Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03311


This item is only available as the following downloads:


Full Text
M
' ANNO DE 1835. QUINAT FEIIU
7DCMAIO. N. 74.
DIARIO DE PERNAMBUCO.
Pernamduco, na Typ. dePiniiiro *e Faria. 1835-
DAS DA^EMANA.
4 Refunda S- Monica aud. dos Js. do C. de m. e de t. ses. da
T. P. e Ch. de t.
5 Terca Convcrsao de S. Agostinho. ReI-dcni.caud.doJ.de
O. de t. Quario croe, as 8 h. e 23 m- da t.
0 Quarta S. Joo Damasceno M. sessao da Thcz. Pub.
7 Quinta S. Estanislao B. Re. de m. aud. do J. do C. de m. e
det.
8 fexla Apparicao de S. Miguel Arcaojo Ses. da T. P. de m c
aud. do J. de O. de t-
9 Sabbado S- Gregorio Naziaz. Rcl. de m. aud. do V. G. de t. em
Olinda.
10 Domingo- S.Antonio Arcebispo.
Tudo agora depende de nos mestno*, da nosa prudencia, mode-
racao, eeoergia: continuemos como principiamos, e seremos a-
pontados com admirucao entre as Nacoes mais cultas.
Proclamado da Jtsemblea Geral do Brasil.
Subscreve.se a 1000 rs. mensaes pagos artiantados nesta Typogra-
fia, e na Praca da Independencia N. 37 e 38 ; onde se recebem
correspondencias legalisadas, eannuncios; inserindo-se estes gra-
tis sendo dos proprios assignantes, e vindo assignados.
PARTIDAS DOS CORREIOS. -
Olinda Todos os dias ao mcio dia.
Goiana, Alhandra, Paraiba, Villa do Conde, Mamangnape, Pi
lar, Real de S. Joao, Brejo d'Areia, Rainha, Pombal, Nova do
Souza. Tidade do Natal, V'ii'as de Goianninha, e Nova da Prince-
sa: Cidade da Fortaleza, Villas do Aquirs, Monte mor boto.
Aracaty, CascaTel, Canind, Granja, Impcratriz, S- Bernardo,
S. Joao do Principe, Sobrar, Nova d EIRey, Ico, S. Matheus, Ri-
acho do sangue, Santo Antonio do Jardim, Qnexeramobim, Par*
naiha Segundas e Sextas feiras ao meio dia.
Santo Anlao Todas as qnartas feiras ao meio dia.
Garanhuns, e Bonito nos dias 9 e 23 do mez ao meio dia,
Floresno dia 13 de cada aatz ao meio dia.
Serinhaem, Rio Formozo, e LimeirasSegundas, Quartas, e
Sextas feiras ao meio dia.
s.
PERNAMBUCO.
Asscmblea Provincial.
PROJECTOS.
N. 42.
(Obre as estradas : denominando as que se dirigpm
s Villas da Provincia, ou s Capitaes das Provincias
limtrofes e que communicarem as Villas entre siEs-
tradas geraes, que nao tero menos de 40 palmos de
hito; as que communicarem as Povoaces entre si,
sem pasas rem por Villa, e as que atravessarern. de u-
mas paraoutras estradasEstradas particulares, que
nao tero menos de 30 pnlraos de leito ; e os camiuhos
que communicarem das propriedades particulares pa-
ra as estradas geraes ou particulares, ou para as
Villas, ou povoacesEstradas, ou Caminhos priva-
dos, tendo a largura que convier aos respectivos
proprietarios dos terrenos que atravessarern, coman-
lo que nao seja menor de 20 palmos de leito. Estabelece
que as estradas lenho a direccio mais recta possivel ;
authorisa o Governo Provincial para mandar fazer os
preciz exames, a fim de formarem os planos, perfil,
eorsamentos; e a incumbir d'este trobalho na falta
de Engenbeiros, pessoas idneas para elle, con o ven-
cimento de 2." Tcnenle de Engenbeiros em deligencia
Bctiva, dando-lhe o mesmo Governo as instruces que
achar convenientes. Concluidos os planos e orsamenls
sero as obras arrematadas a quem por menos fuer,
prestando os arrematantes fimea ao valor total da par-
te da obra que eropreitarem, sem receberem nadaa-
diantado, recebendo todava pagamentos mensaus, se-
gundo o valor estimado dos trabalbos do mez antece-
dente. Estakelece Inspectores para a obra, e d mui-
las outras providencias a respeiio &c. &c.
Asignado pelo Sur. Deputjdo Fermino Herculano
de Vloraes Ancora.
N. 43.
* Curoprindo remover lodos os bices, que retr-
dalo o bom andamento da Instrugo primaria, e sendo
humdelles, e principal a falla de hum Compendio,
que comprehendendo todas as materias que as aulas
de primeiras letras se devero aprender, ao mesmo lem-
po seja accomodado capacidad? das crianess ; e nao
prehenchendo o fimalguns tratados avulsos, que exis-
tem, pela mulliplicidade de livros de que se devem
muir os alumnos, e pela sua incompatibilidade, cora
os talentos daquelles; por tanto a Assemblea de Per-
nambuco decreta :
Art. 1. Fita livre a qoalquer organizar hura Com-
pendio breve, e claro para o bzo das aulas de primei-
ras letras, o qual contenha os principios de Calgra-
fia, DoutrinaChristi, Gramtica Portugueza, Arith-
metica, e nogoes geraes de Geometra pratica.
Art. 2. ,O Compendio, ou Compendios que apa-
recerem na conformidade do art. antecedente sero
submettidos ao conhecimento da Assemblea Provinci-
al para esta escolher, e a pro va r aquelle que desem-
pear o fira.
rt. 3. O Compendio aprovado p->la Assemblea
rovincial passar a ser o Compendio geral, e nico
as escolas da Provincia.
Art. 4." O aulhor do Compendio aprovado, em
_
vilegio de inventor na conformidade do 26 art< 179
da Const.
Art. 5.a Ficio revogadas todas as disposicoes em
contrario.
Paco da Assemblea Provincial 25 de Abril de
1835.
O Deputado Padre Joaquim Rafael da Silva.
I al pa
Prov
dase!
GOVERNO DA PROVINCIA.
Continuaco do Expediente do dia 2.
k^Endo asss notavcl, que aehando-se orginisadas
nesta Provincia as Guardas Nacionaes desde 1832,
principalmente neste Municipio, nao se tenha al o
presatfce creado o Jury de revista estabelecido pelo
Art. 21 da Le de 18 de Agosto de 1831, nao obstante
as mais positivas ordens que a este respeiio tem sido
muitas vezea expedidas por este Governo e nao ha-
vendo a menor duvida, que da existencia do mesmo
Jury depende em grande parte o progressivo anda-
mento, e regularidade das referidas Guardas; este
Governo ordena a V. S., que expedindo as miis ter-
minantes ordens aos Juizes de Paz, faca por immedi-
atamente em execuco a sobremencionada Lei; oque
muito confia do zelo, e a-tividade com que se ha V.
S. empreg^do nodesemppnho de seus deveres. Dos
Guarde a V. S. Palacio do Governo de Pernarobueo
2 de Maiode 1835. Vicente Thom?z Pires de F-
gueredo CamargoSnr. Doutor Joaquim Nunes Ma-
chado Juiz de DireitoChefe de Polica.
Officio a Antonio Joze da Costa nomeando-o
Presidente da Commis*So Administradora dos Hospi-
taes de Caridade d'esta Cidade, que se acha va-
go.
Ao Juiz de Paz de Iguarass Luiz Candido Car-
neiro da Cunba cm respota ao seu ofBeio de 30 do
passado, dizendo-Ibe ; que se elle foi authorisado pe
lo Governo Provincial para reunir tropa, despersar
os pretos aquilombados as matas do Catuc, e fazer
despezas com essa deligpncia, deve requerer pela The-
zouraria a indemnisaco das mesmas, viudo compe-
tentemente legalisadas.
Ao Exm. Commandante das Armas, remetten-
do-lhe o officio que o Governo recebeu do Exm. Vice-
presidente da Parabiba, a fira de que S. Exc. haja
de dizer o que entender acerca do assumpto do mesmo,
consultando asrdeos que a respeiio das Pracas del/
Linha da guarnico d'uquella Provincia, e seu paga-
mento exislirem na Secretara do Commando das Ar-
mas.
Officio assignado pelo Secretario Interino do Go-
verno, e dirigido ao Secretario da Assemblea Legis-
lativa Provincial, remetiendo Ihe o Mappa da organi-
saco das Guardas Nacionaes d'esta Provincia, e di-
zendo-Ibe que com esta remessa o Governo satisfaz
a primeira parte da reSnluco da mesma As-
semblea communicada em officio de 15 do mez p: p:,
e que breve satisfar asegunda, visto achar-se ja or-
ganizando a conta da despeza que com as mesmas
Guardas se faz pela Thezouraria Geral.
Ao Exm. Commandante dos Armas, remetten-
do-ihe o requerimenio do Soldado Antonio Fe:o de
Mello, diieodo-lhe que cora a resposU do ex Paga-
dor Joio Joze Lopes Jnior satisfai o que S. Exc. ex-
igi em seu officio de 30 do mez p: p:.
Ao Inspector da Thezouraria para satisfazer a
requisico de 200 machado a tira de serem. destribui-
dos pelos Indios de Jacoipe, e que se apresentio, equo
logo os pedera para se entregaren s suas antigs oceu-
pacos de tirar madeiras, eaoutra requisico de fa-
rinha, cujo consumo he agora maior, para o grande
numero de cabanos que agora se aprezentara.
Ao Ao Commandante das Armas reenvando-
Ihe, o officio do Commandante em Chefe ncflqoaj offi-
cio fez as reqaisices de que tracta o officio preceden-
te, e dizendo-ihe, que quanto antes tudo ser remet-
tido ao Acampamento.
Ao Juiz de Paz da Vella de S. Anto, dizendo-
Ihe, que tendo ficado enfermos n'aquella Villa quando
em Janeiro p: p: por ella passarSo os Soldadas suble-
vados em Alagoa dos Gatos a saber os Cabos Manoel
Joaquim de Santa Anna e Joze Maria da Conceicio,
e os Sjldados Vicente Ferreira de Moura, Gabriel Ar-
canjo, e Joo Vieira da Silva ; o mesmo Juiz de Paz os
faca quanto antes marchar para esta Cidade para se a-
presentarera ao respectivo Commandante do Corpo
como requisita o Commandante das Armas.
Portara ao Insdector do Arsenal tle marinha pa-
ra mandar apromptar cora brevidade oito vigas para
a coberU do Navio Nacional S. Joo Baptista.
Ao Inspector do Arsenal de Guerra para fazer
apromptar com brevidade huma Btndeira Nacional e
entrep'al-a ao Commandante das Arma para a reraet..
ter a fim de ser collocada no Arraial de Jicuipe.
Dia 4.
Officio ao Exm. Commandante das Armas,rcom-
municando-lhe a fim de expedir as convenientes or-
dens que a Regencia concedeu (cenca ao 1.* Tenente
Antonio de Barros Passos addido ao 4. Corpo de Ar-
tilheria de Posico, e actualmente licenciado no Rio
Grande do Norte para continuar a residir n'aquella
Provincia.
Ao Doutor Juiz de Direito Chefe de Policia, di-
zendo-lhe ; que quando o Governo recebeu o seu offi-
cio em que pirteeipava a fuga de 14 presos da Presi-
ganga, ja o Commandante das Forcas Martimas igual
partecipaco havia feito, a qual Ihe remette para que
a vista della mande proceder segundo a Lei. Que
rumpre recommendar muito aos Juizes de Paz d'esta
Cidade toda a deligencia, indagaco e pesquisas, a fim
de que se possa prender todos, ou alguns dos evadidos.
E que em fim vendo-se por este acontecimento que a
Presiganga, alem de outros enconvenientes, era ao
menos segura os presos, o Governo lera ordenado que
todos os que n'ella se acho sejo passados para a Ca-
deia.
Ao Consol IngleE dizendo-Uie que tendo-se eva-
dido a noite passada treze presos de Justica, e po-
dendo acconlecer qua alguns se tenhio refugiado a-
bordo das diversas embarcaces Estrangeiras, o Go-
verno Ihe roga queira permittir que as de sua Nazio
sejo varejadas pelo Juiz de DireitoChefe de Poli-
ca.
No mesmo sentido se officiou aos Consoles Fran
cez, e Americano.
Ao Doutor Juiz de Direito Chefe de Polica en-
van do-I he os 3 oficios precedentes, e narrando-lheo
seu conlheudo.
Ao Coronel Chefe da Legio da Cidade de Olin-
da para expedir as convenientes ordens a fira deque
NUMERACO INCORRETA

i
>
I


"
DIARIO DE PERNAMBUCO.

i
V
I
logo que este recebd, mande guarnecer a
Cadeia daqueila Cidade por un destaca*
ment de 19-homcns das Guardas Naci
iaes da dita Lgio, vencen.lo suklo, e e
tai pe da Tabella, visto ser necossarioesse
lestacamenlo para os I raba I los do "Jury
conforme requisita o Juiz de Pa do 2. -
Desiricto. O pret respectivo ser enviado
ao Governo para o mandar satisfaz r:
A Ignacio de Aducida Sarinho Juiz
de Paz do 2. ~ Deshielo de Onda, com-
municando llie o contheudo do precedente
ollicio.
A' Cmara Municipal da Villa de
Goianna, agradecendo-lde
;:&eiode 2$ do me
em sen
* V"
que diriguao
p. ao Exm.
Snr. Vice Presidente pela Vice Presidencia
< que a Lei o chamou : e dizendo Ihe que
quanto s reclamacoes que no mesmo offi-
co fazem, sobre inforraacoes do Governo
deve a Assemblea Legislativa Provincial es-
tar tratando da fixacft da Forca Policial
da Provincia, da qual aquella Villa ter
o eeu contingente ; e que entretanto o Go-
verno tem ordenado que a Polica se faca
li, comojiaslcleirivtis Villas pelos G. N.
por nao ser possivel mandar para todas
Destacamentos de primeira Linha, pela
falta que ha de Tropa, que apenas atro-
pellada cliega para a giuruica da pra-
9a.
. Ao Commandante das Armas com-
rounicajudo-lde para expedir es ordens que
Jfce parecer que por toda esta semana sa-
hir um barco para a liba de Fernando a
conducir mqntimentos e mais alguns ge-
nios que requesitou o Commandante
(J'aquella Ilha.
-r Ao Doutor Juiz de Pireito Chefe de
Polica dizeqdo-lhe ,* que se existem a-
qui prezos que devam ir para Fernando ,
e si ali ha oufcros que devem regressar es-
tes transportes se podem fazer no Barco
que esta semana deve fazer viagem.
A,o Commandante das Forcas Mari*
tiirias dizendo-lde ; que tendo de entrar
em julgamento os prezos militares existen-
tes as diversas embareneoens Nacionaes
surtas n'e.ste porto que os ponba a despo-
sico do Commandante das Armas.
Ao Exm. Commandante das Armas
coromunjeando lhe o contheudo do prece-
dente cilicio.
* Ao Inspector do Arsenal de Marinha,
dizendo lhe que havendo se eftectuado a
compra. da Publica cumpre que o mesmo Inspe-
ctor passe a tomar conta d'ella com os
])ertences constantes da ^relaco que se
llie envin., dando parte ao Governo logo
iinfl assim o houver execulado para se la-
vrar a competente lscriplura.
Ao Exm. Vice Prezidente da Para-
hiba remetiendo-Ibe.o avzo expedido pela
Secretaria de Estado da Guerra acerca do
AWere3 de primeira Linha Joo GoisaI-
ves de Carvatdo e o oficio do Comman-
^nle das Arma/* d'eeta Provincia relativo
ao mesmo Alteres para (fue- & Ex. a
vistatTestas p?cas delibere sobre o nego-
cio.
Ao Doutor Juiz de Direito Chefe
- d Poficia dizendo-lhe tepreZQ3(|a Provincia da Paradiba, e mais
Portos do Norte podero ir flgora pelo Pa-
quete Feliz que hade sabir nodia 10 do
corren te ; e que expes>a mas orden? a res-
peto e partecipe o numero de prezo* e

que Provincias perlencem para s- expe-
direm as convenientes ordene a fuu de
serem transportado)
Ao Inspector da Thrzouraria para
niand.-.r aftrir asseqto i]c maca aos Curta-tas xmga jados para a primeira o
q-iarla (\mipanjas ^o'^ataHau de (i. N.
da Ya zea.. -
Ao Commandante Superior das O.
Nacionaes' d'este Municipio communi-
cando liie o contheudo do offico preceden
te.
Ao Exm. Commandante das Armas,
dizendo-lhe que concordando o Gover-
no com o que S. Ex. diz em sen oficio
de hojesobre o ornecimrnto de luzes aos
Corpus de primeira Linha concorda igual-
mente que cesse o abuzo de. serem elles ,
como tem sido com prejuizo da Fazenda
Publica, fornecidos de vllas de esperma-
cete como eram, e tobem por abuzo
da G. N. destacada e que por tanto
nesla conformidade de ve rao ser feitos os
pedidos devendo a luz do Eslado Maior
ser de cera por mais barata e nao de: es-f
permacete.
f Parlara ao Official empvegado as
ordens do Governo e que est de semana,
para fazer remover da Pteziganga para
a Cadeia todos os prezos que ali se a-
cbam.
Ao Commandante das Forcas Mari-
timas para enlregar ao Ajudanle d'ordens
do Governo todos os prezos que existem
abordo da Preziganga a fim de serem
transferidos para a Cadeia cujo transpor-
te deve coadjuvar.
Ao Inspector do Arsenal de Mari-
nha eommunicando-lbea remoeo de que
trata a antecedente Portara e para fezer
cessar o fornecimeulo que fazia aos pre-
zos e a guarda. .
Ao Commandante Geral do Corpo
de Municipaes participando lhe a remo-
cao sobredicta e para mandar retirar a
guarda da Preziganga.
Ao Commandante do Paquete Feliz
para mandar aprezentar Marcos Joze Nu-
iles que existe a seu bordo ao Major
do Bataldode G. N. do Recife o Major
Francisco Maniede de Almeida.
,- Ilm. Sr. S. Ex. o Sr. Vice Pre-
zidente a quem fui prezente o oficio de
V. S. de 2 do corrente em que communi-
ca que a Assemblea Legislativa Provin-
cial approvou a indicacao junta por
copia do Sr. Deputado Cypriau.no Joze
Barata de Almeida a cerca da Presigan-
ga para a vista d'ella dar a's providenci-
as convinhaveis ficou entendido ; e man-
da participar a V. S. queiienhuma scien-
cia tem da Lei em que se fundou o Pre-
zidente da Provincia para a compra desla
embarcaran; o que tudp V. S. levar ao
conhecimento da roesma Assemblea. Dos
Guarde a V. S. Secretaria o Governo'
de Pemambuco 3 de Maio de 1835.
Manod Paulo Quinlella. Sr. Lanrenti-
no Antonio Moreda de Car val ho.
J
DIVERJAS HEPARTICOES.
Llm. e Exm, Sr. Esta Cmara sa-
be ndo que V. Ex. seacha na Adminktra-
co desta Provincia nao pode deixar de
congratular-se.com to sabia como cor- '
tada Eleicao dos nossos Reprezentantea de
V. Ex. para Vice Presidente desta Pro.
vincia- A mesma Cmara espera que V.
Ex satisfazendo a expectativa de seos
Concidadaos to consternados pelas rVe-
queiles sedicfjoes nesta nicsma Provincia;
fai imperar a Lei, a boa ordem, e a
conservacao das Aulhoridades lega I mente
conslituidas com o que* (ara coope-
rar quanto esti ver a seo alcance, para
fins'tao justos. Aprovcita a mesma C-
mara esta occazio para pedir a V. Ex.
Ihjiii Destacamento de primeira Linha pa-
ra esta Villa que ontenha pelo menos
trinta pra9as commandado por hur offi.
cial de confianca para manulengao (h)
sncego Publico e seguranca individual
dos habitan toe da mesma Villa anieaca-
dos de morte a cada instante como fatal-
mente aconteceo com o Juiz de Paz An-
tonio aIvcs Vianna e outros ; o que V.
Ex. providenciar com urgencia.
Dos Guarde a V. Ex. como h mis-
miser. Villa de Goianna em Sessao ex-
traordinaria dq.29 de Abrjl de 1835.
ilm. e Exm. Sr. Vicente Thomz Pires
de Figueiredo Camargo, Vice Prezidin-
te da Provincia de Pernanibuco.
Joaquim da Silva Bai boza P.
Francisco Marques (VAvelar Silva.
Jo So Muniz da Silva.
Luis Francisco de Paula llego-
Bernardo Joze Fernandes de Sd.
E.
Polica.
Xm. Sr. .- Levo ao conhecimento
de V. Ex. o resultado de mindas del gen-
cias sobre os 16 Africanos aqu importa-
dos na Galera Toscana denominada Re-
soluta, que os recebeo da Barca Portugue-
za Ligeira que foi apique: cujo resultado
he um processo procedido pelo Juiz de
Pac do l. G Destricto do Pillar quejul-
gou aquelles Africanos nao importados pa-
ra contrabando visto o dispaxo e mais
papis que em Juizo apresentou o Capilo
da Barca e ludo est nos termos da l>e
de 7 de Novembro 1831 e Decreto de
12 de Abril 1832, cumprido o art. f.
do Decreto, faltando executaro art. 5. c ,
para cuja execussao peco a V. Ex. escla-,
recimentos, se basta que o Vice Cnsul da
Naco Portugufza.assigne um termo o-
'bridndose a reexportar os 16 africanos ,
como elle se tem ufiereeido e coiupronw*
lido ; ou se se deve coagir o importador a
dopozitar aquella necessari para as des-
pezas de reexportaco como manda o
citado art. 5. ; notando a V. Ex. que
a primeira parte deste art., em quanto que
manda por em depozito os Africanos es-
t igualmente cumplido Dos Guarde a
V. Ex. Recife 6 de Maio 1835. Blnw
e Exm. Sr. Vicente Thomaz Pires de Fi-
gueredo Camargo, Vice Prezidente. Jo-
aquim Nunes Maxado Chefe de Polica.
Exm. Sr. O* prezos pertencente*
a Cidade da Parahiba, sao Gonsalode
Barros Marinho Joo da Roxa Muniz ,
Antonio da Conceico e Pedro p?eto es-
cravo de Joo Ganne ; os quaes ja estaQ
avizados. ^*T \'
Os que devem seguir para, Fernando /
sao Autonio Joaquim Joze Atendr
Bizerra Antonio Joaquim Franciscoj


m
DIARIO D PRAMBUCO.
iMtiimu wmxu
Pereira Sipa pao Simao dos Sanios Leal.,
e Joao Francisco Wanderlei sendo os
d ois u i limos remetidos de Goiana no Go-
verno ,* pelo tjue as caas guias nao podem
ser dadas por fri reparlicio pois nao
consta, da na turiego das1 senlencas mas
sim pela Secretaria do Governo aonde
suponlio exislirem. igiie-se V. Ex. a-
vizar me do diaria sabida das Kinl)aica(;-
cs pai fazelos embarcar. Dos Guar-
de a V. Ex. Recite 6 de Maio 18*35.
lllm. e Exm. Sr. Vicente Tltoinas Pires
de Figueredo Ca margo Vice Presiden -
te. Joaquim Nunes Maxado Chele
de Polica.
Rendimenlo daAlfandega de Pernambu-
vo no mez de Abril de 1835.
21
Ineitos le 15 por op.
Premio 1/2 por u/o ao miz
sobre os As.signantes. .
Expediente 1 1/2 por o/o.
Armazonagenf 1/4 por o/o.
Direitos da Plvora. .
Dilos de Baldiaco. .
Ditos de Rcexporlaco. .
Multas impostas pelo art.
12.3 dp Regiment. .
SelTp dos papis do expe-
diente...........
67:4IO<5.308
1:280#299
7.302#829
89$179
199#212
31#08I
2S2#081
32$275
11#000
76:614^264
O Escrivao interino
Joao Francisco Bastos.
MEZA DAS DIVERSAS RENDAS.
A pauta he a mesma do N. 70.
Rendimento da Meza das Diversas Rendas no mez
de Abril de 1835.
if Izimo do Assurar desta provincia. 20:045$543
dem do Algodo da dita........... 16:923^104
Meio p. c. dos Assignados.......... 301 $949
Direilos de 2 p. c. d'Exportaco.____ 8:541^985
Imposto de 50 reis por couro........ 269$000
dem de 0 e 20 rs. por mana e peio
das Sacas..................... 214$440
dem annual das Embarcaces....... 172^800
Gontribuicode 100 reis por saca de
Algodo..................... 3I4$800
Dita de 20 reis por couro e Vaqueta.. 187$980
Dita de 1:500 por Descarga dos Navios 21 $000
Ancoragem............,........ 1:334$020
Farol.......................... 364$200
Sello dos documentos dos [Passa portes
e Despacta................... 12$720
.Emolumentos da Saude.....t...... 123 "Dirimo de Miuncas............... 43$669
Imposto da Saude................ 28$OO
Dizimo do Assucar das Alagoas...... 1:193$424
dem do Algodo da Paralaba....... 488$862
Meio por cento do dita............ 1$968
50:582^414
O Administradr.
Miguel Arcan jo Monteiro de Andrade.
EXTERIOR.
Mxico 12 de >ezembro de 1831.
II ^Ste Paiz coutinua cm termentaco
Ide partidos todos esperanzados no reuni-
do Congresso para alcancar cada hum o
tjue deseja. O Presidente tem preenchido
os Carpos, e concentrado Tropas er* Ja-
lapa e sua visinlmnca para no casa de
ser contrariado em seus planos peto Con-
gresso abandonar a Capital e hir pr-
so frente rom elle fazer nova rcvo-
eao conro seropre tem platicado tile
que estejao pelo que elle (]\irr.
O Estado de Chiapas tnico qne nao
obedeca ao Governo Supiemo acha de
snbmetlcr.se forrado por lumia Divisan
qne -'di foi enviada. (K fndio* bravos con
tinnao a -devastar os Ks Indos de Sonora ,
Durango Clmlmalma e Novo Len.
A falla de reclusos pecuniarios he ca-
da vez maior ,* o novo M.inis'tro di Fazen-
da c dtiron vinte dias e nao lia qnem
qneira aceitar aqut lie lugar. Algum di-
nbeiro que podem apurar lie para a Tro-
pa e nem assim c liega pura os Oflieraes ,
que apenas recebem a boa conta a quieta
parteado seo sold : a nenliuin Emprega-
do Civil 8C paga. Todos fallo de refor-
mas e economa. ; e o Governo e lodos os
que desejo centra I isa r a Rpublica apro
veilio estas queixas para insinuar o que
a miseria provin dos minios goslos que
traz com sigo o.systema federal o que
pode evitarse rednzindo os Estados"
AdminisIrncGes Provineiaes.
O Enviado que este Governo linha em
Franca ecreyeo huma carta ao Presi-
donte reprovando a sua conducta duran-
te a ultima rcvolucao e demittindo se ;
fot logo substituido por hum Encarregado
de Negocios.
O Cholera-morbus, que se havia ma-
nifestado novamente em varios pontos da
Repblica e da va recelo lornou a de-
sapparecer, e e no Estado de Oasaca con-
tinua a fazer alguns estragos.
( Do Correto Officwl. )
O
VARIEDADES.
COMMUJlCADO.
S N.0' 81, e 86 da QuotidUna Fidedigna suscita-
ro-se 9eriss reflrtes a respeito a dewipropnaco
muito fallada, e projertada do patrimonio das Orden
religiosas; porque entre nos assentao muito, que me-
llior he destruir, que reformtr, mxima, a meu ver,
que muitos prejuizos, e m*lea irreparaveis tem causa-
do aos Negocios do Brazil. Oanctor do Communica-
do, queseassigna com hum .V, tractando dore-
medio ao terrivel fbgello da moeda de cobre, lembra
para resgate da diTerenca da reduccSo, e das sedulas a
desapropriaco dos bens chamados da mo morta. Lou-
vo os bons desejos, dezenhos pitrioticos do author
do eomnannicado : mas ha-me de permitlir, que des-
conforme d-i sua npinio nessa parte, ; e elle, e o res-
peitavel Publico assizado dicidiro sobre a materia.
Ninguem ignora, que o caero roedor, que ora nos
dilacera as cntrandas, quero dizer : o mal do nosso
meio circulante teve a sua origem desde o fatal dia,
em que os Ministros do Sr. D. Joo C que Dos te-
nlva, selembrro de elerar a moeda: desd'esse infeliz
dia lancaro-se os cimentos para a banca-rota do Bra-
zil. A ela vacao da moeda do seu valor intrnseco a
hum valor nominal de quazi cento por cento, abri
os diques cobecao, appareceo, como era de esperar,
o fabrico da noeda falsa, este foi-se generalizando; o
mesmo Governo emittio grande quantidade de moeda,
que nao linha esse mesmo pezo legil to fallado, e por
ultimo isobejido de moeda de cobre tem-nos trazido
a extraordinaria sebida do todos os gneros, e aluvio
de males, que por todos* se difundem mais, ou menos.
Foro os Agentes do Poder os cauzadores principaes
desta calamidade publica, foro alguns grandes e po-
derosos os que introduziro essa enxurrada de moeda
falsa e ser conforme com os eternos princiicipios da
Jostica, que para a reparaco desse damno, que para
o resgate das sedulas, &c. s fiquem esbulhados das
suas dntiqurs?m5 propriedae os Frsdes, as Freirs,
as Irmandadrs, e Ordens 3.", que nem direota, nem
indirectamente concorrero para a falsificaco Ja moe-
da ?
Se o flagallo do meio circulante he huma calamida-
de publica cqncorro todos na proporco de seus mei-
os par"a Ihe pplicar 6 remedio : hoja hum imposto pa-

S
ra esse resgate : os Frades nao mendicantes estou cer
to, que sero os primeiros a contribuir. Os Frade
certamenle nenhuma pirte rivero nessa rergonhoa
ladroice de moeda falsa ; porem como sao Frades, Jo
he; entes nullos, para comosquaes nao deve ter lu-
gir a prnterco das lei?, e o lao pnncgyricado direito
de propriedade ; fiqu.m impunes, ebem fcrtos os lf>
dies, e por estes paguen os Frades Parace-roe
justici di f'orla'Oihomana.
j Mas os Frades (lizai huns) ludo, que possuera. ou
*huma grande parte, fot-lhes doado pela NacSo : os
Frades (diiem outros) nao tem propriedade verei, se
respondo cabalmente a estas objecces especiosas. Nf).
nhura hem possuem os Regulares, que Ihes orse dado
por essa pessoa moral, chamada Naci: huns foro
didos de esmola pela piedade de particulares, outros
foro legados pios, outros finalmente ja forio adquiri-
dos pelo trabalho, e industria dos mesros Frades.
Humas vezes este, ou aquelle individo deixava jtm
seu testamento tantas bracas de trra bruta, e inculta
a huma Corporaco Religiosa com tal, ou tal onus ; o
os Frades a desmaneavo, cultivavo, &c. ; outras
vezes compravo hum matagal, ou huma cbarnaca,
rroteavo os, levantarlo granjas, ou engenhos, e
davlo-lhes todo o valor da industria. Se estes nao sao
os ttulos mais sagrados, e seguros do direito de pro-
paiedade, produzo os seculares os seus em jaiio, que
talvez alguns nlo posso apparecer lao limpos, e escoi-
mados : e se a desapropriaco em nome da Nacio.st
he porque laes bens existem as mos dos Fradesj ts-,
bulhe-os muito embora a chamada Naco (que quazi
sempre rifra-se em huma duzia de esperlalhes come-
dores) ; e neste caso reverti os bens paca a sua ori-
gem, isto he ; para os herdeiros dos doadores, ou,
Instituidores, e nunca para o Thezouro Publico, que
para ali nao entrn com hum s real.
Estou persuadido com o profundo Jurisconsulto Je-
remas Benthan, quese nao houvesee leis, nao have-
ria rigoroso direito de propriedade ; porque todos os
bens serio do mais forte, ou seri>o primo capientis.
Ora hum Decreto de 17 de Septembro dea!817 cou
firmou a propriedade dos bens das Orden Regulda/s)
logo sao ellas to legtimamente proprietarias, como
qua'quer secular, embora se chamem bens da mi
morta ; porque a lei restringi esse direito a respeito
da alienadlo to smente dos bens de raz. Continua-
r sobre a roesma materia ~<
O Esciiplor do Carapueeiro.
i
O
Publicag) d pedido
Doulor Henriques Vellozo de Ol-
veira Cavalleiro da Ordem de Christo De-
zembargador da Reacao desfa Provincia ,
por A Regencia em Nome do Imperador
o Sr. D. Pedro2. Faco saber, que re-
querendo-me Antonio de Barros por e
bstanle Procurador querer justificar a au-
zencia de Antonio Pereira da Cruz Barre-
to a fim de ser citado por carta de EditoS
visto se nao saber o lugar de sua habitado
para ver habelitar se dito Barros na Ap-,
pella(;o Civel que move o dito Barreto ,
e outros na execuco de senten^a que
por este Tribunal da. Rclaco Kscrivo
Pires em catninlia Manoel Joze re Barros
contra o dito Antonio Pereira da Cruz Bar-'
reto a qual peti^Io me sendo aprezenfa-
da nella por meu despacho de 2 de Marco
prximo passado mandei Justificar e pro-
duziodo suas testemunhas foijulgada dita
Justihcaco por sentenqa que profer conio
Juiz da cauza em .3o de Abril ultimo em,
virtude da qual se passou a dita Carta de
Ed'-tos que ser afixada nos lugares Publi- *
eos desta Cidade e publicada por algn*
dos peridicos da mestna pelo que.; mando
a.0s amigas, prenles, e conhecidos do
referido auzente que Ihei ha|o de fazer
certo em como por apvezente se cita ao
mesmo para ver habelitarse o dito Antonio
de Barros como'herdeir do referido Mano-
el Joze de Barros para com elle correr a-
mesma cauza seus termos. Recife 4 d
Maio de J8J5..^
Seu Ama ule
Joze Joaquim Borges de Castro.
.

i
i


^r-r
sr I

DIARIO DE PERNAMBUCO
Pubcago LtUeraria.
f\ Obra intitulada Do Estado Acta-
da Monarclra Portugueza, e das cinco
causas da sua decadencia acha se ven-
4} na ra Nova U. 6.
O seu contenida j tem sido por vezes
annunciado. Todos os Senhores que es-..
signa ram para a sua impressao seja na '
Praca da Independencia seja em listas
particulares ou onlras que ainda nao re-
cefierom os seos exemplares .poderao pro--
cura-Ios na mesma casa cima.
O
AVIZOS DO CORKEIO.
Paq-icte Nacional Leopoldina, de que Com.
o 1.a Tencnte Joze Ferreira GuimarSes parte d'esle
porto para o do Rio de Janeiro, locando nos de Ma-
cei?," e Baha no dia 15 do corrente : quem no n:esmo
quuer carregar, ou liir de passagem, dirija-se a esta
AdministracSo : as malas das cartas feixo-se na ves-
pera logo depois das 9 horas da noite.
t3* A sahida do Paquete Nacional Feliz para os
Partos do Norte annunciado para o dia 10 do corren-
e fica transferida para o dia 15 por ordem de S. Exc.
Sor. Vire Prezidente communicado a esta Adminis-
tracSo pelo Snr. Comrsandante do referido Paquete
em Oficio de 7 do corrente.
tfV OPataxoS. Antonio'recebea mala paraMara-
nhi o com escalla pelo Ciar boje 8 ai 9 horas da ma-
Bfa!.
Sk
NAVIOS A CARGA.
Para, o Aracati.
'Sgoe viagem a Sumaca Delmira, Mestce Joie Joa-
quim Al ves, at 22 do corrente : quem na msma qui-
xer carregar ou ir de passagem dirija se ao dito Mestre
ou a Antonio Joaquim de Souza Ribeiro.
Para o Havre,
fjcy O Brigue Francez Colebri, muito velleiro e
novamente forrado de cobre, leudo excellentes corn-
il o los para passageiros e a raaior parte da sua carga
prompta, saliir impreterivelmente at o dia 20:
quem n'elle quizer earregar ou hir de passagem diri-
ja-se ios seos consignatarios B. Lasserre & Comp. ra
da senzala ve'.ha n. 4, bu ao Capilo em casa do mes-
rao;
AVIZOS PARTICULARES.
r O
Juiz de Paz do 2. Dcstrictoea Cpela Curada de
N. S. do Loreto. faz saber a qualquer pessoa a quem
Hie fritar alguns cavallos, que Ihe fossem furtados,
que por sua ordem se acho depositados quatro cavallos
que forio aprehendido por furtados : quem for seos
legtimos donos dirijio-se a aquelle Destricto, e a sua
casa.
%^y Por el presente, se previene todos los Sboditos
deS. M. Catlica la Reyna D.* Label 2.*, que habi-
ndose establecido el Vice Consulado de Espaa en
esta Ciudad y Provincia de Pernambuco, puedem con-
currir su despacho matricularse, en^a ra del
Trapiche n. 3.
A si mismo se notifica todos los Capitanes de bu-
ques de la misma Nacin, presenten sus papeles en
esta Cnancillera para anotarles sus correspondientes
certificados.
Vice-Consul Nuno Mara de Seixas.
fcj^" Na noite do dia 5 do corrente desaptreceo da
casa do Coronel BreJerodc um cahaninbo limi-bran-
co, de idade pouco mais ou menos de 10 annos, com
Tima velide no olho esquerdo com cimiss da madapo-
(Jo ; e julgt-se aer seduzido, e quena delle so-.foer
queira por favor levallo a casa do dito Coronel Bre-
derode, que lhe sabera agradecer.
ItW Prtcisa-se alugaV 8 pretos, um que sirva pa-
ra vender verduras, e dois para servico de enchada :
quem os tiver. e quiser alagar srr;aeic por este
i)iario para ser procurado.
|/ja^ O abaiso assignado aviza ao respeitavel publi-
co que seu filho Francisco da Penba anda-se fingindo
que tem iieranca, e prometiendo, partir ao meio,
qualquer eobranca, em ceosequencia do que, pertende
com easa artimaoba lograr a quilquer que com elle fi-
xer negocio.
Clemente Joaquim Machado,
yy Quem arrnnnrou querer 200$ ou 300$ rs.
a juros com hipoteca deescra vos, ou baa firma; diri-
ja-se ao principio do atierro dos Afolados as ca-
sas do Cunha, a fallar com Francisco Joze dos Pra-
zeres Camboim, que dir quem os quer da\
V^~ O Snr. Joze Antonio de Souza, queira man-
dar receber ero casa de Joaquim Joze d'Amorim, urna
carta vinda de Lisboa, aqual se nao tem entregado por
se ignorar sua mcrad.
fcq^ Precisar de uro menino Porluguez que^enha
de 12 a 14 annos de idade, para caixeiro; na ra do
Livrjmento D. 7, se dir quem o penende.
1
COMPRAS.
U.
Ma canoa decarreiraem meio uzo, embora preci
ze algujn concert ; smente se rfqaer precc ccnso-
do : annuncie para ser procurado.
yf^ O Cdigo do Comroercio Francez, explicado
por Mr. Rogron : em Onda, ra do Amparo segun-
da casa de dois andares, ou annuncie.
fcJP" Um Dicionario Magnum Lexicn, Latino, e
rortuguez, umo Selecta, e um novo Methodo: na
Botica da praca Boa-vista D. 16.
tT3r Urna bacia de rame que tenha trez palmos
de boca pouco mais, ou menos ; as 5 pontas D. 12,
ou annuncie, para ser procurado.
V**/W% M% %W
VENDAS.
.
M bote de 18 ps de comprido, cavilhado de co-
bre, e o mais bem acabado possivel: bordo do Bri-
gue Americano Florida, O mesmo Brigue tobemsc
arba prompto sabir para Boston at 12, ou 13 do
corrente, e tem excellentes commodos para passagei-
ros.
\fV Urnas cadeias de nuro modernas para relogio,
urna bride com picadeira de boa prata, uns atacadores
desinto, e punbos de senhora encastoados em ouro,
umacolher desoupa, eduasdech, pequea porco
de prata para desmanchar, e uns corazes encastoados
em ouro, obra moderna : no pateo de S. Joze D. 8 la-
do do nascente.
$3>t* 30 barricas de potassa, nova, da primeira sor-
te, chegada esta semana dos Estados Unidos : quem a
pertender dirija-se a L. G. Ferreira & Mansfield, ra
da Cadeia do Recife.
ley Rap da B.hia chfgado prximamente a
a l$360 a libra : quem quizer annuncie.
jr^ Azeile de carrap<>toa 720 res a caada, a to-
da e qualquer moeda que quizerem, e rap superior,
chegado na ultima eraba roaeo a 15 reis a oitava : na
ra de S. Bento casa do Bilhar.
WP~ Breviarios de anno em um tomo, o Triunfo
do Evangelho, por um Filosopho, a Ordem da Santa
Missa, e tobem Biticaes Romanos, todo por preco
commodo : a faltar com o Padre Manoel Joze, era S.
Francisco do Recife.
Vi*- O Brigue Sardo Rustico, ancorado na praia
do CoIIpro vende carne nova de Monte-video a moe-
da de cobre que nao tiver defeito visivel a excepc&o da
de X L snmente al o dia 12 do corrente : a tratar com
o Cap. a bordo, ou com o consignatario A. Schramm.
^JT" Agoardente de superior quadade na ra das
Cruzesn. 62, casa de Joze Antonio Lopes.
fcy" Urna negra Benguella, ne 40 annos, boa la-
vadeira, e cozinheira, faz doce, muito fiel, e capaz
de dar contado servico de qutlquer familia, sem mo-
lestia alguma : ua ra da Alegra casa defronte do por-
ta o.
$3?" Um excellente piano novo, por preco commo-
do : na ra da Cruz n. 61, das 10 horas da manb s
2 da larde.
fcy Mantpiga de superior qualidade em barris de
dez, e vinte libras a 260 reis : na ra da Cruz n. 5.
%3* Urna ecrava moca, e robusta para fora da'
Provincia : na Botica de Joze Mara Gameiro, praja
da Santa Cruz da Boa-vista.
$9* Brides de ferro fritas em Pasmado, obra pri-
morosa, e por preco commodo : natua do Queima-
do loja de ferragem D. 1.
(& Fergusnn, Socierjade civil ; Smith;
Riqueza das Nacoes ; Hlaskstcnc, comen-
tario as leys Inglezas ; Say Tratado de E-
conomia Polica ,- Locr ; Direito Co-
mercial Polhier, obras completas ; Clarke,
Religiao natural; Filangiere ; Legisla^ao,
Aignan Jury ,- Cota, Justica criminal em
Inglaterra ; Kluber, Direito das Gentes ,*
Valim, Comentario ; Boula ; Paty, Di-
reito martimo ; Azuni, Direito moritimp ;
Rogron, Cdigo do Comercio; Pag*,
Responsabilidade : na praca da Indepen-
dencia n. 37 e 38.
3" Efeitos de venda por dinheiro do
cobre que tetina o pezo e nao seja fundido,
e preco commodo: no aterro da Boa vista
D.31.
3=- Obras completas de Beileau ( poe-
sa ); Tratado de Economia-poltica; Prin-
cipios de Economia poltica ; Commenta-
| rio sobre o Espirito da Lei de Mohtesqui-'
eu Obras de Crebillon ( tragedias ) ; cs-
boco,Historico sobre Buenos*Ayres ; Re-
sumo Histrico do Brazil; Resumo Histo.
[ rico dos Estados Unidos; espirito dos Fi-
losophos; Diccionario geogrfico com mn.
pas ; Bellezas da Historia Grega ; Belle-
zas da Historia Romana ; Grandaza do3
Romanos e outras : na ra nova D. 6.
3" Tres moradas de cazas, huma na
ra da Caza forte eduas juntas na estra- .
da que vai para o Arraial todas com
muito bons quintaes ruteiras e cacim-
bas quedao agoapara beber ; huma Ca-
noa que pega quatro mil reis de agoa bem
fabricacado outra Canoa grande que car-
rega mil e duzentos tyjolos com pouco u-
zo huma cama hum sof tres bancas,
ludo novo de Jacaranda e de gosto moder-
no ; quem pertender comprar dirjase a
Praca da Independencia loja D. 2, se
dir quem vende.
63" Para frada Ierra huma escrava
de Naco ^eom 15 annos de idade boa
quilandeira sobrado D. 2 segundo an-
dar por cima da guarda da Cadeia.
ALUGUEIS.
.Luga-se urna escrava parda que sabe fazer todo
servico delicado de urna casa de familia, e outra pre-
la que sabe engomar, ecoslnha mais que o diario de
urna rasa : quem precisar dirija-se ao pateo de S. Joze
D. 8 lado do nascente.
3" Alluga-se um negro para servico de
urna caz; .* no armazem de couros ra do
Peixoto das 5 Pontas.
M
ESCRAVOS FGIDOS.
Aria, de nacao Congo, ja* idosa,
magra, alta, desdentada, e com rosto mar-
cado de bixigas : levou vestido verde : os
aprehendedores levema a Botica de Joze
Mara Freir Gameiro no pateo da Santa
Cruz, que ah se dir quem sua senhora,
a qual dar umajesta recompenca pelo
trabalho de quem a trouxer.
NOTICIAS MARTIMAS.
o
Taboas das mares chelas no Porto de Pernambuco.
a
e
en
8Segunda
9-T:----- i
10-Q:---- g
11-5: -
12S:---- *
13_S:-----
14-D:
"!?h-m-M.nhl.
2
o
G
11 --42
0 -30
1 18
2-6
2 -54
3 -42
Tarde.
B
Navio entrado no dia 7.
AHI\ ; 16 dias; S. Novo Mundo, M. Manoel Al-
ves da Silva : carne seca, e madeiras : G. A. de Bar-
ros. Ton. 191.
Fundou as J^amiohas urna Barca Ingleza.
ERRATAS.
X O Diario N. 74 art. ExteriorDevitSo Logislafc^
tifalea-se-Deczlo. A Legislativa da Carolina
leia-sea Asseroblea-L. Nota (*)entusiastesleU-se--
enlusiastas. Noia-leia-sNota.
PernTa Typ. do Diario 1835.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKH96SPA6_V3DOXT INGEST_TIME 2013-03-29T17:46:22Z PACKAGE AA00011611_03311
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES