Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03391


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo XXVSil
B
Segunda feir 20
DIARIO
"
B.IOO SOBOBI910.
FAStMIXTO ADUXTDO.
DI DA IZM11CA. iODIIHOlH,
deSetembro*de 1852
-
N. 211.
PERMMBICO.

dS*
4/r.oo
"drt'lme"re* .......
for semestre. .._......
"" ""> MOMn DUt.IME.TlI.
-I dc Agosto Mina.... H dfAgosto
f."* hVn "9 de Jlio S.P.ulo. 1 dedilo
I ai.nbao. 2 de d de ,.. 5(i de dUo
S;;''.<.edUo BAL... d^.lbr.
4/000 ( 20 Seg. S F.utaqulo
8/000 2i Tere. S Ma-
15/U0O) ihcu.Ap,
UQnart S. Mauricio.'
23Quint S Lino.
Jm'iode Orpkai
>, eS.il 10 horas.
1. rara dcil ti.
3. e 6. ao meio-dla.
Paitada.
it Set. Non. S. .lasa, r 6. 10 hora..
M...... 2. vara do civil.
J.'.Sab. S. Justina. i. et.b.doa.o raeiod
.(i liiim. 17, Cleofaai *ff*>-
S. 1 i riuiiin i iTi-.ii e sibados.
Cr es ceate 20, a l hora e i minuto di tarde.
Chela a 28, a. 4 horaiS minuto, da ni,
Mingoante6, as ihoras 16 minutos d. tarde
Nova 13, as 8 horas e 2l minutos da tarde.
r.niixiii aoJ
Prlmclra.ii 10 Dorase 6 mlnutosda manlii.
Segunda i 10 horas e 30 minuto, da tarde.
.tariDii o (jolinos.
Oolaaaa r.rahlba, issegunda i e aexias-
eirai.
EUo-Ciande-do-Horte e Victoria a i qulat.
felra.
Bonito,Caruarn,e Garant us no ft 1S decada
Ma
Florea,Ourlcurr.Exu e Boa-Vlital3 e28
OlinUa, todos o. di...
Todos os Correio. partem ao melo-dfa,
OTICIt. EiTBAaaiIBAI.
Portugal Hde Agosto Austria .
Hespanha 8de dito jSulssa....
Franca.. 8 de dito
Blgica.. & de dito
Italia..'.. de dito
Alemanlia. 3de dito
Prussia ... 3 de dito
3 de Agosto
3de dito.
Suecia... 3o de Julbo
Inglaterra 0 de Agosto
F..-Uindos -21 deJuiho
Mlico... de dito
California lo de Jnlho
Dinamarca II de Julho Chlll. de Malo.
Ruasla... 0 de dito ltueno-A. de Julho
Turqua. 2S de dito |Monterldeo Sde dito
CAMBIO DE 18 DB BHIMBBO
Sobre Londres,. 27 '/. por i/UOO d.
P.ri., 36
Lisboa, lOpor a.nto. +
IT1M,
Ouro.Oin-.is bespanbolal........... 2>/00u
Hoedas de (i/400 velh.a........ 16*00
. di- lildO novas........ 16/ de4/0O0............... /WK>
Prata.Patacfiesbrasilelrol.......... 1>90
Pe.oscolumnarloa............ 1/9J0
Dito.me.ic.no............... l/8i'0
PARTE OFFICUL
C0?EHSO OA PROVINO A.
KPBDIBSTe DO DU 10 DE SEfEMBRO DE
185 2.
I .trras, ondet.es exuerenciis foram icluil-v etc. As despe/.is do traospo leda llambur-I
-menle reitas! Seria por desconlimca de jo para Amaterdim ou Londres, imporlam
recolhida para Jultes de paz. devida sem arcanos ? Em verdade nSo me p.rece bemem cerca de 9 chel. etc. (8*800 ra.) por Cl-
iso desejo que tinb.m .jubo. o. lado. esco|hido um ler.mo qu.si obsolele com.la, loclusive seguro e cotnmissflo.
das cdula, da elelco desta, Ireguesia, e com
uina pequcua superloridade numrica das ce
dulas
duvida
de levarem a palma em tal eleicao
licferirain-tneessa oceurencia por alto, eps
isso a nao .asevero ; mas estou certo de que,
se tal houvc, teremos duvidas sobre a legitl-
pre
i lu il
Krinando, mediante a graiilicacao
peral iie IJ0.O01 rj. -- igual copla reoieue.
sei thesouraria de fazcmla. .
DIJO ao nies.no, eutlando, por copia, a
portarla do conseibo supremo
militar de 18 de
O partido dominante leve de luciar as prc-
seutes elalcda.com gran ios difliculdade. : pri-
meara, mu qualilicaco ex propoiito muito f.i-
voravel a opposicao seguuda, deipcitos, zel-
loa, disgosliiilius, e outras oibilidades, deque
uto ultimo, biiu como o decreto, que ella a|)Un(|am ,,, nomeni)l c os ,em qua, ,C1U.
se refere, aelerminaodo que Joao uapusia ex. aesKiit da clia|ia apresentada por aquel-
,rn, actual offioial da accrciar.a di inrsino i ^ ,,, ,,i a pesada trela de promo-
consHbo, sirva o lugai do secretario do giicrra, a eetfio s^^jira, os desgostos. e Indis-
semprc que este lenba algum iiiipriiimi mu. ||Mjl|(OC, pCMoaes, que o divldem, naturacs a lo-
Uno --A thesouiaria de t i/.ciul.i Iraoiumua- (|osos aridos, que cstu alguin lempo m po-
do copias dos ejemplares, que aoimipaniiaram aer.oirU>, ioralidade de muitus du, cin-
o miso do iiiiiiislcriu do imperio do .1 O Jgos- ri.ga(|u, |>UL|co. que clara, e vigorosaiuentc,
ti ultimo, dalcl n. s7dc7_do iiicsiiio inoi^iiie |rahinJo scu, develes, se apiescutaraiii, cou
cuta o
niosiiio ino..pie
voiiciiiioiilos dos niiuislios de cs-
liidos demais na tolerancia, em hostilidadc ao
governo, que o alimenta, creaudo-lhc des-
tarte embaracos, que Ihe podent causar a que-
ros" ds relafes, e Dciii assiiu uo oecreio n. A Iln|a |aa|menie. a uatural tendencia de
i05j, qne regula a eiecuctao do artigo sogunuo tMf oppul(ioa<, poderoso, que move a iiiaio-
1 ria dos hoiucns, que nao ano de una couvic-
co robusta, a votar quasi semprc na oppoii-
diicuii'iiiaos veuciHii-iiiu u,, ...-----.--------
(.do, presideutos das provincias, mililitro, do
.uprruio tribunal de juslica. e desembargado-
e bcui assiiu do decreto n.
da relerida I. -
Dito A inclina para que, a vista da lollia
uno remelle mande silisfjier a quanlia de
liijlisiirs., em que, segunde, coiiimunaou o di- Tj(w j adlnira,be dc tcr eu qalificado
rector das obias publicas, importuna oeipaia!C01|JO immonl ,,ruccdimento doemprojailo pu-
feiacom os pieparos da sala da relac-o, /, (Co, que se -piesenta em hoslilidade ao go-
l.rn do coiiiJiiilo das armas, para o cortejo do v(;tno'(,iiibralido_se da dccantaJai e mullo
da 7 do correule--Inteirou-se o mesino d';)uuvavdi Merdadc de tolo, porein crei.-mc,
rector. ___ que dei-lhc urna t.l qualificaco para Ibe nao
Uno A incsma devolvendo varios papis, a- j quede direilu Ihe cabe, como
,,, de que Informe notamente sobre o verda-. J,0r,lr^'ci_ q
duro pirco das miriiilia,, que se lem aecoooe- hn,,Ildo quc 0 eimir.gado pubico he pessoa
de, iiuraroriuionloabredericoileSou-aOoiiies, U sua fnieira cuufianca, que
ponqu, paiccciido infundada a avaliacau que dcc rcc(.be favor da cooservaco cni troca
srlliedcude l.oon rs. por cada una braca, e dc ,uallJclidade, e o ordenado em corapeusa-
irndo eerlo, que ae deve considerar o que vale- rfe jeu lraba,n0_ e empregadu entende
10 que iralic sua oonsciencia ajudaudo ao gover-
no deve, por liunra, e dlguidadc pessoal, en-
n.iui.
c cada Uina de laes iiiarinhas. cuinpic, que a
quioto muito salo em lempos mais remo I Cumpre nnalroenle advertir que, para
tos e antes que a chymici dio lerna, NH ac.ulel.r-se contra a falsilic.Cilo premedi-
bettiroitora scieucia, cum sua escrutadora Udi, ou algum doloso arremedo, os sonho.
D.Ivse tivessedado c.bo de tantos oiyste- res de engenho deverSo ter o cuidado de
riosouehoioemdi.se considerara abano no pedirom o referido arcano a oulra pas-
dolhocinio de qualquer calorio com dotis soa que nao geja o proprlo inventor epn-
tledos de initroeeto. las qu tBI" norne nltgltm Dr. Eduardo hlolle em Berlim, ou
com a essencia da cousa? I)ev debomsonsuregoilalasom o menor exa- berem tos encumiaendas. Jujgamoi dever
me-ou le lacra canta ac cousa para diver- cssa advortnncia aos senlio-es de en genlio
lir ? A questflo he, ha ou nao necessi- no sen proprlo interesa
dade de pormo-nus altura dos progresos -
do tmpo uu s'remos tu.) soberbos par.
desdenharmos seguir na esler de oulios
quo se anteciparam om iuvesl'gar e loptar
iioviis invenios?Seria o ombarago da esco-
llia? viutntoa milD.I qno na verdade beiu
liouca cousa soulsi me houvera cjIiiIo
em sorto mulhor quiuho DO dividendo dos
PEBHAMBUCO.
III.CII'I. 18 DE SCTBsaBHO DE Igi.
AS 61IOBAS n\ rtiini:.
It c Ir os p c ilo Semanal.
F.m toda a semana uccupar.in-se as gaietaa
bens de fortn, no duvi lana eXJerinion- col descouiniunal paleada, que na noile de
tar um e oulro, e dara por mais beni empre- | d,i corrate sollreu um dos cumeos do inca-
gada essa despeza do que a qus OertOl ou- tro de Santa Itabel. Escusado he, por tanto, oc-
lllUSlaslas fazum em liriOginfl.d o fugue- cupsrmot aqui com a oairacao dessa scona de
O Sr. Juii 'rendente l guate
INTERROGATORIO.
g.
Jais :--Como so chama ? '
Reo :iniz Antonio de Moraes e Silva.
Jm- '.--Su. idade ?
'i'' : MI a lllin- o nove llli'/r,.
Jui:.'--Qoal oseu cstaJo ?
Reo :Casado
Juis :D'on le he natural ?
Ro :--Da Bahia.
Jui; :--Em que se oceuna ?
Kio :l'ropriot.rio, o senhnr de engenho.
l/l :--0 Sr. fui quem mauduu Injsar urna
emboa icrlenconle a Sr." I) Anua Joaqui-
na oo Nascimqnto, em um sitio ucsla so-
nhorn ?
Reo :Anna Joaquina do N menlo,
mauduu abrir uina caniboa, dcnl'o lerreuo, tendn-a eu tapado ella 'ajuerou o
juis munieipal, mandado d maiiuTen;ilo, e
continuuu a abrir dita enmboa ; eu reque-
r tnmlm ciinlinuiiido em sen trabalho, comee0"
lani;r a Ierra que tirava d cambo, sobre
ii meu terreno ; eu poil em conaaqu-ncia
Jos llaymundii,
do
ment
rionci.s
ao .-i-a ale i no '.'
go que a auciora inlerporo arbitrio do jui/.
Nestes termos :
I" que, segundo os de direito. deve a pre-
sente cnntraried.de receber para que pr-
vida, seja final o reo ahsolvido, condum-
dbiI.i a auciora nas cusas.
P. R e C. J.
P. P. N. !.
Carv.lho.
E defiude seu cliente, em um loogo dis-
curso,
fmdas as alegav6es ; e felo o re.torio
da causa, o Sr. juiz presidente entrega ao
coiiselho os seguinte :
OUESITOS.
I. OroDIntl Antonio de Muraos e Silva,
praticou o Tacto do mandar ntulh.r urna
cambo pertencente a auciora D. Anna Joa-
quina do Nascimentu.'
2. 0 reo praticou o mencionado facto cum
a CircurosUocia aggravantede sor cotrniul-
t i ilo a noile ''
3. O ron praticou o mencionado l'uc u a
circufiit.ncia aggravanto do ser iaipllidii
pur motivo rojrova lo ?
*. Orn praticou o mencionado facto com
cJreoinsUiici i aggravaulu de ser impslli-
do por motivo frivolo ?
menuionido facto com
ggravantf do ser superior
i mencionado facto com
gravante de proundita-
mencionado facto com
iiheuo em expe- tanto a quem do desacato, visto que: ieguii- camboa^tantas vezes a deitou ella em cima a circuinslancia ggiavaiitodo ter proced
,S conducentes a su. melfior. e postas do no. con.t., a malor parte d penuibadu- co10 ea lhcdeitoiem b.ixo; mas no po-
re. da pa ca. loinbando dos eiforcos, ou ante; den iu continuar este e-tado requer ao Sr.
da mu/u -i da polica,consegulo evadir-ie, bem j,,!,.,,^ f^eudo-lho ver que olla nao ob-
t. ... ... .........,U ola o.iln ilo nn.aln a >_ I ~ '
dosYazia recearalgm desasir. Por icIicnlUc. provo com US documeillOd quu CSlfiO JUlos
nada Ihe tconteceu de run-i in... ,in, conslando aos nulos
officlahuenie, segundo o nosso correspondente jM,-5 ;.E gsa combos, esl aberU em tor-
do Uaranho, que a demora ra inoilvada por ras perlenceiites a 0. Anua, ou do Sr. i-
desarranjos na maquina, ao cliegar elle uo Fia-
r, mas, parl'CuUriiieule, que a sua verdadeira
de ti us trabrillios addiaudo a elelefio.
I us mai lugares anda nlu leiilio nolicias. o
ma cmara Informou em 20 de agosto ultimo,
dojuitmunicipal d'aquella termo, quanto &,. e ue ,lao
rer, uu nao, Vicente terrena de Ascen(ao exer- j" ......,.,i
CCI o caigo de Vcreador oo offielodfl tscrivaoda
ticeiitica) lio 13o podernsa, que, tneamn de. pei3 chuva, em nada dimlnuio a ooocui
mesnio juico.
Paitar a ouc it refere oofficioa eiinii.
'(lu e Exin. Sr. Devolvendo a V. Ksc. o.
ilous iuclussullicios da cmara e ju inuiii-
ti|,il do lloullo, versando ambos sobre dever,
i.u o,tu, exercer Vicente forrera ifijcencao o
Cirgo de Voriadiir e o ullicio d' eseiivao d'
aquella julio, cuuiprc-nie dn#r; iniii i- e diaiias as obngaccs do dilo escrivu,
Iioisijtic alonide servir no criine e civel caer
labrliao, lie lainbein enc.irrogido do registro
lias liypoiliecas, mo pode elle do.c upoubar ao
Hirsuto itinpo sausfacluriaiiienie sem prejuuo
do servico publico e daiiiuo das parles, as fun-
ccoes de cada um dos indicados einprogcs,
veielicaudo.se coosoiiiienloineule nicoiiipatibi-
lidadr na accumula^iij dos mosuios, segundo
a, dilUrenies dccljia^dos do governo, c prin-
dpalineatl a que se le no aviso de 26 de abril
de i i na re.posla a seiima duvida ; u qual se
ada no addilaiiiento do eaderno da ics-
peetlva colleccio. i'elu quo, deve o referido
Merivaosolicitar sua escusa do cargo dc veria-
dor, a qual em ludo cssu, anida iiicsino nao
seodo pedida se Ibe deve dar a liui de nao se
ven ni posieigadas dio jurdicas decisdea. As-
lllll pens.
Dos guarde a V. S* llecife i de selembro de
|86t.illiu. e Eeiii. Francisco Amonio Ilibeiro
I ii -i I' iiii da provincia de Peinaiubueo.An-
louiu Ignacio de Azevedo.
IDEU DO DA II.
Ollicio."Ao comiiiandu das aunas, iuteirau-
ilo-o de h.ver convocado a junta de juilica
per. o dia 15 do torrente, c recpininendando,
sJUC insude avisar lies ulliciaes superiores para
M'iviioin dc vogaes da iiiosiua junta, us quaes
O vi i.io uoiuparecer no palacio da presi leucia
as ni huas da nianliaa do referido dia.Fuc-
ram-se a resuello as uecessarias cuiiiinuui-
cscdei.
i)iio.--Ao inspeclor do arsenal de iiiarinha,
ruoinineudaiidu em vista do que Sinc. eipoz
em seu i nin de boniciii, que fi^a concertar
Com luda a bievidade oeioaler da rcpartlcao
ilasdude.--Louimunicou-se ao respectivo pro-
vedor.
Dilo.Ao juiz dc direito da segunda vara
flesta cidade, duoudo licar scieuie dc liaver
asno, leassuiuido o eaeicio do seu cargo.
l)ilo.--Ao comiiidiidaule do vapor Golliobo.
reineitendo a correspondencia, que tem de aer
entregue lia corle rcpailico, que lie diri-
gida, e recoiiimendando que, se por acaso, du-
ime a sua estada na Ualua, passar por all u
vapor, que se espeta do Noile, e seguir para o
Rio de Jauou o antes da barca 6ob seu couiinau*
do, mande Sinc. entregar ao respectivo com-
uauddiue a inesuia eurrespondtncia, para que
a cuuduza e cntiegue.
biio.Ao director do collegio dos orphos,
iiileirando-o de bavrr oOlciado a adininistra;ao
dopatiiuionio dos orpbaos, para piuvidenciar
no seulido de serem entregues ao diieclor do
arsenal de guerra, nao s os aele educaudos
diqiicllc collegio, que eno comprebeudtdos
Ms dispobicics do ari 42 dus eslalulos de 3 dc
levciciro de 1847, como tainbem os mais que
csiivcreiu em idnticas ciicunislancias, aliui
dc iciciu o il. iii,o que parecer uiais coiiveiiieu-
le .o mareclial coiniiiaudantc das armas, a
jueni nrsta data e cxpcdein ordeus srme-
Ihaoic leipeito,ICxpeduam-sc as convciiicu-
'<> oidcui.
liaver novidade, c iiuporiao vencliucuto du q
parlidu dominante.
.Viuda nao l'oi confirmada a noticia, que em
miiilia ulliiua Ibe cuiiiinuuiquei, dus assassina-
los dc Antonio Qulalllho.
.Nada mais oceurre de uuvo que inlcrcae
Ir
baiso dos trpicos, uns succo dc Cinna, de povo para assislir ao Te eum, e vitilar o outrs pessoas quo essa cambo era
queapeinscooliiibaindissolviloiiinamini hospital da ordem, que appareccu no manir .,., lgjH da ,nsina pc)rser biioet* do i
a. OU., que ''Oooplbica djtt doj,;.--^-^^^^ Mi00?, dc Arau,,.. que a huuve
podero por esparjo do 10 das conservar- ro5fran(.iscanos ,,elo bom emprego que fazeni este meio do Jos Gonc.lves Lagos, viste
se isemptos de fertnaputjBO oque, ao di- ,de uma graude plrle dos aeus rcadimcutos. Ihe este vendido na propiiedado Ibura,
zer de lo los, al entSo parecer imposaivel 'i-0j0 u Inulo, a quem falham os ineios de sub- I do reo, e entilo delle um caminlio do ci
>auall'""L"'T,'" "l '.^nnoT. i'nd7vi'dual* coiiseguir-se amia mes.n' por espago .le 10 :,i,tencia, encomia nu edificio da ordem umeum porto, para oinharquu das lenba
Aoda. 11 tlveol theafref beneficio das minulns l'ara ohler este elf-ito, basl. Lu y| co.umodo e decente^ onde Ihe sao prodl. 81ljl) E,va pro,,r,0dadu do comprador Arau
10 com fraude ?
8. Existom circunstancia attonuantesetn
favor do leo?
Depois de rerolliido, c havendo delibera-
do sabe cum as segoiutes :
RESPOSTAS.
Einquanto ao piiineiro quesilo liui por
11 votos.
Emquanto ao segundo qoesito nao por
9 votos.
Emquanto ao terceiro quesito n&o por
8 volus.
Einquanto ao quarlo quesito iid> por
10 vulug.
Emquanto ao quinto quesito >'' por
unannniJale.
Emquanto ao sexto quesito sim por lo
volos.
Einquanto ao selm.. quesilo tim por fc
volos.
Ediquanto ao oitavo quesito do por 8 vo-
tos.
Em seguida o Sr. juiz presidente lsvra e
l seguate :
SE.NTE.NCA.
Vista a doeisil do jury, con quo me con-
formo, condeoino o r i Dini Antonio de
Mreos eSiva. a 70dlas do priado, e a multa
dfl CIICO por cotilo do valul'desti'Ui'io, giao
liiiniiiii do arl US6 segunda paita do cdigo
criminal ; combina.lo com o ari. 49 do mes-
iiio cdigo, n escrivflo logo que esla teoha
pasad lo em julgulo, remella a notta ao juiz
miiniciiial i'iii'-neg.ido das exccucOes, a pa-
guo 0 reo es cusas.
Ilecilu II do M'lOinliro de 1852.
Francisco Rodrigues Selt.
E sando ineia nuutesn levanti a sessSo.
tmalam-^rrmm&mmsm!*mammismml
Co nespoiideii r.iaa.
Srs Redactles. Appareceu emtim no
seu Diario n -205 de segunJa-feira 13 do
crreme 0 defensor de Mari francisca, pre-
tendndo responler ao quanto em seu Dia-
rio n. IV1 d> prximo pastado msz. se ha
vis eseripto acerca dos processos entre ella
e seu marido, Jos Maiia Goncalves llamos;
e I mili mu dulendendo ao baclurel Jos lia;. -
mundo da Costa Mcnezes, srgunlo suppleu-
le
OOiaCI
ada inostiuuque au eugule seiuclnantes pi- do Jas m00I1j,s
lulas.
conveniente que couiinueui os desaso de lio- romc;ii1o produzdo pelo metho lo aullgo ;
meo. vestido de muinec com talla de truvao e ^Qt 1)|1(j,, [..cilmente se oxplic, iiorque, ha
pernadas dc l olypbeuio, b nouco. Si) pode, nuinercadodol.cn-
Mr lleuri d.u-no. u JMWdl ouv,. loi com V ^^ ralincldo ,0 l0na
%^m5tt^.KZ&Z do..r.PStolle obter urna mehiina de prdCO
Udaaeohora 0. olma no ductu r'ui-.c de 6 l|2 chel.ns (obra do 3/900 rs ) por
euibor. ogasiadiono que inleiismente nao quintal ( iuglez ), sobre ouiros assucaies
pude o u vi" por causa do tualdilu oiiucuioi p0 mzidos los lliosmus engenlios pelo >ys-
Deurcdadui que bem se peder chamar [,,ma orJtliai 10. A despuza Causada pelo
Dos ebriua. emprego do arcillo do Dr. Slolle ( do qual
O! que culremei lnl|Pjd0,_e_l_iiW0raU ier.no modi) 80 se prrCisain do 2|3 a 1 por
boa os das com |
eusivel nuil .n. i da albmospliera.
Euirarain em toda a semaua; 12 embarccdci
e aaliiraiu S
Rendcu a -Ifandega 3;6j3,4a2 ri.
Falleceram 2' pe-suas : 4 liuuiens, 7 mulhc-
res.e prvulos, livie ; 2 homeus, 1 muler
e 2 prvulos, escravos.
guinlu :
re una alma ciupuia, que a .cuhura D. Caro- denle'do lucro, nocisodo ler-30 procedido
,i ,i i mi.o com multa graca. om regra, sobe acercado Oclielins l 2/520
hasta por huje. Saudc, c felicidad, e fuja rS- mjj 0u menos ) por quinlalle sssucar,
do tundidor, cntiemez, que do dc carne c osso S|(n fa11r no augmento da quanliJade, dovi
neinSaiilo Autouio o livrar.
BAHA.
du a maior faciii lado, com que cryslallisao
os coidos clanflc idos.
Mais ouir vanlagem do melliodo do Dr.
Stolle, e q oto ne smenos, consiste, se-
Sr. Redactor. 'gutido a expeneucia de lord HowarJ de
AaucsUodo melhoramentuda labncasuo W.lden ( vor os allentados dello no Unnmg
loassucartem-nio por re.elidas vezes da- Chroniele de 6-de agosto dej 1851 ), uo ic-
io lucir oceupar as columnasda sua apre- crescimo do rendimenlo de agurdenloi oe
lavel follia. lia iouco uve occasiDo de a- qu.lidade superior. Eo quo sobre tudo o
umpinliar de algumas observa(;Oes um ar- deve tornar recomnendavel nas c.iloui.s, e
igoque tralava de certa descoberta falta outras Ierras productoras do Ssuear de cao-
do lucir oceupar as columnasda sua apre- crescimo do reudimenlo de agurdenlei oe
ciavel follia. lia pOOCO uve occasio de a- qaliddul_*g^'0|> Eo 1u0 obre ludo
c
na Rhd do"PeTloiic"costnindo em um ex- na, lie a leliz circumstaucia deile ndo exigir
tracto vegelal desliuado para elTecluar urna nenliuma dispendiosa mudanca nos actuaos
mais rpida e mais pedeit. defecao do aooraorioi dos eogenhos. e de podor em to-
caldo d cana. Huje cabe-mea vez do ds a parle, e por qualquer pessoa, s :r posto
oiraiocor-lhe a inclusa tradcelo de um ern pr-lica.
annuncio relativo a um idntico invento O arcano do Dr. Molla vende-se encino-
muito anterior em teuipo, temo por autor lado em latas hermticamente tediadas e a
au Dr Eduardo Stolle em Be^lim. Ul prova d'i-gua em caixas de 200 libras, que
mais u'um annu a esta paite quejido pela inclusive o encaix.ineuto, e poslas em llam-
primeira vez Uve de chamar a alir,icao do burgo, sabem a ceica de 200 marcosde b.u-
uublico inleressado sobre oxpos.cao do co 6#io c.mbio actual). AS encommeiidls
Dr blolle emqueiam mais amplamente serio leil.s ao inventor e privilegia lo sob o
desenvolvidas as vantagens do seu areno, endeieco de Dr. liduardu Slolle em
D'enlilo par* ca ...rece que I finia da des- Berlina, tl'iusia )
coucrla temseleitocaminbo para diversas AUITAMhtiTO.
uirli-s do globo, seodo piomplamenle ac- Paia se poder u aulemao calcul.r a quao-
Iluda. olenJoporresulladj a omureza do tid.do necesa-ia pira um engenho, os se-
uciieuciasem grande escaliqueacabaram guiles alg.nsrjios, liase.dos sobre a ex-
INTERIOR.
OUllhsl'OiUDENClA DO D1AUIO DE HKK-
RAMBTJLO.
Paralaba 13 de ictembre di 1852.
hudou, segundo me iufoiniaiu, a apurajii
^Z^Hr^Z^^o^* nos) dever. ped.r dez c.ix.s de arcano
JUKY DO RECIFE.
SESMO EM 11 DESETEMBRO HE 1852.
Presidencia do Sr. fr. Rodrigues Settc.
Advogado da autora, o Sr. Dr. Ilrtise Silva.
idvoyado do rio, o Sr. Dr. Carvalho
Escrhn? do jury, o Sr. Joaqun) francisco
Eslaves.
Ao i.,' i i-ilni fot. a chamada, veriflca-sa
eslarem presentes 40 seuhores juizes de
fado.
O Sr. iuiz Presidente declara aberla a
sesso.
a i ;.-" i le- os reo* e testemunlias.
O Sr. Jii/s Presidente annuncia que yai
proce ler-se ao sorleo do conselho que tm
de julgsr a causa em quo lio autora D. Auna
Joaquina do Sascimemo ; reo Dmiz Antonio
de Mor.es e Silva, aecusado pelo enmo de
damno, lulmmado uo arl. 266 do cdigo cri-
minal.
Procedeodo-se ao sorleio do conselho, li-
ca elle composlo da maneira seguinle : os
se n lio ir-, Francisco Jos da Costa Campello,
Manuel de Almei Ja Lima, Domingos Delin-
ques Nafra, Jos Jeronymo Correa, Jos Je-
rouymo de Souza Linoeiro, Joiquim dos
Sanios, JoSo Manual Rodrigues Valenca, An-
tonio Joaquim de liveia l! uliieiii, Antonio
d. Assuui|>cSo Cabral, Jos CueJes Salguei-
re, Ignacio Betilo deLoyolla, Joflo da Silva
Loureiro.
Foram recusados pela autora os senhores:
Francisco Domingues Hapozo, JoSo Francis-
co Regs dos Aojos.Firuuno Jos de Oiiyeirn,
Antonio Courlvesl,e.eira Lima, Antonio Jo-
s Ilibeiro de Moraes, Jos llaptisla da Fon-
seca, Jos Franciso Mariano.
F'or.m recusulos pelo reo, os sojiorcs I
JoOo Domingues da Suva, Joilo Francisco
Pontes, Florencio Domingues j'.i Silva, Jos
Flix de Brillo MaceJo, Francisco Jos de
Mello, Jos Ferreira da l'onha, V'r.ncisc i de
Lemos Duarte.
Tendo o conseibo prestado o juramento do
eslylo.
resultados colhi los Lj,la, de urna torpe c.pcculacao. s o culto de j oo, por se adiar o enme revestido de cir- Inflo deixar ir a garra o scu credilo.
Escrevou o defensor de Mana Francisca
em sin defeza o do juiz um lralidup.no
que talvez muilo Ihe servisse l'uiva e pona,
mas o certo he que nunca seleodefezi tau
iiuiXHcU, nem narrafSo mais despida do
vjrdade. Passaiemos, porlanto, a expor o
fado desde a soa origem, e ao publico fi-
fi. S. C. que o decidir por quem esta a justiga, e se
o juiz Jos luymundo tem ou u3o concoi-
ridu para a cunf usflo cuque se acham os
processos sohio que (ende a quesillo entre
Mana Francisca e os credores de seu ma-
rido.
Jus Mara Congalves Ramos casou-sa com
Mirla Francisca de Souza Ramos, IrmSa do
Barlnolomeu Francisco de Souza, e tend,
com osle socielade em a botica sita na ra
larga do lloziirio n. 36, separou-se essa so-
ciedadeom lo dc julho do 18U por escrip-
tina lavra la nal uuti* Jo laboiliSo Bezerra,
sendo o ar.l lo com que subi Jos Mara o do
is. 6511420, o quo prova a conU junta, por
ello llailnoloineu assignada.
Com esta diminuta quautia de 6oi%M
deu Jos Maria principio ao seu estabeleci-
nienlo de botica, que abno na ra, hoje,
dosQiaiteis n. 12, estaboleciiDento quo le-
vou um anno a ell'eclunr. leudo nesse inler-
regnu de sustenlar inuluer e (iHias, e aquel-
la doenle em Coiaona, para onde fon e esle-
ve por esuaco de onzo moes a restabelo-
cer-se nu que nao poucj despendeu. Ja
se v que cun a soinma de 651/420 nSo po-
da JoiO Mara fazer fenlo as suas indispen-
siveis despezas por esuaco de um anuo quo
levou a estab'lecer-se, e domis a mais
montar o esiabelecimento ao ponto a quo
fui levado, sem que para isso conlrabisse
dividas. .
A dissoluc.flo da sociedade e o estibeieci
ment de botica posto por Jos Maria, ulu
,. longo da i- aeu cx-sucio, fui o pomo da
ervidilo discord,', e o qt^motivou a separaQo de
nle i- sua iiuiner, bem qoo \r\uo Ul sepa-
' pelo os-
P. o consta dos autos ter sido o reo pro-
nunciado a prisfio e livramento, co -;o u-
curso naspeu-sdo ait, 266 do cdigo penal
seguuda paito, a qual (.c.ia s pele no li-
bello a 11. palos factos que sin de descrevem,
mas espera o leo que sera absolvido do en-
me de quo be aecusado, porqoanto
P. que o reo n5o deslruio, ou damnilic.ni
ohjecto algum de valor perleiiceule a au-
tora.
P. qucn3o estproado dos autos que o
porlj o a camboa da quOStSu sejam do domi-
nio da autora.
P. que o luandado de :>.....il-' v>i a II. he
um mero ai.lo poscessorio, que no raso de
que se traa liffu lz direitu eulre as partea ;
sendo que loi alcancado e lobrepticia-
inenle.
P. qne nem mesmo aquello mandado do
inanutciicao podo dar lugar u uttenta-
Jo, quanto misauma ac^do criminal do
damno.
P. que como remedio poscessono, nica
classea que pert-nccui as iiianulun(es, de-
vena estar o direilo da parte do ru, porque
llamis desesseuli aunos que a autora ou
seus antecessores uo l'azem uso de til cam-
boa, e nem de Ul porlo.
P. que estando a cambo, de quo s1) trata
encravada nas Ierras do reo, a questo se
devena resolver quaiido muito.pelo direito
que regula as servidOes.
P. que a lulora s poderia liaver a servi-
dSo de que se trata, pur meio da anean con-
fessoria, sendo quu o direito de servidao
ueide-so pelo nao uso de dez e de yinle in- ) sua iiulner, bem quo OJtmvii
Sus, de nodo quo de qualquer ai.eir. que fo^OU divorcio ^^SJ^S.
se considere quesia.O ,'u tfM '"/^'Im"*! de quem a sua
neuhurn dneity -Cmpette a aulora Sobro fapcn.a existente iib iouv "
cambua o o rb impedindo a seiv.dao esi^a I mulbcr d. .gia ^^ixe a Jos Ma-
r?.?'"^ mesmo suppondo (w 0\ML ^ISS^^^
i..*, m.nule,,ao, ope,^ direUo *-!-. '"j .
mais Com ali-
sua uiiiilioi
da camboa, cessouo tirar dalli aslamaslo
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO [ MUTILADO


-S-.
*
a.
*
2
mnacao su mullior Maria Fraociici, e
rutilo occorrerim s-u credores cotn certl-
dfles de suis lentencas, e outroi credore
par conlas Je livro ; e o juiz Jos ftaymun-
do. supplente di segunda vr, quo er o
do invoulario, desatlendendo os c'odores
por conlas do livros por n3o haverm justifi-
cado os crditos, muido dar pagamento
os que so tinhim presentado com smton-
cas; sem duvida poique nSo pode haver
partilha senSo pagas as dividas.
|ig sentouc, qu" assim julgoii a partilha
mandando dar paga oienlo asdivi las ju-tifi-
caols por cerlidfli de Mntonca, appellou
Mara Frinciso para o tribunal da relacSo,
que poraccordo emspsi do 8 de jullio
do 1851 reformou a mesma senlenca por ha-
vnr Hendido, mandado dar pagamento
aos credores, tendo-se opposlo a meeira
Mara Francisca; dectsJo esla que nSo foi
contra Jos Mari, e nam contra o credo-
res do casal, porque irada decidi do mri-
to o bom di ni i dos mesmos ere lores, e
nem polla decidir por Dio ser queslSo su-
jeita, resiillandu penas do r f.....lo accor-
dSo maior en'ommodo aos credores que ti
nliam de dar a execueflo suas enuncia,
comofueram. Ja conheem todos ainexac-
tidao com qoo o juiz Jo* Raymundo so fir-
ma nesse acconlSo quando diz que o mesaio
aceordSo juliiou a meacSo isenla de ser pa-
uborada, e Mara Frenase desouera la de
pagar as dividas passivas do casal pelo que
Iba foi dado em meacSo !!
Na presenca, pois, desso accordilo cele-
ram nlguns credores do casal Jos dos
defensor da Mara Francisca, passaremos s-
gora a fizeralgumas re.ffexo>s sobre o mais
que diz o mesmo defensor, enlato faiomos
por ser breve. I'raza Daoi!
O defensor de Maria Fnncisca com juis
do .s -u vizinho ( principiaremos por qui)
pergnnta todo admirado Onda vio Jos
Maria, que o depositario he "jiptente pa-
ra c mhecer, e julgar do dirolto ou nSo dl-
reito da parte, que se quer remocho do
deposito? Aqu bouve falta do licao !
Udopositario nSo deve entregar o depo-
sito no caso, quo duvida do juiz, ou do de-
ponente. Guerr. tr. 1 lib. 4 cap. 10 n. 100 :
ir. lb. 6 cap. 8 n 79. Lima ad Ord. liv.
4 ti t 49. 1 n. 9 -O depositario no se II-
vra, sendo o deposito removido injusta-
mente pelo |uiz : llerenofillial lib. 3 til 3
glos. 1 n 5-O depositario deveal appel-
lar dojuiz, que manda entregar o deposito
a quem n3o foi o deponente : Salg. de Rep
prolecl. al 4 cap. 7 n. 153. Se assim di-
zem os Ptaxistas, como por em duvida o de-
fensor de Maria Francisca, o diroito que as-
siste ao depositaiio Jos Maria para se op-
pr ao man lado de entrega e remncSo dos
bona depositados, n5o sendo Maria Francis-
ca quem se manda en'regar, exeqnento,
nem dapononte, nSo |lenlo ella dominio
nem posso nos bens que quer havrir, e o
juiz Jos Kaymun lo, quer que por faz ou
por nefas vSo parar aojscu poder sem forma
dejuizo?
Allega mais o defensor de Mari i francis-
ca para argir as sonlencas ohlidas por l,ins
e seus cadentes, o dadas 8 eecucn contra
I II i i iipuii* --"* w -------- ---------w .
Santos Souza I.ins, que lambem era um dos o cssildo seu devo lor; que ellas foram
maio-es credores por titulo de lelt-as, o, obtiJas por (lulo da letras, e que as mes-
direilo que tinham, ejulgadas taes cessflesj mas sontencaa lio do preneito era conse-
nor sentenc. do pro-ano juiz Jos Itaynun-1 quencia da confissflo de seu marido deve-
do f.izLms penlio'a em a botica, armacao, I dor, donde vem nao poderem tasa senten-
iVinagre- -
Vinhoa -
Touclnbo -
Diaoontoa
Fretes- -------
drogas e mais pertences. nos bens, movis, cas obrifear pela sua meacuu I
ouro, prata, un escravo e algumas iccO'S reta do tireito.
di companhia dellebiritio pela total quan-
Aqu ha bo-
l AlvVdo 15 de uni de 1776 no ;. 2 diz
tia de 14 8531215 rs segundo foram corita- ibi declaro e ordeno, que as enten-
da as esecuetjos pelo contador do joizo cas do proceito, que so houverem oblido,
constante dos autos a appeucos, eludo is-j o obtevercm por elfeito das letras de cun-
to antes que tivesso logar a egunda part-1
Iba, sendo depositario da todos os movis
n da botica o mesmo devedor Jos Mana ; r
todo quo era ouro, prata e joias depositado
na thesouraria, coufoimo a lai.
Levados os bous
apparecendo o licita
zo rreniatou o exequenle Lins para seu pa-
gtmentoa botica, nrogll e m.is bens pela
quintil do 9:;ll9/360 r. ; sendo para adver-
tir que os baa asum arrematidos foram
smente os dilles MI mcacSn a Jos Mana,
o na os peilencentea a meeiri Maria Fran-
risca, i|iio por is-o senSn oppoz.
FlBindO inda Luis creclor do 5:717,883
i cunt ele eniada; Jalo Pinto de Lemoi
Jnior.
1 boceta um IflDitede brllhanter, lcaliotl-:
nh j caitanhai Franclico Joto de Barro!. (Mantelga -
2 birria pregoa, bitoque a tornelrai, 1,910,
arcos de pao, 60 llacaa devine; i Domingo
Rodrigues de Aodrade i. C.
2 calas. 2 cal3cafrogis; a Novaes & C.
2 caixdcs, um realejo cieut pcnenceit An-
tonio Joa de Slquelr.
I aacoo maiiai para chapeos, l barril vl-
nbo a Joaqulm Luiz Vielr.
1 caiaao presuotol, caroeenuccada, paisas c
ainelaai; Carloi EstevaoPinbelro de Flguel-
8barril pelic silgado; a Jos* Vicente de
Lima. ,
6 calidea chapoi; a Manoel Lulz Ferrelra.
10,000 arcoi de pao; a Franciico Morelra
Piolo narboia.
4 calni cascos pan chapeos; a Antonio Joa-
quim dol Sanloi Andrade.
3 caiideiiinagens, a volumei duaicruzei; a
Manoel Joaquim Rainoi e Silva.
2 caliOei um lanluario, imigeni e pertencei i
a I.ui;. llarquei da Silva Mello.
3 cilla llnhas; a Manoel Perelra Lamego.
12 condeca, iduilasceiiai, a(afatei e btalos;
a Antonio Goilherrne de Araujo e Silva.
71 lalhai com cevada, I cala fecbadurai; a
Manoel da Silva Arnoriin.
385 rodaa dtf arcos, i fardo retalhoa de pelli-
ca, ..ciiioes drogas; a Jos Cardlo da Silva
Pinto.
10 barris pregoi; a Tbomai Fernandes da
Cuoha.
i cunbete loalhas, lenfo, etc.; a Manoel Joa-
quim Gomes.
I lata obras de ouro; a Joaqulm Ferrelra Ra-
mos.
1 cunbete, retrot, meiai, etc.; aJoaoJose
de i; ii vall.i Moracs,
i coodeea obras de prata; a Manoel Pereira
Caldas.
I caita f iien ln de algodSo ; a Joaqulm An-
tonio dos Santol Andrade.
ircoi de p .
dito vinagre; a Joaquim Juveoclo da Silva.
1 caixo tamancos : a Antonio Dias d tuina-
carreganicnto chegado do ul-
timo porto leguio para o sul
por llie olo apiadar o preco.
Fez-ie venda da ingle de vac-
ca de &40 a 660 rs. e da de por-
co de 310 a 3&0 rs. por libra.
Vendeu-ie de 0/ a 64/ por pi-
pa do del.iiboa.
dem a I60J o branco de Lis-
boa, e de 112/ a 113/, do tinto
de Aveiro.
dem de s/bOO a 9/por arroba
do de Liaboa.
Discontarain-se letras de I a 6
ineiei de seis a nove por cento
ao anno.
Nao ha preco por falta de na-
vioa.
Flcaram no porto 32 embarcares, sendo I
ameiicana, 26 braiilelris, I dinamarquesa, 2
bespauholai 1 inglea e 1 portuguesa.
bio, ou de risco tenham a mosmi vali-
dado das outras sentenejas havidas om jai-
" zo contendilo.
Ja se v, que sondo s letras di trra equi-
paradas as de cimbio em virlu lo do Alv.|de
I praca judicial e no116 de Janeiro de I79J militio favor d ante, com liconc do jul-! tencas do preceito profurita por letrada
' trra a mcsina d'.soosico, e ontan he ovi--
dente, <|"e o defensor de Maria Fraatisca'
dorma ojutldodeixou sabir de sua penal
ossa .isse-cflo. Collado !
Mais. A conmuiiliHO conjogal t>m a in-'
dol de sociedadegaral: Ord. L 4 lit. 46
ValascCons 118 n.4; a......i como na
ocledi ie gersl lo I >s as despo/as, ii.nuil i-,
o pardas se communicam o cmputfto aos
socios em qualquer situacSo, que elles se
achom cnocados; Ord. L. 4 lit. 44 10 e
1 L. omne csalimum glos Digprococio: do
mesmo modo na sociedad.! conjugal por
caita do melade to los os dobitos, damnos,
edespezas so communicam entro os 0OQ-
juges, e os rcsponsabilisa n Monoch. Cons.
860 Durand.deSocietale lili. 2 cap. 1 qurjol
5. Posto isto, e sendo cario, que a mulher
. nSo paga as dividas, que ornando traz
para o casal,Ord. L. 4 lit. 95 4, e que
quando esecuta lo sdeve ser ouvida a mu-
llierse a execuco procade de acc.1o/ei-per-
teculoria em que se pedo certos bens de;
rau, Uorg Carn. tom. 2 liv. 1 til 12$ 124 n.|
19, h consequenta a obrigacJoem que et>
M> vi ment do porto.
Titoio mirado no dio, 18.
Rie de Janeiro brigue brasileiro Continen-
te, em lastro. Recebeo pratico e seguio
para o Ass.
Navios entrados no rita 19.
Rio Grande do Sul 15 dias, brigue brasi-
leiro Pampeiro, de 188 toneladas, capitSo
JoSo Jos Fernn les, equipagem 12, car-
ga carne secca ; a Baltnar & Olivdira.
Rio de Janeiro 13 dias, barca hespinhola
Diana, de 281 toneladas, capltao Izidro
Maristany, equipagem 15, em lastnj a
JoSo Pinto do Lomos & Filho. Fundiou
nilameirao, em observ(0es pela saude
do porto.
Rio Grande do Sol 31 dias, patacho bra-
sileiro Astrea, de 147 toneladas, capitSo
JoSo Ignacio Ferreira, equipagem 11, car-
ga carne secca ; a Baithar o Oliveira.
si"..^""""^.. 1 barril vlnho, 1' Rio de Janeiro-14 dias brigue brasileiro
Animo, da 199 tonel.dis, cpitio Domin-
gos Antonio de Azevedo, equipagem 13,
carga varios gneros; a Luiz Jos de Sa
Araujo. Fundion na limeirSo, em obser-
vacSo pela saude do porto.
Navios sahidos no mesmo dio.
piocessvam-se us einbaigos de 3o c un que
viea Mano FrincliCl e recebilos tinlum
sido em auto apellado, masMtlDdo em ra-
sO-s finaos prsles a sin deeisSo liml a
lerceira embarbillo descubri meio mais
promplo a conseguir indepen lento do jul-
gaiueulo u aaossar-se dos bens penhoraJos,
e no Itio fui diflicil levar a t-ffeito a sua von-
tade.
Req jero i embirgaritede 3s man lado de
levanta ment dn todas tajlas, ouro e prata,
-que r.i.i.ai, depositadas na ih ir aria, e
o juiz Jo.- llaymundo, ein altncffn, que
sendo os seus i mliargos do lerceiro recei-
dos em apartado nao poda ella, un la Com
lianca, levantara pennora, assim manluu, e
ella ompussou se de tu lo, que eslava depo-
sitad; na ihesnuiaria '.' !
lito feiio, vencido esto impedimento, que
m a boa v mta lo do juiz Jos Itaymuudo pe-
lo seu arbitrio po lia or teir, passou-s'a
segunda parla do d'ams : requer Maria
Francisca lainbeni inundado da levaiitamcn-
todos bens penh)radu>, e ro podar de seu
raes.
i calzte e I boceta doce ; a Manoel Goocal-
ves da Silva.
10 canastras batatas; a Manoel Jos de S
Ar7c,io. com lampa; a Joao Lulz Ferrelra'Montevideo--barca ingleza Jane Ramori-
pjbclr,,, uo, capildo Josoph Kemonno carga a
2 calxs palitos; aJustino Antonio Pinto. mesma que trouxo da Baltimore.
l calzo rclroz; a David Ferreira Hallar. i Aracity htsto brasileiro ExnallacSo, mes-
10 canaitraa albos, 21 ditas maees; a Jos tre Antonio Manoel AlTonSO, carg varios
AQ'ouso Moreira.
1 calies c 3 cunhelc objectos de selleiro; a
Antonio Ferreira Braga.
4 molhos palbocas;.a Manoel Gon;alrcs de
Oliveira.
i caiaa ferros de engommar, 2 ditas panno
de linho, I dita linhas, i dita tangas, 3 ditas
fecnaduras, candiclros c escova, I dila objec-
tos de sirguciro, I dita retro/., 4l canastras
alhos; a barroso c Castro.
i.'ii-m.s imoii.ii, 3 ditas fechaduras, 3 far-
dos pendras; a Jos Lelo de Casiro. i -- Pela inspectora da. alfan loga so faz pu
2 0i8 molhos ceholla ; a Thomai de Aqulno |>lico que no da 22 do crrante, depois do
Fonseca & Filho. mrio dia, se lia de arrematar om Insta pu-
l barril presuntos; a Jos Joaquina Pereira. ),||Mi B poita d mesma repartirn, o se-
100 Nacas vime ; a Joaquim Ferreira Mendes Kuinle ._ 39 pares de snalos abotinados
ias e serio concluidas no prazo de dous
mezes, contados como determina o artigo
31 da le provincial n 286.
3. A importancia ilesta obra ser pig
em duas presuc da minairi seguinte:
a primen do valor de Ires quarlos d im-
portancia da arrematico, quando se livor
concluido obr ; e segunda do um qusr-
to quando sa etTeotuar o cabimento defini-
tivo, que lera lugar um aono dopois do re-
cebimeolo provisorio.
4. Para ludo o mais que nao estiver de-
terminado as presentes cliusulss, e em
seu orcimenlo, seguir-se-ha oque dispOe
a le provincial n. 286 de 17 de maio de
1851. Conforme.--O secretario, Antonio
Ferreira d'Annunciacao.__________________
Declarndola
THEATK0
Seeros. Passageiros, Domingos da Pau-
i Barbosa, Antonio da Cosa Lima, Kilip-
pn da Silva Porto, Manoel Thom da Cos-
ta, llypolilo Cassiano Pamplona, Aloxan-
drino Chrisliano de Oliveira, Manoel Dias,
su aenhora e 2 escravos.
EDITAES.
1,630 resteas cebolai; a Antonio Joaqulm de
Souza Ribeiro.
10 pipas e2o barris vinho, 10 temos condea-
ai, 20o lacas vime, 5saccaicijo, S ditai paln-
90, !(i dialas cevada, l laido capachoi, 52o ca-
naitras balalai, l,C<4 alqueire de sal, 3,768
resteas ceblas ; aos consignatarios
Acresciiuo ao manifest.
I caixao chapeos, l dito amellas, I barril
. a. r. ,_____l_ .,- (.i.. ...... \11
tu a mullie;-do llevador depagaras dividas' peiie lalgado; a Joaqulm de Oliveira Mala.
cont-aliidas durante o lempo que commu-
nicou o pereoboo commodos.
Insis1 lefonsor da Mana Francisca em
li/.or, qu-4 exequenle Lins quando arre-
nialnu a ntica, droas e mais. perlcnces foi
iar panameulo da execucab coJida por De-
mando depositados, o Juiz Consumnu a o-'diei 110 val/de 9H,584 is porquo outras! Silva,
bra nssim mandando com pena de prisji, no1 0B0 haviam ; Juan lo nSo conslasso dos au-
csso de no ser Maria Francisca .servida a 1 les por conta foiia pelo corita lor dojuizo,
me li la do seu desejo, emhor desse I roce- que Lins n.ov.- ftXOCUCflO pela quanlia de
dimontontseessea escndalo, lei so of- lt.8J5,2l rs. ;um argumento nos ministra
fe.ndes.se, o se recenlisse a prixe. ; o mesmo defensor em sua.chamada defeza,
Jos Mari na quilnlade de depositario, I e vem a ser 5 que Lins arrematnu bens no
firmo nodiieito, que Iho assislia g,'ravnu I valor do 9:3I4,57U rs., nao sondo crivel, que
presidio !o a essa arremstacao o juiz Jos
Rsymuodo, iooconsonlisse, assigiiasser o
termo com o nsenvao o portei o, o lambom
assignusso a carta, sendo a execiicao pur
1 laceo dinheiro ; a Oarboia ai Oliveira.
2 barris presuntos; a Justino Antonio Pinto.
17 calzas pomada, 3 ditas fechaduras; a Ma-
noel Joaquina Hamos e Silva.
o*2 canastras maees, 2 saceos rolo ; aos con-
signatarios.
carluxo dinheiro; a Joaquim Juvencio da
para a relcco do u o despacho tflo insli-
to e olitevo [irovnneiito, man lando O aecur-
dam, que o juiz relorinasso o seu despa-
cho.
NSo bstou es.sadicis.1o do tribunal por 1943,584. A favor pois de Lins esta tol 1 a-
i/t-r mu que Maria luancisca perdesse es-i presumpQo de diroito,que com provas, e
2 laceo dinheiro c 1 canailra mn,.rs; a Ma-
noel Francisco Noguelra.
18 caitas ferrageni, 13 barra eniadai.T. cu-
ahetes ferragem, 7 caixas palitos, I caixo fa-
acndas, I diio ignora-se, 1 goioU um cosixo,
I caixo inacella ; a ordem.
barril presunto! ; a Joaquim Luis Vieira.
1 bo';cla ignora-sc; a Guilherme Fredenco
(! -1 a' 1 ('. u 1 illia.
1 1 lulo un" livros 1 a Thoinai de Aquino Fer-
reira Vasconcellos.
1 gafla dous cauarios, I embrulho Icnces e
toalnas ; a Antonio Francisco de Moracs.
da barca ingleza Urugay, por no se acha-
ren), manifestados; 1 gigo com 1 bocia, 1
bule, 2 casaos de chicaras e pires, 6 pralns
redondos, 1 ourinal e 3 ligellas, no valor
de 1,990 rs., approhandidos polos escritu-
rarios na conferencia do msnifeslo do bri-
gue iiigloz Richard, por no se adiar ma-
nifestado; 1 pr de brincos do ouro no va-
lor de 5,000, apprehendido polo guarda An-
tonio Francisco Dornellas a um passagciro
da barca portugueza Flor da Maia ; 1 caita
com amostras, contendo 3 moldes de ferro
balido posando 39 libras, no valor de 140 rs.
cada umi, total 5,460 rs., apprehendida pe-
los ecnpturarios na conferencia do mani-
fito lia galera ingloza Swordfisch, por n3o
sechr manifestada ; o 5 foletos impres-
sos, no valor de 320 rs. cada um, total
1,600 rs., pprchondidos pelos escritura-
rios por accrescimo ao manifest do brigue
porluguez Laia, sendo u arrematar3o livre
de dir it is ao arrematante.
Alfandega do Pernamhuco 18 de setetrrb
bro de 1852 -O inspector interino, Bent-
Jos Fernandos Barros.
0 lllm. Sr. contador da thesouraria
provinciil, servindo de inspector da mes-
thosouraris, em eumpriinento da ordem
peranca do levaran IIm o plano de arrancar
i'O poder du .Irpo-ilario seu inari lo "S bens
depositados pelo credur LiM, antes do jul-
cados os seus embargos de lerceiro, o para
issn fez um estirado icquarimento, cono
nao-em Jomaos, po le ser illu Jida.
Finalmente diz o defensor, que o vene-
rando acorilain profoiidu cin sessii do 8 de
julhu de 1851 peioqual so maodou quo o
juiz refurmasso a partilha que dava paga-
Smollios louro; aJ aquim Marims. .|dn Exm. Sr. presidente da provincia, do 20
1 embrulho fatendas; a viuvajde Manoel I" =*"'.'
Luiz Vieira.
viuva;1
CONSULADO GERAL.
Rendimento do 1 a 17.....9:473,591
dem do di 18.........372,753
por embargos ao accordam, quo llia nfin f-j monto as dividas, deco lio que ameacSo da'
r> favoravel, nesse requerimeuto conclua! mulher do dovolor no eslava sujeili as di-
pedindo a mtrega dos mesmos bens para j vidas do casal
9:846,344
O acordara tal no disse
DIVERSAS PROVINCIAS
remover para o deposilo gi-ral on lo os que- a .1 sua letra, o noin pule o do'onsor de Ma- ftendimento do 1 1 17.....1.056,874
ria vor, para dopois levantar sem oppnsico.'ria Fiancisra ageila-lo sua vonladc, P^r Itiemlo da 18........ 10,653
Peina nbueo 2Z de maio do 1844.
Pelo balancu quo mostrou a seu
favor, como consta do livro
d'elle
De ve
Pelo abate quo loe locou as di-
vidas do mesmo balanco, no
valor do rs. 17.493/324
1814 1." de jiilho.
Dinheiro quo liruu dopois do ba-
lanco 241/880
10 idoj'
Dinheiro que tiruu depois
do balsnco 103/730
793/595
1 ;0008000
como wbiitocoo, com 1 prata, uoro o iofas|quanto aeuioucas e acconiaos sao
depositadas na tnesouraria, oojoiz quo tricli inris ii3o.se po len loosleudora aquol-
prestou-sa i ilcITerir sem respeiloa decisSo i la especie, que nao lhe foi SUgeila, o nem,
do superior tribnml, que ile.ia acatar, o fez obj'do da decisao,
man lou passar man lado com pena dpri-j Tamos, pareco-nos resaoadilo ao que|
.ao Deste segundo despacho, deste secrun-. morucia res.msla, quaulu ao inis falla-iius:
do mandado de pristi B.gr ivou Jos Maria ', a paciencia para responder seriamente. Sal-'
para o tribunal da relacSo, e .espera a de- galnadas, morJaci la le despejada eal'ives.
cisSo. sao irmas proprias do D.afcusor quem a
Cba aqui dar a ia/3o do lana pertinacia,' raz3o ulo sobra. Fados, analyse, racin-!
do tantos esforcos fetos por Maria Francia- i nio, e jurisprudencia s3u as armas prcsla-:
ca para conseguir, antes da ilecisHo d0Sjdiasparasubi.au Capitolio'. Basta,
embargos, a remo;3 > dos bens. Estando
j.i de posse de umi grande paite dos bens,
q ie lovanl uda Ihes inr.nia, qaer lovmlar
limbem os oiie Imo depositario particular
lo crodor Lins, e na posso desfrute delle,
chicanar nu procello, o quando MgolS la a
cliicana subir a conclus.lo alojle Jos Hay-
mundo ahi, talvez, da- fundo, licando efla
lia posse em prajoilO dnsdireitos de oxe-
quentc, e offensa da loi !
Nem so diga ser lemerorio este jnizn,qusn
lo ha cerlo, quo o jinz suoplenio da se-
gunda vara municipal Jos Riymundo da
Costa Menezes ter por co.stume demorar au-
tos em sua cooclusilo aor dez c mi mezes,!
vordado por to los 01 em pregados no foro sa-
bida, e se npcesS'rio for apuntare 1 os urna
pur urna pois lomos registo ; sen lo que urna
caua de Maria Fr.neisca em que he embar
gante do lerceiro llenrique Joige ha mezes
esla e n sua conclusilo i !
Ilia-nos passando por dizar, quo no si-
tisfeitoo capricho de Maria Francisca so com
levantar pela manel'l cantada, os bous que
lho tocarim em meaco,a estilo depositados,
ella quiz ostentar o seo po lorio, o para iSIO
rcqueri'u ao ju/ mindssseoom pena de pri-
SlO, quo Lins levusse ao dopusito publico o
preco porquo liavia irrematado com licerica
dojuiz, e para sou pagement 1 a botica, dro-
gas e mais bens, e o juiz assim o decro-
tou /!
Appellou o crcloi Lins, orrcibcndon
mesmu senliur juiz a appella;3o om um so
cll'eito des'.e despicho aariVfiiu LiTl.^etevc
provirnento mandav'l o tribunal reriVcniaa
a o li-, "2".dpacho a recebesse no^ f r.
faltos regulares por trazer o S'u despecha
damno ineparavel.
De cousa alguma valeo o exequenle Luis
a decis3o do tribunal porque Mana Francis-
ca requereu, ipesar de estar appella la s
cauM.msndass o juiz arrestar a botic, fe-
xr-lhe s portase foi servida no que assim
nlii ; o juiz mandou arrestar lu lo, foch-r
n botic a por as chaves em deposito geral I
Istofeito chicn gora palin In no proras-
so novis Hl coes.junndodoenga quando an-
da na iui oieu patrono, eo bom do juiz foi-
aanlo cao. a vaia dijustica !.
BIS s historia doiprocissos eulro .Mana
Francisc e oa crodores do sou cisal ; eis os
despachos proferidos pelo juiz impsrcial do
1:067,527
de agosto proxi no passado, manda fazer
publico que no 23 do correte vai novamen-
te a prac para ser arrematado persnle a
junta da fazonda da mesma thesouraria, a
quem por menos fizar, a obra dos reparos
da ponte de Tracunhem. aviliada em ris
1:760,000. A arremilas3n ser feita na for-
ma dos aitigos 21 e 27 da lei provincial n.
286 do 17 de msio de 1851, e sob as ca 1 -
aulas aspeciaes abaixo copia las.
As possoas que se propozerem a esta ar-
das ".-o s
O arsenal de guerra precisa contratar
a compra dos objectos seguintes, para for-
necimenlo do hospit'l regimenttl, sendo
louf de p de Pdra, 12 assucareiros,10 bo-
les, 16 bacas, 16 casaes de chicaras e pires,
10 copos de vidro, 50ori!:O'S, 36 pratosje
de metal 3 bandejas pintadas 4 bacas
grandes de rame. 10 ditas de dito peque-
as .-ni lilas, 3 anchadas, 6 ps da ferro, 144
tilheres completos.aisim como80colx0esde
riscido, 57 tnvessei'os de dito,120 pires de
Chinellis rass, 3 cimas do vento, 4 jirras da
barro, livros em branco paulados de 200
folhas, 110 mana- da 13, 12 pares de meias
de 13, 1|2 duzia de taboas de assualho da
amarello, e 1|2 ditas de dita de louro, 2 cai-
xas com follis de lian lies, marca cruz, e
4,418 varas de brim branco liso : quem taes
objectos tivoroquizer furnecer, poda din-
gir-seasala da directora do mesmo irso-
11 I, no da 21 do crrante mez ao meio da,
munidos de suas proposlss em caria fecha-
da, e das amostras daquelles objectos quo
dolas foram susceptivos. O eschpturano,
Francisco Serfico de AssisCsrvalho,
Banco de l'er.iambuco.
Os descontos do 20a 25 do corrento, sfo
de 6 por cento at o lio de outubro, e da
8 por cento at 6 me/es. O consolho decla-
ra que compra a vendo letras sobre o Rio do
Janeiro, de qualquer quanlja a a prasos ra-
soaveis. Banco de Pernambuco 18 de alam-
bro de 1852. O secretario II. I. de Oli-
veira
A associac.1o commercial desta praca
acaba de recober o-- arcano do l)r. Eiuarlo
Stollecujos salutarps resultados ji fonm
publicados no mercantil da Babia, n 175 de
9 da agosto do correte anuo, o qual foi
remctlido pelo lllm. Sr. J. D Stury, cnsul
geral do Brasil na Prossia ; por isso a mes
ma gratuitamente faculta a qualqunr e-
nhor do engenho desta praca n arcano do
Dr. E Stolle--, esperando que qualquer me-
Ihoramento pelos mesmos eiicootndo o
scientifiquenv s dila associacSo commcr
cil.
Pernamhuco 15 do setambro da 1852.
Bernardo Oliveira Mello, director c secre-
tario.
TrarJucSo di forma por que se ievt applicar
o arcano ao Or. Slolle pura a fabrieaqao
do assvcar.
Este 13o innncenle como poderoso clri-
ninr s p le ser oblido puro, do inventor
e privilegiado. Eduardo Stolle em Berlim,
Reino da Prussia.
DireccOos para so lazar uso delle. Umi
libra do arcano do Dr, Stolle e com al-
gumas qualidadas do canua, anda monos
desta pi un', so davo juntar a cada cem
galOes da cilda, o mais breve que for pos-
sivel depois quo so livor espremido a canna,
para que o arcano pelas suas propiedades
antesiplicas eviti a sua fermentaco. NSo
he preciso dissolver o arcano antes do mis-
tura-lo com a calda, lleve-so applicar ca-
lor ao clarificador (vasillae en>qu so faz a
operscSoJ logo que um terco, ou nieta le
della esliver cheio, e ter-se-ha cuidado de
mecner o contedo de quando em quando
para facilitar a dissoluQ3o 00 acano. Logo
que o clarifica lor esliver cheio, deve-se elo-
var a tomppralur ( o calur ) prompUmente
a 155 do Fahrenhetl, e ne-l' momento ha
que se lho junta a quantidade do cre.me de
cal ( cream of lime), que ho sulllcieuto pi-
ra neulralisar o aci lo da raida. Depois de
fervor por cinco miiiutos tira-se o fogo, e as
impurezas dpixam-so sonlr.r, depois doque
a calda, que agora hade urna cor bella, be
coada sa se julga necessario, a concentrada
(apurada ou evaporada) pela forma do cos-
tume, e sora de muita vantigrm se o ssu-
cir for tratado poli maquina centrifuga do
Dr. Stolle.
Este lio considerado o melhor modo
de emprrgar o arcano ; porm um bom re
sultado se pode tambem oblar juntan lo o
arcano ao liquido comido no clarificador
depo'S que a cal tom sido misturada e an-
tes de ter lido lugar a lervura. N>sto caso
Terija feira ai de setembro de
i85n.
OITAVA RECITA DA ASSlGNATUrU.
Depois de urna escollii la ouvertnri ui,.
ra scens pela primoira vez oeste theatro
exoellente drama, em 4 actos o 5 quadros
\
OU
O Tribunal do Ju
rv,
Personagens e adores.
Mr. Sourret S. de Sonm.
Palmiri D. Manuela C. Lucci.
Femando -- L. C Amolo.
Alseriiio F. de S. CuimarSes.
Rolf L. A. Montejro.
Ilonlreil M. I Pinto.
Sanelzi J, A. da Costa.
Mr. Monzano estalajidciro--P. B. de Snl
Rosa.
Jorge, sau sobrinho e caix-iro -- A, Jorge
Tonnerre, carceroiro Raymundo J. doA-
riujo.
O procurado' regio J. J. Biserra.
Olllcial de jusi.ie I Rosendo.
Juizes do laclo, offlciaes da Justina a sol-
dados.
Dar lim eo espectculo a muilo spplaia.
rj| la larca .-
Dous genios iguaes nSo l'ozem liga,
nriucipiar 118 horas.
Publicacao Iliteraria.
Saino a luz.
28 RA DAS CIlUZES 28
A continuarlo da instara mlica horneo-
panuca augmentad da theoria disdoipspa-
lo Dr. Muro.hcuna imporlantissima ileitidi
por llahnemann ao cuida lo dos seus ilisci-
pulos. Este vuluiuo cunte n a palhogeneiii
de mais 12 melicamenlos Europeos, o dos
12 principis uiclicamentos BRASILIIIKOS,
experi ni 'litados pelos alumnos da escola lm-
meopatbica dn Rio de Janeiro.
Para as pessoas que ja compra-
do (ram os elementos de horneo-
[i 'Un 1 e assignarirn esti 2/000
'ara as oulrisque s quizo em
dita obra. 3/100
- a
i',11.1 os ssignantes c mais
pessoas que j coaipra-
irim os elementos de ho-
Imeopathia
1 Para as outras pessoas quo
|-i'i quizerem a dila obra o
_ 1 1 i
S S =
e & -
s g S
S.s 2^ Ia carleira.
- D
12,000
\
14,000
Roga-so aos similores assignanles, o favor
do mandar receber seus cxemplares na bo-
tica homenpalliica da ra das C'uzs n. 28.
.\'a mesma botica ha um grande suiliroeiilo
de livrosern portuguez e f.ancez pan as
pessoas quo se quoreni dedicar ao cstudo Ja
homeonsthia.
- l."'l"J 1 Wmtt9ftttHtWKtWttWkWBtWM
Aviso martimos.
Exporlnco.
Aracaty, hiata nacionil ExbalicSo, de 37
tonalidus, conduzio o segunde:
32 volomes fazendis, 12 dilos miudezas
6 ditos ferragnns, 10 barricas farinha de tn
ro, 1 caixSu chapeos, 5 volumes louc, 2
barris manleiga, 2 pipas, 2 quartolas a 1
barril vinho, 8 duzias de tiboas de pinho,
6 birricas assucar, 12 ditas espiraos, 50
_______________ 1 caixas charutos, 50 molhos piassaba, 3 bar-
ris niel, 3 laixos de cobre.
O Sr. Jos Maria Goncalvos Ramos. Hiver. ItECEBEDOItlA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 18.....816,151
CONSULADO PROVINCIAL.
1:793/595 Randimento do dia 18 802,191
Rs.
318/580
G5I420
liartltoloiiktu Irancisco de Souza.
Estiva reconheci la.
"cSSERCIO
PIlAgA DO RECIPE 18 DE aETEMBRO, AS
3 MOKAS DA TARDE.
COTaCUESOFFICIAES.
Dinheiro emprestado por2 mezes 7 por cen-
10 auno.
Descouto dj Idras de 3 e 4 mezes 8 por cento
ao auno.
Cambio sobro Londres: a 27 11* d. dinhei-
ro do contado.
ALFANDEGA.
""'limenlo do la 17.
IJoin dodi 18. .
.162:498,919
5:497,831
\
167:996,750
Dsenrr\gam hoj( 20 d, ,elemor0n
Brca ingleza Rand(tr naercadorias.
B.rca poi tugu -z .. Sana Cru. .. seLol
baldase m 1(,s_
Escuna diiiaoa.rquez Gl/on .. fiabo
...ilion. ft
Porto, ba.c Porlugueta ,5 c ,
?rou%^ui:,0.e:A,",d' ^ab.KC.n.ol
PRACX DO RECIFF. I8DE SETEMBRODE 1852
AS 3 HORAS DA TARDE.
fcvisla lemanal.
Cauabioi- Flierain-se siquei a 27 114 d.
por Linn prazo, c alguna a
27l|Jadinhelro.
Anucar Veodeu-se um cirregamenlo
deite genera de 1/150 a i/'.IM
por arroha confrme a qiaali-
dade ; e pde-ie cntar o bran-
co lerceira sorte mperior de
l/a2/0S0; regular de 1/900 a
1/850; do dequarta de l/SOO
a 1/150; e do de quinta e sex-
ta de 1/UO0 a 1/750: c o mu-
cavado eicolliido de 1/210 a
1/250, e o regular a 1/150:
aproxhna-se a nova safra, ej
exilian engenboi que
,e ii.iiii uioendo, devendo ter-
ili-is anucar novo no coine-
co de outubro; e segundo ai
noticia! colhidas do interior
devern ellaner abundantes
Algodao- Fez-ie venda de algumai par-
llas da priineira lorie eaco-
lliido a 5/300 por arroba, do
regular de 5J500 a JTno, r do
de legunda de 5/100 a 5/400.
Sao procuradoi a 107 1|2 rs.
por libra.
------- Itelalhou-ie a l4/por barrica,
elicaiain em ler 1,900 barri-
cas.
Chumbo Vendeu-ic a 16/600 por quin-
tal do de niniMcao.
Carne secca dem de 2(9110 a 3/300 por ar-
roba da do Rio Grande, e de
2/bfO a 2/700 da de Buenos
Ayre; da priineira flcaram
em ter 16,000 arrobas, e date-
funda i,0(K).
dein a 7/ por arroba.
ttt. de trigo Vendtu-se di de Filadclphla
de 14/ a iU/ por barrica, de
1 riele de 18/ a 19/ e da frail-
een 16/500: nao ha da de
Hicbnoud, e de llalllmore. Um
rematacSo comparecam n gil .
da junl, no dia cima doclarado, pelo meio .sempre aconselho do misturar umaquanli-
dia, eompelenlemenlc habilitadas.
E para constar se mandou afixar o pre-
sente, e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial do
Pernambuco 17 de setambro do 1852 O
secretario, Antonio Ferreira d'AnnunciacSo.
Clausulas especiaes da arrematac&o.
1. As obras dos concertos desta punta so-
rilo feitos de conformidade com o ornamen-
to nesti dala (13 da agosto) presentado
dada mu pequea do arcillo com acalda
logo quo he espremida da canua para evitar
a fermentaego.
Pernamhuco 15 de setembro de 1852.
Bernardo O. Mello, direc.or e secrelariol
-- O arsenal de marmita compra.dez mi
lijlos ile. I venara batida, vinto mil dilos
do dita grossa o mil alqueiros de cal pre
ta ; devendo taes maleries serem entregues
pelos vendedores no arsenal do lado da roi-
approvaco do Exm. Sr. presidente da pro- r grande, no lugar que Ihes fr indicado.
Couro
Oacalho
vincia, na importancia de 1:760,000 rs
2. Estas obras deverilo ser principalas
no prazo do um mez, e concluidas no de
cinco mezes, contados como determina o
artigo 31 da lei provincial n, 286.
3. A importancia desta arrcmataco ser
paga em duas preslacOes iguaes, da manei-
ra seguinte : a primaira quando o arrema-
tante livor feilu melada das obras, e a se-
gunda* quando esliveram tolas concluidas.
4. Durante a execueflo das obras o arre-
matante dar fcil passsgem para o transito
publico.
5. Pan ludo mais que nlo ostivor deter-
tiiinado as presentes clausulas, e nem no
orcamento, seguir-se-ha o quo dispOe a lei
provincial n. 286 de 17 da maio de 1851.
Conformo.--O secretario, Antonio Ferreira
d'AnnunciacSo
O III. Sr. conta lor da thesouraria pro-
vincial, servindo de inspector da mesma
ihosoiiraria, em cumplimento da ordem do
Exm. Sr. presidente da provincia, do 20 de
agosto prximo passado, manda fazer pu
bltco que no dii 23 do correte vai nova-
mente praca para sor arrematado peanle
a junta da fazenda da mesma thesouraria,
a quem por menos Hzer, a obra do om en-
roenamento em frente ponto da ra d'Au-
rora, avhala em 950,000 ris. Aarroma-
litflo ser feita n lrma dos artigos 24 e
27 da lei provincial n 286 de 17 de maio de
1851, o son as clausulas especiaes abaixo
copiadas.
As possoas que se propozorom a esla arre-
malacao comparecam na sala das sessOes da
mesma junta, no dia cima indicado, pelo
meio dia, compelentemente habilitadas.
E para constar se mandou alizar o presen-
te, e publicar pelo Diario
Secretaria da thesuuraria da fazenda pro-
vincial de Pernambuco 17 do setembro do
852.--0 secretario, Antonio Ferroira d'An-
nunciicio.
CiihjkMi especiaes da arrematacSo.
1. Ser feti '-ii ooa do conformidade
om o orcamento ncsla data (13 de agosto)
ppreseutado a approvscflo do Exm Sr. pre-
sidente da provincia, na importancia de
950,000 ris.
2. As obras principnrao no prizo de 15
y|%L
Quem os llver o quizar vender, comparaca
nesta repait'cao no dia 22 do entrante ao
meio da, com as suas proposlas em carta
fechada, a as com etentes aniost'as.
Contrata-se timbeen no mesmo dia e ho-
ra a factura de qualro mazos a qoalro fa-
mias de bronze, que team deservir no le-
me e c-disle do brigue e n construceflo
neslo arsenal, segundo os moldes que se
acham tale iles na secroliria desta inspec-j
(3o. Quem disso se quizar incumbir com-
parega com a sua propusia, tambem em car-
ti fechada, decUrando na mesma por quin-
to faz cada libra. /
Secretaria da nspoccilo do arsenal di ma-
rinba de Pernambuco, 16 de setambro de
1852.No :n e .iiiienio do secretario, Ma-
noel Anihrozio da Conceicflo Pa lilha.
real compa.mi1a he paquetes i.nclezes
a,vapor.
No dia 20 daste maz, espera-
se do Sul o vapor Tay, com-
in n la ol" Moss, o qual do-
pois da demora do coslume
seguir para os pollos da Europa: para pas-
sageiros, trata-so em casa da agencia, na
ra do Trapiche Novo n. 42.
Tendo a thesonrari de f7enda de Per-
nambuco do saocar sobre a thesouraria da
provincia da Parahyba al a quanlia do vin-
le conloa de ris, o sobre a do Cear at qu-
renla conloa de ris, manda o lllm. Sr. ins-''UIP8
peclor convidar as pessoas que quizerem
comprar esles saques, para que lho presen-
tero suas proposlas, al o da 25 o crrente,
em carta fechada. S-crelaria dn thesoura-
ria do fazanda do Pernambuco, 10d< setem-
bro do 1852.-0 olllcial-mt.ior interino,
Emilio Xavier Sobreira de Mello.
De ordem do lllm. Sr. director geral
da ins-truccSo publica, faco saber que leu-
do S. Ex. o Si', presidenta da provincia re-
movido 0 professor publico da cadoira do
inslrucc3o elementar da povuiiSo de Po- massa do lalhdo Leopoldo Jos da ', s-
dras de Fogo para a caleira recem-criida raujo, safar Ioil3o por ordem doMlliri.
d freguezi da Escada, esla posta a primei- Dr, juiz municipal supplenle da Sl'l>.u'' "j,.
ra a concurso, o qual devora elfeiluarse no ra do civel e do commoicio, e por inU
dis 25 da uno.:: prximo.
Directora geial 9 da setembro de 1852
O A i.inu'iis archivista, Candido Eustaquio
Cezir de Mello, uo0 niiriubelroa que
Segu uestes dias para a Babia a Gar"
peira LivracSo, de minio boa marcha : pan
o resto da carga, trala-se rom o consilia-
rio Domingos Alves M ta u-,na ra da Cruz
n. 52, primei ro andar.
l'ara o Cear
Segu com brevidade por ter parte di carga
o paladn Sania Cruz para o resto o p-ssa-
gairos, trata-so ao lado do Corpo Santu, Inji
de m Para o Cear sahe com brevidade o Ilu-
te Novo Onda : quom Delle quizercarre-
gar, dirija-so ao seu consignatario I. J. Tas-
soJJunior.
Para o Rio Grande do Sul sesuira em
poucos <1ias o pancho nacionil Piqnole Ven-
tora, pode receber passageiros para o que
off-resse bons commodos, alguma carga
miuda o eseravos a frele : trata-so cun Bai-
lar >Sz Oliva-ira, na ra da Cideia Vellia, T*
mazem n. 12.
Para a Baliia
Sahe em poucos dias o veleiro hiato Ca-
prichoso, o qual tom i maior parlo dr cargl
prooipla ; pira o resto dalla, a passageiroa
pan o que olferece bons commodos, iril-
sa com L. J. do Caslro Araujo, ni ra da
Cruz n. 34.
Para o Aracaty sabe com muila brevi-
dade o hiale Fiordo Cururlpe: paracitgio
pasngeiros,lrata-.se na ra da Cadeia do Ko-
cife n. 49, primoiro andar.
sajaesaasaa
Lel&o.
- O leiao do mobilia do senhor llonjy
Christophers, que dovera (er lugar al. w
crranlo, no seu sitio na estrada dn tl-lem,
licoi transferido por causa da couva, pao
dia que ser i niiunciido. _
_ Miguel (arneirofara Icilao,
porintervcncSo do agente Robcr-
ts,vno dia q.irla fer* aa do cr-
rente, bo meio dia em ponto, no
sen armazem, na ra do Trapiche
n. 38, de 2 sitios no lugar ilaTa-
punga, defronte da casa do Sr.
Sabino ; sendo um titiles mmor,
com casa de laipt, couioha, grandes quarlos de pedra c cal ,
cocheara, cacimba com excellcnte
ngoa de beber e differentes flOC-
leiras, cojo terreno be orciro ,
com 15o palmos de fente; co
outro ioreiro, com 60 palmos de
frrnle, tendo a pequeos canas de
sendo urna na frente c a
outra no centro do mesino Ierre*
no, de pedra e cal, a parte inferior
com cacimba de boa agoi eal"
gunias fructeiras : os pretenden-
tes, dirijam-sc ao mencionado lu-
gar da Gapunga, aim de f*i'
seus exames,antes do dia do leilao.
-- A requerimento do administrador
11. 1 1______11- U*A ala l.OSld n
p. MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO
d
MUTILADO
Km


= 3
j. ,|os niivio Paquete de Pernambuco,
e Noro, lodos pertencentes a referi-
j mas
quinta-felrS, dS do corrente, as
niniliji od ponto,* porta da ai
Jocoso commercial desla praca.________
Aviso diversos.
. olTerecn-se um rapaz brasileiro para
"* ,rJ d,i loja de alfaiate, o qual bo olli-
Ldo mesmo offlcio e p'opoe se a traba-
jar na mesma loja, conforme se conven-
linnir" 'iuem de seu Pre6limo se quizer
'| |,ir diriJa-M ao botequim Cova-da-Onca
JJcahi chara com quem tratar.
ti
cia, para a ra do C.abug. loja n. 19, aonde
espera contiouar a merecer aa mestnas at-
tencoes, com que al hoje tem sido honra-
do; igualmente roga Aquellas pesaoaa, que
df le leoham confiado obras para concertar,
hajam deas ir procurar na referida loja.
Manocl Antonio dos Paasos Oliveira.
Appareceu no sitio do abaixo assigna-
do, no dia to do crrenle, ao meio dia, um
negro con os aignae9 segutntes :camisa e
ceroula de elgodSo, jaqueta de rlscado, cha-
peo do couro, meio cambado, tendo na ore-
Iha direita um talho, representa ter 0 an-
nos, diz chamar-so Antonio, appareceu pe-
dindo servido, dizendo que he forro, e diz
ser do mato: por sao quem sejulgarserseu
s-mhor, pode mandar tomar conta, nSo se
responsabilisando pela fuga qu qualquer ou-
tra cousa que appareca: no siliu da ra Real
n. 8, estrada do Manguiubo.
Antonio Perrrira da Costa Braga.
-- Sgunda-feira, 20 do corrente, as 4 ho-
ras da tarde, a porta do senhor doutor juiz
deorphos, so ha de arrematar um escravo
sem vicios nem achaques, pertenccnle ao
menor Hlho do finado Bento Jos Rodrigues,
por desuecessario, e a requerimeoto do res-
pectivo tutor.
No dia 23 do corrente, a tarde, tem de
ser arrematado o brigue escuna S. JoAo Ven-
cedor, em praca publica do seiibc doutor
juiz de orphSos, a requer (nenio da viuta do
fallecido JoSo Francisco da Cruz, e est ava-
hado por 1:5(10,000 rs.
O senhor Francisco Marlins da Fonscca
queira ir no correio de Olinda receber urna
carta que veio da llahia.
-- Aluga-se a casa da ra do Sevc onde
csteve o collegio S-nto Anlonio : a tratar na
ruada Cadeia do Itecife n. 53, (crceiro an-
dar.
No dia 22 do corrente ao meio dia, de-
pois da audiencia do senhor doutor juiz mu-
nicipal da segunda vara, na casa da mesma
.. No dia 17 do corrente, ao meio dia.de-
",',oeeu oescravo Joaquim, moleque, do
I de --'a -' anuos, pouco inais ou menos,
\1 estatura regular, com ponta de barba,
f,rJ redonda, um pouco fulo, beicos gros-
0s nariz bastante chato, o multo franzido
m'rolla do mesmo, que mais parece urna
nueimadura de que natural, o he quebrado
Solido direiloi levou camisa e caiga de al-
-jj da Babia, e he coslumado a trazer
duas cals, chapeo de palba oliado etc. :
Ln.Mi tolos as autoridades policiaes o
apitSesdeca.iipo, porquera possa ser en-
fanirado, o manden pegar e entregar na ra
a0SQua'tis, padaria n. 18, on le se satisfa-
rJ g,.ncroaiuente ludo e quilquer iocom-
modo qo der na sua captura.
.. Domingo! Alves Matheis, tendo rece-
bido de llamburgo, pela escuna Dania.a b-m
eiiih'Cida agoa e Seltz em botijas, vende a
violada dos co npradnres.no seu escnplorio
naruada Cruz n. 52, primeiro andar.
.. o abaixo assignado, faz scionle aquel-
la senhores quo se acliam com penhores
wacd" piiial ii fazer chamado por meio desta fo-
lln por scu nomes, valo que por repelidas
mes tem eicript aos meamos senhores, e,
riles se tem tornado suidos ao avi-o que Ihe ( audiencia, se ha do arrematar, por ser a ul-
'eiiho dirigido; sera este portanlu um meio jtiuia praca, a casa torrea sita na ra do Se-
i, se dentro de oilo'bo n. 15; e outra na ra Boa-Vista u. 29 ; o oulra dita en armazem,
D beceo do Tambia n. 14, por execucSu de
i ni/. Gomes Ferreira, contra os berdeiros da
Prxedes da Fonseca Coutinho, escrivao
8 ni tus.
O abaixo assignado, responde ao se-
nhor Joaquim l'ilippe da Costa, que so llie
paga quandu pagar o que ainda resta aos se-
forcado a l|U0 me obrigam,
diasdi 'poil da publicarlo desle, os nSo tra-
liremde os rpmir.
Jos Alves da Silva CuimarSes.
- Jilo Baplista Lopes, secretario da Ir-
iiuii iiil'i do S. do llosario da Bua-VUta,
rrn viitude do Cap. 5 do cotripromisso, con-
vi li a lodos os seus irmflos para que dig-
no e-sa comparecer naquella igreja, no oa .
lerc lejra. 21 do correnle.pclas 10 horas da uhores negociante do Trapiche, e por isso
maiihJa, afim do om corpora^ilu geral pro- i p lo continuar cum os seus annuiicios,visto
eader-se a leico dos novos cleitores para quo o recibo que S nc. passou ao abaixo as-
Oinnovindooro. signado exisic...........
- Jos Saporlte, como administrador la Joao Hiplito de Metra Lira,
malta fallida do Leopoldo Jos da Costa A- l'ara negocio do interesse deseja-se sa-
raujo, convida aos cadores deale, para quo ber se existe ne-la provincia D. Victoria Ma-
in* atresentem os ttulos de suas di vi las, lia da CoiiDbcOO) mai do fallecido alferes
?lim de que, s mo venlicados, se proceda a de ordenanzas JoSo Nepumuceno do Faria,
classilicai;Io que lie determinada pelo co li- ou D. Claulina, sobrinha do mcsmo.filha de
gurommeicial. Manuel Oas oe F.iria, tambem j fallecido,
.. 0 senhor Manuel I.ins Wanderley,' e l>. Francisca Telles de Menezos : na ra da
leal urna caita do ititeaior, na praca da 1.1- Cruz do Itecife n. 63.
dependencia D. 6 e 8. | --Precisi-so de urna ama forra ou capti-
- Ilesap.areceu da Estancia, da casa do va, para o servico de urna casa de pouca fa-
abaixo assignado, um cabrito, alio,sem bar- milia : na ra Nova n. 36, lija de culileiro.
ha, rosto redondo, olhos papudos, dent-s lngomma-so perfeitameute toda a qua-
Ivs e grandes, b*ir;os grossos o virados, lidade de roupa, o pi.r prego commolo : na
falla liem o descansado, he natural de So-! ra do llozario da Boa Vista n. 22, e toma
liral, temiera m llior signal urna pequea! se qualquer prela para se ensinar.
clia^anapernaesquerdaao pedo tornozelo.l Uva-so e engomma-se peifeilamente,
torcm o lugar oi de urna grande mais an- e por preco commoJo, e tambem eiisina-se
Liga; quem o pegar leve-o ao mesmo sino, qualquer cscrava a engommar : quom pre-
ou no escnplorio do senhor Manuel (onfal-; cisar, dirija se a ra do Ruzario da Boa Vis-
vesda Silva, quesera bem recompensado, i la, Casa n. 22.
- Cliegaram duas bonitasescravas do mi-' Preci.-a-se de um caxeiro : narut.No-
|D, perteneantea urna pessoa que as vende va n. 39, prinuiro andar.
por au precisar dolas; quenas pretender Precisa-sc de um bom forneiro, sendo
dirija-se a ra das Larangeiras n. 14, para bom, paga se be i; : na ra Imperial, piOa-
Iralarrom o seu senlior, ria dcfroule do cliafanz n. 37.
- Antonio I,uiz de Freitns, summainentu -- Recoinmenda-so nos capitltes decam-
po, e tambem as aulorj iades policiaes, a
cnplura Uin* serav de Prtmo Munca ,
cooi os llguaet seguinles alia, de me-
diana grussura, rosto comprido, es cspal-
mados, un dill'S um pouco enchado, e
igualmente a perna ; consta andar na (Ja-
ponga : quem a pegar, dirija-se a ra Bella
ii m .i.ii pelosdesvellos o cudalos com
,'i' l'ii ii''' sua perigusii ontormi l*de, f.ii
Lralado pelo lilm Sr. Dr. Pareira do Carmo,
>eu medico ussislente, nilo podo deixar de
d'Mlie >" il'icumcnto publico de SUa gra-
neo; porquorsia convencid" que a pericia,
/i lo e cui la lo do mesmo senhor doutor, h
jqiiemdeve, abaixo da Divina Providencia, n. 16, que sera n compensado.
oUr escapado da morte. Receba, i os, o A lubrica de charutos da ra Imperial
lllin. .sr. doutor este lestemiinho de seu re- n. 187, fui transferid para a ra do Sebo n.
conlieeiiienlo, filho da espontaneidad* de 25. Na mesma precisase de 4 olliciaes de
seu coraciin, o Dos Ihe conserve o vida pur cliaruteiros, faz-so vantageui so trabalarero
mudos e dilatados anuos,para pretor de soa bom.
Una, familia, e benelicio dquelles que Precisa-so de um bom copeiro, fo'ro,
prreisarem deseus conhecim utos mdicos, para t'atar do arranjo de urna casa ingleza :
L/teria (le N. S. do liOStro. na ra da Cadeia n 60.
Aluga-sao segundo andar do|sobrado
da ra da Cruz n. 18, proprio para homoj
solleiro, ou familia que coma do hotel: a
tratar no armazem do mesmo.
-- Aluga-seuma escava boa cosinheira :
quem a pretender, dirija-se ao collegio de
Santa Anna, no sitio doSr. Ilerculauo, pa
ra da Soledade.
O abaixo assignado previne aos seus
freguezes quo nBo paguen) nom fuam
iransato alguma com o aeu caixeiro que
lu, por nome Manuel Soares Pinheiru ,
por cujas transares no se responsabilisa !
faz o presente annuncio por Ib*constar que
o .lito caixeiro cobra dividas porlencen-
les & casa, das quaos ndo fez menguo nem
assento algum; assim como declara que o
o mesmo caixeiro foi pago do seu ordeuido
at o dia que foi desped 10.
Manocl Domingos Pereira Moracs.
-- Quem quizer passar a festa em um bom
sitio perto da Casa l'o te e do Hooteiro, que
tem ni', me- de fructo, boa agoa, casa gran-
de de vivenda, estribara, cocheira e sen-
zalla, dirija-se ao principio da estrada do
Motilen o, sitio do senhor Cama, junto ao si-
tio lia fallecida D. Calheria, que se dir
quem aluga.
Precisa-se alugar um i icio, escravo,
para trabalho de sitio, que s*ja sadio e nSo
lenha por costume embriagar-se ; d-sede
vestir o do comer salisfacloriament*, e doz
mil lis mensaes no sitio a travessi du
ancanamcnlo, que passa da Casa Forte do
Arrslsl,
Ua Camba do Carmo n. 3, se dir
quem faz negocio cora vencimeoto9 pbli-
cos.
Na ra do Livramento, sobrado n. 10,
se dir quem da dinheiro a juros.
Anda se precisa alugar urna prela ou
preto, escravos, para f'Zer o seryir;o interno
o oxlerno de urna casa de pouca familia ;
quem llver eiitenda-se com o pcleiro da al-
raudega desla cidade, ou na casa de sua re-
sidencia, na ra de S. Francisco n. 8.
Peiis )isi()i'.
Acaba de cbear do Rio de Janeiro, tradu-
zido em porluguez, o excelleule romance de
Alexandre Dumas,que tem por titulo, Dos
DispOe, vende-se na livraria da prar;a da In-
dependencia n. 6 e8, a 8,000 rs. constando
de 6 volumes.
OsinhorGervasio JuliSo da Silva Men-
dnuijii, baja do ir a loja da ra do Passeio n.
21, pagar a quanlia de 29,100 rs. que he de-
ve lor desde dezembro de 1841. fiendo cur-
io quo em quanlo o nu fizor, tora de ver o
vii noine nesta lultaa.
Na ra da Senzulla Vellia n. n6.
Apromptm-se jantares e almo^os, por
pror,o commodo, com asseio e proinptidflo.
Ao publico.
Na ra do Collegio, botica n. 18,continua-
se a vender as vordadeiras e bem conccitua-
das pilotas para bobas, chivos seceos e du-
ros venreas por mais antigs que sejam,
cujos bonseUeitoscoiifessam lodos que del-
tas tem feilo uso, e que at o presente ani-
da nao l'alharam ; he preparado uo falleci-
do pharmacoutico Sebsstilo Jos deuliveira
Macedo, o s se vende nicamente nesle lu-
gar ; aonJo tambem existen, duas ohras de
Almeida para vender, sendo um tratado de
inrUinoiacOes, o medicina operatoria.
-- Uva-se e engomina-se, com muita per-
i :rn e asseio : no patoo da Ribeira de S.
Jos n 15.
-Alguma mulher desvalida, c que no
ftr;a mais caso do inundo, querenlo um n-
brigo para sempru, em casa de urna familia,
onde nada lite tallar, smenle para andar
com meninos : dirija-se a ra do Crespo,
loja u. 6, ou no principio da estrada do Mon-
leiro,sitio do Si. (lama, junto ao sitio da
falce i ni D. Calliariua, que so dir.
Prcc.aa-se alugar um prclo, eseravo,
que ti.ii' se embriague, oseja possante, para
Iraballiar em um sino; d-se almoco, jantar,
cela, do vestir, e dez mil res mensaes;
lato por um, dous ou tres nuos, se couvier
ao senhor: quem liver annnncie ou dirja-
se ao principio da estrada dMonteiro, no
lio do senhor Cama, junto do sito da falle-
cida 1). Cathenna, que sedira.
-- meu escravo Bornardino, j annun-
ciado no Diario tres ou quatro v s, o com
25 dias de fuga, n3o tem appareci Jo; dizem-
me estar abrigado eaiumi casa servio lo
le portas denlro, na ponto da Magdalena
ou ftfogados; isto posto quem querquese-
Precisa-as alugar 2 escravo.',| ou ho-
rnees iivres, para tr>balhar em um sitio per
io da raes. : no armaze n da ra Nova nu-
mero 67. ,
Constando-me que a minha escrava de
nomeGertrudaa, na^So angola, de idadeS6
anuos, cor muito preta, olhos grandes, pea,
e iii.ii,s pequeos, estatura baxa, disdenla-
da na freulo do lado de cima, e peito de
; oiniio ; se emeaminnara ha qua9i dous me-
zes para o engenho de Fragoso, aonde a di-
la escrava Gcrtrudes dizia ter urna comadre
preta ) pefo ao Sr. do dito engenho que
por favor, no caso d'ella Ihe aparecer no seu
engenho ; quo na mande pegar e remellar-
me, a casa do minha resideucia ni ra da
Aurora n. 52, pagando tu, aa necessarias
despozas, de cuju favor Ine ficare obrigado.
Adverte-se que a dita preta foi escrava do
O Sr. Manoel Coelho Pnbeiro, reco
nhecendo a verdade de ludo qiun'o se da
se no primoiro annuncio feito pelo abaixo
assignado, tov'i a hondada de confirmar,
em ludo e por ludo, quanto nsquelle an-
nuncio ae fez ver ao publico com to la a cer-
teza e sciencia ; isto he, quo o abaixo assig-
nado iinli i comprado os g'neros da vend-
e pago ao dito Pinheiru, que este se linha
nbrigado a fazer certos beneficios, por elle
demolidos, e aflnal querer despejar dt casa
ao abaixo assignado; nada mais se disso ;
s disse no primeiro annuncio ; e o dilo
Pinheiru nSo s acaba de confirmar ludo
em sua resposta, como at faz urna decla-
radlo para Ihe ser entieguo a casa dentro
om 30 dias para poder fazer obras, como
declarou, demolidas; cuja declaraso tola
inleira reverto em beneficio e utilidade do
tinado Joaquim da Lingoela, e comprada em proprietario, no caso que della se queira
leilSo publico que imndarara fazer os her-1utiliiar. Agora, para que o pedido nade-
'leit sito iiir-iini Joaquim da Lingoela pelo claregao feil pelo dito Pinheiro, para Ihe sai
correlor, o Sr. Oliveira, e dizem quese tem |., casa enlrcgue dentro em 30 dias, be pre-
visto tambem a referida escrava, na'cidade ciio que o referido Seuhor, visto como con-
de linda, e no mesmo lug>r nos Arrumba- fessa no ser dono do dito predio, mostr
dos em certa casa que aera logo corrida e poder e sutoridado de que se se ib reves-
o ladrSo sofrer as penas da le.Francia- tido para esse liin ; isto he, no caso de nSo
co J( s Barboza. querer passar pelo disgusto de ser tilo eha-
-- Aluga-se o armazem ra ra do Trapi- vido como intimador e pachola. ssa pa-
cho Novo n, 14, a tratar no primeiro andar. |avra torna-o figurando do mentor do abai-
.. ..>> )? f*i P# ** xo assignado, o lie um acinle indirecto ao
Alugam-se e vendem-se bixasna vf) senhono da casa, de quem o dito Pinheiro
praca da Independencia n. 10, con- V) so tem querido valer para obter um papel
0 fronte a ra das Cruzes. de arrendamento s com o fim de graluita-
?ft"5J**W*J8kl* menta fazer maledesarranjar ao abaixo as-
Na ra das Aguas Verdes, sobrado de signado, cujo procadimenlo n3o he nada
um andar n. 14, da-se bolos de vendagem a airoso para as boas qualidadrs e partes que
80 rs. a pataca, e aruia-sn bandejas com inculca o Sr. Pinheiro. Emquautu a essas
aiuilu gusto e perfciflln, por menos prego rusticas o descotnpostas palavras proferidas
duque em oulra qualquer parto : na mes- pelo Sr. Pinheiro em sua resposla deca-
ma casa vendem-se tres barril de botar xolla, espirito inQammntono, descarado,
azeile de carrapalo etc., etc. o abaixo assignado entreba com-
WlVfVfffVVffVVfVPfVf pletamente ao despreso, por sererli lilhas
l'aiilo (iaiflioiix dentista. d" P'*3. malicia e ignorancia, ea/bo nun-
I amo uaigiwiix. uuuma. ^ cj furam nem serau ferjiUs pe|0 annu.
g I'oilcMcrin'iiciimdou qunl- ^ c,nle cu:a ||onra e probida lu k polet
^ qner hora cm sua cusa m <^ ser post, em duvida polos seus desarelos a
ruulurgndo Kozarl n. .(., 1
. dito Pinheiro. Alinal, o
^. segiimlo midur. sr. Pinheiro he convidado outra vez para,
i)!V*'fiA/'iJ>)" ** 'tllftwftJfl!* sen) perd de tennio, apreseutir ao puiiii-
Anurado Leal anua precisara comprar C(, 0 po,|er ,. utoridade que tem para Ufo
escravos, creoslus, de 12 a 16 anuos de ida- solemnemente exigir a casa dentro om 30
de, para a mu fabrica; e anda receben) ,|aa sto he oque so quer ver, o o que o
aprondizes para as diversas ullicinas : aira- Sr. Pinheiro d'Ve mostrar.Jos Joaquim
Urna mesma fab'ica, na ra Imperial n. 118 Goncalves CascSo.
e 120, com Mauoel Carneiro Leal, ou no seu Aluga-se ou vende-se um sitio na es-
depoailo, na ra Nova n. 27, com Joaquim lr(|a ,|os Allliclos, cora cas de viven la de
Anlonio dosJSantos Andrade. sobrado, e com bastantes cummodos, temi
-- Todas as pessoas quo liverem contas senzalla para escravos o cicheira para carro;
com a barca iugieza Itoinunno devorio ven lem-se tambera por pre^o commodo um
uunnlo antes al quirta-f.ira, 15 do corren- carro de quatro rodas que precisa algum
te, ao mais tardar l meio da,apresenla-las concert, nina burra ue ferro, o urna escri-
o consulado britanincu; dapois dessa hora V8i creoula, com 17 annus de idade, e com
na i se Oca responsavel por mais conta al- habilidades: a tratar na Boa-Vista, ruada
guma. c um c i-i,i, casa o senhor Cat3o.
I'ermuta-se por casa nesta praca, ou .. o abaixo assignado, fm sciento a quom
vende-se, um sitio no principie da estrada convier.que deixou de vender em aua taber-
nova do Pao-d'Alha, com cisa de vivenda na, sita na ra do yueiinado n. 50, desde 5
suffrivel, duas cacimbas de ba agoa do be- deselembro do correte anno, agurdente e
ber, bstanles arvoredos de fructo, cenlo e mas ospiritos de prodcelo brasileira, e
tantos ps de larangeirasque tudos dBo fruc- acha-se de plena quita(3o. JoSo Paulo da
lo, e Ierras para plantar: quem pretender j||va_
p.ocu.e na ra Nova, no primeiro andar do Loterja aa matnz Ja Boa-Vista.
sobrado n 26. ,n n ., .i__
Deiappareceu no dia ido crreme, da Jos leixeira Uaslo actual Itie-
porta da venda do senhor Lima, na ra No- sourero desla lotera, avisa ao res-
va um burro caxito cor do rato, lera ni sar- ..
neiha urna cicatriz de urna Inxeiga tirada, o peilavel publico, que a mesma COr-
na venta um meio alto porquo foi muiio re iinprelerivelnieiite no da aC de
ttSSESmttXU& outubro do corrente auno, no con-
na ra de Hurtas u. 11, que sera bem re- gistorio da dita matriz, e se con-
C.TPArg,d-seura sitio, que tenba cas. regu- tinuar a influencia dos comprado-
lar, o que seja perto da piaa: quem tiver, res correr no da i) do mesmo
annuncio. mez. Os bilhetes acham-se a ven-
da nos lugares j annuojciados.
visto oeslauo de pro- l'reclsa-se de urna preta, escrava, ou
A abaixo assignada declara que nin-
gueui contracto com Manoel l'emira de Sa o
Silva negocio algum, visto o eslauo de pro-
ligalidaie em quo o mesmo ae acha, o que Uma mulncr livre, para o irafleo de una ca-
coiiipelentemcnte so provar ; o para que sa : quem pretender dirija-si a taverna jun-
ninguem allegue ignorancia, faz o preseute. to ao quailel de polica, casa n. 6, para ira-
Mana Pereira de S. lar do negocio.
Aluga-so a casa da esquina do Poc,o|Ja Aluga-se o primeiro andar da casa do
Panolla, com a freulo para a raargem do no ra da Cruz, do Rectfe n. 31, propria para
o cummodos Sifilcionles j quatro quaito*, escnplorio ou eslabnlecunoiilo de alfaiate,
um dito pira pretis, duas salas, cosinha f- por ter poucos conmodos, sendo para
ri quintal, estribara para cavallus: a Ira- grande familia: a tratar no armazem do
lar como capitSo Jus Ignacio, |na ruado inesoni mm Liiz Frejre de Andrade.
Queimado.
jomprai.
gumles : alto e Iioir feilo de corpo, cabeija O Arco Verde,
r tm" ennuirs h.lhe.tVnf ? ter o l'cqucna e con.prida, olhos e orcinas peque- .. Prccisa-se alugar um preto, que saiba
'as. i.a.i/. ch.io, com falla de quasi lodos cosinharo di. rio de urna casa ; quem liver,
vido andamento das rodas no dia 30 do
corrente sera o que .,3o podaraj andar DO ^""lea
l li'llu i (1IB. __.:_..
- Hogi-te ao senhor fisc-l doh'irrode
Santo Anlonio, que naja de tancar suas vis-, (j-rscaj0 a|goa0 grosso, baotn encarna-
cicatrlzes da surra outrsS .. |Tecisa-se de una ama de leit
-- Aluga-se uma casa em Santa Thereza
de Olinla, junto a do Sr. CatSo, ou t'oca-se .______
por ootra MU nu1D"^,* =! Compra-se urna casa no largo das Cin-
trat.r com J. J. Tasso Jnior, na ra do A- |>i>[|las^ ,,2 quoin achar com M.
'"^""recitse de um fetor portgu.i, que *"ZE* Pr MU fU",a' d* da"
entenda do planlacfles, para um engenho11"
bom do aervifo de campo, creoulo ; outro
dito rio servico de oampo, moco, uma prrta
moca, peijada, do servico decampo; uma
mulata cora 30 annol que coza bem, lava,
eogomma, faz muito bem renda e cosinba :
as Cinco Puntas n 71.
~ Vende-se urna pilarla eum eicravo pa-
deiro, eo ni toda a freguozla .' a tratar ni na
los Pires o. 28.
Pannos para cima de mesa.
Vendem-ie pannos para cima de mela, de
casemira, com lindos desedhol,superior fa-
zenda e muito modernos, sondo de varios
tatnanhs, e por preco commodo : na loja do
sobrado amarello. nos quatro cintos da ra
rioQueiaiadon. 29 '
Falitos baratos.
Vendem-se palitos de panno preto lino, e
de cores, or barato creco, para acabar com
cilc; na loja do sobrado amarello,nos qua-
tro Canlos da ra do Qucimado n. 29.
Vende-se uma padaria por melada de
seu valor; a tratar na ra do Livramento
0, 41.
Loteria de iN. S. do osario.
Casad Fortuna, rua Uireita n- 7.
Na casa cima e nos lugares do costume, a
le novo, na cidada ue (lliuda, nos qualro
canlos, casa do senhor J080 do 8cramenlo
Damasio, estilo a venda uin completo sorti-
11. ni 1 das muito acreditadas < nitelas di di-
ta loteria, cujas rodas o Ihesoureiro espera
fezer correr no da 30 do corrente. se os
amantes desle jogo concorrerem a dar ex-
tracclo aos inlli tes.
Bilhetes 8,000
Moios 4,000
Quarlos' 2,300
Decimos 1,000
Vigeciuios 500
Chapeos de cstor branco.
Continua-soa v*n ler chapeos de caitor
branco, boa faz*n la,o por commodo prego :
na loja do sobrado amar*llo, nos quatro
canlos da rua do Queimadu n. 29.
Atoalhados de linbo,
Na loja do sobrado amarello, nos quatro
cantos da ruado Uueimado n. 29, tem para
vender um rico sortimenlo de atoalhados
a lamascados. do puro linlio.conslatindo em
lotlbil de varios tamanhose om pe*a para
va as, sendo tambera de varias larguras,
guardanapos ua mesma fazenda, e tu lo se
ven le po* pre?o de agradar ao comprador.
A mesa regedora da irmandade de Nos-
sa Senhor do llosario da f'eguezia da Boa-
Visla, em nooie da raesma Senhora, agrado-
ce a devota que den 100,000 ra. de esmola
liara as obras da mesma igreja, por ler tira-
do o premio de 1:500,000 rs da lotera a be-
neficio das ob'as da mesma igreja; e igual-
mente agradece ao devoto que tambem deu
100,000 rs.,por ter tirado a metadedo maior
premio ; e a oulro que li'out a outra metade,
que tambem deu 30,000 ri.: a mesma senho-
ra queira dar muitos augmentos e felicida-
des nesta vida, e na oulrra o reino da glo-
ria.
Vende-se uma escrava cabra, com 1 fi-
lho, j desmama io,yi escrava lava, engom-
ma e cosinha o diario de uma casa: os pre-
lendentes, diiijam-soa rua da Praia, tanda
de ferro defronle do Sr. Loiola, a tralar com
Antonio Jos Maciel.
Em casa de Kothe &c Bidou-
lic, existen) para vender quatro
pianos, dos conhecido autores
Collard & 'ollard na rua do Tra-
piche n. ii-
Ventlem-se lonas brins ,
e brini5es : cm casa de Rothe 6k
Bidoulac : na rua do Trapiche nu-
mero 12.
Vende-se cobre para forroe
pregos, ziuco em follis,aco demi-
1,'ni, Ierro a imilacao da Sucia, e
l'olha deflandres: em casa de Ro-
ibe & Bidoulac, na rua do Trapi-
che n. 12.
Vendem-se charutos de Ha-
de Bothe & Bi-
nas costas provenientes de chicla- rua das Trincheiras n. 42, sobrado do dous 15* do Trapiche. Novo
ivouchapeu de baela prela, camisas andares pelo Dr.Pires Bau
do algodao grosso, b
luqueeaiaw """"" Jd, e m.dapolao, oalca de ri
Antonio (.ornes Villar que H branca, e cobert
adede imoniiidiceparaai^^jj^ um clluco 0 u,Iia fd
to engenho Caulista do
buqueique, siohor
puuer no ^fi^^^tS Te *A*&&*&
dous anuos
um morador do engenho Cavaco ou Enge-
nho Novo, do Sr Manuel do Souza Le3o,
irabalhandu de ineslre de Assucar no en- -...,,-,,,[.,.,
gcnlio Cajabucuzn.no do Sr. Aodr Bizcr- se"^.*e!Vi.! ..?
r, destriclo do Cabo : foi preso em setem
bro ou outubro do 1851 pelo Sr Casosa de
las pira um cano que existe na casa ondo
Dio, a o senhor
tleila tola quo
a Iravessn da Camba do Carmo.
Foitunalo Cantoso de Couveia, com-
prou |mr emita de Jos llibeiro Coimaraes,
'la cidade Ja Parahyba,um hilhelc iuteiro n.
1775,a beneficio da 17.* lotera das mitrues
do lliu de J -neiro.
Cavallo furtado.
lio sitio do Arco na Ponle de Ucha, de
srnliur major Justino Pereira de Fari', leva-
ram em a nuilnde 17 para 18 do cm rente,
tini cavallo pequeo, cor alaaSn caxito. fren
I* alierta, u | esquerdo calQad", hon rar-
rc^ador de baixo at meio : bo lug r 10 e-
lunlem um calombinho, e a cor. ia la pi-
ndaira anda nuva ; roga-se, portmto, ai
uluridailes policiaes a epprehenso do mes
"lo, e a quera quur que dello der noticia,
leve-o ao mesmo sitio, ou na padaria da rua
>>as Cruzes, que sera bem recomp"t sido, o
utisfeitas quaesquer despesas qtiu lenha
feilo.
Alugi-sn um bom moleque de 18 an-
uos, pira servico de casa, e sab> coainliar :
luem o praleo ler dirija -se a praca da l.ide-
lendeiitia, luja n. 1.
-- Precisa se de uma aira de leit*, sem
"O : na rua da Boda n. 48.
Prcc si-so de urna ama d leiio: na rua
mi Trapiche 11. 40, no tercri' 1 andar, ou no
liolfl Francisco.
- A prssoa que annunciou querer 8:000/
iic rs a juros, tlando em lijpolhrca um so-
ItiiJo no Valor d" 20:000,001 de rs.
ai'igir-se a loja d
que ah le di a quen.
Hoje 20 do curren..,
na porta do Dr juiz deorehos, so tem tle ci,
"'eoiatar, por ser ultima prar;-, urna casa gl\u ,
'"rea sita na estra'a da Capunga, antes de ja rre0Jient'inente lio baiiro da Boa-Vis-
cl|egar a S.Jos do Slanguinho, ainda por 'i, aullde^Jsempr,; he encontrado: quem o
c"l)^r, c out a I) laipa 110 tundo do mes-1 ogar |evJ-oa rua do Trapiche n.5, que lera
"o terreno, ambas avalladas em 720 000 i fec(iim,(|Jsado
fS- 'liiae n + oma X ai.aaia.ia>* .. aaurtMlrtianlai i
catS.,derisCa,.oe,a-J|;Wl|ilL |)Q || JJ^
TIIADUZIDO EM POBTUcUfcZ.
16,000 rs. -de assignatura.
Sabio a luz o primeiro volume desla obra,
la de 1 .ida en- J
ca do meza de
cabo bianci. lisie escravo foi do Sr. An-
touto do llego do engenho Ponte-Grande da
,,,, ....,....* nn oOllina m^ Ui'iiiiiliiii' iuiuuiij ub.ta uma.
provincia d AlagO.a passando depon a po- ^ d
der dos Srs. > anoe branc.sco do Kossadi- ;erJhllolro Mvr0i prtr oniJe se pode estud.r e
nho, Antonio de Sa Luts (.avalc.nte c ult homeopathia. F.sU nilid.m-nte
mmente .10 Sr. Joaquim C.v.lcanie d Al- \rtM0 em exCl.fente pape|, com todos os
signaes que contcm o original para donotar
Continua a assignalura no consulloiio ho-
raeopalhico do Dr. Moscoso, onde os senho-
l res assignanlos pleo mandar receber os
No mesmo consultorio ha todos os medica-
mentos homeopalhicos VEItDADKIROS ; as-
perto dosta pra^a : na rua Direita n. 91, pri-
meiro andar.
..) U consullorio hoincepalhico da rua f%
11 nuoioro 15, dirigido t*
mos Juuiur, foi I 1 -- f|
^ ieridopara a rua da Cadeia do Recife >
m loja dolllm.Sr. JoSo CardOiO Ayres, <
-. onde ja foi o consullorio Jo Sr. Dr. #J
4 Sabino, ani se eucontrai caiteiras #j
,^ com medicamentos homoeepathicos, (*
i tunos avulcos, tinturas de qualquer %>
,) liinaiii!-. i-.-.i", e tambem so rolazom #i
0 aquellos que esliverem deterioradas, aa
1 Propagandas bomccopa'tnicas do lllm. >
m Sr. Dr. Sabino, pelo preco de 1,000 rs. v
< cada.cxemplar. Estes me lieamenlos
j silo pieparados com lodo o cuidado, >
) eja experimentados pelo Sr. Dr. Sab- >
,-4j no na sua lunga clnica, sendo os re- (t
3 sultadusos maisfeltzes; todas asear- ej>
14 leir'S que Sahiiem desle consulturio
} levai.io a firma do Sr. Dr. Sabino. As it*
c-iusultas sito das 8 horas do dia at rj>.
i.v u -- : ._,. UOUl/l.' uo 111 1 1 ir 1 1 Pa.ii.l nuil o.n-
(;reSlV a Manoel Jos encalves Braga, que n|as ,nacllinBS para !elhor desempenho de
se griili<"--,ra ro"' geiietosida e. s(la mU () anllullcia,llo |ga desnecessa-
- |)e,s.ippareceu no da 15 do corrente as rjo (tT ^ I10Vanu!nl0 s,'lbrB as su,s hibl.
da nuile, do Hotel Itecife, O pardo
7 horasv u
Exequial qu [0'.d? S&JSSJS^IZZ "hecidas
lo
lidaJes
ptirquaulo ellas ja s3o ii.--.i-. co-
.....nesta provinc*, a hoje mais que
Selle, e0'"u Pul"s circumstancias quo pre- nuucl n.ic) pretendendo offender a neuhuui
cederaml" esS8 rilK" presuma-se <1UB ell. do S0.8 collogas; esl mais habilitado que
paWure\to*01?W^,*y^J0^5;m, estes sobro O modernismo, visto quo o mi-
au lor i da
seus iiisi
,i\, policiaes que o rccommenile.n a nu,.iam(. ,8ndoso ausentado d^aqui a mais
,, ,oci\or*sep*saoasdeco..llanca,.|lin (|u um nn|10_ e0-pregou ,odu MSe lon.po
8:000,00) de rs. : queira j ,, Sr descoV,'rl capturado : o pardo he e(h fazer ,jm esUll|Q parl,cu|ar 8obrc S no_
Sr. Vitar, na rua Nova b,il0i j j uade 35 anuos, o eio corpo, sem- osgc,st01 UB obras j iriarcineria apresen-
11 faz eslo-negocio. blante carAegado, tendo uma pequea cica- t na PXpoai) universal de Londres,
ente, s 4 horas do Urde,'(.j ni (tea, anda calcado o tuina : levou 0l,d0 esleto, alm dp outras capilat-s ta Bu-
co dA"e,J P""0' e ,nd' CUI" u,u*r b,ia" rop', Parij, Lisboa &c. etc. O annuii-
(ioa o\u junco, a inculca-ie por [OHo, cjanle SQ a-ha acapacilaao para Igualmen-
te empieender quaosquer cunslrucces de
edilicios, faz escalas circular, oval e outras
que servem para subir-se por uin lado e
, oescer-se per oulro. Avista, pois, do <-
; cujas casas vo praca 1 requernnento Na afua do Trapichen. 5, preclso-se ue.penoj0t 0 abaixo assignado espera mere
oiiiventanaiito para pagamento das divi-' _, boin|cosinlieiro naciooalou eslrangeiro, C8|. ,lo rcspeitavel publico a sua prutecco
.. .I las.* f mu ,cn .uin tt itrilnl lp->>A tlfllll ttt- "... a....._ ._ J ______
' legahkidas no mesmo inventario, dos e atc ni|*-mo esc avo; p.omelte-se nom or-,querendo assim o honr.irem de alguma en-
e'is da finada Josefa Maria dcAhreu; o*1' denado'- n- 1 ti commenda ; na rua da Concordia, junto da
"lendenlis as podem examinar, ou enlen-! y, s ere lores do senhor Jos Oas da su- rB|ua(.g0- JoSo Frederico Schrooder.
er-sc com o procurador, nana da.Moda'n nllleiram mandar leceber o dividendo;
25 V lu ic.iu, ,,.ii. .. .,o.iii. 1111 es-
reWi
""""'todaoi,
s, que mu ion o seu estabele- em 30 do correle,
liyes da praca da Independen- rua das Larangeiras u
aole : na rua larga do Bozrio, loja n. 44
suba ler e escrever : aquelle une se achar
nesta circumstancia, e aliancar a sua con
duela, pode dirigu-se rua larga do Bosi-
rio, n. 48 .|uc achara com queui t-atar,
-- Faz-so qu-lquerliansaccflo, com 8 le-
tras, que o actual rendeiro Jo engenho Bar-
balho, na comarca do Cubo, acceilou em
1847, valor das bemfeitorias do engenho
Trapiche dolpojuca, esupriincntos fetos a
esle engenho, estando s-is venci las eduas
a vencer em 1853 e 185, principal e jurus,
al 8 do crtenle, 16:011,790 rs.: quem pre-
lendor, dirija-se a rua do Hospicio a Jos
Marques da Costa Soares.
Auna Ferreira da Silva, aulorisada por
provisao do Exin. Sr. presidente, doulor
Francisco Antonio Ribeiro, deiOdejulbo
do correnta anno, tem aberto na casa de sua
residencia, na rua das Trincheiras n. 50,
uma aula de instruyo primaria do primal-
o grao, para o sexo feminino : os pas ue
familias que della quizeiem conliar suas fi-
Ihas. poderlo dirigir-so a mencionada caea,
a qualquer hora do dia, certo de que a an-
nuneianle empregar todos os sous desvelus
em nao desmerecer do seu conceilo.
Koga-se ao Sr. JoSo llyppolilode Mei-
ra Lima queMnha pagar a Juaqum Felippe
da Costa na Wa do Azeite do Peixo a quan-
lia 161,605 ra.
Precisa-se singar uma escrava quo seja
flcl.sem vicio,para o servico de uma casa de
familia, que seiba coainliar, engommar, n
e usa linar al gil toa cousa : i.ll ni a liver e qui-
zer alugar, dtri|a-so a rua larga do llosario,
fabrica de charutos u, 32, ou annuncie.
Compra-se una lipoia. 011 mesmo um
pao para a dita : na rua do AragSo D- 1, se-
gn lo andar.
-- Compram-se e vendem-se escrfavas.o ro-
cebem-se de commislo, lauto para a pro-
vincia, como para (ora della: na rua dos
Quarleis n. 24, segundo andar.
Cumpra-snpara fra da provincia uma
escrava do bonila ligura c moca,que engom-
le e coza com pe-licao; nilo se olna a pre-
co agradando : a tratar com Jos Candido
de Barros, no seu escritorio na rua da Cruz
n. 66, tas 9 horas da manlia as 3 da tarde,
lodos os das uleis.
-- Compram-se. escravos do ambosos se-
xos, de bonitas figuras, de 10 a 25 anuos,
tanto para a provincia como para fra, pa-
gam-se bein : naruadaCacimban.il, on
de morou o finado vigarlo do Itecife.
Compra-so uma taberna com poucos
fundos ou sem elles, collucada era bom lo-
cal fra da praca : quem tiver dirija-se ao
Mauguinho, taberna de Braudilo Coideiro.
Compra-se uma preta, quo saiba en-
gommar v cosinhar, c que n5o lenha vicios,
nem achaques : na rua do Amoriu n. 25.
Vendas.
Lvana: em casa
~ woulac, na mudo Trapiche n. 13.
__ Vendem-se tintas de todas
as cores, por preco commodo: em
casa de Kothe & Bidoulac, na rua
do Trapiche n. ia.
Vendem-se II escravos, sendo, 1 es-
crava, preta, engommadeira, cozinhnira 13
Lotciia do Rio de Juneiro.
aos ao.000,000 ds rs.
Nalojademiudezasda praca da
Independencia n. 4 vendem-se
bilhetes inteiros, meios quartos,
oitavos e vigsimos, a beneficio da
17. loteria das Matrixes do liio de
Janeiro, correu no dia 10 de se-
tembrOj e vem a lista no primeiro
vapor que chegar do Rio de Ja-
neiro.
-- Vende-se uma casa nova e muilo bem
edificad, que reude 10,000 rs. roensaos, por
1:600,000 rs., na rua Imperial: quem a pre-
tender dirija-se a mesma rua 11. 171.
Vende-se um palanquim novo: quem
o pretcnder.dirija-se ao paleo do Terco, casa
do senhor Coutinho.
Vende-se um bonito moloque do 14 ao-
nos, creoulo,proprio para embarque.pagem.
ou'olcio: ua rua larga do llosario 11. 35,
loj
-- Vende-se um cavallo muilo novo, botn
carregador, e bonita cor: a tratar na rua do
Queimadu, segunda loja n. 18.
Vendem-se dous lindos molecoles de
18 a 20 anuos, um dos quaes lera principio
do sapaleiro, dous pre.tos bous para todo o
servico, duas prelas que lavam bem e cosi
nham suffrivel, um casal do escravos vellins y
bous paia sitio : na rua dos Quarleis n. 24, /
segundo andar. /
Vende 111 so quatro escravos, um com
idade do 30 annos, he carreiro, serrador, o
d bonita figu'; 2 moloques, de idade de
15 a 18 annos, creoulos ; 2 eicravas quitan-
leiras; I dita coslureira. e escravos de
todo o servico: na rua Direita n. 3.
Casa feliz, na praca da Indepen-
dencia n. 36.
O anligo cautelliste da casa da f annun-
cia aos seus fteguezes, que abri de novo
o Seu a-tahelocimeiito de cautcllas das lote-
ras da provincia, na praca da Independen-
cia D- 36, com o titulo deCusa Feliz.
Espera, perianto, o mesmo cautelisla que
os seus freguezes concorram com prompli-
d3o a co nprar as mesmas caulellas, lira
de quo as lolorias nilo passotn o dia marca-
do para o andamento das suas rodas.
Preco das ciutellas.
Quartos 2,600
Decimos 1,100
Vigsimos 600
Mi I lie tes do io de Janeiro.
A0sao:ooo,ooo I 10:00 'oo de rs.
O cautelista Salusj-.no de A-
quino Ferreira avisa 40 respeita-
vel publico, que os seus bilhetes c
alortunadas cautelas da lotera da
matriz de ltabira, e da 17. das Ma-
trizes, estao expostos a venda na
prncada Independencia n.i3 e i5,
lija de calcado do Arantes, e na
rua da Cadeia do Recife n. 46, lo-
ja de miudezas de Jos Fortunato
dos Santos Corto. A loteria da ftla-,
triz de ltabira, correu no da a8 de
agosto do corrente anno,,-1 a 17-
das Matrizes, corraVi. vO dia 10 de
seteinbro ; esmffra-se a lista de
ambas, pelo vafpor inglezTay, que
deve chegar o Sul no dia ao des-
te mez, oo/pelo vapor da compa-
nhia brasileira no mesmo dia : s3o
pagos e/hi continente- os premios
sem de/sconto algum as lojas ci-
ma mencionadas, logo que se re-
cebei'em as listas.
bilhetes
lV ;IOS
Quartos
Oitavos
Vigsimos
aa,ooo
11,00o
5,5oo
a,800
i,3oo
MUTILADO
li-i


I

u
4
Moinhos de vento;
com bombas de repuso para regrar borlas
otiaixasdccsplm nifundigSndeD. W. Bow-
man:na ra do Brumos.6,8e 10.
p'azenda da moda.
Vendem-se superiores cortes de cjmbraia
do salpico brancos de cor, pelo diminuto
prego de 3,500 rs.: na ra do Crespo, loja
n. .
Cal virgen).
Vende-se cal de Lisboa a mais nova do
mercado: na ra do Vigirio n. 19, primei-
anlar, escriptorio de T. UeAquino Funseca
de Filho, ouoa ra do Trapiche, amazem de
Antonio Augusto da Funseca.
Deposito de cal e potassa.
No armaxem da ra da Cadeia
dollecife n. ia, ha muito supe-
rior cal de Lisboa, em pedra, as-
sim como potassa chegada ltima-
mente, a precos muito rasoaveis.
I'otassa americana.
No aotigo deposito da cadeia velha, n.
13 existo urna pequea porcSo do potassa
americana, chegada recouteinenle que por
superior nvalisa com adaltussia: vend-
se por prego razoavel
Agencia de Edwin Maw.
Na rua de Apollo u. 6, armazein de le.Cal-
mo d tal Coinpaiibla, acha-se conaianlemente
Idiin aurliiuenloj de taia de ferro coado e
balido, tanto rasa como futidas, moendasu-
eiras todade Ierro para animaea, agoa, ele ,
ditas para anuar em madeira dr lodos os ta-
maitos c inodelios o mais moderno, machina
orlsoDtal para vapor, com torca de 4 caval-
lus, cuneo, passadeiras de ferro eitanbado
para casa de pulgar, por menos preco que os
decobre, escoveu para navio, ferro inglex
taotoeui barraacomo ein ircosfolbas.etudo
por barato preto.
AGENCIA
da fundicao Low-IUoor.
RUA DA StNZALLA NOVA *8.
Neste estabeieeimt-nto conti-
na a ha ver uin completo sorti-
mento de moendas o meias moen-
daa paru engenho, machinas de
vapor, e taixas de ferro batido e
coado, de todos os lamanhos, pa-
ra dito.
Vendem-so os verdndeiros selins in-
glezes, patente, de molla e sem ella : na
rua daSonzalla Nova n. 42.
Vendem-se relogios de ou-
ro e pila, patente inglez : na rua
da Senzalla Nova n. li.
Arados de ferro.
Na fundgo da Aurora, em S. Amaro,
Vondum-soaradosdeferrodadiversos mo-
delos.
Vondom-se asseguintos sementes :
nabos,rabanos.rabaneles/-ncarnadosebran-
eos, sebola, couve trinxuda alfacc ala-
moa, repulhuda, chicoria, senoulas, feijao
* cairapato de tres qualidades,rrvilbi loria e
diioila, fava, coeotro de touceira, salga, to-
mates grandes, repolbo, couve lombarda,
saboia, c muslarda : na rua da Cruz ti. 46,
del'ronte do Sr. doutor Cosu.e.
Taixas para enyeiiltos
Na fundicao de ferro de D.
W. Bowman na rua do Brum
pasando o chafariz, contina, a
ha ver uin completo sortimenlo
de taixas de ferro fundido e ba-
tido, de 3 a 8 palmos de bocea ,
as quaes ucham-sc a venda por
preco commodo c com prompti-
dao, embarcam-sc, ou carregaui-
se em carros, son despezas ao com-
p rador.
Vendem-se amarras deferro: na "ja da
Seuzalla Nota n.42.
Algodo para loupa de escravos.
Vende-sealgodSo muito encorpado, pro/
DA
SALSA PARRIL.HA DEBRISTOL
MlattTSwiiMirSASIS.
A salsa parrillia deBristol data desde 1832, e lem constantemente manlido sua repula-
(Bo, sem necessidado de recorrer a pomposos annuncios de que as preparagOes de me-
ilo rodem despensar-sc. Osucesso do Dr. Brislol tem provocado inhnitas uivejas, a
entre outras.as dos Srs. A. II. 1). Sands, de New-York, preparadores e proprietar.os de
salsa parrilha conhecida pelo nomede Sands. .i_.._i
Estessenboressolicitraocml842 a agencia de Salsa parnlha de llnstol.e como nSo
opudessem obter, fabricaiSo urna imitagSo de Bristol.
Eis-aqui a carta queosSrs. A. R. D. Sands escreveram ao Dr. Bristol, no da 20 de abril
de 1842, e que se cha em nosso poder :
Sr. Dr. C. C. Brislol.
Bfalo, ele.
Nosso apreciavel s'nlior. ,
Em todooaono passado temos vendiio quantidades coisideraveis do extracto de
salssmurilliadevro. e pelo que ouvimosdizer de suas virtudes quellcs que a letn usa-
do, migarnos que a venda da dita medicinase augmentara muilissimo. Se Vm. quizer
fazer tm convenio comnosco eremos que nos rcsultariu muita vantugem, lano a us
como a Vm. Temos muito prazer que Vm. nos resoonda sobro este assumplo, e se \ m.
vier a esta cidade daqui a um mez/ou cousa semelliantc, toriaoios muito prazer em o
ver em nossa botica, la do Fulton n. 79.
FicSo asrdeos de Vm. seus seguros servidores.
(Assignados) A. R. I). Sands )
COITCLITSAb-
l.-Aanliguidade da salsa parrillia de Bristol, he clarameiito provada, pois que el-
dala desde 1832, o que a de Sands s appaiccou em 1842, poca na qual esto droguis-
ta Hilo li lo chier a agencia do Dr. Brislol. ... .i,
2. A auperioridade da salsa parrilha de Brislol he inconlestavcl, poisquo nnooDs-
tanle a c|>ncurreneia da de Sands, e do urna porreo de outras preparagOes, ella tem man-
Udn a sua reputagn em quasi toda a America.
As nuiflerosas experiencias feilas com n uso da salsa parilha em todas as informida-
des i.riuinadas pela impureza riosanguo.eobomexllooblidonesla corte pelo lllm. Sr.
Dr. Sigaud, presidente da academia imperial de medicina, pelo lllustrado Sr. Dr. An-
tonio Jos Peinlo cm sua clnica, e em sua afamada casi dcsaudena Camboa.pelolllm.
Sr. Dr. Saturnino de liveita, medico do exercito, e por varios oulros mdicos, per-
millem boje do i roclamar altamente as virtudes ellicazes da salsa parrilha de Bristol.
Em ronsequenria dse ter telado a botica do Sr. JosC Mara, mudou-so o deposito di
salsa p.rrilli de Bristol para a botica mgleza rua da Madre de Dos u. 1,e ven Je-so a 5/000
ovidro. ________________________
H'IIIAIIE E'ABIX.
Fabrica de chapeos de sol, na rutt
do Collegio n. 4
Alm do sortimenlo j annunciado, rece-
beu-se pelo navio Havre, ultimo vindo de
Fr-nga, um novo soitimenlo de chapeos de
sol de soda e de panninho, para homens e
senhotas, dos ltimos gustos; superiores
chapeos d* sol de seda com cabos decana,e
outrus dos melhores que tem viudo a osla
praga, que se continan) a vender por me-
nos prego queem uutra qualquer parte.
A 5,ooo rs.
Superiores chapeos de sol do seda ingle-
zes chegados pelos ltimos nr.vios, pelo di-
mulo preco de 5,000 rs. cada una: na
rua do Ctdlcgion. 4.
Vendem-su muit'i bons sapatos dodu-
raque pulo para sennorn, a '.'"<> lls upar ;
assiin romo esteiras muitn grullos a 1,28o
riscada urna; na rua do Livraueiiln loja
n. 11.
Feijao novo a (i,ooo rs.
No arroszem de Gouvcia & Uis, conlron-
tu i escadinha da Alfaudega.
Queijos do sertao.
Vendem-se muito bunse frescansqueijos
do sorLSo; na rua do Queimado u 14.
| Aleita freguezes
Que sao clicgados,
Cobeitoies de algoJ3o
' Milito euiorpados.
Na rua do Crespo,loja daosquina quovol-
(a para a Cadeia, u 1,600 rs. cada um.
Soi tmenlo de panno.
Na rua da Cadeia do Recite, luja n SO,
pnopararoupa de escravos, com pequen
tuque de avaria a 140 rs. a jarda; dito
liuipo a 180 rs.: na rua do Crespo u 5
aloeiiduis superiores.
Na fundico de C. Starrei Companhia,
om S.-Amaro,acham-seavenda moundas
de canna, todas deferro, eummodeloe
construccSomuilosuperioi.
Vende-ye urna morada de
Casas, feita a moderna, com tijoloe
cal, sita na rua do Motocolomb,
por preco muilo era conta : a tra-
tar narua Imperial n. 3i.
Vende-seaexcellente typo-
gtaphia do Diario Novo estando
bem montada, tanto debonspre-
los, como de lypus : quem a pre-
tender, dirija-se a rua da Praia
n 55,a tratarcoma Viuva Koma.
Farinha de muudioca a i,6oo rs. a
sueca.
No armzem de J. J. Tasso Jnior : na rua
o dAmorim n. 35.
Velas de carnauba
do superior qualidade, coja luz rivalisa
com o espermacele ; vende-so na rua da
Cruz n. 34.
Vendem-se saccas cooi fa-
rdos : na rua da Madre de Dos ,
armazem n. 20.
Ancoras para navios.
Vendem-se om casa de Ricardo Koyle, na
rua da Cadeia Velha n. 37, ancuras de supe-
rior qualidade, o por commodo preco.
Ve 1.den,->e lonas, briozSo, biins, o
meias lonas da Russia ; no aroiazem de N.
O. Bieber & Companhia, na rua da Cruz
n.4.
Deposito de panno de algodo da
fabrica de Todos os Santos da
J^ahia.
V hul'-sc o bem conhecido pan-
no de algodo de Baha, propro
para saceos e roupa de esc a vos,
a vontade do comprador .* noes-
criptorio de Novaes\& Compa-
nhia, narua do Trapiodie n. 34.
Potassa da Uussia, e calWgem.
No armazem da rua do Trapichan. 17, de
Jos Feneira Basto, ha para veiidcrviuperlor
potassa da Russia, chogada ha pumV: diaa.e
cal virgem da mals nova que ha no mVrcado.
__No armazem de Francisco A. dW Cu-
[.ha & Companbia, na rua do Vigario n\ll,
ba urna porcSo de lina farinha .1 man
ca ; laboas de torro de pudn ; um aiKore
novo de Sarrobis e 20 libras; arcos' pa
barricas ; urna soleira; dois maiueis; 5 ver-
gas de peu.j do Porto lavrada, e oais ob-
jeclos, que ludo se vende por precos muito
rasuaveis.
vendem-se superiores pannos pr< tos a 4,000, >
4,500, 5,000, 5,500, 6,000 e 7,000 rs. o c.i-
vado ; dito azul e veidu a 4,500 o 5,000 rs. ;
assim como pannos modados, dos molbo-
res gostos que ha ueste genero, por 3,500
rs. o covado.
Deposito ta fnbricn Simios un Uuliia.
Vende-se,cmcasa de N. O.I!ieber& (;.,
ii rua daCruz n. 4,algodaotranado a-
quellarabrica.muitoproprioparasaccosde
assucar eroupa doescravos.porprecocom-
aioio.
Na ru do Crespo, loja u. 6.
Vendem-se superiores cortes do camhraia
desalpicos, com 6 l|2 e 7 varas, a 3,500 e
4,000 rs.; coitos de cassa chita, de novos
gostos, a 2,210 e 2,500 is.; cassa franceza a
440 rs. a vara ; cortes de brim trancado es-
curos e mescladus, a 2,000 rs. ; panno lino
preto, a 3,000 c 4,000 rs.; lencos de cambraia
de liiilin, a 480 rs.j ditos de cassa grandes,
a 160 is ; risiado linho a 180 rs. o covado
e muilas outras fazonlas em emita.
Urna encuinnit-nda do cobertores,
Que por seren poucos
N.to podem cliegar
A todos os cooipradores,
a 1,600 rs. cada um : na rua do Crespo, lo-
ja n. 6.
Deposito decil e potassa.
Yende-se superior cal e potassa,
e por preco commodo : no arma-
zem do caes da Alfindega n. 7.
Gomma de engommar.
Vendem-se suecas com gomma, muito al-
v, uropria paia engonini por n'ni ser secca ao fogo: na rua do Quei-
aiado n. 14.
Vende-se ferro inglez em
barra, em porces grandes, 011 pe-
quenas, e a escolher a vontade do
comprador, a 4,5oors. o quintal,
e de ao quintaes para cima a 4,800
rs., o quintal em porcoes mais
pequeas: na rua do Trapiche nu-
mero 3.
Palitos a parisiense.
Vendem-se palitos, ultima moda de Pa-
rs, de bonitos pannos mesclados e preto;
na rua da Cadeia do Recife, loja 11. 50, por
menos prego do que em outras partes.
Cal virgem de Lisboa.
Vendem-se barricas com cal virgem de
Lisboa, da mais nova que ha no mercado, e
por prego muito commodo: 111 rua do Apol-
lo, armazem de assucar n. 10.
Vende-se urna negra creoula do malo,
moga, e propria para qualquer servigo : na
rua da Cadeia Velha n. 24, primciro andar.
Novo sortimenlo de pannos e casemiras
de todas as) qualidades.
Na rua do Crespo.loja da esquina quo vol-
ts para a Cadeia, vcodem-se panno liuopre
10 a 2,800, 3,200, 3,500, 4,000. e 5,000 D. O
covado; e francez muito superior a 6,000 rs.
o covado; dito azul a 2,800, 3,500 .e 4,000
rs.; coi tea de casemira pieta entestada a
4,800 e 6,000 rs.; dita franceza elstica a
8,000, 9,000 e 10,000 rs. o corle ; e outras
multas lazendas por proco commodo.
1 Vende-se pma linda escrava, de 20 an-
s de idade, que engomma, coze, o cosinha
: na rua da Praia n. 43, pi unen u an-
dar.'
A 5,ooo rs o barril.
Vende-se cal virgem em pedra,
da mais nova que tem vindo a es-
te mercado, pelo brigue Novo Ven-
cedor, a preco de 5,ooo rs. o bar-
ril : no armazem do Tcixeira, no
Caes da Alfandega, ou no arma-
zem de Joaquim Pi heiro Jacome,
na travessa d.i Madre de Dos nu
mero 9.
Em casa de J. Keller &
Companhia r.a rua da Cruz n.
55, ha para vender dous excel-
lentes pi>nos fortes, e de urna das
melforcs fabricas, chega los lti-
mamente da Europa.
Ninguem ignora
Oue o baralciro.
Vende fa/en la
Por pune 1 dinheiro.
Na rua do Crespo,lnja da CM|iina que vol-
ts pira a Cadeia, vendom-se briti trancado,
pardo, de puro llnho, a 320 rs. o covado;
cambrsia deeiV, do linios padiOes, a 320 rs.
o covado ; chita para coberln, do cor lila, a
200 rs. o covado; cassa lo quadros a 280 rs.
a vara ; brim do cor, de puro linho, com
qua-itos e listreS] i.ss a 2,si!C rs\ n cine;
nito liso, amarello, a 2,000 rs. ; riscadinho
de linho cim listra, a 720 rs. o corte; lencos
de cambraif-de linho, linos, a 480 e560 rs.
cada um ;e outras muilas fazendas | or pro-
co commodo.
Cal virgem de Lisboa.
Vende-se superior cal virgem,
chegada ultimamente de Lisboa, e
por preco muito em conta: no ai-
rnazem do Caes da Alfandega n.
7, ou a trotar no escriptorio de
Novaes rk Companhia, ni rua do
Trapiche n. 34-
-- Vende-se farinha de mandioc de San-
ta Calderilla, em porgues grandes e peque-
uas, e vende-se a pnrgSo que cada um qui-
zer, do quaita para cima, por prego commo-
do, assim como dita de varreduras : na rua
do Vigario 11. 9.
Vende-se 56 arrobas de cera de carnau-
ba, da melhor qualidade, que pode haver
nesle genero, vinda no biate NovoOlinda,
do Aracaty, sendo toda por junto a 7,000
rs. a arrolla : na rua da Cruz ti. 19.
Fabrica de chapeos de sol, no ater-
ro da Boa-Vista n. 32.
O dono desleestabeleclmento cima men-
cionado, lem a honra de paiticipar ao ros-
peilavcl publico de Pernamburu, particular-
mente aos sous freguezes, quo recebuu um
grande sortimenlo de chapos do seJa e
panninlio para homcm, ricos chapeos de se-
hhora,um grandee cscolhido sortimenlo de
se la o 1 a mu ulm ou pega, para quem quizer
mandar cubrir ariiiag3o servida, laz-se to-
das as qualidades de concerlos ; todo o ob-
jeclo cima mencionado, vende-ie em gros-
soea 1 ei iiim,por prego comino lo,que agr-
da ao fregueza vista da fazouda.
Lotera da Matriz da Boa Vista
Aos 10:000,000 e "1:di 111,(mu re rs
Na loja de miudezas da praga da Indepen-
dencia 11. 4, vendem-se bilhetes inleiios o
molos, a beneficio da Matriz da Boa Visla ,
que corre impreterivelmonte no dia 26 de
oulubro.
B1II1. tesinteiros 10,000
Meios bilhetes 5,000
Azeile de carrapato da fabrica de Aroujo e
Filhos, 00 Pcnedo.
Acaba de chegar urna porgSO desle ja
bem conhecido e approvado azeite, e os fa-
bricantes prometiera ter sempro o deposito
Na rua Nova n. 8, loja de Jns*
Joaquim Moreira & Compa-
nhia.
Vende-se chapeos da sol de seda pretos
para homem peloMrstissimo prego de 4,000
a 5,000 rs., a riles antes que ce acabem ;
jarros dourados de porcelana para flores a
4,000 e 5,000 1 s. o par, chapeos 'rancezes de
boa qualidado a 6,500 rs., luvas de pelica
ponto inglez para seohora a 1,500 rs luvas
de seda pespontadas para senhora com aeu
toque de mofo a 1,000 rs, o par, ditas de lio
da escicia para humem a 320 rs., brancas
a 400 rs.,chapeos de casfor brancos sem pel-
lo pelo diminuto prego de 4,500 rs eou-
Iras muitas fazendas que se venderSo por
baratsimos pregos com dinheiro a vista.
fVVttfffVfVVV tffVffW*?
Deposito de tecidos da fabri-*
ca de Todos os Santos, -
na Baha. J
Vende-se nm casa de Domingos Al-*
ves Matheus, na rua da Cruz do He-*
rilen. 52, primeiro andar, algodSo*
1 ra usa do d aquel la fabrica, muitopro-^
pi m para saceos e roupa
...... 1 1 .i, ni mi <> II i\ nrnnr.
de escra-s
^ vos, assim como lio proprio para re-^
^. des de pescar e pavios para vcllas,*;
9 por preco muito commodo. *
AA44AA**4lAli*iJi!fcfli*.*i
AU PUBLICO
Em mu crescido numero contavavam os
medie, s ate agora molestias jricuravois
coutra as quaes s era prmillido ao pacien-
leresiguig3o para soltrer um mal de quo
j Dio havia esparangas de po ler libertf-lo,
e ao medico pbilanlropiro a ddr de ver mul-
los da seus s-melhantes victimas de enfer-
inidades, contra as quaes sdeclaraa im-
potente, |.oliendo apenas lamentar a fra
que/a da intelligencia humana. Mas, gragas
aos progressos da medicina, grasgas ao zelo
de homens incansaveis, que, n.'m desespe-
rando da perfeclibilidade da sciencia, se
teem dedicado inVesligago de remedios
quo possamalliviar a buuianidade de alguna
niales que a fllgem, o numeru das moles*
tias reputadas incuraveis vai de da em dia
diminuindo. Assim, adiar depois de lon-
gos trabalhos, de profunda mu lilaeao e
abastecido para melhor certeza o cuinmo- reiteradas ezperianoias, modicamentus que
do dos freguezes : voudo-se na na do Amo- nos lostituam o uso dos dous mais impor-
rim 11. 55 armazem do J. J. Tasso Jnior.: iate9 seill los Jo que |19 uotj0 0 homem,
Narua do Livrameuto, sobrado 11. 10,' quando estos jase achavam no supposto es-
se dir quem vende varias obris de ouro o tadode iucurabilidade e inteiramente per-
J,000
prata.
Carnauba boa.
Vende-se no armazem da rua da Moda n.
5, jnnlo ao trapiche do Cuuha, pelo prego
de 7,000 rs. a arroba.
Miu lezas baratas na loja pernambucana.
Ideas luvas de pellica para senhora com
mi' iie., o -s para homem, ditas sem in-
feiles a 1/000, para homons a 500, rendas
didos, be por caito um dosmaiores servi-
gos que se poda prestar a humauidade; eis
o que eslava reservado i um hornera pliilau-
Iropo da cidade de Braga, c.n Portugal,
cuja sciencia, cujo amor de seus sementan-
tes se teem feilo geralmenle conhecer. Os
remedios que ora oflerecemos ao publico,
uo enlrii'i na classe d'aquelles quo o avi lo
ousa lo chailatanismo inculca com rou-
Vendem-se silhdes inglezes, para mon-
tara de senhora : na rua da Senzalla Nova
n 42.
Aos amantes da boa pilada.
Ilap princeza superior de N. Meuran do
llio d Janeiro. Este rap h fahrieado com
todo o eshiero, conserva sua fotgae aroma
al o lim do bote, promuvendo a deslilagilo
sem causar verligens nem fenro nariz;
rzistem botes aberlos para mostrar aos fre-
guezes, e acha-se a venda na rua do Cullegiu
o. I, aoude lio o nico deposito.
AOS 10:000$ E 5:OOOSDERS.
O cauteliita Salustiano de A-
quino Ferreira avisa ao re.-.peita-
vcl publico, que a loteria da ma-
triz da Boa Vista corre iniprete-
11\ iluu'iih: no dia 36 le outuhro
do crtenle anuo, c eslao expostas
a venda os seus afortunados bilhe-
tes e cautelas da musma lotera ,
na praga da Independencia n. 4 -
lcjn de miudezas de I'orlunato J'e-
reira da l'onscca Bustos ; n. i3 e
j, loja decalcado do Arantes ;
n. .'7 e 3q, loja de calcado de Por-
to &c Companhia, e na rua da Ca-
deia do Becife n. 46, loja de miu-
dezas de Jos Fortunato doaSantos
Porto.
Bilhetes io,loo
Meios 5,3oo
Quartos a,(ioo
Quintos a, too
Decimos 1,100
Vigsimos 600
-- Vendo-sn muito boa cal nova de Lis-
boa, rece miente chegada, na rua da Mo-
da n. 15, por menos prego do que em outra
qualquer parte.
Fumo em folha,
de primeira qualidade, para capas de cha-
rutos : vendo-se na rua da Cruz n. 34.
Cal virgem de Lisboa
Chegada ultimamente, vende-se na rua
da Cadeia Velha n. 48.
Vinho de Lisbna
e bicos muo linos e do todas as larguras,' co desrompassados brados, e que ocre-
fitas de velludo para cinlus e pescoco do se-' dulo vulgo por ignorancia recebe na boa fe
ni oras, tanto lizas como abenas com II- e sem discernimento, achsndo-se depois il-
vcllas douradas o do madre perolas, ricas ludido; te.n, porm, de oceupar mui dis-
I ranga, de seda para palitos do seniuiras,. tiuclo lugar entre os melicamcntos quo
bengalts de canas verdaJeiras a 1/000 o maiores beneficios prestam ao homem:
outras muilas fazendas o gilantanas de constan; ellesda dissolugao aquosa deez-
goslo e proprias para a festa, ludo muito tractos de plantas melicinaes, de virtudes
barato : m rua larga do Itosano, n. 44 mu reconheci las e venlicadas. O longo
Fi I uso, as continuadas o severas ex^eriencia-
umo e charutos. 1 a quc por tods a pjtl, lcem el,oj si(lo sub-
Vendo-se porcSo de charuto cm clisas mellidus, sem ipieuma s vez hajam fallas
de 100, de 200, e de 1,000, do urna das mais doeni seus bons elfeilos, e desmentido as
acreditadas fabiicas na Baha, o lambem al- esperancas que sobre elles havia fundado
guns fardos de fumo cm folha, de boa qua- n seu Inventor. Iho teem granjeado cons-
lidado; estes gene os sao nuvos, e vendem- tantos erepelidos elogios dos mais sabios
so por commodo prego, na rua da Cadeia- e respailareis mdicos, assiin na Europa,
Velha, I ja n. 41. como na Amo.'io, que unsonos abonam e
A veuladeira a;oa de Seltz, em botijas' proclaman! Ma acg.ln -em re certa e benig-
vinda de ilimburgo, na escuna DaqU, ven- na. l'm destes lici -es lie destinado a com-
do-5C n vont'Jc :'.yj COSpTSuOr, uo csiiplo- Laier u molestias de olhos, a tem por prm-
rio de Domingos Alves Matheus, na tua da cipal virludp restituir aos orgflos da visilo
Nao ha nada mais barato.
Na rua'd Crespo, loja amarel-
lan.o, Vendem-se pecas decim.
braia de salpicos, muito lareag
pul i diminuto preco de 3,
3,30o ra.
Sebo refinado.
Na rua Oireita n. 59. vende-se ebo rtfi
nado, por prego commodo. -
-- Vendem-se 9 casas terreas, ha r,.
edificadas, na travessa da rua Aoioluf
ns. 1 e 3, em chaos prapiios, lirres edul
baragadas : a tratar na rua da Soledad ,
sa n. 42. C|-
-- Vende-so um rico realejo, com 5 ci-
dros, com campas e zakumba, comPOj.'r
mu variadas muzcasescolhidas, o u,i,ln!
perrouta-se ror um piano : na rua dan S?
res, casa do Sr. Tresse, organista, ou ni 1,,.'
da Cruz n. 34. ""
Vendem-se os ezcellenles oueiin.H.
manteiga do Serid : 110 becco 1 E
numero 4. Ja""
-. vende-se 12 travs de forro, do de at.
cellente qualidade, com 40 pilmus de L>
primelo e grogura sumeiente, e por orar
commudo : na rua do Crespo n. 10
- Vendem-se lingnigas do sorij,, .,-
fresis : na rua da Lingoeti n. 5. por bin
lo prego. "'"
Prensas para farinha,
Nalundic5o da Aurora em San-
to Amaro, eno depozto di mesmj
na entrada da rua do Brum a-
cham-se vend muchinas para
iuiprensar larinhadc maniioc, e
outras para espressS do olo'de
mamona, de urna invencao intei-
ramente nova. Os annunciantes
n5ohesitam em publicar, que es-
tas machina! de suainvencSo slo
superiores a ludo, quanto at aqui
tem app.irecido neste genero, re-
unindo agrande fr9 depresso
a maior.siinplcidade'deconstrtic-
9S0, e facilidade na operacao, o
que faz com que didicilmente se
possam desarranjar.
Vinho de champagne.
Vende-se o verdadeiro vinho de cham-
pagne, de ezcellente qualidade, ao preco
le 25,000 rs.; assim como de quali lade in-
ferior, muilo em conta : 110 armazem di
Urunn Praeger 6 Companhia, na rui di
Cruz n. 10.

Escravos fgidos.
Cruz n. 52.
Milho novo.
Na loj do Passeio publico n. 15, vendem-
se MCCa* com milho novo, por mdico pre-
co ; a ellas freguezes que silo btrat'S.
-- Vende-so una porg.lo de couros mlp-
dos, retina do angico, esleirs de carnauba
e um le'o .';.. de pared,pruprio para alguma
icpaitigUo publica: na rua da Cadeia do IU-
cife, casa 11. 59, a Iratar com Jos Dias da
Silva.
I.lcs para bordar.
Ven lem-86 ISes de todas as cores, da me-
lhor qualidade possivel. para bordar e para
tapetes, chegadss lecentemente a esta pra-
ga, e su vender por prego mais commodo do
que em outra qualquer paite, na rua dos
Ourteis n. 24, loja do miudezas, de Cruz &
Bastee.
Vende-so um cava lio rulado, muilo bo-
nito e bom de sela, cabriolet e cirro: oa co-
ser a n. 3, Ja rua de S. Francisco. Na mes-
ma anda recebe-so alguns cavallos do tra-
to, afliangando-se o melhor trata ment pos-
sivel.
Vendem-se camas de Ierro ,
proprias paia pesxqas solturas e
menores, i.ssim como pura enfer-
maras de collegios chegadas prxima-
mente, por preco commodo; na rua
da Cadeia do Itecifc, loj de fer-
ragens 11 4-i, de Thomaz Fernan-
des da Cunha.
Cal de Lisboa.
Vende-se superior ral de Lisboa : na rua
do Vigario n. 7, armazem de llego & Cum-
.iiibia.
Vendem-se barricas
Da melhor qualidade que apparece, ven-
de se em barris de cinco em pipa : na rua
da Cadeia Velha n. 46, escriptorio de Augus-
to C. de AlilCU.
-- Vendem-se lOcaixfiesde rinho, pira
deposito de assucar, assim como una ba-
lane.i decimal, Un Iliaco de laMliri oe jo-
mSo, com concha, crlenles e pesos de 12
arrubas : no Trapiche do l'elouriuho, que
achara com quum tratar.
Vende-se vinho de champa-
nhe legitimo e de superior quali-
dade em casa de Jafeller &
Compaa\ na rua di Cruz
55.
Fumo e.n folha.
Venden! -se. lano com muito bom fumo
em folha, por prego mais commodo do que
em outra qualquer paite; na rua do Auio-
rim, armazem n. 41.
peque-
as, com picgos americanos, pro-
prios para barricas de assucir ,
com loo libras, por prec,o commo-
do : na iua da Cadeia do Hecife ,
loja de Thomaz Fcrnindes da
Cunha.
Q Vonde-se urna fabrica de palitos com
todos os seus utencilios, muilo acrediUda,
ensinando-se a receita de fazera massa dos
meamos, por prego muilo mdico: a Iratar
na loja do sobrado da esquina da rua do Fu-
go ii. 10.
-- Na rua da Aurora n. 44, vende-se leitc
puro, das ni'.' as 7 horas da man lia..
Potassa a a^o rs. a libra.
Na rua do Apollo, arrcaiem d
assucar n. a B, de Leal Res, tem
superior potassa do Itio de Ja-
neiro.
-- Vende-se a padaria da rua da Aurora,
ou Sanio Amaro, com todos os seus perleu-
ces: na rua da Clona, casa n. 114, relina-
go. Adverle-se que eslu baslanto acredita-
da,o desmancha seis arrobas de farinha dia-
rias, em p3o.
2,500 rs o corte.
VcnJom-se cortes de calsa da meia casi-
mira, de muilo superior qualidado e bom
goslo, pelo baralis-dmo preco do 3,50o rs. o
n. corte : na rua do (Jueimado, loja do fazen-
das n. 6.
Cbegsrsm do Pars alguna fpouco)
ejemplares da ezpedilion dans les partios
centrales do l'Amenquu da sdl; do Itiu re i
Janeiro a Lima, el de Lima ao Pei, o por
Francia de Castenan, C vulumos; vonde-se
na rua da Cruz n. 20. J
sues l'uncgops; reanimar e fazer reippare-
cerem sua niural perfeicSo a vista, quan-
do esta estiv'er ffaca ou quasi exmela ;
comanlo, pc,r''m quo "-10 na1 cegueira
absoluta Conl desorganisscSo das partes;
iio monos utl' e enrgico he para destazar
s cataratas, df'ruiras nevoas, edepromp-
lodcbellar quf'iuer nflammag3o ou ver-
melhidlo dos ejlhos. NSo causa d-, nem
Mstimulo na paite
Outro liquido' roslitue a faculdade de ou-
vlr o sons ao uvido tcalo de surdez, an-
da que inveterada, urna vez que o mal nao
seja de iiascenrj-i sem causar em lempo al-
gum o mei or incomniodo ao duonte, e sem
priva-lo da cd"'*r ''m so 1S noaocios.
instkuccJ'ks P^RA USO DOS
^REMEDIOS.
O dos olhos ifrrjn-i do modo stguinlt:
O doente pelaSnanhaa, em j-jum, um-
hora pouco mais Pu miios depois quo era
guer-sedo loito, (Pmsr sobre a palma di
milo pequea porg^V d'aquella agua ; e com
ella mulha. hem os,oln0!,. fazeudo que al-
gumas gottas caiam SoD,e R-0-> oceular :
sem os lin.par, os colrssrvra molhados at
queniluralnieiite en,*uK"el" : ao deiUr-su
noitc praticar o me*"10 : duiaulo o lem-
po gue usar do romed'0 "''ara o Calar, a
acgodafmarja e o v*ill i '' abstinen-
cia do comidas silgadas\aiei-as. aduba-
das com especiaras. \ .
O rtmidio dos ouvdot ser i/V"""* a moio
i/iic se seguc .
O .lenlo pela inanhaa, u'"" "ota pouco
mais ou menos, depois do jsrguer-se, Binda
em jejum, far derramar dlr,> dos ouvi-
dos quatru ou cinco golas "'' nguido, U-
pandu-os uopuis com algo.l* 0I" """* *
iioilo ao deitar-so repetir a n"'sin opera-
flo. Durante o uso do reii,rt,li" evitar
espor-so, os nuviJos pnneipb'lmi"ltei sc-
gilo do color ilo vento, alio." do evitar
grande l.aii. uagilo, haveiil" cu.' I"('L) '
lulo mol
' -"-Y', ."o.v..... ^-w. .
lar m | s om agua fria ; nift",Bn^
lo devo alister-su de eooil ) >s salgadas
das o adubadas.
Estes remedios oslSo venda na bolft* do
liartholomi u Francisco de Suuza, nal rua
laiga do Rozario n 3t, nico depdsiUD em
l'ernambuco, pelo prego do 2,210 idjr> cada
vidro.
Alais barato nao he possi
Na taberna nova do aterro da I i i.
49, com a frenin pint vender os seguales gneros em bo
diaoleiga ingleza da melhor possi
rs. a libra ; e de qualro libras pajta rima, a
680; diti franceza, a 610; cha do melhor, a
2,400 ; dito a 2,000 rs.; dito prelp, a 1,920 ;
lem tres ombrulhus cliinezes a lObra cada
um, porOtO; vellas de carnauba de\c e 9 em
libra, a 3V0 rs.; sevada, a 100 rs,; Ibolacni-
llha mgleza quadrada, a 200 rs. ; lalri nh < d
Maranliilo muito alva, a 120 rs.; diva de ara-
ruli, a 160 rs.; bolachinha da ulesiin, a
4S0; ei viIha, a 100 rs.; eslrelinhai para so-
pa, a 400 rs. ; htalas nuvas, a 60 rv. i arroz
pilado do Maranhuo, a 80 rs. e swudo em
porgo, a 70 rs ; chocolate de Lisboa), a 320;
-- Desappareceu a 10 de maio desle nno.
a negra Joaquina.de naguo Cagange, que re-
presenta ler de 35 a 40 annos, ch"ii do cor-
po, altura legular, cor fula, olhos pequeos,
e com carne sobre elles; tem urna costura
de um talho na cara do lado esquirdo, po.
rin anliga que mal se percebe ; naril chai i,
falta-lhe alguna denles da frente sendo de
um e oulro lado, e he foia ; tem urna empin-
ge em todo o'rosto qua parece ser nnugai;
peilos muito pequeos e muidos; temil-
gunias cicatriios de relbu as eostas ; lona
as nadegas luvantadas para traz que miis
mostra quan lo anda;quando rugi linha ura
pe mais groaso ; Ijvou diversa roupa quo se
nSo sabe do mu usara ; he bem falanio que
par creoula; ltimamente esleve 04-
e s. <\ i,.' de r i-ioli;i ... I i'oi (i ir C'O-
uio anda quando foge cosluma an-
fr pelos arrcbaldes desta praga quilandan-
, lavando, offereceudo-se para ama.e lo*
tilulando-se forra ; qualquer pessoa que es-
leja servindu-se com olla na boa f.queiri
denunciar-se, e do contrario se usara dos
meios que Ihe faculta a lei : roga-se as au-
toridades policises, OSpitlM de cunpo, ou
qualquer pessoa, quo a prendam ua figim
prender, e levar ao seu s-mhor Domingos da
Silva Campos, na rua das Cruzes n. 40, que
ser generosamente recompansido.
lo,ooo rs. de gr.itilicicao.
Do abaixo assignado, morador na iui do
Crespo n. 10, fugio no dia 16 do corrente,
um seu escravo por nomo Hoque, creoula, o
qual reprsenla ter 45 aonus de ida-le, pou-
ca barba, foi vosti lo com caiga de caeiuira
preta e camisa de algodSo azul, e lem os
signaes segninles: alto, um tanto seccodo
corpo, cor fula, descarnado do rosto, olios
pequeos, e lem urna cicatriz em um dos
dedos da m.i'i por ter sido maxucadu pu-
jando uina travo, feio do cara, e coituma i
embreagar-se, cujo escravo foi do scohor
J'iiio IVurm Maciel Montiiiro, e he de presu-
mir que ando por aqui mesmo.vislo ter mu-
Iher e hlnos, ou na ilha do llamaraca donde
he I i I lio : o mesuioaliaizo assignado protes-
ta haver seu direito cunl'a aquello que o oc-
cuitar : roga-se portanto as autoridades po-
liciaes e capitaes de campo a captura do
nii'Mim. J e-e Congalves Malveira.
5o,ooo rs. de gratilicdcao.
Desappareceu de bordo do patacho nacio-
nal Paquete Ventura, um escravo, creoulo,
natural do Cetra, por nomo lenlo, coidos
:-:u ic seguintes I alio e bomla ligur, fu-
lo, p Ki -.i n. i lia, e essa rapada, con falta da
denles na frente, c urna cicatriz no rosto,re-
pre-enla ter 24 annos : quem o pegar quei-
ra leva-lo a borlo do mo patacho, aindiado
junio a ponte*do Itacife, ou a rua di dad-i
Velha, armazem n. 12, quo ror^bera a graii-
licagao cima.
De-aapareceu no dia 2 Jo coirenleas
MUTILADO
uo/i., a 120; cafe de caroeo, a 160 ; Iqueljos
novos, 1,440; inucinho bom, a 28u;\assim
como oulros muitos generes que so fear^Q
proco a vista doscoio^radoies.
Na.rua das Cruzes n. 22, soguudo acidar,
veudo-se una luida cieoula de 2M annos,cn-
goinmadcira, coas bou: chilar, tosinha e la-
va ; urna muala com as >-.iiesmas habilida-
des; una creoula de l'j aunos, recolbida,
Com principio de enr,ominar e cocer chao;
e urna dita do no anu s com habili.ludes.pa-
ia engen.io ou lra d a praga.
Gei so.
Vende-se;gesso emL -arricas, chegado l-
timamente : em caa di I. Keller e Compa
qoia, na rua da Cruz uW5.
i: -iiOI.ts-.ti. ida um [ida perloneeiilea Vi-
cente Ferreira da Costa, murador na ruado
Hospicio com armazem e escri torio na nu
la Madro de Dos no Recife, cor preta, bal"
xo, grosso, com falta de um dente m fren-
te, alguma cousa cmbalo ds pernas, pea
chatos e bicudos, parece sor creoulo, e re-
presenta ler 24 annos de idade, tem alguns
sUnacs as costas de nagilo, falla bem e des-
caugado ; levou caiga e camisa de liscalo
azul o chapeo de palha ; este prelo foi com-
prado na parahyba roga-soa lodas as auto-
ridades policaus, capiies de campo, ou
qualquer outra pessoa, a captura desle pre-
to, pelo que serS gratilicado.
Fugio da casa de Antonio Alves Bar-
hoza, no dia 8 do corrente, um escravo
creoulo de nome Jos, otlicial de carpina, do
malo, quo reprsenla de 25 a 30 annes da
idade, estatura regular, grosso do corpo,
pouca barba, rosio redondo, hombros Uf"
gos e pos grossos, falla muito descansada,
lenlo lias costas antigua signaei de castigos
que tem recebido em poderiio outros se-
nhores ; luvuu caiga de brisfie camisa nova
de algo Jilo da alna, chap/o de couro: ro-
ga-se as pessj&as qu delle liveiem nulicia,
do (Mein-no apprehendor e mandado 8 rua
do Apollo, armazem n. 30, onde se pagirao
lo las as desbezas. .
Desappareceu ni noito do da H uo
corrente mez, o prelo Diogo, de nagao Loau-
da, representa ler 40 anuo, pouco maisou
Hunos, lendo falla de denles na Ireuie, e pa-
dece de frieiras iusjs; este escravo ja es-
tove por muitn lempo no aeriao, e alguns
me/e, om um engenho do sul : quem u sp-
prehe-nder poden levar ao seu aenhor, na
casa do doulur Brilo, no aterro da boa-* is-
la n. 43, que sea recompensa lo.________,

PERH. : I'i'. UB M. F.
DE talla iSii-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EXG9BNWYX_KCC6O3 INGEST_TIME 2013-03-29T18:27:18Z PACKAGE AA00011611_03391
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES