Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03355


This item is only available as the following downloads:


Full Text
! .
.<
Anuo XXV11I
DIARIO
rocr/o *A %uucnirqlo.
Piiihto AouriT.DO.
pitrlmestre .. ........
Por semestre ai :
Poi nao >.,-> ..>..
PaeoDiruao juniiimi.
Por quartr!..............
OTIOIAB DO lMPtllIO.
Pari.:.-. 2i de Agosto Minas... M deAgosto
aaar.nbao. 8 dr S.-ilir. S.Paulo. 7 de dito
('eir.... 1! de dito H.drJ.. 30 de Seibr.
P.r.hlb. I deOulbr. Bahil... 29 de dito i
DA'. DI II. IDHOU
4/000
8/000
4/ft00
ISeg. S. Hranclaco.
5 Tere. Si. Placido e
Fiarla.
luioit Orpkat
i, eS.ii lOhorai.
1. m incivil.
deOutubro de 1852.
N. 226.
FEMVMBICO.
Chela 28, te i horas 21 mlauloi di Di.
.Mlnfoante ti, i 8 borat 18 minuto da m
GQuarl.S. llrunoiSi.3. e 6. ao meio-dU. a,,,, t||, a, < hora, e 16 minutos da m.
1 1.1,1 e Erothides. Fatenda.
Dio de S. Jo.c. |Tercas e atoados. 'Segunda o eG mlnutoi da urde.
uarim sol ooibiim.
Creicete2,a8 2hor.B23Di|Bulo d.m. OoUa rarahlba, isseguidas sextaa-
lelrai.
aio-Urande-do-Horte t Vlttoriaai quista*
ftaraa
ilonllo,Caruro(e Oaraabuai no l'e 1S rlecad
Flora,Ourlcarj,Ciu e Boa-VIfta i 1.1 e 28
a, todoi 01 dial.
I o Corrrio parttmao melo-dia.
rOTioiaa HTnoinii.
Portugal Hde Agoslo Austria .. a deAgoito
Heapanha 8dedlto ISulaia..:; Idedlto.
Franca.. 8de dito Snecla;.. 3o de Julbo
Blgica.:. S de dito Inglaterra de Agolo
Italia..:: < de dito E.-Unidoa 24 de Julbo
Alero.nba. 3de dito Mxico... 3 de dito
Pruista..:3dedlto C.llforala IbdeJnlbo
Dinamarca II de JnlhoChill. 9 de Malo.
Russla... lo de dito Ruenos-A. de Julho
Turqua. 29 de dito Montevideo 5de dito
CAMBIOS BB OS OUTUBRO
Sobre Londres, a 2 por 1/1100 d.
Paria, 359
Lisboa, 1 OOpor canto.
ITAEI.
Ouro.Oncas heapanholaa........... '21/000
Hoedaa de 6/400 Telhai.;...... 16A00
. dcSHlKimiTi.........16/000
de 4/000............... 9/H0O
Prata.Pataedeabrallelroa.......... 1/920
Peao columnarlos............ ''"9
Dito mexicano..:.'.......... 1/80
EXTERIOR.
ESTADOS UNID03.
O New York Herald, escreve de bllalo com
data de 20 de agosto:
O vapor Atlontic fo, no lago Krir. de encon-
tr ao vapor Oqdernburyt s Un is horas da ina-
nbia, e submergio-sc ein menos de niela hora.
Pereceram nai ondas 30o passagelros do A-
tlantic, salvaado-sc apenas 200, os quaes cl.e-
garam a Eii a bordo do Ogdtmlmrg.
Aa Irevaa eiain apestas no momento da i-
lastrophe.
Logo depols do choque, a uiaior confuso
relnou entro oa passagelros pela rnaior parta
emigrados norwegnenses, c mullos dclles ca-
hiriii imtuediata.nenie no mar.
Ai duas horas c iMtia o navio socobrou no
inelo dos gritos de drsrsprro dos passagelros.
california
i) Vliare dc New-York publica de Mariposa,
com data de V de Julho, o seguinte :
Bandos dr aullawi (nenie que iem por costu-
uie despresir a le), dos quaes as tres qutrus
partes vein de Tetas, tinbam (orinado o projec-
to He l mi, ..r fra Iodos os estrangeiros das nos-
as planeen. Principiarain pelos llespanhe.
viii-i -s de Manilha e pelos mexicanos que, de-
pois de seis inczes de trabalhos preparatorios,
tlnham comecado a exploracio cm grande esca-
la de alguns terrenos, cujo producto cm ouro
era calculado cima do termo medio. Estes,
tendo mostrado querer fcar cm de.peu da or-
dem formal de partir, aquelles bandos foram
procurar reforco nos acampamentos america-
nos dos arrabaldei, e no da segunde liaviaiu
naquelleo lugares mais de quinhentos homcni,
tendo sua frente advogados e juize. da cidade
de Mariposa, lodos armados de espingardas.
Km presenca des! aggic39.o, a resistencia fura
urna louciua- Hor esta raio os Mexicanos e oj
llespanhe. abandonaram os seus trabalhos
primeira intimaco, o que todava nao i.npe-
dlo que inuitos delles fossem maltratados, tlin
Hespanhol mu respeitavel, foi apanhado por
uina tropa deaies bandidos, os quaes Ihe passa-
rnni eni volta do pescofo urna corda na Inleu-
cSo de o enforcare.n cm urna arvore. A inter-
vencio opportuoa de um Americant, do quat
elle era pessoalmenle conhecido, conseguio,
porm com bastante trabalho, arranca-lo da
inorle. Ocapftj dos bandidos, chamado Ho-
oald, deu cntao ao hespanhol uina, ordem es-
cripia de deiiar a California no praso de seis
das, idb risco de perder a vida. Kmquanto se
commctliain estas indignidades, os patriotas
Erofanavain as arias de Yadkee Ooodlt e de Hall
olumbia c se embrbedavam com agoardeute
que bebiam uas taveruas e tendas dos pros-
criptos.
Sabemos agora que tainbem pretendern,
que os intu ii u* fra.ieeies ttnhain otTerecldo os
eus servicos aos Hespanhes contra os Ameri-
canos, me rece od o por islo seren comprehen-
didos na ordem de expulso. Lila as>erco he
despida de todo o fundamento, a attitude de
nossos compatriotas foi perfectamente calma e
conciliadora ; e le os foram procurar depois,
nao fui por eulpa delles.
Oquehecerto he, que a mesrna medida de
expulsio fe exteudeu logo aos fr a acete
ti vera ni de se retirar de Uurn's Diggiog
jiposiia, de Mornou liar, do Fresno, etc., aban-
donando oa aeus Instrumentos c ariiiazens as-
miii como as suas sismaras a esles novus serta-
nejos. Km Mariposita, Mr. II.... chele de urna
pequea coinpanhia francesa de seis ou sete
bomens, tluba perdido deate moJo um a sesma*
ria que produca, termo medio, i.' piaitras por
dia para cada urna pessoa. MM. Vanee e Val-
liy, coinmeiciantes franceses dos mais res-
peitaveis, nao poderam obter seiieio um prao
Mlaatb dedelendrr par. o futuro 01 dlreiloa Ira no /.ollwereln e nada fai.ctt, que o go
de HOMO! coiiipalrlota como o. aeu. I rao pruislano leoha *b,n,dn.,.do Z Me
Na verdade. Iica.no .atiifeito. do proced- jec{qea contra utnprojecto que elle:nao pode
menteou.ad e to Mil do con.ul da Franca, aceitar sen, .ac rucar a A ntt la > PP'*J-
e po.so d.r-lhc a ce.texa de que a paz nao mi rancli industrial e co.ninerclal como Ja tere de
mal perturbada no nosso placen. Hojeo aacrlfl.ariru aicendente politiLo.
""canoa .olla.n em multido e con- El aqu, na e.pecUUv. de noHc.aaulterlo-
proprio Mejicano rollain em inultidao e con- e." aqm, n >^-( ",,""-,;-
inu.,n out.a vea o. .eu Irab.lbo. .em ob.ta- re, um document. ...e anda rt publ cara,.
rulo e em nrriur liaran o peridico de flerlin ) he o teito do drcla.a-
O.errno.ned.od'oV.'iariodeumdl.hedeHe cao'felt. .pelo, e.t.do. dl..deo.e, d.pol. a
J que ae manlfeatatn de tidos os lados pe-
Inierracio e agradecimento do Zotlwe-
se re que os gorernos dessidenter nao
cedem nada, absolutamente nada, aobre a
quettao da Austria. Haremos de rer o que ha
de responder a Prusila.
(Vrtitt.)
UaB-JLM INTERIOR.
,neVlcano ,,b im um. sirle no nei... conferencia.. O. governo. represen.
a de orlrnes de todo o genero, tadoa pelos abalxo as.ljnados oao conle.t.m
a.seg
Osjornaes
bastante extensa de criuies de lodo o genero, ------- r----- -
commetlldoa na California. Contentaino-oos que no tempoda conclusju cu da "">
e... .xtr.hir delles dous episodio. : um tratado, cada urna da. p.rte. contratante.
No condado de Sha.ta, Mr. Toiualin, dirlgin- n!o tenha o dlrelto de designar a.sim as qea-
versario. se encontram anda, uliVo'ece- enllocada, em ponto, dlre.sos, designein lam-
he nina facada qoc Ihe poi as mtranhas de fra.
O povo quera tratar mal a Sbannoo, potdm o
sherlirconseguio impedi-lo. Entretanto Tou-
zallu morre em consequencla do feriincuto, e
Iminediatamentc a populaco se reuue eno-
meia um jury que condeuioa Shanuon a ser
enfjrcado. Vao buscar o condemnado, e le-
n-no para urna colllna na qual esta, levan- gar. torn.-.e l.npo.sivel MlltM
"afoca. Sh.noon n.io mo.trou a mais pe- nal, e pode .ucceder que tal queslao PJJJ-
na nquiet.cao; delxou o, algoxes pasa- ci.l lique iusolurel, a qual tena stdo reaulvida.
,-hc a corla ao pe.coco e Ihes perguma: se ..partease ti.es.em colloe.do cm crcu.ns-
rm ordem e con. a reapujla affir- tanda de entrever o resultado final.
be.n diversas quesldes preindician, as quae.
subinetiam ludo o mala; pur.n por causa mes-
...o da dlrer.id.de destes poulos de ri.la, aera
ndlspcnsavrl faier de toda as questdc. peu-
dente. o objecto de dellberaeoes simulta-
neas.
^c esta deliberacao aimullanea nao lem lu-
_ur. lorna-se iinnossivel prever o resultado li-
tada a
que
rem-lh
I LLili eslii rHi 1.1 ni ni i i uvin a .*.|v..>. ....- --.-
," uva, elle mea.no e lanca da plataforma, bra- Ora, o estado acta da n.gocl.tao permute
dando AdesM, r.lho. An cabo de algums mi- lauto menos este resultado, quanto as del.be-
nutos tlnha deix.do de vircr. racoe, que lem Mu. lugar ale boj, nao Mr n
Km WeawerVflII, condado da Trindade, cm por objecto senao as propostas aaaoulas e uu r
sherill oi um domingo i casa de um cerlo Dr. parte da. proposla prussiana, d"""" d.
W. Morln, farer urna penhora. A mulherdes- parle urna prupos.cao multo to|MModoj.
te doutor ex observar ao sherl que tudo o MWfl da Prus. la a P'opo quecontinba a cas. Ihe pe.tence. e que a lem dos governoa da U.rlera, da baxonia e de V\ ur-
dalo elle nao tinli. o direilo de faier urna exe- te.nberg.
Cuelo iudici.na no domingo. O sherifl nao Entretanto os gorernos representado, pelo.
feVea.i da observaco. Se nao vo retlrardes abalxo asslgoados, conieotein e.n laier desde
euvoafacofogo, diaae mulher apieacnlando- deja aobre aa duaa qucaloea que o governo
Ihe urna pistola. O bc.U" nao delxou de obrar prus.iaoo considera como prejudiciae, .. d-
menos; a mulher atlra e mette-lhe urna bala elaraedes que parecem posslren no e.tacto ac-
na virllha porem ella tambem fica com a ca- lual das negociaedea.
beca quebrada por outro tiro que Ihe di o she- As dellbcr.edes que llreratn lugar pela pr -
lili, e eu ofclal de juilicadella morlo por melra proposla pru.siaua, aquella que dala
tc.raodoulor que corra em soccorro de IU1 reapeo a fusao do tcnerwe.e|n no Tollwa-
mulber. Eis-aqul como e administra a juati- relo, deratn ao governo repreaenladoa peloa
ca no condado da Trindade. abalxo .asignado, a conviccao de que esta pro-
San Francisco se destingue felUmcntc dos posia nao sera uin obstculo para renovacao
campas ; a seguranra reina ahi, c os liabliaiilcs doa tratadoa de /.ollwereln.
podem-.e entregar com toda a scguranta aos Esles governos se declaran!, pelo contrario,
seus negocio ou as denionstrace poltica., promplo para adherir immedlaiamente| a esta
lelcb.aramodiadejulho con. grande una- proposla tal como iol modificada as delibera-
inundad.- Naprocs.oqucpercorreua. piin- ces que liveram lugar eas.lm como poderla
cmacs ruaa da cidade. no.ou-xeprineipalmente ser inmediatamente rediglda, c em compic-
uma lonira lila de Chin, ricamente vestido., hende-la nos novos traladoa, com a condlcao
iraiendo urna grande baudeira de seda cacar- de que as parles conl.acl.nles consigan, en-
late, sobre a qual rcalcav., bordado em ouro, o lender-se obre as qiietldeai anda cm litigio e
grande dragao mpe.ial. Dtsein que e.te c- principalmente sobre as relacdes commerclaes
nhore nao dcipeuderai menos de 12,000 dol- ou. o Imperio da Austria.
I.r. para faxer boa gura cutre os Americano, No que d U respe... agora M negoclacae. com
, ronarmnrain orcrno imperial da Austria, o goreruo prus-
"dil^dc AMdc julho o, demcrata, de San Francia- siano l.ouve por be. declarar que eslava
I. aa. : co uvera... a sallsfaclo de ratihear com multo promplo p.ra lomar parte aellaa. maa ao me.-
' Jk.I" UlUllMmoa candidatura presidencial de .Mr. O lempo dcsigoou como base da. negoc.a-
Picrce. t" pe.iodlca indiscretos pretende..! {des o prolocolo de Wlesbad de 7 de jiinbo de
que esta ..om.-aco nao Ibes tinh, cauaado ao de 1851. Oa governo represenladoa peloa aba.-
nrlnclnlo senSo .orpresai mas os dcmocr.taa > a.siguadus declarara com pe.ar que a .te-
das margena doPaoifleo sao ... dignos trino. signacao deste protocolo nao o. pode .na-
de seu. unaos mais vclhos daa margen, do faxer.
Atlntico; elle conliecem aa leu iladeacpllna. Preacntrmcnte cxialein para se enlabolar ne-
O acolhimeulo pouco Imapitaleiro que o gociaces commerclaes com a Austria, dados
Ctiins recebian. na minas ule obatou a aua muilo u.ai. ceno de que os do lempo das
emlgraclo: e.n u periodo de 4s horas, sete conferencias de Wiesbad. Ha os projectos de
de San Fran- tratados elaoorados as conferencias de Vlen-
e
gua-
ros,
de
<:onRESPO.NDE.NCIAS DO DIARIO DF. PER-
NAMBUCO.
MtrinhSo 33 de letembro.
Esqnrceu-nic diifir-llii' na minha ultima
correspondencia, que a maioria da misia
Seiabla provincial, em seu patritico zelo,
nfloquiz assislir no dia 7 do corren te mri,
ao solemne Tt-Deum que teve lugar n
Calbedral, em roinmcninracnn da nossa e-
inaiiripacJo poltica. .S.I.. sei i que possa
attribuiresso passo, senSo ao despeito da
talla de continencia h avila no dia 28 do de
julho de queja Ihe reatei em urna .las mi
nhispasssdas; ou entSoa ser portuguez, o
coinmnn lante da forc quo derera ser pos-
tada em frente da igreja, e com quem j ha
mullo havian. embirrado. Ambas estas ver-
sos, eu ouvi dar-so, como causal da desle.
ta rommellida pelos homens da Estrella ao
grande dia brarileiro. Em caitigo, porm,
a commissSo dolheatro.julgou aceitado mo
oflerecer a assembla as duas Tuzas
tisfsclo, participa-llie, que chegou a esta | caba de remetler a um meu amigo por el-
capital, acliando-se n esti hora, ji tranealia- la ver Vmc. o deploravel estado etn que fot
do as piisOes do campo d'Uurique, o cele- opobrehomem Desculpe segundo elle me*-
brn Hil.tao da chapada ; a fr a mais hor- mu pede a construccSo do til rersuiho ;
rivel.que ha muitosannos devastara os nos- ei-lo :
sosceitOes. Varias pessoas tem corridos:
ver esse prediletto sectario do psrtilo bem-!
fi'pi, para admirarem o tnoostro, que lantos '
roubos e morles ha commnttidol Amanh.a
Adeos Ierra de sotsvenlo,
Adeos bello MaranhSo :
Volto as trras ds patria,
Ci fies mcu coracBo...
he provavol, que eu r tambem salisfazera
ininlia cunusidsdo,
Fslleceu hontein, nesti cidade, depois de, Paro aqu, aloso poique acabiram-se as
longaenfermidale, o dinamarquez llollt.ca- novidades, como mesmo porque me echo
pitfio de fragata, ao servico da nossa mari- bastante atacado do defluso, que be agurs
nha. Era um bravo militar, bastantemente a molestia da moda.
estimado, e quo sem eiagerac.fio, formava a alfandega rendeudodia I.* a 15 do cor-
um dos ornamentos da sus ciSSM. Hoje rente M:7W,9S7. rs.
pelas 8 horss da tarde fui elle sepultado no < P. S. Hoje, anu versuto da morta do fun-
cem.terio protestante, londo-se Ihe lulo dsdor do imperio, esl sslvanlo com um ti-
todas as honras militare*, que Ihe eram de- ro.de quarto em quarlo d'ora, o forte de S.
vidas. Quasi todas as pessoas gradas da nos- Luiz
sa sociedsde comparecern a esse fune-
ral.
Depois de longs dlsCDtoBo, alcanfou n
assemhla proviucial,o actor Germano Kran
Parahiba I de outubro di 1852.
Anda continua o meu impedimento no ea-
c7s"co"u:ofVe'ia'ii'mlmrialiimatii, !,al ur communlcacio interior, e com quanto
r o u..a i.___ ...i,, i im, J poaaa ir tomando a guia carga, com ludo
logo qoeo 8r. Mir liver acabado o temuo -lo coual dc ,,% no .^quando e.te
do seu contracto. Vmc. nao ignora, que Catarrhal me deixa.a e.n pax ; para poder con-
sou demasiadamente amante dos artistas, Hnuar, com a .ninucioaid.de do coatume, con.
porm i i'i'in It.a-iiiH, francamente dizcr-llie, aa minh>a noticiaa. A populaco lamben, mu -
que in -I considera Ja loi a decisHo da assem- linua a .eaaeoi.r-ae do meaino encomodo, c
bla, forjando urna le inteiramente pessoal, inda nao e.t livre do sarampo. \ febrea
n|DormBio.laqual o governo sera oliri lo a prog.idem no Pilar e consla-me, que esla de-
''o'aeeit.rcomoempieza.io do tlie.tro este ou ?"" a.v,lla dc t-..pina, assnu como que o
thoatro para o especiadlo do dia, como o .nin-iia determinado indivi7/uo Destento- '"" principia a aoiirer.
.vi, fe rWl Os membro, SSSSrUSSS ?SS2 M JtT^SZSAX^ttSZ
da sssemblcs encaixotsdos por aquella 00. qua possa haver, anda mesmo que leja ds quando diaae, que en eat.va pintando, pro-
Casiao as tses fn/ss, gusmccidas de velllis | nlpit*Dts9 inleresse paraos cofres provin- vincia com corea n.uito carregadas mas setal
bsmbolinas, assemelnavam-se d algum mu- : CJlies e goSU do respeilabilissitno publico, flier, deata feia cti.r-lhe-hei um de aeus mi-
do sos confiados ds P^iiHo, om seus cobicu- j, ^omeua a apparecr partidos entro esse meros ultimo, cm que foi descripta Garapia
los privativos do llteatro Kraucez, na apacha ,rtjsl, t e 0 pmio. Aquelle, depois de alguns no esiyllo das prophecias do ci.orao Jeremas,
emque o drama comecava a sshirdo poder ,rrufus com o Mir e acommiss.lo do ihes- e hcare quitea.
sacerdotal, que o h.vi dominado por espa- olwu ler boje o seu debut, l-eia J&"tt*ttattmBu
code600.nnos. Aquel -s cub.culos, cha- G/ttCOta u,liln.nietchegada dessa, ve.oo \ttumT?*S&ttnS& g-
mavam-se -os camarotes dos mestres. aclor toimbra, antigo discpulo do bem cu- f,, chama cere. .jre;'s, porque nao quix con-
C ios nossos, poder-se-hao chamar os ci- nliecitlu Gamboa, que segundo sou informa- aeotlr, que a rapasiada iraort.a entraaae arma-
msrotes di egposicJo. i u0 ne couS, qUe nada vallo.
No dia II do passsdo, o deputado J. A. da ,,. _
Costa, msndou i mesa, o seguinte requer- |
da de cacetea e puuhaea para a malilz.
SeCbrialo viveaae no lempo do Aren terla
pilhado um cognome por aacudir, com um .-
monto: Requeiro, que se solicito do poder Assisti bontem ao debut .Jo Germano, na xorrague, do Templo oa traficantes, queque-
competen te a graca de isentar de todo e Gargathada : compre dizer-lhe, quo no es-
qualqtter servir ds gusrda nacional, os teve mao ; porm nuil. aquem duque eu
brazileiros, qoe se dodicarem ao cotnmer- julgava. Elle, que se diz, ser superior no
cioen geral. Em seguida o Sr. Motla man- papel de Andri ao giando JoSo Ciotino, se-
dou esta emenda addtttra ao requerimento gundo pesso.s quo virain este representa-
do seu collega : depois da palavra geral, lo, aiianc^m, que he urna farda Jeira temeri- ,. continua a circular no publico, que o assas-
accrescenle-sc e bem assim os guardas .la,le peusir era tal. Gost-ii do vor a mimi ainato do InCelli Katanialo he parlo de un.
iiam dellc faxrr uina eapelunca de ladrn.
O limite uo he disparatado, porque se os tra-
ficantes j..dos fa.iam do Templo cova decaen,
oa i.aiir.ii.ir, (....'ru. queriain f.zer da matriz
antro de a.sassinus.
Nada mais me cousla da lerceira commarca,
---------,_,--------"\ti --- o que assiui mesmo nao talla no
a seguinte : depois da palavra liis, diga-sc : cial do semblaule.o desalinho eslmlada com lnuil0 oa Tonlaaei au lueool ,,, experimeu-
os chefes de qualquer reparlicilo geral ou qu se aprsenla aqUHll|iiifeli/. victimado t.r o quanto cursa su. el.vloa.
provincial, que por lei, nao est.verem isen- excesso lilial, lulo cn orre para um huru Coi a inveucao do maldito franciscano, que
los o Sr Naciel Araulia, tambeo aiandou resultado, quo necesssriamoulo deve ferir nos mluioseou com a plvora, nem ao meuoa
ascguidte: lequcir, quo se accresconte os nossos olhos. Nolei, que a sua Matura no. reata o recurso de uina boa cota de malhas.
approvadas a
cabido a 3.a!
Vmc. periclita
l \ _', l e .", lando stnente sejo porm ve-lo em um
! Com o quo fica dito, dJo devidamonln ajtnza-lo.
metilo calcular,o zelopratioti- no dous pattiJos do quea
papel para no jabuti Ihe resiste '. E co... que justis fase.i.
A platea, (leviill la 0 seuliores thuggs o encherto He tal que nao
cima lile. fallei,por eir uina linha a mira, e se a urina nao mente
I iifii! Caiformia clc'meotoa novos .de prosperidade.'.igmdoa ealao pcrc.tamrnte convencidos, nao
uetifesseUn ad sobre raen" porque a maior parte bao de pedir ao solo ou-,menle de que a du.aco e a ex.cn.ao do
sS. .V.,,^.. ... "'."'P'1' r. cousaque uau aeja ouro Temos dito mu-laollwereln .o multo par
d,'r/'a.~? qUC ,e" *C con,,llul"" a vele. : o futuro do BldonrtO esta no desen- ree be... en.endido de lod
Um peridico" de 5o Kranciaco calcula em
ii ma mil individuoa a importancia deata cara-
seua defenaores.
Poucoa das depols, quando Mr. Ilillon che- volv.meolo da ag.tcul
goua Mariposa, acompanhado do coronel Cy-
prl ni, cnsul geral d. Sardenha, a situa;ao li-
nha melhorado bastanteuicnle. Excepto um
pequsue numero de franeexes, todos liiibam
entrado pruvisoriamentc era suas sesmartas.
S o. Ile.panhoe. e Mexicano, liuhaui licado
deb.ixo do golpe da expulso
dos
de
SUaS ili|il>!ir_. ,
A EifreHn.que ha a.uilos dias.melli.la nss impressos : um delles c-hiome mesmo den-
encolhas, nemse quer dava signal de vida, tro do chaio, e para dar-lira u^ia amostra
acordou hoje com o seu impagavel Hesperia- do guie .losen aulore do seu onthustasmo,
rfor, que lemita-se, alm das burlescas car- transcrever-llio-hei aqu, o prunouo tor-
tas do Jipi, a passar tremenda descompos- celo, oi-lo :
tura em lodos os oilicits ds guarda naci-'
nal. I'de-se dizer, que esso numero Uu Se podesss mea estrodeJi*r-te
Despertador, Ulvez seja um dos ulliaios sr- Teu nome immurlal etilo seria
rsneos ds desditoss Estrella. Ds manhila Como umThalma.agucmpoiso comparar-te.
t depois, teremos por aqui, o Exm. Sr ...
presidente, que ho anciosamente esperado | Por occasiSo da chova *^ um! '%'", udo ueste,"dia." ihe.iro. e a is.o
por todos os amigos da ordem. criaoca barbada, coroou o .rusia com uina deTo r,.nU(,nca ao nra deiiuxo pela falta dc
Em di>s da somana passada, parlio para a grinalda de volun'e e mulacacliets, entre-, |ran,p|racan, que naquella ealufa obteoho
maa como tenho promeaaa para boje creio que
Nada me consta du ni,...... | e Natuba
por emquanlo, e.n repouso.
Por rail-,a do maldito detluxo no Ibe dei uo-
f licia en. minha ultima da procisao das Mer-
' cea, que esteve. brm como a fesla, ptima.
| \ I,lili.I,rain a rl, :. i,, .1,1, j.lliCS, V III II' III,-
i lirios, e na seguuda eleicao foram derrotadas
' as inlluencias proiuuiuia. da desunan dr u -
j mand.de. O honrados pardos deiam desta
I vea garrote nos e.nissarios da anarchla, e o re-
vereudissimo Marco chupou grossafurquilba,
ra se desejar no inle-
toda a Allen.anha, mais
lerive.'Xl'r'com.ercii ltTSa,^!*"* CV' W&&9 > *- ""P"! ^I^1;1:^
Eiles porianto le.
P
pensadJT .emp'e que e.n Raymundo Teixeira Mondes, .lira de ir li- nao pu lo saber o que era.apez.r da furca jo
nmensaque deaenrl. os seus anne.s das qualquer parle en. que fosse possivel acbar u.u | rar a planta, e dar camero a urna estrada, mea binculo. A j8U|"l,is_Pess'/*s'_1l|nu_rou."
'" ntico, c li- jiueio termo, nenbui
amero da-jieria o direilo dc uu|
. correr do j.iiodo absoluto en p
exagerado / ir.riai, e a cise rcapeilo, se Ihes far juslica de
1 .1, j ii nli i .[ir,- elle, jamis ten elevado esta pretenfao.
margen, do Misaissipe paraa. du Atlautico, c li-j irio'lerio, nenbuiua das parle c.intraclanlca 'que devo unir aquella cidado ao Puty, a no- se-lhes um panno de barba.... Da platea att-
X3, alm disto, ein setenta mil o numero da-jieria o direilo dc impor suas opiuies de um j capital do Piauhy. Essa estrada, cuja es- raram-llie urna outra coroa, quo pur
la
pal
quedes que h,ao de vir por mar no correr do | modo absoluto ein prejuizo das opinin con-
.iiui i dr 18.V2 : oque nada tem dc
?SSt\SR^^^^US& S*ttVtttt'AmrTrUm*im. -Presentado diinculdade. era
plenipotenciario do Stenewcrcio, quando este
grande intimidade com indo o que I a dc in- H *' ......'-----------......",;- l'lenipoteuciario deveria licar eicluido por tan-
Suenlc nopai.. elle conseguio lo^o plena con- arara na historia um phenome.io se.nelhantc
Hana. Juies. advogados8 ahrles, todos Ihe a Wel e 1,,e e rrouul a,oS n"''" Am
iiser.m vivos protesto, de amisade pela Franca f ^>cuU-.c em vmle c dous mil tNWirdoi
e pelos Franceses, recehendo com fvor os ar- bucees que .cacha... M|^^iwn
gumento. que elle desei.volvci, e... favor dos conlessa.no. ainer.cai.os, def P" ^
Sleaicanos e dos Hcspaohcs c outros eslran- vista mora elles lc.no pr.me.ro lugar entre
geiros, com uina generoidadc, pela qual nao s 0I emigrados estrangeiros.
losnotave.s dodlsficto. ConhecenJo nerfcl- >ZZl^lz5^J~TZuT*-.r.i...
ament as sua. leb, asna liugoage... princi- eiiii^ t-ocbeBiriapoliicc ili. .
almente. e habituado, dUein, a viver e u u.na ni ,a'' w1 ',0" Cu,'fBa- a '"""c"-
.ande intimidade con udo o que ha d i ^m^SSSJr^jSSL^^S^
( Vrcise, )
QUKSTA, de zollwerein.
As conferencias para a renovacao do Zollwe-
o. Frauceaes como cites mesnius estrangeiros
Ihe sao gratos.
Ko satfsfeito de ter obtido este encllente
resultado na cidade dc Mariposa, Mr. Dillou di-
rigile ao. lugares mesmo nos quaes a per-
turbac'i linha come^ado c ondea sua presen- reiu, interroinpidas por algum lempo, acaban.
9a produzo o maior bem. Alguiuas horas de- de ser continuadas em Berln. Mas nao se sabe
pois da sua passagem, a rcconciliacao a mai. que a siluaciio te tenha u.udilicado, e parece
completa liulia lug.ir, c os minciros amcrica- que as diversas partea coutraclantes se achajn
no. apertavam a mao aos minciros franceses, o. iantc das ineiiuas pretenre. iiH-oucHtaveis.
quaes Hnhaiu tornado a lomar os seus traba- s estados dessi'ieules susteutam u ponto e.-
seneial do sen piograinu.a : a culrada a Aus-
r acaso como esse. fiucto. dos campos de So*
doma, que sao apetitoso, i vista, c uo conten
mu.1 cinta e p i*
O oilcln nocturno dos cartuxos coinmecou.
O cap i to, ino grado seu, dcixou-.c levar pe-
las um 1 (1, n.'.s que os cnticos religiosos nao
deixain jamis de inspirar, quaodo rompe.
inesperadamente no nielo do silencio c das tre-
ras. >.n> obstante ser uutrciru, sua alma se
abria fcilmente s iinpiessc. .ympalhita. e
ternas ; a idelfl de Dos principalmente eslava
nelle mui enraizada ; he essa idea que o tiuha
constantemente sustentado na. dilliculdades da
vida, e que llic fa.ia conservar, no ineio de seu.
maioras desvos, una .orle de Innocencia na-
tural que contrasiava do modo o mais estra-
nbo com seus bigodes eipe.sos, e com aeus h-
bitos grosseiro. dc aoldado.
Da trapeira dc sua celia avislava-se aporta
de entrada do mosteiro e um dos lados da ca-
pclla Fatigado de ter seiupre os olho. titos so-
bre essa porta, que nao se mexia, elle voltou-sc
Ib os ao lado de I je, e protc^taran sua firme re-
FOtHETlM.
0 CONDE DE CAI.IIAGXLA. O
(por mole gextilhomhe.)
SEGU-NDA PARTE.
XVIII.
Frti hilcv&o.
Ilraraante, ou para inelhor diier, fre Esle-(
vao, o peregrino, contava os minutos, e se in- para a igreja, cujas vidracas e.tavam esclare-
paclentava e.perando a respo.ta que a filha de cldas por u.na lu fraca e trmula-, o orgao to-
Viiconii Ibe havia proinettido. I cava, e as voze. humana, mi.turavaui .uas no-
Nao tarda incU-noite, di/la elle apoiau-j tas lnguida, com os accentos forte, e vibran-
do-senos varde. da celia que devia bosplta- les d^ instrumento ; atravet dos vidros, elle
tu lempo quanto reunt.10 da Zollwerein e do
Slewevrere.n uo era um facto consumado, e
quando ento a I'russia se recusara obstinada-
mente em admiltir um plenipotenciario aus-
traco,
Elles tem anda, sem que se Ihes abrlssc ne-
nliuina perspectiva para sua proposla em fa
vor da Austria, aceitado, e terminado sem ob-
jeceo, as negocia^e. relativas a convenco de
setembro. Finalmente elles te tem declarado
prompto. para aceitar eventualmeme esta con-
vensu com as luodilicacdes que ellas tem Suf-
frido no curso das conferencias.
Em taesconjecluras, deve ser permitlldo aos
governos representados pelo, abaixo assfgna-
dos, ver o governo prussiano adherir por sua
vcx as propostas justas e fuodidas no inleresse
geral da Allemaiiha. Por meio de concesstl
reciprueas Biuentc podero ser satiifeilus o.
tenoao lio lalvez ue 15 a 16 lego.s, devora alguma cousa aaiarrulaila, h.;uvo quem dis-
tar feta acusta das subscnpcOes havidas sesse, quo oi urna das mullas, que noss.i
dos lavradoresdosla provincia, eos do Piau- cidade us seus amigos Iho haviam olfcreci-
hy a maioria dos quaes, ardentemenle de- do. Nao devenios do modo algum, ajuisar
sejam aquella granue obra, que immensos do um comi, logo a primeira vez, que o
beoeficius deve iraier a ambas as provin- vemos reprosnntar ; assim puts esperare, pa-
cas. Uevemos esseimporlsute projeclu, a ra o ver de novo na Gargutnada, ou no l'ous
8. Exc. oSr. ice-presidente. No alto da fleneaau'os.quo breve vsi aSCeos.Constou me,
torre da S, acaba de ser cllocido por a- qu^s alom das colticas do um debut, o Ger-
lldade doa bous cailusos, e ninguem anda
ning 111 '. K.iiretaniu eu liaba inda a confiau-
ca ueaaa prineexa ilianca, que he to bella e
tem o ar tao bou. O coraco desaa mulher se-
(?) Vide IMarion. JS.
diatinguio aombras <|ue marcha van. lenlaroenle
e como que a coiupaaap, alravessava... a nave,
ajoelhavatn-se diante do altar-uir, e iam de-
pois seniar-se aobre poltronas de pao de car-
valho e.culpido epreaaa naa pared. Eraui o.
earluxos qne eutrav ji.i, utn ai um, no lugar san-
to, para ah. ae eutregarem, como liuhau. por
coalume, auaa devoeda. noclurua.
Por sanio llil.riao, dis.c bramante com
sigo, vi.lo que .ue enlodo tanto por eaperar e
por nada fa.er, curapre que rae oceupe, e que
essa oceupaco uo seja inuill. Se.n duvida a
paciencia he uina bella coua......maa tambem
nao posso perder en. Milo um lempo precioso,
e se essa bella princesa me esquece nao he Isso
razao para que eu esqueca o meu charo Car-
magnola. Ella promeueu-ine urna resposla.....
he verdade ; mas se essa resposla nao me vier
bem depreasa.....Vejamos, tacamos nossascon-
vcuedes com nosco mesmo, e prometamos so-
lemnemente nao faltar a ella...... Vou contar
a. sombras que passara na capella : conlo-as
em voz alta, e ao vigeai.no frade, aaio de mi-
nha celia, despeco-.ne do irmo porleiro, mon-
to outra veza ca vallo e torno a tomar a estrada.
deVenexa. Ealdito. Attenco!
Os frades passavam e Bramante contava.
1 ni.....dou......nada!..... Trea..... qua-
tro.i... muguen...... Cinco, atls, sete.....ah!
uieus frades, ineus frades, vossea vao mui de-
pressa !. ...Oito, nove.....como! voltarcl cora
aa moi vaslas ?
Bramante contiouou a contar, maa sua voz ia
abaixando. Elle linha medo do empenho que
contiahra para com sigo mesmo. Ja eslava no
quelle engenheiro, um para-raio, que si-
guniloililrmam, heobra exolleuto em sen
genero, lieos queira, que com semelnanl^
prcc.auc.1o, se possa livrar a nossa velha Ca-
lbedral dos ataques dos raios de que por va
ras vezes jtem sido victima.
Em Pasloi-Bons, um escravo preto de 22
annosde idale, asssssinou a urna sua so-
iilini.i .mira, por occasiSo de querer forca-la
aos seus bruiaes insttoctos ; o tendo ao de-
pois feridu grvente a mal o uina iim3a da
sua victima, suicidou-se dando varias pu-
ntilladas no esto i.ago, por suas propriis
mSos;essa fra pagou o en me horrendo,
que li. va commelt.Jo. Com i inmensa sa-
tu ein tira o numero bemavenlurado queme
traze. a eaperan(a .'
Elle ealendcu o pe.coco e poz-se a eicular.
Um cavallo escarvava da parle de fura.
Para um luensageiro que se deve enviar
uiysterioaaiiieine e s escondidas, he certamen-
te urna cavalgadura que faz mulla bulha. Nao,
is.o nao he anda para mira.....Creio que la-
rei bem em comecar oulra ves a contar os meus
frades.
Mas tile nao linha anda acabado estas pala-
vras, jouvia pronunciar o nomc de fre E.le-
vao, e ranger oa fecbadura um pouco eul'er.li-
jada de aua celia.
Um hoinem vealido deeacudelro cntrou.
t- fie vmc. que be o irmo Ealevo ?
tura, sou eu raesrao! dlssc Bramante met-
iendo a cabeca cm seu capuz trigueiro.
Ento la em bailo esl uina pessoa que
Ihe deseja fallar.
J deseo.
E elle accresccntou era seu pensamenlo :
Vou ver se o meu declmo-selimo frade
me trouce fellcidade.
i.hegado a ra, Bramante nao pode conler es-
la exclamado :
A signora Blanca I
lilla lucarna, disse a filha de Visconll, cu-
jo porte magealoao era aind. realcado por u.n
severo trage de amaaona / Penaei qne smenle
numero deaaaele..... quando de repente um luiiuha preaenca poda.eparar o mal que se lem
so... de sino relu.ubou ua pona. I procurado faier a roaao amo, aervludo-ac de
Dessete repello elle com alegra, leras meu uoine. Penaei que a urna allegaco publi-
mano achava-so alguma cousa indclluxado.
Oque Ihe poJerci alisnear, he, que dentro
em brevo, tcren.os no nosso (neatro, mu.la
desordem, muita paucadaria. lio verdado,
como um proguoslicoa ossa minha prjposi
(ao ao lindar-so liontem o ospectaculo,
quando todo o povu deslillava-se polos cor-
redores do theatro, houveram suaCimplica-
rrs de Sucos entro o leu 'lite, du polica,
Almeida, o o deputado provirltial J A di
Costa por motivos de ceitis antipatlijas.
Ja em urna das init.has ullmas, lli 1 falhi
no cupido martimo, quo daqut purtij no
vapor kolfmlio : agora devo qui transcro-
vor-llie um primorosa quairinha, que c.loa-
ca coiivinh. urna dcuegacao publica. Pen.ei
cu. fin. que aomente uina palavra pronunciada
por mim em Veueza poderla salvar oconde de
Carin.igiiol 1. e vou a Venesa, onde essa pala-
vra retumbar to alto, cu o juro, que a Italia
inleira a ha de ouvir, e que depois desse mo-
mento lod. a confuso ser impoasivel entre a
111.postura c a verdade. Esla auco he arrisca-
da, be.n o sel, mas Oeos me chaina e eu obe-
dece voz de Dos !
bramante ealava aniquilado de sorpresa e de
alegra.
Estis promplo? dlssc Blanca com voz
doce.
Se eslou promplo......cortamente que cs-
tou promplo, respondeu Bramante, ligelrau.en-
Ic alordoado. lleu cavallo esl ah j sellado...
poi, so ou acomp.ubado, eu ia partir.
Elle dcspcdio.se do Irmo porleiro, sailou
aobre o cavallo, e obedecendo a un. sigoal de
Blanca, foi collocar-se Junio della, entretanto o
escudelro ficou uin momento parado para ad-
iar entre ai e elles urna distancia de mullos
P* Bemavcnlurados antos do Paraso, disse
tramante com sigo logo que se poz J cain.ol.o,
se ordea ju.loa, interceder. junio do Deu.de
bondade e de mi.ericordla para que o meu de-
elmo-setlmo frade seja canoolsado .
riM PA SIOUHDA PATE.
em breve cessar meu mal._
Tenho ja um lindo carian de convite para
o baile monstro do dia IB, c se o drfluxo me
deixar, l me leu. a coinpanhia Eatou quasi
comprometlido a nao descreve-lo; mas assin.
mesmo nao set se cutnprlrei, salvo se a. bellas
me pedircra, porque neste caso, como resis-
tir ?
He dado n:io por todo o eorpo coniinerclal,
mas si... por alguns negociantes, e ten. lugar
na casa uovamentc preparada para o cnsul dc
S. M, B.
Est-tuc parecendo que o tal baile lem um
siini-caracler deplou.aia-Luzo-Brilanico- aeai-
si.n for, terci dc aprender as formulas deplo-
mataa doa graodea circuios ; alud, que nao
dou inulto, como o ...cu Udo corporio, para
a. cortes.las deploinatas, que exigem, alm dc
certo ar de corpo dc jogador de espada prla,
juntas crreme, e beu. azelladas. Veremos
como me dc.envolvo n'uin cnsaio, que quer.-i
ler.
Anda nao coineryaram nesta capital os Ira-
balboa cabalsticos. Dizem-iuc que a oppnst-
co nao se apresentst, e eu o II tamben no
Argos ; mas leinbrado deque este amigo sona-
ba as'vcaea co.n os leilores, e de que quaudo
galo eugeia caco, he por que este leo. fur.nl-
gas, nao pusso acreditar anda til cousa. Es-
lou beu. ceno de que se o fuer nao he temen-
do a derrota, porque o ganho te.n-no elle cer-
"1 '
.EPILOGO.
L3 lS\j'ia3 EmSCiiS.
Tres eorico'es dedicados.
Era J noile quando Bramante e Blanca en-
traran, e.n Venez.. Elles alraveisar.m a cida-
de com umpaaao rpido, ambos silencioso., e
p.raram smenle quando ebegaram a pr.ca de
aa M.rcoa. O palacio do do,e, oa monumen-
tos auuiPluoaos, as duas graodes columnas que
,e Icvauav.m na paca, alloogav.m su.a sora-
br.s sobre a calf.da, a qual alvejava, como
u,na loalha de prala, deb.ixo dos ratos da la.
Es.a luz calina c melanclica, casas conalruc-
cea a que o alinelo da noile dar nao sei que
de grave e de magesloso, o ruido surdo mon-
tono, quasi iuseusivel que l.nc.va ao looge a
resaca do Adritico, lodo esae espeelacuio pe-
netrava a alma e auginemava os acuilmemos
dc que eslava dominada, a alegra ou a triste-
za, a calma da fellcidade ou o furor do deses-
pero.
Blanca, sem procurar explicar suas sensacues,
achou um goxo amargo e.n revlver em aua al-
ma a dor que lorlurava, e o proprio Braman-
te pollo que aua nalurcsa esencialmente ma-
terial e positiva o poicsse ai abrigo d>: uicdi-



"V
lo, mu talvc. quelra dar nn noli ao par-
tido dominante, que beui podl em retribu-,
cao ceder-lhe o reliante da provincia.
lian, por boje. 8ude e patacos lhe desejo
PERNAMBUCO.
- -^
CAM\!U MUNICIPAL.
SESSAO* EXlRAORD|NRIA DEM DE SE-
TEMHRODE loa?.
Presidencia do Sr. Barrei.
Presentes os Srs. Barros, Mamad", Fran-
ca, Prea Ferrein, e Figueitedo, faltando,
por doente oSr. vareador presidente, abrio-
seasoss.lo.foi lid o approvada a acia a ante-
cedente.
Foi lldo o segulnte :
EXPEDIENTE.
Um officiodoExm. Sr. prisiJanto da pro-
vincia, de 26 de agosto ultimo, convidan-
do a cmara a assislir ao cortejo no da 7
do corrento, nniversarin da independencia
do imperio, na sala do Tribunal do Relacao
Inteirada.
Outro do mesmo, respondendo, com as
informarles em original do fiscal do col-
melo da ornes verdes, e do respectivo a-
gente, na freguezil do Poco, o ofilcio des-
camara da 17 de agosto prximo lindo, cm
quo lhe re.iresentou sobre a falta de abaste
cimento de carnes verdes na quella freguo-
za.Que se devolvessem a S. Etc. ai infor-
mac,0es, disendo-lhe que ellas nflodestrocm
a participarlo que fez o (iscal da menciona-
da freguezil da falta do abistecimenlo do
dito genero, c, polo contrario, dio como
causal de leoiehante inconveniente o ser -
quello lugir distante deata cuide, e imo-
rosid.de da condcelo do mesmo genero ;
em vista do que anda rogtva a camiri a S.
Exc. providenciasse de modo quo se nao re-
petase tal filia.
Outro doadvogado da casa, informando
sobre a representado do administrador do
Cemiterio quo, na falla do declararlo do re.
gulameuto especial, que o art. 7, do reg-
lamelo do cemiterio julgou necssirio pa-
r de Huir algumas cousis que nao foram
definidas, m uevia recorrer aos principios
geraei reconhecidos na legialacSo do p.iz
e que oslando a cargo do mesnio adminis-
trailoros assentamentos dos obilos dos que
leem s ipulton no cemiterio, dce olio p-s-
lir cerlides disso mediante aqU'lle emolu-
mento que por ceiiides he esiylo pagar-se,
alias SBaem tienelicio do particular que
requer certides onerar o empregado con
um tiahaflio, em Iguns casos tem pesado :
cilava o decreto de 28 de junho de 1836 em
abono deste principio e conclua disen lo
que pira di-suar-se lodo o escrpulo dcvii
a c.'iiiin sugeitar apruvacSo do Exm. pre
lidente na provincia a decisao que liouvesse
de tomara respeilo.Addiadoala appari-
5J0 da reforma do regulamento iio cemite-
rio.
Outro ao mesmo respondendo sobre a
cousulta que fez o lisc.l de S. Jos a res-
peilo da inlelligencia do art. 4, til. II das
posturas que, nao fazendo a dita postura dis
liocc.no comprelieode em sua geoeralidade
todos os i-IV M >- commerciaes que silo 1ra-
zidos ao meriM iii para seren vendidos li-
vromente aos consumidores. -Adiado al se
apresenUrem as posturas addicciomes que
e esia > confeccionido.
Ouiro du nicsn.o respondendo lo olllcio
desti cmara do 3 do cor, ente que, a ques-
tflo sobre quo parece ter S. Exc. mandado
ouvir i cunara, consisto om siber quil a li-
nlia divisoria desle municipio com o de 0-
linda, e se os lugares onde esto os talhos
mencionados pelos conlractadores das car-
nes verde*, silo portencentes este munici-
pio ou lulo ; oque tendo a lei provincial n.
f 17 failn peilenccr ao municipio doltecifea
Iregueria do Poco da Pauella, n a parte da
Un i Visla que perleiicia aolde Olinda, e uiai-
oado us limites do Ues fn'gurzias, se na
comprebensBn dealii ficmi os tainos, csiSo
estes sujeilos as disposii;es do regulamen-
to leilu paia i xecuc, o da lei provincial n
78. Jlandou-se remeltcr a iuformarSo e
os papis que com ella tem.rel.fSo ao lis-
cil da lio .-Vi-la e engenheirn Cordcador pa-
r, dirigindo-se ao lugar em queestau .Mina-
dos dilus laidos, c leudo a aliene..lo a le pro-
vincial u. 117, uilormarem sobre que terre-
no asaentam os talhos se desto ou daquel-
le municipio d'Oliuda.
Outro do 2.' lenle cncarregado da me-
die, o dos le renos do inannlia, pedindo que
a Cmara nomeasse pessoas de sua parte pa
ra assislir a uova medicSo o demarcaclo du
terreno de maiiuha n. 168 e 168-A-, silo em
Fora do Portas, a leste da igrej do Pilar,
deveodo essa pessoa onlendor-se com elle
antes Foi nomeatlo o eng'iiheiroCnrdi.dnr
e in mi.ion- v isto mesmo communicar ao
encarrilado das medices.
Outro do presidente do consellio do Salu-
hridado fazendo ver quanto pode concor-
rer para a insalubridade as aguas quo perd-
o cbafariz n|largo da Itibeira, que se cou-
-iv i ni estagnadas na supe licie do terreno,
e pe indo houvesse a camarade dar as pro-
videncias contra isso. Que se ofilciasse
udmmialracOo da Coinpaunia de lidenle,
transmiltiudo-lhe o expend jo pelo conse-
llio, e pe.dindo-lhe traUsse, quanlo antes,
de rerauversemelnanle incooveuieiite,iiSosi
limitando a providencia que houvor de lo
mar na abertura do reg de que falluu eai
sou nllieiip de 17 ile jo mo ultimo, por ser es
e nieio nnpiolic.io.
Outro do mesmo, observando quo a faci-
lidade que ha em so infiingireiu impuui-
mente as posturas vai animando aos que
desejam especular com a homooopathia, pois
i|ueja nSo lie. soinento Francisco de Paula
Carneiro lulo, e Cousset Bimon que pu-
blicamente exercem a a aile de curar
sem ttulos, nem conhecimonios medcus,
apparece tambem Francisca de Puala Pires
itsinoa Jnior, ollerecendo-se, nao s para
exercer essa arle, como a fornecer medica-
mentng e dizendo que se os lisc es so em-
penhasaem em fazer cumjrir as posturas,
esses infractores nSo podenam afinal resis-
tirs mullas. Que se es.iondesse ao pre-
sidente doconselnoque acamara nSo se tem
olvidado de providenciar a resposto de tal
infiaccS", rerooimendando constantemente
)aasiTSasBataa7aaaaaBaasr^s"Ma'i-u'1 jijnwa'
taces melanclicas, nao pode subtrabir se
Inllucnci. que lllrla a alma lerna e iinpreiilo-
navel de Blanca.
Siguoral cirlamou elle moslrando-lhc
com o dedo o palacio dos dogci.....
Oepuia caln-sr, como assoiubrado de sui
voi na calina profunda da cldade adormecida.
Signora replicn elle com uina eialK-
cao conli'ia, esta vendo ella praca, esse pala-
cio magnifica, no qual irm repoucado luccet-
.ivameule lodos esses dogea celebres, cujo no-
nie leru levado to longe a gloria de Venen,
canas columnas mageslosas no vrtice dasquaes
paira o lefio a lado de Sau Hircos, como para
deacobrir de inals longe o inimigo que ousai
e atacar sus cldade bein armada? Esi< rendo
l cm bailo essas cpulas de reflexoa de prata,
esses campanarios agudo, reudas.ie pedra aira-
ves das quae sciotillain as estrellas do co co-
mo oa olbos de una domella deb.ixo das pre-
gas de seuvo 7 Est ouvlodo daqui a quena
eterna do mar ao p da cldade de tnainaore que
elle acaricia toda inleira com um abraco amo-
roso ? Pola bem esses monumentos esplendi-
dos, essea palacios encantados, esse mar pode-
roso do qual oe tem frito um escravo aubinisso,
emllin todas essas in.ravllhas que fuein d
aos fiscaei a obiervincii da Poituri, que
de novo o tornirii fuer.
Outro da Manuel Antonio di Sllvi Anlu-
nei, juiz de Pxdo 1.' diatrieto di freguezil
de8. fi.-l Pedio Gon$alvfg, prupoudo o ci-
.lnil.li> Minoel Aloxandre Gomes da Mnllo,
pin escrivilo privativo do mesmo juio,
junlindo lulorisaclo, por copla, que
pin isto obliveri do juiz de direito.
Que te respndelas qua icimiri deixi-
vi de ipprovar a propoata por julga-l des-
necessari porgue sendo o propoalo escrl-
v.lo di subdelegioia diquella freguetia, po-
de iccumular uerivaoia de Paz, coma
esli iccumulindo, independente deappro-
vacSo da cmara, como permute o irligo
19 do regulamento n. 120 de 31 de suturo
de 1812.
Outro do fiscal Claudioo Benecio Machi-
do, communicando que passav ao exerci
ci deste emprego, por o haver o governo
i m por i I, dos.ie usado da comm isso, de que
o bavn encarregado.Que selhe resnondes-
se lleava i cimiri inlendidi,e se ifliciisse
10 su..pente parac essir de funrciunar, eso
parlicipisse io coutidor.
Outro do procurador, ipresentando o bi-
lanco da receiti e detpeza municipaesno
me/, do agosto ultimo, e igualmente o ha-
la neo especial do ceosilerio, do trimestre de
junho a agusio.--A' commissSo de polica.
Outro do adininistiador do cemiterio, re-
mcltendo nota dos presos dos cirros f-
nebres que. nni luzrnm cadveres ao cemi-
terio do uiez de igolo ultimo, ni impor-
incu 430/rsHindou-se remetter io pro-
curador pin cobrar do emprezario dos di-
tos carros os dez por ceoto.
Outro do vigirio do Recife, remetiendo
o mappa demoostritivo doi biptisidos fei-
tos niquelli pirochii no 1.a semestre deste
nno.--Quo se archivasse.
Oulros j/ do fiscal de S Jos apresen-
lando os mappis do gado moito para con-
sumo as semanas de 23 a 22 de agosto, de
30 do mesmo a 5 do corronte; e de 6 a 12
deste (l6l) rezes, inclusive 61 pelos mar-
chantes nulsos--Quo se irehivassem. Foi
1: la u.na inl.rni.ci i do fiscal suppjente
que estove ltimamente om exercicto na
freguezta da Boa Vista, relativa i pelicSo do
ctual arrematante, da (Teric3o, em quo pe-
lla ser ser relevado da multa que lhe impo-
zera, e lguns laverneirus daquella fregue-
tia u referido fiscal supplente, por inexac-
liddes que disseeste achan em ilguns pe-
zos ; orcsolveu a cmara se ordenasse ao
procurador nao procedes) a cobranca des-
sas multas por terem urna origem viciosa.
O Sr. pro-presidente propoz a emissao
do tiscal da Munbeca, allegando ter sabido
de i esoas fidedignas que Uvera elle um pro-
r ''lmenlo irregular no cumprimento de
seus devore, e fui approvada i na mesma
occosiau o Sr. Franca requereu, e foi ap-
provado quo se ofliciasse ao subdelegado
daquella Treguezia, e ao juiz de paz do lu-
gar em que residi o fiscal, pelindo-lne
informassem quae os abuso pratiridos
por esse lunccionario, para, visti dos fic-
tos, se proceder contra elle. -Estiveram em
nraea os mpostos de 500 rs. sobie cabeca
de gado vacum ; da alTericao ; de medidas
de larinha, do mscales e boceteiras, e oa
alugueis das casa da Solidsde e Itua Impe-
rial, e foi somente arrematado o I.' por
Jos Lucio Mouteiro da Franca, por 13:100/
rs. por anno, sob fianza de Joso Goucalves
Feneira e Silva, eJoaquim Lucio Mouteiro
da Franca; o o i." por francisco Jos Aires
(.aun por l.iiu.'i's ; sendo seus,liado os
Antonio Litis Cald>s, e Pedro Jus Ciroeiro
Mouteiro, licando os mais objeclos para se-
i em arrematados ua sessao seguiute.
Uomingus Jos Pereira da Cosa arremi-
lou por 1:280/ r. a obra dos melnoiamentos
io a^ouguo ua Boa Vista, ub Tunfa de Joso
Peres da Cruz.--l)espaclisram-se as petifAes
de Antonio Valennm do Sanio, de Auto-
uui oncalves do Mories, de Autonio Gon-
c-'lvs da Silva, de Deiliui Mana Felippi,
de Jos Joaqun) Pereira do liveiri, de
Jo.iijuiiii Ferrein de Araujo Guimir3es, de
Joaquun da Silva llego, do Vigino Louren-
i;o t.orrea de Si, de i.uzia Friucisca Nuues,
de I). Hara Francisca da Gusta, de M noel
da PaixSo l'aes, de lliomaz de Aqqiao Fou-
ceca e levimou-se i sessao. i.o Mauoel
i'cireira Accioli a escrevi no impedimento
do seciclario.--Declaro em lempo que o Sr.
venador .Mame lo votou contra a deliberac.9o
da cmara de mandar ordein ao procurador
para nao proceder a cobran; das multas
empregiidas pelo fiscal interino que esle-
vo cm exercicio na Boa Vista, uo aferidor,
o em oulros individuos.--Accioli odeclare
Barros P. P, Figueiredo, Mamede, Souzi,
Ferrein, Franca.
mol que folie miis perturbado o socego pu
tilico em outro lugar alm do da Ganind,
cuj oceurrenela noticiimo da vex pis-
udi.
O peridico Cianiui tinhi suspendido a
toa publicico, promi'ltando reippirecer
era breve, a loga que illi ehrgiise urna lm-
prensa, que pala respectiva radicela ara ai-
perida, de fon di provincia.
A alfaodga di cidide da Fortalaxi rendeu
ora n moi de agosto prximo psssado rii
53:8*7,040.
Quinto i Pirihibi referimo-noi a cari de
nosso correspondente.
Communicado.
'-v'aa.TaMrsraaarraaWaEB
Thesounri da fazend, infrmelo do ins-
pector di mesan tbeaounril relativo lo ro-
querimoiitodn Mmoel Luiz da Veiga emiis
herdeiros do finado Veiga, anbre terna de
mirinha em Sinto Amaro; nsim como o
termo de irreroatacSo da ilhi Arict ue el-
le junlaram no sea requer monto,portanto :
Pede a V. Ese. deferimenlo.
E H. U.
Recife 11 dasetambro da 1892.-Rufino
Jos Fernandas de Figuejredo
Pisie. Pal.co do governo de Parnam-
boco Kdeselembro de 18S2. Ribelro.
Em cumprimento do despicho retro, cer-
tifico ser o pirecar fiscal, loformicto da
thesouraiii de fazenda e termo dearremi-
tac'o que pede osupplicinte dothiorse-
guinte:
Auto de arremiliQllo que faz o padre Filip-
pe Ribeiro de Brito, como procurador de
ti. Therezs iril Jos, viuvi do mostr
de cimpo Josa Viz Silgado, dis trras
que fonm dos padres Jesutas, em que
tem cortume e coqueiros, pel quanlii
de 185/oOO rii, dinhelro i visti.
Anno do niscimento de Nosso Senhor Je
MN
Ferido linda do miis profundo a doloro-
so sentimento pela irrepirivel perd de mi-
nha presada esposa, a quero un long e
penosa enfermidada pos termo i sui pre-
ciosi existencli, e timbera pela perda de
tres filhinho*, devedor de innumeriveis
fivores e obsequios rocebidos de meui ami-
gos que, recorihecendo as difficuldidet a
priviroes i que se ichi exposto uro pal de sus Christo de 1713 soi 7 diis do mez de
familias, baldo de meios pan lutlenta-la, dezembro do dito inno, nesti villa de
nSo trepidinm em offerece-lo a quera so- Santo Antonio do ftecife de Pernambuco,
mente procura velar sobre os innocentes sendo no collegio. achindo-sa prsenle o
filbinbos que tiveram a des lila de perder lllm. e Exm. conde copelro-mrgovermdor
a rarinhosa mSi, quindo dalla mal pre- ecipitSo general delta cipitinil e miis in-
cisivim, seris o homem mus ingrato e hens, presidente da novslunla estabeleci-
nrgulhoso se n8o procuraaie dar ao publi di por Sua Migeatade Fideissmi, que ti>ot
co testemuoho de gritidJo pira com aquel- guarde, e mais membros e deputidos dola
les dos ineus smigos que se dignara) en- pira as arreciilacei, arremiti(Oes e mais
cher-me de favores em tilo criticas circums- dependencias dos bens que foram dos colle-
tanciis, principalmente para com a actual glosdesti repirlicSo, e lioje pertence sui
transacta mesa da veneravol Or >em Tercei- eiecjQSo o confisco, pira cojo fl ai mau-
ra de S. Francisco, com eipeciilidide para dirim por editiei publico! por esta praca,
com os Srs. tx-ministro Theodoro Machado cidide de Olinda e mais psrtes desta e ou-
Freire Pereira da Silva, a o actual Jos Hy- tras capilanias, pala com esta noticia a Do-
lida e impossada da referida torra em que |
el. tem corlume.coquelro e cisas de viven-
da : poderi as lograr e possui-lis como
"suis do dia de sua arremalacSn ern diante
pira todosempre, ni mesma forma que ai
lognvim o padres jesuta, por li e seus
herdeiros ascendentes e descendentes 4a
poz delli vieren) um contndictjtla da pes-
soa aigumi, a sem que por isso lhe sej
Impedido nem eoconlndo por pessoa alg-i-
ma, pan o que se lhe passiri scs instru-
mentos e cerlides necessarioi dindo-se-lho
posse ni f mi da lei pelo eicri'So nomeido
adeterminido para lulas as diligencias res-
pectivas dos dilo collegios desti reparti-
eseFrancisco Antonio de Brito, que esta
subscreveu pois tambem he ttbeliSo a
quem as mesmas posses pertencem. 1.1-rei
nosso senhor ominiou pelo lllm e Exm.
conde copeiro-mr govermdor e cipito ge
niara I deStlS capitanas de l'erna nhuco o
l'irahvha e mai annexis, presideole e mail
ministros di nova junta, por quem esli pas-
sou e vai assignada.
Dida e pusida nesta sobredi! villa de S
Antonio do Recife. Gapilania de Pernambu-
co ios 10 das do mez de dezembro do anno
do nascioiento de Nomo Senhor Jess Chris-
to de 1773 anuos.
Paguu-sede faitio delta por parto da dita
arrematante D. Therezs Haria Jos, e a cujo
requer mallo se lhe den e piSSOU na for.ua
do coudo 2.360 rs Fnncisco Antonio de
Brito,"escrlvSo de sequestross subscrevi.--
Conde copeiro mor. Bernardo Coelho di
Gima Casco.Miguel Cirios Caldeira de Li-
ma Castalio Brinco.Joilo Lobo de Licor-
da.Jos Theodoro da Lemoa Duarte.
Auto ii pone.
Saibam quintos este publico Instrumento
deauto de pona ou comoemdireilo,pari sui
validado melhor no ne e lugar hsja, vi'em
Providencia : assim, pois, receban) o mous te se ipregoim todos os das, que se fazem
amigos e irmaos di veneravel Orden) Ter- juntas, e pan siberem o laufos que te-
ceiri que tanto le interessiram em suavi- nliim ilguns bens e se estivam nos termos
tir os meus solTi imentos, bafrjando-os de se polerem arrematar, mandarim jo
com o sopro divino da beneficencia, os porteiroque apregoasse os sitios aterns da
meus sinceros protestos de gritidSo ere- banda do burro di Boa-Vista, buicaodo S.
conhecimento, licando certos que jamis Amarinho, em que tem D Thereza Mirla
serei esquecido a tantos beneficios, seja Jos bemfeitoiias de cortume e coqueiros,
qual fr o estado em que i sorte sprouver na liba chamada dos Aracis, e achando-ae
collocir-me. presente o reverendo padre Filippe Ribeiro
E VV. SS Srs. Redictores, publicando de Brito, como procurador da diti D The- -
estas breves linhas muito obrigaro soan- reza Maris Jos, viuva do mostr decampo fd'1' PT S venn'm|,lle8r. I"8 sh ll,e
Jos Viz Silgado, lancou na dita trra ris tomarla saurequenmento, e por nao haver
tabelliSo fui vindo e juntamente o reveren
do Dr. padre Felippe Ribeiro de Brillo, co
mo procurador da sohredits para lhe dar
posse da uita Ierra, pela haver ai reinal nl<>
em prac, pira dita sui cunstiluinte, e con
1 effeilo em tramas pela dita Ierra eo dilo pi-
f dre passando de urna parta para outn, to-
mando lern e boln lo-a para o ar, cortan-
do arvorese plantan,lo outris, diiendo em
alta e intelligiveis vozes, se havia pessoa ou
pessoas, que duvidis ou embargos puzossem
dador da Ordcm terceira daS Francisco,
Recife 5 deoulubro de 1852.
Joaqun de Sonta Teixeira.
Correspondencias.
Sri. redactore Leudo em um doilornaei
que se publlcain nena cldade a aiseveraclo de tjr conleslir e pela pirlo de |e9te com
que o reaultadoi obtldoi em favor da Juttica' r0 Cipibaribe na firma que o toyravam o
que coroaram as diligenciai a que procedeu piire jeiuilas que pagivi de foro cida um
polica, para o dricobrimeoto do cadver da auno 4/800 ris, a o porleiro contiouou,
180/000, dinhe.ro a vist, cuja trra con- qni duviJa ou embargos puzessem a dita
irona pela parle do sui com a estrada que *ois,e lha dei r**1' ,lelu,lre P80'1; lo l0
val pira o Recfe e para S. Amirinho, fa- ,e deu f" 'Possido, e fiz este auto de pos
sendo circulo pela pane do oeste com a e quaassignou dito emposs.do sonlo pre-
mostna estrada que vai pira S' Amarinho *enle? Por testemunhas SebasliSode Arru-
incluso os mangues; e pela parta do norte J 8'oSo Francisco que todos .ssign.ram.
com os mangues, com quem houver do pir- E eu- Francisco Antonio de Brito, tabelliSo
de publico judicial e ola da cidade de
(Huilla o villa de Santo Antonio do Recife e
seus ic-uios.
Gapilania de Pernambuco por Sua Miges-
i'ulcllz Mara Leocadia, ...as.in.da no lagar da dizendo' :-185/0O ris me dSo pela tem' lade Fidelissima que Daos guarde: Ateste
P r.n e dos a.ore de.te Une, foram de- cima confrontada ; ha quem mais d ? se- ul ue P09se 1ue "! Pub,IC0
riraoga, e oo. autores ue.ic m nil afrnnta far-n fina Blala de m,,us SlgnaeS SegUlnteS de que USO.
rldo, ao promotor publico, torca he confe.a.r nSo a*****?****** Ejt,v. o sign.l pubUco
dou-
merece o empregado publico que cumpre o
seu derer, Dio sao menos dignos delle o Sis.
Drs. chefe de polica e delegado do prlmelro
dislrlclo, que em lodo este negocio ae teem
mostrado lollicitos e incansarels.
Recife 6 de outubro de 1852.
Alilio Jote Tavara Ha Silva.
Srs Redactores. No annuncio qua fiz
publicar no Marta de Pmimbuea e Impren-
ta, fritando sobre o terreno do sitio .u.ica,
gnal pu
Em testemunho de vi lu lo -- Fnncisco
Antonio de Brito. S'bast,lo Arruda Coe-
Iho.JoSo Francisco Salgado.
Sello n. 869. Paguu 260 rs. de sello.
Recife 10 de uurco de 1828. Ferrein.
GalvSo.
Parecer fiscal.
AU un 'Hilo, que a sentenc de folhas nSo
DIARIO DE PERNAMBUCO.
RECIPE UEOUTUHRO DE I8S2.
Enlrou boje do norte o vapor Pernambuca-
na, e por elle recebemos noticias do Par,
.MaranhSo, Ceara e Paraliiba, quealcan^am
a 18, 22 o 28 do passado, 4 a do presente.
as pirochias do municipio da cidade de
Beleui, e nutro contiguos, zoram-se as
eleicOos do da 7 de setembro passado com a
melhor ordem e socego.
No da i o do refenuu mez, abrio-se all a
assumbla provincial piraense, e no dia 12
assislio o presidente da provincia, noarraial
de N. S. de Naz.relti, ao lancamento da pn-
moira ped a da nova igreja destinada aquel
la glonusa virgem.
O ex-prcsidente, r. Fausto Augusto de
Aguiar, foi obsequiado com um segundo bai
le, que leve lugar nos saldes da sociedade
l'ei i'.ie.ni Paraeuse- no da II, eao qual is
sistio numeroso concurso dos habitantes da
capital.
A altan lega e mesa dn consulado do Pa-
ra ieii.leram em lodo o mez de agosto ris
61:393,411.
A'cerca do MiranbSo nada temos a accres-
centar ao que communica o nosso corres-
pondente em sua caria exarada em lugar
competente.
No Geara continuaY a funecionar assem-
ble. provincial, udassuas gazelasnSo vi-
em obsequio verd.de, que, se algn, elogio nao icho, se miis achara Mil lomara, dou
.------2 .,nredo nuldlco oue cumpre o 'n8 urna, dou-lhe duas 11 tercera : h
quem mus d? senSo arremilo, e conti-
nan lo com o dilo lanco e pregSo repelidas
rezes, eler andado ha muitos lempos em
pra^i aem que houvesse quem outro miior
lanrjodssn; se mindou ao po teiro que
ifroutasse e irremstasse, o que por elle foi
satisfeilo, mettoudo um ramo verde na
m9o do arrematinte, dizendo: bom pro-- reconhecsu perleocer ao supplicante o do-
veito lhe faca : pelo qual foi logo contad, minio directo do terreno, lobr-i qua ques-
aquaotia eprecodesua arremalaco, que tionaram, o qual ho evidentemente de mari-
e mandju entregar ao thesoureiro Antonio nhi, bem como o auto de arrematicSo do
Pinto, que, acn.va presente, ordenando- >nesmo encern express. cl.usula, de que
uja posse tanto lesej.m sustentar os her- sa meltesse a d,la quantia no cofre a que transferido na forma que ognvim os
ero do finado Minoel Mu>z di Veigi. so perlencii pin se lhe carreg.r em recei.a : paires jesuilas osqu.es pagaran 4,800 ra.
moanimei a declarar que .inda nao Sativa 8 pelo arrematante foi requerido se lhe de oro annuil, parece-me, queossuppli-
reconhecido pela thesouraria da fazenda o mandasse dar sus carta doarrem.tacSo oa =""os Pl l"r! posse em que se ach.m,
dominio directo que os mesmos herdeiros frm. do estylo, para seu titulo, que se lhe de*em ,,B 8J P" eridos na c.ncessao do
dizem ter no referido sitio, provindo exu- mandou dar, e essignsram com o arrema- Ju aforamento, satisfazendo alias todos os
h.........i... r.i.. ., berantemente ossa falla de reconheciment tanta, thesoureiro a porteiro. loros, q
com o respeilavel despacho do Exm. Sr. Eu Francisco Antonio de Brito, escrivSo, I '
presidente di provincia, de 30 de agosto que o escrevi. Eslava a rubrica do lllm. e
prximo lindo. Exm. conde copeiro-mr governador e ca-
P.recia portanto que o Sr. Minoel Luiz da pi tilo general dest.s capitanas de l'ern.m-
Vaiga pro ondo-so a demonstrsr, como ten- buco e Pirihyba e miis mnexas, presiden-
t"ii faze-lo com correspondencia insera no (e di nova junta e fisco real.Gima e Cisco
Liberal Pernambucan'i n. 16, competir-lhe c Caldeiras. Barros. Lacerda. Lemos
a seu irmaos esse dominio, e referin In-sn Duarte.O padre Filippe Ribeiro de Brito. mente haviim feitoio Exm. antecessor de
so mesmo lempo arrematarlo feita fa- Antonio Pinto.Ignacio Nunes Machado. I v. F.xc. a\ttni80 achav.m no arcuivo desta
zend. real em 1763, nSo se deveria esque-Segundo que tu lo isto assim e tJo cumpri-1 thesouraria com os mais papis, que a elles
cer de publicar n mesmi occasiSo nSo s da e declaradamente secontinh e decan- se referem, em obs-rvincia da dccisSo do
o lerjiu do til arrem.tacSo como tambem ri j e era, outro im, conteudo namdo, I niesmo Exm. antecessor de V. Exc. no ofli-
algum documento maisqueporventura tives eicripto edeclsndo em dita apu lauta, ou ci de 16 de abril dn anno prximo passado
se, o que servira muito tanto pai. .v.na-1 proeurafSo, e auto de arrafnatafSo a que, constante da copia juma e submettoido. V.
ceracmnreheosesquo o despacho,eoSono inserto e declarado, e em virtude d qoal a E,c- o parecer do actual procurador fiscal
Inlormacio do inspector di thesouraria da In-
unda
lllm. e Exm. Sr.Devolvendo a V, F.ic o
requerimento de Manol Luiz da Veiga c ou
Iros herdeiros do fallecido Manoel Luiz da
Veig, a que acompanham os que anterior-
meu annuncio, podessem causir ao respei-'em seu cumprimento pela sobredita arre-
tavel publico, como para animar alguem matante 0. Thereza Maria Jos.viuva que II-
a comprar o silio do Maca. NSo quiz, po- Cou do mestre de campo Jos Vaz Salgado,
inuriiiurou due.ell. cun mu i vo desespera-
\ iriiios para 9.lva-lo, e no) o salvaremos,
nao he ?
Pelo menos, 'rripondeu o soldado com a
iinpas.ibilid.de de uin homem .costum.do a
contar cuma sorte ; pelo iiieuos fareino. ludo
o que lu preciso para isso mas antea de lu-
do cumpre que vamos caa de Alienadla, vos-
ea irma, para saber o que ae ha paasado de'
pois de iiuiili i partida.
Minlia inua. I.....eatou anciosa por v-la.
disse Blanca. Ah quanto folg.iei de .perta-la
em ineu. braco. I
Elle ae poter.m outr. vez em marcha alr.i
ra das russ estrellas e tortuosa que fcav.in
Visinlias praca de San Marcos.
P.issados alfiiiis instantes. Bramante p.rou
em frente de uin. o.s., ouja sacada eslava ebeia
de esculturas que rcpre.eni.v.Mi aujol, fallas
de .zevinho de pootas esplotiosaa, f.ades oom
o capuz n. cabec. e cuodeinaado., cereado. de
ch.imn.s, em una palavra, toda poesa to
fallante e lio variad, d. media idade.
No prlmelro andar desia cas, urna lu brl-
Ih.r. por tradas cortinas da jauella.
Bramante (leu duas p.nc.das na porta com a
-inacaa da eip.da. Dina reina veio abrir e dis-
Vrnez. a rainli. dol marea, ludo isso nao seriafse-lbe que sobisae ao priuir.ro andar. Km um
mais a repblica de Venes, n C.rin.gnol. o monieuto elles ae cb.r.mem pre.enc. de Sli-
tlvesse querido .'... entretanto em poucos dias, ch.ella. Pela pailidez, pelo abatimento de >ui
.in.nbaa ulve, os seoadore. leconhecidos fa- feicoes, pelo olbar carregado de dor e de de-
rcm, o Sr. Veiga dar-se a esse trabilho
coulentando-se apenas em su. citada cor-
respondencia am ppellidar o meu pobre
annuncio de insinua;So f.lsi; em refeiir-
se s sentencas que obleve ( cuja publica -
(So muito se necessilava ) e finalmente em
sssegurar-me o Sr. Veigas quo sustentara
com seus iranios al a ultima oxtremid.de
o decantado direito que tem io terreno em
questSo
Eu, pois, desejando supprir essa falta,
proponho-me, e linda que am pouco re-
celoso di tsl ultima extremidado, i dar ao
publico o auto de arrematarlo de que le
falla, o par.'cer do digno procurador fiscal,
a entrega dealgumss ordena do thesouro
que tem applicacSo a questSo entre o Sr.
Veiga ea thesouraria da fazenda, e a infor-
mafSo desta, s3o estes os documentos qae
por agora pude nbter, e que os entrego ao
dominio de publico, na persuisSo de que a
leitura delles enteressari aos que pretende-
rem comprar o sitio Ar.(.
He seu consunta leitor
Rufino Jos Femantes i Figutiredo.
DOCUMENTOS.
N. 1.lllm. e Exm Sr.Rufino Jos Fer-
nandos dn Figueiredo, precisa que T. Exc.
por seu rcspeuavel despacho mande dar por
rertidSo o parecer do procurador fiscal da
_ Depon de am.ma., respondeu Mlcb.ella
ccui urna vo. surds.
A que hora/
Ao meio-dl.
Biinc> delsoo escapar um suspiro.
Quem ha cita senhora perguntou Mi-
cbaella.
Urna domella que ama a Francesco Car-
magaola como a uin Irmio, e que quer aj untar
leu. e.forco. ao nosso. para salva-lo.
Seu nnine ? perguntou Hichatlla lanfan-
por seu bastante procurador o reverendo
padre Filippe Ribeiro de Brito, foi dito pe-
dido e requerido que para poder tratar de
sua posse, e para co iservacSo do seu domi-
nio, direito e juslica dar e fazor dar a sua
devlda e verdidein execucSo, e a todo tem-
po constar de como havia arrematado em
praca publica a referida lern do sitio em
que ella dita arrematante tem bomfeitorias
de cortume, arvores de fructos e coqueiros
contenda om seu mesmo auto de arrema-
tacSo inserto lhe mandasse dar e passar sua
carta de arrematadlo con o theor do titulo
e documento a que Ihes pertencem, a suto
de sua erreaiatacSo, e por ser assim justo
conforme o direito se lhe man lou dar e pas-
sar, e he a presente pelo theor do qual
mando a todas as sobreditas minhis justi-
tas, ministros e pessoas olliciaes dell., ou
a todos aquelles a quem o conhecimento
desta Derlencer que sendo-lhes esta apre-
sontada o sido primeiro por elles deputados
da referida juata assigoado a cumpram e
guarden), e a facara muito inteiramente
ciimprir e guardar assim e da mesma forma
e maneira que nella se conten), requer e
declara em seu cumprimento e ioteiro vi-
gor e sui execufSo l hei a dita arrematante
li. Thereza Miria Jos, viuva que ficou do
mestre decampo Jos Vaz Salgado, por si
ou por s ni bstanle procurador, por inves-
efles so tlnh.ni coberto de urna pailidez mor-
tal ao ouvir pronunciar a palarra tortura i oh
bramante, por favor, levai-a d.qul.
.Vichadla, dli.e Bramante, estis no erro
em queeuproprio eslava a respeito d.slgoor.
Blanca.
Reueclle bem no que diris, Bramante
e eiaa carta .'
Kisa caria, respondeu Bramante, he obr.
de Viscon, cujo espirito Infernal coobeceii
(ao nem quauto eu ; elle armara uin laco boa
d. sobre domella uin olh.r noqu.lbrllh.r.m le de .ua fllh., que, sem o saber e tornar.
a1 aa i _a & a fea* ^lltfh'a H ^ ibB.AMtfj*. nraana ra diia a as r _
Ja o horror e o odio, poli ella auipeilav. a
verd.de.
Seu noine ? VO) o sabis, respondeu Bra-
mante, pois o tendea atnaldleoado.
Am.ldicoado I ezclamou Blanca.
Uepoi. l.nrando-se sobre Mlcbaell. com ol
bracos henos, balbuciuu com uina voz que-
brad pelos sulucus.
( Mi ininb Irinaa I
Michaella de um salto, pa.sou de uina a ou-
tra rstreinid.de dn quarto.
Aprlucr.a Blancal eiclamou ella, Blando
sobre a domella um olh.r Inil.inmado, aquel-
la que o l.ncou nos ferros dol Venecianos!
aquella qne o entregou a niorle, loriara
tortura! estala ouvlndo, lirani.nie sim, os
senadores liierain drsprd.f.r-llir ol membroi
pelos crnicos, infame que sao i
-m Kllei torlurarlun oarchanjo Miguel, se
s.im cmplice da ti.lco infame de que lar-
m.gnol. he boje victima. Abrl-lhe os bracos,
Michaella, pola talvez reja anda inals desgra-
cada do qne vos, ella que ainava aera ser aina-
da, ella que abandona seu pai para vir salvar
Carmagoola, e qua Carmagoola aecusa e amal-
dtcoa oeste momento no fundo de sen cala-
bouce.
Elle.... elle tambem rae amaldicoa I re-
patio Blanca.
E a lagrhn. innundaram-lbe as faces dcs-
coradas. Micbaella pot-se a inira-l. rui silen-
cio, depois chegaodo-se para ella, dille com
um. voz profunda mente internecida :
Ah I sim, ella be bem Ue.gr.cada.
K pegando-lhe da uni, dliie.
Blancal
Mlnba Irmia '.....
Blanca lancou-sc-the aos bracos e durante
naa se ouvlo nada
interino desta thesourarii, que vai cobrinlo
lodos os referidos papis, passo a romprir
o despacho de V. Exc. de 15 de junho ul-
timo.
Confessam os supplicant-s que pelo direi-
to de legitima successSo a seu pai e sogro
Mmoel Luiz di Veig entraran) na posse e
dominio da propriedadc--llha do Araca-que
ao dito seu pai e sogro | as- ir i pela compra
que fizora a viuva I). Jo^nplia Mara Francis-
ca de Paula, por escriplura publica om 29 de
novembro de 1811, a ten lo esta idquerido a
mesma propried.de con seu marido por he-
ranga do su sogr [). Thereza Marii Jos,
que a houve por arrematarlo en Insta pu-
blica perante a junta da fazenda por ter si lo
essa urna das propriedades dos padres jesui
tas comprehenlida no confisco, a que se
m induii proceler em to los os seus bens pela
carta regia de 19 do ineiro de 17>n e alvi-
ra|de 25 de favereiro Je 1761, segu se que
ii.ln po lem os supplicautes ter ni dita pro-
priedade outro dominio, quo nSu seja estric-
Umonte o que tivoram seus originarios pro-
pietarios, jesuitas que foi o que o fisco fez
arrematar; e assim se transmlttio desde a
arion.tanto D Tnereza Msrii Jos a ens
snecessores, e destes ao pal e sogro dos sup-
plicmtes conseguintemento me parece que
o auto da arrematacSo, que perante a junta
da fazenda fez a dita D. Thereza Mara Josc,
he que deve regular quanlu a xtencSo e li-
mites do silio -- Anca -- e como esse auto
( constante dos documentos juntos com n n.
ein um culo, dix^ndo-as saborear a docura
amarga de unir as angustias e as aiUiees de
suas almas.
i()n ni 11 depois desse primeiro impulso de dor
e de aiUi,'.in fraternal, as duas innaes recubra-
r.m einltin um pouco de calma, Bianc. se poi
a.contemplar alichaell., e beijando-a terna
mente na fronte, dlsse-lhc.
i,*'i ini'i sois bella ininha irma ; ah I
coinprebeudo agora que elle nio leuli i podido
amar-me depuls de vos ter visto I
Nos no criamos juntos, disse Michaella,
correndo lodos os diaa pe inootanha. tendo
oa mesmo prazeres c a mesmas fadtgas esta
he a razio por que leu coracao era todo meu
e nao podia aer de outra.
K agora, disse Bramante com energa, nao
teuhatuus um s momento de dcscauco ein
quinto nao o trennos tirado das garras desses
abutresenraivescidos. Tcnlio por miin a forc.
e a cor.gein, vo, tendel a Innocencia e a pure-
ta, defendemos a causa do justo, e quando o
proprio satans, a frente de las Icgidei cor-
ngera!... Depolio capitao, vendo que espan-
tara ai dua domella coallnuou com uin toiu
mais calino.
Nao vos espantis, iu.ni.se lanas pam-
bas que sois; ein nossa llngo.gem desoldado
he ene um modo de dizer que o bom Dos el-
la com onsco,
Dos 1 ah I sim, Dos de te ajudar noiioi
esforros, eicl.mou Michaella olhando para a
ro cabir libre eU praca a beca de C.r- .esper que ella l.ncou sobre o fiel toldado, Ibei cabina aai miel! marmnrou Bramante, alguat instantes, na. te ouvlo nada m.i. que aharj "'1,"?u "-,^\,,,'%' ru,.l>a"
'agula I eit comprehen leu que nada era mudado. E he alia !,.. repello Michaella tendo .,' ai telacea tai da.i .rmaes, o. qu.es se con- S^,fJ>^*^9s - Abliiaodigali lito,, ,. nao digali Itiol. Slgnora, disse elle, em que di? olbos icinpre flloitobre a domelli, cujas fel-' fundiam. Bramante ettava Immovel e mudo^dlzil Anuanle, que uieioidct tentar.'
T
I, aos reqiierimanlos de Manoel Luiz da Vc'-
!;, e de Miguel Archanjo Fernandas Viann,
sitos io intecessor de V. Exc.) dizcuja
(erra confronta pela parte do sui coma es-
trada, que val pan o Recife e para Sioto-
Amiriano, incluso aos mangues, pela parte
du norte Com os mingues, e com quem hou-
vor de partir e conleitir, a pela parte do
esto.com o rio Cipibaribeclaro he que nao
comprehendeu os mangues, a consegoinle-
nie to os llagados om que estavam estes
mingues. Nem me parece tambem qua tal
arrematacSo comprebendesse o terreno pro-
piamente de mtrinhas, que era limtrofe
com a propriedade -litis db Anca, arremata-
da porque nto so os terrenos coberto de
mangues, como os propriamente ditos de
mirinhas, nunca se presumam dados a al-
guem sen oxpressa doat;So eseessadoa-
fSo Uvera ta virio ter-se-hia feito menrjfio
della no auto da arrematacSo, como porque
pelo tlacote arrematou lmente oque era
de propriedade dos padres jesuitas, os quaes
nSo possuiam os mangues e marlnhas, como
declirou a carta regia de 4 de dezembro de
1778.
Uo exposto veri V. Exc. quSo infundada-
ni'-iiic sa pretenden) arrogar os supplicaotes .-s,
o seiihono dieclo desses algdo, parle
dos quaes foi em 1846 aforado a JjSo Caval-
Catil de albuquerque e Rufino Jos Fernn-
lies Figueredo, nem obsta em favor dessa
preteniiSo dos supplieanles que seu falleci-
do pai e sogro nlilivsse os accordSos que
constam do documento junto com o n. 4.o
requerimento tambem aeslemnexo de Mi-
guel Archtnjo Fernandes Vianna, na li.io
que desputou com a cmara municipal de
iiliii.a rosperto dos actos perturbatorios
pela mesma cunar, municipal praticados
como por va do jurisdicSo as vallaa, di-
ques, e viveiros fetos pelo mesmo pai e so-
gro dos S'ipplicinii's, porque sendo essas
queste meramente possessorlas, a reco-
nhecendo os mesmos accordSos que a referi-
da camira luvit feilo aggnvo por se mos-
trar dos autos nSo pertencer a ella, nem an-
da aos objectos de sui jurislifSo, e compe-
le ni i, os mangues e alagados do mir, que
sSo dos proprios di cort, firmirim indubi-
iave| nniit-i de nSo pertencer elles ao pai e
sogro dus supplicantes, e ronseguintemente
me parece que a sontenc o accordSo no do-
cumento agora junto, e que decidirn) o
pleito 'ue ltimamente sustentara os mes-
mos supplicantes para convencer a fazenda
o seu direito, tambem nSo Ihes deram o nem
podiam dar-lhes outro terreno, que nSo seja
o iginariamente havido por D Thereza Ma-
ria Jos.
NSo estando habelitado pira apreciar dn-
vlamenli a questSo de direito, objecto da
allribu55o do Dr. procundor fiscal, creio
todava ser caminho pela lrgislacSo am Vi-
gor, que os terrenos de marmitas sSo ina-
lienaieis, e li por isso que eslou linda per-
suadido que ii,i.i obstante ter Manoel Luiz
Veiga, feito a trros, e ennsentindo que se
fizosse os que tem as edilicafOes de Manoel
Cardozo da Fonseci, Star & Conpanhi, e
oulros no mesmo aluhamenlo atierros
que deram lugar a destruidlo dos mangues
do lado do Esta, e do lado do Norte, com os
quaes estremava a ilha do Anca, a fazenda
publica n.lo per.leu o seu direito par haver
os foros quo Iho compele de todos eases
terrenos que lhe foram uzurpados, copio
evi ternemente se reconhece pelas mesmas
u ibc'ciVs, a pelos mesmos atierros, mais
nSo pelo foro que se declara no auto de ar-
remat-clo, porque he cl.ro que eslo paga-
va II. Theroza Maria Jos, queja ti tilia hon-
feitorias na propriedade quando a arrema-
lou, e do mesmo auto de arrematacSo cons- *
ta. Em conclusSo sendo quanto a mim m-
contestavel o droito da fazend a esses ter-
renos, a cojo posse se querem arrogar os
supplentos, resultando a sua sen ralSo de
seus proprios documentos, n.lo lendo a sen-
tones o accordSo que agora apresenlim re-
conhecido os senhores directos dos terre-
nos om questSo; julgo que nSo podem elle*
ser defer los, e que cumpre promover pe-
los meios competentes o reconhecimento
do indispencavel direito da fazenda a fim
de que se nSo locupletem os particulares
delle: V. Ex. porm decidir* como melhor
e mais justo entender.
Dos guarde a V S. thesotirarii da fazen-
da do Pernambuco em 26 de agosto de 1852. t
lllm. e Exm. Sr. Francisco Anlonio-Ribei-
ro, prcsideiiledesla provincia. O inspector / .
Joo Goiifalvcs da Silva.
Nada uni9se conlinha em dito auto da
arrematadlo parecer fical, inform.r;3o da
inspector da tllesouraiia de fazenda.
E para que assim conste li/. passira pre-
sente cerli iSo na quil me assigno. Secre-
tarii do governo de i'ernambuco em 16 de *
sete nbru do 1852, trigsimo p:|n ero da
independencia n do imperio, o pfllcial ir-
chivuta, Jlo Valentim Villela.
Ordem de 13 de maio de 1836Manoel
do Nascimento Castro e Silva, presidente do
tribunal do llicsouro publico n.cioial, em
emili: mi.lade da del hcnc/io turnad, em
-o--lo do tribunal sobre o ofilcio da the-
souraria do Espirito Santo, em que exige
sabor se os terrenos de msrnhis, que lo-
ra m S'questndos aos jnzuit.s e vendidos
em hasta publica, e onde se acham edifica-
dos diversos pre tos, devem ou nSo ser ara-
liados para pagaren) o respectivo foro, va-
lo que aquella venda foi lena sem onus, uu >
condicSo tlgu.na, declara ao Sr. inspaclor
la thesouririi que quando os possuidorea
de terrenos nSo musitaren ttulos lgaos,
porque Ihes pertenc a propriedade da ma-
rnhas, nSo bastando que ellas fossem in-
cluidas nts arremataces dos terrenos se-
questrados .os jezuitas se dellasse Ihes nSo
livesse feito expresa doaccSo, se deve pro-
ceder a espeito do forsmeuto o que est
disposto na lei, regulamento, e ordene a
respeito, pod-ndo os posseiro alegar peles
meios competentes o direito com que so
presumrem a nSo seren sujeilosao afora-
metilo.
Ordem de 15 de ab I de 1814.A thesou-
raria do Espirito Santo declarando que tos
termos da ordem do 13 de maio de 1836
eslSo comprehendidos as disposirjes da
lei e regulamento sobre aforameulos de ma-
rinlias todas_aquellas,_qiie justamente com
He prlnce.a Bianca que devela^ dirigir
est qnesto, signora, pois suat Insplrace
partein de seu coraclo, coque sahe de uina tal
origeui lie seinpre o que ha de melhor.
Michaella iolerrogou Blanca com os olho.
O mel no qnal lenho pensado disse Blan-
ca, he inl'ir.inentc paciiico e .imples. Qual
quer que sej dor, qual quer que tej o sup-
pln i-i que eu deva eipcruncntar ein aecusar
ini'ii pai, decl.rarci eu propria que essa carta
da qual se tervein como uina arma conuja Car-
magula, e que se ten, tornado tu. condein-
n h a.i. nao he outra cousa que uma trae, odl-
oza Imaginad, pelo duque de Millo contra teu
ei-geuer.l, e da qual, tnu grado meu, fui
cmplice. Dlrei ludo, eiplicarel tudo... ter
Isso o opprobio de meu pai talvez, mas ter
t.lvaco de um inuocente.
Oh eiclamon Michaella com o olbos
brilhanles de esperanca, elles nio podero ra-
fusar-te evidencia d uina tal prora 1
I-..prreinoa, disse framente ? Bramante,
mat a nolte val ja adlantada, eu voi deiio,
ir .(ai de tomar alguui repouto. Ao romper d.
aira daqui a pouc.i horas, virei baleara tig-
nora Bianca.
Elle sahio, delxaado ts duas innaes junas.
(Coalinuar-re-lia).
*
*
I
t
'


r
os terrenos contiguos perteocrram i ex- d mesma funis, nos das cima deelarado
tinctacompanhia de Jess, o forsm junta-; pelo meio da, {competentemente hablli-
mente com clles arrematados, se deltas se lados.

y
nSofez exprossa duaccSoacs arrom.tanlea,
reste caso esto as que reclama Francis-
co Pinto de Jesiis, no requerimentu que
tecompanhou o oBcio do cx-presidente de
81 de setembru pois como se collie dos t-
tulos que apresontou, sendo por tinto inde-
feivel o dito requerimentu, e cumpre exi-
gir-sn o foro na lum a Ja lei regulamento.
~CbMMERCIO
ALFANDEGA.
Reodimento do taS. .
dem do dia <......
40:553,839
12:261,621
52:818,460
Detcorregam hoje 7 de oulubro.
Patacho brisileiro Herona- mercadorias.
ImportncaO.
Vapor brasileiro Pernambucana vindo
dos portos do norte, rn.nif-slou o seguinte :
t caixole chapeos de palba do Chile; a F,
D. Feverheerd.
97 rolos de salsa; a llinoel Duarte Rodri-
8UM-
Icsixns bisas; a Novaes & Compaohia.
2 saceos moeda de prala ; a II. Gibson.
91 ditos arroz ; a J. i. Tasu Jnior.
3 ditos oiusda do cobro; a Joaquim Ri-
beiro Pontos.
CONSULADO CF.RAL.
Rendimenlodo 1 a 5
Idom do dia 6 .
2:626,410
448,231
3:074,641
DIVERSAS PROVINCIAS.
Rendimnntodo I ai
dem do dia 6 ., .,.
151,103
17,566
168,669
Exportarn
Parahiba hiate nacional Flor do Brszil,
de 28 tonelada;, conduzio o seguinte ; 200
arenles, 9 vulumes "jrragens, 50 arrobas
de carne, 6 volumes drogas, 30 barricas ba-
calhao, 9 ditas genehra, 7 gigos lour,a, II
barrls manteixa, I caixa enxofre, 3 lardos
cinella, cravo e ervadoce, 1 sacca alfazema,
3 Toluoles papel, 2 caixas chapaos e mais
objectos, 4 rollos salea, 100 caixas sab9q, I
rolo faino, 150 paros ile eichos, 5 barricas
azeite, 1 pondo de Trro, t sacca caf, 2 di-
tas arios.
Birecio i-i barca hespanhola Dianni, de
406 toneladas, cmluziuo scguinle : 1260
saccascom 7,071 arrobase 9 libras do al-
godJo.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimenlodo dia 6.....4.760,371
CONSULADO PROVINCIAL
Rnndimnnto do dia 6 310.555
Movimento do porto.
. fTntiio entrado no dio 5.
Baha -- 10 das, patacho b'asileiro Herona,
de 191 toneladas, cipiMo Melquades Jo-
s dos Santos, equipagem 12, carga va'ios
gneros ; a Manoel Joaquim Ramos e
8.1ra.
Navios tahiiot no memo dia.
Ilamhurgo pelo Rio GranJn do N irte -- es-
cuna dinaroarqueza Qefion capitJo K.
Ilansen, em lastro.
Havaoa barca hespanhola Osiris, rapilo
Salvador Joas,carga a mesma que trouxe.
Navio entrado no dia 6.
Para o poitos intermedios 15 dase II ho-
ras, do ultimo pinto 13 horas, paquete de
Vapor brasileiro Pernambucana. comman-
dante JoSo lleiiriques Ovlen. Traz a seu
bordo, para esta provincia, Antonio dos
Santos Coclho Themotio Marcolino da
Silla: para as provincias do Sul, o major
Victorino de Souza Caliral, rom sua so-
nhora e 7 escravos Dr. Joflo Simos d
Silva, Lucio Joaquim deOliveira, llanri-
que Luiz, I sargenlo,2 pravas do exercito,
I desertor, le-soldado e 15 escravos a
estregar.
vavio tullido no misino dia.
Parahiba hiale brasileiro Flor do Brasil ,
mestre Joaquim Antonio do Figueiro. car-
ga varios gneros. Passageiros, Jos Flix
do Reg, Jos Francisco de Athay.le,
Francisco Ferreira de Mu rs Vicente Fer-
reira, e Manoel Jos de Mallos.
E para constar se mandou alisar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial .de
Pernambuco 2 de oulubro de 1852. -Ose-
cretario, Antonio Ferreira da Annunciac,8o.
Clausulan espeeiaes da arrematare
1 As obras do 92. lanco da estrada da
Victoria serSo feitas de conformidade com
o ornamento o plantas tpprovsdaa pola di-
rectora em conseibo nesla dala, eapresen-
tada a aprovacH i do Exm. Sr. presidente
da provincia, tudo na importancia de ris
13:9021310
> 2. O arrematante comecar as obras no
prszo de un moz, e concluir no de um
anno, contados da dala da assignatura do
contrato.
3. A importancia desta arrematado ser
paga em quatro prestacO s iguaes da manei-
ra seguinte:-a primrira, quando o arre-
matante tiver feito a tena parle da obra do
seu conlralo; a segunda, quando tiver fei-
to dous tercos das obras; a terceira, quan-
do fr recebida provisoriamente ; e i quar
ta quando fr definitivamente recebida, nSo
devendo effecluar-se pagamenlo algum an-
tes de findar-se o primeiro semestre do
exerciclo de 1852 a 1853.
4. Para tudo mais que no estiver deter-
minado qas presentes clausulas seguir-se-ha
oquedispe a lei provincial n. 286 de 1
de maio de 1851.
Conforme. O aecrolario, Antonio Fer-
reira da AnnunciafSo.
O Dr. Joaquim Villela de Caslro Tsvaros ,
juii de paz do l. anno da freguezia do S.
J.is do Recife, etc., ele
Faco saber, em conformidade com o dis-
posto nos artigos 39 e 40 da lei n. 387 de
19 de agosto de 1816, e em excuefto das cir-
culares expedidas pela presidencia em da-
tide96 dejunho, e 8 de setembro do cor-
rente anno, que no dia 7 de uovembro pr-
ximo futuro, lem-Sfl de proceder a elnic3o
dos eleltores, que devem eleger, no s os
deputados a assembla geral para aproxi-
ma legislatura de 1853 a 1857, se no tam-
il mu os membros da assembla legislativa
provincial, para as legislaturas de 1851 a
1855, e de 1856 a 1857, pelo que convoco os
e'eilores e supplentes abaixo designados ,
ara qUH no dia aprasado comparerjam no
5
to sbreos mesmojcsrros.de conformidade ,<(rele, trata-so com ocapil.lo a bordo, ou -- Aluga-se urna casa ierres, no sitio do
com a lei provincial n. 30t de 8 de maio dea- com o consignatario Manoel Alves Cuerra Cofdeiro, margen do rio Capibaribe, coro
teanno, aitigo n eseus SSi correndo da-, Jnior, na ra Jo Trapicho Novo n 14, pri- commodos p.ra grande ramilie.e com estii-
quella data cima de 27 o praso de SO das moiro andar. baria para aeia oavallos; urna dita, mala
marcado no mesmo rrgulsmenlo para den-| Para a llha de S. Miguel, Terceira e Fal- pequea no fundo do mesmo sitio, tambera
tro delle os donos de tara carros tiren) da- al, a escuns portuguesa Thetis capilo com commodos par familia : a tratar com
los langmrriio nesta contadoria, o rece- Manoel Mara da Silva, sahe com a maior GrabrlelAntonio.no pateo doCarmo n. 17.
berem a numoracilo correspondente a cada brevldade possivrl : quem qulzer carregar -- Precisa-se de urna ama, prefere-ae es
ou ir de passigem, para o qae tem excel- trangeirs, para todo o servico interno de
lentes commodos, dirijam-se aos consigna- urna cata de pouca familia: no aterro da
tarios Oliveira IrmSos & Compaohia, na ra Boa-Vista n. 38.
do Apollo o. 14, ou ao capitSo, na prac,a do -- Perdeu-se urnas carias abortas desde a
commercio. ra do Cabug at a ra do AmgSo da Boa-
Ilio de Janeiro. Vista: roga-ae a peasoa que as achou, que
as man lo entregar na ra Direita, venda n
um dolles, alini deque no met de noven
bro prximo seguinte se possa effecluara
cobranc', 4 bocea do cofre do loferido im-
posto, llcando aujeitos as penas commins-
das no supra citado regulamento os queo
nlo flzerem. Contadoria munieipal uo Re-
cife 6 de oulubro de 18520 contador, Joa-
quim Tavsres llodovalhn.
Banco de Pernambuco.
Os descontos da semsna de 4 a 9 do cor-
rente, sSo os de 6 por cento at o fin des-
le me/., e de 8 por cento at 6 meses. O
conselho declara que compra e vende le-
tras sobre o Rio de Janeiro, de qualquer
quantia c a prasos rasoaveis. Banco de Per-
nambuco 2 de oulubro de 1859. O secre-
tario si. I. do.Oliveira.
Publicacao Iliteraria.
Sanio a luz.
28 RA DAS CIlUZES 98
A contiouacKo da materia medica homeo-
pathica augmentada da throria das dozes pe-
lo iir. Mure,i.runa jmportaolissiraa deixada
por Hhnemanuao cuida lodos seus disc-
pulos. Este volumo contm a palbogenezia
de maia 12 molicamentos Europeos, e dos
12 principaes medicamentos BR4SILKIRUS,
experimentados pelos alumnos da escola bo-
meopatbica do Rio de Janeiro.
. I'ara as pessoas que i compra-
rara os elementos de homeo-
pthia o assignaram esta 2/000
Para as uutrss que s quizerem
a dita obra. 3/000
Para os assignantes e mai*
pessoas que ja compra-
ram os elementos de ho-
meopalhia 12,000
Para as outras pessoas que
s quizerem a dita obra e
a carleira. 14,000
! =
~ O)
sS|
83
a lieni conhecido patacho Va- 76> que Mr rCorDpen9ado.
lente, ssgue com muita brevida- --os abaixo assignados, herJeiros da fi-
ja nn--- : 1________^__. _____ nada D. Antonia Maria dos Prazeres, previ-
de, porter ja algum* carga promp- nem por este annuncioaorspeitsvei pub-
ta : para o resto, escravos a (re- co, que no havenJo ainda ae i>rocdido
fp c nassn.rpins nara n nn< lm inonlario e parlillia dos bens deix dos por
ie e passageiros, para o que lem iqu9||a dlta r,|,e-il,i( p01e .au fllno
bons commodos, trata-se COm OS Jos da Silva PavUo, vender bens alguna do
Consignatarios Novaes & Corona- dito caaal.como prelendeje prolestSo contra
, D m 1 JT, qual (uer ven la, ou permuta qua este hzer
nhia, na ra do lraptche n. 3'( ,
ou com o capitSo na praca.
dbs bens deixsdos por sua dita linada mili
Antonio Vicente de Azevedo, e Victorino An-
tonio da.Silva.
- Na ra de Santa Rita n. 76, precisa-se
de negras para vender azeite, pagando-se
vendagem.
Aviso ao publico.
Iloje pissou o Quinteiro a sua Cocheira
de carros de nasseiu.que linha na ra dasFlo-
^-.""-""W lem migavelmenle d,s- Jrbliw d. c,9, ,1, cmara munic-
socied.de que i zeram e esta ca- .,, onda ool,.ori esleveWolechare; portanto
SS12 *dniin.straC8o do seu res- J, od d 0, eabrtolst! e seus
I 1 Imliin....i. il .1 .....I., n.il. um .ln. P ,, ...
complanles cavallo9, mediante urna rasoa-
Aviso diversos.
"Jo^ Mara Horgs, proprietario da co-
cheira da ra das Flores, e Rento Jos Pe-
reira, com cocheira defronte da rui do Ca-
solvido a sociedade
da um na
peclivo estabelecimento, onde cada um doa
seus freguezes os pete procurar a qual-
quer hora que serao promptamento ser-
vidos.
A abaixo assignada vluva do finado Jo-
s Fernandos Eiras, responde Sra. D. Isa-
vel pga ; aasim como promr/tte que a cad
hora licam-lhe promptos mais uns carros
desses modernos, para os amantes do bom
gosto passeiarem.
Melhores ares nSo ha
Cunda que nenhuma duvida do que no Cax.ng, ondo ha urna casa b.s-
rererem Dt grind(, com rslribaria e cocheira para
os 8eu..inn,;nci0'. .e 'h8for aprsenla- ,ailo|ir. polUnlo> quem a precisar diri-
63.
amento, aobrailo n. 10 ,
iji-l
de
tica homeopathica da ra das C'UZ'S n. 28.
m'smi botica ha um grande sortimento
corpo da igreja da Senhora do Terco, pelas |7o7em poa7gii"ez e'ra^c^ pm s,las llras certainente naoestava"m detdo
9 horas da manhia. na "*ffl***\ p.oas que sequcre.n dedicar .0 estudo da PM**
d.sposto nos artigos 4. 5. s4l da citada P _-,._,,.,, '
EDITAES.
-- O lllm. Sr. inspector da thesouraria
provincial, em cumprimento da ordem do
Exm. 8r. presidente da nrovincia de 27 do
corrente, manda fazer publico, que nos dios
19, 20 e 21 deoutubro prximo vlndouro,
ir a pra;a para Ser arremata lo peranto a
junta da fazenda da mesma thesouraria, a
quem por menos flzer a obra do vigessi no
fruncir lauco da estrsda da Victoria, ava-
lada em 19:218,606 rs.
A arrematado sert fcita na forma dos ar-
tigos 24 o 27 da lei provincial n. 286 de 1" de
maio de 1851, e sob as clausulas especiaos
abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a esta ar-
rematado comparecen na sala das sessOes
da junta, nos das cima declarados, pelo
meloda, competentemente habilitadas.
E para constar se mandou afixar o presen-
te e publicar pelo diario. Secretaria da the-
souraria provincial do Pernambuco, 29 de
ietembro do 18520 secretario,
Antonio Ferreira da AnminriacS.
Clausulas espeeiaes da arrematadlo.
1.a As obras do vigessimo primeiro lauco
da estrada da Victoria serio feitos de con-
formidade com o ornamento e plantas sp-
piovadas pela directora era conselho nesta
dala, e apresenlado a appr'ovai;3o do Exm.
Sr. presidente da provincia, tudo na impor-
tancia de 12:218,606 rs.
9.a O arrematante comecira as obras no
pras 1 de um meZ, e concluir no de um an-
no, contados da data da assignatura do con-
trato.
S.i A importancia desta arromatnSo ser
Paga era quatro prestares iguaes da inanei-
>a seguinte : a pnmeira quando o arrema-
tante ner feilo a lerrja parte da obra do
seu contrato; a segunda quando tiver feito
dous tercos das obras ; a terceia quando
lor recebida proviso: lamente; e a quarta
quando for dirinilivamonte recebida, nSo
devendo cffecluar-se pagamento algum a ti-
tea de llodar-seo primeiro siniestro do exr-
nelo de 1853 a 1853.
4.a Para ludo o mais que n3o estiver de-
terminado as preseuies cUusulas seguir-
se-ha o que dispOe a lei provincial 11. 286
de 17 de maio de 1851.Conforme-O se-
cretario,
Antonio Ferreira da AnnunciacSo.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria
provincial, om cumprimento da ordem do
Exm. Sr. presidente da provincia, de 29 de
setembro prximo passado, manda fazer
publico que nos das 26, 27 e 28 do corren-
te ir prafa para ser arrematado perante
a junta da fazenda da usna thesouraria,
a quem por menos fizer, a obra do 22.a lan-
co da estrada da Victoria, avallada em ris
13 9021310.
A arrematarlo ser feita na forma dos ar-
tigos 34 e 97 da lei provincial n. 386 de 17
de maio, e aob as clausulas espeeiaes abai-
xo copiadas.
As pessoas que se propozerem a esta ar-
rematado comparecer na ssla das sessOes
lei eleitoral, alim deque lenha lugar a or
ganisscSo da mesa parochial, que tem de
receber e apurar as listas dos votantes; al-
virtin lo que (icam sugeitos a inulta com mi -
nada no artigo 126 5 n. 2 da mesma lei,
oa que sem 1111,0 lmenlo legitimo Jeixarem
de comparecer.
Eleilores osonhores.
Jos Hygino de Souzs Peixe.
ioaquiui Lucio Mooteiro da Franca.
Manoel Ferreira Accioly.
los Lucio Monteiroda Franca.
Francisco Baptista deAlmeida.
Manoel Jos Teixeira Bastos.
Amaro Benedicto de Souza.
Joaquim Clemente dos Santos.
Manuel Joaquim Ferreira tstevos.
Joaquim Pedro dos Santos Bezerra
J 1S0 llaplisla deS.
Gonfalo Lopes Lima.
Antonio Francisco Xavier.
Joaquim Antonio de Castro Nunes.
Tnrquato lleuriques da Silva.
Manuel Flix Alves da Cruz.
Jii'o r.iiln Curreia.
JoDo F Antonio da Silva CusmSo.
Joaquim Francisco do Mello Santos.
Su picnics -- oa sanhores.
Manoel Fonseca do Medeiros.
JoSo Morelra de Mendonca.
Antonio Moreira de Men Thonaz lereira Pinto.
Antonio Francisco Das.
Joaquim Jos dos Santos.
Innocencio da Cunha Coianns.
Anastacio Xavier de Coulo.
Francisco de Oliveira Mello e Silva.
Miguel Jos da Silva.
Justino Pereira de Andrade.
.Manoel di Almeida Lima.
I.uiz Francisco Moreira de Mendon;a.
Justino Antonio Aires Soares.
Jos Carlos de Souza Lobo.
JosGonrjalves da Silva Bistos.
Cluudino Jos Rapozo.
Joo Saraiva de A'aujo CalvSo.
Padre Manoel Adriano de Albuquorque Helio
Padre Francisco loaquim'Pereira.
Francisco Epifanio de Souza.
Oulro sim convoco
qualilicados volantes nesta freguezia, para
que comparefam no dia cima indicado a
h o do volarem, c advino que, ten lo de dar
esta freguezia 21 elcitores, devem as suas
listas contar os nom-s de2l cidadosnella
domiciliarios, com declaro de seus empre-
gos, profissOes, ou ollicios; assim como, que
nSo serio apuradas -as que contiverem no-
mes riscados, alterados, ou substituidos por
THMTilO
lera em reslitair as letras a que se 1
os seus annuocios, se Ihe for aor
d. em forma legal. quil.l.cSo de^.as di- ff" W E^V
tas letras, passad. por seu filho. ecompe- J N. ru,X .'vrme
e7s,7oeu,UcnUrOrS.a,!O,P0r UB"1V,; so di" quem coraprTum"sobrado e duas
narta l !"' *! lV "T," S! as terrea., e quein d dinheiro a premio.
Pn.rr.n 1' i dsprshende do recibo |,recis,.'8a dHe um bom forn8lro qua i.
ta 2* f.!. P ".* Sp em .Istaimcii- b. oceuparo seu logar: ua pad.ria do pa-
0 "ts<.u.8..n_r!-un?!.0.n!5! l!5!5* 22S- leo m s.nti cruz n toe.
Loterja da matriz dtt Boa-Vista.
Jos Teixeira Basto actual the-
soureiro desta lotera, avisa ao res-
peilavel publico, que a mesma cor-
re mpretcriveluicnte no da aC de
outubro do corrente anno, no con-
Roga-seaossenhores sssignantes, ofsvor,du;llie a magoa de que so linha aprovci
1 mandar receber seus exemplares na bo- do a usencia de seu Tilho e morte de seu
mando, para de algum modo fenr-se a re-
piiiiic.n deste, que se n9o entregou aquel-
Sabbado g de oatabro de i85a.
II." RECITA DA ASSIGNATURA.
Finda a execucSo 1a ouvertura, represen-
tar-se-ha pela pnmeira vez nesto theatro.o
bello drama om 5 actos, do Sr. J. M. de Ma
cedo, autor do Fantasma Branco.
O CEG.
Os principaes papis tarto desempenha-
dos pelos senhoios CuimarSes, Mauoela, A-
mo lo e Senna
Denominaco dos actos.
Pri moiro A mili e o ceg.
Segundo -- A noiva.
Terceiro O sacrificio.
QiiartO O rumie.
Quinto A noite de nupcias.
i.w a lim o expectaculo com a comedia em
I acto,
Aa entrevistas nocturnas.
Principiar as 8 horas.
Silrania Hara Fernandos Eiras.
Constando ao preto Antonio Manoel, es-
[cravo que fui de D. Maria do Albuqueique
Maranhflo, que a dita sua Sra. dera ordem .sjslono da dita matriz, e se con-
para elle ser capturado e vend lo, elle faz 1 j j
sciente que aeacha forro por caria passada tinuar a inlluencia dos comprado-
eassignada pela mesma sua Sra., elancaila rej correr no dia o do mesmo
as notas do Ubtll'lo Coeltio em 14 de fe- ,, i .' -_.,_
vereiro de 1845, sendo teslemuohss presen- mez- ^s bllhetes acham-se a ven-
ciaes da mesma alfurria o Dr. JoSo Ferreira (Ja nOP lugares j annunciatlos.
da Silva, e Manoel Ferreira da Silva, e foi .. preCisa-se de um bom trabalhador: na
laucada em notas em 16 de fevereiro de p^aria da ra Imperial n. 37, defronte do
1816; e Oca ja roquerendo seu mandado chafarlz.
de manutensSo. 1 .. Aona Ferreira da Silva, aulorisada por
--Francelina Carolina Jovitti de Souza pr0vis!1o do Exm. Sr. presidente, doulor
retira-se, para o Rio de Janeiro levando em pr,ncisco Antooio Ribeiro, de 29 de julho
sua compsnhis sua filha monorje duas es- |docorrenleanno, tem aberlo na casa de sua
cravas pardas do seu servico, de nome residencia, na ra das Trincheiras n.50,
Tlicatto da roa Augustt.
Domingo 10 deoutubro de 1852.
Representacao de mgica natural, dirigi-
da pelo discpulo de Mr. Axelandir. Em-
qiianto aos s mis Irabalhos, serBoannuncia
dos pelos carlazes.
Prer;o do camarotes d primeira ordem. 5l
to'dos os cidadSos l,llu,118 segunda-assentos por pessoa. if
Platea.
O resto dos bilhetes scha-se a venda
mesmo theatro
aaaaaaaaagaaiia ,..1 ^jasaaajaaaaaaaajaajagg
Avisos martimos.
baha.
O hiate Amelia, segu em pou-
outros, segundo o dsposto nos ariigos 50e g (|ja8 para a Baha, inda pode
51 da le ja citada. ,'
E para constar mande, fazer o presente, receber alguma carga miuda l a
psra ser publicado pela imprensa e alllxado tratar no escriplorio de Nov*ae8 &
nos lugares,mais publcosda freguezia. Fre- ,. i 1
guezia des. Jos do Recife 6 de oulubro de Companhia, na ra do Irapiche
1859. Eu Jos Goncalves de Si, escrivBo o n. 34-
escrevi.
1 ir. Joaquim Villela de Castro Tavares.
Declaratjoes
Para o Cear.
O bem conhecido hiate Novo O-
linda, mestre Custodio Jos Vi-
---------------------------------------------- anna, por lhe faltar um resto de
O capitSo secretario do commando das ar- espera A. checada do vapor
mas desla provincia faz publico para conhe- fc"r8" r 6 r
cimento das familias dos ofllciaes Tallecidos do Norte ; porem salina mprete-
abaixo mencionados, que na secretaria do riVelmente 3 das depois COtn a
mesmo commando existom as respectivas r,
patentes, as quacs serao entregues logo que carga que apparecer: a tratar com
forera procuradas pelos inleressados na pos- J, J, Ta.sso Jnior,
se de semelhantes ttulos.
Pnmeira linha do exercito.
Alferes ajudante, Antonio elemento Este-|
ves de Larrz.
Dito, Manoel Correa da Silva.
Segundo tcnente, JoSo Machado de Maga-
Ibfies.
Alfers, Antonio Soares Barboza.
Eltincta segunda linha.
Tenente-coronel, JuSo de Oliveira Govim.
Ajudante, Domingos Ferreira Jorge.
ouartel-mestre, Antonio Fernandas de
Barros.
Cirurgi3o, Jo8o Lourenco Marques.
Capillo, Jos da Fonseca Galvao.
Tenente, Thomaz Antonio Marques.
Alferes, Manoel Pereira deS.
Dito, Theotonio Francisco.
Alteros poita-bandeira, Feliciano Jos de
Lima.
Extincta ordenanza.
Ca i' .lo, Domingos Antonio de Faria.
.. o vapor Pernambucino roe 1 lio asma-
las para os portos do sul, hoje a urna hora
da tarde: as correspondencias que vierem
depois dessa hure,pagarBo o porte duplo at
a entrega das mesmas; os ornees devoran
ser entregues tres horas antes.
Cmara municipal do Recife.
Pela contadoria da cmara municipal do Re-
cife se avisa aos donos de carros e mais ve-
hculos de conducho, que no u. 917 deste
diario, de 97 ue setembro ultimo, foi publi-
cado o regulamento expedido pela mesma
cmara eapprovado pelo Exm. Sr. presiden-
te da provincia para arrecadaclo do impus-
iera o Aracaty.
Segu com toda brevidade, o
novo e veleiro hiate Santa Cruz ,
mestre Vicente Ferreira Lopes ,
que s recebe carga at o dia 10 do
corrente: os pretendentesqueiram
dirigir-se a ra do Trapiche Novo
n. 16, segundo andar, ou a ra da
Cadeia Veiha n. a3.
Para Lisboa a galera portuguezs Mar-
parida capitaoSilverioManoel dos Reis, sai
o no imi'Mior brevidade possivel por ler a
maior parlo da carga prompta,quem quiser
carregar ou hii de passagem para o que lem
excedentes commoJos dirij3o-se aos con-
signatarios Oliveira Irm.os & Compaohia,
na ra do Apollo n. 14, ou ao referido capi-
tSo na paca do commercio.
Para o Cear aegue no dia 10 do cor-
rele o patacho Santa Cruz; para o resto da
carga, trata-se ao lado du Corpo Santo, loja
de massamean 95,
Para o Rio de Janeiro sahe com toda a
brevidade o brigue nacional Animo, por ler
a maior paite da carga prompta: para o res-
to, psssigeiros e escravos, trata-se com o
capUBo do mesmo Domingos Antonio de A-
zevedo, ou ns ma da Cruz do Recife u. 33,
em casa de Luiz Jo.e de S Araujo.
Segu imprelerivelmonte pira o Rio
Grande do Sul no da 8 de outubro o briguo
nacional Le5o; para passageiros e escravos
Mara com 1 lodo de 11 anuos, e lgnocia
de lt.
Caries Vwel, cidadao francez vai para
Franca.
O abaixo assignado, declara ao senhor
Antonio Moreira Reis, que desde hoje 7 do
corrunle, desonera-so de ser fiador da casa
da roa dos Cuararapes, onde mora o senhor
Josquim Soerisno da Trinlade,Picando sem
ollriio a carta da la para este lim.
F. 51. dos Santos Lima.
Quem quizer possuir urna escrava boa
o com alguma habilldade, que sn vende por
precisan,
  • ija-se a casa da ra Veiha n. 54,
    que I se dir quem vende.
    Arrenda-se a casa da ra da Cruz n. 15,
    por mdico prect), a una 60 possoa, de tres
    andares, solSo o armazem.
    Antonio de Medeiros, com venda do-
    fronte do Passein, avisa aos seus credoros,
    para no praso de tres dias apresentarem suas
    contas para seren pagas.
    Precisa-se do urna esersva para o ser-
    virn de urna casa de pouca familia : na ra
    Dirella n. 69.
    No aterro da Boa-Visfa 11. 8, primeiro
    andar, precisa-se do urna ama para casa es-
    trangeira, que saiba cosinhar, e fazer o mais
    servico do casa, e que lenha boa conducta.
    Na ra do Cabug n. 3, precisa-so fal-
    lar ao senhor Luiz Antniiu Anuo- Jacomo, a
    negocio de seu interosse.
    Uesa ..parecen un dia 23 do prximo pas-
    sado do Hotel Francisco, um preto d nomo
    liento, creuulo, de idado 32 anuos pouco
    mais ou menos, altura regular, barba fecha-
    da, desappareceu com ella rapada; o qual
    he oosinheiro e inliluia-so forro, falla um
    pouco descancado, fui comprado pouco ao
    senhor Joaquim Aurelio, senhor de engenho
    Masssngana; roga-se a todas asaoloridadt-s
    policiaes e capitSes do campo quo o peguern,
    e levem-o no ditJ Hotel, que ser genero-"
    smente gratificado.
    No dia 9 i!o corrente se ha de arrema-
    tar por ser a ultima piaca, ao meio dia, de-
    pois da audiencia do senhor doutor juiz mu-
    nicipal da segunda vara, na sala da mesms,
    n .sil in denominado Rarbalho, com casa de
    vivenda, otaria, e mais bemfeitorias cons-
    tantes do escripto em mili) do porteiro de
    jiii/ii, cujo sitio be situado na freguezia do
    P050 da Pnella penhorado por execuf3o
    contra Pedro de Alcntara Feria Abren e Li-
    ma, como administrador do sua mulher e
    mais herdciros do finado JoSo Ignacio Ri-
    beiro Roma, escrivao Baplista.
    Precisa-se alugar urna ama para casa
    de pouca familia : na ra do Sol n. 91.
    -- Aluga-se no sitio do Csjueiro, duas ca-
    sas para se passar a festa, com grandes com-
    ino ios para familia : a tratar no mesmo si-
    lio, ou na ra da Crepo, com Bernardino
    M.iada Silva.
    Desaoptreceu no da 28 de setembro
    prximo passado, um escravo de narjao Con-
    go, de nome Paulino, de idade 28 annos,
    offlcial do sapateiro; levou camisa da riaoa-
    do azul usada, caifa preta, chapeo de palha
    novo com um cordao de palninba fina por
    cima do dito, tem barba por baixo do quoi-
    xo falt n lo cabello nos cantos, cabellos da
    cabec* um tanto grandes, olhos grandes e
    espantados, he om tsnlo magro o baixo, e
    aoda apressado: quem o pegar leve-o ao
    aterro da Boa-Vista n. 59, que ser recom-
    pensado.
    Aluga-se um sobrado de um andsr,quo
    pouco se acabou de concertar e pintar, sito
    na ra dos Guararapes, em Fra de Portas :
    trata-se com Jos Connives Ferreira Costa,
    em Santo Amaro, ou com Serafim Alves .la
    Rocha Bastos, na ra da Cadeia do Recife.
    Aluga-se urna mulita escrava, para to-
    do osorvico de urna casa; lava, cosinha e
    engomma : quem pretender procure na ra
    do Queimado, loja n. 10.
    - Precisa-ae alugar um cosinbeiro forro
    ou escravo, para urna casa eslrsngeira de
    pouoa familia : na ra da Aurora u. 8, se-
    gundo andar.
    A peasoa que annunciou precisar de
    urna ama para cass estraogeira, queira diri-
    gir-se ao becco da Bomba, casa terrea n. 1,
    que acbar com quem tratar.
    -- Aluga-se urna preta que cosinha sofl'ri-
    velmente, e faz todo o servico interno de
    urna casa : quem a pretender dirija-se a ra
    do Sol n. 1.
    urna aula de nstrucc8o primaria do primei
    o grao, para o sexo fominino: os pas de
    familias quedella quizerem confiar suas (i-
    Ibas, pdenlo dirigir-sc a mencionada casa,
    a qualquer hora do dia, corlo de que a an
    iinnrianle emprear todos os seus desvelos
    em nBo desmerecer do seu conceilo.
    - Precisa-se de urna ama para o servico
    de casa e de campo, sondo boa paga-se bem,
    na na do Padre Fioriino n. 5, sobrado da
    quina.
    .'aa.aa.S.akOaa^jgaa^ } Pv? ? i* >a 4
    9 O consultorio homcepalhico da ra ^
    i do Trapiche Novo numoro 15, dirigido 19
    pelo lo .Pires Ramos Jnior, foi traus- tf>
    > lerido para a ra da Cadeia do Keif<) v
    *1 n. 41, no segundo andar, por cima da ><
    a) loja do lllm. Sr. Jo3o Cardozo Ayres, *
    4 onde ja foi o consultorio do Sr. Dr. a.
    3 Sabino, ah so encontrar carteiras %
    i com medicameptos hiunceepalhicos, a..
    i lubos iivulcos, tinturas de qualquer e
    4 dinamisacao, e lamhom se refazem a^
    j aquellos que esliverem deteriorados, y.
    s) Propagandas homosopattiics do lllm. 4>-
    ^ Sr. Dr. Sabino, pelo pre;o de 1,000 rs. f>
    5 cada exemplar. Estes meilicamenlos ajj
    a sao preparados com lodo o cuidado, fr
    ) ej experimentados pelo Sr. Dr. Sabi- A>
    a) no na sua longa clnica, sen
    f sultados os maisfelizes; todas as car- Q
    f teir>s que sahirein deste consultorio Sw
    4 levarao a liima do Sr. Dr. Sabino. As a>
    4 consultas s3o das 8 horas do dia at W
    aj as 3 da tarde; depois destas horas s %
    j o poder.lj procurar na ra da Cruz >
    4 do lenlo n. 50, segundo andar a>
    0 abaixo assignado, nico
    recebedor dos charutos marca es-
    trella, da fabrica do senhor Ma-
    noel DurSes Lopes Vianna na
    provincia da Bahia fiz publico
    para evitur a fraude, que s no ar-
    mazem pertencente ao senhor Jos
    Vicente de Lima se vendem des-
    tes cimillos,
    Domingos Alves Matheus.
    Na ra da Cadeia do Recifo n. 16, loja
    do alfaiate inglez, encomiaran granda sor-
    timento de casacas e sobre-casaoas.palitsde
    pannos linos, casemiras, casinetas, alpakas,
    brins ele.; caifas, coleles, e oulras rouitas
    obras de bom gosto, e os padrOes os mais
    modernos que ha, as quacs se vendem por
    baratissimos presos a dinheiro vista.
    Na ra das Agoas Verdes, sobrado de
    um andar n. 14, da-se bolos do vendagem a
    80 rs. a pataca, e arma-so bandejas com
    multo gosto o perfeifio, por menos prego
    doque em outra qualquer parte ': na mes-
    ma casa vendemsa tres bsrris de bolar
    azeite de carrapalo.
    Anda se precisa alugar urna preta e um
    preto, escravos, quo a I." saina iratar de
    chanca e dos seus arranjos.e o 2.a para com
    prar e fazer o servico Milenio de urna rasa
    de pouca familia : quem os tiver annuncie
    para sor procurado, ou dirija-se a ra de S.
    Francisco, sobrado de um andar n. 8.
    Precisa-se do um amassador para urna
    padana nos Apipucos: a tratar ua ra Direi-
    ta n. 69.
    Precisa-se saber em que parte de Per-
    nambuco mora a familia de Jos Gamillo
    Freir, ou o seu filho Dr. Jos Gamillo Frei-
    r, para negocie de seu ioteresse.
    Prccisa-so do um caixeuo para venda,
    e que lenha pratica da mesma, ainda Sendo
    dos chegados do uovo: em Fra de Portas
    n.40.
    -- Aluga-se a casa da ra do Seve onde es-
    levo o collegioSsnlo Autonto, que tem ex
    collentes cojimodos para numerosa familia,
    com quintal amurado, cacimba, cocheira,
    etc. 1 a tratar na ra da Cadeia do Reci'e n.
    53, torceiro andar.
    Aluga-aeumailio na estrada de Joao
    -- Madama Mativernay tendo comprado de
    sociedade com sus mil, o armazem de mo-
    das que foi do madama Porta, sita no aterro
    da Boa-Vista n. 19, tem a honra de prevenir'
    ao publico, quo achara em seu estabeleci-
    mento tudo o que sn pdedrsejar em arti-
    gos de modas oe Pars, bem como fil, lu-
    cos de se la, objectos de loilete para as ae-
    nhoras e para meninoa, do mais moderno
    gosto, e de pierios os mais moderados.
    Lotera de No.-aa Senhora do
    Rozarlo.
    NSo tendo so re.lisado asvendas doa bi-
    lhetes, como tenciooava o thesoureiro, dei-
    xou de correr as rodas no dia 30, abstendo-
    0 u thesoureiro de marcar o dia psra o an-
    ment das rodas, Picando corto o publico
    que com qualquor venda, ser marcado o
    da impreterivel; os hiliietos acham-se a
    venda nos lugares j auounciados.
    Lava-se eengomma-se,com muita por-
    feie.lo e asseio : no pateo da Ribeira deS.
    Josn 15.
    -- Na rus tova n. 60, precisa-so do ofli-
    ciaesdealfaiale.que sejam peritos em obras
    grandes.
    "ir* fflVW WW fVfVVVVf'9'f V
    * l'aulo Gaignoux. dentista.
    ^ Porte ser procurado a qual- ^
    H> quei' llora em sun casa na ^a
    ga> i'ilalni'gn do KoMUtO n. 3G, >.
    > segundo nndar. fea-
    dJitA*** *A*4A*i*A
    Precisa-so de ufliciaes do charuleiro, e
    aprendizes ou tiradores de fumo; na rus
    Imperial n 31.
    *t *
    9 Alugam-se e vendem-se bizas na (VI
    * praca da independencia n 10, con- *
    9 fronte a ra das Cruzes. 'O
    * 9>t> V* .,(**>.* a.*, fcfc ajfc **
    -- Ruga se aos senhores ounves e pessoas
    a quem (6r oUereci l por venda, urna salvi-
    nha e tetouia de prata de molde anligo, de
    participar no segundo andar da casa n. 44,
    no aterro da Roa-Vista, donde foram rouba-
    dos estes objectos, que se Ihos sora agrade-
    cido.
    -- Roga-so as autoridades deciruar (a
    fam prender a negra Ignacia que foi escrava
    Ja senhora Louronca, e a ven leu no Iteoife
    ao Sr. Cainpus, no aterro, com padaria :
    quem a pegar love-a au dito Sr. Campos, ou
    "as Cinco Ponas, ao seu senhor Jou Perei-
    ra Xavier.
    ~ Procisa-se alugar um preto, para an-
    dar com um taboleuo de fazendaa : na ra
    do pilar vendan, i 15.
    *t SSS *****9*1
    U arrematante do coo-
    4 summo das ago'ardentea do
    * municipio do Kecife, nova-
    4 mente avisa aos senhores
    * que r.-tao collectados, que *
    4 tem espacado o praso Jo pa- {
    9 gamento, conforme marca o #
    j artigo 16 do regulamento n. *
    415, at o dia 15 do corren-
    ! te, findo este praso proce- S
    # der de conformidade com #9
    9 o artigo 17 do dito regula- J
    4 ment : o recebimento he 4
    9 na ra das Larangeiras nu- '
    4 mero 18.
    ^aaagaji^^^fla^ajfljaijaajai)
    -- Arrenda-se o sitio da Tac.runa : a tra-
    tar no alerro da Boa Vista, no segundo an-
    dar da cisa n. 47.
    L'm moco brasileiro, com 18annosdo
    idado, s> offerece para caixoiro de loja, ar-
    mazem do assucar, ou de mulla los, do que
    tem bastante pralira : quem precisar, an-
    nuncie.
    Urna mulher branca se offereca paia
    ama de casa de homem soltelro, o q'ie to-
    ri 11.1 escravos, poisssbe cozer, emgommar,
    e dirigir una cosinha do diario, mas com
    algum va.'.Mir: quem pretender dirija-so
    Praca da lo lopendencii loja n, S.
    Bernarda Mara dos Pra/ercs, autorisa-
    da por despacho do lllm. Sr. di-ector de
    inslruc^ao publica lem aberto na casa da
    sua re.i uinci i, na ra do Sobo n. 13 urna
    aula de instruccao primaria do primeiro
    grao para o sexo femiuino : os pas do fa-
    milia que delli quizerem conliarsuas li
    Ibas, poderflo dirigir-se casa mencionad.
    ->. pessoa que lannunciuu nrslH Diario
    n precisar do 1:500/000 por t8mezesat
    por cento dando en ioe.nl 's a couleiilu, po-
    de dingir-sea run dos Martirios n. 26 qua
    shl se dir quem faz este nexocio.
    -- Deseja-se fallar com Joan Folix do Nas-
    cimenlo, e Manoel Victoi de Jos is, a nego-
    cio do seu intoresse: na ra da Muela n 25.
    IV oei-ii-so de urna ama, que tenha bom
    e bastante leite, para urna enanca, paga-se
    bem : na Ciinboa do Carmo n. 38, primeiro
    andar.
    Aluga-se urna preta, para o servico de
    nma casa .le oouca familia : quem precisar,
    dirija-se ao Manguind, casa junto a pada-
    ria nova do Sr. Lopes.
    Cumpras.
    Compram-se caixas, que fo-
    ram de sa bao, preferindo -se da fa-
    brica da provincia; na travessa da
    Madre de Ucon, armazem n. n.
    Compra-se madeira da Pa-
    rahiba, em pranxOes, qualquer
    quantidude que appareca: n* tra-
    vessa da 31adre de Dos n. ai.
    --Compram-se escravas o evendom so, re
    cebem-se de commiasflo, tanto para a pro-
    vincia, como para fra della: na ra dos
    i ni 111 ios n. 24, segundo andar.
    -- i.om.iia-.se um ornamento sebasto para
    se celebrar raissa com todos os perteocea
    inclusive culis, patena, o ee ira d'ara: quem
    liver annuncie por esle Diario para ser pro-
    curado.
    -- Compra-se o manual' de chimico re-
    creativa em bom estado quem o tiver dirija-
    se a loja de Quinteiro & lrmao,na ra Nova,
    ou annuncie
    -- Compra-se ama negra boa coslnbeira,
    ongommadeira, e que coza alguma coosa :
    na ra do Crespo n. 9.
    Compra-se urna canoa de earreira,qus
    csrregue 6 ou 8 uessoas, e que teoha ama
    taboa no fundo, e eateja em bom estado,
    sem que precise de obra: na praca do Corpo
    Sanio n. primeiro andar, oa snnancie.
    Compra-ee urna escrava de meta ida-
    da : ao becco da ViracBo n. 89.
    -- Compram-se duas creoolas ou pardas,
    da 14 a 20 annos, e que tenbam boas figura)
    m ra MQ'a n. 16. ________________
    Yendas.
    Pianos.
    Brunn Praeger Se Companhia ,
    de BarA"sVcom"boaca'sa de campo, toda en-1 receberam os mais modernos pa
    c^:?."fer,tscP.'c?mrdre^^.!^nos5 de excellentes vozes, que es-
    le agoa de beber, urna cocheira para vaccas, i tg0 a venda, em Sita Casa, na ra
    baalaules arvores de fructo : na ra Direita ja CruI n_ lQ


    7
    _
    aos'io ooo/e5:ooo?dei8
    O cautella Salustiano de A-
    quino l'erreira avisa ao respe ita-
    vel publico, que a loteria da ma-
    triz da Boa Vista corre imprete-
    rivelmente do da 36 de outubro
    do correute anno, e estao expostas
    a venda os seus afortunados bilhe-
    tes e cautelas da mesma loteria ,
    na pra?a da Independencia n. /| ,
    loja de miodezas de Fortunato Pe-
    reira da t'onseca Bastos ; n. i3 e
    15, loja ile calcado do Arantes;
    n. 37 e 39, loja de calcado de Por-
    to & Gompanbia, e na ra da Ca-
    deia do Kecife n. 46, loja de miu-
    dezas de Jos Fortunato dos Santos
    Porto.
    Bilbetes 10,600
    Meios 5,3oo
    Quartos a,600
    Quintos 2,100
    Decimos 1,100
    Vigsimos 600
    Vende-se urna pnta creoula, Jo 2 a
    23 ancos de idade, sem vicios, nem acha-
    ques, saliendo engommar, lavar, cosinhar,
    coser alguma cousa : na SoleJade, no si-
    tio dos lees, a qualquor hora, ge achar
    com quem tratar.
    Vende-so urna taberna na praga da Doa
    Vista D. 5: a tratar na mesme.
    Vendem-se boas pennas de
    pato, a 80 rs. o quarteirao : no
    pateo do Goilegio, casa do livro
    azul.
    - Vende-se urna casa terrea, na travessa
    do Marisco I a tratar na ra da Santa Cruz
    n. 70.
    -- Vende-se cera de carnauba, de muito
    boa qualidade, por monos prego do que era
    nutra parte: lia ra da Aurorada Iloa Vista,
    venda n. 3-2.
    - Vende-se urna arniagfio propria para
    qualquer estabeleciaicnto, pois a mesma j
    esta bom a freguezada, debaos e mallas
    cuja casa t>m bastantes commoJos para fa-
    milia, e na mesma casa vende-se urna com-
    moda de Jacaranda por prego commodo :
    quem a pretender dinja-se a ra das Cinco
    Puntas n. 67.
    - Vendem-se rebotes muito bons, vin-
    dos do porto, pur prego commodo : na ra
    do Livramenton. 20.
    Cal virgem de Lisboa.
    Vende-mse barris cora cal virgem de Lis-
    boa, da nuil nova que hi no marcado: na
    ra do Apollo arinazem n. 10.
    -- Vendem-se dous.negros, creoulos, de
    bonitas liguras, para lodo servigo, com pre-
    ferencia pura eiigcnho ou embarque : lia ra
    da Flo'entina n. 14, se dir quem ven le.
    Vende-so um prelo som vicio algum :
    na ra Augusta n. 22, cm cata do Cabo.
    - Voudo-so urna creoula do-22 annos de
    idade, que sabe cozer, o fazer labyriuln, co-
    sinha, engomma liso, o he boa vendodeira,
    ii.o tem vicios nom achaques: na ra do
    Sobo n. 7.
    Vende-sena livrariada ruado Crespo
    11. 1t,os seguinles livros :obras comple-
    tas de Cames,3 vnlurnes novos com boa en-
    cadernago, por 8,000 rs.; o romance do Ju-
    deo Eirinte com finas estampas, por 12 000
    rsj a hislo'ia o cavalleiro d'aruieutal, por
    4,000 rs.; a historia da Mana despatillla,
    por 7,000 rs.; o romaneo Jorge ou capitSo
    dos piratas, por 3,000 rs. ; um jugo do dic-
    cionarios inglezos por Vi.-ira, pur 12,000 rs.
    alias de Seweucoiirt, por 8,000 rs. ; tojas
    estas obias sSo novas e com bas oncader-
    ntcOes.
    Mico pcnles de tartaruga para
    prender cabello.
    Vendem-se na ra doQuoimado, na nova
    loja de miudezas n. 47, os melboros pcnles
    do tartaruga que tem apparecido, cila um
    uci sna calxmha, pclu diminuto prego de
    Sands
    SALSA PARRILHA.
    Vicente Jos de.Brito, nico a-
    genteeni l'ernaiqbuco de B. J. 1).
    Sands, chimico americano, faz pu-
    blico, que tem chegado a esta pra-
    9a urna grande porco de frascos
    de salsa parrilha de Sands, que sao
    verdadeiramnte falsificados, e
    preparados no Rio de Janeiro, pe-
    lo que se devem acautelar 09 con-
    sumidores de to precioso Talis-
    mn, de cahir neste engao, to-
    mando as funestas consequencias ,
    que sempre costumam trazer os
    medicamentos falsificados, e ela-
    Salsa de Sands.f A CIBADE DE PARS.
    Fabrica de chapeos ft so!, na ra
    Ra larga do Rosa-
    rio n. 56.
    Este remedio acha-se a venda
    na botica de Birtholomeu Frnn-
    riscode Suza, no lugar cima in-
    dicado : o mesmo garante a quem
    duvidar ser a verdadeira Salsa de
    Sands.
    Arados de ferro.
    Na fundigSo da Aurora, em S. Amaro,
    reodem-se arados de ferro de diversos
    mtelos.
    Taixas para em/enhos
    Na fundicSo de ferro de D.
    W. Bowman na ra do Brum
    pasando o chafariz contina a
    borados pela mao daquelles quejiaver am completo sortimento
    antepSem *eus mteresses aos ma- d les da l.umanidade l ortanlo, P- Ldo Je 3 a 8 palmos de bocea,
    de para que o publico se posa li-1 8 acham.e a venda, por
    vrar desU fraude e d.stingua a | ^Q commodo e COm prompti-
    veidadeira salsa parrilha de &adS!^ cmbarcam.8e) ou carregain-
    se em carros, sem despezus ao
    da falsificada,
    qui chegada
    que
    ver,
    e recentemente a-
    o annunciante faz
    a verdadeira se vende
    : comprador.
    -- Vendem-se
    os verdadeiros elins in-
    unicamente em sua botica, na rua:glozea, patente, de molla e aem ella: na
    1 i' ...,;,.*, .1.. H..ni,. n fi p 'rua da Senzalla Nova n. 42.
    da Conceicao do Kecile n.O O, Ve,,de-sea cxcellente typo-
    alem do receituano que acompa- _. N "llj
    ' r u j'granhia (o Diario Novo, estando
    nha cada frasco, tem embaixo daB,a'" ... 1 ..
    . ___s_ bem montada, tanto de bons pre-
    primeira pagina seu nome impres- '
    " ib ___1 1 como de tvpos : quem a pre-
    so, e se achara sua firma em ma- > Jl ^
    nuscnpto sobre o invoUono im- ; lracoma yiuva Uoma.
    presso do mesmo Irasco. ,.
    Deposito rtn fabrica ilo Todos os 1 "'"""'J' .
    Santos na Un lili. Superiores chapeos do sol de seda inglo-
    Vondo-se.cmcasa deN. O.Biober&C, zcs chegaios polos ltimos navios, pelo di-
    na ra da Cruz n. 4, algodSo transado a- rrinulo proco de 5,000 rs. cada urna : na
    quollarabrica.muitopropnoparasaccosde rua doCollegio n. 4.
    assucarcroupadccscravos.porprecocom- Vende-te urna morada ae
    modo. CJsas, feiti a moderna, com lijlo e
    Ao bom e barato. 1 jt do Motocoiomh,
    NarUadaCadeia Vellia n. 33,h para ven- '
    der, pegas de muito bom a!god.1o da Ierra, ()Or preCO multo Cm Conta : a tra-
    com 50 varas, polo diminuto prego de dez (ar na ra Imperial n. 3l.
    4,5oo rs. I Cal virgem.
    mil rs.
    a iao rs
    o covado uu ,wu .-.. Vende.S9.Cil deUb mtli noY, do
    ;t|)t't;a. 1 mercado: na ra do Vigario n. 19, priroei-
    Na ra do Cueimalo, loja n. 3, vendem- andar, escriptorio de T. de Aquino Fonseca
    se chitas escuras muito boas, e de lindos ,& Filho, ouna ra do Trapiche, amazem de
    matizes, pelo baralissimo precode 120 rs. o 1 Antonio Augusto da Fonseca.
    covado. ou 4,500 rs. a pega ; bem comoou-, Feijo novo a 6,000 rs.
    tras fazendas baratas. No arrnazem de Gouveia & Dia?, confron-
    Lial virgem de Lisboa. ; teaescadinba da Alfandega.
    Vende-se superior cal virgem,) Queijos do sertSo.
    checada ltimamente de Lisboa, e' Vendem-se muito bons e frescaesqueijoi
    b do sertao; na ra do tiueimado n. 14.
    por pre9o muito em con a: no ai- Aiointao de vento,
    mazem do Caes da Alfandega n. com bombas de ropuxo para regrar bortas
    7, OU a tratar no escriptorio de ebaixasdecaplm nafundigSodeD. W. Bow-
    ,(: s '_ u:. X, tn. J. man:na ra doBrumns.6,8olO.
    iXovaes & Lompanlua, na ra do _. Vl,nde_so (1U a|Uga.g0 Uma padaria, na
    Trapiche n. 34. povoagflodos Apipucos; a tratar na ra Di-
    Kazenda da moda. "'. Cde-w um bom c.v.llo c.st.nho,
    Vendem-se superiores cortes de cambraia 0 n bonlUl 0 com todos os andares,
    dosalpicos braucos do cor, pelo djminulo sel,B a na rocheira doSr. Au-
    prego de 3,500 rs.: na ra Jdo Crespo, loja KUS(0 M ,., d(J ,ne,,r0 Velho; e para saber
    n- 6- do prego, a fallar com Jos Saporite. na rua
    Lacados a 400, 700, 800, I,O00, d, Crozn. 18, orimeiro andar, das 9 horas
    3,000 e 4,000 rs. O par, IIO ater- da manha as 3 da tarde.
    ... u- .r 11 -- Vende-so uma preta que engomma h-
    ro da Isoa Vista, delronte dauo- so> cozei C0SjOha 0 lava, tudo comperfei-
    neca 11 l4' e ,""a ou'ra 1ue cosin',a, lava o he
    Trocam-se os mais superiores sapalos de quitandeira : na rua larga do Rozarlo n. 35,
    couto de lustro, francezes e de Lisboa, pura 'Ja- ,
    senhora.a 1,600 rs.; diios deeoniavuo, a Casa Feliz, na pracfr da Indepen-
    800 rs.; ditos para meninos, a 400 rs.; sa- den^ia n. 36
    palies, os melhores que team vindo do Ara- Q MuWl| acim8> annuncia ,0
    quo as suas cautelas
    z da Iloa Vislo, cujas
    26 do corrente niez 1
    assim como vendo caulolas do Itozario da
    5,500 rs. cada um a e.les anles que seVaca- K ur.qu. com pon a de I.., r,,, ^^ ^
    boa,: assim como par. m.rr.f,, a 800 rs. o| 3.000 n., ^% *t gu.ntes :
    ? muitoscalgados, ludo por prego muito com- '
    l mudo, ulitu do se apurar dinheiro.
    Bicas luvas para noivados.
    Na rua do Queimado, loja de miudezas n.
    47, vendem-se luvas de polica muito finas,
    cnfeitadas,c com belotas,de muito boa qua-
    lidade, pelo diminuto prego de 2,500 rs. o
    par ; Bssirc como ditas de seda trangada
    branca c cor de caoa, a 2,000 rs.
    Luvas ponto inglez.
    Vendem-se na rua do (Jueunado, loja de
    miudezas n. 47, luvas ponto inglez, do mui-
    to boa qualidade, mais barato do que em
    oulra qualquer parte.
    tuco sortimento de fitas.
    Na rua do Queimado, loja n. 47, ciiste um
    bonito sortimento do lilas de seda para siu-
    leiro, as mais bonitas que tem apparecido;
    assim como um rico soilimento de fitas de
    veludo para pescugo, com suas competentes
    fivelas, mais barato do que em oulra parte.
    fspanudures para sima de mesa
    a .'20 rs.
    Na rua do Queimado, loja de miudezas
    n. 47.
    Luvas de torcal a 710 rs. o par
    Muito novas a linas; na rua do Queimado,
    loja do midezas o. 47.
    Aderecos pretos finos de finagran
    com seus competentes brincos,
    a 1,000 rs. cada um.
    Vendem-se ns rua do Queimado, loja de
    miudezas n. 47.
    Capachos compridos a 6-io
    rs. cada um.
    Na rua do Queimado, loja de mindezes
    n.47.
    Bonets de panno preto fiaos.
    Vendem-se na-rua do Queimado, loja n.
    47, propiios para andar de noite, mais ba-
    rato do que em oulra parte.
    Bengallas finas a 3ao rs.
    cada ama.
    Na rua do Queimado, loja n. 47.
    - Vende-se um casal de escravos com
    uma cria : no Barro-Baiio, no sobrado do
    fallecido padre Manoel do Muro.
    Vendem-se saccas grandes com milho
    novo : 00 Becco Lugo do Kecife, taberna
    que volla para a Senzalla Nova.
    Vendem-se pombos muito bons, por
    prego de 1,000 rs. para baixo, ocaaal: no
    pateo de S. Jos, casa da esquina n. 39.
    -- Continua-se a vender manlciga ingleza
    nova, a 480 e 56o rs. a libra, dita franceza, a
    480 e 560 rs., goroma, a 80 rs. a libra, vina-
    gre, 1 80 rs. a garrafa, e 500 rs. a caada,
    vinbo, a 160 rs. a garrafa, e ludo o mais se
    contina a vender pelos pregos jaannun-
    eiados, nu pateo do Carino, venda por baizo
    do sobrado de um andar, esquina que volta
    para o beceo da Bomba n. 13.
    Gesso.
    Vende-se gesso embarrices, cnegado l-
    timamente :am casa de I. Keller* Compa-
    quia, na rua da Cruz n. 55.
    Matriz.
    Quartos
    Decimos
    Vigsimos
    2,600
    1,100
    600
    Quartos
    Decimos
    Vigsimos
    Rosario.
    2,200
    1,000
    500
    Vende-sc inassa de tomates,
    l'otassa americana.
    No anligo deposito da cadea volha, ti.
    12 existe uma pequea porgSo de potassa I
    americana, chegada recentemente que por'
    superior rivalisacom a da Kussia: vende-
    se por prego razoavol.
    {oposito (le caj e potassa. j,ara (empero; tinta de imrcar rp-
    No armazcm da rua da Cadea pa e carrancas para capote: na rua
    iollecifc n. xa, ha muito supe- da Cadea n. i5, loja deBourgard.
    or cal de Lisboa, empedra^ __ Vendem-se cspelhos com mol-
    as.iim como potassa chegada ul-jdnraa douradas, os mais ricos que
    timanientc a precos muito ra-; teem apparecido no mercado : na
    soaveis. 'ruada Cruz do Hecile n. 49> a'-
    Agencia de Edwin Maw. I mazem de L. Schuler & t'oin-
    Narua de Apollon.6, armazein Uc Me.Cal-! nanl.:_
    mont&Coiupanbia, acha-aeconalanleuienle panuid.
    Uona sortimentoa de laixa de ferro coado el \'cild('in-,sc .sarras C0111 fa-
    Oalidu.lanlo rasa coinu fundas,moendasiu- .. 1 > t
    elraalodaade ferro para auimaea, agoa,le., redo de a l\ arrobas : no ar-
    dllaa para armar em madeira de todos os la-, mazem Je ,\nton0 Annes, no Caes
    uianhose madelloao mais moderno,machina wim^
    boriaonlal para vapor,com forfa de 4 caval- da Allandega.
    la, coucoa,paaiadeiraa de ferro estanhado \ A^^^^^^^j^&j&&'MM&&&&
    para casa de pulgar.por menos precoqueoa[ a n ,-. I.nmponalliirn >
    de cobre, eacovena para navio,ferro i ngleif;i UOUCa liomeopaillica.
    Unloeui barrascomo em arcoafolhas.eludoZ 28 rua das CruzCS a8
    ,.ur barato preco. g II. para so vender algumas caixas g
    Carnauba de pnmeira sorte. j ricas com medicamentos em tintura. a>)
    Vende-se em porgSo o a retalho, no depo- a) Cada uma ser acempanhada de um e .-
    .-..tu ti.- 11. R. Andrade & Companliia, na iui'9 frasco enm glbulos inertes, e o #
    da Cruz, coufronlo o chafariz n. 19. I (^ meto de os preparar. a>,
    Vendem-se relogios de ou- $*P^f?ff*lte
    __ .___.__,__. Vende-se um alambique. Continuo de
    ro tprsta, patente inglez: na rua, nosne( propno paia deslZ ;Sftirm de 10
    da Senzalla Novan. 4s.
    AGENCIA
    da fundi$ao Low-31oor.
    RUA DASENZALLA NOVA N. 42
    Neste estabeleeimento conti-
    aa
    gios, com bomba de cobre e repuxo, tudo
    novo ; na rua do Rangol n. 54, fabrica de li-
    cores de Victorino francisco dos Santos,
    que tambem vende a fabrica com poucos
    fundos, a dinheiro ou boas firmas, e obriga-
    sc a ensillar ao comprador a fabricar todos
    os lquidos com perfeigSo.
    a haver um completo sort- \a rUH do Crespo, loja n, 6.
    ment de moendas o meiaj mo- Vendem-se superiores cortes de cambrala
    endaspara engenho machinas i ^*^'pf s*_-5.!?l6,-',a 7 "."." 3'5008
    de vapor, e taixas de ferro bati-
    do ecoado de todos os lma-
    nnos, para dito.
    aioendas superiores.
    Na fundigo de C. Starrt Gompanbia,
    em S. Amaro, ach.-iui-.se a vouda moendas
    de canna, todas de ferro, um modelo e
    eonstruego muitosunerior.
    Vende-se uma linda eacrava recolhida,
    de 17 annos de idade, mocamba, e de ex-
    cedente conducta: na rua da Praia 11. U,
    primeiro andar.
    Sedas.
    Vendem-se muitosuporiores sedas,deco-
    res e preas, para vestidos de senhora e me-
    ninas, manteletes, ou capotinhos, por pre-
    go muito commodo, aiim de l apurar di-
    nheiro: no aterro da Boa Vista, loja de cal-
    gado n. t4.
    4,000 rs.; cortes de cassa chita, de novos
    gustos, a 2,240 o 2,500 is.; cassa franceza a
    440 rs. a vara ; cortes de brim trancado es-
    euros e mesclados, a 2,000 rs.; panno lino
    preto,a 3,000 e 4,000 rs ; Icngns do cambraia
    de linbo, a 480 rs.; ditos de cassa grandes,
    a 160 rs.; risrado i linbo a 180 rs. o covado
    e muilas outras fazendas om conta.
    Urna encommenda de cobertores,
    Que por seren poucos
    'Nao podem ebegar
    A todos os compradores,
    a 1,600 rs. cada m: na rua do Crespo, lo-
    ja n. 6.
    -- Vendem-se amarras de ferro: na "ia da
    Senzalla Nova n.42.
    Gomma de engommar.
    Vendem-sa saccas om gomma, muito al-
    va, oropria para engommar e fazer bolinbos,
    do C'ollegio n. 4-
    Alm do sortimento j annunciado, rece-
    lieu-se pelo navio Havre, ultimo vlndo de
    Fringa, um novo sortimento de chapeos de
    sol de seda e de panninho, para homens e
    senboras,-dos ltimos, gostos; superiores
    chapeos de sol de seda com cabos de cana/e
    outrus dos melhores que tem vindo a esta
    praga, que se conlinuam a vender por me-
    I nos prego que em outra qualquer parte.
    -- Vende-se um sobrado de um andar,
    sito na rua do I.trmenlo : a tratar no ater-
    ro da Boa-Vista n. 10, sobrado; tambem se
    vende urna negra boa quilandeira.
    -- Vendem-se lonas, brinzSo, brins, e
    meiss lonas da Russia ; no armarem de N.
    O. n-ber & Companhia, na rua da Cruz
    n.4.
    Potassa da Russia, e cal virgem.
    No arrnazem da rua do Trapiche n. 17, de
    Jos Ferreira Basto, ha para vender superior
    potassa da Russia, chegada ha poucos dias.e
    cal virgem da mais nova que ha no mercado.
    Farinha de mandioca a 1,600 rs. a
    sacca.
    No arrnazem de J. J. Tasso Jnior : na rua
    o dAmorim n. 35.
    Vende-se uma escrava creoula, boa en-
    gommadeira, cosinheira e costureira : na
    rua Bella n. 16.
    Vendem-se saccas com T-
    relos : na rua da Madre de eos ,
    arrnazem n. ao.
    Loteria da Matriz da Boa Vista.
    Aos 10:000,000 e 5:ooo,ooo de rs.
    Na loja do miudezas da praga da Indepen-
    dencia n. 4, vendem-se bilheles inteiros e
    meios, a beneficio da Matriz da Boa Vista ,
    que corro impreterivelmenle no dia 26 de
    outubro.
    Bilheles inteiros 10,000
    tloios li Hieles 5,000
    -- Vendem-se asseguintes sementes:
    nabos,ra bonos,raba netos encarnados obran-
    eos, sebula, couve trinxuda alface lia-
    moa, ropulhuda,chicoria, senoulas, feijDo
    carrapato do tres qualidades,crvilha torta e
    direita, fava, coentro de touceira, salga, to-
    mates grandes, repolbo, couve lombarda,
    sahoia, e mustarda : na rua da Cruz n. 46,
    defronio do Sr. doutor Cosme.
    Deposito de panno de algodao da
    fabrica de Todos os Santos da
    Baha.
    Vende-se o bem conhecido pan-
    no de algodio da Babia, proprio
    para saceos e roupa de esciavos,
    a vontade do comprador no es-
    criptorio de Novaes fck Compa-
    nhia, na rua do Trapiche n. 34.
    Alerta freguezes
    Que silo cnegados,
    Cobertores de algodSo
    Muito encorpados.
    Na rua do Crespo,luja da esquina que vol-
    ta para a Cadea, a 1,600 rs. cada um.
    Vende-se uma casa nova e muito bem
    construida, na rua Imperial ; a tratar na
    mesma rua n. 171.
    Em casa de J. K el le- &
    Companhia na rua da Cruz n.
    55, ha para vender dous excel-
    lentes pimos fortes, e de uma das
    melhores fabricas, chegados lti-
    mamente da Europa.
    Batatas novas
    Francezas, em gigos de 4o li-
    bras, chegadas no brigue Cesar ,
    por precos muito commodo* : no
    armazcm da travessa da Madre
    Dos n. ai.
    --Vende-se um relogio de ouro, com cor-
    rente tambem deouro: na rua Ua Concei-
    cm n. 32.
    A a,ooo rs. o corte.
    Na loja da esquina, que volta para a rua
    do Colleglo n, 5, veadem-se cortes do meias
    casimiras a 2,000 rs., e bonitos corles de
    ca m limas francezas de coros, a 3,200 rs. o
    corte.
    Sebo refinado.
    Na rua Direita n. 59, ven Ic-so sobo refina-
    do a retalho, a 6,000 rs. a arroba, o em por-
    gSo a 5,500 rs. a arroba.
    Vende-se caixas com cera
    em velas, de 3 at 16 em libra ,
    fabricadas em Lisboa, e no Rio de
    Jantiro, por pre$o mais co nmodo
    do que em oulra qualquer parte :
    trata-se com Machado & l'inhei-
    ro, na rua do Vigario n. 19 se-
    gundo andar.
    Na prega da Independencia n 32, e em
    Fura de Portas, loja de barbeiro, vendem-sc
    bons aadores para navalhas, pelo diminu-
    to prego 'e 120 rs.
    Aossenhores mestres de calafate e|
    donos de barcacaa.
    Na ruada Praia de Santa Rita, taberna n.
    43, acham-so expostas a venda uma porgo
    de palhas seccas, e muilo boa estopa e breu,
    tudo se vende por prego commodo.
    Fcntes de tartaruga.
    Vendem-se ricos pentes de tartaruga, pa-
    ra atar cabello, a 5,500 rs.; ditos de bfalo ,
    para desembaragar cabello, a 720 rs. : na
    rua do Queimado n. 33.
    -- Vende-se um preto cosinheiro, ainda
    mogo esoin vicios: no largo do Collegio nu-
    mero 6.
    Kieos leques.
    Vendem-se muilo bonitos leques de pa-
    pel, para sonhora, a 4,000 rs. : na rua do
    Queimado n. 33.
    Ligas de borracha.
    Vendem-se ligas de borracha, a 120 rs. o
    par; caixinhas de vidro, para joias, a 640 rs.;
    liobas de peso de meiada, a 60 rs.; ditas de
    carretel de 200 jardas, a 60, 80 e 100 rs.; ca-
    ivetes muilo tinos, para pennas, a 720 rs ;
    caixinhas deagullias, a 280 e 320 rs. : na
    rua do Queimado n. 33.
    lucos tocadores.
    Vendem-se tocadores de Jacaranda, pelo
    diminuto prego de 2,200 e 2,500 rs.; chico-
    tes de baleia, a 2,000 rs. ; proprios para se-
    nhora ; ditas de junco, para homem, a 640
    rs.; bengalas do baleia, a 1,600 rs. e ou-
    tras muilis miudezas, que se vendem por
    prego muito commodo: na roa do Queima-
    do o. 33.
    Cortes de vestido, a 2,000 rs.
    Continua-se a vender cortes de riscado
    francez, cor tlxa e bonitos padroes, pelo ba-
    rato prego de 2,000 rs. cada corle : na loja
    do sobrado amarello nos Uualro Cantos, da
    rua do Queimado n. 39.
    Palitos feitos.
    Continua-se a vender palitos de panno fi-
    no, por prego muilo commodo : na loja do
    por nao ser secca ao fogo: na rua do Quei-1 sobrado amarello, nos Qualro Cantos da rua
    mado n. 14. do Queimado n. 39.
    Tocas de 13a para meninas.
    Vendem-se tocas de ISa para meninas, pe-
    lo baratsimo prego de 800 rs. : na rua do
    Queimado n. 33.
    s lllms Srs. estodanles do quinto an-
    uo das scienciis jurdicas da academia de
    Olinda, que devem tomar o grao do hacha-
    reis, alio convidados para comprarem as li-
    tas para aa suas cartas : na loja da rua Nova
    n. 2, atrazda matriz. ,_
    Fabrica de chapeos de sol no
    Aterro da Boa-Vistan, aa.
    O dono deste estabeleeimento cima men-
    cionado tem a honra d participar ao respei-
    tavel publico de Pernambuco, e particular-
    mente aos seus freguezes, que recebou umi
    grande sortimento de chapeos de seda e de
    panninhd para homem, ricos chapeos de se-
    nhora, um grande e escolbido sortimento
    de sedas e panninhos para cobrir armagOes
    servidas, fazem-se todos os concertos neces-
    ssrios em chapeos velhos, todos estes objec-
    los cima mencionados se vendem por me-
    nos do que em outra parte, e a contento dos
    freguezes.
    --Vende-se uma loja com fazendas no
    l'assoio Publico n. 5: os pretendentes di-
    rijam-se a mesma loja, que achara com
    quem tratar.
    --Ven-le-se oleo de recio em latas da
    30 librase por mais commodo prego do que
    em outra qualquer parte : na rua da Cadeia
    do Recife, n. 56 loja de ferragens.
    -- Acha-se na Cadeia de 01 inda um escra-
    vo, creoulo, de 33 annos de idade, muito
    possinte ; vende-se para lora ou para enge-
    nto : quem o pretender dirija-sa a ladeira
    doVarailor, reQnagSon. 14.
    Imposto de 500 rs.
    O arrematante do imposto de 500 rs. so-
    bre rez morta para o consumo, no munici-
    pio do Recife, vendo os ramos das fregu-
    zias de S. Lourengo, Muribera.e JaboatSo.do
    anno municipal do l." do outubro a 30 de
    setembro de 1854 : na rua Direita n. 72.
    Vendem se fitas para cartas de hacha-
    reis formados em diretlo: na ina Nova,loja
    n. 3.
    vendem-se na loja n. 2 da rua Nova,bo-
    nitos, ricos, e delicados chapeos de seda,
    para senhora, que sorvem para guardaros
    lindos rostos do uniente sol desse bello paiz.
    -- Vendem -se charutitos legtimos de Ha-
    vana, proprios para intervallo de theatro,
    masso de 25 1,000 rs vista : na rua Nova
    n. 2, a fallar com o Nahuco.
    -- Vende-se um bonito preto, mogo, bom
    padeiro, sem vicio nem achaque, o que se
    sfianga, tres pelos bons para arrnazem de
    assucar ou para rua por seren corpulentos,
    uma negrota de 18 annos com habilidades,
    por m so se vendo para fra da provincia ou
    para o mato, e tem ceitidSo de idade, uma
    dita de 20 annos sem habilidades, uma pro-
    la perfeita quitandeira, e entende de todo
    servii.li de casa, como cosinhar, engommar
    alguma cousa e lavar, e tem uma filha de 8
    anuos muito linda, com alguims habilida-
    des : na rua dos Quarteis n. 34, segundo
    andar.
    Vende-ss o deposito da rua estreita de
    Rosario n. 28.
    Para senhora.
    Vendem.se bolins de duraque preto,
    para senhora, com punta de couro de lustro,
    por 2 000 rs.: na loja n. 2 da ru Nova.
    ' Vende-se um escravo muito sadio.e de
    muito boa conducti, e bonita figura, pro-
    prio para engenho, arrnazem de assucar, ou
    sitio : na rua do Livramonto n. 32, padaria.
    Vendem-se saccas grandes
    com milho novo, por preco com-
    modo : a tratar na rua da Cadeia
    do Becife, na esquina do becco
    Largo, loja n. a6.
    Vendem-se lengos de seda a 1,280 rs. ;
    chitas francezas a 200 rs. o covado; cassas
    finas para vestido de senhora a 560 rs. a va-
    ra : na rua do Quoimado, loja n. 9.
    Venda-se a taberna da rua do Jardim
    n. 69, e om bom logar : trata-so na rua do
    Rangel n. ni.
    Bom negocio.
    Vende-se urna canoa de milhoiro de lij-
    lo, em bom uso, pela nielado do seu valor:
    na rua das Trincheiras n. 29.
    Vendem-se cordas do tripa de superior
    qualidade, chegadas proximament-i par
    rabecas e violSo : na rua da Cadeia n. 41,
    loja de ferragens, de Thomaz Fernandos da
    Cunts, por mais commodo prego, que om
    nutra qualquer part-, a retalho o em migo ;
    e na mesma loja cima existe uma caixa pa-
    ra rap, guarnecida e com firma, que por es-
    quecimeato a dcixaram, quem forseu dono
    dando os signaes cortos lhe ser eutregue.
    -Vendem-.ie duas negrinhas muito bo-
    nitas e proprias para biincar com mangas ;
    na rua da Cudeia do Recife n. 55.
    Oh que pechincha I
    Ha para vender fchegado ltimamente)
    um variado e completo sortimento de cai-
    xinhas com ainendoas de diversas cores ;
    assim como confeitos.de erva doce, cravo,
    canella e coliandres, muito proprius para
    onfeitar bandejas, holinhos para cha ; e re-
    cebem-se encomendas, tudo por prego mui-
    lo commodo: no Atierro da Boa Visto n.
    ti.i,a parira de Andr Nauzer.
    Vende-se um bonito escravo de nagSo,
    proprio para arrnazem ou para carregar pa-
    lanquim, por ser do bonita figura: na rua
    Volha n 55.
    Na rua do Sol n. 7, vendem -se as obras
    de ouro seguinles: --urna gargantilha, um
    correntio, um iracelim, um par de atacas,
    um r mio com medalha, um coragSo, um
    cordSo fino; tudo de ouro bom e por prego
    muito em conta.
    -- Na rua da Penha n. S3,primeiro andar,
    se dir quem vende um moleque, creoulo,.
    ofilcial de charuteiro, um faqueiro de prata
    con trast aiia do Porto, um corren iSo para se-
    nhora deouro de lei.
    Vende-se uma duzia do cadeiras novas
    de Jacaranda, ror progo commodo: na rua
    larga do Rosario n 38, se dir quem vende
    Ao barato, freguezes
    Na rua do Crespo, loja n. 9 vende-se
    panno mcsclado para palitos, polo diminu-
    to prego do 3,000 rs. e 2,500 o covado, e
    cortes do casimira de quadros a 3,500 rs.
    i na do Cres-po n. g,
    Vendo-se riscado monstrn, de linho, com
    4 palmos de largura, a 320 rs. o covado ;
    ditos francezea a 180, 240 e 280 rs. o cova-
    do ; cortes de cambraia de babados a 4,800
    e 5,000 is. ; e outras muilas fazendas de
    gostos modernos, por menos prego do que
    em outra qualquer parte.
    Ba do Crespo, loja amarella
    n. g.
    Vende-se palitos do ultimo gosto, de
    panno mesclado, por menos prego do que
    em outra qualquor parto; cortes do camz
    braia de salpicos, por 3,000 e 3,500 rs e
    lengos de seda a 500 rs., panno escosse;
    Eara palitos a 3,000 ra. o covado ; cortes d.
    rim francez, do ultimo gosto, a 3,000 rs.
    Moendas patente.
    Acabaos de chegar moendas e meia moen-
    das de varios tamanhos da patente do A. e
    Kdde Mornay em casa de Holln e Kidoulac,
    rua do Trapiche n. 12, aonde timben se
    achara arados de ferro do modelo mais ap-
    arovaJo para a plantadlo da canna. Estes
    arados sSo construidos na fabrica mais ac-
    reditada em Inglaterra e contem vantagens
    sobre os outros arados.tanlo no seu arranjo
    como na sua durago.
    Um PARRILHA
    DE
    As numorosas experienciasfeitas como
    uso da salsa parrilha em todas as anfermi-
    dades,originadas pela impureza dosangue,
    e o bom exilo oblido na corte pelo Illm.
    Sr. Iir. Sigaud, presidente da academia im-
    perial de medicina, pelo llluatrado Sr. Dr.
    Antonio Jos Peixoto em sua clnica, o om
    sua afamada casa de saude na Gamboa, pe-
    lo Illm. Sr. Dr. Saturnino de Oliveira, rae-
    dicodo exercito e por vanos outros mdi-
    cos, pnriu ittciii hoje de proclamaraltamenta
    as virtudes cfTicaies da
    SALSA PARRILHA
    DE
    Nota. Cada garrafa contem duas libras
    de liquido, e a salsa parrilha de Briatol he
    garantida, puramente vegetal sem mercu-
    rio, iodo, potassium.
    Em consequencia de se ter fechado a bo-
    tica do Sr. Jos Maria, mudou-se o depo-
    sito da salsi parrilha de Bristol para a bo-
    sica ingleza roa da Madre Dos n. t, vende-
    tea 5/000 rs. o vidro.
    Vf Vf ?f f f f f 99f f f tf Iffff
    *De psito de tecidos da fabri- j
    a> ca de Todos os Santos, 41
    ^ na Bahia. j|
    >s> Vende-se em casa de Domingos Al-^
    * ves Matheus, na rua da Cruz do Ro-ag
    * cifen.52, primeiro andar, algodao-*
    J transado d aquel la fabrica, muitopro--4
    "J. prio para saceos e roupa de cscra--*
    a vos, assim como lio proprio para re-g
    des de pescar e pavios para vollas,2
    E por prego muito commodo. 2
    A*AA*ftM*i* *M**AAAAA
    U barateiro do Passcio Public*,
    loja n. 11.
    Vendem-se superiores pannos fios de
    todas rs Corcs.de 3,500,3,800,4, 5 e 6,000 rs.
    o covado, casemiras pretrs superiores, a
    2,500 e 2,800 rs-, setim preto mscau.a 3,600
    rs., e de cores, a 2,800 o c te, sarja prela
    hespanhola, a 2,600 rs., cortos do vestidos
    de sargelinss do so la, a 15,000 rs., ditos.de
    sedas lutados, a 12,000 rs., cortes de Chi-
    tas cassas, a 2,000 o 2,500 rs., gorgurOe* de
    seda para coleles, a 1,000 rs tafetas do co-
    res, a 480 rs., setim cor de rosa, a 640 ra.,
    cassas pro'as, a 400 rs casinetas de lia pa-
    ra para caigas, a 700 rs casemiras de algo-
    dSo, a 320 rs chitas francesas largas, a 310
    rs riscados frnncer.es, a 160 e 340 rs cha-
    les de 19a e seda, a 4 e 5,000 rs., ditos de ISa
    emitsndo aseda, a 2,0i0 rs., ditos de qua-
    dros, a 1,440, lencos do seda, a 1,600 e
    2,000 rs ditos de chita linos, a 320 r lon-
    gos ds cambraia bardados para mo de se-
    nhora, a 300 rs., cambraias lisas transpa-
    rentes, a t,600 rs. 10 varas, o a vara, a 160
    rs., brim para caigas, de cores, de 1,000 rs.
    a 1,300, 1,400 e 1,500 rs., madapolfo de 3/,
    3,200, 3,500, 11,800, 4:400, 5,000 Ti., o supe-
    rior, 5,500, algodSosjnho, chitas, e outras
    muilas fazendas, maulelet'S o capotinhos,
    chalas de 13a pretos, brelanbas de puro li-
    nho e muito lina, chapeos de massa francez
    a 6,000 rs o m>is fazendas que se vndenlo
    baratas vista da mueda.
    Vende-sc vinho de champa-
    nhe legitimo e de superior quali-
    dade : em cana de J. Kcller &
    CompanlV na rua da Cruz n.
    55.
    Obras de ouro.
    As mais lindas que teem vindo a
    esta pruca, e de todas as qualida-
    des: vendem-se em casa de Brunn
    I'raeger & Companhia, na rua da
    Cruz n. 10.
    ' Verniz do gomma copal contini a
    vender-se na bolica da rua do llangel, a
    1,280 rs agarrafa____________________
    "SSW"'"*!"BHSMH"SB^ajHMB>*
    Escravos fgidos.___
    Ha um mez, pouco mais ou menos, de-
    sappareceu um proto por nome Minoel,cre-
    oulo, n olTicial de alfaiate, bastante conhe-
    cido nesta praga,por j ha ver traba lindo em
    muitas lujas, o qual pertence ao abaixs as-
    signado, e tem os signaes seguidlos :hal-
    X0, quebrado das virilhas, um pouco groSSO
    docorpo, cor p ela, olhos grandes, tem tres
    cicatrizes no lirago e m.i > direita de uma
    opera (lio que havii soiTrido ha pouco no
    hospital ; be de presumir quo ande por esta
    cidade, visto ser della natural, ter alguna
    prenles : roga-se as autoridades policiaes e
    a toda e qualquer pessoa, a captura do mes-
    mo, e o favor do o mandar entregar nesta
    cidade em casa do senhor subdelegado da
    Boa-Vista Rufino Jos Correia de Almeido;
    e na cidade do Rio-Formoso a Francisca
    Christina Lins, quo ser generosamente re-
    compensado : o mesmo abaixo assignado
    protesta rom todo o rigor da lei, contra a-
    quella pessoa, quem quer que seja.que o li-
    vor oceultado.Francisco Caldas luis.
    Desappareceu no da 15 do passa'do, as
    7 horas da noite, do Hotel Rocifn, o pardo
    Exequiel que foi do senhor Luiz Rodriguos
    Setle, e como pelas circunstancias que pre-
    cederam a essa Tuga presuma-se que ello
    procure a todo custoovadir-so, roga-se as
    autoridades policiaes que o recommendem a
    seus inspectores e pessoas do conlianca,.|iui
    de ser descoberto e capturado : o pardo ho
    baixo, de idade 25 annos, n.eio corpo, sem-
    blanto carregada, tendo urna pequea cica-
    triz na face, anda cagaloe fuma : levou
    chapeo de seda preto, e anda com uma ben-
    gala lina ou junco, o inculca-se por forro ;
    anda frequentemenleno baiiro da Boa-Vis-
    ta aonde sempre he encontrado: quem o
    pogar levo-oa rua do Trapiche n. 5, que ser
    recompensado.
    Anlaida fuga um met, pouco maisou
    menos,a escrava Maria, creoula, baix>,cheia
    do corpo, cara larga, cortada nos hombros
    de chicote, dove andar de vestido de algo-
    dSo azul; a dita escrava tem an la lo pela es-
    trada de J0.I0 de Barros : quem son Per del-
    la ou pegar, leve-a a tua da Madre de Dos
    n. 7, loja, que ser recompensado.
    Sabbado, 2 do corrente, a noite, dosap-
    pareceu o moleque, creoulo, du nome Fran-
    cisco, natural das Espinharas, carlio da l'-i-
    rahiba.de idade 16 a 17 annos.baixo,retorci-
    do do corpo,bastante vivo e desembarac/do,
    mentiroso e vadio em extremo.a ponto de se
    esquecer do que se lhe manda fazer, ligado
    sempre a ranxos de outros moleques.no que
    benolavel, eentrelido nessa bregeirada no .
    volton casa; levando camisa de algodSo
    azul e caiga branca : quom o apprehender,
    poilera leva-lo a seu senlior o abaixo assig-
    nado, moradur na rua da Cadeia do Recife,
    que ser recompensado. Jos Gomes Leal.
    Est fgido desde o principio do mez
    de setembro, o preto Luiz, de nagSo Ango-
    la, que representa ter 26 annos de Idada, da
    estatura baixa, choio do corpo, e quinlo
    falla bate com a lingua nos denles, tem um
    pequeo signal como de um lalho na espa-
    dua direita, consta que tem ndalo para as
    partes de Santo AnlSo, ou engenho das Ta-
    bocas : quem o pegar leve-o a rua da Con-
    cordia n.8, quo ser recompensado.
    I'EWI. ; TlP. DE M. K. DB Fahu. 1852.



  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID EVPY6VP7L_U69M51 INGEST_TIME 2013-03-29T18:48:45Z PACKAGE AA00011611_03355
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES