Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03561


This item is only available as the following downloads:


Full Text
^
Anno dr1840. Quinta Feira
^^ i i
.S J"f T depende de a6t """"; J os prudencia, modera-
eom dmirin:-?0nl'nf m?S Como PrinciPi'mos remos apontados
com admiracao entre as Kacoes mas cultas.
Proclamaco da Assemblea Gem do BraiiU
Mi
Suhcrevenw para esta folh. 3#ooo por quartel pagos adantados
nesta lypoeraha, ra das Cruzes D *, 7n.Pn,,. ^ i j
*_ .a __!.. uukju.o, ena I raca da Independencia
n. 37e8, onde se receben, correspondencias ^alisadas, eanr.uncios
adoT 8t "^odoPPri-ntei, evindosass^
Partidas dos Correios Terrestres
Cidade da Parabiba e Villas de su pretenco..... \
Dila do Rio Grande do Norte, e Villas Id'era .... |
Dita da Fortaleza e Villas dem..........'.'.'.'. (Se8* e Sextas feiras.
Cidade de Goianna......... 1
vde S"...........V- '''''''.*. Todo, os dia.i
Dita de Garanhuns' e Po'vaco 7o BonUo '. .* .*.' .* ^T'l ^"V mpT
Ota* Cabo Serinbaem, Rio Fonnozo, e Poru/calvo: \t' "i \\ ^.o d, 0
Yudde p.'. 8fE." ei............Idcm Idem
ELoscZ^ %mmbdu.....Idem 13' dit0 dit0
30 de JviAiol Numero lG.
PHASES DA LA JNO MEZ DE JCLIIO
Quart. cresc. a 6 as n h. e 43 m. da man.
La Cbeia a 4 as 3 h. e io m. da tarde
Quart. ining. a aa- as 4 h. e i5 m. da tarde
La Nova aa-as 7 h. e 8m. da tarde
Mare tficia para o dalo le Julho.
As 5 horas c 18 minutos d roanhS;
As 5 Dorase 4'' minutos da tarde.
CAMBIOS. Jolito 29,
Londres .T??;": 30 d. por Ifooo ced.
Lisboa.....,. 70 a 7! por o/g premio, por metal|offereciao
Franca.......ag5 rcis por ira neo.
Rio de Janeiro ao par.
ORO Moedas de 64oo rs., Velhas i4J5oo a 14J700
> Ditas Novas i4#3oo a i<#5oo
n Dilas de igooo rs., Stooo a 8#ao
PRATA^PaUcoes Braxileiros-------------1 ff>33 a igb5a
Petos Columnarios--------------i#6o a ijf^a
Ditos Mexicanos- -------- ://6io a lffJ3o
. Miuda.............i#44o a iftfjo
Descont de Kilhetes d'Afandega t 1/8 por loo ao raer.
Idem de Letras i| por boas firmas otiercido.'
Moeda de cobre 3 por 100. de disc.
Das da Semana.
17 Segunda S. Pantalio Medico ~ Audiencia do'Juiz de de Direito da 1; 7J
38 Terca S. lnnocencio P. --Relaco> Audiencia do Juiz de Direito da
1. vara.
ag Quarta S. Marlba V.-- Audiencia do Juiz de Uireilo da 3. vara.
3o Quinta S. Rulino M. -- Audiencia do Juix de Direito da a, varal
3i Sexta S. Ignacio de Loyola H. -'- Audiencia do Juiz de Direito da 1. vara*
1. Sabbado b. Pedro ad vincula. RelacSo e Audiencia do Juiz de Direito,'
da 3 vara. t
a Doraingu N. S. dos Anjos.
RO DE JANEIRO.
cao.
CMARA DOS SRS. SENADORES.
Sesso de 3 de Junho de i84o.
Presidencia do Snr. conde de Val lenca.
Approva-sea acta, le-se o expediente e
enlra-se na ordem do dia.
Sao approvadas em terceira discussao as re-
soluces approvando a tenca concedida a Ma-
noel do Sascimento da Costa Monteiro a
Do mesmo ministro, remetiendo a repre-
sentarlo documentada do reverendo bisp;> do
Maranhao a respeito do exercicio da juridi-
co eclesistica, cujas decises se torno ine-
ficases em quanto s tem ; sua disposico as
penas meramente espirituaes a fim de que
seja tomada na consideraco que merecer.
A' commisso ecclesiastica.
Le-se. e approva-se um 'requerimento da
commisso de marinha e guerra, pedindo in-
penso concedida ao soldado Luiz da Rocha fo_rmac"f ao governo acerca da representa-
de Soma, eas aposentadorias de Daniel Ro- cad *9 .es driguese Feliciano da Silva Tavares preter.dos em virtude da aulhonsacao dada
Esgotada a ordem do dia o Snr. Presi- ao {,overno fara Promoyor ',or. ""* **T
dente convida o senado aooccupar-se de tra- *anleS. em defeza da 0rdem' ^ inlegndade do
balhos de commisso marca a ordem do dia l
seguinte e levanta a sesso.
JNo dia a nao houve sesso no senado.
CMARAS DOS SRS. DEPUTADOS.
Sesso em a de junho.
Presidencia do Snr. Marcelino de Rrito.
da mesma cidade. A' quera fe a requisi- [brado independentemente do aprasimente do
imperador.
Continua a discussao ad-liada, sohre o re-
querimento do Snr. Pontes Visgueiro acer-
ca da provincia das Alagoas.
O Sr. Gomes Riheiro tem apalavra e n'um
longo discurso responde a todas as reflexoes
emmittidas pelo nobre deputado o Sur. Pon-
tes Visgueiro, e combate as suas assercoes.
A discussao anda fica addiada pela hora.
Primeira parte da ordem do dia.
Continua a discussao dos artigo* additivo?
e emendas relativas as eleicoes de deputados
para a utura legislatura.
O Snr llenrique de Rerende depois de fal-
lar largamente sobre a materia e de mostrar
que a queslao se acha complicada pelas umi-
tas e diversas emendas que tem sidoapoiadas,
e que assim nada se conseguir que possa ser
til pede licenca cmara para retirar as
suas emendas.
O Snr. presidente consulta a r-amara, e esta
consente em que o illustre deputado retire
as suas emendis.
A discussao Gca addiada.
Annuncia-se achar-se na ante-sala o Exm.
Snr. ministro da guerra que recei-
do com as formalidades do estilo, e oceupa o
competente lugar.
Segunda parte da ordem do dia.
Fixaco de forcas de trra.
Contina a discussao do 1. artigo da pro-
posta do governo, e emendas apoiadas.
O Snr. Ottoni com consentimento da.-cama-
ra tem a palavra para continuar com o seu
discurso encelado na sesso anterior. O il-
lustre orador pronnncia-se contra o artigo da
as
E' lido e approvado ura requerimento da
terceira commisso de fasenda pedindo in-
orraacoes ao governo sobre a conta que dera
o inspector da tesourara da Rabia a respeito
de vnculos e capellas.
Julga-se objecto de deliberaco e rae a
imprimir um projecto da commisso de com-
mercio agricultura, industria e artes, que
A's 10 horas da manb faz-se a chamada aulorisa o governo a conceder a companbia
e reunidos em numero legal os Snrs. deputa- que organisarem Joaquina Antonio Pinheiro,
dos, abre-se a sesso le-se e pprova-se a uo Nery de Carvalho, e Joo Diogo Slurz,
acia da antecedente. carta de privilegio exclusivo por espaco de
O Snr. primeiro secretario d conta do ex- 4 annos para navegaco por vapor as agoas
pediente lendo os seguintes ofHcics. do Amasonas Tocantery Solimes Rio
Do secretario do senado partecipando que Negro e seus afflueutes.
o senado adoptou e vae dirigir saneco Julga se objecto de deliberaco e vae a
imperial as duas resouces que approvo imprimir um projecto da commisso de cama-
a tenca concedida ao brigadeiro reformado ras municipaes que approva as contas da
Rernardo Jos Pinto Gavio Peixoto, ea cmara municipal da cidade do Rio de Ja-
pensoo concedida ao major Solidonio Jos neiro relativas ao anno municipal do pri- I proposta porque julga que as forcas que
Antonio Pereira do Lago. Fica a cmara in- meiro de outubro de 18J7 a 3o de setembro I pede o governo sao maiores do que devem ser.
teirada de 1808. O Snr. ministro da guerra responde s
Do mesmo secretario, communicando que! E' approvado um requerimento da terceira observaces do illustre deputado ed certas
estando pendente da deciso do senado a pro- commisso de fssenda em que pede infor- explicaces.
posico da cmara dos Snrs. deputados que maces ao governo sobre a pretenco de Jos A discussao fica addiada pela hora,
approva a penso concedida ao vice-almi- Francisco Gonsalves e Joo Francisco Gon- O Exm. ministro relira-se com a mesma
rante Tristo Pi dos Santos para veriGcar- calves. jfromalidade com que enlrou.
se na pesssoa de sua fiha D Henriquela re-I Julga5-se objecto de deliberaco evo a O Snr. presidente d para ordem do dia a
solveo o mesmo senado, vislo haver-se men- imprimir dous projectos da commisso de mesma de hoje, e a urna hora eleico da
donado tnicamente aquelle primeiro nome, pensSes e ordenados, o primeiro approvando mesa.
que se oEciasse a esta cmara para saberse atenea de iaoU reis concedida ao coronel re- j Levanta a sesso depois da duas horas da
ella consente que se declare o nome inteiro da formado Jos Bernardo Salgueiro ; e o se-
agraciada D. Henriquela Adelaide Pi, como gundo approvando a tenca annual de oilen-
esl no decreto do governo que concedeo a ta mil reis concedida a Antonio Francisco de
indicada nenso. IMoura, lente coronel reformado de primei-
O Snr. presidente consulta a cmara se a- ra linba.
cafo consenle na alteraco leita pelo senado e E' lido e approvado um requerimento da
decide pela afErmativa e que assim se ofii- [terceira commisso de fazenda pedindo in-
cie ao senado. 'orraaces ao governo sobre a preleiuo de
Le-se um officio do ministro da justica Tlteolonio Jos Lopes do Brasil.
Irmos e Companheiros Nossos ] que urna
boa parte da responsah''lidade que sobre
nos pesa, recahe sobre vos; estis em ron-
tacto inmediato cora as nossas e vossas ove-
lbas. spr por vos mais conhecidas e sentidas e
pela sua couducta responderis a Deus tanto,
qnanto nos pela vossa. Nao pensis porem,
que assim fallando pretendemos eximir-nosi
de responder por um S" daquelles que Dos
foi servido confiar nossa indignidade ; o-
xal possamos dizer-Lhe nessedia tremeu era que daremos conta da nossa administra-
ci : urna s ovelha se nao perdeo por cul-
pa do Phslor (33). Qne raso ou motivo no
assistir para pretendermos urna tal isencoi1
Nenhum, assim como nenbura vos poder;t
servir para o mesmo fim ; seremos solida-
rios no premio e no castigo, assim como o
somos no traballio. Assim que, muitas cou-
sas temos de dizer-vos. Anciosos como es-
tamos de entrar com vosco na mais intima e
activa communicaco aguardamos essa occa-
sio que ser breve, para vos falirraos mais
particularmente ; e nesta em deserapenho
do i\osso Ministerio breves reflexoes fare-
mes s.omctc acerca de al^uns das vussos de-
veres Parochiaes.
(Js Pastores devem conhecer as suas oveltias,"
dar-lhes oexemplo de toda a sorte de boas
obras orar por ellas sobre ludo no Sacrifi-
cio da Missa ; administrar-Ibes os Sacra-
mantos, e todas as outras consolado reli-
tarde.
Continuaco da Pastoral do Exm. e Re-
verendissimo Rispo Capello-Mor do Rio
de Janeiro.
V.
Tal o plano e constiluiro da Igreja;
qne assim como um primeiro e soberano Pas-
tor incumbido da solicitude de todo o re-
provincia de S. Pedro do Rio Grande do Sul. o cidado inglez Joo Jorge Young, se os con- a sua responsabelidade ,
A quem fez- a requisicao
e com quem, por
traeladores concordarem em que o contracto isso, se poe em emmediala corresponden-
Do mesmo ministro,'que em satisfaco ao( dure por espaco de o annos. e em que o ca; da mesma forma estes Pastores que sao subs
officio desta cmara de a de maio ullimo ,! governo possa ampliar por mais um anno o os Rispos, encarregados e responsaveis por, eren
remelle i relaco dos presos vindos do Rio praso dentro qual do deve o dito Joo Jorge urna Diocese inteira, alivio-se dcste tremen- | rain
giosas ; ter um cuidado paternal dos pobre?^
assistir a todos qne padecem atllicces prin-
cipalmente aos enfermos (3i) Eis-aqui u-
ma parle dos deveres Parochiaes, que se-
guramente sao muito ronhecidos de todos os
Reverendos Parochos ; deveres ordenados pe-
lo F.vangellio, manlidos e sustentados por de-
terminacoes da Igreja, e al pelo proprio hora
senso e que tem sido para gloria da Re-
ligio e bem da Humanidad cabalmen-
te desimpenhados, por quantos cora os o-
Ibos era Dos e no bem esalvaco das al-
mas se encarrego de to importante car-
go, como nos o suppomos de vos todos,
No que acabamos de dizer carrissimos Ir-
mos, nao fuemos si nao copiar as palavras
do ultimo Concilio Geral, para chegarmos ;
concluso, que dellas tirou o mesmo Conci-
lio saber, que nao sendo possivel satisfaz
zer a to santas egraves obrigaces quan-
to continuadas e diarias sera estar junto ao
rebanlio e sem vigial-o liabitualmante o
dever da residencia slriclissimo para os Pa-
rochos ; a iua ausencia do mcio das ovelhas,
que o mesmo Concilio qualiuca de conduc-
ta de um mercenario (35). um crime peran-
te as leis Ecclesiaslicts, e o que mais um
grave peccado diante de Dos.
Talvez que os Reverendos Parochos se jul-
guem seguros em suas cousciencias por que
em fim ausentando-'se, outro Sacerdote os
substitue no rgimen da Parubia. Oh JVa'o
mos, que assim se engauera os nossos cooi-
istros urna vez que a sua ausencia nao
relacn (IOS IirCSOS VinUOS UO IllO piuau ucuiiu iiua. uUui.>i. uu.iuvuau jji^ uiua iviuiwc >......-,.....-----------------
n0Tl sedelaro os que tem si- Young aprsenla.' as 7o luzes na lormada ,doonus ommet.endo armas veses a outro, ; tenha por causaatguma daque las, queoCon
no quat se u u y L..,!;..^ D.,. ..siahel.elecem nuaes sent- cilio citado sunpue e requer (3b). rot, o .^a
Grande -
do amnistiados, os que ainda nao toro soltos^
e ascauzas que roolivaro as suas prkfes. A'
quem
Do
preside
comp
ra municip
mena condico. Pastores, que estabebelecem quaes senti-cilio citado suppoe e requer (3G).
Este contracto para a formaco de umalnellas no campo do Senlior para vigiarem cerdole que .orno o seu mesmo nome im
dado para coadjuvar o que suppoe o>
o casamento da tu i
aillegadadecomquehavia sido feita a pro- tica do imperio, para qne
posta para a nomeaco de juil de orphos consUluaouul pruiceza imperial pol ser ce- tacebunt (I5; Oa, 6J
tota ic, et tota
(35) Id. Sesso 6 de reformant. cap.
(Jo; Na Sesso c cap. citado n\ noli j \,


DTARIO
PERNAMBUCO
certas funccoes ou salisfazer determinados
deveres um tlenlo ou industria particular
seexipe ec uestes casos que nao tem lugar
a recta ; Qui per alium facit per sei-
p>uro facer videtur. Assim qne devem es-
tar persuadidos que por ais idneos e pro-
prios que sejo os Ministros que os subsli-
tuirem j.'iiiisa sua ve. ser ourida como
n do proprio Pastor. E' o SS. P. Benedicto
XIV quera o diz (38),
Alm do dever da residencia no podemos
dcixar de fallar d'outio que igualmente
importante e um verdadeiro coroll.wio do
primeiro tomado no sentido o mais geral
pelo complexo de lodo* os deveres Parochies;
o dever de que querernos fallar o da
prgacao. Sabem os Reverendos Patachos ,
que o Evangdho seestabeleceo pela palavra ,
e oue por este mesmo meio >' que se elle ha
de conservar e perpetuar 5 que impossivel ,
o menos que se n So es .ere ai rcvelaces par-
ticulares, que s mysferios da nossa Santa
Religiao sejao cridos e adorados ; a moral, que
da ensina conheeida e observada se nao
houver quein ensino qnem piguc a I ai 1-
vra Divina : Quomdo audieut sine pra-
dioMlta (ip) ? Sabem (jue este dever nao
minos importante, que oda adminislraco
dos Sacramentes (4o), eque nao perniilii-
do alandonal-o cinda para atisfazer oulros
ios dn Cndano Chrisl (41). Os Reve-
rendos Pa; cebos sabem ludo alo ; o que es
:.i
liar enlo para e*ecotalo ?
tloutriyas nao vo p&ssaudo A indiffernca
em Religiao o egosmo "e o interesse na Mo- -i
ral, em Philosophia p materialismo, e na
Poltica liberdade e independencia de toda a
autoridade 1 Os Reverendos Paronhos sabem
iudo isto e devem sabel-o por urna tristissi-
ma experiencia. Ser lempo de guardar si-
lencio?'
A s vos dissemos carissimos Irmios que
o dever da preac"o era urgente hoje mais
do que em nenhum outro tempo ; em prov.i
disto queremos ainda olferecer-vos esta mui
grave consideracao. A heresia que nao ha
muito tempo e\istia concentrada em si mes-
ma, actualmente tenia pmduzir-se ; e arro-
gando-se o previlegio da Esposa de J. C. ou
a fecundidnde da verdadeira Igreja procura
fazer proselytos, Das plagas da Europa, des-
sa Ierra que a Babel das seitas religiosas ,
ella passou-se America eaCapitai deste
Imperio nao era pequeo objerto para nao
desafiar o su zelo. E para nos sprvirmos de
um pensamentode S Agoslinho fallando do
culto pagao todos os metos que o demonio
arremedada verdadeira ReligiSo os no vos
MUsfonarios sem misso os empregao para
conseguir os seus fins prdicas ns-emblas,
servico divino apologas, e escrito* : alm
[Continua.]
PE R IV A M BUCO.
fjuei-
ou oulros em sen
Os Reverendos Paiodios sabem que cha-
mados em parle da solicitude episcopal a
',retraerlo ilics incumbe particularmente e
ijies ordenada por innmeros Caones des-
de os Apostlicos at ce do ultimo Concilio
Geral, eainda felos daqutiles Concilios par-
ticulares, que se celihraio depois desle (4 >)
OsPaiothos diz o Conc. Tiidenl e ledos
is que ten a sen cargo cura d'alroas dtve-
i o ao menos nos Dminos e Festas solem-
nes e com mus fiequeucia no Advento e
Ouaresma dai o sustento espiritual da pa-
lavra ao Fovo que lh.es esla confiado ou
;:or si mesmos se nao iheiem legitimo im-
pedimento ou tendo-o por oulros
dneos sefio. Os mesmos ou ouln
iui'ar iios referidos dias, faro no mt-io du
Misaa algoma explicato do que se abi leo c
nella faro entrar alguma tousa acerca do sa-
crificio dos nos*altare*.
Devero outro sim os Farodios nos ,1
mencionados dias ensinar uos meninos o ru-
.ir.icr.t'jsda -, e a obediencia devida ;' Dsns ,
t aos seus pais (45). DouS onus principals-
imos diz o SS. P. Benedicto XIV impos-
;us jn lo Concilio aos Curas d'alraas, o de p'c-
. ar*m ao Povo a palavra Divina nos dias les-
ivos, e a de instruiem nos rudimentos da
' ,' t da Le Divina os meninos e os ignorantes
I i ,'. Os Reverendos Parodio* sabem ludo is-
10 sciciilibs legem loquimur ; o que
. es faltar poia pura tuwpiirem to sagrado
dever ?
Os Reverendos Parochos sabem que boje
s:.a*s pi em nenhum outro tempo este dever
uigente O que se ve abi, que supprir
pussa a voz do Pastor no ensino da Religiao ?
A* excepeo de alguns Panegyricos que ira-
;lo das virtudes, eroq' nwiis se distingui este
.,u aquello Sanio ; das Dominga da (^oares-
ma que convprehendem cerloe limitado nu-
:i,eio ci assvmptos moiaes, todos os mais des-
le genero que abrangem lodos os deveres
: hiistos, que verso sobre as virtudes que
cdevtm seguir, e os vicios <]ue cumpa-
vitar todos ou quasi todos os Ylyslenos ,
nadta diso obe aos nossos pulpitos. Admi-
;> por l.'iito (pie a verdade a grandeza ,
.. extensao assim cerno tedos os beneficios
a itii;;io Clni>ta .eslejo la'o esquecidos ?
or oulra parte o ensino domestico na par-
,e ifgiuja est cuuio mis ludes lamentamos,
r.o temo dfsejeramos que lbsse ao
(3;) S. Malli. 20.
(^t; Sini enimvero quanlumvis idonei ,
: lobatique lUinislii non tan.en eorum yo-
< m sic solent audirt oves ul vocera veri sui
. stores ( Epist encycL et rommoml. ad omu.
,iscop. Uecembr. i7to. )
\h I. ad Cofinlh. 1. 1.7.
r 1) Act. 0 2.
4-.; Can. Apost. SjEpiscopus, Syncd. o
,,. Jy potlet, Conc. 'lolet. 4 cap. 5 tan.
, linnea opus &c.
,ij Lonc, 'iiident. Sess. 5 aae2,de
CVIMANDO DAS ARMAS.
Expediente do dia aa do correnle,
OfficioAo Exro. Presidente, remetten-
do-lbe competentemente informado o reque-
rimento de D Jesuina Candida Monteiro de
Andrade que ao Governo Imperial supnlica-
va o pagamento dos sidos que compelio a
seo finado marido Cirurfjio Ajudante Joze
Eloy Serpa, desde 18 d'Outubro^de 1825 ,
al adata do seo falecimento allegando ter
dito seo marido obtido o Posto de Cirurgia
Ajudante na Propo-'ta Geral de 27 de Abril de
i8a3, reputada lef;il pelo raesmo Governo.
Dito-Ao mesmo ExnB. Sr remellendo-lhe
arelarlo dos OHciaes de 1. Linha actualmen-
te existentes na Provincia cora as declara-
c6es exigidas no Aviso imperial de 1a de Ju-
nta) ultimo, conforme llie determinara em s.;o
oicio do :. docori-enle
Dito-Ao Exm General Presidente da Prb-
vincia do Rio Grande do Sul, faarndp-lhe re-
messa d'nm offieio nherto para o Capitfio J. N.
da Silva Portella, dentro do qual hi 1 a ipnn-
dos que s.io somonte proprios do erro, a men-4 Ua de rT.S 97a rs. proveniente d'ajsta de
coritas de (ardamentodas Pncas do 5. IJata-
l'iaold'Arlilbena ap ali destacadas ao mando
do mesmo Capilao at r de Junho do cor-
renle anuo erogindo-lhe houvesse de dar
ao lito olicio conveniente direccao.
Dito-Ao Exm Commandante das Armas da
Corte respondendo ao seo officio de 7 do
lira, aseducio, e a calumnia. Ora na
presenca de um to imminente perigO ser
admissivel o silencio dos Pastores ? Longe de
nos o imitarmos em tao crtica conjuctura ,
o tritisssirao t-xcmplo d'ajuclles Pastores de
Israel que lsas descreve : canes muli noa
valentes latrare.......dormienles et amanlcs
do Deposito authorisando-o a receber com
passa^em a i4 Pracas mencionadas as duas
precedentes Porlarias.
Dita Ao mesmo mandando d'ordem da
Presidencia, dar baixa ao recruta Feliciano
I Biserra de Lima por nao estar as circuns-
tancias de servir na Tropa de Linha.
L1MOEIR0.
Artigos de Officio.
Illm. Exm. Sr. -Sendo do meo rigoso de-
ver communicar a V. E.vc. todos os rno-
vimentos da Torca confiada a meo Comman-
do e assim bem as oceurrencias mais impor-
tantes a respeilo doi anarquitas ; cujas noti-
cias saber V. Exc. por meos anteriores of-
ficios.
Cumpre-me de novo scienlilv:ar a V Exc. ,
que variando de momento as noticias da exis-
tencia da Perca rebelde, e de seo debanda-
mento fiz marchar esta meia noite huma
Forca em dirceco a moradia do Chefe Se-
haslio ; depois de haver hiJo mesmo em mi-
nha chegada a esie logar com as vistas de
tentar novamente a aprehendo i'esle sclerf
to ; ordenando a esta Forca segutsse depois
a fazer encontr com a Forca do brejo da Ma-
dre de D -os, para bater o logar denominado
Cacimbinhas e suburbios onde as ultimas
noticias airmao a existencia da reuni.io de
poreao dos rebeldes ; cuja decio espero e
di seo resultado darei conta a V. Exc Jfeste
momento sou infjnujdo haverem chogado a
Villa do l,irnojiro ; aoo e Untas pracas da
Villa de Goianna, loo de Pazireth, e a Com-
panhia do Poco coramandada pelo Capitao
Carneiro Monteiro. Sintonao poder apreseu-
tara Vossa Exc. hum Mappi da Frca uu-
merica e supouho montar a mil pracas.
Bem quizera fazer retirar | alguna Forca ,
attendendo despeaa do Estado\ mus tio-
somnia(4&)- Claarai e nao cesseis de o fa- torrente, que acompanhon varias pracas do certeza do estado dos rebeldes e verificar o
zer nos ordena o mesmo Propbeta e como
as trombetas fazeisaras vossas vozes(Ui)
As ovelbas desgarro-se que falsos guias as
levo por caminhos, que nao sao os do Sanhor
t- ai de nos se as nao a juntarmos se as nao
reconduzirmoa ao aprisco da salvaco (4y)
Confirmemos os fortes sustentemos e ajude-
Exercilo e Paisanos que nesta Provincia
seu debaudineolo me tem ohslalo esta inte-
rnos os fracos acautelemos ossimpiices e i neracio.
devia de ler destino e rogando- Ibe' houvesse ressaute providencia, para me nlo atrapan-
do faser seguir para o Rio Grande em oppor- \ dor depois, o que farei logo que ser pissi. Ul-
tutiM occasio o induso officio para o Exm. i limameiue saber V. Exc que me nao tem
General Presidente F J de S. d'Andra e sido possivel dar pago a retpeft do recruta-
bern assim o a. Cadete Manoel Bapfsta Ri- ment porquautOSO exisle;n por estes lilga-
beirode Faria (pie bia na Crvela Rege- res, aquellos dos individuos, que se tem pre-
lodos demos as lorcas e as coi^olacdS da Di-
vina Palavra. Tremamos pela resp-insabili-"
dade que nos imposta se oulra for a nos-
lito-Ao Capitn Joo Vepomuceno da Sil-
lado ao servico Publico ; nao obs aute farei
as dilli;;cucias ;i meo alcance para so:uj1!i uilo
sa conducta. O inimigoentiou no campo do i ro do correnle e remettendo-lbe o ajuste de
Scnbor se sobo seu poder cahiro os seus, cuntas d fardaraonto das 6? Pracas do 3, lii-
va PorteWa reapomdendo os seos offlrioi de 8 | fim. Favoravel me be sempre a oporlunida-
de Se'.enbro do auno pastado e ao de Janei- | de de protestar a V. Exc. miuhu iuteia con-
cderaco j e maior estima.
Dos Guarde a V. Exc. Ouartel General do
adomdores. porque as sentellas nSodaro o tallto d'Ajrtilheria sobseo Commando, acora- jCommando da Forca Legal naPovoae& de
signal de alarma elles perecero mas oseu pandada da quanlia de 1 ft'g/fi reisque a Taquarilinga 21 de Julo de 1840. Illm.
saiifue ser pedido s sentinellas infieis uos (.ixa do mesmo Batalbio eslava adever a 30 Exm, Sur. francisco do Ro^o liarros Presi-
gue sera p
diz o mesmo Senhor (8) E vista disto,
continnar os Reverendos l'arochos guar-
dar silencio ? Ainda o nao inierrocaper
Que Ibes faltar para islo ?
Os Caones esloem vigor ; que nao p-
deos elles na maleria de que se Irada pres-
1 rever qual.ucr que seja c tempo que baja
decorrido desde que a sua observancia se 11-
terrompeo nesta Uiocese \ a prgaro da es-
senda da inesina heligiao esl nos deveres ,
que oEvangelho impoe aos seus Ministros,
i-e, in.presciiptivel. I^o preciso por
tanto, que acxecuio de laes Cnones seja por
nos excitada. .Nos os temos recordado aqui,
n istu julgamos e confiamos que sei Bas-
tante por ora para que a sua observancia co-
Jos Juaqm Coelho ,
lirigadeii'o Cominaudanle da Forca.
Ilim e Exm. Sir.-Apresento a V. Ex. o
'" Mappa da Forca do. meo Commando expe-
<>oncIuia dando varios es-
destas Pracas, al o dia 10 de Jiurho leste an- denle da Provincia
no que deixivao de receber peh Caixa os 5o
rs. diarios marcados para faldamento de-
vendo serem desle genero lomeadas pelo Ar-
senal do Exercito.
1 dicionariaao Centro di Provincia e bem as-
c arecimentos a respeilo d > 1 juste do conlas ... .' ,.
., Jn 1 1 sim copia da Ordcui do IJia pela nuil taco
esobieadividaque^.d^ Prac.s des .cadas I ^ c Contigeule-s a sL Mu-
dev.aoaFasend^ubl.cade lrdamelos a- eos Guarde'V. Ex. Quartel
s
de
Commando.
Dilo-Ao Commandante da Crvela Rcge-
neraco remellendo-lhe um o:ficio ser en-
tregue na Capital do Imperio ao respectivo
mece desde j, pois suppomos nos Reverendos| Commandante das Armas epiraqie rece-
lormat, cap. 2 ,
be \,
' ii, Etflt mmime j Fvfir. *l\i- Utch. O ]
'Patuchos os necessarios conhecimentos para
bem desempenharem esla eoutras funcioes
do seu Ministerio e esperamos na Misericor-
dia do Senhor que os que de novo enlrarem
para este importante Cargo pelas nossas di-
ligenciase cuidado, sero to dignos do refe-
rido Cargo tumo os actiiaes ; nos temos um
principal e dominante peusameuto maniles-
tal-o-heroos desde j e lormar um Clero
illuslradoe morigirado ; lodos os meios to-
dos os recursos me para islo se podem e
coslumo empregar, nos os empregaremos
at onde chegarem as nossas debis torcas
Em breve tornando predica nos vos ful
laremos carissimos Jrmos mais particu-
larmente respeilo e dar-vos-hemos o me-
tliodo e lrma com que de euto por diante
(luvereis desempenbal-a especialmente no
oue concerne ao ensino da Liuulrina Christ ;
e sem pie que as nossas lorcas o penmllirem ,
dar-vus-hemus o exemplo d aquillo para o
(45) 1*. 56. 10.
(46) Id. 00. 1.
(4;) Ezecb. ^4. 6. .
f^OJ CJuud si speculator viderit gladium
venienleiu el nen iusonucrit buccina ; et
populus se non custodien! venerit que gla-
nius el lultril deeis animara ; ille quidem
in iniquitatesua captus ot saoguineut au-
iem ejus de ruanu spetulaluris requiram. [E-'
besse a seo bordo ,'e transporlasse a mesma
Capital o 2. Cadete \l B. R. de Faria.
Uilo-Ao Inspector do Arsenal de Marraba ,
para que livesse abondade de ter promptis pe-
las h oras da manha do seguale dia as
precizas Lanchas para o embarque das Pra-
cas que deviao seguir a Capital do Imperio
na Crvela Regeueraco.
Dito Ao Commandante do Deposito ,
para que livesse debaixo de forma e promp-
tas a embarcar as 8 oras da uiann do dia ti
as Pracas que deviao seguir para a Capital do
Imperio na Crvela Regeneracao.
Dito Ao 1 ommahdante interino do 3
Batalho d'Artilheria ordenando llie que
agora mesmo comparecesse na Secretaria Mi-
litar, trasendo a importancia dos diuheiros
lardamento feilo as 67 Pracas destacadas no
K10 Grande do Sul ao mando do Capilao J.
. daS. Portella.
Portara Ao Major Commandante inte-
rino do Esquadro Na 4 Je Cavallaria de
Linha, maudaudo excluir do mesmo com guia
de passagem para o Deposito a j pracas que se
llie indicava.
Dita Ao Commandante interino do 3.
Catalho d'Artilheria mandando na mesma
eonlorrpidade excluir epassar guias para o
I aposito a 10 pracas que to bem se llie in-
dicava.
Dua Ao Teueute Coronel Commandante
Forca.
Mappa da Forca expedicionaria ao Centro da
Provincia.
Estado Maior e menor da Brigada
Coi pode Policia
Forca de Goianna
Dita de Naz Uila de S. Anto
Dita de Oliuda
Dita uo Poco
Dita do lirejo da Madre de Dos
Patenos do Liinoeiio
Cavallaria de Luma
3
3.8
217
107
83
44
4'
2l3
100
7
lloJ
Somma
Villa do Limoeiro 2li de Julho de 1840.
Joze Joaquim Coelho.
Cuartel General do Commando das Forca,
Legaes na Villa do Limoeiro 25 de Julho d^
lbao Ordem Addicional O Brigadeir
do Exeicilo Jos Joaquim Coelho leudo sid
estoihido pelo Exm. hnr. Presidenle da Pro-
vincia para Coiumandar as Tropas destinadas
a bater os rebeldes que na Povoaco de Tai
quantiuga d'esla Comarca ouzaram levan-
lar as armas contra a Ley, e publica tranquil*
lidade tem a salisiacao de unuunciar as mes-
mas Tropas de seo Commando o completo de -
bdudameuto e despereo d'esses sederatos ,
cuja arrogancia se evaeeeo somenle ao aspe-
cto das piomptase enrgicas Providencias do
Governo d% Provincia a quera sobejam mei-
os de punir us desobedientes a Ley. O Bri-
gadero Commandante possuido do mais vivo
prazer por ver restabelecida a paz c tranquilli-


n I a R i a
dade desta Comarca, divida semduv.da a de-1 a menos algnni sahem que hura amigo do
cedida coadjuvacao dos Illms. Srs., Comman- Sr Barbosa morador nesU Cidade empenhou-
danteJupenordaG.N. de Goianna, e Pre-; ss fortemente onra o Eira. Presidente odes-
leitos das Comarcas de Nazarelh Santo An- pacbar e este amigo [ na Presidencia do
tao, Goianna, e Limoeiro, e particularmente Sr. Francisco de Paula trabalhoa Sera que
a este ultimo Senhor entancavel em prorao- ; podcsse alcancar lal pretencA) clarante aquel-
rer o bem de sua Comarca e solicito em pro- | la Presidencia.
n r pernamuuCo
vegetaes o-n qae a naturezi 'oencorrou. As-
5
videnciar as necessidades das Torcas em mov- | Son
amigo do Sr. Barbosa co?ihco-l'io
. detrs m*eid is > >: hunrj mnn > lo fo. \ cal-'
nm at aqu nossos fabricantes de assucar derdeira mi, distante d foga he a que prmer i
beterraba, bem que h i chtraico limita- rorebeo raido dabi pasea .1
Seusprodu
va-s i'i -.i->su ir bruto.
8 .,.,: cas pira retinan is distan -
. e \ ie>iis, or er mdcs de$o>-

i-
1 '.' :
''''' E< i n i m ii; .-ii' -
ijnjftrdaprolaegaa. ls raes- ravel pelo fnga qu,nto hlmenon
memo, congrlula-rt por tal resultado conr boa qualtdadcs h honrado,airabaIhador, deseus a .cares metropole, e
osrceridosjnrs. < omninndante Superior e poda ser mais nsliceiro en- huma Comarca desta do fupar deque vieran- nerr-'rinac5j
e I.ele.tos cornos Snrs Commandante (ieral onde na'o tivesse diri-i lo cuitr'ora |.um ptrli- ordenada imperiosamente pelos resutamentos
doLcrpo d,; Polica Pedro Alejandrino de do e conbecesse tantos amibos ; porque tal- o
Barros Cavalcanti, que tao dignamente pre- vez em algumas occ.isio.-s teodo o Sr. Barbosa '
- icoloni us.
i i83', a Socedade de \nimarffo
a qu mtid i le
de agua qu*a Ive, ac toca que tiepm
desetercoll alo o fabrica tres
condicoes para destruir huma oarte doassu
pola fermntacao, realisa aquellas cajo xito
lie o mais iiii'.i:;... i pa queimar huma boa
lo qu i resi i e para obter m ilasso
(1 Alhuqtierque Marahho lavalcanli Capi-
nio Jos1 Ca'nqiello ; dos Contingentes do i
eabataiho de Olinda Francisco Xavier
Carniro Liris Joaquim los Cotoeiro Mon-
teiro, i. Command ule de Polica Luis da
Costa PortscarreirO ; Commandanle desta Vil-
Ja ; e feralmente com todos us Srs Officiaes ,
Officiaes Inferiores da G. N., Policial e i'
Linba que comr'>e a fered a seu* mando.
Cumprindo as ordena do Exm. Sr. Prest-
dente da Provincia o Brigadiro Comman-
dante determina', qUe as seis horas da ma-
nba do diu : (i sigafi a seus Municipios a forca
de Kazarelh e Contingentes de 01 inda com
osquaes rerolher-se-ha a Capital o Sr. Te-
rienfe Antonio Josde Soma Cousseim que
para o sel vico sap r< tou nesta Villa..
Onlrosim, qenodia vj a mesma ora o
batalho t;i (i. N. de Goianna, e Contin-
gentes de Santo'Anlo si'ga lambom seus
IV unicipios 5 (cando nesta \ illa at ,-e.ur.da
ordc.ni do Gobern o CorpQ Policial. Qs Srs.
Com manda-) tes de Corpos e Contingentes :
i qu? chegarem ;i seus Municipios organi?
sarS o Pret dos vencimenlos das Pracas dos
ses Com mondos, e os remetieras ao Briga-
diro Commandanle na Capital para que a
Msia de sua rubrica possa ser salisfeitos
O Brigadiro Cummaudaule leudo de re-
gressar a Capital, despede-se em eral dos
Srs. Comma.id.mtes dos Corpos e Conlin-
gt ntes dos Sis Officiaes e mais Pracas e
em Nome do Governp da Provincia agrade-
ce seu brilluiitu proced memo e os seuti-
nienlos d( Pali iulismo (ue os anima na sus-
tentacao da Lei, e defeza da tranquillidade
Publica. Assignado Jos Joaquim Coe-
llio Brigadiro Commandanle da Forca.
Cbhfortne Jcao Bernardin de Vasconcellos,
Major de Brigada
sabir da orma,
Baptista nao pertencta ao sea gremio eestou O problema foi resolvido. A sociedade
certo qee por delicadeza ou condescendencia de Animaco verificou que na salra de t83tj
foi queo l>r Baptista ass.;o ni a dccliii !.) 'e i8J;), !r Bouclier fabricante de assucar
A Comarca de Flores foi feliz com as admi- era Panlin tinba ven di.I > ao commercio
nistracOes do primeiro, e segundo Prefeitos, ai,oookilogr de assucar refinado do primeiro
e agora continuar a ser com a do recto ci- jacto lo branco tao puro comj o que se
vil, e honrado Ten Coronel Leonardo Bezer- refina em dois lempos : eMue, na safra que
ra de Siquetra Cavalcanti acaba de terminar-se. produzira do raesmo
Queira, Srs. Redactores, dar ao publico raododd.ooo tilogr Elle reconheceo tambera
estas liabas para que conheca-se qu > soce;o que vi, de Forbin-Janson linba fabricado em
que gozaJa Comarca de Flores he mus devido I Villelaure (Vaucluse), em i838 e 18 ic,
ao Dr Reis e Silva de que ao Sr Barbosa; e I a5,85 j kilog. da igual assucar. Este assigna-
que este smenle fez conservar a.iillo que o | lado melhoramenlo oblem-so por procos,-)
nmi simples e poucj cusios >s,
" Durante este lem
::;ui l'erven 1) alim de mo.'d-as segunda vez.
A raspeit) docotimento, sera introiazir mes-
mo nossas caldeiras aperfotcoda* da Baropa,
que exigiran obraros mais intelligs-atas que
os escravos, ob'er-se-hia todava hum melhu-
lame.lto notavel mudando a ordem em qu
o caldo passa pelas caldeiras ederramando-o
priraeiro naquella que est mais visinha do
logo.
(Do Despertador.)
Avisos Diversos.
sj- l'Vlictano Rodrguez de .Mello faz ver
po, outros destinos se ao Snr. Tbezoureiro da Lotera do Thearo
preparad para o assucar das colonias. Achi-lque lando comprad^ dous meio bilhetes de
nica tinha thesouros que dis-iifiual numero iS- ( oque assm prova com
seu Antecessor. Iiavi i plantado,
Seu venerador c creado
O I'aj ihuense Impirciil
Srs. Redactores.Cero deque as aceSes Iributra nossos plantadores das Anllhas as- {n vendedor ) qu dezemcaminbou-se nm e
meritorias jamis devem Gcar oocullas nao sun otnoa nossos fabricantes indgenas, mas assim roga no cazo de sabir preniiado o nao
s(> porque nao he justo privar a virtu le dos al'' "'I'" nao st h.iva feiio ,i jciencia a honra pague a pessoa afgana seno ao dito com-
encomios, que lbe sao devidos como princi- de consuliai-a, Em nossos dias, todas as ve- til"'"'')r'
plmente porque a sua publica So serve de es- zes .ue surj;c huma nova industria chi- SS" Hawndo a falecida Aura Mara dos
timulo npresentando har padrSo pan em i- nuca, el|a principia por procurar squantida- Prazeres. vendido em sua v.ii a Antonio
den ticas circunstancias se regulamm os ha- de exacta d* substancia til contida nos mate-1 JoSo Fej por Escrptura hum terreno na
mens nao pude deixsr de resolverme a dar rutes que deve explorar ; depois modifica fra-i roa da Piraia desta Cidade emesrao deca-
puhlicidade na sin estimavel folha an proco- dualmenle seus ruelho los, de modo que possa rado no Tesamento com que faleceo haver
di ment que comgo acaba de ter o'*Tenonto aproximar-se o mais que possivel fordosda- vendido dtro terreno ao referido Feij e ha-
Comnel Francisco da lincha Paes Brrelo; dos tbeoreticos obtidos no laboratorio. A io- verja lecebido hum cont de res e obri-
tarito mais quanto por esle meto faco notoria a duslria do assucar de cana, nascida, be ver- g^ndo em dito Testamento aos seos herdeiros
miaba amizade e gralidSo para com o mesmo da:l*k, em hum lempo em que asciencia nao aontreg^do terrino logo qae ultimado fosso
Sr. Tendo eu recebido aviso de que havia pouRguial-a, uocurou deinvocar seus soc-jo letigio que ierca da mesmo tracia com
nuem tentasse contra a mnba existencia, pu- corros, a conservou-se estasionaria, ou por- j Francisco Catado Lima; e igualmente ha-
de depois de algumas indagaces saber, que que a tepida almosphera das regies Iropicaes rendo j recebido tambem por conta asm
o pardo Joaquim escravo do Teen < Coronel amortecesse nos Qlbos dd Franca, assim Irans- filha e herdeira Vfaria Francisca dos Praze-
Ijancsco da Rocha Paes Brrelo era hum dos portados para longe essa febre de mudan gas res. a quanta de ^ovlfnnn rs. como consta de
individuos a quemo Portuguez Antonio Cor- e essa aclividade de que-sao devorados os po- recibos, e hypoteca feila em bul caza naraa
rea de .Noronba procurara assalarar para as- vos visinhos do polo, ou poique se acostu- do calabouce desta Cidade, declarando em
sassinar-me, e dirigido-rae immediatamen- massem os colonos adormir sombrado pa- dita hypiteca Bear sem elfetto a mesma com
(JuiTesputide.nciiis V.
Srs. Redactores.
Nao posso deixar passar em silencio a de-
claraijao leita por aljjuns habitantes da Co-
marca de Flores transcripta em o Diario N.
iSa, por conter em si cousas inexactas e
que indirectamente desaboaQ a conducta que
naquella Comarca apresenlou o meu Amigo o
Dr. Alexandre Bernardin dos neis e Silva
quarido Prel'cito da mesma. '
Diz a declaracao que o Sr. Barbosa chimou.
a hum perfeito estado de ordem e iranquilli-
clade a Villa de Flores querendo dizer com
isto q'^e o.Sr. Barbosa quando enlrou no ex-
ercictoda Piefeilura acbou a Villa de Flores
em completa desordem o que nao he exacto,
porquanto o Sr. Barbosa quando lomou posse
da Frefcitura nao s acbou a Villa de Mo-
res como loda a Comarca em perfeito socego,
saivo hum cu outroacontecimenlo que as Au-
toridades nao podem prever e esle socego e-
ra devido ao primeiro I rtfeito que leve a
Comarca de Florea depois da publicaco da
Lei de 14 de Abril o digno Dr. leii e
Silva.
Diz. mais a declaracao que o Sr. Barbosa
enviou para a Capital hum numero conside-
iavel de rccrulas. Se assim o lez cumpiio
smente com o seu dever, e quasi todos os
Prefeitos assim lem praticuo.
Diz ainda a declaracao que o Sr. Barbosa
nao pedio nem por si nem por seas amigos
a Prefeitura de lores ; nao duvido que o ^r.
Barbosa nao jiedisse por si o lugar, que oc-
qoe pre
ra interessado na rainhaseg^rauca. indi vidual. Dhashlo interrogados sobre a canna rlaape- /.eres, ou alguom por ella, a venda ou qnal
Na minh.i mesma presenca mandou vir o par- as alguns mezet que hum joven chimicoda qer ou tro negocio com o d:io tecreno vistd
do Joaquim e Ibe ordenou que coniessasse mais alia esperanca, VI Peligot, tendo ada I acmw-w o mesmo hipotecado por Escriptu-
quanto a meu respeito havia fallado nr.u u do hum iguro de mandar vir da Marti- ra publica aos herdeiros do GnadoFeij.
ditoPcrtugijez Antonio Correa de Noronha nietsueco de can/i* naoalterado, obleve os| KJ" Arrenda-se um sitio rom hu das
e como elle confessasse que com eleilo tiuhn seguintc; resultados, que consignou em huma melhrea cazas decampo com cmodos para
kido allwtado pora matar-roe msudon-o~isgo mpmoria colhida com distiheco pelaacade- urna grande familia no prncio da estrada
segurar n*um tronco e no da seguinle en- mi das scie/icias:i, o sueco de canna tal dos Aflilosi, a alar na roa da larangeira em
viou-o ao Sr. Preeito da Comirc alinde qnal os colonos o derramas em suas caldeiras cazada Vuva do crurgao Peixolo, en
fater-lbe todo o interrogatorio que ul^asse nao hepropriamenteseno agua assucarada, jmesma aza searrendaoas logespara Coxetra
conveniente entregando -o ;i mnba disposi- e nisto he bem superior ao sueco de beterraba, ou outro |qualquer estabol<.cimealo e ludo
i i at a conclusao do proce.-so. Este proco- que, alem de agua e do assucar contein por pre-o muita cmodo.
di ment que j asss atiesta a probidade e materias mucilaginosas ;a, cem partes de I tsr Dewparecea no mez de ouiuhro drt
honradez do Tenenie Coronel francisco da(. sueco de cao iwtcontem .i partes de assucar, anuo p. do conwnto de Santo Antonio de I-
Rocba l aes Brrelo aindamis odistin;1u. pntrelant que O de beterraba encerri apenas guarassU, om escravo de nome Custodio,
coma resol uco que lomou o mesmo Sr.de 10 j o, a caima contem <)> por too desuc- : naco coii,;o, estatura regular,^ pouca buha,
vender o referido escravo nao se queiendo mais co. 1 "lo escravo de costme luSir, o neve en I
servir com elle ; para o que ja deu
scienlihcos? A pri
um; < Que concluses Mr. Peligot pude tirar: Guardio do mesmo convento, roga a qnal
mesmo as precitas ordens. Heprocedendo-se (lestes dados scienlmcos? A pruneira be que q'"' pes" loe o aprehender, quena levai-o
por maoeira tao nobre e dislincta que se da ao se o sueco de caima fosse entregue a mos ha- ao dito Convenio ou ao de Santo Antonio
Publico a prov mais aulbetica de quanto se beis fundira huma porcio de assucar muto doKeci/e ,queseg*aii!icara. ^
aborrece os a-sassinalos ; e he misler con vir- maior que aquella que se obtem ada beterraba.
ty O abaixo assignado certo de nao dever
mos que se todos procedessem tao nobre e vir- Ura esta da fcilmente 5 por loo de assucar, cou>* alguma nesta PracA-*, nem em outrt
tilosamente o crme nao leria tanta proteccao isto be a Atetado do que contem. JNossosco- quulquer parte laz publico que suas con las
eos assassiuos desacorocoados ucabariao por lona ao contrario, nao sabem extrahir do se actia todas saldadas, porem se por acaso
enlregar-se inaeco. Sirva6-8e Srs. He- | caldo senao b a 8 de assucar isto lie, liuui houver alguma pessoa, que se julgue seu
dadores de dar lu^ar em seu Diario a e*us terco do assucar que conlm. | 'redor dinja-se no praso de oilo das ao
mal tracadas linias com oque luuiloobri-j :Mr. Ptli;ol mostra que o methodo em- segundo and ir da casa da esquina da ruadJ
aruo aoseu
Amigo e creado
R J. Barata de Almcida,
FABRICACAO' DO ASSUCAR.
No Jornal dos Debis de Paris de 2 de
pregado para cozer o caldo be mu i lo proprio
i.iicautameiito.
Carlos Aui'uslo de Maraes.
cupou ; porem o Sr. Barbosa nao era essa no- > maio encontrarnos a se;uiito noticia dos re-
labildad de (jue o Exm. Presidente laucas- cenes descobrimenlos que se lem fetlo na arle
se mo para hum importante emprego sem de fabricar o assucar,
que algum amigo doSr. Barbosa hzesne lem- Sabe-e que a renagem he huma o>era-
brar ao memo xm. Sr. as suus qualidades cao lonja e coalosa que conslilue huma iu-
e os BSSguados na declaracao seno lodos l duslria distinela du extraocao do assucar dos
para destruir a maior quautidade possivel de
assucar. Assim, aortbodoxia chimica ensi-
lla (ue nada he melhor que huma temperatu-
ra de i) a 4 graos para accelerar a fermenta-
cao e que pelo contrario, o principio 1er-
iin.nle.seiel se dcslnic nos o e 70 (jros e
com muito maior rasao no calor da ehulico.
A consequencia natural desta lei he (|ue o cal- tflT V ictoi ino h rain
do, coolerwh bum fermento activo, nao deve I que continua a vender romo semp
ser esposio a hum calor moderado, mas sim al liijuidos de sua fabrica para as
uum calor visinbo da ebulico, logo ao aabir aim detxou de yn Jarpelo'Hido aoppv4 e
da (anua. i\as colonias iaz.-se o contrario : olpoffCOUSeguiulfl nao 86 deve regulw [Wlf ao-
apparelho da cozidacompe-ae de varias cal- lnuncio de 1 'oieui.
t5~ Precisa-se alugar nm sobrado
andar, ou segundo para familia "cenia
as ras seguintesj Rosario larga, Qucima-
do Cruces pateo do Carmo pato" do ra-
raizo e ra >ova : quem verpode a.iuun-
ciar por esta lolli.i para ser procurado.
isro dos Santos decl i-
q'Jj ,
0V>


DIARIO DE PER NAMBUCO
. __________"
tsy Precisa-se de 5o.ooo a juros de dous
por cento ao mee dando-se pinhores de ou-
ro ; quem quiser dar annuncie.
t*&- Precisa-se alugar urna casa terrea para
pouca familia que seja no Lairro do Recife
ou S. Antonio e qufo seu aluguel nao ex-
ceda de 5 a 6000 dando-se 4 mezes adian-
tados ; quem tiver annuncie.
C7" Precisa-sede 100,000 a premio a dous
por cento ao raez ou sem premio para se pa-
gar em tijolos de alvenaria grossa posto no
porto do embarque a 16,000 o millieiro e na
obra a ao,ooo ou de tapamento a 10,000 pos-
to no porto ea 1 a, 000 na obra, de barro
muito bom t dando-so para seguranca deste
boin fiador ; quem quiser annuncie.
***
Avisos Martimos.
PARA O ARACATY impreterivelmen-
te no dia 10 de Agosto o Patacho 4 de
Vlaio eom a carga que tiver a seu bordo os
rarregadores oirijo-se a Joaquim Gonsalves
l'crreira lia ra da Cadeia do Recife ou ao
Capito do mesmo Jos Ignacio Pimenta a
bordo.
PARA O MARANHAO' no dia ultimo do
torrente sem falla o Brigue Escuna S. Jos ;
quem quiser ir de passagem dirijase a F
VI. B. & Irmaos, ou ao Capito na praca do
Commereio e se recebe esc ra vos a frete
PARA A BAHA segu viogem at 3i
docorrrente a Escuna Nacional Emilia ainda
lecebe alguma carga e passageiros : quem
quiser canchar ou ir de passagem dirija-se
ao Capito Jos Baimundo da Silva, ou ao
seu consignatario Manoel Francisco Poutes.
JLe i 1& o
tSS" O correlor Oliveira continua a vender
em particular, no seu armasem, ra da
Conceico u. 34 primeiro andar em porces
vontade dos compradores Sedas lustrosas
para vestidos ditas de quadruhos, tafets
encarnados e verdes moropeiteiros de se-
da pannos decanto, chales de palha bor-
dados mantas de tonquim e de palba len-
cos de pinturas leques finissimos e rcais
inferiores, ditos de xaro caixas demarfim
para tabaco caixinbas de costura de xaro ,
btelas, cestinbos e pralinhos de xaro ,
jarros de porcelloua, bonecos da China ,
quadros, bandejas e uina flauta etc. ; a
inoior parte desles objectos foia do brigue
hespanhol arribado a este porto na sua via-
gem da China para Santander.
Compras
"ter Os burros de Virgilio e Salustio ao p
da letra ; quem ti\er annuncie.
> tsS" Um jogo de diccionario de Vloraes ,
da quarta eci<,o, em boro uzo 5 na ra da
S Cruz da Boa vista n. 17.
y Garrafas vasias de vnho de Bordeaux,
ou muscatel a 90 rs. ; na ra do Rozario bo-
tica de Bartholomeo& Ramos D. 7.
Vendas
Cautellasda Sociedade Fortuna Ty-
Recife loja do Snr. Jos Antonio Vieira de
South
ss~ Um pardo moco sem vicio nem
deffeito e proprio para todo o servico ; a
fallar na ra Augusta casa do Fiscal Barata >
ou na ra da S. Cruz casa de Rufino Jos
Correia de Almeida.
SSS" Os primeiros elementos praticos do fo-
ro civil por M. M. da Silveira a preco de
3ooo ; na ra da cadeia n -2 ti, e praca da In-
dependencia loja delivros n. 37 e 33.
t^ Um cochixo um chexeo um Picu-
do p um canario do reino um dito da Ierra .
urna patativa dous curios, todos muito bons
cantadores em boas gaiolas. a 5ooo um pelo
outro ; na ra do Cotovelo D. ia-
ts^" Casacas de panno preto e de cores a
afiooo sobreeasacaes de ditos a a 8000 far-
das paraG. N. i4ooo jaquetas de panno de
cores 14000 calcas de panno preto fino a ca
mil VSi ditas de casemiras dobradas da litras
a 9000 coletes de sarjas de varias quadades
a 4 1 5. e f'000 ; no atierro da Boa vista na
quina do beco loja de alfaiate de Manoel Joa-
quim Venancio de Souza.
^" Panno azul e de outras cores a 1880 o
covadn e de superior qualidade por preco
commodo casemiras de n8n a 1800, sarjas
pretas e de cores lisas e lavradas de 6 jo a 144
ditas para forros de 32o a 060 esguioes de
10 e 11 varas a 3oo e 36oo bretanlia de
rolo de 10 varas a 1760c a aaoo pecas de
algoda'ozinho largo 1760 cambraias lisas
aa4o a peca e a vara 28o lencos de metim e
cassa branca e pintada a :6o ditos de fil de
linho 1000 e ia8o pecas de bicos estreilos de
10 varas em peca ditas de rendas de diversas
larguras de j4o a 1000 a vara guardanapos
de linho 4oooa duzia toalhas de dito ada-
mascadas de diversos tamanbos de 5 a 6000 ,
riscadinhos 140 o covado chitas finas 160 o
covado cassas pintadas a 160 e 180, lonas
da Russia 5oo e 800 a vara chapeos de bae-
ta de aba larga muito proprio para esclavatu-
ra a 36o lisiados de algodo mu encomia-
dos e outras diversas fazendas por preco m-
dico ; na ra do crespo loja de Antonio da
Cunha Soares Guiarles 5 do lado do
norte.
tsy Urna casa terrea construida a moderna,
com oitoes dohrados com 3o palmos de fren-
te e 90 de fundo em chaos proprios con-
tendo duas sallas 4 quartos, grande alcor,
boa cozinha um dispensa un banheiro
feixado quarto para pretos estribara para
5 cevallos quintal murado com aoo palmos ,
sendo tudo de pedra e cal sita na ra do se
bo junto as casas do Sr Francisco Antonio de
Oliveira; a tratar na ra da S. Cruz casa ter-
rea l) 4>*
cr Meias compridas mui finas de cordo-
zinho ditas bordadas ditas lisas escuras
immilando a cor de linho chitas de coberta
de cores Gxas lencos de seda a aooo meios
pannos finos pretos a aooo brins trancados
brancos e escuros de linho e algodo e ou-
tras muitas fazendas por preco commodo a vis-
ta da boa qualidade ; na ra do crespo L) I
junto ao arco de S. Antonio
C^" Na loja grande que foi do fallecido
Arouca na ra des Quarleis 6, lencos de
seda de todas as cores facns de cabo de mar-
de
rafica, da Lotera da M. da Boa vista ga- fim para mesa e frutas bicos mu ricos
nhndo a vigsima parte dos premios, cabendo hnhoe algodo oculos de armaco de vidros
na sorte de l\ 000 000 rea dusentos mil res a' verdes blancos e de grao sapatos de cou-
preco de 36o 5 nesta Typografica na praca' re de lustro para senhora ditos de selira ,
la Independencia n. ao e na ra larga do duraque e marroquira ditos para mem-
Rozario loja de miudezas D. 7, e na ra do as fitas de todas as quahaades potes tcom
Collepio lojadereloioeiro. muito boa muslarda abotuaduras amarellas
C3-' L'ma canoa "aberta de carga de 1000 muito finas para casacas, e outras muitas
lijlos una dita de 3o palmos de comprido miudezas por preco commodo
e dous ditos de boca ; na serrara de Jos Lua ^ Urna casa terrea nova cora 4 laces, ler-
do Souza : assim como precisa-se de 3oo,ooo renos em ambos os lados com rontei.aspara se
a premio sobre boa tirina. 1 edificar com grande quintal, cacimba si-
tsr Duas esc ra vas de naco de idade de ao ta em Olinda ; a trotar na n.esma Cidade no
annos, en;ommo. cozinho o daiio de urna principio da ra de Malinas terreira na qui-
casa e lavo de sabo : na ra direita D. 20 na que sobe para a >e.
lado do Livramento. I S^, ^ma duna de cadeiras de Jacaranda ,
IST Urna negra mui sadia hbil para to- um >fa duas bancas de |0go duas de meio
do o seivico, cozinha, ensaboa e engom- desala, duas ditas de meio de salla, duas
ma liso ; na ra da cadeia n. j6 | ditas de jogo, de angico duas cmodas lu-
tST Una libra de retros sortido da india do novo e de bom gostoj na ra das larangei-
relo preco de 1 a,ooo leques de papel, com ras D. i3.
varas de'charo tambera da india a J200 S3T Sele escravos sendo 4 negnnhas, de
cada uro; na ruado Apolo no Recife porto idade de 11 anuos, ptimas para se ensinar,
das canoas, segundo andar das casas onde tem duas negras e um negro de bonita figura 5
iirma/eiD de assucar do Sr. Ajudanle Lobo. na ruado Vigario por baixo do mestre Joao
xsr Excellente farinha de trigo america- Venssimo.
por preco commodo 5 no armazem de tsr Urna armaco propna para qualquer
Juo Matheus por detraz do theatro. negocio na ra direita U. Si ; a tratar na
,- Historia do naufragio e captiveiro de ra nova 14.
*"ocr de rition ; o amor desgracado loja de SST Vestidos feitos e fazem-sede ieitio ;
M-'los polticos, as ideias liheiaes esculla assim como se engomma roupa j ua ra das
de uwcdoUS arle de corcha segunda par- trincheiras D. id.
ide selena latina, txplica.m-s Je senlaxe W Fauno azul e de todas as cores de 3 200
' ,ta por Antonio Rodrigues Dantas ou arle e 400c o covado casemiras de lislras i;6o ,
i gauue aWiUfl ffWWW m rt da cadeia do ditas lisas do ultimo gosto 1400 e ifcoo ca5J-
miras de listras e lisas q6o e 1000 casturina
ioo macedonia de listras 800 merino de
todas as c0res 4ooo cortes de colete de ca-
nuto de seda 5 e 6000 suspensorios de bur-
racha finos 6{o e 1600, coeiros de casemira
I bordados de matiz a 10 e laooo fazenda de
la e seda para vestidos de senhora 800 cassas
de chitas finas 480 chitas 160 e 2^0 cortes
de cambraias de bom tora pintadas 4ooo, bran-
cas 5 e ^5oo chapeos france/.es 6800 e 7000 ,
ditos deseda^ 5 e 8000 ; na ra da cadeia ve-
Iha loja de Joaquim Gonsalves Casco nu-
mero 45.
S37* Um ptimo sitio na Povoacao dos
Affogados defronte da Igreja do Rosario ,
com duas grandes moradas de casa cosinha
lora estribara para seis cavalios senzalla
para pretos duas cacimbas sendo urna de
excellente agoa de beber e outra com bom-
ba e tanq.ie para banho dois grandes vi-
veiros grande orla, logar para olaria com
barro para telhas tjollo e mesmo para
loica baixa para capim bastantes ps de
coqueiros larangeras cajazeiros e outras
arvoresde fructos, grande parreiral de ex-
cellentes uvas, com pilares de tijollos urna
cazinha para feitor no fundo do sitio sabida
com porto para a estrada da Piranga com
proporcoes para vacas de leite lodo o atino ,
tanto na frente como no fund lugar para se
edificaren] mais de vnte moradas de casas ,
: vista se conheeer melhor as comodidades
que tem e muito principalmente sendo por
mdico preco 5 para se ver no mesmo sitio ,
e a tractar do ajuste no Recife na ra da Ca-
da n. ap casa da viuva de Anacleto Anto-
nio de M o raes.
S2T 6 cazaes de pombos bons batedores, por
preco commodo ; as 5 pontas casa junto a
padaria de Joo Lopes Lima.
S2^" Um moleque creoulo, bom cozinhei-
ro muito fiel e sem vicio, duas negras de
naco de idade de ao annos ; na ra do Vi-
gario n ao.
c^" Urna negra que faz todo o servico de
urna casa ; as 5 ponas D. ai onde tem laai-
pio.
KS^ Um bom canoeiro sem vicio com
sua competente canoa de carreira ; na ra do
cabug D. 5.
Esy Ulna morada de casa terrea no heco da
rbeira da Boa vista n. 8 com chaos proprios ;
a tratar com o Tenente Coronel Varejo ou
com Manoel Claudio ofRcial de pintor em fora
de portas.
XST Um moleque de idade de 15 annos,
ptimos para aprender oflicio} na ra de agoa
terdes D. 10
ES'* Um cavallo ala/.ao carregadore pas-
sageiro 5 11a pracinlia do Livramento D. a6.
SSW Urna casa terrea sita na ra do cal-
dereiro acabada a pouco de se fazer obra, e
urna meia agoa na travessa do pocinho; a tra-
tar na ra de agoas verdes casa terrea n. Zj.
ES?" Urna das niel huios vendas do pateo de
N. S. do Terco D. 9 com muitos commodos
para familia a saber ; urna sala de assisten-
cia urna alcova um hora solo com janelas
para lora cozinha fora e cacimba ; a tratar
na inesina.
ss?" Urna casa terrea de pedra e cal, com
6 quartos, duas sallas quintal murado, sita
no melhor local do poiso da panella ; na pra-
cinha do Livramento n. 29.
Kr Taboado de pinho a ao rs o p esco-
llado a vontade do comprador ; atraz do the-
atro a dimite do sobrado do Sr. Manoel An-
tonio a fallar com Joaquina Lopes de Almei-
' da caixeiro do Sr. Joo Vialheus.
%j" Imagens do Milagroso S. Antonio ,
mui perleitas, e bem douradas feiias no
Porto ; na ra da cadeia do Becife n. 16.
tW Urna excellente morada de casa terrea
mui bem edificada com porta de couxeia ,
: paredes dobladas e ja travejada com ter-
no pata grande quintal sita na ra nova da
praia da ribeira com 10a palmos de fundo,
e 61 de frente, a dinheiro ou a praso ; a
tratar na pracinha do Livramento com Hercu-
lano Jos Je Fre las.
E-r Ura si lio com casa de sobrado no lu-
gar denominado Parnameirim de S. Anua,
cujo silio o'erece grandes vantagens em ra-
zu de ter grande baixa para capim e muito
prximo ao rio capihanbe tem um grande
pomar cora mais de 000 ps de arvoredos tudo
a ra e plantado de novo e algumas arvores
estrangtiras ; a Halar na ra da cadeia velha
Dcima 3o,
ES*- Urna negriuha de idade de la annos,
engomma cose e faz lavarinto ; na ra do
collegio venda da quina defronte de palacio se
dir.
Escravos Fgidos___
Fugiro duas prelas urna de iiome|
Joanna em i838 no mez de Dezembro esta-
tura baixa creoula, cheia do corpo re-
presenta ter de idade 4 annos cara corapri-
da com falta de denles tem um braco ale-
jado o direito, que nao pode levar a boca, mas
faz todo o servico com elle, falta-lhe urna
unha em um dos dedos do p direito, foi vis-
ta em Dezembro do auno p. p m S. Jos de
pojuca : a outra de nome Victotina fgida
em a^ de 'Janeiro do crrante anno alta ,
corpo regular cara comprida de idade de
5o annos sabe-se que foi seduzida e que
est oculta neita praca ; roga-se a todas as
authoridades policiaes e capites de campo
& pprehenpdes das escravas, que se pagando
todas as despesas se gratificar levando-as a
ra do Livramento defronte da torre da Igre-
ja D. ao no primeiro andar
tSF" Da fazenda macambira termo da Villa
de Pesqueira Comarca do Brejo da Madre de
Dos, fugio um creoulo de nome Joaquim,
de idade de 3o annos, estatura alta, cheio
do corpo pernas grossas f'la algum tanto
rouca escravo do Medico Brito ha indicios
que veio para o Recife em companlia de um
preto pedreiro morador nesta Cidade e que
agora reside na Villa do Brejo da Madre de
Dos ; quem o pegar leve ao atierro da Boa.
vista residencia do mesmo Medico ou a
Villa do Brejo ao Prefeito da dita C o na rea,
que ser gratificado com 5j,ooo.
fST No dia 19 do crrante fugio iln es-
cravo de nome Antonio de naco S& il al-
tura regular grosso do corpo cor piola,
orelhas pequeas e dobradas para dentro no
braco esquerdo tem urna marca de ferro re-
dondo os dedos da mo esquerda um tanto
encolhidos tem dous annos de trra bem
fallante levou camisa de madapolo e cal-
cas de brira aqueta de riscadinho rouxo ,
e chapeo de seda ja uzado ; quem o pegar le-
ve a ra de agoas verdes D. a5 que ser re-
compensado.
HT No dia a5 do corrente fujio urna es-
crava de nome Benedicta de idade de a5
annos secca do corpo cor bem preta olhos
grandes beicos grossos cara redonda tem
urna marca na testa levou vestido de chita
desbolado panno da costa e coutas encar-
das no pescoco foi encontrada no caminho
de Tigipi lugar para onde costuma ir; quem
a pegar leve a ra de agoas verdes D. 33 que
receher 20.000 de gratificaco.
tZW Fugio no dia ao do corrente um ca-
brinha de nome Januario baixo grosso ,
de idade de 18 annos levou camisa de al-
godozinho calcas de riscado bastante suja ,
tem um signal na fonte esquerda desapare-
ceo de Oiinda no mencionado dia as 5 horas
da manh quem o pe;ar leve a ladeara da
S em casa de Camilo de Mendonca Furtado
que gratificar.
CJ Fugio no dia a de Fevereiro um es-
cravo creoulo de nome Manoel cor retinta,
cara redonda e com alguns signaes de be-
chigas este escravo veio da Paralaba e su-
poe-se ter fgido para aquelle lugar na com-
panbia de um cabra capitvodo Sur. Freneis-
co-Martins de Lemos que ugio tambem no
mesmo dia quem o pegar leve a ra da ca-
deia casa de Vlc Calmoul & Companhia, que
gratificar generosamente.
S2?" Fugio no dia 28 do corrente urna ne-
gra da costa de nome lacinia de idade de
anuos, estatura regular, meia fulla, ros-
to todo talhado, muito fallante .levou saia
preta vestido de chita branca e outra saia
ele chita encarnada e com um laboleiro de
pinho novo sem ser pintado ; quem o pegar
leve a ra da Cruz do lecife D. 4^
(SO No da 3o de Junho p. p. fugio um
negro de nome Ignacio de naca. congo, es-
tatura regalar bstanle preto olhos pe-
queos secco do corpo ps pequeos, den-
tes limados, levou calcas de brim com boleos,
camisa de algodo trancado ; quem o pegar
leve a ra du Vigario n. il, que ser re-
compensado*
re^ Fugio no dia i do corrente urna ne-
gra de naco Moxicongo, de nome Maria, de
idade de ao anuos levou camisa de algodo-
zinho e saia de chita encarnada uzada panno
da costa cheia do corpo peitos grandes, um
papo no pescoco da parle esquerda e um si-
gnal de fenda na testa e signaes pelo cojole
de venlozas ; quem a pegar leve a fora de
portas na venda de Diogo Rodrigues que gra-
tificar,
tjr Jos por alcunho contra metade he
canoeiro tena as peinas muito lorias para
dentro estava vendendo agoa,na lingoela, lu-
gio no dia 19 do correute ; quem o pegar le-
ve a seu Sr. na ra do trapiche defronte do
caes da lingoela D. 10.

RECFEIiNA TYP.DEM.F.DE F.-184


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EBI0COK6L_T6MQOZ INGEST_TIME 2013-03-29T18:11:23Z PACKAGE AA00011611_03561
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES