Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03600


This item is only available as the following downloads:


Full Text
de Maio de 1852.
N. Ul.
PEMAMBIICO.
a-a.aoo A osumivtilo.
kiuun AnunrtDO.
Por trlsa.slr. .....',' t
Por semestre .............
Por uno ..i....
PioonirroaO Diiriiaiim,
foi qmrtel ....... .....
MOTIOIA. DO lMPiniO.
Para.;.'.'.)7 de
II^IIIUIIH.
4/004.
f/000
4/500
Mara.hio
Cer ..
Parabiba 10
7 de
7d
Marco MInat... 14 da
eMktl (.-Pealo. 6 de
ljto. R. deJ.. JS de
Haio. fahl.... idea
da Abril
dito
dito
Haio
17 Seg. S. Paaohol
laltro. S. V.Cnelo
lOQuarl.S. Pedro Ce-
lestlhop.S, Iro l'
JOQuiut ** Aasen-
cao doSennor.
21 SeiCft.. Mancos
I2Sab. S Rila de Cas-
ifa vui.
| la;>oin.S Plaiileoarc
Jalxeds Oraala
i, 5. a lOborat.
I. arato civil.
3. e 6. ao melo-dla.
Faada .
1. r 8. 10 borai.
. rara da civil.
I. eaabadoaao melod.
illa**..
Tercas a aabadol.
inwilin,
Creiceate i le. a l hora 0 salante i da t. Oalanna ParaJslbe, "guada is.taa-
Chela a 3 ai ti horas e 4 miautos 4a Urda.
Mlagoutai li>, al aan 4 mlnato da U
Nora atf, aoi 47 minutos da ni
T
rulBiaaiiOJ
Primelri as 3 hom e 4i minutos da larde.
Segunda ai I horaa e 6 minutos da miaras.
SaM eommatM.
felraa.
lili llanas ti itllll i Victoria M eralataa
felraa ,
Bonito, Ciruarn. e Oaranbuai no t'e 15 de cad
mu.
Piares, Ouricury, Bxu e Bou-Vista i 18 H.
Oilnda, lodos oa dlaa.
Todas os Cor rriot partem ao meia-dla.
=-saaaaa._____mmmmmmm
BTOTXOIAI BaTBAsTOEIHAi.
PartUf al II da Abril Austria
Betpaaba lo de dito |Sulaia..
Franca... 8 O dito
Blgica... 2 de dito
Italia.... 3 de dito
Aira.alia, i de dito
Proasia ...1 dedlto
Dinamarca ao de Marco Chlll.
Rusta... 3ldedlio Ruenos-A. BdeMaico
Turqua. ii de dito Montevideo Jl dr dito
......-'---------
i de Abril.
i dedlto.
Suecla... is dr Marco
Inglaterra 7 de Abril.
E.-Uoldot 26 da Fcrr
Mlico... 31 de Janr
California 2 de Marco
2i de Ferr.
caa atoa 17 di haio.
Sobre Londres, a 27 a 27 '/, d.
Parla, 3
Lisboa, 91 por canto,
ITAII,
Oiiro.Oncas hespinholit....'.:.""':
aloeda dr 6/400 velha.........
. dr 61400 noval......... 16IHHI
a de 4/000................ !/"
Prata.Pataeoeabradleir
Peaoa columnarlos.
Dftoa mexicanos.
......... /"""
ilroa........... 1/W"
ros..'.......... I/Mi
l.............. 1/800
PARTE OFFICIAL.
GOVERRO DA PHOVINC1.1.
LE N. 210.
Francisco Antonio Rlbelio, presidente da
provincia de Pernambuco. Faco sebera todoe
os aeus habitantes, que a aiicmblj leglililiva
provincial deoretou, e eu lancclonet a lei le-
galote : '
Artigo l Flca p praildente da arovincla au-
torliado a dlapender pela renda-jlo exerciclo
de 1852 a I8a3, com o pagsmento da divida doa
eitrclclos fiados, rstanle da relleno que a
rila le acosnanona, a quanlia de l:303f.'>9i rs.
Art. t. A coala desta deioea aeri dada eoin
a das despesaa do mencionado exatclcla.
Art. 3." Ficara rerogadaa as lela e dspoal-
edes era contrario:
Mando, portento, a todas as autoridades i
nuera o ooo.hecime.is e esecucio da referida
le (lasanafllI que a curnpraui e facam cura-
lanrlr ta' arta ira rae me como nella aa conten.
f) secretarlo da provincia a faca imprimir pu-
bllcare correr. Cidade do Reclfe de Prrnam- vlncla da Pernambuco, aoa 1
buco, n01 t diaa do inri de malo de 1852, Iri-
sjeslino-prltndro da Independencia e do Im-
perio.
L. S.
frauxtico Antonio Rbiiro.
Certa de Ui pala val f. Ja, aaaaala la.....ir
o irmloda aiumblia IflihHva provtncltl. ea>| S nico. Cam o espediente, e aa-
*ob iMStatasaaci-mar, (oria4o opmiabiH talo da casa
Ir dt Brevrarle a dawaaWrasfa rinda do irricicj Art, II. Cornos reparos, econier-
U l82a I853, a guoalM de l:3n3#S9l ti., e*> fr '
urmiundo q*e aconta eVsfe tipn* iijn
com a das dopesaa io saeacioaado torcido.
Para V. Ele; ver.
Matuil/iu MaUint Hibiirt, afea "'llanao, estadas gaapalooa, estradas
a das abraa
Alt. i4. Com o pagamento das
pmucoes dae obra* arrCraauda
ate o ahlato de Juana d corrate
500,000
4*000,000
PubUaada e sellada nesla sec
aaaiode 1851.
' Honorio PenOa da Aterido Ctutnho.
Registrad, a 0. do llvro J.' de leU provlM
ciaea. Sacrelarla do goveroo d provincia da
Pernambuco,fi de maio dr 1852.
yoda Doninf rui da ilea.
rfi ir A A da divida passiva da Thesouraria de Fazenda Provincial de Pernam*
HEL-tUAD t(((,danUQ dia |5 (h Ahril de 18ttt.
SVC!K3 IB 0HaA\3iaS^
Imlruccio PttWca.
Pedro los Pe reir do* Santos Alvarenga.
dem.................-...........
dem..................................
Antonio Jos de Souia ..............
Joa Fauslluo Mariano FalcSo............
Manoel Francisco de Sonta Peite........
Saurft PkMi'c*.
Hcrdelrot de Miguel Joaquim de renlo.
Soeeorror di ttntMtMii.
anaci Sot de Vaaconcellos.............
inorlda Costa omea.............
Roqne Carloa de Alencar Pelioto........
dem..................................
Antonio Cordeiro Falcan................
AdinlnistracJo fiera! de Carldade.........
Frauciaco Carnelro de Andrade...........
Cullo PuHUo.
Sustento dos presoa de tlazareth ,
Dito do Pao d'Albo.......
Dito do Ei..........
.i
Dito de Iguaraas ... ,.. .
Reparo da cata do Hospital. .
Sustento dot pratoa de Paje .
,1...
Joae Lula Tavarea......................
AlhaoazioCoocalvra da Lu......................
Antonio Vleirade Mello...........................
dem..........................................
Slmeao de Aievedo Campos........................
Joaquim Mauricio Wanderlev......................
Jdem...........................................
Herdelroado Padre Joao F.vangelista Leal Periquito.
F'elis Aurelio Aroaud Formlga.................*...
Manoel Joaquim da Silva.........................
Manoel Clemente de Torres Galludo........... .-.
Coeranca, i arricidtcu'.
MaaoclRodrigues Mari;...........................
dem..'.'.'.'.'.'.'.'.'.'.'..'.'.'.'.'. '.'.'.'.'.'.'.'.Y..'.'.....Y..'..'....
dem............................................
dem............................................
Joaquim Eduardo Pina.........................
Llera........................................i
dem.............'.............................
dem............................
dem..........................................
dem.........................................
Jos Antonio Fernandee Vianna ...................
dem..........................................
dem.............................................
dem.............................................
dem tas**...........................
dem.................*......s...........*
dem.............................................
Ignacio de Torres Bandeira.-...............
Jos Victorino de Vatconcelloi............ .
Francisco dot ReitNuaes Campillo............
dem .............................
Vtipitat rmlaees.
Jeronymo Joiqulra Fiuza de Oliveira......... .
Antonio Francisco Martina.................
Delegado do Ouricury..................
dem............................
Irmandade de Noata Senhora do Livrainento......
Frei Jote do Amor Divino Lina............a
dem...............................
dem............c.................
dem...............................
D. Anna Perpetua Daotaa Senhoainba....... .
Lourenco Jsi da Silva. .".................
Manoel Perelra da Silva.............. -
H- ni..................*..
Mmoel Ferreira Escorar...................
Cmara Municipal de Ullnda.........'......
Pedro llibciro da Silva....................
dem ...........a. ...
Joaquim Fernandes de A te vedo ...... .....
Florencio Doiuingues da Silva. ...........
Guitamenlo e fabrica .
Congrua .....
G'iiaa meato
Congrua .
Culsamento a fabrica. .
ii ii
Congrua, gulsamento e fabrica.
Culsamento e fabrica......
l'orcenlagem.
DO QUB PROjCEDE A DIVIDA.
ratificacio .
,..-.
Ordenado e gratificaclo
i
e fabrica.
......V
........
re
Reetituicao de deoime.......:
Aluguel da cata que servio de prlsio e quar-
tel ao destacamento de Barrelroe.....
Dito do destacamento de Ouricury......
Dito que servio de qua da Freguezia da Varaea..........
Foro do Jirdlm Botnico......,.....
Aloanal da caaa qbe aerve de cadela e quir-
tel em Naaarrth..............
Dito do Rio Forraoso. '...........
Dito de Pajeh.,...............
Dito de Nossa Senhora do O'........I
Diilron do capim de planta....... .
Aluguel de cata................
Dito da caa de guarda da Rlbeira. .
Olio da cata que ierra de quarlel em Pajeb
perecera danta-Ida Vlcio.ii, ETcada. Paa d'Alhe,
diat do mea de) Sul, e fiorte, caaa de delencao, a
Hospital Pedro II, sendo trinta con*
los de rea para estaa duas ulllmaa
obras; vlnte cloc liara a recont-
traccio da peale da Magdalena; ol-
io para o* ttielhoratnentoa do rio
Goleona, cuja obra oGovernoman-
daia circular por arramaucae a
deuseia caatoi da res para a faotu-
re dea acudes ji decretados, leodo-
- em riau o art. 41 da lei n. 2tt,-
de de malo de l85l, c dos que
possam aer feltoa com o restaate
desta quanlia, preferindo-se o da
EXERCICIOS.
IimTlNCI.
1847 1848
1848 i 1848
(840 1850
1848 1849
1149 i J850
1850 1851
1850 1851
1848 1849
1848 i 18JO
848
1847
1850
IM7
1848
l85t
184. 1850
1848 1849
1849 1850
850 i I85i
1848 a 1849
1849 1850
850 1851
1848 i 184
1850 1851
1843 184'
844 1845
1845 1946
1846 1847
1847 4 i48
1848 1849
1849 1850
1841 1844
1844 i 1845
1045 1846
1846 1847
1847 1848
1848 1849
849 1850
1843 (844
1844 i 1845
845 i84t>
1846 1847
1847 1848
i84S a 1849
1849 i 1850
1848 4 1849
1849 i 1850
1850 1851
1842 i 1843
1849
1848
4849
1850
1840
1850
1817 1848
1818 1844
;mi a
i850
K50
.51
846 a 1847
1850 1851
184 i 1850
1850 1851
1849
1850
1850
185
3/056
100/00
lOO/WO
229/444
10/000
H2/5"0
Uo/480
131080
78/640
1651080
33/600
200/000
69/720
6/630
13/6H
30/556
92/500
30/147
57/000
271222
141960
10/247
165/25*
23/940
TOIAl.
575J000
IF/KM
788/580
3/091
209/01
4r#!j
17/153
4*
22/869
3/091
10OI015
3.1/881
41/119
27/153
13/005
22/869
7106
139/476
22/574
27/419
18/112
8/p
1.5/746
20520
7/504
104)76
79/40S
38/100
I0lf667
25/000
47/333
41/313
8/000
8(000
81000
8/000
201000
144 00O
71/000
4 4/HK)
2/167
669/333
46-6O0
72/000
3/733
10/000
villa do Llmoelrb > 140:000,000
. Art. 16. Com a calcuaento daa
.11.1 desta cidade :, 16i0O0,OO0
.Art. 18. Com o subsidio ao Ihea-
tro de S. Ii.bel, iocluloda-se o or-
denado do administrador 9:100.000
t rt0:l60.000
Art. 17 Cora 01 reparoi dai taa-1
ItUes, e do convento do carmo da"'
CoitDna, t ie ooncedendo deste
auiiiio quellai cujoa paroohoa pro-
varem que tem obtido de aeus com-
parochlaaot uietade do auiilio pre-
cia para a obla j daodo-ae uw
codo de relt para a concluso da
capefla do hospital dot laurot, e,
ig tal quantls para cada uina daa -
initrim del.lmoeiro, Pao d'Albo,
Salguelr, e Oricury.
CAPITClo 5.
Sfguranco publico..
Art. 18. Com o corpo de polica,
atado ai sobras que houverein, em
eomeqnencla da redu;ao feita no
ternero das pracas, appllcadaa a ,
inatruccao dai estradas de|lgna-
daino art. 14, a laber:
j I. Com o suido, fardamnto,
giatilicacoes, forrrg'nse transporte 147:009,800
11. Com o armamento, equlpa-
aarMto
I 3 Com aaaD.rimento para o
curativo das pracaj ..,
I 4- Com agoa, e loa para 01-
qoniele no corpo, a doa, dealaca-
4'Ja/WS
1:146/07
!lttila<;fto da Divida.
loalruccao publica;. .
Saude publica........
Soccorroa de beneficencia.
Culto publico. .
Cobr.nca e arrecadaco. .
Despeas eventnaea. .
Rl.
575/000
lOiOOn
786/M30
472/066
1:146,079
1:323/866
4:3i3/5i
TT
1:323/868
4:313/59
16:000,000
4:000,000
4:000,000
:i -ii-
aVrt. 19. Cora a illutnlnaclo pu-
Micla daa cldadei de Reclfe e Olin-
da
CAPITULO 6.
Sercorre da benifiemeia.
Art. 20 Com o hospital de carlda-
de
8 nico. Com o aluguel, e repa-
ro, da nasa
Art. II. Com o hospital dol laia-
m
Art. 12. Com oa espolioj
Art, 7*. Com o sustento, e cura-
tivo iloi pretot pobres
Art, 24. Cornal religiotai do con-
vento da Solidado de Goianna, com
as recolhlda de Iguarast, e da
Concelcao de anda, e com 01 Re-
ligiosos Capocbinhoa, sendo telt
centot mil lelt para cada u do
dona priineiroiconventos, quinben-
lospara o segundo, o olio centoa
teiseuta a quatro para o ultimo
CAPITULO 7.
Callo publico.
Art. U. Com os coadjuctores daa
freguesiaa
Art. 25. Com o gui.ment, e fa-
brica daa matrlle
2:000,000
165^069,800
63:765,500
10:000,000
2:000,01.
. I:o0,000
tfcMTOieOO
10:000,000
28.0,00O
ttagado vacura conanmldo nos muoicipioi do
Recile, Oilnda, Iguaraas, Goianna, Nasarrlh,
Pao d'Albo, Victoria,; Cabo, SeriobAem, Rio
Formoso e Agoa Prela : not ou'ros municipios
10 pagarao ette imposto aquellas, que talha-
rern carnepara negocio; e 01 creadores pagarlo
o rlislmo.
S 5. Ditimu de gado cavallar.
8 6. Srllo de heraocas a legados, flcindo re-
vogadot oa artigo! 34, gg 9, J8 e 39 da lei o.
lio de I de malo de i844,
SI. Meiaclaadot escravos.
8. pm mil lia por eacravo despachado
para i'ra da,provincia, eaceplo o que for em
cornpanbla'doseU dono e a'scu scivlco, leudo
cobr.do este iuipotto desde ja.
J5 9. Emolumentos da polica.
$ 10. Dea per cpto de nnvoa e velbos dlrel-
losdos empregadoa provioclacs.
. { 1 (. Trea par oaato conudoa aobra 01 ala-
guis dat catat em que seacharemus aeguln-
tet etlabcleciraeoloa, a taber : botica, loja em
uc te vender aretalho, de cambio e de mobl-
a, arinaseln de carne recca, de madclra, de tl-
iollo, de cal, de capim, de assucar, de til, de
f.iendii, de farlnha, de nsolhadoi, de mcame
de couros, de drogas e de recolber, laverna,
boiequlm, senaria, "olaiia, lypographia, co-
cbeliaa e cavallarlcas de aluguel, prensas de
.igodo e fabrica!.
f 11. 40,iiOC n. tobreai casaade modal.
S 13. Cein rli por libra de tabaco fabricado,
eeiscenloi ril por arroba do nao -fabricado,
mil ril por milbelro de charutos e cigarros
qu.renta ris por caada de bebidas espirituo-
sas, e oitocenlos ris por arroba de sabio : es-
tes Impostos serio cobrados das casas que ven-
derem os mencionados genero! para consumo,
(cando porin eiceptuadaa >s fabrica!.
5 14. Vlnte por ceuto d'ago'ardenle conau-
1111,1,1 na provincia, fleando isentos diste lin-
poito, e desde j.i os depsitos e fabrlcak.
S 15. Cinco mil ris por matricula as aulas
de instrucco superior.
16. Cera rail ris em cada casa em que te
venderem bilbetei de lotcriai de outrai pro-
vincias.
17. Pedagiodas pontei e estradas, conti-
nuando era vigor a disposicao do paragraphu
17 do artigo 3l da lei n. 161.
fi 18. Rrndimeoto do evento..
10. Apprehences pela polloia.
g 20. Multai por infraccflei.
g 2i. Vinte mil lii de casa de Jogo debi-
litar.
g 22. Producto da venda doigeneroi, uten-
cllioi e proprioi provlnciaei.
g 23. Melade da divida activa anterior ao
priuieiro de julbo de 1886.
g 24. Divlua activa.
g :5. Rendlmento da capataiia do algodao.
g 26. Producto daa loteras do Iheatro de
Sauta Isabel.
g 27 Saldo do exerciclo corrente.
I"
de Almeida.
Secretarla da Aliembla Legislativa Provincial de Fernambuco, 3o de Abril de i851. OOliicial Msior, Rufino Jote Corren
CAPITULO 8.
Cobtanca, trrmdaeio. 1 /liealitaea'a
rendas.
Art 27. Com a thetourarla pro-
vincial, a taber:
t I. Com o Inspector, secretario,
portelro e continuo
i t. Cota o procurador fiscal, aeua
ajudantea, esenvao doi feltoa da fa-
seoda, solicitador e oluciaes de Jui-
tlca
)J I. Com ai quatro primeiraa lec-
(dei.lncluidoi duaenlos mil ris de
quebras para o tbetourelro
g 4. Com' a 5. Scccio a saber:
Com o consulado, (cando o gover-
no aatorisad 1 a reforma-lo, e dar
noto regulainento dentro do res-
pectivo crdito
- Cam as collectorlai, e promoto-
res atees
Com as tret agencian .
Cam a capalaiia do algodio
j b. Como expediente, eu-
aeio das caas daa quato priinei-
rai seccoes, e do conaulado
TITULO Hi.
Bitpotifo'et oerae.
Art. 34. Fla o presidente da provincia au-
torlsado a reformar a thesouraria provincial
nos limites do respectivo crdito vatado nena
le, e a aW-lhe novo regulara.nto, podeodo
c'iatMavivara coinptrr a eonnulaaao de que tra-
ta o artigo i'2 da lei n. 2a3, quatro dos escrip-
turarloa da meaifra reparttclo, que nao tenbain
iertencldo a exlincta thesouraria. Outroaim,
gual aulurisarau lite lica conced Ja a respello
do regulameuto docemiterio desta cidade, ea
reorganisar a secretaria da presidencia, dan-
do-lhe o conveniente regulamento, e podendo
crear mal! doui cuipregados de cathegorla iu-
kalterna, aoi quaei poder fater entrar em
exerciclo com os seus respectivos venclraentos,
nodevendo a dcspea proveniente da nova or-
gaoisacio exceder a quatro contos de ris.
Art. 35. O presdeme da provincia fica au-
1564,000 (orisado a vender pelo maior preco que em
' bast publica fur offerecido, ai aeii casal alus
na povoacao dos Atibados, que foram adjudi-
cadas a thesouraria provincial pelo sello de
heranca delxada por Joaquim Luis de Mello
Carioca.
Art. 36. Fica autorisado o presidente da pro-
vincia a comprar a D. Anna Perpetua Dantas
Senborinoa a casa que serve de cadeia na cida-
de de Naiareth, te atiltn convier ao aervlco
publico; caso porm nao haja necessidade a
mandar entregar logo, no inesino enado em
' que fot alugada.
I Art. 7. Fica autorisado o presidente da pro-
vincia a fater a despeza precita para dar a the-
souraria os coiuuiodoi do que ella mais neces-
silar.
1 Art. 38. Fies lambem autorisado o presiden-
te da provincia para applicar as sobras de ludo,
os arllgosde despeza, a consiruccio dai cura-
da! designadas no artigo 14.
Ait. 49. Ficamem vigor as disposicOes das
Icii de orcaiiicnto anteriores relativas a cu-
branca, arrecadaco, dmioiltra;o c dlitrl-
buicao daa rendas, que nao se acharem expres-
satuente revogadaa pela presente le; aislm
como fica tainbein em vigora primeira parte
Jl-lWonn do artigo 10 da le n. 283 de 1851.
i.zou.ouo Ar( t(| Flca e||lllinjaa d, divida activa da
a-iiiinnu thesouraria provincial a divida da cmara inu-
MI uOO nlclpal de Oilnda, contrai.ida para conceito do
5:600,000
1 708,00o
7:808,000
das
4:400,000
2:593,000
12:900,000
m arrorabo do paulano, aendo dbrigada a meima
thesouraria a restituir a quanlia de b69/3!3 n..
, .L "k *- I Art. 3. Coma secretarla da pre-
Antonio Ribelro, presidente da ildencia, a aber:
SoSm .n hPM?"mbuco- F,' ,,ber ,0- m P'eaoi. fican-
rUaYl. ,?.... >"}" que ""'"ble le- do era vigor a dl.po.ico do | 1. do
fe seguala dcretou e eu saocclonel a arf. 3. dalei 0. 283 14:600,000
Francisco
TITULO I.
kipno provincial.
Art, 1.0 presidente da provincia fica auto-
risado a despender no exerciclo de 1857 a 1853,
conforme a distribuido felu nos ariigoa se-
guirte! a quanlia de rcii 767:354,057
CAPITULO 1,
-4emMre prteincial. 1 neniara do goturno.
Art. 2 Com a aitembla provincial, a sa-
bir :
i I. Coro o Subsidio do leui membros em
tres meses de sesso 16:560,00o
$ I. Com a ajuda de cuito para ai
viageni de Idt e volca 1:453,000
S 3. Com 01 impregados da te-
ei alarla 8:410,000
4. Com o expediente easselo da
caaa 400,000
g 1. Com a publlcacao dol Iraba-
Ihoi por ttchlgraphoi 4:500.000
26~36300
7. Com o expedante, e alelo
da caa
1:1100,000
16:500,000
CAPITULO 2.
ImUucrio publica.
Art. 4. Com a directora (eral,
profenore c enipregados do Ijceu 18:400,000
g 1. Gom o expediente di directo-
ra 900,000
g 3. Com o expediente e asseio .
da casa do lyceu 400,000
Art. 5. Com os profesiores de le-
llm 4:500,000
g nico com o aluguel daa c-
sea 400,000
Art. 6. Cornos ordenados e grall-
Bcacoesdos professorea daa escolas
elementares, e a dispesa com papel,
pena, Ilota e o inals que for Indis-
pensavel para os alumnos pobres 46,131,1*3
I nico.Com o aluguel daa catas 6:8*0,000
Art. 7. Com 01 profesiores do. ai-
minarlo );850,0O0
Arl. 8. Com a astoclacio dot ar-
tistas
Art. 9. Com a bibllotheca publi-
ca a saber:
SI. Com a compra de llvro
2. Com o guarda
t:\PITULO 3.
Salubridad! publica.
Art. 10. Com os etupregadoa do
cootelbo de salubrldade, devendo
esta verba ser appllcada a obra do
Hospital Pedro II, coojunctaineote
com a quanlia designada no art. 11,
.(uanalo for creada neata provincia
a Junta de Hyglene publica de que
trata o rrgulauento de v de seletu-
brode 1851
nico. Com o expediente e ai-
ra telo da cata
700,000
4:000,000
600,000
86:133,331
Art. 11. Coma (icalisacio do con-
trato dai carnet verde!
CAPITULO 4.
Oora publica.
ArL 12. Com o peitoai da repar-
tlclo
6:600,000
600,000
7:200^000
3:100,000
f
9J;0,000
CAPITCLO 9.
ilpoMaladoa 1 JaltMdM.
ArL 28. Com oa apoaenladoi
Asi J9. Gom oijublladoi
CAPITULO 10.
Divide publica.
Art. 30. Cora a divida dol cirn-
elos lindos, aendo 25,000 ri. de subsi-
dio dos deputados provinclaes, per-
tearente ao eierciclo prximo lindo;
6,667 rs. que se deve de c aocoadjuctor do Bulque, Gallado
Firmino da Sllvelra, por conU do
esmo exerciclo, e pelo correte
446,871 ra. de Juros da divida do pa-
dre Jeronymo Uarreiro Rangel
Art. 3l. Com a divida do padre
Jeronymo harreiros Rangel
CAPITULO 11.
Drspttat aaenlaa!.
Art. 1J. Com as despexai aren-
luses, incluida a do estudanle An-
tonia de Araojo Pendra Jacobina,
e a daa Impressoes dos trabalbos dai
repartirse! provinclaei
1:8:2,130
T:44l,OO0
TITULO II.
Rcciila provincial.
Art. 33. Fica o prndente da provincia au-
torisado a eflectuar a receila para o exerciclo
da 1851 a 1853 com o producto da renda arre-
cadada, tob oa titulo! deiign.dos nos paragra-
pboi seguate :
!l. Tres por oento de aisuotr exportado.
2. Cinco por cento doa mal generot de
prudueco da provincia,que foram exportado!,
g 3, Decima doi predloi urbano!, aendo co-
brada no Interior da provlocia lmente noi tu-
gare! em que houverein uns de cera casas, e
das que pagaiem mail de cincoenlamll rlt da
aluguel.
I i Doui mil a quluhentoi rli por oabeca
!|ueieachaembirgada para pagamento da re-
erida drrma.
"-- Arl- 4|, Oa|bem de evento passarao a 1er
^l4 o arrecadadoi administrativamente, dando o pre-
D aidente da provincia regulamento para este
Sin.
Art. 42. Feita a arrecadaco de qualquer Ira-
7:815.206 0,1o provincial, as conectas, em lugar de se-
11:691,079 reln notificadas aos conectados pelos respecti-
-~~"" vos agentes, sello publicadas pela Imprenta,
I9:5xo.2o5 Cootaiido-ie o praso para as reclamarles da da-
la deisa publicacio.
Art. 41. A obiigacio de prestar a Ranea exi-
gida pelo artigo 29 do icgulamento de 11 de
abril de 1842, nao compreliende aquem quer
que comprar ou vender uin ou inais escravos,
por al ou ppr ordein de terceiro; mas smenle
o que exercerem a industria de comprar e
vender escravos por propria coma ouporcom-
missao.
Oaqac estlverem neile ciso serio notifica-
dos pelos agentea da recebedoria para presta-
reiu li.uea, ou apieacntareui suas reclaraacoes
dentro de 30 das, com recurso para o tribuual
administiativo, e nao sendo attendidos, neui
prestando a lianca, lmpor-ae-lhei-b4 entao a
malla.
Art. 44. Fcain revogadas ai diipoii(dei em
contrario.
Mando por tanto a todat ai autoridades, a
quemo cunhecliiienlo e execucao da relerida
_' lei periencer, que a cuinpram e facam cum-
iv.wo^yv pj^ |io i,erlllienie coaio neilaa se contem.
i-m.''7 seeretarlu da provincia a faca Imprimir, pn-
__!.:__. blicar e correr. Cidade do Reclfe de Pernam-
buco aos 7 das do inri de malo de 1852, trige-
liuo-priiuctro daindepeudencia e do imperio.
L. S\
Francitco Antonio Kibtiro.
Carla de Iti pila quat V. Ex. manda tXteau.
o diento
riJu..'(uiunrciuno.. .
dcipisa para o auno frunciiro, w Aa 1 correr
do .-dcjullw de |812 ao uilirn dejunho di l.
aa fuma ucima declarada.
PataV. Ex. ver.
Domingoi J011 Soim, a fax.
SellAa e publloada na secretar a da pro-
viada de Pernambuco em 7 de malo de 18
Jeaorlo P.ralra di Auredo. to. mo.
Regulada a B. do llrro 3.. de lelt provln-
cUei. Secretaria do governo de Pernambuco,
14 de malo de 1852.
Joio Bominguit da Silva.
EXPEDIENTE DO DIA 10 DBJIAIO.
OlncloAo Juli relator da juma de Jatlica,
Irantmitlindo para aer relatado em aesio da
mesini Junta, o proersso verbal felto ao solda-
do do quarto balalhlo de arlllharla ap, Anto-
tonio Cardoio.Conimunlcou-se ao comroando
das armas.
Dito.Ao ebefe de polica Interino, disendo
flear sclente de haver ildo Antonio Francisco
Diaa nomeado caicereiro da cadeia do Ouricury,
ein28 de abril do anno prximo passado, e lo-
mado posse em 12 de junho do mesmo anno,
cuiupilndo. que Smc. informe sobre o veucl-
mentoque deva o mesmo tn.na conforinidarle,
do art, 50 do regulamento de 31 de iaoelro de
1842.
Dito.4.0 director do arsenal de guerra, di-
xendo que pode despender a quanlia de 42/000
com a compra de sete Iravrs, de 40 palmos, de
madefra de macaranduba, que Siuc. requiitou
para poder aaiisfaxer o pedido, que devolve, do
commandante da ferale do llruin Coiniini-
uicou-je a iheinuraria de fazenda
Dito.Ao juit de direilo presidente do tri-
bunal do jury, declarando que nao pode ter lu -
gar o que Smc. propoi no nfnclo,-a que velo a-
nelo urna represenlacao Jos juizet de facto da
presente sessio daqusll tribunal, acerca da
transferencia provisoria do meimo tribunal
para urna cata particular, correndo a necettarla
despera por conta dos referidos Joltet de fic-
to ; e recommendando que Smc. lembre ootro
indo, que Ihe occorrert, enlndendo-se ooin o
director das ohrai publica!.
Purl.ria.JHuineando de conformldade com o
art. .1 dal provincial n 186 de 17 da malo de
1851, a Francisco llaphael de Mello Reg para
um dos lugares vagos de engeuhefros da di-
rectora daa obras publicas Fierau-se oelte
semillo i convenientes coillllltluicacOfS.
Dita.-.-Nomeando, de conforinloade cora o
disposto no art. 3 da lei provincial rr. 286* de 17
de maio do auno prximo panado, a Joaquim
Pirca Carnelro Monteiro para um dos logares
de ajudante de engenhelrns da directora daa
obras publicas.-.-Neste sentido tiieram-sc ai ne-
cessarias cominunicacdei.
llil-.M DO DA II.
Ofncio.Ao eu minando das armas, remetien-
do a relaciodos aprendiiesdo arsenal de guer-
ra, que foram qualificadoi manoebus, aflin de
que os mande addlr companhia de artfices,
nos termo do artigo lO.do regulamento n. 113
de 3 de Janeiro de. 1*42.
Rehcao d que ic re/en o o/ficto a cinta.
Vicente de Abieu.
.11111.111 Judas l. 1 eo.
Selgino Flntano Exequlel.
louocenciu Ferreira Alesandrino.
AnLniin liarlhoialiicu de Maltol.
Comrouolcou-se a thesouraria de rateada e ao
director do mcsino arsenal.
Dito.Ao mesmo, para mandar por era li-
berdade o recruta Ignacio Jos da Silva Santos,
3ue srguodo iiir.irmou o subdelegado do Poco
a Panilla, vive haliitualmentc empregado aa
lavoura de um teireno que tem dr renda.
Dito.Ao mesmo, remetiendo novamente o
requerluiento do padre Joaquim Vlrlsalmo d"a
Aojos, aflu de que, tendo em vista o aviso do
iniuisterio da guerra de 16 de abril ultimo,
respeito do padre Ciirisuiv.io de tiollauda Cj-
valcanll, diga o queman occorrer 4 carca do
mesmo requerimnlo.
DH0.--A ihesoUrarU de faicuda, par! que.
vista dos pape s que remelle, mande pagar a
Mara osa Ferreira, o aluguel, que ee Ihe esla
a dever d.i can, i|ue ierre d cjuartel a desta-
camento d 1 l'ocn da Panella.-
Hito A incsina, Inteirando-a de blver defe-
rido, era vina de sua informada,- o requeri-
mnlo em que o capitio Antonio Joie doa Pas-
aos pedia couslgnar de aeu sold nesla provin-
cia a quanlia do 20/ incnsaes, contar do 1" do
coirenle, ao ultimo de agosto do anno prximo
vindouro, para ser entregue a sen procurador,
Francisco Pialo da Costa Lima, liendo-se as
necM.anaiCtU'laraccs na gula do referido c.i-
pliao. Coinmuuicou-se ao commando dai
armas. .
Olio.As inspector do arsenal de rnarinha
declarando que expedio ordem ao director do
arsenal de guerra, para mandar entregar a
Smc. o lete calxea com corrame, que tem de
irguir na barcaja Dout Amigit paa a provin-
cia dai Alagoai, de confoniiidade eom o con-
trato celebrado com o mestreda meima barca-
da.Neste sentido ofnclou-se ao referido direc-
tor eao Kxm. presidente daqucll. provincia.
ilo.Ao director do arsenal de guerra, auto-
ilsando a despender a quanlia de 724|70O, com
a compra dos nbjectos neceasarloa, para que
4tnc, possa sallsfaseroi cinco pedidos, que re-
melle, rubricados pelo m.rechal commandan-
te das arinas.-Communlcou-sc a thesouraria
de faienda. .
Dito.Ao juli de dlrelto da commarca do
Brejo, remetiendo o requerimnlo em que Leo-
nardo Heserra Ca-alcaull da Silveira. pedia ser
confirmado no officio de escrlvao privativo do
iurv e execuedes criminaes do termo de Cim-
bres, aflu de que a respailo de tal pretenjoo
se cumpra o disposlo no decreto n. 817 da JO de
agosto do anno passado ..,,%.
Partatfa ao agente da companhia daa bar-
cae de vapor, para mandar dar passagem, pot
conta do governo, para Bahia Francisco An-
tonio da Silva e Antonio Perelra, que obllveram
bilxa do exercllo.
Commando das armas.
Quarlel general na cidade do Beelft Hefa maio
de 1852.
OaDIH DO da r. 91-
O marechl de cmpo coroinridnte das
armas lendo prevenido em ordem do dia n.
71 de 23 de fdfr-relro, que e I proceder os
ernnes dos ofllciie, cadetes e sargentos
doecorposdo exercito em gutroico nesta
povincit, presoriptos nos artigos 28 e 29
do regulamento do 81 de maio do 1851 ptra
as promocOes do exercito, havendo em or-
di-to do dia n 77 de 6 de mirco notpesdo as
respeclivas cotnmissOes da examel para as
dilTrentes arroas, obser que t boje nao
oslao entregues no quarlel general rela-
cOes nomiuses por ordem da merecimento
dos exsminsdos, organisadUs de confor-
miosde com o disposlo no "V*0.3?,^!!,"'
mo regula tent consequentemente deter-
min, qdesem parda de lempo Ine sejam
Secadia par. lerem o devldo destino e
a.7e express.da no .rt.go do supracta-lo
regulamento. que segu transcripto :
.Artigo 27. A autoriJades, ou qutes-
auer empregados militares, que as pocas
marcadas deixarem de remelter as informa-
da asismWea ligUtaliva provincial, que I ,aei e rnaiSBBDeis i que forem obrigsdos,
aneeionar, oicamdo anaila 1 !>" 4 que Il80 HllaBzerem em lempo S exi-
geociis da secreltri de esta lo do negocio
di guerra para esclireclmentoi dis mes-
mas Informicdes, serio por isso reapons
bilisados. .
Aaono Correa Seara.
85J.
MUTILADO l


*-
EXTERIOR.
V
SErNADO.
Viicurt pronunciado pele jgatidmle i lea-
do na mito de %$ Snhores cMtforos.0 mreglo bfiftar-
sa I tem inaugurado UIDI no era.
Fon do sufl'ngio universal nada de est*-
vel tem podido ser fundido.
A base do po ler do primeiro cnsul e do
imperador era lio solida que par ubala-la
foi precito a llianga dos soberanos de toda
Europa, poderoaamente sjudados pele l'ei-
cfio, e inda apelar disto, oodlgo, systemas
administrativos e financairos, instltuigOes
judicierjes e religiosas flcaram cm p. A
unldade nacional fui reanuda apezar do es-
trangeiro, apezar da ac(9o dlssolvenle do*
reinos partidos.
Cm 1848, a nago, tondo entrado outra
vez no exercicio de sua soborani'. procie-
mou a repblica, mas quaodo foi preciso or-
ganisa-la,o nome deNapoleOoolTereceu-se
ao pensameoto da immensa maiu'ia.
Com seu instl co maravilhoso, o povo
couip eheodeu que ule nome era a podero-
sa peraoniflC'Clo do que sempre elle quiz, a
ur tem e a liberdade no interior, a indepen-
dcncia ea grandeza nacional no exterior.
Elle roroprebendeu que aclamando este no-
me pela quarta vez, se engrandeca a ai mes-
uio ese vingava das iraigOes de nusso ultimo
campo debstalha.
A poltica do principe que traz dignamen-
te este nome nio podia ennvir s vistas mes-
quinhas e apalxonadas de iodos os partidos
exclusivos. Por ialo, ss collisOes aa mais
monstruosas fonnaram-.e contra elle; ellas
quizeram op. or-so livre manifestaglo do
voto nacional. Foi mitn que, fono pela su-
coneciencia, pelas suaa patriulicsa inlenges,
rom os olhos lisos no seu immorlal mo-
delo, o eleilo de seis millios de sufragios,
resolveu-se decididamente a fazer reapeitai
o verdadeiro, o uoiro soberano que ni lo-
dos recuohecemos, o povo. Tal he, senho-
res, a resflo doappello que liio foi feiio a 2
de dezembro.
A Franca respondeu segunda vez de urna
maneira mais terminante anda que da pri-
ineira. Fila S8nlio que o sobrinho do impe-
rador devia ler urna bern viva appreheuso
sobre o nosso futuro para tomar urna tu
audaciosa iniciativa. Puristo n3o so o povo
o absolveu, senSo llie deu o poder conslitu-
inle. A conlianga fot sera limites, porque
senlla-se ludo o que havia de ho n senso
pratteo o de fianqueza nosle appello feito
nacflo inteira.
Luiz NapoleSooSo quiz improvisar urna
consiituicSo ; elle quiz que ella tosae.a coti-
s-quencia do estado da nossa socio la le a
nflo o resultado de combinagdes ideaes.
Cite pensou que sendo urna ohra perfec-
tivel, era bstanle que contivesse um peque-
no nnmero de principios lirados de nossas
diversas jnstiluicfies.
A idea da organiaacAo de nossos poderes
pblicos, vos saiieis senhores senadores, on-
de ella foi bebida. Eta orgaoisacSo fez da
Franca a grande nigSo.
Para estabelecar esta nova ordem de cou-
sas na presenca de tantas paixtVs hostia, nOo
era necessaria a .liria tura ? Esta dictadura
tumi i n;i hfj As lois tomam outra ve/ lodo
o seu imperio e os grandes corpos do Esta-
do, principian) as suas foneces.
Vos sabis, senhores, oquedove ser o si-
nado. Nao estamos encarregados de fazer
leis. Poder essrncialmente conservador e
moderador devenios vigiar sobre um peque-
no numero de principios; devomos aproxi-
ma-lo* constantemente das leis e decretos
e assignalar a sua harmona ou discordan-
cia. Ealea principios nos os adiaramos en
nossos costoaies, as neressidades de nossa
civilisacuo, quando ellrs 1180 eslivessem es-
criptos crii nossaa leis. Tendo-os sempre
presont", vigiando-os, lemos a certeza de
favorecer as vislaa do principe Luiz Napo-
lefo.
A constituicSo alada qoer mais de nos
llevemos regular por senatus-coiisullos or-
gnicos, oquefor necessano sua marcha.
Podemos Analmente propor ao presidente
da repblica aa base* d leis de um grande
interesse nacional. Vos vos conservareis, se-
nhores senadores, na altura de vossa mis-
sSo. Estranhos a todo outro senlimento que
no for o do li. ni publico, do interese daa
massas populares o de dedicacSo ao paiz, u
chefedo Estado achara em vos aooio li me e
enrgico nos das de tarigo, coAllieirossa-
bios, moderados e elementes ein lempos de
paze do prosperidade, enSo quando se tra-
tar de fazer esquecer as nossas discordias,
de sanar as ihi-ms chagassociaes e de fazer
de lodos os Francezes urna s familia.
Inaceasives s temposlades que se pode-
ri.iiii formar fura desie recinto, as vossas
deliheragdes serilo sempre cheias de calma e
de mageatade. Vos deveis ser verdadeiros
jurados polticos.
Taes sSo sos meus olhos as altas e grandes
attribuigoes desta assembla, na qual dn-
vem-se grupar todas as illustraces da
Franca.
Reunindo-a pela primeira vez, permetli
a aquello que tem a honra de a presidir duas
palavras a seu respeilo.
O irmo do imperador, um dos velhos sol-
dados de nossas grandes guerras, julgava a
sua carreira acabada ; elle vigiava com pie-
dosa soltcitude cinzas gloriosas e veneradas
quando o presidente aa repblica fez ap-
pello ao seu patriotismo e a sua dedicacSo.
Depois de tantas vicissitudes e de tantos
anuos de exilio, a Providencia deatinava o
ultimo sanador que exista do imperio, para
sor o primeiro meuifero do senado de nossa
repblica.
Feliz e orgulhoso desta misslo, elle acei
ta com aaliarac3o o achar-se deste modo
com o annel intermediario que prende o pa*-
sado ao presente.
d**!#* e estolle, 'taita, randa pubitoe ha avallada,eaf-ioo mUMesde
,o qua Ib. .fferj^.prlte-* O -T* f^SJ fcX.
hea auccede m
ie dua.aalUaa
a a par* hi-
nque asb*-
io pude durar,
, soberano Mm
incens no W>...
meiru eaniaal, pronuncia alguna vera icoles l""*
Ncila ama das mais bellas oraeBei de to-l JJJ*'
daa lithurgiacatholiaa. Ilepoe de oU na,
roft qu. forma o centro do ramlbete e qun^rl
eati preparada para este flm urBpoucod* (no*1...
balsamo do Pei, a um pouco deaUali* en M4aa*WW*"wAr^,u^.,*^^J*J>'r
p, aspergeegoabenleea ucenga. O ceTi- longTo tempo .le P^ ^fc1:
io da cmara
leva diante do
osl enllocada no altar, abeixo oa cruz, ero w'ifcuVolVan'lug.
um rico veo de asda corda roaa burJado da EiJenaJ. o aceta
oiro. Abi ella floa exposta luraute toda"*
misaa a be depois levada para a sacrista pe
:
itRoabenlaea ocenca. O c en- loogeotempo e.n que pooere.... .;.
r/tom. e,flo a Koa. de curo j ^^^JfTr^.^
doP pa al na capel' oado elhj ^,;u(0ll,lldo ,ch cm .eu pon., .bri-
da oo altar, abaixo da orux, OjO a^fi(1rci%,Ir',Ba**ria,qire Ib* pro-
lo memo clero da cmara.
Outr'ora quando o Papa se transpOrtarVfl
capaila na erfia gestatoria, traz,i-elle itMam
a Rosa de oiro aa mo eaquerda e coai a di'
reita abancoava o povo. Cpe,ga4o'ao.aeu ge-
nuflexono, elle "rljIfg'TlJ-'Pf* <-ordlal
dicono assistenie, wqufo passava para o
clrigo da cmara ; -depoia da miasa, o
Papa a toma va outra v*ze a irazla da mes-
ma maneira pela qual a tioha levado a ca-
I"-'11"- .
Em lempos mal* remotos a ceremonia ra.
ia-ae em Santa Un de Jeruaalem. O papa le-
v.va a cavado deaeu palacio de Latrfto com lo-
da a *ua orle, a qual formava uina brilhante
cavalgadlT Chegado Bailllca ah cantara a
inlita luleinoeiuenie, e depola doevangelba,
elle diriga ao povo uina hmuih <. O papa Fio II
fea, segundo dliein oa historiadores, com una
cloquencia digna de aua alta reputa;in. O pa
pa lomando depois na ino a roaa, queelleo-
nha o cuidado de a bcuier anlea com o rilo que
trinos deacrlplo cima, a Taiia (ilustrar ao povo
e Ib* eiplicava a mvslcrioaa sigoificaco. De-
pola da ceremonia vollava para a aua realden.
cia de l.airao cun toda a aua corte, lendo na
uiu a Roaa de ouro. A bride do cavado do pa-'
pa era aegura pelo prafeilo de Roma, vestido da
purpura e com cadelat de ouro. Na porta da
baslica de Lalro, eate inagiatrado ajudava a*
papa a deacer do cavado e segurara llie o eatrl-
bu. Eiu recompenaa dos seus officioa, o papa
llie 1.1/ia preaeule da'rosa de ouro a qual o pre-
feito de Roma recebla de joelboa depois do que
elle beijava devotamente oa ps do aaolo padre.
Foi sua eminencia ocardeal arcebispo de Be-
ancon que canlou a initsa. Todut os orna-
mentos do celebrante, dos asalilcnles e do altar
sao da cor de rosa. O proprlo papa trai uina
capa de asperge e de una estola da iiieaina cor.
Os cardeaea leein a utaina, o cinto, o capua e a
iii.iio leu da iiiesma cor, e irazein esta cor, du-
rame todo o da, o qual nao he chamado ein
ra, como se v, o domingo Latero e o domingo
das llosas.
.).t.v9m.municado.
()jornal VLnivers oscrevo de Roma o se-
guinte:
A 31 de marco o Santo Padre fez, como lie
de coslumo a benefiu da Rosa do oiro, logo
antes da missa do quarta dominga da Qui-
restna, cbamada commumante por causa
desta ciicunistaiiria, a dominga das Rosas.
Esta ceriroonia interesante dala da puca a
oais remota. A Rosa de oiro he enva la
no correr do anno a um soberano, ou ni is
ordinariamente a uina rainha catholica. En-
tre as princesas que a tem recebido nestes
ltimos lemtnis, pode-se cilar a rainha do
Piemoote, viuva de Carlos Alberto, e a rai-
nha de aples a quom o Santo Padre fez of-
ferecer a que elle linba benzido em aeta
durante a Quaresma de 1849 Quando a (ro-
sada aiio n3o recebe iienliutn destino no
correr do anno que segu i sua benciib, ella
lie banta outia vez oo anno seguinte, e no
n'a aubstituem sent quando ella tem sido
entregue a a'guma priaceza. He isto o que
explica como os agentes da Repblica pode-
rarn roubar no principio do anno de 1849,
a Roaa do oiro que ae achara eolio no tliu-
souro da cape|la pontifical.
Ets aqui coeao.ae faz a bengjo. A Rosa de
oiro, qu para fallar com mais esteza, ors-
iiiilbete de rossa de oiro, porque elle be
coBiposlo de umaa dez flores conlidas eru
um vaso da urna forma muilo elegante e de
ummuito rico Ira bal no, be ox.o.lo na sa-
crista, sobre urna meza entie dous cirios
acasos. Logo que o Santo Padre se tem
transportado par* a capelra Sixlina para as-
sistir a missa, a Rosa de oiro Ihe he apre-
seatada pelo ultimo clrigo da cmara. O
L-seno Sew-Toit: tourrrand Enquirrer:
A forca da ripedi(o que ae prepara eui not-
aos postos militares, e a nomeaco do official o
mais dlslinctu, e que passa pelo mais apto da
nossa marinha, u cominodoro Perrr, para o
coimnaudo daa esqadrasdot mares da ludia e
la Chloa, tem naluralineute citado urna eu-
rioaidade mais que ordinaria sobre o lini da ei-
in di. ,m. Nos lucimos procuramos obter infor-
mjfes e temos a salisfa(ao de poder annunclar
.ir um indo, qneseu leu he essencialinente pa-
cilico e que Jo outro lado que ella be bastante
poderosa para fazer-ae eiu lodo o caso respeitar
e obter reparaco das qucias que ella eal en-
carregada de fazer valer
O imperio do Japao cobre urna superficie de
mala de I (,000 milliai quadradas entre oa 36 e
oa llgros de latilude norte e os 1)9 e 143 de
longliude a leste do meridiano de Greenvrlcli.
A cifra de sua popularn be estimada ein SO ml-
Ihes de almas, derrainadaa em um archipela-
uo. cujo linoral he inaia cteos i que o dos E-ta-
d m-Ciii ios as margena do Atlntico. Eale
archipelago nao ao fica frooleiroaa nossaa novas
liossessdea no mar Pacifico, aeuao as suaa duas
grandes ilhas, Nephon e Yesso, formain o ea-
irello de Sangar, que ceios de nossos baleei-
ros airavessain todos os anuos *em poder acbar
.iin nem agoa, nein lenba, nein vveres, e nein
ouira perspectiva, quando a leinpetlade langa
os seus navioi aobre as cosas que a cacravidao
ou a inorte. O Japao nao recusa smente en-
treter nenhuina relacao polilica ou cominer-
cial com o reato do mundo, i* ialo he_nma ques-
i ni que se deve discutir se elle tem o iiueiio
de ae conservar asalin separado do resto da es-
pecie humana; scuo ral mala longeanda. Se-
ubor de urna numen,, eitenso de cosas, elle
nao recusa semiente abrir seus portos aos na-
vi.a que procurain abrigar-ae, aenao tambein
repelle a Uros de cauho todasas vezes que elles
se aproilmain das costas! e quaodo succede
perd iem-se ah, as suas Iripulacdes feito prl
sioueiras sao levados pelo paiz eiu gaiolas como
animaea feroies, reduzidos escrarido
morios.
Ora nos negamos o direito a qualquer povo
cslabelccido cm um litloral qualquer dos oca-
nos, de recusar deste modo lodaa as relaedea
commerciaes com as oulras nac.des. Os povos
clvilisados podein tolerar um igual estado de
cousas por lauto tempo ciuquaulo elle nao lem
iullueucia em seu coiuincrciue na prosperlda-
le gerai da especie buinaiia, mas na tustesila-
uioj que be o, dirello dos povos civilisados e
chrlsios loif.ir que iguacs barbaros sesub-
nietuiii i l,i universal das incoes, que aceilein
certaa relacdea com aa oulras, e susteutamoa
lobreludo que he o dirello de todos os povos
ter entrada para oa aeut nanos balidos pela
leinpealade em lodos oa porlos e em todas as
cosas do inundo, e eligir em iguaa casos auc-
corro, proiecco e bospilalidade para os seus
pavilhes. O Japao nao quer adinltlir um lal
direito. Entre os centenares de baleeiros ame-
ricanas que passain cada anno u estrello de
Sangar, alguns ha que o ino lempo arreinccar
sobreests leri iris costas e a consequenciabe
para as auas cquipagens a prisao ou a inorte i
quanlo aquellea que uio sorTrein seno avarlas,
ein lugar de adiar portos onde se refacam, so
obrigados a continuar sua riagein emullas vetea
com grande perigo. lia mulo teinpSque dura
este estado de cousas, o nico faci da pre-
senca, o anno passadn,nos porlos das ilhas San-
dwich de lil de nossos baleeiros laucados longe
dos lugares c'a pesca.porque nao jiodiam ir rela-
zer-se cm ueubuin dos porlos do Japao, musir
nao s a importancia do nosso coimnercio na-
quellas regits, seno o direilj do genero bu-
mano, em prnteger-ae elle niesrao contra estes
barbaros que Interceptan! de fado lodo o com-
una to dos marea Amaiello e d'Ucbetsk.
A aduiinislra(o fioaliiienle decidio-se mu
sabiamente a obter ealiafa(o das qucixaa ante-
riores e a eiiglr que para o futuro os luariubei-
rus do mundo elf Hitado, quando loreui lauca-
dos pela fortuna do mar sobre as coalas do Ja-
pao, ouobrigadoa a procurar abl uin refugio,
aejain tratados com huinanidade. He para ob-
ter eate resultado que o coininodoro Perry foi
posto i frente da ezpedicSo, a qual se coiupde
dos vaporea Suiquchanna, Uiiiissipl, Pr'itceton,
das corvetas t'li/mouth, ainte Marte, Stfatoga a
charra Supply, e ae somos bem informados,
ella leva cuiusigo pecas de campauba e lodo o
material neceasario para um desembarque em
Ierra O coiiimudore Perry uo pedir smen-
le reparaco do passsdo e a liberdade dos pri-
sioneros americanos que posaam estar presos
no Japao ; exigir ainda a liberdade de todoa oa
prlsioneiros perleucentes s oulras naedes, in-
slstir para que de boje ein diante os naviusde
todoa oa povos do mundo liuham dirello de r-
fugio, em caso de ino lempo, nos portos do
J.i|iiin, para que elleapoaaain abl reparar-te,
para que possam ie novar seus vveres, ein urna
palavra para que recebam soccorro e proiecco,
em vea de rer punir de tnorie, como hoje se
pralca, aquelles que Ihe presiam alguin serri-
no. >o que respeita aocoinmercio, nada de-
ver ier feito seoo por mcio de nrgocia;o
amlgarel e o coininodoro nao estipular seno
para os Kstados-Uuldos; mas elle dever eia-
pregar todos os seus estorbos para que o dirello
de refugio seja extensivo a todos os parilhes.
Peutamoa que elle nao tentar exigir o dirello
de ler estabelcciuienios em ierra, mas aejain os
portos aberlos, e Isto ser bastante. Este gran-
de imperio nao ser um paiz deaconbecido.
Talrez tenba de correr bstame lempo antes
Iueicnliamos odireito|dc irinoacominerclarein
edo, a capital do imperio, mas nao estaremos
multo lempo sem que algum bail Yankee nos
diga te esia cidade tem na rerdade dous inl-
Ihea de habilames, como dlzein unt, ou ou
mil smenle, como oulros o afllrmain. ilavr-
uios de taber ein breve te o eaercito imiierial
se coiupde de 523,000 bomens, ou de cerca de
um milhao, dos quaea 100,000 silo de cavallarla.
y que ja sabemos be que o Japio produz'eui
enormes qu.ntidades o arroz, o trigo, a cevada,
(JSe, Josa Pedro-da Silva sproveilando-sa
a'in la da sus posicSo na assembla prqvio-
clal, profffrxo segunda vez fallar da repar-
licito 4a obtaa publicas ole a para respon-
der ao m u communicado ingerido no Da
rio de Pernambuco n 78, de S de abril p. p.,
como tamlicm apreseotar slguna faclos n-
leirameota deaflgurados. o expostos de urna
maneira maliciosa, aflu da molbor poder
conseguir o seu fl, roparlico, a a*melfi*,*u4o>io*Cfgo, que
para suavisar a farila aJatjaj* vlentad, sopra"
o lugar es o,danto hup's 0 wngoe.
Confesando o Sr. Jos Pedro que hsvis
errado quando disse que ,0 caes dq Apollo)
ttnha aofTrido cuco or(amntqa auplerpenU
res, disriilpou-sa dizendo, que se ouganra
pois quera faef do eterro da basa, da da-
teoclo, e eolio com tola a sem cereaonis
propri. de quam, ouquerocoaltar verdade,
oa falla em materia que Ihe he strtnhs,
Jisse, que n'esta obra pouverim finco er-
camentus suplemntitaros.
Aonde Sr. Jos Pedro, enconlrouJV. S. cin-
co orfameotos supplemeotares nesia obra ?
Ser porque este aterro tem sido dividido
em diversos leos, que 8. S. considera Ja-
da um como um unamente sopplementtr?
Ignora S. S que multa* vezea se costuapi
dividir urna obrl em leos para aer obm
mais facilidade executada ? Como provarl
S. S. lr eustado esse aterro a quanliade
37:1 lfi.7sll, a ler ao depois soll'ndir cinco or-
cameutua luppjemenleres ? isio ne asc*(>
ler M-ii-ntameiite a verdade, o que nao lies
bem ao Sr. inspector da IhesoUraria pronn-
cisl.
Admira-se mais o Sr. Jos PJH, quaesae
sterru t-nlia sido oxecutado por maior pre-
go, do que fui oreado; mas a isio devorrs-
ponder, que se o Sr. Jos Pedro examinir o
prego porque s- arremattrm alguna ator-
r_ le reaponder a actual lrr- "iaobrss
publicas, posto qoa tambe: ..unveram ra-
zoa bem fundadas para oa acoreacimoa.
Fioilmente sproseatoo 0 8r. Joafeilro,
o remenlo do d m pedia ne ajo do 1. Un-
co Ja asnada da Escada, aueWbi aldo or-
eado com ama eiiMC.1a.eM e58Dri#aa, e fot
jmi f'WMf reformado, diminuindp-se essa
slricio, como, que quercnJo com isio
manchar a replselo do eogenheiro qua
formulou tal orcamenlo, no obstante j
estar o Sr. Jos Pedro bem informado de tu-
io como si psssou. F.mbora nao fosse eu.
lo la va (levo explicar ao publico para qoa
nlo reste a menor' sbxpmta sobre pesaoa al-
guma.
He sabido queemseguimenlo ao dilo lan
co da estrada da Escada, no lugar denomi-
nado Tamandu, segue-se um podago de
estrada em terreno argiloso, vulgarmente
denominado masssp, o qual forma grandes
sloreiro durante o Invern, de maneira que
ae torna quasi inlransilavel pela estacan das
chuvss; eteado-se de empedrar o l. lan
codaquell* estrada parecia de ratBn, qne
se,Ihe reunase loco aquello pedagO de as-
ir da, quotiqbs apenas 90 bracas alim d
fazer'desapparecer aquella grande obstcu-
lo ags viaudanles; e entilo lendo o I.* lan-
c/560 bracas de extencjlo, reunindo aquel-
la outro pedaco frmate a exlrnclo total de
650 bracas, e nosle sentido formuluuoen-
genheird 'loriano Dsir Portier, o orga-
mento M'lrtttfortaocis de 5:005,000, isto be,
uaraza' He 7,700 a brag corrento de em-
pedraiHento ; declarando no' olllcio que
acompahuu-o, todas estas ctlumstancias;
porm estando em praga esta obra o ex-eo-
getobeiro dasta rep.rncau Milet, vendo 00
orcamentoaextengio de 650 bragas de em-
pedrameoto no I ltigo, i*oora lo a
nirenmstancia de estar reunido este i.* Isn-
u a vmiiia Jo Tamandu, por aupposigBo
ou qualquer outro motivo,diminuio a oi-
zesHo, que havia "WttengSe de man, pelo
que foi detprminadoa suspeogSo da arre-
matago, remettendo-se-me todoa-a pa-
pis para eu informar, peloqoe Uve de mos-
trar pela correspondencia olllcial que nao
liulia hivido engao algum da parte do en-
nenneiro Portier, a fazeodo ver do que oro-
vinba aquella dTeronga como cima deixo
dilo.
Eotao detarminouo Exm. presidente que
para nlo barer hiais duvidas se refonnasse
o orgamoulo, dimiiiiiinJo aquella parte da
varzea do Tamandu, e nesio sentido fui
redtirmado o orgamenlo, servindo de base
os meamos pregos.
Ora, eis tu lo quanlo se passou, e que
ae por fllboa aspaclaes aa mesma Auguita Se-
nh.ra.
Bemdlta a lourada tajis Miau rnlnba
baa mal, e milagrosa Sen*)ra da Panos.
a Eu Inajapa oraatura, ein raoonturclinrnio
da Vossa laSsiensa grantlcu, qurianb* eouieat-
piado neat Vossa EZ NRUrTO, hola me da-
claro por Votso eapeclat- lilh. ( ou tllra) .a
igual de inlnha filial gralido ; e condado no
Vano poderoslsslmo autillo pretendo, ein to-
dos os das, al ao mez de malo vlndouro, ob-
servar (sem que me obrlgue culpa alguna )
O seguinte :
I.' fciamloar lodos 01 das a rainha oons-
clencla, per espaco, ao menos de cinco mi-
nulos.
a 2,' Visitar todos os das alguma Vossa lina-
gem, ou estampa, oa igreja, ou mcsino em
casa.
S.' (Uulberes) Entrar na Igreja aempre mo-
deataineme veelida, e com os bracos) eolio e ca-
beca coberlos.
a (llmnens) Nunaa me cncotlar, nem por
cLapco sobre u* aliara ueui Iraier faca, pial-
la, ou ouira arma prohibida,
4.' Nunca me demorar curioso ( ou curi-
la ), irreverente dentro ou lora da porta da Igra-
Ja ; nem voll.r t costal ao Sandsimo Sacra-
mento, quando eiposto.
5.a Absier-mi- de bebidas espirituosas tora
4o Jamar, ou cela, ou necatsidade grave.
0.a Em lodos os aabbados ouvir mina, ou
retar o Terco, ou jejuar ou faaer alguma obra
pa tm honra Vossa, e tutl'ragio daa almas do
Purgatorio.
a Ab*nr.oal, 8*nhora, ludo quanto eu boj*
pensar, dlsser, ou oDrar: fazei que ludo tej
para Vossa Gloria: llrrai-me de lodos os peri-
gos e soccorrei-ine em lodaa as minbat neces-
aidadet. Amen.
roso, poca em que foi faltelaqaalla 0.-C.I- '" d errespood-ci. odien I: e para
nenio, como skjaoda ra d Auror. eou- ^ lquU 0 g,. t Mro 1I1Veiien.r esle
tacto descreveqdp.-o incompletamente, co-
tros,- de certo vea, que entSo, pels ralla de
obras eslavas* muilo baratos os aterro;, e
como presentemente, existem mais alos-
mas em andamento, por isso nao pode rj*-
xar de haverdilTerenga, para mais, e t-alo
ne isto exacto, que no lem aparecido grsov
des abates n'eatas ultimas aj-reniaiiHei do
aterro da tnesma casa de dateoajio coraos
S. o sabe, ... -i ;
Tambem disse o Sr. Jos Pedro, qua sais
pai le do aier,adeneHrerBi&de
do liaiu do Sol, fot egnpreltendido em "Oi^
orgamentos, nflo obslinto Sute ifnWr,"-
navo s ? Na r.alidade fie* preciso tef grande
dezejo de inverter tudo smenlo com o Dm
do desacreditar a repartigSo das obras pu-
blicas Nio vio S. S. as luformages aesse
respei.lo -dadas ao Exm. Sr. presidenta aja
provincia, acompanhadas de plantas, em
que claramente sa demonstrara, quo estas
parles do aterro n8o erem aa mesmas ? co-
mo pota vn agora apresentsndo segunda
vez esta duvida,. BnginJoque anda igno-
ra a sua explicigao ? Por ventura esta li-
bra esta Uo lora do centro da cidade, que
S. S. nlo possa ir pessoalmente vela, e in-
Rsrataar-ae dos cmtiiegados all eii-tenlese
Mas isso nao llie ruiivem ; purauu S S
tnoslra nao eoteuder de obras, e posto que
por acaso j la tivesse hido urna tarde de
passeio, lo lana de nada so infurmnii, por-
que parece nSo comprebendeu o systen,, e
jolgou, que se rebachava, se pedisse expli-
cagdes a algum dos etupregados.
Depois oe confessar o Sr. Jua Pedro, que
a sua assergilu de que o caes do Apollo ti va-
ra cinco or^ameotos era looxaeta,ainda ins-
tou dizeodo, que Uvera tres; e como eu j
tenba mostrado em O communiratlo ,1o Dia-
rio de Pernambuco o. 76, que estes tres or-
gsinonlos nSo eram supiementares, e sim
de parles diversas de obras, por isso ato
me "ango mais em repetir as razdas entilo
apreseutadas, e somante respouderei, a
oarte em que o Sr. Jos Pedro diz, que a ra-
zio que houve para um orgameuU suplo-
mentar nao foi, a que j apresentei de te-
lem bavido escavagOas: roas sim a de um
roo que querendo tirar cons-quenna i1
A aigumentagioapreseutada pelo Sr. Jos
Pedro, que os orgamentos Mos snlerior-
menle reforma da repartilo tinham sido
organisados por engaabalroa que anida hoje
se consirvam, no pode \yler. Porquanto
antes da reforma t'aoalBafam todos os oo-
g nheiros independentea uns doa outros;
os seus Irabslhos lulo sofriam revisto algu-
ma, nmquant'i que hoje difiero rouito; pois
no s toins os trbaibos alo. inspecciona-
dos e examtoadoa pelo cnefe da repartigiVi,-
como ainda sob*rem um seguqdo exime do
consMbo da directora, qie aedmpe da
reo o i.lo de todos os engeijlieiros; ajm de
que existe hoje urosysiema par. -atacugap
daa obras e marrba de toda o trabalbos,
emquaoto que d'antes eran tantos os sys-
temas quantos os engenbeiros, e cada um
gui iva-so por si s. -i
NSo he de admirar que hajam algumas
ve/es alleragSe nos orgamentos primitivos
das obras, por :kso que nuen sempre bo da-
do ao engenneirb poder prever todas .* cir-
niimatneia, a* qnaea militas vezea smen-
te podem ser conecidas dorante a execu-
giio. Se pala repaitjgfio das obras publicas
algum ,s ve,os se couim tem erres de cal-
culos, tambem oSr Jos Pedro, Romo ins-
pector da tiic-ounria, os tem commeltido,
e nil'i me admira nem eslrapho isso, por-
que sei quaiito o cuten,limcnlo humano ests
sujeito a errar, e mnguem se pode julgar
isento desta falta.
Quanlo pouca pntica, que juiga o Sr.
Jos Pedro lerem os engetitiei/os a respeilo
de obras, dire, que nenhum anda se jui-
ga notabilidad*, o comquanto tenhatn al-
gumas vezes errado, todava n.10 o tora fei-
to menos veas oSr. Jos Pedro na sua tbe-
soiitaiia, a i ma que S. S. se julga urna no-
lali,liilii le flnanceira, o piincipalmeote em
negocios delhesouraria, pelo que procura
sempre dessiar de si qualquer engibo.
.N.in concluir! sem dizer ao Sr. Jos Pe-
COMMEBC10,
ALFANDECA.
Paradimanto do di* 17. 5:311,190
Dticarreoa hoje 18 dtmmio.
Escuna brasileira Tentadora gneros
do paiz.
IniportacstA.
Escuna nacional Emils, vinds do Para,
ponstftirla a Joo Carlos Aogato da Stve,
manifestou o'segnnle:
iU canudos e292 rolos salsa, 35 sacess
borran, 800 ditss arroz, 1 caixa rap, I di-
ta guaran, 40 alqueires castanhas, 3 es-
pas de pisssava ; a ordem.
Patacho hamburguez Ernestina, vindo de
ll.ienos-Ayres, consignado a Manoel Alves
Guerra Jcnior, mamfestoa 3,769 quintara
(peso hespauhol) carne de charque; ao
consignatario.
CONSULADO GERAL.
Rendimentodo da 1 a 15.. 17:770,817
dem do da 17........6:300,030
dos por procurador, e osle n5o livor pode-
res especiaos para o acto, e que a procura-
Oflo nao po I* Bar dada a pessoa que seja di -
vedorao fallido, neaj um mesmo procara-
dor renrpaontar por dous diversos oredores,
eci(U17 d* mal* de 1852.
Otasenvflo interino,
Manoei Joaqnim Baptist.
i
Declara;des.
94:070,8*7
DIVERSAS PROVINCIAsT"
Rendimentodo dial a 13., 826,968
ldomdodill7. ,i,,. .;,,.. 307,414
1:134,382
Exportaco.
Aracaty, Jli.ato nacional uvidoso, de 43
1/4 Ion. ludas, coaduzio o seguate i
55 volumes fazendas, 3 quarlolas vinagre,
1 banica cerveja, I cesto garrafas de Cham-
figne, -3 taitas de feTO, 9 caiXO'S loug*,
i pipas vinho, i laboa de smarello, 8cai-
xes dnc-, 33 CaiUS cnarulos.
RECEBEOHIA IE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
KeqdjmntQ do da 17 .
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimentodo dia 17.....3:719,415
AdminiIrafSo da polrvnonio dos orpkio*.
Perante a admiiusiragllo do patrimonio
dos orphflos sa bao de arrematar a quem
mais der, e i or tempo de tres innos, que
hSo de ler principio do 1.a do junho do cor-
rete anno a 30 oe junho de 1853, as ren-
das dos predios aeguiotosi
Largo do Coliegio.
N. 1 o segundo dan lar.
Ra do (jsMimetJ*). .
N. 33 lija grande
N. 36 dita pequea.
Hu* do CoIlBgh. *
- N. 33 casa de dous sndsrea o lojs.
, Ba do Crespo/ '
N. 9 dita da irea andares.
Largo do Paralia:
N. 89 Odous anJares.
N. 8 a luja.
Ra das Lirsngfefras
N. 17 cass ter ea. .
Ra do RiBof.
N. 58 dila dita. .Ti,.
Praga da Ba-yuta. .
N. 18 cssa de doua indar*. lojs.
Rus Veina.
. N. 32 ciss temes. ? .. _
. RuadaS-CoDptC;
N. ,93 cssa torrea
[1. 94 dila dita
Ra do Sebo.
N. 8 casa terrea.
Ra dp Pires.
P. 39 meia-agua.
Hua do Rozario.
J. 60 cas* terrea.
Ra da Cadeja do Recife
N. 61 casa de um andar e luja.
N. 59 dita de dous ditos a dita.
iY 57 dita de dous ditos e dita.
N. 44 dila de dous ditos edita.''
Ra da aladre Ja 1) os.
Y 9 casa de um andar a loj.
N. 1 dila do dous Ditos e dita.
N. 26 ma de doua ditos edita.
N. 24. dita de dous ditos e dita.
N. 83 casa terrea.
As pessoas que se propozerem a arroma-
lar ditas rendas podero comparecer na
cssa das sessfles da mesina administraejo
nos di*s 19 e 27 do corren'te mez, e 0 le
junho futuro, com seus fiadores. ri
Secretaria da administrado do patrimo-
nio dos orpbaos, 14 de mato da 1859.
4.J. teuiivette.
O Sr. Doutor juiz de direitojchafa de po-
lica interino da provincia manda convidar
a todos os senhores negociantes, logistas e
mais pessoas desta cidade, que veoJem ar-
mas, plvora, chumbo e salitre a compire-
cerem nesta repartigSo oo praso de qujnzo
Jias, contados da puolicagBo deste, am de
serem matriculados oa ronformuladedaspr-
dens existentes, sob pena oe que o iibois-
sendo, nao Ihes ser permitlida a venda de
taes ubjectos. Secretaria da polica de Per-
nambuco 15 de maio de|l852__Antonio Jos
de Freilas, 1 amanuense.
dro que, seeuquizetse usar de represalias
com S. S. talvez nao me fosse diflicil achar
engao como Ihe foi communicado pela pre- f como julg0 jsso pro.
sldmeia. Ora Sr Jos'Pedro o .paree.- "d c.r.cer mesquinliu, por isso en-
manto de excv.grjes fetaa pela corrorta {'"" ,,,, iJ0 ,F
d.sago.s junto a urna obra, dqando lee. Agr.dego osen elogio aos meus frreos
excav-gOes nao tem smIo previstas, nao ero-' con,*ecilnv Dtos probidade, posto que oao
iluz uina difTeieoga no orgamenlo,ou enga-
o no que se hivi* calculado I e como quar
S. S. rom esse jogo de palavras contrariar
um tacto publico, e presenciado por taitas
pessoas ?
Ainda insisti o Sr. Jos Pedro, apreseri-
l.iii lo como feitus na mirih* adminis'.ragao,
,'.s orgamnntos do 16 e 17 langos da estrada
da victoria, os q taes foram approvados po
goveroo da piovinca. o primeiro em da"l
de 21 de agosto de 1819, a o segundo em 26
de nuvembro de 1819, em quanto que a ac-
tual repa iie.'ui comegou a funecionar no da
15 de maio de 1850, e por laso como ja Jis
se em outra occaztao, no pode a actual re-
partigSp respon ler por taes orgameotos,
posto quo boiivessem bem fondadas raides
para terem elles exceasos. Qaanto ao 18, e
35 langos da estrada da Victoria, reparos da
ponto do Anjo e de Jaboat.it> ja mostrei as
eaoaaa, porque na execuefo excedeu-aa o
orgamenlo, o nSo deve causar admiVaglo o
excesso do 18 lango, por isso que, como ja
diss-'.oncontr ai ni -so pedras em grandes i\-
cavagOes feitas em lugares, onde se contara,
fossem de trra, pois o prego de urna braga
cubica de excavagBo em lugares de pudras
recula tnnta e tantos mil res, em quanto
que em lugares de trra regula sete mil res,
e esta dilTerenga no prego elementar, d* cor-
lo devia produtir gratulo differenga no total

slejam ein harmona com as censuras le-
as por S. s.
Jos Mamede Al'U Ferrelra.
V Correspondencia.
eubafret redactorea. O religiosas tierci-
. r -..-.,_. i^l h-KHai.i. ...... aiai.
Movimento do porto.
fTaplos enlradul no'dia 17.
Rio de Janeiro60 das, polaca sarda Sam
Jeovann, da Ifio loneta ia, catiteo i'nm
podonico, equipagem 8 em lastro ; so
consol. Tendo fallecido 2 pessoas da tri-
pilladlo na vagern, e encontrando-reo-
tos rnntrari,"s ao norte da linba, (rribou
a este porto para refrescar o seguir pan
as Ilhas de Cabo Verde. -- Ficou de qtia-
renlona por 6 das.
Babia 5 das, barca sarda Polosina, de05
toneladas, capitao Sim3o Etdansa, qui-
pagem |4, em lastro; a Amorim & Ir-
iiiiins. Tendoadoecido ocapitSo, ambn
a est porto, sendo o seu desuno para Ca-
bo Verde. Ficou de quarentena por
6 das.
Rio Grandp do Sul 24 dias, brigue brasi-
leiro Flor do Rio de 205 toneladas, capi-
tn Jos Francisco Lopes da Costa, equi-
pagein 12, carga carne; a Viuva de Gau-
dino & Filhos.
Navio tahldo no mesmo dia.
Ass, Rio de Jadeiro e Sanios brigue bra-
sileiro Pensativo, capitSo Joaquim Bap-
tita dos Sanios, em lastro.
ObiervafSo.
A escuna brasileira Liudois, commandan-
le Josquim Alves Moreirs, recolheu-se da
commisslo, trazendo a seu bordo o Exm.
brigadeiro Jos Leile Pacheco com aua co-
mitiva, padre Manoel Amancio lirtelo el
ercravo, n Jos Ignacio Pimenta.
621,798 flEALCOMPANHlA HE PAQUETES 1NCLEZES
a vapor.
No dia 21 rau mez, espera -se
do Sul, o vjpor Taviot, coni-
manilante Onslow, o qual de-
poia da demora do CQstume ,
seguir para os portos da Europa: par pas-
sageiros, trata-se em casa da agencia, oa
rua do Trapiche. Novo n. 40.
g|,;
JDITAES.
loa di/me/ rdar|auV;jTttr\3airido neala altfaa|i!,
Ia acia anouk} pebM rmtWsornrlo* capuchlnhoa,
boje prallcado* erniete igrejai dos uei bairroa
c ein algumaa capellaa dos suburbios, bem co-
mo, na cidade de Ollnda, ein Ignaraaa, em
uiauia, em Pao d'Albo, no Liinoelro ein Moin-
ardlui. e em oulras muilai parochias desta
provincia, evidentemente provam quaulo be
ainda grande a religtostdade doi Pernambuca-
iKia, e a >ua devola aflelcao aoa cultos da excelsa
Mil de Deas.
A prodigiosa influencia, que csses devollssi-
uios exercicios tem exercido aobre a r< lonna da
vida e comunes, em avulladissimu numero de
tlels, que consiaiiieinriuc a elle tem eoiicsr-
ildo, .m lados os anuos, o aiiestain, am da
liequcatfi* dot Santos Sacramenloa, laubem a
luudeslia, a coinpoatura, e a decencia que aa
prtao-a do devulo sexo tem a*)oplado, no seu
modo de vestir, em cumpriineoto de uin protes-
to de nliar.o e de devoco a Nossa Seoliora,
que no ultimo dia do Mei Mariano, se coatuina
renovar.
Aaaiin, j boje quem entra em 01 nossos tem-
plos, pode beui dlstioguir quaca as farvorosas
devoia. de Mari* SanUasima, que niodetlamen-
- i-vestidas, e usando de alvissiino lenco, que
da obra, e o Sr. Jos Pedro sabe perfoita- I|1C, C0Dre ..beca e o eolio (faieodo t
menta por ter Visto, quando passou por osle realcar-lbea a lormosura ), cuinprem fielmente
ango' do estrada o annoptssado, que abl
houvoram estas grandes excavages de pe-
dras.'
Quanto ponte dos oarvalhos he inexac-
to, ler lia vi lo orgamenlo algum supplemen-
lar em tempo de mtnha administragao,
como disse o Sr. Jos Pedro; pois desda
que entrei para esta repartigSo apenas aa
fez um orgamenlo para cune rio dosta poe-
te, o qual anda se est executaodo porar-
remaUgilo.
Da mesma maneira a poote de Motoco-
lomb no levo orgamenlo algum supple-
mentar, pois aoenaa se fnt um orgamenlo
dos reparos, que preetsava o sano paisa Jo,
quu fui executado por menos do que eslava
orgado ; e este anuo fez-se um oulro orga-
menlo, que est aaodo axeoutado por arre-
matagao ; pois he sabido que lodaa aa pon-
tes de madoira preoiao todos os anuos de
siguas reparos, e lalo oais esta, que be
muilo relha.
Tambem citoo o Sr. Jos Pedro, que a
obrada ponte de Santo Amaro e aterro dos
Remedio* Uveram orgamentos supplomen-
a doutrlua, qua o* Roatulo, S. Paulo e :\ l'p-lro
laulu lecoininendavain s fela matronal do seu
seculo ;'equaes.*s obslioadas afrancetadaa, que
pela nudez dos bracos, do eolio a peito, traten-
do o iraoaparaue lo pendente de uin entran;*.
do cabello, curoado de fingidas Oorec, leVam
ao iuterior do bantuario, mala escanJaloaa pro-
0 -Mr.'aJos Raymundo da Cosa .^leuc-C,
- juiz. municipal suoplente Ja sgu'fi la va-.
ra e do comineicio desta cidade do Re-
cifo, por S. M. I. e C, ic.
Fago saber aos que o prsenle edSal vi-
rem, que no dia 19 do cdrrrnte, 'pala urna
hora da lame, se ha deanematar om lel-
l.lo publico a aruncU jj oais miudau*
existentes na loja n. 44 da rua larga do Ro-
zario, peitencenle aos fallidos Horaes &
Soarea, reqoeriaiant.do respectivo de-
pozitario. E para quechegue ao conheci-
im uto de todos, manoei passar o presi
ser publicido pela impreasa,.
Dfilo e pasudo nesla ci lade lo Recife,
o's 17 de' maio de. 1852. tu Manoel Jos da
Molla, cscrivao o sob.spr.ovi.Jos Raymun-
do da CoStA Mciiezes, .
~- Fago, acteute asa. aradores do fallido
l.eopol Jo Jos da Coala Araujo, Viuva Amo-
rim & Filho, Oliveira IrmSos & C, Aalooio
Ignacio de Me leiros, JoSo T veres Cordeiro,
Amorim & irinSo, Joo Leite Pita Ortiguet-
ra, Manual Goncalves da Silva, Russell .Mel-
lo rs i* C, Jos Rodrigues Pereira; Deane
Youle & C, Antonio Francisco da Silva Cir-
rigo, Antonio Joaquina de Souza Rlbciro,
Novaes & C Manoel Joaquim Ramos o Sil-
va, Manoel los Ribeiro, Jos Cypriano de
Morana Lima, Jacintho Elisbo, Caetano da
Costa Moreir, desta praga, Marcelino de
Souza Pereira Brillo, de Lisboa, Antonio
THEATRO
DE
S.IZABEL.
Hoje,. 18 de maio de i#i>2.
Recita extraordinaria Irvre da (asignatu-
ra, a favor do maestro Pedro Alvares Garca.
Grande e variado espectculo dra-
mtico, lyrico e musical.
Depois de .urna lindi symphonii pela or-
chesln, que ser augmentada, abrir-se-ha
a scena, e a companhia nacional represen-
tar a excediente opera brasileira em lac-
ios, cuja msica ho de composiggo do mi
estro redro Alvares Garcia.
II FiVIlVM MAM
No intervallo do segundo ao lerceiro ac-
to, a seohora Marieta Landa, exeeotar umaa
lindas variages, com postas expressrmente,
e dedicadas ao povo pernambucaUO, pelo
maestro Pedro A. Garcia.
Terminara o espectculo com nh nova e
primorosa symphonjs, exeantada
A duas orchestras.
. Tocando a banda do musici do corpo de
polica em sceni, composigflo dV maestro
Pedro A. Garcia.
-Comecar as 8 horas.
Os bilhetesa,cbam-se venda do lugar
do edatume. '
Ql IM'A FEIIlA, 30 DE MAIO DE
i85a.
Subir scena o magnifico drama de
grande espectculo, em Saeto*,
A Noke do Homicidio
a seda, o ouro, o cobre, a prats, etc e que a 1 ta da reparligao, por cujo orgamenlo
tares, ao que responder!, que estas obras!lo Me* Marrano; o qual devem renovar todos
j* estavam arrematadas quan lo tome! -
ranssaio; do que piedoia edificacao porm fe- perreir di S,iVi Saotos. do Mareubo, No-
; ja o nuuiero_da.ua n. ...a. limitado, yieg J ^^ d(J |fl d(1 .,neif0 Ari(;jo ^
Carvslho, da Bahia, Manoel Forreira dos
Santos Magano, da Santa Calbarina, Antonio
Forreira da Silva, de Saotoa, Jos de Souza
Gomes, Manoel Jos Rodrigues Valladares,
e Francisco Jos da Costa Araujo, do Rio
Grande do Sul, e Antonio Gomes, e Jos An-
tonio da Cimba & Irmfios, para qua do dia
21 do crrenlo mez pelas 10 Doras da maulla
comparecer por siou por seus procuradora,
em casa da residencia do Dr. Jos Rcimuado
da Costa Meaezea, juiz municipal supplenle
da 9 vara edoeommercio, na rua da Ma-
dre de Dos Ia andar o. I, oo bairro do Re-
cife, afim de ae continuar na verifleagdodos
crditos, se deliberar sobre a concorJata
apreeontidi pelo fallido, ou formir-s* o
contrato de imito, e de proceder a nomeagfio
de administradores; licando os meamos
credora* advertidos que dSo serSo admltti-
cui cuinparacio ao daquellaa, q ie aeguein
modesta reforma, que lano llics convem, eque
a seos pas, ou maridos uiuito ecconomlsa.
I'resuiniudo, poli, que grande vanugein re-
sultar aoi mullas devotos Marianialas, da im-
areuao desae protesto, no aeu in.ilo bem coo-
eciluado l)iari,\ para faterem exirablr deba
copiaadeque ae airvaui, aa fallad* ooinpaua-
ie livro, ou de iinpreisoa avulsos, de qu* las-
ves ainda carecem ; por ieao rogo aos Sri. re-
dactores a especial favor de Ibe darem publi-
,oalle- ,. ....
O Catholuo Maiuouita.
. Proteito defiliar.io.que o devotos de Nos-
sa Senhora liicram, pela primeira yei, na igreja
dos Padres Gapucbtubos de Nossa Seubora d*
Penba^m 3i de man da 184b', por occano de
te haver celebrado a tneiuia igreja a devof ao
0 AHBICIOSGM'OLITICO.
Be esle un dos melhores dramas do re-
pertorio fiancez. Traduzido em Lisboa, me-
recen sempre innumerosos aplausos, todas
as vezes que foi representado, e ltima-
mente ii o K i, do Janeiro, fot acolbido pro-
clamado coto" um dos principaes dramas
do repertorio do thestro de S. Pedro de Al-
cntara.
Comegar s 8 horas.
Os bilhetes acbam-se a venda do lagar do
costme.
Avisos martimos.
coa ISBIai laiabcm aquelles que, em qualquer ou-
n0o| tro lempo e occasiio, le resolverem a declarar-
Espera-se por estes Jias de Lisboa o
pitadlo portuguez Desuno, o qual se pro-
pon para a illia de S. Miguel: quem no mes-
mo qtiizer carregar ou ir de passtgem, di-
rija-se com antecedencia aoa seus consigna-
tarios T. de iquino Fonseca l Filbo, na rua
do Vigario o. 19, primeiro andar.
Para o Porto segu com brevidadea
barca portugueza Olimpia : quem na mesma
qulzer carregar ou ir do psssagem, enten-
da-se com os seus consij/aiatarioi T. de A-
quino Fonsecs & Filbo, ou oom o capillo o
Sr. Joa Thomaz de Lima, na praga.
A Bahia.
PropOam-ae para esle porto o veleiro hia-
to Caprixoso.os senhoies pretendemos podr-
fio dirigir-sa ao mestre, abordo, em frente
do caes do Ramos, ou a L. J. de Castro e A-
raujo : di rua da Cruz n. 34.
-
MUTILADO L


.. ^1.
- Pin a Baha segus com rouiU brevidade
O patachoSanta Cruz por lar p bordo: para o reato e pasegelros,trala-se ao
lado do Corpo Santn. HS.loja de massemee.
Seguir oefa eidade do Porto, at o
flm do corrento mez, 9 brigue portuguei
Bom Partor, de primeire marcha, Torrado e
encavilliado de cobre, tem metido do scu
cerregimanlo prompto, recehendoo reato a
frete. e tambero pauageiros, para o que tem
mu escollantes commodos : trata-se com
Billar & liveira, na ra da Cadeia do Itcci
fe, armazem a. 13.
Far o K10 de Janeiro vai sa-
l ir com amaior bre vid 1 de possivel
o brigue nacional Vencedor,para o
resto da carga, passageiros e escra-
vos a rete; trata-pe com o capillo
Gleto Marcellino Gomes da Silva
ou com os consignatarios Novaes &
Gompanhia : na ra do Trapiclie
n.34.
Leudes.
Lu 1 Bruguiere lari leilo, porordem
doSr. cnsul da repblica lrancezeem
preaanca do seu delegado, pe/conta e risco
de quem pertencer, e por inUrvencSo do cor-
retor Olireira de 914 reamaa de panel de
machioa, araado d'agoa salgada a bordo
da escuna braaileira Galante Hara, entrada
nesie porto aoa 88 de abril prximo paaae-
do : leroa-feire, 18 do corrente, aa 10 horas
da maunfla no aeu armazem, ra da Cruz.
O Dr. Malet, tendo de ae pasear da su
casa de campo para o Kccife, fu leilo por
intervencao do corretor Miguel Carneiro.no
da aegunJa-feira, 34 do corrente, asi o-
ras da msohSa em ponto, no aeu sitio na
Passagem da Magdalena, de sua mobili
cunsiatindo em ricos sotas, cadenas, mesas
com pedrs, dita para jantar que admiti 30
pessoaa,guarda-roupa, piano de BrOtdWord
ete. ete. aasim como mappsa geoe-raplii-
cos, livros, instrumentos de msica, espin-
garda para caca,um grande vireiro com pas-
siros, deliciosos vinhos engarrafados, um
fogJo americano, umcabriolet toglez coro
1 reos, e carallo excellento trotador, e um
bote com Telas.
Leilfo que faz Jlo Tu vares Cordeiro
de 603 reatias de a Ilion, ltimamente chexa-
daa de Barcelona no brigue hespantiol Dis-
robinto, por conta e risco de quem perten-
cer, quarta-feira 19 de maio, uo seu arma-
zem da travessa da Madre dd Dos n. 9, as
II horaa da manhla.
ctwbt"*aa--i '
Avisos diversos.
- As pessoaa que liveren contas com
lir.Malet, queiram aprtaenta-las em 8 diia>
contados da date'deste, afim do seren ve-
rificadas, que depols de Ando os 8 diss ,
nenbuma conta ser reconhecida : no ar-
mazem do corretor Miguel Carneiro, na ra
dof rpiche n. 13.
Precisase de um caixeiro, com as que-
li ladea que ae Iheexigirem, e de procedi-
mento abonado : a quem convior, dinji-sc
ao caes da Alfandega, armazem de srr.ilim
- Precisa-se de um refinador : na ra do
Codorniz n. 18.
fferece-se una ama de leite : na ra
ds Glorian. 63.
Ausentou-se, no dia 17 do corrente,
o preto Joaqun, canoeiro e padeiro, de
naci Carjenge. estatura regular, reprsen-
la ter de 35 a 30 annoe, cara redonda o cor
umpouco fula, nariz chato mas lodo arre-
pentalo em circulo que parece ter sido
queimado, porm be defeto de bt-xigag, das
quaes anda tem bastantes signaos em lodo
o rosto; tem pouea barba e he quebra lo da
venltn direila ; levuu cal;* e Camisa de al-
gollo da fabrica da Baha e chapeo de seda
preto, porm j muito velho: roga-so to-
das as autoridades, tanto policiaes como
capitles de campo, o favor de o mandar
capturar, e entregar na roa larga do Roza-
rio, n. 18, que se gretillcara generosamente.
ATTENgAO.
0 abaixo esaignadu, avisa ao Sr. Fran-
cisco Jos Vaona, morador na ra de San-
ta liita, o. 7, que em continente entregue
ao Sr. Jos Gunia|ves Ferreira o Silva a
Suautia de 393,347 rs. de saldo de contas;
o contrario fara patente ao respeitavel
publico o procedimei.lo do mesmo Sr. Vian-
ni, como um correspondente................
A-si, 17 de fevereiro de 1853.-Joo Mara
Julbo Chivea.
O abaiio assignado, declara ao publi-
co que desde o dia 20 de fevereiro prximo
pasgado, ha dissolvido a sociedad que ji-
nba com Candido Jos de Lima, na taberna
da LagOa do Barro, em a eidade da Victoria,
fleando desde essa data em vanle girando
sob sua firma. Victoria, II de maio de
1853.Francisco deAmorim Lima.
Madama Koutier, modista france-
sa, ra Nova n. 58,
acaba de receber de Franca, pelo navio
Cont Roger os ohjectoa seguiotes : um
grande soriimento de chapeos de montana
da ultima muda de Pars, pulseiras, cha-
peosinlios dsela e de paha redondos para
meninos e meninas de um a so>s anuos,
com abas largas de lindos enfeites e de to-
das as cof-s. vestidos para baptUar, tur-
bantes n repellas, ticos chapeos de seda de
todas as coi es, manguitas de bico, ds ulti-
ma moda, rendas e bicus de blonde, muito
ricos enfeitea de caliera, para bailea e Dies-
tros, grvalas de veludo, ricos capotinhos
c manteletes muito enfeitidos, toucados de
19a para aenhoras e meninas, espartilhos,
trancas brancas com aljofares, litis de ve-
ludo de todas as cores com sua competente
livells, baleas, lafeta de todas as cores para
chapeos e vestidos, camisinhas com aber-
tura e bordado, ditas com golinhas borda-
das e com tucos, casaquinhsa brancas bor-
dabas para meninos; na mesma toja fazem-
se vestido* de casamento, de baptisado, lou-
ca de menino e de senhora, capotinhos de
toda* *s qualidades, com perfeigSo e preco
commodo; recebem-se todos vs mezee fi-
gurnos modernos, que empresta a seus tre-
geles.
Antonio Ferreira Liml vai a Europa:
a Irstsr de seus negocios.
I'recisa-s alugar um negro para traba-
Miar em umaitiocom tanto que nlo aeja lo-
bado, Vndese urna negra da costa, moca
sem vicios, boa quilandeira so por querer
pagar semana, e igualmente tres vacas com
crias, boas lelteiras: no atterro da Boa-Vista
sobrado n. 17.
Em resposta ao anouncio dos Srs. No-
vaos & Companhia, pergunl.-sc-llie.s quan-
to querem dar de premio na compra de Apo-
lices do Banco de Pernaskbuco.
ATTENCA.
Fabrica ds cha eos de sol, no atterro
da Boa-Vista, n. 33.
.Ncslo novo estabeiccimeoto recebeu-se
um novo e lindo sortinienlo dech>pos de
sul do ultimo gosto, da aeda e de panmnho,
para homem, de arroac.80 de ba lea e de ac,
os qu.es se ven iem por menos prego de
que em outra qualquer paite: eum grande
soitimeiitu de sedas e paoninho de todas as
cores e qualidades, para quem quizar nnn-
ilarcobrir aaarmafO'S servidas, tambem se
vendem bal.s para vestidos de senbores, e
se roucerUm chapeos velbos, eslejim 00 es-
tado en que asUvertai.
-- Aluga-se um molequs que serve para
compras e mandados : na esquina da ros do
l.ivramento sobrado o. i.
Carlos T. Astls^, retlra-se para o Rio
de Janeiro, levando em sua companhia sua
senhora e um criado',
Madama Bonriefond com um fllho me-
nor, retira-se para o RO de Janeiro.
Aluga-se 0 lereeirb andar e aotlo da
eass d* ra do Vigario n. 35 : t tratar no ar-
mazem da mesma.
Francisco Malillas Perelra da Costa,ex-
liorta para o Rio de Janeiro os seus rscravos
loanoa da nielo Angola, de 30 annos; Ro-
mana, ereoula, de 18 annos; Francisco, par
do, de 40 anuos; Francisco, pardo, ds 33
annos.
-- Preciis-se de orna ama, parda ou prets,
Sara todo s-rvico de urna caaa de pequea
imilia, que silba noslnhar e engommar : na
roa do Rozario estrella venda 11. I.
Precisa-se de urna mulher de meia Ida-
de,o que si' ja desempedida,para ama de urna
casa de pouc familia, que aalba engotnmar,
ecosinhar ; nr ra do Crespo n. 10.
Xisto Viaira Coelho exporta para o Rio
de Janeiro ossousescravos crioulos Domin-
gos menor e Francisco maior.
--Saluslianno de Aquino Ferreira expoita
para o Rio de Janeiro os seus escravos, Seve-
rno e Nicacio ciloulos, Antonio de na-
ci Costa, Francisco o Martinho de naci
Congo,
Aluga-se na travessa do Mondego urna
casa terrea com commodos para familia,um
;rande telheiro no ftinTlo com um cxccllente
orno de l'adaria : quem a pretender, dirja-
se a mesma casa n. 4, que ah achara com
quom tratar.
O abaixo aasiynado responde ao tal Sr.
Mandolina, que aquellos a quem tenha devi-
do, deva, ou anda vier a dever,oa ha de tra-
tar com coosideragio; e com desprezo a to-
do o Sala/rario como elle, que olo se presta
a provar em juizo, o que diz se Ine deve.
Ora para ladradores, he bom entrelimenlo
qualquer moni*de lixo.que possa ter algum
osso:alli he que tirara mais provetto, do
quea alauzoir no Dinio.--Jos de AlmeiJa
llarfeto Bastos,
-- Desappareceu no dii 7 do corrente urna
preta da Costa cnamada Auna Rila, levando
na M* ^IjJol n. 11 : as pesaos* Hotel Kccife, ruado Trapiche
que quierrm matricular seus fi n
Idos, pdem comparecer na sobre-
dita casa das 8 horas de manhfia
at o meio dia, e das 3 da tarde at
as 5.Miguel rchanjo Vlndello.
Jos de Almeida Brrelo
Bastos nao deve cousa alguma ,
na ra do Queimado n. 2o.
Na ra do Vigario n. 17 ,
precisa-se de officiaes de latoeiro e
funileiro.
;, O abaixo sssignado-faz pnblico, que
fez seu bastante procurador a Francisco Jos
Corris Guiarles a qiiem d poderes espo-
ciaes pira pelo abaixo assigoado, assignar
quaesquer letras de cambio provenientes de
transecefles decommercio que o abaixo as-
signado baja de fazer para o que Ihe conce-
do poderes necessanos.
Antonio Das Martim Mnrelra.
A pessoa forra ou escrava, que qulzer
encarreg.r-se de andar com urna cirroca
ganhando pela ra; dirlja-se a ra Dlreita
venda n. 106.
Desappareceu no dia 13 do corrente do
sobrado de dous andares na esquinada roa
daa Flores urna sabia da prala multo manca
e nova ; e como se preauma que tenha
entrado para alguma das casis da mesma
ra, ou na de alguma outra visinha, pede-se
a quem a pegn, que ( querendo ) a leve a
mesma caa na ra das Flores, que ser re-
compensado.
--No dia II para o da 13 desappareceu um
reloglo deouro de dentro de urna carteira
trancada ( como ignora-se) o destino que
ver, e asaim julga-se ser furlado.o relogio
* corrente slo de ouro, I trsncelin de cabel-
lo com um paasador encastuado, o relogio
tem os signaea aeguntes : patente suisso,
semvidro e mostrador solt emaquina,acai-
xa de baixo tem urnas am'Ssadelas ; a cr-
ranle he floa.engrazada com uns SS e urnas
contas pequeas tendo I chave nio terna,
poiem nlo serve no mesmo ralosio, porten-
to roga-se ao* Srs. a quem forem offe-
vestido escuro.puino da Costa com listas en-' recidus estes objectos apreheode-los, e not-
carnadas, e tem tres cnicos as cosas,s-n- ciar ou levar uo armazem n. 31. ra do Ro-
do um igual a urna guiaba; cor lu a,o o* ta- zario eslreita, que ser bem recompensado
Ihos do rosto slo destarrados : roga-se, D9o-se 5 contos do res s premio, so-
as autoridades policiaes ou a quem in- bre penhores de ouro, prata, joias precio
lereasar de a prender elevar a ruada Senzal- sas, (Iradas a contento, ou hypotheca em
a Nora n.4, quesera recompensado. hons de raz nesta p'ar,a : quem precisar ,
Letter balancs. 1 dirlja-se a ra eslreita do Rozarlo n. 43, se-
A feiv on sale al E. II. Wyalts office : ra R"Jo andar, das 6 as 9 horas da manhla ,
de Trapiche Novo n. 18. 1ue se 1ue,n d*- .
-- Precisa-se alugar urna preta capliva pa- PUDlICflCtlO OOBIIllOTClSl
venderna ra 1 quem Ihe convier annuu- Puh,c,.s8 t'd,, segn las-feiras n<-sL
lypngraphia um BLNIM COMMEIICIAL em
bom papel e ptimos typos ; cooteodo o>
presos correntes-dosgneros deimportaclo
e export>clo, em porluguez, francez e in-
do por este Diario e paga-se bem por mez
ou por semana conforme sa ajustar com seu
senhor.
ftoga-se ao Sr. F, A. F. o obzequio de
satisfazer a quantia restante da preataclo de
cuntas di sua procu
trariu vera seu nome
tV?iVdep.l|rn*r1s's'COmra q,"m ^ ",'ento '**] mb.oa ; moedaa;
uireiio ue pagar por a a rele, comparado dos pesos e medidas, re-
-Joaiu.mreixeiradeOliieiraJun.orco. 'il)dos Jv,SseljstenMt,g no poeto e um.
revista semanal da* ven lase mata movimcu
tos do
, rtP TI glez, confendoa por um corretor da praca ;
cur. do Esp. L.,do con- Seci;ra.ao das j0jpezas e direllos dos mes-
une por extenso, a proce- mo ^ entradas, sahidas.e carre
1. da ici contra quem tem .',. va. .hioai; moedas 1
mo nlo tem contas, e nem deve absoluta-
mente a alguem, deseja quo o Sr. Annuu- d mHrc,do subScreve-se a HfM pe,
clante da ra do Vigario pira salvar qu.l- anno i,vr.ri. n. 6 e 8, da prac.a da lude-
quer interpretadlo ma que se possa fazer, ,,.;, '""" Y
j-i__....1 .-..:. 7..'ik. ^.. ...:.- penutiicia.
Manoel Ignacio deOliveirs compra sc-
declarequal o negocio qua'lhe diz respeito,
e para que o convi ia a sua casa.
Desappareceu do sobrado n. 17, da ra
da Roda no da 16 do corrente um molalo,
que representa ter 16 anuos, de nome Tertu-
liano, o qual tem os seguintes sigues, cor
clara, roslo comprtdo.cabellos pretos.e mui-
to encarapinhado.olhos pequenus.e empapu-
jados, beicos grossos, buca grande, sem fal-
ta do denles, e os tem encimados para a
frente; semblante carrancudo, corpo suco,
llura regular, tem nas junlas dos ps urnas
pintas pretal de sarna, e os dedos polegsres
los ps um pouco arredada do natur.l ; nlo
se faz mensfio da roupa, por se suspeilar ja
a ter mudado; roga-sd a todas as autorida-
des do banco de Bemambuco : na Praga do
Commercio n. 6
Novo estabelecimento de funileiro
e latoeiro.
Na ra do Vigario o. 17 fazem-so todas as
obras tendentes estesdousofllcioscom bre-
vidade, peifei^Io, e porprec,os commodos ;
assim como lu um completo soriimento de
tod .sas obras de folna de hSndres
No paleo da Rtbeira deS. Jos, sobra-
do n. 15 na loja, lava-se e emgoma-se,
com toda perfeiclo e aceio, e por preso
commodo.
cado, onde sera generosamente gratifi-
cado.
Precisa-se pira o vapor de guerra Gua-
piass de I bom coziuheiro dd fumo e mas-
sis; quem se achar nessa circunstancia^ qui
Tem salas e quartos prepirsdos com decen-
cia para resaber boapades.
Almosos e jantare avleos a qaalquar hora,
Vlnho de todas A quilldades, serve]*, re-
fresco etc. etc.
Fornece com todo o aoeio o provlmento dia-
rio para mesa da qualquer Individuo ou
ramilla.
Emcumbe-se de fazer iaotare* pira fors,
dando louc, vidroi, ele. ete.
Di cernida por assignalura mensa!, tanto
no estabelecimento como fora dalle.
Tudo pelo mais commodo proco possivsl,
com llmpeza e promptidlo.
Aluga-se um grande armazem, na ra
da Praia, proprio para qualquer estabeleci-
mento : a tratar, com Jos llygiuo de Mi-
randa.
Em 13 do corrente, vindoo Sr. do en-
genho Soccorro, para esta eidade, e voltando
as 8 horas da noile, o cvalo em que velo
montado, por um seu escravo, este foi ata-
cado no atierro dos Affogados chegando ao
pe da ponte, e Ihe furtiram o ilito cvalo o
Setal tem oa aignaes seguiotes : russo, gran-
e, tapado de pouco, tem um earrego Ira va-
do dr dois e tem miis as boleas enchadas da
capadlo, quem rio mesmo cvalo der noti-
cia ou apprehender, leve-o ao dito engenho
sccorro, ou na ra Augusta vsoda de Vitori-
no Jos Corris de Sa, que recebar 30,000
rls.
AttenclO.' .
Teodo-ae por vezea tBcWo a aquellas pes-
soaa queeilSodevendo analta*antlgaana ven-
da da ra da Cad*ia do Kecile n. 3&,defronte
do Becco I argo de virem pagrseos dbitos,
e comopoucis pessoaso tenhamfeito; por j-
sese ruga novamente.e pela ultima vez em ge-
ral a todos.de virem pagar seus dbitos aleo
fimdocorrentemez de maio.na certeza deque
aquellas que o nlo fizerem tnrSo de ver seus
nomes publicados por este Diario ese proce-
der nos termos da lei, por quanlo gneros
comprados a preso de 3, 3 e 4 mezes,o maia,
olo he para ae fiar por 3, 4 e mais annos.
Precisa-se de I ama forra ou eaptiva pa-
ra o uso de urna casa, que saiba bem cozi-
nhar, e engommar, para urna casa de punca
familia, quem pretender dirija-se a ra Nova
n. 71, venda junto da ponte que achara com
quem tratar,
Precisa-se de um trabalhador do mag-
"ira : na ra Direita dos Afosados, pada-
ria n. 66
Aluga-se o primero andar da casa da
rus da Muda n. 7 : a tratar no segundo an-
dar da mesma.
A pessoa que annunciou a venda de
urna casa de um andar, na ra do Encanta-
nento, e outra terroa na ra da Senzalla
Velha, annuncie o numero dag magmas pa-
ra ver se agredi, ou procure no largo da
pra;a do Commercio'11. 6, orlmeiro andar.
Ofierece-se um rapaz para criado de
urna caaa ettrangeira, ou de outra qualquer
arrumadlo, o qual da fiador a sua conduc-
ta : dirija-se a ra larga do Rozario n. B6,
luja de miudezas, que ge dir quem be.
Na ra do Vigario, casa n. 7, primeiro
andar, degeia se fallar aoa Hlma. Srs. Dis
detHinda Throphilo Olegario de Andrade
e Olireira, e Joiquim Teixira de Oliveira
Jnior, para negocio que lites diz espsito.
Quem annunciou a venda da casa ter-
rea, na rus da Senzalla Velba do Recife : ap-
pareQ* a* ra do Vigario n. 14 que se dir
quem p>etenle.
Ouarece-se um* ama para casa de pou-
ea familia : na roa do Pilar n. 7, ao lado da
greja.
-- Arreoda-se um sitio na cstra la do Itc-
zarinhn, Cum boa casa de viven.la e diverso*
armredos de fruclo, por prerjo muito com-
modo : na ra Ve ha n. 63.
A pessoa que annunciou, ter urna casa
teirea pira vender, na ra da Senzalla Ve-
lha : dinja-se a ra da Penha n. 33, segun-
do aodar, que se dir quem compra.
as pessoas qoe ttverom penhores em
mo do abaixo assigoado, queiram ir lira-
Ios no preso de. 8 das da publicarlo deste,
pois ge o nlo fizerem, serlo vendidos para
pagamento do principal e juros, segundo o
trato por escripia; o mesmo ab-im assig-
nado, est residindo na ra da Suledade, em
nadas, logo que ae receberem as
listas. ^ "^
33,000~
11,000
5,5oo
a,800
Bilhetes
Ucios
Quartos
OitSTuf
Vigsimos. i,3oo
0 cautelisti Sonza Jnior continua a
Kgar us premios sabidos em suas cautelas
Ihetei vendidos em sua loja de ferragens
aa ra do Queimado a. 37-A- e tan expoatn
a venda pelos preco* abaixo aa auas caulel-
lia e bilhelea d 7*. lotera do Rio de Janei-
ro a beneficio da empresa da cultura d'amo-
rairaa biebo da aeda eujaa Nati* devem clie-
Sir no da 19 ou 30 do crrente pelo vapor
raaileiro ou ingjci, recebe em troca bilbo-
tes premiado*. *
Bilhete 33,000
Meios . 11,000
Quarloa 5,500
Oita vos 3.800
Vigsimos ' 1,800
D Genoveva Perpetua Rodrigues em-
pello, e Gervazio Rodrigues Campello, vam
a Europa, elevam em sua companhia una
criada.
Precisa-se de urna ama para o servico
de compras eeogomoiado, de urna caaa de
duas pessoas de familia : na Ponte Velba
n. 14.
1 1
Compras.
-- O abaixo assignado fu scienle aosse-
des ecpitaes de c aoa que uver do dito mualo noticia o pren- barbero da ruada Cruz n. 43, que a dita lo-
Jam.e o mande levar no sobrado cima indi- ja a v,.ndeu no dia 16 de ahril de 1852 aoa
Srs. Julo Amonio Pinlieno e Manoel Pereira
Lopes Kibeiro masque os ditos Srs nloficam
habilitadla a receber suas contas, e caso
alguem lne pague, ficara depoie obrigadu a
paga-las sos Srs. Mendes & Braga na ra da
zer ,econlnlar, comprete a bordo do mes- Cruz n. 36, quesio os mesos Srs. que as
mo vspor. devem mandar cobrar. Joaquim Antonio
i.ma pessoa de capacidade, isenla de carneiro de Souza Azevdo.
fernili', ptopOe-se a administrar um esta- -joaquim Antonio Carneiro de Souz* A-
belecimentode padaria, aeodo esta nocen- zevedo vem por este meio agradeceros be -
iro da eidade, medanle urna sociedade, en- novoloa favores.que durante II annos, rece- ii/^^'^^^^t'^m^bMMiM.
irando para este flm com alguna fundos : a b8o de aeua freguezea.amigoa e m.ia genho- 'R',,C'Z di" co com 3 nns do
quem este negocio convier, annuncie por re8 em ger.l, e como nao pudesse poli bre- S. ,cinl S '
esta tulla para ser procurado,
-- Aluga-se um armazem no Forte do
Matto, na ra do Amorim n. II : a tratar na
ra do Apollo, venia n. 19.
Quem precisar de um rapaz brasileiro
para leitor de um sitio, dirija-se a ra No-
va n. 50.
Aciiam-se no deposito geral as chaves
das casas seguintes, cujos alugueis furam
penhorados por ciecucAe.s da fazenda pro-
vincial contra aeus devedores. Travessa do
Hospital do Parazo n. 49, ra de Hortas n.
38, travessa do Marisco n. Id, ra das Ago.s
verdes n. 54, ditas casas slo arrendadas pe-
lo juizo, conflaoca idnea, para pagamento
da fazenda.
-- Desappireceu no dia 9 do corrente o
escravo Juaquim, indo vestido de calca e
camisa a.ul, e bonet ou birrete de la,pro-
prio de marujo, representando ter 20 anuos,
pouco maisou menos; altura maia um pou-
co que regular, e quando falla mesmo no
seu natural gagoeja algum tanto, bo bem
parecido, e sem defeilo neo si$naes visi-
vels; 00 dia 14 do corrente foi visto no
porto das canoas, na ra Nova, e antes dor
do Apollo : roga-se (orlanto
a casa terrea n. 43. Joaquim Pereira Xa-
vier de Olivei'a.
- 0 Sr. Jos de Almeida Barreto Bastos,
qneira virpagara quantia do 36/rs., de que
he llovedor, ha 3 annos : na ra do Queima-
do n. 30, isto proveniente de bilhetes da la
loriado Rio, em quinto o nlo llzer ver o
seu nome negte Diario.
-- Francisco Riboiro Pires, exoorta para
vidada de sua viagem, despedir-ge de lodos
por isso ihe pede descuipi ue qualquer f.ltaj Gabinete portugnez de leitura.
oaeoerece para o que lhea for preslavel porrdemdo lllm. Sr presdeme da as-
no Ceara.que he onde vai llzar sua residen- ,enlbla geral, se convocan) os arcionisl.g
cia.______________Dara reuniio eral, no da 33 do corrente,
f*fffffff'ffffWfff J pelas 4 hora, da Urde, para se proceder a

Botica homopathica.
88 RA DAS CHUZ ES 38,
* nirigiila porum pharmaMutico
M. approvado.
> Este estabelecimento posaue todos
i os medicamentos at agora expen-
*" mentados, tanto na Europa como no
r Brasil, e preparados polas machinas
I da invenelo do Dr. Mure.
PRECOS.
das earttirai homtopalhicu
<
eleic,io do conselho deliberativo. ~ O se-
gundo secretario, M. J. da Rocha.
t) thesoureiro da lotera do
Livramento, faz sciente ao respei-
tavel publico, que a lotera corre
mpreterivelmente no dia 39 do
corrente, ainda mesmo que fiquem
bilhetes por vender, o restante dos
Na ra da Cruz do Recife n. 18, tercel-
ro andar, compra-ae urna escrava, que aeja
de boa conducta, e entend bem de costura,
cozinha e engomm.dn, prefere ao parda.
Compra-se o Diario n. 144 do 1. de Ju-
lbo de 1850, com o aeu suplemento, ou g-
mente o suplemento : na prata da Indepen-
dencia livraria n. 6 e8.
Em casa de Novaes & Com-
panhia na ra do Trapiche n.
34 compram-se aceces do Uanco
de l'ern.imhuco.
Compra-se una escrava ereoula, que
saiba bem engommar e cozinhar, do bonita
flgura, agradando paga-se bem : na ra do
Amorim n.35.
Na ra da Senzalla Velha, defronte de
Sr. Mo'rtoiro oinlor,compra-se todas as qua-
lidali de ferros velhos e metaes de tolas
as quiili lades assim como ourelos de pannos
linos.casemiras o lodas as qualidades de mu
lainbosque servirem para fazer papel : as-
sim como cabos velhos, lonas etc
Compram-se 4 a 6 escravos at 30 annos
de idade.com habilidades ou sem ellas, j
despachados para o Rio de Janeiro : na ra
da Cruz n. 40, primeiro andar.
Compra-se urna toalba com laberinto a
roda que aeja nova ou osteja em bom esta-
do; quem tiver annuncie por esta folha.
Compra-se urna folhinh* com almanak,
da Badia, anda mes uo de 1860, ou 51 : oa
ra da Cruz 11. 34.
-- Compra-se urna abundante e riea baga-
gem, que seja iguala quepossue JosJoi
quim Ptnho do Mondonga : quem livor an-
nuncie para ser procurado.
Compra-se duag escrava* crioulas ou
pardas de 13 a 20 annos, e qus tenham boas
figuras : na ra Nova n. 16.
--Compra-se ps de Tmara : quem lver;
annuncie.
-- Compra-se a gramtica franceza de Bur-
gain : na ra do Crespo loja n. 4.
'SJtSMSS' al
Yendas.
Lotera do Kio de Janeiro.
Aos 20:000,000 de rs.
Na loja d miudezas da praca da
Independencia n. 4. vendem-sc bi-
lhetes inteiros, meios, quartos, o-
tavos e vigsimos, a beneficio da
7. lotera das Amoreas j ditos in-
teiros, meios, quartos, oitavos e
vigsimos, a beneficio da 55. lote-
ra da Santa Casa da Misericor-
dia, vem 48 a listas no primeiro
vapor do Kio.
j-
Tintura a demedicamentos em
frascos de 112 onca (cada umj 31
Ha mais, alom destas.outras muitas
r clisaseom glbulosle t lodas as autoridades, ou a quem delle sou- a* pros vanareis, conforme o tama-
ber.queoconduzama ra do V.g.rio n. 11, f "ho ai qual.d.de *"".
primeiro andar, que ser recompensado. J> quantid.de dos remedios e issuas
.- Precisi-se de urna am. de leite. sem fl- g i*M'5,1?JK S&miTtmm
lhos : a fallar oa ra do Padre Flon.no nu- AVIAO SE GKATUITAMENTE
mero 46. P,ra Pobr_ s, todas as receitas que
bilhetes inteiros, meios, quartos,
Kmcrleiras de 13 tubos grandes 13/ decimos e vigsimos, CStni expos-
paquanosis/* 'os a venda, na loja de miudezas
Tubos escolhdos (cada um) 1/ 2 da praca da Independencia n. 4-
Bilhetes inteiros 10,000
1
Meios 5,ooo
Quartos 3,600
Decimos 1,100
Vigsimos 600
OcautelistaSalustiano de A-
quino Ferreira, avisa ao respeita-
- osr. J.ac M. M., queira ter a bonda- para ali mandar qualquer proessor. J ye| pub|co> qe og 8eus bilhetes
de de mandar pagar o que deve na ra es- AA>AA*AA*:***A****M e camela a8 stima lotera a be-
treiU do Rozario, confeilan. n. 43, do con-1 .- n. ra das Aguas Verdes, aoorado de ; voutmo u.kuui. iu.
trario se publicis am letra redunda o aeu Um andar n. 14, engomma-ae e lava-ge, to- neheto da ulturade Amoreiras,
iom ueste Diario. da qualidade de ropa; bem comocose-sc to- e ja 55 |0tera a beneficio da San-
--Precisa-se de um feilor portugus, so da costura, tanto de alfaiate, 00mo para se- .... .. ..
fur casado melhor, que entenda do servico i,|IOra, com perfeicSo e gottu, tudo por pre- ta Cjasa da misericordia, estao ex-
decampo, ede casauecaldeira, paraumen- t0 mis commodo, duque em outra qual- postos a venda na praca da Inde-
genho distante deita uraca 10 logoas.e 3 de quer p,rto. ._j-.;. ,a r |;a A.
S. Aotao: quem qulzer uelleempregar-ge; ^r9'999SI*j,| a> pendencia ns. 13 e 15, l0]a de
a-aa a ra Uireita n. 14, venda de 9 Paulo Galgnoux, dentista calcado do Arantes, e na ra da
da Penha. *> francrz, offerece seu prest- af nBfi_:. j U-nif* n A loia rlp
0 Sr. Francisco Betoardo da Molla, IS 'ao p'ul.lico Pr lodosos f ^M do Hecile n. 40, loja ae
urna caru viuda do Ro Graodedo Sul: Z niisteves dc ?,ia pronsso : # miudezas de Jos l'ortunato dos
11a da Cadeia do Recife, armazem n. 13 A nde ser proenrarto a qual- Sanli
tem
na ra _
-. Tendo de continuar nalypogiapbia da
Viuva Ruma, a publcelo du Apostlo do
N01 te, no formato do Diario Novo, no da
30 do corrente, dia em que a igreja celobra
a vioda do Espirito Santo sobre os Apogto-
loi, o redactor invoca a protejo de todos
os amigos da liberdade, para aa auas aa-
signaturas.
O abaixo assignado, proles-
sor publico da cadeira de instruc-
90 elementar do segundo grao,
novamente criada no bairro de
Santo Antonio, avisa ao respeita-
vel publico, que tem aberto aula, 1 tratar?
....os Porto : a stima lotera da
al ii 11cr hoi-a e ui sua casa, 1111 ., .
9 ?ualaiBadoRozaiio, a. 3G, Cultura.de Amoreiras correu no
j sexuado andar- primero do corrente mez, e a 55
## da Santa Caso da misericordia fi-
- guem se julgar credor da cava a no dJ8 Jo
galera portugueza Bracharense, te- 8ente me a8 |s(as d(j amhJde,
nha a bondade apresentar sua con- yem c f no da ^
ta uestes 3 dios, para ser paga,: Ja com ^nha brasileira, ou no
naruadoQue.mado, loja n,. ap. dja T
Quem annunciou a vooda da eii de r 1 vs*
aobrado de um so andar, na roa do Encn- ao immediatamente pagos todos
lamento do bairro do Reaire: dirija-* a ra e quaesquer premios das rel'er das
do Vigario n. 14 que aohar* com quem .
' loteras nas lojas cima meneio-
1 MUTILADO
Vende a verdadera grata americana
de James Masn em latas. Esta grasa he
a maia prompta eeconmica para limparo
calcado, torna-lo macio, de maneira a nSo
ene mimo lar os calos ; assim como em
t impos chuvosos, impudc a humidade, ( n
do a virtude de lustrar o calcado molnado,
qualidade esta que nao ae encontra em ou-
tra qualquer graxa. He a nica usada nos
Eitados Unidos, Mxico e outros estados do
Nort' America tendo ultima mente tido tal
aceilaeflo na Europa que seu autor nfio
duvida sor logo quiai a nica usada. Neate
paiz sonde o servico he fado por escravos ,
quanto melhor por va do eaperdico : ven-
de-se no grmazem de Vicente Ferreira da
Coga, na ra* da Madre Deas, e de J. 1, Tas-
so Jnior, na ra do Amorim.
Fertences para escriptorio e repar-
tieses publicas.
Papel de peso, dito almaco, incluindo
urna pequen* quintldade; d'uma mirca
maior, propria.para despacha! lapia, laere
encarnado e preto, obreiaa de diversas co-
ree em ceixiiihig de papHSo, pap*l mala-
borrto, m-cli nas para copiar cartas, tinta
preta de escrever, ppela oleados, livroa
com ndices e papel em reamas, proprios
para os mesmos, nalanc para pesar cartaa,
etc., etc.; tudo ncebi 10 ltimamente de
lnglate>ra, do superior qualidade, e por
presos commodos: no oscri ptorm da E luar-
1I0 H. Wyatt, ra do Tr.picne-Nofo, n. 18,
Linhas de novello.
de muito boa qualidade, e varios soriimen-
to', por precos muito commodos, no escrip-
torio de Eduardo 11 Wyatt, ra do Trapi-
che-Novo, n. 18.
Bicos e rendas.
Ricos sorlimentos, em eaixa de papello
enhiladas, por precos muito em conta : no
escritorio de Edua>do II Wyatt, ra do
Trapiche-Novo, n. 18.
Fio de vela.
Muito superior fio ioglez, ltimamente
recebido, por preijo mdico: 00 oscripto-
rio de E. H. Wvatt, ra do Trapiche-Novo,
n. 18. -.
-- Em casa de Roth At Bidoulec, oa ra do
Trapicha Novo n. 14, vende-s um piano.
.- Vonde-se cera de carnauba por preco
de 5.50U a arruba : na ra da Cruz n 19,
confronte ao chalaiiz.
Vendem-se amarras do ferro: n* "II da
Senzalla Nova n. 43.
Grande porfi de hiendas bara-
tas, finas e modernas de pri-
meira qualidade, vindas a este
mercado, na roa do Graspo, lo-
ja am-d^ja n. 4 de Antonio
FranciseoFerei**.
Cortes do cmbrala aeda, ouAlexan-
drioa a 11,000
Chales de casimira de pnr Ifla, pro-
prios para a eat<(lo viudos da
India a 7,000
Cambaia seda, de gosto Escocezes ,
covado a 700
Cimbraia pintada franceza da or-
gandy a *00
Cassa pintada, frinceza de moder-
no gosto a 830
RicaaguamlcOes, para ciberas de
senhora 1 5,000
Mantaa de seda de eores, de moder-
no gosto a 7,000
Chapeos todos guarnecidos -de llo-
res e bico de seda de blond co
bertog de gurgurSo de diversas
coces, par% meninoa a meninaa a 6,000
Panno lino preto, francs, covado a 3,000
Olio dito cor de caf e verde, o me-
lhor que tem rindo a eale merca-
do, covado a *i50O
Cortes de caimira de pura lia a de
3 larguraa a 5,000
Ditos de dita de quadros e de um*
sd cor, de muito bnm godo 6,500 -
Chapeo prato, franco, moderno* 5,500
Peca* de breUnha de linho, muito
lina, com varas a 4,800
Bom e barato.
Na loja da rda do Crespo n. 10, vendem-
se palitos o casacas de brim a 4,000 rs. cha-
les de seda a 4,000,5,000 e 6,000 rs ; cassas
pira bahados a 340 rs. a vara ; ricos man-
teletes de seda preta e de corea, de menos
preco do que em outra qualquer 1 arlo .
maulinhas de seda, para menina a 640 rs.
cada urna, e outras muitas fizendas, quo
se vendem por todo prego a dinheiro a
vista.
Fecbincba.
Na lnji da ra do Crespo n. 10, vende so
chita com um pequeo deleito,ruida do cu-
pim a 100 rs. o covado; ditis lmpas a 130 o
160 rs. o covado.
Ailmirarao.
Na loja da ra do Crespo n. 10, vende-se
pelo diminuto prego de 1,500 rs. cidi um ,
lindos chapeos de sol de paniiinho bem 011-
leiiado., para meainis, obra prima; a elles
antes que se acabem.
Vende-se, ou arrenda-so um engenbo,
distinta desti praca 3 legoas, moente e cor-
rete, com boas trras de plantelo, todas
as obras e mais proporcOes: quem quizer
examinar, dinja-se a travessa do Queimado
u. 1, primeiro andar.
Vende-ae Erva-matte, muito boa.che-
gadaha pouco do Rio Grande do Sul a 330rg.
a libra : na ra do Caldeireiro,venda n. 94.
Vende-ie urna negra e um moleque ,
creouloi: na ra da ConcecSo da Boa Vis-
ta n. 14, todos os das at as 9 boras.
Vende-se urna escrava cabra, de 35
annos, e urna negra de 30, viga dos com-
pradores ae dir o motivo porque se ven-.
dem : na ra da Cruz n. 54, segundo andar.
Vendem-se a 260 rs. o covado.
Ctiilas linas francezas, de gosto moderno
e de cores lizas, asmis linas que lem ap-
parecido neste morcado : na ra do Cres-
po, loja manila u. 4, de Antonio Francisco
Pereira.
Vendem-se a ao,ooo rs.,
paltJde panno ecasimiraedecora, forra-
dos da setim de macio, es melhores que
lem epparacido no mercado: na ra do Cres-
po, luja amarella n. 4, de Antonio Francis-
co Pereira.
.Vende-so ni ra di Senzalla Nova 0. 4.
urna preta de nieta, e ao comprador sa dir
o motivo porque se vende.
Vendo se urna hovilha torina muito
gorda e mansa, ja climalisada no paiz, por
ler vindoa 3 annos de Lisboa : na rui da
Cadeia de Santo Antonio, serrara n. 19, ss
dir quem vendo.
Deposito ge ral do rap
Gasse do Rio de Ja-
neiro, na ra da Cruz
n. 25.
ACABA UECIIEC4R A ESTE DEPOSITO A
BOA PITADA DU RAPE'
Grotso, meio grosso e fino
Pelos presos j sabidos de 1,880 as duas pri-
meiras qualidades, e 800 rs. a ultima, sendo
de 5 libras para cima. Escusado he enfadar o
publico com a descripclo da bondade do ra-
pe deste fabricmte ; a sua anliguidade a
atiesta, eem verdade pela simples e sauda-
vel coiiiposigilo colluca os tomantes urna vez
habituados em nlo o poderom substituir
por outro. Comparen! pois os amantes da
boa pitada a qualidade deste rap com a des-
si multidSo de novog raps, e o seu effeito
oa resolver a tomar deate ou daquelle.
-- Vende-se urna bonita parda, escura,do
18 annos, s>dia, que maica, cose, engom-
ma, faz l.byrinto, corta camisas de bomem,
as mais modernas o fa-l-s, corla vestidos
de genhoras og m.ig diluiris aom molde e
fa-los, a qual so se vende p.r. a prac. pela
sua rxempl.r conducta. Urna outra parda
de bonita figura clara, habilidosa, e moga,
grvida de 8 mezo', para engenho ou fra
da provincia. E urna outra parda, qaecoze,
engomma, cosinha; todas tres em oonli,
que silo para aaldar antigoa dbitos: na ra
larga do Rozario o. 35, luja.
Na nova loja de miudezas, em frente
do Livramento, alm de outros novog sorti-
meotosdequinquelharias, tem meiaacrois
para genhora a 400 ra. op*r, fazenda de
muita duraclo; ditaa lisas e abortas ; I11-
vas de elgodSo, a 340 ra. o par ; ditaa da
pelica, a 1,000 rs.; ditaa da seda preta e de
cores; papel perlina, da peso, mel hollan-
Ja, paulado, dito de peso dito de cores;
aboto.duras dour.d.s e ovadas, mostrando
a cibeca de diversos anlmaes da Europa, e
nutras muitaa fazondas mais baratas do-que
em outra qualquer parte, iato'para lqut-
dagSo de contas.
Na ra Nova loja de Jos
liaptista Braga ba para vender
por 400,000 rs. cada um, dous a-
lambiques de columna e carapu-
9a novos e muito bem acabados,
e em tudo semelhantes aoa que se
vendem por 600,000 e 700,000 rs.,
sto porque se deseja concluir essa
transaccBo.
DevocSo do mez Mariano.
Rexabeu-ae de Paria urna pequen, porclo
de tercos, engr.dados em rame Uno, coaa
um crudillo em relevo, mostrando oa m*r-
tyrioi, que porns padeceu Nosso Salvador,
porisso selornam recommendaveis pira os
devotos, por aerem feitos com toda a deli-
cadeza, digna de 13o pa devogSo : vendem-
se na nova loja de miudezas em frente do
Livramento, a 1,300 rs. a duzia, e 130 re.
um.
Vende-se um escravo padeiro : ni ra
aa matriz da Boi-Vista n, 33.


\
SspalOes para o averno.
No aterro da Boa Vista, loja de
calcado n. 58, junto ao aeleiro ,
vendem-se snps toes de bizeri o ^,
obra muito boa, feit*" na Ameri-
ca, e muito boas fara e invern.
Botina de bizerro.
Vendem-ae superiores botinsde
bizerro, feitos na America ; assim
como sapatdes de lustre : no at
trro da Boa Vista, loja de calca-
do n. 58, junto ao seleiro.
Ni ra dis Cruzes n. 39, egundo in-
dar rende-se um molatnhode 16 mnos, j
despichado para o Rio do Janeiro, um ca-
bra de SO annos ofllclal de carpioa, um mo-
lecote para todo servico, 0 urna escrava de
nacSo de M unos, que coainha e lava.
Vendem-ae 2 cnxfies grandes com vi-
droa de venda, urna balance com conxas de
pu com um lernu d pesos de 8 libras a
meia quarla, cinco temos de medidas de fo-
1 lia e um dito de secos., tudo em muito boin
estado e muilo barato : Da ra de S. lina
n 97.
Vende-se urna pret de 40 annos, cosi-
nha, engomma, Uva roupa.o faz doce, tudo
com perfeicao : na ra do Colegio n. 91,
primoiro andar se dir quem vende.
Seda, no atierro da Boa Vista
loja de calcado derontc da bo-
neca n. i4.
Vendem-se as mais superiores sedas fur-
tacores e de belissimus padrOes de dif-
fereotes cores.por preQO que muito agradar
ao comprador, em razio de se dezejar liqui-
dar; assim como um novo e completo soiti-
nieuto de calcados de todas as qualidades.
Vende-se um cavallo carregador a es-
quipador,bem nutrido : na ra do Queioado
loja o. 18.
Loja amarella de 4 portas, atierro
da Boa-Vista n. 6o.
Vendem-se cortes de carniza de chits fran-
ceza lindospadrOesoom 51|2 covadosa 1/000
lenciohoa de chita para meninos a 80 rs al-
paca dealgodSo a 20o 's. o covado, riscado
escoro para todo servifo a 140 rs., dito do
chita a 160 e 200 rs., chita nova padres es-
euros a 200 e 240 rs. o covado, cortes de ris-
cadinho francez com loque de a varia de oleo
a 1,760rs., pe(as de algodSozinho muito en-
cordado com16jardisi 2,640 e 2210 rs. rem-
iras multas fazen daspor menos de seu valor.
Vendem-se saccas com farinha deS. Ca
tarina a 2,000 ra.,de boa quaiidade.dita com
inilhoa 9,000 rs., arroz de casca a 2,400 rs.
o alqueire, azeile de coco a 2,400 rs. a cana-
da, dito de carrapato a 1,440 rs. 1 relogio
deouro patento suisso botn regulador : no
caes do Hamos n. 4.
tWQ
DA
SALSA PAjmiLHAOfBmSTOL
Cheguem antes qn*?^"^!:
Vendem-se capachos de loados o*
Na loja Pernambucana, ra
m do Crespo n. n. 9
$f Vendem-se casemiras francezis mo- $
ff, deroaa e de excellenles qualidades e aja.
* pidres, pelo baratissimo prefo do a,
9 4,000 rs o corte, para calca
a,5oo
A dinbeiro a vista.
No engeiilio Gaipi, na freguezii de Ipo-
juca, em urna casa junto ponte, acha-se e-
tabelecida urna fabrica de fazer superiores
velas de carnauba, com toda a limpoza e
perfeicHo ; avisa-sc portanlo aossenhores
deeogenho, eroais moradores circumvizi-
nhos, que Ihes he mais commodo minda-
rem ali comprar, do que no Recife, evitan-
do assim o quebramento dolan, e a demora
da viagery, levando logo o portador soja elle
dequemfor, o dinheiro avista, a razSo de
360 rs., por cada urna libra ; aflianci-se
boa qualidade dolas, e nSo se duvida dar a-
mostra gratuita a quem quizer experimen-
ta-las.
Calcados a 75o, i,ooo,
3,ooo rs., no aterro da Boa Vis-
ta n. i.'j, defronte da boneca,
ha chegadoos bem conhecidos sapatdes do
Aracaty a 750 rs., e de orelha a 1,000 rs., de
lustro a 2,500 rs.,' e os melhorvs que tem
viudo da Baha a 3,000 rs., o os bem conhe-
cidos sapalOes de lustro e de bizerro de
Mantea, muito proprios para a estacan pre-
sente; assim como um novo o complot sor-
timeoto de calclos francezes e de Lisboa
de todas as qualidades, tanto para hornera,
como para senhora, meninos o meninas, tu-
do por preco muito commodo, alim dse
apurar dinheiro.
Veode-se urna casa de sobrado de um
so andar, erh etilos proprios, em a ruado
Encantamento dobalrro do Recife: quem
pretender, annuncie para ser procurado.
Vendo-so urna casa terrea em a ra da
Seozalla Velba do Recife, em chaos forel-
ros: quem pretender, annuncie para ser
procurado. .
Deposito de cal virgem.
Cunta & Amorirn, na ra da Cadeia do
lente, n. 50, vende-se barris com supe-
rior cal em pedra, chegada pelo ultimo
navio de Lisboa, por menos prc?o do que
om outra qualqner parte.
-- Vende-segotnma em saccas dealquei-
re, por raolico proco, para liquidar-se urna
conta : na rtia da Cadeia do Recife, loja
n. 56.
Vendem-se caixas com superior doce
de goiaba: na ra das Cruzes u. 40.
Attencao.
Vende-se na ra estreita do Rozario n. 11,
tmaras muilo novas, aendo cada caixinha a
600 rs. e minores a 800 rs., eslrelmha a 820
rs. a libra, bolachinba de Lisboa a 360 rs. a
libra.',
Vende-se luvis de pelica pretas e de co-
res a 800 rs. o par, assim como penas de ou-
roo melhor possivel : na ra da Cadeia do
Recife, loja n. 14, de Ferreiri & Machado.
Veniem-se caixinhas com 120 duzia* de
carrltois de linha de 2C0 jardas mullo supe-
rior em qualidades de os. 40 a 150, por 800
rs. a duzia e de na. 12 a 120 por 700 rs. : na
ra da Cadeia do Recife loja de ferragens
n. 53.
Grande labrica de chapeos de sol,
de J. Falque la do Collgeio
n. 4.
Neste novo estabelecimento recebeu-se
um DOVO e lindo sorlimento de chapeos de
Sol do* ultimoagostos, tanto de seda como
de paninho para bornea* o senhorts, de ar-
madlo de baleia e de isso que se venciera
por menos prego quoem outra quelquer par-
te ; grande sortimento de chamalole, sedas
e pninhos em pe lidades para as peasoas que quizerem man-
dar cubrir armacjOcs servidas. Completo sor-
timento de baleaa para vestido* ospartilhos
para seoboras, fazem-se umbellas de igreja e
concerta-se qualquer qualidade de chapeos
de sol: lodos osobjectoscima mencionados
se vendern em porfo e a retalbo, por preco
que agradara aos freguezesa vista da quali-
dade.
Farinha de mandioca.
Vendem-se saccas com farinha nova, che-
gada ltimamente do Ceiri, a 2>J0O rs. e
em lotes de 10 saccas para simSjraP*,800 rs.,
cada urna sacca : do armazem ue J. J. Tas-
so Jnior: na ra do Amorim n. 35.
* <>lta oarrilha deBristol data desde 1832, e tem constmtemenle manlido su* repula-
co semnecessid.de do recorrer pomposos annuncios de que a.propiracOesde me-
ntDodem despensar.se. OsucessodoOr. Bristol tem arovoc.do inflntt. mvejas, e
entre ootrVs, as dos Srs. A. R. D. S.nd*. de New-rork, preparadores e proprieUnos da
salsa oarrilha conhecida pelo nome de Siid. .,-...,,
EatessenhoressolicilarSoem 1842 geocia de Sais, pirrilha deBnstol,e como no
o oudessem obter, fabriaa/So urna ImilicSo de Brislol. ?
?"s-aqui a carta que osTrs. A. R. D. Sands escrever.m ao Dr. Bnstol, no di* 90 de abril
de 1842, e que soacha em noiso poder :
Sr. r. C. C. Bristol.
Bfalo, etc.
Nossoapreciavel senhor. ,-.-. .
Em todo o auno passado temos vendilo quantidades coisidcnveis do extracto de
salssparrilhs deven, e pelo que ouflmosdzer de suas virtudes quelle* que a tem usa-
do juntarnos que a venda da dita medicinase sugmenUra multissimo. Se Vm. quizer
fazer um convenio comnosco eremos que nos resultara multa vanlugem, tanto a nos
como a Vm. Temos muito prsior que Vm. nos responda sobre osle sumpto, e se Vm.
vier a esta cdado daqui a um mez, ou cousasemolhante, loriamos muito prazer em o
ver em nossa botica, ruadoFulton n. 79.
Fic8o asorden*de Vm. *eu* seguros servidores.
(Assignados) A. R. D. Ssnds.
CONCLUSA^.
*
l.'A.ntiguidtdo d* sais* p*rrilhde Bristol, be claramente provada, pois que ella
data desde 1832, e que a do Sands so appaieceu em 1842, poca na qual ete droguis-
ta no pode obler a agencia do Dr. Bristol.
9.' A superioridade da salsa parrilha de Bristol he incontestsvel, poisque no obs-
tante a concurrencia da de Sands, e de um* porco do outras preparajOas, ella tem man-
tido a aua reputacoem quasi toda* America.
As numerosa* experiencias feilas com o uso da salsa panlha em todas ss inrermnia-
des originsdas pela impureza do sangue,e o bom exilo obudo nesla corto pelo lllm. Sr.
Dr. SigauJ, presidente da academia impeiial de medicina, pelo llluslrado Sr. Dr. An-
tonio JosePeixotoemsua clnica, e emsua afamada casa desaudenaCambo,pelolllm.
Sr. Dr. Saturnino de Olivoira, medico do exercito, o por vano outros mdicos, per-
miltem hojo de proclamar altamente as virtudes elllcazes da salsa parrilha deBristol.
Vende-se a 5/000 o idro ; na botica do Sr. Jos Mana Connives Ramos, ra dos
Quarteis pegado ao Qaartel de Polica.___________________________________
Chapeos de ol.
Vende-se um bonito sorlimento de cha-
peos de sol deseda, com cabos do bom gos-
to: em casa do Eduardo II. Wyatt, na ra do
Trapicho Novo a. 18.
Vende-se feijSo mulstinho, muilo no-
vo, om saces* de alqueire, media* velha, a
9,000 rs. a sacca na ra da Cadeia do Re-
cife n. 49, segundo andajr.
(asa de commissao de escravos.
Vendem-se escravos e recebem-
se de commissao, tanto para a pro-
vincia como para lora della, para
o que se olTerece muitas garantas
a seus dorios .- na i ua da Cacimba
n. ti, primeiro andar.
Deposito de cal e potassa
No armazem da ra da Cadeia
doHecife n. ia, ha muito supe-
rior cal de Lisboa, em pedra, as-
sim como potassa chegada ltima-
mente, a precos muilo rasoaveis.
Agencia de Edwin Maw.
ta ra de Apollo n. 6, armazem de Me. Cal-
ruuDiSt Coinpanliia, acha-ae conalaniemeote
na aortlmeoioa de taina de ferro coado e
batido, tauto rasa como fundas, moendas fn-
elias todas de ferro para anlmaea, agoa, ate,
ditas para armar em madeira de todoa oa ta-
aianhoa e madellos o mais moderno, machina
tiorlaonlal para vapor, com forca de 4 cavat-
los, coucos, paaaadeiraa de ferro esfnhado
pata casa de pulgar, por menos preco que oa
Je cobre, escovens para navios, ferro ingle;
tautoem barraacomo em trcosfolhas,eludo
por barato preco.
veue-se cortes de caifa de casemira
padrOes escuros e muito moderno,pelo bara-
tissimo pn (o de 5/000 cada corte: na ra
do Queimado loja do sobrado amarello
n. 29.
Moinhos de venlo
com bombas de repuxo para regrar hortas
o bsixas decaplm na fundicSode Rowmaux
de H. Calhero: na ra do Brum ns. 6, 8 o 10
Vende-se um terreno n* ra da Aurora
rom 50 palmos de frente e 280 de extensflo,
tendo caes de lijlo a beira mar, Meando en-
tre as casas dos lllms. Srs. GustavIoJosdo
llego e Francisco Antonio de Uliveira: os
pretendenteadirijam-se a ruadas Toires n.
8, primeiro andar.
Vendem-se em casa do Me. Calman! t
Compaa, Corpo Sanio n. II, oss:gulntes
artigo* por piecos baralissimus, alim de li-
quidar certas cuntas,-* saber :
Oleo de linhaca, em latas de 6 gallOes.
Ac do ni il.li> sor lelo, marca O, O O o 0 0 O
Breu, em barricas muito grandes.
Urna quanlldade de rotint.
Ferro inglez em barra, folha e reos, sorli-
do, em porches grandes uu pequeas.
Chumbo em lencol.
Saceos vazios, o barricas abatidas.
Vinho de Maisella em caixas de tres ou 6 du-
zias.
Deposito de panno de oleodao da
febrica Todos os Santos da Ba-
nlna.
Brinquedo para meninos.
Vendem-se na ra do Calinga n. 6, hrin-
quodos para meninos, baratqs que sdoiira
a el los que he para acabar.
AGENCIA
da fundic5o Ldw-Moor.
RA A SEZAI.LA NOVA X 49.
Neste estabeleeimento conti-
aa a haver um completo sorti-
mento de moendas o meias moen-
das para engenho, machinas de
vapor, e taixas d ferro batido e
coado, tic todos os tamanhos, pa-
ra uto.
Palitos ieitos.
f.Na loja do sobrado amarello ni na 1
_ do Queimado o. 29. conlinn a ter pa- g
ra vender um bom sorlimenlo de pli- W
tOs de pao preto e de cor, os malho- J
0 res que ba no mercado o por preco
muilo em conts. 9
* #
N* ra da Cruz n. 33 armazem de
Luiz Jos de Sa Arujo, vende-se larinha de
mandioca deS.-Matheus, prefo de i,800 rs.
o alqueire, da medida velha, isto para aca-
bar o fechar cootas, e tambem veode-se em
ssee* de alqueire 3,200 rs.
Grande porcSo deiazendaa baratas,
na ra do Crespo n. 14? loja de
Jos Francisco Dia, a 160 rs, o
covado !
Vende-se urna grande porcSo de cbitas
muito lias, de novos psdrOes, com um pe-
3ueno loque de mofo, a 160 r*. o covado ;
itas eacuras Ores de caf e de vinho, o ou-
tras maiacores muito fizas, a 200 rs. o co-
vado ; ditas as mais finas que tem appare-
cido no mercado, tanto em pannos, como
as tintas, fazenda do ultimo gosto, a 240
rs.; nscados francezes de quadros, fazenda
muilo fiza, a 200 r*. o covado ; cortes de
chita francezes, com barra, a 3,000 rs : ma-
rin* pretos de superiores qualidades, e
1,800, 2,500, 2,800 o 3,200 rs.; linissima al-
paka preta e de cores fazenda propria pa-
ra palitos, a 640 rs. o covado; algodSo azul
muilo largo, a 160 rs. o covado; pecas de
bretenhs da rolo, com 10 varas, fazenda
muito eocorpada, a 1,809 rs. a peca ; is-im
como existem outras muitas fazenriss, por
precos mais baratos do queem outra qual
quer parte: de tudo se u'srSo amostras,
deixando seus competentes penhores.
Deposito da fabrica de Todoa os
Santos na iialiia.
Vende-se,em casa deN. U.Bieber&C.,
oa ra da Cruz n. 4, algodSo transido di-
quellafabrica, muilo propriopara saccosde
assucar eroupa de escravos, porprec.ocom-
moau. ... -i
Linhas de carritos de aoo jardas.
Vondom-ae linhis de carritei de 200 jar-
das de todos o* numero* a 90) rs. a duzia,
ditos do 100 jarda 320 rs.: na ra do Ca-
buga n. 6.
Em casa do De*ne Youle& Companhis,
vende-ae algodSo entransado d Babia.
Vende-se por preco commodo
o bem conhecido panno de algo-
dao desia fabrica ; em pessa,
vontade do comprador: no escrip-
torio de Novaesck Companhia, na
ra do Trapiche n. 34.
Bom e barato.
Ra do Passeio loja n. 9, de Albino Jos
l.eite, vende-se chita para cubera a 140 rs.
o covado,a pega a 5300 rs chales de Chita a
500 rs. dito de 19a a 1000 rs., lencos pintados
pequeo a 120 rs., ditos de cassa para grva-
la a 120 rs.,meias cruas muito finas a 200 rs.
o par, em du/ia a 2,200 rs., lencos do vapor
a 200 is.,cuales broncos com franjas a IfOOO,
lencos de cambraia braneo com bicoa 410
rs., ditos de cores com bico a 320 rs., bros
ile linlio azul e de cores s 300 rs. o covado,
riscados francezes a 220 ra. o covado, meias
gazemiras para caifas* 360 rs. o covado,
cassa da India bordada para cortinados a
400 rs. a vara, corles de fuslSo de colele
610 rs., ditos de lfia o seda a 800 rs., cha-
peos de sol de paninho a 1280 rs., 100 vara*
de bico o renda da trra a 120 rs. vira e
outras muitas fazendas que se deixa de an-
nunciar por falla de tempo.
Arados de ferro.
Na fsatelo da Aurora, em S. Amaro,
vendem-sn arados de ferrode diversos mo-
mios,
Cortes de brande linho, a 1,280,
3,a4 e 2,000 rs.
Vendem-se cortes de brim pardo, de li-
nho puro, a 1,280 rs.; ditos de cores com
lislras de bom gosto, a 2,240 rs.; ditos de
brins amarellos, a 2,000 rs.; cortes de calsa
de riscado de linho de listras, a 720 rs.; cas-
sas escampinadas para cortinados, com 81|2
varas, a 2,400 rs. a poca.
Novo sortimento de panos finos e
casimiras de todas as quali-
dades.
Na ra do Crespo, loja da osquins, que
rollu para a Cadeia, veodem-ie panno pre-
to, a 9,800, 3,200, 3,500, 4,000 e 5,000 rs. o
covado ; dito francez muito superior,
6,000 rs.; dito verde, a 2,800 rs.; dito azul,
a 2,800, 3,500 O 4,000 rs.; dito cor do rap,
a ,800 rs.; cortes de calsa de casimira pre-
ta infestada, 5,000 e 6,000 rs. ; dita fran-
ceza elstica, a 7,500,8,000, 9,000, 10,000 e
11,500 rs.; sarja preta, a 9,400 rs. o covado;
dita hespsnhola, a 9,800 rs., e outras mui-
tas fazendas por presos commodos.
-* Vende-se um escravo creoulo, com 18
annos de idade, muilo sadio e sem vicio: 11*
ra do Coll'gio n. 19, primeiro andar.
Vende-se um mulato moco, de bonita
figura o hecarreiro 1 na ra das Cruzes nu-
mero 40.
Armazem de vinhos.
Na ra da Senzalla Velha n. 48,
vendem-se vinhos de Lisboa e Fi-
gueira, dos mais superiores que ha
no mercado pelo diminuto preco
de aoo e 240 rs. a garrafa,e i,5oo
a 1,800 rs. a caada : para confir-
mar d-se a novar, e para ver da-
se a beber } he baratinhb, a elle
l'rcguezes que he bom vinho.
Mercurio.
vendo.se mercurio de prlmeira sorte : em
cas* de Augusto C. de Abreu, na ru* da Ca-
deia do Recife a. 48.
Cartas finas para voltarete.
Vendem-se baralhos de cartas 500 rs.
pioprias para voliareie: na ra do Cabug
0.6.
- Vendem-se no boceo do Conrjalve*, ar-
mazem de ueaoe Youleo: Companhia, meias
barricas com superior farinha do trigo. 1
J^abe.
capacho* dotados oa tim*-
nbo* 560 rs. cada um: oa ra do Cabug*
a. .
N. 39 A.
Vendem-se na roa estreita do Ros*rio,tra-
vessa Pin o Queimido, deposito n. 39 A,
lata* da muito acreditada bolachinha de
araruta, polo diminuto precede 2,100; tam-
bem rontinua-se a vender biicoitinhoa, fi-
liase bolachinba* do *rrut",a ret*lho,tudo
n uitufino e que se pode apresentar em urna
mos* de oh* sem escrpulo ; vendem-se
biscoitos doce* e aguado* de boa farinha e
de diferentes tamanhos; tambem as multo
boas bolacbinhas americanas quadradas das
pequeas e tambem maiores para 240>rs. a
libra, bolachinhas do regalia o de leite *
mais diversas, tudo por commodo preQO.
Transparentes para janella.
N* loja de CulmarSes & Henriques, ro* do
Crespo n. 6, vendem-se transparenteschega-
dos ltimamente do Franca ; esta fazenda
est sendo preferid* a* Venesian** tanto pe-
la sua boa qualidade como pelos lindos de-
senhos com vialas pitorescas. Veudem-se o
mai* barato possivel, que vista da fazenda
os preleodentes Dio deixarSo de comprar.
Vendem-se os verdideiros solios in-
flases, patento, de molla e sem ella : n*
ra da Senzalla Nova n. 49.
>?#
? Na loja pernambucana da
(v ra do Crespn. 11
%' Vendem-se ptimas sedas furta-co- 0
-) regde bellissimos padrOes e difieren-
%i tes larguras, pelo diminuissimu pro- %
jjl codo 1,000, 1,500, 0 2,000 rs. o co- M
vado.
i
Cha preto, superior.
Em cnixinhis de um* libra. Este cha he
muito proprio para quem padece dos er-
vos, epode-se fazer uzo delle mesmo toman-
do medicamento* homcepaticos, vende-se
na travessa da Madre de Dos n. o 6.
Vendem-se n* ru* do Cibug n. 6, te-
souris muito finas, propriis pra costura a
320 rs. c.da urna, ditas maiores a 400 rs., e
ditas grandes para cortar costura a 480 rs.
cada um*.
Farinha de trigo
SSSF.
Fontana.
Galega.
laxal.
No armazem de J. J. Tasso J-
nior, na ra do Amorim n. 35.
Vende-se a typographia do
Diario Novo, propriedade di Viu-
va Boma a qual est montada ,
tanto de bonstypos, como de pre-
los, e de todos os utencis necessa-
1 oa ;t urna boa typographia : tia-
ta-se com a proprietaria, na ra
da Praia n. 55.
Franjas para cortinados.
Vendem-se os ru* do Cabngt n. 6, franjas
de hellas a 4,000 rs. cada poc,s, ditas sem
belotas* 3,000 rs., ditas estrellas para toi-
Ih* 100 rs. a vara.
Gordas para violSo.
Vendem-se n* roa do Cabug n. 6, cordas
oara violSo, muito novas, por presos com-
modos.
Bicos de largura de palmo.
Vendem-se n* ruido Cabug n. 6, bicos
de largura de palmo o mais largos a 640 rs.
a vara, ditos pouco mais estrello a 500rs.,
ditos de largura de meio palmo a 320, ditos
de 4 dedos a 240 a van.
Luvas fio da Escocia.
Vendem-se na ra do Cabug n. 6, loja
do barateiro, luvas fio d* Escocia a 300 is.
sem mofo algum.
Oh que pechincha.
Vendem-se na ra do Cabug n. 6, luvas
de trocal a 500 rs. o par, ditas ditss a 720,
dilas ditss com belotss a 1,000 rs., ditas de
ponto inglez para hornero a 1,600,ditas ditas
de dito de cores proprias para montarla a
1,280, e com um toque de mofo a 1,000 rs.,
ditss ditas com requifes o belotas para se-
nhora a 1,500 o par.
Hicas litas de veludo.
Vendem-se na ra do Cabug n. 6, litas
de veludo lisa* e berta* 1,280 rs., assim
como um sortimento de (velas para as mes-
mas.
Vende-se na loja de louca da ra larga
Ao Rozario tpeles de 19a para vasos e lan-
lernas, ebegados ltimamente de muito
bom goslo ; na mesma loja se compra peo-
nas para encher traviceiros.
U barateiro da ra do Cabug.
Vendem-se na ra do Cabug n. 6, loja de
mludezas, os mi i* ricos pentes de coco imi-
tando* tartaruga 1,280 rs., ditos mais in-
feriores* 720 rs.,dito ditos* 280, ditos para
alisar a 326, ditos de marlim a 300 rs.; a si-
les que se estilo acabando.
Bicas franjas c trancas para
manteletes.
Vendem-se na ra do Cabug o. 6, loja
do barateiro, funjis o Iranqis pretis de lu-
das ss larguras por precos mais commodos
do que em outra qualquer parto.
Ideas charuteiras.
Vendem-se na ra do Cabug n. 6, ricas
charuteiras a 2,000 rs. cada urna, ditas mais
ordinarias ( 480 rs., ditas pequeas 240.
Meias cruas.
Venfm-se ni ra do Cabug n. 6, magos
de me*)* cruas a 3,000 rs. cada um, ditos de
listras a 3,200, ditos muito finos para senho-
ra a 5,000 rs., assim como um sortimeoto de
ditas de meninos o meninas por precos mui-
to commodos.
Jj&###&###^E# 9 99
Na loja pernambucana da 9
Pannos finos.
Na ra do Crespo o. 5, loja do puso, ven-
dem-se pinnos fino, prov* de limito, *
3,500, 4.000 o 5,000 r.. e moito fino lirno*-
te 8,000 rs.; dito verde 3,000 o 5,000 rs.;
dito cor decif muito uperiur i 5,000 is:
JMI
"abados MTEbTcaSoS.
Vendem-se arados ame-
ricanos, chegsdos dosEsta-
Z dos Unidos, pelo barato pre-
t* 90 de 40,000 rs. cada um: na
S ra do Trapiche n. 8.
*!Tf #*>
- Vende-se Kezin* de ingico de muito
superior qusldsde em arrobas 1 5,120 rs.,
em miras 320 rs. : ni ru* di Cidei* do Re-
cife luja do ferngous n. 53.
CHA PBKTO.
Vende-se superior cha prelo,
em caixas de 3o libras cada urna :
em casa de J. J. Tasso Jnior, na
ra do Amorioi n. 35.
AlgodSo para rdpa de escravos.
Vende-se algodSo muito encorpado, p'O-
prio pjra ropa de escravos', com pequeo to-
que de avaria aUOrs. a jarda; dito liaipo
* 180 rs.: na ra do Crespo n. 5.
Panno mesclado.
' Vende-se panno mesclado a 10,000 rs. o
corte de palitos, com 2 1|2 covados : na ra
do Crespo n. 5.
Moendas superiores.
Na fuodicto deC. Starr Companhia,
em S.-Amaro, acham-sea vend moenda*
Je cinna, todas de ferro, de om modelos
construcglo muilo superior
Sinilo de iVaniiiii a
800 rs.
Vende-se s historia de SimSo de Nantua,
800 rs. : na livraria da praja da Indepen-
dencia n. 6 o 8.
Taixas para engentios
Na fundicSo de ferro de Bow-
man Se Me. Callum na ra do
Brum, psssando ochafariz, conti-
na a haver um completo sorti-
menlo de .taixas de ferro fundido e
batido, de 3 a 8 palmos de bocea ,
as quaes acham-se a venda., por
preco commodo e com prompti-
dao, embarcam-se, ou carregam-
se em carros, sem despezas ao com-
prador.
Farinha a 2,000 rs. a sacca.
No armazem n. y, do caes da
Alfandega,dinheiro avista.
Extrait d'Absinlbf!.
Vien d'arrivcr superieur extrait d'absintho
de Suisse, en caissrs d'une dusaine que on
venda de pnx tres moderes : dsns la traves-
sa da Madre de Heos ns. 4 e 6.
Cbixas para sabonetes.
Vendem-se na ra do Cabug n. 0, Clisas
dooradas o praliadas com um saboneta mui-
lo fino, pelo diminuto prego de80O rs. cada
nina,'! ditas de pao a 400 rs.
l'otassa americana.
--No anligo deposito da cadeia velha, n.
12 existe urna pequea por(3o de potassa
americana, chegada recentemento que por
superior rivalisa com adaRussia: vende-
so por preco razoavel.
#99fl|#C99a)9tt4FS0#W#
Na loja pernambucana da
ra do Crespo n. n
Vendem-se toucas de 1.1a para so- fjj)
nhoia eenfeiles psrs cabera ornados .*
de retro/.
t
;?
*
ra do Crespo n. n.
Vendem-se 12,000 e 14,000 r*. cr-
a) tes de riquissimas sedas furia-cores
f$ para vestidos de seoboras.
Chales de seda.
I.nja nov, ra do Rangel n. 8,
ha para vender chales ae seda de muilo boa
qualidade, bons gostos o difTerenles tama-
nhos; um completo sortimento de mante-
letes para senhora, e capolinbos para me-
ninas; um soi time uto de luvas para senho-
ra e para meninas; cortes de cambraia de
barra ; dito* de 1, 9 e 3 ordens de baba dos;
um sortimento de filas de seda lavradas, pa-
ra chapeos de senhora ; pentes de tartaru-
ga para lenhora ; trancas de seda de cores
para vestidos de senhora; um sortimento de
seda* decores e brancas; lenco1 'leseda
de marca grande pelo barato prego de 2,600
ra., e outra* muitas fazendas, que se vendern
nesla loja, por precos commodos.
-- Vendem-se oa ra do Cabug n. 6, bo-
lees de madreperola, multo fios 560 rs. *
groz*, assim como um sortimento de iniu-
uezas, proprio para boceieira* o mscalos,
tudo por precos baratos que admiram.
Vende-so ama escrava muito sidia, e
be cozinheira : na loja nov d* ru* do Rin-
n. 8.
Muitas fazendas por pouco dinhei-
ro na roa do Crespo n. 6.
Cortes de brim escuro do puro linho *
1,110 i-,, ditos <1.- Ii.stra do bom gusto s 2,000
rs., dito amarello a 1,800 rs riscado do li-
nho proprio pira c leos o pililos 200 rs. o
covado, panno fino preto a 3,000 4,000 rs. o
covado, pessas do chitas escuras co n 38 co-
vados a 4,500, 5,000 e 5,500 rs., cambraia de
filos com 8 1|2 varas a 2,400 e 3,500rs. i pes-
sa, lentos de cambraia de linho a 400, 480,
o 560 rs. proprios pira mo, riscados assen-
lados em algodlo muito encornado proprios
para escravos a 160,180 e 200 rs. o covado,
zuarte azul com 4 palmos s 200 rs. o cova-
do, o muitas mais fazen las por prego com-
molo da loja arima referida.
Vehdem-se relogios de ou-
ro eprata, patente inglez: na ra
da Senzalla Nova n. \?.
Vapor inglez.
Ao papel paquete antes que se icabe eiso-
breii* propriis pan o mesmo na loj de fer-
rigen* de Antonio Joiquim Vidual : ni ra da
Cideia n. 56-A-.
Aossenhores ourives.
F(Tramontas muito finas propris* para ou-
rives loja de Ferragens de Antonio Joi-
quim Vidal : na ruada Cadeia n. 56-A-.
Vendem-se 2 escravos, mocos, casados,
proprios para engenho, ou sitio : na ra Ve-
lha, caga n. 54. .
Vendem-se duas pirelhi* de caval-
lo* carnudo e bons para carro, o um ca-
vallo de sella de bom indares : na tnvoaaa
do Vena n. 15.
Vende-se para fra da torra, ou para al-
gum engenho, urna escriva com habilida-
des, anda moca, sem vicio*,' nem achaques:
no Manguind, taberna juoto ao Sr. Her-
culino.
Attencao.
Vendem-se por precosfeommodos, ricas
bandejas para lodo servico, formas pira pu-
dinse tortas de todos os foilios.ilem de ou-
tras muitas cousas propriis pira o servico de
iMsinlia, tudo do melhor gosto quo tem vin-
do este mercado : na ra d* Cadeia do Re-
cife, loja de ferragens de Antonio Joiquim
Vidiln.56-A-.
Vendem-se 2 escravos sendo 1 do idade
22 annos bomoflicial de pcireiro, um dito
de idade 20 annos,3 escravas mo;as do i lade
18a 23 annos de boi conducta, urna ptima
mulata de bonita figura,na ra Direiti n. 3.
-- Vendem-ae dous excellenles terrenos
proprios,'na Boi-Vists, ra dos Pires, junto
a caix* d'igui, deum eoatrolado, tendo o
do lado do Norte um bom alicerce na frente,
com osle, em estado de ruina mas be ca-
paz de aobre ello se levantar qualquer so-
brado de dous andares ; tem ette iho pal-
mos de frente, e de fundo 125, o do lado do
sul, da caixa d'igoi tem 66 palmos de fren-
te, e 125 de fundo : a tratar dentro do mes-
mo sitio com Manoel Joaquim Carueiro
Leal.
Pentes atar)arugados degomos t>a-
i t v-lo (o refer jo engenho a leu enhor,
ra coco. 00 Fernandos Vieira de Mello, que tam-
Na loja de miudezis, defronte do Livra-lbem o vender,
ment, j tem poucos desies escissos pon-1
tes entrancado* para coco, vendem-se por I
1,000 rs. cada um. |
Carteirinhas para algibeira.
Ni frente do Livramenlo. loja de miude-
zis, tem ss mais lindas carteirinhas, que se
lem vlto ds bfalo, mchetado de ouro
francez e forrada* deselim, com dais mo-
la*, muito propriis pin *s senbons guir-
darem modis de ouro, ou prati.
Chapeos do chily pequeo* re-
gulares.
Ni frente do Uvrimento, continu i ter
sortimento de chapeos dochily, pequeos e
regulares. 4 e 6.000 'S. um.
Escravos fgidos.
100,000 rs. de gratilicacao.
A quem ppreheader prel* ihiixo de-
cliridi..
Conlina a estar fgida preta Felicitado,
desde o dia 17 de marco prximo pasudo ,
tem o signaosseguinles>lature regular,
tem falta de dente* oa frente, marcas d pan-
no no rosto, edr nlo muilo preta, muito pro-
zista, levou vestido de chita j desbolado,
panno da Costo usado, um taboloiro peque-
o em que ande* vendoodo, tea por cos-
til me ter rp r* e mud*r quiodosai ;
tem sido vista muitas vezes, urna* no Mnn-
teiro, e outra* em lletiribe, lavando rp* de
ganho, edizendo que por mandado de sua
sennora; toiry> do encontrada junto com um
c-anoeiru, que n*veg* pira Olinda, ella tem
* mfil no engeoho S. Cosme : roga-se, por-
tante, as autoridades pollciie* o capitSe* de
campo, a su* cipturi, inda mesmo ella di-
zendo que nSo est fgida, a alevem a sua
senhora, na ra di Cruz do Hecite n. 35 ,
saim como se protetli contra quem a tiver
occulUdo e oohrar-so os dia* de servico.
-- Do engenho Velbo da freguezia de San-
to Amaro JaboatSo, deaappareceu no dia
primeiro do correte o escravo Jos, cabra
escuro, cabello* ralos o nao nuito torcidos,
pouco birbsdo,olhotnSo grinde*,n*ri* um
pouco comprido, o beico superior om pouco
ponludo o mais saliente do que o inferior,
| liando falla parece querer fechar os olhos,
estatura, o corpo regular e bem parecido,
pernas o ps bem feitos, gosta muito de ba-
tucar o cantar, bebe agoardente.hecirreiro,
e ciitendo do Irabilho de casa de caldeira,
foi pelo Sr. do engenho acims dito, compra-
do ao Sr. Joiquim Manoel Barrafrande, por
anthonomasia, levou vestido camisa de al-
godSo da trra com letra do marca de linha
encarnada com as iniciaos 1 B : rogi-se pois
as autoridades policiaes coidjuvacSo da
captura do referido escravo, eioscipit.les
de campo pesquizem o prondam dito escra-
vo, que aendo entregue a seu senhor, o pro-
prielario do engenho cima dilo Jote Fran-
cisco Pereira da ilvt, strSo por esto gene-
rosamente gratificados, etc. ato.
Nos lins de outubro do anno passado,
desappareceu do a balso assignido o escravo
creoulo, de nome Mamede, com idade de 16
annos, bem parecido, beicos um taolo gros-
sos, (ilnns grandes,o tem o* ps o mios gran-
des ; elle costuma gaguejar muito pouco,
quando tem me (o ou raivi; roga-se pois a
(odas as autbo' idades da provincia, visitahis
ea todos quo delle souberem que o facim
prender e leva-lo so ibaixo *sinido, mo-
rador ni ru* Imperial, que pagar toda a
despezi. Antonio da Silva Guarni.
No dii 10 de miio, desappareceu a pre-
ta Joaquina, de nac,3o Cissange, reprsenla
ter 35 a 40 annos, baizi, chai* do corpo,
senJo regular, cor fula, olhos pequeos, o
com carne sobre elle*, lem um* costura na
cara no lado esquerdo, porm moito apaga-
da, que mal se percebe, nariz chato, com
falta de alguna deotes, de orne outro lado,
be feia, tem urna empinge no rosto, que
parece ser bexig, pollos muito pequeos e
mu'xos, tem algunas giciirize* de relho
ni* costas, tem as nadigas empioadas pea
das, he bem fallante, representa ser creou-
la, ltimamente esteve oceupada no servico
de cozinhi, levou diversa rpi, quo aenSo
sibe di qua usuri, coslumavt indar sujae
embriagar-so, quando fugo tem por costu-
mo andar pelos arrobaldos desta praca, qui-
landando e lavando ropa, intitulindo-se do
forra; desconfii-se que esteja, servindo em
algumi casa como forra : as pessossque se
eslam servindo della oa' boa f, queiram
denunciar, do contrario se osar dus meios
que concede le : roga-se ss autoridades
policiaes e capilSes de campo, ou qualquer
pessoa, que a apprehenda, ou a faca appre-
hender e leva-la a seu senhor Domingos da
Silva Campos, na ra das Cruzo* n. 40, que
serio generosamente recompensado*.
ESCRAVOS FGIDOS DO RIO
DE JANEIRO.
Em 8 de abril do crranle nao, fugio do
Rio de Jancro o escravo creoulo de nome
Theodosio, ofilcial do ferreiro, o qual be na-
tural da provincia de Pernambuco; tem
pouco mus ou menos vinte aooos, bacheio
do rorpo, tem as mos grossas e com mar-
cas de fogo, rosto che., nars grosso o cha-
to, e bodijos groisos: coost* que este escra-
vo veio rom o titulo de fo ro, e com o no-
me trocado, de passagem no vapor S. Se-
basiiao, que naufragou na altura de Macen):
o qual e-divo pertonce a Sri.D lgn>cia Ma-
ra Val ii ti ua do Lomos, do Rio de Janeiro;
e por isso rogi-se todas as lutorid d s
dos diversos disirictos, o cspilSes decam-
po ou nutras quaesquer pessois que noticia
tiverem Jo mesmo escravo o prondam eo
mindem levar na ra da Cadeia do lenle,
a entregar JoSo Jos de Camino Moraes,
quos- responsabiliaa por todas al despezas.
Desippareceram do engenho do meio,
propriedade de Francisco de Carvalbo Paes
do Andrade, na madrugada do dia 12 de mar-
co, os segunteg esciavos : Manoel pardo, de
idade 45 a 50 annos.cor escura,barba preta.e
bem feixada,cosluma usar smenlo de meias
suissas e tem um pequeo sigoal prelo qua-
ai na matan do rosto ; Alexiudra tambem
pardo, pouco maia escuro que o sobro lito,
idade 20*a 25 annos, eslatura alta, espadau-
do e bem feilo de corpo, ten lo panos pretos
pelo rosto o por lodo o corpo; Miguel, creou-
lo, estslura bixa, reforjado do corpo, rosto
quasi redondo e ja descabido, idade 38 a 40
annos. Os dous primeiro* le dizem irmSos,
e So de Paj de Flores; mi* aqu manda-
ran) forjar um* carta, para Ihes ser.ir de pas-
saportes, qual foi dirigidla para Inhimuns,
e tilvez para *hi fossem, ou par* vizi-
nhancas.
Desappareceu do armazem de assucar
de Silva Barroca, na ra do Trapicho n. 19,
no da quinta fera, 13 do crrante, um es-
cravo preto de lurjii l'ss, por nome Libe-
rato, com os sigmes seguiutes: -- alio, ma-
gro, face retalhada, olhos avermelhados ,
mriz chato os dous denles de cima salu-
dos para fr* mos compridit, cinelli
lina pos delgados o chelos de cravos, e cor
bem preta; levou vestido camisa, de riscado
o nuil i de biela azul, o cilct* de algodo
tambem azul: roga-se quem o poder ip-
prehender, queirafcva-lo, ni armazem au-
pra-mencionado, ou na residencia de teu se-
nhor em Dem fie, em frente do viveiro.
- Ha quiltro mezes quo fugio do engenho
Diamante, ua comarca de Niziretb, o es-
ciavo Jos, de Angola, muito moco, sem
barba, fallante, estatura regular, agro,
pern** linas e um pouco encaaibitidas, e
sobre o peito direito marca de fogo A ;
ser bom pago quem o pegar, devendo le-
J MUTILADO L
...v MLMBLIbVbI fc;."-.,-'/"-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EUGD0VJZG_1HBGOH INGEST_TIME 2013-03-29T17:48:08Z PACKAGE AA00011611_03600
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES