Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03368


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo X\\ U l
DIARIO
deOutubro de 1852.
N. 239.
PERNAMBITCO.
i-bboo a UBcni-ylo.
PaOlMIKTO ADIKTBO.
IMr trimestre i .
Por semestre !*>
Por aaao -
PiaonlWVao ItlftlMITIl.
Por quirtcl .......... .
oiioinsoiariiiio.
IASDA UtUAMA. AIJI01 Al .
4/OOo|i&Seg. S. Lucs Ev. Josie. Ofp
8/000ll9Tcrc. S. Pedro de e5. JO hori.
lS/OOol Alcinur. I. ara afo ewf.
|i0 Quart.S. JoSoC. 3. e 8. ao melo-dla.
4/MrO|->i Quint. S. rsula. sTentestsi.
/' Seat. S. UdUlau. |. c6. f 10 horas.
Para".*;: 2de~*utbr. Mlnii7.sTde Setbr.p3Sb. S. Joo Capla-| J. aro do eitel.
Mirinho. 5 de dito S.Paulo.: 9 dedito I 'raoo. ,a. eiabidoiao melod.
Cear...; 0 de dito n.deJ.. :: de dito lil Dom. 21. S. Itifiel Mile".
Parahiba Indito Babia... 7 de Outbr | Arcbanjo. Tercas e libidos.
vaniBKlSM.
desente '2", as!hor.se'. minuto oim. Oolaaaa e Parahiba, issegundas sexiaa
Chela a 28, as i hora24miBUIoi di ni.
Mlngoante B, as 8 horas 18 minuto da m.
[tova i 11, ai 4 horas e 6 miautoi da ni.
mioi O
Prlmelra it n borai e 4: mlantoida mi
Segunda "ni minutos da larde.
iha.
niTiiai os ooaanoi.
(elru.
Rlo-Granli-do-norte Villora ai qulatas
fairai
Bonito,Caruarn.eOaranhuas no l'e 15 dcada
miz.
F'orei,0rlcury,Exu e loa-Vista al3 e S
Olinda, todoi o dial.
Todos os Corrrios partero ao mcio-dia.
otioiai nrniHBii.
Portugil 14 deSelbr.Austria:. 3 de Setbr.
Ilespanha lode dito Sulssa.... 3 de dito.
Fraiif.. Sdedito 'Suecii;.. 28deAgo>to
lelgica.:. & de dito Inglaterra 8 de Selbi.
talla.;:'. 4 dedito E.-Unldos 20 d'Agosto
AlemaBba. 3de dito Mxico... de dito
Prosita..: 3 de dito California ibdedito
Dinamarca II de Agt. ChiH. '' < Roala... :9de dito Roenoi-A. >8dedito
Turqua. 25 de dito iMonterldeo 1 de Setbr.
OABfBIOa DB 31 Da ODTDBBO
Sobre Londres,a 28 por i/ooo d.
Parla, 360
Lisboa, 95por cinto,
MBTAEl.
Ouro.Oncas hespanhola............ 29/000
lloeda de 6/400 Telhl........ 16/1)00
. de#400nova.........16/000
de 4/000............... U/U00
Prata.Patae eibrasllelroi.......... 1/920
Pesoscolumnarlos........... 1/930
Ditos mexicano............... 1/800
PARTE OrriCI,4L.
MINISTERIO DA JUSTINA.
Por decreto de 27 de setembro do cor-
rete :
Ordenou-se que o conselhciro Ernesto
Ferreiri Frsnci. desembirgador da rclicSo
di Bihia, tenlu exercicio deste lugar ni re-
li(Bo do Kio de Jineiro.
Por decreto dn 98 do mesmo mez :
Foi apreaeolado o pidre Antonio Eleule-
rio de Araajo Lima em uma cadein de meii
prebenda da S metropolitana.
Foi removido o juiz municipal e de or-
phSos Francisco Marques dos Santos, do
tormo da villa do Conde para os termos reu-
nidos de libos e Vlenos, na provincia di
Bihia, por assim o niver pedido.
Korsm nomeados:
Tenente-coroncl ajudinte de ordens do
commando superior di guirda nacionsl dos
municipios de llaguahy e Maogaritibi, da
provincia do Rio de Jineiro-.JoSo Basilio Tei-
m'm ,i Pires.
tlajor ajudante de ordens do dito com-
mando, Manoei Jos Cardse.
CipilSo secretario geni dito, Augusto Ro-
drigues da Silva.
CapitSo quartel-mel'e dilo, Miguel Joa-
quim de Castro.
Foi reformado, na forma da loi, Joaquim
Riymundo Piunes Belfort, msjor do segun-
do. batslhSo da extinets legio da guarda
nacionil do municipio do Rosario di prn-
vincii do MaranhSo.
CapitSo quartel-meslre dito, Joaquim Jo-
s Pinto.
Foi reformado no mesmo posto, o msjor
da exlincta V legiSo da guardi nacional
da capital de Santa Citbarina, JoSo Anto-
nio l.oncsCondim.
(Jornal do Commireio.)
MINISTERIO DA FAZENDDA.
Joaquim Jos Rodrigues Torres, presiden-
te do tribunal do thesouro nacionil, para
execucBo do que dispoc a segunda parte do
artigo Sido decreto a. 870 de as de noveaa-
bro de 1851, ordena que se observe o se-
guinle:
Artigo |. As pessoas que interinamente
servirem os empregos de procuradores lis-
eses perceberSo metadn dos vencimentos
dos efTectivos nos rasos de impedimento
por molestia, licenca ou sorvico publico em
que esfs conlinuem a perceber os seus
vencimentos, e sejam os interinos encirre-
gidos de todas as funccOes de (sesos e de
procuradores do juizo dos fritos.
Art. 2* Quamlu o impedimento dos pro-
curadores efTeclivos for o especial -le sus-
peicSo, ou i'ja primeiio a respeito das
unecoes de fiscal em algumdos casos de
que trata o decielo'de 16 de Janeiro de 1838,
ou seja segn Jo a respeito das funcciJos de
procurador do juizo dos feilos, nos mesmos
casos e nos de sercm inimigoscapitacs, ou
ntimos amigos das partesquodemandarem
i'.nii a fazenda nacional, hiverSo os interi-
nos uma gralilicscSo limbem es, erial.
;. i." No exerecio das funeces de fiscaes
os inspectores das thesourarits Ihes arlii-
Francisco de Santa Mariana Duirte, podio-
do ser nomeido cipellSo do vapor Afronto
DitoAn inspector interino do arsenal de
marinha, devolvendo as propostas que vie-
ram juntas ao seu odlcio de hontem, alim
deque effectue a compra do cobre, de que
precisa aquelle arsenal, con o proponente
que maisvanlagens oflerecer a favor da fa-
zenda nacional.
PortariiAo igente das barcaa de vapor
para mandar dar pasaagem para a corte,
por conta do governo, no vapor Imperalrii
o cadete do primeiro regiment de artilha
ria a cavalio. Jo5o Concalves Ponce de l.eiio
Commuoleoti-se ao BTtrechal cutnmin-
dante das armas.
DEM DO DA 18.
trege o
V. Exc.
Jos Cav
procura
vereador
Ltro, que incluso torna as mos de E he por isso que a Itussia desda que en-Isa; uma inveterada superstigUo arriata o
D delegado do termo da Victoria, ,trou no numero das nar;0es europis, n3ol povo todo para o pat'iarcha. O governo de
canti Ferrs de Azevedo, oquil tem cessado do oceupar-se do engrandec-Js. I'etersburgo conhece esti influencu so-
iber, se, como mais votido pin I ment do seu territorio, por ria dis armas. I berana ; para a combater, ou pelo ri" nos
veram merce da serventa vitalicia dos ofli
cios de
TabelliSo e cserivSo das execu^des ci-
veis ecrimes, e annexos da villa de Itapi-
curi'i-menm, no MaranhSo, Jos Antonio da
Silva Pereira e Souza.
EscrivSo do crime e civel da capital da
mesma provincia, Fnncisco llarros de
Souza.
TabelliSo de notas o escrivSo do crime e
civel do termo de Olindi, em Pernambuco,
I ilippo do Niscimento de Faria.
Foi nomeido JoSo Chrysostomo l'inheiro
Ribis aerventuario do oflicio de escrivSo de
orphSos di cidade de S. Francisco, da pro-
vincia de S. Catbarina, durante vida do
respectivo servenluario vitalicio Joaquim
Jos de Oliveira.
- Foi reconduzido o bacharel Jos I i im e Castro ao lugar de juiz municipal e
de orpli3os do ter.Tio da P^rahyba Jo Sul
da provincia do Rio de Jineiro.
Foi removido o juiz municipal o de or-
phfios Flix Gomes do llego, dos termos de
Santarm, 1 r nica e Mniit'Alogre, no Para,
para os da Barra do Rio Negro, I..: e Bar-
cellos, na provincia do Amazonas, por assim
O ha ver pelido.
Por decreto do Io de oululiro crrante
Permittio se que os vigarios Feliciano
Pereira de Lira, di freguezia do l.imoeiro,
e tlinoel Ignacio de Luna, da da Varzea, do
bispido de Pernambuco, permutassom en-
tre si as referidas f Por decretos de 2 de outubro dito fir.nn
reformados nos meamos poslns :
O major do extioclo 2' batalhSo dn infan-
laria da I" legiSo da guarda aacinnal da
provincia de Santa Catharina, Jos Pereira
Serpa.
O major do extincto corpo di artilliaria
da guarda nacional da capital da provincia
da Babia, Antonio Aives CuimirScs.
quo preslirem, privativa e exclusivamente
nos casos o sobre os objecios a respeito de
quo procedT a suspeifSo dos olfectivos.
;. 2.a No exercicio das fneces de procu-
radores dos feilos da fazenda perceberSo
uma gratifica(3o igual ao que, como sala-
rio, esta designado para os advogados no
Oflicio-Ao Em. preaidente do Cear, acen-
sando reerbido o oflicio, em que S. Exc. dando
selencia do aviso da repartido dajuslicade 6
de acteinbro ultinio, requisita ao inesmo teni-
po que aeja remedida ao supremo tribunal da
juslica uma copia do processo do reo Antonio
Guncalves Carneiro ; e declarando em resposta,
que o presidente da relaco, qtiem oflkiou a
respeito, coininunicou, que fe laucar no cr-
relo dcsta cldade, com destino ao mesuio su-
premo tribunal, mu, traslado do mencionado
processo.
Dito.An commando das armas, remetiendo,
por copia, o oflicio do Exm. presidente do Para,
participando a vinda para cita provincia do
cabo de esquadra do quarto batalbo de arti-
lli.it a p, Manoei Marques da Silva.
Dito.Ao director do Ijcco desla cldade, di-
zendo que, avistado que S. S. ponderou em
seu oflicio de 15 do correte, fca transferido,
para o dia 13 de Janeiro prximo futuro, o con-
curso para a subslituico das cadeiras de inglez
efrancs do meamo lyceo.
Dito.Ao director do arsenal de guerra, con-
cedendo a autsrisscao, que pedio, para despen-
der a quantia de 99/200 coui a compra dos 82
pares de sapatos, de que trata o pedido que re-
melle.
Dito.Aojuia municipal e deorpbaos do ter-
mo de Santo Anto, dizendo licar sciunte de
haver S. me. entrado oo dia S do crreme no
eserciclo de sen cargo, em consequencia de ter
cessado o Impedimento do juiz de direilo da-
quella comarca. Flzeram-se as necessarias
regiment de lo de outubro de 175 e de- communicaedes respeito.
creto de 13 do outubro de 1832, de cada! Dilo.-V tbesouraria da fazenaa provincial,
um> das cnusas ern me os efferlivns forem 'lnel,endo a cootada despeza leila do I* de
uma uas cousas em que os eueciivus loroin jl|Ilno a 3n de se,embro dc5ie annocomosus-
SUSpeitoe. doJ preso, pobres da cadeia da villa do
Thesouro nacional em 5 de outubro de Cabo,|paraque, estando nos termos legaes man-
I de pagar a respectiva importancia ( l3|440 ) a
i Estevao dos Aojos da Porciuncula, conforme
requisilon o chefe de polica interino.Coui-
' municou-se a este.
I Dito.Ao procurador fiscal da tbesouraria
' da fazenda provincial, aecusando recebido o
! iiilnio, em que S. me. prope o promotor pu-
OflicioAo commando das arma, lolei- ^llco Jos Cardlo de Queim Funicca, para
rando-o di haver expedido ordem uo igen- ,.,., o lugar deajudanle daquella procura-
te da companlna das barcas de vapor, para doria fiscal no invenlario, que se esla proce- fazer constar ao jui
dar passagem para a corte, no vapor Impe- dendo por faiiecimcnio do capitao-mr Joio Portara- Numean
ralri: ao linaadairo Jos Ferraira de Azeve- Cavalcaoie de Albuquerque, >' bara- com proposta do p
ISi2.Joaquim Jone Rodriguis Torrti.
GOVEUNP DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE 1)0 I1IA 15 DE OUTUBRO
. acarnerada dita cidade, perten-
ce-lhn oJnSo, substituir o respectivo juiz
municipal urna vet quesSo impedidos to-
dos os saja supplentes : e interpondo, co-
mo V. Ex. exige, mea parecer a respeito,
sou a dizer; que, sendo necessaria, para
que possa1 consulente ser chimado i indi
cada substituidlo, a qualidade de vereador,
de que aUas goza, visto nSo exercer este
cargo, dojqual talvez se haja escusado, ou
mesmo oTenlia abandonado para iWvTr~TF
emprego de delegado do polica, em cujo
exercicio se conserva, nSo pode agora pre
prevalecor-ae 4a referida qualidade, com o
lim de ser chamado a oceupar o lugar dn
juiz municipal, que pelos vereidores ac-
tuaes deve ser substituida, guardada a or-
dem di votacSo, segundos termos do arti-
go 19 da I-i de 3 de dezembro de 1811, e
tendo-se em visti a declaracSo constante do
aviso n. 207 de 16 de agosto de 1849, rela-
tivamente s causas, em que a ornara mu-
nicipal foi interessada Assim pens; mas
V. Ex. decidir do mudo, que mais justo for.
Dos guarde a V. Ex. Recif.s II de outu-
bro de 1852lllm. e Exm. 8r, Francisco
Antonio llibeiro, presidente da provincia
de Pernimbuco.-Antonio Ignacio de Aze-
vedo.
lulo-A' flilmiin-.tr. ,rn> do patrimonio dos
orphSus recommendinJo a expedidlo de
suas ordens, para que a exposta Theo lora
do Patrocinio volte para a respectiva casa,
donde sahiu para ser educada no collegio
das orphSisi, visto que tem da cisar-se
aoiaobSa, segn io participan i adminislra-
(So dos estabelecimentos de caridade'
Gommunicou-se i esta,
Dilo-Ao director do collegio dos orphffos
declaran lo em resposli io seu oflicio de II
do correte, que, segando informou a ad-
ministrafSo do patrimonio dosorphSos, ji
foi sslisfeita a sua requisifSo de roupa, para
os eJucandus daquelle collegio.
Dito-A' cmara municipal do Santo AntSo
aecusando recebida a relicto das rendas da-
quella cmara, relativas ao exercicio mu-
ni pal rcorente,asquaesforamarrematailas
pela quaotia de 3:565/100 rs.; e declarando,
que approva essa arremalacSo.
Dito--\' cmara municipal da Boa Vista
dizendo, em resposta ao sea oflicio dn 20
de abril ultimo, que dere aquella cmara
conservar o seu antigo nomo, pelo qual he
conhecida, em quinto por le nSo se deter-
minar o conlririo.Oommunicou-se io
juiz de direito da referida comarca, pira
fazer constar ao juiz municipal respectivo.
dO, dO i- Ull i| 'l.l i i Ir
procurador fiscal da the-
se a reipaito s ncejsarns commumea-
efles.
Dita ConceJendo, em vista da inronna-
i;.1u lio pruc iriilm lisctl da tiloso irarin di
no dia 9 do crreme o' exercicio de t faxenda provincial, a demissSo, que pediu
, Jos Paulo do Reg Barreto, do lugar de
lino. -Mi inspector
respeito as necessnrias ordens. tendo em vina a legislafo vigente, relativa as
DitoAo chefe de policia, dizendo que suspendes dos procuradores da fazenda.
opporluuamente dcvn ser enviado para as DitoAo promotor publico da coiuirca do
Alag.s, dando Smc piraessefim as con- Banila! d'ieni^cT\a'^[^.V'"'L.LmA:
venientes ordens, o preso Joto Ferreira de assumido noc
Souza, que, segundo a sui informacS,., es- su5Jl0u.n.cJo Vnsp,
U condeinuado ili annos de prisSo por ._,..,., D,rj landar receber do capitao do :ajudante uaq nena proc irauona uscat na
Batanea do jury da cidade .lo Penodo. DHgue naSonal /orrfo Rio, e recibe.aquelle comire doCabo.-Expedir.m se as neces-
llitoAojuiz municipal da segunda vara arsenal, os objecios que elle trouxeiseu bordo sarus eommunicac;oe.-.
desta cidade, devolvendo o recibo i que se com costino algumas das provincias do or- -
refere o seu oflicio d.i honlem, e declaran- te, promovendo S. inc. o mesmo lempo os
do que ja havii sido communic.da pelo di- welai necesiarloa. Ilr*ye<^'nnrtft,,0ec-
rector O arsenal de guerra ., .ntreg. da -J ^JSggTt ^0* d^jo. I
Afncina ivre. Mar, nn mesmo arsenal I """ ., ,v.... .iir..i.i. .!, i
!lo-Ao inspector interino do arsenal de francisco j&fi^MmM;|
EXTERIOR.
A RUSSIV
O sijslema dos exorcitos russos he uma das
Por decretos de 5 de outubro correntefo- mam.ha, approyando o cotiUaio fcito com gwjjjj*m JpjSodo I. do crrante, copia condicOes lutocnticas do poder.
ram .presentidos: o pr.l.co que fo. levar ao Mar.nl o 0 vapor ^J Z ^ool d. relac'to. no Todo, os sul. Utos alo sol lados, o a Rus-
O conego prebendado Fil.PpoNery de Fa- 4f ria, na digoidade de mestre-cscola da Se de nSo .cha eiCMSiTO O praeo ** rii ^ecicio simultaneo dos empregos de de- disciplina, o a uma obediencia p.ssiva, que
Olinda; por U Irabalho, a liem assim q.is agr- municip.l, .tten- nosoutros paizes so nos acampamentos se
O. ;...:. 11( mni. prebenda Pedro lose tific.cSo que se tem pago em outras occa- P ^ u (,o leamvnl0 e0cont.a.
deQueirzeSi, e Jos de Jess Menezes, sioes-senieinaiiie. ion do 31 de ianeiro de l8-2,devra, no Ileso por esto meio enrgico queso torna
Dito--A cmara municipal do Rocfe, re- np^meDl0 do jUIZ municipal o bacbrel poss.vel cot.ter na ordem populacOes, que
em cadeiras de prebnn la inteiri da mesma
commenlando is convenientes providen-
chimi- este vasto imperio encern, de co-lumes,
s. padres JoSo Chrysostomo de Paiva cas para que, logo que cn'"' '?'- I ^^^SSmmt tmw^i?n\W^, bngulgem, eo'rigens 13o diversis. O filan-
Torres, e Firmino do Hallo Azedo, om ci- odotdopBUdoi^!}**W*J: 5oo .'como aconteceu, visto nSo ser d? do mar Biltico.o poluodo Vialula. o
do 1* batilhSo de infantaria da guarda na-
cional de l'araty, Manoei Morcira de Olivei-
ra Lopes.
I i -un nomeados :
alfajores ajudiole d'ordens do comman-
do superior da guirda nacional dos muni-
cipios da capital, S. Gonzalo, Extremoz e
Touros, da provincia do Rio Grande do Nor-
te, JoSo Manriques do Oliveira Rigunira, e
Jos Ignacio Fernandos Barros Bolachlnhi.
CapitSo secretario geni, dito, Antonio
a Hucha Bezerra Givilcanti.______________
IOLIIETI3I.
0 PALACIO PIMODAN ()
pon /Rr. ISogeno "-?cautooir.
PAITE PRIMEIRA.
Ii
A iaverna de Pomme-He-Pm.
( Continuarlo. ,
Fallando aasim em voa baixa oadousguias do
Italiano vigiaran todos os seus movlinentos ,
elles tornaram ao seu lugar, um adiante, oulro
airas, depols de terem trocado entre si mais al-
guiiias plirasei.
Em qualquer outr.i occasiao Pompeo, a quem
oco tloha dado urna foi(a pouco coinmuin.
teiia podido fcilmente desembarafar-se desles
dous homens uma eslocada ou tuna puoliala-
da bastarla para torna-lo livre; mas elle se sen-
ta enlao empellido por uma curioaidade irre-
sisltvel para o esclareclineulo desla aventura
inysteriosa ; via-se filio hroe de uin drama Im-
previsto, no quil lalves ia representar o papel
(') Vide ario n. J38.
\
resultado da eleigSo de vereadores ejuizes
de paz daquelle municipio, visto nao o ter
anida feito.-Ollciou-se a respeito as c-
maras municipaes de Olinda, Iguarass, Ca-
bo, Santo AntSo, Goiadm, Limoolro, Rio-
Formoso Caruar Agua-Prela Bonito ,
Cimbres, Caranhuns, Taciratu, Villa-Bel-
la, UOi-VisU e Ouricury.
DEM 110 Dl\ 16.
OflicioAo Exm. bispo diocesano, para
que se digne prestar a sua informacSo sobre
o requenmento que remette, do padre frej
i i ~i' i "
de iiiiin ni O pensairtcnto de Manetta o rele-
ve. Correrla ella alguin perlgo. ou aquelle
a quem amava estara amracado ? A condesa.
Alvlnzi Irla acaso ver-se confrentada com elle?
Qual seria o desfecho de semelhantc secna ? In-
terdicto c confuso, Pompeo se perda em um
ddalo de cuojecturas. bate boinem mascara-
do*lhe t'iiha dito seu nome. onde o hlvi visto 7
Serii mu inimigo, ou um simples esbirro do
cirdeil?
Lcmbrindo-se de que ia responder a um mi-
nistro i mi tmido como Richelteu, o Italiano
senlio enfraqueeer sua coragem ; mas tranquil-
lisou-se culdaodo que Marictia tinba o coracao
nui bom, e nao podia ser Ingrata ; elle disse
comslgo que ella vlria em seu soccorro.
Seus dous guias dobraraui o passo o pala-
cio de Ricbelicu, chamado depola Palacio-Car-
deal, loma va para elle o aapeclo de uma prisao
austera e souibna. Acabado em j36 este gran-
de c bello edificio encerrava ento um princi-
pe da igreja ineaquioho e doente, recorrendo a
ludo para ie curar, mesmo aoa aegredos perl-
goios dos charlaliea. Tres anuos depola uin
testamento ds Richelieu ceda o Palacio-Real a
Lu i XIII ; o ininistio havia renunciado a todas
Ai magnificencias.
Poinpcb notou s uma janelia escl.recida por
um rellexo vivo e avermelbado, era o quarto
em que sua eminencia traballiava. Estarla elle
ento corrlgindo os versos de liramr ou de al-
guina outra tragedla de que se obstinava em
ileclarar-sc auloi / Itudeido de seus gatos, mil-
cos ouvioles que liriln, sozluho no meio das
irevas e do aileuclo, estarla Itichelleu cuidando
no poela Denuarels ou na casa da Austria t
Pompeo, aventureiro, Pompeo, Italiano po-
derla porveniura lisonaaar-se de allrabir a si-
lenjjo de semelhanie homem ?
I chamado a substituicSo do J
uma voz que Smc. na tintn motivo algum dide.
legal que dosta o aistisse, c noserid- As racis quecompe o imperio sao mais
missi'vel, n hypolhese vertenle, o direito mtUralmonte rebeldes qui despostas a in-
de optar, por nSo h.vcr lei que o permita, fluencia da civillsasao, pois s.io sabidas as
Dito A' Jos Civalcanli Ferrs de Azeve- duUculJides e perigosque Pedro o Grande
do dizendo, que, com a copia, que remelle, eocontrou na obra da regenaragSo que em-
do parecer do presidente da rrlaco respon- prebendeu.
do ao ollicio do Smc. do i do corrente. : Um estado que se apoia cssoncialmcnle
Parecer a que se refere oofficio a cima. na forca, ha arnslado guerra ; as con-
,._ r- a. e.m m,i a. v iv quistas a i|iUCB0 militar, sSo d algum mo-
lllm. e Exm. Sr.Com 0 ollicio de V. Ex.
datado de 8 do corrente oululiro foi-meen- do urna conlicSo da ui existencia.
a.
olictanlo olaacarado acabava dVdpOrau uardeal pareca antes uin moribundo entorpe-
lainneo de.iiio fa alpende do veslibulo dos cldo pelo aoHYiinenlo do que uni ministro, cu-
euard.s. Este lugar nao tiulia oulro ornamen- Ja vos lirine commanda, cuja braco c cabeja
lo que duas hleir.s de lautas e de dardos ; alii podeni obrar.
viain-sc panasanas douradas, allabardas suis- O quarlo em que se achava, tainbcm nao era
sas e arcabuiesalleincs. proprio para dissipar a Untura melaucolica de
Ouanlo aos guardas do carde.l, uns jogavara sual ideias. Forrado de t.pcssana rosa, elle
dados, oulroscarias, mas todos slleoelosamen- nao tinba oulro ornamento que o retrato de
le, como se o menor rumor devease trabl-los, e Lnlx Mil, e urna secretarla da Alleinanba, cu-
exno-los colera de sua eminencia jas gavetas eslavain eolio lodas abenas.
gabineie do ministro era mui distante dei- O meotoi que havlain eram lainbnretea.
ta sala, os dous mascarados para elle se enea-! Um Chrislo de Annlbsl Larrache oceupava o
ininhararo, fazendo sgnala Pompeo de que os vio do mel. A mesa eslava coberta de deapa-
segulase. Chegando galera o mascarada que cbos e de llvros, junto do Unieiro de bronze
lioucera o lamnio, aaudou respeilosamentc o dourado, susldo por quitro aereas, dorma um
outro, e reltrou-se. | dos galos de sua eminencia, outro repousava
Espere por mim aqui, disse a Pompeo em seos Joelbos e um lercero Junio dos caes da
aquelle que lieara s com elle. cbamln. ,
E emnurrando o botao de uma porta no fiux Quando o homem transpoa o limiar, levou a
da ualeia, fechou-a depois sobre si, e Pompeo mi mascara, como para lira-la. O cardeal
o ouvlo nrranbar na lapessarla ale tres vexes. I delsou escapar um gesta de rcpugnaocia, e Ihe
Um ligeirorumor semelhanie aoque se faz dlMC : .
quando ae corre uin repoaleiro de damasco, o Hque assim mesmo, acaso nos nao conhe-
adveriio de que o uaascarado tlnha entrado. inos, doutor.
Poinneo nao se enganava, oliomeinem quei-1 A personagem em quealai agradeceu ao car-
lio achava-ae com efleilo em preseoc do car- deal com urna voz pouco firme, pois observan-
deal de Klchelleu. O miuislro eslava recostado d coin um secreto desprazer o lom agro de
num. vasta poltrona de damasco rxo, cor que sai eminencia, lie pressentio urna tempes-
tara mas resahir a sua tez lvida, tade.
N. verdade quem o visse assim paludo e des- Richelieu parcela absorto, ler-se-bia dito que
felto com ambas as unios cruiadas sobre as eos- a preaenca deste homem o acbava inorno c in-
las de um dos seus galos favoritos, coin o cor- seaiivel. fcsle visitador nocturno trazia um ca-
imi enrollo em uma louga capa ue armiobo, .pole de velludo prelo, calcas e mesas da mesma
cercado de garrafas e papis, se semina loma- cor.
do de una iovencivel cominillo. P.equenns Elle era de mediana estatura, e lao descar-
uilhos de cabellos bra.icos Ibe escspavain do nado que qualquer leria julgado poder ver a
solideo i sua bocea eslava arricada por um mo- la a uavsi de suas raaos ossosis. tile obede-
vlineoto febril, seusolbos amortecidos e ro- ceu ao ministro, e delxou-se licar mascarado.
deudos de um circulo prelo. Em uma palavra o Dcpois iaclinaodo-se duas vetes duole do car-
Porm, para o nm te encontrava dianle do si
os desertos da Siberia e os galos do Occeano
relien ; ao oeste a civilisa^So dos povos oc-
cidentses e as didlculdsdes politicas deviam
repellir sus cohortes; nSo Ihe restav se-
nSo o sul e o oriente, onde um imperio en-
fraquecido por longos anuos dn decadencia
por um lado, e populacOes horoicas mais
selvagens a inda e indisciplinadas, por ou-
tro ; Ihe olTereciam pruvabilidadcs de npid
vietoril.
Os Czirs nSo hesitiram ; toda a sua pol-
tica siivoltou para Constantinupla e para as
regiesdoCaucaso.
NSo mencionaremos as phrases diversas
desta poltica que, ha mais d'um seculo.n.lo
tem variado um s instante. Possuir Cons-
tantinopla, ter ss chaves do llellesponli,
apparecer sobre o mar Mediterrneo onde
so jogaram talvez um dia os destinos do ge-
nero humano ; fazer do Hir-Negro um lago
rasso ; fem sido o alvo constante das con-
quista ou da diplomacia da corle de S. Pe-
tershurgo ; e he por isso que o Czar tem ob-
tido ou imposto um protectorado mais ou
menos cllicsz as populaQes limitrophes da
llussia ; he por isso que elle tom arrancado
a fraquaza ottnmana tnlxlos que Ihe con-
cednm importantes previlegios.especialmen-
'0 o tratado de Unkiar-Skelesii cujas conse-
quencias perigosas podem cedo ou tarde ma-
nifesttr-se.
Neste rapilo bosquejo do imperio russo,
nSo podemos apreciar detalhadamentnos -
contecimentos ; bastar-nos-ha caraclerisar
as faifOcssalientes das miiiici -
Or guerra, e guerra no Oriente, repe
timos ainla tem si lo urna con 'icio nec s-a
na da polilica, o do futuro da Russia,
A demais disso glona militar he um ali-
mento oflerecido ao amor proprio nacional;
a servidSo parece menos pezada quando os
ferros sSo cohertos d loros.
He sobre ludo exteosSo do territorio que
deve aitnliuir-si! a existencia de pirlidos po-
lticos na llussia.
Pirece impossivel i oxistoncii dn parti-
das na Russia, sob um rgimen esseucial-
menle autocratico, onde i vida publica se-
nSo revella !
Com ludo existo uma profunda divisio
envenunada por odios mal drsfarsados.enlre
duas facefles rivaes.
Una intitula-se o partido nacional : he
a antiga posloridado ds primitiva aristocra-
cia.
A ootra conh'cida pelo nomn genrico do
partido alhmSo, comprehenle as grandes
familias, encorporadas pelas conquistas ao
imserio, e que sSo considerad.* como es-
tnngoiros smente niluralisaJos pela vic-
toria.
Ao inivilavel orgtillio da rari addiciona-
ram-se aconlecimentus que Ii i scculos lem
tornado mais dilllceis as rel.cies entro eslrs
dous partidas.
A trasladarlo da solado imperio para um
territorio conquista !o i Suncia, os [seos do
familia que uniam a rasa reinante as diver-
sas dynaslias allemSes, e quo conluziaao
Ihrono dos Romanow a dinasta do llolslein
Goltorpe.d^ram ao partido allemSu uma pre-
ponderancia cotisidcravcl nos negocios rus-
sos.
Suwarnow, KutusoiT, e l'askiowilck teem
sido as ultimas pocas os representantes do
partido nacional. SSo sabidos os revezes
Jo primeiro na camaanha de Italia em 1779.
O segn lo no lempo da iuvasoo francezs,
leve de ceder o com matul i do exercito a
Barclay de Tolly ; purcm o lercero venceu
na Polonia e na llungria, eestas victorias d
ram nova firca ao partido nacional.
Ora esto partido he lyitamitioamente op-
posto as conquistas, quu augmentando p ter-
ritorio inlro'l i/.rin un un e-i i fimiliases-
trnoi;. ni- cuja mil i.'iiri.i podnra destruir
ou enfraqueeer uma autoiidade quo ha meio
scula, este dartnlo recobran, e para i con-
servacSoda qual nSo tem recua lo diante de
nenhum meio.
He tambmoste part lo que do ha muito
se oppOo a qualquer empreza contri Cons-
lantinnpla, porque sabe que sobro as rui-
nas do ihii'iti i turco se elevara um novo
imperio do Oriente, quB.supplantaria a na-
riiriaii l.i Ir ru.ss.i mi proveilo do elemento
grego
rnj conseguir elle ostorvar o impulso
irresistivel quearrasta a Itussia conquista
doOrienti .' Pule duvidsr-se disso, porque
mui tas causas, estranhas as quo temos i n li-
ndo, nxcitim tambem sobro este ponto a
ambicSo dos Czars.
Em primeiro lugar esta a questSo reli-
giosa.
A sedo do palriarcln lie em Constanlino-
pla, o todas as vistas dos subditos russos se
voltam con vcncracSo para o chcfosupremo
da religiSo grega- Foi em vSo que o Ciar
se decorou comu n titulo religioso; foi om
vSo qua elle, qui/. estabelece' urna igreja rus-
ai-
para a identificar r un os interesses da hus-
sia, precisa dominar Cnnslantinopla. Sbe-
se que o imperio ottomano conta porto de
10 milhOes de, christSos dissidentes ; s Rus-
sia faz consideraveis esforcos para monter
sobre elles a sua lutoridade por meio d'um
pul' rimado, cujas tentativas se manifesta-
rini na recente questSo dos Santos luga-
res.
Por outra parte, a Russia, como toda a
nacSo, procura constituir os limile milurtet
que dlcrriiinem o sou territorio,o a ponham
o abrigo d'invazes
Taos seiiam por exemplo os desfiladeiros
do l-:aiiiiluo,i|iir. ella, ao mais pequeo simp-
tomi de guerra na Europa, trata de oceupar
com urna inquieta preserveranca, sub os
mais frivolos protestos.
i inh n a Itussia tem, no seu engrandeci-
uii'iit i para o Este u para o Sul um grave in-
teresse commercial ; nflo porque tonha a
protegor snu couimnrcio apenas nascent",
e sus indust'ia ainla nao estabelecida, mas
porque Ihe importa fechar quanto possivel
os mercados interiores da Azia aos euro-
peos, e para este lim a dominacSo completa
das margeos do Mar- Negro, das regiOes do
i:,un'.i/ i, e mesmo do Golfo Prsico, se Ibe
torna absolutamente indispensavol.
Destas considerarles, a que o pouco es-
pado nos impede de dar tnaior desenvolvi-
iiii'iim, resulta que a Russuia.como ji disse-
mos ost no seu periodo de formacto terri-
torial e moral. Como os po vos semi-birba-
ros, ella tem do ipoiar sobro i fora o seu
dominio, e fazer da guerra no exterior e do
absolutismo e conpressSo no interior, o e-
lemeuti da sus potencia.
Porm a humanidide, qualquer que seja a
forma porque governem,marcha incessan-
temente pira o progresso, o o mesmo desen-
volvimenti) dis torcas militares he um agen-
te de civilsimo. As precisOes d'um exer-
cito continuamente em cimpo excitam i
pro.liirc.Mi indignna e o Irabalho industrial :
ora a industria he a mSi das descoberlas di
ntellijiencia ; as marchas estratgicas, as
vas frreas que se empregam para transpor-
tar as tropas a grandes distancias rpida-
mente, tornam-se logo os motores dessas
mil riilacii-s qui aprosimim os homens,con-
fundem as nicionalidades e elevam a um ni-
vel commum a intelligoncia dos povos. O
progresso malerial ongendra por toda a par-
lo o progresso moral, o a civilisa^So marcha
irresistivel levada pelos proprios obstculos,
que se Ihe Biitepde.
A Russia n.ii escapara 3 lei gerel da hu-
manidide porque a civilissQS" be uma fur-
ia penetrante e expansiva, a quo nada re-
aisle.
J. OHII..V
O Pas )
(llrai Tisana)
INTERIOR.
deal, sentou-se em um lamborele que chegou
para junto da poltrona de Itlclielieii.
Assim estabelecido, arregacou com a mo
esquerd. ale ao pUnho a manga do capole, c
com a dircila preparou-sc pura lomar o pulso
a sua eminencia. Por um movimenlo sbito o
cardeal atiaslou sua poltrona como se houvcssc
temido o contacto de urna cobra.
Mada nao se trata disso agora, doulor,
eiclamou elle, como uin homem que sahe de
ii ni < uli". lea, lea estacarla, ellaprova a que
ponto oaenhor despieza as mlnhas convlccoea
Uin aviso destes, um aviso que cu esperara
so dever aoseu zelo !
Ii,me veri o seobor ? Falle, diga o que sa-
be, para que me fez. esperar ?.... Islu he bom
para orel, acuhor, lome cuidada, eu acabare!
p i crer que o senhor tambem esl do lado
dos ineus ioiinigoa!
Uinaccesso de losse violenta inlerrompeu o
cardeal, cujas faces se coraram com o fogo da
cutera, cuja respiraco se toroou mais breve, c
cujo olbar brilhou com uma espressao singu-
lar de raiva e de viiigauja. Elle levantou um
lej'i dnurado, debaixo do qual eslavam muitos
papis, e depois de ter laucado um rpido vol-
ver de olliis sobre um desses cscriptos, apre-
sentoU'U ao doulor.....
O medico depois de o ter percorrido poi es-
paco de alguns segundos, reprimi una ll|>eira
perlurbacao de sausfico, c compoiido um sor-
riso hypocrita, lespondeu:
Agora posso agradecer a vossa eminencia.
Porque .' perguntou o ministro.
Vossa eminencia ignora de quem Ihe veio
este aviso .'
lnteirameute.
_ Enlao vossa eminencia me torga a abrir
ItIO DI". JANEIRO 4 DE OLTL'ilRO.
Ha noticias de Buenos Ayres al 15 do passa-
do. A revoluto contra o general Urquisa pa-
reca ganhar corpo sem que comtudo tivesse
mostrado a tropa no seu rompimenlo a unani-
iin 11 le que se suppunha a vista das primeiras
noticias que aqui recebemos.
lina carta que nos foi coinmunicada, escrlp-
ta por pessoa de conlianra, refere os tactos da
ni mi. ira seguinte
t Na madrigada do dia 11 os cabecas da rc-
volueao, nnidoi a alguns soldados, prenderam
o coronel tndynaraio, chefe de urna forca de
1U0 homens, c o coronel Vlrasoro, comuian-
dantc doum balalUao de correntinos aquartc-
lados na cidade.
Felas cslisprisocsadheriram os soldados a
revoluco, e o coronel Hornos frente de 50(1
homens p sitio a Palermo intimando ao gene-
al Calan, que alia se achava com 900 homens,
que se rendesse cin -' boras.
i, ilan pode evadir-se, porm, nessa noile,
e foi reunlr-sc nos Sanios Lugares a uma forca
all estaciouada.
a Hornos reuni mil e tantos horneas e se-
guio immediataiiienle sobre alan, que ae poz
logo em retirada para a villa de Lujan, perse-
guido por Hornos. ... .
o Como reforjo desta divisao da vanguarda
aahio de Buenos Ayres uo dia 12 o coronel Pl-
rani com 500 homens, e na data das ultimas no-
ticias eslava na Ponte de Marques era commu-
nicacao com Hornos, que Ihe aununciava gran-
de defeccao as forcasde Galau.
a Flores e outros chefes do sul abracaran! a
rcvoluySoc marchara para o norte para fazerem
iunecao com Hornose Pirani.
< Pai, Mure, Lezica. llorlia Velle ebegaram
a esla cidade no dia i3, vlndos de Monlevido.
ii A sala elegeo o general Pinto governador
piovlsorio c este nomeou o coronel Pirani mi-
nistro da guerra.
Mitre foi cscolhido para comraandar a
.. ii .11 nacional a pedido desta,
Nenhum noticia ha do general Urquiza.
, As oncas ucaram a 30U pesos.
IllEM 6.
Temos Avista folhas de Montevideo al 1f>
do passado. Sellas encuntramos os pormn-
g^,-.. ,iimi- _ftj_i_____i IrtfT ay '-
inao de lodo o rojelo de modestia, elle aviso
fui cu que o dei.
O senhor ? replicou Richelieu.
O cardeal eslava sorpicso, elle exarainou o
doutor com ar iucrcdulo, e dis'sc-lhe i
Mas esta Ictlra nao lie sua, senhor?
lie de incu secretario Didler.
E lodas estas particularidades sao verda-
deras ? ...
_ Perfcitamenle verdadelras, juro-o.
Enlao a duquesa de Fornaro eal em Pa-
ila, c debaixo do nome de condessa Aivinxi t
Slui, senhor, ella habita uin palacio obs-
curo na ra dos Lions-Saint-Paul. (ae inters-
se pode trazer Pars uma inulber que deve
aqui assuslar a polilica de vossa eminencia, c
que conhecla Leonor Gallgai r De que consi-
habulos secretos sua casa lie tbealro, be o que
convra saber ; mas esta caria o inslrue ja baa-
tante do perlgo real que bavia em dar asylo em
Pars mulner do duque de tornaro. Ja se es-
iu. i ii vossa eminencia das intrigas da du-
t!uea oa ultima guerra da Valtellna, e emquan-
lo o duque favoreca os imperlaes ? Coeult c
avelll sao seus amigos, el la loma interesse pe-
la Ilespanha, e lera par toda parte eraissarios c
ageotes.
II marquet de Leganes Ihe escreviu, e ella
chora linda a desfeiia de Jao de Veri. He uin
fraco inimigo, dir vossa eminencia, uma ma-
lher urna Italiana que vera abrlgaraqui suas
Intrigas soba proiecco dl'raiuba-mai Saiba,
pois, senhor, que um dos emissarlos delta, en-
contrado esla mesma noile por mira nao rae
parece ter vlndo a Paria para pouca cousa.
. Ue que boinemquer o senhor fallar, dou-
tor, perguntou o cardeal cora um lora embrau-
dncido, mal que re ve la va nao pouco a sua per-
turbacio.
i-



ores di revoluco que rehenlou am Bue-
nos-Ayres ni noite de JO pin II diquelle
mez, e muitos documentos oflleiiei obre
a mirebt da rnesm revoluco.
Depois deescripto o arllgo cima rece-
bemos u Comtatrcio dil Plata de Montevideo
do 19 do pssdo. Traz noticies de Buens-
Aynstll7
Omovimento do dia 11 totnou-se geni
Toda a provincia de Buenos-Ayres adberio
a revoluto e esl* em armas em favor do
governo proclamado na capital. O comman-
danle geral do Norte, general l>. Jos Ma-
ra Plores, e o commandinte geral do Sul,
D. llamn Bastos, com qucm se diz conti-
va o general Urquizs, foram dosprimeiros
a pronunciar-se contra o director la confe-
derado.
O general Flores, quo dispunha de 2.000
horneo, reunlo-ae em Lujan no dia 15 ao
coronel Hornos, quo por Taita do civilhida
.-lili litera alto no dia II. No dia 16 conti-
nuara a perseguido feita a forc do geno-
ral Galn quo sa retirava em desordem, e
estiva no dia 15 om f.iles. Assegurav se
que ds ivisSo d"sto g'-ncril s se eotlier
vavain reunidos os S.ntafecinnv Os Entre-
rianos iih.ndiiniv.im-n em magotes, e pes-
m va i o Paran para se recolherem suas
casas
Se darmos crdito as folhas e cartas de
Buenos-Ayres, pode considerar-so termi-
nada esta primeira phase da revoluto do
1852. O governo provisorio he obedecido
om todos os pontos da provincia, c os res-
tos da frca que all deixan o general Ur-
quiza reliraram-so quasi em debamlada s )-
brc Sarita F. Favorecidos por sua exccl-
Icnte cavilhada, poder.1o escapar s divi-
sOes que os persegunm ; mas n.lo farStfilto!
.'..iii.ii depois de terem evacuado aprovn-.
cia de Hucrios-Ayres.
Depois do prouunciamenlii do general
Flores, que assegurava pelo lado do Norte
o triumpho da revolucSo, recollierain ca-
pital o ministro 'la guerra e o goneral Ma-
diriaga cnin as li>rr.is que tinliam na Cun-
te da Marques.
Eslava dissipadn cm Itucnns-Ayrcs o re-
codo de umi emissiio do papel moela. Nos
capitalistas dn capital o nos r/.cndeiros da'
campanlia achava o governo provisorio lo-
.I.,> os recursos financeiios de que previsi-
va. S um estaurieiro do Sul Ihe llnha o-
l'orecido dous milhcVs da pesos pap-d. i
A noticia deste apoio dado ao governo fel
bailar a oncas a 275 pesos
No dia em quo regressou a capital a di-
vido da I'oiUh de Marques, fez o cor. o do
comnicrrio urna subscripto cm scu favor
que montou i 400,OUO pesos papel. Rece-
beu cada prar;a 150 pesos
A lila dos representantes ilecretou por
unmimidade de votos que a tropa quo ini-
ciou o movimento do di. II, e aquella que anuos por cer.os clculos Ven. a prooo-
Uo, a causa immediata da dissolucHo da sa-
que o Brasil com Integrldade ha grande, e
rico de esperances, e que dividido aera pre-
/i da anirchia-sera miseria! Cotllinuem
o Bnsileiros do poder em seu palriotiamo,
porm pitriolisroo niais geral. No seus
planos de gabinete nllo esquec.im-se de Ser-
gypa.' falta-nos a fcil canalsicdo do Po-
mooga, o desootopimento do rio Jipan-
tuba, puntes, estradas, e tudo emli'ii que
he mus indispensavel para o commercio a
agricultura. Pouco conDem em nos, por-
que intrigas mesquinhis, a caprichos ante-
politicos, que pruduzem mates, s9o s e
quasi s o quo infelizmente existe em Ser-
gype. Maldita so'te Estirei clamando no
deserto i* Nao, a nSo, porque mal vai o
governo qua-ido n.ln ouve aos pequeos,
quando nt'> Ihe enchuga as lagrimas dos
olhos, quando nflo Ihes tapi o bocea com o
remedio de suas necessidades. Muito con-
fio, e moito espero do nosso gabinete.
Continuamos ni safra, e no muilo bem,
por causa da magreza das fabricas. Uns
choviseus nos teem algutna cousa desagra-
dado pelo receio do apparecimento da mos-
ca : he verdade que isto he hora para as
i lintscOas, mas taes so as cousas desle
mundoum mal bo ao mesmo lempo um
bem!!
Bem vontade tivede Ihe mandar agora urna
hagero dn baunilha.para p la em expsito
e assim poJer o publico dessa pr.g apre-
ciar esta nossa natural producto ; mas no
poudo ser. Sena conveniente que o gover-
no tomas infurmacOes do Mxico sobro tal
cultura o colheila, para as espalhar entre
ii"; isto tirara muita gente como eu das
dilliculdsdes em que se acha sobre tal cul-
tura.
Appareceu assassinado as matlas do en-
genho lloi (Estancia ) Mauoel Antonio Esto-
ves, fetor do engenho Calimbo e nSoaoi
se a polica ) tera desculierlo o criminoso.
O jury em Divina-Pastora reunio-se, mas
no lioiive um s reo ajulgtr. O ilo lla-
ruini est em trahalhos, do rosultado nfio
Ihe posso suida na la dizer
llouve a 29 ilo passado um grande baile
no palacio da presidencia, dado om louvor
ileS Mir.uEi. Ilcmdito seja esso dia.
Morreo o velho Jos Cietano, da Missn
do Japaralulia, deixando algunia fortuna
para usufriietuir um scu amigo E n3o sn
s-'ja amigo dos velbos, o ofiu se lenha aspe-
ranga do enriquecer por va de heranca !
lie Coliuguiii torra do muilos longevos, e
eis alguns para prova : noCapu<, engatillo
do llr. Jos Nuiles, vivo um tal Silva, que
tom 101 aunos, tilo forte a inda quo vai de-
minhll para i roe. e volta a imite ; foi ca-
sado duas vezes, e tcvs 53 lilhns: Ignacio
los, morador em Divina Pastora, tem 105
anuos, n anda o auno passado era hom
mcslre de lUUCar : Josefa, Africana liher-
ta, vive no Mallo Grosso, engenho do tenen-
te-coronel Semeao Telles, lem mais de 115
de M'iidonca leve de existencia 112 an-
nos nulria-se durante a vid', quasi s,
de peixes e hervas, e nos prximos me/e
do sua 'inirt- Dio poda reirar-so do junto
de urna lugueira pelo forte fro que suf-
frit !
Morreo a 6 do eorrente, de molestia de
noitc de 14 a notcii do pronunciaa.oo'to P''0- lenlo-coronel Francisco Manoel
.\o dia 17 a tarde eram ignora- cl *oa B"10"' propnet.no rico di riftre
da em Buenos-Ayres suas intenso*- '" do >"S-""s. homcm muilo honrado
dos representantes, ia comeciir do novo
Esperara se por aquelles das um mani-
fest d. representasilo provincial sobre as
causas quo produziram a revoluto do
da II.
O general l.iqui/a recebeu em Santa F
na noitc de 14 a notici i do pronuncian,onto -,
dod.all. No dia 17 a tarde eram ignora- do Soun Bastos, proprict.no neo d
suas intensos. ra dB Vasa-Barns, homem muito h
sua unirle (em sido muilo sent la nao so
- por se Imvor pcr.lido un. bom Sergyt'ense,
como por haver deisaJo 10 fillios orphos
Itecebemos folhas do llio Grande ate 2b ,,,, paj e (nflji qujsj ,0(,os de (|0UC|1 d|1.
do passado. Continuava a remar a maior (|e |u,os 0 (l0nn, na g|onii B aC seu |-
tr.nqiiililalfl em toda i provincia. Iho primogeiulo a luz que necessano seja
Na capital liiiba termu.ado a elelsao d. ar, ju,|,.|u na bi dircccilo de lo peaa-
.jmr miinoi|.nl o d"S llizes do paz Vell- j0J. lraa|||0S-
cerim por grande maioria os candidatos go- ,.-,, e,l(i,l>,i por l>lo nque 0 n),is
vcrnist.s.
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PER-
NAHBUCO.
Sergype d'El-Rei 9 de outubro de 1852.
Como se foram de eleisSo ? Se os ama-
mil c ni-! iiniii" executaram o protesto,
devni ter i lo tudo ir.uil'i be, visto nSo
ler app.recido tal elemento do desordem.
Nos por c tivemos o systmni deduplica-
t. ; e deixo de entrar om certas iprrciatiV-s
para logo.
O Cotinguibc'ro.
P. S.-Se quizar viver milito ileixe o Dia-
rio, o venha morar entro nos.
PERNAMBUCO.
formando o competente processo.
Daos guarda i V. Bxc. Secretaril da poli-
ca de l'ornamhucn lltdo oulubro de 1852.
Illm. e Exm. Sr. Dr. Franelaco Antonio Ri-
boiro, presidente desta provinciaJos Ni
colo lliguoir. Costa, chefede polica inte-
rino.
2
DIARIO DB PBBNAMBUCO.
RECIFE 21 DE OUUBRO DE I85.
Correspondencias.
Senhores redactores. -- Qu.ndo [em mi-
aba ultima correspondencia, icrea dos ne-
gocios do Rrejo, invoque! o testemunlio do
Sr. Peixolo de llrito, a respeito de um facto
que al I i sedera, no seo tsmpo de juir, nem
ti ve em vist.t molesta-lo, nem to pouco
curai de averiguar se ella competa, ou
nSo conheeer do facto que me referia ;
[mis, a mirilla intein-Ho foi mostrar que S.
S. conciben tanto horror contra esta espe-
cie de latrocinio, que si praticuu como por-
tuguez Muniz, que desda essi poca procu-
rou retirar-se de umi com.rea, onde, i con-
tinuar como juiz, nSo poda doixar de cha-
mar coalas os ribaldos da torra; o que por-
ventura Ihe iccsrretari. graves diss.bores ,
como elle mesmo confessi em documento
que nao estou sotorisado a publicar, e por
quo niio acho nisao demasiado interesse, a
vista das explicaefles sinceras que icabo da
dar, nBo ao Sr. hachare! Silvein, aqun
pesso.lmente is hsvii eu dido, miis sim io
publico, inte queot tenho dito sempre
verdade cuj profisso he pan mim um
dogma de coosclencia. E quem nao encher-
L'ara atravs destas linhas, um pensamento
todo favoravel ao Sr Peixolo de Brito? Tu-
do depende da boa, ou mi f com que se me
ler. Recife 21 de outubro de 1852.
Josquim Pinto de Campos.
Heparticao ta polica.
DIA 15 Di; ul UBItO.
Illm. e Exm. Sr.Das partes boje recebi-
ila ueste repartilo, consta terem sido pre
porqun nao quero cliamrr para mim odios sos : a ordem do delegado do primeiro dis-
de Dinguem ; e mesmo porquo no conten trelo deste termo, Euprnprio Rn'.lino do
apresontar cousas quo ja to vclhas silo em [ Espirito Santo, para avergur,Oi's pulicines;
nosso pazi.Dos nos acuda. j a ordem do subdelegado da freguezia de S.
J ser talvez velho por l o previlcgo Antonio, Josepha Mana da Conccisilo, Ca-
que leva o l'cdrosn, capitalista da Baha, nnveva Mara da Concoisan, por desordem,
pan eslabelecer urna linda de vapores or- e Raymuudo da Silva, por ferimento ; a or-
tre esla provincia, a da llihia e a de Ala- den. do subdelegado da freguezi. de S. Jo-
goas Felizmente vamos molhorar de cor- s, Manoel Francisco Ferreira, sern decla-
rcios e de transportivo. r.ie.in do mclivo, e Casimiro Souza llraz do
Estivcmos para mais de um mez com a [ Nascimenlu, par. averiguses polcises, e
barra de Cotinguiba entupid i por causa do ordem do suhlelegado da freguezia da
vento sul, que soprando moito este anno, I Boa Vista, llern.rdo i, nn Coulinho, seni
l.nsou muila areia para o lado i'o norte, i declaraso do motivo,
ondo havia o canal. Ja iam Ciristl.ndol D'os guirde a V. Exc. Secretaria di poli-
cerlos f/enroi, como: n anteiira, jaba (car- ca de l'ern.mbuco 15 de outubro de 1852
ne do Ceara), etc., mas lelizmeule cliegan- i Illm. e Exm. Sr. Dr. Francisco Antonio Ri-
do o nordeste ja pode abrir um pequeo beiro, presulenli desta provincia.--Jos Ni-
canal, or onde leem saludo, com muilo coiao Itigueira Cosa, ebefe de polica inte-
custo alguns barcos; e issiin mesmo la so rio.
loi um brigue francez o.rregldo com du-
zcnlas c.ixas, da cas. deSchramm, etc., c
um hiate com vinte e tantas do varias; fe-
lizmente ninguem morreu. Ora avista
destas e outris diga, c para mis, nSo sera
bom que houvcssem em cala barra de Ser-
gype vapores para roboque, ou que esta
mesma luha estabelecida se encarri gasse
de rebocar em cada b-rra em que paiMSse ?
as oossas barras non so perdeni menos de
10 barcos por anno! e quo vidas nSo v3o
pan o fundo do mar! v no se .tienda a
sloll.....
Convm que se lembrem mais de Sorgy-
pe; convm confirmar que um. provincia
pegeos tem os mosmos direilos do irmla,
e uo irniil i atrazada ; convm fados para
DEM DO DIA 16.
Illm. e Exm Sr.-Das partes boje recebi-
d.s nesta repartilo, consta terem sido pre-
sos : i minha ordem, Quinliliano, escravo,
para a'vengUHsfles polieiso; a ordem do de-
\'gado do primeiro distr.rto deste termo ,
Manoel Joaquim de Santa Auna, e Jos, es-
rr.iv.i, do Jos Candido deCarvalho Medei-
rns, pari mesmo lim; ea do subdelegado
da l'iv;uezia do Santo Anloiio, Manoel do
N'Sciinonto Alves da Ffoseca por feri-
mento. w
0 delegado de polica do tirmo de Flo-
res, me communiou em ollicio do I.* do
eorrente, quo o soldado do corpo do polica
all destacado, de uome Candido Francisco
dos Santos, leudo si lo preso por haver deso-
tapar a bocea do norte, que tanto clama bolenlo na parada ao respectivo cabo, d-
contra o sul: rouvin ninal ler en mente
'__ I', um ceno Poiupro de quaia vonaa eini-
nencia ha de filar lenibrado. Fui elle qucm
atacoucotn m.io armada, ha quinte aunns, os
despaelioa que inanduva enUo para o marque/,
de IJoruvres. Vossa amlnaacll linh. entrado ha
pouco no i com II.", a rainha-mi o liolia do-
iiii .do ministro. O duque de Siboia e a repu-
blica de Veneza vendo com inquietaco os lles-
panhoes, icnhorca de V.llelia, baviam fallo
urna lig. com a Fraoe. para a reiviodicacao
di .-e p.ii, o marque/, de Coi-iivira (taha o com-
niando deis., tropas, os conseilios de vussa
eminencia Ihe poupavam os obstculo, suscita-
do, pela llesp.iiha, seus despachos, ou aates
suas instrueces Ihe tracavatn a marcha que el-
le devi. seguir. Un homem ahTouto, um bo-
neni apoi.do, pago incsu.o pela casa d'AuUrt.
apoderou-se delles perlo de P.rma.
Sim, is.o ba verdade, disse Richelleu, mas
case boiuein fot punido, eu ebttve do tribuo.l
de Florenca que elle fioarU preao por toda a
vida, para sirvir de eacmplo, u'uma da. niaa-
luorr.s do palacio Stroszl. lem v que ful hu-
mano, porque outios coi meu lugar o terUm
frita decapitar n. ponte do Kspiiiu-J.uio. Di-
ea/pois, agora que elle fugiof
Digo, einiocucia, que ao nico toque dcs-
i.i r.iuipiiiiii.i. vossa inineuci. o ver appare-
cer neste .bnela.
n cardeal dru um pulo.
_ Kntiio o aenhor be mgico
I'ilvi'i..... l-.ilc Iminrni foi encontrado por
inim e J.cquet, um esbirro de voss. emiueii-
cia, na taverua do Poiiinic-de-Pin. Urna bolsa
com as Irmas d. duquesa Ihe foi adiada as
noa. neuhuma duvida ha de que elle pide
dar-uos inocmacas sobre a vid. laysterios. que
passa cm l'aiii a duquesa de F'urnaro.
Vejamos e.sa bolsa.
ra nesln unta faca la, pelo que se Ihe estiva
*?-' "_! i i. ; i. ,i .i. ____________
F.i-la, eminencia, rrspondeu o medico
aprcaenlando a bolsa ancardeat.
He isso mesmo, murmuruu o ministro
exainloindo o braufo de ai"ias gravado ne.se
frgil teciilo, de um lado as armas de Teresios
1'mii, di outro as de Andrea Furnaro, casa al-
tiva, inimiga, foco de tramas rebeldes e de dis-
cordias scinlim! A que ni me censuraase de
querer combater a hydra da Austria, o vence-
dor de La lluchelle poderla respooder com este
escudo audacioso do duque, e por este eaergo.
Potiut mori\ I.iiin'l.mm Andrc Fornaio uiur-
ri o no iiiesinu anno einqne toreamos o P.sso-
de-Sua! elle morreu no mesmo di. cm que
derrotei ineus inimigos I Oous annoa antea
Chalis teve c.beca cortada, o conde de Vitll*
sons, conspirador mais feliz do que Chalis,
(ugio para Roma. Sim, mas o duque de L. Val-
lette, lonigaill.rd, e muito antes delles csae
Conclu que lambein er. Italiano... He pre-
ciso que eu vej i esse bomeiii ja, disse Ricbe-
lieu cm tuin brave.
Porem sabe vossa eminencia o que quer
lazar d. duques. ?
O que eu quera fuer delta, respondeu o
carde.1 cujos dedo, arricadoa se sloogarain
ueste momento como oa do tigre mu to lempo
adormecido ; escuta, c treme !
Odoulor recuou o tanborete por um movl-
..... to, Inslinclivo, o cardeal eslava lio plido
que cl(e teve medo.
Ouutor, proseguio o minilro, o unidor
me prevemo muilo larde, outreiu o precedeu.
nuci fui, aenhor :'
A prupria duqueza, veja la.
cardeal ab in um poucu a sliuaira com
precaucu, lirn um papel, deadobrou-oe leo-o
com voz ireinnla.,. Elle era concebido uestes
termos i
Pelo vapor S. Salvador, entrado boje > tar-
do doSul, recebemos gtzet.s do Ro de J-
neiro que alciiic.iii a 11 do correte, da Ba-
bia 18, e de Hicii 119,
A hon idiantidi em que recebemos ts
ditas gazetas (6 di tarde} nos nlo permet-
lio dar tudo que nellasenconlrimos, relati-
vamente a Buenos-Ayres, podendo tod.vii
os leitores sjuisir, pelo que em oolro lugar
deixamos transcripto do Jornal do Commer-
cio, acerca du estado em que se acha a re-
voinean ali operada.
Tinham sido mmenlos mqnelli cidade,
por deeselo de II do passado : para uioai-
l'i o do governo com a pasta da instniccflo
publica o Dr. I). Valenlim Alsloa, para a
guerra e marinhi, o general D. Jos Miri.
Piran, pan i fazendi, o Dr. D. Francisco de
Si Carreras; e continuivi no lugar de che-
fe geral de polica o Sr.D Miguel Ascu"nag>.
As gazetas do Rio Grande de Sul do tod.
aquelli provincia em completa tnnquillida-
de, sem haver mesmo oceurrencia de im-
portancia.
Por decreto dn 6 do eorrente loi .mulla la
a 1-leicilo, i que se proceden ni corte, no
dia 7 de setemhro, pan vereidores, sendo
o.di 12 dedezembro o designado pin se
proceder i novi.
O Dr. Joaquim Candido Sosres de Muid-
les, cirurgiSo-mr da armada, pedio c ob-
teve deinissSo do lug.rde membru da jun-
ta central de hygiene publica, sen lo no-
mrado para o substituir o Dr. Jos Perein
Reg.
Foram demittidos doi ctrgos que exer-
ciam no arsenal de guerr. da corte, o di-
rector marecal de campo Jos Miria di Sil-
va l'.iU anconi I ; vico- I rector mijor Vicen-
lo Marques Lisboa, secretario Jos llypolito
do Araujo, segundo olllciai Antonio Jos
Dantas ; almoxarife, Gibriel llenrique Pos
soa ; derivan ds tercera classe, Joaquim
Jos Pinto ; e outros do inferior cilhegoria
Foram nomeidos pan substituir os em
pregados cima mencionados os 8rs.: bri-
gadeiro Antonio Feliciano Falcao, director;
major Manoel Ignacio Bricio, vice-director;
Manoel BenicioFontenalle, secret.rio ; Luz
Jos da Victoria, almoxarife; Antonio Fr.n
cisco do Castro Leal, nscrivSo da tarceiri
olase.
Foram condecorados por S. M. Fidellissi-
mi com commendi di ordem di Torre Es-
pada,do Valor,Lealdide a Mrito, o chafe de
esquadr. Miguel de Souza Mello e Alvm, o
chele de divsSo Antonio Pedro de Carva
Iho; a com o habita de N. S. di ConceifSo
da villa Vinosa, n primeiro tenante da arma-
da Jos da Silva Brinco, o os segundos l-
enles Francisco l^opoldo Cabra! de Coito
Teive, e Mamede Si i Oes da Silva.
Foi exonerado do lugar da contador geral
da contadoria da guerra o Sr. JoSo Jos de
Souza Silva Rio, o qual passou i ter exer-
cicio no tl.esouro como sddido, servindo in-
(ennamanto o sohredito lugar o Sr. Jos de
Oliveira e Silva, cielo d. segunda sec;So da
inesiiia contadorii.
Por decreto de 27 de setembro, passou o
consolheiro Ernesto Ferreira Franfi, de-
semhargador da relac,So da llahi., ter ex-
rnelo do mesmo lugar n. re.co do Rio.
Consta que o Sr. capilSo de fragata Joa-
quim llaymundo de Lamare seria mandado
polo governo Inglaterra, i lim de contra-
tar es assistir a construccio dos vapores des-
unidos .o cruzeiro no Imperio, na ronfor-
midade da lei de 18 de agosto ulti i <
O governo tinba iberio um ere tilo de
100.000^ para occorcr is despo/is do thei-
ii'ii provisorio, e pagaros ordei.dos ven-
cidos.
Foram nouieados em commiislo. pira
oximinar as contal do mesmo Iheitro, a-
nresentdss pilo Sr. Joto Antonio de Mi-
randa, os Srs. : JoSo Baptisti deCarvalho,
iilll'inl di 'secre'a.-ii do Imperio, Antonio
Sergio Fcrnandes da Costa o Joao Joiquim
da Silva Pereira, terceirosescriptorarios do
Ihesouro.
Foi aceita pelo governo i pro posta feita
pcll rnnimi-sVi de iceionistis do reforido
ihoatrn para o administraren!, me liante .
subvenrjilo mensal deli cintos, e Abrigan-
do se preenher o dficit, ou restituir i
sobra que houver,
Os Srs. Jos Antonio de Mirindi e Silva,
e Antonio da Rocn Miranda proaozer.m 10
goierno a construccio de eslradis de l-ro
da ci lado par. is ibas da sorra di Tijuc, e
para as Larangeiras, com is rimilicscOes
convenientes, e sen lo os cirros puxados
por minino.
I.' na ii-iiiii.ni de mdicos, que teve lagar
em casa do Dr. Claudiino, deliberou que
se instituisse um monte pi pin i classa
medica do Brasil, sendo os quo se schavarn
presentes encarregadns do promoverem ss-
signaluras entre os collegas e pbirmaceu-
ticos.
A febre amarnila ainla accommeltia na
corto osestrangeiros. Filleceo della or-
C'iitecto do th'slro. Parenti, e ichavi-sn
morlalmenlo atacado o barytono Marzio.
Alguns allantados appareciim por all
contri a seguranca individual, o igualmen-
te alguns suicidios e tentativas do mesmo,
quo deixamos de especificar por falta de
lempo.
Nis gizet.s di Rabia e Mscei nada en-
contramos digno de mencionar-se. (iosam
do porfolio socego essas duas provinciis,
bem como to lai as oulras do Sul.
tt Seubor, aquella que llie eacreve nao cata
mais cm scu poder. A iiuqucsa de Tornara
poz-sc ti o ii i o i ii sol) a proieccao da ralnha mal
que a ama, e abnrrece-o. Klia contiiuar a
escarnecer de todos oa esforcos da sua polica.
Quando receber esle tullirle, prodi^alisar em
vo as aineacoa, e as pesquis... Um dever Im- faonle. Semelhaote carta Ihe pareca o fructo
perioio foi so o que me fedeiiar a llalla, crea da demencia, mas vinh.-lhc de urna Italiana,
que nao fin v-lo, neui procura-lo, nem lo de u na inulber que ouiav-N oppor-lhe ralnha;
pouco renovar aa intrigas de Leonor.Gahgai que, de urna inulher, cujo amante elle fuera pe-
foi entretanto o primeiro uiovei da sua fortu-, recer .
na. Meu paix, e inlnha familia fallam-ine im- Quemen rase homem, e de que victima Ihe
(ante do aenhor, e nao era Mccaa.rio que os fallan a duquesa ? A vtoganca do miuisiro ti-
deiiaaae por seu respeito. I nha corlado multas calieras, mais de um ini-
Suas perseguiciea e seu odio seguirm il migo tinba suecumbido sob seus golpea fon do
l o fallecido meu marido, mas icharain nielo! territorio da Frauca. admitido de ver-ae fei-
dc faicr sangrar mais cruelmente o meu cora-' tJ objecto desse pensamento lerrivel, e inees-
$ao. OSenbor malou-o mesmo em Italia com sanie que era a forja do ministro. Kntretan-
uma inorie lenta, e urda um hoinein que nao I I P">uo pouco o ressentimenlo fogoso do
linha outra falta par. com o scnlior, se no a1 cardeal contra a autora de urna aineaca '
Sr. Rediotor.NSo deven eu cerli mente
responder i insultuosi correspondencia ,
cjm que o Sr. Francisco Fernindes Thomaz
se dignou de injuriar mim e i meu sogrp,
o Sr. Diuiz Antonio de Morses a Silva, que
nunc Ihe deu direito lias improperios;
mas pin que se nSo diga que menospreso
a in i nha reputado p.n com um publico que
lias muito respeito, direi sempre ilgumas
pilavns.
Para responder so Sr. Francisco Fernin-
des i lumia/. nSo hei mister de sabir fon de
sua mesma correspondencia, porque he nes-
ti mesma que cenfess.oSr. Fernandos Tho-
maz haver-lhe eu pago sito cintos do ris,
de moJo que sendo o miu debito para com
aquello seolior de nove contos de ris licou
raduzidoa um cont doris: o quo prov
que somprn desempenhel para com o Sr.
FernanJes Thomaz as obrigir;Oes de bom
psgador; sendo que por esti meu proced-
ment se v que no en mister gsnntia de
meu sogro, pira que o Sr. Fcmsndes Tho-
maz continuasse a fazer suprimentos em
Inili la te de meu correspondente nesta
praca.
Tambe m uo prova snn.lo em meu favor o
convite que Ihe liz, e como todos os ere-
dores, pira que justilicasse sua divid no
inventario a que estou procedendo por fal-
lecimento de minha mulher; pois que de
outra minein nSo podi eu praticir. en,que
teoho um. lilhi menor, devrrii fazer o in-
ventario de meu casal; ao que podia ser
compellido pelo juizo de orphsos.
Pelo que respeila a dbitos simulados, nSo
be por certo com declionicfles sernelhintes
s do Sr. Fernn.les Thnmaz, que podert el-
le tornar-me odioso; porque eslo as jusli-
c.s do p.iz perante quem pode qualquer al-
legar o seu direito.
Sendo somonte pan iccrscenlir que nSo
he explicivel coidjuvac3o que me diz
prostava o Sr. Fernandes Thomaz, sihendo
Lis o meu comportimento doloso, o que
parece haver collocsdo aquello senhor ns
situicfio nivosa em que se ichi he o querer
pigar-se de seu debito com prejuizo dos ou
tros credores.
Quinto ios insultos que com abundancii
e cyoismo me laricio Sr. Fernandas Tho-
maz, eu tii'tis revrrlo t.iu intactos como sa-
n rain da Ionio immuii ia donde partirni ;
e porque tenho bistiote dignidade pan no
ontrar em polmicas dess. n.turezicomo
Sr. Fernandos Thomaz, desde ja protesto
que sen esta i minhi nica e ullima res-
posti, ficindo-lhe o campo live pin dar
pisto as suas iras.
Abi est o meu inventario, e dalle podar
o Sr." Fernandes Thomaz examinarse consi-
dero lidrOes iquelles i quem eu sou dove-
dor. Recife 21 de outubro de 1852. Luiz
Pires Ferreira
Movimento do porto.
COMMERCIO
PRACA DO RECIFE 21 DE OUTUBRO, AS
3 HORAS DA TARDE.
coTAfOisorriciAES.
Cambio sobre Londres: a28d.
AI.FA.Mil-.CA.
Itendimonlo do la 20. .
dem do dia 21......
.192:852,627
. 13:518,1(0
206:370,787
IVnnioi tntratlos no di SI.
Micel Si horas, barca ingleza Ranger,
cipitSo Williim Sslter, carga issucare
ilgodSo ; a Jimes Cribtree & Compinhias)
Veio a este porto receber ordens e seglo
pin Liverpool. .
liba do Fayal (I dias, galeri americana
Muy, capitn B. C Sayer, earga pretechos
para pescarla ; io mesmo capitSo.
Terra Nova -- (Odias, brigua inglez Cimil-
li, de 197-lonel.d.s, capilo W. II Brlns,
equipagem 12, cirg bacilho i Me Cal-
mnnt ct Companhia.
Ha vi o :r, dias, bsre. fnncezi Conte-Ro-
ger, de 213 tonel las, capitSo Churito,
equipagem 15, carga f.zcndas e mais ge-
neres; a J. A. I.asserre & Companhia.
P.ssigeiros, Julos O lile Colombier, Ma-
nuel Francisco Accioly, Bernardo I.as-
serre.
Rio de Janeiro 16 dias, gilenta brisileira
Smtissim Triadide, de 223 toneladas,
capitfio Joaquim Goncalves Mala, equipa-
gem 11, carga virios gneros ; i Francis-
co Alves di Cunha & Companhia.
Babia-- 8 dias brisuo inglez Mutual, de
217 toneladas, capitSoGeorgo Pitts, equi-
pagem 9, em lastro ; ao capitSo.
Philadelphii 7 das barca americana
General Jessup, de 189 toneladas, capitao
\V. B. Fislier, equipagem 9, carga farinha
de trigo; io sobre carga da mesmi birca.
Rio de Janeiro o porlos intermedios -- 8
das e 21 horas, e do ultimo porto 17
horas piquete do vapor hnsileiro S
Salvador, de 350 tonelidas, commandin-
te o primeiro tenento Antonio Carlos de
Azeredo Coulinho Traz i seu bordo : par.
esla provincia, o deputado Or. Jos Tho-
maz Nsbueo do Araujo, com sua familia
e 5 escravos, lente coronel JoSo Pinto de
l.emos, com sua familia e 2 escr.vas, pa-
die Joaquim do Amor Divino, Dr. Mi-
noel Ignacio da Meodonfa, com sua le
nhori, 1 chidq o I cscr.va, capitilo Wan-
derley l.ins, com sua senhora a I lilha me-
nor, alfares Amelio Joaquim Pinto e sua
senhora, alferes llenrique Tiberio Capls-
trano a sua familia alferes JoSo Cieta-
no dos Santos capelo Frei Antonio de
Santa Rozi de Lima Minoel Eloy Men-
des, Jos Bento Ferreiri e 1 criado, ex-
cdete Peixoto Duarte, Antonio Codinho,
preto forro, 1 ex-soldado, II prafis de
pret, Domingos Jos do Azevedo JoJo
Francisco Maia, Francisco da Costa Modal-
ros, Manoel Joiquim Mili, Joaquim Go-
mal Villar Garrafao, Francisco Tavares
de Costa, JoSo Alves Branco, Aureliano
Candido Tava-es Bastos, I). Anua Theodo-
I;, de Aroiellas GalvSo, Antonio Manoel
de Aroxellas GalvSo e I escravo, JoSo An-
tonio de Viveiros Costs, Jos Francisco
Talxec, R.phael Fernandes Porto, Manoel
Carlos Teixeira, e 1 soldado : para a Pa-
rahibi, o senador Antonio di Cunha Vas-
concellos e 2 esenvos, o deputado Dr. An-
tonio Jos Manriques e lescrivu, capitSo
Joaquim Antonio Pentznau, com sua se-
nhora e 2 lilil, o Bernardina, preta livre:
pira o Ceara, os doputados Dr. Raymun-
do Fernn les Araujo lima e I escravo ,
Dr. Antonio Jos Machado com sua se-
nhora a 3 escravos, o capillo Joaquim
I er o ra de Souza Jacaranda e 1 sol-
dado : para oMaranhSo, Jos Fernin-
des de Oliveira e sua senhon : piraoPi-
ri, deputado o Exm Bispo, com 1 criado
e 1 esenvo, conegu Ismael S. II. Nery, e
JoSo Baptisla Riheiro Nery e 3 filhos.
iVnvio sahido no mesmo dia.
Terra Nova -- barca ingleza Norval, capOBlt
James Wallace, em lastro.
EDITAES.
Destarregam hoje 22 dt oulubro.
Biigue americano -- Wilham l'rice firi-
nbade trigo.
Briguo porluguez -- Hor do Uar lago lo.
Brigue brisileiro Hor do Rio merca-
dorias.
P.t.cho bsmburguei Chirlott idem.
CONSULADO GERAL.
Rendimentodoll20 .21:030,289
dem do dil 21........2:072,619
23:102,908
DIVERSAS PROVINCIAS.
Rondimentodo I a 20 1:0I9,69
Idetndi) dn 21......... 19,115
1:038,80*
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dil 21..... 665,631
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dil 21 1:479,955
a>)isjasa))Maasii=aa-aij i n i -rrr /
cuja Imprudencia fgualava pelo meuoi au-
dacia, embargou-lhe ao principio a 'falla nos
labios, elle conlenlou-ae com encarar o car-
deal com ar gelado.
Richelleu loinou a dobrar a carta, e enxu-
gou cun o lenco n suor qrie Ihe bail.va a
0 Illm. Sr. inspector da Ihesourana
provincial, cm cumpnmeolo da ordem do
Exm. Sr. presidente da provincia, de 29 do
s -liMiiliro prximo passado, manda fizer
publico que nos diis 26, 27 c 28 do corren-
te ir a praca para ser arrematado perante
ajjuntl da fazenda da ni su a thesourarja,
quem por menos fizar, obra do 22. lin-
eo da estrada da Victoria, avaluda em ris
13:902/310
A arrematarlo ser feits na forma dos ar-
ligos 21 e 27 da lei provincial n. 286 de 17
de miio, e sob as clausulil especi.es abal-
lo copiadas.
As pessoas que se propozerem i esla ir-
remala(So comparer;ani ni sal. ds sessOes
mesma junta, nos dias cima declarados
pelo meio dil, competentemente hibili-
taJos.
E pan constar se mindou ifixir o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da tneaouririi orovinciil de
Permmbuco 2 de outubro de 1852.-0 se-
cretario, Antonio Ferreira da AnnunciacSo.
Clausulas especiacs da arremataba
I As obras do 22. lineo di ostrada di
Victoria serSo feitis deconformi Jado com
o orcamento o plantas approvadas pela di-
rectoiu cm conselho ncsti data, o apresen-
tada aprov.c,3i) do Exm. Sr. presidente
da provincia, ludo na importancia de ris
13:902*310
2. O arremtenlo comecar as obras no
prazo de um mez, e concluir no de um
anuo, contados di dali di assignatura do
contrato.
3. A importancia dcsti arremalac,So ser
paga em qualro prestarles igllies da manei-
ra seguinte: a primeira, quando o arre-
matante tiver Hito a lerca parto di obn do
seu contrato; s segn la, quaodo tiver fei-
to dous tercos dis obras; i tercera, quan-
do fr recebid provisoriamente ; e quar-
ta quando fr definitivamente recebida, nSo
devendo effectuir-se pegamento ilgum lo-
tes de findar-sc o primeiro semestro do
exerricio de 1832 i 1853.
A. Pan ludo miis que no esttver deter-
minado nis presentes cliusuias seguir-se-ha
oquedisiOe a lei provincial n. 286 de 17
de uni |de 1851._______________________
Conforme.O secretario, Antonio Fer-
reira da Annunei.cflo.
O Illm. Sr. inspector di thesourarii pro-
vincial em cumprimento d* or.lem do Exm.
Sr. presidente dt provincia de 13 do corren-
te, manda fazer publico, que nos dias 3, e
5 de novembro prximo vindouro ir i pra-
qi para ser arrematado perante i junti di
fizendi di mesma thesourarii, i quem por
menos fizer obra dos concerlos di ponte
de Trscunhaem, ivsliada noramente em
1:936,000 rs.
A irremitlcSo ser feita ni fnni dos ar-
tigo 21 e 27 da lei provinciil n. 286 de 17 de
m.io de 1851, e sob is clausulas especiaos
nliaiv." enpl ol
As pessoas que se propozerem i esta ai -
remil.fSo couparecam ni sais dis sessOes
di mesma junta, nos di.s acuna declarados,
pelo meio dia, competentemente habilita -
das.
E pin constar se m.ndou elixir o presen-
te e publicar pelo Diario.
Secretaria da Ihesouraria provincial de
Pernnmbui'i) 18 de outubro de 2852. 0 se-
cretario, Antonio Ferrein di Anounciat}So.
Clausulas especiaos di arremali(3o.
1.' As obras dos concerlos desta ponte se-
rS feitas de conformidade com o orramen-
lo iprercntado i ipprovacSo do Exm. Sr.
presidente di provincil ni importancia do
1:936,000 rs.
2." Estas oons deverSo ser principiadas
no pruso de um mez, e conclu las no de cin-
co mez.'S, conta ios corno determina o arti-
go 37 di lei provincial n. 286
3.a A importaqcli desta arremitifo ser
paga em duas presticrs guies, di minai-
n snguinlo : -- a primein quando o arre-
matante tiver f'ilo metade das obras, ea
segunda quindo estiverem todas conclui-
das.
t Durante a oxecu(So das ninas o arre -
matante dar fcil psss.gem pin o trisito
publico.
5." Pin tudo miis que nSo astiver de-
terminido as 'presentes cliusuias, e nem
no ornamento, seguir-so-hi o que dispOe a
lei piovincial n. 286 de 17 de maiode 1851.
Conforme. O secretario, Antonio Fer-
rein di AnnunciacSo.
O Illm. Sr. inspector da Ibcsouriria pro-
vincial em cumprimento da ordem do Exm.
Sr. presidente da provincia de 13 do corren-
te, manda fazer publico quo nos dias26, 27
a 28 do mesmo, ir a pinc pan sor iriemi-
tsdo perante junta da fazenda da mesma
Ihesouraria, a quem por menos lizor a obn
do enrochamento em (renta a ponte da ra
da Aurora,avallada novamentoem 1:188,000
ris.
A arrematarlo sera feita na frm dos
irtrgos 24a 27 da lei provincial o. 286 de 17
de ni .ini de 1851, o sob as clausulas espe-
cules abaixo copiadas
As pessois i]o.i so propozerem i esti irre-
raatac.ui, comparecan. ni sila das sessOes
da mesma junta, nos dias cima decl.ndo,
pelo meio da, competentemente habilita-
das.
E pan constar se mandou ifixar o pre-
sente o publicar pelo Diario.
Secretaria da Ihesouraria provincial de
Pernambdco 18 de oulubro de 1852. O se-
cretario, Antonio Ferrein di Annunciic,So.
Clausulas especiaos da arremst.cSo.
Primeira. Ser feita esta obra de confor-
midade com o "re ment .presentado 1 ip-
provacSo do Fxm. Sr presidente di pro-
vincil na importancia de 1:188,000 rs,
Segunda. As obras principiar!!o no praso
do 15 das, e serSo concluidas no pnso de
2 mozes conlados, como determina o artigo
31 da lei provincial o. 286.
Tercein. A importmeia desla obn sera
psgi om duls it-.. ai.'.M's ds mineira segua-
te: a primeira do valor de tres quartos
da importancia da .ineinaiac in, quando se
tiver concluid a obra, e a segunda de um
quarlo, quando se elfectuar o recebimento
difinitivo, que lera lugar oesse anno, depois
do recebimento provisorio.
Qnarti. Para tudo o mais que n.1o exis-
ten! determinado as presentes clausulas, o
nem no orcamento, seguir-se-ha o quodis-
pde a lei provincial n. 286 de 17 de mam de
1851.
Conforme. -- O secretario, Antonio Far-
reira da AnnunciacSo.
Declarafes
Achindo-se vago o cilicio do segn lo
liiinilli'i de nolis e i'scriv'Vi do rnme ci-
vel orphSoa cipellis o residuos do termo
de S. AntSo, i ola desistencia quo fez Joa
Cavalcant" Ferraz de Azere lo que o exercia,
manda o Exm. Ss. presi lente da provincia
ssim a fazer publico para cnnhecimento
das partes inloress.das afim deque os pre-
tndante aodito olliciose hibilitem na for-
ma do decreto n. 817 de 30 do agosto de
1851, i umprurio que facam o examede suf-
ficicncia parante o Exm. consolheiro presi-
lenta da relacSo.e entreguen os seus reque-
rimenlos ao juiz munici al, e d'urphSos do
dito termo no praso de 60 dias que come-
eou correr de 18 do eorrente mez, lim
de soguirem-se os trnsitos marrados nos
rtigos 12 o 13 do citado direito.
.Secretaria do governo da provincil 21 de
outubro de 1852.Honorio Pereira de Aze-
redo Coulinho, secretsrio di provincil.
Banco de l'eriiambuco.
Os descontos sSo do 6 por cunto li o lim
do eorrente, a do 8 p. c. al 6 mezas. Com-
pile vendo letras sobre o Rio de Janeiro,
de qual ucr qnanlia e a prssos nsoiveis.
Banco da Permmbuco 16 de outubro de 1852.
O secretario M. I. de Oliveira.
Publicaras Iliteraria.
Saino a luz.
28 RA DAS CIlLZES 28
AcontinuicSo di mileria medica homeo-
pathica augmentada di theorii das dozas pe-
lo Dr. .Moro,lacinia impnrtanlissim deixada
por Halincmann ao cuida to dos seusdisci-
de ser opposlo sua causa, lia quinte anuos.
Eu ainei esse hcinem. Este amor, que teria
sido um orinal cmquanto o duque viveu, linha
precedido a minha unlo com elle, e nunca .
perlurbou. O anno do meu cazamenlo foi o
da unirle desae homem ; elle e.tava para czar
comigo, seu nomo de fsmilia vale o meu. Se-
nhor, sou Italiana, e bou mulher. Careco de
sangue para vingar amorte da sua victima, | a verdade, nao luniuu a ver duqueza
o aenbor ignora o Leo que nos unia. A com podcrc empregalo ?
paniin de guardar que o seahur pedio par. ae-
gur.nca de sua pessui, nao o salvar. Meu pla-
no esl feito.fe nao aera mallogriilo como o
de Montresor, Saint-lbat. De hoje em dl.n-
II nao sou mala a coudess. Alvinzi, torno
lomar o meu noine e o meu odio. Adeus T
d ilai/uf-a dt Fornir
uns uta se fui .canhado, talvea elle se enver-
gonaase de ler de coinbater urna mulher.
Elle pareca indiciao aeri. a anlmosid.de da
ranilla ni que preuc'upava, ou a da duquesa ?
teria elle reaolvido ser clemente ou severo ?
O doutor aegui. todos oa seus inoviincutos com
profuuda aucied.de.
Kiii.n.....iriiiuriiu elle, esse boinem disse
ogo
O espanto do doutor ao ouvr ler esta cuta,
l'araudo entao neste pensimento a phisiono.
mia do mdico revelara urna alegra secreta.
lufriin.l ... Seu empenho cm aecusar a du-,
que/., su. cscrupuloi. altencao aa menores
|iirlicuiaridades dessa caria, tudo a t ineamo
o u p.iuloininio cileuciosu occullava o tiu-
b.Ie violento que se diva em aeu interior.
Conbecia eolio .lie a duqueza de Furnaro, ou
a tinba encontrado?
Elle espcrav.i as ordens do cardeal com visi-
vi 1 impaciencia.
__ Doutor, perguntou o caidcal, esta noitc
ba reuuio cm casa da rainha?
.' i I H. n ule, .11.11111. 11.
lie de crer que a duquesa ir
Isso be provavel a rainal he sua amiga,
a duqueza de Furnaro quando o seolior nao
era mais do que Mr. de l.ucou, era ja protegi-
da por Mara de Mcdices... O aenhor sabe
tanto dsso como eu, a mal dell. conbecia lo-
dus os srgredosda Galigai, sabia dos de vossa
i'iuiii. in ia .
Doutor, perguntou o c.rde.t de pois de
urna pauza, dizcm que o senhor inventou um
cerlo oaicotico i1...
Voss. eiiiineociaquer dlzer um narcti-
co cerlo, disse o medico gr.cej.ndo coio pa-
lavra. Elle he bailante poderoso para enc.n-
de.r instantneamente os seolldos dos mais re-
beldes... veja! '
E o doulor tirou da dcbaiao do capole urna
garralinha, c derramou urna gula de scu nar-
cotigo nalingoadogato que estav briucando
entre suaa pernas.
__ Que esto fascudn i perguntou o cardeal
irritado, llnha necessidade disso I Km liui o
que est felo, esta felto.
Cm eulorpccimeiilo invencvel se apoderou
do animal, o qual rulou sobre o tapete.
__ Ha o que lie maravilhoao, disse o carde-
al ao seu medico, ago j fic.l viresae Pompeo.
Esse ilion, in obrara, aenhor, mas pre-
vino a vossa eminencia de que uetihumi in-
formaciio nos dar da dilqueza...
Mas asseguras-me que elle obrjr, repli*
con Hecbelieo,
O cardeal disse entao as doutor alguui.u pi-
lavras lu voz billa.
O bedecerei, senhor, respondeu o medico
lmente o que me diz desse cofre he singular.
Sei o que digo, proseguio o cardeal, adu-
qui'M nunca viaja sem esse cofre, .
Farri como vossa eminencia quer.
- lleclielieu sorrio com esiesorrixo que franzio
sem dunda o canio de s.us lahioa quiudo qua-
tro annos depois assgnou a senlcnca de mortc
do jovem Cinq Vlars.
O doutor abiio a porta, e chamou Pompeo.
Este d i un i n'um dos bancos da' antecmara.
Debaiiu dcases celos brllhantcs, assim envol-
to na sua larga capa, o Italiano isscinclhava-
se a Lzaro na porta do ricoivireuto.
Pompeo cntrou no aposento do cardeal com
lirmezj. Submcttido ja uina vez a sua jusliea,
elle esperiv. talvez experimentar de novo o
seu rigor.
Seuhor Pompeo, disse o c.rdeil, vine,
fe/, bem cm escapar-sedas prises da Italia.
Cada um fas o que pode, senhor cu eslava
aborrecido, e quis tai nar*a ver a Franca.
Maravilhosameole seuhor Pompeo, roas
como a Frnca Ihe agrada procure nao voltic
para a llalli, i inc. deve isto a nos ouiros
Parisienses, pois somos hospialeiros.
I. que devo eu fascr para giohar iisim meu
perdo, c niinba liuerdade ? perguntou Pom-
peo.
Seguir a este homem, Pompeo aegul-lo e
obedecer-lhe. Sua vida depende da intelra
subinlsso as suas ordens! At-logo, eu verei!
Pumpeo sanio precedido do borneas masca-
ndo.
, r"i'iili.''U'ir-.li.|. / .


-
I

pulos. Este volume cont a palhoganezia
ilo man 12 medicamentos Europeos, a 'lo*
13 principies medicamentos BRASII.EIROS,
experimentados pelos alumnos da escola lio-
meopathica do Rio de Janeiro.
A "Para aa pessoas queja compra
.* '> Irtm n l>li'inolltOS
- s
.O i-
Ofl
3 = 3.
;l
ram os elementos de horneo-
pithia c assignaram esta
Para as uutras que s q nizorero
a dita obra.'
Para os isslgnintes o mais
pessoas que j ompra-
ram os elementos de ho-
meopathia
Paraasoulras pessoas que
quizerem a dita obras'
a carteira.
2/000
3/000
12,000
11,090
lotera
doga-se aossenhores assignantes, o favor
de mandar reeober seus exemplares na bo-
tica homnopalhica da ra das Cruzes n. 28.
Na mesma botica ha um grande sortimento
de litros em portuguez e fnneez para as
pessoas quo ae querem dedicar ao estudo da
homeopathia.
Sahio luz a terceira edicclo do resumo
de arythm< i->, pelo aotigo profeisor de
primeiras letras Cardim, que tanta estima
tom merecido do publico ; vende-se a 640
ra.: na livrana u. 6 e 8 da prac da Indepen-
dencia.
TliMTISO
14.' RECITA DA ASSICSATURA.
Sabbado i't de (tatabro de iHj?.
Espectculo dramtico e lyrico.
Estrea do primeiro tenor U. Anto-
nio Ibirra.
Finda aexecuclo da ouvertura, subir
scena a muito applaudido co Dedil cm 3 ac-
tos, ornada de msica,
A vendedora de peral.
Nos intervallos cu tara o tenor I) Antonio
Ibarra a cavatina da opera llolierto Daveraux
rom um espirito anglico, e um lindo ro-
mese da opura os puritanos
Terminar o espectculo com a milito do-
Para se liquidar conta de venda, se di
por 3,000 rs. o alqueire de feijflo misturado,
vlndo do Rio de S Francisco, em muitobom
estado: no caes do Ramos ao p do arma-
zein desoa, pela medida velha.
Desappareccu no dia 20 do correte um
cabra fula, por nome Targioo, alto, aecco do
corpo, quando anda camba das pernas, tem
ponen barba ; levou camisa o ceroula deal-
godlo da trra: quo o o pegar leve o ra
do Queimado n. 41, ou na cida le de Olinda,
na ra do Bomflm em casa de Miguel Joa-
quini de uliveira, que ser generosamente
recompensado.
Precisa se de tralnlha lores para a al-
fa ndega : quem lile convier appfrcga.
A pessoa que annuncldu querer ven-
der, um escravosapatelro e bolieiro : diri-
dia 26 do corrente, infalivelmente, ja-se a rua do Crea.o, na loj de Jos Men-
.Uu.U ,1,,,,, .. mirii ''"s d') Freitas, ou oa rus da Sonzala Nova n.
no consistorio da mesma maini ,_ ^ que achar cam quen) ,r,lar> ou annun.
sejaqual for o numero de bilhetes ci a sua morada.
que fique por vender. Jos Tei- O cauteiista Salustiano de
xeira B.isto, thesoureiro. Aquino Ferreira faz sciente ao res-
secretario da irmandade peitavel publico, que paga os pre-
cie Nossa Senbora do Terco, con- rnios daloteria do novo hospital da
vida a todos os seus carissimos ir- Santa tasa da Misericordia da ci-
mSos, para rcuniSo de mesa ge- dade do Ouro l'reto, naslojisdo
ral, domingo a4 do correte, pe- costume, logo que se receberemas
las 10 horas da manbaa, no res- listas
pectivo consistorio, fim dse pro- Jim quartos 3i3i,
5
MATRIZ Di BOAVISTl
As rodas desta lotera andam no
ceder a eleico da nova mesa re-
gedora, em conformidade do arti-
go 5i do com premioso.
-- Prerisa-se alugar um proto, nimia que
seja de dade. para servico do casa : quem
liver, annuneio.
-- O Sr. Joflo Francisco Te reir do Mi-
2087,
23i8,
3a8i,
192,
194
(i.
ioooo,ooo rs.
1:000,000 rs.
1:000,000 rs.
1:000,00o rs.
200,000 rs.
200,000 rs.
Urna pessoa cuja conducta he heai co-
galhlesle'm una caria, vinda do Maranhflo: nhecida iiesta praca, e tendo bailante Pa-
em casa de Elias lliptisli da Silva, na ra tica de agricultura, se offerece para admi-
nistrar qualquer engenho, qu" nao seja mu
a premio sobro pe- distante desta cidadf, para o que possue to-
- Roga se aos renhnres Antonio Soare
de Carvailm, Albino Antero de Souza liis,
e Flix Antonio da Silva Carvalho, teoham
a boudade de apparncerem na ra estreita
do Rosario, loja de miudezis n. 2 A, a ne-
gocio que nSu iguurau.
-- Aluga-se a pequea l'iji do sobrado da
rba de S. Francisco n. 8, nlo tendo commu-
nicaclo algoma para o quintal: quem a qui-
zer alugar, dirija-seao mesmo sobrado, que
dando fiador da sua conducta e* bom com-
portsmento,asslm cmodo aluguel, lheae-
rSo dailas is chaves.
Precisa-se de urna ama de leite, pira
acabar do criar um menino : na ra de S.
Rita 11 97.
Oabaixo assignado ftzscienle, que o
Sr. Antonia Rodrigues l'inhoiro, deixuu de
serseu caixeiro, desdo o dia 6 do outubro
corrente. Manoel Cancio Pereira dos
Santos.
-- Aluga-se urna grande casa na Passa-
gem da Magdalena, travs.a do Remedio ,
e tem commodos para grandn familia: quem
a pretender dirija-se a travessa da Madre
do eos, armazem de couros salgados, a
fallar com Francisco de Piula Queiroz Fon-
seca.
A pessoa, quo na matriz da Roa Vista,
na n mi de natal de 1851, perdeu urna obla
de ouro, so Ihe entregar a mosma 1 na ra
da Gloria da Boa Vista n. 62, dando signaos
convenientes.
Lava-so o ongomma-so com toda per-
f icio, mais barato que em outra qualquer
parte e com todi presteza, por mais pre-
ciso que seja: ai ra da Guian. 29, primei-
ro indar.
Offerece-se urna ama branc, de boa
conducta, para sertir em casa de homem
solteiro, ou de pouc familia : na ra do
Gabug n. 10, segundo andar.
Precisa-se de urna ama, forra ou es-
crava, boa costurein, e para tratar de me-
ninos, para urna casa estrangeira de pouca
familia; na ra da Aurora n. 8,- segundo
andar.
He-taiirinl. (Vaneis.
So Sieur llebrar 1 Jaloux do no rien lais-
ser .1 dsiror aux amatours de la boeme cul-
sine, a l'houneur de les prevenir, qu'il vient
residencia, m ra da Trincheirai n.50,
urna aula de inatruc^fio primaria de- primei-
0 grao, para o sexo feminino: os p.ais de
familias que delta quizerem conliar suas fl-
Ibas, poderlo dirigir-se a mencionada caca,
a qualquer hora do dia, corlo de que a in-
nuneiante emprogar lodos os seus desvelos
em nSo desmerecer do seu conceito.
Lava-so e engomma-se, com muita per-
feiclo e asseio : no pstoo da Ribein deS.
Jos n 1S.
Partidas do Umnibus.
No dia 20 do corrento principia-
rlo as partidas do Umnibus im-
preterivelmrnte : do Apipuco, as
Hilo huras da manilla, e da ra da
Caileia de Santo Antonio as cinco da tarde :
as pessoas quo pretenderen! assignar via-
le prendre desarrangements avec Monsieor.gons mencaes, dirijam-se mesma ra da
Albert avantageusoment connu, comme bon Cadeia, cocheira n. 13, que achirlo com
cnisinier el patessier. La position du local,iquem tratar; sendo o preso das assignitu-
les reparations faites a l'etablissement, la .ras pagas adianladas..
direction de la misino confice aux soins du Por um mez 24,000.
sieur Albert sont un garant cortain d'attirer | Por tres mezes 0,000.
les amatours. Gommo par le pass ou trou-j Porcada viagemavulsa 1,000.
vera lous les jours de quoi se restauror et Aluga-se urna negra cosinheira, muito
on sera servir a la minute. Les p-rsonnes fiel, para casa estrangeira uu d* pouca fa-
qui desireront quo le sieur Albert se trans- milis : na ra da Guia n. 5, terceiro andar.
porte a lour domieilo soit an vi I lo ou a la .-......... ,.,...... 1
I campagne. eont pries de s'adresser au res- Cnwnnmaa
taurant fnnciis. *-aOmpra. ______
A Epocha--jornal de industria.sciencias, ---------------------------------;------------' ,
litteralurae bellos artes,--venda-se a collec- .. '." Compram-se acpOos da companhia de
i,.".^I, ","8e,'aK*1-,KUm"m' 3ue'enh" o, polo proco de4000: na ra da Cade.a Bebenbe.no armazem da illummaclo, no
bstanlo leilo o seni tilhu : na ra do Crespo J0 u e ^ i fe loja de ferragem. l)eco Jo Carioca : a fallar com o major Aa-
0- ,0 'wWWUVltoUmVI-W&totoWS'UlWlt Ionio da Silva GusinSo, as 9 horas da ma-
hnres: quem precisar di'ij-so a ra larga dos os conheennen os necessaMos, o quo
o Rosario n. 40, que so dir quem d. unido ao maior zelo e actividade, espera
- Aluga-so nina casa no Cachang, com completamente satisfazer a aquello quedo
do Sol n. I.
-- l)-so 350,000 rs.
no-
do
'" AIUK'""PV (lino !> *m> o,*( a>*riaw
bssiantei commoJos, para se p.siar a fesla: seu presumo se quizer "lillsar = a queu
tratar na ra do Cano n. 42. convier, dinja-se a ra Volha da Boa Vil-
Previoe-so aos Srs. abaixo declarados ta, casa n. 83, onde achara com quom tratar,
que man lem quinto antes satisfazer o que }'rtc'*y" e 'n,c"es ,le Cohn1!1rU,e"'0
devem do aludieres de casas e diuheiro do 1<"> f'" 50 cHaruloi, piga-se2O0 rs. por
omprestimo, ao ir.icurador do reverendo coolo : na ra do Noguein n 19, segundo
conegoJoilo Rodrigues de Araujo, em Olin- andar. .,-., ,, .,
da ra do Malinas Ferreira sobra 10 n. 6 a- ere 'oros do fallido Leopoldo los di
im do evitar os mcios ju liciaes de que o Costa Araujo, residentes nesli eid.de Vioi-
mesmo tem .le laucar mo pira cum oso- Anionm & F1II10, Olivein Irmitos & .orn-
missos.-Joaquim de Souz Teixcira.Ma- P"11"1. Antonio Ignaciode Mdeiros, J0J0
noel J is Soares de Avallar, I). Francisca de Tavares f.onleiro, Amorim & Irmaos. Jolo
cisco Ignacio de Meleiros. Jus Caetano Po- g"i Itusscll Mellon iCompinhn,
reir do Naaoimeoto. Clan Senliorinha Bor- dngues Pereill, Dme \oule& Companhia,
ges, viuva do brig.doiro Borges Leal, Anto- Antonio francisco da Silva Carneo, Anto-
nio do Monea linio. Silvesfe dos H is. } Joaquim de Sotiza Ribeiro, Novaes &
-- Moje. 22, depois da audiencia do lllm Compaiihia, Manoel Joaquim Ramos a Si -
8r.Dr.juil dos fcitos da fazendi, ha arre- va, Manoel Jos Ribeiro, los Cypnano de
malaclodos Uci.s anuunciaJos no dia 19 do Mories Lima, Jacintho tloiblo l.aetano da
correnlo. os quaes vio a praca por execu- Costa Moreira, Jos Antonio da (.unha & Ir-
o que .1 vi' na ra Diroiti.na loja de calcado
o. 56.
Pergunta-se lossoeijsds sala de dan-
ta da ra largado Rusaiiii,qual o motivo do
nlo an.larom todos de cipa assim como an-
Ja
por seus procuradores bnslantes, na casa da
residencia do l)r. Jo- Kivmundo di Cosa
Mcnezes, juiz municipal S'ipplento da se-
gn I vara o du comincrcin, na da Madr
do lieos o. I, do tiairro do Rccife, no dia 23
o director, principronlo nos dias de do corrcnt-i moz polas 2 horas da larde, afim
do dclilierarem sobro o rccolhimenlo 00
producto dos bens arcmalados, ao banco
A pessoa que antUinCIOU que- desla cidade, o tratarse, do 'ujo mais que
rer Comprar um violSo, querendn conveniente a msa fallida-O eserivlo
I '. {. iinlenno, Manoel Joiquim llapnsta.
um cm bom estado? dinja-sc aoi .. Dosappareceu no dia 19 du correnlo, as
aterro di Hoa \ista, loja 11. C. !* borasda larde, um moleque, creoulo.de
, i- ae ir ...,i., ,JO, 1 .i. nomo Mximo, que reprsenla ler 18 a 20
- No di. 26 dfl.etembro fm*hgj\n nM t u^, qcom 0SPsigl0S seguinles ,
liaixo, com falla lina, lom pequeos signaes
polo rosto quo parecen ser espinhas, rosto
pequeo, e cabeca redonda: levou camisa
pareco'am dousescravos coui os signi'ssn
goinles : primeiro, Luiz, crooulo,
seutin lo 2t a 25 anuos do dado, baixo,
choio do corpo, p* pequeos, pescuco gros-
so e curto, ulhar CirriOOUdo, niriz grande
e muito chalo, tem marcas de tor sido cas-
tillado com mi- olios por mais de urna vez
Pol escravo do Sr. I uiz do llego narros, de pnvo., apprchend.m
cujo poder passou para o ao sr. |oh (.smil-i
lo do llego Barros, quo o ven leu ao acta
o calQa de algodlo trancado de listra, e lio-
net de panno j reino roga-sa as autori-
dades puliciacs, capillos de campo, a aos
senhores embregados do registro do port
sajada e sempro.ppl.udil. f.-ca lyr'.ca' Paula Mavignier, Jos II i I lirio Ribeiro, Fr...- Leite f^^Jj*^^'^
I ct0 niaum l-marin da Me loiriis J,.se Caetano Po- 9va, llussil irseicorr na,jos
() Beijo.
Principiara as8 horas.
Os bilbeles oclum-se des le j
venda noescriplorio do Ibeatro ;
advertinde-se que os camarotes de
terceira ordem passam a ser ven-
didos ate seguido annuneio, pelo
preo de seis mil ris.
Avisos martimos.
I ara o Cear sali ron muita hrevida-
de o hiale Angolici,que ja tem pirteda cir-
ga, e para o resto trata-so na ra da Cadeia
do Recife n. 49, primeiro andar, ou no tra-
piche do algo.loo Com O mestre.
-- Pin o H10 di Pnla segu imprcteri-
velmente at o fim do corrente mez, o pata-
cho onenlel Leopoldina de boa ma'cha 1
quem 110 mesmo quizer ir do passagem, di-
rijasea Amorim r, Irmlos, 011 na praca ao
capillo.
I'ara o Aracaly seguo al 0 tim da pre-
sente semana, o hiato l.igclro, por ja It a
maior parte di cirga para o resto o passi-
geiros trala-se na ra do Vigario' n. 5.
-- Frela-se para qualquer parto a veleira
pul cica brasil .'ira Hit ice, forrada e pregada
de cobre, prompta de ludo 1 quem preten-
der pode entender se com os consignatarios
Amorim & Irmlos, na rila da Gru 11. 3
I'ara o Itio de Janeiro, com
muita brevidade, o briguc nacio-
nal Hecife, o qual tm parte do
carrega nenio prompto: quem qui-
zer carregar, ir de passagem, ou
embarcar c.-cravos a fete, trata-
se na ra do Collegio n 17, se-
gundo andar, ou com o cipito Ma-
noel Joiquim Lobato.
Pira o porto aegue viagem com toda a
brevidade, o brigue portuguez S. Manoel I,
capillo Jos Francisco Carneiro ; quom no
mesmo quizer oa regar 011 ir de passagem,
pan o que lem excelentes commodos, diri-
ja-se so mesmo capillo 011 a seu consigna-
tirio Manoel Joaquim llamos e Silva.
I'.iu de Janeiro.
O bein conbecido patacho Va-
lente, srgue com muita brevidade,
por ler j aiguma carga prompta :
para o resto, cscravos a frete c
passageiros, para o que tem bons
commodos, trata-sc com os con-
signatarios Novaes fs: Companhia ,
na ruadoTrapicbc n. 34, oucom
o capilo na i>ru;.i.
Para a ISahia.
Segu com brevidade a veleira
c j bera conbecida escuna nacio-
nal Adelaida, que acaba de che-
gardaBibia: quem nella quizer
carregar, pode dirigir-se a rund
Cadeia Velha n. a3, ouado Tra-
piche Novo n. 1G, secundo andar.
e i loes.
O Sr. Joaquim Pereira da Silva, co-
nbecido do Sr. Antonio Jos Toixelra de
Castro, com boliea na ra du Queimado n.
36, queira mandar pagar o Diario, visto que
o mesmo Sr. Castro,quo recebe a f.ilha,
dli que nlo sabe quem elle seja.
-- Rec-diem-o escravos por commissc
de 2 por canto uniramonto, sem mais ou-
tra qualquer despeza, nlTerecam-so as ga-
rantas precias; assim como tinm-se pis-
llpories para dentro e fra do imperio, e
ttulos de residencia na ra eslreila do
lluzariu o. 28, segundo sndir.
Os Senhores Manoel Kroire4). M. Mello,
; f f ffff ffVff sffffffff tff
**
->
->
HOIV1EOPATHICA.
28 Rt)A DAS 1 l;l /I s 28,
Dirigitlapor umpharmaceutico
; approvatlo.
m

o ii.ii do todos os dias utels.
-- Compram-su 500 garrafas vnsias, a pa-
ga-so a 5,000 rs. o centu : no pateo do Car-
ino, vinda nova 11 2
-- Compra-se urna morada de casa terrea:
'<-.. quem a liver dinja-se a cisa junto ao tabe-
^ I1.I0 Coolho, na ra de S Francisco.
^ Compram-se dous oruamoutus sehas-
Ksteestabelecmento possue todos 8 te pan dize missis, reir, calix, e mis-
si. os medicamentos al agora expon- 3. mentados, tanto na Europa como no ^ tilo .la ordem tercena do S. Fraucsco.
y. Brasil, e preparados pelas machinas J Com.ram-.so para a obra do grande
00 da inv.'i can 111 He. Mure. 2 hospital do caridado IraVeji.noiltos de 40
g. Carleiras de 12 tubos al 160, por 5 palmos de comprido e 8 polegadas em qua-
TrislJo Concalves d'Aloocar iNepomuccno, o ^. procos vanavois, conforme a quali-.^g iro, quo seja de lina qualidude : quem livor
llr. Antouio Joaquim Ayresdo Nasciment, u> dado das clisas, a quantidado dos re- ^ pido dirigir so ao director da mesma obra
auzenle Miguel Arelianjo Postliumo do ^ medios e suas lynamisar,ocs. .N isciiiici.tn teom crias vin las lo Araraty a>
na ra da Cadeia do Hecife n. 19, primeiro !>
andar. | ?
!t#i*f*||#*f ***'*!^ AVIAM-SE GRATUITAMENTE
f CUASUroRIO IIOMEOPATIIICO. fr J paia ospobras.tudas asreceitasque ^
a) Ituado Trapichen. 9. & ^ para ali man lar qualquer professor. -> Franca, lem iberio o seu consultorio fe >ja rua do Livrameuto n. 10 sobrado, so
J na rua do Trapiche n. 9,no Hotel Eran- fe dlr, ,,, da jinlieiro a juro, e quem com-
# cisco, aondo da consultas gratis aos pr, Juas casas lerroas o um sobrado.
'S pobres lodos os das. r () rallI_i:. Saliislian
.ubosavulsos(cadaum) 1/000 Tinturas do tolos os inadicamen- *3 Cumpnir-sc tresou quatro moradas de
tos om frascos de |2onca 2000 *_\ esas terreas 110 bairro di Boa-Visll, o urna
que tenha um I10111 qiniilal o as principies
Jinja-so ao aterro da Boa-
llto
do
Aluga-se por prococommodo, urna ca-1 Aquino Ferreira, avisa ao respei- zem n. i.
.Milliin:i .-.KM nnmmi^Aa n.r. un.. I i I* 1 1 I
roas : i|iiom livor d
Vista, botica dcrroulc da matriz n. 86, que
so dir q unm compra.
-- Cumpram-so duus caixes para vend,
cm nielo uso : ua rua do Jardim n. 69.
Compra-se urna burra de Ier-
ro : na rua do Trapiche, arma-
se emSanl'Anna, com commodos pan una
grande familia, baixa de capim, estribarla
para quatro cavallos, e cocheira ; a tratar
com Luiz Gomes Ferreira, no Mondego.
Precisa-se de umi negra cosinneiri,
piefere-sc captiva, pagan lo-'se mensal-
menle ; no aterro da Boa Vista, loja n. I.
poisuidor: segundo, Manoel, crooulo, ainda
(no e i no, baixp, secco, com um p cuchado,
o urna ciclriz de golpe ja de v.llio em cima
do peito do mesmo p, e com o d 'do grande
do mesmo torcido, cuja cicatriz est anda
fresca : quom os prender e con luzr ao en-
gen'iodo Rodisiu la freguezia de S Louren-
co da Mata, ser goocrosamento recumpen-
sa Jo, o pago de quilqucr despesa.
Otercce-sc una mullnT brinca de hoa
con lucta, para ama secca do qualquer casa
de familia: ua rua das Agoas Verdes n. 29.
En 14 do outubro de 1852 desapparo-
ceu de casa do 8baixo assignado, o sou es-
cravo de noaie Joaquim, estatura rogular,
secco do corpo, moslra tcr35 a 40aonos de
ilade, tem nariz amacacido e urna cicatriz
no pe esquerdo de tallio de enchada, a lis
quebrado ; fui escravo do lllm. Sr. bailo de
llamarac aondo era conbecido por Joaquim
allnmlo: levou camisa e calca de ilgo.ilo-
sinho, chapeo de pallia, he uiuilo ladino c
se i do inculcar por forro : pode-se as auto-
ridades policiaes o rapitles de campo, mui-
to principalmente as ila ilha de Itamanc a
captura do dito escr.vo, e o fice ni conduzir
a rua do Collegio n 15, segundo andar.qne
serlo generosamente recompensados.
Manoel Ferroira da Silva Ramos.
-- Furlaiam da casa do abaixo assignado
c levem-o a rua larga do Rosario,butequim
n 27, quo se recompensar co n generosi-
dad,-.
O bichare! Antonio do llrito de Souza
Garyoso,segu para o Muranhlo no vapor se-
guinle, ievaudo em sua companhia seu es-
cravo llodugerio.
Gralilica-se generosamente a quem ap-
prehendero escravo de noeo Benedicto, de
naci Costa, com os signaes seguinles :
estatura alta, secco do corpo, cor bem pe-
ta, enm principios de barba ; levou camisa
de algodluja vcllia e bastante suja, caiga du
mesmo, e chapeo do palba j usado; foi es-
cravo de Sr. Teiieiri no Manguinho, o nes-
so lempo venda pies no lugar da Capunga e
Ponte de Ucna quem o apprehender diri-
ja-se so aterre da Boa-Vista n. Ii6, que re-
ceben boa gratilicaglo.
-- Vai a praca do lllm. Sr. !ir. juiz de or-
phlos, na residencia do mesmo senhor, na
rua de Hurlas, quinta-foira 21 do enrronto
mez, as 4 horas da tarde, pelos alugueis por
lempo de um anno, um sitio com casa no-
bre, junto a Sanl'Anna,e antes da estrada da
Casa Furto, loda envidra;aii.i e deconte,com
multas acciiinmo laeoes pertencento aos
herdoiros do I'.Mecido Francisco dp Borja
dos Santos Pinheirn, sondo a ultima prai.a
no dia 28 do corrente: os prelciidontes po-
derlo dirigir-so nos referidos dias ao iodi-
tavcl publico, que as rodas da lo- Compra-se urna ou duis pretas de meia
...:, (ln mairiT A i Una Vista an. idade. e que nlo tonham vicios netn ichi-
tena da matriz da Boa Vista, an- eq^e 8ejam ho,8 quitmdeins, te-
idam impretciivelmente no da ao nhamalgumas habilidades: na rua da Roda
do corrente mez liquem ou nSo "bi- ..
' ... j j- j Compram-se escrivas eevendem-se, re-
; dictes por vender : no da 27 do cebem-se de commiaslo. tanto para a pro-
^VVVVVyfVVVVV tVfVfVfV correnle Lz, principia a pagaros "ocl^o' K Utoi 5 ru.fdo.
* l'aulo Liaignoiix. dentista. S lh .1 1 Quirlel o. JW, aeguodo andar.
* PiMener procurado nqunl. 2 seus bilbeles e cautelas, premiados ..Compra.so u.n vmiio em bom uso na
a oner hora cm sun cusa 1111 da dita lotera, as Jo as do eos- rua do i.ivramcnto n. 10 sobrado.
C rua Inrga do Ku/.ario 1. 36, Z ,llltlf. Compram-se esenvos de ambos os sa-
s> segando mullir. t* xos, para dentro e lora da provincia, agn-
^^M^^M^ t^ri^'quese'-ni'-'Ibrr^
provincia de Pernambucn, convida aspes- .. compra-so papel de Diarios, para cm-
sois que por vontura dosojarom obter ic- uru|ho 1 na Iraves-a das Cruzes n. 14.
co-s da espectiva companliia, a so dirigi- .. (;nipram-sn escravos do ambi.sosso-
rem ao referido euipro-ario al o dia 18 .10 K ,.nm midlida le, nu sem ellas ; p igam-
mezd-i outubro prximo futuro, em casa s Dem s,.,u| bonilla liguras : na rua es-
dos senhores Kotho A Bidoulac, ni rua do trasilam le Rosario 11. 28, segundo andar.
Trapicho 11. 12, no Recife, cm carta na forma (;ompr,.se utna rmaclu ei.vidracad
abaixo esceilieada. que sija moderna e sirca pira loja ni pida-
Sr. Alfrelo do Mornay. r|a da Uil >uva se dira qUem.
-Compra-so um millieiro ao tullas j ser-
vidas: quem as tiver, aununeie.
--Compra-w um bracu do b danta ern:se-
gunda mo que tenha cinco palmus : quem
na villa dAgoi Preta, confor- |jyor ,|ifjja.3 a Rua Augusta n. 31.
slipulace* do contrato celebrado ,...... ....... ,, ,.....,
Vendas.
Precisa-se de 750/000 rs. a premio de
I por cento ao mor, por espac.0 lo 2 annos,
paganloso os juios monsalmenle sobre
hypotliiu-i um una propriedado do casa tor-
reo feta a moderna om urna das melhures
ras desta cidade : quem quizer dar annun-
eio para ser procurado.
ANUAL DO III. lilil.
TAADDZIDO KM l'OHT"CKZ.
iG,ooo rs. de assignatura.
Sabio 1 luz o primeiro volutne desta obra,
1 melhorde todas em seu genero : o nico
rerdadeiro livro, por onde se pdeesludar e
praticar a homcupathia. Kst- ntidamente
impresso em excedente papel, com lodos os
signaos que conlcrn o original para denotar
a differenca do valor dos symptoaias.
Contina a assignatura no consultorio ho-
meopathico do Ur. HOSCOSO, onde os senho-
res assignintes pdem mandar receber os
seus exemplares
Tcndo-se de construir um caminho do
ferro que parlindo da cidade do I: .-11 ,
o passando pelos dislrictos mais assuca-
reiros da provincia ile Pernambuco v
terminar
mo as es
oiilr.i o governo imperial e V. e appro-
va 10 pelo piter legislativo, dirijo-mo a
V. para o lim do obter ( J aeges de
valor de vinle libras esterlinas cada umi
.vini.' libras no cambio ictual de 27 t;l
d. .he igual rs. 17i>,150 ) ; a esperan-
do quo V. se sirva trausmiir a presen-
Casa feliz, na praca da Indepen"
dencia n. 36.
As cautelas da lotera da matriz da Roa
correr as rodas infalivol-
No mesmo consultorio ha todos os medica- *?ftffi f[ t'l e2 ">! 'lo correnlfl- ""u"m ou "*"
mentus homcopalhicos VEKDAEIRflS ; as- 9ufe ''" d0 *2wSm?tiXt-lh? ">llbale os quaes acham-so a venda na cu-
si, como ricas c.rteir.s, e reformam-se i^,".,"^ 0 u'.1 oxuo/l" Tnleicilo' ***h o n rua Nova, loja do chapeos 11.
quaesquer boticas cujosmedicamenlus se- ^ J| '^^^cdir o ntm' ro de ac- >' V" ? P- *".' Pr"
r.m falsos, ou doler orados. yelitura ^ ,,,, cabflr.me mos : os precos ja esto annunciados.
Dos dispoem. : lllll3,\u,menor soja do quo a mxima aci- Ven io-se um carrode 2 rodas, com seu
Acaba de chegar do Rio do Janeiro, tra- na lixado. Por esla occasio tcnlio outro =omf|^fl,l!.V""!.A0" i J u S"
cira ao p
fltUIM UOHIvaii (11/ mu no min,ii('| lio- 1 r, II 11 \ 11 l> IUI 1 .- d < 1 1 !.- 1,1 1 t 1 11 (r 1 1 m 1 il -----,
duznloein portuguez o excellente romaneo si.n do dcclirar-lhe quo me obrigo pagar se que C.nlo mcarro, como o c.
de Alexaiidre Dumas, que lem titulo Dos as respectivas preslacOes no lempo e pelo bons, o os arrotos novos na cucni
I (i I 1(1 IOIII U" fcHJ* HI'IIAU Vd'll) 11MHW -'
urna coroadeouro do lei, e urna bandcira |C"do .luK"r>. catando o escriptu m mo do
do Menino lieos tambom do ouro : pede-so po'loiro dojuizo
i.tilao de qurijos
Cliegados ultimaincnle,por con-
ta e risco de quem pertencer, boje,
2a do corrente, as 10 boras, no
caes da allandega.
Miguel Carneiro, far leillo por inter-
vcncSo uo agente lloherls no da soxta-
feira 22 do corrente as II horas da iiiai.h.'i.
no seu armaiem na rua do Trapiche n..38,
de mobilias tanto para sala como para
quirtoa, sala de jantar, cusinha etc. etc. as-
sim como vulros de diversas qualidades,
candieiros para sala, aparelbos de metal se-
melhanle a prala, e oulros muitos objeclos
que nlo deixarlo'dc serem arrcmitadus.
Avisos diversos.
a qualquer ourives uu outra pessoa a quem
fOrofferecida, do pren ler a pessoa quo an-
dar vendendo qualquer dos ubjectusacimi
declarados. Francisco Brederodo do An-
drada.
Aluga-so urna casa loirca, propria pa-
ra qualquer esUboiecimcnlo, na rua larga
do Rosario n. 3 : a tratar na priCI da lloa-
Vista n. II.
Precisa-se do urna preta, para vender
auto Amaro; urna casa na puvoaQlo do
Mont.'iro, em bum lugar e perlu do b-nho,
enn 33 palmos de f ente, duas salas, quatro
alcovas, cosinha fra, a estribara, muito
fresca por ler frente para lodos os lados;
t nuil.'ni se aluga para pass.r a Test* : a ral-
lar na rua da Praia, armazem de carne n.
46 A.
A pessoa que quizer dir 1 quantiade
150,000 rs. com ".' ii.in.a om urna p'ola
com habilidades, daii.io-s> os juros quo so
convencional, annuneio para ser procurado
Precisa-se de com mil ris jiro pelo
lempo de um auno, a I l|2 por cento, om
seguranza em urna casa: quom quizer cale
negocio annuneio para s -r procurado.
Aluga-se, vende-se, ou oermuta-se por
casas nos bairros do Recita, S nlo Antonio,
ou lloa-Visla, um sitio na estiada dos Afilie-
tos confronto a igreja do mesmo lugar, com
grande Casa do viven la, nutr pequem na
boira da caira la. con mullos arvoredos de
Inicio, a saber : larangeiras.coqueirus.man-
As mallas que tom de conduzir o va-jguoms, sapoliseiros eic. ;a tratar na rua da
por 5. Salvudor para o* porlos do Norte se- Aurora n. 26, ou no Apipucos, no engenho
rio feixadas boje (22; a umi hori di tarde,. Dous Irmlos *
is correspondencias que vierem depois dea- yuem annunciou precisar de 700,000
ti hora pigarlo o porte duplo at a hora de rs. com bypoiheca em urna can, oiriji-se
se feiixrem, os jormes devem vir 4 horas, loja 11. 2ua travessa do Padre, que so dir
antes. quem d.
Permuta-se por um pequeo sitio, ou na rua toda qualulado do ven la : quem a li-
casa perto desta praca. como l'jl Mangui- ver, dirija-se a, Fura do 'orlas na rua do
nho, Capunga, Soloda.le, rua do Cotovollo,'Pilar n. 126, nu aniiunci.) sua n.ondi par
ser procurado.
Para quo nlo so possa allogar
ca, avisa-so quo uinguem faca contracto al-
."n'i .-" lu' o sitio da estrada do Jlo de
lluros annunciado por um trceiro no
diario de lionlom (00) para aluga-lo; o qual
sitio foi arrmala lo por outra pessoa no dia
16, cm praca ; ublira do juizo da segunda
vara, rscnvlo Cnnlia.
- (Juem annunciou precisar de 750,000
rs. a premio deum por cento ao moz, por
espado de 2 ancos, pagando us juros meu-
saimente, sob hypnthica em u ua casa ter-
rea nesta ci lado : dinja-se a rua da Cadeia
do Recife n. 21, onde se dir quem faz o ne-
gocio pretendido, lg>a ando a casa.
-- Aluga-se 11 n cas. em Olinda, na la-
deiri di Mlsericordi 1 n. 12: ai itirrm o-
liu i.-i na rua do Malinas Ferreira n. 28.
Procisa-se Ue urna morada .!.- c .-a, -
inda me.mu ern poucos c inimn us, com
tinto que teulia quintal murado, cacimba e
porllo, sendo na llua Vista, uu em S. Anto-
nio : quem liver, annuncie.
Precisi-se do urna ama, que cosinhe e
engoi-iinn : na rua da Cftil du Recife n. 43.
-- Precisa-se de urna ama para o serviyo
de rasa e decuinpras.scndoboa paga-sebem,
ua roa do Pidre Fioriauo 11. 5, sobrado da
quina.
Dispoeni, vendem-se na livraiia da prar;a modo que a directora huuvor de determi-, da Cadeia.
da independencia 11. 6 a 8, a 8,000 rs., cons- nari o nao o tizando dentro do periodo do fauno de algodao da trra.
lando de 6 volumes. 30 dias depois do nolilicado, (iba desde j Na lo|a da rua do Crespo n. 10, vende-se
Constando-me que a minba escrava do entendido quo cessara lodo u mou direito exccllenlo panno do algo lo, proprio par
nonio Certrudes, naglo angola, de idade 26 nlo s as acc.'S como tambom as presta- roupa de oscravos, pelo diminuto pieco de
annos, cor muito preta, odios grandes, ps, r.'s quo tivorem sido pagas, cuja importan- 200 rs a vari.
e mos pequeos, estatura baixa, disdenla- ca roverter em proveilo da compinhia.
da na frente do lado do cinta, e pcitodo Nomo por inteiro.............
pomtio; se emcamintiara ha quasi dous me- Data. ....................
zes para o engenho de Fragoso, sonde a di-' Moradia..................
ta escrava Gertrudes dizia ler urna comadre Prulisslo...................
(preta) peo o Sr. do dito engenho quo Alim dosaberem o numero do accGes' Recife n. 44, por preco commodo.
por favor, no caso d'ella Ihe aparecer no seu que convem comprar, da estrada do ferro | l'ropnos liara nassar a festa.
engenho; que ma mando pegar e remeltar- de 1'eiOimbOCo, muitas pessoas toemper- sa |i' Ja rua do Crespo n 10 existe um
me, a casi de minha residencia na rua da gunlldo quando, mais uu menos, ser pro- ? o.implel sorlimouto do palitos de briol,
Colada labii de primeira qua-
lidude.
Ven Io-se na loja de ferragens de Thomaz
Feruandes da Cunha, na rua da Cadeia do
Aurora n. 52, pagando cu, as necessarias iso pagar a primeira preslaclo. a qual a
despezas, de cujo favor I no licarei ohriga lo. proporr,ao do valor tola I das acQes, se sera
Adverle-se quo a dita preta fui escrava do esla preslaclo; o timbero a prestadlo o
linado Joaquim da Lingoela, e comprada em lempo .lo pagamento das outras prestaces.
Inillo publico que m-ndaram fuer os her- |>an n informaclo do todas as pessoas quo
deirus do mesmo Joaquim da Lingoeta pelo, nlo sabem a marcha do compaohiasque so
corretor, o Sr. Uliveira, e dizem que so tom : formam pira execular gran les emprezas,
visto tambem 1 referida escrava, na cidade |ne advi lo por nieio desie, que a primeira
de Olinda, a no mesmo lugr nos Arrumba- ; pre.slac.lo nlo so paga at quo a compinhia
.1. s em certa casa que sera logo corrida o estoja orgainsada, < no caso actual, prova-
0 ladrlo sofrer as penas di lei.Fnncis-'vel i.cnlo d'aqui a 4 pira 6 niozes ) o quo
co Ji s llarboza. nlo excodo de 10 11 20 por cento do valor
-- Precisa-se de dous a troa meninos, pa- otal de ca la accao ; o quo o res'o so paga
ra se cnsiuar oollicio de ourives, quo lo- conforme o adianlamento da emproza em
iiham boa capacidado : a fallar na loja do pequeas preslacOes durante o espaco do
ourives, da rua da Cadeia du Kecifo, ou na iguns annos Alfredo do Mornay.
eoMtftl'46**#M#0)*)>f
rua do cabuR 11. 12.
Precisa-so do um prelo, para andar com
um laboleiro de fazendas : em Fra de Por-
"??".""! l/ vend n. 145.
m Alugam-se e vendem-so bisas ua (D
fi; praca .la 111 lopendencia n 10, con- <
0 fronte 1 rui das Cruzos. ajj
Pfiv'S##'2#"?ti^!fc*i^*a>
Precisa-se do urna mullicr de meia Tda-
O consulluriu hoiuropalliieo da rua -
^ .lo Trapiche Nov numero 15, dirigido <)
(M polo llr.l'ircs llamos Jnior, foi trans-
a) lerido para rua aaf.adoia do Re.".ife (/i
,-9 n. 41, no segundo andar, por cima da *>i
a) loja do lllm. Sr. Julo Cardozo Ayres, %i
.4 onde ja foi o consultorio do Sr. Dr. )
a) Sabino, a tu so encontrar cartoiras $
i# com medicameptos homceepathicos, fj
Je, para ;.ma secca de una casa de pouca s) tubos avul{os, tinturas de qualquer
,'amiiia, que cosiuho e engoinme : que n es- s> dinamisaclo, o tambem se refazem f)
iiver nestas circunstancias, diiija-se a rua | aquellos queestiverem deteriorados. OJ
ja Praia, sobrado n. 49, primeiro an lar. j ) Propagandas homreopathicas do lllm. +,
-- Arrendi-so urna propriedade, siti na > Sr. Dr. Sabino, pelo preco de 1,000 rs.
ruada Florcntina,cuntigua a do Sr. Koran -
gol-, rom ptimas pmporr.ocs para nella se
lundar qualquer eslab.decimento em ponto
grande, por tor bastante oxtenslo, o purlo
de embarque pelos fundos 1 quem a preten-
der, ple ir ve-l..,untend. uilo-s com o mo-
rador da esa n. 16 da dita propno.lado. o
.,ual dir cum quem se deve tratar do qual-
quer .-.juste.
- I'.ccisa-so do um. bom cosinheiro, for-
m uu .--. i.iv.i, na rua da Aurora n. 8, ae-
guudo andar.
- Ni rua du Crespo n. 10, deseja-so fallar
rom o Sr. Maridillo da Silva Costa, ou co n
algu.'.n que faca suas vozes, a negocio que
lie diz ruspeito.
vt cada esemplar. Estes modicamenlns
0 slo preparados com lodo o cuidado,
;> e ja experimentados pelo Sr. Dr. Sabi-
da*
no na sua longa clnica, sendo os re-
sultados us mais ledzes; todas as car-
.; t. ir. s que sahirom dcslo consultorio
> levarlo a firma do Sr. llr. Sabino. As
,s) Consultas slo das 8 horas do dia at
i n- i da larde; dopois destas horas I
0 o poderlo procurar na rua da Cruz
(0 do Recita 11. 50, segundo andar
jB;.-j*.<# ti 9 K:ft99 S9
-- Auna Ferreira da Silva, autonsada por
provis'o do F.101. Sr. presidente, doulor
Fnncisco Anlouio Ribeiro, do 29 de judio
du crrenle anuo, tem aborto na casa do sua
polo diminuto preco do 2,500, 2.800, 3,000,
3,500 e 4,000 rs. ; ditos da bamante de li-
nho a 6,000 ; ditos de casimira de cor, mui-
to lira, a 18,000 rs.
loin e barato.
Na loja da rua do Crespo n. 10, vendom-
si rieosco'tes da cambraias decores, com
barr o haba.los, .1 6.000 is.; clnpeos de sol
do seda do ciVes, a 5 500 rs. ; ditos pretos,
a 5,000 rs.; ditos muilo finos e ricos, a 8.000
rs.; ditos di piiininho onfi'itados parame-
nina, 11 1.500 rs.; 111 va- 00111,mi las do peli-
ci entalladas, pan aentiora, a 1,500 ri.j di-
tas pretos, a 1,280 rs.; pe^as de brotanha de
linho, com- 5 vara, a 1,800 rs., e outras
mudas fazendas, quo se vondem por pro-
cos commodos.
Vendem-se na praca da
Hoa Vista 11. 7, bilhetes inteiros e
meios, pelo seu legimo preco de
losooo e 5fJooo rs., da lotera da
matriz da Boa Vista, que correno
dia 26 do andante mei de outubro.
Vande-Se urna bonita escnvi, de 25
amos, que engomm e cosinha bem: na
rua di Pnii o. 4S, primeiro indar.
Azeite de peixe.
Na travessa do Queimado. tibern n. 3,
vende se azeite de peixe, chegido recente-
monto, por preco commodo.
-- Vende-se um preto mirinheiro e tam-
bom entendede plautaclo: na mi di Sen-
Zlda Nova n. 39.
Vendom-so lonas a imilaclo da Russia,
muito em conta : no irmazen de Fox Bro-
thers, na rua da Cadeia do Recife n. 62.
- Vcnde-se um bonito*ravallo j ensina-
do para cab'iolet, o qual be bulante novo,
e iroiador : na rua da Cadeia do Recife 11.
38, loja.
- Vondo se um proto creoulo, com 20 an-
uos de idade, a com principio de pedroiro :
na pra?a da Independencia n. 19.


4
Sands
Tuixas para engenhos.
Na fundiclo de ferro de D.
W. Bowmsn na ra do Brutn
passando o cbafariz contina a
haver um completo sortimento
de taixas de ferro fundido e ba-
tido, de 3 a 8 palmos de bocea,
as quacs acham-se a venda, por
preco commodo e com prompti-
dao,' embarcam-se, ou carregam-
se em carro, sem despezas ao
comprador.
Vende-se a excellente typo-
graphia do Diario Novo x estando
bem montada, tanto debonspre-
los, como de typos : quem a pre-
tender, dirija-se a roa da Praia
n. 55, a tratar com a Viuva Huma.
A 5,ooo rs.
Superiores cbapoos'de sol de seda ingle-
zes ebegados pelos ltimos navios, pelo di-
.,000 rs. cada urna : na
para que o publico se possa li-1 roinuio progo de 5,(
del fraude e distingo, a ru'Xj^novo .6,00.1.
No armazem de Gouveia & Das, confron-
te a escadinha da Alfandega.
Queijos d sertao.
Yendcm-se muito bons e frescaesquoijoi
do sortfio ; na ra do Queimado n. 14.
Vendem-se saccas com fa-
rdos : na ra da Madre de Dos ,
SALSA PARRILHA.
Yiceote Jos de firito, nico a-
genteem Pernambuco de B. J. D.
Sands, chimico americano, faz pu-
blico, que tem chegado asta pra-
ta urna grande porcSo de frascos
de salsa parrilha de Sands, que sao
verdaderamente falsificados e
preparados no Bio de Janeiro, pe-
lo que se devem acautelar os con-
sumidores de t3o precioso Talis-
mn, de cabir neste cngnno, to-
mando as funestas consequencias ,
que seropre coStumam trazer os
medicamentos falsificados, e ela-
borados pela mao daquelles que
antepoem sen. interesses aos ma-
les da liumanidade. Portanlo, pe
de.
vra'r desU fraude e disting
vi: 1 dulcir salsa parrilba de Sands
da lalsificada, e recentcmente a-
qui ebegada ; o annunciante faz
ver, que a verdadeira se vende
nicamente em sua botica, na ra
1 i,1 ConceicSo do Kecife n. 61 ; e ,
alm do receituario que ncompa-
nlia cada frasco, tem cmbaixo da
priiueira pagina seu nome inipres-
so, c se adiar sua firma em ma-
nuscripto sobre o involtorio im-
presso do mesmo' frasco.
Moinho. de vento
com bombas do repuxo para rograr hortas
ebaixasdecaplm nafondicfindf D. W Row-
man:na ra do Brumns.6,8fl 10.
II.'pii-ilii
  • san l"- nu Huilla.
    Vende-se,em casa de.N. O.Biabar A C,
    na ra da Cruz 11. 4, aIgoilfio transado a-
    quella fabrica,muitopropnoparasaccosde
    assucareroupadeescravus.porpregocom-
    niudu.
    a 130 rs. o covado ou 4,5oo rs.
    a peca.
    Na ra do Queimado. loja n. 3, vendem-( lofica'bomeopatbica
    se chitas escuras muito boas, o de liniios a. t <,,,. oK
    malizes, pelobaratissimoprecodeliOrs.o ^ 28 ra das t nes 2
    covado. ou 4 500 rs. a peca ; bem comoou- ^ Ha para so vender slgumas caixas
    tras fazendas baratas. i t ricas com medicamentos cm tintura.
    Cal virgem de Lisboa. j ON. urna sera .companli.da do um
    ,. O 1 frasco com glbulos inertes
    Vende-se superior cal virgem, | mei0 de os pr0lirar.
    chegada ltimamente de Lisboa, c
    por preco muito em conta: no ai-
    mizein do Caes da Alfandega n.
    7, ou a tratar no escriptorio de
    Novaes & Companhia
    Trapiche n. 34.
    Fazeiida da moda.
    Vendem-sn superiores cortes de cambraia!
    de salpicas hrancos do cor, pelo diminuto1
    progo de 3,500 rs.: na ra do Crespo, loja l'iio brande,
    Em casa de J. K.eller &
    Companhia na ra da Gru n.
    55, ha para vender dous excel-
    lentes puno* fortes, e de urna das
    melhores fabricas, chegados lti-
    mamente da Europa.
    Batata, novas
    Grandezas, em gigos de 4o li-
    bras, chegadas no brigue Cesar ,
    por precos muito commodo. : no
    armazem da travessa da Madre
    Dos n. ai.
    A 3,000 rs. o corte.
    Na loja da esquina, quevolta para a ra
    do Collegio n, 5, vendem-se cortes de melas
    casimiras a 2,000 rs., e bonitos cortes de
    cambraias francezas de cores, a 3,200 rs. o
    corte.
    Vende-se cha hysson muito novo, e de
    superior qualidade, por preco commodo; e
    em lotes a vontade dos compradores ; no
    escriptorio de tlatbeus Austim & Companhia
    na ra do Trapiche n. 36.
    FOTASSA.
    Na ra de Apollo, armazem n.
    2 B, de Leal Reis, vende-se por
    preco ra.-oavel, muito nova e su-
    perior potassa, chegada ha pouco
    do Bio de Janeiro.
    A 1,280 ris !
    Vendem-se cortes de las para calca, a
    1,280rs.; na ra do Crespo, loja n. 5.
    mansa de tomates
    Vende-se
    armazem n. 20. I para tempero; tinta de marcar r-
    - vendo-so um escrava crcoula, boa en- ]l 1 ',., .
    gommadeira, cosinheira o costureira : na pa, e potes mu lindo, para con-
    rua bella n. 16. servar rap, e de amanhaa por di-
    Pla ra do Crespo, loja n. 6. ante i,aver sorvete ao meio dia e
    Vendem-se superiores corles de cambraia __-_ a
    de salpicos, com 6 l|i e 7 varas, a 3,50o e de noute, na loja de Hourgard.
    ,000 rs.; cortos de cassa chita, de novos 1 Carnauba.
    goslos, a 2,240 e 2,500 rs.; cassa franceza a '. Vende-se a rtiais superior cera de carnau-
    440 rs. a vara ; cortes de hrim trancado es- ba quo ha no mercado, por menos preco
    euros e mescMos, a 2,000 rs. ; panno fino do quo em qualquer parlo, em eonsequen-
    prolo, a 3,000 e 4,000 rs.; lencos de cambraia >ia de so querer acabar; na ra da Cruz,
    Uc linho, a 480 rs.; ditos de cassa grandes, confronto o cbafariz n. 19.
    ;a i6i) i s; lisiado .Minhoa iso rs. o covaao | p0lassa da Uussin, e cal virgem
    o umitas oulras fazendas cm canta.
    Vcndcm-se saccas com fa-
    rello de 3 a 4 arrobas : no ar-
    mazem de Antonio Annes, no caes
    da Alfandega.
    o armazem da rua do Trapiche n. 17, de
    Jos Kerreira Basto, ha para vender superior
    potassa da llussia, chegada ha pnucos dias,e
    cal virgem da mais nova que ha no mercado.
    Chapeos do Chily.
    Vendem-se chapeos do Chily de todas as
    <"**#**#'****'***^** qiialniadcs, por preco muito barato : na rua
    e o
    do Crespo n. 23.
    Vende-se muito em conta urna casa si-
    tuada na Casa Forte, tendo de frente duas
    janellas e uma porta, bom quintal com arvo
    res de fructo, e excellente cacimba : as pes-
    soas a quem semclbante negocio wnvier
    queiram dirigir-se a rua Imperial n. 79.
    N armazem de Jos Joa-
    quim Pereira de Mello, defronte
    Vendom-se asseguintes sement: .
    nabos.rabanos.rabanetesencarnailosebran-jdo gllin Jaste da Alindega, ven-
    os, ebola, eouve trinxuda, ")f*ce,B!8- 'dem-se superiores btalas, a. me-
    nina, repulhuda,chicoria, senoulas, foijfio
    carrapato do tros qoalidades, ervilba torta e
    na rua co, ,jretai fayfi coontro do touccira, salea, to-
    ' males grandes, repolho, couve lombarda,
    sahoia,.c muslarda na rua da Cruz n. 46,
    defronln do Sr. doulor Cosme.
    Vendc-sc superior mate do
    II. 6.
    l'otas.sa amenc na.
    No antigo deposito da cadnia velha, n.
    12 existe urna pequiun porfn de potassa
    das Cruz do Bccife armazem
    u. 6:>..
    .-Vendem-se amarras de ferro; na "i da
    Seiizalln [Nota n. 42
    aiiioiicain,chegadarccoiitoincnti< quo por -;. i: A,...
    superior rlvallsacom a da Russla: vende- Farinhade mandioca a 1,600 is. a
    SilCCU.
    No armazem do J. J. Tasto Jnior: na rua
    ilAmorim n. 35.
    Vendom-se lonas, brinzo, brins, e
    lliorcs que ha no mercado, viudas
    de Lisboa, pelo brigue Flor do
    Mar, pelo barato preco de 800 is.
    a arroba.
    Lotera da Matriz da Boa Vista,
    muito novo : n aua j^ ,0:000,000 e 5:ooo,ooo ders.
    Ka loja de miudezas da praca da
    Independencia n. 4 vendem-se
    bilbetcs inteiros, meios, quartos,
    quintos, decimos e vigsimos, que
    corre imprelerivclmcntc no dia 26
    do corrente.
    Bilheles inteiros 10,000
    Meios bilheles 5,000
    Quartos 2,600
    Quintos 2,100
    Decimos 1,100
    "Vigsimo. 600
    Casamento.
    nrnadr Ano arinaicm deaJe.Cal-1 V a" ,1" Vcndem-se ricos vostidos blancos de se-
    Jni*cm.Phl.r.cha?n.i.nieu,enie triz da iioa Vista Corre iniprcte- i, ochsmalole bordado; na lojs do wbr.-
    hi>ns 5Urlimenloa delaia de ferro coadoe rveln,enle IiO (lia 26 lie OlltubrO !do amerello, na rua do Quclmado n. 29.
    Latido,tanto rasa comofiiudasao Ciras todas de Ierro para auiuiae, agoa, etc., do Crlente anno, C estao CXpStaS 1 Sjwwrm ul "
    ditas para armar cm madeira de lodos o la- ven,| a 0S SeUS afortunados billie- l>0Sari0.
    maullse madrlloa o mala moderuo,machina (., J, l-',,rluri. na 1 li 1 c 1 la i> n
    horisoulalparavapor.coinforfadc 4caval- tes C Cautelas da mesma lotera L asa Oa T Ortuna, rua i/irtltd II. 7.
    los, chucos, paasadeiras de ferro catanbado.. rn a linlrripnrlrnria n A Na casa cima e nos lugares docostume ,
    para caaa de pulgar.por menos preco.meo na praca_da IlldCpenaenCia n. l\ |psU g ymii um comp|elo sorlimento de
    se i'or proco razoavcl.
    Deposito de cal c potassa.I
    \') urmuzem da rua da Ca>icia.
    doUecife ll. 12,ha uiuitu Supe-,meiasoiiasda Russia; no armazem de N.
    not cal de Lisboa, cm podra ,, o. weber & Companhia, na rua da Cruz
    -as-tim como potassa chegada ul-: AOs io:ooo.f e5:ooo.s dees.
    timamente a precos muito ra-j y cautelisla Salustiano de A-
    .mavris. quino Per re ira avisa ao respeita-
    Agcucia de Edvvin Maw. ye| pUU|iC0) que a lotera da ina-
    Adamsceado monstro com pal-
    mo, de'largura.
    Vende-se na la do Crespo n. S, na lo-
    ja que faz esquina para a rua do Collegio o
    novo adamascado branoo para toalhas com 8
    palmos de largura pelo. barato prego de
    1,600 rs. a vara, na mesma loja ha um rico
    sortimento de manguitos de cambraia para
    vestido de senhora o mais moderno que tem
    appsrecido pelo preg ds 1,000 rs. cada
    um.
    7* Vendem-se palitos preto mais ba-
    rato do que em outra qualquer parte : na
    rua Nova n. 26 ; a elle., com dinheiro.
    Na loja das seis poitas, defronte do
    - l.ivrameni",
    Contina a vender-se chitas a seis vinlens,
    sete e meia pataca, cassa preta para luto, a
    sais vintens n covado, alpaka do quadros pa-
    ra palitos, a cruzado, camisinhas para se-.
    nhora, a dez tustdes, lengos para mSo
    senhora com flores as pontas, a dous lus-
    to>s, lengos para meninos, a quatro vintens,
    cortes de cassa, a dous mil ris, e oulras
    muitas fazendas que queracabar, e por isso
    vende por pouco dinhoiro.
    -Vendem-se 2 travs de 37 palmos do com-
    primento, e domis de 1 dito de largo;3 paos
    de 32 palmosde qualidade,20 alqueires deca
    de caiar, por junto ou poralqueire, I molho
    deripas.algunscaibros, 2'rotulasuzadas, al-
    gumas cordas de amarrar andaimes,algumas
    Obras de ouro.
    As mais lindas que team vindo a
    esta praca, e de toda, as qualida-
    des: vendem-se em casa de Brunn
    Praeger & Companhia, na rua da
    Cruz n. io.
    - Vende-se vinho de champa-
    nhc legitimo e de superior quali-
    dade : em casa de J. Keller &
    Companb'i na rua da Cruz n.
    55.
    Vendem-se espelhos com mol-
    duras douradas, os mai. ricos que
    teem apparecido no mercado : na
    Jl rua da Cruz do Recile n. 49 ar-
    mazem de L. Schuler & Com-
    panhia.
    A t te nra o.
    A nova taberna da rua da praia de Santa
    Rita n. 43, achaodo-se provida de bons g-
    neros, e tendo resolvido dar a elles eslra-
    (3o com um mdico lucro, declara que na
    mesma se vende- o seguinle:louca pinta-
    da romo seja tigelas, pralos. servidores, ba-
    cas brancas e piuladas, cafe em grio, a 140
    linas do servirjode pedreiro, 2 caizilhos de rs. a libra, vinagre, a 80 rs. a garrafa, azeite
    amarello, com 10 palmos de altura; ludo ba-
    rato : na rua doRangel n. 21.
    Luvas de pelica, a 8oo rs. o par.
    Vendem-se muitu boas luvss de pelici a
    800 rs. o par, Igualmente do outras diversas
    qualidades,taoto lizas,comocom ricos enfei-
    tes : na rua dos yuarteis n. 24, Ibja de miu-
    dezas de Cruz & Baslos.
    doce, a 560 rs. dita, dilo de carrapato, a 24o
    rs., feijn novo, a 400 rs. a cala, arros pila-
    do e de casca, milho,licores da trra,o finos,
    e outros muitos gneros: quem pois se qui-
    zer convencer da verdsdeda barateza desses
    gneros, dirija-se a dita taberna.
    Vale apena 1er.
    Na fabrica de chapeos h. 2, junto so a-co
    -- Vende-se mel de muito boa qualidade, de Santo Antonio, se acha um grande sorli-
    e por preco commodo : na rua da Concordia ment do chapeos e bonets de diversas qua-
    relinacSo n. 8. t lidades e de bonitos gostos, chegados de
    Vendem-sn diccionarios da lingoa por- Tranca, e tambem chapeo* de Braga,do l'or-
    tugueza por Constancio, de ptima enea- to e de Lisboa de differenies goslos equali-
    dernscBo, e por prego commodo : na rua do dades.corno seja badajoesa tala veira, ja notas,
    Sol, casa n. 1, de Elias Baptista da Silva. e muitas outras quahdades, chapeos de lia-
    -- No armazem da rua rua do Apollo n. lis e bonets do mesmo; e muitas outras qua-
    8, vendem-se 20 e tantas travs novas : ns lidades de chapeos e bonels fabricados no
    ruado Sol, osa n. l, de Elias Baptista da paiz.
    Silva. Anselmo Lacaze, com loja de relojoeiro
    Vendem-se 3 molecotesde idadn do 14 noaterroda Boa-Vista, participa aos seus
    a 22 anuos, ptimos para tolos os servicos freguezes que acaba do recebar um surt-
    de campo ; 4 escravos proprios para servigo ment de lindos relogios de ouio.prats.pra-
    de campo; 2 ditos do servico de campo; la dourada, prata folhada de ouro, que se
    2 molaios, sondo um bom cosinhei'o; 2 veodem por prego que hSo de agradarem aos
    escravas de idade do 17 a 21 annos com compradores. Aproveita-se da m*sna oc-
    principio de varias habilides : na Rua Di- casino para lembrar ao publico que concer-
    reita n. 3. ta com toda a perteigSo qualquer relogio
    Vende-so sal do Ass, em po Ira, a bor- quer de mesa, quer de pareJe, ou de lgi-
    do do hiate S. Joio : a tratar com o mestre boira.
    do mesmo, ou na rua da Madre de Dos, lo- Cheguem rapasiada.
    ja n. 34. Na loja pernam bucana da rua larga do lio-
    Vende-se um negro mogo, de bonita sano n. 44, ha grande sortimento de luvas
    figura, e um moleque, muito sadios naiua de pelica para meninos e meninas, a 1,000
    da Paz, cocheira do Antonio llaymundo de rs., para tenhorase homens, a 1,000 rs di-
    Miranda. tas muito fines com enfeites, a 2,500, ditas
    Caixas para rap. ae tnrgal para senhoras e meninas, ditas de
    N. rm ly, imitando as de tartaruga, e por muito
    mais commodo prego.
    7* (ticos leques de madrcperola
    com penas.
    Vendem-se na rua do Queima lo, nova loja
    loes de madreperola de lamanho da cabega
    deom allinete, pouco mais ou menos, a 80
    rs. a duzia, ricas agulbas francezas cm cai-
    xinhas, a 280 rs., agulheiros de vidros.a 160
    rs Otas de veludo abortas e fechadas, a
    1,000 e 810 rs., ricas fitas de se la lavrad, a
    d.Yntoio Joi d. *..: 8. h "nd's de linh0'4 e
    nidos: a clles antes que se acabem.
    . n;. ,-i;-,. .i,., nha, Ula deseda eslreits, a 300 rs. a pega
    T lea. carteiras com cliaru- bolOP| delou(;, #a 200 rs .a grosa, pennas
    teiras. de ago muito finas, a 400 rs. a caixinha, sa-
    Vendem-se as mais ricas carleiras com 'bonetes, a 480 a duzla, e outras mais miu-
    charuteira quo lem viudo a esla provincia, dezas, por psego muito commodo.
    com bolso para charutos, e juntamente uma Na praca da Independencia n. 12, von-
    rica eslampa praliada, representando arvo-,dem-se os seguintos livros : Wrgler, em 6
    redos com figuras de balso, es quaes os,voluntes, um diccionario Magnum Lexicn
    amantes de bom gosto podem procura las'em bom estado, por prego commodo.
    na rua do Queimado, na nova lojademiu-l Vende-se, no Aterro da Boa Vista n.
    dezas n. 47, de Antonio Jos de Azevedo. 88, segundo andar, uma mulata sadia e sem
    vicios, sabendo com perfeigo, lavar, en-
    gommar e tratar de uma sala ; ao compra-
    dor so dir o motivo.
    U cautelisla Antonio Jos
    de cobre, eacovenapara navios,ferro inglez
    tanto em harrascoiuo c ni rcosfolbas,eludo
    por barato preco.
    Araos de ferro.
    Na f undigSo da Aurora, om S. Amato,
    T"dem-SD arados de forro de, diversos
    noielos.
    Gomma de engommar.
    Vendem-se saccas com gomma, muito al-
    va, propria paia engommar c fazer bolinhos,
    por nllo ser secca ao fogo:- na rua do Quei-
    mado n. 14.
    Vendem-sc os verdadeiros selinsin-
    glezes, patente, do molla e sem ella: na
    rua da Sonzalla Nova n. 42.
    VenUem-se relogiou de ou-
    ro e prata, patente inglez: na rua
    da >enzalla Nova ti. .'i.
    AGENCIA
    da fundico Low-TVloor.
    KUA HASUNZALLA NOVA N. 48.
    Reste estabeleeimento conti-
    na a haver-um completo sorti-
    mento de moendas o meia.s mo-
    euduspara engenho machinas
    de vapor, c taixas de fero bati-
    do -.wuo | de todos os lma-
    nnos, para dito.
    .Morullas supci'lorCH.
    Na fuudigSo de C. Starr&i Companhia,
    emS. Amaro,acbam-sevenda moendas
    de canna, todas de ferro, e,um modelo e
    construcgomuitosuperior.
    Vende-se um sobrado de um andar,
    . silo na rua do Livramento : a tratar no aler-
    40 da Boa-Vista n. 10, sobrado; tambem se
    veude uma negra boa quilandeira.
    (Jal virgem.
    Vea ic-so cal de Lisboa a mais nova do
    mercado: ua rua do Vigario n. 19, primei-
    nii iar, oscriptorio de T. de Aquino Konseca
    Ot l'illio, ouoarua do Trapiche, anuzcni de
    Antonio Augusto da Konseca.
    lima eucummenda do cobertores,
    Que por screm poucos
    >.'u pod.em ebegar
    A lodos os compradores, .
    a 1,600 rs. cada um : na rua do Crespo, lo-
    ja u. 6.
    Alerta freguezes
    Que so cnegados,
    Cobertores de algodSo
    Mui!o eiicorpados.
    Na rua do Crcspo.loja da esquina que Vol-
    ti pa/j a Cadea, a 1,600 rs. cada um.
    luiade miudezas de fortnalo l'e- caut-las, bilhetes o meios, da lotera cima,
    cujas rodas breve ser marcado o dia impre
    n.
    i3
    reir da fonseca Bastos
    15, loja de calcado do Arantes ;
    n. 37 c 3q, loja de calcado de Por-
    to &c Companhia, e na rua da Ca- j
    deia do Rccife n. 46, loja de miu-
    dezas de Jo.s Fortunato dos Santos
    P0M0.
    Bilheles 10,600
    31eios 5,3oo
    Quartos a,6oo
    Quintos a, 100
    Decimos 1,100
    Vigsimos 600
    A (IDADE UE PAR S.
    Fabrica de chapeos de sol, na rua
    do Collegio n. 4
    Alm do sortimento j annunciado, rece-
    bcu-sc pelo navio Havre, ultimo vindo de
    Franga, un novo sortimcnlo do chapeos de
    sol do soda o de panninbo, para liomons e
    senhoras, dos ltimos gostos; superiores
    chapeos de sol de seda cuui cabos de cana, o
    outros dos melhores que lom vindo a osla
    praca, que se cootinuam a vonder por me-
    nos prego que em Outra qualquer parle.
    Deposito de panno de algodao da
    fabrica de Todos os Santos da
    Babia.
    Vende-se o bem conhecido pon-
    no de algodo da Bahia, proprio
    para saceos c roupa de escravos,
    a vontade do comprador assim
    como fio de algodao da mesma fa-
    brica -" no escriptorio de Novaes
    & Companhia, na rua do Trapi-
    che n. 34.
    -- Vende-se um escravo perfeilo sspalei-
    ro o bolieiro, por 700,000 rs tifio lem vi-
    cios, nem'defeitos, nem moleslias, o moti-
    vo da venda se dir o comprador: quem
    'quizer, annuncic.
    Lsdrilbos de marmore.
    Veridem-se na travessa da Madro dj Heos
    n. 4 e 6, a elles antes que se acabem.
    Vendem-se duas lindas negrinhas, de 7
    a 8 aunos, proprias para presento do um pai
    urna 111 to : na rua Velha n. SS.
    lerivel do seu andamento.
    Bilhetes 8,400
    Meios 4,000
    Quartos 2,200
    Decimos 1,000
    Vigsimos 500
    lucos leques.
    Vendem-se riquissimos leques de madre-
    perola com as mais delicadas pinturas que
    tom aparecido, e igualmente de outras qua-
    lidados mais commodas em prego : na rua
    dos Quarteis n. 24 loja de miudezas de Cruz
    & Bastos.
    Para voitarete.
    Vendom-se superiores cartas francezas
    para vollarcle, com muito deliradas pintu-
    ras : na rua dos Quarteis n. 24, loja do miu-
    dezas de Cruz &: Baslos.
    Ubreias a 20 rs. a caixa.
    Vendem-se obreias cm caixinhas a 20 rs.
    cada uma.
    Ven lem-so boas saccas, com milho no-
    vo : no Recife, venda do becco Largo, que
    vira para a Sonzalla Nova.
    a rua dn Livramento n.10, sobrado, se
    dir quem vendo duas correles para relo-
    gio, dous relogios, um aderego, duas vol-
    tas, um ponleiro, brincos, altineites, ane-
    lOes, cordes, iraucelins, urna roroa, colbe-
    res de prata para cha, sopa, salvas e outras
    obras de ouro e prata.
    -- Vendem-so marmelada muito nova,
    chegada ltimamente de Lisboa |no brigue
    I ,or do Mar, em latas grandes e pequeas :
    na rua da Cruz 11. 46, defronte do Sr. I)r.
    Cosme
    Vende-so um excellente cabriolet in-
    glez* em estado perfeilo, com cavallo, ou
    sem elle : no bazar 11. 4, da rua do Vigario.
    Vcode-se uma prcla creoula, de 24 a 25
    annos de idade, sem vicios, nem ac'iaques,
    sabendo engommar, lavar, cosinhar e co-
    ser slguma cousa: na Snledade, no sitio dos
    quatro leOes, a qualquer hora se achara
    cum quem tiatar.
    Acha-se ven la a boa pitada de rap
    princeza de Lisboa, em libras e meias,
    vontado do comprador, chegado ultimamen
    te pelo vapor Soverne; na r ja da Cadea do
    Recite, luja de fazendas, de J0S0 da Cunta
    MagalbSes, n. 51.
    Vcude-se 1 Carroga nova para cavallo
    por prego barato : no Caes da Alfandega ar-
    mazem n. 7-
    fticas charuteiras.
    Vendem-so muito delicadas charuteiras, e
    y Bico sortimento de luvas de
    pelica seda e torcat de todas
    as qualidades.
    Vende-se na rua do Queimado, na nova'p,0(]rjues c Souza Jnior avisa
    loja de lli1" 1" '' rL '*r un Antonio l'tttn nn I .....
    Azevedo.
    Estojo, com novalhas finas, a 'teria da matriz da Boa VisU cor-
    1,600 rs. cada um. [re infalivdmentc no dia 36 do
    Vondem-senavalhas muito finas com cabo presente mez, e que OS seus bilhe-
    deunicorne, a 1,600rs. cada um : na rua do rautdaa nup ae psto ven-
    Queimado, na nova loja do miudezas n. 47, les J cautelas, que se. esiao ven
    de Antonio Jos de Azevedo. deudo pelos precos nbaiXO, em Sua
    Lindas carteiros para senhora. |0ja de ferragens, na rua do Quei-
    Vendom-se na rua do Queimado, na nova j 37 j ao Decco a
    loia de miudezas n. 47, de Antonio Jos de 1,, J .
    Longrfgarao : r
    Azevedo.
    Penas de ac muito finas.
    Vendem-so na rua do Queimado, na nova
    loja de miudezas o. 47.
    Capachos compridos, a 5oo rs.
    cada um.
    Vendem-se na rua do Queimado, na nova
    loja de miudezas n. 47, de Antonio Jos de
    Azevedo.
    Cartas para voltaretc muito
    finas.
    Vendem-se na rua do Queimado, na nova
    loja de miudezas n. 47.
    Vende-si farello muito novoe de su-
    perior qualiJade, no armazem de Couvea
    & Blas, no caes d'alfandega.
    Vende-se milho em saccas muito novo:
    no caes da alfandega, defronte do quindaste
    de ferro.
    A aoo rs. a vara,
    Na rua da Cadea Velha, loja n. 33, ven-
    de-se muito bom algodfio da Ierra a 200 rs.
    a vara, em pega do'SO varas.
    -- Vende-se um jogode bancas, assim co-
    mo um loucador, ludo em meio uso: na rua
    lo FagunJcs n. 8.
    Bilhetes
    da I! a
    Aos
    da matriz
    Vista.
    io-
    0001
    5'ooojf
    E ^Hs^SHf nooos
    Na rua da Cadea do Recife n 24, loja de
    cambio de Vieira da Silva, acham-se a ven-
    da os muilo afortunados bilhetes, meios ,
    quartos, quintos, decimos e vigsimos, da
    lotera da matriz da Boa Vista, cujas rodas
    andam impreterivel no dia 26 do corrente
    moz, fiquem, ou n.o bilheles por vender
    advertindo, que ellas s,lo do cautelisla Sou-
    za Jnior.
    Cootinua-se a vender manloiga nzje-
    za nova, a 480 e 560 rs. : no pateo do Carmo,
    venda nova n. 20
    -- vende-se efectivamento cal preta e
    branca muilo (ina, por caminado prego : na
    taberna da rua do AragSo b. 8.
    -- vende-se, em (Jojanas, na loja de Ma-
    uoel Alvos da Silva Cavaleante, no becco do
    l'avfio, folliinbas de padre, de algibeira, e
    poiia, para o prximo vindouro auno de 53,
    na mesma rua
    ja de ferragens n. 12 de Joiio
    Baptista Rodrigues de Souza j no
    aterro da Boa Vista, loja de miti-
    dez-is n. 48 de Antonio da Silva
    Gusmao e na rua da Cadea do
    Kecife, loja de cambio n a4 de
    Vieira da .Silva, sao pagos logo os
    premios, "que nelles sahirem na.
    inesmas lojas.
    Bilhetes inteiros 10,600
    Meios bilhetes 5,3oo
    Quartos 3,6*00
    Quintos 3,100
    Decimos 1,100
    Vigsimos 600
    Dinheiro a vista.
    No aterro da Boa Vista, venda nova o. 49,
    pintada de azul, vende-se o seguinle :
    Manleiga ingleza, libra 720
    Cha do melhor 2.240
    Hilo 2,000
    Ditodoprelo 1,920
    Espcrmacelo 720
    Velas de carnauba 280
    Toucinho 240
    familia de aramia 160
    Dita do Marauhfio 140
    Chocolate 320
    l'.nii-o, coi.-i 560
    Milho alpista 800
    Azeiti doce, gsrrafa 610
    Vinagro de Lisboa 120
    lie baratisaimo e no cheg;
    a todos.
    Vendem-se bahus de madeira
    envernisados, de 13 at 30 pole-
    gadaa, com fechaduras, os quaes
    servem para guardar costura e
    roupa de cria 119a,' pelo, baratos
    preros de 800, 1,100 e 1,44 r8> :
    no Aterro da Boa Vista loja de
    sapato. n. 58.
    Vendase nm preto de nagfio Angola,
    para fra da trra : na rua do Queimado n.
    67, loja de fazendas.
    Vinho do Porto superior feitoria.
    Vende-se a 49,000 rs cada barril : no ar-
    mazem de Barroca & Castro, na rua da Ma-
    dre de Dos n.26.
    Escravos fgidos.
    carleiras o melhor que lera aparecido neste as quaes estilo esto anuo muito inleres-
    mercado. sanies.
    assim como assacar retinado o melhor pos-
    - vcl, 1.1 uto em libra, como em porgfio, a 100
    e 80 rs., e outros mais gneros que se fsr
    o prego t vista do comprador : na mesma
    venda precisase alugar um moleque, que
    seja fiel.
    Vende-se a 1,600 rs. saces, com l-iri-
    nha do Aracaty, para se fechar contas : na
    rua do Amorir n. 36.
    Itemadlo especial para houbase cravso
    seceos contina a vender-se na rua do Ban-
    gel, botica que fui do Imada SebistiSoJos
    de Oliveira Macedo.
    Gesto*
    Vonde-so gesso embarricas, chegado l-
    timamente : eni casa de I. Keller I Compa-
    nhia, ua rua da Cruz n. 55.
    Charutos de llavana.
    Os melhores que teem vindo a este mer-
    cado : vendem-se continuadamente, om ca-
    sa de liman l'raeger & Companhia, na rua
    da Cruz n. 10.
    100,000 ra. de gralificaco.
    Esta desappareeido desde 14 de fevereiro
    de 1844 o preto Jofio.de nagfio cassange.de i-
    dade da 38 a 40 annos de estatura regalar,
    con falta de nm ou dous denles da frente
    na parle superior, tem os turnozellos e om
    pe* oveiros, e*n outro lempo tinba na cand-
    a de uma das pernas uma chaga ; talvez ja
    estoja boa ou cicatrizada : quem o aprehen-
    der lave na rua do Queimado n. 16, que ah
    sedira'quem he o seu senbora est dar a
    qiiantia promottida.
    100,000 rs. de gratificado.
    Desappareceu no dia 7 de malo prximo
    passado, o pardo Leonardo, de idade 18 sa-
    nos pouco mais 00 menos, e tem os slgnaes
    seguintes: bailo, o pello um tanto mani-
    do para dentro, cabello carspinhado eateao
    mel da testa, e falla descaogado. Este es-
    cravo vinha todos os dias vender leile no Re-
    cife, de um sitio na Roa-viagem, pertancen-
    te a Joanna Maria dos l'assos, de quem foi
    escravo: quem o apprehender e trouxer na
    rua da Senzalla Velha n. 60, segundo andar,
    receber a gratificagfio cima.
    Desappareceu no dia 6 do corrente um
    moleque por nome Benedicto, da idade de
    ti annos; l*vou caiga de casemira eaeura
    com lislrasazues, e camisa de madapollo;
    cor cutre-fula, pus o mfios pequeos, bocea
    grande,os denles todos perfeilos; levou tam-
    bem ums muxila com quatro patacas em ca-
    bre; consta que anda pela Passagem da
    Magdalena dizendo que he forro, j anda
    com chapeo do palha novo, a roupa muito
    suja e resgada, he muito peralta o mentiro-
    so, eostuma mudar o nome quando foge, e
    aegar os senhores: quem o pegar leve-o na
    rua da Praia n. 55, na typographis.
    Ha um mez, pouco mais ou menos, de-
    sappareceu um preto por nome Manoel,cre-
    oulo, e ofllcial de alfaiate, bastante conhe-
    cido nesta praca,por j baver Irabalhadoem
    muitas lojas, o qual pertence ao abaize as-
    signado, e tem os signaes seguintes :hal-
    lo, quebrado das virilbas, um pouco grosso
    do corpo, cor preta, olhos grandes, tea tres
    cicatrizes no hrago e mfio direita de uma
    operagfio que navia soffrido ha pouco no
    hospital ; he de presumir que ande por esta
    cidade, visto ser dola natural, e ter alguna
    parentes: roga-se as auloridadea policiaas e
    a toda e qualquer pessoa, a captura do mes-
    mo, e o favor de o mandar entregar nesta
    cidade em casa do senhor subdelegado da
    Boa-Vista Rufino Jos Corris de Almeido;
    e na cidade do Rio-Formoso a Francisca
    Cbristina Lins, quesera generosamente re-
    compensado :' o mesmo abaixo aasignado
    protesta rom todo o rigor da le, contrae-
    quella pessoa, quem quer que soja,que o li-
    vor occullado.Francisco Caldas Lins.
    Desappareceu no dia 15 do passado, as
    7 boras da noite, do Hotel Recife, o pardo
    Exequiel que foi do senhor Lniz Rodrigues
    Sette, e como pelas circunstancias que pre-
    cedern! esss fuga presums-se que ella
    procure a todo custo evsdir-se, roga-se as
    autoridades policiaes que o recommendem a
    seus inspectores e pessoas de confianca,aflm
    de ser descoberlo e capturado : o pardo be
    baixo, de idade 25 annos, meio corno, sem-
    blante carregado, tendo uma pequea cica-
    triz na face, anda calgado e fuma : levou
    chapeo de seda preto, e anda com uma ben-
    gala (ina ou junco, e inculca-se por forro ;
    anda frequentementeno bairro da Boa-Vis-
    ta aonde sempre he encontrado : quem o
    pegar leve-o a rua do Trapiche n. 5, que ser
    recompensado.
    Desde qusrta-feira quo est fgido o
    muleque Anlonio,que vende tapioca ; levou
    caiga, e carniza azul, com cularinho encar-
    nado, e manga curia, levou um taboleiro
    grande envernizado Ae encarnado com pez;
    consta que anda sem taboleiro ; elle lem na
    cabega urna falta de cabello que parece croa,
    e un p direito tem o dedo junto do dedo
    mnimo tito pequeo que faz uma grande
    differenga dos uniros,de sorle que faz muito
    visivel. redo-so as autoridades 9 capitfies
    de campo que o prenda m e o levem a Soli-
    dado n. 42.
    No dia 16 do corrente mez de outubro,
    desappareceu um preto creoolo do 25 annos
    de idade, estatura baixa, grosso do corpo,
    nariz chato ps grandes e largos, mfios ,
    grandes, com uma costura no beigo inferior
    levando vestido camisa e caiga de algodfio
    e uma sobrecasaca de brim pardo. Quem o
    pegar leve-o na rua da Sania Cruz sobrado
    do um andar, n. 7k
    -- Dessppareceu no dia II do corrente ,
    um preto creoulo, de nome Marcellino, re-
    presenta ter de 35 a 40 annos de idade, al-
    tura regular, cheio do corpo, barbado, le-
    vou calsa e camisa de algodfio trangado ,
    chapeo de palhinba amarello j vcliio. mui-
    to regrista, he conhecido por Marauhfio, por
    ter sido escravo do Sr. Jos Pires de Albu-
    querque Maranhfio, a qurm foi comprado,
    por intervengan do Sr. Manoel de Souza Pe-
    reira, consta ter andado por Apipocos e S.
    Lourengo, sonde tem mili e prenles; ro-
    ga-se as autoridades policiaes e capitfies de
    campo, a captura do mesmo escravo, e ron-
    do /i- lo a seu senhor Anlonio Maia .Cortes,
    oa rua das Larangeiras n. 28. O mesmo
    protesta contra quelquer pessoa que o te-
    lilla oceulto.
    Dessppareceu no meiado do mez pr-
    ximo passado, um moleque de nome Ma-
    noel, com os signaes seguinle* : baxo ,
    magro, tests larga, olhos grandes e muito
    vivos, levou calsa de casimira j usada, e
    camisa de mcadinhoencanardo, consta que
    tem sido encontrado nesta cidade, e no Pogo
    da Panella : quem o aprehender, lev-oa
    rua larga do Rosario, no segundo andar do
    sobrado n. 33.
    -- Acha-se fgido desde o dia segunda- fei -
    ra, II do corrente, o preto Honorato, de na-
    go Angola, de idade 50 annos pouco mai*
    ou menos, com os signaes seguintes: es-
    tatura baixa, corpo regular, pernas curtas,
    pos torios e apalhetados, e uma cicatria de
    talho sobre o nariz: levau camisa e caiga de
    algodfio groso americanos o dito escravo
    foi do Sr. Ju.Vi Jacintho de Ornara que.o
    houve por compra do Sr. Luiz Justiniano de
    Sunca Borba ; he de suppr quo tenba se-
    gu lo para as bandas do Serinnaem ou Ipo-
    juca, por'ter .sido desses lunares : por isso
    ruga-sa a quem o pegar, de leva-ioatraz da
    matriz da Boa-Vista, sobrado n. 18, ou na
    rua do Trapicha no Recife n. 36, primeiro
    andar, que se gralilicar o seu trabalho.
    .,
    Psrh. : TvP. db M. K. di Faru. 185.


  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID E5CFWS2EO_RK9J5Z INGEST_TIME 2013-03-29T16:19:34Z PACKAGE AA00011611_03368
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES