Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03388


This item is only available as the following downloads:


Full Text
^r
Anno XXVIII
Quinta leira 16
DIARIO m
VBE90 a guaoaiaolo.
Paoimirto Adijliitado.
por trimestre. ............ 4/000
Por semestre. ............ 8/000
Por nao........i..... 1 V*>00
Paeon.Niao ouriiHEaiii.
Por '[uartcl............. 4/T>00
OTIOIA 9 DO 1 M F EIl IO .
Para.... .'! ilc Agosto Minaa... ItdeAgosto
Maranbao. ni de dito S.Paulo. 7 dedilo
Cear.... 14 dedilo R.deJ.. JC de dito
Ptrahlba lOJeSetbr, Babia... i de Selbr.
Di. Di limal. AVBIBWOlAg.
13 Seg. S. Aula. | Juiuoit Orpk&
M Tere. Exallaeio da J, e5. s lOborat.
S.Cruz. I. vara do civel.
15 Quart.S. Albino. 3. e 6. ao melo-dii.
16 0ulnt S I.ul.....i.i. taxenda.
17 Sen. S. As Gbagas j, e 8. as I o horaa.
de S. Francisco. | 2. tara do civel.
l8Sab. S. Sophla. 4, eaabadosao melod
I1' I imii 'i I .li-li. telaco.
rea da 5S, Virgein.JTercas e sbados.
[Cresce.te i 2o, a i hora e i miautd a urde.
Chela a 28 ai 4 horaa a mlnuloi da m,
llingoante 6, aa 4horaa 16 minutos da tarde.
[ifova l*| aa s horaa c 21 miuutoi
I1I1K1" db alOia
deSetembro de 1852.
N. 208.
PERMMBIJG0.
da tarde.
PrimelraaO horaae 51 mlnutoida mantilla.
'Segunda s 7 horaa e 18 mlnutot da tarde.
AMIBA! Oa OOBBIIN,
lia e Parahlba, ssegii.das e ititaa-
raa.
-Grandt-do-Horte a Victoria a quistas
felrai
nlto, Cantara, e Garanhuaa no l'e la decada
mez.
lores,Ouricurj.Exu e Boa-Vlata 13 28
>linda, todoaos diaa.
'odoa os Corrrioa parlemao melo-dla.
INTERIOR.
CORRESPONDENCIA DO PIARIO DE PEP.-
NAMBUCU.
Pir 91 rio agosto de 1859.
Pelo vapor passado nSo pude dar a V. S.
noticias desta noss lorrinha, mas agora
dtrei alguma consa do que lem apparecido.
Foi ditnitlido do arsenal de mantilla oSr.
Jos Antonio Campo-Grande, mostr das
obras, mandado de Portugal por el-rei D.
Joo em 1819 para tomar ronta dessas o-
bras, em razSo de no querer os pontos
com gente demais ou, por outra, nilo .que-
rer concordar que ollicia- s mortos percebes-
sem jornaes. Ja vi, Sr. Redactor, como an-
da esta reparltcKo. Quo injusticia do Sr. ins-
pector actual para com um l ni ni proho,
de 60 annos, bom pai de familia I deslas
cousas S'i pratica aqu, e o governo geral
conserva este excellenle inspector! He sor-
te dos Paraenses terem quasi sempre dcstes
chefes I
O Correio dos Pobres Ihn dar (amhem a
nolicia de no se ler reunido a assembla
provincial no dia 15 do crreme m-/, e
licou addioda para odia 10 de setembro
vindouro, por urna portara do Exm 8r
ex-presldente Fausto Augu-to de Aguiar, em
consequencia de no estarem conclu las as
obras que, pelo estado de ruina da casa em
que celebrava as sus funeces, foi neces-
sa'io mandar fazor na que se destinara para
o meamo flm.
na escolha d'um senador por I dito : porm, aquellas, que conhecem o ca-
Esso guipe, que abrangeor.icterclsticodessehroe, que perfeitamen
te s'be eaipregar ptimos meiosna condc-
elo dos seus boizinhas, ve nelle um verda-
deiro morcego, que assopra antes, e depois
de morJer-nos: isso nSo nosdee admirar,
porque he a tctica das aves sinistras e agou-
reiras.
I,i os Diarios de Pernsmbuco Ahogados pe-
lo S. Salvador sendo o ultimo dellas de 91
do crrante : em nenhum eocontrei ,a cor
ycia do Viveiros
esla provincia.
entre o coracUo do Jo Mariani, abilou de
todo o galvanisado cadver da Estrella, que
agora mais do que nunca mirrado pela no-
licia da volta do nosso digno presidente, fl-
car reduzido a um estado tal que nem mes-
mo podera sentir os choques maravilho
da machina do immortal Galvani. Sim, de
hora avanle ioutilisado para sempre esso
cadver, depois de em roda delln se danc urna fnebre macabra, deveri flcar seguro
um poste aonde em grande retabulo se
leiamaldicSo, execradlo publica a camari-
Iha bemtevi.-
O acertado passo do governo geral, lazen-
do vollar para esta provincia o seu estimado
presidente, lera sempre mil elogios, mil
bencSos. Assim, poit, dentro em punco te-
remos a conlinuacSo desse governo que lau-
tos bonclicios t-oux provincia ; desso go-
verno illu-l a I i ejusticeiro que, nicamen-
te guiado por si, soubn com tola a mole-
raclo levar-nos a esso estado do seguranza
individual e de psz, do qual ha multo nos
achav.im'is privados.
lie agredo, quo corro de boca em boca, a
apres ntacn por parto da Estrella, do J
Mariani para um dos logares da nossa depu-
lsado. Eso pretenciln, allias mu fallivcl,
nada honra aquella similor em sua qoaliili-
(lo de eminente chelo do partido, depois de
um lap iquc imenlo na onatnria : om to lo
o i'imi lie a queda do capitolio Rocha I ir -
pa.
Ocominendador Vivoiros fi'stejou no dia II
do corrente, em Alcntara, a graca quet-vc
OTICIA. tITBiaSIIlll.
Portugal Hde Agosto luatrla .. 3 de Agosto
Heapanha 8 de dito ISuiaaa.... S de dito,
Franca.. 8dedlto Suecla... 3o de Julho
Blgica.. 5 de dito 'Inglaterra o de Agosto
Italia..;'. de dito E.-Unldoi 24 de Julho
Alemanha. 3de dito Mxico... 3 de dito
Pruasia...3dedlto California IfideJnlho
Dinamarca H de Julho Chill. 9 de Malo.
Ruaaia... I de dito |Ruenoa-A. i de Julho
Turqua. 29 de dito Montevideo :> Ir lili
OAHBIOI BB ls BB SETraaBIlO
Sobre Londrea.a 27 'A por i/Ooo d.
> Paria, 3S
> Lisboa,lOOpor canto.
SBBTABB.
Ouro.Oncaa hespanbola.......;.... 29/000
Hoedaa de 6/400 ralhaa........ ti/unrj
de6#400novaa........ 16/ut'ti
* de 4/000............... u/000
Prata.PatacSeabrasllelroi.......... l/'i;ti
Pesoscolumnarloa............ 1/.'
Ditoa mexicanos.............. 1/80U
Car da Santa, cou com na ellos de tal surte i Francisco Ferreira de Alcntara llanos
inacbocadoa, que mi Ihe cou mala deaejos de Joo Jos de Miranda
pe meitcr n'out a Igual. U convento do Car- Suplientes.
nio, como talvet s.ib<, acha-ae eolio lo na me- Jos Rodriguea de ni mu Lima
bor praca, que temos, ao lado da qoal ae devi- .....ti Jos de Olivrira Lima
Francisco Rodrigues de Luna e Silva
Jos Joaqiiim deiouza.
80 EscrivSo Silvano dos Santos Lopes Castello
lira neo 1
VotacSo em separado.
Professor Alexatidre Jos Dornellas 80
lg I Antonio Symihronio Rodrigue* de Luna 80
I Tenentn Bernanlino ile Seona Das
sa o mageatoso monumento do Pelourinbo.
. U largo do Carino, clarldade d'uma la
de agosto, que talvez smenle aqu brilhe
feom lamanbamageslade.otl'ereceii na noite de j Ju.'zes de paa dos mencionados diitrictoa, os Padre Jos ionzio Gomes do Reg
kn TI I c 1 ii n inlnni 11 aaanar*! ion Ia (Ca m i > i > ., I ..*.... Ai* inlaa >il. lan 1*__:_-.__I ni__- fl_____a_
Outroi multoa cidadaos llvaram voloa para filo Jos Eustaquio Meciel Mouleiro
tava-ae aquelle, que se achava em frente d
loja de Mr. Demauiduas pequeas inezis,
cobertas por uma cousa, que me pareceu chal-
le, cotilinba alguns copos, e garrafas de cerve-
Esquecen-me dizer-lhe hontem quo a nos-
sa assembla provincial, em seu furor in-
vestigador e salvador dos nos-os interesses
bygienicos, pretende encommodar os restos
morlaes daquelles, que se acham enterra-
dos no cemilerio do Sr. dos Passos. Ha tres
Este vaporzinho nos faz conheccr como
anda a chefatora desta provincia ; e V. S.; jjj 7llccrihuio sensor':. grac"tanlo mair
lera a bondade doler as duas cartas quo quailto en) sua consciencl. elle franoaDen-
nelle estao estampadas, o enderessadas ao ,e juiegy, uma vordadeira cun/ia. Em
Sr. Jos Nunes Longra por Manoel (.tinca -l um grandB f,,s,im que deu o novo senador
ves Gil; o este Sr. chee de polica anida collCorrou gni|a numero de convi lados,
tem a constancia dse apre.entir candida-1 ,,ccn,0i porm poucoj u-nenliuns
to depulucao geral dos mais de Deudos servos do tin/.n-wr do
Aqu chegou o Exm.Sr. Dr. Joso Jo.aquim imp9ril, selor tap0nUeado.
da Cunha, e hontem tomou posse da presl- ToJil a populista alcantarense tomou par-
BOlt, te no regosiio que inhammava o Sar. Vivei-
OSr. Dr. Fausto anda quer conservar-se
aqui, e veremos se islo o coaijuva a ser
representante pelo para. A guarda naci- m
nal val as mil maravilhas. At foram quu-, ,. ,,,.,. terreno colocado em uma po.sic.1o inteira-
IIHctdOH alguns cscravos, entre os quacs' ,l)ou',lnc Parle <"p o grande Militan, da monle inolTensiva aos ares, quo na cidadese
um Joaquim, marcinciro, mulato, e ja fez cl|apada, a mili brava fera que os nossos ,s l|rin mindaoio antes de elTecluar a
servico oque he mais bonito. ser toes teem produzdo, aclia-sc preso, e, compra proceder umexamepor homens
O commercio osla para lo, ha muila falta' ***ani? ""> cu"sl. mul l0) s guranca.! d. sciencia, os quaes julgarao o lugar mui
degeneres, o os navios cstao sem ter o que E*sa |.i'saot mandada execut-r pelo Dr O. l .proprj,,,0 ao fin que a irmanJale tinh.
* Machido em seu ardento desejo de acabar em VJsUs. Pols bern ja |, vSo quas QUa.
A febre amarolla n3o nos tem querido doi- "?" ^ua""s "'"">"* l"". r eiicarro- ,ro ,nno3 da fudc9o tf0 cemilerio, e como
xar, e tempes guido os nortuguezos re- a;'a. oln,1 J"1 ^ Ppl'Ci. .o- entre a irmanl.de. e alguna bichos estrella-
riiii-e.iiiipe-tri-: por toda a parte havia urna
"mensldade di bandeiraa, e palmeiraa tiitrii,
.nue ollereciaiu o aspecto d'um acampamento, no
respondencia, que Ihe dirige pe lo Pn tense. \* em fi|iB dc ^^ acnaiI1p.!C oi ,.
julgoporem vista da datas.-pois este v.-r*,,, def0|0. e ,,, Era um courelo. mu-
por da que sagiu no da IO do corrente as 6',ic. a,,, edUC1Ddoa, de.ve em quaoto, abar-
boraa da Urde, qne inda nao era ahi chega- rotava os circumatantes com alguna pedacos
do. Com 9 dias do viagem um vapor ron- ji bastante aedicoa, do Btijo e do Paixio !:-
ceiro como o Paraense, nao galga nesti lem- tre lodosoagrupos, queenchiaiu aplanlce, o-
po, a distancia desta essa provincia. O S
Salvador portanto sahindo dessa cidadesem
que o Poraiije lii livesse chegado, deu-ine
bastante pena, porque gosto sempie de ver
o me servico em dia.
Temos lido com bastante aridez, at dis-
c i ciV'.s Je algumas habilidades nigromn-
ticas do celohre Herr Alexander: permuta
Deus, que elle d por ca unn chogada. A
nossa capital tem gente subVienle para dar
grandes lucros s um artista dessa qualida-
de, e assim, se vier, eslou caito, que n3o fa-
r debaIJe a viagem, alm de levar con-
sigo a gloria de ter gozado appliusos de to-
do o Itrazi!, do \orlo ao Sul.
Aqui paro; porque s3o quasi 8 horas da
DOUtfl, o forcoso me lie, gosando a excellen-
le la, que faz, ir assislir as pomposas vea-
poras de Santa Philomina.no Carmo.ede pois
amolar as canellas no soire, que da a Exm.
Sr.a D. Juliana Sona. Aniiinii.. continuarei o
meu Iraimlliii.
DIA 29.
ntem o magnifico rapectaculo d'uma festa quaes deixam de serem mencionados neate jar-
nal por cataren) naa competentes actas.
ELEICAO' PARA VEREADKRES.
Freguezia da Si de Olinda.
Commandante superior Joaquim Cavalcanti
de Albuquerque 188
Tennnte coronel Manoel Antonio dos Pbso
eSilva. 157
Tetioiit Chrislovilo l'ereira Pinto 131
ja, que de quando era vez, eram enchugados! }' 'ns l.ourenco Meira de Vasconcellos 127
' ia franecira, que cm cainapa, eca- f Orurgi3o-mr Francisco Jos do Amaral 122
Tonnle Hanool Diumzio Gomes do Reg
Alferes Antonio Lobo Alberlimde Miranda
llenriques 120
Dr. Manuel Joaquim Carneiroda Cunha 101
Major lii.iu Bautista da Silva Manguinlio 105
Dr. Antonio Tn-I jn de Serpa llrandao 103
Cirurgiao Bernardino Jos Serpa 9
Dr. Francisco de Salles /Vives Maciel 93
Capit3o Manoel Esteves de Abreu 90
Tenente Bernurdino de Senna Das 89
Artista lio de lieos V / Salgado 86
Rvd. Dr. Manuel Tiomaz do Olivejra
-aa ros, nao s por vere-n ..ello um fliho do lu- P'r f"'lt" ",,nPS ,rm mJT T'n,
ser gar camo utn preferido .o homem sinislro f030 So"lu,r' fompo.la da meUior gente
lo- J ggoureiru. I da nossa S0CleilJ,'> comprou nm pequeo
mu ii pelos
deiras se acbavam sentadoa em roda dell
mo lanibem pelos amigos e coohecidus, que
ahi se aproxlmavain. Kata sein cerimonla pa-
luscal, preaedida por um i la de prata, e e/-
fectuada pelo Deme.ux, t'ez-m'c lembrar esses
pequeos Coffi que ae observam nos buule-
tards cm Paris ; os quac smente bri visto noa
Cea i.oramas, e lido entre outros, no P. Feval..
E.'por r.iH.ir-llic em cosmoramas o Domingos
I rilnm patenteou gratis, aos fregueza na sua
loja da ra Grande, um aemelhaute dlverlimen-
to, que nao deixou oe aeragi^radavel. O Soicr,
que deu a Exm. Sra. D. Juliana Serra, esteve
auflriveliiiciite concorrido : danearam-seSqua-
drilliaa I Scholichs. e I \calca ; nesta ultima
brflbara o Secundiuo ; ao passo que mais doua
prepinantes: que ae atreveram a fazer-lhe con-
traate, espicnaram-se redondamente. O da c
anoitede bootein foram portanto completos.'
a noticia da volta do Dr. Machado, e as ves-
poras, de Santa Phllomena, bastantementealle-
garam a nosaa ponulacao e >iuda inais.aquellea
que gozaran, do Ja fallado Aoire aonde alta-
mente se revelou o caval.ielrisco e urbanldade
d'i .Vi. capto Joaquim Burgos, frilho da Bata.
Sra. D.Juliana) lncaosavtl em obsequiaros J-"P"tao francisco Lutz VirSe
seus amigoa, anda nieiino quando oceulte de-j Capitio Francisco do R 'go II
baixo de alegre semblante, ador d'aquelle. que JoSo de Carvalho Siqueira Ju
suffi i ni cruets saudades. Basta por agora.
Acha.n-se ancoiadas neste porto 17 e.nbar-
caedes mercantes, e ? vaaos de guerra, o Ailo-
i ni/ni, e o Tapariea. A mortalidadc desde o dia
II a 24 do corrente, anda por 20 pessoas
WsWtwmmmmmmfWBmmmsw****^**^
laepartic3o da polica.
DIA 9 DE SETEUBHO.
Illm. e Exm. Sr. Das partes reeebida
nesta repartirlo, des le o dia 7 al hijo,
consta terem sido presos; a ordem do sub-
delegado da freguezia dos. Froi Pedro Gon-
(aives, o inglez william Baires, a reqoisicao
do respectivo cnsul; ordem do suhdeio-
gido|da freguezia de Santo Antonio, Manuel
Alves, sem declaracao do motivo, e Salva-
dor, o.era vti por stisprilo ; ordem do sub-
delegado da freguezia do S. Jos, o portu-
guez Jos Biptisia de Couto, para averigua-
efles pol ci-ies, Antonio, escravo, porebiio,
e Maria, escrava ile Antonio Helio de S Mi-
guel, pur andar fgida ; iujl"in do subde-
legado ila freguezia da Boa Vista, Julifio, es-
cravo de D. Candida Lasserre, por desorden!.
Dos guarde a V. Exc. Secretaria da noli-
cia de l'.u na nliii-u 9 do s tomn o de 1859.
ga, iiiui. c Exm. Sr. Dr. Francisco Antonio Ri-
Capitao Antonio Joaquim e"Alme"ida Gue-; jro, preildenta desta provincia.-.Jos Ni-
dos Alcofora lo gt! colao lltguoira Costa, chele de polica inte-
PERNAMBUC0
nio protege assassinos,
Indi i ule
forneco nocivos
administrado da po ira entregue a urna lro_nrSo UrJ.rl mulo quo na essembla
Pimenta, que s usa della para se,, m eres- .,.,,,, ..,. boca ,lo Barradas, esse gros-
so particular ; mas Dos no hade a ,.dar e M / chvloidinic., faca ao
do Coeue e MililSo, aeus seci.no, ou antes miasmas aos pblicos vutmots, como uisse
todos O di.i WMlar W*" verdaderas tn.eni.as deeleicrtes c ass.ssi- um dos saus oradores, c.mo lamber pnr-
^rirSinhmL "alos- *B<"em m* oportuna, mo- que _0|1 fo,ca oorrwln da malaria ni-
os lembramos que muito breve teromos a vjll,g p..,a u,..slra dj.eocjo do hornera sinis- mM e,, pulrefacc;lo! vai esta viciar as
foute. do A.uejrn. q ic dislam daquelle ce-
milerio para mas de 400 bracas e aclla-se
vi.vloidinici, laya ao collocado em urna outra posic3o, e tem por
W-Ata'Xrahar ^LSTJ^SSSmV^^ ,U ".f0,,ne" inlerpellacoes a favor origaillf umM.tTiauU Hvre i.iteiramenteda
Pimenta, murcl .r perde c 'pu r'u8d-a*e acelerado, como a pooco acalioo de o Ilfluencia nociva, que polesse tero comi-
dentrodoumMd o com v nagft P sal. J r*r a foai-or do Cqu-. Antonio Ber.i.rdo e lerio. Fciizmenl para nos, cima da as-
te aorta lio aoeum v,geiaii.^. Dt-s Carneiro. Qie vergonhi Uma as- se,i.bla provincial, est a sancco do presi-
Parte neste vapor o Sr. major (A0"S" ^'sembl, mostrarse delTensoia de hom-ns Uenlc v
*i^qUr?.r.?U.Le f';".0.!""," ...!./ .h,* >> ferocil.de e atrocidades eSP.ot.D, No DrigUe eacun. dc guerra AduH,a, ulti-
Pelo vapor Ool/lnlio narrei-lhe Circumstan- mmente obagado desse porto, succedeu vir
ciadamente esse faci o uniro talvez que como iiiaiinhe.ro, a poucorecrutado, um por-
neste genero so possa nolar nos atinaes das tuguez dc uouic Manoel Ferreira da Silva Ju-
bandallleinis narlamentires. ; n.or : o cnsul de s. M. r.dcllissitiia apenas de
com lian* de dar educac3o a seus Ii los,
puis que aqui nBo o |Je fazer.
He, Sr. Redactor, o que o lempo nos per-
niiii" noliciarlhe.
Com a ch'gada do Dr O. Machado dese-
tal tere noticia, dirigiu ao Exm. Sr. vice-pre.i-
dente uma non reclaim.ndo incontinente, a
ELEICAO' PARA VEREADORES DA CMARA
MUMC1PAL DOlttCIFE.
t'reguetia dos Afogados.
Tenenle corooel Manoel Joaquim do Reg
e Albuquerque 522
Francisco Lulz Maciel Vianna 500
r. ii ti de Capibaribe 5oo
Frafnci.cn Mamcde de Almeida 5 '0
De., Franciaco do llego Barros Brrelo 4'3
llr-Cnaine deSPereira 58
r r/.noi io a. ...uii.w.iu .-*
l-'r iii'i.eo Baptista de Almeida 300
bernardo Antonio de Mu aml i 200
Antonio Jos dc Dlivelra 2oo
Gustavo Jos do llego 150
Joslino Perelra de Farias 100
Rodolfo Juao Parata de Almeida I (Id
Joaqoim Canuto dc Figueiredo 65
Joa Maria Freir Gameiro 50
llr. Jos Antonio dc Figeiredo 48
Jos Koberto de Moraes e Silva si
Jos Uigino de Miranda 41
Dr. Fillppe Carneiio dc Olinda Campello II
Joao Francisco Bastos 26
Jos Rodrigues deOliveira Lima. 26
E deste numero para balxo outros muitos ob-
tiverain votos
Para juizes de paz.
Prrmero dj/ric/o.
Major Miguel Jos Teixeira 81
Teu-nte Jos Eustaquio Maciel Monteiro 80
Dr. Umbelino Ferreira Cat3o Ti
Professor Salvador 11 nrique de Albuquer-
que 79
Tenentn Antonio Joiquim Rabcllo Pessoa 76
Manoel Cavalcanlt do Alhui.ucrquo 50
Collector Francisco ilas Chgas salgueiro 46
Dr. Antonio Hercitlano de Souza Baudcira ii
Capitao Francisco Luit VirBes 21
Barros 19
queira Jnior 15
Alferes Francisco Podro Celestino 13
Capitn Antonio Bernardo Ferreira 13
Dr. Candido Jos Casi lo Lima 13
Artista Trajano Felippe Nery de Bsrcel'.os 12
Teuonte Felippe Manoel de Cliristo Leal 12
Dr. Manoel Ferreira da Silva 11
CapitSo Jo3o Ciincalves Rodrigues I i .i n ;a 8
Alfares Jqs Nuues de Paula 7
Professor Alexandre Jos Dornellas 6
Dilo Jos Ireno da Silva Santos 6
Dr. Folippe Jansem de Caslro e Albuquer-
que 5
Conegocura Msrcellinu Antonio Dornellas 5
llvd. Dr. Joaquim Francisco de Farias 5
Alferes Candido ^c Serpa 4
Coronel Jos Joaquim de Almeida Guodes *
Vicente Ferrer da Silva Braga 4
Dr; Muo Ayque dc Avellut; Anncs de ritto
Pharn.aceutico Jo3o Soares Rapuzo 4
Francisco das dianas do Rozarlo 3
Jos Ferreira Marinho 3
Miguel Arcliaujo do Barros 3
Judo Pesaoa Cavalcanli Cezsr deM>'llo 3
Dr. Manoel Joaqun, de Miranda Lobo 3
Tennuo Jos Bernardo de Souza llangel 2
Francisco Candido das Chagas i
IVnveiiiiirn do Moli Castello Branco 2
Alferes iManoel l'ercira Itr.in 1.1 > i
EmpregadO publico, Manuel ZtOsTiea da Sil
Marniiliilu 28 de agosto de 1852.
O vapor Bahiana, que desde o dia 24 do
corrento devra ter chegado, entrn boje
pela volta das... horas. Ofliri .Imenlo consla
que essa demora fra causada por desarran-: he sustentar essa marcha decidida que tem
jos que a machina do vapor solTreu ao che-j tilo com a perseguirn .los aisaaslnoa
garaoPar: parlicularmonlo, porm, consl Honra, poitanlo, a aquellos que souberam
ta que fra a falta de carvSo quem a moti- jliherlar-nos do punhal assassino.que tilo ou-
vra. Chegou tambem hnjo. proco lente dos jssdo predoniinava tiesta trra, que ja nao
portos do sul, o S. Salvador, que Irouxe-
nos a lista das promoctVs n dos agraciados, porm sim aonde bramii o hacamarle.
como tambem a importanto nilicia da pr-
xima volta do Dr. O. M-chado para osla pre-
sidencia. Apenas sem Ibante noticia s 1 di -
vulgou, un nc Malamente nulou-e geral re-
gosijo, apesir do ilrsapomamentn d'alguns
estrellados que, cabishaixos, cada V'-z vem
o brillio do seu astro ir tapidamente cahir
em uma nolta talvez eterna '.. Inda nflo b
jamos lam).0111 a do Dr. Fernandei Vieira, pc0'a ja,,uelle Ferreira da Silva ; c lia vendo Tcncnte-coronel Manoel Joaquim do Reg
o digno jtliz municipal ile CaXiaa. que tan- iS Ex. rcapondido, que nao o poda excusar do e Albuquerque
tos olios merecen da Eslrelia, por ser elle servico ae... author.sac.o, que naquella occa- Major anacleto Antonio de Moraes
o perseguidor das feras daquella cidade. sio passava aolicitar do Exm. Sr. ministro Francisco Luiz Maciel Viauna
Hoie em ilia 0 primeiro cui lano do governo da inariulia, o Sr. Ilocbai'antos, quo ba lempos Tbeolilo dc Souza Jardlin
a casa parle, iusuflado por algucm, tem dado SBpaitMfM.
para diplmala, que causa rncsiuo espanto aos Christovao de Hollauda Cavalcanli de Al-
3ue se H n 111 ni enl'ronhados na grande arte buquerque
os Melleri.iobs; replicoiao Exm. Sr. vice-pre- Severioo Henriques de Castro Pimenlcl
sidenleHlronlionifo aquella decalo, que nada Antonio Goncalves de Moraes
menos iniporivaa doqucum manifest formal Jos Joaquim Umbelino de Miranda
pareca ser aquella sonde cantava o sabia, de querer romper com essa amisadc, que felit- Segundo districto.
un o ir reina entre aa duas naedes e nao contente Bernardo Damiao Franco
con. isso, o Sr. cnsul, coocluio dando couselhos Jos Fraocisco do Reg Marros Jnior
Jos Passos. depois do esgolar a mina da in- ao Exm. Sr. vicepresidente, que replicou a JoSo ADasiacio Camello Pcsioa
triga aliffl de ver so Consigui, a remollo do i.oia.-quebaslanle cheiraavacstvllomor.- Manoel ..laud.o de Quelroi
Dr. O. Mac'iado desta presidencia, acaba ile
rliia com a neccssarla preciso, que o caso
eclarar, que sempre fez jusjica aos mere- f rc?#"H"0,ji |he nd
declarar, que sempre tez justica aos mere-( ,-ollloja |he ndiquei. hontem leve lugar as
niiiouln. re S. Ex.* : e quo o brusco romp- p0lnpOiaj yesporas dc Santa Philomcna, na sua
ment da Estrllalo nicamente obra do capehuba erecta no convenio do Carino.
J. M-riani o Maia : do que n3o turna elle a igreja acl.ou-ae esplndidamente ornada ; 1
muitos dias solfreram elles o golpo da der- menur responsabili lado. Qu m nSo conho anuencia dos devotos ful lamanha, que este seu
fe.en-iceoJo- Pas-OS podara dar-lne aUnm^r- criadojia 5ua_dcvocau_em .|iierer_lieij.ir_.
BBJ
ruta do Jos Mariani, operada pola 1
saaii s.i..... ..
FOLHETIM.
0 CONDE DE C.\H11.\G\()L\. O
(POB MOLGENTILIIOMMB.)
SEGU>DA PAHTE.
Mli.
I) campo de Carmayula.
Eta um* noile snnibria, srmelada aqui c co-
la de alguinaft paludas (".irclUs. Toda a nalu-
n ti pareca ailorinrcld, ncuhum iniirmurio
ae ouvia no ar, nem soquer se escutavam rsses
suspiros queixoso que eihala o vento aliavcs-
sando a Horestn ; cinlim, por (oda a parte rfi-
nava a linniobilldade o o silencio.
Todavi de eapaco a espado perceberiets que
grandes sombras brancas e certos claides aver-
inelhados penrtravsm cm distancias desiguaes
na obscuridade do campo. Um ouvido aiteni')
icri percebido tainlieu. susurrar, no fundo des-,
sn calma lio perfeita, um como dcsabafameato
inoDolono e regular da respiracau humana.
Kssas sombras nao eram outra cousa, senao
Venca, a dcsconliada, com u lim de velar sobre
todos os passos di* general cm chrfe, e dir uma
couta exacta delles ao seu governo.
Senhores, diisc Francesco Ortinl, ninguem
aecusar por crtto a algmn de nos o termos sa-
crilicadoa occ-siao dc vencer a um senllmenio
de prudencia excessiva. Mas tambem devenios
julgar as cousjs como sao. O excrcito miline*.
esla algumas inilUas distante do nosso, e foi a
srus ollios, que oceupamos, lia nito das, sem
dt'scmbainhar a espada, a aldcia de Mcalo.
Era essa uma provocarlo bein franca c bein for-
mal, por ceno..... e, todava, este eiercilo
conimaiidado por horneas como Angelo de la
i'eigolae Hrancesco Sforsa, case excrcito com-
posto desoldados formados ou'r'ora pelo con-
de de Carmagnula, lem peimaiiecido calmo,
iinmovel e decidido, segundo toda a apparen-
iatMiaoi aresolugao de atacarmos amanha
as linhas inimigas, como no-lo prope o nobre
conde de Cannaguola, seguiramos um parecer
lo arriscado, que jdc antcino apresso-ine
em declinar a sua terrivel responsabilidade.
* E qual he vosso parecer, perguntou Car-
magnola a Micheletto Atteadolo ?
O inesmo exactamente.
E o vosso ? principe de Camerino.
Digo que quando a victoria uo he abso-
lutamente segura, conviu nao teata-la, quau-
tl 1 ao contrario, se nos inoslra vlsivelinente
duvidosa. Se vos louvardes em meu parecer, o
combate ser espacado para odiaute.
(Jarmagnola n.io deu a conhecer nada em seu
rosto percorreu rpidamente com os olbos al-
gumas combinacoes estratgicas tracadas sobre
o papel que tinha diautede si, depois rompen-
cla, uo s a guardar a sua policio, emquanlo | d
estivennos em sua presenca, seno tambem
in:i.' teularo ataque o evitar o comb*le. Par*
que esta inaeco, esla reserva iucxplicavel t
^o vedes que os Milanrzes conhecem melhor
doquensesle p^it e seus terrenos pantano-
sos? Se elles nao provocan, um combate na pla-
nicie depois d-i allroiita port|ue o litemos pas-
sai, he porque ha perigo cm fai-lo... Km urna
pttlavra he porque m>s annam urna citada de
que meus couselhos proooratn livrar-vos.
As palavras de Francesco n mui, disse o
principe dc Mantua, exprimirn, o meu pensa
ment. Os Milaiieaea procuran ser atacados, c
Isto he urna raxo dc suba para que datemos
de ollereccr-llici cmbale. ...
As burdas du Oglio cstao sempre hmidas de
.......... 1.11.... -......................... ...... .........._ B -. .
as tendaa dos generaes s ordeus do conde de Jum vapor espesso que turna o solo quasi ini-
Carniagnola, e esae susuko apenas o reso ar [pralicavcl. E-colhaiiioi outro terreno, e lance-
de um exercito inlciro, deitado 1.0 chao, c dor- Ju.os uusadameme a luva .inossus adversarlos,
miodoenlre-dous combates. jque sem duvina lio de Icv.uia-la, e nesle caso,
Lmquanto, porm, os soldados procurava.n jco:n o favor de lieos, olcaocaiciiioa para a re-
no repouao novas forc.s para a balalha, os che-
fea velavam e cuidavam noa lucios dc assegu-
rara victoria.
Sora ineianolie, c aluda uurava a conferen-
cia enlre Carm.gnola eset-s ojudaniea, enlre
08 quaes nolavarn-se os principes soberanos de
Mantua, de Faenaa e de Caincriuo, o llore mino
1\nliillin Micheletto cl.arri.10 Alleiiduloi rran-
cesco Oralni, general ta.bll, que aoria Cin
publica mu nova vicloria.c para nos um novo
Ululo de honra. Esperar e observar, creio que
deve ser esta a a ... i linha de coaducla.
O priucipe da I' nii/.i fillou no memo senli-
do, c Kiiluiii acrescentou :
Toda a c.vallaria do duque Filippe, se-
nhores, fi parle do corpo de exercilo que te-
mos a nossa frente : ora, longc de miui o pen-
samentodc proclama-la invcuo.vel, porm nio
Impaciencia qualqoer auperioridade, eoprocu-jvoa esquecaiaque anda por alguna meses, que
1 .dor Uso Sl.ooiietta, enviado ao ejercito por Ja nossa se .cha enfraqoeclda, e que a eplioot.a
I que ae declarou enlie ella cootinua exercer
( ) Vlde BiViio n. S07. "aa devastacOei? Peuso, porlaulo, que se lo-
aia
Amaiiltaa noa bitere.uos, aenliores /
Pois que .' bradou Ursini, a cujo rosto as-
.'iiii 111 o rubor apeiar de noasas observaedes ?
Contra o parecer dc lodos t ouservou pla-
cidaincole o priocipe de Mautua.
E quando assim fossel inlervclo nal.ncn-
te o procurador ligo Simuneita, que at este
ponto se conservara calado, que ha nisso que
vos possa sorprender f Para que tr.umpbc uma
emprea, ser preciso que passe previamente
pelo crivo de ...II cerebros dillrentes? Dever
lamben, ser repulida tn a porque nao oble-
ve a approvacao daquellcs que a uo concebe-
ram? Uestugauai vos, senhores. Sasvonlades
lirn.ea eaeculam as grandes couaas, e a unida-
de no ni nuil he a ...ell.or garantia de un. xito
feliz. Ora. quem co.mnandaaqu, c oque alu-
da he mais, quem he o mais d.guo de cu mu. n-
I11 .Vio he u conde de Caruiagnola l tjuem
arrcbalou a nosso Implacavcl iuiuiigo, .llonte-
cliiaro, rci, Pouloglio, c as oito fortalesas de
tresela? Ojietu, precipitando a Viscouli do
grao fabulo.o de graodeza a que a principio o
elevara, soube preparar para a repblica de Ve-
neia um inagu.lico pedestal de todas as ruioas
desse urgulho espeda(ado ? .\ .u fai elle, e s
mente elle r. ... Acredilai,
eslandaite est em suas cures
Hilen. 1 na freulc dc ui exercito he o qoa
torna impoilinte uu luve.icivel, porque he o
symbolo dc un. general, de um chefe, de um
liuiiniii un iliin-iiii', c purcsie Itomem, segundo
he marcado com o sello fatal ou divluo, lorna-
mo-nos fortes ou fracos, triuiuphaiuos ou ven-
va Draga
EscrivSo Jos Antonio Ser. n
Luiz Alves lligor
Arti.-ta Thomaz ila Cunha Lima Lantuasia
Momo 11 U0111 do Proa Peieira
CapitaoJoO Kantista do Am.ir.il
Padre Joaquim n'A-iiumpc0u
Conego Juo Ueiieuuuem Maciel
l'haruiaceulico Braz; Maciiado Pimentel
l'adro Graciano Manoel do Araujo
Jos Huberto do Espirito Sauto
i'adru Jos Uionizm Comes do llego
Jos Manuel dos Santos
IIIEM f)0 lili ju.
Illm. e Exm. Sr.-as partes hoja recebi-
das nesta reparli^fln, consta que foram pre-
sos ; a ordem do subdelegado da freguezij
deS. Fre Pe Iro Goncalves. os americanos
J. YV. Johnsom, Charla! Ilknaf, Eluardu
Fsaulay, e os inglez's James Bonelly, TI10-
mz Fluad, John Burrouf, a i-nquisicjio dos
seus respeclivos cnsules; urdem do sub-
lelegado da fre^uetii da B01 Vista, JoSo
Bapusts Cardozo. por insultos feitos a sua
111 1. 1'11111 a-, o Mino il Jos ile S nm, por
olens-s physicas ; a ordem do subdelegado
da freguezia da Varzna, Joaiuim Francisco
pa a avenguai;0es puliciaes.
Dos guarde a V. Exc Secretaria da pnli-
cia do Pernanihuco lo de solonibro de 1852.
- Illm. i' I a n Sr. Dr. Krancisco Antonio Ri-
heiro, presidenta desta provinciaJos tvi-
colo Kigueira Costa, chefo de polica inte-
rino.
DEM DO DIA ti.
Illm. e Exm. Sr.--I)as parles ho]e tecebi-
das nesta repartilo, consta terem sido pro
sos ; a ordem do subdo egadu ila freguezia
da llua vista, Jus, e>cravo, a re'iuisicBo do
seusenho', Eloy da Cunha peroira,e Tneo-
dora Maria da Cune, ieo, pura corrercAo.
Deus guarde a V. Exc. Secretaria da poli -
:'llfm.'erGxniNf.'V/\lrS.KnPJnteS,L^T
beiro, presidcnlo dcst rovinciaJoa. m-
colo lligueira Costa, chefe de polica iate-
riuo.
w
DIARIO E PERNAX6UC0.
flECIFF. 15 DF. SETEMBflO DE 185-2.
2 Chegou i.oje dos portos do norleovapoi
i Bahiana trazendo-nos jorna.es do Para com
- datas al '21 do passadu, do MaranhSo alo
'i i9 o do Ceara al 7 do crranle.
i Asearlas dos nossos correspondentes naa
i pruiii'ir.is das innnciouadas proviuciss dis-
pensani-nos de dizer mais '. :um 1 cousa so-
i hre ollas, e por isso limitamo-nos a Irans-
i crevero seguinle, quo extrahimos do Tre::
I de i/11 1 ile 7 do pnssado :
1 1 Para. fio dia 31 do passado enlrou
1 oeste poitoo vapor de guerra franroz Styz
I vindo do Cavonua. Veio do passagem nesta
Supp lentes,
los Paulino de Almeida
Simplicio Rodrigues Campello
Francisco Antonio de Figueiredo
Jos Maria Giraldes.
Terceiio districto.
Manoel de llollaula Civalcante c Albuq.
Manuel Joaquim dos Passos
celtios. Purvenlora uos dao cuidado Angelo de
la Prgula, bforza, os seus inclino, soldados 1
l'.ii's capilea, taes soldados podia... sem duvida
parecer lemiveis, quando Francesco Carmagno-
la r iininli iv i sua frente, se, porm "
com vosco, que temis ?
Ero oa olhos do piocurador pequeos e bri-
Ihantes, ...ellidos na superficie da rbita, e
lim: iv mi desa.s r.ios agudos cuja aeco peue-
Iraute he ilillicil evitar, li-iscou descorliuar na
physionomia do coode o elleilo que acabava dc
produzir nelle urna oraco to iisongeira. Es-
sa idn.i 11.mu 1 porem babllualmenie severa
e fra, pareceu-lne nesta oeeaiMo mais inaul-
mada que o marmore. O certo he que Car-
uiagnola mi n ii i-si quasi lo iriccucivel ao elo-
gio, como a censura, e que um longo habito
de mando o collocura acuna das l'raquccas do
amor proprio, algumas vciea lo lii.es aos
homens utais disliuclos.
Quando simonctla acabou de fallar, o prin-
cipe de Mantua proleslou plena confianca em
Caruiagnola, c rranecsco Orcini, se be... que
seu orgull.o podesse peiseullr-sc, arliculou
com dllhculdadc a mesina arguranca. Toda-
va a.nboa julgiram do seu uever insistir cm
sua opinlo, sendo que o principe dc Cameri-
no al apoiou a sua com um ultimo argumen-
to.
As ultimas chuvas, disse elle, de tal mo-
do dilulra.n a Ierra, j hmida dc al lucarna,
que quasi be iu.possivcl a un. humen, o mel-
HT-. us pantanos que cerca... o campo sem
comprometer a aua vida. I'oinai lenlo, cou-
de, e se por ventura nao vos den ni o uiedo de
urna derrota, conlenha-vus ao menos o temor
de expor Intilmente a vida dc uossos solda-
dos.
Caimagnola como que rellelio um momento
e urna auxiedade vis.vel se dcbuxou ero lodos
os rsios:
Agradeco-os, cxclatnou nnalinente de-
pois Je alguna inluutos de silencio, os exccl..
lentes couselhos que julgastes de voaso dever
dar-me. Asseguro-vos porcm, que ncoliuina
Acredilai, senhores, a forca dol das razoea que ouvl, pide mover-iue a modi-
Si.u, a cor qu|lcar meus projeelos. Por lauto, seuliorcs,
amanha uos luvemos de baler.
Citas ultimas palavras foiam pronunciadas
de modo que nao adu.itliam replica.
Uabiluados, mo grado s suas velleidades
de desobediencia, a curvarcm-se a estJ vonta-
de de ferro, os generaes i.iclluarain-se cm sig-
Corunel Antonio Jos Victoriano llorges da emharcacSo o general Balivi.n, ex-presi-
1 denlo da repblica da Bolivia, que seguio
Fon seca
Couego Bernardo Ilaymundo de Soua Ban- kiagein para o Rio de Janeiro na barca Para-
deira 1
Tuneule Bernardo Joiquim de Azevedo I
EscrivSo Fiaucisco das Chagas Cavalcanli
Pessoa 1
Antonio da Silva B aga 1
Autonio Ignacio d'Atnandula 1
Dr. Eduardo Soarts d'Albugaria 1
Conego JoSo dos Santua Fragozo 1
Edipregado publico JoSo Cilicio Prospero
.Moiilanlia 1
Professor Jos Policar, o de Freitas 1
nal de obediencia c sabiraui a passos lentos
Ugo Simunetta inclinou-se iu.hs do que lo-
dos, c retirou-sc por ultimo.
Carmagoola apenas licon s, acabou de Ira
car .10 papel o seu plano de balalha. Ao cabo
de urna luna pouco mais ou menos chamuu
Bramante.
1.1 un me appareceu.
Ests [i' ni. 1 ?
a Eslou, general.
O que lena na mo .'
Duas cousas que supponho nao serem inu-
lels. A prineir. he unta lantcrna.....Ol tran-
quillisai-vos, i.o nos hade Irahir. Abre-sc e
feclia-se a coutento..... A outia he um baslo
i|ue nos hade servir para evitan..os os terre-
nos humidus e lainacenlos. Cre.o que vos le...
braes, que j en. uutra .tulle, quando lizeiuoa
urna excuisao a queile agradavel pala de rans,
(busos obrigados a corla, um insignllicante ra-
mo de canico para nos guiar. A prezenie po-
rem he leda em bosque dc azevinl.o.
ion. bein 1 parlamos.
Era urna l.ora depois de meia ooite, c a som-
bra se linlia tornado iiicnus espessa.
Car.naguola c seo liel ltraniai.lc l'rauquca-
r.tin as diversas liohas do campo, meieram-se
na planicie e deuressa-gaoluiain na pantanos,
i|ue pela ultima vez vizitaram circu.nstancia-
daineute e con. a mais escrupulojaalienco.
IX
A balalha di Uacah.
Havia oito horas consecutivas que durava o
comlralc lerrivel c deci
nse, onde deve representar a sus nacSo m
Con capilal do imperio. Dizem que o fim deste
congressn he oceupar-sa da questSo da li-
vre uavcgafSo dos rios, que percorrem o
territorio da algumas naces da America,
como o Hio da Prala, o o Amazonas.
11 iilum chegado a Cafeona cerca do dou<
mil deportados franco/es, duzemos perton-
cem a calhegoria dos pre.ios poiilicos, em o
numero dos quaes contam so alguna ht>-
Se bein que a ac9o esteja rmpenhada e seja
Impropria a censura, tudavia, general, disse
Francescu Ursini, nao vedes que iminiiii In-
sudadas as nossas hesltaces ? He endent
que os ponanos nos atrasa.. Obrigados a
concenliar novbs esforcos sobre a graudc cal-
cada que conduz aldela, nao podemos, nem
ilcseuvolver as noaaas alas, nem envolver o
niiinigo pelos flancos. Desde o romper do di..,
que os nossos archeiroi fuieui prodigios de va-
lor, odia porem declina, a cavallaria inilane-
xa forma na retaguarda urna reserva frescae ter-
rivel..... Conde, l'azcndo urna sabia retirada,
nao lie teuipo de salvannos de uma deslruifo
certa o exercilo, cuja guarda nos foicoiuuiet-
tida l
Huma retirada! exclamou o conde com
ummoviiuento de sorpresa e de Indignaeo,
nina retirada quando be ceno o ganho da ba-
lalha/
Ursini e o principe de Mantua olharam para
Caruiagnola como pasmados.
Sem duvida, replicou elle, aleando os
hombros. Sel que a cavallaria iiiimiga esi
liiiii equipada, bem montada, c por eonse-
queocia fresca e pro.npta para fazer sobre nos
urna carga vigorosa e decisiva. Mas nem sem-
pre as mesu.as cauzas produzein os inesmos
clleitus, e a prova esl en. qoe cont par. nos
dar a victoria com easa cavallaria que vos cau-
sa tanlaa inquietar.es c sOiuente com ella,..
Ouelialvoa deque decline o dia..... r.u po-
rem desejo e espero que a nolteca liara obter
o triumplio.
Ecomoaslngularidadedc sua lctica pare-
commtc lerrivel c uecisivo, ms sustentado cesse causar iuexprlm.ve.s sorpresas a aqucl-
com lauto encainicamanto de uma de outra I les que o cscoiavam, accresceniou lao calmo,
parte, que era impossivel ainda prever o celas expedito, que o acreditrtela um tamo
resultauo. Mullas pusices haviam sido al- lonco:
Icrnadamenle perdidas e lomadas, c at esse
poulo a vaiitagem pareca perteucer aos Mda-
nezes, Cario Malaleati, que commandava cm
chele as tropa do duque, tiuha j maudado
tocar e.n duas represas os hymnosda vicluria.
De cada vez porem, uma sorpresa l.abi|mej.tc
manejada por Caruiagnola, Uzeiam-lhe sentir
que se linha adlaulado demasiadamente, c que
o combate nao eslava acabado.
Eulrciaulo deelinava o dia e os olliciaes que
1111 iv.hii Caruiagnola nao dissiinularam a sua
inqulctaco. 90 elle, calmo e risonho pareca
ler couliauca nos successot do dia.
Nada mais simples essa c.vallaria ae
compde, se sao etaelos 6s nossos c.lculos, dc
qualro a cinco mil homens, lall.adoi todos
a antiga c cun 1 tus das ...ala bellas armaduras
que nunca se fabricarain nos arseuaea de V-
neta. MU arehriros nossos sao bastantes para
dcsaloja-los, e pul-oa cm luga.
E o credes 1 exclamou o principe ate Mau-
tua.
Se creio, responde, o conde. Ide ver.
Ii .11111 111 o capilo lo uu mli .
Mil luanles para irein atacar c desalojar
dc sua posico cinco mil cavadlos 1 secreteen-
ILEGIVEL


r
1
ens dislinotel; os ouiros foram lirados daa i em urna das provincias urna pateada no-
tandu-sn que nflo bavlamas irecedenclas
da l. a no cuso presento e foi oeesa occa-
siSuque ao ello reconheceu verdadeiramen-
te sniierior.
Julo Caetano. o Taima Braslldro, repri>-
genlandu i-ni Campos n paprl de (tlhello que
tinha sido desempenhado antea por um ou-
tro actor, Imuve quem dissessd que esse ou-
Iro o (izera melhori' I !........
Agora desejaramoa saber, se eslava em
caso i lentico o actor Germano, quando no
iliealro de S. l'elro de Alcntara no Rio de
Janeiro, solTrou urna grande patoada no mes-
mo Wouj Heneyndos a ponto de ser mis-
tar que .. actriz Uabiiella Ueveclii o amparas-
so com oscu cirpo para livra-lo do excesso
da tilaia.
Nlo preleodemos desfuer impress0es,n3o
proleiidoiiios provenir o animo publico em
prol dete ou daquello modo da ver ; mas
leudo o distinclo actor (uiiimi jrs essa na-
tura* que brota em talentos como a Ierra
virgen do seu Para em magestosos veg>tes,
por pessoss qu coohecem o que ho Iheatro.
O qu.i hn de drama; por pi'ssoas emlim que ssbem quea
bondade do artor nSo consiste solada em
abusar-so de ioiis pulmes, ou n'un porte im-
ponente ; leudo sido, dizemos vicloriaJo
nessa mcim noite, at ao phienesi, appare-
cendo entliosiasticos vivas, dentre ns quaes
avulla os de multas pessms entend las e de
pusicno VIVA O l.MSICNE ACTO MUS-
I.KIUO que foi colierlo de estron losos.
applausos e provas de adheslo lauto por lio-
mi-ns como por senh.iras, acrecen lo a lato
Oill -.un Ii!' lo dn <'vci-ll.nl s poesas, o de-
pon oler si liiacompanhailoa casaomovaijilo
por mais de200pessuHs;iies'a posic.lopois na-
da exprime ograsnar ilesco'iipassadode meia
luzia de meninos, doceis instrumentos, que
mal gibando s.inlrn o a h c, si ineitO'ii a a
preciar de actores, deixando-se levar pelo
amigo de cu, a qiem foi encoinir.endado o
serma o"
lio para verc admirar quo o palco onde
i'iu r.'presentado tantos artistas abaixo do
m
i, e vilo ser suplicados a agricultura,
para estes o trabslho lie obrigatono, niaa
nn o lie para os presos polticos. Por ora
uns e "ntios acliani-se estabelecidus n s
ilhas prximas citado de Cayenna, serSo
logo r ni iiv-.das para as margeos do rioMa-
roui, i-i o lie, n-i oulra exlremida lo da Cuy-
auna Franceza.
.i ii un i..-, e providencias rmprrgadaa pelo
novo gnveruador da Clenla, homeiii de gran-
de energa, i.....ii tcm agradado aos prelut li-
berto* : ordenou aos antigua esclavos, que ca-
da mu dilles dentro do pra.o de dous mezes,
thc a retentaste um documento auihnniicn,
l>. I iiuil ic mostrasse engajado para tiabalhar
por lempo llmiadn, c nao o appresenlaudo se-
riam mandados para a Costa d'Afrlca.
a Um navio acba-se ancorad nu porto,
prompto a fazer-sc de vella, para transportar
o pregulcosot para a lern de onde (liiliain
vlndo. O bando do governador alterrou os prr-
toi,porque sabem, que mandados para fri-
ca, equivale a una coiideiniiacu de iiiorte, por-
que os pretos iclvagem nao querera no mcio
delles, prelo que Icoliam habitado com o
brancos.
O rendtmenlo da alfandega c mesa do consu-
lado do l'ar em lodo o mez de julho pastado,
elevou-seoOiaio/Oifirs.
No Oir IllStalluU-se, iluda 1 do torrente,
a .i -.- .i 11.1 '-1 legisluiva provincial.
Le-se uo Pedro II de I do correle :
a Foi preso por iulrodurtor de moda falsa,
acha-se processado e recolhido a cadeia do Ico,
Francisca Perelra de Suma Jnior, o qtial apre-
senMndo-se nu dlstricio da Tellia daquella co-
marca pagando gados por alio preco. tornou-
sc suspeilu aulorldade policial, que proce-
dendoat convenieiues averiguaces. .n Ii.hi nn
poder do masillo 353 pataedes telaos, us quaes
tlizein terein sido labricados na serra chamada
do Luii Gomes por urna ociedade de Indivi-
duos all reunidos para este lim.
__|.| (ainheiii preso nu Aracaty, Vicente
Alves Ferreita, por aatlionuiiiarla o Canario,
un doi socios da quadiilha doTre pernas
o qual i.'uiio sido preso o anuo pascado se eva-
dir da cadea.
A alfandega 8 mesa de diversas rendas da ci-
oade da Feratela rendaran) em todo o mez de
julho passado l8,84oj3iS n.
n juv*-wrtri -saop*-wJSr-: itm.-
Co.il) ux un icads.
A PATUDA DO SU. GUIHAllAES.
Itenlisou-se lioal.....ni.' .i Iho tallada pa-
le.iii ao dcstinctu artista Guimarles !
indo boje est profanado !
Prophet>t qu tinh mi recebido insina-
IjOesdo seu ld-lo, liavm n-na predito ; o en
verda le, na noile de s^lihado II do corren-
te, tes i'-in niiiiii a tul i .lo i dos Concurren-
tes ao tbcalru de Santa Isabel o silanici
plinnesi d'uin pugillo rujo cyuismo con-
traslova cun a reprovac.ii.) geral solumnc-
menie minfestada.
Que siguilicacSo poiin tcm essa aberra-
do dosi'Slylus llieatraes? Alferlsr ella por
ventura ao mrito aitistico do Sr. Cuima-
rSns ? Vejamo-lo.
He lie to ao publico manifestar por ai los
come lidos a sua approva^o mi reprovat;:
ao hom ou mao descmpeulio do um actor
qualquer; mas esse direilo presu>pe urna
coiiilic.lo anterio- para ser pratica>el, pre-
suppOu o antecedent" necessaiio do que o
acti.r victunado ou vituperado revelo pur
lacios a justca de qualquer um desses as-
pectos do diieilo do publico em accSo.
Ora, sendo omittidas estas consideraces,
desappareoe a critica racional, sobru a obra
do niHierihlismo, e, com applicaeflo ao Caso,
ostenla-se em negro quadru o mais abj rio
servilismo.
Ha visto pois que sendo racebido o Sr.
GuimarSes, anlai mesmv le comedor o desem-
pcnlio de seu papel, com um giossei o ala-
rido de plireinicos grupados n'um ngulo
da latea : lio visto, repetimos, que e
^.sis'ai'wwiMiifffao^
AiKuiua com o sen reeonhecdo mrito aitis-
tico ; que esse acto fui lilho d'uma prodispo-
si(ao que iniii por lim airrontar no homem
o n3o repiovar o mao desempcnbo do ac-
tor.
E porque toda esta gai\a om abuso da po-
sitSo que ociupa essa me> duna de cha-
mados germanistas .' Se Guiiiiariles lie in-
lenor ao sen predilecto Germano, par que
i'ses actos dn sua parle que inanifestain urna
rivalidad? Imbereis! que desconberem
que se mo da uvaiidade entre a mediocida-
de e a eminencia !
Cuimaraes fui o nico clor que no pilco
iii.iiii'h e.iioi competi com Germano
Cuimar.les foi o nico actor que aportando
s nossis pujas no lempo du roinado ab-
soluto daqui He, com elle entrn cin nohri
lula e denocmi por lim esse reinado divido
a Iransicfio repentina porque penara o lliea
tro do Pornambuco, ndofeii-lo no son ul-
timo entrincbeiraminto -A GARG \l II \li\,
m cujo deaempenbo ae liuuve como o
podem aitestar as pessoas illustra las que
presencearam-no, oqual.cumpie not.r, nSo
foi inferior ando seu competidor; ao pas>o
que o Idiota, oSineiro de S. l'auto, lono'
de MaranhUa ect, por eil-i representados in-
signemente, jamis o foram pelo actor (er-
mano !
Por conseguinte pateadas taes quo parta*
do de pessois emm nt'iiicntu ignorantes,
queso veemeom os olhos da cara, revelam
t3o smeuto mesquinha vingan^a ; e longe
de desapreciarem l'azem avullar o pa-
teado.
Taima, o rei da Keoa franeza que linlio
il"baixo Uo seu see|itro Pars inteiro. soffreu
A poslclo vanlajosa e sublime que tem Con-
quistado a divina sclencla da humanidade pe-
los seus loconcursos e reiterados suceesso, li-
Ibos do n nlco, rerdadelro syslema de amar a hu-
manidade Interna, pelo oiunlpolente applaudl-
do a abao-oado ; a generallsajlo d'eaia Inspi-
rada doutrlna por onde reside a dlustracao, o
genio, e a clvillsacao... o terreno que com pas-
to giganteico e firme ella lein ganbo apeiar
de inoqiiinhas Intrigaa, vis calumnias, e dea-
comavada tramas d'etse que encaran os trac-
tos da medicina official-a carunchosa allopa-
thla-.-como o santelmo da humanidade afilela,
approilmando a misero padecente por ella tor-
turado, a bora do aeirpaasameoto, termo rloal
de seu padecer, antea que prolongando sena
dias, quic lo preciosos a'esposa, aos tilhos.
aos amigos, a sociedade em lim, nos lmpftem
a dever, edeveraagrado.de nos s lustentar-
iiios a todo o Iranac o terreno que haremos ga-
nho em lao nobre cerlames, como de envidar
todas as nossas fuicas, todos os recursos que es-
tiverem a nnsso alcance para estendermus cada
vez mais o dominio leal e poderoso do So6frano
Sen/iorda verdadefra sclencia medicaamara-
vilhom homeopatSia.-Siin ; um dia, que talvez
nao tarde a sar no infallivel reloglo da provi-
dencia faremos tremular no mala alto do al*
cacar das sclenciai o segundo estandarte da
rcdempfo humana,e entilo entoaremos victo-
riosos hyinnos, aniquilado que seja esse pano-
roiodragAo da medicina official.
A iini'ao, Senhores he a base fundamental da
sociedade ; tcm ella nada pode haverde llrme
e he s com ella que ae pode antolhar um fu-
turo ebeio de esperaocaa que prometa um se-
guro apoio duulrina que prolestamos e cuja
propaga;o queremos levar ao mais alto (ponto
possivel.
Unaino-noipor tanto, ainlgoida humanidade,
teja una a nossa forca, seja um o oosso peota-
nento, seja uina a nossa conviccao, e mi ha
barreirat que se opponbam ao notso designio:
nada de desanimar, e a victoria ser nossa! !
O velhoe novo inundo leiu repellido de seu
telo o germen do auiquilamento prematuro da
rae* humana : nos que seguimos a civillsa^o
no seu progresso, nao temos um momento nos
deinoradu em acompanha-la u'essc ponto: con-
tinuemos ; e as gcracdesvinduuras lanc.aro so-
bre iis cabecas de nossos Jllhoa mil beo(os em
memoria de uoisos etforcos
A causa he tanta, he a causada humanidade,
he a causa da religiao que Dos protege, e at-
liocre.se.o passarem por ta-s dissabores, sl111 u"' momento nao devemos hetitar em cor-
lo alias alRuns dilles dignos de urna ma- rerei"
thia he tem duvida o ineio mais poderoso que
temos para levarmos avaute nosso propotito:
por tanto convidamos a todos os amigos d* hu-
manidade, que Hilen.ei fazer parte d'esta so-
ciedade para vircoi se ioscrever n'ette cootul-
torlo, a mu de que lugo que baja numero suffi
cente teja annmiciada tua primeira reuuio, a
da intlalla(o.
consultorio homa'opalbico, ra do Collegio
n. ".>. 1 andar.
Dr. Lobo Moscoso.
COMMERCIO.
lei.oq a5 Ku..s uio u'''-" ""' '- I Defendamos a causa de ieotc d, humanida-
uifosta le.rovaeao do publico, lunha sido o I de e Dtol n05 prolcgeri.
lUStrumeOtO pan ixercerem-so mesquinlias j A furlnacao de urna sociedade que tenha'por
vingancas contra o actor ile JoSo n/in.'
Essa acto lie o niaior pa Irflo para a repu-
te:io do Sr. GuimarSea.
A sein IIimic* desse antigo romano que
mais quera que indagaase poi-tendade por-
que Me nflo lora megida urna estatua,
lUatlJO isso se dava para com niuitosque
Hits era ni tmenos, elle dir lambem, que
mais honroso Ihe he perguutsreni o porque
loia pateado, quando una sucia do phari-
seos venladi'iros remendos da artedramati-
ca o non tom sido.
Em toda esta prova viva o servelismn do
nina parle e di granil za d'alma da nutra,
notamos com praTer i animadversilo do pu-
blico, as medidas polCiaea bem combnalas I
pira a repretao d um acto tSo reprovado e I
inconciliavcl cun a civilisagilo, e a impassi-
hilida" do Sr. GuimarSea, impassibilidade
que revelando a consciencia do proprio m-
rito, despertava a lembianca dosse grego
d'ros remotas cujas inemoraveis palavrss a
historia no-las trans niltio D, pozm al-
lende.
P. S. Agora que para o prelo mamiava-
noa este artigo, tivciiios a salisfacilo ue ler
0 communiea o do sr. Imparti!; e com
1 i.itilii recunliecailliis que lile h liom cabi-
do o pseu lonymo ilu imparcial, tudavia mo
podemos delXar de reclamar sobre a inexac-
tiiln Con ti da na ronclus.io do seu cominuui-
i'.idn, I i '.a tem diivi ia ao u.io ter esludo S
s. pies ule ;i os que longo de osienlar esse
do para esta provincia os passageiros Joa- ir praca para ser arrematado parante a
qum Bresnet,JosClandrioo deAzevri- junta da ftzenda da mesma tnesourana, a
do, Henriqueta Pbilomena da Silva, ios quem por mano Qzer, a obra deumenro-
Anlonlo Fernande, e 9 escravos a entre- chmenlo em (rente a ponte da ra da An-
ear; epara o aul. Albino dos Santos Pe- rora, avallada em so/000 rs.
rema e I criado, mejor AiTonso ule Albu- A arrematar;.o sera (ella na forma aos
rjm rque e Mello, sua familia e IS escra- arts. 2i e 37 da lei provincial n. 286 do mato
oa, lente Alexandre Jos da Rocha-e 3 de 1851, eaob 8 clausulas especses abat-
filhas, 17 pracas para o exerclio e marl- xo copiadla.
nha, e 31 escravos a entregar. At pessoas que se propozerem a esta srre-
'Navios lahtdos no mesmo dia. matac^o comparefam na ssla das sessOea
Philadelplua brigue americano Brandy da mesma junla, nos das cima indicados
Wiue, capitSo David Crmlck, carga assu- pelo molo dia, compelentementb habtli-
cir e mais gneros. lados. .
Parahyba hiele brtsileiro Tres Irmos, E para constar se mandou alxar o pre-
mestre Jos Duarle de Souza, carga varios sent e publicar pelo Diario,
gneros. Secretaria da tbesouraria provincial de
O6iniaf0. Pernambuco 25 de agosto de 1853. O secre-
A barca ingleza Psyche que tinha iicado tario, Antonio Ferreira u'Annunciaco.
em observares pela sale dd porto, seguio Ctauutat especiaes da arrematado.
para Parahyba. 1.* Sor feila esta obra do conformidade
SSHBs com o orijan.ento nesta dala (13 de agosto )
apresentado a approvar;3o do Exm. Sr. pre-
_______sidenle da provincia, na importancia de rs.
(i lllin. Sr. ollicitl maior, servindo de 950)000.
inspector da Ibesoursria da fazenda provin- a.' As obras principiarBo no prazo de 15
cial, em cumprimeoto da ordeco do Exm. dias, esorSo concluidas no prazo de dous
Sr. presidente da provincia, de 12 do cor- mezes, contados, como determina o art. 31
rente, manda fazer publico, que nos dias 14, da lei provlnci.l n. 386.
15 e 16 deselembro prximo vindouro, ir 3.' a importancia desta obra ser paga
a praca para ser arrematado peranteo tribu- om duas preslacOes ds uianeira seguinte :
ual administrativo da mesma tbesouraria, a a primeira do valor do tres quartos da im-
quem por menos flzer a obra do 20. lanto porlancia da arrematar;9o, quando se liver
Ja estrada da Victoria, avallada em ris concluida a obra ; ea segunda do um quar-
22:663,594. to, quando se ciT'Ctuar o le.'-lnneiiin deli
A arrematafSo ser feita na forma dosar- nitivo, que tera lugar um auno depois do
tigos 34 e 37 da lei provincial n. 286 de 1T recebimenlo provisorio,
de maio de 1851,e sob as clausulas especiaes 4/ Pira ludo o mais que dSo estiver de-
abaixo copiadas terminado as presentes clausulas, e em
As pessoas que se propozerem a esta ar- seu ornamento, soguir-se-ha o que dispoe
rematagSo-coiiiparecsm na sala das sessOea a lei provincial n. 286 de 17 de maio de
do mosino tribunal, nos dias cima Indica- |8Sl.
dos, pelo roci d:a, cumpelentemenle ha- Conforme.O secretario, Antonio Forrei-
EDITAES.
bililadas.
E para constar se mandou alxar o pre-
sente o publicar pelo Diario.
Seo etaria da lliesouraria da fazenda pro-
vincial de Pernambuco 17 de agosto de 1852.
O secretario Antonio Ferreira da An-
nunciacSo.
Clausulas especiaes da arrematarlo.
ra d'Annunci"tlo.
Deca raides
Aesaltnh'ie insolencia, longo de cuspir inju-
ii'uiii bello improviso cuja gia.dade,no nos-
so entender, pouc.is o-lontariam em idanti- 1 ton o seguidle
PRACA DO RECIPE 15 DE SETEMBRO, AS
3 MOKAS DA TARDE.
iniem:~ii|.-in:ui s.
Cambio sobro Londres: a 27 l|4 d. a praso.
Dito sobre dito.'ja 27 1|2 dinheiro decontado.
Descont do letras de 4 mezes, 8 por ceulo
ao auno.
Dinheiro emprestado por 4 mezes juros de 8
por cento.
ALFANDEGA !
Kendimento do 1 a 14. .147:610,196
dem do dia 15.......8:618.336
156:228,532
Descarregam Ao;e 16 dt selembro.
Patacho portuguez Itaptdo mercidorias.
Escuna diuamarqueza -- Ceon vinhq.
Barca ingleza liandier mercadoriag.
lllip.ll-IUi.-lll. ,
> i .il li' .-->. i' 11 .1 1............ rtudu -o l\ir-
tosdo Norte, consigotdo a agencia, manTus
V. Ka. perrotlte-ine fal-
la Francesco Orsiul
lar li un iiiiiiiie '
Hio vos cansis, disse o conde sorrindo-
bc. Falla! com o coracao na nio !
Pois bem I he loucura, he delirio
lo un une chegoii nesle cmenos.
CapitSo. vedes da qui sobre aquello ca-
cabeco despido, cojo declivio he suave, ut
cavallelros magnificoi do duque de Milo. com
tuas e. 111 1; 1. ti o..mes, osquaea all te con-
rervain desde o romper do dia, (iiu Inabala-
veda e imoveis que os tomaria-nios do aiiio em
que estamos por estatuas equestrea collucadis
em ordem de batalha ?
Vejo, disse bramante.
Pois bein, lomai mil homeaa,.... nao ....
he mullo.....btsio qulnlientoa.
Quindenios..... valha.
ha frente desta Iropa determinada, ca-
pitau, cumpre ijue, antea de m.-ia hora, vos
lenii n i epedacado contra aquellea cavallei-
ros limiveis, te forem eslaluas de pedra, 011
que 01 pouhaet em debandada, se furem hu-
inent,
I ni 11.. ionio o ordenad conde.
KPramioite rctlrou-te.
O principe de Mantua c Orsini ainda qulse-
rain relorquir.
silencio.' inierrnnipeti Cannagnola sc-
.. iiini ni. silencio! e preparem-se para obe-
decer. Orsini, reun vostot toldadot e ide-
voa embotcar com elle* por traz dos matos
que cobrem a superficie esles pantanos. As
veredas pvaiicaveis vos tero indicadas poi
homens que cuidadoaainente as ettudaram.
Ule* vos rtperain, prompto. Principe de
ilaniu.-i, ajunlai vossas tropas sobre a calrada
de modo qoe einprpt que o inimigo forc ai
hullas Uo 1 ini|io, talvo te for para pedirgra-
;a e inerci. lde, ide, e Ueot noa proteja, por
que he nina partida de vida ou de inorte a que
vamos jogar.
Os.ijuilaiitet do conde abalxaratn a cabrea c
coi caininliaiam-se a teu potlo sein murmurar
iiein aventurar urna nova objeco; por que
nessaa horas solemnes, a freme de Caruiagnola
radlava com a dupla aureola do poder e do ge-
nio. I.ni.io o etpirilo de arrogancia .- de rebil-
liSo desapparecia para dar lugar a Ulna tub-
initto absoluta. Principes, ajudanles capi-
laea lodos te lembravaui que deviain obedien-
cial ao geueral e loroavam-te toldados
Alguiu lano dittaute do campo de batalha a
sobre urna altura, donde le dominan toda a
osa circu nstancias, suub-i agradecer as de-
monstracOes do apceo, quo iie-hi occasio
he prodigara o publico,
E como o meihur meio de desfazer asas ar-
guico seja o aprcsonlar-se a apreciarjilo o
loueto ecusado, e uo nos solT.ondo o ani-
mo impulac 's hijo las, dirigtino-nosaoSr.
r.iiini".rilcs e ijellc bouveinos a copia liol da
ua poesa, quo abiixo so segu.
Aqui tranquillo c (irme sobre o palco,
Desprezo o zoilo vil, e as plantas calco.
1
0 pobre, humilde actor que ha merecido
Tanta estima de vos e syupatlna,
Este ir.'Co pcnlior d'alma partido,
Da gratidilo lias azas vos envia.
nh que cu mo lenha a extreme meloda
Da lyri de um Camoes, vate suhilo,
P'ra que mellior po lesse ueste dja
Mostrar-vos quanlosou reconhecido.
Mas inda quo do Apollo a chima ar.lenle.
A nii'us versos nao d estro bastante,
fjffei lando o quo loiiho, sou cjiuonle.
E quando pelo fado, ogregia gente,
Eu uin veja de vos longe o dislanlo,
Be.n direi vosso nomo eternamente.
1 caix; a Cuilherme da Silva GuimarSea.
34 rolos ; a Jos Baptista da Fonseca J-
nior.
36saccas; a J. J. Tasso Jnior.
I encpalo ; a Ferreira rkAraujo.
I csixole ; a B. J. F. Barros.
CONSULADOGERAL.
Kendimento do 1 a 14..
dem do dia 15 .
O MEDICO DO POVO.
Um convite siucero e leal aos amigos
huioalilJaile.
da
, 7:794,703
351,630
8:148,333
DIVERSAS PROVINCIAS.
Rendimentodo 1 a 14.....1.022,296
I A pnrn::ki.
Parahiha hiale nacional Tres Iruiaos, de -tu
lonclladas conduiio o seguinte : aO barricas
bacaIhan, ano callas aabao, 2 sigotlouca, 4 lac-
eas pimciila, o5 barricas launlia de trigo, 6 gi-
gos louca, 1 sacca ervadoce, 15 resniai de pa-
pel, t garrales vaiioa, 2 barricas pregos, 2
ditas vinho, 1 tacca caf, pipa vlnho, I bar-
lica enchadas, 80 duziar de cocos de pao, aOO
pares de eicho, 5 calxas folhas de cobre, 1
barrica assucar refinado. I vareada de ferro.
HECEBEDOItlA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimenlo do dia 15.....517,499
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimenlo du dia 15 670,253
Movimento do porto.
i*
A'.o-io entrado no dia 15.
Para e porlos intermedios 25 dias, vapor
brasileiro U.iii na, rommandante o ca-
pitlo-teiiento Seciin lino. Trazasen bnr.
M
Correio geral.
As malrs que devem conduzir o vapor Ba-
hiana paraos portes do sol, principiam-se
1.'As obras do 20. lauco da estrada da a fechar boje (16) ao mcio dia, e depois dessa
Victoria, serSo fetas do conformidade com hora al o momenlo de fechar, recebe-se
o ornamento e plantas approvadas pela di- correspondencias com o porieduplo: osjor-
reclona em conselho, nesta dala (15 de mar- naos devero achar-so no correio 4 horas n-
toj e apresentado a approvacOo do Exm. Sr. tes.
presidente da provincia, ludo na importan- -. Perante a cmara municipal desta cida-
cia de 22:663,594 rs. do, continuam a estar em prac,a, no illa 22
O arremtenlo comecar as obras no
praso de um mez, e concluir no de um au-
no contado da dala da assignalura do con-
tracto.
do correle, ns impostes Sobre medidas de
farioha, e sobre mscales e hoceteiras, e os
alugueisdas casinhasda Soledadee roa Im-
perial.
3 A importancia desta arrematafo ser REAL C0MPAMI1A DE PAQUETES INGLEZES
paga em quatro prdSlacGes iguaes, da ma- A VAPOR,
neira seguinte : -- a piimeira, quando o ar- .-. --a-. No dia 20 desle mez, espera-
rematante tiver feilo a teros parte da obra ^^faflffvltv. se do Sul o vapor Tay, com-
do aeu contracto; a segunda, quando ti ver ^jKM mandante llosa, o qual de-
leito doua tercos das obras; a lerci-ira quan- ^astt^tt^sm pois da uemora do coslume
do for recebidt provisoriamente, o a quarta, seguir para os pollos da Europa: para pas-
quando for delimtivamenle recebida, nao sageiroS, lrala-so em casa da agencia, na
devendo ellectuar-se pagamento algum, an- ra do Trapicho Novo n. 42.
tes de (indar-seo primeiro semestredoexer-
cicio de 1852 a 1853. Km o ilt? IVr iiniuKo.
4.' Para ludo o mais quo nSo estiver de- 0s desconlos ()e ,3 a lg Jo torrente, sSo'
terminado as presentes clausulas, seguir- d 6por celllu t o lim dooutul.ro, e de
se-ha o que dispoe a le provincial n. 286 de 8 rconlo al fi mezc8 oconselho decla-
17 de maio de 1851. Conforme.- Osecre- e/qne cumpra vede letras sobre o Rio de1
tano, Antonio K da Annunciacuo. Janeiro, de qual ,uerquantia o a presos ra-'
0 Illm. Sr, contador da Ihesouraria pro- .. .
setombro de 1852 O escriturario, Fran-
cisco Serfico d'Aiaia Carvalbo.
Publica9ao Iliteraria.
Sahio a luz.
38 RA IMS CltlJZES 38
A continuaco da materia medica homeo-
pathica augmentada da iheoria dsa dozes pe-
lo Dr. Mu 11. cuna importantsima deixada
pur llalinrmaiin ao cuida lo dos seus disc-
pulos. Esle volme contm a palbogenezia
de mais 12 melieamenlos Europeos, e dos
12 pnneipaes modicameotos Hll \--ll.tinos,
experimentados pelos alumnos da escola ho-
1.....palinea du Rio de Janeiro.
i 'Para as pessoas que ja compra-
do/ram os elementos do boxeo-
pathia e assignaram esta 2|ooo
l'araasuutrasque s quizo em
a dita obra. 3/0OO
Para os assignantes c mais
pessoas que j compra-
ran! os elementos de ho-
rneo nathia 12,000
l'-ra as nutras pessoas que
16 quizerem a dita obra e
a carleira. 14,000
ja 3.
o B
: av
B v <-
3"3
" 8 "=
- i?
'V
Boga-so aos s Tibores assignantes, o favor
de mandar receber seus exwuplares na bo-
tica luiin.'ii nt'iir.i da ra das Cruzas n. 38.
Na mes na bolica ha um grande aortimeuto
de livros em poituguez e francez para as
pessoas que se querem dedicar ao esludo da
limlie ni .Ilu 1
THMT1I0
JE
vincial, tervindo de intpector da nictina the-
soaveis. Banco de Pernambuco 11 de setem-
SF.T1MA RECITA DA ASSIGNATURA.
Sabbido 18 de selembro de
1833.
Subir a serna o muilo applaudi Jo drama:
A 5BNH0RA DE I.WAL
01
\ corte de Fraacsco I.
Em seguiJa representar-se-ha a comedia
em 1 acto :
Uoiw genios iguaes ti3o fazcm liga.
I'ei min.'ens 6 .n"oi'es.
Theoloro -- Monleiro.
Alberto Baymundo.
Ernestina -- (armella.
Principiar ts 8 horas.
\visos martimos.
.mu a Bahia.
A bem conbecida e veleita su-
maca S mo Antonio Vencedor, se-
souraria.emcumprlmento da ordem do rsm. |bro de 1853 O secretario M. 1. de Oli-
Sr. presidente da provincia de 20 do crreme, ,veira. gue no da IQ (JO C ITente impre-
mandafater publico que uotdiaai4, i5e i6de Pela secretaria da tbesouraria de fa- |_p_-|m.n|. tl<,ra raro-ii mimia
tetembro prximo vindouro. ir a praca para tend 86 faz publico, que a arrematarlo da lerivelllieille para Mrgn niIUH
ruin .i ule peranle -
perante ajuota da aseada da 'ura do caes do Apollo, tica transferida pa- e passaeeit os a (rete, trota-se com
aria, aqueui por menos hier a ra 0 dia 21 do rorrente ao meio dia: aspes- .-.terioi Hachada ral Pi-
a da ponte de Tracunhem .va- ^ pretenderem licitar, devem Com- ? ConSIglIltoriOS WrtCliadO M fl-
Se- nliciro, na ra do Vigarto n. 19 ,
plauicc, etlavain, para observar os acontec-' Os infantes, disse o cominissario detani-
cntiis e lser parte, no caso de neccssidade,'. mado.
um despacho imporlanle, dous coiniiiissariot j Simonetta escalou o rochedo por sua vei.
Iluieiitiuos c o procurador de Vneta. Com os I lie verdade.... E para cumulo de desgraca
ollios titos sobre ns inovimentos dos dous exer-1 meltem-se nos pantanos..... Agora, teohore,
ciloi, o ouvldo atiento para ouvir donde part-1 cuinprc-me lomar o rosso partido, he urna ba-
uietina tbeaoura
obra dos reparo
liada em !:7iJu;oOO.
* ...__.,.,*- ... l\ na na i'Mili.1 UOS artigo
34 e 27 da lei provincial n. 285 de 17 de malo
de 1861, e sol as clausulas especiaes aballo co-
piadas.
As pessoas que se propoterem a esta arrema-
t o,.ni roui|i.uevtin ua sala das sesses da mes-
ma junta, aos dias cima indicados, pelo meio
dia, competentemente habilitado!.
E para cooslar se inaudou afllsar o presente
e publicar pele Diario.
Secretaria da tbesouraria da fazenda provin-
cial de Pernambuco, 25 de agosto de 1852.
O secrelario,
.1 ii' '.i Ferreira d'Knnunciacao',
Ctautulas especiaes da arrematacao .
1.a As obras dos concert* desta ponte aerao
feitas de conformidade com o ornamento nesta
data (|3 de agosto) apresentado approva^o
do Exm. Sr. presidente da provincia na impor-
tancia de i:76n#lir0.
2. Estas obras deverao ser principiadas no
prazo de um mes, e concluidas no de cinco inc-
tei, contados como determina o artigo o! da lei
provincial n. 2sti.
3. A importancia desta arrematacao aera pa
ga em duaa prettafes iguaes, da inaneira se-
guinte: a primeia quando o arrematante li-
ver i- ilu imi ule das obras, e a segunda quan-
do estiverem todas concluidas.
4. Durante a execuvo das obras o arrema-
laotc dar fcil passagem para o transito pu-
blico.
5. Tara ludo mais que nao estiver determi-
nado as presentes clausulas, e nein no orna-
mento, teguir-se-ba o que dispc a (el provin-
cial n. 38e de 17 de malo de 1851.
Conforme. O secretario, Antonio Ferreira
dAnnuneiacao1',
O hi o. Sr. contador da tbesouraria
provincial, servindo de inspector ds mesma
Ihesouraria, em cumprimento daoidemdo
Exm. Sr. presidente di provincia, de 20 do
correte, manda fazer publico quo nosdxs
14, 15 16 de selembro prximo vindouro
i que preter
i ..... -i clin o..'.'iiiouioii'.. habilitados.
crean, da ihesour.ria do fuenda de Per- 8Cgl.lldo andir.
Miiiliiico, en. 14 de sotembro de 1832. O
olficiil-mnior inifino, Emilio Xavier So-
breira de Mello.
ni finalmente o grilu du Lhuiiipho, (iiiliaiu pas
sil", dcsilc u romper du dia, pur todas aa ac-
tlmativ.13 da angustia c da esperanza, i;, coin-
uiis*-ai'ius (l-ivaiii livrc expanso as suas ini-
|iu'"it's. aiU'gindo-se quando os IMilanczes ga-
nhavain terreno, regosijando-se pelo contrallo,
quando o cxcrcito Veiiexiaau toinava a o'ensi-
va QuautoaUgo Siuiooelta, este uo ceinava
de chamar a prulec^u do co sobre Caruiag-
nola, pragurjando em altas vozes quando a
vaotagem paiecia escapar-lbe, e excedendo-se
em alegra ans coinuiissaiius tlorentinos, quan-
i.ilii.t perdida, e como os pantiuos sao pratica-
eis, a cavallaria vai cercaros fugitivos, c quem
sabe, se escapar um s 1 Se asshn for, que res*
pousabUidade vai pezar sobre Cannagoula. At-
terro-me por elle I
E desceu precipiladainente,
Estacs realmente atterrado, disse o segun-
do dos commissarios, que anda nao havla to-
mado a palavia, observando | atentamente o
procurador.
Simonetta achou a questio Insidiosa e o
olhar demasiadamente peuetrante. Voltou a
do urna companhla de archeiros as ordens dos cabera, c nada respondeu. Uepois, compondo
principes lde Faen/a ou de Camerino, rompa um rusto de fcico, munnurou a meia voz
furiosamente as fileiras initnigas ; baviaporinl Pobre Carmagnola
em sua physiouomia triste ou alegre, um nao
sel que de euibaracadu, metlculuso e compas-
sado, que mu gradu sru poda iuduzr a crer
i|uc nao dula piecsameuteo quepensava.
A attencao dos duus comuiisaarios c do pro-
curador !oi vivamente excitada pela maoubia
mais que ousada do capitao Itramaute. Esta
manobra de tal mudo deslucou o lugar da ac-
cao, que cetsou-se de pe cebe-la da cha da col-
ima, sendo que foi preciso, para contumar a
seguir os muvimeutos dos combatentes, subir
um pequeo rochedo, talbado em pyramide, no
l ii M.i- do qual apenas caba urna spessoa. Foi
Lorenzo Hldolft o prlmelro que all foi seti-
tsr-se.
Para 004ese precipita aquella companhla,
eiclamnu o florentino ? Por veulura terems
homens de mbra p-ra sacrica-losassim ?
He mi? Unce de dcse->pera(o. disse o pro-
curador, eiprreiuos o reiultadu. Quando a for-
tuna (og*5| a audacia alguiuas vcies be o meluor
meto de recupera-la.
I' t/lY ser, replicou Lourenzo cada vez mais
Inquielj. Tnuo porm, Messer Ugo, que a vos-
sa ijiax/iia nao achc agora apiilicaco... Espe-
rar.. eSperal.... Sao quinbentns a trlscentot in-
fantes.... o capito que os commanda parece
decidido a morrer.... nao vejo mais nada, oada,
i xcepcao da poeira levantada pelos ps dos ca-
vallos, e dauuveiu de (lechas que cabe breos
cavallelros / Misericordia Esto em fuga.
Os cavallelros ? Perguutou hipcritamen-
te o procurador.
Yiu meiece tanta lastima, exclamou Itl-
doll, que substituto a Simonetta no posto de
observaco. He verdade que a cavallaria ioiini-
ga dividio-se em duas alas.... que derramou-se
no encalco de nossos soldados., porin...
Porm ? disse o procurador com impa-
ciencia um tanta sofieada.
Porminha alma! exclamou o commissa-
rio llorenliuo depois de cinco minutos de uma
anxiedade silenciosa, sou uma velha machina
de guerra um pouco enferrujada, e a prova he
que estou sobre esta colllna em vez de estar no
campo de batalha, que observo em vez de
obrar I portauto lempo, poiin, manejel a es-
pada do mando que posso julg ir do valor e da
energa dos golpes que se descarregam no ar-
dor de um conlliclo. Urna de duas purtauto : ou
o conde de Carmagnola comprou ao inferno se-
gredos em troco de sua alma... ou Dos o pro-
tege como a un dos seus lilaos queridos! A
verdade he que ncaba de appjrecer um mila-
gro Julgava ludo perdido e a batalha est
gaoha.
Com eileito, os cavallelros tnllanezes tiuhaui
avanzado sobre a calcada, e vtndo os soldados
de Bramante derramarem-se pelos patauos, nao
poderam resistir do praier de acossa-lus Alera
disto parecia-lhrs evidente que a codea dos
pantanos, dessecada pelo sol, se tlnbade algum
modo convertido em ierra Arme, visto que tan-
tos horneas derratnavam-se uella seiu correr
nenhum perlgo. O lance eslava dado, os caval-
lelros impacientes da ioaccao a que uavlam si-
do condemuados desde a maoha, ardiam em
deseju de drcidir da sorte du combate, e fazer
piisioneiros, Lan^avam-se ao encalco de Ura-
mante por meto dos pantanos, e tzeram tima
rreinellida a lodo o galope de suas cavalgadu-
ras, na direc(o do Uglio..... Deu-sc eotao um
espectculo ao mesmo lempo miseravel c lerri-
vel. U| cavados, cujo ardor era estimulado pe-
la espora, lularam ao principio vigorosamente
contra as dilTiculdades de um soio hmido e
esponjoso, depois fasendo um esforco supiemo
para reunir os fugitivos, atolaram-se no pan-
tanos at a barriga. Bramante e os seus volia-
ram cnio a cara ao Inimigo, e assumimlo a
o'enslva, trouxeram ao campo os cavalleiros
desmontados.
esle cmenos, Orsini e o principe de Mau-
tua derramavam a desordem no corpo do exer-
cao inimigo commaudado por Cario >Mala-
tesli.
A. derrota dos Mllanezes foi completa
Duas horas depois, quaudo era certo qne a
vlcloria uo poda ser disputada mais, a tema
de Carmagnola fui invadida por aquellos mes-
mos que foram de parecer contrario ao seu,
disfarcaado agura a sua arroganciaidebaixo das
formas da mais humilde e esludada lisonja.
Carmagnola j nao era para elies um simples
mortal, en um Dos diaule do qual tudo cedia.
homens e cousas. Ugo Simonetta se fez notsr
entre csses thuriferarios sem pudor pelo apu-
ro de seus louvores, declarando que Venera de-
vla urna estatua ao hroe que elevava lauto a
sua gloria.
No meto destas deinonstracfoes mais ou me-
nos sinceros o signor Itarbiano, commissario
da senboria de Veueza entrou todo sobresala-
do na lenda do general em chefe, annunciando
que um facto dos mais graves acabava de pas-
sar-se no campo.
Que temos? perguntou o conde.
Sabe V Eic, disse itarbiano, que oj ca-
villeiros milaneies, cujas cav-lgaduras fciro
nos pantanos, foram conducidos para aqui co-
mo prisioueirus de guerra.
Sel.... e lembro-me com orgulho, que fo-
ram os meus amigos soldados, sob o commao-
do do bravo capito bramante, que execula-
ram esta gloriosa empresa.
Justamente, geaeral.
Que ii.-1-..'
vossos soldados cujo valor aprecio inflnl-
lamente, ao que parece, encontrarlo entre es-
Para o Cear sahe com brevitla Je o lta-
te Novo Otiinta : quem nelli quizar carre-
~ Tendo a mesonraria de hz^ de Per- Kar; d(r'Ja"8e ao 8eu OOMigtuUriO J. J. Tas-
iianiliuco de saccar subre a Ihesouraria da s0'unior*
provincia da Parahyba at a guantia do vio- *ra a Baha
te conlo* de ris, esobrea do Cear al qua- Sabe em poucos dias o veleiro hiate Ca-
renta conloa de ris, tmnda o Um. Sr. ios- prichoso, o qual tem a maior parte dr carga
pector convidar as pessoas que quuerem prodipla ; para o resto della, u passageiros
comprar estes snque9, pira que Ihe apresen- para u que otfercce hons commolos. iruta-
tem suas propostas, al o da-J do Correiite, so com I j. do Castro Araujo, na ra da
em carta fechada. Secretaria da Uiesoura- Cruz n. 34.
ra de fazenia do Pernambuco, 10dn selem- JJ \ III A.
bro de 1852. Oolllcial-maior interino,
Emilio Xav.er sohre.ra de Mello. O l>em conhecidohiate nacional
De ordem do illm. Sr. director geral Amelia, de pritueira marcha, se-
da iiilrucc3u publica, faco saber que len- S ni
do8.Ei.o8r,Veidntedi provincia re- guc em poucos dias para a Baha,
%n&^jT&& P* resto trata-ne com ovaes
Ja fri'Kini/.iaila Esca.iii, esta pustaa (irimoi- C ( omp tnlil i, na ra do lrapi-
ra a concurso, o qual nevciacireiluar-ae uo che n. f. ou com mCstrc a
da 3 de utiluliro |iroxnno. T '
liiocloria geral 9 V sclKinbru do 1852. bordo.
O Amanuense archivisla, Gandid i Eustaquio -- r-'rela-se pa qualquer porto do norlc,
Cozarda Mallo, ou sul, a barcaca Djus la Guarde, com cx-
Ilu urdum do III ii. e Exm. Sr. presi- cenantes comuioJos para passageiroa: os
donlo desta provincia, u amia o Illm. Sr. preon k-ntes fallem com o mostrada mes-
dircctor do aiscnal de quera fazer pulili- ma, drlronlo du caes do llamos, onde esla
co que DO dia 16 doto me/, no meio da, es- fundmda a mes n i barcaca, ou no armizem
ara exposta venda em hasta publica no do lenha.
i.eMii i ai.Minal :wi arrobas de Ierro luglez, l'ar.i a Dabia seuo com tola brevida-
sano 28( nriaii-.s dt rergalUBasquadradof de por ja ler parta do su i carga prompta, a
1|2 l olegadas, 7 arrobas em dilas de po- mesma quizer carreg ir, irija-se ao consig-
lega as, e 80ariobas do fmepalo. iialano Domingos Atves Mallieos, na ra da
Arsenal de guerra de Pi-nianihucii 9 de Cruz n 52.
Je guerra, c depois ilc um reconliccimciito do seus ulliciosis coiis,.|licii.is a etplica^iiu do que
coslume, em que uo pouparaiu saudes, no acabava de fazer, saudoii-os com o grsto, e or-
sabe V. lc. oque Hteram? denando a rainaiite que o seguisse, voltou p.-
-. L)lr.ei. ra la leuda.
Deraiu-lbes a berdade. No seu liininar porm eslava um liouiem. em
Agradeceino-vos, disse Orsini, temando p, silencioso, e que pareca espera-lo ua pas-
arrebatadamente a palavra, agradeceino-voa aaeeiu.
signor llarblauo, o aviso que nos destes, Em Era tgo Simonetta.
verdade o negocio he grave, pur itto etpera- -- Tendel alguina coiua que dizer-me, per-
inot, ou antes e. lanos certos que o conde de guntou-lhe o conde t
Camiagiiola", apcz.r do laco de syinpalliia mili- -- Tenho que felicitar-vos general, respon-
lo natural que liga a seus soldados, sentir pro- den o procurador, pelo acto .le euergia com
fundamente este aiieulado feilo i disclpllua, e que acabaea ile reduzr vossos rivacs ao silen-
o uao deitar Impune. co. Paia o futuro, n.io seris tornele o mais
I'orvemuia vos eucarreguci, disse o con- glorioso e o mais valeole chefe de hosos exer-
de com altivez, de serdes ueste negocio o nter- citoi; seris tambem o inelhor obdecido,
pete de mcu peusamenlo? Apenas relirou-se o procurador, Carmagnola
I.ni mu i n. un.-.i un i landillicll, repll- pctgiintou a llraniante:
con Orsiol .....I. i ni'l -.. a cusi, julgucl do Oue concello fizes de Ugo Simouela e de
neu dever fazer seuiir a V. Kc. o abuso que seus elogios ?
poilerli resultar de seinrlhaiiic eieuiplo, e a Perdoai-me general, se minba resposla vos
respon.abilldade lerrivel que poderla pesar su- desagradar. A sui pes.ua me he parlicular-
bre vosssui hombros, se elle nao fosse severa- iiienie desaRradivil, c quaiilo a seus elogios,
ineuie icpriiuidu. anlcs quliera soil'rer dctcoberlo um iguaceiro
Orsini tem i.tao, assegurou-o o principe no campo, ou mesmo urna mordedura de ser-
de Mantua. Que aproveila a victoria, teno a- penle.
bemos colhcii teus fructoa ? | .. flo te illudcs intelra i eute, disse Carinag-
Cariiiignola fr-nzindo as sobrancelhas, Tuou nula,
em ralo! um olhar fulminante de colera e d bramante tluha mais ratao do que pensava
detdcm, e vollando-e para llarbiauo pergun- Caimagaola, c do que elle mesmo cria.
,ou: I Nesta mesilla noite, Sim mella cscrcvcu duas
-- Quanlos prisioneiros soliarain? 'cartas.
que crain, restam
De iil e quinhento
apenas quinhenios.
i .n.i.im iiii-hu, iiiiuiediatainenle para esla
leuda .'.... lde.
A ordem fui izceutada. Collocaram-se os
quinheiitos prisioneiios cui ires lin'ias. Vm
temor vago se debuxava nesses lottos ennegre-
cidos nos campos da i aialha e luoundados de
relios duro, e brootcados ptlas tochas que
iliinii i\ un esta scena.
Carmagnola -Iiiu da lenda, e asseguiando-
le cun urna villa dcolhis se Orsiui uopriuclne
de Mantua pudi.m ouvi-lo, disse em alias vo-
tes:
~ Soldados do duque de Milao, acabam de
diter-inc quu os uieus archeiros restituirlo a
berdade a vossos inuaoi de armas. Nao Ihei
quero ceder em gencrosidade. Kslaes liires
ii ni I ni. I'.hii
l.ev.inlou-se um griio nuineuso de alegra
Os priiioneiros foram liniiieditiaineuie levadot

ILEGIVEL
tea Inimlgoi vencidot, amigos compaohelroj para forado campo, e C.nu.guola, sem dar a
MUTILADO
A primeira destinada ao seuado de \toeia,
lerireseulava a geueral em chefe como um trai-
dor, aeudu a bae desta acollsAcao a clemencia
j na- acaba de exercer com o prisiunciros mla-
ncics.
Asegunda, dirigida' u Visconli, anaunciava-
Hie que no moint'iiio em que i.uonetta procu-
rava armar um laco ao cunde, este cavara a sua
ruina prseu iiidumavel espirito de dominio c
de orgulho. O procurador relalava os porme-
nores da soltura dos prisioneiros, c stin deiiar
de accretcentar que tluha imincdial'amcute in-
fonado a seiiiora de Veneza de um acto lo
grave, convidava o duque para tirar desta cir-
<-ihuI uici i o partido que Ibe parecesse favo-
recer iiM-ihur oa teus projectos.
Ous crrelos, portadores deatas cartas, par-
[ir.iui secretamente ucaia iiiesma uoite, mu pe-
lo caminbodc Venca, o outro pelo de Milo.
Continuar-sg-fa. J



T
*-**
i par Maceo do Assu' a bircact
brasilcira Carolina; quem quizar carreg.r
" II, dirja-ae ra da Cadea do Rocife o.
U loia, tratar com Jos Das da Silva.
. capitoda barca ingleza Jane Remo-
rio precisa de doua at tres conloa de ris,
sobre o casco o quilhB da dita barca, para
rasaras despezas que ella tem flit por
cjusadosu. arribada neate porto; a dita
barca quorendo proseguir sua Tiagem para
Montevideo, aabbado, 18 do correote,os pre-
finientes deveflo se dirigir ao consulado
britannico antes de meio dia do da 17 do
corrate.
Para o Aracaty sane com muito brevi-
dade o hiale Flor do Cururlpe: par carga e
a8ageros,treta-se na ra da Cadeia do Re-
citen. 9, primoiro andar.
.- A barcaca Dos te Guarde, acha-se a se-
suirviagem at o dia 9 do corronle, por
t*.,a rnaior parto da carga: quem nella qiii-
zer carregar ou ir de passagem para os por-
tos do norte al o Ass, pode tratar no ar-
maiein do caca do Ramos, junto ao arma-
zem do sola.
Leilfto.
_ A requerimento do administrador da
m>ssa do fallido Leopoldo Jos da Cosa A-
raujo, se f.ra loilSo por oi'dem do lllm. Sr.
Iir. juiz municipal supplente da segunda va-
ra do civel e do commercio, e por interven-
cao do agento Gregorio Antunes de Oliveira,
de quinzeescravos inclusivo urna negra,sen-
,io esta e dous neg-os do servico de casa, e
,loze mannh iros que faziam parte da tripu-
lacSo dos navio Paquete ,i,. pernambuco,
destino e Noro, todos port- nenies a referi-
da massa: quinla-f Ira, 23 do corrente, as
11 horas da inanhila em ponto,, porta da as
de 25,000 n. mensaei como enfermeiro, e se
o he, porque flcou-se com ama soh(a-casiea
de panno e 10,000rs. e u tcdulas do senten-
ciado Francisco Mendos Rodrigues, que fui
paraessa sua enfermara ourr-se ? desrjo
saber se foi laso por paga ou offerta, e logo
terei outras pergunlas mais escandalosas
para i lio fazer.
~ Manoel Comea Viegas remette para o
Rio de Janeiro, a sua escrava cabra, de no-
me Folippa, de 20 annos de idade.
Precisa-se alugar 2 escravos, ou ho-
mens livres, para trabalharem um sitio per
to da iraca : no armaze n da ra Nova nu-
mero 67.
-- Aluga-se urna preta ongommadeira e
cosinheira, com a condicSo de nflo sahira
ra : a tratar na ra do I ivramenlo n. 14.
Precisa-se alugar uma ama de Icite : a
tratar na ra do C-e.po n. 10.
Pedose a quemachou uma carteira ,
perdida na noule do dia 13 do corrente, ila
ra estraita do Rozario, at o arco da Se-
nhorada Conceiclo, tendo dentro 4,000 rs.
om sedulas, o uma carta com o sobre nome
e ra de quem pertence: do entregar ao sj-
bredno nome que a mesm carta diz, que
sera recompensado.
Irmandade do Divino Espirito
Santo.
A mesa regedora roga aos seus
dignos unaos, que anda nao co'i-
correram comas sitas esmolas, pa-
ra a construccao das catacumbas ,
hajam de o lazer, pois que conti
nuaco da obra se torna urgent-
sima.
Otferece-se uma ana forra, pura casa
-- Desej.odo ter algumas informales fimpresTpni excedente papel, com tolos os
cerca do senhor Luiz Antonio Vieira, qti'Isignnes Que contm o original para denotar
morav.em 18 m S. Francisco, lugar Mo-ga differenc do valor dos symptomas.
xot, por negocios concementes aos lnt-| Continua a assignatura no consultorio ho-
resses do mencionado senhor : roga so aslmeopalbico do l)r. Moscoso, ondeossenho-
S^homrrF.M,^ete"^omp.nh,. estr.ngeirardepouca familia, paVa'cosinn.r
raoor far leilao e comprar: a tratar na ra do Calabouca
Vellio n. 17.
Precisr.-sa de 8 000,000 do rs. por 12
brazilfira do paquetes de vapo
por ordem, e conla da misma companhia no
armazem de M Carneiro, na ra do Trapi
che
ts
n. 38, porint-rrencllo do agenta Rober- ** J I ypotheca um sobrado,
u no di. s.bb.do 18 do crrele ao m-.o que vale 20:000,000 de rs.: a pessoa q.m Ihe
diaemponto.de uma rorcSo de carvSo do icoimer fazer esto negocio, podo minunciar
pedra miudo, e que poder be n s-rvir p.ra iP"1 sr procurado.
c,i pore.Ur.gr.. L-*Tl!?}.ur$TX Z*Z "$.:
nel calcula-se ler 100 toneladas punco mais com sua familia,
ou menos c estar amostra econdicOos do '""' "aya r.,,.,.,,., ....., ucuu.a
leilao patente para os p.elcndenles cx,.'urna cria muala de nome Roza
ntuarem antes do dia do leililo. l'recis-se do um hoBom, para ser em-
pregado no servujo interno o externo de um
armaze ni de couros, que seja traba! ha lor, e
llenry Ghri.to.thar. estando prestes a
retirar-se desta provincia, fara leilo, por
inlervencffo do agente Oliveira, de lo la a
nobilia da sua casa de canil o, consistindo 3I-
que saiha ler eescrever : na rui linpeiial
Guilliermo da Silva C limarles, vai a
Babia, deixa por seus procuradores, stia
mulher D. Uoibelina l.ibam do l.-inos Goi-
ein ca.leiras e mezas de dilercutes quali-
dades. marquezas, commodrs, lavatorios,
toucadoras, cumas, consolos, guarda-loma,
aparador, quadros, facas c garlos, espin- |me.Ses. seu logro O lllm. Sr. Joo Puto
gardas d caca, pistolas de seis cannos, lou- < '-''mos, e o seu ca.xotro Jo3o Mana Cor-
ea do uso, anparelho de meza e para cha de ideiro Lima.
porcelana liua, cavallo, solins troprios pa- --Precisa-sede um. boa ongommadoira
ra montara do senhor. e homem, o mullos -forra o lambem de umeopoiro activo, am-
outros artigos uteis l sexta feir. 17 do cor-
rete, s 10 horas da mauhaa, no sitio antes
de, chegar ao do Ex ni. viscondo de Coiana,
lado opposto na estrada de r. 1 ni.
Avisos diversos.
-- Quem quizer passar festa em um boro
sitio peito da Casa Fo te e do Monleiro, que
tom arvores do fructo, boa agua, casa gran-
de doviveuda, estribara, cocheira osen-
zalla, dirija-.e no principio da estrada do
Monleiro, sitio do senhor Cama, junto ao si-
tio da fallecida D. Catheria, que se dir
quem aiuga.
~ .No dia 18 do corrento se hSo do arre-
matar a quem mais der, por sor a ultima
praca, as dividas do finado Gabriel Conni-
ves Lomba, penhora las por seus credores :
. arreiiialecilo le. lugar no Ierro da Roa-
Vista pelas 4 horas da tarde, noria do se-
nhor doutor ]uiz de orphfioa supplente Jos
Pires Ferreira.
0 secretario interino la irmandade de
N. S. do Livramento, por ordem da mesa ac-
tual, convida a todos os irmios para com-
pancerem domingo, 19 do coirente,.as 3 ho-
ras da larde, no respectivo consistorio, alim
duque reunidos em mesa geral, se proceda
a eleicSo do novo juiz paro o prsenle anno,
a terminar em 1853, na forma do art. 17, til.
5, do compromi.so.
O abaixo assignado, f.ia sciente a quem
convicr.que deixou de vendar em sua taber-
na, sita na ra do Queimado n. 50, de.de 5
de setembro do corrente nno, agoardente e
mais espintos de producr;o biasileira, c
arha-se de plena quitado. JoSo Paulo da
Silva.
Aluga-se ou vende-so um sitio na es-
trada dos .'.fililos, com casa de vvenla de
sobrado, e com bastantes commodos, tendo
bos de qoalquer D.Clo ou cor : na ra da
Cadeia escriptono n. 60.
O ab'ixo assignado he eternamente
grato aos Srs., lenlo Mnm I Pe iro de Sou-
va e alfares B.i.rdO bolliciaos de estado uo
corpo do polica), pela maneira com que o
trataram durante o lempo que esleve reco-
mido naquello quaitel, e a quem odeiecd
os seus servidos, Srs ollici.es, jamis se p-
zem ilo tratar bem a qualquer pessoa, e
deixeui o mau comportamenlo para aquellos
cuja educar;.1! he lio mesquinha que os tor-
na infames e indignos da sociedade. S L.
GuimarSes Jnior.
Srs. rodactori s.l.en lo o seu diario n.
20C de terca feira 14 do crrante Diez, de-
i un- coro um aiinuucio do Sr. Jos Joa-
ijuini Concalves CaSCilo, cuja produc(lo
i ,-. ii musir ler sabido de urna cachla
cheia do espirito inflamo!alono. Kevia en-
tregar aodesprezo, iSo injusta. impula^Ocs
com que me deliaclou ; mas respeito mullo
ao publico, e peraule ello vou justili-
car-me. '
Descaradamente se apresen!, o auclor do
annuncio di/.eu o quo ea Ibe vendi a csa
em quo teni sua taberna e que agora o que-
10 botar lora dola, (lia uflo ha disparate
igual, se a casa nunca tan minlia como a po-
derla vender.' Por duas vezes o propieta-
rio ina utteicccu e ou nunca a quiz com-
prar, lie pur tanto falso que eu lenhose-
ini'lhante casa, lie verdade ler ou vendi-
do a esso Casco, que pelo bojo nSo nerca,
os teneros de venda queexisliam em dila
casa.
lie verdade tamben! que tendo cu manda-
do botar algumas paredes do interior abai-
xo pur coiisentimenlo do prop'ielario, es-
lou na responsuliilidade de as mandar le-
vantar, quandodeixar dita casi de ser ven-
da ; o sobre o que estou promplo para les
de ja mandar fazer esto servido, e decla-
ro que espero que dentro de 30 das se me
senzalla paia escravos e coclioira para carro;
veuJem-se lambem por preco commodo un ,eutregue a cisa vasia para.cumprir minlia
carro de quatro rodas que precisa algum palavra.
concert, um. burra de ferro, e uma escra- nanlo aos 300# rs que pretende para
va, creoula, com 17 .unos do idade, e com laquelle servico, ser bom, no caso de ler
habilidades : a tratar na Boa-Visia, ra da precisDo, que vi peJir ao banco com as no-
ConcoicSo, casa do senhor Calilo. cessarias lirmas conforme pratico, e os que
esappareceu d. casa dodoutor Fran- precisam e caso se julguem com direito .
cisco Connives da Rocha, na cid.de do Rio haver semelhante quanlia recorra nos
l'ormoao, nu dia 2 du corrente mez, a preta ineos ao seu alcance,
de nome Benedicta, creoula.que foi compra- Aconselho que sor. bom uo alteraros
da em 1848 ao senhor Manoel de Almeida fados, quanJo liver do os levar publico,
Lopes nesla cidade do Recife; a dita preta lio I para nSo sor desmentido, e que quan-io
de pouca estatura, boicos grandes e rossos, Iqui/er faer algum annuncio o f.rja em
olhos papudos, e secca do corpo ; sabio com jjejuin, quaudo esliver com a memoria fres-
vestido de chita escura e i auno da costa en, para ser mais be n apreciado, do contra-
quem a appiehender love-a ao senhor Jos rio r> cebera lempre a censura dos que o
dos Sanios Neves, Delta ci lade, na ra do iconheceni. Fiualmenlo Ihe previno que. se
Crespo, ou aoseu referido senlior, na cidade uo lie do seu Mentor da Torre, pH lie s
do Rio Formoso, que ser recompensado, e quer ver se tira vanlagem com taes epeeu-
desdo ja se protesta usar dos meios crirni- lacdes.
naea cuntra quem a tiver occulla.
Roga-se encarecidamente ao senhor ar-
rematante dos concert, da ponto do Iteci-
fe, ura em execue,3o, que por caridado des-
baste aquellas travs do lado do sul, junio
aoaicode sanio Antonio, que Smc. len-
dn-as substituido por oulras, nilo so lem-
brou que aquella desigualdade i i produzr
estragos e terrivi is topadas os pobres mi-
seraveis quo |or all passarn continuada-
menle, causando dest'aite deterioramento
de calcado, e arrancamento de unhas ; islo
pede o Padecente.
Precisa-se alugar uma escrava que soja
iiel.sein vicio,p r. o neo de urna casa do
lamilla, quo saiba cosinhar, engnmmar, e
ensaboar alguma cousa : (,u-m a ti ver e qui-
zer alugar, diri|a-se a ra larga do Rosario,
fabrica de charutus n. 32, ou annuncio.
I'recls.-.e de uma preta, escrava, ou
uma mulher livre, para o trafico de orna ca-
sa : quem preli-uder dinja-se a taverna jun-
to ao quailcl de polica, rasa n. 6, para tra-
tar do negocio.
-- Aluga-ae uma boa casa que serve para
grande familia, no lugar do Poco da Pam-lla,
milito a margem do.J,.piharbe, e he multo
cunhecida naque,le povo.do por ler sido do
doulor JoUo Lopes; quem a pretender pro-
cure no Manguinho.na esa Jo padre Miguel
do Sacramento Lopes Cama, que all acitara
com quem tratar.
Pergunta-ee ao maldito farola Antonio
Baptista Vieira. enfermeiro da cadea desta
cidde, que lim deu a roupa que deixou em
seu poder, o finado sentenciado JoSo Cle-
mente de Carvalbo, que f.lleceu nessasua
enfermara, que vindo um prenle do fal-
lecido procurar o que linba lieado em seu
poder, o s-ni or respondeu-lhe, que lulo se
tinha furt.do, porm que ia fazer modo de
adquirir, utas inda nSo adquiri e nem ha
de adquirir; pergunla-ae maia ao mosmo fa-
rola, se nBo be pago pelo estado o ordenado
ijjueira, Sr. redac'or, por bon.lade sua
inserir ostaa linlias do sou assignanlo.
Rcife 15 desetombro de 1852.Manoel
CoelnoPinheiro.
Avisa-se aos her.leiros do finado Anto-
nio Mari i os llibeiro, que no da 16 dnoulu-
bro vio louro, vence-se un val da quantia
de 250,000 rs passado pelo mosmo lina lo,
no da 16 de oulubio do 1851, ha doze me-
zo.-, o qual acha-se em poder de Jos Antu-
nes do Ulivcira Jnior.
Procisa-so de uma lavadoira do varella,
mas quo nSo se demore mullo l ni o no no,
e dan lo fiador a sua conducta : na ra da
Roda n. 52
Precisa so do sais a oilo rscravos ro-
bustos, por aluguel, para aervico de enge-
nho, medanlo as necessarias garantios:
que.u Iho convior procuro na praca da Boa*
Vista n. 32, segundo andar, quo cncunlrar
com quem tratar.
udoulur C F. Mol i, medico, muJou
sua residenciada ra da GUISO. 15, iaraa
casa que fies por delraz do sobra lo do se-
nhor Francisco Alvos da Cunta, na ra do
iii om, priuiciro MI dar.
Aluga-se o win.eii- i andar da casa da
ra da Cruz, do Recie n. 31, propria para
escriptono ou i-stabeleciniento do nlfai.le,
por ler poneos co unilos, sen lo para
grande familia: a tratar no armazem do
mesino com Luiz Freir do Andradc.
Jardim das L'j'iias.
Sabio luz o n. 9 deste peridico, conten-
do, como lodosos oulros, materias de ins-
' i ii'-e.ei e do recreio. Acompanha -o urna es-
tampa com linios moldes de labyriqtos. Re-
cebein-se assignaturas para o Jariim das
llamas, n. ru. estrella do Rosario n. 28,pri-
meiro andar, a railu de 2,000 rs. por sorie
de seis nmeros.
-. Precisa-se de uma ama de leile : ni
ru. Direit. n. 8, segundo andar.
pessoa. que poderem d.r algumas informa-
cOes a respeito, de ter a bondado de passar
n. ra d. Auror. n. 18, primoiro .ndar.
Prccisa-se de um bom trabalhadurde
masseira, sendo bom, pag.-se bem; na pa-
dari. da ru. Imperial, defronte do chafariz
n.37.
0 senhor Joo Luiz de Almeida Ribeiro,
morador nos Quatro-Canlos, em Olinda, te-
nha a bond.Je do no praso do tres das ir a
ra do Collegio n. 17, concluir o negocio
que nSo ignora.
Precisa se de uma ama, para ira' r do
servido interior do urna Casa do pouca fami-
lia : tral.r na ra de S. Gonc.lo, sobrado
o. 27.
A pessoa que annunciou uma mulher
do mi'ia idade, para lomar cunta de urna ca-
sa do familia : dirija-so a ra Velh. da Boa
Vista n. 125, que achara com quem tratar.
Precisa-se fallar com o Sr.Joaquim Jo-
s de Oliveira : na refloi(;5o da ra Direita
n. 10.
-- Precis.-se olug.r um moteque, que
seja liol, para oservico de uma casa estran-
goira : n. ra da Cruz do Recife n. 9.
- Aluga-se uma preta creoula, para todo
servico de Casa : que n .pretender, dirja-
se a ra da Crui n. 53.
Precisa-so de urna mu, para cosinhar
e mais arranjos de uma casa de pequea fa-
milia : a Iralar ni Cambo do Carino, pri-
meiro andar do sobrado n. 38.
Des^a-se fallar, com urgencia, ao Sr.
Francisco Jos Coelho, ou a alguem por el-
le, para negocio de interesas, o que diz res-
peito a su. familia em Portugal, o qual veio
ha lempos par. Pernanibuco, e foi caixeiro
do Sr. coronel Francisco Jos da Costa : o
mes-i.o senlior, ou quem dellesouber, e
queira ter o encommodo de dar ossa noti-
cia, dirija-se a ra da Cadeia, armazem o.
2, de Fonle & lio.
Hoga-se ao Sr. JoSo llyppolito de Met-
ra Lima que venlia pagaraJuaqum Felippe
da Costa na ra do Azeile de Peixe a quan-
lia 161,605 rs.
-- Agoslinho Eduardo Pina, vai a Europa.
No dia 16 do eonenle, -s 4 horas da lar-
de, na porla do doutor juiz de orphos, te n
de se arrematar por ser a ultima prarja, uma
casa terrea, sita na estrada da Capunga, an-
tes de ebegar a S. Jos do Maiigimilio, anda
por acihai, e sem numero ; e nutra no fundo
do iinsiiio leneuo, do taipa, ambas avaha-
das em 720,000 rs Cuja casa vai a praca a
requerimento do inventariante para paga-
mento das dividas legalisadas no mesmo in-
ventario dos bens da linada Jetsptt. Mara
da breu : os piolen lentes podein examinar
ou enlondcr-se com o procurador, na ra da
Moda u. 25.
Lotera da matriz da Boa-Vista.
Jos Teixeira aslo actual the-
soureiro desla lotera, avila ao res-
pcilavel publico, que a mesma cor-
re impreterivelnientc no da aG de
outubro do crrente auno, no con-
sistorio da dita matriz, e se cou-
tiuii.tr a influencia dos comprado-
res torrera no dia^j do mesmo
mez. Os billietes acham-se a ven-
da nos lugares j annunciados.
AO publico.
Na roa do Coliegio, botica n. ^continua-
se a ven ler as verd.deir.is e bem conceilua-
das pilulas pa bobas, crnvus seceos e du-
res venreas por mais antigs quo sejam,
cujos bousetfeito.ooDfe.sam todos que dol-
as tem leiio uso, e que al o prsenle an-
da nilu ralbaran); he preparQu eo falleci-
do pliarmaci'Utico Sehasliao iol do oliveira
Macedo, e s se vende nicamente ueste lu-
gar ; aoii le l mil : exisleui duas obras do
Almeida para veudor, sendo um tratado de
mil .nuil o/i -, o medicina opealoria.
Lava-so o engoiurua-se, com inuita per-
feicSo e asseio : no pateo da Ribeira deS.
Jos n 15.
-- O dono do bonilo cabriolet usado, j
annunciado por esta folna, tom adiado por
elle 220,000 rs. ; e esta resolvido a da-lo pe-
los 250,000 rs. : a quem conver para passar
as listas, fallo na luja de chapeos deso, no
aterru da Boa-Vista n. 22,que se Iho dir on-
de existe. Adverle-se quo tem todos os sous
apparellios un -i nuvos ; na dita luja ha um
pequea glubo moderno, traste cxcellonte
para ahumar una sala de visita.
iNa ra da Seiizilla Velha n. 126.
Apromplani-so jaularts e almoijos, por
preco commodo, com asseio e promptido.
Troca-se una linda imagem da Se-
nhor. do Rozarlo, do dois o meio palmos do
allura, por sen dono ae retirar para forado
Imperio : na ra Nova n. 26.
Perdeu-sc desde n Manguinho, mi lo
pela I rompo, ra velha, atorro da Boa-Vala,
alo a ra da Cadeia de Sanio Antonio, um
chapeo de sol de seda : quem o tiver echa-
do, o o queira entregar, dirija-sa a cocheira
do senlior Augusto, junto do iheatro do S
Francisco, quesera recompensado com o va-
lor do mesmo chapeo.
- Algum. mulher desval 1), oque uo
1 ea mais .'aso do mundo, que 1 II lo um 11-
briuo para sempre, em casa do uma familia,
onde nada lie tallara, smente para andar
com mi runos : dinja-se ra do Crespo,
luja o. 6, ou no principio da estrada do Mon-
leiro, sillo do Sr. Cama, junto ao sitio da
faleci la l> Camarina, que sedn.
-- Precisa-so alugar um prelo, rscravo,
quo nilo si embriague, eseja possanle, para
trabalhar em um sino; d-se alinoco, janlar,
res assiguantes pdom mandar receber os
seus exemplares
No nv'sinn consultorio ha todos os medie,
mentos homeop.lbicos VEIIDAEIROS ; ..-
sim como ricas caiteiras, e reform.m-.e
qu.esquer boticas, cujos medicamentos se-
jam fallos, ou deteriorado*
Agencia de passaportose ttulos de resi
dencia para estrangeiros.
Clan lino do li r-.l.i na, tira passaporte
para dentro e fra do Imperio,ttulos de re
sidencia para estrangeiros, e folha corrida
por commodo precn e presteza : na rus da
l'raian.43, primoiro andar.
-- Na noite de iodo corrente,na praca do
capim da Boa-Vista, perdeu-se urna carteira
contendo 65,000 rs. em selulas.e oulros va-
rios papis que s serven) a seu pmprio do
no : roga-se, por h- uto, a quem a tiver acha
do, de ir ou mandar entrega-la na venda da
esquina da ra do Sol n. 11, que recebera
30,000 18. de gra ti lloaran.
O abaixo assignado, chegado ha pou-
cos dia. da Kuropa, tem a satisfago de an
uun-iar ao respeilavel publico, e a s -us au-
tigos freguezes, que Irouxe ricos desenlms
de obras de marcinoria, ssun como algu-
mas machinas par. melhor desempenho 1
sua arte, u annunciaute julga desuecessa-
rio fallar de novamenle sobre a. suas habi-
lidades, porquanto ellas ja sSo assas co-
uhecidas nesla provincia, e hoje mais que
nunca, nilo pretendendo uffendor a nenhum
de seus collegas ; esl mais habilitado que
estes sobro o modernismo, visto queoau-
nunciante tendo-se ausentado d'aqui amis
du um mino, en pregou lodo esse lempo
em fazer un estudo particular sobre os 110-
vosgoslo.i de obras de marcineria aprosen-
tadus na expo.ifao universal de Londres,
onde este\o, alm de uuirascapilaes da Bu-
ropa, Pars, Lisboa, 4C., .\e. O annun-
ciaute se a'oa acapacilulo para Igoalmen-
!a empreotider quaosqu.ir construcijoVs de
edilicios, faz escalas ciicular, oval e outras
que servem para subir-se por um lado e
iiesoor-se por outro. .visla, pois, do ex-
pendido, o abaixo assignado espera mere-
cer do r.-peii ivi I publico n sua prutecc,5o
queren lo assim o lionrirem da alguma en-
<11111n1111.l1 ; na ra da Concordia, junto da
ii'Iiii.-i-iio. J io Frederico Schrooder.
Coiislando-uie que a miiiha escrava de
nome Cerlrudes, nacao angola, de idade 26
anuos, cor muito preta, olhos grandes, pea,
e nios pequeos, estatura baixa, dideula-
da na frente do lado da cima, e peito de
pombo; se emeaminnara ha quasi dous mo-
zos para o engeuho de Fragosu, aonde a di-
ta escrava Gerlrudes dizia ter uma comadre
( prela peco so Sr. du dito engeuho quo
por favor, no caso d'ella Ihe aparecer no seu
eogeutiu ; quo uia mande pogar e remeltor-
me, a casa de mintia residencia na ra da
Aurora 11. 52, pagando cu, as necessarias
despezas, de cujo favor Ihe flearei obnga 10.
Adverle-se une a dila prela foi escrava do
liniiiio Joaquim da Liugoela, e comprada 0111
leiio publico quo m doir. s.lo incsino Joaquim da Lingueta pelo
ro re.ir, o Sr. Oliveira, e dizem que so tom
visto tambara a referida escrava, na cidade
lo (i.una, e no mesmo lugrr nos Arrumba-
dos em certa casa que sera logo corrida e
o ladro sofrea as penas oa le.Francis-
co Ji se Rarboza.
Anidase precisa alugar uma prela ou
preto, iscravos, para f.zer o servico interno
o externo de urna casa de pouca familia :
quem livor entenda-se com 0 po leiro da .1-
taudega desta cidade, ou na casa de sua re-
sidencia, na ra do S. Francisco D. 8.
Dos isude.
Acaba de chegar do Rio do Janeiro, tradu-
/ ido em purluguez, o excullento romance de
Alexaudre lluiuas,que lem poc titulo, 1) os
Dispe, vonde-sc na livraiia da praQa da In-
de,-eii(leiicia n. 6e8, a 8,000 rs. constando
de 6 volme-..
-. O senlior engenheiro encarregado da
obra da casa do dclemio, manda fazer pu-
blico, que so admiltem 25 serventes livre.
para o SerTifO desta obra, p:eferindo-se em
iguaes circumslancins os quo ja tivoreni ser-
v 10 no exercito, ou Corpo do lOllcia.Oad-
uiiuiatiador, Auloiiio Jos Ribeiro de Mo-
;-||i8*tf^**
* Alugaui-su e vendom-se bix.sna
praga da Independencia n 10, con- I
5S fronte a ruadas Cruzos. Q>
? 35 i #'r' V<9'"'M&ft ffi **!'
' a ra d-s Agoas Verdes, sobrado de
um andar n. 14, da-se bolos de vorulagem a
80 rs. a pataca, e arma-so bandejas com
muito gosto e prtetelo, per menos preco
do que ein oulra qualquer parte : na mes.
ma casa vendem-se tres barril de bular
azeile decerrapalo.
quantia de 300,000 rs,, tratou d. vender a Independencia n. 4 vendem-se
casa enflodarcumprimento.o.eu tr.to; e ..,, ___ _:. ,,i,
fui por esta r.zao que o .nuunci.nie, tendo btitietes inteiros, meios quartos,
comprado.pago o.generos.odito Pinheiro; oitavos e vigsimos, a beneficioda
nlloqulz oannunciante papel de Iraspaco Inlprii Aaa Vlnlrifoa rtn Itin Ap
par. que nao Ihe r. caase, re.pons.bili lade J7 'erii d.is llalcues do K10 ae
do referido tr.to,.nieriormentefeito pelo di-[Janeiro, correu no da 10 de se-
WWV'V'fV^VW^f'WVVVVY
i*
Z. HOMEOPATHIGA.
28 lili DAS CKUZES 28,
Dirigida por um pharmactutico
appryvado.
Estoostabeleciinento possue todos *
os medicamentos al agora experi- ^
mentados, tanto na Euiopa c.iuio no *,
Brasil, e preparados pelas machinas ^g
^- da inveceo do Hr Muro. ]H- Carleiras de 12 tubos at 160, por -g
ia> prerjos variaveis, confurme a quali- ^
y dadedas caixas, a quautidade dos re- ^
0" medios e suasdynauisacoes. 43
Tubos avulsos (cada um) 1/000
* Tinturas de to los os medicamen- J
J tos em frascos de l|-/onea 2^000 2
AVIAM-SE CltATIlITAMENTE
to Pinheiro, ecomo esle presentemente es-
teja sendo o.i islr ngi-lo | elos her.leiros d'a-
quella fallecida senhora .atisfacao d.quel-
le tr.to, e leudo perdido todo o direito em
razie o. transferencia da casa .em licenca
d. re.picliv. .enhnria, e hoje s Ihe reste
o meio de ndenisafSo em dinheiro, por is-
so tem frito o mramo Pinheiro lodos os pos-
-ives do se declarar coulra oannunciante
aflm de o expulsar de casa, nilo so lembran
do que o annunciaute, para flr eza e vali-
lade do seu direito, n.lu s lem pag .t o
presente todos os alugueis, como verda-
ileiro senhor, como esta firmemente resol-
vi lo o sustentar o direito e posse ha tantos
annos adquirida.
AGENCIA DE NEGOCIOS ENTRE O BRASIL E
Portugal.
t'tcriplorio na vilh do Cabo, ra da matriz,
primeiro tobrado a direiln.
Delegado,o b.charel Juo Paulo Monleiro de
Andrade.
A agencia promove os interesses licito),
tanto dos subdito, brasileos no reino de
Portugal,ciinin dos subditos portuguezes no
imperio do Brasil ; prosegue reclamarles
de particulares quo hajam da ser feitasem
amlios os paizcs; tenia composices.instau-
ra e segu procediniorilos judiciaes ; proce-
de pesquizas acerca da existencia, mudan-
za de domicilio uu fallcciiuentos ; sOllicita
o cumprimenlo derogatorias, manda assis-
tir piaeis; agenoe a compra e vendado
redios urbanos ou rsticos ; viga por inte-
resses de herdeiros ; faz manifestse icgis-
ira hypolhecas ; adininistra casas e proprie-
dades; cobra ion limontus e juros ; manda
tirar fulhas corridas, passaportes e docu-
mentos das eslHi-o-s publicas; requer quaes-
quer pretences justas do govcrno ; recebe
eonsignaces e faz cumplir ordens commer-
ciaes; coriipr. e vende paieU do crdito fa-
zemio transaeces de banco etc. A di receo
central |t.in sua sde em Lisboa, presidida
o senlior cunsoli:eiro duutor Jos Felicia-
no de Caslillio barreta eNoronha ; o a dlrec-
on geral no Rio de Janeiro, presidida pelo
senhor dimitir Adriano Ernesto do Castilho
Brrelo: silo advogadosda empresa em Lis-
boa os senhores doutores JoSo do Dos An-
tnes Pinto e Gaspar Joaquim Telles da Sil-
a ; o correspondente nesta ultima ci lade
e o senlior ihoinaz Amonio do Paiva, ra
do Fe iegi*l do cima n. 2. Ao senhor don
tor Adriano do Castilho, como director geral
da agencia, cabe o direito de cstabelecer de-
legados nos pontos do imperio que os pre-
cisaren!, em conl'ormidade com a autonsa-
tembro, e vem a lista no primeiro
vapor que ebegar do Ro de Ja-
neiro.
-- VENDE-SE OU PERMUTA-SE POR PRE-
dios iiest.-i praca, o melhor dos sitios edifi-
cados na Turre, margem do rio Capiba-
ribe. o ulimo ao lado direito, quem da
Magdalena vai para sahir no engenhu do
mesmo nome; tendo grande rasa de pedra
e cal, oitors dobrados, com lodos os cooi-
mndns necessarios, grande poco tarobem
de pedra eral, curral para viccas e beier-
ros, viveiro circulado decoqueiros, grande
jardim, para o qual deita-se agua em gran-
des tinas com canos dezinco quevem do
lineo, com um completo pomar, dando ja
lodos os arvoredos excrilente. frucos, alm
ue 600 ps .le abacatls quasi to los com fruc-
to, e outros tantos da ps dos da trra, bai-
xa decapim, grande bananeiral, sendo io-
do o sitio cercado de muito boa cerca de
limSo, deixaudo-se de narrar ouii. s nim-
ias co'isas par. mo tornar este annuncio
mais extenso. Vendse non- qo lio vac-
cas muilo boas leileiras, sendo tres fllhas
do pasto e uma de Lisboa, as quaes esto
anal prenhas eoutras o mojarem-se: quem
0 pretender, duija-se ao mesmo sitio para
ver, e na ra da Santa Cruz n. 70, sobrado
de um andar, para ajuste.
liil heles do ilio de Janeiro.
aos ao:ooo,0oo e m:ooo,ooo de R8.
O caulelista Salustiano de A
(|uino Ferreira avisa ao re.peita-
vel publico, que os seus bilbetes e
afortunadas cautelas da lotera di
matriz de itabira.eda 17. das 81a-
trizes, cstao espustoa a venda na
|ii.u; 1 1I.1 Independencia n.i3 e i5,
1 11 de calcado do Amules, e na
ra da li deis du liecifen. 46, lo-
ja de miudezas de Jos Fortunito
.los Santos 'orto. A lotera da Ma-
triz de Itabira, rorreu no dia 28 de
agosto do corrente anno, e a 17.
das Malrizes, correu no da 10 de
Kilhetes
Meios
Quartos
Oitavos
Vigsimos
11,00 J
11,000
5,5oo
a,800
i,3oo
Fumo e.n lulli i-
Vondem-se lardos com muito bom fumo
em fulhn, por proco mais connimlo do quo
em outra qualquer parte; na ra do Amo-
setembro ; e^pera-se a lista de
ambas, pelo vapor inglezTay, que
cauque Iho confe'e o artigo 27 dos estila- Jeve chegar do Sul no dia ao des-
tos. E polo mesmo senlior director foi 110-1. ______1_______
meado del gado da agencia na comarca do!' ">ei, ou pelo vapor da compa-
Cabo o bacharel promotor publico da mes-' nina bt iisilcira no mesmo da : sao
ma.Joilo Paulo Monleiro do Andrado, que- r-nnliiiprite ns nreniins
procurara empregar todos os esforcos para Pagos em Conlinenie OS premios
levaraetTeilo ascondiges fixadas no regu- 'sem descont algum as lojas aci-
lamento respectivo. *. peuoat, pois, qua;,na mencionadas, logo que se re-
liverem int'-resses a tratar por meio da agen-, '
ca, poderSo di'igir-so ao escriptono quo Ceberem as list s.
elle lem eslabelecido em casa de sua resi-
dencia, na villa do Cabo, ra da matriz, pri-
no-i 1 o sobrado a direita, das 9 huras da ma- 1
iina alo as 5 .la tarde.
Anna Ferreia da Silva, aulorisada por)
proviso do Exm. Sr. presidente, doutor,
Francisco Antonio Ribeiro, do29dojulho
do crrenle anno, tem aheno na casa de sua
residencia, na ra das Tnncheiras II. 50,
una aula de instrucc3u primaria do primei-
o grao, psra o sexu reminino os pais ce
lamilias que della qui/.erem ronliar su.is li-
I', es. podero dirigir-so a mencionada caea, mn" armazem n. I.
a qualquer hora du dia, corto :.- i| n i a n ,
nuticiauto em pregar todos os seus desvelos 1 LlvrOS (le gosto.
em naodcSiiicrec.il do seu conceilo. I Vende-se a collecc.lo do archivo thoalial,
O bacharel formado Antonio Ferreira 'contendo 97d.ania-,i!ra.iile parto dollos ain-
llar lins Ribeiro, avisa a quem inleressar, ida nilo represenladoa nesta cidade; a collec-
que se esta procodendo o inventario dos jcSn dos dramas .'o Mendos Leal Jnior ; o
bens que licarain por lallicimenlu de seu pal'drama (raga de Dos; os romances da A.
Humas ; Mil e um phantasma ; Jorga CapilSo
de Piratas; Cavalceiro J'.irnionlal; Castello
dos Morios; Condessa de Salisbury ; e os ro-
mances de bons autores; dramas misterio-
sos; llananeira ;Maria llespanhola ; Marque-
za de llella-Flor; historia da iuquisicOo;
1817, valor das beiiifcitoras do engeuho poesas de Joflo do Lomos : na ra do Amo-
Trapiche dolpojuca, e supriuientos folios a .rim, armazem n. l.
este engenho, ostaodo lelavenciJii a duas Milito novo.
a voncei em 1853 e 1851, principal e juros, lNa |0j, d0 p8SS,.i0 publico n. 15, vendcin-
al 8 do ronunta, 16:011,790 rs.: quem pro- sp SCCi cn, mho uovo, por ..10 lico pro-
pender, dirija-so n ra do Hospicio a Jos ; a P|las freg(ieze9 que sSo baratas.
Uarquos da Cost. Soares. .. A ,,,, regedora da nmsnlade de N. S.
-- Aluga-se 11 ni sitio, que tenha casa fegu-'Jo |j0m parto, creca na igreja deS. Jos,
lar, e que soja porto da praca : quom tiver Cl)nvj iodos os irn-flos para comparece-
auuuncie.
- Eusina-se a fallar e traduzir o inglez
correctamente por um motiiodo facilimo de
comprehen lor : ni ra da Gloria n. 83
O Sr. Joaquim Ramos da Oliveira, con-
tra mestre do brigua Mafra, tom caitas viu-
das do Porto : na ra do Crespo n. 16.
Antonio Martio. llibeiro, o que s' alguem se
julgar crodor, deve comparcer a justificar
legalmente seu crdito.
Faz-so qU'lquer li.usacvSo, com 8 lo-
tr.s, quo o actual rendo m do engeuho Bar-
balho, na curnaica do Cabo, accoitou em
rem no consistorio la mesma irmandade, no
dia 19 do corrente, pelas 9 hor.s da manhSa,
para uma mesa geral, sobre discussSo do
novo compromisso.
Compras.
para al i man lar qualquer prufessor. 43
5AAAAAA:AAAAMftAMiT:carpina,-e Ir.t.'
Vida .le Fmnklin. [Quoi.ua o, segu
o ceia, de vestir, e dez mil rcis mensaes I AVian-at. i.ua 1 un A..it.> ic ^
Isto por um.dou.ou tres anno, se coovicr|a> ???.!l0Ar!?i,0??f."^?!!."35.a
ao senhor: quem tiver anmnicie ou dirja-
se ao principio da estrada doMnnt.iro, no
silio do senhor Cama, junto do sito da falle-
cida Dalhenna, que se dir. Sanio a luz
-- Omeu escravo Bemar lino, j anniin- p, anklin, escripia por elle mesmo, e conli
ci-do uo Diario lies nu quatro vez.-s, e com nuada e concluida por seu amigo o doulor
25 das de fuga, uo tem ppareci lo; diz^m- Sludar,traduzida do inglez por um pe nain-
me eslar abrigado om u.a casa sorvin 'o bucauo : Ven.le-se a 1,000 rs. na livrana n.
le portas a dentro, na ponto da Magdalena g s da praQi da luilep-n.lcnc
-- Comprain-sAescravo.de amhosos se-
xos, de bonitas (guras, do 10 a 25 annos,
lauto para a provincia como para lora, pa-
gain-se bem : na ru da Cacimba n. II, on
Je morou o finado vigario do Hecife.
Compra-S u na negra creoula ou par-
da, recollnda, do bonita ligo a e moca, que
saiba cngominar e cozmnar. pelo renos
que 1 uo. principio; na ra .Nova n. 34, na
casa da modista brasileir.i.
1 11 upi.i o -. Ires pares do caxilhos do
sacada, um de peilonl ; na ra da Senzalla
Velha n. 102, so dir quem compra.
Compramse escavas mocas e do bo-
nitas figuras; urna q ie lave o engommo per-
leramente : na ra da Cadeia du Recife, ar-
mazem n. 12.
-- Compra-search
los d
Vos amantes da boa pilada.
Rap princeza superior de N. Mearon do
, Rio de Janeiro. Esta rap he fabricado com
tolo o esmero, conserva sua Urca o aroma
~ at o lim do bote, promovendo a desdlacSo
sem causar verligens nem. fnro nariz;
existem botos abortos para mostrar aos frn-
Kiiezea, e acha-se a ven la na ra do Collegio
n. I, .onde he o nico deposito.
Laes para bordar.
Ven !em-se laes de todas as cores, da me-
lhor qualidade possivel. para bordar e para
tapetes, chegadas recenlemenle a esla pra-
cb e se vendei por proco mais commodo do
que em outra qualquer paite, na ra dos
(Jiirteis n. 2, loj do miudezas, de Cruz*
bastos.
Ven.le-se um carnnho de quatro ro-
das, coberto, proprio para meninos: na ru.
Nova n. 16.
Vendem-se camas de Ierro ,
teiura n ccam'ca, pan j propi i is liara pessoas soiteiras e
lo pintura : na ra do 0;m auimn n^ra pnfpr-
loja n. 18. menores, assim como para enier-
un la loja ...
--Compra-saum muleque.de 18a 22 ait-marias d hospitaes e dormitorios
v,d. do doutor Bonjanm!n04i, \ K ou^o naco : ,,,, ,ua.'"^ io 'chegadas prxima-
du Cadea do llecife n. 6. itgi. _r
C^s?" Aviso. ^'
Andr.de & Leal (inda precisam comprar
escravos, creoalus, de 12 a 16 anuos do id.-
Prccisa-se alugar um preto.'que siiba seSi''t "" cosinhar o di rio de uma casa : quem tiver, AAI^AAAsAAAw AAAiB<*i)A.3ft esteja em bom estado, por commodo pr.,,.. :
annuncie, por esla folha. I Jos Joaquim Concalves Cascao, esta- quem liver ,,nuncie.
O Sr. Antonio Jos de liveira lem uma beleci.lo com venda na ra do Pilar n. 131, .. Compra-se um oratorio em bom esta-
carla, viuda do .Marauhao, na ra da Ca lela nSo podendo deixar do fazer publico o pro- Joe |g.se uir,a preta para vender n. ra:
do Recin. 12. 'Cedimeuto -que ltimamente leui praticidu do (:0iiegio n .25.
-- A quetnlllic faltar um quarlo : dirija-Iconlra o annunciante Manoel Coelho Pinhei- Compra-se uma liberna com pouco
seaosilio doSr. llerculano, n. ra da Su-1 ro, quorendo este sem motivo ou r zo al- fur,,|0s 0u sem elles, colloc.d. em bom lo-
lidade, que dando os signaes do mesmo, ejguia lam.-Io fra da cas. que o mesmo ca| fra da praija : quem tiver dirija-se ao
pagando as despezas Ihe sera cnlrogue PinUeiro em outubro de 1817 vender ao Manguinlio, laberna de UrandSo Cordoiro
Precisa-so de uma ama do leito : na |annunciante, o qual ato o prsenlo lem es- .. comuram-se seis ca.leiras de palbioha,
ra dasTrincheirasn. 42, sobrado de dous ta.lodemancaepaciiicapossenacontic.ua. ju,s |,ancas e uma mesa de meio de .ala,
c3o de seu gyro commercul; e para que o tu,i0 em bom uso; na ra do Cabug, loja
publico conio-oi a sem-razo da guerra o D_ 9_ )
injusticia do referido Pinheiro contra o an-
nuncianto este lem a declarar qu', sabendo
positivamente que o referido Pinheiro ti-
nha feito um trato com a senhoria da casa,
., a fallecida Mara Hita de Queiroga, ohrigan-
a melhor de todas em seu genero : o nico do-sea fazer todas as obras o repart mentos
verdadero livro, por onde se pode esludar e que o mesmo Pinheirn havia domolido para
pratlcar a homeopalhia. Est nilidamente seus arranjos, ou na falta da obra pagar 1
J
ailares.
ilAM IL UO DU. .lilil.
THADUZID EM PIlTfCUP.Z.
16,ono rs. de assignatura.
Saino a luz o primeiro volunte desta obra
Vendas.
Lotera do Hio de Janeiro.
aos ao.000,000 de rs.
Na loja de miudezas da praca da
mente, por preco commodo; na ra
du Cadeia do Hecife, loj 1 de fer-
ragens n 44, de Thomaz Fernan-
des da Ounha.
Vonde-se um cavallo rudado, muito bo-
nito e bom do sela, cabriolet e carro: na co-
xeira n. 3, da ra de S. Francisco. Na mes-
ma anda recebe-se alguna cavallos de tra-
to, allianando-se o melbor tratamento pos-
sivel. .....
Cal de Lisboa.
Vende-se superior cal de Lisboa : na ra
do Vigario n. 7, armazem de Reg & Com-
panhia.
W Vende-se uma porcSo decouros miu-
do rezina de angico, eateiras de carnauba
e um relogio de parede.proprlo par. algum.
ropar lelo publica: na ra d. Cadeia do Re-
cife, casa n. 59, a tratar com Jos Da. d.
Silva. .
Nao hanada mais barato.
Na ra do Crespo, loja a um rel-
ia n. 9, vendein se pecas de cm-
brala de saipicos, muito largas ,
pelo diminuto preco de 3,000 e-
3,aoo rs.
r,


y
,**
i
Moinbos de vento
com bombas de repuxo para regrr bcrtu
e baixasdecaplm ni fundc3ode D. W. Uow-
mao: na ni do llrum ns.6,8 elO.
Fazenda da moda.
Vendem-se superiores cortes de cambraii
do salpicas brincos do cor, pelo dimiDuto
pro^o de 3,500 rs.: na rus do Crespo, loja
n. 6.
Cal virgem.
Vende-se'cal de Lisboa a mais nova do
morcado: na ra do Vigario n. 19, primei-
anlir, escriptorio deT. de Aquino Konseca
& Filho, ouna ra do Trapiche, amszem de
Antonio Augusto da Fooseca.
Deposito de cal e potassa.
No armazcm da ra da Cadeia
dollecife n. ia, ha muito supe-
rior cal de Lisboa, em pedra, as-
uiin como potassa chegada ultima-
mente, a precos muito rasoaveis.
l'otassa americana.
No antigo deposito da cadea velha, n.
19 existe urna pequea porcao de potassa
americana, chegada recentemente que por
superior rivalisa com (daRaala: vnde-
se por preco razoavel.
Agencia de Edwin Maw.
Narua (le Apollo n. 6, armazem deMc.Cal-
aiont*' Companhia, acha-se conslanteniente
liona lorlimenlos de taiaa de ferro COadO e
balido, tanto rasa como fundas, moendas In-
eiraa todas de ferro para animaes, agoa, te,
ditas para armar em madeira de todo o; ta-
manhos c madellos o mais moderno, machina
hurisontal para vapor, com forja de 4caval-
lo, coucoa, paasadeiraa de ferro cstanhado
pira casa de pulgar, por menos preco que os
de cobre, escovena para navloa, ferro ingle
tautoem barrascoino en trcosfolbas,eludo
pur barato preco.
AGENCIA
da fuudc5o Low-Moor.
UUA DA SENZALLA NOVA SI. 42;
Neste estabeleeimento conti-
na a baver um completo sort-
i ionio de moendas o meias moen-
das para engenbo, machinas de
vapor* c taixos de ferro batido e
coa do, de todos oa tamaitos, pa-
ra dito.
Vendem-so os verdadeiros solins in-
glezos, patente, de molla e sem olla n
ra da S enzalla Nova n. 42.
Vendcm-se relogios de ou-
ro epr&ta, patente inglcz : na ra
da Senzalla Nova n. l\i.
Arados de ferro.
Na fundicSo da Aurora, em S. Amaro,
vondem-soaradosdeferrodo diversos mo-
lilos.
-- Vendnm-so asseguintes sementes :
nabos,rabanos.rabanetes encarnados e bn-
eos, sobla, couvo trlnxuda alfacc ala-
niOa, repulhuila, chicoria, sonoulas, feijSo
carrapato de tres qualidades, ervilhi torta e
direita, fava, coeutro de touceira, salea, to-
mates grandes, rcpolho, couve lombarda,
snbois, e mustarda : na ra da Cruz n. 46,
dvfrunie do Sr. doutor Cosme.
Tainas para eityeiihos
Na fundicSo de ferro de D.
VV. Bowman na ra do Brum,
p,.ssando o chafariz contina a
huver um completo sortimento
de taixas de ferro fundido e ba-
tido, de 3 a 8 palmos de bocea,
as quacs ncham-se a venda por
|irt:r.o commodo e com prompti-
dao, embarcam-se, ou carregam-
se em carros, sem despezas ao com
prador.
Vendem-se amarras deferro: na
Senzaila Nova n. 42.
Algodo para roupa de escravos.
Vende-so algo dSo muito encorpado, pro-
prio para roupa de escravos, com pequeo
loque doavaria, a 14 rs. a jarda; dito
liiupo a 180 rs.: na ra du Crespo u.5.
Moeuilus superiores.
Na fundicSo de C. Starr Companhia,
oni S.-Amaro, acbam-sei. venda moendas
do canna, lodas.deferro, e um oodcloe
construcc3o muitosuperior.
Vcnde-se urna morada de
Casas, feita a moderna, com tijolo e
cal, sita na ra do Motocolomb,
por preco muito em conta : a tra-
tar narua Imperial n. 3i.
Vende-se a cxcellente typo-
graphia do Diario Novo estando
bem montada, tanto de bons pre-
los, como de lypos : quem a pre-
tender, dirija-se a ra da Praia
n. 55, a tratar com a Yiuva Boma.
Farinha de mandioca a i,6oo rs. a
sueca.
No aruiazem de J. 1. Tasso Jnior : na ra
o dAmorim n. 35.
Velas de carnauba
de suporior qualidade, cuja luz rivalisa
com o espermacote ; vende-se na ra da
Cruz n. 34.
Vendem-se saccas con fa-
relos : na ra da Madre de Dos,
armazem n. 20.
Ancoras para navios.
Veudom-se em casa de Iticardo Royle, oa
ra da Cadeia Velha n. 37, ancoras de supe-
rior qualidade, e por commodo preco.
Vendom-se lonas, brinzo, brins, e
meias lonas da Itussia ; no araiazom de N.
O. Uieber & Companhia, na ra da Cruz
n.4.
Deposito de panno de algodao da
fabrica de Todos os Santos da
Baha.
Vende-seo bemeonhecido pan-
no de algodao da Baha, proprio
para saceos e roupa de escravos,
a vontade do comprador no es-
w *
Cal virgem de LisBoS
Chegada ltimamente, vende-se na ra
A C1IIAIIE DE PARS, i
Fabrica de chapeos de sol, na ru ''tt/V;!?0"0^5:o..f
doCollegio n. 4. _...i:../i...i..
DEBA.
Alm do sortimen. j .do, re O cauteliMa Saluatiano de A-
beu-se pelo navio Havre, ultimo vindo do quino terreira avisa ao reppeita-
Fr.nS.,um novo sortimento dch.f* *" f Tel publico, que a lotera da ma-
sol de seda e de panninho, para hornese, v i'""""' 4 :m..
senhoras, do ltimos gostos; superiores tnz da Boa Vista corre imprete-
chapeos de sol de seda com cabos de cana/e
outros dos melbores que tem vindo a esta
praca, que se continame vonder por me
>ia da
nos pieco que em outra qualquer parle
A 5,ooo rs.
Superiores chapeos do sol de seda ingle-
zes ebrgados pelos ltimos navios, pelo di-
n 111111 i prego de 5,000 rs. cada urna : na
ra do Collegion. 4.
--Vende-se urna negra crooula do mato,
[iiui;:i, e propria para qualquer servido : na
ra da Cadeia Velha n. 24, primeiru andar.
FeijSo novo a ,ooo rs.
No armazem de Couveia & Dial, confron-
te a escadinha da Alfandega.
Queijos do scrt5o.
Vendem-se muilo bons e rescaesqueijos
dosertSo; narua do Queimado n 14.
Alerta freguezus
Que sao cliegados,
Cobertores de algodSo
Muilo encorpados.
Na ra do Crespo.loja da esquina quevol-
ta para a Cadeia, a 1,600 rs. cada um.
Sortimento de panno.
Na ra da Cadeia do Recite, loja n 50,
vendem-se superiores paonos pretos a 4,000,
4,500, 5,000, 5,500, 6,000 e 7,000 rs. o Cu-
vado ; dilo azul e verde a 4,500 o 5,000 rs. ;
assim como pannos Desdados, dos melbo-
res gostos que ha neste genero, por 3,500
rs. o covtdo.
Deposito tln fabrica lie Todos os
Santos na linliia.
Vende-se,emeas deN. O.BieberA C,
naruadaCruz n. 4,algodSo transado a-
quellarabrica.muitopropnoparasaccosde
assucar eroupa deescravos.porprococom-
tnodo.
Na ra do Crespo, loja u. 6.
Vendem-se supmores corles decambrala
desalpicos, com 6 l]2 e 7 varas, a 3,500 o
4,000 rs.; cortes de cassa chita, do novos
gustos, a 2,240 e 2,500 rs.; cassu franceza a
440 rs. a vara ; cortes de brim trancado es-
euros e mesclados, a 2,000 rs. ; panno lino
prelo, a 3,000 e 4,000 rs.; lencos de cambraia
de linho, a 480 rs.; ditos de cassa grandes,
a 160 rs.; riscado .( linho a 180 rs. o covado razio
e muilas outras fazendas em conta.
rivelmente no dia a6 de outubro
do correte anno, e estao expostas
a venda os seus afortunados bilhe-
tes e cautelas da mesma lotera ,
na praca da Independencia n. 4 >
leja de miudezas de Fortunato l'c-
reira da Konseca Bastos ; n. i3 e
15, loja decalcado do Arantes ;
n. 37 e 39, loja de calcado de Por-
to &c Companhia, e na ra da Ca-
deia do Hecife D. 46, loja de miu-
dezas de Jos Fortunato dos Santos
Forio.
lili lie tes 10,600
Meios 5,3oo
Quartos 3,600
Quintos a, 100
Decimos
Vigsimos
1,100

J- c "
^S.SSoa.S
C7*0
5 -Sis
c =.2- "
co o'ci'= ;
6
a
1'3 g
f a -a o
8UJ
? 6
a o
o o
600
Vendem-se queijos de Minas, muilo frs-
esele preco commodo, vindo no ulllmo vapor,
e dito Inglezes: na venda da ra da Cuu n. defronte do Sr. l)r. Cosme de S Perelra.
-- Vendem-se esteiras de pslha de car-
nauba regularcs,e grandes de duss varas dn
comprimeoto ; peles de cabra a 20,000 rs. o
cento ; sapatos e bolas; ludo chegado agora
do Aracaty : na ra da Cadeia do Reciten.
49, primeiro andar.
Palitos feitos
Conlinuam a vender-so palitos de panno
Uno, prelo e de edres, muito bem feitos e ul -
timo gosto, por prego muilo em cnnla; na
loja do sobrado amarello, nos quatro can-
tos da ra doUucimado, n. 29.
Vendo-se mil boa cal nova de Lis-
boa, recent monte chegaila, na ra da atoa-
da n. 15, por menos preso do que em outra
qunlquer parte.
Vendem-sn cinco livros muito bonse,
grandes, encadernaco ingleza, paraescrip-|
lurc,3o ; sendo vendas, caixa entradas,-
e diario, com os tres competentes;
ndices; na ra da Cadeia do Recife 0. 49,
primoiro andar.
-- Vendem-se muito bons sapatos dodu-
raquo pieto para senliora, a 900 lis opar ;
assim como esleirs muito gran los a 1,28o i
rciscuda una; narua do Livramenlo loja
n. 11.
A 5,000 rs o barril.
.

? i- s
S-S*|?g*B|o
oa -a
.0 n
1
c
'i i^ '
" % t S"~ 2 r
. 2.75 o g
?"== o i. 5 .. .
o
a n
"as
B i
D5'5 63l
v -. ^ "^
6 v ?.
v o 8
l|
tai .
B
O
Gal virgem de Lisboa.
Vende-se superior cal virgem,
chegada ltimamente de Lisboa, e
por preco muito em conta: no ai-
mazem do Caes da Alfandega n.
7, ou a tratar no escriptorio de
Novacs 8c Companhia, na ra do
Trapiche n. 34.
Vende-se um moleque de 18 annos, de
linda figura, com iinia.conducta, que .he cus-
toso enconlrar-se um escravus, sem vicios,
nem achaques, ptimo copeiro e bom pa-
gem; d-se a conteni, porquo he boro ,
mais quem nSo dor 850,000 rs. nao o pos-
suir : na ra das Larangeiras n. 14, segun-
do andar.
Vende-se farinha de mandioca de San-
ta Catherina, em porcOes grandes e peqoq-
nas, e vende-so a porgSo que cada um qui-
zer, de quarta para cima, por preQO commo-
do, assim como dita do varreduras : na ra
do Vigario n. 9.
-- Vende-se urna escrava qne sabe coii-
nhar, engommar, lavar.e lo lo o mais arrau-
joeserviQo de urna casa, lambem be ven-
dedera na ra, e no tem vicio do beber:
na ra Dircila o. 72.
- Vendo-se 56 arrobas de cera de carnau-
ba, da melhor qualidado, que podo haior
neste genero, vinda no hiale Novo Olinda,
do Aracaty, sendo toda por junto a 7,000
rs. a arroba : na ra da Cruz n. 19.
Fabrica de chapeos de so, no ater-
ro da Boa-Vista n. 23.
O dono doste estabeleeimento cima men-
cionado, tem a honra de participar ao res-
peitavcl publico de l'ernamburo, parlicular-
menteaos seus freguezes, que recebeu um
grande sortimento de chapeos de seda
panninho para homem, ricos chapeos do se-
iihora,um grande ecscolhidosorlimento de
seda e panninho ou Meca, para quem quizer
mandar cobrir armaco servida, faz-se to-
das as qualidades de concerlns; todo o ob-
jeclo cima mencionado, vende-se em gros-
soea relalhp,por preco commolo,que agra-
da ao freguez vista da fazenda.
Vendem-se no alterro da Uoa-Visla lu-
jas de calcado o. 51, e 78, muito superior
couro de lastro, pellt-s mullo grandes, pelo
diminuto preco de 3,500 rs. a pella, alliue-
lesdo ferro para armador a l,C00 rs. a libra,
linbas de carritel do cor a 241 rs. a duzia.
Gesso.
Vende-se|gesso embarrices, chegado l-
timamente : em casa de I. Keller& Compu-
quia, 11a ra da Cruz n. 55.
Narua do Crespo n. 10, vende-se um
bom escravo para armazem de assucar, de
bonita ligura.
Aos 20:000,000 e 10:000,000 de rs.
Na ra do Queimado, segunda loja 11. 18,
ven lem-so bilheles, meios, quartos, oitavos
das Malrizes da
Vende-so urna porc^o do barris pequo-
nos com mol: a tratar na ra da Cadeia-Vc-
Iha do Recife, loja n 22.
Cunlinua-se a vender manteiga france-
2,
Deposito de cal e potassa.
Vende-se superior cal e potassa,
e por preco commodo : no arma-
zem do caes da AlfanJega n. 7.
3 n m

O 3 -1 =
Po|S-
5*3
<53
3
5 I
'- ~ >
o
3
S
B
O.
co
n
a
05
O
3
3
-
1
~" 3 ~ o ^ ^
!1 al5*sil*SI>
" I' S <= S.-".-i^.
?a-g o. 3j5 2.3
rn 9 3 C *2 M '* _
lf|8li|-;9- 9
rtjri'itrrii
= fflo iSo ? ga| a
aTS8"or|?9
o c 2 S a
ff-SSa'SSg s--a o-
0 3 c ;
3 3 3 (6 -t-O) 1 I I I I I S 1 1 (
o c i ;
fl* ^ i. iv
33S33=
s~.
s2
criptorio de iNovaes & Compa-
nhia, narua do Trapiche n. 34-
l'otassa da Uussia, e cal virgem.
No armazem da ra do Trapiche 11. 17, de
Jos Ferreira Basto, ha para vender superior
polas.a da Russis, chegada ha poucos dias.e
cal virgem da mala nova que ha no mercado.
No armazem de Francisco A. da Cu-
nta & Companbia, na ra do Vigario n. 11,
ba urna por<;9o de lina farinha e mandio-
ca ; taboaa de forro de pinho ; um ancorele
novo de 8 arrobas e 30 libras; arcos para
birricas ; urna soleira ; dois maineis; 5 ver-
gas de pedra do Porto lavrada, e mais ob-
jectos, que tudo se vende por precos muilo
rasoaveis.
Falitos a parisiense.
Vendem-se palitos, ultima moda do Pa-
ria, de bonitos pannos inesclados e prelo;
na ra da Cadeia dollecife, loja n. 50, por
monos prerjo do que em outras partes.
Cal virgem de Lisboa.
Vendem-se barricas com cal virgem de
Lisboa, da mais nova que ha no mercado, e
por preco muilo commodo: nirui do Apol-
lo, armazem do assucar n. 10.
Vende-se ferro inglez em
barra, em porcoes grandes, ou pe-
queas, e a escolher a vontade do
comprador, a 4i5oors. o quintal,
e de 20 quintaes para cima a 4,800
rs., o quintal em poredes mais
pequeas: na ra do Trapiche nu-
mero 3.
Novo sorliinonlo de pannos ecaseroiras
de todas as qualidades.
Na ra do Crespo.loja da esquina quo vol-
ta para a Cadeia, veodem-se panno huo pre-
lo a 2,800, 3,200, 3,500, 4,000. o 5,000 rs. o
covado; e francez muito superior a 6,000 rs.
o covado ; dito azul a 2,800, 3,500 o I,uno
rs.'; cortes de casemira pela enjestada a
4,800 e 6,000 is. ; dita franceza elstica a
8,000, 9,000 o 10,000 rs. o corlo; o oulras
muilas Tazcndas por proc,o commodo.
Ninguem ignora
Que o baralciro.
Vende fazenda
l'ni pouco dinheiro.
Na ra do Crespo.loja da osquina que vol-
la para a Cadeia, veodem-se brini trancado,
pardo, de puro linho, a 320 rs. o covado;
cu ni lu-a ni de cor, do lindos padrOes, a 320 rs.
o covado ; chita para cubera, do cOr fiza, a
200 rs. o covado; cassa de quadros a 280 rs.
a vara ; brioi de cor, de puro linho, com
quadros e listras, a 1,280 o 2,000 rs. o corle;
uto liso, amarello, a 2,000 rs. ; riscadinho
de linho com lislra, a 720 rs. o corte; leiifus
de caubraia do linho, linos, a 480 e 560 rs.
cada um ; e outras muitas fazendas por pre-
to commodo.
- Veudese urna propriedade do legoa'e
meia de fundo, para o norte, com novecen-
lasbra(as do testada, e demrcalas, cuber-
as de matos groasos, coiitendo grande parle
de malas virgens, com algumascasas de lai-
pa, no municipio da villa do Pillar, provin-
cia da Paral yba do Norte, no lugar denomi-
nado Escarlata,Ierras ptimas para qualquer
agricultura do paiz: quem as pretender di.
rija-seaeta pr^a do Recife, a lallar com
Jos llnrculano de Carvalbo, seu logitimo
proprietario, na ra do Rangel, sobrado
n. 47.
Vendem-se silbos inglezes, para mon-
tara do seuhora : na ra da Senzalla Nova
n. 49.
Vende-se cal virgem em pedra, J^ncUdo w'de'Janeiro,
da mais nova que tem vindo a es-; ga no primeiro vapor.
te mercado, pelo brigue Novo Ven-
cedor, a preco de 5,ooo rs o bar-
ril : no armazem do Teixera, no
Caes da Alfandega, cu no arma-
zem de Joaquim Fi.iheiro Jacome,
na travessa da Madre de Dos nu-
mero 9.
Chapeos braneoe
za nova, a 560 rs dita ingleza nova, a 640
rs.,cafem grSo, a 140, dilo miudo, a 18O,
cha hysson.a 1,920, dito, a 2,210, velss do
carnauba dn 6, 8 e 9, a 280, espermacete do
6, a 640, loucinho de Lisboa, a 320, arroz do
MaranhSo, a 80 rs farinha do Manuili.oi, 1
80 rs., dila do Ararula, a 200 rs gomma do
' engommar, a 70 rs., alpista, a 16u rs., bola-
Vendem-se chapos de castor branca,, boa chinda ingleza q ladraJa n redonda, 220 rs ,
fazenda c bonitas formas, a 7,000 rs. : na macarra.), a 240 rs sevsdinha, a 100, sova-
loja do sobrado amarello, na ra do Quei- da, a 60 rs, assim como urna poicSo do
madon.29. meias garrafas vasias, a 5,000 rs. o cento :no
Casimiras modernas. pateo jo Carmo, venda nova n. 2.
Vendem-e cortes do casimira, padrOes Vende-se um escravo peca, de 20 a 22
inteiramenle novos e de superior qualida- annos de idade, e de mu bonita ligura, pro-
de, a 6,000 rs. o corte : na loja do sobrado P"o para lodo o servico : na ra da Madre
amarello, nos Quatro Canlos da ra do Quei-
mado n. 29.
Vendem-se 2 alambiques d.
cobre, novos, por metade do seu
valor : na ra Nova, iota de J. B.
Braga.
Vendem-se 2 bombas de re-
pudio, que botam agoa no segun-
do andar de urna casa : trata-se
na 111a do Queimado, loja de fer-
ragens n. 17.
\ inlii) de I.iMi a
lia melhor qualidade que apparece, ven-
de-so em bar ris de cinco em pipa: narua
da Cadeia Velha n. 46, escriptorio do Augus-
to C. de Abreu.
-- Vende-so urna negrinha, creoula, do
14 annos, muilo bonita, c bem cducada,qun
coze, o faz mais arranjos de casa, bem pro-
pria para acompanhar urna menina esco-
la, e una | rola verdadeira do ra, cosinhei-
r8 e lavadcira ; a primeira por i'sii.oi 0 rs.,
o a segunda mi 560,00o rs isto por dar
conla de venda : na ra luga do Rosario n:
35, onde se recebem escravos de commissSo
para vender.
-- Vendem-so 10 cajxOes de linho, pira
deposito de assucar, assim romo urna ba-
tanea decimal, um bra^o do balanfa de ro-
ni'i 1, ooni oiiiirh.i, correlos o pesos de 12
arrobas : no Trapiche do l'elourinho, que
adiar com quem tratar.
Cal em pedra.
Vende-se cal virgem em pedra
a mais nova do mercado : na rua
da Cruz do Recife, ormasem de as-
sucar da Viuva Fereia da Cunha.
Ka loj i das seis portas, em frente
do Livramento,
Venlem-se alpska de quadros, a 400 rs. o
covado, propria para palitos; chapeos do
in-ssii [ratieezes, a 5,000 rs.; barretes de ve-
ludilho, a 3:20 rs., propiios para an'lar a
fresca; panno lino, a 2,000 rs. o cova lo, de
todas as cores, para palitos ou vesiido de
montara para senhoras; e outras muitas fa-
zendas.que quor acabar.
Na loja das seis portas, em frente
do Livramento,
Vendem-se cassa prola, a seis vlntcns o co-
vado ; chitas escuras, a seis vintens, se te,
meia pataca e dous lusldes; cassa do baba-
do, a dous tusWes a vara; lencos brancos
bordados lias ponas, a dous tuslOes; len-
cos pequeos para meninos, a quatro vin-
tens ; chales pretos de redo, a meia pataca;
lencos dn crep de todas as cores, proprios
para hombros do senhura, a mil res; man-
teletes de tilo, a quatro mil ris ; o outras
muitas fazendas que troca por pouco di-
nlieiro.
Vendo-so um cavallioho do
marca muito pequea, bem filo,
e muito bonito, nroprio para me-
nino de pouca idadp, he bem car.
regador e passelro ; na ius do Queimado
II. 16.
Vinho de champagne.
Vende-so o verdddeiro vinho do cham-
pagne, do cxcellenlo qualidade, ao preco
do 25,000 rs.; assim como de qualidade in-
ferior, muilo em conta : no armazem de
liruun Praegor & Compauhin, na un da
Cruz o. 10.
de fleos, loja n. 34
A ba i ateza sem igualdade.
A nova taberna da ruada Praia de Santa
Rita n. 43, temi urna por3o de vinho tinto
velho, ede bom paladar, e desejando reta-
llia-lo com a maior brevida 'c, vende em
caada do mesmo, a 1,200 rs., cm garrafa,
a 180 rs. a elle, seubores da boa pinga.
Fumo em forha,
de primeira qualidade, para capas de cha-
rutos : vende-se na rua da Cruz n. 34.
Em casa de J. k el le &
Companhia na rua da Cruz n.
55, lia para vender dous exced-
ientes pianos fortes, e de urna das
melbores fabricas, chegados ulti-
m,menle da Europa.
Lotera da Matriz da toa Vista
Aos 111:11011,ooii e 5:ooo,ooo Na loja de miudezas da pra<;a da Indepen-
dencia n. 4, vendem-so bilhetes inleiros o
meios, a beneficio da Matriz da Boa Vista ,
que corre impreterivelmenlo no da 26 do
outubro.
Bilhetes inleiros 10,000
Meios bilhetes 5,000
Azeile de carrapato da fabrica de Araujo o
Fillios, no Penedo.
Acaba de chegar urna porcjIO desto ja
bem conliecidoe approva>lo azeito, eos li-
bricantes piomeltem tor sempro o deposito
abastecido para melhor certeza o commo-
do dos freguezes : veude-se na roa do Amo-
11111 n. 55 armazem deJ.J. Tasso Jnior.
-- Na rua do Livramento, sobrado n. 10,
se dir quem vende varias obras de ouro e
prata.
Miu lozas baratas na loja pernarr.bucana.
Ricas luvas de pellica para senhnra com
misiles, ditas para homem, ditas sem in-
feites a 1/000, para bomons a 500, rendas
e bicos muilo linos e de todas as larguras,
Illas de velludo para cintos e peteofO do se-
nhoras, tanto lizas como aberlas com fi-
vellas dquradas e de madre pnrolas, ricas
Irancas de seda para palitos de senhoras,
bengalas de canas verdadeiras a 1/000 o
outras muilas fazendas e g gosto o proprias para a festa, tudo mullo
barato : na rua larga do Rosario, n. 44.
Fumo e charutos.
Vcnde-se porcSo de charutos cm caixas
de 100, de 200, e de l,C00, de urna das mais
acreditadas 1.11> icas aa Babia, o lambem al-
guna fardos de fumo em follia, do boaqua-
lidade ; estes gneros s3u novos, e vendem-
se por commodo preso, na rua da Cadea-
Volha, loja n. 41.
- Vcndem-se II escravos, sendo urna es-
crava, preta, ongommadeira, cosiulieira, o
do bouita figura, dous moleques de idade 15
a 18 annos, creoulos, iluas escravas quitan-
doiras, urna dila coslurelra, o cinco escra-
vos do todo serviQor na rua Direita n. 3.
Veude-se ou mesmo permuta-se por
casas nesta praca urna das mais elegantes
cusas c bem construida moderna no lugar
do Ci |in:i, uoui commodos o.ir.i una Dlima-
ros! familia, com cinco portas de frente c
sutflo muilo grande, c"m dual jincilase
varanda de ferro, na fenle do mesmo sotSu,
e toda onvi ii.io.ol 1, cozniha lora ; o lio cal-
cada toda em volla da casa, copi.rda parti-
do detras, cacimba, e com fundos suficien-
tes para um sitio, com seus arvoredos, cutir
afrento tuda murada com seu portlo de
ferro : no Passeio publico n. 11 se dir quem
faz rale negocio.
Oh que pechincha !
Vende-se farinha de mandioca, em sseess
pelo diminuto prerjo de 1,600 ra. a airea,
para fechar conta de venda ; na rua Direita
n. 76.
Vende-so um conlSo grosso com pas-
sador, tendo de peto 42 oitavaa, aem fcilio e
por preco commodo: na Boa-Vista, di rui
Velba n. 83.
A verdadeiri agoa de Seltz, em botijas'
vinda de Himburgo, na escuna Dania, ven-
de-se i vontade do comprador, no escripto-
rio de Domingos Alves Malheus, na rua di
Cruz n. 52.
Na j acreditida loja de livros da rua
do Crespo n. II, dobarateiro, vendem-se os
livros seguintos :Atlas do Simencourt, nq-
vo, por 8,000 rs Diccionario de Constancio,
por 7,000 rs. Diccionario Latino Magnurn
Lexicn, por 6,000 rs., Diccionariu da lingoa
portugueza recopilado de todos quo al o
presente se tem dado a luz, por Jos di Kon-
seca, 2 volumes, 3,500 rs., Diccionario in-
glez e porluguez, segunda edicfSo.por Viei-
ra, e o Diccionario porluguez o ing.ez, pelo
mesmo autor, 12,000 rs., com bo\ encader-
na^So, Diccionario francez o porluguez, por
Fonseca,novo,4,500, outrodilo 2,500, Chro-
nica di Rebelliflo Praieira, pelo desembar-
gadorFiguejra de Mello, Virgilio, por 2,500,
Inidnir ni de SllustioS, pin 1,000 rs., oma-
dernada.
Vende-se o terreno alagado de marioha
n. 204, sito na rua dos Pescadores, em con-
tinuidade da rua de Santa Rita do bairro de
Santo Antonio, ton io de frente 36 bracas,
contadas do alinhimento obliquio do caes
projeclado, e de fundos pelo lado do norte
25 bracas o quatro palmos, e pelo lado do
sul 15 brabas e nove palmos, no qu*l se po-
de edificar de oito a uove moradas de Casas:
os prelendentes dirijam-se a rua do Colle-
gion. 19, terceiro andar, que acharo com
quem tratar.
Vendem-se duas carrosas, sendo urna
de carregar pipas, e um boi: na rua da Pon-
te Velhin. 1.
Carnauba boa.
Vende-se no armazem da rua da Moda n.
5, jnnto ao trapiche do Cuuha, pelo preco
de 7,000 rs. a arroba.
-- vende-se um srmario, proprio para
guardar lour;a, e um carrinho de m9o, tudo
islo por piepo commodo : na rua da Roda
n.52.
~ Vende-se urna ferramonta deourives
completa, por barato prer,o: ms Cinco Pon-
tas n 74, ou no palio da Santa Cruz n. 8, ao
p da botica.
Vendem-se dous sitios, no lugir da Ci-
punga. cujus cam defronte do senhor Sa-
bino, seudo um maior.de casa de taipa,com
cosinha, e um grande quarlo de pedra e cal,
com urna grande cocheira, e um outro quar-
lo lambem de pedra o cal, conlendo umn
boa cacimba,temseuspsde frucleiras,sen-
do boas mangueiras, pilombeiras, larangei-
ras, jaqueiras, cijueiros e pirreiras. ainda
pequeos, a cacimba he de excellcnte agoa
de beber, com 150 palmos de frente, cbSos
foreiros ; o outro com 60 palmos de frent,
cum duas casas pequeas de taipa, urna na
frente da estrada, e a outra no centro, com
muito boa agoa do beber, oslando a casa da
frente arruinada e dcstclhada,com a cosinha
o a frente de detril de pedra e cal, com mui-
' tos arvoredos de fructas novas; assi n como
tem no mesmo urna porfSo de cal preta e
branca que vende-se por se querer pagar
dividas : para se tratar dirija-sa a padaria
do senhor Andr Niuzer, no aterro di Boa-
Visti o. 66.
Ao borato.
A vend di estrella da praca da Boa-Vista
n. 5, esta sempr? elTectivo corn bons cleitos
o baratos, sssim como manteiga, a 610, 720,
o 800 rs. a libra, vinho, 200, 210, e 280 rs.
a garrafa, queijos do reino, a 1,(100, 1,20i, e
1,400 rs. cada um, larinha do M>ranh,1o, a
80 e 120 rs. a libra, dita de irarula, 160 rs.
a libra, cha, 1 1,800 e 1,920 rs., dilo preto,a
1,700, chocolate, a 80 rs. o pao, estrelinha
pira sopa, a 320 rs .1 libra, o resto so vista
do comprador se dir o prego,
lia.iato.
Na rua do Crespo n. 9, loja amarolls, ven-
dem-se cmbralas francezas, linas, por 610
rs. 1 vara, franjas brancas e decores, por
menos pror^o do que em oulra qualquer
parte.
Vende-se na loja de Jos Joaquim
iMoreia & Companhia, na rua
Nova n. 8.
Lindas serpentinas de bronse douradas
de 4 luzes, lantornasdo vidro cum pes lapi-
darios de lodos os lmannos o do vanos pre-
cos, tlitaa com pea Iironsoadas a 8,000 rs. o
par, lindas capelina brancas para noiva ,
meias do soda blancas o prelas de poso para
senliora, sapatos de setim brancas recehidas
pelo ultimo navio do franca, luvas di to-
das as qualidades e de todos os precos, di-
tas prelas e de pelica pira meninas do qual-
quer dea, chapeosinhos do soda para bau-
lisados a 5,000 rs., bonos de palha da Italia
para homem a 2,000 rs., bicos do blondo
pretos e brancos, litas riquissimas lavradas
e lisas, ludo por precos que nSo desagrada-
ro ios compradores.
SALSA PARRILIIA
DE
B&iWQ&t*
As numerosas experiencias feitas como
uso da salsa parrilha em todas as enfermi-
dades,originadas pela impureza dosangoe,
e o bom xito oblido na corte pelo lllm.
Sr. Iir. Sigaud, presidenle da academia im-
perial de medicina, polo lllnstrado Sr. Dr.
Antonio Jos Peixoto em sua clnica, eem
sua afamada casadesaude na Camboa, pe-
lo lllm. Sr. Dr. Saturnino do Oliveira, me-
dico do exercito o por varios oulros mdi-
cos, permittein boje de proclamaraltamente
as virtudes cllicazes da
SALSA PARRILHA
DE
a .SNSrareJEJ -mUm
Nota. Cada garrafa contem duas libras
de liquido, e a salsa parrilha de Brislol he
garantida, puramente vegetal sem mercu-
rio, iodo, potassium.
Em consequencia do se ter fechado a bo-
tica do Sr. Jos Mara, mudou -se o depo-
sito da salsa parrilha do Brislol para a bo-
tica ingleza rua da Madre Dos n I, vende-
se a 5/000 rs. o vidro.
'SGantois l'ailhctck Companhiaj
t Conlinua-so a vender no deposito^
l geral da rua da Cruz 11. 52, o excel-iU
a Iintee bem conceituado rap areiaS
i preta da fabrica dcCantois Pailhet &t
* Companhia da Bahia, em grandes ej(
t poquelas porcOes pelo preco cstabe-j
i lculo.
Moendas patente.
Acaba n do chegar moendas e meia m-ion-
das de varios taaianhos da patente de A. o
1.1 i" Mornay em casa de llolhe e Hidoolac l'uez, urna escrava do mirm Miquilina, aiuda
rua do Trapicho n. 12, aonde lambem s moca, bom preta, rosto comprido, queixo
achara arados do ferro do modelo mais ap- '". altura baixa, socca do Curpu, cum um
arovado pira a plantacilo da canna. Estas P u ptrna enchados, u 111 dedo da mo es-
ii-mos 180cunslruidos na falnici mais ae-iQUorai ileijsdo, e loiou vosiido encarnado ;
credilada em Inglaterra e conten vantagensN"em 1 pegar dyi]i-sua rua Nova n. 4.
sobre os outros arados.lanlo no seu arranjo!
como na suaduracno. | |.EIIHi Tvp, bE F_ DE Vm_ 1(ti-
Escravos fgidos.
4o,000 rs. de gratificac5o.
Do abaixo assignado, morador na rui do
Crespo n. 10, fugio do dia 16 do corrente,
um seu escravo por nome Roque, creoulo, o
qual representa ter 45 tonos de idade, pou-
ca barba, foi veiti lo com calc,a de casemira
preta e camisa de algodSo azul, a tem os
signaos segomtes: alio, um tanto aeccodo
corpo, cor fula, descarnado do rosto, olboa
pequeos, e tem urna cicat'iz em um dos
dedos da milo por ter sido maxocado pu-
jando urna trave, feio decira, ecosluma a
embreagir-se, rujo escravo foi do senhor
JoSo OzorioMaciel Honteiro, e he de presu-
mir que ande por aqui mesmo,visto ter mu-
Iher e Mitins, ou na ilha de Itamaraca donde
he li Iho : o mesmo abaixo assignado protes-
ta ha ver seu direito contra aquelle que o no-
cultir: roga-sa portanto as autoridades po-
liciaes e espitaos de campo a captura do
mesmo.Jos Concalves Milveira.
5o,000 rs. de gratifcacSo.
Desipparcceu de bordo dopilarho nacio-
nal Paquete Ventura, um escravo, creoulo,
natural do Coma, por nomo Bento, cornos
signacs seguintes : alto e bonita figura, fu-
lo, [inuo.-i br rba, e essi rapadi, com falta da
deoles na frente, e urna cicatriz no rosto,re-
presenta ler 21 annos: quem o pegar quei-
ra leva- lo 1 bordo do dilo pitacho, fundiido
junto a ponte do Recife, ou a rua da Cadeia
WlliB, armazem n. 12, que roceber a grati-
GcacDo cima.
No dia 6 de agosto prximo pasudo,
desappareceu da rua da Pitia desta cidade.o
escravo Severino, Angoli.de idade 28 annos,
pouco mais ou menos, biixo, pouca barba,
e mil leito de 1 os ; levou camisa branca,cal-
Ca azul, e bonel de panno. Este escravo he
bem midiendo nesta cidade por ter sido da
familia do senhor cipitio Luiz Cosario do
liego,e ltimamente foi comprado ao senhor
lenento J0S0 Marinho Cavalcanti de Albu-
querque, morador no Monteiro.e consta que
se acha acoutado para as bandas di mesma
povoaco do M011 teirn.alo ponte do Cc-hila,
onde lina ha poucos diasencontrado por um
sobrinbo do senhor Antonio di Costa Reg
Monteiro. U ibaixo assignado, como procu-
rador de soi. lilho, dono do referido escravo,
prote.-ta proceder contra quem quer que so-
ja o aulor deslc ficto; enlrelanto pagar
bem a quem o apprehendor.
Ignacio Bento de Loyolla.
Desappareceu do engenho Teriri, fre-
guezia do Cabo, no dia 10 do corrente mez,
uma mulata de idade 35 40 annos, a qual
fui comprada ao fallecido Domingos Jos Po-
reira Pacheco, vinda do Ico, para onde aup-
pOe-seter ido, inlo em sua companhia um
mulato quo fot feitor do Boto,o qual sesup-
pOedisertor; furtiram estes um moleque,
tres cavallos, alguma roupa, louca, e mesmo
algumas joias, que nSo se annuncia, por
ainda se ignorar: recommenda-s a todas
as autoridades da praca e mato de toda pro-
vincia, e da do Cear, a ciptura da dila es-
crava, e aoscapitSes do campo, que serio
bem recompensados.
Contina a estar fgido desde 12 de
marco de 1851, lendo-se ausentado do de-
posito geral aonde se achivi, o escravo.par-
do, de nome Jos, de i lado 25 innos, altura
regular, reforcado do corpo, com a unha do
de lo polegar do p direito arrancada, ps
chatos, com pouca barhi, olhos pirdos e
bem nsgados, o beico superior arrebitado,
queixo lino, coze bem de alfiate, e gosta de
andar assiado, nem he de cor escura nem
clara, ho de cor alatuada : roea-se a polica
ou a qualquer das pessoas que se encarre-
gam do pegar escravos fgidos, de apprehen-
der o de quo se trata, c lova-lu no sitio do
fumino em Buberibe de baixo, a Anlouio
Norherto de Souza l.ealdades, a quem per-
tence, o qual remunerar genorosameute.
- Desappareceu no dia 2 do correle as 6
horas da tarde um prelo pertencente a Vi-
cente Ferroira da Cosa, morador na rua do
Uospicio com armazem o escritorio na rua
da Madre de Dos no Recife, cOr prela, bai-
xo, grosso, com fulla de um dente nfren-
le, alguma cous cambado das pernal, ps
chatos e bicudos, pirece ser creoulo, e re-
presenta ter 24 annos de Idade, tem alguns
signaes ms costas de me o, falla bem e des-
eanea n ; levou calca e camisa de riscado
azul e chapeo de palha ; este preto foi com-
prado oa Parahyba : roga-se a todas as auto-
ridades policiaes, capitiles de campo, ou
qualquer outra pessoa, a captura desle pre-
lo, polo que ser gralilicado.
Desappareceu em 8 de jullio do corre-
le inno, um cabocolo de neme Jos, escra-
vo de Pacheco Filho & Mea ies,da cidide do
Aracaly, o qual tem os signaes seguintes:
o braco esquerdo quebrado na munhoca, ca-
bellos pretos, as pernis um tanto arquidis
para ims, he do boa eslitura, e cheio do
corpo, bem fallante, porm quando falla
perla a lingoi entre os dentes, tem porcos-
lume quando se Iho pergunla ilgumi cousa
responder senhor sim, ou senhor nflo; le-
vou um cobertor de 13a ordinario ainda ao-
vo, chapeo de palha da Italia j usado, com
lila prela, calca de algod3osinho azul ou
rom listras, camisa da mesma fazenda, ou
branca. Este escravo lem vindo do sendo
por trra esta praca, e muilo gosti do lu-
gir do Pedras de Fugo, aonde pode ser que
esteja acoitado, e foi escravo na villa do
l'oiii bal: quemo pegar leve o a rua da Cruz
do Kecife n. 33, casi de Lnil Jos de S A-
raujo, aonde se achira o mesmo esenvo
pin ser vendido, ese recompensar.
Desappareceu da casa de Domiugos Joa-
quim Ferreira, no dia 6 do corrente, uma
escrava denoro Cetrudes, de mieu Ango-
la, vinda pouco tempu da villa du Porto de
Pedras, representa ter 35 a 40 annos de ida-
de, estatura regul.r, sintura fina, pernss e
bracos grossos, falta de dentes na frente,
levou dous vestidos de chita, um de cOr rou-
xa com ramagem miudiuha, outro pardo
com listra, um panno da costa com listras
encarnadas eazues: roga-so a todas as pes-
soas que dola livercm noticia, a fazerem
prender e leva-la na rua da Cruz n. 43, que
serSo generosamente recompensadas.
Fugio da casa do Antonio Alves Bar-
boza, no dia 8 do correle, um escravo
creuulo de nomo Jos, olTJcial de carpina, do
malu, que representa de 25 a 30 annes do
idade, estatura rogular, grusso do corpo,
pouca barba, roslo redondo, hombros lar-
gos e ps grossos, falla muito descansada,
lea lo as cusas antigos signaes de castigos
que tem recebido em poder de outros se-
ubores ; levou calca de brim e camisa nova
de algodSo da Uabia, chapeo de couro: ro-
ga-so s pessoas que doli livercm noticia,
de ftzem-no apprehender e manda-lo rua
do Apollo, armazem n. 30, onde se pagar.lo
todas as desbezas.
Desappareceu ni noite do dia 11 do
corrento mez, o prelo Diogo, de nac,o Loin-
d, representa ter 40 anuos, pouco mais ou
menos, tendo falta de denles na frente, e pa-
dece de frieirai nos |s ; esle escravo j es-
levo por mu,tu lempo no serijo, o alguns
uio/os cm 11111 engenho do sul : quem o ap-
prehender podera levar ao seu senhor, na
casa do doulor linio, no aterro da boa-Vis-
ta n. 43, que sera recompensado.
Desappareceu no da 2G do corrente


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EYHC7PS4R_MVEN64 INGEST_TIME 2013-03-29T16:54:48Z PACKAGE AA00011611_03388
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES