Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03115


This item is only available as the following downloads:


Full Text



\
I
.
>i
'

v .
i
I .
Auno AXYill
Quima feira 2
DIARIO DE
de IJezernbro de 1852.
N. 273.
PEIlVilIfilCO
O
m
l'RF',0 DA SDBSCRIPCO. .
Pagamento Aduntido.
Por tiineitre............4nn
Por armeitre............Snin
Por anuo..............16/0110
Paco Diurno DO TIIMESTBE.
Por (ruarle!.............l#'>00
NOTICIAS DI) IMPinlO.
Para I ilc n,,i,, Miii.ii. 14 de Oullir
Maranh 1.1 ;. dr iln i S.Paulo J9 de dito
Cetra. II dedlla II. de l i'l de Nuvbr.
Parahiba. iUdedlto .llahia .. lude dito
w*9
MAS DA S*MANA.
AUDIENCIAS
2ii Seg. San Salunil-
no.
31 Tere. S. >g< Andrc
1 "inri. S. Nahuin.
2 '.'un i. S. II 11.m i
3 Seat. 8.
Xivier
Juito de Orphdns
1, c i di l'l horas.
I. vara do civrl.
. < B. .ni meio-dia.
Faxenda.
francisco!, e. i 10 hora.
J. rara dteivtl.
4 Sab. 5. Harbara. I. c sabadna id roeio-
!i Uoin. i do Adveo-! Rtlacao.
lo. S. (eraldo. |Trcaa e lab.iJoa
EPHEHIRIDI9.
Mlrigo.nl?
Nova II.
Creacenle
Chela a Mi,
4, a i hora e
a I hora e
18, ai 6 horas
i I hora e 'J m
3ti minutoa da I.
13 minutos da
e '2<> minuto da
utos da tarde.
rtltUXAR DP, HOJE
l'r mu 'i i as
Segunda as
0 horas e |8 m
n horas e 4 mi
Inuloi da uuiih '
nulos da larde.
PARTIHAS DOS CORRBIOS.
Gcianna e Parahlba, a segundas e lexlas-
fairas.
Kio-Granile-do-Ncirle, e Victoria aa quintas
felfas.
Boniu, Caruaru.c Garanhuns no 1" e IB de cada
mei.
Flore, Ouricury; R e Boa-Vlila 13 e 2.
Olinda, todos os das.
Todos so Crrelos partcm ao meio-dia.
NOTICIAS ISTntNOeiRtS.
Purlugal. 13 de Outb Uustrla 3deUml>r.
Ilespanha. 9 de dito Sulfsa ... 2 de dito
Pranr. .. 8dedito Suecia ii Je Seibr
Blgica.. llalla. .. Sdedito fe. -Un id os 25 de Sel br.
Alemanha. 3 de tillo iMeiico l.ri de dito
Prussia .. 3 de dito California (jdcdiio
Dinamarca 30 de Setb.Ctalll. .. 10 de dito
Russia 20 de dito Huenos-A 23rieOulhr.
Turqua., ni de dito 'Monterideo26 de dito
CADRIOS DR I DE I.IVKMIlll.l.
Sobre Londres a 2s '/, por i foto d:
> Pars, 3i0
Lisboa, 95 por cenlo.
MKAU
Ouro.Oncaa hrapanholas.......2H/000
Modas de (iflOnvelha......16/000
de 6/Kio novas.....l..-tiii
de 4/00..........'.'ncii
Prata.Pataces brasilelros.......jy.'.'n
Pesos cliiiuiiarios........ijuin
Ditos mexicanos......... I/8U0
PARTE OFFICIAL.
BISPAD0 DE PERNAMBUCfl.
Dom Joto da Purificactio Morques Verii'jSo
conego regranle de Sanio Agoitinho, por gra-
ta de Dos, e da Sania S Apostlico., bispe
da Pernum buco, do dmselho deS. U. I. eC
ele. ele.
A lodosos nossos diocesanos saule, pal'
e heiir Vi em nomo de Jesiis Christo.
A nica verdadeira religiSo, qua satisfac-
toriamente professamos, o cujos misterios
celebramos quando a santa igreja os propon
a veneracio deseus lilhos, nos impeo di-
ver de reconhecer tua ublimidade, e do a -
creditar a iiifloiti caridade, que o Unignito
lilhodeDeos manifcslou a favor daquelles,
em beneficio dos quaes os ir-sutuio para pre-
encher os gloriosos flus de sua divina triis-
sSo, esperando Ihe fosse prestada a mais ge-
nerosa retnhuicSo.
Mu prxima esta a solemnissima, e apra-
sivel commemoracSo du nacimento lempo-
ral de Jess Christo, iinnalmerTte festejaJo
em teslemunho do mronhecimento, que tri-
buamos a esto ineffavel misterio, pelo qual
fomos liberladusdo ca|.tiveiro,da culpa ori-
ginal, no qual eslavamos agrilhosdos, sup-
portanJo os deploraveis elfeitos da funesla
transgiessSo de nossos primeiros pas, ato
que a portentosa nat'ividade de Jess Christo
felizmente nos isenlou da serv lio do do-
monio, abrindo-nos as portas da Celestial
Jeruialm, logo que benignamente desceu
do co i trra.
Que prodigioso beneficio Quilo iraravi-
Ihusos seus effeitos Sua magnilude pode
ser apreciada em toda a occasio, em que
nos recordemos da condicto, naqu>l a for-
mal desobediencia dos P otoolasios nos pre-
cipilou, infelicitando-nos al a poca, em
que Jess Christo consuniou a redempeflo do
genero humano, segundo a inescrutavel dis-
posicSo dos eternos decretos da sspiontissi-
mi prov li'iict i.
He pois do dever pastoral exhortar-vos, na
presente opportunidale, eterna gn.tid.1o,
que devemos a liio benigno Bemfeitor, de-
monstrando-vos que snienle a observancia
dos deveos, que conlralnnios no baptismo,
pelo qual somos designa los filhos de I) os,
nos i mil' assigualar verdadeiros adoradores
do augustissimo misterio, que pretendemos
solemuisar no dia 25 de tk-zembro, no qual
reconhecemos litado o primordi.l fuuda-
mento de nossa redempfao, elTectuada por
Jess Christo, d(Ois que dissipou ns tro da geral ignorancia, illuniinando-nos com
sua doulnna por cS|>ar,o de tres anuos para
rei.inr.n us vclhossenlimentos, quo univer-
salmente dominavam
Eslesingular nascimento, prediclo pelos
profetS, supplicado, e suspirndo por todos
os que acredilavam os Divinos Draouloi,
fielmente pronunciados por aquellos.a quetn
Dos os inspirava, e resinados ponliialmcn-
le no tempo marcado, leja um poderoso in-
centivo para conleinphirmosa singular ler
nura de Jess Christo lente proJiguiso mis-
terio, e o extasse em que Mana Sanlissim
Toi elevada para na lidelisssima companhia
de seu purissimo Esposo dar a luz do mun-
do seu primognita Kilho no presepio tle Ke-
lem, junio do qual nos proslemos em es( i
rito, adorando a Jess Christo mu o maior
acatamento, convencido doque sua omn-
moda beneficencia de us exigo peil'eita cor-
respondencia, concorrenJo a reforma dos
rostumes,e a pureza as iutenr;oes, que nos
designem pos cultores dos divinos precei-
tos, e ds sublime doutrina do Celcsllal Mes-
cas esleo primeiro recnnliecimenlo devi lor decer, dizendoquea cari la i para c-mi os
aos'misterios instituidos para nossa instruc-I inimigos n9o depende da prrtica do jejum,
cSo esalvacSo. ''' cislr'buit}9odos hens aos pobres, domo-
p'reviamente nslividado de Jess Christo i vimento dos ps, do trahalho las mitos, ou
decrctou a sai -reja o lempo do advento, da slguma dlgresslo, cuja* obiigacoes nam
durante o quai cara, e pa USi, recorr
menda a seus 11:li maior frequencia na o-
racilo, e penitencia, como meio efficaz para
conseguirmos a perseveranfja no proposito
de nos dispormos, e prepararmos para hon-
npre |u l'-n eslarem accSo, pois que no
interior do nosso coracSo existe a necessaria
medicina apta para curar esta, e oulrasoo-
lermi la les, que nos opprimem.
Annuamos sos designios de Jess Christo
rara Jess Christo no portentoso Sacraroen- pranos serem communicadas as gracas,
to de seu introito no mun lo. I que podemos obter pela saudavel recorda-
llesrvemos, por tanlo, alguns ospacos de o de seu admiravel nascimento, pelo qual
lempo par meditar co"o Jess Christo se'esperamos ser herdeiros da paterna gloria,
dignou equiparar ao primeiro, o segundo e d'esla coherdeiros com seu filho Jess
priceito da lei ora indicada, para que a pra- Christo.
tica destoseja inseparavol daquelle. Diz Se professamos a doutrina d'esto amr-el
Jess (.irislo : Vi sois meus amigos, se [.Salvador, sigamos seuseiemplos. |8e estes
praticanles ludo quanto vos determino. nos no commovem, menos aquella. 0 du-
Vs amici mei eslis. si feeeritis qua: ego prte-\ pilcado derer de seguir os bons exemplos, e
tipio vobis. Ev. loa. C. 15 V. l -Se guar-[ de os prestar principalmente quelles, por
dardes os meus preceilos, permaneceris no quem sotnos responsavois, nos obriga para
com a sociedade, credora d'esle soccorro de
n iilicaclo. Semprc o exemplo foi mais po-
deroso, quo a palavra, c na regular conduc-
Dnverr os igualmente estar preveni lo pas-1 palz, origioalidadc dos lugares e das piita-
i que esta sentenca n3o nos comprehen'la'Kea<'
quando comparecamos no formidavel ln
bunal de nossa responaabilidade, ao qual
Jess Christo deve presilir na qualldadede
juu inexoravel, para com tquelles, quo na
presente vida o ro rrconhnceram cono ro-
demptor, e salvador, ou se de dignaram se-
guir suas mximas, epreceitossem temor de
comparecer em sua presenca accumulado
de beneficios, e opprimidoscom a iniquida-
de praticuta, inteirameril.'.sqtiei'nlns d'exo-
rar a tempo sua clemencia pola orarlo e pe-
nitencia.
Palacio da Solada le 30 de novembro de
t8ii.
JoSo, llispo Diocesano.
4SHWaas>BS^BjBjBjHSjBjaa
EXTERIOR,
(IS ESTADOS-U.MDOS EM 1852.
( Cmtinuaca n. 1,71 )
A emigracao, alein dos bracos e das lorias
que presta a Unio, Ihe d edar cada vez mais
meu amor.Si prmcepla mea senaveriliima-
nebilis in dileclone mea Id. C. 15 V. 10.
So me amis,observai os meus preceitos.
Si diligilis me, mandola mea srvale Id.
C. lt V. 15.
Todos os que prol'essam o christianismo
eslo ou devem nst genci'a na oxecuc.lo deste primeiro preceito, vida regular cause desprai r aquellas, a cuja|' Pn.' ttdo em perlgo e nao temaido
> a. .______a _..^ !_.-... i i. _t i ni mura \ i I .4 ii lin fs>clii ta est escondido o miis precioso talento, e um. f0rca snnral que comee a ja a faier- se aen-
iii.ii! iii'slo o maior estimulo para converter. I i|r, < que nao se lein observado bastante. Hoje,
Sobre este objeclo no nos he licita aioda a quando as massas tem sido agitadas no conti-
in ii como na do segundo, que Jess Chris-
to denomina novo, em consequencia do
inaudito esclarecimento, que nos preslou
acerca d<. Caridade fraterna, em vigor desde
a publicacSo da le da t;rc,a, pela qual, se-
gundo un Santo Padre, convinha cari losa-
ment constituir livro o i ovo de Deus,quan-
do outr'ora foi neccssario alliga-lo pelo
temor.
Mando-vos,dlz o mesmo Jess Christo,
que vos amois uns aosoulrus. //ac mari-
do vobis, ul dillgatis ineiceni. Id. id. V. 17.
Au.ai os vossos mangos : pralica bennfi-
cehcia com os que vos odeam. Pilige
mmicos rsteos ; ben'facite hit 7111 oierunt
VOS. Mii ti C. 5." V. 41. Ap.'tiiM desta
doulnna, nos designa discpulos de Jess
Christo, e dignos Je gosar sol lo prazer em
seu nascimento.
immoralidade he fastidiosa. Na hora da! 'P''i''da eaioa grande cusi, quando osen
morte. e por toda a eteroidade, os bons iTi1"" V f VltSSE?
cada um sollre suas uilsenas com mais dillicol-
exomplos fardo o processo dos que 'jVstas
dade do que outr'ora, hoje quando o man estar
mofaram, e imporlo rigoroso silencio a fri-
vola.! escusas.
A muda eloquencia dos edificantes exem-
plos encontra mais SeqUSteS, que um orador bravos e acquisicao do solo, deve naluralmeu-
eujo discurso ordinariamenle agrada, e p- teaitrahlras vistas de todos os iofelitesde nos-
do convencer, mas nSo persuadir como o s" "'edades modernas. Alui disto, hoje
ap.O quo aplana as difiiculdaCes, e dis- ^TtoSS "SmStt
aktfe i,,; i... iiniilii litio ia 1.11 (in 111 r> a is tii upa. v ...
nao he niai sitnpleamfnle umi dr, mai um
fardo niiolcr.ivcl,- um pai/. que ollerece (o
m.iiavilhos3i lacilidades para o emprego dos
adu mu,! \
lo dos recursos dos cinigradoi por este modo
acha atnda o meio de enriquecer s suas cusas
especulando sobre st ;i tiahslho e eiercendo
uina multidao de pequeas industrias que en-
tre nos serian, qualiticadas com o nomr de
usura. Mr. Cunyughane cita algn* exemplos
multo curiosos para nao sercm referidos. Km
Chlago, o vaj me euconlrou uin especulador
que tioha feito sua fortuna dando dinheiro a ju-
ro de mu por 1 ni por mes aos rendeiros dos
arredores, e anda aisim no adianlava dinhei-
ro, mas papel. Uto he seu proprio crdito. Al -
guias vetes o emprestlino se fai manetra
seguinle'; um cultivador, um emigrado tem
n.ii in.ins urnasumina sufficiente para arrendar
urna trra, mas nao icn para cnmpra-las; um
Yanktc rapase hbil se apreseuta c compra cin-
coeota geiras de trra ao goveruo pela somma
de 2 lollar* e mu id, depois vende a terra a en-
te mesmo cultivador, o qual ..- abriga por um
coutracto a pagar-lbe'a no liio de tres auiHH
pelo pre^o de dous dollars e meio a geira, o
que, como se v, representa para o vendedor
um lucro bastante avultado. Se as comas forem
tf ni o comprador lcar compensado, mas se
por inlclicidadc Ihe acontece alguna Incidente
elle ter perdido seu tempo, seu trabalho, oa
capitacs que elle Uver empregado em conslruu-
coes c roteiamenlos. Quanto ao 'endedor, rile
nao pude deixar de recolher Hilos resultados :
10 o comprador i ;: i. seu capital foi emprega-
ii .1 mu juro inodi< o c productivo de 30 por
lO ; se uto paga, obl^m trra escacha por
consegulute proprieiario.com urna souia in-
siguiHcante, de urna herdade bem eslabelcld.i,
exerctio de tres ou quatro milfies de aventu-! bem cultivada, augmentada de valor, em lugar
ni ni' ii i de viver que transmitida a seu
descendentes e moldada pelo tempo, pastar
| destas choupanas e destas herdades do oeste
para vastas cidades e vira a ser a le e a anbc
ria de naces futuras. Esta inorallsacao rpida
das raras europeas desmor-Usadas e corromp
das, turnadas selvagcns no selo mesmo da ci?l-
Ilsaco, se observa at entre o mais avillado e
abjecln dos povos, entre os Irlandezes que a
Gran-Hrelanha uao tem podido conseguir mo-
rallsar, c que transportados para a America,
conservando suas qualidades natiiraes, te des-
embarazan, fcilmente de sua aujeccan, e fa-
nem-sc iao bns rendeiros, tao excedentes em-
prebendedores como os proprios americanos.
A emigracao ter par os bstados Unidos inul-
tas outrai consequencias ainda, e pde-sc des-
de ja prevenir os estados europeus de que esta
multido de exilados voluntarios ser daqui ha
alguns annos, a verdadeira i >t,_ i militar da
America do Norte. Quando os Yankeet tive-
rem nrccssidt.de de commetter alguma injusti-
,-. qur no lim de escapar de algunias dilcul-
dades internas, como se vio na questo do Te-
xas c na guerra do Mxico, qur para augmen-
tar o numero dos estados e estender seu domi-
nio, as inquietas populaces do oc>te nao Tal-
larlo ; as expediedes continuadamente tenta-
das contra Cuba sao a prova listo. De muilo
tempo a Unio nao possuir um exercito regu-
lar permanente como os excrcitus regulares de
nossa Europa, mas possuir e ella j possuc um
exercito irregular, lie fcil de ver que em al-
gn* annos, ella ha de ter a seu serrico um
reros promplos para fater tuifo, capaxes de
lu-li-, pouco escrupulosos sobre a escotha dos
Hielos, uina inassa abundante c compacta de
peitusquese entregarflo % balas e de cabe-
de uina terra inculta e selvagem que elle tinha
coiupradu. Kstas espetivs de empreslimos, ex-
celleates para os americanos que esto par de
todas as subiilexas de seus concldados, sio
cas que te farfto quebrar para satisfaca de sua niurtaes para o emigrado ; entretanto mais >\
..iniii', ni. | um delles se deixa cahir nesle laco e se xrrui-
()s sentimentos de averso ou de odios que na scm onlra vantagem mais doquetertra-
nutrem naturalmente os emigrados contra suas balhado para scu< novot compatriotas e 00 ter
i siiiytsia tiuda baujtii, (i'i ra r.s?, ii/i 11 tu r ni, uuc -u- |-_-- j^ vv. .*.,.. iuoi aniuu^a metate a ------ --------1------------
sipa os on>laculos, qoe se encoiuram na pra- f,t ,n0ralmenle de cada de.gracado um eaila-udacia c a propaganda do Americanos; mais Nao deisareums de no este assumpto lio
tiea das virtudes, que Jess Chrislo eerceu do em seu proprio pala ; -drpols as guerras ci-: larde, Ihe servirao de ineios de conquista Este iilcrrasanlc da rmigraco sem asslgualarmos
Silenciosamente no presepio, e durante O vis geradaa por estes indinos desejos que tem : nc apenas um resultado linda remoto; ha ou- um pheno.neno ealrrinainrntc eurioso.e que
poriodo d 30 auntis, dd sua vida privada, enchldo de resentimenlo para com seus con- j tros inals acluaei e mais scnalveis : a emigra- Inllue |.iuluuda.nei.tr as rcla9cs entre os do-
lo lavia inlerromnido quando na i.lado de I i cldadoa e de uri.ile.em a para com seu paiz, i'" "="' por ell'eiio nao s rotear ns campos, us sesos no casamento c na aociedade civil,
anuos Oimpareceu no templo de JerUSlIem '"dos quelles que tem sido victimas dellas, "">< anda e multo mais augmentar as popula- Moguem lombc, mas leinbrc-se que as cou-
Jlannianrln enra n dnulo.es da lei lodo' vencidos, e ao mesmo tempo lodos t" das cidades. (Juco f.llar muilo da rpida as mais serias como as mais fulos, ha
i. .1,,!,, .mi, ,. eTamnli da U aquellea que, sem ter lomado parle nellas, se fondajo das clda.les na America e de sua mu- emprea America um. vea cmica, que le
apri ciemos por lano va txempius aa ae- ,nWln accommeltidos pelas medidas rigorosas liplicajio; esta rapidez he menor do que se inlrodiw. bom ou mao grado. Deixaicuios que
SUS l.hristo, pralieaJos para gravar em nos- da, quaea faimlsler usar, e envolvidos nas mes- "So er ; o numero das cidades que .se fundain Mr JohnstonexpOuha aqui, emsua hngoagem
.N3o nos c.ititeiiletlios unicarncnle ora sos coracO-s n dnitrina, quo se dignou en- m desconliancai. Os Kstados-Unidos pois o he pouc consldcravel, se atlenderniosaos im- de economista, ente facto singular. Ha dusen-
amar os que nosamatn, pois que taes sen-' sinar. Os hons exejlplus, dirigidos a exbor- para lodos os europrua infeli7.es a verdadeira mensos territorios que possue aUoiao; masas loa anuos que tuna crreme de emigracao man
tiuicnlos nilo saoconfor,iiMSCOiii os do Sal- tai" Pela cndale quelles, que anhelara patria, o eldoradodesrjado. D'ahi a Influencia cldadea ja existentes tendeen a tomar um aug- ou menos poderosa, cumpjsla em graude par-
vadordoa luimens nue cxi'en tola a nerfei. I ejercitar se nas virtudes coristas, no sao prodigiosa que cresce continuamente, a fascl- ment formidayel. Tacs sao as cidades do esta- le de Individuos pertence.ues ao aeio mascu-
ni ,,,~l ??'?,.u.rf i ...L7 .% inuteis se censuram OS vicios Dailfles afta que exercem os Kulados-Uoidos sobre to- do de New-Vork, as cidades dos estados do os- lino, ten, mana ... da fcuropa para a America.
c> ueste prec'llo.e.nvirlude do qual So *"**> """." ,** P M 0$ pabrta. lodos o. indigentes, todo, o, le entre u.,1, e para dar um exeu.plo. apona- Logo que seacha.n eatabelecidoa, eal.s l.omeus
in-XCtlsaveiS aquellas que Jess l.nristo que nao querern pri seiictar. proscriptos da Ierra. Por pouco que se preste mos Chigaco, capital dos campos. Apenas al- procuran! companheir,.s, e corno as mulhcres
Compara aol genlios.e publcanos, que ama-I Se a reforma dos costones he dessgra la- alteocao, percebe-se logo que esta influencia, I" annos 1.a que os lobos uivavam em der- sao raras, ellas au gr.indeineulc procuradas, c
vain smente quelles, de (|iieui es^eravain vel aos quo nflo tem c.iragem para a imitar, nascida de circumsiancis. cuicas nas quaes redor das casas desseminadas nas margeos jo lodos se desfaienijuulo dellas e.n homeiiageiii
igual retriliuicao. I nflo desanimemos : mais tarde, ou mais ce- nossa turopa se acha empenbada, tende a di- llliaola, c hoje estas casas se tem multiplicado cem galantera. Hoje mesmo, na occasiao em
dos 0" modos, rojjn, o pode .. loilos os cliris- urna i nportante licu aos seus conci lacia..8, hdade poltica (enilvel cutre a Kuropa e a Ame- apanhar perfeilaiuenle a causa de uiiiita.sin-u. sexos das cifras segulnlea : aano dt 184", bo-
liios, queir..tn observ.r l.lu insigne preceit, cuja cousri.'iicia vivamente os constrange a rica, rivahdade q..c apenas principia. O pililo- laridades, nos fat muita bem conhecer as ra- mens 138,9391 niulbere i".l,3j*;_ aun. de
aSsegurando-OS de que a nteira obediencia reconhecer a indispen.-avel necessidade de sopho, para quem a existencia de duas ou tres "*" Outr'ora o emigrado, ae dirigan) quail "8i boiiieui 136,108 inulbere 92,892
.leste, os co.islituc lirmes obedientes aos de- se reforma em pela persuasflo de que mo gcrajtJe. nao he ne.n mesmo um ponto n in- aoaccaso; c sem se Inquietar intiito pelo valor 'i de lili, homens 179,105 i mnlberes
mais precei los. I deve.n resistir as imaressOes, qua as acedes "n.io do. aeculo., pd.e dixer poresie eacmplo, da. ierra, que cllea compravam edoiuaposl- |l.l. A dlBereoaa entre a <''e'f;.ao d"*
i .H.lie,.,lo. e,1 n,.niMriiihnniao nrin. quanto a grandeza dos E.tadoi-Uuido. he devi- 9, lain ao melhor mere.do e toimva.ii a so.te lioinens e a das mulderes be de I42.U0 para
S.Jronyru,. expon loa mrsma doutrina, edihcu,les causa., no corado hurnano.pr.n- J, ,, ,, ,,,,, caus ,,,,. de terra que Ihes cusanse menos dinheiro. Lo. o resultado f.ial. Esle. emigrados lornam-.o
cuja observancia a imbecilida le humana i cipnl-nenie pialnau-.* pelos que esiao cuna- porarlas. Ceriamcute, quando os Ksiado.-Un- K depois cllea se aperceberam que solados, aspirantes s inos d. Americanas, as quaes
|Ulga impOSSi'el, como se a infinita SabedO tiluidos eill matofes dignidades eempregos, dof forein laopovoadoscomo a Kurnpa. e antes '""g" das cidades, se achavam son soccorro, geralmcnle prefercm lomar esposo entre cus
sendo rale o meio nais illica para faier meaino que ellcs leubam vivido tanto seculos 3em apoio, scm cousumo para sem productos, c compatriotas i.luando os emigrados e dc.pe.-
florecer a religiao, tniimpllar a piedade, ecoino o.ealadoa comineniaes, lero lugar o. que a baraieta e.n lugar de os enriquecer, o. san pelas ierras americanas, as mtilhcre. sul-
reslituir o povochrisiau aoseu primitivo es-i inesmos in.le., os mesmo. sollrimemos, as arruinava. l'or esla raxoellcs procuiaui mal. leiras que se aclum enire rllrs.se veem logo
pie,, |,,i I me.inas de.ordeo. e a. inesma. iiecessidades boje as sones de Ierras que eslo situadas uiai cont.acladas c.n casamento desde seu de.ein-
!.i.n,..mnJ ,i,i..i ,|,. ,,'vonln de governo. As populacOe. infelies, que par- perlo das cidades, se bem que ogoverno Ihes : barque, por islo a falla do sexo leinenlno cresce
saniitiquemos a insliiuicdo uu auveniu trin para a America, se deaeiubaracm de sua. fafa pagar un preco muilo mais eleva lo. Ksla|a propurcao que .e avanca para o oeste, asiiiu
Est falta porrn, diz o mesmo Santo coma medltacao d calas verdades, quo nao ,|,erla, i.io he verdade, mas nao aahem que viainlunca da. populacra agrcolas tende na- como o valor cm que ellas sao estimadas, ma
na pulesse impor precitos mexequiveis,
iiiiiin! '-lanieiiic nota a falla do inlelligen-
cia nos quese coiitonlam em n5o oJeiar os
nimigos, negando-lhes todavia o amor, que
Jesui hrisio liles manda tributar.
Inexcusavel em presenca dos he-' solTrein c.intradic.lo. DiligenciomuS a pur- >eus de.cendeuic. bao de ser proravimelc Wraliueiiic para'agiuc'iitar a", cidade. pela im-jiio/ar wm(, ellas alcancam um preco enorme
' pela retractaeflo lao iofelites qnanto ella o tem podido ser. Esta ponancia que llic. da. yue: rcsuliadoa lera pa./omine/ radie, he ..
roicos exemplos, praticalos anteri. r, e pos- z* de nossas coiisciencias
teriormenle aos do Jess Chrl'lo, eomo'T-l dos abasos pralicados, Cuja rcmSS3ohe mis- lelicidade e e.la abaslanca geral durarao o es- ,a futuro poltico da Uniao este engrandeci-
ter solicitar pelo Sacramento da penitencia, i pa{ode aigumas geravdes i|uando muilo ; he n^"' rpido das cidades.' isto he fcil de pre-
nios a r-'spiMlo d llavi.l para com Saul.e Ab-
salao; de Santo Estevam orando pelos que o
apelrcjavam, e S l'aulo querendo ser ana-
ire.h. mais do deso to cuIm ale agora perseguidores. -
annuneiaJa em nome, e po> prece.to ae seu i Allmir,ni,.Ill>s qiie Mf* dM pginas
autor, ____ ____ ____ .'nos reliram lacs exemplos, quanto ainda o
Est. importante verdade nos obnguo a wAtneimmlodMt, nWmendaniento nao
ser exactos no canter .mentdo P.imciro, o diminuto se,a
segundo prece.los da le, escripia coni o pro- 0BomerodM.qijeimiUm 0 Invino Me.Mre,
pr.o dedo de Dos vivo ,romulgad. no mon- d
lebinai pelo ministerio do grande .Moiss. ill(,,v,m y
cuja observancia nos declara execulores de ""
toda a le. Este o mutivo. que suavemente A intellig.ncia deste precoiio he amis
nos iuduz a excilar os nossos predilectos suave, o -alisfactona para aq .ellos, quo o
diocesanos a pratica da mesma le, bem co- 1'icrem objvar, acreditando p;lo Evango-
nio a observancia do gravissimo precito da Ino tudo ser possivel 10 que c e, rnala
aintificaco dos domingos, c das santos, ou- possibilia sunt credenli c com S. Paulo, ludo
tr'ora por nos diligenciada com a maior ef- poderemema prolccco l.lvina.--0win/a
Acacia pelo recurso a camaia municipal, e potsumln eo, qm me coiiforlol -assim_co-
assemblca provincial, som que todava con-
seg-uissemos o pretendido resulta lo do nos-
sos esforyos, dirig los a occirrer ao mani-
fest escndalo, que rrsiill. da aheitura das
lojas nos dfas piohibi los, contra cuja rela-
chagSo novamenie declamamos com lo la a
forca do nosso esainto, esperando quo os
nossos diocesanos nos presten) aquella Cun-
siderac l, que Ibes nao desmerecemos, to-
das as vezes,que, em nome >lo (Cierno Pastor,
os exhortamos a conveniente ex."ce;a de
seus deveres. Esla a principal accBodotira-
aaga^aaajaMaaaaaaaiaMBMajaiaii.'._ j i..ui
1 OLIIEfiii.
0 PALACIO PIPAN. (*)
pon jHr- iSogcno i?eaubotr
PARTE SEGUIDA.
o\VII
Samuel,
Ao erilo de agoiiia que as palavias arrancaram a Tcresloa, a iiiultidao dos ansa
dores correu para ellacbeia de perturba^ao c
de espanto.
i.ii.t' trin vi.--' perguotou Cailos du-
(jueza-
_ INada, respondeu ella..... O calor, sem du
vida.....I )i"- ui* o braco, seiihor coude, accres-
ceotou ella em voz- baia tenho mdo aqu
Eleres.na pareceu querer Ir rcuair-fic aos
grupos do baile.
_- (i que be cnto que se psssou ? conlinuou
Garlos observaodo Tetcsioa vosse est mu
pulida I
>ao me interrogue, pois tiada Ihe posto
dizer, conlinuou ella venciOa pelo mdo. S.m
sei porque, mas cousas borrorosas Hq ter lu-
gar aqui.
Tcresina, voss uao c-rava so neste gabi-
nete um hoiiiem conversava com VOSM, Ku
saberciquem be esse boinciu.
A ccia do sen lim conde eslu proinpta, dis-
se ltcllero>e cbeg-tnclo nesse inomenlo ; que
lein eoto a seobora condessa ?
(*) TideManVo. 271.
(no poderS o-i qtieest3u d. posse da fru
i;io da feliz firrniil.il', cm consecuencia
da eitieufao tl'estV p ecoito, n3o sendo de
melhor coudigSo, mais exactos piirm que
os peregrinantes ou globo trrreste, nilo II-
luminados pela luz da T, que -ii*i-i'li 0>
justos. Jusitii ex filie vivit.
O mesmo Santo I-adre, tt-n lo em vista a
escusa allegada pelos ncftllgentes no cum-
priment uVsle dever, a esta occorr*, fun-
dameiit-iiido seu raciocinio na urgncia ilo
mesmo precei lo, e na fcihdado pm Ihi obe-
.,.-----------------r .:____________t i \f
Ao inciinu tempo (Jarlos e elle procuraran!
com os olbos o capilao I.s Hipaille.
Hellerose, disse-lhe l arlos, t'iiporta que
me (ragas e*sc capilao, elle deve saber ludo,
pois eslava la. ...
*\esst* momento mesmo, o capital I a Itipail-
le app-ircctii e veiosaudar o conde com um ar
(riuiiiphaulo.
Seuboia, disse o conde a Tercsina deiaan-
do-a, permita que diga duas palavras a este
hoinem.
Y, elle accrcscenlou. diiiglodo-se aparte ao
capilao :
Entao o que foi q -e to, o que tem que di-
ter-int? falle.
Scntior, eu o vi, eu o segu; agora posso
i rcuiiln-(.<_-1 entre mit, Slm, grayat a forma de
sua espada c a certo laco le fitas.....
I.mi lim quem he esse bomein, diga, per-
guntou Carlos.
Ah.'scnhor, be o liomem da oulra noite,
o exquisito do Palacio-Lardea! aquelle que me
fez hospedar cusa de sua inagestadeno Ch-
lele!.
h esse humen, fallou ;t con des vi .'
Mao, senbor ; posso afianzar, pois nu o
deixci um sinslaute.
__ Km,mi eslava nesse gabinete com elle ?
INada, senhor, nos nao deiaamos o salo.
Acreditar que elle uao dansou sequer urna
contraanca, nein mesmo levautou a sua mas-
cara? Ah i u ni in.....Que rx.iiuii.i elle com
seu ar escrutador T Um domin, cujo c*puz es-
t abaiado, e que acaba de irgir-se para a
v.n.iiiil,i..... Eu quizera saber oq^ucelle pode
observar dalli. l^enbor, perdoe, mas cu torno a
collocar-me uo meu posto.
tem extiauou Carlos cun raiva, est es-
crito qui* uSo poderei nada saber Senhora
condeisaa ceia est prompta I
E Carlos desta ves tu pallido, quanto Tere-
slua, ollereceu-lhe a in.o para Iev-la sala on-
de a ceia ae 'chava fevida.
Espete, uohre conde, exclamou o mascara
collocadu uo liuiur d* varaada, esperem tam-
betn todos os senboret que o ceicatu 1 falta um
pecttva ue leuciuaoe lera sido bastante pa.a ------
Inmii's il i modestia, da mod^racao, e da (undaro poder dos Estados-Unidos e para tan- mr a atistocraci-i feudal, e den nasetmen-
probidade oitho Iota, jamis taremos parle Cir o germen das novas sociedades: previ? loa democracia ; nos Estados Unidos bem po-
no beneficio da K "Irn,, i;-i, poolior de DOS-' dcncialmeole be bastante. A euiigraco nao **'' let 'ullado opposto e faier passar forco-
Sa eterna Ventura, i terve i para fundaru poder da America, ser- *i,nenle o estado do regimem democrtico il-
.Matntn nm astla nn.aivnl llrmemna non. vc aln(,a Dara ** "cas corrompidas "'""do pa.a um rgimen mais resnelo e pa~
QUtntODOS leja po?SlV0l Iirmemos nos- da E|| Kla (Vlicidade que materialmente urna son de anstocracla civil e m.litar.
so pensam-nlo nos s.ii.meutos de Josus no se, iransmiuida aos descendente, dc.tes | A iollueocia que a emigracao eserce sob.e o
Chrislo, insinuando repelidas ve/es a seus emigrados, ba de produzir todava e.lcitos mo- augmenio da riquea nos Estados Unidos lem
apostlos Com diversas eipressoes a ober- raes salulares. tm um palz onde o preco de tambero sua importancia. Toddi o p -qurnos
vancia dos dous principaes preceilOS de sua uina geira de terra he menos elevado do que o peculios juntados lentamente na velha Europa
ei, como sempre pralicava, quando julgava preco dado para a satisfaco de um vicio, onde para fugira miseria, veinte consummir nos Es-
i'ISler imbuir, oarraisrar bOS COraCeS de P' c daJo liar* a atlslaciu de um vicio, on-t lados Unidos A vigem de New York e de buf-
' ,t.,...,,., .la i,-*, ...,..v a>.a_* _.* _________. C.I..___C_^-_^. ...U.l. P--.-A-_____i a _
sua
seus ilisc^ulos presentes, e futuros, a
doutrina mais importante.
Itecordemo-nos, sem todavia nos aterrar-
mus da sentenc,a por elle proferida quamio
na protimidadeda sua paizSo, prevenio os
seus discpulos contra as vexic/.-s, e perso-
guir;dcs, q .edeviam supporlar por causa do
seu uom, e animados pelo seu exemplo :
Se eu n3o viesse, elhes no fillass^, n.lo
commetteriam precedo ; agora porrn o seu
crime tifio hedesculpavel.Si non venissem.
tt lacutu* fuissem eis. peccatum non haberent :
nuncautem exettsationem non habent depecca~
to $uo. Ev JO*. C 15 V. -2i. _______
i t uwr^mtmmmmBmm^mmumm/^mm
conviva a esta esta, e esae con\iva alli est.
Rccuando eutuo sobre a iinmenaa varanda,
Samuel indicou com o dedo mullidao o ngu-
lo da ponte Barie onde se acbava a taverna de
t'omme~dc-Pin. Oante desse lugar esclarecido
j pela alva, urna fnna negra eslava penden-
te da corda do lampin. Um grito de espahto
escapou-sc do peito dos asoisleules, craKinestre
Eelippe, cujocorpose balaucava nessa larca.,.
E todos esse* rogtos ioclioados nas janellas,
ledos esses actores d festa uns revestidos de
mascaras, nutros com a fronte riescoberta, po
deramaaudar essa aurora sanguinolenta contra
a qual lulavam debalde as I uses moribundas do
baile. Todos recuaram ao ver o eapcciaculo
que Samuel, esse pbanlasma deaconhecldo del-
les, Mies mostrava. A linba do caes dos Olmos,
collocada defronte do palacio, formava uina es-
pecie de s un .i branca sobre a qual ee dese-
nhava o cadver do desgranado taverneiro ; ao
p dessa forca urna rapariga com os cabellos
desgrenhados, eslava emo ajoelhada, entre-
tanto que os dous criados de inestic Felippe
aubindo sobre o parapeito do caes, davam-se
pressa em cortar a corda que apertavao pesco-
jo do velho. Ao ver esta scena esclarecida en-
tao por um co fulvo, um ceo de calvaiio cheio
de nuveus sombras, cases dou* homens que de
longe pareciam verdugos, e essa rapariga cons-
ternada ao p da f-irca, como M-gdalena, qual-
t|tu-r'ini.i crido assistir a urna desdas aceas da
I'.iii.i i tantas vezes tracadas pelo pincel. Tere-
ama eslava unida as grades de ferro da varanda,
ella tambem olhava. lodo o corpo Ihe trema,
aeus hombros uus sustenlavam o peso de um
maulo de gelo..... iNessc mntenlo ella voltou-
sc para Carlos.....elle eslava em p, junto del-
la, sem movimenlo t sem voz .... i.'.n lvido en-
lo que a c,ondessa leve medo.
He, pois, uma forca que o cardeal nos d
eiiiespactaculo.' perguutuu uina vot bastante
de geira de terra custa meuot que uma garra-
fa dealchool,he bastante para que o individuo
enriqueca e venua a ser propnetario, que elle
dimioua urna vez por outra aigumas satisfa-
edes de aeus vicios e babitos acuuaes. A ain-
bico nos emigrados colloca-sc Insensivel-
menle cima de seus antigs habitse co,tu-
rnes ; a desmoralisacao substitue pouco a pou-
coao trabalho, a ccinomia ; a neccs>idade da
perseveranca estabelece nestesnovos coslumes
urna aorle de tradicao, e no hm de alguns an-
nos, sao populacdcs novas que tem um oulro
carcter, urna luanelra de viver, a qual devein
a clrcumslancias Imprevlstis, nas quaes ellas
se lein acbado, uatureza das novas relaedes
que ellasiein devido atar com os habitantes do
mascara da varautia levando oiguliiosamenir a
mao a espada. A duquesa cstremeceu, mas es-
sa voz varonil a tranquiliisou. Samuel linba
lainbem reconhecido essa voz, mas ella au<-
mentou-lbe aioda mais a raiva.
Sun, eu fallare., disse elle, lendo o cuida-
do de segurar sua mascara debaiio das pregas
do capuz, que a retldha ; eu fallarei visto que
a laso meconvidam Oirei em primeiro lugar
a esle mancebo, ao nobre conde de Sao-Fietro:
olba, all esta leu pal: Ousa aqu desmen-
t r-me I
Carlos ficou silencioso, lendo occulCo o rosto
entre as maos.
Sitn, leu pai, replicou o mascara, teu pal
a quem renegaste, a quem ezpelliste desta ca-
sa, leu pai que te amara eque levaste ao de-
sespero / O cardial uo tem parte nissn, no-
bres acnhores, pois mestre Felipne mes-
mo applicou o laco ao aeu peacoco. Elle nao
qulz ver a desboora de seu filbo e a dessa
mulher que nao he, que i:o pode ser sua,
contina Samuel apodando com o dedo para
a duquesa. Essa rapariga lagrimosa qoe estis
vendo revolver-see lorecr-se ao p dessa forca,
da qual pende um cadver, be uma pobre me-
niua, da qual o conde de Dan-Pietto abusou in-
famemente, be Mariella a qual crendo-se lilba
do taverneiro Felippe, nu o abamiooou pelo
menos como seu filho E esc borneo, que vem
aqui i.iil ii-nie coui arrogancia, esse liomem
que me manda fallar, be seu pal, he o autgo
amante de Teresina 1'ltli, duquesa de Foruaro,
a laiuha deste baile E agora, nobres scuho-
res, agora que iiiiuha larefa est cumprida,
agora que uuho posto um nome sobre estes
rostos, nao temo mais ducr-vos aqu omeii;
suu Samuel I
Samuel: repeli Pompeo com uma voz
alterada pela colera, Samuel eras lu '
nn, eu.|ue le aborreco, ni que te tenho
corajosa para sei a primera que rompease ease escarnecido, cu que te aliruuto Eu que quiz,
slleucio de terror. Om tu quer que sejais, la'- coutnuou Samuel em Voz baiza, adquenr aqui
lal, vos que viudea aqui laucar sobre cita festa mesmo a prova deque a duqueza te amava, e
un v.,i d:- luio, i .ll.ii, do contrario..... que por isso que te ama, jurel que um de nos
E Pompeo, pois era elle, dlrigio-se para o dous morrena cabindo por esta mulher!
falo no farwei, a residencia forcada nas cida-
des, a compra dos objectos de primeira neces-
sidade, o preco pago ao estado pela compra da
terra, despojan) rpidamente o cnigrado de
suas Iracas economas, e as mais das vezes elle
chega ao lugar de seu destino no oeste coin as
algbeiras completamente valias; feliznicute
urna ve estabekcldo, elle no lein necessida-
de para viver seno de energa c de boa vonta-
de. Esla economas, calas joquenas fortunas
que os emigrados cousomem ou trazem para
os Kstados Unidoi, sao pois para a America uin
capital adquirido sem fadigas, scm despeza al-
guma, um beneficio liquido ; a America be por
.i-iiiii diier alegataria universal de todos os po-
bres da Eurepa, c uo satisfelta de tirar i-i >\ <-\-
ulu--...' \.mwstamgmmmmsm^m
seras eniao tu, miseravel, inurmurou
Pompeo arrancaudo a espada por uin movlmen-
to mais rpido que o peusamento.....ro meaino
tempo elle tinha lirado a ma>cara e mostrava a
todos seu rosto chelo de altivez ; mas a multi-
do dos espectadores o releve, e elle foi obri-
gado a ceder.
E's, pois, lo esquecido, replicou Samuel
framente, que uo le lembras mais de meu po-
der ? Nao obedecesie cuino escravoa esta voa?
Pompeo, lu podes ver daqul a ra dos Lions-
SaiQt-Paul!
Infame !
Obi bem sei o que vas diier, que foi s-
mente por raioha ordem.. .. Nao me defendo,
nobres scnlores, coutnuou'Samuel, perteuco
ao cardeal, e glurio-iuc disso Mas Pompeo
tambem obedeceu a sua eminencia ; esse ho-
mem to leal, esse amante tao dedicado, dg-
nou-se consentir por um poucodeouro.,...
Mentes, traidor, mentes! interrompeo
Pompeo torcendo-se com raiva entre os bracos
daquelles que o seguravam ; deves saber por-
que paci.. ..
fie pelo menos um pactoque cumpri ; eu
te piuMiriu entregar-tcSamuel ; Pompeo eu i'o
entrego!
O ampio capus de Samuel tornou a cahlr,
nos Iraduzir a All existe
rdadeiramciitc o paraso das mulheres. >
Im outros termos, c. para uos servir do vocj-
i mi i ii i i de Mr. Johustoii, a jtrorura be maior
que ii offerccimcnlo. evc-sc aliribuir acit.i
penuria de mulheres o respeilo de <|ue o sexo
femeuino be cercado uos Ettados-Unidos ? lio
uiislcr que te veja ucal* cort<'zia de que os
grossetros americanos sao prdigos para com
as mulbcressumcnic um senlimnlo anlogo
aquelle que cx|ierimcn(amos por um objeciu
raro? Mr. Juhoston mclina-se a pensar assim;
preferimos antes altribiiir esle respeito a ou
ira* causai. Neja como for, as mulheres nos
bsiadus-Uuidos forman uma verdadeira aris-
tocracia ; ellas dominaiu na sociedade; aoci*
las que a compdcm, c nella inlroduzem a ele-
gancia e a polide*; sao objecio de verdadeiro
culto, c os independenles yankees, que vo se
inclinar diante ta Uiblla, e c eufurecem ao >o
peusamento de uin senhor, se cuivam subju-
gado* dantc de suis mulheres e de suas lbat>,
que conhecendo seu poder fazem uto telle. c
mullas vezes abuiam segundo a natureza c-
I richosa de seu sexo. Os divorcios lamben *; iiHisfre(|ueuies na America do Noile doquecm
outra qualqucr parle, c nao devein ser aluibui-
dos em graude parte, scuo aoi cuprichoa tt*
uioinose a extrema fraquea da opioio pu-
blica, tao i\ r..nuil'i, com tudo islo na America
acontece minias vezes, que estados uteiros c
seus legisladores tomain parle cm umaquesiao
de divorcio. Mr. Jobnslon cita curiosos exem-
plos. Emquauto elle viajava em Uoslon, sin
deu que um ccito Mr. Lhwrcncc, morador
daquella cidade, lieesc imprimir uos joruacs
mo taverneiro lein apenado eutreas suas Eu le
deixo por um momento, nao achas que cou-
vnii que te traga la lilha ?
_ Miith.i iilh i espoudeu a duqueza com
uina explosu queso o coraro de urna mi po-
de achar. Mfnha filha, que fizeslc delta? N.io
los le tu, miseravcl quem primeiro me fes crcr
cm sua morte ? uo loi o leu odioso resenti-
menlo que me privn della .' Maso ceo he Justo
o ceo vigiava sobrcclla e sobre miiii, o Sena 11
ludio por duas vezes tua esperanca e la vlu-
gauca Insultarme em muha casa, eiu inlnha
casa", dianlc de todos, conlinuou ella com al-
tivez, mas es um miseravel que eu deveria
inaudar enforcar uesta forca se estivease na lia-
ba.
Eesla em Paris, enliora, e em Pars nao se
toca impunemente no liomem que irazlsso.
Ao mesmo tempo Samuel tirou de baixo da /
simarra uinauuel de torma estranha, cun um.
escudo de armas grav-do.
O sello do cardeal 1 murmurou um dos
assistenles, esbirros aqui! salvemo-noa.
Em uin tostante, as filenas da multido se
rarelizeram ; Pompeo a quem a duqueza inri >
desmaiada procurava debalde calmar, apro-
veiluu a occasiao para apanhar a espada... (Que-
brado por lanos abalua, ultrajado ao incsiuo
tempo em aeu coracu de amaute e de pai,
\J ,- "I un i..i|iiit aje .i i .11 ni I lili 11UU CUIJI ;|--"---------------- '-
os corddea de sua mascara violentamente arr.n- Iwliaoo leve com tudo a furca de conter-se c
in im. nulo- m para Samuel, disae-lhc ao ouvido.
A ni.mil 11, a manha, ee le resta ainda
nas vea a um pouco de sanguc... Un de nos
deve moirer, luodissesie. Onde te verei ?
Aqui mesmo.
E a que bora r*
Ao nielo dia.
__ Mas eiu que paite deste vatio palacio .'
All, espundtu Samuel mostrando
Pompeo um lugar dellc eoiibecldo e qm*
pareceu eslraubo ao Italiano.
cada por elle, delxaram ver a todos sua belon-
da cara. Vendo-o, todos disseram coiusigo que
havi,i nella com que inventar a fealdadc, se es-
ta nao livesse existido.
Siu>, aou amaldicoado, represento Sata-
ns, nao be .' perguntou elle a Pompeo com
urna voz surda. O medico de sua eminencia!
ah / :ih continuou Samuel com um riso estei-
denie egelado. Sim, sou uin eute desfigurado
pelo fogo, euiquanlo no ebega o do luferno
lia muilo lempo que nao vas o meu rosto, no-
bre Menela, que laucaste neslc rio a tua liele-
ii.i Al. .tu : ,ili i prostra-le agora diantc del-
la i beijacoin amor cssas inos que o liio de
( Continuar-ie-h,i. ,


nao00-00000.-
|u para o futuro mo pagarla mait al dividas
e sua multar. A seuhora assim ulliajada era
de mira familia ooustdcrada do Kenluekv He
UHIiirsullo (arta a Indo O Kenlu k\ ilirir COIII
calor uiu habitante destc iilllmo estado, o que
eslava seulado a inesa ao lado de Mr. Johos-
tou, e brcvenieirie haveuios de ver o que ha de
resultar d'ahi. Cota elTello, passado alguin
lempo, a legislatura do keriluctij, ein respoi-
ti .o Insulto do marido causado das prodiga-
lidades de sua rrrulher, pruuiulgou urna le, a-
llial drlrriiiinav.l que a recusa fella por uin
espuau, Ue pagar as dividas desruconjuge, serla
cousideradapara o futuro couio uirr motivo de di
vorcio L)rpui>dos lempas dasguerrasde .ilesae-
na, 11.10 M nnha visto nada de igual. El-
la omnipolencii das [ninlliere be lyrannl-
<-a Cjpriclioaa, e produ/. multas veies re-
' "i ,,!, excntricos ; mal ao rnearno lem-
P" Ir fcil de ver, que rila he uin dique
cu"tia a i.u; ii.i e uin laco .de assotiaco
*W un puvo, onde ai leiidcurUs para a ex-
trema independencia e para o isidaincnto mo-
ra sao Icv.idus *le o ultimo limite, ondeo res-
neito e a da-fercucia eslo anda cnnfuudidos
coin o servilismo. A tyramiia da oplulao publi-
ca e a omnipotencia das mulhcres sao as duas
fnrca rno.aet que moriera ID c contern o carac-
ler i.idoinavel, co humor selvageui dos ame-
ricanos.
.- M
l C'oHh/iu.ir-s-lia.
Publicayoes a pedido.
AO FELIZ HAT LICIO UE S. M. O IMPERA-
DOR O Sr. D. PEDRO II.
t'ur/fi para ni umprc ditata,
Sempre ameno isonho cjislival
filie (fin, >#m noite, primfiroso.
(U, r. )
SONETO.
Os annos festejar do soberano
He honra, alcm de ser nbngaco ;
He sagrado dever do cidado,
Morincute do que for l'einambucano.
Uebalde o bando alror rrpuMicauo,
Suido a vo da justica c da tasto,
lolfnle d''Struircoin frrea inao
0 threuo dar moiiarcha o mais humauo.
Do T ilo brasileiro o nascimcnlo
Nunca deixc do*ef rclcbriado
Coa sincero e geral conleutainentu.
Doi anosleus n illa asiignalado
aeja sempre oom grandeacatameuto
Por Dell Braillelros lestejado,
Manuel Rodrigues do Pono
t'tu volt de eontlal airocto,
'firrenlo ao lllm. e AVin. Sr. Antonio da Cunha
I piga'iredo no iliarm que receben o grao de 6a
rhartl formado emilirrilo, por sea intimo amigo
o lito*. Sr. r. anaci Firmo Xavier.
Ouid 11 ein Ivra de miro, elijo braco
Oe esmeralda prendesse tinas cordal,
Doce canto sacar, e a ti, amigo,
Rsu harmona que a dos aojos falla,
E o co, e Ierra encanta, ollerecer-te.
M.if, ah pobre que sou, he miiiha lyra
De tosca lruia, de madeira lo?ca,
I- uem si' quer uo braco seu se cirtesairr
Fins coidas de sdt.
Pobre assini como son, qual he minha harpa.
l\.i pode <> vibrar sen sor .irgeullno,
V m indurar rros coraces anoiibos.
\i que Importa I a amizade nao se vcslc
De ricas lelas, de pesadas sedas,
E pedral preciosas,
\ein clnge a fronte de garridas llores :
"simples, seui fausto, se dedica ao lioineni,
K lodo seu ornato
Na liiiueza consiste.
(jual d'amliado o candido vestido
tregoraili coi met prlto alguns necelos,
A que Ihescliainu liyinno,
He te ; benigno o aceita.
Iiesrulpa o vilo amigo que nao linge,
Sua rieuicaea'o, nem i|iienua lueeuio
\ (II adulico.
Vinde, antis, os melhores de iiiinha harpa
Voai coin minha V01 ao iunitu,
I, qttaotoo corae&o f r c.priiuindo
F.ui'i-o sabedor,
E n 'i on 00 amigo, claro transmitir seu nnme.
Saeerdole de Christo, po, e justo
Moje ein direito nobre grao lomaste,
Sacerdote,Juta, um da dcil,
Fari seguir as lels looledade.
Kxeinplo de mural, e de virtude,
Km ti o inundo vej l,
1 Dos, a patria, n honra, e a liberdade
Sij.nr ten almo guia.
pharol da hilmanldada a vos te seja,
F.steio do inlelit seja leu pello,
mijo, filho de Dos sers na ierra.
I ogo sagrado o corceo le abrase,
Brilho celeste ten o.liar scinlille,
Son no de anjo os leus labios broteni,
Suaves expressoes le partam d'alma,
Vojo, lilho de Dos, oh 1 Sacerdote ',
Vlerra a conicni|l ir tantos prodigios
Ser rnesquioha.
Ves all milhoes de homens!.... loinam armo
Em jorros val correr sangue innocontc ;
' .'o as vestes de -lesus, por elle falla,
E mil frontes curvadas.
I>a pan trazendo o estaodaile sanio,
Uerndiierein leu nome.
Vis all a viuva desvalida
Reduiida a miseria,
lio homeui sern moral, fol o verdugo,
Que o abysrno Ihc cavara.
A honra Ihe defeude, os bens, c a vida
Por pouco nao eitincta,
F. o mundo bcmdir la existencia.
Vs all a durriella ein orphandade !
Ilouboo-lhc o pal, e a mai, a rnorlc impa,
Um tulor deshumano a empobrece,
A iudigcncia dar mil despraseres .
As forcas quebrar duro trabadlo ;
I. a prostituirlo, talfec, quem sabe I
Vira mirrar-lhe o seio, cas faces bellas,
Dos olhus apagar a luz vcrgiuea,
Da bocea o doce riso, a graca, e os rnimoi,
Envolver u'um mysleriu de torpezas,
d tu seu protector, ralva a innocencia.
Do co recebers divina graca,
E sobre ti vira de Dos a ben^ao.
Fade-te Dos assiin, tal como eu quero,
Que cssa virtude. que Jeja te eleva
ei santificad.*.
Avante, amigo, que da gloria o aslro,
Oue l do eurpyreo a ti derrama elfluvios
Gulau (*m da te far na sociedade
Tin ente siDgular.
Ignacio Firmo A'siier.
Recifc, iO de oulubro de lsjl.
Temi a ant'ga veia d'agua que rooia este
engenho I pollegadas de largura e 8 de
altura, coin o declive de 10 pollega las na
exlciuSo Jo I0>rar;s), eienlo apenas auf-
ihm.'iiId pari_ tt.nn'" macliins oitn huras
por da, in j-non tem mais do que 9 lolle-
gadas de largura e 9 f de altura sem decli-
ve iirnhum, e faz moer a machina as SI*
horas, vmdo assion a ser dispensada a dilTe-
renca d'agus, que pleser calculada em
9/ puucu rnais ou menos. NSosedospre-
ze a circutnstancia 'de no haver hoje decli-
ve as biess, produzmilo maior vclocidade
inllun no maior onosuiniiio d'agua. Em 45
iiiinulos da a moenda callo tiara urna mela-
dura, que pruduz 3 "fies das grundes for-
mas que V. Ele. vio, pelo que podom ser
retios SO niles por tarifa, ilando-se o devi-
do descont dos empates de laragena eou-
tras pequeas pinjadas.
Actualmente estamos fazendo 200 pfies
por seman, e se nilo fazemos 300, cumo nos
poderia consentir a moenda, lie porque a*
nnssas rn,os o i r.....tem, enemas laxas
polem dsr saluda a tanto caldo. O bigaco
como loratn teslerounlias V. Exc. o mullos
distinctos senhores de engenho desta pro-
vincia no dia da botada, sane perfeilamenle
espreir.j lo, e noste ponto he anda imn>en-
sa a vantagem-
Assim, Exm. Sr, somos deveJores desse
grande beneficio o ni primelro lugar a V
Exc. o em segundo ao lllm. Sr. engenlieiro
Francisco Soares da Silva Retumba, que
tanta ciencia e conhecimentos praticos
mostrou nesia obra. I'elimos licenca a V.
Exc. para aqu mesmo manireslarmoso nos-
so reconhecirnento ao dito Sr. engenheirn,
quo, ja pelas suss boas maneiras, e j pe-
lo seus prestimos professionaes he credor
da nossa estima.
So bem quo noi lisongesmos de haver si-
lo da lo por nos o primeiro passo nos me-
Ihoramentus das macninhas d'agua nos en-
gnnlios desta provincia, he por oulro lado
dolorosa esla consi ierac,ao, porque ella re-
vela o trazo e descuido cora quo ate boje
nos, senhores do engenhos, tralnvaintis os
nOMOl voriladeiros inleresses. A V. ElC.
coube a gloria de arrancar-nos da auliga
rutina Ifio dufeiluosa e nociva ; a V Exc
coube aiii'l.i a gloria de melliorar outros ra-
mos da agricultura, como o Tez, nitro lu-
ztnilo no frtil solo paraliybano os smdos
lo foiro (ara a cultura da canna, inaudan
do buscar a outras provincias mais puras
semeutea agrcolas, etc. a' V. Egs, pois,
luvcra sempre a agricultura desta provincia
os grandes beneficios que acaba de receber,
e fnlgaios do asseverar quo os nossos com-
provincianos bom dirlo scmpre o nome de
V. Exc
Dignr-se, pois, V. Exc. do arceitar o nos-
sos prolctos de alta estima e considerrl"
a ptssoa do V. Exc, porque temos a liour
de ser-De V. Exc, subditos amigos, cris-
dos ilevolados e tibrigadissimos
Flix de Mella A (do.
Joaguim de Mello AitJo.
Engenho Tabocas 10 do novombro de
1853.
2
de trigo e mais gneros; Novaea tConv-
paohia.
Navio taido no mntmo dia.
Rio Grande do 8ul -- patacho -braslleiro S.
Francisco, capullo. Manoel Pereira de 8,
carga estucar. Conduz i familia do ca-
pitfio.
Obtervacao.
A barca oriental Peirus capito Wag-
tendanlc, fez-se de vi la do lameirio para
Liverpool, com a mesma carga que trouxe
EDI I AE>/
IIIme. Sis., Flix de Mello Azedo, c Joa-
qtiitn do Moli Azdo --A honrosa caria
quo acabo de receber de VV. SS. tem eara
mim muito subido prego ; he ella um teste-
munho soleinno de quo vou cump'in lo o
grainlos cotnpromissos que hei contrahidn
com a In'lla provincia da Parahiba, que foi
conliada aos meus OUidadOS. A felicidade
dos parahihanos he o met sonho de todas
as lloras e de todos os das : nunca cossarei
de promov-la, c feliz de mim se a conse-
guir. Agricultor, e lilho de pais que culti-
va m a agricultura, eu sei dar a essa nobre
profissfio a importancia de quo ella he dig-
na : por todos os meio< ao nv-n alcance,
procurarei m-lhorar ne-u provincia a con-
11(80 d'agriciiltura. dessa sob.nana das in-
duslriat Jo homem. Sere mais que muit"
pago de meus cuidados pelo reconhecimen
lo e grali '3o dos parahihanos aos beoeOoioi
quo lizer-lhes.
Uonsintam VV. SS. que agradecendo as
hsongeiros expressOes com que me tratam,
eu tenha a honra de assignar-me lie VV. SS.
amigo, creado devolado, altencioso e obri-
gado.--Antonio Cocino di Sa e Albuqunr-
que. Parahiba l de novombro de 1852.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria
provincial em cumprimento da ordem do
Exm. Sr. presidente da provincia de 8 do
correte,manda fazer publico, que nos dia.s
6. 7, e 9 iledezembro prximo futuro, vsi
novaninnle a prac pira ser arroaatado po-
rania a junta da fazen'ta da mesma thesou-
raria a quem maior preco offerecer, as po-
priedades abaixo declaradas que foram ad-
judicadas a faienda provincial, para paga-
mento do sollo de Intrnea do lina.lo Jos
Ramos deOliveira.
Um sitio denominadodo Manoelsito na
estrada de ponte deUcnoa, com casa de vi-
venda, coxejrs, estribara, senzala, e aivo-
redos de dilTerentes frutos, avallado em
6:000,000 rs.
Urna morada de casa terrea junto ao dito
sitio, com seu quintal e com alguns arvore-
dos, i liada em 2:000,000 rs.
U na dita em S. Amaro .lo bairroda Bos-
Visla, com seu comi vahada em 1:000.000 rs.
Urna dita na ra da ponte Velha do balrro
da lloa-Vista n. 16, com urna meia agoa nos
rundos, avahada em i.000,000 rs.
Os pretendemos comoarerjam nos das a-
cima indicados ao meio dia na sala dasses
soes da mesma junta.
L~ para constar se mandou alixar o presen-
to publicar pelo Diario.'
Secretaria da thesouraria provincial de
PeruaiDbuco 26 do novemhro de 1852.-
0 secretario, Anlouio Ferreira d'Auuuu-
CialJoO.
Hnmens e mulberes do cimpo, e ofciaes de
justica.
O resto dos bilhetes acham-se desde ji i
venda no escriptorio do theatro ; advertin-
do-se qoe as pessoas que, encommendaran
bilhetesdoveSo hoje incsmomanda-los bus-
car ao theatro, e que est'S s se vendom pa-
ra duas recitas, esta e a seguinte.
19.' RECITA DA ASSIGNATURA.
Sabbado 4 ae dezembro de
i85a.
Depolsde urna escolhida ouvertura subir
scena a excellente come lia etn 3 actos, or-
nada decoros,
ii:\i,i;iii)ii.iii;ri;iiii
Terminar o espectculo cpm I Comedia
oca um acto,
O Duello no terceiro sndar,
fazendo o actor CoimarSes o papel do velho
Monll t
Principiar as 8 horas.
Avisos martimos.
Deca rafoet
COMMERCIO
V, lllm. o Exm. Se. presidente Dr. Antonio
, Lollio do S e Albuquerque. Em teste-
niuutio de nossa gralidSo, nos dirigimos
V. Exc, pela presente, fim de manifes-
taimos o quanto estamos s iti-f- tos curn o
beqefteio que acabamos de receber de V.
Exc.
os primeiros senhores desle engenho ti-
v-'iam a fortuna de o possuir moendo com
agua; poiem ha muilos annos esse nico
agente j nSo err suliciente ( talvez pelo
augmento das safras e diminuitjSo d'agua,
031 coiis'quencia d derrubas de mattos ou
nutrs causis); pelo que mister se fazia
que a uioagein fosse ooaljuvada por ani-
maos em moends i ropria. Quiz, porm, a
Providencia que V. F.xc fosse nomeado
administrado! desta provincia, aonde se
ten mostraio iflo zeloso e activo em pro-
mover os inelboramenlos da agricultura.
\nimailos pelas assevora^Oes e proatssas
de V. Exc olerecemos o nosso engenho
l'ara ser ueilo posto em praiica o m-lhora-
rnento da machina d'agua, o cot effeito as
nossas osuenneas foram excedidas pelos!
HACA 1)0 RECIPE 1. DE DEZEMURO, AS
I HORAS DA TARDE.
C"TCES OFrlCUES.
Compras de assucr.
Illanco segunda sorto 2,300 c 2,330 rs por
arroba,
ilascavado escolhido 1,150 o 1,480 rs. por
arroba.
AI.FAM)Et;A.
itendimento do dia I. 17:390,661
Dtscarreqqm hote 3 re deembro.
Barca auslrioca Gloria farinha de
Irigo.
llares americana Grampui liboaio.
Ilarca americana IHiantonome -- carno e
breo.
Riigue inglez Caroline bicilho.
Hrigue francez Havegateur mercaduras
lliale brasileiro -- Hamos 1. dem.
luipui'tiicno.
Arcelim, hrigue escuna nacional, vindo
do Maranhiln, consignado a Jusfi Bapusl da
Fonseea, manifestou o s.-guinte :
I caixa ftzeo .rs, 1 dita fitas; a Sthaphei-
tlin & Tobler.
40 pipes, 28 meias ditas e 10 han is vinho
tuno; a J. R I.asserro 6 Compsnhia.
1 caixi. enQos de cassa ; a E uardo Rol I i
16s.iccas pimonti da lni, SS barril l-
znjic doce, 6 banis cliiinibn, 201 saces
i- i mi, 231 il iiiis aruz, 740 alqueiros Sal, lOu
paneiros lpioca ; a oidein.
I cixole fazendas a J. II. CoTipisno.
1 caixa carnctrhS de cores; a .NovaesrSt
Companh a.
CONSULADOGERAL.
Rendimcnto dodia 1.....3:125,42
DIVERSAS PROVINCIAS.
Itendimento do dia 1.....318,930
Expui tac
Gibraltar, escuna brmense llanrullo de
217 toneladas conduzo o seguinle : -- 2604
saceos com 13.020 arrobis de assucar.
dem, patihco hamburguez Johauna, de
177 toneladas, conduzio o seguinlo : 1400
saceos com 70io arrobas de assucar, e 1500
Couros salgados.
RECEBEDOKIA DE RENDAS 1NTERNASGE-
RAES DEPER.NAMBUGO.
Rendimenlo do dia I.....531,925
CONSULADO PROVINCIAL.
Rnndimento dodia 1 2:135,836
Alovimeniii do porto.
A'oeioi entrados no da t.'
MaranliSo -24 das, brigue escuna brasilei-
ro Arselina, de 206 toneladas, capitfio Jo-
s Miguel Pendra, equipagem 14. carga
arroz e mais gneros ; a Jos Baptisla da
Fonseea Jnior. Passsgeiro, Jo9o B. Cam-
piano.
Parahiba 24 horas hiato brasileiro Con-
ceicSo Flor das Virtudes, de 23 toneladas,
Diestro llernirdino Jos Randcin, equipa
gem 5, carga toros de mangue ; a Paulo
JosA llaplista. Passageiro, Jos Francisco
da Silva.
Rjo de Janeiro 18 diss, brigue brasileiro
Rio Ave, de 231 toneladas, capilSo Elias
-. O lllm. Sr. inspector da thesouraria
provincial, manda fazer publico, que no dia
3 do crrenle pur diaute, pagam-sn os orde-
nados e mais dnspeS'S provinciaes, vencid.-s
t o lini de iiuvouibro proxi.no lindo. Se-
cretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco Io de dpzembro de 1852. 0 se-
cretario, Antonio Ferreira da Aununcia;3o.
Peta sub lelegacia do Sanio Antonio se
fiz publico,que uu da 28 de novembro pro-
limo passado, lora encontrado no caes do
llamos pelo inspector do 15. quarteirilodo
pmneiro distiido, o crioulinho de nome
Manoel, com 4 annos de idade, pouco mais
ou uienos, e diz er fllho do Jos Goncalves
de Medeiros e Vidornia, o qual se acha re-
c Iludo casa no subdelegado supplente de
referida freguezia.
De iiideo oo lllm. e Exm. Sr. director
geral di inslruccSo publica f5'i siber a
quem convier, que S. Exc. o Sr. presidente
da provincia houve por bem mandar por a
concurso a cadeira de lalim do IgoariSsu',
criada pela le provincial o. 287 de 4 de maio
ultimo, .lesionando o dia 30 de Jauei'O pr-
ximo vin-louro, para o respectivo exame.
Directora geral 29 de novembro de 1852.
Candido Eustaquio Cesar de Mello, amanu-
ense archivista.
De ordem do lllm. e Exm. Sr. director
geral da nsiruc; Vi publica, faeo saber que
S. Exc. o Sr. presdeme da provincia, tem
designado o dia 3 de dezombro prximo viu-
douro para o concurso a cadeira de instruc-
?3o elementar do segundo grao do Moribe
ca.
Para o Rio Grande do Sul com escal-
pelo Rio de Janeiro sabe impreterivelcaen-
te o brigue nacional LeSo, oo dia 4 do cor-
rente, recebe escravos afrete para ambos
os portos, e tambero passageiros, para.o que
tem excellentes commodos.
l'ara o Kio Grande dottil
Segu com biovidade o brigue nacional
ConceicBu, ainla pode receber lignina car-
ga a t ilo : a trat ra Jnior, na ra do Trapiche n. 14.
I'.u ,i Baha.
0 hiate Novo Olinda aindi pJe recebe'
alguna carga ; fecha ssbhado 4 do correte,
e sabe doningo de manhSa : trata-se com
J. J. Tasso Jnior, uu com o capilSo Custo-
dio Jus Viaima, oo armaieiii do Borges.
na ra do Vigario n. 5.
Para o Rio de Janeiro sabe com muita
Ir e vi 1.1 .le a pnlics nacional Nossa Senhora
do Carmo, a qual ji tem a maior parte da
carga prompta ; para o resto, passageiros
oscravos s frete, trata-se na ra do Vigario
n. 9, primelro andar, ou com o capilSo Joa-
quim Jos Martins.
Lisboa.
Sali com brevidade o bergantim potin-
gue/. S. Domingos, capilSo ManOll GonQal-
ves Viiuiia ; para cirga e passageiros tra-
ta-se com o referido cipitSo, uu com o con-
signatario Joaquim Ferreira Mendes Gui-
marfies, na ra da Cruz n. 57, segundo an-
dar.
Para a (3aha,
segu com presteza, o novo e bem
constru lo hiite nacional hamos
I. : para cargo, ou passageiros ,
Avisos diversos.
municipal da segunda vira, um Sobrado de
3 indares e sotflo n. 17, sito na ra du Col-
legio, avallado por 9:000,000 rs., por exe-
cucSo de Antonio l.uiz dos Santos, contra
Francisco Coelho deSouza, e he a ultim
prsrjs.
-- Aluga se uo a prela para o servir; i de
urna cisi do pouca finrilii : quem i ver
dinja-M a casa do sicrislo da Ordem Tor-
i'i'i a de S. Francisco.
- Prccisa-se de urna mulhrr pira servir
em urna cisa, cuja fin itia consta de tres
nessuas: na ra dos Marlyrius, venda da es-
quina n. 36.
-- Aluga-sn umi casa terrea no principio
da la lena do Vara loor i n 10, com co n-
modos sudicientes para fsmilia : a ir lar na
rus do i.iiii-iina o n. 13.
-- Aloga-se urna Cita pin su passar a
fests, perlo da praca, porserquisi difrunle
da igreja do Remedio, com um pequeo si-
tio pan recreio : quem a pretender, dirja-
se Cimboa do Cirmo, casa de ounves
o. 16.
-- Sendo transfer la a praca do escravo
I.ui/, do dia 30 de novembro, pira o da 3 do
corrente, do novo soannuncia que, o mes-
mo escravo tem de ser arrematado no dito
dia 3, na sata das audiencias do Sr. Dr. Jull
de direito da pri neira vara do civel, depois
de meio dia, plo preco de 280,000 rs poi
, or -i." .tz execuedo de Theodoro de Almeida Cosa ,
trata-se na ra di I rapiche n 16, i c,llllra Antl)Iliu Alves ?errtlirii por eSsa ler
segundo andar ou na da Gadeia a ultima pnes.
Velha n i' -- No da 4 do corrente so balo arremstu
" por ser a ultima prics, na sal* das audiun
-- Pira Lisboa pretende sabir i II de de- c3jepoisdnu licnci. do Sr Dr.juiz mu-
zembro vmdouro i barca portuguezi l.igei-' niciua| ,|, segunda vara, o sitio denominado
ra, capillo Antonio Germino Soares : quem, nMfbaloo. silo na freguezii do Poco da IM
Man il homoeopathiado Dr.
Jahr
Desaparece!! no da a4.de no- Traduzido pelo I)'. Lobo Uoscoio, sabio i
vembro passado, da Pnia de Ponte de Pe- luI sgun > volume desta interessantissi-
Irss, um menino de dous annos de idade, mo ohra, uoici que pode servir de guu as
chamado Manoel, pardo, fllho deSelioio Pessoas que querem ter ideas exactas da sci-
Joaquim Birbusa e de Anna Joaqninr, com encia oe Hahneminn, e nSo sobrecarregar
ossignaes seguintes : cabellos pequeos e sna consciencia commettendo erros prejtt li-
crespos, olhus, b. icos e testa grandes, pr- ciaes a hutianidade. Os senhores assignan-
nas linas, um tanlo barrigudo, e fslla pouco tes Mod8n' mandar receber seus exemplares
inl-lligivel i rugi-sc as autorididos p.ilt- no consultorio ho noeopiltiico di ra do
cii.s que empreguem sui vigilancia e acli- Gullegio n. 25, primeiro andar, omlo tam-
vdsde ua descoberla do sobre dito menino, bem se vende a dita obra com carteiras dos
que se suppu* ter sido furtado, e a lo la a melhores e mais puros me licimentos pelus
jessoa que souber onde elle osla, ou dello urecos seguintes :
ler exacta noticia, oo dirigir-so i.Priii de 0e 't medicamenlos tubos gnnles 40,000
Ponte de Pedras, ou na rui Direiti n. 100, n< 3* ditos dl'to 45,000
quesera bem recompensado. De 48 ditos ditos 50,000
. j v U l "', 6U llllus dilos 60,000
Lotera de :>OSS.l OenhOra Da loo medicamentos com 24 vidros
iln Rnearn de tinturas escolhi 100,000
to lilla ti it). Tubos a vulsos, um 1,000
O tlicsoureiro annu icia qur, no Vi iros de tinturas, um 8,000
HU 1 j _.___i. __j._ Avisi-S'co n brevidade quilquer encom-
ia 4 do corrente andam as ro- mendidehoticisdoiamsnhoquosoqu.zcr,
das desta lotera-, visto as vendas por p eco commodo.
nue .e tpm (pilo nSn pr etnissi- "" b'*0 "sinnado, faz sciente io res-
que se tem ieiio,nao sera expassa- peiUve| puu|jc0l qil9 iendose-lhe sicido
do j 0 resto dos nietos bilhetes que urna or iem di c dsde di Parahiba, -onlri o
existem estSo a venda nos lugares Sr' M,noe,' Goncaive di Silva, esta se de-
do COStume. | la por Manoel Jos llodngues Lima e a favor
U Sr. \1. J. A. S. quei- do abaixo assigmdo, fazendo sciente que
.' ja esta prevenido o aceitante da ordem para
ra quanfo antes ir pagar sua letra, nflo pagar sendo ao abaixo assignado j quil-
vencida 7 mezes : na ra das quer pessoa que esteja d possede diti let-
(i i) .' lira e ordem querendo entrega-li a seu le-
Uinco lontasn. ita. -gitimo dono, dinja-se as Cinco Ponas n.7l.
-- No dia 4 do corrente, tem do ser arre- Jos Csrneiro da Silva,
matado depois da audiencia do Sr. Dr.juiz
na mesma quizer car regar ou. ir de passa-
gem, pira o que tem excellentes commo-
dos, dirija-se aos consignatarios Oliveira Ir-
m'iii. & Companhia, ni ra de i millo n. 14,
uu ao referido capitn, na prac,, do com-
Berilio.
Para Lisboa, com tola a brevidade, a
barca prrlugue/,i Mari a Jos, de que he ca-
ir I 1 culi casa de viven la, ol bernTe tonas constantes doescriplo em mflo
do purteiro do juito, o confruiilaQes deca
radas na avaliar;ilo o pelo preco le 9.6U0.000
rs., por ezeeueao movid co Ira a Viuva e
bordeira do linado Jo3o Ignacio ib.iiro
Roma
-- lloga-sn 1 quem fr oltorecnla umi bar
u iieiriorniii uu aniiiiun5i.u-.v-..v- -- r -- a ----- ------. _. ,,, ,^_., ... ,,,,. in iu( w ,. .,, ,..., -
. Directoiis geral 29 de novembro de pito Jos Ferreira Lessa ; para carga ou 1 as-1 ric, Cucll i.acalhao, que entregando se a um
52. O aniauucn-e aichivisti Caudido sg i'os trata-se com os seus cunsignit-rios| prel0 noCJPS ,1. ,|r,d,.g.,, 0 dia 30 de no-
- !,' BSk aa.1 IL ..*_ Inoxl 1 I I 1 "_ li illa > lili .
tuslaquio Cesir'de M-Ho. Francisco Severiiuo Itabello & Filho, ou
Raneo de Peniambuco cu"> o m-smo capilSo ni prar;i do Commer-
Por orduin do conselho de direcsSo do| binco de Pernambuco sedl publico, que os Para o Rio de JsneirO segu com brevi-
desconlos para letras com o vencimenloat dado o patacho Santa Cruz, recebe Carga a
seis mezes de prazo, se fszem a nove por passageiros ; a tratar ao lado do Corpo Sinto
centoioaniio. Compra letras sobre o Rio, loja oe missimes n 25.
de Janeiro, pelo premio que se convenci- j Pera O Porto
liar, e veude-is lambem pra all a dinheiro sah8 no da 24 do prximo moz de dezembro
a vista, sem premio algum. li-nco de per- a h,rc, ,,0rlugueza Nossa Senbnra da Boa-
naoibucu 27 de, nuveiubiu di 1852 O se- vjagm> rapitau Antonio Ferreira l.eito Ju-
cretano do conselho de directoII I. de njur. ^m p,rte u0 seu carregamento prom-
Oliveira. j pm, n para o re.-lo e passageiros.trala-se no
Faz-so publico pela segunda seceso da escriptorio de F.anci.-cj Alvos da Crnha &
mesi do consulado provincial, que do P do Comuanhia, na ra do Vigario n. II, ou
d/'ruloii em dianie se principia a contar os C0|n 0 cipilo na p'a'Qi.
30 das ltela para a cobranca. a boc do co-1 .. ,.arn |!ha Je s. Mjga,i e TerCcira o I ^"dl'-ijioil ae Mr afrr7ni.o."- Joio'jos
(re, di lecimi ..os predios urbanos, aasiro-| brigue brasileiro Ai izade, canitSo Julio Lo- jeOlivcin Kolrigues.
guezias desta c la,le e imvuag o dos Aloga- ,,e9 i. Costa, devech'gar a este porto viudo
dos, do primeiro semestre de 1852 a 1853, e do Hioa qualquer hora, recebo carga ep.s-
que Anuos os mesmos incorrem na multa de sageiros par. qualquer dus ditos poilos:
3 por cenlo, lodos aquellos que deixirem. qUem pretender, diriji-seaOliv-ira irmSos
de pagar seus dbitos. I & Companhia, na ra de Apollo n 14.
Companliia de Bebiribe. Para o Itio de Janeiro soguo viagem o
,, r, i., j. D.k: brigue brasileiro Marianna, caiuto Jos da
caua da companhia de Beb- Cum1, JuJor. ,,, no me,mo quizer mfm
ril)e, lu autorisado pela adminis- regar carga, escravos, ou ir de passagem,
i .,!, a r .- ,> .iluilpniln fallo com o dito cipilSo, ou com Manoel Ig-
Iracao a fuer o nono dividemlo I naci0 de Oliveira, na p.?a do cummercio
a ruzaode J,5oo rs. rs. porapolice. j n..
Banco de Pernambuco.
vembro prximo passado, se foi entregue
em a'guma parte por eiigano,re entregar na
ra Dimita n 2.
Protesto .
Constando ao abaixo assignado, e leudo
quasi certeza que o Sr. subdelega lo da Var-
zea tem jurado prende-lo como injusla-
mentdaa/ez com Francisco RoinSo Jos di
C'uz, e quo o m sino o.au 'ara ou consen-
tir que se mindass espanca lo, isto por
mesquinhas divergencias ; pelo presente
protesta contra tu la e qualquer o n-s> que
he possa ser fela.e ros> onsahilisi o mesmo
sr. subdelegiilo como autor de sua morte.se
tal acjilecer. Jura peranto os Iribunaes
competentes provar s-u dito e reclamar os
Por ordem do conselho da direcjSo do
baoi-o de Pernambuco, se avisa ios Srs. SC-.J
ciomstis que a terceira e ulii na prestafSo
de suas accOi'S tem de entrar para a csixa do
mesmo banco, desde odia 2 a 15 de Janeiro
prximo futuro, em cujo acto I bel serio en-1 CJf
LeiloVs
Leilao impoitantissimo
De ricos e valiosos trales de mogno, ji-
nl, smirello e outros, para lodosos
THEATRO
treges as mesmas acedes. Banco de Per- Mr,jCOJi j0iM re prati eouro de lei, ohiec
naiubuco 18 de novembro de 1852.--0 se- l04 jHC,8.,ur,hi pnliida, pedns preciosis
cretano do conselho de direccSo, M. J. de mU>8i i(,pare,nu8 de porcelana para cha,
Oliveira. _____________| nm rjC orrinho quasi novo de 4 rod-s com
molas de bal-neo de primeira son, promp-
lo para qualquer ser neo, niannos do dilf--
remes-quilidades, vasos para llores, ricos
espel os de moluurrs ouradas dedilTeieo-
les tamnbos,erviths novas em latas.ecna-
rutos superiores de diversos autores, diver-
sos objecns goMos dignos da attenfSo do respeilivel pu-
blico.
Gregorio Anlunes de Oltveiri, rorretor
geral e agente de leiloes firi o Itjill i ci-
ma, S'JXt.-fcira 3 do corrent^, lendo princi-
pio as 10 lunas di inaiina.i om ponto, por
cuota e ordem de diversos senhores, no seu
gran ie armizem novo, na ra da Cruz do
Recite n. 25.
(andigues do leilSo.
I'rimeir.i. Os senhores coipradores sSo
DIA 2 DE DEZEIte
BAO DE 1352.
.nniversario natalicio de S. M. O rogados a examinar com attenr-ao osobj-c
liiipri'iilot' do Brasil.
18.' RECITA DA ASSIGNATURA.
A cliega la do F.xm. presidente ua provin-
cia, sutura o panno e sera cantado porante
a Elllg e de S M I pela compau na dram-
tica, o hymno ncioml
Km seguid! reuiesentar-se-hs, a pedido
de iiuiiias pessois, o etcellente drami em 3
icios, orna lo de musici,
KUIHLS lili ROCIII.
Peisoiiagens e actores.
tos que arremataren), pois que a uenhuma
reclamado se annuir.
Segunda. Dinheiro visti no icto da en-
trega.
Tercein. CommissSo do dous por cento
(juana. Tolos os objeclos trrernitidos
gerflo entregues aos seobores compradores
al o da 4 do rorrele, as 3 oras ds larde.
Segundi-fem 6 do corrente io meio
dia em punto baven leilSo no armazam de
M. Csrneiro, na ra do Tra i'lio n 38, por
intervena'i do agento Roberls, principian-
do por um pequeo sitio no lugir do Ar-
raial com casa de laipi, cacimba, com ex-
0 desconhecido, D JoSo V. -- J. J. Bezerra. \ cellente agua para beber, bnxi pon cipim,
/andes resultados que vamos colhendo.! Jos Alves, equipagem 12, cirg farinhi1 Urna criadi--IX .
OCamOes H J. Mendes.
Diniz Homem F. de S. GuimarSes.
Sebasliilo de Arroda D. de Sena.
Lourenfo Gameiro L. A. Monteiro.
Msnoel Esteves R. J. de Araujo.
Bartholom'U P B. de Santa Rosa.
D Antonia do Menino Dios D. M. A. Mon-
teiro.
Mariana --D. Manuela Lucci.
lendo esla, vlenle de agoa todo o anno,
diversas fructeiras, excellente carro de 4 ro-
das com urna parelhi de cavallos'bons tro-
tidores, una complela ferrameola para re-
lojociro, mobilias novas e com pouco uso,
louea, can liei'os, linternas, videos de dille
rentes gostos, quid os com estampas, lilis
com ervilhis, ditas com conservas mu 'fres-
is, o charutos da Baha cliega los ltima-
mente.
Precisa-se de uina ama para cosinhar.
ensaboar e engommar : na ra Velha n. tu6,
sobiaioquu vollaao paleo da Santa Cruz
Os credorrs do fallido Joaquiii Jos de
Sjisas, re.-ideuies n< sla praija Croco &
Companhia, Lu Brugoiere.Viuva Lssserre,
Joaquim da Silva l.op s, Cirios Jos AStley
Com anliia, J i id si Ryder & Compan'iia,
k ilkm nm I loaos, Manoel di Silva .Santos,e
Jos Jouquim llorges do Castro, compare-
e.iui por si ou por seus procuradores bistan-
ics, no da 6 de dc/.o i, ni o crrenle so meio
lia, em casa di resitencia do Dr. Francisco
Rodrigues Selle, juiz municipal da segunda
vara e to commercio, na ra da Concordia
o. 21 do bairro do simo Antonio, afim de
formiren o contrato de uniilo, e nomeiron
os adminislridores di c>s fallida; licando
os mesmos credores advertidos que iiSd S'i-
r.l i a iiiuili l".s por procura lor se este nSo
iarosenlarprocunc.il) com poleies espe-
ciaes para oaclo, c que a procurarlo nilo
ple ser dada a pessoa ques-ja deredor ao
fallido, nem um mesmo procu ador repre-
sentar por dous diversos credores. Recifc
30 de novembro de 1852. O escrivao inte-
rino. Manoel Joaquim llaplisia.
Grande hospital de caridade.
Este estabelecimeolo precisa do urna en-
fermeira :* quem quizer oceupar-so neste
lugar, dirija-se ao legenle.
--Um homem que fabrict con perfeiejao
vinli i de caj, o de outras fruclis, c que
l.in bom lucro, convida a quem quizer fazer
com elle una sociedade : procure no becco
dos Fereiios u. 5, na Boa-VIlll Ns mes-
ma cas i se dir quem quer um conlo de lela
premio com hypo heca.
- A o.Va deixa de apparocor hoje por ser
feriado.
62S~ Sala de sorvetes parase-
nlioras.
O dono di cisi da ra cstreita do Rosario
n. 43, avisa 10 respeilavel publico, quo alen
da sala de sorvetes pra homens, lu urna
outra decentemente proparada para as se-
nnoras, continuando a ter os mesmos sorre
les todusosdias, das II pira is 4 da larde,
e das 6 as 9 da noule, a preco de 160 rs.
O abaixo issigosdo. sumido da ua lar-
ga do Rosario om dir?cc.So Boa-Visla, pela
ra estrella do Rosario, pateo do Carmo,rua
do Cano, ponte e alono da Boi-Visla, rui
do AragSo ot a rui do Sobo, perdeu umi
cirteira, conlendo 45,000 rs. em sedulis, e
vanos papis de importancia, os quaes s ao
abaixo assignado podem aproveilar ; e pur
isso ofTerece a qu-nlia perdida a quem adiar
a carleara, e Ib-i restituir os papis, licando
mudo agradecido. Domiogos Tertuliano
Soares
Aluga-so umi negra pan o servico in-
terno de urna casa, a qual ei nomina perfei-
laiiieni". cose e faz lodo o mais arranjo de
urna familia: quem a pre.lendrr, dirija-se a
ra Formse n. 2.
Aluga-se para o passimenlo da fests,
urna casa tenei em Oliudi,no lugar dos Ar-
rumbados,com commodos suilicientes.quin-
tll iiiiirailn, com cacimba, e porto de em
barquo: quem pretender, diriji-sea Fura
de i o tas, ni ra do Pilar n. 68.
A irman lade da Senhora do Amparo,
erecta em film la, no hu de 1851 mdaimou
uin ni ment a s ii igreja para rapara-la,
moniienle o tocto de todo arruinado. O que
feito. balda de meios pelo nimio >cauha-
mento de seu patrimonio, e refleclindo mo-
Ihor sobre o respectivo orcimcnlo, tontn
meller u ,io a oli-n que nao polla levar ao
cabo ; purm ven lo que a ruina se adianti
esiiinlosamenle, obrigada foi, i 23 do moz
ultimo, a entnr nesti tarefi, cnnllida no
auxilio dos i "naos e li is,que,atiento o fim,
per -ou duvida, n0o so furlarSo a dar sua
esmoli ; cerlosde que fizem-no smente a
mesms Senhon, infallivel na remunerac.8o.
Chegido ao termo dcsejido, scientilicido
sera o publico uas esmolis o seu emprego,
isto he, o estado entilo da igreja.
-- O abaixo assignado, preso na cadeia
d'Stacidado, previne io publico, quo niu-
guem fa;a negocio ou Iransaceo coro o si-
tio no llano.Vermelho, pertenceme ao abai-
xo assignado, por dadiva de sua mol, a qusl
buje nao est em juizo perfeito pela velhice,
por cujo mol vo se provine ao publico. An-
tonio Jos do'Carmo.
.\n da 28 do correle novembro, de-
sappareceu o i lu Lzaro, cnoulo, de idade
30 annos pouco oais ou menos, cor fola.es-
tatu a regular, magro, com u le u m .tus i es levantado por alejlo ;'lvou
ci i isa de rlsoado do ilgodAo americano, e
calva de algodo azul, ambss j usadas :
quem o app ehender, leve-o 10 llecife, na
roa do Vig-rio. irmazem n. 7, ou a P.ssi-
g-in de Magdalena, casa de Jo9o Ignacio de
de.Ion os llego, quesera recompensado.
-- l'recisa-se de um bom criado : na ra
d,iTrp Che n. H, armazem.
.Na Senzala, defronte do collegio dos
airphilus, em Olinda, exist umi crioula de
manir idade e do bous coslumes, muito te-
neme a Dos, a qual te pro.oe a ensinar,
por preco comino io, meninas livies, e mes-
jio captivas, a coser, fazer Isbyrintho, bor-
dar, marcar, e mesmo coser de all'aialo, ler e
escrevor, e doulrina christli.
-- Aluga-so o segundo andir da rui do A-
morim n. 19; atular na rui do Vigario n.
19, esenpturio deT.de Aquioo Fonseea &
Fllho.
#aRS? ##*9SsW
O bacharel Wit'uvii propOe-se a *R
ensinar o francez e maislgum nutro *}
9 preparatorio, assim como off rec--se
* a dar hcos por casas particulares *,
* ou collegios a meninos do ambos os *
9 sexos, em materias de instrucc3o tan-
% lo primaria cumo secundaria : quem 9
* quizerutilisar-se de seu presumo, po- %
fjj de ..rocura-lo na ra das Cruzes n. 22, m
% 1.* andir.
i
- Lasa-so e eogoaima-se, com muita per-
lmcii e asseio : do pateo da Ribeira de S.
Jos n. 15.
-- Precisa-seda dous nlliclaes de funllei-
ro : a t'alar ni ra da Flurentina, cesi de
ai'encSo n. 7.
%mm& vnmktumm m s? a^s +;imn
Ten lo em i84o o abaixo
! as.-iyn nlo fornecido dinheiro
f par compra das bemfeito-
rias, moenda, taxas, casa de |
vivenda, eslribari), casa de'ij
eocaixamento, eecravos, a- U
nimaes, utencis, ele!, do
engenho Trapiche de Ipoju-
ca, na comarca do Cabo, e
! pelo que se Ihe passou letras
. especificado e declarado tu-
I do isso, tem hypotheca legal L
I os bemfeitonas,e cousas su- ;f
j praditas ( alv.. de a4 e )a~ L
J llio de 1793 1) ; e a quem 1
i quer que passarein as cousis P
I passam com esse onus hypo- |
l thecario; mas, para que nin- g
guem possa no futuro olegar I
qualquer cousa, faz o presen- *
le ennuncio, visto constar p
que se j-.retende comprar, o I
que est hypothecado ao a- S
baixo assignado, em despeito I
S do seu necessario consent- |
g ment ; e protesta desde j :!
SI usar do direito, que Ihe con- |
I cedem as Icis do paiz. Kecife
i i3 de novembro de i85i.'
I Jos Marques da taos a So-
jj ares.
r=-.r:'' -r*-^ -'alsMMKVM
Jardim das Damas.
Sabio i luz o numero 13 deslo peridico,
o primeiro da teiceira sene, cont'ndo como
todos os outros materias de nstrucojSo o de
recreio. Acompsnha-o una estampa grande
com ricos moldes de labyrintbo e marca.
Assigna-se para o Jardim das Uamis ni ra
estreita do llosnio n. 28, primeiro indar, i
rizSo de 2.000 rs. por serie de aeis nmeros.
Arrends-se o irmizem da casi da ra
do Vigiar 10 n. II, e pm te do primeiro andar:
trata-se ni mesma uo escriplono de F. A.
da i. .ol & Companhia.
I:
MUTILADO


Madama llosi llardy modista bra-
sileira ra Nova n. 3o.
Acaba do rcccbcr pelo ultimo navio ehe-
gtdo de Franca, um neo sortimentu de fa-
zendas, ricos chapeos do palha da Italia, le-
chado, abas grandes onfeitadas para meni
I'recisi-se de urna ama para cosiobir o
diario de urna casa, e um molequepara fa-
zer todo sertico de urna casa: na t.avssa
do Corpo Santo n. 29.
-- Aluga-se o primeiro andar do sobrado
da ra do Crespo n. 6, milito proprio para
csr i ini i.i de algum senbor sdvogado.
nos d.. 3nnoaato, tcaadelSa para crian- Madame Theard, ra Novan. 3a.
ca. ricos ch.p.os dsela de todas as cOros Noam91llfl ,,,. 0 receber de Fr,c.
para senhora, lindo chapeos nhos do g.os | ,ou|ljrno ntyi um grall(|e lindo sor-
n.ples redondos para bapl.sado da Male de Cinent0 de |ilds' nl08it urlol romo de
t BWli 6 annos. meias de seda branca ,ai esCoC07, par, lnejn. s, e moJellos mui-
p.ra senhoras, ditas para enancas, lencos do |,0 m0liern0S juntamente recebeu umsor-
ret-oz e de rede para senhora, ricos vus de ljment0 ,le cn, ,eos Je pall com .has, di-
rinnm o. ln."Aiu lia I i nlin In-.m"! I i f j ... t
tos deied enfeitados e sen) onfoili's, lauto
para inonini s como para meninas, que se
ven lem em conta.
-- No engenho Cabec'n de Negro preci-
sa-sedeum rapaz que tenba IrabilitacOos
casamento, neos cabecees delinbo braiico ;
e prolos de blonde, lindas espolias de casa-
mento para noivas e madrinhas, ricas luvas
de pellica enfeitadas, de noiva,'icas luvas de
seda da todas as cores para senhora, bale.as
pira vestido, agullios franecz.s llores, pe-
nachos brancos e ie cores, ramos pelos pa-
ra lulo e eipartilhos pira senhora, o meni-
nas, rico sorlimeuU. de chapeos de palha
para senhoras, meninas, e meninos, ental-
lados e sem enfeites. ricos sorlimentos de
capolinhos, e palitos, manteletes de cores e
pretos, com collete e sem elle, romei.as de
lil Moho, bico de blonde, de seda, e de li-
nho largo e estrello, vestidinho de seda e
toucas debaptlfade,chapeos i -reos para luto,
rame coberto i*e seda para fizer chaueos e
copos.'leques.chapeus de palha de montara,
cimisinlus, manguitos, peililhos de cam-
braia ; na mesma casa faz-se vest'dos de ca-
samento e de baptisa o, toucas e chapeos de
seda, tranca de seda branca e de cies para
enl'eitir vest ios, seda branca para noiva,
pentrs de tartaruga para atar cabellos.
fu aro.
Na noite de ai para 22 do cr-
lenle, furtaram da estribara da
rua da Senzallj Vellia n.i i4, dous
cavallos, com os signaes seguin-
tes : tun alto ruco, crinas c
rabo prelo, cortado de esporas de
ambos os lados, com uma roptura
na barriga dolado dircito, do ta-
maito de um litnao tem de 6
ou 7 anuos de idade, c levoii se-
lim inglez novo, com cocbin bran-
co ; o outro be rodado com crinas
compridas em baixo das ulti-
mas umsignal, mal de besta, do
lado diieito tem 7 ou 8annosde
idade, e Icvou um selim novo da
Ierra : quem dilles soubcr, 011 der
noticia, dirija-se a casa cima, que
ser gratilicado com 80,000 rs.,na
occasio da entrega dos mesmos.
Aluga-se o primeiro anlar rua do yuoimado n 9, para escriptorio, ou
para pouca familia : a tratir na loja.
Quem precisar de um born cabriolel
usado com sous apparelhos quasi novos, fal-
le na loja n Sino aterro da Boa-Vista. Na
dita loja ha para se vender um bonito globo
pequeo moderno, traste indispensavel em
sala de visitas, e um fagote para msica mi-
litar com sua competente msica para o sa-
ber tocar.
O IrmSo escrivSo da irman-
dade de Nossa Senhora da Concei-
c3o, roela na igreja da liOllgrc-
gaco, convida a lodos osirmSo9 ,
para sor felor : quein estiver ueste caso.di-
rija-so ao becco do Peixe Frito n. I,
No da 18 de novembro furtaram um
quarlao, da rua do Apollo, com os signaes
seguintes: caslanho amarello, pequeo,
bem feilo, e haslant carnudo, tendo 7 para
8 annos de idade, o pe esquerdo raleado at
o peador, uma barroca no quarto esquer-
do, estradeiro baixo, umalistra em cima da
anca, um lalho no beico de cima, com mar-
ca de cabellobrancono assenlo da cangalha,
iihii'i) de
to cabell. _
estar muito apagado, e mesmo n5o t Aviso importante para os dono*,
consignatarios e capitae.s de na-
vio.
Os senhorej Richard,Payen,Babinet e Mo-
rin, meinbros da academia das ciencias em
Paris.e suiteados pelo ministro da marinha,
do commercio, e industria,para o oxame dos
prodoctosda fabrica dosseohores Chllele'
Companhia, ilcram a sua ipprovacSn, e os
maiores elogios pela limp>'sa e porfeita con-
serva (2o dos mesmns pro lucios. Os senho-
res Cholle! & Companhia ceitosdo bom ac
Ihimento quo devem encontrar nesla pro-
vincia,todos ns vegelaes da sua fabrica,quer
seii pela sua boa qualidade, quer do son di-
minuto preco, offerecem a venda ossoguin-
tes: Batatas a 40 rs. por cada porco. re-
polhos a SO rs. dito, julienno a.72 rs. dito,
es, nafres a 78 rs. dito.aipa 78rs.dito,ma-
(3s a 78 rs. oilo, salsifes a 78 rs. dito, va-
rios qualidades de verduras a 90 rs. dito, fe-
jCes uscolhidos a 190 rs. dito, repolhos do
bruxellas a 168 rs. dita,12 pratos de bruxel-
las a 120 rs. dito. olaO molo de prepa-
rar aquellas verduras he mu simples, doila-
se dentro de agoa quente meia hora, e ellas
veem-s: ao seu estado natural, o exhilam o
3
- Alugam-sers diias casas terreas novas
ns. le 6 na na do Pilar em Fra de Portas,
e a loja do -nina lo na mi da Guia n. 17, eo
teree.ru andar do subiado na rua do Amo-
rlmn. 46; a tratar com o propietario An-
'onlo Joaqoim deSuuza flibeiro, na rua da
Cadeia n 18
VvVwvwvVy* vVV ? Avisn ao commercio !!!
s Uabaixn 8Sninado avisa aos >
choiro como se fossem tiradas do jardim e
.t, temi'era-seda mesma maneira que frescos,
iiu'dor'.lncTandVtrib '""i goslosos i procure-se em casa do
opa cauda, iitiora-so o Ierro por|seohor Font s, na rua d t.adoia do Befll.e
Ksia uova invencSo sendo muito
^ senbores de engenho e la-
vnidores', e mais comprarlo-
res de fazendas, e ao publica
desta pra^a, que tem contra-
tado com algumas casas in-
gleaa para Ihe dar extiaco ^
as mus l'jzindas por baixos precos, e passa a enumerar ^
* diversos artigos por no ser J
possivel em um pequeuo an- S
nuncio declarar lo loaos ai- J
Estatutos do collcgio Sauto-Af-
fonso.
mais deixara de comprar os oxcollenles ve-
gelaes que sSo do summo proveito para
ssude.
Aluga-se annualmente ou
pelo tempo da festa [ com prefe-
rencia ao primeiioj uma excellen-
!te casa de c-mpo, na estrada do
d'ellemaior lembranQa : roga-sa a quem o ; superior as conservas em geraU ja nj|gem
apprehender leve-oa rua da Madre de Deosn.
36, que se paganlo tudas as despezas.
-- Na Soledade, ao p da Trempe casa n.
70, aluga-se para osas estiangeias, por-
que a isso esta acoslumado, o bem conhe-
cido moleque Joas, cosinha, sabe comprar
he fiel e u9o beho, e he diligente
Ao publico,
Di-se uma casa de pedra p cal para passir .
a festa, sila na passagem da Magdalena, com I 1*050, COm todas as commodulaaes
a condicodefazer-iheuiupequnnocjnsir- .)8ra familia, qusrtos para negros,
to que precisa : par tratar na recebodona ,, ,, *.! .
gcral.onno paleo da l'enlia confronte a ^cosinha ford, estribara c COCheira,
igreja. !Sit0 com bastantes fiucteiras, llo-
--l'rociss-sc de uoia pessoa forra ou cap- c n______.. j
tiva.quecosinhe soff-ivelraente, para c.s, res e bortalica a lallar na rua da
de pouca familia: no armazom da rua da ICfUZ 11. 10.
Cadeia do Bocife n. 19. Afpriro
OlTereco-se um rapaz brasileiro para! '""', ,v
Ciixeirode rua ou para cobrar dividas, aqu < Sendo raro o numero de pessoas, que tem
na capital oj fora della : quem pretender comparecido pra aerir as nicdnlase pesos
diiiia-se ao Pateo do Terco venda n. 7. deseuseslabolecimonlosommorciaes, o ar
Precisase ilugar um preto captivo pa-' rematante con vi la de novo a lodosa quem a
ra an lar com uma carroca : na rua do Pas-' le incumbe os-a obrigago, a concorro'Oin
seio loja n 21 casa do af. ricilo na rua da florentina 11. 7,
-' 0 Sr. Francisco Tava.cs de Mello o Sil- das 8 horas da minhla a \ da larde, visto
va tem urna carta viuda do mallo, na rua do que tendo de lindar no ultimo de dezembro
Sol g prximo futuro, o lempo marcado pera a
I-iecisa-so comprar papel de emhrulho mesma arerico, mo be possiyel dar venci-
impressos, assim como diarios, folbetos ou ment ao trabalbo quo ella demanda, se
oolro qu.luer papel: no paleo da Santa houver maior demoia arremataiitn para
Crof.padarian.IOa. facilitar sos contribuimos n ciiroprimento
--Precisa-so fallar com o Sr. Francisco,'do seu dever, ir aos osulielecimentos d'a-
Joaquim .Marques liorg"*, a negocio de seu quelies que o chamaren fui a dos das o ho-
iuteresse, e roga-se annuncie o lugar de sua ras do expo lente, sem prejuizo das parles,
residoncia. quo prucuraro n a casa dealenr;ao, ea quem
>
>
>
=J* tigos.
^ Corles de cambraia seda, fa-
zenla do ulumo goslo e as
mais linas qu.i tem vindo ao
eicado 14,000
Hitos de cambraia de sal|>ico
;* uiuito linos 4,500
i* Chitas escurase cor de rosa pa-
* drOeS de casia; e pannos muito
s> ""os C01" pequeo mofo, o co-
S) vado
r Ditas cor do vinho e eafii com
lindos desenlio*)
s*> Ditas com salpicos 'le novos
^ gustos c tintas lixas
| Hilas francezas as mais finas
J queloui vinlo a esla praa ta'l-
^ lo em pannos como em tintas
ff. Ditas i e n de uilTerenles pa-
aa- drOes e-curos
t>> llnm trniiCido de linho de qua-
i> iiros e liso, o c te 1,600
*" Dito amarello trsido intitulado
<:
s]
]
4
160 I

200 a
2>o Bilhets intiros o.'.ono
Muios lullieles II 000
0 uartos 5.S1I0
Oita vos 2,8(10
Vigsimos 1,300
Ricos lencos de cambraia,
No aterro da Boa Vista* loja de
320
hrim lona
4
280 2
<".
1,600 f.
610 J
<-.
800
<
Grande fabrica de chapeos de sol.. fg'fgjg"'
llua do C'ollcglO n. 4- Acha-sa justa o contratada a paite da
S Falque, faz sciente ao respeitavcl publi- cas lerna n. 11 sita lia C.idade de Ulinda,
co d- Perutmbuco, e em particular aos seus na ius dus Uuatro Cantos, pertencento a
freguezes, que acaba de receber de Pars, herdeira Auna Joaquina dos Prazercs; a pes-
coniodoBio da Janeiro, da fabrica de Fl- soa que se julgar Com diroitu na dita paite
que tratos, um lindo e completo sorlimen- annuncio no pralO de oito dias da data des-
to de chapeos de sol dsela e de psnninho, te, do contrario nilo so attenJera reclama-
lano para homons como para senhoras.len- f;3o alguma.
do paraos piimeirosum escolhido sortimen- -- Arrenda-se urna piopriedaJc, sita na
to de chapeos de sol com cabos inteiricos os rua da Florentina,contigua a do Sr. Iteran
mais linJos.que tem viudo em caricaturas ger.com ptimas proporefles para nella se
diversas, ditos de caima, etc. ; grande quan- fundar qualquer estabelecimcnlo em ponto
[idade de sedas e paiininhos em pee. para grande, pm t"' b..iotno ailaadn, e nono
forem do de embarque icios lund >s i quem a preleu-
para que sedicnern comparecer no cubrirarm.coes souidas, as que i...
I _i O frno miv.irnuia. jo quo lioam novas. Da- d.-r, pode ir voia.onieniiiiiuu OLiMii u mu
da 5 do crrente, as 10 horas da
uianbaa, no consistorio da mesma
igreja, parase eleger, cm virtude
do ui ligo 4^ do DOMO compromis-
so, a nova mesa regedora, que tcm
de funecionar no anno de 1853.
Attenco.
Os proprietariosda nova cocheira amirel-
la, sila na rua do Cano n. A, advertem pela
segunda vez, as pessois quegoslam do dar
seus passeos em carros, de dingirem-so a
mesma, que acharSo hons carros, e enlre
elles ha um mullo rico proprio para corte-
jo, sendo os bobeiros fardados.
abaixo assignado faz cerlo a quem
Ihes convier.que su acha noexercicio da ve-
ra de juiz do psz da freguczia de S. Jos des-
ta cioado, e da audiencia, as scgundis e
quintas reirs as 4 horas da tarde,em casa do
sua resideucia, na rua das Aguas Verdes
n. 66.Torquatu llenriques da Silva.
-- No da 9 du crreme vai ser arremata-
da em ha-la 1 ublica, as 3 no-as da tarde, na
poita do Sr. I)r. juiz de orphSos sueplente,
a renda animal do sitio do Itusarinho, quo
foi de Anua Bita do Sacramente, c he a ul-
tima praca.
fe * <> Consultorio liomeopatbico.
** Ba do Trapiche Novo n. 9.
v O Dr. Casinova, habilitado pela fa- W
V ei I ia lo de medicina da Baha, tendo Si
(? vellido da Franr;, a esta cidade con-
#3 tiuua a dar consultas, eromedios gra- 9
> lis aos pobres das 7 horas da mantilla %
alca 1 hora da larde, no Hotel Fran- $
cisco, e pralica qualquer uperar3o de
Ciruigia ou de partos. fe
9 N.II.Para favorecer a pnsicSo de cada 0
9 familia, o doenlo que nDo for pobre %
# pagara smenles quilina i'c 5, 10, 15 9 ou 20/ rs c nunca mais, seja qual for a)
* o nuineio dasdoso do a edicaniento av
V e visilas.qi.e a sua doenfa poss oxigir; .;*
tj islo de.era regulir-se cunfurme a 4
gravidadO da molestia, c a ms'fVi do
# doenie. Os escravos s tagarno da5
a 10,11110 rs esto aviso en'on'Jc-so s- a>
Dme na cida-e. Sl
If^liafi**-* a
-- Aluga-se para casa capaz um moleque,
ciiou) 1 a tratar na rua do Apollo n. 15.
Pncisa-se de um forneiro bem enten-
dido nesie oflicio, assim coiriO tambera do
um Irtbalhaor de masseira : na rua larga
do Rosario, padaria n. 48.
Francisco Antonio Simas, embarca pa-
ra o Kio de Janeiro a sua e*crava Joanua,
crioula.
Aluga-se pelo lempo da festa ou nr
anuo, uma Casa no l'oeo da Prnella, rua d>.
Mangueira, com grandes 4 qiurlus e 2 salas,
cosiuha fra e copiar no fundo da mesma
ciss, tenuo cxcellente agoa de beber epor-
13o independenle da casa para serventa do
quintal : quem a pretender, procure1 a rua,
Ion Ha n. 137, sobrado de dous a% esaoi
pe de loja de cera.
Precisa-se de um bom forneiro para 1 ,.-j
dira aliaz da matriz da Boa-Visia 11. 26.
Atteinjio .
Quem precisar de 600,000 rs. dando por
garanta uma casa terrea oesta ciJade,dirija-
seafua esireila do Rosario n. SI, loja ue
mobilia, que ahi se dir quem faz esle ne-
gocio.
Attenco .
Enfeilam-se bandejas de bolos para casa-
mentos e bailes, com todo o asseio e prom-
pliuao, por preros mais commodos do que
em outra parle : no mtflo do Terco n. i.
Ha um escravo ptimo cosinbeiro para
alugar, na ru do Vigario n. 7,ion de os pre-
tcndenlesopodem procurar.
letal iargas, estoitas'o deafo para esparli- radbr da c sa n I6da ditu propriedade. o
Ihos e vestidos para scuhoras, bengalas bo- qual dir com quem so deve Iratar de qual-
nilas.cobre se e concorta-se toda e qualquer quer ajuste.
*| Alpakss preta e de cores, muito
^, boa fazunda, o covado
, dem cun lios de sola de cores,
ja. e iiiol i lina 1.1
-> llrins lisos tolos amarpllna, fa-
t> lendl do ultimo gosto, ocrte 1,800
* dem rnesclados do urna cr,
o covado 320 2
Algndo americano muito en- J
coreado, a vara 200 2
^ MadapolOes de todas as qualidales, ^
a peca, 2,600. 3.00 o 3,500, linos, 4S
# 4.000 o v. o, oiasimos, 5,ooo o & 5,200; ooutras multas fazendas que -B
a> em per;a ab-leso no preco al que o **' comprador fique satisfeito : na rua do ^
: Cretpo n. 14. Jos Francisco Oas 2?
jj com loja e armazein de fazen las 111- ^
aj. gleras. \
;?-";^ -*m rnwi'iiii nmiiimiMniii
Aluga-sa uma casa tara passar a le-la
em Saut'Anna do dentro, defronle da ven la
do Sr. Nicolao, com com modos para nume-
rosa f mulla, com copiar, quintal s cacimba,
"s-rv'una para tomar banho, caiada enhi-
lada de novo : a fallar no mismo lugar.con
J0.I0 Venancio, ou na rua do Santo Amaro
n. 16.
'V w v v v w v j-''*? V: vp v vwvv ve 9
-" :.
HOMEOPATHICA.
a]
<.:.
Attenco.
Na rua do Queimado hijas do ferrasnns n.
Dirigido pelo abaixo assignado rrofessor JU-1 *. 1%^XUT^X"Th am-
bilado n, cadeira de geogr.phi. e hiato- ,n;*^'^s, ."* M^s'i Zw* Z-
prepara ton s qi|B no eullegio d.sartesdo al,alxi)i ,,, ,, bl|ell.h c..t,Zi\h,
Tr'.'.J3.oT-r.oensino das respectiva, ma- ^^fi*** "'i'"*'" S '"" I"'!',"
, a __,__' ,__ Jutiior, o qua oco quo checuam s h-tns
lenas serlo nomeadus prulessures de reco-___ '_.n B ,
nhecilo mrito paga immediatameiilH lo.io e qualquer pro-
Art. 4.00 rollegio recebe pensionistas, .qhire.i.MUi rerendo bilhetos e
meio pensionistas, o alumnos externos.
Art. 5 o os pensiunisias pagarlo 20.000 rs.
01.'o.-' s, seuipre adiautados ; os Orlo pen-
sionistas 12,000 ra, e os externos de Utim
4,000 rs., o dosoutros prepralo'ios 5j rs.
Alt. 6. O Collegio nao da rOUPl lvala ,
nem eugommada, eaquellesque a quizo-
rem recehir delle, pagaro mais5,00u rs.
Art. 7. Os pensionistas lerflo, regular-
mente, por ainioco, cha ou caf preto. .80 calcado D. 58 venrlem-se lencos
torrado e n anteiga; aujaniar, sopa, cosido, de cambraia para mo de senbo-
assado o bifes, doce ou frotas do tempo: e a .__. .1^___.
ce,, o mesmo que no almoco: hav.ndo M-| rs de mullo bom gosto, chega-
joada As quintas feiras, e mflo de vacca aos dos tiltim ntc de I' r-mcn e por
"rnelo pensionistas lero o mesmo tr..:PreC0 muito commodo proprios
lamento na parte que Ihes diz respeito. 'para o presente tempo da festa ,
Art 8. Ocoll,g.o tambero dari1 luzesde e quem os vir n3o ,|ejXar (te com-
vela para o estudo a noite, e banhoausa- '
lumnos asquaria*e(abhauoi prar ; nao se pira amostras.
Art. 9. Asdespi zas com molestias, e ou-
tras imprevistas aralo por coula Jos pa'es
dos alumnos.
Art. 10 No lio 111 pensionista, ou meio
pensionista ser conservado no cnllegio dei-
xando depat!>r as suas mensalidaies. e- 1
guudo o estab. lecido no arligo 5 *, o bem ,
assim sera espedi 10 aqualln iluo no de Inilepeiulcncia ti 4 venclem-se
qualquer classe que sej, que dentro em billietes Inteiros, meios, quintos ,
tres inezes. se mostrar inapto pata o apr^n- ,
d..'io, ou do uai procedniie.no roprenen- decimos e vigsimos, que corre in-
siv.i e incorregivei. fallvclmeiite no da 4 do corrala,
Art. II. O alumno, urna vez matriculado, 1 mesmo auc liuue aualauer
estar sojeiloao pagamento da suas mensa- ainua mesmo que nque quaiquer
Imades, eocullegio nSo dimita descont quainidale de bilhctes por vender.
ai|ium sob qualquer prolextu quo seja 0
mez prirrcipiadoenlende-sovencido paia seu !
pagamento.
Art. 12. lia la pensionista Irar seu baln
com roui a sullrcienle de uso, enna do ven-
to, esjellio, peutes etetolira deuihas, es-|
cova do ilent- s e de falo, baeia de rosto.
Art. 13. Nenliom ensionisla pdela sa-'
lu du collegio sem previa lireiiQa do direc-
tor esempio acompanhado por pessoa de
sua confiani;a.
A t. II. 0 collegio Ira lia har toduS OS
dias uteis ue manilla e a lar lo
Ait. 15. SSo loriadus 00 collegio, alm
dos domingos o dias sanios, ostras das do
i'iil-o lo ale a quarta feira de Onza iuclusi -
vi) ; de qunta feira de trevas at a ultima
onava do l'aschoa
Lotera de Nossa Senhora
do Rosario.
Aos 5 000,000 de rs.
Na loja de miudesaa da prncida
Rilhetea inteiros 8,ouo
Meios bilhetes 4,000
Quartus 3,200
Herimos 1,000
Vigsimos foo
Vi-nde-so uma muala de 16 anuos do
Idade,de benita ligura, o I negro de 30an-
uos p.oprio para lo lo oservn;o e por preco
commodo : na ru da Cruz n. 51, segundo
andar.
Attenco freguezes do bom c ba
rato.
\ 1 rua larga do llosario, loja de miudezas
Callas JO to |0S Os'la-
n. 40, vendem-so ricas Ca
e os dias 25 jo marco, 7 manhos com lerfuma-ns, leques cun i-spe-
qualidado de chapos Je sol: lodos os oh-
jcclos cima mencionados ven lem-se em
porcio e a rctalho por menos preco que em
outra qnalqucr paite.
Arrenda-se pelo tempo d festa ou pe
Aviso importante aos moradores do
Iguarass.
Pedro P^ulo do Moraes; com casa do ne-
gocio na villa de Iguarass, au p da ponto
11. 7 faz v r os moradores desta comarca
produzir a mesmi impressao de 'gosto, corles de seda escoc
que foram testemunhas lf0.j*^d*^;|S*
10 quo se couvenciuiiar, a pessoa com po- qU8S0 acha com bastunte soi'tiuienlo de fa-
quena familia, um riti com arvoredos do Zendas, c molhulos para vender por menos
fruclo, a mor parte dus quaes dando, como prcco possivel, o tambem lem cera para
sejam os bellos o gran les sapotis, laranjas alugar e vender, e mi s 1 o faz todo o negu-
deumbigo eselectas, viveiro com pclxe nos Cll) a (roc do madeiras, as-ucar, e oulros
fundos desle, e boa casa do podra o cal, na qugesquer gneros que se Ihe olTareQan :
Capunga ao entrar logo depois da ponte : u, toljus Csles gneros vender por menos do
tralar na travessa da rua da Concordia,casa queem oulra qualquer parto.
n. 13. Aluga-se urna casa terrea, cim bas-
___ Mr. Uemique Lacaze tema tanles commoJos, e pintada do novo, de-
, L.U_______ Trono do hospital daciridade; no arma-
honra de avisar .-o publico que JJ ruo N,/v, 67.
brevemente vao comecar no titea- j>]a(|ama llosa llardy modista bra-
trode Santa Isabel, as su s repre-; sileira llua Nova n. 3).
sentaSes de physica, prestidigita' xem a honra de participar ao publico, o
cao nolvoraina tihantasmacoria particularmente a seus freguezes c aos fre-!
Ldo, poiyordiiid, |iiidii.diiabuna ^uozt.s aa fallec iam ina.lama l'orta.quo ella
e magnetismo. Mr. Lacaze dispon- lcm c^prado o despchalo o sorlimontn
do de um rico gabinete, apesirdos intelro das fazendas que vieram p-ileiU
- prejui-os solt. idos duraotc o trans- ch0),aJo j0 naVre. Este sorhmcnlo he com-
porte, "e>pera satisfazer completa- posto de azendas muitu linas, e superiores
11 i_ .' iauellas uoe vero para este mercado : neos
mente o publico pernamhucano, e ^t de soda lavraios do cores do ultimo
escoceza, ricos cortes
Je harege dsela
1 chapeos do seda
luanos da Euro, a, bem como to- p>ra sonhora, chapeos do palna itlica a-
das a, ne-soas nue l'reaue uta rain o h.ilos e fechados para senhora e meninas
tas as pe.-soas que ircquenraraui u ^^ SPr enfeitados; nquissimos capolinhos
seu elegante theatro dos Lampos (jl. i,,,,.,,,!,:,, fuita cores bordado; lieos
Elvseos em Paris. S espectacu- capellis para noiva e madrinlu. de casamen-
J to; guarnicors para vestido de noiva; ra-
los seraocircumstanciadamentean- mus de f|res pre|as para lulo; um rico
nunciados nos iornaes, e as pes- sortimcnio de fitas, escoceza, chinenipara
j 1 11 ,.- .,...-, -, cinta de monillos o senhoras, pan onfeilar
soas que desejarcm bilhetes para a ,cn>peos d0 slM,i,0ra o meninas, de babadi-
primeira repiesentacSo, pdem di- nhos e de franjas ; chamsloie brinco para
i.rir sp ari director Mr Alexan-!collellS de se,lh,,r bol00,i f"' llgir-se ao Uirector lili, rtiexan ,de fC0hor, Ie.0J corlel ja rollete borda-
dre, na rua da Ladea deaanto jos uar,, senhora, ufota branco; setim
Antonio, na casa em que foi a so-1 i~ ^^ffVtK-
ciedade Apollinea. (Moa.
Companhia Luso-Hrasileira. J\ln(|ama Koutier modista francesa
Os abaixo sssignados novamente avisam M,, n 1
quo no seu escritorio, rua da C.deia-Velha. M ma OMII. i.
11 12,cunlinua abena a assgnaluia d'accOrs Tem a honrado prcvinir ao espeitavel
..ara a companhia l.oso-Brazileira eslabele-'publico, ecom parliculandade aos seus fe
cida na ci .auc do Porto, para a navegaclo guezes, que o seu estabelicioieiilu se acia
a vaior entro Portugal o brasil, cujo pros-, previ 10 de um novo e vanadosortimento de
pecio e estatuios ja foram publicados 110 Po-; ricas fazendas francezas chegadaspelo n*viu
rio de VernamOuco. us Srs. Joaquim Pe- Cont Roger. Lindos chapeos do seta para
reia Marinho & Companhia, e Victorino senhoras e meninas, enteilos para cabega,
Pinto de Sa Passos, agontes da companhia ricos capolinhos o manteletes pretos e de
nas unes daU.hu o Ido de Janeiro, rece-l cor com colli tes, llores.penachos, brancos s
harin os abano assignados pelo vapor Te- do cores, chapeos do palha lina redondea
viut noticias satisfactorias acerca dasassig-1 para meninos do om a seis anuos, ricas ca-
turas ali ublidasdeclaranlo os pii.neiros pellas do flores, para noivas e madrinhas;
jn ItlIA HAS CltUZF.S :<,
Dirigidapor um pharmaeeutico
apprtivado.
le setembro, o .: do dezemhro, e de 20 de
lezembro te 6 ue Janeiro de dda anuo.
Ait. 16 Tambo 111 sera feriado o da 9 de
ago-to, da de Sanio Alfonso, padroeiro do
collegio.
Art. 17. Os alumnosdo collegio farSosaus
oxaues na academia, depuis de vencidas as
materias du ensino.
loa ile iiejuiiho de I V'rJ.
Alfonso Jos de Oliveira.
I ni virtude du art. l do regulamenlo de
\i do malo do auno prximo uassado, ap-
pi ovo os presentes estatutos. Diieciona ge-
ral ai 11,-iiiii-i;,! 1 publica 12 de julno de
1HS2. Miguel do Sacr. m.nli* Lupes Gama,
director geral ule. i,10 da instCUOCSO pu-
blica
No da 25 do correnlo desappareceu um
Cavado caslanho com cangalha com 12 sac-
eos vasios do oarvBo, e os signan silo estes:
<; urna estrella na lala, um p ce loado, no la-
4$ I do direito um signal de urna estrenada no
> l.-lo eslaholeciiiiento possue lodos jj. os medicamentos at agora experi- -1 te para o mesmo lado direilo o faz facSo.com
& mentados, tanto na Europa cuino no <| u cabresto novo de corda de carrancho:
i? brasil, e proparados polas machinas *| quem o pegar h-ve-o em Fora do Portas,Vdu-
? da inveng.lo do Dr. Mure. ^ da n. 81, que a-ri 'ecompensado.
J Carleiras de 12 tubos al"1" ---
* precos vanaveis, confurme
coz
60, Por ^i*,***..*********-****.*
r.-Y-----------,......------ a quali-
?f oado das Caixas, a qua.iti lado dos ro- <{ j do em cns.iir' as lingoas frai.ceza e f
modius e suasdyuamisaves. <^
l'ma cart'ira co 11 os 21 principaei *
S remedios hu.i.cipathicos e 3 obras ilillereulcs 111 liSpeiiSl*ela paia os
principiantes quu se quizorom con-
vencer Ua verdado da nova me ne-
na ; contundo al.n de mullos cou-

a>
al
, <
allo.niia, gco.nelnayaril.i.iiel.ca, geo- ajjt
grapllia, algebra, e pnys'Ca mmlie- a>,
lliat.ca de-eja preeoenor alguums |f
liorts vagas com o ensillo leste-, pro %
paralnos : quem quixer uiilisar-su
de son pre.-liuio, o achara a qual- -,
quer hora do diana rua da Cruz do t>,
II' rile ni. Ir
_.*!. 9'*^9l9l 'TI*S*)*
Padre Manoel Correa doltozeilio Ro-
go relira-se pa'a lora da provincia.
Casa para alug-ir.
Aluga-se o primero au 11 do sobra lo da
roa do Crespn. 14, pora escriptono ou lio-
m.-111 soltoiru : a iralar 111 loja do mesmo,
com Jos Fraiiriscu Das.
5
a
i
a
a
*
uompras.
haverem a passado 1 maior parte das c-
cOes destinadas para aquella cidade, e o se-
gundo ter disposto de 1,200, e polerainda
conseguir assignaturas para as que a, nSu
luvas de pellica, blco do blondo de largura
de um dedo a um palmo; esparl.lbos da
primeira qualidade para senhoras o meni-
nas, ricos chapeos de montana, pulseiras
oassaiem nesla praca. Em consequencia, muito ricas, manguitos, pentes de la.taru-
r 1_____......^_ .....:..., io^ IfiraTH* .in hi-l.'s hs .in'. s. 1 mos
po.s os abaixo assignados renovamos seus|ga, litas largas do todas as cores, lindos
bonv.tes a lodos .quedes Srs. que quisercm j veos p.ra no.v-s, franjas e trancas do seda
concorrer para a d.la empresa, a dirigi-em-,1 prelase do cores, mantas pretas do lil.
e ao seu ticriptbrio te o da 15 do dezem-; mesma loja se razem ves
bro prximo, no qual licar deoitivamenle e bapusado, toucas pai
encerrad! a assignalun.-Ballhar & Oliveira. as, ca oliohos de toda
coitcorrer para a dita empresa, ..
se ao seu ticriptbrio ate o da 15 de dezem-; mesma loja se fazem vestidos de casamento
--ra senhoras e meni-
a, u.punu.iu. .-.as as qualidades com
-- Aloga-se uma casa 110 Uachauga, com perfeicflo a preco commodo.
estribara, cucheira, ecom commodos para -- Aluga-se um primeiro andar, proprio
grande familia : a fallar na rua Mora n. 61., para pequea familia uu pessoa solleira : na
Prccisa-sedeum bom cosinbeiro, que, rua da Semilla Velha, defroote da padaria
geja homem livre ; a tratar na rua da Cidei n. 98
do Itecife ... I. -- P'ecisi-sa alugar urna preta, ou um
-Precisa-soda uma a ra deleite que nSoj moleque, para o servico de urna casa de
tenba lilhu : na rua do Sevo, casa terrea e pouca familia l na rua do Padre Moruno
sulJo, defronte do tnestio publico. i n. 27.
seibos clnicos, a patliogenes de
48 modiCiiiienlus por 25/000 Tubos avulsos (cada um) I/01K) -ag
Tinturas do lodos OS ...e I ir.i n 11 4g
los em frascos de l|2 01151 20OO AVIAM-SE UHATUtTAMENTG
para os pobres, todas sg recoltas que J
para ali mandar qualquer prufessor. ^
jf Si uaesma botica encontrar-se-ha ^
5 senpie um grande sortimento de li- ^
^ vrosem porluguez e francez e em- aaj
-, lim ludo quaulo he neeessano para <'..
ay. o esludo e pralica da homcopalhia. *
th S. U. Ilef irm.iii.--e graluita.i ente
> todas as carleiras vendidas no est-
is belecimenlo de cujos remedio*, ue-
9> |g Inmidade ou por qualquer ou-
Z. Ira causa Uverem sido dte.orados.
i>A Aluga-se um aruuzem para carne sec-
ca, na rua da Praia, casa amarella n. 27 : a
fallar co.n Guilheriue selle, na rua do Itau-
gel n.45.
- Alugam-se os terceiro e qunrlo andares
comacosinha da casa n. 42 da rua do Tra-
picho Novo do lie'-.le : quem os pretender,
dnja-se ao |irmeiro andar da dita casa.
Aluga-se para passar a festa uma boni-
ta casa na Capunna .Nova,defronle do poitSo
do Sr. cnsul inglez, com duas salas, duas
alcovis, um quarto tara despensa, copiar e
cosniha lora, com estribarla para dous ca
v.llos, com excedente agoa de bober, e sitio
cercaoo: a tratar na rua do Queimado, se-
gunda loja u. 18.
Alocndas pira caima sem virla.
A fundiciio da Aurora cm Sanio Amaro,
tom cunslantemonte um sopprimenlo des-
tas rr.uenJas entro oulras multas, e sua uli-
ii la lo lem sido bem pruvala por urna loriga
experiencia do 18 annos ; a primeira tenuo
sido le.la por um modelo apreseulado pelo
senhor coronel Joaquim Cavalcanto do Albu-
querque paia o seu engenho Jardim de Pe-
dral de Fogo, como se v do livi*b ue encom-
iii' n 1 ..s a follias III, 1.111111 de 1831; e desde
eutSo para c mais do vinte moendas dcs-
taslem sido feilas nesla fabrica como se
Ple ver da lista que na mesma fabrica ex-
isto ; e eslAo todas t-abalhanlo em diversos
eugenhos di provincia, dando completa sa-
lisl.ioo aos seus proprietarius Este objec-
to se cousegue/simplesmenle collocsn .0 os
dous tambores de baixo, um em conticto
com o outro; e oara islo poder ler luaar,
poem.se duas carretas no aguiiho superior,
e uma eicada um dus inferiores; as bii las,
ou belfos naturalmente estando no tambor
le cima.
-- Precisa-se de um trabalbador de mas- eugenhos da provmci
ra : a Iralar na rua larga do llosario, pa-1 Vende-se urna bonita crioula, alta e
na 11 4g. possanie, quo cose, ongomma liso, cosiuha,
Aluga-se uma casa na Passagem, entre le tem bol conducta; uma parda com as mes-
as duas puntes, muitu propria p.a se passar mas hab.lidules, prupria para ama de casa
a festa : a iralafeiia ru da Cadeia do Hecife pur ter excedente conducta ; uma preta gra-
n H vida do seismezes;e uma oulra que sabo
Precisa-se alugar uma negra que sai icum ourfoicSo bordar, coser, labynntnar,
ba cosinhar, para casa de pouca familia jcosinhar. o engommar : na rua larga do llo-
quem tiver dirija se a rua larga do Rozarlo, ja.no n. 35, unte se recebem cscravos para
loja de miudezas u. 86. 'vender por commissao.
Compra-seuma casa lerrea em qual-
quer 111a principal do burro de Santo An-
tonio: a fallare.m Antonio Jos Maciel, na
rua da i'ra.a, leu la de fe.reiro.
-- (;oin,ra-se urna negra ou mulata reco
Ihida, de idade de 15 a 20 anuos, de l)ont<
ligura, eoMi.n.o a uu eos. urena ; prefer. -se
com cria ue .o.'S a cinco u.ozes; pagi-se
lien. : na rua \ va n. 34, casa do Madama
ilusa llardy.
Compram-se costados de ma-
deira de louro, amarello, e sedro
empo^o: na rua da Cadeia do
itecife n a3, se dir quem quer.
-- Compram-se eseravos e vendem-se
recebam-sede Comnnssilo lano para a pro-
vincia cuino para lora Orlla : a iui est.eita
do llosario S'gundo andar n. 28.
Compram-sn trastes usaoos, o tambont
se trocam por novos : na rua Nova, arma-
zem de irasles do Pinlo, defionlu de rua do
Santo Amaro.
Cumpram-se 20 a 25 ICCOoa da compa-
nhia do Beboribe : na rua da Cruz do bairro
do Recite u 58. primeiro andar.
Compiam-se escravas e venden, so re-
00I1 in-.-e de vincia, como para fra della: na ruados
i,iu 1. nos n. 34, seguudu andar.
Cumpra-se urna pareiha do embonos
de seiru para barcada : na rua da Cruz
um e pluma,us mais ricos que aqu ten vio
do a 4.000 rs., caixas de lou^a c.m abna-
lo mu.to lino 6tn, o 800 rs frascos com
banba para cons-rvar cab do a 500. e 900
rs. frascos de ch islal c-mi u-l'-o-t 's mu.lo
linos a 240. Sl, 48o, 8'JO, I.OuO. 1,100, 1.500
rs., past.lhasdo almisear 400 is jarios
enm banha a 900 rs., agoa de lavandt para
tuigir rilo! o 610, o I ,',oi. rs f ICOS de
patcholi a 800 rs. ditos do leo a 500, o 640
ra e um completo sorlimeuto do sabonetes
muitos finos
Veiiil. -se urna escrava creoula, sabendo
lavar o cosinhar com peiicicSo na rua da
llniflo casa 11. 1.
999O99990999999909
( li.posdo luly
9 Vcn.lem-se rhaicoa do Chllydeto*
Cy das M quali lados, |ior pro(;o 0 1 I 1110- 9
9999999999999 : J99
Vos 20:000,000.
O reatante dos 1 ib. les, meio* o cu tollos
la I t ria 11. 3i -lo Monto Po dr> Kio ,le Ja-
.Biro se aciinii a ven la no i|e 10 .1 I! a-
Visla, loja de Antonio 'a S.lv Guim-aril *,
euj 1 li-.a c'iega no da 5 lo prosi no mez du
b Z'llibro, e sai. JiigoS ti) I is os p lio-, q'IO
ossin s hi' pelo respeeiivu cautelisli A11-
01110 Jul lio i. igues de Sonza liiuiur.
-- Vi iidi'ui se sapalrles de eouro de lustre
. nove pdacis, OCulus para tolas a> Ida es,
o de lulos os p eCOS, ehegados do Franca,
caitas poituguezasefrancezag para vniiare-
e, Lieos dedilTerenles largu-as, caix s para
apo feit is 110 .Vacily imitando tari- ruga, e
nutras miudezas baratas para purar e li-
juilar: na rua larga do llosario. loj n. 35.
--'Antonio Ferreira l.nn 1 iV Cmipanhia,
na rua Nova n. 3, veulom la'as rom bula-
oliinoa do Lisboa, viud 1 pela barca 1 .:.' ...
Vende so maraielada nova en. boeeias
lo I e 2 libras, ca.xinhas com 2 e 4 bbras de
o as.ditas 00 o 2 e 4 libras do a "eixas,cai-
xas com ni '.sa linas derstralinna.tudo mul-
to superior ; na rua da Cruz do Itccifo n. 46,
lefronle do Sr. Dr. Cosme.
Lotera do io de J.neiro.
aos 30:000, 00 e 10:000,000 de rs.
Na loja de miudezas da pruen da
Independencia n. 4 vendem-se
bilhetes inleiro.s, meios, quartos,
inlavos e vigsimos, a lienelicioda
3J. loterii do Monte Fio j vem a
lista no primeiro vapor que clie-
.;.. do I'h" de Janeiro.
Bilhetes inteiros ai,ooo
Meios biilietes 11,000
Quartos 5,5oo
Uitavos 3,800
Vigsimos i.3oo
V elidas.
FOLIMUS' I'IKA 1853.
Saluiam luz is bem con.,ce. las folhi-
nhas de porls, aUibe.ra e pad e impressas
na lypographia ueste Diario, asquaesaci.am-
se a venda na Praga da Independencia li-
vraria ti. 6 e8 ; esta no prelo n almanak, o
qual "lm das materias docoslume, contem
grande palto dus uomes e propneta.ius dos
Lotera de A ossa Senhora
do llosario.
Casa da fortuna, rua Direita n. 7.
ti cintel isla da casa cima annuncia aj pu-
blico que, o da 4 dedezembro, he termi-
nante p.ia o andamento das rodas da lote-
ra ; existe a ve.da na praca da Independen-
cia, loja do Sr. Fortnalo, e na c isa cima
um completo soitimenlo de cautelas o meios
hiIliolos.
Meios bilhetes 4,000
Quartos. 2,2'O
Demos 1,000
Vigsimos 500
U caulelista Salustiano de
Aquino Ferreira faz sciente aores-
peitavel publico, que rstSoexpos-
tos a venda, Das lojus do costume
us seus mui afortunados bilhetes e
cautelas da 33. loteria do Monte
Pi. a qual corre hoje ii. e epe-
ra-se a lista da mesma pelo vapor
da companhia brasileira no da 5
de desembro.
Bilhetes inteiros 23,000
Meios 11,000
Quartos 5,5oo
Oitavos 3,800
YiKesimo i,3oo

MUTILADO
J ILEGVEL


>.
Moinhos de vento
com bombaaderepuxo pan regrar bortas
ebaixasdecaplm nafundicSodel). W. Bow-
m.n:n. ra do Brum na.6,8 e 10.
Deposito Santos ila llahla.
Vende-se ,em casa deN. O.Riaber&C,
na ra da Cruz n. 4, aIgodSo transado -
quellarabrica.muitoproprioparasaccosde
asacar eroupa deescravos.porprecocom-
inodo.
Cal virgem de Lisboa.
Vende-se superior cal virgem,
chegada ltimamente de Lisboa, e
por preco muito cm conta: no ai-
mazem do Caes da Alfandega n.
7, ou a tratar no escriptorio de
Novaes & Companhia,' na ra do
Trapiche n. 34-
Potassa americana
Casimiras modernas, a 1,000 rs. o
covado.
Na loja de fazendas da ra do Crespn.
5, que faz esquina para a ra do Colegio,
vendem-sa casimiras de gostoa modernos,
a 1,000 rs. o covado.
Relogios americanos, para cima de
mesa, com corda para oito dias e para 30
horas, e o mais barato que em outra parte ;
?a ra do Trapiche n. 8.
Deposito de cal e potassa.
Cunha & Amorim, na ra da Cadeia do
llecife n. 50, vendem barra com cal em pe-
dr, nova, chegada de Lisboa pelo ultimo
navio, o brigue Flor do Mar; assim como
barris com superior potassa nova, por pre-
508 razoaveis.
Pede-se assenboras que deem to-
da a attencao para as seguintcs
fazendas :
Cortesde cambra i a de salpicos brancos e
urna de
19 exista una pequea porcSo depotassa vestidos de barra tanto brancos como.
.mcricana. chegada recentomento qno por rcs, do ultimo goslo a *".! ditos brin-
.upcriorrivalis.com a dallussia: vende- coscn, dous e tres habedos, .comatoi en-
so oor oreco razoavel. ,'* dos melhores que ha, a 6,000 rs. cas-
de cor com 5 emeia varas, tendo
No antigo deposito da cadeia 19 existo uva pequea porco depotassa vestidosgabarra tanto branec
a
M
se por preco'"" ,.,..., Va chite rnneexe a 200 rs. o covado ; corle
Deposito de cal e potassa. de ca8sachll,, 2000 2)400 rs.. e muit
No armazem da ra da Cadeia outras f.zendas de gosto por precoscommo-
.,.. i _;(. annp do : na ra do Crespo loja n. 6.
doHecife n. ia,ha muito supe- A ^ ^
rior cal de Lisboa, "
asjim como potassa
tijjauentc a precos
soaveis.
Aeencia de Edwin uaw. 'XT""T"L"" j, doagor
, de Mc.ca- Cortes de bnm trancado escuro de prp na rog
Mercurio.
"Vende-se mercurio de primeira qualida-
de : na ra da Cadeia do Recita n. 48 C, pri-
moiro andar.
Fthnestock's Vermifuge.
Vende sem New-York em casa do propie-
tario B. A. FAIINKSTOCK'S & C, e em Per-
nambuco na botica, e armazem do drogas
de Vicente Jos de Brilo na ra Cadeia n. 61.
De todas as preparacO'S, que a medicina
tem descoberto para matare expelliraslom-
brigas em qualquer idade da nossa vi Ja no-
nhuma tem obtido o poder aproimar-se na
mais insignillcante ssmelhanc com o pro-
digioso ebem reconhpcirtn medicamento de-
nominado -FAIINESTOCK'S VERMIFUCB --
Os medico, o em goral tojas as pessoas
scienlillcasdss principios cidades dos Esta-
dos-Unidos, trra classica da clvilisacSo a-
mericana.dirigem continuamente a seu au-
to', pelo orgilo da imprensa os maioros elo-
gios, como prova da sua gratido e do seu
reconhecimenlo.
Vendem-seamerrssdeferro: na *ua da
Senzalia Nova n.42.
-- Vende-se quatro escravos a saber: uina
pama de conduela que cose, cosinha bem,
engoma liso, e faz lo lo o servido de casa ;
adverle-se que nSo se vende pira o Rio, urna
preta muito prendada que at borda, faz la-
hyrintbo, marca, engoma,cose,cozinha per-
feilamente, urna outra preta por eatar gr-
vida de5 mezes, que cosinha, engoma liso,
e he compradora ; e um prelo muito fiel,
llil de Apollo n.6, armazem
aonlfcCouipanhla.acha-aecon.lanleinene puro linllO, 8 1,44o 3>00 TS, e |pnmeiro andar.
bous eorliinenloa de laixa de f*rrocoado e
batido,lanto rasa como funda,rooendasm-
ciras todaade ferro para animaes, agoa^c
dltaa para
manbosc
horlsonla
Cadeia do llecilc n
2,400.
Chegoualoja da ra do Crespo n. 6, um
1 .irm.ir mi inadeira de lodos oa ta- grande sorlimeoto de brim trancado do pu-
madellos o mais moderno,machina w |jn|io, pelos precos cima; ostes brins
I para vapor.com forta de 1 caTal" 6ao de bous g
fcr'ro e.iaohado ^
goslos.tanto paraos gamenhos,
M senos.
Aos senbores de engenho lavra-'*
dores e mais pe.-soas que tem |
escravatura, a 800 ris e 1000 p;
cada um .'! .
Na roa do Crespo n. 14, loja do Jos Kran- SJ
cisco Dias, ten^ para venderos niuilos afa- y
" 't
loa, coucos, paasadeiraa de
para caaa de pulgar,por menos prejoqueoS
de cobre, eacovenapara navios, ferro ingle*
tasto em barrascoino em arcosfolhas.etudo
por barato preco.
Arados de ferro.
Na f uniiicfin da Aurora, em S. Amaro,
veodem-se arados de ferro do iliversos
momios.
Vendem-se os verdadeiros selins in- mados cobertores de algoJo branco muito
glezos, patente, de mollae sem ella : na encorpados, fazenda de muita duracSo sen-
rua daScnzalla Nova n.42. do a 1,000 rs. os grandes, o a 800 rs. os mais S
"1
W
'i
i:
I
i
, -i :


!S
ti
Vrr, ii-m-*x> rr loe ios di 011- pequeos, assim como as mais delicadas
venatm-sereog os ue u ^ft,, rr,ncM,s ,, nmssimos pannos e no-
ro e prsta, patente mglcz: na ra vosdezenhos, sendo fazenda do ultimo gos-
da oenxalln Novan. 4'-
AGENCIA
da fundijao Low-Moor.
RA DASENZALLA NOVA N. 42.
to o cores muilo lixas, a 320 rs. oda ova-
do ; assim romo muitas outras fazendas por
diminutos precos.que de tu Jo se dar amos-
tras deixando ponlior.
A 5,000 rs. pequeos, e 5,500 rs. granlos.
Vcndem-se chapeos de sol de suda ingle-
Reste estabeleeiniento conti- Mgdesuperior qu'alidade, pelos precosaci-
na a liaver lim Completo SOrti- ma : na ra do Collegio n. 4.
ment de moendas o meias mo- Muscatel de Setubal.
1 1 ,(,;, Vende-se ciixas ile urna du/ia de gairafs
endas para cngenbo machinas do vei.j,d<.iro musratel Je Setub.l no hoioi
de apor, e taixas de ferro bat- Francisco, na.ra do Trapiche 11. 9.
d ,' i i0 t~m Vende-se urna corrento de relogio com
o ecoado de todos os tama- liasUnte peM) e (lo goslo 3 bolfflM *ie ,,lcr.
nlios, para dilo. tura com brilhantc e diamantes pequeos 'prctos, em osa de Augusto C. de AbreU, n
MoeiHlns superiores. em volla, sendo 2 iguacs e 1 maior, o 2 re- lrua j, cadeia do Recife n. 48, (.ri.nriro an-
Na |fuud:c5o do C. stn Companhia, Ingios sendo um de ouro patente suisso, e dar.
em S. Amaro, acbam-seavonda moendas oulro perfumado de dilo : na ra do Amo- Venden)-se, no armazcmde
de canna, todas de ierro, o um modelo e rim n.33, pwiieiro an lar. [;.,.. R, /matli,i0
Custruccaumuitosuperor. Na loja de madama Mauvernay i Com- Leo Reitwortliy & t ompanllia ,
-- Vende
aba peq
Ca da Inlepen
v/y Aviso ao publico.
O administrador da loja a
das seis port 18 cm frente da
igrejn da Livramento, tendo j
a vender porcao de fazenda,
bem sortida, tomou a delihe- '.|
raco de as dar por menos 5
do casto, mais barato a peca 2
do que se vende nos arma- I
zens inglezes, e a visia das 9
faz-o as e precos se conbc- j
cera a verdade. Esta I ja
e t aberta das 6 horas da
manbaa as 9 da noitr, para
assim facilitar aoscbefisde i
familias e donas de casas, a y|
vir escolber a sua satisiacSo;
vende-se a dinheiro a vista,
e nao se (ara lancamento a pessoa alguma, por nao ter
ti'-mp > de mandar receber.
Chapeos de feltro.
Vcndem-sn chapns de feltro brunos e
Pessas de chita escura a 5,5oo rs
Na ra do Crespo loja da esquina que vol-
la para a cadeia.
Cortes de cambr
ende-se chapeos linos chiuezes da panhia, no aterro da Roa-Vista n. I2,acham-
lucna, por preco commodo : na pra- se todos os objectos de toileto. 11 111 lepen lenca n 14 e 16 nhor de bom goslo p lo desi-Jar ; tambera
-- Ven tese a v.-rdadeira graxa in^leza n. se faz com todas as porfeicoes e na ultima tente ltl 17, no armaiem de James Crablr.-e Com- moda, mudos, ma.it.letes, capotinhos col- e I, ,
p.Dbi..no Recito ra da Cruz n. 43. Mm, chpeos, enfe.les de cabrea*, vestidos ,ims '%'
na ra Ha Crn >, n <>guioi 1
l\elogios de ouro de sabo.ietc, pa-
ia com salpico
branco e de cor a 4,000 e 4,5>o.
Na ra do Crespo loja da esquina que vol-
la para a cadeia.
-- Vendem-se rscadps de linho proprios
para palitos e calcas para quem psssa a fas-
ta, por 180 rs. o covado: na ra do Crespo
loja n. 6.
Lencos de -eili branco.'.
Muitos finos a 1,000 rs. cada um : na ra
do Crespo loja da esquina quevolta para a
Cadeia.
Com toque de avaria.
Cintas escuras para coerh, algodSozinho
" branco lizo e trancado.
Na ra do freiDO loja da esquina que vol-
ta para a cadeia,vendem-se pecas de ciiila pa-
ra cubera a 6,000 rs. ; ditas de algodosi-
nho lizo com 16 1|2 viras, a 1,920; ditas
trancado muito largo, com 25 varas a 4,000 e
5,000 rs.
AtlencSo.
Nn atierro da Boa-Vista loja n. 46, de I. S.
de Menores ter um grande sortimento de
diversas ferragmis o miudezas corno s jum
faccas o garlos cabo de marfin, ditas de ba-
taneo, cabo branco e preto, trinchantes cabo
do marfim, colheres de metal principe para
sdpa, ditas para cha, panellss e chaleiras
forradas de porcelana, o jnHhor que ha paia
servico de urna casa, c outras multas Terra-
gonsgrossas ; bicos, rendas, filas lisas c I11-
vradas, luvas de seda, ditas de poni ingloz
para honiem e senhors, ditas de algod.to,
oculos de armactodfl seo, capachos para sa-
la, meias muio finas parahomem eseohora,
penles de tartaruga,linhas de carretel de 200
jardas muilo finas, ditas de miada, ditas de
patente propres para bordados em fazendas
(ibas, agulhasfrancezas, em caiziohas, ditas
portuguezas, marroquins, couro de lustre,
e outras militas fazenJaSque ludo se vende
muilo barato, assim apparecaoi os fregue-
zes com dinheiro.
Vendem-so rJuas duzias de cadeiras,um
sof .le j umran l.i, urna mesa redonda, dous
consoloscom finas pedras, obra do Porto,
um guanla-louca, e um lino apparelho de
cha : no largo iio Collegio n. 6.
- VenJe-se um alambique de Derosne con-
tinuo, proprio para reslilar espirito de 40
graos com bomba de repuxo ludo novo, e
de cobre na ra do Rangel n. 5t, fab'ica efe
licores de Vitorino Francisco dos Sanios,
JJJque tambem vende a fabrica co-n poucos
jj j fundos, a dinheiro ou a prazo com boas fir-
> I mas, e uhriga-so a ensinar ao comprador a
fabricar Com perfeicSo to Retratos.
Cliegaram no ultimo navio, vin-
do de Lisboa, os relra'.os dos au-
gustos principes D.Miguel de lira-
ganca, e D Adelaide sua digna es-
posa : qualquer delles he um pri-
mor il nliiM; nao se vendem, porque
elles s o de principes, e s se p-
dem trocar, como de f.-.cto se tro-
cam, por potico dinbeiro : n 1 tua
Nova n. 17, loja do Sr Roberto ,
e na ra da Cadeia do l'ecife, loja
de livros do Sr. (ardoso Ayres.
Aos amantes da boa pitada.
No deposito da ra do Colegio n. 1, ainla
.o............ veiidei o mpe novo princeza
Na ra da Cadeia do Recife n. 1
vende-se vinhns de Bordeaux, sendo S. Ju-
lio e Chat, Laroze, e oulros muitos gene-
ros de differentes qualidades, sendo tudo o
mais superior que tem vindo a este mer-
cado.
Apparelho de carro para
4 cavallos.
Vende-se um rico apparelho pa-
ra quatro cavallos recentemente
.- Na ra das Cruzas n .29, vende-seiumi( recebido de Inglaterra : no arma-
crava parda do 26 annos, engommadeira, 1 1? 1 P 1lr
secnna, cosinhe, lava e faz renda, outra ""> de hduardo II. Wyatt, na ra
escrava
cose
dita que oogomma, cosinha, e lava, outra
dita crioula, do 20 annos, com principios de
habilidades, e urna dita da Costa,q ma, cosinha, Uva, e tem um filho moleque
do 4 a mus.
Finos chapeos de aba larga.
do Trapiche Novo 11 18.
Cera de carnauba.
No armazem de D. R. Andrade & Compa-
nhia, na ruada Cruz confronte ao cbafariz
n. 19, vende-se a mais superior cera que ha
m..u cuspeus .10 au. no mercado, ullimamento chegada, e por
Na ra Nova n. i, loja de M. A. C.aju, ha mBnus em outr, qui,5ei. parK,0.
n sonimento de chapeos de b.ftl. brancos, Em ^ Am,ro,Jani0M, fundico.ven.
rdos pretosaturde v.nlio, proprios para da de Fr,ncisco Botelno de Andra.le, exis-
um
pard
o Monteiro a cavallo, no tempo presente.
Vende-se superior feijSo muUtinho,em
te constantemente serveja em barris preta 1
branca da mais superior qualidsdo que p-
Ao JanOtsmO. anilire, bolachas linas, 800 rs. a libra, ditas
Na ra do Queimado, loja n 17, *** **>. conservas de todasu qnati-
, .^ 1 j 1 dades, mostarda em p, sal refinado, e ou-
vendem-se chapeos brancos de cas- iros muitos gneros que aqu se no men-
tor, de lormas as mais modernas cionsm. *
_i j- I VenJe-se a nova fabrica do cbocolalo
pelo diminuto preco de 9,000 rs ; homoeopathico a de toda a qutlidade, na
cortes de casimira de cores, ss mais ra das Trincheiraa n. 8, e deposito deas-
n... 1 ... -.1. n .-;, r.... sucar e charutos na mesma, e os objectos a
modernas e propnaa para lazer vontade do comprador, ,oro donotor deso
11 iforme inteiro ; cortes de eolio- retirar para lora da provincia; e avisa aos
te de gurguro de seda, de lindos ,eu* ff'"* 10 chocolata bomoeopstblro
ue h ,, tu. u UHw 1 Sliri,rem.se Jesso apiirovado e applioado
e riquissimos gOStOS por preco alimento pelos senbores doutores da ho-
commodo; assim como brins tran- moeopathia, e aosdo bom goslo haspanhol.
.,,',, u pois que lao eedo nao tem en Pernambuco
cadosde linho dequadros, padroes tae, objectos, o que boje vande por muito
inteiramentc modernos, pelo di-
minuto preco de 800 rs. a vara, e
outras muitas fazendas de goto ,
por barato preco.
Ladrilhos de marmore,
vendem-se na travessa da Madre
de Dos n. 4 c 6.
menos preco do quo at aqu : a tratar no
n i'-nio ; o vende-se a colleccllo drste Diario
inteira de 1851, e orna porefio de saceos va-
sios; e avisa aos seus devedores a virem pa-
gar-lhe seus dbitos quanto ant'S para ello
poJor farer o oiesmo. _______ _______
U '-' -' '" !i U I II [I Jl
Escravos futidos.

tente mglez.
ezes ela
das de couro branco.
more, em barricas e meias ditas ,
muito nova e de maicas bem co-
ndecidas e acreditadas; assim como
a excellente larinha de New York,
mais tuperior que a galega em
porces a vontade dos comprado-
res cujas qualidades e precos
convidum que se devam dirigir
ao armazem do becco do Goncalves
n. 4< OU ao escriptorio de l'.ostion
Rooker & CompanhU na ra do
Trapicbe n. 4K, casa que faz es-
quina para o largo do Corpo Santu
-- Vende-se um cavallo russo, de bonita
figun de bons andares : na ruado Raagel
n. 44.
-- VenJe-se muito bem feito doce de caj
secco, proprio para embarcar; assim como
o mesmo de calda, e outra qualquer quali-
dade,em Olinla,rua do Romfim casa de Ha-
noel Nunes de Mello.
Loteiia do lo de Janeiro.
Aos jo.-ono.s'ooo ris.
Na casa Feliz
- Vendem-se lonas, brinzio, brins, o de meninos e meninas, poique no mesmo
meias lonas da Russia ; no arma/em de N. esljbelecimento ach.-se uina hbil cusluroi- Snocs para montarla de scnliora.
..tobar.* Companhia, ... ru. d. ^"^'^^^ fapinha SSSP: na Arreios de erro de .e3 cavallos,
Em casa de J. Keller & ra da Cruz do Kecife n. 27, ar- Couros para coberta de carros.
Companhia, na ra da Cruz n. mazem de Crocco & Companhia. Sola de lustre.
55, ha para vender dous excel-j Oculos. 'Lonas imperiaes.
Icnlcs pi.nos fortes, e de urna das ciiegou na praca da indepeniencia, loja 1 Lotera de S. Pedro itlartyr de
tnlhnres fabricas che^ados ulti- "s- ,8 20- "ni "co sortimento ue oculos Olinda.
memores laoncas, coegauuo uiu para loJa BS vlst,St seja cnm vidros bran- ..
mmente da Europa. cosou azues, com grao ou sem grao, e rom I Aos 12:000,ooo e 0:000,000 nc rs.
armagOes de ouro, prata, tartaruga, balis,c O cautelista Salustisno de Aquino Kerrei-
do ac, a vonlaiio do comprador. |ra, avisa ao respeiiavel publico que tendo
- Chapront o Berlrand, ro lojociros, na tomado nova rosoluctoem fazer subir o pre-
piacada Independencia ns. 18 e 20, recebe- co de seus bilheles e caulolas, se obriga a
ram de Pars ricos relogios do bancas e de pagar sol) sua responsabilidade os qualro
paredo, com corda para 19 dias,locam as ho- primeiros premios grandes da referida lote-
ras o meias horas, sflo atiancados a regular ria sem os descontus dos 8 por cento do im-
perfeilamente, o os precos s5o muito mode- poslo geral,o a nica duvida est em que os
rados comparativamente a qualidade que he referidos piemios saiam nos seus bilhetes
muilo superior. que v3o rubricados com S. A. Ferrei', na-
Na praca da Ir lerendencia ns. 18 e 20, ra que os possuidores delles ou dellas sejam
vendem-se relogios americanos de supeiior promptammle embolsados. Os seusbilhe-j ,\nres ,
qualidade.e tem anda alguns com corda pa- tes e caulellas so acham a vonda as lojas do | O
ra 8 das, e todos locan compassado. costume.
Wavalhas para barba. Bilhetes inteiros.
Vendem-se navalhas para barba, as mais
superiores que tem upparecido no mercado,
pelo diminuto preco de 2,000 rs. cada urna
em estojo : na ra estrella do Rosario, tra-
vessa j)ara o Queimado, loja de miudezas n.
2 A., junto ao deposito de|p3o.
Ao senbores de engenho.
O arcano dainvencao do Dr.
Eduardo Stolle em Berlun, em-
8 ricas com medicamentos em tintura. 93 pregado as colonias nglezas e
Cada urna ser* acompanhada do um |10||andezas com grande vanta-
superior do Rio de Janeiro: rata rap he fa- .
hric- d j com todo o esmero e conserva u yendesen0 m
forca e aroma al o lim do boto, promoven-
. .MU, doadestil.caosemcausarverl.gensnenife- BJjf" e "!,,nM. ,1 \ d
sticos ecabeca- rir 011ali7.vcneg0u mes,no d-posito o *lonte-Pio, cuja I..U cheg. ate o di
.____ .11. ......?..A ..i____1. .i ii. .i a elles se querem tirar bons premios.
Tai.ras para en Na fundico de ferro de O.
VV. Bowman na ra do Brum,
pussando o cliafariz contina a
liaver um completo sortimento
de taixas de ferro fundido e ba-
tido, de 3 a 8 palmos de bocea,
as quaes achain-se a venda, por
preco commodo e com prompti-
do, embarcam-se, ou carregam-
ae em carros, sem despezas ao
comprador.
Feijo novo a 6,000 rs.
No armazem de Couveia & Dias, confron-
to a oscadinba da Alfandega.
v **#**#**.#**** **>
* Botica homeopathira.
5 28 ra das Cruzes a8
I Ha para se vender algumas caixas %
ricas com medicamentos em tintura. a>
Cada urna ser! acompanhaJa do um (>
Irasco com glbulos inertes, v o t>
9 moio dos preparar. gj
Vendem-se asseguintea semenies:
nabos,rbanos,rabanetes encarnados e bran-
cos, sebola.couve trinxuda alface ala-
mos, repulbuda,chicoria, senoulas, feij3o
carrapato de tres qualidades, ervilba torta e
direita, fava, coenlro de touceira, salea, to-
mates grandes, repoibo, couve lombarda,
saboia, o muslarda : na ra da Cruz n. 46,
defronte do Sr. doulor Cosme.
Farinha de mandioca a 1,600 rs. a
sscca
No armazem de J. J. Tssso Jnior: na ra
do Amorim n. 35.
Deposito de panno de algodo da
fabrica de Todos os dantos da
Baha.
1 Vende-se o bem conhecido pan-
no de algodo da Babia, proprio
para saceos e roupa de escravos,
a vontade do comprador assim
como o de algodo da mesma fa-
brica .* no escriptorio de Novaes
6 Companhia, na ra do Trapi-
che n. 34.
Vende-se gcllo, a qualquer hora do dia,
no deposito da ra da Seuzalla Velba n.
118, ou na ra do Trapicbe n. 8.
Cal virgem.
Vende-se cal de Lisboa a mais ora do
mercado: na ru. do Vigario n. 19, primei-
an Jar, escriptorio de T. de Aquino Kooseca
fc 'liiin, ouua ra do Trapicbe, amazem de
Antonio Augusto da Kooseca.
Arados americanos, ehegados dos Es-
tados-Unidos; na ru do Trapiche n. 8.
toa Ja ru. .lo Quoimndo n 30,
a4;
muito superior rap areia pela do Rio de 'quere.ii tirar bpns p
Janeiro, o qu-l se vende em libra a 1,000 rs. Vende-se um deposito do assucar mu-
e em ponto de 5 libras par. cima a 900 rs. o rregueado, o qual se vende por seu do-
, s *\ no so achar doente e querer relirsr-se:a
Aviso aos rapazes do hom tom.
Na loja do miudezas da ra do Colegio n.
1, vendem-se correntes do ouro francez obra
tratar na ra da Concordia n. 4.
Vendem-se, no armazem de
i.....'i'i" p, ,, ... ,
muito lina e o preco s se diz o compra-1 Eduardo II. Wyatt, ni ra UO
Trapiche Novo n. 18 os seguin
tes artigos :
_Seiins e chicotes inglezes.
Tapetes para carros.
dor, linhas muito linas parn labyrintho, ba-
bados de linho do Porto,de todas as largu-
ras, jarros lo flores do cjra, tuJo por preco
muito commodo.
w U abaixo assignado vende O t
X o seu eneenno santa Mana, x
v & O de vinho.
ha pouco levantado, naco- ela.i .ir. :_:_j
X r i i X Salvas de metal lino imitando
t-. marca do Cabo, o qual di- Q
O i l cu- prata.
X vide com os engennos 3ibi- 7 u: j __i. i ..
., ,, ., : Meias de al^odao para senliora.
ero de banta Cruz-Ciichoeira, >! ,-r i. .
, -. ,, T Linhas de algodo em novellos.
G Uueltiz, e Laipio, hede boas O fi ,, ._ .
v ^ n Lamisas de meia em cartoes de i
5 matlas, trras de muita pro- J .
Quartos.
Uuintos.
Decimos.
I Vigsimos.
13,000
6,5(10
3,300
2,700
1,500
700
600,000
gem para omelhoramento do as-
sucar, acha-se a venda em latus
de lo libras, junto com o metho-
do de empreg-t-lo no idioma por-
tuguez : em casa de N. O. Hieber
& Companhia, na ra da Cruz
'4.
Vendem-se remos de laia ,
oleo de linhaca em botijas barri-
cas com cimento e as tinas, a von-
tade dos compradores : no arma-
zem com taboas de pinho, atrs do
theatro velho, ou a tratar com Joa-
quina Lopes de Almeida, caixeiro
do Sr. Joo Watbeus.
Vondem-so pelo diminuto preco do 80#
ris os ulencilios de urna padaria sita no lu-
gar de Santo Amaro, com bom Torno; ou
aluga-se a mesma, fazondo-se todo o nego-
cio : a fallar na ra do Mondego n. 29, ou na
ra de Hurlas ii. 18.
Vendem-se queijos de prato o londri-
dos muilo frescaes, seiras com figos de 1 2 e
8 libras muito novas hcelas com 4 li-
bras de tmaras, enocolate canell. muito
bom, latas com orvilhas, ditas com sardi-
nhas, conservas, latas com verduras, e favas
de Lisboa, ludo de superior qualidade: na
ra da Cruz n. 46, defronto do senhor Dr.
Cosme.
-- Na loja de miudezas, de francisco Joa-
quim Duarte, na ra do Cabug, vende-se
urna porcao ue livros sobre litleralura, an-
da navos, e por precos cmninodos.
__Vendem-se actas Ja extincla compa-
nhia de l'ernambuco e Caramba : na ruada
Cadeia do Hocile n. 48, primeiroandar.
- Vende-se urna escrava,crioula.de 25 an-
nos de elegante li.-ura, tobusta e velo do
matto para vender-se por prccisSo : na ra
a i < i/ l < i lli'i-ii n 30, primeiro enlardas
8 horas da manha t as 3 da larde do todos
os dias uteis.
O bom nostoaqui parou.
Vendem-se os apreciaveis fruclos ehega-
dos de Lisboa na barca l.igeira, a saber : fi-
gos de comadre, ameixas muito graudas.pe-
r.s, notes e uvas, queijos muito bons de
coalba, ditos las libas,hollandezes n france-
zes, o Utas com sardinhas de conserv, n
fructas de conserva,vinhos velhos pinga p-
tima para o campo; assim como se vendem
estaadores a retalho e em porcSo, e oulros
muios objectos por monos preco do queem
oulra qualquer parte: na ra estreita du
Rosario n. 11, que faz quina para a ra do
Fogo.
Vonde-se urna osa de pedra e cal no
Becco do Quiabu nos Afngados, com dous
quartos, cosinha, bom quintal, em chSos
proprios, e com terreno para se fazer oulra,
por preco commodo : quem a pretender,
dirij.-se a ra Augusta n. 16, que se dir
queui vende,
Cupachos com abertura.
Vendem se capachos com abertura: na ra
da Cadeia do Recife n. 48, primeiro auj.r.
Tapetes de e*p.irto.
Vendem-se na ra da Cadeia do Recife n.
48, primeiro andar.
Casa feliz,
Na piara da Independencia n. 36.
Ocautelisla da cara cima faz sciente ao
respeiiavel publico, que na sua casa existe
um completo sortimento de cautelas da lo
teiia do ItosarioJa Roa Vista, cujasrodas
nn.liir.io iiMivolmente no da 4 de dezem-
bro futuro; e que nas lojas do Srs. Vioira,
e na ra da Caueia do Recife, e CuimarSea
no Aterro da Boa Vista, In o mesmo sorti-
mento dafmesmas cautelas.
Hicas pataliva*.
e ja demrcalo ; q
O igualmente vende, se assim >
,6;::::ooojgTvieraoco,np,ad,or'loil.a S
3:ooo,ooo q a lavoiira; esta venda se ef- q
i-aooool? fectUa Para pagamento do t>
n O credor e bypotbecario do
,';-j dilo engenlio, Jos Marques
da Costa Sosre9 : quem o rj
O pretender, dirija-se ao dito 9
Q engenho, ouaoreferHo ere- q
0 dor. Engenho de Santa Ma
O ria i5de novembrodc i852. O
2 Thomaz Marques da Cos- 2
0 ta Soares. q
QOOOOOOOOO oooooo
Vende-so urna chapa quadrada par.
fogo, com oilo buracos a porta, e um forno,
ludo de ferro ; um c.no de cobre de espedir
fumaca, dus bandas de caixilhns para por-
ta, um carrinho de mSo, e urna libr em hum
uso, para um pagem, que tmha oito a nove
annos de idade : na ra da Praia n 39, segun-
do andar.
Vende-se um bom quarlo,
e estiadeiro de baixo a meto : no
aterro da Boa-Vista, loja n \(>.
-- Vende-so cera de carnauba desupoiior
qualidade : na ra da Madre do Dos, loja
n. 31.
- Vcndo-se urna preta da Cesta, de 40 an-
nos de idadn, por 200,000 rs., por precisar
de u.ii pequi-no curativo, ho muilo boa ven-
dedora, cosinha e lava .- na ra do Uollegio
n. 20, primeiro andar, se dir quem vende.
I'i'cliin lia para a Ceta.
Na loja do aterro da Uoa-Viita n. 78, ven-
dem-se sapalis virados de couro de lustre
francez para liumcm, pelo diminuto preco
de 800 rs. o par; peles rior qualidade, o Imillas para s.palus por
muito commodo pretil.
--Vendem-se 4. s tjvos, sendo I preta de
servico de ca.sa e BiUllO boa quitanleira, t
liu lo pardo Je 18 annus excellente pagem, I
prelo crioul do muilo bu* condut., o l!
mulequo de 14 annos : na ra .-streiti Jo lio-',
No dia 22 do correle desapparec-u da
__ Vpnol.sp farinha di Hall i- vllladoCabooescravoSalvador.de ih.hi-
1 nosde ida le, imberbe,bem preto.com al-
guns panmis polo pesenco, urna cicatriz em
um do lado do queno, outra dita n. tosta;
de bom corpo e eslaiura, cbelo cortado,
ps grandes, bem parecido, fi.ho da provin-
cia do P.r, e comprado nesla prac,a a An-
tonio Jos Vieira de Souza, portiiguez nego-
ciante de escravos,morador na ra dos Quar-
leis, por autnrisacJo de seu senhor Vicente
Mendos Wandcrley: roga-se as autoridades
policiaes, capitSes de campo, o qualquer pes-
soa que o encontrar o levem nesta praca a
Jos RoJrigues Kerreira, co-n loja do ferra-
gens na ra do Queimado, e naquella villa
a seu Sr. Dr. Manoel Firminode Mello, juiz
muoicipal e orfSus d.quella comarca, q^e
generosamente recompensara.
Desappareceu no dia 15 do crrante um
negro do uome Luiz, do gentio de Angola,
com idade de 40 annos, pouro mais ou mo-
nos, baixo, de bom corpo.bem barbado,com
marca de bexigas no roslo.lem marcas bran-
cas de queimadura em urna mo, lea* cica -
trizos nasna legas de acoule^que tem levado,
he ladiuo, e sabe distilar a gurdente ; levou
camisa e ceroula de i auno de algodSo, cha-
peo fino Velho, e haU encarnaja : quem
orender dito negro sera bem gratificsJo pe-
lo seu proprielario, o bni.. .saig.i.Uu.
Jos Caetano l'ereira de Quei-oz.
li i primeiro ue setemhro para c con-
tinu'a andar fgida a escrava Maria, crioula,
balsa, grossa Jo cor, o, cara larga, algoma
cousa feiosa, seoslas curiadas .lerelhoja
antigo, pos grandes e apalheta los, ha noti-
cia quo ella anda nesla prac* at a empina
do Raib.lho, o acoutada oor alguem.- roga-
se ss autoridades policiaes e capules de
campo a prenJam e levem-na a ra da Ma-
dre de Dos, loja o. 7,quesr3o bem recom-
pensados.
Desappareceu no dia 19 de novembro,
urna negra da Costa, de none Dellina, sen-
do alta e serca do corpo, olhos gran les, e
com algumas impingens nos pes, a qual re-
presenta lar 35 a 40 annos; levou vesti lo
de chita com assento branco e lisiras ama-
relias, panno da Cos., azul, e um flandres
novo com azeite de carrapato : quem a pe-
gar leve a a ra do Trapiche, armazem de
assucar n. 24, q se ser recompensado de
seu trnbalbo.
GratificacSo de 100,000
Contina a estar fgida a preta /Blinda-
je ; fui vista na ra do Rosario, dizendo que
eslava em um engenho, e queosenhurdo
engenho Ihe promelteu que a comprava,que
ella nSo timase cuidado que ella mandava
pessoa coni o dinheiro para a comprar, e at
o presente c nflo appareceu ninguem, sen-
do que o dito senhor queira comprar, diri-
ja-sea ruada Cruz n. 35, a fallar com sua
senhora ; a preta tem os signaes seguales :
estatura regulsr,tem falta de denles oa fren-
te, marcas de panno no rosto, cor nSo mui-
to prela, muito prosista : roga-se portanto
asautorididespolici.es e capitSes de cam-
po a aua captura, ainJa mesmo ella dizendo
que M.'m esta fgida, e a levem a sua senho-
ra na ra Ja Cruz n. 35, que serflo recom-
pensados com a quantia cima prometuda.
Desappareceu 00 dia 17 de novembro,
o escravo,crioulo, de nome Manoel, tem 26
annos, mas reprsenla ter mais de 30, alto,
cheio do corpo, sem barba, feices regula-
res, com falta de denles queixaes, oos da
frente falta-lho um taco pequeo em um
delles, tem os ps torios para dentro, qnau-
do anda cambaleiao corpo que pareceser
cambado, he bem fallante, tom aralegre.faz
qualquer serviQo de cosinha, sabe tratar de
cavallos, tem por costume fezer tranca pira
chaieos.faz vassouras, e en lim todo o servi-
ro domestico de qoalquer cas.; levou rou-
pa (que sa sabe) seguidle : calca Je algo-
dSo da torra ecamisa de algo 13o de lislras
azues, estou j usadas, camisas de majj.po-
13o, duas calcas sendo urna de setineta bran-
ca e 1 utra de bnm lino de lislras, tudo en-
gommado, he de suppr que esleja servindo
em alguma casa como forro, no caso de as-
sim ser, a pessoa que se esliver servindo
delle em boa f queira denuncia-lo, do con-
Irario usarei dos meios que a lei faculta em
casos taes : toga-seas autoridades policiaca
captura Jodii, e empegam a sahida da
,'oviucia ; e tambem aos capitSes de cam
po ,'mi a qualquer pessoa o f.o.in prender,
pelo'quo recompensara generosamente seu
eiih'". morador na ra do Cabug.
Antonio Rodrigues da Gnu.
.Desappareceu no dia 6 de
novembro corrente o prelo Sabi-
duza.
Iicnda e bicos de a'godo.
Chapeos de sol de seda, paro ho-
niem e senhora
Pannos de 13a, finos e entrefinos.
i.on s c brins a imitaco dos da
Russia.
Candieiros Irancezes, candelabros
e lampeoes bronzeados*
Estojos com faca e garlos de folhas
prateadus, e. colheres, proprios
para presentes. <
lstojos com pertcnecs para barba
Vinho de Xeres e Porto, em quar-
tolas.
lampas de metal lino para cobrir
pratos.
Bataneas para pesir cartas.
Livros e tinta para copiar cartas
Lacre prelo e encarnado, lapis e
mais pe taires para escriptorio.
Um completo sortimento de ferra-
gens e entelaras.
Aos sapateiros.
Vende-se urna porcSo de meios desoa
pelo diminuto preco de 2/700 rs. cada hum:
na ra Direila n. 63.
Oh que cousa bella !
Vendo-sea boa marmelada chegada pr-
xima mente de Lisboa: na ra estreila do Ro-
sario n. II.
Perfumaras inglezas muito em
conta.
Vendem-se na loja de sapatos da ra da pu-, de na cao Congo, idaite pouco
Cadeia Velha n 9.
I echaduras para portas
V1-1 !, :i-s superiores Ico induras pten-
los inglezas, caJa um. coiu suas chaves Ju
mol. : nu armazem de Eduardo II. Wi.ll, na
ra Jo Trapiche .Vovo n. 18.
tjr
De superiur qu*liJade,em barricas peque-
as : vende-se no arm./.em Je K. II. Wy.li,
sirio n. 28, segundo anJar. ., ,-, .,..,,,
--Vende se_ a posse de um lerreuo, em t na ru. do Trapiche Novo 11. 18.
A 200 rs. Cada um
Vendem-se a 2,000 e a I.Oa** rs., rxcellen- que esi.-so eJiiicando' um sohraJintio de
tes patativas chegadas da Pa rali ib. j man-? um .n Jar no pateo J. Santa Cruz, defronte
sas, e cantadoras, o um s.bi manso e cao-, da lorre; quem pretender dirij.-se a ru.
tador por 3,000 rs. : na ru. da Cruz, venda'Real, do Manguino, 11. 51. pa.ria de Joflo
defroute do becco da lingoela. I Antonio Carpinteiro da Silva.
Vendem-se na ra do Collegio 11. I, linis-
simas abotoaduras par. collrte, pelo liara-
lisaimo preco de 200 ra.: quem as vir no
Jeixa de as somprar.
mais ou menos 28 annos, magro ,
alto, e tem um talho no rosto se-
ineibante a urna meia la ; levou
can. isa de algodo da Babij, c cal-
ca de riscado azul de lislra larga :
quemo pcgtr, leve-o a ruu da Sen-
zalli Velha, armazem n. i44>%
na Passagein no aillo de Delfino
l.o icalves Preir 'lima, quesera
recompensado do seu trabalho.
f '
I'krs : TvP. U M f. t<% Katu. 1852-
MUTILADO
ILEGVEL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EDWWHGOUV_RIVLJ1 INGEST_TIME 2013-03-29T16:08:33Z PACKAGE AA00011611_03115
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES