Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03525


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1840. Quinta Feira.

_ *
^Tudo agora depende de nos mesmos; da nona prudencia, modera-
c'o, a energa : continuemos como principiamos e seremos apohtados
om admiraco entre as IS'ares mas cultas.
Proclamac&o da Asstmblta. Geral do BratiU
MI I II || Q % i | |
h ------1 --.- > *** ** ^*Mt t muuS H5SI2
gnadp*. '
Partidas dos Correios Terrestres*
Cidadeda Parabih e Villas de su pretenco.......\
Dita do Rio tirando do Norte, e Villas dem.......(u ,.
Dita da Fortaleza e Villas dem..............1$' e Sextas feras.
Villa de Goianna...............,....../
VjI......* "'""'"...................... lodos os da ;
Villa deb. AntSo......................Quintas feras.
Dita de Oaranhuns e Povonmo do Bonito.........lo, e 2$ de cada mes
Ditas do Cat.o, Serinhaeni, Rio Formlo, e Porto Calvo, i, u, e i\ dito dito
Cidade das Alagoas, e Villa de Maceio ...........dem dem
Villa de Pajn de Flores.....................dem 13, dito dito.
Todos n.t Correiot partem no meio da.
la ~i(P ^Px
"ISa \-\%t? l?B '?* (sM !['
PKASES DA LU.1.
Qtiart. crrsc. a 6 as to h. e 56 m. da tarde
La Cheia a i i as 11 li. e oR m^ Ha tar .e
Ouart ming. a n as p h. e 10 m. da tarde
La Nora a 29 as 11 h. e Jlm, da man.
Mure clieia pa ra o dia 11 de Junho.
Asi horas e 6 minutos da manh.
As 2 horas e 3 > minutos na larde.
11 de Junho. Numero 128.
CAMBIOS. Junho 7.
Londres...... 30 i;i d. por lfeo Lisboa...... 70 a 7 por 0/0 premio, por metal oflerecido.
Fianca.......?g5rcis por franco.
Ki" ''c Janeiro ao par.
OORO Moedas de 6f4oo rt>, Velhaa t^f-joo a i . Hitas Novas 14^500 a 14*700
Ditas de 4?oo rs., tfffooo a aoo
PRATA Pataccs Rratileiros--------------l/?6?r i'690
t> Pe2r,s rolumnarios--------------- tinto a lxjo
Ditos Mexicanos-------------------- :#rj5a a li? o
Miuda -.............i#4 Descont de Rillietes d'Afandeqa 1 1/8 po loo ao raez.
Iilem He Letras ii.'i por boas firmas offercido.
Moeda de colire a 4 imr 100. de disc.
Das da Semana,
8 Segunda %. 1. Oava S. Salustianno B. -.
9 Terca >Jt a. Oitava S. Primo e Feliciano Mis.-
10 Quurta Temp j.jum S. nargrida Rainha. Aud. do7ui de Diroto da
3. tara.
11 Quinta S. Harnabe* Ap. Audiencia do J.i de Dimito da 1. v.
la Sexta Temp. jejuin S. J h de S. Facundo Audiencia do lu* de Direito
i. vara.
i3 Sahbado >ff Temp. jejnffl S. Antonio F. Padroeiro-da Provincia.
4 Domingo da Si. Trindade.
L
RTO DE JANEIRO.
SENADO.
Sesso em 6 de Malo de iSfo.
Presidencia do Sr. marqttez de Paranagua
Approyada a acia e lido o expediente o
Sur. presidente marra o dia 8 do crrente
rara ler lagar a continuado da reunio das
duas cmaras no paco do senado
O Snr. Mello v Mallos requer que seja aF-
fecta commisso da mesa para ella in-
terpor seu parecer, a proposta feila or J.
Villcneuve e Comp. afim de publicar as
sesses do senado pela quontia mensal de
a;oooU de reis.
O Snr. Hollanda Cavalcanle, fallando so-
bre a materia entende que o requerimento
nao deve ser spproiado. Nota que os mais
acreditados diarios da corte foro convidados
para a presentar suas propostas : s o Des-
pertador foi quem a apresenlou nao deven-
ido o senado demorar sua deciso a respeito,
pelo fado de se baver offerocido huma pro-
posta inteiramenle exlemporanea. Onobre
orador lembra a necessdade que lia de auxi-
liar-he a imprensa, por quanto se ella nao
for auxiliada querendo os redactores que se-
js0 lidos seos escripia dexarau de parte a
discusso de questes importante para trata-
rem da vida particular dando pico e sanele
aos seus rticos ponjsso que o escndalo px-
citd a curiosidade. Entende que esse auxilio
nao deve ter dado a huma 011 a outra empre-
sa mas a imprensa, porque, para ser profi-
cuo esse auxilio deve ser o mais extensivo
possivel. O nohre orador nota a extraordi-
naria influencia que podeexercer no pas bo-
ma folha incumbi-s'a de publicar os trahalhos
de ambas as cmaras e porisso votara a fa-
vor do diario da casa anda que a differenca
da consignacao fosse maior nao se desen-
lio inli ir de suas palavras que seja infenso
10 Jornal do Comniercio ; por quanto, he
o primeiro a declarar que essa folba lem
prestado e a inda continua a prestar muitos
serviros ao paiz reconherendo que essa em
presa est mais hem montada, q' lem melhores
taihygraphos, o que prova com o seo discur-
so na essemblea geral, que o Jornal do Com-
mercio publicou com muito mais exactido.
O nohre orador entende que sobre eslas ques-
tes nao se deve altcnder ;i economa de pe-
quenas soinmas, qneaspessoas entendidas na
materia nao podem adiar exorbitante a quan-
tia pedida pelo Despertador e conclue vo-
tando contra o requerimenlo.
O Sur. Mello e Mallos observa com a apre-
sent.-icao do seu requerimento nao leve em
vista estabelecer discusso sobre os auxilios
que se deven dar imprpnsa ; ignora-se
contrariar eom huma folha que se incumbe
de publicar os trabalbos da casa por condi-
ces menos onerosas he o mesmo que esta-
belecer o exclusivo da imprensa pur isso que
essa folha tambem publica as sesses da outra
cmara e lembra que talvez seja a legislar-
tura do Brasil a nica ou huma das uiuilu
puncas cpie paguem a publicacao das suas ses-
soes. O nobre orador declara que o fim do
MO requerimento be dar ;i proposta que ex-
iste sobrt- a mesa o deslino que se dou uo
Despertador, a fim da cummisso iulerpor
seu juiso.
He approvado o requerimento.
Entrando-sena ordem do dia, a terceira
discusso do projecto de interpretaco ao acto
addicional o Snr. Alencar pede a leitura das
representa<;o>s dirigidas ao senado acerca do
projecto em discusso.
Feita a leitura daquellas re presen taces
que estavao na casa, o Sur. Vcrgueiro pro-
pe o adiamento at" que a con.misso respec-
tiva tenha dado sobre ellas seu parecer ,
visto o senado j Ihes baver dado esse des-
tino.
Falla contra oaddiamento o Snr Mello e
Mattos, e a favor o Sr. Almeida e Alhuquer-
que A opposico ao adiamento funda-se
em que as cmaras muncipaes e assembleas
provinciaes nao tem odireito dedizer ao se-
nado esta le nao he boa por tanto nao a
adoptis-, eem que o direito de representa-
c"o he limitado a materias administrativas ,
no que diz respeito ;s cmaras munieipaes ,
1 que sao corporacoes puramente administrali-
1 vas. A defesa tem por fundamento a falta
de ordem resultante de remoller as represen-
taces ascnmmisses e deliberar st-m que
tenbo dado um parecer,a obrigaco dofsenedo
em beneficio desse poder que ja he to forte,
em proceder a todos os exames necessarios an- queohteve o declarar-se que existe na cons-
tes de approvar ou regeitar huma le No- tituico hum principio que ella nao sancio-
ta-se tambem que seria illusoro o direito
de representaco concedido at ao simples ci-
dado, se por ventura nao fosse licito ao
a disposico estabelecida- no artigo. Con-
clue volando contra a prmeira parte por in-
til e contra a segunda por perigosa.
O Sr. Paula Alhuquerque apnrora a dou-
trina do artigo na sua essencia mas desejaria
que fosse mais determinada. Declara que
votara por huma emenda mais explcita ca-
so fosse apresenda votando na Falta della pe-
lo artigo em discusso.
Heregeitada a emenda suppressiva e ap-
provido o primeiro artigo bem nomo o se-
gundo, depois de alfurnas observacoes do
Snr. Almeida e Albuquerque, as quaes nao
podemos ou vi r.
Entra em discusso o artigo 3.
O Snr. Vergueiro entende que a doutrina
do artigo est em plena contradieco com o
queseacha estabelecido no acto addicional
acerca de em pregarlos provinciaes. Nota que
o poder judiciario vai a absorver as allri-
huteoes de todos os out^os poderes, sendo to-
das as modificacoes do aclo addicional feitas
na. O nohre orador depois de varias ou-
tras constderacoes declara que tantos sao os
absurdas contidos no projecto em discusso ,
representante expender sua opinio sobre a I que tifo ha quem levante a voz para defen-
iiiiiori .HITAII. I 1
iiiiiterii sugena
Nao he approvado o addiamento.
O Sr. Ferreira de Vlello requer que o pro-
del-o.
O Snr. Carneiro de Campos nota que nao
se lem apresentado na terceira discusso do
i?J! dii.sculido em lercei,a discusso ar- projecto novidade alguma admirando-se
de que censure a disposico do artigo aquel-
le mesmo orador que propnz a interpretaco
tigo por artigo.
He approvado o requerimento.
r.nlra-se na discusso do 1. artigo do de hum artigo do acto addicional fundado na
projecto. mesma base. O nobre orador nota que o fun-
O Snr. Almeida e Albuquerque vota con- llmenlo que honve para se declarar que a
traoaitigo por julga-lo ocioso, nao tendo e.xpresso todos -do acto addicional, quando
outro fim seno lomar obscura a doutrina exigi a reunio das actas de todos os col i e-
nelle conlida Entende que a materia sendo gios.'dcvia se entender da miior parte dellas
de sua natoresa inquestionavel, be desneces- quando o numero das que faltassem nao fos-
saria a interpretaco. se tal que podesse modificar o resultado da
O Snr. I'erreira de Mello julgaque o pro- eleicao j nota que esse fundamento he o
jecto nao deve ser adoptado, porque os seus mesmo em quese eslea a doutrina do artigo
sustentadores nao explicaro os arlgos obs- em discusso. O nobre orador defende com
euros que nelle se contem. e porque existem energa o poder judiciario da censura que
na casa multas represenlaces de assembleas lhefoifeila, e niostra com lacios historeos
provinciaes e cmaras munieipaes que pedem que esse poder foi seropre o sustentador da
a sua regeico ; devendo-se notar que nem a liberdada dos povos. Appella para os Esta-
representaco da assemblca provincial de Mi- dos Unidos, onde o poder judiciario tem ex-
nasGeraes. llie he favoravel porque pede Iraordinaria influencia a qtial nao se tema-
huma interpretaco legiiima do acto addi- diado nociva, antes profic.ua aos interesses
cional nao se po endo dar essenome esta- da Unio, e termina sustentando a doutrina
belecida no projeclo em discusso porque do artigo.
nao se conlem nos limites de huma verdadei-: Dada a hora o Snr. presidente d para
ra interpretaco. Nota que hum eloquente ordem do dia a contiuuaco da materia, em
orador da casa fasendo boje parle do gabine- discusso.
le, proposera em segunda discusso humae-
metidn suppressiva da segunda parle do arti-
go porque entenda que a doutrina nelle
cuntida era absurda e propria para levar a
desordem a todos os pontos do imperio O
nobre orador nao se faz cargo de appresentar
os argumentos en to produzidos porque,
na phrase delle orador teme desmerecer-lhe
o brillio, e porisso apena se prope a ins-
taurar a emenda ento presentada.
O Snr. Vergueiro decara-senutra o pro-
jecto em ;eral, por julgal-o revolucionario,
estahelecendo huma reiuima sem ser pelos
tramites conslitucionaes. Entende que s
passar a doutrina do artigo nao se leudo de-
vidamente extremado o poder administrativo
do judiciario esle absorver todas as atiri-
tribuices daquelle, porque julga de sua
competencia tudo quanto he contencioso., iu-
irindo dahi que o mal se toruar maior com
CMARA DOSSRS. DEPUTADOS.
Sesso em S de maio.
Presidencia do Snr. Marcelino de frto.
As des horas da manh fa/.-se a chamada ,
a achando-se reunidos os Snrs. depurados
em numero legal, abre-se a sesso lo-
se e approva-se a acta da antecedente.
O Sur. primeiro Secretario d conta do
expediente leudo os seguintes urbeos.
Do secretario do senado communicando 09
nomes dos membros daquella cmara que
foro eleitos para comporem a mesa do mesmo
senado. Fica a cmara nteirada.
Do ministro interino do i npero o Evm.
Snr. Francisco Ramiro de Assis Coelho, par-
tecipando que por decreto de 1 do crlente
o Regente, em norne do Imperador o Snr.
0, Pedio U,, bou ve por bem uoincal-o mi-
nistro interino e secretario de estado dos ne"*
gociosdo imperio. Fica acamara nteirada.
Do ministro do imperio, remetiendo aco-
pia da acia da apuraco peral dos votos, que
ohtivoro os dou* deputados a assemblea ge-
ral pela provincia de Sergipe. A' commis-
so de poderes.
Ordem do dia.
Continua a eleicao das comraissoest
Para a commisso de marinha e guerra.
Os Snrs Lima e Silva com 4o votos,'
Carvallio de Mendonca 5i, e Oltveira 38,
Commisso da redaeco de leis.
Os Snrs. Miranda Rihero com 4g votos^
Gomes de Campos 45, e Barretto Pedrozo 45.
Commisso de cmaras munieipaes.
Os Snrs. Vaz Vieira com 5p volos, Lopes
Gama 59, e Antunes Correia 53.
Commisso de assembleas provinciaes.
Os Srs. Tosta com 4> votos, Ferreira Pen-'
na 4, e Silva Pon les 4o.
Ao meio dia annuncia-se acbar-se na sala
immediata o Snr. ministro e secretario de
estado dos negocios da marinha*, o qual sendo
recebido com todas as formalidades do estilo,
e occupando o lugar direita do Snr. pre-
sidente lo a seguinte proposta.
Augustos e dignissimos Snrs. representan-
tes da f!2C2Q.
Venho boje, em cumprimeto da le aprc
senlar-vos a seguinte proposta, para a fi-.
xaco das forcas navaes que sedevem con-
servar em actividade de servico no anno G-
nanceiro de it4i a 184a.
Proposta.
Artigo 1, As for$as navaes em lempo ordi-
nario para o anuo financeiro que ha de correr
de 84 a 184/, constaro de a,5oo pracas de
todas as classes e dos navios de guerra que
o governo julgar conveniente armar inclu-
indo sempre e desde agora urna embar-
caco propria para aperfeicoamento dos ofii-
ciaes de marinha.
Artigo 2. Em lempo extraordinario pode-
ra o governo elevar o numero de pracas de
que trata o artigo antecedente a 4,5oo.
Artigo 4. O corpo de artilheria da marinha
ser elevado ao seu estado completo, podendo
o governo em caso ordinario licenciar as pra-
cas de pret, de tal modo que conserve sempre
um effectivo de boo das mesmas pracas.
Artigo4- O corpo de imperiaes marinhei*
ros ser elevado, logo que seja possivel ao
numero de i2 compaubias com ,106 pracas
cada urna.
Artigo 5. Alem das companbas mencio-
nadas no artigo antecedente haver outra
de aprendices marinheiros que poder ser
elevada ate ao numero de 2oo menores da
idade de 10 at 17 anuo, (indos os quaes
principiaroa vencer lempo de servico.
Artigo 6. O governo fica desde j autori-
sadoadaruma gratificaco da i2oooreis,
aos pais ou tutores que valuntariameute a-
preseutarem os menores para serem admiltidos
;is escollas de aprendizes marinheiros. e mais
um terco de sold, deduzido do q>;,;ihouverem
de vencer os mesmos menores at a idade da
17 annos.' Sao preferidos os filbos dos arti-
fices, ortici es de apilo marinheiros infe-
riores, ou soldados de artilheria de mari-
nha edeqnaesquer outros individuos em-
preados nos arsenaes militares do imperio.
Artigo 7. Em quamo outra cousa se
nao decreta o tempo de Be**vico para to-
da a niarinhagem voluntaria, sei o de 5 an-
uos effectivo, e de oito para os recrutados.
Artigo 8. O governo fica autorisado para


fi
D A R I O O V P K R N A M BUCO




justar manija a premio preferindo os nc- ofiieios do i. do corrcnle e desla data que
onaes aos estrangeiros e nao havendo quem j faca lavrar o termo 3o frctamenlo do biigue
assim qneira servir poder rrcruiar na rassos e Victoria.que se otFerereo a ir levar os
foima das leis as pracas necessanas para
completaras forcas cima decretadas,
Art. 9. Fica lambem autorisado o govor-
generos destinados para a Illia ile Fernando.
{.)ito Ao Jiii/. t!e Direito interino da .
VnradoCivel, enviando-lbe o regiment do
recolhc-ra do Exercilo do SjI por ter sido
Reformado
dem do din 3o. *
Officio-Ao Exm. Presidente, significan-"
do-lhs fine o soldado Andr A Ivs nao pom a
Lei Provincial 11. 87 de < de Maio perante
o Tribunal da niesmu Tbezouraria nos dia.-.
19 e a3de Junho prximo futuro as
onr.e lincas da manbi se lia de arrematar em
hasta publica a quem mais der por tempo de
para alem do sold dars pracas do cor- ]uit e Metanos da Irmandadc do SS. Sacra-
po de artilheria da marinlia que concln- i mentdesta Freguezia acompanhado dos arli-
indo o sen lempo de servico, quizerem n'eMe I gos adicionaes a o respectivo Compromisso .
contiuuar una grtiticaefio igual ao sold de
primeira praca em quanto forem pravas de
i rpiacs j. loruu appfovados pelo Exm. Bispo
ioce>Hiia na paite Religiosa a fin deque,
pret, o a recrutar na forma das leis as pravas romo Juiz de Capcllas d sobre el e o Seo pa-
refVrdo
10. Os officiaes da armada, de arti-
marinlia
us tcsmcs
precisas para completar a loria U
1 orno*
Art.
Ilieria da marinha fiuenla, e nutica per-
teber quando embarcados em navios ar-
icados, o meio foldoq' ibes nana a lei de i5
deoutubrore i8<(> em cujadiiDoaico ficao
(inpiehendidos os officiaes marinheiros. Os
i-irurgiges, ernpetlas da armada u-nrer
tambem a gratificacao de 4".* rs mensaes ,
quando embarcados, ou effectiva mente em-
preados nos hospitaes.
Art. 11. A grufiaco addicional dos ci-
rurgioes e caneleo de artilheria da
ser Lamn .r. Je 4" ls mensaes
cirurgioes, assim como os da armada sao com-
prehhendidos para sempre as disposicoesem
vigor do al\ar; de ib e da caita de lei de G de novembro de 1027.
Art. i, Fica desdej aulorisado o gover-
110 a preencber as vagas que houver e hajS
de b-iver no corpo da armada e artilheria de
narinba conforme as leis em vigor.
Art. i3- Tamben fieadesde j aulorisa-
alo o governo a crear urna companhik de ar-
tfices marinheiros que enviar para a pro-
vincia de Mallo Grossoo mais breve possivei.
Falacio do Iio de Janeiro em 6 de maio
de i?4Jacinto Hoque de Sena lereira.
Concluida a leitura o Snr. ministro re-
tira-secom a mesma formalidadecom que en-
trn A proposta remedida commisso
d marinhi e guerra.
Continua a eleico das commisses
Commisso de commercio agricultura in-
dustria e artes.
Os Snrs. : Lemos com 5i votos, Galvo
51 e Ferreira Souto 46-
Commisso de instruciao publica.
Os Snis. : Paula Candido com 4^ votos,
Alvares Machado 4o, e Gomes da Fonceca 35.
O Sur. 1. secretario le um officio do se-
cretario do senado em que parlecipa que o
Fxm. presidente do mesmo senado designou
o dia 8 do torrente para continuara reunido
de ambas as cmaras em assembla geral. Fi-
ta a cmara inteirada.
CcrnmiGsa c esiatistica e cainequesc.
Os Snrs. : Veiga Pessoa com 44 votos, Pe-
dreira 33 e Reg Monleiro 3a.
Commuso de minas e bosques.
Os Snrs. : Cintra com a5 Torrea o 4 >
e Almeida Boto ai.
Commisso de negocios (eclesisticos.
Os Snrs. Hispo do Kio de Janeiro co:n 42,
hispo de Cuvab 3fj e Gomes Hibciroj8.
O Snr. presidente deu para ordrm do dia
a conlinuaco da eleico das commisses, e a
discusso do projecto 11 100 de 18 7 ji. 3 de
'iS'ig primeira discusso do projecto u. n<)
de i838 as resoluces ns. c>5 de i83 1-14
de 1837 62 de i898 eo4 de i8"><; todas
lelativas s cuntas do tutor de S. M. 1 e A A :
eo projecto n t<-5 de i38 ; c ievautou a
sessio pelas dnas hora*da larde.
PERNAMBIX'O.
iecer informando se esto organisatlos na
Ibrma das Leis que regulan taes objectos.
Uilo -- A Cmara vlunicipal de Sfrinha-
em recoinii'nd'indo-lbe em res; officio de Maio ultimo, que procure saber
coin exuctido quaes sao os terrenos peiteiuen-
les ao patrimonio da mesma Cmara reven-
do para este fim os Livros existentes e bem
issiiu quanto poderS dar de foro os queso
acba devolotos; convundo observar ijue a
lei Provincial de i4 de Abril de i83ti nada
dispSe a semeihante reseito como suppSe
a mesma Cmara.
Dito A Cunara Municipal do llrejo,
y.jnificando-Ihe que, nitmido a Presidencia
fizer a distribm'erjo da quola designada |na Lei
Provincial \. 87 para a obra das Codeas das
Cabecas das Comarcas rio auno hnanceiro de
1840 18 j 1 ^<*r tomada e:n consideraco a
representaco que a mesma 'amara fez em
io de 7 de Maio ultimo acerca do qtian-
titativo Kcessario pira a conclusaj da Cadea
respectiva,
COMMANDO DAS ARMAS.
Expediente do dia 7 do pp.
Officio-Ao Exm Presidente representan-
do- lbe acerca da supreco da gratifuaco
mensal de 3os' rs. que se abonava aos Com-
mandantes do Presidio de Fernando de No-
ronha mostrando-lbe que semelbanie gra-
tificaco Ihes competa dedircito pela Tabel-
la de 2b" de Marco de i8a5 ; por s?o que o
Presidio nao podia deixar de ser considerado
Praca ou Districlo ; que de nenhuma sor te
devia tal Comm indo ser considerado do Esta-
do maior da 2. Classe cuja gratificarn era to
diminuta, que nao cbe;ava para mauter ali
o o hacia I com aquella decencia queconvinha, i
e finalmente rogando-lhe que em vista de Balalbo de Artilheria pedindo-lhe infor
ser dimitlido como dtterminav em seo des -|bum anuo contado do 1. de Julhodo corren-
pacho de honlem por ter embarcado para le as Pendas se^uintes.
Marnbao no dia i6d'Abril p. p.
dem do 1. de Junho.
Officio-Aoxfn. Presidente propondo-lbe
para dimico os soldados Manoel Antonio de
Moura JozeAlvesde Puntes, Jo/.e Fran-
cisco a. Vanoel da Paixo Pimenlel An-
tonio Joze Henriques Domingos d"Almeida
Gomes Cabial e Joo Ferreira, o primei-
ro de Cavallarla o segundo e leiceiro d Ar-
tilheria e os mais do Deposito: por issn que
leudo ellos sido inspecionados pela Junta de
Saude em ces>o de judo |). p. VWO forfio
jnlgadus incapn^es do servico Militar.
Dito-Ao Exm. Commandint'- das Armasd ,
Baha, enviando-lhe as goinsdoa. Sargento
Joze Antonio d'Arauio Carreira e soldado
Jo/e ''erira da Silva vindos do Para o
primeiro como invalido e o segundo cuno
Reformado, em consequeiicia de ferimmitos
pefibtdos ali em combate e co'uiiiinici'id -
fheque estas aptesentadas na Barca de Vapor-Pernam-
bueaia -
Dito-Ao lv\m. Commandante das Armas
do Rio Grande do Sul e Commandante em
Chele do Exercilo em operaeoes remellen
officio de 19 de Fevereiro ultimo os assenta-
menlos do Cabo I ilicio Antonio ilo Reg, e
Francisco Vieira da Silva", e dando-Ilie os
motivos porque deixarao de ser to bem envi-
ados os assentamentos do Sargento Manoel
do Nascimento, msico Apolinar io AUes de
Lima, e soldado Francisco Joze de Souza
Barros.
Dito Ao Inspector da Thesouraria, pon-
derando-lbe a conveniencia de ser mensal-
metite pago de seus vencimentos o Destaca-
mento do Forte do Pao-amarello pela mesma
inancira porque er.10 jiagos os de Gailu e
Itamarac e pedindo-lbe a expedirlo de suas
ordens a ('o> tabilidade Mifar, para que
esta medida se levasse a effeito.
Dito Ao Commandante inteiino do 3.
for-
1. Furo das caixas e fechos d'assncar.
a. Taxa d >s pnssagensdos Rios dos Muni-
cipios do Becie e OUuda.
As pessoas que se propozerem a esta arre-
matac'i comparecSo na Salla das Sesses da
predila Tl.e/ooraria nos das cima indicados
munida^ de Fiadores idneos. E para cons-
tar se mandou affixar o prezente e publical-d
pelo Prelo. Thezonraria das Pendas Pro-
vinciaesde Pernarabnco 3o de Maio de lS.jo.
loo Baptista Pereira Lobo Jnior.
Por engao foi anniinciafo nos Diarios de
G, e iodo crlente que ->e paga va aos Empi'O-
gados l'rovinciaes nos dias o e lodo cor-
rale m?z o ordenado de Maio quandu se
deve 1er de Vi a reo,
i versas ile part c;oei is-
C-OYLilJNO DA PROVUNClA
Expediente do dia 1. do rorrele.
Officio-Ao Commandante das Armas, res-
pondendo-lhe que pode demillir do servico
de 1. Linha os soldados Manoel Antonio de
.Moura JczeAlvesde Pontes Joze Fran-
cisco a. Antonio Joze Henriques Domin-
gos d'Almeida Gomes Cabial e Joo Fer-
reira ; visto lerem sido migados incapazesde
continuar no mesmo jervico pela Junta Me-
dica.
Dito Ao Inspector da Thczouraria das
Rendas PrcAinciaes coromunicando-lhe que
a Presidencia por despacho desta dala concedeo
a demico que U,e pedir o Professor da Ca-
deira dt Franccz <),q Liceo Felippe Lopes Ne-
to Junior.
Dilo-Ao Director do Liceo communican-
do-lhe a dtmisso de que tratar o precedente
officio', e ordenando-I he que faca entrar o
respectivo Vbtilulo na regencia da mencio-
nada Cadena aqual nao sei posta em con-
cunOem quanto nao for dthnitivamenle orga-
ni^ado o mesmo J.iieo.
dem \n dia 2.
Officio -- Ao Inspector do Arsenal de Ma-
iuha j ordenaudo-lhe cm resposta sos
razSes to ponderosas houvesse de mandar a-
bonara gralificacao de 3os' rs mensaes ao
Major nomeado Commandante para o dito
Presidio, ou solicitar do Governo Central a
precisa aulborisaco para semeihante abono.
Dito Ao mesmo Exm Snr., remetlendo-
Ihe competentemente informado o renueri-
mento ihy Quare! MeotTC do 3. Bataiffi de
Artilheria Manoel Inopes siaciel que pedia
se lbe mandasse abonar a gralificaco de 4?'
rs. mensaes pelo lempo que no Acampamen-
to do Agoa-rreta foi emprimado no Labora-
torio, e Deposito das munieoes de Guerra.
Dito-Ao Doutcr Francisco Xavier Pe reir
de Brito, para que houvesse de compareoer
na Secretaria Militar as 10 horas da marffi'a
do di' 3o para tomar parte nos IrftbalhoS
da Junta de Saude de i]ue era ftemhro, e bem
assim que teado sessado o seo impedimento,
de\ ia alternar rom o DUtor J ^.'i. Gomes uas
visitas semanaes do Hospital Regmental.
1 ilo-Ao Commandante do Frle do Bura-
co conimunicando-lbe. que a Presidencia.
linha expedido ordem ao Inspector (jaral das
(>bras Poblic i arn Hm fo-111 1 lgun
.1111
da estiva veilia da Ponte i.i rtoa-vista .
ie seem apphca'ild no parapeitodo slterro ,
rjue eslava iasendo em frente do mesmo Forte.
;n do dia 29,
Officio-Ao Exm Pifsidente, devolvendo-
Ihe competentessente informado o requeri-
raectodeCapitao Antonio Manoel de Moraes
de Mesquita Pimentel cine pedia faculdade
para seo filho Cadete do J. Balalho d'Arli-
Ihera continuar es Seos estados particular-
mente at que para o ;.tmo se dedicasse aos
de .-na resiiectiva arma
Dito-Ao Cfimnandan te interino do 3. Ba-
talho d'Aililheiia connnunicando-lhe,que
tendo-e recolhido a esta Capital o Major Gra-
duado Joze Juaquim da Costa susjiendesse a
cobranca da eonsignacfio que o mesmo Ma-
jor deixara un socorro de sua familia quan-
do marchoii para o Rio Grande do Sul.
Dilo-Ao Major nomeado Commandante
para o Presidio de Eernando ordeuaiido-lhe
que logo que assummisse oCommando llie re-
ir.ctlessuum mappa do armamento rorrea
me, eEquipamenloa cargo do Destacamen-
to devendo nelle incluir o que se forneceo
em 183 \ a exlincta Companhia que guarne-
ceo a liria.
Dito-Ao Inspector da Thezouraria, acerca
dos vencimentos de Campanha que compe-
lioao Mejor Jozv Joaquim da Costa que se
mavOes acerca do comportamento do l. Sar-
gento J H C do mesmo Balalho
Portarla AoCapilao Commandante in-
terino do .'). ialalho de Artilheria ordenan-
do-lhe qoe assentasse nesta data praca em
qualidade de voluntario a Jos Alfonso dos
Santos Bastos qum a Presidencia conce-
iii faculdade para contiuuar os no Lyceo desta Cidade sendo obrigado ao
servico durante as ferias. e ao comparecimen-
lo das revistas de mostra e grandes Paradas
Dita Ao mesmo mandando dar baixa
ao soldado Lino Jos, da segunda Compa-
nhia ; por 1er finalisado sem nula o seo enga-
amento e nao querer continuar no serco.
Dita AoExm. Director interino do Ar-
senal de Guerra mandando que fossem de-
niillidos os soldados da Companhia de Artfi-
ces Jos Rodrigues Maris e Manoel Igna-
cio da Costa Monleiro ; por terem finalisado
sem nota os seus engajamcnlos e nao quere-
rcm continuar no servico.
Dita Ao Tenente Coronel Commandan-
te do Deposito mandando excluir *io mesmo,
e recolher bo.do da Barco de Vapor l'er-
uambucauA o a. Sargento Jos Antonio de
Araujo Carreira e soldado Jos rercira da
Silva ambos addidos, e perleneentes a Guar-
nido da Babia devendo enviar suas guias a
Secretaria Militar agora mesmo.
Dila Ao Major Commandarite interino
do 4. Esquadro de Cava Hara Ligeira re-
nettendo-lhe o Conselho de Averiguaco fe-
to ao 1. Sargento Manoel do O' Rodrigues A-
ledo e ordenando-lbe que o fizesse reco-
nhecer Cadete da 3. Classe, em vista das pro-
vas (jue produzio parante o msmo Conselho,
Dita Ao mesmo mandando em exe-
cuco d ordem da Presidencia dar baixa ao
soldado Bernardino de Scnna Lins ; por nao
estar as circunstancias de servir na primeira
Linha.
Dita Ao mesmo ordenando-lbe que
conciderasse nesta dala praca voluntaria no
Esquadrlo ao paisano Francisco Antonio
Pereira de Carvalho quem a Presidencia
linha concedido licenca para estudar particu-
larmente este anuo sendo obligado ao servi-
co durante as ferial e ao eompaieciinenlo das
revistas de mostra, e grandes paradas.
THEZOURARIA PROVINCIAL.
Km i Ai..
O Inspector da Thezouraria das Rendas I
MEZA DO CONSULADO.
A Pauta he a mesma do niiin. ia3
TRIBUNAL DOS JURADOS
Sesso do dia 5 de Junho de 184o.
Jury deSentenca,
Denuncia do Doutor Promotor contra Es-
tevo Marinho dos Sanios pela morte leila a
VI a noel Francisco Tavares ; foi condemnado
a gales perpetuas : piotesiou por novo jull-
menlo.
P R RF EIT R A.
Parle do dia 6 do crlente.
lilm eExm SnrDas parles boje rece-
idas corista nao ler occorrido novidade
Dia 7.
Illm. e Exm. Snr. l'ora hontem presos
pelo Sub-prefeilo da Freguesia do Recife ,
Aires Antonio branco por ser encontrado
armado de urna fac pequea ; foi remeltido
ao Inspector da Marinha pela 1. palrulha
dodistricto de Fora de Portas o marujo do
Brigue Escuna l'idelidade Mar.oel da Silva ,
branco, por briga \ foi remelti lo as respe-
ctivo Commandante ; pelo comm:s;ario de
policia dodistricto da rua da praia o |ieto
Luiz escravo de Antonio de Lodo e Siibs ,
por estar fgido i foi remettido ao Snr. : e
pida palrulha do districlo do Carmo a parda
Thereza Mara de Jezus por estar bastante
ebria ; foi sola
Das partes recebidas nao consta que occor-
resse rsais novidade.
Dia 8.
Illm. eExm. Snr.Foro hontem presos
pelo Sub-prefeilo-do Recife o pelo Fausti-
no da Gama por suppol-o desertor do Bri-
gue Nictheroy ; foi remetlidoao Inspector do
Arsenal de Marinha pela 1. palrulha do
districlo do Corpo SantJ outros trez pelos de
nome Joze escraxo de Francisco Felippe ,
Joze de Francisco da Cutiha Ferreira e
Joo Vie:'s
, por seren encontrados tarde da
idos
Dis-
imile na rua bastante ebrios foro remedidos
Provincia.cs.- U publico, que era virlude da j Joze Leo de Castro.
01. e a seos Sis e o ullimo ao
peclor do Arsenal de Marinha.
E' o que consta das pules boje recebidas.
EDITA L.
Francisco Antonio de S Brrelo, Prefeilo da
Comarca do Recife por S .vi. o Impera-
dor a CJuein L'eos Guarda etc.
Paz saber que na Cadeia d'esla Cidade se
acba preso ha-dias o prelo de nomo Mano-
el,. de na.o Gamondougo o qual foi cup-
lurado pelo Sub-Prefeito da Frcguezia da
B. -vista por estar fugdo e >lissu -e.- escra-
vo d Antonio Flix N cita morador no sitio
do Queimado e muito conhecido do Reve-
rendo \ gario Joo da Silva j afini de que o
.Sur do dito prelo o venha reclamar em io
di as contados da dala d'este cumpenleinin-
le bahiliudo. Recle 5 de Junho de ib^o,
S Barrlo.
EDITA L.
A Cmara Municipal da Cidado do Recife ,
e seo Felino etc.
Faz saber que pelo Uoutor Juiz de Direi-
lo interino da 1. Vara do Gime desta Cjmar-
ca Francisco Joo Cirueiro da Cimba lbe
lora feilu a devida partecipaco sobre haver
designado odia 29. do correle mez de Junho
poras o horasda raanha para dar princi-
pio a 5. Sesso Ordinaria dos Jurados deste
coi rente auno na caza de suas Sesses ; em
conseijuencia do que lendo-se feito o sorlea-
Hiento na Coiiforinidade do Cdigo do Proces-
so Criminal foro sorteados os 60 Jurados ,
que sao os segu intes Senhores;
Manoel Cardozo Ayres.

^


HIA RIO D
P R R X A M l\ V C O
*;
EXMI
3o/e Pinlo de Oliveira.
Antonio Duarte Ferreira Vellozo.
Manoel Puchero de Rezende.
Francisco Xavier Martins Bastos.
Francisco de Su lea. da Costa Vlnnieiro.
Felis Joze da Cmara Pimentel,
Manoel Bernardino Vonleiro.
IMannel Thoma/. de liaros Campello,
Joze Candido Carneiro Vedeiros.
Manoel Antonio da Silva Molla.
Andr A Ivs da Fonceca.
Francisco Pedro Soares Rrando.
Antonio Joaquim de Vlello.
Ignacio Nery da l'onceca.
Joze lenlo da Costa..
Joo 1 ojies Guimarcs.
Joaquim Pereira de M*ndonca,
Joaqun .lo/e (!ai iiriro Monleiro.
Major Caetano Alberto Teixeira.
Antonio JoTe Rzerra.
FranciscoXavle* ('.ameno da Cunda.
Joaquim da Suva Regadas.
Manoel da Rocha Prannos.
Dotltor Jo&O Joze Pinto
Matheus deSouza Teixeira
Luiz Antonio Rodrigues de Almeida.
Rt)|lui mino os .'la atnaraj
Pedro Marciano.
Doutor Francisco Pornellaa Pessoa.
Manoel Francisco Duarte.
Joaquim Jote Bandeir*.
Joaquim de Souz.a Kiheiro
Joaquim Francisco d'-'.lm.
Francisco Joaquim Pereira deCarvalho.
Jote de Alemo Cisneiro.
Roberto Comes de Fraga.
Manoel Figueira de Faria.
BentO Joze da Costa.
Antonio Ferreira de Aguiar Cavalcanle.
Manoel Jflw Vianna.
Joze dos Sanios Neves.
Joaquim Jo/.e de Mello.
Francisco Agoslinho rmente!.
Bernardo Anlonio de Miranda.
Antonio Joze de Oliveira Braga.
Joze Domingues Naves,
Domingos ["alaquias de Aguiar Pires For
reir.
Joze Jernimo Monleiro
Cbrispim Gomes de VJoura. .
Jernimo Joze Ferreireira.
Amaro Ferrandes d'Altaro Jnior.
Francisco Xavier de Miranda.
Joaquim Pedro do Reg Brrelo.
Firmiano Joze Rodrigues Ferreira.
Joo Barrelto de Menezes
Padre Joze dos Santos Frogozo.
Juze Pias Moreira.
Joze Gomes Ta vares.
Os nnaes s.r. o* que dpverS servir em di-
ta Sesso sendo para cojo fim em virtudedo
Art. 3(5 do mesmo Cdigo convidados pa-
lo presente Lem como todos os mais interes-
sados ; comparecer! no (lia, e bora desig-
nada sol) as |.enas da Lei se faltaren. Paco
da CamaiaMunuipl da Cldude do l'.icil,-
un Sesso Extraordinaria de 5 de Junho d
iH4o. Joze ile llanos paico ile Lcenla .
Pro-Presidente., Fulgencio luante de AI-
buquerque e Mello Secretario.
Uoje ooie do torrente conlinuo aaSessfies
ordinarias.
Publicaco ; pedido.
O Begente em Neme do Imperador o Se-
nlior U Pfdro Segundo Ha por bem Nomear
a Caelano Pinto de Veras para Ajudanle dos
Confereules d'Alfaiidega da Provincia de l'er-
nambuco. IViar.oel Al vea Rranco, do Con-
selho do Mesmo Augusto Senhor, Senador
do Inipciio, ?.: itiisii o e Secretario d Estado
dos Negocios da Fazenda e Piezidente do
Tribunal doThesouru Publico Racional as-
simo tetlaentendido e i..- exeeular cqm os
i spachos ntce*sai es. Palacio do Rio de Ja-
neiro em oiue de Maio de mil oitecentoa e
cuarenta, dcimo nono da Independenciae
lo Imperio. Pedro de Araujo Luna.
Manoel Alves Brauco.--Cumpia-se, ere-
gslre-se, Rio i5 de Maio de 1&40. A.
Bramo,
Cumpra-se Palacio do ijoverno de 1 er-
narobuep ,de Juulio de its/jo.--llego.--
(Est com as nais formalidades )
noticias Estrangeias.
PORTUGAL.
O AMHlVEBSAaiO
Portuenscs amor Soberana Liber-
dade com oidem rego/.ijo sem lagiimas ; eis
o vosso carcter nao o"thsamui tamos no dia 4
de Abril de 1840. Ito esfcfce.veuios us-eni
nosaa folha de Sabbado e temos o preeer de
annunciar que os Illuslres habitantes da Ci-
dade invicta m ostra rao neste dia o mais deci-
dido amor sua Rainba e der*5 mais um
novo testemunbo de suas virtudes cvicas ,
pois reinando em todos os coraces a alegra,
nao bouve um s acto ipie perturbasse o so-
cego pblico. Honra eterna aos pacficos e
laboriosos habitantes do Porto, que assim
(lesmentiraS elles os recelos que almas mesqui-
ulias e apone-idas pareciao ou affectava con-
ceber. No Porto nao ha desordens, seno
quando as Autboridades as promovem
Ao romper do dia suhra ao ar em diversos
sitios da Cidade girndolas de roguetea e repe-
t ra-se ao meio dia e noite. Salvaran con-
forme o uso eslabelecidoos castellos e fortale-
zas embandeirra-se os navios e.;i noile
loda a Cidade espontneamente se illiiminou
aosom cunlouado dos sinos Na Praca da
Graca em frente do Quriel da Guarda Mu-
nicipal bavia una brilbanle llnminaco feta
; custa dos Ofliciaes e Soldodos da mesma
Guarda* Esta illuminacao acoinpauhada
da hrilhante mu/.iea altrabiu considcravel
conccrreocia de Povo eso termnou ;s i ho-
ras da madrugada. Esta demonstracao da G
Municipal Portuense tanto mais digna de
es'ima queibj ella um' acto voluntario dos
Soldados ajudados dos seus Officiae> \ assim
mostrou esta benemrita Corporaco asna le-
aldade ; Rainba e desmeniiu boalos que
n,uoca livea existencia real seno em cabecas
que folga em nos ver desunidos.
Ao meio dia bouve Parada geral no Campo
de S Ovidio, a que cssistiu toda a tropa da
guarnic.10 5 com[iosta da Guarda Municipal,
Cacadores u8 ArtiIberia e um destacamen-
to de Cavallaria. A Cavallaria da Gurda Na-
cional Batalhoes de Voluntarios, e algunas
Companbias da Guarda Nacional, que eslava
em mui diminuta Torca. Toda a Tropa, prin-
cipalmente a de Liulia, e Cavallaria da Guar-
na eslava no maior asseio e luzimento. S E*.
o Sr. Baro de Aleobaca Commandante di
Divizo accompanhado do sen luzido Estado
Maior, den vivas Rainba seu Augusto
Esposo, e Constituico, que l'ora entu-
sisticamente corresjiondidos pela Tropa e pe-
lo Povo que era inmenso. Tanto o Campo
da Regenerado como a Ra do Almada es-
lavap em grande luxo ornadas de coberlores
ebandeiraa, e colmeadas de Senboras em lo-
do o biiiho
Tendo varios Tidadaos subscripto para se
dar um janlar Guarnico em obsequio dos
tonos da Soberana este leve logar nos diffe-
rentes Quarleis onde foi servido com abun-
dancia eonde se pralicra sienas de verda-
oeiro enlhusiasn.o sendo constantemente re-
petidos os vivas l'ainlia e Sua Augusta Fa-
milia. A Officialidade dos diversos 'orpos de
Linha querendo partecipar deste regozijo,
e dar aos seus Commandanles um tignal de
particular eslima Ibes ollerereu um janlar
nos seus diversos quarleis: o dos omeiacs da
Municipal leve lugar no Ouai lei do Carmo ,
e a elie Bssistira aleni do (.ominandanle S;a-
vedra o Administrador Geial Barao do Mo-
gadouro 5 e dos-Otficiaes de a8 e Ariilbciia
K unidos se veiilicon uo Quaalel de Sanio U-
\idio, e a elle assislira a lem dosCommaa*
danles Barros c Albuquerque. (iunimmi-
dante da Armas Baro de Aleobaca e o Che-
le do seu Estado Vaior Sola ( onsia nos que
em todos elles reinai ao o maior asseio enlbu-
siasmo, e delicadeza e que os respectivos
Commandanles lecebera nesse aclo os maio-
ies testeuiunhos da estima dos seus Cama-
radas
A' noile bouve Thealao ; a ala eslava per-
eitamenle cheia e nos Camarotes se.va pe-,
la piinieira vez depois de ;) de Setemhro^ludo Dito OscincoCodigOexplicados ex.
0 que ha de mais digno e nuble na Sociedade
Portuense! As Autboridades e E01 pregados
1 lblici s tslavao em grande galla e as Bellas :
l'uiinenses se appresenira com lodo o luxo e
briibanlismo. Quando a Real Tribuna se a- '
luiu e tippareceu a ctiigie da Soberana toda a
Assen.blea de p rompeu nos mais extraordi- j
narios vivas Augusta FOha do Grande Pe-i
dio ; fora lautas e lo tongas as palmas os
que se dirigirad aos PorlUguezes em geral. seus benemritos Patricios, e mais Gmcida-
Indo a orcheslra continuar com o hymno dej dios do que de suas proprie* forcas em um
38, vozes d platea pedirao bymno tli Ra- papel iSo diffiell, e por isso ainda nao repre-
nha composto na Tere 'ira. Estas vozes fora 1 sentada no Imperio do Brasil. O Jr. kntonib
envolvidas coma rapidez elctrica em decid-1 Lopes Riheim far aparte doprimiro Ga-
dos e geraes vivas e bravos. s. Ex o Admi- 1 I
nisirador Geral acenon ; Msica que o tocas-
se, e nao nos enyergonhaoios de dizerqui-
da pruneira vez DOUCO foi PSCIltad.0 pois ao
primeiros sons foi laminlM o eulhusasnin d<<
Asseinblea lo extraordinarias as palmas 1
os vivas que a musir se perda Q UOl alll-
mospliera embriagadora de sublime conten 1-
menio.
K um dos entreactos tornou ase pedido e
locad) com n mesmo enthusiasmn i' ao aca-
bar a Comedia npvameule o exigrs < o rece-
baran de urna manera difKcil un descrever
A Empreza Lombardi tinfta-se esmralo no
aceio do Uiveriimento, e o vestuario da Peca
era mui rico e brilbanle : os Purlugue/es em
Malaca (orad bem recelados poivm em noiles
laes nao possivel fizer-se una idea do sen
naerecimento o divortmenlo acubou urna
hora da noile.
Nao consta que em parle alguma bouvesse
a mais pequea aCi'So que nem de leve alte-
1 as>e o socego | blico e das parles da Poli-
ca se ve1 que nem uina s priso leve logai
nesta noitc. Cumpre-nos agora olerecer osle
quadro aos honiens que presencial ao osiliaa
d funecoes nacionaes nesla Cidade durante o
rgimen de 7 de Setembro enlo bavia pira-
das e bavia ihealro mas era etiqueta que
presidia a esles actos e nao a devoco cvica ,
era a Aulboridade que cumpria um dever,
mantido pelos Empregados pblicos. Em
i84o era a express inllnnmida da volitado
geral era a gloria da Rdiuha que riuui-
pbava ; era o Amor da Liberdade legal e
positiva, que uniformsava iodos os desejos,
e endoudecia todos os coraces. O que vimos
e presenciamos nos da va a idea de umpovo S2>~ Precisa-se de urna ama para co ar
resgatado quesacudindo o jugo da lyranuia I engmar e ensalmar para pouea familia ; na
se abra a va a visla
litadas.
ao o Sr. Macial o pipe! caraclenslico do
, Procuradoi Panalelo o Bene6ciudo o do
Vellio General Portugus e todos os mais
porfa faro ex for eos pew bom desempenu^
iteate drama assac diffieultoso
No fim do segundo acto seexeculan a v.-
>:hestra -- \ Craclerislica Hespanhobi -- S 1
liiu da Peca, a ciando e oiMgeabtSH Fsta
11 Roza no fim da qual a Joven Julia dan-
cara- A Caxuxa ; rematando o ex pe* tcalo
a graciosa farsa O Culote-tro Eis o Ex-
pei lacillo para o qual o Beneficiado (por ri iu
ler conlieciment dos sus protectores nem
lempo para rogar p ser protegido por se a-
char euearregado de Eusaiadbr do Theatro)
dan iiiieressu ao Si. Xoao SotA Uopai pa -
ra este fazer a deslribuico dos Camarotes e
Bilbeles; poiam espera que os seus verda
iieiros amigos e protectores aquelles que
lio simpatizado com a sua apparico na scen-i
Pernambucaiia o vi-u^ iio:iri- nesla mil
Ju seu beneficio m ta, que gravar.; !;..:
u mais ero seu peiloum eterno recouheciineut).
Os Sis. que lem as.signado seus nomespara
os Camarotes das fuuccoes de *tr. Roben
po de os vir buscar in vespera ule ao
dia alias passaraii. d ir- s^; as pnmeira pes-
soiib ijue os prouurarcm para nao acoui cei 1
que aconleceu ua recita passidj com v>j _.aia-
rotes ^13. 'j e .;j.
Joao Jes Lopes Aiiit Lipert.
V visos P l ver* :>s.
das suas algemas esmiga- ra da PejUia sobrado de um andar i i
i-T Ouem liver e quiser alujar nm pfi
roeiro ou seaundo andar de um sobiaJo ,
Possa estas scenas de amor Portuense nao
esfra r no coraco dos seus habitantes.- oes-|s'ido no bairro do Recife auiiuncie para
( pirito publico guia-se mas nao se suloca ;
algemal-o comprimil o, e as explosSes sao
a sua cousequeucia indiapuiavel. O Pono a-
proveitou com enlliusiasmo a primeira occa-
sio que se Ibe ollcrecen para mostrar aos ini-
migos do seu nome illuslre que o sofXriniento
lem nm lermo, eque a-Rainba dos Porlu-
guezes lem no coraco dos seus amigos Portu-
enses um tbrono.e um asylo que nao i dado
a Anarchia derrubar nem maldad des-
liuir. (Peridicodos Pobres no Porto.)
ser procura Jo.
W-J" Os Sis. Credorea de D. Auna Joaqui-
na Goncalves senl>oi'.'i do engenho Vareen
Grande, podem-i recebar o ultimo rateiono
Escriplorio de Manoel Goncalves da Silva ,
na ra da Cadeia volita.
ty Arrenda-seaiuiualmenle urna morada
de caza terrea abarracada sita na ra quo
vai da estrada da Soledade para o Manguinno,
repartida segundo o gusto moderno, tendo
seu corredor lavado salla de visita forrada
com Ja palmos em quadro tres (anellas do
boa sai-
LOTERTA DO L1VRAMENT0 peitoril enviravadas i o;io quaiios,
No dia i 7 do correte corren imprelerivcl- j la de janlar cozinba tura com assenlo de
menle as rodas da Lotera a favor das Obras fugo ingle/ conleildo seis furuaBias 8 seu
dalgrejadeN. S do Livramento o as ca- respectivo torno, quintal murado, coa, ra-
sas onde estiro venda bilhetes troca-se os das cimba de agoa de^ beber
oulras Loteras
enzalla pa-
ra seis e.scravo.1, estribara para doucavallos ,
com seo norto para 1 frente da ra inde-
peiidenle ii^ noria principal e ludo muiio
Oabaixoassgnado faz publico em cura- bem piulado esumcienttimeote aerado : os
dfeposicao do art. \i dos Estatutos ptetendeules entenda-secomobscrivao Al-
(APl.M'.'l'i: LITTI'.RARO.
pnmento a diiposicao
do Gabinete Lilterario de Pernamhoco que
o Illm Sr Jos da Silva Gusmao olfereceu
Bdioibeca do mcsiiio Gabinete em signal do
apceo que d; a urna tal inslitiuco, ifsO-
bras* seguiiles .
Rogion. Cdigo do Commetcio. .
Dito Dito do Proccsso Civil.. .
J)io L'ilo Penal e d'iuslruccaodi-
Vol.
niiuui
Recife G de Junbo de i8-{o,
Luis da Cosa Portocarreiro,
1. Secretario.
meul-i, que luui poUcres para ia/.er dito ai
reudamenlj, ou com Francisco Hias Fenei-
ra em seoarmazem delronte d> caesdAl-
fandega,
qz&. Quera annnriou querer alagar tres
esclavos por quatru mezes dirija-se a ra
das Cruzes l). < segundo andar qne se di-
r quein os quer.
5 Ioc Lopes de Faria rctira-se para.
o Maranbo.
k_j- l'recisa-se de cem mil rea a premio ,
dando-se para seguranza boa firma: queni
osqui.er dar annuncie; adverte-se que he
i)Oi seis ou mais mezes conforme se conven-
non ir
ty Precisa-te alugar urna ama de leile ,;'
lorra uu captiva para criar um minino da
indias de uascido j quem pretender dirija-
av a ra do Rucarlo estreita U. 3i primeir^
andar.
bymno de .8 > Ex o Administrador Geral preterlas.N)ciedades, engajadas neste Tbea-
levautou os v ivas seguiutes i"a S. M. l'i- Uo eque nao pode ir aScena por fallar na
delissima, a Sra. D. Mura Segunda, u* Companbia um actor cuja figura se aproxi-
Libeidade e Ordein designadas na Confeti- masse a do carcter que esculheo o insigne au-
luiaode3, 5 a S. Al. Kl-llei Fernando, lor o >r Luiz Jos Baiardo vai agora re-
4 a todos os Porlnguezes sem dislincco. preseutar-e por se ter enca regado da parte
'lodoscst-s vivas foraoaltan.ente applaudi- o Sr. Modesto Francisco das Cba';as,cmquein
dos j'oim os dirigidos a Soberana ao live- oncorrem as qualdades para o desem|)cnlio do
ra5 rivaes em accolhimento e enlliusiasmo. S. dillinilloso carcter que recommenda seu Au-
M. loi o sagrado objecte de todas as adoracoes ihor e o Sr. Modesto se ten dado ao Iraba-
desla noile Patritica : os enloados Consli- lho de levar sua paite decorada o que mui-
luicao afrouxraO baslaulc, merecendo gran- tb coacorrer para o seu bom deseiupenho
;os
arremalanlc
das aeuas
de anj la uso os dados El-Rt i, e bastante es com ludo e! 5* mus confa da benevolencia do ib aincnle ua turma da Le*.
Iregue.
^j- Tbome Pereira Lau
de o p. ccnlo sobre o tonsummo
ardeules de produeco Braaileira avisa alu-
dos os Srs. que esto sujeiioa ao uo imposlu ,
que no 1. da Julho do frrenle auno, pre-
tende proceder collecto do mencionado im-
poste em conformidade da Lei, e na mesma
occasio t*r a eobranca do qde se eatu a dever,
porissoque os Sis. Pioptieuros, oa sei*
caixeiros devemeslai pronto para oreteu-
doGm, eoniofazeudo se proceder eaccu-


DIARIO DE PERNAMBl'CO
I

tST Luiz Antonio da Cu : istos p
prietario do engenho brabo u toda Villa
lo Porto do Pedras da Ci ..< le Macelo
Provincia das A lagoas previne > respeita-
vel publico, e comroercio desla pr :a do Re-
rife que ninguem contrate neg fio algum
com duas letras aceitas pelo annum-ianteein o
principio deste crreme mez de Junho, por
terem sido assignadas em estado de coaco ,
proveniente de trato, e convences utas, e
feitosoho poder de forra d'armas a saber ;
urna da quantia le 700,000 a J>o da Silva
Bego e a outra de 5oo,ooo a Jos Luiz Bel-
trao Mavignier aquello morador no ene-
nho Cachocira destriclo do Porto Calvo e
este do fiio Formozo.
SS9~ No dia 8 do frrenle fnrtarao oa rasa
do Conego Francisco Xavier Carneiroda Cu-
aba a urna para unas .oras da tarde as pecas
erguales: umcordo grosso obra aotiga, com
duas varas pouco mais ou menos, faltando-
iheocdtxete femea urna medalba de esmal-
te de uro ladoLranco < de outro azul com
urna flor da minas novas de um lado e do
oulro um diamante um alfinete de peito de
cornelina enea stoede com o feitio de meia la
com um diamante no vao ,-.m par de brin-
cos de diamantes de molde moderno e com
um Tita de ouro lavrada ere roda um par de
atacas de diamantes obra mj^ mfl com
ronlhslrance/aseaoutra fnltando-lhe a flor
dmeme alguna de roda urna volla de vo-
raz* demacahiba encastoarios em ouro um
par de argolas urna com o aro quebrado estas
sao largas cortadas umS. Braz, 3 aneies
rom diamantes um delles com urna flor de
esmalte azul um anel de esmalte era vado de
perolas finas, um dito de pedras brancas com
-agoas manabas no meio oulro de minas no-
vas um com dous coraces de perolas roiudas ,
um anelo com as letras seguintes F. P. J,
maisuus ourinbos miudos que nSo'se pode
numerar as pessoas a q0em forem offereri-
das algumas destas pecas podem-as as tomar
eavisir por este Diario que se Ihe pagar o
. que por ellas ti ver dado. Mais um crucificio
obra amiga no qual falta o remate do p se
alguerasouberonde existe o dito furto e o
descobrir ser gratificado generosamente.
S2T Jos Joaquim Dias dos Prazeres faz
ptib ico pelo presente annumio que tem es-
tabelecido urna loja de fazendas no largo da
praia doCullegio em rujo loja tem por' cai-
xeiro o seu cunliado Viii.-simo Comes Coim-
bru, aoqualtem encarregado todas as com-
pra, de buendas necesarias para sorlimeito
da mes.na loja tanto u dinl.eiro como fiadas
por tanto toda qualquer traosaco que o me-
mo leucaiceiroe cimbado Gier em seu nome
relativas as ditas compras, o annoneranje 3*
esponsahel.sa e aprova e mesmo caixeiro
tamben tem poderes de vender fiado a peasoas
de coohecidu honra e probidade.
ur O* abaixo assignados vendo no diario
desabado 6 do correi,(e, um aeounci
Marcelino Cbometon no qual em eonfor-
muladecom asrdeos da Prefeitow parle-
cipa retitar-se par,, Mocambique e
tio o dito C Lometn dado a menor l(J
sobre o saldo de duas letras que he fiar
aos abaixo assignedos. Espera que, 3r
dodtloCbomeltonter obtido passaporl >
possa impunemente Hudir as mesmas 1
mu ouve engao de sua parte ; e sim he
da Senbora D. Antonia Joaquina de Maga-
Ihes de quem son procurador : qnarito ao
mais que diz o Sr. Jos Narciso Camelo a. res-
peito tudo he verdade; ese o nao declare!
no annuncio em que recomendava a appre-
henco da escrava he porque nao entend1
necessano para o fim da referida apprehen-
co e somente a circunstancia de qne ella
avia sido vista na casa do mesmo Sr. Don es-
ta satisfaco ao Sr. Jos Nareiso'Camelo pa-
ra seu completo triunfo nesse negocio.
t&- Roga-se pela segunda vez ao Snr
Joao Candido de Brito qneira mandar rece-
beruma caria vinda do Porto, na roa do
Crespo l). a.
ts- Arrenda-sa um sitio na estrada de S.
Amaro para Helem passanrlo a extinta ponte
feta por Luiz do Reg o terceiro eon? boa
rasa para grande familia "bastantes rvore-
dos de fruclo trras para plaolacoeos, e po-
de ter 3 a 4 vaecisde leite ; a tratar na ra
do Rangel D. 16.
isr Quem tiver um quartoou sHao para
alagar no bairro de S Antonio que he pa-
ra nm homem solteiro annuncie.
tT Ferdeo-se no dia 6 do corrente urna
caixa de prata desde a ra do Crespo e da
cadeia at a Igreja do S. Francisco ; quem a
acbou querendo restitnir dirija-se a Manuel
Jos Gonsalves Braga junio ao arco deS. An-
tonio que receber os siguaes e gratificaco.
KT C) Sr. que mandou buscar urna sabia
na casa do Celestino, qneira fazer o favor
demandara resposta se quer on nao, poU
ga mais prelendentes.
Avisos Martimos.
PARA O RIO D J. segu viagem combre-
vidade o liem conhecido e veieiro lriguc
Nacional Fama Capito Manoel Antonio de
Souza ja tem parte de sua carga ; quem
quiser carregar dirija-se a ra da cadeia casa
l). jI.
PARAOCEARA' e Acarac a Escuna
Flor da larangeira forrada e encavilhada de
cobre e de muilo boa construeco pretende
sabir at o fim do corrente por ter meia carga
ja prompta ; quem quiser carregar 911 ir de
passagem dirija-se a ra da cadeia do Recife
loja n 17 ou a fallar com o Mestre a bordo,
Bernardo de Souza Souto.
PARA LIVERPOOL, passageiros so-
mente, sabir at o dia i5 do torrente ,a
linda efvelleira Barca Ingleza Columbas,
CapuoD. Green tem excellentes commo-
j dos, e a Isdos os respeitos superiores ou iguaes
aos de qualquer paquete ; para passagem d-
j r;a-se ao dito Ca.pii5s ou a casa dos ejn-
sig alarios Me. Calmont & Companhia ra
lj adeia.
h e i I a o
rdades os abaixo assi
inados \a s>
r
Velos meios udiciaes a soguranca de sua di-
vida, e preven indo que 9 mesmo seno pos-
sa evadir desla Cidade sem que pague ou ga.
ranle o que justamente deve.-Fox'& Slod'art
0r Precisa-sede urna ama de leite forra
011 captiva ; na roa da Cruz 9.
tsr Quem tiver ama escrava para alagar,
quesaiba azer oservicode urna cas. paga.
K 10.000 per mez dirija-SM ao paleo de S
Pedro D. 6ou annuncie.
nr Da-sc de cem a Coo,ooo a premio :om
boas firmas ; nesta Troografla sr dir
^s> ^odla b do correte perdeo*se um
rtlogiosbonete moito pequeo com caixa e
Hiave de orno ; quem o acbou oirija-ae a
praca da Independencia n. 4 e 5 que ser re-
gralificado Com o cusi do relo-MO.
s^" A pesaoa que asseveron ser fallecida
Tlieresa .Manoella de Jess, -seu filhu Jos
Antonio Pessoa estar residindo 110 Goil di-
na-se a ponle vellw nodoposilo de agoa do
Clao ou annuncie sua morada.
tsr As pessoas que quisen m alugar pre-
laialnos para armacao de festividades u-
neraes rarroeu para conducoes'de corpos ,
raea superiores e inferiores ludo por preco
conimodo, lirija-se ao pateo do Hospital do
Parriso t). iy.
tST Como o annuncio do Sr Jos \arciso
Camello no diario de y do corrente de algum
uiodc compiui::ellc o que a tserave de que tile lala, nao he
Blinda como elle diz que cu 'he dicafa ,
Cohsoi tno rre Fbbca em P*ritboco.
Wu:;i!a-(Ta 1 do corrente s o horas
damanh. ?. ar. a venda publica, no ar-
m r .!, L, r,oJr Puget & C Ra da Cruz,
poi tercvncio do Correlor Oliveira, das
(azendas abaixo declaradas. caregadas em
Bordeaos para o mercado do Rio de Janeiro ,
a ordo do navio Provence naufragado em
Lucena a saber ; etpelhos grasura, per-
fumarias rviogios'de cima de mesu luvas
para senbora e homem, de varias qualidades,
sa palos para sen hora paneis com 1 elogios ,
coleles para homem casias de muilo bom
gosto chitas finas fazendas de l pqnles de
tartaruga bera sortidos setins gros de a-
ules Kalan fazenda linda e inteiramenle
nova para vestido de senbora sedas para to-
letes challes e lencos de seda guarnecidos de
renda', instrumento de msica, relogios de
ouro e piala brincos e aneis de ouro, com
esmeraldas rubios e brilhantes aifine-
les de ouro para senbora de lindos goslos
com camafeos e mosaicos bezerros e nu-
merosos outros objeclos de goslo muilo moder-
no. Pernambuco 4 de Jutibode 1840.-
Barrere, Cnsul de Franca.
C o 111 pras
&9* Duas ou 3 beslas muars ; quem ti-
ver annuncie.
CT Urna cabra bicho que d bastante
leite ; na ra da Cruz L). g.
Vendas
Lista geral dos premios da segunda
parle da secunda Lotera heneficio das
obras do Thealro publico ; na pra9a da In-
dependeiicie n ije'-
Urna escrava cteoula bonita figura ,
de idadede 11 annos com principio de cos-
tura e coziiiha muito hahelidosa e be
recolhida a vista do comprador se dir o
motivo ; na roa do Mundo novo D. a ts^ Urna negra de idade; na roa do Ro-
zario boteguim do Albuquerque.
KS^" Um sobrado de dous andares e soto ,
silo no pateo da Matriz de S. Antonio D. o ,
um pianno com pouco uzo e de muilo boas
vozes urna preta de angola seno vicios nem
achaques ; a tratar no mesmo sobrado das 6
horas da manli as lo, e das duas as 5 da
tarde.
ssy Urna escrava de nacao, com muito
linda figura, perita engommadeira cozinha
bem o diario de urna casa cose cha. refina
assucar e faz varias qualidades de doces, da-
sc a contento para se ver as habeiidades na
na direita D. ao lado do Livramento.
tsr Urna corneta viuda prximamente de
Franca qne tem a virtude de fazer ouvir a
quem he surdo q 11 ando se aplica ao ouvido ;
na ra nova no primeiro andar do sobrado ao
p da ponte lado do norte.
S^- Urna escrava de bonita figura faz to-
do o servico de urna casa ; na ra da Peone
no segundo andar do sobrado j unto ao Sr. Joa-
quim Bernardo.
tT Urna escrava f engomma cose, e
cozinha o diario de urna casa ; na ra do Ca-
buga loja de miudezas D. 5.
t^" Urna boa canoa decarreira. prompta
e pintada e anda no estaleiro de um s
pao de ama re lo ; convida-se a quem quiser
comprar ao mais rigoroso exame e por elle
nao deixar de agradar pela qualidade e pre-
co j 11a ra do Colegio loja de relojoeiro para
tratar ,e para ver no estaleiro de Miguel de
Torres jundo do vapor.
sy Urna casa na ra de S Miguel dos
A (logados, feita de pedrs e cal; nesta Ty-
pogralia se dir
S3F- mmolequedc idade de 14 annos,
ptimo para aprender officio ou pagem, urna
escrava de idade de 50 annos, muilo refor-
cadu e de bonita figura ,- na ra do foso jun-
to ao Rozario D. i5.
3 Uuas prelas mocas urna dellas cose,
engomma e cozinha um preto de 3o an-
nos muito (orle, um moleque de idade de
10 annos, ptimo para servir a urna casa;
na ra de agoas verdes casa terrea I). S7.
*ST Um negro de na. io d idade de 18
ani.es de bonita figura e ptimo troba-
Ihador, na ra da cadeia do Recife loja de
ierragens U. 46
S- Obras de ouro e prata sem feitio, um
alhnele de diamantes rosas um beico de
:condum orna eseada de ma0 1 selins rom
I ancos, duas cangalhas 6 cadeiras um
jogo do mangas de vidro |M9 nma armit.
cao para venda, medidas de folba e de ma-
deira 5 n?s.5 ponas I). ,3 onde tem lampiSo
ey- Urna prela com urna, cria ptima pa-
ra vender na ra ; na ra de (lorias D. 10.
confronte o beco de S Pedro
S3T A padaria da ra direita D. 43 ; a
tratar na mesma.
^ ,n P1 t'to creouln de idade de ao an-
nos bem coKinhei roe de bonita figura, a
tratar na ra da prata serrana do Cafdial.
^ss^ Bietaubasde 10 varas a ido a peca ;
na na do Queimado D. 10 loja de Santos
Braga & Compauhia.
%Jf Qoatro moleques de nacao de boas
figuras, a fianca-seas boas qualidades, pois
se vendem por preciso, duas molletas de ida-
de de it muios com habeiidades; na rui
de agoas verdes D. 18.
Spr Urna niolota boa cozinheira, e engom-
maf eir ; na ra da Cadeia n. J.
>*t^> Superiores abotuaduras de retroz a
1G00 para casacas e sobrecasacas ; na ra do
Queimado D. 1.
125- Urna escrava de angola de boa figu-
ra boa lavadeira e quilandeira um ne-
gro de angola bom trabalhrdor de enchada,
eganhador derua na ra do Queimado fe>.
7 no terceiro andar.
SST Um balco com gaveta de compri-
mento de 7 palmos e 3 de largo : na ra
de Hortas D. 59
t&" Ou aluga-s* urna casa terrea no largo
de S. Thereza : a tratar na ra do Nincho do
Livramanto D. i2. *
9Z&> Urna negra creoula de idade de 18
annos cozinha o diario de urna casa lava
desabo, faz renda, e tose toffivel) na
ra da Penha no fundo da Igreja do Livra-
manto no 5. andar do 3. sobrado.
y Um escravo creoulo de idade de 18 an-
uos ptimo jiara todo o servico ; na ra do
Livramenlo D. 10 no 3. andar*
52T Urios Biheles d Lotera do Livra-
mento a 3ooo; na paleo do Terco venda D.g.
t9" linas moradas de casas terreas em fo-
fa de porta na ra de S, Amnro bera cons-
truidas e a moderna e um sobrado na mes-
ma Tua ; a tratar na ra de agoas verdes De-
cima 38.
*2^ Para o mallo ou fora da provincia urna
preta moca de bonita figura cozinha en-
gomma e lava roupa da-se a contento ; na
ruado Queimado D 7.
C^ Urna prela de nacao, muito moga e
de bonita figura ; na ra da Conceico da
Boa vista n. 4
C3- Urna yenda no bairra da Boa vista ,
silaem. bom lugar; a tratar no atterro d
Boa vista com o Sr. Abreu.
CT Um preto de 2o annos canoeiro, ou
aluga-se uro moleque de idade de 14 an-
nos muito bem parecido, e opiimo para
pagem ; na ra do Crespo D. 11.
27" Uuia negra da moca cozinha en-
gomma liso ; na ra da Conceico da Bba
vista D. a4
Cfr- Urna escrava moca lava roupa co-
zinha engomma e he ptima quilandeira :
na ra da senzala velhd n. '&%
Escravos Fudos
t* No dia 4 do corrente fugio urna preta
creoula de nome Adriana de idade de ao
annos, ahora regular gorda, feicoesgrns-
sas ccr preta cara larga falla bem des-
embarassada levou vestido de chilla azul,
e urna trouxa pequea o motivo de sua u-
gidaibi por ter furtado um coraco de ouro ,
que levou com sigo a um anuo fez outra f-
gido, e foi presa nos affogados que elle sa-
be por ter viudo a um annoe meio do Araca-
ty e nao ser negra acostumada na ra; quero
a pegar leve a ra do Queimado 8 ou a
que ser recompensado *
tsr No dia 6 do corrente fugio um preto
de nome Jos cambiuda. estatura balsa
pouca barba cor algum tanto fulla ps in-
chados, levou vestido calcas e camisa de briio
grosso, e com um bonet velho sem palla
quem o pegar leve a ra velha a casa do 'e-
nente Coronel Jos da Cuaba Moreira Aires
que gratificar. '
VST No dia 6 de Junho fugio uro moleque
de nome Pedro do geutto de angola levou
vestido calcas de brini camisa de chila de
idade de ao aneos be feiodo corpo bastan-
te- sarapulhento cor relinla ps opal hela-
dos tem no peito esouerdo esta marca L -
ja tem lug.do por duas ves para o luKar dos
atogados e ali he bem conhecido pelo no-
me de Antonio ; quem o pegar leve a ra da
cadeia loja 1). ,0 que ser gratificado.
l~T l'ugio no dia 8 do corrente um escra-
vo anda molecole de nome Joao 'de naci
S. Tbom, de dado de ao annos, altara
mediana boa figura sem barba rosto lar-
go e sobre o nariz tero um pequeo cravo ,
levou vestido camisa do algodozinbo e cal-
Cas de estopa mas tem o coslume de mudar
de roupa quando Coge ; quem o pegar leve a
ra direita padaria 1J que ser recom-
pensado
ts- Fugio no da ia de Dezembro do an-
no passado, uro negro de nome Joao Gonsalo,
de estatura baixa olhos grandes naru re-
gular bem barbado falla fina 5 levou ves-
tido calcas e camisa de chilla ; quem o pegar
leve ra da Mueda 143, que ser recom-
pensado.
itiovinieiito do Horto
NA VIOS ENTR A DOS NO DIA 9
MACEIO'; a4 horas Brigue Ingles Mara
Rainha daScolsdeafo tonel. Cap W.
Helley equip. i3, carga varios gneros,
passageiros 1 e segu para Liverpool
GOIAXNA ; 8 dias, lliate Nac. Conceico
do Filar de a3 3|4 tonel. M. Antonio de
Souza Louro, equip. ti carga varios g-
neros.
PIRU' ; 63 dias Barca Ingleza Julict de
a. tonel Cap. Wchialo, equip. i4 ,
carga l, e salitre; a Harrisson Latham
& o. passageiros Hespanhes 5 e segu
para Liverpool.
HIO DE JANEIRO ; 14 dias Patacho Nac.
Novo Triunfante de lSg tonel. M. Elias
Francisco de Araujo, equip. 10, carga
caine ; a Amorim limaos passageiro i
Brasileiro.
SAHIDOS NO MESMO DIA
MARAM1A0 pelo Acarac ; (lale Nac. S ,
Antonio Flor do Brasil, M. Jos Gonsalvo
da Silva carga varios gneros passagei
ros 3 e a escravos.
GENOVA ; Brigue Sardo |Fiaroeta Cap.
G. m. Pellas carga assucar e couros ,
passageiro i.j
RKCIFE NA TYP. DE M. F. DE F, -. 184t


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EAK97CPMP_JGKKUX INGEST_TIME 2013-03-29T18:43:16Z PACKAGE AA00011611_03525
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES