Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03480


This item is only available as the following downloads:


Full Text
II!
fa
Anuo tfVllI
Terca feira 17
DIARIO
de Agosto de 1852.
N. 183.
PER:\iMBllCO.
I-BIC-O snBoaiPijio.
hi;>"" Aduhtsdo.
BIl'll* liniNl DIIKCllS.
4/000 iGSeg. S. Roque. I Juitoi Orfkio
8/000 i7Terc. S: Mainedr U, e5. '0 hora!.
16/00", in. I. varadoeivl.
I i8QuartS. Clira. 3. e 6. o meio-dli.
4/500 I9(luiut. S Lui. Pateada.
i 30 Sen. 8. Bernardos, e 6. s 10 hor.n.
jl e Julho Minas... M deJulhoj ab.doulorda Ig.rjal 2. tara do civil.
' !. .: i i S.Paulo. 17 de Jnllu. I S.ii,. S. Joanna F.u, eiabadoiao melod.
dedito II- deJ.. !; de Julhol'2Dom l2S. Joaqun. KtUeio.
S .le Agmlo Babia. 3 de Agoslo Pal .la s. V. M. de l>. Tercas e libado*.
j,trlm""e.......*..*...
Por ono ^'a-^mtl\0 nomaimi,
far. _
HaraobM.
Cear-
l'jrahiba
Crescente i 22, as ;'. horai e 41- mii.ntoi da ni.
Chela a 29, aoa 48 miuuios da larde.
Mingoaotei 8, aoa 32mluuloa dan.
Kova l i, aos -1 minutos da larde.
IIIU1BDI |OII
Primrira as 0 boris e (i uiiautos da manbaa.
I Segunda i horas e H minutos da un'.
Qolaana e Pirahibi, as seguidas e sextas-
feirn.
Rio-Cnnde-do-Horte e Victoria ai qulnti"
felral
Bonito,Caruaru,e Garanhuna no lr IS decid'
miz.
Flores,Ouricurj.Exu e Boa-Vliti l3 a 28
Oh mi a. lodosos dial.
Todos os Correiosparteraaomelo-dla.
MOTIOIAI IITUIOUIll,
Portugal ttde Julho Austria .. a de Julho
flespanhi I de dito
Franca .. 8 de dito
Blgica... :' de dito
Italia..:. 3 dedito
Mriiianl'.i. S de dito
Prussia ...S dedito
Suiaaa.... 3 de dito.
Suecia... afi d( Juobo
Inglaterra 8 de JdIIio
E.-Unidos SGdeJuiiho
Mxico... 3 de dito
California de lo
Dinamarca 35 de JunhoChlll. 9 de Malo
Russia... 29 de dito Rueos-A. 3 de Julho
Turqua. 20 de dito Montevideo 5de dito
CIMBIO BE 16 DI AGOSTO
Sobre I mikI r. -, a 27 '/, a 27 'I, por d. 1/000
Prii,34a
Lisboa, I 01) por canto.
MITA.
Ouro.Oncas heipanholaa............29/000
Hoedas de 6/400 velhai....;.... 16/OUO
a de 6JM0O aovas......... 16/000
> de 4/000................ 9/WMi
Prata.PataeOeibrasileiros........... OWj
Pesos columnarios............ 1/920
Ditos mexicanos............ 1/80O
SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTICA.
ACiao em 13 de julho de 1852.
Presideucia do Exm. Sr. conselheiro
l'ereira Dusrlc.
A'j 9 horas e 3/t abri -se a sess3o com os
giai. Sr. consclheiros Nibuco, l'int
Pe-
Barreto l'edroso, Mattus e Car-
da ; ICla lll rill 1 .'(! leu le.
Foi lidie pro v*
EXPEDIENTE.
pola secretaria e estado Jos negocios da
mtica foi communicido qun ao desembar-
ca ior Manoel Jos 'le Araojo Franco se enn-
cck'U 6 ma7.es do hcenca com vencimoiitos
..ara tratar do sua nade, e que (0 hacharel
AlTonso Cordriro de ISVgrciros Lobato, juiz
dodireito da comarca da l'aruahyba, proro-
gou-sc por mais seis mezes com moio orde-
nidoasua liCOOCa.
O vicepresidente da provincia ila llalli,
emolliciosdel c28 do mez prximo pal-
udo, rommuoicou o conveniente deslino
queinimodiitimente den as i o Unas dm-
gidfs por sen intermedio aosjuizes do *li-
reilo daquelli provincia.
O liscliarel Flix l'eixolo de lirilii o Moli
responden as reclamates de nnliguilaJo
dos jui/os dn di'eilo Antonio Goncalv.s Mar-
lins e Joaquim Firrono Pereda iorge
Callos Augusto de Bulhocs Ribciro e An-
selmo Francisco l'iretli respondern! a de
Antonio Goncalves Martina.
Ojuiz dedireito da comarca de lbeos,
Hsiioel Joaejunn deSouza Ifrito, enviou cer-
: i.i.i de posso desse lugar, que por nSo vir
sellada nao levo despacho para ser aver-
liidi.
hxposicet.
Expostos os prucossos ns.
passou-se aos
Julijamtnlot.
N. 4669.- Helalor o Exal. Sr. conselhei-
ro Almeida, recorri'nto Pedro Antonio Bra-
sil, e recorrido Jos llerculauo de Unto: foi
negada a revista.
4714.Relator o Exm. Sr. conselhei-
ro l'erdigflo, recrranle Francisco Antonio
di Cama, e recorri la Maria l'az : foi nega-
da a revista.
I-o I allcndida a leclamacilo n. 38 do ba-
cliarcl JoiioJosc Feraein deAgniar, incluin-
do-se na classo dos msgist'ios elevanuo-
se-lho em cuita um auno, setf niezes e
iju.ii/c ilias de seivico de autiguidade.
FechOU-ae a sessilo depois do meio dia
4584 e 1739,
conformidide do decreto de 30 de agosto do
a .i i... passado.
Dito A thesouraria da fuenda provincial
transmittindo, por copia, o orcamenlo, qne
approvou, para a concluso da ponte sobre o
lio l'irapaina, c bem assim as clausulas espe-
ciaes para arrcinataco daqnella nh... Coin-
inunicoU'seao director das obras publicas.
Dito -Aineimapara mandar fornecer aopro-
fessor de primeir.i letras da fregue/.ia de San-
to Antonio, Miguel ArcaDJo Mindelo, um II-
vro em branco para nelle ser laucada a matri-
cula dos respectivos alumnos. Communicou-
se ao director feral da instruefo publica.
Dito Ao director das obias publicas ap-
provando a arremata^ao, que, segundo Sinc.
......ii.iiii.ie.ii em orncio de hontein, le Hano-
el Felippe da Silva de tres cavallos, perten-
ccnles as obras da estrada da Victoria, pelo
preco de 30jC00rs.
Poilaria Ao agente da companhia das bal-
eas de vapor para mandar dar passagem, por
coula do governo para o Maranho ao mari-
nlieu ii engajado do Brigue escuna Andarina,
Richard ayle, qne vai recolhcr-se ao mei-
mo briguc escun-- Cominnnicou-se ao ins-
pector do arsenal de marioha.
Dita C.nccdcndo a licen;a, que pedio
llallhazar Feij de Mello, para conduzir para
esta capital selenue cinco duzias de pran-
cbdes de auian-llo, que Ihe fallam para o
completo da licen^a que obtivera por a viso
de ili de iiuv.'iiili:.i de I84e; e rrcumuiPii-
dando as autoridades locaes, que nao Me
ponhu o menor Impedimento, tendo porem o
inaior cuidado par., que se nao decm abu-
sos por occasiao desta liceuca Cuminuni-
cuu-sc ao iuspeclur do arsenal de marinlia.
Por eatranho e Incrivel que istn possa pa-
recer, nada he uiais verdadeiro ; urna nova
tentativa de desembarque so prepara contn
Cuba. Mo nSo he infohzmente um v3oru-
mor recobido ao accaso para ter na iuceito-
za a eoioco pulilici ; he um facto do qual
tomos ha um me/, dez provas materias .lian-
te dos olhos. Se por ventura nSo temos
fallado Bail cedo disto, lie porque temos
pnuca inclinacSo para o olllcio de revelador
e de propheti de mo agouro. Blas a cousa
ve0 a ser de tal soite patente que a reserva
n.ui lio mais iltnndivel.
A'a periphrazes ambiguas com que nosso
collegas cnebem suas columnas depois de
ilguns dias, substituiremos poisumaver-
dade pura e simples: tudo esti promplo
para a nova empresa ; os olliciaei esl3o no-
mendos, os iju.i.iros .las companhias forma-
dos, o ponto de desembaique e o plano de-
terminados. U-i.a so cousa falla finalmen-
te para a realisacSo i i m -1...t n do jirojecto,
verdade he que he a cousa vssencial, o un -
vo de toda a guerra logitima ou illigitima,
illigitima piincipalmenle : o dinbeiro. Us
esoeculadures silo os nicos a quem tenln
aproveitado a liefio do anuo passado ; o ipo-
lice de Cuba desceu a ou 5 por cento e
julga-se que he necessario, por este valor,
nina formidavel emissu delle para encher
a i- ii vi dos conspira lores.
Il< pessoas cuja ingeuiiidiilc duvila e se
espanta deste resulta lo; pessoas que em
presenca de um factu semelhante se limi-
tain en halbuciar a espoianca do que a ein-
presi ii"i ha do ter lugar. Diremos mu
francamente a aquellos que tem sua parte e
su gruido parte de culpa no que se passa
boje. Sao governo americano detxou con-
descendentemeute as iiios dos cheles da
conspirac.30 os restos da sntiga espedicSo,
seos tribunaes declararam a impotencia da
lei em repremir assitn como em prevenir, a
imprensa do seu lado, tem completamente
faltado -ni missSo, ella n3o Ice, nSo tem
ainda liojonem o senilmente nenia cora-
G0VEHSO DA ll\OVINGIA.
EXPEDIENTE DU DIA 7 DE AUOSTO.
Uflicio -- Ao Coiiiiiiando das armas, para
luaiular verificar, se a cata de que trata
orequeriineulo, que remelle, de Antonio Fran-
cisco .Marl.iis de Miranda, em Barreir.is, lem
sido oceupada por destacamento de liuha des-
de Janeiro ale jui.lio do crrenle auno.
Dito-- A ilicsuuiaria de fazenda para man-
dar iiidemiiisar o 10. batalliao de iiilanlaiia,
ma dos duccuinenios que remelle ciu dupii-
tata, da quantia de 7/tiK0 res que se despen-
den com alugucr das cavalgaduras, que con-
duiraui do Kioito para esla capital duas pra-
aidnentes du mesino batalbiio. Cuminuni-
:ii--. ao coiuinaudn das armas.
Hilo Aojui/. relator da jui:ta de justica
liaiisinitliudu, para ser relatado em sessaj da
Conimando das aruias.
Quarlelgentralna cidadedo Hecife 14 de anal-
to de 1852.
OKI1KM DO DIA I). 121.
Manda o Sr. mareclial de campo Anlonio
Correa Seara, cominandanlo das armas, dar
publii'idade ao ollioio da thesouraria du fa-
zenda desta provincia, que sogue transcrip-
to, alim de que os Srs. olliciaos do excrcito
nesla guarnicSo existentes teiiham scieucia gem de sua importancia
de seu contedo. Seelli tivesse este sontimeuto ecorogem
OFFICIO. jem lugar deencer.ar-so emvanse tmidas
n lllm. e Exm. S-.N3o podendo om vis- ; reticeuolll, ella appellaria allaineulc para a
a da nrdoin do tribunal do thesouro na- honra e para a recudi do governo asiim
cioual de 26 de jiinho prximo passado con -' como o puvo americano. Ella dira -en ro-
tinuara scrcm pagos os olliciaes do exorci- deios a ambos que deixar que se prepare
lo, que foram noiueados, promovidos, ou urna tcrceira Impresa de Crdenas a som-
reformados, sem que apresonloui suas pa- lira do paviihSo dos Estados-L'ni los, he co-
tenlcs, o naguom os respectivos direilos, hn-lo do urna vergonlia indelevel aos olhos
por so adiar r^vogidona p traiio permitlia o decreto do 12 do abril de quirir una magnilica possesso nflo dve
I89t e n 1.1 ronstando que a maior parte ,|(. nriihum mojo excluir d'.ilma de una na-
dos ollbiaes das dilcientes classes existen- cSo verdadeiramentj gran le, a lealJade pa-
les nesta provincia lenham patentes, e ha- ri com seus visiuhos, o que um paz que
jom pago os mencionados direilos; vou ru- tivesse ciiega.io a este ponto de tomar sua
gar I V. KM. se digne expedir suas ordens, cobic por norma de sitas accies n por me-
alim do que elles ap'OSMite ii-ks nesia llie- di Ja de sua ba f, so cmiemnaria elle
souraria, mostrando tamli"ni lere.n f.iito o mesmo a u:na prxima e inovitavel deca-
paganicnto dos dir litOS devl los, oxcopluan- dencu.
do-se so nenie os ulllciacs reformados q(ie lufolizmonte (n3o lio de lioje qu-> o obser-
antes da ceulrilisaiao dasdesp z-s publicas vanos) o jorn ilismo americano, longo de
na ihosourariu eram pagos pela pagidoria procurar guiar a opiaito esclarecenlo-a,
tnililar. segue-a com urna doeilidlde quasi servil om
Dos guar le a V. Exc. Thesouraria da quasi tolos os caminhis os quaes ella se
Izaenua de l'eruambuco o o II de agoslo do apraz seguir. Ncsle momento principal-
1852.lllm. o Exm Sr. iiiareclnl decam- ment, em que a aproximacuo da elei;8o
po Amonio Corroa Sura, cumiiiandnnte das presidencial, agila todos os inleresses poli-
srmas d sta provincia. O inspector, JoSo ticos, nHu se pensa senAo em transigir com
Gonfalvea da Silva as psixCss as quaes se deveria a linguagem
Candido leal 'erreira; | <|., vor.lnle.
Ajud.intc de ordens encarretj.ulu du dctallic- O rosulludo do uira nova exuodicSo Con
W------"-- '-------~""~~----------------IJ* Ira Cuba nilo poderla ser duvnloso, ello se-
Fjf"] EftlOR r ain la umi vez banliado no sangue. .Mus
__________________" n.lu h i islo o que nos inspira nossa nttitu-
II.'cebemos pelo Illinois noticias .lo Pana- de: aquesldo do sucesso Dto i.illue em
convencidos de relicflss criminosas ou im-
prudentes no exterior.
Em toda outra circunstancia, consura-
riamos iltamenle estes rigores. Mas que
conselho se deve dar, que observacOes se
podem fazor a um governo impolhdo '
cossanlemeute desconlianca c ao odio '!
f, que clemencia pedir-llie depois, so ataca-
do por aquellos mesmos que elle agraciou
urna primeira vez, Ihe recusar qusrtol ?
M o he trisle de se dizor com eQeilo, mas
lie ii.--.iiii a expe iic.io que se prepara conla
sua frente e em suas lileiris a maior pir-
to dos iiiiireos aos quies se tiuha imposto
para todo o castigo da invislo de Bahia-
II ni ii, alguna mezes de prisflo a urna via-
gem Europa. Mr. Thaicher, o anligo e-
diclor do Faro hvre recentemente, e che-
gado ha seis .lias apenas acaba lambem de
trazer expedic.lo, seno seu concuo di-
recto, ao menos o ipoia do seu ressenti-
tnenlo. Quatro dos antigos chefes activos
da empreza, omajor Scnlesslngor, I). Ale-
jo Iznigi Miranda, D. Ignacio Belan Prez
e D. Juan O' Rour, e voltam a tomar outra
vez seus lugares uestes dias; estes, he ver-
dado, nSo estSo ligados por nenhum reco-
nhecimcnlo o Dio devom sus liberdade se-
ii.ii. a si mesmos, conseguiudo evadir-se
dos presidios daCenla.
Temos a certeza de que as nossas pali-
vras serio esteris e que n.io h.ln de impe-
dir nada ; mas, por nossa vez julgariamos
ter fallado a um dever, se n3o devenios a
estes lacios, aestss verdades o lugar que
elle parecein procurar a cusi om outra
parte.
(lournal des debis.)
-re, a sociodade se encarrega de seusfllbos,
.rincipalmente se illo morre pela siocta
(lusa da liberdade. Todos os tres mezes re-
notle-se ao gran lo conselho listas exactas
le todos os i., -nilii es da snciedalc.
Est'S listas que so secretas, devem eon-
l -r olise- vcii sobre o estado, relacOes de
familias, forlum, capacidade, idade, in-
fluencia, e as relacOes sociaes de cada adep-
to. Cala grande unitario hn munido du ins-
I- tic .'s secretas para poder resolv t tudas
as duvidas e aplalnar todas as dilllculla-
des.
(dem.)
Correspondencias.
Srs. redactores.Achn lo-se prximo o
lia qu tom de se elegir os membros da c-
mara municipal desta capital, o amante co-
mo sou do ni -o paz, niio posso ser indife-
rente a laes nomeacoos, o para que recaiam
em cidadilos que bem desempenhem o car-
go para que sSo eleitos, e desta fjrma proen-
cliam as vistas e a conflan<;a dos que os ele-
goro, he cerl'imente animado destes prin-
cipios que tomo a liberdade de lemhrar 9
cida.lSos probos a tola prov o de bem .les-
onipenliarem tacs Innijo '.-, os quaes s3o os
seguiutes senhores :
llr. Pedro Francisco de Paula Cavalcanti de
Albuquerque--Proorielario.
Dr. Cosme de S l'ereira--Ide.n.
Iir. Francisco da Rirris Itarreto-IJem
Teneute-corouel Manoel Jojquim do Reg
All.il |Ui'rqi.e- I le ',.
Jos Pires Ferr.iia- dem.
Francisco Antonio doOiiveira-ldom.
Coronel Francisco Mmele de Alenla
dem.
Franciso LO.il Maciel Vianna dem.
aiaou em sessaj i a caminlio do ferro est nada sobre nossa manoira de v;r. lia. nao
iicsiua muta, o ni'ocesso verbal leitn a o sol- ma ate o no uiaiu. u osunaiw w un i
dado do 10. batalhode inlaniaria, Frederico' abei to lioje ale oito milhas abano de Cor- nos cancar-mis de repulir, noque so ,.ass.
L'o'losdeAraujo. Cainuiiicou-ieoconimaii- gona. No lim do inoz devera ter chegado um facto ao qual procuram obslinadamonle
do das armas. at Itarboca. 3 millas mais longo. fechar os olhos, hn a ainqnilacSo de todas
HitoAo director do arsenal de guerra iu- noticia a mis importante Irazi.la pelo as garantas que o dircilo ls gentes trazia
lcirando-o de liaver, em vista de sua informa- /(/,,"(, declaracSo do guerra leita pela comsigo.fie a deslrui?ao de tola soguran-
eb, mindindo plisar titulo ,1c guara dos N rna4a contra o Peni e o Equi- ca.de toda cuiiiianca inleniaciouil. Se
dprendlscs menores daquelle ar.cnal a Jos "" "* el|1 .,,, paz> um pau VL., ser as,eiito
ttJZtt-*3fcL2tt l'rece que o rumor de um. nova eipadi- declarado de urna conspirr^o cm perma-
la ao inspector da thcioraria de fazenda.' cao de aveiitureiro.1 americanos contra Cuba .llenen cunta urna potencia alliada, como
Dito Ao Iospector do arsenal de marlnlia, nilo he despida de fun lamento. O Phure de pretender ella licar neu'ra em lempo de
recomendando a eipedicao de suas ordens, no Kew-York (jornal francoz) com data de 2-2 guerra 1 Eso ella mesmo vier a ser parle
cutido de ser posto a dispusico do couiman- ,|,, ,.,,,, conten a este rcspoito as relie- belligerinte, em uo.ue de que reciurocidi-
dantedo vapor Giniuiajiil um pritico. deque X0H e informacOea cguinlrs : do, exigir ella de urna terceira potencia o
je Ul nnster, para que aquella vapor r ao { tcrceira vez ctu menos de um auno, lespeilo da iieulnlidade ?
lan.rirao experimentar a maquina c ca dclra narecc nutra vez em circums- Em urna outra ordem do idoias, .levemos
r,m:aluddaan,e'- C"""- "'"'do Sn*cin.Xi.cn A expedido insensata t,- i dizer que estas expediedes lo precisamen-
Dlto-Aojull de direito da comarca do tada contra Cuba no niez do agosto de 1851 te o mais funesto servieo que se possa fazer
se havia terminado por urna lirjao bastiute.nao so a causs da liberdade cubana, como
sanguinolenta para que s.i podesso crer que a causa mesmo da uexac3o. Se Cuba hou-
os pretendidos liberta lores da riinhl das ver de escapar das infles de sua ni3i patria
Antillias estivessom curados souiio para I actual, n.1o he r.o motlenlo em quo a lles-
sempre ao menos por algum lempo da ma-ipanha so prepin, en irritam por meio de
nia das invasOes. i\s mesmos linhanios umj iutempeslivas aggressO'.'s para adefezade-
instanle parlilhado esta illusao ; mas eulre desperada de sua colonia. Aiu la menos se
nos Ha foi de curta durac3o. Ao vermos a pode lisongear de levar pela ameaca per
ju^liQa ameneana proteger com a egide de
urna iiiqii.liiicavcl absolvicJo os prineipaes
fautores da empresa, previmos inmediata-
mente quaes hiviam de sur as cousequen-
cias desta rupunidade. A absolvicilo em
igual caso, he urna anitniqSO para a rcinci-
lencii, nos o sainamos co'ii ai.lecedencii :
o aconteciiiioiit 1 o demoistra boje-

Liiuueiro transuiittiudo duas portaras, que
llie foiam enviadas pelo Kxm. conselheiro pre-
sidente do tribunal de justica, c recomuien-
daodo que envi a Ma respusta secretaria da
presidencia.
llilu Ao jui municipal da | vara para
mandar apreseutar ao umrcchal coinmandaute
das armas dous icnlencia.loi, liui de seren
cuipregados 00 servico de limpcia do hospi-
tal rcgiincuul, conviuilo, que na escoltia d s
U'leridos sentenciados sejaui preferidos os de
cnnic de menor gravidade. Coinmunicou-
c ao referido mareclial.
Dito Ao juiz municipal du termo delin-
da rrmcltriiuo o requetimento, em que Joa-
'piim de Mello lardoso pede o lugar de escri-
vaodo criine civil, labeliao c notas daquelle
^'ruio, bui de que procela seu respelto na
I OLIIETlil.
OMEDECABUGILLO
(POR MOLE i.i..\ i IU.ommi:.
rniMiiiui'Ar.TE.
IX.
leio-dia.
Principe, dizia Ericcio a VUronli. a uecca-
'i'l-nlf he penvcl c repugna Icaldade de vos-
"jcarader, bem o sei, ma espero que haveh
le resiguar-vo* a issu se vou dignardes de con-
gelar que he este o nico meio de acabar com
u 0conde de CarmagnoU. Vede, ningurm urde-
11011 i tropas que ae reunhsem, e a praca em
'.'1, ,:, 11.iv A que ordein obedeceraui ? At do
c'ipi(o (tramante, o qual ousa descouliar de
"ui.e disse-lhes sem duvida que a vida de seu
.' nei.il 11.1 t.cnuv.i fin M-Liir iii^.-i no vussti pala-
zo. Iicui vedes que elle be inaUseohoi *.qui do
'lueoduqur de Alilo; bem vedes que imnnrla
'cali.-ii cun no.
Acabar coinisso! repeli Vscouli couiar
fl'raliido; nocompreheudo, Krlccio, as para-
diura
L
(*) Vidc Jhano n. 182.
bolas, vos fallis semprc tao ubseuramenle i|iie
custo a comprchcudcr-vos : que queris di/.er
com isso?
-- esejais que eu seja mais claro ? pois bem,
Gabrlno cjt all... soore os dtgros d. esta-
da de Hercules, por onde o conde de Carmag-
nola deve sabir, disse briccio. Oo lugar onde
esl enllocado, elle pode ver esta janella que
vos lioa direita; se ella permaueccr fechada
quaudo Carinagnola sabir delta sala, elle o dri-
xar passar aom o iuquictar.....se pelo contra-
rio ella se abrir, o c me. cahir dcbaixu do pu-
i.li.il de Gabrino.
basta, Ericcio, dsse scccaincnte o duque,
nao quero ouvir mais I..II .1 a este respeito.
Depois, levantaudo-se, foi abrir, seinprecoin
ar preoecupadd, a porta que dava para a esca-
da de Hercules : elle vio a dout passos de dis-
tancia um hoinem que se cooservava iminovel
com um punlial meio disslinulado as pregas
do cinto, lornou a fechar a porta, e poi-se a
passear com o rosto lau calmo, lo iuddercutc
como se nada tivesse visto,
Netse momeulo, den incio-dia no relogio do
caslello.
o mesmo iustaute a porta da sala abrio-se,
e dous hu.1.-id eutraraiii eram o conde Gri-
maldleo seubor de Carrara.os quaes, confor-
me o drseju que l'armagnola liuha exprimido,
mili iu, assisiir conferencia que ia ter lugar
entre elle eo duque Viscouti.
M.1.1-di.i! exclamou* Ericcio, e o conde de
Carmagnola uaoclieRa! Parece que sao agora
os soberanos que devem submetter-sc aos ca-
prichos dos vassallos.
Elle -i.-il. iv 1 apenas de fallar, quaudo 11..1
grande rumor se les na praca. Olhando para es-
sc lado, as pessoas presentes distiuguirain logo
na n.un..1.1.1 t.'arinagnola, o qual marebava va-
garosamente no meio das acclaiuacoes do povo
L-seemumi correspondencia da Italia | KranCi.SC0 BaptilU de Almeida-ldem.
central, inserta 'na (osee d \11gsbourg. as, 0 afectador do mrito.
particularidades saguinles sobre as seitas
polticas na Italia :
Os movimenlos polticos que t-im tido
lugar na Italia depois do Irinta annos, tr-m Srs. Redactores.Tendo em sou Diaria
si 10 a obra do cirbonarismo e di Jeuue lia- do 7 do correle apparecido urna correspon-
de. Estas duas seitas se confundirn! em'cia, assiguada por Maria Francisca de Sou-
urna i9SOciac3o, a qual tom o nome de lia- za llamos, com o li ... dizia ella, de mos-
lia arruinada. Pareco que he a esta associa- trar ao publico a falsi lado das correspon-
do que pertence cedo ou tarde tentar urna cias publicadas a f.vor de Jos dos Sintos
empresa inconsiderada. Esla sociedadese- Sooza Lins no seu Diario n. 166 e 170, doi-
creta que se idenlilici com o carbonarismo xamos de responder por querermos fjzelo
e 1 joven Italia, le n por lim o derribameu- com um documento, quo nilo podamos ha-
to dos thronose de toda a inlluencia estran- ver em ronsequancia de ostarcm os autos
geira; ella quer eslabelecer a unidade itn- no tribunal. Para .loinoustar a falsidade
liana, fazer a Italia forte e iudependenle, e das correspondencias insertas nos citados
purifica-la de tolo o elemento heterogneo, ns. 166 e 170, aprsenla Maria Francisca
Ella est dividida em circuios; cada circulo urna certi 13o om que so ve ser a execu^Ho
conta quarenla membros quaudo muito;de Lins, na qualiado de ccssioinrio de
tem um presidente, quatro consclheiros, liidier Colotnbiez & C. .la quantia doris
um questor e um director; todos os outos 1:167,213, e desta certidSo oooclua ser falso
membros se chamam socios, Us circuios o dizer-se que Lins he credor a los Maria
s5o de cinco graos, o grande conselho, o'Concatves llamos do H:835,-J5I reis romo
circulo geral, provincial, do districto e o su allirmou Esta argutnentac&o apenas
circulo do i. 11 1 1 [ 1.> serve a evidenciar a mi fe com que Alaria
Todos os membros da societario su di- Francisca, 011 algumn por olla, s" apresen.
videm em tres ordens, 9 saber: I .a adeptos'tou 00 publico sem so Importar com ser cori-
reunidos ou simples unitarios; 2." presi- tradiclada, urna vez queoonseguissa o lim
denles o consollieiros dos diversos circuios; para que essa sua correspou lencia lora for-
3." os grandes unitarios ou membros do fricada! Eis, pois, a verdade. Lins niio s
gran le circulo e presidentes do circulo ge- he credor de Jos Mu ia GODcalves Rano)
ral; os grandes unitarios somonte sabem o 'par si, como na qualidide de eessionario
lim da sociedadeosJo inforiiiadostiosmeios do Didier e outros; o todas as quatilias jun-
de een violentos que so houvcr de nm- tas mtinta 111 a de 14 835,251 ris, o que
pregar, consta da cerlido dos autos de cxccuco,
A sociedade tem tres snelos secretos.....que agora se offerece (t sendo que Maria
Us socios sabem um, os unitarios dous, e os! Francisca, l'azoudo exlralnr smenle a cer-
para o deposito ; 8 isto feilo, expedio a ap-
pellacfto no elfeilo devolutivo !! Oeste pro-
ceder aggravou Litis, minutuu o seu recor-
so (2) no qual lev provimento, Cracas ae-
jam dadas aos lelos, que com tanta sabado-
na como imparcialidade livraram a Los de
urna perseguirlo nuuca falta por juiz al -
gum !
A historia do processo do execu(Bo dn
Luis nSo lem aqu termo, a j que estamos
com a m3o na mas.va liemos ao mais
Continuando Lins a sua execuc,ao em
bens pertencentes meacSo de Maria Fran-
cisca, tnulher de seu devedor, o dovedora
por consequencia, oceorreu esla com em-
bargos do taroeiro. Estes embargos forim
i (. I..- cm aulo apartado, devendo por
isso progre lir a execucao e arrematicao
dos I' 'lis ; mas O jlliz Men '/' mainloll, in-
dependentedesentenca, que decidisse defl-
nilivamente os embargos deterceiro, man-
dou, repetimos, entregar ns bina a Maria
Francisca, prestando ella fianc !! Quom
nSo saber que sendo os embargos de tercei-
ro recebi los em aulo apartado, como foram,
o progro lindo por isso a execucSo, nSo po-
lia o juiz man lar entregar os bens Quem
n3o sibera que os embargos de terceiro,
urna v. z recebnlos em auto apartado, ape-
nas servo de protesto para levar-se ao de-
posito o preco da arrematacSo ? Quem fi-
nalmente n3o saliera, quo, ni lepen icol.' de
sentones acerca dos embargos de teiceiro
cantes .le relaxar-so por essa sentenca a
penhora nao po lia o juiz mandar entregar
a embargante de terceiro os bens, anula
com (inca ; 0 quo s he dado o concedido
loan lo os embargos de torceiro slo recebi-
dos nos proprios autos ? U que assim sa-
le'in todos n.o devia ignorar ojuiz Mene-
grandes unitirios conhecam os tres, iig-an
de conselho, como poder supremo e abso-
Cada mcMibro deve obediencia passiva 1
cga s suas ordens. Ha oito circuios goraes
om liorna, Tunm, Milo, Venc/a- Florenca,
.Vapules, Palermo o Cagli
unitirio lem a presidencia.
ti 13o do que Lins en credor como eessiona-
rio de Dilier, o occ litan lo os demais, quiz
luto se compOo de sote grandes unitarios. Iludir 0 p iblico, e usou das armas da 11-
.. Pelo que respaila aos circulo^ provin
eiaes e do ilislrictos, ellos po loin conservar
isdivisOes lerriloriaes ictuaes. Asquotas
s3o rerehidadas depois de calisss3o do
circulo, pelo quesiur.
Odinheiro do operarlo lem o mrsmo va-
lor que a meda de ouro do rico : urna par-
te da receit.i he empregadi por cada circu-
lo para as suas despean] o resto be envia-
do p'ra o grande circulo o qual decide os
grandes negocios que exignm os grandes
meios Os unitarios tom o direito de rece-
bor adeptos. Cada socio pode propr can li-
datos. Procura-se principalmente lazer-sc
a propaganda ntreos militares, eas inaio-
rcsdistincses Ins sSo olTerecidas. Adinit-
lem tamhem operarios e pessoas das classes
inferiores. Se possuireni os conbeeimentos
necessarios, devem obter a preferencia para
a ordem de unitarios. Elles podem taaiham
organisar um circulo do qual sejam os pre-
sidentes.
Cada um candidato deve sotfrer um
exnme severo. Depois do que e de ter pres-
tido juramento, recebe o snelo, as insig-
nias e a raedalha. A desobediencia a a vio-
laco do segredo sSo punidos de mone.
Cadi muiiiliro tem o direito de exigir pro-
teCQSoe soccorro. Se um adepto ponre mor-
n-
triga, argumento daqu lies 11 quem falta a
1823o e a justica para vencer.
Para mostrar o embuste de Maria Fran-
Um grande'cisca, n3o se fazia precisa a ceidlo que
agora 10 olTereca, bastarla ponderar que se
pelua de nina nvas3o, o governo liespa-
nhol coocessOcs e a retotmas lih.Taes.
Inleiramente pelo contrario, o systcuia que
se seguiu n3n he proprio para exasperar
sua severilade, e a prova esla na suspensSo
que acaba do ser fulminada ao Diario de la
marina, as con lemuaces que foram a pou-
co impostas a diversos habitantes da illia,
e dos soldados. Embarazado sem cessar pela
alllucneia doscunoios que concorriam a vc-lo,
o illustrc capltao faltava a todos, principaliueu-
tc aos soldados, alguus dos quaes exprimiaui
qucixas e reclaiiiacdes, 6upplicaudo-o de faxer-
llies juslifacumo se fosse o verdadeiro sobera-
no da I. ...ib.u.lia.
Esuio vendo, disse Ericcio; nao parece
que be um rci que falla a seu povo '
Com elleito, disse o conde Grimaldi, acho-
llic lias uiaueiras uina graudeza c una altivez
iiiier .iin.'iii'' reaes, niio Ihe falla seno o inautu
de purpura sobre os hombros c a cora sobre a
cabera.
Pela vlrgem santissimal disse Ericcio,
nem uina cuusa nein ouira Ihe bao de fallar
uiuito tempo, se o dcixareiu assim fauatisar
vouladescus soldados.
Pronunciando estas palavras, elle lincou os
olhos sobre Viscouti: este mi rcspoudcu, mas
um relmpago eatranho llluuiiuou suas fcices
repulsivas.
O senh..i de Carrara fez una pequea caran-
tonlia que poda dar a crer que suas apprchcn-
soc* uau laui tiiu louge ; mas como quer que ..
Viscoali nao se livcsse pronunciado em vus al- jdcna-la passar, a princesa pareceu atacada de
la, julgou conveniente reservar sua opiulo, e i sorpresa,
nada disse. j Depon de 11111 momento de indecisao, ella se
Cannaguola Uuba ciiifim entrado no palacio, aproximou do nobre capilau, c disse-Jbe cun
Chegando galera que precedi 1 sala de re-: urna vo, cuja einntao quasi que nao poda
ccpi.1.1 onde o duque o esperava, lan;ou um cooter.
lungo 11II1.11 sobre a ..mili J.i 1 dos corteaos que I Signor conde, acabo de orar a Dos, c sois
a encliia, e com essa rapides de concejicao que o primeira pcsioa i|ue encontr ao sabir do al-
dllUaiue eertol espritus escolhidos, ,...|.. lar; deseju que isso seja para vos o presagio de
iieudeu de repeule que au liuha mais all ae- una boa aova, pois sei que Idea pedir um la-
___CH___
co Sfurxa, lillio de terrivel capitu que elle
vera a honra de vencer poucos das antes de se
afogar miscravelmentc na passagem do rio
Pescara.
Todos os lidalgos milanries cercavam i porlia
este pcrsonagein, c tesleiniinhavam por sua 80-
licitudc o altofaviu que o esperava junto de
Vlsconli. O acolhimenlo glacial que llie ful fal-
to, a saudaco quasi Iniensivel que llie lu di-
rigida ao entrar nessa inesma galera em que
poucoi dias antea lodos ciscscortezos cstavam
a seus ps, acaburain de provar a Carmagnola
que 110 espirito desses humeas, se.oprc ajoe-
Ihados diante de cada sol que c levanta, seu rei-
nado eslava acabado.
Klles se tiobam disposto em lucir para dei-
xa-lo passar pela sua frente, o que elle fe com
a cabera levantada, c com o ar mais altivo e
mais orgullioso que nunca.
Ao entrar na casa du duque Pliilippe, uina
p-jria que dava para a capella da palacio, abri-
se sbitamente, apparecendo a prlnceza Uiaoca
seguida de algumas donzellas. Ao vr-se face
face com Carmagnola, o qual incliuou-se dian-
Ic della, e deu alguus pjssos para tas alim de
nao iuimigoi. Km um vo de junclla em que os
grupos eslava.11 mam cumprimidus, elle reco-
nhrceu o persoiiageiu de pluma vermelba, que
liuha visto na praca no da de seu triumpbo, c
que Iu .iiu.in ic llie dissera ser o famoso r rances-
1.1 ao .Un|ii. de Alilao, e pullo que Iguore e
que elle consiste, espero saber que meu pai o
lera acolbido como merece o pedido de um lio-
ineinao qual deve tamo.
L sem esperar unta s palavra do conde,
aexecueo do Lins foss* cuno olla diz, so
ocla quantia da 1:167,213 reis, ojuiz que
presidio a ariumalac-lo, Jos llaymundo,
n3o consentira que Lins arrcinalisse para
seu pagamento bens na im; oriunda de mais
de 900l),000 rola, mo teril assignadu o au-
to e carta de arromaiac3u como assignou I
Agora, poiuin, suppoudo, s para l'arlar
votlla.les, quo so linda foito irrefflltacflO
por mais do qui 01a Luis ere lor, pegunta-
se estando assim f la sauccionala po-
lo juiz, e Lins gsrantido pela f do juizo o
por sua carta ; podena csse juiz, preterida
a ordem do processo e sem lo na alguna
do juizo, mandar que Lins entrasse com o
preco da arremalac3o para o deposito s
porque assim Ihe requeren Maria Francis-
ca ?! I Estar o juiz Jos Itaymuno nulori-
sado pira dir golpes de lisiado no foro)'
NflO fleam anda aqui as arbitrariedades
desse juiz supplente, nesse processo em
molde: elle pira ostentar o seu podero,
tendn-se appellado da inleilociiloria mista,
quo mandava entrar Lins para o uoposito
com o preco da arrnnialacSo, e eslaudo os
aulos em sua OonOlUlSo para expedir a ap-
pellacSo, man lou proceder a arresto nabo-
tica arrematada por Lius pare s;u pagamen-
to, fecliuu- lunas purt.se iniiulou as chaves
atravessou a galera para r.colber-se ao seu
quarto.
Os cortejaos cstavam estupefactos: lliancapas-
sava por ser de un carcter altivo ; jamis ella
niii mil, 1 dirigldn a palavia a ueiilium .files.
c a primeira vei que se dlguava rcsolvcr-se a
isso, era a Carinaguola 111. liourava com lau
preciosa dilliuccao; e uo aumente fallara em
favor delle a seui hbitos de reserva ede alti-
vez, senao que al o fazia em termos que bii-
ouuciavam de sua parte amis alta calima pe-
lo caiaclcr daquelle a quem fallara.
Francesco Slurza, bem cumu lodus, lucra es-
la obscrvacJo, c empallidecera, porque senlia
no coraco um amor profundo por Uiaoca. Sua
dorll.iba sido inaii cruel anda, porque a don-
IClll depois de ter delx^.lo Carmagnul.i, pass-
ra por diante delle sem nem sequer d.guar-se
de ollu-l.i, nao obstante ter-se elle posto 11a
primeira ordem da iileira que ella indi. de
atravessir na eiperanca de mtrahir-lbc a at-
leocao.
i.iu.ind.i Hlanca desappareceu, Carmagnola
dingio-se para a porta da sala cm que o espe-
rava Viscontl, c foi iutrodozdo sem demora.
Quasi no mesmo momento o pequeuo Asea-
uio alravessava a praca curreodo, seguido de
uuibando de incuiuosdcsji. idade: ao passar
por dame de bramante, u qii.il cercado de sol-
dados eslava poslado a viulc passos do palacio,
elle deixoucahii alguiiias moedas de ouro, que
foram rolar por baixo dos ps daquelles.
-- All.demonio, exclamou um dus suldadoi,
onde achisle tu lodo esseouio?
--. ni.! isso uao be dlllicil dcideviuliar-se,
replicn outro, l'urtoii-o da algibeira da mai.
Ou de algum passageirn ucciipado .10
olhar para as nuvens, toru.iu o pi line o sol- !
dado.
NSo, senhores, exclamou Ascanio que Ir- .
--
Desse despicho, pois, quo mandou entre-
gar Maria Francisca, embrgame de ter-
ceiro, os bens, sendo seus embargos reco-
bidos em apartado, como quer que orde-
nassa a dila entrega com pena de pns.in.
aggravou Jos Mara Goncalves llamos, ma-
rido da embirgnnto e depositario de Lins,
como aquella contra quem so deelarava a
pristo a requerim-nlo de sua mulher;!!.')...
Este, minutando o seu aggravo pela manei-
raque se v (3), leve provimonlo (*) sendo
relator do recurso o muito digno dosembar-
gador o Sr. Firmino Antonio de Souza.
Este iccordSo devia ser publicado em letras
do ouro. A sua leitura, os principios adop-
tados lio a conhecer o menlo de quem o
radlgio, quaudo n3o existissem outras mul-
tas provaa que nos i'-'e ..... de produzir,
receloso do oirenJer i. sua tnodeslia, sendo
que mesmo pelo que havemos dito pedimos
e esperamos pord3o.
J v o publico do quauto lica expondido
/)/ iNMBta capila, qual a m f do Maria
Francisca quaudo disse, quo Lins s era
credor da quanliu de 1:167,213 reis; assim
como v na presenca desta narracHo e accor-
d.n.s 0I1I1 los, quauto o juiz uiuuicipal sup-
plente uin seus defaiiinentoa menoscabou
as lela, a prax'i e o direilo da propriedide
c individual, quaudo diipeusou a Mara
Francisca da ICCSo competente para umillar
a irremalicao perfeita c consumid! ; quau-
do mandou arreslar a botica por Lins pos-
suid, sem que esle fosse devedor dess Ma-
ri Francisca ; o quando mandou entregar
os hens peuborados antes da dccis3o dof em-
bargos de terceiro que recebidos linhim si-
do em auto apartado ; pelo quo ludo pten-
te a todos lica o quaulo lie elle suspeito nes-
las causas.
Concluiremos por agora com oll'erecor o
aulo do arromatac.lo (5: feita por l.ins para
quo o publico avaho a ilose de arbitrio com
quo todos os despachos do juiz supplente
foram profer los, e licanios podindo a Deo.s
ti3o queira a Sr.' Mara Francisca que saja-
mos peinini.:..- na frca, porquo so assnu
0 requerer, seta satisl'oila a sua vonlade,
sem niesiuo a soloniuidade dos dias de ora-
torio.
*
Diz Jus dos Santos Souza Lins, que bem
do seu direito precisa que o escriv3o Molla
a vista dos aulos de cxecur;3o que emeami-
ulia porsi, e como eessionario d'otttros con-
tra seu devedor Jos Mara Goncalves llamos
Ihe certiliquo n vista .la conla feita pelo con-
tador, qual o total do seu crdito na quali-
dade de credor o eessionario d'oulros, por
quantotoi arrematada a botica e mais per-
lenes, e se dossa irranutiQln se lavrou au-
to, c passou carta: por tanto pedo a V. S.,
Sr. Dr. juiz municipal da soguuda vara ci-
vel Ihe deli-a.E. II. M.
Ccrt(lq.ie,ltecife 7 de agoslo de l852.--Cos
la Menezes.
Manoel Jos da Milla, oscrivo vitalicio dri
civel desta cidado do Itecife do l'eroam-
bucopor S. M. I. e C, etc.
Certifico a vista dos lulos de quo tnta a
peti?o retro, o conta nos mesmos feita pelo
contador do juizo quo o total do crdito,
do supplic.inte na quilidido de creJor ecus-
sionario d'outros, como s-i v das cxecu^Oes
>.,.. .1 .. ..... m .'i. .:>iisi'
inia pelo seu ouro, dcram-uic, e posso ditec
donde elle veui.
. Siuil lim! dar sequins 11111 velbsquelc
cuino tu, Isso niio 1 de ser. Tu achaste-os.....
ou eulo tiraste-os.
Digo-vos, exclamou Ascanio, que esses
sequins me luram dados por um houieiu cha-
mado G iiirino, um cx-suldado como vos.
Gabrioo! Olil nao ; estas meiilindo, pois
esse miseravel uao lem cortamente del calilas
na algibeira.
__ Estis engaado, elle tem, uao dexcarlius,
porcui mais de cincuenta sequins na algibeira,
e deu-me quatro para ir buscar-lhe ulna garra-
fa de vinho grego que quer beber neste ino-
meiilo atrs dn palacio, sobre os degros da es-
cada de Hercules. O vinho custou-inc um ie-
quuu e meio, cstain-me, pois, dousc mais o
lio. .1 do outro que elle disse que me dava pelo
..en trabalbo. J vedes, portanlo, que este mi
ru be meu, que o nao furlei.
Ab! ab! ah! fez o soldado rindo s garga-
lliadas, Gabrino no palacio ducal sobre os dc-
graos daescada de Hercules, c bebeudo vinliu
do Archipclago! Isso he uovidade! Por que
11.10 est autes mesa do duque Viiconli ? se-
ria isso anda mais singular.
Vamos, vamos, disse Hramante. que ludo
mil. 1 eseulado com a mais viva.tiencao, entre-
guen! esses sequins a Ascuiiu. Gabrino pode
estar rico, isso nao he impoisivel.
Grcil a esta iulervcncio, o denioninho lor-
nou a entrar na posse de sen thesouro, e con-
llnuoii sua loma car re M alrave/. da praca
(Cwitinuar-ic-ha.!


Senhor,
Para V. M. I. le aggrava Jos Matia Goncalve
rumos, do juli municipal lupplcnle da segun-
da vara joa Haymundo da Cosa Meneies por
ler rile no deipaclio de L II ordenado ae
pauasse mandado de priso contra o aggra-
vaue- ,
Sendo o aggravante a juuado por cu credor
Jos dos Santos Soma Lins fez este penhora cui
todos oibeui moveii do casal do aggravante, e
prossrgtiindo na euccucao levava-oi praca
para seren arrematados, quando appareceu a
aggravada Mara Francisca, niulbcr do aggra-
vanle coin seus embargos de Icrcclro a fl 40 os
quaes foram rcccbldos pelo despacho de fl. SO
tm auto apartado, sendo cuse despacho confir-
mad pclu accordam a (I. 59.
Sendo assim recebidos os embargos de ler-
ceiro em auto apartado, he ceno, que a aggra-
vada indcpcndenle de eotenca linal, que jul-
gasaedoscu merecliuenlo, jamis poda levau-
tar o brn penhorados tanto valor porm te-
ve a aggravada que ludo quanto a pralica de
tcinpus iiumeiuoriaes tem sanecionadose lub
mellen a vonlade da mesilla aggravada quando
pelo deferiuienlo de fl. se Ihe uiandou passar
mandado de levaulaineulo prestando ella
fUnea!l!
Pia ha quein Ignore que o embargante de
Icrcclro quando seus embargos lio recebidos
cm apartado jamis pode .levantar nem ines-
1110 com fiauca os bcus penhorados; porque es-
se I avor cuncede a lei apenas quelle cujos em-
bargos sao recebidos nos proprloi aulo; esla-
va porm reservado ao juii quo a inversao
delta marcha, dando asiun urna provaIncon-
cussa de que em eu cnleuder uenhuiua dif-
l,i, m i Impui la o modu porque os embargos
de tcrcelroso recebidos e que os efleilos dcs-
ses recebimenlos iniporlam smenle um for-
mulario lo, eqoe nao Icm cflcllo jurdico po-
dendo por liso 1er allciado a arbitrio !
Oeste despacho, ou ames deste faci consu-
mado, que nao liuha fundamento na le, nem
se entrar o aegravanle com o pceo da arrcuia- na prase, e que parece tora apenas proferido
deposito publico, e o Jull d quo teta em osteulaco appellou ocredurLina para este
apenca, erd quinli de U:835,215rs.; e
qua lu arrematada botica o seus perlences
pola quanlia do9:319.560 is ,o que se lavrou
luto e arremalacuo, o passou-so Carla de
arremutacao na furnia do eslylo. O referido
he veiilade, e consta dos respectivos autos.
Rocife 16 do agosto do 185-2.Sulacre! e
assiguei. '' f do verdade, Mauoul Jos da
Molla. ,
Scuhor.
Para V. M. Imperial se aggrava Jos do
.->anlo Soma Lini do despacho a II., pelo qual
o |ult municipal, o BCharel Jos ilayinundo da
Costa Hennes, snpplente da segunda vara mu-
nicipal receben a .inpellacao a II. nlerpiisla da
inlerloculnrla mixta a II.; nggravo concedido
pelo decreto n. lOll) .le 8 de julho de 1852. As
rases do recurso sao as seguiutes:
O aggravante Josd dos Sanios Soma l.li's sen-
do credor de Josd Mara lioncalvci llamos da
qaantlade H:83d/i4, oomo mostrain os autos
a II. fes penborar bens movis de scu devedor,
e progrediiido na cxccuco ao ponto de serem
arrematados, requeren ao juls quo llcenca it
arrtmaUu para "" pulimento, c esia liceuca Ihe
loi coucedida ese v a II. Com esta llcenca, c
nao compairecudo licitantes, arremalou o ag-
gravaulc credor para seu pagamento souieutc
os bens pertcnceoles amllelo do seu credor:
lavrou-se auto de arrematico.que foi assigna-
do pelo juia quo. pelo porteiro do juiz-o, c pe-
lo aggravante coiim consta a II.: passou-se-lhe
carta, pagou si/.a e lomou posse, o i|ue ludo
......ii un os .iui.,,.i II. o II. pelo que floou a mes-
illa .ni i,. iu. ao lirme c valiosa, c o aggravaue
com dircito aos beiu arrematados. Ord. Ls.d
T. 8 \ ...ii firme eslava o aggravante quando ap-
pareceu cm uiloUaria francisca de Souai lla-
mos, inulher de seu devcdor.e de quem se acha
divorciada, diieudo qnejera credora do marido,
que tinhaexecucao, crcqiierendo que 'nand^s-
se entrar o ae
i.ii, .ni para odep
embargo de ser a arrciualaco fela /mu CU pa-
gamento, seguudo consta do aillo a II., e Carla a
II. sem que a menina .liara Fraucisca livesse
protestado antes da arremata, ao, c sem penho-
ra e contra o dlspMM na Or. L. i, T. 0, j 2 *3;
asim o inaudou por seu despacho a II.
Oeste despacho que cjus..va damiio irrepara-
vel, e nem se negara Dio ser damnuso o entrara
aggravante com 9:319/500 quando a sso c nao
obrluou no termo de arreoiMaco a fl., aprtellouj de acquiccer a decalo afl.ltU.
o UMiino aggravaue a 11 ; sua appellaco loi t.uiuprido o accordam a fl. l.lpelo despacho
etcrlpta fl. mas foi recibida eiu o effeilo de- U fi.iniv.e sublndo os autos a couclusaodojuiz
volulivopclo despacho a II. deque se aggrava o ',, profera elle o despacho a fl. 110 pelo qual
aggravanie abrigado aoj 0 do regulaueuio ile julgau.lo por sculenca o lancamcnlo all.lOav.c
la de inaic.i de 1841 declarado pelo normimo indeferludo aoaieiiuciimrniosdc 11.100, v.man-
decrelJ a. mi" de 8 dejulbo ile I8.">2 j publ- Idou passar mandado de prlo contra oaggra-
eado no Dtarodl Pernambuco de segumla-lcira vante, c deste deferiiucnlo be que se aggrava
lirmado o incsiiio aggravaue no li do art. Ib
do regiilamcnlo de 15 de marco de |SI2.
Da breve, mas fiel ciposicao do processo
se iiiauifcsla.er a priso couiiuada ao aggra-
vaue em coiisequcncia de Icr elle assigoado o
deposito dos bens penhorados pelo seu credor
Llns; mas scia na cominaco applicavel no
caso ao aggravaue ? Eis o que ic pana a evi-
denciar pela negativa alini de concluir pela in
superior tribunal, mas o Jull quo com a faclli-
dade que Ihe lie peculiar resisllo a que se Ihe
cscrcvcsse a sua appellaco como moilrao des-
pacuo exilado no requerimenlo a II. 97, despa-
cho que icm duvida bem moslra preoecu-
paciio.
Forcosoera aggravar e isto fea Lius, como
se ve a II. 97. a estrella porm que preildio as
razes a li. 90 foi desfavoravcl a Lins, c elle leve
20 do oorreote mez.
Binregraaappellacao icm ainboioi elleiios,
devolutivo e lUlpeusivo; e delta regra lfaiem
rxcepcao os casos eipresios eiu dlrello. Or I. L.
.1, lil. 10, pe. m. 73, pr. e til. 78 Per. c Sou--
ca gurdaeobiervada ueste superior inbnu.il co-
mo c ve do accordam B fl. I44t ora nao sendo
oleaso c deipacbo de que se appellou dos cuii-
' aggravo a fl, mandam que o juiz a quo re-
forme o seu despacho pelo qual mandara
proceder a prisa.i do mearon iggravante l
condemnam a aggravada ais custas.
Hocife 10 de agosto de 1852. Azu-edo,
Presidente. 8ouza.--=Luna V.Valle.
Anno do nasclinento de Nono Senhor Jess
Chriilo de l8ia, aos 3 dobril do dito anno,
nesla cldade do Rcclfe de Pernainbuco em
praca publica, que presidia o Dr. juii muni-
cipal supplente da 2* vara Joi Haymundo da
i.osta Mcnetes, contigo escrivo de seu cargo,
abaxo assigoado, e sendo abl pelo dito inius-
iro foi oidcnado ao poruiro dnjuito, Joo Ja-
nuario Serra Grande, ineltesse a pregao de ven-
da os bem, visto achar-se fiodos osdlasdalei
c pracas successivas de una hotlca com arma-
cao, e todos leui perlencei, que exlslem na
inesma, des appollcci da companhia de Bebl-
rlbe, e liuiu eicravodcnomc Igucl de oacao,
com idade que reprsenla ter 5j anuos, com
unta perna de pu, cujos beni foram pinhora-
dos por eiecufo de Jos doi Santos Souia
l.ni-., Joa Mirla Goncalve Ramos, e avalla-
dos na quanlia de. Ui3l4f5T9 rel; nao entrando
os beni da meelia, aeguudo consta do eicripto,
par nao convir i meiina em virluae da poli-
cio que foi apresenUda ao porlelro do juio
para lerem arreinaladus o beni Ja arremata-
dos digo declarados, a quem mals desie em d-
loi bem ; o que o dito porteiro logo cumpro
e depois de varios e continuados appare,ceu o
exequeole por uo apparecer lancaJor, e com
lieeuca do juio laocou em ditoi bem a quau-
ii j de 5j00 reis, e por nao haver quem mais
deasc, c lancasse em ditos bem maudou o dito
ministro all'rontar e eDtregir o ramo, o que as-
sim le cumpro com ai ceremonial do eitylo,
sendo obrigado o arrematante a pagar a cita
competente do eicravo avahado por U0JJ reis.
melade de tua parle, e uielade por couta da
execuco, cujo liquido deila arrematico be pa-
ra scu pagamento, em vlrludc do que maudou
o dito minialro que o arrematan!: exequeute
tomasic conta c posse doi referido! bens arre-
matados, c maudou faier este auto em que se
assignou comocxcquentc arrematante eo por-
teiro do jui/o.
Eu Manuel Jos da Molla escrivo o escrevi:
Costa Menczes -- Jos dos Sanios Soma
Lins Joo Jauuarlo Serra Grande: lancado
no livro competente a l'olhas 153. Rccife Ode
abril de l85"i. Silva. Eilavam as armas uacio-
ci coin a verba do sello, n, 157 4/100. Pa-
gou 5/oo. ltecil'c 5 de abril de Ua llarvalho-
Rodrigues.
E in ii se nao conlinba em dito auto de arre-
malaco aqui copiado por cerlido no paoprio
original ao qual me reporto. Ceililicaodo mais,
ler passado carta de arremalaco ao referido
exequeule arrematante Jos dos Sautol Souu
l.u.s : assim como lambcm certifico que uein
IJ. Mara francisca de Sousa Hamos, nem ou-
tro qualquer credor, pruiestaraiu anle
no acto d'arrcuiaiaco
2-
COMMERCIO.
M.I'A MlECA.
Henrlimento de 1 i 14. .
dem do,dia 16......
. 93:131,215
. 7:592,977
100:727,192
Dmearregam hoje 17 de agosto.
Brca ingleza Bella mercaduras.
Rrig'je americano Brandy Wine idem.
Iliale brasileiro --Anglica gneros do
paiz.
Imporlai.'iiii.
Patacho brasileiro Aroiade, vindudoAa-
su', consignado a...............
manifestou o seguint :
670alqueires sal;sor.lem.
Iliate brasileiro Flor de Cururipe, vindo
do Assu', consignado a Theophilo Seve &
Companhis, manifestou oseguiote :
33 couros salgados, 1020 ditos de cabra,
250 Iqoelref Sal; a Jos Antonio da Cunha.
Hnguo brasileiro Algrete, vindo do Rio
Grande do Sul, consignido a Manoel Gon-
galves da Silva, manifestou o seguinte :
6430 arrobas carne de charque, 44 ditas
sebo; a ordem.
Brigue brasileiro Mafra, vindo do mesmo
pnrto, consignado a Amorirn &lrm9os, ma-
nifestou o seguinte:
11,316 arrobas carne de charque, 130 di-
las sebo, 10 couros, fra do manifest 4,500
imillas; a Josjuaquitn dos Prazeres.
CONSULADO GEltAL.
Rendimento de I 14.
dem do da 16 .
DIVERSAS PROVINCIAS.
Rendimento de 1 14.....1:174,676
i,|nmili.,l i a Hi........ 263,529
1:438,205
leudos na Hccpcao.devia o jaita gao recebe-la Mullica coin que se proferto o despacho de II. il
l'ossem ad-
nos elleiios regulares, se suas visu
ministrar juslica.
Como porm, Senhor, coin perdo seja dito,
como esperar que o Jull u auo no rccebiiuenlo
da appellaco uvesse em vina a le, os praxis-
tas e a comante pralica do loio, ie ludo preic-
rio quando no deapactao afl, l3l deque ie ap-
pellara den uu equlv ca prova de que a lei lie
a sua vonlade. e que css.i meama Itta voulade
he o melhor prailsla ?
A arremalaco be um dos mulos mais habis
para o translacao do domlnloj Valasc. Coni. j?
n, 4. o arrematante, cscrlptoo auto de arre*
malacao pelojult, porteiro e arrematante ad-
quire um dirmo tao irrevogavel, que Ihe nao
poilem conieaiar alnd i os mala favorecidos ere-
dores, como a faieuda publica e os menores.
salve iuici viudo dolo, Iraude ou maqulnacSo;
Lob.eiec, por sentenca 413, Lima de Oabell
lleg. ni cap. Il li. 223; e amda nies.oo ueste el-
lo so poraccaoOrdinaria podem convencer, po
sso que a lavor da arrematafllo existe toda a
nresumpcao Jurdica de que nella nao Inierreio
dolo ou fraude Pbnbodecii 201 a. 18. l'cg.
for. I, cap. Ii8 u. 5i c cap. 101 u. 27.
8e pus o juit o aun a nada disto leve conci-
dcrac.'iu, se loi surti ao griio unisono dequan-
los lettl escrlpio a respeno, e d- ludo se esque-
ecu.ai de s, para por mu simples lequerimcu-
lo, qual o de fl. 109, tranitornar urna arremata
c8oconsumada, como Iransloruou pelo despa-
cho afl. I3 de que se appellra a II., para man-
dar, que o aggravante lindo aricmatado para
sen pjgaiueuiu com llcenca do Juito, segundo
se musir a fl, 1U2 entre com opreco para de-
posito, como esperar do iiiesuio juu a (uo rc-
eehesse nos elidios regulares a appell rao di-
tal despacho, sendo que pur um recebimiulo
un. cfieiios devolutivo e sospeuaivo mi ttcava
aiisleita Mana Francisca, que dispensada j ti-
nli i sido das dispoilcOes e formulas esiabeleci-
das para obtvr o sen lim /
O plano de vexacao, Senhor, per mido seja
di/, -lo com lodo o devido reipeilo, o plano de
vi xacao leiu sido levado a cllt lio pelejull '/'lo
spouio de conservar em sua conduelo para
onde foram os autos para se receber a appella-
co desde a do correnlc liiez, r su depois que
maudou arestar os heos arri matados, Uepoii de
trancada a botica c postas em deposito as cha-
ves, loi que recebou appellaco em o da 28, o
que ludo consta a fl, 149 e anida assim a rece-
Deu uo elleiio devolutivo para ler lugar a pri-
siio do aggravaue. comminada no despacho a
131 v. de que se appellra. Tanta nenegulcio,
fl. lano atrpelo das formas eslabetecidas, que
sao a mala firme garanta do cidado, uloins*
true, nao ..grada, c este superior tribunal ins-
tituido para iclreiar os abusos dos juizes Infe-
riores ha de prover de remedio ao aggravaue
Mein releva o quanto dilO jull despacho a fl. 131 v. c fl. 132 deque se appellou,
porque sobre ser muilo desairoso impugnar um
laclo perante elle feito epor elle assigoado,
como o auto de arremalaco li., pelo que devi
respousabilisar-se ; he ceno que essa materia
ddmillmdo sem com tildo conceder a sua vera-
cidada, devia servir batear a accao ordn ni i
de, que deva a aggravada Mara Fraucisea usar
uo caso de querer resecudir a arremalaco.
Estando appellado o despacho a fl. l3i v. e por
i^.o ligado a juiz i/uo Ord. L. 3, til 73p, nao
poda o mesmo juiz '/uo mandar lechar, ar-
restas a botica sem forma dcjuizo, e depois
disto recebes em um s cfliio a appellaco pa-
ra em execuefto della ser preso o aggravaue
que n'-o se compromelteu a levar ao deposito o
preco da arremalaco, antes por sso mesmo
Htir a sculeuca appclLida eommina prisfio, que
traz daiiiuo Irreparavel, e uo pode ser reme-
diado pela definitiva, di vil o juiz uos cuellos regulares.
Alm do exposio, todas as razes de direito,
todas as legras de justca cUmain pelo reccbl-
nicoto ein os cll'eitos regulares.
hem se diga, (iuc as causas execulivas se
recebe appellaco no dev lulivo na couforini-
dade da Urd. I.. 3, til. 8G 3, que se refere
Per. c Sz. nol. 631, O principio que as execu-
....... appellaco nao he suspensiva fundada na
eii.ord.; he nicamente appiicavcl ao executa-
do, e nao ao exequeule que tem em seu favor
nina seuteuca: assim o diz Phacb, decis 153 n. 7
c 8, L. 1 II. ad Tiirpill c l'cg. I. cap. 15 n. liio
Iras jutgado; sendo que na relaco da corte do
imperio tambem assim se julgou como se le na
U. dot Tribunaet do lito n. is de 7 de julbo de
1841.
A vista do exposto, c domis que se espera
seja doutamcnlc supprido pelo egregio tribunal
o aggravante rrquer, c pede a V. M. Imperial
aejaservilo defeiira o aggravante, mandando
riue o juiz n'/no reformando osen despacho a
II. M'J de qae se aggrava, receba aappella(o
uos elleilos regulares.
F. R. Me.
O advogado, Jojc Fclix tlt Brillo Maccio.
Accordam cm relaco, procedido o ssrteio,
etc. Que aggravado foi o aggravaote pelo juiz
i yao em seu despacho afl. de que c aggrava,
vislo os autos e atientas as diiposcei de direl-
lo : porqauulo leudo sido inlerposia a appella-
co a fl. do disp. a fl., que alm de nao ler dos
exceploadoi, coului damno irreparavel, he fu-
ra de duvida, que a sobredi! appellaco devera
ser receblda em um e outro ellilo, c uo no
devolutivo l-neole como foi.
Portanto proveudo o aggrivantc em scu ag-
de que 6e aggrava
[le heru sabido que o deposito, atienta a
coaccSodaprisao, sua legal consequencia, he
por o mu i /i ttiicli jwii, por sso a sua respon-
sablidade resulta apcuas do termo asugnado
ao deponente uo leudo, pois, o aggravaue
assigu.do termo pelo qual se obrigasse a entre-
gar a aggravada, sua mulher. o bem penbora-
dui pelo credor Lim ; nao lendo ella deponente
benelicio de quem a lei coiiimiua contra o de-
posilaro a pena de captura ; nao sendo meimo
a aggravada scuhor doi bens, nem possuido-
ra, como rccouhcceu o despachla 11. 50, respos-
taa II, 58, c accordam a II. 59 ; nao sendo sc-
ihoia, repelimos, dos bens penhorados, e que
se Ihe manda entregar, he consequente nao ter
lugar a pena de captura ; pois a essa captura
ressic a le, por nio ser ella aggravada senho-
ra. Ord. L. 4, tlt. 71) S 5 UM e o tlepoiilano
"ctiutsse entngat tto senhor.Mcll, Frer L 1 lil.
3. $ 8.
A aggravada contenda com o exequente
Lius sobre seu direito aos bens por elle penho-
rados ao aggravante, e supponlo folie Icgd, c
jiislo csse despacho a 11. que Independen le de
senlenca Ihi mandou entregar laes bens, como
re interaltos, nao poda obligar ao aggravante;
nem por elle vim a ao mesmo aggravante mais
fu te obrigaco de entregar sua mulher a og-
ruvada os beus, que uo f isse a resuliaute da
partllba. Esle principios nao ignora qualquer
procurador de causas: a boa razo os unpurra
pelos olhos dentro.
Se pois ueiihuma lei existe que confira a
Sggravada mulher do aggravante o direito paia
haver a sua ineaco com pena de priso, porque
i mesmo aggravante a respelo della seno po-
te dizer, depositario, ltenlas nao poucas ra-
zes jurdicas ; como purexcuiplo, ter o aggra-
. ante dominio e posse, o que nao tem o Uepo-
silario, segue-sc que o despacho deque se ag-
grava lu proferido com njusllca c fez-se nclle
rrada applicaco da lei.
As penas pois impostas ao depositarlo nao se
pode faier cxleusiasaoaggravanlc que sobre as
j ponderadas razes accrescc uo pcrinitlira
lei c os bous costunics se ltente contra o deco-
ro do matrimonio anida sendodevorciados, por-
jti; o divorcio uo dissolve o vinculo c todas as
mas consiquiucas.
Nao s he injusto o despacho a fl. 119 que
nandou passar mandado de priso contra o ma-
rido a rcqucriuicnio de sua mulher, como he
nuil i e tiimullariainentc proferido pelo que,
lacla jiutitta, nao pode delxar de se mandar re-
furmar.
Sini: o juiz aquo seja permeltido, Senbor,
rofirir como mais prolundo respeito, o jull
quo cm seus deferimculos revela o inleressc
que toma na causa: vejamos a lace dos autos.
Ciiiein abrir estes autos ahi encontrar haver-
se aggravadodo despicho II. 97 no Io de julho
dia em que se lomuu termo. Le-se a fl. lu ln-
ver-sc itn audiencia de 3 aecusado a citaco
fela em o dia '- para entrega dos bens, cilaco
que foi reaecusada uo da 7 como uioitra n ter-
mo a fl. 1U& e ludo isso assim ser fclo nao exis-
tindouojuizo quo os autos antes peudemes
ueste superior tribunal d'oodc sahiram miga-
dos na scsso de 10 seguudo se v a fl. 103 !
Nao se pode cm ve< daac dar urna prova mais
coiivinccute de que ao juiz quo pouco Ihe ini-
portsm as formulas do processo e as leis que o
regulam. Se o .ggravo de pelico boje atienta
a maiclia que Ihe deu o regulamentu de 15 de
marco de I84Z be por sua natureza suspensivo ;
Mor. Carv. nol. 4l'J e por isso una vez Iulerpos*
lo, he" o juiz quo- ligado c Ihe he positivamen-
te vedado innovar ; como consentir o mi......
lula quo se aecusasse em audiencia de 3 c7 de
julho n eilnea pira fazer cll'eclivo o despacho
de que se'havia aggravado, cuja deciso pen-
da t Que validade tcio esses tormos assig-
nados ? O que se faz contra a disposico da
lei poder prevalecer ?
O lempo liuda-ie, lindaremos tambem Im-
plorando sejam doulainentc suppridas pelo
Egregio Tribunal as melhores razes.
P. a V. M. Imperial seja servido deferir ao
aegravanlc mandando que o juiz quo reforme
o scu despacho a lil. il:i de que se aggrava.
E. R: al.
O advogado,
Antonio de Vasconccllo* Slenczes de Urumond
AccordSo ou rrlaco ele. Precodido o
sorteio e relatorio do estylo : Que oggrava-
lo foi o aggravante, pelo juiz a que no sen
iespacliode fl de que se aggrava, vistos os
autos: por quanto mostrndose della, que
a aggravala, tnulhor do agravaute n3o he
i-X'-quonte, nom a scu favor, o requerimenlo
fosse feila algu na ponhora e constituido o
doi osito dos bons para pagamento piocc-
dente de execufSo, mais sim que se promo-
ve a execucSo por parto do unirs pessoas
por dividas do casal, sendo que se ni.iiiil.-s -
la dos mesmos autos, que a aggravada como
embrgame de 3.a au liuha comludo a pos-
se ilos bens pois que est o iggravanto seu
maridos administracfio dos mesmos bens,
pelo que n3o pode ser manutenida tanto
que a execucSo prosogue por dlante, he
rl ii'u, que o juiz quo fez aggrafo ao ag-
gravante mandando passsi mandado de
captura o que nao cumprir o mesmo ag-
gravaote o mandado de levinlamento, e en-
I'.\|>iii-!in,'no.
Rio de Janeiro, brigue escuna brasileiro
linda, conduzio o seguale : -- 2 ciixssen-
cersdos para mezas, 5 barricas e 2 raixas
ferrigens, 2 dilas marmore, 3 fardos cober-
tores frigideiras de ferro, 40 arrobas de estopa de
linho, 4964 meios de vaqueta, 290 saceos
com 1,450 arrolas do assucar, 372 rolos de
fumo, 96 tuboas do custatlo de amarello, 76
nem ) mullios de couiinhos do cabra, 106 barrisdo-
co de calda, 129 pipas igoar.lenln, 9400 c-
thosouraris da fsxemit ptovincial de Per-
oambuco, 9 de agosto de 1852.O secretario
Antonio Fcrreiri da AnnunclloSo.
Clausulas especiael da arrematado.
1.* A pintura da ponte do Casanga ser
feita deconformidadecom o ornamento ties-
ta data apresentado a approVacBo do Eim.
senbor presidente da provincia, na impor-
tancia de 385,000 r.
2.* Osrromatanle dever dar principio a
estas pinturss no praso de 30 das, e con-
cluir' no praso de 2 mezes, contados osles
prasos como determina o artigo 31 da lei
provincial n. 286-
3.' A importancia desta arremtar;ffo ser
paga em uina s prestaeflo quando estiver
concluida toda a pintura.
4.a Para tudo mais que no estiver deter-
minsdo as prsenlos clausulas, o no urc.i-
meot>,seguir-sn-ba oque determina a res-
peito a le provincial n. 286 i!o 17 de maio
de 1851.Conforme.O secretario,
Antonio Kerreira da Annunciaflo.
D
eclarajoes
O referido he verdade caos autos me repor- jC(JS d0 c0 Iiart 400 duzas cocos para bt-
pendcncia c do luiper
assignei, em i de verdade.
iJano.' los ta iluda.
VARltAJJE.
OIUGEM UA CUARDA NACIONAL.
A nova lei da guarda nacional d um ver-
da leiro interesse is particularidades se-
guintes sobre a origem e historia desta
instituirlo, a qual remonta aos pritaeiros
lempos de nossos annaes, debaixo do nome
do milicias urbanas, as quaes, segundo Gre-
gorio Tours, os reis merovingianos ira-
ziam em sua comitiva, e erun as CODdicOel
do lempo cm que vivia aquelleescriptur,
vordsdeiros guardas nacienaes so mesmo
lempo permanontes e movis. Depois do
estabelecimenio dos municipios, principal-
mente no reinado de Luiz VI, as milicias
municipaes foram rogularmente instituidas j
RAES DE PEIINAMHUCO.
Rendimento dodia 16.....440,171
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 16.....2:282,513
_ i, m 1 ).
Movimento do porto.
Navios entrados no dia 15.
As-ii 15 dias, Iliate brasiloiro Flor de Cu-
ruripe, de 97 toneladas, mestre Alexandre
Jos Alves, equipagem 9 carga sal ; a
Tbeopbilo Sevo & Companbia. Passagci-
ro, Francisco Martina Pereira, com 1 filho
menore4escravos a entregar.
Philadelphia 44 dias, brigue americano
lira lid v Win -, de 207 toneladas, ca pililo
David Cormick, equipagem 10, carga fa-
rinha de trigo, fazendas e mais gneros;
a Malheus Auslin & Companhia.
ffavios entrados no dia 16
Tribunal do commercio.
De ordem do tribunal do commercio da
provincia de Pernambuco.se faz publico pe-
la secretaria do mesmo, quo na dati de hoje
foi matriculado o senlmr Fredorico Robil-
liard, correlor geni desta piafja.
O vipor brasileiro Paraeuso, comman-
danteo capitSode fragata Manoel Francisco
da Costa Pereira, deve chegardos portos do
10:G68,67I norte at 20 do co: rente mez de agosto, e
3194,816 seguir para Maceio, Baha o Rio de Janeiro,
no dia seguinlo ao da sua ontrada.
13.863,487 O arsenal de marjnha compra 120 travos
de 40 palmos de comprido, lendo poi urna
faca oito polegadas e por oulra nove, sondo
a madeira de omberiha, sapucaia e mu; 1
ramduba ou corarjo de negro com encha-
mois de vinto duus palmos de comprido,
tendo em quidro por cida uina face seis po-
legadas para mais, do piimeira qtialidade; e
cincuenta ditusdo nula osis ditos de com-
prido, com seis ditas em quadro, sendos
madeira de omberiba ; lodasestas madeiras
ui'vi'in ser de primeira quali ladu o sem d :-
feito algum : as pessoas que se propozerem
veuder lies madeiras deverSo dirigir-so a
secretaria da inspeceo com as suas oro-
postas em cartas fechadas, no dia 20 do
corrente mezao meio dia.
Consulado de Portugal em
Per nan buco.
Avisa-so a (odas as possuas que por qual-
quer titulo se julgucm credoras do finado
subdito pnrtuguoz. Antonio Jos do Matlos,
que morava na c-sa n. 4 da ra do Codorniz,
a compareccreui nesto consulado, na ra do
Trapiche, casa n. 6, para a especliva veri-
iieiii; iu e pagamento de seus crditos.
Pela subdelegacia da Ireguezia dos Afo-
gadussefaz publico que se acha rccolhido
a cadeia desta cidade, um preto de nafao,
que diz ser escravo de pessoa pertencente ao
senhor Jo3o Hermenegildo, o qual foi preso
por ser encontrado fura de horas com urna
viola, luppoodo-M estar fgido; assim co-
mo foram mais aporehendidos 7 cavallos de
diversas cores, que conduziam diversos la-
drOes, dos quaes foram presos tros, sendo
um del!.- o mulato Joaquim.escravo do dou-
tor BoltrSo, que alm do furto confessou ter
feito una morte 00 lugar do Tot, fiegue-
zia da Vanea, sendo o morto filho de Luiz
de l'ranea; portanto quem se julgsr co n di-l,
reito tanto ao escravo como aos cavallos, I"
O trapeiro de Pars.
PROLOGO.
I'ersonagens e actores.
JoSo, trapeiro OSr. Joilo Aulonin ,i.
CosU. '
Pedro Garousse, idem Jniquim JosBi
ierra.
Jaques Didier, caxeiro decobrancas-j0,
quiin Jos Pereira.
Um cabo de esquadra e umi escolti H.
linha.
DRAMA,
JoSo, Irapeiro -- O Sr. Joo Antonio di
Costa.
Pedro Girousse, sob o nome de baraoHoff.
man OSr. Joaquim Jos Rizerra.
Ilenriquo Berville -O Sr. Luiz Carlos a.
modo.
Conde de Frinilair O Sr. Resende.
Loisau O Sr. Raymundo Jos de Anio
Lourdois -- O Sr. Manoel Jos Pinto.
Gripart --OSr. Pedro Baptlsla de Smla Rosi
I.a o nuil in o, e Luiz, criados do bario -n
senhores Luiz Antonio Munteiro, eAolo!
nio Jorge.
Um magistrado -- OSr. Manoel Jos pinuj
Caixeiro da casa dourada N. N.
Mara Didier A senhora D. Manotlli i;a,,.
lana Lucci.
Clara II .llnian-- A senhora D.Carmella |,UCC|
Madama Polart, paiteira A senhora I). \
ra Amalla Monteiro.
Rusina, criada grave de Clara -- N. N.
Mazagran, e Paulina, costureiras A seoho-
ra D. J.-suina Josephina Campos,
vigia deS. Lasaro -- N. N.
Uina criada de madame l'otard -- N. N.
Agentes de polica, guardas municlpu,
criados, etc.
A acea passa-se em Paris.
Por causa da grande extenso do duna
principiar o espectculo as 7 1 2 horneo
ponto.
TeuJo do comecar a 21 do correle asre-
presentacOes dadas pela nova empresa, ella
faz publico quo alem de quasi todos os bous
artistas aqui existentes, temacontratado 1
Sr. Joilo Antonio da i.osta, o quo es en do
Rio do Janeiro o de Lisboa os artistas Leo.
or Orsal, Uanoel Jos Mondes,e Josculum
Soller. A empresa procurar levar a sceo
dramas do grando iiiereciineutti Iliterario
o loleresSauteS vaudvilles, beai como (i-
zer loJos os inelhoramentos quo a concur-
rencia do publico pe 1 nuilII'.
O preco dos hilueles ser n mesmo di
empresa anterior. Asassignaturassaiiliipor
50, 25 o 12 recitas, leudo os que as.sigui-
rem por 50 recitas, o abat tnenlo de 20 0|0,
> or 25, o batimento do 12 0|0, o por li, o
uescoulode 8 0|0.
be 7 do iii'/i.'inl.rii ao lim do feveieiro nSo
se darSo recitas de assignalura.
As pessoas que desejarem assignar podem
desdo ja coa.parecer no escripturiotheitro
das 10 at as 2 horas.
PubcHCes litterarias.
I ELEMENTOS.
I DE 2
Ihomeopathia!
rnica i ee.i in nesto juizo, alm de legalmen-
te provarem.
Banco de Perna mbuco.
m
SAI1I0 A LUZ A 3.a E ULTIMA PAUTE
desta obra com posta pelo professorde
liiiiiii.'upalliia i.nssel llimonl Custiri
5/000 a obra inteira al 30 de junho,
dia em que licar encerrada a assig-
e esta uova organisirjao foi a consagragSoj Assu 45 das, patacho brasileiro Arisli-
dos oriviloeios o franqueza dos cidadSos des, mestre Joflo Antonio Gomes, carga
sal. Segu para a Babia. Veio largar o descontos dasemana que decorre de 16 a 21
pratico o receber orden. do crrente agosto, continiiam a ser os de 6
ataque dos flamengos
Dopqis os reis de Franca tiraram das tro-
pas municipaes um cnnlingente, a quo se
chainou a lova do lian de Cari. O mesmo
succedeu com os senhores para com os mu-
cipios emancipados por ellos. Finalmente,
o papel das milicias n3o so limilava om
seguir o ro ou os senhores guerra ; ellas
guardavam as muralhas das suas cida les,
maiitiuham a ordem o combaliam os cas-
tellaas quo ameatavam os seus privilegios.
O maire e os almotacs tinham o direito
do os convocar ao toquo do sino; elles
eram a prolec(3o natural dos corpos mu-
nicipaes.
Em Paris, alem disto, a milicia muni-
cipal dava p -.i filil' de vigilias de noito,
que se coa nava a ronda, e que faziam o
si'vieu coujunctamenle com os archeiros
do iei, conbecidos, depois de treze seculos,
pelo nome de cavalleiros da ronda, Esta
inslituiuSo comecou a cahirnoseculoqua-
lurzo, e cntao os archeiros rcaes (zeram
quasi sos o servido de noile.
Kulrclaiito no reinado de Joo II, a mili-
cia municipal do Pans adquinu urna im-
portancia maior do que pelo passado. Es-
i-v.u Matcol, preboste dos mercadores,
oncoiporou a ella lodos os cidadSos sem
excepcSo, o que levou o numero dos mili-
cianos, mailtolins o oulros a 50,000.
Em quasi todas as cidades do reino, as
milicias municipaes eraiu a nica dofeza,
por quaulo o oxercito regularmente per-
manente i'.iiu eslava anda constituido. Os
h .iiiiiinU's de Caliis silo celebres pola re-
sistencia heroica que oppozcram duranlo
onze mjzes ao exercito do Eduardo III Os
de lui.io lutaram com a enegia do desespo-
ro om 1418, cm despeilo da fome, contra o
exercito inglez, at o da fatal cm quo
Guy o Bouiller, seu governador, os tratnu
o vendeu ao eslrangeiro. O.uaudo Carlos o
Temerario siliou Beauvais em 472, esta
natura. Esta obra he til, tanto para
a? os mdicos quo se dedicare o ao es-
O conselbodi3dyccr;ao declara que 01 _ todas as pessoss de hoa vontado t/ue 0
6 9 quizerom couvoncer-so por expeiien-
*. cas da vordade desta doulriua, por 0
9 ser ellarauilo clara,e a intelligeucia 4
CJJ de todos, *
No consultorio homopalhico na 4
ilasCru/.es n. 28. 9
tas, que a ultima presUcSo de 25 porcemo
O Dr. Jos Raymundo da Costa Monezes,'com quedo confonnidado com os respccli-
juiz municipal supplente do segunda vira vos estatuios deveriam enirar de 15 a 31 do
" corrente, para a caixa do Banco, lica trans-
ferida para occasio opporluna, que ser
deviilamenlo anuunciada por este mesmo
Diario. Banco de Pornambnco 14 de agos-
to de,1852.O secretario do mesmo con-
do civel e do commercio desta cidade do
Reclfe de Pernambuco, por S. M. I. e C.
&C.
Faco saber aos que o presente edital fi-
na, que no dia 18 do mez de agosto prxi-
mo futuro se ha de arrematar por venda a selho, Manuel Igmcio de Oliveira.
quem mais der, depois da audiencia deste j o Illa. Sr. inspector do arsenal de
juizo, na cisa das audiencias, duas casas marinha manda fazer publico quo admita
torreas, urna sita na ra das Cruzes n. 5 no mesmo arsenal, para as obras do me-
avaliada em 1:000)000 ris, o outra sita na ihoramenlo do porto, serventes livros com
ruada Soletlade n. 8, avaliada em 800/000 0 jornal de 640 rs., assim como canteiros
reis, ponhoradas por Luiz Manoel Rodrigues 0u cnteos para as ditos obres : Os imlivi-
Valen;a contra Joaquim Carneiro Leal o sua jUos que esliverem nesla circunstancias
mulher, D. Mana Senhorinha de Almei la compaiecatn nesta secretaria para tratarum
Leal : e para quo chegue a noticia de todos com o mesmo lllm. Sr. inspector,
mandei passar editaos que serSo publicados Secretarii da inspecgSo do arsenal do
pelos jornaes a afilados na praca do Com- mantilla do Pernambuco, 13 do agosto de
memo e casa das audiencias. de 1852. No impedimento do socrctario.
Dado e passado nesla cidade do Recite aos Manoel Ambrosio da Conceicilo Padilha.
29 de julho de 1852. Eu Manoel Jos da Mol- .- De ordem do lllm. Sr. director goral
la, escrivSo, o suhscrovi. Jos Raymundo da lstraselo publica, farjo saber a quem
da Costa Menezes. convier, que S. Exc. o senhor presidente da
Perante a thesouraria do fazenda tem provincia, houve por bem designar o dia 4
de ser contratada, no dia 17 do corrente, deoutubro vindouro para concurso s ca-
co quem por menos lizer, a caia;3o do deiras de instructo primaria da Serra-Ta-
Inlerior da praca d"armas e quarleis da or- ihada e da Fazenda Grande,
taleza do Brum e pintura das portas o por- REAL COMPANHIA HE PAQUETES 1NGLEZES
A VAPOR.
No dia 20 deste mez, espera-
se do Sul, o bem conhecido
vapor Teviot, commandante
Onslow, o qual depois da do-
ladas dos mesmos quarleis, tudo conforme
o plano abaixo transcripto: os pretenden-
tes comparecam na sala dassessfles da nies-
ma thesouraria, as 11 e i horas do referi-
do dia, competentemente habilitados.
Secretaria da Ihesouraria de fazenda de mora do coslumcseguir paraaEuropa: pa-
Pernambuco 12 de agosto de 1852. O offi- ra pessageiros trala-sc om casa da agen-
cial-maior, Emilio Xavier Sobreira de Mello. c8( narua 00 Trapicho Novo n. 42.
Vice-consulado Pontificio em Pornani-
buco.
Necessita-so saberse existe nesta cidade e
Plano elor^amento para ocaiamento da pra-
ca d'armas e interior das paredes do quar*
tel da fortaleza do Bruoi,,**"1 pintu- ovinca subultl) rom10 de noma Jos,
ra das porlas e portadas do mesmo qp.r- P ^ aiinos do |MJ a |gM em|)arcu|1 e[t
ta'- .. .___ ___,_ Civita Vecclua com destino a este imperio,
V&t&S^J&uSSjEZ o qual he niho de Ros. Ferrari, vuva de
Avisos martimos.
cidade foi defendida por urna milicia mu-i caiar-se-bSo com as domis quo lorem :-
nicipal. Mr.m-se as propriM .JarL^u, .A J qaeflquam ^ bnoOM "orh^o^ellod^TpeZe'n
coinpauhii de archeiaos, sem todava tirar
aos ci ladSas o direito de se armarem. El-
les usaiaiii deste direito a 12 de miio de
1228, lau^ando-se por delras das barieadas
da Liga, e obrigaram llenrique III a deixir
o capital.
Depois da Liga, as guardas urbanas se
dissolveram em quasi todas as cidades
e no lempo de Luiz XIX, ellas foram postas
sob a dependencia dos lugar-tenentes do
ro, e tiveram mais o direito do nomear os
seus olliciaes.
Em 1750, um edicto de Luiz XV prohibiu
que ellas se reunissem ; ellas desippare-
reram quasi iuteiramenle, salvo excepcOes
sem importancia, os foi depois da convo-
cado dos estados geraes por Luiz XVI
que ellas fursm umversalmente reslabele-
ci Jas, ua base a mais larga possivel, con-
forme a pelifSo que lu na sido feili na*
actas, as quaes os eleitoras linlism ex-
pressado seu voto. Ho a datar desta epo-
ICS, jauciiou, pii.m"i nv ..
das do mesmo quartel, repondu-so os vi-
dros que esliverem fracturados.
Recife 8 de agosto de 1852.Jos Joaquim
Rodrigues Lopes, major do cor po deenge-
nheiros.
- O lllm. senhor oicial-maior, servindo
de inspector da thesouraria da fazenda pro-
vmcia ,cin cumplimento da ordem do Exm.
senhor presidento da provincia, de 6 do cor-
rente, manda fazer publico que nos das 17,
18 e 19 do mesmo ir a pra?a para ser arre-
matado perante o tribuual administrativo
di mesma thesouraria, a quem por menos
fizer a obra da pintura de alcalro e oleo na
ponte do Caxang, avaliada em 385,000 rs.
A arrematagao ser feita na forma dos ar-
tigo* 24 e 27 de lei provincial a. 286 de 17
de maio de 1851,e sob as clausulas especiaos
abaixo copiadas.
as pessoas que se propozerem a esta arro-
mati$!io comparecam ni sala dassessOes do
mesmo tribunal, nos dias cima indicados.
THMTltO
gravo, mandam que o jult. emendando osen ,re|,a ,|08 bons peitencentes a seu casal, do
referido d.apacho deftra o H'grav'nle na l..r- fa administrador, e porisso
m\\Z^,&Zc^!,2i:^L\n forma U> i^nto da prizo, dando
.idente. Bastos, Luna V. e Pereira Monteiro. I portanto provimento ao aggraviote em seu
ca que as milicias urbanas torotram o no-1 pe]u [ji^jo rJia, competentemente habilita-
nte o guardas nacionaet. 1 .,.,
dai.
E para constar a* nandou alxar o pre-
sente e publicar pelo diario. Secretirii da
Primeira recita da nova empresa e
da asignatura.
ESTREA DO ACTOR J0A0 ANTOMIO DA
COSTA.
Sabbado 21 de agosto de i85a.
Depois de urna brilhante ouvertura de
e,ompnsir;So do director da orchestra, o Sr.
Pedro Nolasco i: iptista, subir scena o
drama de Mr.Flix l'yal, em 5 actos, 12 qua-
ros e I prologo.

Para Lisboa o biiguc porluguez Via
jante, capullo Manoel dos Sanios, pretende
seguirviageni no dia 30do correle: quem
no mosmo quizer cirregar ou ir depassa-
geni, diriji-se aos consignatarios T. d'A-
quino Fouceca & Filho. na ra do Yigirio
n' 19, 1. andar ou ao capito na praga.
Para Lisboa o brigue portugus Novo
Vencedor pretende seguir viogem por I0J0
o correnlo mez : quem nellequuer carre-
gir ou ir de passagem enlenda-so cornos
seus consignatarios T. d'Aquino Fonceci d
Filho, na ra do Vigario, n. 19,1. andir.ou
coroucapilao Borges Pestaa na prafi.
Para o nio de Janeiro salie
at o dia a5 do corrente, o brigue
nacionol Recife, o qual j tem a
maior parte da carga prompta, e
para o resto, passagiiros ou escra-
vos a frete, para o que tem rnuito
bom commodo, trata-se na ra do
Collego n. 17, segundo andar, ou
com o capito Alanoel Jos Ri-
beiio.
-- Para o Rio Grande do Sul seguir bre-
ve o brigue Social por ter parte do seu cir-
regamento promplo, o quil pode receber
alguma carga a frete, e quem prelender
pode tratar com Amo-Em Irm.los : narua
da 1.111'. n. 3.
Para a Bahia.
A escuna Adelaide seguc ate
o (im da presente semana : para o
resto da carga, trata-se na ra da
Cadeia do Keci numero a3, ou
na do Trapiche Novo 11. 16, nose-
gundo andar.
Para o Cear segu com brevidade o
patacho Santa Cruz recebe carna de I rete
passageiros : a tratar ao lado do Corposan
to loja de massames n. 25. ^.ae-rt
Leilfto.
Francisco Severiano Itabclli & Hlbo,
far3o leil3o, por inlervenco do ageoie r.
G. de Oliveira, e por conta e risco '"T
pertencer, de 10 pipas de vinho da ligue1 ,
o 9 bal 1 is de presuntos, em lotes a vunla
dos compradores : terga-feira, 17 do eu
rento, as II horas da inauha, no lrgo
Alfandega. gj
Avisos diversoe^^__
Companhia de Bebiribe.
\ administrado da cotnp"h!a
de Bebiribe, marcou odia 17 d
corrente, para elTectuar o contrac-
to da arrecadacao da taxade ao rs.
por balde d'agoa: as pessoas q
se propozerem a contratar d'rl"
jam-so ao cscriptorio da compa-
nhia, no referido dia, pelas 4 ll0"
ras da tarde.


3
Jlanuai do doutor Jarh, traduzido
em portugus.
,6,000 rs. de asignatura.
unjo a luz o primeiro volume dejaU obra,
melliorde todas em seu genero : o nico
- T oiro livro, por onde se pode estudare
irar a homeopalbia. Est ntidamente
Se* que conten o original para denotar
i nvrenca do valor dos symploTas.
" vS *"'" no consultorio ho-
m, alhico do r. Moscoso, ondo os senho-
ShSSmm p6leBi n"nd"'receber '
>C\n m,CsraoUcesultorio lia todos os medica-
JZ homeopalhicoa VEBDADE1R0S I as-
fSSm rica* c.rte.r.s, ei re forma m -se
Hcsauer boticas, cujos medicamentos se-
' falsos, ou deteriorados..
1 precisa-se de un caixeiro, que enten-
j, Jo pharmacia : na botica da ra do llan-
*' "j LB. Taborda embarca para o Rio de
ItMlro, a sua cscrava creoula, de nome
"'"'Napolen Gabriol Bez retira-se para o
lia de Janeiro, levando emsua companhia
seu escravo pardo, de nome Luiz.
- Luiz i'.orreia da Conceic3o, estableci-
do com loj. de Ifiate, na rua^ do ViBr>
21 [ti sciente ao publico, que do hoja
m chante, se asaignar Luiz Crrela Duar-
,r or haver outro di igual nome.
1- Precisa-se de urna ama, para cosinhar
n diario de urna casa na Iravossa do Cor|.o
S,.n.uom precisar de um mestrepara bar-
rica dirija-so a ra do ijuoimado n. 2* ,
ia M dar lianija a sua conducta.
.. E. Truchon, cidadao francez, retira-se
i.ara a Europa.
.11 Francisca Thercsa Nunesnada deve,
o se alguem se julgar credor, aprsente sua
cunta que sera inmediatamente paga.
Freleriro llobilliard tendo oblido do
mcnlisiimo tribunal do commercio o com-
notente titulo de corretor goral desla pra?a,
em virludedo que, faz sciente ao resaeila-
vel publico, que est eslabeleci lo nesta qiu-
Ijdada para exercer todas as runceoes, que
niirctm o cdigo commeicial uo titulo 3.',
r.pitulo 2.' dos correctores no art. 45, quo
Jijo sc^uinte: O corretor pode iutervir
um todas as ronvencoes, traussciJes o ope-
raros mercan lis se assim osseus priucipacs
negocias do intervencao ; serio de comprar
c vender gneros do pail, a fazen las do im-
pnrlaclo de todas as qualiJadea, navios, ac-
etos do banco ooutrus ttulos, met.es. no-
ociir letras ae cambio, desmatar lettras da
Ierra etc. etc., prometiendo o annuncianlo
omaior telo oactivilade no cumprim'nto
c|c lo los os negocios confiados ao seu cui-
dado, e c >nvi la a todas os pessoas, quo com
lie iiinzereni tiatar, para se dingirem ao
seu armazem, na ra da Cadoia do Recifo
ii. 4, anude tambem red-be qualquor fazen-
da pira ven ler ou em deposito, em quanto
nJoseeffectuar a venda.
.-Declaroquo recebi do actual thesoure-
rodaloja l'hilolhimia, a qcantia de 50,000
rs. por conta le 214,515 rs. que a mesma
laja me era devedora do lempo em que Tui
sen thesnureiro. F K. T.
0abaixo assignado, tendo por noticia
iiueporeXtcucSoda fa/enda provincial,vam
.,prar; os predios do senlior coronel Jos
Pedro Velloso da Silveira, e entre estes pre-
dios fra penhorada urna casa terrea no pa-
leo do S. I'edro desla cidade, em a qual lie o
annunciante consenhorcm quasi melado da
dita casa, a milis do finta annns, por Ihe tai
tocado em legitima de seus finados pais Jo3o
Noiiomuceno Cocllio da Paz o Francisca do
(armo l'oreira, faz pelo prsenle sciente a
quem por ventura quizer laucar em dita casa
que o annunciante lio oonseabor em dita ca-
sa, e protesta liaver de quem a airematar,
n.lo so o valor que nella lem, como os ton-
dimenlos de alguns aonos quo esta por ser
pagos di'lle.1, e pelos qoaes necessariamen-
le se ada sujeita a dita casa.
Antonio Coelho da Paz.
lioa gratilicaco.
l.ralifica-sc com 50,000 rs. a quem appre-
liruder o molcque Luiz, que fugio em 21 do
lullio d 1 crrente anuo, de i ade 10 a 12 ali-
os, natural da villa de Gaiai.huns, compra-
do a Manuel Jos alendes llastos, morador
na mesma villa; levou Calca do listras, e
cinisa deriscado.de cor fula, ollios vivos,
ps pequeos, lem um Ulhono rosto de
una queja; julj^a-se que estoja inlroduzi-
doem alguma casa, inlitulandii-se livre, o
't com nome trocado para o que Idn mul-
la astucia, pois ja coimnelleu igual emite;
poilanlo ruga-so a todas as autoridades po-
liciaes o capilScs do campo, que o peguein n
levem na rus Direita, venda n. 76, que rece-
'Lilia gratificarlo cima.
Prccisa-se alugar um andar de casas,
no ateno da Boa-vista, ra da Aurora, ou
em Santo Antonio, sendo lina ra : quem ti-
ver dinja-se a ra do yueimado, loj* n. 10.
Iiuseja-su alugar una s|i e um quarlo
|.na um homem soltoiro : quem tivorpara I
alugar annucicie.
-- A pessoa quo deixou na secretaria da I
inspecc.Su do arsenal Ue matintia, j ha dias,
un chapeo de sol, diiija-so a mesma, quo
dandu os:signaes certos, llie ser entregue.'
- A pissoa quequer fallar com Joaquim '
Pereira da Costa Larangeira a negocio, din-
jisearuade S. Jos n. 2.
Aos senliores de engenhos.
A pessoa que annunciou para administrar
engaitos, levando 10 a \1 escravos, avisa
que au s administra como tambem un en
da um que no diste mais de 10 legoas:qum ,
pretender qualquer dos referidos negocios, !
aliaiicandu o annunciante multas vantagens,
proeure na ra Augusta ao p do viveiro.
--Tendo defazer urna viagem a provincia I
das Alagoas, onde mo de.norarei por espato
dequatro ou seis me/es doixo fazendo as
minhas vezes em minha auzencia o Sr. Itr.
Pedro ile Allahyde Lobo Moscoso, distincto
medico honieopatha desta capital. O Sr. lo\
Prea Hamos Jnior Pira incumbido do dis-
Inbuir de grar;a aos pobres os remedios de
le precisaicm ; elle pode ser tambern con-
cillado com vanlagem em todos os casos do
molestias. Tres anuos do pratica em minha
numerosa clnica, acompanlia la dos indis-
pensaveis eslu Jos para o esercicio da borneo -
; :ii::i o lem l.ni 1 iluin para dosempuobar
nnissao de que o deixo encarregado. Tam-
Iipui (ica o mes.mo Sr. r. Pires Hamos J-
nior de possede minha opllma collecr;3o de
medicamentos homeopaihicos preparados
<'m grande parte debaixo de minuus vistas,
a dos quaes tenho sempre tirado os mais
lelizes resultados no tratainento das mnles-
lios,quer agudas, quer cbronicas. Mu \ i-
das substancias vegelues s3o colhidas nesta
Provincia, Uevendo eu urna boa parto desln
tribalbo ao mcu bom amigo Sr. Corunel
Joaquim Canuto de Kigueiredo, proprielario
do engenho 8. Francisco, a quem nesta oc-
casiSo no devo drixar de tributar um pu-
1-1 "'<> testemunho de gralido. Aproveito o
ensejo para offerecer a lodosos Peroambu-
etnos em geral, e multo em particular aos
meus amigus, meus Traeos servidos naquella
Provincia para onde parlirei no pnmeir va-
por, que vier do Norte. Hogo a todas as pos
was, quecommigo tem contas, qoesedig-
>em desatisfaze-laa al o dia 20 do corren-
'e. Creio quo nada devo a pessoa alguma ;
mais so alguem se julgar meu credor, te-
"na a boadade de mandar sua conta com a
maior brevidade.
Ir. Sabino Olegario Ludgero Piuho.
Um moco soltairn, qoa tem bastante
pratica, ae offarece pira criado, ou meamo
para ortelSo de qualquer sitio ; podeodo ser
procurado ao aterro da Boa-Vista venda
a. 49.
Atiendo.
-- Pesso encarecidamente ao senhor V. S.
C, que he morador no llemedio, que venlia
pagar na ra Nova a fazenda que levou para
amostra desde o anno pasado; o nSo fazen-
do esto pedido ver nesta fulba o seu nome,
a fazenda, e o modo co"* que levou.
OKesponsavel.
Oabaixo assignado acha-se em activa
cobranca de avultsdas quantias de diversos
dos seus de.vedores, que sao bem conheci-
dos em Pernambueo, na qualidade de gran-
des proprlotarios na freguezia do Cabo o
deixou na sua loj da ra Nova no Recife ao
senhor Caetano Silverio da Silva, encarrega-
do do comprar e vender, pagar aos crodores
da dita loja, e receber dos devedores, com
plenos poderes para faxer qualquer transac-
cdo em ftvor da dita casa de commercio ; e
para quo chegue ao conhecimeuto de lodos,
faz-so o presente annuncio.
Antonio Gomes Villar.
EmlSde agosto de 1852, sen lo licen-
ciado para paasear, fugio umescravo.creou-
o, dosertSo, de nome Simplicio, de idade
pouco mais 011 menos 32 annos, estatura al-
ta, bem felto, peitos largos, pernas delgadas
propnrcionalmente, pouca barba.descarnado
das faces : j em Bol de 1850 fe/ outra f-
gida e foi apanliado em Mara Preta indo
lislarcado na qualidade de portador de or-
las que levava para entregar a alguem : ro-
ga-se a todas as autoridades policiaes o pa-
pila 'S de campo hajam de o mandar apanhar
m qualquar lugar em que elle apparecer, e
fazo-lo condiizir a casa de seu dono, Nor-
berto Joaquim JosCuedcs, morador dentro
do Itecife. na ra do Aoollo. Esto oscravu era
empregado cni servido de canoas o alvaren-
gas.
No dia 2de jullin do 1852, fugio um rs-
cravo de nome CeralJo levando camisas e
calcaa de algoJo da fabrica da Babia, do
idade 20 annus.pouco mais ou menos,oreou-
lo, estrilara media puxando para mais alto,
corpo delgado a bem feto, com marcas de
bexigas em todo o oorpo, bem (alientes
no rosto em qnantidado, nflo muito velhas,
era empregado em sorvico de alvareugas e
cauoas. Igualmente anda lugido desde o
domingo do pascua, um oscravo de nomo
Antonio, cieoulo, 0 qual falla muito bom e
multo ladino, Sem barba, representa ter 25
a 30 auno., de idade. Este foi escravo do dou-
' tor Jos Naroiao Camello: roga-se a lo las as
autoridades puliciaos, e capites de campo,
'hajam de os mandar agarrar em qualquer
luxar quo ellea apparecam, e os facam con-
1 duzr a casi de seu dono, morador dentro
do Itecife, na ra do Apollo, Norberto Joa-
quim Jos Cuedes, que gratificar seu tra-
balbo.
Cbegou ra do Queimado 11. 31, novo
sorlimenlo de vidrus com agoa para fazer
os cabellos c suissas prelas ; a elles antes
que se acabein.
Um rapaz brasileiro de boa conduela
se offerece para caixeiro de urna casa es-
trangeira ou de outra qualquor, a except3o
de loja o venda: quem de seu preslimo se
quizer ulilisar aununce a sua morada para
ser prucurailo.
Ilesapparecou no dia 3 do correute mez,
do sitio de Francisco Carneiro Machado Ros
nos Afogados, um seu escravo por nomo An-
tonio Cassalubapreto, de idade 38 an-
nos, o qual tendo sido accommetldo .leapo-
plexia fulminante, no dia 28 do abril, licou
depois disto leso ; levou cunisa de mada-
poiao fino e calQas de riscado : quem livor
noticias do mencionado prolo participe ao
annuncianlo no dilo sitio, ou a leu mano
Antonio Oaroefrn Hachado Ilios, na Boa-Vis-
ta, que sera lecumpensado.
--0 ahaixo assignado tem contratado a
compra da casa cita na Iravossa de S. Pedro
n. I, quo foi da (inda U. Brgida Maria de
Castro, quem se julgar rom dlrelto a mesma
por qualquer titulo, penhora lo, ou hypo-
thecaqueira declarar no praso de 8 das.
Manoel lluarquede M. Lima.
-- pncisani-sode dous cralos para urna
casa ingleza, sendo um para cosinhar, e
servir em casa, e nutro para servir meza, o
bolear: a tr.ilar no armazum 11 62, da ra
da Cadeia do Itecife.
--No domingo 8 do corrente fugio um
preto do nome Agostinbo com os signaes
seguintes : cor fula, roslo roJondo, sobran-
celhaspretas e fechadas, levou caiga deal-
godao branco da lisias ; sabio da Estancia
para ir receber 16,000 a mandado de seu se-
nhor e receliendo-os niio vollou mais : ro-
ga-se a quem o apprehender o leve a ra
do Collegio n. 3, ou ao Mondego a Felis-
bino de Carvalho Raposo que recompen-
sara.
-- O bacharel formado J0S0 Vicente da
Silva Costa transfeno a sua residencia do
atlorro da Boa Vista n. 2*,para a casa n. 49,
da mesma ra.
O Sr. Dr. Augusto Lemenha Lins lem
caria viuda do Matto 1 na ra do Sol n. T
Procisa-se alugar urna niulher fo-ra
desempedida quesaiba engommar, e cosi-
nhar : a tratar na ruada Cadeia do Santo
Antonio em casado escrivSo Coelho.
-- Quem tiver o quizer vender por prego
coinmi)do,osvolumes5.' o 7. do Panorama,
embora ja usados, annuncie para ser pro
curado.
No dia 6 do corrente ausentou-so de ca-
sa do abaixo assignado, o seu escravo So-
verino, Angola, estatura baixa, mal feito de
ps, idf. le 28 annos pouco mais ou menos,
louca barba levou calca de riscado
camisa de algodSo branco, e bouel do panno
azul, velho. Este escravo foi comprado ha
pouco mais dedous mezes, ao senlior tenan-
te J0S0 Marinho Cevalcanti de Albuquerque,
morador na povoago do Monlciro.e por ler
desapparecii'O sem motivo plausivo! suppOo-
se ter sido seduzido por alguem; pelo que
o abaixo assignado protesta proceder contra
quom acoular o seu referido escravo, e pro-
meti pagar generosamente a quem delle
ler noticia, ou apprehende-lo
Jos Ignacio de Loyolla.
Precsa-se saberse existe nesta provin-
cia Remigio Borrlo, natural da ilha da Ma-
dcira.vindo pira esta cidade 16 anuos pou-
co mais ou menos; em caso ailirinativo,
queira .lirigir-se ou mandar a ra do Trapi-
che, casa n. 6, a negocio do seu particular
interessn. .
-- Francisco Uorcira do Carmo, subdito
porluguez, retira-so para fra da provincia
-- Existe para alugar urna escrava de meia
idad para o sarvico de dentro de casa, a
qual cosinba e engomrrta: na ra Nova n 16
-- Christovaolonizo de Barros embar-
ca para o Rio de Janeiro, o seu escravo cre-
oulo, de nome Antonio.
No da 27 de abril do corrente anno,
fugio de Mucei, na provincia das Alagoas,
o molato Innocencio, pertencenta a Anto-
nio Xavier de Norouha Torrez3o, cujos sig-
naes sSo os seguintes : molato acabocolado,
alto, cabello corrido mal encarado, pouca
barba, sem denles na frente, falla a mauei-
ra do Para, donde he lilho, mostra ter 30 ao-
nos, pouco mais ou menos, consta ter-se
internado na provincia em comparliia de
um homem branco, e como possa passar pa-
ra esta provincia, dnr-s-ha boaa alvicaras
a quem o levar ao inspector do arsenal de
marinba. .
__ Avisa-sc ao respetfavcl pu-
(raliica-se com 5o,000.
Pordeu se no dia 7 do corrente um em-
bralho, contendo dentro a qoanlia do 347 a
350,000 rs. em aedulas, cujas olassfio; urna
de 200, e as miis de 20, 10,5, 2 e 1, desde o
aterro da Boa-Vista atea ra da Cadeia do
Recife: roga-se a pessoa que o ..clin 1 que-
rendo fazer esta generosidade, dirjase a
ra Nova n.26, loj, quesera .-ratificido.
No dia 20 de maio do corrente anuo,
ser valida para qualquer transac- disertou um soldado do corpo de fuiileiroi
navaes e levou furlada urna escrava de nome
cao.
blico, que se acha aberto, na ra
do Trapicho-Noyo n. i4, o Bazar
para compra e venda de fazenda-
ou outro qualquer objecto me-
diante urna mdica c"ommissao ,
cujo estabelccimentoser adminis-
trado por Joo Cowie, cuja fuma
Boza, mossambique, idade piesumitel 36
fe'*B Mudanca de estabelecimeuto. ;dodosem um palem dosignal na testa,pro-
Jos Luiz C.uaiaco tem a honra do fa- J : pria de sua nacHo : o soldado chama-se Ma-
% zer sciente ao rospeitavel publico, o noel Ferreira dosSantos.naturalde Pernam-
f/i em particular aos seus benignos re- buco, idade 27 annos, solteiro, altura 5 ps
i gueze8,quetransferio a fabrica elija 'ps, cabellos grenhos, olhos pretos. Quom
; de chapeos que tinha na ra Nova 0. m ,|ella der noticia, ou a aprehender dirija-se
i, 52, confronte a cocliera do senhor i
V Adolpbo, para a mesma ra n. 4,jun- r*
ti lo a loja do senlior A. Colombiez, on- J
'tt de estar sempre prompto a fazer to- 9
i dos os esfor^os para bem servir a 9
fj) quemsedignardeohonrarcomasua 9
f$ conflana, etc.
**!*#*#*?*
Na ra do Brum, arrenda-se o quarlo
andar da casa de A. F. da Cunha, edificada
moJerna, e com asseio, leudo encllenles
commodos para urna familia :tracta-se na
ra do Vigario n. II, noescriptoriodo mes-
mo.
Publicaces llomeopathicas.
A 25 UE AGOSTO sihir luz a conlinua-
?3o'da pathogenesa homeopathca.compos-
ta de 12 medicamentos europeos, trrduxida
do manual do UR. JAlilt, e a de 12 medica-
meulos aaASlLEaos exlraliiiia da obra nti-
lulida Doutrina da Escola Homeopalhiea do
RIO UE JANEIRO, pelo DR. MURE. Este vo-
lunte ser augmentado da Theuria di appli-
ca?ao das dozes pelo Dr. Muro, lacinia im-
portantissima doxada por llahncmam ao
cuidado dos seus discpulos. Itecebem-So
assignalurasa 3,000 rs. pagos na occasiao
da entrega, no cnnsultuiio do prof. borneo-
paih.i Gossct llimoui, ra das Cruzes n 28.
Aluga-so um sogundo andar, por 13,000
rs., com baslantos commodos, na ra da
Senzalla Velha n. 42, e duas casas terreas,
novas, defronte dboito do Pilar n. 1 e 3, a
9,000 rs cada urna: quem as quizer alu-
gar, dirija-se aoscu propiielano, na ruada
Cruz do Recife n. 12, quo he Jo3o Leile Pita
Ortigueira.
Precisa-so saber.so existe nesta provin-
cia, Remigio S;ir3o, natural da Ilha da Ma-
deira, vindo para esle Ci lade 001 Caso allir-
malivo : queira dinjir-se o mandar a ru.i do
Trapicho, casa n. 6, para negocio do seu par-
ticular interossd.
Prccisa-se de um homem que saiba
ao arsenal de marinha aentender-se com o
inspector do mesmo quesera recompensa-
do.
Traspassa-se o arrendamento de um
sitio, na estrada nova do Remedio, com urna
boa casa, e terreno com bastantes propor-
i.-'ii's para plantar ou criar; a tratar na mes-
ma estrada, ailio em que esteve o Hacam-
bra, ou na ra da Cadeia do Recife, sobra-
do, n. 1.
~ Precisa-se de um feitor, para um sitio,
e quo soja bom trabalhador, prefere-so por-
luguez : noPasseio Publico, loja 11. 11.
-- Machado & Pinheirn remeltem para
oRJ da Janeiro, o escravo Francisco, de
nafSo Anguila, para ser all entregue ao seu
proprielario Jolino Jos de Araujo.
HOTEL DA BvattA
RA DO Tlt\PICHE n. i,
Com a entrada pola rtia dos
Taioeiros.
II .vendo esto estabeleciment difUnitlva-
mente passado a novo proprielario no dia
primeiro do corrente, assegura-si n3o s
aos senlio'es antigua assignanles que se dig-
11:11 1111 continuar, como aquellos que de no-
vo o boiirarcm d'ora em dlante, que serio
empregados os possivois esfor(os alim oe
que ah se encontrem asseio, perfe^au, e
sulliciencia ; continuando os preQos ja esta-
helecidas para provimelos tanto no hotel
como para fra; bem como assistencia em
sallas ou quui tos, etc.
O Sr. Joaquim dos Santos Azovedo apre-
sante recibo. este reconheiido, om cunu
j paguu as 600 telbas e 100 la Irilhos qu
compruu em fevcreiroilo 1847 a Jos Car
neiro da Cunlia por 17,000 is. so nao o li-
terficart conherilo por mo pagador; as-
sim corno do balde se torn.> chama-lo a Jui-
co, purque esle senhor nada tem em seu no-
me; protesla-se nada mais dizer porque
americano faz publico que o deposito cons-
tituido por seu autor, lio em sua botica na
ra da Cadeia Velha, n. 61, e para evitar
quilquer encano, se achar a assigua'.ura
do abaixo assignado em manuicripto, so-
bre o involtorio impresso do mesmo frasco.
Vicente Jos de Brito.
OlTerece-se um moco brasi-
leiro, para lazer a esc turacao rtn
qualquer entabuiecimento nesta ,
ou em outra pra9a ; tambem para
caixeiro de cobrangas, administrar
engenbos, 011 cnsas de negocio no
mato, nromettemlo tudo desem-
penhar da melbor fima, por isso
que tem bastante pratica dando
liador a sua conducta : na ra do
Hangel n. 36, segundo andar.
^yydMi^fK|Ba^iKWWV:WIKKWW0S0S|)W
'% Botica homopathica. *
28 RA DAS CRUZES 28,
+ ja
0. Dirigida por um pharmaceulico ^
a> approvado. -^
* Esteestabelecimento possuo todos*
2 os medicamentos at agora experi- *
Comprim-ce cartas iihysco-malhoma-
ticis de Theodozio a Eugeni, para servir do
supplemento a recriacao philosophica por
T. A. C. O. : quem as tiver dirija-so a ra do
Incantamenlo, no II cife, loja de bahus.
-. Compra-sem urna preta que tenha algu-
ma ii.iluiil.nl,-, o um preto que seja forte,
ambos de born s figuras, e que nSo tenham
.viciosnem achaques: na ra do Amoritn
n. 25.
Compram-se dous mulatos de 12 a 16
annos de idade, 6 que sirvam para pageos:
a tratar com Luiz Comes Ferreira, uo Mon-
dego.
V eiidas.
Lotera do to de Janeiro.
aos ao.000,000 de rs.
Na lojademiudezasda praga da
Independencia n. 4 vendem-se
billietes inteiros, meios quartos,
oitavos e vigsimos da decima
quarta lotera do hospital da San-
ta Gasa da Misericordia : vem a
lista no primeiro vapor que che-
gar do Rio de Janeiro.
manejar o arado eapplic.-lo, com e-spec: Pernambueo he pequeo, e nos somos do
1.dado a cultura da cana; quem estiver oes- publico conhecl lo.
O Sr. Joaquim dos Santos Azevedo v
pigar 17.Ojo rs. que deve na olaria dosCoe-
Ihos, queem quanto nao o lizer vor sem
pre seu nomo nesta folha.
Precisa-sede um feilor para um silio
perto da prac, prefera lo-se portuguez.ou
ilheo ; a fallar no armajem de II Carneiro,
na ra do Trapicho n. 38.
Na ra do Livramento n. 21, segundo
andar, compra-se toda o qualquer 1 urc.1,1
de pennasde Erna, paga-se bem conforme a
sua qualidade etc.
-- TerQa-feira, desappareceu da Casa-For-
lo urna 1 oreo com 13 bacorinbos, a porca he
'. nnelliii, o quasi todos os bacunnhos da
mesma cor, foi encontrada na ponte do Man-
B,pt,s"j!juo\VdaM7;Bulnllo.tpinBlu direcQSo da Soledade :
I quem dola souoer ou pega-la, love-a ao si-
la sala para homem solte- i UO do Chacn, junto ao do seuhar Nuno Ma-
ro, porbaixp da secretaria de polica, do na de miiii, que sera generosamente re
lado de mar : na ra do Crespo n. 10. 'compensan.
- l'ericu-sonamarug.dadoj luga-sc urna casa de dous
da 7 do corrente, urna mana de cavallo, de. andares, OU de lim andar e SOtO ,
ra das noca, doSo, ponieda iioa-Visia, At> grande familia, nos bairros de S.
trro, madoAragao, paiodaSaulaCrui, iua,o 11 v. tratar
do Sebo, em leguloieolo at a pataagem da- intOIIIO, OU BOJ V isla a tratai
Magdalena : pede-se a quem aachou a bondade a -soleJaJef sit0 dos J.COeS, a
de entregar nena lypographia, que ec giatili- '
tas ciicumslancias, querendo ir paia um
engtnho perto da praca, dirija-so ra da
Cruz D. 53, primeiro ou segundo andar,
onde mora o Dr. Cosme de Sa Pereira, que
echar com quem tralar.
Constando ao abaixo assignado, que
tendo sido vendido o estabeleeimento, silo
no attrerro i'a Roa-Vista n. 68, previne ao
conipiador do mesmo que est obriga lo a
pagar ao jicamo abaixo assignado, a quan-
tia de73,9S0, proveniente de geneos para
o mesmo, ou do contrario n3o faga nego-
cio algum. Ri-cife 13 de agosto de 1852.
CandiJo Alberto S. da Motta.
-- Precisa-se do una ama forra, boa la-
vadeira e engommadcia: na ra da Aurora,
cisa do senbor Elias "
dos expostos
Desappareceu no dia ai do
panado mez um cabra de nome
Antonio, que representa ter 3o
annos de idade, altura regular,
bem feito do corpo, ps pequeos,
be aleijado do braco direilo ao p
da munbeca, proveniente de feri-
mento d'arma de logo, e tem todos
os costme! e fab do mato. Este
cabra foi lurtado em i83.', e an-
dou pelo serto em varios lugares,
como fossem Kiaclto do Sangue,
Brejo de Bananeiras e Catle at
i85a, em queveio para esta cida-
de para o poder de seu senlior o
abaixo assignado; roga-se por-
tento as autoridades policiaes e ca-
pites de campo a captura do mes-
mo, e mandar entregar na ra dos
Pires na Boa-Vistan. 28, que se
recompensar generosamente.
Minoel Joaquim Carneiro Leal.
-- Um rapaz que tem bastante pratica do jdep'endcncia n. 6 e8,
commercio, so olferece para caixeiro de al-;. je 6 voluntes,
goma padaria, ou de cob.ran;a tanto na pra-
ga como no matto, dando fiador a sua con-
ducta : a tratar na ra llireita n. 30.
Arrenda-se o engenho Pituass, e tam-
bom ven le-ie a safra pendenle.quandocou-
venlia ao rendalario, oengenho;tom ascom-
modidades seguintes : di>ta smenlo para
a cidade deGounna, 4 legoas pequeas, e
de bom caminho, para o Porto do Craval,
on le he o embarque oulras legoas; lem
matas suficientes, e paos de qualidade para
o seu manejo, excelentes agas, muito ma-1
qualquer bora do dia.
9 Alugam-se e vendem-so bixasna 9
praca da Independencia n 10, con- *
Jl fronte a ruada Cruzes. 4
S" ,%f|rS* SJ99: f,
Us senhoies dos bairros de
S. I'edro Goncalves, Santo Anto-
nio e >S. Jos, que nao assignaram
a colleta do imposto de aoporcen-
to, sobre as ngo'ardentes, queiram
ir assignar at o im do mez cor-
rente, na ra das Larangeiras n
18, para que 11S0 se chamem ao
depois a ignorancia.
? ?????* ^a^*,**!' y afa^if*Fa*
9 .mil) ularnoax aentlsci
:4 de volt a eslu citlao > ser pi-ii 'iimiIo a qualquer -
$ hiii'it em sua casa : na run *}
lar-;i to Coisario 11. 3<>, se-
r un mi o anda 1*. *
f>. ^*w 9t9M9%9;9 #
Dos ispde.
Acaba de chegar do Rio de Janeiro, tradu-
zi Jo em porluguez, o excedente romance de
Alexandre llumas,que lem por titulo, Daos
ispOe, vende--.-.- na livraria da pnc. 1 da In-
a 8,000 rs. constando
noiro, boas trras de cannas, e ro(as, e pode
ser de agua com pequeo traballio : apessoa
que preleuder diri|a-se ao seu propietario
nu mesmo engenho.
-- Laa-so e engomma-se, com muita por-
feic3o e asseio : uo pateo da Ribeira doS.
Josc n 15.
* o senbor alarcelino llenrique Perei- 4
t r, queira ie' a bondade de vir pagar >
, na iua do Vigario n. 9 a quantia de 4
w rs. 177,500 que he devodor a perto jj
de qualru annos, do contrario tora %
tf de ver lodos os dias por esteDiario, 4
> este annuncio. ?
i**#e##**> ***#***
-- Precisa-se de urna ama de meia idade,
mas que seja capaz, para coxinbar e fazer o
mais arranjo de urna casa de duas pessoas ;
na ra da Roda n. 52.
Aluga-se e primeiro andar, da casa da
ra da Senzalla Velha n 22 : a tratar na ra
do Ai olio, armazem de assursr de Jos Ma-
ria Tliomaz da Silva.
Na Soledade, caaa n. 70 ao p do ferrei-
ro, veio ter domingo a noite um carneiro;
quem fr seu dono mande por elle, pagando
a despesa doste aviso, assim como a destrui-
dlo quo fez.
Rapbael Lucci, com sua senbora alaria
Grima Lucci, to at Lisboa.
-ffl^*'^3altSS*f
i, Francisco Conexivos de Moraes, don- ,.d)
f tor em medicina, avisa ao raspeitavel o
i! publico desla cidade, que ja se acha 4
y uesla provincia, onde contina a ex- 4
>. ercerasua proli-Moi ; :! p-.-s'ns que 4
fjjt della suquizerem Utiliiar, podein o 4
a> procurar na ra da Cadeia Velha n. >
j 9, primeiro andar. ;#
Para viuhos Traeos.
A verla bu a agurdente do vinho, vidfla
da Europa, a nica recotnmendada para
compor os inesmos quo estejam arruinados,
e licarem superiores com urna pequen^ des-
peza ; assim como para diversos remedios
que sem ella sen3o poderiam fazer, ou en-
13o n3o pruduzriam o cffeito desejado; ven-
do-se nicamente em casado Bainlu c Ma-
ce lo, na ra Direita n. 17.
--Precisa-se de urna ama de leite que uo
seja capliva; quem estiver nestas circums-
tancias, dirija-se a esta lypograplna que se
Ihe dir quem precisa.
fc^ Recebem-sa escravos de commissau,
compra 111-ae e venlem-se, tanto para dentro
da provincia, como para lora : na ra das
Larangeiras n. 14, segundo andar.
Precisa-se de urna ama forra, boa la-
vadeira, engnmmideira para servido de
urna casa ingleza: na ra da Aurora casa
do Sr. Elias llaptista da Silva.
-- Acha-se justo e contratado com os se-
nhores Francisco de Paula Pimenlel, Joo
Pinto de Vasconcelios, e J0S0 de Paula, a
compra de urna casa terrea pequea, sila na
ladeira do Varadouro em Olinda ; quem pols
ae julgar com direilo a mesma por alguma
li v.iu tueca ou outro qualquer eiiibaraco,lija
de declarar por espaco do tres dias, para em
mentados, tanln na Europa como no
Brasil, e preparados pelas machinas _^
da invencao do Dr. Mure. "'
PHECOS. 5
das carltirat homoputhicas. <%
F.mcarteiras de 12 tubos grandes 12/
a o a 9* 20/ -s;
24 pequeos 15/"*
* Tubos escolhidos (cada um) 1/ *
2 Tintura s dme licamentos em ^
frascos de 1|2oii(;a (cada uraj 2| 3!
^. Ha mais, a lem leslas, nutras muitaS ^
& caixascom glbulos e tinturas por ^gj
& preijos varinveis, conforme o lama- <*
=> nho ca qualidade das caixas, o a ^
E* quantidade dos remedios e assuas * dynamisucOes, ele.
AVIAO-SE gratuitamente
CANTO R PIAXOKORTK

Jim t'ao la duele Li lia
<--
? para os pobres, todas as receitas que J
C para ali mandar qualquer professor. ^
>4.ftfti!*i*i)iAA:AA!fciA!iA!fc-.it!*
Desappareceu no dia 6 do
corrente, um escravo muido, de
noiin' Marcolino. de iG a 18 an-
nos de i lade, de bonita figura ,
l>em filiante, com os signaes se-
guintes : < 1 .1 m :i baixa
comprido, olhos pardos, sobran-
ceibas bem pretas, sem barba, ca-
ra lisa, cor bem alva, ps bastan
te grandes, levou vestido calca de
casimira mi escura, com listra ,
camisa branca e chapeo preto, e
em mangas de camisa, porm he
de suppor, tenha mudado para o
traje branco, e inde calcado; este
mulato tem principios de sapatei-
ro, e he provavel se intitule por
forro, ha noticias deque elle an-
da nesta cidade e seus arrebaldes,
e tem casa aonde se oceulta, pelo
que se protesta usar dos meios da
lei, contra quem o occullar : quem
o pegar, len'-o a seu senhor, 111
ra da Cadeia do Recife, loja n.
22, que ser recompensado.
Madama Mathieu. eiiada que fui do ina-
drmu Uieber, tam a honra de prevenir o
maduiTiismo pernanibueauo, que veio esta-
belccer-se na ra da Cuia n. 5,coiu o lim de
encarregar-so om fazer msntaletes.vestidns,
manlilhas, e mais artigos do moda ; tambem
encarrci?a-so de nutras quaesquer costuras,
e rvcM por sua ooiui ti io e bom gosloa
concurrencia das pessoas que Ihe quucrcm
honrar.
-- Jos Moreira Lopos, roga ao smhor Vi-
cente l'crrcira da Cruz, professor do primei-
raa lettras da fregue/ia de Papacassa, o fa-
vor de llio remolleros competontes attesta-
dospaia po loi receber na tliesouraiia pro-
vincial os seus ordenados vencidos,que deu-
Iho em pagamonto.
*' 1? # S 9 ^
Y$i U bacharel Vicente Ferreira Comes 4
t mudou seu escriptorio de advogacia, 4
(g para o largo do Collegio, casan. 6, i
y primeiro andsr. 4
,y**#*> >*;, **>>>
-- No da 12 do corrente, pelas seis ho-
ras da tarde, fugio o escravo Vicente, de
nacSo Angola, que representa ter de idade
27 annos, altura menos que rogular, roto
redondo, com falla de um dente na frente,
cor preta levou vestido camisa de algodao
azul e caigas de riscado do mesmo, levando
urna canoca em que la ca regir agua; foi
escravo du Manuel 1 ... leo 1 Fncerraboies Aze-
vedo, mo'ador ni comarca do llio-Furmo-
so : quem o apprehen ler, o podera levar
ra do 1 I ;. 1 n. 3, que sera recompensa
do do seu trabalho.
Retrato da Daguerreolypo.
No attetroda Bou Visla n. 10, sobrado li-
ra-so ret'at 1 por Uigm'rreutypo cun toda a
.-i'i'l'eieo c iiihecida at agora O artista,
tendo pois do se demorar poucos dias nesta
cidaJe, visa as pessoas, que de seu pres-
umo se quizer-m ulilisar para que o procu-
ren! das 9 horas la mauli 1 as 4 da tarde.
O abaixo assiznado pedo as pessusquea
I ne sao devedoras de contas anlisas, do vi-
rem no seu armazem, na ra da Cruz n. 5,
satisfazerem seus debites at o dia 31 do
corrente; do contrario ver-se-ha obrigado o
promover a cobranza judicialmente.
William Bauch.
Os herdeiros do Jom Joaquim de Mes-
quita, em consequencia da dilliculdade que
ha em encontrar em casa os devedores da
extinta loja do mesmo finado: rogamaos
mesinos devedores do no praso d' 15 das
pagarem seus dbitos, para cujo lim so do-
v- cni dirijir a segunda loja n. 18, da ra do
1.111 uii.'ilo, sob pena de serem executados,
1101) pagandu seus dehilos no praso inar-
cado.
Jurel us o,, ii- utas lindar,
S nella he que existo amor,
S Lilia me sabe amar.
Por ti o Lilia
Quero vivor;
Vida sem ti
Antes morrer.
A modinhi cima, tem mais duas quadras
Polka exlralnda da la llouquetire, e urna
linda valsa dos noivi s, tudo em um folhcto
por 1,000 r<,; a valsa dos liem casados, pe-
lo compositor de muzica italiano o Sr. Fa-
cliinetl, pur 640 ra, contras multas muzi-
c?s mo lernis-imas ja nnnunciadas : na im-
prensa de muzica deM. J. R. Vieira, na ra
10 Bella 11. 28.
-- Vendo-se um sobrado do 2 andares, om
boa ra : a tratar na ra do Collegio 11. 13 ,
crgunlo andar.
-- Vende-sc na cocheira da travessa da
ra Bella, umquartao com bons andares e
muito manteudo, proprio para quem quizer
fazer viagem para o mallo, por muito bara-
to preco.
Vende-so una escrava creoula, de 2
annos de idade: as Cinco Ponas n. 82.
Vendc-sea nova loja do calcado da ra
Direita n. 30 a tralar na mesma loja, ou na
mesma ra n. 4, sogundo andar vendo-se
por molivudo dono retirar-se para fra.
Calcado barato.
Sapatos de couro de luslro para senhora a
1,280 rs., ditos de marroiuim pretos e de
cores a 500 rs., sspalinhos de colxutes a
400 rs., sapatos do Aricati para mouinoa
500 rs', spateles para homem a 3,0ul) rs., ua
prafada Independencia loja de caltjado do
Arantes.
-- Vnnilcin-seoilo escravos, sc.ido um bo-
nito carreiro, e qualro dilos de lo lo sovico;
tres escravas quilandeiras, o urna dolas co-
sinha o diario do urna casa ; o urna mulata
do bonita figura : na ra Direita n. 3.
Cortes de alexandrta para vestidos
tie senhora.
Fazenda esta muito morderna e de gosto,
chegada ltimamente a esto mercado, toda
de so la, com as flores coloridas, e com 16
covados cada corle : na ra do Crespo, loja
.i-ii.ice .i n. 4, de Antonio Francisco Pereira.
A 640 rs. a vara.
1 mil i'.-nas francezas, muito finas, dese-
nhos mo lernos, cores fixas : na ra do Cres-
po, loja amarella n. 4.
A 5oo rs. a vara.
Cambratas do cores, com quadros esco-
cezos, de cores lixas : na ra do Crespo.loja
amarella o. 4.
A 2,000 rs. cada corte.
Cassas pintadas do cores modernas, com
qualro palmus de largura : na ra do Cres-
po, loja amarella n. 4.
Vende-se um moleque allaiate; na ra
do Cabug, luja n 3.
Vende-se ua loj 1 de Jos Joaquim
Morena ck Companhia, na ra
Y va n. 8.
Lindas serpentinas de tironee douradas
de 4 luzes, lanternasdo vidrocem pos lapi-
dados de to los os tamaitos e do varios pro-
cos, ditaa com ps hron-oadas a 8,000 rs. o
par, lilas ca pellas brincas para noiva ,
molas soiiliiii a, sapatos de selim brancas reerbidas
palo ultimo navio de franca, luvas do to-
das as qualida es o de todos os preces, di-
tas pretal e de pelica para mo unas de qual-
quor i lea, ch ipeoslnlioa de soda para bao-
Us idos a 5,000 rs. Iions de palha da Italia
para homeui a 2.000 rs., bicos do blonde
pretos e brancas, filas nqiissimas lavradas
u lisas, ludo por preces que nao desagrada-
ran aos compra lores.
v:/v w,'w v,......;.;'
* Deposito de tecidos da labri-*
C ca de Todos os Santos, -os
; na Rabia. Jf
3^ Vende-se em casa do Domingos Al-g
j> ves Matheus, na ra da Cruz do Ite-^
*> cife n. 52, primeiro andar, algodSo^*
* transadodoquellafabrica, muitopro-J
f* prio para saceos e roupa de escra-s
vos, assim como fio proprio para ro-^
^ des de pescar o pavios para vellas,4g
p. por preco muito commodo. <..
(Jompras.
Compra-so para urna oncommonda, ac-
edes da companhia de Bebiribo, a 49,000 rs.;
na loja n. 3, da ra do Crespo, ao lado do
arco de Santo Antonio.
Compra-se
ma colxa de damasco encmalo; nesta
typographia, ou annuncie.
Compram-se duas escravas, creoulas,
de 12 a 20 annos, e um moleque do 14 a 1g
annos; tendo boas figuras pagam-se bem :
ua ra Nova 11. 16.
Compra m-se escravos do ambos os se-
xos, de bonitas figuras, de 10 a 25 annos,
tanto para a provincia como para fra, pa-
dem-so bem : na ra da Cacimba n. 11,
on
torneo 'lo .iWr7gVnMrieie,~ por 'isso se'ga morou o finado vigario do lineifs.
faz a presente declaracOo. Compra-se um escravo, preto, de meia (JompanlV 1 ,
O abaixo asaignado nico agente em idade, quo seja muito hel, e nao seja lieba-j ^^
Pernambueo deJ. B. D. Sands, cbimico do: noaterroda Boa-Vista n. 80.
iXa ra Nova n. 8, loja de J ise
Joaquim Moreira 6c Compa-
nhia.
Vende-se chapeos de sol do seda pretos
para noniem pelo baratissimo preco de 4,000
a 5,000 rs., a olles antes que te acabem ;
jarros dourados do porcelana para flores a
4,000 e 5,000 rs. o par, chapeos 'raocezes de
boa qualidado a 6,500 rs., luvas de pelica
potito inglez para senhora a 1,500 rs-, luvas
de seda pespontadas para senhora com seu
toque de mofo a 1,000 rs, o par. dilas de fio
da escocia para homem a 320 rs., brancas
a 400 rs.,chapeos de casfor braneos sem pel-
lo pelo diminuto preco de 4,500 rs, c ou-
lras muitas fazendas que se venderJo por
baratissimos precos com dtnneiro a vista.
. Vende-se vinho de champa-
nhe legitimo e de superior quali-
dade : em casa de J. Keller
na ra da Cruz n.
155. '
-*-


Moinhos de vento
c.om bombas de rpuxo par regrar norias
ebaixatdectplm nafundigode. W. Bow-
man: na ra doBrumns.6,8e 10.
'Fazenda da moda.
ViMi.li'iii-si' superiores cortes de cambraia
de salpicas Illancos de cor, pelo dimiuulo
prego de 3,500 rs.: na ra do Crespo, loja
n. 6.
Cal virgem.
Vende-se cal de Lisboa a mais nova do
oicrcado: na ra do Vigario n. 19, primei-
andar, escriptorio de T. do Aquino Funseea
A. Fillio, ouna ra do Trapiche, amazem de
Antonio Augusto da Fouseca.
Deposito de cal e potassa.
No armazcm da ra da (Jadeia
dollecife n. la, ha muito supe-
rior cal de Lisboa, em pedra, as-
um como potassa chegada ltima-
mente, a precos muito rasoaveis.
A no rs. o covado.
Na ra doQueinndo, defronte
do becco do Peix-; Frito, loja n. 3,
vende-se riscadinho azul, com a
largura de tres palmos, pelo bara-
tsimo preco de seis vintens o co-
vado; esta fazenda he m uito recom-
mendavel aos senliores cheles de
familia; d-se as amostras com
penhor.
l'otassa americana.
--No antigo deposito dacadea velha, n.
12 existe urna pequea porcSo de potassa
americana, chegada recentemente que por
superior' rivalisa com adaltussia: vnde-
se por preco razoavcl.
Agencia de Edwin Maw.
Maruade Apollo n. 6, armazem de Me.Cal-
uma tat Couipanbia, acha-ae conatantcmentc
bous aorlimeolo de taina de ferro coadoe
batido, tanto raaa como fundas, moendasin-
elraa todas de Ierro para aniuiaea, agoa, etc ,
ditas para armar em inadrira de todna oa ta-
maubos c madellos o mais moderno, machina
horlsontal para vapor, com orca de 4 cavat-
ina, coucoa, passadeiraa de ferro estancado
para caaa de pulgar, por menoa preco queoa
de cobre, escoveoa para navio8, ferro ingle
tantoein barraacomo cui urcosfolbas,eludo
por barato preco.
AGENCIA
da fundicao Low-Moor.
ROA DA SENZALLA NOVA S. 42.
Neste estabeleeimento conti-
na a haver um completo sorti-
meulo de moendas o tneias moen-
das para engenho, machinas de
vapor, e taixas de ferro batido e
coado, de todos os tamaitos, pa-
ra dito.
Vendetn-se os verdadeiros selins in-
glozes, patente, de molla e sem ella : na
ra da Sooza I la Nova n. 42.
Veiiricm-.se relogios de ou-
ro eprbta, patente inglcz : na ra
da 5 en zalla Nova n. 4a.
Arados de ferro.
Na (uudigSo da Aurora, em S. Amaro,
vendem-sc aradosdeferrode diversos mo-
delos.
Deposito de panno de algodao da
febrica Todos os Santos da Ba-
nbia.
Vende-sc por preco commodo
o bem conhecido panno de algo-
dao dcsa fabrica ; em pessa, a
vontade do comprador: no escrip-
torio de Novaos & Companhia, na
rua do Trapiche n. 34-
Vcndem-se as soguintes sementes:
nabos,rabanos.rahaneles encarnados ebran-
cos, sobla, couve trinxuda alface ala-
moa, repulhuda,chicoria, senoulas, feijSo
'arrpalo de tres qualidades, ervilha torta e
direita, f.-iv;i, coenlro de toucejra, salia, to-
mates grandes, repolho, couve lombarda,
saboia, o inuslarda : na ra da Cruz n. 46,
dofronie do Sr. doulor Cosme.
Taixas para eii/jenlios
Na fundicao de ierro de D.
W. fiowman na ra do Brum,
pissando o cliafariz, contina a
haver um completo sortimento
de taixas de ferro fundido e ba-
tido, de 3 a 8 palmos de bocea ,
as quaes acham-sc a venda por
ireco cuuimodo e com prompti-
lo, embarcam-se, ott ca regaa-
se em carros, sem despezas ao com-
prador.
Vendem-so amarras de ferro: na "ia da
Sonzalla nova n.42.
T?WWfTv^V'Tff WW Vf
r'arinha de mandioca <*
B, Vende-so, por preco rasoavel, la- ^
, rinlia de S. Matheus a mais nova .
_^ quo existe neste mercado : na ra 3
. da Cruz n. 34, dotroute da l.ingoeta. < j
AAAAAAAA *V3l* AAAJiAAAj?)
Vendem-se lonas, brinzSo, biius, e
metas lonas da ttussia ; no armazem do N.
O. Bieber & Companhia, na ra da Cruz
1.4.
Algodo para roupa de escravos.
Vende-sealgo dSo mullo encorpado, pro-
prio para roupa de escravos, com pequeno
toque du avaria a 140 rs. a jarda ; dito
limpn a ISO rs. : na ra do (ropo n. S.
Soi lmenlos de panos finos ecase-
miras de todas as qualidades.
Na ruado Crespo loja da esquina que rol-
la para a cadeia,veode-se panos linos prelos
a 2,800, 3,200, 3,500, 4,000, 5,000 rs., e fran-
cez muiio superior a 6,00o rs., o covado, di-
to verde a 2,800 rs. dito azul a 2,880,3,500,
4,000 o covado, corles decalca de caseiuira
prela enfestado a 5,000 e 6,000 rs.,dita fran-
i-iiza elstica a 8,000, 9,000 e 10,000 o corle,
o outras muilas fazendas por prego com-
modo.
Mocinlif superiores.
Na fundicao do C. Slarr Companhia,
um S.-Amaro, acham-sea venda moendas
de canoa, todas deferro, e ummodeloe
construccSomuitosuoerior.
Cortes de brim de puro linho.
Na ra do Crespo loja da esquiua que vol-
ta paro a cadeia, vende-se cortes de caiga de
brim de quadros, e listras de puro linho a
,280 e 2,000 rs., dito inteiro pardo a 1.280 e
2,000 rs. o corte, rlscado de linho de listra
a 720 rs. o corte.
Taixas de ferro coado.
A 5,ooo rs.
Superiores chapeos de sol de seda ingle-
zes ebegados pelos ltimos navios, pelo di-
minuto preco de 5,000 rs. cada urna : na
ra do Collegio n. 4.
Aviso aos pais de familias.
Na ra do Collegio n. 7, acha-se um sorti-
mento de louca do Porto de diversas quali-
dades branca e de cores, a qual so vende por
preco muilo baralo e serve para quem lem
pouco dinhriro; a ella antes que se acabe
porque he pechincha, e depois no val nada
ose eu soubera-vamos, vanios fregu-
zes. Na mestna loja se vendem Ireze caixas
vazias eui que veio a louca.
<^S~ Palitos Feitos. _g^
Na ra Nova n. 26, tem para vender-se pa-
litos de panno verde e preto,muilo bem fel-
tos.c mais barato do que em outra qualquer
parte; selles antes que se acabem.
Vende-se a excellent; typo-
graphia do Diario Novo estando
bem montada, tanto de bons pre-
los, como de typos : quem a pre-
tender, dirija-se a ra da Praia
n 55, a tratar com a Viuva Homa.
Farinha de mandioca a i,6oo rs. a
secea.
No armazem de J. J. Tasso Jnior : na roa
do Amorim n. 35.
Vendem-se novas cassas chitas de lin-
dos gostos a 2,340 rs. o corte, cassa de qua-
dros Tina a 280 rs. a vara: na ra do Crespo,
loja da esquiua que volta para a Cadeia.
Deposito la fabrica le Todoa o
Santos: na JJaliia.
Vende-so,em casa de .Y U.Biebcr&C,
naruadaCruzn.4, a I godSo transado a-
quollarabrica,muitopropno para saccosde
assucar eroupa deescravos.porprecocom-
moiiu.
Brim trancado de puro linho a 3ao
rs. o covado
Na ra do Crespo loja da esquina que vol-
ta para cadea vende-se brin traucado par-
do de linho puro a 320 rs. o covado.
Vendem-se saceos coto fa-
rdos : na rita da Madre de Dos,!
armazem n. 20.
Cortes de cambraia de salpico
brancos e de cores, a 3,5oo rs., o!
corte.
Na ra doCrcspo, loja da esquina, que
volta para a Cadeia, vendem-se cortes de|
vestidos le cambraia de salpico brancos c
de cores, pelo diminuto preco de 3,500 rs. ,1
o corte ; meias muilo linas, para hornera ,j
com pequeo defeito, a 2,400 rs. a duzia. j
Palitos feitos.
Vendem-se palitos feitos, de panno muito
lino, preto e de cores, por preco muito em
coula : na ra do Queimado, loja do sobra-
do amarello n, 29.
Ancoras para navios.
Vcndcm-so em casa de llicanlo l'oylo, na
ra da Cadeia Velha n. 37, ancoras de supe-
rior qualidade, e por commodo preco.
Chita para coberla, cor lixe a
2oo reis covado.
Na ra do Crespo,loja da esquina quo vol-
la para a Cadeia, vende-se chita para cober-
ta de novos padroes e cor lixe a 200 rs., o
covado.
Vendem-se, a dinheiro, saccas com fa-
rinha, a 2.000 rs.; caixas com as melhores
velas de carnauba, viudas do Ceara, a 10,000
rs. a arroba ; caixas para rap, que parecem
de tartaruga; esleirs omito grandes ; um
boa marca de 600 meios di- sola, muito gros-
sa, para fechar contas na ra da Cruz do
Itecifo n. 33 armazem de Luiz Jos de S
Araujo.
O abaixo assignado fazscien-
te ao respeitavel publico, que aca-
ba de receber pelo vapor Baha
na, um esplendido sortimento de
bilbetes, meios bilhetes, qu irlos,
oilavosc vigsimos da decima quin-
ta lotera do Rio de Janeiro, a be-
neficio das casas de Cardade, eda
decima quatta do hospital da Mi-
sericordia, cujas lisias chrgatn pe-
lo primeiro vapor dodia 19 a ai
do correte mez, por terem corri-
do as rodas da primeira a a8 do
mez psMtido, e da segunda a 7 do
presente, e eslao ex|>ostos a ven-
da, peloscommodos precos abaixo,
em sua loja de lerrageos, na ra do
Queimado, junto ao herco da Con-
gregarlo n. 37 A, e na praca da
Independencia, loja nova de cal-
cados n. 37 e 39, de Porto & Com-
panhia, as quaes se recebe eiu
pagamento bilhetes e cautelas pre-
miados de qualquer loteria do Kio
de Janeiro, < u tiesta provincia,
abaixo assignado declara, que os
seus bilhetes e cautelas, vao rubri-
cadas pelo mesmo, e logo que chc-
guem ns listas, sao pagos imme -
chatamente ns mesmas lojas o-
seus respectivos premios, sem dis-
conto algum. Antonio Jos Ro-
drigues de Souza Jnior.
4
Lotera do Rio de Janeiro.
aos 20:000,000 DEM.
Na casa feliz,
dos quatrn cantos da ra do Quoimado n. SO,
vendem-se os muito felizes bilhelos, meios,
quartos, oitnvos o vigsimos, da decima
aos io ooos e 5:ooo.s iikb.s,
O cautelista Salusliano de A.-
Salsa parrilha de Sands. ,
Vicente Jos de Brito, nico agente em
Pernambuco de B. J. O. Sands, ehiniico |-rraira avisa ,,, .- ""
americano faz publico que tem chegado a quino rerreira avisa ao respei(a.
esta inaca urna grande porco de frascos de ve| publico, que s suas mu afnp
salsa parrilha de Sands, que s5o verdadei- f j._ rlliii(.|ii Aa lotnri a
. remonte falsificados, e preparados no Rio de tunadas cautelas la lotera da ma.
quinla lotera da Caridade e da decima Janeiro,pelo quese devem acautelar os con- t ti z da Boa Vista, oslan exposta
guara lotera da Misericordia, cujas listas aumidores de tSo precioso Talismn, de ca-_ ,,.Ja na nnri ,t. Ir, !.._-,
cheg.m at o da 20 ; a elles que est3o no Inr neste engao, lomando as funestas con enA"-
resto. sequencias que sempre costumam trazer o
i .i 1 i J 1 1 ..... 1.......... i. .. 1.. 1 iii...li.c i. 1.1 a i.,.. ..i. 1- un! .1 ... ai___!__a. f.1 .----- 1 .
asios;

1-a s
iiil
CT-5 ,7 i m m1 2 > a
3 1 O.U O M
-.2 !S.=
"o
2,600
,1 srtssSirj
-
2X1 3
KS'i
a -t
c o 2 o
liilhetes inteiros aa,ooo
Meios bilhetes 11,000
Quart s 5,5oo
itav.is a,800
Vigsimos i,3oo
Vende-se urna morada de
casas, feita a moderna, com lijlo e
cal, sita na rita do Motocolomb,
por preco muito eniconta: a tra-
tar na ra Imperial n. 3i.
Palitos a 1 1,01111 rs.
Vendem-se palitos di- panno mesclado, do i .
varias cores, pelo diminuto proco de 12,000
rs.: na loja do sobrado amarello, na ra do'
Queimado n. 29.
Vendem-se dous alambiques
de CBrapuca por metade do sen
valor : na ma Nova, loja de Jos
Uaptista Br.-ga.
Salea parrilha de Sands.
Vende-se a verdadeira salsa
parrilha de Sands; na botica in-
gleza, da ra da Madre de eos
n. 1.
Precos que parecem impo-siveis
l6o, ''OO, 24o.
Madapoloes Je listras ou riscalos nroprios
para camisas ou vestidos pelo diminuto
preQO de 160 rs. o ovado, as muilo acrudi-
ladas chitas clmelas muilo lixas a 200 rs.
o covado; as mais finas chitas com no-
vos denenhos 1 un la do ultimo goslo o
cores muito lixas pelo baralissimo preco
de 240 rs. o covado; o afamado atoalhado
adamascado do puro linho com oito paftros
largura n 1600 rs. a van ; linisimas al-
rs. o covado ; ditas
ditas i-i el a-
chamalolailas muito linas a 880 rs. ; meri-
E q V C C* -
> ~Z i. T3 -
'MIOpUdtDOO
sol sa]U3)ed ogs onb sapnazij sai;nui s 11 im
niuii.i 1111--1! 'oiajd ii|imim| i'iinu j 11 '-.ii.npi: 1
soimoq n|i'mi ep a sum mu n si|ii|j upuaa
es uioj uj|sse opaaoo o -84 OSJ sp o5ajd
< 111; mm| ii|,l 's.i|iui oiinu soiin ni moa 'azoj
[i .1111 si-|ii:ii|i.ui! sr|'i|,i ii.-uiii|i i,ia *senb|j
-u."i|i v 1i|mumi:i ep *ot*.ij|<>"> op mu e ii.mil
suinbsa zbj anb '5 u 8fo| cjj
Na loja das seis portas.
Vende-se panno lino de todas as cores, a
2,000 rs., proprios para palitos e vestidos ,
para montara, por ser muito leve ; chapeos
de massa fiancezes, a 5,110o rs. ; carapucas
de velludilho, a 320 rs., e imiiUs outras la-
zcndns, que convidam a Irnear por sedulas.

praca da ln.lcpeQ(|er,.
sequencias que sempre costumam trazer os ca n 4? 'ja de miudezasde For-
medicamentos falsiUcadoseelaborados pela tl|nat0 Jereira da fonseca Basln,"
mSodaquelles que antepoom seus Interos-, 0'ua,
sesaos males e estragos da humanidade.. n. IJ e 13, loja ae cacado do A-
Portanlo pede para q' o publico se possa li- ranles : n. 3"J e 3o, loia de calr
ivrar desta fraude e dislingua a verdadoira n i/J. ''**
salsa parrilha deSands da falsificada erecen-1 do de I orto C Laompanhia e na
I temenleaqui chegadajoannuncianle faz ver rua da Cadeia do Recife n. 4 que a verdadeira so vende nicamente em mia*mA ln4 Pn.t.. '
sua botica na rua da ConceicSo do Recife,,0Ja aeJmiunezas ae jse rortuna-
1 n. 61 ; e, alcm do receiloario que acompa- to do Santos l orto.
I nlia a cada frasco tem embaixo da pntneira
pagina seu nome impresso, e se achar sua
firma em manuscriplo sobre o involtorio
impresso do mesmo Irasc. I
Vendem-so travs de louro de 30 a 48
1 almos, enxamesde dito, muito grossose1
c 3 i linheiros, e podras para filtrar agoa: na rua i
oa Praia, serrara n. 15, de Antonio Diaa da muito bem construido, quo rende l:200,oo
Silva Cardial. rs.: a Iralar na rua do Collegio n. 13, K.
Vende-sel cbor.lo e 1 banda de seda gundo andar,
para ofilcial do civallaria da guarda necio- Vende-so farinha de mandioca da hoi
nal: na rua Novan. 16. qualidade viuda de Santa Catharina, eni
O cautelista Salustiano de 'Porc3es grandes e pequeas, mediila a v)s.
. u -_ ta do comprador, e vendos) de um llllai.
Aquino herreira avisa ao respeita-ire llc uraa qu,rla. n, ru, do vig,r]u.
vel publico, que as suas mui afor-' 9., armazem do Carneiro & Ramos.
II! 2
2 -< I 2
4 S 6
*Sl
7 = 3 o .
.. 10 -a *
: m v = i
Quartos
Quintos
Decimos
Vigsimos 600
Vende-se um sobrado de 3 .111.1,1,,..
a, loo
1,100
-- o
a, a
- Z2
o -o
o 2 3
"S'S E.
cE.J5 ;
p n
l'slHsiflii;?
tunadas cautelas e bilhetes da de-j SI?*fWW*^NMIW
. auantois railnet ck Conipanluai
cima quinta lotera das casas de J Coillinua.se vonder no J
Caridade, e da decima quarta lote-
ria do hospital da Santa Casa de
Misericordia, eslo a venda na
I>rar 1 da Independencia n i3 e
i5, loja de calcado do arantes, e
na rua da Cadeia do Recife, loja de
mili li'zn.-. de Jos Fortunato dos
Santos Porlo. A decima quinta lo-
teria das casas de Caridade corren
i IS 11 g-f i 3, !> no dia a8 de julho do corrente an- Cruz "<0-
------posilo!
geral da rua da Cruz 11. 52, o ex.....
S l"niee bem conceituado rap areiil
tt prela da fabrica deCantois l'ailhet&j)
Companhia da Baha, em grandes M
pequelas porcOes pelo preco oslabe-u
4jj locido.
mmm&mawmwmwwvmmmmws
Instrumentos de inii/.n .
Vende-se toda a qualidade de instrumen-
tos de 111,1/1-1. para muzca militar, pur ba-
rato preco e para liquidar coutas : em Can
de Bruno Praeger & Companhia, na ruada
|5 Bi S K O -o =r
O
^aift-.lL-Bs
3 ^ __ Bs 3 rao*"-} 4
>n rt ja ai m ^ -
f.
* ^'d fi a ^
a3 S'S -^-" ta
53?
so
-iaONi_^o_
.....?" r.S
2
O a,
3??
8|S 3a = S.3g-g|-
1* ^ c ^^
no, eas rojas da dcima quarta lo-1
leria do hospital da Santa Casa da
Misericordia andaram no dia 7 de
agosto; esperam-se as listas de
1
.0
Q>
Vendem-se chapeos do Chily, bons, por a
preco commodo : na la do Trapicho n. 8. ""
1 j pacas de cores a
Vendem-se accoes da extinc-| Jom ,0J (le se) 80O rSl
ta companhia de Pernambuco e' chamaiotadas muito finas
Parabvba no srriutniin de Ati- ns Pretoado superiores qualidadesa 1,800,
raraiijoa no scnptono ae au-|2500 280Oj 3>2oors. ocovauo; rocas .le
gusto C. de .Mux'ii : na rua da Ca-: bertanha de puro linho com cinco vaias
deia n /i8 i fazen'a muilo lina a2,8u0 apega ; ditas do
' I alumino com dez varas a 1,800, dem com
A IOO rs. cada um. cinco varas fazenda muito enrorpada a
I Viroiitc do becco do Peixe Fri-| 9Gu cambraias fr-ncezas muilo linas e pa-
, ., 1 1 lr6 10, loja n. vencm-se lenClllllOSl brinl de linho msela lo proprios pura pa-
de cambraia pintados para mo! lils a 320 o covado, cobertores dealgoiSo
_i_ 1 -, brancos c decores proprios para escravos a
de meninas e sennoras, de muito; 1000 cau, llin assim como um grande
bonitos descnbos, pelo baratissi- sortimento dn muilas oul'as fizeuJas que
mo preco de rr.eia pataca cada J^JJyTflTJ'lJ VZZ
dar-se-ba amostra com o compe-' Crespo, n. 14 de Jos Krancisco Dias
tente penhor. Cltcgaram em lim as muito
Panno preto, fino, francez, a 3,ooo desejadas machinas de pressao pa-
ra, o covado. ra cristeis : na rua Nova n. 38 ,
Vcnde-se panno pelo fino, defrontc da Conceicao, aonde se
francez, a 3,ooo rs. o covado : nal vendem pelo diminuto preco de
loja de Plores fk S, na rua da Ca-! 4.ooo rs. cada urna ; assim como
Jeia do Recife n. 47. Na mesmal um completo solimento de trem
loja vende-se um rodap novo del de cosinba, forno para assar pe-
labyrintho, por preco muito com-| runse galinhas; candiel ros de la-
iini'ilii. ; tSo de dous bicos, para lojas, ou
Manual elciloral. vendas; ditos de estuilantes, muito
Vonde-se esie eseellente manual conten-] baratos; pratos, cieras e pires, tu-
do a le regulamenlar das eleicoVs, o os de-, Q muto Dom e barato,
cretos do governo sobre a meima, cimnu-, ,
tas explicativas, pelo prego de 1600: na i Vendem-se caixas com vi-
prac da Independencia, livrarian. 6 0 8. I dros a 8,000 rs cjda un* : (litas
Jia rua do Collegio n. 7, acaba de abrir- .... ,.',
seum pequeno, mas mimosamenle sortido, com lolua de II 11,.lies, sorttd is a
armazem de louga do Porto, de diferenles iq,5oo rs. : na rua Nova, loia de
..ni- o /1111 11 i, I 1 1 >j onutAc a uonrla.ca *\t*f mu % t* *-*
iunileiro delronte da Conccica
Na loja das seis portas.
Vendem-se manteletes de fil preto a
quatro mil ris ; chales o mantas de so la ,
grandes, a oilo mil ris ; chitas escuras a
seis vintens, sete e meia pataca ; cassa pre-
la, acento evini rs. o covado ; cassa para
babado, a dous tustOes a vara, c mais fina, a
pataca ; longos para m3os de senhora e me-
ninas, a dous lustdes; lencos para meninos,
a quatro vintens, e lencos do life, para hom-
bros de senhora. a deis tustOes.
As pechinchas acabam-se
Escravos fgidos.
100,000 rs. d gratiicacao.
Desapparecou no dia 7 de mam prximo
passado, o pardo Leonardo, de idade<8an-
.1 nilns as loteras no oa 19 ueste nos, pouco mais ou menos, etam os signia
mez, pelo vapor da companltia bra- soguintes balxo.o peito um tanto meitidn
1 > 1 :_ par dentro, cabello carapjnhadn e ateo
Baleara, eno dio ao pelo vapor in- n)eio uatest,,f,n.de vagar. tWtscnn
glez Tevint ; sao pagos em COIlli- vinha tolos os dias vender loite, 110 llecil,
....,.., ,...,,..,,,..., ., U1J ..j _. 11 i-, piiiieii mais 011 llieim 1, e i-'iii ,1.
mez, pelo vapor da companbia bra- soguintes balxo.o peito um tanto o
1 > 1 :_ Dr dentro, cabello carapjnbado e
illeira, eno dio ao pelo vapor in- vmeio uatest,,f,n.de vagar. Este,
glez Tevint J sao pagos em conli- vinha tolos os dias vender leite no
npnlp m rlpsrnntn altrnm toiton e de um sitio da Boaviagem, perlenceule
nenie sem descont aigum, touos e Jonn< Mtrs doj pag9|)Si de quem rJMwi_
quaesqtler premios vendidos as vo : quem o apprehender e le'ar a rua di
lojas ucima mencionadas.
Meios bilhetes 11,000
Quartos 5,5oo
Oitavos a,800
Vij>'emos i,3oo
Senzella Velha, defronte o n. 141, segundo
andar, recebera a gralilicag'o acuna.
ni,,mmi rs.
1,1 ahilen -se com 50,000 rs. a quem appre-
hender um moleque, creoulo, por nome Mi-
guel, de 1,1.1 r do 15 a 16 annoa, fgido des-
de sexta-feita, 28 de maio prximo iiassa lo,
Quem quizei possuir tima 'de gancho aopescoco, secco do corpo, cor
1 ______1 bem preta, heico inferior erosso, com mar-
negnnha de lo annos, equesepo-|Mgd^crljot8 JelMCOglM; vstllo ,, 1.
de cliamar linda peca, appareca na misado algndnbrancocom mangas curta,,
rua Ha I.arano-ciri'a n t f. spiriin- Ci,lc*s de algnilBoainho de listras azues ;ln
Vendem-se chitas finas a 120, 140,160, r.Ua <"? Larange'r^8 se,ln j bastante l.dmo, tem falta de cabellos naca-
180, e 200 rs. 0 covado, pegas de ditasa do andar, com 6j0,000 rs. | bega por ter andado venden lo fructas, man
5,000, 5,500, 6,500 e 7,000 rs., chitas para
coberla de cor lixa a 200 rs superiores cor-
Na ru. do Crespo, loja U- 6. I'1'0"; '"C"ira pela rua; este moleuue
- q iian lo Ihe fallam esta sempre com osoilios
Vendem-se superiores corles de Cambraia nqute(0. faodo movlmebtoi comosde-
l^^!^lfit!!^mi\l^Un ^l'?'P,C0S' T6,!? a 7v"r,M' 35,. do la. mM. Plaser que se Dtiltttoda
ni.....1,1 1 .,.,'iiiim i.iiiiin m .. ..1 1 .1 .! no r- 1000 rs ; corles de cassa dula, do novos
cortes ile caiga de gambreSo a 1,800 rs., di-; g0Sl0Sj a 3 oto e 2,500 rs.; cassa trncela n
tos de brim a 1,000 rs. o 1,200, chitas Irn- ii0 ri a vara cur
cezaslargas a 280 rs. a vara, roadapolOes li-, coros e m
nos a 120, 160, 180,200,220, fJOis., e ,,,,,.,, a3
mk*\Utomn.*mim0*j^\*nm\mify_^**m grandes, i d'e c)plurir fisle Boleque tobj,.,,,
rtes de brim trangado es-
forro, e que d MrtfO nonio como ja tirass*i
o gancho do pescogo que linha quan lo fri-
gio de casa : porlaoto roga-se a todas as au-
8
III
a.., ^u.kvow,,.,. -v-- --- Bio.locasa: porlanlo roga-so a todas aaau
mesclailns, a 2,000 rs. panno lino orj(|g,leg |jcja capllSes de cnl
,000 e 4,000 rs ; longos de c imbraia \ (najg pPSSoas> que faCn; loM u a.l,K.-..cia
poiao 1 2,200,2,800,3,000,3,400, 3,6001 160 ,s. rj3railo de linho a 180 rs. o covailo i?.8*"?. hor Jos Saoorui
4,000 rs o muito I no a 5,200 rs., pecas do muilaa outraa fmodaaem eanU, tregar a seu sennor josi.naporiti, morauor
algodlo Vaneado, proprio pora eicrtvo.e ""^1^00^0,., c^
toalhas. 3,600 rs, pegas de cassa pa b-, Com andares e cismado.par. carro, ou c- Sh'o^s da ma.ma^s 3d
hados a 2,400 rs., o outras muita fazen las, ] |,r0|el: na coclieira do Sr. Vollichar no fioi
por |i,.in. exlraorllnriamcnte baratos : na ja rua j, (;ua-
loja daeslrclla da rua ilo Queimado n. 7,1 Kpiinnnvn
confronte ao becro do Peixe Frito. e'Jdo "?v."'
,t# *9t99 ? *<^ *
Para militares 4
>5 Vendem-se, tarta de r-lroz preto, bo- 4
ri toes lisos doura los, ditos de Pedro II, ^
^1 galio de 011ro largo e cstreilo, ees- i- pailas 1 ratiadas de boa qualidade; tu- 0
l> do oor commodo prego: na praca da <*
Independencia n. 17. ?
*Vt<#* *#*-*****
Vende-sc oleo de linhaca >
muito superior, ebegado da llol
landa, em botij(5es de ao libras ,
por 5,ooo rs., cada botijo; na rua
larga do Hosario, botica n. 3G, de
Bartholometi Francisco de Souza.
Troca-se calcado por 700 rs. o par
por se querer liquidar.
No aterro da Boa-Vista, defronte da lioie-
von.lo-se saceos com fetjiio novo chegado
do Itio do Janeiro de todas as qualidades no
armazem do Govca & Dias confronto a es-
cailinha da alfandega.
Na padaria da rua do lliirgns, n. 31,
vende-se urna pequea porco de cera de
carnauba lauto por junio como a retalho por
prego commodo.
Vende-se um terreno em Santo Amaro
0OOI 150 palmos do frente, e 3,000 de fun-
dos leudo j a motado aterrada, podeodo-
so fazer vivoiro, do que ja tem principio, o
lorreno he junio ao Sr. Francisco Martina
bastos, os prelondeutes diiijilo-se a rua da
Cruzo 8, 3." audar, ahi acharSocom quem
tractar.
Vendte un bonito moleque que co-
sinba o nao lem vicio, dous prelos bons pa-
ra Campo, muilo mogos, dois ditos de meia
nmmro andar,
a larde, qunse-
rio recompensados com a quanlia ncimi
promettida, como protesta lambem contri
quem o liver occullo, e o no quein entre-
gar, obrigaodoa |agar-lhe os das de serv-
go des le o primeiro dia da fgida, o Ui-
Ihesnffer as penas quealei marca a este
respeito.
-- Anida se acha fgida a pieta Verdiana,
com 24 annos de idade, cor fula, cabellos
grandes e repartidos, corpo secco, imilos
grandes, estatura baixa, olhos prelos o vi-
vos, phlsionomia carrancuda ; a qual fui ri-
era va do Sr, Francisco de Carvaiiio, e no sr.
negociante Vianna : quem a encontrar lev.:
ao seu seobur Jo3o Valeutioi Vill-da, mora-
dor na rua larga do Rozarlo segumlu andar
da casa n. 28, que sori generosamente re-
compensado.
hesappareceu no dia 31 do mez patu-
do, da esa deseu senhor o abaixo assigm-
do, a eecrava Thereza, do 60 annos, estatu-
ra regular, cabellos brancos, nadegaa gian-
idade bons para to.lo o lertiOO, um dos des e um pouco empinadas.teiu o dedo ''u-
quaes be alfaiate, o duas prclas bo s para do de um dos ps trepado por cima do oul'O,
toJo o servico : na ruada Cacimba n. 11. eumcalomho sobre seoslas at quajio
ca n. 14, acha-se um grande deposito dos Dom i,aral(, !-: p.-hrn Inia ,Pescov_. 15l Jo lado esquerdo; tem mii>
melhores sapalOos que tem viudo do Araca- Bom e barato, i asseio 1 ubllCO loja ;em arnhas as maot 01 dous dedos menor,
ty, para lodosos temanhos, lano para ho- II. O. cncolbidos : levou saia cor de cae e vesl
ment cmo para meninos; assim como um
Vendem-se taixas de (erro coado, de su-
neriorqualidado e por prego commodo: na! No trapiche do Ferreira, na
uadai:adeia Velba n. 37, casa de Iticardolpollo, vendem-se barris com si
cores e delicados gostos: e vende-se por me
nos do que em outra qualquer parle; a elle
pois que he pechincha.
Vendem-se toalhas de labyrintlio mui
finas e grandes, de bretaiiha,com bico ao re-
dor, obra muito boa ; lengos de lahyrinllios,
de bretaulia, o rendas: na rua da Cadeia do
Itecifo n. 49, segundo andar.
liol.it'liinlia de Lisboa
Muilo fina, chegada recentemente, rndete
em latas de 10 libras, por preco commodo :
na rua da Cruz n. 34, primeiro andar.
Venle-so urna taberna na cslrada nova
da Soledade para o Mnnguinho, coro peque-
os fundos: a Iralar com J. J. Tasso Jnior.
-- Vende-sc urna honiti escrava quo en-
gorme, cozu e cosinha, urna negrinha de
13 anuos que coze bem, urna preta do meia
idade mais muilo forte e sadia por 320,000
rs tres molecotes, um preto do 25 anuos
bom cosinheiro, e mais alguna escravos: na
rua das Larangeiras numero 14, segundo
andar.
5,000 rs.
lucos capolinhos de cambraia transparen-
te bordados com muito gosto, quem no li-
vor de seda uproveite a occasido, e prego de
5,000,que no paga o trnbalbo; sSoeconomi-
cos porquo se lavSo,e graves por que sio de-
centes : no rua do Crespo loja ue 4 portas
o. 12.
-- Vendc-se porque seu senhor te retira,
um preto de nag3o, muito fiel, e tem vicios,
perfeito cosinheiro de casa estrangeira : na
rua bu g 1 do Kozario, loja o. 35.
rua do A-
supetior cal
.. i vendom-se ricos chales de 1.1a e seda a 3,000 d ""l vorila novo e comolelo sortimento de calcados r.s.,ilUos de 13a pad-es lindos a 1,280 rs.. lavar roupa ; suopOo-se andar por BebcriM
franc-zesile todas as qualiailos, tanto para dilos brancos a 1000 rs., chapeos de sol ououtro lugar on.le hajam lavadeiras: quem
hornero, como para senhora, meninos e me I a 1/000 rs., lengos de vapor padres ri- a pegar leve-a a rua Imperial n 64, ciai'io
Hoy le,
Jrlrgem de Lisboa a 3,500 rs.
n. 38.
-- Vendc-se una escrava moga, do bonita
figura, boa engommadeira, Consinheira, c
que faz todo o servico de urna casa : ua rua
do;Arag3o n. 40.
A (llAlli; DE PARS.
Fabrica de chapeos de sol, na rao
do Collegio n. !\.
Alein do sortimento ja annunciado, rece-
heu-se pelo navio llavie, ultimo vindo de
I-1 anea, um novo sortimento do chapeos de
sol de seda e de panniuho, para homens e
senlioras, dos ltimos gostos; superiores
chapeos de sol de seda com cabos de cana, e
outros dos mulbores quo lem vindo a esta
praga, que se continuam a ven ler por mo-
nos prego que om oulra qualquer parte.
Vendeiri-sn queijos frescaes de Minas,
vindos pelo ultimo vapor, e caixas com 10
libras de figos de comadre, superiores: na
rua da Cruz, venda n. 48 defronto do Sr,
r. S l'ereira.
Vendo-se urna parelhade eavallos, en-
sinados para carro de lanea, e trabalham
(ambem em carro de varas ; para ver e tra-
tar, na rua da Aurora, ultima casa da mes-
illa rua.
Havre,
ninas, ludo por preco muito commodo, alim
de se apurar dinheiro.
(.'aleados a 400, 700, 800 e 1,60o
rs. o par, no aterro da Boa-Vis-
ta, defronte da boneca n. 1.,.
Trncam-se os mais superiores sapatos de
couro de lustro francezes e de Lisboa para
senbora a 1,600 rs., ditos de cordavffn a 800
rs., ditos para meninos a 4i0rs. sapalOes
do Aracaly para homens o meninos a 700 rs.
-. Vende-se urna prela, creoula, de exem-
plar conducta, chegada do llio-Formoso pa-
ra pagamento, a qual faz doeo de tortas as
qualidades, cosinha muito bem, e he ven-
dedeira dn rua; urna out-a que cosinha, la-
a 200 rs. .ditos radiados de bicos a major Antouio da Silva (Junnaraes, quo sen
rs. ditos encarnados proprios pa- 8enerasameu_te_recon_pensado;
a 160 rs., meias cruas para ho-
Hesappareceu a prela Geftrudet.dei II-
de pouco mais ou menos 26 anuos,cor mui-
lo preta, olhos grandes, ps o nios poquo-
nos, estilura baixa, distienta la na frenla
do lado de cima, e peito de pombo; drsap-
parecida ha quasi dous mezes : quem a pe-
gar leve-a a rua da Aurora n. 52, que
rus
320
ra tabaco
mous a 2 200 ra. a dosia, cambraia da India
bordaJoa 320 rs. a vara, grvalas de selim
a 1,280 rs., ditas de seda a 1,000 rs., ditas
do cassa, a 100 rs., dulas para coberla a
160, 200, e 240 rs. o covado, ditos para ves-
tido a 160, 200, '/ni rs o covado, orles .
dccassa-rhila, afrs : e outras muilas fa- "em recompensado. Adverle-so queien
zendas por precos commodos. Pret '"< escrava de Joiqulm, elwnido *J
Vende-so urna historia da Creen em Lingoeta, e dizem que te ten MO a ora
inglez, um diccionario inglezia usado, 1 pul por Olinila.
uraa banda para ollleial tambera ja sala,' Hesappareceu a 10 de inaiodesle mnu,
no paleo do Collegio loja de barbeiro. a DeT Joaquina.de nacJo Ctcange, que re-
--Vende-te urna negra creoula do malo, presenta ter de 35 a 40 annos, ch-n doenr-
moca, e propria para qualquer servico : na i'i llura 'egular.cr fula, olhos pequciim,
va, e he vondedoira; um preto cosinheiro de rua da (jadeia Velha n. 2i, primeiro andar. e eom c"rne sobra elles; lem urna cnslura
prosso; na rua larga du Rolarlo n 35, Vondeso de um lalho na cara do lado csquurdii, pi>-
loja. no Passeio Publico loja n. 1), ricos mant3-,r'nnli8 '1" nial se percebe ; nariz chai.
-- Venden:-se 4escravos, sendo 3 prelot leles e capolinhos de setim de cores, a 10 falla-llie alguna denles da renie seiniooa
de 25 a 30 annos, proprios para tolooser- .^ e u,000 rs fazen la de goslo riscadi- um c "ulro lado, o he feia ; lem nina eniJin-
vico, e urna preta de meia i lade, boa cosi-
nbcira o lavadeirt : na rua do Collegio n. 3.
Vendemse lesouras para
unbas e costura, muilo finas; as-
sim como ciiiiveics para pennas c
11,1 vilh.is de luili.i sujieriorcs
go commodo. rnostra quan l<> anda;quando fugio linha un
-- Vendom-se duas barcacas bem cons- I1* mais grosso; levou diversa roupa_quo c
meias para meninos e meninas
na rua do Calinga, loja de miude-
zas n. 1 C. de (juim>raes.
Vende-so o deposito da rua do llangel
n. 46, muilo bem surtido e baslantc iiv-
guezado, ou s a arm-gSn e eaixOes : trata-
se na rua Nova, vonda 11. 40.
Vende-te, ou troca-se urna esciava cre-
' nula, por oulra que soja boa quilaodeira : a
truidas, muito veleiras.apparelhadas de novo
11 de um lulo, tanto a dinheiro como a praso,
Vendem-so chapeos francezes des mais tratar 110 aterro da Boa Vala n. 6, lerceiro
modernos,chegados pela barca Havre; luvas andar, ou inouncie por esle Diario,
de seda para hornen,, muito linas; grvalas'! -- Vomli-ae um negro, de 30 annos de
de selim o prelas ; calgado p ra homem c> idade, pouco maisou menos, com oflicio de
senhora : no aterro da Boa-Vista, loja 11.58, serrador : a Iralar no alerro da boi Vista n.
junto ao seleiro. j 6, lerceiro andar, das 6 as 9 horas do da.
o lambem se permuta por casas ou escravos:
a tratar com Jos Hygino de Miranda.
Itap I'.mo Cordeiro.
Vende-se na loja de tniudezai 1I9 praca da
li, lepoudencia n. 3, desto stineiior rape, em tei "servido'so" m ella na boa l.qoeira
boles.e minos botes, eemoitavas, por preco denuuciar-se, e do contraiio se usara dos
no sabe do que usar; he bem falanie quo
parece ser crouula ; ltimamente esleveuc-
cupadalno servigo de cos 11 lia,e lem por cos-
lume andar suja ; quando fogo costuma an-
dar pelos trrebaldes desta praga quilaiulan-
du, lavando, olTorecendo-se para ama, e lo
litulaudo-se forra ; qualquer pestoa qoecs-
commodo.
Cbarutos de llavatia.
Os nelborrsque teem viudo aoste mer-
cado : vendem-se continuadamente, om ca-
sa do ilruun Praeger t Cuuiaaiiiiia, na rua
da Cruz n. 10.
ineiAt que Ihe faculta a lei : roga-soasau-
III
ila
Silva Campos, na roa das Cruzes n. 40, A"'
ser gdiierotaiuenle ricomponsado.
., lili IU, "llllJ 1IIC I.VUlin n 111 - Vendem-se urna escrava, creoula, um 1,0ri.lades policiaee, capitUes decamp-,
ulecote.e um mulalo.pur prego comumdo: aua|upr pessoa, que a prendara ou ac.
1 rua das, (.rozos n. 40. ,ren\rr eP,enr ao seo senhor Domingos 1
PERN. : Tvp. DE M. F. uE F.iaiA. **


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ESKYBFV32_K9TASN INGEST_TIME 2013-03-29T16:46:03Z PACKAGE AA00011611_03480
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES