Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03549


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Annode 1840. Qarta Feiiu
_Tudo agora, depende de nos meimos; da nossa prudencia, modera-
do, energa : continuemos como principiamos e seremos acontados
eora adrairacao entre as Nac.es mss cultas.
*
Proelamacac da Assemblea Geral do Bratil.
ncsia
SnbscreTe-se para esta folha a 3ffooo por quartel pagos adiantados
esta lyjK>graha, ra das Cruzcs ). 3, e na Praca d^ Independencia
ns. 7 e 38, onde se recebem correspondencias legi'lisadas, eanr.nurios
m.nndo-te estes gratis, sendo dos proprios assignantes, e viudo assigi
Partidas dos Correios Terrestres
Cidadeda Parahiha e Villas de sua pretencSo.......\
Dita do Rio Grande do JNorte, e Villas dem..... \
Dita da Fortaleza e Villas dem............., ^g- e Sextas feiras.
Cidade de Goianna.....................)
CWade de Olinda................7.7/.'. Todos os dias;
\,lla deS. An.o ........ ............Qinlas fejhis>
Dita deGaranhuns ePovoacao do Bonito.........lo, c 24 de cada mes
Ditnsdo Cabo, bennhaem, Kio Formozo, e Porto Calvo. 1, 11, e 11 dito dito
Cidade das Alagoas, e de Macei............I,|cm dem
Vla de Paja de Flores.....................Idem j3> dit di(0
J ocios os Correoi partem ao meio dia.
15 de JuTiTioI Numero 152.
CAMBIOS. Jumo 14.
Londres..'.'... 30 d. por fooo ced.
Lisboa.....>. 70 a 7 por 0/0 premio, por metal oJereeido
Franca....... -ig reis por franco.
bio de Janeiro ao par.
Gimo Moeilasdc 64oo rs., Velhas fifi a HJToi
> A'1 m .. Novas iJmo a iij5oo
\
Ditas > de ifsoo vi., fitoo
PI'.ATA Pataces Iti.-.iieiros--------------l?66a a
Pezcs Coluinnarios---------------- ifrjoo a
Hitos Mexicanos------------------- irrito a
Minda--------------------------- i#i4o a
Descont de liilhetcs d'Aiaiidega I 1/8 po too ho mez.
dem de Letras ^ i|J por boas firmal olTercido.
Moeda de cobre 3 por 100, de disc.

89700
1JB80
lf>7o
I fffio
P11ASES DA LA WO MEZ DE JULIIO
Quart. cresc. a 6 as 11 h. e 43 m da man.
La Clicia ai4-as 3 li. e 10 ni. da larde
Quart. ming. a h as 4 h. e i m. da tarde
La Nova a 28 as 7I1. e Sin. da tarde
Aare thtim para o dia 15 le Jul/to,
As 5 horas e 18 minutos d manh.
As 5 horase \' minutos da tarde.
Das da Semana.
|3 Segunda S. Anacleto P. M. Audiencia do Juiz de Dircitn ila 1. r.'
4 Terca S. Boavculuia 1!. llelacio e Audiencia do Juiz de Dir.ito da
1. vara.
15 Quarta S. Cantillo de Lcllis Audiencia do Juiz de Direilo da
3. vara.
G Quinta S. Triunfo da Santa Cruz Audiencia do Juiz de ireito da
2. vara.
17 Sexta S. Aleixo. Audiencia do Juiz de Direilo da 1. vara.
18 Sabbado S. Mariana V. Relaco e Audiencia do Juiz de D. da 3.
vara.
ig Domingo O Anjo Custodio do Imperio.
RIO DE JANEIRO.
CMARA DOS SRS. SENADORES.
Sesso era 19 de mato de i84o.
Presidencia do Snr. marquez de Paranagu.
Depois de approvada a acta e lidoo ex-
pediente-, e alguns pareceres decommiso
entra em primeira discusso a resol nefo an-
)i 11 ll.indo boma lei provincial do Maranho
que snpprime o lugar de juiz de orphos.
He approvada em primeira discusso
Entra em segunda discusso a resoluco
approvando huma penso ao marquez do Re-
cife.
He approvada em segunda discusso.
Entra em primeira discusso a resoluco
concedendo huma tenca ao tenente coronel
reformado Ancleto Jos de Souza Castro.
He approvada em primeira e segunda dis-
cusso. '
Entra em primeira discusso a resoluco
coneodendo huma tenca ao tenente coionel
reformado Jos Joo Marques de Carvalho.
He approvada em primeira e segunda dis-
cusso.
O Snr. Mello e Mattos pede a nalavra pela
ordem e faz algumas observacSes sobre hu-
ma inexaclido que encontra no seu discurso
publicado no Dispertador. .
Entra em primeira discusso a resoluco
approvando urna tenca comedida ao coronel de
cavallaria visconde de Castro.
He approvada em primeira e segunda dis-
cusso.
Entra em primeira discusso a resoluco
approvando a tema concedida ao tenente coro-
nel Cypriano Jos de Almeida.
He approvada em primeira e segunda dis-
cusso.
Entra em primeira discusso a resoluco
concedendo huma tenca ao coronel visconde da
Praia Grande.
He apprevada em primeira e segunda dis-
cusso.
Entra era terceira discusso a resoluco
concedendo 10 legoas quadradas a huma
companhia de colonisaco na provincia do
Cear.
He approvada em terceira discusso.
da casar, tendo o throno declarado que ta-se de dar ao esposo de S. A. qualilicacOes
liavia chegaiio aoccasio propria, a asseml>lea quenada lem cora o apanagio.
de vi a tratar de designar o dote Julgaqueo O Sr.r. Mello e Mallos diz que os casamen-
projecto em discusso nada tem com o projec- tos das princezas devem sempre ler em vista
to apprescntado sobre a mr'"*''-' J:-*--------
isso vota contra o adiameato
to apprescntado sobre a maioridade e por dous intereses, o da familia e o da naco. jtil-
mo o de hnm enfermo e nao deseja que o
imperio do Rrasil seja despedazado deven-
do ser na opinio do nobre orador a mola
real da monarqua do novo mundo. O obre
senador julga intempestiva a discusso do
projecto em questo. Diz que na discusso
do projecto ha de diser quanlo sentir hade
arrancar as mascaras aos tartufos politicos.
Observa que projectos vitaes e que tantas
veses tem sido recoramendados pelo throno,
esto postos de lado. Entende que a desig-
nacaododote implica a imposico de tribu-
tos equeporisso cumpre esperar que a c-
mara temporaria adopte primeiro bum pro-
jecto sobre o mesmo assumpto a fim de ser
depois submetulo consi(lracao do senado.
Nota que lendo o discurso de bum nobre
deputadovira que dissera que pessoas ras-
teiras se approximavo a pessoadcS. M. ; i-
gnora quem sejo essas pessoas rasteiras ; jul-
ga que as pessoas incumbidas da educacode
S. M. nao consentem que se approximcm
Jelle pessoa's rasteiras, O nobre orador nar-
ra as circunstancias que dei o lugar : appro-
vacao do projecto em primeira discusso re-
fere a admiraco que Ice quaudo o vio
dado para ordem do dia, falla largamente so-
bre o estado do patz e concille votando pelo
R.liomonln
O Snr. Vergueiro aindaqne esleja acos-
tumado a fazer pouco caso dos argumentos
tirados da constituico porqne ella serve pa-
ra ludo lodavia responder a hum argu-
mento apresentado na casa oontra o addia-
mento. Observa que fundando-se este argu-
mento em diser a constituicio que a assem-
blea marcar o dote quando as princezas
hotivcrem de casar, elle orador ve nacons-
tituico determinado o quando que no caso
de apprasimento do imperador. Ohserva pressao mmwMg | .>-... wn< ......-..
que o recente, representando a pessoa do im- a constituido que determina que o casa-, estuda a materia tanto-mais embarazado se
peradorUsomenle comochefe do poder execu- ment seja feito a prasimetilo do imperador;! acha. Observa que pelo artigo 1. se autlio-
_-___r,\^ .Un ^ca inMcimcnin mi I tm ontrot'iuitn me n artigo diz ser liilo so- risa o overtio oara lser o contrato, qundo
isso vota contra o adiameato ga que o aprasimenlo deve existir tanto 110
Posto a votos nao he approvado o adia- casamento da princeza imperial como de ou-
mento. Ira princeza. Entende que o artigo 1. be a-
O Snr. Vaksqnes manda a mesa huma e- peinslium introito 'tijodesenvolvimento lie
menda supprimindi) o artigo 1. apresentado na < Iassiicacao das bases, as qnaes
O Snr. Mello e Mattos nao sabe qual se-, podem sar modificadas, embora p.tsse o 1. ir-
ja o fundamento da emenda suppressiva : ligo, o qual lie to simples que dever.i ser
diz que se nao be ao governo a quera cora- aporovado sem discusso.
pete esse negocio, deseja saber a quem elle .O Snr. Paula Allmquerquc vota pela e-
compete -' mea la sppressiva.por julgar o artigo in-
O Sr. Vallasques nota que disendo a cons- teiramente ocioso.
tituico que a assemblea marcar,! o dote o O Snr. Vergueiro entende que dcvemla o
que compete a assemblea geral be designal-o, consorcio ser feito a aprasimento do impera-
ese o governo encontrar embaracos repre- dor logo que a assemblea geral estabeleca
sentar. as bases vem o consocio a ser feito a api asi -
O Snr, Mello e Mattos insiste em a desae- ment nao do imperador, mas da assemblea.
cessidade da suppresso. Entende que nao he redundante a evpressao
O Snr. Lopes Gama observa que em lo- a aprasimento, por quinto lia grandes ra-
do o caso, que seja o imperador maior ou ses de iuteresse publico que exigem essa cau-
me.nor sempre o contracto deve ser feito pelo tela. Vota cont'a o artigo, ale- porque diz
governo, ou por bum agente do go.erno. que ascojidiccOes de que falla n projecto Bao
ola as dfiuldades que encontrar o diplo- essenciaes celebraco do contracto ; c com
mata incumbido dessa ncgociaeo, se por ven- elleorador asnojulga essencaaa porisO
tara nao for usiabeiecido o apanagio antes de nao pode ajiprovar a doulrina do artigo em
se fazer o contracto. discusso.
O Sr Vallasque observa que estabelccen- i O Snr. Mello e Mallos entende que a plira-
do o artigo 4. que o governo fica autorisado se a aprasimento do imperador be re-
para lser as despesas com o diplmala que diindantc porque o casamento n"o s da
tra do casamento o artigo 11 torna-se re- princeza imperial como de q-.ulquer ou-
dundante. Observa que a duterminaco das tra, deve ser feito a aprasimento do impe-
hases vai eoibaracar a negociaco por isso rador.
que elle nao se poder faser se nao adotando
restrictamente as bases apontadas
O uobra senador insiste nos seus argu-
mentos e conclue volando pela doulrina. do
-""k-'..... .------------ 1--------------
O Sur. Vergueiro nao votara pela sup- artigo.
nressao mais contra o artigo que vai ferir Snr Hollanda Cavalcanti quanlo maii
ment nao be para casar ou deixar de casar,
mais to somet te se refere qualidade da pes-
soa. Observa que nao se tem encarado a ma-
teria sob seu veidadeiro ponto de vista ;
que nao se trata do casamento, mais do dote.
O r.obre senador enlende que as duas hypo-
Iie appro^iiua trlll leneiru uiaiuum/i ---- .
Continua a seg6nda discusso do piojee- *^*^fZ!*'
. 1 .'c A Snr. afelio e Mattos
to AC sobre as bases do consorcio de S. A.
I. a Serihora D. Jauuaria e bem assim o
requerimento de addiamento at que seja dis-
cutido o projecto sobre a maioridade de i).
M.l. .
O Snr. Saturnino declare-se contra o ad-
0 Snr. Mello e Mallos d algumas ex plica-
roes, observando que necessidade nenhuma
jia de se tratar do lempo e da pessoa, mas to
somente do apanagio, o qual deve sempre
ser determinado, quer o imperador seja mai-
or, quer menor. Nota que o casamento da
Obnr. ^l'"'n0idec;arEXe7;lo ,,a bl mperlno pode ser feilo era bum
d.amento, por quanlo disendo o artigo na p" P P- ^ q
que quando os princezas bouverem de casar
a assemblea Ibes designar o dute, deve a de-
signaco desle ser anterior a celebraco do
contracto, al porque a natureza do dote de-
ve muito influir na sua concluso. O no-
bre scuador procura demonstrar que tendo
chepado a poca propria para se tratar deste
consorcio, o adiamenlo alera de desneces-
sario, se torna inconstitucional. Conclue ob-
servando oue em quanlo nao forera apo-
sentadas n casa rasoes era contrario, conti-
nuar a votar contra o adiaroento.
O Snr. Cosa 1< erreira levanta-se para dar
as razes pornue pedio o adiamento. Entende
que o projtcl sobre o consorcio das augustas
punceas deve ser allistado entre os pro|ectos
i^B ct necis; diz que o eslado do pas leo-
mez nem em dous ; que estando o augusto
Inndador da monarquia em OOtras circunstan-
cias, nao pode effecluar seu casamento, quan-
do quiz passar a segunda nupcias seno de-
pois de tres anuos
O Snr. Vergueiro observa que, sempre
que exisle imperador o consorcio deve ser
leilo a seu aprasimento ed algumasexpli-
eacoes sobre os argumentos que apresentara
err abono de sua opinio.
O Sur. Paraizo nota que tendo sido aggre-
dido por haver dado cara ordem do dia o pro-
jecto em discuti jnlga dever defender-se
Procedeo dessa maneira porque julgeu 0 pro-
jecto de muia ulidade para o paix. Emen-
de que cumptimeiilo a assemblea designar o
doluquendoas uguUi princeiM bouverem
suppe, que nao lem so lugar quauuo 1 qm-. o trato de negocios p.............................
lidade da pessoa, e como elle orador nao quer lia imperial. Observa que o casamento deve
privar o imperador, c o imperador em meno- ser leilo a aprazimenlo do imperado e se o
ridade de huma prerogativa sua por isso nao for nao baver questoes quanlo a suces-
vota contra o artigo. ,'so? Diz que S. M. est boje sob buma tti-
O Sr. Mello e Mallos entende que o apra- | lela que nao gorenia a sua casa, e pergunta
/ment de que falla a constituico nao se seno be possivel em lies circuntiuei 11 hi-
pode referir seno a escolba mas nunca ver o aprasimento de S. M. ob e subrepticia-
natureza do apanagio competilo 18 M. mente. Enlende que se se trata de estauele-
odizer, quando elle nao seja adequado que cero apanagio que o estabeleco, mas que
nao be suficiente para se clloctuar o con-:nSo so principie por autor sar o governo para
sorc0 faser o contracto. <> nobre orador declara vo-
0 Snr. Lopes Gama entende que o artigo tir pela supressiodo artigo'.
UOio deslroe o principio do aprasimento ,j lie aprovado o artigo.
por quanto elle nao lem por fim seno estabele-' A discusso (ica adiad 1 pela hora, e o Sar.
cer as bases do consorcio as quaes deviso ser presidente d para ordem do dia eulre oulras
apresentadas ainda que o imperador fosse materias a primeira discusso do projecto ds
maior. Julga que est sub-entendido que lei sobre a maioridade deS. Al. I. levanta a
o consorcio dve ser feito a aprasimento de S. sesso.
M. o qual deve sempre ser consultado.
O Sur. Vergueiro louva muito estes sen----------------------------------------------------
tmenlo do nobre ministro mas nao sabe se o |* |<] |^, jV \ 31 UCO.
imperador est t caso de fazer cumprtr sua j
vontade e basta sjo para elle orador suppor i
que se pode fazer esse consorcio privando-
se S. M. de huma prerogativa que llie con- !
(ere a constituicio. Jlga 1ue ^ ^- ,liio''
pode dar o seu aprasimento
GOVERTO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 11 do crrante.
Cilicio Ao Inspector da Tlie/ouraria das
u,|n,eUw, porque estii a- Rendas Provinciaes, communicando-ltw que
habilitado dse pronunciar Icgalmentc no- Presidencia lemnomea l;; Wa?m-
dendn de.-t'arte o governo contra suc vontade el Marioiio .le Mello IV'cao p o'Empregii
lser o casamento. Observa que nao se tra- de Inspector da liirreira mandad 1 e>ub.ilcct'
ti a do tpanagioi porque, alem delle, tra- no lugar do Gi pit.
1
L


DIARIO.^ D R PERSAMBOCO
SMSSSBSSSSSSSI
l;i ; cor So foi iri ;ida ao Admi-
nistrado! Fiscal ras Publicas, cao Ins-
pector Geral, ordeando a este ultimo que
faca por nos sonsos as cautelias da referida
Barrara-; c ultimar a obra que nella falta.
Dito Ao Commandante 'la Companhia de
Operarios approvnndo o Contracto por elle
feito con o Revereojo G'uardio do Convenio
de Santo Antonio sobre o entenamento dos
Cadveres dos individuos da referida Compa-
idii i nio Convento.
DitoAo Presidente da Cmara Munici-
pal do Piio Formozo approvandoa nomeaco
que fuera de'Joanun Theodora Lias para
substituir na regencia da Cadura de primci-
ras Lettrs de meninas respectiva Profes-
sora durante a sua enfermidade.
Dito AO inspe tor da Thezonraria das
RendasProvinciaes ecmmunicando-lhe ocon-
teudo noofficio precedente!
Igual communicao foi dirigida ao Direc-
tor do Liceo.
Dito A Cmara Municipal de Nazareth ,
respcnduido ao seo (!,;cio de i i do mcz p. p.
soilicitando a creacSode urna Cudrira de pri-
meiras Leltras para meninas n'aquella Villa ,
quecm lempo op i ser tomada na con-
sideraco divida a mi icpresenlaco.
Dito A mesma respoudcndo-lhe que op-
porlunsmente serao dadas a.s providencias
que pede em seo officiotdj o de Juoho ultimo
para a cooslruccao da Cadeia d'aquella Villa!
Portara N'ameaudo aoCidado Joz Cle-
ncnte Rodrigues Doro, para o Cargo de Sub-
Prefeito da rreguezu do Altinho Termo da
Comalia de Garnbuna.
Oflitio Ao Prefeito da Comarca de Ga-
ranlis comniouando-llie a nomeaco supra,
e enviando-lhe o Titulo do JNorneado a fim de j'
o laier entrar logo era exereicio.
Dito Ao mesmo Exm. S:ir. devolveu-
do-lhe a tabell.i do valor d is Etapes For-
ragens no presente semestre, e significando-lhe
que lie pareca conveniente em vista dos pre-
cios dos gneros no mercado que a ID tape lus-
se de aoo res diarios e nao de ifcfi res.
Dito Ao mesmo Exm. Sur. ponderan-
do-lhe que para cumprimento do seo despa-
cho de 6 docorrenle era de mizter jue fo3so
presentado no quarlel do Hospicio as lo lio-
ras da manlia no dia i5 o soldado de Mari-
ana Antonio Bernardo, a fim de ser pela jun-
ta de saude inspecionado.
Dilo Ao mesmo Exm. Sur., requisitan-
do-lhe 3o cipotes dos que pertencerao a ex-
tincta Companhia montada do Corpo de Po-
lica para serem fornecidos ao Esquadrao
N. 4 pois que os soldados destinados or-
den ancas linho del'e suma precisao. Con-
clua instando pela satisfaca dos Clarinetas
pedidos em oficiu de ib* de Maio ultimo.
DttO-Ao l)r Presidente da Junta de Saude,
para que no dia i5 do correte inspeciouasse
o soldado de Marinea Antonio Bernardo que
Ihe seria apresentado devendo dar ca sepa-
rado o seo parecer para ser levado Presi-
dencia.
PortariaAo Teen te Coronel Comraan-
dante do Deposito, mandando excluir do
mesmo com guia de passagem para o Esqoa-
daq n. 4 deCavallaria Ligeira, o soldado An-
tonio Fernandos d'Oliveira.
DitaAo Major Commandante interino do
Esquadrao auihorisando-o a receber com
guia de passagem para o mesmo o soldado
mencionado na precedente Portaria.
Diversas Re partido es
^ COMMANDO DaS armas.
Bxpediente do dia 7 do corren te.
ObVioAo Exm. Presidente, commu-
ncando-lhe baver procedido a nova arrema-
taeo d'-s medicamentos precisos ao Hospital
a. ntal >:t conformidad! cem as dispo-
t2 do i i egu lamento de 17 de
Feverein I >. e conferido o fornecimen-
i ao Boticario Jos da lloxa'Paranhos com
.1 estabelecida na ra estrella do Rosario ,
por 5l por ojo menos dos precos lansados
no Formulario sob as mesmas condiccoes
que fon 1 |fi remedios o anterior Ar-
Que por lano tivesse a bondade
de passar suas ordena a Thesouraria a fim
t'.o faser 00 novo Arrematante os pagamentos
trimensaes designados no contracto celebrado
a de Fevereiro deste auno.
Ao liaSpCt lor do Arcenaf de iVari-
n!:.; signifi ando-Ihe que d'ordem da Pre-
deucia Ihe seria apresentado um Inferior do
3. Batalho para tomar conta d'Artilhe-
ria de bordo da Escuna de Guerrii Fidelida-
de 9 em substituido ao Cabo que tal empre-
TRIBUNAL DA R1LL\C\0.
Sessaododia i4deJu!!io do iB'io.
Os Embargos de lnnoceneio da Cunlia Goi-
annl, contra Manoel Txeira Barcellar ; na
cauza ie Appellacfio Civel desta Cidade: Es-
crivfio Ferreira, foro desprendes mandndo-
se comprir o Accordo embargado.
CORREIO.
A Galera Flor do Rio Grande de que
Mestre Joz Ferreira sae para o Rio de Ja-
neiro no dia i(J do crrante.
A Sumaca Conceio F'or do Mar recebe
amala para o Cear no dia 17 do correte SP" ,u8ar
' ... ,t.; wummmamiaammmmm
Dia 1 \:
IHm. e Exm, Snr.Partecipo V. Exc.,
que foi hontem presa p?lo Commissario de
Polica do. Atterro dos A Togados a parda Ro-
mana M'iria da Cjicei'o por ser ebria e
de pessima conducta : foi recolhida a Cadete^
assim como que pouco depoisdo m?io dia foi 1
assassinado no luga Jo Aterro de Motocolom-
b, junto bomba, por dois sugeitos desconbe-
cidos armados de chuco e faca Riiinuu-
d> Gomes da Eonceca pdenlo osassassinos
retirar-se salvo por nao haver entao no
dito lugar quem os perseguisse se un lo
informa o respectivo Sub-l'refeito. Mandei
proceder nos term )S da Lci e ordenei"que
se (i/.essem as diligencias necesarias para a
captura dcsemelhantes malvados.
E nada muis consta das parles Jrecebidas.
CONSULADO DE PORTUGAL.
No dia quarta feira l do crrante pelas 10
horas da manha por parte d este Consulado ,
110 Caes da Lingoeta se hade fter Leito de
dous ferros no estado em que ss acharen! pr-
tencentes Barca Portuguesa Bella Peroam-
bucaua, Capitfo Manoel francisco Raraaiho,
Pernambuco 13 de Julh-i da id4>.
O Cnsul Joaquim liaptista .Vioreira.
Publicaco pedido.
Os abaixo assignados obelos do reconhe-
cimento mais profundo nao podem deixar de
dirigir ao Illm. Snr. Peneole C r 1 nel b'ran-
cisco Barbosa ISogueira Paz, ex-Prefeito
d'esla Comarca de 1 aja de Flores seus res-
peituosos e devidos comprimen os, pelo ca-
bal desempenbo, com que servir o mencio-
nado emprego. lluuu causa imprevista u
resolteo d-j.niltir-se peanle o Exm. Snr.
Presidente da Provincia o qual aeeeilando
a demissao houve de agradelr-lhe do modo
mais honroso e lisonjeiro os bous, e 1
ventea servia), prestados com a maior esac-
cao e probidade como se collige do do.:u -
ment junio.
O illm. Sat. ex-Prefeito Barbosa nem
requereo enem jamis pedio, por nter-
venci dos seus amigos o emprego de que
acabou de iemitlir-so. Soubedoseu despa-
cho no momento em que se Ihe presenlouo
Diploma.
Com a inteireza que Ihe he peculiar em
todos os rusos, elle se applicou s funceoes do
pelas 11 horas do dia.
A arrematadlo de diversos fornecimentos, e
compra de alguns gneros que se nao pode
verificar no dia 10 do corrente em consequen-
cia da muita chuva ficaro transferidas para
o da 1 (i do corrente pelas uh. Oque por esta Repavticaose fax publi-
co emvirlude de ordena do Illm. Snr. Ins-
pector.; declnrando-se para conheclmenlo
de quem inleressar que no fornecimenlo de
medicamentos para os Navios fica comprehen-
como em verdade o faria oCida-
mais activo. A impjr-
amizade ms fiel e d 1 gratidao mais perfei-
ta com que os abaixo assignados se compra-
zem de o saudar .esperando dos Gos a pro-
longaciodos seus das J0S0 evangelista
Leal Periquito Vigario Collado em l'lores
do Paia. O Padre Manoel Ferreira Ra-
ballo Aranha Goadjuctor de Flores. Ma-
noel dos Passos Baptisla Jais de ireito do
Crime. Joze Francisco de Novaes Tenentc
Coronel Confirmado de Cavallara. Manoel
Dominguesde Andrade Major Commandan-
le do a. Esquadrao de Carallaria. Joze Cae-
tanoCainira Jaguaribe Major Ajudanlede
Ordens do Cmmando Superior. Manoel Vi-
cente da Cimba Riheiro Major do I. Bata-
Ih > de G. N. de Flores. Joaquim Francis-
co CoelhoCavalcanli Capilodo 1. Batalho
de G. N. Serafina de Souza Ferrar., Tenen-
le Coronel Comm-indate do a. B.de G. Nacio-
nal. Manoel Pereira da Silva, Major da 1.
Legio de Flores. O Padre Joze de Souza
Viagalhes, Professor Publico de Lalim;
Christovo Joze da Campos Barbosa, Capi-
llo do 1. BatalhO de G- N. Joajuim Joze
Pimentel, Commandante do Dctacamenlo
Policial. Andr Barbosa da Cunha Capi-
ladeG. N. Clemente Correia da Silva.,
Tenenle do I. B. de G. N. Manoel Ferrei-
ra da Silva Juiz de Pat de Aloga ns. Joze:
Francisco de Novaes Jnior Capilao d 2
Batalho de G. N. Joo Pereira da Silva,
Tenenle do 1. Batalho de G N. Pedro Go-
mes de Si Cap. do 2 15. de (i. N. Antonio
Jo/e do Campos Barbosa Atfere* do a. Bata-
lho de G. N. Jo ) do Prado Ferreira, Ca-
pilao do 1, Esquadrao de Cava liara. Mano-
el Lopes de Barros, Major Command do 3.
Esquadrao deCavalhria. Mmoel Ferreira
Rabello, Presidentedi Cmara Muoicipal.
Joaquim uonpalves Aires Secretario da C-
mara Municipal. Vicente Ferreira Lima ,
bacharel Formado. Licinio Purcirio NorstonO.
Andrade, Alfares do a. Esquadrao de Ca val-
lara. Antonio Doraingues de Andrade, Es-
cuvao de Orlaos e m iis annexos de Flores.
Manoel de Paiva Malos, Alferes do 1. ji*
de G N. Cosario de Aparicio Pinto Bandea-
ra Escrivo da Collecloria de Flores. Se-
rafim Pereira, de Jess Capilao Confirmado
de Qrdenancas Manoel Joe de Campos \
Capilao Confirmado de Ordenancas. Dtjnoi l
Rodrigues Mari/.. Capilodo 1. B. de G. N.
Docunieuio-IlliJ. rt AttouAuudo.f ff<
icia aosjustos motivos que V. S expen-
dio em seo oficio de lo de Abril ultimo, pe-
eUHdade mais restricta o dislinguio no espaco os quaes W veobngado a pedir muModo
de dous anuos completos. -videncias lugar de Preeito ten ho em regosta a s.g-
ius amigos
D exenta na mesma Escuna, e que se acha dido oque relativo a Enfermara ue Jan-
oresu e iirciiuuciauo.
Dito Ao Inspector da Thezouraria di-
sendo-ibe que hontem se havia procedido a
nova arrematacao dos medicamentos precisos
ao Hospital Rgimenlal, eque o fornecimenlo
/ (..:. ... i'. ,.,.,.:.^ ,lo Rnva Para
foi conferido ao iU ticario Jos da Roxa Para-
rom botica na na estreita do Bozano ,
por 5l por o[o menos dos precos lansados no
mulario e (ue tendo-se o novo Arrema-
lujeitado as mesmas condiccoes do seo
piedece&sor, ehavendo sido a arrema tac o
ieila peioniesi!o i ormulario da arrematacao
passada dejxava de enviar-lhe copia do mes-
mo, e do termo do novo contracto, que prin-
tipiavuu ter boje mesmo vigor.
Dilo Ao lommandanle interino do 3.
Batalho dAnillieria ordenando-lbe que
boje mesmo mandasse apresentar ao Inspector
no Arceoal tleMarinfaa um Inferior que se
ia encarregar d'Artilheria de bordo da
becuna de Guerra Fidelidade.
Dito Ao Commandante interino da For-
taleza uo Brum disendo-lhe que poda
fiermeltir que ora da Fortalesa passeasee o
preso Manoel boaventura Ferraz sendo a-
c 00 pan hado pelo Ajudante 011 por elle
Uommaudanle >uranva do dito preso.
dem do dia 8.
Oficio Akxm, Presidente, sobre a
uiifiear-c com uigencia o
o na parte somente que de-
Cavallaria, a btn
ooEsquadrtol.04de
La*afta. casodimposs,-
li(ii e no quintal do quarlel do
cxiacapasdconterosCaval-
|a forradones-
1 que a Coxis de I al teio
ia.
uha. Inspeccao do Arsenal de Mariuha de
Pernambuco 11 de Julbode l8|o
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
Secretario.
O Arsenal de Mariuha recebe as pessoas
livres que se queiraoempregar na qualidade
de Serventes apresentando-se pira eSM fim
ao IHm. Snr, Inspector, d'urdem de quem
se faz o presente annuncio. Inspeccao do
Arsenal de Mariuha de Pernambuco j4 de
Julbode 18 o
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
Secretario.
PR EF El TUR A.
Parte do dia i3 do corrente.
Illm. e Exm. Snr. Foro hontem presos
pelo Snb-Prelello da Freguesm do Reeife o
pardo enrique Monteiro de QueirOt por
eslar ebi i o e andar vagando tarde da noile ;
fui detento no Calabouco : i>or um Soldado
do Corpo 1 olicial, o Portugus Domingos An-
tonio Pereira por ter dado urna bofetada em
um'menor segundo a queixa de seo pai ; foi
recolhido Cadeia : por outro Soldado do
mesmo Corp o pardo Lourenco de Barros
Monteiro, por ser encontrado no lugar da
Ribeira fiirUndo um Gavillo perlcncente a
um malulo i leve o mesmo destino: pele Com-
roissario de polica do d.sinclo da ra da
Praiaonrcto Joaquim escravo de Mam da
Luz., orsappoUa fgido e andar-tarde da
noile ; remeltido ao Sor. : o peto Comfussa-
1 o de Polica do Atierro dos A logados a par-
da Tberexa Mara da Conccicao por eslar
bastante ebria insultando ja vUnhanca em
Ofueesl haliiln.ida : foi IWlb idea.
Das^artM wcebidas nao consta que occor-
jc.-.-e mus novidide.
, nem os lucos do wngue o
Dodrao laucar jamis do equilibrio le
Firme em seu ponto nico, elle soube faser
asna Polica espeitada. A Villa de Flores
contida nos limites da moralidades e dade-
ceucia deixou de escutar vozerias e insul-
tos de pessoas mal educadas cessando intei-
ramente as casas dissolutas as algasarras, e
dancasestrepitosas que out'ora perturbavd
as familias honestas. De igual modo elle sou-
be couler osiiandoleiros. e vadlos.
Cbumouesla Villa a hum perfelto estado de
orden e de tranquilidade fazeodo desap-
parecer de todo o uso das armas prohibidas,
e isto anda mesmo para com os viandantes,
que Iransitavao com os seus combois : perse-
j'oio indistrnctamente todos os malfeito-
res : cipturou hum grande numero de cri-
minosos e para realizar seus planos de poli-
ca executou longas viagens nocturnas, sol-
frendo vigilias e incomraodos pess iaes 5 ar-
riscando nopoucas vezes, a Ba mesma
existencia e reservando nicamente para a
sua coragem as operaedes de maior perigo.
Elle remetteo para a Capital, em muilas
occasies bum numero eonsideravel de re-
cudas ; tonteve a Comarca tranquilla, ape/ar
da indiscripeode alguns dos seus habitantes :
auxiliou com a maior eficacia as diligencias
dos Juizes de ireito, do Crime, e Civel
conservou com eslas Autoridades a harmona
precisa para sustentar a ordem : cumpriocom
religiosa xaccoas deliberacbes do Governo;
grangeando por ludo isto a singular* affeicio ,
a estima e a mita le sincera de todos os bo-
nicos probos e nao poucas zes daquelles
meamos sobre quem azia recalar a espada
dajustica.
Ueixando aPrefeitura deixou planos, e
levigailos todos OS caminttos poroo.de o seu
digno Sucessor podesse marchar livre e de-
sembaracado de escabrosidades e tropecos.
Praaaaos Leos, quesempre tenhamos freo-
te da Bdmtistraco policial hum Culadao ,
bum Servcntuario hum Chefe com a pers-
picacia e com a actividade do Illm. Snr. e.\-
Prefeilo Francisco Barbosa Nogueira Paz!
Escute eacceiteelle as felicitaces, e a?
heneaos da sua Patria Escute, e icceite os
votos ingenuos do respeito mais submuso, da
11 i tica r a V. S. que acceilo a demissao, que
di do referido lugar e sentiado profunda-
mente que por taes motivos se. veja esta
Provincia privada de hum Etnpregado to zel-
loso como V.S. eque tantas pro vas lem
dado de seo amor e adtieso causa publi-
ca nao posso por esta occasio deixar de lou-
vara V. S. pelo sello e actividade com
que sempre se houve no exarcicio 4^ mencio-
nado Emprego, cumprindo-me participar-
Ihe que nesla dala hei nomeailo j para o
succeder ao Cidado Leonardo izerra de
de Siqeira Cavalcanle a qaem V. S. en-
tre ir o mencionado lugar lojo que elle
para esse fim ah se appresentar. Dos Guar-
de a V. S. Palacio Jo Governo de Pernam-
buco 1 de Alaio de 1840. Francisco do lle-
go Barros Sur. Tenenle Coronel Francisco
Barbosa Nogoeira l'az.
Ao lllin. Sor. Francisco Barbaza Nogueira
Pas demitliudo-se da Prefeitur* de ^aja
de Flores.
SONETO.
Ergueudo a fronte lmpida ,'e serena ,
Firmado sobre a urna cristalina ,
L sarje o Pajeb e aur divina
Florece a margen deleitosa .mena.
Aljofares golteja da melena :
Surrindo ao filboseu a Ironle indina ,
m doce metro em fiase peregrina ,
Exhalou maosa cantilena.
{' tUerecesle (elle dizj constante affecto ;
As Leis execulaudo as Leis amaste ,
Cqhjoso baaiste o crime infecto, "
f1-' Protejeslea razio, Asua honraste
Probo imeuo fiel, eximio recto
Barbosa Nada mais : islo le basle.
F. F. B.
O SONHO.
Poema Philosophico de Joo Antonio da Ga-
< ma e .Mello Alumno do Lyceu da l'ara-
biba dado luz por alguns seus Compa-
tricios Acadmicos d Oimda.
Em fresca tarde de verao calmoso
ibrio os passos meus dirijo um prado ,
que a relva matiz, esm lte c gracas.
Entao contemplo os Ccos, contemplo a tena ,
Peuso de um feus, da natureza peos,


n 1 A R O D E

5algo do aspecto do Ocano immenso ,
O Trtaro imagino horrendo, e feio ,
Mopsiros sedente*, e sanhudas furias:
Jnlgo tobem de mim, medito o liomem ,
A etherea substancia, unida ao corpo.
Que o corpo dcixa, e qu'immorlal reva
A estancia do praser, da ps estancia t
Do. premio destinado aos bons eu pens ,
Dos castigos ornes a os m:os devidos ,
Dos juizos d'imi Deas.... duvido, e tremo!...,
De tudo pens, e roe confunde ludo.
A humana rasoempr'hende milito,
Ras pouco alcance e da verdade cm busca
Os erros sempre sao partilba sua.
Quero anda pensar; mas eis-me em trevas.
Impervia nuvem que romper nao posso,
Presta a os juisos meus barreira estavel,
K faz que deixe um pouco a phantasia
Vagar mais ln re de arriscada idea.
Apercebo do prado ;io lonjee um bosque :
Ccgodesejo ento me le ve n'ajma ,
Os passos arceero a elle diego,
Quanto h n'este lugar tudo encanto ,
Tudo praseressSo, delicias tudo.
Pblhagem nova as ar\o es revente ,
Qge agita, e move o brincador Favonio.
D'huma collina nasce sobraoceiro
De clara lmpha perennal ribeiro ,.
< )ue com doce murmurio em torno corre.
Hesa o bosque a msica sonora
Das aves, que, cantando, a o gremio tornad.
Sento-me unto alcatifada margen) ,
E a cabeca recost ;: um tronco annoso 5
Logo Morfeu nos olhos me derrama
O sueroso licor das dormideiras J
K o somno encantador de mim s apossa.
V. quanto apraz a mente atk-nuada
Repouso esquecedor d'infaustas tidas !! !
dos su mulos meus maior enlevo
Os transporta dormiodo, eos arrebata,
11,ho ver-me Je plumas revestido ,
Coberto o corpo d'extensivas a/as;
y. etherea manso, soltando o vo ,
INos empirios umbraes chegar illeso.
p e n n a M n v c o


m
'
.TSBrr
-*-*'
Raio de pura.lu me fee os olbos ,
K penetrar mais longe impedoa vista ;
Entad vozes mil caneces divinas ,
Que um pouco absorto e exlactic me torna
Emfim cu m aproximo centre as tutes
Busio encontrar de novo objectes novos
De repente poiem succede, Col pasmo !)
Succede ;\claridade immensa trova ,
Horrsonos Irovoes s doces vo/.cs.
Fri suor ento n inunda o corpo ,
Celado 'i pangue se retem as veas,
Os membros m'intorpece e immovel (ico,
O nauta, quem medonha tempestado
Viu o frgil bitixel espedacar-se
Ta dura rocha e du Ocano abertas
V as cnlrauha a Uagal-o uestes,
KO sent igual terror sentir nao pode !...
Rompe embm urna vos a cujo acceoto
Riis loile quo os Irovoes os Ceos s'abala.
Mortal, assira me diz que tanto ouasle ,
Temerario mortal! Erguer leu vo.
Que o Olimpo sagrado ufano aportas,
Sabe, aproveita pois, sao insensatof
Que a humana raso tem seus limites ,
1- ores limites que transpor nao pode.
Deve acaso um moral, d um Deus a obra
Arcanos indagar da esseitcia sua?
Nao Ibsl acaso lu do p formado ,
Juaneado a o mundo, que o nada eilo ?
A tanto s'elevar o p nao pode.
De vo incerto u queda premio cerlo.
Nao mais s'escuta. !... e sbito se rompe
60b os meus pea a abobada celeste*
De pressa as aza&estender procuro :
Baldado e\'orco meu eil -as inertes ,
Presas esto e a iuevtlavel (ueda
S me deixa esperar pasmo* estrago !!!...
Qual iaio que da nuvem despedido ,
Com forra incrivel vai rom pendo os ares
Tii que na lena com furor s'esconde,
Tal eu lancadode mais alto anda
Na Ierra que se abre queda miuha ,
Fico abismado em hrrido sepulcbro !
Do somno ento d. sperto, ergo-m'i pressa ,
Laucando era torno a mim medrosas vistas.
[ ra i noile e o silencio em ludo
'Reinarse >ia, interrompido apenas
Do sussurro da fonte, ehomveis grasrioa
J>e aves nocturnas que de quando em quaudo
U bosque lodo resoar fazad.
Presuroso sabir d'elle procuro.
Eis-me no prado e do alvergue a entrada 5
Ja posso divisar, suspendo os pasaos.
Nos azulados Ceos os Ihos pondo
Contemplo um pouco e em exlaae divino
i obro os joelhos mea,, as mos levanto,
Os misterios respeito, adoro o Orculo.
Fin.
a desmentir noticia dobloqueio de Palermo I vas lo interior assim como s b^acoes im-.Sr. que : 1.....>ta q 1 mi palidade de Oi-
peosTngletea em data d^ k, porque ha periaos* reaes do exterior. ;i j rezario,
entre Palermo e aples huma .linha telegr- O imperador d'Austria pratic-w huma re Publico f < .
phica que cammunica asnotici em tres ho-
ras, de sorte que se teria sabido em Nap
se os In^lezes se houvessem upproxmado da
Sacilia.
A gazeta de Augsburg segn lo cartas de
aples annuncia que o rei das Unas Sici-
lias cedpndn o-* conselhos da Austria se
"iv. Osoutr is solieran eda Italfc sen r. R >u come unco itrai |
1 tambera que he lempo de cicatrii r as por ,. ,
chartas polticas por hura sabio es .;.> Km :.. | lio com todas
.1......... 1 ft T\ 1 1 1
lo passado.
(Le Tem ia 1
[Do D *p r idor.
LOTERA DA M. \-V|ST\.
mostra disposto a fizer concesses. As cartas O Thesoureiro da Lotera aben das
de Malta suspeita5, pelo contrario queo re Obras da Matriz da Boa Vista, cuia
peitao pelo contrario q
de aples nao tem sido senSo o agente da andao impreterivelmente ao din ultimo do
Austria que, querendo ter huma esquadra corrente Julho declara que os bilbetes eslo
no Mediterrneo aculara o rei de aples
para fater preparativos martimos.
MediscSoda franca naquesto Napolitana,
venda nos logares segmntea : 110 Ke ;ife na
loja de cambio do Sr, Vieira, no-
el Cardoso Aires\ em Santo Antonio,
I 1, a
O Moniteur parisin, folba official, con- de Menezes Jnior ra do Col< io e na
tem a segunte declara^ao a respstto da noti-
cia da mi diaco do governo francez no leligi >
entre a Inglaterra e aples.
Esta noticia he exacta. Ha verdade que
a mediacao foi offerecda pela Franca e ac-
ceita pela Inglaterra ; que as hoslUidades de-
vem ser suspensas durante as neg iciac ;s e
quehum barco de vapor puli para Toulon
para fazer esla proposico ao rei de aples.
Austria.
Pars, 5 de abril. A saude do impera-
dor d'Austria lem produzido inquieta
Com data de 15 de abril seescreve de Vieuna
i) si quinte ;
Acaba-sede saber cora pesar que S. M. o
imperador, leudo gnsado a dois anuos perfi it 1
saude, foi ai' ilem noite accommeuido
posto que levemente da 1 nfermidade qug ou_
tr'ora soffi ia a miado, lioj pon in S:To i
de loo Vloreira Maiques, ra d
. ; c i, i Boa -\ i-: 1 n 1 1', -rro lo 1 de
Manoel de Soma Ripozo ; em cujos lujares
ta nbem se troca por oulr s pn mi.
LOTERA DO SEMIN\RIO.
O Reitor do Seminari 1 de I >li id 1 convi 1
aos amantes de 1. teri.. a a os l>i -
. 11 pi iineira parle da fj. d
1 i mo Sen ':-. 11 o <\v. se aohao .i ven 1 no
to do Recite roa da Gadr-a na loja de
: lo do Sr. \ eir ; em Santo / na
ra rl 1 I abu ; I tja do Sr. na
Boa-Vista, defronte da Vlatriz, botica do
loaquim J ira.
T11EATRO.
Grande Expeot 1 u u de VIr. \ ali ,
ulada a primeira overiti' 1 .
'
laesas melhorasde S. M. que lhe permitira rep 1 'se-baa
deixsr o leito. Entretanto, a ind todo ''' '" 1 e utai
imperador prohibir quesuas -- \ Festa da <:'. 1-:
ssta5em| do lava-pe's, que Mr. Val principiar os seu
lera lugar m.mh pelo modo com que todos "'"' rado n di
os>nnos costuma celebrar-se na quinta lira fes. \lr. Val far quanto em si
santa. A i I ide dos 1 velhos reunidos pa- 1 merecer os aplau lees-
ra esta ceremonia dhuma aomma de 1,0 (g limavel e resp>itavei Publico,
annos, leudo o mais idosp io. eo mais mo-
go 83 ; e por hum singular acaso forma tam-
hem Un na somma de i.og ahnos, a ida le das
do/e m Ihasque tem de figurar na mesma ce-
remonia contando a menos dosa 8 e a
mais velha iov. annos. m querer vender 3o
-----Us estados da Hungra dirigirafi a S. e rjarfos a 1 to a
M. diversas representaces sendo notavel o oilava ido a ,<>, dirija a'rua do
seguinte tpico das que dzem respeil 1 ao re- '> ido de um andar e miranlo.
crutamenlo As po'tenciaseuropeasentretem Quem quizer alugar um roan-
mesrao no seio da paz, exerqitos considera veis, dar, que tem muilo mmodns para 11-
e cadaa estado he obrigado a fazer grandes sa- ma grande familia dirija-se aun da Guia
crinaos para as imitar. Este estado de cousas ^ *3.
nos inspira inquietaces. Semelhante syste- Os_encarregadosda vaceina', parteci
ma be perigoso porque desvia da industria Pa ,!0 respeilavel Pubco que a Reparl
lodos os annos milhares de bracos absorve-Ss da vaceina mudou-se para a ra da II la, 1 1
rendas publicas, augmenta as conlribuicoes econlnua vaceinar :
edest'arle parausa os beneficios da i Al- da dos pelas ghoi
lamente declaramos pois que a Hungra te da? assim le, que
quer conservar na defensiva e g isav das do- '' '- o nao 1 a das de festa das
curas da paz, e em cons os a V. Santos, feriados, nemdecbuvas
,'W. se'digne de a presentar suas reclamacea :s! Quem precisar de mam! ir tecer p ilhi-
potencias europeas afimdeque se eslabele- Inha em cadeiraf e canaps dirija-se a ioa-
ca lium syslema geral de desarmamento. Cre- Vista na ra Velba casa ?.5.
mosqu 1 10 teria ha I o satis-I P feto a este desejo'i ros, se fosse possivel diiiodeSou t, natural do Rio de Ja
de 1 tz, ou extinguir a neiro, ecunbado do br. Dr. Joo Joaquim
ia de movimentos militares, sem apre- Pesjana 5 ecomo ignora-se asua residencia
sentar hum exercito prompto a olear, cuja | nesta'cidade, baja deaununcial-a por-esla
allitude intimide mais do que simples pala- folba.
vras. I le ceno faz a A uslria hum grande sa- O Sr. que annuncion ter comprado a
criGcio anoda a Altemanha conservando em venda de Angelo da Silva drozo na passa-
armas seus exercito*, e pinguen deixar de gem da Magdalena, ditendo estar a omito
1 lempo feixada, nada tem o Arrematante do
consummo das agoas-ardentea de producc 1
aprecia i-o
Amnista na Lorabardia.
As folhas allems depois d terem annun- brasileira com tal aununcio a quem oan-
ciado que o imperador da Austrra ia conceder nunciado se dirigi, e bom ser que venha
boma amnista geral a todos os Lombardo- pagar os seis mezes vencidos na conformdade
\ enezianos compromettdos em negocios poli- da Le, do contrario ser execulado.
ticos, pozeraS este fado era du vida. Quem annunciou querer comprar um
Esle acto complementaiio da amnista con- papagaio bem fallador dirija-se a ra de A-
pollo N. 7 no llecfe ao porlo das canoas.
l'iecisa-rse alugar um siiio perto da
pra a e beirado ro (fue tenha bons com-
modos.- quem o lver queira declarar nest
Typ para ser procurado.
-----Oerece um homem casado com pc-
quena familia para caixeiro, administrador,
cedeo a amnista i maior paite dos subditos do ou feitor de qualquer estabelecimeoto rural,
reino envolvidos em coniuraco* s polil mo comnaurcial, com lano que nose-
Se lodos 1 5comprebendidos nesteaclo, aso seja oes ment Ibra^ desta
cedida o anno | n ido foi com eQeito publi-
cado em fVlitoa 1 y de abril dia de S. Fer-
nando.
Eis aqu o que !mos na Gazeta privilegiada
de Mlo de ig de abril :
Cumpre lembrar (|ue na poca cm que S
M. o imperador cngHo^a coioa de ferro, cou-
otie sttrangeiriM
APLES.
Pars, a6 de abril. Esumos babil
foi) ao que parece, porrj 9 nao sea-
rhavaS na mesma posicoos olbos do gover-
no. Mas boje S der a !i-
vre entra de seus subditos queti-
nba sido deportados huma ei Conceder-se-ha roesmo a e ti s ltimos a res-
tituico dus im|
au iri ic ;' I
depc le |!:1 -v
'
cidade eu mesmo d 1 "> Ad\ 1
le-se que a pessoa qu i a isl) s prope Iqn a
m pretender annun -
ce.
Aluga se urna loja de um sobrado com
ia urna familia. 1 iio-
lal 1 1
. que di'
I falso ; pois se na
de at, 1 :. dentro di
cado Theatro elle nunca fi s
ictoies) ai'- 1 que o Sur. Gamboa
iva de (I ir 01 'ra para que o Sr. Robert
iivese entrada I 1 pl o tixo as
Gn '' llr 1 trabalfa iva
roai -zes ? e '. .'. 1 : 1 qUQ
ind 1 Ir iba 1 1 em ph tal 1 iria e re-
p ir pie nao r intinu iva com a
a ? o Sr. R0I1 rl di ise iu faria mais
, ou tres de Phisca : esl: a un .. cen-
Tsa ( leve 5 ma isto n >.he con-
t, p iiv:. -. ;nou da neui Expecta-
cub 1 1 mais causa algu na ; e a ra
|ue se o priraeiro contracto quecomi-
fez, I :; mi na sorte
na quilquer outro 1 mtraeto que comido f-
, na qudlida le de 1 > d > Sr. i i 1...-
Antonio Lopes llilieiro.
Pe leo no dia 1 do correnta urna
1 roux 1 leu 1 1! nlro u n recil o de -eis
wr ib 'l '..-.: 'i.do p ; preusaiio
i Ferreira e ima .in do m s-
mj para I ra de s isc mcellos .
ie s i n io s iii' i| 1 mi is s
1 1 ach ir p:id al-a a Manoel Be-
terra Cavalcante de Albuquerque, que re-
'':1 m' loi perdida as
Cinco-' .! ;:.
"^ Compra-se o lvro intitulado [nstruc-
ces *obi > 1 Lgica ou i I a l'm-
iha Racional eserptos por Mainel Al-
vares da Cn f Oratoria,
11 ir, .. se a renda 1! 1
ru 1: <>.;.( s-' ven lia p ule apa-
pareci na vo ida L>. io ,
que ;! ''; na Ir,,t "'
Prec i-se lu umi escrava que sai-
1 nher o diario de urna caza e que possa
compras; edJ
de I 400 res por da ou a3oo
.11; na ra do Liwaincnl) armazem dj
louca N. .
Compia-se p.aia eouro semfeti,
, e pi I < proa) annun i-'A^ no i tri 1
,! .4 do 11 rente ; na p cria do Macha I
:; ra Din la I). Si.
O Sr. que annunciou 110 Diario de
: 1 engenh > du Citen ..
ravosa al um delles ti
,-. es! llura regular, o .:
falta'd na frente da pule de cima .
1 ni punta do rju xo com urna marca
is onda alraz d ;
brac rd 1, ico do v >, meio I ild ,
queira ter abo le le o remellar ao l\
na ru 1 paderi 1 >. 10. Este i
90 ch ima se p >9 se pagarS t
asdespezas, alero da .gratificacio aos porta-
dores. .
Quena precisar de alugar umsobradi-
nlio e urna loja alraz li ra .Nova, dirja-
se a ua ova loj 1 '< ferrjgem I). 1 >.
piara ama le casa de por-
11 1 dentro um 1 parda de boa eo 1 lu< ta ; no
beco tapado da ra do Padre Floriano .
j;.
tSP" Precsa-se de allugar huma casa lar-
rea, ou mesmo algum andar de sobrido no
bairro le Santo Antonio, nao excedendo
o seo alluguel de dose mil res; quem a ti'
anuncie ou dira-se a ra da Floreutina s-
tima rasa, viudo da mu lado esquerdo.
r Hum rapaz brasleiro se ofrereco para
caixeiro de ra 1 oquiltem bastante pra
e sab" despachar tanto na Alfandega c
na Mesad is diversas rendas, quem delle pi
eisar aununcie. /
i.,- Aluga-se rectificado de novo um si 1
c im um 1 ;,' ande caza entre o Pombal c His-
po o (pul tem grande baixa para \>ui ita io .
e multo arvoredo; as fallar na uu do vigario
n. 7.
cr Tira-so toda a qualdade de nodoa,,
gordi aicatro,
manleiga ,
azeite
fcando a pesa 1 do panno
que bou vera tal noJoa ;uai
na d la posa cazacas, o Isas 1 te. ; taml
se lira nodoa de ferragem em roupa bran
nao ( po Ja ; o [ireco Ir conforme
irabalbo; na ra do F.igundes no sobrado
do l '>! ~'>^:
ante da f -reja Sai 1 ova das o horas
d man ilo da noile
-----Quem mandar teeer paramo*
em
^ora de Portas sa
.j. dirija-se u ma do
----------Al 1 i' ;


RIO D E
PERNAMBl'CO
-----Arrenda-se um pequeo sitio no lu-
gar (Jos allomados ra do bom goslo com
proporcdes para se fazer grandes viveiros ,
por isso qucdeita os fumlo-i para abnixa mar ;
nuera o pretender dirija-se ao pateo de N S.
do Terco sobrado D. 5.
Da-ee 80,000 a juros de dous por cen-
to ao mez sobre pinhores de ouro ou prata ;
no beco das barreiras na primeira olaria.
A pessoa (jne anonticiou em um Diario
do mes passedo que dasua casa se sumi um
sen fiibo e nSo diz o nome morador na ca-
banga queira annunciar ontravez, decla-
rando o nome de seu lilbo para se dizer on-
de existe.
Anreliano de Pinho Horres professor
publico d'instruccSo primaria da Ireguezia de
S Lourencodi Malta faz publico que tem
sua aula abert na casa onde resida o Snr.
ftlanoel Neto de Souza Bandera.
-----Aluga-se para escriptorio um primei-
ro andar ; quena o pretender dirija-se a ra
da Madre de Dos n. ^4 > lia mesma casa se
vende um braco de batanea com conxas e pesos
- Precisa-se de um jiorlugnez para feitor
de engenho na provincia das Alagoas, que
emienda alguma ecuza do servico deste no
beco do peixe frito i*) \.
- Precisa-se de urna mulher forra que
B&iba cocinhar ; na Boa vista defronte da Ma-
triz sobrados.grandes da quina primeiro an-
dar.
f 0 1)r Ulisses Leones! mudou sua re-
sidencia p;ira a ra nova ao p da ponte se-
gundo andar dis casas onde morou o Snr.
Thomaz Lins.
- A pessna que nnminciou querer com-
prar a gramroatira filosfica de Jernimo So-
ares Barbosa dirija-r.e a ra das florentina
velha lado do muro de S. Francisco casa jun-
to a fabrica de papel a o.
- Precisa-se de um oflicial de carpina pa-
ra trabalhar de orual ou mpreitada a fa/.ex
rodas ejmais perlences para carrocas ; a tra-
tar na casa de Nev do beco do Tbealro at
as 8 horas, e todo o dia na serrara de vapor
no armazem do sal.
- Na ruaestreita do Rozario D. i$ |,or
cima de um marcipeiro ha um segundo an-
dar paraalugar o qualbe proprio para pe-
quena fitr-.ilia ou um homem solteiro.
- JNo sendo-me possivel agradecer pes-
soa! a todas as pessoas que me visitaro na
minha enfermidade ; por este meio patenteo
eterno reconheci ment a os seus obsequios. -
Padre Joo Francisco dos Santos Feitoza.
- Antonio Galiino de Almeida Meudonca
faz publico que a escrava que estava em seu
r bi entregue a seu Sr. o Capilao Ana-
dlo Lopes deS. Anna.
w_ Mr. \ ^!y tena a honra de pariecipar ao
respeitavel publico que elle trouxe do Rio
de Janeiro urna porcao de joias e hrilhantes
e como queira desfazer-se de taes objectos
Acha-se a venda em Pernambueo ra da
cadeia do Recife D. i pelos precos seguintes:
chocolate de Marques \\\o a libra dito de
musgo loon dita dito em pastilba 1000 dita,
dito fino nzual 800 dita.
Antonio Zeferino Ponce de Lion por
~ A Escuna Americana Butterfly de lote
de 114 toneladas novo, de marcha supe-
rior, forrado ecavilbada de cobre, prompta
a seguir viagem para qualquer porto ; a tra-
tar com os seus consignatarios na ra do tra-
piche n. \i.
se retirar para o mallo anda doente sempo-j Um relogio de sahonete patenta in-
der fa/.er comprimento algum de civilidade ,
vai portanto nao s agradecer com pedir a
todos os seus amigos que I he fizero o obse-
quio de vesitar em dita sua molestia, bajo
este annuncio como se o fizesse offerecendo o
seu deminuto prestiro.0.
-----CJuem precisar de um caixeiro portu-
gus para toja de fazendas do que tem algu-
na pratica e mesmo para qualquer oulra
oceupacao pira o queda fiador a sua con-
ducta annuncie.
glez por preco commodo ; na ra nova no
ultimo sobrado ao virar para a ra das flores-,
no segundo andar.
JLe i l o
-- Qtiem fazem Me. Calmont & Compa-
nbia por iutervencao do Corretor Oliveira ,
Potassa Americana e Russiana de pri-
meira sorle em barris peqcenos ; no arma-
zem de Santos Braga ra da Moeda n. 14 E
Umeseravo sapateiro ja de idade ; na
ra direila loja de couros D. 1$.
Urna escrava creoula de idade de 3o an-
nos coxinha o diario de urna casa, lava rou-
pa e he boa compradeira de ra ; na ra
das trincheiras D. i.
Urna canoa de carreira com pouco uzo ;
na pracinhado Livramento loja de fazendas
D. 39de Jos Antonio de Oliveira.
Lmespadim cora bainha e
guarnieoes
de um perteito sortimento de l.izendas nffle- j ,
' c r 1 L de ouro um abito de Cruz de Christo,
zas, miarla leira i5 do frrente as 10 horas ri0liu, t,,i_ 1 1. 1
. 1 i peimente, tamliem de ouro esmaltado: no
damanha, no seu armazem da ra da cadeia. | allerro da Roa v & faI|ap com Francsco
QuezemFox&Stodart, por inter- Domingues da Rocha, que lera loja de ou-
vencao do Corretor Ohveira de urna porcao rives julo de j Lm de uliveira#J
de ferragensgrossas e ou.ras finas perten- __ U(na armaJu .a qualqiier
centesaA.M8ckay&aaiPanhia, venden- eatabelecimento.nolargdTdo Terco D a: a
do-se esla por iiquidacao e por isso pelo i,-atar na mesma.
maior preco que se ollerecer : quinta leira irj m .....
lies prelas mocas de boas figuras co-
no seu
zinnao
engommaa
e lavo roupa e urna
do torrente as dez horas da uiaui
armazem ila ra th senzalla nova..
*^- O Correlor Oliveira vender pelo maior
preco que se offerecer 110 seu armazem da
ra da Conceico n. 3i primeiro andar se-
gunda feira 30 do corrente as 10 horas da
ii;anhi urna grande ponao de fazendas de
fiosto e lindos obieclos da china vindos pelo
13.{;ue Hespanhol sabido deste porto ha da, | ma pa(Jdra um eKnvQ creou,o e 1^
sendo as pr.ncipaes como se aegue^^bolwde presenta 3o anuos de idade bom ferreiro e
do escriplorio de Manoel Joaquim Ramos e
Silva.
-----Charutos da Bahia da fabrica de F.
Groz de todas as qualidades chegados ago-
ra e por preco commodo; em casa de A.
llosch ; na ra da cadeia velha D. 17.
Barris grandes com vinho tinto do
Porto e malvasia e barricas com pregos
cantees algumas com pouca avaria, e dous
arados de ferro patente muito leves e duas
rodas fortes para carro 5 na ra da cadeia Jve-
lhaD. 18
-----4 travs de 4S palmos de comprido ,
1 o a 11 polegadas de face 8 a 9 por oulra
de massaranduba e sapuciia de pilo, di-
tas de 7 palmos par face palmo e torno por
outro de camassari e pitia, toditas palmo
e torno em quadro 4" palmos de comprido
de pao d olho postas no Recife ; na ra
atrazdos Martirios D. 33 a fallar com Miguel
Moreira de Souza Waia.
Charutos da Bahia muito superiores.,
em porco e a relalho no pateo do Collegio
Decima !\.
Urna negra de idade de 30 annos boa
cozinheira e engommadeira ; na praciuha
do Livramento loja do Burgos.
4 escravos sendo duas negras de boas
figuras e d.us negros ; na ra do Vigario
armazem por baixo da lenda de Joa Vei is-
simo.
-----Urna escrava de idade de 2 annos,
co/.inlia engomma cose faz varias qua-
delUs tambera cose d(m7'molequesde~idad HJades de doces e refina assucar na ra di-
de 12 annos ama negrinha da mesma ida- rcaa .ao lado do Livramento.
-----Duas negriubas de nacao de idade de
loa 11 annos muilo espertas e ptimas
de e um negro bom cozinheiro y na ra de
agoas verdes casa ten a D. i-,
-----Urna molata de idade que representa Papa loiJo se':vi? 5. nf r"a velha P""-
5o annos costureira muito boa rendeira : sobrado a dir.la indo da ponte velha para
engommadeira, doceira cozinheira, e opti- S. Cruz das 6 as 10 horas da maulia e das
1 3 da tarde em diante.
-----Una casa de pedra e cal sita na ra de
S Miguel nos atlogados : nesla Typografia se
dir.
Escravos Fgidos
-----Da fazenda macamhira termo da Villa
Sacos com arroz de duas arrobas a 1800 de pCSqueira Comarca do Breio da Madre de
C o 111 p r a s
- Um negro ranoeiro
, que nao sej
a vi-
previne as pessoas que as quena comprar ,
que as dar o mais cm conta possivel ; um
rico hrilhante ci selle quilates, um rico ade-
resso para senhora incluso brincos fivella ,
e tlfinete com vt> hrilhantes um alfinele de
peilo com um hrilhante grande no centro, e
oulrosde roda, um lindo bolo de peilo com
um bullante um alfinele cora 17 hrilhantes
de primeira agoa, outro dito com 11 hrilhan-
tes oulro dito com 9 um relogio de ouro e
vidro tres bol Oes com um brilhante cada um
presos por corrente de ouro, urna memoria
com brilbanle um par de brincos de meni-
na ouro c perolas finas o que vender ou
ludo junto, ouem separado; os pretenden-
tes duijo-se ao theatro.
fo Rio de Janeiro na ra do Rozario,
n. 53 existe uro deposito de chocolate aon-
de se acha um grande sortimenlo de todas as
qualidades como amargo para o peilo ( cha-
mado na europa de Sant ) superfino uzual,
amargo de musgo paslilbas do mesmo,
paslilbas finas tanlo a libras como em por-
coens.
O chocolate de musgo he precurado por
toda europa, e pelos primeiros mdicos da
Corte e do Imperio do brasil ( onde seu au-
Ctor o tem introducido por mais de 20 anuos)
tem a virtude de dar tora ao estomago tira o
faslio conserva as gengivas e o bom alito ,
mala as lombrigns, a esperiencia mostrou o
seu bom eeilo nas enancas, e as pessoas de
maior idade j tambem he aplicado aos liseos ,
esta Curie e na Babia tem tido a apro-
naco das pessoas que d'elle tem leilo u/o e
W1a que nao baja lalcificaCO leva a rubn-
cadeseu auclor Ignacio GonsaUei de Castro:
as pessoas que nao quiserem lomar em bebida,
oateexcelienlechuclale, o acbarlo leito em
pastilbas pa.a mas icar em jejura e nos
tniervallos da comida. Junio u mesmo cho-
okte ei nma reeeita que eipli maueira
com se dte umu conforme a idad
commodo; no paleo do Terco venda 4- Medico, ou a Villa do Brejo ao Prefeito da
Um cavailo carnudo e com hons dta Comarca que ser gratificado.
andares; na ra das Trincheiras D. i5. __ $0 da ^ de Ma0 as <> |10MS da note f
; no pafeo do Terco D 10. ~T ra!)0aco de pinho Americano e da desaprreceo urna negrinha de nome Luiza ,
- Dez pea de larangeiras entre as quacs Suma de urna a tres polegadas de grossura tor bem preta estatura baixa, cheia do cor-
seiao3 deembigo em suas competentes va- eduo de forro proprio para fundos de bar- |)0 } cara pantuda olhos grandes, e abo-
zilhas para embarcarem para tora do Im- ricas (e superior quaiidade e por preco ga[|>ados, nariz chato ps pequeos peitos
na ra do trapiche novo n. 12. commodo; no forte do mattos armazem do pequeos e bem em p peinas grossas tem
- 60 milheiros de tijolos de alvenar a Vianna. abunda sacada para fora com quem levou
no quartel dos operarios em fora de -~ Telhas feitas com barro do Monteiro surra no falla bem DOr isso se iul.a ter
portas a tratar com o Commandante.
- Dous negros canoeiros que nao sejo
viciosos, no beco das barreiras na primeira do Livramento botica U. 11
olaria.
peno ;
grosso ,
- Urna liteira em estado de poder viajar ;
quem tiver annuncie. _____
-- icmua icuas luui uanu uu wniui surra nao talla bem por isso se julg
tijolosde alvcnana grossa do mesmo barro, sido furtada pois nunca sabio a ra; quema
ilho ; duas escravas lavadeiras ; na ra pegar leve a ra de Hurlas no primeiro andar
do sobrado n. la quesera recompensado.
--- A armaco de urna venda por preco __ Fug0 ns dia iodo corrente nma negra
muilo commodo, e arrenda-se a casa em mu- de nome Catharina secca espigada do cor-
lugar ; a tratar na ra da seuzala re- |)0 j a|la de dade,]e ,g annos t tem os ps
algum tanto groBSOS de bichos sabio com
Q.w uiuyu" de muito lionitas aia e vestido de chita escuro ; quema pegar
figuras, um delles he oEcial de serrador e leve a ra do Arago em casa de Luiz .. de
_ Urna cabra bixo com dous cabritos cozmha e outros para todo o servico e urna pranca e vK.llo que gratificar.
creoulos, ja pienha e boa leileira; opa- negra, qu sabe cozinbar e faz todo o mais. Noannodei8a5 fugio um moleque
teo do Livramento D. 7. servico de urna casa ; no atierro dos affoga- de nacao de idade de 10 para i2 annos, de
- Potassa nova Russiana ebegada proxi- dos sobrado de um andar e sotao, delronte de ll0ae Florencio com
mmenle ; em casa de A. Schramm. "'a casa terrea que tem no viveiro do vluniz.
- Um vaso de prata uourado proprio Urna casa terrea construida a moderna.
Vendas
nnaca'o I). 3o.
Tres negros mocos
os signaos
seguintes :
sacrario
para
vos proprios,
dio bem lavrado cora-rel" com exceilentes comsiodos para familia na
feito com muita perfeico na ra do sebo junto a casa do Sr. francisco An-
Cida'dedo Forto ; em casa de Domingos Jos Ionio de Oliveira ; a tratar na ra da S. Cruz
Vieira 11a praca do Cummercio. Dcima 41. ,,,..
___Urna molecade nacao mucambiquede Urna porcao de taboado de pinho do
linda fisura sem vicio algum ou troca-se Porto, fino com .3 palmos de comprido, opti-
por umUmoloque de nacao que nio tenba rao para lorro ; a tra-ar na venda da quina
vicios; na ra de Mancol coco venda ,). q. do beco do capim. .
- Fracasa de ^ O. Bieber i Compa- V Panno de hnho de tolocs dito fino da
ra da Cruz n. 6J, em porces gran- ; feira e de Guimares retroz sorli lo, linhas,
iorsariubada maicameias curtas de linho fio de vella botius
falla descansada, caliera pontuda para traz ,
olhos grandes pestaas compridas e urna
costura sobre urna das pernas da parte de fora
cima do lornozellu tem sido vislo no engenho
: d'Agoa fria districlo do porto Calvo roga-
se as pessoas particulares capites de campo,
que delle souberem o apprehenda e o traga
ao seu senhor o escrivo Joaquim Jo. Perei-
ra dos Santos morador na ra das Trinchei-
I ras sobrado D. 5 que dar cem mil reis de
gratificacao.
a superi
nina ,
des e pequeas
SSSb' SSb'.
___Urna negra de idade de i5 anuos, lem
principio de cozuiha engoramado e'costu-
ra ; na camhoa do Carmo 8.
__A loja de sapatos da ra do Livramento
D, fj com armaco sem fundos ; a tratar na
mesma.
No fim da ra do Bangel a sabir para
a ribeirado lado esquerdoem urna casa ter-
rea, urna cadeira de bracos ja uzada por
nreco commodo
Um cavailo de estribara, bastante gor-
do e de bona andares; no pateo da Matriz
de S Antonio D 9.
___Urna venda nfreguezada na ra do
fegundes D.. ; a tratar cm lora de portas
h. 10,
do Porto com lustro ferro3 de
com caixas bridas de ferro estrivos en-
cbadas grandes e pequeas machados e bi-
ces e outros gneros ludo por preco commo-
do por seu dono se querer retirar para u Ro
de Janeiro; na ra do encantamento defroule
do beco da ruado Vigario.
-----Um baldo com vidrassa em cima 3
fiteiros, ama vidrassa propra para ourives,
e urna 'eixadura de broca ; na ra das Cru-
zes 4.
___Urna morada de casa terrea sita no at-
ierro do allbgaJos logo passaudo o solirado
novo do fallecido Baplistt, tem portas de
frente, quinule cacimba, lera um sobra-
dinboe urna casinha terrea por delraz; a ha-
lar na ra da Madre de leos loja po bui\o
J]
>ioVteiito ci iJorto
NAVIOS ENTRADOS NO DIA t3.
S. MIGUEL DAS ALAGOAS; 6 dias, Hia-
te brasileiro Bom Fim de 35 tonel Cap.
Manoel Jos Alves equip. (3, carga as-
sucar ; a Joaquim Francisco de Alem
LIVERPOOL ; 53 dias Brigue Inglez Vin-
docn de aoj.tonel. Cap. Ilensy I ley ton ,
equip. i carga fazendas ; a Crabtree &
Companhia.
. SAHIDO NO MESMO DIA.
MOLTEMEO ; Patacho Americano Men-
tor Cap Jou W. R. carga diversos
gneros._________________^^^
l(T CI- E SS A l'Y P. De vi. F. DK F. 1640


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E79FJGAUN_QIP61A INGEST_TIME 2013-03-29T15:16:48Z PACKAGE AA00011611_03549
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES