Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03592


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-------1-----------r ".." i ,
T-
I .........
Ano TTVIll
. i i iL,
Snbbado 8
1
DIARIO DE m PEMAMBICO.
stticgo sucni*qio.
. PaDlMBrlTO ADUrlT.no.
Por trimestre............
Por semestre *<
Por anuo '>
POni.NTaO DUTSIHF.9THI.
Por quartel..............
OTICI41 DO IMPERIO.
Para.....57.ii- Mino Minas... 3 deAbrll
Maraohao 1 de Abril S.Paulo. 0 de (tilo
Cear... 7dedilo. B.deJ.. it dedita
Pirahlba. 3i le Abril Habla... 17 de dllo
4/000
8/000
S/UO
4/500
DI- DA lim. AUDIENCIA),.
3 Seg. *+ Invenfol Julio da Orpkll*
da S. m. ''mi. |2. e&.is 10.horas.
t Terc.S. fnica. I. tarado iM.
5 Ouart. 8. Pi.
fl Quii. S- Heliodoro
^ deit. 3. Eatanilo.
8 SabT Aparlcodc S
Miguel A: uo M. G.
o Dom. i. depols da
P. S. Gregorio.
3. c6. ao meio-dla.
Pasendn.
I. e 6. s 10 horas.
3 titira do ei>7.
4. e sbados ao melo-d,
KeUcao.
Tercas e sih-dos.
iriialDe.
Cresceate i 26, a l hora 2o minutos da t
Chela a 3 aa 0 horas e 4 minutos da tarde.
Hingoante 4 in, aa 0 hora e 4 minuto da t.
Nova I ios 47 minutos da m.
Primelra as7 horas e 13 minutos d'a maobSa.
Segunda s a hoiai e 6 minutos da tarde.
PARTE OFFICIAL.
MINISTERIO DA MUtlNHA.
Detrito n. 9t7 do I. de atril de 1852.
Fas esten.ivo aocoiiunandanieem chele, of
/i. i..-- ni h. pracasda raquadra ein operaron
no Rio da Praia, o uio da nicdalha que pelo de-
creto n. 32 de 14 de marco ultimo fura conce-
dida an re reno .60 o connnaudo do lencnte-
general conde de Casias.
Tendo ein conaideraco oe releanles servl-
coi prestados pela, esquadra em operaedes no
IIni il.i l'r.iii, sol o .'oiiinino1.1 i'ni chefe dovl-
ce-alinlraute Joo Pascoe Grenfell, hel por beui
fazer eslensivo ao inesmo vice-almiranle, olu-
clae. e inais pracas da referida esquadra o uso
da reedalha que pelo decreto n. 932 d 14 do
BMS IMltM pnlniM HmmbiMi '
cito do commando do tenente-gencrai conde
de Casias, com as alteracdes constantes das
lnsiruccoes que com este balaain, asalgaada
por Mauuel Vlrlra Tolla, do meu contedlo, mi-
nistro e tecrelario de eit-do dos negocios da
niarl h, queaiiim o teuha entendido e faca
eieciilr com oa despachos neceisarloi. Palacio
do Rio de Janeiro, ein I. de abril de I8'J. 31.
da independencia e do Imperio. Com a ru-
brica de S. M. o Imperadoa. Jfanorl Vieira
Tona.
Instruccdei tobre o uso da medalha concedida
ao commandante ein chefe, ofclaei e inais
. praeat'ria esquadra cm operacoes nu Rio da
Prala, a que se refere o dccrelo.desla data.
Art. l. Toda! ai praca da esquadra ein ope-
racfiri no Kloda Prala trsrao o incilalha, con-
forme o desenlio n. I, e as que perteucendo
referida esquadra, fizeram parte das tripola-
res dos natos, que aMisliram ao combate do
Toneleiro no dia 17 de dciembro do anno pro-
almo preierlio, a do de n. 2, tendo rti a Ata
de cor Igual da ordem Imperial do Cruiriro,
e a outra verde como a da ordem de S. lenlo de
Avit.
Art. J. Trarao deouro esta medalha o coin-
inandaute em chefe e o nfuciaes superiores;
de prata os outros oflciaes, inclusive os guar-
das inarinha. c os das classes anneaat ao cor-
puda armada i e de uina liga deiiuco e anti-
monio ai demais pracas; devendo todos usar
della do lado eiquerdo do pello, e de duplo
dimetro pendente ao peicoco, o commandan-
te em chefe nos dias de gala.
Art. 3. Os individuos a quem se concf de o
uso detlas medalhas nao poderao trocar as de
mu pela de oulros grao, mas seinprc e em lo-
do o lempo usaro daquella que for correspon-
dente ao posto oii praca que oceupavam na
poca emque se veilflcaram o succes.os pe-
los qnaes se Ihes faz esla concr.io.
Arl. 4* He Inlrlramrnte vedado trazer srm
ai medalhas as filas de que ellai pendem.
Palaciodo dio de Janeiro, em o 1. de abril
de 1652. Jfanoei Fieira Tala.
do. Val mullo longe dahi a nina tentativa dei A maiiifeslacflo, que nio acabies, Srs ,
rebcllio. O estampido do fusil afugenla hoje j,'e raier por porte da assembla legialaliv
em illa as populacoes. paclficas_ escarmentadas provincial, he Oais umi pruvada extrema
benevolencia, com quetetn ella semore in
INTERIOR.
lo mullo que sol'reram em I84J;. ellai teem
fume de pas. eo Ihes de por mullo lempo o
alimento de que tanto necessitam.
Se ao inenoso uiumplio da furca coroaise
detordem, podia-se ale cer'.o puni suppor que
use mo ejemplo fructlllcasse novoi crimei.
Felizmente isso nin se dcu. Os recrulat fortn
aultoiprlo delegado e nao pelot deiordeiroi
como a orfposic.io tein a.sualhado; c aqurliei
outros por cujalultura liouve o alaque da noi-
le de 2 de marco, >.m esper.doi qualquer dia
deslet netla capital. Se o poco houvesie tejara-
pnado nao oa leria arrancado ao destacamento
que oa guardara ? He evidente.
Uuatito aelcicei. couvcm que noa persua-
town da >saA. ....... II lali...ls, -mmm
o meiios remotaincule, lobre os negocloi da
Pagagem. Nem o desordelioi, nein as auto-
ridades pemarain nisso un momento tequer.
A lotelllgcucia daquelles nao ale-anca lano ;
ai auturidadei nao lio ugre para proinoverem
taei alternados, nem valia apena moer uma
palha para veucer elei(es. A este respello a
dmiuitraco pode caminhar desasiombrada-
ineiue. Pode nio terem vista em lodol os leus
ctosseuoa juilica, >i> a iuillca, e astim po-
dem e devein prcoeder todas as autoridades da
provincia. Aselclces?. Ogovernopde doi-
uiirem Minas quando ellas se lizerem.
Km provado que Ibe digo aflanco-lhe que o
presidente lem uuiucado mullos subdelegados
do partido da oppoalco nos lugares ein que
coiniuandaesse partido ; torna-se tilo conve-
niente i boa adniinlslracao da juslica. Quanto
a iiiiin eulendo que elle pode proceder assim
rem se recelar das cleices.
O chefe de polica interino j parti para a
Ragagem, teguudo j participla.
(Carta particular.)
{ Jornal do tontmtrcio. j
de Maiode 1852.
N. 103.
iibtidsi o oonnmoa.
aana e Parahlba, it legundat sextai-
Irat.
Crande-do-norte,todai ai qulalas-feiras
nielo da.
ranhunt e Bonito, i i e 53.
-Vista, e Flores,i 13 e 28.
loria,i quintaa-felraa.
da. todos oa das.
OTIClaa IITR1KGIIBII.
Portugal II de Marco
Heipanba. 8de dllo
Franca ... 7 de dito
Blgica... 3de dito
Italia...'. 4 dedllo
Aleminha. 3de dito
Pruasia ...3 de dito
Dinamarca 28 de Fevr
Rusta... 30 dedllo
Turqua.. ?4 de dllo
Austria .. 3 de Marco
Sulaia.... 2 dedllo.
Suecla... a6de Fevr
Inglaterra t de Marco
E.-Unidos 25de Fevr
Mxico... 31 de Janr
California 21 de dito
Chlll. 21 de dllo
Huenos-A. 6 de Marco
Montevideo 31 de dito
OAHBIOI II 7 DI MAXO.
Sobre Londres, a 27 a 27 V, d.
Parlt, 3bi
a Lisboa, 9'- por cento.
ETAEI.
Ouro.Oncas hespanholaa... .T.T.T;. 2Q/000
aioeda de 6/400 velhas......... lii/otdl
. de 6(400 novas.........16/000
de 4/000................ 9/niK)
Prata.Patacfleabrasllelrol........... 1/l/2n
Pelos colurnnarloi............ A/!I20
Ditos mexicanos............. 1/800
terprettdo e acolitado oa actos de minna al
mmislr;ii;i). Hoc-lio pois a sni congratu-
la(3o, nflo naalluiaem que a mesuM ai-
somblca se dignou coi locar os meui dimi-
nutos suivlfos, mas como uma honra que
me ella quiz prodigilisar, ou apenas como
demasiado premio dossioceros votos, que
i"iili i fetlo, e coniinuirm a fuer, em qusl-
quer parte, para que esla bella provincia se
engrndela a sombra di paz diulurna, que
o govorno imperial ili t-'in garintido, la-
boiido aproveilar o ualriolismo dos alagoa-
MAIEIO-
Feticila(;ao da aiiemble'a legislativa provicial,
ao Exw Sr. pruidtntt Jiiie* /lento da Cunta
l'tgueiredo.
Ileaugen
Quando ao povo cah a felit sorta de ser
administrado por um Govartio etnin-nlemen
lo patritico, perspicaz e eneigico, impo-
tentes sao por certo os mais betn concrirta-
dos planos dos anarchisUt, qu>< ll'' ll1'1''
noilo tiahalliain inc-ssanteuienle na obra
de sui dcsiruicao, i-nlurpecen lo seu pro-
gresso material e moral por meio do des-
crdito de suas sabias instituicOes.quo pro-
movem t lodo custo, o acendendu ao mes-
mo lempo o facho da gueira civil ; desta
verdade rspernientsdi at pur mullos pai-
zea adiantados na crrena da civilisaglu
veio ha pouco sor testemunlia,* por trisle
eiperiencia a provincia das Al-gnis aa po-
ca em que os inniiig < da m maich a cons
I itiiriuii.il, propalando gress iros preconcei
tos no meio da populacho ignara contra o
,i .,,.iih.iim decreto acerca dos nascimentos e bitos, a
,,pr?n^uP-:.r'.;!unUr'e..n.'i?,2o artigo que denummaram le .1. rap.WCro, pr.-pa-
iniituladoos DisturWoi da ravam um moviment-J sedicioso em dtlTe-
r.Mites punios ds seu solo, tnovimonto que
do
A preciando ntuito, Srs., o favor com
que vos prestadles sr o orgSo dos gene-
rusos sentimsntos da assembla legislativa
provincial, eu vos sup^lico |i>e certiliqueis
o iiieii eulranhavel igradecimento, e a sc-
ida consagro, assim como v, de quero
ne despego com sinceras saudades, a
Palacio do governo em Macei 30 de abril
le is.-,2. Jos Bmito da Cunda e Figuei-
redo.
{Rimbre Alagoano )
ara, que pllhou a moda, bem elcovada, al
nhai calca! de sallar rrgoi sacudidas, espero
tr f.rluna. Ah Quem dera que me fosse
'uiillido trazer rooixo EnlSo aim,e com as
luhas caifas curtas, e inelas de liga, desada-
fa.a quem quer que fosse, que me levaite aa
pal no lirntelo d'amor.
saeinosa tranqulllldade publica. Corre por
i, que no Tongo, lerceira comarca, uma di-
ada mandada pelo subdelegado, asiaislu-
um Individuo, e ferira dous oulros, com a
orlanliasiinacfrcuinslancla, de ser o subde-
do luimlgo do inorto, aulin como o era o
rregadoda diligencia.
assim he, be borroroso, seuhora polica,
[leino-nos de grecas, que com Isso nao se
nca. Encuinblr a uin tnimfgo de dar-nos
psMaporte destapara apelo/ i Oh: Menos esta,
lioVqdcreu n^o rido- morto crreme com" a lar
seuhora, e nao tenho Intenco de fazer vlagem
subterrnea.
Hio pono, nao quero entrar,
Agora nena viagem,
Senhora polica, aocrgue,
Delse ver maioloiagem.
1
6 >
10 i
afc
60
do Correio da Tarde
aqnqem. .
Que as tullas oppoilclonlitai, lempre deicon
flada, sempre dlspnsiai a negar a veracidade
das participacaes officiaei Inventassem quanto
Ihesaprouver em desabono do governo, uo
admira, be o que lodos os dias se est vendo;
masque os peilodicoa que defendcui a adnii-
nlslraco procedam do inesmo modo, he in-
compielienslvel.
Parece que o Correio di Tarde nao Iranscre-
vi ii oollii i i da presidencia referindo os allen-
tadus da Bagagem icno para icfula-lo. Seao
menoi ena refulacao se liaseaiie em fados,
era isio ao menos razoavel ; mas nao, esta nao
le funda seDau em meras supposicdes, em ana-
logias que o nao podem ser, alenla a dilleren-
(.a das epo.-.is, e de oulras circiiuistanciai que
escuso enumerar.
Al hoje nao consta que a desordena hoves-
se ultrapassado os limites do districto; pelo
entrarlo os forastelros que a linham capita-
neado internaram-ie pelo serlao, e, retirada a
causa, cessaram os elteltus
Kao duvidamoique a balaiada ou cousa que
o valha prlncipiane no Maranhao per fjctoi
mrnot Imporianleido que oisuccessos da II-
gagem; inalorc revolucOei lem prluciplado
por oulros de menor transcendencia ; mas nao
he rasoavel suppr-sc que por is-o estelamos
anieac idos de una revoluco. 1838 nau he
1852, e nem os nimos nesla proviuola 'C acham
no estado ein que clUi se achavam no Mara-
nhao ao lempo d Inll'uencla desastrosa de Rai-
mundo Gomea. .
He verdade que a cenlelha deipreaada pro.
dut o incendio, mas he s quando esislc son-
busilvel proprioparaalea-lo. Fra diiso, e he
o que mais veies se d, a centelba ic apaga por
il inesma. ...
Conhecc mullo mal a provincia de Minas
. quem se penuade que he possivel conseguir
hoje o que se n.io consegulo em 1842. A op-
poslcao he desculpavel o acreditar nessa poisi-
hilidade: he um coniolo e urna eiperanca; o
hdogov rnlsli, porin, que nao pude lucrar
cun a esageraciu do mal, parece-me indescul-
pavel quando assim recorre a hiprbole para
aggravoros Inconvenientes de uma siinacao.
Para quem inora por estas alluias os recelos
do Correio da Tarde oauim rilo. Nada ha ah
que Indique as approslmaffle de 1841. As oes-
ordens da Uagagem foram meramente accldeo-
taes:noseprendein a plano algum O mal
que estas podiam fazer j esla fello, inorrerain
alguna individuos, a lei fol transgredida, a tor-
ca pietendeu dominar a autorldade, iu-
FOLHETI1W.
maiiife>tanJo-se as luciuosm aceas
Uundau-mefrlaij o na desvairada oj ant*s
louc tnlssilo cometa la a executar par An-
tonio Monde, do quo so servio con.OCHgu
inslniaifuio u gpniuo mal, piln sor aba-
fado me das NacOes quu tinto prot-'K- o imperio dn
Silln Cruz, as acolladas prvideucias que
opportunami*nle loaiou V. F.kc em prol des-
ta iniere.saite por^Bo dos breiz Idiros, ci-
jos destinos Ihfl foram couli i;-tt: Ucto, ICitm. Sr., que lem doassina-
lar-se e reialr historia, e passir posluridado, gravndo-
se na memoria dos al .goanos do um modo
indele'. 1, o os deixanio possuiios do vivo
rocoiilincinrmto pola lembranca os impoi-
lanlissimosservigos por V. Esc. prstalos,
dcvendo ler urna sol-imnp manircalat;no, a
assembla provincial do q jem tomos a hon-
ra de ser org;lo como seu el interpreto, nos
envin em deputaijio para congfatuUr-se
COrtRESPUi\ENCI\S no DIARIO DE PER-
1NAMBUCO.
Parahiba.3dcmalodc 1852.
K.if n-lhc eata antes da abertura da aifemble'a
para aproveilar o correio, e por liso n.i.j Ihe as-
tevero cilar ella aberla'; porque taei occorren-
cia pdem appareccr, n<>e embaracein aquelle
acto ; mi is a seguir ordem natural seu curso,
darjui .1 ilu.*-. horas ter dado cou*rfo mais uina
i' L' -i mu i parallibana, que inulto bom provei-
lo Ihe faca.
Q'eu jamis crerel em bruxai,
Nem em almas d*oulro inundo,
Sou teiinoso, e mu teimoso,
iuu um scepco profuudo.
E se ii.n que me digam o que temos appro-
veitado com laotos legislantes, decretantes
poaturantes, avlsantea e circulantes ; pois eu
para mtin tenho que inelhor estavamus quando
apparecia um decreto d'el-rri uoiso senhor de
auno ein anno ao som de caina*. com honras de
prego de theatro, ao menos mu tinhamos lei
do senso, humoeopalbia, cdigo do processo,
subdelrgados, rerormas, pulas vegetaea, dek-
gailos, laaanlca, chefes de polica, febres ama-
relias, le do orcainenlo, gastritei, argoa, cons-
(iluintc
Eoulras mil trapalbadas,
Que nos teem n'um corropio,
Dancaudo as cavathada,
Ouvertura d'assobio.!->
Mas, como Ihe la disende, depols de longo es-
perar, e de uiuitos palpites prla demora de 1-
gttiM honrados innubroi, auie-hoaiem eutrou
a casa as preparatorias, e houtem contlnuuii
veriHcaudo ae reciprocamente os di plomas,que,
como era de supor, tahiram todos seui cousa
que duMili iesse, do que, para conttir, la-
vraraui o competente termo, onde cu, apeiar de
saber escrever, asslgnel de crut.
Fot aceitunado presidente n Exm. coronel
Francisco Antonio de Ahneida e Albuquerque,
que a pouco exerceu de vice-i>re>ldenle da pro-
vincia, anciao houesto, e digno t'e toda a cou-
siderafao, mas que nao deu no goto de alguus,
pelo que um acclainou outro, e com esse acto
inconsiderado, se nao malicioso, la plantando a
discordia no campo de Agramante ; mas depoia
de algtimas raides menos proprlas trocadas eu
tre alguns amigos daquelle coronel, e um que
menos pulidamente Ihe fazla opposicj, con
aquflle coronel nacadelra, e foram accUmados
T secretario o Sr. padre Pinto Pessoa, e ? Ur.
Hab.llo.
Gostei mnito Joaperto em que fcaram osan-
tagonistas do coronel, quando nrgando-llie o
direilo a presidrucia, Ihes era proposla a vota-
E eolao, nao tenho motivos legtimos de em-
bargo ?
Digiinot entendidos da escrlptura.
0 sVfMj que sempre cahe ua falsa argumea-
tacaoii'Hi causa pro causaatiribue ao hono-
roto |'averno e a horrorota adminittraco taea at-
tentados, como aa. S. Kzc. huuvesse ue aahir
por esse mundo ae meu Dos com os oceuos
da tr/ia cafando quanto criminoso por ahi pas-
seia, c al leudo as Intcnces para prevenir os
criiues,
Estou quasl desejando que chegue o reinado
h' Saturno, a tamo preconl.ado por aquelle
amigo, para ver se as pederneiras n aa laceas nao fu rain, aa espadas oo curiam, os
cacetes nao ainacam, e as prias nao cocain.
Oh lempo relia, Ueos te triga LqIho a trra
nao ver mais espargido por mfto fialicida o
sanguc humano, salvo por algum narbeiro, ou
ponas de algum animal coruifero.ou denles ca-
ninos, de qualquer lera, se he que uesse tempo
aquelles nao perdem as ponase estes os den-
tes, assim como oa gatos as unbas.
Mas oo creamos de leve, quero prlinelro ver
a mostra do paouo, que ae for igual a outro
que nos venderam a poucos anuos, pouco mais
ou menos, he di pcftc do diabo.
Fallemos ario. Com a desordena do senso
ftcou o erutro em quasl anarchia, pelo que
nada menos devlamus aperar do que o aug-
uieuto do catal-igodoi crimes, como observa-
mos n > p, passado inA, em que, no artigo ho-
micidios, huuvcraio mais de 15, utas tambem
devenios esperar, que esse catalogo ensaugueu-
lado diiuiniia a proporco, que a ordem c for
restabeleceado, c o goveruo tomando inais co-
Dheciiuento dopessual da provincia.
Noscria mo qnc o amigo sryos aprsenlas-
ae seas inefos de inclhoramenlo, seus especfi-
cos crimifugus, para orientar ao goveruo ua dif-
itoiliiu.* empresa da adiuioistracao, e convencer
a populdco de que elle nao filia nicamente
por despeito, e sem meios de mel'iurar o que
reprovacom tanta acrimonia, que maia parece
tilha de odios, do que de xelo pela causa pu-
blica.
Nada anda appareceu a respelto do Plane, e
neiu sao chegados os deputados daquel'a co-
marca, que podiam trazer algumas noticias.
AS ciiuvas lem fottu ausencia, apparecen-
do de louge em longo um a&piceiio como
que para lorobranQa; e ja Yowzeudo algu-
in i falta.
A salubridade como que tem milhorado,
pois D'estfS dias nos n3o tero quebrado os
o..vi lo- os sinos; n9o sel poicu se j he por
iV-i:'i la nova postira municipal.
Aquella IHusliissims esta em discanto,
assim como o cstam oa flsc^lissimos Senho-
res, p irgraQa doi quaes soirremos uma bel-
la perfumara por estos becos, que he um
regalo. Sembr que me acontece encontrar-
me com alguma d s Ues paslilhas, latia)o
d'alma nfio trazer n4 algibeira os scalissi-
moa nari/es 'nquelle Seuhorea.
As racaasuma, e canina estam de tregoas,
e qualquer eflodasua dentada com toda a
.3561...........10000^00
i?77........... 40o/i>00
l6)3........... 2:000/000
3029--3W7 383J-.4008-5ib"8| ,.nAnllnA
eu-* \ I.UU05UUU
-iJ6-- '43S~2V*~i4-ls835l
35123Mt8-aOIJ--5.,t07--MS|
159>3i I -13J-230513071
2351--2II j-2945- -3806-408; (
4I28--495--4.S0-46H6--477I (
4772-4846-50135014 -5i08"
1S-. 44- 61 82 87\
119- 335 453- 557 743 1
765- 875- 957 7i1267 I
12891302-1340-1443-1485/
I7I8--I8I21911 235114061
2535-2571273319393027\
3240-JW8336134l-34t3
314! -m7743ta -3n7
3942-4043-^111-412241051
4316-4350-4396-1474-4680 1
4188- 5i3l-513355235533 I
5567 5571 579559105964 I
100 de.............. 40/000
1800 de.............. 20/000
400/000
200/rjoo
,} 100/000
2000 premios.
O pagamento dos premios desta lotera prln
clpla na qulnia-lelra 22do corrente, em caaa Uo
ihesoiin-iru, Joo Pedro da Velga, ra Quitan-
da o. 144.
Biode lanelro, 20 de abril de 4852. O es-
crivao, Francisco de Ans Tavarei.
(Jornal do Vummercio )
PERNAMBUC9
(So para verilic-r de que lado eslava a. nalorla. |U7er;ue d> colistltuico, no litigo da ll-
Nao. diaiain elle., o regiment nao manda faaer bfrilie de ndus[rii. V
Se a lllu.trissiuia lancasae olhos de ini-
a elei(u para as preparatorias pur volacao, mal
si ni J.'ir i.-. L 11ii i v i '.
iiiiii, din.iiii us muros, o Sr. coronel fui ac- [sepcordia sobre aquella Sunliores, e nao
conieuliase eiilortir a> rua>, wril alom de
Com V. Eso. por medidla coroad-S dos me- C|am,u, e,go.... Porm retorquiam. o oulroi,' con
Ihores r. aullados, e quo deixaram i.or mui-|0 Sr Ut lo lempo desorientados os apostlos da a-,,ia,n
ao coiihrciniento'
os oiilroi, devemoi ver de que lado Sempre o estou oncoinmodando com per-
------ r------ .... ,.* .,.. n ... nau cicriin nais cavacu, e irai
v.co as ral. de su.s s Iribui^.s.se citv- de udotlUa ;lorU.
:______...__.. i.. Ii.n^ a alia rmiiiii Pi\fillH ll ..' .....
iiini.ir i-'i mi t hoje i- o,la muilo confa, o
guvarnodeV. to. a cslriliar-se nos piinci-
piosde justi, tolerancia e sabe loria cjm
que soube estreiar sua acImiiustraijSo cun
geral applauso dos al-goanos, que muito se
ulaimni em serem goveaiados por V. Esc.
Eis una euibarbeladella que nSo fol prevista
pelo regiment, e que d um problema capaz
de oceupar inais caberas polticas do que pbl-
losuphicas, tem ocenpado a pedra pbiiosoplial,
inatbeiiiaiicas a quadiatura do circulo, e medi-
co-cirurgicas o elixir de longa vida mas que
Digno se pois V Eic. deacolher com a bon- i "!.de A'ai"11"! ".olvida pe-
dado que o carcleiisa otas expreso-scomo R ,,, ficarUln lc.-al.iiadoi,
..__1. 1 _I ^. .... I i ,i ..,*,. i I .. i i i ii .. ni .i- iiii i
hlEPUORIAS OE UIHHIARIDO.C)
ron icknio idi.)
LII.
Conlinwic.io do diario.
Flcando i com Albina guardamos um mo-
mento de silencio.
Eu llnha sido mui pessoalmente cominovldo
pelo que na narracio do prefelio diila reaprilo
a madama Hayinuudo; perlgn.a e mortaluien-
te lerlda, lalvra.... por liso nao cuidel na trr-
rivel einocSo que a sorte de Juao devia inspirar
a in inln mull it.
Quando levante! os olhos para ella, sua palli-
ili' nao era inalor que de ordinario, lmente
rus labios estavam lvidos, e ella tioha a mao
direlta forleinenie apolada em seu coracao co-
mo para comprimir ou comer as palpitacoes du
niesino; seu. olhos estavm encliuios, porm
i-.ii lurcliniii iinrnli- brllbaotes, Um sorrlso
piirva ein eu. labios, e de quando em quan-
do ella estremeca fechando as palpebras.
Cousa singular! me dlsse (lia com uma
voz ao principio mu opprlinlda, mas que pou-
co a pouco se fol lornaudo mais llvre aluda que
as ytiet os denles Ihe baiiaui por um eslreme-
cimento convulsivo, durante algus instantes ; nunca...
lureceu-me que o saugue me luQ'ocava, meu urna aflelcao filial, _
* : rem.-.. oh;..., perdoe-uie.... fui cruel em lal-
() Vldt o Diarlo n. .02. lar-lbe de Mr. Joio..,, Ve. chora....
verdadeira sigmlicai}ilo dos si'iiiiui-nl >s qu
dominaai a assembla provincial das Ala-
,J**' .
Pagoda assembla legislativa provincial
das Alagoas 30 de abril de 1852. Ignacio
Jos de Menduiica Ucltua, Theotonio Kibeiro
eSilva, Igmcio llypoliio Gracmln; Vicente
de Paula Camino, Manoel da Costa .Mu-
es.
Em resposta dirigi S. Exc, commisso
o saguinte :_________
- *- ---------- -I:""'^"^^^
coracao tinlia cenado de bater.....naa agora je
rccobiou o leu estado natural....
Vo.s ireme por Joo?
Por elle... nao; sua aorle est filada....
Tremo por sua mal.. Se ella marrar, nao ser
pela ferida, seno pela moile de seu lilbo....
Vosse falla da inorlc de Joo.... com mul-
la Meza!
Com multa frieza.... como ve.... nada pos-
to faier, por l.su lomo o meu partido.... S-
menle o no.so amigo val raorrer mullo moco,...
e ae urna morie hurrlvel.... Do he ?
_ Albina, vois me aisusla..... Slm, ful
cruel... perdoe-me.
Cruel? nao; Vine, di.se a verdade : eu
fallo da proiiina morie do no.so amigo .em la-
Kiliua., aein gemidos, sem dore, viral.... Para
iiiiiii isso he Incoinprehe'n.ivel, se me houvei-
aem diio que lal havia de icr a minha luipres-
so, eunaoieriaciido.... Vou inesmo cunle.-
sar-leuiiiacou.aum lanto eslrauha,... Eu e.-
t.va longe de prever ca horrivel noticia.... e
todava ella nao me lorprehcndc parece-me
que eua esperara ...
Por favor, lorne a si....
Bslau em meu perfeilo juizo...- tenho
consciencia das inhibas palavras e de.sa espe-
cie de uisensibilidade de que eslou lao adiut-
rada quanto o Sr.
Essa iusensibllldade me altligc, ella nflo
lie natural.... O golpe fol lo Inesperado, lo
violento que vo. anda est lodaaiordoada...
vo.s uaV> vbein o que se pas.a no seu cqra-
co!
Talvca Vrac. Icnha rasao, pois slnto que
amo a Ur. J .m mais profundamente do que
- sorte de sua mil, qual vulei
me parece horrivel... Po-
bem pensando no espectculo, que derain, ou
se preparam novas scenas, que tenhain de en-
coiniuodar-me cun umaiouga narraco para
cada correio.
i-aln ancioso pelo baile, e como j Uve a mi-
nha carta de convite, que 8. Esc. leve a bon-
bade de inandar-ine, promana dlier-lhe, com
licenca de quem pcrteiicer, quanto vir, e que
me cuuvier leferir-lhe.
As bellas devein estar oHuscantes, e deslum-
banles-, e nem he p.ia menos. Eu estou com
os vidros dus oceulus limpissimus, a secular
" a*
ijnoranfei
Mores do Imneiio nllicur a um subJelegado
para que lild mande prezo \Ao guarda d'al
fitidega portador du ollii-io, o individuo,
que Ihe nflo esliver em greca? Muilo iu-
teresso saber, porque como em trra de
ceg, o caraolliu he mageslade, no quero
q ie me veudam gato por lebre, como aqu
usa n iiitntiis iiiuns senhores, que vem de
ierras grandes por artes de erliques, btr-
Icqves.
Esta j rai de bom comprimento, por tan-
to fare ponto aqui, d.-s -j uiJu-ilu saude, e
paleos.
RIO DE JANEIRO.
Resumo da txlracoa do premios da 3i' lott-
ria concedida a beneficio do Ihealro de S.
Vedro i\ Atcaat'ira desta corte, exlrahida
em 20 de abril de 1852.
I N. ll '......20:000*000
Am I porque a meu cur.cju se despedaca
respond eu sem poder couter o. sulucos aleu
Dos, meu Dos! pensar que a e.ias hora.. ..
ferida.....noribiinda lalvea! .eparada de .eu
rilho.... ellaesl laucada n'uma eniuvia.... Ah !
is.u lie horroroso!,... y ns eu a amo. .. Ou !
slm.... coulls.ao por canrls.o..., eu amo-a lao
apalxonadainenie como vuss ama a Joo....
Vine- estima a mauaua Raymundo es-
clainou mlnlia mulber junlaudu aa inos com
espauto. Vine, auia-a inesmo?
Slm, com um amor insensato
-i E Vine, ama a madama Hay mundo ha mul-
lo lempo?....
Nunca perd a lembranca della! Eu llnha
dczaseii annusquaudo ella lez bater meu cora-
cao pela primelra vez... e agora pela ultima el-
la o faz bater.... deipedacaudo-u!
E ella lahedoseu amor?
Nao, oh! nao, e-.cUmei eu corando de
vergonha, e aballando os albos diaute de Albl-
ua, ella sempre ignurou,.,. e ignorar sempre
este fatal amurf
Ah .' o.11 i.-iili i mais dlrelto de me quei-
ar da sua indlllercnca! esclamou miaba inu-
liici-, encaraado-me cum urna espresso de In-
dlvi.ivel coimnl.eraco, nao tenho mai.dlrelto
melnanie amor u
ludo cumpreheuder, e ludo perdoar/ eu U-
aUa-ojulgado mal ... d-me a sua mo, Fer-
nando,... por favor.... a.uamo....
Como?,., neiu urna reprehenao?
HepreN- ..v.ea por um amor que o honra,
que o engrane.-i a meus olhos! reprehensde..'
Iiorque prefere urna mulber com a qual uuoca
poderel .er comparada 1 reprebemes quaudu
su're as torturas de um amor sem cape raneas!...
Ma. eu liuha esse amor no coracao, quan-
do casei coinllgo, infeliz menina!,...
O.ii meu Dos! c eu lamOciu uao caael
lem amor? Nada me forcava a isso,... Se eu li-
vesse reolutamente recusado a sua mo, se ll-
vesse dado ouvldoiao Insiinclo da miuha raso,
que me inspirara avei.o a e.te casamento,
nao estariamoa lioje ne.te estado, porin que
Ihe dire ? as inslaucias de minha mal, a culpa-
da fraquezi du meu carcter, oh / i.lo he pue-
ril e ridiculo, ma. erndm he verdadeiro, a vis-
la il i ensuval, o orgulhosmiio de ser dona de
casa, e depois a esperanca.... a divina esperan-
za que nuuca desampara uin coracao de de.oiio
aanot, ludo i.lo me fez consentir aa no.sa
uuio. A culpa ful minha, por is.o agura sof-
fro as las cuusequeucias ', e demais'de que
serve cruniuar o passado.... Creia-me, tTeriiau*
do, sejamos indulgentei.um para com o outro...
approximeiuu-oos n'uma desgraca coininum....
ol desgraca, Do.... A proaum uaorle de Joo
nao be para iiiuu uuia desgraca.... isso nao me
CAM.AIU MUNICIPAL.
SESSA'i I EXTRAORDINARIA,DE 4 DE A l'll 11.
DE 1852.
Petdencia do Sr. Oliveira.
Prcsonles os Srs Mmele, Carneiro Mon-
teiro, Franca, e Pires Forreira, Miando
os mais S'S ; ahrio-se a sessilo, e fui lida e
approvada a acta da seslo antecedente.
Foi lidu o seguinte
EXPEDIENTE
I ni ullic-.i) do Exm. presidente'da provin-
cia, dizondo em resposla io que se Ihe diii-
gio um 8 de fretro ultimo, que a camaia
solicitisse da sssemhla legislativa provin-
cial a uulorisar;o que pedia para continuar
a fazer as dispezas que furem occorrendo
pola verba do eveiiluaes. Quo ) pedis.se
a auiorisacilo para dito (m.
Outro do un.'.-nu, comm inicando que o
inspector do arsenal de marinhi deciarou
i "i > SiT-lhe possivel franquear pe Ira para o
caKjainniito do pateo do Terco, como osta
cmara requlsitara, porquj a que ora existn
no arsenal, e a que se for obten lo, apenas
pie h >gr pan occorre' as obras daquel-
la r.'i ,-h tu;lu, e lembrou que, sendo de cos-
to me vouderem os iionos ou c insignslaiios
le naiios brazileiros u lastro do pidra que
trazem ditos navios para o porto desta ci-
lade; nao aeria difTicil cmara cmpra-
la. Incumbi-sii ;i > Sr. venador Mmele,
de comprar a pedra precisa para ditocal^a-
mentu.
Outro do mesmo, dizeiilo que confor-
maudo-se '..'0.11 o parecer, quo por copia re-
moltia, do conselhoiro presidente c dous reqiierimentos de Manoel Jinquim da
Silva I: ii. ini, a que se refere o ollicio dcita
cmara do 23 do marco ultimo, visto que
nS tendo silo o pottcioiiario dcmiltido,
nein por outro qualquer mo lo legal priva.
do doexorcicio lo einprpg i de escrivSo do
juiz de paz du priin.'ir.j deaUiOtO da fri'gue-
zia ue S.Frei Pedro Cuncalves do liecife com
pelia-lhe, por fnrc da num-aclo que Ihe
foi conferida, exorcer as funegos do referi-
do emprego, deven lo, porm, o musmo pe-
ticionario, que iiiv.i a 1111 -1111 i 111 mu o lu-
gar de scal da freguezia de S. Antonio ;
optar um dos dous ompregos, pela iucim-
patibilidale quo ha na accumulac.Io d'aai-
bus. (Juo se oDiciasso na.!.) sentido ao
dito llscal sup..|i:nte para fazer a opfo.
Outro da cmara municipal do Iguaiassu',
aecusan lo a recopilo do desta em que Ihe
coinmunicou a posse do scluil Exiu. presi-
denta desta provincia. Inteirada.
Outro do procurador, aposentando o bi-
tango da receiU e disjeza municipal, no
mi' dn margo ultimo, e o mappa das iiiliu-
mai;0es fi-itas no cetniterio, no mesino lem-
po. A commissSo de polica.
Outro do fiscal da S. Jos, participando
ser a mportsncia das multas do mez de
uin i c i ultimo de 128,000 icis, e pe lindo se
manJasso pagar ao Ur. Manoel Duarte de
Fartss a quantia de 12,000 res de 2 Corri-
das .lo s-io le no diio mez. Quo se pssss-
se mandado de paga mani quando houvesse
quuli.
Oulro do mesno, pedindo pagamento da
quanlia de 3,000 rs. que despondera coma
Ciinducfilo e enterra meato de urc cavallo.
O mesnio despacho.
Outro do inesmo, (i) remellen lo os map-
pis das rezos mortal pira consumo no ma-
tadouro publico desde 29 de marco at 11 do
corrente ( 718 inclusive 43 pelos mareban-
tis avulsos ) IiUm.i .i.i.
Outro do fiscal interino de S.-Antonio,
participando sera importancia do mulls no
ils I -----
Ue preciso apprea.ar a uussa partida, ds suas
ii iiiiii para hoje.... d'aqui a urna hora.
Ma. vosse poder cinpreuender .emelbaa
te vlagem?
Ter vo.s anda ciuines de Joao 7 dlsse-
me Albina com um sorri.u que me fez eatre-
...ecer.... ella pareca der-me: lem vuss clu-
ines de um inorto?
Nao, n.ni tenho ciumes, disse-lhc eu, m.
temo que .einelhaute viagem, ea. einocdes de
que ser seguida sejain su|ieriore. a la cora-
gem depoia de icrnvel abalo-quc lollreu boje.
M I .o i vuntade furle pdde ludo. Ue do
nono dever Ir a Liinoge..... acbarel furca para
..compauha-lo j Julgue como nao ficaro oa
nos.o. pobre, amigos contedles de ver-nos.... e
un. 01....
Albiua, cuja voz le llnha eofraquecido nao
acabuu, delxou oahir a caneca par. Craz, e re-
tm.iiui-a uo espaldir da cadeira de bracoi.
de.peda'ca o coracao. .. nulo um Indl.lvel eu- Grussai goliat de um suur fiio correram Ihe da
lerueciiuenlu, uma resigo i,a > aem amargura, face, ella guardou um momenlo de silencia, e
e se devo accredilar nos meu. preiseoituieutos depon disse-me procurandu sorrir
nao vale verdadelrameiiie apeua por-mc a sol- He um ligelro accesso de fraqueza.... foi
frer. 1 bom l-lo lido ante, da no..a partida.
Albina, que quer vou dizer? leclamel | Albina, iupptco-lue que ruleltar-.e.. .
eu procurando o sentido desjas e.curas pala- Delie-me chamar madama Claudia ... unidos
de aecusar o seu coracao. Oh! nao, nao, se-, vras, e sobre ludo aoustado com a capre.uia uussoscriado, vai partir a cavada a procurar o
poi-.emelhanle mulher me faz das feicoes de minha mulher; "ella pro.eguio doutor Lourenr; i em Chamle.
coe. ..
sem respondar-ine: I Nao... nao.... nao ser nada... nao be
-~ Nao oos oceupemol de iniui, porm de nada, dis.e ella apol.udo ambsi al mo. nos
vos.. Ah! como acalmar ,a sua auciedade ?J bracoi da cadeira para se levantar, vou ver
Priiuciraineole, meu amigo, devenios partir....
Partir para onde ?
Para I.iuioges.
Vo.s quer Isso ?
Fcil Ine aera obter a pertnissao de visitar
madama llaymuodo a Joo na prisio. Nau he
eaieo nono dever? Elle. uo. e.lo esperando,
meu amigo, eitou certa de que uoseiperam.
que com alguma voolade poderel caminhar
Ha algum lempo que estou habituada a eise
acce.so. de fraqueza, e deUssl (riuiupho....
Purm ao cabo de alguoS passo.. nos quaes
vlgiel cum soilicttude, niiolii mulher vio-se
abrigada a assentar-ie, sua mo que eu tomel
eslava hmida e gelada.
Est vendo, clame! eu cada vez mal. s-
l MUTILADO I
mez de marco prximo psssido de 185,000
rs., e ni'iiimili se mmdasse pagar ao IK Ma-
noel Hilarle de Faria*, a quanlia de 6,000
rs. de tima cor, ida sanitaria que fez Man-
dou-se passar mandado quando bouresse
qunta. *
Outro do mesmo, participando nSo que-
rer o carcereiro da rideia rrceber preso al <
gum por infracco de posturas, sem ordem
por escripia da auloridade policial, e que
nflo sendo fcil, as vezes, ichar-ie essi au~
t'iridade, pedia houvesse a cmara de olli-
ciarao chefe de polica para provi lenciar de
mo lo que ditos presos sejam recehidos pelo
carcereiro independenle de parle da aulori-
dade a ordem de quem forem presos --Que
se resjlfirirlesge que, .empreqne se der o ca-
so de prisflo por infracfilo de posturas o
communique inmediatamente a auloridade
policial, delegado ou subdelegado, para esta
man lar recolher cadoia o infractor.
Outro do presidente interino do conselho
geral do salubridade, requisilando, para po-
der conhecer do estado sanitario dula ci-
d.ile, um mappa das pessuas sepultadas no
cemiterin, duranto o snmeslre fndo am mar*
co ultimo Mandou se expedir ordem ao ad-
ministrador do ce m i ler i o para a presentar di -
lo mappa.
Outro do administ'idor do cemilerio, re-
metiendo orna nota dos carros fnebres 'or-
neados pelo esppciivo emprezario para
i'u'iil'u;-!u de cadaveies ao mesmo cemilerio
no mez de marco ultimo, com m-i-l.ir i;jh
de seus precos, na imporlancia de 312,000
rs., e dizendo que do dia a dia se vai dimi-
iiiiiii lo i i'uiuiai;;i(i assim feita, em conse-
quencia de se estar augmeotado-a em car-
ros de passeio, que no dllo mez cheifou a
12.--Que se rn i nil 's-c a nula ao procura lor
eii-ii oxigir do dilo emprezaiio os lo 0|n i -
luzdos d'a rel'eii la quaiitia, e se reproaeu-
laaso a assombla legislativa provincial con-
tra semellianle abus de sa conduzirem ca-
dveres em carros de passnio
Outro do liscal do Puco, apresentamlo o
relalorio do estado em que recebeu do seu
antecessor dita freguezia lnlmrada.
Outro to mesmo, inlormando favoravel-
monlea pelifflo de Joaquim Mantillo Caval-
cauli do Albuquerque, que ofTerec-iU-se para
emolir a sua casa torrea, sita oa ra do rio
da referida fr-guezia do Pucu, dan lo-llie a
cmara 200,000 rs. do indemnisaco, visto
nao a poder coacertar, porque a planta le-
vantada .1 mu 'le lugar a considera no caso
do sur demolida por utili lade publica.A li-
diado sl a primelra sessSo, a requerimeuto
do Sr. Mamedo.
Outro do guarda municipal da fieguezia
de S. Jos, Thomaz Caelauo di Luz, de 2
lo corrente, pe lindo dnmissao diste encar-
go : coucediu se a exonoraco podida. *
Foi I do e lie iu a.ldiado um relatorio
apre.eutido pelo vereador Franca, motnbro
da commissSo da obra do mi I un u, ex-
.uindii circuinstanciadamenle o estado da
mesmi obra, a despeza que com ella se
tem foito, a conveniencia il ser acabada
por arremal-cflo, e pedinlo, em conclusio,
dispensa de continuar neisa commisiflo por
no concordar cum o nn-stre encarroga lo
d i mi,ua iiua obra na tnauei'a por que a
sta exocutando, suppondo talvez ignoran-
cia de sua parte por n.lu >or professiunai na
nateria.
l'iii .i i imii.iI.i la por Manoel il i Pjixflo
Paos, por a quanlia da 360/000 a obra a fa-
zer-se noquaileirSo do lado do sul da ri-
beira de S. Jos, para melboramenlo da
praca du mercado do faiinha all existente.
.Maiuluii-s publicar e lilaos, pondo em
praca, nos dias 16, 17 o 20 do corrente os
concerlos a fazer-se no acougue da Rja-
Vista.
Assentou-se de ser no da 19 do crrente
s 10 lloras da mnnh.ia a inaugurlo da
iuiiiii ira te Ira do dovo mat.douro publico;
man.lu: so exp dir caitas de convite is au-
toridades e lessus gradas para assislirem
a cs.e acio; fui noiio dos Srs. Franca, Mamede e Pires Ferreira
pira convi lar aos Exms. 5rs. presidente da
provincia, bispo diocesano e commaiidinto
das arm se expedir as neerssanas ordens ao presi-
dente para mandar preparar cum deconcia
o lunar em que d-ve ter fcila a c -rimuni i.
Man>lou-S3 ouvir ao emprezario dos car-
ros fnebres sobre a queixs contra ello en-
derezada e assignada por Jos Pinto Ferrei-
ra, por nflo ter qu-riJo coniuzr ao cemi-
t-'rio o cadver de um homeui pobre, de
nome Mmoei de Souza Miguel, que sucum -
biode febre amarella no biirro do Recife,
determinando a cmara imme listamente
ao fiscal do Reclfe, que eslava presente,
fuste dar as providencias afin de. que dito
cadver Toase conduzido ao cemit rio.
Mandou-se remoller cimmissflo de po-
lica quatru petifOes de individuos, reque-
reodo o lugar vago de guarda municip.il da
freguezia de S. Jos.
I) spichaia-ii-su as P'-llc0.cs de Bento
l.uir. deCarvalho, Francisco llibeiro Pinto
i.uiiiiar.i'-s, Manoel Joa.|uiin da Silva Ribei-
asiaaBas5r--a. '___ !__. ._ i ^*~~*mmas*
dicto, vosse uo est ein estado de andar....
Por ora.... he verdade..., linio uma fra-
queza eslraordinarla ; mas depols de algum re-
pouso. .. respondo por inlui.... Ordeue lem-
pre os preparativas de aoisa partida.
Partir.... por-sa a camluiio duentecomo
ross est,... Albina.... liso he Insemato!
M,relies nos e.peraui! Mas cuide aa ale-
gra que tero ao verem semblantea amigos
em sua prlso.
Albina, alo quero arriscar aua laude e
sua vida eipondo-a as fadigai -de urna louga
viagem. E alm disio agora besito em partir,
nu pono reolver-me deainpara-la no estado
eui que se acha.
aj Fernando.... Se daqnl a dual horas eu me
u'.o senlir rerdadelramenle cun forcea para
por-mea cainlubo.... eu o delaarel Ir id.,., por-
que he preciso que os v vr. Vossa Ihe dir
que o nao acoinpaahel parque fallaraia-me al
forcas.... Elle, o crero,
Bem coma eu tinha prevlco, Albina presu-
ma inulto de sua coragem, e anda que ella
iiouves.e paiecldo dormitar emquantu eu me
oceupava do. preparativos da viagem, ella mes-
mo renuuclou a Isso, lo grande era a ma fra-
queza.
O medico de Cbambly, que eu tluha manda-
do chamar, Do me pareceu principio Inquie-
to, elle receitou un. confortativos mas iein-
brando-me de alguma. palavras de madama
Claudia as quaes me liieram temer que o ata-
que de Albina llvessa gravea consecuencias,
julguei mala prudente, pasimdu por Cnateau-
rou, pedir.o ielhoriaedlco do lugar que fos-
e iuiiiicdiaunciiic a Riballlere e vizltasse Al-
biua todoi o. dias,
(Cmttiwar-sc-na.)
.....X.
i


TT
T
~E
M
m
lo e Jos Pinto Ferreirl.e levinlou-se a
ses-flo. Ku Manuel Fermn Acciuli, ll.
cievi no impedimento- do sesTrelano.
DIARIO DE PERMUTO.
RECIFE 7 DE MAIO DE 185;
Pelo Per na inhumo a, entrado hoje do lili,
recebemos jornias do Rio de Janeiro onm
,];,t..s al* as do paseado, di Baha (te o i.
do enrenlee de Micei al.
Todas proinci8 daqurlle lado o im-
perio flcirain em perfeita tranquillidade.
Nenhumi uolicia encontremos noa Jor
au da corte sobre oa negocio do Riu da
PraA, por ni o ter chegedo d'ali aleo dia 35
o vTJnr, queseesperava.
O goviTuo fez aahir em conimiiiaBo para
Montevideo oa vesos de guerra Imperial Ha-
rinheiro e os vapore Rcci/e a Thetit.
Como verlo os leilorea do decreto, que
em outrd lugar publieamo, tornuu-ae ex-
tensiva so commandante em chafe, oflloiaes
.. iiihs preces da esquadra em operado no
l'i|. o uso i i medalha concedida ao exer-
cito sob o commaudo do senlior conde de
Csxiaa. .
Ulotitaldo Commerclo milicia que o cn-
vallo, m que o general llrquiza rtconhece-
r,i a posices o rxercilo de Ilusas nos cam-
pos de Cataros, a comqueo niemo gene-
ral i ri'genlenra oSr. bardo de Porto Alegre,
iinln ehegadoa corte no vapor Golphiii/io,
por havirsido nITerecido pelo Sr. bario a
S. M. o Imperador, que ae diguou locei-
ta-lo.
No da 17 do pinado fol laucado ao mar,
no Rio de Janeiro o bi igue de guerra Mar-
nho, conslruido no arsenal de Minulia pelas
linhas do celebre brigue de guerra ingle;
Uulmt.
Le-se a ese respeilo no Jornn/ do Commer-
cio o neguinto :
< Ao mein dia sahioo Imperador do pirco
da lina Visla para n arsenal de marinea, alim
de ver cahir so mar o brigue de guerra la-
ranlidn.
i A urna hora menos um quaito chegou 8,
ti. i. ao ars> nal, aconipanheno pelos Senho-
rrs minislrus ilo imperio, marmita e guer-
n, efo recebido por gran lo uuinero de of-
liciaes da arma la e por urna guarJa de hon-
ra de 300 liutiiens.
a S. M apenus entiou no arsenal, dri-
(ihi.mi a bordo do brigue Mnrantlo, e ex,
iniioii delaliiadamenlo su**construc;Ao e
anaiil'ig internos.
> A' 1 llura nehava-se 8. M I. enm os mi-
nistros e estido-maior que o acomp*nhva
no camarim runslruido em frente ao asta -
leiro do inferido brigue. Os aspirantes de
marinha em graude unilorme faziam neate
lugar a guarda de honra.
ci Suou a vuz de preparar, a 5 minutos fo-
ram bstanles para que 10 vigorosos pulsos
manejando igual numero de machados li-
zessem em eslilharos lodos os jazeute as
escoras exteriores cahiiau) ao iiicsno lem-
po. U macaco cullocado naprdadeuo sen
ulmno impulso, o o !t'tr:,hii i'i, assim aban-
donado, la fui veloz e rpido juntarse a seu
rompan heiro, o Capibaribe, veterano em dis-
i" uuliili ide, que prximo do eslaleiio re-
para agora ;:loi ios-s avahas.
O .tforan'i.lu, conservando-se sempre do
frente a faiendo continuadas cortezas ao
leita materno, Fui Tundear a algumis brajas
do Capibaribe.
S. 11. 0 Imperador sempre comsu co-
mitiva, Toi visitar a ofllcina de fundQlq, e
all vio T nuil duas pe; a de calibre 12, "du
ssyslcinu nioiterno, desliundas ao mesmo
lempa para desembarques e armamentos Je
lauchas.
a DiriginJo-se depois pira a nova >ala da
i api .un.i .i'i p d lo, fui mi I-i deummag-
nillco jantar, o as 3 horas da larde rrtiruii-
se para o paco da lloa Vista onde dou despa-
cho aos seus ministros,
< A' noite fui S. M. ao Iheatro Provisorio,
Tollo d'armis do nosso exerrilo e arrasda
no pisso do Tpnolero e campos da Morn.
Klegeram-se presidente o Sr. marechil Bi-
ta eourt, e vlea o Sr. chele de diviio Joa-
qun Jos Ignacio.
Le-se pji ornal du Cemmerei de 25 do
panado p
OSr, chefede polica di corte apresen-
tou-se hontem com o cnsul ani'Ticano, e
onni alguna de seus oHlciaes, a bordo do
hritfue norte-americano Mary AduUne, c
Tez proceder i uin rigoroso exime ro dito
brigue, suspeito de ir em regar-se no com-
mercio dos negros da costa. iNSo se tendo
encontrado os aignies dase destino, a que
se refere n regiilamento de 14 da outubro
do. 1850, declarou S, S. que o brigue poda
seguir viagem.
Voltando desta diligencia dirigio-sa o
mesmo Sr. chefe de polica i casa n. 19, da
ra das Violas, perteuceiiin a Joaqun da
Fonseca GuimarSea, e alii tendo dado busca
noa papis dessa casa e appreiien leudo im-
portantes documentos, fez recolnar a urna
dss pnsVs da casa de cor.oi.ao aquella
Joaquim da Foneeca Guimarlles e um seu
companheiro, Antonio Gomes Brandflo, ge-
ralinente ronhecidos por se darem ao cuu-
iraban lo de africano..
O Crrelo da Victoria di conta dos segua-
les ittenlados :
Cidade da Victoria, l\ de abril.
Constipos, que a dua frtra perprelido no
sillo de Maricara, disincto da Tregueiia de
Cariacica, um horroroso crime : fra bir-
baraoienie auassinado por seu propio gen-
io o Indio F. Pereira, a em seguida, e des
forjo, um lilho d'eale matara ao dito genro,
en piopno cunhado : assim pralieado est
criminoso acto, forsm sepultados n'aquelle
ni"snio lugar os dous cadveres, e sem que
suloridadealguma procedesse logo i sum-
iii io e menos a priso dos criminosos : nos
chamamos a altanlo, e actividad da poli-
ca subte este cruel e inhumano atlentado,
queso faz carecodor de casligo erepresso:
diz-se, que por alli vagueia o assassino,sem
que slguein o persiga, islvez com receio<
de igual sorle mas que rinliiimis, elle
uSo licari imauie, desagravai:do-so assim
le.o punindo-se tai violencia contra a hu-l
mannlade. |
as gazetisds Bihia nada eucoatramos
dignu de meucioDir-se.
A assemble provincial de Alagoas Toi
installiJs no dis 26 do pissado, e no dia 30
segnm para a corte no vapor Imperador, o
K.iin. presiientn da mesma provincia, dal-
lando na administrarjSo o Sr. Ur. So-
tiial.
Lo-so no lempo o seguinte :
Macei 7 de abril.
Somos inTormados por cartas que re-
Ci bemos de Porto Calvo que no dia 22 do
crrente no engenho Concei^o um corla -
lur de cumas matou com um tiro a um dus
cimbiteiros*.
IJem 22.
No dii 7 do correte mirchou desis
cidade para o centro d provincia urna for-
qi de cento e lanas pracaa de linh, e i-
compiohou a dita Torri o dolega lo de po-
lica. Esta Torca Tez juinjilo com oulra
que veio de Peinanibuco. InTormaram-niis
que foi em diligencia do preiider o l|r, Fer-
reir Netlo, que pode escapar do cerco; mas
veio onlregai-sea priso, e acha-se recolhi-
do a ca lea desta cidade.
-2

lio qua a Sr. D- Anua loinou a dote da ha i nha feilo crsc favoravel, que tildo a en-
iiKBnpaihia, I trndo em urdom, e que- as melhoras Ja
A capreasa, congfUo eerabral achou a B>
Paula i.ariiflro Leo na oaaa da eofanna, ande
os faeultalivoa ae aervlrain dalla quando ae
Sr. dtaembargadur Luna Freir riplicavaui
qual a uiolailla um que lula a 8r.i. I) A-
oa mas a enferinldade he feralmente drna-
BlnidaEalampili, eonvul(r}ei purrperael ,
daa mulnerea grvidas, ou em trabalbo ale
parlo, ou paridaa Ae. Uanlfeata-ae ella por
iii'ivlincntoa irrrgulares, contraofOaa e eoo-
torfdea luvoluotaiias mala ou inenoa violen-
tas de uiu, de mullos ou de lodot o inuaculoa
do corpo, lindo o que, a pudente cahe all
prostarau, rio coma mala ou meaoa profunde,
eonsisiindo esta coma em urna congealin ce-
rebral e pioloogando-ie segundo o grao d
congealao &e. etc. Em houtrcopalbia mesmo
esta eufermlilade nao deve ser condecida por
congealao cerebral simpl smenle, porque ella
he o i-Ili-iio e ufio a'causa da molestia, sendo
que laiobriu uaa mulherea grvidas nu pari-
das da causas eapeciaei para a aua apparlcfo
gravidade, o que jio tem lugar em inultas
ouiras circunstancial. Por laolo pode ser la-
xada de eironta adenoinioacio que o Sr, Pau-
la Carneiro l^eio deu molestia que leve a
Sra. U. Anna, anda que so ae quelra conalde-
rar ol lymplomia, por quanto cuinpre nao
dlspreaar oa da esollacao do systema neiroso
etc. que ao aempre bem manlfeatas.
0< mdicos recorreram as sangras o is
sanguesugis, (sangras genes e locies ou
tpicas) s agua sedativa de Raspail, ana
clyslerrg du pimenla e purgativos etc. ect,
mas releva observar que be com estes meios
e ii:1o com uniros menos poderosos, inerfi-
cases ou nocivo), que se tem salva lo pro-
dijioso numero de mulheres it c. las de
cuiivulsOes puerperios.
Os grandes mestres, os dignos ilxiciavj-
los de llippocates, aqm lies que tem "enea
uecido e consummido seus das de vida a
sua fortuna no estudo da aciencia m- i'c.i,
por amor mesma iciencia a da huiiiauid -
de, e nfio por motivos menos nubres; tem
reconunen laduesse tralamenlo, que deva
ser, segundo as circuinstancias. molifica-
do, vanado o coadjnvado com oulros meios.
NSo ha pois mol vo para eilranhar que A
esse tralamenlo, filhn da rasSo, indodo
pela scieucia a sanccionado pela ohsarva(9o
constanie, nos reco ressemos : desapropiar
o dilailir um Iralamenlo sem poder de-
monstrar em que elle p'Ctfe pola ser no-
civo, be decl.rar quenSo se esta de boa T
ao menos. a
au he exacto dier-se quo nos quizemos
e'ain visiveis. Tul c lamado, dil o coinniu-
nicad<>, por insinnaajoes de alguetn, o Sr.
Paula Carneiro Le8o, que veio a caa di
paciente e Iho deu umi dose da sus honcen-
palhia ; eis como por o8r. Pau'a Carneiro
LeJo fui ope ado o milagro d cura da Sr."
I). Anna. Osimpies bum sen-o basta para
tirar as verda leiras cnnseqaencias.
Foi por ceito urna insi>ira(lo ou Torr; su-
perior que dou ao Sr. desenibiigadur l.on i
Freir vlor p*ra resistir is pnnviras ins-
tancias que se Tez para elle m indar chamar
te Sr. Paula Carneiro Leilo, contra a qual
tentativa nem um de nos deu s quer urna
palavra ; purquanto s > a Sr." D. Anu toma,
le meio di al duas horas da tarde, a d se
linmccopithics, siisp ti-enlo-so o trati-
mento eumec.il,in que anda uin tlnba pro<
diizido (oos os s os i U'eiii.s, pudo-se apos
l'ir (-.ni contra u n om eoino ans de Olio
horas, contadas d'aquelle momento, o Sr.
desembarga lor Luna Freir testemunbaria
os efleitos de sua condescendencia, leria a
dor de achar-so viuvo, e de ver seus filhos
nrphSos. A (hese cmitraiia, vi-ta do qu
flc eipendido, que he verda le, paree-nos
insustentavel, roa no saachais, para a
defender argumentos a provas medicas que
silisfaco A ras lo ; porquanlo om sciencias
lio s prova, lie s demonstradlo irrospon-
divel quo pode satisfazer as prssoas de in-
telligencis e raiao que tem esloda lo a ma-
t ra ; gritara, a derla mu. fia s pn lem
ser cmpregidas par gente inscienU e sem
boa-e. psn fallar is turbas incautas a Igno
rentes que nem ao menos s se passa na superlicie daa cousss.
Si ni; o Sr. Paula Carneiro LeSo fez miis
um tniagra nos I he no nvrjanios a ulo
ra que assim quer lar ; milagrea operados
poresloicus deuutrem no podem dar hon-
ra a quem dalles quer apo lerar-se: gu>r-
damos o futuro, em l ipo se fari justifa a
tudus, e se ver quem he que tem engallado
ao publico, se silo os discpulos de llipocs-
tes, ou seiquollei que querem passar por
homceopatis.
Teve o Sr. Piula Carneiro l.eo um ofll-
cioso amigo para pelo Diario Ihe lecer um
elogio pelo que oulros fizeram ; e tem,
como diz o coaimuoicido, mesmo Sr.
desembargador Luna F'eire para apregoar
por lia a parte o milagre quo Tez o Sr. Pau-
i Carneiro LeSo; mas quando o mrsmo
dor Luna Freir veio da Pa-
accommoltido de viulent s
provocar o aborto (j no sena aborto, mas! gr jesembiraa.
si io parto, anda que prematuro, no caso de1 rahvbl o Tiii i
que so trata). IVio nico exime que se Tez ,|a,,ues' aSi|,milicos, usindo di hnmcoopi-
nessaocoasiilo.observou-sequehaviamlo- lh| estova mor.B Com terri.ois he.nop-
ves coilraees uterinas e bem asiim um ,vsis 6 ,,y4pilet do qu9 0 curou o Sr. I)r.
prijieirogiodedil.t.cao.lo col a. orili- Al,uni). e quando o Sr. Leal salvou ao Sr.
co do otero, o que fazn presumir que o dese.nbargidor Luna Freir, a um seu Miiu
parto poderla elfectu.r-se naturalmente, i dt) um, crue, perniciosa| e um seu escra-
0 parlo as circumstancias, em que se i- vo d(, umi a(r.ccj(, pu|monar das mais gra-
chiva asenhora.Anna.seriaprovavelmen- Tes n,1o |,ouve um amigo que cintasse os
te o indicativo e preludio da cessaflo da |UTores do Sr. I)r Aquino e do Sr. Leal,
molestia, cono acanleca na quast totalida- Njnguoiri quer ijgt,r 0, tristes revezas
l.i Ai.a .-....,,.- ,. ,, i........ mam .la .. n.r ,, fu W _
NapofeSosobroialtin-ieannualmente nos
das f 5 de marco, S o 11 da abril, 3 e 5 de
meio, 15 de j diio, 3 de agosto, 18 da outu-
bro. Com efTeiln, n'um 15 de maic,o foi eo-
roado re da Italia, n'oulro 15 de mareo jj
atacou a h'patilea, ou doenr; do hypneou-
drfo, deque tnorreu. A batalha de llonle-
notte, qqefoi a primelr victoria do Huona
paita, ganhoo-a a II daahrll do 1797 ; em
igual dia, 12 de abril do 1814 ab llcou o im-
perio em Fonlainebleau N'um 3 de maio fui
proclamado imperador dus francezes,' n'ou-
lro 3 de maio coegou proscripto e daposto
do tiirono ilha de Elbi: su filho, o re de
Rom, niscou a 5 de maio de 1811 a o pai
morreu a 5 de maio de 1821, agrilhoa io,
como Prom'theii, no rochado deSma lle-
lona, no meio do Ocano : esta residencia
uu desterro perpetuo Ihe Toi imp it pelas
potencias vencedor is, DO dia '1 de agosto de
1815, anoiversano da sua acciamicSu
eouio cnsul vitalicio no auno de 1802. To-
dos os oulros dias queo sobrcsaltavam oram
mais ou menos igourentos, por Tactos me-
nos noiaveis que os aupra indicados.
MEIUCOS t'EulM.NOS.
Em Piulad dpina a Boslon ji is mulheres
pertendem que a prolisso de medicina dei-
xe deser privilegio exclusivo dos lio nens
.Na Iu lias uu .s cidades da Unifo americana,
algumas senlior.s su lioiiram com a quall-
lleafSo de medicas ; grande iiuinno de es-
lu lautas cursim no collegio medico, fun-
dado hi tres annos na pnmeira das sob e-
ditas cidades, destinado ao bello sexo, mu
acaba de conferir-se a muitas lilhas de Eva
o grao de douloras em medicina.--A capital
do Masjachussel nao est Uo achantada, pul
que o seu collegio mlico para sentiuras
achava-se em embryao : todava, heprova-
vel que aedesenvolva breve, podendo entflo
rivalisar as douloras di .Nova-Inglaterra
com II da Pensylvania.
(Da Reoisla (Jniversa\ Liibonense )
COMMERCIO.
de dos casos e o nico meio de salvar o fe-
que o Sr. Paula Carneiro l.eflo e ns oulros
Coimuiiicudo.
n est niadrugida regressuu ao pilaciu de
PeliOpotii.a
O reTerido Jornal di timbem a ceguinle
noticia :
A Turlilnra de Santa Ciuz fez anla-hon-
tem a mulo signal de embarcacilu em perl-
go por .-o achaiem uiiiilo perto da Lage, e
abalioad-s, as barcas Irinceza Schacms o
portngueza llorlenlia que cnirvam, aquel-
la de llordraux e est de L'sbrji. Buboci-
das pelo vapor Carioca sal.riuii sem uilli-
culdade o sem avnna alm da perds do pao
da hiijnri'.-na da liaica Horlencia. >
O Sr. capii.1o-lenoi.te Filiopo Jos Pereira
Leal Toi nmnea lo ius encaricgado de ne-
gocios junio a repblica do paraguay, e o
Sr. Cliarutipira o mesmo lugar, e >>ia o
de cnsul geral doSardenha na nossa corte.
O Sr. priinero-lenenle da armada, Ha-
uiede Smesda Silva, foi nomeado com-
mandante do brigue de guena Kolo.
O Sr. coronel do impenal corpo de ong.'-
nlieiros, Antonio Jos Rangel do Vascun-
cellos, tambom foi nomeado aiminislra-
dor das obras da casa de correcfo, e Ins-
pector da penitencia' ia da coi le, em sulis-
tiluic.Ro do Sr. Antonino Jos de Miranda
Fule io, que foi seivir o lugar de cnsul ge-
ni do Brasil nos E-tados-lIni los.
O norte-americano Fio leu ico Cuillierme
llei'S', aecusado 'le ler assassinado, no bo
tel Pharux, na mil' de 22 di selembro do
anuo passado, o llano Emilio nsolmi
fui, em srguudo jury, condemnsdo 12
annos de pn.-.lo com trabalho, e as cusas
do processo, sen io seu dvogado o deseni-
barga lor l.uiz Fortunato de linio, que ap-
pelloii da M"'ieii;i.
O Jornal do Commercio annuncia queo
vapor Severa Irouxera carias do Liverpool
commUmcan lo que o vapor a hlice Cliopa-
Ira, explorador da nova linha d'aquelle
porlo para o Brasil, sahna por todo o cor.
rente mez de maio, sendo derrota a mes-
ma que seguoin os paquetes de Soulluiip-
ton e os novos vapores da lot.cil > de l,ou0
toneladas e de Torca de 350 ovallos.
O general I) Fructuoso Iti en, em urna
vlsila que ei a S. M. o Iwi era lor, recituu
0 sej-iiiuio ili-ciir.il> c nigat ilalorlo :
c Senlior..Nada he na mim maissatis-
fstorio do que iilfrecer pessoalmente a V.
M. I. ni'-us respeilos h lo las as cousidura-
i;n sil" que V. Al i he credor.
a Se outr'ora, Senlior, tive a fortuna do
merecer-lhe cnniianc, peco a V. M. I. que
sa digne c ns rva-la em seu generoso
magnnimocoracllo, porqus ella saberei
cone-ponder-dignamente ecou lealdado.
So u p.tna de meu iiascimento lia d-
vedora a V. H I. do relevante servido que
scaba de fazer-lhe, assegurando llio a paz
e seus ni ilienaveis direitus, eu, Senlior, a
par de oieus coucdadSoa, aerei recouheci-
il i. i' se un io uno V. M I. I-ola a foriuna
da e iihcar um templo Concordia po cen-
tro da trra de Santa Cruz com as ruinas
da guerra civil.
Apenas o permitlam mous negocios
particulnes, parurei para minha patria,
munido dos complenles passspoites o
guverno de V. M que me diapunsou Consi-
leracfles que sei avallar. All o n eu pri-
nieiro dever ser, Seuhor, o respeilo e
submissSo ao meu governo, e nada delxa-
rci de fazer, com repioenli(flo ou sem ella
tafo bem da paz, em confon.wdade com os
1 riucipios que V. II. I. proclamou euten-
la para bem de lo los.
No dia 90 do paasado reuntram-se na cur-
te os membros da commissSo que proiecti
um bailotaViquella capital em honra do
No Diario de Pernambuco n. 88. de 80 do cr-
ranle mes. veo publicado, lendo por toda aaaig-
natura v*** um cominuuicado friendo uin elo-
gio ao Sr. Ir ni loo i!.- I1 iuI i Carneiro Leo
((pie naita cidada est curando bomcCopall-
i'iitc ) pela pericia c f robuala na bumeeo-
palhia, e pela caridade que muatrou oa uii-
laeroaa cura que tei na pessna da Senhnra II.
Auna, consone do Sr. deaembargador Luna
Friire; mal como esse cuminuuicado conle-
uba ineactidei que nao devem passar aem
ser rectlcadaa, e liaiauacdea que no podeiu
aer consentidas por oa facultativos que ense-
iin un o non luiriiio da mesma Seuhora em aua
molestia, julgam eates facollalivoa que Ibea
corre o dever de reaponder ao coramunicacTo.
A consiituico pielheotica da Seuhora D.
Auna, o catado saburral daa vas gaalrlcaa
seua anteriores iocomuindoa de aaude, o seu
modo de viver, o quasi iieiihiun exercicio que
faiia. a iiilltraccoes que oceupavam os aeua
lucillo os inferiores e parle superior do cor-
po Sic. ae. pi cili-piioh un a vsia .Souiioii um
desses accideolea graves, que muilas vetes ao-
bre-vcm aa luulherea grvidas, nu em traba-
lho de parlo, ou depofa deste, se se d urna
' ni' i mais enrgica que faca aparecer algum
deases accidentes: loi o que aconleceu na
iioile du dia 10 de marco du crreme anuo ;
Sra, D. Auna, no correr do nono niel de
prendes, teve uesaa noile umaindigcsio, eala
deu une., ni a convulcdei, com que lutou
durante o dia II, desde a madrugada.
O Se. deseinbargador Luna Freir, ao raiar
o dia, ni uiiioii a caaa du dr. Paula Carneiro
Jo i o prdir-lhe urna dose de aua homosopatnfa,
maa, nao couliando usa virludea deala, nao a
deu sua duente, e logo pela manha fea cha-
mar mdicos, por quanlo ai couvulucdea se
repeliani. Como viainho de cacada o prune-
que acodlo fol o Sr. dolilur Mavignler, que
pedio confeienciar com oulros mdicos; mas
combaten, com os poucoa meloa que no nio-
nienlo leve i aua desposlcao, o prlmelro alta-
que tealemunbou, e mala um que a esle se
aeguiu ihi i.i hura depois, e receltou no ioluilo
de alisfar.er cuino principaea as indicacdea ae-
guinles: eliminar a causa material, islo he;
aa materias ilioioui 11 ,s^|u,- produilrain a iu-
digestao, c a irritacao do syleiua nervuto Stc.;
acalmar a exeilacao Dervoaa ; enflaquecer e
desv necer a rongeslo cerebral, iui|H-dir que
oa humores afluisaeni pata a cabeca; e cha-
mar para a periferia a vida que della pareca
fugir, e se coucenlrar no inleiiur.
depola, conferenciau com o Sr. Ilr. Mavignler,
appruvou o aeu rrceliuarlo, que pouco ud-
lino o iiioi. Seguldamile, mas em horas difle-
renlea. compareceram os Ars Dra. Aquino, Li-
li, facultativo da caaa, Miguel Feiicio c o Sr.
Dr. Pogi : lodoa concordaran) no ineaino pen-
laineuio, e nua unios lembrados, apoiando
anda mais, una a cerlas aplicacea e oulros
a certas nutras, aem rro.cu.ir alguma.
Ous faeultalivoa, que forain chamados e ae
apreseutaraiii, alguna voilaram variaa veas
na da, raramente esteve a euferina aem duua
mdicos a aeu lado, e por veiea teve Ires ; e
desde antea das uilo horas da noite at pela
vulla das nove, ou mais larde, oa Sra. Drs.
Gomes, Alavlgnier e Miguel Feiicio, conferen-
ciaran! pela ullluia vea, c leiuhraram aioda
algumaa cunzis, e neeiiuu-se ; depois de dea
hur.ii, l,-7.UIU.-I ultima visita o Sr. Ur. Mavig-
nler, que poucas utencias Hiera durante
i dia.
Os accesios ou attaques, com a medlcacao
que foi puala em pratica, das duas para as
tres horas da larde, foram cedendo de aua
frequencla e Int naidade, voliando pelas aeis
horas da larde, e desde esse momento al aa
oiio da noite ou pouco mal so dous ou Ire
acceatoa sobrevieram.
Parderam por lano os altaquea de sua fre-
quencla e iolencidade, poslo que algum ta-
anlo prolongados, maa a coma fol seudo ca-
da vamenos profundo.
Durante oa iotervallos de urna oulra con-
vulso, para a nolie principalmente a doeu-
le agilava-se col aeu leilo, accionara, ergua-
se, dava algo.ni pasaos, e se mais nao audava
era porque a coudusiam para a cama, bebia,
posto que nio como no eatado de saude; uu-
vla, e at fallava, i,em que com cena prlso de
garganta, e nao mu livremente ; acclonava
como quem pedia ffuia cousa mas que Dio
era entendida-
Al dez horas da noite havla a doeme felto
raras e InssulBclenles dijeccdei alvinas, que
pelas onse foram in-is abundantes: houve por
unto eipulsao das malcras cxlranhas, dlrer-
aao da molestia, ceisaco das convulcdes, e as
melhora* foram apareceodo. Fol nena occa-
lo. Seremos talvez censuraveis por i.a.i ha- teom sonrido, ninguem quer contir o pro-
vermos, logo em principio, provocadores- diuSJ numero de victimas da homo-opi-
mo furga lo o pirlo, como recommondim ln p,ra ao 0|rendcr ios Senhores lio-
grandes e insignes psKeiros e recommen- 010,05,11^ un | sempre quem ellas
.liii is leis. por quaiilo^omo Tica dito, di> itribui a curas qua os Oulros fazem : os
hivinha dupla vitit.gem. gnnJes prodigios, os verdideiros milagies
OSr. Paula Carneiro Ledo querera em lo- operados pelos discpulos do llippocrstes
do o cas > sacr.llcar, deixir murrer 1 crem- ogo m8recem consil. r-cSo ?
ga, e csti inda pigla ? Nos levi'imos em ()9 r,ct,)g que rererimos foram observados
vuta combaler o mal, que.com quanlo gra- poP ,odog nos, edeiles damos ti, o que nao
ve.iiausenosaotolhava invensivel ufa- f0i lestemunti.do por nos nos fui informado
voreceras co.it'acOes uterinas, esperando o p8|0 pr0pri Sr, desomBirg.dor I.um Frei-
parlodosesforcosdsnaturez, porque is- re em cuja prubi la 1 e honra muito con-
nn ludo seria mais suave : nesle seulldo flin)1I 0 nrtn, gUHpeii4ms quoseesiuive
inlispensavelera aconselhar alguna meios, de eonfess.r e conlirmar a verdade do que
o que lizamoi. nosinlormou. Nos acceitamoi e agradec-
F01 menos exatoo autor do communica- m,is .sjescuip.sq,,,, nos du o Sr. desem-
barga ior Luna Freir, um lio 1 e 11 de hon-
ra nao procede de oulra maneira.
Foi mais um tiiumpho que a homoeopa-
l!i a nlit'ivu s liro a medicina v.-lha! Mas n.lo
percehem oSr. Paula Carneiro Lelo, etolos
archa ,ia modestia da a-nhora l). Anna, osSenhorrs homoeop.lhas, quea boinoeop.-
.va do ver quo, a enfermidade se musir- lnj(1 ., ,81110 paril 0 seu Vccaso, 6 que a
1 em principio muito forte, que so agrava- Velha medicina permanecese.npre dominan-
I 111 i.lnl,, iiiiillillll.l amlil.l.iii.l.i oa .- ais .a r .
do quanlo dissu que ludo fol baldado, e
que a doenle; em vez de melhorar, la
peior, e que os malicia haviam dec ai a lo
quo a doente nSo podia escapar.
Uuein allentiinnnie livesse obsrvalo 1
marcha da mojesti
luv
va
-* ~ n oa 11111 ni iu |-ni iii'iir ^' '1.1111M 1 uu 14a 1 11 ) I ( "
va progresivamente, amiudando-se os ac- te? saib.m timbe n queasc.enci, que fm-
cessos, ele, ale depois das duas horas d* dou o ensnou o vene'avol velho do Cs leo
.rde.om quanto os remedios no proluzi- vist,, nasCer e extu.goir-se ludas is doulri-
ram o espinado elreito | mis desa llora por na9 nl9dlCa9 mu,t,8 d.s quies fun 'adas em
dianio o mal fot em decrescimenio. os a.ta- ,|uinM verdades e qu, por mais forte n-
ques mais r.ros edistantes una dos oulros, s3u tem d ver caDjr louua rss,a desvtrios
o a coma manos profundo etc. Ora se a mo- da r,So hllm.
1 vez de ceder, se sgrav.sse cada 0 ,, do Cmmuilcail0( n3o nos dizcn.
em toca.
1 de 1852. Dr. Jos
inv.quio Comes. Ilr. Simplicio Antonio
vez mais profundo e arompanhado de es- jiavignier.-Miguel Felici.i d.SilVs.-Fran-
ertou apopltico a doeutenao se lenva- cisco Jos Cyrillo Le-l.-llr. J. de Aquino
lana, aind. menos no lena andar, accionar Fons^c.-Ur. Joo Jos Innoceneio
o pruiinnciir algumas palavras poslo que
com e o 11 r.1^1 etc. ele.
Permiltain o Sr.'Paula Carneiro LeSo, e
oseu amigo,que, declinan lo de sua autori-
dado, a, pe.0111 -s para a dus mestres na an-
tena.
Nenhum de nos disse e nem poderia dlser i
peaaoa aiguma, que a Sra. D Anna monera
icai.a, om vez ,.0 ceuer. se agraviase caua 0 ,, do CfUrnu
vezniais. n la dess cousas lena lug.r 1 d rrspeil0 va qUH
asconvulsOe.g, sem inlerrupcSo, seguinam |iecif- 25 do abril
umassout'as.eo coma irla sen lo cada Eusl,quj'0 comes'.-ll
OKKI
Hat
Tar7l:dadjs.
EXi'OSICV'O MIVBBSAL EM NOt'A-VOIIK.
Di/ o Courrier dos l'-tulos-llnidos. iju un
c mili em- o genio oussdo o avenlurciro dos
noite-mericanos poder fcilmente ter pro-
liifallivclmcnlf,' p'niquanlu tinln'a liuliain espe- VlstO l|lle a grande lllall feslae io i lid U Sll'l ii I,
raneas de a salvar; o que ae dase foi quea mo- de quo fol ilnalro Londres no annod
lealia era grave, que paciente eatava mal; 1851, devia ser imitada prximamente em
que se oa remedios produzlisem em lempo o Nova-York. Com elTeito, ha lempo que se
esperado elTello, leappareceasein dejeccdei li- IraCta de um proieclo de tal genero; mis,
vinas en. cena copla, adoenle amanheceria II- .,,,, nj0 havia sid,, desenvolvido, de mo
rsperavamoa, e tudo promellia; as convulso P'Jt'Oa. .,..-..
ccasaram, etc., e ludo foi pouco e pouco en- I >la< "-'O hn j sonlu) e-sc projecto, para
trando em ordein, e a Sra. D. Anna uielho ou. a reil|0ac3o do qual acaba de Oir-*o o pas-
>lai, quaudo eatea phenomenoa j le moatra- SO mais imponente. Mr. Edward Iti Idlu e
vam, vem o Sr. Paula Carneiro Leo. d a do- seus associulos obllvera 111 dos aldermen (ve-
cino sua dosr, e quer por esle fado alluoulr raadores do municipio) 0 livre uso da praca
PIUCA DO RECIFE 7 DEMAlO, AS
3 HIIAS DATAIIIlE.
cot>cObs orriciAts.
Cimhio sobro Londres: 87 e27 1|letris
de 60d|v.
Descont de luirs : de 5 e 6 mezes 3|t p. c
ao mez.
ALFANDEGA.
Ileodimonto do dia 7. 12:353,531
Descarregam hoje 8 r/ maio.
Polaca heseanhola iscobicrla -- merca-
deras.
Barca americana Johon Farnum farinha.
Briguo inglez Nompariel hacalhao.
Patacho hrasilejro Emulafio goneros
do piiz.
a a Eulerpe-- idem.
Iiiipurliiraii.
Brigue brasleiro Valle, vindo do Ro
Grande do Sul, consignado a Amoritn & Ir-
mito, minifosiou o seguinte ;
- 9049 arrobas csrae do charque, 197 arro-
bas sebo em rama, 50 couros seceos ; aos
consignatarios.
Paticho brasleiro Livla, vindo do llio
Grande do Sul, consignado a A mor i m cklr-
ni.l 1, iiHiuesloii o seguinte:
8292 arrobas carne de charque, 20 couros
seceos ; ios consignatarios.
Polaca hespaiinola Carlota, vinda de Bue-
nos Ay es, consignada a Jo lo Pinto de Le-
ntos ai KiI io. msnifeslou o seguinte :
2000 quintaos, peso bespanhol, carne de
chsrque 50 couros seceos ; ios consig-
natarios.
CONSULADO GEftAL.
Rendimento do dia I s 6. 1307,1:07
dem do dia 7 ..... 706,243
Navio eahldo no meimo da.
Rotiordam escuna hollandeza Albert, ci-
pilAo J. It Rok, arga assucar e couros.
aMiariWBaaaW
EDITAL.
O Illm. 8r. ofllcial-moior servindo de
Inspector da Iheinurarla da faieoda provin-
cial, em cumprimento da ordom do Eim.
Sr. presidente da provincia de 80 do.corren-
t, manda fazr publico, que nos tas II,
12 o 13 de m io proxi no vindouro, ir a'
praca para ser arromatido, parante o tribu-
nal administrativo da mesma thesourere, a
quem por menos fizar setenta e duas grades
d ferro nra as 1. n-1 las da casi de deleoeXo.
pelo proco de 130 rS. a hi> ,.
A arrematacSo ser leita na forma dos ar>
ligos H e 1 da le provincial n. 88 do 17
de maio de 1851, e aob as clausulas espe-
ciaos abaixo copiadas.
As pessoss quo se propoze'em a esta ir-
riiiiiai;u;:i(i coiii.iareciiin na sala das sessOes
do mesmo tribunal, nos diss cima men-
cionados pelo meio-dia, competentemente
habilitadas.
E psra constar ae msndou afllxir o pre-
senta a publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria di farenda pro-
vincial de Pernambuco 21 de abril de
1852.
O secretario,
AnlonioJPerreira d'Anuuncjac,So.
Clausulas eipeciaei da arrematacao.
i.m Todas as grades serdo feitasdecon-
formiilade com o exposto 110 orfamento o
desenlio junto, pelo preco de 130 rs. por
libra.
8. O mesmo arrematante sr obrigado
a apresentar dentro de cinco diis urna da
grades prompta, e no prazo de cinco mezes
estarSo todas 1 rompas e entregues, Con-
tado o prazo da data da arremals(9o.
3. O pagamento ser feilo em tres pres-
hc.os iguais, o da maueira s-guinle : pn -
mi'ii -i qoiiido e-iiv io u pin ii|l is vintn o
qualro grades, a segunda quaudo estiveren
eutreguosquarenta e oilo, ea lerceira quan-
do esiiv.irem todas concluidas e entregues.
4. O forro emprpgado na construCcifo
deslss grades ser limpo de qualquer defei-
lo, e do de melhor qoalida le que.aecoslu-
luii lunp. er-ai gnralment-i nestas obras.
5. Pana ludo o mais que no esliver de-
terminado as presentes clausulas seguir-
s-ha o quo dispOem a lei provincial 11.
286.Conforme. O secretario,
A. F. i'Aiiiiiinei.io.io.
MM-iij.mi
Di fliU'iiyots.
5:103.940
DIVERSAS PROVINCIAS. ,
Rendimento do dia I a 6.
dem do dia7 ,
265,649
18,349
283,928
dose da aua homceopaihlaa hou a da cura, qae aiaJlson ..Sque, para fundacSo do edificio
ja clava operada, nece.altaodo enferma del- | ^.^ A ,c'omuDhl, pVrec Ur |)s.
Ciulecar immediataaionlo OS Ira-
de eaae momento, ap.-nas de pequeos soccor- [ |* .
roa para aeu completo realabelecluiento: maa P!t. '
como esles meios uno foram euipregadoa), a cu-. Oalhos
ra fol louga.e nao em dous dlaacomu dito com- O pilacio de cristal de Nova-York ter 600
mullicado, o que podemos bem verificar, p-da ps da coiiipriniouln, e ser rodeado de um
alguna de nos viraiu por vea, a oiisciv.irain gradamento de fero, que flear depois pro-
m Sra. D. Anna qiaaei lodoa oa diaa. e'obllve- pnedada da ci lade. A decisSo eos aldermen
rama ene re.peiio Info.ui.c0e. exactas. E M prevemu cerlas circumslancias, lies como
islo he aainn.cooio necar-se que aos nosaoi re- :.... ____, ,v"""""'"""i *"
medloadeve.Sra. D. Anna a aua cura? Mu- f coi.s.rvuo ds vures, o preco das en-
. o parto cUcctiiou-se, o feto velo
'1
los das depui
morlo.
Estando dou 1 de nos, pela volta do melo-dla,
no caaa da enfenna, appareceu una pesaoa que
dizia ter grande ainizade e Inliuiidade com a
doente Caua familia, e qua muilo ae loiereaia-
va pelo reslabelecluienio da Sra. D. Anna, e
que por i -mi noa propunlia que se conferen-
ciase culi o Sr. Paula Carneiro Leao, e ae des-
ea doente urna dose homreopathlca: ao que
amoas, L11111 oacalaineulo devido, respnuderaui
que nem elles dous, e nem oa oulros jmala t"
uppoi 1.1111 a que se cliamaase algum drsaea Srs.
Iiomceopallias; queelleadesejavaui o reaUbele-
cimento daSra. O. Anua, competase a quem
quer que fuase a honra da cura ; maa quesea-
do o Sr. deaembargador Luna Freir o dono da
caaa e marido da Sra. II. Aona, a por canse-
guinte mala que todo. Intereasado no realabe-
leciinento de sua coosorte, a elle compela a
esculla d-a pesaoa. a quem devra confiar o
eu tralamenlo. Esia pesioa repcou, maa
vendo que ambos peraialiain no que havlain
dito, fui ella mesma a oulra aala chamar ao Sr.
deaemuargador Luna Freir, que, informado
do occorrldo, dls.e que quera sua mulher sal-
va, e que elle eslava por tudo. Nao aatiafaaea-
do esta reapoala or nada lar de positivo, repli-
caran! os duua, pedlndo que o Sr. deaembar-
gador Luna freir se ciplicaase tneihor e ter-
miuanieiiirule ; eniao dias* que o aeu deaejo
era, que os facultativos, a quem ellehavh con-
fiado o Iralamenlo deaua mulbtr, couiinuai-
sein a prealar-lba o iiiesino servico, que islo
Ihe. pedia por favor. A vala' delta reaposta,
os dous prosegulrain no irataineuio couveo-
clonado, dando de tudo pane aoa oulros com-
panheiroa, que approvaram o procedunenio
doa priineiroa.
Mu pelas onte horas da noite, ni ausen-
cia dos ftcolMivos, e quaudo a molestia
Iradas etc. 0 edillcio dever ser aberto ao
publico em o primeuo de malo do corrente
anno.
l.NXOVAL DE PKKSfciNTli A' PllINCE/A DAS
ASTURJ\S.
N<) dia 4 de Janeiro, sua santidado henzeu
ni ca 1 ella do paco ponliflcio o enxoval com
que presenleou a f i I lia da rainln Isabel. 0
cofre cid que foi acondicionado COiltlnlia
timbern um relicario guirnecido de brillian-
le.sepedr.is preciosas. Spgundu escrevo 11 11
jornal da Pars, o presenta he magnifico :
toda a tela he guarnecida de rendas as mais
Unas da Blgica, eos bolOes sfio camafeus
gutrnecidos do brilha.iles, com as elgies
da Sanlissim Virgem, S. Pedro, S Paulo, o
S. Jlo Baptista ; ludas as pecas de panno
silo bordadas a oiro, appreseuiind.) dese-
niios em relavo e com ia armas ponticias,
U oa banda de aeda branca, que tem urna
bellissioa pintura representando o baplis-
11111 do salvador, bem como os inaisobjec-
tos, eacerram-se n'uma caixa de bano, cu-
ja lampa, incrustada de flores, he como lim-
nem os horda.ios, Urna biilhaute amuslra
da Indoilria romana._____'
FRAQUEZaS DEUM IIOMEH CELEBRE.
. 0 imperador NapoleSo en Supersticiosn
quinto aos dias inniversarios e s pocas
a ettacOes do auno, eeslreuiecia ou regozi-
java-se conforme a estrella favoravel ou ad-
versa que sa persuada divisir niqulica pa-
r sus desgrana ou ventura pessoal. Coin-
cidencias oar.vilnosas justificara, at cerlo
ponto suparsticSo de que en achacado o
imperador dos francezes.
I\lll)ll;l(.',IO.
Rio Grande do Sul cum escala pelo Rio de
Janoiro briguo br sileiro Esperanza de
2U0 loneladas, conduzio o seguinte : -- 1000
barricas e 200 biniquinhas com 8611 arro-
bas e 30 libras do assucar, 100J coucos com
casca.
Hiro'lhl barca franceza Cleopitra, 280
toneladasconduzio o seguiuto : -- 280D sac-
cas com 14000 arrobas de assuc>r,20t)0 cou-
ros salgados seceos pesando64457 arrobas.
Rotterdam escuna holandeza Alberl, de
116 tuneladas conduzio o Seguate : lllsac-
cas com SO arrobas de eiva doce, 300 saccas
com 1 ."iiio arrobas da assucar uiiscavido,
1000 ponas de boi, 4u00 c mros seceus sal-
gados cum 4181 arroba e 22 libras.
RECEBEDOItlA DE RENDAS INTERNAS CE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 7..... 875,082
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimentu do dia 7.....282,315
COIIHEIO GEItAL.
As nulas q'i'j deve coiiiluzir o vapor Pei-
nambucaria para os portos 00 Norte princi-
piam-se a fechar hoje (8) as duis huras da
tarde, e dopois dessa hora al o momento de
fechar recebe-se correspondencias com o
porte duplo.
Espera-se com brcvidsde a esta cidule
o vapor Countess of Lonsdale do lote de f 05
toneladas inglczas, do 120 cava los 1111 esta-
do perfeilissiino,tendo accommoila^Oes para
60 passageiros : os pn leu n ni s queiram ap-
parecer sem demora, 110 escripiorio de tic
Calmoni & Companhia porque o mesmo va-
por na falta de compradores ueste porto, se-
guir para os (Oitosdo Sul.
Movimento do porto.
- Navios entrados no dia 7,
llio de Janeiro, II dias e 22 horas, ede Ma-
celo. --'i h iras vapor brssileiro Per-
nambucana, de 240 toneladas, cumman-
daole J0B0 lleniiques Otten equinagem
30. Conduz a seu bur lo : para esta pro-
vincia, o alferes Manoel de Azevedo ,do
Nasrimenlo, Jou dos Sanios Sarahyba,
capilo Manoel Jos da Suledaile, coin sua
familia e I escrava segn lo cirurgiflu
Miguel Jnaquuii de Castro Mascirenhas ,
tenenle And' Acyole Pinneiro, D. c,di li-
des Alves de AiL i.io, com 2 filhos e 2 es-
cavos, D. Francisca Felismina de Moraes
Braga, com 3 filhos, I criada e 1 escrava,
alfares J0S0 Antonio Laido Amerlco
Netto de Firmiao Moraes, Slanoel Fran-
cisco Moreii.i M.ii.i, Joilo Joaquim Alves ,
Antonio da Cosa Reg Mouleiio, Domin-
gos Jos Siares, Jos de Oliveira Cardo-
zoGuimarSes, Frederico Mucru, alfares
Manoel Sabino de Mello, Graluliano Jos
da Silva Porlo o I escravo. Adolpho 1.a-
louet, I dezerlor do nono batalhfio, I di-
to do corpo de artilices, 1 soldsilo e 4 ex-
pracas .- pan o Norte, Francisco Carva-
1 lio di Conceifo, padre Flix Birrelo de
Viscuncrllos e i escravo, prlmeiro cade-
te Francisco Bernirdinu Nones padre
JoSo Antonio do Lago, Jos Moreira Ce-
zar do Lago o 2 cscravos, Joao Jos da
Veiga Braga, lente coronel Innneencio
Eustaquio Feneira de Araujo, 4 oDiciaes,
172 pracas do terceiro balalliBo de arti-
lliiii e 30 i.iulne es das pracas, 3 ex-
soldados o 2 ex-marinheiros da armaJa.
dem 18 dias, escuna ingleza Mirtha, de
49 toneladas, capildo C. Day, equipagem
7, em lastro ; ao cipitao. Ficou de qua-
renlena por 6 diaa.
Rio G'rsnda doSul 19 dial, patacho bra-
sleiro Livu de 156 tuneladas, cpiflu
Joilo llypolilo du Canto, equipagem II,
. carga carne secca a Ainuriui & IrmSos.
Terra Nova-- 36 dias, brigue iuglez Herald,
de 202 toneladas, capilBo J. Warren,' equi-
pagem 12, carga bacalhao ; a Me. Cal-
inonl ez Companhia.
Piriuagu -12 das, barca brasilcira Rufl-
m, de 305 lonclidas, capilo Alexindre
Antonio Pereira, equipagem 13, em lai-
tro ; a Araorim & limaos. Segu para
o Assu.
THEATRO
DE
S. IZBEL.
40. recita da assgnatura.
SABBADO 8 ni: MAIO DE \H~)1.
Depois da execuQ.lo de urna das melhores
iiuvi'inu 1 -, pela orcheslra, subir a scena a
nuva e excelleute comedia em 3 actos, orna-
da de canto, e traduzda no llio de Janeiro,
do original francez, de Mr. Varnet, que tem
por titulo,
O HOTO
JIDEU EKKIATE.
PERSONAGENS.
II Til lilil. Il ill 111-11 1 > -- I.el 01.1110.
Osear Dnrand, medico -- Bizerru.
Du'amlicrg, oireclor de cumeos ambulan-
tes -- ll 'lio 10.
Duratiti, auditor docnuselho deestid
Auie 10.
Sait/.buurg, mercidor (bofarinbeiro) Ray-
m lindo,
0 liarflo deDjrandiie Coimbra.
Folbeit, labelliSo Pereira.
Durocher procurador de causas -- Josc
Alves.
Guibourg, director de um caminho de ferro
Pinto.
Gallis, chapeleiro Cabral.
I.cjras, inercador defeceos emolhados
Rosendo.
Ilennquels,filha do Huno-- D. Cnsela,
Genoveva, criada de eslalagem D. Amalia
Mooteiro,
A scena passa-se: no primeuo acto na
eslalaguin do una aldea da Blgica, peilo *
das fronleiras da Franca no segundo no
i'i.-t lo do 11,1 1 o e no terceiro om Pariz
em casa de ll ilr.uul.
Terminar t> espectculo com a graciosa
comedia em I acto,
IIIIILECTUTE.
Comerai as 8 horas.
Os Inlueii-j acham-se
do coslutue.
a venda no lugar
TIIEATK DE APOLLO.
Em conseqiii ncia de achar-so uoente a
seuhora D. Carolina, nlo pode ter lugar o
espectculo annunciado para hoja, licando
traiislei i lo para tortjn feia, II 00 corrente.
-j7-~. r_ T
Avisos
martimos.
Vai ;>.ihi re ni poneos dias, pa-
ra a Hhi.1,0 patacho nacional Con-
fianca, pode receber aiguma carga
miuda e passageiros : trata-se com
os consignatario Novaes & Com-
panhia, na ra do Trapichen. 3$.
A Buliii.
PropAom-se para este porte o veleiro hia-
to Caprixoso.os senhores pretendenles pode-
iSo diilgir-sa ao meslre, abordo, em frenle
do caes do Ramos, ou a I.. J. de Castro o A-
raujo : di ra da Cruz n. 31
l'ara o Uio de Janeiro aahe
at o dia ao do corrente o brigue
biasileiro Hecife, por ter a niaior
parte do seu carregamento prora-
pto : paja o resto da carg, pas-
sageiros, ou escravos a frele, tra-
ta-se na ra do Colegio Q. 17, se-
gundo andar, ou com o capilo
Manoel Jos Ribeiro.
_i MUTILADO



P
TT


Seguir Pera a cidade da Porto, at o,rente, nt sui chinad,um baliu de sola pre-
fin do crtente mez, o brigue portuguez la, o h.ja de reitiluir a bordo do pasmo
Bom Pastor, de prlmeira marcha, forrado o vapor aC ao-meio da de hoja, ou ni loja do
encavilhado de cubre, tero melado do seu Sr. Ser.llm Airea da Hocha Bastos, na ra
carregamento promplo, recebendo o resto a da Cadeia Velba n. 19, que era reoompen-
fi >[", e tambem passageiros, para oque lem salo.
mili encllente* con.modos : tiata-aecom
Rallar & olivera, na ra da Cadeia do Reci-
te, iii'in / m n. 19.
Para o Kio de Janeiro vai sa-
Irircom a maior brevidide p issivel
o.brigue nacional Vencedor,para o
resto da carga, passageiros e escra-
vot a frete; trata-ce com o capito
Cleto Marcellino Gomes da Silva
ou con os consignatarios Novaes &
Companliia : na ra do Trapiche
n.34.
Para o Cenr,
segu com muit brevidide a escuna nacio-
nal Maris Firmini, e sumaca FlordoAnge-
lim, pni terem os seus carragamentos quasi
prumpto pdem anda recober alguma
cirga a frete, para o que pdeentender-se
com Luiz Joan deAraujo: na ra da Cruz
n. 33.
Para a Bahia segu com hrnvidado o
patacho Santa Cruz ; para o resto da carga e
passageiros Irata-se ao lado do Corpo Sanio,
luja de massames n. 25.
Para o Hio de Janeiro,
s-.liira iiifallivelmenle no Uta 12 de maio
prximo, o patacho nacional Helia Aila ,
por ler parle da carga prompta : quem nu
mesmo quizar canegar, ir de pass r--:n--i 1 -i- escravos, pode tratar coi:-. Manoel
Alves Guerra Jnior, na ra da Cruz n. O ,
ou com o c pililo Mu noel Jos de Sena llar-
lina, na praca do Commercio.
Para o Hio de Janeiro salie
ein poucos das, por ler o seu car-
rcgumealo quasi completo, o bri-
gue Lrasileiro Animo, forrado e
pregado de cobre, e muito veleiro,
para o restante da carga, passigei-
ros e escravos a frete, para o que
lem commodos surlcieutm : trata-
se com o capitao Dminos Anto-
nio de Azcvedo, ou com o consig-
natario Lol Jos de S Araujo
na ra da Cruz n. 33.
OcautelisUSalustiano de A-
quino Ferreira, avisa ao respeita-
vel publico, que os seus bilheles
e cautelas da stima lotera a be-
neficio da Cultura de Amoreiras,
eda 55 lotera a beneficio di San-
ta Casa da Misericordia, estio ex-
postos a venda na praca da Inde-
pendencia ns. i3 e 15, loja de
calcado do Arantes e na ra da
Cadeia do Hecife n. 46 loJa de
miudezas de Jos Fortunato.dos
Sanios Porto : a stima lotera da
Cultura de Amprer.is correu no
primeiro do corrente mez, e a 55
da Santa C'asa da misericordia li-
cava a correr no dia 11 do pre-
sente mez; as listas de ambas de-
vem chegar no dia 30 pelo vapor
da companhia brasileira, ou no
dia ai pelo vapor inglez Teviot.
Sao immediatamente pagos todos
e quaesquer premios djs reler dis
loteras as lujas cima mencio-
nad is, logo que se receberein as
listas.
Illictcs
Aleios
Quartos
UitavuS
Vigsimos
32,000
11,000
5,5oo
3,800
i,3oo
Leudes.
-. Ocorretor Miguel Carneiro, fara leilBo
no dia lerca-Teia II do correlo as II ho-
ras Ja uianhfla, 110 seu armszem na ra do
Trapicheo. 12 de diversos Irasles novse
usados, um rico jogo de bacalclla com o
panno sobre pedrn e seus pertences, camas
de ferro, ouca, vidros e outros muilos o fa-
je ctus.
-Jos Rodrigues Pereira far leilo terca
f'ii.i II do crrenle as 10 horas do dia no
caes da alfandcga de 50 queijos de prato re-
ceutemeute chegados da Holn la.
Avisos Jiversos.
- l'recis-se de 1 bom cozinheiro, nacio-
nal ou eslrangeiro, livre : na ra da Aurora
casa do Sr. Elias Uaplista, junto ao collegio
das orphSas.
Fernando Jos da Rocha Pinto, remelle
para o Rio de Janeiro na seus escravos Ma-
Ihaua pardo de IJade II aonos, Jorge da lu-
cilo de idade 28 annos.
rrecisa-se de urna ama para o servico
de urna cisa ile pouca ramilla: na ra da
Cruz n. 53. loja do barbeiro.
-- Precisa-se de uma am, pira c izlnhar:
no aterro da lloa Vial, fabrica de charutos
n.77.
Pri cisa-so do uma ama de leite, que
nnvenha com filho, sITianca-se o bom Ira-
lamcnlo e boa rasa : n> ra do Colleglo, so-
brado n. 21, s iunilii andar.
Luiz Gomes Silveno, embarca para o
Rio da Janeiro, assuas esc avas cicoulas, do
iiimie Si-lm-tana, e Bonifacia.
Na la larga do lio/ario, p3 laria n. 48,
I recisa-se do um amas-ador.
Aluga-se uma prela, quo sabe cozi-
nliar o commum, comprar, ensaboar e lio
fiel: rruem a quizer alugar, ilirija-se a ra
da Cadeia do S. Antonio n. 15.
An'onio Francisco Martina do Miranda,
cxpnrla pura o Rio de Jaiioiro, a sua cscra-
va Caelana, do ncelo.
Precisase da um cont de ris a pre-
mio, de um por cento ao mez, e por lampo
de um auno, sobre hypolheca em predios
livres e desembarazados : annuncie, ou di-
riji-se a ra do R.ingel, loja n. 5i.
I'n cisa-se de urna ama deleite, boa,
forra : na ra deS. Francisco n. 42.
--Desappar.'ceu um mulatuno l. do cor-
rente, de nonie Felibeito, com os segua-
les signaes, calsa e ca 1 i-a de algodflo azul,
chapou de palha, uma fenda em uma per na,
de 22 annos de idade com buco do barba :
quem o pegar, dirija-so a Iravessa da Ma-
dre de Heos, venda n I, que ser generosa-
mente recompensado.
Jo Alvcs da Silva Guima-
racs fiz scienle a quem interes-
sarpossa, que achaiulo-se venci-
do alguiis pcnborcs, pa sar a ven-
ilc-ln-, 110 caso que 110 praso de 8
ili-.s da data deste seus donos os
nao lirarem.
-0 cautelisla Souza Jnior continua a
pagar os premios sabidos em suas cautelas
bilnelcs vi-ndid s em sua loja do ferragens
na ra do Queimado n. 37-A- e tem expuslo
a venda pelos prc-cos ahaixo as suas camel-
las o bilheles da 7'. lotera do Rio do Janei-
ro a beni ficio da empresa da cullura d'smu-
reiras bicho ila seda cujas lisias devem che-
gar no din 19 ou 20 docurrente 1 elo vapor
hrasileiro ou inglez, recebe em Iroca buh-
les premiados.
Bilheles 22,000
Meios 11,000
Quartos 5,500
Oilavos 2,800
Vigsimos l.soo
Precisa-so ue um mestre de barcada pa-
ra tomar ronia de uma prompta a sair para
o Sul, quem que so acliar as circu.nstan-
cias e livcr conliocimento da cosa da Pa-
rnhiba al Macei e der conhecimento da
ua pessos, podo dirigir-se a ra Larga do
Rozrio n. 18, que achara com quero tralar.
Thereza Mara de Jess do Nascimento
da Coala, embarca para o Ro de Janeiro,
sua escrava creoul de nome Maria iJaJe
24 anuos. .
-- Francisca Lina de Oliveira Smlos.pro
. fessora particular do primeiro grao elemen-
tar,faz se denle aos | ais de suas alumuas.que
mudou a sua residencia da ra Nova n. 19,
para o bairro do Itecile,praca do Corpo San-
Continua a estar fugi la a prea Joaqui-
na de idade do quarenla annos, c ja com ca-
bellos brancos, hej le osttlura baixa o ma-
gra, muito fea de cara; quan lo anda parece
que esta' caindo proveniente de dores que
levo pelasjunlas, tem na palma da m.lo jun-
to ao 1I0J0 mnimo duas verrug s grandes,
esla escrava fui comprada ao Sr. Lode pelo
Sr. Joflo Evangelista di l'.ota, lem-se toda
1I-T1 ol mei qiic foi seduziJa o furtada, pois
ella n.1o custodia a fogir, e por isso se pro-
ceder com todo rigor da le a quem n livcr
cm seu po ler,por tanto quem a pegar leve a
a ra Augusta n. 3).
Aluga-se uma prcta, ou mulque que
saiba vender nSo sendo viciosos: quem a li-
ver annuncie ou dirija-so a ra [Augusta
n.33
Quem precisar de um capelUo, o qual
tambem ensillar primeras lelras, e| alguns
preparatorios : dirjase a ra Velha n. 81.
Quem tivr um andar de casa para alu-
gar, sendo do Livramento at a ra das Cru-
zas, o da Ponte do Recita a da Boa-Vista, an-
nuncie para ser procurado.
Pe.le-seaoSr. Antonio Nunes do Mello
o favor de so dirigir a ra larga do Itozario
n. 48, que se deseja fallar com loda a urgen-
cia.
Precisase de urna ama forrar que seja
idosa paia o servico de uma casa com duas
pessoas de familia, sendo tambem para com-
prar na ra, ou do um moleque : a tratar em
tora de Portas, ra do Pilar n. 12.
O PoslilhSo.
Revista hebdomadaria publicada em Lis-
boa, comprohendaiffo: noticias da capital n
do lo lo Reino, eslrangoiras e diversas ai ti-
gos commerciaes.precos de generos.cambios
e valores de menos e papis d-i crdito; noli-
cas e rligos sobre melhoramentos do inle-
resse geral eloc.il ; vaiiodalee ele, A.sua
publicacilo lem s lo regular c oxistem os 7
Horneros saludos at a partida do ultimo
vapor inglez, na casa n. 6, defronto do Tra-
piche Novo, onde se recebsm assignaluras e
so dito quaesquer OXPCaCiVa sobre e.-to
noticioso jornal. Os Sis. que tinluim feito
a n.erc de ssignir para o lloleiim coin-
nnMii.il, s5o conidadosa vire u transferir o
rolla breva possiv-l as suas assignaluras pa-
ra o PostilliSo, quo o sulisliluio oais vanta-
josimeiite, aliui de .o fazer aviso para Lis-
bu, e virem os nmeros respeclivos pela
mais prompta via.
Oj guardas nacionaos do I." batalhiio do
Olinl que destacaraui para a capital desla
provino c composeram'no corpo destaca-
do a 4 companhia ao maulo do mu ilis-
tincto Sr. c,i [t o Francisco Luiz Virflas, Dio
podtm poupar-se ao d ^ver.que Ihes impOem
suas conciencias, de manifestarem ao mes-
mo Sr, capilo (no momento da dissolviefio
do cnrpn o quanlo so pinhorados o gratas
as maueiras Sempre urbanas, sem prejuiso
da diciplina, com quo a lodos elles suubo
lratBr,ness 1 periodo em que ni.id a inais una
vez poderlo prestar seu fraco contingente
ao sorwico da patria e manutencilo do gov.-r-
no, e o fasorem pela maneira inais publica e
decisiva. A guarda nacional do Olinda ser
sempre prompta o decididamente cumprira
es ordens do govern, como he do seudevor,
em. n- que esln baja de nella confiar, mor-
menteaeodo commandada por lilo beneme-
rilo 1 llic a ', que por Oais do urna vez a lem
conduzdo a Vitoria. Digne-aje o mesmo Sr.
capilSoe mais s-nhorosulllcraes da compa-
nhia. icceberem nossos agradecimentos em
horas lili/ -. Olioda 5 do malo de 1852
Jos de S. Arma Oiiveira.Miranda,Manuel An-
tonio Lopes, Antonio Pires de Carvalho, Ma-
noel Joa da PanSoJoaquim de Santa Anua,
Antonio Miii es SimSo, Marcolino Jos Vi-
tal, Ignacio Comes da i.unha. Joaquim Pe-
dro Selisiino.Felippe Anlonio de urna.
-- Precisa-se de qualro ulliciaes de ciaru-
teiro de CirregacBo nagaudo-se 180 ra. o
ceiilo : na ra do Cocho u. 14, achara com
quem tratar.
JuSo Antonio do Araujo e Bernardina
Lopes de Oliveira f vel publico, e principalmente o corpo de
commercro desla prac,a, qua se acliam cs-
tahelccilos com loja de Nzen las na ra 1I0
Qusiuiado n. 47, gyrando sobro a lirma de
Araujo O Oliveira.
D'scja-se fallar com o Sr. Paulino Be-
zerra de Mello e Andrade Lima, a negocio de
seu inleres.se : nu paleo da Peuha, uefronle
do convento, sobrado.
Arionda-se o engenho Cumbe, distan-
te da povoaffio de Grvala tres leguas, prom-
plo a moer, com cana madura, e com a fu-
tura safra que tem para mais de 7o0 p3es 1
quem o pretender dinja-se ao engenho Boa-
Vista, a tr.lar com o aeu proprietario.
Pominateau, no aterro da Boa-Vista n.
16, lencionando ir para Franca fazer urna
viagem, ruga as pessois que llie devem, de
ler a hondada de passir ua sua loja para
ajuatar as suaa comas.
I'oin natenu, ruga ao Sr. Francisco de
Albuquerque MaranhJo.do oogeiiho Ginipa-
po, de dar-lneuma rusposla difiuilva sobre
o negocio que elle ja lhe menciuuou.
Potninateau,roga ao Sr. Coelho que te-
- de ler a bon-
fechar o ne-
AltencSo.
Um membro da fstabelecida na cidaJo do Recife, e cujas
eul.-. furam Tflcenlerqente rehabilitadas,
compeientemanto auturisado para repellir
a Inaulenie pulilica^So feita 1 pedido no Jor-
nal do Comwcrcio n 20 de 19 de fevereiru do
presente afino sob a e igrapha-A candida-
tura do poeta maranhense, da qual s ago-
ra leve conhecimento, declara mais ao pu-
blico, do que ao autor dosao aviltador an-
nuncio, que nflo merece as honras da uma
reaposta : 1., que a L.\ 6 de marco es'ra-
uha a lodose quaesquer manejos pblicos,
s cura dos llns prescriitos pela sub.*
Ord.. do jiie faz parlo: 2 *, que seus Ilus-
tres e ro-peitavois membros conscios de sua
pi'np'iu 1 gii:.I ilc, anda quando infeliz-
mente alien a ss-ni dos preceitis orilensdoa
pelos seus Regul.-. queexcluem absoluta-
uienle 1 poltica, e leucionasso a envolver a
l..\ no emmaraohado e pernicioso onredo
da meama poliica, so propozessem a traba-
har por nlguoiB cmdidatura, nunca so en
teressariam cor sallibancos e trimpolinei-
ros, porque nesso c l'.TiiiiiiniuiMiiu.s distinclus por suas virli.-
des,merecimeiilose saber : 3., linalmenle,
que cm vista deslas breves olisn-mc s, de-
vem cor siderar-so ntoiramente apcrifas
essas culi-, que diz o tal annunriador 10-
1 em se oscripto de Pnrnambuco para a corte
ulli'111 111 lo a can i'nliira do pula mara-
nhense e misnraliili.ssima a Impostura com
quo por seiiielhanle ineio procurou tisnsr
a i'i'joil icio dis,LL.'. Me '. de l'ernambucu,
que volam o inais soberano des.'rezo as en-
s
D. Izabel Maiia de Mello, avista todoi
01 credorea do seu casal, qne. por falleci-
menlo de aeu marido o lenenle-coronel J0.I0
Filippe de Snu'/a L"So, se estar procedeno
ao inventario dos bens do mesmo casal, e
por jato dnverlo mandar juslillcar por va de
libello os sem dbitos para se Ihes separar
hens para os aeus pagamentos, e istn no
mais breve rspar-odo lempo possivel.
-- No bolequim da ra Nova precisa-se de
um prnto para todo serviro, que seja Ocle
diligente.
Na camhoa do Carmo n. 14, conlinua-
so a incumbir de apromptar cumida para
quajquer casa de negocio, serv ido se com
promptido e dando-se inteiro cumprimen-
lo an quo so ajuslar, ssim como recebe-se
qualquer enconmenda de bolos de todas as
qualidades, bem como os antigua bolos ce-
vados, apromplam-ao bandejas enfeiladas,
(Udu Com a-selo
Anlonio Pinto Fernandos Tavares, ci-
dadlo porluguez, rettra-se para Portugal a
tratar dn sin saude.
mi" -i ico-sis um homem coro tod s as
I1.1I11I1 .ieoi's pira cobrar dividas em qual-
quer sortSo desla provincia e mesmo de ou-
Ira : quem do seu presumo se quizer utili-
sar.piocure na ra do Livramento 11.14,que
achara cum quem tratar. O mesmo offerece
garanta 1 sua conducta.
Companhia de Dcberibe.
Os Srt. accionistas da companhia de Be-
beribe silo convidados para se reunirem em
astembla gerai DO dia 17 do corrente as 10
lioras da mauhai, alim da se nomear nova
a.lininis r.ic.iu e de se dar cumprimeiilo ao
Mscales e boceteiras. tos a venda, na loja de miudezas
o arrematante do impuato dos mscatele ja praca da Independencia n. i.
oceleiril, de novo convida ioi que indam R'.,. J. ,- K
Bilheles inteiro
Meios
Quartos
Decimos
Vigsimo*
10,000
5,000
3,600
1,100
fioo
5 MODINIA i
ai., an!... ,,1. ,,..; i... ;..
A I ta ioi 1c "li <(' si lonc 10
trigas forjadas por cslo vil e iulame cluin- disposto no 6. do art. 28 dos esWtutus
na Jo', qu, por sem duvida, nlu passadel Um oieuulo de nouie Amaro idade 20
seralgum bastardo da Mac.-, espellido de annos punco mais ou menos, nao he alto e
seu seio, ou ilgum despresivel ente a qu.im nem muitu baixo. xato, falla um tanto em-
ilunea foi coocedilo o approximar-se dos lurassadii.em um plem urna costura ao com
umbraos iloTeinp.-. da firlude. prido proveniente de um taino de machado,
Or.'. Lycurgo. ternera uma peina,em cima di eaueila outr-
Carneiro & Ramos.ojportaiu para o Rio marca do um cuis de cvalo, he ufllcial de
de Janeiro a sua eicrava Mana, mulata. j ferreiro que trabalha sofnvel, em maio d-
Para o Kio de Janeiro preti nde sahir|l8>l fugio do Brejo da muala dislanle de
no dia 9 o brgueEspor.nca.o qual lem boos Caruar legoa e meia : quem o pegar levo a
commodos pa>a alguns passageiros e eicn- Joflo Salvador, da Cruz morador no mesmo
vos- quom pretender polo Hilar com o ca-! lugar que hade ser bem recompensado.
pilAo Antonio Silvera Meodes.ou com Amo- -- Desoja-se fallar aos Srs. Jos Eustaquio
nin ilrmos na ra da Cauz n. 3. |M ciel Montoiio, Antonio Nunes de Mello,de
-. oabaixo'assignado, nao obstante ain- Olmda, e Francisco Luiz Vuaes : na ruada
la nSo ler receh lo o sul lo ds uracas da Cadeiu do Recife n. 5*.
ion. l7,segundoandir,e ah se ach promp-
ta pin receberis mesmis.assim como outras!Te uma yenda noM.nguinho, d
mais que se quizerem ulilisir desui prolls- j ji(je a9p,99ar na gi loja para
silo, quo lera principio no dil 10 do presen-j- g0C0 que elle bem sabe.
le mez do malo. F. Siuvage, vai fazer urna viagem 1
Atlencao. Europa, edeixipor seus procuradores du-
Rogi-se io Sr. uue por ang.no conduzio rmle 1 sui viagem o Sr. fjtiowel, e os Srs
do vapor Pern.mbu4c.obooum 7 do cor. i I. R. Lauerre & Comp.ahia.
quarla companhia que raziam parle do coi-
po da guarda nacional destacada avisa a
aquellos pracas-que anda nflo receberam o
Seu sold, que eomparecaill no Arrumbado,
casa n 26, alim do quo snjain silifeilos.
Francisco Luiz Viriles, capillo.
Pommatpau, ruga ao Sr. Leandro Caval-
canti da Silva Guimarflos, de vir buscar una
iirdem que elle deixou na sua loja, no da
Udoseiembro do 1849, quando o dito Sr.
fui para o eiigco .0 Sibir do Cavalcanti.
-- No da 8 do correte se dev" arrematar
embasta publica do Hr. juizinunicip.il da
segunda vara, uma casa terrea pentiorada
por execueflo do llennque Forsler & Com-
panhia.
No dia 8 do corrente se deve arrema-
tar ile renda animal por tanto lempo quanlo
for bstanle para sol.nflo da execucSo de
Jos Viente Ferreira Barros, cont a a ir-
mandade do S Doiiiugosde Gusmflo.
__Procisa-se alugsr um negru anda mes-
mo idoso, nSo sendo bebado, para traba-
lli.ii n'iim silio : quem u livor annuncie, ou
dirija-so ao aterro da Boa-Vista, subiado
:i 17. Na inesma casa cima se vende uma
preta da costa, boa quitandeira e lavadeira,
d bonita ligura, sem vicio algum, pelo
motivo de querer pagir semana; assim tam-
bem uma vacca do leije com cria, ludo por
prejo muilo commodo.
Precisi-se de uma ama para casa de fa-
milia, que nflo beba agurdenle : na ra do
Hospicio c-san. 17.
Rogi-se a quem acliar, ou for offerocida
una concha de prala de Urar sopa, l-ndo na
cunda junto <> cabo una r IX aja abmta: o
-- AUlga-se uma casa terrea 011 sobrado
quo lenha quintal, cacimba, o commodos
pira familia, nas ras das Cnizes, Cadeia de
Sanio Antonio, o Recife, Livra.m-iito, praci-
uiia dud'lo, ra dos Quarteis ou larga du
Rusaiio : quem tiver annuncie.
-- 0 Dr. Manuel Joaquim Fernandos Eiras,
como procurador de Manuel de Souza Braga,
ora residunle, no Rio de Janeiro, acha-se eu-
carregado pelo mesmo para vender uma ca-
sa terrea, de chflos proprios, sita na ra da
Gloria n. 53 : os prelandcntes poiem dirigir-
se a ra de s Francisco, oulr'ora do Mundo
Novo, sobrado n. 68 A.
-- A pessoa que deseja siber di minhi
morada, como seja bastante longe, queln
dirigir-so loja do Sr. Jorge, mestre de al-
faiale, ao pe da mesma luja que foi de relo-
gios, que este sonhor dir a uiinha morada ;
puisa sua he encantada, pelo numero, no-
me da ra, nflo se lem achado, j Ioi a ra
da Concordia n. 5, a dita senhora desta casa
respondeu que nflo ora l.
-- Precisa-se de uma mulher, que seja de
boa conduela, que queira prestar alguns
servicos, e ao mesmo lempo servir de com-
panhia a urna senhora, IBo gmenle pelo ne-
cessario : quem seachar em laes circums-
laucas, 1I11 ija-so a esl-i t\ po gnpiiH que
instruir-se-ha a respeito.
Precisa-so de duas amas sendo 11 na ?
" de salla, o oulra quocnlenla bem de 9
J) coznha, para o servico do Una casa *B
> do pouca familia, nSo se duvidaia pa- S)
* gar 11111:1 > bem, f.zendo estas ti tas V
i; as voiiladcs.e qua llrvSo com gusto a
bocetei. .
veiidcido pelas ruis desta cidade a seus su-
burbios, fueodis e miudezas, a yirem ti-
rara competente licen;a, sem a qual nflo
podem indar vendendo, pois nflo se enlende
s por fsxendn e miudezas aquellas qae
ilo me lir-so seria isso um absurdo necea-
sano, a vista do que previno aos quo por
nilii t'.iZi'rem varas c alii eili-s e r-tr BS-
seutim de que tambem nflo dovom llrarar a
respectiva licenca; pois do contrario sofre-
rflo as penas da le, vislo o arrematanlo per-
dor com osle no'o systoma de qualilic^cflo
Paulo (iulgiioiix, iiruii- lo >9
* i'iii nci'/.. olTeruce seu |irestl-
1110 110 |iiililiC(i pura tollosos V
misil ns ilc na iiroilssiio : -9
poiir ier pi'"ciii-iiiio a qual- y
quer lilira o ni -na casa, un *)j
# i'liu luigu (loHo/.iii'io, u, ;k., tf
9 -rmi 11 iln andar;* ^
!>.
AS DK1NTES.
i. A. S. Jane, rbein conbocido deolista'
nesta praca a 12 arfnos,pode ser procurado
na sua esidencia ra Nova n. 14, primeiro Pusia de uma senhora: a modinha cima
andar, para lodos misteres de sua arte, nflo 1 sencitivi, valsa pernambucana por ka,
s em sua casa,como Tora della. tudo em um folheto por 1,280 rs. : na im-
VfffffVVfV^VfVfVVWVVf* prensa de muzioi, ra Bella n. 28.
fefer
sioiii e lodu o inundo gira
Todos dormem com descanso
S meu peilo he quem suspira.
Com mais tres quadras.
Ignacio Luiz de linio Taborda, nflo *
quizera mais eriamar 1 itleucflo de ^
AfericSis.
O arrematante das aferiroea deste muni*
seus deve lores pelo jornal, mas o es- J cip0 Jo Uecif fa cailo a quem teressar
quecimentu dos mesmoso fazem no- 2 queseacha revendo as fericOes do correnta
vamentelancar mo deste meio de ^j nno, e quenllo se guardoin todos para o
que nflo quizera usir.e porlanto ro- fimi pois o tempo marcado breve se ullimar
gai lodos os devedores do tinado e para que nflo se chime algum a ignorancia
Anlonio da CunhaSoares Guimirfles, g fiz publico pelo prsenle annuncio ; o mes-
Ja.s Joaqutiude FieilasGuimarfles, mo arromaUnte aproveita a occaslflo para
de novo convidar aos que venden, pela ras
desta cidado e seus suburbios com medidas
o p"z 's, .....1 aii ii'.'m Jo corrente auno de
1852 que venham aferir; pois do contrario
nflo se queixem visto preju licarom ao
mesmo.
~ Arranjam-se caixas com sementes da
tndosos vegetacs do pas, assim como cai-
xas com pimas vivas, contrndo esla, ir-
Viuva rreilas GuimarSes, venham
sulver seus debiiosai o llm de abril
pruiimo,|nu lim docujo praso passa-
r.i a publicar seus nones por exlen-
co, e uzar de seus direitos; e nessa
uccasiflo nflo poderS nenhum dos di-
tos deven s presentir motivo de 4J
queixa por alegicflo de ignorancia. -SS
i
<<
favor de levar a ra de Hurlas 11 22, que ser ag) seus amos, ni ra do Caes por drl'az
recomoniisul >.
C.ilho.. -i-\ noa jar
dina nos jar rlinacl.1 a llfl
-*'
llus alelos mais sanios a llor
Tem a tmida c' da innocencia,
Tem o grato perfume d amor.
1 1 K, I 1 _i' i- ni' o eserav il '
Cativo g.i ei por gusto,
Se gozar leu enrar-o.
Eslribilho
Quinto 1 de Marcia bella,
Os leus olhos maladores,
Nelles mostras resumido
Os leus dons encantadores.
Esla ultima mo linha lem mais tres qua-
ilros ; a muzica ho oomposla pelo autor da
Alta noite oh que silanc'o. Roa Bella
n. 28, imprensa de muzica, precoMO rs.,
por cada urna.
- H-seduzentos mil rs. a premio de 2
por cenlo ao m-z sob e penhores : quem
precisar procure no primeiro andar da Cisi
n. 49, ou annuncie.
Jos Caneiro da Silva, embarca para
o Rio de Janeiro a sua escrava Joaquina, de
11,0,' lo Mossainbique.
-- Na ra l-rga do Rozario, pa.liria n. 44,
prcci'a-se de um bom forneiro.
No pateo do Carmo n. 10, precisi-se
de urna ama forra, ou captiva, para servir a
urna pessoa; paga-se bem, com tanto que
compre, cosinhe, eengomme.
No dia 5 do corrente furlaram de um
quin'il de uma casa em Olinoa, um cavallo
CiXito quasi prelo.sem signal nenhum bran-
co, grando, muito novo e castrado : roga-
se as autoridades policiaes. ou qualquer
pessoa que o possa app/ehender, que aviso
pur este Diario, ou entregue na ra do Cres
po n. 17, ou a seo propriodono em Ollnda,
Pedro Cavalcanti -Vanderley.que sera gene-
rosamente recompensado.
Manoel Ignacio da Silva Teixein, cida-
dlo brasileiro, vai Portugal; leva emiua
compinhia leu lilho Hemelerio Augusto di
Silva Teixein.
Joso Jaciulho Guedes, vai a Portugal
;. i*- da inailo llium nico sobrado que ">
,'h tem, sendo do dous andares pln'.ado $
\Sk por fon do verim-lho, achaiflo com
9) i|Ui"ii tratar, ou entilo na rui do Vi- >
' garion 9, se dir quem lie quo pie- $
#9eV^s*'^ S(f,<>
Luiz Jos de S Araujo, vui
faz^r urna viagem a Luropa, e dei-
xa encarregados de.seus negocios,
durante sua ausencia seu mano ,
.Manuel Jos de S Araujo, Jos
Antonio de Araujo, e Jos AiTonso
Moreira.
-- luiz Jos do Si Araujo, tendo de fazer
I uma viagem Europa, pode ai pessoas a
i quom pussa devor qualquer quanlia, de lhe
Urar a competesto conta, e mandar rece-
lier, cm sua casa, ni ra di Cruz n. 33 ; o
ni smo ruga as pessoas que lhe sflo devedo-
res decontas antigs, de pagaroma seucai-
x-iro. Justino Amonio Piulo.
Grande fortuna.
Trspa'am-so 2t0 p Irnos de terreno 'n
X 13, por junto ou a relalho, para qu-am qui-
zer dilicar, co n 200 palmus do fundo, ein a
nova ra jifhloa g'Oja de Santo Amaro, con-
forme o novo plano da cimira; pigaudo-
se n o.-11 25 ris do loro; cujo lugar he
hoje preferido para s p.i--aiv n os mezes
de calina, e mesmo par se habitar annual-
mnnle, ein nsflo di s cdi por todus ns habitantes d'alli: a fallar
com O seu proprietario, na rui lirga do
ItuZario, n. 21, pi iipir.' a aja .
Paasa portel.
Tlram-se pnssapurles para dentro e fora
do Imperio, despachando escravos, corre n-
so folhas e liram-se ttulos de residencia :
pira osle lim procora-so na ra do Queimado
n. 25, loja do miudezas do Sr. Joaqun) Mon-
leiro da Cruz.
Aluga-se uma prela escrava, para o ser-
vico interno de casa de familia, a qual he
muit'o zolosl, para tratar enancas: 1 tralar
ns ra dn Queimado, I0J1 de ferrigens de
Jo* Rodrigues Ferrein.
099<>$99 05.<0005>Ota
t Segeiro.
2 Alberto Prevost segoiro tm 1 hon-
n do prevenirlo respeitavel publico
* queeslabeleceu-se no becco do Tam- g
2 iadofroiiledochafaiit da praca da J*
9 6oa-Viala,p,mciacocheiraa esquer-
O da unde as pessoas que do seu O
0 prestimo precisaron!, o acharflosern- si
ij pre promplo para servil-as rom bre- O
^ vi la le e prego com modo. O mesmo Q
(J encarrega-se de qualquer concert Q
Q ledente ao seu ullicio. (
OQQ&QQQQ&OOOOOOOOO
Os seuliuresque devem coulaa ja ami-
gas, na loja da ra do Crespo, de Jos da
Silva Campos & Companhia, mandem pa-
ga-las, ts.erando que assiui o lacam, para
iiua poupar o desgoslo de os mencionar por
esieiario, sem excepc-flo do pessoa, e in-
lependenie disto serflo entregues a pessoa
para as cobrar judicialmente.
-- Precisa-s i alugar um sitio perto da pra
ca, que lenha plinli de Capim, e bstanles
arvoredus de fructos quem livor diriji-se a
praca da Independencia o. 12.
O Sr. Manoel Vaz de Souza Leflo, fei-
tor, ou lavrador de engenho, mande pigir
AAAAAAAAjttfto U lilla 1X0 as.MgiMilo, lizsc- bustos o arvores para sorem exportadas: na
ente aos seus ileveiloici auc at ra do Cullegio 11. 13 das 11 horas da 01 a-
enie aos seus iievcdOiis, que dic n||8a as 3 ,)a i,|0 nosdiisuteis: tai.ihem
o liiia du nidio, queirum vir liqul- se vendem plantas exulicas de riuctos e flo-
dar o que llie ilcvem, e lindo este res P'J* '", .
1 Na noite de 23 do passado, roibaram
praso, entao nao llavera queixa na doesertptorio.dibiixo assignado, na rui
pulilitatO dos seus nomCS. An- Cruz do ll"Cifon.52, primeiro audar.com
cllave falsa ou gazna D
toi|io Ja Lunna ooaies Uuimaraes. rs Bm jM1
seguinto :510 000
hriin, um relogio sabonete do ou-
^I^W'1t*P#iilWa*fflSW; r" Patento suisso com os sigues seguinies:
I Conslando-meque ilguem tem es- $ mostrador de porcelana com ponlc.rus do
& peinado o hoalo que as carleiras ven- & segundos de Ko, sendo o emblema da cana
m didas n botica homopalhica da rm R um humen, tenan j ssassinar com um nu-
d-s Cruzes n. 28 er.m preparadas f quo le'n ,l"1" n? '"So direita a uma
com glbulos deassucarde cana, e 4 mull,8r H""_ segura pelos cabellos coma
tf por consequencia falsificadas, o pro- mfloesquerda eoutro homem que suspende
I pr.el.rio da mesma botica pan mais 3 o golpe.garrando no braco, e na cana de-
ulia offerece-se, nflo s a embol- b'*" l",1 u,n le3 """'"; ass.m mais um
* aliilm paliiolii Cahlllllll:! iln nralB ItltlTB Tin t _
jg garanta
j^ s.i r o impone das mesmas, s pessoas
li. quenflo tiveramoblidoresultaduseum
fas suas preparacos, cuino tambem M
qualquer tubo estragado pela liumi- ||
|| dade ou por qualquer nutra cousa se- y-
H ri proiii pa mente substituido por OU- ||
y iro sem nova despeza para o com- g
j pradnr.
11 i-.se > a .i coii'i .i-.i-is aub Urinas,
penhores do ouro e prala 011 hypotheca em
bens de raz uesla praca : quem quizer pro-
cure na ra cslreila du Uozariu 11. 43,2. an Jar
que se dir quem da.
Tendo ja annunciado para virem pagar
o que devem na ra do l.ivrameiito n. 38, os
Srs. ofliciaes Tunenlu bastos, o Alfares Ma-
lozo, porem como me pedissom espera sus
pend o annuncio, mais como at agora nflo
comprissem cornos seuslralos, tetiham pa-
ciencia pur ioi loriiarai;nuiiciar,puis contas
de 1850 j nilo hosim lempolque se plgoem,
e einquanlo nao pagareai ver.10 lodos os diis
us seus nuuies uesta Tulla.
Mallos >' M 1,: ilh.'i s
Atlencao.
Te:-do-se por vezes rogado a aquellas pes
soasi|uiieslflu.luveudo coniasaiiligasna ven
da ila ra da Cadeia du Recite n. 9a,defronte
do lecco I argo de virom pagrseos debilos,
e cumupoucas i essoaso ten 111111 feilo; por is-
seseroga novamota,epela ultima vez em ge-
ral a lodos,do virem pagar seus debilos aleo
liiiidu cor rente mez do na i o,na certeza deqoe
aquellos qun o nflo lizerem terflo do ver sous
nuuies publicado por cslo Diario use pruCd-
di-ra nos leruios da le pori|uanlo gneros
cmpralos a praso de 2, i e 4 mezes, o mais
nflu he paia so liar por 3, 4 e mais annos.
v#*vv**'v**v-#v>'*vtvi-ii'viy'
outro relogio sabonotn uo prala. Roga,por-
lanto, aos Srs. relojoeiros, e a qualquer ou-
tra p- s-o 1 a quem fr offereci logios de npprohende-los que serflo bem re-
compensados; assim como roga as autorida-
des policiaes a captura do ladrSu ou ladres,
e assim quo lancein suas vistas para esto
bairro. Domingos Alves .Mutleos.
Na ra dos Pires, ao sabir do piteo da
Sania Cruz n. 61, precisi-so de duas pes-
soas l'urr.i.s, ou.esciavas, para o aeoicu ila
casa,
-Qualquer sacesdote, quo. nflo tendo fa-
milia- a seu cargo e sendo mu: ig rado, qui-
zer desem.ienhar as funr;es decuadjutor,
.lo uma froguezia mu prxima a osla capi-
tal, e que otTerec) algumas vantagons : po-
de dirigir-se a ra estrella do Itozario 11. 15,
das 6 as 9 huras da manhfla, e das 2 as 4 da
larde, que ah so lhe darflu as informa<;0os
precisas.
->
-*
>
f
9
-*
L*
:>
y
<
y
->
f-
<#
>
iiiici liomnpathici.
28 UUA DAS CHUZES 38,
Dirigida por um pharmaceutico
approvado.
Esteestabelecimento -posue todos
<'

->
>
*
e>
>
W
J-
os mediOBmenlos at agora expen- ,
mentados, tanto na Europa como no *
Brasil, e preparados pelas machinas <
da inveucflo do l)r. Mure.
PRECOS.
das cartiirai komopathieit. Emcarteiras de 12 tubos grandes 12/ ^
. a 24.a M#
24 pequeos 15/ <;
Tubos escolhdos (cada um) 1/ *
Tintura s dme licameiilus om
frascos de l|2onga (cada um; SI J
Ha mais, llera desUs, nutras muitaS ^
caixas com glbulos o Unturas por ^
presos vsriaveis, conforma o tama- ^-g
nlio ea qualidide dis cixas, e a <
quanlioade dos remedios o as suas <
dynamlsacOes, ele. -'.
aviaO-se gratuitamente
para uspobr s, tudas asreceilas que ^
para ali man lar qualquer professor. J
AAAAAAiAA1*******31**-11*3
Aluga-se um arniaiem, uucana lerrea ua
ra rguiulet: travessa du Madre de eoa, A-
moriiii.Moda.L-ippa.uu UoiUj afallar nolar-
gu da aaseiublea a, 9,
Uptima casa de negocio,
Traspassi-sea chavo le unucas
IlirellH em o.limo lugar para qualquor os-
labelecimenlo de poita aborta,a qual lem ar-
niSco,3 porls de frente,3 quarlos, coziuha
fura, solflu, quinlal, cacimba o porlflo para
oulra ra: esla casa lem uma loja du couros,
porin cedo se com elles, ou s a aruiacflo :
na ra Direila n>55
Precisa-se de olllciacs" dolaloeiro : na
roa Nova n. 38.
i'i ccisa s i de uma ama para o servico
de compras o engoinmado, de uma casa de
duas pessoas de familia : na Ponto Velua
n. 14.
So paleo da Ribeira deS. Jos, sobra-
don. 15 na loja, lavase e euigoma-se,
com toda perleicflo e aceio, e por pceo
coumiulo.
thesoureiro da loteria do
Livramento, faz scienle ao respei-
tavel publico, que a loteria corre
impreterivelmente no dia 39 do
corrente, anda mesmo que (quem
bilheles por vender, o rentante dos
da ra
umi letra di quanlia do 48,560 rs., veociJi! fjjllietes inleir, meios, quartos,
em I?,d novembro de 1849: u. ru. do Cres- (Je|imo8 e vKesimos, estam pos-
[decimos e vigsimos, estam ezpos
d'auror'a
7- '
MXB'srymS'
ti. btarr S >u 1 [i .nlu.i,
Respeilosamenle arinunciaoi que no seu ox-
tnneo oslahelecimenlo em Santo Amaro,
continua a fabricar, com a o ai ir pcrfeiijio
e promplidiln, toda qualilado de macllinis-
mo para o uso da dgricullura, navegucau o
111.1i111l.1ehn a. oque para m.iior coinmo lo
de seus numerosos freguezes e do publico
em geral, loui abono em um dos grandes
rmazens du Sr. Mosquita na ra do Ilrum,
atraz do arsenal de niarinhs, um
Deposito de machinas,
construidas no dilo seu eslabelecimento.
All acharflo os compradores um comple-
to sortimento de moendas de canna, com
todos os melhoramentos (alguns delles 00-
vos e originaes; de que a experiencia do
muilos anuos tem uioslra lo necessidade.
Machinas da vapor de hiixa o alta pres-
sflo, tachas de todo tamaito, lano batidas,
como fundidas, carros de inflo, e ditos para
conduzir Turmas de assucar, machinas para
moer man diuca, pronsas para dito, romos
le leno batido para farinha, aradus de fer-
10 la mais approvada cunstruceflo, fundus
para al imbiques. crivos e portas para for-
Mii.li 1-, e urna iuliuidade de obras de ferro,
quo ser infadouho onumerar.
No ni som deposito existe uma pessoa iu-
telligenle e habilitada para recebar tudas as
encommendas, etc. etc., que os annuncian-
tes, cont ni lu com a capacidado do suas of-
linas o uiachinismo, o pericia de seos ulli-
ciaes, se comprometlem a fazer execular,
com a maior presteza, perfeic.fo, e exacta
eun 11 mi liiilo com os mo lelos, ou desn-
udos, o iitruccOcs que lhe forem forno-
cidas.
ConSULTOaio caNTaAl HoacEOPITHlco &
111: el i.MMIIi'i s. a>;
& Dcrigiao pelo Dr. Sabino Olegario Lud- t
t yero l'inho. .v
Ro do Trapiche Novo n. 13. {
& Todos os das ules se darflo consultas 4
?, o remedios de graca aos pobres,des le (B
9) pela manhfl, at as duas oras da lar- #
de. As currespondenciase informa- #
cOi's poderflo ser dirigidas verbal- (;)
menle, ou por esc-iplu, devendo o t
_ doente indicar primeiro: o nome, a i
I idade, estado, proiissflo, e constitu- t
4t eflo ; segundo 1 as molestias, que tem
lido, e os remedios tomados; 'rca- 0
ag ro : a poca do ipparecimento Ja mo-
ai loslia actual, o descnpc,3o minuciosa, jj
k> dos signaes ousympluinas quesoffrer *)
S*<# 0 Mr *** m*0*ssmm
- Migue1 Jos da Motta, empregado na
instrucflo primaria, mora na ra da Con-
rordia.primeira casa em coulinuacfloda ra
do Sol, ao lado do nsseeme, e pole admit-
lir alumnos internos ou presioaistas com
a munsal'dade de 15,000 rs. nflo danJo rou-
pa Uvada, nam engommadi; e 01 uieius
pensionistas com a de 8,000 rs. Quanlo ao
mais parece superfluo declarar ao publico,
pois que ha mullo vive oceupado nesle en-
cargo, sendo bem condecido nesu cidade,
t forr della. ,



* .J
___ abaixo assignido pharraa-
ceutico approvado trtnsferio os
estabelecimentos de pharmacia e
drogas, que tinha abertos, na ra
da C'rut do Recife, e na ruaestrei-
ta do Rozario, para a rui Direita
n. 88, onde continuar a prestar-
se aos seus freguezes. c aquellas
pessoas, que o quizerem honrar
com sua confianza no descmpenho
dasfungoes de sua arte. O mesmo
abaixo asignado tem um complc-
. to sortimento de drogas e tintas
para aviar qaalquer encommenda,
nSo s da provincia, como para
fra, o que promettc azer por pre-
sos rasoaveis e com promptido ;
tendo como seu administrador no
mesmo estabelecimento ao Sr. Joa-
quim Jos Moreira, bem conheci-
do nesta cidade pelos seus conhe-
eimentos de pharmacia o qual
est tambem autorizado em ausen-
cia do abaixo assignado a azer as
suas vezes em qualqur objeclo
tendente ao mesmo estabelecimen-
to. O mesmo abaixo assignado pro-
meti publicar brevemente urna
relacSo de todo o sortimento que
tem com os seus ltimos precos.
Pernatnbuco, -x7 de abril de i85a.
Jos da Rocha Prannos.
-- Arronda-se um iliio em Santo Amaro,
com muito bol osa, fruteiras e pasto para
8, ou lOvaccas: quem o pretender, dirja-
se a ra da Gloria n. 70.
Na roa das-Aguas Verdes, sobrado de
um andar n. 14, engumma-se e lava-se, to-
da qualidade de ropa; bem como cose-se to-
da coatura, tanto dealfaiate, como parase-
nliora. com perfaicSo e gosto, lulo por pre-
(o niais commodo, duque em outra qual-
qur parte. _____ '
Compras.
Compra-se umaescrava mn;i, robus-
ta, que ii.hi (cnlia vicio de fugir e beber,que
tenba habilidades,ou mesmo sem ellas,com
llhos e sem elles; paga-se bem : na ra da
Concordia n. 46.
Compra-se um guarda vestidos, e urna
meia commoda de amarello, ludo ao go.-to
moderno : na ra do Sol n. 23, segundo an-
dar.
Compra-se um jogo de banca,urna du-
zia de cadeiras, urna meia commoda, urna
mesa redonda, e um sof ou mirquezi i
quemliveranuuncie por esta folha para ser
procurado.
Compra-se urna duzia de cadeiraa de
Jacaranda e um sof em segunda m3o, es-
tando tudo em bom estado : na ra larga
do Rozario n. 28, loja.
Compra-se urna carro? de andar com
boi, que esteja em bom uso : quem o tiver
anuuncie.
--Coropram-se pira Torada provincia 2
escravis cieoulas ou pardas, que sejam mo-
case leiihaui boa figura na ra Nova n. 16.
Vendas.
Lotera do Rio de Janeiro.
Aos 30:000,000 de rs.
Na loja de miudezas da praca da
Independencia n. \, ven1ein.se bi-
Ihetesinteiros, meios, quartos, oi-
tavos e vigsimos, a beneficio da
7. lotera das Amoreias ; ditos in-
teirosy meios, quartos, oitavos e
vigsimos, a beneficio da 55. lote-
ra da Santa Gasa da Misericor-
dia, vem as a listas no primeiro
vapor do Rio.
VomleiD-se dous pares de mangas de
vi Iro, lisas : na ra de Moras, sobrado de
uro andar com varanda de ferro, n. 70.
Vende-se urna escrava.creoula, com 19
a 20 annoa de idade, muito linda figura, e
robusla, sem vicios algum o que sa aHlanga
por escripia, e nSo tem achaque algum, co-
ainha b.....engomma, coze, etc. etc. ; ven-
, de-se por precislo, a qual se dir com pro-
vas, e seu prefo he 700,000 rs. para quom
precisar de urna boa esersva, como logo ve-
r no olhar: na ra Augusta, casi defronle
da de n. 18.
Veinle-sB um muleque de 18 annos,mui-
to bom snpat.'ini: a tratar na praca da Boa-
Vista n. 32, primeiro andar.
Vende-se um encava, creoula,mna e
linda figura com as habilidades de engom-
ii.ar e coser: na'-rua larga do Rosario n. 32,
segundo andar.
Villa de Guimaraes.
Vende-se urna heranca em Portugal, na
villa deGuimarSes,no valor de 226,115,cuns-
lante de um formal de parlilhas, aendo
193,600 rs. em lieos de raiz : quem preten-
der dirija-se a ra doQueimado, loja do so-
brado amarillo n. 29, que se Ihe dir quem
vende.
--Na ra Velba o. 8l,vendem-se por menos
do seu valor aaaeguinles obras: Urlolanex
pleselo histrica da instilutaa de Justiniano
2 volumes ; o mesmo autorhistoria da le-
gislado Romana desde sua origem at a mo-
derna legislarlo! volume; P. J. Prondham
-- da creac3o da ordem na humaniJade, ou
priucidius deorganisacBo poltica,! volume;
o mesmo autor memoria sobre a proprie-
dade, 1 volume ; Lifuriere, I volume; Saint
Albin. 1 volume;os carapuceiios encader-
nados desde o 1.a n. al o ultimo, 2 volu-
ntes ; diccionario novo de Fonseca.
Alguns henleiros vendem as partes que
em pariilna Ibes tocaram na casa terrea da
ra da Guia n. 22 com algum abatimento do
seu justo valor : na ra Velba n. 81.
Engenho.
Vende-se um engenho moento e correte,
sendo dagua, distante da praca 4 bgnas.pro-
vido de to las aa obras, e utencilioa, com
boas terna para plantacOes de cana e ros-
eas, ptimo cercado e (endo urna exlenslo
extraordinaria de trras, sendo maia das
tres partea urna mala virgem, na qual abun-
dSo as principies madeiraa para aerrarla o e-
dlficacOes.e uisla do embarque umquario de
legoa: 01 prelendentes dinjam-se 10lllm. Sr.
Joao Piulo de l.eu.os Jnior, e o mesmo dir
o motivo porque ae vende.
Vendem se estampas muito
finas, em fumo, proprios para qua-
dros, por prego muito commodo :
na ra do Gabug, loja de miude-
zas do GuimarSes.
-- Vende-se um cavado grande, ruco, bo-
nito e proprio para carro : oa estrada da
Torre, no sitio do Sr. capitSo de arlilharia,
J0S0 Ribeiro Peaaoa de Laoerda, onde se pe-
de ver e tratar.
Muitas fazendas por pouco dinhei-
ro na roa do Crespo n. 6.
Cortes de biim escuro do poro llnho a
1,440 rs., ditos de listra de bom gosto a 2,000
re., dito amirello a 1,800 rs. rlscado de li-
nho proprio par calcas e palitos* 200 rs. o
covado, pinno lino preto a S,000 4,000 rs. o
covado, pesias de chitas escuras com 38 co-
vados a 4,510, 5,000e 5,500 ra., cambraia de
filos com 81|3 varas a 2,400 e 3,500 ra. a pes-
ia, lencos de cambraia de lioho a 400, 480,
e 560 rs. proprios para mo, riscadoa assen-
tadoa em algodao muitoeocorpado proprios
pira escravos a 160,180 e 200 ra. o covado,
zuarte azul com 4 palmos a 200 rs. o cova-
do, e mullas mala fazendas por proco com-
ino lo da loja cima referida.
.-Vende-se Hezioa de angico de muilo
superior qualidade em arrobas a 5,120 rs.,
em librea a 320 rs. : ns roa da Cadeia do Re-
cife loja de ferregeus n. 53.
Vendem-se cilxinhas com 120 duziss de
oarrlleis de linha de 2C0 jardas muito supe-
rior em qualidades .de ns. 40 a 150, por 800
rs. a duzia e de ns. 13 a 120 por 700 ra. : na
ra da Cadeia do Reeifi loja de ferragens
o. 53 ,.
Vende-se um bom sortimonto de vellas
do composicfio.em caixas de 25 libras.de 4,5
e 6 em libra : ei casa de C. J. Aslley &
Companhia ra do Trapiche n. 3.
Vende-se calda de tomates,
novamente chegada : na ra da
Cadeia Velha n. i5, loja de Bo-
urgatd.
Vende-se feijSo mulatinho, muito no-
vo, em saccas de alqoeire, medida velha, a
9,000 rs. a sacea : na ra da Cadeia do Re-
cife n. 49, segundo andar.
Deposito de cal virgem.
Conba & Amorim, na ra da-Cadeia do
Recite, n. 50, vende-se barris com supe-
rior cal em pedra, chegada pelo ultimo
navio de Lisboa, por menos prego do que
em outra qualqner parte.
Arados de ferro.
Na fundico da Aurora, em S. Amaro,
vendem-se arados de ferro de diversos mo-
mios.
Gasa de commissSo de escravos.
Vendem-se escravos e recebem-
se de commissao, tanto para a pro-
vincia como para fra della, para
oque se olTcrece muitas garantas
a aeusdonos : narua da Cacimba
n. 11, primeiro andar.
Deposito de cal e potassa.
No armazem da ra da Gadeia
doMecife n. 13, ha muito supe-
rior cal de Lisboa, em pedra, as-
sim como potassa chegada ltima-
mente, a pregos muilo rasoaveis.
Agencia de Edwin Naw.
Na ra de Apollo n. 6, armazem de >lc. Cal-
nionist Companhia, acha-se conaianlemeoie
bona aorllmenloa de tuina de ferro coado e
balido, laoto rasa como huidas, inoendas in-
citas (odas de ferro para aoiinaea, agoa, etc,
ditas para armar em madelra de todos 01 l-
mannos e madellos o maia moderno, machina
horisonlal para vapor, com forc de 4 cav.il-
lus, concos, panadairai de ferro mandado
Sara caaa de pulgar, por menoa preco que 01
ecobre, eacovena para oavioa, ferro iogle
tanto era barras como em arcos folbaa, e ludo
por barato preco.
AGENCIA
da fundicSo Low-Moor.
RA DA SENZAIXA NOVA N. 43.
Reste estabeleeimento conti-
Qia a ha ver um completo sorti-
mento de moendaso meias inoen-
das para engenho, machinas de
vapor, e taixas de ferro batido e
coado, de todos ob tamanhos, pa
ra dito.
Na ra da Cruz n. 33 armazem dp
l.uiz Jos de S Arujo, vende-se farinha de
mandioca deS. Matheus, a prego det,800 rs.
oalquoire, da medida velha, isto para aca-
bar e fechar contas, e tambem vende-se em
sicca de alqoeire a 2,200 rs.
Na ra da Cruz n. 33, vendem-se sac-
cas muito grandes, com leijo mulatinho
chegado do Aracaty, no hiate Duvidozo, .
9,000 rs. a sacra ; caixas com superiores ve
las de carnauba, compostas que parece es-
pnrmacete, a 10,000 rs. a arroba.
Grande porcSo de lazendas baratas,
na ra do Crespo n. i4, loja de
Jos Francisco Das, a 160 rs. o
covado !
Vende-se urna grande porfo de chitas
muito flxas, de novos padrees, com um pe-
queo toque de mofo, a 160 rs. o covado ;
ditas escuras cores de caf e de vinho, e ou-
tras maiscores muito lizas, a 200 rs. oco-
vado ; ditas as mais finas que tem appare-
cido no mercado, tanto em pannos, como
as tintas, fazenda do ultimo gosto, a 240
rs.; nccados francezes de quadros, fazenda
muito fiza, a 200 ra. o covado ; corles de
chiti francezss, com barra, a 3,000 rs.; mi-
AKnroyoA!0)^
SALSA P ARRILH A DEBRISTOL
SAISiI'MulIIe 81HDS.
A salsa parrilha deBristol data desde 1832, e tem constantemente mentido sua reputa-
co, aem necessidade do recorrer a pomposos annuncios de que ai prepararles de me
rilo podem despeusar-sp. Osucesso doDr. Hristol tem provocado infinitas i ovejas, t
entre ou tris, as dos Srs. A. R. D. Sands, de New-York, preparadores e propietarios di
salsa parrilha condecida pelo nome de Sands.
EitessenhoresaolicitrOoem 1843 a agencia de Salsa parrilha deBristol, e como nSo
o pudessem obter,< fabriearSo urna imltecfio de Bristnl.
Eis-aqui a carta que oa Srs. A. R. D. Sands escreveram ao Dr. Bristol, no dia 20 de abril
de 1842, e que seacha em nosso poder :
Sr. Dr. C. C. Bristol.
Bfalo, ele.
Nosso apreciavel snhor.
Em todooaono pasaado temos vend lo quantidades coisideraveis do extracto de
aalsaparrilhadevm. e pelo que ouvimosdizer de suas virtudes quelles que a tem usa-
do, julgamos que a venda da dita medicinase augmentar multiaaimo. Se Vm. quizer
fazer um convenio comnosco eremos que nos resultara mulla vaotagem, tanto a nos
como a Vm. Temos muito prazer que Vm. nos resoomla sobreest assumpto, e se Vm.
vier a esta cidade daqui a um mez, oucousasemelhante, loriamos muilo prazer em o
ver em nossa botica, ra do Folln n. 79.
FicSo asrdeos de Vm, seus seguros servidores.
(Assignados) A. R. D. Sands.
OOITGJLUSA^.
1.'A antiguidade da salsa parrilha de Bristol, be claramente provada, pols que ella
data desde 1832, e que a de Sands s appaiecau em 1842, poca na qual eate droguis-
ta nfio pode obler a agencia do Dr. Brrstol.
2." A superioridade da salsa parrilha de Brislol heincontestavel, poisque nSo obs-
tante a concurrencia da de Sands, e,de urna porgSodeoutras preparegdes, ella tem men-
tido a aua reputago em quasi toda a America.
As numerosas experiencias feilas com n uso da salsa parilha ero todas as infermi la-
des originadas pela impuroza do sangue,e o bom xito oblido nrsta corle pelo lllm. sr.
Dr. Sigaud, presidente da academia impeiial de medicina, pelo lllustrado Sr. Dr. An-
tonio Jos ivixnto iMii sua clnica, e em ana afamada casa desaudena Gamboa,pelo lllm.
Sr. Dr. Saturnino do liveira, medico do exercito, e por varioa oulros mdicos, per-
mitlem hoje de proclamar altamente as virtudes elllcazes da salsa parrilha de Bristnl.
Vende-se a 5/000 o vidro ; na botica de Sr. Jos Hiria Gooc,alves Hamos, ra dos
Quirteis pegado ao Quarlel de Poflcia.
Corles de brimde linho, a 1,280,
2,20,0 e 3,000 rs.
Vendem-se corles de brim pardo, de li-
nho puro, a 1,280 rs.; dilos de cores com
listras de bom gosto, a 2,240 rs.; ditos de
brins amarellos, a 2,000 rs.; corles de calta
de riscado de linho de listras, a 720rs.;cas-
sasescampinadas para cortinados, com 8112
varas, a 2,400 rs. a pifa.
Novo sortimento de panos finos e
casimiras de todas as quali-
dades.
Na ra do Crespo, loja da esquina, que
rolla para a Cadeia, vendem-se panno pre-
lo, a 2,800, 3,200, 3,500, 4,000 e 5,000 rs. O
covado; dito francez, muilo superior, a
6,000 rs.; dito verde, a 2,800 rs.; dito azul,
a 2,800, 3,300 e 4,000 rs.; di lo cor do rap,
a 2,800rs.; cortes de calsa de casimira pre-
sta infestada, a 5,000 e 6,000 rs. ; dita frn-
ceza elstica, a 7,500,8,000, 9,000, 10,000 e
11,500 rs.; sarja prola, a 2,400 rs. o covado;
dita hespanhola, a 2,800 rs., e oulras mui-
tas fazendas por preces comrr.odos.
f OS ;iinilites das do-
curas da vida.
a-' Offerece-se, naruadaCa- 9
I deia do Recie n. a3, um i-
J no mcio de salisfazei em seu
* apurado gosto dando-se-
S Ibes atroeo de algumas mes-
4fci Ifuinhas patacas, o excellen-
! te e delicado doce debacur.
+ Chegou rescenlemenle do
* Mar.mliao he da melhor
*; qualidade que ha e tem vin-
do em latas, mili proprios
9 para a sua conservado, lor-
na-se tambem por isso objec-
9 to de grande consideraco, !
a> para as pessoas que desejam 4
mandar presentes deste ge- |
^ ero para a Europa. 9
^dbvStfdartlillf A99$d9^
Superior larinha de S. Matheos e
muito nova,
Vende-se a bordo do hiate Caprichoso, fun-
diado em frente do caes do Ramos, e na ra
da Cruz n. 34.
Vende-se urna balines grande nova com
sele arrobas de peso, lambem novos e itfe-
ildas esto anno : na ra do Vigariu n. 20, se-
gundo andar.
Deposito de panno de algodao da
febrica Todos os Santos da fia-
nhia. ,
Vende-se por preco commodo
o bem conhecido panno de algo-
a
dio desla fabrica ; em pessa,
rins pretos de superiores qilidades, e! vontade do comprador; no escrip-
1,800,2,500, 2.800e3,200 rs.; Ilnissima il-, torio de Novaps rV Comnanliia na
pska prela e de cOres fazenda propria pa- "rio ae novaes S LompanilW, na
ra palitos,a 640 rs. o covado; algodSo azul ra do Trapiche 11. 6'\.
muito largo, a 160rs. ocovado; pecas de
bretanha de rolo, com 10 varas, fazenda
muilo encorpada, a 1,808 rs. a peca ; assim
como exislem oulras muitas fazendas, por
precos mais baratos do que em outra qual-
qur parte: de ludo se uarSu amostras,
deixando seus compeleoles penbores
Atteneao.
Fabrica de chapeos de sol no atier-
ro da Boa-Vista n. aa.
Neste novo estabelecimento recebem-se
um novo e lindo sortimento de chapeos de
sol do ultimo gosto, tanto de seda como
do pininho para homem, de armacSo de ba-
leia e de ac, que se vendem por menos pre-
go do quo em outra qualqner parle, e gran-
de sortimento do seda e paninho de todas
as coies e qualidades para quem quizer
maridar cubrir armacOes servidas, lambem
se vendem baleias para vestidos de senhoras,
econcertam chapeos velhus, seja o estado
em que estiver.
A 1,44 re-
ventas comprar
Quem livor precisSo,
Os muito acreditados
Cobertores de algodSo.
Na loja da ra do Crespo, que volts para a
Cadeia, vendem-se os bem condecidos co-
bertores de tapete, para escravos, pelo m-
dico preco de 1,4t"0 rs. cada um.
Chumbo de municSo.
Vende-se chumbo 4* mnincSu muito liam
sorlido, em lolos dfnJ2 quintaos e meio, e
95 quinlaes, confort* a vontade do com-
pradore por "preco omtnodo: no escripto-
rio de Eduardo II. wyait, ra do Trapiche-
Novo n. 18.
Vende se 1 escravo *to, pardo bonita
figura : m ra da CaJeQUe Recife n. 13.
Vendem-se amarrasToe ferro: na rus da
Senzalia Nora n. 43.
Vendem-se os verdadeiros salios in-
glezes, patente, de molla e sem alia : aa
ra da Senzalia Nova'n. 42.
Moinhos de vento
com bombas de repuxo para regrar hortas
e bailas decaplm na fundico de Bowmaux
& H. Calhem: na ra do Brum ns. (, 8 e 10.
Vende-se por mdico preco um excel-
lenle terreno, sito na ra do Rangel n. pio-
prio para edificar-se urna boa caaa, bem co-
mo grande poiclo de laboas, travs, pedras
e soleiras : a tratar na ra Nova n. 50, no 1.a
andar.
o||.m op njtajDjtuinbaor
eaofep 'aSapuijia ap aujnbsa ep uiazaujja
u : bisma a ojjaquip 'aojas apta -u oos's ap
'oSejg ap equijej joijadug
Vende-se um terreno na ra da Aurora
com 50 palmas de frente e 280 de extanslo,
lando caes de lijlo a beira mar, ficahdo en-
tre as casas doslllms. Srs. GuslavSo Jos do
Hego eFrancisco Antonio de liveira: os
prelendentesdirijam-se a ra das Torrean.
8, primeiro andar.
CHA PRETO.
Vende-se superior cha prelo,
em caixas de 3o libras cada urna
em casa de J. J. Tasso Jnior, na
ra do ,*imorim n. 35.
Vende-se uro bom carro de quadro ro-
das, com os competentes irruios, pas dous
o va los : .para ver e tratar no aterro da Boa
Vista n. 45.
- Vendem-se no becco do Condal ves, ir-
nuzem de uanaYoule & Compindia, meias
barness com superior farinha de trigo,
Moendus siiperiut-ea.
Na fuodicSo de C. Starr& Companhia,
em S.-Amaro, acbm-sea venda mnendas
de canna, todaa da ferro, de um modeloe
e.onstruceflo muilo superior dade.
iSimao de i\anttia a
800 i s.
Vende-se s historia de SlmSo de Nantua,
a 800 rs. : na livraria da prafa da Indepen-
dencia n. 6 e 8.
ARADOS AMERICANOS. |
Vendem-se arados ame- ,4
ricanos, chegados dos Esta- *
dos Unidos, pelo barato pre- 4
J 90 de 40,000 rs. cada um: na I
i, ra do Trapiche n. 8.
tn9&S*&SSS ******?? ii
Vende se urna casa pequea, do pedra
e cal, com bom quinlal e muitas plantas,
por preco commodo : no Manguind n. 35.
Vendem-se lencoes de panno de Imho:
na ra da Alfamlega Velha n. 40, escrito-
rio de Policarpo Joi Layne.
Taixas para engentios
Na fundicSo de ferro de Bow-
man &c Me. Callum na ra do
Brum, Daando ochafariz, conti-
na a haver um completo sorti-
mento de taixas de ferro fundido e
batido, de 3 a 6 palmos de bocea ,
as quacs ocham-se a venda por
preco commodo e com prompti-
do, embarcam-se, ou carregam-
se em carros, sem despezas ao com-
prador.
Vendem-se relogios de ou-
rj eprata, patente inglez : narua
Ja Senzalia Nova n. 4a.
I'otassa ameiicana.
No antigo deposito da cadeia velha, n.
12 existe urna pequea porcSo de potassa
americana, chegada recentemente que por
superior rivalisa com adaRussia: vnde-
se por preco razoavel.
Sebo purificado.
Vonde-se sebo purificado do II1 o Grande,
o melhor qo" aqu tem vimln por prefo
maiscommolo do que em qualqur outra
parle, tanto em porco, como a retaldo, e
velas.de carnaoba, o mais barato possivel :
na ra do Apollo, no armazem de Antonio
II. Rodrigues.
Azeitonas.
Na ra larga do Rozarlo n. 20, vendem-se
superiorrs azeitonas, em barris grandes,
chegadas prximamente de Lisboa.
Atlencao.
No atierro da Boa Vista, loj amarella de
4 portas n. 60.
Vendem-se cortes de riscado francez, com
um tuque de avaria do oleo, de padrees es-
euros e cores fixas, com 10 covodos, a 1,760
rs.; riscados esencezes, para todo srnco, a
140 rs. ; cassas francezis muilo largas, de
lindos p-ulioos, a 30 rs. o covado; pecinha
de bretanha de rolo, a 1,800 rs. ; pocas de
algodSozinho muilo encorpado, para escra-
vos, com 16 jardas, a 2,640 e 2,240 rs. ; ma-
dapniao de forro vanado, a 2,000 ra. ; al-
parca para jaquelase palitos, muilo 1 ndas,
de urna s cor, a 200 rs. o covado, e outras
muitas fazendas de pouco preco.
Ilorta e jardim.
Vendem-se sementes de todas
as quulidades e muito frescas, por
precos commoJos : na ra da Ca-
deia do Hceife n.56 A, loja de fer-
ragens de Antonio Joaquim Vidal.
Vende se urna amarra de linho por lo-
do preco ; urna poreflo de caixOea de folha
de Oandres que forflo ds fzendas,e urna por-
co de paoa de sicupira, taboaa de amarello
ecostadinho: na roa da Cadeia do Recife
n 54. "
Vende-se urna loja de couros em muilo
bom lugar da ra Direita com prbporcOes pa-
ra outro qualqur negocio ; como loja de fa-
zendaa, venda e casa de deposito de gneros,
tem commodos para familia, quintal e por-
ISo para a ra da Assumpcao
H. 3o A.
Vendem-se na ra estrella do Rozario,tn-
vessa para o Queimado, deposito n. 30 A,
latas da muilo acreditada liolachinha de
ararut*, p lo diminuto preco de 2,100; tam-
bem ronlinus-so a vendar biscoitinboa, fa-
tiase bolachinhas de ararut,a retalhn,tudu
muilo fino e qua se pode apresontar em urna
mesa de cha sem escrpulo ; vendem-se
bisenitos doces o aguados do boa farinha e
de diferentes tamanboa; timbero aa muilo
boas bolachinhas americanas quadradns da
pequeas e lambem mainios para 240 rs. a
libra, bolachinhas do regala e de leite e
mais diversas, tudo por commodo preco.
9*#94l<,>fl?ff# *' Na loja l'einanibucana da ra do Qt
* Crespo o.II,vendem-se ptimos sapa- ji
0 t"S e perneiras do borraxa, proprios %
SR para a pri sule estacan ii.ve'iiosa.
CSA4fft(RA#9C 99 99999!
Vendem-ae 7 escavos.sen lo urna pela
di idado 18 anuos, que engomma, cosinh
cose e faz labirinto, um moleque de bonita
(lgura 3 escravos de Iodo o servico, um
parda de idade de 25 nno-,e urna escrava de
meia ilade : na ra direita n. 8.
1 >' !>o-ilo Mu fabrica de Todos os
Minios na llalli.
Vende-se,em casa deN. o. llieber&C.
na ra da Cruz n. 4, algodo tranaado da
qnolla fabrica, muilo proprio para saccosde
issuoir oroupa deescravos, porprefocom-
mouu
Vende-se ou permuta-se urna das me-
Ihores propriedadea de lerns, pertu desti
cidalo, com casas do viverjda, estribarla,
cocheira, casa para prelos, e o mais ludo
que he necessario para um bom estabeleci-
mento ; tendo terreno sufllciente para ter
maia de 150 cabecas de gado, assim como
igualmente, para plmlicOes de capim, e nu-
il, quilquer lavoura; poiendo-se montar
um grando eslabelecioienlo, alem do que
a existe, e que rende para mais de quatro
conlos de ris annualmenlo : deixando se
dse dar mais explicares, porque s com
a vista beque so pode mostrara veracidade
do eipcndido; e qne est multo proprio pa-
ra qualqur Sr. de engenho que estoja abor-
recido da vida do mato, e queira estar perto
da praca para doscancar as fadigas do cam-
po, e ao mesmo lempo lucrar e se entreler :
que.R pretender pode dirigirse a ra Nova,
loja do chapeos n. 52.
-- Vendem-se tres bonitas escravisde22
annos, com algumsa habilidades, um preto
serrador, um e-sal de escravo do meia ida-
de, sem vicio e de muilo uoa conduela, p-
timos para irabi.lliar em algum sitio: na
ra das l.irangeias n. 14, segundo andar.
Em a nova fabrica do chocolate lio -
mecopalhico na ra ilas iriuebeiras n. 8, se Por preco muito commodo.
Farinha de mandioca.
Vendem-se sircas com farioba nova, che-
gada ltimamente do Ceara, a 9,000 rs. e
em lo'es de 10 ssecas para sima, a 1,800 rs.,
cada uma Sicca : no rrm'zem de I. I. Tas-
so Jnior: narua do Amorim n. 35.
Attencfio.
Vend-se a taberna da esquina di ruado
Cano, bem afreguczida e com poucos
fundos.
-- Vende-se sola e Trramente franceza,
pin sapateiro, e marroquina, a precos com-
modos : na ra da Cruz n. 14.
Vende-se um depozito de assucar. na
pnca da Boi Viata n. 7 : a tratar na ra da
Concordia n. 4 ; faz-aetodo o negncio por-
que o dono precisa retirar-ae, pira tratar de
los linde.
Vende-se ums preta'que coslohe, en-
gomma, he vendedeira de ra, e fiz o maia
servico de casa; urna mulatinha de 18 an-
nos com muitas habilidades, cuja s*udeso
? fh'anca ; e urna muala de 28 annos curo al-
gumas habilidades : na ra larga do Rozario
u. 35,loja.
Vende-se utj bonito escra-
vo creoulo, ainda molecole mui-
lo bom cozinheiro e pideiro : na
ri>a Imperial, defronte do chafa-
riz, padaria n: 3j.
Vende-se um negro scabralhado, de
30 e tantos annos, e de bonita figura : na
ra da Cruz n 52, hoje 26.
Vende-se um ptimo cavallo, para cai-
ro : ns ra do Hospicio, venda do lelo de
Ouro.
Vendo se um escravo creoulo, de 20 a
25 annos de idade, e de bonita figura : tra-
ta-secom Antonio Joaquim Kerreira deSou-
za, no pateo do Carme, venda n. 1.
-- Vendem-se, por precos commo los, li-
eos breviarios, recentemente chegados: na
ra do Sol n. 23, segundo andar.
Chapeos de Chile.
Vendem-se ci apeos do Chile, superiores :
na ra do Trapiche n. 8.
** t **? f tV f f f f f|ff f f
S

Deposito de tecidos da fabri- "*
ca de Todos os Santos,
. na Baha.
b> Vende-se em casa de Domingos Al-
* ves Matheus, na ra da Cruz do lie- 4!
** cifen. 52, primeiro andar, algodSo "
J transadodaquellafabrica, muilopro- J
^ prio para saceos e roupa de esers- 2
vos, assim como fio proprio par re- 2|
des de pescar e pavios para vellas, .43
precisa alugar um prelo, e se vendo o cho<
enlate homeopalhico approvado e applicado
pelos Srs. Iirs. da homeopathta, o grande
chocolate liespanhol lem amargo, para re-
galo, dito entre-fino tambem para regalo,
dito para o diario, e oulros mais ohjeclos,
tudo por pre^o commodo.
vende-se um coid3o de ouro, c um psr
de casticaes de prala : na iua*oova n. 26.
Vende-so una negra creoula : a tratar
narua ;Suva, na loja de ferragens n. 20, de
J0S0 Kernandes Prenle Vianna.
Vendo se um sitio, na ra Direita dos
A fogaios, em le reno proprio, e tolo mura-
do, tendo casa comcommolos, 3 cacimbas
com um tanque e difiranles arvores de
frurtos : na ra Ilireila deata cidade n. 78.
(ulcuilo mofado.
Vendem-se sapatos de marro-
quim, temi pretos e de cores, a
800 rs. o par ; cbiquilos de ver-
il iz, para criancti.--, a 3so rs.; bor-
zeguins gaspi tilos,' parasenhora, a
2,000 rs.; sapatos de couro de lus-
tro, para senhora a 1,600 rs. o
par ; na praca da Independencia
n. 1.1 e i), loja do Arantes.
-- Vende-se urna cideirinha de arruar :
no piteo do Collegio, loja do livm azul.
Vende-ae urna taberna, na ra Direila
n. 27,- bemalreguezada, ecom mtfllos coai-
modos.quom quizer ver, dirija-se a dita ra.
Vende-se, na ra do AragSo n. 19, um
cavallo, proprio para sala, he milito novo,
tem bom andar e he bstanle ardign. Na
mesma casa precisa-so alugar urna escrava
boa para tolo servico.
Vende-sel faqueiro do prala.caixas com
velas do cera, barricas com onzadas, barra
com pregus caiiais,tudo viudo do Porlo,e se
vende por preco barato ns ra do Encanta-
mento do Recife,irmascm de moldados n. 11
Transparentes para junella.
Na loja de CuimarSes & llenriques, ra do
Crespo o. 5, \.....do.1 se transparentes chega-
dos ltimamente de Franca ; esta fazenda
esta sendo prefer Ja ns Venesiauas tanto pe-
la sua boa qualidade como pelos lindos de-
senhos com vistas pitorescas. Vendem-se o
mus barato possivel, que a vista da fazenda
os proien leinos nao deizarSo de comprar.
-- Vtinde-ie banha derretida da Ierra de
superior qualidade a 400 rs., a libra : na ra
Jo Rangel n 35, Onde se vende carne do
porco.
Vende-se una varanda de ferro com 30
palmos de comprimento.nova, e muilo rica,
tai to no gosto como em mSo de obra, una
dita com o mesmo compnmento,p'orji mais
singela, e quatro ti,las de sele palmos de
comprimenlo cada urna ; todas novas, e por
preco muilo commodo : a tratar no Hospicio
Sitiu da Sr*. \ 111 va Cunhn.
Vende-se um pistn novo de muito boa
qualidade por preco commodo : a pessua que
pretenler dirija-ae a pracinha da Indepen-
dencia n. 14 a 16.
Na loja das seis portas.
Continua a vender caasa preta a 120 rs. o
covado, ca-sa de quadros, para cortinado e
babadoa a 210 rs. chitas a 120,140, 160, 200
rs. riscado francez para vestidos ejaquetas,
a 160 rs. o covado e todas as mais fazendas
por preco cummodo.
-- Vende-se urna cama de armadlo, seis
ca letras americanas, urna maiqueza de oleo,
duas banquiuhas para sala, una meia com-
moda de amarello, urna mesa para cozinhi,
urna manga de vidio, tudo em meio uso e
por commodo preco: a tratar no pateo do
Paraizo sobrado n. I segundo andar.
-- Vendem-se 2 pretos sadios o bem ro-
bustos, proprios para retinarlo ou out'o
qualqur servico: na ,f ua dos Guinrapes
n. 35.
~ Vende-se um cavallo bom andador bii-
quoin a pre -
tender dirija-se a mesma ra Direita n. 55. ,
< j 1 i_ .i 1 1 xo, mullo novo, e bastante tordo: na ora-
Grande fabrica de chapeos de sol, 'a da independencia n. 12
de J. Falque la do Collgeio! ~ Vende-separa o Rio de Janeiro urna
n. 4.
Neste novo
um novo
.Sol dos 11.----- -----,...., .. wiuu lvhiui iiie u ijuiig, receur-se-na
depaninhoparahomei.se senhoras, de ar- seja boa e de maior idade : a quemeon-ier
macao de balen e de aaso que se vendem eate negocio, procure na passagem di Im-
par menos preco quo era outra qualqur par-, delena, penltima casa terrea do lado Hi-
le; grando sortimento decliamalute, sedas reito, antes da ponte grande
escrave, creoula, cor fula, de 21 anuos de
idade.a qual aabe engommar perfeitamente,
e novo estabelecimento recebeu-se cozer, cosinhar.faz-.r doces, podins,p3o-de-
>vo e lindo sorlimenlo de chapeos de los, e tudo oque diz respeilo a um jautar
1 ltimos gostos, tanto de seda Como Conforme o ajuste, receber-se-ha outra que
e pauinhoaem peca de* todas as cores o qua-
lidades para aa pessoas que quizerem man-
dar cubrir armacOes arvidas. Completo sor-
tmenlo de baleias para veatidos espartilhos
para senhoras, fazem-se umbellas de igreja e
concerta-se qnalquer qualidade de chapeos.
de sol: lodos os objectos cima mencionados'
ae vendem em porcao e a retilho, por preco
que agradara aos freguezes vista da quali-
Farinha de trigo
SSSF.
Fontana.
Galega.
Jlaxal.
No armazem de j. J. Tasso J-
nior, na ra do Amorim n. 35.
tf3T runileiros. ^&
Vende-se alenda no pateo do Carmo n.
5, com armaefin, ferramenta para dous olli-
ciaes, e algumas obras : na ra Nova n. 33,
se dir quem vende.
Vende-se a lypographia d-.i
Diario Novo, propriedade di Viu-
va Roma a qual est montada ,
tanto de bons Iypos, como de pre-
los, e de todos os utencis necessa-
rioo a urna boa lypographia : tra-
ta-se com a proprietaria, na ra
da Fraia n. 55.
Escravos fgidos.
-- Desappareceu na noite de 13 para i Ido
passado mu escravo por nome Jn.lo ( crin-
lo ) levando urna cica de brim branco com
listra ao lado, 3calcas de casemira de cor, 2
colletes de soiim preto, 2 ditos de fustao de
ot,chapeo prelo de massa e camisa de mi-
dapolln; o escravo tem ossignaesseguintes:
cor (tilla,altura regular, rerorcado do corpo,
urna ferida na perua direita do lado de fura,
um pouco cima do lornozello, representa
ler de idade 30 annos pouco mais ou menos:
roga-so as autoridades policiaca e mais es-
plines de campo a captura de dito esciavo,
e de o levar ao engenho das Maltas a seu Sr.
Antonio de Paula Souza Lfflo, ou a ra do
Vigario n. ti,armaseio de Ctrneiro & Hamos,
que se gratiflcsra generosamente.
Contina estar fgida a prela Kelici la-
1e, desde o dia 17 de ma>co prozimo pas-
sado, tem os signaes seguintes : estatura
regular, lem falla de dent's na frente, mar-
cas de panno no rosto, cor nSo muito pre-
ta, levou veatido de chila ji desbotado ,
panno da Costo usado, um liboloiro peque-
no em que andaba vendando, tem por cos-
to me ler ropa fra e mudar, quandosaj ,
tem sido vista muitas vezes, urnas 00 Man-
tetro, e outras em Bobiribo, lavando rOpa do
gando, e dizendo que por mandado do sus
sen tora, lem sidoenconlrada junio com um
.'iinoeiro, quo navega para Olioda, ella lem
a mal no engenho S. Cosme : roga-se, per-
ianto, as autoridades poliches e capitSes de
campo, a sua captura,* quo a levem a suaso-
nhora, na ra da Cruz du Recite n. 33, que
receberi umi recompons generosat assim
como se protesta contra quem a tiver occul-
lado e cobrarse OS dias de servico.
No dia 26 do p. p. mez de Abril desap-
pareceu do engenho Araiipe de baixo doa-
baiio assignado um escravo de nomo Jos
da PmSo, levando ganeno no pescoco.cha-
peo de couro, camisa e coroula de algod,lo,e
cicat'izes nai nadogas, deoiaia dos seguintes
sinaes : creoulo, bom preto, bem fallante,
bastante alto, ja pinta, testa e cantos gran-
des, cara comprida, eapadaudo, peroas ar-
queadas, e rendido de urna virilha. Poi com
piado a pessoa do sendo, e consta ser do Se-
ndo, para onde provavettenle se dirigir,
por isso rogo as aulboridadea poltciaes e
capules de campo a apreheoaSo e condcelo
do referido escravo ao lugar cima mencio-
nado onde serio generosamente gratifi-
cadas. J080 Vieira da Cunta.
-Desappareceu no dia 5 do correte da
sacrista do convenio de S. Antonio desla
cidade, duas chaves de prala do sacrario,
sendo urna maior, e outra menor, lendo a
maior a chapa do aro lavrada, e a oulra lisa,
estando ambas amarradas em um podaco de
galao fino com um laco, porem ja velbo: ro-
ga-so portantoa pessoa a quem forem olTere-
cidas ditas chaves de aprehende las,o entre-
ga-las so KuardiSo no mesmo convento quo
ser gratificado.
Do engenho Velbo da freguezia de San-
to Amaro Jaboalao, desappareceu no da
primeirojlo corrente o escravo Jos, cabra
escuro, bellos ralos e nSo muito torcidos,
pouco barbado,olhosnao grandes,naris um
pouco comprido, o beco superior um pouco
pontudo e mais saliente do que o inferior,
quando ralla parece querer fechar os olhos,
estatura, e corpo regular e bem parecido,
pernas e ps bem fetos, gostl multo de ba-
tucar e cantar, bebe agoardente.he Carreiroi,
e enlende do trabilho de casa de caldeira,
foi pelo Sr. do engenho cima dito, compra
du ao Sr, Jonquim Manoel Barragrande, por *
anlhonomasia, levou vestido camisa do al-
go ISo da torra com letra de marca da Imita
encarnada com as iniciaea 1 B : roga-ae pois
as autoridades poliches a- coadjuvactio da
captura do referido escravo, e aos espitaos
de campo pesquizom e prendara dito uscra-
vo, qua sondo entregue a seu seohor. o pro-
pietario do engenho cima dito los Fran-
cisco l'ereira da ilva, serao por este gene-
rosamente gratificados, etc. etc.
hBM
"


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EGXC0MVDM_H6I5HL INGEST_TIME 2013-03-29T17:41:20Z PACKAGE AA00011611_03592
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES