Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03532


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1840. Segunda Feira
Tudo agora depende de nos mesinos; da nossa pi .ideiicin, modera-
o, a energa ; continuemos como principiamos seremos montados
cora admiracMO entre as Races mas cultas.
Proelamaco da Assemblea Geral do Hraul.
m
Subscreve-se para asta folha a 5#ooo por quartel pagos adiantailos
neata Typogratia, ra das Cruzes D. 5, enaPracada Independencia
nt. 37 e 58, onde e recebem correspondencias legalisadas, eannuucios,
insirindo-se estes gratis, sendo dos propries assignantes, e viudos bssb-
gnados.
Partidas dos Correios Terrestres,
Cidade da Parahiba e Villas de sua pretendi......
Dita do Rio Grande do Norte, e Villas dem......
Dita da Fortaleza e Villas dem.............
Villa de Goianna.....................
Cidade de Ulinda................... .
9 22 de Junho, Numero 135.
CAMBIOS. Jnho*o.
Londres......3o i/a d. por Ifcoo ced.
Ljsbo........70 a 73 por o/o premio, por metal oflerecido.
Franca....... igjreis por franco.
hio re. Janeiro ao par.
OURO Moedas'de jf4oo rs., Velbas 14J800
Ditas Novas i4|6oo _
Ditas dt 4j?ooo rs., o>ioo a
PRATA Pataco s Bi.zileiios------------l|67o a
Pezcf Columnarios----------------- i#ri7o a
Ditos Mexicanos- --------- :/65o a
Miudf.......-------------#*4o a
Descont de Billutes d'Afandega I 1/8 por too ao raes,
dem de Letras > i|4 por boas firmas offeroido.
Moeda de cobre a a 3 or too. de disc
>
n
,5|ooj
U8uo
8#aoo
#690
l*67o
#460
:il- J-S ir.!5
Villa
Dita de Garanhuns e Povoaeo Seg. e Sextas feiras.
Todos os da..
Quintas letras.
Uita deoar.ni.urw c rovoacao ro bonito ........lo, e 24 de cada mer
I as do Cabo, berinhaem, Rio tormos, e Porto Caivo. ,, ,,, e ai dito dito
Cidade das Alagoas, e Villa de Maceid............dem dem
Villa de Paja de Flores.......... .......,dem 1?i ^ ^
1 oaos os Correoi partem ao meto da.
PHASES DA LA;
Quart. crece, a 6 as 10 h. e 56 m. da larde
La Cheia a i4 as 11 h. e ao rn. da tarde
Quart. ming. a aa as 9h.e10ro.d1 tarde
La Nova a 29 as 11 h. e 38m. da man.
Atare ehtim para o dia ao de Junho.
As 10 horas 54 i. inutos da manh.
As ii horas e 13 minutos ca Urde.
Dias da Semana.
aa Segunda S. Paulino P. Audieucia do Juis de Direito da a rara.
a3 Terca jejuin S. Joo Sacerdote. Relaco Audiencia do Jnir de D. da
1. vara.
i\ Quarta Hf Nascimento deS. Joo Baptista.
c Quinta jejum S. Gnilherine Duque. Audiencia do: Jais de } Direito
a5
! Tara.
a6 Sexta >f? O SS. Corelo de Jezus._
27 Sabbado S. Ladislao faei. -- Relaco c Audiencia do Juix de D.dall."V.
38 Domingo A Pureza de N. S.
RIO DE .JANEIRO.
RENIAO'DK AMBAS AS CMARAS
Sesso em 8 de Maio de i8,{o.
- Presidencia do Sr, marquez de Paranagu
Continuado do n. antecedente.
O Snr. Rezende (continuando a fallar)
Eu voto pois contra esta emenda que auto-
risa ao geverno a gastar comoquizer, porque
os intefessados podem Iludir os Snrs minis-
tros, e dizcr-lhes :As couzas vo assim no
RioGrande;se nao se fzer isto tudo vai
perdido; e o governo que nao tem infor-
males em contrario v-se obrigado a obrar
na boa ( ; disto ha exemplos. Refiro-me ao
principio d guerra do Rio Grande. Nome-
ou-se hum presidente ; este presiJente disse
ao governo--nao me des forcas nenhumas.
nao quero combaler aquelle partido seno
rom as boas maneiras 5 assim hei de seca-
ba r tudo. Cbegou ao Rio Grande, dali disi
que ilie nao mandasse (oreas, eesteve por
muito lempo sem dar noticias ao geverno
mais esse mandou forcas s em virtude de
vosea publicas, c de clamores de peridicos :
fcino ministeiio doSr. Salvador Jos Maci-
el Ora se nesse caso o governo obrou bem
em mandar esta forca pedida pela voz publica,
quintas veses nao seria elle induzido em
erro, e a commetter faltas perigosas, uzando
desta faculdade extraordinaria levado por
falsas informaces ? Se vem hum e diz : en
fiz tantos presioneiros matei tantos rebeldes
os quaes fugiro depois de morios (risadas ) !
Quero taes cousas estou preterido etc. .
etc. ; o governo armado pois de hura po-
der inmenso ha de se vei metlido em talas
pelos interessados ; elles ho de levar o go-
verno em boa fe a commetter erros ; he isto
o que quero evitar- Este fado que citei he
mui rcenle ; por elle se v que j houve hum
governo que mandou forcas so pela voz pu-
blica. Snrs. cu leio o Jnslincto leio a Voz
do Povo leio o Lom e o mo ; mas nao vot>
procurar nessas lolhas os insultos, e os sar-
casmos ; nao, vou s ver oque se deve a-
proveitar dellas a vista dos factos a que se re-
ferem....
O Snr. A Ivs Branco Nao ha nada a ap-
proveilar.
O Snr. Henrique de Resende Ora o go-
verno sempie a approveita Os Snrs. minis-
tros encurlo as vees as redeas do cava-
lo s por que pela manha lero certas cou-
sas !
Oraeunosou de opinio que quando o
inimigo tem passado o Rubicon e bate a*
portas de Roma o goven.o se ponha a dis-
cutir materias theologicas, neni que faca co-
mo o Dr. Roci, que quando se disia ai.i vem
as forcas de Morillo elle corrria a fazei
pioclamaces ; nao, eu quero que o governo
salve o paiz que para isso tenha todos os
meios e que tenha dar contas ao corpo
legislativo : cu llie daiei o bil de indemni-
dade depois de Lem examinado o caso. Mas
nao quero dar ao governo de antemo este po-
der discricioiidiiu poique com elle fcil he
avullar o perigo supp-lo mesmo onde re-
almente nao existe gustar inmensas sommas,
e dizer-nos vos me aulorisaslts eu temi o
perigo, e nao quiz carregar com a res-
|'0n*aLelidade de lhe nao cppor resistencia ,
e mesmo prevenil-o j voto pois contra a e-
nendia
O Snr, Alves Branco (ministro'da fasen-
da) Snr. presidente eu^dez^jo sempre
fallar eresponderei a algumas observaces
do nobre deputado. O nobre deputado nac
quer que o governo seja autorisado a adqui-
rir crditos supplementares por duas rases :
a primeira he (orque entende que a respon-
sahelidade nao se pode realisar a nao ser por
meio de levoluces ; e a on'ra he porqut
pode haver ministros tao perversos que sus-
cilem revoluc&ts no imperio para se desfase-
rem dequem Ibes fizer sombra, etc.
Em quanto primeira raso direi ao no-
ble deputado que eu nao julgo mpossivel
a responsabelidade no systima representativo,
esou de opinio do nobre senador que fallou
antes delle, quando disse que se nao he pos-
sivel a responsabelidade nao he possivel 6
sistema representativo. Porque nao tem sido
entre nos o ministerio chamado responsa-
bilidade ? Aaturalmente por que nao tem ha-
vido materia para o ser, mais nunca porque
ella se nao possa efectuar,
O nobre deputado falou a respeito dollie-
souro t senhores, a minha opinio tem sid.
e he actualmente que o thesouro do Brasi
devia re;ular-se pelo thesouro inglez ; cad
ministro que fosse ao thesouro deveria leva
muitos dos seus amigos ; era a nica ma-
neira de lser com que os diversos partidos
depositassem alguma confianca nos ministe-
rios. Entre nos ; com tudo, se bem que em
ponto pequeo ja se tem feilo isto.
Nao pode diser-se que o nosso tbcsuuro es-
t em um estado perleilo, isso nao he possivel
nenhuma naco melborou ainda o seo syste-
ma de financas de hum dia para outro. A
Franca que segundo disem est em melbo-
res circunstancias a este respeito nao pode
com tudo considerar-se elletada a ultima
[ierfeic.no, pois aindn em muitas malerias des-
la naluresa que seapresento as sssembleas
se impugno muitos dos actos de sen minis-
terio dt financas. Ora se isso acontece nt
Franca onde ha immensos meios que n.
nao temos onde ha tribimaes especiaes de
financas; se elles ainda nao se acho em hum
estado perleito como queremos nos que t-
Brasil, to extenso, tao falto de comunicaces
lo destituido de homens que possuo os coJ
nhecimentos especiaes que a materia exipe.
como queremos nos digo 5 hum aperfeicoa-
mento que o tempo d somente ? Isto he im-
possivel inleiramente impossivel.
Muito desejara eu que o thesouro j esti-
vesse nesse estado. I u faco da minha parte
tudo quanto posso faser para melhorar o
seu estado. J em 18S5 entend que era ne-
cessario crear hum tribunal de contas que
fosse segudo^hum systema de melhoramento
invariavel, q'podesse todos os aunos appresen-
tar ao governo e a assemllea geral suas ob-
servaces, e os melhoramentos que entendes-
sam que se podio faser, para nos approximar-
mos do estado de perfeigo nao s por estar-
mos longe delle, como tambem porque vi i
que a assetnblea geral nao podia encarregar-
se de examinar as contas sem ter hum auxiliar
que as podesse guiar ; eis aqui o pimeiro pas-
so queeudei. J tratei de melhorar o nos-
so systema de contabelidade estabelecendo
a e scripturaco por exercicio. Procurei por
meo de commissoes externas faser com que
se conbeca o estado to thesouro. Procurei os
guarda-livros mais habelitados para examinar
o thesouro j elles foro ouvidos e dero pa-
receres a esse respeito. Demais, como a
mntadoria gera l de reviso soTria alguns em-
baracos na sua marcha,porq' o regulamento de
a de abril nao os tinha removido tambem
a melhorei, encarregando cada officialde hum
servico particular ; todava se disse que el-
la est em conuso mas como ? Eu naodu-
vido que os papis das provincias nao tem
hum arranjo competle'nte nos armarios ou
nos archivos ; mas nao quer isto dizer que
esteja em confuso e qu os dinheiros p-
blicos nao sao rigorosamente arrecadados.
O nobre depntado chame quem quiser, ex-
amine o estado do thesouro se dezeja certificar
a exactidao das minbas asserces.
Fallou-se em livros auxiliares mas eu
julgo que os archivos especiaes de despeza
podio dispensar taes livros. O que porem
resulta disto he que hum ou mais oraciacs fi-
cao sobrecarregados de maor trabalho. De
certo sera mellior que outros designaessem
miudamenle os artigos mais geracs em livros
para isso destinados ; mais repito que nao he
possivel fazer muitos melhoramenlos em to
pouco tempo : os que me lembro e podem'
ter lugar eu j os fiz de boa vontade.
Eu nao sei se acaso o nobre deputado tem
alguma cousa a diser a respeito dos livros que
foro ao thesouro eu os procurei para que
oflereeessem o scu juizo como habilitados na
m-Dteria : cumprc advertir que alero delles
foro pessoas que linho^conhecimentos mais
geraes ; julgue porem muito r.ecessaro con-
sultar aquelles que tem conbecimentos espe-
ciaes porque s desta maneira eu poderia
ver ludo quanto falta na parte que eu rom-
metli ao scu exame. Eu nao duvidaria abrir
aportas do thesouro a quem quizesse vero
eslado delle ; nao o acharia perleito he ver-
(lade. mas alguns melhoramentos enxer-
se lhe deve conceder. O governo be compos-
lo de homens e como os homens podem
praticar quaesquer perversidade o governo
pode as pialiar logo nao lhe demos nada.
Em quanto s Alagoas eu mandei mudar
a thesouraria da fazenda do centro para a
beira-mar a onde a thesouraria podia fis-
calisar melhor ; mas esta medida pao foi pre-
cipitada. A minha intenco ioi a melhor
possivel desejei por o fiscal ao p do fisca-
lisado e nao ter a thesouraria no interior -
a onde era preciso levar dinbeiro com gran-
des riscos: se algum perigo traz senelbante
providencia cumpre advertir que esse mes-
mo perigo corre qualquer acto do governo ,
porque pode haver huma sedico em conse-
quencia delle. Argumentar pois dessa ma-
neira porque hum acto do governo coincidi
com huma sedico, huma desordem qualquer;
he querer que o governo nao obre nada por-
que nada pode mandar que podem suscitar
homens e principalmente homens perversos.
Continuarei a sustentar o artigo em todas
as partes a primeira diz ( le ) ; he o que
se tero praiicado sempre. As obras nao se
podem realisar seno no firo do anno ; mas
diz o nobre deputado pde-se saber o que
sobra -- e eu nao sei como elle combina isso
como a lei doorcamento. Como asdespezas
sao aquellas necessarias e ndispensavei; c
a camaia fixa segundo as necessidades do
e como nao pode dar mais sem vexame
que
paiz
gana.
hmqunnto as relaces com as provincias,
as diffitildades crescem ; muitas sao as que se
pedem aponlar. Quaes sp os ordenados que
tem os empregadosdas tbesourarias provincia-
es para conseguir que ellas cheguem a hum
estudo de perfeico ? He to grande a falta de
habis empregados, que mandaro-se pro-
ceder a concurso em algumas provincias e
nao se apresentro homens competentemente
habilitados para exerrer os empregos deque
allei. Provincias houve em que apparecrao,
homens que nao sabio escripturaco Assim ,
como se bao de achar fcilmente habis em-
preados para o servico de huma thesoura-
ria ? E se estes nao podem desempenhar os se-
us deveres como ha de o thesouro fazer bem
o servigc quando para isso depende das di-
versas thesourarias ? Nao he em hum anno
nem em dez que as cousas se podem levar
perfeico que se exige.
INs citamos o exemplo da Franja mas be
preciso ver se as nossas circunstancias sao as
mfsmas que as da Franja ; temos por ventu-
ra homens habilitados os meios de commu-
nicaca que nella exstem ? Hum tribunal de
contas em Franca toma as contas de todo o
reino em seis mezes ; mas eu quizera ver se
hua tribunal francez collocado no Brazil po-
deria tomar essas contas com tanta brevidade.
Seria isto impossivel.
Quanto segunda parte do discurso do no-
bre deputado sobre as sedices que os minis-
tros podem suscitar por se Ihes coucederem ts
meios que se exigem ento dir-lbe-hei que
nao deve franquear ao governo cousa nenhu-
ma ; o governo pode fazer tudo quanto fazero
os perversos ; e como isto he possivel, nada
dos contrihuintes nao se pode dizer no prin-
cipio do anno isto nao he preciso appli-
que-se para outra cousa sem incorrer na
censura de destrahir os dinheiros pblicos
para ou'ros fins ; portanto nao pode saber o
que resta seno no fim do anno. Por exem-
plo em huma repartico em queroorresse
alguem em despezas eventuaes ou de o-
bras publicas pode sobejar alguma cousa ,
e assm pde-se farer applicaco para outro
fim ; mas com anlicipaco fazer essa appli-
caco s em cousa muito pouca.
Em quanto a segunda parte, digo que nao
vejo inconveniente algum cm qne se appli-
que parte da despesa de hum ministerio pa-
ra outro ministerio ; quando isso possa ser ,
por que ja disse, quando se orea huma des-
pesa he porque se considera til e necessaria.
Mas pode acontecer pode haver caso em que
baja despesas mais uteis, mais necessarias do
que as consignadas ; por exemplo, exstem
despezas decretadas para obras publicas, mas
pode acontecer que haja huma revoluco em
li una provincia e que o ministerio nao tenha
os fundos necessarios para obstar ao mal: se
os ministros quiserem ser econmicos, podem
suspender tal ou tal obra, podem applicar
estes fundos para armar a guarda nacional e
evitara sedico. Mas diz-se ;elle abusa;
ento contra isso nao sei o q' diga ; se o gover-
no sempre ha de abusar dos meios que se lhe
do escusado he conceder-lhe taes inuleU
sao as leis.
Senhores, eu julgo que estabelecido o prin-
cipio de applicar os dinheiros de hum ramo
para outro que seja mais urgente e necessario
em hum momento isso em lugar de dar
occasio a abusos eslabelece huma regra pe-
la qual o governo pode ser responsabilisado,
regra que pode impedir o governo que abuse
dos meios que se lhe do. Mas obstar a que o
governo possa tomar esa medida be impe-
dir que hun, ministerio economise emborase
esforc por economisar os dinheiros pblicos,
resultado que pode obter muitas veces tirando


DIARIO DR PBRNAMBdO



"1




-
I

de huma eonsignaco para outrn quando esta

mais urgente.
he
O mesmo digo a respeito do resto do arti-
go. O resto do artigo diz (le). Islo lie huma
calaroidade, huma grande inundaco em pro-
vincia invaso de inimigos etc. He nestp
so queogoverno pode gastar mais orde-
nando esta despeza por hum decreto, com
tanto que elle seja apresenlado assemhlea
geni nu primeira reunio. Islo pareee-nic
que em lugar de ser prejudicial os inte-
resses nacionaes he huma garanta ; nisto
nio vejo mal,(nenhum.
S. Ex. diz mais algumas palavras que nao
ouviraos.
Votos, votos. ( (ontinuar-se-ha.)
dante do Deposito, mandando excluir do nhor Manoel Gomes ele Siqueira &c. at de i' io. Illm. e Exm. Sur. Francisco do
mesmo. e remetter para hordo do i-rigue de as outras pelas qiMcs a Test adora revogou a Reg Barros Presidente desta Provincia
Guerra Pavuna a um remita, e ordenando- doaeo que fiz.era as suas aflhadas
Iheique sua guia fosse enviada a Secretaria I Mecerlo que conseguindo o_- Denun-
Melitar, i ciado Antonio Lui/. de Freitas o Testamento
lula-Ao Major i omandante interino dojda mo das duas referidas Legalarias asex-
Jose Thamaz Sabuco de Aran jo.
PKRIVAM^U C O.
COMWANDO MAS ARMAS.
Expediente do da ii do corren te.
Offirio Ao Exm Presidente, communi-
cando-lhe que nesta data havia mandad"
assentar praca ua Companhia d Artificcs .
por se ter offerecido a los Ferreira da Sil-
va Guarda Nacional do a. Ratalho do
Municipio e pedindo-lhe a expedico de an-
al ordens para que fosse da quede Bata,
Hiatn excluido.
Dito Ao mesmo Exm. Snr. para qw
houvesse d ordenar que fossem receidas o
hordo do Brigue de Guerra Pavana qua-
tro pracas do i Ratalham Expedicionario le
Rio Grande do Sul que por doentes ficaro
nesta Provincia, quando o Ratalham de vol-
ta do Para aqu toeou e rommunicando-lhr
que deixaro de seguir asoutras pra.as per
tencentes ao mesmo Corpo por que acho
se ainda bastante inferroos e recolliidos ai
Hospital
Dito-Ao mesmo Exm. Snr. enviando-ll-<
para que diferisse como entendes^e acertado
os requerimentos de Pedro 'rysostomoda Cu-
nha Cabo do 3. Ratalham d'Artilheria ,
de Luisa IMonteiro do Livramento e di
Francisca Pereira amhas viuvas o pri
meiro prdindo baixa por ser de menor idade .
a segunda demico para seu neto Feliciait'
Bizarra Soldado do Deposito e a lercein
tao hem baixa para seo filho nico Louren^
Pereira soldado do mesmo Deposito.
Dito-Ao Exm. Snr. Presidente da Pro-
Tincia do Maranhao comunicando-lhe o fa-
lecimento do soldado de Cavallaria Francisc-
de Paula e remettendo-lhe os objectos d>
fardamento, armamento corrame, e equi
pamento que ao mesino soldado perlenriao
Dito-Ao Exm Cotnnmndante das Arma-
do Rio Grande do Sul comunicando-lhe ;
remessa de quatro pracas do i. Balalhan
de Cacadores Expedicionario a mesma Pro-
vincia que nesla tiriho ficado por doentes .
que o soldado A ndr Francisco tinha tido de-
mico em -jode Marero deste anuo, em vir
tude d'injpecclo da Junta de Saude e linal
mente que outras tres pracas deixavo d.
seguir por ainda estarem" hastemenle in
fermas.
Dito Ao Fxm. Comandante das Arma-
da Corte comunicando-lhe, que no Rri
gue da Guerra Pavuna seguifio com destina
ao Exercito do Sul quatro pTacas do i. Ba
talbam de Cacadores ali cm operacies c ro
gando-lhe que em opporluna occasio as fi
sesse embarcar da Corte para o Rio Grande
acompanhados do officio que lhe transmeti
para o Exm. Sr. IVIaooel Jorge Rodrigues
conclua participando-lbe o falecimenlo d(
Soldado Francisco de Poula que tendo d.
embarcar para o Maranhao aqu Reara po
doente.
Lito-Ao Exm. Director interino do Ar-
cenalde Guerra pedindo-lhe esclarecimen
Esqoa Irode linha mandando d'oidcm da
Presidencia comunicada em oficio de lo do
correte dar baixa ao Soldado A mir* d'A-
franjo Pinhciro por nao estar as circuns-
tancias deservir na i," linha.
Dita Ao Capitam Conmandante interino
do i, Ratalham d'Artelliaria mandando
excluir e remetter para bordo do Bri-
gue Pavuna os Soldados addidoS pertencenks
ao i. Ratalham Expedicionario ao Sul, Fe-
lppe Rodrigues Thomaz Goncalvez Jo/c
AI vez d'Araujo e Antonio Goncal vez d-
vendo abonar-lhes sold, e Elape ate araa-
nh e enviar suas guias a Secretaria Militar
5 MverHjs le>);trteoens
ALEANLEGA DAS FAZENDAS.
Editahs.
\ cente 'Miomas Pires de Figueredo Ca-
margo Inspector d'Alfaneh'ga iaz saber que
no da segunda eira atdo correnle se liadt
arrematar em hasta publica e na porta da
misma ao meiodia tro/. Caixaa com doce ,
MU
valor de iisooo rs. impugnadas pelo
'Vtor Conferenle Jos Machado Freir Pe-
reira da Silva no Despacho por Factura,
le Alherl Hosch sendo oAirematante BU*
jeito ao pagamento dos Direilos, Alandegn
o d Junlio i84o
Vicente Thomaz Pires de Figueredo Ci-
nargo.
Vicente Thomaz Pires de Figueredo (la-
margo Inspector da Alfaudega faz saber que
io dia i i do corrente pelo meio dia e na
-orla da mesma se hade arrematar em hasta
lublica oito caixas do Cbaron para Cha. no
>-alor de i laooo reis, seis sextas de Choron .
vallor de o'oUooo e cincoenta lleques de
Citaron papel no vallor de looUooo res,
impugnadas ditas mercaduras pelo Amanu-
Bnie Concalo Jos da Costa e S Jnior, no
despacho por factura de JNuno Mara de Sei-
xas sendo o arremallante sugeilo ao paga-
mento dos direilos.
Alfandega 9o deJunhode bj'o.
Vicente Thomaz Pires de Figueredo Ca-
margo.
MEZA DO CON SUL \ DO.
A Pauta he a mesma do num. i'ji
nellio com violencia da caza mandadlo que
ilii (icasse o2.J Denunciado Mauoel.Gomes!
le Siqueira com sua famillia deixando no
lesamparo a infeliz Testadora privada do*
cuidados e ofFicios cai'idozos da quellas que
i tinho' tratado na sua enlrmidade e as
I uaes confia va.
Fiindi-se a Denuncia.
i.o Nos depoimentos informaces das
Legatarias 2 na confsso que izera o 5.
Denunciado Lino Antonio de Oliveira, peran-
le o Tabellio Guilherme Patricio Rezerra
Cavalcanti e Kscrivo das Appellaces Joa-
quim Jos Ferreira de Carvalho sendo que
po ramor dasla confisso aven;uaco e convic-
io do facto o sobredito Tabellio o despedid
do Cartorio e serventa do Ilo. 3. Nos
depoimentos do Advogado Jos Narcizo Camel.
lo e sobredito Guilherme Patricio Rezerra
que viro o Testamento falsificado, adife-
renca do papel e tinta com que ioi escriplo.
t. Nos depoimentoe circunstanciaes do Pro-
curador Fiscal Antonio Joaquim de Mello e
Joaquim Ignacio Correia de liiito 5 na
overosemelhanva dit ronlradiccu da vontade
da 'i'cstadora legando a cazada Ilua do No-
gueira e movis s suas afilltadas com as
i|uaes sempre vivera eque a linbo tratado
na sua enlrmidade e revogando no mesmo
Festamento na mesma OCCazio esern que
no vos motivos se dessein aquellea legados pa-
ra favoiecer o i. a., eJ. Denuncia"
do. 6. Em ter sido souegado o Testamen-
to depois que ri-gistado Ioi para que nao fos-
sem examinadas as suas falsidades.
PR EFEITUR A.
Parte do dia 20.
Ilhn. e Exm. Snr. Porfi hontem presen
pelo Sub -Preleiti/ do Recife o pardo Francis-
co Jos por ter dado urna bofetada em a
creta Maria escrava de Manoel Ferreira da
Silva Ramos, de que resultou cair ella sobre
edras, e receber um ferimento sobre o olbo
ireito foi recolhido ; Cadeia 5 e o preto
Miguel, escravo de Joanna de tal por ter
ferido na cabeca com urna pedrada a Severi-
anno Josde Moura leve o mesmo deslino.
Nada mais consla.
v__ Edita 1.
Francisco Antonio de S Brrelo Prefeito da
Comarca do Pircife por S IV]. o Im-
perador a Quem Dos Guarde, &c.
Fas saber ao Snr. Jos Marittnno Canta-
nhade, ha pouco chegado esta Cidade ,
viudo da de Maranhao no Vapor Paraen -
se -- que dentro do praso de trez das con-
tados da data da publicico d'este dever
appresentar-se-lhe na respeeliva Secretaria
para olijecto do Service.
Recife -io de Junho de 1 ftfa,
S Brrelo.
LH_J#-------
oticirts Esrangeiras
PROMOTORIA PUBLICA.
Illm nr Juiz de Direito interino daa
Vara do C.rinie Denuncia peanle V. S
1 Promotor Publico desta Comarca contra.
1 o Francisco Raplista de Almeida-Es-
rivfio dos Feitos da l'azeuda. a Manoel
Gomes de Siqueira. .5.'- leronimo Mam.
!. Amonio Fuiz de Frt-itas vulgo
Vntonio Grande Commissario de Polici
io Atierro do Aflbgado. 5 Lino Antonio de
Oliveira. 6 Benedicto dos Prazeres
Consiste a Denuncia em que achando-sc
moribunda a preta Maria There/a no (lia 3o
le Majo moradora na Rna de Moras chamou
o 5. Denunciado Lino Antonio de liveira
que enlao servia o Officio de Tahal ao no
ni; edimento do'proprietario Guilherme Pa-
'ricio Rezerra Cavalcanti para que lite es-
crevesse e approvasseo seo Testamento 1
iual romparecendo com edeito escreveo o
Testamento pelo qual deixava a Testadora a
caza que linha na Ra de S. Pedro para seo
lunera! e hem d'alma e a da Ra do No-
jueira ;is suas afilltadas Maria do Carmo de
Lima e Maria da Conceico de Lima as-
tos acerca dos objectos. que o mesmo Arce- J sim como os mofis da caza em que com ellas
nal ioi neceo a diPferenles fortifcaces para c I cobahitava sendo que por tal modo feito .
He visto que os 1. a. e 3. Denunci-
ados Francisco Raptisla de Almeida, Mano-
el Gomes de Siqueira e .ieronimo Maris 0-
zando do artificio frandulenlo de exigirem
em nome do I refeitoou Sub-Prefeito o fes-
lamento a fim de que falsificado obtivessem
como oblivero a fortuna que partencia as in-
ieliz.es Legatarias Maria do Carmo de Lima ,
e Maria da Conceico de Lima, commelte-
ro ocrime de estellionato previsto pelo Arl
i(34 ^. 4- do Cod. Crim.
Que o 4- Denunciado Antonio Luir de
Freitas fingndu-se autorisado por ordem do
Prefeito para tomar o Testamento entrando
.em a caza da Testadora fora dos cazos permet-
tidos pelos Arts, 209, Sil, 21a, ji4,doCod
Crim espellindbdella asduasafilhadasda
infeliz que se ahi achavo commet'eo os cri-
incs punidos pelos Arls. jjS i- i/p ,
io precitado Cdigo.
Que o 5. c Denunciado Lino Antonio de
Oliveira alterando o Testamento que escre-
vera commett. o o i rime de lalsidade ditnido
110 Arl. 167. 1. iiyttotbese do Cod Crim
Que o 6 s Denunciado Benedicto dos Pra-
eres acceitaodo o Testamento que por falso
tinha sido recusado pelo Teslamenteiro no-
meiado em 1. logar e uzando delle como
verdadeiro Saliendo que o nao era commelleo
lambem o crmede falsdade previsto pelo Ar-
tigo ib'; i. hipotheae do Cod Crim. A e
J. esta & Recife 17 de Junlio 1S40.
Joze Thomaz Nabuco de Araujo Jnior.
Illuslrissimo e Excellenlissimo Senior
Denuncio peante V Ex. contra Jernimo da
is
PORTUGAL.
As folbas recebidas de Portugal alcanefit
al i o de Maio pp.
Nellas se l que no Porto e outras terr,;.
do remo lamenlavel o estado de perturba-
cao, equase anarchia em que se achao 04
partidos : nao se paisa dia 011 noute alguma .
em que nlo baja desordens e ferintentos
man ou menos-graves. Alguns logares se
lem tornado otransitaveis de modo que ap-
parecendo algum casaca corrido pedia, ou
espancado.
Aseleicoes de 1840 lnhao sido bastante-
mente tumultuosas de modo que o Nacional
diz assim : As cortes actuaes nao sao pois le-
gitimas em atea opinifo : .-.o o resultado das
listas carimbadas do roubo de urnas eda
falsificaco das actas 5 nestes termos represen-
tan tanto a naco como nos representamos o>
interesses de Abon. Os Senadores e Deputa-
dos nao sao senao representantes do Ministe-
rio da camarilha do paco e do bando dos
sinecuristas.
O Geverno Inglez coutinuava com suas ve-
sacoascontra Portugal: tinha de novo inti-
mado, que no prazo de ri dias era necessario
pagar at o ultimo real nao s os dividendos
a Mr. Thornton e collegas mas as chitas ,
que o Silveira tirou a Mr. Ashworifc de Bra-
ganca no valor de muitas libras as pensoes
de Lord Wellington de Lord Rereslord e
outros com os competentes juros um ajuste
de contal leitoaos olliciaes Inglezes do lempo
da guerra Peninsular querctn que de ne-
vo se revejan as cuntas dos oliiciies que ser-
vira no exercito libertador, queja liavit
sido justas, e pagas eemfim a possede
Vlacao e de Goa com todas as munices pe-
irerbos e material de guerra ali existente.
\ssegura-se mais que alem do prompto pa-
gamento dos dividendos, exige-se tambem o
immediato embolco da despeza feita com a di
Costa Amida e ...ello serventuano do offi- visao do General Cliriton enviado a Lisboa
expediente, durante o tempo que suas juar- I eozido e lacrado o predito Testamento a
nices ero por Engajados feitas. mesma Testadora chamou ha das referidas
(Dito Ao mesmo Exm Snr. authori-
aindo-o n.andar assentar praca voluntario
naContpanhia d'AlthihVcs a Jos Ferreira n
Silva que acompanhou o seu officio des-
ta data.
- Dilo Ao Tenenle Coronel Comandante do
Deposito ordenando-lhe que do dia a^
de Majo em diante tirarse para um destaca-
mento da Guarda Nacional existente na Co-
marca de Garanbuns, composto de 1 1. o
Sargento 1 2. dito u Cabos e 25 sol
dados o sold Etape e fardamento que lhe
competa pela mesma forma que se pritica-
a com os de mais desl ara ment.
* Dito Ao Comandante da Fortaksa de 1-
laniarac remellendo-lhe a importancia des
vencimentos do l estucamento no presente
irez e acautela do roc passado 1 que bavi.
sido resgatada.
Portara"- Ao lente Coronel Cominan- muita amizadt
aflhadas eoentregou para que aberto fosse
a jeiz sua niorte. Aconteceo porem que quan-
do ainda nao era ella fallecida entraro em
sua caza simultneamente oi. Denuncia
do Francisco Taptista de Almeida o a c
Manuel Gomes de Siqueira o Jerni-
mo Mari o Antonio Luiz ele Freitas
e ah em nome c'o Prelelo ou do Sub-Pre-
feito exigirn o referido Testamento o qua;
sendo entiegue pela Legalaria a quem a Tes
ladora o confiara foi ento que o 1. De-
nunciado Francisco Baptista ele Almeida poi
meio de piomessas conseguo q' o 5. Denunci-
ado Lino Antonio de Oliveira qu6 esarevera,
cozera e lacrou o Testamento o abrsse., e
lhe accressentasse meia fulha de papel con-
lendo as disposices quedecorrem das pala-
vras notadas n.. Testamento por copia jun-
to Declaro que 1embrandt-me agou d..
que sempre i ve uo meo se-
u'iode Esciivo das Capellas e Residuos de
Recife porque: Sobre tero Denunciado sem
pie eu previamente requeresse ou o juiz man-
dasse e sem preceder a tomada dasContas,
escrito o mandado Documento numero 1 para
seren sequestrados os bens que constiluem o
patrimonio da Capella do Engenho Socorro,
falsificon a rubrica do Juiz q'no predio Man-
dado se acba, foi ao referido Engenho inli-
mal-o ao seu proprielario e dminislrador
da mesma Capella e ahi mesmo o rompen
logo que recebeoa quantia que consta do do-
cumento numero a sendo que ao depois que se
elle auzentou as pessoas que nesse lugar es-
tavo apanharo os pedacos do mandado e
ento os grudaro pelo modo que delles se v.
He visto pois que o denunciado commetteu
ocrime de prtvaricaco previsto e punido
pelo Artigo 1^9 $ 8. primeira Mipolhese do
Cod. Crim,
Digne-ae por tanto V. Ex. de tomar em con-
1 ieieraeo esta denuncia para dar as providen-
cias que cabem em seu poder conforme o at-
ligo artigo 15 J do Cdigo do processo e 5.
8. da Leide 3 de Outubro 18J4 e remette-
ao depois ao Juiz. i.ontptente alimdeq'A. e J
feitooexame da letra e mprica do sobre
dito mandado notificadas as lestemunhas
queseseguem proceda como de direito be.
Deo Guarde a V. Lx. Recife i y de Junhc [
ara coadjuvar a consolidaco da Carla dada
pelo Sr. D. Pedro*
L-se mais um artigo do Demcrata rom
o titulo Mus exigencias In,-;lezas copia-
do pelo Nacion.il que diz assim : Soube-
mos por boa va que os Ingle/es alem das
exigencias apontada3 em o dito nosso artigo,
exigem lambem a cesso da Uha da Madeira
e Acores nao nos admiramos que elles da-
qui a pouco exija que neis lhe mandemos
animalmente duas mil donzellas escolhidas
por Lord Iloward mas o que nos admira he
que baja boje um Ministro que convoque
Conselhos para deliberar sobre semelhantcs
exigencias que apenas recebidas deveni
logo ter s e nicamente u resposla seguinte-
uo quero f
PoMuguezes ressuscitae e vinde ver ho-
mens que sedizem Portuguezes faztndo
Coiiselbos pora deliberarem se se deve ven-
der Portugal
l 1 t
LOTERA DO LIVRAMENTO.
As rucias andad lioje ini-
preterfvelmente no lucar
uo cosume.
i-'.


DIARIO D> R
LOTERA DA W. DA BOA-VISTA. | C'irstova das Mttzs Goigalres Guerra. v-
O Thesoureiro da Lotera a beneficio das jnhor do engenho Aurora que declare anude
Obras da Matriz da Boa-Vista declara que f mora nesta naca a fim de se;- procurado na-
os bilhelesesto venda nos lugares do costu- ; ra negocio de interesa* do dito Sr. (tierra
me ; e que as rodas andai inipreterivelmente jjy Precisa-se de urna preta pa'ra o arrau-
| jo de urna casa de pequea familia que afi-
ance a sua conducta ; na ra da \Iueda ar-
PERNAMBUCO
V
hbi
no dia ultimo do prximo Julbu.
LOTERA DO THEATRO.
As rodas da primeira parte da lerceita Lo-
tera do Theatro anda impreterivelmenle no
dia 13 de Julbo prximo futuro e os respec-
tivos Hilhelee acha-se ;'t venda no bairro do
Recifeem as lojas dos Sis. Manoel Goncalves
da Silva e Vieira Cambista na ra da Ca-
deia velba ; e no de Santo Antonio as dos
Srs. Manoel Alves Guerra ra i\ova e
Basto & Costa na Praciuba do Livramento.
LOTERA 1)0 SEMINARIO
>0 Rettor do Seminario de Olinda convida
ans amantes de Loteras a compra lem osbi-
Ibetes da primeira parte da 17. "Lotera do
mesmo Seminario (|ue se achad venda no
Bairro '-lo Recite ra da Cada na loja de
cambio do Sr Vieira; em Sanio Antonio na
ra do Cahug loja .do Sr. Bandeira ; na
Boa-Vista, delionleda alriz, botica do Sr.
Joaquim Jos Morena.
Avisos Diversos.
S> O abaixo assignado'leudo o annuncie
de Francisco Jos Rodrigues no Diario de 1-
do corrente n i3-?, senle-se reslrictameuti
ohrigado a manifestar que nao se espanta ,
nem se atemorisa com omesmo, nacerle
que estar se-mpre promplo nao s a mostrar i
sen directo, quando se veja obrigado a isto ,
como a repellir as suas ameacas com as mes-
mas armas, com que for agredido. Hed
lastimar, que omesmo Rodrigues perteud
ararretar algum receio sobre oannunciante :
quando se julgar com dimito a invadir a pro-
priedadealbea na supposico em que tabora
a sua frvida imagmaco, sempre frtil em
agudezas de engenho acoberladas com a ..
O Publico, que sabe petar na balancadn
verdadeira juslica as nossas boas ou ms ac-
tes nao aeixar de nltender conduela do
abaixo assignado a qual sendo al hoje tal .
e qual se tem apresentado nenba quebra
ten dado em sua reputaco. Oxal que todos
os bomens trilbassem a vereda da bonra !
Jos Joaquim Das dos Prazeres.
Aluga-se urna morada de casa de um
s andar com quintal e cacimba que tenba
bastantes commodos para urna familia,
prelere-se no bairro de'Santo Antonio, v
sendo com urgencia d-se de aivicaras cinen-
cnta mil rs. : (|tiem a tiver poder-se-ha deri-
gir-searuado Livramento loja de louca de
Lui/. Antonio Goncalvez que abi se dir
quem a pertende.
t&r Quem precisar de um caixero par
escupa 011 i'ua pcis lem pralica de qual-
qur das colizas s o que naoquer be venda
ou nadera damlo fiador da sua conduela :
annuncie para ser procurado.
tSS' uem precisar de bum bomem sol-
leiro de bea conducta para qualquer oceu-
paio e mesmo para raxero de engenbo ,
annuncie.
SSf- Arrenda-te animalmente una morad.
de caza terrea abarracada sita na ra que
vai da eslrada da Soledade para o Manguinho.
repartida segundo o ;osto moderno tende
sen cortfdor lavado salla Ue vizita forrad,
com 3a palmos em quadro tres janellas di
peiloril envidracadus; oiloquarlos, boa sal-
la de jnntar, rozinba lora com assenlo de
ugo inglez conlendo seis loma ibas e sen
respectivo Ionio quintal murado com ca-
cimba de a;oa de beber senzalla pa-
ra seis escravos, estribara [ara dous ca vallos.
com seo porlo para a frente da ra inde-
pendenle da porta principal e tudo muito
bem pintado e suficientemente asneado : 0.-
pielcndentes enlend-se com o Escrivo Al-
meida que tem poderes para fazer diloar-
rendamento, ou com Francisco Dias Ferrei-
mazem de assucar confronte ao Padre Mar-
ques.
tW Lendo no Diario um annuncio pro-
curando-se urna pessoa para tratar de un !m-
mem solleiro que se acba doenle de moles-
tia chronica sendo anda queira o que pro-
urft dirja-se a ra do Rangel a caza D
*4 > <\ue achara com quem tratar etc.
t^* Um moco portugus de boa conducta,
solleiro sabe ler c escrever oFerece-se para
caixeiro de qualquer negocio e mesmo para
administrar ou leitorisar em algum eligenbo
ou lazenda no centro desta provincia ; e final-
mente al se sujeitar a ser creado de algum
Senbor de probidade protestando nao desa-
gradar tanto a respeito do seu comportamento,
cmoda su.i agilidade etc.; dar abono sua
conducta se o exigirem : quem precisar an-
nuncie para ser proenrado.
S27" O abaixo assignado tem comprado por
con 1 a de Francisco Alves i'ereira Vanua do
eara a meiosbilbeies da segunda parte da q.
Lotera a lavor das Obras da Igreja do Livra-
mento, sendo de Ns. a a lj e ^^o a qual
corre baje, Francisco Raimundo dos Santos
S3?" A pessoa que no Diario de sabbado
ao do corrente atinuncioii a venda de um prc-
o que sabe botar canoa trepar em coqtiei-
ro tarrafiar fazer tarrafas e rede de pes-
car procure ao Recente do Hospital do Pa-
ra izo para fazer negocio.
SST Precisa-se tirar um formigueiro de
dentro de urna casa ; quem souber e tive
atencilios precizos dirijase a rui da Autora .
D. 9 ou annuncie.
ST Traspassa-se o arrendamenlo de un
sobrado de duis andares esota,silo na mi
iVova onde teve loja de aifaiate o francez VIo-
rin com lujas proprias para se estabelecei
(jualquer negocio : a fallar na ra d'Agoas-
erdescaza terrea D 37.
tST O abaixo assignado roga a qualquer
pessoa, que Ihe tenha entregue quaesquer di-
nbeiros, ou arligos perlencentes ademente
Anua Joaquina Branco sua ex tutelada baja
de apresentar qualquer clareza por elle passa-
da ao Escrivo Accioli no nraso de oilo dias .
e isto para livrar escrpulos nao se sabe se
bem ou mal entendidos.
Jos Antonio dos Sanios e Silva,
ey O abaixo assignado tem para vender
algumas pipas com agoardenle de a graos
para cima milito alva e boa do Sr. Coro-
nel Antonio Alves Vianna do E novo di
(ioianna : se algum Sr. quizer annuncie su.'
morada ou procure defronte da Madre de
leos por cima da loja de feragem. Cus-
todio Lina Rcis
tSST Fazem-se bolos de mandioca,e de fari-
nbci do Reino bem feilos para S. Jcao. enfei-
"u. Piquete da Terceira no dia 3 de Julbo : tova algumas habilidades sendo eslas para o
quem netle quiser ca regar, ou irdepassa- unto; na ra Direita I) 17 bija de couros.
tu lale ao eaoito na praca ou com o con- W Seis milbeiros de tjollos de alvemria
sigialario Tboir.az de Aquino Fonceca. grossa postos em Santo Amaro, dando-se
s:j" PARA O PORTO o patacho portu- 'preferencia a quem or menos quizer sendo
guez Primavera, capitn Jos Carlos Ferrei- dasolarias do Monleiro melbor : :i pracinba
ra Soares por ter a maior psrle da carga
a bordo 5 i|uem (ui/.er carregar ou hirde pas-
sagem para o <|ue lem excellentes commodos,
dirija-se a seus consignatarios Mendos & Oli-
rera ra do -VigarioN. i ou ao referido
c.ipilo.
isr PARA O iMARMNTIVO segu via-
gera com toda a brevidade por ler parte de sua
carga pronta o brigu*; escuna brasileiro S
Jos, forrado e pegado de cobre : quein qui-
ser carrejar ou ir de passagem, dirija-se a
seu proprielario Dellino Goncalves Pereira
Lima ou a !'. ^!. Rodrigues & Irmfos na
ra dos Tanoeiros n. 12.
SS2- PARA LIVERPOOL, acha-se a car-
ga a barca ingleza ( I rscilla que pretende
sabir al o fim do corrente mez : quem quizer
carregar nella ou ir de passagem dirija-se ao
capito a bordo ou aos seus consignatarios B.
Lasserre & C.
do Livramento D. ti.
V e 11 d a s
Le 314
o
Consulado de Frasca em euNambuco
ra em seo armazem defronle do caes d'^-
dega.
tW Precisa-se de allugar hum citio que
lenha con;munidade para ter vacas de lele .
quem o tiver annuncie.
tsy OSr. Cassio Antonio da Costa I crreini
procure seu moleque Anselmo na ra do Vi-
gario D. iti, onde o achara e juntamente
urna enromenda que Ihe veio do Maranho.
(' mesnio Sr. queirn dirigir-sea Adminislra-
(o do Correio ou em Olinda ou nesta Ci-
dade para lbe ser entregue a caria vinda
iguuln enle do JVlaranhao pelo Yapo" Para-
ense ; cuja carta foi lancada no mesmo Lo'-
reio no dia 15 do coi rente mez.
tsr Roga-se ao Correspondente do Sur. *
to de dois de varandas doiradas n. 16.
1EF L* abaixo assignado faz sciente ao Pu-
blico que comprando no da 2o do pp. mez di
Maio urna escrava de noiue Theodora do gen-
to de Angolla em mo de Luiz Jos da Ro-
cha esta lbe logio no dia 19 do Hrrenle a>
a horas da tarde indo levar a escola duai.
meninas: roga-se a qualquer pessoa que a
encontrar, baja de pega l-a e leval-i ao a-
baixo assignado. Joo Paulo Xavier de Sa-
les.
tSJ" A pessoa que anniinciou querer fallar
com a Mi do fallecido I-adre Joaquim Eufra-
zio da Cruz, queira dirigir-ie ao beco do
porto das Canoas N. 4 que abi se lbe dir
aoudeella existe.
k.." No dia aj do corrente pelo Juizo do
Civel da segunda Vara se ha de arrematar em
praca publica, a quem maisder urna mora-
da de casa terrea sila na oa-Visla na ra
do Cotovello D. 3, bem construida sala for-
lada chaos prop ios : os licitantes compare-
cao.
tSr- Antonio Rodrigues da Cruz oomprou
e tem 1 ni em seu poder dous meios bilheles da
segunda parle da 4- Lotera do Livramento
JN.2355eg!>i de sociedade com Uliveira &
liman do Rio Grande do ftorlc.
tU' Antonio Luiz dos Santos comprou pa-
ra sociedade com Joo Augusto Martinbo da
Cmara (morador cm Larangeiras) meo Bi-
Ihtle da segunda parle da 4. Lotera a favor
das obrai: da Igreja do Livramento de JN.
i 140* que corre hoje. ,
^ tSf Quinta feira i5 do corrente as 10 horas
da manba se fnr a venda publica no ar-
mazem de Lenoir Puget &c 'ompanbia run
da Cruz por iutervencao do (^orretor Oli-
vera e por conta de quem pretencer das
mercadorias abaixo declaradas salvadas do car-
regamento feito em Bordeaos para o mercado
lo Rio de Janeiro a bordo do navio Pro-
vence naufragado em Lacena e omtras ; a sa-
1er ; riquissimos chales de veludo e de se-
la j lindissimas sedas e veludos para colle-
es em cortes brim de lnlio para calcas pa-
>el para forro de sallas bezerros seringas
l'estanbode nov nvenco fitas de setim p
le retroz movis modernos latas de conser-
vas francezas vestidos para meninas, qua-
Iros navalhas de barba chapeos de palha ,
urna caixa de cama de porco salgada e mui-
:os outros objectos de boro gosto que pos>a
'lespacbar-se. Pernambuco ao de Junbo de
i84o. Barrer Cnsul de Franca.
tSF" Os procuradores bastantes de Francisco
lanoel da Silv i Tavares faro a venda publi-
ca por intervencao do Corretnr (uliveira ,
abbado 17 do corrente 10 s horas da manhi.
na ra Nova, casa da ultima residencia do
mesmo Tavares dos segunles predios e
objectos; a saber : urna magnifica caza, e
cu cxcellente 'sitio na eslrada dos Aflictos ,
ludo bem conbecklo pelos babilantes desta Ci-
lacle ; aquella pela sua grandeza e linda cons-
truccao moderna e esle por olerecer em si
qnautas vanlagens se requerem no s para
recreio, como para so colher avuliado interes-
>e, |iorque contera na sua grande ettensSo um
lindo jardim lerreno para plantacoes bai-
xa para capim numerosas arvores de todas as
pela sua excellencia ,
ssy Doutrina das Accoes-Manual de Ta-
bellio Linbas orfanologicas Digesto Por-
luguez- Tratado deobrigaces por Potbier -
Cardozo Cdigo Civil Borges Carneiro Di-
reito Civil Juro Divzorio Caraitiha L-
bellos Manual de Afpellacoes e Aggravos -
Tratado de Testamentos Hereira e Souza.
Processo criminal Ordenaces do Reino-
Repertorio das Ordenaces Lobo, Acces
Summarias Dlo Notlas a Mello Dito Pro-
cesso exeeutivo Dito execuco por sentenca -
Tratado de Tombos por Carralho Arilbrae-
lca de Bezout Geometria de Eucldes- Vir-
gilio em Portuguez por Leito rammatica
Latina de Maia Dita Franceza por Monte
Verde Meslre Francez por Clamopin Gra-
mtica Franceza por Llimond Diccionario
Francez por Constancio Manual Platico por
Gomes Livros de Sortes divertidas e pa-
pis de ditas a oilenta reis cada folha. Na Pra-
ca da Independencia loja de Livros N. 37 e
38.
S^- Trezentas pedras de raarmore da Sues- '
sia em casa de N. O. Bieber & C., ra da
CruziN 6$.
ia>- Um pelo com principio de canoeiro ,
e oplimo para lodo o servico com idade de*
a4 a unos ; no armazem de Francisco Das
junto a Alfandega.
tw- Urna negrinha multo propria para se
applicar a qualquer servico 5 sera vicio nem
molestia ; ao comprador se dir o motivo por
que se vende: nesta Typographa.
SS- Urna armaco de loja construida de
amarello, nova, toda envidracada, de mui-
to bom gosto para qualquer estahelecimenlo ,
e tr.spassa-se a posee 'do arrendamenlo da
mesma loja e sobado, por lempo de oto ann,
que anda falta para correr : a fallar na mes-
roa junto ao arco da Conceico D. 3i.
OT Urna escrava de naco de idade de
a8 annos lava de sabio, e he quilandeirao,
por 35o,ooo por se ter grande preciso e
tla-se a contento na ra direita D. ao do
lado do Livramento,
Escravos mi^os
.fruclas bem contiendas
lados com cpelas d'allinim de muito bom eos-
to : na ra Direita sobrado de um andar un- \ ,,0,,s lw^9 e (,;ic,m',as l,ara rf,;" Pintas
1 ele. ele Outra grande caza e seu sitio na
Avisos Martimos.
tsr PARA LISBOA, o patache portu-
estrada do Beco do Etpinbeiro situado nos
fundos do sitio cima mencionado o qual tem
bastante terreno para planlaco e pasto de
gado, multoarvoredo fructfero ele. -, e um
terreno no Caldereii o defronte do sitio que
foi do Pinbeiro, j com os albeices prontos
para edificar. Adverte-se que as reeridas
propriedades serao vendidas a prazos paga-
veis por meio de Letras na forma que ser
declarada. Vender-se-ha igualmente a di-
nbeiro vista a mobilia da casa de dito Ta-
vares consistindo em leitos canaps cadei-
rai, bancas, marquezas mezas umeieel-
lente relogo tie parede inglez um pianno
forte inglez vidros doces loupas capa-
xos novos garrafas e garrafes vazios, obras
de prata muito delicadas, cavallos para carros,
e alguns escravos de ambos os sexos.
tsr Que fazera Henrique Forster & C. ,
de 15o barricas cora farinha de trigo avari-
cias a bordo da escuna americana Viceage ,
por conla e risco de quem perlencer ; terca
feira a3 do corrente na armazem do Sr. Ma-
uoel Antonio de Jezus ao p da caza da opera
tST Em consequeneia da prxima letira-
da do Sr. Lutlkens para a Europa se far
leilo por nlervenco do Corretor Oliveira .
da mobilia da sua casa consistindo em muilo
bons trastea louca vidros e mais a obra
de Yjltaiie de Rosseau dous piannos e
um carrinbo de duas rodas ; boje aa do
trrenle as da actual residencia do mesmo Sr. Lultkcns ,
ra da Lruz.
C o 111 p.T a s
tar* Duas esrravas reoslas ou de nacao 6cado.
iST" Haver oilo annos potico mais ou me-
nos que fugio do engenbo do Penedo uro es-
cravo mulato por nome Jernimo e-tatura
ordinaria pquoa barba cabello snnelhdo ,
com sicatrizei provenientes de enfermiilades
venreas ; deve ter agora 3a annos de idade ;
faro 4 mezes que por duas vezes foi visto na
Ribeira do pexe nesta Cidade ; este escravo
pertence a orfos roga-se por tanto a qual-
quer capito do malo ou pessoa particular
que o poder aprehender, leve-o a Pedro Gar-
da na ra da Conceico da Boa-Vista pare
este o dirigir seos Srs,, e ser bem recora-
do de seu trabalho.
ST" So dia 3o do p. p. fugio urna preta de
naco benguella de nome Benedicta, falla
bem portuguez representa 35 annos de ida-
de lesla pequea olhos grandes e vivos ,
nariz bem feito com urna pequea sicatriz,
abaixo do sobr'olho peitos pequeos, esta-
tura regular secca ps pequeos e bem
feilos, foi vestida com urna carniza de algodo-
zinbo nova vestido de chla levando nu-
tro de sobresselente gargautilha de coral e
argolas de ouro no pescoco; esta preta
pertenceo a Fernando Belenote e foi vendi-
pa a poucos dias pelo Sr. Joo Frederico de
Abreu Reg ha alguma razo para supor-
se que esta escrava esl amisiada em Tigipj
quem a pegar leve a ra da roda D. 16 no
segundo andar que ser recompensado
ssf* Fugio no da 19 do correte urna ne-
gra de neco por nome Theodora estatura
baixa levou veslido de xita preto e argolas
de ouro cobertas de prelo e pao da costa
com lista branca e levou mais um vestido de
caga com listas encarnadas ja uzado, com
bico nos pafos das mangas quem a pe-
gar leve a ra do fogo caza D. 3. que ser
recompencado.
tEST No da i3 para i4de Abril fugio ou
furlaro um preto com os signaes segrales -r
de naco songo de idade de a6 annos, alto,
reforcado do corpo beicos grossos, poucv
barba um signal de ventosa em cada tonle ;
quem o pegar leve ao armazem de gelo no
Recite ua ra dos tanueiros, que sera grati-


DIARTO DF
PFRNAMBUCO

PRECOS CORRENTES
UENEBOS
R'l'tCLXS
.c>de miso..............
Aeo ...............
Agoardrnle a5. er.........
A i c.iio Sueco.............
\ i rAwit..................
*.............r......
Mvaiade...................
k marras de Ierro conf. Mas v.
Amendos dnrecom casca mole
Incoras eataeoiala*.....
Aniacem
\ rnine -le ferro............. Iron I?ir osso le
Steel Miln
Spirit o' tw per fine
l'ranity 25.
Tai Swedis h
l.avander ..
Caar? Seed
White lead
Cables-chain acc. toshe.
Sweet almonas .\ft Anchor' and prrpnels..
Cieguellai

,, de lato..............
(reo* de ferro............
A1107 pilado cstr.nt>oio......
Azeite doce do Mediterrneo
,, de Portugal.......
BACALHAU...............
'lacias de lato............
Pai ricas vasias em p........
,, ,, abatidas.......
Raalas....................
Bexerros Francezes..........
Breu.......................
Rrim da Bussia de 5o Varas...
,, a imilac'c,....
Bola xa fina.................
ordinaria..............
Rnlaxinha.................
CABOS de linlin dB patente..
,, Inglei.-.........
,, da Bussia
,, ce Cairo *
Calle'......................
Carne secca de R io-gt aRic.. <
,, de Moniavideo...
de acc seleada......
de Poreo............
Carneias Kraiiceas -le cores
Ca rvo de prdrn............
Cera amarellc d'Angola... .0.
hianca...............
Cha Hissou................
,, p*rola.......... *.
Cei v ."ja I anca.........<
,', prela................
Chumbo eraluri..,........
em lencol...... ...
de muniro...., .",
Cobie paia caldereiro..... ..
foi ro e presos...
BUCHADAS.........'......
Km o ir em canudo..........
1.1111 11 (las la -.i I 1 i'.i-i. .......
f.slopa.....................
Erva-doce ......... ......
f.sianlio....................
FAIUI\HA Amei. nova......
v tilia.......
Frauceza ...
Trieste......
II Bltico......
Feijo.....................
Folha de Flandes...........
H de ierro Inglez.........
Fouces de roca.............
de meia roca..........
a.................
Porrete...........
11 de bapateiro.......
Ferio htgltz em liarras.....
t, ,, Ha Suecia.....
.........
Brass
Iron hoops..
Rice white...........
Vil olive ......
Portugal
Codfish............
Brati basins----- ......
Flour Ilarrels........
M shooks.........
Patatar*..............
Calf skimt, Frerrh.....
Rotiit ...............
Raver.s mk R"tsian..
., imitation.......
Bread pilt......'.....
1, navy............
Cracker*..........
Cordage Patent........
Hemp. Cable Kngland:...
' ,, Rusta patent
Cir........
Co/ee ...............
fee/dried, Rio z-ande
,, ,, Montevideo
Rerf Salled...........
Porlx Salied...........
Sheep Sltint Frtneh col.
Coal..................
\ellow wax...........
,, white ..
'lea Hytnon ...
Pearl....
Alcbollled............I 4#ioo
Porter................
I.ead in bar*..........
,, Sheet .........
,, Shot aswrted..
fraziers copper.......
Sbeathing and vuils....
Roe*
S
4,*ooo
8
2#ooo
H
8 .
'7#000 1g#000
1M000 14000
065o
*8oo
l#ioo
I
4#2oo
9
I
9
Rrim -tone.............5 9
.9
58o
i)
I Fio de ve
>
P)itugese gn
Bagging ..... ......
Anise sced............
Pewter..............
Flournew 4mer......
,, Id dito......
/ rench.........
Trieste SSSF ...
,, tialtic..........
heans................
Tin piales assorl:d...
Sheet Iron............
lledgmg hus large ....
,, ,, small..
Twine sail maker
Pack tiead.............
Shoe niakerc t/iread. .
lian h'ng. 111 ba rs.....
,, Swedish........
SjjQOO
1 bo
#
#48o
I
$
9

#
4 #000
lf85o
1 flSon
1 #88..
4Ao.>
44"o
io#5o
5jfooo
14/fono
#5*0
#5Go
^6on
|l.'>oo
3J8.IO
'170
6#4oo
#56o
it t/000
18*000
21#000
1 I #01 O
{
4^800
Lb.
^>
a
Ar.
a
ja
Ar.
1...
ta.
>>
>>
5
i#rjno I Ar
1IS001
3#ooo
I H #.1011
12^00 0
ifrioo
^fioo
I i 000
IJJO
4^000
4^000
IO0OOO
lofooo
15y000
^48o
0I2O
i|4oo
#160
3#200
#3oo
1 tinoco

Dz.
Q.
t
* f
Lb.
19C000 20#000
io#ooo in#5oo
#44.
Mo
#4co #44o
y#ooo io#ooo
t .*'"-"
(>,'/|oo
8^000
Sa.
Cx.
Ql.
\"\f
Lb.
Ai.
Lb.
Ql.
>
2#4oo
16|ooo
8,*ooo
#4oc
#JOO
jM "
t>|co
J^OO
7coo

Lb.
Ar.
Fa.
Co.
Ar.
Lb.
Ba.
>
>
Aq
Cx.
Ql.
a
in
Lb
Ar.
Lb.
Ql.
Ql.
P.
Ab.
F.
eiV
!Nh
M,
1I1
Mi
Al)
Ab

(iARRAFAS pretas.......
(iarrafoens em pal liados.....
Genelira em pipas.........
,, em hotas........
LONAS da Bussia larcas. ..
,, ,, a imilaco.
,, inglezas estrellas
Loura ordinaria niileza .
lAPtTEIGA incleza.....
,, Prancen.....
^schaJos do Porto........
Uassas sortidas......t.....
ilho........... .......
OLKOde linhaca e:n cascos
,, em botijas.......
Panno de linho de toloens..
,, ,, infestado..
Papel de peso coroinha.....
,, altuaco asul 1. .....
,, 2 c3 .
,, branco.
11 lloreie.............
,,- ..
:-,, daembrulbar marca]{
",, ^ ,, pequea.
Papelo.............-....
PartialiiiiS..............
Passas..................
Pimenla iia indi
Pie da Sueca...........
Plvora................
Potassa d' A merica........
,, da Bussia.........
Pregos Caibrar...........
,, caixa
ripar do Reino.....
da trra..........
,, de consirucco.....
Prezuntos do Port........
,, de nutras parles.....
Paios de Lisboa. ..........
Q0EI.IOS Flamengos......
1UPI5 da Babia...........
,, de Lisboa..........
Belroz...................
SABAO' amarello.........
,, do Mediterrano...
Salitre reliuado...........
Sal Eitrangeiro alq. velho...
Salea parrilba.............
TABACO maependim......
I'.ili aili de pinho.........
Touciubn de Santos.......
i, de Lisboa.........
Vinagre de Portugal.......
do Uediterianeo...
Viudo de Lisboa tinto Pi\B.
1, Branco......
oiiii u.-, auluies tinto
Malagaeccob.p. P.
Cetie linio.......
Fspanlia.........
Sicilia...........
Pip. Cal____
Muscatcl............
,, engarrafado.
Boidcux ,......
Champagne ,......
Vidro p. v. de c. de 100 pes.
Vellasde Spenuacelc......
,, de cebo.............
>


>
> 1
.

>
>
Rottle* black.......
Dami-joliit.........
lwin in pipe*........
. ( jan .........
Ru**ian wide........
,, ,, imitation .
,, Unglish narrow .
h'arjhft<.vare ........
Butter Sjmlith new..
1 .. French ......
Portagese tlltet.....
Macear o'i i and verm.
ntlian Corr.........
OH linteed i:i pipet .
,, ,, in art .....
Porluguese linnen Tul.
Fold-d
Paper loter..........
,, a/matin buce 1. .
1, ,- 2. e:>
,. white
,,- /Jarete.........
ii 1 2. 11
,, Wtapping lame .
,, ,, Small .
Patteboard........
deiman cutlatset.....
Mutcatel ra(in t .....
Blacli pipper......
Pitch S'vedit'i.......
,, Gunpawder ..
Pot ash American ....
,, ,, Runfian......
Naih 4 '" ..........
11 j >% ...........
.. ............
.. i............
,, 5 0108 in........
Ilamt Oporto........
,, other*.......
Sau*ages Lisbon. .
Oheesso dutch .......
SnufJ Babia.........
,, Lisbon .......
Sewing Silk.........
Soap yetlaw.........
Medilerranean
Saltpeter redned ....
Salt ol a/queire.....
Sahaparilta....... .
Tabaco Maependim .
Pineboards..........
Racon........... .
9#ooo 10^000
9 SS60
9 5#4oo
ab" I
9
9\m
600
#540
#45o
9
#J0O
58o
3#oou
I
9
Igloo
iy8oo
T"
9
i
}
)
9
9
9
9
9
il/ooo
2#400
1 fino
I#IOO
#ubo
2#240
#
{
9
#.o5
' .->o
;j
Ho
#56o
#4n
3*800
i?3Go
1 3jo
i*3So
#600
#700
5#oo
33oo
aqoo
itioo
2^000
llioo
1J000
A8..
2#8oO
48o
2.800
11;ooo
#5io
#14o
lw
4i?2o
2#5oo
if-ioo
1^200
#070
9*600
q*6oo
2#.'lU0
i#o5o
I #O(i0
28l0
8ooo
#106
#i4o
luofl
Gr
llu
Dz.
Pe.

pe.
Lb.
>
uta
Ar.
Alq
Gl.
Vr.
Be.

W.
llu
C*.
Lb.
Ba.
Lb.
Pinegar Portuguese .
,, Mediterrnea n
Win* Lisbon P. RR...
rrhiu..
,, othei bi'andt..
Malaga,, P. ,,
,, Cette red ,,
Ciialonia ,,
Sicily ,, ,,
,, Span. Pipe ....
,, Aluscatcl......
bott/ed.........
,, clare t ,, ...
,, Champaigne ,,
RTindowd.p. oi"./../
Caadles spermecetr .
,, tallow......
#180
#9
i6#ooo i8#ooo
0*200 -5jjlooo
9 r'oo
9 4>oo
jjooo b#4oo
SS/'ooo 6o#ooo
28^000 3u#ooo
n5# 1 i6#o'oo
9 n#ooo
1>9 :oi#3oo
73^/000 78#ooj
64I/000 7#'io
6l/j01 68#oon
6ojj/ooo 63#ooo
# 53#ooo
70^000 "5^ooo
>*ooo 5#6oo
Mi.
Lb.
Ar.
>t
Dz.
Hu
Lb.
ti
>
4#ooo
I
I
#75o
Coo
5#ooo
bfAoo
#800
/220
11
Alq
Ar.
Ar.
Pe.
Ar.
>
*
pP.
>
>


U/
l
Cx.
Lb.
I2#000
i4o 700
i6ofoon
3#ooo
20^000
-llfono
I J^OOO
#3oo
g3oo
#300
3^200
9
pao
#50
Factura
*.
3#6oo
2#8oo
2^800
i#qo.)
i#8oo
i#8oo
#<)00
Qtioo
1M011
J800
3#2oo
#i5o
tofooo
#4 5o
200
#200
ofooo
iG^ooo
i6#ooo
16J000
8^300
5#I20
5,#I20
2#400
600
4#ooo
8#ooo
3*84o
3#84o
Sgooo
iIjoo
io#ooo
19 '7#
9
2#6oo
6o#ooo
6o#ooo
13o#ooo
13o#ooo
9.3^000
8j#ooo
80S000
ir'
110*000
1I0000
100^000
2#40r>
l32#OO0
060*000
#070
#5oo
6#4oo
Ct.
u m
D,
Pe-
pe.
Lb.
Alq
Lb.
9
Vr.
>
Be.


>


Ar.
Hu
Ar.
Lb.
Ba
Lb.
Lb.
f
QL

Ar.
>
Dz.
Hu
Lb.
Ar.
Ab
F.ff
Ab
Nh
Ab
Eff
Ab
Ab
V.
Eff
IS'b
b.p
Ab
Nh
Nh
Ab
Eff
Ar.
Alq
Ar.
P
Ar.
{
Pp.
>
>>
>>
it
>t
>
>
> t
t
Dz.
P.
p.
Lb.
Ar.
Ab
P.
V.
Ab
Ab
Ab
Ab
Nh
V.
Eff
EXPORTAC AO'
Agoa ardente Caxaea
.lgoiiao .. sorte. .
.. 2. >......
Vasucar b. encaixao. i. orle
>
M
n
n
M


*

' > '
,, Mascavado,,
2.
3.
4.
5.
6.
I.
a.
M
H

i
' .1 >>
n Branco eml arricado fvovo
Masca vado ,, .......
ouros Seco? Salgados......
mi de sol..............
-ihilres da trra............
.,' do Rio Grande, novilbo.
EX POR TS
Ruin..
Catin
1.
2.
liUiity.


ff

>
Sugar in cases wh ile 1. q.
" "
t a.
11 4-
)> o. 11
,> 6- -
brcvnl.
1* 1 > 2. .,
,, inburrels white...
,, >> brown....
Dry salted hides.......
Tanned hides..........
Ox-horns..............
Preco da Praca
|Ojjfo0O 45^000
73oo 7?4oo
6#3oo 6*4uU
700 a
J700 a
jjfgeo
9
A#ooo
75o
730
2#000
J#5oo
#40
2# -00
5#ooo
8&'ooo
POR Avaliac
45#ooo
7l*4oo
6^4"
l#95oi.q
i#55oi.q
i#25oi.q
4#48o
ufloco
3#8oo
POR
Pipa
Arroba
FUETES
..ssucar para
11

1.
ii

1

Ugodo
>


Couros
>
N
Liverpool....... .3 Ton. e 5 p. 0/0 de primagem.
Ainsierdam .. 3 do 70 Ar. e 5 p.
LiBllHI .... O ,, || || ||
(ienva........ 3 ,,
Hamburgo..... 3
Trieste ....... 3 10/
Estados-Unidos.
Portugal....... -io Reis por Ar. seui primagem.
1 600 ,, ,, ,,
Franca........ 400 ,, e 10 por ccntoCamb. 160 R. por 1 F.
Inglierra....... i d. por libra 3/ turo/o
Barcelona...... 5oo Rs. per Ar. e n> por cauto, Camb. 800 lis. o pezo
Inglaterra...... 4 por Ton. de 70^r.e5por ceuto.
Franca........ 200 Reis cada un e 10 por ceuto Camb. loR.p. 1. F.
Estados-Unidos.
.Nominal
Nomina
OBSEl. VACOENS
Todas as roercaoorias estrangeiras pago io por centode direitos a excepeto do da que paiga 3o
,ior ceuto, e da plvora que paga oporcento, sobre as avliacocns da paula geral do Impero; e
Igutis sobre o valor dado pea parte. Aleiu destes direitus pago reais 5 por cento de aimasenagem
idcional e expediente. Mas as cambiaias de linho rndasele fil de sedaeiinio, olo.-s de ouroe
.irata pedras preciosas, a canolill o de prata, e o uro sao cenias da armazanagem adcional e so pa-
^o 1 i;2 p. c de expeoiente Sao isentas de diicitos as maquinas anda nouzadas no lugar; porem pa-
go os 5 por cento de expediente e ariuazeuagem adcional.
Conccdein-se 4 mezesde aimazenagem livie s .'azt'.idas secca^, e a os niulhados 3o dias, e lindos el-
ies jiaga pela demora que liverein naAlfandtga na razfio de 1 \/l por cento ao mez.
Os vinhose behkfas espirituosas importadas de j aizes. que nao tem tratado cum o Brasil, pago du-
ratile o anuo hnanceirode I de Julbo de 1839 a 3u .le Junho de i84o direitos de 5o por cento sobre
a* avaliacoens, incluindo e ne&tcs 1 ijS por cento le expediente. Pago niais 3 1/2 de armazenagem
adcional.
Todas as bebidas espirituozas jiago de consumo na Provincia 4o ris por caada excepto agoa-ar-
ennedo fabrico nacional, que paga so 20 por cento sobre o valor.
Para a tiestos e quebras concedem-se a os despachos de liquidos os seguintes abatimentos; a saber:
de 5 por cento em garrafas ; de 3 por cento em botijas, de 2 por cento em cascos e garrafoens.
O Carvo de pedia be izemptode direitos, e s paga3 por cento de expediente c armazenagen.
Os direitos ne exportaco pago-sesobre a avaliaco d urna pauta semanal na latao seguiute As-
mear lo por cento; Algodo, Caf, e humo 12 pi 1 cento; Agoa-ardeute ecuros, e todos os mus
'eneros 7 por cento. lem destes direitos pago-so as laxas de ino ris em cada.cana de 4o rcis em
fecho d*- 2" risem cada barrica 011 ac de assucar : ede 4o reis em rada saca de algodao.
Courus, e iodos os mais gneros sao livres de direitos pai a os porto do Imperio a excepeo do Al-
godo Assucar, Caf e lumo que pago 3 por cenlo e as laxas por voluiae.
Os melaespreciosos uacionaes ou esuangeiros cm bata ou ainoedados eo ouioemp pago
uor cento sobre o valor crreme no mercado.
I
Osescravos exportados pago o#iioj por cada um.
REVISTA CU.UMfiltClAL
CAMBIO Ttm bavido alguinas transaroins a 5o i|2 e licou bastaale ilinlieuo por nao bave
sacaclores.
A SSLCAR Mui frouxo depois das ullimas noticias desfavoraveis da Europa os compradores nao
se mostio inclinados a pagar mais do que a 700 rail
ALGODA' Stm alterarn as noticias boje chegadas mostio preros inais baiios em Liverpool
no dia i3 de Ma o
C OEROS Eiirr.es e piocuiados ao jrcro noUdo. /
FARIIS11A^o decuiso da sema:ia ebegaro di iis carregamentos de Boston com l5oo barricas^
q uese esto rctalhando a os preros rotados.
UACaLHAO Nao tem liavido importaco.
HECIFF NA TVPOGBAHA DE MAMIEL FIGEIBOA DE FABIA i84


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKIYSCS18_7S0CY7 INGEST_TIME 2013-03-29T16:54:56Z PACKAGE AA00011611_03532
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES