Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03486


This item is only available as the following downloads:


Full Text
--
------------------
Anno XXVIII
Terga fe ira 24
diario m
de Agosto de 1852.
JN. 189.
PEMAMBltiO.
i>rrio sDBcniPijlo.
PlSlMIHtO DUWTADO.
Mr trimestre............
tnt semestre -........
Por auno '!
PiooDinno uiiimiTii.
Por rruartrl.............
oticii DO lBPinio.
P.ira. .\ 8 de Agotlo Minas.,. 2 deAgoslo
Maranbao. 10 de dito S.Paalo. 7 de dito
Cear.... il de dili R.deJ.. 14 de dito
Parahiba ib' ediio lahia... 18 de dito
4/000
8/000
1i/030
4/500
BIlfDl IBMal. AVBIBWOlAg.
3Seg. S.'Felippe. I Jalaed, Orpkll*
24 Tere. S, Bartho-, e 5. ai lOhoral.
lomeo. I raradirivel.
25 miiiu. S. I.ulz rrl 3. e 6. ao melo-dii.
2b Quint. S. 7.o le i i no. | f atmda.
J7 e.t. S. Jle del. e 8. i 10 hor.n.
Calaians, 2. vara do civil.
JSSab. S. Agoslinho 4. eabadosao melod
10 Dom. I3U Sagrado kilaeao.
Goraro irasiiAliii.
Cresceate i 22, as 3 horas e 4 mi utos di id
(.'bala a29, aos 48 minutos da tarde.
Mingoantea, aos 32 minutos dam.
Nora 16, tos 2l minutos da tarde.
niHiisi iOji
Pritneira a's 11 horas e 4? minutos da manhaa.
S'tunda 0 e (i minutos da tarde.
itiTiiAi oe oanos.
Qolamna e Parahiba, s segundas ( teitas-
feiraa.
Hio-Grande-do-Korte e Victoria 11 quintas
feiras
Bonito,Carumn.e Oaranhuns no le 11, clocad'1
mt.
Plores,Ouricurj.Exu e Boa-Vista i 13 e 28
Olinda, lodosos diat.
Todos os Correios partem ao meio-dia.
VOTIOIAS MTMIHIIU,
Portugal 11 de Julho Austria 1 de Julbo
Hespanha I de dito Suissa.... 3 de dito.
Franca.. 8 de dito Suecla... a6 do Junlio
Blgica... 3 de dito Inglaterra HdeJnlho
Italia..:. dedito E.-Unidos 2 Aleraanha. 2 de dito Mxico... 3 de dito
rsala ...3 dedito California 1 dedito
Dlnamaroa3f>deJiinhoChlli. 9 de Malo.
Russla... 29de dito Buenos-A. 'de Julho
Turqua. 20 dedito MnnteTldeo 5de dito
cambio r>F 33 nr AGOSTO
Sobre Londres, a 27 V, a 27'|, por 1/U00 d.
Parla, 345
Lisboa,lOOpor canto,
ITAII.
Ouro.Oncashespanholas........... 29/IXIH
Moedaa de 6/400 velhai....!.... lfayod"
deb|400noTas......... ib/non
de4/000................ 9/WH'
Prata.Patac8eabraslleiros........... 1/J20
Pesos coltimnarios............ IjWin
Ditna meiioanoa.............. 1/800
PARTE OFFICIAL
MINISTERIO DO IMPERIO.
DECRETO N. 1030 DE 1 DE AOSrO DR. ISSJ.
Conced a Eduardo di Uanay \e K/Jrrdo de Mor-
nar privi egio exelmioo peto lemn de 00 sUBMf
para a construeca' de un caminho de Ierro ni
provincia de Vemamburo, mire a enlode do Re-
cife la povoacao' denominada Agoa Preln:
Havendo-m representado Eduardo de Mor-
nay e Alfredo de Mornav cerca da utilidade da
construccao de urna estrada de ferro na pro-
vincia de Prrnambuco, que, parlindo da cida-
He do llecife. e passando pelo rio Serlnliaem,
na confluencia deste coin o Aramaragi, c pelas
povoacOesd'Agoa Prela e Garanhuns, va ter-
minar cm uoi dos pontos da estensa naveg-cao
do rio de San Frsmclseo, pedlido, para a lucor-
poraco de uina companhla que reallse a refe-
rida estrada o privilegio auturisado pela le de
2o de junho de I IB: e deiejando promover
quanto fr possivel em beneficio da agricultura
e rtocoinmercio da provincia de Pernainbuco
os melos de mais fcil communlcaco entre os
pontos de seu territorio, que pelo dcsenvolyi-
meoto de sua industria agricola podem admit-
tir desde j lo importante melhorainenlo : liei
por bein concedcr.llie o privilegio e.clusivo
pelo lempo de 90 anuos, para construccao ni-
camente de mu caminho de ferro, que devera
partir da cidadedo Recife e terminar na povoa-
cao d'Agoa Preta, por mel de uina companhla
de nacionaes e estrangeirns que para esle li.n
organlsarem, sb a< condifdcs que coin este
baiamusIgnadasporr'ranciscoCoor.alvesMar.
lina, do meu conselho, senador do imperio, mi-
nistro e secretario de estado dos negocios do im-
perio, ficsndo porm este contrato dependente
da approvaeo da assembla gcral legislauva
na forma do arl. 2." da citada le. O inesino mi-
nistro o tenha assim entendido e Taca ejecutar.
Palacio do Mi de Janeiro, cm 1 de agoslo de
1852, Irlgesimo-primeiro da independencia e
do imperio. Coin a rubrica de S. II. o Impe-
rador. Francisco oncatves Martins. Con-
forme. No impedimento do ofncial, Joaquim
Xavier Garca de Mmeida.
Condicots a que se rejere o decreto dula dala, 1
com as t/itaeio govc'iin contrata coin Kdttardade
Alornay e Alfredo de Mornay a eonstuicnio' de
urna estrada de ferro na provincia de l'ernam-
hueo.
i." Ogoverno concede aos ditos empresarios
o privilegio por um prato de 90 annos, contados
da data da incorporacao da companhla, para
a construccao e goio de um caminho de ferro
que parla da cidade do Recife al o ponto deno-
minado Agoa Prela. A ncorporacao deve-
r verificarse dentro de um auno da data deste
compinhia tiver para flsealisara observin-i pulimento, o qilll S8 admitte a reexporta- de officlo dochefe de polica interino, foi drs-icomi) cm urna verdsdeira exposi^lTo, so eti-
coberto na cadeia deata cidade noassoalho di contri a vnrii- la-'i> da materia 10 par dogos-
sao do caminho de ferro as coostrucfOes e ap-
paielhos necessarios ao eitabelcclmento do 1 c.:, ,|(H geu3 reguls montos ; permiltindo-l cao de ma'rcadorias estrarigairas impnrta-
?J?!J,??f.MJ?fi!F5!?f ^^'.St?!I^Sl.V^? ter guardas-barreiras queaerao eidt-|dis com destino ao consumo, depon de del-
carregadaa e recolhidas m deiiositos com-
petentes, n9o p le sujoitar maior impos-
to aa que o forera por tranailo, forca maior
contrato.
2. Durante o lempo do privilegio, n.lo se po-
dera conceder empresas de ouiros caininhoa de
ferro dentro da distancia de cinco legoas, tanto
de um como de oulro lado, e na mesiaa direccao
deste, salvo se houver accordo coin a coiupa-
nhia. Esta prohibico nao coinprehende a da
1 de oulros camlnlios de ferro que, 1
sando-se a companhla pela guarda dos oseId|o| bra"zileiros morigerados, pagos pela
appar.lho.eeei.leoa P'""^-"i r1"!!: jcompiollli, e que poden andar armados,
por (ir cratuilaincnli ol atzcuccs ti.i if.t lt,i hu r i, ** -
Sue "agen, e.nraaa-od leu mprego. Ac Ujetlos a inHpeccJo das autoridades
r'111I11.1 teri o dirello de faier semelhante cons- loraes.
iruccao se o governo a nao qulicr executar por 27 Aos rogulamento9 do governo, de con-
sua omita: sendo ueste caso gratuito o servifo formidade com ntll do art. I.1 da lei de
preiladoao mesino governo. 26 dejuoho de 1852, ser lambem estbele-
13. As malas do correio o -ou< conduelo, os, (.,,i,s r.'-rns de pulicia o de segursnea em
bemcomoquaesquersomiiiasdedinheiroper- f,Tor dos propris c,minhos, e do seu OSO
gr.uT,'ame%rpreo,Pc.:So5de7er.dUUuaa; >". f prevenirqus.quer perigoque
raatlfen te.ao dou. passagelros ao servlco do 'enha ou de estranhos ou da propna cotn-
governo em cada vlagem, e a carga nao exce- Danhia, impondo o governo as convenlon-
denle de 10 arrobas. O que de mals accreseer a ts multas, solicitando do i- ir 11 legislativo
companbla se obriga a transportar mediante o maiores penas, se por expenancia reconfte-
aliatli.iento de 20 porcento do preeo eommum. cer necessatio. '* '
14. Se o governo mandar tropas para qual- 28. No csso de que 0 governo queira que
quer ponto, a companhiaie obriga a porliiiiiie- ,,guM ongenheiros seus se inslmam na
SffSSSS Sh!mVm -4hWuh XTSiT* ,la ffi i co,m-
que possuir, c a empregar t.mbem nesta con- P<">hie os admiltira para que assistam a to-
dueco os perlenceiites ao governo que foram dos os trabalhos da empresa.
apropnados ao servio da lliiha. I 29. A companhia n,1o poder omitlir IC-
15. Por igual prefofar a companhla trans- cOes, ou promessas de acefles negociaveis,
portar os presos c seus respectivos guardas, sem que se tenha constituido eoi sociedsde
pieslaudo o governo ose. rros proprios c com a Icgjl, Com oslalutos apprjvados pelo go-
uecessria seguranca. vorno
i(i. O governo garante companhla c1 juro de companh, tora a faculdaJe do ex-
cinco nur ccnlo uo capital que empregar na r .
construccao do caminho de ferro da linhprin- plorar e abrir iDinas de carySo, podra c.l-
cipal. Po. um regubmento especial do gover- caria, de ierro, chumbo, cobre, e de quaes-
110 ser designado o modo de verilicarero-ae as qunr oulras metaes, ainla preeinsos, sem
despezasda conslrucfao, do costelo e a receita prejuizo do direitos a Iquirj los poroutros,
i' iiivni 1; bein como as pocas e lrma do pa- devttido quando as descubrir dirigr-sw im-
gamento do juro. : mediatamente ao governo, para que llieso-
17. A companhla franquear ao governo, pa- jam nlllpcaJas ,s u,.a8 e estipuladas as con-
ra o cumprimento do artigo anterior o ame dj Q pudendo a companllia
de lodos oa seus livios, propircionondo-lhe v" ""* __!.. ,,___________^,, ,.
quaesquer .miro, esclarecimento, de que pos- "*"<*' l f-culd.de no segunnento da
ai precisar. I linlia do camiotio de ferro, e na mesma zo-
18. Esta garanta he devida a contar do na de cinco leguas para cada um dos la-
primeiro da cm que esliver conclui la cada dos.
una >occ3o da estrada, e franqueada ao pu- 31. l'O'Iendo, n.Vi obstante a clareza de
Ilion, smenle pelo capital tiella despen-1 todas as estipularles desle conlralo, dar-se
dido, cessando logo qoo por espaco de s-ms dcsiccordo entre o govorno e a companlii
mezes sejam inleirumpidos os trabalhos a respoito de seus direitos e obngac'S, re-
por culpa da coinpanhia ; nlo deven lo con- conhecundo o governo a vantagem de urna
11 miar a obrigaco sou'01 depois que, conti- quslqunr decisao, osla ser dada por juizes
puados os trabalhos, se conclua a seccao arbitros, dos quaes um sera da nomeacSo
que foi interromoida, ou a que foi comeca- fio mesmo governo, nutro da companhla, o
dado novo, quando os trabalhos lenham o terceiro por accordo de ambas as par-
parado 110 lim de oda umi dellts. Dada les; n se esto ccoardo nao fr possivel ser
secco constara pelo monos do tros leguas, o lorcoiro memoro o consolheiro do estado
e seis (ixada a sua exleuc3o de accordo com mais auligo, e em igualdado de antlguida-
a companllia. de o mais vnlho.
19. Gimprindo precisara responsabili- 3. O presente contrato ficar dependen-
dadeaque por este contracto sestijeilao le, para seu complemento, de ajusto poste-
govornu mediante a garanta do 5|0, sera lior e delinitivo entre o governo e a compa-
lixado o mximo do costo ilao'ira, de'undo nina, depois que osla apresenlar os Iraba-
ter lugar osla lisacau depois que a compa- Ibos o esclarecimenlos deque Iratim as
ubis apresenlar os seus trabalhos prepara- OondioOM 3'e19a, e eiililo sorSo consigna-
torios, n planta e o orc.monlo, rom os con- das as clausulas o condicos que devam re-
v'iiicnl-s dotilhes exilicalivos, licando lu- guiar u systema da CODltruooBo do WJni-
ferro, de euros, nmcliinas e loco-
ccordo com os ltimos molho-
prlsao das mulheres. Commiinicou-se aoj lo n0 rt0 hasta dizr-se que sin nella
memo chefe de polica e ao Inspector da 'hc-l^rf^.'ojoso Ascenso," Darlo'd'valK' c
ca Adriano Barradas No da seguinle 00
da abertura da assembla, appresonlou esto
empedraincnto do prlmeiro |.n(0 da estrada da
ou qualquer oulra circunstancia, como se Eicada, Alexandre Nornerto dos Santo, os tres
deprehende da oxcopco final em favor di jmeie. de prorogacao que pedio, para concluio'um reqiierimenlo, noqualnxigia se ropro-
que estiverem no caso do art 100, visto os daquella obra. Fi.eram-se a respeito as ne-5sentase ao governo sobro o procedimnntn
arts. 95 6236 Io e 2', sobroas reexporta- cessarias communicacea I irregular edosr sneiloso do commandantn da
ces vericadas a bordo, dos quaes resulta /% DEM DO DA 1. fiirca posta em frente da igrejaonda leve
a improcedencia das razOfs ero que a fun- "i"0'0 ", A!! c""1'i'.'an h ar'a!,1'me: lugar o J-/)H.n-para com os membros da
dou.alfandeg, p,r, nao conceVr o que ^ur.^m.Wjcd. S.TvT.q'uMfoT.n! S Iberra requerido, visto o arl. 28e2t9.em viaaa pr|0 E.m. vice-presidente da provincia em corporeeo, se dirtgiam A mencinala
cuja especie as mercaderas sSo semas de da Kahia. '-''" 1'. nao receberam as continencias dn
lodo o pagamento de direitos, quando reex- Dito Ao mesmo, para mandar por cm II- eslyllo. Esso requerimento. que algum*
portadas' havendo a ordem de 30 de novem- berdade o recruta l.ourenco Gomes, por ter|eousa ctieira a pedsnlismo.fot approvado
bro de 1813 determinado que as embarca- Proado senfao legal. --Coinmunicou-ae ao pela honrada sala. Constarme que em res-
enea nscionaes ou estrangeiras, vendidas chefede Pol,c,P"" l'aier cooitar a auiorldade post, g t| representacao S. Exc. o Sr. vico-
narticularrnenteou em hasta publica, pi-i',ll?,c*,,"Ti.....1. ...r ,j. .., (PresidenteoMleou respeitiisamenle a assent-
gu,m a respectiva siz.tenh.m" ou no -.'^.Ve^eVoT-, p.l? A d?51^ W*'/ """le""d)" "" T d" cu"tipV
docondemnadas : e lando a ordem dei7delrs. fte Antonio Perclra Je Lage Cuimaraei, Clt 'ol um" inadvertencia do commaniiatite
miio de 1845 estabelecilo que os gneros da obra da caiacao c pintura a fa/.cr na fortale
salvados de naufragio arrematados em pra-'.a do llruin, sendo seu fiador Josd da Rocha
ca pira Srem reexportados s devem pagar! Paranhos. Communlcou-se ao commsndo das
I por cento, isto lio, os direitos de roexpor- armas.
tscSotcu-npria T, se a embarcacSo fnsso; A DU? A """" Iranainilind.._ o.1 avisos de
'il,|.,1 .., inn m.o.X,. r duas lettras na imporlaucia del:55a|dao reis,
vendida com o appar-lho, m.ssame, forro ,,,,, ,neaoll'rara de hienda d provin-
ect exigir alta de 15 pur cento como es- cia do Rio Grande do Norte sobre a desta, e a
Irangeira, do prolucto da arrematscUo, som favor de Joaqun Ignacio Perclra Jnior e Ha-
dislinccdo dos Objectos, porque S n'essoca- noel Ferrclra Nob.e Peluica. Participou-ae
so, ficain sujeitos aquelle imposto como por- ao Exm. pre.ldentcdaquella provincia,
tences ou accessorlos do navio, e no 2*, se Dito A'mesma, inieirando-a dehaver con-
para aarrematacSoseparousoo casco dos cedido a Jos Lnii Aives de Andradc, claruu
referidos potences, formando-so d'estes di,- nr....... ift,-.. r,.___-.,. -- ., nal do municipio de Naiareth, a ba xa. que
ferentes lotes, o foram eses arremtelo.-, pedi, do ervito.-Com.un.cou-seochefede
exigir tiza de 15 por cont dos producios legi dao mesma guarda nacional.
dos diferentes lotes constantes do casco, Dito A' mesma, para que, vstala conta
apparelho, massame etc. ornas objectos do que remelle em duplcala, mande indemnisar
servico da embarcarlo, licando enl.lo com- o alferes do nono batalho de infamarla, Jos
prehendldssna disposicSo do nico do Francisco de Moraes Vasconcellos, da quanl
art 5.* do regulamento de 30 d
1850, devUm-se cobrar os dir
me o destino que tivessem, na frm. .. .,-
terminada. Compro pois que se proced na ,e ao marechal commandante das armas.
lrma declarada, elTecluandoso a restitu- Dito-A'mesma, inteirando-a de haver au-
(80 dos 15 por cenlo percebos na reexpor- lorlsado o contador de inariuha abonar ao
tacSo, contra a quai nlo prevalece a raio Africano llvre empregado no aervico interno
deduzida do art. 97 do regulamento citado, "aquella repart9o a graiincifao de 5/00n
por quanto esta disposicao suppo o despa- "' ">en4,cs, visto que dessa gratilicafio lem
Cho voluntario para consumo, e n3o O paga- dc sahir tambeni a quantia necearla para ves-
menlo obngado de lees direitos, como ..o t"ua" *
i nico do rranciaco de aloraes Vasconcellos, da quanlia
de iulho de de 1/300 reis, que se de.pendeo coma inhu-
reitns minf r macao do cadver do corneta d'aquclle bata-
.. "-"'"''r- Ihao, Benedicto Autonio, que e acba deataca-
lorma alt de- do na povoajo dc N. S. da Clona. luteirou-
recurso de que se trata.
KKllW^ ,l8 P'P'-v.go-do governo l.0 do forr,
nre",fl"d "versas possam.pproximar-sSacci- impe-i.l. Se na xecuSo, porem, as des- motivas, do a
dentalmenie de algum pomo da e.trad.i prlvi- uezas lrem munoros du que as do mximo ramentos a bem da seguranca dos passa-
lcglada, ou mesmo corta-la, comanlo ,|ue den-1 lixado, o giivortio se aprim-ilar desta re- geiros c dos transpoites, d
tro da aona privilegiada nao posaam receber
mcrcadorias e passagelros.
3. Os pontos intcrinediiis da linha contratada
licJin dependentes de accordo posleiiur enlre o
economa do
duceflu para a verilicacao da estipulada ga- cosleio, da velocniado da marcha e do todss
raoliaj ese oxcedereOl, correr o exc;sso as mus cominolidades e vanlagens para o
por cnila da compatible. I publico, devendo lal ajusto preceder ao co-
20. A cuiiipstilii 1 emblsala o governo 1I0'meco da obra.
' -hoe I"0 liver *,*P>n "'" B n v,rlu l0 ''" B-,r,n* K, a ,,nolro em 7 u0 aSsl0 d8 ,852- ~
governo
prepT"odri.. lS?!!SEfc \ "' VipladV do juc, dopo.s que ell liver | Francisco oocel.es M.rtms. Conforme,
la, que ser subincltlda i definitiva approvaeo realisido o dividendo de 8 O, guarda-Ja a no impedimento do ollicial maior, Joaquim
do governo. soguinte escala de poicenlag.un :
C. A companhla poder construir tainbcm li-
nhas transversaes de Ierro, de madeira, ou de
qualquer oulra conveniente especie, quaudo
julgue de ulilidade para facilitar o transito dc
gneros e de passageirospara a linha principal:
no goiando porm dos favores para aquelles
camluhos que a esta sao concedidos, excepto os
que foreiu expressamente designados no con-
trato.
Os trabalhos da estrada devero coinecar
dentro do prato de dous anuos, contados da da- i
1)0 8 0I
I
De 9 0|
De I0|
le II ol"
. 1 l|2
. 2
, 21|2
De lol0 ... 3
10 assim por .liante.
21*. A garanlii cesso logo que a compa-
nhla realisar o rondiineiilo liquido de 5 0|*
em tres anuos COnieOOtiVOS.
Durante o privilegio a companllia
Xavier Garca de Almei 1.1.
trabalhos, pagando a companhla pola mora de 1." Para os gneros do exportacilo c de
cada um semestre do novo praio l:i'Ooa. Fiudo produecao do paiz o mximo do proco nio
o anno, c imposta a multa do ultimo semestre, 8SCr>dora do -20 rs. por arroba, e legua de 18
ser esta seguida da penla da controlo, salvo SQ grao.
se a mora fr proveniente de causa Imprevista ,,", os gneros de imporlacSo o ma-
m&ttX83&*3^**+'?"?sera de i0"- ,el 'ne!"" "eso 8 i-
to ao contrato pela falta da conclusio da obra, Unca
conurvere* aproprledede da parle leita, pet- 3. u preco da conduccan paraosobjectos
deudo smente o direito continuaro do goio '(legrando volunte e de pequeo peso, como
dos favores que pelo contrato Ihe linliam sido ', sejam mobilnis, caixos de chapeos,ele,
concedidos: e sei nesle caso ainda respon-a- : puder ser elevado ao duplo. Tambein po-
vel pelo valoi dot queja tlver rccebldn, dando- uerj0 ser su|eilos a una tabella especial uS
seJ,a.r* "l" ln L[\l''ol^'\VJv"m".^"!: idocunducco perigosa.como soja a porvora,
etc. ; e os que, uu em ra3o do sua fragili-
7. Poder a companllia usar do direito de
dcsapropriar, na forma das leis em vigor o ter-
reno de dominio particular que fr necessarlo
para leit) do caiuinho de ferro, estacocs, arma-
sena e mais obras adjacentes; e pelo governo
Ihe aero gratuitamente coucedidos para os
iiicsmos los os terrenos dcvululos e nacionaes,
e bem assim os coiupreliendldos as sismadas
c posses, salvas as indeiunlsaces que forera de
direito. 'l'ambem o governo Ihe conceder o
uso das madeiraf e oulios inatenaes existentes
nos terrenos devolulos e nacionaes, ede que a
, un |, mili 1 tiver prcclslto para a construccao do
caminho de ferro. Os favores deste artigo sao
extensivos aos caminhol transversaes.
8. Fican isenlos dc direitos de imporlacao
dentro do praio marcado paia a conclusao das
obras, os tullios, machinas c instrumentos que
se destinaren mesma conslrucr,o, c bem as-
sim os carros, locumolivas, e mais objectos ue-
cessariospara couiecarem os trabalhos da em-
presa. A mesma iseuco be concedida ao car
vo de pedra, durante o referido praio, eo dc
mais 10 anuos depois das ob.as concluidas ca
luiha .iberia ao publico em luda a sua exlcnso.
O goio (lestes favores lica sujeilo aos regula-
ineutos liscaes para evitar qualquer abuso.
9 A 0111(1 mili 1 se obriga a nao possuir cs-
cravos, e a nao empregar no servico da cons-
truccao do caminho de ferro seno pessoas li-
vres, que aendo nacionaes podero go.ar da
isenco do recrutaiueuto, bem como da dispeu-
s;i do serveo activo da guarda oacioual, c sen-
do ealrangeiios participaro de todas as vanta-
geoa que por lei forem concedidas aos colonos
uleis e industriosos.
10 S 101:10 direito de geiar da isenco do
aervico activo da guarda nacional edo recruta-
menlo, os nacionaes eiupregados pela compa-
nhla que estiverem ncluidus cm uina lista en-
tregue lodos os seis mezes ao presdeme da pro-
vincia, e assignada pelo seu director, nao po-
dendo, passado o primeiro seuiestie, ser nella
contemplado o Individuo que nao tiver tres
mezes dc effectivo ejercicio. Conveucida a
eompsnhia dc qualquer abuso sobre este Im-
portante assumpto, em detrimento do servifo
publico, poder ser multada pelo governo na
quantia de 4:000/, e perder mesmo esle favor
en caso de reincidencia, se o goveruo o julgar
conveniente.
11. O caminho de ferro nao impedir o livre
transito dos .muulos actuaes, e dc outros que
para cominodidade publica se abrirem: neiu a
companbla ter dlreilo de exigir laxa alguma
pela passagem de oul.as estradas dc qualquer
naiurea uos pontos dc lotersecco
dade, como pianos, lo n;,i, vidros, ttc, ou
por seu valor, como prsla,ouio e joias, etc.,
oungam a compinhia a maior responsabili-
dale ; estes prorjos deverSoser especiltcada
motile declarados, F.01 todos os casos, po-
ro 11, o goveruo poder elevar ao duplo o
mollino do preco do con lucero, emquanlo
no so verificar a conlicSo i I".
23. I.ogo que a companllia puder fazer
dividendos do I2,|", o 1 r-'co de Iranspoilu
sera reduzlo, reforman lo o governo us ti-
beilis, mi ni lo para oat) lim a mesma com-
pauhia li qialquor iiianeira llavera to los
os 5 anuos revisaj das referidas tabellas,
para recibcrem ss tno.lilicacOcsque o bem
publico, concillado com o lulero se da em-
presa, aconsoihar,
21 Nao obstante as redueces ni artigo
anterior declaradas, se a companllia li/or
dividen lo maior de 12 ,|u, melado dc-1 ex-
cosso sera desuado para amurlizacilo do
capital da ouiprosa, e Tormar um fundo
quesera administrado dcbaixo da liscaiisa-
cdo especial do govorno.
25. So o governo entender de convenien-
cia publica elTecluar o rosgale da conressfio
do caminho do ferro, o poder fazer me-
diente previa ni loiniiiMi.'.oi da companhla,
que sera regulada da mioeira Suguiule :
1. Nao podara lor lugar esle resgate,sal-
vo do accordo Com a companllia, souiio pis-
sadus 30 anuos da duraedu do privilegio.
2. O preco do rosgale sera regulado pelo
termo uiJio do rendimento liquido dos
ltimos trel anuos,
3. A companllia receber do governo urna
summa em fundos pblicos que d njuul
rendimeulo,doscontad.is quaesquor quan-
tias resultantes da garanta de juro que por
veniura a companllia deva anda, e os de
emoruzacao que possa ter recebido por con-
senliinouio do governo, ou que hsja de re-
ceber na occasio.
26. O governo prestar companllia por
meio das autorida los toda a proiccc,o coa-
palivol Com as leis, alim de que possa ella
realisnr a arrecadacSo das laxas estable-
cidas, e proteger coin reguiamentos espe-
ciaos, mo so a seguranca dos viandantes.
MI MISTE IO DAJSTICA.
Por decreto de II do agosto crrante, S.
M. o Imperador, attendondo ao que Ihe re-
i pres moni \iil ni id Hnios da Konseca, hou-
ve por bem perdoarlho apenado prisSu
porpetua em quo foi condemuado por sen-
tonca do tribunal dn jury da capital de l\ r-
nambuco, e amnista lo do crime de rebel-
liio polo qual se achava pronunciado na
provincia do Parahyba.
Por decretos da mosina data foi nomoado
Miguel Autonio Pinto Cuimertea comman-
dante superior di gurda nacional dos mu-
nicipios do muin:o n, Alonquer, Obi los, e
Faro, da provincia, dn l'ai.
E foram reformados nos mcsnos pos-
tos:
II lmenlo coronel do exlincl 1 balalhilo
de guardas nacionaes do municipio de Si-
quaren,, da provincia do Rio do Janeiro,
He noel Jos da costa.
O tcnenle-coronel aggrega lo ao extnicto
1 liatalhao da guarda-nacional dacipital
do Maraiihilo, Joilo Joaqun; Bnrford Si-
bino.
O major aggrogado extincta 2" |egi,io da
guarda nacional oa capital do Mar.mli.i.i, Jo-
s Antonioda Silva Cuimanes.
Dito Aojuii de direito da secunda vara,
traiismitlindo o requerimento de Antonio Luis
- d'Otiveira Azevdo, para que iuforme sobre o
que elle pede, declaraudo quantos foram os
MINISTERIO D\ GlEltKA. Africanos apprchendidos com o patacho esfue, e se a respeito de alguns delles houvc
Hflni 10 los D'lii'itit's do COI'lItt le deciso, rccoiiueceiidoos lo(acs, uu impor-
111 -1 iihcirn-. D| OII101 itlo.i por lados depois da lei de 7 de uoveinbro de 183i.
decreto al'csta lllltli- Uno A' Ihesourarla da l'aienda provincial
Para coronis: os coronis graduados Feli- nteirando-a de haver concedido olio dias dc li-
cio Portea de Bustamaulc c S, por antigui- ccnva "c ,avor a0 ,i,cal d" coutraetu das oar-
dade, e Jcronymo Francisco Goelho, norme- nc" verdes, cveriuo Henriquc dc Castro Pi-
recuneoto. mentel, que durante essa licencaser subslitui-
l'ara lenles coronis: os lenles coro- do pelo ageule da IVeguezia da lloa-Visla, Joa-
nels graduados Jos Xavier Garca de AI inri- quim Correa da Cosa. Ncstc seulido Hie-
da, por antiguldade: Juse de Paiva e Silva, 'am-se as necessarias coinmunica(oes
idem: Joaquim Jos deliveira, dem: Jos
da Victoria ooares dc Andrea, dem; os majo- ^
res Joaquina Candido Guillobrl, dem; llen-
riquede Heaurcpalre Rohan, idem.
Para majores os eapites Jos Joaquim de
Avila, por antiguldade: Innocencio \elloso
Pederneira, Idem; Vicente Iluel de Baccllar
Pinto Cuedes, idem; Christiano Pereira dc
Aicredo Collinbo, dem; -ntonio Pedro de
Cominando das armas.
Quarlelgeneral na cidadedo llecife 23 iea-joi-
lode 1852.
i. ni m 00 Ola n. 121.
Manda o Sr. marechal decampo Antonio
Alencaitro, por merecimenio; Joo sentala Correa Sera commandante das armas, do-
de Castro mu.ios Vinas, por antiguidadc; clarar guarnlcilo para os filis convenien-
Mclloc Alvim; os primeiros tcnenles Fran-
cisco da Costa Araujo c Slva, Salvador Jos
11 o o I Joo Lua de Araujo Oliveira Lobo,
Jos I: i/.iln Nove: 1,1111, 10 ,, Antonio Pedro
Monteiro de Drummond, aarcolino Rodrigues
d. Costa, Pedro Uandeira de 11 Para primeiros lenles: os segundos len-
les Antonio Theodoro da Roza Gama, Pedro |
Uorclra da Costa Lima, Francisco Jo de
Freilas, Joo Jos de Sepulveda c Vasconcel-
los, Antonio Augusto de Arruda, Joo Krnes-
lo Viriato dc illedeiros, Siturnino Soarcs ,1c
Meircllcs, Rufino lim k Gustavo Galvo ,
Firmo Jos de Mello, Francisco Carlus da
Luz, Francisco Duarte Mues, Jos Francisco
de Castro Leal, Aulonm Mara de Oliveira Uu-
pe osr. Jos do Cero,
ma, que recolhou so immediatarnento 110 res-
pectivo corpo.
Candido Leal I'errcira,
Ajudantc de ordens encarreeado do detalbc.
NTERIOR.
da Torca e que para oulra vez,licassem rerlos,
que >lla se no repetira. A nofil assem-
bla nao so contentou com isso ; pois pare-
co-me que desejava a pris.lo do rommaii-
I i ule; o assim passou a responder ao go-
verno em tormos indig os de gente queso
diz representar a proviucia : nessa rospos-
la nlo poupinm allusies eduestos que mo
osse mais 011 monos forlr a dignidade da
primeira atitoridado da provincia. A um
tilo brusco comporta monto S. Exc. apenas
repllcou-llies, quo licava scienle ; o nada
mais. lie talvez esse o primeiro signal para
1 1 'mi' inniii ha niuito calculadp, com o
Sr. vice-presidenlo O que se ha de fazer.
so este homem Dio quor ser dcil instru-
mento aos ilos jos da fsccSo eilrellada'
Cumpio notar-lbe quo por occasiao di apre-
senla;3o do requerimento Marradas, o Dr.
Jorge, o curinga de todos os partidos, to-
rnou muilo a poito a defoza das prerogati -
vas da nossa assembla. O seu enthusias-
ino levou-o ao ponto de at descubrir quo a
falla da continencia commettida pelo coro-
nel C 11 v.iliiu, commandante da fr^B, era
devida a ser o dia da abertura da assembla
o da independencia da irovincia; e quesondo
aquelle coronel portuguez necessariamenlc
seria por esse motivo levado a afrontar os
linos nacionaes com a omissao de urna for-
malidade. Em seu plnenesi lgico, o meu
flr. nao luvi lim subir at I primeira autnri-
dade da provincia, increpando-a comocum-
plice desse crimo de lesa lociedade.
.Neiihum projecto de importancia, qul
polo bem quo podesse trazer a provincia,
qtlr pela maneira mais ou menos caloiosa
coin que fosso recebido polos nossos repre-
sentantes, anda apparoceu i luz Conser-
vamo-nosem perfeita pasmareira parlamen-
tar. .'. o a graca he, que csso lorpor natural
da nossa raprosentlCBo provincial, lem con-
laminaJo a ludo quo cueira poltica. I)'-
|iois da tremenda t-:mpes>UJe com a qual
amoacnvam reo o trra, os nossos benleois
estrellados achatn-si talvez reconcentrados
lias siinstras cuinblnacOos das prximas fu-
turis eloicOes j ou nos gigantescos plano.-,
le alimentar o noss lliesouro provincial
com qoantia menor da 20 contos de ris;
s nenie porque tifio he ello composto d
gonle do seu peilo. De passagem diroi que
poder-se-ha suslenta-lo coin quantii ainda
muito menor, com o risco, poim, de ao
TffTpots dizermns o mesmo que disse o ingle/
econmico ao ver espirar o seu cavallo na
espenoncia de o acostumar a Dio com ir:
11 escapara senilo morrosse de liunc 1 Es-
lou que n.i'i cessarei se altrihiiir essa cal-
mara poltica o desapontamento quo form
os nossos estrellados, polas noticias ullima-
menle viudas, de quo o Dr. O. Machado nao
so achava demiltido; e que, pelo conlra -
rio, asss conceituadn o estimado pelo go-
vorno gcral niio lardara muito que voltos-
__ -o un iiioiu denos a continuar a governai-
COIIESPONDENCIA DO DIARIO DE PER-nos com a ioiparcnlidado o loierancia quo
NAUBUCO.
laraohSo 8 de agosto, (j
Realisou-se no dia 28 i'o prximo plsa-
lo mez a abertura da nOifl assembla pro-
vincial, achindo-ao prsenles 21 memhros,
essencialmonte lrma o fundo do seu ca-
rcter
A poltica da Estrella, bem somelhanln
ans venenos dos orgias e Roneo, fogo s
in lagic'S, s precisos as mais infaliveis
da sciencia Iluntcm possuiam um ponsa-
menio, hoje manifestam outro para ama-
nhna apresentarom um lerceiro ooposto ao
e de.deseoibirgidor lihurc.o V;diSilva Taya- qu0 ,iB enlao omiltiram. Os seus jorn.c,,
ha pouco tromondos e ousados, toma m agn
ra una linguagem burlesca e marmolal quo
s desafia o riso ; as suas conversas ha pou-
co alroadoras, toma agora um rosfriamen -
to, una reserva sempre iesuilica. Algun.s
dessos homens que ha pouco cantaram hvm-
l. O governo poder fa.er em toda a exlen- como os conductores e empregados que
MINISTERIO DA FAZENDA.
EXPEDIENTE UO DIA 97 DE JULIk).
A thesourariadeMnasresponile-se aoof-
llicio de 26 de maio sobre os di re tos que deve
cobrar-sn dos objectos arrematados por es-
trangeiros da galera Gipseij, vendidos em
hasla publica, solho deciara queaorde 3t do dezeuibro de 1816 no poda se*vir de
fundamento, como servio para rosolver a
duvidi. O aparolbo, massiino, forro elc.d
urna embarcarloestrangeira arrematada por
inavegavel, quando nao sao vendidos con-
juntamente com o casco, mas si m oa lol s
separados, ato considerados como merca-
dorias importadas, ou descarregadasd09so-
bresalontes, ou ainli como os salvados do
naufragio, o porisso sujoitos aos direitos de
imporlacSo conforme sua nalureza e quali-
dado nos icrmos da ordem de '7 do maio de
1815 e artigo 5.* nico do regulamento
de 30 de j intuido 1850, sendo o imposto
de 15 porcento peculiar as embarcacooses-
tnngeiras, quando passSo a nacionaes, se-
gundo o art. 51 II da le de 15 do novem-
liro lo IN.", 1, u qutndo vendidas ou irre
matadas cm praca por innavegiveis, confor-
mo a ordem de 30 de novombro de 1843.
S'csla cooforiudade se devem fazer os dos-
pachos, 111 lo 11111S.111 in-so a fazenda, ou res-
tituindo esta a difTorenca dos direitos, con-
forme foram os despachos fritos.
- A' mesma, sobre oulro oflicio da mes-
ma data, com o recurso de Joo Gualberlo
do Souza da decisSo, qun contirmou a do
inspector d'alfandega, para o despacho de
uina porclo, para o supplicante arrematada
de metal do forro di galera Gipieij, condem-
nida por innavegavel, exigir o pagamento
limes, Antonia Joo Rangel de vaaconccllo., |SBnd ,3 pronrielai ios e 8 sopplentes : cor
Miguel Anlouio Joao Rangel de Vasconcellos' -
Dantas.
Palocio do Rio de Jauciro. ,
julho de mil oiioccntos cncoenta c dois. = |res' presidente ; Jos Fraailo Vmel, vic-
ilanotl Filiurio ifSouMo Helio Conforme, 'presidente ; Antonio Joaquim Tavares, pri-
Libanio Kuguito da Uun/ia Mallos. j metro secretario ; Pedro Wenescop Catanhe-
Hfliii;:ii los al IVres alumnos pro-'de, segundos"creiario. Depois do Te Dettm,
novillos por decreto rt'estu, o mais ceremonias do cosime, o Exm. Sr.
lula para ilirereiites corl'os do jvice-presi lente la provincia foi introduzido
excrclto* I m ga|a pela respectiva coinmissao; e ihi
I' llaialliio d'arltlhariaa pe
Para segundos lenentea: o Hieres alum-
nos d'artilharia, Franciseo Manoel Pereira
Foutes, Candido Feliciano Pereira de Carva-
Iho, Aguslinh Marques de S, e o alfares
alumno de infantina Jos Joaquim Cirnc de
Oliveira.
I Hemineo dc cavalaiia ligtira.
Para alferes: o alferes alumuo de lulauu-
rla, Antonio Galdiuo de Oliveira,
Ueio balalhio de racadoraa do Pinu/iu.
Para aleres : o alterca alumno de infamara,
Luis Eduardo de Carvalno,
Palacio do Rio de Janeiro, en 3 dc julho
de la&i. Uanoel Pelizardo de Soma 1 Mello.
Conforme Libanio Augusto da CtmAe /al-
tos.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DU DIA 18 DE AGOSTO.
Ofticio -- A' [lirs.uui.il m de i i/i-ii'i.i. para que
informe com brevidadc, donde provtu os cm-
baracos do pagamento de conheciineotos dc ge-
nero! orneados no arsenal dc inariuha, funda-
mentando a demora que lem havldu ein se pa-
gar essa despea, e expondo a sua opino so-
bre a maneira legal de se eectuarcm os paga-
mentos dos conhecimentos, tendo-se cm vista
as ordens do ministerio da marinha e da fazen-
da, relativas fiscalisaco das despezas que se
li/.L-iii pela dita reparticao, e as attribuces
dai thesuurarias dc fazuuda, ou antes aobriga-
co, que Ibes nnpe o seu regulamento, de lis-
calisar o emprego dos dinheiros pblicos qual-
quer que seja a reparticao que o exija, para o
desempeoho de suas fuoccues, pois que todas
etao sujeitas a inspec^o dos thesourarias, a
qual nao deve ser urna simples formalidade,
e sim uina realidade, mediaue o eiamc dos do-
cuinentof, qcersejam de despexa J feita, quer
de despeza a fazer-se, e o bataneo na* pocas
competentes, ou qu.indo for necessarlo.
Dito Ao julz relator da junta de jusiica,
de |5"por cunto do producto como compet- MmlUindo, pira seren julgadmein sessao
MCJIodoide importado, fundando-se nosi^ c"e;maJun(lta- procesios feitos a.s solia-
I8-.6, o ordem de 2b de fevereiro de 1819, por p| e aquelle j0 uc lici, .. Cotmaa.
uao se adiar u dito metal recolludo aos ir- Dlcou-se ao cominaudo d.s armas,
mszens da alindola ou deposito nacional,! Dito Ao director das obras publicas, para
se declara que visto o art. 91 do citado re- inaudir tapar um rombo que, aegundo consta
Djssou a ler o sin relatorio, que nao deixa de
ser bastanl'i importante, inorme.nle so al-
tendermos aos 18 das da a iminislrac.Jo de
8. Gxc. e ao que sobre os dilTerentes objeelos
do servido publico foi expendido pelo Dr.
O. Maceado. Enlro outros pareceres indi-
cados pelo Sr. vicn-president", bastante a-
gradou o rlalivo gigantesca obra do Fu-
ro do Arapapaliy. Rile desoja que actual-
mente 0 nosso nico cuidado a respeito des-
sa obra, se limite a conservar o quo se aclis
feilo ale quo o giivenio geral mis in lemnisn
da onnrmn sotnma de Gl:46.V33, resulta-
do do imposto voluntario do I6U lis duran-
te o c-;i ico de 32 annos, sobre cada uina ar-
roba de algodflo Iraildo do interior da pro-
vincii, a que se impuzeram os nossos l'a-
z-ndoiros para ser especialmente applicada
aquella quantia na factura da grande obra
lo /'"-.!. A mencionada somma que, por
carta regia de 27 de Janeiro de 1792, passou
do poder do senado da cmara para o erario
at hoje l ficiu, sem que os nossos esfor-
cos lenham podido d'ahi arranca-la. Achan-
do-se ortada em mais de 200 contos as des-
(>/ s precisas para a concluslo do caoal,
s i i.i uina verdadeira loucura mettermo-nos
a fazer aemelhante obra a custa do nosso
plhisico i li -mu n provincial. I'ague-nos o
governo peral o quo nos deve, que ontSo
levaremos nocin essa ubra plaaejada ha
mais d'ii'ii seculo, e cuja utilidaJe be io-
contestavelmente reconnecida.
Composla a nossa assembla como se
acba, le gente pouco versada em conhecer
os nossos inleresses, contando apeuaa com
um ou dous ni-i;, i- de liabilidade,nao ser es-
tranho lrinos de observsr diNurjOea inuteis
em seus resultadas, e burlescas nos discur-
sos, que os nossos Mirabeaux lerio do pro-
nunciar. Para, do passagem, dar-lho urna
i lea vanlaioia da nossa assembla,londe
*) X3'> publicamos hontem a nossa cor-
respondencia particular do Marmullo, por-
que foi conduzi Ja por mil o particular, e s
dalla fotnos entregues depois delle pnblt-
cido.
nos pela aVvissao do Dr. Machado, afiancaui
Delta momento que nunca tal flzeram, pois
sompro reconhecoram a imparcialidade do
S, Etc. o ambicionan a sua volta, como o
verdadeiro homotn capaz dn nos goveruai.
Cuindaiii la essas anomalas, nicamente
esplicaves no thermometro dos seus parti-
culares inleresses. Todo o aparato amea-
cador o depois bajulativo, em o qual exi-
gan do i:\ui. Sr. viue-presidente a romes-
sa dos seus clientes os afamados Coques
para i;xis, afim de seren infalivelmenlu
absolvidos, despedacou-sn, como o vidro,
de euro mu ao sisudo carcter de S, Exc.
O requerimiento feilo a semelhante preten-
e.ln leve por despacho o seguinle: o om
lempo competente sero attendidos. A
Maiaijuela conteve linda a sua sabida; a
roda infernal do ligeiro apparelho estran-
gulador da repulacao alheia reprimi o sen
inovimenlo, fon inleiramente da geral es-
pectitivi diquelles que, como eu, assigna-
invaiii por essa occasi3o o seu apparecimen-
to como assignalar-se-hia umaexploso ao
conlsclo do fogo plvora. Talvez julgas-
sem elles que seria melhor emprega-lo
quando os i inminentes inleresses das eleice.s
pedissem o son auxilio; ou enlao para
quando de novo tiverem de rogar a S. Exc.
verdaleiro perdSo em favor dos seus clien-
tes que, seguros As grades de suas jaulas,
no cessam de pedir sangue para saciaretn
a voracdade dos seus inalinclos!!
O Dr. chefe de polica interino, o Sr. Dr.
ii Fraocisco Balthazar da Silveira, acaba
de ser burlescamente atacado no Desperta-
dor : he que os homens da Estrella, como
llosas, iuutilisaro os seus proprios amigos,
todas as vezes que no corresponden) com
tudo aos negros impulsos do seu coracSo...
O Sr. D. Francisco d'uma cousa pode gabai-
se, e nos repetiremos as suas proprias pila-
vras :nao paclua com ladroes o assassinos.
.Na nossa actualidada, isio he suflicicnli-
para fazer o elogio d'uui magistrado qual-
quer. Ilesprose, )iortiiilo, o Sr. Dr. Fran-
cisco a lorpe maledicencia dos seus prfidos
lioimigos, couiiiiuaudo sempro na carrciru


r
_a.ll. ._
jtisticcira om que marcha, qun a nnssa po- niisernvel soldado, quose dizia estarembria-j vanecor essa jui
pulaoSo sensata Iha sabara sor gr.Ua. gado, e uin caiieiro da Idioma daquelles qua os actos di
2

o i'roijreso n. 56, B BO Observador n. 202 primoirosseilliures, auxiliado por um sobri-
vcii. dous artigos biographicos sobro o nlio do segundo do que resullou un grave
iloscmbugador Marianl qua na verdad* forirnonto noi'mo da caboca do pohresolda-
horronsa a quein os 16. O primalro dostes do, proveniente de urna cacetad, quo Ihe
jornaes lio ligeiro, o sagundo saquarema. doran), nilu obstant o attnbulr o Globo n. 61,
Deslo ultimo copio teitualmenta a seguln- esse fermento a um empurrio, que a victi-
to passagem, que mostra uto quo poni ha ma leven da encontr a calada O Globo
olei"lo o hnmoin quo vive segregado dos lio defensor demasiadamente acrrimo
doui legitimo partidos, que devid a fomi- do respectivo cnsul, o Sr. H 'Cha Sanios, e
lia Maranhense paiu po-lar-se n'um torcoi- o son juizodn tal manrira emittido, hein-
ro, cujo ulerease lio smenlo o do seu ven- toirauentc suspoit i, mnnonto se atlander-
tre o de dous outres mus quo o saleliti- mosaqueellc occultou-noaa partegrot's-
sam. Eis o trecho de que Ihe fallo : .N da ca, que.succedeu ao fado, a qual foi presen -
porm, mellior justifica t aversfio Jos Ma- ciaia, segundme consta, por varias pes-
i'aiihensas ao ingrato avenlureiro, ( o Sr. soas :-- de sa presentar o Sr. Luiz Itocha,
Hariioi} qn ao com males Ihs lem paga- liltio do Sr. noche Santos om uniformo de to-
llo os benelicios quo Ihes dovo, do quo os -u nenio Ja guarda nacional, a guarda da al-
gonio raslfliramenta o lenlo o rencoroso, fand-ga. o ah CJigira soltura do scu primo,
de qua todos os dias di noval o incnulesla- que soachava preso, c imii o indigitadoau-
vi'is provas. O maillera desagrado om que tordo tari ment, o nilo tendoo cotnman-
alguom Ihe incurra, aleda qua seja alguoi danta ila mosma guarda, annuido ordem
demuda, ooneo mais Ihe esquec-', o logo do Sr. Loix Santos, oslo inlimou Mea voz da
que elle pode Vlngar-ae jmala delta dco pnsilo, oado toda a guarda, nSo sai em no-
l'azor, amia quo nisso so comprometa re- me de quo autoridade I A polica proco-
velando a sua mesquinhez de espirito. A de as inqucreesdesso facto, om seu resul-
sua cab.'ca, laboratorio dotlas as perse- tado muilo mais gravo, do que a quena do
guices e vingaucas rom que ello o a sua celebro taborneiro, que ha pouco, deu cau-
groy nos tem flagellado; assim que, ha su as nolis diplomtica! doSr. Itocha Santos.
com juslica que a ello se attribue a fatal O celebro Andronico, o Micholoto do Dr.
divisilo da familia Maranhcnso, que d'anles Maia navega, a esta hora, em nosso cruzei-
vivi i tilo unida e feliz I ro, a burilo do Cuaraiapes. Ahi talvez osse
S. Ex. o Sr. vico-prasidante da provincia, muestro tonha visto a ensanguenlada soai-
a requeriinonio do Sr. Luporcio Francisco bra do espichaba pescador, quon'umavia-
de Sanna Marlins, o lando ouvido o parecer geni pesc futa com elle, o outro seu corn-
il o conselbeiro presidenta da reliadlo, do- panheiroobdoeendo, talvoz a al/juem-por
' --i mi un a cmara municipal, que admit- afrontado quo nao soubo perdor, lizesso
tisse.opcticionaiio a funcemnar como ca- co:n que desda aquella fatal viagem, ale
marista, atienta a inh.ibilidade da alguna boje, nilo hourossem noticias da infeliz Tic-
veriailores mais votados, proveniente de in- lima. Um dia, porm, essa misterio ser cs-
compalibilidades com empregos, quo pas- clarecido, pois nao be de balde, como diz E
saraui a exercer polerijrmonlo a elei- Sue, que a milo do assassino esta segura ao
olo da vereadoros. No da 5 do correla a- cabo Jo punhal, como o forro do punnal osla
preaentou-ae o Sr. Lupcrcio para tomar seguro ao cadver do assassinado.
asento, n depois do algmnas vocifrraces l'ara inloresse Ja nossa inannha, devo di-
contra a determiuacSo do vloe-presidenta xer-lhe, qua o eugenheiio Dr. Raymundo
de provincia, alia-, lundada na le, a illus- Teixeira Mendes acaba do sor convi lado pelo
trluima, |eni cuja frente se acha o celebro govarnu para assistir ao orcamento da um
Dr, Maia, dcixou de Jar cumprimenlo a dique que aqui se projecta fazer. Cidade al-
'irdom superior, o addiou a sesslu, a pre- guma martima do imperio "florece mellior
texto da representar contra a decalo do porto para COOSlrUOCSo do docas, do que es-
tvenlo ... E que tal.' Aprcsento-lh a pura te;aundeas inor* subom o descero de urna
'descarnada esta noticia para que Vm. a maneira espantosa. A realisar so essa obra
i-omnenle da mellior maneira, quo Iha pa- --actualmente indisponsavel ao regular pro-
recer a Om de poJer avahar porii mes- gresso da nona inarinha,- ostou, quoapro-
ino quo laes sao 01 senhoros da Kslrella, rinda bstanle lucrara, em rasSo dos ca i-
i|uo nioiabem reeuar liculdade j una vez que com issopossam eapalhadoi pelaaclaaiea dos operarios le
oomineller toda a surta daarbilrarie.la les, laes servidos, quo assim teiSo om quo era-
laudeiites satisfcelo da auaa amlucoes. pregar os seus bracos.
Vm. lijo ignora, que na cmara dascapi-| Esquecou-me dizer-lho, quo no dial."do
laes puraoi-.su'ludas as actas Oleitorses, correte, alou-seaos i idissoluveis lagos do
o ha por isso,que de forma alguma, ellos mal'imonio o Dr. darlos Fernando Itibairo
ilcsijam l r no meiu do si um linmem es- urna das principios .alinelas do grupo li-
tranho sua grey, a que saja incapaz de gauirocom a Exm.' 8r.'D. Aona Ron Van*
saocclonar quaiquer urna deseas munstruu- "a, lilhi de honrado cumaieudadur Ray-
.sas irregularida-.ios,|de que a nossa r'Wiii- .mundoGabriel Vianna, ja fallecido.
Criuima lem dado bons exomplos. Consta-1 O i.osso llioatro continua na mosma mo-
me que S, Ex. nata disposto s sustentar a'notomian insipidez. No da -28 do mez ulti-
zo favoravel era necesaario xandre Ferreira Callaca, JoSo Mirinho Fal-, Outro do administrador do cemiterio, ro
a S. Exo. tivessem ocunho cSoSucupira, e Antonio Mauricio Accioli Iquositando um armario para aervir d'archi
mase.....
Iwr. e sac. branco.....
mase .
retinado..........
Outro do mesmo informando o requer- n!?odio ,mPlumde '"lual-
monto da oompanhia de beberibe, que pede [un,..........3
pagamento da importancia da 50,000 ra., ae'Diio ei carero.'..' .'.'.." .!... .
a injustica e da illegalidada. Canavarros. [ vo da quella administracSo. Que o procu-
Mastom-se verificado islo ? Apoiteriori Foram estes prestantes cldadSos, parli-1| rador fornecosse.
pode-se afllrmar o opposto do que ae dizia daioacom quose deve contar-osque con-
apriori a respeitc do S. Exo. ? Nflo ; o o di- trihutram para a empreza do Timbre, a llm
zemoa com toda confunca, certos de que do que fosse repellido o grito aoarchico e
n3o podemos sor por ninguem couteslados. revolucionario que se alevantou em nossa 5
A administracSo do Sr. conselbeiro veio capital no dia 7 desatembro passado. aqu
confirmar o quo diclava easa prezun{3o Honra pois Illas seia feta deram a mais igundo o documento apr-Z'-utadu pela com- t'Vta le cinn.
inspirada p 'la sua recouhacida idoneidade : evnlanto prova de qua desejam sustentar a I panhia, semelhante fornocimoelo nao fura I "'' icsiilada.........
no ha um acto seu, na esphera administra- orJem, e que llodelll estrenuos baluartes. | feiloem tem^o de sua administracSo, maa itit"el'r*..........
Dii............
Licor.............
carrinhos do mflo, que loruecera pa-a I Espirito de aas* aidwN.....Canad
uelle estabelaelmento, di/enlu qua sa-1 Ago'ardeme caaica .....
Uva, quo desoiinla o juizo favoravel, que Cale-so pois esse reJactordas mentiras ; que achara no cemileno 18 desses carrinhos,
merecidamente fazia delle ogovarnojnao n5u diga mais, insultando o partido saqua-1 que fez guardar, oslando i quebrados, o 3
ha um s que nSo bafage tularancia e or- rema desta provincia,que a typographn I sem rodas.Mandou-se pagar,
ilem-principio accoitoe religiosamenteob- em que escrevemos foi comprada com di-! Outro do vigaiio do Poco, remetiendo o
servado pela poltica maralisadora que hoja nheiros do cofre provincial. Seosseus cor- mappados batizados feilos na mtsma fre-
rege os destinos do Brasil. religionarios Itbsraes no foram capazas de guazia no aemeslro lindo em julhu ultimo
S. Exc. encontrou osla provincii reta- se quotizarem para a compra da typogra~j(55).Que searchivasse.
Iluda por odios o desarleici3e particulares, pina do Ttmpo que anda al hoja est por $er Eutra em discussSo o parecer da commis-
resultadodessa lutado (4 quo como se sa- paga, n3o avalie pelos seus a gente saquare-
bn teve por fim guerrear individuos a no ma que tem honra e brios.
principios; no enchegando elle nessas des- S esta faccSo tresloucada da nossa pro-
memhraces systemas differentos, quo des- vincia anima-se a injuriar o Exm. Sr. conce-
aem tugara supporquo existiam partidos Ih-iro Dr. Josc Bento, com esse desfaca-
politicos propriamente ditos na provincia, monto e protervia queja Ihe he habitual. A
traiou do corgracar os cidados mais dis- administrado do S. Lxc. acaba de ser el-
tinclos e nolaveis, culligando-os sobo mes- logia la na rajara temporaria por urna voz
mo ponsimento: empenhou-se em fazer que no hesuspeita, por ser da opposiQSo
desapparocerassecgOesom que se dividiam Os malucos aqu para epigraphe do art.
fim do quo todos no maior acord no do fundo di Tempt a. 7* escreveram estas
fossom se no estrenuos defensores da or- palavras0 Exm Sr. Dr. Jos Bento com
,l,. i,. sua ominosa administracSo tem disposto es-
Esse desidertum, grapas aos seus reito- ta proviucia para urna coullagrar;ao o Sr.
rados csforco.a, bem perto est de aereen- Pacheco, deputado da opposicjo, sustentan,
seguido : desappareceram os epithetos de do urna emenda, disse na sessSo de I* do
cabelludo o liso, que sem o menor funda- p .asado estas palavras que muilo honramo
ment rstabeleciam lados; todos com a pe- Sr. coaso\Uetro-Qutn dera que todos os pre-
quena excepcao dos constituales professam sidentesseguitsemas fizadas io nobre presi-
adhoso aos principios do governo e dis- denle das Mag'is.
pa-sapor este modo a abracar um pansa- Eiscomo he apreciado S. Exc. mesmo pe-
monto, umsystcma poltico -o que at hoje la opposicilo ; em quanto os conslituintes
era descouhecido na provincia ; porque di- d iqui o escoman), os deputadoa ainda os
rgida esta por meia duiia da individuos da poltica advesa elavam-no por urna ma-
de m catadura era amolgada por ellos a neira distincta.Corro al que a deputacSo
quanto ministerio apparecia no Itio do Ja- de S. Paulo pedir S. Ex. para prostdonteda-
neiro ; sujeilando-se por essa anomala a quella provincia ; mas o ministerio quer
ser preza de todo o quaiquer presidente que que elle volle para as Alagas.o porisso tai-
para aqui viosse. Estado lamontavel o tris- vez muilo b'eva o tenlumus aqu,
te quo felizmente desapparecera com as Nao caia com esta noticia om desospero
sabias medidas tomadas por S. Exc. oSr. o redactor do Tempo ; va fazendo estomago
cunselliouo. l'ara retirar o seu aonuucio do n. 73 em que
Vuiliuin presidente aqui porseguio mais dizia queS. Ex. n3o vollava mais; e nJo
o assassino e o criminosodo qua o Sr. Dr. gasto o seu precioso om escrever contra S.
Jos liento : para prova desta assercSo bas- Ex., porque deve oslar certo do que ludo
ta quo sa aponte para as matas de Jacuipe quesairde sua ingrata, descommedida e
o se diga que foi elle quem uxuurgou-as dos polrida peona no Ine pole fazer mossa.
Dito..........
Arro pilado2 ,rob,.
Dito cm nuca.......
A'/citc de mamona....
Dito de un iiilolnin .
Dita de peiio ....
Cauada
n (itij i
. Canad
Garrafa
um Al.!.fue
. Cauada
sSo de polica, quo (con ad liadu na sessSo ,,
antecedente, oslabolecendo o quantum da CCS!1,
lianca que devia prestar o procurador, a he Biscois
approvado som diiCUSlSo, r. aolvendo a ca-1 i.-af {,
mar se lavrasse novo termo para o fiador I Dito raatalho .
do dito procurador assignar, oque se re-1 Dito com casca
commondasse este a obsorvancia do art. I Dito muido .
30 do regulamento da conladoria, e ao con-' t-'amo aecca .
ta lora do art 10 do mesmo rogulamento. l{0C0,lC0ln Clsca
Foram appiovados mais dous pareceres da
Arroba
. lima
. Um
' Arroba
a
Ccnlo
Cbaiuios bon
.' Dilos ordinarios ,
por conferidos e exactas as cintas dl" .^S^lJSr"'
ceitas e despeza municipal do mez de junho i DiUem velas. ..'.'.
ultimo, e co caso de serein approvadas ; e Cobre novo mSud'ohra. '.
outro denegando a indemnizacSo do 53,550 Oouro de Hoisatgados
pe'i la pelu actual arrematante do imposto \ Dupinados.........u
das afensOes, 8 titulo de ter sido prejudi-i D." Jc""f..........
cadocom a dacisilo dada pela cmara no Dnorlcdccabni conidos- .
requanmonto do Manoel l'olycarpo de Aze-iJ,,^",11";'"',.......
ve'- ii.usccc'o'."!3.-.'.' ".'.' '
Foram approvadas tres propostas : 1" doljdeia........., .
Sr. veriador Mamedo, para SUpreasSo do 2o I Estopa nacloaid '. .' '. ..'.'.
(estricto de paz da freguezia do S. Fre Dita eatranajeini mo de obra ."
Pedro CoiiQilves ; a 2* do Sr. veriador Bar- .Espadadores grandes......
ros. para supressSo dos 2" dastricto di fre-1 ^tos pequenoi.........
guazia do Poco, e do 3" da Boa-Vista ; o a *"1'l.uhade iii.ud.oca.....Alquelre
3" do Sr. voriado- Fgueiredo, para sUpr.s- [^ 1 ,.........Arrolw
sAo do 2'destncto da freguezia da Varzoa ; Kcijao '""
continan lo o 1" destricto da Boa-Vista a Fumoba'm.',-.',", ,
licar com a mesilla devtso j feita, e abran- j Dito ordinario'. '.
gendo o 2o da mesilla, toda a exten(3o do I Dilo emt'ollia bom
3" suprimido. ; Dilo ocdinaiio, .
Foi nomeado guarda municipal do lleci-' Dit0 IUi''l'o ,
' Ipei'afiudia
Arroba
Libra
Libra
Libra

Arrolla

Um
Alqueirc
Arroba
iii-iici de sua decisilo, sabiamente refur-
cada pelo parecer do Ilustre presidente da
relacto
No dia 10 do p. plisado rae/ naul'ragou
pelas 3 lloras da lardo, na proximidada da
ilha de S. ^nnu, a barca lURleza Bolvar
anegada de oarvSo de podra, salvando-se
loda a tn.iiilaco, constaulole 18 pessoas,
om dous pequeos botes.
.No dia 25 dojdilo me/., tevo lugir a gran-
de |...| i de S. Tilingo, aqual na niinha ulti
na correspondencia ja Ib'u havia aununcia-
do. Eslava esplendida o mais que era poui-
vel. Sa vesp ra, houveexcelleiilcfogo ailili
cial ; o i coucurreucil, quo nessadia hou-
ve, o no inmediato, bastante dislrabiu
ptedosas attenr's dos nossos devotos. Nei-
so mesmo dia, chegaram prucodenles desse
porto, o vapor do guerra Golphtnho, e o
brigue llaparica: o Jprimeiro velo para
Concortar ,o cobro e o segundo, para fazei
parto di estafSo naval do Norte, ijuasi to-
da a ollicialida le desses dous navios foi a
preseulada om varios saldas da nossa so-
dedada, a jtlvamn occasido de assistir a
llgumil reunios lamiliares, das quaes,
consta-me, que liieram o lisonjeiro juizo,
a(|uo a nossa ja tSo adiantada civilisacfio
nos da dlieito. Em loda a ptrlo a oQlciall-
da le do marinba he estimada ; mormonto
quando passuo as quali lados, que oruam
alguns desses bravos do Toneiiero que ac-
tualmente se acham com nosco. A pin. o
silo do lolgaucas, devo dlZer-lhe, que no
dia 31 do p. passado tovo lugar a partida
ordinaria da (crpsicore, t qual esleve como
nunca pouco concorrida; di-vidu isso ao
goral descoiiloiitiiuoulo que entre nos lei-
iia. dapois do receiilelaxciti.nenio poltico,
de cuja perniciosa influencia, quasi sem-
pre, solre essa amiga uilifio, oue chaman.I"
a lamilla marauheuse aos bellos temaos de
do socego, forma a piincipal causa da sua
Iclicidudo.
A Oommissfio encarrogada do dar o seu pa-
recer sobro o projecto da navegar;iIo a vapor
entro esta provincia, o Coara o o l'iauhv, a
caba de declarar, que scom urna araiUcfio
de 8:000,000 rs. luousaes se podera susten-
tar nssa empreza, quo om seu principio,
umitas despezas devo iiocossarianieiite acar-
iciar.
S. Exc. o Sr. vice-prosidonle acaba do of-
liciar aos presdanlos daqucllas provincias ;
afitn du coadjuvar essa empreza, quo pro-
meti inmensos resultados ; segundo fot es-
pendido pela mosma CommissSo, que leve
por presidente, o Sr. commeudador Jo1o
Cualborto da Costa, o os outros dous ment-
aos, osSrs. Antonio Lopes Ferreira e Ale-
... o i. lompson.
Faco votos para quo om ludovingiio osse
gigantesco ponsainenlo do Dr. O. M ichado.
No da 25 do passado, Sabio a luz o pri-
meiro numero do jornal do Timn, cuja apa-
ricao em una das minhas correspondencias,
cu j Ih'o havia anuunciado. Essa obra do
Sr. J. F. Lisboa he digna da ser lida, nSo s
pela variedade das aceas em bello eslvlo
descriptas, como pela sxcelleoto critica, que
illa ancana. Por ora, o.seu autor lem trata-
do da historia antiga das cleicOes aun.le
moslra grande leitura dosantigosliisloiia-
doras. Em cada pagina do Timn do Sr. Jofio
Francisco Lisboa, depara-se com certo-des-
alcnto e desanimo, sonilo, desgosto, quo Ihe
inipiram ai cousas, o os homens,confor-
me ja o notou o Constitucional, lio quo em
ludo isso, se pode ver o panlhcismo poltico
a quo o seu autor foi levado por esse ostra-
cismo injusto a quo os benleoh ingratos, o
conilemuaram. OSr. Lisboa he um arreme-
do do patritico l'hocion de quom tanto s
oceupa no seu apusculo. Depois de nos re-
latar a infeliz surte do hero alhenions
Sr. Lisboa no seguinle trecho: passados
tuuipos os alucine uses arropenderam-se Es-
tes aimveis republicanos lioham esta apre-
ciavel qualidado-raroera o linmem eminen-
to, entre ollas, que escapasse a morlo ou ao
destorro; (o esquecimento ) mas o arre,on-
dimonto vintia sempro aps, se bem, quo or-
dinariamente.....quando ja nSo podia apro-
veilar:nosso trecho, dizemos, o Sr. Lisboa,
quasi, que abertamentu na sua longa reti-
cansia, nos faz ouvir o gemi lo doloroso de
um peilo fondo pela ingrali lo, e pelo triste
pezar do urna esperauca, qne ae perde....
Esperamus anciosos a continuadlo dessa
inlcressante publicagflo, fazendo votos para
quo o seu autor sustente a forca do primeiro
vj que tomou.
.No dia l. do crrante, na Ra do Ota. na
porta dosSra. Silva Oliveira eJoSo da Bo-
cha Santos, leve lugar um couflicto entre um
mamante findo, anniversano da independan
cildesta provincia, subi a scaua o inspido
drama a llm ducllo no lempo do Cardual Bi-
chelicu e o anida mais inspido vaudevtlle
i a marquen, na qual soso pode apreciar
a msica, que hada composico do Sr. L
Mir.
.No drama ilehulou o Sr. Jos Marlins de
LeiDOS, um anligo curioso da fallecida so-
eieuade dramtica l he um bufo forjado,
que descomedidamente abro a boca, para
fazer rollar palavras, cooapeiiadss coa urna
gestieulaefio Insupoitavel da bracos eper-
nas, em perfeita bar.nonia com um extenso
venlro, que possue, no qual so paraca ouvir
o produzir-ia em vantrllloquio echo, as de-
claina;es do Sr. Leos.
Dia.
Vou agora dizor-lhn alguma cousa sobre
0 Concert do va.mr Col/ihinlio. Este navio
dcpois de ter convenientemente esbirradi a
.Machina, osan interior, passou a sor en-
callado na praia, chama.la do Desterro, as-
sistindo a essa operaco, o hbil pratico da
'iv sao Pe Iro Francisco Caraira. O navio le-
'"U quasi tu lo 0 sohressauo novo, da espos-
lura de 2 a mciu pilogadas, o braca c moia
le palil.ioem suhs'ituiclo ao qua faltava,
1 mais 5 la boas no fundo. Forrou-so e pre-
(OU-se toda essa obra, de cobre, o substi-
uiio-so atgum nutro, que estava arrogba-
lo, a pregou-se o'estante. A este bordo, na
altura da caixa das rodas, e proximidade da
quilhs, havia um rombo da cerca do 3 pal-
11108 do dimetro, ten In apenas, a taboa,
rlisia lugar, ao muilo, tinas Indias do espes-
ura : minias taboasdo costa ioestavam com
principio de podr l.l.i (1 eiiiic ri.n coucluio-
saeni8 mares, trabaltiaram canto o tantos
'erarios o serventes, o apenas CUStOU ris
i i.Oeii, iiau iiiciuiudo O Cobre o pregara,
I no veio do Rio. O vapor est campleta-
nente reparado, o demandan lo menos um
p o ineio d'agoa, do que antes do colicor-
to. Estes apontamantos, que ahi licam, fo-
rain-me adminstralos por pessoa, que se
ichou a fronte do mencionado concert, que
i ser relio pelo systoma da querena loria de
ustar paradina de 6 conlus deris, sem
fallar no mao estado a quo o navio ficana no-
ccssariamenlo reduzi lo.
Soube nesle momento, quo acaba de cho-
gar lo Para, o vapor Pa rasase, que esta de-
vo levar. Diquella provincia, nada sei do
interesso. .Ni vapor, segu para o llio, S.
Exc. o Sr. Boliviam, presidente, qua foi da
Itohvia, alirn do tratar com o nosso governo,
sobre negocios de navegacSo.
lie urna co imissilo especial. S. Exc. leva
comsigo, un secretario o um mordomo, se-
gn lo a informac.no que ma deram.
As embarcabas entradas na capital, vin-
las do interior da provincia, no moz proxi
no passado, foram 65 canoas, 27 botos, 17
gabarras, 18 igauls.
As saccas da llgodSo, armasanadas no ul-
timo do junho foi de 7,790 ; as do moz do ju-
Iho, foi do 3,590 : o tendo-so exportado nes-
le ultimo mez 3.199, licim armasenadas
8,181. O algolan lem-so conservado a 6,000
e 6,200. Continu elle a ser assim vendido
pelo espaco da .1 aunas, que o nosso com-
morcio lomar alguma cous da sua anliga
opulencia.
Do dia l.o a 22 do mez prximo passalo,
fallecern! 46 possoas.
innmeros coulus da criminosas, quaaUre-
sidiam a largos anuos, garantidos oulr'ura
pelo can nlii i Vicente de Paula. Hoja sSo
aquellos lugares crusados e frequentados
polos pacifieos habitantes da colonia Leo-
poldina, fundada all polo Sr. conselhoiro,
por autorisaco do governo na corle.
Minguen) mais do quo elle setemempe-
nhado pelo engraudecimeiiio e prospoiidade
(Vimbre Al'igoano )
PERNAMBUCU
Lento
JUKY DO RECIPE.
DIA 23 DE ACOST HE 1852.
Presidencia do Sr. Dr. Rodrigues Selle.
Ao moiu dia faz-se a chamada, e verifica-
da provincia: lom-so volado ao sorvico esta re m presentes 12 sonhores jurados,
dola com urna pasmosa dedicado. Oadian-' O Sr. juiz sorteou 36 senhores juizes de
lamento das obras provinciaes, o pharol, a uclo para completar o numero legal.ede-
admissilodaconoannia da vapores por olla ignou o da de sabbado 28 do crreme para
exigida no seu ultimo relatorio assembla lar lugar a primeira sessSo.
provincial, o esta Jo em que hoje se acna a I Eram quasi duas horas dissolve-se a reu-
instruct3o primaria o secundaria, e que se- "i3o.
ainda mais lisougeiro com a oxecuc3o
dos reguiamontos quo foram por elle apre-
sentados.e muitas outras medidasde grande
cuiiveiiiencia que oiiiiltiiiios por uscrover-
mos cm acanlrido cspa?o corroboram o que
cima dissemos.
CAMA KA MUNICIPAL.
SESSAO" EXTRAORDINABIA DE 28 DE
.11 I lio DE t852.
Presidencia do Sr. Barros.
Presentes os Srs. Mmele, Franca, Pires
Apozar porcm do todos estes smeos quo [.errcra e Figueiredo, faltando pordoente
tem S. Exc prestado as Alagoas, lia filnos 0 Sr presidonte. Abno-so a sesslo, fui li-
desta que vomitam contra olla as mais inju- ja 0 approvaua a acta da antecedente,
riosas expressos o Itio assacam invectivas p0 |,j0 osegutnte
de tuda laia !! EXPEDIENTE.
SDo olles a sucia de conslituintes, que re- ijm 0ncio do Exm. presidente da provin-
crulecidos pelo systema utilitario perde- cia, mandando que acamara proridencias-
ram os sentimontos de nobraza, saheqoo so sobro o que Iba represenlou o presidente
os tiveram, o hoje nada mais vizao que o do cunselho de salubridade publica no offl-
seu detestavel programma. ej0 que por cjpja romellia. (.Nesso oflicio
Alrn da multas outras aecusasfles qua reclamava o prosidenla do conselho provi-
tcm pparecido contra S. Exc. nos ltimos dcncias contra a creacilo de porcos nos quiu-
numerus desse punhalo do liso, quo elles laes, que os toroam immundos, o cont'a o
chamam Tcmpo, ieem-se as don. 54, em incbarcamento do aguas as ras, acre li-
qua mostrou o pedanlo do redactor que S. lando que semolhautes infec?es concor-
lxc. om nada lem mostrado a sua intelli- rem para odestuvolvimenlo de fobres en-
gencia; nem como lente da academia de lormittentcs e desenteriis quo reinam nesta
Olinda, nem como presidente das Alagois : cidade d'algum lemim para c.).ItesoWeu
accrcscentando para prova da primeira par-.' a cmara se respondesse S. Ex. que se tem
loqueS. Exc, he ommisso no cumprimento .dado as providencias solicitadas pelo censa-
dos devores do magisterio, e que bo eciyp- llio, quer a r-s.oito da tirada do porcos dos
sado pelo seu substituto. |quin(aes, onde ni > polem permanecer, e
Coma maior repugnancia vemo-nos as quer sobre a limpeza das ras,
vezos constrangidos a responder as mizera- \ Outro do inspector da thesiuraria de fa-
veis arguifdes desse constituidle de pessi- zonda, pedindo que a cmara Ihe declarasse
ma tempera que no so poja de escrever quaes os vencimentos que peder ter o es-
tanta banalidado asquerosa e da bajuoar crivila do juiz de paz do 2" destricto da fro-
nas mais escandalosas contradic(4as. guezia dos Afogados, alim de poder ter lu-
Es sua follia procurava expr.ssOas para re- o pagar o mesmo escrivo o sdlo e direitos
quintaros ologios que endorecava ao Sr desua numaac3o.Que se ofllciassa ao juiz
conselbeiro i Ora oolSo ( sarvindo-uus das de paz do meucionadu aestricto para infor-
mas proprias phrasos ) oSr. Dr. Jos Den- mar a respeito dos veucimentcs que poler
to illuslrado, intelligonto e circumspeclo ; tar dito escriva, e depois responder-se ao
esperava se nesle lempo urna grande, inspector.
"(inmi de altenges; razilo para a bajula-j Outro do marechal Jos Joaquim Colho,
ciu in lu'inli-'.ili-av.i : hoje exercila elle aecusando o recabimento do quo a cmara
osa i tendencia abominavel para o pessimo Ihe dirigiu em 26 de junho ultimo, e com-
que sampre patcuteoii em todos os seus ac-1 municaudo que ia tomar assento na cmara
tos,vendo frustadasas vistas que tmha na dos Srs. doputados, na qualidade de depu-
Antonio Amanan Marlins.
A requarimanto do Sr. Franca, resolveu a \X""""' ..........Alqueirc
cmara sa olliciassaao.subdelegado da fre- | KSSrSl 'ac '
guozia, pedindo llia inforinasso so existe ali | iiita,d, (
o riscal nomeado Manoel Antonio de Moraes Pranehas .le amar. da'Senude Um
e qual o procedimenlo que ha desenvolvido jDuai.c iouro..........
oo cumprimento ds obrigaces de seu 'cusudo de amaiello da S a40
Cargo. p, de c. 2 '/, a J de I.....
Deu parte de prompto dusdo hontom o fis-
cal da Boa-Vista, e maudou-si olliaiar ao
que o estava substttuindo, para cessar de
funcionar.
uespacharam-sa as peti(es de Antonio
Jos Comes do Correio, de Antonio Das da
Silva Cardial, de Antonio Concalves de Mo-
raes, de Arcenio Fortunato da Silva, do ad-
ministracSo da compauhia de 11 Inri Ij do
Antonio Amancio Marlins, de Ca tao Leo-,
nidas Cama Duarte, de Caelano Cinto de Ve- u""5 *|e aa"ididas .
ras, de Domingos Jse da Costa, de Francia-1 ""?* d 'I"'"*.......... "
co Lucas Ferreira (2), de C.bnol Antonio g^7d dTuTi'ra^dUe?"" ".
de Castro yuintal, da Jos Joaquim BoUlttO, SKT. .P .' .' .' Canad
do JoSo de Duela da Silva Borgos, de Joa- |\[||no '.'.'.'.',.',... ... Aln.i.rc
quim l'inheirojacama, da Jos Joaquim ,No-, Pedrade amoldar....... Um
vaes, de JoSo Soverino do llego Barros, de uiuacte filtrar......... >
Manoel Joaquim Bamos o Silva, de Matheos Ditas de relilo ,.....
Antonio do Miranda, .lo provedore mzanos I'onuade noi........Cerno
da irmandado do Sr. Bom Jezus das Dores ; P'"1............Joiho
o levantou-se a sesso. *"'* u" "**..........Me'
Eu Manoel Ferreira Accioli, a oscre.i no'Sirde .V. \ .'.'.'. u
mpadimento do secretario.Barros, presi- ,sr,a panpba.........Arroba
danto. Mamado. Franca.Ferreira. Pi-; Xxpioea............
gueiredo.
Do dito iimi i .. .
Costadlllbo de dito .
soaltio de dilo .
Forro de dilo .
Costado de Iouro .
Costadiubo dcdllo
So.llio de dito .
Forro de dilo .
Ditos de cedro .
Toros de latajuba
Vai as de parreira.
Quintal
Duiia
UoIms de lioi.........Ceulo
BALANCO DA BECEITA E DESPEZA DA C-
MARA MUNICIPAL DO RECIPE .NO MEZ
DE JULIIO DE 1852.
JSDITAEM.
i,too
2,200
I,SSO
2.560
s,5no
5,100
t,7no
1,171
480
-JS0
3 ill
3n
l no
ISO
10(1
180
3,Uiin
l.jon
(80
l.ono
l.SO
s.noo
10,0110
3,onu
3,200
6, ton
1,5oo
2,6 o
3,8" o
a, loa
3,880
3 oun
1,100
600
2,5oii
7,0na
9,000
na
las
lia
IS.ooa
2uii
21a
2on
ton
18(1
I ."ou
1,0011
0,00(1
l."... i
1,0(111
J.noa
2,600
I |sn
4,oon
I ,son
7,o o
4,ooa
3,111111
aS.iion
.oo"
2,000
1,0110
tl.iiaa
u.noo
7,oao
2o,ii0n
10,0110
.ooo
li.ooa
3,soa
6,0ll|l
1,100
3,5(01
2,'JOO
2,000
1,1(1
1,110
i,uno
UliO
10 000
18 ooo
MU
1.7 na
oto
(1,000
801)
a t ta
3J0
1,000
4,oo
Jllll
i7,ono
2,5"0
200
presidencia
S. Exc. ho um dos ornamentos da acade-
mia de minia ; possuindo um vastiss:mo
cabetal da sciencia, do dtreitoecclesiastico
=o quo tem elle mostrado, n. > s naquelle
astabolccimento cumo na tribuna, ninguem
mellior do que elle pode regor esta cadeira :
e n ii'hiiii lente se poda conhecer mais za-
loso no cuiiipr(iii"uto da suas obnga(6os do
qua o Sr. Dr Jos Benlo.
He pois miserabilissima samelhaante in-
vectiva ; o s de um louco despeilado pode-
rla ella partir.
NIo quiz exibiro tal redactor provas da
inopti lode S. Etc. cumo presidente, limi-
tando-se a fazer osla perguota Em que
sa lam tornado saliente na administracSo
dosta provincia ? Como se os aorvigos
que ja mencionamos nada significan) o
nSo manifestam qua milito bons desojes
tem S, Exc. a respcilo das Alagoas.
Baldo do Tactos quo deam alguma cr de
fundamento s arguigOe descommunaes
contra o governo qua he hoje o seu nico
tado supplonte por esta provinciaIntci-
rada.
Outro do advogadoda casa, informando
sobre o officio do administrador da recoba-
doria das randas internas geraes, dizendo
que a cmara est obrigada a siza, exigida
palo referido administrador, da casa que
comprou Thomaz d'Aquino Foncaca, na
ra Nova, o fui demolida por utilidade pu-
blica, citando a le que assim o manda.
Manduu-se olliciar ao dilo administrador di-
z.-ndo-lhe qua n.lo liavendo na lei do oit-
uioulo municipal vigente quota consignada
para semelhante despeza, a cmara a solici-
tarla em tempo competente do corpo legis-
lativo provincial, para ent3osatisfaze-lo.
Outro do subdelegado da Varzea, pedin lo
providenciasse a cmara contra o proced-
menta do proprietario do engentio Brum,
Bernardo Antonio de Miranda, por ter cer-
cado tola a cnuiiiiiiinracSo da estrada de
Paod'Alhoa Apipuoos, e d'ahi para esta ci-
dade, ea de Olinda, vedando assim o tran-
sito da estradas monicipaes existentes a
teteu.
Saldo em 3a de junho p. p.
Imposto de mscales e boceteiras n,
14
dem de allerlcao, n. 4
dem de cordeaedese liecncas, ns 19?
a til
dem de medidas de farinha, n. s
Mulla* pelo fiscal da freguezia de
Santo Antonio, perteuccnles ao
correte anuo municipal de I8SI a
iBai, ns. alia 93
I.li'iu dem de San Jos no anuo de
18S0 a 1961 n. ISU
dem nielo de 1851 a 1852, ns. 1 a 71
Id in idein d Boa Vista idean, ns. 2
a 3!
dem dem do Poco, ns. 13 21
dem pela subdelegada de Santo
Antonio, n. 3
dem dem da boa Vida, ns. I c i
dem rx-OncnHign. n. 3
Imposto sobre logo artificial, n9. 75
a 81
Aluguel das casinhas da ribclra da
Ireguezia de San !.>-<, n. 5
Imposto sobre eslabeleciinentos
Multas sobre as ditas
1:933,158 '
lOO.OlIn
3;ll3,7S0'.
De/;i:a.
Com o eipedientc c impressdea. ns. 8
O Dr. Jos i.iuiiiiMn de Castro LeSo, juiz
municipal e de orphSos do termo de Olin-
da, comarca da cidade do Recife de Per-
nambuco, por S. M. I. o C- quo Dos guar-
de &c.
Fajo saber que no dia 26 do crranle mez
pelas 10 horas da manhSa, so hSo dearre-
lt,3flo' niatar em prar;a publica os osera vos segoin-
-'",""' tes : bernardina, croooln sadia, de idade
de JO annos, avallada por (50,000 rs.; Da-
. riiltiea. creoula sadia, de idade de 12 an-
ss 00a nos T;1''l",a Por 450,000 rs.; Jeronima,
creoula sadia, de idade de 18 anuos, com
10,000 ] urna cria de idade de um mez, ambas ava-
92,000 i iidadas por 550,000 rs.; Joanna, creoula sa-
' ha, de idade de seis anoos, avaliada por
92,(100 00,000 ris, todos penhorados por execu-
58'ouj cSo da sentenca de Manoel Elias de Moura
b OO/I Contra seu devedor Jos Mauricio Teixeira
fjo'oool ''" Albuquerquo c sua mulher. E para que
,'.. .o.....no ri iinlii'i. ..lo I idus niio ern dil.os ^S-
. cravos quizerem laucar, mandei pas.,ar o
iG.aoO presentoqui vai por mim assignado, e que
.'sera publicado pela imprensa e oulros uo
1 .'l.-.'.'i i igual nota alixados nos lugares pblicos e
28,000 j(| |.,,,||,mi.. olinda 18 de agosto de 1852.
______'~j Eu, Eduardo Daniel Cavalcante Vellez de
""J-419 871 !*"uevar"i oscrivSo interino o cscrevi.Jos
BaraanajJQuilliino de Castro Le0o.
massp
10
Com a folba dos cuipregados relati-
va ao inexde junho ultimo n. il
Com o tribunal do jury celeiedes, ns,
80 a 81
a tuses para a cadeia desta cidade
,n. 10
i Limpeza de ras, us. 128 a i43
i: il, Hlenlo das ditas, us. 19 a 3o
k Concert de predios, n. 3
- Kvculuaes, ds. fin a 85
a Matadouro publico, ns. 101 a 109
Italanco a favor da reccita ein3l
de julbo ultimo
80,100 :
Deca rafes
Conferido. os Pires ferreira.
:02G 974 REAL COMPAMIIA DE PAQUETES INGLBZE8
A VAPOR.
30l,7i>0 aafa-V No dia 31 deste mez, espera-
, I Mm s" lla Europa o vapor Tay ,
31,020. & r cmimnilanle Moss, o qual
tUo'oSO '^^^^m depois da oomora docostumo
aiOOi'O seguir para os pollos doSul : para passa-
4I9O-201 geiros, trati-so em casa da agencia, na
182,907 i ra do Trapiche Novo n. 42.
-- O nrsenal de marinha admilte para os
3:521,828' trabalhos do melhoramenlo do porto seis
cantos oo canteiros, quatro olTiciaes de tc-
dreiros do prhneira elasse, qua saibam tra-
balhar com cimBito, e trinta serventes li-
0:4i9,87i
SmSmunl^ldoR^e'V'de agosto de vres, sendo os jornaes dos se.ventes de 640
1857.
ALAGOAS.
O EXM. SR. CONSEI.IIEIRO DB. JOS BEN-
TO E SUA ADMINISTRADO,
lla trea annos chegou a esta capital oS'.
Dr. Jos liento encuregado palo governo
cenlral da administracSo da provincia, na
qual tem elle at liojo procedido em ordom
a nSu so deslizar una litilia se quor da ve-
reda do justo e do legitimo. A priori se po-
dia allirmar que havia ser dasle carcter
administracSo du S. Exc ltenla a sua
roconhecida inlelligencia e MlnsiracSo, at-
iento o seu modo de proceder circunspecto
e grave.
O procurador,
ionje Viclvr Ferreira Lopes.
O Contador,
Joaquim Tavares Hodevathu
thema, Imiuxo ainda a baila a historia q lempos immemoriaes, com o proposito, tal-
compra da typographia feita com os dlnhei-j^z, de obngar os viandantes a passarem na
ros do cofre provincial : islo he ladrar s harreira do Caxaog, de que he elle arroma-
por ladrar : -Ja so tem dilo que da thesou- tanto Que so remeltosse, por copia o olll-
raria provincial nosahio dinheiro para esta C' do fiscal para informar sobra seu con-
compra. Bcqueiram certides disto; pro- lleudo.
curem documentos na repartir-ido, a vejam I Outro do procurador, aprezentando o re-
so podem provaresta falsidade, adrede pu- gulamonto que d'acordo com o advogado,
blicada milhares de vezes, para mostrarem conllecionra para a cobranza do imposto
que o governo nSo tem amigos na provin- sobre carros, o mais vehieulos de eonducSo,
Cia, e nem o partido saquarema sectarios. qoa P0' rt- 29 ds le' g8ral 6^8 de 17 de
Desgrasada chicina A typographia setembro do 18*1, passju a ser municipal,
constitucional fui comprada por alguns du- |*' CommissSo do polica,
lindos alagoanos membrus do partido sa- Outro duengenhairo Cordeador, informan-
quarema; deat'ibuiram-se para isto arenes doque a casa chanta Jada plvora, do palri-
o estas foram tomadas por diversos cujosnu- ,'mouioda municipalidade, preciza do alguns
COMMERCIO,
l'BACA DO RECIFE 23 DE AGOSTO, AS
3 HORAS DA TARDE.
. (I i A(,' l'- OFFICIAES.
Cambio sobre o Rio du Jaueiro, ao par.
i rs. por dia.=0 secretario,
Tliom Feruandes Madeira.
Os ei educes do fallido Leopoldo Jos
Ida Costa Arsujo, residentes nesta praca, Vi-
' uva Amorim & Fillio, (Direir irmSos .\
. Campanhia, Antonio Ignacio do Medeiros,
(JoSo Tavares Cordeiro, Amorim & lrmSo,
JoSo Leilo Pilla Ortigueira, Manoel Goncal-
' ves da Silva, Russell Mellors Companhia,
! Jos Rodrigues Pereira, Deana Youlle &
Companhia, Antonia Francisco da Silva Car-
risso, Antonio Joaquim de Souza Ribeiro,
I Novaes & Companhia, Mano I Joaquim lla-
mos e Silva, Manuel Jos Ribeiro, Jos Cy-
ALKAM1ECA.
liondimentode 1 21 .179:211,916 i pr,"no~de Moraes Lima, Jacintho Elesb'o,
dem do da 23.......5:896,901 j Oaetoiio da Costa Moreira, Jos Antonio da
..-------------, Cosl, & |rmao, Antonio Comes, Marcelino
185:108,820 dc Souza Pereira de Brito, em Lisboa, Anto-
Kxiiorinciio
Liverpool por Macci galera inglaza Bel-
d 604 toneladas, eapitSo Joseph Bell,
e estas foram tomadas por diversoscujosou-.'mouioda municipalidade. preciza doalguns '' <><" toneladas, cap So Joseph Bell
mes nSo pomos duvida em publicar a fin d coneerlos de pouca monta, visto que suasCOndu'.ia o seguirito :--2o0 barricas e I3d0
quo nSo se capacite alguem que he verdade paredes meslras estSo bem conserva- saceos com 8,880 arrobas e 11 libras de as-
oque alfimaessa incorrigivel faccSo. dase fortes. Mandou-so determinar ao
Os accionistas sSo os sonhores-vica pre- procurador, que inandassa fazer os concer-
sidante Dr. Manoel Sobral Piulo, coronel Ma- tos.
st foi por certo o pensamento do go-1 noel da Costa Moraes, coronel Manoel Co-I Outro do fiscal de S. Jos, informando so-
verno quando o escolboo para a bonroza mes Ribeiro, commeudador Dr. Jaciullio bro o desasir, que tova lugar no Curlumo
missSo que 18o saliafactoriamente lem I Paes de Mendonca, commeodador Loureoco no dia 1* do corante, pelo desabamento da
preenohido : nflo poda elle arreceiar-sa Caralcanle de Albuquerque Marauhao.com- parta do oilSod'uma casaijue se remol-
de que nesta escolna fosse infeliz, a vista I mandante superior Jos Antonio de Maudon- tese a informacSo por copia S. El., o Sr.
das habilitases que oruavam e oruam aojsa, tente coronel Bernardo Antonio do presi lenteda provincia.
Sr. conselheiro. A aprezumpcSo pois que Menloaca, coronel Manoel Duarie Ferreira Outro do mesmo remetiendo o mappa do
era favorarel a S. Ezc. nSo devia ser des- Ferro, coronel Jos de Barros l'imentel, te- gado morlo para consumo na semina do 19
truida senSo por fados que viessem at-; nente-coronel Franciscode Meira Lima, o a 25 do corrate (511 rezes inclusive 18 pe-
i.'sinr ii contrario: he rcalidade que'cnsul portuguez JoSo de Almeida Mouteiro los marchantes avulsos. Quo se archi-
deve ella ceder o lugar: por isso para des-i coronel Francisco Manoel de Carvalho, Ale- vasse. I
sucar
RECEBEDOBIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rondimento dodia23.....1:250,131
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimeulo do dia 23 .2:378,157
Pauta
doi procos correnles do assucar, algoddo, e
mais gneros do pai-, que se despacliam na
mesado consulado de Pernambuco, na se-
mana de 22 a 28 de Kgoslo de 1852.
Assucar em c. branco i. qual. Arroba 2,o5o
-i. I.O'i
nio Ferreira da Silva Santos, em MaranhSo,
Nnvaes & Carvalho, na Baha, Manoel Ferreira dos
Santos Magano, em Santa Catherina, Anto-
nio Ferreira da Silva, em Santos, Manoel de
Souza Gomes, Manuel Jos Rodrigues Val-
ladares, Francisco Jos da Coate Araujo, no
Rio Grande do Sul, comparecam por si ou
por seus procuradores bastantes na casa da
residoncia do doulor Jos Raymundo da Cos-
ta Mouezes, juiz municipal supplonte da se-
gunda vara e do commercio, na ra da Ma-
dre de Dos no bairro do Recito n. I, pri-
meiro andar, no dia 25 do crrante moz a
urna e meta hora da larde, alirn de cornea-
remos administradores da essa fallida; fi-
cando os ditos ere.lores advertidos que nSo
sarao admittidos por procurador ae este nSo
apreseotar procurado com poderes espe-
ciaos para o acto, e que a procurado nao


i
"> *
!
ide ssr dada i pessoaque tf] devedorao -- Quem annunciou precisar da 600,000
allido, ni'in m ni smii procurador repre-
sentar por dous divertios credores.Ilecife,
'21 do agosto de 1852.-0 escrivSo interino,
Manoel Joaquim Baplista.
banco de l'ernambuco.
O conselho de direccSo declara quo os
desceios do corrente mez, sSodd 6por centu para as
letras al o flm de outubro, e do 8 por cen-
to al 6 mezes, sendo o expediente para os
mesmos descontos todos os das ulcis, des
do as 11 horas da manhSa as 2 da tarde. --
Banco do Pernambnco 21 de agosto de 1852
O secretario, Manoel Ignacio de Oliveira
Faco saber a quem convier, quo a bem
do scrvlco publico. Tica espassado o prazo
marcado para o concurso da substituto da
cadeira de rhetorica e pootica, geographia
i; historia do collegin das artes por mais 20
das, contados da data desle. L para que
choguo ao conhocimento de todos mandoi
ailar este nos lugares do costme, e pu-
blicar pela imprensa. Olinda 18 do agosto
de 1852 O director interino, Dr. padre An-
tonio Jos Coelho.
- O arsenal de Guerra precisa comprar
panno azul para fardas, mantas de 13a, brim
hranco liso, luvas de camurc., pares de co-
turnos ditos de sapatos, esleirs, bata
verde, hollanda de Torro e casimira encar-
nada ; e contratar a promptilicagno de pe-
nachos e barretinas para a ompanhia de
ravallaria, bonetes para a mesma, e a Im-
prento e encadernafSo doum livro mestro
para a dita companhia : quem taes objec-
tos quizer fornecer e contratar, pode flirt
gir-se sala da directora do mesmo arsenal
noilia 2* ao meio dia, com propostas em
carta fechada.
T11MTKO
Segunda recita da assignatura.
(JUNTA FEIRA 26 DE ACOST DE 1852
llcprcscnlar-so-ha o drama vaudivillc,
A Grac de Dos.
Os papis do Mara o de Louslalot, serSo
desempenhados, pelos artistas, Manoella
Lucci, e Jo.lo Antonio da Costa.
Em seguida represontar-se-ha urna come-
dia cm 1 acto. t
Principiara as 8 horas.
Os bilholes acha.n-se ja a venda no lugar
docostume.
Avisos martimos.
-- Todas as pessoas qu.) tiverem cuntas
rom o brigue inglez Corsair, Jeverao en-
trega-las no consulado britnico ao mais
lardar al 25 do corrente mez, depois do
qual no se amiltir* mais algumas. Con-
sulado britnico em Pcrnsmhuco 21 de agos
lo de 1852.A. Augustu^ Cowper.
Para o Aracaly hr cooi hrevidade o
liiate brasileiro A
aageiros trata-se na
ineiro andar.
rs mas no caso de agradar a seguranza
nilV indi da dita quantia, procure na rui
di Gloria n. III que so dir quem da.
Aluga-se um primeiro andar com qua-
(ro quartos, e sotSo com dous qdarlos o sala
de jantar e cosinha, o terreno ao lado, ca-
cimba, e varios arvoredos, assim como ro-
meiras, larangeiras de mullico, e um p de
sapoli : na ra da Trompe n. 5, achara com
qut'tn tralar.
~ Alogam-se o primeiro e segundo an-
dar do sobrado da ra das Agoas-Verdes n.
48, com bastantes commodos e fresco; quem
quizer annuncie.
-- Aluga-se o terceiro andar do sobrado
da praca, com tres ricas salas e quatorze
quartos, boa cosinha, e muito fresco: na
mesma ra n. 67. ..
-- uem precisar de um forneiro, dirja-
se a ra larga do Rozario, ao p da policia
n. 19.
-- Caseia-se casaca do panno, a 22c rs.
palito de panno a 80 rs. : na ra do Calabou-
i;u Velho n. 16.
-- Deseja-se fallar com as senhoras DD.
Maria Candida de Hulla nd Cavalcanti.viuva
do fallecido doutor Manoel de llollaoda Cas
valcanti de Albuquerque, que servio de juiz
de direilo do civel da comarca de Po-d'A-
viuva do le-
Francisco Coelho da Silva, no poden-
do pela brevidade de sua viagem despedir-
se de seus amigos, o faz por meio do prsen-
le, pedinilo-lhes desculpa, e offerece-lhes
seu prestio na corte do Rio dn Janeiro.
-- JoSo Carlos Bastos e Oliveira, comprou
o meio bilhete n. 3320 da decima loleri a
beneficio do theatro de S. Francisco do Rio
de Janeiro, para os senhores Jos l.npes Pes-
soa da Costa, Antonio Rodrigues da Castro
Nunes c Jo3o Jos da I.....lail e mais meio
bilhete n. 1860 da loloria da matriz da Boa-
Vala, para o sonhor Jos Lopes Possoa da
Costa; tojos da villa de Bananeiras, cujos
bilhtes Ihes remelle pelo correio.
Precisa-se de um caixeiro, de 12 a 14
annos, para venda : na ra daSenzalla Ve-
Iha n.46.
Domingos Francisco subdito portu-
guez, retira-so para Portugal, a'.tratar de sua
saude,
O Sr. Joao Fredecico de A-
breu l\cgo tenlia a bondade de ir,
ou mandar alguma pessoa por si,
a casa do abmo assignado, para
um ajuste de contas. Jos Lucio
M.inteiro di Franca.
- No dia 27 do corrento mez, se ha de ar-
5
Iho; e Maria da AprescntacSo, viuva uu l?" 'ramatiir oizi uraca publica do Sr. Dr.juiz do
nentc Francisco Alves Monteo HgAffi*T?553S XSL -partaidV"mob-
,lo gran le in eresse das mesmas mBar. i i rug fc 69>
e por isso se Ihes rog-hajan, den unmr |ljbejro de
por osla roltni as suas oraJa.,OU J "!''' I/,rla ron?r, Manoel Pacheco, avallada em
s, a ra U.reita, sobrado n. 6 r.me.r, ,.700 000 hoa uUimi praca.
dar ; ass.m como se deseja fallar timben _. J^.^ eira M 000*mta, dep0s ,1a
audiencia da segunda vara do civel, escri-
com o senbor Francisco da Costa Amaial.
Constando ao abaix
senhorJoSo Miguel Teixc
a mi 11 n p
Imperial.
sennorjoao>.,Kueiie,Sc-.1.,maque..ou-, ( sa ,orrea n. 45i na rua
der o terreno silo na estrada nova da Sol- -,,,;.,
dade, faz ver que esto terreno esta hypo-
thecado, como consta de quatro letras de
ris 180,000, como declara as mesmas
tras, o polo que o abaixo assignado protesta
sobre a dita venda.JoSo Leite do Azcvelo.
Roga-se ao Rvm. Sr. JoSo Clnisoslinio
de Oliveira Pinto Brasil, que mande pagar
no Rio Crando do Nortea I). II. de O., na
n l ule do Natal, o resto da obrigaciio do
cento o quaicnta mil rcis que em 20 de ou-
tubro do 1815, sua livm >. assiguou, na villa
de Porto-Alegro.
Furto.
Da rua do Trapicho furtaram um rclogio
de uuru liurisonlal.coui o mostrador ,1o pra-
I i, tendo a caita interior ( por oudo se da
I'rccisa-se de um feitor que seja casa-
do, e quo nilotenlia lilbos, pura um peque-
o silio na Capunga : quem estiver tiestas
circunstancias, dirija-se a rua da Cruz do
Itecife n. 21, terceiro andar.
O abaixo assignado tendo do ir a Fran-
ca tratar de sua saude, deix por seus pro-
curadores nr-sta praca, em primeiro lugar,
seu presado p o Sr. Ignacio Bento de
Loyolla, o os Srs. Jos Antonio do Araujo, e
Manoel Juvencio de Saboia: o mesmo abai-
xo assignado suppOem nada dever a possiia
alguma, mas se alguem sejulgar seu ere
dor, apresante por estes cinco das, na rua
da Praia n. 45. Jos Ignacio de Loyolla.
Manoel Marques do temos faz sciente
corda ) esmaltada; eslava preso a urna cor- ao publico, que JoSo Nepomuccno de Mello
rente compriJa o de um gosto apurado : rn-1 Albuquerque, deixou do ser socio da fabri-
gasea qualquer pessua a quem froirereci-'ca de charutos, que os mesmos tinhamen
do, deannunciar ou denunciar a subdelega- Olin la, na laJeira do vaiadouro n. 38, desde
ciado Itecife. ,o dia 16 de agosto do coi renle anuo, e quem
. se julgar credor da inosma socielade, ou do
(J abaixo assignado lazscien- annunciante, dirija-se a mesma casa para
te ao resneitavel publico, que em liquidar soncpoUf.nopreso desdjas.
. i i Na primeira audiencia do lllm. Sr. Dr
sua luja de lerragens, junto ao bec- juil do8 ruil0s da fazenda, na sala das su-
co da CongreKacao.na rua do Quei- dieociis tem de ser arrematados por execu-
j ? ? _- A I- cSo da fazenda proviuciil os seguinteshens:
mado n. S-] A, e na prac^ di In- oscfava Ju|ian3i ava|iaJil em 2001000 ris
depenilencia, loja nova de calca- e outros movis penhorados a Joollaptisla
dos n. 07 e jj, ae rorro vjom lw,Ji como consU da re|aCno em m3o
iinliii foram vendidos OS pre- doporteiro; a casa da sobrado de um n-
mios seguintestlas loteras do RO Jj ^^gFt&Sfl
de Janeiro, a saber: das lasas vuva ,je riiippo Bandcira de Azovedo; a
Dos DispSe.
Acaba de chegar do Rio de Janeiro, trsdu-
zido em portuguez, o excellente romance de
Alexandre Humas,iiue tem por titulo, Dees
DiapOe, vende-se na livrara da pra;a da in-
dependencia n. 6e8, a 8,000 rs. constando
de 6 vulumes.
9 O bacharel Vicente Ferreira Comes ;
fmudou sou escriptorio de advogacia, 4
para o largo do Collegio, casa n. 6 4
primeiro andar. 4
9SSSttS9999W9'
Aviso para quem quizer.
A.Colombiez avi.sa aosseus IVc-
guezes, da sua loja de aliaiatc, com
roupa felta, que transferio-a para
a esquina atrs da matriz, loja n.
3, em que c.-t o Sr. Nabuco, sen-
do sempre o meslre da ollicina o
brasileiro Manoel Jos Ferreira :
na mesma loja cima, tem sempre
utn completo sortimento de ropa
felta.
O abaixo assisnado pede as pessosquoa
Ihc s3o devedoras de conlasanligas, do vi-
n 111 no son armazem, na roa da Cruz n. 5,
satisfazerem seus dbitos at o dia 31 do
corrente ; do contrario ver-sc-ha obrigado a
promover a cobranc.a ju Hcialmente.
William Bauch.
O cautelista Salti.stiano de A-
quiuo Ferreira avisa ao respeitavel
publico, que P'ga em continente
ANUAL 0 m. JARII,
TltADUZIDO EM PORTUGUEZ.
16,000 rs. de assignatura.
Sabio a luz o primeiro volume desta obra,
a melhordo todas cm seu genero : o nico
verdadeiro livro, por onde se pdeestudare
pratiear a hoineopathia. EsU nitidamenle
impressoem excellente papel, com todos os
signaos quecinlm o original para denotar
a ililTerenca do valor dos syinptonas.
Contina a assignatura no consultorio ho-
maopathico do r. Moscoso, onde os senho-
res assignantos plem mandar receber oa
seus exemplares
No mesmo consultorio ha todos os medica-
montos homoopalhicos VERDADEIROS as-
sim como ricas cuteiras, o reformam-se
quaesquor boticas, cujos modicamenlos se-
j.iui falsos, ou deteriorados
Cnegou rua do Queimado n. 31, novo
sortimonto do vidros rom agoa para fazer
os cabellos c suissas prctas; a elles antes
que se acabem.
- i'r ,-is.i -e de urna ama de leite que n3o
seja captiva; quem estiver nestas circums-
tancias, dirija-so a esta typographia que se
lite dir quem procisa.
Furtaram do engenho Novo, do Cabo,
um cavallo caslanho, grando, magro, ca-
pado, com signaos de ter sido de cangelha,
anda de passo baralhado o tem o ferro PC 1
quemo pegar love-o aodito engenho, que
ser recompensado.
Lava-so e engomma-se, com umita por-
fei(So e asseio : no pateo da Ribeira deS.
Jos n 15.
Kctr.it,1 da Daguerreotypo.
No atteiroda Boa Vista n. 10, sobrado l-
" 1 r,\~,, __- la ra-se retrato por Daguerreotypo com toda *
sem descont algum, na praca da pcrrcica0 c/ahocilil M Bg0'ra 0 artista,
Independencia n l3 e l5, loja del tendo pois de so demorar poucos diagnesta
r ilc i,l,i do Arantes c na rua da cidal,>> l s pessoas, quo de seu pres
canario ao a ranees, cnarua aa limoseq,1Jzer<,ni ulihMr partqueo procu-
Cadea do Uccife, 11. |l>, loja dc> rom das 9 horas da manhSa as 4da lardo.
miuleas de Jos Fortunato dos"?fVVVVfffVV:ff9VfffVVf
m
9
<-
9
Santos l'orlo, os premios da deci-
ma quinta lotera das casas deCa-
ridade, e da dcima quarLi lotera
a beneficio do hospital di Santa
Casa da Misericor lia. Da decima
quinta lotera das casas deCarida-
de; em quarto e oitavos, 1233 ,
HOMEOPATHICA. 1
28RUX DAS CHUZES 28,
Dirigida por um pharmaceutico 9
upprovado,
Estecstabelecimenlo possue todos \,
os medicamentos al agora experi- J
mentados, tanto na Europa como no g
de Garidade, em quartos, n.auS, casa torrea, altana rua do Molocolombo n.
a i3i penhorada a Auna Joaquina do Sacra-
( 100,000 rs. : em oitiVOS, n. 2> menl0>. a renda annual da casa terrea n. 9
ngclica; para carga o pas- 100,000 rs.: emvigesimos, n-4638, da rua da Lapa, por 48/.IOO, penhorada
naruadaCadeian.49,pri-l/ nnn rs ? ion non rs viuva do Joaquim Jos dos Santos ; a ronda
v 400,000 rs. 2908 200,000 rs. annua| Ja0|arja 20> sit, na travos,a dos
-Para Lisboa o brigun porluguez Via 296, mo,O0O rs. ; 2739, roo.ooo Itemedios, avallada em 1O0/O0O ris, penlio- am__ "' prccisar de u
.ante, rapilSo .Manoel dos Santos, pretendo _,. ,no IOO 0o0 --, e ,a Mi- "d" a Irancisco das (.hagas Cafeteante Pe.--; sovico de casa, islo he di
seguir viagem no dia 30 do correte, quem Wl 29.7 > 0o eJ" so,; quem quizar I^OU Ur compareca J?"il %u *J. "urtS,".
u, fflmna-atfier estregar 011 ir de pane- sencordia, em nietos brinetes, n. ,l0 lugHr .nnunciado -o aolicilado, '/"-|rua d Calcad, M,
^ da invencHo do Dr. Mure.
10:000,000 de TS ; n. 2046, 2:000^ > Brasil, e preparados pelas machinas
de rs., em quarto e oitavos ; n.
1568, em quarto e oitavo, tooof?
ders.; n. 3643, 200,001) rs., em
quarto e oitavos: em quartos, 4028 t
100,000 rs.; 497' 100,000 rs. ; ^
5371, 100,000 rs. ; em meio bi- *
Ihete n 192, 100,000 rs. ; em bi-
a
Cartciras de 12 tubos at 160, por pregoi variaveis, conforme a quali- <
dado das caixas, a quantidade dos re- *
modios e suas ,lynamisai;Oes. "^
Tubos avulaos (cada um) 1/000*
Tinturas do todos os medicamen- *
tos em frascos de 1|2 onca 2^000^2
AVIAM-SE GRATUITAMENTE .,>
para os pobres,todas as receitas que ^
paraali mandar qualquer professor.
Ihete inteiro n. 2716,200,000 rs. -
Da decima quarta lotera do hos-
pital da Santa Casa de Misericor-
dia, em meios bilbetes 2484, toos j
rs. ; 5736, 100,000 rs. ; bilhetcs;
HOMEOPATHICA.
28 RUV DAS CRUZES 28.
qtti:
geni, dirija-se aos consignatarios T. d'A- ( i3l, 200,000 rs.: emquirtos, n.
quino Fonreca & Filho. na rua do Vigario
n" 19, 1. andar 011 ao capillo na pra;a.
Para Lisboa o brigue portuguos Novo
Vencedor pretende soguir viogem por todo
0 crreme mez : quom nelle quiter carre-
gar ou ir de passagem entenda-sc com os
scuseousigualiiius T. d'Aquino Fonccca <\
1 litio, na rua do Vigario, 11. 19,1. andar, ou
com o capillo Borgrs Pestaa na praca.
2172, 1:000.000 de rs.; n. 1702 ,
loo,ooo rs., e em vigsimos o ti
9.4341 100,000 rs e ,nitros muitos
zenda provincial, Jos Maiiano do Albuquer-
que.
-- Traspassa-se o >riendainonlo de um
silio, na estrada nova do Romedio, com una
ba casa de vivenda, estribara para qualro
cavallos, e bstanlo terreno com propor?oes
para plantar ou criar : a tralar na mesma
estrada, sitio om que eslevo o Macambira,
ou na rua da Cadea do Recile, sobrado n. 1.
pi emios de 4o,000 rs. e 20,000 rs.;
convida pois aos possuidores a v-
rem receber as mesmas lojas di-
iVaia o Itio de Janeiro sabe tos premios sem disconto algum:
at o dia 25 do corrente, o brigue nas mesmas lojas, e na da rua do
nacional Itecife, o qual j tem a (Jueimado n 12, de Joao Buptisti
, 1 I J t UlUII ll,UUt; I9> IjUO UV'UII' unan"
maior parte da caiga prompta, e Uodrigues de ?ouza acna-se a |nos, queem quanto nSo o lizer ver sem-
nara o resto, passag, iros ou escra- venda um ptimo sortimento de pro seu nome nesta fulha.
' .. 1 .,, _^_ ~ Constando-meque ornen escravo de
vos a Irete, para o que tem muito lulhetes por 22,100 rs., mtios por |lua|0 ManoC|i creou|0> eomu eonaudoan-
bom commodo, tratu-se na rua do 11 000 rs., qu.irt s por 5,5oo rs., nuncio insta folha, se cnc^minhara para o
Collegio n. .7, segundo andar, ou 0tav,>s por 2,800 rs., e vigsimos H^e^*k'ft oZ^mZ
com o capito Manoel Joae lti- por i,3oo rs., da decima lotera do peco ao senhor do dito engenho que por la-
beiio.
-Para o Rio Grandeido Sul seguirabre- I ro aos precos notados, da qua
vo o brigue Social por ter parte do seu car-,,. *. ? .
regamento promplo, o qual podo receber lista deve chegar pelo vapor bras. Luu ,rarrejfa |(jb(liro
ui.i.u.i..ir,....~. ..- euloressar, que tem ci
Prec.sa-se de um ca.xeiro, de idade de! q' ,,, ,, Jo|1J .
vinte annos, qu: entenJa de venda e d ^ P n na nla ,NV, (|PSla cJai|.,
fiador sua conducta em Fra de Portas, | "-^ ^ Manoel Pacheco do Qu-iroga ; t
rua do Pilar n. 145 : zendo-se igualmente sciente que o mesmo
- O Sr. Joaquim dos Santos Azovedo va ,,, olhecaiu ." ,nnUncian-
plgar 17,000 rs. que deve na olar.a dos Coa. K ^ ^^ sobroJlta> especialmente, e com
inteirosn.4o56, 100,000 rs.; 5249,
100,000 rs.: cm quartos n. 1716,!
'____, /o/r --. NOVO MANUAL de me liana homteopatliica
100,000 rs.; 484j 400,000 rs. ;, pe|o |)r Mim> t VO|limS> cjm nMno.
52^6, 200,000 rs. genesia de 240 melicimentos 14,000
No engenho Agua-Fra precisa-so de Doutrina o tritimnnto das molestias chroni-
um bom feitor. I cas, por IIAIINEMA.N.N, 3 voluntes 20,000
ma criada Retrato de IIMINEMAN.N 5,000
as 6 horas Manual de medicina veterinaria liomccnn"-
oeur-r n JM<:"' "' ?'*' '"'"'
i..!. llomoeopathia domestica 5,000
I.,____.., ..-..I,hnm..lh. .t|0oo
1,000
as de
000
,000
U.I, um una jai tllinnoira iufl -------------- w -,,
lo S. Jos, ou Santo Antonio: Manual pralioo do magnetismo animal 5,000
adela ,1o Recife, loja n. 50- Ciim de phrcnologia, por Broaaiais 8,000
Elementos de homceopatlua, por Gossel Bi-
mont 8,000
Tralamento homcoopathico das molestias
venreas, por i.,,s-ei Bimont 1,000
rua
-- Precisa-se
lUKir um sitio margemU'eniorial do medico homojopalha
do rio, rom baixa parac.pim e arvoredos O medico homecopatha das enancas 1,
defrulo; na rua Nova n t. Tratmanto homceopathico das molestias
Aluga-se urna casa tenca, com quin pelle *,
tal e ccimb... om urna das melhores ras Diccionar-ode medicina, cirurgia.cte.8,
do ba-rro 1
na rua da (
-- Rulino Rodrigues
da Silva avisa
tem contrtalo
thesouro publico,!,. Rio de Jane,- Z^S^Z^^TVTnmmm.
a m'o, pagando eu as necessarias despezas,
i- de cujo favor Ihe licarei obrigado.Joilo
Luiz Ferreira Itiboiro.
alguma carga a frele, o quom prelender 1 e,r0 n0 Jia J a 5 do mez que vem, 1 j 1 ,
podo iraiar com Amorim Irmaos : na rua ; ,, ,4A ... Aluga-se una c.isa uc uous
da cru... 3. logo que ellas clicguetn sao pagos nnd res ou de um andar e sotao ,
NaranhSo e Para. em continente todo e qualquer pre- com comm0(|0s sulficientes para
Segu om poucos dias, o brigue escuna
Graciosa, ja tem a bordo a maior parte da
carga : para o restanto e passageiros, trata-
se com o consignatario J. B. da Fouseca J-
nior, na rua do vigario n. 23, ou com o ca-
piao na 1'rac.a.
Para o Kio de Janeiro.
Recebo carga e passageiros para o Rio de
Jaueiro o patacho nacional Fernaudo Via-
jante, do primeira mareba, que seguir
com a maior hrevidade : lrata-su com o ca-
pil.'ui a bordo, ou com Itallhar & Uliveira
na rua da Gado a do Itecife, armazem 11. 12.
mo sem descont algum. Anto-
pa
-um Amo- andc famia, nos bairros de S.
nio Jos Rodrigues de &ouza Ju- Vntonio> 0ll Boa Vista : a tratar
"ior __________na Soledade, sitio dos I.cSes, a
^^^"ToTTTo^Ts qualquer hora do (iia.
amigos, para assislir s exequias de sua pro- -sif P^***T~^ '"fs
sada consorte, que ter lugar hoje, as ho-
ras da tarde, na igreja do Nossa Sonhora do
Terco.____________________
Compras.
Compram-sc ps do frucla-pflo do mas-
prelercncia a outra qualquer diviua ; so, 0 do caro?), ditos de sapotis e de fructa
pois, alguem se julgar com direilo contra (ie codc> acondicionados com capacilade
tal venda, queira annuncjar por esto Diario. ,je jrcm p;irl provincia do Rio-Grande do
Amonio Agosliuho Pires, subdito lies- |Su|. paRam.ae bem, nendo do maior lama-
panhoi, retira-so para Portugal. nno posSiVel, sem defeito algum e em com-
Precisa-se de um caixeiro para uma'p|eto est,,|0 de madureza : na rua das Cru-
padaria, que seja bom para balcao e que zes n
lenha ortica doste negocio, para poder id- ^ Comnram-se 2
ministrar os trabalhos da mesma, sabendo pardas, do 12 a 20 ai
2 escravas creniilas, 011
" pardas, de 12 a 20 annos, o 1 moleque de 14
hem ler e escrever: o que se acnar nestas a 16 annos na rua jova n t6,
circumstancias e abonar a sua con lucia do-I .. Compra-se um ornamento que esteja
de dingir-se a rua Nova o 16, loja do fer-.em bom uso. rom duas cores de branco e
ragens, aonde achara com quem so en-|enClirn,j0r 0 tendo tambem pedra d'Ara :
tender.
Caelano Pinto de Veras, tem mudado
a sua residencia da rua do Crespo, para o so
lirado n. 8, da rua de S. Francisco desta
ugam-se e vendem-se bixasna $
praca di Independencia n 10, con- *
fronte a rua das Cruzes.
cidade.
Para que nSo haja ignorancia, avisa-sc,
que ninguam contrate negocio algum com
Jos Francisco Tava es, sobre urna casa ter-
rea, c um terreno silo na rua Impeiial, sem
que seja ouvida sua mulher.
-- Aluga-se a luja de um sobrado da rua
Jo Rangel, com tres camarinhas, e em mui-
to bou. lugar para negocio : na prai;a da In-
dependencia n. 6e 8.
quom tiver annuncie, ou dirija-se a rua do
(jueimado n. 18, quo adiar enm quem tra-
tar.
Compram-so oscravos do ambos os se- : V.-Hli'seliiii, o de tapete, sapatOes de lustro
Cartas para volterete.
Vendem-se as mais superiores cartas para
voltarete, e pnr prcen mais barato, do que
em oulra qualquer parte: na rua dos (Jua-
teis n. 24, loja de miudezaa de Cruz &
Bastos.
A 24o rs. a dtizia.
Vendem-se caixas com superiores brelas,
a 240 rs. a duzia: na rua dos Quarteia n 24,
loja do miudezas de Cruz & Bastos.
Cheguem antes que se acabem.
Vendem-se espanadnres, a 160 rs. cada
um : na rua dos guarais n, 24, loja de miu-
dezas do Cruz & Bastos.
Carteiras para guardar dinheiro ,
ou letras.
Vendem-sc superiores carteiras para guar-
dar letras, ou dinheiro, com lecbadura e
sem olla, por baratissimopreco: na rua dos
Quarteis n- 24, loja do miudezas d-j Cruz e<
Bastos.
Capachos.
Vendem-se capachos para porlas o meio
desala, por preco mais barato, do queem
outra qualquer parte : na rua dos Quarteis
11. 24, loja de miudezas de Cruz & Bastos.
Aos senhores alfaiates.
Venlem-se superiores tesouras, para al
faiate, bem como ricos bolOes dourados pa-
ra casacas ; ditos de setim prcto ns mais
modernos que tem vi mo a este mercado ;
botOes li .i, eos para calQa, a 280 rs. a groza,
muito finos ; relroz azul ferrete o mais Ono
possivel, e ludo por preco mais mdico, do
queem oulra qualquer parte 1 ua ruados
ij-iarleis n. 24, loja de miudezas de Cruz &
Bastos.
A verdadeira de 200 jardas.
Voude-sea verdadeira linhi, em carrileis
de 200 jardas, por preco mais mdico do
queem oulra qualquer parle- na ruados
ni.ii le- n. 24, loja de miudozas de Cruz &
Bastos.
Cheguem ao barato.
N. rua dos Quarteia o. 21, loja de miude-
zas de Cruz & Bastos, vendem-se t'da e
qualquer qualidade do miudezas, por preco
m lis barato, que om outra qualquer parte,
existid,lo sempre um completo sortimento
de miudezas novas e modernas, tanto para
a p .ie,, como para fra, as quaes se irSo
aiinunciando por este jornal.
Vendem-se caixas com cen
chaiutns, a 3,ooo rs : na ruado
Crespo, loja de lazendas n. 3, ao
lado do arco de S. Antonio.
-- Vende-se um relogio com cadeia, ludo
de ouro, bom regulador, o por preco extra-
ordinariamente, barato : na loja n. 58, do
Aterro da lioi Visla.
Comma de eugommar.
Vendem-se saccas com gomma, muito al-
va, uropria para engommare fazer bolinhos,
por u.1o ser seeca ao fogo: na rua do Quoi-
miido n. 14.
-- Vende-se um nuleque[creoulo, qtHPJlP
rece ter ao mais 2) annos, de bonita figura,
muito activo, cibinha e engomma. be pti-
mo para criad) de casa o pagem : quem
quizer, annuicie.
Lavas de seda.
Vcndemse superiores luvas de seda de
cores, para homeui e s-nhora, vindos polo
Havre.- no aterro da Boa Vista, loja de cal-
,;i.l> n. 58.
.- Vende-sn umcxc-llente melhndo do
/lol.io. perfeitnmento novo, por muito bara-
to preco: uo alerro da hoa Vista, loja n. 58.
Vende-se una bonila negriuha, do 13
aunns. chegada do mato > roa liria da
Rozario, loja n. 35.
Vendem-se lo escravo^ sendo um lin-
do moleque, do 13 a 14 anuos deidade ; 6
oseravos de todo servido, um dallos carrei-
ro, de bonita ligura o 3 escravas quitan-
deiras -. na rua llireita n. 3.
Vonde-se um casal de escravos o una
cria: na rua estrena do Itozario, venda u.
16, de liel-na l-.l 1110 DullllUgOS l'.H tu
N. 3g A.
.Na rua cstreita do Rozario, trayessa para
o Qunimado, deposito n. 39 A, alm das bo-
lur-hinhas, biscoilinius, latas de farinha de
Aramia e de trigo, que costum vender,
tambem vende superior bolacliincha de Lis-
boa o chocolate, tanto a relalho como cm la-
tas qualquer dos objeetns.
Vendo-sa um macho grande, proprio
para carro, manso: no Trapiche Novo n. 14,
primeiro andar, ou no Montoiro.sobrado do-
fronto da igreja.
Aterro da Boa-Vista, loj de cal-
cado n. 58, junto ao seleiro,
Vendem-se chapeos prelos Iraucezos para
homem do superior qualiJade, e da ultima
moda, lencos pretos de setim maco, ditos
decores de lindos padrOes, chapeos deso
dn panninho dos melhores que exislom.agqa
de Colonia muito hoa, um completo sorti-
mento de perfumaras, borzeguins gaspea-
dos para senhora, sapatos do luslro, eorda-
xos, do bonitas lguras, de 10 a 25 anuos,
tanto para a provincia como para fra, pa-
dem-se bem : na rua da Cacimba n. II, un
ga morn o filiado vigario do Itecife.
Compra-som una prela que lenha algu-
ma hahilidadr, e um preto que seja forte,
ambos de bonitas figuras, e que no leuham
vicios nem achaques: na rua do Amoriui
n. 25.
Compn.se urna taberna, sendo cm bom
Leilao.
Miguel Carneara tiansfere o
leilao anuunciado para lioje a4 do
corrente, paraamanhaa 25 impte-
terivelmcnte.
LeilSu.
Como nao se eflectua a venda
da arrematacao dos 3 navios, e s
sim de um, a requenmento do de-
positario da massa de Leopoldo J-
se da Costa Araujo, se i'ar leilao,
hoje il\ do corrente, os 11 horas
na manhaa em ponto, na praca do
Commercio, por intervencao do
agente Koberls, dos brigucs Mero
c Destino.
Avisos diversos.
Lotera de Rosaa Senhora do
Rosario.
No dia 26 do corrente, andam
as rodas desta lotera, impreteri-
velmelmcnte, ainda que fiquem al-
guna meios bilhetes por vender.
- Napoleo Gabriel Bez, n5o podendo
pela brevidade de sua viagem, despedir-se
de seus amigos, o faz por meio do presente,
pedindo-lbes dosculpa ; e offerece-lhes seu
prestimo na cOrle do Rio de Janeiro.
Jardm dosjDamas.
Sabio luz o oitavo numero deste peri-
dico, conten lo como lo los os outros mate- tiLuilo por seu auto', he em sua botici na
rias de inslrucc.lo e do recreio. Aeon.pa- ru, da Cadeia Velha, n. 61, e para evitar
nha-o urna estampa grande conlendo lindos qualquer engao, so echar a assiguatura
riscos de brdalos o labyrinthos. As assig- Ju ,|)ajxo assignado om manuscripto, so-
naturns recebem-se na rua larga do Rozario Dt0 mvo|torio impresso do mesmo frasco,
n. 35, primeiro andar, a razio de 2,000 rs. vicento Jos de Bnt).
por serie de seis nmeros. g-^* Recebem-se escravos de commisso,
-- A pessoB que annunciou por esta folha COulpram-sc e vndem-so, tanto para dentro
precisar de 600,000 rs. a premio, com segu- ja provincia, como para l ra : na rua das
ranea, dirija-aO ao aterro da Boa-Vista n. 6, Larangeiras n. 14, segundo an lar.
terceiro an ar.das 6 as 10 horas da manhaa.
-- Aluga-se urna preta para tolo o ser.
vico de casa, o compra na rua ; quom pro
ajjg|fa)' O abaixo assignado uni agente em, di qUe sali ler, escrever o contar, com exa- i__Compram-se dous mulatos,
Peruambuco de J. B. I). Sands, chi-mco ,ne je lingoa nacional e principio de lingoa annos de idado. e que sirvam para
americano faz publico que o deposito cons- jaljna para eusinar prnneiras letras no a iratar COm Luiz Gomes Ferreira.
mato, ou mesmo em qualquer eugenDo :
quem do seu prestimo se quizer ulilisar, di-
rija-sea rua Bella n. 22.
-- l'recisa-se de um feitor,|para sitio, pre-
ferindo-se portuguez, equesaiba desempe-
nhar esta lugar: no Passeio Publico, lo-
ja 11. II.
Precisando fallar-se ao dono do silio
denominado Catle, da freguezia deTaqu-
ra, provincia daParahyba, que (oi do Rvd.
I ##<* #g Pj Francisco C.rneiro, a negocio relati-
I iotli Anacleto, dentista e sangra | 10 ao mesmo sitio, e ignoranJo-SJ
de 12 a 16
pagens:
para eusinar prnneiras letras no a tratar com Luiz Gomes Ferreira, no Mon-
dego.________________________
Vendas.
a5s..-3ia.v.-^ rj-a-jrs.'ss
ceiro ander.
-- Manoel Francisco Coimb
aosseus devedoros, que leudo
ressidade de pagar aos seus cr
aos seus deveJores de Ihe ire
praso de 15 dias da data deste, fin lo que
seja o lempo nao pagando, terSO seus no-
mes publicados por este jornal.
--A pessoaque precisar do um rapaz bra-
sileiro para caixeiro de qualquer casa de
negocio, na praca, mande um procurador
ao engenho Conlracude, a tratar com o an-
nunciante Antonio Ferreira Franco; osle
marca a dala de 8 at 15 de selembro por
ter de buscar emprego inda que no mesmo
engenho.
-- Coutini'i 1 a discussSo do projeclo de
estatutos da Companhia de Seguros, ama
nhSa 24 do corrente, na casa do banco de
Pernambuco, na roa do Trapiche r., 32, as
11 horas da manhJa.
quem
seja, pede-se a deciaraco de seu nome o
mora un, em casa de Joaquim Flix Macna-
acni"rosdiii"fo "por em- do, para ser procurado. .auanai
? 99at9wvm9t99v~S9
.Mu.iaiit.-a de eslabelecimeuto. a
Jos Luiz Guaiaco tem a honra de fa- 4
zer scientoao respeilavol publico, e i
9 om particular aos seus benignos re- a
guezes,que transferio a fabrica o laja t
qualquer cstabelecimeiito nesta
ou em outra praca ; tambem para
caueiro de cobrancas, administrar
engenhos, ou casas de negocio no
mato, promeltendo tudo desem-
penhar da melhor forma, por isso
que tem bastante pratica dando
fiador a sua conducta : na rua d >
({ngel n. 36, segundo andar.
-- Aluga-se o terceiro andar e sotSo da
aa da rua do Vigario n. 25 ; trate-se no
casa da rua uo vig
armazem da mesma
t dos os esforcos para be,n servir a
v, quem so diguarde o honrar com a sua S
m conianca, etc. &
a4,s**t*ie&*993&&9
__v, rua do liruiii, arreuUa-se o quarto
andar da casa de A. F. da Cunta, elilicada
a ino lerna, e com asseio, tendo excellentes
commodos para urna familia :tracta-se na
rua do Vigario n. II, noescriploiiodo mes-
mo.
a NSodevo nada a ninguem. Recife W
4 20 de agosto de. 1852.Dr. Sabino *
4 Olegario Ludgero Piaba. 9
%B4S*94fSm*S3S3>*>
Ihlhetesdo ilio de Janeiro.
aos i", ikii),uno de rs.
Na loja de miudezas da praca da
Independencia n. 4 vendem-se
billietes inteiros, meios quartos,
oitavos e vigsimos, da dcima lo-
tera para indemnisacao do the ou-
r,i publico, que correu no dia 18 de
agosto, e vem a li-ta no primeiro
vapor que chegar do Rio de Ja-
neiro-, ditos inteiros, meios, quar-
tos, oitavos e vigsimos, a beneli-
cio das obras da igreja matriz de
vill 1 de Itabira, provm:ia de Mi-
nas Gcraes, licoua correr eno dia
28 de agosto.
Lotera de Nossa Senhora do
osario.
Casa da Fortuna, rua Dircita n. 7.
No da 26 do corrente, andam as rodas
desta lotera improlerivelmeiile, o resto dos
meios bilh-tes e cautelas, acham-se a venda
na cusa cima, e na pra$a da Independencia
n. 4, loja do Sr. Fortunato.
Meios bilhetes
Quartos
Decimos
Vigsimos
4,000
2,200
1,000
500
para homem o meninos ,le 7 a 12 annos, lu-
do vindo do Havre, bozerro fiancez, dito do
lustro, marroquios de coros, sapatos do A-
racaly ; e um sortimento do espelhos ees-
covas para barba, c muito commodo para as
pessoas qiieviajam, cortes de tapete para
saiatos de bom gosto; ludo se vendo barato,
afim de apurar dinbeirc.
A 3,5oo, i ,60o, e 480 rs.
Vendem-se borzeguins gaspeados para se-
nhora a 3,500 rs sapatos francezes de lus-
tro muito bons para senhora a 1,600 rs., as-
sim como linas escovas para denles a 400 e
480 rs. : no aterro da Boa-Vista, loja n. 58,
junio ao seleiro.
Vendo-so urna can 1a grando que pega
de 1,500 a 2,000 tijolos do alvonaria grossa,
em muito bom estajo, e por preco commo-
do : a tratar com a senhora viuva Cunda,
defrontn de S. Francisco.
Vende-so ou pormuta-se por escravos,
terca parte de um sobrado de um andar c
sotSo, sito na rua doCaldeireiro desta cida-
de, e urna parle de um .sitio na Magdalena :
a tratar na rua estreita do Rozario u. 7, loja
de ounves, ou annuncie.
Vende-soou permulta-se por qualquer
objecto de igual valor, tros pequeas casas
terreas na cidade do Rio-Formoso j a tratar
com L. J. de Castro Araujo, na rua da Cruz
n. 34.
Vende-so urna negra, creoula, de 18 a
20 annos, do bonila figura, cosinha e coze
costura chaa, o engomma, ludo solTrivel-
monte; na rua da Praia n. 20
Vende-se um negro, de nacao, morjoe
bom cosinheiro, sabe fazar doce de todas as
qualidades, principalmente geleta, j na rua
da Praia n. 20.
Vende-se urna mulata de cor escura, de
25 annos de idade, pouco mais, ou monos,
com as habilidades que se farSo patentes ao
comprador: na rua Diroita n. 88, primeiro
andar, por cima da butica do Paranhos.
Na loja do sobrado amarado, da rua
do Queimado n. 29, continua a ter para ven-
der um completo sortimento de palitos fal-
tos de panno lino preto e de cores, por pre-
co muito commodo.
Gesso.
Vende-se|gesso em barricas, chegado l-
timamente :em casa de J. Keller& Compa-
nhia, na rua da Cruzn. 55.
I MUTILADO j


4
Moinhos de vento
rom bomb de repuso pan regrar hurtas
i baixasdccaplm oafundicSodel). \V. Row-
man: ii n, i-na do Itrum ns.6,8 o 10.
Fazeoda da moda.
Vemlem-se superiores cortes de cambraia
de salpico* braocos do cor, pelo diminuto
preco de 3,500 rs.! na ra do Crespo, loja
d. 6.
Cal virgem.
Venilc-so cal do Lisboa a mais nova do
mercado: na ra do Vigario n. 19, primei-
andar, escriptorio de T. de Aquino Fonsrca
V Filho, ouna ra lo Trapiche, amazem de
Antonio Augusto da Fonseca.
Deposito de cal e potassa.
No armazem da ra da Cadeia
doKecife n. la, ha muito supe-
rior cal de Lisboa, em pedra, as-
nim como potassa chegada ltima-
mente, a precos muilo rasoaveis.
l'otassa americana.
__No antigo deposito dacadea velha, n.
12 existe urna pequea porcSo de potassa
americana, chegada recentemente que por
superior rlvalisa com adaRussia: vnde-
se por preco razoavel.
Agencia de Edwin Maw.
Ka ra de Apollo n. 6, aruiazein de Mc.Cal-
moDtb Companhia, acha-e conttantemenle
bons lortimentos de taiaa de ferro coado e
balido, tanto rasa como fundas, moendas in-
elras todaa de ferro para animaea, agoa, etc ,
dllas para armar em madeira de todoa oa ta-
uiauhos e insdellos o mala moderno, machina
lmnsrini.il para vapor, com forja de 4 caval-
loa, coucoa, paaaadeiraa de ferro csiaotiado
para caaa de pulgar, por menos prejo queoa
de cobre, eacovens para navios, ferro ingle
tanloem barraacomo em arcosfo!haa,etudo
por barato preco.
AGENCIA
da lundicao Low-Moor.
RA DA SENZALl.A NOVA S. 42.
Reste estabeleeimento conti-
na a lia ver tim completo sorti-
menlo de moendas o meias inoen-
das para engenho, machinas de
?apor, e taixas de ferro batido e
coado, de todos os ta man los, pa-
ra dito.
Vendem-se os verdadeiros selins in-
glezes, patente, de molla e sem ella : na
ra da Senzalla Nova n. 42.
Vendem-se relogios de ou-
ro epr&ta, patente inglez : na ra
da Senzalla Nova n. l\-i.
Arados de ferro.
Na unditjSo da Aurora, em 8. Amaro,
vendem-se aradosdeferrode diversos mo-
delos.
Deposita dec panno de algodao da
imbrica Todos os Santos da Ba-
nhia.
Vende-se por preco commodo
o bem conhecido panno de algo-
do desta fabrica ; em tessa, a
vontade do comprador: no wcrip-
lorio de Novaes & Companhia, na
ra do Trapichen. 34
-- Vendem-se asseguintes semenles:
nabos,rbanos,rahanetes encarnados ebran-
cos, sebola, couvo Irinxuda alface ala-
"*l| |". I rr II .1.1 I.. .. I.. ^..utuO) fClJftU
carrapato de tres qualidades,ervilha torta e
direita, fava, coat tro do touceira, saltja, t-
males grandes, repolho, couve lombarda,
saboia, e moslarda : na ra da Cruz n. 46,
defronte do Sr. doutor Cosme.
Taixas para enyeiilios
Na fundicao de ierro de D.
\V. fiowman na ra do Bruta,
passando o chafariz, contina a
haver um completo sortimento
de taixas de ferro fundido e ba-
tido, de 3 a 8 palmos de bocea ,
as <|iuic,N acham-se a venda por
preco commodo e com prompti-
dao, embarcam-se, ou carregam-
se em carros, sem despezas ao com-
prador.
Veodem-seamarrasdraferro: ""'
Senzalla nova n.42.
A 5,000 rs.
Superiores chapeos de sol de seda ingle-
zes chega rrinulo prec/i de 5,000 rs. cada una : na
ra do Collegio n. 4.
Aviso aos pas de familias.
Na ra do Collegio n. 7, acha-se um sorli -
ment de louca do Porto ilo diversas quali-
dades branca e de cores, a qual se vende por
preijo muilo barato e serve para quem lem
pouco dinheiro; a ella antes que se acabe
porque he pechincha, edopois nfio val nniia
ose eu soubera-vamus, vamos fregu
zes. Na mesma loja se vendem treze caixas
vaziss eoi que veio a louca.
i^~ Falitos Feitof. _rr>
Na ra Nova n. 26, tem para vender-se pa-
litos de panno verde o preto,muilo bem fel-
tos.o mais barato do que em mitra qualquer
parte; a elles antes que se acaben).
Vende-se a excellente typo-
graphia do Diario Novo estando
bem montada, tanto debonspre-
los, como de typos : quem a pre-
tender, dirija-sc a ra da Praia
n. 55, a tratar com a Viuva Boma
Deposito la rubrica de Todos os
Santos un linliia.
Vendo-se.emcasa deN. O.Uieber&C,
di ra daCruz n. 4,algod8otranado a-
quollarabrica.muitoproprioparasaccosde
assucreroupadeescravos,pnrpre;ocom-
modu.
Brim trancado de puro linho a 3ao
rs. o covado
Na ra do Crespo loja da esquina que vol-
ta para cadea vende-se brin trancado par-
do de linho puro a 320 rs. o covado.
Farinha de mandioca a i,6oo rs. a
socca.
No armazem de J. J. Tasso Jnior : na ra
do Amorim n. 35.
Vendem-se novas cassas chitas de lin-
dos gostos a 2,240 rs. o corte, cassa de qua-
dros fina a 280 rs. a vara: na ra do Crespo,
loja da esquina que volta para a Cadeia.
Vendem-se saccas com fa-
rdos : na ra da Madre de Dos ,
armazem n. 30.
Cortes de cambraia de salpico
brancos e de cores, a 3,5oo rs., o
corte.
C WTO E Pl 4.NOFORTE
Jurei os meus lias lindar,
S nella he que existe amor,
Su Lilia me sabe amar.
Por ti o Lilia
Quero vivor;
Vida sem ti
Antes morrer.
A nmilinlii cima, tem mais duas quadras
Polka extrahida da la Bouquetire, o urna
linda valsa dos noivcs, ludo em um folheto
por 1,000 rs,; a valsa dos bem casados, pe-
lo compositor do muzica italiano o Sr. Fa-
chinetl, por 640 rs., e outrasimuilas muzi-
css modcrns>ims j annunciadas : na im-
prensa de muzica de SI. J. n. Vieira, na ra
Bella n. 28. .
Precos que parecem impo-siveis
160. aoo, 24o.
Medapoles le listras ou riscados proprios
para camisas ou vestidos pelo diminuto
preco de 160 rs. o covado, as multo acredi-
tadas chitas caboclas muilofixasa 200 rs.
o covado; as mms unas chitas com no-
vos desenhos fazenda do ultimo goslo e
cores muilo (xas pelo baralissimo prego
de 240 rs. o covado ; o afamado aloalhadu
adamascado de poro linho com oilo palmos
de largura o 1600 rs. a vari; finissimas al-
pacas le cores a 610 rs. o covado ; ditas
com los de seda a 800 rs. ; ditas pretas a-
chamaloladas muito linas a 880 rs. ; meri-
nos pretos de superiores qualidades a 1,800,
2,500, 2,800, 3,210 rs. o covado ; pecas de
herlaiiha do puro linho com cinco varas
fazenda muito lina a 2,800 a peca ; ditas de
algodSo com dez varas a 1,800, dem com
cinco varas lazendi muitu enrorpada a
960 ; camliraias francezes muito linas o pa-
droes inleiramente modernos a 640 a vara ;
brins de linho mesclado proprios para pa-
litos a 320 o covado, cobertores do algodflo
brancos e decores proprios para escravos a
, 1000 cada um ; assim como um grande
ama do Crespo, loja da esquina, quei t mcnl0 dB muil,s out,as Tazendas que
volta para a Cadeia. vendem-se corles de vender!3rl pur menos preco do que em
vestidos e cambraia de salpico brancos e ^ qu,|qUer prrle : na loja da ruado
de cores, pelo diminuto preco de 3,500 rs., Cresu0 ,, ,4 ae i0, rrancisco Das
o corte ; meias muilo finas, para liomem iiniij > a
compequono defeilo.a 2,400 rs. a duza. S E^ S 3 5 2 = .g |c
Ancoras para navios. g, |j g-g 5 3 jf| gS *"
Ancoras para navios
Vcndem-se em casa de Ricardo Koyle, na
ra da Cadeia Velha n. 37, ancoras de supe-
rior qualidade, e por commodo preco.
Chita para coberta, cor fixe a
2oo reis covado.
Na ra do Crespo,loja da esquina que vol-
ta para a Cadeia, vende-se chita para cober-
ta de novos padres e cor lixe a 200 rs., o
covado.
Vendom-so tres portadas de rotlas com
pouco uso, muito bem feitas, de madeira de
amarcllo, por barato prego; na ra da Sen-
zalla Velha n. 98.
-- Vende-so urna preta creoula de bonita
figura, que cosinha o diario de urna casa, e
tambem se vende para lora da provincia: nu
ra do Itangel. venda 11. II.
A 160 rs. cada um.
I'iiiin.i. do 1>ccw Ov l'cixc r ri-
to, loja n. 3, vendem-se lencinhos
de.cambraia pintados para maol
o
O
re
u*
S
re
CTTJ i -
c O "
" ?<= ,
c o" 2 '
g'5)3
> o c o ._
a -XI 0.
3 .
i
a
- 3
re
O
O"
Bao-"*
a v o o

a Q-o-3
gf 2 o,
ex- o
o o- *w
r> -3 o.
0*0.= o -
" ? c a
S i c2
^ a -o ZL
rz U 0 OJ a
M fi
= O 0 TI 91 Cv -
z m 0
* 2 1 ~
i*V\ K tfl c1l"3r- ? i .O (O
ffl 3 o" ai O^ O'S J O O
roBiStl onC> Z-3 i.
'sejnpajdiuoa
sna s.03lBil oBSonb sapuoztj s]inm s.'j|no
. .111 '' Uljpso 'Ojalo i'Tjm| V "il J') 11 111 .1 n)inui ,>; 9 su 111| 0]|a u lt|IQ3 .'vum
8S OUI'IO UljSS opAOa O SJ0f.|9|> nijjd
o|ium| o|ad 'saijoj oimu souimd moa 'zoj
MnbiJ
le meninas e senl.oras, de muitol ^V^mm***^.^
eumbsa zkj anb *g -u efo[ pi^
bonitos desenhos, pelo baratissi-
mo prc<;odc meia pataca cada um;
dar-se-lta amostra com o compe-
tente penhor.
Panno preto, fino, francez, a 3,000
rs. o covado.
Vende-se panno preto fino,
rancez, a 3,000 rs. o covado : na
loja de Flores & S, na ra da Ca-
deia do Becife n. \~. JNa mesma
loja vende-se uin rodapc novo de
laJiyrinllio, por pre9o muito cota- 5
S ?c3
.= X 7
s3
"53 > S.
|V||i,
fin?
2 o.
o c
c o 3 a>
O.o-S a> -g
1 o 2 1 "
> files llhfl
Sel 2 I821- w o
tepit,,9(^a"-._art r.
ou,tJ S-s _=. sH 5
Si7o-3S*^o ca?
JO
t'arinha de manJioca
* Vende-se, por preijo rasoavel, la- 5
^ rinha de S. Matbeus a mais nova _
^ que existe ueste mercado : na ra 21
ga. da Cruz n. 34, detronto da l.ingoeta. ^
Vendem-se lonas, brinzSo, bfins, e
meias lonas da Itussia ; no armazem de N.
O. Bieber & Companhia, na ra da Cruz
n.4.
Algodao para roupa de escravos.
Vende-sealgodSo muito encorpado, pro-
prio para roupa do escravos, com pequeo
toque desvara, a 140 rs. a jarda; dito
limpo a 180 rs. : na ra do Crespo n. 5.
iSortimentos de panos finos e case-
miras de todas as qualidades.
Na ra do Crespo loja da esquina que vol-
ta para a cadeia,vende-se panos finos prelos
a 2,800, 3,200, 3,500, 4,000, 5,000 rs., e iran-
cez muiio superior a 6,000 rs., o covado, di-
to verdea 2,800 rs. dito azul a 2,880.3,500,
4,000 o covado, cortes de caifa de casemira
prela entestado a 5,000 e 6,000 rs., dita fran-
ceza elstica a 8,000, 9,000 e 10,000 o corte,
o nutras muitas fazendas por preco com-
modo.
Moendns superiores.
Ni fundido de C. starroi Companhia,
m S.-Amaro,acham-seavenda moendas
de canna, todaa deferro, e um modeloe
rr.onsiruccto muilosuperior.
Cortes de brim de puro linho.
Na ra do Crespo loja da esquina que vol-
ta para a cadeia, vende-se corles de calca de
brim de quadros, e listras de puro linboa
1,280 e 2,000 rs.,ditointeiro pardo a 1.280 c
2,000 rs. o corte, riscado de linho de listri
a 720)rs. o corte.
Taixas de ferro coado.
Vendem-se taixas de (erro coado, de su-
porior qualidade e por prego commodo : na
ra da Cadeia Velba 11. 37, casa de Ricardo
Itoyle.
Vendem-se acces da ext i ne-
ta companhia de Pernambuco
Parahyba no escriptorio de Au-
gusto C de Abreu : na ra da Ca-
deia n. 4o"
_ Vende-se urna morada de
casas, feita a moderna, com tijolo e
cal, sita na ra do Motocolomb,
por preco muito em conta : a tra-
tar na ra Imperial n. 3i.
modo.
5,ooo rs.
Micos capotinhos de cambraia transpiren-
la bordados com moilo gosto, quem nao li-
vor le seda aproveilc a occasito, e preqo de
5,000,quen.topaga o trobalho; sSoeconomi-
3 sr
u a, v,
" 1 O.
* a *
a c ~ "' O -" 2 o
3SS I I
I
Vendc-se 2al do Assil, a bor-
do da escuna Mflria Firminn, funioalade-
A ('NADE DE PAHIS.
Fabrica de chapeos de sol, na ruis
do Collegio n. l\.
eos i'niuu se la>3".e ciaves por que 59o de-' ,
SB ? no ra do Crespo Toja de 4 por.as; fff $&&&? '' '"'" "'
- Vendeut-so qualro rcbolos de pedra ,
para 2 moinho9 na ra do Crespo n. 10.
lo ni e barato, l'asseio l'ublico loja
n. 9>
vendem-se ricos chales de lila o seda a 3,000
Alm do sortimeni j annunciado, rece- rs., ditos le Illa padrOes lindos a 1,280 rs ,
beu-se pelo navio Havre, ultimo viudo de dilos brancos a 1*000 rs., chapeos de sol
Kran;, um novo sortimento de chapeos de a 1/000 rs lencos de vaiior padrees ri-
sol de seda e de panninho, paia homens < eos a 200 rs. ditos radiados d bicns a
senhoras, dos ltimos gostos; superiores 320 rs. ditos encarnados, proprios pa-
chapeos da sol de seda com cabos decana,|e ra tabaco a 160 rs., meias cruas para ho-
outros dos melhores que tem vindo a esta mons a 2 200 rs. a dosis, cambraia da India
prnca, que se continuam a vonder por me- bordarlo a 320 rs. a vara, grvalas de setim
nos prego queem outra qualquer parte. | a 1,280 rs., ditas de seda a 1,000 rs., dila
v.'uri. in-sii queijos frescaes de Minas, de cassa, a 100 rs., chitas para coberla a
vindos pelo ultimo vapor, e caixas com 10 160, 200, e 240 rs. o covado, ditos para ves-
libras de figos de comadre, superiores : na! tido a 160, 200, e 2i0 rs. o covado, cortes
ra da Cruz, veuda v. 48 defronte do Sr. i de cassa-chila, a 2| rs : e outras muilas U-
iii'. S Pereira. zendas por presos commodos.
Vende-se urna negra creoula do mato, I Vende-se
moca, e propria para qualquer servido : na no Passeio Publico loja n. 11, ricos mants-
rua da Cadeia Velha 11. 24, primoiro andar.' leles e capotinhos de selim Ue cores, a 10,
Vndese um bom sobrado de um an-
dar, silo na ra de Moras n. 104 a tratar
na ra de Sania Theresa com Miguel Jos
de Almeida Pernambuco, que esta aulonsa-
do para o vender.
Feijao novo a 6,000 rs.
No armazem de Gouveia & Dias, confron-
te a escadinba da Alfandega.
Chapeo do Chile.
Vendem-se chapeos do Chile de tolas as
qualidades, por preco commodo; na ra do
Crespo n. 23.
Vende-so 1 bonito moleque de 11 anuos,
e 1 bom cosinbeiro para casa estraugeira,
o qual tem Doa conducta, e urna boa escra-
va, que cosinha, vendo na ra o lava : u
ra larga do Rosario, loja n. 35.
Frutas novas.
Na ra estreita do Rosario n. 11: vendem-
se as seguinles frutas: damascos, pecegos,
amoras, morangos, peras e sereijas.
Vende-se a nova loja de calcado da ra
Direita n. 50 a tratar na mesma loja, ou na
mesma ra n, 4, segundo andar vende-se
por motivo do dono retirar-se parafrs.
Queijos do sert3o.
Vendem-se muito bons o frescaes queijoa
do seralo ; na ra do Queimadu 11.14.
Vende-se um sobrado de 3 andares ,
bem construido, e que rende 1:200,000 rs. ,
sito na melhor ra do llecife: a tratar oa ra
do Collegio n. 13, segundo andar.
12, e 14,000 rs., fazenla de goslo, riscadi-
nhos francezes a 160 rs. o covado, cortes de
I .la eseda a 6,000 rs., chales de lila de maia
a 1,200 rs., lencos da mesma qualidade
a 300 rs., e outras muitas fazendas por pre-
to commodo.
#)?*## W Na prac,a da Independencia n. 14 e 16
** vendem-se chapeos francezes, de boa %>
'? qualidade, apreso commodo; dilos t>
<9 euvernisados para pagens, chegados >
V ltimamente de Pars.
Nu lmenlo de panno.
Na ra da Cadeia do ftreife, loja n 50,
vendem-se superiores pannos pretos a 4,000
4,500, 5,000, 5,500, 6,000 e 7,000 rs. o cj-
vado; dilo azul e verde a 4,500 o 5,000 rs. ;
assim como pannos mesclados, dos melho-
res gostos que ha nesle geuero, por 3,500
rs. o covado.
- Vende-se agua de colonia, muito supe-
rior : em frascos grandes : na loja n. 2, da
ra Nova.
Vendem-se saccas com milho gran-
des, a 2,400 rs. cada urna ; ditas mais pe-
quenas, a 2,200 rs. por sacca de arroz de
casca, alqueiio medida velha, a 2,400 rs.:
nos arinozeusdo becco do Carioca.
Vende-se um ptimo escravo
ferreiro: na ra do Vigario n. a3,
segundo andar.
Pao de senteio.
Bojedal 10 para asll horas la manbSa,
acharo os r>egoeres o verdadeiro p3o de
senteio, e continua nssquarlas csabados,
as mesmas horas, e s so guarda para os fre-
guozes : na ra da Senzajla Nova n. 30.
Vendem-se chitas e i-sis pre-
Itns, para luto, a qoo rs. a vara ;
chales de 13a pretos e de chita; as-
sim como lencos grandes de 15a ,
pretos e rosos, par. de gusto : no Passeio Public, lo-
ja n. 11.
Enfeites de senhora para theatro.
Vendem-se, chegados mcenlemente, ri-
cos enfoites para cabefa de senhora, ti ni 1
paralhealro, como para bailes e casamen
los ; ricos cabe(0rs e romeiros de bico, du-
res, fitas e bicns finos, etc.: na loja de ma-
dama Millocheau Buossard, no aterro da lloa
Vistan. 1.
Na ra do Crespo, loja u. 6.
Vendem-sn superiores cortes de cambraia
desalpicos, com6 l|2 e 7 varas, a 3,500 e
4,000 rs ; cortes de cassa chita, de novos
gostos, a 2,210 e 2,500 rs.; cassa francoza a
440 rs. a vara ; cortes de b'im trancado es-
curas e mesclados, a 2,000 rs. ; panno lino
preto, a 3,000 e 4,000 rs ; lencos de cambraia
de linho, a 480 rs.; ditos de cassa grandes,
a 160 rs.; riscado de linho a 180 rs. o covado
o muitas outras fazondas em conta.
AOS 10 ooos E 5.-OOOS DE RS.
O cautelista Salustiano de A-
quino Perreira avisa ao rc-peita-
vel publico, que as suas mu afor-
tunadas cautelas da lotera da ma-
triz da Boa Vista, eslao expostas
a venda na praca da Independen-
cia n. 4) loja de miudezasde For-
tunato Pereira da r'onseca Bastos;
n. i3 e r>, loja de calcado do A-
rantes ; n. 3l e 3<), loja de calca-
do de Porto &c Companhia e na
ra da Cadeia do Hecifc n. 45 ,
loja de miudezasde Jos fortna-
lo dos Santos Porto.
Quartos 3,600
Quintos a, too
Decimos 1,100
Vigsimos 600
Deposito deca e potassa.
Vende-se superior cal e potassa,
e por prego commodo : no arma-
zem do caes da AlfinJega n. 7.
Kefrescos e xaropes a 5oo rs. a
garrofa,
Vendom-so na travessa da Madre', de Dos
n. 4 o 6 ; sendo do grozelhas, canil, orcha-
la, tamarindos, laranja, liman, ni, gom-
ma, 11 imiilos nitros de dilTerentcs qualida-
des.
Umacncommenda de cobertores,
Que por serem poucos
.vi 11 podem chegar
A todos os compradores,
a 1,600 rs. cada um : na ra do Crespo, lo-
ja n. 6.
Na loja n. 2, da ra Nova, vendem-se
sapates de lustro parahomem francezes di
losde bizerro, sapa tos de lustro para seuho-
ia.dilos &* mwriuqmai d cor*-*, dilos de
marroquim preto, ditos de duraque, dilos de
selim branco.botins de duraque preto gaspia-
dos para senhora. di tos de ganga punta de lus-
tro a 1,600 rs.. ditos do meninas, 2 a 180 rs ,
ditos all rs,chinelas.le 13 riarasenhnra,di-
las para liomem, chapeos de renda com fitas
para senhora a 10,000 rs., ditos finos para
homem a 7,000 rs., ditos de merino pretos,
5,000 rs. ditos de palha amarclla a 2,000 rs.
ditas para menina a 1,000 rs., ditos de palha
lina para senhora a 4,000 rs ditos de pello
de seda para mcuinoa1,000 rs,. ditos para
homem a 8,000 rs.
Conlinua-se a vender farinha do reino
e tapioca, a 80 rs. a libra; vinho de 160 a 3-20
rs. a garrafa ; vinagre a 80 rs. a garrafa, e
500 rs. a caada ; cafe le caror; a 110 rs. a
libra; graia em latas a 100 rs ; vinho mus-
ca le a 500 rs. a garrafa, tu lo do bom B mo-
Ihor, e bem pesado, o oulros muitos gene-
ros, que so no mencionan! : na esquini do
becco da Bomba, ven la por baixo do sobra-
do de um andar n. 13.
AVlM toa iiuiiiens que quizercm andar
vestidos com promptidlo da cibera sos ps ;
vendem se chapeos finos francezes, camisas
brancas linas g-avatas de seda, casacas de
panno linn, palilOsde casemira de cores, cai-
fas de cazemiras,ditas de brim, oletes de
selim,dilos de fuslOesbrancos e de cores,leu-
cns para algibeira.luvas de plica,colarinlios
para carnizas, meias do algodo, sn jatos de
lustro ponto inglez, bongalas linas, peitijs
do mercollina para camisas, com o dinheiro
na mSo acham tudo com promptdSo : na
ra Nova loja n. 2, atraz da matriz.
Urna encommenda do cobertores,
Que por seren poucos,
Vi 11 pdem chegar
A todos os compradores.
A 1,600 rs. cada um,
na ra do Crespo, loja da esquina que volta
para a Cadeia.
A 1,600 rs. o par.
Vendom-e sapaios francezes de couro de
lustre, para senhora, de supdiior qualida-
de, a 1,600 rs. o par ; assim como borze*
mus gaspeados a 3,500 rs.: no aterro da
Boa Vista, loja de calfado n. 58, jnotoao
seleiro.
Packet post.
Papel lino, o melhor que tem
vindo a este mercado, proprio pa-
ra cartas, pelos vapores inglezes ,
por preco commodo : na loja de
ferragens de Antonio Joaquim Vi-
dal, na ra da Cadeia do Kecife n.
56 a.
Vende-so na ra do Crespo n. 16, es-
quina que volta para a ra dasCruzes, su-
periores charuto.-, denominados constituid-
les e canarios, por preijo muitu rasoavel.
Vende-se o engenho Junqueira, silo na
freguezia do Cabo, e distante 5legoas des-
ta cidade, o qual he de bons pistos, e de'
bons cercados, sadio o de excellente pro-
ducto, e com bous partidos, augmentan-
do-se com nuis um outro, que tornara dilo
engeuho com sulliciencia para safiejartres
mil p3csanimalmente ; elle he abundante
de agoas o tem o embarque na porla, dornlo
pdem partirs barcias para esla cidade :
os pretendenles dinjam-se a seu proprieta-
rio na comarca do Cabo, o coionel liento
Jos Lemeuha Lios, ou iisla cidado a An-
tonio da Costa llego Monteiro, na ra do
Crespn. 23, a saber o preijo o as condi
ffles.
Attenco.
Pechincha para os senhores
alfaiales.
Na loja de Leopoldo da Silva Queiroz, na
ra do Queimado n. 22, existe um sortimen-
to de sargelins de cores e lavrados, para for-
ro do obras, por prerjo muito commodo.
Vende-se cal virgem de Lisboa, da mais
moderna, qua existo no mercado: no es-
criptorio de Francisco Severiano Kabollo &
Filho.
Aviso aos lilms Srs. acadmicos do
5' anno.
Filas encarnadas proprias para cartas de
hachareis : na loja n. 2, da ra Nova alraz
da matriz.
Para bordar.
Riscam-se desenhos em toda a qualidade
de estofo, tanto de figura, como de patsa-
gem, e ornato para bordar; assim como se
borda toda e qualquer obra de matiz, bran-
co, ouro e gravura, e se lazem obras de ca-
bello, tudo com a mair perfeicjio e por pre-
co commodo ; na ra do Apollo n. 20, ler-
ceiro andar.
Vende-se um armazem de lour;a, na ra
do Collegio n 7, com um rico sortimento,
faz-s lodo o negocio, mesmo com algum
abatimento; quem pretender dirija-se ao
dito armazem que achara com quem tratar.
Loja nova na ra do rAangel n. 8.
Continua a haver um completo sortimen-
to de manteletes e capotinhos, ollas -le
lucos de linho para senhoras, um sortimen-
to de cambraias de seda de muito bom gos-
lo, chales de seda e mantas de muito bom
goslo, o melhor que ha nu meicado, luvas
de loi i;al francezas, ditas de Lisboa com bo
lotinhas, bom sortimento de tainos de bico
do linho para senhora, com lacns de fitas e
guarnecidos com trancas de cores, e oulros
muitos objeclos que se vende por preijo
commodo.
fa.,ma*MN* mmmmmmmmm
Vende-se a taberna da
* estrella, da praca da Boa-Vista n. 5
pelo motivo de o dono della seque- |
Jg rer retirar para lora,
Selins.
Vendem-se 2 selins novos, por prego com-
modo, na loja de ferragens de Antonio Joa-
quim Vidal, na ra da Cadeia do llecife n.
56 A.
Vende-se um escravo de naijSo, de bo-
nita figura, sem achaques, proprio para en-
genho ou silio, o mesmo para qualquer ser-
vitjo, be de mulo boa conducta, o que se
afianza ao comprador; na ra do l.ivra-
menlo n. 38, venda.
Olho vivo com os marrecos.
Lei e todos oiregulamootos para aselei-
tjfles, por 1,000 rs Cidados! por tSo pou-
co uo vades fazer papel de bobos, quando
tendes de exercer a vossa soberanii ; na lo-
ja de JoSo da Costa llourado.
Quem nao escrever 1
No ser por filia das melhores penas e
mais baratas quesedeixar de oscrever pa-
ra a California, paiz do ouro, mandando-se
buscar tSo precioso metal. E as taes penas
de secretaria ? L as de n. 20.' Mas de to-
das nenhumas como as de rama furia-cores!
Oh que penas! Na loja de Jo Jo da Costa
Dourado.
Quem namora he agora.
(Uncas symbolicas, papel magntico de
llcir Alexandre, quem namorar deve com-
prar; porque com taes dados mo ha cora-
c.ni de yaya que resista: na loja de JoSo da
Costa Dourado.
Olhem o logro!
O cabalista que quizer campar cmpre-
me deste papel, que cusa 3,000 rs. a res-
ma ; pois com elle so pode fazer urna tal
mgica que, qner queira quer nlo o meco
votante esta pelo beico.
Demcratas, eis o que queris.
Democracia da Franca por Mr Guizot,
rica imprcssSo.e por que preco '. 1000 rs. Na
loja de Jolo da Costa Dooralo, no pateo
do Collegio.
Vende-se um fardamento completo,
para o esquadrSo de cavalliria de guarda
nacional; na ra do Itangel n. 17.
iiua do Queimado n 19.
Loja completamente sortida de fizeudas
de todas as qualidades a vontade eescolha
dos freguezes. Vende-so pao de linho la
feira muito bom por 6,000 rs., pecas do 15
varas por 12,000 rs., ditas de 30 varas, o a
relalho a 440 rs. a vara, esleirs da India
com 8 palmos de cumprimento e 7 de largu-
ra, a 2,800 rs. cada urna, panno lino preto
a 3,200, 5,500, e 6,500 rs. o covado, e azul
muito proprio para fardas e libios, a 3,200,
4,000, e 4,500 rs o covado, sendo todos no-
vos e de superior qualidade, em relami com
o preijo : chales de algodao, pa Iroescscurns,
e muilo boa fazenda a 2,000 rs., multo pro-
prios para andar em casa, principalmente
as estac/ics chuvosas, cortes de cambraia
branca com salpicos a 3,800 rs., caila um
com mais de 5 varas e muila larso. lencos de
se la para meninos a 500 rs cada um, ditos
de seda para homem, a, 1920, e 2,240; muilo
boa fazMida e pad Oes novas, ditos de cam-
braia de linho a 560 rs. cada um.semlo gran-
des e muito boa qualidide, ditos de garija
pura senhora a 1,000 e 640 rs ditos do cas-
sa com palma as puntas a 240 rs., ditos enm
barra aberta biaucosa 200 rs alpalta mes-
ciada a 800 rs. o covado, ganga parda e a-
marella a 200
Palitos a parisiense-
Vendem-se palitos, ultima moda de l*a-
ris.'de bonitos pannos mesclados prelo;
na ra da Cadeia do Recite, loja n. 50, por
menos preco do que em outras partos.
Boas la/en l;is e muilo em conta.
Na loja de Leopoldo da Silva Queiroz, na
ra do Queimado n. 22, vende-se superior
brim trancado com lisl'ss de cor, de muito
bom gosto, servio lo tanto para palitos
como para calija e jaquela, pelo diminuto
preijo le 320 rs. o covado; lencos do cam-
braia com flores do seda para senhora, pur
:, o rs. cada um dilos de cassa com barr
de cor por 220 rs.; grvalas decassa.de bo-
nitos padrOes, por 400 rs. cada um; ditas
de setim do todas as cores, muitu bem fei-
tas, casimiras de cores para palitores e cal-
eta, merino preto superior, chales de 19a e
seda, luvas do seda preta e de pelica, lano
paaa homem como para senhora, cortes de
vestidos do cambraias abertas, de bom gos-
to, ditos co.n barra, leutjos brancos borda-
dos, e outras muitas fazendas boas e por
preijo muilo barato.
##6 ***.**#'
4 Para criados. #
4 Vendem-se chapos envornisa los #8
4 dos mais novos que ha, galSo de ou- ?
9 roo piata para os meamos, por com- V
% modo preijo: na praca da Indopen- le
tdencia 11. 17. #
Vinho de champagne.
Vende-se o verdadeiro vinho de cham-
pagne, de excellente qualidade, ao proco
de 25,000 rs.; assim como de qualidado in-
ferior, muito em conta : no armazem de
Bruon Pracger & Companhia, na ra da
Cruz n. 10.
%vp
Escravos fgidos.
ni,000 rs. de gratificaran.
Na noite de 26 dejultio fugio da casa do
senhor a escrava Marianna, com os signaes
seguinles: cabra, bastante escura, de bom
cabello, alguns dos quaes ja brancos, cos-
luma traze-los cortados atraz e crescidns
na frente, torcidas as ponas e seguras com
grampas, altura e grossura regulares, ros-
to bexigoso, olhos fundos e vermelhos, na-
riz muito pequeo, denles um pouco sabi-
dos e grandes, limados, levou bastante rou-
pa : quem a pegar nesta praca, leve-a a sen
senhor, A. Curio, na ra do Vigario n. 25
que se recompensar com a quanija cima
dita.
Desappareceu em 8 de julho do corren-
te anno, um caboclo de nomo Jos, escravo
de Pacheco Filho Se Memles, da cidade do A-
racaty, o qual lem os signaes seguinles : o
brarjo esquerdo quebrado na munlieca, ca-
bellos prelos, as pomas um tanto arquiadas
para fura,he de ba estatura.e cheiodocor-
po, bem fallanto, porm quando falla apena
a lingoa entre os denles, tem por c istume
quando se Ihe pergunta alguma cousa res-
ponder senhor si 1 ou senhor n3o, levou um
cobertor de 13a ordinario ain la novo, cha-
peo de palha da Italia j usado,c un fita pre-
ta, cal;a de algodosinlio azul ou com lis-
tras, camisa da mesma fazenda ou branca.
Esti escravo tem vindo do serillo por Ierra
esta praca, e muito gosla do lugar de Po-
dras de Fogo, aonde polo ser que esteja
acollado, e fui escravo na villa dul'ombal ;
ipie o o pegar Inve-o a ra da Cruz do lle-
cife n. 33, casa deLuiz Jos de S Araujo,
sondo se achava o mesmo escravo para sor
vendido, e se recompensar.
Desappareceu do engenho Novo do
Cabo, ha 15 dias, o negro do naj5o, Jo-o,
conhecido por garapa ; he alto, reforcadu
do do carpo, rcV muilo ful*, com falla de
denles na frente, e filia minio descansada ;
quem o pe/ar leve-o ao dito engenho que
ser bem recompensado.
Desappareceu do engenho Salgado ,
da freguezia Je Ipojuca, no dia 2 do corra-
te um negro, carreiro, de nome Antonio,
de altuia regular, corpo magro, no he pre-
to retinto mis mu avermolliado, Ico nina
orelha com a metade mincha, donde se Ihe
tirou ha dous mezes um lobinho que se cus-
tou a curar, he le Angola, do mais de 40
annos de idade, falla muito bem. he muilo
attencioso, em qualquer parte p le muito
bem dizer que he forro, porque assim o pa-
rece : roga-so portanlo s autoridades poli -
ciaes o capitSes de campo a captura do mes-
mo, mandando levar ao dito engenho, ou
no engenho Novo, do Cabo, ao Sr. Francis-
co Jos da Costa, que sera bem recompen-
sado.
I'.oii gratilicacao.
Cratifica-sncom 50,000 rs. a quem apprc-
hender o moleque Luiz, que fugio em 21 do
julho da cnrrenli anno, de 1 iade 10 a 12 an-
uos, natuial da villa deGiranbunl, compra-
do a Manuel Jos Mondes Kastos morador
na mesma villa; levou caltja de listras, c
camisa de riscado, le cor fula, olhos vivos,
ps pequeos, lem um talho no rosto de
11:111 queda; julga-so que esleja intruduzi
dnein alguma casa, intilulandu-so livro, o
al com nome trocado para o que tem mu
ta astucia, pois ja commelteu igual i-im ;
porlanlo roga-sc a lodas as autoridades po-
liciaes c capit3es le campo, que o peguem o
lovein na ra Direita, venda n. 76, que rec-
benlo a gratificado cima.
--No domingo 8 do corrente fugio um
rs. o covalo para acabar, preto de nome Agoslinho com os signaos
raeios lencos de se la para grvala padres seguinles : cor fula, roslo redondo, sobran-
novos e sem mofo a 1,500 rs., ditos de cas- ceibas pelas e fechadas, levou caiga desl-
a a 400 rs., e finalmente, rap princesa du
Kio de Janeiro fcito pelo preijo da l'sb'ica de
Lisboa a 1,000 rs. a libra, e em meias libras
a 540 rs. cala urna, este rap torna-se re-
coinmendavel por quo sendo a sua cumpo-
sijSo superior do rap Monrnn, aroia pre-
ta, e imitante ornis possivel a 00 rap de
I.1-1 i'm, he mais barato do que qualquer ou-
tro e pref.-nvel em ludo, mas vende-se por
este preco, para acrelitar a sua qualidade,
anda pouco conhi-cida nrste mercado.
Veudc-so urna escrava parda, de 25 an-
nos de idade, de boa figura, engomma, cosi-
nha,cose, lava nentende de arranjos de urna
casa : na ra at's da Matriz da Boa Visla n.
21, sedira quem vende.
Vende-se tinta para marcar roupa: ni
ra da Cadeia velha n. 15.
Ve,ide-se um riquissimo a-
dereco, contendo trinta e oito bri-
Ihantes de primeira qualidade ,
obra de gosto, muito forle, chega-
do ltimamente, no valor de "]5oS
rs. : a tratar no armazem do cor-
retor geral M. Carneiro.
-- Vende-so o engenho Santa Maria, ha
pouco levantado, na comarca do Cabo, o
qual divide com os engenhos de Sibir de
.Santa Cruz, Caxocira, Queluz, Caipi o Jus-
sara; be do boas torras, matas, bom cerca-
do e lo muita prodcelo : trata-se com seu
propriitnrio, no mesmo engenho, ou nesta
piuca com oahaixo assignado. -- Jos Mar-
ques da Costa Soares.
Vende-se um en val lo de estribarla, sem
godilo branco da listas ; saino da Estancia
para ir recebar 16,000 a mandado do seu se-
nhor e recebendo-os nilo vollou mais : ro-
ga-se a quem o apprehendcr o leve a ra
do Collegiu n. 3, ou ao Mondego a Felis-
binu de Carvalho Itaposo que recompen-
sara.
Desappareceu no dia 9 do corrente, um
moleque creoulo, le nome Manoel, com
idade pouco mais, ou menos, de 17 para 18
annos, baixo, grosso, rosto redondo.e com
falla ue lentes, e levou camisa de ilgudo-
zinhoecalcaitealgod3oaz-.il: a pessoa que
o pegar, pude leva-lo no pateo do Terco 11.
27, que ser recompensado.
-- Anida anda futida, desdo abril do cur-
rante anno, a preta Joaquina, creoula, de
idade de 24 annos pouco mais ou menos,
de eslatulura regular, refeita do corpo, cor
preta ; tendo no meio dos peilos urna cos-
tura bastante levantada ; quando fugio es-
lava pojada, esuppe-se ja ter parido; cons-
a acbar-se em trras da freguezia do Cabo,
onde procurou a Francisco Alves de Miran-
da VarejSn para a comprar : quem a appre-
hender ser generosamente recompensado,
liceo lo conduz-la ao engenho Finios, ou
r-ia li ida desta cidade n. 121.
Anda acha-se ausento a negra, escrava,
de nomo Deliina, que desappareceu no prin-
cipio de maio do crreme anoo, a qual foi
comprada ao senhor Manoel Joaquiui Pas-
eiio.il liaini.,iem os signaes seguinles : ida-
de 50 annos, pouco mais ou menos, levando
um voslido de chita o oulio de riscado, ho
alta, magra, ecom poucos denles na frente,
levou comsigo um pannu da costa ; tem de
cosime as vezes andar vendendo agoa e
tu mi liiiii ir n oas; roga-se loJas as autori-
dades policiaesecapit3es de c 111 o,nu qual-
quer pessoa que della tiver noticia, aman-
MUTILADO
o menor achaque, muito barato, com sella,
ou sem ella : na Estancia na primeira casa
''junto a capaila.
Vende so um selim inglez do burranea,' de appraliender e levar na ra do Apollo.eui
em meio uso, com loJos os arreios ; un L casa do senhor Norberto Joaqimu Jos Gue-
Vendem-se caixas de erramenla para praca da Independencia n. 14 e 16. des. Existem suspeilas que esta occulla.la
caiauma, as mais finas.que tem viudo a este Vende-se urna mulatinha de 13 a 14 dita escrava ; as pessoas que trouxerem se-
mercado: na loja de ferragens de Antonio anuos, com habilidades, muilo amavel em L 'so generosamente recom,,eusadas.
Joaquim Vidal,,na rua|,da Cadeia do llecife seus servidos; na ra da Sanzalla-Nova n.1---------------------------------------------------------------
" 30 dira- i P"N. : Tvp. de M. F. de F*HU. 1852.
'
I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EIHTNN3ZZ_GKKSMW INGEST_TIME 2013-03-29T16:09:29Z PACKAGE AA00011611_03486
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES