Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03310


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO E 18.35. QUINAT FEIRA

DIARIO DE PERNAMBUCO.
l'i:v vmbuco, na Typ. df.Pinhiro cFaria. 1835.
D'AS DA SEMA VA.
'4 Segunda S. Monica auil. dos Jt. do C. de m. e de t. sos. da
T. I*, e Ch. de t.
5 Terca Coa vendo de S. Agoetiobo* Rol. de m. e aud. do J. de
O. de t. (Mario creso;, as H h. e 2.'{ m- da t.
6 (u.ii la S- Joo Damasceno M. sessao da Thcz. Pul).
7 Quinta S. Estanislao II. Re. de m. aud. do J. do C. de m. c
de t.
8 Sexta Apparicao de S. Miguel Arcanjo Fes. da T. P. de m e
aud. do J. de O. de t.
9 Sahhado S- Gregorio Naziaz. Re. de m. aud. do V. G. de t. em
Olinda.
10 Domingo- S. Antonio Arce!)^po.
.::..c: 3~;;ra depende de nos mesmos, rnc,no, e energa: continuemos como principiamos, c seremos a-
poniados com adrajracao entre as Naques niais cultas.
Proclamaran da Assemblea Qtral do fratil.
Suh?crrve-se a ICOO rs. mensaea pagos adinntados nesta Tipogra-
fa, e na Praea'da Independencia N. 87 eJWi onde te receben)
corre.-pondci!c:as li'galisadii, e ahduncios i inscrindo-se ests gra-
lis sendo dos proprios j.ssignaiites, e viudo asonados.
PARTIDAS DOSCORREIO?.
OlindaTodos os diasao meio da.
(oiann, Alhandra,Parniba, Villa do Cgndc, Mamahguapc, Pi-
lar, Real de S. Joo* Brejo d'Areia, Rainha, Pmnhal, Nova do
Souza, ( idade do Natal, Villas de Goianninlia, e Nova da Prince*
za; Cidade da Fortaleza, Villas do Aquirs, Monte mor novo,
Araraty Cascavel,.Canind, Granja, lmperatriz, S- Bernardo,
S. Joto do Principe, Solirar. Nova d EIRev, Ico, S. Matheus, Ri-
acho do sangue, Santo Antonio do Jardn), Qnexcramobiii, e Par-
naiba Segundas c Sextas feiras ao meio dia.
Santo A nio Todas as quartas feiras ao meio dia.
Garanhuns, e Bonito nos das 9 e -.'( do mez ao meio dia,
Floresno dia 13 dcada mez afl meio di'-
Serinnaem, Rio Formo/.o, e LimcirasSegundas, Quartas, c
Sextas feiras ao meio da.
Mima
PERNA.V1BCO.
Assemblea Provincial.
Arla dalS.1 Cesso ordinaria da Assemb'ea Legisla-
tiva Provincial aos 25 de Abril de 1835.
JLjStando prerentes 27 Snrs. DeputadoS faltando os
Snrs. Deputados Manoel dvalcanli, Doutor Meir, e
Ooutor Eustaquio Gomes o Snr. Presidente abri a
cesso depois de approvada a acta antecedente. O
Snr. 1. Secretario leo as seguintes pecas, bum officio
do Secretario do Governo, rerameltendo a copia da
nom' aco do commissario de vveres que o Governo
passou interinamente a Joo Rodrigues de Miranda
para andamento do expediente da guerra contra os
cabanos : outro officio do mesmo communicaodo, que
o Vice Presidente linha expedido ordem as Cmaras
Munieipaes da Provincia para darem informacoes so-
bre os lugares de seus Municipios, em que se devem
criar cadeiras de primeiras letras, e as que devem ser
suprimidas ; ao Prelado dos conventos do Carmo des-
ta Cidade, Olinda, eGoianaparaenviaremcopia.au-
thentici do instituto de sua communidade a relaco no-
minal dos Religiosos, que nelles existen), seus empre-
go, dignidades, oulra des bens, que possuem, seus
rendiruentos, despezas annuaes, e finalmente outra
de suas dividas activas, e passivas e ambos foro entre-
gues aoSor. Deputado Gervazio Pires, que ja tinha
requerido. O mesmo Snr. Deputado Pires Ferreira
requereo, que se imprimisse o orcaraento e tabellas cor-
respondentes; poremoSnr. Deputado Francisco Ca
valcanti respondendo, que o Exm. Presidente devia
azer humte m ntq como determina a Lei das re-
formas da C n>li.uico, e que de novo se pedisse o
orcamento eque este devia vir impresso, e assim foi
approrado. Eutrou em discussao a acta nao ter vindo o 2. Secretario nao foi discutida no dia
respectivo, fcdepm de a'guma emenda foi approva-
1a. Tivero a primeira leitura oproi-cto offerecido
pelo Snr. Deputado Dr. T^lis de Menezes sobre o mo
do de organizar a Secretaria do Governo, outro offe-
recido pelo Snr. Deputado Dr. Chagas sobre a crea -
cao de huma cadeira de primeiras letras no Rio Doce,
e na treguezia da S de Olinda, outro offerecido pe-
la commisso de instrueco publica elevando o orde-
nado do porleiro da Relaco de 40$ reisannualmen-
te i 200$ res e ordenado do Escrivo de 80& reis a
300$. A mesma commrsso appresenlou o seu pare-
cer sobre a pretencioso Padre Francisco Xavier de
Lima o qual parecer foi que se devh supprimir oem-
prego do requerente de administrador da Igreja da
Madre de Dos ficando esta administrada pela Irman-
dade de Santa Anna. Teve a primeira leitura o pro-
jecto offerecido pelo Snr Doutor Chagas sobre a crea-
cao de hum cirurgio em todos os Municipios, que se
encarregasse da vacina. Entrou em discussao o pa-
recer da commisso especial encarregida de oppre-
sentar hum meio de M|mar a err, do3 abanos,
endojao Snr. Deputado Lopes Gama membro da di-
ta commisso dado o seu parecer em separado. O pa-
recer da commisso Toi que ao Governo da Provincia
ne a quera compeltia laucar mao de lodos estes meios,
por ser m planoS de guerra, e o parecer em separado
do Snr. Deputado Lopes Gama foi, que retirassem as
tropas, devendo-se somente conservar a forca de du-
zenlos homens. Entrou em discussao se se devia adiar
a materia, visto 1er appancido o voto em spprado, po-
rem o Snr. Deputado requerendo urgencia foi appro-
vada, e entrando os dois pareceres em discussao fui a-
provado o pvreccr da commisso. O Snr. 1. Secre-
tario leo huma p.mecpac.o do Vice Presidente da
Provincia em nao cumprir a dicizo da Assemblea
Provincial a respeito da perlenco de Joze Ribeiro do
Amaral, foi remedida a commisso de Juslica para dar
outra vez o seu parecer. Leo mais hum officio da C-
mara da Cidade de Olirida com a proviso para est-ibe-
lecer batanea para p zar assucar a mais alguns gene-
ros. O Sur. Deputado Padre Joaqura Rafael appre-
sentou hum projecto convidando se a todos para for-
mar compendio por>|ue se ensinasse em todas ai au-
las de primeiras letras da Provincia, gnsando por 6
meses <'a iu en o aquelle cujo compendio fosse appro
vado, teve a primeira leitura. Entrou em discussao
o parecer da commisso de Justica criminal e junta-
mente o parecer em sepirado a respeito dos Snrs. De-
putados Francisco Carneiro, e Antonio Carneiro sen-
do o parpeer da commisso, que nao podi tomar as-
sento n'Asemblea por estarem pronunciados, o pare-
cer em-separado pelo contrario que podio tomar as-
sento. Entrou em discussao o projecto 8. offerecido
pelo Snr; Deputado Pires l'erreira o que manda ser
extensivo a todos os gneros, que se exportaren) o d-
reito de 2 por cenlo de consulado estabelecido pelo Al-
var de 25 de Outubro de 1818, e entrando em dis-
cussao se aquello determinaco do projecto eslava n^s
altribui,oes da Assemblea Provincial ficou adiada a
materia por ter dodo e o Snr. Presidente levantado a
cesso as duas horas da tarde, dando para ordem do
dia a a.* discussao sobre o projeelo do meio circulan-
te.
Thomnz Antonio A/aeiel Monte'iro, Ptpz.
Laurentino Antonio Morda dr. Carvalho, 1. Se-
cretario.
Dr. Francisco de Paula Baptista, 2." Secretario.
PROJECTOS.
N. 41.
Ei
Levando a 400$ reis o quantilalivo de 200$ rs.
destinado para dotar urna expesta, e estabelecido por
legado na renda annual de urna caza, eqae s se po
de cffectuar de dous em dous annos, e determinando
que aquella quantia se) t deslribuida animalmente, a ca-
da urna das tres exposta,, que se houverem de cazar :
isemptando de pagaren) o imposto de 10 por cenlo,
anda mesmo os atrazados que se deverem, os legados
pios deiMdos aos Hospitaes de caridade, e aos Colle-
gios dos Orfns : obrif;ando a Administrarlo do Gran-
de Hospital, a curar os enfermos da Marinha Nacio-
nal, os prezos pobres, e os cabanos: despen-
sando a Cmara Municipal, e a Thezouraria da
Provincia de ctinuar a prest irem o subsidio que pres-
lo para a caza dos expostos, Hospital dos Lasaros, e
caza da Misericordia d'Onda, suprindo todava a
mesma Thezouraria o Grande Hospital com 800$ reis
mensaes : abolindo a doaco dos disimos de miuncas
feita caza da Misericordia d'Onda : determinando
que os dous Mdicos, e os dous Cirurgies do extine-
lo Hospital Militar, passem a terexerciciono Grande
Hospital: aposentando na forma da Lei, em conse-
quencia de suas molestias, o Cirurgio Jernimo Vi-
lt-lla Tavares de i'xlincto Hospital Militar, e agregan-
do ao Grande Hospital o Doutor Feliflpe Neri Rodri-
gues de Carvalho : aprovando os aforamentos feilos pe-
la Cemmisso administradora dos Hospitaes da parle
do quintal da Igreja da Penha, e authorisahdo a me>
ma L,omisso para aforar em hasta publica os terrenos
dos engenhos Trapixee Algodoaes, que nfio forem ne-
cessaiijs ao maneio dos mesmos engenhos: jugando
de nem um effeito a cesso que se diz feita uelo Mr-
quez do Recie lrmandade do Snr. Bom Jeaus d.s
Chagas, do Salo do Hospital de N. Snr.* do Parafco:
elevando a duzentos o numero dos educados do Trem,
onde sero admittidos os expostos que forem aptos pa-
ra aprenderem algum officio : finalmente ordennando
que a Administrado dos Hospitaes de caridade tome
contas Meza da Caza da Misericordia de Olinda nao
s dos bens inventariados pela mesma Meza em 1803,
como dos mais que tiverem acressido, ficando a cargo
da dita Admirristracioo cumprimento dos legados pos
respectivos.
Assignado pelo Snr. Deputado Gervazio Pires Fer*
reir.
MLlm. Snr.Tendo a Assemblea Legislativa Pro-
vincial nomeado urna Commisso para organizar os es-
tatutos, pelos quaes se devero reger as Estabeleci-
mentos de Caridade, e julgaudo ao mesmo lempo ne-
cessario nomear outra Commisso externa para de
commum acord com aqueHa trataren) de lio impor-
tante objecto ; foi V. S. eleito Membro della : o qoe
a referida Assemblea, manda communicar V. S.
para sua intelligencia, esperando, que de boro grado
se preste este servico. Inclusa achara V. S. urna re-
laco dosMembros de taes Commisses fim de que,
entendo-se com elles Haja de dar principio aos seustra-
balhos.
Dos Guarde a V. S. Secretaria da Assemblea Leg.
Prov. 28 de Abril de 1835 Laurentino Antonio Mo-
reir de CarvalhoSnr. Tenente Coronel joo Fran-
cisco de ChabySnr. Doutor Francisco Xavier Pe-
reira de BritoSnr. Francisco Joze Pinto Guima-
res.
Relaco dos Membros da Commisso da Assemblea en-
ea rregada de organisar Os Estatutos para os Eslabe-
lecimentos de Caridade.
Manoel Zefirino dos Santos.
Doutor Joze Eustaquio Gomes.
Padre Joo Rodrigues de AraujO.
Relaco dos Membros da Commisso externa para o
mesmo fim.
T. Coronel Joo Francisco de Chaby.
Dr. Francisco Xavier Pereira de Brito.
Cirurgio Francisco J. Pinto Goimaraes.
Secretaria da Assemblea Leg. Provincial 28 de A-
bril de 1835.A. J. de Oiveira, Official M-
or.
Illm. Snr.A Assemblea Legislativa Provinci-
al para poder deferir o requerimento incluso de Ma-
noel Carneiro de Souza Lacerda, Mestre de primeiras
Lellras doLiceo> exige, que o Esm, Vice Presidente
de a razo porque se nao executou rom o Suplicante
a deliberaco do Cohselho do Governo, quanto aju-
da decusto, que Ihe arbitrou para as despezas da via-
gem na* visitas das Aulas, para que fora nomeado. O
que V. S. communicar ao mesmo Exm. Snr.
Dos Guarde a V. S. Secretaria da Assemblea Le-
gislitiv^ Provincial 28 de Abr de 1835Laurentino
Antonio Mortira de CarvalhoSnr. M. P. Quiniela. >T^

i
1



I
2
DIARIO DE *PERNAMBUCO.
sa
Illm, Snr. A Assemblea Legislativa
Provincial resol veo, que se esigisse do A-
timinisiracio tia ("apela de N. S. cia Concei-
9a da Rn'-vista copia authentica tos li-
lulos por que The pertencem os terrenos de
Marinha desta Capital. Ilaja por tanto
V. S. de communicar esta Resolucao ao
Exm. Snr. Vice-Prcsidente da Provincia
iin de fazer remetter. a mencionada co-
pia.
Deo.s Guarde a V. S. Scriarii da As-
semblea Legislativa Provincial 28 de
Abril de 1835. Laurentino Antonio Mo-
rena de Carvalho. Senlior Mauoel Pau-
lo Quntela.
I
GOVERNO da PROVINCIA.
Expediente do dia 2.
Llm. e Exm Sr. Este Governo
se i en te do zello verdaderamente Apostli-
co ede charidade Christan, com que V.
Ex. subgeitandose aos rigores de huma
vkla agreste se tem conduzido ao Acampa-
mento das nossas Tropas onde se acha no
exercicio do mais nobre emprego tizan-
do da verdadeira forca que toca o espi-
-rito dos luminosos principios da razao e
derramando sobre coracoensj quase in-
dureciios por crimes o balsamo vivifican-
te da Religio ; sciente este Gorerno ,
Exm. Sr. 3 do fervoroso empenlio e pa-
ternal cuidado com que se ha V. Ex. por-
tado na sagrada misso de chamar ao ver-
dadeiro caminho da Lei e da Salvaco
os desgranados habitantes de Jacuipe e
Panellas contemplando n'este acto o da
verdadeira Moral Evanglica, e na pessoa
que o executa hum digno Discpulo de Jc-
suz Christo nao pode deixar e faltara
a hum seo rigoroso de ver se nao se apres
sasse em tevar ao conhecimento de V- Ex.
quantos sao os agradecimentos que em
nome desta Provincia em cuja Adminis-
traco eu me acho so devidos a V. Ex.
por to til e importante servico. E ani-
mado pelos bous successos que tem V.
Ex. colindo e da consoladora esperanca
de que hum termo se acha prximo a du-
rdoura guerra de Jacuipe atrevo me a
rogar a V. Ex. que se digne continuar em
huma larefa to santa e proveitosa pela
qual ^ alem da gloria ao zellozo Pastor re-
sultar de ter feito recolher ao Aprisco des-
varadas ovelhas a Patria Ihe ser grata;
ficando ao meo cuidado levar conhecimen-
to d'ito a Prezenca (Jo Governo Imperial ,
que sem duvida muito louvav e agrade-
cer o patritico zello de V. Ex.
Por esta occazio tenho u honra de
participara V. Ex. que me acho na Vice
Prezidencia d'esta Provincia e Ihe apre-
nsen to os meos respeitos, consideracao c es-
* tima. Dos Guarde a V. Ex. 'Palacio
do Governo de Pernambuco 2 de Maio de
1835. IUm. Exm.,eRm. Sr. D. Jo-
an da Purificbalo Marques Perdjgo Bis-
po d'esta Dioceze. Vicente Thomaz Pi-
jes deFiguercdo Camargo.
Li com surpreza o officio que V. Ss.
me deregirao em data de 25 do mez pr-
ximo rindo em resposta ao que lhes foi por
este Governo exegido em officio de 27 de
Fevereiro ultimo e a vista do seu conthe-
do cumpre dizer lhes, que reprehensivel
4em sido a con.lucta del Juizes de Paz ,
que desde l#32 al o presente tem exerci-
do n VafcauoDestrictoda Cabera do Ter-
mo desse >Viu*iviiJo aos jacs s-'icombmdo
o art. 16 da Lei de 18 de agosto de
18.31 a reuniao do Consellio de Qualifica-
cito no mez de Janeiro de todos os anuos ,
tem elles faltado c $ua t-xecuco ; e sem
que V. Ss. os executassem ao cumprimeu'
to de suas ohrigaccs esta parte, f poi-
que semt-lhante procedimento nao deva h-
car impune < este .Governo cumpre
mandar fazer eTecliva a responsabelidadc
dos ommissos V. Ss. enviarn cojh urgen*
cia hum:i informacaode quem elles sejo.
Nao meos reparavel se faz o modo por
que V. Ss. entenderlo satisfazer o que
llies foi ordenado no citado officio de 27
de Fevereiro e cumpre que essa Cmara
preste mais fittencao ao cumplimento das
ordens que lhes sao deregida". por bem do
Publico servieo e mais zello na obser-
vancia m Lew. Dos Guarde a V. Ss.
Palacio do Governo de Pernambuco 2 de
Maio de 1835. Vicente Tilomas Pires
de Figueredo Ca margo. Sr.*. Prezi-
dente e Membros da Cmara Municipal
de Serenhaem.
O Commandanle em Chefe alem da
roupa, e ferrameuta que tem requisita-
do para os Cabanos appresentados, .requisi
la mais hum Retrato de S. M. oSnr.D.
Pedro 3. huma Baiideira Imperial, e
auctorisaco para dar 45 reis ao Cabao,
que trouxer huma granadeira em boin es-
lado; eu mandei satisfazer aquellas requi
sigues e authorisei a referida gratificaco
por me julgar para tanto habilitado pelas
ordens do Qoverno Supremo, pela Lei do
orsamento em vigor, e at pela Assemblea
Legislativa Provincial, como vera das co-
pias inclusas: o que partecipo a V. S. para
despender sem escrupolo o dinheiro de se-
melhante despezas. Dos Guarde a V.
S Palacio do Governo de Pernambuco
2 de Maio de 1835. Vicente Thomas
Pires de Figueredo Camargo. Illm. Sr.
Joao Gonsalves da Silva Inspector da
Thezouraria,
Continuarse- .
DIVERf AS REPART1COES.
E
Polica.
cia que fez V. Ex. em officio de 2 do cor*/
rente sobre a criminalidade do Soldado
Vencilo Antonio da Fonceca passso a
mos de V. Ex., cun o officio do. Coju-
mandante Manoel Ignacio a inclnza no-
ta do Escrivo dos Jurados nica que me
foi possivel ubter ; nao se podendo d'ella
saber e dito Soldado tem ou nao culpa ,
o i\uc s se conseg^M? com a falta comida.
feos Guarde a V. Ex. Recife 4 de Maio
de 1835.-Illm. e Ex. Sr. Commandaute
das.Armas Joze Joaquim Coelho. Joa-
quim Nunes Maxado Chefe de Polica.
EXTERIOR.
ESTADOS UNIDOS D'aMERICA.
Tentativa de assassiiwto sobre o Presi-
dente Jackson.
JXm. Sr. Pelo Juiz de Paz do'
2. Destricto ero Collegio me foro requi-
ztadas quarenta espadas para as rondas
policiaes nocturnas ; pelo qvie rogo a V.
Ex. srvase dar suas ordens para que
me sejo ornecidas ditas espadas pelo Ar-
senal de guerra. Dos Guarde a V.
Ex. Recife 4 de Maio de 1835.-Illm. e
Ex. Sr. Vicente Thamaz Pires de Figue-
redo Camargo, Vice Preziienle. Joa-
quim Nunes Maxado Chefe de Polica.
Uevendo os prezos de justica que
se axavo a bordo da Preziganga e que
fizero o alevante da noite do dia 2 do cor-
rente serem processados, para serem pu-
nidos nos termos da Lei. art. 125 ir.rirr
do Cod. penal ; cumpre que V. forme o competente processo. Dos
Guarde a V. S. Recife 4 de Maio de
1835.Joaquim Nunes Maxado Chefe
de Poliqa. Illm. Senhor Juiz de Paz do
Pilar Luis Alves Moreira.
Exm. Sr. Saptisfazefldo a exigen-.
]L)
jE-se no Nacional inteUigencer de 31
-de Janeiro: Hoje depois rfi| ceremonia f-
nebre que se faz s cinzasde Mr. Warrc-n
R. Davis hum acontecimenlo., qae e-
leve ponto de se tornar trgico produ-
zio a uiaiof sensaco na cidade. ao mo-
menlo em que o Preztdente dos Estados-
Unidos que assistia ao funeral enlrava
debaixo do prtico do Capitolio sahio
hum individuo de entre o povo precipi-
ten se sobre o Presidente e desparou Ihe
hum tiro de pistola que nao o apaiiliou
por ter mentido fogo. O tenente de ma-
rinha Getney e o Secretario Wuodbury a-
possaraose d'este furioso, que leve anda
o tempo de dar segundo tiro sobre o Presi-
dente mas sem rebultado algum. Pren-
deo-se immediatamente o culpado e o
Marechai do dstricto o conduzio City-
Hall onde o magistrado Oranh prose-
deo ao interogatorio. Elle individuo cha-
ma-se Richard Liwrence pintor de pro
fissao. As pistolas de que se servio erao
de cobre e carr'egadas com baila. Decla-
rou humadas testemunhas que elle liiil'ia
cometldo essa tentativa de assassinato por
ter o Presidente morlo a seu pai.
Hum faci digno ejs notar, dh o
Telegraplie de que estavo as pistolas
bemearregadas com polveta fina e ba.Ha ,
e qu'elles mentirn fogo pezar das espo-
letas de percusso terem batudas simultne-
amente. Algumas pessoas pensao qu'esse
acontecimento he huma pura cotRedia ; ou-
tras dizem que o assassin-i era melancolfo
co ; em fim ha outras que petendem ,que
o Presidente affirmra o assassino tt-r sido
pago para o matar por huma distincta pr-
sonagem. Em quaulo nos julgames
qu'esse homem era attacado de demencia.
Devizo Legislativa.
A Legislativa da Carolina do Norte a-
caba de decidir com huma maioria de
50 votos contra 38 que nao seria mais
permittido aos thomens de cor niesmo *
vres de dar ou de mandar dar educacao
alguma seus4filhos, (a)
(Correio dos Estados Unido*-)
I
9
("a) Ponderem os entusiastes dos costu-
me3 Americanos essa decizo legislativa,
e digo-nos se ella nao nos transporta nos
seculosde intolerancia da medianaidade.
Nota dos Redactores.


MEZA DAS DIVERSAS RENDAS.
A paula he amesma do N.* 70.
I'ubhcaco d pedido
M,
.Anoel do Nascimento Castro e Sil-
va Prezidente do Tribunal do Thezouro
Publico Nacional ordena que o Inspector
da Thezourarw da Provincia de Pernam-
buco, informe sobre o incluzo reque limen-
to de Joze Uibeiro do Ama ral Solicitador
da Fazenda Publica da Cidade do Heciffe,
que pede o pavimento do crdenadoque llie
fci suspenso : e bem assim que declare a
razao'por que fui conservado aquelle Soli
citador depois da dispozico do art. 69 da
Ley de 24 de Outubro de 18.32, devolven-
do o dito reqnerimento com a sua res posta.
O que cumprii. Thezouro Publico Na-
cional em,3>de Marco de 1835. Mirto-
el do Nascimento Castro e Silva. Cun-
pra se e Ungir se. Palacio do Go-
verno de Pernambuco 6 de Mnio de 1835.
Ca margo.
P,
PERGUNTAS.
ERgunta-se ao muito alto e podero-
zo Sr. Capito da segunda Companbia
dos Municipaes- Permanentes Francisco
de Ollanda Cavalcanlede xlbuquerque em
que Le se funda para fazer pagamento as
pracas efe sua Companbia ( inelizea Per-
manentes ) em sua caza ; se he por igno-
rancia tem sidoj advertido que tal nao
fa9a e se be por caprixo peca demicao,
e va administrar o Engenbo de seu Pai
porque s* com seus escravos be que o Sr.'
Ollanda pode conservar caprixos.
Quero agora pelo prelo advertir ao Sr.
Capito Ollanda que a sua obrigacao be
formar a sua Companbia no quartel em
das de pagamento, e o Furriel della ( que
nao deve fazer figura de papelao ) pa.
gar as pracas em presenca do Sr. Capito
isto de,His que o Sr. Ollanda mandar ler
o Decreto regulanientar do Corpo.
Sr. Ollanda os Soldados da 'segunda
Companbia nao sao seus escravos para hi-
rema sua caza buscar o que Vm. de obri-
gacao Ibes deve pagar no quartel logo que
cobrar o pret da Companbia. '
Hum Permanente da segunda Companhia
p- Pegunta se a quem souber o que
rqner dizer a palavra Pariola- se es-
te ncftue merecer bum bomem que hin-
d ebrrer huma caza no anno de 1832 ,
b.ou bumespadim e seu competente talim,
e depois sendo estranbado por seus comp-
renos d.sse que se tinha dado aquelle
incomodo por azer favor a dona da caza
M TV PL n"!110 P^ria o Capito
jWoi icrresGalmdoser acensado de ter
huma arma prohibida em sua caza.
P<
ViccComuladv de Portugal
Or ordem do Consulado Geral de Por-
tugal no Rio de Janeiro transmitlida em
officio circular a este Vi ce Consulado en-
flata de 4 de Marco do correte anno fu-
?o publico o seguinte Que d'ora em di-
ante nao ser admitlida pessoa alguma nos
portos des Dominios da Coroa de S: M;
J'iaelissima quer Nacionaes ou Estran-
geirosque sabirem d'esta Provnoia sem
DIARro DE lEttNAMBUCO.
birem munidos com o corn*p tente Passa-
porle expedido por esie Vico.Consulado
ou averbados acuelles que o forem pelas
uuihoriuodes no raiz as^sunes n's ba-
to deverao ser api-escolados na Chancel-
lara do Vice-Ctmaulado coa anlrcipacao
de alguna dias da sabida (as Embarcares
em (pie se devem transportar para se tra-
tar da justificaeo da idenfidade da pessoa
e prestaren! flanea na conformidade das
ordens do Govemo.de S: M: Fidelsima ,
e os Capites e Meslres das Embareneors
Portuguesas du Estrangeiras que os con-
duzircm em contravencao das dispoziecs
mencionadas incorrero as pcaas im
postas segundo a Ley a semelbunte res-
pleito : Outro sim se determina aos Capi-
tes ou Mestres das Embarcacoes Portu-
gurzas que se destinaren) para es portos
Estrangerros liajao de observar cm ludo a
mesma ordem cima. E para intelligen-
cia do Publico fiz inserir a referida ordem
nos Jornaes d'esta Cidade. Vice Consula-
do de Portugal em Pernambuco aos 5 de
Maio de 1835.
Joaquim Baptista Moreira
Vice-Consul.
V. Consulado de S. M. I. e Real Apostlica nesta
Provincia.
N<
O dia sexta feira 8 do corrente mez hade-->e
arrematar em hasta publica por conta dequem perten-
cera Galera Tosca na Resillla com todos os seus per-
tencesna Praca do Commercio. As condic5es sero
publicadas no acto d'arrematacffo.
J. J. L. Herrleih.
V. Cnsul-
O
AVIZOS DO CORHEO.
Brigue S. Joze Triunfante recebe a
malla para Lisboa boje 7 pelas 5 horas da
tarde.
(** O Brigue Fslrela, de que Capito
Francisco J.ze Moreira sai para o Mara-
nb no dia 9 do correntef
C^?- As pessoas interessadas em quatro
cji.xinbas de amostras vindas de Liverpoo',
.dirijo-se a esta Administracio.
THEATRO.
mJU 7 do corrente beneficio de Joo Baptista Lo-
pes Guimaresse reprezenla a mui conceituosa come-
dia denominadaOs maridos peraltas, e as mulheres
sagazes ; no fim da peca o Beneficiado, e a nova Dama
Francisca Mara de Lemos, cantarS o duetoComo
seu pai foi carrasco, Andando o Ex per tac lo com a no-
va FarcaAs fortunas da cruz do pilro, ou Papei
Severo.
s.
NAVIOS A CARGA.
Para o Maranho.
Egue viagem o muito velleiro Brigue
Estrella viudo pouco do Rio de Janeiro
despachado para aquelle porto, e que tem a
maior parte da sua carga a bordo : quem
nelle quizer carregar levando-se por mdi-
co preco o frete, ou ir de passagem, dirija-
se a bordo, que se acha fundiado no Forte
do Maltos a tractar com o Capito, ou ao
Escripto.iio de Angelo Francisco Carneiro,
ria do Trapixe n. 4.
AVIZOS PARTICULARES.
liURIO DR PERIAMBUCO.
IM A5 desconhecemos qunto tem sido truncada des-
de Sabbado passado a destribuico desti folba : quei-
ro os Snrs. Assipnantes relevar, attendendo que, u-
nicamente os equvocos dos De&tribuidores (e meneo
desleisod'bum, que por isso foi despedido) lem ocra-
/iun ."..'UC..5 tS.tts c que somos sersveis. Convi-
damos eos Snrs. a quero tem fdtado nmeros de os
mandar receber Typographia, ou Praca da Inde-
pendencia N. 37, e 38, e Ibes asseguramos a boa or-
dem da destribuico d boje em diante, quanto o po-
de permillir a continua afluencia deJAssignantes, re-
moi'r-s de babitaco, de recebimento &c. 6Vc.
OsR. R.
%3>" Por el presente, se previene todos los Sbudto
de. W. Catlica la Rcyna D.' Isabel 2.a, que habi-
ndose establecido el Vice Gmsulado de Espaa en
esta Ciudad y Provincia de Pernambuco, puedem cpn-
rurrir su despacbo matricularse, en U rut del
Trapicbe n. 3.
A ti mismo se notifica.,.* todos los Capitanes de bu-
ques de la misma Nacin, presenten sus papeles en
eMa Chancilleria para anotarles sus correspondientes
certificados.
Vice-Consul Nuno Mara de Seixas.
\Z9~ O abaijco assignade roga ao senbor encarrega-
do da luminacao desta Cidade, que mande por o lam-
pio, que a dous meies fdlta na esquina que volta para,
o Erario velbo, e se nao quer ter este trabalho mande-
o que o apaixoLassgnado comprometiese a consertar
a sua custa ficando da parte de sua senboria mandar ac-
cender as oras uteis, e ser muito obrg- O morador n'Florenlina,
*?** Prevne-se pelo preiente Diario, que pessoa
alguma contrete com Prudencio de Menezes Homem.
a venda, ou hipoteca de uro preto de nona Francisco
escravo do mesmo Prudencio, visto que o mesmo es-
cravo se acha em depozito a requerimeato da mulher
do mencionado Prudencio, Mara Ignacia dp Sacra-
mento, e por mandado do Doutor Juizdo Civel, ero
consequencia de estarem ambos letigando e ? Na ra Velfaa D. 17 existe urna aula d ri-
meira^ letras, na qual eusina-se a ler, escrever, con-
tar por principios Arithmelicos, e a gramtica da lin-
goa materna, ea Doulrina ChrislS. Mo se admito
mais que 30 a 35 alumnos para rnelhor se poder cum-
prir com as obrigacoes da classe. jVa mesma cata en
sina-se a muzica, e flauta, tanto a meninos como a ho-
mens, por preco muito commodo sendo as-horas da li-
gio das 11 da manli at urna da tarde, e das 6 d* tar-
de at as 9 da noite. O aqnuncante promate desem-
penhar com eutido os seus deveres n'huma, e n'ou-
tra couza, por tanto quem se quizer utilizar du seu
prest mo di rija-se a casa cima dita, que achara com
qnem tratar.
*y Quem annunciou querer comprar om piano,
dirija-sea ra da Cruz D. 27.
^^ Quem precisar de um rapaz Brazilejro para
caiseiro dequalquer casa de negocio ou anda mesmo
venda ; dirija-se a ra do Arago D. 18.
^ry O dono do armaz^m da ra dos Quarteii D.
8, de vendo breve retirarle para Europa, e tendo li-
ma porcSo de vinhos tintos e brancos, previne aos
compradores destes gneros, que elle os vender mui-
to em conta, visto a sua breve sahida : no mesmo ar-
mszem tiobem tem bom salame de Boln ha chegado
prximamente.
tfy* Quem tver para alugar urna casa terrea as
ras Velha, Gloria Arago e Rozario no Bairro da
Boa-vista, dirija-se a esta Typografia que Ihe dir
quem a quer alugar.
fcy" Dezeji-se fallar ao senhor Miguel Martins da
Costa, a pedido de sna familia; no beco largo sobra-
do n. 26, ou declare, por esta l'olha a sua morada.
^L^ O Snr. Bernardino Joze Monteiro pode ma-
dar receber urna carta vinda do Acarac na mesma ca-
za cima.
^y- Preciza-se ajurosdedois por cenlo ao raez,
por espa?o de oito mezes 200$ a 300$ reis em prata
ou sedulas, dando-se boa firma ou hipoteca de escra-
vos: quem tiver annuncie.
$C7> Precisa-se de um feitor para um sitio perto da
prafa, que entenda bem do seu officio ; na casa D. 1.3*
1.a andar na ra das Cruzes achara com quem tratar.
&y Preciza-se de urna mulher para andar com urna
preta vendendo fazendas, pagando-se a semanas ou no
fim do mez, isto dando fiador da sua conducta : na
ra do Livramento sobrado novo 0. 17, lado donas-
ente.
& Qualquer senhor que for propr<*ario de Eo-
genho, ou lavrador, que queira 9e servir de um ho-
mem pira Ihe escrever, e tirar suas contas, no caso
que queira tratar deste negocio procure r?n Ucen dn
Sarapatel D. 2, ou annuncie por esta folha.
JC^" Precisa-se de alugar um sobrado de om an-
dar s, com commodos suficientes, em qualquer dos
trez Bairros que nao seja por pai les exquizilss quf
o tiver annuncie por esta folha.
1-9~ Precisa-e aligar um sitio perto da praca >
quem o tiver anuuncie por esta folha.


-
DIARIO DE PERNAMBUCO


fc3* Tem-s.e contratado com Mafia Ig-
naeia da Purilicaoao hipoteca de uin;i ci-
ade pedra e cal que a dita Snra. tem n
Caza forte? se ouver quem tenha a por al-
gum embarazo sobre a dita declare por es-
ta ioiha no prazo de .' im,
{3* Q.em quiser dar Din cont de reis
a juros spbre boas fir.i.as ; annuncie por is-
la follia.
COMPRAS.
T,
Ret moradas de casa terreas no Bairro de Santo
Antonio, que nao excedo cada urna de 800$ reis a
un) cont : quem as liver annuncie.
Tf&" Uma meza de condur, nova ou em roeio u-
zo, e um par de mangas de vrdro lizas: na ruado A-
zeite depcixe vendan. 1.
VENDAS.
U.
I Ma escrava de naco parida de pouco, e com
muito hom Icite, cosinheira boceteira : na ra do A-
ragioD. 18.
^cy> Dois pianos noves e de superior vozes: na
ra do Queiroado D. 4-
Vpy Fotassa Americana chegada agora : na ra da
Cruz n. 63.
%ry O Brigue Sardo Rustico, ancorado na praia
tloCollegio vende carne nova de Monte-video a moe-
da de cobre que nao liver de-feito visivel a excepcio da
de X L somente at o dia 12 do correnle : a liMtar com
o Cap. a bordo, ou com o consignatario A. Schramm.
ty^ CA Polaca Sarda S. Salvador ancorada na praia
ii collegio vende carne nova de Monte-video a tro-
code jssucar, algodo, o.u couros: a tratar com o
Capitao abordo, ou com p seu consig. A. Sobraron).
yy A moeda de cobre o casco do Brigue que se a
tha encalhado defronte do armazem do sal, todo cavi-
lhado de cobre, com um bulinele de patente, e um
tombadilho de armario d ferio proprio para se des-
manchar : na ruadas CruzM D. 7, no 1.* andar.
Jpy O sobrtdo grande da Magdalana : na ra Ve-
Iba da Bm-vista sobradoD 34.
yy Uma negra mossa : na ra do Azeite de pei-
xa atmatemde couros n. 18, sa dir quem vende.
yy Uma escrava crila de 25 annos, cosinba o
diario de uma casa, engoma lizo, faz renda, ecose:
na Camboa doCarmo casa terrea D. 12.
%^ Um npgropara lodo o servico, e barato: na
Toa do Vigario n. 10.
yy Urna casa sita no lugar do caes do Machado:
na ra do Collegio loja da casa D. 3. 1
^y Um scravo para fora da Provincia, ou para
Enfenho, anda moco, erabalha de enxada, e se a-
cha preeo na cadeia desta Cidade : na ra da Cadeia
velba armazem n. 6.
yy Umcaixo para ourives, uma tabolela, um
reloeio de cima de meza, e 7 panellas de folba para a-
lente : na ra das Flores D. 8.
yy Dois conlos de reis em moeda de 80 reis testa
liza e 50 moedosde 6$40O por prata ou sedulas :
na ra Nova D. 21, defronte da Conceicio dos Milita-
res. .
yy Um berco moderno, colxo, e cortinados lu-
do com pouco uzo, e por preco commodo : na roa da
Florentina na ultima casa que volta para o Erario ve-
Iho.
yy Uma Barcassa nova, e prompta, que pega em
10 caixas de assucar, muito bem construida, a qualse
acha no Estaleirode Joio Tbomaz, na praia da Ribei-
ra : quem a pertender dirija-se ao mesmo Joo Tho-
maz, que lhe dir a pessoa com quem hade tratar ne-
gocio.
yy Uma obra de Voltaire em muito bom uzo : no
atierro da Boa-viila n. 29.
yy Urna cabrinha de 12 annos de idade pom-o
maisou menos, hbil para ludo : na ra do Collegio
Botica de Cypriano Luiz da Paz.
yy 12 portadas de pedra marmore muitoemeon-
ta : na mesma casa cima se dir quem vende.
yy Tima escrava cri'a de bonita figura, de 10
annos : na ra do Vigario venda de Joze Pereira Vi-
aana&Comp. n. 29 defronte da viuva do Lial de
Barros. .... .
yy Airrtardente de superior qualidade na ra das
Cruzesn. 62, casa de Joze Antonio Lopes.
yy Uma alampida de praia viuda do Porto, e
preco commodo : na ra doCabug loja de ourives Monta ni o Goncalves.
yy Um resto de al de Lisboa : abordo do Brigue
Mrquez de Saldanba. *
%y Toucinba em quartolas separadas, vellas de
sebo do Porto em caixas de roeia arroba, fio de vella, e
de parole, caixas de queijos a 480 reis : no armazem
deflssut-ar da ra da cocimba n. 5, e no armazem de
Antonio Joaquina Pereira.
\ry Un venda na ra dus 5 pontas D. 41 : na
me.sma se dir a coodieo do negocio, e as vantagens,
que tem dita casa.
.^y Tintas preparadas de lodas as cores em barriz
e as libras, olio de linhaca, goa raz, secante, alvaide
em p, ocar, izarcao, e almagre, ludo por preco com-
modo : na ru do Vigario armazem de macames n. 6.
^^ /{ papdgaiosmuiro alladom, por preco com-
modo : na ra do Livramento sobrado novo D. 17, la-
do do nascente.
fcry Dois escra vos cabras para fora da Provincia,
um de idade 19 annos, e outro de 25, sem axaques e
nem vicio : a fallar em casa do Advogado Francisco de
Paula Gomes dos Santos?
yy Um prelo de 20 a 22 annos : na ra Dirita
D. 4.
yy Uma venda tom pouros fundos a dinbeiro,
oua prazo sendo boas firom : na loja de Antonio Lu
iz Goncalves Ferreira, se dir quem vende.
fcry Tanto a dinheiro comtj a prazo, e por precos
muito commods; tachas, e moendas de Engenbe, ves-
tidos de cas>a e fil de todas as qualidades, assim como
diversas qualidades de fazendas francezas: na ruado
Trapixe da Alfandega velha n- 5.
3" Uto molato de 17 anuos, com b >ns
principios de afllate, e muito proprio para
pagem : no atierro da Boa vista D. 17.
(3* Familia de mandioca de superior
qua 1 idade, por todg a moeda de cobre que
ti ver o pezo legal : abordo da Luixa Pu
reza de Maria, fundiada defronledo Trerr.
$3*- Sacas de arroz vermellio a 8$000
em. cobre duas branco.a 8#000, dito era
alqueire a 80$000 Uigos de Batatas a
?#280 ditos a 800 rs. Manteiga em
Barrica 32o dita em libras a loo rs. ro
lo de fumo novo, caixas com fieixas a
!#560 Cha liy^son a 1#600 dito cai-
xinlias de 2 libras a 4#50O, Toucinho ar^
roba 7$800 Payos prezuntos Chou-
ricos em libra e tudo o mais com gran-
de s'M'timento a dinheiro de c >bre f'
pezo legal defronte da Conceicao dos Mi-
litares venda L). 20.
3* Couros de lustro Bizerro* dito ,
marroquins de todas as cores bizerros
Francezes Inglczes e de Sra. camur-
9a hr.inca e amarella 9apatos e bo-
lins para homem ditos para Sra. e me-
ninas siseado de linho para colchoes fi-
tas de todas as cores, correjamos de lus-
tro, t lins cabe9adas de lustro na loja
Franceza da Prac, do Livramento D. 5.
(3* Na mesma loja cima se concerla
qualquer obra pe t' ncenle a arte de sel-'
leiro por p 1*090 cmodo.
C33 Veiide-se ou troca se hiim escra-
vode bonita figura e bom padeiro hu-
ma escrava de idade huma das mil tibes
lavadeiras e 17 vacas, 4 novilhas pre-
ulias g-ado tocio elle muito gordo e filh >
do pasto alera das cabe9as miudas, a
fallar com Joo Kibeiro Campos no ai
trro dos a togados bem. defronte rio So-
brado do Viveiro caza terria D. 27.
3* Huma Canoa nova vella nova ,
e com todos os seus pertences para poder
fazer viageni; a troco de moeda de cobre
escolliida prata ou sedulas quem a
pertender procure na loja do Stbjia relo
joeiro das 9 ora athe as 10 que ahi a-
char com jucm ajuste c a mostr ; ou
annuncie.
03* Cha hy-son muito novo era cnixi-
nhas de 13 libras a 1.350 fio de vea ,
de toda a grbfura a 9503 a arroba Vi
nlio Bordeajx de superior qualklade em
caixas de 12 garrafas p/>r pre^'o cmodo
ra da Guia u. 12.

C^- Effeitos de venda por dinheiro de#
Cibre tendo o pezo e nao sendo fundido
na Boavista venda na ra do Xragao es
(juina que volla para o breo tanibi t). 3.
$3? Huma canoa de carreira nova com
iros acentos e toldo d : 36 palmos de entu-
p ido e quazi 3 de boca huma cmoda de
amaieo com suas erragerft prompta ; no
Foite do Mallos tenda de Carpma ,
junto Pretu^ade Doubourcq.
ALUGUEIS.
./ Luge-se uma canoa aberta : na ra das Cruz-
D. 7 no primeiro andar.
PERDAS.
M.
Odia 5 do corrente desapareceo da casa n. 18
ra da Cadeia ve'.ha do Recife um caxrra cor de r
p, orclhas grandes e chidas, tem no pescoco un
coleira de Isto com o norae do dono, (em Perambu
co) e a co/ci'ra esUva feix-ida com um cadindo: que
levalla a casa cima mencionada, ser generosamen'.
recompenendo.
FURTO. a
Mj Urtou se do Engenho palmeira fregueta da Luz,
em diis da semana sanU umeavallo a'azSo com os sig
naes seguintes : dois ps calcados de branco, o case'
do p esquerdo raxado, uma eitrellaj na testa, dina
grandes, e cauda cpmprida ; e mais umi b -sta ruda-
da, foro furlados por uma quadrilha deUdres que
esto juntos nodestriclo de Cacimbas, Comarca de
Santo Anto ; dase 20$ reis a quem entregar no
mesmo Engenho ditos animaes, ou desser aonde elo.
n<
ESCRA VOS FGIDOS.
O dia 31 de Mar90 fugio um escravo
de nome Julio, crilo do Matlo, com prin-
cipios de sapateiro, estatura ordinaria, re-
presenta 30 anuos, uma scatriz no gor-
gomilo, e um taino no queixo do lado es-
querdo levou camisa de riscado e cal^a
de estop, consta andar pela So'edade e
manguinho : os apiehendedores levem o a
ra do Vigario D. 10, que sero bem rc-
compeii9adns.
C* Um negro de nome Francisco cri-
lo, 23 a 23 anuos, altura regular, eheio
do cojrpo, nao muito preto, quando Talla
com alguem feixa os olhos, e ollia para o
chao, acoslumuto a fugir para c,o certao,
foi escravo de Antoui) Uodrigu^s de *Fi^
g teredo do Engenho Mundo novo : quem
o pegar dirija se a ra da Cruz 48 que
ser bem recompensado.________________
NOTICIAS MARTIMAS.
Taboas das mares cheias no Porto de Pernambueo.
a
v
o
co
8Segunda
9T:---- I
10Q:---- |
11-3: -
32 S:----- ^
13-S: g
,4-b:
10 h. 54 m.(.. _
., >Manha.
Tarde.
Navio sahido no dia 6.
Jr ORTO B. Portoguei S. Maooel, Cap. Mantxl
Alves da Cunha : diffefenle^ gneros. Passageiros--^-,
D. Joanna Francisca da Trindade, Antonio Cordeiro
Muniz F-leu, FtancisccCordeiro M.ini/. Falco. Ber-
nardina de Senna Dias, Mihoel Joaquim Rodrigues
Campos, Arcenio Fortunato da Silva, e maia um pa*-
sagejro.___________ .-.__l^^-^
Pern. na Typ. do Diario *835.
1



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EENCZ24MC_5J4MVY INGEST_TIME 2013-03-29T18:07:59Z PACKAGE AA00011611_03310
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES