Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03472


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo XXVIII
Sabbado 7
DIARIO
b.eoo A sBoairoAO.
Piosuho Aduktado.
f ."-r trimestre............4/000
' roriemestre............. 8/000
Poi noo........i.....15/000
PiaODINTIO DUTimiSTIl.
Pji quartel.............4/S0O
OTIOIAS SO IMPERIO.
Par... i de Julho Minas... 56 deMaio |
Marenbao. 2 de dilo 'S.Paulo 18 de JdmIio
Cear. .. ai) de dito R. dej.. 15 de Julho
Parahiba 26 Je Julho liahia... 20 de Julho
dia-da 2Seg.N.S. dos A. I Jiso ate Orpko
3 Tere. Si luvenco eS. e 10 hora.
do C deS. Eilevo i. rara d civil.
i QuartS.Domingos3. e 6. ao meio-dia.
()iui.i S Olasvo-, | Watinda.
(i jeit. Transfigura- I. e 6. as 10 borai.
cao do Si- no m. 'I'.! 2. vara do civil.
'. >iti. S. Gaaleno. i. esabadosao melod,
8 Dom. lOs.Cyrlaco KelaeSt.
diac. Tercas e sabido.
de Agostode 1852.
N. 175.
PIIKYIIBMO.
Creicemtei 22, as 3 horas e 4s minutos di m.
Chela a 29 aos 48 minutos da tarde.
MingoanteS, aos ;2 minutos da ni.
Nova i 16, aoi 21 minutos da tarde.
abd nOJ
Primelra i 0 horas e 1 minutos da manha.
Segunda s 9 horas e Ai minutos da tarde.
tariBA oa ooiinoi.
OoikaBa e Parahiba, i seguada leitas-
fafca.
Rio-Crande-do-Horte e Victoria a qulata
'Ira
Bonito,Garuara,e Oaranhun no l'e lidecad"
Flores,Ouricu,y.Exu e Boa-Vista i 1 3 e 28 .
miada, lodosos dial.
Todps os Cor reos partem ao meto-dla.
aVOTIOIatl IIIBIIal.
Portugal lide Junho Austria 2,de Junho
llrspanha 8 de dilo Suiasa.... I de dilo.
Franca.. 8de dito 'Suecia... 5 de Malo
Blgica... 5 de dito [Inglaterra 8deJnnho
Italia.... 1 de dito 'E.-Unidos 23de Malo.
Jemanha. dedllo |Melco... 9 de dito
'roeeie ... 1 de dito -California Idedilo
Dinamarca 30 de Malo Chlll. 10 de Abril
Rutila... 28dedllo Huenoa-A. de Julho
Turqua. 26 de dito |MontrTdro 5de dito
CAMBIOS DI 8 DB AGOSTO
Sobre Londres.a 27 '/> > 27 '|, por d. i/Ooo
* Paria, 345
Lisboa, lOOpor cento.
KTAES.
Ouro.Oncaaheepanhola.............I'/OIO
Moedat de 6/40" velha.........16/tl. 0
, de6|400ooTa.........iSOOO
de 4/000................ ?A00
Prata.-Patacocsbraellelro........... Jgg
Peeoscolumuerio........... "/
Dltn* mexicano.............. I/ntm
PARTE OFFICIAL.
Commindanlesupeiior da guarda nacio-
nal do municipio do l'uty, no Piauhy, Freo-
ci>co da Cunha Cislollo Branco.
Chele do eslado-maior da mesma guarda,
o curonel da extincU legllo Jos Canudo
de \::u i i.
I n i-111 coronel commandanle do Io bata-
IhSo du dilo municipio, Jacob Manuel de Al-
mendra Jnior.
Tenenle-coronel commandanle do se-
gundo balastSo dito, Joaquim Antonio dos
Santos.
Majores-ajudantes de ordena do comman-
MINISTEHIODOS NEGOCIOS ESTRANCEIRUS.
Constando que alguns porladores de letras
sacadas por empreados brazileiros eru palies
cslrangejros sobre o thesouro publico se qui-
.x no da demora em seus pagamentos, e sendo
essas quelias Infundadas, porque se ha tal demo-
ra sao os meamos porladores causadores delta,
nao ."presentando immediatamcnte suas letras
ua secretaria de estado dos negocios eslrangei-
rns para ae Ibes por o competentevisto,
.i ni de poderem aer aceitas e pagas no dia do,
vrncimento. ab.l.o se l.an.creve, par. o de- do superior na guarda nacin dos mu.ii-
virto conhecimento do pon.dore de laes le- Jcipios da (.apella. Propia e Peno d roin
tras, o ari. 37 do rrgulamento da reforma da I da provincia de Sorgtpe, Jos Francisco de
mesma arcreiarla de estado, mandado obser- UenezesSobral e JofloGonrjalvejDias Coellio
varpelo decreto n. 135 de aB de feverclro de eM-llo.
js4?.
Art. 27 do rrgulamcnto da reforma da rcre-
taria de estado dos negocios esiraogriros,
mandado observar pelo decreto n. 13 de
^6 de feverrlro de I8a2.
" Art. i7. Todos os membros do corpo di-
plomtico e consular brasileiro que deverem
sacar pelo seus ordenados e oulras despea
ordinariii ou extraordinarias sobre o thesouro
publico nacional, ou sobre a legacao imperial
em Londres, ou sobre os agentes commerclaes
que o governo houver designado, acompanha*
nio sempre a sus letra de urna carta de avi-
lo em que se declare a data do saque, a favor
dequrm, aquanliaem libra esterlina, a que
quartel pertence, se he provenanle ilo seu
veneimenlo, olidas despezas ordinalias da le-
gacao ou consulado, ou finalmente de qual-
qner despeza extraordinaria que fosse aulori-
sadn afazer, especificando o numero de libras
que pericucc a cada parcclla, reguladas ao
cambio de 67 l|7 por I).
, Seo saque fr directamente sobre o the-
souro, apreseoiada nli a letra, advertir-se-ha
ao portador que a exhiba primeiramente na
secretaria dos negocios estrangelros, para que,
tomando-se nota.do saque, se lite pooha o com-
petente visto sen o que nao ser aceita.
- Se o que fr frito sobre a legacao Impe-
rial em Londres, sempre dever preceder ao
CapilSosecetario-geral da Oiesm guarda
Francisco Jote da Silveira e Souza.
Capitn quaitel-mestre dito, Jos da Cu-
nta ll'ln'i ii
Por decretos de 9 do lito mez :
Majnresojulant s'd'ordens do coliman-
do superior da guarda nacional dos munici
pios de Lxrangeiras de Sanio Amaro, da
provincia do Sergipe, Gaspjr Acciaivoli de
barros l'imenlel e Francisco Tulles de Frei-
tas Barretu.
CapitSo secrclario-goral da mesma guar-
da, JoSo Moreira de l'reitas Cate.iz.
Capillo quartel-mestre, Fraucisco Flix
Darrulo.
Ciruigiio-mr da dila guarda nacional,
los Ciipertmo de Oliveira Sampaio.
Tenenle-Coronel commantonio do bala-
Ilion de ai tilli ifi.i dos municipios de Mio-
pe, Maragoo, Chaves, Porto de Moz e Gurtt-
p, da provincia do Para, Procopio Antonio
lio a.
Teiiento-coronol comman lant! do l.'ba-
I iilia < de iiii.ml 111 da ..ii u .l.i nacional dos
mesmos municipios, Jos olympio Pereira,
Tuoenle-coronel cotnmn lano do 2. ba-
l.ilh.i.i das ditas guardas, Jo .quii DuAilo
Por decreto doT de julho dito :
Tenente-corooelc unmm ante do 1 ba-
talno de infantaria da guarda nacional de
Camela, no Per, Mmoel Pedro Goacal-
ves.
TenenU-coronel comman.lante do .' ba-
talhilo dito, Joaquim Francisco Gomes de
Catiro.
Tenenle coronel commandanle do 3 o ba-
talllo dilo, Manoel Anloniu Meirelleg.
Tenente-coronel commandadle do bata-
IhSoda reserva do mesmo municipio, JoSo
Maximiano Furtado
Tonenle-corjinel cummandanle do bita- J|irgi aceite da leltra, o visto do secretarlo di di-
ta lega;,io, como encarrrgado da ua contabi- Itodriliuos .SOUlo.
lidade, para que faca os competentes asientos.
m Se i'orein a letra fr sacada sobre os agen-
tes commerciaes incumbidos db pagamento dos
membros do corpo diploma ico e consular, ou
seja nesla corle, ou em Londres, nao deverao
elle aceila-la nrin podeio receber do the-
sooro o seu Importe, sem que previamente a
leuha (ello apresentar nesla secrelarl. de esta-
do, ou naquclla legacao, para se Ihe por o
compleme visto. Os empregado do cor-
po diplomtico e consular, alin do aviso ci-
ma inrncionarjo, com que acoinpanharem as
suas leliras, paniclparao aoiehef.sdas respec- u0 inr ,, provincia da Bihia, Manoel
livas legacoes o aques que luerent coni as Jesusa Arauo
deelaraedes cima indicadas eos ditos chefes
un liin de cada trimestre o participarlo resu-
iiidameotea esla secretaria de estado, CID ofli-
cio especialmente a isso destinado. Onde bou-
ver Mmeme consulado tara o cuntu esia pai-
licipacao directamente dila secretaria, a
Secretaria de estado dos negocios cslraue,ei-
ros, em iti de julho de 18Ja
Terieiile-coroiiel commanJante do 3.ba-
tiili'i.iu dito, Pedro Alexaii'lnnu da Fon-
seca.
Por decreto de 25 do dito niez :
Major-aju laotc du ordens do coinman-
dantu superior da guirda nacional da capi-
pi tai I da Rabia, o OOpitfo Jollo da Coste Car-
valho.
Por dec-eto de SO do dito mez :
Conimandante superior da guarda nacio-
nal do municipio da Puridcug9o dos Campos
' de
Cnefe do.esUdo-maior dito, Minoel Pinto
da Hucha.
Inflo do ruin)jeipi de itai.io, I is Antonio
Correa Seixu.
Tmeuto coronel < imman 'ante do bala-
thiio do municipio de Melgado, Raymundo
Francisco do Frcitss.
Tenente-coronel commandanle do bta-
Hi.'io do municipio de Pontal, Itaymundo
Joaquim Pentoja.
Tenenle-coronel commandanle do bata-
IhSo do municipio de Oein, na mema pro-
vincia do Para, JoSo Antonio Lopes pereira
Jnior,
Por decreto de 9 de |ulh<> dilo :
Tunente-coronel commandanle do bata-
Ihilo dn infantaria da guarda nacional do
"iinii'ii i i da Tapira, na Bihia, Francisco
J Olivclra Guedes.
Commandanle superior da guarda nacio-
nal do municipio de lliguahy e Mngra-
tibt, o commendidor Francisco Jos Cer-
doso.
Tencnte coronel do corpo do cavallaria
le Itaguahy, Caetano Jos da Silva San-
tiago.
Tenenle coronel do I* lulalhrio de infan-
tera do mesmo municipio, Luiz Barbozade
S Freir.
SecQo de li ilalhlo da reserva do muni-
cipio do Itaguahy, mejor rommandante, o
commenlador Antonio Rodrigues do Aze-
vedo.
I0SH.
luimulher; aggravados, Francisco Pees
'rreto o su mulheri Negarim provi-
ento ao aggravo.
pellanti-s, AlTonso Jos de Albuquerque e
lelloe ouiros; appkllados, os indios de
rrooches. Despresaram os emharnos,
liante, ojuizo di fazenda ; appellades,
benleiros de ll.nri aun Pedro de Almei
. indefirirem o requer metilo dosap-
lledos.
Diuontclas.
Appellante, o juizo; eppellado, Nicolo Ga-
dant. Mandaram com visll ao Sr. desetn-
JoaaHiHi aVuri'o NiMffl de ^:ainliui.
MINISTERIO DA GUERRA.
Kelacao dos alfere alumno promovidos por
decreto dela dala para dlcrenlcs corpos do
esercilo.
Vi imito batalllo' de arlilhaiit a pr.
Para segundos lenles : os alfercs-alumiios
de arlilharia Francisco Manoel Pereira Ponte,
Candido Feliciano Pereira de Carvalho, Agosu-
::!:c Marrtues de S. en alferes-almnno de in-
fantaria Jos Joaquim Clrne de Oliveira.
l'tiimiro regiment de eaejllaria lUjcira.
Pira alfeies: o alleres-aluinno de infamara
Antunlo Galdino de Ollvrlra.
ifeio tala/n Para alfere : o alteres-alumno de infantaria
Luiz Eduardo de < arvalho.
Palacio do lito de Janeiro, em SJ de julho de
I8,)2. Manoel Felisardo de riouza c mello. --
Conforme, Libanio Aoguslo da Cunha Mallos.
Relacodos ofBciae do corpo de engenheiros
promovidos por dec elo di-la dala.
Paia coronel? "S coronis giaduad>s relelo
Portes de Busiamante e S, por entlguldade j
JeronymoFrncico Corlbo por ineiccnnento.
Para tenenles-coronris : os tenenles-coroneis
graduado Jos Xavier Garca de Almelda, por
',,,utiii.ia.le ; Jos de Paiva e Silva, dem : Joa-
quim Jos de Oliveira, idem; Jos da Mclona
Soarede Andrea, dem; o majores Joaquim
t andido Guillobel, dem; lleiiriquc de beaurc-
paire Rohan, dem.
Para mejores : os capilae Jos Joaquim ae
Avllla, por amiguidadr; Innocencio Velloso
Pedrrneira, idem Vicente Iluel Kacellar Piolo
Guedes, idem ; Ghristlano Pereira de Azeredo
i un.!)". Idem; Amonio Pedro de Alencailro,
por inereciiiienlo ; Jo-o llaplisia de Cauro Mor
Aulas, por anliguidade ; Francisco Antonio Ra-
poc, por inereclinenlo.
Para capites: oscapies graduados Luis Af-
fonso de Escragnblle, Paulo Jos Pereira, Se-
basliao Jos llazilio Pyrrho, Joo de Sousa Mel-
lo e Alvim ; os priinclios-tcnenles Francisco
da Coila Araujo e Silva, Salvador Jos Maciel,
Joo Luii de Araojo Oliveira Lobo, Jo llasi-
|o KcveGonzaga, Amonio Pedro Monlciro de
Druinond, Marcolino Rodrigues da Costa, Pe-
dro Bandelra de Couva.
Para prlmelro tenenle : os irgundos-te-
nenle Amonio Theodoro da Rosa Gama, Pe-
dro Moreira da Costa Lima, Fraucisco Jos de
Frella, -'oo Jo de Sepulveda e Vasconcel-.
Por decreto de It de julho de 185a fez-e
meic:
A Raymundo Das de Macedo, da serventa
vitalicia dos officios de l-belliiio de notas e es-
crlvao do clvel, eriine o orpbos da villa de Puly
na provincia do Piauhy.
A Theodoro Mariius Pereira, da serventa
vitalicia dos officio* de |o tahelliHo e eaerivo
de orphos e ausentes da villa de Canavieira,
da provincia da Rabia.
A Generoso Pereira dos Aojos Jnior, da
serventa vitalicia do oflicio de eserivo de or-
phos do lermo da villa de Lages, da provincia
de Santa Catharna.
A Jos Joaquim de Souza, da serventa vita-
licia dos oicios de labellio de notase escri-
Tunoiitt-ciironel cumman.laute do I "lia-; vio d i ^izo iniiuisiDal du termo da canlul Ja
idiiinii no munuria no mesmo inutiTCiplo,'P,,m,- wwwi:
I,,.,. t'uiuTiiun RimM : A Gervasio de Souza Rapozo. da serventa
Jo t. CupertlOO Sltnoe. v||, i do oflicio de dUt.ibuidor c contador do
Tenenle coronel commandaoie do be- u a ,, capi[al da provln.
UHiSo tlilo, o Or. Fiipau Forreira de Amo- JJ do l>ara
jo Pinito. | Por decreto de 17 de julho foi reformado no
Teiirnte-coronel cnmoiatitlanlc do 3.a ba- respeciivo posto o coronel chele de legio da
talllO lilo, Joo de Areujo Fre*. Iguarda nacional da provincia de Mato-Grosso
Tenenle-coronel comman lante do 4. ba-|Antonio Pcisoto de Azevedo
lalhno dito, Miguel Carnuiro da Silva Ki-I
beiro. IDEM.
Mojur-commandantMlo esquadrSode ca-i ._______...
vallara do ttiesmo municipio, Jos God.nho l^^^^^^^T^cio
dabllvi. ____........ de prlmelro tabellio do publico judicial c no-
Por decretos de 2 de jultio corren le | tas'do lermo da ciuade ju Desterro, eapial da
Comman lano .superior da guarda naci- provincia de Sania Calharina, c l.i nomeado
nal do municipio da Petra de Ssnta Atina, talirllio do regido geral das hypoihecas da ie-
na Baha, Manuel Pedro dos Santos Vi- pectiva comarca, Mauoel Jos de Oliveira.
da] Foi removido dos termos reunidos de Cara-
Ch.fe do eslado-maior da dita guarde, Dr. vellas, Villa Vico.a e Porto Aleare, n. provincia
.H,P B dallahia, para o de Lindares, Santa Lrut, No-
.O.'l. ,, .,..' ^ ___. i. ..........S...... 1,1,,..
Sinfroiiio Olyinpio Bace
Major-coniiuanJante do esquadro de ca-
vallaria dn mesmo municipio, Jo.io lieni.r-
dino lliirges.
Teiieiite-coronel cominaniUtito .lo l. ba-
lalliSo do infantaria do dilo municipio, Ma-
uool Joaquim Teir Sampaio.
Teninle-coronel comman laoto do 2. lia
va Almelda c Serra, na do Espirito Santo, o juis
municipal e de orpdSos Julio Cerar Beringuer
de llitancourt, a ru pedido.
Por decretos de al do mesmo me lorain no-
meados:
r,.non in.I me superior da guarda nacional
dos municipio doPirahy e 8. Joo do Principe
da provincia do Rio de Janeiro, Jos Luiz
t.lliaodito, Marcelino Gonealves Mascare- GT^seille.corooel colnln,nda.e do prlmelro
""" corpo de cavallaria dilo do municipio de Pira-
lenenle-coronel commandanle do 3." ha- .., jaseoomesde Souza Portugal.
laltnio dito, Jos Antonio Sampaio. 'J'euenle-coroncl du segundo corpo dito dito
i mino ni nuil- SUiieritir da guarda necio- do municipio de S. Joo do Principe, Joaquim
nal do municipio de .Maragogipe, na Baha, de Oliveira c Souza.
Francisco Xavier de Carvalho. Tenenle-coronel commandanle do Mil
Cliefe do esjalo-maior da mesma guarda, de i
Manuel Alves Fernandes Sicopira
Jlajor-coinmendente do esquadriio de ca-
vallaria Ja guar l nacional do dito muni-
cipio, leronyroo Jos Fernandes.
Tenenle-coronel comniandanie do Io ba-
Principc, Alactno Jos Xavier da Rocha.
i ..iioiiau.l.inti- superior da guarda nacional
dos municipios da barra Mausa e llio Claro, da
mesma provincia, Lucas Amonio Monteiro de
Barro.
Tenenle-coronel commandanle do corpo o
talliSo de infanlaria dito, Antonio Joaquim cavallaria dito, Joaquim Jos Ferraz de
veira.
Crrete de Araujo.
Tenenle-coronel cjmmandante do 2.* ba-
llilo dito. Domingos Rodrigues Seives.
Tenenle-coronel commaiidarito do 3.* ba-
lalhiii dito, luiz Fviraldino Goitfalves dos
Santos.
Tenenle coronel commandanle do 4." ba-
lellio dilo, Joan Vez Lordello.
Tenete-coronel commendenle do 5." ba-
1 I i.in dito, Manuel du Oliveira Guedes
Tenenle-coronel cotnmandanl.! do 6. bs-
Ulhao dilo, Feliciano de Araujo Tanajuro.
Major commandanle do esquadrio de caval-
laria dilo, Jos Themoleo Perreira de Mello.
Tenente-coronei commandanle do batalbo
de infautaria dilo, Firminiano Jos de Castro.
Major commandanle da seceo de batalho
de iufaotari dilo, Augusto Pi Pereira da Cruz.
Major commandanle da ecco do batalbo
de reerv, Joo Pereira da Cruz
to., Amonio Augusl.de A.rud. Joao Erneslo -'
Vir ato de Medeir..., Saturnino Soares de Mei- >> "'Uiitcip
relies, llulioo Bnat Gu.tavo Galvo, Firmo Jo- i bu, Miguel Mar
to de S. Francisco, na
aria de Teive e Argolo.
ilello.Franciico Garlos da Lat, Fraocico | Chele do estado-maior da mesma guarda
DuarteNunes, Jos Francisco de Castro Leal,'. nacional, D.Jos de Bilancoiilt eSa.
Aot.o,mi Maria de Olivena uulhoes. Amonio; Major-comman lante do esquedrilu de ce-
Joo llaugel de Vasconcellos Uautas, iliguel | v,||aria d guarda nuCional do mesmo mu-
Commando das armas.
Commandanle superior da guarda necio- Quartel cutral na cidatle do tteciftb de aj/oito
Ba-
V ionio Joo Rangel de Vasconcellos Damas
Pal-cio do Rio de Janeiro, em 13 de julho de
iS.ij. -- Manoel Felisardo de Souza e Alello.
Coul'oriuc, Libanio Ao-us. da Cunha Mallus.
tlicipio, Jos Freir de Carvalho.
de 1852.
(iiiiii.m do da n, 118.
Manda o Sr. marechal de campo Antonio
Conca Seara comnandante das armas, la-
zar publico para sciencia da (imini'i.i ', que
i o Sr. tenenle de terceira classe Luiz Jero-
nyuo Ignacio dos Santos obleve por aviso
Tenenle coronel commaiidente do I ba- ] irriliterlo da guerra de 20 de uovembro
talhao da guerd nacional de inl'ar.laria di-|,juann0 paSsado permissSo do governo pa-
to, Manoel da Veige Ornellas. r, feaijr ueste provincia, segundo constou
Tenelo-coronel commandanle do 2 ba-|ctn 0f|ciodo Extn. Sr. presidente dosta pro-
talh.ao dilo, Francisco Vicente Vianna. vincia do liontem datado.
Tenent--coronel commendaiile do 3.ba- Out'0 sim manda o mesmo Sr. marecbal
lalho dilo, r. Jos Augusto Cliaves. Ido campo declrar, que o Sr. capitSo d re-
Tenenle coronel commandanta do 4 *>a-1 feri.Ja clesse Manoel Lopes Maciel, que por
oordeguarda nicional dos municipios talhao dito, Luiz Antonio de Meirees. 0rdom do governj) expressa emavisode20
L .-.I...U v.;*;,. ..! l Commandanle superiur da guara naci-) de ouiubro de 1851 leve liceoca para resiJir
MINISTERIO DA JUSTICA.
Foram nomesdospor decrelus do 12 de
m,i0e2dejulliodel852:
Mejores judtnlcs de ordena do eslado-
,aior de guarda nicior
da Estenci, Santa Luza, c Espirito Santo
de provincia do Sergipe, Jos Calasans Bar-
bo-a Frence e Aulomo Barbosa di Franca.
epilo secretario getal do di;o esleJo-
mator, Francisco Teixura do Feria.
Gepitaoqueriel mestre, dito, Manoel Ig-
iiacio Pereira de M.gelnSes.
< iturgiao-mr, Dr. Antonio Rtbeiro Li- tz.go.
"ur|! Tenenle-coronel commendenle do i. ba-
ID,pordfCrelode22dome8mo mez: UlhSo de infinlerie dito, Luiz Barbosa do
nefedoestedo-maior da gu.rda naci- S Freir.
i la canilal do Merenho, o mejor do es- Tenente-coronei commandante do segun-
!" m.inrd i" ciaste do exeicito, Louren-do bilalhao dito, Domingos Josquim de A-
i tinieno da Serra Freir. nujo Ozorio.
uaior commendenle da secSo do bala- i M.jor-commaiidanlo da scccSo de bata-
,i t.ieserva da guarda nacional do S- lllo do reserva de Itaguahy, Antonio Ro-
llua.,en,,Fr.nc8cogdos Sanios Piulo B.D- drigues de Azevedo.
nal de itaguahy o Mangeretibe, de provin-
cia do Rio de Janeiro, Francisco Jos Car-
daso.
Tenenlu-oronel commandante do corpo
de cavallaria da guarde nacional dos mes-
mos municipios, Caeleno Jos da Silva Sen-
q
dure
Por decretos de* de junho prximo pas-
stdo:
Major cpmruendanle de -seceso do bla-
llulo de reserva de Mangiretiba, Joaquim
Alves da Silva Barros.
nesla guamifito eprosenlou se no querlel-
genaral, viudo da corle no da 23 do mez
de julho ultimo.
Candido leal t'erreira,
Ajudante de ordeni encarreeado do "detallie.
T1UBUNAL DA RELACA'.
SESSAO I i' 31 DE JULHO DE 1851.
Presidencia da F.xm Sr. conselhelro Asevedo.
As 10 horas da maiili.la, estendo presente,
os Srs. desembergedores Villares Le3o,
Souza, Rebollo, Luns Freir, Telles, Pe-
reire Monteiro, e Velle, feltando com causa
o Sr. desembargador Bastos: o Sr. presi-
dente declara sberta a sos.o.
niLr.ianros.
Aggravantes, EstevSo Jos Pees Birreto e
Appellinte, o jofzo ; ppelriitos, os herdef-
ros do padre Antonio Thereso de uliveira
Antunes.Mindaram com vista ao Sr. de-
semhergador procurador da coroa.
Appellante, Joaquim Alves Barbosa ; appel-
ledo, Cerlos Frederico de Silva Pinto.
Mandaram com vista ao curador geral.
NiMliMilnH-i.
Appellante, o juizo ; appellado, Galdioo
Guedes da Silva.
Appellante, o promotor publico; appellado,
o juizo.
Appellente, JoSo Evengelisle da Costa o Sil-
va ; appelledos, James cabtree&Compi-
nhia o outros.
Appeil iiiii's, e appelledos, joiquim Lobato
l-'.-in--ra e Monoel de Almeida Looes.
Appellante, o juio : appelledos, Johnslon
Palor & Compinhia.
Appellante, Manoel Prudente dcJezus; ep
pelledo, Jos Pdrnira da Silva C.rvalho
Appellantes, Manoel t:.inuta Meciel e outro;
appellados, Nicolao Alves da Silva, sua
mulher e outros.
Appellantes, Joequim Jos de Menezes, sua
mulher e oulros; appelladus, Antonio Pe-
reira de Souza e sus mulher.
Appellanles, Jos Corroa de Araujo Furtado
e sua mulner; appellados, Jo3o Beplista
Guilliertne, sua mulher e outros.
Rivisoes.
Passiram do Sr. desembargador Lelo ao
Sr. desembargador Souza as seguintes ap-
pellac.0es em qun .-.ao :
Appellante, Virginio Carneiro LeSo ; appel-
lado, Jos Marques de Almoida.
Appellanles, Manoel Gomes da Cunha Lima
o oulros ; appellados, Francisco Xavier
di- Miranda Delinques e outros.
Pasiram-ilo Sr. desembargador Snnz an
Sr. desembargador Rebello as seguintes ap-
appellaces em-que sao :
Appellente, o promotor publico ; appella-
dos, Luiz Jos Sarment, JoSo Carlos Ba-
rata e outros.
Appellante, Manoel Francisco da Silva ; ap-
pellado, Aune Joaquina dos Praieres.
pjSAtram do ate. d-htouib.mador II..I...I1,.
ao Sr. desembargador Luna Fretro as se-
guintes appellaces em que sSo :
Appellanles, Miguel Gonealves Rodrigues
Franr-,1 e outros; appellado', lote Kum<1u
Coii(slves Muniz e outros.
Appellanles, Manoel Antonio Das, sua mu
Ihere oulros; appellado, Jos Francisco
Beln.
Appellanles, e appellados, Francisco Anto-
nio da Silva Cavalcanti e Antonio da Silva
Ferreira.
Passaram do Sr. desembargador Luna
Freir ao Sr. desembargador Tulles as se-
guintes aopellases em aun sSo :
Appellante, Malhrs uVaz de Oliveira ; appcl-
iado, Jos reneira Cariieiru.
Appellantes, D. Auna Izabel de Souza LeSo
e seus nidos; appollado, Manoel Joaquim
Itemnsc Silva.
Appellsnle, JoSo AlTonso Bigueira ; appel-
laiio, JoSo de Silva Loureiro.
Appellenles, e appellados. Angelo Francisco
Carneiro e outros, o Jos Carneiro Rodri-
gues Campelo e out'os
Passarem do Sr. desembargador Telles eo
Sr. desembargador Pereira Monteiro es se-
guintes sppelIsQoes em que sao :
Appellante, Menoel Frencisco Vequeiro;
appelledo, o juizo.
Appellente, or Antonio Peroire ; appella-
do, ojuizo.
Appellente, Manoel Pereire de Carvalho
appellados, JoSo Francisco Paes Brrelo e
sua mulher.
Appellante, Manoel Antonio deAzevelo;
appellado, Joaquim Machado do Albu-
querque Lina.
Appellante, Joaquim Ferreira da Cunha Sou-
lo-Mior ; appellado, Ju3o Baptista de
Paiva.
Pessou do Sr. desembargador Pereira
Monte ro ao Sr desembargador Valle a so-
guinle appellacao em quo .-o :
Appellente, o juizo; eppellado, Raymundo
Correia de Araujo
Passaram do Sr. deombargdor Valle ao
Sr. desembargedor Villares as seguimos ap-
pellecOesem quesao :
Appollente, o juizo ; appellado, Manoel Jos
Ferreira.
Appellante, o juizo; appellado, Banto Jos.
Appellante,o juizo; appellado, Pedro Bap-
tista dos Santos.
Appellanles, Manoel Guedes Goodim e sua
mulher; appelledos, Frencisco Cavalcan-
ti de Vasconcellos e Mello, i sus mulher.
Appellente, o juizo ; appelledo, Elene Per-
petua da Silveira.
Appellanle, Jos Pinto Ferreira ; appellado,
Manoel Rozcndo Reg.
distmbuicObs.
Ao Sr. desembargador Souza a segua-
te appellacao emques3o:
Appellanle, ojuizo; appellado, o esclavo
Manoel.
Ao Sr. desembargador Le3o o seguin-
te aggravo em que sao :
Agg'avante,Victorino Francisco dos Santos;
aggravados, D. Flora Mario Dinll e outros
Appellante, o juizo; appellaJo, JoSo Soares
Pinto.
Ao Sr. desembargador Villares o seguin-
leeggrevo em que sao;
Aggr.vanic, Manoel Alves Guerra ; aggreva-
d, Mara da Conceicio da Silveira Maciel
Monteiro.
Nao foram julgados os de mais fetos com
dia assignado por haver fallado a sess3o o
poli nlneuemhojei.be aluda quaodo essa lio- addiclonaudo o termos da comer suppriml-
ra loar da( a de Santo ) alguma ouira. agora no
de deiiar de adoptar a completa ioverso que
Principiare! por um objeolo que a falta de
lempo obrigou-mc a omluir na ininha ultima.
lie com o Sr. deputado Mabuco, que cun a
devida venia vou entender-me, nn para agre-
di-lo. poi a lano nio cheaa o meu eslra deiprovi
do, mas para defender-me, porque a defesa he
de direilo natural, como S. Kic. milito bein
sabe.
Totaiaapcsioa e cousas desta provincia, in-
dividual ou conectivamente, foram lembradas
na dlscuasolravada entre os enhores Pacheco
e Nabuco.
Mal sabia eu que nao licaria eequecldo e que
gozarla da subida honra de aer lembrado e
mencionado na tribuna parlamentar em occa-
Mini leo aoleuiue.
O Sr. Nabuco declarou que lulava com uina
prevenfo inulto gran c que contra elle funda-
ra a imprensa opposicioniala. e bem a.siin a
correspondencia do iotnal do Comtmrcio, nao
quero e nrm me cabe agora discutir se essa pre-
veocao era justa ou injuita : o que me cumpie
dizer bem, he que, se ella ezislc como S. Eic,
confessa, e se procede em paite da correspon-
dencia do Jornal do Commercio. nao he eslabe-
lecida ou cicada pelo conespondenle, asir
pelos fados |que elle em obediencia a eu
dever foi obrigado a refeiir, sem acotnpanha-
los de diicusso ou relleses teudendesa preju-
dicar seu autor,
A questu, p .i', resnlve-sc na seguinte : uSao
ou nao eaactos os fictos occorridos .inania a
administraco de S. Esc. consignados na cor-
til .
aofficu o projecto com urna din.au totalmente
nova.
Parece porrn que era deaerrazoedo ete re-
paro da oppoaico ; porquanlo a cnmmlsso de
corulllulfo, a quem foi. remeltido o negocio
com urgencia, acaba de dararu perecei echen-
do ludo multo regular e dando inlrlra razio ao
vicr-prrii lente, cuja proposta divldindo a pro-
vincia em iO comarcas foi convenida em emen-
da para ser approvada.
Proejo noriri um grande combate e reinei-
lo ; porqu a oppuslcao, que he dial andava
mullo amavel, acordou boje iracunda, e pru-
v.iv, I.n. ni,- no delsara de envidar clareas
para obstar a patsagrin da le esje anno pola
que, apeaar de ler tambrm sido prorogada boje
a assembla al i7, nao vejo grande dlfticulda-
de ein evitar a paisagein da lei, una vez que
haja proposito lirine.
Boas raides nao laltain para conlrariar a pro-
posta do vice-preaidenle ; pol que bata dl-
zer-lhcque, em geral, etabelrc um.i grande
nonda.I.-, qual a de ligar o termo martimo
aos de serra cima, e especialmente ha de er
mullo combatida a supreisao da comarca de
Sanio, lie.in.l > os termos que a compunbam
mus ni ,s a oiiuo, e paliando o de sauto a
ser incorporado a comarcada capital, o de a.
Sebasilo e Villa Bella de Jacarehy, e os de
Iguape, Cauaua e Xinrica de llapcti-
oinga.
Nem tanto era preciso para suscitar urna Iar-
dlscusso e como he mal qu' provavel
gnamo-iios a coooemnacao q
mereceramos ; ao contraro, continuaremos a
pensar que bem cumpriuios nosso dever para
com n publico c para com a folha a quem pres-
tamos unsso concurso, referiudo co.n escrupu-
losa <-v ii n.la i ludo i|omi ... .-.oa digno de
ni i- n. .ni, sem iinpoilaiiiio-nos se somos ou uu
agradaveis a quem Icm parle mais ou menos
directa nos lacios que con-ignamos em uossa
correspondencia.
Se S. Esc. nao tivesse lalvez necessidade de
dar-nos de auipeiio, veria que algumas vezes
lomos solcitos em assignalar actos seus que re-
velavam tendencias louvaveis : e que, se lizes-
s.mus o mesmo acerca de oulros que nao esta-
v un nesla ordem, do proprielario do jornal de-
ve queixar-se, por uho uos ler declarado que
mitlissimos ludo aquillo que podesse desagra-
dar a quem est Rovernaodo.
lanas naconvieco de nossa imparcialidadc
na relaco dos fados, pensamos que niogucui
pdc .....,...:; i com vanlagem ; para o
Sr. Nabuco, assim como para lodo os que nos
remurarem, tesaos urna s resposla : accosai-
nos de inesaclido, i-.piuv u vossa accusa(o,
que no daremos por vencidos.
|i n mol i. mele a anoei-cio de Iguape e Ca-
uaua a Itapetloing. Iguape disla de Ilapetl-
uinga mais de 10 leguas, e o transito he relio
pane pelo rio da Ribeira, e pa. te por Ierra, e
por um e.iiinolio que real merecerla o nome de
urna boa picada. Canana est aiada 12 leguas
ao Sul de Iguape, c lie preciso vlr a ela cldadc
por mar, e ah embarcar em canoa rio cima,
e depois ir por Ierra seiup'e que e quner qual-
quer deipacho do junde direito residiudo em
Itapetioinga.
A Mipiues.au da comarca de Santo torna
avulso o Dr. MiliHo, e sendo tres prover be
provavel que urna das comaicas pcrleoca a es-
te julz ; dlsem que ouira sea dada ao br. Ro-
berto de Almelda, que aqu exerceu o lugar de
juiz de orpho por muilo lempo, e com multa
dletlnccaa ; e a mura periencer ao Dr. Jos
Alves, que he juiz avulso ha inuilos anuos, ou
ao Dr. Pereira Joige, que he chee de polica ;
paiece que a balauca peale maia para esle ul-
timo, que alm de ludo, he deputado.
Se anini I., ti.-.iin com agu na bocea muitos
pretendenlcs da assembla provincial que j
ser vi rain ou oi vcui os liijjare de juizes muni-
Tenho bem proseles as inslruccOes que V. cipaes. ..
deusua correspondencia dasproviocias.de Para nao dcnar de variar de assiimpto, oir-
que me desvaueco de ser sepi ".....">r. ao Ihc-hci que no domingo passado (n) o teucotc-
,,.........ni. ii.il un Rigorosa esactldao Coronel .....a.,,.,., .,-. a.,...,,, o. Comer
.. r.sM,,, abslenco de discusso pollllc, --Galvio enurgau o eomininpa do corpo aoo
de iiu.i.iicdio dos mesmos uo ,euiido de lor- tenenle-coronel P.ieihcu. ultimainenle Jiomc.
iia-los uicisou prejudloUel aos pariblo do. u ta..ui-.-,oel fJalvao poae uraua.-s. ,
Estou profuodameme convencido de que te- porque o corpo de seu commaudo eslava o
nho desempenhado religiosaoienle este coo.cio mei brilliaule que he possivel. lano ein uis-
e sensato programma; e emq amo asllm pro- "u,cfi"' c disciplina, con... no provimenlo de
ceder como com a connaoca de V. do nubil, mo,planto compele ao soldado. A Intrega foi
... .. .......... i.
Sr. desembargadoracima mencionado.
Lovanlou-sn a sessSo deputs do meio dia.
NTERIOR.
segu
le Si liten; a Veritut odium latii.
Fallam cinco das pira terminar a proroga-
co da assembla provincial e o orc.aincuioain-
tU est em segunda discusso, c muilo atraza-
do ; e assim Icnhu de ver realisada a iiiinb
previso sobre a necessidade de nova proro-
gaco
iNao pense al-iinn que esla demora deve-se
opposico, porque seria nijn-u.a. ella lem
discutido com uiuila franqueza c parciiuouia o
orcanieuto; oulras sao as causas, e despern-
me de icferi-las por seren muilas c variadas.
Alinal os unicos resultados .l.-i i sesso se-
ro as duas le anuuas, a de subsidio c mais al-
giimis creando freguezias, deliuiudo divisas,
etc.
O orcamento provisorio apresentado peh op-
posico novegou com vento em popa al a ter-
cena disco>so, onde cucilhuu ; mi sel que
birra llic lomaram alguos membros da inaioria
que ni,. ,u un ., eiiibargai-llic o passo com
repelido espedientes proielatoilos. quaodo an-
tes lodos o 11 eeluaiu de lo a., u aberlos e o ap-
provavam sem debate Heaconlio ijuc receiam
que, passaiuloesse projeco, desgrane -te a uialo-
na, pois uiuilos deputa.los de fotaandam pelos
cabellos, e assim deizc do haver uuoiero para a
passagem da lei do orcamento em que se cou-
lm muilas providencias salulares, como a re-
gulansaco da iospeceo geral da lustrucc.o
publica, a renovacao do archivo publico, a
crca^o de una commisso de csialisiica soll'n-
velmeote retribuida, etc., etc.
O projecto creando mais tres coiniiiarcas foi
atacado de paralysia da segunda para a terceira
discusso; mas alinal passou depois de eslar
COin pedra em cima mais de um me/., blpllcam
islo pela necessidade de consultar o governo
geral sobre sua conveniencia, visto que ha ius-
trueco aas presidentes para nao seren lacis
ein saiiccionar a creaco de novas comarcas,
que he da aiiribuico da aasemblas proviu-
clae, ao pasio que quem paga os juizes he o
cofre geral.
Ouco dizer que resposla do governo geral
foi que qu .n i muilo adinitlia mais tres co-
marcas, c uoqualro ; mas como o projecto j
passou em terceira discusso, agora uo ha vol-
ta sena.i subir tal qual -aacco, e veremos o
que resulla.
. 14 de julbo.
SAN PAULO.
10 de julho.
Perd o mcu lempo procurando adianlar eila
correspondencia, come^ando-a no mesmo dia
da chegada do vapor que dahi sabio a 8, pur-
que no da II quaudo pergunlei i|uando vol-
taria a mala j liona panido, de soi le que esle
vapor e o penltimo vieraiu apenas dar-nos
um recado sem esperar pela resposla ; porque
ninguem conta que a demora seja apenas de
um dia. c por isso licaram lodos logrado. Ve-
leu-me que ante-bonlem clirgou a mala do
Mu un/ que como fregoez novo, inostra-se mais
coudescendenie, e demora-seal 18 ; e por isio
lenho folga al amaoha para escrever-lhc.
Dispula-se multo por e sobre a volla do pre-
sidente Nabuco, allit inau.io uus que ella se
i. ili'.n a, outros que j se trata de convidar
quem o subni'.ua ; e dizcm cariai dahi, e Ibihei
de c, que foram convidados o senador Joblin
e oDr. Pedreira.
A opposico diz que muilo desoja que elle
volte ; parece urna contiadicco' vista das
queiias que contra elle lem feilo ; mas os par-
tidos lem l seus segredo ; e uo me admirarla
que osla appareote conlradicco fosse explicada
sali-t i. tul i imeule.
Vollo da assembla provincial, e acabo de
ouvira leituia das razfies em que se fuudou o
presidente para nao sanecionar o projecto dis
comarca ; elfram-se no seguinte : So mui-
las, dea li isla va ni i c como appenso s raides,
enviou o vice-presloenle um prejecio novo de
diviso obre esla base, com o que multo e
zangoua oppo.ico, tazando de Irregular e In-
1 vasor elc procedimenlo, visio que o presidenie
nao lem Inlclallv para que pudesse mandar
a proposta
A chegada do crrelo do vapor que d'ahl par- ^roporiv.. a eemblea e porque e..a proposi,
lio amehontem (8) adverle-ine de que evo coarcu a liberdade da asscinblia, fluc-I oden
prepr.r-.ne, par. que. qu.ndo so.r a hora da do fldmlllir as riiJ'toP"''^ >" '
partida, nao .eje pllhado totalmente descal.o, numero, crefo.mar nene cnttdo o projecto,
lrmenle aos culendidos n i materia.
(Js oii'i.-i o-s c cadetes do corpo diriglram una
carta de despedida muilo lisongeira c honrosa
ao teniaite-i moiiel tialvao faco-lbe julifa di-
zeudo que uala ba ahi de engorado; porque
elle foi, no rigor da expresso um opliinocom-
ni ind.int. lauto pela pericia que demonslrou,
como pe- zelo que inanifeot p:!= bem citar
e uiur.ihd.ide da gente coufiada a seu com-
maudo.
Nos primeiros das desle me luglram da
cadeia desia cidade, por una mina que prali-
caram pordebaixo da parede externa de una
das | 11-,, em ipie s ali habilavam, quatro
presoi Jaquelle de tirar o chapeo. Eram todos
elle assassiuos.e o mais mofu linha comecado
sua in.ii matando o pal, ejuravaa seus
deuses que uo bav>a de morrer sem gosar do
piazer de assassinar tanibcm a mal. Seudo jul-
gado ba dous aonos nao se Ihe iinpoza pena
capital por ser de menor tdade ; mas se con-
seguir realisar cus designios nefandos nao
Ihe valera essa cousiderajao para escapar da
corda.
Era natural da Ireguezia de llapecarica ; e
para aproveitar a occasio, dlrel que ella po-
voaco i. ui -se distinguido pelo numero e qua-
lidade de criminoso ; esl para ser julgado
ua actual se.sao du jury uutro moco dah.iguel-
io, ule aecusado de parricidio.
Conmina a lucerteza obre o fallados pro-
joclo de loeorpora(ao de una componhla de
capitalistas dessa praca para a facluia de una
estrada de comuiunicacao do pono de Santas
com as povoacea do interior qoc maior pio-
dUCCo api es. III Ol.
He urna calamidado nao haver urna ioforma-
cao s.tisfactoria e ulli. i.il a res|icilo ; porque
se houvesse esiou persuadido de que leria sido
possivel nesta mesma sesso votaiem-se os au-
xilio depeudeule da asaewbla provincial pa-
ra lo importante quanto desojada empresa.
15 do Jii.Ii.i.
Cousas doste mundo o projecto sobre
comarcas passuu hoje sem urna s observa-
dlo em cont'erio I como aconteceu islo, me
perguntora V. ? Vou explicar-lhe, uor bem
de tneu crdito, pois Ihe havia prediclo qua
suscitara reiiliida di.cus-o.
A maiorio passou palsvre para estar reu-
nida as 10 hons em ponto ; e poslo que nun-
ca se abroa sessSo antes das II horas, boje
estavam 19 ant-s desta hora ; n3o havia na
casa um so mimbro da oppusicao
O projecto sobre comarcas estiva em qtur-
to lugar ne ordem do da ; e apenes leu-se a
acle, requereu-se urgencia pare este pro-
jecto ; o venc le esta, fui epprovado o pa-
recer da conimusSo de t- iii-uiuic/.o, dne-
rindo as rastV-s do presidente, e reforman-
do a lei no sentido por elle indicado.
(hundo a, enes se ecabava de votr, on-
Irou o Dr. Rlbeirode Andrad, e taando^
com o que via, e vendo que o presidente an-
nunciava que torn.va o projecto ao gover-
no sem passer pele commisso de redacsSo,
peJio que se observesso o regiment, man-
dando-seo proj-cto e emendas ltimamen-
te voladis dita commisso. O prost Jauto
n3o aceituu esla renuenmento, fuudando-sa
em que n.1o era hura propria, por ser meto-
rie de expediente, que s ele II hores poda
ser requerida. O Sr. Ribeiro de Andradare-
quereu urgencia, e, nao sendo esls-apoied,
iiuoixuu-.sa amargamente do aliupeileineii-
lo do negocio; e eniaoo presidente, como
paia consola-lo, declarou que tuno remelle-
ra ao governo o projecto al sor discutido
e votado o requerimeuto que eliga que pes-
sasse previamente pela commisso do re-
dec(o, o quel ser lido o ajoiado amanbaa
na hora do oxpediente.
Com esla promossa acelmou-se o depu-
tado oppusicionista e passou-se discussOu
do orc.am.cuto (segunda ) que versava subrd
MUTILADO


t-ll'!
artigos dditlvos. Houve de notavel nesta correncia, alm do mais, peloprejuizo que
discussflo un) discurso de duss tioras do Dr. ella trouxea unas pobre* o honestassenho-
Rodngues dos Santos, impugnando um bil rig, donas da escrova, nflo posso deix>r do
de indemnidade proposto pela commissflo .dar os parabens i polica pela prompttdflo
de faz-na para legaliair 40 e lanos con- de suasprovidencias o bons resultado que
los de despexii feta pelo 8r. Nabuco, alm delles vai colhendo.
do crdito que Ihe conceda a Ici do orr;a- Foi preso o celebro Jacanhudo rcente-, o
ment.
Prorogou-so a aess.lo at 4 horas para vo-
tar-seo ornamento em segn la discussflo ;
o apenas notar'! a adopeflo dus projeclus do
mesrno Dr. Rodrigues dos Sanios, auxilian-
do a imporUcflode colonos para emproga-
rem-sonos trabalhos agrcolas, o fundando
um gabinete de machinas na capital, os
quae foram offurecidos como addilivos por
dous membros da muiuria.
terror de Goianiiiulia, o acuule desta pro-
vincia, ovingador dusaggravos Ih.-ios, o
cavalleiro an lame, som Dulcinea, do anno
de 51. Honra ao Exm. presidenta, que tan-
to si lem esforcado por expurgar esta pro-
vincia de smnelhantes feras de horrorosa
nomeada. Sim, honra a elle que nSo !em
poupado provi loncias e dispezas para li-
vrar-nos de taes Peras, quo nos trariam em
continuos sustos pela nossa vida, o dos oh
Muito tulla a dizer-lhe boj*, mas falla-1 jectos mais charos de nossas affoicOes,
meo lempo: por isso apenas posso infor-' qnando nflo cobertns de cropo por haverem
uatro lluras da larde, o a' ccifado om flor a vida de algum desses ob-
oiar-lh quo silo q
assembla est em sessflo permanenlo ate
votar-seo O'Qamenlocm terceira discusaflo.
O Dr. Rodrigues dos Sanio* orou desdi! 11
t|2 horas at 3 da tarde; a requerimenlo
de um dcpulado da iiiainna votou-se a pro-
rogaefloda sessflo al 9 horas da noite, ou
at volar-se o orgatuento.
Esta um espectculo curioso a assemblca
provincial; a opposicio esta toda presento,
o os depulados da maioria sustentam a dis-
cussflo falla
seus collega
O correiu
jectos.
Foi assas^inado na freguezla do Taipu o
nflo menos fcanhoso Catana, de quem tan-
to lio' tenho fllalo. Anda nito lio conhe-
cido o autor do assassinato ; mas sem du-
vida foi elle algum dosmuitosoffendidospor
aquella lera, ou dos por ella aineagadus.
Soja qoem fr, ou fosse quem fosse, o cer-
to he que elle vflo lovan lo lim.
Occorre-me urna observado. Dar-so-ba
em esprtela e ronha n3o cedo a palma a ne-
nhum padre raestre jubilado.
E o mundo vai de mal a pelor: mal de urna
vea tueu bnm Lbenlo, te tenho eu dito, li
nSo ha Siberia, nem IndoitSo em leparado, lu-
do eal barulhado, ludo eal misturado e con-
fundido, e nao apenaa trocado, como te dine
n. minba anterior. Eitavamoi do todoitaomul-
to cbeloi de si e mullo ufanos, porque na sibe-
ria bavla pegado o fogo, e no luaoiiao havla
elo; pola bem, hoje 2l de julho relatnpeou
ou relampejou, como quer o Irinao Flua, e na
sala do capitulo cahiram raloi e coriseos! Iiis-
culia Fr. Angelo, eFr.Aprlglo diva Iheapartes;
e apartes vo, apartes vem: vois fea acias fal-
tas, dizla um ; voli foi que fez as do convento
tal, dala o oulro; voii he um Infame Infa-
me he voss, s patife, du Fr. Aprlglo, vou ja
quebrar-lhe a cara, dit Fr. Angelo i o prealdeu-
te chama a ordem ; elles deliam acua lugares e
all inclino na iala vao.se aoi babadoa, e.... Ora
eata! Fradeacom babadoi!! Emende l como
quizerea, Ibram seas unhas: discuique Fr. Au*
gelo acoslumado a brlgas de galloi, alirra um
bote de espores ao Fr. Aprlgio, e elle cantou-
Ihe una antfona de palavriado bornvel, como
nem todos os donatos.panados, presentes e fu-
turos nao seriam capazes de cantar. Porm
nao houve arranhdes, e uieteudo-se de permeio
ludoserenou; mas como contra os antigoi ei-
tvloi o capitulo eslava de portal abertal, (in-
menso povo preaenciou eatei escndalos, que
vio matando o prestigio aos guardia, proviu
claea. deliuidorea e a toda a coinmunidade. Au-
2
tentemente habilitadas.
Secretaria da theaourarla de fazenda de
Pernambuco, em SO|de,jullio de t852.
O oflicial-niaiur interino,
Emilio Xavior Sobreira de Mello.
Deca rayes
i agita Conttituicio, por occasiflo'de urna cife 30 de julho 1852. --Costa MenezesMa-, horas da manbSa dos referidos das, compe-
no'l Jos da Molla, escrivo vitalicio do[*
civol desta cidade do Recife de Pernambu-I
co por S. M. I. e C. o Sr. I). Pedro II al
quem Dos gusrde etc.
Corintio a vista da execucSo de que I
(rata a peticlo supra ser a importancia da |
mesma execucSo de principal, juros el
custas contados na quantia do 1:187/2*3"
rs. em virtude desta oxecujAo o supplican-' CORREIO.
do exequonte fez ir a prar;a, e remalou com I Cartas seguras vindas do sul pelo vapor
licenca deste juizo urna botica com suast Bahiana, para os senhores:=A. J. Oliveira
drogas, om escravo e 10 apolicos de com-1 Bruno Antonio de Serpa UranlSo, C. J A>-
panhia do Beribe, pe tencentes ao mesmo: uey & Companhia, Fr. Caetano de Missias
executado Jos Mana Goncalvos Ramos : o Eirmino Fogassa Bitancnuit, Francisco O-
referido he verdadeiro e aos autos me re-
porto. Ri'Cife 3 de agosto 1832. Subscrevi
e assignai em f do verdade.Manoel Jos
da Molla ,n. 128, 160 Pagou 160 rs de
sollo. Recife
lito Sa.
aaa>J>aaaSHBBasaBaaacs>aBBaaaaaaaacYa9Iia~v
ndo paro ascadeiras emquanlo acaso que a mencilo feta em minhas episto- ligainente haviam cotilas bem boas, que nao
il VlOlaotar I las de qualquer thugg importe para olle dcverain aer assi.o despreadai. Quando, coino
lUh0,senlbrrevemente, edir-.he- urna -l..^?. a| so eU tivesse disso JS^nS^tAt^SSX
tiei 0 mais palo seguinte
(Coria particular.)
A Aurora Vaulitana publica o sguinte
lacto horroroso, occorrido no Porto do Cima,
municipione Paramagua:
No da 17 do mez passado, Manoel Cor-
deiro e seu camarada JoSo de Paria (moto
que se diz perpetrador de duas inortes o per-
seguido pela polica de Corintia), bem co-
mo Elisio JOSC da Rosa c seu camarada Joa-
quim Clan .lino, desciam de Coritiba para o
Porto de Cena, cada um com tuna tropa de
crva-mato, e chegando aos eslreitos da sor-
ra, altercaran! sobre quem loria a preferen-
cia 11a passagem. A altorcafilo tornou-se
sena. Elisio avanza com \ima faca para Ma-
noel Cordeirn, o qual pam defender-se, der-
riba seu aggressor com una bonloada. Aqu
porm n3u para a lula. O camarada do fo-
ndo (Joaquim Clau.lino), acude com un
bacatnarle para vinga-lo; antes porm de
poder usar de sua arma he fondo por JoSo
do Karia. A forida nilo o impu >c do fazor
fogo a seu novo e lenivel antagonista, po
rui fa-localur exhausto depuis deste es-
forz. EniSo vi'iido-o 111 Icl'esii, Joo de Fu-
ria laiiQa-so sobro elle, firc-o com duas l'a-
.i o- no peilo, u corea com um lorcoiro liu-
micidio.
U resultado desta lula horrorosa, desto
laclo atroz, fui a aparecer Elisio Jos da llo-
sa cun a cabera fracturada, o Joaquim Clau-
dino ser conduzdo moilo para o Porlo de
Cima.
Entretanto o assassino o seu companheiro
venderam impunemente suas ei vs, depois
do que alguns individuos se reuniram para
aprisiona-los. Eis a u rr.n,'"io exacta, em
virluie de informafilode pvssua liimligna,
deati insto acontecimento. Certamenlo o
govoriuda |i ovni 11 ja o uo ignora, ees-
peramos <|iku l.\ui. vioe-piesideiile trata-
r le dar pruDipt.imctilo asmis rii.'i.r.i-
providencias tara 1 punico destes crimi-
nosos, o para impedir a reproducc.Ho do foc-
los desta ordem.
(ornal rfo Commurcin )
le urna carta escrever-lhe-
certoza, cm vez pe) urna cana crovoi-iMo- u por den,r-, lnas no lim repicavam 01 alos,
Ina sempreuma ladamha, e logo depois um caovll.,e 0 re-Deam, o povo nada lafta, etu-
mtmento. do la seu c.aminho ; mas asiim!.,.. Oh I ni cu
OTaip vai repellindo os famigerados de Deoi.sefoaie eotre donatos, anda alada; po-
si, o parece-me quequor resdqoirir seu no- tem no coro alto, no capitulo:!!
me de rariu//o, da que em lempos tnaisfe-| J ha poucos das bouve caso quisi
lizosgozou; infelizmente, porJ, sompre igual entre fre Nabuco, guardio de S.
so tem descartado por um acto immoral e Paulo, o frei Pacbeco, ex-guardifio de Ser-
criminoso, sempro pede um assassino ga- gype, e tudo por causa de eleicOes ( malJi-
nliando outros; eomquanlu o negocio fr tas eleiQes ) porm desafiaram-se para a
assim nflo adquire sua tranquilidade, como ra. Ora, frades brigando na ra! Nao
preten le. leom elles urna cerca lamauha ? Pense,
Na terceira comarca dous sentenciados, meu querido Liborio, quo nSo voltaria mais
sahindu para fazerem a limpeza da cadiia, 0s lempos de um nosso conhecido fre An-
poueram qu.-brar o cadeado da crrente, ionio das Dores, capellSu do balalhflo ligei-
que os prendi 1, e pr-se em fuga ; mas os ro ; mas, como te dizia,o mundo vai de
soldados quf os guardavam conseguirn pi- mal a peior.Esta febre comocou entre os
llur um, quo morreu em resistencia, po- frades velhos da Siberia, e bem tema euo
doiulo ovudir-se o oulro. contagio Felizmonle os donatos u3o leem
Eis as novidades ouo teem occorrido, e voto em capitulo,
nfla s3o poucas, e nem de pequea impor- Para desencargo deconsciencia devo fa-
portancia. Um tennnte-general dos Ihuggs zer urna deClara^So. Em nada dislo entra
preso, outro de pro/undis, e mais oulro li- religioso algum da ordem siraflca, nem de
vra dos tiabalhos desic mundo, ou cuja alguina outra, e se usei desta allegoria, ou
parlo enlram os da ca lea do l'onibal. Urna como melhor Ihe quciras chamar, he por-
p-re dcfeiln no corado da cidade.....o..... que lembrei-me de um antigo quadroque
mi- nflo ^el o que. vi nesae cinvonto, ropresentiodi) um reli-
Lombra-aie agora, nflo sci se vir a pr|- giosoque, duvidando da realidide das cha-
lo, nina auedocta do um commandantc da gas do nosso soiallco patriarclia poz-se
f-irtalaza do Cabedello, om lempo em que com um caivete a raspar as cnagas de urna
en militara, e all rno achava destacado, sua imagem das quaes immodialamente
Sali que eu se.npro fui um pouco rbula e correo copioso sanguo; e dizia o autor do
escrcuenle, e como de mais a mais fui sacliris- quadro, queesse religioso nSo era da nossa
Iflo dos jesutas, tive in lio lempore um olho ordom, mas que por modoslta elle o ene 1-
em trra de cogus, quero dizer, era cha- bria debaixo do nosso habito. Euqueren-
mado para fazer alguns requerimentos ao do imitar o tal pintor, trouxe para aqui os
almolac, algumas mtssivas amatorias, al- frades eo capitulo, isto par sar ou donato
guns banhi'S para nubenles, alguns ofllcios escrevenio a outro donato,
para o governador, por esta minha pres-j Este anuo como que nflo tem hav lo 111-
tabilidade, que algumas vo/es me renda o verno, o lempo lem estado quente, e d'abi
-meu vnti!i de cocadas, o tal com man- talvez nasQam esses iacendios.
Adeos ; leuibra-le sampre do
O IrmSo Andr.
DIARIO Dfi PERNAIBOGO.
RECIFE li DE AGOSTO DE 1852.
RIO 1,1; Jwiiiio.
Reiumo da exlrac^'ta dos premios da 1" lote-
ra concedida a Irmundadc do SS. Sacra
meato da cidade de ilacci, cm 17 de iutho
de 1852.
1 N. U298...........20:01)1)41000
3844........... Iil:iiiinaiinii
"72........... 4U(io/ilii
3J84 :...... 2:0UU/00U
47".8!,,r!8?!:"?4!'^8'!(,i0oo'Mo
Ail- 039-'-20lo-'-:W5/".'l44!l
38I0-4567--483848KO--6134
18 3 i 1 lou 1593 i 880
204720ol. U >3- -2.IH-2510
271B3.V2U-.V22-3725-3730
37U83S6I3UI-24u"3 -57u8
187 199 361 4i4 4t)4\
538-- 573 98U-1058--1304 I
i:i5-l38'i-l7t).1)118I8'li
1901 1943IOI8--2204 i '(:i
234H-2I06257u-lt>ti72BSi I
27U4-2754-27SI 28l7-28:i0\
887-S9I0292531723251 '
337-2- 305H-3IW73K24--38!lj
4'20-4U47-41U7--4-220427U
147545144l29-4li.i1-48ll7
1
1
6
10
00
400/000
200/000
danle me Chamava para garatujr-lbe a par-
lo nana da forUleza pira o quarlel-gene-
ral, note bem que s para escrevor, pois a
honra do mintala mn nflo cjlia o com-
mandaote, quo divisava em mim urna lo
i|uela impropria do Sr. governador. Em
001 !-.-- das de eterna recordar;So, om
qu eu servi deSvreoeu escrevealo,dis-
.oniiomiinii....... ,m 10 |u o serio de
ouo ha c >paz o mais seno ire
;..:....- na Hnlva r-im i i
um Immctn perdeu um bra?o, oulro mor
ron, na forma do costume nflo houve no-
vidado.Eu assim o escrovi, porque elle :(je*'oe>rre"uaMude'
nfloadinitiiadiscusses, o acal.ou-se a hia- j E 4esasao da 84 do passido approvou o
loria. Na mesma forma digo eu agora (h.S0,iaJ,,(!fJlultiala dMJM, LgflSSl a
esta 1 moralidado do cont) lopois de ludo !
eRaS *"1 i8! Pelo vapor Bahiana, entrado bolado Sol,
J SSi,*lS.! data at87 do patudo, da Babia at 3~d"
corrente.o de Micei at 5.
>. S. M. M. I. I. o A. A. licavam no goso
IO/D00
49u3- 4908-4974513.15177
5216-531.-5I91-5US2--5720
100 de.
1800 de.
4U/OU0
20-000
quanio cima disse, nada ha contra a segu-
ranea individual o tranquillidade publica.
A novena do minha padroeira vai brillun-
te. Anda nflo perdi urna s noite, e lenho
goslado summamonle. S noto a anoma-
la de seren os rogos doar do illuminacflo
quando a-* noltos so do luar. Talvcz o fo-
guetniro nflo consultassc a astronoma an-
tes de principiar os fogos.
Fiquu-lhe cm leiniirancn que fogos de II-
umiDar;So em noite do la lio o mesmo quo.
tama neos em lemoo da ve flo, sorvele na
Russia, w I-a no Brasil n botia na frica.
O belloISZO anda est entre nuvens, mas
esmero v In cin plenilunio 11 ultimas noi-
les; o .tilao feliz sera quem obtiver um can-
tinho onde possa metter o nariz.
11 cambio at Dontem estove a favor das
-i'ii'i'i: s, menos das Jjealas de lenool, mas
muito brevo desee c po-so a favor dos ho-
inetis.
Depois de minha ultima nflo tivemos an-
da ttieatro; o o Sr. Telles roiinnciou o be-
sanc;3o imperial, o p ojelo que augmenta
os ordenados doi ministros de estado, pre-
sidentas de provincias, ministros do supre-
mo tribunal de jikIici, e desembargadores
das relarjcs. No mesmo da licou adiada a
terceira discussflo do nrojecto que cria um
ministerio publico no imperio.
Na cmara tempora'ii fui encerrado o de-
bate sobre o ornamento da recita geral do
impeno, sendo approvados os $$ da propos-
ta do governo com a seguiuto emenda da
oonunlMlo
'2000 premios. I neficio, que dnvia ter lugar no da 28, o,
O pagamento dos piemioi desta lotera prin-; dizem-me, porque nflo acnou extraeflo para
ipla na terca-feira 20 do crrenle, em caa do os bilh'.'les. So assim foi, cerlamente esta
ihcsoiireiro, Joio Pedro da Velga. ra Quitado- fd|[H na,oou de linv.tr com va lo a novena
de que Ihe falloi, quo dislraho as altenges,
de outro qualquer eniprogo.
Amanhaa tetemos o lieneilciodo Sr. Jor-
ge, que, diz elle, Sfgue para essa provincia
brevemente, por estar contratado para o
tima tro de S. Isabel, se me nflo engao.
Nada mais occorre digno de ser mencio-
nado.
Gozo .-, 1 le c dinheiro.
da n. 144. O eicriviio, Francisco ite Asiir Ta-
pares.
(.Jornal do Commercio.)
DEM.
CAMSIOS NO DA 2 l'i: IIILIIO.
Londres 27 a 27 1,3
Pars. 353a90d|v
Lisboa 98 por cento de premio.
Jlamburgo. 57aod|V.
METAES E FUNDOS PBLICOS.
Metaea. Onca liespanhlai. JO/000
da patria 29/000
Pecas de U/40, velhas. lli/000
Modas de 4/000 9/000
Pesos bespaubes 1/910 a
1 da patria. 1/900
PatacAca .... I/Ja0 a
Apolicei de G por cento. I02i|2
provinciaei '02
(Jornal do Commercio )
1/030
U94C
CAMII6S
Londres. .
Parla ....
Jlamburgo .
Lixboa. a
BAHA.
no Di. 3 DE COITO.
.... 27
.... 854 O fr.
.... 058 o marco
90 por c.
mktei. Dobrei hespauhes. 30/100
> ineiicanoa .... 30(400
Pecas de 6/400 ..... lO/OUO
Moda de 4/000. .... 9/000 .
Pataces braiileiroi. 1/920
Acedes do banco.....5 por centn.
(torreio llercattil.)
CORRESPONDENCIAS DO DIARIO DE PER-
NAMBUCO.
Parabyba 30 de julho de 1852.
Uuantas novidades en ISo poucos dias!
tlithuggs Ozeram de barba, comosocostu-
ma dizer, mas tem levado o troco, pois con-
tinuara as benignas influencias do mez pas-
sado.
llontem amanbeceu mora no muro do
Carino urna prela, que se achava grvida,
com duas facadss, urna no peito e outra
pouco abaixo. Anda n."o sSo conheciJos
os assassinos, masa polica honteui mesmn
trancallou uns individuos sobre quem reca-
hem algumas suspeitas com maioi ou me-
nor tun lamento. S a coragem Ihuggat
podara apresentar semelhanto obra dsiui-
quidsde, qusai as barbis da polica, eem
occasilo em que ella trax os olhos 18o ar-
regalados. Lamentando to desgranada oc-
RIO DE JANEIRO.
Nao tcdlza cu. ineu bom l.iborio, que l pe-
lo curo alto se do as vetes syllabada de lodo
otamanho? Poli meu dilo, mtuja'lo. Na uiinlia
ultima fallei-le de um desaguisado ou desalo
entre dom dos que os Romanos cbaniavam
padres conscriptos 11 erl, Mootcsuina e mar-
quez de caxias, por causa dizia u llollanda fal-
lando no senado; a reparo que o senado me
nao dattenco, como que alguma cousao preo-
cupa e distrae, faliam na casa dous senadores,
consta pie a esla hora ae estarao bate-nao : Sr.
prcaldente he preciso por cobio nislo : se eu
"usse presidente, aei o que havla de fazer. O
que se hade fazer? pergunlavim outros. Eu,
dizia o presidente, nao tenho autoridadeSe
eu fosse presidente, replica o llollanda, aei
bem o que bavia de fazer.O que laria elle,nao
aei eu 1 mas o que fes o presidente he publico
c notorio aqu,- advinba t l. Pea o que nin-
guem pensava pegotna isca, e sendo um ho-
llino fraco quiz tirar casta de valente. Mas
como? perfumars t. OlBciou ao ministro da
justica, duendo que dous senadores liveram
urna desiulelligencia no senado, e devendo dar
ludo por acabado, levaran a qucuo l para
fra, e consta que ie vo bater, Km taes cir-
cunstancias rogava ao ministro uzease obser-
I va-los, c que verirlcando-se o calo os prendes-
ae a ordem dtlle presidente! Pois isso, dirs t
aluda, he tirar caita de valente l Nao he urna
lo juila? Ulha, cu nao fallo atoa : ouvi-o, on-
de t bem ^sabea. Para usurpar poder, que nao
tem, e para viular a coustituico, quebrantan-
do privilegios das cmaras em prcienca das
meamas cmaras be preciso ler muKa coragem
c valeutla. O presidente tira a sua autoridade
do regiment da casa, e este ncuhum poder Ibe
d para Uso, e nenbum meuibro das cmaras,
segundo a constituico, pode ser preao aeno
em tlagranle delicio de peua capital. Como,
pois, poderiam elles ser preaos fra dease caso,
e por ordem oua ordem dequeiu neohum po-
der tem.' Porm a quadi a he doa golpea de es-
tado, mal cm quem tem forca para as dar, e
aduno pobre do Sr, Candido de Araujo Vlan-
na, Imbelle presidente do senado. Se o laISr.
Momo.urna ae qulzer divertir a respelto com
elle no senado, como se aafaro Sr. preaideale?
Dir que o Sr. llollanda o enijanou? Nao me
engaarla elle a mim pobre irmao Andr, que
Art. I. Do I.' de julho de 1853 em dian-
te lie un reduzidos a 6 por cinto os direitos
do 7 por cento que paga ni os gneros de
pro luccflo nacional no acto da exportac.Ho
e ogoveruo he autonsido a reduzir mais 1
por cento da inesma poca em diante, no
caso de que esta molida nflo desfalque os
recursos para as despesas decretadas.
A raesma cmara approvou no da 19 do
p '--1 I o proj-cto quo augmenta a deputa-
Qflo do Riu Grande do Sul com mais deputa-
ios,|assim como duas pensos concedidas,
uma a Francisca Gomes de Vascancellos,
muido l.sargelto Francisco Antouio dos
Res, mortoem combate defendendo a or-
dem publica, o outra a Paula Mana do Es-
pirito Santo, viuva do guarda nacional l'as-
coal Pinto do Mattos, lamben! mort) na de-
fensa da ordem publica nesta provincia.
OSr. Joaquim Octavio Nebias foi Hornea-
do presidente da provincia do Rio Graude
do Sul, e o Sr. Francisco Miriam da do
Gouaz.
Foi 'nllii.lo senador pela provincia do
Maniran o Sr, commendador Joronymo
Jos de Viveiros.
Por decreto de 16 do oassado foi nomeado
inspector geral interino da caixa da amorti-
sago o Sr, Joaquim Teixeira de MacJo.
O Sr Carlos Valais acha-se nomeado joi-
IheirodeS.M. o Imperador.
Os Srs. Joaquim Jos dus Santos Jnior,
Joaquim Pereira de Fanae Antonio Jos dos
Sanios, negociantes da praca do Rio de Ja-
neiro, pediram um privilegio de 80 annos
para eslabelecerem a navega(3o por vapor
110 Rio do S. Francisco a seu affluentes.
O Sr. Dr. Antonio Jos Peixolo pe lio ou-
tro prevtlegio de 25 annos para embalsamar
cadveres por um processo .le sua invea-
3o.
Os Srs. Joaquim Jo Teixeira Leite, e
Caetano Furquir de Almeida tambem re-
queroram previlegio porOOanoos, para or-
gauisarem uma cuinpanlua que se encarre-
gue da cunslruccflo do um camiuho de fer-
ro entro a corle, a cidade da Kozenue e o
lugar denominado Porto Novo do Cunba.
OSr. Augusto Fosmm appreseotou igual-
mente u na proposta ao governo para de
conformi-lade com o Dec. de 13 de selembro
.1 ISl. eiiipreliouder a n.ivegarjflo pur va-
por entre o Rio de Janeiro e os porlos do
Paranagu, S Francisco e Desterro; e o Sr
Manuel Teixeira t; mima appresentou em
concurrencia outra proposta sobre o mes-
mo objecto, propondo-se da mais a regula-
rizar o servido da dita navegafo para a ci-
dade de Santos por meiu de barcas de forrea
do L20 cavallos.
Le-se no Jornal do Commercio :
(OSr. G. Iludson, corrector desta praca,
sahio hontem pelas 2 1|2 horas 00 vapor Ca
rotina em procura da galera Livaitlant, que
se dizia estar fura da barra desarvorada dos
salva a S. M. o Imperador, quan lo regres-
iva de Petropolis, de que reaultou Qcar
mutilado o imperial marlnheiro Manoel de
Jess.
Fulgimos po ler noticiar que esso infe-
liz foi reformado con o sold por inteiro,
eque vai gozar alm dellc, de orna pcnc.lo
de S0,o00 rs., mensses que o mesmo au-
gusto seuhor Ihn mandou dar de seu bol-
so.
No Yptranga de S. Paulo deparamos com
o seguinte horroroso facto :
Pelo treclo iufra-transcripto do uma
carta que nos fot enviada de Paranagu le-
o os nossos leitores noticia de um horro-
roso atienta lo atii posto em pralica com
inaudita ousadia.
Eis o trecho a qua nos referimos :
Occorreu aqui um r.cotitecimento hor-
roso. No da 21 do corrente mez (junlto) re-
colhou-se para sua casa s 8 horas da noite
O inspector da alfandega, Caetano deSouza
Pinto, e dirigiu-se para a varanda ondo se
achavam sua consorte, urna sua filha, urna
sua sobrinha, urna agregada (5 cscr.ivo-J na
cosluha.
Pouco lempo depois vou pelos ares a
maior parte da oas, escapando milagrosa-
mente a gente que nella se achava por estar
a varanda a dito no interior. Inimigos do
inspector, apenas elle ontrou, puzeram-
Ihe no corredor um barril de plvora, e por
meio de um estupim langaram Ihe fogo O
estampido abslou todas as casas da.cidade,
tudo tremeu de suslo. A snhora do inspec-
tor licou como loucae custm muito a vol-
tar a si.
A casa ficou escangalhada, as portas
quebraram-se, e o forro o o telhelbado roa-
ram peles ares. >
Da Rabia nflo ha novidade. O Mercantil de
31 do passsdo diz o seguinte :
Os boatos alterradores que sobre o es-
tado da Chapada tem grassado nesla capital,
sSo totalmente infundados. Vimos canas
da Cachoeira e de S. Isabel de Paraguass
chegadas pelo ultimo vapor, qua dflo todo o
cintro da provincia gosando da mais com-
pleta tranquilidade.
O vapor Bahiana conduzio para aquella
provincia a ala invita do segundo batalhSo
de artilharia ap, composto do coronel com-
mandanle, vanos offlciaes, o 148 pravas de
piel
Em Macei appareceu uma insurrecto,
que o Timbre alagoano do 22 do passado
refere da maneira seguinte :
No dia 17 do corrente pelas"ou 8 horas
da tardo apparecu no engenho do Poixe,
municipio desta capital, um grupo de ne-
gros insurgidos, cm grande parto bo?aes:
sahiram dalli fazendo estragos e mortus
por ondo passavam, inaendiarsm a diver-
sas casas, entre ellas a propriedade de An-
tonio do Pontes.em Barreiros i feriram para
cima de 12 pessoas .sendo no numoro des-
tas incluida a Sr'. do propietario Jos de
Mello que algumas horas depois espirou 1
eogrossou-se o numero com a fabrica de
alguns engenhos, de maneira quenoengo-
nho Retiro onde elles solfreram uma resis-
tenciase contavam para mais de cem ; ahi
foi apenas um morto.
Accossados pelos habitantes daquellas
immelines que nflo se pouparfloa refrear
o furor desses selvagens, acouiaram-se as
mattas de Jucara. Talvez quo a hora em que
estas linlias escrevomos esleja essegrupo de
insurgidos completamente aniquilado pelas
medidas tomadas ; logo que aqui chegou a
noticia fezS. Ex. sahir o Dr. chefe de poli-
ca com 50 pracas do I111I11 e 3 olilciaes pa-
ra o lugar em que os nogros se ac'iassem,
mu Sai gil) ......h-i.... ., ,^ umaimiw,,!,.
toridades policiaes haviam remeltidopara
all.
Esperamos que seja esta insurreigflo, a
primeira que apparece em nossa provincia,
rigorosamente punida, afm de quo nSo nos
caiiij o dissabor de vermes reproduziilas
entre ns scenas desta ordem.
I.ouvores aos cidadflos e autoridades que
correram pressurosos a embargar os pas-
aos destegrupo de selvagens sanguinarios.
L-se no referido jornal o seguinti:
< No dia 27 do passado um Caboclo ha-
vendo entrado na matriz da villa de S. Luza
do Norte para assislir a um enterro as 8 ho-
ras da noite, escondeu-se, na occasiflo em
que se fechou a igreja, para rouba-la, como
fez, evadindo-so antes do amanhecer lo-
go que se descobriu o ruubo, suspeitando-
-" i| .o o ladrflo era da Atalaia, para alli
dirigiu-se o subdelegadu do Norte o Sr.
Lucio Soaros, que por ordem do juiz mu-
nicipal foi cercar a casa do ladrflo, que se-
gundo se dizia era um caboclo moraJor no
lugar Huraco; mas foi baldado o cerco
por que nflo estava elle om casa.
No dia 29 pelas 10 horas do diaappireceu
em casa do juiz muuicipal daquella villa o
cidadSo Jos Joaquim de Andrade e o ins-
pector de quarteirflo Jos Pereira da Rosa
e entregaran) os.objectos qua haviam sido
roubados; dizendo o tal Andrade que uma
mulher de nome Emilia foi que n desco-
brira o roubo, confessando esti que um
Joflo Jos de Sanl'Anna Ihe eotregara a
meia noite do da 28 os objeclos roubados
e pediu-lhe quo os entrgalas aalguma
autoridade. O Dr. juiz munipal tinha man-
dato chamar a dita Emilia para ser inter-
rogada. Eis a relagflo dos objectos que To-
ra m entregues,
Uma imagem do Senhor crucificado, com
um resplandor e cravos de prata e titulo
tambem de prata.
Uma imagem do menino Jess,
Um calix. de prata dourado.
Quatro diademas de prata cravados de
pedras.
Um resplan lor pequeo de prata.
Um outro objeclo de prata. que parece
um cajado.
Um veo branco de calis do tlela com
COMMERCIO.
ALFANDEGA.
Rendimento dodia 5. .
dem do dia 6......
18:21 *,589
6.765,115
21:979,70
mes de Olivotra, Francisco Pires Carneiro
Joflo da Silva Nazaretn, Novaes & Compa-
nhia.
As malas quo tom de conduzir o varor
3 de agosto 1852.Carva- | Bibiana paraos portos do norte, serio fe-
chadas hoje (7) a uma hora da tarde, e de-
pois dessa hora s so receboro as corres-
pondencias com porlo duplo.
De ordem do lllm. Sr. director geral
da inslrucfflo publica, laco saber a quem
convier, que S. Exc. o senhor presidente da
provincia, houve por bem designar o dia 4
deuutubro vindouro para concurso s ci-
deiras de uisirucgio primaria da Serra-Ta-
Ihada e da Fazenda-Graode.
I meo de fernambuco.
O conselho de direcfflo declara que os
discontos da semana que decorre .le 2 n 7
de agosio.continuam a ser os de 6 por cento
aoanno para letras a vencer al o fim deou-
tubro, e de 8 por cento at 6 mezes; sendo
o expediente para os mesmos descontosdas
II horas da manhfla as duas da tarde,
mesmo conseibo resolveu, e faz corto aos
nimio- accionistas, que a ultima presta-
do de 25 por cento com que de conformi-
dade com os respectivos estatutos deveriam
entrar de 15 31 do corrente, para a caixa
do Banco, lina transferida para occasiflo op-
portuna, quesera devidameute annunctada
or este mesmo Diario.
De ordem do lllm. Sr. director geral di
inslruccflo publica farjo sabara quem convier
queS. Ex", o Sr. presidente da provincia da
conformidade como art. *.' do reguiamenlo
de 12 de ni no do anno p. p. houve por bem
de crear uma cadeira de instrucco prima-
rla do sexo masculino na freguezia da Esca-
da ; e o praso para este concurso ser al a
dia 27 de selembro prximo. Directorio
geral 28 de julno de 1852O amanuense
archivista Candido Eustaquio Cezar de
Mello.
Dticarregam hoje 7 de agosto.
Barca franceza Denne ~ viudos.
Barca franceza Havre mercadorias.
Brigue portuguez /Voee Vencedor -. dem.
Patacho brasileiro Santa Cruz gneros
do paiz.
liiiportacAo.
Hiato brasiloiro Duvidoso, vin lo do Ara-
caly com escala pelo Assu', consignado a
Joflo Manoel Muniz, manifest.1 o seguinte:
12 caixas velas de sebo, 1 embrulho eslei-
rs, 4 s ve 1- carnauba, 124 couros salgados,
110 alqueires sal, 150 molhos palha, 10 cai-
xotes velas de carnauba, 130 couros de ca-
bra ; a ordem.
Patacho brasileiro S.Cruz, vindo da Ba-
ha, consigmdo a Caetano Ciraco da Costa
Moreira, manifostou o seguinte :
58 barrise V-2 barrios baunilha, 120 far-
dos o 7 volumes tecidos do algo.Iflo, 1 caixa
111111 liv.1.1, 9 liairi- presuntos, 600 llagas .1
vime, 47 lardos tabaco, 1 caixfloe 1103 cai-
xas charutos, 100 s meas cal, 6 libras rap,
3 siccos cacau, 815 molhos piassaba, 4 sac
coscla, -.!iio 11| 111:: 11 1 is, 1 quarlola azeite
de peixe, 1 sacco lio de algodflo, 15 saccas
tapioca; a ordem.
2 barricas cailiuhos, 40 saccas caf, 6 vo-
lumes saceos vasios, 1 caixa rendase esco-
vas ; a Novaes t Companhia.
1 fardo panno da costa ; a C. J. Astley 4t
Companhia.
2 caixas papel a Manoel Figueiroa de Fu-
ria.
1 fardo burel, I caixoe 3|bocolas doce ;
ao reverendo provincial do S Francisco.
26 barris tintas, 613 caixas charutos; a
Domingos Alvos Matheos.
2cnxas tecidos de algodflo, 1 saccacaf ;
a J- II, Gansley.
10 saccas papel, 96 ditas sabflo branco ; a
L. Bruguire.
6 saccas linhis ; a J. Crabtree Compa-
nhia.
1 fardo burel; a Fr. Joaquim da Piedade.
6 pipas azolte do palma ; a Dellioo Gon-
calvos Pereira.Lima.
1 casco dito dito ; a Antonio do Almeida
Gomes,
32 caixas charutos; a Joao Jos Telles.
2 ditas ditos; a A. Willer.
I 'litas ditos; a L. Schuler & Companhia.
4 arf*i .1.. ............, .. ii.nn,ii lam *.
neiro.
Barca franeza Diana, vinda dcGibraltai-,
consignada a L. Rruguire.manifeslou o se-
guinte :
80 pipas, 20 moias o 40 quartolas vinho;
a Manoel do Nascimento Pereira.
CONSULADOGERAL.
TIIMTIIO
SABBADO 7 DE AGOSTO
DE 1832.
QUARTA REPRESENTADO
MGICA APPARENTE
DE
iikrr u,i.\.\i:!
EMUAS PARTES.
Rendimento do dia 5.
dem do dia 6 .
3:819.097
516,003
4335,100
DIVERSAS PROVINCIAS
Rendimentododia 5.....581,662
dem do dia 6 .' ,:....... 20,052
602,314
Kxporlncao.
Liverpool pela Parahiba hriguo inglez
Mary llouns >l, In 264 toneladas con luzio o
seguinte : 1000 saceos com 5,000 arroba s
de assucar.-
Rio de Janeiro, patacho Valente, onduziu
o seguinte : 20 barris viuho-do Porto, 25
caixas gommarabia.lOO barricas bacalhau,8
caixas en : 1 ',s diias fazendas, 5 barricas
boies de salitre refinado, 2 ditas com potes
de graia, I eafzSo lou^a, 7T2 saceos de as-
sucar, 8 pranxes e 5 luzias taboas de ama-
rello.10 pipas aguar lente,1,400 cocos de co-
mer, 1 ensilo com espauadores,30 In -1 > de
cocos para agoa,500 inolnos de couros' ,1,1.1-
dos, 50 rolos de fumo.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento" dodia 6..... 395,687
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimentododia 6 1:172.812
Movimento do porto.
gallflo.
Correspondencia.
Sr. reJactor.Par patentear ao publico
falsidade, que se disse na correspon ien-
cia annima publicada no Diario n. 166 de
28 do mez passa lo cm favor de Jos dos
Santos Souza Luis, que elle tinha levado
a |ir.n; 1 e arrematado a botica, e mais bens
de meu marido Jos Mana Goncalves Ra-
mos por execuces contra o mesmo na im-
por.ancia de 14:835^251, rogo-lhe queira
irsnscrever a corliJo que com esla Ihe
remello. Logo que me vieren) mflo vi-
les c-Tti loe- que lenho requeridosoiflo
patenteadas ao publico as mais falsidades
allegadas em dita correspondencia, assim
como em outra tambem aiinoniuia publica-
da no Diario n. 170, eentSo licara o publi-
co cabalmente iiislrm lo do liama, e con-
luio do dito Lins com meu mando para
fraudarem-me em meu direilo.
Sou Sr. redactor etc.Mara Francisca
de Souza Ramos,
Diz D. Maria Francisca de Souza Ramos
que a bem de seu direilo precisa que o
escrivo Molla a vista da execucSo de Jos
dos Santos Souza Lins, como cessiooario de
Didier Coluuibier e Companhia, contra seu
marido Jos Maria Gongilves Ramos Ihe
3 mastros. Nada enoooirou porm, a nSo I certifique a importancia da .lita execueflo
ser uma (galera norte-ameheaua com os o se foi om vutude smente dalle quo o
maslareos arreados.. bsupplicante exequente fez ir a praca e ar-
A Revista Martima Bratileira noticia o .'remalou todos os bens pertenceules ao di-
seguate : 10 seu mando : por tanto pede a V. S. lllm.
As Iblhas diarias desta corte deram con-i Sr. Dr. juiz do civel da 2 vara se digne
ta de um triste acoolecimento bordo da assim mandar.--E. R. M.Certifique. Re-
Naoios cntradjs no dia 6.
Marseillo por Cihraltar 59 dias, barca
franceza Diane do 240 tunclladas, capilflo
Drago, equipagem 14, carga vinho e las-
tro ; a Luiz II.o;:.11 1.
Baha -- 4 dias, palocho brasileiro Sania
Cruz de 101 toneladas, capilflo Manoel
Jos Prest-elle, equipagem 9, carga varios
gneros; a Caetano Ciraco da Costa Mo-
reira. Passageiros, Manoel Ferrera Rap-
tista, l.uiz Martin-, da Cosa, Fllippe Nerv
de liveira e sua mulher.
Macoi 2 dias, bngun portuguez Despe-
que de Beiriz, capilflo Joaquim de Aze-
vedo Canario, carga assucir; seu detino
he para Falmout, veio a esto porto por
fazer alguma agoa na proa.
Rio de Janeiro e portos i utermedios 9 dias
e 19 horas, vapor brasileiro Bahiana,
commandante o capita.i-tenente Jos Se-
gn lino Gomensoro. Passageiros para
esla provincia, o lente da companhia
livi de Pernambuco Francisco llenrique
de .Noionha, sua mullier, dous filhose
tuna mana, oalferes Francisco Guuijalves
de Muraos o um escravo, JoSo Antonio da
Costa, sua senhora, cinco flllios e I es-
cravo,Francisco Pires Carneiro,padre Jos
de Maia Mallo, Guilher no da Costa Cor-
ris Lene, Jos da Costa GumarSes, o l.
cadelo Tnomaz Carlos Augusto de Figuei-
redo, e 4 ex-pracas.
A repns 'niaelo que hoje ter lugar se
distinguir por diversas e extraordinarias
experiencias scientificas, bem como porsur-
pri'h-'iiile loras sortes, iuteiramente novas e
de grande efTeito maravilhoso.
Ede til modo sor distribuido oespocta-
culo, que a representado alm de instructi-
va sera mu divertida. Entre as differentes
experiencias cscolhidas para a noite de hoje,
especialmente faz Her- Alrxamli r .0-
nbeeer as seguintes :
l'n-mora o relogio prodigioso, deeffeitos
incnmprehensiveis, por nflo conter o menor
mnchinismo.
Segunda a primavera improvisada.
Terceira o alvo no chapeo.
Quarta o desojo satisleilo, ou agarrafa
misicriosa.
Quinta a mnda elolrica.
Sexta o spi'llio mgico.
Stima o hanno. ou o susto imprevisto.
Oilava a lavadeira moierna: esta ultima
sorle tem sido constantemente recebnla em
todas as parles, un le lem sido executaila
com 1 ni 1 en-os aplausos, considerada como
uma ilas mais extraordinarias produces de
mgica natural.
Ili-rr Me mi iiilc.r espera a concurren-
cia do povo pernanibucano, a quem deseja
sobremaneira agradar,
tis presos -flo os ja annunciados.
Principiar as 8 horas om ponto.
I'iililii:n;i)cs Iliterarias.
Acha-se a venda na livraria da ra do Col-
legio n. 20, o cdigo penal brasileiro, com
observacOes sobre alguns de sous artigos pe-
lo duutor Manoel Mendes da Cunhu Azove-
do, por 5,000 rs. cada exemplar em bruchu-
ra, e encadornado 6,000 rs.
ELEMENTOS.
DE
A
4
i
m
m
EDITAES.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria da
fazenda manda fazer publico que, em cum-
prim 1,lo da ordem do Exm. Sr. presi.lonte
da provincia, lem de ir praca parante a
mesma thesouraria, para ser arrematada a
quem por menos fuer, nos dias 3, 6 o 10
de agosto prximo futuro a obra da abertu-
ra de uma cacimba nu quarl-l do Hospicio,
para fornecimenlo d'agua po'.avel ao mes-
mo quartel, segundo o plano .e ornamento
que serio francos nesta secretaria a quem
os quizar examinar: as pessoas, portante
que pretenderen) licitar, comparecam s II
HOMEOPATHIA*
SAIIIOA IUZ A 3.'E ULTIMA PARTE 5
desta obra composla pelo professor de
hnmopalhia Gossel llimont Gustara *
5/000 a obra inteira al 30 dojunho,
dia em que ficar encerrada a assig- *
natura. Esta obra he til, tanto para *
os mdicos que se dedicareai ao es* ~
lulo da nova medicina, como para *
todas as pessoas de boa vontade que *'
quizerem convencer-se porexperien- "
1 cias da verdade desta doulrina, pnr >
9 ser ella muito clara, o a intclligencia *
a de todos, (*
% No consultorio homcopalhico ra %
9 das Cru'es 11. 28. a 1111 "
1 1 -' 11
-t.Viill
martimos.
Para a Baha
Sahe com a presteza do costme a velei-
ra'ej bem conhecida escuna brasileira Ade-
laida : quem nella quizer carregar, quc'ra
dirigir-se a ra da Cadeia do Recife 11. 23,
oua do Trapiche Novo n. 16, segundo an-
dar.
Para o Kio tle Janeiro.
O brigue escuna Olincla, segu
em poucos dias, ainda recebo al-
guma carga miuda e escravos a fre-
te: trata-se com os consignatarios
M u'liiiili) ^ Pinheiro; na ra do
Vigario n 19, segundo andar, ou
com o capitao 11. Al. Foi reir, na
praca.

,
--/rs-e-ar
MUTILADO


Leil&<>.
' Constan Jo ao abaixo assignado, qoe
no Echo Pon mbnrano d'hontem, se faz
, ... um pedido ao Sr. (isoil de lela da fregu-
Miguel Caroeiro faz leilso hnje, sab- 1g de s. jos ngnoro quem aeja esta auc-
bado, 7 do correte, no aeu aroiazem na ra torldnrle ) sob a assigoatur o Pinto daa
do Trapichen. 38, dos objectos gegumtes: .Cinco-Pontas-ecomosa mo tinha Iludido
pianos, sofis, banquinha, mesas redondas, semeihante pediJo, por ser eu conhecido
dita de jantar, cmodas, cidein, lvalo- por la| nome _, motiv do sor ni mo-
rios, camas de rorro, espelhos.quadroscoro |rajor aS)e 0 inno de 1833, cumpre-me
estmp>s, candieiros para sal, cortinados. I,)e(,|arar U8 nt0 ,iguaia tive em semo-
bandejas finas, ocolo de alcance, relogios, ihante podido, e ncm cm tal me occuparia :
vidros e vasos para flores, liltradeiras e ou- SR a |gso [vesse riZj0 plausivel, recor-
tros muitos objectos, que se entregarlo por
qualquer preco offerecido.
Porordem do eenhor doutorjuiz mu-
nicipal aupplente da segunda vara do clvel
e do commercio, se far leilSo por interven
reria directamente autoridade compe-
(onlo. Jos Pinto do Magalh9es.
-- Precisa- se do urna ama de leite que ndo
seja captiva ; quem esliver nestas circums-
tancias, dirija-se a esta typogiapnia que se
{8o do agento Oliveira.ei roquerimentodos |,|edril qUBnl prncisa.
redore da massa fallida de Souza t Mello,
das miudezas e ferragens da loja n. 54, n.i
Ierro da Boa-Visla, pertencenta a dita mas-
sa : labbaJo, 7 do crrante, as 10 hora da
nimihl, na sobredi! loja.
Avisos diversos.
No diario n. 169, de 31 de julho ultimo,
na- publira;o a pedido relativamente a
companhia'de Bebiribe, pig. 8." colum 3.
Is. 9., 8., em vez doporem deduzindo
para afcspezas perdas nos chafarizes, liia-
seporem deduzindo para despajos e per-
das etc.: Is. 6. s. em vez de 3,8U0 palmos
etc. leia-se 38000 palmos etc.
(Iciulclisl i .S .Uistinno deA-
quino Ferreira avisa ao respeita-
vel publico, que loram vendidos os
premios seguinles, da primeira lo-
tera a beneficio da irmandade do
Santissimo Sacramento da cidade
de Macei, na praca da Indepen-
dencia n. i3 e 15, loja de calca-
do do Arantes, e na ra da Oa-
deia do Ilecife n. 46, loja de miu-
deas de Jos Fortunato dos San-
tos Porto. Em quartos 3398 ,
30:000,000 ders ; '|()iij, 1.000,000
de rs.; 1880, 200,000 rs.; 4897 >
100,000 rs. i83G, 100,000 rs. :
a353, aoo,ooo rs.; 317a, 100,000
rs. ; 1670, 100,000 rs. ; t3oG ,
300,000 rs. ; 37oi3, 300,000 rs1 ;
463t), 100,000 rs.; 338G, 300,000
rs.: em oitavos 54gi, 100,000 rs.;
4475, 100,000 rs.; 4^39, 100,000
rs.: em vigsimos 549i, 100,000
rs.; 349 4oOi000 r8, i ^7"
300,000 rs. as lojas cima men-
cionadas sao pagos em continente
os premios da referida loteria.
Offerece-se urna ama, para servido de
portas a dentro, para casa de homem soltei-
ro, ou de pooca familia, qual sabe bem en-
gomolar e cosinhar: no pateo do Carmo
n. 10.
Anda continan) por alugar os qua-
t'u armazens grandes na ra Imperial do at-
ierro doa AlTogados, o no correr do sobrado
de Antooio GusmSu, e junto ao sobrado do
eacrivSo Campelo, quem os pretender en-
11; 11 I .-- com o abaizo assignado na loja de
ferragens n. 59,ra da Cadeia Veltia, na alos-
ma loja tanibom 30 vendo um poredo do re.-
sina Ue angico, lixa de peixe, o tudu por
precos commudos.Jos Das da Silva.
No dia 2 do correte pelas 11 horas da
manliSa, na coxeira da Iravossa da ru Bel-
la n. 2, pparec-u um pardo claro, trajando
calca de cazemira azul de listra.jaqueta bran-
ca, ciiapro de palha amarello, grvala de so-
da verde, sspalos do lustro finos estatura
regular, Cabellos bem aparades, falla de um
ou dous iienies na frente, dizla elle cba-
mar-se Jos Sevenno, e que morava na ra
do Vigario. Ao qual alugou um cavado cas-
tanho, com urna pequea estrella na testa,
achacado de ambas as mHos, a direita inda
mais enchada, com o quarto direito cobeito
com narradoras, cujo cavado anda bem de
meio a esquipar, selado e entrojado, pnra
hir a Capung ecomo n5o tetilla appareci-
do the o presente-. roga-se as autoridades
policiaca a apprehonc.30 desse ladrlo para
alivio da huuianide, quom o pegar leve a
coxeira cima que ser recompensado.
No da 3 00 crrante desappareceu um
preto Ue oomo Manuel de nscSo ri'bolo ida-
de 35 annos com os signRcs seguinles 1 bai-
xo, r fulla, barba pouca e debaixo do
queixo, panos no rosto pez gr.ndes um s-
mil Ue fenua no peilo do 1 < : levou cal^a de
13a preta, camisa de algod3ozinho nova
chapeo de mola pretoj usadu, desapparo-
ceu da vista de seu senhor, na barra e jan-
gada neonata ter seguido ocaminliode ci-
ma procurando seus antigua sonhores na
barra de Una, Antonio Puntes, eem Massa 11-
gana Manoel LeilSo Crrela de Jezus : quem
o pegar o leve ao Kecife casa do Sr. Lou-
r 111; 11 Jos das Neves, ou ua Boa-Visla a
aeu Sr. Manoel Tavarcs de Aquino.
Jai (un das Damas.
Sabio luz o 7. numero desle peridico
conlendo, como todos os oulros, materias
de instruccSo e do recreio. Acompanha-o
urna linda schotischa composta para pianno
por Mr. Cimillo LeTellier e publicado recen-
to ionio em Paris pelo peridico Conceilter
des Dafnes. Assigna-separa oJardim das Da-
mas na ra larga do Itozano n. 35, primeiro
andar razSo de 2/000 por serie ole seis mi-
meros ( pagos adiantado j; as series avul-
sas vendem-se a 3,000 rs., e cada numero
a 610 ra.
Deseja-se saber da morada do senhor
Antonio Jos da Fonseca; annuncie para ser
procurado, ou dirija-se a ra da Cadeia do
Itccife, casa n. 59, a faltar com Jos l)is da
Silva.
Desappareceu no dia 2* de julho um
moleque de nac,3o cosa, por nome Domin-
gos; fui vestido de camisa e cica de aigo-
d3o azul 1 tem os signae seguinles : cabefa
compnda, olhos pequeos, nariz chalo, sig-
ues de sua na(lo no rosto, he jogador e an-
da muito apressado, e consta que costumi
a vagar no Mondego e beceo do Pocinho : a
pessoa quo o pegar leve-o a *ua do Arag.lo,
sobrado n. 26, quo ser gratilicado.
A venda da ra das Agoas-Verdes n. 8,
pertencente a l.uiz Antonio Annes Jacomc,
desla dril em diante perlence a Domingos
de Souza de Azevedo Pires, por a ter com-
prado.
Jos Saporiti roudou o aeu escriplorio
da ra do Trapiche Novo, para a ra da Cruz
11.18, primeiro andar,
Iloga-so o senhor Jos Ignacio Rodri-
gues que hj de ir na ra Direila n. 70, re-
ceber urna encommenda vinda do Cear.
Precisa-se de ima ama quo saiba co-
sinhar : no lerro da Bo-Vist, loja n. 58.
O senhor Manoel do Reg Soare tem
caitas na ra da Cruz do Recife n. 66,
fc>la justa e contraclada a venda da
caa Ierre, sita oa ra doa Pesoadore n.
35, que foi da fallecida Mari Joaquina i.os
Santos, e boje de suafilha, e nica herdeira
Josepha Mana dos Sanios: quem se juigar
com direito a ella, ou tiver nlguma duvida,
hija de (anunciar por este jorual, no prazo
de seis diaa, a lim de prevenir questoos no
foro.
D8o-se 500OO de gratinca3o.
Do engenho Santos Mundes, de Lauronti-
no Comes da Cunht Pereira BeltrSo, no
dia 13 de jonho pasudo se usentou a cs-
crava Maria, creoula, de 28 annos, Tula, de
boa ostilur e bom corpo, pos carnudos,
cabellos no queixo beico grossos ; levou
sahia de chita encarnad, cabecSo de Cas-
sa, e chales de la rucho, ms pode tor
mudado de trages; piza duro e desfarada,
tendo os denles perfeitos. Foi vista na ri-
beira de Pao de Alho, e presume-so que
osteja aceitada por alguem, o que venli-
cando-se protesta-se oxigir os das de
servido rja razSo de 800 rs. diarios : roga-
se a apprhensSo da dita escrava, e entre-
ga no referido engenho, ou nesta cidade,
praca do commercio n. 6 a Manoel Ignacio
d'Ofivoiraj. ,
O abaiso assignado tem tra-
tado a compra d taberna, sita na
ra dos Pescadores n. 38, de Jos
Dias da Costa; porlanto pede aos
credores do mesmo, que apresen-
tem suas contas no praso de 3 dias
aoabaixoassignado,(indos osqnaes
nio se rccponsabelisa por debito
algum que appareca. Recife 6 de
agosto de i853. Joiio Baptista
de Barros Machado.
^* Recebom-so escravos de cimmiss3o,
co..ipram-se e vendem-se, tanto para dentro
da provincia, como para lora : n- "
Larangeiras n. U, segundo andar.
BASES DO ESTATUTO.
DA
COMPANHIA LUSITANA.
! Seu fundo pode elevr-se a *00 contos,
em aceces de 100,000 rs. cada um.
2. Seu flm quilquer navegarjlo vpor u-
3
torisada por dncisBo da assembla geral.
3* O interesse dos accionistas be limitado
ao numero das suas accOes.
*.* Os accionistas do fra do Porto serio,
quorendo elles, representados por seus
procuradoras, e deverlo ter correspon-
dente que por ellos responda.
5. Os fundos da companhia serfio deposita
dos na caixa do banco commercial.
6.* A assembla geral ser* composta dos 21
manir, s accionistas por cad 50 contos do
fundo effectivo.
7.0 A direccSohe eleila pela assembla ge-
ral.
8. Oeonselho fiscal he lirado i sorte.
9.* A direccSos recebe urna mdica por-
centigem dos lucros conhecldos.
10. A dircctSo nfio tem voto na approva(j3o
da suas contas.
11. Formar-sc-ha um fundo de roserv, do
que exceder a 15 por cunto de lucio, em
quanto isso fr neressario para emanci-
par a companhia do pagar premios do se-
guro ; e tornar-so sua propria seguradora.
12 A duracSo da companhia he indefinida,
em quanto a assembla geral nao a deter-
minar.
13. Os estatutos approvado pelo gover-
no. sBu :Dircctoref.lzidoro Marques Ro-
drigues, Eduardo Mosar.Presidente da as-
sembla geral. Visconde de (.astro .Silva.
Vice-presldente, Concalo Lobo Pereir Cal-
das de Barros.Sacrettrio, R. C. Woodhou-
se, Antonio Julio d'Abreu GuimarSes.Con-
selbo fiscal, Roberto Woodhouse, Joaquim
Pinto Ribeiro, Gonrjalo Lobo Pereira Cildas
de Barros.
PROSPECTO
A importancia do nnsso commercio com o
Brasil, e a necessidade de cobrir com a ban-
deira portugueza, e de estrellar as nossas
interessant*s relacOes com aquella vasto
imperio, identificado cpmnosco pelos hbi-
tos, e pelo idioma, eis os principaes moti-
vos que suggeriram a idea que se trata ago-
ra de desenvolver, e que olTerece decidua
vanlagena para ambos os paizes, que ella
mais preiende ligar entro si; proporcionan-
ra das do a carg" a passageiros meios de trans-
porte commodos o rpidos.
A 25 i>ii AGOSTO saiiir luz continua- llC aleijado do braco direito ao pe
f&l^^S^SSSS&l** mu"h8' Proveniente de feri-
do minuai do mi jaHR, e a de 12 medica- ment d arma de fogo, e tem todos
1
*
-
Prscisa-se de um capelln para celebrar
na igreja de Nossa Senhor dos Afilelos : a
tralar na casa junto a mesma capella.
- JoSoNcpomuceno Barrozo nchando-se
ubstabeli'cido como procurador do Jo>
Para isso ser cxequivel he indispensavel
a acquisir,3o de dous barcos hlices, de lote
de 6'J0 a 800 toneladas, c com a velocidade
do 10 milhas por hora, do sorte que eflec-
luassem o trajelo do Porto para o Rio, com
iJa e volla por
Loureoco, e Joaquim Jos, subditos portu- U;"FSSEL'S'llSL d
cham-se tratando de suas habiiitacoes pe demorando-e de 8 e9dias em an-
rante o uizo dos orPh3os e ausentes, escr.- ^sn'0e';ledsemrrla(,^0e nos oulros ,6 otelBp0
v3o Vesconcellos.
Paisa portes.
Ti ram se passaportes para dentro e fra
preciso para roceber refrescos e carvSo.
Ja he immenso o numero de passageiros
que annualmente v3o do Porto ao Rio, e
do imperio, desp.cham-se rayoso tirarn- .^scenundo-lhes os que embarcam em
se ttulos de residencia: para esta hm, pro-i *-*,. .
cura-se na ra do yueimado n.25, loja de
miudezas do Sr. Joaquim Monteiro da Cruz.
Precisa-se alugar urna preta, quo seja
boa quilandeir, e n3o tenha vicios: na ra
da Concejero da Boa Vista n. ?.
- Segunda feira 9 docorrente, tem de se
arrematar por venda, a parte do sitio, na
estrada que vai pnra as duas Cruzes das Al-
mas, avaliadooiu 5:000,000 rs., em Cujo si-
lio tocoua la/ma provincial a quantia do
631,585 rs., para pagamento desello de he-
arremalHlo se tem do
Lisboa, ninguem laxar de immoderado o
calculo de 150 a 80 passageirns, por via-
gem ao Itio, o 60 no regresso, quando con-
tinuamente so do Porto eslSo sanimlo mul-
tas embarcacOes quo levam de 300 a 500
passageiros cada urna, por precos iguaes, o
lalvez com menos commodos do quo esta
empresa se propOe a faze-lo.
De certo sempre havera carga tanto na ida
como no regresso, por isso que o premio de
seuro maisfivorayol por embarcacOes mo-
vidas a vapor, e a maior rapidez dos retor-
nos, mu conveniente a transacgOos mer-
imiiM, sendo quu
nVpK^Ss^
l.o,Plas, asi horas da Urda O ditoijf. he "V^" ,s b.,e! "ram-se o se-
|l0 ria de frote que se exija
do"iVentario dos bons de Francisco Carlos J^yS.'''868'
Teixe.ra : quem quizer arrematar, compa- aJJgJ v r0Si com CaPacidade
reca a hura indicad!. ,,rrnrto- para 15 das de carvao,300 toneladas de car-
Pcdeu-se urna almofada de carro do,- H".'^_ I------._. A. .., .
de o tneatro de Santa Isabel, alea Passagem s
da Magdalena, na noitu do terca-feir 3 do
correle : quem a achou, querendo restitui-
lapodoentrega-la na rui do Trapicho n.19, j
ou em Bemfica na residencia de A. V. da
Silva Barroca, a quo ser gratifica lo.
-- Roga-se pessoa que por ongano, ou
malicia, tirou lima caria do corroiu, vinda
em t do corrente pelo vapor Pernambucana, I
para Manuel Jaques da Silva, e que se acha
na lista sol o n. 156, o favor do o mandar
entregar n ra do Vigario casa, n. 7, pri-
meiro andar.
Russell Mellors & Companhia, (.eorge
Kenworlhy & Companhia e mais credores,
da lirma social andra le & IrmSo, declaram
a lodosos de^edores da mesma lirma, que
havendo sit esta julgada f.llida como
consta da sentenc, que julgou aherta a fal-
lencia efoi publicada nesta folh, e leudo
conseguinlemente paisa lo para os credores
mesma Urina a administrarlo da massa !
s representantes des-
500 passageiros chamados de cunvez e
u passageiros de 1.' o 2.' cl8-
se: Ib. 30,000 R. 135:000,000
Velocilade de 10 milhas por hora.
Computo da
HKCE1TA E DESPEZA.
Roceila :
150 passageiros de convez a
2*,000 3:600,000
25 ditos de re 2." cmara a
60,000 1:500,000
300 ((melladas de carga a
6,000 1:800,000
Passageiros do Porto a Lis-
boa, de Lisboa a Madeira
o todos os oulros pollos
Intermedios 500,000
Excessos de bagagens o en-
commenda 300,000
Cartas a 150 rs. a onca 600,000
montos aaASiLKiaos oxtrahida da obra inti-
tuladaDoutiina da Escola Homeopalhica do
RIO DE JANEIRO, pelo DR. MURE. Elle vo-
lme ser augmentado da Thtorla da appll-
01580 das dozes pelo Dr. Muro, lacinia im-
portantissim deixada por llihncmam ao
cuidado dos seus discpulos. Recebem-sn
asaignaluras 1 3,000 rs. pagos na occaiiSo
da entrega, no consultorio do prof. bomeo-
path Gosset Bimoui, ra da Cruzes n. 28.
Mudanca de estabelecimento.
Jos I.ni'. Guaiaco tem 1 honra do fa-
zer scienteio respeilivel publico, e
em particular ao seus benignos fro-
guezeg.que transferio a fabrica e Iaji
de chapeos que tinha na ra Nova n. a-
52, confronta a cocheira do senhor v
Adolpho, para a mesma ra n. t,jun- r&
lo a loja do senhor A. Colombiez, on- ^ do estar sempre prompto a fazer lo- *
C- dos os esforcos para bem servir a 4
h quemsedignardoo honrar com a sua 4
> .' mli ,in;i, etc. 4
***#*8a5A '3
Dos Disp5e.
Acaba dechegardo Rio de Janeiro, tradu-
zido em portuguez, o excedente romance de
Alejandre. Humas,0.(10 tem por titulo, Dos
Dispflo, vende-se na livraria da prar da In-
dependencia 11.6 e8, a 8,000 rs. constando
de fi volumes.
Participo ao Sr. pudre J080 Mauricio,
vigario d" Ipojuca, quo no da 3 do corre-
le mez, as 7 hons da noute, encontrei um
seu .'-o v as miuhas escadis; perguntan
do-lho o que quera, disso-me quo anduya
procurando quem o comprasse ; depois dis-
se mais, que eslava fgido, a vista desta
ultima reposta o absixo assignado reco-
Iheu-o em sua casa, na ra das Larangeiras
n. 14, segundo andar, para o Sr. padre Jo3o
Mauricio, vir, ou mandar buscar o referi-
do escravo cima, (loando o abaixo issignc-
do sem responsabilidide poli fuga, morto,
ou outra qualquer cousa que possa aconte-
cer no esoravo menrionado, o qual diz cha-
mar-se Jo9o. Recife de agosto de 1852.
Francisco Mattiias Pereira da Cosa.
O bacbarel formado Anto-
nio Maria de Para Neves advo-
ga no civel e no crime : na rilada
CadeiideS. Antonio, casan 3i
Arrenda-seo engenho Pituass, etam-
bom vendo-se a safra pendenle.quandu con-
velida 10 rendatario, o engenhn|tom sscom-
muilidades seguinles : dista smenle para
a cidade deCoianna, 4 legoas pequeas, e
de bom caminho, para o Porto do Cravaia,
on le he o embarque outras 4 logoas; tem
matas suficientes, e pSos do qualidade para
o seu maneio, excelentes agas, mu.lo ma-
nen o, boas Ierras de canoas, e roc;as, o pode
ser do agoa com pequeo trabalho : a pessoa
que pretender dirija-se ao seu propriolano
no mosmo engenho.
os cotumes e fala do mato. Ente
cabra fo; iurtado em i833, e an-
dou pelo serto em varios lugares,
como ibssem Kiaclio do Sangue,
Brejo de Bananeiras e Gatol at
i85a, em qfieveio para esta cida-
de para o poder de seu senhor o
abaixo assignado; roga-se por-
tento as autoridades policiaes e ca-
pites de campo a captura do mes-
mo, e mandar entregar na ra dos
Pires na Boa-Vista n. 38, que se
recompensar generosamente.
Manoel Joaquim Carneiro Leal.
Precisa-so de um caixeiro portuguez
pira venda : na ra Direila n. 2.
fvtttlfiiiMfifff v*V6
K O bicharel Vicente Ferreira Comes
*j mudou seu escriplorio de advogacia, %
> para o largo duCullegio, casan. 6, 9
primeiro indar. 4
^1*A,a-a,'*>ava**4$*Vr'a1>a'a^afiifiAa*
-- a margem da estada da.Victoria, no lu-
gar Peres,ha para se vender 2 sitios um rom
casi o cochein do lijlo e cal, ludo bem
construido e com sufficienles commodoi;
tem jardlm o pomar composto de difTereoteg
fruteiras, como sejam laranjairi," 1 limeiras,
jiqueiras, maugueiras, (igueiras, frutapSes,
8apiiiiseiros,pinheiras,parreiras,bananoir>s,
macHes 600 ps'dc abacaxis, muitos dos
quaes com (ructos,eoutrus mudos diveros
arvoredos, que e deixam de declarar para
nio tornar esteannunciomais extenso; ten-
1I0 planta de capim e torreno para outras
plantaccs. Uulro a pouca distancia,tem ca-
sa de taipa, e rancho ara comhoelros, boa
planta decapim para averno ever3o,alguns
arvoredos, e oulras plantas o arranjos que
com a vista melhor se conhecer : ambos
teemagua o rio para DIODO- O lugar lie mui-
to sadio e nprazivel e perlo da prafa : es-
trada he propria pira qualquer negocio,alcm
dos que all s' usam por sor a mus commer-
tilda da provine a. Estes sitios que sorvem
do recreio e conveniencia desoja-so vender
ji.nl'iv a-sim inulto melhor negocio e mui-
to mais favoravel ser no comprador; to lavia
enSosa poder assiOl se rcaiisar lalvez se rc-
solva vender separado. Os prelendentes di-
rijan! se aos referidos sitios.
Fublicaijoes rlomeopathicas. ;bem feito do corpo, pfjs pequeos, to,loja n. 3, vendem-se lencinhos
de cambraia pintados para milo
de meninas e senhoras, de muito
bonitos desenhos, pelo baratissi-
mo preco de meia pataca cada uraj
dar-se-ha amostra com o compe-
tente penhor.
Panno preto, fino, francez, a 3,ooo
rs. o covado.
Vende-se panno preto fino ,
francez, a 3,000 rs. o covado : na
loja de Flores & S, na ra di Ca-
deia do Recife n. 47 Na mesma
loja vende-se u.n rodap novo de
labyrintho, por pre?o muito com-
modo.
Cheguem rapasiadi.
Vendam-se dous lencos de cimbnii rica-
mente bordados de marca, por prego muito
diminuto: quem tiver bom gosto, diriji-sa
a praca da Independencia, loj n. 34.
Manual eleitoral.
VenJo-se esle excedente manual contan-
do 1 lei regulamenlar das eleic/ies, e na de-
cretos do governo sobro a mesma, com no-
tas explicativas, pelo preco de 1600: na
praca da Independencia, livraria n. 608.
Ven le-se firinria de mindioct de boa
qualidade vindi d Santa Catbarina, em
porcOcs grandes e poquna, medida a vil-
la do compradur, e vende-sa de um ilquei
ro at umi quarla : na rui do Vigario n.
9., arrnazem do Carneiro 4 Ramo.
Cheguem .1 |n chincha.
Chales imperiaes decores muito bonitas,
padriVs a iamagea los proprlos para lenho-
ra andar em casa, p do biratissirao prego
de 1/280 cada um : na ra do Queimado,
n. 8, luja defronte da botica.
AU PUBLICO.
Em mui crescido numero rontavavini os
mdicos at agora molestias incuravois ,
contra as quaes s era permittido ao pacion-
te resignado para soltrer um mal de quo
j uo havia esprangas de po ler liherli-lo,
e ao mdico philanlropico a dOr de ver mui-
tos de seus semelhanles victimas de enor-
midades, contra as quaes se doclarava im-
potente, podendo apenas lamentar a fri-
quen da inlelligencia humana. Mas, grabas
aos nrogressos da medicina, grasfas ao zelo
de honicns incansavois, que, n3o desespe-
rando da perfectibili lado da sciencia, se
teem de.iicado investigaco de remedios
que possam alliviar a humanidade de alguna
o

o o
" _
o'i
fallida, n3o paguomn
te debito algum, de qualquer naturezaque'
seja, pois que s os p lem receber us cu- i Encommendas o n nidezas ni
rado'res liscaes e deposilirios, o ludo quan-1 viagem
ta pagirem ios representantes da menciona-
da firma, ser considerado como n3o p'go,
e poderaser repetido.
- Precisa-se de 3:000,000 do rs. a premio,
de 1 porcento ao moz, sobre hypotheca se-
gura em bens de raz, pagindo-se o premio
de 6 em 6 motos : quom quizer fazer este
negocio, annuncie para ser procurado.
Rs. 8:800,000
HOTEL DA BARRA
HUA DO I 11 U'K.IIK N. 3
Com a entrada pela ra
dos
X c
o "
'
40 passageiros de 3.a classe a
30,000
25 ditos de 2.' 65,000
25 ditos del.' 120,000
300 toneladas de carga a
12,000
300,000
1:200,000
1:625,000
3:000,000
3:600.000
Rs. 18:025,000
Despeza corrente.
Soldadas 639,000 por mez
Comedoriis
Castos do portos, ida o volla
Combustivel
Agencias
Miudezas imprevistas, azoile,
cebo, etc.
Lucro de cada viagem Rs.
Ta.ioeiros.
Havendo esto estabelecimento diffinitiva-
mente paasado a novo proprietario no dia
primeiro do corrente, assegura-si n3o so
aossenhoresantigos assgnantes que se dig-
naram continuar, como aquellas que de no- Porlanto, fazendo cada barco
voo honrarem d'ora em dlanle, que serSo I is viagcns, s3o 12, q
empregados os possivois esforijos afim de
que ah se encontrem asseio, prfcic3o, e
sufficiencii: continuando os precos ja e-ta-
helecidas para provimeolos tanto no hotel
como para fra ; bem como assistencia em
sallas ou quartos, etc.
Auna Fereira da Silva, autorisada por
proviso do Exm. Sr. presidonlo, Dr. Fran-
cisco Antonio Ribejro.de 29 de julho do cor-
rente anuo, tem aberto ni casa do sua resi-
1 278,000
3:960.000
1:200,000
3 826,000
400,000
200,000
7:161,000
produzem Rs. 85:922,000
Do que se devo abater :
li.'le ini.ii,u annual 8 porccnlo 10:800,000
Premio de seguro 6 porcento 8:100,000
Moeda forte Rs. 67.022,000
Observarles.
O proco do ciivSo foi calculado por toda
a viagem, sem attenfSo as uccasides em
a das'Trichoirs'n.Vu, urna'que o barco polesse emprngar o veame,
aulado nst.ucc3o primaria do primeiro (pelo que se devena uhater 1,3 parlo pelo
crao. para o sexo feninino : os pais de fa- menos), e a razo de 27,000 rs. funes, a lo-
m.lia que dellaquizeremcunfiar suas filhas, nelad, quindo seu cusi regular he de la
andarlo dingir-sc a mencionada casa,' a a 18,000 rs.
qualquer hora do dia, certos de que an- ; As comodonas dos passageiros s3o cal-
nuacianle cmpregai todos os seus desvelos ; culai
em n3o desmerecer do seu conceito.
Retrato de dnguerreotypo.
No atierro da Boa-Vi.-ta n. 10, sobrado,
tira-se relratos por daguerreolypo, com to-
da a pcrfeicSo conheeida at agora. O ar-
tista tendo, pois, do se demorar poucos
dias nesta cidade, avisa Is pessoas que de nostl joleressanlc companhia podorSo diri
aeu prestimo se quizerem utisar, para que g,._se cum a precisa brovidade ao abaixo s-
o procurom das nove horas da maohSa s sjgnijUl na ra do Trapiche n. 26, encaro-
qualro da larde. gado pela directo, para acceitar as assig-
N rui do Brum, irrsnda-sc o quirto na|uras, e anude patenlear todos os escla-
in.iirdi casa de A. F. da Cunha, dificada reciinentos, e o estado de vida lisongeiro
nis duas culadea de Lisboa a Porto.
Manuel Ituirte Rodrigues.
Alugase um moleque, dellannosde
idade: ni ruidoLivramenlo n. 1. Na mes-
erir"ummeoino"demeze: ni ra da'Ci- ma ciaa liva-e e eogomm-e, por preco
deia Valha n. 5, loja de ferngens. commodo.
classe 3." l.'eS.1
Na ida 6,400 24,000 por 40 dias.
S. 2." i.
Na volta 10,00024,00040 000
As embarcados terso a bordo um facul-
tativo.
As pessoas que quizerem tomar paite
mo lerna, e com asseio, tendo excedentes
commodos pira urna familia:tracla-se ni
ra do Vigario o. II, no escriploiio do mes-
mo.
- Precisa-se de urna ami de leite, pin
.("Hilo lnlgnoiix dentista,
<1e vial tu a esta cidade, pode o
ser procurado a <|iialquvi' C
19 lloro cm sua) casa : 1111 rna *
% lurga do Kosario 11. 30, se- &
0 Kiiudo andar. *
99*&+WZ99G9^99999999
Perdeu-se bontem 1 noule, da ra do
Aurora, at a do Mondogo, um carax de
commonda de christo : quem o achar que-
rendo restitu lo, leve-o a casa de Francisco
Antonio do Oliveira, na ra da Aurora n. 26,
que ser bem recompenaado.
-. Fernando Jos da Rocha Pinto embarca
pira o Rio de Janeiro, os seus escravos, A-
podinano, menor, creoulo; Cosm, Filippe,
Maria, e Dolphina, menor, pardns.
Lava-se eengomma-se, com perfeic3o,
por monos precu, do que em outra qualquer
parte : na rui da Gloria 11. 65.
Expurtam-se para o Itio de Janeiro, os
pretos creoulos, Jos, de II annos, e Tneo-
doro, do 10 a unos, escravos de Ju3u Antoniu
.Uve- de Brito.
r Aiugim-se o vendem-se bixasna <
$ prac di Independencia n 10, con-
fronte a ra das Cruzes. %
999x9m9.9%999'i>997iK9)*
Alug-se o primeiro andar do sobrado
n. 74 da ra do Pilar : a tratar na mesma
ni, venda n. 86.
Lava-se e engomma-se, com multa per-
felcJo o asseio : no pateo da Ribeira de S.
Joan 15.
Manoel Joaquim da Silva, cidadilo bra-
sileiro, casado, morador na ra da Cambo
do Carmo desta cidade, e com loja de fa-
zendas na villa deCaranhuns, declara que
tendo oncontrado diversas pessoas com igual
nome, e ltimamente um preso o processa-
do, por crime de Turto, para livnr-so do e-
quivocos se assignar de boje em diantc
Manoel Joaquim da Silva Brasileiro
*j Esl contratida por venda a casa de a)
L unan lar e sold, na ra da Guian.
31, que fui da fallecida D. Mariana 4
j Joaquina Possedonia deJezus, ehoje 4
t dosseush-rdeires : quom so julgar <
a> com direito a dita casa por qualquer )
ft; lilulo que seja, dirija-so a mesma ra
9 n. 40, para aasim prevenir qualquer 4
t duvida. w
4**4***4*9**S*****
Dentista americano,
D. W. Baynon, cirurgiSo dentisti, conti-
na a oxercer a sua profissSo, fazendo to-
das as operacOesque forem precisas do qual-
quer nal ireza, tanto por fra como na sua
residencia, onde podes;r procurado a qual-
quer hora, na ra da Cruz no Recife n. 7,
segundu andar.
Orterece-se um H1090 brasi-
leiro, para lazer a escrituracio em
qualquer estabelecimento nesta ,
ou em outra praca ; tambem para
caixeiro de cobrancas, administrar
engenbos, ou casas de negocio no
mato, prometiendo ludo desem-
penliar da melhor .ma, por isso
que tem'bastante pratica dando
(iador a sua conducta : na ra d >
Hangel n.36, segundo andar.
"Ama de leite.
Na Estancii, defronte do silio do senhor
Cirdoso Ayres, alug-se urna ama de leite
que n3o seja escrava, para criar urna recem-
niscida.
Os hordeiros de Jos Joaquim de Mes-
quita, em consequencia da difficuldade que
m em encontrar em cis os devedores d
extinta lujado mesmo finado: rogam aos
mesmos devedores de no praso de 15 das
pagaremieua dbitos, para cujo fim so do-
vero dirijir a segunda luja n 18, da ruido
yueimado, sob pena de serem executidos,
nio pagando aeu dbitos no praso mar-
cado.
Desappareceu no dia 31 do
4! lias reputadas incuravois vai de du em dia
r. diminiiioilo. Assim, ichar depois de lon-
<' gos trabadlos, do profunda mo litaeo o
2 reileradis experiencias, medicamentoa quo
nos rostituam o uso dos dous maisimpor-
^i^l^^iL^^'^v#*v:*J>N>>,VrV'v,a'fc'ji males que a nfflgcm, o numero das moles-
Botica homopathica.
28 RA DAS CRUZES 28,
Dirigida por um pharinactutico
approvado.
Este estabelecimento pnssuo todos
os medicamentoa al agora experi-
mentados, tanto na Europa como no
Brasil, e preparados pelas machinas
da nvencBo do Dr. Muro.
PRECOS.
^ das carleiras homopaU.icas. Emcarteiras de 12 tubos grandes 12/ g
S> 24 20/ 8
9- > 24 < pequeos 15/.*A
* Tubos escolhidos (cada um) 1/ *
p1 Tintura s demedicamenlos em
--
frseos de lj2 onc (cidi umj 2
afl
. Ha mais, alo.ni doslaa.oulraa multas ^
e> caixascom glbulos e tinturas por 2
> presos variavois, conformo o tama- ^
^ nho ea qualidade das caixas, o a
9* qumlidade dos remedios e assuas -41
dynamiSBQOes, etc.
* aviaO-se gratuitamente
* para os pobres, tudas as receitis quo J
S para ali mandar qualquer professor. J
tantes senli los de que he dotado o homem,
quando estes j se achavam no supposto es-
tado de incurabili.lade o inteiramente per-
didos, he por certo um dosmaiore servi-
dos que se-podia prestar humanidade; eis
o que eslava reservado um homem philan-
tropo ila cidado de Braga, est Portugal,
cuja sciencii, cujo imor de seus semelhan-
tesseteem feito geralmente conhecer. Os
remedios que ora offerecemo 10 publico,
n3o entrara ni classo d'aquelles quo o ivido
e ousalo charlatanismo inculca com rou-
cos e desrompassados brados, e que o cr-
dulo vulgo por ignorancia recebe na boa fe
e sem discernimento, achindo-so depois il-
ludido; tem, porm, do oceupar mui dis-
tioclo lugar entro os me-licamentos quo
maiores beneficios prestam ao domem:
consiam elles da dissolucSo aquosa de ex-
tractos de plantas modicinaes, de virtudes
mui reconhecidas e verificadas. O longo
uso, as continuadas aseveras experiencias
a que por toda a parte teem elles sido sub-

Compras.
Compra-se urna canoa em bom estado,
que carregue dous a tres mil lijlos; um
carro que carregue pipas por baixo : na ra
de S. Francisco, casa apalsfida.
Compra-se, estando em bom estado,
urna rotula para porta de II a 12 palmos
de altura e 5 de largura, urna dita para ja-
nella, de altura 7 palmus, largura 4 e meio
ditos ; e at se coupra a rotula de porta,
Caso n3o baja para janella : a (tiatar na
ra da Senzalla Vclha, ven la n 15.
Cumpram-so duas escravas, creoulas,
do 12 a 20 annos, e um moleque do 14 a 19
annos ; tonto boas figuras pagam-se hem :
na ra Nova n. 16.
Compra-so 11ra armc3u quo livesse
servi lo em loja franeczs ou de alfaialo, que
seja do caxilho ; na praca da Boa-Vista
n. 17.
Compra-se
commenda urna p
^AAA|AA:A#ftj1i-AAAAj| mel,jj0S| sem queumi s vez hajim falha-
idoem seus bons effeitos, e desmentido as
^sperancas que sobre elles havia fundado
'o seu inventor, Iho teem gnngeado cons-
tantes e repetidos elogios dos mais sabios
le respeiteveis mdicos, assim ni Europa,
como na America, que unisono abonam o
proclamam sua accSo sempre corla e benig-
1 na. Um destes licores he destinado a com-
\ baler as molestias de olhos, e lem por prin-
cipal virlude restituir ios orgSos da visSo
suas funcgOcs; reanimar e fazer roappare-
cerom sua nalural perfeiflo a vista, quan-
do rsta esliver frica ou.quasi extiiicta;
comanlo, porm, quo nSo haja cegueira
absofuta cum desorgmsic3o das partes;
n3o menos til o enrgico he para desfazer
ascaliralis, destruirs nevoas, e do promp-
to dehellar qualquer inflammacSo ou ver-
meihidilo dus odios. NSo causa dr, nuin
astimulo na parle
Outro liquido residuo faculdado de ou-
vir us sons ao ouvido tocado de surde, lin-
da que inveterada, umi vez que o mal nSo
seja de nascen?a, sem causar em tempo al-
gum o mei or incommodo ao doente, e sem
priva-lo d.i cuidar em seus negocios.
INSTRUCCU-ES PARA O USO DOS
REMEDIOS.
O dos olhos tinprtga-st do modo tegiunle:
U doente pela nianh3a, em j'-jum, um-
hora pouco miis ou menos depois que era
guer-sedolcito, tomir sobre a palma di
mo pequea porcSo d'aquella agua; o com
ella moltura bem os olhos, fazerido que il-
gumas goltascaiam sobre o globo oceular:
aem os lim jar, os conservar molhados at
que naturalmente enxuguem : ao deitar-sa
noite praticar o mesmo : durante o lem-
po que usar do romedip evitar o calor, a
acc3o de fumaga e o vento ; far abstinen-
cia do comidas salgadas, azadas, e aduna-
das com ospeciarias.
O rrmoho ios ouvidoM ser appliedlo do modo
que se segu
O doente pela manh3a, urna ll("a pouco
mais ou menos, depois de erguer-se, anda
emjejum, far derramar denlro dos ouvi-
dos quatro ou cinco gota do liguido, ta-
pando-os lepois com algodSo om lama; i
noite ao drilar-so repetir a mesma opera-
C.So. Durante o uso do remedio evitar
expor-se, us ouvido principalmente, 1 ac-
tSo do calor e do vento, alim de evitar
grande transpirarlo, havendo cuidado em
au moihar os ps em agua fra ; finalmen-
te ilove bster-se de comidas salgadas, aza-
das e adubadas.
Estes remedios eslSo venda ua botica de
Bartholonvu Francisco de Souza, na ra
larga do Rozarlo n 36, nico deposito em
Pernambuco, pelo preco de 2,240 res cada
vidro.
para urna en-
reta de bonita fi-
gura, c urna preta, ou parda tam-
lii.'ia de bonita figura, que tenham
algumas habilidades, eque tenbam
de iG a 18 annos de idade, agra-
dando nao se olln a preco : no es-
criplorio de Novaesdc Companbia,
na rii do Trapiche n. 3$.
Compram-se ou alugam-se
7 escravos cegos, que tenbam ro-
bustez a tratar no aterro da Boa
Vista n. 55.
Compram-se 12 radoiras, e urna meza
de jantar, qua sejam em hom estado : quem
tiver para vender annuncie pan ser procu-
rado.
Compra-s6 um caxorro bom de ca?a
para ipanhar tals, preas, ou oulros seme-
lhant-8 bichos; quem o tiver, e quizer ven-
der, o pode levar estrada dos afilelo pri-
meiro silio do lado direito, a fallar com Jo-
s Sapurili, que Ihe dir quem precisa.
Na ra da Senzalla Velha, defronte do
Sr. Marlins, pintor, compram-so todas as
qualidade deerrosvollios e melaesdo to-
das as qualidades, assim como ourelos de
pannos unos, casimiras e todas as quali-
dades do mulamhos, que sorvirem para fa-
zer papel ; assim como cabos veluos, lo-
nas, ect.
- Compram-se escravos do ambosossa-
xos, do bonitas figuras, de 10 1 25 innos,
lamo para a provincia como para fra, pa-
gim-se bem : ni rui di Cacimba n. II, on
de morou o finido vigirio do Ilecife.
V e ucl as.
Vende-se um esenvo de nac3o Angoli,
leidide30annos, olTltiil dealfaite : quem
quizer dirija-se a ra Augusta n. 34, lii'6
as 8 horas da monhaa, e das 2 as 6 da tarde.
- Na casa n. 36 na ra do Cano, vend-
le urna canoi decirreir, nova, bem cons-
truida, propria par. nWWtfW'om-
modo : 1 quil se icha no porto da ra Non.
Vende-se um moleque, creoulo, de 13
annos. o qual tem bonita, figura : na ra da
passado mez um cabra de nome cadeiido Recif, lojan. 38.
Antonio que representa ter 3o' A 160 w. cada um.
annos de idade, altura regular, Defronte do becco do Pe.:
ixe Fri-
Moendas patente.
Acibam da chegar moenda e meia moen-
das de varios tamanhosda patente de A e
i' deMornay em caga de Rolha e Bidoulac,
ra do Trapiche n. 12, aonde Umbem se
achara arados de ferro do modelo mais ap-
provaJo para a planlac3o da canni. Estes
arados ao construidos na fabrica mal ac-
credilada em Inglaterra e cootem vanlagens
obre 09 oulros arados,tinto no seu arranjo
como na sua durar-jilo.
Vinho de champagne.
Vende-se o verdadeiro vinho de cham-
pagne, de excedente quilidide, ao preco
de 25,000 rs.; issim como de quilidada in-
ferior, muito em conta : no armazem de
Bruno Pracger & Companhia, na rui da
Cruz n. 10.
1
i
r



mr-
Moinhos de vento
com bombas de repuso par* regrar hurtas
e baixasdecaplm na fundigSode D. W. Bow-
man; na ra do Urum ns.6,8 e 10.
ARADOS AMERICANOS. J
{ Vendem-se arados ame- aj
O ricanon, chegados dos Esta- 9
dos Unidos, pelo barato pre-
f* 90 de 4>ooors. cada um: na
2 ra do Trapiche n. 8. 3
9Qm9mmmsmm&&mm9>9>9
Deposito de cal e potassa.
No armazem da ra da Cadeia
do Recife n. ia, ha muito supe-
rior cal de Lisboa, em pedra, as-
sim como potassa chegada ultima-
mente, a presos muito rasoaveis.
A no rs. o covado.
Na ra doQueinndo, defronte
do becco do Peixe Frito, loja n. 3,
vende-se riscadinbo azul, com a
largura de tres palmos, pelo bara-
tissimo preco de seis vintens o co-
vado; esta fazenda he muito recom-
mendavel aos senhores chefes de
familia; d-se a amostras com
penhor.
l'otassa americana.
__No a 11 ligo deposito da cadeia re ha, n.
18 existe urna pequea porglo de potassa
americana, chegada rocentemente que por
superior rivalisa com adaKussia: vende-
se por preco razoavcl.
Agencia de Edwin Blaw.
Na r 11a ilc Apollo n. 6, armaiem de Mc.Cal-
inontst Companhia, acha-ae constantemente
liuiis sorlimentos de i.hx.i de ferro coado e
balido, tanto raa como fundas, moendas in-
citas todas de ferro para aniuiaes, agoa, ele ,
litas para armar em inadeira de todos os ta-
annos e inadellos o mais moderno, machina
iiuriscnii.il para vapor, com forca de 4 caval-
loa, coucos, passadeiras de ferro cstanhado
Sara casa de pulgar, por menos preco que os
ecobre, escovens para navios, ferro inglez
tantoein barrascomo em ircosfolbas,eludo
por barato preco.
AGENCIA
da fundicao Low-Moor.
RUA DA SENZALLA NOVA S. 42
LNeste estabeleeimento conti-
na a ha ver um completo sorti-
inenlo de moendas o meias moen-
das para engenho, machinas de
vapor, e taixas de ferro batido e
coado, de todos os tamanhos, pa-
ra dito.
Vendem-se os verdadeiros selins in-
glezes, patente, de molla e sem ella : na
ra da Senzalla Nova n.42.
Vendem-se rciogios de ou-
ro epr&ta, patente inglez : na ra
da Senzalla Nova n. Ja-
Arados de ferro.
Nafundigloda Aurora, em S. Amaro,
ven diiiii-se arados de ferro de diversos mo-
lilos.
Deposito de panno de algodo da
febrica Todos os Santos da Da-
ina.
Vende-se por preco commodo
o bem conhecido panno de algo-
do des'.a fabrica ; cm pessa, a
vontade do comprador." no escrip-
torio de Novaes& Companhia, na
ra do Trapiche n. 34-
Vendem-se asseguintes semenles:
nabos,rbanos,rabanetes encarnados ebran-
cus, sebola, couve trinxuda alfaco ala-
moa, repulhuda,chicoria, senoulas, teijlo
catrapato de tres qualidades, ervilha torta o
direila, fava, coeutrode touceira, salga, to-
mates grandes, repolho, couve lombarda,
saboia, e moslarda : na ra da Cruz n. 46,
defronie do Sr. doutor Cosme.
Taixas para enyenltos
Na fundicSo de ferro de D.
VV. Bowman na ra do firum,
pssando o chafariz contina a
haver um completo sortimenlo
de taixas de ferro fundido e ba-
tido, de 3 a 8 palmos de bocea ,
as quaes acham-se a venda por
preco commodo e com prompti-
dao, embarcam-se, ou carregam-
se em carros, sem despezas ao com-
prador.
Vendem-se amarras de ferro: na "1a da
Senzalla Nova n.42.
WfVVVtVVf fVf V IW Vf
?> familia de mandioca
? Vende-se, por prego rasoavel, la-
&CIDADEDE PARS*
iuiii do Uoilrgro n. 4-
J. Falque, dono da fabrica cima mencio-
nada, participa ao respeitavel publico de
l'ernambuco, e principalmente a seus fre
guezes, que elle recebeu pelos ltimos na-
vios, viudos da Franca, um grande e rico
sortimenlo dos melhores chapeos de sol de
seda, que tem vindo a esta praga, proprios
para a estarlo do invern, e para senhores
de engenho, por serem muito fortes ; sor-
timenlo de chapeos de sol de seda dediffe-
rentesqualidades de 5,000 rs. para cima,
lindo sortimenlo do chapeos de sol de seda
parasenhoras, de todos os l'niius e tama-
nhos, que vende muito em conta ; ditos de
panno para meninos de 1,500 a 3,000 rs.; di-
tos para homem de ferro e de balea de
2,000 rs. para cima ; ditos de junco de 1,500
rs. para cima; grande eescolludo sortimen-
lo de chamalotes, sedase pannos empega,
para cobrir armarles servidas, baleias de
todas as larguras e tamanhos, para vestidos
e esparlilhos parasenhora; fszem-se um-
bellas para Igreja; concerta-6e toda e qual-
quer qualidade de chapeos de sol, tudo por
muilo menos prego do que em outra qual-
quer parle. Vende-so em porglo e a rets-
Iho. o mesmo eslabelecimeulo acha-se
um bonito sortimenlo de bengalas.
l''azenda da moda.
Vendem-se superiores cortos de cambraia
de salpicus brancos de cor, pelo diminuto'
prego de 3,500 rs.: na ra do Crespo, loja
n. 6.
Vendem-se barris de breu.em lotes, a
rontento do comprador: a fallar com Ms-
theus Auslin & Companhia, na ra do Tra-
piche n. 36.
J'rcnsas para farinha.
Na fundicao da Aurora em San-
to a mi. 1 o, enodepozlto da mesma;
na entrada di ra do Brum a-i
cham-se venda machinas para
imprensar arinhade mandioca, ej
outras para espressao do oleo de'
mamona, de urna invencao intei-j
ramente nova. Os annunciantes|
nao licsiliini cm publicar, que es-
tas machinas de sua invenco sao;
superiores a tudo, quanto al aqui
tem apparecido neste genero, re-
unindo grande frca de presso
a maior sitnplicidade de construc-
980, e facilidade na operacao, o!
que faz com que difcilmente se
possam desarranjar.
SALSA PARRILIJA
DE

n c
os
*.srs-g?
8-
a
2.
a r> z: iwt c ^r o
K~m o. c < ,- a- 3 c
S S" o v
.c&-0 T o 3 n
&2-29!
3
a o 1 e a a p 2. _
5.e o.r-n 3
oS&SSS,S8.ggS.
obToSqj g' U = 2 5 B o 3 3 c'S S 2.
o 3 _B r.S 5S|.5 5-g.o S-g 3.a3 S ~~
t = :;o^ciis;[;i.5;.c." o
*l 3 g s-s L o ??ssg 11:1 II1
?ss;!
-1 n O
S5?
2.a=-2.S-c =
s-

en o
S I"
30SJS5S. 0.5,5 051T&
j3toCL-ia* < v.
c o Q-9-.02 _2 -,-a -.
- o =1
-a* S-lg5ac ;=.
fif? mn-M Imif
^Pliimiriliil-Uii
im|!1b|3|i!^!
rniH>HH;f!f9t8
- a* o* 9 o o o ero < =- -, a
sr^=--=s = iSs*93!o.l:3;s
i.=S?llfl.i^S-i = ii.8s-?i-
B)
-n 3-
i?
SS
1 D
- B
f
ai
es
r
v
o
=
1
01 O
e>
3
(i
53to
c 2
F^2
t

Enchadas de superior qualidade
calcadas de 850.
Vendm-seembarriquinhaa de too, por
muito commodo prego, no armazem de Bar-
roca & Castro: na ra da Madre de Dos nu-
mero 28.
>!fflH!-f*,!<2
>
HV

^?S?oBg.,S3S?-3 =-3^-53oOE!5
i.S-tgg.S.f-gossg
395=2?
3 D
wO""Vl3*^30-
o.a>
(O
3 3='
a
s-o
2-
5 2,."' S o 2 a-o o ; 5 a 2
ifiNnosiiiKiini
..lillil.f'riflM
<
-
n C
n>
B 5*
3
g
5C
o
c
a>
-a "
- 3
~ x
9
-. rt 3
* =
HM^sls-siilaTssfhi
N 9
S10
O s
3-0
tp c
o
B
3-"1 O j
* ... ^ T T 1 K
- g _f 2." g.. S 0.3 a 0
= S** S
ao"o3,a4.5?
/B W O tt __ O O.- '-
-1 00 w _, a u -'i 5 -a a*-
g 2 5" HS.iJ.-'a-jo,-.--
R .-,-,, -1 -i 1 sfVit"fi'raai'^

s
sr
2.
o
co
"5
No Fasseio Publico loja o. 11.
Vendem-se chslles de II emitando a 13
e seda muito grandes a 9,000 rs., ditos de
quadro a 1,440 rs., lenrjos de cambraia bor-
dados psra mos de gnnhora e meninas a
M0 ti., ditos de chitas linos emitando a se-
da a 330 rs., challes do 13 e teda a 4,000, e
5,000 rs. fazenda superior, cssemira de al-
godo a 320rs. o covado, cambraias lizas
de 10 varas a 1,800 rs., cortes decassa chitas
a 1,200 rs., rucados francezesa 240 rs. o co-
vado, pannos linos do lodas aa cores de 4,000
al 6,000 rscssemiras prelas superior 2,800
res merino preto superior a 3,000, 3,400,
e 3,800 rs. o covado, setiin macan o corte a
3,800 rs,, corles de vestido de sedas a 12,000
e 15,000 rs. o corte, hrim de cores de puro
linbo a 1,500, 1,200, e 1,000 rs. a vars, cor-
tes de coletes de fuslOes de cores a 610 rs.,
medapolei ntrennos a 3,000 3,500, e 3,800
rs., e outras inuitss fazendas que se vende-
rSo a dinheiroa vista e p'ecos que agrada-
1 jo aos compradores.
Vendem-se mantas de ISa e seda, para
senhora, a 2,000 rs. : na ra do Crespo, lo-
ja n.l3.
Lotera de Nossa Senhora do Itozario.
Na casa da Fortuna, ra Direila n. 7, e na se um iiequeno, mas mimosamente (ortid
praca da Independencia, loja du Sr. Forlu- armazem de louca do Porto, de dilTerenies
nato, rsio a yenda bilhetes e cautelas des- cores e delicados gostos: e vende-se npr me-
ta lotera, cujas rodas breve lora oseu in-(nosdo que em outra qualquer parte' lella
falhvel andamento. ,,,.. que he pechincha.
8,000 i n------mar mimiiiiMaii iblljiil____
Escravos fgidos.
Deposito de tecidos da fabri-
ca de Todos os Santos, *
na Babia.
Vende-se em casa de Domingos AI-4;
ves Matheus, na ra da Cruz do Re-
cifen.52, primeiro andar, algod9o
transadodaquellafabrica.muitopro-*
J prio para saceos e roupa de escra--^
g,, vos, essim como lio proprio pira re-S
^, des de pescar e pavios para relias
9. por proco muito commodo. 'Jv
- Vendem-se loalhas oe labyrinili miii
linas e grandes, de bretanha,com bico ao re-
do', obra muito boa ; lencos de labviinthos
de bretanha, e rendas: na ra da Cadeia do'
Itecife n. 49, segundo andar.
l ra do Collegio n. 7, acaba de abrir-
Bilheles
Meios
Quartos
Decimos
Vigsimos
4,000
2,200
1,000
500
-- Anda acha-se ausente a negra, escrava
boa marca do 600 meios de sol, muito gros- ,,u>m,grit e com poucoV d'etea a"fr"enle
sa, para fechar ront.s : na ra da Cruz do | levou comsi-ro um panno da costa t"m di
coslumo as vezes andar vendendo agoa e
Recife n. 33
Araujo.
armazem de Luiz Jos de S !
1 tamben) fruetss ; roga-tc a to las as autn-i-
i dades polici.eseeapilOea de cam".ou qual-
la a moderna c ror preco commo.lo.
Vende-se urna mobilia co n
que irouxrem sc-
rao gonerosamente recomieusadas.
- Desappareceu a 10 .le maio deste anno
As numorosas experiencias feitas como
uso da salsa parrillia em lodas as enfermi-
dades,originadas pela imptueza dosangue,
e o bom xito obli.lo na corte pelo 111111.
Sr. Dr. Sigaud, presidente da ac leniia im-
perial de medicina, pelo lllustrailo Sr. Dr.
Antonio Jos l'eixoto cm sua clnica, eem
sua afamada casadesaude na l'.ainhoa, pe-
lo lllm. Sr. Dr. Saturnino de Oliveira, me-l
dico do exercito c por vanos oulros medi-
cos,permillein hoje do proclamaraltamenle
as virludes cllicazcs da
SALSA PAH1ULHA
DE
Nota. Cada garrafa contcm duas libras
de liquido, e a salsa parrilha de Hrislol he
garantida, puramente vegetal sem mercu-
rio, iodo, potassium.
Vende-sea excellenl; typo-
graphia (o Diario Novo estando
bem montada, tanto debonspre-
los, como de lypos : quem a pre-
tender, diiija-.se a ra da Praia
n. 55, a tratar com a Viuva liorna.
Cognac.
Vciulc-se superior cognac, vin 'a na barca
sarda Ballila, a 3,500 rs. a caada : na ra
Direila, em casa de Bair3o& Maceo n 17.
Vende-se cha hy-.-on muito novo o o
mais superior que ha 110 mercado, por preco
commodo,e em lotes a vontado dos compra-
dores : na escriptorio de Matheus Auslin &
Companhia, na ra do Trapiche n. 36.
I .iriulia de mandioca a 1,600 rs. a
sacca.
No armazem de J. J. Tasso Jnior : na ra
Vende-sea 5/000rs. ovidro na botica do! do Amorim n. 35.
Sr. Jos Mara Gon;alvcs Ramos : ra dos
Quarlcis oegada aouuirlel de polica.
Gesso.
Vende-se gesso em barricas, chegado l-
timamente : em casai de I. Keller (t Compa-
nhia, na ra da Cruz n. 55.
Cal virgem.
Vendem-se novas cassas chitas do lin-
dos gotos a 2,240 rs. o corte, cassa de qua-
dros lina a 280 rs. a vara: na ra do Crespo,
loja da esquina que volta para a Ca.ieia.
Deposito ln fhbvlcu de Todos os
Sanios 11a llallia.
Vcnde-se,em casa deN. U.llieber& C,
na rua da Cruz n. 4, algodilo transado
Vende-se cal do l.i-ln.a a mais nova doj quellarabrica,muiloproprioparasaccosde
mercado: na rua do Vjgario n. 19, primoi- assucar eroupa deescravos.porprecocom-
anlar, escriptorio de T. deAquino Konsi'ca' molo,
* Fillio, ounarua do Trapiche, amazem do JJrm trancado de puro linho A 3l0
Antonio Augusto da Fonseca. j;_ _.....,
A 5,ooo rn.
As pechinchas acabam-se.
Vendem-se chitas linas a 120, 140, 160,
f80, e 20o rs. o covado, pecas de dilas a
5,000, 5,500' 6.500 e 7,000 rs., chitas para
cubera de cor lixa a 200 rs superiores cor
tes de casemira de ISa pura a 5,500, e ditos
de meia casimira (ambem de 19a 11:1,1101) rs.,
cortes de caiga de gambroDo a 1,800 r*., di-
tos de brim a 1,00rs. e 1,200, chitas Irn- .
eczas largas a 280 rs. a vara, madapoles l- i
alglim USO, para casa de grande >a ne^ra Joaqui.ia.de nacSo Cacange.que re-
F ... B presenta terde 35a40annos, cheia docor-
lamilia ou em pecas separadas a; po, altura regular, cor fula, olhos pequeos,
vontade do comprador, consi,-tin-'u com c,rne sobre elles; tem urna costura
, 1 1 j 1 ;dn um talho na cara do lado esquerdo. nn-
rJO em cadeiraS, bancas de sala e rm antiga que mal se percebe nariz:chat,,
i mesas, assim como de janlar, um faita-iho alguna denles da frente sendo d
'grande esnelho'com trem e um um eoulr,0 l"do-el,efeia lemuma emjin-
granue 1 > ,u 1110 com "emo e um ge em [odo 0 roslu quo p.ece 8er 0exj(a9.
berco comcobert, sof commo-'peilos muito pequeos e mrenos; temal-
das e marqtiezas, be quasi tudo de;*u?"cjc,l1,i,Mldf1 relho lem
l. ... I as nadegas levantadas para traz quo mais
moslra quando anda;qusndo fugio linha um
p mais grosso ; levou diversa roupa que se
nilosabe de que usar*; he bem falanie que
parece ser creoula ; ltimamente estevapc-
- Vende se urna preta moci. que cosi- 'cupadalno servido decosinha.o tem orcos-
nha, lava e vende: na rua larga do Itozario, turne andar suja ; quando foge costuma an-
toja n. 35. dar pelos arrebaldos desta praca quilandan-
Vendom-se catecismos romanos,con-)do, lavando, ofTerecendo-se para ama e in-
forme o decreto do concilio triderrtino,mau- litulando-se forra ; qualquer pessoa q'ue na-
dado publicar pelo SS.Hadre S.l'io V., e ver-'teja servindo-se com ella na boa f.queira
tido em lingoa vulgar, pelo reverondo Do- denunciar-se, o do contrario se Usara dos
mingos Lopes da Costa e Cruz : na loja da m"ios que Ine faculta a lei : roga-se a rua do Crespo n. 23, de Joaquim Ferreiri lorilades policiaes, capiUes dec-mpo, ou
amos, e na rua do Encantamento, arma-;qualquer pessos, que a prendam ou facam
zom n. 11; adverle-se quo o preco dos en- prender, e levar ao seu sanhor Domingos da
cadernadoa he de 2,500 rs., e dos de hrochii- Silva Campos, na rua das Cruzes 11. 40, que
I ra 2,000 rs. ser generosamente recompensado.
AtlencSo- DeaspprCudoooutnlio Novo doCa-
._' bo, um preto chamado Ambrozio, e oulro
tangico ejacarand: na rua da Ca-
deia do bairro de S. Antonio, se-
gundo andar da casa n. a5.
Ricos sparelhos de metal (no e bom gos-' ""'"'" f ^"'i *i ,V- e Ulro
'tonara so. vi?o de cha, de 6 pecas princi-' ?,n,'' >Pr'""i">'e 1iadedea4annns, has-
- pae* por pre?o commodo : na loja de ferra- l'".,e t''m *" TO j o segundo
r.gens de Antonio Joaquim Vidal : na ru. de idade 50 annos, principiando a pintar:
da Cadeia do Recife u. 56-A.- ?u'':m 8 P^bender d,rija-se a rua do Col-
1 legio n. 13, quesera bem recompensado.
Ao-tia filtra(ia Desappareceu do engenho Velho. hon-
-\gua mirara. tem. 3 escravos ; um do nomeAlexandre do
nos a 120, 160, 180,200,220, o2i0rs., el l'i de pedra propnas para lillrar agua,, idade de 30 annos.grosso do corpo, oulro
muito lino a 270 rs. avara; pecas de mads-; muito bem relias por preco commodo na lo- ;de nome Domingos, de idade de 25 annos,
poiao a 2,200, 2,800,3,000,3,400, 3,600 e J' de "erragons de Anlonio Joaquim Vidal : magro, cor preta, o oulro de nome Jos,
4,000 rs e muito lino a 5,200 rs., pecas do
algodSo trancado, proprio p Ta escravos o
loalhas a 3,600 rs pecas de cassa paia I. -
badosa 2,400 rs., o outras muila 1../ 11 1 1-,
por 1 rf(o. exrraorJInriame.ile baratos : na
loja da estrella da rua do Queinudo 11. 7,
confronte ao beco do Peise Futo.
Vendem-se botijas, o fl-ndcs vasios, de
varios tamanhos e por todo preo : na rua
do Itozario larga n. 36.
Ancoras para navios.
Vendem-se em casa da llicarlo R>yle, na
rua da Cadeia Velha n. 37, ancoras de supe-
rior qualidade, e porcomniodo preco.
Chocolate de S u le.
De todas as substancias alin claros, que,
sendo em seu principio consideradas como
covado
peneirar a massa en mais preciso, asaim co
mo diluirlas para pralos, de rame e de me-
tal tudo or baralissiuio pn .; : na loja do
Ferragen* de Antonio Joaquim Vidal : na
rua da Ciueia do llec.fd n. 56,-A.-
couzasdeluxo.tornam-sepelot n. oad a,,-! I" ?* '" ll" Cruzes n. 22, segundo an-
te de Um uzo geral, o obucol.fe p le. se n I ^ IZtZlT 'n"0
cqntradiccfo, oceupar o primeiro lunar. r
na rua da Cadeia do Recite n. 56,-A.- (mulato,idade 50 annos, cor fula, grossoco
Cusinba rom limnesa "Iguns cabellos brancos.ecom a barba bran-
\-.usinna com iimpesa. M quem 0J pog,r ,lirjja.SB ,0 |(Jgar acjma
Todos os necesarios para cosiuga, lano; iudicado, quesera bem recompensado,
de ferro, estanlmlo, eforrado de porcelana, \ '^'a madrugada do dia 4 do corrente de-
e muitas outras possas, que s o borneo- sappareceu da casa de seu senhor, o escra-
siiheirosabo dar valor: na loja de ferragens 1 vo de nome Jos, de nacKo, j velho, com
de Antonio Joaquim Vidal: na rua da Ca- as pernas arqoiadas e pucha por urna del-
deia do Recil'ii n. 56,-A.- 1 las, tem os torroselos dos pos com umci-
Hicas formas. Iroeo,emom do* braooslem umeirocoque
Fonnas para oasteldes o pudins assim co- ^nMi'i,m,~ he.ueb,,,Jo das venllaa,
mopeneirasde metal brinco p-oprias para *!!S.eo". u.m cavall .Pquono, castanho
Superiores'chapeos de sol de seda inglo-
zes chegados pelos ltimos navios, pelo di-
Tinulo pre^n do 5,000 rs. cada urna: na
rua do Collegio n. 4.
Novo sortimento de fazendas na;
loja da rua do Crespo n. 6.
Superiores cortes de cassa-chita,de novos!
desenhos, a 2,240 e 2,500 ; cambraias, frao-,
1 miia de S. Malheus, a mais nova ,
*7 que existe neste mercado : na rua ^
^ da Cruz n. 34, delronte di l.ingoeta. Vendem-se lonas, brinzSo, biina, e
meias lonas da Russia ; no armazem de N.
O. Biebor & Companhia, na rua da Cruz
n.4.
Algodao para roupa de escravos
Vende-se algo dio muito encorpado, pro-
prio para roupa de escravos, com pequeo
toque de avara, a 140 rs. a jarda; dito
liinpo a 180 rs. : na rua do Crespo o. 5.
Soriiinentos de panos finos e case-
miras de todas as qualidades.
Na rua do Crespo loja da esquina que vol-
ta para a cadeia,vende-se panos finos pretos
a 2,800, 3,200, 3,500,4,000, 5,000 rs., e frao-
cez mullo superior a 6,000 rs., o covado, di-
to verde a 2,800 rs. dito a.ul a 2,880, 3,500,
4,000 o covado, cortes de caiga de casemira
preta entestado a 5,000 e 6,000 rs., dita fran-
ceza elstica a 8,000, 9,000 e 10,000 o corte,
o outras muitas fazendas por prego com-
modo.
Moendas superiores.
Na fnudiso de C. Starrt Companhia,
em S.-Amaro,acbam-seavenda moendas
de canoa, todas deferro, e um modeloe
construccSo muito superior.
(Jortes de brim de puro linho.
Na rua do Crespo loja da esquina que vol-
ta para a cadeia, vende-se corles de calca de
brim de quadros, e titiras de puro linho a
1,280 e 2,000 rs.,dito iuteiro pardo a 1.280 o
2,000 rs. o corte, riscado de linbo de listra
a 720)ra. o corle.
Chita para coberta, cor fixe a
2oo reis covado.
Na rua do Crespo,loja da esquina que vol-
ta para a Cadeia, vende-se chita para cober-
ta de novos padrOea e cor fixe a 800 n., o
covado.
rs. o
Na rua do Crespo loja da esquina que vol-
ta para cada vendo-se brin trancado par-
do de linho puro a 320 rs. o covado.
Vendem-se saccas com fa-
rdos : na rua da Madre de Dos ,
armazem n. 20.
Bom e barato.
Na rua do Passeio Publico, loja n. 9, de
cezas do cores a 440 a vara; chita para co-, Albino Jos Leite, vendam-se ricos chales
berta, de tintas seguras, a 200 rs. o covado; de ISa e seda a 3,200 rs.; ditos de ISa a
cassas lavradas a 2,400 apega; dita de fio- 1,500 rs. ; ditos brancos a 1,000 rs.; chapaos
res, com 8el/2 varas, propria paracorti-j deso a 1,000 rs.; ditos a 1,400; sargelim
nado de cama, a 3,500 a pega ; cambraia de do todas as cores a 200 rs. o covado ; panni-
salpicos, tanto brancos como decores, a nho cor de rosa, azul o preto a 200 rs. o co-
4,500 a pega ; Icngos de cambraia de linho vado; grvalas de setim de tolas as cores,
a 480 e 560 ; pegas do chitas escuras a 5,000 ultimo goslo, a 1,500 rs.; ditas de seda a
cortes de brim de listras, de puro linho, a 1,000 rs.; ditas de cassa a 100 rs., lengos de
2,000 o corle ; dito liso a 1,440 e 1800; ris- vapor os mais bonitos que lem apparecido a
cado de linho a 180 o covado; dido de algo-' 200 rs ; linhos azues e de cores para jaque-
dSo, proprio para escravos, a 160 e 180 o tas a 320 rs. o covado ; castores proprios pa-
covado; panno preto a 3,000 e 4000 o cova-l ra caigas a 200 rs. : corles de cassa chita
do : e muitas outras fazendas, por prego com sele varas a 2,000; cortes de colele de
Ulteclivamenlo, quantas pessoas niTo vemos
nos preferir hoje ao uzo do queme callo o
do chocolate, e nisto soguir a opioiflo
dos medicas mais celebres, que.de commum
acord sobre suas preciosas qualidades, o
indicain como um dos nossos melhO'<.s es-
tomticos aquellas pessoas cuja saude he d-
bil, o delicada Prescrevem-no aos ses
doontes, aconscll.3o-no aos velhos, e o
rozillm, rabSo, com bisuntas lerros no
quaito, capado, levando tambem um surio
da couro decarneiro: quemo apprehender,
pdeleva-lo no Ciquia, em casa de seu se-
nhor Jos Esieves Moreira da Cosa, que se-
ra recompensado.
100,000 rs. d grdtifica9ao.
Desappareceu no dia 7 de maio prximo
passado, o pardo Leonardo, de idade 18 au-
pios de costura ; urna creoula de
II. annos, com as inesnias habilidades;
urna negriuha du 9 a 10, muito linda ; urna ; nos, pouco maisou menos, e tem os signaos
parda de 30 anuos, rom lo las ss babilila-' soguintes :baixo.o peito um tanto inellido
des; e duas pretas, una de Angola, que!Par* dentro, cabello carapinhado e at o
engoma ii, cozinha c lava, e outra creoula [ o da testa, e falla do vagar. Esteescravo
do todo o servigo. Ivinha tolos os dias vendt-r leite no Recite
Venle-se um bonito moleque de 18 an-l^o um sitio da Boaviagem, pertencente a'
nos, bom cozinheiro saco vicios; dous''0,nn* "'aria dos Palios, de quom foiescra-
protos, bonspara todo o servigo ; um dito! vo quem o apprehender e levara rua da
de meia idade, bom alfaiate ; o um dito i Senzella Velha, defronlo o n. 144, segundo
commodo.
Na rua Nova 11. 26
Vendem-se lapatoes de couro de lustro
pelo diminuto prego de 2,500 rs. o par, di-
tos virados a 1,600 rs.; a elles antes que se
ac bem.
Aviso aos pais de familias.
Na rua do Collegio 11. 7, acha-se um sorti-
menlo de louga do Porto de diversas quali-
dades branca e de cores, a qual se vende por
prego muito barato e serve para quem lem
pouco dinbeiro a ella antes que se acabe
porque he pechincha, e depois 11S0 val nada
ose eu soubera-vamos, vamos fregu
zes. Na mesma loja se ven lem treze caixas
vazias em que veio a louga.
c^sy Falitos J-'eilos. ^
Na rua Nova n. 26, tem para vender-se pa-
litos de panno verde e preto,muito bem fei-
tos,e mais barato do que em outra qualquer
parte; a elles antes que se ac bem.
Cera de carnauba e sebore-
nado.
No armazem'de D. R. Andrade & Compa-
nhia, vende-se cera de carnauba deprimei-
ra surte; lebo retinado, o mais superior que
ha no mercado; assim como, sola e peles
de cabra, tudo por commodo prego.
Vende-so um roquete rico e umi loa-
Iha loda de renda, muito em conta : na rua
da Cadeia do Recite n. 3.
fusiiu a 640 ; ditos de ISa e seda a 800 rs. ;
lengos de luco a 320 o 400 rs. ; chitas finas
de todas as qualidades e cores lixas a 160,
200 e 240 rs.; e outras muitas fazendas por
commodo prego.
Com toque de mofo.
Na rua do Crespo loja da esquina que vol-
ts para a cadeia,vende-se chitas eteuras com
pequeo toque de mofo a 5.500 rs. apega,eo
covado a 160 rs
Taixas de ferro coado.
Vendem-se taixas defero coado, de su-
perior qualidade e por prego commodo : n
la da 1 odea Velha n. 37, Casa du Ricardo
iloyle,
-- Vende-se urna mulata, de 30 e tantos
annos: na rua do Livrameiito, sobrado n. 1.
Cortes de cambraia de salpico
brancos e de cores, a 3,5oo rs., o
corte.
Na rua do Crespo, loja da esquina, qae
volta para a Cadeia, vendem-se cortes de
vestidos de cambraia de salpico brancos e
de cores, pelo diminuto prego de 3,500 rs. ,
o corte ; meias muito linas, para homem ,
com pequeo deleito, a 3,400 rs. a duza.,
Na .na do t.iin'iinado n. 11, venJem-so
qualro loalhas de labynnlho, multo ricas,
por prego commodo. Na mesma casa dese-
ja-se fallar com o Sr. Jos da Silva Cabral ,
morador na estrada Nova.
a^H
vinca, por multas pessoas que te, teito' Vendem-se 4 rodas ferradas. K.W!?? ,,d'M bir.*. .
Kttttifg&sasz s tos e Mr- Ttf-r? iSS&S^ r
Becco Lareo engenho : no aterro da Boa Vista \" os l"Jsi o andar da dita negra he pisar
c r duro, e he desfargada, denles perfeitos, fui
" ,..... 1 is -- Vendem-se dicclonanos da lingoa por-1 apprehengfio da mesma oscrava.e sua entre-
tuguoza, por Constancio, do oplima impres- ga no dilo engenho, ou nesta cidade na pra-
rS^^Zj^*- -ua r ^,r?,!t.sp.ue^rs x^-d.! ?c.rmercio n-6- Un* ^ j
inetes, que brevo marcara o dii iinpr,t;.i- silva. uipirara.
n dojOoo rs
f.ralihVa-secom 50,000 rs. a quem appr.-
Lotena de Nossa Senhora do llnzano.
Os bilhetes dista lotiria est.loa ven la nos
lugares ja annunciados, o ruspoctivo the-
vel para o andamento das rolas.
Para vinhos fr eos
' reguezes.
d
com
e
peza
que sem ella seno puderiam fjier ou ert-
taono produziriam uefleilo .teselado- ven- 'el" ,0*' 1ue l,z esquina para o beco
de-sa nicamente em casa de JJairito'cMa- Lar6-
cedo, na rua Direila n. 17. Vendem-se accoes da extinc-
^^^^^1^ companhia de l'ernambuco e
casa em que polom morar duas limilias arahyba no escriptorio de All-
^Z^l"1"' n'JPriinciru e segn lo a..- gusto C. de breu : na rua da Ca-
dar.chSospropnos; os pretndenos podem 5 ,0 "
irve-lo, e para o ajuste no escriptorio na aeia n' 4o
_.no rua
doTrspichen. 14.Jl.noel Alves Cuerra.
- Vende-se um cavallo muito forte, quo
apenas comega a segunda muda, e barato
nSotem o menor achaque ou manha na
Estancia, defrontc do sitio do senhor Car-
doso Ayres.
Rap Paulo Cordoiro, a 1.360 rs. a libra
Ven.le-so na rua do Queimado loja de
Joaquim Ferreira Araujo Cuimarfles n. 51.
Deveres dos homens.
Vende-se eate compendio approvadj pa-
ra i.s aulas priman.s, impresso e.u letras
maiusculasi na livraria da praga da Inde-
pendencia n, lies.
lUrtKS,^ EIBSS5"--'ws
ccotiomia, he* na taberna da rua da Senzalla ras d ciicote pelas costas^ vestido" de ca-
misa de algodSo branco com mangas cuitas,
caigas de algodaosinhu de listras azues ; lm
bstanle ladino, lem falta de cabellos na ca-
bega porter andado vndenlo fraila, man-
dioca, macaxcira pela rua; este molequo
quando Ihe fallam esta semprecom osoinos
inquietos, lazan.lo movimeutos com os do-
dos das mSos. Pola ser que se intitule de
forro, e que d oulro nome como ja llrassi
o gancho do pescogo que tiuha quanio fu-
gio de casa portanto ro -se a todas aa au -
tondades policiaes, capillos de coropo, e
mais pessuas, quefagam loJas as diligencias
de capturar esto moleque e aianda-lo en-
tregar a seu senhor JosSaporiti, morador
no principio da estiada dos Afilelos ou 110
Recite, rua da Cruz n. 1S, primeiro andar,
das 9 horas da manilla as 3 da larde, que se-
rlo recompensados con a quantia cima
promettida, como piolesta tambem contra
quem o tiver occultu, o o tilo queira entre-
gar, obrigsodu a pagar-lhe os oas de servi-
go desde o primeiro da da fgida, o fazer-
Hio solTer as penas que a le marca a este
respeito.
Sapatos de borracha.
Vendem se superiores sapalos de borracha
viudos ltimamente pelo vapor \'erinmbuca-
na do l'aia na rua da C uz confronte a l.in-
goeta n. 36.
Tachas de ferro.
.Va fundiglo da Aurora em Santo Amaro,
e tambem no deposito na rua do Biuin logo
r.a entrada, e defroule do arsenal de mari-
nos ha sempre um grande sortimento de
tachas lano de fabrica nacional como es-
tratigeir, batidas, fundidas, grandes, pe-
quenas, razas efundas; e em ambos os lu-
I'rn. : TiP. DE ti. F. db Fahia. 1852-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EL7SVO20X_BWCL5O INGEST_TIME 2013-03-29T17:24:06Z PACKAGE AA00011611_03472
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES