Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03371


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo XXVIII
Terca feira 26
DIARIO DE
de Outubro de 1852.
N. 242.
PERMMRICO
rair/O M sOBoaiFijlo.
Pao. muro Adiikti no.
IMr trimestre.............
Por semestre .:...........
Pat tase .......<>.....
PaeoDimao Doiimuni.
Poi quirtel..............
otioiai do larinio.
Pir.:.-; 2deOutbr. Hinti..: 8 de Setbr.
niobio. 5 de dito S.Paulo. 9 de dita
Cen.... 9 de dito (l. deJ.. :;> deOutbi
Panhlba is edito Baha... lo de dito
4/000
8/000
tft/oao
4/500
IAsDA !> ADIC1A1..
25Seg. S. Criiplm.
21. Tere. S. Evaristo.
j7Quart.S. Elesbo.
j8Qunt >fr .S Simoe
e Judas T.uli'o.
g Seit. S. Beinrinda
joSaii. s. Suata, | s.
Macario.
niioie Orfkt
!, eS. a lOborai.
1. turnio ritol.
3. e 6. ao mcio-dli.
r Hienda.
I. e B. ( 1 borai.
2. rara do oivtl.
4. esabadosao melod
3l Dora. 22. S. Quin-I * lino. iTercas e libados.
lxi,
Gfeieeate i 20, 2hora e23 mI.uto dtm
Chela a 28, ai a horas 24 minutos da m.
Mlngoante ti, aa 8 boraa 18 minutos da m.
(lava i II, ai 4 horas e 46 minutos da id.
saiiMiaai ac
Prlmelras i botas e 54 mlnuloada larde.
Segunda s 3 horas e 18 minutos da maahia.
liaran boa coiaiioi.
Oolaaia e Parablba, isegundsi e seitss-
felrai.
aio-Grande-do-Norte a Victoria i I quistas
felraa
8aallo,Caruarn,eOaraabuBino i'e ldecid*
mu.
flores, Ouricnrv.Eiu e Boa-Tilla lS til
Ollnda, lodosoa dial.
Todos os Cor reos par le m ao melo-dla.
Portugal 14 de Setbr.
Heapanba 10de dito
Franca.. 8 de dito
Blgica.;. Me dito
Italia..!'. de dito
Alemanha. 3de dito
Prnisia ..; 3 dedl to
Dinamarca Ii de Agt.
Russla... 59 ile dito
Turqua. 25 de dito
Austria:. 3 de Sclbr.
Suissa.... I de dito.
Suecia... 28deAgoato
Inglaterra 8 de Setbr.
E.-Unidos 20 d'Agosto
Mjico. 3 de dito
[Callforala Ib de dito
Chlll. 9 de dito
Huenoi-A. 58 de Setbr.
Monterldeo 5 de dito
OAMBioa si as D ODTBnO
Sobre Londres,a 28 por i/Ooo d.
Parla, 30
Lisboa, 95por canto.
lOuro.Oncaa hespanholaa......'
sloedas de 6/400 velhas .-
. de 61400 noval.-..
de 4/000........
[Prata.Pataedesbrasilelroi......
Peioacolumnarioi.. ...*
Ditos mexicano...........
21/000
ih/ino
16/000
ti/000
1/920
1>I!0
l/*UO
' denados
3 presidentes de cansara a M,n00 reales
cada um ou
j 9 Juises ou coosclheirosa
I l procurador geral [fiscal)
Joaquina Jos Rodrigues Torrea, presidente 3 advogados gcracl, uin a 4,50o francos
PARTE OFFICIAL.
MINISTERIO DA FAZENDA.
do tribunal do thesouro nacional, julgando
neceisario solver alguinai duvidas suscitadas
na esecuco de diversas ordena que lem e-
pllcado o regolamento de 10 de julho de I8S0,
aparte relativa ao sello proporcional a que
esto jujelos os ttulos da terceira classe, de-
clara : 1., que o einpregado publico a quein,
por qualquer motivo, se paisar novo titulo,
aluda que para contlouir no inesmo lugar que
estiver oceupando, com ou sem'acresciino de
vencimento, dever j>agar, segundo o dispos-
to noart.26 do dito regulameoto, o sello pro-
porcional da lotalidade do vencimento de um
anno ; 2., que o einpregado a quein se conce-
der qual quer acresclroo de vencimento, por
titulo especial, ou por apostilla laucada no do
emprego, dever pagar smeute o sello corres-
pondente ao accrescimo ; 3., que neohuin sel-
lo se deve cobrar do accrescimo do vencimen-
to concedido ao empregado quando ae Ibe
nao passar titulo ou apostilla. Thesouro 11a-
ciooal, em 4 de outubro de 181,2. Joaquim
Jos Rodrigue! Tem.
9,000
6,000
6,000
7,000
i, "25
EXTERIOR.
AJUSTigANA HESPVNHA EM 1850.
A idmlolslrajao da justica na llespanha foi
por loogo lempo considerada como aquella em
que os abusos eram raais numerosos e os inas
Inveterados. Arguia-sc-lhe alem disto de
ser complicada e ter una multidao de tribu-
nal! etpeclaes ou de.eicepco, cujas atlribui-
edea nao erara sempre sufcienlcmenle dilini-
das. Na verdade, este estado de cousas lem me-
Ihorado mullo depoia de alguna annos Os an-
tlgos julzei loram pouco a pouco aubslituidos
por homens novos, instruidos, chelos de ideias
deste secuto e que tem horror corrupeo. O
governo, de aeu lado, lem leito drsapparecer
muitos motivos de queixa, abolindo a maior
parle dos tribunaes de eicepco, e determinan-
do as allribuices daquelles que ficarain, e
principalmente simplicando sua organisaco.
Assim a lei de 1834 que temos diante dos olbos,
lita os graos seguintes para os diversos pro-
cessos :
Justicas de psz em cada canlao, ou antes em
cada raunicipalidade, compostas de um alcaide
e de dous arbitros.
Tribunaes daprimeira instancia, uin por dil-
uirlo (divididos emires classea.)
Tribunaes de relaco [audiences) comprehen-
dendo muitas provincias.
Uin tribunal supremo forma o cuine delta I 5*
Jerarcl.ia. I "
Por effeito desta organisaco, o psiz est di-,
vidido em tantas circunscripta, s judiciarias
ipiautas sao aa audiences, e estas nao tem oulras I
subdivisdes scoo os partidos, os quaes correa-! A
pondra aos nossos dr-lricios. Eis-aqui o ijua- 3
dro dclles por ordem alphabelica:
IV.0 aVs* Provincias compre' ,
Audiences, distric- Vonutaco. hendida* nit cir- i
cunicrip' ao. ;
M8,236 Albacla,' Ciudad-
Real, Curuca, Mur-
cia.
1,041,222 Barcelona,Tarrago-
na, Lrida, Gerona.
065,383 lava, Burgos,Gui-
pzcoa, I.ograno,
Santander, Soria .
Uiscaia.
547,410 Cacirc c lladajoz.
199,050 As alisas (Jananas.
1,471,982 Corunba Lugo .
Orense,Pontevedra,
1,012,674 Avila,Guadalajara,
Madrid Segovia ,
Toledo,
I,\il,i2 Almera, Granada,
Jan, Malaga.
220,197 As libas Maleares.
4-i4,63i Oviedo(as Asturias)
21^,871 Navarra.
1,122,122 Cdiz Conlova ,
lluelva.Sevilha.
056,040 Alicante, Ca.tcllo,
dla Plana,Valeuca
970,3l5 Leo, Placencia, ;a-
lamanca, Valado-
lid, Zamora.
734,68a llueica, Tcruel.Sa-
ragoci.
e dous a
8 junes iic termino (de priincira classn
cada um
i4 julzes dt aieenso (de segunda classe) a
Mjuiei de mirada (de terceira classe) a
8 procuradores reaes (promotor Ajen-
ies) de trmino, a
14 ditos de ascenso, a
14 dilos de entrada, a
6 relatores (relatores) a
6 tabelliea. dos quaes quatro tem ca-
da um 1,188 francos, e dous a
2 empregados nos archivos a
i tasador y repartidor, encarragados de
litar c distribuir os direitos que se
devem pagar a
I parleiro superior
6 ditos inferiores a
I secretaria
6 officiaes de justica (algnaeile) da au-
diencia
24 ditos dos tribunaes de termino a
24 dilos dos tribunaes de ascenso a
28 ditos dos tribunaes de entrada a
I algoz
O ordenados deste pessoal se elevam ao lodo
a 192,032 traucos,devendo-seajumara cstasom-
111a as despezas do material, que sao, para a
audiencia, de 10,750 Ir., e para os tribunaes de
priincira instancia de 5,975 francos.
Enea diversos ti ibuuacs reuoem a justica ci-
vil ecriminal. Nao temos iuformaedes sobre a
priuieira; quaulu a segunda, que he oral c pu*
blica, apresentamos a ealatistica de 1S43, a ni-
ca que foi publicada oRicialmenle.
2,825
2,150
1,825
1,125
1,100
825
1,283
1,714
1,070
707
1,072
857
535
-n
87S
275
2,190
O resto dai condemnaedes lo penal leves y
por dellctos de pouca importancia.
O numero dos crimes e delicio! foi lo todo
de 28,113 dos quaes t7,688 forain cominettidos
contra pessoal e 10,425 contra cousas. Este re-
latorio he o inve so do que se v na mlior par-
te dosoutros paires, e prova que o povohespa-
nliol sabe mais respeitar a propriedade, mas
que as suas pairdes tambera se ioflamam fcil-
mente e se tradusein era viasde Tacto, a incl-
ino em homicidio!. Por utiii I requemes que
sejam esles ltimos, porquanto o numero dos
aecusados por homicidio ebegou a 3,316,poucos
foram coniinetiidos com preraeditacio, e entre
os meios de aaeeucao.o veneno apenas apparece
emviotecasos. Os crimes contra a naturezi.laes
como o parricidio, sao quasl descoobecidos,e os
suicidios slo bastante raros ; coolarain-se 14
em 1843, por rain de responder por eipancainentoi e ferl-
mentos.
Entre os aecusados, notamos alera dllto :
600 por crimes polticos ( ronspiraedes, sedi-
crs, eipressdei e gritos sediciosos, etc. )
200 por crimes contra a religiao, taes como a
blasptiemta, perjurio, sacrilegio, etc.
5,620 perturbadores ( e oulros crimes da ai-
jada da justica correccional.)
2,548 contrabandistas ( e outros dellctos em
prejuio do thesouro.)
Vi; por moeda falsa, e falsifcacao de toda a
especie.
67 porcorrupcao.
11 por deliclua de iinprcosa, etc., etc.
Importa agora examinar a idade. o sexo, o
estado civil dos aecusados ; o tuappa seguinte
ericen 1 estes dados por audiencia :
S33SSfSS5Sia
i
;o HM r-
|tS<4SK*ifi!9
0--ri-IU;M.lOUc W-l

Tem-se muitas rezes procurado a Indueocla
3uc a laitrucfio poda ler lobre aa criminali-
adfa, e te (em consultado para este Am as es-
tatistlcii dos diversos pazes. Eiamloar-se-ha
com i o te reste o calculo aproximado que offerc-
ce o mappa seguale :
NUMERO
t/> < < X < o 2 o .1 ^ r.n *
. islllliiiiiHii
>
6
- r* CS O ab. CO .4*.-3ls3*t>0
(> a -j. u>- -------4k u '~ '- to ti

, I MJ- Ji
sk. O => i-wj
i a. m co o:
3 =
h
C* o: a*, oxo :.-< vi cj* i
v|MMMO(>
AlbacU ti'. 35
llarcclona 33
l'urgos 51
Cacrcs Ganarlas Corunba 28 28 48
ti ii 4>> -- 1 :; ?*
^UeaaijiU|B>4Sa>a y--v.
CSiJ ISO* '.D & *> *> i"
3
rr "3
mHwiim
mssstiVhmt
BstfsSisssfEBi
aSi-il>-5-x*aJ
** siM.
a
aladrid
Grasada
Maiorca
Oviedo
Pamplona
Sevilha
Valeoca
Valladod
40
51
51
16
17
46
43
2
SSSgftooSgSSSo
m*-w.jO3v'1-;'-'-"i--'
^. 4^ i* viwaoy- toCrO-iMJ
l
D O
D
O.O.
< ?
1
si
ata an^Caf
I I- I : tal "
r-iw-l-'i'*
la)"-W
52ka!

BttStf*eBd>899c|4lf&Bi
4w;--iiis>.Sxx*i5woJ!
I*
i
Albaccta .
rl.ircrlona
Burgos .
Caceres. .
Canarias .
Corunha .
Granada .
Madlid .
Maiorca. ,
Oviedo .
Pamplona.
Sevilha .
Valen,.1. .
Valladolid.
Saragoca
Termo medio
geral
de disc- de aecu-
pulos so- sados so-1
bre dez bredez
mil hab. mil hab. I
311 34
420 12
1058 37
537 4o
193 4
328 26
324 37
600 50
480 13
670 11
1034 51
377 36
602 30
962 33
564 29
io
... 588 1 ai
que sabem
ler e escre-
ver sobre 10
mil aecusad.
postos seus soldados, e prepan-se pin no
to combite em 7 da novembro.
N3d me engase! muiti) nm omua calculo
sobre o resulta lo da eleifio de letnmbro,
e particularmente sobre ns incidentes que
previa, e Ihevaticinava em caria de afroto.
f.< 1 .li 1 er.iilieei las as eleicOrs de quisi toda
provincia : salvos os leligios pendentes,
tema npposi(9o20ramirai em 57 munici-
pio! ; pendem de soluco do governo is elei-
Cdes de Sorocaba, llnganca, Taubat e Li-
meira, por causa de terem sido suspensas as
rtleirjoesein freguezias dos respectivos mu-
nicipios. Em Soroca lia fui i disputa irden-
tissinii, e soflrivelrnente pengosa : como
estivam indigitados para sorem presos no
da da eleicfo muitas dczen.s da guardas
te Limeira, os governistas suspendram a
eleifo; ignoro os motivos.
Omitto tudo quinto diz respailo ans de-
mis municipios onda assim ou assado con-
cluio-se a eleico ; failei distes pira dar
urna idea dos molivos que occasionaram a
pen lencia da quesillo quem quizer saber o
que houveem outros pontos procure o Ypi-
ranga e Aurora que andam recheados de ox-
tensos pormenores, e enchem suas colum-
nas com mimada discussSo a respeito.
Nio passarei, porm, a oulro tpico sern
notar urna circumslancia que sorprendeu
a muitos.na voIsqo das trea freguezias des-
ta capital : em Santa Iphigenia era indubi-
tavel 0 Iriumuhoopposicioniata ; porm no
Braz ainguem cuotara que a opposicSo pi-
nacionaese policiaes por faltas de .-ervico\sasseos calcanha.ru do governo, como diz o
dequeos irguiam seus commandaoles, osjvulgo; pois an lou perdendo com urna in-
malsinudoi procuriram a proteccilo dn nu- significante differenca, 5 ou 6 votos, e con -
merosogrupo qua icompanhava o juiz dejseguio raaioria para o primeiro juiz de
paz. Chegados matriz eslavam porta o psz.
1674
3407
5101
3240
2759
4058
2493
5502
566i
3821
3424
039
2420
274
7
id
1
? /
a 1
-------v m
i i
f \
_ | -* "**
t i i i^ x n a- d x i- *
t / g
tSarogo^a 30
Totaes *S0 12,119,759
Ao todo uv/.c audiencias compribeudcnJo
480 districtos sltuaJo na Hcspanha comincu-
lal e quinze audiencias com -l'J.'l districtos, se
ajuutarmos ai Hhat ItjUarcs e Canaria.
As pequeas difieren^as que ha entie as di-
versas audimeet provem quasi nicamente da
eatenso do territorio que forma a suajurisdi-
(aOi do numero dos pnrltdosqxie acompe.etc,
etc. Podemos por tanto para dar urna ideia do
numero e dos ordenados dos funeelonarios en-
carregados da adinioistrayo da Justina em urna
circuinscripfao, tomar pitra eieinplo a primei-
ra que se aprsente, seja a de Barccllona (Cata-
lunba.)
Funecmnarios quejormam a audiencia de Barce-
tona e os tribunaes de/trmetra instancia t/ue de-
ptndem delta.
Francos,
t Regente ou primeiro presidente : j)r-________
FOLHTIJU.
0 PALACIO PIMODAN. O
pon flux- iKogcrio "Bcaubotr.
PASTE PBIMBIRA.
111
Um ambicioso.
Ni hora em que Uvera lugar esta conrersa-
cao no Palacio-Gardeal, o grande lampero sus-
penso porta da taverna de Pomme-dc-l'in agi-
lava anda sua elaridade vacillante sobre o
caea des Olmes.
A' chegada da ronda, Mardocheo fugira, e
Saint Amant e o capillo La Aipaille haviam sa-
bido desle lugar bachlco prestando-se mutua
aiaistencia ; Kellerose recolhera-se a aeu covll
junio da Ponte-Ni-va, e os oulros clientes de
niesire Felippe Gruyn se llnbiiu dispersado.
Todava a lampada enfumacada balancava an-
da sua negra estrella no tecto, easjanellas nao
eslavam anda fechadas. Maiiettaconservava-ae
em p diaote de < arlos Gruyo, e grossas lagii-
maa Ibe corriam dos olhos. De quando em
quando ella lancava um olbar furtivo sobre o
mancebo. Carlos peruisuecia sentado com os
cotovellos apolados em urna das mesas, e pare-
ca entregue a amargas relleies. Tudo o que
se acabara de passar na taverna de mestre r'e-
lippe Ibe parcela ainda um sonbo. Este desco-
() Vide JWarir. n, 239.
iegundo este quadro houve uma dilferenfa
consideravelcnlre as diversaa provincias sein
que seja fcil mostraras causas della._ Aa pro-
vincias as quaes as condemnaedes io menos
numerosas, sao as que formam as extremidades
nordeste e norueste do reino. A Cataluoba
(Harcelona ) c a Astuiia ( Oviedo ). Gomo em
lodos os pases, a capital da liespanha entra
igualracnle nu numero das circumacrlpcocs
que tem mais criminosos.
O numero das penas csccdc alguinas vezes
o numero dos ennderanados ; tsto provm de
que alguns tem sotTrido ao inesmo lempo uma
pena corporal c outra pecuniaria.
Se quizer-sc estabelecer uma classificaco
relativamente a estas penas, acba-se que bou-
veram
2i7 condemnados a pena capital.
221 condemnados ao esilio ou baalmento.
484 cendciunados a Irabalhos nos presidios de
frica.
477 condemnados a prisao cora trabalhos.
2670 condemnados a trabalhos peninsulares.
3218 condrmnadoa a recluaio.
3835 condemnados a prisao correccional.
4774 condemnados a penas pecuniarias.
, i a a
&fc!!B&H3,35
J Cak*U "^'i-
iiliiil|isisli
E
'I
>
388
Entre os diversos melborimentos feilos na
admioiilraco da justica, porcinos a creaco de
uma ;n ././1 eivi (decretos reaes de28 demarco
de 1844 ). Desde seterabro de IS,S. este corpo
coma 6,18l boraens de infanlaria e I,32l de
cavallaria distribuidos por toda a ilespanba.
A vigilancia desles gendarmes vai em augmen-
to, porque o numero dos erimes provado e dos
delinuentes presos foi de 18,429 em l84 e de
21,661 em 1847. Eiiaqui algumas numera-
les.
Em i di, verilicaram-se 12,367 crimes leves,
e foram presas 4,696 delinqueutes, 586 crimi-
nosos fogldos, 1,038 desertores, c ns contra-
bandistas.
F.m 1847 houveram 13,910 crimes leves, c
.rsao de 5.908 delinquentes. 808 criminosos
agidos, 1,038 desertores e 108 contrabandistas.
1 Resta-nos suieule dizer uma palavra sobre
os tribunaes de coinmercio. Ellcs sao divid*
i dos em duas clasaes. Us tiibunaes de primal*
! ra classe, inslallados as cidades as mais coin-
merciantes, sao compostos de un prior, de
doui cnsules e de quatro vice-consules os
tribunaes de segunda classe tem smente dous
vice-consules. Eis aqu as cidades, s quaes
pertencea priincira catbegoria :
Harcelona, Bilbao, Cdiz, Madrid, Malaga,
S iiiuudcr, Scvllli i, V llene i.
Os tribunaes de coinmercio de segunda clas-
se sao as cidades seguintes: Alicante, Purgos,
Gorunha, Carlbageua, Jeres, Murcia, Palma
,' Maiorca J, Pamplona, Sao Sebastio, Sao
Lucar de Parrameda, Tarragona, Vigo, Sara-
goca.
( NonUtur)
Jelegido, o comiuandanta do destacamento
com um lo-ir numero de soldados dn linda o
la guarda nacional, e foi logo declarsndoo
delegado que ninguem entrava emquanto
alie, para satisfazer is esigenciis dos com-
mindantes, nSo prendasse os guardas nacio-
naese policiaes que eslavam misturados com
os eleitores e mus pessoas que acompanha-
vamojuiz da paz, o no revistasse a todos
para ver se Ua/jaui armas.
O juiz de psz o alguns culados ilistioctos
ili'i'i iiiinini que i -i.iv.iiii todos promptos pa-
ia soirrercui a revista, porque vin am s-
mente votar, e psra isso n3o preciss mas; e que, quanlo as pnsOes, reflctisse o
delegado sobra o eiTailo que fariam sobre a
moialidaiic: da ('|eie;1 Na Se, votatjSo da opposic2o foi inas-
I eruli; aqu fila sempre sobre grande rola, por ser o sssenlo do governo e da ad-
ministrarlo ; agora, porm, andou rom
uma differenca de 10 a 20 votos, e conse-
guio incluir na lista dos 9 vareadores qua-
tro da soue candidatos, sendo o primeiro
votado de lodos das duas chapas o r. Ro-
drigues dos Santos. .Na eleicSo de juizes
de paz do -ni a l.ita toruou-sa m i- impor-
tante, por |ua era candidato go'ernisia o en-
i.hi vice-.rresi lente da provine a Dr. Hypoli-
lu, que coniunctanianta cjm skus Ires col-
legas licaram derrotados pela chapa trium-
pliaute da opposico, que hateo palmas do
alegra.
Em honra da verdade, cumpre dizor, que
veram desde 9 huras at perlo de 3 da t ir le,' a eleicSo conservando-selodos na ra, exposlos a um i no fosse a impertinente intervem;3o de al-
sol abrazador : algumas tenlali'as de tran- guns otOCilM da guarda nacional que da-
9

-i
-i
>
r
nhecido, de quein elle lomara a defesa, liav la
recebido uma bolsa da condeisa, acabava de
n-iI v.i-l i, e esta aeco generosa o perder 1 Pa-
ra onde o haviam conduildo ? para a casa da
condessa talvez !,.,. Seria uin desses namorados
aventureiros da llalla, que nunca andam sera
a guitarra e a espada ; um amante dessadama
Site Carlos .l'' enlo mal iloha entrevisto ? O
Iho do taverneiro de Pomme-de-Pin quasi que
iuvejava a sua desgraca, porque a infelicidade
he multas vezei para com as mulheres a melnor
das recommendacoes, e Carlos Grujn teria dado
tudo no mundo para ver-se conduzido porse-
inelbaote escolta casa da duquezi.
Assim collocido diantc de Marletta, Carlos
ousava apenas interrogar as pulsacdes de seu
coraco .. Ao aspecto destn linda moca, elle
sentia-se commovido c perturbado, lo per-
turbado que mal ousava levantar para ella seu
olhar desconcertado .... Taires dlssesae comsi-
go que, se Marletta o araava, este ainor.de que
elle j eslava possuldo porontraera onrcrliue.
Senta enlo uma tnagoa real e profunda.
I .r/i un quasi dous aonoi aue Marietla fdra
recolhida por meslrc Felippe, e nao se India
passado nenbum dia era que Carlos nao troca-
le cora ella doces e ingenuis confidencias.
Mesta laverna sombra, alumacada, aberta
para todos, a presenca dcsla bella e serena me-
Para completar eitai classificacoes accrei-
ceuiaremoi oa dados seguintes lobrc a lustruc-
co c proliisio dos accusadoi:
j; I 5-5 2-S 2.2 = o r-S
^:

0 t* tH 13 > X -I O -
s. paulo.
S. Piulo 1. de oulubro de 1852.
Presumo que quindo me encirregou des-
ti correspondencia minea Iha passuu pela
cabera que eu fossa um homem da forro, o
portanto isento de humanas fragilidados i
por consequencia, dizendo-lhe eu quo deixei
ilc escrever-lna durante todo o mez lindo
por andar adoeotido, lia de ficr plenimen-
te sitisfeito. Procunrei, porm, supprir o
delicit quanlo mo [r'ir pussivel, esforcindo-
me por dar-lha informatSes do que occor-
reu de mais importante no mez queacabou.
Segundo a ordem chronologici, principia-
rai pelas eleii;0es que tlveram lugar oossxsus
primeiros das. Seria impossivel.para quem
So pretende escrever una historia, resu-
mir em um quadro, ainda de acanhadas pro
porcOes, todos os incidentes dcsla lula por-
fiada crdente. A opposicSo desla provin-
vincia he decididamente leimosa, e assim
eonflrma ojuizoque commummente se faz
do carador dos Paulistas; os revezes, por
CORlinoosque sejam, a d3o osmorecom ; e
por mais que seja estrifegada as batilhaa,
rolla ellas com novo ardor e tenacissima
cinslaiioi. Derrotada nm 5 de agosto de
1849 ; d? otada em o.* de fevereiro e 7
do setembro de 1852, chama* novamente a
SHiiliili -t i .1 "i-I .1 ? m r_. ^m i >
Iho no mel de uma multidao vida de ouvi-
la.....O taverneiro netouoesla voz urna altera-
cao que o comiKoveu, aprosimou-se da pobre
menina, suas raaos c seu pescoco tinbara ainda
marcas de crois acoutes.....
Dous boraens de lez trigueira eslavam per
Irs da cantora um deaiea Enypcios nmadas
eslava armado de uin chicle. Felippe com-
prebendeu ludo ; elle ouvira (aliar desias tril-
les creaturai tornadas por um lance da aorta
umamercadona humana, que a pregui-a ou a
industria explorara. Elle acabava de receber
algum dinbeiro era casa do duque de Crequy o
raais rico de seus freguetes, e propoz dar ral-
larle ao dono de Marletta. Desse da em diaote
a rapariga foi tratada era auacaia como lilha, e
Carlos pode deide enlo chmala tambera
sua irmaa.
Esta aaridoia acjo de raestre Felippe asst-
gurava uraa sorte a Mar cita todavi. ella sis
he aproveitou.
Encerrada como urna toutinegrarimua galo-
, Marletta leinbrou-ae logo com aaudadea de
sua vida de outr'ora, eaia vida errante curre);
ella nao le lembnva mais do chicle, da nev
e da fume, lembrou-se smenle do tapete re-
ino em que a fazlain cantar em pleno ar, do
olhar fagueiro que Ibe laucavam os raanceboi,
dos ramalheies e do dinbeiro que as bellas da-
ina era, devenios dize-loAUm dessea contra- mas lbealiravam, levantando para ve-las, as
O I
sensos grosseiros de que delicadeza mais em-
bolada se admira.
Marietla pareca aegurimente felta antei pa-
ra habitar as paredes douradas de ora palacio
do que parafanar-se cuino uma nobrelor nes-
sastrevaa. Ellatinba emal uin fundo de rajas
e de coragem inexprluuveis, nao se quelsava de
sus condifo, mas soffrla.
Tornando a acha-la essa nolte pensativa e
triste, Carlos nao pude eiimir-se de pensar no
dia em que raestre Felippe a iotroduzira era sui
casa, elle a loruava a ver com seus brincos de
tnissiogae seu avenialziubo de clgaua.....
cortinas de suaa lilelras.
Us rgidos principloa de mestre Felippe, o
amor com que o digno taverneiro se dizia o
primeiro da sua corporafo e da atu fabrica,
tudo, at inesmo a trocada sua escravldo e a
inferioridade da sua nova coudico, Ibe deaa-
gradou.
Aislui ella passava muitas veze* horas intei-
raa sentada jauella o seu quartu, donde olba-
va irislemenie para a crreme d'.go. como
uma dessas mocas inelaucolicas de Veueza.
Essa jauella, ou antea essa iraiaesra de Mari-
etla dava para o Sena, e meilre Felippe se li-
Uin dia que seu pai atraveasava o March- ] ntia inultas veses visto coustraogido a arranca-
Neuf, o soiu de uma voz llie lizera villar a ca-lia dahi. Primeiro que ludo, dizia ette, uin fre-
becs, era uma moca que cantava uin escrib- Iguez de Pomme-de-Pin uo deve. esperar.
INTERIOR*
-acci' i houveram, al quo o delegado deu
sen i/.''ii'/HM.que. era licarem absolvidos d
priso os guardas nacionaes de in'anlaris,
qua eram numerosos, com lano que n3o
vutassem, a sarem presos os da cavallsria e
policiaes, viodo estes votar da prisSo, no dia
g.guinle, na lorceira chamada.
o juiz de paz fez suas contts, c os que o
icon'ipanh ivam, v-'inln quo per liarn no ne-
gocio, rosolveram-se ir fizer a eleicto era
outra igreji. e diritiram-se para a rio Se-
nhor dos Afiiclos (oao deita de havar chis-
tosa coincidencia),e ihi li/eram tranquilla-
mento sua allelo, dando de ludo parte ao
governo. Escusado lio dizer que o delegado
deu logo providencias para una eleico na
matriz, e ello mesmo onvocm os juizasde
psz immeliatos, querecusando-se, doulu-
gara apparecer um supplenle em 6 lugar,
que linha sido juramentado pelo juiz daili-
reito ta Qlec8'> do fovoroiro, o com ellaar-
utou se uma mesa c apparecrnm volantes ;
enchoi-se a urna eapurou-sc.
Finia esli prlmeira parte da peca, come-
cou oulra mais seria, a priso dos reealci-
tr'tntti,!' lanos sSo oiles, que o Ypiranga de
hoje publica uma ro a ,,lo nominal dos presos
qua j excedem de 90.
Em Campo-Largo,inirocti a do masmo mu-
nicipio, o oegocio esleve mais grava ; o juiz
de pazsuspendau a eleigSo, representando
vam listas marcadas e numeradas aos seus
soldados, poda se dizer que nSo houvo
Macelo.
A iiitaiha foi geral : em toda a parte, i
oxcepcJo da um ou outro municipio, a op-
pO'icSo apresen!ou-se em campo. Se nosta
eleico, qua nao envolve interesse ISo ge-
ral, a disputa foi tilo r.nhi.i \ o qua nao
sera ua de novombro prximo i* l-.nt- nt i nlo
nislo do elenjOes, as vezas occorrem inci-
dentes tilo inesperados e fra das nrcvis .
possivels, que fazem ar lticos, apraseutando resoltados que nin-
guem sonhiva ; i' l'inio motivos para crer
04 possibilidado de alguma peripecia as
prximas.
Vanemos de assumpto. O novo hispo
tem-se mostrado iucinsavol no comprimen-
to das obtigsQes de seu sagrndu ministe-
rio; prega habitualmente aos domingos na
catliedral, e as tard s visita as nrisSes, on-
di se enlrelam em largas praticas com os
presos, infunnin lo Ili s sentiinontos de re-
ligiflo, e exhiiiliodu- is resignarem-sa aos
padec meatos quo seus crimes I lies allrahi-
ram.
Pulilicou nos 11111 i.- i-. .Ji s de setembro
urna extensa pastoral conteni mandamen-
tos e conselhos ao clero da diocese, e na
quil oceupa-se muilu minuciosamente do
molo porque os padres devem apparecer
ao governo contra o subdelegado quo pz.om publico, prescrevendo Ibes a forma da
guardia as po. tas da igreja para que nella roupa, sua cor, e at a forma dos chapeos,
s enlrasscm os volantes governistas, ou lli um arligo especial em que condemna
conversos ; que foi perigosamente ferido um acremenla a intervencao dos padres as lu-
cidadao que so diriga matriz ; que foram'tas polticas, especialmenle eleitoraes; e
presos muitos oulros, entre ellos o juiz do. ordena-lhes que nSo acceitem empregns
paz em exercicio, o o negociante de soroca- que tenham jurisdii,iin policial ou criminal,
ba Frednrico Mascarenhas, que ali eslava,' ou que so deiniltiiii dos qua exorctam.
sendo maullado e maltratado o Dr. Azeve lo, I Tem prohibido soverarnente carta reyn-
quo assessorava o presidente da mesa, i; lias de que gozavsm os padres, pelo geral
subdelegado reuni nutra mesa, e fez a sua consenso ou tacita approvacao das autorida-
eleico, nSo so ieaportando com a suspeoso des superiores; regalas que fariam crer a
ordenada pela primeira mes). quom nSo ostivosso bem informado, quo
Em Taubal representa o juiz de paz ao certas cousas nSo sao prohibidas pela disci-
governo os motivos quo o for^ram a sus- plina da nosso igmja.
pender eleicao, que foi continuada por de- Reccio, porm, que ISo religiosas inten-
ligencias da auloridada policial. (des achem duro tropero dos costumes in-
Em Braganca a eleico da villa foi pleitai- Tolerados c profundamente arraigados; o
ra comocoslumadoardor.o perdeu a oppo- que algumas vistas decididamente utais a
sSo ; mis ella appellava para as duis fre- praticaveis do digno prelado nSo oaufra-
guezias, Soccorro o Amparo, M-le cosluma guem de envalta com algumas exigencias,
a vencer sempre. ceitimentc lilhas do seu zolo, e conformes
Est porm al Moje indecisa a qurstSo aos preceilos di religiao, mas que achara
porque no Succorro, depois de recebidas as invencivol contradicto nos hbitos e ideias
cdulas, e da quasi concluida a apuracSo, o da aoca.
subdelegado n3o quiz que esta conlinu isse, | Ainda uma vez repilo, que apenas desejo
e tal barulnofez que a mesa abandouou-lhe. que S. Exc. Hvma. eduque o novo clero, e
urna e ludo, e p.iriicipou ao governo. O ga- fundo slidamente um estabelecimenlo para
Este axioma do taverneiro atlligla a belli ala-
ietta. O soiu das msicas, as luces das barcas
errantes sobre a agoa, ludo a cativava, e eoa-
raorava nesse canto uvero e desagradavel da
velha Pars.
Coinparaodo-se com as oulras mojas que via,
ella adinirava-se ineiiuo da Ihes ser lio pouco
seiiielhaue ; seus prasere, seus gosloi alo
eram oa della, a louca menina sejulgavas ve-
sei viuda de nutra patria. Tinha sobre tudo pe-
lan raios amados do sol uma especie de culto
e de idulatria supersticiosa. Varios cavaileiros
follando do arsenal a liubam vialo debrucar-se
com embriagues bora do melo-dia nessa mes-
quinha jauella ornarla de verdura, parecendo
como uma linda cabeca do pintor Mieris ; mas
ao seu lado tambera se leria podido encon-
trar outro rosto, o de Carlos escutando-a
n'um silencio enternecido. As notas anglicas
escapadas desta voz eaerclam sobre o rapaz um
poder invencivel e singular.
Por um mutuo iostlucto ambos se defendiam
e se deiculpivam, quando mestre Felippe ra-
Ihava ; pareca um pacto de dous collegas. A
fronte do bora boinera se desenrugava inser-
slvelmente, elle lomava-lbes asmaos, eas una
com um suspiro sem que Marielta nem Carlos
cuidassem era retira-las.
Mestre Felippe Gruyn, ao contrario dai pes-
sois do seuomelo, que se orgulbaiu de tratar
com os corlesos, era um modesto e simples
velbo regular em tudo, e sobre tudo exicto nos
ollicios de sua parocbla ; elle tlnha a dintelo
la de seu cura como hornera honrado, e nad-
poupava para augmentar seu patrimonio. De
Ires filhos que liaba, dous j baviam sentado
praca porm o mais moco, seu amor, sua es-
perance, o mais vivo e o mais charo, era Carlos.
Nao devia elle todas as noites dormir ao lado
de seu pal, sb u mesura tecto ?
Devia acaau frequenlar escasas dejogo. o
iheatro, as ras ? Era elle feito para uma vida
de (dalgo, ou para uma feliz obscuridade P Eis
sem duvlda em que cuidava ento mestre Fe-
lippe, o qual mo via sem uma amargura in-
quieta este penacho brinco e vermelbo sobre o
verno mandou fazer avoriguaces, e o resul-
tado he estar al hoje a urna na matriz
guardada, dia e noite, pela polica, io pisso
que os membros da mesa nSo possujm as
chaves : veremos o que saha quan lo se ron-
unuai a eleicflo, posto que saja mais que
muilo dnvidosa u Virginia.!-; .la urna dapujs
de achar-se ha quasi um mez entra solda-
dos.
Na freguezia daPirassonungi. parlencen-
mc .i algibelra bem largamente, e anda te
este diuheiro.... Xm. nao he ssj, conliu
esse lim; e, em mou conceito, ter f'.ilo
tudo quaulu he necessario pira assegurar a
futura reonrraQflo do clero, e, com esta,
promocSo e incremento dos interessas da
religiSo. Um duro inslruido ha de conhe-
cer a magnilude o magestade de sua mis-
s3u ; o o proprio interesse ha de convida-lo
a manter se na lluro de sua missSo, quan.
do mesmo iijo bastassem os sentimenlog
de piedada que inspiran) uma insiruee. .,,
terilio
uuou
(Jarlos dando uin suspiro.
Enlo ests amoroso 7 Ja te entendo.....
essa dama, debatan de cuja varanda le acharara
perlo daqui. ... Alguma comediante, meu po-
bre rapaz! Son duvlda lia de ser Kellerose quem
esse coiiheeinienlo..... Miseravel
me paga o que compra!
Vo tirar a sua coma, e amanba inesmo.....
Mr u pal, oujectou Carlos, deiie Kellerose
quenada lem com islo.....Nao esta vendo que
as suas supposicdes augmentara a inagoa de Ma-
rielta? acresceutou o rapaz abaiaaudo a voz.
Oh! sira, tu bes um ingrato, disse mestre
Felippe cjLjlt.udo.se, fazes desesperar Mari-
etla!
Meu pal..... .
Nao te desculpes, para nao inenlires. Vai,
tu nao es digno do amor deala menina .' Quan-
do olbo para vosss ambos lio frescos, lao gen-
lis, muitas vezes lenho dito comigo : sao duas
rolinhas que estou citando! Marietla nao leu.
forluua, he verdade, mas eu lenho bens, e se
ella te amar !.... Euifim oohe o dinhelro, co-
mo dizem. que d a felicidade. Mas tu hes am-
bicioso, les romances, nos qoaea alabardelros
cazara cora princesas Tu coi res as ras epas-
sas o lempo em balxo das varandas. Carlos,
meu amigo, bes um louco I
__ Um louco! be verdade, murraurou o ra-
paz com trlstesa. Vine, tem raso, meu pai, eu
nao devo aspirar a nada neste inundo, devo vi-
ver nelle obscuro, humilhado, despresado, i'e-
nho por ventura a culpa de sentlr-me nascidu
para cousas grandes : Porque sou seu fillio, sou
coudemoado para sempre as repulsas e aos des-
dens? Quem foi ento o primeiro que poz em
iiiliit esles germens de amblco e de revoita
contra o mundo ? Quem me deu ineitre. Sei-
ba que eslou cansado desla vida estril c ocio-
sa, tambera quero ser nobre, posso adquirir
um nome!
Uin nome / mas parece-me que o leu he
bastante bello [ Por Dos I soa to bem como
chapeo de Garlos, e casa casaca justa proprla
de namorados.
Resoluto a romper o silencio, elle adiantou-
e para o filbo, c perguntou-lbc ae pretenda
passar asaim a noite a rellectir.
Uma hora da madrugada acabava de dar,
mestre Felippe ai inado de um candieiro de co-
bre parecia convidar i.arlos para recollier-seao te procuroii esse
seu quarto, Marielta fecbava as jaiiellas com fregus, que nun
lenlldo, a lampada eatava a apagar-se, e Mar-
monsette, a zala querida, ronenva j no mais
real dos somnos... Callos levautou-sc, c deu
um passo para a pona dizendo em voz breve a
seu pai :
Deixe-me sabir.
Neste momento Marielta olhou para elle. II i-
via snn duvida una supplica tacita nesse olhar,
Marietla supplicava ; poiio rapazlornoua sen-
lar-se, e poz o chapeo sobre o balco.
Carlos, dissc-lbe o pai, pegando-lhe da
mo cora tristeza, lu nao rae araas !
Voss nao noi ama mais, acresceutou a
consumada Marietla.
Ella desfez-ae era lagrimas depois destas pa-
lavras, porque ha inulto que contioha sua ina-
goa ; seu choro, mais que suas palavras, cora-
uiovcrain o rapaz.
Pcrdoe-nic, raeu pai, respoodeu elle, e
voss tambera .Marielta perdoe-me, eu amo a
ambos I porm de alguns dias para c oo me
recouheco raais, ha alguns das que, sera dei-
xar de ama-Ios, eu me abonero!
Voss se aborrece, e porque ? perguntou
Marletta.
Tens de que te envergoobar na presenca
de leu pal ? acresceutou mestre Felippe.
Meu pai, respondeu n rapaz com orgulho,
nada lenho de que aecusar-me peanle vine. ,
nem perante Dos, ainenie.a vida me he iii-
supporltvel, cumpre que eu fiaja desla casa.
Fugir de mim? dizes lu, oh bem vejo
que sao os mos esculpios que leperdem. (juem
le deu esse couselho, din-, filia ; pur ventura
tens preciso de diuheiro ?
Gracas a vine. raeu pai, nao he o dinhei- _-
ro que me occupi. Aindi human vmc. uiunls- qualquer outto ; Carlos drujii I Procura, pois,
I ILEGIVEL


solida, o s educirlo proprii desta honrosa
|Tl fiSSSO. ,. ,
llenases o interesie do publico pelas
cmprezas industriiei : a noticia qua corre
dequaacba-se em Santos um engenheiro
hahil para fazer eslu los sohre um plano do
cstrailas do IVrro nesla provincia comee a
ressuscitar ss esperanzas, quasi amorteci-
das pela inconsidera^So, ou pouca alloncflo
im i, que r- .iiii trata las as companhias que
so propuuhatu ernprehender vastos meliio-
ram^nlos nas no>sas estradas principies.
A publicicjio das noticias sobro- o cami-
nho de forro dessa curte a cstt provincia o a
de Minas i tu excita lo o maior interesse nas
povoaces ao norte dest capital, go'almen
te situadas sobro o Pura b y ha. As cmaras
mtitiicpais estilo repiesenlando ao gover-
no iiimerial pedindo que a linha se prolon-
gue al o municipio de Lorrna, panudo na
par.gem deuominada-Cachoelra,quo be
0 potito onde comocam, para baixo, as dif-
ficuliladus da iiivcgacAo do Pirahyba.
D'ahi para cima, al 12 leguas dosta 01*
pilal, esse bello rio he porfaitamonte na-
vegavrl para barcos de gruido lolafSo; es-
tan lo as nielhores, ou quasi toJns as fazeti-
das .le caf, desile Moni das Cruzcs, situa-
das sobro as iluas non ,:.n>, em um eitenso
e fertilissimo valle onde corre este rio, en-
ciixilhado naa duas sorras, a do Mar na
marge.ni direita, ca da Manliqueira ni es-
querda
lie fra de quesillo que se a potrada de
ferro vier aquelle ponto osliio ricas o feli-
cissimis as povoirjes adjacentes ao Pirihy-
ba, inclusivo nSo pouciis de Minas, queox-
portam seus pro.lucios pola estradas qoe
nesta provine;i se dingom do litoral para
o interior.
A navegado do l'arahyha, dcslo a Ca-
choeira al perto do Mogi .l>s Cruzes, ple
dizer-sa que he cousa frita; apenas sea
neces^a^io destrancar o rio em alguns pon-
tos e reformar systoma de multiplicadas
Donles que ha sobredio; mas ludo isso he
nada em comparado das vanlagens que re
sultam agricultura, o conimercio, e em
geral ao desenvolv menln de todas as frcas
activas da sociedale. Desojara, pois, que
n governo imperial inandasse esludir osla
inipnrtanlissiiiia quesillo antes de maicaro
ponto de parada do ramal da estrada qun se
dirige a esla provincia, o que podo ser fri-
to seiu projoizo do enmoco dos lr.ibalhos;
pois que desde corte I t milito aqueni di
erra a I i lia he COOimum. No nn-u fraco
entender o ponto principal a examinar he a
qusniidnln do producios que procuraran!
ossa estrada deseando pelo Paruhyba at a
primeira estacan, e desde esto punto atea
raia da provincia DOS muuiciptos de Hana-
ual e Queluz.
Vera iroposito cnnlir-lha que, no oiez
lindo, oheg'iu capital o Dr. Kuth do volt-
d'uma oxuursAo mineralgica nas margen
lo Tiet, entro Soroeaba o Pirapore, cm
piocora d'utn jaxigo do cirvilo do pedn.
Informam-ino quo foi plenanicnlo satisfac
torio o resultado da exploracSo; porquato
pequea profundidad)1, e cm grande cx-
tensilo, encontraram-se carnadas ou vcios
ile verdadero carvSo de podr; o que a
experiencias sohre a sua legitlmidide nada
deixaram a desejar.
Assim sendo, b i fra de duviJa que ludo
conspira em lavor do moviiin-nto industrial
que podo levar o paiz cun incnvel rapidez
a ama prnsperidade miriculosa. Um dos
grandes obstculos so omprego das machi-
nas do vapor, entro mis, he a caresta do
earvSu ; oa. achada una mina a pouca dis-
tancia da fabrica do ferio do Ypanema, no
s esto eslibclecinieuto re 111051 *brc ""
futuro urna inliniti estrada de engrandeci-
mento, pois qun seu destino eslava limita-
do pola penuria docoinbuslivel, como sea
fcil o e inevitnvel lator-se quantu entes
una estrada de forro an ponto do Ju-j 11 a,
logo ablixo da sorra do Mar, cun ti a i fr-
guei de distancia, para transporte nSo so
do carv.lo das minas, como da iinmriisubde
de ferro que a fahrira | le prmluzir c 1 pre-
sentir no mereida por prego muito inferior
ao importado do estrangeiro.
Praza aos cos qu" tilo felizcs coinciilen-
i'iiss-jam auroveilailas, e quo a industria
a a riqueza, recebendo poderoso impulso,
conduzatn o imperio a grandeza a quo he
destinado, E no polo drizar de serassiui,
porque o trabalho moralill, imenill, o cn-
nobroca o liomnm : e desde quo houver tra-
lialho, e trabalho rcnloso paia todos, a so-
ciedade ha de oielhorar, o o seu niclhora-
mentn ha do mrlhorar inevitnvclmento o seu
governo, iiuo em vordado, por via do re^ra,
sempro h.' tSubum como a sociodadogover-
nada.
Pin que nSo fique incompleta esta parte
de miulia carta cm que tralo do ob|ectus
ta"o agradaveis a qnen. se intoressa seria-
mente pela surto do paiz, vou contnr-lhe
que a cnlunisacSo, ou antes a applicacSo de
bracos livi ais importados da Europa, au Ira
bllho agrcola, adqniro ile da cm da rpi-
do desenvolvimonio. A revolucSo, como to-
das as rcvolucOes benclicas e realitiveis,
lez-se au principio nos espirito! ; c um dos
scus mais decididos chef s foi o leador
Vorguei-o com o seu ensato de colonia so-
rielara, se assim me posso eaprimir. Elle
1 i-111 >ii 1 "'i praticimenle que com oouc.i
dispendio, o pagando o momo salario que
I ere'be o Africano escravo, e lin-la menos
O sem o risco do perecimento do capital, era
posiivel ubler mollior trabalho dos lo .eos
livres, e muito maior quanlidadc do pro-
ductos.
Esta deinonstraeilo que o Ilustro senador
leza sua costa, e a Seu riso, foi lenta" onle
calando oos espiritos, o boj be correte o
111 lisputavol a possiiillidade da substituir, lo
do trabalho livre bo CsCravn.ou repartmilo
fe
111 oulra parte una 1.1 venia como esta (guan-
do cu ficar umiiu velhu, he a tt que pretendo
da-la Mandars pintar de novo a tabolela, he
Isso ludo que le aconselho que I 1. 1-. .Mr. Saint
Amifel pruiiietleu-ine doua veaos, lu 03 poriis
111 nii:ili 1 porla. Estas cuuaaa valcm bein as
anuas, ineii pobre lilho. Ve o que csti aconte,
cendo a ineslre Leclerc, que, sendo simples ba-
li-li iro, i|iiU comprar um emprego na corle ;
rerium-lhc ao ouvldo o proverbio dease biin
rri. pai (lo nossu : /..i caque sen ti>ujnui's te hi-
rcnij! Todos vergam iin>a,i de sua edu-
cicao.
1,1 llip ullf Ji i|in be descendente dos I,i Bi-
ji.-ijlle do lempo as crutajai, deua-o filia
Ucscende de pais uobrea, e hio leui com que
ninr-me uina frilaita .le ganhaiias tu com
tila iiobrcza ? Podes andar por lua a parle de
cabrea levantada.
lie poiventura cssa bella dama qucn nao te
ichl bstame nobre i Eia olha para U, c per-
UOla a Marlella, a quem ests allligindo, se
nao le 11.I11 bem proporcionado- Quaudo li-
nlus dote anno o paasavas pelo caes des Olmes
e os vistnhus dlziam entre ai : Ha de ser um
Li lio rapaz I E desesperas da orle, e querr
ilt-isar-me Val, las dalgas sao unas sau-
guc-sugas, ellas le chuparao e depois le dea-
peilirao.
ih : nao me ds o desgosto de encontrar-te
um da com una capa rola, e mal vespdo mus
basta de moral, deixo-le com Marietla... Ella
be la coudcute, e nao quero seguir suas pe-
gadas. Tambein quandu se revolia, be uin
demonio. Eia Ca los, cia Marietla, abracai am-
bos quelle que vos ama, e vos confunde cm
seu coraco. Vosss sao meus Hlbos. mcus
nicos lillio-... os oulros perlcucera ao rete
ao cardeal... mas vossea I...
O, olhos de nieslre Felippe se linhain 1110-
Ihado insensivelineme de doces lagrimas, elle
olhava para Cirios c Marietla n'uin recollii-
ui. ..i eheio de ternura. Recelando sem du-
vidique sua presenca coustrangesse as eoafl-
dencias dos mocos, retirou-se logo fechando a
porta da eacada.
09 productos com o operirlo, depon de pi-
an 11 deiuezis do transporte desle, ou por
meio doaforamentodaaterris, ou racimo
por salario rstipulido no eontncto de pres>
taco de lervlcos, por certo numero de
anaos.
A provi lencii que timou nssembloa pro-
vincial, ipprovinJo o projeclo do Dr. Ro-
drigues dos Sintos, deidiantirsem premio
0 com solidis garanlias, o preco do trans-
porte do colono al o porto de Santos, por
annos, ao lavradorquo quizesse empre-
gir bragos livrot em sui culturi. imprimi
accelerado movimeoto neste imporlinlissi
rao objecto.
Os dous primeiros nivios que cliegiram
1 Santos com trabilbn.lores Sui-sos c Cil-
legosni) bastarSo para as exigencias dos
lavradoies quo concorrram a toma-Ios;
para os que estilo a chegar so ja tantas as
encommendas que presumo que miior
parlados pretndenos liciri por servir.
Assim n3o venln algum acctdeote entri-
vir esto inapreciivel progrosso, tanlo pa-
ra a populacho e industria como para a mo-
ralidade do paiz!
A 28 do pissido chegou 1 esta capital o
novo presidente Dr. Nebias, o a 30 lomou
posse do governo pennte a cmara muni-
cipal ; o vico-presidente, commendador Sil-
va deu um janlar de 80 lalhores, en pala-
cio, em obsequio ao novo presidente.
Corra desde hontem quo o Dr. Nebiai
iniciou o seu governo por urna melida de
ovidenle utilidade, qual a ordem para reti-
rarem-se a maior parte dos destacamentos
mandados para o interior pelo vico-presi-
dente o Dr. Ili.ipolylo por occasio daselet-
(Oes municipios. Sai de boa parte quo o
commendador Silva j tinha dado ordens
neste sentido, mas limitadas reluccodo
numero de pra?as de cada destacamento, de
modo que umi boi pirte pulesseser reco-
mida .1 capital para diminuir proporcional-
monte o voximeqoo pesa sobn guarda
nacional, quo pela disperso da forjado li-
nda o de parmauentes fazia a guartiiQlo da
capital.
Crovavelmentea cssi reducqo da iorta
dos destacamentos se limitara a indicaba
providencia; porquanto he para mim fra de
luvula que pjr melhor vunlado que tenha
0 jrovoiiio nao poder resistir as exigen-
Bill oas localidades que em lempo de elei-
cos, r'-claman incess>nl-mento a remessa
le tropa como meio heroico para dcciso da
quesUo; minio 'ara o governo se errando
US oovldos a lacs exigencias, nSo mandar
mis forra durante o correlo oiez.
Esta o.ii plena ezeCUCBo posturi da c-
mara municipal que manda fucilar as casas
de negocio ios domingos.
Esta novidaJe tom causado alguma eslra-
nhi'sa ; pois que costumati lo as lojas em-
bamleiraremse nesses diss de maior con-
curso, boje estn lo todas fechadas, apre-
senlain as ras um aspecto de tristeza que
causa certa mprcssSo, principalme ile
noile em que a Iluminado das casas de
negocio e a maior aflluencu do passeintes
lava iiut'vel aiiioi.iQ.io as principaes ras.
Em compansscSo os negociantes e caixei-
ros atirain-se com soffreguidSo aos divert-
montos do campo e a audareui as cousas
por este modo ho de esperar que nSo tarde
muito algum molhoramento no numero e
qual dad 1 nas cii 11 aras, que passaram a ser
o refugio desta importante e numerosa
olasae nos das em que o commcrcio loe he
prohibido.
No dia 30 do passado fecharam-so as aulas
di HCidomia ou, usando-se da phrase le-
cbnica, deu-so o ponto ; d,lpois do 15 do
crrente emnecarSo os actos ; hn 0 lempo
das fflieoes para os esludatilcs va lios o pa-
ra os pouca favoroci.los di natureza, o lam-
bem para aquellos que leen) seus protqgidos
O rurpo acadmico torna-secada vez man
dfstincto pelo grande numeru de talentos
nao vulgares quo nelle se encontram : se
os .'Studos fossem mais regulares nada ha-
veria a desejar para a prosportJado de en
sitio dcsta acadotnia.
lis (-ldanles om geral fazem o quo po-
li 111 i- por ventura mais do que era dcos-
pe ar, porque grande numero delles est
dividido 0111 associaces Iliterarias qua dis-
cuten! peridicamente importantei quos-
losplnlosopbicas.politicaseliterariase pu-
blicSo folhelos mensaes ou revistas couton-
do artigos gcralmentc bom escribios sobro
essas materias.
Ja Ibe dei noticia da publicaeo 1I1 revis-
ta do ensaio philosophico, quo ja corita ti-
no c meio de existencia, do Acataba, repre-
sentante de una associaco anouytna ; o
agora accrescenlo a llevisla {.literaria, pu-
blicada pela as-iii'iai;.n) itttiluiadaAthenco
Paulislaoo.
.Nada do estatuios ate o present-, pnrm
ja til noticii de estar n projocto protnpto pa-
ra sur publicado.
lnformam-mo que osse projeclo contem
disposic,es queso pudere acreditar qoando
as vir aotiienlicamento publicadas ; entre
ellas primam as que dizem respeito aos ili-
reitos dos substitutos, cao modo de prove-
rem-se os lugarns do lunte que vagarem. i-
zom-tnc que os subslitutns nSo terSo di-
reito a i racncherem as vagas de lentes sem
nova opposicBo, a qie podem concorrer ou-
tros oppositores ; dizem-mo tamliem quo o
governo poder prcenclier tacs vagas, no-
meando para ellus desembargadores ou fui-
tes de direilo.
Disse-lhe quo no posso cror na realidado
do laes dtspoi;0os, porque, avista da fri
que autoiisou o governo a reformar o es-
tatutos, cuja discusso acompanlici, duvido
da legilldade dostas prese'ipces ; porquan-
lo os estatuios contm essencialmontc o r-
gimen disciplinar e econmico destos esta-
heli-ciiiienios, e n3o se eniondem com a coos-
Mauetti e Carlos permanecan] mudos,
iiniunveis. Oi rumores de fora liohain cessa-
do, nessa sala una hura ames tao ruidosa, n3o
se ouvia mais do que o montono bater do ve-
Iho iclogio.
Marietla aproiimou-sc do rapaz com umi
especie de inquictaco. Absorto em suas re-
llcies, 1 i los Gruyu nao a via, elle conlava
machioalnicnlc as pecas de ouro que seu pai
Ihc dera na vespera.
Itleo iniiiuiurou elle, he vcnlade, cu o
ou I c o serei Bllll fidalgos tem raziio de
procurar a riqueza Nao he rila quemnosa-
bre as portas domadas do fiilmo da vida? A
vida he urna parada c nada mais, joguemos
pois sem oceupar-nos em galaalaria, jogue-
mos. c gastemos com ludo o que joga c brilha
i'ni Franca. Qucn sabe ? esla paixao abso'
ver lalve a que me abrasa, joguemos, oh!
joguemos Diiendo isso, Carlos Gruyn lirou
da algibeira um copo com dado, elle invoca-
va o anaio, bem que eslivesse s, provocava-o
c maldfza-o.
Marietla velo resolutamente pr-sc em fren-
te dclle...
Jamis um rosto mais seductor de donzclla
nao lenta a o pincel de um pintor; Marietla es-
lava bella pelas suas lagrimas, pelo cu amor,
e pela sua dor.
Um eslranho sorriso eselarecia entilo sen
semblante Ingenuo c fresco, dir-se-hia nina
dessas apparlcdes inysiieas, coja aureola des-
lumhra.
_ Jogue, be isso, disse ella ao rapaz, seu
coraco, sua eiislcucla, seu futuro; mas, Car-
los cu tambein Icntao parte no seujogo! I'en-
sa que o renunciarci primeira dillleuldadc ?
Nao, eu aberei hitar, seberei aoll'rer, pois
mi non 1 anula. Vos ama, pois bem, voss
be livre, eu tambein amo. rnenle nao amo,
como voss. O que vosse ama, Garlos, eu
vou dzer-lhe : voss ama o esplendor, a fortu-
na, a ambicio, vose quer reinar, quer por
ii ni, u i. Eu quero pelo contrario apartar de
vase todo o perigo, nao aspiro a frivolai lum-
ias, quero amar a voss s por voss. Leiu-
tiluicSo do ensino, e multo menos com a
realisarjSo de seu pessoil, que sSo objecto di
lii orgnica dai academias.
Quindo mail nfio seji. pirece-me que as
disposicoei indicadis sobre os substitutos
nfio podem entender-e com o cinaea, que
lem direitos adquiridos em conformidade
da legislar;So que piesidio 10 seu concurso e
provimento.
NSo comprebendo lambem qual 1 excel-
encia di eicolbi arbitraria dos lentes na
classe dos magistrados sobre o actual sys-
lema do provimeuto por concurso, e he tal
a minha convicefio a este respeito que estou
Inclinido 1 crer que is noliciis que vogioi,
posto que dadas por um lente que de li
veio, sSo incompletas, ou adulteradas pelas
pessoas que as referom. Emlim, breve esta
0 yermos o que bi de exacto 1 este res-
peito.
Vou concluir com um facto notivel por
muitos ttulos. Um pidre porluguez, etn-
pregado no cunto do Jiboticibil, no muni-
cipio de Arariquari, comprou umi pretnha
de pouenmiisde 12 annos ; l nesses icr-
tiv-s pensouopadre quelheera licito aer-
vir-se da joven eicnvi para ludo ; e como
ella se recusasse universalidade dos serv
(os, dizem que o seulior a torturou e lligel-
lou ISo brbaramente que ella morreo entre
os tormentos.
Ajostica inlerveioe pronuociou o erimi
noso, quo est prestes a ser julgado pelo ju-
ry da Aririquara, que he voz geral, usar
para com olio de lo Ja a siveriJado.
(Cnra particular.)
(Jornal do Commcrcio. 1
MINAS-GEIUES.
Uberaba. 8 de setembro de 1852.
Talvez anda nSo tenha noticia de um hor
rival assassinato quo teve lugar na freguerie
do Amparo, icmo da villa de Braganca, pro-
vincia de S. Paulo, na pessoa do fazend'iro
Francisco Antonio de Snuza Bueno, execnta
do por seis de seus escravos no dia 17 de ju
1 lio p. p.
Segundo contam as pessoas que vcram
em soguimeuto dos mesmos escravos, o pla-
no desle atlentado foi o seguinte Il'entre
os mais escravos que haviam na fazonda,
combinaram-se os seis para matarom o seu
enhor e seuhora, assenhurearem-so do que
lia va na rasa, e lomirem diverso deslino ci
da um depois da divisSo do espolio. Pan li-
to entraran! em casa quando vinham da ro-
sa, o como 11 nha01 assentadoem nilo tomar
a bcnco, assim o pralicaram, e um delles
chamado Jos Carioca, deu urna foucada na
ali -r 1 de seu senlmr que logo o malou. Em
seguida um outro chamado Joaquim, creou-
lo, Iho deu duas pancadas com um pao, e
logo outro de nomo Malaquias (llel da casa,
criado em casa e arreeiro da tropa da casa
Ibesapalcou em cima do corpo .N5o pa-
rou aqu a malvadez dostes monstros. De-
pois do corpo inanimado, anda o mutilarim
com repelidos golpes de ccete e fouce. A
seuhora pode escapar auxiliada por outro es-
cravo, quo n3o tinha entrado no plano, fe-
chatido-a na despensa.
Acabada a carnilicina, saquoaram a casa
de roupas, ouro lavrado, relogio, etc e Ma-
laquias, por tima janella, pedio dinheiro i
seuhora, a titulo de fazer as despezas da va-
gem ; por lim fugiram, tomando a estrada
desla villa.
Naquella provincia puderam prender um
delles, porm os outros conseguirn) iqui
chegar, sendo presos no dia 30 de agosto
prximo psssado 3 ; isto he, Joaquim, creou-
lo, Mala 111:as, e Jos Papudo, fallando o Jos
Carioca o AdSo ; mas como estes ltimos na-
da sabem do terreno, eestao fallos de todos
us recursos, al de roupas, espera-se que
mu breve serSo apanbalos.
No dia 30 do prximo passsdo. pelas 8 ho-
ras da lardo, foi feri lo com urna caccla.la na
cabofa iicsciiv..i de paz esubdelegada,Joa-
quim Antonio do Lima e Silva, a sihida da
casa do Joaquim lioruardes, por Bernardo
de tal, alirando-llie ainda un tiro, porm
como fosse em alguma distancia, nSo o fe-
rio. Depois disto, dirigio-se o mesmo Ber-
nardo a casa de urna pubre mulhcr quo vi-
va com soa m5i, e achando-a entrada da
porta, alirou-lhe urna cacetada cabera,
porm ella dosviando se um pouco, resva-
lou o pao, odeu-lbo no peito do lado es-
querdo, fortndo ao mesmo lempo gravemen-
te urna criancinha de poucos uias que ama-
rnenlava. Mais fana o malvado se acudindo
a m3i Ihe nao frehisse a po'ta.
Este Bernardo ja foi ha lempos condem-
nado pelo jury desla villa em quatro annos
do prisSo, por ler dado urnas chicotadasem
urna mulher, porem infelizmente pode eva-
dir-so da cailna, para anda vir praticar es-
tes attentados, o poder ovadtr-se. Dos fon-
dos s a criaoca he que aiuda esta em peri-
go de vida.
No dia do corrente foi recolhi lo cidea
Antonio Eluardo OopuleSo, pronunciado
pelo juiz municipal como introductor de no-
tas falsas.
Ha lempo que cxislem na mesma cadea
maisdous criminosos, sendo um pronun-
ciado por ler assassiuado a Manoel Garca, e
o outro, cscravo, por ter matado um cama-
rada com quem trabalhava. Ambos perteo-
cem ao dislricto de S. Francisco de Salles
do Rio Verdo, tormo desta villa, e esperam
a prxima reuniSo do jury (ara serem jul-
gados.
I'rocedcu-se hontem nosta pirochia a elo-
cSo de vareadores e juizes de paz, e leud-
se hoje ultimado os trabalhos na melhor or-
dem e socego possiveis, deu om resultlo
quo venceu o partido do governo na cmara,
sendo o ultimo upposicionista, acontecendo
o mesmo com a do juizes de paz, porque
lambem o ultimo he opposiciODislo.
( Carta particular. )
(Jornal do Cumnterco. ]
2
PERNAMBUCO.
Repartirlo da polica.
DIA 20 DE uii IIBIIO.
Illm. e Exm. Sr. Das partes ho-
je recebidis nosti repirlicSo, consta terem
si lo pieso : I ordem do subdelegado da
freguezla de S. Fr. Pedro Goncalves, Anto-
nio Moretra, o Antonio, escravo de J0S0 Car-
dozo de Araujo, por furto, e Jacintho Jos
Soires, por desordem ; ordem do subdele-
gado di freguezii de Santo Antonio, o fran-
cez Francisco Jos Ruin, por ebrio; ordem
do subdelegado da freguezii di Boi Vista,
Conrado Teixeira da EncarnacSo, por deso-
bediente, e Jos Januario das Virgnns, por
ebrio ; e do subdelegado da freguezia di
Muribeca, Francisco Jos de Figuoredo, pin
sveriguacOes policiies.
Daoi guarde a V. Exc. Secretaria di poli-
cial de Pernimbueo 20 de outubrode 1852
-Illm. e Exm. Sr. Dr. Francisco Antonio Ri-
beiro, presidente desta provincia.--Jos Ni-
colao Rigueiri Cosa, chefo de polica inte-
rino.
DEM DO DIA 21.
Illm. e Exm. Sr.--Dis pirtes boje recebi-
dis nesli repirticSo, consti terem sido pre-
sos : ordem do subdelega lo da freguezia
de S. Fr. Pedro Conctlves, Mara, eicrava,
porse presumir fgida, e o porluguez Jos
de Couto, 1 requistco do respeclivo cn-
sul ; a ordem do subdelegado da freguezia
de Santo Antonio, Benedicto, escravo de An-
dr do tal, por andar fgido ; a ordem do
sub bdego lo di freguezia de S. Jos, Ludge-
ro de Menlonca, porse tornirsuspoito ; e a
do subdelegado da freguezia dos Afogados,
liaria Jos de Santa Anna, por ter quebrado
a flanea.
O delegado do primoiro districto desle tor-
mo me commuuicou em ofli.no de 18 do
corronte, quo a urna hora da manhSa desse
dia, houvora um principio de incendio na
paderta de Joo Manoel Rodrigues Valenca,
na ra larga do llozario desta cidade, o qual
fura logo apagado indepedentemente de soc
corro publico.
O dolegado do termo di Victoria, me com-
municou em oflicto da mesma data, que em
trras do engenho Pirapama, Jos Mogueira,
dera urna entilada na cabeca de seu irmSo
Manoel Nogueira, quo viera della a fallecer
ao cabo de 3 das, lendo-se podido evadir o
ass procedundo, ese linha expedido ordem de
prisSo.
Communicou-me mais este delegado, que
Ihe conslava ter sido lambem assassinado
no lugar Porleiras daquolle lermo, por J0S0
Baplisla do Aiqueira o mais dous individuos,
que o acompauhavam, um prrlo de nome
Faustino, cscravo de Jo.lo Baplisla de Albu-
querque, subr-- o que licava ello fazendo as
nocessartas averiguaces para pioceder nos
termos da le.
Dos guarde a V. Exc. Secrelaril di poli-
cio de rernambuco2i de oulubro de 1852.
Illa, e Exm. Sr. Dr. Francisco Antonio Ri-
beiro, presidente desta provincia.Jos Ni-
colao Riguein Costl, chele de polica inte-
rino.
sobra mim... como eu podara manifestar-
vos esse gnnde senlimento, que teoho gra-
vado n'almi ? como exprimir-vs o que sin-
to?......
Confus por tintis o mnumeris proras
An ganernaida le, o mea concia ipanis po-
de mandar ios libios um toslemunbo do
mais prufiiu lu reconhociment, um tributo
di mais (Irme e sintiera gratldflo.
Minoel Cictini Eucci.
DIARIO UE PBBNAMBCO.
RECIFE26 DE OUTUURO DE 1852.
Pela barca Bonita, chegada hontem de
Liverpool recebemos o 7'iwc do 9 a 13 de
setembro prximo passado, e dallos consta
que os diversos oaizes do velho c novo
mundo ficaram 110 mesmo esta lo om que
so .-nli 1 va m no tompo da part la do ulti-
mo vapor ingloz do Southampton para os
nossos portos.
O presidente da repblica francoza ficara
a partir para sua visita aos departamentos,
O ministro da guerra, general S. Arnaud
devia acompanha-lo em toda a viagem, os
outros devjam acompanha-lo smente al
certo- e determinados pontos, menos Mr.
Fould, o qual no devia sabir da capital.
As novas ele(Oes, a q no SO proco leo em
varios departamentos, tiveram prla maior
parte o mesmo r -siili.il qu* as primeiras.
a pez 1 r dos esforcoa e dos prefeilos, o po-
vo nSo concorreo s urnss, protestando as-
sim silenciosamente contra a actual ordem
de cousas. Tal fui o abandono que om al-
guns departamentos os candidatos do go-
verno 11 lo obtiveram sequer um dcimo do
numero de votos necessario para sua clei-
c3o.
Em Pezenas de 2,142 eleitores inscriptos
apenas 38 appareceram para votar 11
Em Londres os consolidados licaram, de
99 T|S .1 100; os fundos brazileiros a 103 1|2;
os argentinos a 73 ; os 5 por cento portu-
guezesa 40; os 5 por canto dinamarquezes
a 105 1|2; os 5 por cento sardos, de 95 l|8i
95 78; o os 5 por cento russos a 118 112.
Publicages a pedido.
e bra-sc das nossas horas, e dos uossos das pas-
'sudos junios ? vosee nunca pedia seno bens
peremptorios e mentirosos, sua bolsa era inui-
Us vezes um inovel inutil, voss a laocava ale-
gremente ao primeiro mendigo que passava, so
cigano que caniava urna arla, moca, que i<
descalsa.
Felii vida feliz lempo Vois uao era en-
lancaplvodo que fulgura, c que deslumhra,
de una pluma de casqudha, de um carro, de
um leqiic Mao; mas voss era bom, genero-
so, c imples, como deve cr um grande cora-
cao, cen ule -1 inuilia j.iiuhinha voss escu-
tava os cantos, que o dislrahiam, c Ihc agra-
davam, uo tnvejava aa rendas, c fitas dos li-
dalgos. Nos somos do povo, amigo, vivamos,
c morrainoa entre o povo. I.u tambein, crea-
me, lenho souhado como voss, e lalvez me-
mo que oohc um horisouie mais altivo, e
maia largo, Estas paredes me moletain, co-
mo as de una priso, esta aboboda me pesa, e
eu querella criar azas .' Mas se eu fugisse, Car-
los, se eu esquecesse, 1I1 a bospitalidade ge-
nerosa de sen pal, ib que iliri.uu de mim i
E todava voss ve, tal he a cegueira insensa-
ta do meu amor, que para qualquer p.rte que
voace f a-no-o, como urna amiga, como uina irina,
como uina amiga que o lasdina.
Moca, e mais moca ainda do que vosse, ad-
v'lnbo a que tempestades vosae vai ser expos-
to, reclamo aolicipadamente urna parle em
suas magoas. Tudo me diz que breve nos ele-
vemos epatar, ludo me adverle de que vosse
ama a oulra mas pelo menos, Carlos, por to-
dos os lacos tao doces da nossa amizade, jre-
me que pensar leinpre na pobre Marietla 1
(iridia 1, uo posso pretender a su 1 nulo, tmlo
me laz um dever de impor silencio s vozea do
1111-u coraco, c todava eu o amo .' Atne-ine
lambem um pouco, Carlos, pois se vosse sabe
o que be o amor, ignora ainda o que he o de-
sespero, a mais verdadeira, e a mais profunda
das miserias 1 Vosie fallou em fugir, ab 1 re-
tracte aqu essas dolorosas, c amargas pala-
AGRAOECIMENTO AO POVO DE PERNAM-
BUCO.
Recitado na noile de meu beneficio em
21 do corrente.
Illustre povo.'... eis-me aqu, ufana de
prazer, elevada ao maior auge da gloria,
a que pode altingir urna misera artista !
ha vos, que tudo devo j que me tendes
acolbidu tSo generosos, e que tendal mi-
mado os meus lacertos pissos, a pizar o au-
gusto palco pernambucano .'.. a vos, bello
sexo que me tendes escutado coto tanta at-
tencSo, per lo.uulo mu as minhas involun-
tarias falls ; o a vs tambem, meus pro-
tectores, que me leudes cercado de tan-
tos carinhos, dignando-vos langar 01 olhos
rw .-' v .jcji iganTiji j.ui>MIaaar.
vras! Tenha piedade de mlin, e de seu pal,
aua ausencia nos malaria.
Pronunciando ealas palavras, Mariclla nial
podia conler os aolucoa.
Pois bem 1 cu licarel, disse o rapaz eoler-
necido, eu ficarel, pois que assim o queres,
Marietla Teu amor me curar da niinlia lou-
cura ; loucura cruel com ett'ello he esle mal
Cornado casualmente, este pensainenlo, que
consom, e despedaca Como conhi-cl eu es-
la lidalga .' nao el, mas ella lancou-me um
plbar lo triste, que repentinamente me com-
moveu... Foi no boulevard do arsenal, Mariet-
(.1, que eu a vi pela primeira vez, ba aeis dias.
Ella eslava cnlo a cavallo, c feo-lia os ares
com una rapidez que polla parecer Impru-
dencia. Uin vciho escudeiro 1 acompaobava
procurando de quando em quando modera-la
oesaa carreira fogosa .. Excitado pelo ruido
da forja, c dos martelos de uina omeina, o ca-
vallu dcseinbeslou, ful lati que...
Que vosse se precipilou bridado caval-
lo, sel dliso, eu o vi.
Como, Mariclla como, lu dase o rapiz
admirado.
No dia seguinte voisc ouvia missa casual-
mente em San-Gerv-iaio, e ena mulher abi e
achava. Ao saln vosse Ihe deu agoa benta
No outro dia, sempre por acaso, vosse ealava
no Goura-ltoyal, ella passou ah n'uma liielra
com aua camarista, uina vclha Mourisca.....
Infelisineute lambem nao foi vosse, quem a
salvou. quando os ladrea a atacaran? esta imi-
te, foi um cavallciro que Ihe roubou essa hon-
ra.....
__ Eu saberei o nome dcasc desconhecido,
replicou Carlos com calor, provoca-lo hei c o
inalarei! alas dize, Marielta como be que ests
instruida tao plenamente do que eu faco, lu
acabas de contar-ine toda a ininha vida de
urna emana, acresceniou o rapas com visirel
inquielaco.
Isloheargredo meu, respondeu Marielta.
Deve urna Irniaa ignorar o que faz seu irmao ?
Todo o seu erro, Carlos, be nada ler-rac dito.
Anda que eu podesse deale modo applacar a
Sr. redactor do Mercantil. Rogo-lhe o
favor de dar publicidade no leu jornal ao
seguinte odlcio que acabo de dirigir tanlo
10 Exm. Sr. vlce-presidenle como 10 Exm.
Sr. mirechil commindinte do exercito. A
inspeccSo rigorosa e protnpta porque deso-
jo que o batilhSo de que sou chefe nova-
mente pasie, he o meio sullleiante e nico,
{ira que se conheca se sSo exactas ou ca-
umniosa* as asserciSes do um senhor depu-
tado da cmara temporaria. A resposta
que a este meu gratuito detractor deu o
Exm. Sr. ministro da guerra muito me hon-
ra, e ao batalhSo que commando, e S. Exc.
i vista do resultado di nova nipecc,3o, le-
ra o prazer de apreciar a conducta, o honra
d'aquelles que Ihe merecem justificada con-
Danca, e que Ibe votam rocoohecimenlo, e
amizade.
De V. attencioso criado.
, Luis Manoel de lima e Silva.
Porto Alegre 29 de agosto de 1852.
Illm. e Exm. Sr. Dezejando eu que o go-
verno imperial saiba quanto antes qoal he
o grao de disciplina do batalhSo de meu
enraman lo, seu ai ranjo e apparencil, o mi
nucioso estado de suicontabilidade, escrip
turnelo, e finalmente seu rgimen de eco-
noma idministrativi, vou rogir a V. Exc.
s-i digne o mais breve possivel dirsuii or-
dens para que o mencionado batalhSo seja
nova e rigorosamente inspeccionado, romo
est a lodo o momento protnpto pira
ser.
Dos Guarde a V. Exc. quartel r.i cidade
de Porto Alegre 29 de agosto da 1852. Illm.
o Exm. Sr. Dr. Luiz Alves l.eite do Oliveira
Bello, vice-oresidenteda provincia. ItU*
Manoel de Lima e Silva, coronel comman-
dantc.
Do igual tbeor o dala ao Exm. Sr. general
commandante do exercito, o roinetlido por
copia ao Exm. ministro.
Os ndiciars do batalhSo 14 de infantaria
abaixo assignados, leu lo com espanto visto
hoje publicado no supplemenlo do Jornal
do Commercio de 17 do correte, n. 227,
u que na cmara dos senhores deputados a-
vansouoSr. Mello Franco, declarando que
o nosso chefe deixra do entregar sessenta
ou setenta cotilos, que existan) ernciixa
com os quaes se ficara ; temos a declarar
em abono da verdade e da honra do men-
cionado chefe, que he falso e completam -n
te falsoo que disse aquolle senhor depulado,
o muito custa acreditar que um represen
tanlo da nac,5o a scmelhantes asserQes a-
vance em urna assemblca contra a honra de
um militar 13o eonliecido e estimado, fa-
zendo-nos al a iojustiei de acreditar que
cm um corpo.como o batalhSo 14. de infan-
taria, onde Indo be publico e a todos paten-
te, a corpora^So deufliciaesdo mesmo cor-
po fosse connivente Desse desvio de imagi-
nario dinheiro sem coja connivencia nSo I
poderia corlameoto ser o mesmo dinheiro
distrabido por quem quer que fosso.
Ftnalmento urna rigorosa inspeccSo quo a-
caba de pedir com instancia, o nosso chefe
promplamente mostrara sua probhlade, e
o estado de discidina, escriplu'iii;So e mi
nuciosa contabilidado om quo existo o mes-
ino corpo, para desmentir scus gratuitos
calumniadores.
I'orto-Alegro 29 de agosto de 1852. Fran-
cisco Jo iqi.iui Pereira do Carvlho, major.
Jacintho Machado do Bilancourt, major.
. Diogo Roberto da Silveira, major gradua-
do Ignacio Manuel Domingues, primeiro
cirurgiSo. Marcolno Jos da Silva Gunza-
ga, capitSo Frederico Augusto de Mes-
quita, capitSo.Joaquim di Pontos Marinho,
major graduado. -Antonio Caelano Travas-
so, capitSo.-Joaquim bernardo de Haga-
IhSes Carcz, GtplUo graduado,Antonio
Jos dos Passos, capitSo.Jos Barbalho Uc-
zerra, capilflo. Jo3o Pires Comes, capi-
tSo.Tbomaz Goncalves da Silva, capilSe.
Manoel da Cunha Wandorlcy l.ius,leiieiito.=
Jos Joaquim de Souza, Icuent 1 ajudanle.
Francisco Manoel do Oliveira tenente.-
Luiz Antonio Favilla Ftlliu, tonenlc Be-
nedicto Jos de Barros (cnanto. -- Ale-
xandre Miguel Talles, tenante. Joo Nepn-
inu-eno da Silva, alfores.Jos Anselmo
Valejo alf-res.Jo5o Baplisla Lopes de
Carvallio, Iferes. Francisco de Lima e
Silva, alfores. -cenle Ferreiri de Lima,
alfores.Gamillo Xavier do Mello, alfores.
Joaquim Nery di Fonseca, alfores. Miguel
Pereira do Oliveira Meirelles, alfores.Lou-
rencodi Gusta Vasconcelos, alteros.Cal-
dillo da Silva Villas Bjs, al Teres secreta-
rio.
Ducarrejtm hoje 26 de oulubro.
Barca americana General Geieup Tirinba
de trigo.
Barca americana t'rancti Wallt idem.
Barca fnncrzi ~ Cont Boger merca-
deras.
Barca ingleza Bonita dem.
Birc ingleza ord John llussctl dem.
Rrigue inglez -- Camilla bacilho.
Polaca brasileiri Santiuima Trindadc -
o resto.
CONSULADO GERAL.
Rendimentodo i 123
dem do dii 25
.25:126,479
. 2:876,744
28:003,223
DIVERSAS PROVINCIAS.
Rendimentodo I a 23 .1:070,853
ldemdodii25........994,418
1:365,871
HECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DEPERNAMBUCO.
Rendimento do dia 25 .... 2:502,206
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dil 25. 2:477,499
Movimento do porto.
navios entrados no dia 95.
New York 47 din, barc imericma Fnn-
cis Watts de 255 (nieladas, CipitSo C.
Ilanreiter. equipigem 12, cirg lirinha
do trigo ; 1 tleane Toule & Compinhia.
Parahibi--24 huras, hiato brasileiro Paque-
te, de 33 toneladas, mestre J080 Pereira
da Silva, equipagem 5 carga toros de
mangue; a Justino da Silva Boa Vista,
EDITAES.
O Dr. Custodio Manoel da Silva GuimarSes.
juiz de direilo da primeira vara e do com-
mcrcio nesla cidade do Recifo Jo Pernam-
buco, porS. M. I. c C. o Senhor D. Pedro
II, quo Dos guarde &c.
Paco sabor aos que o presenta edital vi-
rem, om comu por esto meu juizo, no dia
16denovcmbro em asila das audiencias,
se ha de arrematar em praga publica, 1-
i|ii m mais der, o seguinte .-No lugir di
Ibura o sitio denominado AllamSo, com ca-
sa de taipa e diversas outras casas da taipa,
rendriras ao mesmo sitio, com alguns arvo-
rules; divido com tetras do engenho de
Dini, Antonio de Moraes e Silva, logo perlo
da casa do mesmo engenho, e attendenJo
extensSo do dito sitio, arvoredos e rend
avallado em 3:500/000 ris; assim como
urna porefio de mallas nos oul-iros do Zum-
b, pouco distante do ir.e-mo sitio, em
200/000 ris; cujo sitio e maltas tSo prac
por oxecueflo do bacharel JoSo Astunes Cor-
rea Lins Wanderley contra Antonio Alvos
Ferreira. Toda a pessoa que em ditos bens
quizer lanzar o poden fazer no dia da pra-
ca cima indicada ; oeste ser publicado e
ilixado no lugir do costume e que ser
lambn publicado pela imprensa, na for-
ma da Ici.
R -cije 25 de outubro de* 182. Pedro
Tertuliano da Cunha, escrivSo, osubscrevf.
Custodio Manoel di Silva GuimarSes.
COMMERCIO
PRACA DO RECIFE 25 DE OUTUBRO, AS
3 HORAS DA TARDE.
COTAQBSOFriCIAES.
Descanto da letras de 4 mozos 9 por cento
ao auno.
ALFANDEGA.
Rendimentodo 1 a 23. .242:836,472
dem do dia 25.......11:493,15
254:329,623
irritacao de eu pai, cu o feria defendido aos
eus proprlos olhos.
Sempre em lutella, sempre espiado, mur-
murou Carlos.
Sempre amado e desculpado, disse Ma-
rielta.
Marietla, eirlainou o rapaz. Mariclla lu es
uin anjo! Sliii, lu comprehcudcste minhas
loucuraa, c me absolves, lina Marietla, tuine
amas I
naslanlc para inorrer disso, balbuclou
Marietla, cujas lacea liuhamentao a palidez do
inannorc, e cujo|clo eslava opprimldo.
Marielta, perguniou Carlos, pensas que eu
poisa algum dia vir a ser oulra cousa, que o
lilho de mestre Felippe?
o lbo de uicsirc Felippe respondeu Ma-
rietla vale bem lodos 01 gcnllshomcn que
vein aqu I
Basta, Marlella, baala, disse o orgullioao
mancebo, da manbaaeui (liante quero que me
iro
julgues Iguala eases dalgu, de amanhaa e
dianle quero justtlicar a la oplniao. Primen
que ludo, acreaecntou Garlos Gruyo, vi u
desaes das na Poolou-change um diamante, eu
o comprare! e tu o trari. Amanhaa- Mariclla
leras luvaa e perfumes pois er que te acho tau
bella como multas dessas fidalgas.
-O que ^m: JWaiga'cm'L continen ri.r .eu repou.o, elle auno a jan..,, ca ..ver-
Garlo, CalUnTo c, um aulomai. linio de na para relresc.i a beca qu. Ihe pe.......
branco e vermelho, que sauda. endircila-ae. e comsieo observando 1 la-
ma, responde ..perguma. ttSttAttttjB&
uedem anele Uao, eu devo renunciar a esle sonho, a e.u
loucura : De mais quem sou e
O Dr. Gusto lio Manoel da Silva GuimarSas,
juiz do direilo da primeira vara do com-
mcrcio nesta cidad-) do Recife de Peroam-
buco, por S M I. o C, Fajo saber aos quo o presento e.lilal vi-
ren:, em como por esto meu juizo, no dia
5 do noveiubro em a sala das audiencias,
so ha de arromalar em pra^a publica a quom
mais der, o seguinte :Um escravo, pardo,
de nome Luiz, com os achaques seguints :
rendido da verilha esquorda, o parece ter
cahir de ligado nos ps, avaliado em ris
30000O, cujo escravo vai i prarja por exe-
cuc.au do bacharel JoSo Antunes Correa Lins
Wanderley contra Antonio Alves Ferrein.
To la s possoa quo em dito escravo quizer
langar o poder fazer no dia da praca cima
indicado; e este ser publcalo e adiado
no lugar do coslume e ser tambem publi-
cado pela imprensa, na forma da le.
Recife 25 do oulubro de 1852 Pedro
Tertuliano da Cunh 1, escrivSo, o subscrevi.
Gusto lio Manoel da Silva GuimarSes.
O Illm. Sr. inspector da thcsourarii
provincial, cm cutnprimento da ordem do
Exm. Sr. presidento da provincia, de 29 do
setembro pruxiino passado, manda fazer
publico que nos dias 26, 27 o 28 do corren-
te ir pra^a para ser arrematado parante
a junta da fazenda da mes 1 a l esouraria,
a qunm or menos fuer, a ni ra dn 22. lan-
;o da estrada da Victoria, a "alala em ris
13 90-2/310
A arrematarlo ser Taita na Turma dos ar-
tigos 24 e 27 da le provincial n. 286 de 17
do mam, e sob as clausulas especiaos abai-
xo copiadas.
As pessuas que se propozerem a csti ar-
rc.iialac.-o c.....pai -c .111 na sal das sessOes
da mesma junta, nos diis cim declirados
pelo meio da, competentemente habili-
tados.
E para constar se mandou alisar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da ttiesouraria provincial de
Pcrnambuco 2 de outubro de 1852.-0 se-
cretario, Antonio Ferreira da Annunciar,3o.
Clausulas especiacs da arremalacit
1 AS obriS do 22. lauco da estrada di
Victoria serSo fetas do conformidade com
o ornamento o plantas approvadas pala di-
rectora em conselho nesla data, e.presen-
tada a aprovi^So do Exm. Sr. presidente
da provincii, tudo ni importancia de ris
13:9021340
2. O arremilanto comecar as obras no
rrs~T m___L J- ".iTiZL j. n_ ; '
Fallando assim o rapaz eslava couencido a
vista da bella e aRlicla menina lornava a ac-
cender ein sua alma um fogo amortecido. Ma-
rietla inclfnou para cite o longos nnels de
seus cabellos, os quacs tocaran! a fronte de
1: o los. sua mao apertou casa mo conmovida
c trmula. Neste momento Carloa s pensava
na orpba, e Intcrrogavao seu olhar ca.to e lm-
pido. Quanto a Marietla. loda aua forja .une.1-
ii 1 deita-Ia; ella apoiou-ac na beira da
mesa. Carlos Ihe parecen bello deisa belleza
que he agraca, c a vida, lano a verdadeira
paixao duplica a cloqueada doa ol'oo., do >or-
riso c da vos.
Man 111 creu nelle, Garlos cria cm ai memo.
Quando ella c vio livre de cu doce e lerno
aperto, o juramento que formulava no fundo
de sen coraco errava ja em eus labios ella
aillo alegre e Iranqulllisada.
Porque flca,aqui velando? perguntou a
Carlos relirandn-sc. Por que amanilla devo Ir
saber logo cedo desse miser.vel que o esbir-
ros do cardeal prenderam. Eu dormir! lo bem
na grande poltrona de mestre Felippe como no
iiieu leito.
Mas os amorosos io durmem, e Carloi-Gru-
yn conlava cm vao com o soinno... A tor-
menta de ideas que o occupavaiu, devia contra-
riar aeu repouao, elle abri a janella da taver-
de bordadoa d' ltoll
de mbar, e de mentira. Ellas
do alto de acus coches, 011 mandam dcspcdi-la
pelo >cu lacaloi! Ocapilao Ll llipaille gaba-
ae muitaa vezes de ler sido des.inguido por el-
las. ni 11 tambera e oi:>a para Surluplu, e i..m-
tier-Gragnille na Pon.e-Nova. Eiuquanlo que
lu, Marielta, tu sempre simples, engracad. e
boa!... Slm, Marietla em vea de esquecer,
quero tembrar-rae, quero aobre tudo nio te
fuer mais chorar 1 Louge de mim a ambicuo,
. ede da. houra, e do ouro '. Urna cancao tu.,
e lou feliz, um teu beljo, e amo-.c.
O lidente
inelre Felippe Gruyo, layerneiro i Que mu-
lher me mar a nao era pobre 1 ancua. ?
Cuando elle p.sieiav. aialm pasaos agita-
dos n. vaata sala, uin homcm galgou deumsal-
lo a janella da laverna c poz-ae ubitainenle
ein pedanle debe....
' Con(imar-M-M. I




pnzo de nm moi, e concluir no de um
nno, contados da dala da issignatjra do
contrato.
S. A Importancia dcst arremalico ser*
paga em quatro prestacdes guies da manoi-
ra seguinte:a primeira, quanJu o irre-
rai 11 ni c tiver feito a ter$i parte da obra do
seu contrato; a segunda, quando ti ver fei-
to dous tercos das obras; a terceira, quan-
do fr recebids provisoriamente ; e a quir-
ta quando fr definitivamente recebida, nSo
devendo efTecluar-se pagamento algum an-
tes de lindar-se o primeiro semestre do
exorricio de 183-2 a 1853.
*. Para tudo mais que nSo estiver deter-
minado as presantes clausulas seguir-se-hi
o que dispfla a lei provincial n. 286 de 17
de ni a i > de 1851.
Confo me. secretario, Antonio Fer-
reira da Auuuneiacilo.
O i 'I m Sr. inspector da thesourarii pro-
vincial em cumprimento da ordena do Exm.
Sr. presidente da provincia de 13 do corren-
te, manda fizer publico, que nos dias 3, e
5 de novembro prximo vindouro ir a pra-
ca para st arrematado peranto a junta da
Calenda da mosma thesouraria, a quem por
menos fizer a obra dos concerlos da ponte
de Tracunbaem, avaliada novamente em
l;936,000rs.
A irremitieSo ser feiti na forma dosir-
Iig0l24 e27 da le provincial n. 286 de 47 de
malo de 1851, e sob as claosulis especiaes
abaixo copiadas.
As pessoas que se propozercm a esta ar-
rea)ilic.9o co'iiparccam na sala das sessfles
da mesma junta, nos dias cima declarados,
pelo meio da, competentemente habilita-
das.
E para constar so mandou ifixar o presen-
te e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de
l'eroambuco 18 de oulubro de 2852. O se-
cretario, Antonio Ferreira da AnnunciacSo,
Clausulas especiaes da arrematado.
1.' As obras dos concertos desta ponte se-
rio fritas -le conformidad com o ornamen-
to aprerentado approvac^o do Exm. Sr.
presidente da provincia na importancia de
1:936,000 Ti.
2.' Estas obras deverao ser principiadas
no praso de um aiez, e concluidas no de cin-
co mezes, cunta los como determina o arti-
go 37 da lei provincial n. 286
3.a A importancia desta arrematarlo ser
paga em duas prestares guies, da manei-
r.i seguinte : -- a primeira quando o arre-
matante tiver Falte metade das obras, o a
segunda quando eslivereni todas conclui-
das.
4.a Durante a eiecucSo das obras o arre-
matante dar frcil passagem para o trasito
publico.
5.' Para tudo mais que nSo estiver de-
terminado as presentes clausulas, e nom
no ornamento, seguir-se-ha o que dispe a
lei provincial n. 286 de 17 de uiaio de 1851.
Conformo. O secretario, Antonio Fer-
reira da Minuneiaea'o.
O lllm. Sr. inspector da llicsouriria pro-
vincial em cumprimento da ordem do Exm.
Sr. presidente da piovincia de 13 do corren-
te, manda fazer publico quo nos dias 26, 27
e 28 do niosmo, ir a pra;a para ser arrema-
tado peranle a junta da fazenda da mesma
thesouraria, a quem por menos flzer a obra
do oorochameulo em trente a ponte da ra
da Aurora,avallada novamente em 1:188,000
ris.
A arrematarlo sera feita na forma dos
artigos24e 27 da lei provincial n. 286 de 17
de maio de 1851, e sob as clausulas espe-
ciaes abaixo copiadas
As pessoas que se propozcom a esta erro-
roaticSo, comparceam na sala das sessOes
da mesma junta, nos dias cima declarados,
pelo meio dia, competentemente habilita-
das,
E para constar so mandou afinar o pre-
sente o publicar pelo Diario.
Secretaria da lhesoiira-ii provincial do
Pernambuco 18 de oulnb'o de 1852. U se-
cretario, Antonio Ferreira da AiinunciacSo
Clausulas especiaes da arrematarlo.
I'rimeira. Ser feila esta obra de confor-
midad" com o ornamento presentado a ap-
1 rovacSo do Fxm. Sr. piesidoute da pro-
vincia na importancia de 1:188,000 rs,
Segunda. As obras priuripiariio no praso
de 15 dias, e serao concluidas no praso de
2 mezes cootados, como determina o artigo
31 da lei provincial n. 286.
Terceira. A importancia desla obra ser
paga em duas prestacSas da maneira seguin-
te: a primeira do valor de tres quartus
da importancia da arrematadlo, quando se
tiver concluida a obra, e a segunda de um
quarto, quando se effectuar o recebimenlo
ililimli vo, quo lera lugar nesse anno, dcpois
do recebimenlo provisorio.
Quaila. Para tudo o mais que n3o exis-
tem determinado as presentes clausulas, e
nem no orcimento, seguir-se-ha o quo dis-
pon a lei provincial n. 286 de 17 de maio de
1851.
Conformo. -- O secretario, Antonio Fer-
reira da AnnuncilcSo.
HriSaMItMI
m
fer esso transporte, rompirecam na secre-
tarla da mesma InspcccSo, alim de tnctl-
rem a cercado frole dos ditos objoctos. Se-
cretaria da inspeccSo do arsenal de mari-
nha de l'ernambuco S3 de outubro de 1852.
O secretario, Thnm Fernandos Madeiri de
Castro.
Pela capitana do Porto desta provincia
se engaja para servirem a bordo do hrigue
escuna Olinda na conformidade do aviso Im-
perial de 18 de selembro ultimo, as pra-
(asseguintes : 3 marinheiros do classe su-
perior vencendo 18,000 rs, por met, um pri-
meiro marinheiro vencendo 141 res, e dons
segundos ditos vencendo 10/ ris, alem das
graliticacOes marcadas na nolta que accom-
panhou o citado avizo j publicado pelos
jornaes. Secretaria da capitana do porlo
de Pornambuco 23 de oulubro de 1852.O
secretario '1 homo Fernandos Madeira de
Castro.
REAL COMPANHIA DE PAQUETES INCLEZES
AVAPOIt.
No dia 31 deste mez espe-
ra-s o poderoso e veloz va-
por Medvc >y commandante
Weller, o qual depois d ae-
mora do costumeseguir paraos pollos do
Sul : para passagelros, t'ala-so em casa da
agoncia, na ra do Trapiche Novo n. 42.
Banco de l'ernambuco.
Os descontos continuam a 8 por centu
aoanno, por letras at 6 mezes. Compra e
vende letras sobre o Rio de Janeiro, de
quilojner quantia e a prasos rasoaveis. Ban-
co de Pernambuco23 de outubro de 1852.
O secretario M. I. de Oliveira.
Pola directora do lyceu se faz publico,
qae por ordem do Exm. Sr. presidente da
provincia, dea transferido para o di* 13 de
Janeiro proiin.o fuluro, o concurso! subs-
tituido das cadeirs das lingnas ingleza *
franceza desteeslabelecimento.
Os credoresdo fall lo Leopoldo Josda
Costa Araujo, residentes nesU cidade, Viu-
va Amorim & Filho, Oliveira Inmms Com-
panhia, Antonio Ignacio de Medeiros, Jo3o
Tavares Cordeiro, Amorim & IrmSos, Joio
Leite Hita Ortigueira, Manoel Concalves da
Silva, Riisscll Mollors & Companhla,Jos Ro-
drigues Pereira, e*ne Youle & Companhia,
Antonio Francisco da Silva Carrico, Anto-
nio Joaquim de Souza Riheiro, Novaes v.
Companhia, Manoel Joaquim llamse Sil-
va, Manoel Jos Ribeiro, los Cypriano de
Moraes Lima, Jaciulho Klesbflo, Caetanoda
Costa Muren h, I s Antonio da Cunta & Ir-
mSo, e Antonio Gomes; Marcelino deSou-|
za Pereira de tirito,om Lisboa; Antonio Fer-
reira da Silva Santos, no MannhSo Vovaes
rv Passos, no Rio de Janeiro ; Araujo (t Car-
valtio, na Rabil ; Manoel Ferreira dos San-
tos Magano, em Santa Catherina; Antonio
Ferreira da Silva, em Santos; Manoel de
Souza Comes, Manoel Jos Rodrigues Valla-
dares, e Francisco Jos da Costa Araujo, no
Rio Grande do Sul; comparceam por si 00.
por seus procuradores bastantes, na casa da
residencia do Dr. Francisco Rodrigues Selle,
juiz municipal da segn la vara c do com-
mercio, na ra da Concordia n. 21, segindo
andar, do bairro de Santo Autonio, no dia
28 do correte mez pelas II horas da raa-
nh3s, alim do deliberaren! sobre o reco-
l lumen l u ao banco desta cidadn, do produc-
to dos hens arrematados, e tratar-so de lu-
do mais quo or conveniente a massa falli-
Leillo.
3
Fra ti.
Na primeira correspondencia publicada
""* hontem na 9. pig-, 4. columua, 1.11, na
--A requer ment do curador fiscal da mis- cirta em lugar demesmo-leii-se-muito.
" /,Ili,',^.,,9 Jo,1uinl Innocencio Comes .. Ao mPg,re;dM barcica que no dia 16 de
se ar leilJo por ordem do lllm. Sr. Dr. juiz outubro recebeu di ato de um preto um
di irgundivaradocIveLedo commercio, e caixSo com vinte libras de rap com a mir-
por intervengo do agente Antunes de urna ca c&Ci ru-n(,ia(ja no f.piche do algndao,
porc.no demiudezasque se acham recotn- roga-se de o mandar entregar na ra larga
das no deposito geni, as quaes serSo ven- osario n. 50, ao abaixo assignado, do
didas em um oo mais lotes a vontade do contrario se usar dos meios que a le fa-
comprades, quinta-frira 88 do correte culta.Joaquim Dias Fernandes.
s 11 horas em ponto no armazem n. juo- .. No dla 22 j0 Correnle desappareceu do
to a casa daissori-icflo commerclil para on- engenho Ginipspo da comarca di cidide di
de vBo ser removidas. Victoria um esenvo de nme Silvestre, de
O martelo n(lo demorara de baler por nacg0 costa, ,||0l secco do corpo, pernas re-
qualquer ohjecto que se offerecer em arre- guiares, bem parecido, e he bem fallante,
matacSo, no armazom de Miguel Cirneiro, tero urna pequem ferida em una das per-
e porinlervencSodo igente Roberls, nodii n,s. por j0 roga-se as autoridales poli-
quinta-fen 28 do crrante, as II horas da ciaes, e aosSrs. capitaes decampo hajam de
mantilla em ponto. o apprehender, poJendo-o levar ao mesmo
engenho, ou nest* piaca a ra da Praia n. 3,
queserflo generosamente recompensados do
_ scu trabalho.
"....." -Roga-se encarecidamente ao esmoler da
Relncao dosobjectos roubndos da casa da freguezn de S. Jos que porte-so melhor em
Ignacio Manoel Viegaa, ru* do Crespo n. guts conversacOes, i os nSo mora entre
7, segundo andar; dentro de um bausl- prostitutas, o que continu em seu negocio
nho de madeira envernizidi: com as almas que ellas, coitadas.nSo fallam:
1 li ve 11 a do mu), lavrana, com a urina pobres almas!
I. M. V.C. RS. Aluga-se urna casi nos Arrombados.em
I par de pulseras de Rlagran, com alguns olinda. com commo los para duas (amilias,
rubins e esmalte azul.
1 ataca de ouro com um diaminlo.
2 annelfies enm esmalte a diamantes.
1 dito com brilhante.
2voltas decollar dooiro fino.
2 masaos de cordSo.
1 liga de ouro.
2 medalhss com diamante:
3 voltas de Iranggjjfn
l.pAf-do Brincos docinudo.
3 pares de rosetas.
Avisos diversos.
IL-Jl
quintal murado, cacimba, e embarque perto
do casa: quem pretender dirija-se em Fra
de Portas, na ra do Pilar n. 68.
-- O abaixo assignado comprou o moio bi
Ihote n. 2145 da meia lotera comprchondi-
da a segunda ^'M* "'l'l- i'"'rail'"'* h'*"
^Relelo das obras da matriz da Hoa-Vista, de
s rielado com JoSo Estuarte Rorborema.
Izidorio Ribeiro Campos
Alugam-se duas encavas que iavam,
engommam, o cosinnam o diario: ni rnado
Ih'nte ,,9IPto. de our. com br|- Seve, cas. terrea esotao.defronti do thealro
I dito pequeo
com diamante
3 vollas de cordao fino.
1 par de pernas de brincos com diamantes
1 cor rente do relogio.
I signte grrnde com a tirina I. M. V.
1 chave de dito com um cachorrinho.
1 relogio antigo, do ouro, de repelido
e mostrador de vidro.
Ohjectos que cstivam dentro do um bausi-
nho de tartaruga.
60 moedis novis de prata do 2/dOO rs.
20 ditas ditas do 1/000.
10 'litas ditas de 500 rs.
112/000 rs om sedlas nov.is.
IJ muelas de ouro do 6/100 rs antigs.
4 ditas de 4/000 ri.
* ditas novas de 80/000 rs.
1 onc,* porlugueza.
3 cruzados novos.
publico.
-- Precisa-se alugar para urna fimilii cs-
trangein umi pret ou muleta livre ou es-
crav para engoniiiiar, e outro servido de
dentro de casi j he preciso que sej* ac'iada
o activa : procure no eseriptorio da casa n.
43, na ra da Cruz do Recite, das II lloras
da na ulula as 3 da tarde, nos das uteis.
Para se passar a festi.
Ai :(_-!->.! um bom sitio no lugir do Cor-
doiro, margem do Capiharibe,cum boa ci-
si, eslrihirja para tres cavallos, casas pa:a
prelns e foitor, pomar o jardn), iisioi com
bsixas com capim e multi borlado-: na rea
do Queimado n. 30, segundo indar, ou na
roa da Madre de Doos, cmazam de Rirroca
& Castro.
Lotera da Baha.
N* praga da In lependcncia n. 13 o 15, loja
O catilelista Salustiano de
Aquino Ferreira avisa ao respeita-
vel publico, que os seus bilhetes e
cautelas da lotera da Matriz da
Boa Vista, esto expostos a venda
at o da 26 do corrente, as lojas
do costume, at que a dita lotera
principie a correr.
Precisi-se de urna ama, quo cosinhe n
engomme : na rui da Cruz do Recife n. 43.
Exportam-se para o Rio de Janeiro, os
pa'dinhos Manoel, e Romana, escravos de
Luiz (oelho di Silva.
I'e -ileu-so d sin 1 frente da cidoia do
S Antonio, at a frente da secretaria de poli-
ca um atacador de casaca, representa o
dito um sacco do ca$a dourado, e um cSo
de metal cm|eima do saco quem o acliou
querendo restituir dirija-se a mesma ra
por cima do armazom de tiboas segundo
andar que so-i generosamente recompen-
sado advcrle-ae que foi pridido do iiiesinu
lado da cadeia e para fon da calcada.
-- Anna Ferreira da Silva, autorisadi por
provisSo do Exm. Sr. presidente, doutor
Francisco Antonio Ribeiro, do 29 de julho
do corrente anno, tem aborto na casa de sua
residencia, na ra das Trincheiras 11.50,
urna aula de in-lruccflo primaria do primer
o grao, pan o sexo feminino : os psis de
familias que delta quizerem conliar suas fl-
llics, poderSo dirigir-se a mencionada caca,
a qualquer hora do dia, corto do que a mi
n 1111 r i a n te e ni pregar lodos os seus desvelos
.frrtLumigi'"d0 8BU co,\ceil0- ,
- Precisa-s73e^,n "Midori no paleo
do Terco n. 30. vv.. .,
Ni rui do Sol n. 9, so Jira qu..... .
nheiro a premio, sobre peohores doouroi
prata. Ni mesma casa vendein-se relogios1
Compra-se urna cabra (bicho) parida de
fresco, quo airva para dir leite a um meni-
no : na ra di Praia, armazem da carne
n. 37.
Compra-se urna venoziana, que sirva
para porta de veranda, eque estoja em bom
estado : na ra do Cabug, loja de ourives
n. 7
Compra-se urna burra de fer-
ro : na ra do Trapiche, arma-
zem n. 1 '|.
Compram-se escravas eevendem-se, re-
ceti in-se de commissSo, tanto para a pro-
vincia, como para fra delta: na ruados
ni 11 iei. n. 24, segundo andar.
Compram-se escravos de ambos osse-
ios con habilidades, ou sem ellas ; pagam-
se bem sendo bonitas liguras; na ra es-
trella do Rosario n. 28, segundo indar.
Compra-se um milheiro de telhasjt ser-
vidas: quem as tiver, annuncie.
-Compra-se um braco de batanea em se-
gunda m3o que lenln cinco palmos : quem
tiver dirija-so Ra Augusta 11. 34.
Compra-se urna morada de casa terrea:
quem a livor dirija-se a casa junto ao ttbe-
I1S0 Coelho, na ra de S Francisco.
-- Compram-so para a obra do grande
hospital de caridade travejauentos de 40
palmos de comprido e 8 polegadas em qua-
dro, quo seja de boa qulidailo : quem tiver
pode dirigir se ao director da mesma obra
Antonio Jos Gomes do Corrcio, para tratar
do ajuste.
nmamas
Vendas.
Lotera do Ho de Janeiro.
mis 'u:oii<>, o 1 c 10:000,000 deis.
V_ :- le miudezas da prora da
I\a lilla .. Y
w------- I .',',,, III .1.
de ouro patento suissos ; ditos dito orison- Independencia 11. 1 ,
toditos de pritaorisonl*e,tendoum com in(Pi,-ns mPo
corda para 48 horas; tu lo so veude por pre- D"l,eles ,nte" osa mC'OS a
Quem livor noticia desto ronbo, diriji-se de cilcid'o do Arantes, e n. 37 e 39 do Porto
casa cima que ser generosamente gratili- & Companhia, loja decalcado, e na ruada
MO. Cadeii do Recite 11. 46, loja de raiudezisda
Va i a praca do lllm. Sr. Dr. juiz de or- Jos Fortunato dos Santos Porlo, ven lerc.se
pblos, na resi leticia do mesmo soulior, na bilhetes, meios c quartos da nona lotera da
ra de Hurlas, quiula-feira 28 do corrente V. O. Terceira deS. Francisco, a qual corre
mez a ultima prarja,pelos alugueis por lom- no dia 27 do corrente, e espera-so a lista da
po de um anuo, um sitio com casa nobre, mesma pelo vapor brasileiro no dia 4 a 5 de
junto a Sant'Anna, e antes da estrada di novembro.
Casa Forte, toda envidracada e decento.com Rilhetes 4,400
multas commo lacOos pertencenles ios her- Meios 8,200
deiros do fallido Francisco do B'>rgs dos | Quartos 1,200
Santos Pinheiro : os pretendentes poderSo Trocisa-se do um preto ou moleque pa-
dirigir-sc no referido dia ao indicado lugar, ra o servijo de um sitio 1 ei'to da prac
ilaOescrivSo internn, Manoel Joaquim'estando o escripto ni m3o do porteiro do quem quicer alugar dirija-se a Roa-Visli, na
quartos,
ni 1.1 wi' c vigsimos, a Lenellcioda
i5. loteri 1 1I0 thcatro de Nicthc-
roy ; vcui 11 lista no primero va-
por que cltcgar do lin de Janeiro.
Raptista.
lidil.SO
JOizo. na da Ini.lu, segunda casa que tem soto.
~ Rog<-3e ios senhores Jos Jacintlio Ta- | -Quem precisar de urna ama para una
vires de Arruda, Joao Raptista de Macedo, e casa que sabe cosinhar e engomar : dirija-
Francisco Jos Corqueira AI ves turbosa,mo- se ra da Aurora n 33.
radoics na cidado do Olinda, o favor do i Na ra do Cano nova cocheira amarella
quando Vieren an Recita, fallarom na ra do A A convidam-se as pessoas apaixonadas de
Vigario, cusan. 7, primeiro andar, para ne- darem os seus passeios carros, qne so di-
rijam mesma quo la acharao bous carros
15.' RECITA DA ASSIGNATIIHA.
Qttarta feira 27 de outubro de
i852.
Dopois da cxoculo da ouverlura, subir
a secna o muilo applaudido drama em 5
actos,
Mastfaleiia.
gocio do seu iuteresse.
CASA FELIZ ,
Na praca da Independencia n. 36.
Ilojc as 10 lloras da mantilla, pouco mais
ou menos, corrom as rodas da lotera da
matriz da Boa Vista, liquem, ou nUo bilhe-
tes; o so se vendem as cautelas da casi ci-
ma al as 9 o meia horas da manliSa.
Piecisa-se de um bom cria-
do
Deca ra$oes
Achando-se vago o oflicio de segundo
tabelli9o de notas c escrvilo do crimn ci-
vcl orphSos capellas e residuos do termo
de S. An ,"0, pelt desistencia que fez Jos
Cav I cante Ferraz de Azeve lo que o cx'rcia,
manda o Exm. Sr. presi lento da provincia
assim o fazer publico pan conhecimento
das parles intcessadas alim deque os pre-
tendentes ao dito olliciose habilitem na for-
ma do decreto n. 817 de 30 do agosto de
1851, cumpundo que lacam o exime de siif-
ficiencia peranle o Exm. couselheiro presi-
dente da relicSo,e entroguem os seus reque-
nm uto- ao juiz munici.al, e d'orphus do
dito termo no praso do 60 lias que come-
?ou a correr do 18 do corrente mez, a lim
c seguirom-se os trnsitos marcados nos
1 rtigos 12 e 13 do citado direito.
Secretaria do governo da proviucia 21 de
outubro de 1852.Honorio Pereira deAze-
rodo 1 nutinlm. secretario da provincia.
O Dr. Jos I imilla/ Nibuco de Ariujo,
juiz do direito da primeira vi'i criminil
desti eomarca do Recife, faz publico que se
cha no exercicio da dita vara, e que reside
no aterro da Boi-Vista n. 37.
O arsenal do marinbi, precisa o ni
prar paia furnecimento dos navios da ar-
mada, barca da o.-ca vnciiu, o enfermara d 1
111:1 ri 11 lia. em o mez de novembro vinuouio
os gen'ros abaixo declarados: sendo elles
da melhor qualidade : arroz 27 arrobas e 26
libras,assucar 15 arrobase 6 libras e1|2, ba
calho 16 arrobase 23libras, bolacha 23 ar-
robas e 14 libras, calT em grito 8 arrobas e
1! libras, carne verde 164 l|2 arrobis, fri-
nh* 79alqueires o 1|2, feij9o 21 ditos, lenln
10:320 aclias, pfio 75 arribas e 30 tihris, sal
7|8e l|2, toucinhol0arrobaso24jibras. As
essoisque se propozerem fornecor seme-
iimtes gneros compiregim nesta secreta-
ria da inspeccSo u dia 28 do corrente mez,
ao meio dia, com suas propostas em carta
foicliada e as competentes amostras. Se-
crctuii da iiispecgao do arsenal de mari-
nbade Pernambuco 23 do outubro de 1852.--
O secretario, Tliom Fernn les Mideira de
Castro
-- Pela inspeccSo do arsenal de marinha
d'esta provincia se contracta em virtude da
ordem da presidencia de 18 do corrente a
remessa de diversos objectos para is provm-
Terminnr o espectculo com a nteres-
santo comedia em I acto.
Tres inullieres
E
TRES SEGREDOS.
Personagens o actores.
Dubonrg J. A. da Cnsti.
Hdame Derfort --D. Riu.
Paulino h. C. Amodo.
Florentina D. Carmetla.
Richome I.. A.Monleiro.
Leonor D. Mara Amalia.
Comecir as horas do coslumo.
Os bilhetes acham-so a venda no oscripto-;
rio do thealro.
Avisos martimos.
trata-se nn ra do Trapiche,
armazem n. 14.
Aluga-so um sitio, cm Ierras que fo-
ram do engenho da Torre, a margom do rio:
na ra da Santa Cruz n. 70.
Lotera de iNossa Senhora do
lt osario.
O thesourciro desta lotera mar-
ca decididamente o dia >.'> de no-
vembro, para o andamento das ro-
das, se as vendas continuarem com
illiKMici 1 visto correr no dia 26
do corrente, as rodas da lotera da
Matriz da Itoa Vista ; o thesou-
reiro anticipar o andamento das
mesmas rodas para o dia r3 do
mesmo mez : o resto dos bilhetes
acham-sc a venda nos lugares do
costume.
George Wren subdito inglez, retiri-se
pira inglaterra, levando em sua companhia
sua mulhcr e dous fllhos J0S0 e Mara, am-
bos de menor idade.
Quem annunciou querer 100,000 rs. ,
fara Lisboa a galera porlugueza Mir- |o S0,,rR uma caj ^,irija_8e a ru
a, capitaoSilveri.) Manoel dos R8is,sa-{-r(,|lado |,0Mrjo n. u cass'de re|oia
ojoeiro,
P
garida
he a 10 do novembro vlndouro : c,ucin qui- se diri d
zer carregar ou ir de passagem, pin o que ; .. Proc8a.se de umi ami queseja idosa,
t-m excellentes commodos, diiija-s1 aos plra 0 servico torno do casa de pouea f-
cons.gn.tanos Oliveira hlM* '''3^ milia : na ru. Nova n. 13, segundo andar.
nhia.ni ra do Apollo 11. 14, ou a0 referido .. m omingo 2, llo correle, voou do
capilSo, na prac do commorcio. | gobra,,0 da esquina da ra das Cruzes
tara o Ccaia saho con multa brovida--
de o hi'to Anglica,que ja tem parte da car-
ga, c para o rosto trata-so na ra da Cade
do Recita n. 49, primoiro andar, ou no tra-
piche do algodflo com o meslre.
Para o Aracaty seguo al o lim da pro-
sete semana, o liiate l.igeiro, purjatera
um
papagalo Tallador: quem o apanhou, que-
rendo reslitui-lo dirija-se ao mesmo sobra-
do ou na ra do l.ivrsinento, loja do Frin-
cisco Cavalcauli do Albuquerque, que ser
recompensado.
Olferrc -se para feitor do engonhn um
maior parto da carga ; par o resto o passa-; Sor;^drT^olSobK,^q^rrVO'
geiros ir.la-ie na ra do \ gano n. 5. ,||aixo ;g0ldo do JV(I ufl 0 r0.
Tara o mo e Janeiro, com gn a todos os sana d, redores, para que sem
muitd brevidade, o brigue naci-! perdado tompovenham saldar seus dbitos,
,, .f .1 ._______. pois que se o nl 1 lizerem se ver obrigado a
nal Kecile, o qual tem parte do us,r dos meios jndici.es; e para se nocha-
carreganento prompto: quem qui- marom a ignorancia Tazo presente. Jos
zer carregar, ir de passagem, ou| "'.^JVlugiQi qu.tro grandes arma-
trata-: zens, sitos na rui Imperial do aterro dos Afo-
gados, entro os sobrados do Sr. GusiiHoe
embarcar escravos a frete,
se na ra do Collcgo n 17, se-
gundo andar, ou com o c ipitao Ma-
noel Joaquim Lobato.
Fara a Kahia.
Segu com brevidade a veleira
e j bem conhecda escuna nacio-
nal Adclaide, que acaba de che-
gar da Baha : quem nella quizer
carregar, pode dirigir-se a ruad*.
Cadeia Velha n. a.i, ouado Tra-
piche Novo n. iG, segundo andar.
Segu para o Rio de Janeiro nestes 10
dias o brigue nacional Flor do Riu, de es-
colente marcha, forrado e pregado de co-
. bre, lendojmaisda metade de sua carga
ciis, do Rio Craode do Norte, e Cear. Os i prompla ; pura o resto da carga a frete, es-
es pitaes de navios mercantes que tiverem de 1 cravos e pissigeiros, tn ta-se no escriptoi 10 casa,
seguir para lies provinciis e quizerem fa-1 de Jos Candido de barros n.4. o. 35.
1: impeli : a fallar na ra da Cadcii do l
cita, loja 11. 59, com Jo- Dsa da Silva.
Alugam-se, veiidcm-so e tambem se
applicam bichas de Amburgo por precos
moito razoaveis : na loja de barbeiro de
Thoolilo Jos Ferreira de Sampaio.na ra do
AngJo n 21.
I'recisi-se de um caixeiro para venda
que tenha bastinte pritici, do 14 a 16 an-
uos, dando Mador a sua conducta: na ra
Mov n. 50.
Alugi-se um sobrado na cidade de O-
Iin la junto a igrej de S. Pedro Martyr.tnui-
to fresco e 1.....1 bons commodos: quemo
pretender dirija-se a mesma Olinda, na ra
do Cibril n 1.
Acha-se para ilugir um sobrado na rui
da I ni.iu, com os melhores cominodos.mui-
to Iresco e de excetlenle vi,la : a entender-
se com o lucha el G. Xavier l.opos em tilla
cisi, ou no escriplorio do pateo do Collogio
e hoas parelhas, e trjtaro com Joaquim
Iziloroua Silva.
Nos abiixo assignados declarmos que
nao queremos proseguir contra o Sr. L
Itruguiere, na acco qui susterttathos, nem
por outra qualquer actualmente, por nos
acharmos accordos. Recife 25 de oulubro
de I852. Alix Fouriiier, AViiil Innos.
Francisco Gomes d'Oliveira, agente de
leilOes, sluga pelo lempo da osla, ou an-
iiual'iiont-, a sua espinosa e bella casa de
campo, sita oa povoaclo do Pinjo di Panol-
la, perto do rio, a qual tem bom quintal
plantado de arvoredos, ptima agua de ca-
cimba, com bomba de Ierro e banheiro do
uma so pedra coberto, cocheira o estribara
be 111 edilicadas, lodos os arranjos para coin-
modidade de grande familia, e um pequeno
jardiin; tambem vendeo mesmo predio a
dinli 'iru 011 a prazo, ou o permuta por al-
gum outro em ra commorcial desti praca,
anida tendo do voltar qualquer excedente
do valor, que se ajustar : os pretendentes
do ijitm -so ao annunciante.
Desappareceu no dia 21 do corrente
um menino por nome Santos, pardo, idade
10 anuos, viudo da Roa Visu para a loja .
quem o livor em seu poder, queir aentre-
ga-lo no becco do Abreu loja de alfiate, ou
111 boa Vista iui da Gloria 11. 82
U Vigilante n. 3 nao salnu no dia 25 co-
rnos e liona aununcii lo por justos motivos :
sshiraq uarta feira 27, acha-se 'venda
na ra do Crespo n. II e na mSo dos des-
tribuidores asstgna-se a 1/000, avulso 80
Aluga-se o segundo andar da casa da
ra do Queimido n. 32 com commodos para
lamilla : a tratar na loja.
-Roga-so aos devodores do finado Anto-
nio Josc Vieia d'Aiaojo, que venliam pagar
um terco deseusdebitos aos abiixo assig-
nados na qualidado de herdeiros do dito
finado, para o quo se ichain devidamonto
habilitadus; isto pois o devoran fizer no
piazo de oilo dias, do contrario serfio seus
nomes, e quantias declaradas par esta fi-
iha, e se proceder judicialmente. Ra do
Trapiche Novo n. 18 j." andar. Antonio
Jos Vieira d'Araujo, Jenoino Jos Vieira
do Araujo.
Ilojo 26 do corrente depois da audiencia
do lllm. Sr. Dr. juiz dos feitus dafa;enla
devera tor lugar a arrematarlo em ultima
pra;a dos bcus j annuneiados por execu-
c.iu da fazenda provincial ultimanente an-
nuneiados por este jornal, o bom assim a
casa torrea cm caisilo, sita na Ra Imperial
n. 95. avallada por 600#000, por execut.Toda
mesma fazenda contra liento Soares.
No dia 26 do selembro prximo pas-
s lo, fuiiram 2 escravos com os signaes o
nomes seguales : primeiro Luiz, creoulo,
cor l'eixad 1, de 21 1 25 anuos de 1 lado, liu-
xocheio do corpo, ps peqjenos, pescoco
grosso, olhar c.rrancudo, mriz grande e
muilo chato, e com marcas de ler sido cas-
tigado com aconte* por mais do uma vez,
foi escravo do Sr. Luiz do llego llarros, de
quem passou para o poder do Sr. Jos Ga-
millo do llego Barros, ambos esles senho-
res moradores iioMontoiro,o segnndo Ma-
noel, cor feixada, creoulo anda moleque,
baixo, seco do corpo, e com um p encha-
do, e uma cicatriz de golpe em cima do
peito do p, o o dedo grande do mesmo to-
ra 10, cuja cicatriz, por ser nova linda tem
a pele branca : quem os aprehender e con-
duzir a seu sonhur murador do engenho do
Rodizio da freguezia de S. I.ourenvo da Mal-
la, ser generosamente pago do seu la-
lialliu, e de qualquer deipezi, que fizer
com a captura ; e nflo querendo leva-Ios ao
dito engenho, pulcra procurar o entender-
se com os liVirrr. Tsis. Domingos da Silva
Campos, morador na ra dis Cruzes no Re-
cife, lenlo SebisliSo Jos do llego Birre-
to morador no Monleiro, e Francisco Caza-
rlo de Mello, morador em Apipucos.
co commodo.
Precisa-sede un rapaz, de 14 a 16 ali-
os de idade, nacional, ou estrangeiro, pa-
ra caixeiro do venda, que tenha alguna pra-
lica : na ra larga do Rosario 11. 32.
As pessoas quo enconiinendaram mor-
gullios de pariona, na u. do Rosario da
Roa Vista 11. 2, pJem os ir buscar por j es-
tarem promptos.
Afim de ssborom o numero de a.-eos
que Conten comprar, da estrada do ferro
1I0 i'c na'i lu'", muitas pessoas teem per-
guntidoquinto, mais ou monos, ser pre-
ciso pigar primeira prestado, e qual a
prnp.ircuo do valor total das acedes, se ser
esla prestaco; e tambem a prestido e
lempo do pagamento das outras prestaces.
Para a informacHo do todas as pessoas quo
nao s lioiu a marcha de companhias que se
luiiiiaiii para execular grandes emprezas,
llie advino por meio deste, que a primeira
preslacSo u3o se paga at que a compmhia
esteja organisada, (no caso actual, pruva-
volmento d'aqui a 4 prra 6 mezes) eque
nan excede de 10 a 20 por cento do valor
otal do cada aesfio ; eque o resto ao paga
conforme o adiantameuto da empreza em
pequeas presticOes durante o espaco de loja de cambio n. 24, de Vieira da
alguns annos. Alfredo de Moma y. Silva, ainda existe um resto de
O Sr. Galdino Joiquim de llarros tom _c j l-i >
uma carta na ra da Cadeia n. 40, em casa afortunados bilhetes, meios, quar-
de.Manoei di SilviSintos. tos, quintos, decimos e vigsimos,
ITecisa-so do uma ama deleito, que J. |At..a ,1 nna Visla na niiaaa
sej forra: na MI doQueimaJo n. 40, se- "f lote,,a aa uoa V1fla5 OS quaes
gundo andar. SO l"-t;il,lll a Vl'll'l 1 ,,lc ||(1|0 1S II
D-se pequeas quantias a premio, so- horas J0 ,|a por ser l10je fa|.
bro penhores de ouro e prata, o rebatem-sn '. c J
sol los dos scnlioresollicaes reformados uni- vel O seu ainlamento, liijiiem, ou
nto : di ra do Queimado, Iojr de ou- n0 bilhetes por vender.
- Vendem-sa duas escravas de Angola,
nieas, do bonita figura, cosinham, Iavam
de sabo e varrella ; uma negiioha da 10 an-
uos,' creotili, com principio de costura ; Iros
e-ora vas de Angola sendo um velho e todos
ani'l sadios: na ra di Praia, armizein de
carne n. 46.
- Vondem-so duas escravas pardas, urna
de 14 o outr* do 18 annos, leculhidas, bem
Bilhetes da Boa Vista.
aos 10:000,000 5;ooo,ooo E
1:000,000 DE RS.
Na ra da Cadeia do Recife
Smente
rives
--Precisa-so deuina negra, que cosinhe
son" ivelmeiite, para o servico do urna casa
franceza : uo atornilla Roa Visla n. I.
-- Na rui di Cadeia do Recite, escnptoiio
n. 60, precisa-se do urna ptima cosinheia,
forra, brasileira, ou estrangeira
Antonio Rodrigues Pinto rolira-se para
fura da provincia.
UO I I ; 1 1 li' nU -- AlU'am-S eVCIldcill- parecidas, sadias, sem vicios, e com habili-
sc bichas, checradas ulti-
raainente do Mainbm^u :
na praca daliidopcndon-
cia 11. 10.
Na ra ila Cruz do Recite, na casa n 37,
dades ; e tambem dous escravos, creoulos,
da mesma iiade, muito diligentes, e cosi-
nham o diario de qualquer familia : m ra
da Cadeia do Recife, toja 11. 41.
-. Vendc-se um sitio na cidade de Coian-
na, jiiiilu a igreja dos Martirios, com 200
palmos de frente e 600 de fundo; contm
5 moradas de casas, 2 de podra n 3 de I una,
a la un >.i u un ltut:||i-, liji a.- 1 11 Jl, __ t 1 .... i- i
se llog. o primeiro .ndar.'conservando-so '" Ir.rigeirs de diversas qual.da-
. iIob IO iDiiuniic lituni ,iii 111 K.il ie-i he rns
com limpesa o segu-anQa,',iropno para qual-
quer escriplorio : qunm o pretender dirija-so
1 mesma casi.
P.ecisa-se alugar umi ama que saiba
bem o >.-11111,11, cmgomar para casa de ponca
familia : na ra da Cruz ilu Recife n. 68.
O cautciisla Salustiano de
1 quino Ferreira faz scientc ao res-
peitavel publico, que pega os pre-
des, 30 ja |M'i as, Iiiiioi as, jaliat'calioiros,
ananaseiros,careseiros, palmeiras, condecei-
rs, cajuoiros : quem o pretender dirija-se
a cidade de Olinda, na ra Nova junto ao pa-
lacio do Sr. hispo.
Vende-so um eacravo, creoulo, com 22
annos de idade, o com principios de pedrei-
ro : na prac,a da Indopendencia n. 19.
Vendo-so uma prota moga que lava,
cosinha, o tic ven lodeira, o tambem propria
para campo, por 450,000 porque seu dono
miOS da lotera do novo hospital da se relira ; a ver, na ra larga do Rosario n.
Santa Cm da Misericordia da c- ttmSZSStr*""" '""'
ilule do uro l'rcto, nas loj is 1I0 -- Vendem-sc duas casas terreas, sitas na
costume, loco que se receberem as ru".Augusta n. 27e46, novas e bom cons-
0 truidas, e urna parlo dos sobrados 11. 14 0 16
da ra da Cadeia do Santo Antunio: 1 filiar
listas.
Em quartos 3i3i, 10:000,000 rs.
2087, 1:000,000 rs.
-'..'i!tt, 1:000,000 rs.
>< 3a8j, 1:000,000 rs.
a '92a 300,000 rs.
') >96. 100,000 rs.
- Aluga-so urna casa om Olinda, na la-
deira da Misericordia n. 12 : a tratar em 0-
liuda na ra do Malhias Ferreira n. 28.
-- Desappareceu no dia 20 do corrente um
cabra fula, por uome Targiuo, alto, secco do
corpo, quando anda camba das pernas, tem
pouca barba ; lovou camisa o cero ila do al-
godo da Ierra: que o o pegar leveo ra
Nova, loja n. 23.
Millio novo em saccas.
No Passeio Publico, loja n. 15, vende-se
niilho novo em saccas por mdico prego; a
elle, Iroguozes, antes que so acabe.
- Voude-sc uma arinaclo propria para lo-
ja de miudozas ou qualquer eslabelecimen-
to ; faz-se todo o negocio por sou dono ter
dse retirar : na ra do Pilar n. 137.
Toda atiruifio ao novo sortimento
enejado da cidade da Babia !
na ru 1 do Crespo n. 14 loja de
Jos Francisco Dias.
As muilo acreditadas chitas caboclas do
".i" un luiu ; lint? I (J uHU 1UV0-O ru ...... 1 ., n
do Queimado ,,. 4 ou na c.dado do Olinda, <>' Boslos a 200 rs. o covado chitas li-
na ra do Romlim em casa de Miguel Joi- "8 com l",T0^f.,?" 7^",s *..'
iiguet
quim de oliveira, que ser generosamente
recompensado.
O Se. Joaquim Pereira ib Silva, co-
ndecido do Sr. Antonio Jos Toixeira do
Castro, com bolieo na rna do Queimado n.
36, queira mandar pagar o Diario, visto que
o mesmo Sr. Castro,-quc recebe a folba,
diz que 11.I0 sabe quem ello seja.
a> co.Nsuroitio 110MF.0PAT111C0. fe
' Ra do Trapicho n. 9. &
rt O Dr. Casanova, estando do volta da 4.
t Franca, tem aborto o sou consultorio %
t; na ra do Trapiche n. 9,no Hotel Fran- (9
0 cisco, amulo da cotisultis gratis aos %
v pobres todos os dias. 4
Utrereco-se urna mulher branca de boa
Can lucia, paia ama socca dequilquer cas_
de familia: na ra das Agoas Verdes n. 90.
Compras.
Compra-se um escravo pa-
dciro,que entenda de forno e mas-
sera : quem o tiver, dirija-se a
padaria da ra Nova, que achara
com quem tratar.
Cumpram-se dous caises pira venda,
em meio uso ua ra do Jardim n. 69.
rs. o covado ; ciiitas francezas da primeira
qualidade a 280 rs. o covado; risoidos fran-
ceses os mais tinos quo tem viudo ao mer-
cado fl de novos padrOes a 280 rs. o covados
superiores corles de cassa chita multo fina;
a 2000 o corle, diversos padrOes de riscidos
de caga linginlo seda de quadros a 220 o co-
vado ; alpakas de cores fazenda do ultimo
goslo a 640 o cavado; ditas com (ios de se-
da fazenda muito tina a 800; ditas pretil
lavradas imitando seda a 880; brim 1 ranea-
do de puro linho cor de lama de Paria a
1600 o corte : dito amarello com umi fina
lislra faienda de muila dora co a 1600 o
corte: assim cono outras multas fazendis
e por muito pequeno proco, como sejam
madipoles, algodOes e zuarques e mais
fazendas baratas.
Vende-se um moleque de 24 annos de ni-
elo angola, de bonita figura, sem vicios
nem achaques, bem possante, muito fiel,
ptimo cozioheiro, tanto pira casa estran-
geira como para nacional 1 na ruido Ran-
gel 11. 14. -
Vende-se para fra da trra uma mnli-
ti de 84 annos, emgommideirt e com ou-
tras habilidades : em casa do Dr. Sarment
01 ra da Cadeia de Santo Antonio.
Na ra do Crespo 11. 5 vendom-se corles
do vestidos do seda escocoza de 13 covados
sem deleito algum a 10/000 rs. o corte com
dinheiro vista. Quem mu lora um vesti-
do de seda ?... 180 puncos, e quem se demo-
ra lici sem elles pin a festi.

MUTILADO


r-

4
Sands
SALSA PARRILHA.
ViceoteJos de Brito, nico a-
genteem Pernambuco deB. J. D.
.Smids, chimico americano, faz pu-
blico, que tem cbegado a esta pra-
ca urna grande porcao de frascos
de salsa parrilha de Sands, que sao
verdaderamente falsificados, e
preparados no Bio de Janeiro, pe-
lo que se devem acautelar os con-
sumidores de tSo precioso Talis-
mn, de cahir neste engao, to-
mando as funestas consequeucias ,
que sempre costumam trazer os
medicamentos falsificados, e ela-
borados pela mao dequellcs que
antepdem seus interesos aos ma-
les da bumanidade. l'ortanto, pe-
de pura que o publico se possa li-
vrar drsU fraude e distingua a
veidadeira salsa parrilha de Sands
da falsificada, e recentemente a-
qui chegada ; o annunciaute faz
ver, que a verdadeiru se vende
nicamente em sua bolica, na ra
da Conceico do Kecife n. 61 ; e ,
alm do receituario que bcompa-
uha cada frasco, tem.giibaixo da
priiiigira pagina sen nome impres-
oj e se achara sua firma em ma-
nuscripto sobre o involtorio m-
presso do mesmo irasco.
Moinhos de vento
coin bombas de repuso para rearar hortas
ebaixasdocaplm nnfuudigSodel). W. Bo
m,u:iia.ruadollruiiins.6,8al0.
Em casa de J. Keller &
Companbia oa ra da Cruz n.
55, ha para vender dous excel-
lentes pianos fortes, e de urna das
melhores fabricas, chegados lti-
mamente da Europa.
Batatas novas
Francesas, em gigos de 4o li-
bras, chegadas no brigue Cesar ,
por precos muito corumodos : no
armazem da travessa da Aladre
Dos n. ai.
A 2,000 rs. o corte.
Na loja da esquina, quevolta para a ro
do Collegio n, 5, vendem-se cortes de meiis
casimiras a 2,000 rs., e bonitos cortes de
cambraias francezas de coros, a 3,200 is. o
corto.
FOTASSA.
Na ra de Apollo, armazem n.
2 B, de Leal Res, vende-se por
preco ra.oavel, muito nova e su-
perior potassa, chegada ha pouco
do Bio de Janeiro.
A 1,280 ris !
Vi>ndem-se cortes de 15as para caifa, a
1,280 rs.; na ra do Crespo, loja 11. 5.
Carnauba.
Vende-se a mais superior cera de carnau-
ba que lie no mercado, per menos preso
Vendem-se saccas coai fa- do que em iualquer parte, em consequen-
. ., ,, r, cia de so querer acuitar; na r.ua da C'uz,
reos 1 na ra da Aladre de Dcos, conrrontQ o chafariz n. 19.
armazem n. ao. Potassa da Kussis, e cal virgern.
-- Venda-so urna escrava creoula, boa en- aj0 armazem da ra do Trapiche n. 17, de
gommadeira, cosinheira e costureira : na josFerreira Basto, ba para vonder superior
ra Bella o. 16. potassa da Itussia, chegada ha poucos dias.e
Na ra do Crespo, loja n. 6. cal virgem da mais nova que ha no morcado.
Vendem-se superiores cortes de cambraia | Chapeos do Chlly.
desalpicos, coui 6 l|2 e 7 varas, a 3,500e Vendem-se chapeos do Chily detodasas
4,000 rs.; cortes de oassa chita, de novos Dualidades, por preco muito barato : na ra
gostos, a 2,210 e 2,500 rs.; MSN franceza a ao Crespo D. 23.
?40 rs. a vara ; cortes de brim trancado es- t .. vende-se muito em conta urna casa si-
curos e modados, a 2,000 rs, ; panno lino [U\a na Casa Forte, tendo de frente duas
preto,a 3,000e 4,000 rs.; lencos decambrais jinrllasouiua pona, hom quintal enmarvo
Taixas para engenhos.
Na fundico de ferro de D.
W. Bowman na ra do Brum
passando o chafariz contina a
haver um completo sortimento
de taixas de ferro fundido e ba-
tido, de 3 a 8 palmos de bocea,
as quaes acham-se a venda, por
preco commodo e com prompti-
d5o, embarcam-se, ou carregam-
se em carros, sem despezas ao
comprador.
Vende-se a excellente typo-
graphia do Diario Novo estando
bem montada, tanto de bons pre-
los, como de typos : quem a pre-
tender, dirija-se a ra da Praia
n. 55, a tratar com a Viuva Boma.
A 5,ooo rs.
Superiores chapeos de sol do soda ingle-
zes ebegados pelos ltimos navios, pelo di-
minuto proco do 5,000 rs. cada urna: na
ra do Collogio n. 4.
Feijao novo a 6,000 rs.
No armazem de C.nuveia & Dial, confron-
te a cscadinba da Alfandega.
Queijos do sertao.
Veudcm-se omito bons e frescaesqueijoi
do mtIjii ; na ra do Queimado. n. t
coai
Deposito lo. fabrica le Todos os de linho, a 480 rs.; ditos de cassa grandes, res je fruclo, e excellente cacimba : as pes-
Snillos mi lluhia. 160 rs.; riscado d'linho a 180 rs. ocovado so>saqiicm .somelnante negocio ;onvier,
Vondo-se.omcasa deN. U.ilieber&C,
11- ra da Cruz 11. 4,algodautransado
quellafabrica.muilopropnoparasaccosde
assucar eroupadcescravos.porpregocom-
uiuJo.
a 120 r. o covado ou 4,5oo rs.
a peca.
Na ra do Quoimado, loja o. 3, vendom-
se chitas escuras muito boas, e de lindos
tras fazendas baratas. ^ fj ,,,., ue um
ual virgem de Lisboa. J frasco com g,obu|us inertes, e o
mcio de os preparar.
Vendem-se asseguintes sement:
nabos,rbanos,rebneles enearosdosebrau-
cos, sebola, couve trinxuda alface ala-
ma, repulbuda,chicoria, seuoulas, feijao
quciraui dirigir-se n run Imperial n. 79.
Vende-se urna pr. ta cieoula, de 24 a 25

Vende-se superior cal virgem,
chegada ltimamente de Lisboa,
por preco muito cu conta: no ai-
mazem do Caes da Alfandega n.
7, ou a tratar' no escriplorio de
ovacs & Companhia, na ra do
Trapiche n. 3/J.
Fazeada da moda.
Vcndcm-so superiores cortes de cambraia
de MlpiCOI hraiicos do cor, pelo diminuto
proco de 3,500 rs.: na ra do Crespo, loja
n. 6.
f otassa americana.
No antigo deposito da oadea velba, n.
12 existo uiaa pe^ueua purco de potassa
americana,chegadaroceutomente quo por; me\tB \0MSat rtussia ;' no ariaa/uo deN.
superior rivalisacoui a da Uussir.; veude- 0 Kiober Companhia, na ra da Cruz
se por proco razoavel.
Deposito deca e potassa.
No armazem da ra da Cuucia
do Kecife n. xa, ha muito supe-
rior cal de Lisboa, em pedia ,
e uiuiias outras fazendasom conta
Vendem-se saccas com fa-
11 j o / ._i, ,, ,anuos de idade, s-m vicius, nem ac raques,
relio, de a 4 arrobas no ar- iSBUeilllo engommar .lavar, cosinhar e co-
mazem de Antonio Anues, no caes ser alguma cousa: na Soledado, no sitio dos
ir j iqualro IcOes, a qualquer hora se achara
da Alfandega. ,*aa.^ 'com quem tratar.
<*#?**##*< Acha-so venda a boa pitada de rape
* Botica homeopathica. princeza de Lisboa, em libras e meias,
*? .8 ma Aa Crine,' 28 1 ivontade do comprador, chegado ullimamcn
.28 rua aa,s.. r,[_ .,. te pelo vapor Seveme ; na ra da Cadea do
\ Recife, loja de fazendis, do Jo.io da Cunha
'* jUagalhaes, n. 51.
Adamscaado monstro com 8 pal-
mos de largura.
Vende-se na rua do Crespo n. 5, na lo-
ja quo faz esquina para a rua do Collegio o
novo adamascado braneo para toalhas com 8
palmos de largura pelo barato preco de
1,600 rs. a vara, na mesilla loja ha um rico
carrapalo do tres qualidades.ervilha torta e sortimento de manguitos de cambraia para
direita, fava, coontro de touceira, sala, lo- |vesl|,j0 jB SBDhora o mais moderno quo tem
mates grandes, repolho, couve lombarda,
saboia, o mostarda : na rua da Cruz n. 46,
defronle do Sr. doutor Cosme.
Vendem-se amarras deferro: na "ia da
.s.'ii/.dlii'. l\ova 11. 42.
Farinha de maadiocaa 1,600 rs. a
Sucea.
No armazem de i. J. Tasso Jnior: na rua
o dAmorim u. 35. .
Veodom-se lonas, hriuzSo, brins,
n.4.
aos I0':0008 E 5:ooos VE BS.
O cautelista Salustiano de A-
quino Ferrcira avisa ao rerpeita-
vel publico, que a lotcria da ma-
apparecido pelo pre;o da 1,000 rs, cada
um.
Caixas para rape.
Na roa da Cadeia do llecife n. 14, vendem-
so as excelleutes caixns de chifre do Araca-
ly, imitando as do tartaruga, c por muito
mais commodo prc^o.
-Venilem-se 2 travs de 37 palmos de com-
primoiito, o debis de 1 dito de lirgo;3 paos
de 32 palmosde qualidade,20 alqueires docal
decaiar, por juuto ou poralquuire, I molho
de ripas.algunscaibros, 2'rotuld uzadas, al-
gumas cordas de amarrar aiidimes,algumas
linas do servico de pedreiro, 2 caixilhos de
amurillo, com 10 palmosde altura; ludo ba-
rato : na rua do llangel 11. 21.
Vende-se niel de muito boa qualidade,
c por preco commodo 1 na rua da Concordia
reliuac,3o n. 8.
aajim como potassa chegada ul- triz da Boa Vista corre imprete- \ 200 rs. a vara,
timament, a prOCs muito ra- rivclmeilte no da 26 de outubro Na rua da Cadeia Velha, loja n. 33, ven-
"' I. ..-.,.- idc-so muilo bom algodSo da lena a 200 rs.
oaveis. r do correute anno, c cstao expostas |a sw em pe5> de*b0 vjra5
Agencia de Fdwin Maw. (a venda os seus afortunados bilhc-
Haruadc Apollo ii.b'.'aruiarem de.ilc.Cal- [fij (; Cautelas da mesma lotera No atorro da Boa Vista, vonda nova n. 49,
bous aortimemo detaixa de ferrocMido e na praca di Independencia n. q. ,
batido,tauto raaa como unidas,moi-udas 111- | j0 ju(]tzas Je FortunilO Pe-
lrtoddefrroparaidmaei,agoa,to.,|_J. A a_______Rnalna ,3 e
riras louasut it-rro ojia atiiiiicica, u|i"a,---.. _
ditas para armar ero niadeira de todos o ta- reir da l'Ollseca JBStOS II
uiauhos c iH.nlcllu o mais mudcnio .machina
horizontal para vapor.com for^a de 4caval-
lus, coucos, paisadciras de ferro isianhadu
para casa de puiuar.por mcooa preco que oa
de cobre, escovenspara navios, ferro inglc
tautoem barrascomo em ircoslolbas.eiudo
por barato pre(o.
Arados de ferro.
Na fundicSo da Autora, ncr, S. Amaro,
vendom-so arados de forro do diversos
mojlos.
Gomma de engominar.
Vendem-so saccas com gomma, niiiito at-
va, propria paia ongommi>r c fazer holinbos,
por nSo ser secca ao fogo: na rua do Quei-
inado n. 14.
~ Vendom-so os verdadeiros selins in-
gleses, palouto, do molla a sem ella : na
rua das.-nzalla .'.ova n.42.
VcnJeiri-se rclugios de ou-
ro epr&ta, putentc inglcz: na rua
da benzaliti Novan, /ta.
AGENCIA
da fundicao Low-Moor.
kua uask:;zai.la NOVA N. 42.
Neatc estabcleeimento conti-
na a haver um completo sorti-
uicuto de moendas o meias 1110-
enJua para eugcuuo machinas
de vapor, c taixas de ferro bati-
carnauba
i5, loja de calcado do Arantes ;
11. 37 c 39, loja de calcado de Por- Ivelas doi
to & Companhia, e na rua da Ca- 'Z'^e^uu
deia do Becifc 11. 4C, loja de miu- [Dita do MaranhSo
dezas de Jos Fortunato dos Santos ggfjj,
Dinlteiro a vista.
No nlerio da Roa Vista, vonda nova n
pintada do azul, vende-se oseguinto :
Manteiga iiiglcza, libra
Cha do melhor
Dito
Dito do preto
Espermacele
do ccoado ae todos os tama-
itos, pata dito.
Moentlns superiores.
Na fundicao de C. Starri Companhia,
otuS. Amaro,ucliam-tcvonda moendas
de cauna, todas deferro, e um modeloe
cuastruccSo muitosuperior.
llcmedio especial para boubas e cravso
seceos couliiia a vender-so na rua doRan-
gel, bolica que foi do Uado SebistiSo Josc
do Oliveira Macedo.
Cal virgem.
Vende-se cal do Lisboa a mais nova do
mercado: na rua do Viga rio 11. 19, primoi-
andar, escriptorio de T. de Aquino Konseca
b. Filho, ouna rua do Trapiche, amazem de
Antonio Augusto da Konseca.
-. Urna eucoinimuida de cobertores,
Que por screm poucos
NSo podem chegar
A todos os compradores,
a 1,600 rs. cada um : na rua do Crespo, lo-
ja 11. 6.
Aleita fregueza3
Que sito coegados,
Cobertores do algodSo
Muito encorpados.
Porto.
Bilhetcs 10,600
Meios 5,3oo
Quartos 2,600
Quintos 2,100
Decimos 1,100
Vigsimos 600
AHUME UEPARS.
Fabrica de chapeos de sol, na rua
do Collegio n. 4-
Alcm do sortimenlo ja annunciado, rece-
beu-se pelo navio Havre, ultimo vindo de
l'ran;, um novo sortimento de chapeos de
sol de seda o de panninho, para homons e
srn! un-, dos ltimos gostos; superiores
chapeos de sol de seda com cabos do cana, o
outros dos melhores que tem viudo a esta
praca, que se contimiam a vonder por me-
nos preCO que em outra qualqurr parlo.
UcjioMto de panno de algodao da
fabrica de Tu jos os Santos da
Babia.
Vende-se o bem conhecido pan-
no de algodao da Baha, proprio
para saceos e roupa de cscravos,
a vontade do comprador assim
como fio de algodao da mes :.a fa-
brica : no escriptorio de Novaes
& Companhia, na rua do Trapi-
che n. 34-
Vende-se um oscravo perfoito sapatoi-
roebociro, por 700,000 rs nfio ten) vi-
cios, nem defeitos, nem molestias, o nioti-
vo da venda sedir 00 comprador quem
quizer, aununcie.
Ladrilhos de marmore.
Vendem-se na travessa da Madre da Dos
n. 4 e 6, elles antes que se acahem.
-- Veodem-se marmelada muito nava,
chegada ltimamente de Lisboa no brigue
Flor do Mar, em latas grandes e pequeas:
na rua da Cruz n. 46, .defronle do Sr. I)r.
Cosme.
1 -- Na rua do Hospicio, segundo andar n.
2, vende-se urna creoula de 35 a 36 annosde
idade, sem vicios, sabendo engommar per-
720
2,240
2,000
1,920
720
280
240
160
140
320
S60
800
610
120
Na rua do Crespo.loja da esquina que vol- feitamenle, lavar de sabio e varrelh, cosi-
ta para a Cadeia, a 1,600 rs. cada um. j nhar e coser alguma cousa.
.Milini alpista
Azeite.doce, garrafa
Vinagre de Lisboa
assim como assucar refinado o melhor pos-
sivel, tanto cnrlibra, como em porcSo, a 100
e 80 rs., e outros mais gneros que se far
o preco a vista do comprador : na mesma
venda precisa-se alugar um moleque, que
srja fiel.
O cautelista Antonio Jos
Bodrigues de Souza Jnior avisa
ao respeitavel publico, que a lo-
tera da matriz da Boa Visti cor-
re infalivclmcntc no da 26 do
presente mez, eque os seus bilhe-
tcs e cautelas, que se cstao ven-
dentio pelos precos ubaixo, em sua
loja de ferragens, na rua do Quei-
mado n. 37 A, junto ao becco da
(Jongrcgacao ; na mesma na lo-
ja de ferragci'S n. 12 de Joo
Baptista Bodrigues de Souza ; no
aterro da Boa Vista, loja de miu-
dezs 11. 48 de Antonio da Silva
c na rua da Cadeia do
Kecife, loja Vieira da Silva, sao pagos logo os
premios, que nelles sahircm as
mesmas lojas.
Bilhetcs inteiros
Meios bilhetes
Quartos
Quintos
Decimos 1,100
Vigsimos 600
Vende-so farello muito novo e de su-
perior qualidade, no armazem de Gouvea
flias, 110 caes d'alfandega.
Attencao.
lie barat.smo e nao chega O cautelista Antonio Jos
a todos. [Rodrigues de Souza Jnior avisa
Vendem-se bahus de madeira ao respeitavel publico, que ai 5.
envernisados, de 12 at 20 pole- lotera do theatro da imperial ci-
dade de Nictheroy, corre boje a3
do crrante, no Kio de Janeiro, e
que seus bilhetes e cautelas, cs-
tao a venda em sua loja de ferra-
gens n. 37 a, na rua do Quoimado
junto ao becco da Congrecio, e na
mesma rua loja n. 12 de JoSo
Baptista Rodrigues de Souza, eno
aterro da Boa Vista, loja de miu-
dezas n. 48 de Antonio da Silva
Guimaracs. O mesmo avisa ao res-
peitavel publico, que na mesma
loja foram vendidos em vigsimos,
n. 3i3i,com io:ooo,oovde rs., e
outros muitos nmeros com pre-
mios de 1:000,000 ders., de^oo.s
rs de 200,000 rs de 100,000 rs.,
e de 40,000 rs.; convida pois aos
possuidores a virem receber seus
Na loja da rua do Crespo n. 10, vendo-se' ..
excellente panno de algodSo, proprio pir respectivos premios que imme-
roupa de escravos, pelo diminuto piejo de disfmente sao pagos.
200 rs. a van.
l'roprios para passar a festa.
Na loja da rua do Crespo n 10, existe um
completo sortimento de palitos de bro ,
pelo diminuto proco de 2,500, 2.800, 3,000,
3,500 e 4,000 rs. ; ditos de bramante d? li-
nho a 6,000 ; ditos de casimira de edr, mui-
to lira, a is.ooo rs. Luvas de pelica com belotas a
Uom e barato. ,>a0o rs. o par.
Na loja da rua do Crespo n. 10. vendem-j N rua do Uueimado, nova loja de miude
se ricos cortes de cambraias decores, com Mi 0/47, vendem-se luvas de pelica com
barra e babados, a 6.000 rs.; chupaos de sol be|otS> muil0 MfM linas, a 1,200 rs. o
de seda de cores, a 5,500 rs. ; ditos pretos, plri. ||BS anlM qu0 lcabem.
a 5,000 rs.; ditos muito linos e ricos, a 8,000 ( ilMa# ,, ,u il r.r.n
gadas, com (echaduras, os quaes
servem para guardar costuras e
roupa de enanca, pelos baratos
precos de 800, 1,200 e 1-44" I"*' '
no Aterro da Boa Vista loja de
sapatos n. 58.
Luvas de seda trancada branca e
cor de cana.
Vendem-se na rua do Quoimado, nova lo-
ja demiudezas n. 47.
Vende-se ns cadeia de Olinds, um es-
cravo, creoulo, de 23 annos do idade, muito
possante, para fora da provincia: quem o
pretender, dirrja-se a ladeira do Varador
n. 14.
f / Vendem-se palitos preto mais ba-
rato do que em outra qualquer parte : na
rua Nora n. 26 ; a elles, enm dinheiro
Veode-se sal do Ass, em potra, a bor-
do do hiato S. Jniio : a tratar com o mestre
do mesmo, ou oa rua da Madre de Dos, lo-
ja n. 34.
Panno de algodSo da trra.
Bilhetes 23,000
Meios 11,000
Quartos 5,5oo
Oitavos 2,800
Vigsimos 1,3oo
rs.; ditos de panninho enfeilados para me-. Luvas pretas de lorcal a 64o rs
nina, a 1,500 rs.; luvas compridas dnpeli-| par.
ca enfeiladas, para senhora, a 1,500 rj.j di-
lle o mais barato que pode ser, por serem
O "Minado,
Antonio Jo-
tas pretos, a 1,280 rs.; pocas do bretanha de muito venia.se rui do
Hubo, com 5 varas, a i,800 r o outras novalojademiudezasn.47.de/
multas fazendas, que so vndela por pro- ae j0 .jevoj0
eos commodo. | .. Vendem-se no armazem de molhados
Vendem-se na praca da n. il.naruadon'cantamento noRecire, fa-
oa Vista n. 7, bilhetcs inteiros e queiros, caticaes.e salvas de prata, do me-
1 1 Ihorgosto, e por preco commodo.
meios, pelo seu legimo preco de ( .. Vende-se urna loja de miudezas com
iosooo e 5sooo rs., da lotera da poucos fundos, muito propria para qualquer
'. 1 i'; \j- principiante, pelo seu bom local, e afregue-
matnz da Boa Vista, que correno Jdt; o motivo porque svend se dir ao
dia 26 do andante mez de outubro. comprador ; quem a pretender annnuncie
-- Vendem-se lonas a imitacJJo d dussia, P,ra fl procurado.
muito em conla : no armazn de Fox Bro- Vende-se urna morada de casa, oa rua
thers, na rua da Cadeia do llecife n. 62. trata-se na mesma rua n
Bilhetes do Bio de Janeiro.
0 cautelista Salustiano de Aqui-
no Ferreira, avisa ao rcspeiCvrl
publico, que os seus bilhetes c
cautelas da decima quinta lotera
do theatro de Nitheroy, e-t2o ex-
postos yenda as lojas do cost-
me, a lotera corro hoje 23 do cor-
rente mez. e cspera-e a lista da
mesma nc vapor brasilero no dia
4 ou 5 de novembro. Sao imme-
diatamente pagos todos c quacs-
quer premios que sahircm nos bi-
lhetes e cautelas as lojas j an-
nunciadas.
Bilhetes 22,000
11,000
10,600
5,3oo
2,6'00
2,100
Meios
guarios 5,5oo
Uitavos 2,800
Vigsimos I.'3oo
Aos Iliteratos.
Bibliographia histrica porlugueza, his-
toria de Portugal, por A. Ilerculano, poesias
de A. do Serpa, revista universal lisbonense,
universo pilorosco, e outras obras uleis e
recreativas: na casa n. 6, defronle do tra-
piche novo.
Vende-se urna negra, creoula, de bonita
figura, cosinha do fugSo e forno, engomma
bem, coze costura lii.la, faz labyriutho e to-
das as qualiJades de doce; a razio porque
se vende se dir ao comprador na rua dos
Pires n. 28.
l'athogenesia homeopathica do Dr.
A.J. Mello Moraes.
Chegou no vapor S. Salvador, esta grande
obra em um volume, o do grande alcanse ,
para o povo curar sem precisar de mdicos :
na rua do Crespo, loja amarella n. 4.
O cautelista Paria Barbosa
recebeu bilhetes da lotera do thea-
tro de Nictheroy, e os expoz a ven-
da na rua do Qucimado, loja de
Gouvea & Leite, na mesma caa
paga sem descont os seus bilhetes
premiados. Eis os precos
Bilhetc inteiro 22,000
Mcio 11,000
Quarto 5,5oo
Uitavo 2,800
Vigsimo 1,200
Luvas enfeiladas para noivados.
Vendem-se muito ricas luvas do pelica
para noi vados, do melhor gesto quo aqui
tom vindo : na rua do Queimado, nova loja
do miudezas n. 47, de Antonio Jos de Aze-
vedo.
-- Veode-SS sola e couro do cabra, bozer-
ro francez, couro de lustro, marroquins de
todas as coies, sortidos, e ludo da melhor
qualidade que tem vindo a esle mercado, e
pelo menos preco quo he possivel; tambem
tem um completo sortimento de sapatos do
Aracaty e da trra, tanto para homem como
para seubora, e pelo monos preco que he
pos ivcl,- na rua do Livramento n. 5, loja
de urna so poiti.
Vende-so sal do Ass, a borJo da su-
maca Flor do Angelim, fundoada no Forte
do Mallo : trata-se na rua da Cruz do Keci-
fe n. 33, om casa de Sa Araujo.
Bichas, chegadas ltimamente de
liamburgo.
Vendem-se e alugam-se bichas de liam-
burgo : na rua da Cruz do llecife n. 43.
-- Vendem-se dous canos muito manei-
ros, propiios para conducen de fardos, ou
saccas: para ver e tratar, no trapiche da
companhia.
Vestidos a 1,28 e 2,000 rs.
Contiuua-se a vender cortes de vestidos de
cassa de cr, com 6 varas, por 1,280 rs. col.
corle; ditos de riscado francez, cores fixas, a
da
Vende-se, no aterro da Ho.iVisl.-i, loja n.
60, veludinho preto ; dito escarale; velbu- 2,000 rs. : mioja do sobrado amarello,
tina preta; losillas adamascadas e guarda-, 'ua do (jueiniado n. 29.
apos para mesa ; meias de ISa para sonho-) Vendem-se pecas de panno de linho da
ra ditas para homem ; ditas de laia pretas Allemauha, com 10 varas, a 2,000 rs. cada
para padre, e outras muitas fazendas, por'Pea: na loja do sobrado amarello, na rua
preco commodo. j d"o Queimado n. 29.
Vende-se urna taberna na praja da
Uoa Vista n. 5: a tratar Da mesma.
Vestidos de cassa seda.
Ven inin-se cortes de vestidos decsssa se-
da, pelo diminuto preco de 5,000 rs. cada
corle: na loja do sobrado amarello, da rua
do Queimado n 29.
Casamento.
Vei ili'in-M! curtes de vesli lo desclim, e
chmalo! branco, com babados, bordados
o mais rico pbssivel: na loja do sobrado a-
marello, na rua do Queimado n. 29.
Na loja amarella, da rua do Cres-
po n. 9
Vonde-se atoalhado de todas as larguras ,
por menos proco do quo em oulra qualquer
parlo ; palitos de panno mesclado, a 12,000
o 1 i,01111 rs., e riscado monstro de linho
com 4 palmos de largura, a 320rs. oco-
vado.
Vende-se urna linda mulatinha reco-
Ihida, de 18 annos, que emgomma perfeita-
mente, cosinha, lava, he muito diligente e
de boa conducta, o que se alianza ; urna pre-
ta de elegante figura, de 22 annos, que en-
gomla, cosinha, lava muito bem, e faz todo
o arranjo de urna casa; duas dilas com as
mesma habilidades; um preto bom para ar-
maziiin de assucar; dous ditos bous para
todo o semen; e um preto de meia idade
bom para sitio : na rua dos Quarteis n. 24,
segundo andar.
Coolinua-se a vender farinha do roino
da mais nova a 90 rs. a libra, goma de engo-
mar a 80 rs. a libra, mauli-i^ 1 ingleza, e
franceza a 480, o 560 rs. a libra, vinagre a
500 rs. a caada e 80 rs. a garrafa, call de
carolo a 140 rs. a libra, passa a 320 r a
iliro, letria a 320 rs., e outros muitos gene-
ros do bom o ni 'iiiui- : no paleo do Carmo
venda na quina do becco da Bomba, por
baixo do sobrado de um andar n. 13.
- voudem-se chapeo de seda, enfeilados
de flores, para senhora, de pre;u de 8,000 a
14,000 r, : no aterro da Boa Vista, loja de
modas n. I.
VenJe-se um sitio no riacho.de Agoa
Fra, com urna boa casa, e com trezenlos e
tantos pos de coqueiros novos e deilando
fructos, bastante pasto para vaccas, muito
boa agoa, urna excellente baixa paracapim,
vinte ou vinte e cinco ps de larangeiras e
jaqueiras, e mais ps de differeotes fructos :
a tratar na rua Nuva 21, tnrceiio andar, das
6 as 8 horas da manlia,c das 2 as 3 da tarde.
Vendem-se tres molecotes de idade 14
a 16 annos, ptimos para todo servido, qua-
tro escravos do bonitas figuras, do sorvico
decampo, urna linda escrava de idade 17
annos, de boa con lucia, um mulato do ida-
de 30 annos, que cosinha bem o diario de
urna casa : na rua Uireita n. 3
Vende-so urna balanca grande, propria
para armazem de carne ou outra qualquer
cousa, sendo conchas e bra(o : no armazem
de sola no caes de llamos.
Verniz d,'gomma copal contina a
vender-so na bolica da rua do Hangel, a
1,280 rs a garrafa.
Vende-se una mulata, em Fra de Por-
tas, rua do Pilar 11 20: a qual sabe bem 011-
gommar.fazer l de idade 15 a 16 annos, do bonita figura; a
vista do comprador se dir o motivo por
que so vende, mais que aeja paia fra da
Ierra.
Loja nova.
Vendem-se na loja nova da rua do Raogel
n. 8, capotinhos de seda furta-rores borda-
dos de matiz coin colete de setim e gorgu-
r.io branco um completo sorlimeuto de
manteletes pretos muito enfeilados e da ul-
tima moda, capotinhos de liio preto horda-
dos de seda, chales de seda de varios tama-
itos, vestido de cambraia de core de tres
babados, manguinlus do linho para vestidos
de manga curta, cortes de 13 de camello,
vestidos linos de cambraia branca com fron-
tispicio bordado, boas luvas de seda ama-
rella para seohoia, um completo sortimen-
to do trancas pretas finas proprias para imi-
l.itir vestidos, leamos de seda com franja,
los pretos de linho, muito bom sortimento
de cambraias de seda, e de meias de lio da
Escocia para seuhura, e outras muitas fazen-
das que se vendem por prego cainmodo.
Vende-se una escrava moga, que cosi-
nha e eiigomina : na rua do Arag3o 11. II ,
se dir quo 11 vende.
Luvas de peliea ponto ingles.
Vendem-se muito linas luvas de ponto in-
glez multo novss, ebegadas ltimamente;
nt rua do Queimado n. 47, loja de miude-
zas.
Palitos feitos.
Continua-sn a vender palitos de panno
preto e de cor, muilo bem feitos e de boa
qualidade, por prego muito em conta : na
loja do sobrado amarello n. S9.
Vendem-se duas casas de taipa, acaba-
das de novo, com duas salas e qusrtos, quin-
tal e cacimba com boa agoa, ni Capunga, Da
rua que si ha para S. Jos do Mango i uno : a
tratar com seu proprletario todos 01 do-
mingos e das Santos, no mesmo lugar a-
cima.
Na rua do Crespo n. g.
Vende se cambraia franceza, muito Una
de lindos padrdes, a 380 rs. o covado ; a at-
las, freguozes.que nSo ba nada mais barato;
coites de casimira de gostos modernos, a
3,000, 3,500, 4,000, 4,800 e 5,000 rs. ; panno
mesclado, a 2,000 e 2,500 r. ocovado; pe-
gas de cambraia de salpico, a 3,000 rs.; a-
toalhados com 8 palmos de largura, a 1,400
rs. a vara.
Moendas patente.
Acabam da chegar moendas e meia moen-
das de varios lmannos da patente da A a
Kdde Mornay em casa de Kolhe e Bidoolac,
rua do Trapiche n. 12, sonde tambem se
achara arados de ferro do modelo mais ap-
arovado para a plantagSo da canoa. Estes
arados sSo construidos na fabrica mais ac-
creditada em Inglaterra e cootem vantagens
sobre os outros arados,linio no seu arrsnjo
como na sua aporgSo.
Charutos de llavana.
Os melhores que teem vindo a este mer-
cado : vendem-se continuadamente, em ca-
sa de Bruno Praeger & Companhia, na rua
da Cruz n.10.
Vende-se orna csss terrea na traves-
sa do Marisco : a tratar oa rua da Santa
Cruz n. 70.
-- Vende-se um bom escravo creoulo ,
ptimo para todo servigo, principalmente
de campo, pois eotende muito do tr la mon-
to de gado : na rua Velha n. 14.
Vende-so uma preta moga de muito
bonita figura, cora muito bom leito, de 15
dias, cosiuha, lava e engomma ; um preto
mogo de bonita figura, e uma preta idost
com grandos habilidades : a tratar na Cam-
boa do Carmo, primeiro andar, de manhSa
at as9 horas, edas 3 horas da lardeen
diante.
Escravos fgidos.
100,000 rs. de gratifcacio.
Desappareceu no dia 7 de malo prximo
passado, o pardo Leonardo, de idade 18 an-
nos pouco mais ou menos, e tem os signaos
seguidles:ha 1x0, o pello um tanto metti-
do para dentro, cabello caraplhhado eal ao
meio da testa, e falla descaogsdo. Esle es-
cravo vioha todos os dias vender leito no Ite-
cife.de um sitio na Boa-viagem, perteneen-
te a Joanna Mara dos Passos, de quem foi
escravo: quem o pprehonder e truuxer ns
rua da Senzalla Velha n. 60, segundo andar,
recebers a gratilicacSo cima.
Ha um mez, pouco mais ou menos, de-
sappareceu um preto por nomeManoel,cre-
1111I11, i- iiileial de alfaiat, bastante conhe-
cido nesta praca, por ja haver trabalhadoem
muitas lojas, o qual pertence ao abaixo as-
signado, e tem os signaes seguintes :bai-
xo, quebrado das virilhas, um pouco grosso
docorpo, cor preta, olhos grandes, tem tres
cicatrizes no hrago e mSo direita de uma
operagSo que havii solTrido ha pouco no
hospital ; he de presumir que ande por esta
cidade, visto ser della natural, e ter alguna
prenles: roga-seas autoridades policiaes e
a toda e qualquer pessoa, a captura do mes-
mo, e o favor de o mandar entregar nesta
cidade em casa do sonhor subdelegado da
Boa-Vista Rufino Josc Correia de Almeido;
e na cidade do liio-Formoso a Francisca
Christina Lins, quesera generosamente re-
compensado : o mesmo abaixo assignado
protesta rom todo o rigor da le, contra a-
quella pessoa, quem quer que seja,que o li-
vor occullado. Francisco Caldas Lins.
- Desappareceu do da 15 do passado, ss
7 boras da noite, do Hotel llecife, o pardo
Exequiel que foi do senhor Luiz Rodrigues
Sette, e como pelas circunstancias que pre-
cedersm a essa fuga presuma-se que elle
procure a todo cusi ovadir-so, roga-se as
autoridades policiaes que o recommendem a
seus inspectores e pessoasde coo(ianga,fim
de ser descoberto e capturado : o pardo he
baixo, de idade 25 annos, meio corpo, sem-
blante carregado, leudo uma pequea cica-
triz na face, anda calgado e fuma : levm
chapeo de seda preto, e anda com uma ben ;
gala lina ou junco, e inculca-se por forro-
anda frequentementeno bairro da Boa-Vis-
ta sonde sempre he encontrado: quem o
pogar leve-o a rua do Trapiche n. 5, que ser
recompensado.
Acha-se fgido desde o dia segunda- fei-
ra, 11 do corrente, o preto Honorato, de na-
gao Angola, de idade 50 annos pouco mais
ou menos, com os signaes seguintes: es-
tatura baixa, corpo regular, pernas curta,
1 o-torios o a,iaIhetados, o urna cicatria de
lalhu sobre o nsriz: levau camisa e caiga de
algodao gruso americano ; o dito escravo
foi do Sr. Ju.oi Jaciotho da Oliveira que o
houve por compra do Sr. Luiz Justinianode
Souza llorn ; he de suppr que teoha se-
guido para as bandas do Seiinliaem ou Ipo-
juca, por ter sido desses lunares : por isso
rogii-s- a quem o pegar, de leva-loatraz da
matriz da lloa-Vista, sobrado n. 18, ou na
rua do Trapicha no Recife n. 36, primeiro
andar, que se gratificar o seu trabalho.
No dia 26 desetembro passado, desap-
pareceram dous escravos com os signaes se-
guintes :primeiro, Luiz, creoulo, repre-
sentan lo 24 a 25 annos de idade, baixo,
cheio do corpo, ps pequeos, poscogo gros-
so o cuito, olhar carrancudo, nariz grande
e muito chato, tem marcas de tor sido cas-
tigado com agoutes por mais d uma vea.
Foi escravo do Sr. Luiz do llego Barros, de
cujo poder passou para o do ar. Jos Camil-
lo do Reg Bsrros, que o vendeu ao actual
possuidor: segundo, Manoal, creoulo, ainda
moleque, baixo, secco, com um p enchado,
e uma cicatriz de golpe j de velbo em cima
do peito do mesmo p, ecom o dedo grande
do mesmo torcido, cuja cicatriz est alada
fresca : quem os prender e conduzrao en-
golillo do Rodisio da freguezia de S. Louren-
go da Mata, ser generosamente recompen-
sado, e pago de qualquer despesa.
.--Desappareceu no dia 24 de outubro de
madrugada, uma negra, de nome Clemen-
cia, idade 22 annos, bonita ligurs, IVicOes
miudas, bonitos denles as poutas das ore-
llias pegadas as faces, bem feila de corpo,
tamaoho regular, levou comsigo toda a rou-
pa, 2 vestidos de roupSo aOogado, I vesti-
do de chils cor de vinho a (Togado, 4 de cam-
braia, como veio do sertao tem costume da
andar de saia e camisa, 2 camisa novas de
algodSoznho, foi comprada no dia 13 do
corrente mez, ao Sr. Jnio Jos Gouveia, que
a vendeu com carta de ordem do Sr. Joa-
quim Pereira da Silva, de Pajau' de llores,
que a tmlia comprados porto do 6 ou 7 an-
uos, a uma pessoa que lica perlo da cidadu
-- Veiilemse saccas com gomma, muilo Ja Victoria, supponho que ella deve ter ido
zn.33 para eales lugares: pcJe-se as autoridades
alva : na rua da Cruz
Vende se uma negra creoula, de 30 an
nos de idade, pouco mais ou menos, com ha
bilidades : na rua do Rangel n. 56.
e capiles de campo que a prendara e a le-
vem a rua Nova n. 34, casa dejCarlos Hardy.
Pkri. :,Tv?. na M. 7. os Fama. 1852.
MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EBPHGMLX8_7E3766 INGEST_TIME 2013-03-29T15:05:25Z PACKAGE AA00011611_03371
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES