Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03094


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno XXV11I
DIARIO
msoo a jtmoniKjlo.
Piwamo Aduktido.
im, trimestre ....i.........V3S
Por semeitre .... B/OOC
Por anao...... I .....MWM
PiaODINTBO DOTBIMBBTBB.
Por qaartel.............4fiO0
OTICI AS DO IMPERIO.
Pari.... -i deOutbr. Mina. -. 8 de Setbr.
Hirinhio. 5 de dito S. Piulo. I ilr":iil.i
Cear.... de dilo R. deJ.. 56 dedilo
Parahiba 3odedilo Babia... 1 de dilo
BIA.I.A aBMAMA. AUBlEWClA .
8Seg. Nlcoitrato. i JuMOit Orpktt ,
Te ir. Utdlcacao da3,e5. 10 hora i.
Masille*do Silvidorl I,, tara incivil.
lOQuart. Andr Avrl-,3, c 6, ao mcio-dl.
lino.
II Quii.. Marllnho.
U Seal. S. I.rvino.
|3Sab. S. Zeblna.
H Dora- 2*. O Patro-
cinio daSS. VlrRrni|Terf
fornido .
]. eS. l 'ior.ii.
2. va > eivel.
4. eaab | aao melod.
iV
lroo.
tbadoa.
BBHBBBBUBBB.
NlngoanteiS, a I-hora e 18 minutos da m.
Hora 11, ai ) hora e J minuto, da urde.
(JrMecate a 18, aos 9 minuto datarde.
Chela a 26, ai 4 horas-/.' mi autos da larde.
Prlmclr I hora e 18 minutoida larde.
Segunda i
hora e 41 minutos da maahaa.
Oo ni e Parahlba
ra.
RlaVCiande-do-Borte
Irai
Ro Ito.Carusrn.e Oaraahuai do l'e 15 decad
a*l e,0urlcurv,Exu e Bo-VLta l3 e 4
01 da, todoaoa dias,
To la os Correioa parteraaomele-dla.
PARTE OFHCIAL.
MINISTERIO DA JUSTICA.
Por decretos ta 15 do crranlo mez de ou
tubro foram apresentados:
uconego Placido Antonio da Silva Santos JqUe> Fernn
guoiredo Rocha, JoSo d Gaoia Hamos Art. t.'Sua .|ttde o Imper.dor do
Rentes, Anloi.io dos Santos Vasques. Brasil e a Repblica do Poru, desojando
piimeiros lenlos Francisco Antonio dt promover respectivamente a navegaco do
Rosa llemeterio Jos Volloso daSilveira, rio Amazonas e seus confluentes por hircos
Joeuuiui Goularte da Silva, JoSo Marinlio de vapor, que assegurando a exportarlo
Csvalcintl de Albiiquerqne, Manoel Ferrei- ; dos immensos productos dessas vastas ro-
r's de Almeida, Manoel de Mello e Alhuquer-.gioes, concorra para augmentar o numero
ndo Antonio Villovy Sayao, Sal- de seus habitantes
e civilisar as tribus sel-
de Flores.
O padre Manoel Vicente de Araujo, n fre-
guezia de N. S. da Penha, da povoaco lia
Taquera.
O padre Cesario Claudiano de Oliveira e
Araujo, na freguezia dos Milagres, ltima-
mente creada na provincia do Cear
O padre Bento Jos de Barros Meodonca,
na freguezia de N. Seohoru da ConceicSo
da villa do Inga, na provincia da Para-
hiba.
O padre Manoel Cordeiro da Cruz, na fre-
guezia d N. S. da Guia dos Palos, na mesma
provincia.
Foram reformados nos mesmos poslos :
O lenentc-cotonel comroandanln do ex-
tinto 2." batallio de infantina da guarda
nacional da capital da proviucia de S. C i ma-
rine, Laurimo Antonio de Amlrade.
Omajor'do exlinclo batlh3o de arlilha-
ria da guarda nacional da mesm capital,
Luiz de Souz Fagundes.
O major do exmelo t. halalhSn da guar-
da nacional da mesma capital Antonio Lo-
pes da Silva.
Por decreto de 12 de outubro correnta fo-
rtn exonerados dos cargos de abefel do po-
lica :
Da provincia de Sergipe, ojuiz dcdireito
Aolonio Joaquiin da Silva Gomes.
Da provincia do Rio Grande no Norte, o
juiz de direilo Lourenco Jos di Silva San-
tiago.
10 am nomeados:
Chefe de polica da provincia do Sergipe,
o juiz de direito da capital do Rio Grande
do Norte Lourenco Jos da Silva Santiago.
Cuelo de polica da provincia do Rio Gran-
do do Norte, o juiz Ue direilo da comarca
d'Anadia da provincia das Alagoas, llercu-
lano Antonio Pereira da Gunlia.
Foi removido o juiz de direito JoSo Pau-
lo de Miranda da comarcado PaodeAlho,
em Pernambuco, para a da capital do Rio
Grande do Nono, por assim o ter pedido.
Por decreto de 21 do dilo tnez foram apo-
sentados.
11 |.,,.1... K.!.... HM ">"! '"' "'"
beneliciode prebenda pcrsbytoral da cstne-
draldo.MaranliSo.
O padre Hernardino Corris de Mello, na
freguezia de N S. da Victoria da Conquista,
do arcebispado da Ralua.
Por decreto de 22 do mesmo me/.
Passou a ter exercicio na relicto da Ra-
bia o desembargados Francisco Mana, do
Freitas Albuqucrquo
Foram nome
Da relacao da
Antonio de Vas
Da relacSodo
Francisco de l'au
Foaam remov
O Juiz de direi
da cmara do
Albo, emPerna
O juiz de di
Cosa da comarca
moeiro, na dita
MINISTERIO DA GUERRA.
/7e/ac3o doi itficiae* da lerceiraclasse doexer-
rilo reformadul por dterelo dcsta dula.
Krigadeiro Francisco Cirios de Miraes.
Ditos graduados barSn de Cajuba o Joa-
qun) Alborto do Souza da Silve.ira.
Tenentes-coroneis Antouio Pedro de Sa
Minino, francisco iln Piula de Miranda
Chaves, o Tnoodoro do Maredo Sudr
Ditos graduados Jo3o Frederico Weke-
nhagem, Jos Mara de S Brrelo, Podro
llorgesde Faria, e Francisco Antooio lou-
rinho.
Majores Francisco de Almeida Varclla,
JoSo Evingelisla dn Sou/.a Guerra, Ignacio
de Sequeira Lego Silva e Cruz, Joaquim da
Costa Pinheiro, e Joaquim da Souz Gui-
marSes Canana.
Hilos graduados Jos Francisco do Piula
Cavalcanti, AlTonso de Albuquerqua e Mello,
Nicolao Carneir.o da Rocha, eJoao Jos de
Alhuquerque da Camira.
CepilSes Antonio Joaqun) de Faria Pi-
nheiro, Antonio da Terra Pereira, Bernardo
da Silva e Almeida, Rraz do Souza Di.S e
Moura, Felippe Marques dos Santos. Flau-
biano Jos Saldanho, Francisco de Paula
Pereira de Andrade, Francisco Joaquim B,
cellar, Jos Vleme Cordeiro, Joso Antonio o, appro
Tavares, JoSo Francisco do Reg Brrelo- *'
JoSo Jos Comes, JoSo Ribeiro Pessiia de
Lacerda, Jlcintlio Cordeiro de Freitas, D.
Joaquim Maria Paulo da Silvciri, Joaquim
Jos da Faria Neves, Joaquim Jos da Gunlia
Jnior, Manoel Gutierres Alexamlnnn, Mi-
noel Ignacio d Rairus Paim, Jos Mana
II Tedia, Manoel Migue! Ayres Pereira, Vasco
Jos da Silveira, Joo Ho'iiem Cuedes Por-
11;ii. Theodoro Maooel Portal, Anionio Jos
Ferreira, Jos Pereira de Lima Velasco, Can-
dido Jos da Cruz, FlO'duar.lo Eloy de Me-
deiros, Pedro Jos Pereira, Carlos Augusto
Rosauro, Jos Alvos Pimentel, Gaspir Va-
lente Cordeiro, Carlos Antonio Petra do
Barros, Jos de Mello Pacheco de Rezende,
Alberto Jos de Mello, Antonio Dirnellas
Cmara, Joaquim Jos .ios Santos, Anacido
Lopes de Sanl'Anna, SimSn Antonio Alves,
Jos Antonio Marinho de Queiroz", Antonio
Fredorico Colonna, Oliverio Jos Oniz da
Motta, Cypriano Gonrjalvea Ribeiro, Joaquim
Minoel Correa Vasques, Francisco de Paula
do Alhuquerque Grillo, Jos Albino Wan-
derlev, Jos Venancio Canlilicn, l'.lemciili-
i.o Antonio Delgado, Hermenegildo Macha
do do Nascimento, Manoel Lopes Maciel,
Inii Garlos Augusto Roriime, Joaquim An-, cam em tudo igualados.
nesdl, F.nsec,,Josd, Corta Rarros.Josl Art. 2."Conhcendo.saltaspart?scon.r.-
lYem de, t,amargo,lu.slin,.no Luiz de Arau- | tantas quanlo s3o dispend.usas as empran
Thonaz Esleves do Nascimento, oroar Jo
Jos da Graca, Jos Xavier Pereira de Biiln,
Vindiano de Souza Brochado, Luiz Jorony-
mo Ignacio dos Santos, Antonio do Hotlau-
da Cavalcanli, e Jos Feliciano Pinto Ban-
deira.
Tenenles secretarios Antonio di Silva
nao bailar de vinlo mil pesos aunualmen
te por cada urna das altas parts contraan-
los ; pudendo urna augmentar aquella quan-
lia, se assim convier aos seus inleresses
particulares, sem que a oulra parte seja
obrigada a contribuir com igual augmento.
Em artigo* separados sei3o declaradas as
Fres, Augusto Jos Pupe.e Antonio da Cos- condicoes que deverSo aujeilar-se ..sem-
ta Colho l'rezarios em retribuirlo das vantagens que
sgundos-tenentcs BermrJo Pereira do'lhesflo concedidas.
IllTIlll OI OOBBIIOf.
sexuadas f < textai-
Vletorlaas qntata
rOTioiAS TBaaoiiais.
Portugal i.. deOutbr. Austria;. 3 deOulbr,
Heipanba : de dito jSuiaia.... de dito.
Siie,i.i.. 28deSelbr.
Inglaterra 8 de Outbr.
E.-Unidoi 25deSctbr.
Mxico... U de dito
Califoraia 'Me dilo
Dinamarca e de Selbr'Chlll. 'n de dito
Rnasia... 50 de dito Ruenoa-A. '8deSeibr-
Turqua. 26 de dito JMontevIdoo 5 de dilo
Franca.. 8 de dito
Blgica. 4 de dito
talla..:: 3 dedito
Alemanlia. 3de dito
Pruaaia .'dedito
oambiob nin jrrvruBRO
Sobre Londres,a 28 ',-, por i/uoo 4.
i Parla, X (i
> Lisboa, '.'.'i por canto.
arun
Ouro.Oncas heipaoholai.7...."...' 1MH*
lloedaa de 6/400 velhas........ 16/uCO
. .le liMlllliiova.........lD/OOll
deVOOO............... g
Prata___Pataeoeabraiileiroa.......... I/
Peaoicolumnarloa.. ...... ,Srin
Ditos rueilcanoa.............. 'tm
e faze-la cumprir e observar por quil-
qfcr modo que possa ser.
:m testemunho e firmeza do que flzemos
sara presente cari por nos assignada,
jada com o sello grande das armas do
perio, e referendada pelo nosso ministro
lecretario de eslado abaxo sssignado.
da no palacio do Rio de Janeiro aos 18
mercadoriis,, d i do mez de margo do 1852.
(L. S.) PEDRO, Imperador (com guarda).
Paufi'Hd yosc Soarts dcSnuza.
Nos o Imperador constitucional e defen-
perpetuo do Brasil, etc., fazemos saber
idososqua aprsente carta de cunlir-
maco, approva'jao e ratificaQSo virem, qae
os 23 dias do mez do outubro de 1851 se
ajustaran! e assignaram na cidade da Lima,
por parte dos pleninolenciarios do Brasil e
di Repblica (Jo Per, munidos dos necessi-
rios plenos poderes, quatro arligos separa-
dos relativos a urna ronvencSo celebrada o
assignada na mesma data pelos ditos pleni-
potenciarios os quaes sio do llicor se-
gu nte :
Arligos separados.
Psra msior exnlicacjo do expressado no
art. 2 da convenci firmada ueste dia, non-
vm as altas partes contratantes nos artigo*
seguintes:
Art. 1." Os empresarios da nsegc.oi por
vapor, deque trata o art. 2 oV0nveii(;3(i
celebrada n-sta data, deverSo sajeltar-se hs
seguintes conliedes:
1.a Noprimeiro anno farSo os hircos de
positiva deque suasinstilaicoes sariim res
peitadas porque o general em chefe do exer-
Cito silla lo libertador Ion |n feto ilesnpp.l-
rererdascena publica D. Juan Manuel de
Rosas quera deiisr o povo, a quem para
np|ir ni i.i, ein completa de libordade elle
dlspr de seus deslinns.
Elle que profera taes palsvras, n.lo era
credor do titulo sublimo libertador da pa-
tria?
NSo se devi esperar que a repblica en-
trasse nu verdadeiru gozo de seus direitos,
que cesssssa para sempre a divis.lo e a dis-, .
corduquando so proclamava osquecimon-( me. Citaremos duas das suas dispusieres
lo geni de todos os aggravos, fus3o e fra-| para prova-lo.
ternidaile de todos os partidos ? A flscilisacSo das rendas do estado sta-
^Igg^MBBgpBBBBBBBBBMaBii^tWliSWSlIBRT^SBBWS^^PWS
primento exacto do sublime programm
iniciado no I*da maio.
Urna questSo linanceirt motivou de novo
a i.'iims-.'i.i do Dr. Lpez
O director proviioiio nomeou o general Ur-
quiza gobernador da provincia de Buenos-
Ayres. O seu minislerio compunha-ss,'do
h Pena, ministro da relacOes exlerioaes da
i'.onie l'Tar.io Argentina,e dos seus Minaos
maiores
Duranleasua permanencia no govnrnn
"slurcoii so por demonstrar que os princi-
pios de fusSoque proclamava eras em no-
Ceilamente.
Mas pouc'o tempo durou osla illusiTo.
Daqui ri'ini'i;.i a denogrir-so a historia do!
libertador,
N3o us propomos piular esso deshonro
so quadroem toda a sua extencSo, mas ci-
taremos os principaes acoiiteciipentos.
A 21 de favereiro, poneos dias depois do
Iriumpho, tl o general Urquiza urna pro-
clama(3u que por si s Instara para de-
monstrar au mundo lOteiro que alo so po-
jdiam abrigar Ideal lisa naquelle quo di-
riga essas pilavras aos seus compatriotas.
Em nomo do uula mniitirosa fusSu m-ultn-
va o partido chamado Unitario o quavolta-
vi sua patria depois de longos anuos de
pcregrinar;no hallucinido comas palavras
du vence lor.
Essa proclamacSo, symbolo do despotis-
mo, mandou usar novamente da Illa ver-
ni'Hi'i, libro quo iiiits sido pisada aos pea
no dia saguinlo ao da balalha.
*j^j2^js^ ,lrro::r;:zs::zi:g=^ --
jo, JoSo Pedro Soares de Alhuquerque. Jua- lindo os mesmos principios, quitorem
quim Raymundo Pereira de Souza, Jos An- I mar parte na empieza com as mesmas con
tonio da Araujo, Jos de Barros Civalcanti, dicoes, contriDuiro tambom para ellicom
l.uizAuguslo da Silva Muniz e Abreu, Ma- algumi quota pecuniaria,
noel Nepumucen Pereira, SebasliSo Jos Art. 3 Ambas asaltss paites contra-
jo llego Barreto, Augusto Manoel Woolf, tsntes se obrigam a entregar mutuamente
Antonio Pereira dos Sanios, .Antonio Cae- os incendiarios, piratas, assassinos, ileivo-
tao da Silva Kelly sos, filsilicidores de letras de cambio, es-
Alforos' Antonio Manoel de Almeida Bran- cripluras ou moedas, fallidos fraudulentos,
d3o Alexandre Rodrigues Siraiva, Anlonio thesoureiros ou depositarios pblicos, e
Uori'leirode Azovedo Barros, Antonio Can- outros reos deenmes atrozes, quando se-
"* nacao
ilicado
lidu do Souz. Bernardo Lopes Duro. Car- |m reclamados pelo governo de.uma
.01 Augusto Ferreira da Cutina, Antonio ao d outra, acompanhando um cerli
Hernardino dos Res. Francisco Ignacio aulhenlico da sootenca dehnitiva dad con- do governo e do correio, o s
j __ ^ a a___.*__L_^ j- ^ I ^^ i nilsiiitil /Va 14111 r^Affl Ra.____ i_____.^^ Kaiph;) ? i. mu .
yuarlim, Euzebio Jos Goman, Felisberto t" os reos pelo tribunil ou juiz compe-
Ferreifi Borges, Francisco Jos do Alvareii- lente. .,.,.
l-i, Francisco Jos de Souza Alves. francis- Sm ombargo, ainJa antes de pronuncia-
codos Sanios BolcHo, Goilherme de Oliveira daasentenca defmiliv, urna das duas ai-
Villas Roas, Ignacio Jos da Faria Athaido, tas partes contratantes podera pedir a ouar
j,aqu.n Bernardos Csrdoso, Jos Anlonio a pns3o de qualquer dos reos dos indicados
Falcao, Jos Ferreira Ribeiro Bilancourt.Jo- deliclos, e so acceder a esta requ.sic.io
dSouza CoIIio, Jos Victorino Pereira sempre quese apiesenlem provaslaes, que a
Coelho. JoSo Estanislao toares, JloMsrtlns Julio dos tnhunaes da meso em que se
la Moura, Lcopoldino Venancio Honorato da actor o roo possam dar lugar a que se ur.ie
Uosla, Luduvico Ennio lloaem da Cosa, ne a sua prisflo, hom entendido quo n.To po-
dar permanecer preso por mais de um ni-
o, nadado n oiiai sea posto em libcrdajlo,
tradicSo quandO seliaja proferido a seBlen-
ci condemnatoria. Os gasios da pns3o e
extradicSo serSo pagos pelos estados que os
solicite.
Ait. *." Asaltas partes contrtlantes, l-
circuuistancia de se-
uma longinqua edeser
Cos..
Luiz da Franca Bazerra, M.noel Joaquim da
i_____:TX... ,1--.--.. I... .la OIidup-, U.nnol
Luiz Rorges, QaiilUliaiiu ireniiutr ua an-
va, Vicente Kerrer de Almeida, Joaquim Cy-
rillo Narv, Juquim Josc Pereira Vianna.
Joaquim Pereira Xavier do Oliveira, Rolrigo
Lopes da Cunta M nezes, Sebasliao Anlonio
da Bullidas l.e.r.c.Silverio iNazianzeno Fran-
ca
c, Joso da Silva Alhuquerque, Luiz da lio- tenJendo a peculiar <
Ha M.zarcm. AntoniodeMor.es Pimenlel, rero l.uutro.hes por u
"edro Carlos d Gama Lobo Pita, Antonio la fronleira aonde ten.
r3o seis viagens pelo menos. Quando este
vi conliada au Dr. D. Francisco do ls Cr-
reras, actual riiiislro da fazenda, homem
de reconhecido patriotismo, de ideas puras
do sen ti me n los nobres ; porm S. Exc. con-
siderou-o prejudicial a patria e destituio do
!seu emprego, pfir ter notado que preten-
da difundir no paiz ideas anarchicaae con-
trarias a ordem. > Deixamos ao arbitrio dos
Initores julgir por si mesmos os escriptos
do Dr. Carreras queem diversas uccasies
temos publicado neslo diario,
A oulra iiiio no menos digna de tnencio.
nai pela arbilrariedade que se Ihe nota.
Noma-se o Sr. D. Juan Bautista Pena
membro de urna cjmmissSq encarregida
de liquidar as contas do erario. Recusa es-
te seuhor a honra que se Ine faz, allegando
para issn o mao estado da sua Siude.
E o que se Ine responde ?
*de setmbrode 1852.
Reconhecendo o director provisorio O
grave equivoco quo commetteu encarro-
ando urna commissao do patriotismo e de-
sinteresse a um homem sem elevacSo e de
i [lieilU.-. |i iiiuii r>H7 ,.'.i n..n.nn *iinuinaao miii iiw..'.... av...w*-"Y ~ ----
mero da vi.gens n3o pos a fazer-se por O Dr. Atona, actual ministro de governo, g CQmo D ,, Baulj:tla Pen8>
enienles da mande dis- e que nessa poca o,cup.v "' .m'-,cHiia a sua renuncia, que n3o lea outru
sterio, expedio um decrelo pelo qul se!.
ci.s neceesari.. para a su. naveg-cSo. da a 'o- *X* O t b'^" "ai" 3o s.tisfeita lie non.e.du pa-
lalta deci.mhiistivel, ou de out-as razr.es "" l,u.vc/.me.lh"-. _ atlendiveis, receberSn os omprezarios uni
cameute 5,000 pesos pareada vigem que|
fizerem os barcos nos dous primeiros n-i
usar da lita verm
por espado de 20 anuos pelo cutello ensan-
' guenladuja tyrannia, loo qua souba de
lal documento nao receiou apresonlir-se
nos; o 3 000 pesos por cada ;urna que ^ff^^^C^ZmV^.
^.D^a^VuiU,.UBnuU>;. ..lC..n.dor.n?U.p a ..orla. os
..mpletar a comuiissSo liquidadora dos
crditos contra o estado o cidadSo D. Ma-
noel J. Ocampo. Communique-se e pubh-
que-se.Rubrica do S. Ex.-ui3 /. dla
Peni, a
He esta resposta quo devi esporsr-sc
filo chefe do estado ?
nos lugares ribelrinlios por onde
at o lermo da sua viagem.
3' Tambera levar3o gratuitamentn em
Oda viagem at quatro pessoas, empringa-
dos civis, militares ou ecclesiaslicos, de ca-
da governo, qlfo forem em servico, e as
suas hagigens sendo estas iguaos Ss dn
qualquer outro passa?ciro, assim como as
cargas quft cada governo quizer transpor-
ta
as mas------------- ,. -, ,i.k. i ou rumo u ^suji, i
aatranrlo 'CuS-aue t,nha,n 1""'"' P0"10 n0 c,n"- Da ce-to qu- Dio.
".r'K", peo, .medrontados pelas expressOes alie- K ..futaulaiach
"-'s"rc'" : ids que profana o general Ilrqaiz. qua,,- ^Z^S"ii.
Mnva-se em urna po-
Bnn"isic3o mu elevada uara descero esse terre-
doon.otraziam.lorniram arroja.locon-incvo|ileo insull(j yem siJZer pal0es
liados na disposicaogovemstlva. mesquinhas, interesses miseraveis, a que
Poiom quando nos regosijavauos com os- ^.^ fMe| hfl |8vado um governant6 pe|,
siliberdadnquaso nos conceda..appaR. tiadilc3o de cortos homens a quem mais
ecu a barbara proclamacSo do que rallamos. ava e a aespr010 do
Foi e.-U a pr.meira prova que se nos uCl semom8Ules.
da liberdada que lamo gozar...... Annunea-nH eleicSo do deputidos su
c) i
da
litad
irar
sei
5. A empreza concordara com ambos os ~H(Dv* n'o haver vencedores aM wac-.- .
covernos os respectivos pontos do rio Ama- nonos resuna. .... .____'
..------f.- ..i L.. a------a------... doi. Que o general Urquizi n3o* soubo tocer
Ad"nle- ,. a cora com os'louros quea su espada cor-
Chega o momento da cloi<;o ilo dupuU-ll0U
odili-
3
zonas ou MiranhSo at onde devnrfio nave-
giiarin'eiies militares, Kar Us barcos do vapor, e os portos em quo
' governsdores das provincias argentinas, a unift MUi0.-i-laJii naciunnl. o que n3o tinha
'" quetinhasidocouvidailo. c,.ncorrcrtam- rl ,,,u,n na Co,p0racao que*devia a-
bem o ila nossa, o qul pailio sem "
derley, Miguel
s Guios Marques da Cunha ; e Ctinsiovao
devidameul
liem O da nossa, o qul pailio sena munir- j f jjt| ri,so|lloes, puij que os que su
sede pudores algunsd, repiescnlacSo pro- cll(l[naVil(I) representantes Por esta provin-
de rece- v",cl"'- cia n3o o erin senfl p la vontade do ven-
Ambos K,, l"l"do he conheci lo de to lo o mun- cojuri a madrugada de 11 de setembro o
snclivos do ; Porelles9 arrogava o general tjrquiza < p0V() e 0 cxercitoom miss levantam-se pa-
ascondi- m"ls fcnl"dadcs e poder do quo o que tero ra sacudir ojugoque osopprimiacapitanea-
um imperador, um rei.um pach* do Egyplo. j,, moviinenlo pelos heiemerilos gene-
seoarados Sanccionar essa lei loria sido snbmetler- | raej P|fjn Madariag, e intrpido coronel
'snfossem so s vonlades c capichos de uai homem, 0rnos ooadjuvados por Indi a provincia.
nf,ni. teria sido deixr-se dominar pela mao fer- .. Bunera|Calan acantonado em Palermo
na, ^^l^=^^^oT^ na convengo ^ um noVo_lyr.nno; masos represen- 'qu^Coc^um.^csisUnc,; mis ho im-
uvliu caisTCB.-.... .v-v b0 f owrnoi, reconhecora conforme ao
.Nos "imperador constitucional e defan- principio uli pohideth a fronleira, e propo-
sor perpetuo do Brasil, fazemos saber a I
lodos os
a troca dos territorios que julgaram a
,,o irese ec r a de conlirma-' proposito para f.xar os limites que sej.m
V^SSOM^^'^ "" convenientes a um. eoutra
Nomaa-so para
substilui-lo provisona-
deproJuzi
sem inseridos na convenci da mcin dita
aqueellos so referen!. Em lestomunho do
S.
Trindade.
M. o Imperador do Brasii e a Republi-
a do Per, igualmente animados ilo deso-
jo de facilitar o c.mmorcio e |^; Il0 prazo de um anno, ou
lluvial pela mulua fronleira e nos, n
nollque oulra a sua cessicSo.
Art. 9." A presente coiivencao sera rail- ( w
Cicada pelas alias parles contratantes, e as
ratilicicOes ser3o trocadas no Rio de Janji-,
nlcs, se fr
EXTERIOR.
rain aiustar em urna convenci especalos
principios e o modo de fazer umensaio em
que melhor se conbeca sob que bases e con-
dicoes devora osso commercio e navegaQ3o
ser depois estipulado lellnilivameote; e
pira esse fin nomearam seus plenipoten-
ciarios, a saber:
S. M. o imperador do Brasil ao Sr. Duar-
*teda Ponte Ribeiro, do seu conselho, cooj-
mendador da ordem de Chnsto, oenvi.do
extraordinario ministro plenipotenciario
junio das Repblicas do Pacifico :
E S. Exc. o presidente da Repblica
Antouio Alvo^^^ qlielV e-.,a;.do Anlonio ,.,, Pero sr. l, B.r.olom Herrera, jl-
AlllOIIIO AIVOS/.irqurj., ...... .,,ir. .lmwldn.!n ne.L'llClOS 111 IlllOrior o
Cardoso, Kirnino Jos da suva Braga, Jim
tino Francisco da Silveira, 'llionuz do Villa
Nova, Francisco da Assis Montmro de Meo
doea, M.noel da Colla F.lc3o de Unto, e
"StW^to Jos Floriodo deFi-l.-riVgos-5-eguiutes:
nistro ile eslailo dos negocios do intuiior o
eiicarr.-gadii interinamente ilo iiiinisloriu
de rolacOes exteriores, os quaas, depois de
trucaren-) os seus pleno.; poderes, que acha- lacfies, e pe
possivei,
Em f do qae nos o plenipotenciario de
Sua Magostado o Impoiador e o da Repbli-
ca do Per, em viriude dos nossos plenos
poderos, .ssignmoi. a presento convencao
e Ihe puzemos os nossos sellos.
ni i'n" ------------------------- ----- -
Feta n cidtdo de Lima-aos 23 das do eiS.
CONFEDERACAO ARGENTINA.
Butnos-Ayrcs 22 de setembro de 1852..
A RevolucSo do Selembro.
Oanno de 1852 foi par a ropublie argen-
tina fecundu em aconlecim'oiitos memora-
No di 3 dofeveroiro um exercilo forte
de 25,000 homens, unido ao, estandarte de
Libtrdade e oryanisa^o nacional, que so r-
vurou em Eulro-Rios nu i* da maio de 1851
dou em Ierra com o mais brbaro dos ly-
cSo, cujollioornc aci.ua inserido, e bem; r.nnos que se achava ontbron.s.do h.vi.
visto, e.,DS,der.do o ex.inii.d por nos tu-1 20 annos nwsa PjIris
do oque nollo so conloa, a pprovan.os, Oeliafa daato aiorcttoera o g.ntrai ur
rililicaiiios o cniliiinainiis, assim no lodo qui/a. ,|unli4 ,| balalha
como encada ua, dn seus arligoa e esllpu- i seu V'***" *$>>>* to**
I. prsenle a d.mos por llrme o i de C.serus foi confiar ao Dr. Lop,
mez de outubro da 1851
(L. S.) Duarte da Ponte Ribeiro
(L. 8.) Bartolom Herrera
K sendo-nos presento mesm. conven-
IriSe?^
camos e confirmamos, c pelo Presonte os
dimos por firmes e valiosos para baverem | menta osen pr.-sidant, o genoral O. Haooai
de uroJuzi' seu dovidu effeito como so foa- Cuilhermo Pinto.
Discuta-se a nota om quo so admitlia a
renunciado Dr. Lpez quando so recebeu
urna communicacSo do general em chefe do_
exercRo, pela qual diasolvi a representu-
c3o provincial o assumia o poder que Ihe
conforiaoaccordudeS Nicolao, insultando
torpemente ao< quo advocando a caus do
Povo, exptnhlo-so a ser victimas das ar-
bitrariedades daquello quo proclamando as
ideas mais absurdis, jukav anda poder
hallucinarn povo qu? em masa despeda
iimldn o sobre a sua cabeca.
A forca brut venceu a cunvtcs3o e a ra-
z3o.
0 despotismo mostrou a face que occul-
lava sob a mascara da lili i la le.
A sal de represantaptes ticou dissolvida.
0 general Urquiza intitulan se director
provisorio da ConfederacSo Argentina
0 povo viu-so privado de todos os sous
direitos. ,
As primcirs medidas do directorio ro-
r n m :
Expellir da sua patria os que snstentam
os direitos e liberdade do povo.
Fechar todas s imprensas, e impedir a
publicado de todo e qualquer esenpto.
Beinsiallar q governo do Dr. Lpez, que a
opiollo publica repelli.
Dirigir nos agenles eslrangeiros untas,
niuitas das quaes for.m prolestidis.
yutlilicar de anarquistas e demagogos aos
que eram do opiniSo contraria a sua.
Eis aqui as gran les obras do di rector pro-
soriu d ConfederaSo Argentina; o cuio-
IJm povo quo acabando do sahir de urna
opprossSo de 20annos, o quo vendo de no-
vu amoscad a sua liberdade n3o se apress
em des.odacar as cadas quo o escra-
visim, n3o merece o nouie de Povo, n3u po-
do ser aoresentadoante o mundo sem ver-
so obrigado a inclinar a cabeca o primeiro
caudilho, que profanando o nome de Liber-
dade, oirerca um porvir mlizdo de ouru-
p8por isso a rovoIgcSo de II de setembro
he grtndio.ia em todo o sentido.
Porellaaliberd.deju.aohe um sonho
dourado, ho urna realid.do.
A lyranni. dessppareceu pra sempre.
O governo legal est slidamente estabe-
* A representa c3o provincial nao.se v a-
meac.da por nenhuma. m3o atrevida que ve-
nha nerlurbar seus trabamos.
0 povo est no inteiro gozo das su.s pre-
roAob'qua o general Urquiza comecou a
3 de rovereiro, e queto mal coutinuou.e.-
'* inuminV'oo os que estBo enc.rreg.dos
da dar realce a esl obra.
Sei.asu.dur.c8o 13o longa quanlo lio
.randa a gloriosa a gralidSo e homenagen.
de que sao crodores os que a consumiii.-
r*m" (E/ Proemio;
{Jornal do Commereio.)
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO



".
INTERIOR.
MINAS CtltAES.
Uuro Preto, 1* de ouiubro de 1819
Ha milito lempo mo llio dou noticias mi
nlias porqua vi-mo fuicalo a nmprehrnder
o levar eIMtoume vugema Paracatu, oo-
de me cliamavam negocio de interesso ;
agora porem queja cslou dovolla, conll-
nuarei a cotivorsar com Vio. a respeito do
modo porque vilo as couaai ca pela mioiii
boa provincia. i i
Ecomo a pocha aclual he toda eleitoral,
e como mesmo oflo ao falla nem se pensa
em oulra cousa. vm conlar-Jho oque por
ca se passou na elciriJo do 7 do aelombro.
Sabe Vm. que esta provincia tcm 48 mu-
nicipios, e por conscguinlo tambam dove
saber quo 48 cmaras municipafs sool-g"-
rfO mas nao sabe, e cunvem que usaibs
que ja lomos conliecimenlu da eleicao de
?3, odessis 37 su inleirameuto goverms-
tas, opposiciomslas, e 2 compostas de
pessoas de un c oulro lado.
A oppoeioSo, que pur va dos scus orgaos
na enmara dos doputaos tantas vezes de-
clarou que nao concorreira as urnas, apie-
senluu-se nesta provincia cun lodaaoncr-
givdispulaudo o terreno io paitado gover-
nisla, que ella julgav Icr enguliJo o polo-
rio quo procuio'i impiiiRir-llw infeliz-
oirnle porcni para a up.'oscilo us saquare-
uus, anda quaudo oppOalfBo nao baja, nSo
deixam do elllOtr o sublimo e soberano di-
reilo do volar naq.iellcs que mais tiibihi>
julgam de iepresen(a-los, que Ibes fui ga-
rantido pula MSM liberal OOOtllUlCSo.
Lauc.arammn'o us laes meus senliorcs de
lulo quanlo aero iitaiam puder-llies favo-
recer : o mnibus, periudico escupi pelo
mesmo redactor du Apostlo, segundo li"
voz geral, liesses Uias de I'-tare eleiloral a-
lassalliou lodos os partidnios do goveruo,
sobro elles'lancou quania lama havia se
rodador juntado oin casa para MM Om, e
l.i i gratida fui a luna com que a arremes-
aou a seus adversarios, quo dru cabo do de-
posito que Uuha,eviu-se Da torela neces-
sidade do fazer seu le-Uineiito o "espedir-so
do mundo jurnalislico, iieianioa/eiias um
logado, o (jetea seu rodador, o l.unn.i ti-
tulo do coclioiroo as glorias resultantes do
18o uobn o lucio
Dir-lbe-hei agora duas ptlavrai sobre a
eleiCo de nov lllbio. Cara unir, fie ficto III-
conlcstavel quo a oppaftiolo sollrera DOMa
eleicJo una compkta'd.rruls, e estoil la
clinido a ussiui peosar, nlo -o porque te-
nlio cm vista o tasullado conliccido da elel
c5o municipal, s nao porque altando ao es-
pirito das puvoac's queiercorri: no on-
- tanto a Oiiposicfio, que ludo ve pelo prisma
de suas conveniencias, nao ac-edita um
semailiaute iC-ulta lu, ec so OiUltO pudo-
rosa, pensando que por meio da intriga, da
noticias do meia uuile, da trapace e lalvoz
dos tumultos ios grupos, podera alguina
cousa lazer, leni-se presentado disputando
anda o terreno cleitoral aus ^overnisias.
E par provai-lbc que nao prego carapo-
tes, recitar-Illa-boi o proccdimciilo da cu-
ja nesta capital.
I'rovavelineiitc Vm. nao ignora o conleu-
do do aviso circular do go.orno, cm quo
aos presidentes se delcnnina que facam
mais lerimiMiite- recummon ncrsas auto-
ridades suboruinadas, a liui deque ao pro-
cesso eleiloral preside pl"a liberJado de
voto, de forma que a eleicao exj rima o ge-
ouino i o r i .i h [ 11 m 11 j i da naci: uisbcrn, o
presidente da provincia, em virtude desee
circular, cxpudiu nutra as diversas autori-
dades c aos rbefos da gualda' nanonai,
pretcreveodo-lhes a humus do conducta que
^vrt vrr i1"**"'" ""^"."."'li^lrnli
se por vonlur.i conliasso \"1""V''m "' "f
mas nessa nao niiiu i lia : das circulares
. le ni lauca lo infio para Iludiros iucaulos,
o intimidar os piopiius amigos do governo.
as Mas reuniOes, o sroas, oas preces',
lias esquinas, uns buceos, no- corredoios,
n-s tabernas, e em summaem lodos os lu-
gares, aprisenta-so ella com as cpculares
c m mau, declaran lo que o govcrnj mo
quor que aquelles que. o sustentan! solici-
lem Votos dos sous cunc lad.ios ; quo esta
disposlo a punir sevcraroeulc, mullan lu
proeaSSSr aquellos quo o sulicilaro.ni, por
que na opini.lo do govornocssodiii ito lio
da opimsicjlo.
A impreAsa tcm desmascrado esse ar-
dil, fizendo ver que a violencia tambam lio
peccado dos que se aciiam cm opposicSo,
que esta lo,i.bem sc cmpregt-la, e mnis te-
inivol porque be exercila om meio de lu-
niullo de grupos, c com arnoacas da futuras
viugancas, e lim. cul i que o governo Dflo
leve nem [odia ter em vista pronibir que
seusamigcs ilisputassem o terreno eleiloral.
Eeqaeeia-me diier-lhe queepi as aqu
i o" :"ii o i -1 11T i i" Mello tranco espalbou-
se que elle trazia 10.111111-? ou ordoui par os
gastar com a eiricSu da provincia, e que lia-
viam si lo fo'necidos por urna caixa alii
Oiganisada paraosse lim.
Uuanto a veracidad da noticia, nada Ihe
pONO dizer : o que porom Dio Ihe posso
deixar de fazer Sentir be quo admira qu
os mesmos honieus que tanto chma 111 e de-
sejam que ov oto do cidadflo repres uta u
vordadeiro espirito de qqc elle un posiul lo,
su anlinein a emprezar o dinhoiro pira des-
virtua-lo : enganam-se porem, pu que es-
tou intimamente Convencido de <|uc meus
comprovincianos nao desceran a represen-
tar um papol Ido inlignu, lien se dolsarfo
levar pelo canlu da i^ioa, leniluando-se
dos males porque passeram oo laial quin-
quenio, e dos bens qu 1 j 1111 11' goieo,
novidosa pnlitica que prisilc nos destinos
do paiz.
Passei pela iiagage-ni! domorei-me DO lar-
ri no liainantinoalguns diae,e dando-mc ao
t'abaluo do indagar oeseinlo poltico que
ruin nesse ncleo de unn imporUntiisImi
pupulscfio,cunlii'Ci e poeso assoverar-llie que
tus 11 luanles em quasj sua totali lade prns-
a apunas una inoia duzia de humis penen-
cetn a opiosicao. At o dia em que me ie-
tir.'i desse lugar estavam demarcadas 50 e
tantas dat-s de l Trenos o mullos requer-
menlos haviam sido presenlados solicilan-
do-as. Assim v Vm. quo a lei dos terre-
nos diamantinos, longe ae,produrir os cla-
mores que mnita gente seui razio esi erava
fui ali betn aceita e atalada.
utra noticia. Agura mesmo vioram di-
zer-me que Ires dus individuos indicinlos
como assaasinos do linado senador Jos6 Ren-
to, eque ain la se acUavam foragiilos,rrcei-
.ui.o que Ins tucedesse o mesmo que aseus
compaiiheiros, apresenlsram-se espont-
neamente prisu na cidade de Pouio Ale-
gre par tratarem do seu livramento, o re-
correndo do despacho do pronuncia, para o
juiz de direilo, 011 antes para o 5.* subsli-
tntodojuiz dedireilo, um fulano Juan Pin-
to, que pelo nome se 11S0 perca, foram b-
sol vidos nio b elles como lambem os dous
que aqu seauliam engaiolados, e quo ro-
ce ro ara por procurador.
NSo posso gaiaiitir-iho a verJadc do fac-
i ; vendo o pelo mesmo preco porque m'o
venderam ms o que Iheassovero he que
fui do proposito examinar so na cadfia ou
n 1 tal gaiola amia estavam os dous passaros
la iirocuraeSo, e encontroi-os bem acoudi-
cionedinhos ; mu, meu Reos, que caras
IVias tein os taes bichos se silo pausaros
sSo ves de rapia ; deveras quo tive medu,
esa 1180 fra o carcerniro que me animou
coa e tui presenca, e um .bom bordJo,
certa mente teria fgido a correr, com re-
ceio iloalgunia bioada; ....
A ser verdadeiro o tal tacto da absolvicSo
nosei quo altiiude touiar o governo nes-
le negocio, o por esta occasiSoelnto sobre-
inaueira nSo an lar om contacto com a se-
cretaria da polica, nem ter connecirnento
ou amiado com o Dr. GouvaSf, para delle
sabor o que se far : paciencia, esperare!
quo se publique ou transpire algutn cou-
o se assi.n acoulecer cont que Ib o bel
de comm'unio r.
Ghogou ha dias prosn para esta oipllal
o assaesino do Dr. juiz municipal de Bel-
moito iB.ihhj, que foi captralo no dis-
tricto da Itinga- He Joi taes doma cara e
marca pequen : cruz cnri rile I
Muito mais podori.i dizor-llie, porem Co-
rno le dio de aprompur-me para assislir eo
primeiro (biile queda urna s iciedade croa-
da pelos ofliciaos do corpo do 1.' linha. Pa-
ro equi.
(furia particular.)
CORHESPONENCIA do diario de per-
NAMBOCO.
Italtin, 2 de nvvemliro de 1S52.
>lolca(ias j mluba, j nc pessoaa de inlnba
familia, viaRrna que tenho ferio para o Interior,
eiltlor alHuenrla de occupicflts, cuidados e
Irabalhosiinhi diversos, lem causado a Intcr-
rupcao da nossa cutrespoiideucia, que agora
de novo comeco, por inven ni crssadu as inaia
poderosas daqucilas circumstancias.
Prlnclplerel pela relac.o do que sci de mais
Importante c rcenle, polsque escusadohe re-
volver o paisado, que estar pela inaior parte
libido,
Heais (le dous inc/.es a esta parle o asaump-
10 i|uai diario dos peridicos sao as clcic.des,
c presentemente nao ae pensa sen.io cm elel-
fOtt, nlo se eacreve qnasl ciclnsivamcnle ac-
n.io sobre as malditas cleicea. E o mais he,
que os chumados liberars, os quaes lo dividi-
dos se achavam cm parclilidad'-s diversas, se
hJo reunido para ilcbcllarcm o partido_du go-
verno*no campo elcitor.,1. pelo que eslao mui-
to animados por essa liga de elenienios kalarte*
geiieot, com-que prelendcni dar nina eapresso
geuuiua do pensainento dn povo
.Nao se pode prever qiicui vencer, porque a
|UU esl.i lomando um carcter algom unto r%-
panladico para os espiritos, c-ono o meu, que
olhain ludo isso mais como negoci idos esper-
talhcJcs, do que como rflWlo de amor dos pu-
lilicos iuleresses, Eo que ha de mais rarnlic
a lctica dn tal partido chamado liberal. Por-
que, cuitado do pobre, que, nao sendo da sua
gre, aspira a sci elelloi, ou jer candidato a
algiiiua das assembleas legislativas. Nio ha ta-
beo que se Ihe n.io assaque, nao ha defeito que
se Ihe nio altllbua, cquandu rio lia oulra pe-
cha, iiivciiiatn-se suspeilas, ou da-se-lhe algu-
iiiaalcuuha para ser objeelo de despreso. Jio
quero com iilo, porem, cscoimar de toda pe-
cha o parildo opposlo.
Por causa das elclciies j.i lem apparecido una
folha iniiiii;., 1 /'"cu Haliiano a qual se
dislribue gratis, c mais um Dtmorrala em
eslvlo.quc fasco. Para nao eslendcr-iuc mui-
to sobre laes entidades, passo a dar-lhc una
pequea amostra desle ultimo papeluxo.
Na primeira pagina o po/iifo e discreto escrip-
lor pruinctte, que Sua liogoagrm ser seui-
prc liiiiica, suas palavias lilhasdus ses princi-
plos(nrio he o quemis abunda nellej.r as ver-
dades serao o alvo de todos os seus crcriptos ;
portanlo nao lera calumnias, nem Injurias _
Ergtier sempre sua voz em dfl'esa do povo
sustentar al suas garantiasf sustentar garan-
tas para semclhante escriplor he griiarjior no
va constiluicaol .'); quer ser elle o seu filhomaii
ijuciido ( este pedacinho he ouro puro ISao se
sabe, porem, se he o povo, que lie seu filho
mais querido, ou se he o Demcrata, que he o
lilho mais querido dopuvo).
Di/, que Nao he sua prcteocao entrar na
vida privada dos seus adversarios, nem to
pouco molestar a algmm.
as paginas seguales na i trata a MU adver-
arius sciiio por iioinens dcsmuralisails. corrup-
tas instituido no Dio de Janeiro; e urna c-oinp-
nhla de colonisaclo para ipandsr vlr colonos
chnete de Maeio (ou de oulroporto dCh|-
u J, proprios par cultura do cha, do caf,
cacao, e mesmo d cnna.
Ora, he bastante enunciar oifins de taes as-
sociicOesod empresas, par mostrar sua Im-
portancia evidente, sumina*, imineos. e fer
vr, que o hornea, que as tero a pello, tio
verdadeiro antipodas daquellcs (ibcraldos.
Dcvo diter-lhe, que alguos dol promotore
de lodas essa empresas sao bomens de con
ccito, c dos ni ils capizes de por suas possiblli-
dades otrhaveres, sua constancia e sotllciturjc,
levarena a etteito os aeus projectos. Todava
empresa d estrada de ferro projeclada pela
junta de lavoura, e, apesar das concessdes fei-
las pelaasscmbla provincial,aprcseutadltucul-
dades quasl iasupcravcls as clrcuinstancla da
provincia e dollrasil porquanto uada temos
entre nos, nena operarios, nemcngenheiroies-
peciaes 11.11 seii.i > bo vontade, e talvcs l-
guus cspilaeri os iiuacs nao sel mesmo. se se-
ria 011 nao imprudencia arriscar em um em-
prego alada entre nos dcsconhecido. Nao que-
rem que eu diga isso ; porin nao posso delxar
de o faier. Dina curada frrea de 100 legoas
cm urna provincia, onde a populacao he to
disseiiiiuada, c onde uau pdc haver um ino-
vlmenlo conioicrcial c agrcola muito grande,
i;n.11 nao sentc a necessidade dessa rapidez as
comtnunicacdes, e nao pode o rcudimento pro-
vavel da mcsina compensar nena o juro dos ca-
pllaes cinpregados na obra, as locomotivas,
no coinbusllvel, salarios dos einprrgados ne-
cessarios, couservacn, etc. da referida estrada
e seus |.i-i t.-n.-es. E note que a despeza oreada
se monta S.'O:" w 1 s. c ninguem pude al
iiancar nao poder cactder aind alguna contos
Portanto crcio, qu<: iiicllior fariam de addlar
uina tal empresa para lempos mais prsperos
ou pelo menos para depois que a experiencia da
projeclada nessa provincia, e do que se tema-
mecado no Rio de Janeiro, nos ahrissen, u
olhos acerca das diiiculdadei, c das desprzas c
resultados.
As outras duas, porm, ha muito boas espe-
rancas, de que se realisarao : porque para a de
colooisacao o seu principal gromotor, o Ur.
Francisco Antonio Pereira Rocha achou sufli-
' 1 i.ir para o primeiro ensato o capital de cem
coutos ( 100:0001) de rs. A oulra tcm sua
frente o coronel Antonio Pedroso de Albuquer-
'|ue, e oulros pioprielarin c negociantes, que
em oulra occasian Ihe Carel saber. Pcnsa-sc
inesuio, que mullo breve c publicarrio os es-
tatutos respectivos, e mesmo que ser iustalla-
da al principio do anno prximo.
lie da maior evidencia quanlo islas empresas
... n I. i II.-!ni .1 .. devem de alentar todos os
ramos da industria na provincia, c accelerar os
seus progressos pelo desenvolvimento de todos
os meios de prospcriilade publica ; o banco hy-
pothecarlo faiendo bailar ocurso do premio
dos capllacs, e proporcionando, pelo menos
cm grande parte, os cipilaes necessaiios la-
voura, c fundaco de diversos cstabtlccimcn-
tos e empresas fabris c ruracs ; a cowpanbi
de colonlsaco, sendo hem succedida, propor-
cionando, ou facilitando a introdcelo de bra-
cos necessarios agricultura, he natura*' que,
longe de cnlir-se o paii da fall do brac,oi oc-
casionada pela suppressodo trafico de Africa-
nos, ao coulraiio proinovendo lambem o go-
verno a vulgarisaco dos procesaos mais vanta-
josor no fabiico do assucar, os gneros de po-
duccao do paiz podero continuar cm con-
currencia com os deftiais pioductores de iguaes
gneros de oulros paUcs nos mercados da Eu-
ropa. E depois asdcuiaisnroviaclas.e immedia-
taucnlc essa loiica de Pernampuco,sc deisas*
sena as polcmicaspoliticasde parle para ancule
ociosa, e que em lodas as parles do hrainie da
America ex-llcspauhola sao a espuma da
sociedade, iiii tardaran! em marchar na lu-
cia gloriosa dos progressos e empresas produc-
tivas dos bens malciiaes, c elevariain o Impe-
rio do llrasil a calhcgoria dospsizes mais civl-
lisados, industriosos c opulentos : pelo me-
nos viria elle a ser na Amerita do sul o que a
Iiiiii Americana he pura a do norte, e aluda
superior pelo lado da observancia dos princi-
pios de juslifa uatural c humanidade com Mul-
lo in 1 ni escala. Alas isso nao querem os mis-
sos li erais, u> lillios ni.iis qurrid s dapitiii.
1. ni I -i-i.-1-. .1 > ha prodtuido uesla cidailc
ou inuilas ncasoas a noticia da rcvoluco de il
.'' '''"'""1"' """""WtTTrAit'ai'uBiii mv
a,' liaTei pauias de alegra indisircl, pe-
la raio para ella mui lisongcira de Irazer a hj-
polhitica pusMlii!i.l,nl. 1/,* -.
1 -(,..... o luinlslerio he infernal, os piesi.lr",r<.
das provlociasao una manieitat. e oulros em-
plegados ou seitirios seus espoletas.
Ora, se laes sao as genlilesas do eircumspecto
e pnli'o csciiplor, emque vocabulario acharia: de llosas, c de ua poltica do progiesso, co-
palavras jiara molestar e injuriar a quem qui-f mu ella o cnlcndc I E o mais lie, que ella,
esse ? Por ahi ajuie da pesaoa, dos/iriiieiaiio,! seni|ire consequcute no seu procede, achou
e do cstylo do tal Vanocrala, que julga que es-, naquclte iiiovluicntu revolucionario i..." -s pa-
creve para os parvos, e que quer doutriuar o ra clamar contra o governo por haver suslen-
povo por ser seu lilho ni.iis querido,'com lo tado urna gueria impoltica ou desnecessaria
eloqucutc c iusiuuanlc clocueao .' j com tantos sacrilicios de dinheiro e de sanguc
Nao deixa de ser picante e lambem exquiai- lo mal barateado.- E esta? O maior padr.io
la a liga leiuporaiia do partido chamado repu- de gloria da adminisiraco aclual he a maior
hlicauo (hmorral/a com o uiooarcliista, e rio car- pedia de cscandafo para os hons llrasilciros da
lista ou conslilucioiial refoimista com o refor- opposico! Eo governo do Itrasil he solidario
mista coniiliiinlc, e o que mais he, depois de de ludo quanlo o partido unarchico, alentado
lerein ja irilidouus aos outros de imliynos /raa- ainda pelos elementos de desordena que Rosas
dulentoi, tic. all dcnou, haja de fazer para empecer a or-
O que ha, poicm, de notavel he a tctica da gauisacao ou rcorgauisaco de que carece a-
oppolleo, lirada, que o govtrno- nao deixa a quclla lepublica llegisticnios maisesta no ca-
libeidade de voto ; que prende, recruta, pro- lalogo das bellas, c pliitanlliropicas, c palrio-
1 es- i 011 manda processar aquelles, que Ihe licaa upiuies dos uossos /.usas, demcratas,
sao infensos ; que nao se pdc esperar por laes e cirirtituirites nao democrticos,
motivos, que aa cleices sejam a expresso da No mciado do incz prximo passado leve lu-
vontade do povo, tilo me parece sangrar-sc gar na villa de Jaguaiipc um acontecimeoto
- ni ""le. de as volacdes saliissem a favor da assalastiiiioso. Vlm preso das cadcias daquel-
opposico( o que todava me parece nao acn- la villa, de nome ignacio M.ui I da Costa,
leeer, porrjuc a voz dv povo sensato nao he a coniprou urna porco de Aaiacili, que inandou
que mais grita, Insulta e attaca .' ,- oh I as elel- a mulher p ira os preparar para elle e a faini-
ccies seriaui a expresso da voz do povo, que re- lia. Pionipta a comida, a inulher remeleu-a
pelle a adtiiinislraco actual Se pelo contrario para a prisao, e elle tomando para si uina par-
vencer o partido guvernisia. Ab nao podia del- le, que se diz comer, eutiegou o mais aos li-
nar de sci assim ; poique esta actualidade cor- Ihos em numero de cinco, que se achavam alli
rupta ha falseado o syslcma representativo; com elle todos ou parle, e para levarein tai-
das elercoes sao um escamen, una irriio, una bem mulher. Occrtohe, que uns dos llms
iiil.uiiia, porque 11,10 cxpriuicn o voto do par- a noitc fallccciam, c ao anianhecer o dia se-
ndo ta npposico, porquanto esle he que seria guiute tiuhain lodos deixado de existir, c por
o vol do povo ; porque povo equiva- fclicidadc elle mesmo, ou por sua maior ro-
le a antagonaiia do governo. I-. lambem nao bustez, oo pelos remedios, que empregou, ra-
lbes cualar uu cuslaria a clamar contra avio- goquesoubc do ellcilo produzido nos lilhos,
leneia, euipregada por meio de procesaos, re- uao pereceu, c a inullier (ambeiu nao linha
cru:amentos, pris.lo, forca armada para coagir anida comido o que Ihe era destinado daquclla
e aterrar os cidados lio gozu de seu direilo comida venenosa.. Nao he a vea priuicira, uem
mais sagrado; cubera nein una su proeesso sao raras as, em que aquelle peitc tena cauaa-
possam cilar por motivos de elcices ; eiubora do inveoeoamcnlos, posto que nao por um
uo se tica mais rccrntamci.to ha mullos me- modo lo lauentavel.
1 mi.o 1 nao se teuha movido nena dous Jaineteuho extendido nao pouco ; pelo que
hoincns de tropa 011 de polica* a urna legoa das vou por termo a esla piimeira iii-nn.li..
asscinblas parochiaes. I'ortaiitoconlcmos eolia .Hu copiosas e aturadas, ou duradoura
essa mesilla cantiga, se, como he provavtl, a foram as chuvas aqu no mciado do incz que5
urna presentar um resultidoconlrario aos ho- acabou, d,uraraui cerca de 10 ou II das IUC-
nicns dopirlidi da opposifao mais incsclada c civanicnle, o que n.io dcixa de ser um mal pa-
helcrogenea, que lem tiavido jamis no Brasil, ra a presente salra do assucar, que proincltia
O malatodavle aindi mi he isso. O mais he mo ser cuino a prelerita.
que, quaudo os liberaes virem o caso de mal a Ja vine, sabe o que Ihe oppctccc o seu coin-
pcior, cm mais ilc uina parochla nao fallarlo padre c amigo,
cabeps ipiebradas, bofetadas, c, quem sabe, se Simo.
feriineiiios e ale ilones ; porque a patria nao p, s. Esta se achava em grande parle felia,
pode ser salva, se uo forera depuiados nicia quaudo boiilem aqu aportou o vapor A/iirnry
dnzia de esperiinhos, que se arrogan! a honra frelado a coiiipauhla do mesmo nome pela de
de verdadeiros orgfio ou rcprcscntanlcs do paquetes a vapor, c que segu para o norle.
pensamento do povo. Mas mudemos de as- O dia hoje aiuauhcceu com alguina clauva e
sum lo, dizendo-flic por lim, que nao deixo de uovoada, o que era de esperar em consequeu-
teincr alguna desaguisados mais ou menos fu- cia do intenso calor, que, havia alguns "da,
uestos em mais de urna parochla ou de um col- tjzia.
leatle.
eu passeio pelos depirtemeiitos debaixo
dos tiros de nma machina infernil, que se
preparava em Marsellia para o receber. Os
novos I'ieschis foram qutsi todos pilha ios,
sein que, como o flgadal inimigo de l.uiz
Kolippe, tivossom o gosto de experimentar a
sua obra. A Inglaterra lamenta v a mor> do
su famoso Wellinglon, cuja existencia Ihe
custava, segundo certo escriptor 3,513,976
libras esterlinas, em doacOes, sidos, em-
blsalas etc., etc.
Por occasiSo da abertura das malas de
Portugal, recebeu o senlior administrador
do corrcio urna carta, ns qual vinha incluza
outra para o Sr. chefe do Polica, com e're-
commendsc<1o de Ihe sur entregue immodis-
tamente, pur comer noticia do que despen-
da ,-. entrega das dnmais cuntidas na referi-
da mala. Ilemcttida a carta, sproscnlou-so
logo depois o Sr chefe de pohcia com os se-
nlioros negociantes Ueltlier & Olivoira, aos
quaes foi enlregue urna carta bastante volu
musa, que do Poito Ibes era dirigida, e que
sendo por elles aberla, achou-so conter va-
rios impressos relativos a una uov compa
nhia de barcusdu vapor, que oiqueila cida-
de se projecta.
Sabido o caso, nada menos nra a caita cn-
ilarocsda ao Sr. Chefe do polica do que um
denuncia contra os ditos n'gocitntes cuja
carta ali se dizi conter sedulas falsas, o
quo por felicidade dus mesmos sendo verill-
cou. He, portanto, muito natural que o
autor da denuncia obrasse desla vez ma-
neira dos oiercadorrs de vinhos, que, como
la dizum, poom o ramo om urna parto o o
viudo om outra, isto he, que querendo pus-
sarclle o seu contrabando de sedulas falsas
procurasso enlretr a (-olida por oslo modo;
porquo do i-.iiit-ai io,e a ter o intento do per-
der os senhores Balthar Ai Ulivcira, ter-lhe-
lam romeltido as laosso lulas,quo no Porto
andam muito baratas, o sem quo elles o sus-
putassem, voriam a bomba ostourar-lhes na
mfio. V-s- pois queoste negocio merece
ser il lii'-i la lo, ennaii.Iu-S" ao u '--" cn-
sul naquolla ci.lsdo a sobredi la caris, afin
de q'io elle procuro descubrir qual o farcis-
tl ou iiampo.inei'o, quejeom o peseudo
nomo do lio lolfo Mac Uregor, por tal mo lo
se quer divertir comas nossas autoridades,
eencommodsr a possoas respeitaveis
No da -2 fui sutemnisada a commomora-
c3o dos fiis del unios om quasi tolas as
igrejas desla cidade, assim Ootno tsjnbcm
no oraturio do ccrriilerio publico, s indo nu-
noros n cjncurrencia do povo tanto n-
quellas como ueste.
Quando se. eslabclcceu o comiterio mili-
tes clamores, fillios de antigos prejuizos, se
. vautaram contra elle ; hoje, gracas a doci-
idsde do povo ja ninguem descouhece a
vantagem do 18o nocessaria iuslitiiicao, e
todos os recelos cescrpulospielosos esse
iespeiio ieuui desapparecido.
No da 4, pelas 9 horas da manhSa, inlo
umcsxoiroilos Srs.l'ana er Lopes cobrer urna
divida de certo ofilcial do primeira linha,
morador na Soiodule, este, em vez de pa-
gar-lhe, armou-se do um ccele e o batou
cunio poude, s.-uilo que por pouco Iho n8o
quebrou uai braco, deixando-i) porm con-
tuso o fondo. He para lastimar a rcpcticSo
de fictos desla ordem,os quaes tendem ades
lustrar urna classe tlo nobro e respeilavel, e
quo s por sua morahdade c disciplina pude
mauter so na posic3o que Ihe sssigna a so-
ciedade. .
Du dia 5, pelas lo horas da manhfla, do-
sembeslou c.am tal furia c violencia um ca-
valln, que puxava uin cabriolet pela ra
Nova, quo so por rnilagre n3o acontereram
rnnitas desgrscas, visto o grande numero do
icssoas quo ordinariamente por ella transi-
tam. Anda assim, loram levados de rojo
ni chao vanos {individuos, entre os quaes
H W na barriga por um varal do cabriole!, o c-
vallo de um ni lulo, que, segundo nos di-
zem, foi comprado pelo dono do cabriolo!,
afini duque ii pobro humom nao suiTresse
essa porda. Releva notar que nuda disto lo-
ria acontecido se o bulioiro quo d.rigia o
cabriolease livessa contentado com o trote
largo que levava o cavallo, e para o fazer
correr o9o livesso chicoteado do talsortoo
animal, quo logo desembestan lo o atirou
em torra O cavallo, ao aproximar-so da
ponte, da Boa-Vis'.a, poude safar-so do ca-
briole!, quo deixou e9Canglhado na ra,
sendo devido a esta circurnstanciuo n3o le-
rem'ali havido outros desastros.
DIARIO DE PEB1MBDC0.
RECIPE V DE MI VE IIIIO DE 1853.
l-'niriiu honlcmdo sul o vapor nacional tfa-
enry, frelado companhia do mesmo nome pe-
la de paquete a vpor, e por elle recebemos
jornaes do Rio de Janeiro, que alcncelo a 26
do passado, da Babia c de Macelo a 2 do cr-
reme.
Ncobuma noticia ha de Rueooi-Ayres c Mon-
tevideo, e naesnao as da corte sao destituidas
de graude importancia.
No dia 18 do passado foram trocadas na se-
cretarla de estado dos negocioa eatrangeiro
as ratifica,-' Jo tratado especial de couiuicr-
clo c nav o lluvial entre o brasil c a rep-
blica do Pl
Por decrc. c iSdodilo niez foi nomeado
para o lugar a. nha da corle o Apilan de mar c guerra Anto-
nio Leocadio do Couto, -intendente do da
Habla.
Foi nomeado inspector da thesourarfa de 11-
zenda de Mina Gerac o Doutor l.nu Antoolo
Rebello.
OSr. Dr, Jos Henil u lo Nasccntcsde Aiambu
ja, actutl presidente do Etplrilo-Sanlo, acba-ie
nuuieado ollicial da secretarla dos negocios do
imperio. U r. Joac Uonalugo de Atahide
Moocorvo, ollicial maior da dos cstrangeiros,
tiuha fallecido de uina apoplezia fulinloanle.
lambem havia fallecido o general boliviano
l>. Jos ttulltvian, chegado de pouco lempo
corle.
O lente general bento Manoel Pibclro foi
reformado no posto de marccbal do caer
ciio, por assim o haver pedido.
Por decreto de 35 >le setembro, publicado no
dia -j'de outubro forana mais reformados dif-
ferentcs ofliciaes superiores c subalternos da
terecira classe do exercilo; segundo vcio os
leu o. em oulra parle.
Ao entrar a barr do Rio, perdeu-sc o bri-
guc escuna brasileiro Dous-Amigos, porque fal-
lando-lhc o venlo foi levado pela corrente so-
bre a fortaleza da Lage, ein cuja ponta bateu,
e foi logo apique. Proceda elle de Macah,
com carga de caf, a qual ac perdeu, salvando
se toda a tiipulaco.
Coaslava que o Sr. coinmeudador bernardo
Pinto Goucalvcs e Silva linha-sido agraciado
por 6. M. t'idcllisima cora o titulo de viiconde
de Miragaia.
lima eme ol do Sr. senador Montczuina, re-
snente as imnisdisccs de Nictherov, suici-
douJse no dia al do passado.
Lc-se no Jornal da Commcrcio de 20 do refe.
rido mez :
Mensagcm a Si M. o Imperador. Sabbado
IG do coirenteos Sis. John Candlcr e YVilson
Uurgess, subditos britnicos, (iverain a hon-
radescr recebidos por S. M. o Imperador no
paco da Hoa Vlsia para apresentarem urna ex-
pusico da sociedade religiosa dos amigo cm
Inglaterra contra o trafico de africanos.
Pcdindo a dcpulacao a 9. M. I. Ibe lizesse a
giaca de receber das suas unios a referida ex-
posico, dignou-sc o mesmo augusto senlior
resrjuuder que a rccebcrii com salisfaco ; c
felicitaudo-o depois pela quasl extinecao do
trafico no brasil, foi servido S, M. Imperial
manifestaros dasejos que linha de o ver aboli-
do em lodo o mundo.
A depuiaco invocou enlo as bcncaios do co
sobre toda a familia imperial c sobre o brasil,
e relrou-sc sobremaneira penborada com
atlabilidadc do mun och i. u
Anda fallccian no Rio algumas pessoas de
febrcamarella, com vomito prrlo, c cnlre ou-
tras o Sr. Narclzo XafYIer de barros, contador
da thesouraria provliicial, e Guillicrme tiop-
pert, corrector daquclla praea.
Lc-ac ara Revista ttaritima llrasilcira.
FREGUEZ1A DE S.-ANTONIO.
PrttUmle.
foSo Valentim Vllella.
Mimbro*.
Joro Antonio de Paule Rodrigues.
Francisco de Paula Hachado.
Joilo llaplisla de Araojo.
Jujuiui Francisco Torres Olilo.
FREGUEZIA DE S.JOSE'.
Vritidnu*.
Dr. Joaquim Vilell do Castro Tivares.
Metnbros.
Amaro Benedicto deSouza.
JoSq Baptisla de HH
Manoel de Almeida Lime.
Justino Pereira de Andrade.
FRECUEZ1A DA BOA-VISTA..
Prs/rienf.
Antonio Cirneiro Machado Ros.
Membros.
Simplicio Jos de Mello.
JoSn Francisco Lapa.
Jos de Barros Correa Sdte,
Marcelino lose Lopes.
Correspondencias.
Bra, Rodadores. Estando prximas ss
oleicOas dodcpuUdos asscmbla geral, o
deven 1.1 os per iiiimiiiieanos serem zolosns
Da pscolha dos scus representantes, pedi-
ni is Vs. S. si dignen publicar no seu
acreditado Diario, a lista quo se segu.
tlS S -lili lies :
1 tonento-coronel Antonio Carneiro Me-
cludo Rios.
2 l)r. Joiquim Villd deCsstro Tavaros.
3 Dr. Mano I Mandes da l'.uuh AzcveJo.
> Dr. Antonio de Vasconcelios Menezes do
Drumond.
5 Dr.Jo.1o Paulo lo Miran ia.
C Dr. Antonio Epaminondas de Mello,
7 Dr Filippe Lopes Netto.
8 Dr. Francisco Carlos Brandito. *
9 Antonio da Costa Reg Montciro, pro-
pietario.
10 General Antonio Correia Sere.
It General Jos Igaacio de Abren o Limi.
12 Monsenlior Francisco Muniz Tavares.
13 Dr. Joronymo Villela de Castro Tevsres.
NOMEACOES.
primeiro teneole Pedro.Thomc de Cas-
tro Araujo, para comiiiandar o briguc-escuna
alndorinria, cm subslituico ao primeiro len-
te Joao Gualberto de Amlradc Maia.
n O segundo lente Manoel Joaquina^ de
Castro e Coila, para coniuiandar o vapor tura-
liassu em lugar do primeiro lente Joao da
"Mrti Say'C'auuiuu avelina da Costa, para se-
gundo cicurgirio da armada.
i, O Dr. Jos de Frutas Valladares, para car-
lorario da secretaria de estado dos negocios da
uiarinha,
a O capitao leucntc Achules Lacoinbe, para
comuiandar inlerinaineute- o vapor Amazonas.
ii coinmissario de uo Jos Antonio de
Oliveira Bastos, para agente da academia de
maiinha.
LICEN'CA.
Prorogou-se por seis me es a que foi con-
cedida ao segundo lenle Domingos Joaquim
da Fonscca cm 3 de julho dcslc anno para
nal ir de sui saudc na provincia il i baha.
EXONERACOES.
O Sr. Hcrnardo Alfonso da Coala, do lugar
de fiel do Un suiireii"-|i,-adoi da uiarinha, l-
tenlo o seu na i estado de saude mauileslo
desde que cnlrou cmcxcrcieio do referido em-
prego.
c O primeiro lenle Antonio Ernesto Las-
sauce Cunha do lugar de ajndantc da inspee-
co c capllauia do poito da provincia do Para
O coinmissario de fragata Manuel Jos de
(uclroz do i > i i. e. i i em que se achava no cor-
po de imperiaes mariuheiros, por ler sido no-
meado para servil uiiei in um ule o lugar de
ca Horario da secretar i de guerra, nao .sendo
porem desligado do que oceupa na reparlico
da inarinha sem que seja dclinilivamcutc no-
meado cartorarlo.
Emquanto os pais da palria gritam, blateram,
ialb un. c esi.h, (Jlspostns a espalharem ainda
uiua vez o sangue humano para cmpolgarern o
poder, pelo qual desatinara, alguns cldados
ipodeslameutc occupadiA de iateresses uiatc-
riaes, projeelam "e esforcani-sc por ievarcui a
eiTelto, as empresas mais utels provincia.
Tres sao aa piincipacs empresas, que aclual-
PERNAMBUCO
RECIPE 6 DE NOVI-..MHUU DE 1852.
AS 6 HUBAS DA TARDK
llelrotpeclo i emana '
Verficou-se a noticia que demos om nos-
mente .tirahe.n a allenjao dos hoinens mais fa revsl, pisg,da dosssa-in.lo deJoSoGui-
-radas. He singular, que os mais exaltados re- lo cleilo para um dos deslriclos de C.rusru1,
publiqueiros mi scjaiu capases de apiesentar e quinto suppleillo do subdelegado do ni --
nem uni projecto, nem urna ideia, que nao ten- mo no dia 29 do passado ao atravessar elle
da ao-iraniiorno geral, desordein, e aoatraio do lugar da Raposa para a villa, sem acom-
d< sociedade. Os que se dizem progresslsias, panhamento elgum, parliram de um lado
escomatct de toda malicia, e de lodo peccado ,ja csi,a(|a cinco tiros, quo o prostrarain im-
xSm^Siis^ssrs^tsrnlzi:|?^S2.T,0h a? crui?uaa
rid.de, nao he em peccado venial a con- 'USll1 h0r,,,Vfl *. bf"n>0 a desolar a
tiaiiio he virtude heroic, he vcrd.deiro libera- nus" sociedade cojo lim primordial parece
llsino, he a quinta esstncla do patiiotisuio. Os hV0r sidu perdldu de Vist, quando a sogu-
perversos sao aquelles, que os oo dexaui ele- r mea dos cidadSos so acha exposta e quasi
var-se, e goveruaremoa povos sua phantaiiaj; abandonada a furia.dos bandidos o s-elera-
quelle, digo, sao o meaos capazes da fazer a tos para quem o pretexto meno, reprovdo
sociedade progredlr, e antes s servera de em- nj0 passa muitas vezes da tisurpaco do um
pecer ludo, e de excogitar nuc,.,es perversas direilo S0CII, e queso pelo po ler publico
par. ludo, quanlo ouiros poseen fazer de beta, devo ^ Merca0
rtepoi,"beau,. a', empresa, de quef.llo o a. ,e- J! d ,:0"'"'1lJ rou da Kurop. 0
ulules : o projecto da eslrad de ferro desla "PO"" 'nle,z Teviot, leo-Jo deixado todo o
cidade vlll aeJozelro; acreajo de um bao- velho mundo em calmarla. O presidente
co hypotbccario semelhanca do que se ha da repblica fnneoza escapou de concluir o
Ja por vezes temos clamado contra a in-
solencia e o atrevimento, cum quo os bo-
lieiros atropollam o povo pelas ras cornos
carros,e nao sabemos porque fatalidade con-
tinuam a appari-cer os dolidos originados.
por um tal abuso, qii.unlo a sua reprettSo
lie das mais facis. N3o ha bolieiro quo
faca parar um carro, ou que Ibe mu lo a di-
reccAo pelo receio de pisar a algunin ; sena
lelo para ellos urna gran le atlencSo e un
assignalado favur,ecomo nilo sejam genio
ara tanto, livre-sc quem foi mais ligeiro.
O que, porem, i esso respoilo nos admira,
no be j tanto a condescendencia daquellos
a quem particularmente incumba a rapros-
sSo do tSocriminoso o fincsto desaforo, ho
si ni a impassibilida le-coin quo o mesmo po-
vo o lulero sem perseguir em flagranlo os
leliqu -ules, i-,u;io Ibes permiti a lei.
Pelo que parece,cha-se terminado o con-
fliclo entre os logistas do fazondas e os com-
incrciantes inglezes. N'Jo'poJendo a asso-
eiacno dos primeiios chogar a um accordo
amigavel com os segnndos, o reconhecendo
todo o prejuizo.que Ihe poderia provir da pa-
ralysar;ao das compras em um tempo como o
prcsonte.cm quo grande consummo devo ha-
ver, por ser o da safra do assucar e ilgodloj
ssentou de desistir do seu proposito,edei-
\;u- a cada um dos socios a libcrdade do
omprar como podesse, lendo attencao a
pequenbez do preso de 8 mezes, do qual nlo
quizeram ceder osinglezos; e do fcilo,
avulta las compras se tem relisado depois
listo, notando-se apenas que algumas casas
inglezas, das mais einpenliadas no convenio,
o.i,-o.las a toda a composl(.1o, tona deixado
Je vender. Dizem uns que nislo b caso
pensidoda parte dos logistas, mas asseve-
ran oulros que tal nSo h. As casas quo
se dizem corladas silo as seguioles : llosas e
Braga; A C. de Ahreu ; Jos J. Montciro :
A laus ni lluwie o Companhia ; J. Crablree
e Companhia ; G. Kunworlliy & Companhia;
M. Calmont & Companhia ; J. Pater & Com-
panhia ; o finalmente sobro tolas ado llos-
tron linok & Companhia. '
Temos noticias da comarca do Brcjo at
jndii passado. Havia por ali o maior soce-
go, lando terminado naquelledra a missao
do reverendo fre Csetano, a qual- pro iuzio
os ujoliores oiTeitos. Congrassaram-so ini-
niigos do longo tetnpo, apunto de, por escu-
lla, servirem uin ao oulro de padrinho no
chnsma, que abri o digno capucninho,
compotentemeiilo autorisadq,e ao qual con-
corroram para mgis de 2,000 possoas. O mes-
mo loissloinrio don comeen a urna grando I
igreja para cuja elilieac.10 concorreu o povo j Reuniram-so hoje as assemblas paro-
coin mais de dous contos de res de osmri- chians desla cidade, para o im de proceder-
as, om diiilieuo, alm de multo material.. se a clcicao dos eleitorcs, e licaram organi
A grej tera a.invocarlo de -- luimacula lo salas as respectivas mesas pela manuira se-
Conselho de Mara, o no da 18 instalou- ,'guinte :
so ali a festividade do mez Manauo.
Eutraram duraulo a semana 16 oinbarca- FREGUEZIA DO RECIFE.
ei'i -s -ali 11' un I. i. 'residente.
Rendeu a alfamlega 76:260,602 Francisco Mamado de Almeida.
. NAVIOS A SAIII1!.
> As corvetas II. Jamara c t?ni,io devem se-
guir armadas em liansporic, aquella para a
provincia da Babia, e esta para Pcrnambueo,
ali ni de fazeicui os coneerlos de que ucee si-
lio.
o DESARMAMIENTO.
A fragata l'araguassu dcsarniou, c vai ser-
vir provisoriamenic de quartcl do corpo de
iii/.ii. o ns navacs.
NOVOS VAPORES.
ii O capilao de fragata Joaquim Raimundo de
I. mi o,. vai Inglaterra alim de ali coulractar
u'um dos mclhores eslaleiros .a consirucciio de
duas barcas de vapor, do porle de 100 a 500
toneladas (medidas inglesas), movidas a hellice
ou a rodas, segundo o systema adoptado como
inclino tu ni ai mili de gueria britannica. Es-
tes vapores devem demandar o conveniente ca-
lado de ag. >ara'seieni empregailos no ser-
vico du cruzeiros a que :to especialmente des-
tinados, c uiouur grossa i "deiiia arlilharla
proporcional capacidade de- cada um.
O me sin i ollicial deve lambem exigir de
Jones e Johnson que se propuzerao a contratar
com o governo imperial a obra do dique da Ilha
das cobras ou de oulros individuos que se
queiru compiviucltcr a f-zer a referida obra,
proposl.s mu circuins'.auciad.a c definitivas a
semethanic respeito, que Iratismittit ao mi-
nistro uiarinha.
. 0 capllao-lenenlc femando Jos Possolo
tein de coadjuvar na dita cominisso n capitao
de fragata Lamarc.
Ha llahia referilo nos a cari que dcixamos
transcripta, c de' Macelo nada temos que mereca
ser nicuciopado. Tinna chegado a cidade de
S. salvador, no dia 20 do passado o vapor de
guerra alnaoionas, condusiudo a seu bordo a
ala esquerda do quinto baialho de fuziiciros,
para ali ticar eslacionado.
Srs. redactores.A Providencia nSo quor
quo eo viva ocioso ; qurrquo eu viva om
continuo Miar ; porque ella sabe queaacti-
vi.la le he a vida do espirito e que a energa
moral do corarjao necessita de estimlos, pa-
ta rodobrar do ttnta,
Pois bem cumpra-se o designio Provi-
dencial !
Li hoje no liberal Vtrnambucano urna dia-
triba asqderosissima sssignada do cruz pelo
celebre facinoroso, pelo decantado tigre do
Ex, Hoquo Carlos d'Alencar Peixoto, em
cuja prodcelo infame, digna delle e do mi-
scravel que a urdiu ns trevas, loram atroz-
mente dilaceradas as reputacOes dos meus
dislinctos amigos, os Srs. tonentcs-coronris
Pacifico Lopes re Sdqueira o Alvaro Ernesto
de Carvalho Granji, opor concomitancia la
foi o pobre de mim arrastrado timben) pela
colera convulsiva 'do ciocerbero, que anda
urna voz surgi das espeluncas do crime,
Sara uivar om torno drj quem o desprez so-
erauamenlc !
i.iuu tigre indomsvol!
i. q ne.inli i a ao sapo : -- nSo sojas isqtie-
roso .'-tui vbora > : nao segas vene-
nosa ? Babar o morder he o seu destino !
Esso Hoque he o marlo mais insolente
que o averno expellio dn seu bojo !
Milu be s insolente, he de urna impuden-
cia superior a toda a exprossSo
Como n.io cora esse ligr.- mosqueado din-
.. ... ,....-------1.. ,...,, .r00| Panouu
Lopes de Siquoira, cujo rsfurco denodado
se lem elle lauta vez liumilhado?
A csscavol nao se esquece ounc do quem
Ihe cort o painlmro, disse eu em outra oc-
casiflo, o repel-lo hoi agora !
Paraquoo teiionte coronel Pacifico havia
de rustigarossa fer, cujo instinctusde per-
versidade sao superiores todo o correc-
tivo
Ei la, pois, mordemlo a bride como o ca-
rillo do Cortcz, quando ferido no cachaco
pela sella castelliana I
No dosaccordo da colera, o bruto arreme-
cou-se nos lo lacaes da injuria, e el-lo que
vibra flainmejsnto de seus labios tromulus
e conlrabidos por convulsfjes hydropho-
bicas!
Misersvcl Rnquo, ryu demencia t
suio 7 !
pos-
i,. ..... .-------------.-.-!- .W.V.,M* > I. I -I .,,.' 1...... .....i,,,I
Fiillocertm 43 pessots : lo hiiiilons 10 Memhrui.
mullieres, e 13 prvulos, livros ; \ bomens, Anloniu Gomes Leal.
5 tuulliores e 2 prvulos, oscrivus. Jo.lo Frincisco Texeiri.
i Domingos Alves Malhens.
i Antonio Jos de Castro.
Quem he esse a antigo criado do Dr. Ale-
lan 1ro ?
Sera o tou amo Pacifico Lope: do Siquei-
ra ?
'Jii" injuri-sinha digna de Roque ? I
luom ilisso i esse malovolo, que o tonen-
te-coronel Pacifico sihira do Flores perse-
guido pela polica ?
Uue garbo no mentir e no calumniar.'
Esse Roque he um homcm desalmado lo
Mas nilo admira quo ello esbravejesob a
planta daqueile, quo o tem pulverisaJo no
campo da discussfto, e no campo dos enmes;
oque, porem, excele a toda a expectaeflo
ho a maneirs dcscortez o infamante, porquo
se elle exprima respeito do tenente-coro-
nol Alvaro, a quem nao duvi lou baratear a
qualilicacdode ponfo, as vistas do o depri-
mir, o rebaixar no concello de que geni-
mente goza !
E quom ho o Sr. tenenle-coronol Alvaro
Ernesto de Gamillo Granja ? '
He o mesmissiino irmfJo to coronel Jo-
s Severo Granja, casado rom urna irn.fla des-
se petulante. Hoque, que, sem guardar as
conveniencias devidas ao seu cimbado, fe-
ro-o no qucollc lom de mais melindroso,
mu :iei'i-ii I i a urgem dj sua familia, alias
t.l i respeilavel !
E o que dir A esto respeito o Sr. Jos Sfe-
ve o ?
Diga o que quizer ; o quo mo padece du-
vida he que seu runfia m Roque o qualificou
de pardo na pssoa do seu irmJo, o que os
scus co-religionarios do Liberal n.io duvitl.
rSo consigna lo nas suas paginas !! .' ,^J
Pensando na extenso tiesta diatriba, co-
mo que mo quer parecer que o pobre dibo
foi trahido pelo taludo, que aqu Ihe arre-
monda as correspondonrias Essedesgra-
cado, quem quer que seja, ho muilo vil, o
muito i-ovar le !
POe-se por detras do estpido Roque, o lo-
es a vibrar injuriase dooslos sobre os seus
adversarios !
E pensam csses brejeiros, quo eu e os meus
aun .-us levaremos em conla as suas inju-ias
o di fin macos ?
Cuitados !
Quem nao hiver* por grande titulo de rc-
commendacaoos insultos e descomposturas
asquerosia desses pobres diabos ? I
Ea quo areio a reimpressSo do libello in-
famatorio, quo contra mim fizer correr o
famigerado Nogueira Paz ?
E uo s.ilieuii a grande vantagem quo dis-
sotirarci' Pois eu digo. A mnha candida-
tura eslava um pouco fluctuante; necossiti-
va de mais algom apoio parante os meus
liados, eis que esse ni-iuu me acaba de ser
dadu por essa calilinaria d'alto mereci-
mento .'
E, pois, agradecendo aos ftdatgos redacto-
res do Liberal benevolencia com que me
acabam de Honrar, peco-lhes que vejam e
ruvejam lambem o carcter do meu detrac-
tor na peca que se segu, e elle que Ihes -
gradoca comigo o retoque que de! no seo re-
trato, cujas tintas j se achavam carcomidas
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO


Celo lempo, le bem que mal vlva na lem-
ranga dos Periiambiicanos !
Eis-nqui o quo por on cabc-me dizer ao
peoonneniu Ruquu Cirios de Alencar Peixo-
to, quom nllo obamarei archipatifi, nem
archibandalho, porquo entre o homem do
Evangelho e o rabe do deserto ba immensa
distancia : Roque lia Roque, o eu aou o bu-
mildo servo deCbrislo
Joaquim Pinto de Campos.
Recito S do novembro de 18)3.
A muita anuencia do materia nSo permit-
i que por emquanto poseamos transcrcver
a pe;a que menciona a correspondencia sup-
pra. Os Redactores.
COMMERCIO
l'HACA DORECIFE 6 DE NOVEMURO, AS
* HORAS HA TARDE.
coTACOasorriciAis.
Descont de letras de 8 mezes 9J|3por
ceuto ao anno.
aCfandega.
Rendimento do diaUa5.
dem do da 6.......
50:609,446
35:6)1,136
Navios sahidos no memo da.
Parahiba hiele brasileiio Paquete, mos-
tr, JoBo Pereira da Silva, carga varios
gneros, rassageiro, Joaquim Pedro ala-
cbado.
Aracaty hiato brasileiro Capibarlbe, mos-
tr Antonio Joa Vianna, carga varios g-
neros. Paasageiros braziloiros, Vicente
Crugel do Amaral, e 3 criados, Joj firmo
I'ereira rio Lago sua senbora, el criado,
Franktioo Nogueira de Lucena.
Ass brigue brasileiro Priocape D. Aflon-
so, capitSo Monoeldos Santos, em lastro.
Navios entrados no dia 7.
Terra Nova 39dias b.rca ingleza Crea mor,
de 380 toneladas, [capitSo Francis Col-
llns, equipagem 13, carga bacalhao a Ja-
mes Crablree i Companhin, seguio para
Babi*.
Bahia 15 das, lancha garopcira brazilei-
ra Livraco. de 40 toneladas, meslro Jos
Froncisoo ae Paula, equipagem 6, carga
farinha de trigo o mais gneros", a Domin-
gos Alves Malheua.
Ilamburgo -- 70 das, escuna dinamarquoza
Tritn, de 120 toneladas, capitSo P. Pe-
roa, trata-ie eom o consignatario Jos Bap-
tista da Fonseca Jnior, na ra do Vigario
n, 93, ou com o capitSo na praca.
Vende se a veieira e bem
construida escuna brasileira Ade-
laida, forrada de cobre, e prestes
a seguir para a Bahia por j estar
carregada. Paz-se a* venia para
traspassar a posse do navio, ou
antes da sna sahida, ou depois da
Sua volta da Baha ; e eiFectua-se
porque seu dono quer retirar-se :
quem pretender compro-la, pode
dirigir-se ao consignatario, na ra
do Trapiche Novo n. 16, segundo
andar.
3
86:360,603
Desearregam hoje 8 di novembro.
Barca maleza -- James Stteart haoalho.
Barca fra aceza Pernambuco merca-
dorias.
Ilirca americana -- Mintila farinha da
trigo.
Brigue inglez Titania bacalho.
Patacho hamburguez -- Johanna quoijos.
lni|ortnr;nO.
Birca americana Mincsota, vinda de Phi-
Jadelphia, consignada a Deane Voule &
(ion,iunliia, manifestou o seguinti:
2073 barricas farinha de trigo, 150 meias
ranas cha, SOduzias do cadoiras, 500 bar-
riquiohas bolachinha, 169 fardos e 132 cai-
xas fazendas, 1 caixa e 1 embrulho de me-
dicina ; a Deane Voule 6 C mi: aiilna.
1 embrulno de inodicina ; a W. Davis.
James Slwait, barca ingleza,vinda de Ter-
ra Nova, consignaJa a Jamas Crabtrce &
Companbia, manifestou o seguinte ;
2500 barricas bacalbo, o 30 barras de fer-
ro ; aos consignatarios.
Titania, brigue inglez, vlndo dn Terra
Nova, consignado a James Crablree ct-Com-
pannia, manifestou o seguiulo :
2540 barricas e 2 caixas bacalho ; aos
consignatarios.
CONSULADO CERAL.
Rouilimento dodia2 ai, 4:597,852
Id' ni do dia 6........855,763
no dia 8 de nov- mino, o brigue
nacional Kecife: para o resto da
ters, equipagem 6, carga queijos e mais I carga e escravo* a frete : tiata--.se
gneros, a Brunn PraegorCompaohia. f, i. scimn-
io de Janeiro--32 dias, brigue hespanho* na n,a ao ViO'leg'O 7 cR,ln
do andar, ou com o capitao JUa-
nocl Joaquim Lobato
Para o Aracaty
Sahc com mi it i brevidade o hiate Flor do
Cururipe por ja lor parto da carga ; para o
resto e passageiros, trata-se na ra da Ca-
deia do Reeife o. 49, primoiro andar.
I'..ni a Bahia
Sabe o hiate Ligeiro, forrado o pregado de
Cobio; para carga o parsageiros, trata-sena
ra do Vigario n. 5'.
Para o ('cara
Saho com'muita brevidade o ltate Augcli-
ca.quo ji tem parto da carga, e para o resto,
trata-se na ra da Cadeia do Recifo n. 49,
primeiro andar, ou no trapiche do algodo,
com o mostr.
1--""JP"SHIWS--ajan
Leiloes.
Manoel Joaquim Lobato, val para o Rio
do Jpneiro e leva em aua companbia para o
sea iervico os seus dous oscravos, Martinbo
orioAllo de 16 anuos, e Clemencio crioulode
20annoi.
Aluga-se um pardo para sorvico de co-
ebeira : quem precisar aununcio.
Manuel Franoisco Nobre, retira-aa para
o Rio de Janeiro levando em sua compaahia
os seus oscravos, Leonardo pardo, Bernar-
do e Ignacio criouloa
O Sr. Jos Guedes de Albuquerqno an-
tes de se retir ir para Portugal tenha a bon-
dade de se dirigir a ra Nova n. 37, a cnten-
der-se com Joaquim Antonio dos Santos An-
drade, alim do I lio pagar a quantia do ris
547,878 orno consta do documento que as-
signou aAndr.de & Leal, os quses mo pas-
sram o portence no dito documento.
~ Exporlam-se para o Rio de Janeiro os
mulatos Salviano de 18 annos, o Silveatrp
de 13 annos, oscravos de JoSo Antonio Al-
Sahe para o Rio de Janeiro, vos de Brito.
Exportan-se para o Rio de Jaaairo l.'iu
R
Nuevo S. Fraiicisco.de 200 t meladas,capi-
tn Garca Mndez, equipagem II, em las-
tro, a JoSo Pinto de Lnmos & Filho.
Bort Phillip--7I dias.barca ingleza Abbertcn,
capitSo E Day, carga ISa e sebo, ao capi-
tulo, veio a este parto rofrescar, sogue pa-
ra l.oudres.
Bahia--8 dias, hiate brasiloiro Dous Ami-
gos, do 116 toneladas, cap tilo Mauoel An-
tonio Lopes Vianco, equipagem 8, caiga
farinha de trigo c mais gneros, a Fran-
cisco Jos de MagalhSeg Bastos.
Obiervacad.
O briguo inglez Margarel Iti Uy.oapitSoJa-
mis limwn, seguio para o Rio de Janeiro,
co'n a mesilla ear^a qil trouxo.
DITAES.
5:453,615
DIVERSAS PROVINCIAS.
Rendimento do dia 3 a 5 .
Dlouidodia 6......
138,510
4,988
143,498
O 111 ni. Sr. inspector da tlicsouraria pro-
vincial em cumprinienlo da ordom do Exm.
Sr. presidente da provincia de 30dcoutubro
proximq passado, manda fazer publico quo
-- Migu-I Carnoiro tara leililo no sou ar-
m i/''in, na ra do Trapiche n. 38, por Hilar-
io dia f I do corroalo ir a praca para sor i yencio'du egonlo Itoberts, no diai 10 do cor-
anematado peranle a junta da fazenda da ] rente, as 11 horas da manilla em ponto.dos
objectos seguintes: Aobilia tanto para sala
RECEBEDORlA DE RENDAS INTERNASGE-
RAES DEPERNAMBUCO.
Rendimento do dia6.....1:181,416
CONSULADO PROVINCIAL
Rondimento do dia 6 .- 1:174,137
Assucar -
PRACA DORECIFK6 DE NOVEMRUODE 1852
AS 3 HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambios- Trocaram-scalgunssaques so-
bre Londres a 2a 3|8 d. por I/;
c nada ae fe aobre Paria.
Algodo- r.iur.iriiii 1,073 aaccas, das
quaea fet-se venda do da pri-
iii' na aorte cscolldo a 5*800
por arroba, do regnlnra -ri,(l7ll";
c do de aegunda aune de o/300
a 5/100.
- A entrada foi abundante, c a
qualldadc fot grratmentc boa,
mas os especuladores acbain
caro o i',1, c csperaiu (|ue
desea para especular: As ven-
das feiaa regularam: pr i mel-
la aorte de 2*000 a 2#060 por
arroba, aegunda dita de Ja36oa
7-l'Hi, terceira dita de < a
2/150,quarta dita deJ/a 2J1UU,
qulotaeaeala de 1(7SO a 1/900
c o mascavado escolhldo de
l-l.'iii a 1/500 e regular de
1*350 a 1/400.
C'ouroa- Eato um pouco enjoados, e
apenaa sevendeu urna peque-
a portan a n; \\i ra. por
libra.
Arroa ----- Vendeu-se de 2*300 a 2*000
por arroba do pilado a vapjr
Aielte-docc dem dc2/iou a 2/000 por ga-
lo do de Portugal.
Baoalbo Fez-ae venda de doua carrega-
incntos a preco oceulto, c ha
cin ser outro, o qual talvcx si-
ga para oa portes do sul. Re-
lalUou-ae de 11/a ll/00por
barrica, e ficaraiu em ser 8,000
barricas,
A do Rio Grande vendeu-ae de
3J a 3j800 por arroba, e a de
Buenos Ayrcs a 3|2i>ll da prl-
ii" o. 11 km i un em aer 18,000 ar-
robas c da aegunda 7,000,
Far, de trigo Uouve vendas da de llichinond
de20j a 2l# por barrica, e da
de Pliadclpliia de 18/a is/,
a cattenle no mercado auda
por 3,100 barricas.
Garrafees Vcnderam-ac | a 850 rs. cada
um dos cinpalhadoa.
Frclcs- De assucar para o Mediterr-
neo a40 a. e cinco por ceuto.
c para o Havre a 50 f. c 10 por
cento c do algodo para Li-
verpool a5|8 e cinco porcento.
Desconlos Rebaterain-sc letras no banco
a oilo por cento ao anno, eoa
particulares de acte a 10 por
oento.
Ficaram no porto 54 cmbarcacdcs, sendo 2
americanas, ,')2 braaileiras, 2 Irance/.as, 1 ham-
hurguezas. I hespanbola, 10 inglesas, e i por-
tuguesas.
quinta-feira, 11 do correnl .
inanli a, na cochura do largo do arsenal de
marinha.
Carne secca -
Movuucuto (lo porto.
Navios entrados no dia 6.
Rio do Janeiro' e portoa intermedios 10
dias e 21 Iio'hs, e do ultimo porto 21 ho-
ras, vaporMucury, porconta da compa-
nbia brasileira do paquetes de vapor.com-
mandante l.uiz Corroa dn Mello. Traz a
seu bordo: para esta provincia, Dr. Joa-
quim Pfocupio d Figueirmlo com sua
familia e 1 escrava, Senhorinha dn Je-
ss Rocha do Brasil e 1 criada, Arcenio
l,,rinri tu da Silva e sua lilha, Antonio
Jos Franco de S e 1 escravo, Jo.io Coe-
Ino Bastos Jnior, Jos Cazar querque, Joso Francisco Moreira, Nicolao
Jos Ferreira, Jos Joaquim deMoraes,
Candido Concalves de Oliven, i-uiz da
Silva Braga, Francisco Joaquim Alvares
Rodrigues, Francisco Ribeiro Jnior, An-
tonio Jos Sna res, Antonio Bento la Costa
Real, Stromsdasfer, Simn lirn, Carlos
Murnay, com sua mili o I escravo, llenri-
que Louis e 1 preto forro : para o Norte ,
senador Coala Ferreira, capitSo Frankiim
da Coala Ferreira, primeiro lente da ar-
mada Pedro Tliotnc de Castro Araujo, al-
ferea Jacintho B. de Castro, com sua fa-
rola e 1 escrava, Joaquim dn Araujo Cun-
ea Ivs. Baymundo Luiz da tranca Moraes
Sarment, o particular RaymuodoRober-
to de Carvalho, 2 ex-soldados e 1 escra-
vo a eolregar.
Terra Nova 30 dias, brigue inglez Marga-
re Hidley, 184 toneladas, capilo Jamos
Browo, equipagem 19, carga bacalho ; a
James Crablree & Companbia. |
misma liiesom n ,. quem por menos li-
zor a obra do onrochamenlo em Irente a
ponte da ra da Aurora, avahada nova-
ni'Mili' em 1:188,0 00 res.
A ..i uuiat.ic, ni sera fcita na forma dos
artigos 24 e 27 da Ici provincial n. 286 de 17
de maio de 1851, e sob as clausulas espe-
ciaos abaixo copiadas
As pu-sms que se prupozcem a esta arre-
iuai.ic.lo, comparecam na sala das sesses
da mosma junta, no da cima declarado,
pelo meio dia, competentemente habilita-
das,
E para constar se mandou afixir o pre-
sento o publicar pelo Diario.
Secretaria da lliesourarja provincial do
Pernambuco 3 denovombro de 1852. Ose-
cretario, Antonio Ferreira da Annuuciaco
Clausulas especiaos da arrematarlo.
Primeira. Ser feita esta obra de confor-
midade com o orcamento apresenlado a ap-
provnc.lo do Extn. Sr. presidente da pro-' teSj garrafal .jarros, um riquissimo pianno
vinciana importancia de 1:188,000 rs, moderno de lindas vozes.guarda-livros.ban-
Sogunda. As obras principiarSo no praso quinhas, dita para costura, guarda-roupas,
ue 15 dias, e ser0o concluidas no praso de m helio leito com cortinado, esleir do sa-
2 mezes contados, como determina o artigo |tj topetos, banheiro do folha inteiramente
31 da lei provincial u. 286. novo, livros novos em diversos idiomas, e
Tercoira. A importancia dcsia obta ser n0 rcs encadorna^Ocs, msicas modornas
pagaemduas prestagOesdj nianeira seguin- complotas, do diversos autores, o encader-
le: a primeira do valor de tres quartos nadas, couiu sejam a Norma, Somnmbula,
da importancia da arrematado, quan lo se [,uca je l.ammermoor, etc. etc., cortinados
tiver concluida a ob'a, o a segunda do um 0 langas de portas, e muilos nulrns ohjoctos
qumio, quando se tITecluar o recehimenlo deviloro do mnllior gosto torga-feir, 9
diliinlivo, quo ter lugar um anuo, depois dn corrent, as 10 horas da manna, na casa
do reeebimcnto provisorio. onc|G morou o Sr. Gustavo Jos do Reg, por
Qurta. Para ludo o mais que no esti- detraz do pal-cio do Exm DarSo da Boa-Vis-
vor determinado nas presdhles clausulas, o ta, ra da UniSo.
nem no or(amonto, s"guir-so-ha o quodis- 'an i.......ir^"""^va
pe a le provincial n. 286 de 17 de maio de A VSOl ti' Vtr;08
Conformo O secretario, Antonio Fer- ',> _, : TT ,____ ,i_ i_:....
ira da Annunciacio. (.abinete pottuguez de letlura.
-----Movimcnto litterario do mez de outubro.
Leilura externa

renco cabra do II annos, e Mara dTnl Ha do
10 anuos, i sera vos de Francisco Manoel Cer-
queira.
No podando pessoalmenti despelir-
me de tolos os mcus collegas, assim como
daquollis pessoss que n isla provincia sem-
pro me trataran) comamizadee consi lera-
jSo, por mcio deste Diario ollereco-lhes o
meu pequeo prostimo no Coar, para onde
sigo. JoSo Felippeda Cunda Ban Icira de
Moli.
-- Dosappareceu no dia primeiro do cor
r mU',i escrava Josopha preta d'Angola, ida-
d'35 a 4o annos, lovou vestido do algodlo
azul o panno da Costa usado, e conlas ao
pe\ ni'ii : quem a pegar queira leva-la a
ra da Midre de Dos n. 16 quo sera genero-
samento recompensado.
~ Precisa-se de um menino para apren-
diz do charuteiro : na Bos Vista no becco
do Quiabo D. 4, que acharao com quem
tratar.
Avisa-se ao rcspcitavel pu-
blico, que a nova loj i da praca il i
independencia n. 4o, acaba de re-
ceber pelo vapor Todos os Santos,
os felizes bilhetes, nidos quartos,
oitavos c vigsimos da terceira I >-
Precisa-sede um homem para andar com
urna carroca : na ra do Passeio luja n. 21'
Prvcisa-.se de um caiieiro para venda,
que eja bom ; na ra da MoJa a. 9$.
-- Roga-ss as autoridades policiaese ca-
pitfies de campo, de apprehender a Francis-
ca, cabra, natural de Campo Alegre, que 11-
oa adianto da ponte dos Carvalhoa : a lovou vestido branco o panno da Costa he
um tanto grossa uocorpo, ealnijads do bra-
co dlroitode urna pancada que Ule deram.no
qual traz un panno amarrado i a dita escra-
va reprosenta ter 30 annos de idade : quem
a apprehender, p le levar na ra do Rangel
n. 81, que ser recompensado.
O abr.iioassignado, socio da casa com-
mercial, Oliveira IrmSos Companbia.von-
do o aviso que no Diario de sabbido, 6 do
correlo, foz publicar o sou socio, o Sr. Ma-
noel Francisco do Souza Santos,uo qual de-
clara que do primeiro de Janeiro vindouro
em diante a casa continuar debaixo da mes-
ina lirma, sendo socios elle Santos, o oSr.
Jos de Oliveira Mello ; muito o admirou um
tal aviso, visto que o abaiip assignado o8u
consenlio nem consente vm somelhanle coa-
linuacSo, nem a tal respeito foi consltalo;
e parece-llie que os novos socios no pode-
ro usar de urna firxa quo nao hn inleira-
ment sua, visto que apenas dos Oliveiras.
um, he que perteuce nova sociedade ; he
verdade que a sociedade em vigor usou e
anda usa dessa llrma, mas foi porque o ex-
socio Jos do Oliveira Mello, consenlio nessa
con!iiimc.no. Anda maisadmirou-nie a pu-
blieaclio de tal aununcio, pois quo sendo sua
integra de alta consideraeflo commercial,- o
Sr. Santos o apresentasse sem saber se o po-
da fizer, alim do se n3o ver publicamente
contrariado, lie quanto cumpre ao abaixo
assignado fazer conhecador o publico a
quem respeita, o quanto ao mais ir roque-::
Aluga-se o vendem.se sanguessugadas
molliorcs que ha no moteado : oa ra das
Cruzes o. 40 venda do Domingos da Silva
Campos.
Na ra do Livraiuento, sobrado n. 10 ,
se dir quem vende varias obras de ouro o
prala.
Alugam-se e vendem-se bisas na (J
# praca da ludopendencla n 10, con- #
9 froute a ra das Cruzes. 9
* 3t& ****.}*?**>;t:9a>9
No dia 27 do outubro prximo passa-
do, desappareceu da ra Augusta, urna ca-
bra preta com inalhas brancas, e urna cabri-
linlia do cor parda : quem della anuber, di-
nja-se a dita ra, casa terrea de frente cor
de chumbo, que ser recompensado.
-- No sobrado da ra de Santa Thereza ,
precisa-so de urna ama de loile : quem se
quizer ocrupar deste seriico dirija-se edi-
ta casa quo adiar com quem tratar; se fOr
captiva melhor.
* *^* *)*>! a*. aj)JjBj(|aj|^0^g
4 "CUSUORIO IIDMKPATIHCO. t
;. Ruado Trapichen. 9.
U O Dr. Casanova, oslando de volta da Ji
t Franca, tem aborto o seu consultorio ?.
f na i ua do Trapiche n. 9,no Hotel I rail- j.
>.. cisco, aondo da consultas gratis aos *)
j pobres todos os das. ?
Compra.
~ Coinpra-se urna escrava, moca, quo
seja perfeita engummadeira, coginbeira, e
que saiba cozor alguma cousa; na ruada
Midre de Dos n. 36, primeiro andar.
- Compra-se urna negrinha de menor
iJado : na ra Velha n. 81.
-Compram-se cscraves eevendem-se, re-
rcr as providencias perante a competcolejcebem-so de commisso, tanto para a pro-
autoridale Remarlo de Oliveira Mello. 'vincia, como para fra della: na ruados
No dia 9 do correte, na sala das au-' Quarteis n. 24, segundo andar.
dioncias do Sr. Dr. juiz do civel da primel-i Compra-se um escravo de naoSo, de
ra vara, depois da mosma, se ha de arrema-j idade al 30 annos, sadio, liol, sem vicio,
tar, por ser a ultima praca, as letras pendo-1 para o sorvico do casa, e compras na i ua.pa-
radas a Antonio Jos AiitunesGuimarflVs.por Ba-se bem ; na ra do l.ivramehto, loja n.
exeeucSo do Janes Raid & Companbia, e o. so dir quem pretendo,
outros crodores do dito GuimarSes, escrivof Compram-so cscravos de ambos os se-
Santos. sos, para dentro e fra Ja provincia; agra-
No dia 9 do correlo mez, na cala dasjdando paga-se bem : na ra estrella do Ro-
audieiclas, depois da do Dr. juia de direitoisario n 28, segundo andar.
se ha de arroma-i Con pra-so papel de diarios,
da primeira vara do civel, se ha de arrema- Conpra-so papel de diarlos, esenp-
teria do RO de Jdnciro, a benefi- lar a renda do sitio da ostra ta nova do Pao-1 tas ou livros velhos que sirvam para emliru-
,,,,, ,i llnirvinin An l'nl,,, l.on. d'Alho, com casa' de vivonda e arvores do' Iho, paga-so n 120 rs. a libra, na ra Augus
co do lio .picio de 1 edro n, bem, rruclo|'j Bva||(iJo om SJ0O00 rj c|a t|||1()>: u tfefM do Vlclorino Jus t,riho de S
como para esoriptorio, quartos, sala dojao-
tar, cosinha, eto.; assim como louca,vidroa,
candieiros, piaunos muito baratos neos
quadroscom estampss,e outros objectos que
valom apenaque se arrematen).
- Pedro Ailain farleiaoporintervencao lotera da Bahia a favor da vene-| pjr execucao de Matheos A'ustin em norcao
do agente Oliveira, de 3ptimos carros do 4 ravel orde'm terceira de S Fran-' Gompanhia, se ha de arrematar no dia 10do ,, '* v o 4 n nurr
rodasarreiados para aluguel, p.relhasdeca-. ravei oruen* lerceiia ue a. i ian ^^ nii m| d>f auiliencjas (iei)0js do liecife n. a3, se dir quem quer
vellos para os mesmos, e cavados para sella; cisco, cuja lotera tlcvcia correr
como os afortunidos e mui procu-.por lemnode iresanuos,arequerimentodos| ___(Jompram-se costados de ma-
racos bilhetes, meiOS, e quartos da [consenhoresdo mesmosHio, Domingos Cal- a a.el|0 0 setlr0
, ,. ', .' .das Pires Ferreira o outros. aeira ae IOUTO, aniuii
amarello, o
ao; na ra da Cadeia do
"L'a'rsen"* d* no dia ii do corrente, e iquella
corra no dia 3 do mesmo os
o agente Oliveira far grande leiISo de qU)es bilhetes e cautelas se ven-
mobilia quasi nova, e do melhor gosto, feita ] ,., ,
de Jacaranda e de amarello, consistin io em dem m dito estabelecimenlo aos
cadoiras, mesas, consolos, sofas, commodas, commodos tueros abaixo, e logo
lavatorios, dito com espelho marquezas, cliet/arm as listas no dia an ou
toucadores, camas, aparadores, qua iros, es- aue Cliegurn as lisias DO na 30 Ou
pedas, candelabro de mcio do sala, appare- a i do corrente, sao pagos SCU1 des-
Ihos de porcelana de mesa e de cha, cris- con,0 og seuJ respectivos premios.
correuto, na sala das" audiencias, depois do
meiodiaeein presenca do Sr Dr. juiz mu
nicipal da segunda vara, escrivo Cunha.por
Do Bio de Janeiro.
Bilhetes
Muios.
Quartos
Oitavos
Vigsimos
Da Babia.
li.lhlc-
Meios
Quartos
23,000
11,000
5,5oo
i r)oo
i..'loo
4,4oo
a,3oo
I ,'-'oo
rer
Declarares
Con ci.

S.illl los.
l-'.lllra los .
Total
457 volumos.
419
906
Freqnencia.
Accionistas. .
Subscriptores .
Visitantes.....
Total
413
288
87
788
Carlas seguras vinlas do Sul para os so-
nhores :Antonio Mara Pinto, Carlos do
Sonto Gondim, Joaquim Alvares de Frailas,
JoSo llaplista Fragoso, Jo3o Pinto de Lnmos
Jnior, Ludgcro de Salles o Oliveira, Manoel'
Joaquim Ramos o Silva. Para a ci lado de O-i
linda .'Angelo da Molla de An Irado, Salva- i
ini- lleuriquo do Albuquerque, Jos Antonio >
1 .:.-.'ni lirandilo. ===
Pela administrac.To da mesa doconsu-i Manoel Joaquim da Rocha,
lado, se faz publico, quo no dia 8do corren-, Segundo secretario.
te vai novamente a praca o assucar annun- > -- Desde n dia 31 do me; ultimo passado,
ciado telo cdilal do dia 6 do andante, pn*s!i- que ausenlou-so da casa de s-'u senlior, em
e.du elo lli.iMo de l lui'li Mil d > .od o ,n. Iliind.i, II :i muhtinliu do nmie J.i.lo, que
249. ter mais ou m^nos 13 annos de idade, com
Na primeira audiencia do Illin. Sr. Dr. os signaes seguintes : cor clara, cabellos
juiz dos feltoj da fazenda, tem de se arrematar' p,otos, grossos C oslirados, olhos regulares,
Na loja de CouvcU ^- l^eite,
m ra do Queimado, foi vendido o
n ioi que iirou 1:000,000 rs. e
mais nmeros de outros premios
; para baixo, os quaes se esto pa-
gando sem descont. Na mesma
casa so vendem bilhetes da terceira
lotera do Hospicio de l'edro 11,
pelos seguintes precos :
Bilhetes 32,000
Meios 11,000
Quartos 5,5oo
Uitsvos 2,800
Vigsimos i,2oo
Aviso importante purn os dono-,
consignatarios e capilacs de na-
vios.
Os senhores Richard,Payen,BahitKt o Mo-
rin, nicinbrtis da academia das sciencias om
mss^mwm wmmm mmmm una vara, escnv.10 ounna.por ,U Comprase um mulato ou cnoulo.de
sera ultima praca, um tcrreno'com casa e W 18 a 20 annos pouco mais ou menos,
mais bemfcilonas, penhorado aos herdeiros fS sendo de multo linda ligura e boa
de Manoel Francisco (uimarBes.o divide com conducta, paga-se bem na ruado Vi- W
atravessada ra Augusta em alinhamento *"'""^.ai*mi**mmmwmmm
aorio Capibarihe; tambem o dito terreno WMim~*WWW*'WWWW&*mW
divido em parle com diversas ras, como] Compra-so um gtiarda-louga pequeo,
tudo se pode ver do oscrii.lo por tros pracas, I ou mesmo umarn.ario com prateleira;quenl
que se acha em m3o do porteiro do juizo, o
no havondo quom lance ser adjudicado na
conformidade da lei.
O Sr. Jos Guedes do Albuquerque, an-
tes do so retirar para a Europa, tonda a lum-
ia lo de ir a ra das Floros n. 10.
A II .111 Ti o. *
Pergunta se ao morador da casi terrea da
iua detraz da matriz da Roa-Vista, so tem
liceuca do chelo de polica, n pre petente lianca como manda a lei, para nego-
ciar com cscravos, fzen.lo aenuncios pelo
Diario, o so nio sabe a pona em que incorre.
Um Nascimento.
Persolo o Sr. Dr. juiz do civel da pri-
meira vara desta cidade, so lia de arrematar
nos das 5, 9, o 12 donorrentn,uma casa ter-
rea 111011 aMi 1, sita na travessa da Senzaila
Nova n. 14, pertenci'iilna JoSo Prudencio
livorannuncio ou dirija-se a ruado Quei-
mado n. 2i.
Compra-se urna preta que saiba engom-
mar perfeitamenla, que touha at 22 annos
de idade. e sem vicios: na ra da UniSo.pe-
nultima casa a esqunrda.
Gompram-seescravos de 10
a 35 Hnnos de ida.le na ra do
Vigario 11. 19, segundo an lar a
trat.r com Machado ck Finheiro.
veuda>.
liOtcria do Bio de Janeiro.
aos 20:000,000 e 10:000,000 deis.
Na loja demiudezasda pruca da
Cruz esua'muIherVa oxcVo do Alexan- Independencia n. 4, vendem-se
bilhetes inleiros, meios quartos,
oitavos e vigsimos, a beneficio da
3. lotera do hospicio de Pedro II;
vem n lista no primeiro vapor que
chegnr do Uio de Janeiro.
bilhetes inleiros 21,000
Meios biihetes 11,00o
Quartos 5,5oo
Oitavos 2,800
Vigsimos 1,000
-.1.1,1 III W II III ,11.1 WW... -----, -,-----------------------^---------"--------------
2:000,000 e ou- I tui-lo, o por mais lempo do que o suP,lcienlo servadlo dos meamos pro lucios. Os senlio-
'a Jos Pedro de.' para avisar, protesta-so usar da facultado da | res Chollett Compandia ce tos do bom aco-
Ihimontn quo devem encontrar nesta pro-
pe.....
dita na ra de S. Miguel por
(ra dita por5o0,ouo penboradaa'a Jos l'edro de pgra avisar, prole!
Faria ; a renda animal da casa n. 3, da ra da |e paga-se,porm,generosamente, a quem
Clorla cmo6,000, penhorada ais licrdciros de prcsenl,r GuimarSosot Rocha, na ra
I). Genoveva de Jesuseadlas; a renda da casa j (. j do ncc.fe n. 40, ou em Goiinna.
de sobrado n. 17 da ru. de Apollo em 120,000, J 1*^ oitmtnU, c.s. do proprietario'
D -se 600,000 rs. a premio de um o mcio
pendorada a Joaquim Nudos da Silva; a casa ter-,
n a 'mu callao sita na ra Imperial n,95 porOO/. i
nendorda a Bento Soarea; um. ciarla, tt. no.' por cento ao mez, com hypotheca em cas.
Coelhosn. 23, por l:J0i,OOn, pendorada viuva terrea dentro desta praca : na ra do Sobo
de Antonio Jos de Alincida; urna caa terrea n. 8 se dir quem faz este imgocio.
lia na beceo do Quiabo do Afogado d. 5J, por! Na ra da Cadeia de Santo Antonio,om
30,000, pendorada aos derdeiios de liento Joa- frente s. Francisco n. 7, precisa-se da urna
quim de Carvalho; urna dita dita construida ,, scja bo, cosinheira e que faca
de taipa sita na ra de Joao teruandes Vieira "'"" "f < i V
D.ti 11. por IJO.OOtl, pcuborada a Joo Evaoge- compras.
lisia da Costa e Silva a renda annual da ca.a I U n. Jti sita nas Cinco l'onlas por 200,000, pendo-
rada a Joao Joaquim de Flguelredo; a praios, como tambem a ensillar alumas pecas de
de un, dous e tres anuos o cnxcnho uarballio danfa, o qunrondo continuar no execicio,
sito na comarca doCabo por 30:000,000, por ec- fra da capital, do ensino deslos inslrumcn-
ciico contra Joao Uaptlata Pereira Lobo em |0S olTorece-se a qualquer pessoa quo qui-
grao de adj^dicato, como ludo consta do edi-i zcr ut|j,9r.So do seu prest mo; dirija-se. a
tal em nina do porteiro; urna morada de casa .... d0 llortas n 37
JSSWS9: "Zr\ "la^'SsIZ, > r". do l-ivr. iiento n. .0 so dir quom
Wandcrley ; urna dita alta na ra do Motoco- | d a premio do dous por cento ao am, at a
tombo do bairro do Afoga lo n. t por 50,000, | qusntia dn 20:000,000 rs. com penboros de
penhorada a Amo Joaquina do Sacramento; ouro OU prala, o tambem SO Compram dous
una casa terrea sita na ra das Calcadas n ll sobrados e oito casas torreas,sendo nas prin-
por 700,000, penhorada a Joaquim llodrigucs I cjpes ras desta ci lado.como sejam Crespo,
Nova, Quelrnado, I,mmenlo, o aterro
dos Santos.
I', ni'o de Pernambueo.
Os descontos continan) a 8 por cento
aoatuin, por lelras al 6 mezes. Compra n
vende letras sobre o Rio de Janeiro de
qualquer quantia ea prazosrasoaveis. Tam-
bem reo 'do dinlieiros a premio do 5 por
cento ao anno, a nao menos de 6 mezes de
prazo. Raneo de Pernambuco 6 de novembro
de I82. O secretario, M. I. de Oliveira
Polasub lelegacia dos Afogadosse faz
publico, quo foi apprelieinlilo um cavallo
russo pedrez, com outros signaos, quo vaga-
va pela ra da l'aasagem da Magdalena, se)n
conductor: quemse julgar com direilo ao
mesmo, comprela em juizo munido de
pravas iegaes, que I he sera entregue.
Avisos martimos.
Cear e Mar.inbSo.
Segu em poucos dias, o bem conhecido
brigue escuna Laura ; para carga o passagei-
vincia,lodos ns vog.'taes da sua fabrica,quer
scja pola sua boa qualidado, quor do son di-
minuto proco, offerccoui a venda os seguin-
tes:Rtalas n 40 rs. por cada porclo, re-
polhos a 60 rs. dito, julienne a 72 rs. dito,
espinsfrs a 78 rs. dito, aipa 78 rs. dito.ma-
{Ss a 78 rs. oito, s.lsifos a 78 rs. dito, va-
nos qualidales de verduras a 90 rs. dito, Te-
jos oscolhidos a 190 rs. dito, rcpolbos do
hruxollas a 168 rs. dito,12 pratos do bruxcl-
las a 120 rs. dito. NotaO modo do propa
rar squolUs verduras he mui simples, deita-
em loAr rabci, pianno, violflo e cantona, '8 dentro de agoa queme meia hora, e ellas
veem se ao sen estado natural, e cxh'lam o
chairo como se fossem tiradas do jardim e
tempera-seda mosma ntaueira quo frescos,
e silo mui goslosos: procure-so em casa do
send.>r l'oiit s, na ra da Cadoia do Recife
n. 2. Ista nova jnvencilo sendo muito
superior as conservas etn geral, ja nluguem
mais deixar de comprar os excolleules va-
gelaes que s3o do suuimo proveito para
saudo.
AO PUIILICO
Tondo cu abaixo assignado, publicado po-
lo n. 251 deslo jornal, de 6 do corrente, um
aununcio em que dizia lor o Sr. Jos da Cruz
dos Sant.rs, tirado de mwilia car te ira um ro-
ndo do saldo de contas entreTnimc elle pas-
sado ; agora da novo declaro ao publico que
dito recibo foi apparecido ontre os meus pa-
pis, e existe em meu poder, e por isso ros-
tituo ao mesmo Sr. Cruz lodo e qualquer
descrdito que por ventura dito meu aunun-
cio tiver acarretado em seu desabono,
Manuel Luiz de Adren.
-- O abaixo assignado roga a bem conho-
cida pessoa, que a titulo de tratar de ques-
loes judiciaes, viera a sua casa na tarde
do dia sabbado, 6 do correte,e emquanto o
abaixo assignado janlava, se demorou na
sala, aondeestava a quaulia de 300,900 rs.
da lloa-Vista ; a tratar com Manoel Lopes da
Silva.
Ainlaso p'ecis por aluguel de urna
preta escrava, para o sur neo de urna casa de
pouca familia, que saiba fazer as compras,
e que seja fiel : na ra de 8. Fraocisco-, so-
brado n. 8.
Precisa-so do olliciaes de alfaialo que
in'iu desemponhemsuu lrahallio;na ra Nova
n. 18.
-- Precisa so de um caixeiro que lome
conta de urna venda por balanco, dan lo-se
um terco, que d llador a sua conducta;
quom ostiver tiestas circumstanciBS, dirija-
so a ra da Cadeia n. 50, que se dir quem
precisa.
Urna pessoa muito capaz oda lianza a
sua conducta, deseja-se arranjarem algum
estabeleeimento, menos ven la : quo.n ti-
ver precisSn, podo-se entender na loja de
ferrsge n. 53, un Recifo.
Jos Rodrigues Porto retira-so para o
Rio de Janeiro a tratar de sua saude.
dre Rodrigues de Ataieida, a qual lora ava-
liada nm 400,000 rs.: quem a pretender di-
rija-so a sala das audiencias nos das rofo-
ridos.
Kranklin Washington do Sonza Reg,
leva para o MaranhSo o seu oscravo Jos.
O Sr. Jos Guodes de Albuquerque, an-
tes de so retirar para Europa, lenh a I lin-
da io de ir a ra Nova, na loja do sellciro de
Santos Andradeol Companhia.
Manoel Concalves, sublito hespanhoi,
rclira-se para o Rio da Janeiro.
-- llcliran lo-me. tiesta provincia, aondo
tondo estado piulo ue solo annos, declaro
que mida .levo. Joilo lili, po da Cu o ha
lian 'eir do Mello
Procisa-so de urna ama do leile, captiva
ou forra,c que no tenlia lillio, paga-se bo n:
na ra do Amoriin n. 25.
Lotera de i\ossi Senltora do
Ll osario.
. As rodas tiesta loleria andam im-
proterivel no dia 25 to corrente ,
0 resto dos bilhetes acham se a ven-
da nos lugares do cosime.
Itoga-se aos llovedores do finado Antn.
nio Jos Vieira d'Araujo, que venhatn pagar
um lergo de gnus debitas sos abaixo assig-
nados na qualialalu tinado, para o que se acliam devidamcute
habilitados; islo pois o devcro fazer no
prazo de oito dias, do contrario serio seus
nomos, o quanlias declaradas par esta fo-
lha, e se proceder judicialmente. Itua do
Trapiche Novo n. 16 4. andar. Antonio
Jos Vieira d'Araujo, Jtjronymo Jos Vieira
do Araujo.
t'ngomma so com toda perfoicllo o a-
oeio, c por preco comino lo : no pateo da
1 -eolia, loja o. 4.
-- Deseja-se saber onde mora nesta cida-
de o SV. Jo.io Ferreira dos Santos, e sua so-
gra a seuhora D. Rila Loronla dos Santos,
alim de so llie fallar a negocio de interesan.
. Precisa so de una a DI, para casa de
pouca familia: no atorro da Roa Visti, ven-
ia n. 24, ge dir quem precisa.
Procisa-se de um eaixolro, do 1 4 annos
do idade, para una ciin.o.i : a tratar na
ra Nova n. 50.
- Deseja-s-; fallar com o Sr.Antonio Mar-
ques deMeiieiros, quo diz morar na oslrada
Nova para se Ihe dar a resposts de sua
carta : no paleo do Paraiso n. 22
Daseja-se filiar com a seuhora I). An-
tonia Francisca de Mello, para so Ihe dar a
rcs'msta de sua carta, sobre uhegocioque
. ni| ."i : lio pateo do Paraiso ll 22.
-- Precisa-se de urna ama secca, queen-
tenda alguma cousa de engommado: na ra
da Praia u 49, primeiro andar
. A. I tenca o .
O autor dn annuncio inserto nos Diarios
de 3 o 4 do corrente mez, com as iniciaea M.
R. R. I!., declara que nfio so emende com o
Sr. Manoel Rezendo do Reg barros.
precisa so dn um caixeiro para padaria
na ra Direita o. 82.
Deseja-so fallar com o Sr. Francisco
Pereira Pinto, que ha pouco lempo morava
no Arrombado.em Olinda, a negocio que Ihe
diz respeito; e como nSo he posaivel saber-
se do sua morada, roga-se ao mesmo senhor
am sedulas, sobro urna mesa;e |un leve
habilidade de carregar com esse dinheiro, r--
tenha aboudadedeo vir restituir dentro de quo diiija-se a Olinda, na padaria do Vara-
24 horas.quo so Iba guardar segredo; e do'douro, ou declare por este Diario o lugar
contrario ter de sollrer a pena que a lei corlo om que se possa adiar,
eomminaem casos taes.-Joaquim Francisco'' Na ra do Liyramenlo, sobrado n. 10,
J,de Albuquerque Sauliago. so dir quem d dinheiro a pramio.
Vendem-se oito escravos, sendo um
bonito molcquo do 15 aunos.sem vicios,bom
eopeiro, e por 'sso bom para servir a algu-
ma casa estrangeira; um proto de bonita II-
gnra, do 25 annos, bem robusto, e bom para
rmazein de assucar; um preto de 45annos,
bejn lodusto, muito bom carreiro, e entendo
de p!anlaiao de sitio, por pre$o barato; um
pardo escuro, do 35 anuos, bem robusto, e
dous pretos bous para lodo o sorvico; urna
preta do 26 annos, quo aiigomma bom, cosi-
nha o coze soffrivel; una dita de 30 annos
oue ho insigne enominadeiro cosinha o
diario, cnzesolTrivelmente, e lva: ua ra
los Quarteis n. 24, se^un lo andar.
Lindos e moderno pentes de
tartaruga.
Vcndom-se muito ricos pontos de tartaru-
ga para prender cabello, os mais bonitos pa-
drOos quu aqui loin vindo, muito fornidos,
pelo diminuto pjoco de 5,500 rs. cada um,
osquaes-as senlioras de bum gosto podetn
mandar buscar para amostra : na ra do
Queimado, nova loja de miudozas n. 47, de
Antonio Joso do Azevedo.
Vendo-se um bom escravo de nacao,
moco.de boa figura, e bom canoelro: na
ra da Mola n.25.
__ Vendem-se bilhetes da ter-
ceira loleria do Hospicio de Pedro
ii, cuj lista vem no primeiro va-
por pelos seguintes precos : na rna
larga do Rosario, luja de miule-
zas n. 26, de JoSo Francisco Rlaia.
Bilhetes 32,000
Meios 11.oou
Quartos 5,5oo
Oitavos 2,800
Vigsimos i,aoo
Cambraiasde salpico.
Vendem-se cambraias de aalpico branto e
de cOr, muito floas.com 7 1|2 varas, a 4.5O0,
ditaa brancas, com 6 Ii9 .'aras, a 3,000 ra.,
cortes de cassa cbita, mullo finos, e cor II-
xa, com 7 varas, a 2,500 ; na ra do Crespo,
loja da esquina quo volta para a Cadeia.
Grande sorlimento de pannos finos e
casomiras.
Na ra do Crespo, loja da esquina que
volta para a Cadeia, vende-se panno preto
fino, a 2,800, 3,200, 3,500. 4,000, e 5,000 ra.,
e Trancez muito superior, a 6,000 rs. o co-
vado, dito azul, a 4,000 rs dito verde mui-
to superior, a 4,000 rs., cortos de casemira
preta enfostada, a 5 e 6,000 rs., dita fran-
ceza muito elstica, a 8, t 9,000 rs ; assim
como do cores, dos mais modernos gostos,
ror prego commodo.
Vende-so retroz do Porto da primeira
qualidade: na ra do Apollo 11. 18, arma-
zn) do Tarroso


X,
Sands
SALSA PARRILHA.
Vicente Jos de Brito, nico a-
genteem Pernambuco deB. J. D.
Sands; chimico americano., faz pu-
blico, que tem chegado a esta pra-
^a urna grande porc3o de frascos
de salsa parrilha de Sands, que s3o
verdadeiramente falsificados e
preparados no Kio de Janeiro, pe-
lo que se devem acaotelar o con-
sumidores de tao precioso Talis-
mn, de cabir neste engao, lo-
mando as funestas consequencias ,
que sempre costumam trzer os
Taixas para enaenhos.
Na fundicSo de ferro de D.
\V. Bowman na ra do Brum
passando o chafariz contina a
iaver um completo sortimento
de tnixas de ferro fundido e ba-
tido, de 3 a 8 palmode bocea,
as quaes acham-se a venda, por
preco commodo e com prompti-
dao, embarcam-se, ou carregam-
ae em carros, sem despezas ao
comprador.
Feijao novo a 6,000 rs. .
No arroazom de Couveia & l)i>s, confron-
to a oscadinha da Alfandega. ,
iNa ra do Crespo, loja n. 6.
Vendem-se superiores cortos decambraia
edicamentos falsificados e ela- ^^ZVX^X tE
horados pela.mao daquelles que KOstos,a2,2*0o2,500rs.; cassa franceza a
,!,.,-.,., mu ini-irsscs aos mu- ** av*r* crles de bF'm Toncado es-
antepoem .-em inicresses aos m curog ^ mp5c|||(|0Si ,2000rs ^HDn0 fino
lesda humonidade. I ortanlo, pe- preto, a 3,000 e 4,000 rs.;lcngos de cambraia
de Dura que O publico se possa li- de linho, a 480 rs.; ditos do cassa grandes,
I f I .. ". a 160rs.;rsiadorMinhoa ISO rs. o covado
vrar desta lrautle e (tistingua b e mutas 0uiras Tuzendas pm conta.
verdadeira salsa parrilha de Sands ##****?'#"*?*$**'***'
Botica
28 ra
liomeopathica.
das Cruzes 18

da falsificada, e recentcmente a- *
qui chegada ; o annunciantc faz
ver, que a verdadeira se vende 9
nicamente em sua botica, na ra 4 cada uma ser* acompanhada do um v>-
frasco com glbulos inertes, e o
meio do os preparar.
A 1,280 ris I
Vendem-se cortes de lss para calca, a
1,280 rs.; na ra do Crespo, loja n. 5.
-- ftelogios americanos, para cima de
mesa, com corda para oito das o dura 30
horas, e o mais barato >]Ue em outra parle ;
na ra do Trapiche n. 8.
--Vendem-so Champagne, Abicintbio, o
Kirssh e farelJo, ludo de melhor qualtriade
pnssivel o por commodo prego : na ra da
Cruz do Rectfon. 28, primeiro andar.
Prelo a 4,ooo rs a sueca.
Vende-se no armaiem do Mouro, no ces
da alfandega, ao p do Becco da Conceigjo
Vendem-se dois globos de
geographia, por commodo preco:
na. ra do Queimado n. 46', pri-
meiro andar.
. Vende-so farinha do roilhn americano,
milito nova,-em barricas : na ra do Trapi-
che n. 8, o no armazom, no caes do llamos.
Botaba boa c barata.
\ ende-sc, no ai mazem do Com-
peli na trnvessa da Madre de
Dos n. 7.
-- Vendom-se caivetes mnito superiores
aparadores de pennas, lesouras milito linas
para costuras, limas proprias pura limar
dentcs, aparelhos de cosinha, e de cha de
lolha de Ierro estanta do paca brinrjuedoile
meninos, chaves paia tirar denles, gramil-
ras pra pesar ouro, tudo por preco muilo
lia para sn vender algumas caixas j commodo : na loja do ferragens, na ra da
., ricas com medicamentos em tintura. O
Cadeia do Recilen. 53.
Vinlio de Lisboa,
de superior qualidade, em barris deS-om
pipa; em casa da Augusto C. de Abreu, 11
ra da Cai'eia do llecife n. 43
Cal virgem de Lisboa.
Vendem-so barris com cal do Lisboa, pro-
pria para o fabrico do assucar, por preco
mui commodo : na rua do Abollo n. 10, ar-
da Conoeico do Hecife n. 61 ; e, i
alm do receiluario que acompa- r*r<*i"*-**"--*9-*t%& nha cada frasco, tem embaixo da -- Vendem-se as seguintes .ementes:-
un. nabos, rabanos.rabanetespncarnadosobran-
primeira pagina sen nome impres- C0Sj g0b0i8, couve trinxuda, alface ala-
so, e-se adiar sua firma em mi- moa, repulhudn,chicoria, senoulas, feijo
' 1. carrapalo de tres qualidades.ervilha torta e mu commocio. na
nuscnpto sobre O involtono im- diroit* ,, centro de toucoira, silga, lo- mazem de assucar.
presso do mesmo Irasco. mates grandes, repolbo, couve lombsrd., Vende-seurna garrotiobi depura raca
Moinhos de vento > n m",tard": "' ru* uCruz n- *6'
com bombas de repuxo para regrar hortss
ebaixasdecaplm na fundigSodol). W. Itow-
mamna rua do Brumns.6,8e(0.
Deposito San tos na llnliia.
lourina, flha do piiz: os prelendentes po-
defronle do Sr. doutor Cosme. dm dkigir-so a rua da Cruz n. 45.
~ Vendem-seamarrasdefcrro: na d Deposito de cal e potassa.
Senzalla Miva n.42. Cunha & Amorim, na rua da Cadeia do
Farinha de mandioca a 1,(100 rs. a llecife n. 50, vendem barris com cal em pe-
dra, nova, chegada do Lisboa pelo ultimo
saccn- navio, o brigue Flor do Mar; assim como
No armazem de J. J. Taaso Jnior : na rus barris com superior potassa nova, por pre-
o dAmorim n. 35. ros razoaveis.
quellarabrica.muitopropr.o para saceos^ D t ,, n0 de algodao da yinlio de Colares,
assucar eroupadeescravos.porprecocom- 1 "P '""l 7 ,
fabrica de Todos os Santos da em barris de 7 em pipa ; em casa de Augus
to C. do Abreu, na rua da Cadeia do llecife
n. 48:
Vendo-so,em casa de N. O.Bieher&C,
na rua dsCruz n. 4,algudn"otransado
assucar
modo.
liiilna.
Jal virgem de Lisboa.
Vende-se superior cal virgem, Vende-seo bem conhecido pan- '.. wnde-seum preto mogo de nago.bom
chegada ltimamente de Lisboa, e 0 de algodo da'Baha, proprio ^^^S^t^TSl
por preco milito em conta: .no ai- para saceos e roupa de escravos, rst0 pr(,lo f(,j dlselpolodo moihor sngr.i-
mazem do Caes da Alfandega n. a vontade do comprador assim dordesU provIncU.e est"bempropriops-
j 1' 1 ,, 1 _r ra qualiiuer luja, ouf"1""1" """"h""""
7, 011 a tratar no cscriptono de como lio de algodao da mes i>a la- :mil,llls ;czos,,,,,. f|t
Novaes & (Jompanhia, na roa do brica : no escriptorio de Novaes ventosas a lempo per
m 1 11 o r< 1 ____ j T-n; lilho. ou cessoa multo mais cara, porquem
Trapiche n. 3'4. & Companbia, na rua do Irapi- L,,^ UJa oll l0lla a rort,ina4par.
Fazenda da moda. che n. 3-'|. |a salvar "assim como se vende urna preta
Vendem-so superiores cortes de r.ambraia (^ Venilem-sc palitos prdo maisba- ^mo^a^engommadeira do proIissSo, o mais
de satpioos brancos dn cor, pelo diminuto rato do que em outr qualqu'r parte: na"1
iti'i.'ii de 3,500 rs.: na rua do Crespo, luja rua Nova 11. 26 ; a piles, com dinheiro
n.5. Vende-se muito em conta urna casa si-
l'otassa americana. l" luja, ou senlior de engenho que
a do orna sngiia nu
dem um escravo, um
*Gm8&mggm
habilidades, por 700,000 rs., o urna dita que
lava, cosinha, e vendo, por 430,00rs., tudo
na rua larga do osario, loja n. 35, ondo se
recchem cscravos por COmmlMBo.
Pelo baralo, para acabar.
Vcndem-so sapatos do setim Treto fran-
- eczes, a 1,000 rs o par, pelos do hezerro
E2!^ s7Z urero ra~l Veod-M no at,'rro da 0-v,, ?.' 88' pau i9 toda. U qualM.des, e aviamentos
so por proco razoavei. segundo andar, uma mulata de 22 a 24 nn- pari sa|,lcros> tlldo polo barato : na loja
UepuSltO (IC CU1 C [HHaScl. nosdoidade, sda, sem vicio algum, sa- |(la cstrtIU da rua do l.ivramento n. 19.
o armatcm da rua datJndea ^J^^JS^SSSSk lL *' df }-* Bi(
do Ltecifc n. 13, ha multo supe- olivo. Vende-je na ni. da C.dea do Hecfo n.
.! de Lisboa eui llCtJra -- Ach.-so i venda boa pitada de rap 9. Pmro andar, por eoinmodo pn-co
nor ca de i,isuoi, em pcaia ceza n L|ab0 om |lbrM 0 inelaSi a
anttnn com, potadla clicgada ui- vonUli
ti.o^mente a prec
noviia, j "" '"'.......->--------- ------------
MagalhSes, n. 51. ____ muito boa, tudo chegado agora do Araca-
Adamscuado monstro com 8 PaI" (ty, por Pr.-Cos mui co.mno.ios.
mos de largura. I.oja amarella
Vende-so na rua do Crespo n. 5, na lo-
Praca da Independencia n. 17.
Vendem se chapeosenvernlsados dos mais
modernos, galdo de ouro de varias largaras,
hotOes dourados lisoa de Pedro II e de an-
cora, tudo por preco commodo.
**.^a>**a>f>#*>a.*(afai#
Vende-se por 6,000 rs. 9
tima fila para carta de ba- ca
charel : rfa loia h. 3 da rua 9
>ova. J I
.\u rn a/mi ili' j 11. Gaecsly, na rua
da Cruzn. I,vende-so superiores charutos da
llavana chegados ltimamente.
Pechincha na loja nova.
Vendem-se na loja nova da rua do Itangel,
chales quasi lodos de seda, com um peque-
no toque de mofo pelo baratissimo preco de
2,500 rs. ; ditos de 13a por 1,000, chitas fran-
cezas escuras com bonitos.padrOes a 280 rs.
o coyado ; ditas inglesas cr flxas, a 200 rs.
ocovado; coite de cassa chita chegados
ltimamente a 2,000 rs. o cortee outns
muitas fazendasque se vonde emeonta para
adquirir [reguozia. '
Vrndo-se uma casa no Poco, rua da
Poeira, muito fresca, e com commodos para
uma familia ; o local n3o podo ser .melhor
para lempo do festa, por ser junto do rio :
na rua do Queimailo n. 44
Vende-so uma protinha da Costa, de 24
annos, de bonita ligura, engomma liso, co-
sinha p diario de urna casa, ensaba, e ven-
do na rua : no paleo do Carmo n. 6, casa
Ierres.
Veidem-se, por preco com-
modo, saceos com farelos gigos
com muito boa cervja, champag-
ne em garrafas e metas ditas, fras-
cos com manteiga, vinho de lor-
deaux em barricas, e velas steari-
uas tudo chegado pelo Cont
Hoger : na rua do Trapiche n. 1 t.
Vendem-se chapeos de seda para sol,
selins dos mais modernos e do superior qua-
lidade, chicotes finos : todos estes ohjeeliis
s3o inglezes.e chegados por um dos ltimos
navios ; na rua do Trapiche Novo-n. 18, es-
SALSA PARRILHA
DE
As numerosas experiencias feitas como
uso da salsa parrilha em todaaasenfermi-
dades.oijginadas pela impureza dosangne,
e o bom xito obtido na corte pelo lllm.
Sr. Dr. Sigaud, presidente da academia im-
perial de medicina, pelo lllustrado Sr. Dr.
Antonio Jos Peixoto em sua clnica, eem
sua afamada casadesaude na Gamboa, pe-
lo lllm. Sr. Dr. Saturnino de Oliveira, me-
dicodo oxercito e porrarios outros medi-
cos, pcrmiltem hoje de proclamar altamente
as virtudes cfllcaies da
SALSA PARRILHA
DE
HKCiNrroi
Nota. Cada garrafa contem duas libras
de liquido, e a salsa parrilha de Bristol he
garantida, puramente vegetal sem mercu-
rio, iodo, potassium.
Em consequencia de se|ter fechado a bo-
tica do Sr. Jos Mara, mudou-se o depo-
ajjlo da salsa parrilha de Bristol para a bo-
ti ea ingleza rua da Madre Dos n. 1, vende-
se a 5/000 rs. o vidro.
Instrumentos de msica.
Tanto para orchestr*, como pa-
ra msica militar, vendem-se mui-
to em conta : em casa de Brunn
Praeger & t'ompanhia, na rua da
Cruz n. 10.
Vinho de champagne.
Vende-se o verdadeiro vinho de cham-
pagne, de excellenle qualidade, ao preco
de 25,000 rs.; assim como de qualidade in-
ferior, muito em conta : no armazem de
Brunn Praeger & Companhia, na rua dt
Cruz n. 10.
Barege para vestido a 600 rs. o
covado.
Lsti fazenda feita de laa e seda,
olferece ao comprador, nao s a
cientes commodos, todo mralo, tendo tres
cacimbas, tanque, e differentes arvores de
fructos : na rua Direita Jesta cidade n. 78.
Vende-se na rua do Crespo n. 16, uma
pulseira de ouro, de gosto moderno ; assim
como colheres de prala em bom uso, tudo
P"r preco muito mdico.
Vende-se um riquissimo 8 lindo sorli,
monto de obras do ouro fabricadas na Euro
pa por um dos melhores ourives, e chegad*;
ltimamente no vapor lnglez ; estas obras
pelo gosto e duricomerecem toda alinelo,
nilii so so vendo a relsllio como tambem eoi
porcOes, assim como qcuIos para theatro,
relojos patente inglez, caixas grandes o pe-
queas com musios, e outros muitos objee-
tus : na rua Novan. 21, loja de Germano ro-
lojoeiro.
Capachos com abeitura.
Vendem-se capachos com aborlura no
meio para licarem ern redor de mesas do
meio do salla, na rua da Cadeia do ftecifo n.
48 primeire andar.
~ Vende-se por 5,500 c 6,500, uma fita de
qualidade superior para carta de bacbarel :
no alcrro da Boa-Visla, j 1 n. 1
commodidade do preco, como por
criptorio de Edwardi Wyalt. ,., 1 .'
-- Vende-se um silfo, narua Direita da ser um vestido de lindo padrSo e
povoaco dos Mugados, com casa de sufli- que nao precisa livar-se: na rua do
Queiinarlo, loja n. 10 acharao os
compradores nao s as amostras
como as pecas.
Potassa e cal virgem.
Na rua de Apollo, armazem n.
a B, vende-se por preco rasoavel,
muito nova c superior potassa ;
assim como cal de Lisboa da me-
lhor que existe.
O cautelista Antonio Jos
liodrigues de Souza Jnior faz
sciente ao respeitavel publico, que
acaba de receber do Kio de Janei-
ro, os seus afortunados bilhetes ,
meios bilhetes quartos oilavos
e vigsimos da lotera do Kio de
Janeiro, a beneficio do hospicio de
Pedro IL, e csto expostos a ven-
Vondc-se uma padana, siia no lugar de da em .su 1 loia de ferragens na
" rua do Queimado, junto ao becco
da CongrcgacSon.37 A, na mesmo
la loja n, 12 de Joao Baptitta
Rodrigues de Souza, e no aterro da
toaveis.
Agencia de Kdwin Maw.
riarua de Apollo n.ti, armazem de vicLal-
muntai Couipauhia.acha-secousiauteiiieutc
hons sorlimeolu.i de taita de ferro coado e
Chegada ul- ;ollU,lo do comprador, chegado ullimamen me.ro andar,ven lem-so pellos d> cabra cor-
os muitO ra- l ZeU, vapor Severno ; na rua da Cadc.a do UdM} esteras de pall.a do carnauba do
os mullo r.i p p d da cunha m de 2 varas de comprimen o ; sapalos
m >,Bo n 11 para overflo o invern, e cera de carnauba
rua do Mondego n. 29, 011 na rua de llortas
n. 18.
-- Vonde-soum cirnoiro manso, com scu
enmpelento selim em bom uso ; na rua das
-.' Na'rimdaI Cadeia" do 'ecife n*,"pr-|CinCO Ponas, casa 11. 23.
-- Narua do Collegion. 17, vende-so uma| B0 Vista, lof de miudezas n. 8,
berna com aroiaco o peitenccs, e muito .,., -, ^
lucos gneros : a tratar na mesma. I de Antonio da Silva Luimares ;
bado,tantoVa'aa conio'fundas.inocndasin- ja que f^z esquina para a rua do Collegio o
eiras todas de Ierro para aiiimae, agoa,le., novo adamascado branco para toalhas com 8
Na rua do Crespo n. 9, vendo-sc o supe-
rior panno de linho do Porto, em poeas de
13 o 14 varas, por menos preco do que em
As nimio
acreditadas chitas cihoclas de
11 novos gostos a 200 rs. o covado ; cintas li-
nas com novos desenhos e cores lixas a 240
rs. ocovado; chitas francozas da primeira
qualidade a 280rs. o covado; riseades fran-
ceses
en
supe.._
a 2000 o corle, diversos padrOes do riscados
de ca^a lingindo seda do quadros a 220 o co-
vado ; alpakas do cores fazenda do-ultimo
goslo a 640 o covado ; dilas com los dase-
da fazenda muito lina a 800; ditas pretas
lavradas imitando seda a 880 ; brim tranca-
do de puro linho cor de lama de Pa-is a
1600 o corte: dito amarello com urna lina
ditas para armar em madeira de lodos o ra- pa|nios do largura pelo baralo preco de ;()U^ a qi,a|,,uer parle, cambraia franceza
maullse madellos o mais moderno,machina -
burisoulal para vapor.com lorja de 4 caval-
lus, coucoa, paasadeiraa de ferro estanhado
para casa de pulgar,por menos pre^oque os
de cobre, eacoveus para navios, ferro iogle
tantocm narrascoiiio em trcosfolhaSfeindo
por baralo ureco.
arados de forro.
Na fundifSo da Aurora, om S. Amaro,
reodem-so arados ile ferro do diversos
mojlos.
Veudem-se os verdadoiros solinsin-
glezes, patonto, do molla o sem ell
rua daSenzalla Nov n.42.
Venrtem-se relogios de ou-
ro e pr&ta, patente inglez: na rua
da >enzaila jNova n. 4^.
AGJi\ClA
da fundico Low-ftloor.
RUA DASENZALLA NOVA N. 42
Neste estabeleeimcnto conti-
na a haver um completo sorti-
mento de moendas o meias mo-
endas para engenho machinas
de vapor, e laixas de ferro bati-
do ecoado de lodos os tama-
,600 rs. a vara, na msma loja ha um rico |oom hahmios a 360 rs. o covado, o pecas de
ultmenlo de manguitos de cambraia para 'can,l>ra de sidpicosa 3,000rs.
vestido do senhora o mais moderno auo tem ; .. Vende-so urna muala moca e robusta.
appan-cido pelo preco da 1,000 rs. cada sai,0 coser solTrivel, tem muilo bom Icilo e
um. com uma cria de 2 anuos ; urna nog'a que
Toda atlcnco ao novo sortimento sabecosinhar c vender na rua ; uma dita
I .. n.|n.'lii wliit ebeoado da cidade Ha isal 111J li ,dor(i de n|a (1'US m()itf^aeSi do ,8 innoi>
na rua (lo Crespo n. l4 loja de dB lindas figuras ; 3 negros bous (rabalha-
Jos Francisco Das.
- Iiw~, I
tura : na rua larga do llosano n. 22, segn
1I0 andar.
Vende-so um preto crioulo, do 20an-
nosdeilade, perito ollici! de sapateiro
lab
poucos ge
*J Vendem-se dous escravos crioulos 19
V com 20annos ponco mais ou-monos, m
de bonila ligura e boa conducta : na a)
9) rua do Vigario n. 9.
Altencilo.
Vendem-so pentes de tartaruga ullima-l
mente chegados de Franca, do mais apurado
gosloe pelo diminuto preco dc5,500cada;
um : quem se quizer utilisar da pecliincha,
dirija-siao aterro da Boa-Visla loja n 46,
de J. 8. de Mcnezes, que shi achar para es-'
colher.
Condessas grandes.
Vcndcm-sc na rua da Cadeia do llecife n. I do Crespo n. 15.
4s primeiro andar.
AttenciTo.!
Vendc-so um sitio no riacho o'Agoa Tria,
com boa casa, trpenlos e lano* ps de co-
queiros, vinte o tantos ps de larangeiras, e
muitos outros arvoredos de fructos, excel-
lenle baixa para capim.e muito pasto paia
gado: a tratar na rua Nova n. 21, tercoiro
os quaes sao pagos logo que che-
guem as listas no dia ao, ou ai do
correntc, sem descont algum.
Bilhetes inteiros aa,oooa
Meios bilhetes 11,000
Quartos .1,......
Oilavos a,800
Vigsimos i,3oo
Vendem-se lencos de seda do quadros
padrOos modernos.para senboras o homens,
Vendem-se espelhos com mol-
duras douradas, os mais ricos que
teera apparecido no mercado : na
ruada Cruz do Recile n. 49* ar-
mazem de L. Schuler & Com-
panhia.
Vinho do Porto superior feitoria.
Vende-so a 41,000 rs., rada barril: no ar-
mazem de Barroca & Castro, ni rua di Ma-
dre de Dos n.26.
Modas francezas.
Rua do aterro da Boa-Vista n. I.
Madame Millochau llucssard, avisa ao pu-
blico e as suas freguezis, que tem 1 venda
presentemente um mu escolhido sorlimen-
lo das ultima modas de Pars, chegadas pe-
lo navio Cont Roger; lindos chapeos de se-
da para senhon enfeilidos de blonda ver-
dadeiro o plumas finas, ricos cipotinhose
chales de seda, capotinhosjie bico branco
ultima moda do vero, chapeos da ultima
moda para montara, vos'pan os ditos, ro-
meiros e cabecOesde bico de qrjalidide su-
perior, ricos cliapeps de pslba lina di Italia,
ricas fitas de todas as larguras, chapeos de
seda,oiios de palha,ditos de seda para meni-
nos o meninas, mangas dn bico, trancas de
todas as quahdades, capellas e flores para
ii' ivas, veos para as dilas, ricos enfeites pi-
ra bailes, lencos de seda, camisinhas lingin-
do coletesde lil o cambraia,lenrjos da cam-
braia para m.los, luvas, ricas capellas e cal-
los de flores finas, cimbris de linho, fitas
de veludo, bicos o rendas de linho, fitas,
cambra las, tirlatana, cassis finas, etc. etc ;
essas fazendas se venderlo por precos mui-
lo em conta. Nesaa casi bem conhecida pe-
lo bom gosto que existe nos nhje -tos fabri-
cados nella, e continua-se a fazer chapeos,
loucadorese vestidos de baile ou casamento
para senhoris vestuarios de bsotiaido, e
mais enfeites proprios para sonhoras,
Moendas patente.
Acaban de chegar moendas e meia moen-
das de varios tamanhos da patente de A e
ICdde Mornay em casa de lloiha e Ridoulac,
rua do Trapiche n. 1-2, aonde tambem se
acbar irados de ferro do modelo miis ap-
arovado par s plantacto da canna. Estes
arados sSo construidos na fabrica mais ae-
credilada em Inglaterra e contem vintagens
snbroTis outros irados,tanto no aeu irranjo
como na sua apurco.
Brunn Praeger & Compa-
nhia, tcem a venda no seu arma-
zem, na rua da Cruz n. 10, um
lindo sortimento de mobilia de fer-
ro, como sejam, mesas redondas ,
rail eiras com bracos e sem el les ,
e sofs, ludo de ferro, e outras
rom encostos e assentos de pao ,
etc. etc.
Tachas de ferro.
Na fundilo da Aurora em Santo Amaro,
o tambem no deposito na rua do Brum logo
na entrada, e defronte do arsenal de miri-
niia ha sempre um, grande sortimento da
tachas tanto de fabrica nacional como es-
trangeira, batidas, fundidas, grandes, pe-
quenas, razas efundas; o em ambos os lu-
garesoxistem guindastes,pin carregar ca-
noas o o carros, 11 vres de despoza : os p rogos
san os miis commodos.
Cesso.
Vende-se gesso embarricas, cbegido l-
timamente : em casa de I. KellerAt Compa-
nhia, na rua da Cruz n. 55.
-- Vende-so um honilo cavallo grande,
proprio para carro, muilo novo, e coroal-
guns andares ; na rua da Alegra n. 42.

Escravos futidos.
ualiiiiaeiBuurs. uuivduu, ,,.-ul- ... com principio do holieiro, bom possanto e Bdo : a tratar na rua Nova n. 21, tercoiro
CSes os ma,s linos qno tem vindoaomer- Hem acn motivo s* dir ao com- '"dar.
ido e de novos padroes a S80 n.,0 mo, a(|or a traUf. ra 30,eil,^ no sjtjo ioi .. Vende-se um oxcellento cavallo dn sel-
penores cortes de cassa chita muito linas ro U(^ a hl)ra do dja_ |8> muil0 ,lon,tl lii{Url)i boa curi ,, m ar.
nlios, para dJCD,
Moeiiilns superiores.
Na fundi^So de C. Stirroi Compmhii,
ems. Amaro, acham-seavendi moendas
de canoa, todas de ferro, e um modelo e
construcgSo muitosuperior.
Cal^rirgem.
Vende-8e cal de Lisboa a mais nov do
mercado: ni rua do Vigario n. 19, prunei-
indir, escriptorio de T. de Aquino tenseca
dr. :'iiiin, oum rua do Trapiche, mazem de
Antonio Augusto da Konseca.
- Uma encommenda do cobortores,
Que por serem poucos *
vo podem ebegar.
A todos os compndoros,
11,600 rs. cada um : ni rua do Crespo, lo-
ja o. 6.
Alerta freguezos
Que sSo cnegadns,
Cobertores no algodSo
Muilo encorpados.
Na rua do Crespo,luja di esquina qno vol-
l'i pin a Cadeia, a 1,600 rs. cada um.
A 5,ooo rs.
Superiores(chapeos de sol de seda ingle-
zea chegados pelos ltimos navios, pelo di-
minuto proco de 5,000 rs. cada urna na
rua do Collegio n. 4.
Vendem-se lonas, briozSo, brins, e
meias lonas da l'.ussii ; no armazem de N.
O. Riobor & Cnmpanlii!, ni rui di Cruz
n.*.
Em casa de J. Keller &
Companhia na rua da Cruz n.
55, ha para vender dous excel-
lentes pianos fortes, e de uma das
melhores fabricas, chegados lti-
mamente da Europa.
1 ujualqu
Luvas lie pellica.
(chis muito macias ; na rua da Cadeii do
llecife, loja n. 54.
Vendom-se luvas de pellica, ponto inglez, j ^^^^..^M^my^iaiB^iy^.^
senhora, a 1,700 rs.; ditas com'enfeiles, a ; ?De psito de tecidos da fabri-*
,*;*- i.a... ........ .... t B _i mi o .__
muilo novas, tanlo para homor
ca de Todos os Santos,
na Bahia. *
lislra fazenda do muila duraco a 1600 o res, a 1,800 rs.; ditas de algodSo para rron- '. a> Vonde-se em casa de Domingos Al-aj
corle: assim cono outras multas fazendas taris, a 320 rs. : na rua cstrrila do Rosario ves Matheus, na rua da Cruz do Re-*!
2,000 o 2,500 rs ; ditas lisas Com um toque [ f>
do mofo, a 320 rs.; ditas pretas de lorcal, a j.
720 rs ; ditas de seda de muito bonitas cu-! a>
e por muito pequeo prego, como sejaui jtravessa do Queimado, loja de miudezas n.
madapoles, algudes o zuarques o mais 2 a, junio ao deposito de p3o.
fazendas baratas.
Arados americanos, chegados dos Es-
tados-Uuidos; na rua do Trapicho n. 8.
Aos senhores de engenho.
Narua do Crespo, loja o. 12, de Jos da
Silva Campos & Comrantiia, tem para ven-
der, dinheiro, osfamados cobertores do
algodSo brancos, vir.dos da Babia, sendo o
prego dos grandes 1,000 rs., e dos peque-
nos 800 rs., a porgilo he pequea, e porlan-
to dwem-se eproveitar, porque talvez tifio
chegucm par asoncomuiendas.
Casimiras modernas, a 1,00o rs. o
covado.
Na loja de fazendas da rui do Crespo n.
5, que faz esquina para a iui do Collegio,
vendem-se casimiras do gostos modernus,
a 1,000 rs. o covado.
Loja nova.
Vendem-se na loja nova da rua do Ilang!
n. 8, capolinhos de seda furta-cores borda-
dos de matiz coin'colete de selim e gorgu-
rSo branco, um completo sortimento de
manteletes pretos muito onfeitadose da ul-
tima moda, capolinhos do fil preto borda-
dos de seda, chales de seda de varios tama-
nhos, vestidos de cambraia de cores de tres
babados, manguiulias de linho para vestidos
de manga curta, cortes do 13 de camello,
vestidos linos de.cambraia branca com fron-
tispicio bordado, boas luvas de seda ama-
rella para senhora, um completo sortimen-
to de trancas pretis fins proprias para en-
lejiar vestidos, lencos do seda com frauj,
los pretos de linho, muilo bom sortimeiilo
de cambriiisdo seda, c 110 meias de fio da
Escocia pan senhora, e outras muitas fazen-
das que se vendem por preco cammodo.
-- Vende-se gello, a qualquer hora do da,
Ino deposito da rua di Senzalli Velha n.
' 118, ou na rui do Trapiche n. 8.
Lencos de seda pira gnvatas.
Veoiltm-ie lengos do seda para grvalas ,
de muito bonitos padro>s, a 1,000 rs. : na
rua eslreila do Rosario, travessa para o Quei-

cifen.52, primeiro andar, algodSo^
<
.. 1 ransado'daquella fabrica, muitopro-
Z Pr' para saceos e roupa He escra-^
a vos, assim como fio proprio para ro-., .
_> des do pescar e pavios para veilas,<-
por prego muito commodo. #
mado, loja de miudezas n. 2 A, junto ao de-| mMtmMmmm%wmmmmmmwmmmwi^
FuudicSo d'Aurora.
psito de i'.""i
i'echlnchi nunca vista.
No aterro da lioa-Vista n. 6S, ha pan ven-
der grande porgSo do bulachnihas inglezas
das mais novas quo ha no merca lo, pelo ra-
rissimo prego de 2,500 a barrica, contendo
28 libras em cada uma.
Os lllm- Srs. estudantes do quinln an-
uo dassciencias juridics la academia de U-
linda que devom lomar o grao de hachareis,
sSo convidados para comprarem as (las pa-
ra as suas carias, na loja n. 2 da rua Nova,
atraz da matriz.
Chcguem ao bom e barato.
Vendem-se leques do muito bonitas piu-
laras, a 2,500 rs.; caixiuhas Je vidro muilo
propiias para aMeulioris guardarem juias,
a 720 rs. ; meias pretas do lUodAu muilo
finas, para as mesillas; a 480 rs. ; dilas pa-
ra meninas do todos os lmannos lano
brancas como pretas, a 320 rs. ; ditas para
meninos, a 240 rs.; lilas de velludo para vol-
ta, 11 mo rs frocos, rebull!'-, litis, fran-
jas para cortinados o outras muitas miude-
zas, que se venderlo mais baratas do que
em outra qualquer parle: na rua cstruita do
Rosario, travessa do Qneimado.loja de iniu
de'zas 11. 2 A, junio ao deposito de pao.
-- Na casa nica, a direiti, em freulo di
espolia da Estancia, vende-se uma linda es-
cravade20 a......., que cosinha, lava, en-
gomma, e coze pe leit.iiiien'o, tanto vesti-
dos de seuhoi a, como camisis de homem,
bordidos, tecidos, la bynulos, marca, ponto
de cadeia, cacund,ete., veste urna senhora,
e faz alguns doces; c leva uma lilbinlu de
3 annos.
Na fundicito di Aurora, acha-so constan?
temante um complelo sortimento de ma-
chinas de vapor, tanto de alta, como de bai-
xa pressSo, do modellos os mais approva-
dos, Tambem se apromplam do encommen-
da do qualquor forma, que se possim dose-
jar com a maior presteza .- habis olciaes
serSo mandados para as irassenlar, o os fa-
bricantes, como teem do costume allian-
gamoperfoilo trabalho dellas, eserespon-
siliilisam por qualquer deleito, que nellas
possa apparecer diiranlo a primeia safra.
Muilas machinas de vapor construidas neste
eslabclccimciito tem estado em constante
servigo nesla provincia, 10, 12jil 16 an-
nos, e apenas tem exigido mui insign-fican-
les reparos, o algumas al nenhuns absolu-
tamente accrescendo quo o consumo do
combuslivel be mui inconsideravol. Os se-
nhores de engenho, pois, o outras quaes-
quer possoas, quo prccisirem de michinis-
mo, s.i'i respeilosamentn convidados a visi- j
lar o esiabeleeimento em Santo Amaro.
VemiZ do gamma copal coutiiiin a
vender-se na bolica da rua do Itangel, a
1,280 rs a ;:.-.< r. fi.
ItemeUio especial para boubas o era vos
seceos roiilina a rendor-se na roa do Itan-
gel, botica que fui do finado SubasliiloJos
de Oliveira Macedo,
Oleo especifico pira curar n ca tina a vender-se na rua do itangel, a 640
n. cada frasco.
Vendem-so lonas a milacio da Russia,
muito em coala : no armazen de Fox Bro-
thers, na rua da Cadeia do Recife n. 62.
propiios para a fdsta e pelobarato prego de
800 rs. cada lengo ioleiro : na loja da rua
do Crespo n. 15.
Vende-se a taberna do largo da ri-
beira confronte a praga da farinha, de Jos
Francisco CalvSo, para pagamento dns ere-
dores, esta lio a melhor daquelle lugar, e
vende diariamente 20,000 rs : quem a pre-
tender dirija-se 1 rna da Madre do DilM ar-
mazem de Vicente Forreira da Costa.
Vestidos de seda.
Na loja do sobrado amarello da rna do
Quoimalo n. 29, tem para vender corles de
vestidos de seda escoceza de quadros pa-
drOes muito modernos, assim como vnde-
se da mesma fazenda a covados.
Cortes de vestidos a 3,000.
.Na loja do sobrado amarello nos Quatro
Cantos da rua do Queimado n. 29, tem pira
vender um novo sortimento de cortos de
vestidos de nscado francez, novos pidrdes
e cores fixas..
Vende-so na rua Velha n. 55 uma preta
perfeita engommadeira, e com outras mais
habilidades.
Chegram para os diverlimentos
dasiestas, e para as familias de
bom tom.
Ruscaps grandes e pequeos.
Candelas romanas ou pistolas.
Flammas do efir verde,encarna Ja e branci.
Rodetes, ou chafarises, grandes e pequeos.
Rodas de sala, grandes e pequonas.
Potes de fugo d'agui.
Foguetos do ar. .
Bombas grandes e pequeas.
Iniieientes ro las de vistas.
Cira-ses.
Bastan, ou azas.
Vende se por prego muito baralo, quem
quizer procure para ver as amostras em ca-
sa do Sr. Antonio Jos de Cistro, na rua do
Vigario,
Aos senhores de engenho lavra-
dores e mais pessoas que tem
esclavatura, a 800 rcis e 1.000
oda um .'! !
Na roa do Crespo n. 14, loja de Jos Fran-
cisco Itias, t-im para venderos muitos afa-
mados cobertores do algoJo branco muito
encorpados, fazenda de muiti duragfio sen-
do a 1,000 rs. os grandes, o a 800 rs. os mais
pequeos, assim como as mais delicadas
chitas francesas de liuissimos pannos o no-
vos" dezenhos, sendo fazenda do ultimo gos-
lo o cores muilo lixas, a 320 rs. cada cova-
do ; assim como multas outras fazendas por
diminuios pregos.que de tu luso ilara imos-lzia da Varzea, desappareccu lio !. do cor-
iras deixando penlior. IreulH.n moloqne Paulo.iimpoucoabeslido.o
Charutos de llavana. [representa ter 10 17 annos: quem o pegar
,k leve-o ao mesmo eiigaiiho, que sera bem pa-
Os melhores que teem virnlo a este mor- u0,ell tr,b,||,0. *
cado : vendem-se continuadamente, em ca-__________________________,
sa de Brunn Praeger Companhia, na mal
da Cruz n. 10. .Peas. : Ttp. di M. F. di Faru. 1869.
100,000 rs. de graliicacSo.
Desappareceu no dia 7 de maio prximo
passado, o pardo Leonardo, de idade 18 an-
nos ponen mais ou menos, e tem os signaos
seguintes:paixo, o pelto um tinto medi-
do pira dentro, cabellocarapinhado eat ao
meio da testa, e falla descangado. Este es-
cravo vinha todos os dias vender leite no Re-
cife, de um sitio na Boa-viagem, pertencen-
loaJoamia Miria dos Pasaos, de quem foi
escravo: quem o apprehender e trouxer na
rua da Seuzalla Velha n. 60, segundo andar,
receben a gratificagSo cima.
Desappareceu a 14 de outubro deste an-
no, a negra Ignez, de nagSo Costa da Mina,
que'representa ter 33 a 35 innos, secca do
corpo, altura regular, olhos vivos, tem na
face 111 -i--l.-i uma marca preta, e dous ta-
Ihos da marca da sua trra no hombro es-
querdo na coixa da perna um caroco a
uma marca deferida que parece ser boba,
tem os peitos pequeos e em p, e os ps
cambidos, he bem fallante, e quandoandi
puxa pela perna ; levou cahego de mida-
"I .i", vesi 1 in de chin inglezi de listras rou-
xas ja desbotado, saia de chita franceza
branca com listras rouxas, e panno da Costa
rouxo ja velho: quom a pagar, quein leva-
la a rua do Trapiche n. 36, segundo andar,
diie sera recompensado.
Desappareceu no dia 31 de outubio
du correte anno, um escravo d 1 na- *
g3o, por nomo Antonio, com os sig- *
naesseguinles : estatura regular, ps jg
grossose upados, muito preto e bas- |
tante picado das bexigas, tem mar-
cado i fogo no peito oir^ilo as se-
guintes letras J C S Cbem visi- *
veis, e uma das orelhisfurada, por- *
queasvezes eostuma Irazcr brinco, U
tem a falla sjbre-aaltada o is vistas M
espantadas, o algumas marcas de chi- V
cote pelo corpo; levou ferro com i>
& corrente aos ps, levou caiga e cami- ii
H sa de algodSo da Babia, chapeo de J-,i
a| palha: recoramenda-se muito a pri- ;j.i
silo deste preto aos Srs. capules de g
Ij campo, prometiendo se pagar com jj}
g generosidade, na rua do Vigario n. 9. ss
Ausentou-ss de casa de seu senhor, no
dia 27 de outubro prximo passado, a preta
de nome Joaquina, de nigo Renguella : al-
ta, cheia do corpo, bragos grossos, denle.,
bem alvos, car fula, tem um signal de quei-
nn nira na face direita al o meio do pesco-
go, e outro no lagarto do lingo : levou ves-
tido de chita amarella,o panno da Costa ve-
lho ; gratificase bem a quem a levar 4 casa
11. 10, junto a igrej da Estancia.
Desappareceu no dia 3 do correte mez,
uma negra crioula por nome Rita, de estatu-
ra regalar, secca do corpo, a qual represen-
ta ter 35 a 40 aonos, levou comsigo vestido
de chia com asiento branco e llores encar-
nadas, panno da Costa azul e um (landres
novo com azeite de carrapato; roga-ae a -
todas as autoridades policiaca e capities de
campo, qeiram empregar todi diligencia
sobro a apprehensDo de dita escrava, e leva-
la a seu senhor na rua do Trapiche armazem
de assucar 11. 24, que so recompensar.
-- Do engenho Santo Amariuho, fregu-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EAB1J9J8Z_V37Y4R INGEST_TIME 2013-03-29T16:44:21Z PACKAGE AA00011611_03094
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES