Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03093


This item is only available as the following downloads:


Full Text
r


AimoXWilI
Sabbado G
MARIO
nr.90 A sUBau.iPolo.
Pioiscanro Abuhtado.
PJi tilmeure ...........4/000
Por semestre.............>/"'
Par auno........1.....'VW
P*OBNIIO DOrIMI3T.
P01 .cuartel......-......V*
OTIOUDOlfIBIO.
Pa.a. 2 deOutbr. Minas... 8 de Selbr.
Manaban. 5 de dito S.Paulo. 1 deCiilbi
Cear.... de dlio It.deJ.. J5 dedito I
Parahlba 20 de dilo Babia... 1 de dito | cimo.
bia>ti tai, AusmurolAs.
iSeg. ** Fela de
Todus os Santoa
2Tere. Coinmemora-
rao de todos F. I).
3 Quart.S. Malaqutas
i Qulul. B. Cario,
5 Seil. S./caria*.
6Sab. S. Severo.
7 nom 23. S. Prosdo-
Jacioa OrphSi
I.eS.aa lOborai.
I. tarad civil.
3. e 8. ao meio-dia.
tattaia.
I. eS. 10 oras.
J. tara <* eivel.
4. esabadosao meiod.
**a.
Tercas r sibadoa.
Ungan te i a, a 1 hora e 18 miamos da m.
H>va i 11. as 1 horas ei minutos da tarde.
Creseeate a 18, ao 0 nlouio dalarde.
Chela a 28, ai 4 horas 2] miamos da tarde.
fiiiaiaoiioii
Primeira as 11 horas e 42 inlautoada inaahaa.
Segunda 0 c 8 inloutoa da tarde.
EXTERIOR.
REPBLICA FHANCEZA.
Do computo fo'mado sobre as deiibera-
ces q ue tomaram 1 eceote m on le os c inso-
Ihosgeraes resulU que delles 40 consigna -
rm simplesmenta o desojo do que se per-
petu o poder Das mSos do Luiz llonaparte :
alrim dia>o, 9 pediram o restabulccimento
do imperio hereditario ; 18 limitaram-se a
emitlir votos pela consolidacSo e estabili-
dadedo poder; 5 nao lizeram tnais do que
dirigir louvores ao governo, sum exprimir
nenhum desojo ; o 20 finalmente, apresenla-
ram em termos singlos as uas folicilagOes
prooiettenJo-llie apoio.
O correspondente do Clamor Publico rs-
crevc-lhe de Paris o aeguiote em data de 4:
a Dos arligos publicados pela imprenss
ministerial tngleza sobre os projectos de
Luiz NapoleSo, e do acolnimenlo que leern
nes principaes cortes da Europa; da expa
pico de Mr. Persigny a Londres; da pro-
gresiva perseguido feita 1 imiirensa ; dos
discursos de Mr (Jaroche, a sybilla do Ely-
se, e de outros patnarchas bonapai listas,
proferidos pranle us conselhos geraes ;
das grandes manobras que liouve ne>tes por
parte do btnipaitismn fogoso ; o, linslmen-
te, das medida* mu significativas que to-
ma o governo para a prxima viagem do
prosidenteao sul da Franca; se deduz cla-
ramente que ae aproxima por momentos a
accIamacSo do imperio. He ja un Tacto de
que nSo he licito duvidar: he rnenle urna
i|uc.-t 1.1 de lompo, mas de tempo mu cur-
io. Se o casamento com a princeza Vasa,
ou com a princra de haden <*., se I11 de
verificar antes ou depois, be cauta que de-
pende dascircumslancias. Na ordem regu-
lar dos acontecimentos, o casamento ser
antes ; mas lamben) polem precipitar-se os
successos em virluJo da excursSo ao sul, o
do proceder da opposisSo qu-> aspira a
obrar activamente, segundo disse na minha
ultima.
Sim, senhores; o imperio he ja cousa de-
cidida, que hoje he po 1er electivo, tem-
porario, revogavel e responsavel, aspira a
ser, eefleclivamente si declarar, poJcrhe-
redictario, irrevogavel, irresponsavel e per-
manente. La veremos o quo ganha em esta-
bilidade !
Principia a formular-so a .opposirjito da
maneira quo por ora Ihe lie posslvel faze-lo
Assim, a guerra que o gobern declara aus
livreiros, porque ousam vender o folhclo de
Vctor Hugo (a 15 francos, lio verdade), 01
livroiros responden! com a giurra das es-
tampas, poiem das ostampas legaesque
o governo actual nSopo-de prohibir. Cu-
esto corrcio falla de materia, quando sur- por affeicao nello queriam volar, como
gio ante hontom 0 n. 113 do me amigo ir- afllrmou um, que he meu amigo de longa
MI. que minislra-me vasta materia. Com rf- dala, e que toma minha casa, qoindo vcir
feit'o sshio de chupeta, e nunca o vi tSo chcio a esta eidide. Sabe que S. Exc, generoso, c
de Nuvembro de 1852.
N. 251.
PERMMBlaO

VAKTISAJ) oa coaxmaio'.
laaaa e rarablba, siejruada leitaa-
ras.
o-Ciande-do-Borte e Victoria ai qutala
iras
Ito.Caruara.eOaraabuaa no Me l Sdcada
i*t.
vea.Ourlcury.Exu e Boa-Vlata l 3 21
nda, todos os dlaa.
os os Correios partem ao melo-dla.
BTOTIOIAB IITMIBIIMI.
Portueal i. detiutbr..Austria .
Hespanha 9de dito Suisaa....
Franca.. 8 de dte
Blgica... 4 de dito
Italia..:. 3 dedito
Alernanba. ;'(- dito
Pruasia ... ''de dilo
Meilco...
Callforaia
IB de dito
n le dito
Dinamarca a Bnsaia... :9 de dito Buenos-A. 58deSetbr
Turqua. 26dedito {Montevideo 5 dedito
OAMMloa H i N' viainno
pobre Londres,a 28 por i/000 d.
deOutbr. Jarle, &0
'dedito. > Lisboa, !por canto.
Suecia;. 28deSetbr. "Taeb.
Inglaterra 8 de Oulbr. Ouro.Oncaa hesnanholaa......'..:: yoco
E.-Unidos 2SdeSetbr. Moedas de 6/400 relhas........ MtvlO
de 6#400oova.....
de4/OO0......
Prata.Pataedeabraaileiroa.
Pesoscolumnarlos.. ,
Dltuameiicanoa......
(i
l/90
1/9J0
1/80O
los dignos negociantes, quo nos honraran, de escrivSo ooscr.vi eassiznei. Em f de. eral, um ataude funeslo I.. Que he uto que-
ma sua mi ledatudointeirado, rogamo"heSr. Uo lahydo, Regueira Costa, Ballhar & liveiia, sideravel! So voj" lagrimas, ouco gemidos
deponas, narece-me, compaiand mal, um honosto como he, lem dito claramente, quo Denlo que as accompanha.
quandu. ouinora, itpinho. Como elle se lem- s qu-r sabir depulado por sua provincia, o llccife 4 de uuvemhro de 1852.
brou demim. nSo quero deixar-mn vencer que nu sihindo por ella,ain la quo por esta Ballhar Oltveira.
f I 1_. .>.__*>_____ ^ ___man* 4?b Ka* ll l.l III > I !f I IimI. I i n.,1 i 11 i i I 1 i
lllm. Sr. Dr. ehefe de polica.Diz'm
althar & Oliveira, quo Ihes faz a bem lo
em bondade, e por isso, sem mais demora, [ seja eleiro, nao lomara assento. Sabe fiual-
qucrodar-lheatlencao. mente, que S. F.xc. nSo he capaz de enun-
No excesso de sua bondade chama-me uer- ciar o contrario do que senta, que n) lie eu lirc loe juslic, que V.S. se digne man
dadetro o que me nao agradou muito, por- capaz do fazer eleicOes coma farinha para ar que o respectivo escrivao Ihe passo por
quo nao dando eu nada pela sua vtrucidude, Uoceorr da pubraa ; mas o Xnjos quer ,<- iortidao o tlioor da denuncia, que da nidada
ucoem discooliaiica da minha, quando elle sua lir aos patricios de S. Etc aus honra- lo Putto oi odnreasada a V S na qual
a asievera. Dizque Iho lenho feito mullos e dos Pernamhucanos, que S. Exc. he candi- lonsta aus suppl.cantes que se Un altri-
imnortsntcs aerVicos em narrar as obras dato por esta provnola, afim de que elleahi )ue urna remessa de selulas falc-s, daquol-
dos thaggi us isso he ironia, ou cntao he tenhs potfta volavo, e o Arjoa a noore vin- a cidade pelo vaoor inglez quo Ituntem a-
ile ludo inteirado, rogamoslhe Sr. lio
actor, a iniersu deslas llnhas, o do douu-
peior elle do que o asmotleu, que, dizem, pa
a bjm a quom o serve
ganca de 1180 ser eleito o snu arnifo.
3iitiiln tenhode referir os acontecimentos
a provincia sem despostar a S. Exc. .Vio lu
vido quo'meu amigo POaM bem avallar o
qui' sej i urna policio dif/lcil, porque mais de
urna vez se tora visto em tal aperto, mas cer-
lilico-lhe, que quando redro o t)ue sei, om
minha consciencia refiro a verdade, e Tallan^
do a verdade nSo me considero em posicio
dif/lcil, (juanlo a desagradar a S. Exc le
nlio a dizur-lhe, quo cei lamento multo o si li-
li r ih rorque Icnlo-llie mmta syinpalhia pe-
las suas lioas qualidades, mas um tal desa-
grado nenliuma consequencia para mim po-
dtria ter, iorqueS. Exc. lem bastante geue-
rosidade para perdoar anda a seusdrtrac-
tores injuslos, c eu muita independencia pa
ra l mor os grandes. Outro lano duvido quo
diga com verdade o anuyo, que jasuosque-
ceu dos altenladus horrorosos c> nnioili.l is
pelis piopnas autoridades durante o do ni-
nio de seus pro liloclus, que se esquecou de
seu papel durante a OOluluoft adniiuistrar;o
do Carntiro do Campo*.
Como goslu dos exemplos quero a,ireseii-
lar-ihe alguns. Ilavia na cidade d'Area um
tal (loncalves, do quem quena descartar-so
o .lelegndo respectivo; mas Gun^alves n5o
era poco ; portante o delegado manlou vir
Migu.l l'ercira, Arcenio, o oulros quejandos,
fez corr r iros ve/cs om menos de meia ho-
ra ao Goncalves, 0 S sois horas da tardo urna
uta lerrivol Iravou-sa entre este inerme, o
aquelies armados, na qual suecumbio Con-
r;ales, e mais lous companhi-iros. Anda
esta por instaurar o processo i'? .' Consume
que S. Exc. maiidou inslaura-lo agnra. Os
assassiiius foram mandados para o engenho
Muuguenguu, tres legoas distante desla ci-
dade.
O Carneirodo Campo', pora salvar as ap-
parenciaa, niandou o cnefe de polica ao
Brejo, o lo subido OOncollO concebeu esle
do valor dos HaUinoa Miguel, o Arcenio po-
mo se ha de prohibir urna oslampa que i ja selvagena'com quo commellcram o at-
roprosenla o presidenti) da repblica, t-itaJu, que no regiesso v'iu pelo Uuoguen-
rom a mo nos sanios evanguliios i" gue, e pedio ao oono do ciigenlio para ver
aclo do jurar a coosliluirlo rcpubcana | as (jras, como corsas rtnt, e dignas da al-
ema tribuna da assemlda constituinte a i,..nr;j0i e cunosidale de um elido de poli-
Odedezembro de 84S? Esta estampa "-! ca da profusamento espollia la, e obsorva-iel Havia em Campim um pobre advogado,
lias labolelas de muitas lojas da livros em ca|,|0 n desagrado dos mandoes, o urna
l'aris ; nello est escriplo om lUras mu ca-; nojl() f0i a.-sillalo em sua casa por um as-
ras ojurameuto quepioleriu Luiz .NapoleJo sns-ino, em uccasiSu em que ca va com seus
que segundo o theor do artigo 48 da cons- jaoiigus, o Toi viclima, airavcssaJu por urna
tituicSo diz ssim : 'espada.
Ero. presenca de Dcos, o do povo fran- sjm dos ao.igns matou com urna faca ao
cez representado pela assombla nacional, ass,yo. Eite tralla nnn pistola, que Toi
juro ser fiel a repblica democrtica, nica | rcconlieci.la ser do promotor interino. 0
Accrotceiila quo minha PosicSo he dif/icitl necossaria influencia para nao lar eseegos-
.._________..i. ... i. .. m>... i. ...I... -. .... i hmS o HUaa
Eu quizora sor Pernambucano, e terahi 'l'o'uto deexameporV S procedido u'ad
indivisivel, e cumprir todos os deveres
que m,e a constituiclO. I
amigo, que vmgou o amigo, foi perseguido
o o promotor veio conferenciar DOtlOstei'O
Para supprnnir e prohibir isto, era mister | llc s h,.,i(o com os Dmeos do Argot, o di-
supprimir o apagar a Insto i i de hontorr.. E zern-me que ullimanienle com o Car.eiro
sem embargo disso, o governo imperial ver- j jc (,ia)p09l q0 muito Iho estranliou l ir pis-
se-ha obrigado a upprinu-lo o prolnbi-la, -lolas 15o conhecidas, quo o coiiiprouioltos-
sob pena do nascer desauctorisado o mor- scm i t no tein raso o ^rjm de cnamara
lo! iactualiladu maro de sanguu i Ce.-ltnieiilo,
Uffl jornal alemSo, o Lhyddc Vienna, ex- pUiquo too dominio foi nSo u na mu, po-
plica pelas seguinles causas a dilat;3o do ca- rni um eluvio, que quasi nos afoga a
sement de Luiz llonaparte 'todos.
Um dos mais celebres '"' j Eis o por ,ua eu, teslemunha coiva, elogio
Alemanha deu ao principe V?!a o Soualbo|u ulonuJeSi ,,',,,,, sc a lalla de Toro, e
de iiTni casar sua lilha antes de ter 20annus
completos, em rasa do nao estar comple-
Ismenle desenvolvida n.1o obslanto contar
j 19. Por oul-a paite, a princeza tem de
MiU'n-r breremente urna operagao cirurgica
muios I lies n.lo permute. provenir iutuira-
mento os crimcs, e capturar os criminosos,
nao correm ellos por conla dolas. Nao ve n
forado proposito a observaco, de que as
victimas dos Crimea sempre s.lo di lado lo
~--------------------i .' ___,...;.,,. D V Clltlill nos crines se.inuio a.iii u-i mu*' Por estes rasos julgou-seconieui., ,es-( algum, surto inlica de que
pacar as nupcias O mOaJ"*> "H Uu0 MVoa autores ; porlanlo a cachate da
lir correspondencia assidu. entre Luiz Na- ( ^ Ja at.B''(,rfa,/e.
polcao e a familia \asa : e nao doixa o pri- u..-i-_.
meiro de enviar a esta todas as somau is as I O mes no mcu omiso no espo dirjan o oc-
flnres mais raras e as fruclas mais singula- I caaiaO, de favorecer a U>"?*'8" i
res que produz SI. Clutid. ,
A principio peiisou Luiz Bonaparte em
casar-se primen o e em seguida fazer-so im-
perador ; mas ltimamente mudo i da pla-
no ; para o li m do anuo subir so tlirono, e
noseguinle cunlralnra o niairimonio
Segundo escrevo o Memorial Bordelais
dentro em poucos dias seria inaugurado o
camiohodo ferro de Anitoulctno a Bor leiux
para esse fimestao-se fazemlo e toda a prns-
sa os ullimos Irabalhos : e a companhie
conressiooaria ja uomeou os empregados
que hao de oceupar-se nesle sTVigo.
[Oa Rcoolu&o de Sctcinbro i
JNTERIORa
COhllESPO.NDE.NCIA D DIARIO DE PER-
NAtsKUCO.
1' u.-.liili i 30 de outiibro de 1852.
Eslava quasi sem poder escrever-lhe por
FOLHTI[tf
0 PALACIO PIIODAN. (*)
por /WT. isogeno "Beaubotr.
I'ABtE SEGUIDA.
O ramalhele.
^ove metes ac passaratn depois dos ullimot
aeonlrciinentos referidos na primeira parte des-
la historia. Vuina dessas lardea encantadoras
de seleinbro.que a doce Italia pode alada ooia-
parar com as da sua primavera, tres pessoas
t^tTi-Sm s'entadas em um los labolciros verdea
iloPralolioo, perto de Florenca.... O aspecto
desses magnficos jardius embalsamados eolio
pelo delicioso ebeiro de mil llores aromticas,
o declivio l'acil de sus regatas, o ar lepldo e sua-
ve passando sobre os gerauloa e sobre as gles-
J Vide Wor u. 2i0.
mear a discordia, no que he/nor/o, tras urna
chapa de depuudos, que transcrevo, porquo
lio digna, nao porqui as pessoas nella inen-
donadas no sejam mullo capazeso mere-
cedoras, e no sejam em sua maioria as mes-
mas lumbradas, e admillidas pelo lulo, mas
porque bem inaiufesta a innocnle latonglo
de quem a puhlicou como sin commeitlo.
Ei -la--O Exm. prosiJuiit Dr. Antonio Coe-
Iho le Sao Albuquerque, e secrelario Dr.
Lindolfo Jos Corroa-das Nevos, o Dr. Fran-
cisco de Assis Pereira Rocha Jnior, Dr. An-
tonio Jus llenriquos, e commendador Fre-
derico do Almei la e Albuquerque, e coxo
suplemento um, que, diz o Argos esl en se-
gredo, e lio especial, e com muito ompenlio,
recommendado por S Exc.
Moralisemos O Argos bom sabe que S.
Eic uSo quer ser depuiado por esla provin-
cia, que o lem dito alto, e bom soin, que o
lenescriptoa s-us amigos do iu'.erior, que
' -.: .. a-L I l '
las de ouro, a tac ada grandiosa da villa, scu
d-scnho in-gesloso c )torcs:o, ludo isto lerla
podido cnmuiovcr I um eslraogeiro rccem-chc-
gado a Toscana; mas os nossos tres persona-
gens -i ni todos da Italia, c mi era cssa a pri-
meira ver. que se achavam reunidos nesse lugar
de recreio, para onde a nobrrza florentina leva
alada hoje cu fausto, sua occiosidadc c seu
aborrecunenlo.
N'uma csteira estendida sobre a herva, entre
dous homens mocos maravilhosamente confor-
mados e galantemente vc.tidos, urna mulher
de viole a viole e tres anuos cscutava com o Ic-
que na ni.ni, cmquanto um negro balao(ava por
cima de sua cabeca um chapeo de sol de fran-
jas de ouro.
O que ella cscutava era a Icitnra de ulna car-
ta, que um desses bomens bavla tirado negli-
gentemente de sru glbao de setim braoco Ora
se se devesae julgar por suas distraccdcs fre-
quentes, por sua impaciencia c sobre tudo pe-
loa bl'coulus doces que ella dava ao negro, ca-
sa epislula devia iuteressar bem pituco a signo-
i Giuilitta, cantora addida a casa do archidu-
que. O Olytupo dos theatros talvet nao tivesse
alud i apreseulado couaa miis perleita do (|iic a
ignora, que tmlia cliegadir de Roma precedi-
da de urna ri'putaco Iiiimi-n.i, e l liaba des-
ireaado a Hgala, a a Petraci, as duas ralobaa
do cauto. Sua brllrsa, que passou em prover-
bio, a tornara de tal surte altiva quepaiecia-lhe
injuil'uasua presenca oceupar-sc alguem de
ouira cousa qac nao de seus cabellos, e de sua
tes.
ti ib lio ao Argos, que, cinbo-a seja me/ amigo
devo di 'o -lu, vola t>/io ao mrito.
A descoherla do can li lat protegida, e
om segredo, he pira lanzara desconfianza
ciitru S. Exc e o partido dominanie, que
temi si us candidatos, Rio poo.soffrer de
bom grado que S. Esc queira prolrir um
em favor do se intitulado irolegido. Fe-
lizmente aquella esperteza de mono he tSo
grosseira, quo nlo i ode prolu/ir elToito.
Os mais da l'siasao caudldalos dopati-
lii, 'nu vejo quo os do par) lo daopposi-
(So Ibes sejam superiores om nnirecimento,
e menos para os ponlos de aojirar;8o com
que aeunipiiili r.im os nomos do S. Exc o
dosecrelario, quo no silo inferiores a ne-
cjiortou a esla cidade, e bem ssim o Iheor
ministrac^o do correio om todas as carlis
viodal ao dilo vapor com enderessoaos sup-
plonUS, e liualtiiniil" ludo quanlo a lal res-
peito lem. oceorrido. Pode a V. S. se digne
mandar passar a certido requirida. E. II.
M PPaso secretaria da polica de l'oinani-
buco 2 de uovenibro lo 1852, lligucira
Cosa.
Francisco Ignacio de Atlaydo escrivo vila-
lu'iif iln jii./D municipal da i' vara com
exercicio na policia, nesta cidade do Rc-
cilT, provincia de Pcrnambuco porS. M.
o Imperador, que Doos guarde etc. etc.
Cnriilco que a denuncia dada conl'a os
supplicantes, e o aulo do exame o avengoa-
es a que se procodeu podi los por certi-
i.Vi na pelicilo lelru sao do Iheor se-guin-
tohy .
Antonio JomiGomes do Coireio, Domingos
dos Passos do Miranda, J> in Fredenco de
Alves ll..:<, 11. A. Mi M .
Certifico finalmunle que nada mais tem
occorrido a respeito, que prejudicSr possa
aossupplicanles. E mais scnSo conliuha na
denuncia, e auto do exima e averiguares,
queou escrivto no principio dosis declara-
do o abaixo assignado por virlu le do des-
pachu retro bom e fiel mente extrahi por
r.o lii.ii dos proprios originaos que ficaru
om mou poder e carlorio, o vai a prsenle
scm cousa quo duviia la(a por mim escrib-
i e .-.-1,111.1 lo nesta ci lado d-i Itooiffo de
1'enianihtico aos dous lias do mez de no-
vembro do auno do .Nascrncnto de rtoeso
deparo pranlo, diviso tfisteta, lulo.dr.pen
na.s encontr a(llicc,es e a amargura .' Ve-
jo um esposo venerando junto ao lugubrn
8arcophago, carilindos parda daconsorlo
cara ; prenles espavoridos descravendo om
seus roslosa dr lina que os repasta ; ami-
gos proleando,!- com incessanles solucos do
monstrando a falta de pessa lo amavel;
eonnecnlosomm inconsolaveia a morte da
sua bamfeilora .'! Qual a cansa, qual o mo-
tivo de tanta pena, de lana magua Ja a
mnttlo escrutadora presagiando, palatela o
ohjeolode lauta dr. Sem duvida, a Libiti-
ii.i c; iicl.a negra parca ceifou de algum mur-
tal os das amenos, virtudes claras, que lan-
o i.-U'iit iva Ja vejo exanauo, a ionani-
SenhorJ-sus Chrislo de 1852 trigsimo dalmada a llluslrissima Scnhora D Anna Jo-
independencia o do imperio do Brazil, es-lquini Forreira, que nascida de urna das I-
crevi e assignei em lodo verdade. Oos-| lustres familias desta cidade, as suas bellas
cnvSo, Francisca Ignacio de Attahyde.
iiliuin dos com que se honra o Arijos por [ ti.111 m. n Exm. Sr. Para a prim ira aulo-
princi, io algum. Eu conhego a lodos, o pos
so d ze-lo, o ate desc T a prova quando o .4r
gol quizer.
Na contiiiuacilo 'l) seu com i-ento lauga-
se sobro o honra lo cominendi lor FreJenco
de quem diz, que nenliuma importancia lem
na provincia. ComeOaltO lie muila coguci-
ra Anles de :ier conheci lo na provincia o
actoal director do Argos, anles de so ha ver
elle nolabilisado ja era conheci lo, e rospei-
l, lu o o.i ii" do 'om o li la lor Fredorico.
Seria bom que 0 Argos n3> entrasse em cer-
tas quostes, parque la nina voz sai o ho-
mem do serio, o diz cousis que nao agra-
dain minio a quem nao pausa hsin quan lo
loca a ii laes ni llenas. Eu conheci) bom a
todasaavimportancias da miiiha provincia,
na qutl nasci, ja lizorain 70 .uno-., por lan-
o contieno bom as tarangeiras, e teullo a lem
d'isso um archivo, om urna arc soin lampa,
do aiitigns jori.aes, que sorvein do ndice a
minha memoria.
Ja vi!que n.lo he muito prudente dosciilir
importancia onde ha um chronisla do mcu
rilado de Polica de Pcrnambuco.lllm.
Eim. Sr l'orbam do servido desse impe-
rio convem que V. Ex. sem per la do lempo
mande ao correm interceptar u n ni ic/> fran-
queado no correio do Po'lo por esla pa-
quclo o dirig lo a lia lili ir li Olivcira, o qual
cootoin notas falsas. O lenuncunte ro^a
a V. Exc. so digne aecusar-mc a rece,cao
dista em liorna de Ro lolfo Mac Grogor.
Porto 8 de oulubro do 1852.
Aoto do exame e averiguacSo. Vnnn do
nascimento de v S. Jess Chrislo de 1852
au primoiro da do oiez do novembro do di-
to anno sen lo nesta ci lacle do Recife de
Pemimbuco ua casa que serve d'aduiistra-
i;."io do correio goral aonde foi viudo o
Dr. chefe de polica interino Jos Nicolao
Regucira Coala commigo escrivSo do seu
cargo para elIV.ilo do se pruCder exame e a
vanguicao as cartas vindas dePoitugal.no
vapor ingloz Toviot que nesso lia havia che-
ga lo ao porlodesta mosma cid do, dirigid iS
casa commo'Cial dcsta ditacidade Ballnar ck
Olivciraonlresquaes consta va por umacnt
quilate, apezar las dillicois posices que do denuncia dirigida a po-icia vittdi do Porlo
raooTiprcslao Argot. no predilo vapor com a assignatura de-Ro-
Apicsoutatamhem o Argos duas roortes, d0|f0..j|aC.(;regor, odactada do 8 deoutubro
quadiz tercoi siloultiinamenta relias a o pajj,d0 vir un nuco de grande vollum
Corabir. Ignoro iiilciramente a verdade i,.,,,,.,,,,,,^ no correio do Porto com indo-
do lal sserc.ao, mas so loram succelidas, ro referida casa commercial do Ballhar
breve lh sa nottciaroi, tilo po ionio entro- ^ 0| ,8ira conten lo notas falsas, e Man lo
taiiti.Vmc acreditar o ellas, porqu) a no- .,ros,,(ll6S osls> administrador do correio
Una ve it por roaus canses. Ufo quero di- a.nUinio Jos Gomes do C.oneio, seu a|i lan-
zer ron isa i que o mcu amigo au podes- t, c,inl,dur Domingos dos Passos de Mirau-
s.) estar ni lia OJn ,,s empreuil thuggaii, d os d'inais empregados desla ro.-arli-
ao euutrari i rjcoiilui;i q.i) se ell.....)S qu- ni)j ,|m a0 pei|uo0 Uinoro do pessoas
zesse abrir seos rcauos muitt cousa u'il a|j je .,chan, procurando recabar
salieriamos, mis pirq ie, e ol i mesino o
disse, sos correspondencia a lal respeito
esta mniio mal motilada, e as Dolila! Ihe
chngam tarde.
.Na la mais me consta, que inlerj-c a Irn-
quilidado publica, e seguranza .nlivilii.il.
II- pro/.ivel qued-pois las eleirjois al-
guma Cousa OCCOrra, porquo pareca-me,
que no ultimo vapor Viera ni orJens aperla-
das ila corle, sin ne lu directorio ali oxis-
tr)1le, pira ouipenhar-se todas as droas no
venc nenio das elalfos, o he n v quo taes
or iens cimprein-so ain la que ton'iam di!
augmentar a mur de sangue.
Tem acessado lodos os liveitimentos, c
esta ::Os"c n um completo se sabor. Se
eu nflu estivora acostum-.do a vida aimi-Tra -
descaja linha losespora l>, mas vejamos
lepis las eleices se roap.nreco os di-
vcrtiiCnlos.
Tam-sa-mo augmenlalo a i-- ii;"io le
aprsenla -mi c nlilain, lorqu i dizoin-
mo que ua corlo liverto se um filho do
Adflo sillrivelmaiiio ; mas leuho mulo mj
do do forquilha, a do \rgos.
A Dous. S-.il le o gordura, o-amigos mais
gratos loque o Argos, que m toui grabas
a Dnit, multa a lliisul!________^_^___
Correspondencias.
Sr. I'.e l.-n'lor. Sej qual. for o cuidado e
esmero, qoe eaiproguo alguem para vivar
conformo as leis do honesto eju.tn, no
esta twempto da revezas, quo multas -vezes,
circumstancias improvistas, occasionam.
Rem longo est vamos de prever, que a mis-
sao com que nos honrou a cumpauliia luzo-
brazileira da paquetes a vapor, dosse lugar,
a endaressar se om lim sinitlro, urna do-
ii nii'i.i conl'a io i -, polica de Pcrnambuco
A verdade, porem, que loj) muita Torca,
triumpliou complelainonlo o appareceu em
loda a luz para coiifuzflo lo cr.lunma lor;
e convenc los, q ie olla Sempra hado tians-
luzir em despeilo de tramas e embustes, de
quem nao pode ver o bem de muilos, nff >
recuvmos n\em reza, quo nos foi confiada
asiiuanaassin i i ima ~ sasir sanaraaerm
KH.i nao era mulbcr que adinitlisse dlstrac-
edes ; por laso nao pode suportar a leitura da
epstola que entao laia a aeu amigo Rodolfo o
joven conde Pepe de Slrvuela, c locou com a
poula do icque no papel, de modo que dcscoo-
cenasse o leilor dicendo-lhe i
Sea prima LcoScIvIa I lu- eiil a I nili Nao
he um gracioso thcina esse da corle de Franca?
Elle gaba seus bailes esuasfeslas! citasia-se
como uin camponrz de Fleaola dianle de suas
mulhercs! As Francczas sao falsas, c nao cun-
fessam o que tomam emprestado. A quem de-
vem rllts sua belleza, se he que sao bellas? A
seus perfumadores, os quaes sao lodos Italiano*.
As do i. raluhas conheceiu bem isso. Pcrgun-
le ni-lites de que ellas usam einseu palz: l-m-
quanlo que nds outrai, sculior Pepe, arrosta-
mm o calor e o p, ellas passain tres horas por
dia em casa de sen estufista, ao qual eoobre-
cem por pouco prrfellos. que sej-m seus opia-
tos. As murteles de Franca, unta liga para
e"as.
aeu primo Leo Seiviati, mcu charo Pepe,
.iii.iiii sempre a pintura, c ell porque acba to
iieli.e as mulhercs de Fianca, que sc piutaiu
Unto
fallando asaim a aigncira ill 'gou o aeu galgo,
um solaerbo cao que O archiduque llie havia
dado. U-conde Pepe le Slrvuela ollendiilu pela
grac, qols desculpar seu pruno, e disse W-
Minha chara GiuJitla, voss he lujusla, e
para prova disso basla esla passagem que Ihe
diz respeito. N>o parti ba um auno de liorna
mcu primo Leo para fugir de vust, pon recela
Senhoros ro lacloros. Queiram publicar
em seu CODOeiUiado jornal os uomesseguin-
tes Jos cida loo- ii quo pretendo volar para
eleitoret, os quaes recoinuionlo aos meus
Coinparschiaiios, conlando seren bem acoi-
tos
0 votante do S. Jos.
Dr. Joaquim Vilolla de Castro lavares.
I. n|.i -,-.i ;.. publico Joaquim Pedro dos
Sanios Bezerra.
Dr. Alcxnulre Rernardino dos liis.
CapitaO M-noel Joaquim Ferreira Este-
ves.
Depositario geral Francisco llaptisla de Al-
meida.
Enpregado publico Jos Brazilino da
Silva.
Tenenle coronel Joaquim Luccio Mooleiro
da Franca.
i: ni.ni -i i me Jos Carlos do Souza Lobo.
Emprega io publico Monoel Jos Teixoira
Bastos.
Empregido publico Joilo Morcira de Men-
donec.
Empregado publico Antonio Francisco
Xavier.
Commomauto Joaquim Jos Tavares
Dilo Justino Pcroira de Andrado.
Dilo Amaro Benedito lo Souza.
I'roprielario Manocl de Almeida Lima.
DituTorqualo llcnnques da Silva.
I'harmaceutico Jos lligino de Souz
Peixn.
\rlista Joaquim dmenlo dos Sanios:
l'roTossur Joaquim Antonio do Castro u-
os.
Fiscal JoSo Jos da Moraes.
Empregado publico Joo Baplisla de S.
Srs. Redactores, CoMlndo-me que
ilgunis pessoas me la n ItrlbuidO um
ummuDiratio publicado no Diario do Po -
nambuco desla s'iiiana. 9 ISsigliadoVl-
gllanle Jnior & CoroptDhia, o com qtianlu
bem ae con beca, pelo esiylo icsso ariigo,
que tiico foi por cnim oscripio; todava, para
que nio se queira especular com islo, de-
claro quo esse artigo nSo me porlence, a que
eslou lisposlo a nflo escrever nem mesmo
PublicayitVs a pedido.
|iin au se .chavan) proc
Cirlas trasidas pelo sobreilito vapor, o dito
l).*. chele da polica exigi quo o adminis-
tra lor do correio lizesse ap.-esentar-llic le-
das as cartas vmdas no mencionado vapor
con inlircco aos referidos Ballnar cV Oh-
ve i i, e satisfcilo islo na presenta das pes-
soas ja mencionadas foram .iberias todas as
cartas, e nenliuma nota foi dentro das m > -
mas ciioiil'aJa, achanJo-se somente den-
tro da uma dolas muito vollumosa foixa Id,
o Iterada incenla exemphrcs impressos
do>prospoc|u,e rslalutos do ums companhi i
creada ni cidade do l'orjo em fi do oulubro
do correnlo para o eslabolccimanlo de urna
liuha do vapores )ue naveguom de l'oilu-
gal para o Brazil, cujos mombios inl lia Jo-
res ssignaJos no referido prospecto So os
iiigociinlis Antonio Joaquim Poreira do Pa-
ria. Joaquim Piulo l.oilo, Paulo Jos Soircs
Duarle, Antonio Gomos dos Smlos, .Manuel
CualberliSoares, por mim e por Guilhermo
Augusto Hacha lo l'oroira, Jos Anlonio de,
Souza Bastos, Jos Ferreira Cardoso, Manool I
Jos Montero Braga, Antonio Ferroira Bal-j
toar Jnior, e CiauJino l'ereira de Fana, o
correspondentes no Brazil os negocianios,
no Rio le Janeiro, Victorino Pinto doSi Pas-
sos. E'ii l'ernamliuco Ballhar ot Olivcir
na Baha Joaquim l'ereira Marinho e Com- 0liUj vejo uns penetrados do jubilo, sauJan
paoiiia, o beui assim mais um maijo da im-; ,\, dia,e ng
presaos faicha io a,eiis com liras de papel. os beneficios
qualidados. suas maneiras apreciaveis, sua
lern ira profunda, suas virtudes, emflm a
conslituiam o ornamento da seu helio sexo.
A. ouas a nalureza Illa facult. vero claro
dia, loram simultaoeamenle des miando
asila aquellas preclaros attribulos, que as-
iii iit un a urna alma candida, o bcmfazeja :
sondo porin esles desenvolvidos pela pti-
ma c 1uca(,1o de seus carinhosos pas, que
sobra maneira so desvelavam em cultivar o
fructo mimoso de seu consorcio, tanto ella
se apprfeicoou, que om breva lempo se vio
elevada ao grao las mais lernas esposas da
um mancebo, a quem os lacas do sangue a
ligavam eslreilanienle, coja espinos csr-
reii.i encetou quando contava com 25 ali-
os de liado, e religiosanenlo terminen
com 51 de existencia. Occupada (oda om fa-
zer as d'licias do seu caro espuso aquem em
extremo amava ; sa moca pareca na idade,
nliga mosl'av om seus devores ; nada que-
ra, nada almejava na la disounha, sem que
ojo fossede accorlo evonlade de seu quen-
ilo consorte.
J constituida na dignidade de in.'ii, soli-
cita o cuida losa as caricias do fructo de
seu casto amor, loda entregue o desvelada
na educido dessa lilha Idolatrada, ella re-
nuncia todo o prazer mundano, e s suas
delicias Tszia nesse mimoso Tructo de suas
entranhss; que de.iois do tantas '(digas,
quan lo esperava que Tosse fiel companhei-
ra das suas consolaccJes, a vio suecumbida
ao gohe Tala I da Tea morto; entretanto
que, conformada em ludo com os arcanos
divinos lembra-so que tondo um esposo
oxt-emoso lem todo o bom terrestre; nada
Ihe eslnava o lesempenho da cconomia do-
mestica, o rgimen interno, eabaadmi-
nistiasuo da sua casa, om que muito se es-
merava. Abras ida nos oxercicios espiri-
luacs com sua familia, a religio doniinava
o su peiisameuro, o amor de Dos e do
prximo era o seu primeiro desidertum :
constante na oracilo, fervorosa nos deverrs
dochrialla, olla nao obstante os seus en-
comiiiolos pliyiiCOS, consagrava tres da*
de cada semana por meio de jejuns rigoro-
sos; rccilava nesses dias os oflicios do Cnr-
n:o, la paixSo lo Christo e da Cunceisao;
o lano se doleitava no servico de Dos quo
n3o pa-ssva noite, sem quo com toda a sua
familia irUo rezaste o lerco da alaria Santis-
slma ; enili a oevocjSo mais viva UBI do
uma s liniie relativamenle ao lliealro; eDeos e glOriOSi Santa Atino, uo quem w-
rc>go a Vs. Ss. que so dignein de declarar so niara o nome, era o sua maior consolacJo
he meu esse arlig., ou se concorri pira sua le prazer. Desampeiiliaiido com gosto os
publicacSo actos de caridad para com o s u prximo,
Son com a mais distincla considerado, |a quom ella visse nccessUado que nSo sc-
ele.-Dr. I. do Aquino Foiiseci. .corresso ? a quem olla conh-.-cesse indigen
Nao foi do Sr. Dr. Aquino o artigo quo. lo que n.lo favorecesse? I Aqu ella ja con-
menciona os Rlt. sola com mcigos iillrativos ao angustia lo ;
all, anima aoullliclo e pcuroso; jaenchu-
Iga as lagrimas do mendigo, n ata a Toma do
I famlico, suavisa a dr da viuva desvalida,
jestende occullamente a mo liberal para
lorphandade sepultada na penuria ; em suin-
iina, ella ora sempre o arrimo seguro da po-
| hreza, a mfti compassiva da indigencia.
Auna Joiquina'Quemcoiihecia a llltna. Sra. D. Auna Joa.
olilm Sr Joa- quina Ferreira, bem apn-ciou quanlo era
alTavel e dcil para lodos aquellas quo Iba
NECROLOGA,
na
llluslrissima s-ni -ra D.
Ferreira,finada consorle dn
quim Jos Forrroira.
tm au,, i PuU,re M. Vg***^^ ttSX'JSS-
Eu que gnsaoa at delicias do ,n*ls s"
mundo, revestida na purpura,
ras de bem desempenliar os doveros do ur-
cosidaemouro, aora mi acho baniade. QuM poder negar, doliwda-
rtdtuta em n rhi-a hoiiestidade da lili a. Sra. I) Auna para
. I" T P .r, aa pessoas amigas do seu esposo, quando
ludia 28 de outubro, tilo a- om'5u> cgja seac|,av p,ra parlilhar do
s prazivel para uns, e funestos para oulros: rceosiios pelas dovotas bomenageiis.
Com- noui veio uns penetrados do jubilo, saudan-'~ V.n*i, uC seu
,e agradecen lo ao autor da naturezaj" a verdado'toslemunhou actos Uo
[icios quo acaba de preslar-lhca ; ali iwj" ,
nomo consagrava r1
omunhou actos ISo
I piadosos o caritativos, o couhecia a sua al-
comosecostuma fazorcuingazetasconlin-lsinto oulros repassa los da mais pungente !m"""u|,"r0 e hetuica, quem recebeo obs-
prospeclo, o, estatutos. E lenlo-sa aaiim|do amigo, clirigin lo ao Supremo Numen
do mais oulros 50 exemplares do ja relerilo i uor carpindo a morte do pai, do esposo, e i {.""os conai leravei, pr'oducces do seu tei-
ei est.tutos. E lenlo-sa aasiip amigo, ciingn lo ao supremo turnen j J,-ril..a,. confessara que olla Toi enrequo-
examinadj l_odas as Carlas viudas no preci-; sudosas proces misturadas do lagrimas, im-j^jj^ p^|a' mP0 on)nip0tente, da virtudes
lado vapor'Teviot CO u iiidcrouo a s ilne li-
li casa commercial desla ci lado ll lili h \
Oliveira, a nada sa tondo nellas oncontiado
que ao menos podosso causaralguma sus-
peila a res.ieilo 1 intro lucoio donlas
Talcas, houvo o Dr. chcfo le polica o exame
por lindo mananlo entregar as cartas a
seus donos, o lavrar o prsenla auto no qual
assi^na com o indicado Ballnar i uliveira,
o administrador lo Corroio, seu ajudauta
cunta lor, a leslemunhas JoJo Frodonco dn
Mi en Rogo, o lleoriquo \o^o-lo Millol, do
quo do i' Ei Francisco Ignacio de Allal'y-
va7~slic-umbir au eus golpes inulto certos?
Poisbeiu esle iiiesmo Leo ojcreve-lne u que sc
plorando o lugar dos justos para
qne Ihos era caro : aqui a mesn
Se uii ir d-monstrando pela harmona dos I
objeclo i----'!rclj a C0||OCj"r,, na lista de ho-
que Ihos era raro: aqu a mesma casa do!
roma raa, do matrona excelsa, de mulh ir
forte, do crostura inuocenle, de religiosa
eup Sinos 0 pr.zor com que celebra iiTeatt-, do christSa lervoosa, do serva, cu
viciado de seus santos ; ah o ramplo Sagra- ]**' u8 DeM.
do faz palontear. com signaos lonoroos, a suiuuia, '
perJa de um cnristSo, a .norte dn um fiel I Poicm nada neati
virtuoso : medito, pens, e a conosidade
me arrasta, ou mo encaminn, eu me apro-
ximo ao Templo Carmelitano,mas ah 'oque
veji> ? Quo luctuosa scena '. Um anjo dassi-
pador, armado do truculento alfange sobre
um enlutado cenoiaphio urna orna sepul-
-* t Pois, ineu charo Pepe, essa Giudilla to
bella nada be em cotnparacao |da tnaravilbosa
aegue; eu iguorava cssa particularidide.... pois bellcia que vi cui Parla, ha nove cuetes no bai-
agora tnesuio acabo de abrir a carta.. I |e da rancha....
Tu deves estar Ictnbrado da bella Giudll-1 o raio lie menos procnplo do que a chamiin
la. Por ella he que tive cssa esplicacao tau viva de scu olltur, a pureza de suas feicdes farla del-
coen um sobrinho do cardeal de Saboia.... Ion la ucea deosa. O brillio da mocidade se li-rio-
bella, c adcniravel pessoa, nao he, cneu charo sa titila becn que tenh i nula anuos, como peu-
Pep, eu l'a recomcucndo.sc ella loraFloieuca.. sas tila devia ciercer aobre sitian yena irresis-
__ Seu primo Leo he um bom moco, respuo- livel fascinacao. Todas as miilberes desse baile
deu Giudilla. Icslavam iuvejosas dasua gloria, ninguecn a co-
Bebo asattde delle, disse Rodolfo. nhecia, s a rainha be que Ihe fallou. Hasta Is-
Ento continu, pedio a cantora. I so para as damas fraucezas nao Ihe perdoarecn
Xas o conde Pepe perlurbando-se repentina- mais, pois ella he Italiana.
mente, balbuciou c desculpou-se ditendo que ; Pi'ucna palavra. Pepe, etr a julgo Florentina,
o resto da carta era tuuilo iuticno c nao poda soube de uiu gentilhoinein do palacio que era a
serlido, seu primo Leo ahi tralava de negocios duqueza de Furoaro.
graves. A duquesa! repelirain a urna voz Pepo,
Elle ia lomar a fechar a carta, quando Giudit- Rodolfo e a cantora,
la pegou Ihe no biaco disendo: | A duquesa de Fornaro murmurou Giu-
ae voss nao coutiouar, nao olbarei para ditta, siui, de cerlo ella lie bella... chegou
voss esta noite no concert, tenha cuidado! agora de Franca..,, est aqu.... S a vi ucua
A pucticao he cruel, toruou Pepe, mas nio ves, cnas quero toruar a v-ia, situ. Pepe, eu
posso cousenlir ene desagradar-lhe para satis- a verei ...
fazer um capricho. O aiedumc da oveja sc mostrava uo com
Pois seja capricho, disse Giudilla brin- coen que foracu ptoiiuuciadas estas palavras;
.ni .lo com as bullas dourad.es de seu Iciifo,' Giudilla ale colao certa do seu imperio e da sua
titas quaudo ouco o atehiduque cliicr c/uerv,' belleaa eueonlrava unta siv-l hssa mulher
veju que Ihe obedececct! era Italiaua como ella, e como ella imita per-
_ Salea queie-se de si mesma, senhora ar-' turbado o curaeo de Leo, isso era bastante pa-
chiduuuetal respondeu Pepe iroulcanienle. Eis ra toprar o odiu e a viugauca na alma de Clu-
a passrgeui, nao omiti utua s palavra, vosse ; ditta.
pode le. por cima do meu hombro. llodolfo, disse ella tornando a dingir-se
Giudilla aproauciou-se, e Pepe leo :
j amigo de Pepe, c valuada para elle seus gran-' a tepe que eslraogeiro era ene
sidoia estavel o permalenla, seus das oslt-
vam prestes a Coticluir-se, ja a nogra parca
com mirra ios dedos Ihe cavava a sopultura,
e quando contente com seu esposo fruia os
dotas da naturoza, repentina molestia a a.i-
salta, e iroslra no leiUilodora^siiupro
dea olhos"asiles-lnguidos, deiiemos o conde
de Su vce-1 souhar aqui em plena liberdade
coen as sublimes pcrfelcc5ea de que Ihe falla o
primo. D-me o braco c conduza-ine ao pateo
da filio. Anda nao visitei c>sc lado do parque,
l esl lambem um criado do archiduque o
qual quero ver.... Tcnho que fallar-llie, va-
cuos !
He iinpoislvcl que nos separemos assim,
objeclou o conde Pepe, nao esli esperando por
voss no refresco do marques de Sao Lucar P O
aeu raualliele de bonleui era miseravel; at-
culpe-cne, o desla tarde sera magnifico.
Meu carro vira receber-nos no Pralollno den-
tro de uiri quarlb d'hora. Para que carece
voss desse criado do archiduque? Ui meus es-
to s suas ordena, dispooha dellea. Entre esaes
palifes ha um ceno Beppo que coobece perfei-
tamenle Florenca. Elle Ibe dir ludo, leca ge-
oio Inveoloc. Por alguna acud segu pista as
pessoas que Ihe inaudam espiar. Se be a tueu
respeito que voss esl inquieta, chara Giudil-
la, elle ibe dar conla de todas as ininbas idas e
viadas.... Alas peuso que voss nao me ana
baslaulc para ter ciumes.' Suas preferencias
sao conbecidas, c depoia que cerlo cavalleiru
nii.lo tle Franca pasta todas as uiaiibas a e.t-
vallo pela freule de seu palacio ... Kinliui he
esie o seu sonho, o seu idelal..., voas o ama
sem saber ao cuenos se elle a ama... Uiubein...
A cantora cruu, o conde dera com etTeilo no
alvo. Rodolfo cuenos instruido que o conde das
faulasiasdcGiudillaaveaturuu.se a perguular


uresso assas considrTayel eapanti h to 'o
pr.'ssurosii o coruorle, 1180 pimpa mi-ioa
de dissipai o mal que t'nlo contristara; a
ni Jn un .i|>. ln'ula, tu luquintn esta olea-
ria faculta i ni lanaoircumstaacias, aecura-
llmenle ae executa, envida ae lodos os
uiuio-, porm o mal rnmplira-s interna-
mente o cos vehemencia a ludo raaisle;
symptomiis t( rriveis ge apresentam imme-
distamente, o instinto (alai mis se aproxi
na, o o conhecendo perfeitimente, ansas
resignada se rnostra com os decretos divi-
noa; nSo cesa de invocar o santissimo no-
me de Jess, |ie le anciosamonte a gloriosa
imagein de S. Auna, collora e aperta.....seu
corceo, banhadaem nranlo implora o bii
valimenlo para poder entregar sua alma ao
creador supremo que a creou ; urna anr.M
liel companlirira nosSfu nso-ijos, tamnom
quer participar das suhs alllir;6>s, a ella so
visinli, OODaola, oatiiina,rflcel>e amorosa-
inente uiu S'-'iis bracos, aju la-lho invoc
reiteradas vi/.es n santissimo nomo de Jfl-
sus oda grande sania do seu Dome, ja toda
em ancias o agonas, sent que ya i perJendo
un- funjas ; f.lta-llio a vista, pede que sus-
tonteaia ilMgem que linlia un sen corafo,
licita a cibera soluo o poito da amina cons
lnle eaionda os br^os sobre una joven
sua nlol't'ada, que de seu leito nunca se
apartou, o a quein s-rvinlode mu, llioilo-
ra religiosa e ducacSo e eslado : e em Inda
ea aflligSo, no molo dcsta sesna funesta
pavorosa, eis que com a rpidos do re-
lmpago, se ip'esenta o anjo exturmin itlor
dos vvente*, armado da l'ouce voraz se lenta
o forje, e n'uoi moinonto, n'um instante
corla pela raiz a sua preciosa vida, quanlo
contsva 5* anuos de i tale, o 9 de seu dea-
posoiio, privando-a para senipro da oieigi
Mtroll da eiUteOOil que era 15o olan
quem sabia apreciar as suas bellas qualida-
dus. Ab! quem pensara que ella, qual o .s-
lro luminoso do claro da, seria repentina-
mente oclipsailo pelas negral sombras da
uiorie? Quem imaginarla que dentro de
3U lucas rapidameot eufraijiieceiido-e-lne
asfoyas* vilais, desapparecesse assnn as
nossas vistas?
Anda hontem Uo ciieia de vigor, to con-
soladora, c boje liia, e inuaaimada, l>om sc-
meilianto a mimoaa booina lnimiada pelo
freico orvili'.o da madrugada, tilo gentil"
ih puntal da aurora,niurcba e seoca ao errs-
pmcuio da tarde. abalou o ultimo suspl-
ru no dii 7 de OUtuliru pelas 10 lloras do
dia, a lllm. Sra. I). Anua Joaquim Ferr.ira-
sua alma qual o meteoro inllammolo que
volozuieiite resga o roracilo da nuvein que
o l'aixa, escapoujbc dos I bios, e loi tiuanl-
demonto prostrar-se diante do julgador dos
vivse dos nioilos ; .cixaudu sobre mnneie
ra inconsolaveis a seu esposo, prenles, a in-
gas, e lodos que liveiam a lortuna da co-
nliccer tilo bella, tilo cindida, e caridosa
crealura. Ella val receber a cora de gloria
teeide de grlnal las, vui gosar como so dera
pamentecrer, a pr.>sonr;i do Dos Omni-
potnle, desso S nlior iiilinilo que julgou a
oertadoaep ra-lu dcste mundo do mis rias
para fruir a nahilacio elherea, easi man
cAo celeste, acnde os justos soassociSo ter-
naiiieeto. Vamos por lauto regar con as
nossas lagnmas copiosas a lousa gelada do
seu sepulcro, demonstrando n dor acerba
que nos devora, diriglndo alu fervorosas
supplicasao lieos do bondade suuiuia, pela
sua alma que tilo boiofaseja, tan religiosa
fui c na Ierra.
I.iii sleiiiuiilio du prolun la amizade o
rospeito, oiTorecoainda no tmulo esta to -
roentgen.
I'rei I.. M. lirmelo.
resolvidas foram por V. Exc. a primelra e
tercera duvldas, declrenlo que, sendo a
quaMIlcacflo a base da eleicdo, (como so re-
coniiece no 9 do decreto n." 480 de 34 de
oulubro de 1816 ) devem os cidadAos de que
trata -o estas duvidas votar e aer volados s-
mente na paroehia cm que foram qualici-
ilos, como se conclue das disposicOes dos
trtS. 17, SO e 53 da le regulamentar das
eleicOe,.
Segunda duvida. Qqe o cidadlto deque
trata esta duvida, nSo estando no caso dos
antecedentes, pois que Ihe falla s resiten-
cia exigida pelo 2 do art. 17 da citada lei,
nSo pJe, como decidi V. Exc ser vots-
Jo para eleilor, e sim somonte devem ser
recebidos os votos quo sobre ellerecahirem
e ser-lhn expedido o competento diploma
em conformidad e nos termos do art, 56
da mes-lia lei, declarado pelos avisos 2.'do
15 de abril de 1847, e 9 do setembro do 1818
3*
(Junta duvida. Qno hem decidi V. ElC.
quo os cidadus mencionados nnsla duvid
Parahiha -24 horas hiate brasileiro Tres
IrmJos, de 30 toneladas, mestre Jos Do-
arte de Souza, equi >agem 5, carga loma-
do mangue ; a Joaquim Duarlo de Aze-
vedo.________________________
HEDIAES.
0 lllm. Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial em oumprimenlo da ordem do Exm
Sr; presidente da provincia de 30 deoutubro
prximo passado, manda fuer publico que
no dia II do correte ir a praga para ser
anematado peante a junta da fazenda da
mesilla thesouraria, a quem por menos II-
zer a obra do enrochamento em (rente a
ponte da ra da Aurora, avaliada nova-
mentoem 1:188,000 ris.
A arrematado sera feita na forma dos
artigos 24e 27 da lei provincial n. 286 de 17
do maio do 1851, e sob as clausulas espe
ciacs abaixo copiadas
As io-sos que se propoze-em a esta arre
iii.iI.ic.mi, jo'ni ai era in na sala das sessOes
nSo podem volar nem ser votados na paro- ,|a mi.ma junta, no d'a cima declarado,
chia onde nilo foram quahlicados, em vi- pe|0 ,,,,,, li competentemente habilita-
iii lo da principio invocado nas duvidis pri- ,,s
meira o teiroia. ombora foste o eleitor do | | (,ara constar se mandou afixar o pro-
qun so trata exclui lo indevidamente da ente o publicar pelo Diario,
qualilicacflo, por OO haver muda lo a sua | Secretaria da thesouraria provincial de
rosidencia, o rnente ae ter ausentado lem- pernambuco 3 de novembrode 1852. --Ose-
porriaoioiite da parorlna, como parece se cretario, Antonio Ferrcira da AnnunciacJo
deve concluir da eXposicAo que faz aquclle i Clausulas esueciaes da arremalar;3o.
juiz de paz, visto nSo se ter He aproyeila- primeira. Sor feita esta obra do confor-
ilo !o< recursos que ihe conceda a lei con- oiiJado com o orcamento aprosor.tadu a ap-
ir esas exclusSo.
(Jiiinla duvida. Que tambem lio confor-
me a lei c derises imprtaos, a solutito
qno V. ElC den a esta duvida, declarando
que o rloilor e sup.denle do que olla trata,
no ileviam ser convocados |iara a organi-
sagdo da mesa parocbal, c nem portanto
po lem dclla fazer parte.
Sixta Ouvida. Que iin. prova;3o do Exm. Sr. presidente da pro
vincia na importancia de 1:188,000 rs,
Segunda. As obras priucipiarSo no praso
d i 15 dias, o ser3o concluidas no praso dfl
i mozos contados, como determina o artigv
31 da lei provincial n. 286.
Terceira. A importancia desla obra ser
paga cm duas prestares da maneira seguin-
te: s primeira do valor de tras quarlos
bem rcsolvida a seata duvida, pois que se-i di importancia da arremaligilo, quando se
guiiilo os atts. 5 e 41 da mencionada lei ro- ||ver concluida a obra, e a segunda de i:m
uliineular das elrii.os, sob-P os quacs
fura ni da las as terminantes docicOes cons-
tantes dos avis is 3 do primeiro deoutubro
do 1847 -', e de 10 do agosto de 1848, n!To
po lem ^or c invoca los para a formarlo da
mesa parochfal os suplientes de cleitores
de que se trata, nilo so podando fazer dis-
llnccfl i do caso da previa qualificafo, por
isso que nilo a fazoin os citados itigos.
O qu i commuuico a V. ESO. para sua in-
tellipcncia e governo.
II ios guarde s V. Exc. Visconde de Mon-
te Alegre.Sr. presidente da provincia da
Baha. ___
COMMERCIO
S se deve volar e ser votado para eleitor,
naparochn o ni que se estiver quaiiflcado,
Primeira seccffo. Rio de Janeiro. .Minis-
terio dos negocios do imperio am 8 de Ja-
neiro du 1819.
lllm. c Exm. Sr.Poram prsenles a Sua
.Mageslade o Imperador os olIicJOl de V. Exc
de nmeros 27 a 1 1817, vers ndo sobre aaseguinies duvidas
oocorridas por oocasiflo da execuffio da lei
regulamentar das eleicOea.
I'rimeira duvulas. II i juiz de paz presi-
dente da mesa parochlal da freguezta do Pilar
consuliando se o Cldsdfio mudado do yma
paroehia, depois de nella quaiiflcado,' p le
na mesnia ser votado para el itor, ou se o
d"ve ser ni cm quo livor eatlbelocido 8 su
nova residencia.
Segunda duvida. Do mesmo juiz de paz :
se um ridadSo, roconbeeidamoute morado-
om una paroehia ha aoaas, podo sor vutar
do para oloitor en outra oaroidiia, onde si-
muladamente se deu qualilicicao, mas na
iual 'iilo lem residencia constante ou toni-
porrais.
Terceira duvida. Do juiz iln ?az presi-
lenle da mesa parochial da froguezia de
Sossa Senil i :i ila ConceifSd dal'raii: se
po.iem votar nesta freguazia os cidados
que, sendo nella qiialilica los, mularain s"
posteriormente para outra f.-oguezia.
Quaila duvidn. Di juiz de pa/. presiden-
te da mesa parochial da Degella do Sania
Anna : se podem votar e ser volados nesta
paroehia para cloitores uin eleilor e u n BUp
penle na legislatura anterior, que deixa-
ram de ser nella qualilicadus por eslarom
ausentes, urna vez que se apresenteui ni
iie.rasiilo da elelffloj sendo que o supplenle
lio omprega lo publico em outra provincia,
' dclla so uuscntou com licenfa.
Quinta duvida. Do mesmo juiz de paz :
.-.e os mencionados eleilor e supplenle fo-
rsm dflvidamento convocados para a orga-
iiisaco da mesa parochial do 7 do novevn-
bro de 1847, e se podem nella funecionar.
Sexla duvida. Do sobre lito juiz de paz
presi lento da mesa parochial da freguezia
do Nossa Senhora da CooceicAo da l'raia :
S derru I r convocados para a (ormacilo
da me.ia puochial dous supplenies de elei-
torea da mesma freguena, que, dopois de
nella quaiilicados, mudaram-ae para outra
fioguezia, onde lesidem ao lempo da or-
gaiu.-ai;eo da dita uiosa.
r int'ia I i o mesmo a ti : n .lo Sonhor das
soiucOcs dalas por V". Exc. as refundas du-
vt las, ni iili declarar :
Primeira a lerc-ira duvi las. Que bou
.......!
.PIIACA DO RECIPE 5 DEiNOVEMIIIKI, AS
3 HORAS DA TARDE.
COTA^OKSOFFICIAES.
Descont do lenas de 2 mozos 7 por cento
ao auno.
Dito do di tus do ;l mezes S l|2 por canto ao
auno.
ALFANDECA
Rondimento do da 2a 4. .38:896,009
Idnm do dia 5......11:713,457
qu-rio, quando se olfecluar o recebimenlo
dilinilivo, que tei lugar um auno, dopois
do recebimenlo provisorio.
ij.i 11.1. Para tildo o mais que uo esli-
verdelorminado nas presentes clausulas, c
nem no ornamento, seguir-se-ha o quodis-
poea lei provincial o. 286 de 17 de maio de
1851
Conformo. O secretario, Antonio l*er-
icira.da AnnunciaQ3o.
Deca ni 9 oes
50:609,446
ihsrarregam hoje 6 de novembro.
li.liea inglexa lionita forro
Hinca americana -- F.mmcrota morca-
dorlis.
barca franceza Vernambuco dem.
Patacho hamliurguoz Jolianna -- botijas
vasias.
Hiato brasilei'O Flor do Curunpc -- gne-
ros do paiz.
CONSULADO GERAL,.
Kendimontn doJi. 2 a 4 .3:866,224
dem do da 5........ 731,628
8:597,881
DIVERSAS PROVINCIAS.
138,510
Rend ment do dia 2 a 4
IOxp Parahyba, hiato mcinnal Paquete, de 81
louoladas, con luzio o seguidle :
79volumes (atenda, 10 ditos foiragnns,
5 glgos louca, 4liinic.is genebra, 3 cal xas
vellos de Comnosicdo, 2 dilas chapos, 2
ditas queijos, 85caixoes sali.lo, 6volumos
mtudezas, 8 saccas arroz, 10 dilas cat, 20
volumes ililfiToilcs miu lezas, 30 dit IS dif-
ferentes inolhados, 10 barricas fallira do
trigo, 2 ClixOOl doce.
Aracaly, hiato Capibaribo, do 39 tonela-
das, cuiiu/io o si'guinto ;
5 piiis e 4 molas ditas vinho, 4 gigos
loma, 30 volumes fazeu las, 16 barricas fer-
ragens, 3dnaras (erro, 16 fexes arcos de
dito, 24 cunholes a^o o facoos, 10 barris
Vinho, 4 ditos axelle doce, 16 barricas fa-
rinha da trigo, 6 bairis palos, !0 ditos inan-
leiga, 2 ditos touciolio, 6 raixas miu 19188,
4 barris mol de furo, 46 barricas assucar,
16 ditas licores, 6 ditas bollacha o biscouto
6 saccas arroz, 11 caixas passas, 6 Jilas
mansas, 4 barricas loos, 4 ditas genebra
do Dolan la, 1 caixa un rcloxio, 1 dita
una maquina elctrica, 24 cana>tras bata-
tas, 3 ditas albos o soblas, 10 caixas sa-
bao.
RECEREDOKlA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DEPERNAMBUCO.
Kendiinoiilo do dia 5.....702,777
CONSULADO PROVINCIAL.
Koiidimoii'.i. do dia 5 689,490
irmn.*'ii juti ,m-w.ov.a.1Wwfe8r^^
r*itz -- A reparlicfo das obras publicas com-
pra os seguales materiaes : dez quin-
lacs do chumbo em barra urna peca de
cabo de cairo, que tenha a grossura de qua-
Iro pollegadas, trescilos Caibros para an-
daimss, quiilniitas pecas de co'da de embi-
ra branca, o mil alquelresde cal pret. As
pessoasquetaes objoctos quizerem vender,
coui|parer;am no dia 6 do corronte nesta re-
partidlo ao meio dia, trazendo as suas pro-
postas em Carlas fechadas.
- Pela SOb lelegacia dos Afogados IB faz
publico, quo foi apprebendido um cavallo
russo pedrez, com outros signaes, quo vaga-
va pola ruada l'assagem da Maglalena, som
conductor: quem so julgar com direito ao
mosmo, compareca em juizo, munido de
proras lgaos, que Ihe sera entregue.
Banco de Per ambuoo.
Os descontos continuara a 8 por cento
.ni a o no. por letras al 6 mezes. Compra e
veude letras sobre o Rio do Janeiro de
qualqui r quanlia ea prasos rasoaveis. Tam
bem iccebo diiibei.-os a premio de 5 poi
ceulo ao auno, a iio menos do 6 mezes de
praso. Banco dn Pernambuco 30 deoutubro
do 1852 -- O secretario, M. I. do Olivcira
PublicacSo Iliteraria.
Sabio i luz a terceira edicco do resumo
de aiyllini lica, pelo amigo profeaaor do
primciras Ictias Cardim, que Unta estima
lem merecido do publico ; vendse a 640
rs.: na Dvrariajji. 6 e 8 da praca da Indepen-
dencia. '____
Avisos martimos.
porches rm que he'defenvolvfdo, entenderam-SO-BR4SILElRAc=ieu domicilio hanaeldade
que fariam am nio aervlco ao commercio e do Porto, e lera por fim a navegacio por vapor
Inlerciie de ambos o povoa, se abandonastom lenlre Portugal o o Brasil, e paraqualquer outra
oa aeua ja coinecados irabalhos ; e por Isso .parle para onda arja conveniente mesma em
proseguiodo na sua Intancao aoabam de no-
uiear pessoas nesto Imperio, para promove-
rem a asilgoalura de aojSe, para esta empre-
ii. Sendo os aballo asslgoados enoarregadoa
de aa aollcltarein nesta provincia, convidara a
iodos aquellos Scnhors, que se interessam na
oOectlvidade deste grande e ulil melboramen-
lo a prestarem-lhea o seu otile neessarlo a-
polo, para o que previamente ofiereceni A sua
considerarlo o seguintc proapeclo da conipa-
nbla.
Andar k Olivara.
PROSPECTO.
As Importantes relaces decommorelo entre
Portugal e o Brasil, duas nacocs Irinas t ami-
gas, "cojos Inlcrcsscs se achain lao ligados pe-
loa hbitos, e pelo idioma, e sobre tudo pelos
estreltoi lacos de familia, sao som duvida mo<
tivos bstanles para procurarmos augmentar
essas relaedes por mel de transportes comino-
dos e rpidos.
Para desenvolver, poli, osle pensamento, do
quil resultar, nao s encllenle lucro em-
pina que projeclamos, mas tambem grande
vaolagem aos dous paites, lembraram-se os
aballo asslgnados de pruoiuvcr afarmacao d
nina empresa que se denominar LUSO BR.A-
Sahe para o Kio de Janeiro,
no dia 8 de novembro, o brigue
nacional Hecife: para o resto da
carga e escravo.- a fretc : trata-se
na ra do Collegio n. 17, segun-
do andar, ou com o cajiilao Ma-
noel Joaquim Lobato.
Para o Aracaly
Saho com mutta brevidade o luate Flor do
1: r un e por j lor parle da carga ; para o
resto e passaneiros, trata-se na ra da Ca-
deia do Recife n. 49, primeiro andar.
Cear e iVIariihSo.
Seguo em poucos dias, o bem conhecido
brigue escuna Laura; para carga e passagoi- SILGIRA c'cujo lirn ser especialmente a
ros, trata-so com o consignatario JoM Rap- navegacao a vapor entre Portugal e o Brasil,
lista da Fonseca Jnior, na ra do Vigario t com as competentes escalas na ida c volta.de
n. 23, ou com O capilflo na prac,a. | Lisboa a Madeira, San-Viceulc de Cabo-Verde,
-- Para Lisboa a galera porlugueza Mar- | Pe[""",'"c,0,"a',la e Illo-de-Janelro.
sarida, capillo SilvoVio Manuel dos Rala, sa- A V""^^ oe p.ss.gelro, qno .nnualmen-
n a m dt novembro vlndouro : quem qui-
zer carregarou ir de passagrm, para oque
lem excellenles commodos diiija.-se aos
le sr trasportam de f'urlugal para o Brasil,
vice-vrrsa, os mullos passagclros que viajam
entre Lisboa e as nossas ilhaa, as mercadoriai
que devom Iransporlar-se, e a preferencia que
TMIATBIO
consignatarios Oliveira lrm3os*et trompa- necessariamente lia do ter moa empresa naclo-
nlia, na rus do Apollo ll. 14, ou ao referido I nal, que salisfa(a plenamcnle nao s polo boin
capillo, Da praca docommcrcio. |commodo, como pclobom Irataiiionio. sao ba-
r ., i sos mu seguras para aroulaincnle se poder cal-
----- Vende se A veleira e Cn |euUr concurrencia que dcverSo ter estes
Construida CSCIina brablleira Ade-parcos, e o. lucros de aemenauta empresa
_ I Convencidos, pois, da utilldade della, e coufla-
iaide, torrada de CObre, C prestes Idos nas bases que procuramos, rntcndeino
- -_ D..1.I AM ..i.. I que para se rstabelecer urna carrelra regular
a seguir para a Babia por Jteatar JXiJowdool me, um barco do Ri-ic-
CarreuaJa Faz-SC a Ven' para 1 Janeiro, eaulrn de Lisboa, ena parte do aa
o .- no dous orneada mez sao Indlspeosavcis tres
IraspaSSOr a pOSSe <|0 naVIO, OU^ barcos de lote de 1,200 a I.SOO toneladas com a
n.l,--; ila 111a -ilu li un il.'imis la ivelocldadede ina IV mllhas por hora, c com a
antes Ua Slia sailiaa, un ucpuis JCapacl sua v 1I1.1 da iialiia;
, __,-_______ de primeira e 80 de segunda cmara. Nrala
poique sen dono quer retuar-se : C0I)ViCtSfiie,no,o re,pCC,iv c,|Clllo pr.
tlUCm pretender COmpra-la, pdeJ"'0 le estatutos que deverio reger aemprc-
I r sa, e que temos a honra do submeller a consi-
dirigir-seaO consignatario, na rita Ideracio dos Srs. negociantes das diversas pra-
J'F :.U. vi .. rfi fio.in,l. t fas de Portugal, e-do Brasil, e pedimos se slr-
o lrapiclie Novo n. 16, legando *,,deolmf B;Porw, ^Kr do, abaixo
andar. asslgnados, e no Brasil aos correspondentes que
.} 1} I abalao designamos, o numero das acedes que
lora l JJallliJ pretendem lomar, para que logo que se reco-
Sahe o hiate l.igoiro, forrado o pregado do Ihao numero sullicirme de assignaiurassr pro-
cubre; para carga e pasageiros, trata-se na da i celebrado da cscriptora publica, que
. ,'.___.:., (sera aubmettlda a appn
ruado Vig.no 11. 5. S. M. F. No ca.oquc a p.
I ira O V eara leedaao limite marcado nos estatuios sera o
Sallo com milita brevidade 0 hiato Angel- numero neoessario rateado proporcionabnentc
ca.quojatom liarte da carga, e para o resto, aos pedidos.
trata-se na ra da Cadela do Recife n. 49,' Porto, 9 da oulubro dci85i.
primeiro andar, ou no trapiche do algodo, j A Commi,saB iMalladora,
com o mostr.
Para o Rio de Janeiro sabir com a Antonio Joaquim Porelra dorarla por mim e
mainr brevidade, o bem coacoituado brigue ; Por Gullhornie Augusto Machado Poreira. Joa-
1101111 imc.i ,,..hl,.,r, ,, quimPinto Lene, pau o Jos Soare Hitarle,
Paquete de Pernambuco, recebe carga o es- nlonioGoll,eJ ,,us Sinto Hanoe, oualberto
cravos a frote, e lem acolados commodos soares. Jos Amonio de Souia Pasto. Jo.c Per-
para passageiros : quom protenJ^r qual- reir Cardse, Manocl Jos Monieiro Braga, An-
quer dascuusos, t-lei dirigir-so a seu ionio Ferreira Hallar Jnior c Claudlno Pereira
proprietario Manuel (ionrjalvos da Silva. de Paria.
-- Vendo-seo-brigue lirasilci-o Sara, de CorrttpmdtnttinoBrtuU.
famosa couslruccloiuglexa, todo de cerva- N(J uio.de.jaciro Victorino I
II, pregado, encav hado, 0 forrado de co- paslos Vl,in3tn,mco ,,, lV oliveira ; Ha-
br,e no melhor estado possiveljpois lia ape- nia joaquim Pereira Mariuho & Companhia.
nas dous aonos que sabio do eslaleiro; lem
oicclleiues amarras de ferro, o o macante o CAI.'.LLO.
veame qu*s novo, lie do vinle mil arrobas ,.., e lre, c de o0 ,one.
de carga, o acba-se. iiiteiramente preparado uda,.........................|t ^.d^hiojooo
a navegar para qualqjier parto: os preten-
dentos podem examiua-lo e tratar com Bal-
11 r eOltvoira, na ra ila Cadeia do Recife,
ariiiz-m n. 12, _^^___^_^_^^_
JreeiVa.
jLfilio.
iVipos entrados no din 5.
I'llilad"Iphia 42 das, birca auiericaii 1 Mi-
nesola, de 346 t nieladas, ci Itflo Jamos
Voaeuck, cqui,igiim 13, carga l.u uh t. .te
t ig-i e mais gneros ; a Deano Youlo &
Companhia.
Terra Nova -- 4:1 dias, b rea Inglexa Jamel
Stewart, de 214 ton dadas, capillo John
Taylor, e lulpagom 14, carga baoalbao ; a
James Crabtren Patsgouia 31 dias, brigue inglez Paulino,
de 190 toneladas capillo VVilliam Cai-
thness, equipa^em 9, caiga guano; aA-
daaison llowie t Comnan'iii.
_ lgn
goetn em l-l.i
seu noitie, 1111-11 ottiro, mas ha ai-
ik 1 que poderia talvci dizer-
I'.iii.ki <|ii.in lie? perguntou Giudttta.
~ Quem lie ? ah vostc quer saber f
baile. .
Pois bem I le a duqueza de Foruarol
A sorpresa e o despeito se niosiraraoi nas fcl-
\ ors do Giudilla ; mas como lia era comcdlau-
le, tranquillfsuu-sc, e arteclando um ar calmo
limitou-sc a peiguular ao conde Pepe quem
era o marido da Juqueza.
_ tita he vluva e livre. lornou-lbe o conde,
0 governo de Flor.-uca a lornou a por de posse
de todos os scus be,,,, ella est alliada aoa
mais nobres desla cldade. Sna caa ornada com
01 mais frescos e mais bellos uiarinores he si-
tuada na praca d<> Palacio-Veccblo, mas tein
oiiim- tres na da Sanca Cruz. Ksse joven cavat-
Iciro que aaeompanha por toda a parle lie soiii
duvida seu oscudelro; em toifa o caso he iiu-
possivel governar uix ginetc de lleipanha com
mais destreza. Gonccbo que elle lenha podido
agradar-lhe, Giudilla; mas ser nulii c ,, ,.,
11 1 il.;<> -' he esse o pona capllal.
__. O certo he que Iodos os das nos clicgam
desses pretendidos Odalgos que cm Pars ojio
leriaiu adiad. quem us qoiiesse para pageos ;
.1 corle de Madrid e a de Franca nao lliei Uo
.11. eco. Tenho rondada de deiiar mu delles no
piado, a Asa 4a e 0,1 n ir aos o 11 Iros a nao seco Iro-
iiietieretu impunemente com as pessoas da 01-
51 especie I
Voss he belllcoso, senhor Rodolfo, diisj
Giudilla em lum de ronia; mas uizem que
nao he feliz uo nobre jogo da esgrima, e nao
obstante a sin coragem..,.
Rodolfo inordeo os beicos, elle anda pade-
ca de orna ieu.li recebida do cavalleiro da
Maisonllucr, um marquez francez com o qual
disputara sobre a ultima caiiipanha da Italia
Voss me dar lalve felicidado, disse elle
a Giudilla, lie mcllinr combater por dous bellos
ollios do que por um plano de estrategia.
A conversaran foi entilo interrompida por Ic-
licidade de llodolfo pela cliegada do criado do
conde Pepe, o qual corra a toda a pressa.. O
roslo denle tiomcui eslava branco como um
panno de tlnho, c lodo o corpo Ihe trema.
i; I mal leve lempo de pronunciar catas j.i-
lavras i
_. Fujuo. senao'morrcm!
Ests lauco Heppo, perguntou o conde
l'ej r lomando das mos do lacaio espavorido-
tina delicioso 1 un ilheie que cm sua perlurba-
tao Beppo esquecia-sc de apresemar can-
tora...
Gluilltta recebeo-o com iudillerencs, bein
que fosse formado das llores mais raras, mas
ou porque aeinelliantes prsenles a tocasscui
pouco 011 aules porque a pallidei do lacaio de
Pop a assuslasso, ella agradeceu apenas ao
conde.
Knto que ha de novo 1 perguntou esle a
Ueppo1
Eicellcncia, foja ; um dos tigres enviados
recenteuieote ao Archiduque quebrou agora a
16.' RECITA DA ASSICNATUUA.
SAHJUDO 6 DENDVF.MRRODEI852.
Orande e variad1/ espectculo.
Estra do actor Manuel Joaquim Mendos,
Depois da eiecucgo de urna brilhanto nu-
vcilura subir acea o drama em I acto,
ornado de msica.
(J pobre Jacques.
Pr.onni/en.s actores.
Jacquosi. A. da Costa.
Marcello L.-C. Ami 61I0.
BorniirdoB. dSenin.
Amelia L, Orsal Mondes.
AntonioH, J. Pinto.
Em seguida represntai-so-lia a comedia
em 3 aclos ornada de coros.
ieniiiard em llespanlia.
Perjonaoens c actores.
Desir RoniflardM. J. Mendos.
I). BenitoH. J. Pinto.
|i. Ramn de la-CruzJ. J. Bczerra.
I). IigoL. A. Mouleiro.
PabloP. B. 8. Rosa.
D. CatalinaI). Florinda Knolb.
D. Rosina D. L. OrsrtMenlcs.
('. usnifloRosendo.
Um desconheci lo-.N N,
l'm aguasil N. N.
Soldados, salteadoros.
Terminara o espectculo com a sempre
applauiida l.u^.i lyrica cm 1 acto
Beijo.
Na qual farA a parle de ja/o/a a Sra. D
klanuelita l.uceique so acha novamente es-
cripturada.
I'rincipia' as 8 lloras
Osbilhets ja soacham a veoda, adrar-
lindo so quo os camarotes do 3.* ordem,
em quanlo so no annuociar o contrario
ciintinu.ini a vender-so por 6.000 rs.
1 __ .ij.1 i -... ..i- -iii .
corrente, c perdeu-sc naquella parle do
parque
Ao incaiiio lempo Heppo indlcava com o dedo
ao amo um canlo iiuuieiifiu de arvores, que es-
lendiam seu trbame verde sobre os jardins.
Nossus tres pcrsonagciis ganliaraui apressa-
ilamentc a vi la, sobre cuja varaud j muilas
visitas ebtavam nao menos assustadas do que
Giuditti semliiiorla.
__, Se en eslivesse nos mcus dominios, disse
Rodolfo, ilion bacaiuarte allemo acabarla logo
com o fugilivo .' Mas nao me engao... cntrou
'agora una carriiagem pela outra grade, a que
am fechar... As pessoas, que nella vem, nao
suspellam o perigo.....corre a encontra-las
Beppo. c laie-llies comprehender...
l.si.i coinrnlsiffo nao era lem duvida do gosto
de Beppo porque elle ae meneo precipitada-
mente entre a iiiullido que oceupava a varan-
da da villa,
A avenida por onde a carruagem desembo-
cara era lao looga que a equlpagem parecia
um poni negro... Dlsllnguia-sc apenas 1101 ca-
valleiro junio da porleira di rsqiirrda. Entre-
tanto os pagens armados de facas do caca e da
11 agente Oliveira fai grande leilao de
mobllia quasi nova, o do nielhor gosto, feita
do Jacaranda e do aiarello, Qonsistndo em
cadeiras, mesas, COOSulOS, sofas, commodas,
lavatorios, dito com espelho marquozas,
toucadores, camas,aparadores, qualros.es-
pelhos, can lelabro de mciu de sala, appare-
Ibos de porcelana do mesa o de cha, cris-
tacs, garrafas, jarros, um riquissimo pianno
mu Ic.rno de lindas vozes.guarda-livros.ban-
quinhas, diti para costura, guaida-roupas,
um bello leito com cortinado, esleir de sa-
la, tapetes, baubeiio de folha inlciramente
novo, livros novos em diversos idiomas, e
de ricas encadorn8C,ocs, msicas modernas
completas, do diversos autores, e cneader-,
nadas,.como sejam a Nptma, Somnmbula,
Lucia de l.ammormoor, etc. etc., cortinados'
o Isngas de portas, e muitos nutros-objectos
de v. do crrente, as 10 horas dam-nna, na casa
onde morou o Sr. Gustavo Jos do Reg, por
dotraz do palacio do Eim !(ar3o da Boa-Vis-
la ra da Uni.lo.
Ida.
. ft passaRciros na l cma-
ra de re a 100:000......
i ;' mos n.-i actuada iu a
re 80:000... ........
'100 du i, Da terceira dita
1 proa a JO.nnn .........
jPaisageiros para asilhas..
f'iOn lonclatjas de carga
( sern eoinpnrhender- cn-
1 coiumcudas) 8: 80pa.tsagc.Tos na
!.' cmara a re
a 10 :0oo.....8:0oo/ooii
SOdios na a,* di-
ta a re a Sil nuil. G. i'HiJ'Hii)
100 di'loa na 3.'
proa a 30:o<>o 3:onujo0o
Volla. 50o toneladas tic
carga a 8;0o0. t.OoojOOO
^:5i>0|00
jiOOjoO'i
3;0O0JO00
OOjOrto
i.OOOjOOO
'ia:4po/oo
prcia. Ter os barooi precitos e desde j tres,
de loUflo de i-Jt'Oa I&00 (onelada que ssliirao
de Lisboa, em da certo e determinado.
Art, 1, Seu fundo ser de quiohentoi contos
de rli, inaeda forte, representado por 2:600 ac-
cOes de oo 000 res cada una, e poder ser
augmentado com consentimento da asserobla
geral. a approvacSo do governo.
3 t'm'ro. A iinpui i na i das acedes ser paga
empresiacOes quando for exigida pela direc-
cao, mas com o intervallo, pelo menos, de 60
dias de umii i outras.
Art. 3. A empreza considerar-se-ha formada
logo que estt'jam loinndas 2:00o acedes, e du-
rar cm quanlo Ihe convier navegar os barcos
de sua propriedade.
Artt. 4- Os vapores estaro sempre seguros,
no primeiro c segundo auno pelo ralor que re-
presentaren! na empreza, c nos seguintes pela
avaliacao que se Ibes li.er pelas repartiedra e
pessoas competentes. He permlttido a cada ac-
cionista tomar sobre si o srguro de todas ou
parle de suas acedes, faiendo-o saber dlrcc-
co da eiupreza, alao dia i.* de marco, a qual
far nas respectivas acedes as dtclartcdes com-
petentes para receberem em separado a quota
parte do premio de seguro que Ihes perteocer
como seguradores, e para Idea ser exigida a
quota parte das perda* que na dita qualidade
devam indemnisar empreza, e cuja satiifa-
cao lica ni obrigad' Art. b. A aisembl geral ser composta pelo
menos de 3o accionistas proprletarlos de urna
ou mais acedes que tenham sido averbsdas tres
mt*M antps da reunliio, salvo se as tlverem ha-
vido por beranca ou legado ; ter um presi-
dente, um vice-presideote, e dous secretarios
eleitos cm reuni.o dos accionistas uos periodos
marcados nestes estatutos.
Art. t. Os accionistas residentes lora da ci-
dade do Porto pdem ser representados emas-
sembla geral por seus procuradores com po-
deres especiaes, oestes procuradores lero s-
inente voto consultivo.
g Imco. Os accionistas residentes fura do
Porto devero ter correspondentes nula cidade
por via de quem entreui na caixa da eipprexa
com as prestaedrs d > seu fundo ecom o rateio
de que devam Indemnisiar a empreza nocaso
de sinistro ou avaria, quando sejara segurado-
res da* suas acedes.
Art. 7. As resoluedes da assembla geral se
julgaro vencidas pela pluralldade absoluta de
votos presentes, salvo nos casos exceptuados
nenies estitutos. Aquellai resoluedes porem
que l ti i cin tomadas para escasos dos artigos i.
e 3. sanente sero vlidas tendo a propoita
respectiva sido feita cm assernblea geral, im-
pressa e distribuida por todos os accionistas
com designaco de dia para a sua disciissa,
mediante o intervallo pelo menos de 3 mezes,
e s ae julgaro vencidas pelos votos de tantos
accionistas que represente.n pelo menos dous
tercos do eapital da empreza.
Art. 8. Os accionistas uao reapondem por
mais do que pelo valor das acedes que sub-
screverain. ..-i.s pdem ser vendidas, cedl-
didas, ou hypothecadas. mas nio retiradas
seiio, depois de acabada a empreza, e quando
M.i -1 ni i. un as prestaedes competentes pelo
modo estabelccido no paragrapho nico do
art. !, perdem o direito parte com que tlve-
rem entrado, e seao taes acedes vendidas, c
seu producto considerado como lucro da em-
presa,
Art. !>, A empreza ser administrada e re-
presentada por urna dlrecco em todas as suas
imnsaccdes activas e p.isslvas, e ter um con-
selho de fiscalisaco. Todos estes cargos sao
de elcico .bicenal, e serao eleitos logo que
estes estatutos estejatn approvados pelo go-
verno.
CAPITULO U.
Dos accioniUai,
N B. Oeixadcsefazer
incncao anda dos portes de
cartas* excesso de baga-
gens c fretc de miudezas.
3l:.00/0o
.;:i.St"i.miu
tipeza.
Avisos diversos.
. Ida
e
' volla.
r Soldadas......
Coinmedorias ..
Despezasde por-
tos,conducfo
de passageiros
para bordo ,
pinturas e
miudezas....
8:0001000
5:uoo/ooo
l;000|000
Agencias...... 1. <
Combuslivel... m......;..... '" '
COMPAMIIA U;SO-HRASiLEIUA,.PARA A
NAVEGACa'. A VAPOR KiNnibi PODIDO AL
R I1IASIL.
Diversos negociantes da cidade do Porto de-'
sejosos de satisfazer a maaifesta aociedade ge-
ral para o fin de se por cm pratica a idea do-
minante sobres navegacao a vapor entre Por-
tugal e este Imperio, trataram de dispor tudo
nuil-, era primordialmente necessario para o ;
istiibclicimeuto de urna liuha de barcas de :
grande lote entre as priucipars c mais conve- c-mV*
niculcs partes de ambos os paizes. Km quan-
to disctitlaiii as bases do seu projecto, c calcu-,
laram a prohaliilidade das vantagens da empre-
za, para depois poderem melhor e mais segu- .
ramentc organisarem a companhia para seinc- N. |: Todas as desfiezas c mesmo o custo
Ihantc fin, outras pessoas se anticiparam no dos vapores eslo calculadas de forma que ne-
mes mo intento, e sem demora deram coinecj ccssarlaiiieute soirrerao grande ahatimento, e
aos svus trabaldos, tratando de solicitar assig- por consequencia he de esperar que o resolta-
naturas de acedes 'em algumas provincias do do seja multo maioi. Os barcos devero ter
Brasil, para asslin poderem formar o capital urna escolhida ti ipolaco, e haver bordo um
necessario, c assoclarem mais garanta c inte- clruighio ou medico.
resse .. sua projectada empreza, de cujo pro- F.,,M,Fy4 uv NivFr.A'A') l VAPOR KMTRK
jecto deram entilo conhccimcnto. Sabido U- EMt Ut/A KJrVflff n\k4l
to por aquellcs ..... --i- -h .^1 I GAL h
\
Km I i viagcns{ pelo menos J....
Abatendo o seguintc :
Deterioraco e seguro...' i por
Rs.
ii:GOOjOoo
UOnOOfOOO
; inOi'oo
8S:8oQfiM>o
Artigo i
I*rojee to de estatuios.
CAPITULO I.
Da ftmfjrcta.
A empreza denominar-sc-ba=:I.U-
--." i
dardos, bercorrlam a outra eitremidadc do ealremeceu recouhecendo CarlosGruyn !
parque, ouviam-sc grltus, e viam-se bnlliu- Kstc rapaz, cujo nome ella ignorava, elcva-
Uncas .. va-ssj|ara a cantora a toda a altura do sauguc
/i caniiagrm se adiantava, o trole dos cafal-i1 fri, e da coragem ; vendo o apear-se e cu-
los so lornava mais vivo Glndhta foi a pimri- trrg^r elle mesmo o seu corsel lerido, e funie-
raque nvlstnu o rapaz que gallopava juuto da 6in*e aos PeeDS do archiduque, ella esteve
Carruagem. prestes a desmatar. Porque na carroagem
Ao
ige
ver
passos que elle fazia descrever o que preceda o intrpido cavalleiro Giuditta re-
sc cavallo rabe, cujo pcitoral eslava cutas conhecera sua rival, a duqueza de tornaro! Mil
suggerida esta lembrauca, conservaram-se na
especlativa i mas vendo em resultado que o
projecto apresentado pecca nao s na su,i ur-
gatnsaco, mas tambem nas acanhadjs pro-
branco de escuma, era evidente que a nuticia roses lisongelras se elevavam j em redor de
de um perigo prximo, inminente nao preoc- Ctrlos; Rodolfo c Pepe ndo poderam impedir-
cupava o cavalleiro... Sua pluma branca feudia se de confundir cus applausos com ^s da mul-
os ares, sua facha llucluava ao veule, sua man- tido... O conde Peji deseen, e deu a mo ao
ta bordada de ouro brlihava sobre a mullid o ripai. Rodolfo saudo-o, o lanceiros c os pa-
cscura das arvores! Elle eslava contente, e or- gens Hzcrain circulo em roda delle...
gultioso sem duvida de mostrar sua destreza $ th cchos do parque reteniram logo com os
pessoas que se acbavam no carro talvci era sons de urna msica deslumbrante. Durante
um sorriso, ou applausos que o excitavani... este lempo as mulheres cuidavam da duqueza
Repentinamente GiudiUa pareceo ouvir um desmaiada no lundo da carruagem ; rilas Ihe
grlio agudo, um grito de terror abafado sem Lcram respirar sacs, c deitaram-lhe agoa nas
duvlde pelo ruido das rodas, c pela bulla dos; fontes ; a duqueza abri eiiim os olhoa
A duqileza eslava s, Ca los Ihe pegava nas
inaos, um ar de orgulho doce e modesto o em*
bellezava. O conde Pepe invejava a gr-ca desse
cavalleiro. c Rodolfo a sua coragem. Giuditta
porm appoiada em una varauda. morda com
os denle cerrados pela raiya o ramalhetc do
conde... As cortinas do carr rstavain levanta-
das, Giudilla poda ver... lilla vio cssa mulher,
c esse rapa/ ; o chumbo derretido cmrcndo-lhe
nas veias a lerla fcilo solt'rcr mcuos.
Se Carlos era bello de todas as gracas da for-
ya e da mocidade, a dn<|in / < Ihe parecer bella
dessa belleza uobre, o imperiosa que urna pros-
titula i ii.-.t d'arlc nunca oblcve.
faiuditta sentio-sc ferlda no coraco Entre
lauto o ii'i se liuha coberto de uuvens pesadas,
o vcnlo mu I iv. i, v. o lini i. ni ti- parrla esperar
poi urna UMupi'l vam j, o relogio da villa Klorentina dava
cinco horas...
O conde Pep tal lava em partir, elle nao II-1
nba esprcitado *em viva iuquictaco todos os
es do cavallo. Wo incsin instante um rugido
arioso icteulo ale as profnud<-'ias da floresta:
uiu tigre arquejaute, quebrado de fadiga, c
a tras laudo ao pescoco um resto de correte se
tnlia erguido dame do cavallo rabe, sobre
cujos ll im-iis imprimia j a marca de suas
uuhas de ac... mas antes que bouvesse podido
mesmo largar a presa, o som de um arcabuz se
seguir ao seu ru ido, e o animal ferido no ou-
vido por limbala certa rolava cstorccudo-sc
cm um regato que bordava a estrada.
Giudilla irislc consternada, tluha seguido
com os olhos este espantoso espectculo ella
Art. 10, Sao accionistas os proprletarlos das
acedes averbadas competentemente nos livros
da empresa segundo o art. 5.
Arl. 11. Cada accionista lem s um voto
qualquer que seja o numero das acedes que
possua.
Art. 12 So elegiveis para os cargos da em-
presa todos os accionistas de urna ou mais ac-
eces, sendo residentes uo domicilio da Empre-
sa. Os procuradores nao podem ser eleitos.
CAPITULO III.
Da assernblea geral.
Art. M. A assernblea geral ser composta pe-
lo mudo designado nos angos 5. c 6. Os pro-
curadores lero voto smenie na elelcao da
mes. e na da direcco e conselho fiscal, e nao
pdem subsiabrlecer as procuraedes. Cada
in-ividuo ter um voto s.
Art. 14. O presidente, vice-presidente, c os
dous secretar.os scr pluralldade relativa de votos lancando-se na
urna nina lista com quatro nomes com desig-
naco dos respectivos cargos. Ficar presi-
dente o que obtiver maior numero de votos, c
pela inclina forma o piimeiro secretario.
Ail. 16a Nodia JOdeJaneiro de cada anoo,
ou n inmediato sendo esle impedido reunir-
se-ba a assernblea geral para ouvir ler o relato-
rio da direceo, c para Ihe ser apresentado o
bal a neo doanno ; c no mesmo dia de dous em
dous anuos se eleger o presidente, vlce-presl-
dente, secretarios, e o conselho fiscal.
Art. l. Depois de hdo o rclatorio ser en-
tregue ao presidente da assernblea geral, o qual
destinar o da cm que se deve reunir o conse-
lho fiscal para examinar, assitncomo a esertp-
itu .i. ;m da empreza, e gerencia da direceo.
Art. 17. C exainc de que trata o art. antece-
dente deveru ter tugar ate ao dia 15 de Janeiro,
e no dia -o do inc&mo me se reunir a assern-
blea geral para ouvir o parecer do conselho
fiscal acerca da gerencia da direceo e estado
la empreza, c durante o praso estipulado para
o exame do conselho lisc*!, e nos dias que elle
designar ser permittido a qualquer accionista
examinar os livros e contas para o que estaro
patentes no escriptorio da direccSo.
Art. 18. Em seguida leitura do parecer do
cons Itio ii-i'-ii dar o presidente lugar dlscus*
sao sobre o mesmo, para sobre elle se pronun-
ciar o juizo da assernblea geral.
No mesmo dia SO de Janeiro, em todos os bi-
cnuios se proceder eiric-' bstitutos para o seguintc blennio, por escru-
tinio secreto, e pluralidadc abtnluta de votos.
As listas devero couter seis nomos, dos quaes
os tres mais votados sero directores ettetivos,
e os tres immediatos em votos serao substitu-
tos. Se uo primeiro escrutinio no sahirem com
plurr.lidade absoluta todos os que se devem
nomear, correr-se-ba segundo para eleger os
outros, lomndole o< nomes dos mais vuta-
dos em numero dobradodos que faltarem para
se eleger, e hVaro eleitos os que obtlverem a
pluralldade relativa devotos, scui prejuizo da
primeira elcico.
. nico. Se o parecer do conselho iiscal for
deslavoravcl gerencia da direceo, poder a
.issruibit'-.i geral, depois de pronunciar o seu
juio sobre o mesmo, proceder lmmediata-
nente elelcao de nova direceo, dislgnaudo-
se para cae lim um dia prximo.
iioviiuentos da cantora... Toda a atteoco de
Giudilta eslava concentrada na duqueza ao
vellaella soria borriveia torturas. Oaguilho
de ciume tinha entrado em seu coraco como
as mili is do tigre ua carne do corsel que Car-
los montava...
Pouco depoh s restava ella com Rodolfo c
Pepe nessa varanda.
i .u ti ov.it* paiccia adverti-la de que se retl-
>asse, o relmpago deslumhrara, ella deseco,
e achou-se em frente da carroagem ; nesie mo-
mento Carlos l<-v iva aos labios as mos geladas
da duqueza, uas aquecia com suas lagrimas e
befjos... A sege que devta leva-Ios para Klo-
rcucs la partir, o cocheiro tinha ja as redeas
nas mosqumdopor um luoviineuio machina!
Carlos voltou a cubeta; nesse momento elle
vio Giudilla. A eli iiuiiiii que sabia dos olhos da
cantora, sua fronte toruada chata e branca co-
mo a cera, a estranha firmeza de sua posicio, o
tremor de seus lablo3, tudo, at as Immensas
trancas de seus cabellos emballadas pelo ven-
to concorrla para fazer parar sobre ella o olhar
distrahido do rapaz, einlim consternada, nao
cuidando mesmu na ebuva que Ibe inolbava
j as espadoas, ella lerantou-se sobre os ps
com um es torco desesperado, e depois com um
movimento nervoso lancou a Carlos o ramalbe-
te do conde. Pop fez um inoviuieuto, mas a
sege j tinha partido...
( Co/i//i*r--/m.)


Art. 19. Todo os casos de empale en elci-
(es sero rcioividos preferlndo ui unieres ioi
menores atrloolilai, e em numero Igual de
ar^des oa-mais velhoa em Idade.
Art, aQ. A Assembla geral rtunir-e-ha
eitraordiaftrlaiufnte uoi seguiutes casos:
' Muatlo o presidente c secretarlo o julga-
rem necesiario.
2. Quando o eiigir o cooselho fiscal.
3. Quando o re(|uererein directo ou 10
accionistas-
CAPITULO IV.
a Direccn.
Art. t|. A empresa ser administrada por
tres directores eleitos pelo modo disposto no
art. 18 destea estatutos, c podero aer recle.
tos.
Art. 22. A nova dirceco tomar poise no
du prlmelro de fevereiro, ou no Immediato
sendo este impedido, risUdo balando e cou-
tas apicseotado pela direceu precedente
qual dar a respectiva quaco.
Ari, 23. No impedimentu de algum dos dl-
reciie eeclWos por mals de i J das, sem
' mi. i mutfvada, sera chamado o prlmelro su-
bstituto ao qual pertencer a coiiimissao res-
pectiva pelo teinpo que servir.
Art. 24. Compele direccp cujas fuuc6cs
sao biennaes;
i. Administrar a empresa como julgar me-
Ihor, nomear e despedir oa olnciaei dos bar-
cos, c agentes* nosdUcrentcs porios.
2. F&aer a compra dos materiae* para a em-
presa em basta publica, ou por propostas par-
ticulares.
3. Dar todos os seirlesires ao conselho fiscal
um balancete e relatoriodo estado da cmprexi
c i ep ii iir peloa accionistas os lucros lquidos
dcdiuindo delicia parte que designar o cunsc-
lliu lineal, o que dever licar em deposito para
os concertos inalores dos vapores.
4. Formar o blanco e relatorio n dia3l de
dcenibru de cada auno que apresenlar -as-
srmblea geral no dia lOde janeiru.
5. Publicar no dia 30 de outubro urna lista
de todos os accionistas c procuradores compe-
tentemente habilitados a votar na proiima
cicicao em confonnidade dos arts. I. e ti.
ti. Finalmente etercer todas as funeces In
herentea a aeu cargo
Art. 15, A direceo vencer urna commissn
de 4 por rento sobre os lucros liquidus da qual
pagar os ordenados aoscmprcgadosdn erxrip-
lono, c todas as tnaii dcspezjs delta Os agen-
tes vencerao urna commlss.io de 3 por ccoto
sobre os l irles e passagens que reccbcrcm
8 t. l-.siis cominisses podero ser augmen-
tadas ou diminuidas depols do 7. blennio,
"quando a experiencia o moslre preciso e por
proposta do cooselbo fiscal, resol vida'em as-
semblca geral.
\ '1. \ alteracao que se fizcr a este artigo
nao precisar da approvacao do gorerno, por
isso que perlence ao rcgulaincnto ioteruo da
empre,
Art. 26. Todos os documentos serao vlidos
sendo assignados por dous directores ; excep-
tuam-te as ordsns de pagamento c quilice
que devero ser assignada* por todos.
Art, 27. As resoluedes dadireccao sero lin-
eadas em livro especial, e asignadas, e seru
aolidirlamcnte respoosaveis os directores ; no
* "> porein de discordancli, o director dls-
sidentc dever declarar ms suas ra/.cs de du-
vlda, e nestecaso n^o ser rctponsavel.
cap i uto v.
Uoc'jnietko tic fiscal i*c Art. 28. O conselho de liscahsaeo he com-
posto ile sete incmbros que seio eleitos blcn-
nalinentc pluralidadc de votos c pela forma
que estabelece o art 15 e de entre nomearao
presidente, e secretarlos.
Art. 29. O couselho'fiscal reunir pelo menos
du.is veie por mino para o deseinpenho das
obrigacuc de sen cargo, e alcni disto todas as
vezes que algum de scus meiubi os, ou a dircc-
cao o exigir. Coinpete-Ihe :
1. Fiscalisar a exacta observaucia dos cstatn-
tos c dfeisoes di assenibla geral.
2. I'.v.iiinii ti as coalas da diieccao sempre
-- Por-Runla-sn o CinoMdei.oho. emprp-
gado em ceiti repartir;9o provincial, qM.1 a
rezSo de nSu ter comparecido estes das na
mesma repartlQSo, poisse he como doente,
o qua oego, ou como necesario, para se has4 \
o de urna cabala de eleicOes, Lam- /
Espera-se que o Sr. M. A.
P., apparega na ra do Cabug ao
fin que nao ignora ( por hoje
3
pflr frenlo i
bo.n pego Ihe esta cp.cid.de, porque' erla "I-"r-'1" \* Anlo"' "rq?2
urrcisoqueso. merec p.g-sge primeiro os de Medetros, n. Estr.d. Nov., que preter, le
cile, em grande escala que ten pregado compr.r um silio na estrada dos Afilelos.
nost.rovo.iSo as lab-roas, cougucs, e como const. de su. carta,, e o proletario
.outros, finalmente que credo politiro de mu.loboa vonl.de desej. pego^ciar ornes-
perlence! tudo isto interesal saber 0 Ba- m m Mede.ros; no largo do llospi-
perte
zSo do Bube.
Hoje deve chegar do Sul o
vapor brasileiro, conductor da lis-
ta da 15 loteria do theatro da im-
perial cidade de Nictheroy; logo
que sereceberem as listas da dita
lotera, sSo pagos em continente
todos os premios, as lojasdocos-
tnme, e ainda ha para vender um
resto de cautelas c bilhetea. O
cautelista .Salustiano de Aq'uino
Ferreira.
Arrem.lao-se uns movis, que ae a-
cliatn no deposito geral, por execueflo de
Joaquim do Azevedo Andrade, a qual pen-
t.l, casa n.aa, que oach.rt.de boa vont.de,
... a sua escolha, de quatio que tem.
.\ti''iicao. .. Desejaee fallar a senhora I). Antonia
Porgunla se ao morador da cast terrea da Fr.ncisct de Mello, que pretende permutar
ra detraz da nutriz da lloa-Vista, se lem p.-,,!,.,,,,,. t,.m em um engenho, e um 90-
licen?a do chefe de polica, e prestou a com- brado quo tero nost. pr.Qa, como conata de
ptenle llanca como mandn le, par. neg- gua Clrli qUe 0 portador nSo voltou ; pro^ .
ciar com escravos, ffzendo annuncios pelo cure nu |rgo do Paraso, casa n. Si, qua de pelojuizo d. primeira vara do civel, ee-
Diaiio, o se n;lo sabn. pon. em que incorre. .enera com quem tratar multo a seu con-; crivo Cunha.
Um Nascimento. lento. I -- Alusa-seal o ultimo do mez de feve-
Do engenho Santo AmarinDo, fregu- .. OescrivSo da lrmand.de do Noss. Se- reiro prximo vndouro, urna bonita esa
zia da Varz^a, desippsr.'ceu no 1.* do cor- nhor. d. Solod.de, erect. n. (reja de No- n. C.punga, defronte do porlSo do sitio .-
rante.O mob'quoP.ulo^mpoucoabest.do.e saSonhora do l.ivramrnlo, deurdemua me- onJe mora o cnsul lnglez.com dus s.las,
representa ter 16 a 17 anno*: quem o pegar sa actual,convida a loJos oa irmaos d mes- duas alcovas, e um quarto para dispensa ,
leve-o ao mesmo eng.Miho, qoe ser* hem p.- ra irm.oilade comparecerem domingo, 7 copiar e cusinha fra, com estribara par.
go do sen tr.balho. do crreme, as 9 horas do da, no respectivo douscavallos e um sitio cercado : quem a
Alugni-se duas cisis terreas, limpase consistorio, para que reun loa em mesa ge- pretender dirij.-se a ru. do Qutim.do, so-
pinta l.s de pouco, uro. n. ra do Bomhm.o ral, possam eleger outrojuiz para o preson gunJa loj. n. 18.
outranadeS. Bonlo, em Olinda,- esta ulti- te anno, a terminar em 1853. que queir. e pelo inrnos de em l> inezes.
3. Dar o aeu parecer asscmblea geral sobre
as coutas c re.lorio da dinve .
I. Coadjuvar a diieccao aeinprc que por rll..
aeja coosulltdo.
5. Ilequercr a convocaciio d'asscniblea geral
quando o julguc conveiiicnlc.
fi. Determinar oa individuos c a iiuota que
deve licar eiu deposito pata os iruiurrs coo-
cerlos dos vapores, tildo c acord cun a di-
rceco.
Art. 30 1 udo o que se nao achar prevenido
neslea estatuios se regular pelo direilo c es-
lylo lo iimci i-i.it.
Traniitonts
Art. Si. Estes cstatoloa serao siibineltidos
saneco real, e s podero ser alterados ou
ampliados por proposla da direce-o, ou de tan-
tos accionistas que represntelo pelo lenos
um icr(o ou fundo social.
Para qualquc das ditas proposlas ser leva-
da asscinblca geral sedar parle ao presi-
dente para a aici convocar com lnlcrvallo de
8 das.
Para seren alterados os estatuios na forma
da proposta torna-se uecessario que seja ap-
provada por tantos accionistas que rcpiescn-
tem dous tercos do fondo social, mas estas al-
teraedes a sero obrigalorias para os accio-
nistas depois de.pprovadas pelogoverno.
g tVnico. Ktrcplua-sc da dispostco dcste ar-
tigo qualqucr alteracao que se 11: .i ao art, 96
e em coiilorinidade com os scus paragraplios
i.e.
Art. 32. A commlsso instaladora que urina
estes cstatulos.logo que teoba passado as preci-
sas aeces em couformidade com o art. 3. pro-
ceder a cclebraro da eacrlptura publica, pa-
ra ser sul.melllda a approvacao do governo de
Ma Magrsiade Kidelissiina, e oblida esta.con-
voc.ro a asscniblea geral dusSrs. accionistas,
em preseuca a qual cessaro sins fuucres.
Porto ti de outubro de iSJ.'.
Por mi ni c por uillierme Augu.lo Machado
Pcreir*Jos Antonio de Souza Oasto. Antonio
ir" fP Perelra de Paria, lose Ferreira Car-
id*T' /-Sulo Jos* Soares Doarle, iVianoci .'os
M1/,. /!> Uraga, Joaguim Pinto Lrite, Antonio
eJos Sautos, Claudiiio Pereia de paria,
Auto. J Ferreira Hallar Jnior, Manoel tual-
berto Soares.
-- Dcs.pp.rcceu no di. 27 de outubro.
muala ll.iy inunda, dn idade 20 anuos, [mu
co mais ou menos, eslslura li i xa, cabellos
cacliiadns, tem urna cicatriz no catigoto d
um causiieo c helides nos olh09, que quem
faz reparo parece ser ea ; lavou vestido de
chita rouxa com pint is encarnadas ; por isso
roga-se a lu ls as autori la les policiaes e
capitSes de campo, que a Hpprclietidam e le-
vem-a a cidade de Ulinda, nos (Joalro Can
los, em casa de Anua Joaquini de Figueire-
du, que sera recompensa lo.
No dia 9 do crrente, na Sala das au-
diencias do Sr. Dr. juiz do civel da primei-
ra vara, depois da mesna, se ha de arrema-
tar, porser ultima ptaca, as letras perttio-
radas a Amonio Jos Atitunes iiui m;ii .1 .-. ir
execuffio de Ja nos Raid & Companhia, e
outros caedores do dito Guimarfiea, escrivSo
Santos.
-- No di. 9 do corrente moz, na casa das
audiencias, drpuis da do (ir. juii de direilo
da primeira vara do ive!t se ha de arrema-
tar a renda do sitio da estra la nova do Pao-
d'Alho, rom casa de vivi'uda e arvores de
fructos, av.liaJo em 250,000 rs cada atino,
por lempo de Ires annos.a reqoerimento dos
coiisenhorrs do mesmo sitio, Domingos Cal-
ilas Pires Ferreira o outros.
Por rxecutjao de M>lheo< Auliii t
ma alm de grandes commodtnorer.'CH .os No dia .s 8 horas da noite, per.nle u \viso ao comniercio
passadores dafesl. a commodidadjdolicar teslemunhas, entrou em mtnha botica oSr. v. '
ierto do banho salga lo, e de ser muito fres- Jos d. Cruz Santos, e dirigindo-se a minh. t IblO a llellhcracao Ja il i -
c. : a tratar na mesm. Cidade, na ra do carteira tirou o recibo de saldo de cont.squo ft, reccao da asSOCacao tos lo-
.M.thias Kerroira n. C. me tinba passado. Manoel Luiz de Abreo. fe _:... J., 1,
Em nomo da nobre corporacio germa- .. Preeisa-se de um moleque para casa j g'sws aesia pra^a recom-
nisl. se faz certo a S. I). M. C. I. que os de pouca familia : no tarro d. Boa-Vista, fe men Jando aos SCUS mem-
ainigos do distinelo cav.lleiro G-rmaoo.sJo luja n. 3. t. U I -
em numero riui exliaordinario, eappellan- |||MM|||tfM|M fe ros, lie nao coniprarem, se-
do mesmo para a sua conscieuci. vera, que (j joaquim Francisco Duarte Junior.ba- fe nao cm 8 casas entre 17 im-
aquellesque lauto o elevaram.foram germa- olsUllldO germanistas.'!! a morram gor- + tonos desl. cidade, tom Iransferi.lo o su poPirt"-11- ae lazenaas e
manisl.sl! Oovio S. M.. e nao meta duzi*. .#, scu escriplorui para o primeiro andar tfi fi como OS abaixo assignados
--Roga-se aos O.llMISUl da loteria do -T j, ca,a ,, p(irU |,rg, sita em o I fe sg0 unS dos interdictos fa-
R10 00 Janeiro que nao paguen oque sabir pateo do collegio : quem de seu pres- <* t^ ... '
i'orsoite no oitavo n. 1331 a beneficio do f t|ino se quuer utilisar, pJe-lo-ha /'"' publico aos seunores de
theatro de Nictheroy senflo aos seos proprios ^ procurar das 9alcas 3 horas da Urde. Q, ctmenllO, lavradorc.^, fazen-
donosquese ach.m assignados as costas ^^^^ <*j#-f>*? eom os nomos Francisco Joso da Cunta .. Jos Fr.ncisco Monleiro, nSo se tendo fe Ciros c, commercia.nie ,
Sampaio e Pedro Leoncio Vieira. contratado no theatro ondea 2 anns foiim- J tanto desta ciilade, como do
-- A pessoa quo annunciou precisar alu- pIcg,do,e por se achar desenb.r.csdo p.ra fe ;n.erior e ao novo em Mp.|
gar um sobrad ., qu reudo um na ra lape- Cllllllnuar em sua arte de fogos.rtiliciaes, fe nierior e ao povo em gerai
ri.l, na travessa do Lima, dirija-se pr.?. 0|ferece seu prostimo em qu.lquer parto fr/ dcsta praca, que franqueam
da Independencia ns. 6 o 8. qun |,aj. festejo, tanto n. praca como no a>
Tendo de retirar-so para Maceio pes- mau,0i ol,je val pessoalmente fabricar as fe
soa que administra o hilhar e botequim da nlajs bl.||a9 p0j8is a fogo colorido e moder- fe
ra Nova, por isso vonde-se esse eslabeleci- DOs inventos, assim como fogos doar, tudo m n0s tic I peca,OU lima duzia,
ment : quem o pretender dirija.se ao mes- por menos que outro qualquer :a tratar na a>< 1
mo, nu ao botequim junto, o the.tro velho, ,.vista travessa do Veras n. 2*. T a tlinlieiro, OU a praso, Con-
que aclara com quem tralar. Desappareceu no dia 3 do correte moz, S forme se aiuslar : noseuar-
- (Junni qutzor dar urna cianea para se Um. negra crioula por nomo Rila, de eslatu- S : _,
ciar, dinja-sUlelraz 'a matriz da Boa-Vist. ra regular, secca do corpo/a qual represen- 2 I1"".'
n. H, onde so .cha urna am, parida a rS ta ter 35 a io nnos, letou comsigo vestido
da*, sem lilho, com excellenlo leile c muito e cn,a com as-enlo branco e llores encr-
carinhosa. nadas, panno da Costa azul e um lian Ires
-- Des le o dia 31 do mez ultimo passado, n0vo com zcile de carrap.to; roga-se a
que ausentou-se di cisa do seu s -nhor, em todis as autoridades policiaes e capilies do
Olinla.tim miilatinhudo nomu Juilo.que le. campo, queir.m empregar tola diligencia
sobro a pprelienslo de dita nscr.va, e lve-
la a scu senhor na ra do Trapicho armazom
de assuCHr 11. 11, que se recompensara
6eus sortrmentos de fazendas
por b lixos precos nao me-
ra mais ou menos 13 annos de idade.com os
S'gnaos seguioles cor ciar., c.bellos pre-
los grossos o esii-.dos, olhos regulares, na-
ris chato, aspeclo espantado, efransinodo
rorpo, vestindo ccroul. do algodo branco
do Corpo i
i Santo, esquina da na do ^
Trapiclie n. 48. 4
Kostroa Rooker P ('.,
f Negociantes inglezes.
No dia 23 do corrate desapp.receu um.
preta da nome Bern.rdina, crioula, do id<-
CASA FELIZ.
N. pr.c. d. Independencia n. 3S.
0 cautelista da casa cima annuncia aos
eos tregeles que hoje principia a pagar .a
u.a cautelas premiadas d. loteria d. ma-
triz ; assim como troca pelas cautelas d. lo-
teria do Rosario d. Bo.-Vista, que ha de
correr as rodas no di. 25 oa novembro fu-
turo. N. mesma caa cima vendom-se bl-
Iheies, mel.', qu.rtos, decimos e vigsimos
dosla loteria. Tambora se vrndem os mes-
mos btlhetes na ru. Nova, loja de chapeos
n. *. Presos.
Bilhetes 8.400
Meios 4,200
Quartos 2,200
Decimos 1,000
Vigsimos 500
-- Francisco Malhias l'oreira 'da Costa ex-
porta para o Rio de Janoiro, a sua escrav.
Paula, crioula, de 27 annos de idade.
Lotera de Nossi Senhora do
Rosario.
As rodas desta loteria andam itn-
prclerivel no dia 5 to corrente ,
o resto dos bilbetcs acliam se a ven-
da nos lugares do costutne.
Companhia lusitana de paquetes a
vapor.
Os s'nhores.ccionistas desta companhia
silo convidados a dingirem-se a casa do a-
baixo assignado, roa do Trapiche n. 20, ale
o dia 12do crtente, para declararen) quem
os representar na ci la lo do Porto, e en-
trar com a primeira prestaqJo de 20 por cin-
to de suas acr;fles, como estabelece o contra-
to do assig'iatura : aquilas senhores que
preforireni squi pagar o poderlo fa/er,visto
star par. isto autonsado pela direcf.lo.
Manoel Duarte Rodrigues.
Precisa-se alagar um preto para servi-
co do porlas dentro desta typog'aphia;
quem o Uver para nlugar pule dingir-se .
livruna n. 6 e8 '1. prnca da Independencia.
V t V V V 4 V V v v v/ V Y V V V t '
*" l'aulo Gaignotix, dentista. ^
* I'dv -i-1 i'i-.-.i.mi 11 n qiini- ^
> qner liorn nu -n;i cusa 1111 ^1
$ na larva do i > SCglUKlO II lili,II <#
Arrenda-se urna propriedade, sita na
ra da Florentina,contigua a do Sr. Ber.n-
ger, com oplim.s proporr6^s p.ra nella se
fundar qualquer rstabrlecimento em ponto
grande, por ter bstanle extensao, e porto
do embarque pelos fundos quem a preten-
der, (ide ir ve-la,entendrndo-se com o mo-
rador da osa n. 16 da dita propriedade. o
qual dir com quem so deve tratar do qual-
quer ajuste.
Aluga-se o sobrado de um andar e so-
1.1 ', da ra do Seve, contigua a casa em que
mora oSr. Dr. Carvnlho emprezario do
theatro, com commodus para grande fami-
-- Bernardo Dotel Pereira retira-so do ir.
perio
Compra*!.
Precisa-so de um bom ollicial de chara- de 30 annos, baixa, cheia do rorpo, com
teiro o doum hoinem diligente, par. pas- dous signaes de feridas, um na fonte direl-
e camisa de madapoloj usada,e chapeo do turar 3 a 4 vaccas c tirar o leite: o tratar n. la, outro na m.ijaa do rosto beitjosg.-osso,
palha: contra quem quer quo o dcliver com ru, daSulidadecs-aconfronteavendan.il. denles alenos, com a cara e pernas eucha-.no n. 60precis.-sn de um escrnvo para ser
das, ten lo em um dos Uncos escripl o no- tico do casa de pouca familia; paga-se ineo-
' lia, quintal, cocheira, estribara o um vive
ro: a l'.t.r na rm da Cadeia doltecifen
53, ou no esenplorio terreo n. 23, da ru. da
Cruz
-- Na rua da Cadeia do Recite, escripia-
ompr.-se um. escr.vs, moc, quo
seja perfeit. engommadeir., cosinbeira, o
que silba cozor algu'ii. cousa ; na tua da
Madre de Dos n. 36, primeiro andar.
- Compra-so uoia negrinha do menor
idade : na rua Velo. 11. 81.
--Compram-se iscr.v.s e evendem-se, re-
cebem-se do commiss,1o, tanto para a pro-
vincia, romo para fra della: 11a ruados
1,11111 ii-'s n. 24, segundo andar.
Compra-so nina casa terrea, na ru. das
Flores, pateo do Carmo, nu C.uiba : quem
tiver dirija-se a rua das Flores n. 21.
Compra-se um oscravo de nacSo, do
idade at. 30 annos, sadio, liel, sem vicio,
pata o servico de casa, p comprns na rua,pa-
ga-so bem ; na rua do l.ivr.tnento, loja n.
19, se dir qunm pretendo.
Compram-so eseravus de aaihosns se-
xos, p.r. dentro e fra Ja provincia; agra-
dando pag.-se bem : na ru.cslrcita do Ro-
sario 11 28, segundo andar.
Compram-sc costados de ma
licita di; I uno, ,1111,11 ello, o sedro
emporco: naj^ia da Cadeia do
i'ecife n a3^ sc-di quem quer.
'?-'-......-KT- : "Til ,-!.- *-
- : Comprase 11111 mulato ou crioulo.de S9
41 18 a 20 annos roneo mais ou mellos, JW
Tt sendo do muito linda ligura e boa ttt
a* conducta, paga-se bem na ruado Vi- aj
W gario n. 9. SJ
mts^m m& ..... -t.m ^s-'-~
t;ompra-s-i um gtiarda-louc. P"queoo,
011 mesmo umannario cotn praleleiras;queai
tiver annuncie ou m.do 11 24.
Cumiira-se urna preta quesaiba engom-
nar perfdita nenie, que tetih. re 22annos
1 1.1 lie. e sem vicios: na ru. d. L'niao,pe-
niiltima c.s'a a esquerda.
Compram se escravos de 10
a .'."> .unios de idade : na rua do
Vigarion. 19, segundo an lar a
trattr com Machado 81 finheiro.
Ven.las.
C. Starr
mo p.r. o uso da agricultura, n.vegacao o run j0 Amorim n. 25.
em bom estado, e quizer dispor
della, tirij i-.se a rua da Cruz n.
26 primeito andar.
O abaixo assignado. socio
gerente da casa de Uliveira Irinaos
(s: Oomrianbia, autnrisado pelo Sr.
.In.-t' de Uliveira Mello, fundador
da mesma, participa ao commer-
cio desta praca, que o mes no Sr.
Mello, boje residente cm Lisboa,
torna a fazer parte 01110 socio, da
firma M>cial Uliveira Irmos &
Companhia, desde o i. de Janeiro
vintlouro em diante, deixando de
fazer parte delli na mesma occa-
siao o socio o Sr. Bernardo de 0-
liveira Mello; a firma social con-
tinua a girar dcbaixo dos mcunos
(.ompaiihia, so ha do arrematar no di. lodo j 1 j 11
coirento, na sala d.s audiencias, de; ois do auspicios da sua lundacao. rer-
inejodiaoem presera doSr Dr. juiz mu- Uiambuco 5 de novembra de 185a.
nicinal da soguilla vaia, escrivilo Ciinlu.ior I ., ,, a____c _,__
sTa ultimo praca, um ierret.o com esa e Manoel I' rancisco de bouza Smos
mais bemfeitorias, peuhrado aos herdoiros O Sr. Jos Gucdes de Albuqucrqu-, an-
de Manoel Francisco Cuimaies.e divido com les de so retirar para a Europa, l -nha a hon-
a traves.-a d. rua Augusta otn aliuham uto i dado de ir a rua Nova, na loj 1 de selloiro de
ao rio Capibatihe; lambem o dito terreno I Santos Andrade t Coi'tpanliia.
ilivil" em parte rom diversas ruis, como AVISO,
tudo so 10 le ver do escrieto por lies pr.cas, Hoje sahe luzo aVigilaul n. 5, chi-so
que se .cha em mao d porteiro do juizo, a la ven 1. n. ru. do Crespo n. 11, e na mao do
nilo h.vcndo quem l.nce ser* djudicado na dislribuidor.onde se tssigua por 1,000 is e
a vulso a 80 rs.
-- 1 iiI'im'i'.'-s.' um moco porluguez, para
feilor de engenho do que tem bastante pra-
tica, o d ll.dor do su. conducta se preciso
fr: 1 tr.l.r em S.nlo Atu.ro junio da fun-
outro lim que nao seja o le reslilu -io.o por. .. eie-M fallar con o Sr. Severiannn
mais tempo que osulllcietite para avisar, (;rcgorio ao Albuquorque Figuei e lo.na rua
protcsla-se usar dis facilidades da lei; pa.ga- Ja t;ajea d0 Recite n. 48.
se, poroni, generosamente aquomoapre-'
sentar a CuimaraesiSc Roca, na ruada Ca-
ilea 1I0 Recifo n. 40, ou em Coiinna, no en-
genho Diamante, osa do pro,>rietauo.
Oaliaixo assignado. declara pelo pre-
sente aiinoiirio, que fieou responsavl pela
quantia qu ficou devendo Jos Cuedcs de
Allut lUtrqtie, ao Sr. Audr. lu e Leal desde
o dia 27 Je setombro do correnti anno, di.
eii qoeo mi'SmoSr. Cticdos ueixoii de ser
caixoiro dos mesnios Srs.;n por estar degone-
rado o dito Sr. Gueiles p.ra eom ns inesmos
senhores Andrade* Leal faco o presente
allirmalivo de mln 111 responsaliilidade.Ma-
noel erneira Leal.
Desapp.receu no dia 5 dejulho do cor-
rente auno, la Passagem da Magdalena, um
caboelinho de nomo Cael.no, do II 011 15
nnns de idade, tendo os signaes seguimos :
cabellos estirados, rosto redondo o pequen 1
e com algum.l sardas, nariz chato, denles
largos, pcilo saliente, mitos o pes bllanle
pequeos.e quan lo falla em alguma palavr
que tem R, carrega bastante; he muito es-
perto : roga-se as autoridados de polica e a
particulares quo della livirem notlcia.de di-
rigir-se a roa do Vigario n. 31.
Precisa-se de um ama para cozinhare
fazer o mais servio de urna casa de poitas
para doutro : quem quizer dirija-se ao alcr-
ro da lloa-Vista n. 41 quese dir quem pre-
cisa.
Aloga-se ou vndo se, una parlarla "
ruada Gloria da llua-yista, com lodosos
S"us ntcneilios : a tratar no aterro 11.41.
rssta- m?mmwwwwi*&*smmN*
f1 -- Cosscl Rimont, professor de lio- rf
-;' niLDopnihi. pela escola do Rio de Ja- SU
.:'' neiro, continua a dar consullas gratis
M aos pobres todos os lias u'eis, das H tS*
l horas da manhaaala'i meto da, no i
m scu consultorio, uta dasCruzesn. 28 10
Precisa-se de urna ama de leite, torra,
ou ca tivs, que seja lim.a e tenlia bastante
leile, pnga-se bom : na rua do Livrainenlo,
n. 14. se dir quom precisa.
-Franklin Washington do Souza Reg,
leva pan o Maranho o sea esrravc Jos.
Quem tiver urna pulsara de
curo com corees, obra antiga, e
salmcnt
Mil 110. Un. JAKII.
THADliZIDO EM POKTUGUKZ.
16,000 rs. de assignatura.
Sabio a luz o primeiro volumo desla obra,
1 melhor do todas em S"ii genero : o nico
me de bernardina de Sena da Pon (cacito,
com um coradlo lambem pintado na pele ;
suspeit-se que esta preta est acontad, por
um cabra de nomo januano, morador em
Fra de Porlas, c com o colino de carpinlei-
ro: quem a pegar levo-a a rua da Aurora,
esa do Kxm liarlo da Roa-Vista
-- liu abaixo assignado, leudo ajustado'
cintas com o A. Fournier, lo Maranblo.par-1 verdadeiro livro, por onde se pod- ostud.r e
tieipo aos porta lores do letras sacadas por pralicar a homeopathia. usa ntidamente
aquello senhor sobro miro, que achando me imnr. sso em excedente papel, eom lulos os
"xoneradn de seu pagamento,as devemirha- 'ajgnaes oueconim o original para donot.r
verdaquellc senlior.Rruguicr. dilTeronca do valor dos sjmpto as.
- Retiran lo-mo desta provincia, aonde Conna a assignatura no consultorio lio-
t-nho estado porto dsete anuos, declaro meopalhico do Dr. M.'Scoso, onde os sonho-
Cuuha
Rospeilos.oiento annunciam, que no seu ..,e n la devo. Joilo Filippo- da Cunha res .ssignanles p'Jeiti mandar receber os
extenso estabel'Citnento m Santo Amaro, llm'eira de Mello. seus cxemplare*
conlinuima fabricar.com a maior perfeico .. precisa-se de urna am. de leile, captiva No mesmo c.ins"'inrio ha todos os inodtca-
epromplidilo, tila qu.li la lo demachinis- 0u forra, e que uilo lenha lilbo, p.ga-se bem: montos hon-,palhicos \F.IIDADtlR
manufactura, e quo para maior commodo de
seus numerosos rreguez'S o do publico cm
geral, lem aborto em um dos grandes ar-
mazn* doSr. Mosquita, na rua do lirum ,
airas do arsenal de marmita, um
Deposito de machinas,
construidas no dito seu estabelccimento
All acharo os compradores um comple-
tVttenco
t) autor do annuncio inserto nos Diarios
de 3 c 4 do corrento mez, com as iniciaos M.
I. R. U., declara que 1)00 se cnlendecom o
Sr. Manoel Itozendn do llego Rarros.
I'rccisa-se do um caixeiro para pad.ria
na rua Direita n. 82.
sim como ricas Oarteiras, c reformatn-se
quaesquer boticas, cujos medicamentos se-
ram falsos, ou deteriorados
* Alugam-se o vendom-so bixasna #
praca da Indnpemlencia n 10, con- *
(9 frouto a rua das Cruzes. %
fc(!#fl!*f*r4Ie#
Lava-se o eogumma-se, com milita per-
-- Aluga-se e vendom-so s.nguessuga das feicJo assei0 uo pateo da Ribeira de S.
-I,....,. ...... I... ,11, .....i ....I.. .. .. r,i. ,1 .. *. ___
to sortim-tito de moendas da raima, com mnlliores que ha no mercado : na rua das ju*e n ,
lodos os melhoramenlos ( algtins delles no- Cruzes n. 40 venda da Domingos da Silva __y0
vos c originaos) de que a experiencia do campos.
mullos annos tem mostrado a necessidade. .. ivecisi-so lugar um preto oara o ser-
ai ichinaa de vapor de baixa o alta presiBo vico desorvele, que seja robusto para o tra-
tadlas do lodo laoianlio, tanto halidts.como balho ; paga-se 15,000 rs. e dase o susten-
fundidas, carros do tniio, c ditos para con- :o na rua est'cila do Itusario n. 43.
luzir formas de assuctt, maCunas p.r. ._ D.'seja so f.llar com o Sr. Francisco
moer mandioca, prensas para dito, fornos Percir. Pinto, quo In pouco tempo morav
do ferra batido uara familia, arados de ierro no Arrombado.em linda, negocio que Ihe
.lamis approvad canstruccHo, fundos pa- diz respailo; e como nao lio possivel sabor- dei|. margom do Capiliaiibe,com boa ca-
ra alambiques, envos e porlas para forna- su de sua morada, roga-se ao mesmo senhor
Ibas, e urna infinida le do obras le forro i|Uo diiija-sea linda, na padaria do Vara-
|iie sera enfadonho enumerar. No mesmo uouro, ou declaro por oslo Diario o lugar
loposito existe urna pessoa intclligenle o ba- certo em quo so possa achar.
15.
subrado da rua de S. Francisco n.
8, ainda precisa-se alugar urna p'eta o um
preto, escravos ; a primeira quo saiba fa-
zer o servico interno da casa, e o segundo
para fazer compras e lu lo o mais que Ihe
fr determinado, nlo tendo os vicios do be-
ber eluilar
Para so passar a festa.
Aluga-s; um bom sitio no lugar do Cor-
ronformid.de da lei
0 Sr. c.demico Francisco de Ar.ujo
Barros, bajado entender-se a negocio seu,
na iu. do Malhias Fartoira, em Oliud. n. 6.
-- 0 Sr. Jos Guedes de Albuquerque, .li-
les de su retirar p.r. Europa, tenha a ban-
dado de ir a rua das Flores a-10.
dicto, venda/ de Francisco Bolelbo de An-
drade.
bilitad. para recobor todas as encommen-
dus, etc. ele, que os annuncianles contan
do c im a cap.ci lado de suas tilcnas e tna-
chinismo, e penci. do seus ofliciaes, so com-
prometteii a fazer cxecular, com a maior
presteza e perlero, e exacta conformidad.)
com'os modelos, ou desenlias, o instruc-
eoestiua Ihe forem fomecidas.
~ i'.xporltm-se par. o Rio de Janeiro, os
mualos Salviano, de 18 unos, o Silvestre ,
de 12 annos, cscr.vos do Jo3o Antonia Al-
ves do Unto. ..
OSr. Rento Marlins ConClves Lisboa,
queira apparecer, na rua do Crespo n. 16 ,
quese Ihe deseja fallar.
OSr. Jos Guodes de Albuquerque an-
tes do se retirar para a Eurupa, lenli. a boti-
dade de ir a rua .Nova, emeasa do Andrade
t Leal, gasfazorSOOe tantos mil rcis, que
licou dovenJo, conforme o documento quo
assignou.
Fede-sc ao senhor agente
dos vapores, que se S. S. be chris-
tao nao deve despachar o vapor
para o Norte em domingo, pois he
prohibido trabalhir nesiedia.
Hrecisi-se de urna ama de
Icite, sem filho: na rua da Uaiao,
segunda casa que temsolao.
Precisa-so de 750,000 rs. por lempo "a
dous annos, vencenda am por cont .0 mez.
e pagan Jo-sc os juros nieusaltneute,gob hy-
pnlhcca cm una boa casa torrea, siti em
um. das melhoies ru.s dosla ciclado a
iioui euiivi t este negocio, unnuncie para
ser procurado,
-- I ni' pessoa quo sabe escripturacHo do-
br.da, o lem tido pratica no commcicio, se
olfi rece paia fazer escripia do qualquer
casado negocio ; quem do seu preslimu se
quizer ulilisar, me liante urna mdica rc-
tnliiiL fio, annuticie para ser piocurado.
t.auoel Goucalves, subJito bes. anhol,
retir.-se p.ia o Rio do Janeiro.
~ Quem pretender fallar a Joilo Ferreira
dos Santos, ou a sua sogr. D. Rita Lourenca
dos Sanios: dirija-se ru. doQucim.do
11.14.
Precis.-so detim Caixeini, para lomar
uma venda por balancu, dsudo-sc bom or-
den.do, ou iutotesse : n. ru. da Cadoia de
S. Antonio u. 26.
Aos dentes.
so, estribatia para lies cavatlos, casas pa'a
preto! o foitor, pomar o jardim, assim cuino
b.ixas com captm e milita hortalice : na rua
do Qiioimado 11. 30, sigundo andar, ou na
rua da Madre do lieos, crmazaai da R.rroca
J. lam, dentista, noticia ao publico, que & dslro.
contina por dentes artificiara do porcelana No dia 27 de outubro prximo passa-
incorregiveis; o annunciaute iucherta um do, desappareceu da rua Augusta, urna ca-
ou todos se fr praciso, as-overa 11 lo a todas bra preta com mallas brancas, e uma cabri-
as (essoas que se quizer ulilisar do seu pres- tinba de cor paraa : quom della soubor, di-
timn,quo nao exige paga alguma nilo lican- rija-se a dila rua, casi terrea de frente cor
do os denles tilo bem collocadosquo 11S0 so de chombo, quo seca recompensado
poss. differengar dos proprios naluraes.po- i!iLUfj Aluga-se uma casa, as rasse-
dendo-se m.stigar qu.lquer comida sem iVpp'fll guiles.:--d.s Cinco Ponas, Au-
sentir a menor ddr njm roceio alo os quo- r^ilM-i gusta, de Hurlas, Concordia, tra-
brar; tambem calca os denles natur.es fu- vessa da dita o Agoas Verdes, seja let-
rados da carie, com miro ou prata, prev- rea, ou sobrado: quem tiver, annuncie.
niodo assim a cuntauacSo da cartee dores, llln. e Exm. Sr. conselheiro presidente
e mesmo evlanJo por ossa frroSHe passr da relacAo.--Diz J is Fernandes d. Cruz
a cario dos denles fura los para os outros quo para bem de scu direilo precisa que o
silos, como bem, limpa os denlos em geral, escnvflo Ferreira revendo os autos lio los
tiran lo as carios ou pedras quo tanto os de revista civel entro parles, recorrente Po-
li.mnilica e coopera para o mo alilo da boc- dro da Cunha Albuquerque e outros 00
ca ti3o sendo tirado ; ha dez annos quo o supplicanle Ihe di por certidSo o theor do
aununciante exerco sua prolssSo necia ci- accordam do supremo tribunal de jostica,
dade, e os muitos exemplos que tem 'alo pelo qual foi deuegada a revista. P. V.
uesse longo lempo sei quanto basta para Exc. deferimenlo.E R. M. Passe. Itecife
o garantir: su. residencia, (rua Nov. n. 19, 23 de outubro de 1852- Azevedo.Antonio
primeiro andar. Joaquim Ferreira de Carvalho, escrivSo das
-Pode-se o lllm. Sr. fiscal de Santo An- ppelc-s e ggravos da rel.cJIo de l'er-
tonio, que tenha a bondadede chegar quan-, nambueo etc.
lo antos na rua estrella do Rosario n. 43, \ Certifico ser o theor da sentenfa dosu-
loja, para S. S. averiguar uma qu.olida.le
nao pequea de agua empocad. podre, que
exal. um (olido extraordinario, a ponto do
produztr uma peste; eu como pal eco desta
mesma pesie lia temeos.sem querer queixar
premo tribunal de jnslifa proferido aos au-
tos mencionados na pelicao supra o se-
gundeVistos, oxpostos, o relatados estes
autos civeis antro parles simultneamente
recurrentes e recorridas, Pedro Velho de
o,e as autoridades cotiipelenles,vejo-ine for- Mello, Pedro da Cunha Albuquerque o ou-
111.i.1 da penna para este
C>do agora a lauca
lim, para que cnegaudo ao conhecimen-
lo le V. S. se digno dar aquella dovida
aliene,.lo para o bem da saude publica,o pa-
ra o inquiliiin das lojas.
Um mo;o casado, bastante habilitado
em tocar r.beca e pianno, o centolla, como
timbero a ensinar algumas pecas de danca,
e querendo continuar no exercicio for
d. capital, do ensillo destes instrumentos,
offeroce-se a qualquer pissoa quo quizer
utilissr-se do seu preslimo dirija-so a
rua do llortas n. 37.
Aluga-se por precueommo lo, urna ca-
sa em Saul'Aun., com commodos par. uma
grande familia, baixa de c.iptin, estribara
tros, e Jos Fernandes d. Cruz, nega 111 pe-
dida revista, por nao hav r nullidade mani-
festa, in ni injustica notoria no accordam
de que se recurre. Itegressem os autos ao
juizo, onde for.m sentenciados, p.g.g as
cusas pelo recrreme. Rio 22 dejunhode
1852Nabuco presidenta interino, Pinto
IVC'.niiia, Pe.rdigao Milticirt, Siqueira, Al-
meid., Cerquen. Lima, C. Franca, Ponce,
i.isti.i Mascarenhas, Veiga. E m.issentlo
continha em dila > nL 11 i;;i aqu copiad, dos
referidos autos, .os qo.es me reporto, e
vai esta sem cuusa que faca duvida conferi-
da e concertada n. forma do estilo, sub-
scripta e assign.d. nesta cid.do do Itecife
.u. 25 do outubro de 1851. Subscrevi e .s
part qualm cavallos, o cocheira: tratar siguoi. Em f do verdade.--Antonio Joa-
coni Cali Gomos Ferreira, no Mondego. Iqumi Fo-reira do Carvalho.
i.x'.stii n. ru. do Trapiche n. 6, um. Precis.-se do um bom cosinbeiro, que
carta p.r. Jos Julio d. Silva, viuda de Lig-sej. penlo e activo na guiarte: na ruado
boa, no vapor Teviot. 'Trapiche o. 5.
Lotera do Kio de Janeiro.
aos 30:000,'ion e 10:000,000 ders.
Na loja de miudezasda praca da
Independencia n. 4 vendem-se
bilhetes inteiros, meios quartos,
oitavos e vigsimos, a beneficio da
t5. loteri'i do theatro de Nicthe-
roy ; vem a lista no primeiro va-
por que chegar do Hio de Janeiro.
iNa mesma loja cima iccebem-se
bilhetes e cautelas premiadas da
loteria da Matriz da Boa Vista ,
cm troca das que tem a veuJa do
Kio.
Attenclo.!
Vonde-so um sitio no riacho i'Ago.Fria,
com boa esa, tremolse tintos pes de co-
quelros, Tinte etantos ps lela'augeiras, e
muitos ool'os ai voredos do l'rucl is, escol-
enle baixa para capiai, c milito pasto para
gado: a tratar narua .Nova 11. 21, tercoiro
andar.
-- Ven lo-so 11 m oscellontfl oavallo lo sel-
la, de minio boinli lia-ura, boa cor, o mar-
chas muito macias; na rtii da 'ir.deia d 1
Itecife, loja 11 54.
a|ji<*-."<*!?* "nsje^
0 Ven i-m-se don- esclavos cunlos $
. com 21anuos p meo mais 00 menos, "^
? do bonita figura e boa conducta : na ti
rff rua do Vigario n. 9. *>
aJ,5^ttfeS> '"* *S^>S^
Aliene; lo.
Vendem-se gentes de tartaruga ultima-
ment chegadis de Franca, do mais apurado
gosloe pelo diminuto prego de 5,500cada
um : qu'm se quizer ulilisar da pechincha,
dirijas' ao atuTod. Rua-Visla loj. n. *B,
de J. S do llneles, quo hi .ehtri par. es-
colher.
Condessas grandes.
Vendem-sona rua da Cadeia do Rocife n.
4s primeiro andar.
Capachos com abe tura.
Vendem-se capachos com abertura no
meio para licarein e n redor de mesas da
meio de salla, na rfta da Cideia do Recifo 11.
18 primeire 11 lar
Ven le se por 5,500 e 6,500, urna fit do
qualidade superior pa'a earla de bacharel:
no aterro da Hoa-Visia, loja n 1.
-- Vende-so uma pa lana, sila no lugar de
Sanio Amaro, mudo em conta : a tratar na
ru. do Mondego 11. 29, ou na rua do Hurlas
n. 18.
Vende-seum cuneiro manso, com seu
competente salitn em bom uso ; na ru. das
Cinco Pontas, casa n. 23.
-- Na rua do Collegio n. 17, vende-seuma
taberna com ;ir.....;.....peil-inccs, e muito
poucos gneros : a tratar na mesma.
Vende-se n. rua du Crespo n. 16, uma
pulseira de oirro, de goslo moderno ; assim
como colheres de prata em bom uso, tudo
por proejo muito mdico.
Vendo-so um riquissimoo lindo sorti-
mentode obras de ouro fabricadas ni Euro-
pa por um dos melhores ourives, o chegadag
ltimamente no vapor Inglez ; estas obras
pelo gosto e ilura;i" in oee 'in toda aII oiglo,
neo s se vende rel.lno como lambem em
porcOeg, assim como oculos par. theatro,
relojos patente inglez, caix.s grandes e pe-
queas com msicas, e outros muitos objec-
los : na rua Novan. 21, loj.de Germano re-
lojoeiro.
-- Vendem-se chapeos dsela para sol,
selmsdos m.is modernos e de superior qua-
lid.de, chicotes finos : lodos estes objectos
sflo inglezes.e c ir g. los por um dos ltimos
navios ,- na rua do Trapiche Novo n. 18, ei-
cripterio de Eduard 01 y.tl.
Vende-se um sitio, ama li reila da
povo.c3o dos Afog.dos, com casa de suili-
cienteg commodos, todo mura lo, ten Jo Ires
cacimbas, tanque, e differentes arvores de
inicios : na rua Dircit. Jesta cidade o. 78.
Vendem-se, porpreco com-
modo, saceos com (relos, gigos
com muito boa cerveja, champag-
ne em garrafas e meias ditas, fras-
cos com manieiga, vinho de Bor-
dean* 1 jS-ncas, e velas steari-
as chegado pelo Cont
Koger .'rua do Trapiche n.i 1.
lriuui l'raeger c Compa-
nhia, team a venda no seu crin 1-
zcm. na rua da Ciuz n. 10, um
lindo sortimento de mobilia de Ier-
ro, como sejam, mc-as redondas ,
cadeiras com bracos e sem ellos ,
e solas, tudo de ferro, e' outras
com uncostos e assenlos de po ,
etc. etc.
S MUTILADO


m
Sands
SALSA PAKRLHA.
Vicente Jos Je Brito, nico a-
gentecm Peruambuco deB. J. D.
Sands, rhimico americano, faz pu-
blico, que tem chegado a esta pra-
ca una grande porcSo de frascos
de salsa parrilha de Sands, que sao
verdaderamente falsificados, c
preparados no Bio de Janeiro, pe-
lo que se devem acantelar os con-
sumidores de t3o precioso Talis-
mn, de cabir neste engao, to-
mando as lunes-tas consequencias ,
que sempre costiiman trazer os
Tainas para enyenhos.
Na fundicSo d ferro de D.
W. Bowman na ra do Brum
p-ssando o chafarir contin a
baver um completo sortimenlo
de taixns de ferro fundido e ba-
tido, de 3 a 8 palmos de bocea,
as quaes acham-se a venda, por
preco commodo e com prompti-
dao, embarcam-se, ou carregam-
se em carros, sem despezas ao
coiii|irador.
l'Yijfui novo a 6,000 rs.
No armazem do Couveia & Ds, confron-
to a escadinha da Alfandegs.
Pa rus do Crespo, loj 1 n. G.
Vcndem-so superiores cortes docambrila
O cauteliata Antonio Jos i Praca da Independencia n. 17. 1
Itodrieucs de Souia Jnior avisa vodm sechapeosenvernados dos mais
1 1 e modernos, palito de ouro da Tana largura*,
aorespeitavel pulilico, que a 1 O. bolOes dourados lian do Pedro II e de an-
loteria do tbeatro da imperial ci- cor, tudo por prego corrmodo.
dade de Niclheroy, corre boje a3 Vinbo de Colares,
/ i J cm barrisde 7 cm pip. ; em os. de Augus-
do correnlc. no rilo oc Janeiro, e ,0 c de xbrcu, na roa da Cadeia do Hecife
que seus bilheles e cautelas, es- n. 8:
7 j. r --Veodc-soum das mel'.ioros loias de fa-
lao a venda em sua loja de Ierra- zcnd,s ru, do Pn8soj0i .fre(,UP2,_
gens n. 37 a, na rus do Qucimado1 di,com poneos fundos: na misma ru, loja
)untdao beceo da Congrego, e na n-.?lTPBdi d. PSquin, d, rua dli cruze.'
SALSA PARRILHA DEBRISTOL
SAlSAl'SElfsMDS.
rnesma ma
lojn n.
ia
de Joao n. 2, vonde-so minteig inglea, a 720, 610,
A salta parrilha doristol data desdo 1832, e tem constantemenlo m.nlido sua reputa-
Cflo, sem neccssid.de do recorrer a pomposos innuncios do que as prepirigOesde m-
rito podem despensir-se. Osucesso do llr. Rristol tem provocado infinitas invejis,
i n j J c '.1*100 nueiint 1190 nre.Fin.tns a mo pouemoespensar.se. u sucesso ao l)r. iirisioi tem provocado in rulas invejis, a
llaptitta Rodrigues de Souza, eno,"-;^ ^J^g^ a entre outra, a, dos Srs a. i. D.Sands de New-Tork, preparadores e proprl.uno.da
l.terro da Boa Vista, lojs de ITHU- L840. ditoa 1,800, bol.chinh. de.rarut.,a '*parrilh.conhcc.da pelo non.e de Sands.
dezas n. 48 de Aliton.0 da Silva' 50 rs. a libra, dita ingleza. a SSO, pastas, a Estes senhores sohcitarfloem 1812;a agencia de Silsji p.rr.lha de Rristol, como nio
. r-- --: .n i desalpicos, com 6 1(2 o 7varas, a 3,500o
medicamentos falsificados^ e ela- 4000|,r5,. 'corte3 deoass chita, de novos
borad
de pora que o publico se possa l- Y^iS^lSS^SSitSlSi
vrar deata iraudc e distingue a 0 n)llil,g0Utr,sfBzend,Sem cunta.
veidadeira salsa parrilha de Sands ****'***i-#*l***
da lalsilicada, e recentemente a- i*t homeoptica.^ |
qui chegado ; o annunciante faz I
a verdadeira se vende I
Guiuiaraes. O mesmo avisa no res-
peitavel publico, que na mesma
loja foram vendidos em vigsimos,
n. .'i 131, cun 10:000,000 de rs., e
outros muitos nmeros com pre-
mios de 1:000,000 dero., de '|tos
[rs de 300,ooo rs de ioo,ooors.,
e de 40,000rs.; convida pois aos
possuidores a vircm rcccbcr seus
'respectivos premios que imme-
dictamente sao pagos.
H i I heles
Meios
Quartos
Uilavos
Vigsimos
-- Vendn-seou trocase por
ao Dr. Rristol, no di. 20 de abril
2 2,000
11,000
5,5oo
3,800
i.3oo
lijlo de al
das Crines 28
Ha para so vender algumas caixis >
ver, que a veruaueira se vemie ^ rjC,SC()m medicamentos em tintura. *
nicamente em sua botica, na ra cada urna sera acompanh.J. do um .
j > ;s j Itooil,. .1 C\* > Irasco com glbulos inertes, e o fJJ
da Coi.ce.c3o do Recite n. i e, mcldcospro%n.r.
alm do recnituario que acompa- 9Mi9$>^flS)^9990 1,, ..j, (Vaapn Ifm emhnixo da Vendem-se asseguintes somentes:
nhdcada fiasco, tem emuaixo ua Mbino.rbinetcs encarnados ebran-
nrimeira pagina seil nomc impres- cos sobola,couvo trinxuda alface la- venara, duas canoas de carreira novas; na
in se aVliar sua lirn.il em ma- moa, repulduda.Cbicoria, senoulas, foijflo ra d.(.oncordia, a fallar com o meslre Jos
SO, e se achara sud lirn em in dclrc u,|idadcs,,rvilh. torta e Carvalho da ronacca.
niiscriiito sobre O mvoltorio im- Aini(,un, coonlrodotouceira.s.lca.to- -- Relogius .menanos, para cima de
nraModo mesmo Irasco. males grandes, repolho, couve lombard., mesa, com corda par. oito .liase dura 30
presso o mesmo naow s.boiafo mustarda : na ra da Cruz n. 46, hons, e o mals barato quo em outr parle ;
Momlios de vento defrontedo8r.doatorCo.aie. n.ru. do Trapichen. 8.
com bombas de. repuso para regr.r hurtas _. vendem-scamarrasdeferro: na u d. A 1,280 res!!
oh.iMS'lccaplm nafundiySoden. w llow- senz.na Kov.n.42 Ventjem-se cortes de Lia- para calca, a
mu:ua ra do llrum ns.6,8 o 10.
Ueposlto la rabrlea de Todos os
Suiltos 1111 ISal.iii.
Vendo-se.emcasa do^. .ltieher&C,
na ra da'Cruz n. 4,algod5otransado a-
quella fabrica, muitoproprio para saccosde
assucar eroupa ilooscravos.porprctocom-
IIMIlliP. .
Oal virgem de Lisboa.
Vende-se superior cal virgem.
Parinha de mandioca a I,6oO rs. a 'l,080rs.; na ra do Crespo, loja n. 5.
I v .cus quadros para sala.
No ate.ro da Roa-Vista n. 73, ainda exis-
to um resto de quadros seguintes que se
sacCH.
Noarmazemde J. J. Tasso Jnior : na ra
o dAmor.m n. :i.'>.
Ueposito ile|i..nno de algodao da
fabrica de Todos os Santos da
Babia.
Vende-sc o bem conhecido pan-
cheeada ltimamente de Lisboa, e no de algodao da Bahia, proprio
O *' ii 111 mr "ii nriuiu 1 i" 1 i 1 .<>. ||U !"(<,
or nreco multo em conta: no at- para saceos e roupa de esclavos, d.tus .Kernando segundo ditos devs-
1 .1.- 1 _._a__ ^-.:__ 1 j- /*HM. ^.i.. a. ....ni....n .1- .....tA.
vendem por mdico pre^o, as.ber.' culi c-
gfs de 6 estampas em formato grande, dos
amores de D. Ignez de Castro; ditas peque-
as do 30 estampas com todo o reinado de
Portugal, desdo AlTonsn llenriques .te D
Mana segunda ; ritralus do duque de Rra-
ganQa, grandes e pequonos ; ditos do mesmo
a freuto do exeic.to libertador no Porto;
mazem do Caes da Allndega n. a vontade do comprador assi
da mes a fa-
7, ou a tratar no escriptorio de como fio de algodao
Novaes & Companhia, na ra do hrica i no escriptorio de Novaes
Trapiche n. 34. & Companhia, na ra do Trapi-
Fazenda da moda. che n. S!\.
Vendem-so superiores cortes de cambraia ^ Vendem-se palitos preto mais bi-
d s.lpicos brancos do cor, pelo diminuto rntodo que om oulra qualquer parto: na,
prec,o de 3,"500 rs.: na ra do Crespo, loj ra Nova 11. 26 ; a elle., com dinluiro
n. 6. -- Vende-so milito em conta urna casa si-
l'otuSSa americana. luada na Casa Korlo, "tendo de frente duas
las o una porla, boai quintal com arvo
so por proco razoavcl
Deposito de cal e potassa.
Po artnazem d.> ra da (Jadcia
do Hecife n. 12, ha muito supe-
rior nal de Lisboa, em pedia ,
segundo andar, urna mulata do 22 a 2t an-
uos .lo idade, sadia, sem vicio algum, sa-
liendo com perfoic.9.0 lavar, engon.inar, o
tratar de u.na sala ; ao comprador se dir o
motivo.
Acha-se venia a ba pitada do rape
1 princeza de Lisboa, om libras o rocas, a
asiim COlllu lOtuS^a CllCgaua Ul- yonladc 00 comprador, chegado ulljmamen
timanicnte a precos muito ra- te pelo vapor8averne| na ra da Cadeia do
' Y Kecife. luja do lazcndas, de J0S0 da Cunha
iioaveis. iMagalhSes, n. SI.
Agencia de Edwin Maw. ldamscaado monstro com 8 pal-
laruaile Apollo n.6, arinatcn de c.Cal-i i larfllia.
monll Companhia, acha-se coiisianteuientc uiwo "= fe -
liona sortinenioa de taixa de ferro coado e Vende-se na ra do Crespo n. 5 na lo-
balido.taulo rasa como fuudas.inoeudasiu- ja que f'Z esquina para a ra 00 l.ollegio o
eiras (odas de Ierro para aiiiinaea, agoa.eic, novo adamascado brancopara toalhascimi 8
dilas paraariuar em uiadcira de todos o la- palmos de largura pelo barato prego de
nanhose madellos o mais moderno,machina 1,600 rs. a vara, na mesma loja ha um rico
horisontal para vapor,com torca de 4 cavall gurtiniciito de manRuilos de cambraia para
los.coucos, passadeiras de ferro csianhado
para caaa de pulgar,por menos preco que o
de cobre, escovenapara navios, ferro ingle*
tnioem barrascomo ein ircosfolhas.eiudo
por baralo preco.
Arados de ferro.
Na (undicSo d. Aurora, om S. Amaro,
vendooi-se arados do ferro de diversos
mololos.
Vendem-so os vordadeiros seliusin-
glozos, palmito, de molla o sem ella : ua
ra daSi-nzalla Nova n.*2.
Vendem-se relogios de ou-
ro eprata, patente inglcz: na ra
da benzalla iN.ova n./|2.
AGENCIA
da lundico Low-Moor.
RA I1ASENZAIXA NOVA N. 42
Reste estahelccimcnto conti-
na a ha ver um completo sorti-
mento de inoendas o meias mo-
enlas para engcnbo machinas
voslido do sonhora o mais mo leinoaue tem
apparecido pelo preco do 1,000 rs. cada
um.
Toda attencao ao novo sortimenlo
chegado da cidade da Hahi i !
na rui do Crespo n. i4 loja de imeiro andar.
co da Cama ; vistas da revoluc3o da patulea,
e diversas estampas de Santos: na mesma
loja lambem se vendem por presos muito
em cunta, meias do Imlio c luvas de pelica
para hornero.
Ilarege para vestidos, a 600 rs. o
covado.
Lsta fizemla feila de la e seda,
olerece ao comprador, nao m a
commodidade do pre90, como por
ser um vestido de lindo padruo ,
que nao precisa lavar-se: ni ra
Qucimado 11. 10 aiharo os
compradores, nao s as amostras ,
como as pecas.
Vende-so rap p.ince/s de Lisboa, che-
gado pulo vapor Severa: no escriptorio de
T. S. Rabellu.
--Voiiom-so CliaiH|iagnc, Abicii.thio, e
Kirssh e farello, ludo do inelbor quliade
pouivel c pwr commo lo prego : na ra da
1.ni/. 1I0 llecifn n. 26,.primeiro andar.
Vendem se relogios de ou-
ro d,e patente in^lcz, de um dos
mellioics fabricantes : 110 escrip-
torio de hussell Mellors & Com-
panhia : na roa da Cadeii do He-
cife n. 36.
I'arelo a 4,000 rs a sacca.
Vende-se no armaiem do Mour.to, no caes
da alfandoga, ao p do liceco da ConceigSo.
Yendcm-se dois globos de
gcographia, por commodo preco:
na ra do Queimado n. 46, pri-
320, figos, a 200 rs a libra, azeitonas, a 320 PuJosseni obter, fabnearSo urna imitacflo de Bristnl.
rs.agirrafa.doce.a560rs.oc.ixSo. velas tis-aqui acartaqueos.Srs. A. B.I>. Saiidse.crever.m
deesporn,.eete,.720, ditas.560, dilas do 'lo 18*2, e que seach. ernnosso poder :
carnauba, a 280 de 6 o 9 om libra, arroz, sr. i)r. i.. L ur.stol.
80 rs. a lihra, dito a 100 rs., caf, a 160. di- "'alo, etc.
to a H0, assucar lino refinado, a 100 rs., di- Nosso aprec.avel sinhor.
toa 90 rs.,ditobranco,a80rs., farinha do Em lodo o anno passado temos vend lo quantidados co'isideravois do extracto de
aramia, a 160, dita do U.ranh.to, a 180 o sa'saparrilha de vm. e pelo que ouvimosdizer de suas virtudes aquellos que tem usa-
j me esqueceu do melhor vinho muito ve- julgamos que venda da dita medicinase augmentar multissimo. Se Vm. quizer
Iho, a 1,000 rs. a garrafa, dito mais humo, a
560, dilo de Lisboa, a 2,240 caada, dito a
2,000 rs., dito a 1,800, dito a 1,600, dito a
1,500, dito a 1,400, vinagre, a 1,880, ditoa
6toa caada, azeite doce, a 640 a garrafa,
serveja boa, a 480 a garrafa, e tambem be-
bendo seis o psgando duat.isto chama agra-
dar freguezes, o parece-n eser muilo bom
para quem gosla ; e muitos mais gneros pe-
lo b.i.tissimo prego, que s a vlst. do fre-
guez se dir o prego.
Modas rancezss.
Ba do aterro da Boa-Vista n. I.
Mdame Millochau Ituessard, visa o pu-
blico e as suas freguezas, que tem a venda
presentemento um mui escolhido sortimen-
lo das ultimas mudas de Paria, chegadas pe
fazer um convenio comnosco eremos que nos resultarla mulla v.ntagem, tanto nos
como a Vm. Temos muito prazer que Vm. nos resDonda sobre este assumpto, e se Vm.
vier a esta cidade daqui a um moz, ou cousa semelhanlc, Loriamos, muito prazer era o
ver em nossa botica, ra do Fulton n. 79.
Kictu is ordenado Vm. seus seguros servidores.
(Assignados) A. R. I) Sands )
COHGLtTSAO.
1.* A antiguidade da salsa parrilha de Rristol, -he claramente provada, pois que oll-
data desde 1832, e que a deSahdss apparcceu em 1842, poca na qual oste droguis-
ta nflo pOde obter a agencia do Dr. Urislol.
3.* A superioridade da salsa parrilha de Bristol he mcontestavel, poisque nao obs-
tante ,\ concurrencia da de Sands, de urna porgSo do outras prap.r.gOes, ella temmin-
tido soa reputagao em quasi toda a Amorica.
As numerosas experiencias feitas com n uso da salsa p.rilh. em todas as interinida-
des originadas pela impureza do sangue,e o bom xito obtidonest. corte pelo lllm. Sr.
llr. Sigaud, presidente da scadomi. mpelial de modicina, pelo llluslr.do Sr. Dr. An-
lo navio Conln Roger; lindos chapeos de so-Ionio Jos Peixoto em sua clnica, e em sua afamada casa do saude na Gamboa, polo lllm.
da para senhora enfeiladus de blonda ver- Sr. llr. Saturnino de Oliveira, medico do exercito, e por varios outros mdicos, per-
dadeiroc plumas linas, ricos capoliiibose millom hoje de proclamar altamento as virtudes elllcazes da salsa parrilha de Bristol.
chales de"*eda, capolinhos de bico brnco Km eonsequencia dse Jcr fexado a botica do Sr. JosO Uaria, rnudou-soo deposito da
ultima moda do vorao, chapeos da u.lima salsa p-rrilhn do Bristol para a botica ingleza ra da Madre de lieos n. 1,e vende-se a 5/00.
moda para montara, veos para os ditos, ro- o vidro.
meiros o cabegOesde bico de qualidae su-
perior, ricos chapeos de palha fina da Italia,
ricas fitas de todas as larguras, chapeos de
Gheguein ao bom e lui.ito.
Vendem-se loques de muito bonitas pin-
seda,ditos de palha,ditoa de seda para ii.enitur.is, 3,500 rs.; caixinbas de vidro muito
nos e meninas, mangas de bico, trangas de proprias para assonhoras guardareii jolas,
todas as qualidades capellas e flores para a 720 rs. ; meias pretas do algodo muilo
noivas, veos para asdi'as, ricos enf'iites pa- linas, para as mesmas, a 480 rs. ; ditas pa-
ra bailes,- lengos do seda, camisinhss lingin- ra meninas do todos os lmannos, lauto
do colelis do fil e cambraia,lengos de cam- brancas como pretas, a 320 rs^ ditas para
braia para ruaos, luvas, ricas capellas c ca-' meninos, a 340 rs.; filas de velllUo para vol-
xosde flores finas, cambraia de linho, filas ta.'a 800 rs., frocos, /equififes, Otas, fran-
de voludo, bicos e rendas de linho, filas, jas para cortina Jos oulras muitas miude-
cambraias, Url.UD., cassas finas, etc ote ; zas, quo se venderlo mais baratas duque
e-sas fazcudas so venderlo por pregus mui- em outra qualquer parle: na ra estrella do
to em corta. Nessa casa bem contienda pe- Rosario, travessa do Queimado,luja de mu-
lo bom gosto q ae existe nosobje'Hos fabn- dezas n. 2A,junto ao deposito de pSo.
cados nolla, c continua-se a fazer chpeos, i -- .Xa casa nica, a direita, em frente da
loucadores e vestidos de baile ou casamento capel I a da estancia, vender urna linda es-
para senhoras vestuarios de baptisado, o^rava de 20 annos, que rosinln, lava, en-
mais enfeites proprius para senhoras. ; gonma, e coze perfeitamente, tanto vesti-
Vende-se um preto mogo de nagflo,bom dos de senhora, como camisas do homem,
barbeiro, sangrador de prulissSo, amolador,, bordados, tecidos, labynntos, marca, ponto
e .-oil' !.! i cusinheiro, e servo para pagem; de cadeia, cacund.ctc, veste urna senhora,
este preto foi discpulo do melhor sangra- je i'.z alguns doces ; o lova urna filhinha de
dor desta provincia, o est bem proprio pa-' 3 annos.
ra qualquer luja, o\i senhor do engeuho quo.^ajDip*)^^}:^m
minias vozes por falla do urna sangra ou |
ventosas a tempo perdem um escravo, um'4t
lilho, ou (.essoa muilo m.is cara, por quem, t>
dariam metida ou toda a sua fortuna para'f)
. salvar ; assim como se vendo urna prel< ?
?
Jos Francisco Dias.
As muilo acreditadas chitas ciboclas de
novos gostos a 200 rs. o covado ; chitas li-
nas com novos desenbos e cores lix.s a 240 ,
rs. o covado ; ciiitas francezas da prime ira
qualidadu a 280rs. o covado; rlse.dOS fran- i
ceses os mais linos que tem viudo ao mcr- .
eadn de novos padres a 280 rs. o covado; I
superiores corles de cassa chita muilo finas |
Vende-se farinha do milho americano,
muito nova, em barricas: na ra do Trapi-
che n. 8. e nu armazom, no caes do Ramos.
l'otassa boa e barata.
Vende-se, no armazem do.Cam-
pello, na travessa da Madre de
Dos n. 7.
>
moga, ongoinmadeira de pio'.isso, e mais
habilidades, por 700,000 rs., e urna dita quo
lava, i oniia, e vende, por 430,000 rs., tudo
na ra larga do hosario, loja n. 35, ondo so
icccbem escravos por comoilssSo.
-- Vende-so por 260,000 rs una preta,
criouls, de idado 50 anuo.-, muito boa lava-
deira do tarrcla e sabio, e tambem oosinhl
o diario de um. casa, nilo tem vicios nem
molestias: no principio da ru* no segundo andar dopnme.ro obradoan- cex ceur com b ^ 'pai]l0e3 a 2
tes do becco do S. Pedro, junto a refinagao cova,lo djt,s nglc),a, C0J ,Ia a 20o rs.
Vende-se por 6,000 rs
urna tita paia carta de ba- a
charcl : na loja n. a da ra j
INova. i
Mo.rm.zem do i II. Cacnsly, na ra
da Cruz n. 1, vende-se superiores charutos da
llavana chegalos ullimameute.
Fechincha mioja nova
Vendem-se na loja nova da ra do llangcl,
chales quasi lodos do seda, com um peque-
no toque de mofo pelo baralissimo prejo de
i fran-
padres a 280 rs.
Pelo barato, para acabar.
Vendem-se sapatos de scliin preto fran-
cezes, 1,000 rs o par, peles do hezerro
Irancez, a 3,560, e outat muilas obras do
paiz de todas as qualidados, e aviamentos
para sapateirns, tu lo pelo barato : na loja
da estrella da ra do l.ivramento ... 19.
Vendem-sc duas escravas, sendo urna
boa quilandeira e outra engommadeira : na
rus estrella do Rusario n. 28 segunlo
andar.
Sol do Ass.
Vcnde-se na rita da Cadria do Recifc n.
49, primeiro andar, por commodo prego.
-- Na ra da Cadeia do Kecifa n. 49, pri-
meiro andar,vcndem-so pellisd' cabra cur-
tidas ; esleirs do palha do carnauba do
mais de 2 varas de comprimentu ; sapatus
para o verilo e invern, e cera de carnauba
muilo boa, ludo chegado agora do Aract-
ty, por pregos mui commodos.
Loja amarclls.
Na ra do Crespo n. 9, vende-so o supo-
de vapor, e taixus de ferro bati-
do ecoado de todos os tama-
itos, para dito.
Mociutns superiores.
Na tuudigu de C. -.tan .v Companhia,
emS. Amaro, acbam-soavond. ruoonda.
de coima, todas de forro, o um modelo e
cuustrucgao mu i to superior.
Cal virgem.
Vende-so cal do Lisboa a mais nova do
merc.du: na ra do VigariO n. 19, primei-
andar, escripturio de T. de Aquino Konseca
ci !-*lho, ouna ra do Trapiche, amazem de
Antonio Augusto da Konseca.
lima eucoiiiineuda de coborloros,
(.un por serem poucos
NSo podem chegar
A todos os compradores,
a 1,600 rs. cada um : na ra do Crespo, lo-
ja n. 6.
Alerta freguezos
Que silo ct.egados,
Cobertores de algodSo
Muilo encorpados.
Na ra du Crespo.loja da esquina que vol-
ta para a Cadeia. a 1,600 rs. cada um.
A 5,000 rs
Superiores chapeos da sol i iuglo-
zos ebegados pelos ltimos n lo di-
minuto prego do 5,000 rs. ra .na : n.
ra do Cullegio n. 4. %
Vendem-se louas, brinzSo, brins, e
meias lonas da Russia ; no arina/em do N.
U. Hieber & Companhia, na ra d. Cruz
n.4.
Lm casa de J. Keller &
Companhia na ra da Cruz n.
55, lia para vender dous excel-
leutes pianos fortes, e de urna das
melhores fabricas, ebegados lti-
mamente da Europa.
a 2000 o corte, diversos p.drdes do riscados
de caga ugindo seda de quadros a 220 o co-
vado ; alpakas do cores I'./en la do ultio.o
goslo a 640 o covudo; dilas com lios de se-
da fazenda muito fina a 800 ; ditas pretas
lavradas imitando seda a 880 ; brim Ir.nga-
do de puro linho cor de lama de l'.iis a
1600occrle: dito amarello com urna lina
listra la.en.la do muita durago a 1600 o
corte: assim cot.o oulras mu.tas fazendas
e por mu.to pequeo progo, como sejam
madapoldes, algodoes e zuarques e mais
fazendas baratas.
Arados americanos, ebegados dos I.-.-
lados-Unidos; n. ru. do Trapichen. 8.
Aos senhores de engenho.
Na ru. do Crespo, loja u. 13, de Jos d.
Silva Campos & Com anu >. tem para ven-
der, adiuheiio, o< afamados cobertores de
algodSo brancos, viudos da Bahia, sendo o
prego dos grandes 1,000 rs., e dos peque-
nos SOO rs., n (orgilo ho pequea, o ponan-
to devem-se aproveiler, porquo talvez nao
ebeguem para asoncommunas.
Casimiras modernas, a :,ooo rs. o
covado.
Na loja de fazendas da ra do Crespo n.
5, quo faz esquina para a ra do Colleglo,
vendem-se casimiras de gostos mudernus ,
a 1,000 rs. o covado.
Loja nova.
Vendem-se na loja nova da ra do R.Ogel
n. 8, capolinhos de se la furta-rores borda-
dos de matiz com colete de setim e gorgu-
r5o branco um completo sortimenlo de
manteletes pretos muilo enditados a da ul-
tima moda, capolinhos de fil preto borda-
dos de seda, chales de seda de varios la ma-
nilos, vestidos do cambraia de cores de tres
h.badns, m.nguinhas do linho para vestidos
de manga curta, cortes do 13 de camello,
vestidos finos de cambraia branca com fron-
tispicio bordado, boas luvas do soda ama-
rell. p.ra senhor., um completo sortimen-
lo do trangas pretas finas proprias para cn-
fetar vestidos, longos du seda com fraoja,
los pretos de linho, minio bom sortimenlo
decambraiasdeseda, e de meias de fio da
Escocia p.ra seuhor., o oulras ruuitas fazen-
das que se vendem por prego cmmodo.
-- Vende-so gello, qualquer hor. do dia,
no deposito d. ru. d. Seuzalla Vellia n.
118, ou na ra do Trapiche o. 8.
Vendem-se caivetes muito superiores rior panno de linho doPorlo, cm pgaselo
aparadores do peonas, ii somas muito lints
para costuras, limas proprias para limar
denles, aparelhos de cosililla, e dechado
folha do ferro cstanhado para brinquclode
meninos, chaves par. tirar denles, grnala-
rus .ra pesar ouro, tudo por prego muito
comiendo : na loja do ferragens, na ra da
Cadeia do Hecife n. 53.
Vende-so urna casa terro\ na ru Impe-
rial, um sobrado na ra do Kagundos.e tam-
bem urna padaria : a tratar na ra do Livra-
mento n. 41.
Vinho de Lisbi,
de superioqualidade, em barris de 5 em
pipa ; em casa do Augusto C. de Abren, na
ra da Cat'cia do Itcc.fo ... 48
Cal virgem de Lisboa.
Vendem-so barris com cil de Lisboa, pro-
pria par. o fabrico do assucar, p'or prego
moi commodo: na ra do A, olio n. 10, ar-
mazom de assucir.
-- Vendo-se una eserava crioula de 25 an-
nos do idade, bonita liijura, bom possaute,
sem vicios nem achaques, muito fiel, pti-
ma CUSinbeir., lava e ongouima, faz l.tiy-
rinlhos, corta vestidos do senhora, amarra
cbelo de senhora, corta c faz camisas do
',,. i,i' marca o l"z tudo com pcrfeigao,
esta c-ci'.vi foi recotnJ. de casa do nu-
lo c familia da-sea csperimentar ao coiipra-
dorantes do acomprar; vcnde-se para casa
de pessoa conhccila de.-ta prag., o motivo
da venda se dir ao comprador : na ra do
R.ngol n. 4t.
-- Vende-sc una garrotiiiha do pura raga
tourina, fillia do paiz: os pretendentes po-
dem dirigir-so a ra da Cruz ... 45.
Deposito de cal p potassa.
Cunha 6i Amonio, na ra da Cadeia do
lenle n. 50, vendem barris com cal om pe-
dra, nova, chegada de Lisboa pelo ultimo
navio, o brigue Flor do Mar; assim como
barris com suporior potassa nova, por pio-
gos razoaveis.
Ven luiii-se tres mulecoles do idade do
15 a 16 anuos, cnoulos, dous uiulatinlios de
idade de 14 a 22 anuos, do bonitas liu-uras,
os quaes acham-se despuchados pela polica
para seguir para o Rio do Janeiro, ires es-
cravos mogos, deservigo de campo, um mu-
lato de ida.le 30 annos, que cosinha bem o
diario de urna casa com prrfeigSo, e duas es-
cravas quitandeins : na ra Direitl o. 3.
13 e 14 varas, por menos prego do quo em
out-a qualquer parlo, cambraia trauceza
cm. babados a 360 rs. o covado, o pegas do
cambraia do sr.lpicos a 3,000 rs.
-- Vendo-se urna muala moga e robusta,
sabo coser sofirivol, tem muilo bom loile o
com o ma cna dc2annos; una negra qoe
sabo cosinbar e vender na ra una dita
o covado ; coi tes de cassa chita ebegados
ltimamente a 2,000 rs. o cortee outras
mullas fazondasquo se vende emeonta para
adquirir freguozia.
-- Vende-so urna casa no Pogo, ra da
Pooira, muito fresca, o com commodos para
urna familia ; o local no podo ser melhor
para lempo de festa, por ser junto do rio :
na ra do Queimado n. 44
-- Vende-se urna pretiuhada Costa, de 24
annos, de bonita figura, engomma liso, co-
sinha o diario de urna casa, ensiba, e ven-
de na ra : o patoo do Carino n. 6, casa
terrea.
Charutos de liavana.
Os melhores quo teem vindo a este mor-
cado : vendem-sn entuma lamento, om ca-
sa do llrunn Praeger & Companhia, na ra
da Cruz n. 10.
Vende-se vinho de champa-
nhe legitimo e de superior riuali-
dade : em casa de J. Kcller &
CompanbM na ra da Cruz n.
55.
Tachas de ferro.
Na fundigSo da Aurora em Santo Amaro,
e lambem no deposito na ra do llrum logo
na entrada, e defronte do arsenal de mari -
nna ha sempre um grande sorlimnnto de
tachas lauto do fabrica" nacional comoes-
de mci. idade, por 320,000 rs-, boa_ vende- trangeira, batidas.fundid.s, grandes, pe-
queas, razas efundas; e em ambos os lu-
iious moleques, de 18 annos,
indas figuras; 3 negros bous trabalha- garesexistem guindastes.para c.rregarca-
bs i.'eenxada; urna negrinha. de 12an- noaou cirros,livres de despez. : os pregos
dora do ra
del
dores
nos, muito linda e com pnocipios de cos-1 s'jo os'mis cunimolos.
tura : na ra laig do Rosario n. 22, segn-: 'o<>
do andar. uesso.
-- Vende-se um preto crioulo, de 20an- Vende-so gesso embarncas, chegado ul-
nosdeidaJe, perito ollicial de sapateiro fl timamonte :em casa de 1. Kellcrci Compa-
com principio de bolieiro, bom possanlo e nhia, na ra d. Cruz n. 55.
sem achaques; o motivo si dir ao com- . prador: a tratar na Soledadc, no sitio dos i^Ganlois l'ailhetck Companhia
quatrolees a qualquer horadodia. j Continua-so a vender no deposito"
Luvas Je pellica. \'i gcral da ra da Cruz n. 52, o excel-,
Vendem-se luvasde pellica, ponto inglez,! linio e bem conceituado rap areia
muito novas, lano para homem, coro para W prcla da fabrica deCantois Pailhctr.
senhor, a 1,700 rs. ; ditas com enfeiles, a (IS Companhia da Hahia, em grandes eB
2,000 o 2,500 rs ; dilas lisas com um toque j | pequclas porgues pelo prego oslabe-Jp
de mofo, a 320 rs ; ditas prelss de lorgal, a'. q lecido. 9
720 rs ditas deseda de muito bonitas co- OTWiSilWfiSr!.:*1 ^Sl
ros, a 1,800 rs.; ditas de algodSo para rron- Oleo especifico para curara easpa.con-
taria, 320 rs. : n. ra estrrila do Rosario
travessa do Queimado, loja demiudezas n.
2 A, junto ao deposito de pao.
Leiiio.s de seda para gruvatas.
Vendem-se lengos dn seda para grvalas ,
de muito bonitos padrdes, a 1,000 rs. : u.
ra eslreila do Rosario, travessa para o Quei-
mado, loja do miu tezas n. 2 A, junto ao de-
posito de p.'.n
Pechlnch. nunca vista.
No aterro d. boa-Vista n. 6R, ha para ven-
der granJe porgilo do bol.chinh.s iuglez.s
das m.is novas quo ha no merca lo, polo rs-
rissimo prego de 2,500 a barrica, contundo
28 libras em cada urna.
Os Ilion Srs. esto,Imites dn quinto an-
uo das scioncias juridic s da academia de ll-
lm,la quo devem tomar o-rao de hachareis,
s.l.i con vi Indos para cunprareni as litas pa-
ra as suas cartas, na loja u. 2 da rila Nova,
alfaz da matriz.
Veude-se muito barato urna eserava
moga com algumas habilidades : airas da
matriz da Bu.-vista n. 21, se ..ir quem
vendo.
tina ven"ler-so na ra do llangcl, 640
rs. cada frasco.
Vinho do 'orto superior feitona,
Vcnde-se a 42,000 rs cad. barril : no r-
nid/ciii de Barroca & Castro, na ra da Ma-
dre de Dos n 36. .
-- Vendem-se lonas a imitagao da Russia,
muito em conta no armaze n de Fox Bro-
thers, na ra da Cadeia do Recifen. 62.
Vendem-se espedios com mol-
duras douradas, os mais ricos que
tecm apparecido no mercado : na
ra di Cruz do Hecife n. 4g, ar-
mazem de L. Schuler 5t Com-
paohia.
Vinho de cliiiinpagne.
Vende-se o verdadeiro vinho de cham-
pagne, de encllenle qualid.de, ao prego
de 25,000 rs.; assim como de qualidade in-
ferior, muito em conta : no armazem de
Bruun Praeger a Comp.nhia, n. ru. d.
Cruz n. 10.
Instrumentos de msica.
Tanto pira orchestr, como pa-
ra msica militar, vendem-se mui-
to em conta : em casa de Brunn
Fraeger rk Companhia, na ra da
Cruz n. to.
Pianos.
Brunn Praeger & Companhii ,
receberam os mais modernos pia-
nos, de excedentes vozes, que es-
tao a venda, em sua casa, na ra
da Cruz n. 10.
Moendas patente.
Acaba-n de chegar moendas e mei. moen-
das de varios lmannos da patente de A a
l'.ddo Mornay em casa de Itoilio e Ridoulac,
ra do Trapiche n. 12, sonde tamhem se
achara arados de ferro do molelo maisap-
arovaJo p.ra a plantago da caima. Estes
arados s3o construidos na fabrica majs ac-
i-re.litada em Inglaterra e coutem vantagens
sbreos outros arados.tanlono seu srranjo
como na sua apurgSo.
-- Renado especial par. boubaso cravos
seceos coulin. a vender-se na ra do Ran-
gel, botic. que fui do finido SebssliSoJos
de Oliveira Macedo.
Vendem-sc selins ingleze*,
elsticos, para homem e senhora,
de diversas qti.ilid.idcs ; tambem
chicotes para carro, tudo por pre-
co commodo :.cm cas de Ad.im-
son Howie & ('., na ra do Tra-
piche Novo n. 4>-
Escravos fgidos.
i....... ..,-,..--,-.,. pjaj
100,000 rs. de gratiicacio
Desappareceu no dia 7 de m.iio prximo
passido, o pardo Leonardo, de idade 18 so-
nos poueo mais ou menos, e tem os signaes
seguintes: -baixo, o paito um tanto melti-
do para dentro, cabello carapinhido eato ao
mcio da testa, e falla descangado. Esto es-
cravo vinba todos us dias vender leite no II"
cife, de um sitio na lloa-viagcm, pertencen-
lo a Joanna Mana dos l'aasos, de quem*fui
escravo: quem o apprehender e truuxer n.
ra da Seuzalla Vciha n. 60, segundo indar,
recoberi gratilicagSo cima.
- Desappareceu a 14 de outubro deslean-
no, a negra Ignez, de nigSo Costi da Mina,
que representa ter 33 a 35 annos, secc. do
corpo, altura regular, olhos vivos, tem na
face esquerda urna marca prcla, e dous ta-
lli i- da marca da sua trra no hombro es-
querdo na coixa da perna um carneo e
urna marc deferida que parece ser boba,
tem es p.'itos pequeos e em pe, e os ps
cambados, he bem Tallante, e qoando indi
puxa pela perm ; levou cabegBo de mida-
pol jo,vest,to de chita ingleza de listras rou-
xas ja desbotido, saia de chita francczi
branca comiistras rooxas, e panno da Cosls
rouxo j velho: quem a pegar, queira leva-
la a ra do Trapiche n. 36, segundo andar,
que ser recompensado.
.- jj ,Ji JtjW^Mi^aW^H fffl !wl' ^W WlW -W. i^W .wi ^W.fl' .wi ;?rt
Desappareceu no dia 31 de oulubio H
H do correnteanno, um escravo dn na- g
L* gu, por nomo Antonio, com os sig- S
naesseguinles : estatura regular, ps
grossos e upados, muito preto a bas- ip
tanto picado dasbexigaa, tem mar-
O .cado s logo no paito dir'tto as se- S
w guintcs letras-J C S Cbem visi-
^| veis, e una das orelhas Turada, por- 9
(S que as vezes costuma Irazcr brinco,
S tem a falla sabr-sal la da e as vistas II
. espantadas, o algumas marcas de chi- i>!
S cote pelo corpo; levou ferro, com 9
H correte aos ps, lovou caiga e cimi- U
(| sa do algodSo da llallis, cuaco de f
jf palha: recoromend.-se muito a pri- H
ff silo deste preto sos Srs. cspitSes de 8
ij campo, prometiendo se pagar com j)
11 generosidad?, na ma dn Vigano n. 9. H
Ilessppareceu no dia 22 de ouluhro.um.
negra por nome Hara Eugenia, de estatura
regulat, c'icia do corpo, ede bonita figu .;
levou um roupSo de chita verde de listras
com pslmas sullas, e ja foi vista com panno
d. Cos. : rog.i-se as autoridades pulici.es
o cipilSes de campo, queiram emprogar to-
da a diligencia sobro ipprehenso dedil.
escrav.', e leva-la a seus senhores, ns ra
do li lino n. 9.seguirlo andar, ou na do II in-
fiel n. 36, segundo sn-lar, que se recompen-
sara.
Ausonto i-se de casa de s.-n senhor, no
dia 27 de oulubro proxin o pss.ido, a preta
de nome Joaquina, denagio Heugu.lla : al-
ta, cheia do corpo, Iwagos grussis, denles
liein alvos, cor fula, tem um si.'iial To quei-
in.i lura ua fac direita al o meio do pesco-
go, e outro no lagarto do br.go : levou ves-
tido de chita am.r.'lla,e panno da Costa vo-
ltio ; gratifica se bem quem a Itvir i cas.
n.lO, junto, igrejada Esnncii.
I
i
6
Pern : Tvp. DB M F. di F*.ia 1852.
MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EM0BP7K8Z_FA8XEJ INGEST_TIME 2013-03-29T18:03:36Z PACKAGE AA00011611_03093
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES