Ja-
ma da Cruz
netio, na
n. 23.
ACABA ECIIECAR A ESTE DEPOSITO A
BOA PITADA DU K iPE'
Crosso, incio grosso e lino
Pelos precos j sabidos de l,'80 as duas pri-
meirasqualidades, e900 rs. a ultima, sondo
de 5 libras para cima. Escusado he enfadar o
publico coin a descripgAo da boadade do ra-
pe desle fabricante ; a sua antiguidade a
alicata, e em verdade pela simples e sauda-
vel composigSo enlloca os tomantes urna vez
habituados em nao o poderoai subslituir
por oulro. Comparem pois os amantes da
boa pitada a qualidade desle rap com a des-
sa mullidSo de noves raps, e o seu effeito
os resolver a tomar deste ou daquelle.
a'otassa americana.
No ntigo deposito da radeia felha, a,:
18 existe urna pequea porg3o potasa*
aolkricana, chegada recontcmente que por
serior nvalisa com a da H
st por prego razoavel.
-- Em casa fle Deane Tole Oompanht,
vende-se aluodo entranaado da Baha.
-- Vendem-se dous excellenle terrenos
proprio*, na BoaVlsta, ra dos Pires, junto
a caixa d'agoa, de um e oulro lado, tendo o
do lado do Norte um bom alicerce na frente,
com este, em estado de ruina mae he ca-
nzdesobie elle se levantar qualquer so-
irado de dous andares tem ette 10 pal-
mos de frente, o de fundo 125, o do lado do
Sul, da caixa d'agoa tem 8 palmos de Tren-
te, e 195 de fundo I a tratar dentro do mes-
lo sitio com Manoel Joaquim Carbeirn
Leal.
Vendem-se relogios de ou
ro eprata, patente inglez: na ra
da Senzalla Nova n. 4*.
> MIADOS aMEIUCANOS. +

Ha laja i'ernumbucana, ra
do Crespo n. it.
M Vendem-se casemiras franezas mo- qi
fgf dernas e de excellontes qualidades e f)
j pi'ircs, pelo baraiissimo prego de n
v< 4.0UU rs. o corle, para caiga
Deposito de cal virgem.
Cunta (v A mor.n, na ra da Cadciado
Recite, n. 50, vende-se barris com supe-
rior cal em pedra, chegada pelo ultimo
navio de Lisboa, por menos prego do que
em outra qualquer parte.
AttaocSo.
Veo-Je-se na ra estreita do Rozario n. II,
a maras muito novas, sendo cada caixinha a
600 rs. e maiores a 800 rs., eslrel'tiha a 320
rs. a libra, bolachinha de Lisboa a 360 rs. a
libra.
familia de mandioca.
Vendem-se sircas com familia nova, che-
gada ltimamente do f.ear, a 2,000 rs. e
em lotos de 10 saccas para sima, a 1,800 rs.,
cada urna sscca : no armazem uo J. J. Tas-
so Jnior : narua do Amorim n. 35.
Vendem-se os verdadeiros selins in-
glezes, patente, de molla e som ella : na
ra dagenzalla Nova n.42.
Vendem-se no becco do Gougalves, ar-
mazem de Deane Yuule & Coinpmllia, lucias
barricas com superior l'arinha de trigo.
Cortes debrimde linho, a 1,280,
a,240 e 3,000 rs.
Vendem-se cortes de brim cardo, de li-
nho puro, a I,-'o rs. ; ditos de cores com
iistras de bom gosto, a 2,210 rs.; dito* de
lino.- amarellos, a 2,000 rs.; corles de calsa
de riscado de 1111 lio de Iistras, 1 720 rs.; cas-
sas oca ni 11 nadas para cortinados, com 8 112
varas, a 2,400rs. a pega.
Armazem de vinhos.
Na rua da Senzalla Vellia n. 48,
vendem-se vinhos de Lisboa e I'i
gueira, dos mais superiores que ha
no mercado pelo diminuto preco
de 200 e 240 rs. a garrafa, e i,5oo
a 1,800 rs. a caada : para confir-
mar d-se a provar, e para ver da-
se a beber ; he baratinho, a elle
freguezes que be bom vitiho.
Novo sortimento de panos finos e
casimiras de todas as quali-
dadej.
Na rua do Crespo, loja da esquina, que
rolU para a Cadeia, veodem-se panno pre-
to, a 2,800, 3,200, 3,500, 4,000 e 5,000 rs. o
covado; dito francez mullo superior, a
6,000 rs. dito verde, a 2,800 rs,; dito azul,
a 2.800, 3,500 e 4,000 rs.; dito crdo rap,
2,800 rs.; cortes de calsa de casimira pre-
ta infestada, a 5,000 e 6,000 rs. ; dita fran-
ceza elstica, 7,500,8,000, 9,000, 10,000 e
11,500 rs.; sarja prela, a 2,400 rs. o covado;
dita hespanhola, a 2,800 rs., eoutras mul-
tas fazendas por pregos commodos.
i'ariuba de trigo
SSSF.
Fontana.
Galega.
Has al.
No armazem de J. J. Tasso J-
nior, na rua do Amorim 11. 35.
^iinfto de A un na a
800 rs.
Vende-se a historia de SimSo de Nantua,
a 800 rs. : na liviana da pragada Indepen-
dencia n. e X,
-- Vende-se Rezina de angico de muilo
superior qualidade em arrobas a 5,120 rs.,
eui libras a 320 rs. : na rua da Cadeia do He-
r le loja de ferrageus n. 53.
CA l'KfcfO.
Vende-se superior cha prelo,
em caixasde 3o libras cada urna :
em casa de J. J. Tasso Jnior, na
rua d"
Tainas para engenlios
Na fundico de ferro de liow-
man & Me. Gallum na rua do
Brum, p*ssando ochafariz, conti-
na a haver um completo sorti-
mento de tainas de ferro fundido e
Vendem-se arados ame-
ricanos, chegados dos Esta-
dos Luidos, pelo barato pre-
co de 40,000rs. cada um: na
rua do Trapiche n. 8.
Multas fazendis por pouco dinhei-
ro na rua do Crespo n. 6.
Coitos de biim escuru do puro linho
1,440 rs., ditos de liatra de bom gosto a 2,O0
rs., dito amarelloa t,800 rs riscado do li-
nho proprio para caigas e palitos a 200 rs. o
covado, panno fino preto a 3,000 4,000 rs. o
covado, pessas de dulas escuras co:n 38 co-
vadoa a 4,500, 5,000e 5,500 rs., cambala de
filos com 8 l|2 varas a 2,400 a 3,500rs. a pes-
as, lencos de cambraia de linho a 400, 480,
e 560 rs. proprios para mSo. riscados assen-
tsdos em algodSo muito encornado proprios
para escravos a 160,180 e 200 rs. 0 covado,
zuarte azul com 4 palmos a 200 is. o cova-
do, e multas mais fazendas por prego com-
modo da loja cima referida.
Chaves de parafuso.
Vende-se chaves inglezas proptias para
turradlar porcasde carros : na rua do Quei-
mado o. 14.
Alpacao para palitos.
Vende-se esta rica fazenda pelo mdico
prego de 640 is. o rondo na rua do Crespo
n. 5.
ACODAN!
Acudam innocencia, grllava um pobre
miope, que por affertagao andava sem
omios, debragos abcrlos'e olhos no eco.
correado pul-s ras para aparar um vesti-
do de menina que, eugoinmado se tinha
despregado do uina alia varanda, e vinha
caindo i discrigSo do venio maneira de
maquina, julgando ser una enanca que por
descuido se tinha precipitado de alguma
janolla baiso, al que os mulequrs o
ilesenganaram pelos assobios c cagoada que
Ihe lizeram. bis ao que se oxpOctn to.ios
aquellos que, necessilatido de oculos, an-
dan) sem riles ; se le be pe l-il troenle
um diccionario vivo de asnejras, se com-
primenta he ordinariamente a quein 11S0
conhece, se an la na rua, acontece-lhe des-
tas e o .has 1.la las lie por is-o que se
Ihe avisa que quem os quizer v na rua lar-
ga do Rozario, n. 35, luja, que os achara
oons e baratos.
Novosortimelo de fazendas ba-
ratas
Na rua Jo Crespo loja da esquina que vol-
ts para a Cadeia vendoai-se pegas do aiada-
polfJo largo muilo Uno com pequeo loque
de avana a |500 a pega.dilas limpas a 2 400
rs., pegas de chitado cor Oxa a 4,500, 5.000
5,500 e6,000,riscado de linho a 180 is. o co-
vado, lengos branros de cassa a 160 rs., ditos
de cambraia de linho lino a 400, 500, 600 rs.
cambraiasde cor flxa padresmodernoscom
7 varas a 2,500 rs., merino prelo superior a
2,800, 3,000 e 3,800 rs dito sel i m a 3,600
rs. o covodo, e outras multas fazendas por
prego commodo.
Aviso em lempo.
A illu-tris-ima senhora penumbucana,
que se quiier apresontar no suspirado c
memoravel dia do seu casamento, com um
vestido digno de lo mrgnifico acto, queira
mandar comprar na loja, abaixo designada,
asmis ricas trangas de seda branca e de to-
das as cores, bem como lindissimas flores
franci-zas para enfeito dos dilos vestidos,
que nunca searrependcrode to diminuta
despeza. Ii.ii) su as amostras: na rua lar-
ga do Hozarlo, loja dq/niudozas do Cardesl,
junto botica do Sr. Baituolomcu.
No passeio publico luja de fazendas n.
17,vendem-se cortes decambraiacom barras,
e excellenles palios a 3.200 rs., ditas do
cassa chita a 2,000 rs., chita para cohertas,
cores flxa*, e bonitos padres a 200 is. o co-
vado, dila para vestido a 100, 120, 160 e 200
rs. o covado, chales de Illa e seda a 3,200 rs ,
ditos de ISa a 1,000 rs, corles de coleto de
lia e seda a 640 rs., Ienciuhos biancos coro
bico em volta a 360 rs., ditos pintadinhos a
300 rs. meiss cruas americanas muito linas,a
2,200 para 200 rs algodSo aniencano com
algum loque de avaria a 120 rs. a vara, e
oulras multas fazendas de cojos pregos os
p.-etondenles se agradarSo.
i'im e barato.
Vendem-se pelo diminuto prego na rua do
Crespo n. 10, luvas compridas de pelica en-
tortadas paia senhora a 2,000 rs. o par.poga
dobretanlia depuro linho com 5 varas a
1,800
Ven^B-senm negro de ns-i
cao, de 3o aonos de ade, sera de-
leito, porprero rasoave! : narua
: vende- ila Gruz da'JIeciie n. >3, nrmatem
de as-sucar da Viu?S l'creira da
Gunha.
Hit
w Na loja peinambucana
Btia doGiespo n. 11
VKNDEM-SE
0 Cortea de riqulssimis sedaa fuita-co-
t res para vestidos de s nhorus a 12
fe c 11,111 o rs. nf
Deposito de cal virgein (cabjeca de
carneiro.)
Na rua da Cruz n. 23, armazem
de assucar da Viuva Pereira da
Gunha ; vende-se superior cal, a
mais propri-i do fabrico de assu-
car, e por pre^o rasoAvel.
Na loja de alfaiate de Mariano & Tino-
co, na rua Nova n. 26, tem para vender-se
um completo soiliinenlo de obras feilas ;
casaras de panno, muilo aupenor fazenda,
sobrecasaras do panno, ditas de merin.pa-
I iiii -; de panno prelo, verde e azul, dilos de
merino preto, e oulras minias obras quo
procurarem ; ludo isto por prego muilo
commodo.
Vende-se urna taberna com diminuios
fundos ou sem ell s,eni nina das casinhasda
rihei'a da Boa-Vista, defrontu do agougue ;
a tratar com o arrematante da mesma ri-
beira Joaquim Kenandes de Azevedo.
DE ALI'AIICVTAS
Assini andara a olis* media desla cidade
a no ser a apparicflo dos estimaveis .-apa-
los do Aracaly, toilos a capiicho quirioje
sem duvida rivaii-am depois de engiana los
com o melhor calgado da Europa. Kll'sse
tornam recommendavris j pela sua longa
luracuo, j pelo seu diminuto prego; e mais
quetudopor seren de industria nacional,
quedeveser anmala : quem os quizer va
a rua larga do Rozario n. 35, ondeseven-J
dem a 800 rs. o par.
Vendem-se quatro bonitos
e-ciivos j despacbados para o
I'i n deJane;ro : na rua das La-
rangeiras n. i.'; segundo andar.
Vende-se nina redo de pailla al ei la,
chegada ltimamente do fra; tamliemse
vende um relogio patento de prata dourada:
quom quizer annuncio para ser procuiado.
4
Um caldeirao. 1 -. Vendem-se saccas com furi
NaruadaCruzn. a, cumpra-sfl umca- n]ia j, &aaU Gatbarina a,a4o
deirlo de cobre ou ferro, em bom oso, e j d_- ,j._ o._.. u:
quanRoaej, muslo pequeo: quem o t.vqrj' ru" da Praia d ^fn.tft "f"
e aaizer vendlo dirjt-setomesmo lugar, ta, venda defrontc da ribeira so
ou innuncie. iB
- Vendem-se pas de torro Buifo tortes, Pe'" "' *' mm mmmmmiammmmm
todas dlreitas, proiriaa pare*brlr vala- Vf f f fff f f f tf f f fff f f f f
dos: narua da Cadeia do Recito, lojadejp h'arinha de mandioca
fen ligeos n. 53. a reta loo e em duzlas.
Camisas feilas
Vendem-se na rua .Nova n. 11,loja que foi
do finado Jos Piulo da Fonsrca e Silva,bo-
je de N. Cadault, camisas de chita francesas,
as mais bem (citas possiveis,e por mu dimi-
nuto prt go.
.- Vendn-so tolagarga para bordar, com
13a e seda de todas as cores, e juntamente as
competentes agulhas : na rua Nova n. II.
<- Vende-so urna escrava creoula bem
inossa e rubusta dis,iosta a ludo servigo,
sem vicio; e 3 moleques muilo bem nutri-
do* de 4, 5, aonos, e 3 semanas de nsacido:
quem pretend r dirija-so a rua larga do Ro-
sobrado n. 36, 3." andar.
Vende-.-o o sobrado novo de dous an-
dares o sitio proprio para quem passa testa,
por ser muilo fresco, e mais algumas casas
terreas, na rua Helia: a tratar na rua da
S. Francisco, sobrado apalagado, das duas
horas al a cinco.
? f f# f f f t f f ? f f f f f f vt
Miudezas e ferragens.
r|| No alterro da Boa-Vista, luja n.
^ 46, de 1. S. do Menezes, lum um
gj. grande sortimento de ferragens de
0. todas as qualidade*, luvas da so la
j- para senhora, de todas escores, di-
_y las detoigal, lengos para g>avala de 4
0. padrdos muilo ricos, filas de tellu- 41
0- do para grvala, duas di seda, la- "4
> vrad.s e lisas, linhas de200 jardas, *
* ditas para marca, caivetes elhssou- <\
j*> ra as mais finas que pdem haver.lu-
quMlinos, agullias portuguezas, di-
t.sTra
*
Na loja pernninbucana
! 11 1 do Crespo n 11
f. VENDEM-SE
(. ptimas seilas furia-cores de bellissi- 9
( mos padrOes e differentes larguris, 4
1# pelo diminulissimo prego de 1,000, {0
%k 1,500 e 2,uno rs. o ovado. 4
Atienc9i,' <{iiin dinheiro.
Na rna Nova n. 26, loja do alfaiate de Ma-
riano 01 Tinoco tem para vender-se um com-
pleto sorlia>enlo do palitos do panno fino
prelo, dito de panno ver le mesclao, sen lo
iido nados de fila muito lina pelo piego
de 20.000 rs. cada um.
Na rua Nova o. 26, loja de alfaiate, tem
para vender-se um comuleto sorliinenlo de
jaquetas do linho a 2,560 cada una, palitos
de brim de linio a 4,500, e outras muitas
obras que precisaren!, e lamben) se aprom-
pla ouiia qualquei obra com minia pres-
teza.
Carnauba.
Vende-se a mais superior cera de carnau-
ba, que ha neste mercado em porgSo e as
saccas de 2 a 6 arrobas, no armazem de cou-
ros de D. R. AndradeS Coupanhia, rua da
Ciuz n. 19, junto da casa amarola,confronle
O chafan/.
- Vndese na rua do l.ivrainenlo loja n.
II, sapatos de duraque prelo par* senhor* a
900 rs. ao pvr, ohr muito boa, assim como
* Na loja pernambucana
t Hua do Giespon. 11. 4
*. VENDEM-SE 4
> Tonca 1 de 1.01 para seuhoras,eciegan- 4
a le, cnleiles para cabega, ornados de 4
a 11 no/. a
Na roa Nova n. 26 tem para vender-se um
completo sortimento de coleles de fusUo
lino, polo diminu > prego do 2,560 rs. cada
um.
-- Vende-scpor pouco dinheiroo terreno
que confronta Com a rua do Camaiilo e com
o boceo do l-'eii en o : os pretndanles din -
jam se a rua do oitSo da matriz da Boa-Vis-
ta, rasa n. 26, primoirn andar.
Bom e barato.
Rua do Passeio Publico, loja n, 9, de Al-
bino Jos Leile, vende-se meiss cruas mui-
lo finas para homem, a 200 rs, o par, em du-
zi>s 2,200 rs., chita para coherla, ( boa fa-
zenda ) a 140 is. o covado, ditos para vestido
a 140,160 e 200 rs. o covado, chapeos de sol
asteas de balea, a 2,000 rs., ditos de junco, a
1,440 rs grandes e fortes, proprio para o
lempo presente, chales de ISa de ricos gostos
a 1,000 rs., ditos do chita roxas a 500 rs., di
tos brancos a 800 rs., ditos de tarlalana a
800 is., grvalas ricas de cassa a 120 rs.,
lencos de bico rodoado a 320 e 410 rs.; ditos
pequeniuos proprios para criangas a 120 rs ,
em lis de Colele t'usl;in a OVO rs., rendas da
Ierra a 120 rs., a vara, cassa bordada pro
pria para cortinados a 320 rs. a vara, casto-
res para calg. s a 200 rs. o covado, ditos ne-
i" do iI.iIm a 360 rs brins de linho szul e
do cores a 300 rs. o covado, cortes de cassa
chita, a 2 000 rs., e outras minias fazendas
que agradaro aos compradores,
Muzicas novas.
Acaba dechegar do Rio
de Janeiro, loja de Car-
1I0-0 .\\ies rua da Cadeia
Volha n. 31, urna linda es
colha de modernissimas
msicas para piauo,canto
e flauta.
Guanaharn, romance dedicado a S. M. o Im-
perador.
Blindes ao Exercito brasiloiro.
A brazlleiru, quadhlha de valgas para piano.
O incendio do Iheatro de S. Pedro de Alcn-
tara, quadhlha.
Meia noute hora tcirivel, modipha.
A pacolilha, quadrilha para nauta.
Romances, italianos, france/.es etc.
Vendo-se uma preta da 40 anuos de
idade, cozinha, engomma, lava ropa, refi-
na assucar, faz doces, tudo com portoigSo :
na rua do Collegio n. 21, primeiro andar, se
dir quem vende.
Veudom-se 2escravos, de nagSo Ango-
la, muilo bous para o serv, o de engenho a
ou iiiiuiiii) para qualquer oulro aervigo d,
campo : na travesea do Veras n. 15.
-- Vendem se 2 mulatas, sendo uma do
20 anuos, boa figura o li lu para qualquer
servigo, o a oulra de 6 anuos, muito linda e
Dropria para educar-se, a piimeirasera pre-
ferida a venda pa a fra da provincia, OU
para engenho : na rua da Cruz n. 34
Vendo-se um sobrado do um andar com
muitos commodos pa grande familia, e
tem terreno para um gran le quintal ; Ka-
tar comftanoel Luiz Ja Veiga.
-- Vendem-se terrenos em chaos proprios
atorrados, e cm alagados em boas posigOas
para edificagSo de predios: a l alar com
Manuel Luiz da Veiga, em Santo Amarinho,
passando a fundigo.
.* Vi iiile-so, por prego rasoavel, la- ^
.. rinba de S. Uathous a mais nova ^
\ > que existe nrste mercado : na rua 43
i^. da Cruz n. 31, delronln da I ingoeta. <
AAAA**AAAAA AAAAAAAAAAli
Grande labrica de cbapeos de sol,
de J. Falque tua do Collgeio
n.4-
Nesla novo estabelecimento recebeu-ae
um novo e liado sortimento de chapeos de
Sol dos ultimo*gostos, tanto de seda como
de paninho para horneo* e senhoras, de ar-
mago de balis e de asso que se vendem
por menos prego quo um oulra qualquer par-
le ; grande sortimento dechamalote, sedss
e paiiinhosem pega de todas as cores e qua-
lidades para as pessoa* que quizerem man-
dar cubrir armagOes servidas. Completo sor-
timento de baleias para veatidos espartilhoa
para senhoras, fazera-se umbella* de igrajs e
concerta-se qnalquer qualidade de chapeos
de sol:lodos osobjectoscima mencionado*
se vendem em porgflo e 1 retalbo, por prego
que agradar* aos freguezest vista da quali-
dade.
(jasa de commissSo de escravos.
Vendem-se escravos e recebem-
ncezas,, banpejas linas, ba.4
de todos os timando* com diversos 2
deseniios, lpelo dp esparto, couro ;
da lustro o marroiiuim, bezerros, J
moia* para senhora, ditas cruas par* 2
liomein, e outras multas fazendas 2
m. que se vendem muilo baratas, assim 43
(#. venham freguezes. ^
jft*AAAAA*AiAliAli**A AAAA
Vende se um relog-o pequeo, de pr-
ta, regula bem, muilo em conta : na pra-
ra da independencia n. 14 e 16.
~ Vende-se um prelo muito sadio, de 24
anuos de idade, e bom cozinheiro : na rua
do Queimado, loja n. 32
Moeuitn* superiores.
Na fundigSo de C. Starrol Companhla,
om S.-Amaro, acham-se a venda moendas
le caona, todas deferro, de um modeloe
construcgSo muito sunerior
lio 111 3 barato.
Na luja da rua do Crespo n. 10, vendem-
so paulse casacas de brim de linho a 1,000
is ; chales do seda a 4.000, 5,000 e 6,000 rs.;
cassas para babado a 240 rs. vara ; n un 1 i -
olas do seda para menina a 640 rs. cada
urna ; coitos do gambriOes do cores para
caiga a 1,000 rs., e outras muitas fazendas
que se vendem por todu prego.
Admiraco.
Na loja da rua do Crespo n.10, vendem-se
pelo diminuto prego de 1,500 rs. cada um ;
lindos chapeos deso de panmnho bem en-
tonados, para meninas, obra prima ; ad-
es antes que se icibem.
-- Vende-se uma escrava de muilo boni-
ta figura, com 25 aonos de idade, e com
todas as habilidades e sem vicios nem acha-
ques; quema pretenderdinja-se A rua do
1.11 lamento n. 9.
Vende-se urna preta creoula de 30 an-
nos, de bna figura, engomma, cosinha, coze
e lava, e uma parda de 15 annos, bem visto-
sa, coz e lava : a tratar das 6 horas as 9 da
mandria, e das 3 as 6 da tarde, na rua Nova
n. 50, segundo andar.
No deposito do doces da anliga fabiica
da viuva de .Manuel Perreira Pinto, vonde-se
duce de todas as qualidades, secco e do cal-
da em Ion nimio s h-iii euieiiad is,r ni bar-
ril o de calda, e latas com gela de goiaba,
e uraca n ais bem toita do quo em outra
qualquer parle.
-- Vende-se por prego muto co r.modo
urna rica ped,'* para qualquer corporagio
religiosa, uu pessoas particulares fazer um
1 ico carneiro no cemiterio publico : na pra-
ga da Independencia n. 12, se dir quem
vende.
fiejouterias.
K.iII,umnn toninos rua da Cruz o. 10. rece-
baran! pelo (iliimu vapor ingle/, um noo
sortimento de obras de ouro o mais bello
que tem vindoaqui comosejam; inteiros e
melos aderegos, brincos, alnete, e brace-
letes com perolas, e sem ellas de todas as
qualidades, botos para camisa, acleles,
correales para relogio, aunis, caetas, com
lipis a pencas d'ouro, dedaes, vollas e brin-
quinhosde coros, vidioe ouro proprio para
mcnuias. Na fundigSo da Aurora, em S. Amaro,
Vende-se a verdadeira acoa '""dem-searadosdeferrode diversos mn-
1 101 nr dolos.
Vinlio do Champagne,
se de commissao, tanlo para a pro-
vincia como para fra delta, para
o que se offerece muitas garanties
i scus donos : narua da Cacimba
n. li, primeiro andar.
Deposito de cal e potaaba.
Uo armazem da rua da Cadeia
Joliecife n. 12, lia muito supe-
rior cal de Lisboa, em pedra, as-
sim como potassa cbegad'a ltima-
mente, a precos muito rasoaveis
Agencia de Edwin Maw.
Narua rlc Apollo n, 6, arinazein de Hc.Cal-
luuntSt Companhla, acha-ae conalanlemeole
boas sortimenlua de (aixa de ferro coado e
balido, tanto raaa como fuudaa, inoendas In-
citas todaade torro para aniuiaea, agoa, etc
ditas para armar cui inadelra de todos os ta-
iiianhoa c madclloa o mala moderno, machina
Uurlsoolal para vapor, coin for(a de 4 caval-
loa, coucos, paaaadeiras de ferro eataubado
paia casa de pulgar, por menos preco queoa
decobre, eacoveoa para navios, ferro ingle
tatitoem barrascomo em arcoafolbas, eludo
i*or baralo preco.
! CJo superior.
* No alterro da Boa-Nista, loja n. 46,
de J. S delenezes, tem caf o mais 9
superior, de Caravellas, qne se ven- a
a; do por 4,500 a arroba. 4
******* + ,+*+*+0'&*'
Vendem-se amarras de ferio: na "ia da
Sentalla Nova n. 42
AGENCIA
da fundicSo l.ow-.Mooi.
KUA DA SEZALLA NOVA S. 42.
. Seste estabelecimento conti-
na a haver um completo sorti-
mento de moendas o meias moen-
Jispara engenho, machinas de
vapor, e taixas de ferro batido e
coado, de todos os tamanhos, pa-
ra dito.
Moinhos de vento
com bombas do repuxo para regrar hortas
o bailas decaplm na fundigaode Bowmaux
& M. Calhem: na rua do Brum ns. 6, 8 e 10
-- Vende-se um terreno na rua da Aurora
com 50 palmos de frente e 280 de extensao,
tundo caes de lijlo a beira mar, licando en-
tre as casas dos lllms. Srs. Gustavo Jos do
. Vende-se vinho de champa-
nhe legitimo e de superior qu|j.
dade: em casa de J. Kcller &
CompaiiVi na rua da Cruz
55.
I.ivros em branco.
Vende-se ea oasa deKalkmann IrmSos
na rua da Cruz 11. 10, livros em branco che'
gados pelo ultimo navio.
Gesso,
Vende-se gesso em barricas, chegado ni
limamente :emcasa de I.Kellert Coairj."
nhi*. na rua ''a Cruz n. 55.
Escravos fgidos.
No dia 4 do correte desanpareceu j,
rua da Sanzalla-Velha, n. 3,casa (e'rea,apre-
ta Maria.de idade de 30 uno,pouco oais ou
menos, baila, a cor no muito preta, cheia
do corpo, tem um carimbo om cima do i>, 1
lo direito, naritebat*. bocea grande; ton
uma marca na maga do rosto, da paito es-
querda, os dedos das mos curtos, 01 pe
apalhelados, foi vestida com um resillo d
assenlo encarnado, panno da Costa de Mi-
tra azul e branca; levou um tabotoiro pe-
queo em titulo de fazer negocio: quem
pegar love-a sua senhora, Juliana Mara
da Conceigo, na casa cima declarada, ou
na rua do Crespo, 11. II, que ser bem're-
Ci 1 na en.sodn.
100,000 rs. de gratificado.
A quem ippreheoder a preta abaixu de-
clarada.
Contina a estar fgida a prela Falicidade
desde o dia 17 de mago prximo passado ',
tem os signaos seguales:--estatura regula'
tem falla de denles na frente, marcas de pan-
no no rosto, cor nSo muito prela, muito pro
zisla, levou vestido de chita j desbolado
paono da Costo usado, um taboleiro peque-
no em que andaba vendando, tero por cos-
tume ter ropa fra e mudar quandosai -
tem sido vial* muilaa vezea, urnas no Mnn-
teiro, e outras em lletiribe, lavando ropa de
ganho, edizendo quo por mandado dosuj
sennora; tem sido encontrada junto cum um
canoeiro, que navega para linda, ella tem
a rn.'n no engenho S. Cosme : roga-se, por-
tento, as autoridades pollciaes o cspites Je
campo, a sua captura. Inda mesmo ella di-
zendoque tifio esla rugida, e alevem a sua
senhora, na rua da Cruz do llecife n. 35 ,
assim como se protesla contra quem a tiver
oceultado e cobrar-se os dias de sorvigo.
--No dia 10 de maio, desappareceu a pro-
la Joaquina, do nagaoCassange, repreaenta
ter 35 a 40 annos, baixa, cheia do corpo,
sendo regular, cor fula, olhos pequeos, o
com carne sobre eltos, tem uma custura ni
caro no lado rsquerdo, porin muito apaga-
da, que mal se percebe, nariz chalo, com
falta de slguns denles, de ume oulro lado
he feia, Icoi urna empinge no rosto, que
parece ser bexiga, pellos muilo pequeos o
murxos, lem algumas gicatriie* de 10II10
as costas, tem as nsdigas empinadas raa
Irs, he bem fallante, representa ser creou-
la, ltimamente esteva oceupada no servigo
de cozinha, levou diversa ropa, que sendo
sabe da que usura, coslumava andar sujae
embriagar-se, quandn toga lem por costu-
me andar pelos arrebaldes desla praga, qul-
(an lando clavando ropa, intitulando-seda
forra ; descoufla-so que etej servindo om
alguma casa coino Turra : as pessoas que ae
eslsm servindo della na boa le, queiram
ilenu miar, du contrario se usar dos roeio.i
que concedo a Ici: roga-se a* autoriJades
policiaes e capiSes de campo, ou a qualquer
pessoa, que a apprehenda, ou a faga appre
hender e tova-la a seu soohor Domiogos da
Silva (.'a nipos, na rua das Cruzes n. 40, que
scrao generosamente recompensadoa.
Desappareceram do engenho do moio,
propriedade de Francisco de CarvalhoPaes
de Aodrade, na madrugada do dia 12 de mar
co, os segu nli s e.-c a vos : Mtnoel pardo, de
idade 45 a 50 annos,corescura,barba prela,e
bem toixada.cosluma usar somenlo de mcias
suissas e lem um pequeo signsl prelo qua<
si na migan do rosto ; Alexand'e tambem
pardo, pouco mais escuro que o sobre-lito,
Idade 20 a 25 annos, estatura alta, espadau-
do e bem feilo de corpo, leudo panos pretus
pelo rosto e por todo o corpo; Miguel, creou-
llego e Francisco Antonio de Uliveira : os I lo, estatura baixa, reforxado de corpo, rosto
.. rua das Torres n.
I relondentesdirijam-se
S, primeiro andar.
Deposito de panno de algodSo da
febrica Todos os Santos da Ba-
nlna.
Vende-se por preco commodo
o bem conhecido panno de algo-
do desla fabrica ; em pessa, a
vontade do comprador i'no escrip-
tono de Novaes & CompVihia, na
rua do Trapiche n. 34.
irados de ferro.
ser e uma pequea porcSo de
charutos da Buhiu : em casa de
Le Schuler & Companhia, ni rua
da Cruz n. vi.
MumM wmmmmmm mmm^\f0m
Charutos superior!^ v "
No atorro da Boa-Vista, Mt ^
de J. S. de Menezes, cheJ,r,m'og
muilo superiores charutorj, Baha
quo t 011 por titulo q/eiD fuinar
- sabera, clieira-flures e p,,,,,,.,,is;
9 or i*so se convida sos a rifantes destes
i charutos, e todos qusntosgostam de
H de tragar uma hOa' '"maca, caeguem
a elles (juc Cst.lo frrsquinhos: na
aj mestnt loja se vende uma porgo do
I c.'irulos muito em Cinta.
>. supi inr qualidade: vende-se no arna-
zam Kalkmanu IrmSos Rua da Cruz, 11.10
31oluras dotiradas
de (odas as larguras : vendem-so no arma-
zem de Kallkmanu lrm9os,ruada Cruz n. 10.
Fecliincha.
Na loja da rua do Crespo n.10, vendem-
se chitas, com um pequeo detoito, ruida do
ciipii:.' a 100 rs. o corado ; ditas lulipas a
iiO, 110 e 160 rs.
SALSA 'lillilLIi
DE
H Bicos finos. g
M No atierro da Boa-Visti,-ii. 46, lo- W
ja de J. S. de Menezes, ha um grande B
'& soilimento de bicos re seda e algo- %
p dSo, de diversas larguras, que so 8
3 vendem por preefis commodos. 2
ismmmmmmt mmmmmmmmmm,
No atierro da Boa-Vista u. 10, loja do
Men ntica, vanle-se meias para meninas a
120 o pa", im;s de meia casimira a 1,600,
ditos de ''''lorM de lo IS3 as qualidades a
1,120. ic'us deViiit' de bonitos padrOesa
120 al'-' meio,chales de tarlalana a 400
Irngo' ''"jamliaiadjaxdados a 400, chitas
11 "^"aZ 'onitos pamfta* a 120, 140, 160,
180Vto d"> 2*0' a8('' dlt,s "relts
do Iu7 160, guaroanapos da linho a
1,800" usi,, coi tea de col otes do fuslao a
560 e 64-. ditos da seda a 1,280, gurgurfio
de cores pf t collote a fy A* uumorosas experiencias feilas com o
*** uso ,j, M|M parrilha em todas as entormi-
l'i cnsas pata fannha, dadas,originadas pela impureza dosangue,
Na lundicSo da Aurora em San- 0.,bom li}nr^d "\c,"le Po nim.
Sr. Da*. Sigaud, presidente da academia im-
perial de medicina, pelo lllustrado Sr. Dr.
Antonio Jos Peixoto em sua clnica, eem
batido, de 3 a 8 palmos de bocea ,
asquaes acham-se a venda porf'!> sapatos do duraque preto para'""" fiooa 6io/!soo a .rs, eas-enilt rrance-
' rnmninJll ,,nm ',: SOOrs. aopvr, obra mu.to boa, assim como z, ,560k,varheol,d| d
preco commodo.ecom promptl-' esleirs muito grandes. nho I.ObO, moias prelas para homorc 120
dao, embarcam-se, 011 carregam- farinha a a,000 rs. a sacca, ditaapar4 Mnhor< a 28O, merino preto la-
se em carros, sem despezas ao com-1 no armazem n. 7, do caes da Al-/ 2?jf"&Xi*?A \Si
admirar.
prador.
,no Armazem n. 7,
I fandega, dinheiro a vista.
MUTILADO
to Amaro, e no depozito da mesma
na e*tra*i d* rua do Brttm a-
cham-se venda machinas para
imprensar farinhade mandioca, e
outras para esptessSo do oleo de
mamn, de uma invengo intei-
ramente nova. Os annunciantes
nSo hesitam em publicar, que es-
las machinas de sua invencSo sao
sejjpriores a tudo, quanto 11 te aijni
tem apparecido neste genero, re-
unindo agrande lorc de presso
a maior aitnplicidade de conslruc-
cao, e facilidade na operacao, o
que faz com que dilTicilmente se
possam desarranjar. )
t>. jiii-ii da fabrica e Todos os
Santos ust Uahia.
Vende-se, em casa del*. U.Hieber&C. ,
na rua da Cruz n. 4, algodSo transado dl-
quolla fabrica, muito proprio para suecos de
assucar e ron pa do escravos, porpregocom-
modu.
sua afamada casadesaude na Gamboa, pe-
lo lllni. Sr. I)r. Saturnino de Oliveira, me-
dico do exercito e por vanos outros mdi-
cos, permilletn hojede proclamar allamenle
as virtudes cllicaios da
SALSA PARRILHA
DE
Nota. Cada garrafa contem dua* libras
de liquido, e a salsa parrilha de Urislol he
garantida, puramente vegetal sem mercu-
rio, iodo, potassium.
Vende-se a 5/000 rs. o vidro na botica do
Sr. Jos Mara Congalvos Ramos : rua dos
Qitarteis pesada aouuarlelde policia.
CLUA EM VELAS.
Vende-se cera em velas das
melhores fabricas de Lisboa e do
Hio de Janeiro, sortimentos mui-
to variados e a precos commodos :
a rua do Vigario n. 19, segundo
andar escriptorio de Machado &
l'inheiro.
quasi redundo e ja descahido, idade 38 a 40
aonos. Os dous pr inicuos se dizem irmSus,
e silo de l'aj de flores; mas aqu manda-
"iii forjar urna Carla, para I lie.- ser ni de pa-
saportes, a qual foi dirigida para Inhamuns,
e talvez para ah fossem, ou para *s vizi-
nhangas.
-- Desappareceu do engenho Novo do Cabo
* S dias o escravo creouto de nome Bonto, ol-
flcial de carpiua e meslrc de assucar, e com
osaiKiiaes seguintes: silo, corpo regular, bo-
nitas toigOes, boca pequea, aolisai pouco
embastidas, tem um signal, como uma fita,
que Ihe separa a te.-ta ao meio, e pega da
raiz do cabello direito ao naris, e tem urna
falla do denles na frente : quem o pegar le-
reo ao dito engenho, que ser* bem recom-
pensado.
5o|ooo.
Paga-se 50/000 a quem Irouxer um escra-
va de nome Miuiu'-I, de nagilo, bonita figu-
ra, cor pieta, altura regular, uno do corpu,
com um signal au j du olho esquerdo, cu-
jo signal he uma rodinha mais preta que
a p'opiia cor do escravo, despparcceu no
dia 2 do crranle mez.tem sido visto na ri-
beira da Boa Vista, passagem da Magdalena,
ruga-seas autoridades policiaes, ecapil.le-
de campo, que o capilure, e traga m narua
do Crespa loja amarella 11,4.
-- Desappareceu no dia 23 do crrante o
moleque Ciaudino, escravo, que foi de Jaso
Joaquim de Mesquila, e boje da viuva do
uiesino, de idade pouco mais ou menos de
14 annos, tem urna cicatriz saliente em uma
das faces o perto do qoriio, be magro.de
rosto redondo, olhos grandes, pernas finas,
o parece oiui simples no fallar: roga-se as
autoridades 1 oliriacs 011 a quem convier de
o prender e leva-lo rua de Santo Amaro
n. 6, quesera tecompensado.
No dia 23 docorrenle lugnam do en-
genho Novo do Cabo os escravos creoulus
seguintes: l.uiz, carapia, he mestra de as-
sucar, alto, refrgado do corpo, cara des-
carnado, quasi sem barba, orcinas peque-
as com lecorles, 1 es e nios grandes-
Benedicto, carrciio e cargueirc, alto, re-
forcado do corpo, pouca batba, nariz chatu,
falla meia fanhosa, com falta de denles na
frente, pos e mSos bastante grandes; am-
bos s3o de SO a 28 annos; sao irniflos:
quem os pogar leve-os ao diio engetiho quo
ser* bem ncompedsado.
- Desapnareceu no dia 24docorrente,um
preto,de nome Bertoldo,de nagSo Benguella,
quo re.iresenta ter 24 anuos, pouco mais uu
menos; he de boa altura, chato docorpo.cor
preta; lem os ps, pernas e bragos grossos,
levou vestido caiga de ganga azul, o camisa
branca de algodfiuzinho, chapeo de palha, e
tali z lenha mudado a iopa; suppOa-se an-
dar pelo bairro de 8. Antonio, ou Boa Vista:
roga-so aqueiti o pegar, leva-lo a casa de
seu senhor, na rua uo Amorim n. 25 que
er* bem recompensado.
No di* 21 do correte dosapparaceu uma
negra de nagao Angola, por nome Therezs,
levando um vestido de algodSo azul, coro
um talbo em um dos-bracos, a as duas ore-
Ihas tachadas do* brlnc<--a : quem levar na
rua do Collegio n. 14, ser recompensado.
JB*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ET0DRDO1U_5LLXPP INGEST_TIME 2013-03-29T18:14:17Z PACKAGE AA00011611_03607
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES