Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03359


This item is only available as the following downloads:


Full Text

1
Anuo XXV111
-a-
Terga feira 12
DIAKIO IIK
;
deOutubro de 1852.
N. 230.
PERJUMBUCO.
IA^BA *>. AOTSIBWClAn.
aaaoo a* sboh.ioao,
FlUUlIO AllUKTtDO.
rdr tfIwestre .i...... a#
Por Bimestre .;.....
Por abbo ..............
Paoooxntxo lounimi.
Fot quartel.............
oiioiiiBomriBio. I' "ti. S. Thereta deg, e 6. il 10 horas.
Para.... 18 deScib.Min......I de Agosto/ J. nrj*M.
Manabas. 2 de dito S.Paalo. Tdedilo IIBSab. S. Bercharlo. 4. eiabadosao raelod.
Cear.... 21 de ilo R. dej.. JO de Selbr./I? Dom. 20. Eduvigei julses.
Pirahlba eOutbr. Rahia... 29 de dico I nio de S. Joi. |Tercai e libados,
4/000fti Seg. S. Kicaclo.
8/OOOll-j Tere.Sa. Prliclano e
15/0001 Domnina.
|l3Quart. S, Daniel.
4/ft0o|i i Qulnt. S. Cadillo
Jado 4. OrpM
I.eJ.i lOhorai.
I. tara docitll.
3. e 8. ao melo-dU.
airada.
aalBza
Cteieeate 3o, silboraieSi minuto das
Chela a 28, ai a horas 21mlauto da m.
MiDgoanlc 48, ai 8 horas 18 minutos da m.
Ilova i II, ai 4 honi e 46 miauloi da n>.
- niAUai o
Prlmelra Segunda i 1 horu e 8 mlauloi daaaaabti.
""' ao* oomioa.
flolana.e farahlba, neguada lextai-
felrai.
Rle-Oraada-da-IleHC a Victoria ai qBlata. _
lelrai
Boa lio, Caraira, eOaraahaB ao i'e il decada
aro.
rl*rcs,Ouricury,r.xii e loi-Vlita 413 s 21
Ollada.iodoioa dial.
Todoi o Correioi parlara ao me lo-di.
OTICIAS BITaAlTBBIBAB. "
Parlugal
Heipaaha
I Franca
Blgica.'.'.
llalla..!-.
Alemanba
Proiila ..
Dlnamire
Rutila..
Turqua.
14 deSelbr.
lodedllo
8 de dito
I de dito
4 de dito
3de dito
;3 de dito
a II de Agt.
:9 de dito
25dedllo
Austria 1 deSetbr.
Sulna..:. *de dito.
Surcia... 28deAgoilo
Inglaterra 8 de Setbr.
E.-Unidos 20 d'AgoltO
Mnico.. de dito
Callforala Ib" de dilo
ChIU. 9 de dito
Humos-A. I de Julho
Montevideo 5de dito
CAMBIO! II II BI ODTBBO
Sobre Londres", a 2s por i/OOO d.
a Parla, 36fl
Llaboa, 'J por canto.
BITAII,
Ouro. Onca hespanholas......:..'.. 29jTJ0P
Heedaa de 6/400 relhaa..-...... 16S00O
> de6#400aoTai........16/000
a de 4/000............... 9/UW
Frata.Pataedeabraallelro........... DM
Pcaoacoluinnarioa............ ljrV"0
Ditos mexicano............... 1/80U
PARTE OFFICIAL
MINISTERIO DO IMPERIO.
DECRETO N. 619 DE 12 DE JU.>H0 DE 1852.
Desannex di provincia do Para e incorpo-
ra ta do Maranhao todo o territorio entre
u ros Tury-Ass e Curupehy.
Mei por bem Mticcionar e miDdir que se
execute a seguinte resoluc,8o da sssembli
gen I legislativa:
Arl. nico Fici deaonexado di provm-
eia do Par, a incorporado na do M iranh.lo,
todo o territorio eolre 01 rio Turl-Aas e
Gorupoby, serriodoeate ultimo rio de li-
mite ambas as provincial, oo obstante
quaesquer Hs o dispusieres etn contrario,
que |icm revogadas.
FranciscoHoncalves llattins, do meu con-
selho, ministro e secr-lario de estado dos
negocios do imperio, sssim o lenha enten-
dido e faca ezecotar. Palacio du Rio de Ja-
neiro, em U de julho de *,852, trigsimo
primeiro da independencia e do imperio.
Com a rubrica d S. H o Imperador.Fren-
' ciieo Goncalves Martin.
DECREI'0 R. 'I DE 13 DE SETEWBRO
DE 18.1.
Altera, a diviiSo dos collegio eleitoraes de di-
vert provincia feilo pelos rcspecUvos
presidentes m eirfude do art. J da le de
19 dt a/oslo de 1846.
Hei por bem aancciomr e miniar que se
eiecute a reolucto srguinte da assembla
geral legislativa : .....
Arl. 1. Adiiiso de collegios eleitorses
fei pelos presidentes das prorincus de Mi-
nas, Baha, Permmbuco, S. Paulo, S. Po-
dro do Rio Grande doSul, Sergipe, Cear,
Matto-r.rosso Parahyba do Norte Para ,
Rio de Janeiro e Maranhao, em virluda do
art. 6 da lei de 19 de agosta de 1846, Bes
alterada da maneira seguinte :
I. Na provincia de Minia Geraes licim
creados sete collegios eleitoraes:
1. O deS. Domingos de Minas Novas, com
posto dos eleitores das freguezias de S. Do-
mingos de Minas Novas, Calhao e S. Miguel.
8. O da villa de Piauhy, composto doi
eleitores das freguezias de Nossi Senhora
do l.ivramenio, de Pliuhy e Santa Aona de
Rambuhy.
3. U da villa de Santo Antonio da Piraby-
buna, composlo dos dloilores das fregue-
zias de Sanio Antonio da Parabybuaa, Nus-
si Senaora da Gloria de Simio Pereira, Nos-
sa Senhnra da Assumpcao do Cbpao d'Uvas,
e S. Jos do Rio Prelo.
4- Oda villa do Rio Preto, composlo dos
eleitores das freguezias de l'assos do Rio
Prrto e < ;oneoic8n de Ibitipnca, flcando ex-
melo o da Dores do Rio do l'eizc.
i. u d"S Jos Dores de Alfems, com-
poslo dos eleitores das freguezias de S. Jos
e Dores de Alienas, Carino da Esctrimuca,
S. Joto Bastilla do Douradlnho c S. Joa-
qun.
I. O de S. Francisco de Paula do Ouro Fi-
no, composlo dos eleitores das fregueziis
de S. Francisco de Paula do Ouro Fino, e
e Bom Jess do Campo Myslico.
7. O da villa Chnstina, composto dos
eleitores dis freguezias do municipio di
neima villa.
$ 3. Na mesma provincia licnm peilen-
cendo:
I. Ao collegin da cidade do Serr os elei-
tores das fregueziis de S. Sebastio dos
Correntes e S. Miguel de Guinhas.
3. Ao collegio da villa de Uberaba os lei-
torea da frrguezla de Sania Anna do Rio das
Velbaa.
3. Ao collegio da ci Jado deParacit os
eleitores da freguezia da Penha de Burity.
4. Ao collegio da villa do Mir de llespa-
nha os eleito.es da nova freguezia de Santa
Rila, creada pela le minora de 10 de ou-
tubrode 1851.
$ 3. Na provincia da Babia Gcsm creados
sete collegios eleitoraes :
1. O da villa de Jagunibe, composto dos
. eleitores das fregueziis do municipio di
mesma villa.
3 O da villa da Alibadia, composlo dos
eleitores da fregueili da mesmu villa.
3. O da vil'o de Santa Rita do Rio Preto,
composto dos eleitores da freguezia di mes-
ma villa.
4. O da illa de Motile Alto, comrosto
.. dos eleitores da freguezia da mesma villa.
5. 0 Os vvilla de Pimh, composlo dos
eleilores da, freguezia da mesma filia.
6. O da villa da Tapera composto dos
eleilores da freguezia da mesma vill, e da
Ptdra Branca.
7. O da villa de Sanio Antonio de Alagoi-
nha, composlo dos eleitores das freguezias
da mesma villa, e dos Prazeres do munici-
po de Inhimbupe.
4. Na mesma provincia ficam perlen-
cendo ao collegio da cidade de Santo Amaro
01 eleitores da freguezia de Sahara.
$ 5. Na provincia de Pernambuco ficam
creados cinco collegios eleitoraes :
1. O de Aguas Bellas, composto dos elei-
torra das fregueziis de Aguas Bellas e Bui-
qne.
3 O da villa de Ciruitu, composlo dos
eleilores das freguezias deS. Caetano das
Raoozas e S. Jo do Altinbo.
3. O di villa de Cimbres, composto dos
eleitores das fregnezin de Nossa Senhora
dai Montanbis, de Cimbres e de Nossa Se-
nhora da ConceicBo da Lagos de Buzo.
4. O da villa de logizira, composto dos
eleitores da freguezia da mesma villa,
5. O da villa de Calimb, composto dos
e'eiloros da freguezia da mesma villa.
. j 8. Na mesma provincia Hcam transfe-
ridos :
I. O collegio do Ezu para Ouricury, com-
posto dos eleilores das freguezias do Ezu,
Ouricury e Salgueiro.
3. O collegio de Flores para a Villa Bolla,
composto dos eleitores das freguezias de
Flores, Serra Talluda, Floresta e Taquara.
i 7.* Na provincia de S. Paulo tica merca-
dos 3 collegios eleitoraes :
t. O da villa da S. Roque, composlo dos
eleitores das freguezias de S. Roque, Uua,
Arisiariguama.
3. di villa de S. Jlo do Rio Claro, com-
poslo dos eleitores Jas fregueziss dos muni-
cipios de S J0.10 do Rio Claro, Limen.1 e A-
laraquiri.
3. O da villa de Bragauca, composlo dos
eleitores das freguezias dos municipios de
Braganca e Atbala.
$ 8. Na niesuu provincia ficam perlen-
cetido ao collegio da cidade de Jacarahy os
eleilores da freguezia do llairro Alto.
* 9. N provincia de 8. Pedro do Rio
Grande do Sul flea creado um collegio elei-
loral na villa de Tiquary, composto dos e-
leitores das fregueziis do municipio da mes-
ma villa.
10. Na provincia do Sergipo ficam cre
dos 3 cologios eleitoraes.
I. 0 da villa de Itabaiina, composto dos
eleitores das freguezias de Itabaiana e Cam-
po de Brito.
3. O da Villa Nova, composlo dos eleito-
res das freguezias do muoicipio da mesma
villa.
3. O Ha cidade de Larangeiras, compoito
dos oleitoroi das fregueziis de Larangeiras e
Soccorro.
cendo ao collegio de Maroim os eleitores da
frecuezii deS. Amaro.
$ 12. Na provincia do Cear ficim eres-
dos dous collegios eleitoraes :
1. O da Villa Vicosa, composto dos eleito-
res da freguezia da mesma villa.
3, O da villa de S. Bernardo das Russas,
composto dos eleitores da freguezia da mes-
ma villa.
$ 13. Ni mesma provincia ficam perten-
cedo io collegio da villa de S. Matheus os
eleitores da freguezia doAssiri.
$ 14. Na provincia de Mato-Ciosso (uve-
ra 4 collegios eleilores :
1. 0 da cidade de Cuyab, composto dos
eleilores das freguezias do municipio da
mesma cidade.
2. O da villa de Nossa Senhora. da Coo-
ceicfio de Albuqurrque composlo /Jos elei-
tores das frrgU' zias do municipio di mesma
villa.
3. Oda villa do Alto Paraguay Diamanti-
no, composlo dos eleitores das freguezias
villa.
menudos com a quinta parla da sua Impor-
tancia, continuando porm a regalar, para
os vCDcimenloa de reforma t penadei do monte
po, a tabella da le n. :60 do primeiro de de-
zembro de 1841.
Art. 6. Sao pernunentea, e terao vigor des-
de J aa diapoaicoei doi arts. I, I e 8.
Art. 1. Flcao revogada aa dlapoiir,0ei em
eootrarlo.
Mandamos por Unto a loda asautorldadea, a
quein o conbeclmenlo e execuciio da referida
lei pertencer, qae a cumpram e faci cumprlr
e guardas tao inicuamente como nella se cn-
ico. U secretario da calada dol negocios da
marlnba o tac Imprimir publicar e correr.
Palacio do Rio de Janeiro, em 31 de julho de
I85? irigeaiino primeiro da independencia
do Imperio Imperador com rubrica e guar-
da /arail da is'es t FaKoneallw.
Caru de le pela qoal V. M, Imperial man-
da circular o decreto da anemblsa geral le-
gislativa, que huufe por bem aancciomr, para
regular a forja naval 00 ar.no flnaocelro. que
ba da correr do prlnelro de julho de 1853 al
ultimo de iuuho de 1854, na forma cima
declarada Para V. M. Imperial ver Her-
mmtgiUo da Cmha Hikeiro Ftij, a fet Joi
Ildefonso de Souso Aarnoi.
alia da chancellarla do imperio, em 6 de
agosto de 1852 Jen no do Nucrnoslo Silva,
Registrada.
Foi publicada a presente lei neata secretaria
de astado dos negocios da marlnba em ^ de
agosto de 1162 francisca Aaiirr Bomlimpo.
Lei n. 656 Je 18 re 0901ro re |852.
Authorlsa o goveroo a deipeod'r al oito cen-
toa contos de ida na acquiaifso de vaporea.
Dom Pedro Segundo, por gra;a de Dos,
ando, Jos Nicolao Machado Jnior. |lbodei850, derla o Inipectoc decidir sobre
Capillo quartel-roeitre dilo.Anlonio Vi ni- multa Imposta pelo colector, e nao submetter a
ri de Arauio i cjneiUo ao tribunal do tneaouro, quein so-
IMaM.Mtat- 'a- j:,- -1- ii-ji-;____ 1- I mente compete tomar conbecimenlo de quei-
CirurgUo-mor dito,l-oiz Rodrigues Pe-! 10e,iemeunlei, qu.nd .. ,,, a elli re-
correm das deciidfs das ibeaourarias; convlo-
rer
Fo-am reforma los nos meamos postos 01 0 que o roeamo Inspector observe s que prea
coronel da ezlincla legiSo da guarda naci-, creve o eludo regulamento, cujas formulas
nal do municipio de Santo Amaro, da pro- cumpre nopielerlr.
vinera da Baha, Ignacio Borges de liar-1
ros.
O coronel chefe da extineta primeira le-
giSo da guirJa nacional da capitl I di pro-
vincia do Maranhao, Antonio Jansen do
Paco.
Major ajudanle d'ordens do extincto eom-
GOVELINO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA I DE OUTUBRO.
Olllcio Ao director Interino do curso ju-
ridicode Olinda dliendo que o nfnelo em que
mando superior da guarda nacional da dita' S.S. eipoe oa receloa de que hsja alsam dls-
capital, Jos Ferreira Barbosa.
Foi reconduzidoo Dr. Domingos Ribei-
ro Folha no lugar de juiz municipal e de or-
phlos do termo de Minas do Rio de Contis,
Ja provincia da Usina.
Por rlerrelo de ai afta setemero trrenle.
Mandou-se conservar aos commandantea de
turbio entre os eatudantea por occailio de dar-
le o ponto fol entregue hoje so meio da, e que
val dar ai providencias nrceuariai para evl-
Ur conieqoenciai deaagradaveir, lembrando
entretanto i SS. que na qoella cidade eiiate um
destacamento de 24 pracas, commandado por
o in o Diera I, e que ao delegado e aubdelegados
de polica compete empregar os ineioa que as
companbla do primeiro c segundo batalho de "els facalU para mantera iranquilidade pu-
Infaouria da guarda nacional de Nlclberobj blica.-Offlciou.se a leipelloao delegado damei-
Caldino Fraucisco Frougeth, e Joo Manoel da *"' cidade. .iiv
Silva, o posto de major de que goaavam. | Dito A cmara municlpa do Recife re-
- reformado ao mesmo paila o coronel .g- metiendo, em virtude do qae dlspe o .viso de
nal de
"Kf'no'meado jui. municipal e de orphaos j'm'elrVa abril: do correnw anno, ifi, de que
*. .- r .. ..... .., (">nnn>.l ^ mili iniiiiiillii't .1 'lili I til' IfS ---
Fol reformado 00 mesmo posto o coronel ag- metiendo, em virtude do que dispe o aviso de
regado es.lnct. I. leglao da guarda rucio- J"*'" $ '?, 'j"' *23
al.lo M.ranbo, Scverloo de larroa e Val- "' Au.ill.dor da Industria nacional penen-
e01 centea aoa meses de deierobro de 1151 e de
Foi nome.do jui. municipal e de orphaoa' J'> f .b',lu0 *!J! "ft' $LJ"
doilermoi reunidos de Caravell.i, Villa Vico- franquele a leui muaiclpea le ura de le1-
lae Porto-AIgre, na provincia da Babia, o Ir. Ne.tc senlido offlciou -se as cmaras muo.-
Fcnigoo T.vre de Ollvelra. c paei de Olinda,Gotaana, M*2' "
Fol^perdoadoao padre Joao Rapliila da Mal- ra N.zareih, C-bo. Serlnhaem. Bon'-
ta Velloso a milla .el. metes de prisio e "jhus, rlorei. Brejo e Pao de Alho
uucona,, c u.,.u... ,,.,............. msjlla corre.pondente n.ctade do lempo que W~lrA "'"\'\'Z aue remetlr
r.ieino. saber a todos 01 nosso. aubdltoa. que Ibe foi i.npoila por sanlenca do delegado de ^SAV^^^SSLsmanlltMa
constitucional, e defensor perpetuo do Braiil
du municipio da mrsrn. .
Mandamos por lano a toda ai antboridades
coDbrclQjcalo e eircu^ao da refer-
FoiTperdoado ao padre Joao Bapliila da Mal- rl, Ntarei| C-bo. Serlnhaem. Bonito, Ga-
e unaoima^accaiSaeto dil pvoa, Imperador u Velloso a pena de sed metei de prliao e oh, rlores, Brejo aiPao aa *'no
mal, correapondente a mct.de do. lempo que __?__-;..* S^JSiT&JSgTgjfc.
ao quella cmara ov 10 ae acicmoro ultimo, ao
1 qual a companbou a repre.entae.o, qUC devol-
ro* decreto de 23 de setombro correte: rff do jui de pat de Maranguape.
Foi reconduzido o bschsrel Jos Caetino! Offieio a ote se rt/irt o a cima.
de Andra le Pinto no lugar de juiz de mu- tilia, e Eim. Sr. Solicitando V. E. em
quevemos a le seguiole
Arl. I. O governo rica aolhoriaado a des-
pender at olio centoa conloa de re. aa aequl-
sicao de vaporea, especialmente destinados ao
posto dos eleitores dis rreguezi
cipios de S. I.uiz do Paraguay, Mato-Grosso
e Pocon.
Ra Craode do Sul.
roco.ro. ,,,,, ., 'quemo ce
15. Na provincia da Parsbyba do Norte ,*) |e| pertencer, que a cumpram, e facam
fica creado um collegio eleitoral na villa do cumprire guardar lao ioleirameale como nal-
Citle do Rocha, Composlo dos eleitores da la le conlem. Oiecreurlo de citado doi ne-
frogociia da mesma villa: gocioi da marlnba o faca Imprimir, publicar
16. Ni mesma provincia ficam porten- c '"; |,"'*cio do R,o da Janeiro, em 11 d
cendo
I. Ao collegio da cidade da Arca os eleito-
res da freguezia da l.agdt Nova.
agosto de iH, trijeiimo primeiro da indepen-
dencia e do imperio Imperador com rubri-
ca e guarda. Zaeariai deGes e Vasconeillos.
cipale de orphaos dos termos reunidos de dala de 27 do correte loformacao aj_ cerca da-
atsg e Estrella : da provineia do Rio de Ja- eapella, em que na fg" Maranguap.
,rl. se deve celebrar o acto asa proslmai fulu-
n. 1 a o a- ,.. ., eleicfles, alienta a ruina da mairit indi-
Por decretos de 24 do mesmo mrz ca Foi commotada em 0,000, para o impe- ,,, fregueaia, parece-me que o referi-
rial hospital dos Lazaros, 1 pena de 8 das ,] acto deve ser efectuado na eapella de Pa-
ale prisco em que fol condemnado J080 Jos ratibe, situad, em povoado, e por isso prefe-
da Cunha Guimertes, por s-.ntenca do juiz rlvelado engenho Timb, posto que juuto
municipal da 3* vara da corte. desta eslsta o icverendiaiimo paracbo, idml-
l'oram iinmrailos niilrando 01 Sacramento Deoa guarde a
M.Jrresn.jud.nleVd-ordens docomm.ndo V. *J&*2tt.\STS2&
2 Ao c.legio da vi.. da C.mPin, Gran- ljB^^aaffSSnSS& TcZ tft&mSSSSStt *?"* *" ""**" ""*"
de os eleitores di freguezia ileNsluba. geral legislailva, que bouve por bem .anecio Rj0 de Janeiro, Jos Diss Delgsdo o J0S0 Bar-,'
17. Na provincis do Pili fica creado um nar, aulborl.ondo o goveroo a despender ate
h-gio eleiloral na villa de Muana, com- olto ceiosconloi de rea oa acquiIcSo de va-
...lo dos eleilores da freguezud. MHM Pf mjjmm^igmij. ^^^
. .' u a n a x n quim Mara de Souta a fet. Jos Ildefonso dt
$ 18. Na provincu do Rio de Janeiro fica BUa ..,,
credo um collegio eleiloral na villa do Rio sellada na chancellarla do inperlo, em al
Claro, composlo dos eleitores dss freguezias de agioto da idftj. Jotmo do Hsueimtnto BUsm.
Jo municipio da mesma villa, llegl.uda. Fol publicada a prcenle lei
19. a provincia do Maranhao ficam nena lecret^ria de estado doa negocloa_ da ma-
pertence
lores d
Art.
contrario.
Francisco GoncalvesM selho,scnsdor do imperio, ministro e secre-.
lario de estsdo dos negocios do imperio, as-| Por decreto de I7de selembro eorreiiti fu-
sim o tenha entendido e faca ezecutar. Pa- ram presentidos:
lacio doSio de Jineiro, em 13 de selembro; O conego Antonio Jos da Costa Pereira,
de 1852, trigsimo primeiro da independen- na dignidade de thesoureiro da csthedril de
bosa de Azeredo Coutinho.
CspilBo secretario geral do mesmo com-
mando, Manoel Gomes da Cnnha e Silva. | (.ominando das armas.
Capito quarlel-mestre dito, Jos Custo- Quartel general na cidade do ReelfeW deou-
dio Cutrim da Silva Jnior. tuerode 1852.
Cirurgifio-ardilo, Dr. Friacueo Manoali od m an v 111.
Soares deSouza. | o marechai de campo commandanln das
Tenenle-coronel commindante do 1 ha- >rmas, declara pira conhecimento di guar-
. freguezu de S. Vicente rerrer. Bomlenspo. ( M,jorcoB)m,nallD,edll secc8o do |t,-! p oSr. Jusl,(uunfsM,rques> qu desde malo
2. Ficam revogadss as dispositOesem _______________ IhSo di reservado mnnicipio de Cabo Fiio, de ,8si permaneco ns provincia do Mara-
MINISTERIO D\ JUSTINA.
ca e do imperio.
Com rubrica de Sua Magestade o Impe-
rador -Francisco Goucalves Martin.
MIMSTFRIO DA MARINHA.
Lei n. 646 de 31 d'jnlhode \Sd.
Fias a forca naval para o anno linanceiro de
1853 a 1854.
Dam Pedro II por graca de Deo. e unnime
acclama^ao do. povoa, Imperador conilitucio-
Marianna.
Feliciano Goncalres Negreiros.
MINISTERIO D.. FAZENOl.
EXPEDIENTE DO DA I DESETEMBRO.
A' theaouraria de Mioaa, para inlormar a ra
zao porque, naoobslante as dlaposlcdes dos de- ,3 dMle mez, segundo constou do
__-a_i_j^ .iA .1. a AHita Ja iK'f ainfirlaiaisilaim-i _r ** _
nhilo, ora considersdo com liccnr;a, depois
em diligencia, doonte e licenciado, acaba de
dar nova 1 irte de doeote comprovada por
altestado do subdelegado da freguezia do
Coroat da mesma provincia, onde se aclis,
visto uo poder em lempo rccolticr-se da li-
cenca, que obteve do governo, a qual se ul-
O PadrtfDionysio Antonio Pestaa, na eret0J de 20 de agosto de 1842, e so de saleas.
freguezia de S. Jos do Arar, do hispido do :Dro de 1845, ie fet deaconto para fardamento ornemos prrsiuo
Para. ao primeiro sargento reformado Joao Joi do. correnle datado.
O padre Manoel dos Navegantes Barros Rel, cumprlndo que remeta os documenloa a
s. na freguezii da Conceicfio da ,' que allude o contador da theaouraria na .ua lo-
olliro di presidencia desla provincia de 7 do
/Intento Correa Sfrira.
das Noves
Pona de
parlo.
a rile lar-
EXTERIOR.
roram removidos, por o haverem pedido, I "-/T vi,lo ,er e,peci,i Fa, a companhia de I
os juizes de direilo : I J;f acres de Mato Groasn.
I J0S0 Jos de Almeils Costs, ds segunda
le defensor perpeiuo do Hra.il: f.temoa.a- vira crime da capital da provincia da Baha
beraiodoaoa nonos subditos, nue a aasem- para a comirca de Cabo Fro, d-i Rio de Ji-
bla geral rgislativa decrelou, c nos quere-
mos a lei seguinte:
Arl. 1, A forca naval para o anno nancclro
de ail olio ceios e cincocnla e tres a mil oito
centoi e cincoenla c quatra constara:
Paragraplio 1. Eintircimsiamia. o rdlnariai
de tres mil pr.if is de todas aa clanes, embara-
cadas em navlus arinadoi e tramporiei; e da
cinco mil iiicircumitancias rstraordloarlas.
Paragra|Jio a. Do corpo de Imperiaes roari-
nbelroa com al companbias, c l dilas deapren-
diies marinbelros.
Paragrapbo 3. Da companhia de imperiaes
mirinhelro. da provincia de Mallo groaao.
Paragraplio 4. Do corpo de futlleiros a-
ues com a organi.acao que for mal. conveni-
ente. O lempo de aervlco das pracas deste cor-
po ser igual ao marcado para a. do escrcito ;
c a aquellas, qne tendo concluido o referido
teinpo, quiterem continuar no incsmo .ervico
te a'innar.i una gralilicajioequivalente ao sol-
do ".le primeira praca.
Art. i. A forja cima mencionada lera pre-
enebida pelos meloa authori.ado.no art. I, da
lelo. 069 de SI de ago.io de 18M.
Art, 3. O lempo de aervico militar, que oa
ofliclae. preslarein as provincia, de Mallo
Groi.o e Amazooa., ser computado eminai.
urna quarla parle para a reforma, e durante
o mesmo aervlco ae Ibes abonar o dobro da.
maioria. de embarque.
Art, 4. Fica eitlncta a lerceira clasie do cor-
po d'armada, e supprlimda a denoiuinaco de
quarla, dada do. officiar. reformados, deven-
do-se observar ai di.poiicde. do. paragrapbo.
aeguiotes:
1 Ua omciae., que aclualinente pertencein
a tercelra claase, e bem aaalin oada primeira
segunda que por letdes ou molestias Incura-
veis ficarem inhabilitados para o aervico aerao
reformados segundo o alvar de 16 de detem-
bro de 1710, le conurem 25 ou mais aonos de
ser rico; e com a vlgesiiva qulnu parle do res-
peclivo aoldo por cadaaooode servico, ieii.10
conl.rem 15 anno. completo., Se as letdes, oa
mole.lias incuraveis proeederem de ferldas, ou
conlusrjcs recebidas na guerra ou em qualquer
aeco de .ervico a reforma com menos de 35
annos poder ser concedida com o .odo por
Inteiro.
2, O governo poder reformar com vlge-
aiin. quinta parte do sold por cada anno de
aerrico que llverein os officlaea. que por fal-
tas graves, contrarias disciplina militar forem
condemn.dos a um nno, ou mais lempo de
pritio, e os que na forma do arligo segundo
paragrapbo terceiro da lei o. 26o de I de de-
leutbro de 1811: forem cooveoodo. de IrregU-
larid.de de condula, demuda segundo o arti-
go 166 do cdigo criminal : .em que todava
possain icr pela reforma qualquer que seja
o tempo de .ervico, venclmento inalor que o
aoldo inteiro, oem graduaco superior a dos
posto, em que te acharein. O rencimento da
reforma aera elevado, a terca parte do aoldo,
quaodo em coulorialdade da. dilposicoe. dei-
ic arl. for calculado em menor quaula.
Arl. 5. Fica revogada a diipoiico do arl.
20 da lei u. 621 de iTde selembro de isal,
quanto aa maioriaa de embarque: e oa auldos
que actoalmenle percebeiu oa orHciaea da
primeira classe do corpo d'armada, sao aug-
neiro.
Manoel Joaquim Rahia, ds comarca de
Cabo Fro, na provincia do Rio de Janeiro,
par a de Nuarelh, na da Baha.
Manoel Libanio Pereira de Castro, da co-
maica ueNazarelh para a segunda vara cri-
me da capital da provincia da Babil.
ForatTi nomeados :
Chefe de polica da provincia da Bahis, o
juiz de direito Andre Corsino Pinto chicnor-
ro da Gama.
Tenente-coronel commandanto do bata-
IbSo da reserva do commando superior ds
guarda nacional do municipio de Nazareth,
da provincia da Hahia, Francisco Ignacio de
Sampaio.
Commindante superior di guarda nacio-
nal di comarca da capital da provincia do
Cear, Joaquim Mendes da Cruz (iu i ma-
raes.
Chefe do estsdo-malor do commando su-
perior dito, o coronel da eztincta legiSo Jos
Mendes di Cruz Guimarles.
Tenenle-coronel commsnde do primeiro
batalhao do infantaru da guarda nacional,
Jos Po Machado.
Tenente-coronel commmlants do segun-
do bataihao dito, Jos da Rocha Malta.
Tcuento coronel commindante do tercei-
ro batalhio dili, Ignacio Pinto da Almeida
Castro.
Tenenle-coronel comman tanta do quarto
balalliao dito, Francisco Jos Pinto.
Tenenle-coronel commanJenle do bata-
lhio de reserva dito, Antonio Rodrigues Fer-
reira.
Commandante superior ds guarda nacio-
nal da comarca de Sobral, di provincia do
Cear, o major honorario do ezercito J01-
qum Ribeiro da Silva.
Chefe do estido-maior do commando su-
perior dito, o coronel da eztincta legio Do*
mingos Jos Pinto Braga.
Tenenle-coronel commindante do corpo
de cavallaria da guarda nacional dita, Jos
Domingues da Silva.
Tenente-coronel commindante do primoi-
ro hala lio de 1 ufa litara dito, Jos Cimillo
Lindaros.
Tenente-coronel commindante do segun-
do batalhSo dito,Joaquim Louren;o da Fran-
ca Silva.
liquido
marco de 1846 oao pode aprovellir ..._...- .
REPUBRICA ARGENTINA.
Protesto do ministro Brasilein 'sobre o tratado
eeltbrvdo com o Paraguay.
I.egaeao do Imperio do Brasil oa Confedera-
conilgnatarlos do brigue inglee Tic Tottie, cao Argentina.
nuanio i multa de lOoi r.., imposta ao cariitao Huenoa-Ayre 26 de agosto de 1852.
DA i.
A' ihesouraria do Rio Grande do .:. daudo
provim
ealoao rccur.o de Hugue. Irmo c5c G.,
rlbelrinba do rio Paraguay pela coila occi-
dental enlre o grao.20, 71 e 22.
O abaixo aulgnado cointudo ae persuade de
que o governo de Uolivia nao pode aer conalde-
rado ribeirlnho do Paraguay emquanto o go-
verno do Bra.il, em resultado dai negoclacOes
pendente., Ibe nao ceder parle la coala da-
quelle rio ; e por isso nao 10 prole.U contra as
aasercoes e proteilo do Sr. encarregado da ne-
gocio! de Bollvla. leoao tambein contra qual-.
quer acto pelo qual o governo deiu repblica
seja considerado como ribeiriobo do Paraguay,
com prejulto e iein reipelto de direitoa e iote-
resse do Brasil ; e latnberu contra quaiquer
acto proveniente do ciudo art. 4o, se a ene
arligo em la eiecuco Ibe pode ser dada, ou
lelhedisc defacto a iatelllgencia que oSr'
eocarregado de negocio, de Uolivia julgou .0
Ibe poda dar com prejulto de lolereiiee di-
reito. de terceiro.
O aballo aulgnado latida a S. Eic., ele.
Rodrigo de Soma da Silva Pontis
VIVA ACONFEDEliACAO'ARGENTINA.
Ministerio das relacei eilerlorea dacoofe-
deraefio argentina,
Buenoa Byrea, 38 de agosto de iS.'c!.
Ao Eim. Sr. enviado eilraordinarlo e minia-
tro plenipotenciario de a, M. o Imperador do
Brasil junio do governo argentino.
0 abaizo -signado leve a hoora de receber a
nota de V. Ele. com dala de S6 do correle, na
qual em nome do governo imperial, protesta
por alguinai eslipulacoes comidas no traudo
celebrado enlre a confederaco argentina e a
repblica de Paraguay, prlaa quaei Julga V.
Ele, ricarein menoscabados 01 direlloi do im-
perio.
Olratado celebrado com a repblica do Pa-
raguay nao ailcla directa nem indirectamente
oidlreitos do imperio do Brasil. Nada ina!
fet do que estipular por meio de urna conven-
cao solemne o que be da conveniencia desla
repblica.
A' vista disto, o Em. director provisorio da
confederaco Argentina ordenou-me respon-
diese a V. Etc. que o governo argentino nao
pode aceitar o protesto que ae Ibe dirige, pol
er lirmefnenle que pelo tratado celebrado oao
se le em os direitoa que o governo Imperial po-
de ter at onde ae calendara seua dominios.
A repblica Argentina, que cultiva com n
imperio do Brasil aa man ainigaveis relaedes.
oada teria fello que pudesae menoscabar os di-
reitoa do imperio, como effecllvamenle succe-
de com eale IraUdo.
Com elle nada mais se fet do que garantir a.
relaedes de ainltade e cominerclo que tein esta
repblica com o Paraguay, leiu afleclar nem
prejulgar em nada o direilo. que os estados li-
niiropbei possaui ter entre si.
0 abaixo asiigoado aproreila esta oporlum-
dade, ele.
f.uii Jos Je la Pena.
HAVEGACAO' DO URUGUAY.
NonlectnYo l!de selembro dt I8VJ.
Ao Iranscrever-mo. no nosso numero de -
do crvenlo o decreto do goveroo argenliuu
que e.Ubelecea admlniatraco geral das re-
das daquella repuhlica, limitamo-nos l ac-
guintea palavra. 1
< Julgamo. que o nos.o goveroo esr no ca-
so de pedir e>plica;de. .obre cerlo. ponto, que
serlam de dlflicil sotlrimenlo se fo.tem enten-
didos, como primeira villa parece deviain
er, lobre ludo no que loca iiavegacu du
Uruguay que temo, cus cornmuui com a repu-
hlica argeutlua. *
Couiquanlo nao deiconhccarao. a niisiao
de imprema em todaa a. que.tei, Unto ea-
lerna. como ioleroas, noa paisea eatrangelroa
como o nono, nada queriainos diter que pu-
desie augmentar as difticuldades que o gover-
no encontra na sua marcha.
Noasoaileocio nao podia prejudicar a ques-
to. O negocio de que se trata he desaes que
por sua claren nao uceesUa ni ser estudados.
Todos os homens de juiro eslo no caso defor-
mar fcilmente urna opiol > cooicenclosa.
Cointudo, como ae exige o cumprimenlodo de-
ver que contrallnos quando prlocipiamo. a
escrever para o publico, nao podemos deixar
de manifestar, o mal. brevemente que no. for
posiirel, a maneira por que encaramlo de-
creto do goveroo argenlioo, de 28 de agoito,
no que du reipeito ao E.lado OrienUl.
Pendente ainda a que.lo relativa ao doun-
nioda liba de Marlim Garcia, o quando acrc-
il 11.11 uno- que se poderia admilllr a solueao a-
pontada u. tratadoi com o Braiil, velo o de-
sunificantes indererldo. quanto ao alivio oa de o abano ..signado '..........-----------------
iiifr. or ter sido esta imposta na conformi- estipulaces que devem chamar naturalmente | noi eUnciiiae.
dade do artigo H5 do rcgulameolo de 30 de a.ttenco do governo Imperial, porque, pos-, Quanto anavegacao do Uruguay sein eutar
m..adZ.8is: l-eve-ie-lhpol. .e.tl.ulr a im- t eme.ccufa-o, poderla, i.lvez ofleoder in- por or na an.ly.e, 9%ceMldaramo. iulem-
no. unca da prlmelra multa, se elle, apresen- tercese direitoa do Imperio, ie foiiem re- .pesliva. do decreto de 28 de agoito, faremos
i.rnn-se competenlementc aulorliadui pelo cuiada sem accordo do governo de S. M. o mu breves observacue.. mK .. ,
rllao para ala reclamarlo, viiloler-.e este j lmderadordollra.il. o qual. alm disso. nao Anda ninguem ate hoja ,e lembrou de aa.
riraio do porto. I tomou parle no referida tratado, e por conse- gar qne orla Uruguay perteoc. eui ''''
_ vmeimi, dando provlmeoto ao reeurio1 queneu no adquiri direitos nem conlr.hio as repblicas Argentina a Oneul.1, a.JBaei
de labial Um ^jja?t,,...|.l,rl. deven,. ..B.obrig.fae. em virlude do me.m. %^$>%fr^^*$Z
ue nacional Coaceie.lo, por quaolo reo -nhecen- tratado
do-ie, pelos documenloi ni. 1 e 3, que o tari-1 U aballo assigoado l, poreiemplo, no art
ene dipaehoa pela alfandega e meaa de ren- Io, que o rio Paran be limen- enlre a Confede-
da provincia do llio Grande no da 9 de agos- ra[o Argentina^ e a_ Repblica do^ Paraguay,
lo, em que ie|
par aprovellar
, BraTiBciiei.wni'"........i,....-..-,------0
to em que egulo para fra do aocoradouro. desde as posseisdei brasileirai at duas leguas
vento e agoaa, como torna { cima da boca ioferlnr da ilba do Atajo.
nuitas ve.e. indiipeniavel a e.pecialidadc do
pono, nao contundo alm dit.o que no c.nil
recebeiie a carga, para culo embarque nao on-
tlvera licenc, be fura de duvida que nao devia
ter lugar a impoiicao da inulta de 100a r.., noa
termos do j 8 do artigo 11., do regula ment de
32 de juoho de 1838, mal applicado ao ca.o pela
Viten(n manlfe.tada pelo capllao, a qual oao
levou a elicito ; sendo que o limpies faci da
deaobedleocia ao inspector, le a bouve, nao
Importa aemelhante impoaleao de mulla., nos
eim o procedlraenlo determinado na segunda
parte do arligo 15 do dito regulameolo. Cum-
pre re.tliuir a importancia da multa, advrrlia-
dn que a theaouraria, licuando de attender a
eale recurro por Julga-lo prompto, nao ae lem-
brou da ordena de 17 de marc. o de 1149, que de-
elarou nio haver preco limitado para o recurso
*""*" DA 9.
__ A' de Pernambuco, declarando em res-
pasta ao offieio de 23 de agoalo, que as pata-
rra. cabendo nicamente .as tbe.ourarla.
que le leem no 18 da circular de lo de dtiein-
bro de 1851, ni liveram por lim declarar, que o
proceaso relativo a esses pagamentos he ciclu-
Ivo daa contadoilaa de marlnba e guerra, mai
nao icluem que ai thesourarlaa exercam a
mal. levera ficalliaco nal despeta., que te li- abaixo aasignado possa leva-las com prater ao
aerem pe as ar.enae. e outro. e.labcleciinentot conhecimento de S. M. o Imperador; a res-
dos dulcientes ministerios: pelo que mui regu- peito porm do tratado de 15 de julho ultimo
larmenie obrou o contador da tbe.ourarla, pro-| ha um Incidente bailante grave coaira o qual
.curando averiguar >e cram ou nao exagerado. 1 o aballo assigoado enlendc que deve protcs-
Coronel commandante do terceiro baU-j0, _,, dos gneros comprados pelo arsenal lar emquanto nao receber ordena c instrucetes
So dito, LuilHenruuesdeOlveiraMlga-ldc Burlaba cumprindo que o mesmo coma- do governo Imperial.
jdor continu a proceder do ineimo modo, re- 1 Em nota de 22 do correte met de agoito,
mente reconbecc a cominuoldade.
Admillida, como uo pode deixar de aduiit-
llr-.e, ei.a communldade do Uruguay enlre a.
du repblica., que aignieacio un a facul-
dade que uina dclla. se arrogar de dictar, por
si ., regulamento. para a navegico desx:
gue tivesse
U abaixo assigoado julga um pouco vaga a -
einreaao poaaessea brasileiras, e nao po-|rio? laoncedendo por hypoineae
derla confessar a iusllca de urna Intelligencia essa faculdade, queui pode occorrer que tenha
dada a esta dlspnsiio, de tal modo que a .
parles conlraclantc. conferioem a faculdade de
determinar os limite, de.iai poncudei.
O abaixo assigoado l, no art. 3" do mencio-
nado tratado, que rica estabelerida como con-
dlcao especial do mesmo tratado a communica-
eao franca entre as villas da Encarnacao, do
Paran e a de S. Borja do Uruguay para o. cr-
relo, paraguayo, e bra.ilclro. com a. c.colta.
necessaria. para a la seguraocs. Nrsta dispo-
clco e.t uunife.lo o eipirito de beoevolencla
3uc a diclou ; cointudo, como le trata de enti-
adea bra.ileira. (correioi braiileiroi), e de
actos que devein ter ceu principio ou lermo
em territorio do Brasil ( S. Borja do Uruguay),
parece claro que o conseuliinenlo do goveruo
imperial he necesairio para que se eiecute
aquella diapoai(o.
Entretanto o abaixo assigoado, confiado aem-
pre na cordial retnbui(o de aympalbia por
paite do goveroo da Confederaco para com
o goveroo do Imperador, espera que S. Kc,
o Sr. ministro de relaedes exleriores da Con-
federaco se dignar fater sobre o a.suinpi
em queslo declara(dcs de ul natureta que
lh-
lbTeuent!-Coionel commindanto do quir- ^cunToVoTesour'o contra loda ai irre- j dirigida a S. Exc. o Sr. ministro de rclac6es ex-
leueiiii. i,uiuiioi UUUI..I 1. uio m :f.ia[id,1iei cxceiioi e abusos que eocouirar terlores da CoofederaCao, protestou o nr. en-
10 u.lalhao dito, Antonio fhom Kodr|-:o"!""",uVJ,e, .presentadas tbe.our.- car.egaJo de negocio, de Bolilla contra a dls-
gues. leaia dala .e remetteu o. papis ao mi- poi(o do arl. 4 do mencionado tratado, pelo
Majoros ijudinles d ordens do coiliminuo -^ |11Jlinha para dar ai providencias qual se determina que 01I0 Paraguay tica per-
qu julgar convenientei. lencendo. de costa a costa, em pertella lobe-
^ A' do Par, que bavendo da impoaleao da rania a repblica do Paraguas at a .ua con-
mulla por infraeco das lei., que regulam o pa- fluencia cum o Paran. 1) Sr. eucarregado de
menlo do .elo, os recursos e.Ubelecido. no. negocios de Bolina funda o aeu prote.to na
superior da guarda nacional dos municipios
de S. Francisco e Porto Bello,da provincia de
Santa Calbarina, Francisco da Costa Pereirs,
a Joaquim Jos de Oliveira Ce.-cal.
Capitao secretario geral do mesmo com-
anigossi, i e 3do regulameolo de 10 de ju- penuiio de que a repblica de Uolivia be Iheipertencein
direilo de tratar, como trata ao. eslraoboi,
naf.il) que tcm um dominio igual ao aeu, eiu-
jeita-la para fater uio daquillo que Ibe per-
lence, > condicdes que le lembrar de impor a
genle de fra r
Se eiu caa be nona e de Joao, com que di-
reilo diipor dclla Joao por .1 .? Dende Ihc
rem a faculdade de decretar que n>, srus c
proprletarioa, oao poderemoa entrar na cela
cuiiimum lein pagar ua entrada aquillo que el-
le quiter eilabelecer ? A preteoco serla com-
pletamente Inaduiisilvel.
Eatrelanlo he o que resulta, primeira
villa, do decreto de 28 de agosto. A repbli-
ca Argentina legisla por al ssobre o Uru-
guay, eaa condiedes que linpc aos ealranlios
quer que peaein tambein sobre nos, qoe so
uios lo aenbore desse lio como ella he.
lie por isso que disiaino. que o governo de-
via pedir cxplicaeoes. He impossivel que o ver-
dadeiro sentido do deereto seja aquello que
parece ser primeira villa, Vemos claia-
meiile menoicabados noiso. direitos no que
ditrespeito a Marlim Garcia, e no tocante
faculdade que e arroba a confederaco Ar-
gentina de regular por.i so a navega;o do
Uruguay. Vio no. parece poreni, que .eje
igualin.ule claro que para irmo. de um para
outro ponto de no.ta casa, pastando por terri-
torio que nos pertence em commum, tenhainos
de pedir licenca ede pagar como se loase mu.
do Japo ou da China, rora isso insupporta-
vel.
No tratado com o llratil a qujanos referi
meante, doart. 18,que iran.crevemo. quau-
1I0 1 j 1;uno. de Martiin Garcia, cnconlram-sc
as aeguintei:
Arl. 14. Ambas ai altas partea conlratau-
trs de.ejaudo estrellar |suas rclifors e fomen-
tar seu coiniucrclo respectivo, convieraiu em
principio em declarar commum a navegado
do rio Uruguay eados afUueutei deite rio que
MUTILADO


r~
x^
v
Ai!. 15 nih.li al al (ai partes contratantes.
e obrlgain a convidar us muros estados rlbei-
rinhos doPrata cseui affluentts a celebrare.
mu accordo scmeihanle coui o Hin de tornar
lirrc para oa rlbei.lohos a navrgaeao dos
(loa Paran e Paraguay. '
Art. 16. Se, como he de esperar, os outros
estados convleictn na cominuin navegaco des-
les ros pelos rlhelilnhos, serao Igualmente
convidados a cstabclccer em cointnum os regu-
lamentot di nscalisaco e polica, a que deve
ser sujeiu a referid* navegago, ohrlgando-se
ambas as paite contratantes a suitentarem co-
mo bases de taeg regulaioentos as que forein
mi ni favoravels ao melhor c mals ampio deseu-
volvimenlo da navegaco para que forein esta-
blecidas.
Art. 17. Se os outros estados rlbeirinhos nao
quicrem vira accordo a rrsprilo dos arranjos
necessariospara o dito l'lin, asaltas partes con-
tratantes regularn por si lmenle, como Ihes
for 111 ii' conveniente, a uavrgaco do Uruguay
e de seus allluentes ila ma.gem oriental.
O Sr. general Crquia, que contribuio pode-
rosamente para a aceilacao destes tratados pir
parte do governo oriental, e que garanti a
convetico de I de malo, na qual se estipula o
franco cumprlmenio dos iratadoa de la de ou-
tubro, 11 Su pdt delxar de receber com benr-
volencla as observacoes quo Ihe forein feitas
tanto pelo Brasil como pela repblica oriental.
Pela parte que nos loca, firmemente persua-
didos da necessidadede queireappareca o es-
pirito da convenci de .Si- quedeu existen-
cia a ela repblica, contribuiremos para esse
objecto com lodas as nossai forcas. Confiare-
mos na Justica da repblica argentiua como
conftamoa na do Brasil. Nao haveria justica
nem conveniencia cm reduiir-nos nuliidade
da qual, alias, procuraramos livrar-nos.
' C '!.( (lili ". )
( Jornal 1/0 Coinwrrno. )
PERNAMBUCO
CMARA MUNICIPAL.
OUAUTA SKSSAO' ORDINARIA DEl7 DE
SETEMURO DE loSV
Presidencia do Sr. Franca.
Presentes o Sr. Mmed\ Dr. Snuri,
Figucredo, sbrio-se a sessao, e foi lid e
approvada a acia d'antecodenle.
Foi li la uma petic3o vinda da presiden-
cia da provincia para a rimara informar,
do Viscondo Loures e Jos de Ctrv.lho Cos-
a, em que' pedem soja alterada a planta da
rldade 110 sontido de ser conservada o beco
que da.rua da Cruz da snida para > do A-
pollo, o qunl te presta a sorventida publica
o particular da casas dos requerentes, si-
tuadas em frente d'ellc ; ou que Ibes soja
.forado o terreno que c>mprehende o mes-
mo beco. A commissao de edificaclu.
Um ofllcio do fiscal de S. Jos, apresen-
lando o mnppa do gado morlo pira consu-
mo no matadouro publico, na semana de
M4M do corronle (459 rezes inclusive 29
pelos marchantes avuisos.)Oue se archi-
vasse.
I)esp'ch>>am-se as 1 leiicOea de Claudino
Jos dos Santos, de J0S0 Luiz Km reir Ra-
bello, deManoel Jos de MagalbSes Pinto,
da Antonio Pedro ds Sotes, o levinlou-se
a srss.o
Eu Jo9o Jos Kerreira de Aguiar secreta-
rio o suhscrevi, Bsrros, pro presidente,
Figueiredo, Ferreirs, Souza, Matnede.
INTERIOR.
RIO DE JANEIRO 2> DESETEMBRO.
Repartilo da polica.
DA 6 DE OUTUBHO.
Illm. oExm.Sr.Das parlesjioje recebi-
lasnest. repartirlo, consta terem sido pre-
sos ; minha ordem, o bolieiro Claudino lo-
or
Recebemos hontcm folhas de Montevideo at | fe (lc Santa-Anna, para correcr;3o ; e
II do enrente. i ilcm do subdelegado d frogueri. da V.rzoa,
O ministro da guerra l.cava a partir para a ,crnar,l0 ((a sj| Cardozu, para averigua-
rampanha com o liin de orginnar militaimen- | ""'""
leoideparlamcnlosaonoriedollinliegro. COes policiaes.
De Bueno Ayres ha nuticias ais o da 9. O l>'S guarde a Y. Exc. Secretaria da poli-
general D. Jos Galn, nou.eado governador cia de l'eriiamliuco 6 de outubro de 1852.
inleilno de Buenos Ayres durante a ausencia do -Illm. c Exm Sr Dr. Francisco Antonio R-
director provisorio da confederaco lomou pos- beiro, presidenli desta provincia.--Jos iii-
se do governo no dia colo Higucira Cosa, chefe de polica inte-
Por decreto de 3 do correnle conceden o ge- r|nil>
..eral Uiqu.za amubtia pltna a tndus os Argn- ifii.'VI lio lll \ 7
linos desterrados por motivos polticos. ,,, 'J ",1 _..
Na parte citerior publicamos o protesto que 'Um. P Exm. Sr--I)as partes liOJC rccebl-
n ministro do Brasil, o Sr. conseliieiro Silva das nesla repartilo, consta terem sido pre-
Ponles, dirigi ao governo argentino contra al-
gumas das diipoiicdes do tratado que este cc-
lebrou coin o Paraguay, bcui como a resposta
do ministro da confederaco.
DEM .
oecasiao de revista ri dia V* do passado, e que
por pouco deiiou de trr serias conscquenei.s.
. Oiuesinojoin.il noticia o naufragio da suma-
ca Paraguass, pertencenle afctanoel Andr de
Souta, negociante da villa de San Miguel de
Campos, por onde a mesma te diriga. Succe-
de 11 elle na barra do Rio do roctino nome da
-Illa, salvou-se Irlpolacao, e multo custo
pai le da carga, que era de algodiio, perdendo-
se porin Inleiraineriie a outra parte de atsu
car (20-calsti) ...
2
Correspondencia.
sos; a urden) do subdelegado da freguezia
de S. Frci Pedro Concalves, o portuguez
Francisco de (Xivoira, sen) drclaracSo do w
motivo ; ordem do'subdelegado da fregu- jercjCi0> a sem demor
zli da Boa Vist,Antonio de Torres e Manuela
Srs. redactores.Victima da mais inau-
dita e escndalos, violencia pralicada pelo
delegado do termo da villa do Pilar Ismael]
da Cruz Goveia, eu recurro ao seu bein con-
ccituado jornal, para manifestar so publico
aquella violencia, e ao mesmo lempo inlei-
ra-lo da conducta reprovada e indigna que
comigo leve o mesmo delegado, a Uto. de
qu anude chegsr a noticia do sen nome,
cheguo tamben) a'ile seu procedimentodis-
potico e insultador.
Sou proprietario do engenho Aurora no
referido termo do Pilar, provincia da Parai-
ba, onde vivo rodeado das afeites dos
meus amigos, da considerado, que o meu
comporlamento me lem grangeado, no en-
lanto acontecen que Aodr Das de Figuei-
redo, morador no lugar denominadoOra-
torio me vendesse uma parte, que pos-
suia oo engenho--Angico Tortopor he-
ranca de seu pal, o que deu lugar a ser eu
consenhor do predito engenho, mas por
uma n f inqualificavel o mencionado An-
dr Dias, depois de me ler feilo a sobredita
venda, e haver de rnim receido o preco
contratado, lem preteudido continuar na
posse, que em viitude da tndicida venda
lia va para mlm transferido, e d'ahi nasceu
um conflicto do qual resultou mandar elle
deitar abaixo a casa d'um fo.rciro meu, ren-
do islo pralicado no mesmo dia, em quo cu
chimado do delegado aupplenlo em ex-
erclcio de nomoManoel Pereira, tinha ido a
villa do Pilar tratar d'um arranjo amigavel
por deliberacSo e ordem do Exm. presiden-
te da provincia. Achava-se o negocio peste
p, qliando eo tratei de susleutiru meu
direilo, prevalccendo-me da fsculdalecon-
ced la pela Ord. do }.. *. Tit. 58, S.', co-
mo legitimo possuidor que era, e enlSo
conslou-me que o sobredito delegsdosup-
plente reconhecendo a justica que me assis-
tia de tudo 1:1(01 mar circunstanciadamen-
te S Ex., fazendn-lhe ver a sem-rnzSo
do meu adversario; por n desgri(ads-
mente o delega lo Ismoel.csso homem fatal,
e de precedentes delestaveis cntrou em ex-
chindo-me eu nesti
praca para onde tirilla viudo tratar dos meus
O brigue dinamarqus fondor, cnlrado hon- Msria do Sasciineoto, para averiguarles po- negocios, recebi a desagradavel not'Cia de
tem ( de etembro ) de Bueiios-Ayics, donde liciacs, e Constancio, escravo de Jos Anlo- qutf 0 meu engenho havia sido por elle cer-
sabio na manhSa do dial-i do corrente, trai nio de Aranjo, por andar fgido.
noticia de ter rebentado uma revolucio
quella cidade na noite de lo paiall.
Soguodo nos informam, nao trouxe este navio
10111 .I algum posterior ao dia 10. Ulna carta de
1 que nos foi coinuiuuicada diz que tendo sa-
bido o general Urquia no dia 8 para Santa-F,
procuraram o general Madanaga e os coronis
Hornos e Pirani sublevar a tropa, o que con-
seguiram na noite de in para II ; e que unln-
do-se os soldados ao povo na manhaa de II, de-
clararen! reinstallada a sala dos representantes
que o geoeial Urquiza tinha dissolvido.
Acrescenta a mesma carta que nao ae fizera
a menor opposico a este pronunciamenlo, no
qual toda .1 populaco pareca tomar parte, e
conclue dizendo :
- Sao duas horas da tarde. Salvam as forta-
lezas para festejar a leuoio da asscmbla, que
j est cm sesso, a
Impossivel he calcubr o alcance que pode
ter esta revoluco e o odo por que influir na
"rganisaciio definitiva da rep-ihllc argentina,
lio provavL-l que o general Urqui/a, ao receber
a noticia dos acontecimentos de Bucnos-Ayres,
mi 111 h ism- sobre aquella cidade com a lorca
|uc podesse rciinir, sem se demorar em S mi 1
l-c, i., ni inesiiio u tismpo preciso para Installar
o congrrsso constlluinle.
Podero resistir us prtennos! Se o general
t'rqulzi vencer seus adversarios deve recear-sc
a adopcao de medidas de rigor contra todo o
partido liberal ; se pelo contrario a revoluto
lor bem succedlda poder licar adiada por
muilo tempo a organlaacaO couslilucional da
repblica. Em qualquer os casos a slluac.io da
conlVilerafo ser lamentivcl.
Na vespera de sita panilla para S.10I i-IY pu-
liens guarde a V. Etc. Secretaria da poli-
ca do l'i'ioa nloii-o 7 ile outubro de 185-2.
lilil, o Exm Sr. Dr. Francisco Antonio Iti-
beiro, presidente desla rovincia.Jos Ni-
colao Itiguoira Costa, chefe de polica inte-! curar
rlno.
cado com olliciaes do justica e forca de po-
lica para ser eu arrastrado pnsSo /.'' !
M1 r 1 vi-i covarde A mira que sou um
proprielaru, que defendo os meus dirritos,
leudo em vista a lei do paiz, sabes tu pro-
para prender, e tambem para insul-
DIARIO PERNAMBUCO.
RECIFE 11 DE OUTUBltO DE 1852.
lar, no entanto que consentes que assassi-
nos prulessionaes, que lidrOes conbecidos
vivam em paz, o passem impunemcnle
pelas las barbas......porm tens razio,
delles carece* tu, e por isso os conservas e
proteges com o manto da autoridad, que
nunca soubesses respeitar; ao passo que
Enlrou hoje do sul o vapor huaenu. Ira- me persogues, que cercas o meu engenho
zendo-noi /orines do Rio de Janeiro com 9WVH 80" Pell,co e gV" n"nete
datas at 11 do passado, da Baha al 7 do nem sirvo, nem nunca serv.re para inslru
correnle c Alagoas alo 9. ment leu. Al.! Se o Exm. presiden-
to da Paiaiha soubera quem he Ismael
da Cruz Covcia.seS. Ex tivesse conbeci-
1 eaixSo fazendaa ; i. Keller & Com- Clausulas especiars da arremataclo.
panhii. I 1." As obras do vigessirr.o primelro lenco
62 beta* de piassibs, 9* accis caf pilla- da estrada da Victoria serSo feitos de con-
do ; a Antonio Cyriico da Cosa Horeira. formidade com o orcamento e planta ap-
1 c.nxa fazenda's ; a A. 8 & Tobler. provadas pela directora em conselho nesta
6 pipas azeite de palma ; a D. Goncalves data, e apiesonlado a approvaclo do Exm.
Pereira Lima. Sr. presidente da provluciv, tudo na impor-
Ipo caiiinhas charutos ; a Paulo Jos tancia de 13:918,606 rs.
Goriis. 3.* O arremstsnle comer/ir* as obras no
800 ditas ditas; a Manoel Tavares Cor- praso do um mez. e concluir no de um an-
deiro. no, contados da data da ossignitOM do coo-
50 saccas caf, 1177 caisinbas charutos; trato
a Jos Vicente de Uma. 3 a A importlncia desta arrematacSo ser
1475 caixinhas charutos ; a Domingos Al- paga em quitro prestacOcs iguaes da manei-
ves Matheus. n seguinte : a primeira quando o arrema-
1 emhrulho charutos ; a Roberto Dutton. tinte tiver feilo a lerja parle da obra do
S caixas fazendas ; a B. Praeger ti Com- qeu contrato; a segunda quando tiver feilo
panhia. dous tercos das obras ; a terceira quando
32 fardos o 18caixas fazendas; a Fernn- lor recebida provisoriamente; e a quarta
do Pereira de Carvalbo. quando for difinlivsmenle recebida, nSo
5 pipas fumo moldo, 2 meias pipas caldo deveodo elTectuar-se pagamento algum an-
pedra, 1 lata tabaco cm p, I barrica tapio- tes de fiodar-se o primero simcslre do exer-
ra, 2 meias pipas lirio llore-mi mi, I mala ll- cicio de 1853 a 1853.
vros usados ; a Heiron & Companhia. 4.a Para ludo o mais que n.'o estiver de-
CONSULADOCERAL. terminado as presentes clausulas seguir-
Rend ment do 1 a 9
dem do dia II
3:766,269 so-ha o que dispOe a lei provincial n. 286
1:375,011 del7domsio de 1851.Conformo-Ose-
--------------1 cretario,
5:011,380 Antonio Ferreira da Annunciafo.
- O Illm. Sr. inspector da thesouraria
DIVERSAS PROVINCIAS. provincial, em comprimento da ordem do
Rendimcnlodo lis ... 309,914 Exm. Sr. presidente da provincia, de29de
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS CE- setembro prximo psssido, manda fazer
RAES DE PERNAMBUCO. publico que nos das 36, 37 o 38 do corren-
Rendimentododia II.....438,378 le ir* *!>' P" ser arrcroattdo peranln
CONSULADO PROVINCIAL Junt' d" "** mps'^, thesouraria,
Rondimento do dia II 1.032,659 a.uem for menos lizer, a obra do 23. lan-
ni' iarnMjMu..,_j.,_J_. -^^-^__ ''a estrada da Victoria, avaliada em ris
MovimentO dO porto. "AmaUlo ser MU ..a rrm. dos ar-
*--------------------------------------------------- tigos 24 e 27 da lei provincial n. 386 do 17
ttaviountradoi no dia 10. de Balo, e sob as clausulas especiaes abii-
Bahia13 dias, escuna brasileira Adelaide, xo copiadas,
de 60 tonelada, mestre Paradlo Julio da As pessoasque sn propozerem a rsta r-
eosla Cirne, equipagera 9, cirga varios rematacSo comparecam ni sala das sessOes
genero*; a Antonio de Almeida Comes. da mesma junta, us dias cima declarados
Parahiba 2 das, hiate brasileiro Concei- pelo meio dia, (competentemente habili-
tIo Flor das Virtudes, de 23 toneladas, tados.
mestre Bornardino Jos Bandeira, equi- E para constar se mandn afixar o pre-
pagem 5, carga loros do mangue; a Piu- senlo o publicar pelo Diario,
lo Jos Bautista. Secretaria da tnesouraria provincial do
Angola--19 das, escuna portugueza Ceres, Pernambuco 2 de outubro de 1852. -Ose-
de 96 toneladas, capitSo Francisco Mara cretario, Antonio Kerreira da AnnunciacSo.
Caldeira, eqotpagem 11, carga cera, es- Clausulas especiad da arrematara
leiras c vinlio; ao capitSo. Passageiros, 1 As obras do 22. lanco da estrada da
D. Mana Joaquina Bastos o I fllho, Jos Victoria serSo feitas decnnformilado com
Alvos Sardmha, Antonio Jos Cbavellett, o orcamento e plantas approvadas pela dl-
e Francisco Martina Gomes Teixeira. rectona em conselho nesla dala, eapreson-
Terra Nova- 43 das, briguo inglez Ara- tada aprova^ao do Exm. Sr. presidente
bella Tarbet, de 182 toneladas, oapitao da provincia, tudo na importancia de ris
Richard Kearney, equipagem 10, carga 13:902*310
bacalbo ; a MeCalmont e Companhia. 2. O arrematante comecar as obras no
Australia -- 88 das, barca ingleza Andr- prazo de um moz, e concluir no de um
pulos. Elle volunte eontm a pathogenezia
de mais 18 meliramentos Europeos, e dos
12 principaes medicamentos BRASILEIROS,
experimentados pelos alumnos da escola lio
meopatbica do Rio de Janeiro.
Para as pessoasque i compra-
fram os elementos de hooeo-
palhia e assignaram esta
Para as nutras que s qulzerem
dita obra.
/Para os assignsntes e mais
* "" S [ pessnas que j* compra-
do a S \'nl os elementos de ho-
= 5 I J; jmeopatbla
u~ |p*ra ,soutras pessoas que
B aS ifao quizerem a dita obrae
"'a carteira.
ti)
<
2/000
3/000
12,000
a
11,000
Roga-se aos s nhores assignantes, o favor
de mandar receber seus exemplares na bo-
tica homeopathica da ra das Cruzesn. 28.
Na msma botica ha um grande aorlimento
de livros em portuguez e francez para as
pessoas que se querem dedicar ao estudo da
bomeopithia.
I lili 11(0
12.a RECITA DA ASSIGNATURA.
Quarta feira i3 de outubro de
i85a.
Finda a rxocucHo da ouverlura, represen
lar-se-ha o muilo applaudido drama cm l
aclos e 6 quadros,
A duqurza de Marsatn.
Terminar o espectculo com a intere-
sante comedia em 1 acto,
Ol que apuros,
Ou o noivo em mangas de camisa.
Principiar as8 horas.
Os bilhetes ichsm-se desde ja a venda no
escriptorio do thcatro.
Tlientro da run Augusta.
Mr. Jaime pnrticipa ao respeitavel publi-
co Pernambticano que por se nlo ler aca-
bado algumas pequeas obras que se est
Todas as provincias gozavam de socego.
Pelo rligos quo em outra parlo dona-
mos transcriptos, do Jornal do Commrrcio,
ver't os leilnrcs a revolucio quo em llue-
nos-Ayres se effeituou cm a noite do dia 10
liara II do passado, assim como o protesto
feilo anteriormente pelo ministro do Brasil,
ment da vida negregada, e salpicada do
crimes desse homem, ceriamente bem Ion-
ge de o conservar como autoridade policial,
u faria punir como reo do delictos conbe-
cidos, e que infelizmeele al boje nSo ti-
na mesma cilade, o Sr Silva l'ontes, con-i veram devido castigo. Ismael cercar o
tra certas disposir"
cSo, comniercio e llm
ices .lo iralado de navega- nieu engenho! Elle que amda ha poucos
e limites fo.tocomoPara- nn"s era o chefe de uma q.iadrilha deas-
sinos, que vivendo em Inla com outra qu
dnliia do mesmo cilicio de que era chofe
Antonio Bornardo seu competi'lor, derra-
talvcz ain la durar por muito lempo,
pois que, : .n lo a pre liccao, que agora
hlicou o general Drqulxa um decreto que iia nos occorrn, do um dos genios mais profun-
0 preco das oncas cmrclac3o.i moda-pap.l de (lamente versados na historia o na poltica,
liuenos-Ayrei. n1o ()evem aS m(.Sniss republ-cas esperar
Na estacoes publica erao reccb.das a on- progrPS,() rt.a,,s sen3o dopois que toda a
1,.ai na razao de 'iob pesos papel, c por esie pre- p B ..____. ....,' ,
sua gera(3o acostumada a guerra civil.
guay pelo governo argentino.
Nflo podo ser mais lastin.avel o estsdo do
perpetua insliibililadoe commocilo, em que
..ae,.. as repblicas do Pr,ta%sl.do ^uo Z^ZZ^0^0 "T
Is i.ael delegado no mesmo lugar que foi
o iii -ai 1 o de suas 'acanitas, e por onde elle
passeava capitaneando um grupo de hu-
men s perdidos, de matadores de profi.*s5o!l
Ismael empregado do governo, de quem
recebondo 6:000/000 rs. para o pagamento
Co saldar o governo to.las'as suas "romas. sua, Be5 ;OMu...dua Kuc... .,, ., reunidas contra a rebeldaria
Nos contrato,entre particulares f.-lios poste- violencia, e aodesrezo das lei, se liver re-: '>" K^'.^ff.TaS
. iormeme,q..elle decreto, o devedor cumpri- lirado da vi la activa ; o pra/.a aos ceos que n^_ f.-B IS0'P'
.'-> unilo da sabodorla, confirmado por
do lornveis successos no decurso do mais
de 28 annoS.Dus possa apptoveilar o premu-
11 ir contra ocaemplnda temeraria inhabili-
dade dos nossos visii.hos, que, sempro sc-
maehe, do 468 toneladas, capitaoPassmo- ,nno, contados da dala da assignatura do htMdo^KMi7e^"DS honimn7
8 PLL"A-do, na MMH. A,. P8g" q.U8tr ***?$" Iu",'* a mn0'-, queren lo 1-var o seu espectculo do man*.-
flavios safados no mesmo da. ra seguinto:-a pnmel.a, quan.lo o arre- r, nlm ,.... nhlie.i Pern.mhnr.nn
B.hia hiato brasileiro Amelia, mestre Joa- matante tiver feilo a terca parto da obra do 5?-' ,?"-!,0-l!?-P--!!C0-:f-r'.',,Ib.Vc,n,>'
uuim Jos da Silveira, carga varios gl- seu contrato; a segunda, quando t.ver fe-
neros. to dous tergos das obras ; a terceira, quan-
Em commisslo -- brigue e;cuna de guerra do fr recebida provisoriamente; e a quar-
brasileiro Legalidade, comman lantu o ca- ta quando fr definitivamente recebida, nSo
pillo lenle Amazonas. devendo ellectuar-so pagamento algum an-
Navioe entrados nn dia II. tes de fjndar-so o primeiro semestre do
Rio de Janeiro-9 dias, galera ingleza Era- 'exerricio de 1852 a 1853.
preea, de 333 toneladas, capitSo Frederico I 4. Para tudo mais que nao estiver deter-
Scott, equipagem 17, em lastro; a Johna- minado as presentes clausulas seguir-se-ha
ton Pater & Companhia. o que dispOe a lei provincial n. 286 de 17
dem 16 das, barca ingleza Bealrice, de de maio de 1851.
287 toneladas, capitu Divid li w-n, e- Conforme.O secretario, Antonio Fer-
quipagrm 13, em lastro ; a Deanc Youllo 'reir da Annunciarjo.
o. Companhia.
-qoelle decreto, o devedor cump
i suasobrlj{ncdes, aatisfazendo sua divida cm
papel ao cambio designado, salvo se tiver pre-
cedido est'pulaco cm contrallo.
Resta ver se a sala dos representantes appro-
va este c lodo, os mais decntos da dictadura.
Como i linbainos annunciadn. ni miui.iros
de Inglaterra c Franca cm inlislo especial QUiosos por, Uo-lruuom, nada conseguem
acoropanharam o general 1 njin/.i na sua via- '*r-
gem a Santa-F.
(Jornal doCommiriio, )
DEM.
Resumo da txIraccSo dos premios da loCc-
ria a btntficio das abrirs de nirfro.v de S.
Hoque, da de fiar e tecer aljodSa por salda
daquinladajabricadevidros.eda auarla .|cSoB s. M. 0 Imper.dor. na
^Hmada defiareteeeralgodSo.txtrahi.l^ jus,i(icar.s(.. .Urbuindo o
daem 3|tf. selembro de 1852. J J uma denoci. flls. ,
11.......1,. m
10 a
20
60
IIH
64
1279...........
2fJtH"2829-3029-43jo-43931
5827............I
H3-1308-- M19-1 95-22051
S5693399-4G70-- 5532-oBi-l
434- 588- 782--I295-I732
17821888-22982515--MOf (
28i9-3i09-233-3277-3'.48 (
43384378-1380bOMi- -5682'
1II-- Ii3- M 160 I63\
260- 449 478- 856- 770
780 848- 876 tt1109 I
1142-118211181384-1501 /
1532-16161730-1887 iginf
2052-205421392I04220V
2232-229!-23922535-2776 >
2811- 28I.S3015:I58--34BB
3617-3B84-384I-4152-4180
426642694:168-4522-4,79
4867- 4813-4978-5107-5280 1
5a03-5543"55o6-55:0-5538 /
100 de..............
1800 de...........-. .
nnnjniin
in:oooiino
4-ooo/ouo
2:000/)00
1:000*000
400^000
esse dinheiro era proveito seu, segundo be
publico oaquello termo, ficando os solla-
dos por pagar, e elle com as algiberas sof-
frivelmente recheadas'. NSo pode haver
immoralidndo igual NSo pode a polica
chegar a msior estado de prostituirlo /
Eu pulanlo, como ol n i i.lo por esse ho-
mem, eslou no meu direilo em levanlira
voz contra elle, era denuuciar ao publico e
ao governo os seus precodentes deshonro-
sos, e finalmente em drsafia-lo para que
ta portuguez na praca do Rio de Janeiro, re- me couteste o entre cornoigo era urna dis-
icebeu intimacao do govorno p.ra, no p'a ? flc,,,do St.f.! qUe '" ",e ,."
'do 30 dias, s.hir do imperio, por aa .%h.r cei a |uv, e que se elle tem coragera p ra
comprme I. 10 no trafico de el.ic.no. O df8nJ,er:s6, & ff?*f TS'd,e,-rM ""aaJ*
diloi.egocanlo recorreu, por meio de um. o a.tr.buidos, acailao desalelo, po.s que
aclo do
ao ii.-sino
Quanto a noticias da corto, poucas, o qua-
si de nenhuma importancia nos trouxerim
os referidos jomaos.
OSr. Antonio Pinto da Fosseca, negocian-
Mu/MO
t00/000
40/000
2 U/000
2000 premios.
DEM.
CAMBIOS nO DIA 25 DE llil'll.l I
Londres, 27 5|8a27 3|i
Paria. 315 e 348
Lisboa 98por cinto de premio.
Ilamburgo. 6*5.od|v.
METAES E FUNDOS PBLICOS.
Metaes. lincas hespanholas 28/400
. da patria 2S/400
n Peca, de 6/400, velhas. 16/000
11 Modaa de 4/000 9/000
> Pesos licspanhes 1/910 a 1/930
da patria. 1/900
> Patacca .... 1/920 a 1/940
A plices de 6 por ce uto. IO3O|0
proviuclaes lOOaioiOpj
fJornal io Commereio )
BAHA,
canal no eu 7 di ocroaao.
Londres........27 1.2
Paria.........34(1 o fr.
Ilamburgo.......010 o marco
Lisboa. ,......90 a 100 poro
itai. Dobres licspauhue. 79/500
. ineiicanoa .... ".' 'J*."hj.
Pecas de 6/400.....16/OOO
Modaa de 4/000.....i/000
PatacOes brasileiro,. 1 1/920
A cees do banco.....5 por centn.
(Corrcio Afercalil.)
tempo olToreceu uma (lan? de 100 ou 200
ciiitos de nos, on maior quanlia aiuda, at
quo se verifique a verdade do facto que Ihe
ho imputado. I
OSr. Luiz Alvcs Leile de Olivera Bello,'
Vico-presidenta da provincia do Rio Grande
rio sul, foi agraciaJocom o olcialatoda or-
dem da llosa.
oecasiao de ser desmascarado.
i Temam os senhores redactores a bondado
de inserir estas linhas do seu constante
leitor. Jos Cesar d'Albuquerque.
COMMERCIO
a
ALfANDEGA.
Rcndimento do 1 a 9. .83:906,751
Falleceu na corteo eommendador Manool^dom do dia II.......9:117,080
Alvos Ribeiro, deputado pela provincia do
Matlo-Grosso, e que, segundo se dizia, tinha 93:023,834
do entrar na lista triplico para senador da -.-------
mesma. I Descarregam hoje 12 de outubro.
Chegaram ao Rio, na galera franceza Velle Barca ingleza Sieord Fisk mercadorias.
de l'aris, procedonlodo ll.vre, 33 irmes da Brigue inglez Arabela bacslho.
cari>lade, o 7 sacerdotes Lazaristis. Trinta Brigun inglez Rummede dem,
daquellas o os 7 sacerdotes lem de ficar mes- Escuna porlugueza --Cires-- mercadorias.
mo no Rio, ao servico dos c-tabelec:mentos Polac sarda Rafuelina idem.
di Santa Casa de Misericordia, e is mais se- Escuna brasileira -- Adelaide fumo e cha-
guiram par provi' cia de Minas. rulos.
Segundo o Corre/o Mercantil de 20 do passado, I lni|iOrtn,r;aO.
a commisiSo encarregada pelo governo do exa- j Ceres, escuna portuguez., vinds de Loan-
me dos negocios do thcatro lyrico, deu pane jBi consignada a Francisco Severiano Ha-
de que tinha terminado os '^J^J^oa, de- ( be||0 & p,|n0( manifestou O segoinle :
23 gamellas cera branca, 18 ditas dita a-
marella, 145 molhos esleirs ; aos consig-
natarios.
clarando mais que eslava prompla a lomar a
admiuistracao do mesmo .heatro at o mei de
deiciubro, com o subsidio de MefJOf rs. men-
sa, e clausula de rratltuir ai aobra, que por
ventura houvesscm, ou lambe. supprir o de-
Ocitque poder apparecer.
O me,mo jornal noticia o apparecimento de
uma letra falsa, no banco commercial, no va-
lor de 1:000/ rs. sendo saccador c iodossanteo
c mmendador Manoel Mara Dregaro, e sendo
filsa a tirina do aceitante, que he de uma caaa
Mtrangeira.
Le-se no 0/aro do Rio de Janeiro de 28 :.
k Consta-nos que pesaoa vinda no vapor
Campista, entrado no dia 23, de Campos por Ma-
cab, referir, que alguns pretos baviain ssal-
lado uma casa as imroedi.coes desta ultima
cld.de,enella tinliam assastlnado o douo dell.
a mulhere ael BIhos, todo, pequeos, dcilan-
do depois fogo caaa. .
t)l,serain-noi mais, que o Cruuiro de Campo,
refere ste f.cto, noiiclandu a prisio de qua-
iro pretos indignados como cumplices dcsle
Nio garantimo, a veraeldade d noticia,
pelo, poucos dei.lhea que a acoiupanhaiaiu.i
A alfandega da corte reodeudo primeiro at
25 do passado 930:981,427 rs.
Da Habla nada ha que se posta mencionar.
Na cidade de Alagoas lioui-e, segundo refere
o Tempo, uma Iniubordlnaclo de um tenente --
da guarda naciou.il com a sua companhia, em I Companhia
8 pipas e 10 barris vinlio, 2 barricas cola,
I caixote velas de cera ; a Francisco Mari
Cardeira.
15 voluntes gengibre, I erobrulho amos-
tras ; a ordem.
ConceicSo Flor das Virtudes, hiate nacio-
nal, vindo da Ptrahiba, manifestou o se-
guinte :
700 loros de mangue ; a Bernardino Jos
Bandeira.
24caixas velas; a Vicente Mondes Wan-
derley.
13 barrica sobo em rara ; a Jos Rodri-
gues Pereira.
Adelaide, escuna nacional, vioda da Ba-
bia, consignsda a Antonio da Almeida Go-
mes, raan.feitou o seguinte :
2800 quartioha, 10 t.lhaa louca, 43 uc-
ea caf, 100 molhos de plaasiba, 1 barrica
quaitinbas, 2 caixOes charutos, 14 paos de
Jacaranda ; ao consignatario.
5 fardo* fumo em f.ilhe, 50 cbifres, I te-
co tapioca, 1 dito eico, 2 dito caf pillado,
12 couros seseos; Brandar a Brndn tk
dem 16 dias, brigun austraco M.iches-
l.v, de 265 toneladas, capitKoG. Varona,
oquip.gom 10, em lastro ; a ordem.
Lisboa -- 44 dita, brigue portuguez Flor do
Mar, de 184 toneladas, capitSo Jo.quim
Jos Caetano, equipagem 13, carga vinho
e mais gneros; a Francisco Severiano
Rebollo & Filho. Passageiros, Dr. Vicente
Jeronymo Wanderley, Dr. Casanova, Ma-
noel Jos de Moraes Guerra, Jos Alves de
Moraes, Jos Mara da Silva, Joaquim Mar-
ques da Silva, Manoel Soares, Jos Pe-
reira.
Rio do Janeiro eporlos intermedios13 dits
o 18 horas, do ultimo po.to 45 3|4 horas ,
vapor brasileiro Paraense, de 200 tonela-
das, commandmte o capilo de fragata
Costa Pereira, equipagem 30. Traz a seo
bordo ; p.ra esta provincia, o eommenda-
dor Jo.quim da Costa Barradas, coronel
commandanto do segundo baUlhUo de
infanlaria Muniz Tav.res, com su. fenho-
ra, I afilhado e 7 escravos, tenento do
mesmo bitalho Flix Jos da Silva, com
suasenbora, 2 filhos menores o I escra-
vo, tenente do mosmo batalho Gabriel
de Souza CoedeSf com sua senhor. e 2 es-
cravos, tenento Luiz Antonio de Couto ,
os alferrs Joao Guilhorme Mariano, Leo-
poldo Alves BarrSo, Jo.quim Jos Perei-
ra Codeso, Francisco Jos Martins Pam-
plona, e Antonio dos Santos Corris, 3 ca-
detes, trazendo um sua senhors, Manoel
Joaquim Mndese sua senhora, Joaquim
Izidorio Simoes, Napolen Gabriel Hez ,
Francisco Coelho da Silva, Antonio Josc
Ribeiro Bastos, 15 prac.s do segundo ba-
talhSode inf.iitari., uma mulher de um
dos praess o 4 ex-soldados, tenente do se-
gundo batalbo Antonio Cabral de Mello
Leoncio, Cuilherme da Silva Guimarfies,
1 soldado, Charles Irons edo Alltiey, Jo-
s Antonio de Arujo Jnior, Luiz Jos de
Briio, Antonio Rento d. Silva Coelho, Fe-
lesbino de Carvalho Rapozo Francisco
l.udugero Lins ('.mello, Antonio Teixeira
Pinto, Manoel Jos de Carvalbo el filho
menor, Casimiro doFontes Ferraz, Caldi-
no Pires Ferreira e 1 escravo, tenente de
polica Aprigio da Silva Pinto, 2 pravas e
1 ex-dit., desemb.rgador Francisco Joa-
quim Comes Ribeiro e I e cravo : para a
parahiba, 2 soldados: para o Cear, Fran-
cisco Raymundo, I soldado : p.rao.Mara-
nho, alferes Luiz Augusto Collem, Anto-
nio Boberto Correi de Faria, Fernando
deSerr. Carneiro, com su. senhora e3
filhos menores, I ex-toldado, 1 cadete do
corpolixo, 1 recrula, o cepillo Jlo Gon-
calves da Silva : pr o Par*, o Exm. Sr.
Joao Baplista F. Tenreiro Aranh. e 1 es-
cravo, padre Aureliano Bernardo do Vas-
concellos, Joao Mendes da Silva Maltos e
1 escravo, sargento do terceiro batalhto
do artilhari. Antonio Jos do Soon Lobo,
1 desertor, I ex-dito o I ex-cadete.
Deca rayoes
ED1TAES.
O Illm. Sr. inspector d. thesourari
provincial, em cumprimenlo da ordem do
Exm. Sr. presidente da provincia de 27 do
corrente, manda fazer publico, que nos das
19, 20 e || de outubro prximo vindouro,
ir a pra;a para ser arrematado peanle a
junta da fazenda da mesma thesouraria, a
quem por menos fizer a obra do vigessimo
primeiro lauco da ettrada da Victoria, ava-
liada em 12:218,606 rs.
A arrematado ser feita na forma dos ar-
ligos 24 e 27 d lei provincial n. 286 de V de
maio de 1851, e sob as clausulas especiaos
abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a esta ar-
remat'Cao comparecam na aala das sessdes
da junta, nos di.s cima declarados, pelo
meio di., competentemente habilitadas.
E para conatar se raaodou afixar o presen-i
ta e publicar pelo diario. Secretaria da Ihe
Corrcio.
As mala; quo lem de conduzir o vapor Pa-
rense para os pollos do norto, scr3o fecha-
das hoje (12) a oma hora d. larde, c as cor-
respondencias que vierem depois dessa hora
pagaran) o porte duplo al a enlrega das ma-
las:-os jomaos dcvrrSo achar-so na adm-
ni-lr.cii quatro horas antes.
Cartas seguras vin.las do sul par. os
senhores: -Augusto Candido de Seixas, Ber-
nardo Rodrigues Cramoso o Costa, Francis-
co de i'ao n Pires llamos Jnior, Joaquim de
Olivera Mais, Joo da Silva Nazarelli, Jos
Confslves BeltrSo, Jos Teixeira Campos,
Lima Jniores; Companhia, liarla Alberla
dos M.rlires, l'olycarpo Jos l.ayne.
Cmara intinicipal do Hecife.
Pela contadura .I. cmara municipal do
Recite, se avisa aos donos de carros e mais
vehculos de cnnducSo, que no nunero2l7
deste Diario, .1- 27 de setembro ultimo, fui
publicado o regul.menio expodido pela
mesma cimar cap.rovtdo pelo Exm. Sr.
presidente d. provincia p.ra arrccadaco do
imposto sobre os mesmos carros, de confor-
mid.de cora a lei provincial n. 301 de 8 de
maio .leste anno. artigo 17 e seus $ ; cor-
rendo daquella dala cima de 27 o praso de
30 dias marcado no mesmo rogulameoto pa-
ra dentro delle os donos de taes carros vi-
rcm da-los I.mmenlo nesla contadoria,
reeeberem a numeraran correspondente a
cada um delira, sfim de que no mez de no-
vembro prximo seguioto se possa efTertutr
a cobranca, bocea do cofre do referido im-
posto, ficando sujeito as penas comminadts
no suplantado rogll'ailli'litu OS que O n,o>
lizerem. Contadoria municipal do Recito 6
de outubro do 1852. O contador, Joaquim
Tav.ies Itodov.lho.
Pela subdelegad, da freguezia de 8. Fr.
Pedro Goncalves, foram approhendidas tros
peles de couro do lustro, encontradas ron:
uiilros olijectos fui tados, e duas pecas de
madapolSo, na venda de Antonio Fernandes
Duarle : quem fr donos dessas objectos ap-
pareca, que provando serem seus Ihe serilo
entregues.
-- O arsenal do guerra compra ttboas de
pin lio, colla d. Baha, pregos npnes da tr-
ra, pedra de m grande, tornos de bancada
de uma arroba para cima, lenr;ocs de lato
cu-,le 11 lo o peso de 14, II e 20 libras, barril
con breu, tencal, limas meias canas do 5c8
polegad.s, e ditas chalas do 5, 8 e 9 pol"ga-
das, cora branca, facas ioglezas do sapatoi-
ro, troqueze.s, tesouras, e martelos do dito:
quem taes objectos quizer fornecer, compa-
rec,a no dia 12 do correnle Irazendo sua
proposta em caria fechada, eas amostras dos
objeclos quo fr possivrl. Arsenal de guer-
ra 9 de outubro do 1852. O escriplurario,
F. Serfico de Assis Carvalho.
Banco de Pernambuco.
Os descontos sfio de 6 por cento al o fim
corrente, e de 8 por cento at 6 mezes.Com-
pra o vende letras sobre o Rio de Janeiro,
de qualquer qu.ntia e a prasos r.soaveis.
Banco de Pernambuco 9 de outubro de!852
O secretario M. I. de Olireira.
1 or isso tem contra a sua vonlade feito es-
tas tnudancas, o que espera desculpa de
seus protectores, nesle dia se publicar o
programma do espectculo.
11 iii 11
Avisos martimos.
Para a Baha.
Segu com lirevidade a veleira
e j li'-ni conhecida escuna nacio-
nal Adelaide, que acaba de che-
gar da Baha : quem nella quicr
carregar, pdeirigir-.sc a ra dj
Cadeia Vellia n. a3, ou a do Tra-
piche Novo n. 16, segundo andar.
Para o Aracaty
Soguc om poucos dita o hiate Ligeiro, for-
rado o pregado de cobre, por j ter parte de
sua carga ; para o resto e passageiros t'ata-
sena ruado Vigario n. 5.
-- Pretende sabir com toda a brevi lade
p.ra .\ew-Yoike o brigue ingle Dante, o
qual tem excellenles commooos p.ra pas-
sageiros : quem no mesmo quizer ir dirja-
se a ra do Vigario n. 3.
O brigue Animo sabe p.ra o Rio do
Janeiro em 19 do corrento, para escravos
e pissageiros Irata-sc com o consignatario,
na ra da Cruz n. 33.
Para Havre deGr.ce
Segu rom brevidade, porj ter grande
parlo do carregamonto, o brigue franeez
Cesar, capitSo Bernos; para frote e passa-
geiros, dirijam-se casa do consignata-
rios Avrial li mn is & Companhia.
Pars Lisboa a gslcr; porfOgOMI Mar-
g.rid. capito Silvorio Manoel dos Reis, ssi
com .menor brevidade possivel por trr a
maior parte da carga prompla,quem quisrr
carregar ou hir de passagem para o que tem
excellenles commodns airijSo-ae aos con-
signatarios Olivera Irmiios f-: Companhia,
n. ra do Apollo n. 14, ouao referido capi-
llo oa praca do commereio.
Lei loes.
Brunn, Praeger & Companhia Tirio
IcilRo por intervenrjSc do agente Oliveira.de
um completo soi ti ment de fN^r.ei--frni>s
o grossas, e miudozas do todatr as Dualida-
des recentemente mportadaarv terc-feira,
12do correte, as 10 horas da manilla, no
seu armazem na ra da Cruz
LeilSo no Bazar, na ra do
Vigario n. 4.
Avisa-se ao respeitavel publico,
que neste estabelccimentq haver
leilSo, por intervencao do agente
Boberts, no dia sexta feira i5 do
corrente, as n horas da manha,
Pubiicaco*s Iliteraria.
Sahio luz a terceira edicfSo do resumo
de arythm lio., pelo antigo professor de
primoiras letras Cardim, quo.tanta estima
tem merecido do publico ; vende-se a 640
ra.: na liviana n. 6 e 8 da praca da Indepen-
dencia.
Sahio a luz.
28 RA DAS CHUZES 28
A coiitinuat;So da materia medica homeo-
souraria provincial de Pernambuco, 29 delpalbica augmentada da theoria dasdozes pe-
ietembro do 1852,-0 secretario, lo Dr. Mure,ltcuna imporlantissima deixada
Antonio Ferreira da Aimuiiciaclo.! por llalinemann ao cuida io dos seus disci-
de fazendas de todas as qualida-
des, as qu^es serao vendidas sem
reserva; em precos ao goato dos
compradores ; asMtn tomo, roga-
se a todos os negociantes e logia
lis, que quizerem aproveitar a oca-
siu para a venda de quaesquer fa-
zendas, para feixar cuntas, de as
mandar com antecedencia, e jun-
tamente convida-se a todos os a-
inadorcs de pechinchas de compa-
recerem no mencionado Icilo.
J. J. Tasso Jnior, faz leilfto de 60 bar-
ris e 40 meios ditos com m.oteiga hollan-
deza, era lotes, a vonlade dos compradores;
bojo 12 do crrente, as 10 horas da maubla,
na porta da alfandega.
_ Miguel Carneiro, ftr leilSo por inter-
venf So do agento Roberto, no dia terca-fei-
ra 12 do corrente, as II horas da manhaa,
no seu armozem na ra do Trapiche o. 88,
do seguinte :camas de ferro e de madeira,
mesas para sala, ditas para jaotar, aparado-
res, marquezas, sof, berros, toueadores,
guarda-lou(a, commodas, cadeiras espe-
Ihos, pianos, quadroa cora estampas, uma
camera obscura, o outros muilos objectos ;
assim como cha l.yson, por monos de 300
rs. a libra, em um ou mais caixas, e cha-
rutos da Bibia.
I MUTILADO
<
t
/


\
,-
jpjaa
T

3
mi
dos
OS,
ho-
900
900
000
000
tor
bo-
28.
Dto
a*
di
I v
+
.'.
?

Aviso diversos.

i-
A os SNIORES ASSIGN ANTES.
No illa 15 do crreme tenul-
iiit o lira/.o pitra parnmento tlit*
asilgnatnras leste Diario a I.neo
rs. por qiiartcl; e iludo elle -<> se
recebern a i ,5oo rs.
Aviao.
Bernardo Jos Rodrigue, que pretendo
fallar en ni o Sr. Joaquim de Souzt Maltn,
que teve loja de mercearia em|Lisbs, no
caes de Santarem, que o dito Rodrigues
morara na loja de caboj, no oes de Areia
n. 18, hoje empregado no vapor Alfonso,
e aasim espera qne o dito Sr. Mallos Ihe es-
creta para o Rio de Janeiro, praia dosMi-
neiroa n. 3 o dito Rodrigues segu vis-
gem pira o MarenliSo evolta multo broe,
e assim pode o dito Sr. Mallos procura-do
na casa do Sr. Anlr Bnrboza Soares, na
ra da Cruz n. 38, e deiiar dito a sua mo-
rada na mosma lo|a.
A quem faltar un jacaz eom batatas e
outro com sobla;, pode dirigir-se ra da
Gadeia de Santo Antonio n. 26, que pagan-
te a despata se entregar.
-- Hanoel Antonio Sabarido, est justo
'.comprar a venda deJoso Francisco Cola-
rea, no Manguind, se alguem se achar rom
direlto a ella, queira annunciar por estes
tres das.
O Sr. Manoel Fulgencio da Silva, haja
de ir tirar o aeu penhor, que tena na venda
da ra da Calca la n. 3, no prezo de i:> dies,
quando BSo perder sen- uire.tos a elle.
Sebeado, do crrante, perdeu-se na
igreja de Nossa Sonhora do Rozario, um
anncl.1o, com qualro oitavas e mea e corn
sete diamantes, esmaltado do azul, que mal
se divulga; rogi-so a pessoa que o achar,
ou a quem fr offerecido, haja de eppre-
bender e dir)gir-se ra da Concordia n.
*, que aera gratificado.
G. Adolphe Bourgcois, vai Europa.
Loteria da matriz da Boa-Vista.
as rodas desta lotera .indam im-
preterivelmente no dia iG do cor-
rente no consistorio da mesma
matriz. O resto dos bilhetcs con-
tina avender-se nos logares j
annunciados, c mais no aterro da
Boa Vista n. 6a, esa do senlior
Vicente Antonio do Espirito Santo.
Pede-se a certo senlior, que
tanto se oceupa de indagar de to-
dos os negocios, sem ter algum, e
rjue por alcunha se cliama heiina
de Angico, se he verdade, qne vai
estabelecer um bazar, no sen so-
brado da rua do Queimado, ou se
as fazendas que para alli tem en-
trado s3o para suprir algum logis-
ta enforcado, e nesse caso, quanlo
ginha de commissao. O Tiote.
~ Braneisco Msthlas Pereira da Costa, ex-
porta para o Rio de Janeiro o sen escravo Za-
cerias, crcoulo, de idade 50 annos.
Aluga-se pelo lempo da testa o sitio da
Capuuga a n.argem do Rio, da viuva de An-
touio Ignacio da Rosa, com excellenlo casa
e graode solio, casinha o lado com coni-
modos pira duas numerosas familias, com
lerracos, quaitos para eseravos, cacimba,
grande eslribaria, galinhciros para porcos e
g., lindas, e lodo murado o sitio : quem pre-
tender dirija-se a rua do Queimado n. 40,
segundo andar, das 6 as 9 horas da manhSa,
e das 3 as 4 da tarde ; e fra destas horas,no
Itecife, traveasa da aladre do Dens, armazem
n. 13.
0 Sr. Jos Cipriano de Muraos Lima tem
urna carta no escriplorio de Novaos & Com-
panhia, na rua do Crospo n. 34.
-- Tendo-seennunciado pelo Diario o ar-
rendamenlo da casa e sitio do Znnguc, con-
ven para claresa, declarar, que ha hsixa de
capici que no anterior arreadamente foi en-
rorporada dito sitio, e quo foi nenle-coronel Francisco da Rocha Pees Rr-
reto, hoje pertence a herdeira legitima des-
le, a qual na segunda partilha coubc cssa
dita beixs de capim, como consta dos autos
existentes no cartorio do cscrivflo Cunha ;
e para evitar duvidas ruluras, vislo que so a
dita herdeira legitima pode arrendar a rele-
rida baixs, se fz a prsenle dcclaraco.
-- Aluga-se um molequedc20annos,mu-
!u fie!, e ptimo cosinheiro : na rua do Ran-
gel n. 44.
Precisa-se alugar urna ama quo tenha
bom Me : na praja da Independencia n. 31,
e dir quem pretende.
Deseja-se fallar ao Sr. Jos de Mello Ce-
sar de Andrade, procurador da cmara mu-
nicipal de Olinda, a negocio de seu interes-
se: na rua do Crespn. 33.
Os absixo assignados dcclsrsm polo
pro-ente, que imigavelmentedissolveram a
sociedsde que tinham ni loja da rua da Ce-
dria do Recife n. 14, a qual girava debaixo
da firma de Ferreira & Machado ; ficando o
socio Ferreira sujeito a liquidacSo da mesma
llMPS JoHo Goocalves Ferreira, e Manoel
de Mallos Machado.
>ma de rebui;o.
Pede-se ao Sr, Costa, digno director da
scena do tneatro do Sente-lzabel, para ut-
lidade da empresa, a gra^a especial de nun-
ca distribuir primeia* partes a actores que
por sua incapacidado nSo eslio no agrado
do pqblico, o qual apesar de indulgento bom
v, com os olhos da cara, anda pur prcen-
cher o vacuodeixado pelo tnelhor dos artis-
ta), em seu genero, qoc tem aportado a es-
ta provincia, e quo jamis o poder ser por
algum los que compOe a actual companhia,
< cuja organisarno se houvera presidido o
desojo de agradar so publico quo he o sus-
tentculo dos thealros, no se loria deixado
de engejar o distincto artista, Sr. Germano,
que anda longo de Pernamhuco lio o dilecto
dos amadores da Sfena ; e desl'arle ter-se-
h.a evitado o dizer-se que sua exclusilo foi
Eisto de mesquinhas vingsncas a que lodo o
omero de educado e sentimentos nobres
deve ser snbranceiro, islo segundo o pensar
doa verdadeiros Germanistas.
-- O Vigilante, peridico destinado aos
inleiessrs thealraes, sahiri luz at o tim
desta aemaiia : assigna-se para ello a 1,000
ra. por mez.na loja de livrosda rua do Cres-
po n. H, e vende-sea vu!so, a 80 rs.
a sorte de 20:000,000 rs. da
quinta loteria de vidros e quarla
da iacao, aabio em vigsimos n.
78, e foram vendidos na loja do
cautelista Antonio Jos Rodrigues
de Souza Jnior, na rua do Quei-
mado n. 37 i, e na loja de ferra-
gens de J080 Baptisia hodrigue* de
."ouza, na mesma rua n. 12, eno
tarro do Boa-Viata n. 48 'Ja
de miudezaa de Antonio da Silva
(.uin.araes : convula-se, portanto,
aos poseuidores, a virem receber
em continente, naa lajas mencio-
nadas.
Eogajam-se serventes forros ou capti-
vos, para trabalharem no armazem de essu-
car n. 88 da roa do Brum.
Itoga-se aos senhores Joaquim Leal,
morador no Arraial, e Manoel Marinho Ca-
valcanti, Domingos Jos Soares e Jlo Ca-
va Iran 1 de Albnquerque,moradorem Abreu
da Una, de ir o a rua do Crespo n. 13, a ue-
gocio de intereiae.
Aluga-ae por lempo de reata urna casa e
aillo na Capunga, por preco raioavel : na tra-
veasa da Concordia n. 17.
O Sr. Francelino Barboza deLirerda,
morador em Goianna, tenha a bondade de
tir, ou mandar tirar os penhores quo tem
na rua do Queimado n. 33 at o da 30 d/
enrenle, do contrario serSo vendidos.
-- Aloga-sc para servico interno de casa,
urna mulata de 14 annos, cose engomma o
cosinha; a tratar na rua doCollegio n. t6,
lerceiro andar.
-- Precisa-so 'de urna ama para- cass de
pouca familia : a tratar na rna Nova n. 19,
oja.
Na rua da Cadela n. 60, escriplorio, se
dir aonde preciaa-se de um bom cosinheiro
ou cosinheira, como lambem um estribeiro
apto, ambos forros.
Preciaa-se de qualro offlciaes de charu-
teiro que facam 500; paga-se 180 ra por eoli-
to ; Umbem precisa-so de aprendizea : na
rua|do Nogueira n. 19, segundo andar.
Carlos Manoel Nogueira Campos, reti-
todaaaspessoaaquesaquizeremutlliaardo Alfredo de Mornay, empresario da es-, 100 r. o covado, madspolo fino com um Vende-se a dinheiro a vilta, sem
aeuprestimo.que nao exi^e psga alguma Irada de ferro que so tem de construir na pequeo defeito, a 8,000 rs. a peca, algo-| .. reano Iota
"soliendo s denles 13o bei enllocados provincia df Pernambueo, convida as pes- dSozinho de 30 varas, a 1,600 ^ a peca,, limite, na rua do Virespo, I0J8
que nSo ao poasa dilTercncar dos proprios aoasquepor ventura dcaejarem obter ao- chita franceza coro quatro palmos de largu- nmarella n. 4, de Antoniorran-
naturaes.podendo-eemastigarqualquerco- iOea da respectiva companhia, se dirig- ra, a 300 rs. o covado, e urna porcSo de re- u..-:..
mida aem Sentir a menor dor nem receio leuiao referido empresario ale o dia 18 ao ama de angico por muilo com.iioc preco.: (..mhu ,"." ,.j .
de os quebrar t-mbera calsa os denteana- mei di outubro prximo fuluro, em caaa [na rua do Queimado por cima da loja de vi- .amnraia de corea, orgaudy va-
uraes furados'da caria com ouro ou prata, dos senhores Rothe 4 Bidoulae, na rua do. drac,as, no lerceiro andar. I ra "
prvenndo assim a continuacSo da caria o Trapiche n. 13, no Recife, em carta na forma! Vcnda-se um cabriolet inglez, novo, Caasaa rrancezas, de cores modernas,
doresemesmo evitando por essa forma de abaixo especificada. muito bonito eleve; a fallar na coclieira da
passar a caria dos denles furadoa para os Sr. Alfredo do Mnrniy. rua de 8. Francisco n. 3.
outrossSos. como bem.alimpa os denles em Toodo-se de construir um cammho de -- Vende-ie urna prela, creoula, de 35
geral, tirando asearas ou pedras que tanio forro que parlindo da miado do Recifo ,, annos, sem vicios, sabendo engommar per-
os damnifica e coopera paraomo alitoda.'o passaodo pelos districtos mais assuca- feitamente e lavar bom, cosinhar e cozer t
bocea nSo sendo tirado: ha dez annos que reiroa da provincia de Pernambuco v alguma rouaa ; na rua do Hospicio n. a,
ofnnuncianle exerce sua prollssSo nesla, terminar na villa d"Agoa Preta confor-: aegundo andar, por cima da botica da viu-,
cidade, eos mullos ejemplos que tem dado,me as estipulares do contrato celebrado: va Cunha.
nesse longo tem po ser quanlo basta para.entre o governo Imperial e V. e appro- -- Vonde-se um excellcnte cabriolet em
garantir sua residencia na rua Nova n. 19, " primeiro andar.
Consultorio home-
pata1), ico.
V. para o iim do obter ( ) sccQes de no Baaar n. 4, rua oo Vigario.
valor de vinte libras esterlinas cada urna
: vmt" libras no cambio actual de 37 1|4
d. be Igual rs. 171,150 ) ; e esperan-
iij do que V. se sirva Iransmillir a presen-
te doelarao.M) directora d' companbia
que se tem de enenrporar para realisar a re-
vara a
Cambraia franceza de quadros miu-
iliuhipe, vara a
Cortos de cambraia de quadros de co-
res, rom 6 1|3 varas o vara do lar-
go, corte a
Chita franceza, de coies fix>s, cova-
do a
Chales de casimira com desenlio, a
irDitacSo doa da India a
Lencos de seda do cores, para homem
o senhora a
700
600
560
3,000
'.NO
5,000
9
Campos,
ra-se para o Rio de Janeiro, levando ein sua j Z as n. horas da manhSa. Pra-
compenhia um filho menor, e um seu es
cravo..
-- Cede-se e traspassa-se o dircito e accSo
sobre ama hypothoca em duas moradas de
casas terreas na rua Augusta ns. 37 e 46, o
maja o valor de 6:200,000 rs. incluidos tam-
bem na dita hypolhcca, as casas da rua da
Cadeia de Santo Antonio ns. lie 16, tudo
pertencentu ao II m Sr. Dr. Manoel Teixeira
Peixoto e sua mulher : os prelendentes po-
dem dirigir-so a rua Nova n. 33, a fallar com
o sou proprietario Antonio Gomos Villar.pn-
0 ajuste eexamn dasescripturas.
Um sacerdote se offereco laradizeras
missas doNalal, seja em que lugar fr, a-
uida mesmo longo da cidade : quem preci-
sar, annuncie, ou dirija-se a rua do Sebo,
por cima da aula publica; ndverte-ke que
so podo principiar logo da daConceicSo,
sendo o dono queira.
S Ihiado Collesion. 25, p- ? Witja obra cumpre-me significar-lhe ,
1 4 nSo obstante o que fie exposto a laUaCtO
me tro anaar. x em qUe estou de ,COjtar 0 numero de ac-
S O Dr. P. A. Lobo MoSCO- O C0*" iue por ventura houver de caber-me
* so d consultas gratis aos
pobres, todos os dias das 8
9 ticaqualquer operacSo deci-
j| rurgia, 011 de partos., licce-
| be eseravos doentes para Ira-
a> tar desuasenfermidades, ou
fazer qualquer operacSo, por
t, prero commdo
ainda que menor seja do que a mxima ci-
ma lixado. Por esla occasiSo tenho outro
sir de declarar-lhe quo me obrtgo a pagar
as respectivas prstameos no lempo o pelo
modo que a directora houver de determi-
nar; e nSo o fazendo dentro de perodo d
30 dias depois do notificado, fica desde j
entendido que cessarA todo o meu direilo
nilo s as acfOes como tambe n as presta-
Cfles quo liverem sido pagas, cuja ini, 011 m-
cia roverter cm proveilo da companhia.
Nome por inleiro.......... .
Data.....................
Moradia.
ProfissSo
Afim do saberom o numero de a.'eAos
quo convm comprar, da cstraila de Ierro
de Pernambuco, muitas possoas toem per-
Kiintado quando, mais ou menos, ser pre-
cisa pegar a primeira prestacSo, e qual a
litWAl DO DR.J,\RU,
TRAHL7IO EM PORTfGUKZ.
16,000 rs. de assignatura.
Sahio a luz o primiro volme dcsta obra, propo'rcSo do valor total das accOes, s ser
a melhor do todas em seu genero : o uuico esla prostacAo; e tembem a prestacSo e
verdadeiro livro, por onde se pdsesludare tompo do pagamento das oulras prestaces.
praticar a homeopathia. Est ntidamente Para a informacSo do todas as pessoas que
Manoel Domingoes, Portugucz, chega- 'impressoem excellenle papel, com todos os nSo sabem a marcha de compendias que se
do da pouco, desoja ter noticias de seu pai signaes que conlm o original para denotar formam para executar granJes emprezas,
Manoel Domoguos.poralcutilio Vellomaior, |a Ojfferenca do valor dossymplomas. Ihe advino pnr meio deste, que a primeira
queda muito annos esta nesta provincia, | Coulina a assignature no consullmo ho- preslafilo nSo se paga at quo a companhia
dzem que ha pouco era feitor do engenho, meopathico do ur. Hoscoso, onde os sonho- esleja organisada, 110 caso actual, prova-
0 outros que morreu, por cojo motivo mu- res assignanles podem mandar roceber os velircnlo d'aqui a 4 prra 6 mezes ) e que
Itun iln (; res u n n o sennora e ,000
. h.a P 9' Manteletes pretose de cores 16,000
Vendeni-se pallls de panno fino mo3cU-Cortede,ed,j8cre8 e.prfls, com
do a 4,000 rs., cada um. e fortes de case- peueno toque je mufu Com 15
mira a 3,500, 4,000 5,000 e 6 000 rs, cortes ,<, M cort, 15 000
de cambraia de Salpicos a 3,000 rs e len- Cotto de geJi tranSpirente, ou Alo-
Cos de seda a 500 ra. I xaudriaa 13,000
6^r Grande sortimento de todas Meios chales de casimira, para se-
as dualidades. i nhora e meninas 1,600
Vendem-sen.ru. do Queimado n. nova "E"* so1 de Seda' pr0'05 e do lna
loja de miudezaa de Antonio Jos de Azeve- ,,,.'..,:,.. /.. a i:i. ..?.
do, lunada pelica enfeit.das para uoiva- L??2' "1 ??J5f'"l" ft"9Jl
des, a 3,500 rs. o par, ditas mais abeixo a P'Preyo maweoniinodo, do que emWr.
1,800 rs., debellas a 1,380 rs. dita ponto 1uI1uer ?'
inglez para homem a 1,800 rs, dita mais
abaixo a 800 rs, dte de sede treocada pira
senhora, dita brenca e cor de canna a I,-no
rs, dila prela de tnirnil a 610 rs assim co-
mo ricos peales de tai taruga pare prender
cabello a 5,500 rs, e para merrefe e 610 rs.
o par,
r r lin'ia.s a 4o rs. a caixinha
e a 400 rs a duzia.
Vendem se na rua do Queimado nova lo-
ja de miudezaa n. 47.
K ico sor tmenlo de fitas de velli-
do para pescoco
Vendem-se na rua du Qjeimado nova lo-
ja de miudezes n. 47, ricas fitas do vuludo
pera pescoco, lizas o lavradas com livellas
de madro-perola, mais barato do quo cm ou-
lo agradecido ticar a quom Ihe dor al-
guma noticia a este respeilo : quem as po-
der dar, annuncie por este Diario, ou diri-
ja-se a rua da Praia, ermazem 11 3.
Precisa-se de urna ema, para o servico
externo o interno de urna casa do familia :
em Fra de Portas ns ru dos Cuarara-
pes n. 14.
Exporta-se para o Rio de Janeiro, Joan-
na, mulata, com 13 annos de idade, escrava
de J0S0 Antonio Alves de lirito.
Lava-se o engomma-se, com muita per-
feicSo e asseio : no pateo da Ribeira do S.
Jos n. 15.
- Precise-se de ofliciees de cheruleiro, e
eprendizes ou tiradores de fumo; na ru
Imperial n 31.
Precisa-se de urna ama, para case de
pouca familia, e que sirva para todo servi-
CO, e prini'ipnlment" engommado I na rua
Velbe o. 55.
Arrenda-se um sitio no hecco doQuia-
bo, da povoecSo do Monteiro, por anno, ou
por fesla : quem o pretender, dirija-se a rua
do Sebo, cesa n. 13.
O proprietario da loja, sita na rua do
Livramento n. 28, aluga, ou vendo a arma-
i,."i", propria para miudezas, ou fazendis :
a ti atar na mesma rua 11. 30.
Para se paBsar a fesla.
Aluga-sc um bom sitio no lugar do Cor-
deiro.a margem do Capibaribe, com boa
cesa, estribara para Iros cavallos, casas pa-
ra pretos e feitor, pomar o jardim ; assim
como baixas com oapim, o milite orlelico:
na rua do Queimado 11. 30, sogundo andar,
ou na rua de Madre de Dos, armazem do
Barroca ci Castro.
Passa portes.
Tiram-so passaporles para dentro c fra
do impciio, despacham-se escravos,correm-
so folhas, o tiram-ae ttulos de residencia :
para osle Iim procura-sc na rua do Queima-
do n. 35, loja de miudezaa do Sr. Joaquim
Monteiro da Cruz.
Precisa-sede urna ama forra ou capti-
va, boa cosinheira, e para mais algum ser-
vico de enancas em urna casa tstrangeira
de pouce familia: na rua da Aurora n. 8,
seguudu andar.
lzidoro Jos Caperica Jnior, vai ao Rio
deJaneiro, levando em sua companhia dous
manos menores, Jos e Ignez, e seu escravo
Benedicto, Angola, de idade 25 annos, pare
seu servico particular.
-- Contina em fuga o meu escravo Ber-
na
tota
ni
do
e j
por
rogo
campo, o pren
Capellinha do Mondego, termo da freguezie
de Boa-Visla, comarca do Recife, que serSo
pagos. Assim fa;o saber que Aotonio l.eite
de Magalhfles, soldado que foi de infantaria,
ehojecom baixa.arrancnan lo-se nestesitio,
oopositnu em meu poder urnas pecinhas de
ouro para esguarder ; sobre ellas foi mn pe-
Jindo por vezos dinheiro, e eu vendo a noe
conducta que cnlSo moslrave fui empres-
tando al 40,000 rs.; e depois lembrando-
me do tocer o ouro em pecinhas de brincos,
ergollnhes, annesziuhos, ludo era falso; is-
to posto, para nSo o haver a polica passou-
iii'- urna lolra assignada pelo Sr. Rorgcs, por
elle uo saber escrever, para nio pagar a 8
de Janeiro prximo p.issado, deixando dito
ourinho, o qual o poderia levar para onde
o quizesejassim mo confiei do Sr. Leite.mas
o dito senlior al esta data nSo tem apparo-
cido 1 por isso rogo e aviso ao publico que
dito Leile costuma negociar com ouro falso,
c fazer saques com ello do dinheiro legal,
dizcnJo que morava em Limoeiroetc. Em-
fim he um bomom quo deve ser pesquisado
pele polica, e prender-se esse bomcidadSo,
para da cadeia pogar-me, e alm disto evi-
tar-so conliouados furtos qua esse ho-
mem vei fazendo a quom podo engaar, e
passando por homem de bem; o qual he par-
do, moco, e e meiorie dos soldedes o conhe-
cem.-SebastiSo dos Oculos Arco Verde Per-
nambuco.
Na rua da Cadeia do Recife n. 49 pri-
miro ander arrenda-se annuelmente um
silio, exige-se que este seja ou na ponte de
UchOa, ou em outro qualquer lugar em re-
lacSo aquelle, exige-se rois que baje be-
ndo, o beixa de capim : quem o Uver diri-
ja-se ao lugar cima mencionado que aeda-
r com quem tratar.
Pretonile-se comprar a case n. 7 da
rua de S. Pedro Apostlo, em Olinda, per-
tencente a Vicente Ferreira do Secremento;
se houver algum embaraco em dte osa,
queiram declarar pelo Diario.
AOS DENTES.
J. A.S.Jane dentista,noticie ao publico que
contina a por denles artiflciees de porce-
lana incorrupliveis; oannuueieiiteenclierte
de um ou todos se fr preciso, asseverando 999
sous exemplares'. nSo oxceJo de 10 a 30 por canto do valor
Nomcsmociinsultoriohatodososmedica- tutal de cada eccSo ; e quo o res'o do paga
mantos ho neopatdicos VERDADEIROS ; es- conforme o adianlamento da empreza cm
sim como ricas carteiras, o rrformam-se pequeas prestecOos durante o espaco de
quaesquer boticas, cujos medioamentos se- alguna annos. Alfredo de Morney.
.raro falsos, ou deteriorados. Precisa-se saber em que parte de Per-
Constando-me que a minlia cscreve de nambuco mora a familia de Jos Gamillo
nome Gerlrudes, nacSo angola, de idade 26 Freir, ou o seu lilho llr. Jos Gamillo Fre-
annos, cor muito prela, olhos grandes, ps, r0| para negocie de seu interesse.
emSos pequeos, estatura baixs, disdenla- Wff daa frento do lado de cima e pello do &. |, ,|0 QeflernOUS, dentista. J
pombo; se emeaminhara he quasi dous me- a> nroruriido n aunl- l-
zespereoengenbodeFregoso, sondead.- S PM J*^5 mi MTbu. %
la eserava Gerlrudes diz a ter urna comadre S> I"01, "ora., ..< 9
"pre peco .0 Sr. do dito engenho que *> r* l.rj do KolMto 36, ^
por f.vor, no caso d'ella Ihe aparecer no seu |7*A A *V *a.AA.V> aiI
encenho ; que ma mando pogar e remelter- aal.a PMal;jeB
meB, a caVa de minh residencia n. ru. da --Anda se precisa alugar urna res a nm
Aurora n 52. pagando eu, as necessa-ias preto, eseravos, que al." aaiba tratar de
deseo" s, de cu o favor Iba ficare obriga lo. crianca o dos seus arranjos.e o 2.0 pare com-
dita prete foi escrava do prar e fazer o servico interno do urna casa
dus em corta casa que sor logo corrida o qum
o ladrSo sofrer as penas da lei.Francis-
Deos dispem.
Acaba do cheger do Rio de Janeiro, tra-
2| duzido em portuguez o oxcellente romance
* do Alcxaodrc Dumas, quo tem ttulo Doos
9 Dispooro, vendem-se na livraiia da praca
* da Independencia n. 6 o 8, a 8,000 rs, cons-
*3 lando de 6 volumes.
- Aluge-se urna casa terrea, no sitio do
?i.rl"e>).* *a)aP8"1 -^'*
co Ji s Rarboze.

>
>
Jhoiweopathica
28 RUA DAS CKUZES 28, si (-0,jejro"'i margem do ro Capibaribe, com
a> DiYtefiaporumpAiirmaceuiico commo(is p,ra giande l'emle.ecom estri-
* approvado. .. baria para seis cavallos; urna dila me.is
r Este estabelecimento possue todos J pPqUPn' no fundo do mesmo sitio, tanibem
g os medicamentos ale agora oxperi- ^ (uji comau) ,os p,ra familia: a tratar com
% mentados, tanto nsEurope como no ^ t;rabrje| Antonio, no pateo doCormo 11. 17.
p Brasil, cpreperedos pelas mechinas 3 ^^m9,m
liillictes do Kio de Janeiro.
AOS 20:000,000 10:000,000, 4.-000.000,
2:0(10,000 e 1:000,000 de rs.
EslSo exposlos a venda, na na da Cadeia
Ira quilqui r parte, assim como dila dse- ;do Itecife 11. 34, loja de cundi ua Viuva da
da parasioteiio inuilu ricas asquees os fre- Silva, os muilo afortunados buhles, melos
guezes poderlo vir ou mandar buscar as hlietea, quartos, oitavos o vigsimos, da
amostres que se achsm patente. Misericordia de Ouro Preto, cuja lista lova
ItlCOS estoios de navalhas linis pa- I vir ,el" primiro vapor ; assim co:no reco-
_ ._k I heu a lisia da fabrica da Cidros cquaitada
llaclo.
ra barba.
VenJom-se na rua do Queimado loja do
miudozas n. 47.
39 A ,
da rua estrella do Uozario, travessi pera o
- Vonde-se doce do goial a (no, a 6,000 a
arroba: na rua das Cruzes 11. 40.
- Vende-se um prelo moco do iim;.'in.mi 1
lo bom barbeiro, sangrador do profissSo,
ia> da invi'i-o ni do Dr. Muro. &
& Carteiras de 12 tubos at 160, por -M
B> precos vanaveis, conforme a quali- 41
* dndedas caixas, a quantidadedosre- <*
v modios e suasdynamiseces. ""'
<** Tubos evulsos (cede um) 1/000 -"<
* Tinturas do tolos os mediesmen- ^
J tos em frescos de i|2onca 2I0OO J S sbino', ah se encontrar carteiras
0, AVIAM-SE CIIATIMTAMENTE <^ pj C0Q) mei|icamei'tos homccepalhicos,
S. pea ospobres,todas aareceitasque <| Z tubos evulcos, tintures do qualquer
9 paraalmandarqualquer professor. SE njnamsacap, o tambem se tefezem
:1lAI^I*fc*,fc!i: Precise-se de 4:000,000 de rs. e premio ^ propagandas homecopathicasdo lllm.
i O consultorio domcepathico da rua ej
J do Trapiche Nov numoro 15, dirigido 9
3 pelo Dr.l'ires llamos Jnior, foi trens- %
a) feri'lo para a rua da Cadeie do Ite il': Qf
^ n. 41, no segundo andar, por cima da ag
3 loja do lllm. Sr. Jo3o Cardozo Ayres, #
i$ onde ja foi o consultorio do Sr. Dr.
V
Hala da Silva. consullas sSo das 8 lloras do da at 3
-- Itoga-se ao senhor Manoel Pereira Ma- ^ aa 3 da tarde; depois deslas horas s ?
g.ilhSes, o obsequio de ir a rua da Cadeia do ^ 0 poderSo procurar na rua da Cruz #
Itecife, casa n. 59, ejusiar suas cuntas Com o ^ 00 Hecife n. 50, segundo andar. 4
abaixo aasignado.-Jos Das da Silva. e@>v*#S 44'ti49f 9^#S9
Casa de CominissSo de eSCravO. Muga-so o primiro ander, de cesa de
N. ru. Dimita, sobrado de tres anl.res. W d. **. ""j".^ 'J'Zt^
. Pedro n. 3, rece- nosia
Queimado, lm das mullas qual.dades de amolador, o bomcosinho.ro, discpulo que
biscoutosebolachinhasquesempre costuma '"> d oielhor sangrador dcsta provincia;
vender, vende muilo lino chocolat do l.is-, esto escravo esl bem proprlo para qualquer
beeoutrodecomposicSodecenella, mui- senlior de engenho que milites vezes por
tu recommendado pere quem solfrc doner- ,lt <"e ume sangra ou ventoss a lempo,
voso e estomago segundo o systoma de M. Burcer,perdein um
Venue-se urna padara bem afregueze- oscrevo, um filho, ou peasoa moito mais ca-
de, e um negro pedeiro; a treler na rua do "> PC quero daran melada ou tode a sua
Pires n 28 fortuna pare e selver: quem o quizar, v na
Vendo-se um bonito escravo de necSo, i ^ Rosario n. 35, que all o ichar
propno para armezem ou sitio, por ser de. na ioJm"-
toa conduela; na rua estreita do Rozario VenJe-se um casal de eseravos : nos
n 28. Berros Beixos, cese que foi do finado padre
j o Manoel do Muro.
' Vonde-sa urna secretaria nova.de ama-
da rua estreita do Rozario, travessa para o Ie\\0l com repartimeotoa e gavetas, obra
Queimado, avisa ao respeilavel publico que mui0 bem acabad : na rua da Cruzn. 48,
recebeo porcSo dosles biscuits de la cou- arn)azem da viuva Cesar Kruger ct Flhos.
ronnee outros recomuiendados para o Pianos.
Champagne pelo autor, etc., ele, chega-
dos no ultimo bhgue vindo do Havre. Brunn l'raeger & tompaobio ,
Vendo-ss um escravo, moco, pioprio ,.cce|,era, 0s mais modernos pia-
fara lodo o servico, sem vicio algum; na j 11
r,.a Augusta ., 22. om esa do Cabo. nos, de excellentcs vozes, que es-
VenJo-se una casa de taipa, na rua (j0 n venda, em sua casa, na rna
Imperial, bem construida; trata-so na rua .,
Direila n.69. ud l ru* l0'
3aS5J.,2
ja" '*
B
1-UHifl,
*H?su
o "
***

a. v.i
es
SS-o ga.Sa-
?5-g"-. Ig-arl
9
3. n
2 3" "
g o 3 -
Sao
3 ~
l
- M s
3 T
.- S"5
a) Q **-^& a-a. a Q "3
flffsll""
S,jfaill8'|s
tl*S2aSS
- 2. = o 3
3 3 a* T3 o
_ o-
o 5
o
pl
O y,
a tratar no mesmo no segundo
bem-se eseravos do ambos os sexos pare se ndar.
vender de commsso, ..So se levendo por -Candida Balb.n lilMlioMHNO
esso trabalho mais que 2 por i, e sem se fam particular approwda ^l(JW0,
levar cousa alguna .le enmodonas, offere- oonl.nua a receber meninas a quem na -
cendo-,e par. islo luda segurent. precise nara as meterles propr.as de edueacOo pr -
para os ditos ccrevos meirs das snnlioras, o resido na rua do VI-
- Preasa-so do um prelo para criado gario sobrado n.U.WBOJadO "^
quo enlenila de holear.e preferf-so captivo: Auna for-eire da Silva aulo PJ
na rua de Cruz do Recito n. 27, ou no Mon- proviao do Lxm. S'.?"3'"D}'."
dego defronto ,1o lio do Sr. I.uiz Comes. Krane.seo Antonio RJljeho, de M de, julho
1 Arrende-se o sitio Zongu rm Apipu- docorrenteauno, &**? i ca.a de s
cscomexcollonlecasadovivenda sobra- residencie .a ru. das T "^irea n.50
do; margem do ,io Capibaribe, estribara, urna aula de instruyo ^W *
grande plantacSo de capim, terreno pro- o grao, para o sexo fc^Jtr""
prio para olana. e porto de a.barque: a fnl',^fld!L^ft0]T.,JLVJ"^
tratar com a proprietaria na rua do ragSo
n. 12 piiine.ro ender.
Dentista americano,
li W. Beynon, rirurgio dentista, conti-
ne a exercer e sue prolissSo, fefendo to-
das esoporecOesque forem precisas do qual-
quer naUreza, tanto por fra como na su
Ibas, podero dirigir-sc a mencionada casa,
a qualquer hore do da, certo de que e an
nuncianloempregar todos os seus desvelos
em nSo desmerecer do son conceito.
Compras.
Cooipram-se rscravas cevendem se, re-
residia. cncondo podo ser procurado a quel- --t-ompram-w rsc.a. "'-- ;-"_
quer hora, na rua da Cruz no Recife n. 7. cebem-so do comm Issao tanto NfliM
seaundo ender.' vincia, como para (ora dla, na rua flos
LUo .bailo assign.do, .luga annu.lmen- Quarleis n. 24, segundo an d.r
"'niii ondn mora a1 Compram-so duas creoula ou paruas,
cSmmodo :-no an- de i. 20 anuos, e que tenhem bo.s figuras;
te, sua casa na rua da I
qual tem oa aeguintes commou
dar do ci.na duas salas forradas a papel ere- n ru,_rJ*f_n;J6i;
centemeote pintades, seis quartos e gabine-
te : no andar terreo duas sales, qualro quar-
tos, cosinha fra, quintal, cacimba, jaidim
plantado, cocheira e estribara, ludo no me-
lhor estado possvel: os prelendentes o pro
curerSo no pateo do Colleglo n. 35, des 9
horas da manhSa as 4 da tarde.
Christovo Xavier Lopes.

Alugem-se e vendem-se bixasna 9
dencla n. 10, con- 9
Iruzes. 9
eyasajpwwvajajajii
H Alugem-se e ve
9 prafa da Independ
Z fronte a ruadas Cr
-- Compra-sc cabello do boi anda mesmo
sendo servido : quem tiver annuncie ou di-
rija-se a rua ove n. 19, loja.
Compra-se urna negra, que saiba ven-
der na rua, preferindo-se a que fr de na-
cao da Costa de Mina : na rua Augusta n.
32,se dir quem compra.
Compra-se ou aluga-se urna lileira cm
bom estado i na rua Velha n. 63.
Vendas.
- Vende-se chita escura de cores fixas, a
Sfg-
o s (P c n
as t -
= 05 =5 -a -t
O
r c* O
=ro> Q.C
O M
i I?*
Bro
a o < o a _,
&* B Q (I 3 fe
SgffiilSSi g!
o =
s -,
a a" f
3 a.'
S-9
.. j 3 3 B
o 9 ^
CB
9 n
zr -i f. es
f
- o"- 3 3-
1 "-2 S33 2
S 3- O S -a n
a> ac-(oj o C
lliaflat^e
"='
a ff I 2.2.
2-o. = 3|:|g
2.3-2 r-ai-u 6 B
-isfisi
ass.--*.
5Sc

9 o-E
?7S
;;D
I (S


.w
/
aos 10:000/ e5:ooo debs
O cautelista Salustiano de A-
quino Ferreira avisa ao respeita-
vel publico, que a lotera da ma-
triz da Boa Vista corre imprete-
rivelmente no da a'i de outubro
do corrate atino, e estao expostas
a venda os seus afortunados bilhe-
tes e cautelas da mesma lotera ,
na praca da Independencia n. 4
loja de miudezas de Fortunato Pe-
reira da toaseca Bastos ; n. i3 e
i5, loja decapado do Arantes;
n. 37 e 39, loja de coleado de Por-
to 5c Companhia, e na ra da Ga-
deia do Rccife n. 46, loja de miu-
dezas de Jos Fortunato dos Santos
Porto.
Bilhetes 10,600
Meios 5,3oo
Quartos *>6oo
Salsa de Saads.
Ra larga do Rosa-
. rio 11. 36.
Este remedio acha-se a venda
na botica de Barlholomeu Fran-
cisco de Souza, no lugar cima in-
dicado : o mesmo garante a quem
duvidar ser a verdadeira Salsa de
Sands.
Fazenda da moda.
Vendem-se superiores cortes de cambraia
delsalpicos brincos de cor, pelo dimjnuto
preso de 3,500 rs.: ni rui ido Crespo, loja
4
n. 6.
Quintos
Decimos
a,100
1,100
Vigsimos 600
- Vende-sa urna preti creoula, de 2* 1
25 annos de .lado, som vicios, nem acha-
qoes, sabendo engommar, livar, cosinhar,
o coser, alguma cousa : na Soledade, no si-
tio dos 4 lees, a qualquer hora, se achara
cien quem tratar.
__ Vendem-se boas pennas de
pato, a 80 rs. o qttarteirao : no
pateo do Collegio, casa do livro
azul.
Cal virgem de Lisboa.
Vcndo-nise barril com cal virgem di Lis-
boa, da ruis nova que lu 110 mercado : na
ra do Apollo armazem 11. lo.
Vende-se um casil de escravos com
urna cria: no l!arro-Baxo, no sobrado do
fallecido padre Manool do Muro.
-- Vendem-se saccas grandes com milho
novo : uo Becco Largo do Recite, taberna
que volta para aSenziIlu .Nova.
Continua-se a vender manleig iugleza
nova, a 480 e 560 rs. a libra, dita franceza, a
480e60rs.,gomma, 80 rs a libra, vina-
gre, f 80 rs. a garrafa, e 500 rs. a caada,
vinbo, a 160 rs. a garrafa, e ludo o mais se
contina a veuder pelos precos ja annun-
ciaJos, no patoo do Carino, venda por baixo
do sobrado de um andar, esquina que volta
para o becco da Bomba n. 13.
Moinhos de vento.
com bombas de ropuxo para regrar hortas
ebaixasdocaplm nafuudicaodeD. W. Bow
man:na ra do Bruuins.6,8 o 10.
Vendem-se 8 escravos, sendo 1 ptimo
mulato moco e de bonita figura; 2escravs
sendo urna boa ongommadeira e cosinhei-
ra, faz doces de todas asqualidades : na
ra Direita n. 3.
.-Vende-se um jumento o duas jumentas,
una dellas danio leiteauma cria, m
novas, por preco
Queimado n. 14.
commodo : na ra do
Sands
SALSA PARRILHA.
Vicente Jos de Brito, nico a-
genteem Pernambuco deB. J. D.
Sands, chimico americano, Uz pu-
blico, que lem cliegado acsla pra-
9a urna grande porco de frascos
de salsa parrilha de Sands, que sao
verdadeiramsntc falsificados e
preparados no l\io de Janeiro, pe-
lo que se devem acautelar os <
Muidores de to precioso T
con-
l'otassa americana.
No antigo deposito da cadeia velha, n.
12 existe urna pequea porco de potassa
imericana,chegada recentemente que por
superior rlralisa com adaRussia: vende-
se por preco razoavel.
Deposito de cal e potassa.
No arrnazem da ra da Cadeia
doHecifc n. i a, ha muito supe-
rior cal de Lisboa, em pedra ,
assim como potassa chegada l-
timamente a precos muito ra-
soaveis.
Agencia de Edwin Maw.
Rarua de Apollo n.6, irmuem de Mc.Cal-
mnnlSt Companhia, acba->e conaianteiiienie
Dona eortlmenlo de tala* de ferro coado e
batido,tanto raa como funda,moendasln-
eiras todas de ferro para animaes, agoa,tic,
ditas para armar em inadeira de lodo MU*
manboae madello o mai moderno,machina
borisontal para vapor,com forja de 4 ****{"
loa, coucos, paasadeira de ferro eitanhado
para caa de pulgar,por meno preto que o
decobre, ecovenparanavio,ferro ingle
tastoembarraicomo em trcosfolbas.etudo
por barato urce o.
Carnauba de primeira sorte.
Vende-se em porreo e a retalbo, no depo-
sito de D. II. Andride & Companhia, na rui
da Cruz, confronte o chafariz n. 19.
Vendem-se relogios de ou-
ro epr&ta, patente inglez: na ra
da Scnzalla Nova n. !\i.
AGENCIA
da fundico Low-Moor.
RA DA SENZALLA NOVAN. 49
Reste estabeleeimento conti-
na a haver um completo aorti-
tnento de moendas o meias mo-
endaspara engenho machinas
de vapor, e taixas de ferro bati-
do ecoado de todos os tama-
olios, pata dito.
MociMla- superiores.
Na fundirlo de C. Starrot Companhia,
emS. Amero, acham-selvenda moendas
de canna, todas de ferro, o um modelo e
r.onstruccSo muitosuperior.
Sedas.
Vcndem-se muito superiores sedas, de co-
res o pretas, para vestidos de senbora e me-
ninas, manteletes, ou cipolinhos, por pre-
co muito commodo, alim de se apurar di-
nheiro: no alerro da Boa Vista, loja do eti-
cado n. 14.
-- Vende-so um cavallo muito novo, e tem
slguns andares : na ra doQueimado n. 14
Gomma de engommar.
Vendem-se sacos com gomma, muito al-
va, propria para engommir e fazer bolinhos,
por nao ser secca ao fogo: na ra do Quei-
mailii O. 14.
Vende-so um sobrado de um andar,
sito ni ru do Livramenlo : a tratar no aler-
to, sobrado; tambera se
Ba du Crespo, loja am arel la
n. 9.
Vende-se palitos do ultimo goalo, de
panno mesclsdo, por menos preco do que
em outra qualquer pirte ; coi les do camz
braia de atpleos, por 3,000 i 3,500 n n
lencos de se la a 500 rs., panno escosse;
para palitos a 9,000 rs. o covado ; corte* d.
linm francez, douliimo goato, a 3,000 rs.
Cuutinua-so a vender manteiga iogleza
nova, a 560 ra ; em porcSo se da por menos:
no palco do ('.armo, venda nova n. 2.
Luvas de pelica.
Vendem re as muito superiores luvas de
pelica ponto inglez, a 2,000 rs. o par, ditas
com um pequeo loque de mofo, a 320, di-
tas de lorcel muito novas, a 790 : na ra
estreita do Rosario que volta para o Quei-
inado, loja de miudezas n. 2 A, junio ao de
potito de pBo.
Leques finos.
Vendem-se leques multo finos e de muito
bom gosto, a 3,000 ra.: na ra estrella do
Rosario que volta para o Queimado, loja de
miedetas n. 2 A, junto ao deposito de po.
Le neos para grvala.
Vendem-se muilo superiores lencos de se-
lim de cores para grvala, a 1,000 rs., fran-
jas para cortinados, a 240 a vara, fita de ve-
ludo para volta, a 800 rs., lesouras muilo li
as, a 1,000, 600 e 40e rs., caivetes do duas
folhis muito finos, a 1,000 rs., ricas e garios
muito linos de cabo de bataneo, a 6,500 a
duzia, caixiulias de vidro, a 640, lilallas de
carretel de 200 jardas muito finas, a 100 rs.,
e outras muitas miudezas que se vendem
^gssitasuxssissr. ?& "7T
direita, fava, coentro de touceira, salea, to-i Couro de lustro a j,VOO.
mates grandes, repolbo, couve lombarda,! Vende-se couro de lustro muito bom, a
sabola, c moslarda : na ra da Cruz n. 46, 3^00 1 pele: na ra estreita do Rosario tra-
defronte do Sr. doulor Cosme.
A C1DADE DE PARS.
Fabrica de chnpeos de sol, na ra
do Collegio n. \.
Alm do sor lmenlo j ennunciado, rece-
be u se pelo navio Havre, ultimo vindo do
Franca, um novo sotlimenlo de chapeos de
sol de seda e de pinoinho, para homens e
senboras, do ltimos gostos; superiores
chapeos da sol de seda com cabos de cana/e
outros dos melhores que tem vindo a eata
praca, que ae continan) a vender por me-
nos preco que em outra qualquer parle.
Na ra do Crespo, loja n. 6.
Vendem-se superiores cortes de cmbrala
deaalpicos, com 6 l|2 e 7 varas, a 3,500 e
4,000 rs ; cortes de casas chita, de dovos
gostos, a 2,240 e 2,500 rs.; caaaa franceza a
440 rs. a vara ; cortes de briol trancado es-
curo e mesclados, a 2,000 rs. ; panno fino
preto, a 3,000e 4,000 ra.; lencos de cimbris
de linho, 1480 rs.; ditos de csssa grandes,
a 160 rs.; riscado i linbo a 180 rs. o covado
e muitas outras fazeodas em conta.
Vendem-se saccas com la-
re I lo de 3 a 4 arrobas : no ar-
rnazem de Antooio Anoes, no caes
da Alfandega.
Urna encommenda de cobertores,
Que por serem poucos
Nao nodem chegar
A lodos os compradores,
a 1,600 rs. cada um : na ra do Crespo, lo-
ja n. 6.
Vendem-se asseguintea sementes:
DA
SALSA PARJO A OEBRISTOL
SALSAlKIIlfSANDS.
sumidores de tao precioso
man, de cahir neste engao, to-
mando as funestas consequencias ,
que sempre costumam trazer os
medicamentos falsificados, e ela-
borados pela mo doquelles que
antep5em seus interesses aos ma-
les da humanidade. Portanto, pe-
de para que o publico se possa l-
vrar desU fraude e distingua a
veidadeira salsa parrilha de Sands
da falsificada, e recentemente a-
qui chegada ; o anaunciaate faz
ver, que a verdadeira se vende
nicamente em sua botica, na ra
da Conceicao do Becife n. 61 5 e ,
alm do receituario que acompa-
nha cada frasco, tem embaixo da
primeira pagina sen nome impres-
so, e .se achara sua firma em ma-
nuscripto sobre o involtorio im-
presso do inesmo frasco.
Dciiostto la lubrica le Todos 09
su 11 ios na Halilu.
Vonde-se,omcasa de N. O.Bieber&C.,
oa ra daCruz n. 4,algodSotransado a-
quellafabrica,muitopropriopara saccosde
ossncar oroupadecscravos.porpregoeom-
modo.
a 130 rs. o covado ou -4,5oo rs.
a peca.
Na ra do QueimaJo, loja o. 3, vendem-
se chitas escuras muito boas, e de lindos
matizes, pelo baratissimo pre$o do 120 rs. o
covado. ou 4.500 rs. a pega ; bom como ou-
tras fazeudas baratas. _
Cal virgem de Lisboa.
Vende-se superior cal virgem,
chegada ltimamente de Lisboa, e
por preco muito em conta: no ai-
mazem do Caes da Alfandega n.
7, ou a tratar no escriptorio de
Novaes & Companhia, na ra do
Trapiche n. 34*
-Na ra do Apollo, arrnazem n. 2 B, exis-
ten) para se trocar, urna imagem de Nossa,
Senbora da Soledade, e urna do 8. Juflo E-
vaugelisls, obra perfeita,vinda de Lisboa.
Boa pitada.
*
vessa para o Queimado, loja de miudezas n.
9 A, junto ao deposito de pao.
Gordas para vioiSo.
Vendem-se cordiae hordOespira vioiSo,
papel pautado para msica de muito supe-
rior qualidade, frocos pira enfeiles, requi-
fes pira ditos, bandejas de tojos os lma-
nnos: na tua estreita do Rosirio trivessa
pare o Queimado, loja de miudezas n. 9 A,
junto ao deposito de pao.
-- Vende-se um escravo perfeito sapilei-
Botica hotneopathica
28 ra das Cruies a8
lia para se vender algumas caixas
ricas com medicamentos em tintura.
Cada urna ser accmpanhaJa de um
frasco com glbulos inertes, e 0
meio de os preparar.
tt<* <*>****t*f ff ?*'
Vendem-se lonas, brinzSo, brins, -
meias lonas da Russi. ; no arrnazem de N. > e bol.eiro por 700,000 rs, n8o le vi-
aWflbW & Companhia, n. ra da Cruz eos(. nem deleito, nem molwliM 0 molr-
" 1 vo da venda sediri ao comprador : querf
Potassa da Bussie, e cal virgem. \**ZQSSZi .lug.-se um sitio en
No arrnazem da ra do Trapichen. 17, 1 chaos proprioscom boa cssa de pedra e cal.
Jos Ferreira Basto, ha para vender superior j c^mba de boa agoa, o tanque, e diversos
potassa da Russii, chogada ha poucos dias.e. ,rvorBdos de fruto, na estrada do Arraial. o
cal virgem da mais nova que ha no mercado. I ^,1 devj,)e pr|a estrada com o sitio do Sr.
Parinha de mandioca a 1,600 rs. ajEliasRsptista, igualmente se vende ameia
-.rr agoa n. 9 da ra do Jardim, com chao* pro
siiLLd. prios o quintal : os pretendentesdirijam-si
No arrnazem de J. J. Tasso Jnior : na roa J rui d^ s,nU Cruz 7,_
d-AVenr!.?.se urna escr.v. creou... bo, en- Vel.S de Carnauba.
gooimadeira, cosinheira e coslureira : na Vendem-se velas as mais superiores que
rui Bella n. 16. le l odem fabricar : na ra da Cruz n. 34.
Vende-se um escrava croouli, com ha-. A 3,5oo, 1,600, e 800 rs.
bilidides : na ra da Cadeia do Rccie n. No aterro da Boa-Vista, loja de calcado n.
56, loja deferragens. 58, junto ao selei>o, vendem-se superiores
Deposito de panno de algodSo da sapalos fnncezes de luslro para senbora, a
Aiirira dr> Todoe os Santos da i1-600 Par, borsegolni gaspiados, a 3,500,
laoncaae loaoe os sanios uaiHptlos[|e marroquJm pari nomem> 800
Baha.
' rs., sapatries de lustro francezes, 5,000 rs ,
Vcnde-seo bem conhecidopan- 8"vatas doMtim taoto pretaMoradam-
, .... res, um completo sortimento de perfumi-
no de algodao da Baha, proprio're decalcado, quese vende biratoadi
para saceos e roupa de escravos, nboiro.
a vontade do comprador: noes-| Chapeos. .mM.
-. n o -___. I Vendem-se superiores chapeos prelos de
cnptorio de riovae nina, na ra do Trapiche n. 34- .dollivrenobrigue Cesar; assim como lu-
Aleita fresuezes vas de seda decores, tinto para homem co-
mo para senhora : no ateiro da Boa-Vista
n.58, loja de calcado.
jo da Boa-Vista o.
ai.a vende urna negra boa quilandeira
Arados de ferro.
Na (undicao da Aurora, em S. Amaro,
vendem-ae arados de ferro de diversos
mo lelos.
Taixas para enyenlios
Na fundirlo de ferro de D.
W- Bowman na ra do Brnm,
pastando o chafariz contina a
haver um completo sortimento
de taixas de ferro fundido e* ba-
tido, de 3 a 8 palmos de bocea,
as quaes acham-sc a venda, por
preco commodo e com prompti-
do, embarcam-se, ou carregam-
se em carros, sem despezas ao
comprador.
Vendem-se os vordadoiros selins in-
glezes, patente, de molla e sem ella : na
ra da Scnzalla Nova n. 42.
Vcnde-se a excellente typo-
graphia do Diario Novo estando
bem montada, tanto de bons pre-
los, como de typos : quem a pre-
tender, dirija-se a ra da Praia
n. 55, a tratar com a Viuva Boma.
A 5,ooo rs.
Superiores chapeos de sol de soda ingle-
zes ebegados pelos ltimos navios, pelo di-
rrinuto preco de 5,000 rs. cada urna : na
ra do Collegio o. 4.
Cal virgem.
Vcnde-.so'.cal de Lisboa a mais nova do
mercado: na ra do Vigario n. 19, primei-
andar, escriptorio do T. de Aquino Kooseca
* Filbo, ouna ra do Trapiche, amazem de
Antonio Augusto da Pontee*.
Feijao novo a 6,000 rs.
No arrnazem de Couveia & Das, confron-
te a escadinba da Alfandega.
Qucijos do serto.
Veodom-so muito bous e frescaesqueijo grande sortimento de chapeos de seda e de
do serlSo ; na ra doQueimado n. 14. ipanninho para homem, ricos chapeos de se-
Vendem-se saccas con fa- nbora. um grande e escolhido sortimento
, ., i.___I de sedas o panninhos pan cobrir armices
reos : na ra da Madre de Dos, serviUl)Si f,,em-se tods os oncenos necea-
arrnazem n. 20. jsarioaem chapeos velhos, todos estes objec-
i I niori. d Mti7 da Rna VUta) tos acim mencioiudos se vendem por me-
Loteria da Matriz da Boa vista. no doqueem ouira parle, e a contento dos
Aos 10:000,000 e 5:ooo,ooo de rs. freguezes.
Na loja de miudezas da praca da Indepen-I Vende-se cha hyssoo muito novo, e de
dencia n. 4, vemdem-se bilhetes inteiros e superior qualidade, por preco commodo; e
meios, a beneficio da Matriz da Boa Vista ,'em lotos a vontade dos compradores ; no
Vende-se, na ra da Cadeia Velba n. 15, !que corre impreterivelmenle no dia 26 do escriptorio de Matbeus Austim Companhia
rapdeLisbOaaWrs. a oitava, e tres oita- 1 outubro. [na ra do Trapichen. 36.
vis por 10O rs ; dito Meurom, a 1,120 rs. a Bilhetes inteiros 10,000 om negocio,
libra, 560 rs. meiadita e 20 rs. aoitiva. Meios bilhetes 5,000 yende-se urna canoa de milneiro de tiju-
-Venlem-selindissimos lencos para gra-1 -- Veodem-seamirras deferro: na -ia da em Dom USOl pei, melado do seu valor:
vata de muilo superior cambraia de aeda,|8enzalla Novan.42. Da ra dasTrincheirasn. 2.
com quadrose barra de selim de diOerenlesj -- Vendem-se duas negnnlus muitolin- .. dn fresno n n
eores. pelo preco de 640 cada um ; fioiasi-'ds.proprias paraseeducir.porserem deida- ""* u" c K ,',-/'.
mos frocos do seda para enfeila de vestidos, dede 78annos, e um moleque proprio pa-' Vende-se r.scado mor.strn de linho, com
120 e!60 is ; corJSo para vestido pelo ra qualquer offlcio por ser de idade de 12 4 palmos de
fregueze
Que silo chegados,
Cobertores de algodSo
Muilo encorpados.
Na ra do Crespo,roja da esquina que vol-
ta para a Cadeia, a 1,600 rs. cada um.
Em casa de J. Keller &
Companhia na ra da Crui n.
55, ha para vender dous excel-
lentes pianos fortes, e de urna das
melhores fabricas, chegados lti-
mamente da Europa.
Batatas novas
Francezas, em gigos de 4o li-
bras, chegados no brigue Cesar ,
por piceos muito commoJos : no
arrnazem da travessa da Madre
Dos n. ai.
Calilos feitos.
Continua-se a vender pililos de panno fi-
no, por preco muito commodo : na loja do
sobrado auiarello, nos Qualro Cantos da ra
do Queimado n. 29.
A 3,000 rs. o corte.
Na loja da esquina, qnn volta para I ral
do Collegio n, 5, vendem-se cortes do meias
casimiras a 2,000 rs., e bonitos cortes de
cambraias francezas de coros, a 3,200 rs. o
corlo.
Vende-se caixas com cera
em velas, de 3 at 16 em libra ,
fabricadas em Lisboa, e no Hio de
Jantiro, por preco mais co.nmodo
do que em outra qualquer parte :
trata-se com M ich -do & Pinhci-
ro, na ra do Vigario n. 19 se-
gundo andar.
Cortes de vestido, a 2,000 ra.
Continua-se a vender cortes de riscado
francez, cor fixi e bonitos padroes, pelo ba-
rato preco de 2,000 rs. cada corle oa loja
do sobrado amarello nos Qualro Cantos, da
ra do Queimado n. 29.
fabrica de chapeos de sol ao
Aterro di Boa-Vistan. 39.
O dono deste estabeleeimento cima men
cionado tem a honra de participar so respei-
lavel publico de Pernambuco, e particular-
mente aos seus freguezes, que receben um
O cautelista Antonio Jos Rodrigues de
Souza Jnior, faz sciente ao respeilavel pu-
'blico, que tem exposto venda em sua loja
I de ferragens, na ra do Queimado, junto ao
becco da CongregicSo n. 37 A, e na mesma
ra,loja n. 12de Joao Baptista Rodrigdes de
Souza ; no aterro da Boa-Vista,loja de miu-
dezas n. 48 de Antonio da Silva UuimarJes;
e na ra da Cadeia do Recite n. 24, loja de
cambio de Vieira da Silva, os seus afortuna-
dos bilhetes, meios bilhetes, quartos, quin-
tos, decimos, e vigessimos, da lotera da
matriz da Boa-Vala, que corre impreleri-
velmeiite no dia 26 do correte aos precos
abaixo, e as mesmas lujas se paga logo o
premio que sabir nos referidos bilheles e
cautelas.
Bilhetes 10,600
Meios 5,400
Quartos 2,600
Quintos 2,100
Decimos 1.100
Vigessimos 600
Casa Feliz, na praca da Indepen-
dencia n. 36.
Nesta casa vendem-se bilhetes, meios e
cautelas da lotera da Matriz da Boa Vista ,
cujas rodas andam no dia 26 do corrente
mez; venilem-se igualmente cautelas da
lotera da igreja do Rozario damesma fre-
guezia, os precos vSo abaixo declarados. O
caut lista da casia cima, convida aos li-
mantes deste jogo pira direm a preferencia
a compra das cautelas da lotera da Matriz
da Boa Vista, as das loteras do Itio de Ja-
neiro, por serem aquellas mais lualas que
estas, e com igual sorte ; como passa a de-
monstrar, um dcimo da lotera da Matriz
cuati 1,100 rs, e pJe Ib tocir por sorte
920,000 rs.; um vigsimo da lotera do Rio.
custi 1,300 rs lendo a mesma sorte de
920,000 rs., ganhindo o compra lor 200 rs.
em cautela; a ellas. Na ra Nova, loja de
chapeos n. 4, existem a venda cautelas da
lotera da Mitriz. Precos:
Matriz.
A sala parrilha deBristol data desde 1839, e lem comanle mente mentido tua reputa-
eflo, sem necessdade de recorrer a pomposos anouncios de que as Dreparacoei de m-
rito podem despensar-se. U sucesso do l)r. Brislol tem provocado infinitas invejas,
entre outras, is dos Srs. A. It. D. Sands, de New-York, preparadorea e proprietarioa de
salsa parrilha conbecida pelo nome de Sauds.
EttessenboressolicitirSoem 1842 a agencia de Salsa parrilha deBristol,ecomo nlo
o pudessem obter, fabriearSo urna imitac8o.de Brislol.
Eis-aqui a carta que os Srs. A. R.D. Sands entreveran) ao Dr. Brislol, no dia 90 de abril
de 1849, e que se ach em nosso poder :
Sr. Ur. C. C. Brislol.
Bfalo, etc.
Nossa apreciavel aenhor.
Em todo o aono paasado temos vendido quantidades coisideraveis do extracto de
salsaparrilha de vra. e pelo que ouvimosdizer de suas virtudes quellea que a tem usa-
do, julgamos que a vendada dita medicnase augmentar muilissimo. Se Vm. quizer
fazer um convenio comnosco eremos que nos resultara multa vantagem, tanto a nos
como a Vm. Temos muito prizerquo Vm. nos resoonda sobre este assumpto, e se Vm.
vier a esta cidade daqui a um mez, ou cousa semelliante,loriamos muito prazer em o
ver em nossa botica, ra do Kulton n. 79.
Ficao as ordena de Vm. seus seguros servidores.
(AssignadosJ A. R. D. Sands )
C01TCLUSA5.
1." A anligudade da salsa parrilha de Bristol, he claramente prorada, pois que el-
dala desde 1832, e que a de Sands so appareceu em 1849, poca na qual este droguis-
ta nao pode obter a agencia do Dr. Brislol.
9.* A suporioridade da salsa parrilha de Brislol he incontestavel, poisque nSoobs-
tinte a concurrencia da de Sands, e de urna porfo de outras praparacOes, ella tem min-
lido a sua reputado em quasi toda a America.
As numerosas experiencias feilas com n uso da salsa parilha em todas as informida-
des originadas pela impureza do sangue, e o bom xito obtido nesta corte pelo Illa. Sr.
Dr'. Sigaud, presidente da academia impciial de medicina, pelo lllustrado Sr. Dr. An-
tonio Jos Peixoto em sua clnica, e emsua afamada casa desande na Camhoa, polo III m.
Sr. Dr. Saturnino de liveira, medico do exercito, e por varios outros mdicos, per-
tniltem hoje de proclamar altamente as virtudes ellicazos il salsa parrilha deBristol.
Em consequencia dse ler fexado a botica do Sr. Jos Mara, mudou-ae o deposito da
salsa parrilha de Bristol para a botica ingleza ra da Madre de Dos n. I,e vende-se a s/ooo
o vidro. ^^^^^^_^^_^_^^____^__^__________
Corles de cassa a 1,44o-
Vende-se cortes de vestido de cassa-chita,
cor liza, a 1,440 rs. cada corle; oa roa do
Queimado, loja do sobrado amarello, n. 29.
Vinbo de champagne.
Vende-se o verdadeiro vinho de cham-
pigne, de excellente qualidade, ao proco
de 25,000 rs.; assim como de qualidade in-
ferior, muito em coota : no armazem de
Brunn Praeger 61 Companhia, na rui de
Cruz n. 10.
Obraa de ouro.
As mais lindas que teem vindo a
esta praca, e de todas as qualida-
des: vendem-se em casa de Brunn
Praeger rk Companhia, na ra da
Crui n. 10.
Instrumentos de msica.
Tanto pira orchestr, como pa-
ra msica* militar, vendem-se mui-
to em conta : em casa de Brunn
Praeger ek Companhia, na ra da
Cruz n. 10.
Vende-se vinho de champa-
nhe legitimo e de superior quali-
dade : em casa de J. Keller &
CompaniVi na ra da Cruz .
55.
Bilhetes
Meios
Quartos
Decimos
Vigsimos
10,400
5,200
2,600.
1,100
600
Rosario.
Quartos 2,200
Decimos 1,000
Vigsimos 500
POTASSA.
Na ra de Apollo, armazem n.
1 B, de* Leal Reis, vende-se por
preco ra. oavel, muito nova e su-
perior potassa, chegada ha pouco
do Bio de Janeiro.
-- Vende-so urna escrava de nacao, com
30 annos de i ladn, que cosinbao diario de
urna casi, lava de varrella e de sabBo, e he
quilandeira : na ra Augusta, casa do Pa-
checo.
Vos senhores estudantes do quinto
anno.
Acaba-se de receber pelo navio Paulina,
Otas pan as cartas de bacliireis, por preco
mais razoavel que em qualquer parte : na
loja de modas do BuessarJ Millocbau, no
tlerro da Boa-Vista n. 1.
> cude-ae una capada muito gorda, e que
muito ridiculo preco de 900 rs. a libra ; cil-
xiuiias de agulhas francezas sorlidas, pelo
preco de 280 rs.: na ra do Queimado, loja
nava de miudezas n. 65, de Midureira &
Maia<
ni ra eitret do Rosnio n. 28, se- ditos francezes a 180, 240 e 280 rs. ocovi-lDaodiiia meooi deieli arroban na triveaa da
gunJoaudir, a qualquer bora do dia. do; corles de cambraia de baados 11 4.800 Concordia o. 17.
--Marua do Crespo n. 16, esquina da e 5.000 is.; e outr.a multas f.zeodas de -- Vende-se um sel. o e mais arreos par
roa das Cruzea, ba excellenles charutos, gostos modernos, por menos prejo do que um cavallo, em multo bom uso: na ra do
que se vendem por preco muito rasoavel. em outra qualquer pirle. Queimado n. 32, loja.
A 1,380 ris !
Vendem-se cites de laas para calca, a
1,980 rs.; na ra do Crespo, loja n. 5.
Na ra das Cruzes o. 22, vende-se urna
escrava de bonita figura, de 24 annos, coro
todas as habilidades, com urna cria do tres
mezes, e com muito leile para criar; umi
mulatinha de 11 annos, urna creoula de 29
annos com habilidades, urna ditadeSOan-
oos com um lillio tnolcque de 4 annos, mui-
to esperto, e urna dita para campo.
Atlencao.
Vendem-se bolinhos francezes sempre
frescos, de motUo bom gosto, e lambem en-
feitam-so riquissimas bandejas, por preco
muito co nmodo : no oilSo do Terco n. 2.
Vende-se um lindo cabriolct com ca-
vallo ou sem elle; para ver, na ra da Ca-
dei*, cocheira do senhor Anlonio Ferreira
da Silva, e para trilar, na loja do sobrado
amarello, na ra do Queimado n 29.
-- Vende-se urna jumentinha verdadeirs e
muilo nova: no sitio do senhor Carneiro
Leal, oa ra dos Pires, ou na ra da Cruz
n. 34.
Rap de Lisboa.
No escriptorio de Francisco Severino Re-
bello & Filho,vende-so superior tap de Lis-
boa, chegado agora no vapor inglez Severo.
Cal virgem de Lisboa.
Vende-sacil nova, e por miis barato pre-
go que em oulra qualquer parte : na ra da
Cideia do Recite, n 38.
Bilhetes da matriz di Boa-Vista.
Aos 10:000,000, 5 000,000, e 1:000,000.
Na ra da Cadeia do Recite n. 94, cambio
de Vieira da Silva, eslam expostos venda
um completo sorlimento de bilhetes, meios,
quartos, quintos, decimos e vigessimos da
lotera cima mencionad, sendo as caute-
las do cautelista Souza Jnior, cujas rodan
aodarSo impreterlvelmento 00 dia 26 do
correte mez.
Vende-se urna fabrica pira rollas de
carnauba com quinbentas fOrmas, sendo a
maior pule de seis e nove em libra, e ensi-
na-ae a maneira de as razer, tanto das da
mistura como das simples: quem a pretene
der dirija-se a rus larga do Rosario n. 16, -
tratar com Manoel Jos Magalbes Pinlo.
- Vende-ae urna bonita creoula de 19 an-
nos, que coze bem e faz labyrinto, engom-
mi, cosinha o Uva ; urna dita boa cosinhei-
ra, engommadeira, e coze bem; umi dita
sem habilidades, muito moca ; urna dita boa
quilandeira, faz todo o .vrvico de casa, e
tem urna filha deoito annos, muito linda,
com principio de costura; cinco prelos mui-
lo mocos, bons para todo o servico; um di-
to bom fcitor de sitio: na ra dos Quarteis
n. 24, segundo andar.
Vendem-se duas viccas, sendo urna
com ti I li<> (3 oulra sem elle, em boas carnes,
acostumada 10 pasto : na Soledade, em ca-
si da viuva Vieira.ou na ra da Cadeia.cam-
bio do Vieira aa Silva.
Vendem-se espelhos com mol-
duras douradas', os mais ricos que
teem apparecido no mercado : na
ra di Cruz do Recile n. 49> ar-
mazem de L. Schuler & Com-
panhia.
Gesso.
Vende-se gesso em barricas, cbegsdo nl-
11 mmenlo : em casa de I. Keller & Compa-
quia, na ra da Cruz n. 55.
'ffVffVfffVVVVffffftfVV
*De psito de tecidos da fabri-**
% ca de Todos os Santos, -m
na Babia. *g
s> Vende-se em casa de Domingos AI-
ves Matheus, na ra da Cruz do Re-
cifen.52, primeiro andar, algod'o
transadodaquellafabnca,muiiopro.-|
3? prio para saceos e roupa de escra-*
T vos. assim como fio proprio para re-**|
Sdeadepescar e pavios para relias,^
por preco muito commodo. # ,
Tachas de ferro.
Na fundico da Aurora em Santo Amaro,
e timbera no deposito na ra do Brum logo
na entrada, o defronle do arsenal
nha ha sempre um '",e.sorl.l"*l", ?
tachas tanto de fabrica nacional como es-
raogeira, batidas, fundidas, grandes, pe-
queas, r'.z.s efundas ; e en. betlo-
garesexistem guindastes,pira carregar ca-
noas ou carros.livres de despeza : os precos
sao os mi commoJos. .,:;,. .
- Verniz de gomma copal continua a
vender-so na bolica da ra do Rangel, a
1,280 rs agamia.
- Oleo especifico para curar a caspa.con-
tina a venderse na ra do Kangel, a 640
rs.caJa frisco.
- Remedio especial para boubas e cravos
seceos contina a v gel, botica que fui do Unido SebisliSo Jos
,1 Oliviira Macelo.
Charutos de Havuna.
Os nidlhores que leem vindo a este mer-
cado : vendem-se continuadamente, em ca-
sa de Brunn Praeger i Companhia, ni rui
di Cruz ii. 10.
Escravos fgido.
100,000 rs. de gratilicacBo.
Desappireceu no dii 7 de malo prximo
pansido, o pardo Leonardo, de idade 18 an-
nos pouco mais ou menos, e tem os signaes
seguiotes: -baixo, o peito um Unto melii-
do para dentro, cibello caraplnhido e al ao
meio da lesta, e falla descancado. Este es-
cravo vi nha lodos os das vender leite no Re-
cite, de um sitio na Boa-viagem, pertencen-
te a Joanna Maria dos Passos, de quem foi
escravo: quem o pprehender e trouxer 01
rui da Senzalla Velha n. 60, segundo andar,
recebera a gritificacflo cima.
Esta fgido desde lerca-feira, o mole-
que af< icino de nome Antonio ; elle he mui-
to conhecido por vender todos os diis, ao
meio da, lapic.s, grs'ssedoce: levou
umi camisa de chita que ja esta branca.com
pregas na abertura colarinho encarnado,
calca azul; lem urna falta de cabellos muito
visivel pela conlinuacao de carregar o labu-
leiro, r no p direito tem o dedo que lica
junto do mnimo Un pequeo que faz muita
ditTcienca dos outros : pede-se sos capitaei
de campo o mais pessoas que ovirem, que o
prguem e l*em-o na Soledade n. 42, que
serSo recompensados.
Ha um mez, pouco mais ou menos, de-
sappareceu um preto por nome Minoel,cre-
oulo, e oflicial dealfaiate, bastante conhe-
cido nesta praca,por j baver iraballudn em
muitas lojss, o qual pertence/o abaixo as-
signado, e tem os signaes sfgumles:bai-
lo, quebrado das virilhas, am pouco grosso
docorpo, cor p-ela, othos grandes, tem tres
cicitrizes no braco e mo direita de urna
operacSo que liavia solTrido ba pouco no
hospltil; he de presumir que ande por esti
cidade, visto ser della natural, e ter alguna
prenles: roga-seas autoridades policiaea e
a toda e qualquer pesaos, a ca piara do mes-
mo, e o favor de o mandar entregar nesla
cidade em casa do senhor subdelegado da
Boi-Vista Rufino Jos Correia de Almeido;
e na cidade do Rio-Formoso a Francisca
ciiri-iina Lins, quesera generosamente re-
compensado : o mesmo abaixo assignado
protesta com todo o rigor da le, contra a-
quella pesso, quem quer que seja,que o ti-
ver occullado. Francisco Caldas Lins.
Desippareceu no da 15 do passado, as
7 boras da noite, do Hotel Recife, o pardo
Exequicl que fol do senhor Luiz Rodriguos
Sette, e como pelas eircumstancias que pre-
cedern) a essa fuga presuma-se que elle
procure a todo costo evadir-se, roga-se as
autoridades pollciaes que o recommeudem s
seus inspectorese pesso de conOsnca,ifitn
de ser descoberto e capturado : o pardo be
bmo, de idade 95 annoa, tnoio eorpo, sem-
blante carregido, lendo urna pequea cica-
triz na face, anda calcado e fuma : levou
chapeo de seda preto, e anda com urna ben-
gala fina ou junco, e inculca-se por forro ;
anda frequeotemente no bairro da Boa-Vis-
ta sonde sempre he encontrado : quem o
pegar leve-o a ra do Trapiche n. 5, que ser
recompensado. .
Est fgido desde o principio do mez
de selembro, o preto Luiz, de nacSo Ango-
la, que repicsenta tor 26 annos de idade, de
eslitura baix, choio do corpo, e quando
falla bate com a lingua nos dentes, tem um
pequeo signal como de um talbo na espa-
dua direita, con.t que tem andado para as
partes de Santo AnlSo, ou engenho das Ta-
bocas : quem o pegar leve-o a ra da Con-
cordia n.8, que ser recompensado.
Pern. : TtP. DI U. F. ds Faua. 1859,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E1SFYPGV8_8W6LYQ INGEST_TIME 2013-03-29T15:03:05Z PACKAGE AA00011611_03359
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES