Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03356


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo XXVIII
Sexta feira 8
DIARIO
...
deOutubro de 1852.
N. 227.
PEMAMBlfCO.
*-
vkzoo A DBOKIPglO.
Pisimnio Aduhtido.
ras trimestre .1.........4/000
l'or semestre ..,..........8/000
Foitmao........1.....16/000
Paonnrao DOraiMISTax.
Por qurtcl............. 4/.r>00
OTioiisoaiariHio.
Para.... 18 deSetbr. Minas. .11 de Agosto
Macanbao. 2t de dito S. Paulo. 7 de dito
Cear.... 2 de dito R. de].. JO de Setbr.
i'arabiba 4 c Oulbr. Babia... 20 de dito I
i* da llaU. AOISfClAs.
I Sg. S. Francisco
5 Tere. Ss. Placido e
Flavla.
(Quart.S. llruno;Ss3.
Ciato e Erotbldea.
7 Ouint S Augusto. 3.
i Sen. Briglda.
Sab. S. Dlonizio. [4,
10 Dom. 18. Patroci-
nio de S.Jos. |Te
luitoit OrpkM*
5. s 10 horas.
1. laradocieil.
e 6. o mrio-di.
Paseada.
eS. s 10 horas.
2. vara do civel.
esbadosao melod
aviara.
reas e sbados.
Crescete i 20, is 2 horas 2a minuto da m
Chela a 28, ai a horas 21 mi 1 utos da tu.
Mingoanteli, ai 8 horas 18 minutos da ni.
Nova II, ai i horas 48 minutos da m.
riiiaiin ion
Prlmelrao e3o mlautosdatarde.
Segunda n e 4 minutos da manbia
fianais oa ooaatios,
lolaaaa e Farahlba, s segundas Illtu-
B felras.
Uo-Grande-do-Plorte Victoria a I quintas
letras
mito,Cmaro,eQaranhuas do i'e isdecad*
un,
'lores,Ourlciuj.r.iii e Boa-Vista 1 3 e 21
'linda, lodosos das,
rodos os Correios partem ao meio-dla.
OTioiAa isTBinanaia.
Portugal i-i de Setbr. iustrla I de Setbr.
Hespanba lode dito |Sulssa.... Idedlto.
Franca.. 8dedlto 'Suecia... 28deAgosto
Blgica... s de dito Inglaterra 8 de Setbr.
Italia..;-. 4 de dito E-Unidos 20 d'Agosto
Alemanba. 3de dito iHeiico... Idedlto
Prussia .-. 3 de ililo California Ibde dito
Dinamarca II de Agt. C.hili. 9 de dito
Russia... ?9de dito Ruenos-A. I de Julho
Turqua. 2.'i de dito Montevideo ,'ide dito
OAMBIOa DE 7 DI OUTBIAO
Sobre Londres,a 28 por 1/O00 d.
> Paria, 359
Lisboa, lOOpor canto.
mn,
Ouro.Oocas hesnanholas......'.;-.:. 23/000
Hoedas de 6/400 reiras........ lo/uno
. de 0/400 oras........ 16/000
de 4/000............... K/IKio
Prata.Pataedesbrasilelroa.......... 1/9 z0
Pesos columnarlos............ 1/979
DI tos mexicanos.............. 1/800
PARTE OFFICIAL.
provincia, que forem exporlaJos, ha ques-
Ho da competencia da assembla legislativa
provincial, qum Ihes cumpr recorrer.
Como, porm, 1 le provincial n. 300 etn sua
expressSo prodcelo da prorincia in-
qurstionavelmenlo excluo do imposto a ma-
teria prima estra.ngeira de que possam (a-
bricar-se varios productos da in lustrn 1I1
GOVEitND DA PKOVINCIA.
EXPEDIENTE O DA 27 DE SETEMBRO.
Officio. Ao Exm hispo diocesano d-
zeodo, que, para poder resolver acerca do
que representou I cmara municipal de Olw-
da, 00 ollicio que remelle, com referencia a
outro do juiz de paz de Mar.nguspe, faz-se
necessario, que S Exc. declare, qual a igre-
ja, qu aclu ilnienlo serve de matriz naquel-
la freguezia, e porque fui abandonada a igre
ja ile Nossa Senhora dus Prezeres da mostna
fregnezfa.
Dito. Ao Exm. presidente do supremo
Iribuinl do Justina, remetiendo a resposta
dada pelo juiz do clrel desta cidade, Custo-
dio Manoel da Silva Cuimsraes, porlsria,
que S. Exc. Ine dirigi por iatermedio Ja
presidencia.
Dito. Ao comisando das armas dizendo,
que, viatoo cadete Francisco Anguslo AIvrs
da Silva nlo poder, por seu mo estado de
suide, embarcar para a llahia, alim de fruir
a hornea de tres meies, quo Ihe foi conce-
dida, tem resolvido dar por finja a referida
licenca. Communicuu sa a thesourariade
fazenda.
Dito. Ao mesmo recommendando a ex-
pedicao de suas ordens, no sentido de ser
aprsenla.Ir ao chefe de polica interino urna
escolta siiflicn-iite, alim do conluzir da ca-
deia de Coiaona para a desta ci Jade, os pro-
so Joaquim Francisco Das Montciro, Jos
Ferreira do Nascnnento n Domingos Fran-
cisco Xavier, pronunciados como autores
dosasussinaiosdo ex-subdelegaJo deTim-
bauba e Mocos, Antonio Jos CuimarSes, e
do pardo Jos Vicente. Communicou-se
ao dito chefe de polica.
Dito. Ao mesmo para mandar por a dis-
posiclo do chefe de polica urna escolta de
18 pracaa para s conducho de presos, que
tem de ser julgados o olermo do Bonito,
liiliiirou -se no referido chife de polica.
Dito. A' thesouraria de /alenda para lU fI p,gaQlen.
mandar pagar aoc.p.tSo do 9 b.t.mso de & ue 3 ^.J*, ,le <0|dll e vencime.itos as
DitoA' thesouraria de fazenda, remet-
tendo, para os fins coovenienles, urna co-
pia da oscriptura de venda do engenho Je-
rusalem, que fui requsitada por aquella
thesouraria.
Dito Ao ajudiite do inspector do arse-
nal de marinha, dizendo, etn resposla ao
seu ollieio de honlem, que emquanto nSo
provincia, como os da fabrica dos suppli- he salisfeita a icquisicBo ronstanle do mes-
diado.Fizeiam-se a respeito as necesaa- la a lembranca dus inals bellos periodos de sua
risa communicacOes. passada historia miliiar.
DEM DO DI* 29. ^ulz Napolcao apresenioii as Aguias guar-
Uflicio A thesouraria de fasrnda inteiran- nacional, e a esplendida a Kesta das Aguias s
do-a de haver concedido seis mezes de licenca : "' celebrada com toda a pompta e solemne
com venciuiento ao cabo de esquadra reforma- 1 religlosidadc militar. Una naumachia sobre o
do, Joaquina Moreira da Silva, para ir ao Ma-I SeD* fo' talve o melbor passalempo dos Pa-
auhJo, percebendo todava o seu sold por rlsienses. Bata batalha naval miinica entre a
aquella thesouraria, c rccoininendando que fragata filie de Paril e os vapores Arcm Caly-
cantes, ocinco por cento s dovem arreca-
dar-se do seu feitlo, ou mil o d'obra, avalian-
do-so rasoavelmonte, e ostabelecendo-se o
preco por meio de urna tsrifs, ou paula, pa-
ra delle se deduzir o imposto ; e nesta con-
formidado passo a olliciari thesouraria pro-
vincial, liesndo a resolucdo definitiva desta
questSo dopemiente da assembla provin-
cial, cuino ja disse, quem devorSo recor-
rer os supplicantes. I'ur ultimo asseguroa
V. S. os senlimentos de minha consideradlo
esympalhia.-Ofliciou sea respeito a mes-
11.a thesouraria.
Dito.Ao inspector do arsenal do mari-
nha .11/ -n In que durante o s mi impedimen-
to deve S'Jrvir o sen ajudanlo, n3o s n
inspec(o do arseoal, como na capitana do
port.i, por nilo ter appliOaeio o art. 50 do
regulamonto n. 448 de 19 de maio do 1846
esta pro'incia, uem mesmo a outra, em
que baja escriv^o da intendencia, dos lo quo
houver ajudante do intendenlo e inspector,
do surte quo nesta provincia, na falla de
ajulante deveria servir interinamente de
inspector aqiielli que fosse numoadu pela
presiiloncia, e esta lie a doulrina que resul-
ta da comhinscSo do citado regulamonto
com o de 13 de Janeiro de 18J4. Reinciloo-
se copla do ollicio cima a thesouraria de
fazenda ea contaJuria de marinha.
Dito. A' thesouraria da fazenda provin-
cial para mandar por em hasta publica a
iiii:.-1 .tu -21" lanco da estrada da Victoria,
servidlo de base arrematnSo, que se
tem de proceder, o ore.amento e clausulas
que remelle por copia.
Dito.A' 111 'ama dizendo que pode sdian-
lar uns ao commandaiite do corpode po-
lica, cm vista do pedido quo Ihe ha-de ser
un ollicio, e nSo se rene o conselho de
adniinistracSo naval, deve ser feilo o forne-
cimonto dos gneros para os navios da ar-
mada e enfermara de marinha, convidan-
do-se por annuncios peh imprensa os for-
mande abonai ao referido cabo dous inezes de
si'in venciinenlos Inteirou-se ao marecbal
conunandante das armas,
Dito Ao Juiz de dlrclto da comarca do Ho-
niio tranamittindo aa queisas dadas contra o
cz-proinolor publico daiiurlla comarca, Ma-
".'" ------ K.._r. .- --- noel Rodrigues Plnbeiro, bein como a raipos-
necedores que fizerem msis vantagens a la- ., deate, e
zenda publica, at que se possa contratar
o fornecimento;e que as compras que
forem de urgencia e as quo reipcitarem a
pequeos objectos, proceda Smc. por si s
como parecer mais conveniente.
DitoA' thesou'aria da fazenda provin-
cial, autorissndo-a, em vista de sua infor-
mc3, a mandar entregar ao thesoureiro
pagador da rnparticao das obras publicas a
quantia de 600/000 rs, constante do pedido
que remelle, para pagamento das despezas
feitas com a conducSo de pedras para o em-
pedramenlo do 15. Unco da estrada da Vic-
toria nos mezes de maio ejunho ltimos.
Communicou-se so director d'aquella re-
particSo.
D1I0 -A' mesma, dizendo que, para adian-
inais ppela uteuclouados na rela-
c.o que reuiette, alim de que proceda, na for-
ma da le, contra o ditoex-promotor, para fa-
ter ettectlva a aua responsabilidade pelos cri-
ines, de que be aecusado.
Dito Ao promotor publico do termo do
Rcclle remetiendo por copla, o ollicio de 1 > do
correte, coiu que o inspector da tbesouiaria
de fazenda Irouae ao conbecinento da presi-
dencia a representacao, que tainbem remelle
por copia, do administrador da uica do con-
solado, acerca do couiportaniento do capataz
Joaquim Jos dos Santos tim de que proceda
a sciiicIh.iiiii' respailo, como for de dlreito.
Dito A thesouraria da fazenda provincial
devolvendo, com infonnafo do consulado, os
reaueriinenlos de Manoel Alvea Coerra Jnior,
Joao da Silva Regadas e Novaea lie, e dizendo
em resposta ao sen ollicio de al do correte,
que npprova a sua resulucao de iodenrir os
infantaria Gregorio Antonio da Silvoira, a
quantia de 7,200 ms, quesegunlo consta
do recibo, que remelle em duplicis, foi por
elle despen nda com alugueres de cavalga-
dura, para con luc(9o de sua bagsgem da
villa d'Agoa Preta para esti capital. Con-
municou-se ao msreclial commandante das
armas.
Dito. A mesma devolvendo, para terem
o coaveniente destino, us papis relativos a
preferencia, que ao aforamento do terreno)
pracas do destacamento da comarca da II01-
Vists. Communicou-se ao msreclial com-
mandante dss armas.
Dito.Ao director das obras publicas
remetiendo a lim de que proceda respei-
to deconlormiJade com o que propoz em
seu requarimento em que alguns mu a lo-
res da psssagem da Magdalena peJem que
a poole provisoria que so vai construir so-
bre o rio u'aquelle lugar, seja feita do modo
de marinha n" 230 disputan Antonio Perefrij09 M M*?,!*!.SITS 522" C0S"
de Fari. e Manee, Camello PeSS6,, ., deca- t^- *g" J*J^ do
rando.que ratifica a docisao constante do of-l "",;,,;,'"... .Ji_____, H" 6.it7iiisuu
^luoa de juno uiiimu, u .(.,..( JU '"'leVe o rrocesso instaurado contra os cri-
tpenso por coma aos ditos papis. |minofos, que aconimettoiam aquella fre-
Dilo. AO cnsul da repblica r.ncez. ^ f uj., .
Em resposta ao ofli.'io do V. S. de 25 do! ".'-..k:... .._______ n .i. r.ih..
psssado, que veio acompanhalo di peli(3o
dos proprietariosda fabrica franceza de cal-
cados nesta cidade Edcmcs e Lcclcro quoi-
xando-seda intelligencia da la pelo consula-
do provincial ao 2.'do art 33 da lei pro-
vincial n. 300, concebido nestes termos
cinco por cento dos mais gneros de pro-
dcelo da provincia, que forem exportados
em virtud da qual exigi dos supplican-
nolor pubieo da con arca cm 23 de julho
prximo passado.
Dito A' administradlo dos ostabeleci-
nicntos ie candado, rccommeiiUn lo a ex-
|;0(ic3o de suas ordens, para quo seja rece-
ido 110 hospital de cari la l o menor Ma-
nuel Rodolfo Itorgos Uchoa, quo para all
ser remettldo pelo director do collegio dos
orphSos, cumprindo que o mesmo soja cu-
iralo com loJo o cuidsdo, flm do verso
tes essa impo>iSo, qusndo pretendoram ( saude.-Fizeramse a respeito as
despachar productos de sus industria para o JJJJi J 0(,s
ltio de Janeiro na barca de vapor Pernam- %l(,_..A Cn),ra munici,a, do Itecife ro-
bueana, que alus Imliam exportado em 7 | UonJo ns j(lf(,rmacoes ministradas, pelo
dejuiho Da bares inwsa sem PB'"' 1* director das obras publicas acerca do quo
losd5 por cento: tendo ouvidoi ll.osou- ^quc||a Cfllnra rppresontou Com referencia
11 lonco publico, a lim do quo
ara diga o mais quo Ihe 00-
a"bero'cco'rre-me dizer Ihe quo naqoella to-^m^ nieSsPmaconcodenJo a luloriss-
tar-se ao thesoureiro da repailicJo das o-'mesmos requerlinentos, vislo que nao forain
bras publicas as quantias que forem roqui- os gneros conservados em deposito, para II-
siladas para paga Tiento dos vencimentos y s.in duvida, no acto da reeapouajao, a sua
dos administradores, inspectores, aponte-, p a !T'ima...a dizendo, que fie. fizada
dores e conservadores do obras, basta que gr>iicacio annual de 300j rs. ao crrelo da-
0 chefe d'aquella repartirlo commumque qucii* reparlifao.
mesma thesouraria a existencia dos ti tu -, Dito Ao dlrertor das obras publicas deca-
los dos refo' idos empregados.Inteirou-ie rando, que nao pode acr augmentado o venc-
an mencionado chefe.
DitoAo director dss <>hr s publicas, an-
provando a desapropria{3o que Smc. rejui-
sita, de urna pequea casa de laipa, avaha-
da em 50/000 rs., pertencente i Pedro An-
tonio dos Santos,
para a oxecucSo do
memo do apuntador dos esludos grficos, Felis
Ramos Lieulbler, visto que nao lia raso suf-
ficlenle para semclhante despeza, como ponde-
ra o inspector da thesouraria da fazenda pro-
vincial.
Dilo Ao mesmo intciando-o de baverap-
gesimo segundo
e de o lar enviado
po, com quanto Toase mullo limitado o aeu
campo, parece que foi de 11 m prazer immenso ;
e urna brllhanic ezhibi^o de fogos de vista e
lltuiiiiuar.des, uin tanto transturnada |ielo vento
que euto soprava, remaltou os festejos do
da.
O Monitor publicado na manhaa das feslas
aonunclou que estas daiiain occasiao a nume-
rosos actos de clemencia, que serlaiu outraa
lamas novas provasda magnaninidade do pre-
sidente.
Dissc-se que nina ainnistia fgeral era fra de
duvida que o governn nio pudia, sem compro-
inetter a seguranca publica, eitcnder esta me-
dida a cortos honiens que so curavam da des-
truicao da sociedade, porem que na amplidao
de aua allrlbuifo. eslava disposto a perdoar,
depois de um serio exame os (impendidos e
infelizti que iinlian sido dcsencamlnhados pe-
los turbulentos. File precioso annuncio quis
dai a entender que Luiz >apoleo tlnha con-
cillado o Inleresse da humanidade com o da
Iranquillidade publica. Depois dcsla oslenta-
(.o de clemencia, vio-sc que o priucipo pre-
sidente conceder completo perdoou cominu-
taedes de pena a mala de mil c duseulas pes-
soas urna 10 dentre as condemnadiu por motivoi
polticos, ma Igualmente dcnlre 01 sentencia-
dos por erimes ordinarios. Disse a Pflfric, que
tinhain sido perdoadus oitoceutos daquellos e
quinhentos desles. Os cidados que arranca-
India que o governador geral anneiar urna
grande portan do territorio burmcs, ha duvida
apenas quanto i direccao da lloba de deroarca-
cao. Nossas tropas parece que gozam de boa
saude.
De liona: Kong leios datas st II da Junlio ,
a rebelliao como que causa anda grande susto;
porm n".n podemos de modo algum sondar a
obscuridade doa detalhea contradictorios que
nos do desta dilatada lula.
Um tribunal de inveatigacio tlnha-se cons-
tituido a bordo do .s'un/ueinnn, perante o com-
modorc e o cnsul dos Estados Unidos cm Csn-
ij'i. Desassele dos prlsionelros foram julgados
criminosos e entregues aoa mandarina, oa res-
tantes iam ser reiuetlidos outra vez para Ainoj.
O navio Herma de S. M. capturou dous imcoi
piratas competentemente armados. As chuyas
tlnhain sido abandantes efrequeotes. Na China
a ezportacao do cha lol de 64,000,000 libras
contra 63,000,000 no ultimo auno ; a da seda
de 19,400 fardos contra 20,200 no anno anterior.
(Do Liverpool ehronicle.)
BRUXELLAS28DEJULHO.
Atravessemos se he do nossn agrado, este
lindo parque de Rruxellas, sobre o qual da-
vam asvossss janellas este invern durante
os mezes do vosso exilio, n vamos ao pala-
cio em que se reunem a cmara dos repre-
sentantes, e ao senado. Desejo passar bi
boje urna pequea revista.
Entremos em primeifo lugar na es mira
dos representantes.
Cmara dos representantes.
Os representantes s3oem numero de 104.
mu, da espada cm delicia da coustituico e A constituido n3o exige delles uonlium
contra o uzurpador foram as.im classificados censo de eligibilidalo. A nica conditjo
a qual deve ser demolida provado o orcamenio do vi
lo 2 lanco da estrada da "neo da eslr.da da Victoria, 1
Escada, dando-sa ao propietario a facul- P'copia a thesouraria da faienda provincial,
dado de approveitar os ma.eri.es que inda lX^"^"&"X&-
poderem servir na edificarlo de outra casa. c,0i que reineite, da quella thesouraria, acom-
I.ornmiinicou-se a thesouraria da lazeuda pandado dapapis uede referidos, e nao faca
provincial. mala pedidos por conta da consigns(ao votada
Dito-Ao mesmo, remetiendo, en virtu- Pelo.rt- 1 da lei provincial n. Jio. cm quan-
u da""fw'i""^ 'srrde n- v ttS&SZ d.rpe,i.elr decida.- Pt
da correspondencia havida entre a presi en- C0Dla da m.sina Reme.teu-se copia do orf-
- e aquella roparlico, relativamente a mentoa mencionada thesouraria,
com os malvados comiuuns.
Ve-sc que o completo da Vatrie nao concorda
com a noticia ofncial, c na verdade o obscuro
em que anda envolvido eale lao fallado acto de
clemencia, em vei de Inspirar conlimca e gran-
geiar popularidadc ao principe, o deiza na mes-
ma poslco que danlea. He evidenlc que o per-
do oi concedido unicameule quelles que
subinssus se entrcgaran cm refens ao usur-
pador ; mas paz c Iranquillidade fuluras
nao se deu urna s garantia cm que se possa
confiar. Tcm-se espalhado outra vez o rumor
de que est interrouipida reatiueute a negocia-
cao para o casamento do principe, mas uada
consta oliicialiucnlc a este respeito.
Foi publicada a obra estraordiuaiia de M.
que Ihes impe, he que lenham a idade de
25 annos. Os oradores fallam do seu lugar.
A tribuna ho reservada exclusivamente pa-
ra a leltura dos rea torios. O presidente be
oSr. Werhaegen, do qual logo fallare).
Examinomos cada fraccSo desta aasen-
blca.
I.ido direilo.
Neste lado toma asaonto o chamado par-
tido catholico, nao porque 09 sous membros
sejain fiois erantes, mas porque todos se re-
ferem a idea do autoriiale, da qual o ca-
tholicismo he a formula suprema.
Em ni inicuo lugar temos o Mr. deTheux
Prudbou. A revoluco social deinonslrada o chefe ordinario dos ministerios catholi-
pelo golpe de Estado de z de dezembro. Seu cos. ||oje 11B0 he mais possivel, se lormas-
"CT,'??,*1 r%\Z', P3,"k>,c'"" ,,.cr""," "> "' Kbinete catholico, elle cedera seu
'"na?.!.0. ttSS rnVo, "paVi. ."I!!?? "-s""t* inrs me"8-
sao
caria
"citando a sua publicaco, e una
de- afiln, aos de Deber, etc. Coosideram-no
dcslprop'riar;3i) e'indmnisac3o foita em "do ~Ao PNetfrader rUci'da thesouraria poi appareceu a obra! M. Prudhon estabelece nda como o chefe de seu partido, uSo por
1838 Francisco Pereira Thomc o outros, da fazenda provincial- Em resposts ao seu ah que o estado natural e normal do hoineui quo o seja realmente, sen3o por te-lo sido
da poroto de terreno oceupado pelo cano ollicio de a8 desle mez, tenho a diier-lno aue.be a anarclna ., que nao lia para elle ou- multo lempo,
que da esgoto as aguas da estrada dos Af- autorizo a airemalaco do cngenlio Barbalho Ira alternativa aeuao anarchia. ou Ccz
cioj prasos, sendo que nao appareca quema cf- e como o principe se llsongca
Dito-Ao juiz de paz presi lente d. meta t~BSK*g*tSZJfil Safo 7,' jo"lue-"idc"'d0 a""uu
a-fa^otP ftiSB qe'he foi diran $$$& .V.,!:S.7u?.-^,clf'Vo'A'e'f,^9o-'. 8JIU... -
cm 18 do corrento, acompanhada de ias- venha a ter nova dcinauda para ser embalsa- celtaeu que todas as prodticoes anteriores. s quats ex
c como o principe se llsongcasso com o nomo do diroito. lie o consiente intimo dos hjs-
o credo poltico 00s 0 ,,,...,... i.,..v... M.iv.10 los arua-
0 Sr. Dechomps ha a tosa de Ierro do la-
1 diroit
pos. o n
le M. Prudhon, e a parte que Ihe destribuio hu/da poltica eclesistica. Elle quiz Ser
1 autor da a Pronrledade he um Roubo, JNao .%..;-:..;'>, r^i^. i.ln.n ,ln 1 aminais.
,w.ia.., .. -.- w. -----~\>....... ..v. ........ ______ ..;,. ;..n...:. K. d.i
a (lili qualilicacSo com o de eleitoret que 0,a, para n;0 5Cr Illudida a fazenda, com de- qualquer outro revolucionario A religiao he
deu em 1812, e consta da mencionada ta- cUraco. de que a arresnataotu asslin cootr,.- qualillcada um embuste c o goveruo una far-
bella.Neste sentido olliciou se respecli- tada nao ser ultimada sein aprovacao desta Ifa. O confisco dos bens da Igrrja, a abolico
va cmara municipal. governo. Oque communlco a1 Vine, para que,do juro do dinlieiro, a uullldade de todos os
Dlto-Ao padre Francisco Virissimo Ban- nesta conforuiidade requeiraoque convier ao contratos hypotbecarios sao propostos como
deira membro da mesa narorhial da no- julzo dos fallos da faienda-Coininunicou-sc inedidas de suprema necessidade. A guerra,
ueira, memoro oa mesa parocniai aa po- J thesouraria da larenda nrovlnslal urna vez que seja em favor dos principios re-
vo.c3o de Pedras do Fugo, dizendo que as "%^ZYotVc^ h aber.amcnte de'ilend,Pda. Os
in-lrncccs da presidencia a respeito das
do Bonito dizendo, que, quando se Parisienses gemendo sb urna cruel Ijrarinia
cleicoes s3o bem claras e terminantes, no lrallr da reorganisaco da guarda nacional da delellaram-se com esla saborosa produccao, c
.-"lili I o de se rom feitas com toda a regula- qUe||a comarca, cm conforiui.laile da le no-'nao ac pode negar que Luis Napolcao obrou
rdade, e quando algum dos membros da vlsslana, ser tomado em comiderafo o que com prudencia em nao adubala aluda mais com
mesa, ou mesmo slgum dos cidadSos com- Smc. repreaenta aobre a conveniencia de ere- BOM ordem de supressao. Com todos estes
ponentes da assembla parochial lenha du-' ar-se abi um squadro de cavallarij. elemeulos, com este: genio caprichoso e deare-
id.S a respeito do processo ele.loral. enea- Dito -- a mar. i.,u..iclpal de Oolanna an- irado "> "!* \JSX^S
minhe ana renreaenlaeOn instruida frim dn.' provando a artcinal.fao das rendas da aquella qualquerfon na de governo cuneos nossos 1111-
minne sus represeniacdo instruida com uo- u rrincisco Ignacio de Andra- pertinentes viiinhosT
cumentos, alim de ser lomada em conside- u'"'1 uail,iade hMMMO ?s. sen. prcjuiso I Ocondc de Cbambord est a partir paraos
(7'dVuho) o cousulado provioc'ial lindl I .."'"*",!.0. TT ".n" sTmnraM '5"0 *clu l,u,r competet.le, na occss.So uquc possa ser deliberado pelo poder legisla- estados Siles.anos do arquiduque Ma.im.liano
nolinharecebiaoius).ri;ci.oosda llicsoura-.?i, I"6 P0010. P8"1 ,r,'10 '1 ? fZ S V. io sc PProvrem definitivamente as ele- u,0'ui futura do orc.mento.a cerca da d'Eslc.
S i ZSl .. rn.oiilla,io stibra a exe "Oposto sobre medidas do farinba dos c0cj. arrecadaco dos Impostes municipaes No1 De llespanha lentos que a questao da disso-
r.a, a quem l.avia consultado, sobra a exe dl Dul)licps com 0 ,|,ato do 300.000 ", ,.---------- .,,ln.i A. r... !"""".L,ido olT.ciou-.e a cmara'municipal lujio das cortes foi adiada al .0 fin, do corren-
raria provincial, o consultado a lei em ""qX, joma.J
disposicSo genrica e litoral, quo n3o me.* JJ
competeinterpretar ou.llorar como, V-. .JJ-^
DitoA' cmara municipal de Goianna, mesmo sentido ofliciou-se
ffrr^! mercados pblicos com o abalo do 300.00
^&m^^^mSX nr0., ^ P'C!0 ^ ,rr"MU,,W recommendando, em addit.mento .0 olfi:
... ,..,:____ ci que Ihe foi dirigido em 27 do correte,
munic.aal de Coianna. ,Hremi,lu Spcro(Bna presiucncia co_
n.cioqueVmcs.mod.ri. j fa Mt|( d,8 e|ei(0BS devere.dores e
19 do correnle, pe Un lo juli0S ue pal das freguczias d'aquella ida.
" um o ui *;>, = K <*' --n------: 7nn non r<
despacbaramocslcado livrode imposiQSo, ..'.(...bramaran
o que oto podia ter lugar no di. 6 de (gol- \ f, u ol
to.oV.S devoia eonv.r em qu esso fado JiVam embala de 22
nao constituio d.reilo algum do iseoco a '^"SL*S
favor dos sopplicantes, sssim como .eco- 5*2SJ?^.J
dos os objectos que a provincia produzir, e ^^}!^^'!TS^JSSm\ Po:t.ri.-l).m,lt,n lo em vista do que
hnuveremdeserexDorlalos. cp.r. seres- i?nlel> P".r" rUlS" ."".. ".... "".? i repicsentou o adminisliador da mesa do
nhecer, que a palavra produccOes em- K'"?!?.'?.* !fl' ..:*-!" *l* .1. 1 Que se tenba procedido a spuracSu. da qual
tris, he applicavel s oolras quu lambem es
to sujeilas, e ao legislador cumpete exami-
IDEM DO DA 28.
Ofllcin-Ao marechal, remetiendo, para
imo vindouro.
asslm o nuizesseiii, a comparecer di.ntc do se-
nado, c i repelir com a mao sobie o evange-
Iho, ludo o que esse escrito continha.
Agora, signora, disse Rramanlc, parla-
mos; no temos um minuto que perder.
As duas Irm'S abracaram-se chorando.
Dar, quaes as que devoro ser isentas, e que quo providencio como fr compativcl com
nSo, parasalisfazer a necessiJade imperiosa !o servico publico, o requerimenlo da ir-
de occorrer as dospezas do estado sem en- mandado de N. S. do Bom-Parto, erecta na
seccar as fonles de sua riqueza e prosperi- igreja de S Jos, pedindo urna,guarda de
dade. So pols a industria dos supplicantes 1 honra para sssistir a fesla da mestr.a Senho-
deve serisenta do imposto laucado pala ci- ra, que ter lugar no dia 3 de outubro pio-
lada I i sobre os gneros dn prodcelo, da
FLHETIM.
OGONDIDECARIAGNOLLO
(l'OB Mili.I. QENTILUOMME.)
EPILOGO.
LE a'JS UIitljLS
11.
fVaa cela do doge.
O sol dardejava seus ralos sobre os tediados
de Veneza quando bramante ae apresentou em
casa das dnas donzellas, elle percebeo que el-
las nao tlnhain tomado uem sequer una hora
de repouso, e nao se adinirou disso ellas ti-
uh'aiii lanas cousas que dlzer, tanloa segredos
que revelar, tantaa anlmacOes, tantas cunsola-
c6es que prodlgallsar uina a outra !
_ Signora, disse elle a Blanca, he hora de
irinos casa do doge, mas, antes de partir, se-
ria bom que vos dignassels eacrever a decla-
rarlo que .nesta a innocencia de Carmagnola.
Ulcbarlla deu inuaa o que era preciso para
eacrever, e Blanca relatou fielmente os lacios,
ai crtscntando no lim que eslava piompta, se
() Vide Diario n. Jiti.
obras publicss. e fszer transportar para as
Alagas, disposicSo do respectivo presi-
dente, um nivel de bolha d'ar com oculo e
seu complenle p, bem cono urna mira
Communicou-se ao referido director.
DitaDemlllindo o piomotor publico da
comarca do Bonito, bacharel Manoel Rodri-
gues l'inbeiro, o nomcando para o substi-
tuir o bacharel Manoel de Alhuquerque Ma-
Pliabus, Ihe tinhasempre sonido mais linagi-
nacao do que as pinturas as mais sabias e mo-
ldo acabidas.
Depois de alguns. Instantes de espera, uina
pona se abri, e um velho ciitrou. Rramante
recoubecvu o doge Francesco Foscarl, que os
Val, cha a irma.' disse ilichaella ; cu vos' leltorcs apenas viram um instante neasa aessao
espero ambos aqui. Ah que palavra me diris do senado, na qual Cannagnola, fugitivo e
quando vollardcs ? Tremo de pensar nisso. proscripto, achara meio de Inlroduzlr-se furti-
Esperemos, minha irmaa, respondeu a vamenie. Era un hoinein de estatura inedia-
prlncea, cujos olhos bnlbavam de cneigia ; na, cujos plhos negros e penetrantea atlesla-
esses senadores sao cruels, mas sao hoinens : rain anda um grande vigor de espirito ; suas
ellos sao juizes c nao uummi afi'ronlar a cole- felces austeras, ornadas de urna barba branca,
ra de Dos, e o julzo da posteridade, entregan- curta c espesaa, annuuciavam ao mesmo lempo
do ao aleo um homein, coja innocencia Ihes uina grande nobreza de carcter, e non pro-
so..', tao claramente provada. dencia que podia ebegar a dlsslmulaco. Esta
Dos e santo Hllariao, mcu padrociro, vos ultima eapresslo era devida sem duvida a lu-
oucam signora, disse Bramante olbando para o la surda e odiosa que de lodos os lempos ezia-
co Temos que iratar com una paite forte c lia entre os dogea eos membros do conselho
astuciosa. Emliiii, tentemos a cmprcia resolu- dos des, e necessidade em que essa anlinosl-
ta e confiadamente.. .. Se nao Tormos bem suc- dade perlgosa o punba de encobrlr sem cessar
cedidos dote modo, veremos..... Ob! lalvez como maior cuidado seus pensameotos c seus
seja preciso pusar pela espada !..... projectos.
tiles partirn), cnlraratii em uina gndola Bramante e Bianca incllnaram-se logo que
aue os esperara alguns passos distante, e des elle se approxlmou. O doge lancou sobre am-
minutos depois penelravam 00 p-lacio dos do- bos um olbar rpido, depois convldando-oa com
ges. Elles orain iolroduzidos cm uina vasta ca- o gesto a que se sentassem, e seotando-se em
maia, cujas paredea cobertas de paloels dos frente delles, dlsie-lnes :
niaiore meslre, uos Tilianos, dos Tentorets, Fallai; que queris de mlm 7
dos Paulos Veronese, osteiitavam aos olhos ma- Senhor doge, respondeu Bramante, o se-
ravllhados todas as magnificencias da arle ; nado de Veneza tem a reputado de ser aevero
mas essas obras sublimes palenleavaiu debal- em suas seuleucas, e mesmo mais severo do
de suas encantadoras bellezas aos olhos de lira- que deveria s-lo ; 111.1, eu que sou um soldado
maule e de lllanci. A donzella eslava absorta banco, e que tenho a fraqueza de crema Irn-
em pensameulos mu! aBliclivos, e nao podia quera em todas as cousas, quero crer que a
conceder um olhar aos mal bellos primorea da equidade dicta sempre suas .ementas, e qu
arte, e qua.lo a llr amante, a mala vil taboleta ae algumas vezes Ihe tem acontecido condem-
de casa de pasm, ainda mesmo a do fond I nar um innocente, he porque as luzes Ihe tai-
de Caianbuns.
EXTERIOR.
te un / As uolicias mais circunstanciadas
' que temos recebido acerca do bombardeamen-
to com que Tripoli foi ltimamente aincacad.
pela Franca, relercm-nos a agraJavet oceur-
rencia da oppostco feita s prcleiicdcs desta,
por parte do cnsul dos Estados Unidos, que
insisti em que a extradieco dos dous deserto-
*".."" .. T res iuvolviaum grande principio Elle foi sus-
Se tciu de continuar o rgimen deLuiz Na- ,enUdo pc|aJ oulta, autoridades consulares.
LIVERPOOL 23 DE AGOSTO DE I86J.
_e tem de continuar o rgimen de Luiz f
poleao, e de ser permanente o principio sob o njj j|p vl0.si. obrBaJo a dir.,e por ven-
qual elle goveroa a nacao franceza. eot.o nc- d ,roIeaudo ,0icmCnte contra o procedl-
cessarlo he que recoineceinos a nossa educa- .i f.a.lc,.,
cao poltica, e que em vez de hlitoriarinoi os "'", .
aconiccimento. que na realidade assignalam a Pelas noticias rcccbldas da India, sendo as da-
tlevacrio, o procrease, o declive e a queda dos tas de Calcutla de 2, e de Boinbav de 4 de agos-
linnorios, nos iinponhanios a obrigacao de dea- to, sabemos quo a cidade de Mirlaban lol de
crever todas aa semana, os coupi di thenlr, e novo investida a 2b de malo por uina forca hur-
as scenas mmicas, que oceupam as canecas raez de perlo de mil oinens, que foi repel
ocas do novo fraocez. Abolidas as feslas de 24 da coma nica perda de um mono c trezc fer -
de fcvcrlro, e de 4 de malo coinmeinorativas dos da parte dos Ingleies U.n* eapedicao de
da icvoluco c da conslitulcao, foi o dia 15 de 0 bomens, sb o coinmando do capnao Orino-
acost, natalicio de Napoleo c um doa prlnci- by. delsou llangoon a J de junho no vapor
naes das santos do kalendarlo romano, deslc- .Phlegelhon. para atacar Pegu, cidade do lule-
* 'o na- rlor, margcn do rio do mesmo nouic. Oes-
nado para a celcbracao de una festividad. _
clonal que record todas as glorias do imperio. Irulo o seu. pajode e arrazou aa suas lorlilica-
rem sido postos cm tnovimenlo os incxgotaveis {Oes, com a perda apenas de um homein mor-
recursos da Franca para dar-se uina serie de lo e cinco ou seis feridos; mas nao tendo forca
espectculos, que deliam atrs as delicias do c sulBcicnle para dolzar una guarnicao na
Circo cm Roma e para faier-se esquecer da praca.vollou sobre llangoon a s do iitubo. Pa-
perda de suas llberdadc o povo de Paria esba- ; rece que o novo enconlra prolecfao sd.i os nos-
bacado dianle do fofo apparato que Ihe diiper- I aos principios, e que he opiniao crreme u-
tlrjtn^^iTiiTqijinijasas apparcucias ac rcu- | Que! a signora he a lilba do duque Vis-
olrampara desencatninhar a jusllca ; mas en- conli ?
lo, nlnguem duvida disso, elle deplorouamat- I Sim, senhor doge, respondeu a donzella
'menle que as provas que atiestav.un a uno- com voi co.....ovida, a Hlliade Visconli da qual
cenca do deseracado injustamente condemna- 'ac feo itistruincnlo de urna laicao indigna, a
do nao tivessein Ihegado a lempo para empe- filha de Visconll, a qual cabe a vossos pes para
dlr o mais cruel, o mais dcploravel de todos os pedir-vo. .estimis a licrdadc a un innocente,
j I Ellalanfou-sc con clleito aos pes do doge, o
..t. 1,___.... .i. ,1.1.. M*MiM.tabi ... ia* ^11.1 deu-ae nressa cm levanta-la.
Ihe disse elle
jamis Bramante nao lloba produzldo um tao qual deu-se presw em levanta-la.
longo periodo. Elle enxugou uina grossa golta I Tranqulllisai-vos, signora
de suor que Ihe cabla da fronte. com una e.pressao cheia de docura. a inno-
- bem duvida, signor capio, respondeu o cenca de Carmagnol. me parece provada pela
doge, estes sao os senbmenlos do stnado c de explicado que este escrito conten, mas a im-
todos aquellos queestao cncarregados do go- portaola do p.cso. a 11.just.5a mesmo de que
verno da repblica. jcllelein sido victima, ordenam-u.c, em aeu
rerno u. rcpiiauu. proprio lotcrcsse que trate ene negocio com
- Nunca duvidei disso, senhor, mas ful.o uina extrema prudencia, o que nao ezpooba
de ouvirvo exprimir penalmente a opiniao esta prov. ao senado reunido senao depois d.
que liaba a este respeiln.
Depois lomando das mos de Bianca a decla-
racao que ella linha escrito, dl.se:
^ Tende a bondade de laucar uina vista d'o-
llios sobre esta peca, senbor, e nao hesitareis,
estou oerlo disso, em restituir iiumtdiatainen-
te a liberdade a um bomeiii, cuja morte teria
sido duas vezes vergonhosa para Veneza, pola
esse boiiiein, he Carmagnola, ineu amo, Car-
ma
ra
cente do chine de q
ter gauho aua causa as ineinbros mais inllu
entes do conselho dos .le, cun os quaes falla-
re! separadamente para este Sin.
Ob senhor t vos me restitus a vida, ex-
clamou a donzella beijaodo a mo do velho.
Nessc momento, um criado appareceu e an-
nunciouo aenbor Ugo Simonelta, procurador
da senhprla de Venca.
He o ioimigo jurado de Carmagnola, be
leito! esclainou Bramante.
gnola, o grande capio que dupllcou a glo- elle que ludo tem le.lo esclamou Bramante.
e o pide? da repblica, Cann.gnola luna- Ob! perdao, s.nbor. rep cou elle Inclln.ndo-
,te do crime de r\ue he accu.adS. ae ; pens sempre tao alto que nao tenho se.
O pobre Bramante tinh. o cor.cJo lao chelo gradas para olnguen. 1 ...as que qUerei, que .-
de seu objecto que sus palavra suba a altura ta, nao pude delxar de tremer ou indo um tal
de se", .eiuimeitos, e se tornara eloquenie. I nome | pols esse he um Infame de quen. vos
Dai-mees.a peca, di.se o doge dlssiinu-' acon.elho que desconliels.
lando debaizo de uina calma profunda sia-l Euo coohfto, respondeu o doge laucando
prsalo que calas palavras devlatn causar-lhe. para Bramante un. olhar signir.cal.vo, un.co
Elle tomou o papel, e depois de o ter lldo, sigoal de approva{o que ousou dar as palavras
diste (liando um olhar curioso sobre Biaoca : | do capito.
greja pe
Foi nomeado representante por Char-
len.
OSr. Dcchamps he um orador de mrito,
o nico que tem forca capaz, de lutar com
o Sr. FrreOrban. Sua tlio mi pelitica e
pliilosopliica, he a de seu pirtido, o abso-
lutismo; mas todos concordan) em dizer
que elle lio de urna reacQo menos in-
lelligente do que seus collegas do ladodi-
reito. Elle lom conservado algumas lem-
brancas vaga das ideias liberaos de sua mn-
cidade. Ncslcs ltimos tompos, s tem po-
dido tomar urna parto mui pouco activa no
mormenlo poltico; o estado de sua siudo
0 onriga ao repouso.
Agora fallemos do Sr. Maln Tsmbem
esto .ortcnco igroja por sua fsmilia. Seu
1 nuil 1 ho bispo do llruges. Qual dos dous
gemeos calholicos he o mais ardenti ? MSo
sei ni/or. os .ii..iniis-.i 1 os dous typos por
excollencia do partido clerical. Este nomo
smente exaspera os liberaos. Quando em
816, o ral LeopolJo formou um gabinete
de provocarlo com os senhorrs de Theux,
Maln e Dochanips, a voz publioa, como eu
disso a Vmc na minha ultima caria, o de-
nominou : Ministerio dot tres Maln
Na cmara o Sr Maln faz um papel con
sider.vcl como linanceiro. He o ministro
da fazenda de todo o gabinete catholico.
Sem algumas ideias, entre nutras a de ceo-
tralisir as segursnjase de is por as mos
do estado.
Como orador, distingue-so por um espi-
rito mordaz e sarcastico. Affecti zombar
de seu au litorio. Elle mais ri os leus dis-
cursos do que os pronuncia. Diz-se-nia que
escarnece de si mesmo interiormente. Ser-
ve so as vezes de jogo de palsvras. Esta na-
turoza de espirito attenua um pouco o odio
que se Ihe tam.
Colloco o Sr. Nothomb entre os catholi-
cos, ainda quo so destinga delles debaixo
de certas relaeocs, e o considerem. aqui co-
mo o|chefa dos mixto. Ja fallei della a Vmc.
lio o ho iiom das transieres, embaixador
Sja^TJssssssssssjajzajawajajsssssjtw
O procurador enlrou.
Alteza, disse elle ao doge, depois de o ter
.audado com uina deferenca altiva, venho pe-
dir-vos o nome e o numero dos soldados que
devein vigiar esta noite a porta do calabuco
do conde de l-arinagnnla. C reunirse amauliaa
ao meio-dla na pra(a de San Marcos.
Ncnbuma orden) tenho que daraesle res-
peito, senbor Ugo, respondeu o doge, pois a
eaecucao do conde de Carmagnola nao ter lu-
gar amanba ao meio-dla.
E qual he a causa dessa demora ? pergun-
tou vivamente o procurador.
Esla ; respondeu o doge dando-lhe para
ler a declaracao de Biancn
U procurador tomou o papel e devorou-o com
um olhar vido ; depois atleclando urna ndil-
ferenca profunda, disae :
Que pretende vossa alteza faier 1
l'rimciro que ludo, como j vos disse, res-
pondeu Fosear!, adiar para outro dia urna exe-
cuco, que empreaenja de lal declaracao, se-
rla utn assasslnalo.
__A lilha de Vlaconti est em Venca ? per-
guntou o procurador.
Et-la aqui, signor.
O veneziano iocliuou-ic ligciramenle dianle
de Bianca.
Senbor, conllnuou elle dirigindo-sc ao do-
ge, perralui-me dar-vo. um conselho, e nao at-
iribuais esta atTouteza seno ao vivo interesse
que tomo por vossa alteza.
Eu vos escuto, respondeu o doge com um
sorrlso linperceptlvel.
Fallis de retardar a eecu,o de Carmag-
nola, be um peniamenlo de clemencia ao qual
me assoclo de todo o coracao ; mas tendea re-
ilcctido bem 00 perigoque corris segundo es-
MUTILADO






2
en Berln e todo delicado o servioo do
rei.comooSr.V.n de Veyer'emba.xador
m Loadres, e como este, umhein pref-re
sua embalsada um ministerio, c se por
veotura elle vlesse per o conselho, ter-se-
liii cuidado em nSo d.r-lhe substituto.
O 8r. de Decker he o espirito honesto e
coociliedor de seu psrlido. Como or.dor lie
de segunde ordem ; como escritor he iflec-
tado e enturmecido, e tem muita erte. Tem
publicado poesas. Algumis vezes seisol
de seu partido, que deste modo jt votou
contra olla o crdito territorial, que a esco-
la M.lou denunciara como urna reforma so-
cialista. .
Ullimamente appsreceu. urna broctiura
com osle titulo: Leltre a .. Decker, par Jean
Vandamne Esta brochura escrita em um es-
tylollrmeeapaixon.do, lie attnbuida ao
Sr. Frere Orbam. Sella se lo :
Deste modo ninguom vos convem ; mu-
guen) sabe, ao tosso ver dirigir os negocios
do oslado. Vossa personalidade inquieta,
mas confiando em si nusma, se agita mi-
gastosamente em seu isolament; e qu.n-
do tosso partido, no mcio dosdeslrogos com
queiuncaes a Ierra emroda de vos, pergun-
ta a si Dinamo o que Ihe resli para o con-
dunr a victoria, parecis responder, como
na tragedia :
Eu! ,
Digo, eu.e he baslante. ...
Para que o Sr. de Ducker tueiega. "[)"'
gado desla maneira pelo Sr. Frere-Orbam,
he mistes qoe seja um homom de valor.
Anda o conlarei entre os calhlicos.
O Sr. umortier heum verdadeiro patrio-
ta, pira quem o chatolecismo parecer, nSo
um meio poltico, mis-um negocio de con-
OSr. Oayhob.nqueiro religioso-mate-
rialista- citholico volteriano conser-
vador. ,
O Sr. de Liadeskerke, he raccionano fu-
rioso, um dcstes homens quo deviam ter
nascido no lempo do feudalismo.
0 Sr. de Mrode, irmilo de Fredenco de
Mrode, morto na lula liberal de 1830. Eslo
nomo era charo aos Belgas. Fredenco le
Mrode lie um dos hroes de sua historia
contempornea. Exiglram-se um rnonu-
menlo na igreja deSauta Gudula. A Belg-
ca, procurando um re, pensou em eleva lo
ao throno, muito antes que as fondas que
elle liana recebido na batalha, o Uvessem
morto.
OSr. Flix ie Mero le nSo se aprsente
com a celebridade que se pretendera dar
a um igual nome. Tem espirito, mas um
espirito bisarro. Um da em plena se.-sao,
lancou ao Sr. Nothomb, em3o ministro,
Devaux, de 18*9 a 1817 redigio a Asm w-
Honele, a qual leve bstanle iuflnoncii, e
contrihuio singularmente para o Iriumpbo
dos liberaos. .
O Sr. Charles do Bronckre tambem he de
1830. Foi ministro no primelro gabinete
formado pelo rei Leopoldo. OSr. de Bronc-
kre he merecedor de todos os encomios
como homein de talento como borrlem
brioso, como deputado, como burgomestre
de Bruxell.s, funcgSo que elle exerce pre-
sentemente. Sabe-se que o titulo de bur-
gomestre be equivalente ao de malre, Coa
a diflerenca de que as liberdades munlc-
paes sendo muito mais extensas na Blgica
do que na Frange, os burgomestres teem
mais influencia e lutoridade do que os nos-
sos maires fr.ncezes.
OSr. Charles Bronckre, a inda que bur-
gomeslre, tem patxSo pelos cursos pbli-
cos. Poucas semanas se passam sem que
ello va sentar-se em urna cadeira de bragos,
no fundo de urna grande sala, para profes-
sar perante um auditorio atiento economa
poltica ou poltica simplesmenle, historia
ou moral. Elle tem verdaderamente espi-
rituilissdosuas funcgO'S civis; he hurgo-
mestre das almas como do corpo. Para
mimeste racto he almiravel, semelhanlo a
este nilo se v ontro nos.
O Sr. do Bronckre he o typo do homem
bom e precipitado, paciente e ezafamado,
lino de appsrencia e ardente para fazer urna
boa acgSo. He a beneficencia em pessoa
Ullimamente esteve arrogante. Tratva-se
de um refugiarlo poltico, no sei de que
paiz da Europa, o qual o Sr. Ilody, chefe
de polica, quera langa-lo fura da Blgica.
O Si. de Bronckre era opposto a osla or-
dem, e quando os gendarmes do Sr. Hody
estavsm em casa do refugiado, para con-
duzi-lo forca, eis chega o Sr. de Bronc-
kre, precipita-se dispede os soldados e d
libertada ao preso. Fez msis; demittio
dopois o chefe ds polica.
Notam-se anda minio; homens corajosos
na cmara dos representantes. Apontarei
9inenle oSr, Delforse, conselheiro titular,
o Nstor do partido liberal, e o Sr. I.ehou,
que foi por muito tempo embaixador da
Blgica em Paris, etc., etc. Nos primeiros
das da cnsa ministerial, ouvi fallar, como
de urna solugSo possivel, de um ministerio
i"h ou
Lado esquerdo.
Distingo na cmara urna certa fr.cgSo de
representantes que se dffarengam dos libe-
rte) por projpclos miis grandiosos, por opi-
ntas polilicas mais vastas, por ton lencias
mais pronunciadas Chamo a esta fr.cgSo
de deputa.los, o lado esquerdo. Fcilmen-
te se corrigira o que esta exprcssSo poderia
dito de Chambronne, este dito mysterioso
que tem sido Iradusido por: a uarda morre ter aqu de inexacto
enSo m rend*' Nesl" cathegnna colloco os Srs. Perceval,
OSr. conteVelixde Mrode nem sempre Leliv e. Ansian, Dmd, ele ele.
graceje. Quando se trata do povo e do pro- O Sr. Perceval he um mancebo. F II de
fesso! rnosl a-se de um. ii.lexihilidade 'um rico conservador de Mames prirne.ro
que m contento de chamar ridicula. Foi secretario decmbaix.di de Pars, quebrou
elle que disse um da na cmara: que os as cade.as dourad.s da fortuna, que ag.i-
pobrrPod am nTuito hem passar sem co- Ihoa as .mas vulgares, par NM-
Be r carne. He inimigo jurado dos caminhos tar na tribuna belga a OpiniSo radical e pa-
'fari.ae"irad.a it.fernaes que con- cifica cuja b.nde.r. a Vress, srvor. na
tribuem com urna parte tSo gran le para,Franca. ___
esclarecer os panes que ellas alravessam. OSr. de Perceval nSo perde occ.siSo de
Em su. hostil.d.de fuiics. contra os c.mi- fallar em favor das cl.ssns laboriosas. Seus
nhos de ferro, o conde Mrode s r.z urna discursos, os quaes l, so chcios de f.ctos.
"xcepgSo, he' favor do c.m.nho de ferro Conl,eca-se noria o homem 0-
deNivelle.districtoque o enva a cam.r. Ao Sr. de Perceval esta reservada urna
dos denutajos gr|e Prl no Tuturo que a democracia
Finalmente he um personagem 'o um co- europea nSo tem deixado do cooUr.
i_______,.,_ Senado.
O senado belga he electivo o se compOe
da S4 memhros 11 principe, I duque, 1 mar-
quei. 7 condes, 2 vlscondes, 12 barfies, 4
cavaltialros e 8 nobres sem ttulos.
provincia mandando que a cmara Ihe de-, iegsd <> freuuezia de Santo Antonio, o pre-
clara.se quanlos eletores den a fr>gueza to Antonio, jscravo, por andar fugtdo jor-
da Varzea em 18*7 e 1849 j a da s de Olio-|dem do subdelegada da fregueiia de b. Jo-
da em i8ii e 44; a de Baranguapa 6IB;s, Beniamlm Jos denota Anna Bernar-
mico completo.
Ha tambem na cmara belga um manco-
bode 28 a 30 anuos a quem rliamam aqu:
o Uerodinho-\\t$lenloo. Ha o sobiinho do
uuiiuo reiiA. cato juvon o* .lietifigniu em
urna discussSo sobre as miserias das clisses
Jbono0*0f dizOftdo nlro dou -arriaos i o
que importa isto a mun !
O centro.
Para ser senador, he preciso ter quarenta
<.,,.....,. i-..i^ P.,*..t -too iijN'i^ isiu lie
2,116 francos Je contrhuigOes. A soma he
um pouco avultada, como se v, t3o avulta-
da que no Lixcmburgo apenas ha um cu-
Com este nome dou a conhecer os ho- suario que pJe ser regularmente eleito.
mens ministerlaea, os liboracs propramen- o semdo representa aqu um papel mui-
te ditos, os coiislilucionaes, os adversarios U modiocre, ouve-se fallar delle de tampos
jurados do clero, todos os liomens de lber- em lempos, quanlo elle deseja fater al
dadeem geral.maspoucofavoraveis as ideias guma reacgSo, como succedeu a proposito
verdaderamente democrticas O Sr. Frre- oa lei sobre o imposto das successfles.
Orban, que, como ministro, se acha al'Sttdo Nesta assembla euconlro apenas alguns
neste grande parlido.lie o nico que tem ten- nomes par. os d.r a conhecer. Tod.va
denci.s graudlosas. distingo os sdriiintcs :
Ja fallei dos Srs. Hogier, Lebean, ele A- O prineipe de Licne, em grande nome di-
gora fallarei aqu d'aquelles sobre os quaes plomatico. Elle tem um de seus filhosno
nada tenho dito anda. servigo da Austria, e os patriotas belfas o
Na frente dos adversarios do clero esla o ceosuram por isto. 0 principe iie Ligue foi
presidente da cmara, o Sr. Weracgpen. nomnado presi lente do senado belga, dopos
Vmc. me falla destes homens I He a ac- aos i de desembro par. substituir do fallo
lividada, be a paixBo encarnada. Que dlra cidnfiumon umortier.
seu odio contra aquellrs que elle chama des-1 O conde do Vilain XIV he notavel por seu
denbosamente os clerictiet'. Contra elles, nome, A hisloria deste nome he bastante
lundou aiiiliversida.le 11 vio da Hruxellas; curisoa. Se a memoria me n3o engaa, os
contra elles estabeleceu a Allian^a liberal anlepassados desla familia se chsmavain
para tornar compactas as frgas de seu par- siaiplesmonte Vil.ir,e um dellestendo pres-
tido ; contra elles orhanisou o Congresso lado dinheiro a Luiz XlV|eni sua expedlg9o
liberal de 1817 para f.zer triumphar seu da llollanda, o grande rei, por gralidSoaos
partido as eleiges; contrs elles trali.lna,
pensa, falla, marcha, vota, preside; e, se
a orise presente se tivesse terminado pela
seus servigos o.utorisou para que se cha
masse Vilain XVI.
Nota-se entre os senadores que tem .1-
fonn.ga'o deum ministerio catliolico, ler- gtirras lendeuciis liher.es um senador
.s'!-lna visto o Sr. Woraeghen dar sua demis- I elrito pelo Luxemburgo o barSo dd Tavreau.
alo das fuucgOes de presidente da cmara O senado he pouco popular na Blgica, a
coroegar outra vez contra elles a agitagSo sua popularidade se mede pela su. ulili-
del847. |dade.
1849: a de B.rreiros em 1842 e44; a da
C.ruar em 1842; a do Exem42eU;
e aa do Ouricurv e Salguelro em 44 e 47.
Que se retponaesse, salisf.iendo 4 ex-
igencia quanto a freguazl. da Varzea so
mente; dlzendo-se S. Ex. que a respai-
lo das outras nada pod. a cmara saber,
por pertcncerem a oulros municipios, a
que posto se mandasse rever as .uthentic.s
de diversos circuios eleitor.es a que per-
tencem tees fregaezias, das mesm.s nada
se pode colher que aproveitasse por ofio
meocion.reo ellas o numero de eleilorea
de cada freguexia, tratando delle. englo-
badamente.
Outro do mesmo, exiglndo o cumpri-
m .iito da ordem supra.-lnteirada.
Oulro do mesmo, devolvendo approvado
o regulamento que de conformidad.' com a
lei provincial n. 301, expedir esta ornara
para arrecad.cSo do imposto sobre carros
e mais vehculos de conducgSo, molifican-
do, porma multa dos srts. 5.*a7.psraM
por cento do valor do imposto.Que se
mandasse publicar o legulameoto com a
modifleagao feit..
Outro do mesmo, pirticipando baver
tr.nsmittldo, por copia, ao fiscal do con-
trato d.a carnes verdes, para proceder co-
mo Ihe cumpro, o ollioio desla cmara da
14 do correle.luteirada.
Oulro do mesmo approv.odo as rrema-
t.gOes dos impostos sobre c.beg. de gado
vacum, e do capim de plantaMandou-s.-
lavrar os competentes termos.
Outro do fiscal do Recife, participando
ler adoecdo de erisipela.-Que se ofllciassa
ao supplenle para funecionar durante o
seu impedimento.
Oulro do engenheiro cordeador, infor-
mando que o terreno que pretende cercar
Manoel Jos Dantas, na ra da Prala de San-
la Rita esta pela planta da cil.de destinado
para pr.ga publica.--Indefenu-se a petigSo
do requerenle.
Oulro do llscal de S. Jos remetiendo
o mappa do gado morto p.r. consumo na
semana do 13 19 do correte (419 razes in-
clusive 27 pelos m.rch.nles avulsos.Que
se .rcbvasse.
Foi approvada urna proposts apresen
tada pelo Sr. vereador M.medo para que
na v.g.nria do lugar de fiscal de qu.l-
quer freguez., qus tanha supplente a ca-
mar. proveja este no emprego, votando
contra o S.-. S lusa.P'ocedeu-se por es-
crutinio secreto nomeagSo de reparadores
par. as freguezias do Recife e S.Antonio,
e foi nomeado para aquella Jos de Mallo
Trindade, e para esta Vicente U.nbellino
Cavalcanti d Albuquerque, os qu.es estan-
do presentes preslarSo o juramento do es-
tilo : igualmente foi nomeado Rufino Jos
Correa de Almeida, solicitador das cusas
da cmara em juizo, e se Ihe mandouofB-
ciar para virjurameotar-se.manhila.--He-
solvcu-se quo o procurador eotregasse as
chaves da luja desla cas. so procurador do
proprielario da mesma, erecebesse de An-
tonio bernardo Quinleiro, no caso de lic.r
de inquilino d. mesma loj., a quantia de
30/ rsManiou-se ofliciar ao juizdaPaz
mais volido do I." destricto freguez.
de 8. Lourengo pr. f.zer recolhar, quinto
anles a secretaria da camira, o livro d.
acta da eleigSo de venadores ejuizesde
Paz quo all ullimamente se fez, atioi de se
proceder a apuragSo ger.l dos votos, que
falla smenle de dita acta, se no tem
(tito.
Despacharam-se ss petigoesde Anastacio
Xavier de Couto, o.^"l^CMarfT "'\-
,*., Jo A-.onlo da illva GfS-J, K
Jo3j Miguel Teixeira l.ima, de Joo Leile
Pila rliguoira, do Padre Jo3o B.plist.
U'Albuqnerque, de M.noel Ferreir* d'Ar.u-
jo C.stro, de Manoel Leite Pereir, de Ma-
noel Ignacio 'Arrud, de M.lbias Jos Co-
mes, e Miguel da Cunha.de Thereza Con-
galves de Jess Azeve lu, de Vicente Ferrei-
ra da Cosa, de Vctor Antonio do Sacramen
to Pessoa, de Bonifacio M.ximi.no de Mal-
tos, de Joaquim da Silva Reg, de Launan-
no Jos de Barros, do bacharel Jos dos
Alijos Vieira, de Amor un, do Joaquim Anto-
nio de Farias Abreu L'ina, de Fr.ncisco
Augusto d. Costa GuimarSes, de Elias B.p-
tisla da Silva, de Jos de Mello Tnnd.de, de
Antonio Xavier Sobroira de Mello, de Vi-
cente Umbelliuo Cavalc.nto d'Albuquer-
que, de Rulino Jos Crrela de Almeid. e
levautou-se a sessSo.
Eu Manoel Ferreir. Accioli a escrevi no
impedimento do seorelario Barros P. P. Ma-
mede Figueredo, rerreira, souit Franca.
dio Clemente, sem declaraglo do motivo ;
ordem do subdelegsdo da freguezla da Boa
Vista, Jo.qulmde AlmeiJa Qualroz e Pru-
dencio do Espirito Santo Hendrs, para ave-
riguagOes polici.es, a Justino Alvea da Cos-
ta, por ebrio ; ea ordem do subdelegado d.
freguez. do Poce da Panella, Lourengo lus-
lini.no da Silveira, Francisco Ignacio de
Souza, Jos Coelho Ncves, Jo Antonio Mo-
reira, Luiz Jos, Joio Antonio do Nascimen-
to, Flix de Santa Anna, Joaquim, Ignacio,
Antonio JoSo, Juveoal EITante de Miranda,
Pedro Bernardno de Senna e Joaquim, es-
cravo, sem declaraggo do motivo.
Dos guarde a V. Exc. Secretaria da poli-
ca de Pernambuco 4 de oulubro de 18S-2
Illm. eExm Sr. Dr. Francisco Antonio Ri-
beiro, presidente desta provincia.--Jos Ni-
colao Rigueira Cosa, chefe de polica Inte-
rino.
COMMERCIO
ALFANEGA.
Kendimenlo do lat. .
dem do dia 7......
52:818,460
8:739,606
61:558,066
As pessoas que se propozerem a esta ar-
rem.t'co comparecam na s.l. das sessOes
ds junta, nos das cima declarados, pelo
meloda, competentemente habilitadas.
E para constar se mandou alizar o presen-
te e publicar pelo di.rio. Secretar!, d. the
sourari. provincial de Pernambuco, 29 de
ielembro do 1852.0 secretario,
Antonio Ferrelra da Annunciagllo.
Clausulas especiaes da srrematsgSo.
1.a As obras do vgessimo prnusiro lango
ds estrada da Victoria serio feitos do.con-
formidade com o orgameoto e plantas sp-
piovadas pela directora em conselho nesta
data, e apiesent.do a approvagSo do Exm.
Sr. presiJente da proviucia, ludo na impor-
tancia de 12:218,606 rs.
2. O arremal.nte comegar as obras no
pas i de um me/, e concluir no de um au-
no, cootados da data da assignstura do con-
trato.
3. A importancia desta arrematago se-
paga em qu.tro prest.goes igu.es da manei-
ra seguinle: a primeira quando o arrema-
tante tiver felo a torga parto da obra do
seu contrato; a segunda quando tiver feito
dous tergos das obras ; a terceira quando
lor recebida provisoriamente; e a quarta
quando l'ur difinlivamente recebida, nilo
devendo effecluar-se paga ment algum an-
tes de lindar-seo primeiro simestre do exer-
cicio de 1852 a 1853.
feirarregam hoje 8 de oulubro.
C.lera ingieza Saord t'isk merc.dori.s
Escuna hollandeza Alberto -- dem.
Patacho braaileiro Herona o resto.
ImiiortacnO.
Albert, escuna hollandeza, vinda de Ro-
terdam, consignada a Brander a Brandis &
C mainlosloii o seguinle :
Por franqua.
240 caix.s de 32 queijos, 84 ditas de -'
ditos, 156 ditas de 12 ditos, 200 ditas de 1
dito, 800 barris e 200 meios ditos maotei-
5a, 92 barricas e 100 c.ixas geaebra, 328
arras ferro ; aos mesmos consignatarios
CONSULADO GERAL.
Rendimentodo 1 a 6
dem do dia 7
3:074,641
71,911
3:146,552
D1VER8AS PROVINCIAS.
Rendimentodo I a <
dem do dia 7 ..-..
168,669
28,644
197,313
Um facto caraclerisa admiravelmonte o
Sr. Weraeghen. Em 1816. lempo em que
se publicou o Judtu Errante, elle mandou
urna penna de ouro a Mr. EugneSue.
O Sr. Weraeghen he banqueiro; e posaue
um. fortuna consderavel. Porvcntura he
isto razfio para que elle seja ultraconser-
vador em materia de economa poltica ede
reformas sociaes? Eu o perguuto ao Sr.
Weraeghen. Demais entrego sua mo.liiagilo
esta mxima qual he de urna grande auto-
ridade, o bom senso : A .lo encarar maii ai
ideias em relaco aos leus inlereues, mat ap-
precia-lat sempre com a razio independente e
imptrcial.
Eis-.qui um doshomeosos mais notaveis
de 1830: o Sr. Devaux, publicis'a do par-
tido liberal, animo ardente, espirito mu
pouco audaz, corpo fraco e morlii le I) Sr.
aa inspira^o 1 Conalderal, aentior, que vossaa
virtudes voa tem suscitado multoa Ininigoi no
aenado, que omita gcateespreita Burdamente a
occasiao de oll'ender-voi, e aeaconlccease que,
apetar deaaas provaa, Carmagoola lic.sse aem-
pre .o oihos do aenado convencido de rebel-
da e tralco, crede por ventura que bisftariam
t ni Imputar-voa como um erline a pied.de que
llvesaei.por um tal criminoso? tirde que nao
ae acbarla cua Veoea, on aeio aneimo do coo-
aelho doa di /.. individuos aaaa perlidoa para
verun nlaao utna .orle de complicld.de 1
Maa como eatoa qui, cl.moa Blanca
com o aaaomo de nina indignacao por inulto
lempo comida ; viato que cate papel nao baata,
fallare! eaa ineaina '.
Periuiti-iiir, algaora, replicn o doge,
que responda ao senhor ligo, l'alvea (enhait
raiio, ilgnor, Ihe dlaae elle, com uina Irona
profunda, mas >e lenbo a deagraca de ter iui-
uigoa, lio protnplo. a julgar mal de ininhaa In-
tencOea, tenho ao menos a cerlea. deque elles
nao teem asaentoaobre o. procuradores da ae-
nhoii tic Veaeaa.
Nao duvideis, senhor, reapondeu Simonet-
ta, o qual ftoglo nao comprebender o aentido
caustico que aa palana, doge occuliavam.
K'iilim, atanor, Ji quo tendel a bondade
de pava voaaa dedicaran ao meu ser vico, que
conselho me dala? ou ante, que larleis ae ciii-
vesaels em meu lugar ?
Visto que voiaa alteza ae digna de pedir o
meu parecer, respuudcu o procurador, ca-
aqu o que eufaria. Eu reunira imnaediaumen-
t Ihe deiaaria toda a reaponaabilidade .la deciao
a tomar a rcapeito do homem a que ella in-
tercau.
(A. Erdans.)
I Correspondencia da Presse. )
PERNAMBUCO.
. ni i i -
GAM\R4 MUNICIPAL.
PRIMSIRA SF-SSAIV URDlNtlllv DE 33 DE
bETEMURO DE 1855
Vresiicnei do Sr. Barroi.
Presentes os Srs. M.mede, Frenes, Dr.
Souza, Pires Fi-ifira, e Fgueiredo, faltan-
do, por doente* o Sr. veroador presidente,
abno-se a sessSo, foi li Ja e approvada a acia
d'.nte-cedente.
Foi li.lo o seguinle :
EXPEDIENTE.
, Um oflico do Exm. Sr. presidente da
y 'ai.. '. muiaree*KB**mmmmmm
um. vm satrica e Sfguindo o menores mon-
menos de physionoinla do procurador, que,
obrando de outra aorte, me eiporia da parte
de meu. ininigos um. aecusacao de cnmpli-
cidade ?
Ileceio muito isio, respondeu o procura-
dor, sustentando com um. clin, iinpertoba-
vel o olbar incisivo que Fosear! Ilnba filo so-
lo.' elle.
1.1. i., que tendes razao, e que larri bem
c"i seguir vosao bom conseibo, duae o doge.
_ Agora espero at ordena de vossa.....
O senado vo-las dar por al misino, sig-
no, ; mas quem se encarregar. de reunir todua
aeua meinbros daqul ha poucaa hnrai '
Eu ineaino, ae vosaa altea quiaer dignar-
se confiar liao ao meu aelo.
Creio poder fau-lo uessa circumstancia.
rrpllcou o do.c com um accento de iroobia des-
denhoia, oqual nem meiHio se deu ao traba-
Ibo de dliiituular.
Quanlo a esta peca, replicou Simonetla,
preparando-se para mette-la na alglbeira da
casaca, eu a larri dame do sena 'o reunido e
pr.aa a Dos.... Elle foi loterroinpido or nra-
in.nte, o qu.l, a um s.go.l de desconfi|nca de-
do por Biaoca, Ihe arr.ncou o papel da. inos.
__ lilseravel! eaclaroou Ugo Siinonetu com
furor, labe, a quem ouaaa Insultar?
Eu o el perfelumenle, reapondeu Bra-
mante, mediado o procurador com urna iin-
Kcpaiticao da polica.
DIA 2 DE OUTUBRO.
Illm. eExm.Sr.Das parles hoje recebi-
das nesta repartigo, const. terem sido pre-
sos ; a ordem do juiz municipal da prirceira
vara deste termo, o sentencisdo Bolarmmo
Ferreira Lima ; a ordem do subdelegado da
freguez. de Santo Antonio, o portuguez
Lourengo Ribeiro d. Cunha Oliveira, par.
averigu.gi3espblici.es; ordem do subde-
legado da freguez. de S. Jos, o portuguez
Luiz Jos Marques, por infrtegio de postu-
ras municipaes, Maooel Jos de Mello, para
corrocgSo, Claudino Jos Coir. e Justino
Pereira de Andrade, por desordem.
Dos guarde a V. Exc. Secretaria d. poli-
ca de Pernambuco 2 de oulubro de 1852.
__Illm. e Exm. Sr. Dr. Francisco Antonio Ri-
beiro, oaaaidenlo dest. ^rovinci..Jos Ni-
colao Rigueira Costa, chefe do polio!, ma-
rino
DEM DO DIA 4.
Illm. e Exm. Sr.Das partea honteme ho
je recebidas nesta reparlglo, consta terem
sido presos; a ordem do subdelegado da
freguez. deS. Fre PedroGongalves, o in-
gl^z Jan.les, por ebrio ; > orden do guhile-
iii duvida a uilnha boa le,
Jfixportngo.
Ac.rac, patacho nacional EmulagSo, de
134 toneladas, conduzio o seguinle :
75 caix.s o 31 fardos fazeodas, 36 gigos
louga, 10 pipas e 16 barra vinho, 8 c.ix6es
chapeos frano'zes, 115 barras ferro, 6 pi-
pas vioagre, 36 cunhetes ago, 13 barris azei-
te doce, 46 barris plvora, 30 ditos m.n-
teiga, 15 amarrados chapeos deso, 9 ver-
galhOes ferro, 6 caixasch, 31 barricas fa-
rinha de trigo, 12 caixas drogas, II barri-
cas enxadas, 8 ditas ferragens, 18 ditas bo-
lachmhss americanas, 13 caix 's armas de
fog>, 14 saceos chumbo, 13 pipis agur-
dente, 27 meas barricas assucar, 3 alambi-
ques e seus pe (enees, 41 csixo>s fogo do ar
e 11 'cas, 6 barricas garrafas com genebra,
4 barricas licor, I ciixo caixOes de doce,
II C.ixas sabio, 2 taixas de cobre, I bairi
ca alcool, 2ancorelas dito, 6 calxes cha-
peos, I caixote papel impresso, 2 ditos di-
versos objectos, I dito rap, I malla nata-
mes.
RECEBED0R1A DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimentodo dia 7. .3:737,573
l,ll.>-o:i..,l... i-u.ivivi'l a I
Roodimeoto do da 7 617,919
4.* Para ludo o mais que nSo estiver de-
termnalo as presentes clausulas seguir-
se-ha o que dispOe a lei provincial n. 286 Aleixo'Sotres Pereira.
de 17 de msio de 1851.Conforme -Ose- i Joaquim Jos de Santa Anoa.
los Congalvrs da Silva,
Benio dos Saotos Ramos.
Joaquim Jos Ferreira da Panha.
Jos Mari.no de Albuquerque.
Jos Quiolino da Cairo Leo.
Jos Joaquim Antunes
Jos Mari. Fre e Gimoiro.
Antonio Jos de Oliveira Miranda.
Rufino lose Crrela de Almeida.
Adelo Jo-r do Meodonca.
Pedro Jos Cardoso.
Maximiano Francisco Duirte.
Theotonio Tibuitino Couro d'Anta.
Jorge Victor Ferreira Lopes.
JoSo Pinto de Lemos Jdnior.
Supplontes -- os snhores.
Dr. Alexandre llernarlino dos Res e Silva.
Born.riloJo.-4 Martina Pereira.
Ignacio Jos da Assumpgtlo.
Antonio Pereira de Souza
Miguel Ribeiro do Amaral.
Bento do Barros Falco de Licerde.
JoSo Policarpo dos Santos Campos.
Francisco Jorge de Souza.
Pedro Alfonso Rigueira.
Antonio Germano Cavalc.nte#d'Albuquerque
Antonio Lopes GuimarSes.
M.lhias Jos da Lapa.
Francisco de Senna Duarle.
Francisco Lopes vianna.
Jos Paulino d. Silva.
Jos de narros Corris Selle.
Antonio Pires GalvSo
Alexandre dos Santos Barros.
lolo Francisco da I.apa.
Antonio Bernardno dos Res.
Joaquim Milecto Mariz.
JosTbomaz .la Silva.
crelano,
Antonio Ferreira da Aiiiiiiiicisg.1i).
0 Illm. Sr. inspector da tbesour.ria
provincial, em cumprimento da ordem do
Exm. Sr. presidente da provincia, de 29 de Zacaras doa Santos Barros,
setembro prximo passado, manda fazer JoSo Miguel Teixeira Lima,
publico que nos dias 26, 27 c 28 do corren-1 Jos Xavier Faustino Ramos.
te ira I praga para ser arrematado perante Luiz da Veiga Pessoa.
a junta da f.zenla da mesma thesoursria, cThemotio Pinto Leal Jnior.
. quem por menos flzer, a obra do 22.0 I.n- Antonio Augusto da Cmara RndriguesSetle
gn da estrada da Victoria, avaliada em ris Thomaz Antonio M.ciel Monteiro.
13;9023IO. Guilhermino de Albuquerque Martina fe-
A arremalagSo ser feit. na forma dos ar- ; reir,
tigos 24 e 27 da lei provincial n. 286 de 17 Jos Ignacio Soarcs de Macedo.
de mino, e sob as clausulss especiaos abai- Cactano Aureliano do Carvalho Coulo.
xo copiadas. Antonio Mchalo Pereira Vanos.
As pessoas que se propozerem s esta ar- Outro sim convoco a todos os cidadRos
rem.tagSo comparegam na sala das sesadas 'qu.lificadns vot.nles nesta Treguara, para
da mesma junta, nos dias cima declarados qUe pessoalmente comparegam a dar seus
pelo meio dia, [compclenlemcnte habil- .votos, esdvirlo que, tendo a fregoezia de
lados. dar 38 eleilorea, devem as sedulas conter
E para constar se mandou afixar o pre- igual numero denoms de cidadSos que t-
senle e publicar pelo Diario. nham os requisitos legaes para eleitores ,
Secretaria da tnesouraria provincial do .no sondo ad nilidas as quo conliverem no-
Pernamhuco 2 de nutubro do 1852.-Ose- mes r-cados, ou substituidos por outros, se-
cretario, Antonio Ferreira da AnnunciagSo. gundo criscreve os artigos 50 o 51 da preci-
Clausulai especiaes da arremalacit tada lei.
I .a As obras do 22 lango da estrada da j E p.ra const.r mandei faxer o presente ,
Victoria serSo fel.s do cinformil.de com que leni de ser alllxado nos lugares mais pu-
o orgamento e plantas apprnvadas pela di- jblicos da frcgu<"za o publcalo pela
rectora em conselho nesta dala, eapresen-
tada a aprjvagSu do Exm. Sr. presidente
Movimento do porto.
Ifavios enlradot no da 7.
Roterdam 55 dias escuna hollandeza
Albert, de 120 tonda las capitSoJ.lt.
Box, equip.gem 6,carga queijos, genebra
e mais gneros ; |G'. A. Braodcr a Bran-
dis & Companhia.
dem 50 das, escuns hollandeza C.oul-
koslo, de 146 toneladas, capitSo F. D.Wit,
equipagem 9, carga mantoiga, queijos e
e genebra ; a G. A. Brander a Brandis &
Companhia.
Liverpool 46 dias, galera ngleza.Sword-
Fish, de 345 teneladas, caplfln Richard
Green, equpagem 22 carga fazeodas e
mais gneros ; a Me. Calmont & Com-
panhii.
Navios sahiies no mesmo dia.
Rio eran le do mu brigue brasiieiro .rao,
capitSo Antonio Rodrigues Garca, carga
assucar.
Rio de Janeiro o portos inlermeJios.-vapor
lii'izik'iro Pernamtiucauo, commandanlo
Olten. (ionios a seu bordo, do cia o Dr. Francisco Leite d. Cos. B-lens,
Eugenio Jos dssNeveseAnlrade, JoSo dos
Sanios Nevos, Dr. Ludugero Gongalves da
Silva, Flix Rondof, Gal.uno Pires Forrai-
ra e 1 escrave, Otaviaoo de Souza Franco,
o tOescravos, Joaquim da Silva Ramos,
Dr. Bernardo Pereira do Carmo e 1 es-
cravo.
\ i ornan pore
aibilou a vozgullural do procurador.
Ora ena l eiclainou facetamente ocapl-
lao, p6r em duvida vossa boa fe, senhor! Oh !...
eu a neg.
Oh! lu pagars charo eala Insolenci
inurmurou bliiionelta com urna voi trmula de
furor.
Pagar nao he precia.mente o mtu coslu-
me, reapondeu Kramanle rindo; mas repltj-
vos. liareis de receber logo ai mlnba excusas,
dou-vos inhiba p.lavra de aoldado, e previno-
vos que a eita palavra Jamali fallou o capito
Bramante.
Senhor, disse enlao Blanca ao doge: o ca-
pito nramaute teiu raio. Gurdl_ eat. pee.:
be a vo.s.s maos que cu a confio, nao a outras.
O procurador lancou sobre Bramante um
olhar carregado de fel e viogeaca, depoli voi-
tando-ac para o doge que linba aasl.lldo silen-
cilo e grave a todo o fim desla acea, disse:
Antes de dual hor*s o senado esiar reu-
nido, e eu virel prevenir a voaia alteza.
E lancnalo de novo lobre o capuo um olbar
fu I mi uanie, rellrou-ie.
Aps a lu.'parlld. o doga comarveu-ie al
guna instantes illeacloio, depoli Incllnando-ie
para Bramante, disse Ihe :
_ Pelas duaa hsr.a .ch.l-va. i enti.da do
senado, um homem voi metiera na mao um
bilbete e labereii primeiro que todos a lorie
nrudencia magnifica, e me proponho dirigir- de Carinagnola. ..., ,
ii t.rdc ai iniuhai desculpa!; uiaipor! Obligado, oh! obrigado, alteza I eacla-
a ei u uue tenho a diter-vo. : He la i inou Bl.nca com efiuiao, podemos ter espri.u-
altr/a'icreuiiima o doge de Venera que a .lg- ta, viato que temos o vosas .polo I
r,"".. VscqbiI, aqu preiente. quif. coi- Aid diaie o doge. .a.m.gnola tem ebe-
Srapror da innocencia do nobre conde del gado a um grao mu alto de gloria e nao pude
Carmagoola e nao ao procurador ligoSiiuooet- deizai t ter Inimigoi enearoicadoa.
EDITAE8.
O Illm. Sr. inspector d. thesouraria
provincial, em cumprimento da ordem do
Exm. Sr.'presidente da nrovincia de 27 do
corrente, manda fazer publico, que nos das
19, 20 e 21 deoutubro prximo vlndouro,
ira a praga para ser arremata lo perante a
Junta da fazenda da mesma thesouraria, a
quem por menos flzer a obra do vigessimo
primeiro lango da estrada da Victoria, ava-
hada em 12:218.606 rs.
A arremalagSo sert feila na forma dos ar-
tigos 24 e 27 da lei provincial n. 286 de 1" de
msio de 1851, e sob as clausulas
abalxo copiadas.____________
da provincia, ludo na importancia de ris
ISitOSlStO
2. O arrematante comegar as obras no
prazo do um mez, e concluir no de um
anuo, contalos d. dala da assignstura do
contrato.
3. A importancia desta arremalagSo ser
paga em qualro prestagiVs iguaes da manei-
ra seguinle:-. primei-a, quanto o arre-
matante tiver feito a teige parte da obra do
seu contralo; a segunda, quanlo tiver fei-
to dous tergos das obras; a tercoira, quan-
do for recebida provisoriamente ; o a quar-
quando fr definitivamente recebida, nlo
devendo effectusr-se pagamento algum an-
tes de lindar-so o primeiro semestre do
exercicio de 1852 a 1853.
4. Para tudo mala que nSo estiver deter-
minado nis presrut.. ._._).. 0-.- ... h..
o qui ilisuo.i a le provincial n. 286 de 17
de maio de 1851.
Conformo O secretario, Antonio Fer-
reira da AnnunciagSo.
Otenentecoronel Antonio Carnciro Machado
Ros, juiz de paz presidente da junta de
qualificagSo da freguezia do Santissimo
Sacramento da Boa Vista, era viitude da
lei, etc.
Fgo saber, que tendo de proco ler-se no
dia 7 de novembro prximo futuro, a elei-
gSo dos oledores, quedeycm cleger, nSos
osdeputados a ass-mbl geral legislitiva
para a legi*lilura do 1853 a 1857, como os
memhros da assembla legislativa p ovin-
cial.para a de 1851 a 1855, e de 1856 a 1857.
segundo as disposigOes do ailigo 39 e 40 da
le de 19 da agosto de 1816, e em excugSo
Jas circulares da presidencia da provincia
prensa. -- Ku Francisco de Barros Correia
escrivSo o escrev.
Antonio Carnehro Machado Ros.
Deca races
O capitSo secretario do cnmmsndo das ar-
mas desta provincia faz publico para conhe-
cimonto das familias dos ofliciaes fallecidos
abaixo mencionados, que na secretaria do
mesmo commando oxistem as respectivas
patentes, as quaes serSo entregues logo que
lorem procuradas pelos interossados na pos-
se de sementantes ttulos.
Primoir. linh. do exercito.
Alferesajudante, Antonio Clemente Esle-
ves de Larraz.
Dilo, Manoel Correa da Silva.
Segundo lente, Jlo Machado de Maga-
IhnW:
Alferes, Antonio Soarcs Barhoza.
Extincta segunda linha.
Tenento-coronel, JoSo do Oliveira Govtm.
Ajudanle, Domingos Ferreira Jorge.
Uuartcl-mestr, Antonio Fernandas de
Barros.
Cirurgiu, JoSo Lourengo Marquen.
CapitSo, Jos da Fonseca GalvSo. '
lente, l'li.iiiia/ Antonio Marques.
Alferes, Manoel Pereira de SA.
Dito, Theotonio Francisco.
Alferespoila-bandera, Feliciano Jos de
Lima.
Extincta ordenanga.
CapilSo, Domingos Antonio de Faria.
Banco de Pernambuco.
Os descontos da semana de 4 a 9 do cor-
rente, sSo os de 6 por cont t o flm des-
e mez, e do 8 por cento l 8 mezes. O
conselho deca', que compra e rende le-
de 26 do junho, c 8 de setembro do cor- sobre R0 J d .,,.,,
rente .ono. Compre que os ele.lores e lup- ,, e r.so.veis. B.nco de Per-
penles desta freguez. aba.xo ..cs,g,*los, ml)uco 2 e de ,859_ 0 5e.
comparegam .a 9 horas da manliSa, do da M|. de 0lifairt.
cima indicado, no corpo da igreja matuz I
dest. freguezla, alim de organissr-se mesa
parochial, que tem de receber e apurar as
listas dos volantes; pelo que convoco os em
cu nprtmeoto dosarligos 4., 5." e4l da ci-
tada le; advirti lo que os quo leix.rem de
comparecer sem tm: o lmenlo legitimo l-
cam sugeilos a inullsi comiuitiada no artigo
120 $ 5,* n. 2 da citada lei.
Eleitores --ossenhorcs.
Dr. Antonio Peregrino Macid Monteiro.
liailo de Capibarib'.
Antonio Carlos de Pinito Borges.
Jos Marques da Costa Soares.
Auguslo Frederico deOliv.ira.
Amaro de Barros Correia.
Fra .cisco Ignacio de Alhayde.
Vicente Antonio do l-.s/into Mnlu.
Luiz Antonio Hodrigueadt Almeida.
Desembirg.dor Jeronymo Martiniino l'i-
::ii"iia de Mello.
JoSo .10 llego Barros FalcSo.
Jos Antonio dos Santos e Silva.
Caetano Mendos d. Cunha Azevedo.
Padre Albino do Carvalho Lessa.
Marcelino Jos Lopes.
Simplicio los de Mello,
s pee i a es 'Francisco Antonio Cavajc.inte Cousseiro.
Padre Francisco Alves de Atirantes.
TIIKITIIO
-Teitals convencido, die Foicari com U...,o%ue lie muidlffcrente, nao se aga.le! Este prlnclpalmenle, disse Bramante
apon7ando~j>ar a porta pela qual o nrocuralur penetrar em casa de alguna senadores, cuja
acabava de sabir. a.al.lencia Julgar poder reclamar.
Nlosabcli, capilao, quanto esse homem I>ada man fcil, respoodco o doge. Aqui
be lerrlvel; tende cuidado de comervar-voi eala um talismn dlanle du qual todas as portas
debaiio do prtico do senado, envolto em um se abrem ede que nao disponho seino as uc-
manto que vos occiille Inteiramcnte ai felcflea, caildei importante!. He urna medalha de ouru,
poiiconheco Ugo Simonetla e aeria perlgoio cunhada com as armai da icnhoria e marcada
que foiseis reconhccldn por elle. coi" Igual particular do cunielhn dos Dez.
Obligado, alttia, lerel todo o cuitado Pouca peiauas tem lacs mcdalhai a sua diipo-
,,IS5 aicao e se as oollia. vos corrercui mal, pude-
- Tomaium manto encarnado, ornado de reii servir-vos delta para voi.a salvacao. Bal-
um. bord.dura azul, replicou o doge; he por 'a que mostris para que ludo vos obc-
eite algnal que lereis reconliecldo pelo homein deca. ..... ,.
que voi h. de entreg.r o meu bilbete. I ~ Obrigado, senhor, obrigado. Voisa alteza
Encarnado bordado de aiul, est bem; pude contar conngo.
n(o o esquecerei. I 'doge indlou com o gesto a Bramante c|uc
O doge poz a mo sobre o hombro do capilao linha toda a conftanga eiinua dlacrecao c ei-
e encarando-o com um olbar calmo dlsse-lhe: teodendo a mao a niaoca, dlssc-lhe :
Slgnor Bramante, ae urna a palavra de Auimo depols odiando anda para o ca-
pillo accrescenlou !
Nao esquejis I debalio do postico do se-
nado, s duas horas!
Bramante tendo rccondmldo a tiln de Vls-
conll casa de Mlcbaella, diriglo-so a loja de
mu commercianle, o qual vendeu-lhe um man-
to encarnado bordado de aiul, depola ful leo-
. de urna das coluinda
nona cooversacao vieise a transpirar fra da
qui. aalea de olio din aercm p.il.doi, eu lof-
freria a sorte de Carmagnoli.
Senhor, eaclainon Uramante com energa,
Juro-val porminba eipada.. ..
O doge Interrompeu-o.
He intil, aegnor, disse-vos quaes seriara
para miui ai coniequenciai de uina lodiscrip- lar-se ao pe le ama das coluinda. que deco-
cao, laso baila; estoutranquillo. ram o prtico do len.do, tendo o cuidado de
Ide, senhor, voua confi.nca nao sera Ira- occullar ai felfdei debaizo das dobras do
hlda. Alnd. que me facaiu pedacos todos os manto.
meinbros, nao conseguirlo arrancar-me uma Ueram dual horai, depon tres, depois qua-
s avilaba que possa comprometler-voi. Per- tro, depois cinco.
mitt-me agora Voisa Alteza que Ibe peca uma Nada de noticia, o aenado coniinuava reu-
fraca ? "''"
Kallai, capilau disse ovelho. limas vez' bramante scntia-ie co be rio de
_ Km vossa qualidade de doge, replicou o um suor ardrnlc, outra. Iremia drbaiio do ai-
apitip, nSo poderels acaso dar-mc uoia eipe- loute rpido de um fri glacial,
ele de .alvoconducto, de panaporte, de que Einflm.il. boraiac.bavam de so.r ua Igreja
pona icrvlr-me em caio de necenldade para de S. Marcos e elle totnecava de desesperar,
Sabbado 9 de nutubro de l85a.
II.- RECITA A ASSIGNATI'RA.
Finda a execugSo da ouveitu'a, rapresen-
t.r-se-b. pela primeira vez ne.te theatro, o
bello drama em 5 actos, do Sr. I. M. de M. -
cedo, autor do Fantasma Branco.
O CIGO.
Osprincipaes pnpeis serSo desempenha-
ilos pelos senliores Guim.rSes, Manoel., A-
mo lo i> Senna
,1. 1____._ .___ iJi^Tri^BrJoTjaj
qnando sentio uma mo lnlrodnzir-ie-lhe por
baiiodo manto c retirar-ic vivamente. Elle
voltou-ie c vio um barcafuolo que ae apartara
cantando. Lcvantando-ae, um bilhcle lbe ca-
bio do manto, este bllhele conlinha o ae-
gulntc :
1 A dcclaraca da princeza Bianca convenceo
plenamente o senado da innortncia He Carmag-
uola;maio aenado peuauu que Carmagnola
nao perdoari a Veneza nem a suspeita de q*ie
ella o cauegra, nem aa toilurai que Ihe fue-
ra soll'rer. Essa prova ser puliannlquillada e
o culpado inorrcra, nao amanilla ao meio da
como a lentrnca o delcrmliiava ao principio,
mas hoje incauto antea do por do 10I.
O valiente, o intrpido Uramante llcou palu-
do como um cadver, elle sentio-ie de.fallecei
e choiuu como, um menino.
ludo e.tava acabado.
i.i.ic Ihe reilava fazer ?
Elle lembrou ic que h avia anda doui cora-
cflc que cumprla detpcdacar com ena terri-
vel noticia, dual almas que elle lloha iniasao
de icpullar no inferno fazendo Ihci eaia revela-
co horrorosa c suprema.
Estpido Ae aorpreza e de terror, privado de
.leuna .orle da raio, elle pcrguolou a ai
mesmo oude li.ava ca de .lidiadla, maa
leiubr.ndi-ie de repente de Indo, correo e
chegou tao depress. como se tivesse .idu con-
dii/nlo por um caviIIo galope.
(tonli;iiiair-se-/ia }
MUTILADO
i
{
ai
. I-
e
rU
a.|
a.
Kk




***
Denominaclo dos actos.
Primeiro A mfii o o eego.
Segando A noiv.
Terceiro O sacrificio.
Quarto -- Qciume.
Quinto -- A n olla de nupoias.
Dar Om o espectculo eom a come lia cm
I telo.
As entrevistas nocturnas.
Principiar as 8 horas.
Theatro da roa Augusti.
Domingo 10 deouiu'iro de 1852.
Representado de mgica nitural, dirigi-
da pelo discpulo de Mr. Axelandir. Em-
quanto sos seus trabalhos, serBo annuncia-
dos pelos cariares.
Preco de camarotes de primcira ordcm. f
Dito de segundaasseotos por pesaos. 2/
Platea. "
O resto dos bilbetcs acba-se venda no
mesmo tbeatro
riil)lic.n;fu> litteraria.
Saino a lu.
38 RA DAS CIIL'ZES 28
AcontinuacSo da materia medica homeo-
pathica augmentada da theoha das dozes pe-
lo Dr. Muie.lacuna importantissima deixada
por Hahnemnnao cuida lo dos seus disc-
pulos. Este volume conten a palhogenezia
de mais 12 meiicamenios Europeos, e dos
13 principaes medicamentos BRASILEIRUS,
experimentados pelos alumnos da escola bo-
meopalhca do Rio dr Janeiro.
'Para aa pessoas que ja compra-
* /rana os elementos de homeo-
! o yp.lhia e assignaram esta 2J/000
Para soutrs que s quizerem
a dita obra. 3/0O0
/Para os assignantes c mais
'pessoas que j compra-
iranios elementos de ho-
Jmeopathia 13,000
!Para as oulras pesoas que
I s quizerem a dita obra e
'a carteira. U,000

6 r- 2 "z
5 8 ll
83 =
2 ^ 2
o a
1* \
^Roga-se os sabores assignantes, o favor
de mandar receber seus ejemplares na bo-
tica homeopalhica da ru das C'UZ'S n. 28.
Na nv-smn botica ha lim grande sortimenlo
de livros em portuguez e f ancez par as
pessoas quo sequerem dedicar ao estudoda
homeonathia.
Aviso martimos.
UAHlA.
O hiate Amelia, srgue. em pou-
cos das para a Halua, ainda pode
receber alguma carga miada : a
tratar no escriplorio de Novaes &
Companhia, n ra do Trapiche
n. 34.
Para o Aracaty.
Segu com toda bievidade, o
novo e veleiro bietc Santa Cruz ,
mestre Vicente Ferrcira Lopes ,
que s recebe carga at o da 10 do
correte: os pretendentesqueiram
dirigir-se a ra do Trapiche Novo
n. 16, segundo andar, 011 a ra da
Gadeia Velha n. a3.
Para Lisboa a galera portuguez Mar-
garida capitao Silverio Manoel dos Iteis, sai
cun menor brovldade possivel por ler a
niaior parte (la carga prometa,quem quiser
carregar ou hir de passagem para o que ten
excellenlesconmoJos dirijSo-se os con-
signatarios Oli'eira IrmSos & Companhia,
na ra do Apollo n. 1, ouao Tereridocapi-
18o na praca do conimercio.
-- Para o Geera segu no dio 10 do cor-
rente o patacho Santa Cruz; para o resto da
carga, trata-se ao lado do Corpo Santo, loja
de mansa mes n 25,
Par o Rio do Janeiro sahe com toda a
brevidaJe o brigue nacional Animo, por ler
a maior paito da carga prompia : para o res-
to, passageiros e escravos, trata-so com o
capito do mesmo Domingos Antonio de A-
zevedo, ou na la da Cruz do Recife D. 33,
1 111 casa de Luiz Jo.- do S Araujo.
Ido de Janeiro.
O bem conhecido patacho Va-
lente, ssgue com muita brevdi-
de, por ter j algum 1 carga protnp-
ta : para o resto, escravos a (re-
te e passageiros, para o que lem
bons commodos, trata-se com os
consignatarios Novaes & Coro'pa-
nhia, na ra do Trapiche n. 3$ ,
ou coui o capilao na praca.
JLeilao.
Miguel Carnelro, far leilSo por Inter-
venefio do agento Roberto, no da terca-fei-
ra 12 do correte, as 11 horas da mambla,
no seu armezem na ra do Trapiche n. 38,
do seguinle:camas de ferro e de, madeir,
mesas para sala, ditas para jnntar, aparado-
res, marqnezas, snfas, berros, toucadores,
guarda-louca, commodas cadoiras rspe-
Ihos, pianos, quadros com estampas, urna
camera obscura, e oulros muitosobjectos
a-smi como cha hyson, por monos oe Sao
rs. a libra, em tima ou mais caixas, e cha-
rutos da B-hia._____________^^^^^
Avisot tl-versos.
Theatro de Santa-lzbel.
Roga-se ao IIIm. Sr. Dr. Carvalho, empre-
sario do theatro de Sanla-lzabel, queira le-
var a scena os bellos dramas Cabrio ou a
coroa ducal de P rma, Trinta annos ou a vi-
da de un jugador, Fre Luiz de Souza, e a
bella opera, o l'hantasma br.nca,e n8o es-
sas repeticOe*, como* Leitora etc o outros
que nao (gradam e can;am o publico. Pede-
se-lbe que ca brillur os artistas que agra-
dam a lodos,cinu a nncanlaiiora ilanuelita,
Bezeria, Munleiroe Ainli>, ('.armella, Cos-
ta, e o esquecido Raymundo, por ruja au-
gusta imparcialiJade.ser digno de lodosos
eucommios. Esperamos que o senhor em-
presario aUendrra o nosso ped 10, ao qual
inuilo llie ficarSo agradecidos os verdadei-
ros Mauuelitas.
Attencao.
(01 mogo prximamente chegado do Rio
de Janeiro, propOe-se dar liccOe de fiancez
em catas parlieulares.ou em sua casa: quem
quizer honra-le com as suas visitas, pro-
cure na ra da Soledade, no sitio da viuva
' Roga-se o senhor Manoe.l Pereira Ma-
calhes, o obsequio de ir a ra da Gadeia do
Recite, casa n. S9, ajustar suas contas com o
bafxo asignado.Jos Dias da Silva.
Aluga-se um soUo na travossa dos
QusrteisIT. 33, proprio para um ou dous ra-
pazas solteiros.por ser multo fresco e ter boa
vista : a tratar na ra da Roda n. 19.
- No escriplorio da viuva Amoriru & Fi-
los, existe urna carta para o senhor Narciso
Ferreir Viege.
-. Roga-se aos senhores conlratadores das
carnes verdes, quo rrcommendem oencar-
regado do cougue da ra da Caa, que 11S0
consinta ostalbadores dexarne distribuir
bel-prazera melhor carne com os seus ai-
feicoado, como anda hoje o llzeram, alio-
nando o cirnicelro que tal peca era para um
senhor Filippe. Creio que eslo senhor nao
lem mais direito do que qualquer.
Desappaceceu no da 6 do corrento mez
de oulubro, urna preta de nomo Joaquina,
de nacSu Rebollo, de idade W nos pouco
mais.. menos: levoo vestido de algodflo
azul.panno da Costa de listras azues c bren-
cas, do boa altura, e reforcada tem urna
costura grande de fogo debaixo do queixo
esquerdo, um bursco grande na orelhi por
irizer brinco grande, com varios panos
brancos pela cara e bei?os, cabello preto;
foi criada no sertSo do Ico, e todo o seu in
temo he toruar para l I roga-se a todas as
autoridades pohciais ecpitaes de campo,
que a encontrar, a prendam e levetn-a a sou-
senhor no largo la Trempe, sobrado n. 1.
que tem venda por baixo, que se Ihe pagara
seu trabilhii gmierosimento.
Contina em fuga o meu escravo Ber-
nardina-, de Angola, de boa estatura, nBohe
totJlmente preto, sem signaos visiveis e he
mouco, signal evidente para ser conheci-
do e capturado, representa ter *0 a 50 annos
e jh pinta; supponho ter ido ou conduzido
por alguem para o sorlSo ou mato ; por isso
rogo a polica da provincia e capitaes de
campo, o prendam e conduzam-o ao sitio
Capellinha doMondego, termo da freguezia
ila Boa-Vista, comarca do Recife, que soro
pagos. Assim Taco saber quo Antonio l.eile
de Magalhfles, aoldado quefoi de intentara,
ohoiecom baixa,arranciianio-se neslesitio
dopsitou em meu poder urnas pcc.nhas de
ouro para as guardar ; sobre ellas fol me pe-
dindo por vezes dleheiro, e eu vendo a boa
conducta que cntSo mostrara fui empres-
tando al *0,000 rs.; e depois "embrando
me de tocar o ouro em peemhas do brincos,
argolinhas, anneszinhos, ludo era falso ; is-
to posto, para ato o haver a polica passou
me urna letra assignnd. pelo Sr. Borges.por
IU nao saher escrever, para nio pagar a 8
dejanoiro prximo psssado, deixando dito
ourinho, o qual o poder levar pira1 onde
o quizessejassim me confl-l do Sr. L'ite.mas
0 dito senhor al esta data n3o lem1 appare-
ci lo por isso rogo c aviso ao publico que
lito Leitccosluma negociar com ouro falso,
e fazer saques com elle de dinhc.ro legal,
dizcnlo que morava em Limoc.ro etc. Km-
flm he um homem que deve ser pesquisado
pela polica, e prander-se esse b..m cidadSo,
par da cadeia pogar-me, e alem disto evi-
Ur-so continuados furtos qu esse ho-
mem vai azendo a quem podo engaar e
passando por homem de bem; o q-.al he par-
do, moco.e maioria dos soldadas o eonhe-
cem.-Seb.sliao dos Oculos Arco Verde Per-
nambuco. .,__
JosMano-1 de Araujo, com venda na
ra do Aragao n. 10, participa aos senhores
do contrato da arguardente de Prodoeolo
brasileira, que deixou de vender este genero
desde o da 1." de outubro crreme.
Casa de commisso de escravos.
Na ra Direita, sobrad 1 de tres an lares,
defronte-do berro de S Pedro u. 3, rece-
hem-se escravos de ambos os sexos para so
vender de. pommissao, nao se levando por
esso trabalho imis que 2 por e sem se
levar cousa alguuia de comedonas, otl-re-
cendo-se para isto toda a seguranga precisa
para os ditos escravos. .
Precisa-se de um preto para criado
,.je entenda de holcar.e preferise captivo:
na ra da Cruz do Reciro n. 27, ou no slon-
dego defronte do sitio do Sr. Luiz (ornes.
Na ra da Gadeia do RfCI'e n *n pri-
mel'Uandar arrenia-so nnu'linciile um
sitio, exige-se que este s-ja ou na ponte de
L'choa, ou em outro qualquer lugar em ro-
1 cao aquello, exige-so mais que baja ha-
nlin, o bauadecapim :quem o livor diri-
ja-se ao lugar cima mencionado que acha-
ra com quem tratar.
_ Arrenda se o sitio Zongu em Apipu-
cos enm exc diente casa de vivenda (sobra-
do) margem do lio Capibaribo, estribara,
gran :e |lantic3o de capim. terreno pro-
prio paraolana e porto do embarque: a
tratar com a prop'icUria na ra do Aragao
n 12 primeiro andar.
l'ro.ie-sc una pessoa que lem tolas
as habilidades para aJminist'ar quilquer
igenhn, |inr ter sido empreado n eslo sjr-
vieo mais de 10 muios, emende porfciti-
mcnle do metliodo do lazer assucar : quem
precisir procure na ra Nora loja d 1 alfaia-
lo n. 57, ou annuncie.
Oabaixo assignailo faz scientiao cor-
po do commerr.io que comprou ao Sr. Jos
Joaquimda Cosa, a.sua loja sita no paleo
do l.ivramento n. 28, Dio se resonn auili-
sando por debito algum contrado polo mes-
mo Sr. Recife 6 de outubro i!e 1852.
Unihe'ino Maximino do Carvalho.
.- (i Sr. Joao llypolito de Maira Lima tem
urna carta, viuda de Goianua : na rui do
Sol n. 7.
Francisco Malliias Pereira da (.uta,
OXPO'la |iara u lio di: Janeiro, useuesCra-
vo Ci me, creoulo, de 10 annos.
I recsa-se fallar ao Sr. Joaquim Fran-
cisco de Mallo Cavalcanle, ou a pessoa de
sua correspondencia, a negocio quelhodiz
respeilo : quei'a annunwar para ser pro-
curado.
Roga-se o Sr. Manoel l.olio de Miran-
da llenriques, do ir a praca da Boa Vista n.
32, a negocio que sua senliona nao ignora
-- Roga-se ao S. Filippe Ncry de (llivei-
ra capil9o do brigue nacional Adamastor,
lo'ir, ou mandar realisar o negocio que sua
.endona n5o ignoia : na pra-a da Boa Via-
ta n. I*.
-- Precisa-se de 4:000,000 de rs a premio
por lempo de 3 annos, dando-se garanlia
cm urna pronriedade de maior valor, e pa-
gndose I norcenlo mensalmenle; a quem
ronvier, annuncie.
Aluga-se o primeiro andar, da casa da
ru da Guia n. 64, nicamente a familia ho-
nesta : a tratar no mesmo no segundo
andar.
-- Do engen'io Rocanto da freguezia do Se-
rinbaem, fugio para esta cidade, aonde foi
visto, e he muito canliecido, o escravo Do-
mingos, por alcunho pao-ferro, cujo escra-
vo lem urna perna entontada da qual cxeia
muito; adverie-se que elle anda cm.re
munido de carias f-lsas a pret-xlo d" as ir
entregr a pessoas coiihecnUs, illudindo a
lodos por eSie mo lo, > he alm disso muilo
ladrSo : quem o apprehen ler o podera con-
duziraseu senhur Pedro Gavalcmli Wan-
derley em Olinda, sitio no Varadouro.ou no
mesmo engenlio Reeanlo.
Antonia Izabel moradora na ra do Fo-
go desta cidade, tendo por noticia que sua
cunbada, Florencia Ferreira de Carvalho,
quer vender urna casa sila na ra dos Co-
piares n 36, a qual a houva do Mlecido
seu marido, Antonio Ramoa da Costa ; de-
clara a qualquer pessoa que a queira com-
quo nao faqa negocio algum, 8om se
ler COm a dita S-. Antonia l/.abe!,
O 8r. Luiz Antonio Annes Jacome ^aei-
r* dirijir-se i priija da Independencia o. 6
e 8, a cegocio da. seu interease.
Aluga-se. o piimeiro andar do sobrado
da ra do Jrdim n. 71, muito fescfelem
com nodos para familia i quem pretaouer
dirijaso o pateo do Garmo n. 9 primeiro
andar. ,
Na ra da Gadeia n. 60, se dir* quem
precisa de um bom cosinheiro.como tanbem
om estribeiro activo.
3
ai-.-. ai z
HOMEOPATHlCA.
28 RA DAS GHUZFS 28,
Dirigida por um pharmactutico
approvado.
Esteestabelecimento possuetodos
-. os medicamentos at gora expen-
a. mentados, tanto na Europa como no
a> Brasil, e preparados pelas machinas
;> da 111 v 1 1' 1;n 1 > do Dr. Muro.
j> Garleirasde 13 tubos at 160, por
a> presos variaveis, conforme a quali-
* dado das caixas, a quantidade dos re-
medios e suasdynamisacOas
*
Tubos arulsos (cada um) 1/000*
Tinturas do todos os medicamen- m
tos ero frascos de H2 onca 21000 S
AVIAM-SB GHATtJITAMF.NTE ^
r para os pobres,todas asreceilasque <;
."-> para al i mandar qualquer professor. n
ANUAL DO R.JiRB,
TIIAUUZIDO EM PORTtJGULl.
16,000 rs. de assignatura.
Sahio a luz o primeiro volume desta obra,
a melhor de todas em seu genero : o nico
verdadeiro livro, por onde se pode estudar e
praticar a homeopathia. Esta ntidamente
impresso em excellenlo papel, com todos os
signaes queconlm o original para denotar
a differenca do valor dos symptomas.
Contina a assignatura no consultorio no-
meopathico do Dr. Hoscoso, onde os senho-
res assignantes pJem mandar receber os
seus exemplares
No mesmo consnltoiio ha todos os medica-
mentos ho nropathicos VERDADEIROS ; as-
sim como ricas carteiras, o reformam-se
quaesquer boticas, cujos medicamentos se-
ram falsos, ou deteriorados
Pele-sea senhora viuva, que mora na
Gamboa do Garmo, que lenha a hondadede
mandar entregar na ra larga do Rosario n.
10, as amostras do agulhas francezas, Blas
de veludo, meias para senhora, que as man-
dou buscar no di 26 do mez passado, seoflo
ver o seu nome por estenso.
Jo3o Jos Pereira.com loja do sapateiro
na ra dos Burgos, avisa ao respoitavel pu-
blico, queseacha com um sorlimenlo de
caljado, sendo hotins de couro de lustroe
de bezerro, spat6es de couro de lustio e de
bezerro, e borzeguins de varias qualidades,
ludo por um preco muilo commodo ; o mes-
mo avisa aos seus freguezesque na sua loja
lambem se az calcados pelo novo metho lo
de laixinhas, e promelte aos seus rreguezes
de servir com a maio- promplid3o possivel.
Silvana Mam Fernandos Eiras, viuva
do finado Jos Fernandcs Eiras, avisa a to-
das as pessoas que se julgarnm credoresd*
seu casal, hajam de npraseular suas contas
e muios do credilo, no escriplorio de Jos
Joaquim Dias 1'Yrnandes,ua ra larga do Ro-
sarlo n. 50, para se tomar nota e serem al-
tendidos no inventario a que so vai proce-
der.
Alugam-se o segundo e terceiro anda-
res da casa da esquina da ra larga do Ro-
sario n. 39, con commodos par grande la-
milla, o entrada iiidepemiente pela trayessa
do (Jueiiiiadu : a tratar na ra da Gadeia do
Recife 11. 40, p imeiro andar.
Precisa-se de !:500,000rs., pagando-se
mensalmenle o premio de I por cento, por
lempo de 18 mezes, o da-se a garanta que
se exigir : a quem convier annuncie sua
morad para ser procurado.
Preeisi-se de urna ama para o servido
do urna casa de pouca familia : no becco da
Virarlo 11. 39
-- Dase algum dinheiro a juros, com se-
gnrance em um escrava ; quem pretender,
dirija-se ao becco do Encantamento n. 89
Na ra do Santa Rila n. 76, precisa-sc
lugar urna negr para vender na ra.
-Jos Mara lloiges, proprietario da co-
cheira da ra das Flores, c Benlo Jos Pe-
reira, com cocheira defronte da rus do Ca-
no, iieclaram que tem amigavelmenle dis-
solvi lo a socied le quo fizeram, e est ca-
ja um na posee o administracaodn sou rea-
pcclivoestabelocimento, onde cada um dos
seus freguez s os pile procurar a qual-
quer hoia quo ser3o promptamente ser-
vidos.
A abaixo assignada viuva do finado Jo-
s Fernandos Eiras, responde Sra. I). Isa-
bel Mara da Ciiuha quo nenhuma duvida
lera cm restituir as letras a queso referem
os seus nnuncios, se Ihe for apresenta-
da em forma logal, quilatacBo de panas di-
las letras, passada por seu filho, n compe-
tentemente autoiisado por seu finado pai;
eesss quitaQBo for de lodo o direile e n3o d<
parte uelle, como se doprehende do recibo
Iranscricpto pela mesma Sra. ero aditamen
to aos seus annuncos neilo jornal, reslan-
du-lhe a magos de quo se tinha aprovei-
tado a .usencia de seu filho e morte de seu
marido, para de algum modo fenr-se a re-
putado desl, que se n3o entregou aquel-
las lelras cortamente no eslavam do lodo
pagas.
Silvania Naris Femandes Eiras.
Constando ao preto Antonio Manoel, es-
cravo que foi ile D. Maria de Albuquerque
M 1.111I1 i", que a dita sua Sra. deraordem
para elle ser capturado e vendilo, elle faz
sciento que seacha forro por carta passada
eassignada pela mesma sua Sra., e lsnc la
as notas do tabell'SoCoelno em 14 defe-
vereiro de 1845, sendo tcstemuohas presen-
ciae da mesma liorna o l)r. JoBq Ferreira
da Silva, o Manoel Ferrcira da Silva, e foi
lancada em olas em 16 de fevereiro de
186; e lica ja requerenlu seu mandado
de nianulencao
Conslando-me que minha escrava de
nomoGertrude, nafBo angola, de idade 26
amos, cor muito preta, olhos gran les, ps
e mBoS pequeos, estatura baixa, disdenla
da na frento do lado di cima, e peto de
nombo; so emeaminnara ha quasi dous me-
zes para o engenlio de Fragoso, onde 1 di-
ta escrava Gerlrudes dizia ter uina comadre
( prota ) peco o Sr. do dito engenno que
por favor, uo caso d'ella Ihe aparecer no aeu
eogcnho ; que ma mande pegar e remelter-
me, a casa de minha residencia na ra da
Aurora n. 52, pagando eu, as necessarias
despzas, de cujo favor Ihe ficarei obriga o.
Adverle-se que a dita preta foi escrava do
finado Joaquim da Liugoeta, e comprada em
leilBo publico i|ii mudaram lazer os her-
deirosdo mesmo Joaquim da Liogoela pelo
correlor, o Sr. Oiiveira, e dizem que se lem
visto tambem a referida escrava, na cidade
de linda, 6 no mtimo lug.r nos Arromba-
uma casa1 dos em cerla casa que ser logo corrida e
no becco do CUboue,ujo ladrao sofrer as penas da lei.Francis-
co J< s Barboz.
prar
enteo .
por ter a metade na dita c sa.
OITerece-se urna mn para
de pouca familia
"'- Advertc-se a todas as pessoss que se) Na ra do Livramento, sobrado n. 10,
iulaarem credores do senhor Joaquim Fran- so dir quem compra um sobrado e duas
cisco do Rosario, que leve ofilcina de mar- casas terreas, o quem d dinheiro a premio,
cinoiro os ra das Larsogeiras, queiram) Precisa-sede um bom forneiro quesai-
anresentar suas contas na ra larga do Ro- b oceupar o seu lugr: na pauana dupa-
sirio 11. 8, para serem pagas. Lteo da Santa Cruz n. 106.
Alfredo de Morsay, empresario da es-
trada de ferro que le lem de construir na
provincia de Pernambuco, convida as pe
soasquopnr ventura desejarem oblcr ac
fdes aa lespectivacompsnliia, a se dirigi-
ros! ao referido empresario at o dis 58 do
mez de outubro prximo futuro, em casa
dos senhores Rothe & Bidoulac, na ru tp
Trapiche o. 12, no Recife, em carta na forma
abaixo es| ocificada.
Sr. AlfrododoMornay.
Teado-se de construir .um ciminho de
ferro que pirtindo da cidade do Recife,
o passando pelos districtos msis assuca-
reiros da provincia de Pernambacb vi
terminar na villa d'Agoa Preta confor-
m as estipulares du rontrato celebrado
entre o governo imperial e V. o appro-
vado pelo poder, legislativo dlrijo-me a
V. ipara o lim Je obter ( ) accOes do
valor de vinte libras esterlinas cada urna
(vinte libras no cambio clusl de 27 t[4
d. be igual rs. 176,150 ) ; e esperan-
do que V. se sirva transmittir a presen-
te declaraban i directora da companbia
que se tem de encorporar para realisar a re-
ferida obra cumpre-me signilicar-lhe ,
nao obstante o que lia 1 exposto a inten;9o
em que estou de aceitar o numero de ac-
(Oes que por ventora houver de caber-mo
ainda que menor seja do que a mxima ci-
ma Oxido. Por esta occasiSo tenho outro
siui de declarsr-lhe quo mo obrigo a pagar
as respectivas prestarlos no tempo e pelb
modo que a directoria houver de determi
los da Silva Pavlo, vender bens alguna do
dito cssal.como prelendeje protestBo contra
qual ,ner venia, ou permuta que este lizer
dos bens deixadoa por >ua dita finada mBI
Antonio Vicente de Azevedo, e Victorino An-
tonio d> Silva.
- Na rus de Santa Rila n. 7, precisa-se
denegras par vender zeile, pagndo-ie
vendagem
- Alug-se urna casa ierres, 00 sitio do
Conleiro, margem do ro Capiharlbe, coro
commodos para grande familia.e com estn-
bara para seis covallos; urna dita msis
pequea no fundo do mesmo sitio, tsmbem
com com roo los para familia: a tratar com
Grabriet Antonio, no pateo do Carmo o. 17.
-- Precisa-sede urna ama, prefere-ae es
Irangeira, para todo o servido interno de
urna casa de pouca familia: no aterro da
Bua-Visti n. 38.
Aviso ao publico.
Hoje passou o Quinteiro a sua Cocheira
de carros de pasaeio.que tinha na ra dasFlo-
res.psra debaixo da casa da cmara munici-
pal.onde outi 'ora esteveWolechare; porlanto
ah pode guardar carros, cabriolis e seus
competontes cavallos, mediante urna rasos-
vel paga ; assim como promelte que a cada
hora caowlhe promptos mais uns carros
desses modernos, para os amantes do bom
gosto passeiarem.
Melhores ares n8o ha
do que no Casanga, onde ha una casa bas-
tante grande, com estriburia o cocheira para
e alegar; ,.01 linio, quem a precisar diri-
nar; e nSo o fazendo dentro de periodo de,ja-se ra Nova n: 3.
..* 1* ... 1. 1. _..._..*_ n-- 1. 1.. j-_____-.
Lotera da matriz da Boa-Vista.
Jos Teixeira iiasto actual the-
soureiro desla lotera, avisa ao res-
pcilavcl publico, que a mesma cor-
re impreterivelmente no dia 36 de
outubro do corrente anno, no con-
e se con-
30-dias depois do notificado, fica desde j
entendido que cessar lodo o meu direito
0(0 s as cc,>s como tambem as presla-
oes que tiverem sido pagas, cuja importan-
cia reverter em proteilo da compatihia.
Nome por ioteiro............%
Data......................
Moradia..................
.INro do'vigar'io", "css n.' 7,'deseja- sistorio da dita matriz
so fallar, para negocio de intoresse, aos (nuar a inuencia dos comprado-
8rs. Antonio, Manoel e Domingos, ou al- --__i Ai-, ,, An mi-mn
uom por ellos, todos tres i-mBos, liihos res correr no da y do mesmo
do Sr. Auozorios e da Sra. Lopes, sendo es-' mez. U.S billietes acham-se a ven-
les naluraes da freguezia deSant Maria de |.rnS ;, annuncados.
Uureir.s, conselrio de Chaves, em Portugal, da nos lugares j.i ann"ncl,',,0!';
eaquelles O.SCldol na cidade do Porto, e Prec:s-se de urna ama pa o se vico
que const. terem vindo para esta provincia de casa o ,iccomPras,s_endoboapg-srJem.
do l-ern.mbuco annos p.ss.dos. na rn. do Padre Moruno n. 5, so-irado d
Francisco Comes do Oveira, agente quina. ,,%..j ja
de Iciles, luga pelo lempo da festa, ou an- Na ra das Agoas Verdes, *
nualment, a sua espatos, e bella casa de um andarn. 14, da-se bOlMdayaD. agem a
campo, sita na pOfOSCtO do Poqo da P..nel- 80 rs. a pataca, o "^a-se baiide as com
I. per 10 do rio, a qual lem bom quintal muito gosto o perf-nBn, por menos proco
plantado de arvoredos, ptima agoa doca- do que em oulra qualquer parle : ni mes
cimba com bomba de ferio, c banheiro de ma casa vendem-se ires liarns ue noiar
urna s pedra coberto, cocheira o estribarla azeile de carrapato.
bem edificadas, todos os srranjos para com- -Ainda se precisa alugar urna preta e un
modidadn de grande familia, e um pequeo preto, escravo?, que al. saina tratar ne
jardim; tambem vende o mesmo predio chaes e dos seus srranjos.e o 3. para com
dinheiro ou a praso, ou o permuta po'al- prar o fazer o servico interno de urna rasa
gum outro em ra coromercial desl praca, da pouca familia! quemI OS liver annuncie
anda tenio de vollar qualquer excedente para ser procurado, ou dirija-se a ra ue o.
do valor, que so ajustar: os pretendentes di- Francisco, sobrado de um andar n. 8.
rijsm-se so snnuneaiite. | Precisa-se s-ber em Reparte de Pe-
Afim desaberom o numero de accOes nambuco mora a ramilla oe jse i.amiuo
que con>m comprar, da estrada de ierro Freir, ou o seu liltio Dr. Jos Gamillo rrei-
de l'ernambuco, minias pessoas teem per-jre, para negocie de seu inleresse.
guntado quando, mais ou menos, ser pre- Precisase do u n caixeiro par veno,
ciso pagar primeir prestacao, e qual a 'e que lenha pralic d mesma, inda semlo
propongo do valor lolal das aceces, se ser dos ciiegados de novo I om Fora de 1 orlas
esta prestacao; e tamheni a preStSClO e n.40. a. a.
lempo do pagamento das nutras preatc6s. -- Aluga-se a casa da ra do sevo omio es-
Para n informacSo do ludas as pessoas que levo o collegio Santo Antonio, qui lem ex
nBo sabem a marcha de c'ompanhias que se collentes co ..modos para numerosa '"i""',
formara para execular grandes cmprezas)Icom auintal amurado, cacimna, cocii'i'a,
Ihe advino por meiodesle, quo a primeira ele: a tratar 111 ra da Gadeia ooK'Ciien.
prestacao nao se paga al que a coropanhia 53, lercoiro andar.
estej organisada, no caso actual, prova- Muga-se 11:11 sitio lia estrada de Joao
velmeule d'aqui a 4 prra 6 mezes ) o que de Barros, com boa casa de campo, io..a en-
ojo excede de 10 u 30 por cento do valor vidracad, estribara para qualro civa 10,
total do cada oesflo ; e que o res'o se paga casa par foilor, du. carimbas do ceilfln-
em te avoa de beber, urna cocheira para secas,
de bastantes arvores de fructo : na ra Jireila
Compra-se em segunda m8o,um metho-
do de Garulli da sexta edicSo : no aterroda
Boa-Vista n. 45.
Compra-se um ornamento sebasto pars
se celebrar musa com todos os pertences
Inclusive calis, patena, e cedra d'ara: quem
liver annuncie por este Diario para ser pro-
carado.
-- Gompra-se o manual de chiraico re-
creativa em bom estado quem o tiver dirija-
se a loja de Quinteiro & IrmBo.na rus Nova,
ou annuncie.
Gompra-se urna negra boa oiinheira,
engommadeira, e quecozs alguma cousa:
na ra do Crespo n. 9-
Compra seuma escrava de meia ida-
de : no neceo da Viracho n. 39.
Compram-se duas creoulas ou pardas,
de 14 a 20 annos, eque tedbam boas figuras;
na ra Nova n. 16. ^-^^^^^^^^^
Vendas.
conforme o adiantamento da empreza
prquenas prestarles durante o espac.0
alguna annos. Alfredo de Mornay. in.3.
1 Madama Mauvernay tendo comprado de
Precisa-se de quatro serra-
dores, e pagt-se com mais vanta-
gem do que em outiu qualquer
parte: na travessa di Uadr
Dos, armazem n. ai.
Calles Vvrel, cidailao frsncez vai pa
I ,,im;i.
.- O abaixo assignado, declara ao senhor
Antonio Moreira Reis, que desde hoje 7 do
corrente, dosonera-so de ser fiador da casa
di rqa dos Guararapes, mide mora o senhor
Joaquim Secnano da Trin lade.ficando sem
elfeito a carta da la para este lim.
F. M. do> Santos Lima.
Quem quizer possiiir urna escrava boa
e com algum habilldade,' que so vende por
precisao, dirija-se a casa da ra Velha n. 54,
que ia se dir quem vende.
Antonio do Medeiros, com venda de-
fronte do Passeio, avisa aos seus credores,
para no praso de tres dias apresenlarom suas
contas para serem pagas.
precisi-se do urna escrava para o sor-
vico de urna casa de pouca familia : na ra
Direita n. 69.
No Ierro da lloa-Visfa 11. 8, primeiro
andar, precisa-sodo urna ama para cisa es-
trangelr, que saiba cosinliar, o lazer o mais
servico ,)o casa, eque lenha boa conducta:
No dia 9 r'.ocorrento so hadoarrema-
tar por ser ultima'pra?, ao meio da, de-
pois da audiencia do senhor doutor julz mu-
nicipal da segunda vara, nasa! da mesma,
o sitio denominado Barbalho, com casa de
vivenda, olari, e mais benifeitorias cons-
tantes do cscripto em m3o do porteiro de
juizo, cujo sitio he situado na freguezia do
Poco da Panclla penhorado por execu(3o
contra Pedro de Alcntara Faria Abreue Li-
ma, como administrador de sua muliier e
mais berdeiros do finado Jo3o Ignacio Ri-
beiro lio">? escrivBo Baplisla.
Precisa-se alugar uina ama para casa
de pouca familia : na ra do Sol n. SI.
Aluga-se no sitio do Cajueiro, duas ca-
sas para se ptssar a festa, com grandes roni-
1110 ios para familia : a tratar no m-smo si-
lio, ou na rui da Cupo, com Bernardino
M iih da Silva.
-- Desappareceu 110 ilia 38 de setembro
prximo passado, um escravo de nacSu Gon-
go, de nome Paulino, de idade 28 annos,
ollic. il de sapateiro; levou camisa do risca-
du azul usad, Caifa pela, chapeo de pallia
novo com um cordSo do palmulia lina por
cima do dito, tein barba por baixo lo quoi-
xo fallan lo cabello nos cantos, cabellos da
clice. um tanto grandes, olhos grandes e
espantados, he um tanto magro o bixo, e
auda apressado: quem o pegar leve-o ao
aterro da Boa-Vista n. 59, que ser recom-
pensado.
Aluga-se um sobrado do om anlar.quo
pouco ao acabou de concertar e pintar, aito
na ra dos Guararapes. em Fra de Portas :
irata-se com Jos Gungalves Ferreir Cosa,
em Santo Amaro, ou com Serlim Alves da
Rocha Bastos, na ra d Ca lea do Recife.
-- Aluga-se um mulata escrava, para to-
do o servico de orna casa; lava, cosiuha e
engouima : quem preteoder procure na ru
do Queimsdo, loja n. 10.
-- Precisa-se alugar um cosnbeiro rorro
ou escravo, para um casa eslrangeira de
pouca familia : na rui da Aurora n. 8,
guudo andar.
Us abaixo assignado*, berdeiros da fi-
nada D. Antonia Mana dos l'razres. previ-
nom por este annunciu ao respeitavel publi-
co, que nlo navendo inda se procedidos
inventario e partilh* dos bens cemelos por
aquella dita fallecida, nBo pode seo (libo
do
sociedade com sua mSi, o armazem de mo-
das que foi de madama Porta, sita noat-iiro
da Boa-Vista n 12, lem a honra do prevenir
ao publico, que achara om seu eslabeleci-
meiilo lu lo o que so p le desejar em arti-
gos de molas ue Paris, bem como hl, bi-
ra'cos desea.objectosde toilete para as se-
nhores e para meninos, do mais moderno
goslo, o de precos os mais modorados.
Lotera de No-M Senhon
Roa rio.
NBo leudo se re lisado as vendas dos bi-
Ihetes, como lenciomv o thesoureiro, xou de correr as rodas no dia 30, abstendo-
se o thesoureiro de marcar o da pra o an-
damento das rodas, licando certo o pub ico
di imprelervel; os bilhetes acham-so a
venia nos lugares ja annuncados.
l-ava-se eengommo-se.coin mulla per-
feicSo o asscio : uo pateo da llibeira de S.
Jos n. 15. .
- Na 111a \ov n. 60, prccisa-se de olli-
ciaes do elfaiale.quo sejam peritos cm obras
grandes. ,
Prccsa-so de ufliciacs do charutciro, e
apreniizes ou tiradores de fumo; na ra
Imperial n 31.
-- Ruga sooos senhores ounves o pessoas
i quem lr olloreci 10 por venda, urna salvi-
nlia e U.oura do prata de molde enligo, de
participar 110 segondo andar da cas n. 44,
no atorro da Boa-Vista, donde foram rouba-
dos estes objectos, que se Ihes sea agride-
L '--Roga-se as autoridades de ciroarU fa-
Cam prender a negra Ignac que foi escrava
Sa senhora l.oureuca, e avenleu no tecife
ao Sr. Campos, no aterro, com padana :
quem a pegar leve-a ao dilo Sr. Campos, ou
as Cinco Ponas, aoseu senhor JoSo l'eiei-
ra Xavier.
Precisa-se alugar um preto, para an-
dar com um Ubolouo de fazeudas : na ma
do Pilar, venda n. H5.
Arrenda-so o silio da Taciruna: a tra-
t.r no aterro d Boa Vista, no segundo an-
dar da osa n. 47. .
- Um mooo brasileiro, com 18 annos de
idade, se offorece para caixeiro de loj, ar-
mazem de assucar, ou de molbdos, do que
lem bastaute pralica : quem precisar, an-
"".-Uuia mulher branca se pffereoe par
ama de cas de houieru solteiro, e q le te-
Olla escravos, poissabe cozer, emgou.mar,
edirigir um cusinh do diario, mas com
algum vagar: quem pretender dlTija-se*
Praca da In lepeiidenci 1 loj n. 5.
-.Bern.rda Mana dos Piaiercs, autons-
da por despacho do lllm. Sr. di.ector de
iUtrueolo publica tem aberto na casa de
sua rosidencia, na ra do Sebo n. 13 un-a
aula de inslruc grao para o seso femumo : os pas de la-
milla que della quizerem confiar suas U-
Ihas. poderSo dirigir-se casa mencionada.
t liossoa que kaununciou ueste Diario
o precisar de 1:500/000 por 18mezes. 1
por cento dando endocntes a conteni, po-
je dingir-searua dos Martirios n. 26 que
ahite dir quem faz esle negocio.
-- Deseja-se fallar com Joao Flix do Nas-
cimento, e Manoel Victoi de Jess, a nego-
cio de seu interesse: na ru d. MoSda 11 *>
Compras.
" --Comprnm-se escravas eevendem-se, re-
cebem-se de commisso, lulo ira a pro-
vincia, como para fon della: na r
Quarteis n. *, segundo andar.
Vende-so urna, cas terrea defronls
do viveirodo Muniz; a tratar na ru do Li-
vramento n. 41 ; o seu preso he o mais ba-
rato possivel. .___..
Vende-se urna padaria por 150,000 rs.
com excellonte forno; tratar na ra do
l.ivramento n. 41.
Vende-se urna grande casa Ierres abar-
racada, contado 7 quarlos, sala d frente
forrada, corredor separado, e sl de detraz
cosinh for, quintal todo murado, estriba-
ra, e quarto para preto, com coaioh pro-
pri, e por prego muilo euconl vista do-
grande palacio : a flr na ra Nova n. 1.
loja de chapeos que faz esquina par a rus
dasThocheiraa.
Velas de carnauba.
Vendem-se velas as mais superiores que
se podem rabricar : na ra da Cruz n. 34.
Vende-se urna ermacSo, n ra Direita
n. 54, propria para qualquer negocio tra-
tar na mesma.
Vende-se um relogio de prata onson-
lal, por 25,000 rs : na ra larga do Rosa-
rio, loja de miodi zas n. 26.
Vende-se urna preta creoula, de 30o
tantos annos. que s algum cousa e vende na ra: na ruado
Sol n. 7, se dir quem vende.
Vende-se urna imprensa de fazer re-
gatos, com todos os seus pertences, por ler
seu dono de se retirar para fra : na ru de
Sant Thereza n.2l.
Vende-se urna eserava creoula, eom ha-
bilidades : na ra da Cadea do Recife n.
66, loja de ferragens.
Vende-se um escravo perroilo sapatei-
ro e bolieiro, por 700,000 rs, nBo tero vi-
cios, nem defeilos, nem molestias, o moti-
vo d venda se dir o comprador: quem
quizer, annuncie. .
Luvas de pelica.
Vendem ro as muilo superiores lavas de
pelica ponto ingles, a 2,000 rs. o ftjJ'X*
com um pequeuo loque de mofo, a 320. di-
tas de lorcl muito novas, 720 : na ra
estreita do Rosario que vo!l para o Quei-
rnado, loja de miudezas n. 3 A, junio o de-
psito de pSo.
Leques finos.
Vendem-se leques multo finos e de multo
bom gosto, a 3,000 rs.: na ra estreiU do
Rosario que vclti para o Queimado, loja de
miudeas n. 2 A, junto ao deposito de pao.
Lencos para grvala.
Veodcm-se muito superiores loncos de so-
tim do cores para grvala, a I.OOOrs.lran-
s paracortiuados, a 240 a Vra, fita *s ta-
lado para volta, a 00 rs., tesouras ttlU-H'
as, a 1,000. 600 e 40i rs.. caivetes de 1duas
folh.s muito linos. I .HM ;s.. f.oas !
mnito linos de cabo de balance, a MHI
luzia.caixinhasde vidro, a 640, lionas de
carretel de 200 jardas muito finas, a 1001 fft,
0 outras multas miudezas que se vendem
por menos preco do que em oulra aJMfVMT
orle: na ru estrella do Rosario Iravessa
para o Qucimado, lojn de miudezas n. S,
untu ao deposito de po.
Couro de lustro a d,2oo.
Vende-so couro de lustro muito bom, a
3 300 a pele : na ra estrella do Rosario tra-
vesa para o Queima lo, loja de miudezas n.
2 A, junto ao deposito de p8o.
Gordas para vioiSo.
Vendem-se sordas e hordOes par vioUo,
papel pautado imrs msica de multo supe-
rior qualidado, frocos para enfeites, raqui-
res Pra ditos, bandejas de lodosos lma-
nnos: na -ua estreita do Rosario Iravessa
pare o Oueimado, loj de miudezas n JA,
junto ao deposito de p3o.
^.- Vende-se cha hysson muito novo, e de
superior qualidade, por preco comino lo; e
em lotes tostada dos ^^j"""^.',;;,
escriplorio do Matheus Austim & Gompanlu
na ra do Trapichen. 36.
Ainla esta para se vender o silio no
nrincipio da Estraila Nova, e tambem se sr-
?, ,da elo lempo d festa ; tem cas. de v -
venda solTrivel, duas *>*fM*2X
de beber, bstanles arvoredos de fJto.0aa-
10 e tantos ps do l.r.nge.r.s que d3o fruc-
to, e lenas pira plantarjiPNWfM W
>, va no primeiro andar do sobido o. 3.
--Vende-se le.te puro a 200 rs.: no becco
da Bomba n. 6.
Caixas de guerra.
Vendem-se na ra do Queimsdo, na nov
loj de miuoezas n. 7, lindos tambores
grandes o pequeos para menino, mais ba-
rato quo em oulra parle.
Ilicos espelhos de moldura.
vendom-so na ra do Queimado n. 47,
mais barato do que em oulra parte.
Caivetes linos para pennas.
Ven lem-ae na ra do Queimado n. 47,1o-
ja de miudezas, muito finos camvetesde 2
foliies, com umlapis; a elles antes que pa
acabem. .
Uhreias a lo rs. a csixinha.
Vendem-se na ra do Queimado; loja de
miudezas n. 47, de A. Jos de Azevedo.
Bmdejas recortadas linas.
Vendem-se na ra do Queimado, loja de
miudezas n. 47, msis barato do que em ou-
lra parte.
A 3,5oo, 1,600, e 800 rs.
No aterro da Boa-Vista, loja de calcado n.
58 junio aoselei o, vendem-se superiores
sapatosfrancezes de lustro par senhor,
1 600 o par, borz'guins gspidos, a 3,500.
sapatosde roarroquim para homem, a 800
rs apaloe de lustro fraucezes, 5,000 rs.,
arrats desetim tanto preta como de co-
res, um completo sortimenlo de perfuma-
ras e de calcado, que se vende barato a di-
nheiro.
Chapeos.
Vendem-se superiores chapeos pretos de
seda, muito leves.ede ultima moda, viudos
do Havre no briguo Cesar; assim como lu-
vas de seda de cores, Unto para homem co-
mo per senhor : no Ierro da Boa-Vista
n. 58, loja de calcado.
Vendem-se 8 escravos, sendo I ptimo
mulato moco e de bunila figura; 2 escravas
sendo um boa engommadeira e coslnhei-
ra, faz doces de todas as qualidades : na
ra Direita n. 3. ,
Vende-se um jumento e duas jumentas,
urna dolas dando leitoauma cria, muito
novas, por preco commodo na ra do
I Queimado 11. i*.


r
T

A08 IO 000^ E 5:000? DE B8. ,
O cantelista Salustiano de A-,1
quino Ferreira avisa aorespeita-,
vel publico, que a lotera da ma- j
Sands
SALSA PARRILHA.
Vicente Jos de Brito, nico a-]
triz da Boa Vista corre imprete- genteem Pernambuco deB. J. D.
rivelmente no dia a6 de outubro ^au8j chinaco americttao, f pu-
do correte anno, e estao eipostas yCOj qUe tem chegado a esta pra-
a venda os seus afortunados bilhe-i?a uma gran tes e cautelas da mesma lotera >idesa|sa p8rrilha de Sands, quesSo
na praca da Independencia n. 4
loia de miudezas de Fortunato Pe-
reira da Fonseca Bastos ; n. i3 e
15, loja decapado do Arantes;
n. 'Sn e 39, loja de calcado de Por-
to & Gompanliia, e na ra da (lu-
dria do Kecifen. 46, loja de miu-
dezas de Jos Fortunato dos Santos
Porto.
Bilhetes 10,600
Meios 5,3oo
Quartos a>*
Quintos a, 100
Dcimo i>>00
Vigsimos 600
Vende-so uma preti creouli, de 2* 1
25 anoo9 de idade, som vicio, nem acha-
ques, sabendo engommar, lavar, cosiDhar,
o coser alguma cousa : na Soledade, no si-
tio doa ? lees, a qualquer hora, se achata
com quem tratar.
Vende-se tupa taberna na praca da oa
Vista o. 5 : a tratar na mesma.
__ Vcndem-se boas pennas de
lalo, a 80 rs. o quarteiro : no
pateo do Golegio, casa do livro
azul.
-. Vende-se uma casa terrea, na travessa
do Marisco : a tratar na ra da Santa Cruz
SALSA PAJWU.HA DJBRISTOL
SALSAliffilSAlS.
vrdaderamfnte falsificados
preparados no Bio de Janeiro, pe-
lo que se devem acautelar os con-
sumidores de tao precioso Talis-
mn, de cahir ueste engao, to-
mando as lunestas consequencias ,
que sempre costumam trazer os
medicamentos falsificados, e ela-
borados pela miio daquelles que
antep5em eus interesses aos ma-
les da liumanidade. Portanto, pe-
de pora que o publico se possa li-
vrar desU fraude e distingua a
verdadeira salsa parrilba de Sands
da falsificada, e recentemente a-
qui chegada ; o annunciantc faz
ver, que a verdadeira se vende'
A salsa parrilba deUristol dala desda 1834, e tem constantemcnlo mintido sua r'cputa-
cSo sem necessidade de recorrer a pomposos annuncios do que ai nreparaedes do me/
rilo' podem despeusar-se. Osuceiso doOr. Bristol tem provocado infinitas invejas, i
entre outras, as dos Srs. A. II. D. Sands, de New-York, preparadores e proprielarios de
salsa prrilha conhoeids pelo nomede Sands.
Estessenbores solicitarlo om 1812 a agencia de Salsa parrilba de Bristol, o como- n Jo
o pudessem obter, fabricarSo uma imitacilo de Bristol.
Eis-aquiacartaqueosSrs. A. R.D. Sands escrevorara ao Dr. Bristol, no dia 20 do abril
do 1842, e que soacha em nosso poder : .
Sr. l)r. C. C. Bristol.
Bfalo, etc.
Nosso apreciavel senhor.
Em todo o auno passado temos vend lo quanlidades coisideravcis do extracto de
salsaparrilha de vm. e pelo que ouvimosdizer de suas virtudes aquellos quo a tem usa-
do, julgamos que a venda da dita medicinase augmentar muilissimo. So Vm.quizer
f.i/iT um convenio comnosco eremos que nos resultarla multa vantiigom, tanto a nos
como a Voi, Temos muito prazor que Vm. nos responda sobre este assumpto, e se Vm.
vier a esta cidade daqui a um mot, ou cousa semelhanie, loriamos muito prazor em o
ver em nossa botica, ruado Kulton n. 79.
FicSo asrdeos de Vm. seus seguros servidores.
(Assignados)A. B. D. Sands)
CONCLUSAS.
!. A antiguidado da salsa parrilba de Bristol, he claramento provada, pois quo cll-
unicamente em sua botica, na ra data dostle 1832, e que a de Sands a appareceu em 1842, poca na qual este droguis-
da Conceicao do Recife n 6l ; e !' nSopodeobtera agencia do Dr. Bristol.
, 2.* A superioridade da salsa parrilha de Bristol he incontestavcl, pois quo nJoobs-
alem do receituario que acompa- tu uto a concurrencia da de Syids, e de uma porfo de outras preparados, ella tem man-
nba cada frasco, tem embaixo da lido 8U reputaco em quali toda a America.
As numerosas experiencias follas com o uso da salsa parilha em todas as inferroida-
presso do mesnio frasco. : mltlem boje de proclamar altamcnlo as virtudes eflicazes da salsaparrilha do Bristol.
Deposito la fnbrica le Todos os Em consequenria de se ler tezado a botica do Sr. Josc alaria, mudou-se u deposito da
Santos na Ballia. salsa ptrnlho de Bristol para a botica ingleza ra da Madre de Dos n. l,e vende-se a 5/000
Vende-se,em casa defi. O.Bieber& C.,,o vidro.
na ra daCruz n. 4,algodSotransado
i
quella fabrica,muitoproprio para saccosde I
assucareroupadeoscravos.porprecocom-
modo.
a iao rs. o covado ou 4,5oo rs. j
a peca.
Na ra do Quoimado, loja n. 3, vondem- !
se chitas escuras muito boas, e de lindos,
matizes, pelo baratissimo proco do 120 rs. o na botica
n. 70.
-- Vonde-se cera de carnauba, do muito
boa qualidade, por menos preco do que em
oulra parle: ua ra da Aurora da Boa Vista,
venda n. 32.
Vendo-se una annacJo propria para
qualquer eslabelecioiciito, pois a mesma j
est bom a fregurzada, de baus e mallas,
cuja casa t?m bstanlos commodos para fa-
milia, e na mi-sina casa vende-se uma com-
moda de Jacaranda por preco commodn :
quem a pretender dirija-so a ra das Cinco
Puntas n. 17.
-- Vendem-so ardiles muito bons, vin-
dos do porto, por preco commodo ; na ra
do Livramcnto n- 20.
Vende^etfu"mec.Htr6eam-deLis- c.iegV^dUmaTeide de"Lisboa, e Sands.
boa, da uiaisnova que hi no mercado : na jj p0r preco multo em conta: no ai-j
ra do Apollo annazemn. io. aJmazem do Caes da Alfandega n.
Vendem-sc dous negros, creoulos, dej,ua4C1" "" v,uc r>
bonitas figuras, para lodo servico, com pre- I7, ou a tratar no cscriptono de
ferencia para engenho ou embarque :ua ra ^ & Companhia, na la do
da Florentina n. 14, sedira quem ven le. I '
lrapicbe n. .>'(.
Fazcnda da moda.
covado. ou 4,500 rs. a peca ; bem como ou- csco je g0,a no |u
tras fazendas baratas.
(Jal virgem de Lisboa.
Vende-se superior cal virgem,
Salsa de Sands.
Ra larga do Rosu-
no ti. 56.
Este remedio acba-se a venda
de Birlholomeu Fran-
r cima in-
dicado : o mesmo garante a quem
duvidar ser a verdadeira Se Isa de
Vende-se um prelo sem vicio algum
na ra August n. 22, em cata do Cabo.
Vende-sena livrariada ruado Crespo
n. II,os seguintcs litros :obras comple-
tas de Cam6es,3 volum.es novos com boa en-
cadernacSo, por 8,000 rs.; o romance do Ju-
deo Errante com linas estampas, por 12000
rs.; a bisto'ia o cavalleiio d'armental, por
4,000 rs.; a historia de Mana hespanbola,
por 7,000 rs. i o romance Jorge ou capilSo
dos piratas, por 3,000 rs. ; um jogo de dic-
cionarios ioglezes por Vieira, por 12,000 rs.;
ntlas de Semencourt, por 8,000 rs. ; todas
estas obras at novas e com boas encader-
nagOes.
Ricos penles de tartaruga para
prender cabello.
Vendem-so na ra do Queimado, na nova
loja de miudezas n.47, os melliorcs penles
de tartaruga quo lom apparecido, cada um
em sua caixinha, pelo diminuto preco de
5,500 rs. cada un; a clles antes que se aca-
bem a.-sim como para marrara, a 800 rs. o
par.
liicas luvas para uoivados.
Na ra do Queimado, loja de miudezas n.
47, vendem-se luvas de polica muito finas,
i 'iliil. i,i>, o com belolas,dn muito boa qua-
lidade, pelo diminufo preco de 2,500 rs. o
par ; assirc como ditas do seda trancada
branca c cor de cana, a 2,000 rs.
Luvas ponto inglez.
Vendem-so na ra do (Jueimado, loja de
miudezas n. 47, luvas ponto inglez, do mui-
lo boa qualidade, mais barato do que es
oulra qualquer parte.
l'uco sortimento de fitas.
Na ra do Queimado, loja o. 47, existe um
bouilusurlimeulo de filas do seda para sin-
liro, as mais bonitas quo lem apparecido;
assim como um rico sortimento do litas de
veludo para pescufo, com suas competentes
livolas, mais barato do que em outra parte.
Espanadores para sima de mesa
a 3aors.
Na ra do Queimado, loja de miudezas
D. 47.
.Luvas de torcal a 720 rs. o par
Muilo novas e linas; na ra do Queimado,
loja de lindezas n. 47.
Aderecos pretos finos de finagran
com seus competentes brincos,
* a 1,000 rs. cada um.
Vendem-se ns ra do Queimado, loja de
miudezas n. 47.
Capachos compridos a 64o
ra. cada um.
Na ra do Queimado, loja de tnindezes
n.47.
Bonets de panno preto finos.
Vendem-se na ra do Queimado, loja n.
47, proprios para andar de noite, mais ba-
rato do que em outra parte.
Bengallas finas a 3ao rs.
cada uma.
Na ra do Queimado, loja o. 47.
-- Vende-se um casal de escravos com
uma cria: no Barro-Bailo, no sobrado do
fallecido padre Manoel do Muro.
Vendem-se saccas grandes com milho
novo : no Becco Largo do Recife, taberna
que volta para a Senzalla Mora.
Vendem-so pombos muito boos, por
preco de 1,000 rs. para bailo, o casal: no
pateo deS Jos, casa da esquina 11. 22.
Continua-se a vender manteiga ingleza
nova, a 480 e 560 rs. a libra, dita franceza, a
480 e 560rs., goinma, a 80 rs.' a libra, vina-
gre, r 80ra. a garrafa, e 500 rs. a caada,
viubo, a 160 rs. a garrafa, e tudo o mais se
contina a vender pelos precos j annua-
oados, no pateo do Carino, venda por bailo
do sobrado de um andar, esquina que volta
pira o becco da Bomba n. ls.
Moinbos de vento,
com bombas de repuso para regrar borlas
obaiasdecaplm na fundicJode O. w. Bow-
inan: na ra do Brum os.6,8 e 10.
Vende-se uma preta que engomma li-
so, coze, costaba e lava, tudo com perfei-
cSo; e uma oulra que cosiuua, lava o be
quilaodeira : na ra larga do Itozari > n. 35,
loja.
Arados de ferro.
Na fundicSo da Aurora, em S. Amaro,
vendem-so arados de ferro de divorsos
momios.
Taixas para engenlios
Na fundico de ferro de D.
' W. Bowman na ra do Brum,
Vondem-se superiores cortes de cambraia)EiSSanj0 0 c|iafariz continas
delsalciicos braucos de cor, pelo diminuto 1 __i, ;_,.i
preco de 3,500 rs.: na ra do crespo, loja baver um completo sortimento
n.6. i aje taixas de ferro fundido e ba-
Calcados a 4oo, 700, 800, 1,600, tid0j de 3 a 8 palmos de bocea,
3,ooo e 4,000 rs. o par, no ater- as quaes acham-se a venda, \x>r
ro da loa Vista, defronte da bo- preco commodo e com prompti-
neca n. iq^ 'dao, embarcam-se, ou carregam-
Trocai-se oj mais superiores sapalos de ___, j.,qii n<\
couro de lustro, francezese de Lisboa, para e em carros, sem despezas ao
senliora, a 1,600 rs. ; ditos de nordavSo a comprador.
800 rs.; ditos para meninos, a 400 rs.; sa- _. Vendem-sc os verdadeiros selins in-
patdes, osmelhoresqucteom viudo do Ara- -lozos patoiHe, do mollas sem ella : na
caly, lauto para homein, como para me ni- ru, d,snln||, Kova n. 42.
no, a700rs., e bolins paia*homem, a 4.000 ___ Vnnile-sa pxrcllent,- tvno-
rs.; sapatOes do blzerro (rancez, a 3,500 rs.; cnue-sea cxceiieniu iypo
ditos de couro de lustro, a 4,800 rs.; hroze- gcapbia do Diario JNovo estando
guins de duraque, com pona do lustro, a b montada, tanto de bons pre-
3.0U0 rs.; dilos de cores para senhora, a "c"' 1
2,000 rs.; ditos pretos, a 3,500 rs.,coutros los, como de typos : quem a pre-
muitos cacados, ludo por preso muito com- lenjer diriia-se a ra da Fraia
modo, alim de se apurar dinheiro. *.- v i> .___
l'otassa americana. n 55, a tratar coma Viuva Boma
\ (iiuiii; iiiMiiis.
Fabrica de cbapcosde sol, na ra
do Collcgio n. 4-
Alm do sortioiento j annunriado, rece-
beu-so pelo navio Havre, ultimo viudo de
I -'rauta, um novp sortimento de chapeos de
sol de seda e de panninho, para liomense
senboras, dos ltimos gustos; superiores
chapeos da sol de seda com cabos de o,ma, o
outros dos melhores que tem vindo a esta
praca, que se continuara a vender por me-
nos preco queem outra qualquer parte.
a ra do Crespo, loja n 6.
Vendem-se superiores cortes de cambraia
desalpicos, com 6 l|2 e 7 varas, a 3,500 e
4,000 rs.; cortes de cassa chita, de novos
gostos, a 2,240 e 2,500 rs.; cassa franceza a
440 rs. a vara ; cortes de brim trancado os-
curos e mesclados, a 2,000 rs. ; panno lino
prelo, a 3,000 e 4,000 rs; lencos de cambraia
de linbo, a 480 rs.; ditos do cassa grandes,
a 160 rs.; risrado d linho a 180 rs. o covado
e muilas outras fazendas em conta.
Vendem-se amarras de ferro: ns "ia da
Senzalla I\ova n.42
Botica bomeopathica.
"i 28 ra das Cruzes 28
t| Ha para se vender algumas caixas
y ricas com medicamentos em tintura.
{ Cada uma sera acompanhada de um
4 frasco com glbulos inertes, e o
v mo.o de os preparar.
No antigo deposito da cadoia velha, o.
12 existe uma pequea porc^o depulassa
A 5,000 rs.
Superiores chapeos do sol do seda ngle-
.merica na, chegada recen tomen te que por' zcs chegados pelos ltimos navios, pelo di-
superior rivalisacom a da llussia: vende-, rrinulo proco do 5,000 rs. cada uma : na
se por preco razoavel. I ra do Collegio o. 4.
Deposito de cal e potassa.! Cal" virgem.
m 1 .. j, i- i,.,.; Vende-soical de Lisboa a mais nova do
Noarmazem darua da Udea Berc,do. r, do vgar0 n.13, primei-
doKecife n. ia,lia muito supe andar, escriptorio de T. de Aquino Fonseca
._ -,l 1. i;.l,,,i .., ,.,ln &Filho, ounara do Trapiche, amazem de
norcal de Lisboa, em peora >lAutonoAugus,0 d, Fonseca.
asjim como potassa ebegada ul- Feijo novo a 6,000 rs.
I iiiiaueiite a precos muilo ra- No armazem de Gouveia & Dias, confron-
.,: lo a escadinha da Alfandega.
soaveis. Queiios do sertao.
Agencia de Ldwin Baw. VeDde^ Joito bons e fr(,scaPSqil0lj.
Baruade Apollo n.b.arma.m de Mc.Cal-,do8(,riao M fuJ doQueim,do n ,
jnonts.companhia,acha-.econaunleo.enie .. Vende-se um bom cavallo castanho,
K5."u?..v .d.er?*.2X32K > muit r' bonl,o'c ro,n tohJos "a rtf 1?
eiraa lodaade ferro para animaea, agoa.etc, 1 para sella; para ver, na cocheira doSr. Au-
aitaaparaariiiareni madeira de lodoa os la- gusto ao i-e do theatro vellio; e par saher
tnanhose madelloa o maia moderno,machina do preco, a fallar com Jos Saponte, na ra
uurisonlal para vapor.com forja de 4caval-|da Cruz n. 18. piimciro andar, das 9 horas
Ioa,couco8,paa3adeiras de ferro caianhado da manliSa as 3 da tarde.
ara casa de pulgar.por menos preco que os .,,. .,parB ,la InHenPIl-
_ecobre,ecovensparanavios,ferro mgle Uasa TelU, na pracu ua inuipcu
tanloeni barraacomo em ircosfolhas.etudol delicia 11. 36.
por barato oreco. O cautelisla da casa cima, annuncia ao
Carnauba de primeira sorte. respeliavel publico, que as suas cautelas
Ven Je-so cm porcSo e a retalho, no depo- so da lotera da Matriz da lloa Vista, cujas
sito de D. It. Andradu & Companhia, na 1 ua rodas andarSo no dia 26 do correte mez :
Ja Cruz, confronte o chafariz n. 19. assim como vendo cautelas do' Rozarioda
Vendem-se relogios de ou-j mesma freguezia, cujos procos sfio osse-
ro epr&ta, patente inglez: na roal'" *!
da Senzalla Novan. 43.
AGENCIA
da muicSo Low-Moor.
RA DA SENZALLA NOVA N. 42
Reste estabelecimento conti-
aa a baver um completo sorti-
mento de moendas o mcias rao-
Quartos
1 lennos
Vigsimos
Quartos
Decimos
Vigsimos
Matriz.
Rosario.
2,600
1,100
600
2,200
1,000
500
Vende-sc massa de tomates,
para tempero; tinta de mircar rd-
endas para engcnbo madrinas pa e carrancas para capole: na ra
de vapor, e taixas de ferro bati-
do ecoado de todos os tama-
itos, para dito.
Moeurins auiieriores.
Na fundico de C. Starre Companhia,
em S. Amaro, acham-sevonda moudas
de caima, todas do forro, e um modeloe
coostruccBo mailosunerior.
Vendo-so una linda escrava n colinda,
de 17 anuos de idadp, mocamba, e de ex-
cellenleconducta: na ra da Praia n. 43,
primeiro andar.
Sedas.
Vendem-se muilo superiores sedas, de co-
rea e pre tas, pai a vestidos de senhora e me-
ninas, manteletes, ou capolinhos, por pu-
co muito commodo, aiim de se apurar di-
nheiro: no ateiro da Boa Vista, loja do cal-
cado n. 14.
Gomma de engommar.
Vendem-se saccas com gomma, muilo al-
fa, propria paia eagommtr e fazer bolinbos,
por nao ser secca ao fogo: na ra do Quei-
mado n. 14.
daCadeian. i5, loja deBourgard.
Vendem-sc cspelbos com mol-
duras douradas, os inais ricos que
teem apparecido no mercado : na
ruada Cruz do Hece n. 49, ar-
mazem de L. Schuler & C'om-
panbia.
Vendem-se saccas com fa-
1 ello de 3 a 4 arrobas : no ar-
mazem de Antonio Annes, no caes
da Alfandega.
Urna encomtnenda de cobertores,
Que por seren poucos
NSo podem ebegar
A todos os compradores,
a 1,600 rs. eada um : na ra do Crespo, lo-
ja n. 6.
-- Vende-se um sobrado de um andar,
sito na ra do Livramento : a tratar no alar-
io da Boa-Vista o. 10, sobrado; tambera se
vende uma negra boa quilandeira.
Yeiideni-se lonas, brinzSo, lirios, e
meias lonas da Russia ; no armazem de N.
O. Riobor & Companhia, na ra da Cruz
n.4.
Folassa da Russia, e cal virgem.
No armazem da ra do Trapiche n. 17, de
Jos l'fii-iia Baslo, ha para vender superior
potassa da Russia, chegada ha poucos dias.e
cal virgem da mais nova que ha no mercado.
Farinba de mandioca a 1,600 rs. a
sscca.
No armazem de J. J. Tasso Jnior: na ra
o dAmorim n. 35.
- Vende-so uma escrava creoula, boa en-
goicmadcira, cosinhoira c costureira : na
ra Bella n. 16.
Vendem-se saccas com T-
relos : na ra da iiiadrc de Dos ,
armazem n. 20.
Lotera da Matriz da Boa Vista.
Aos 10:000,000 e 5:ooo,ooo He rs
Na loja de miudezas da praca da Indepen-
dencia n. 4, vendem-so bilhetes inteiros e
meios, a beneficio da Matriz da Boa Vista ,
que corro impretcrivelmente no dia 26 de
outubro.
l'illn tos inteiros 10,000
Meios bilhetes 5,000
~ Vendem-se assegointcs semenies:
Qabos,rabanos,rabanetesencarnadosebran-
cos, solila, couve trinxuda alface ala-
moa, repulbuda,chicoria, senoulas, foijSo
carrapato de tres qualidades,ervilha torta e
direila, fava, coentro de touceira, salea, to-
mates grandes, repolho, couve lombarda,
saboia, e mus larda : na ra da Cruz o. 46,
defronte do Sr. doulor Cosme.
Deposito de panno de algodo da
fabrica de Todos os Santos da
Baha.
Vende-se o bem conhecido pan-
no de algodo da Babia, proprio
para saceos e roupa de escravos,
a vontde do comprador.' no es-
criptorio de Novaes & Compa-
nbia, na ra do Trapiche n. 34*
Alerta freguezos
Quo silo chegados,
Cobertores de algoJSo
Muito encornados.
Na ra do Crespo.loja da esquina que vol-
ta para a Cadoia, a 1.600 rs. cada um.
Vndese uma casa nova c muilo bem
constru la, na ra Imperial ; a tratar na
mesma ra n. 171.
Em casa de J. Keller &
Compunhia na ra da Cruz n.
55, ha para vender dous encl-
lenles puos fortes, e de uma das
melhores fabricas, chegados lti-
mamente da Europa.
Batatas novas
Francezas, em gigos de 4o li-
bras, chegadas no brigue Cesar ,
por precos muito comino,los : no
armazem da travessa da Aladre
Dos n. ai.
Palitos foitos.
Continua-se a vender pililos d panno li-
no, por preoo muito commodo: na loja do
sobrado amarello, nos Qualro Cintos da ra
do Queimado n. 9.
A a,ooo rs. o corte.
Na loja da esquina, que volta para a roa
do Collegio n, 5, vendem-se corlas de meias
casimira* a 2,000 rs., e bonitos cortes de
cambraias fraocrzas de cores, 8,S00rs. 0
corto.
--Vende-se om reluglo de ooro, com cor-
rente la mbem deouro: na ra da Coocei-
to n. 32.
Vende-se caixas com cera
em velas, de 3 at 16 cm libra ,
fabricadas em Lisboa, e no Hio de
" Jantiro, por pirco mais co.nmodo
do queem outra qualquer parte:
trata-se com Machado 81 I'inhei-
ro, na ra do Vigario n. 19 se-
gundo andar.
Vende-se um preto cosinheiro, aind
moco esem vicios: no largo do Collegio nu-
mero 6.
Cortes de vestido, a 2,000 rs.
Conlinua-se a vender corles de riscado
francez, cor fixa e bonitos padrOes, pelo ba-
rato preco de 2,000 rs. cada corte : na loja
do sobrado amarello nos Qualro Cantos, da
ra do Queimado n. 29.
Fabrica de chapeos de sol no.
Aterro da Boa-Vistan, aa.
O dono deslo estabelecimento cima men-
cionado tem a honra de participar ao respei-
tavel publico de Pernambuco, e particular-
mente aos seus freguezes, quo receben um
grande sortimenlo de chapeos de seda ede
|iiiiiinlio para hornero, ricos chapeos de se-
nhora, um grande e escolhido sortimenlo
de sedase pauninhos para cobrir armaedes
servid.is. fazem-se lodos os concertos neces-
sarios em cnapeos vel nos, todos estes objec-
tos cima mencionados se vendem por me-
nos do que em oulra parte, e a contento dos
freguezes.
Venle-se oleo de recio em latas do
30 libras e por mais commodo preco do que
em outra qualquer parle : na ra da Cadeia
do Recife, n. 56 loja de ferragens.
Acha-so na Cadeia doOlinda um escra-
vo, creoulo, de 23 annos de idade, muito
possante ; vende-se para lora ou para enge-
nbo : quem o pretender dirija-so a ladeira
do Virador, refinacao n. 14.
-- Vende-se um bonito preto, moco, bom
padeiro, sem vicio nem achaque, o quo se
aiianf 1, tres pelos bons para armazem de
assucar ou para ra por seren corpulentos,
uma negrota de 18 annos com habilidades,
porm so se vende para lora da proriucia ou
para o malo, e lem certidSo de iJade, uma
dita de 20 annos sem habilidades, uma pre-
ta perfeila quilandeira, e enlendo de todo
servico de casa, como cosinhar, engommar
alguma cousa e lavar, e tem uma lillia de 8
annos muito linda, com algum>s habilida-
des : na ra dos Qusrleis 11. 24, segundo
andar.
Vende-se um escravo muito sadio.e de
muilo boa conducta, e bonita figura, pro-
prio para engenho, armazem de assucar, ou
sitio: na ra do Livramento n. 32, padaria.
Vendem-se saccas grandes
com milho novo, por preco com-
modo : a tratar na ra da Cadeia
do Kecife, na esquina do becco
Largo, loja n. a6.
Vendem-se lencos de seda a 1,280 rs.;
chitas francezas a 200 rs. o covado; cassas
finas para vestido de senhora a 560 rs. a va-
ra : na ra do Queimado, loja n. 9.
Vendo-so a taberna da ra do Jardim
n. 69, e em bom logar : trata-se na ra do
Rangel n. 81.
Bom negocio.
Vende-so uma canoa de milheiro do lij-
lo, om bom uso, pela metade do seu valor :
na roa das Trincheiras n. 29.
- Vendem-se cordss de tripa de superior
quali lade, chegadas proximamenti, para
rabecas eviolSo : na ra da Cadeia n. 44 ,
loja de ferragens, de Thomaz Kernandes da
Cunta, por mais commodo preco, que em
outra qualquer part--, a retalho eem maco ;
e na mesma loja cima existe uma caixa pa-
ra rap, guarnecida c com firma, quo por es-
quecimenlo a dcixaram, quem forseu dono
dando os signaes certos Ihe ser entregue.
Vendem-.ie duas nrg'inhas muito bo-
nitas o prciprias para brincar com enancas;
na ra da Cadeia do Recife n. 55.
Oh quo pechincha I
Ha para vender Rehogado ltimamente)
um vana lo o completo vil lienrulo de Cai-
xinhas com amendoas de diversas cores ;
assim como confoitos de erva doce, cravo,
canella e coliandros, muilu proprios para
enfeitar bandejas, bblinhos para cha ; e ro-
cebem-se encomendas, tudo por preco mui-
to commodo: no Aturro da Boa Viste n.
6S,a 1 mina de Andr Nacizcr.
-- Vende-sc um bonito escravo de nacSo,
proprio para armazem ou para carregar pa-
lanqun!, por ser do bonita figura : na ra
Velha n 55.
Na ra do Sol n. 7, vondem -se a. obras
do ouroseguintes: uma gargantilha, um
cnrivnUo, mu iracvlim, um par de atacas,
umcordncom medalhs, um coradlo, um
corda 1 fino; tudo do ouro bom e por proco
muito em conta.
-- Na ra da Ponha n. 23,primeiro andar,
se dir quem vonde um moleque, creoulo,
oflicial de charuteiro, um faqueiro do prala
contrastada do Porto, um correntio para se-
uhora deouro do le.
-- Vende-se uma duzia de cadoiras novas
de jcara nd, ror pceo commodo: na rui
larga do Rosario n. 38, se dir quem vende
Ao barato, freguezes
Na ra do Crespo, loja n. 9 vende-se
panno mesclado para palitos, pelo diminu-
to preco de 2,000 rs. e 2,500 o covado, e
cortes de casimira de quadros a 3,500 rs.
Itua do Crespo n. 9,
Vende-se riscado monstrn, de linho, com
4 palmos do largura, a 320 rs. o covado ;
ditos francezes a 180, 240 c 280 rs. o cova-
do ; cortes de cambraia de babados a 4,800
e 5,000 is. ; e outras muitas fazeodas do
gostos modernos, por monos preco do que
em outra qual |oor parte.
hua do Crespo, loja amarella
n. 9.
Vendo-se palitos do ultimo gosto, de
panno mesclado, por monos preco do que
em outra qualquer parto; cortes do camz
braia de s lencos de seda a 500 rs., panno escosse;
para palitos a 2,000 rs. o covado ; cortes d.
brim francez, do ultimo gosto, a 3,000 rs.
Aloendas patente.
Acabam de cllegar moendase moia moen-
das de varios lmannos da patente de A. e
l.ddo Mnina; em casa de llollie e Ridoulac,
ra do Trapiche n. 12, aonde timbeen se
achar arados ue ferro do modelo mais ap-
arovado para a plantado da canoa. Bates
arados sao construidos na fabrica maia ac-
creditada em Inglaterra e contem vantagens
sobre o outros arados,tanto no seu arranjo
como na sua durado.
Obras de ouro.
As mais lindas que teem vindo a
esta piuca, e de todas as qualida-
des: vendem-se em casa de Brunn
Praeger & Companhia, na ra da
f'ruz n. 10.
Na fundicSo da Aurora, acba-se constan-
temente um completo sortimenlo de ma-
chinas do vapor, tanto de alta, como de bai-
la pressBo, de modelloa os mais approva-
dos. Tambem se apromptam de encotnmen-
da de qualque: forma, que se possam deso-
jar com a maior presteza; habis ofilciaes
serSo mandados para as irassenlar, eos fa-
bricantes, como teem de costurne sQlan-
camoperfeito trabalho dellas, eserespon-
sabilisam por qualquer defeito, que aellas
possa apparecer durante a primeira safra.
Muitas machinas de vapor construidas neste
estabelecimento lem estado em constante
servico nesta provincia, 10, 12 e at 16 an-
nos, e apenas tem exigido mu insignifican-
tes reparos, e algumas at nonhuns absolu-
tamente accrescendo que o coasumo do
combuslivel be mui inconsideraval. Ossa-
nlioros de engenho, pois, eoutras qaaes-
quer pessoss, que precisaren! de machims-
mo, sito respetosamente convidados a visi-
tar o estabelecimento em Santo Amaro.
^MiWwwwaawMiwajasji!,,,^^,
Gantois Pailhet & Companhia*
[ Conlinua-se a vendar no depoiito
J geral da ra da Cruz n. 52, o excel-J
lente e bem conceituado rap areia]
preta da fabrica deGantois Pailhet &|
Companhia da Babia, em grandes el
pequetas porgOes pelo preco cstabe-j
lecido. y
Vinho de champagne.
Veode-se o rerdadeiro vinho de cham-
pagne, de excellente qualidade, ao proco
de 25,000 rs.; assim como de qualidade in-
ferior, muilo em conta : no armazem de
iiruun Praeger & Companhia, na rui da
Cruz n. 10.
demedio especial para boubase cravos
seceos contina a vender-se na roa do Ran-
gel, botica que foi do finado SebastiSo Jos
deliveira Macedo.
- Oleo especifico para curar a caspa,con-
tina a vender-se na ra do Raogel, a 0
rs. cada frasco.
Tachas de ferro.
Na fundicSo da Aurora em Santo Amaro,
e tambem no deposito na ra do Brum logo
r.a entradave defronle do araeoal de marl
ma ha sempre um grande sortimento ds
tachas tanto de fabrica nacional como es-
trangeira, batidas, fuodidas, grandes, pe-
quenas, razas efundas; e em ambos os lu-
ga resoxistom guindastes, para carregar ca-
noas ou carros, livros de'dcspoza : os procos
sao os mais commodos.
Fanos.
Brunn Fracger ck Companhia ,
receberam os mais modernos pia-
nos, de excedentes vozes, que es-
tao a venda, em sua casa, na ra
da Cruz n. 10.
instrumentos de msica.
Tanto pira orebestrj, como pa-
ra msica militar, vcndem-se mui-
to em conta : em casa de Brunn
Fraeger & Companhia, na ra da
Cruz n. 10.
Charutos de Havana.
Os melhores quo teem vindo a este mer-
cado : Vendem-so continuadamente, em ca-
sa de Brunn Praeger & Companhia, ni ra
da Cruz n. 10.
Vende-sc vinho de champa-
nhc legitimo e de superior quali-
dade : cm casa de J. Keller &
CompanlV na ra da Cruz n.
55.
-- Vcrniz do gomma copal contina a
vender-se na botica da ra do Rangel,
,280 rs a garrafa.
Gesso.
Vendo-se gesso embarricas, chegado l-
timamente : em casa de J. Keller & Compa-
qoia, na ra da Cruz n. 55.
Escravos fgidos.
- Ha um mez, pouco mais ou menos, de-
sappareceu um preto'por nomo Manuel,ero-
ou'o, o ciili-mi do aliante, bastante conhe-
cido nesta praca,por j haver trabalhado era
muilas lujas, o qual pertence ao ahaixo as-
signado, o lem os signaes seguintes :bal-
xo, quebrado das virilhas, um pouco gro'sso
do corpo, cor peta, olhos grandes, tem tres
cicatrizes no braco e mSo direila de ama
iprracao que b.ivii sciffri lo ha pouco no
hospital ; he de presumir que ande por esta
cidale, visto ser dola natural, e ter alguns
parentes : roga-se as autoridades policiaes e
a toda e qualquer pessoa, a captura do mes-
mo, e o favor de o mandar entregar nesta
cidade em casa do senhor subdelegado da
lloa-Vista Molino Jos Corroa de Almeido ;
e na cidade do Rio-Fnrmoso a Francisca
Cbristina Lina, quesera generosamente re-
compensado : o mesmo abaixo assignado
protesta com todo o rigor da lei, contra a-
quella pessoa, quem quer que seja,que o li-
vor ocruHado.Francisco Caldas Lins.
Desappareceu no da 15 do passado, as
7 boras da noile, do Hotel Recife, o pardo
Exequiel que foi do senhor l.uiz Rodrigues
Setle, e como pelas circumstancias que pre-
cedern! a essa fuga presums-se que elle
procure a todo casto ovadir-se, roga-se as
autoridades polieiaes que o recommendem a
seus inspectores e pessoas de confianca,aOm
de ser descoberto e capturado : o pardo be
baixo, de idade 25 annos, a eio corpo, sem-
blante carregado, tendo uma pequea cica-
triz na face, anda calcado e fuma : levou
chapeo do seda prelo, e anda com uma ben-
gala lina ou junco, eioculca-se por forro;
anda frcquenteraenleno baiiro da Boa-Vis-
aonde sempre he encontrado : quem o
pogar leve-o a ra do Trapiche n. 5, que ser
recompensado.
Est fgido desde o principio do mez
de setembro, o prelo l.uiz, de nacflo Ango-
la, que representa ter 26 annos de idade, de
estatura baixa, cheio do corpo, e quando
falla balu com a lingua nos denles, lem um
pequeo signal como de um talbo na espa-
dn direila, consta que tem andado para as
parles de Santo Anillo, ou engenho das Ta-
bocas :. quem o pegar leve-o a ra da Con-
cordia n.8, que ser recompensado.
-- Desappareceu no dia 33 do prximo pas-
sado do Hotel Francisco, um preto de nomo
Bento, creoulo, de idade 32 annos pouco
mais ou menos, altura regular, barba fecha-
da, deaappareceu com ella rapada ; o qual
he cosinheiro e intitula-se forro, falla um
pouco descantado, foi comprado pouco ao
senhor joaquim Aurelio, aeohor de engi-nho
Massangana; roga-se a todas asautondades
polieiaes e capiteles de campo que o peguem
e levem-o no dito Hotel, que s-r genero-
samente gratificado.
* I



Pkn : Tp. 116 M. K. us Kahu. 1852.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZIZ5P710_UL16OW INGEST_TIME 2013-03-29T15:52:08Z PACKAGE AA00011611_03356
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES