Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03091


This item is only available as the following downloads:


Full Text

Anno XXVIII
Quinta feira 4
de Novembro de 1852.
N. 249.
DIARIO
riwno Aiio.
,M,tillre............ 4/000
PotKOMlr...............JJJW
Poi asta ..............ia/uno
PuonlJIW BOTIIIIIST1B.
Poi qoartel.............i*0
otioi a a no 1 m r i o.
Pari..;. 2deOulbr. Minas... 8 de Selbr.
Maralo.
Oir....
Pinhib
5 de dllo
B de dito
20 e dito
S.Pialo. I deCutbi
R. deJ.. :"> dedilo
Rahiar.. 10 de dito
IsD SIMIHA. AVBiaVOllR.
I Seg. ** Fesla de
Todo o Sintoi
"2 Trie. Oomnieinori-
Julia OrpMf
', eS. s lOborai.
cao de todoi F. D..J. e 8, o melo-dl.
Quart.S. Malaqulaal r atento-
i Quii. S. Carlos, i.eB. a 1 horas.
5 Sl. S. /luriu, J. vara de e*ef.
( S.ii, S. Severo. enbidoiio raelod.
7 Dom. 23. S. Prosdo- MsUei*-
, miM |Terr.as e tibidei.
HHIlllll
Mingo antea'', a hora e 18 minuto da m-
linll.ill noria e ii minutos da tarde.
Creseente 18,aoa9miaste atarde.
caala a 28, as horas 23 miamos da urde.
fltiallM O
Prlmelra i l" horas e (i mtnutosda manha.
Segunda s 10 horas e JO minutos da Urde.
tiaTiaai aoa ooiuit,
Oaliana c Parihlba, sSegundas seitaa-
Mtm.
aada-da-Vort* e Vletotia as quinta
Iraa
Ito.Caru.rn.eGaranhuns no it lincead
Mre,0
l.da.t
nrlcary.Kxu e Boa-Tlata 13 aII
todos os diaa.
Carretas parten, aosnelo-dla.
OTioiAa isiaavauaas.
Portugal
Beapanba
Franja.
Blgica., i
Italla..Ii
Alemania
Prussla ..
Dinamarc
Unala...
Turqua.
13 deOutbr
9 de dito
8 de dito
, da dito
3 de dito
. 3de dito
t3dedlto
i o de Setbi
99 de dito
26 de dito
Austria 7: I deOutbr.
Suissa.;:. j de dito.
Sur el a ... 28 de .Selbr.
Inglaterra 8 de Oulbr.
r..-Unido 25 de Selbr.
Meilco... '5 de dito
California 'de dito
(klll. 10 de dito
Hne*-A. 'deSetbr-
Montevideo 5 dedil
oanos DI 3 D> MOI
Sobre Londres,a 2 por I/00O d.
i Parla, 3(0
. Lisboa, 5por canto.
metas:.
OufO. Onca hcspanholaa.:...
Majadal de 6/400 vcBsaa..".-
. dr 6f40()noTaa-----
> de 4/000........''
Prata.ataeaeabrasileiro. _
i peeoicolumnarloa...'!;
i Ditos meiicanoa...........
'. SfJMO
.. 16/uOO
.. 16/000
.. /moo
.. 1/91'0
V 1/950O
,. timo
PARTE OFFICIAL.
_____________ ---------
GOVEilNO DA POV UNCA.
EXPEDIENTE DO l)l\ 23 DE OUTUBRO 1852.
OIBciO"Ao commandodas armas, remet-
iendo por copla, o aviso do ministerio da
repartidlo da guerra de 30 de setembro ulti-
mo, no qual se determina que o 2." batalhlo
de infantaria, aqu estacionado, seja pago
de seus venoimenfos, nSo obstaole a (alta
de guia, que aer enviada para aqni, logo
qoe o Exm presidente do Hio Grande do
Sul, dequoni se exigiu, a remeta aquella
repartilo.--Igual copia roraetleu-se tbe-
soursrm de fazenda.
Pilu--*iu aueainu,commonlcando, que, se-
gundo constou do aviso, que remelle por
copia, do ministerio da guerra de 28 de se-
tembro ultimo, foi reformado, na forma da
iei, o capillo do 9.* batalhlo do infantaria,
Guilhermino Jqse da Silva, e no posto de
mejor, veocendo o respectivo sold de ca-
pillo, o do 10." da mesms arma Jos Anto-
nio Barboia--loteirou-se I tbesouraria de
fazenda.
Dito*-Ao mesmo, Iransmittinco por co-
pia, o aviso do ministerio da guerra de 19
de setembro ultimo communicando haver-
se concedido passsgem para ajudante do 9 "
batalhlo de Inrantaria ao alteres do meio
baUlhlo do Cear, Jlo Paulo de Miranda. -
Igual copia remetleu-se tbesouraria de fa-
zend
metleo-se copia do aviso a cima I thesoura-
ria de fazenila provincial, para se regular
por ellequando as reperlc.0es provincia M
se derem os easos previstos nos arts. *., 5.
c 7. do cilado decreto
Dito. A- Ihesouraria de fazenda provin-
cial. Tornan lo-se notavel a falla de compa-
recimento do substituto da redelra de pri
meiras letras do calle gio dos orphlos. Jlo
Antonio da Costa Medeiros, para exerce-la
no Impedimento do respectivo proessor, al-
legando, ora t sua assistencia os trabalhoa
do jury, ora a substituir,!' de igual cadeira
m Olinda, e isao ha muitos mezes, como
consta dos documentos junloa.informe Vmc
se os professores de primeiraa letras dessa
oidade tem justificado o aau impedimento,
que a tanto lempo tris oceupadb o substitu-
to, e com que documentos foi legelisada a
percepelo dos seus ordenados des le junho
al setembro, sendo de advenir, que anda
agora nlo comparece no colleao dos or-
phSos o roferido substituto, po' estar ni
substitualo da cadeira da freguezia do S.
Pedro Marfyr de Oliada.
Cumpreler em vista, que nSo he licito a
empregidoalgum licenciar-se, pretextando
molestia, e essa repartilo nlo pague orde-
nados, sem que o seu impedimento seja
competentemente considerado legitimo, e
mesmo recuse os altestadosde frequencia
quandoliuurer funlamento pira contsta-
los, apresenlando as razes, que, para isso
tiver, allm de se mandar responsabilisar
quera nlo fr exacto no cumprimenlo dos
fantaria, Gandido Leal, a que se refere o
cilicio do mesmo commamlosobo.566 de
3 dejulbo ulliniu.
DitoAo mesmo, enviando oito exempla-
reado decreto n. 998 de 12 de junbo ultimo,
approvando o regulamento pera os inspec-
tores dos corpos de infantaria, avallara e
arlilhana do esercilo.
DitoAo mesmo remetiendo copia do a-
viso do ministerio da guerra de 6 do cor-
rente, participando ter sido indeferido o re-
querimento, em que Jos Antonio dos San-
tos e Silva pedia, para aerem reconhecidos
primeiros cadetes seus dous lbos, Thomaz
Antonio dos Santos e Silva, eFlavio Jorge
dos Santos e Silva, soldados do 10. bataiblo
de miau tana, com o fundamento de gozar o
supplicante as honras inherentes ao posto
de lente coronel.
Dilo--Ao mesmo, communicando a fim de
que faca constar ao capillo do estado maior
de 2. classe Antonio Francisco de Souza Ma-
galhles, que, segundo constou do aviso,
que remelle por copia, do minislorio da
guerra, foi indeferido o requenmenlo em
que o mesmo capillo pedia, nlo so contar
maior antiguidade, mas ainda ser promo-
vido ao posto de major.
Dito--Ao mesmo, remetiendo copia do a-
viso circular da reparlico da guerra de 23
de setembro ultimo, declarando que nlo de-
vem ser empregados os <,lciaes reformados
por m conduca.
DitoAo mesmo, transmitlindo, por co-
pia, o aviso circular do ministerio da guer-
ra de 24 de setembro ultimo, no qual se de-
termina, que quando desta provincia sahir
algum ollioiil, ou prac de pret com liccu-
ca, seja munido d documento que inJique,
por quem foi concedida, o prazo dola, sui
qualidade, e quando teve comeco.
Dilo--A' Ihesouraria de fazenda, transmit-
lindo urna proposta feila por parte do i ne-
gociantes Deane Youle A C. de um carrega-
raento de carvlo de pedra, alim de que
mande efTectuar a compra com as condicOes
na proposta moncionada, u.na vez que seja
o carvlo da phmeiraqual'daile, ficando na
intelligcncia de que nesla dala se expede
ordem ao arsenal de marinha, para fazer
desembarcar o dito carvlo, e recolhe-lo ao
deposito.--Olliciou-se respeito ao referido
arsenal.
DitoA' mesma enviando-se urna copia
do aviso da roparliclo da fazenda de 9 do
corrente, do qual consta, que Tora Indeferi-
do o requerimeolo do tutor dos menores,
lillms do fallec Jo Jos Maria de Jess Mu-
nix, que te refere o lucio daquella Ihe-
souraria de 13 de setembro ultimo
Ditoa'mesma, transmitlindo,por copia,
o aviso da reparliclo da guerra de 27 de se-
tembro ultimo, mandando, nlo sd cessaro
abono do aoldo do capillo graduado do es-
tado maior da 2. classe, Luiz Estanislao Ro-
drigues Chaves, que possa ser dalle pago
pela Parahiba, cumo lamben remetier a
guia do referido capillo ao Exm. presidonte
daquella protiocie.
Dilo-A mesma, transmitlindo, por copia,
O aviso "da repartidlo da fazenda de 6 do
corrente, no qual se declara, que nos casos
do artigo 0, 5.* e 7. do decreto n. 459 de
22 de julbo de 1846, os empregados de fa-
zenda, queserviiem no impelimenro de ou-
tros, lem dircitoa 5. paite do ordenado do
lugar que vio servir interinamente a contar
do da em que principian) a ler exerciclo,
aalvo no caso do artigo 5. quandoparaa
substituidlo coniribuem algumaadas nypo-
Iheses do riigo 6 do raes'no decretoRe-
FOLHETIV1.
Iho acerca do requerimeolo q
sentenciada Anna Josepha, e bem assim a
rerlidlo, que se refere a dita informaclo,
na qual o mencionedo juiz declara que a
peticionaria acha-se con.lemnada pelo tri-
bunal do jury Jaquella vila a 12 annos de
prislo com trahalho*. como so v da cei-
dlo do escrivlodo ref-indo tribunal, e que
sendo ella remoltida para esta cidade no
Ribeiro, filtindo com causa 8r. desem-
bargador Figueira de Mello, oSr. presiden-
te declara aberla a sesslo.
' JULGAHP.NTOS
Aggraanle, Antonio Joaquim de Moraes e
Silva ; aggravado, o juizo da fazet
Negaram provimento ao aggravo
Appellantc, Jeronymo Joaquim Fiuza de O-
liveira; appellado, Joaquim Fern
Confirmaran a sentenca.
Appellante, Gaspar de Menezes Vasconcello
de Drumond appellado. Manoel Notvato
Guerra.Despreseram oa embargos.
A policio de Bernardo Antonio de Miran-
da, tnsolaram que juraase a perda dos au-
tos, oi?Tce a hibilitaclo requeridi^iUdaa aa partea.
DESIGtt;dBS.
Appellante, o juio; appellado, JoloDomin-
gues da Silva.
Appellantc, o juizo; appellado, Francisco
Antonio da Sil.
Apnellaotes, Antonio Pereira e sua tnolher;
appellados, Francisco Ribeiro de Brito e
sua mulher.
Appellante, Francisca Thomazia daConcei-
qIo Cunlia appellados. Jones Patn &
Companhia.
Appellanlcs, a lian c fllho de Gaudino A-
gostinho de Barros ; appellado, Jos Can-
dido de Carvalho Medeiros
ivisftes.
Pasiaram do Sr. desembargador Villares
ao Sr. desembargador Bastos as seguales
a ppe 11 ac/ies em que slo :
Appellanlcs, Anlorrio Luiz Gongalves Ferrei-
ra e sua mulher; appellado, Francisco do
llego Barros de Laceria.
Appellante, D. Anna Joaquina da Gama ;
appellados, Manoel da Cunha Ribeiro Li-
ma e outro.
Passou do Sr. desembargador Bastos
o Sr. desembargador Lelo a soguinte ap-
pellaclo em quo slo :
Appellante, o juizo; appellado, Guilherme
Ribeiro da Costa.
Appellante, Antonio Lopes Pereira de Mello;
appellado, Jos Antonio de Lelo.
Appellante, Josepha Mara da Paiilo ; appel-
lado, Antonio Candido de Mirand
Ao Sr. desembargador Luna Freir a se-
guinte, appellaclo em que slo :
Appellante, o juizo ; appellado, Mauricio
Bernardo.'
Ao Sr. desembargador Tollos a seguinte
appellaclo em que slo :
'pellantc, o juizo ; appellado, Paulo Soa-
rea da Fonaeca.
' Ao Sr. desembargador Pereira Monloiro
Wgulnte appellaclo om que alo:
Apellante, o promotor publico appellados,
Joa Severino da SHveira Calafaoge e ou
fro.
Ao Sr. desembargador Gomes Ribeiro o
Iguinle recurso em quo slo:
corrente, Jos Gabriel Pereira Pinto; re-
, caridaju>iioi.
Levantou se a sesslo depon de hora e
mela da tarde.
sondo el a remoiinja liara raia uiuavviawi --,-----------, -...... ir r .
mez de marco do corrente anno, a acompa-1 Appellante, Jos Antonio da Rocha; appel-
..__ __. *.- .1. ......i..i l.il. tavptu a
nhou a competente gui, que ha de existir
no respectivo cartorio >las execucO 's crimi-
naos desse juizo ; pelo que julga n3o ler ca-
bimento o que allega a subredita senten-
ciada.
Dito. Ao inspector interino do arsenal
de marinha, para declarar.se os objetos que
a presiileuc'a, por oflicio de 18 do corrente,
mandou desembarcar do brigue nacional
Flor ladi, a fazenda.
i'assarain do Sr. desembarga lor Lelo ao
Sr. desembargador Souza as teguinlea ap-
pellaces em que slo :
Appellante, a justica ; appellado, Manoel
Jos.
Appellante, D. Joanna Francisca do Sacra-
mento Albuquerque; appellado, Manoel
Joaquim da Silva.
Passou do Sr. desembargador JSouza ao
seguinte ap-
osroesmosdequetrata. relagloquo remel-|Sr. desembargador llebello a
le, cumprindo, quo promova, como j Iheipellsclo em que alo :
lo! ordenado no citado ollico, a romessa de | Appell.ntes, o juizo ejj pron,.
foi ordenado
taes objeclos para as provincias, a que per-
tencem, e logo qun livernin do seguir, d.
Smc. parte, afim de Ihoserem.romettidos os
niiicitis que levem acompanhar os mencio-
nados objeclos:
RetacSo a que s rc/ere o of/icio cima.
Para o Rio Grande do Norte.
lOcaixoes
1 dito pequeo.
1 dito com 14 livros.
2 fardos.
promotor publico;
ppelladns.os esenvs Benedicto e Chris-
piniana.
Passaram do Sr. desembargador llebello
ao Sr. desembargador Luna Freir as se-
guinlos appellaces em que slo :
Appellante, Jos dos Santos de Souza Lins,
appellada, Maria Francisca deSouzt Ra-
mos
Appellante, Manoel Ferreira da Assumpclo ;
appellado, Pe Ini Antonio de Alenla.
Passaram do Sr. desembargador Luna
Freir ao Sr. desembargador Tellea as se-
"tgmfm* -Onofrede cali- lA!?RP*!f^^W,."0.'
0 PALACIO PIMODAN. (*)
por iHt- IBogeno "aeautotr.
i'Aiui: I'Himkiiu.
VI
Urna cuta da mu des Lion$-Sainl-Paul.
Pampeo bateu porta do mercador de trigo,
rumuanto que o doulor examlnava com escru-
pulosa Alinelo a casa, onde brilbava um fraco
aludelu.....Era uina casa obscura e dene-
grida nue formara, como ja disaemns, o ngu-
lo da *rua des Uoos Salnt-Paul vi.inba do caes
do arsenal, do qual su eslava separada pelo pa-
lacio de porta arqueada, que foi mala larde oc-
.upado por Mara d'Aubray, conhecida depois
l*lonomede inarqueza de Brimlllieri.....
() ide Dtars n. 246.
brel-2.
2 ditos, para ditas de calibre 6.
14 chapuces para os ditos reparos
14 palmetas.
Para as Alagdis.
1 elisio,
Para o Para.
60 barris de plvora.
Para oCcara.
2 caixes grandes.
1 ditos pequmos.
Para o Pisuhy.
20 barris de plvora.
Appellante, Jos Dias da Silva; appellado,
Antonio Valentim da Silva Barroca.
Appellaoto, o juizo ; appellado, Antonio
Elias Pessoa.
AppolUnles, Antonio Fahilo deMendonce e
sua mulher; appellados, Estevlo JosPaes
EXTERIOR.
CARTA DIRIGIDA AO SR. TI1IERS PELO
SR. BASTIAT.
-4o Sr. Thiert.
(Continuacio do n. 246.)
Permitti-me ainda urna observacloque me
sorprende de que nlo touha excita do ma mr
attcnclo, e he a seguiute : que a protecfdo
pplicada aos pro lucios agrcolas patenia
toda a sua odiosa iniquidade a respeito dos
individuos chamados proletarios, sendo que
eorrendo os tempos, vem a prejudicar aos
mesmos proprietariot terriloriaes.
Imaginemos nos mates do sul urna ilha
cujo solse lenha tornado propriedade pri-
vada de um certo numero de habitantes.
Imaginemos sobre este territorio possui-
de e limitado urna populaclo sempre cres-
cente ou lendendo a crescer.
Esta ultima classe nlo polerdirectamen-i
te nroduzir nada do que he mdispensavel
vida, sendo-lhe por isso indispeosave! pres-
tar o seu trabalhoa homensqueest jam no
caso de foroecer-lhe em troca delln nlo s
alimentos, mas materiaos para o trabalho ;
cerotes, fructos, legumes, carne, II, linho,
couro, madeira etc. '
0 seu evidente interesse he que o merca-
do onde se vendem estas cousas seja o mais
extenso possivel. Uuanto maior fr a abun-
dancia destea productos agrcolas, perante
a qual a referida classe se achar, tanto mais
receber ella por cada quantiJade dada do
seu trabalbo.
Sob um rgimen livro var-se-ha urna
mullidlo de ambaicaces ir procurar ali-
mentos e materiaes as lillas e nos conti-
nentes vizitihos, e mportar-lhe productos
fabricados. Os proletarios gozaran de to-
da a prosperidade, a qual tem direto de
pretender ;um justo equilibrio sera mant-
do entre o valor do trabalho industrial e o
1 ,,malln agrcola.
Mas nesta siluacloos proprietariosda illi i
farlo este calculo : Se nos impelirmos os
proletarios de Irabalhar para os cslrangei-
ro, ede receber delles em troca alimentos
e materias primas, elles se verlo obrigalos
recorrer a nos. Como o seu numero eres-
ce incessanlemente, e como a concurrencia
quo ha entre elles cada vez he mais activa,
elles procuran un com azafamaa porclode
alimentos e de materiaes que nos reslassem
para vender depois de lirado o que fosse de
misler, oconseguntemente nlo poderiamos
deixarde vender os nossos productos por
altos precos. Em oulros termos, pertur-
bar-se-hia o equilibrio entre o valor relati- >
vo do seu e do nosso trabalho Elles con-
sagraran) aos nossos gozos maior numero
de horas de trabalho. Facemos pois urna.
Itsrreto e sui mulher.
Passaram do Sr. desembargador Telles ao le prohibitiva do commercio que nos ave-
ir desembargador Pereira Monloiro as ao- xa; e para execuclo desta le criemos um
cuinles appellaces om que slo: [oorpode funccionsrios quo os proletarios
Appellaol',-Joaquim Fernandes da Cunha nos ajudaram a pagar.
Souto-Maior; appellao, Jlo Baptistadel Agora perguntar-vos-hei: Nlo seris isto
l>i a, !n cumulo da oppresslo, urna violaclo fia-.
Passou doSr. desembargador Valle ao Sr.
Dito. A' cmara municipal de Goianna
ts^s^MSsf^ $ gsssir*r8egoin,e ",pell,
m.docm27domesmomez achara aque a 10; ^J" |eD,tiao Jos s,lv. Braga;
dos votos re..,ivos a vere.dore^i.nlo H!... $#l^TMZ"mUi ..
pela mesma cmara. w aa enea v
________________ DiSTaiBUiQBS.
Ao Sr. desembargador Souza a soguinte
' appella<,lo em que slo :
SESSAO' DE ao DE OUTUBRO DE i85J. Appellante, o juizo ; appellado, Seraflm
presidencia do Exm. Sr. conselheiro Azevedo. Francisco dos Santos.
As 10 horas da manilla, estando presente I ao Sr. desembargador Rebello a seguin-
os Srs. desembargadores Villares, Lelo, te appellaclo em que slo l
Bastos, Souza, Rebello, Luna Freir, Telles, Appellante, o |uizo ; appellado, Francisco
pereira Monteiro, Valle, Santiago, e Gomes', JoseJ^ajide81^___j^___j>_i>^
'Nunca1 "lilvci1 um'Tdilici^ii^sMinbrlo, e laboletas se evaporavam os aromas c aa paatl-
...., ,ri,|e se oereccra aos olhoa do passeador. Ib.a Inventada! por Le Preui, perfumador da
lalnendrecraslolstro, o m.deiramcnto tlnharalnhami. Eram pomadas e essenclaa, cujoa
dado de al.....A uuica parte que eslava enlo.noines nio chegarain al nos poreni reporte-
,i.....iada ca uina torrlnha na eilremldade.se o leitor ao aeculo em que aecusavam a Mi-
da ra i ess lorrioba tioba urna varanda del ria Stuait de tomar mesmo nci Louvre binhos
d ns de altura..... A noile cobria a ra di de leite e vlnbo, e comprebendera o vilor des-
nmliras nrolunda e giganteaca .... Nease es tbesouroa de belleza!
1 Um manto, urna miscara de velludo preto-
TRlBUNiLDA RELACA'.
ouarteirodeserto ludo eslava em alinelo, a
chuva Hnha cessado, c apenas se ouviam ao
looge aa rajadas do vento sobre as agoas si-
lenciosas do Sena.....
mascarado deiiou Pompeo fazer sua com-
pra ; e depois que elle veio com os dous saceos,
disie-lhe.: .
Mullo beinl val esperar-me em balio da-
quella varanda. Quando for lempo cu te cha-
inarei, e lu subirs.
O malcarado levantou enUo a aldrava da
pona ; um insume depois urna vclba Mourin-
ca teodo uina lu na inao mostrou a cabeca em
urna trapelia.....
Tua .ini.i me espera, Iheldisse o mascara-
A Mourisca b.-.uuu ao principio, depois ven-
cida pelo tom Imperioso daquelle que baila,
desceu. Depois de ter ber lo a porta, ella tor-
uou a leidn-la.
O malcarado acliou-M logo n'uma sala oc-
tgona, cujo fundo era oceupado pur um leito
de damasco ; esquerda eslava um geuulleo-
rio, e direita um loucador..... Esse loucador
um manguito, uina bandolina esquecida sobre
a mesa compleiavam a decoracu dcase qua'rto.
Aa cortinas do leilo estavam cwradas, e deisa-
vim ver no fundo um objeelo coberto com um
vio preto.
A Mourisca fez sentar o visitante etn urna ca-
deira de bracos peno do fogo que crepiuva, e
lmenle leve o cuidado de inosliar-lbe as ho-
ras no reloglo. .
Minba ama, pergunlou ella, voltara mul-
lo tarde di noite da casa da ranilla mil?
Tranqullllsa-te, ella nao pode lardar.
Termine! esta noile os preparativos da
nosaa partida, coallnuou a Mourisca. Smanhaa
devenios Ir para casada seobora ralnha mal, a
qual quer alojar anioha ama no Louvre..... El-
la j disse isso aos'nlior sem duvida ?.... Um
gentilbomeiu da rumba ueve escolla-la.
Sol eu esse gentilhuinem.....Descansa In-
tciraiiieute no mcu zelu, c deiaa-me sd.
A Mourisca incliuou-se ella liuba visto bri-
Ibar no dedo do mascarado um annel de alio
puco. A partida de aua ama era myitariosa
era ornado de uina franja de seda; sobre su.s ,t... nao era de admirar que um geni.lhomem
a agricultura prosperar. ;.l. o Sr. Ooncatvet Marlins a Sin de odiar os 50
enlo.< para exames e ensatas '.
Nos os pro-
prietarios nos enriqueceremos, o que nos
habilitara para fazer-vos trabalhar o pagar-
vos bons salarios; sem esta le nos ficaria-
mos reduzidos a miseria ; e o que seria de
vos ?! A ilha seria inundada de alimentos e
de materiaes para o trabalho, viudos do ex-
terior ; as vossas embarcares estariam
sempre no mar I Que calamidade nacional!
A abundancia, he verdade, reinaria em tor-
no de vos ; mas lomarois por ventura parte
aella ? Nlo digis que os vossos salarios
se manleriam, e se elevariam por isso que
osestraogeiros nlo fariam seolo augmen-
tar o numero daquelles que vos mandam
trabilbar. Quem vos assegura que nlo Ihes
dar na cabefa de vos ceder seus pr o lucios
por nada ? Nesle caso nlo teodo mais nem
trahallio o nem salarios, vc'k pereceris de
inaniclo nomeio da abundancia. C-n le-
os, aceita a noasa Iei com reconhecimen-
t. Crescei e multipUcai : o quo resta do
nosso consumo vos ser dado pelovosso tra-
balnoqun por este meio vos sera garant lo.
Sobreludo abslende-vos de acreditar que
aqui se trata de urna contestaglo entre vos
e nos om que vossa liberdade e vossa pro-
priedade eslejam em jogo. Nlo attendais
quellesque vo-lo dissarem. Ficai certos
que a contesticio he entre vos e o est'an-
geiro, esse;barbaro eslrangeiro que Dos
amaldice, e que quer evidentemente espe-
cular coiivosco, offereceno-vo* tranaac-
5 pellir, como melhor vos parecer.
Nlo ha invnrnaiaail que iiiual discurso
convenientemente acondimenlado de 10-
phismas sobre o numerario, sobre a batan-
ea do commercio, o trabalho nacional, a
agricultura nutrido' do estado, a perspec-
tiva de urna guerra, etc., ele. nao oblives-
se o mais feliz sesultado, e nlo fizesso sanc-
cionaro decreto opnressor pelos proprios
oppnmidos, se elles fossem consultados. Is-
to he o que se lem visto e si ver t
Mus as prevens dos proprietarios i dos
proletarios nlo mudlo o naureaa das cousas.
O resultado ser urna populadlo miseravel,
esfaimida, ignorante, permitida, ceifada
pela inameno, pilas enfermidades e vicios.
O resultado ser ainda o triste naufragio as
inlelligoncias das noc/i-'s do direiio, da pro-
priedade, da liberdade e das verdadeiras al-
tribuirles do estado.
O que eu quizera poder demonstrar bem
aqui he que o castigo recahiri Dar logo so-
bre os mesmos proprlelarios que prepararlo
a sua propria ruina pela ruina do consumi-
dor publico, porque na ilha ligurada ver
se-ha a populaclo, de mais em mais abati-
da, atirar-se aos mais inferiores alimentos.
Aqui ella so sustentar de caslanhas, acola
de milho, alem do aveia e de batatas, etc.,
etc. Ella perder o gosto da carne edo tri-
go. Os proprietarios licarlo todos admira-
dos de ver a agricultura declinar. Por mais
que elles se agitem, queso reuni em co-
micios, e ahi examinem eternamente o fa-
moso adagio linhamos pastos, porque
com pastos seleem animaes, com animaos
estrume, e com estrume trigo Por mai-.i
que elles criem novos imposlos para dis- '
tribuirem premios pelos productores do ire-
vo o de luzerna, arrebentar-se-hlo sempre
contra este obstculo : urna sepu/aelo ">-
ranef, impossibilitada de pagar a cirne, e por
conseguencia di dir o pnmeiro movimenlu
a esta trivial rotoclo. Por fim aprenderam
a sua custa que he melhor solTrer a concur-
rencia em face de urna clientela rica do que
gozar do monopolio em presen;* de urna
clientelaarruinada.
Eis porque digo que nJo sonante a pro-
nuncio he commuuismo, mas cummunis-
00 da p i respecie, por.juanlocomeca pon-
do as faculda les e o trabalho do poto, a sua
nica propriedade, a discnpglo do rico, ar-
restando urna perla cert p'a a innsss da
populaclo, e acaba envolven lo o mesmo ri-
co na ruina commuui. Elle reveste o esta-
do do singular direto de Ufar a quem tem
poucopara Jara quem tem muito ; e quando
em virtude desta principio os desbordados
lo mundo invocaren, a intcrvenclo do es-
tado para operarem um nivelamento em
sentido inverso, eu nlo sei verdaderamen-
te o que se Ihes t-r que responder. Em to-
do o caso a primeira resposlt e a melhor s -
r renunciar a oppresslo.
Mas eu vou j acabar com osles clculos.
Emfim.qual he o oslado da quesllo? Que
dizemos nos, eo que dizois vos? Ha um
ponto que he o ponto capital, a respeito do
qual estamos de accordo, e hn que a nter-
venci do legislador para ni vallar as for-
tunas, tirando a ons para gratificar a ou-
lros, he communismo, he a morto de to lo o
trabalho, detoda a economa, de todo o bem
estar, de toda a justiQa,de to laa sociodade.
Vos .sabis que esta funesta iloulnna in-
vade sob lodas as formas, os jornaes e os
llvros ; Cin um palavra.o dominio da es-
peculadlo, o vos a atacis ahi com rigor.
Eu tcihn para mini que reconheco quo ella
liavia precedentemento penetrado, com vos-
so assenlimento o soccorro, na legislarlo e
no dominio da pratica, e eis onde ou me es-
forz por combal-la.
Depois eu vosadvirto da nconsequencia
em que olimos se combatendo o commu-
nismo em prospectiva, potipasseis, quanlo
mais se animisseis o communismo om
acclo.
Somoresponr|enles:--Eohre assim por-
que o communismo realizado pelas tarifas,
posto queopposto liberdade, i propriela-
de o a justica, esla o ntudo do accordo
com a utilidad geral, e osla consideradlo
me fez prescindir de todas as outras. So me
responderles assim, nlo comprehendeis
que destrus de antemlo todo o bom suc-
cesso do vosso livro, que anniquilais o seu
alcanco, que o privis da sua lorga, o dais
razio, ao menos na parto philosophica e
moral da questlo. aoscommunistas de to-
das as cores e matizes.
E demais Sr. Thiers.'um espirito to es-
clarecido como o vosso poderla acaso ad-
miltira hypothese de um antagonismo ra-
dical entr o uliI a o justo? Quejis quo
vos eu falle francamente ? Em vez de arris-
maicarado viesse procura-la. O medico do car-
deal tirando a mascara logo que a Mourisca se
rellrou, levaniou-se e correu a mirar-ac n'um
espelbo de Venca posto ao lado do Lito.
Sou eu mesmo, disse elle comsigo, cu a
quem o inferno nao duvldaria confessar por seu
nlho, que ratou mirando a ininha fealdade ues-
te cristal onde urna das mais altivas belleas da
tslia ae contempla ? Sou eu mesmo que me
acho aqui, a estas horas no quarlo da duqueza
de Fornaro f Sim.aou eu, sou eu mesmo, pro-
aeguio elle continuando a eaarulnar todos os
objeclos. A quem, seno a snliu, leria o cardeal
confiado esla triste e lerrivel missao ? Se eu
colillero o odio dille, nao conbece elle lambein
o iiieu I Nao sabe elle que maltratado e rrpel-
lldo pela duqueza, devore! a auTronta mais
cruel, urna aronla que quinte annos nao po-
deram anda lavar? fie mijo este o lugar em
que se oceulu Teresiua Phti, a viuva de Forna-
ro 1 Daqul a alguna Instantes vou tornar a ver
essa altiva duqueza que soube ferir ao mesmo
lempo o meu orgulho e o uaeu amor 1 Eu sou
seu senbor, leu julz! Potencia do Inferno a-
baodonar-uic-has tu quaudo ella vler .' Irei cu
enlernecer-tne? irei chorar como um covar-
de? As palavras desse boiuem ainda me esto
resoaodo aos ouvidos como urna audaciosa Ir.
riso Nao'be elle que ella preferio a miin ?
Nao be elle quem ella lalvez ama aloda 1 E que
sou eu sempre para elle r 11 ni inmuno, um rep-
til que esinagar. Ilem longeesl elle de des-
confiar a que boinein pedio ainda agora odi-
relio de matar Samuel 1 Ella me obedecer, obl
siin, elle me obedecer !
Acabando estas palavras, o doutor deiiou
desusar em seus labios um sorriso que o pro-
prlo Satanaz Ihe leria Invejaao.
Elle achava-se enlio diantc do lelto da du-
queza ; no fundo do qual eslava o objectu co-
berto COIll O ver) pr c pl
Depois de ter observado lentamente todas as
particularidades desse aposento, elle aproxl-
inou-ae do leito, c com mo atrevida levantou
o veo que cobria o objeelo.
O doutor distingui ento uin cofre de forma
oblonga, de madeira de cedro, cuidadosamen-
te fechado por quatro fecbaduns de ferro ; el-
le ame o U090U na irais profunda adml-
ric.ao.
Caveiras, e ossos disposlos cm cruz eram os
uniros ornamentos desle cofre, em cima da fe*
cbadura priucipal lia-te esta inscripco liespa-
obola era leltras grandes : Cuidado.
Cedendo a um inovimenlo de curiosidade, o
doulor esiendlaj a niao para o cofre, quando
li-iniii oii-.e do aviso de Hicbeeu.....
Uin suor fri Ibe molhou a froole ; elle: lor-
nou a por o veo preto sobre o cofre.. .. Neste
inoineuiouiii ruido de todas se ouvlo perlada
roa des l.ious-Saiut-l'aul ; e3ie ruido vinba .lo
caes.....
O doutoi toruou a por a sua mscala, eicon-
deu a lampada, e eulreabrio docemenie a jana-
la Elle vio enlao urna lucir que la voltar
o canto da ra nessa lltelra eslava urna mu-
ardes urna assercio lio subversiva, t(o
impa, eu anles diria : Eis urna queetlo es-
pecial, na qual ao primeiro volver de olboa
parecc-mc quo a utilidado e a justica se
choclo Alegro-me porm de que todos os
. Iiomens que leem passado toda a sua vida
em aprofunda-la penslo de outro modo :
[ eu sem duvida nlo a tenho eatudado bem .'
Eu nlo a lenho estudsdo bem He esla
urna confisslo to penosa, que para nlo fa-
ze-la, hn quem seja inconsequente ponto
de negara sabedoria das lea providenciaes
que presidem 10 desenvolvimeolo das so-
ciedades humanas. Purque, que denega-
rlo ruis formal da sabedoria divina do
que decidir a incompatibilidade esaeocial
mtr juatioa) utilidad ? PtCTii-oje
sempre que a mais cruel angustia de que
um espirito intelligente o consciencioso po-
de ser accommeltido he tropecar nst mite. De que lado se ha de a gente por 1 Quo
parlidd tomar em face de semelhante alter-
nativa ? Pronunciar-se-ha pela utilidade?
lie ao que se inclinlo os Iiomens que se
dizem prcticos Mas, a menos que ellos
nlo sejam lio nescios que nlo possam ligar
duas ideas, nlo poderlo deixar de horro-
risar-se das consequencias da espoliadlo
da iniquidade reduzdas a systema. Abra-
car-se-ha resolutamente, e por mais qua is-
to custe, a causa da justica dzeudo : Faze
oguedeves, succeda o que succederf. Para
aqui pendom as almas honradas; mas quem
quera lomar a responsabilidade de sub-
Cbergiroseu paizea hu'manidade na misa-
ra, na desolarlo e na morte ? Eu desalio
a quem quer que seja que i decida se esl
convencido desle antagonismo.
Ehgano-me. Decidir-se-hlo, e o coraclu
he de tal arte feito que se anlepOe o inte-
resse conscicncia ; isto he o que demons-
tran^ os fados, porque onde quer que se
lem julgado favoravel ao bera-estar do pri-
vo o rgimen prolector, lem elle sido adop-
tado a despeilo de todas as considerares da
justica : mas o certo he que as consequencias
guese deviam seguir ten se seguido. A f na
propriedade esvaeceu-se. Tem-se dito o
que disse o Sr. Billaull. Jaque a proprie-
dade tem sido violada pela protecelo, por-
que nlu sera pelo direto ao trabalbo? Ou-
lros, his o Sr. Hillult, darlo umpasso
avante, oulros irlo adianto destes, e assim
prosoguiram at que. prevalec o commu-
nismo. Bons e solidos espintos como o vos-
so, Sr. Tniers, seassustam avista da \ngre-
midade dosis ladeira, e pois esforcam-se pi-
ra tornar a subi-la,o que com ofleito fazeni,
como vos o Tuestes no vusso livro, chegan -
do at ao regimon restrictivo, que be o pri-
meiro e o nico movimenlo pralico da so-
ciedade na declividade fatal : mas avista
desta denegarlo viva do direilo de proprie-
de.se em lugar desta mxima da vosso livro:
Os direitos existan ou nlo existan; se exif-
Icui, nrraitain consequencias absolutas, vos
subslituireis esta oulra : Eis um csy
particular em quo o bejn nacional exige q
sacr.licio dodireito ; no mesmo inslantr
luda a forca, toda a razio que julgastes le
empregado nessa obra nlo passa de fraque-
za o de inconsequencia.
Eis porque, Sr. Tniers, so queris acabar
a vossa obra, cumprc quo vus pronunciis
S'ibre o regimon restrictivo, e para isto he
indispeosavel comecir resolvondo o proble-
ma econmico : he mister que assenleis no
quo deveis (icar sobre a pretendida utilidado
desle reqimen, porque ain la 9uppondo que
eu obliveso de vos o decreto da sua con-
demnaclo sob o ponto de vista da justica,
isto nlu era bastante para mata-lo. Repito,
oj homens de tal arte sao formados que quan-
do elles se julgam collocados eutre o bem
real e o iusto abstracto, causa da jusffa cor-
re grande perigo. E queris urna prova pal-
pavol disto ? Acha-la-heis o que me acon-
tece u.
Quando eu c'ieguei a Paris acnei-me na
presenca de escolas chamadas domorr ticas
e socialistas, as antes, como sabis, se faz
grande uso das palavras priitcipo,dedicaito,
sacrificio, direilo, nilo A riqueza nessas
sociedades he vilipen liada, a mais nlo po-
der ser, como cousa senlo dosprezivel, ao
menos secundaria ; de sorle que nos os eco
nomistas porque fazomos della grande ca-
so somos alcunhdos de fros economistas, de
egostas, de individualistas, de burgnezet, de
U'.mens sem entranhas. e nlo reconhecendo por
Dos senlo o vil iuieresse Bom, disae eu en -
tre mim, eis coragOas nobrescom os quaes
ou nlo tonho necessidade do discutir o pon-
to econmico desta quesllo, o qual he mu i
subtil, r> exige mais applicaclo do que o,
publicistas parisienses podjm em geral con-
ceder a um estudo desta qualidade. Mas pa-
ra com estes a questlo de interesse alo po-
dara ser um obstculo parqneou acredita-
rlo sob a f da sibeduria divina que ello
osla em harmona com a jjstca, ou sacrifi-
ca-lo-hlo de bom grado porque elles leem
sede de dedicaclo. Urna vez que elles mo
cuiicedain que a permuti llore he o direilo
abstracto, arrojar-se-hlo resolutamente sob
asna bandeira. Em consequencia do que eu
Ihes dirig um convite. Sabis o que me el -
los respondram t Eis-aqui :
Vossa permuta liare he urna bella uto-
pia. Ella he funda la em direto e jusiirr,
realiza a liberdade, consagra a propriedade,
produtiria a unilo dos puvos.j) rqiniido oa
IhcTconTcTrosio coberto de uina mascara de
velludo ; aos lados da carruagem vloham dous
criados com a libr da ranilla, cujas lochas o
vento unba apagado.....
Elle lornou a lechar a janella depois de ter-
se certificado de que Pompeo posto oa terceira
pona n'um canto ob.curo esperava as suas or-
dena.....Tomando ento a por a lampada em
seu lugar, e aproximaodo-se de uina mesa de
ps torneados que eslava junio do lelto, o dou-
tor tiiiiioii uin copo que ahi achava, e nelle
derratnou um p braoco mlsturando-o com a
agoa conlida n um fraco pollo sobre essa me-
ga. Islo felto, puiou sobre si uin doa reapos-
telrosde brocatel do quailo, edepois conten-
do a respiracu esperou.....
Urna mulher eolrou no quarto com a masca-
ra na roao, com o rosio paludo, e cora as feifOes
perturbadas.....
Susana, disse ella a Mourisca sentaodu-
e, rellra-te, quero eiUraO.....
E como a Mourisca parecesse querer fallar-
Ihe, ella replicn com um lom qne desu vez se
lornava equivalente a urna ordem :
. Retira-te.
Susana sabio lo commovida da desorden! de
sua ama que nao pede adiar palavra alguma.
A duqueza vlo-se no espelbo em que o doulur
um quarto d'hora autes se liaba mirado, e le-
ve inedo de si mesma..... os labios Ihe tre-
miaiu, e seu seio eslava oppriinido.....
lie elle!.... be elle mesmo 1.... inurmurou
ella abatida. Mas.....oh! nao..... be linposai-
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO


M
so-
paz e da f. aternidade nutro oa lio mena. Em
principio vos lendos mil vczosrazio, mas
nos voa cotnbileremos a todo o transe a por
todos os mojos, por Isso quo a concurrencia
ostraogeira seria fatal ao Irabalho nacio-
nal.
Eu lomci a lbenla.le de dirgir-lhes o-t
rea posta :
Eu neg que a concurrencia ostringcira
baja de ser fatal ao Irabalho nacional. Em
todo o caso, ai mlii que assim fosse, vos os-
lareis collocados entro o intorosso que na
na vossa n......10 esla do lado da restriegan,
e a justica que, segundo confessais, esta parte da lbenla lo '. Ora, quando eu, o ado-
rador do bezerro de ouro.vos proponho quo
escolhais, porque motivo, vos, homens de
abnegacSo.couculcais os principios para vos
agarrardes com o interesse ? SSo declamis
portauto contra um niovel quo vos governa
como governa os simpleces muraos. Esta
experiencia me advertio do que era mister
anlcs de ludo resolver esle horrivel proble-
ma : Ha harmona ou anl'gonismo enlre a
justici o a ulilidado ? E por cousoguiutn ave-
riguar o lado econmico do rgimen resiric
tivo ; purquanlo, vi*lo quo os mesmns fra-
ternitarios abalavam dilate do urna preten-
dida perda de dinheiro, era claro que nao
lia-lava por a abrigo da duvida a causa da
! 1 -tica universal, cumpria aluda dar salisfa-
cSu ao interesse, inovcl indigno, ahjecto,
dcsprezivcl e dosprrzdo, mas omnipo-
tente.
fax iatoquedou lugar a urna sncfiinla de-
mniislracSo em dous voluntes, que torno a
liberdado de enviarvos com a presente, liem
convencido de que, se julgardes severamen-
teo rgimen prolorlor,como o julgam os eco-
nomistas, pelo lado da moralidad!-, nlo doi-
varcis do pesquizar enm algum cuidado se
estes dous grandes rlemonlos da suIuqSo de-
linitiva so excluem ou so adjerlivam.
Esta harmona existe, ou ao menos ella lie
lio ovidontn para mimeomo a luz meridia-
na, (ixala que ella se relevo a vos, porque
lio entilo que, implicando o vosso t* lento
emitienlenienlo propagador a combatir o
commuiiisino ni IUI mais porigosa na ni -
testado Ihc descarregareis golpe mor-
tal .'
Vede o que so passa na Inglaterra, Pa-
roce que se o communismo devesse adiar
alguma parte na Ierra que Ihe fosse favorn-
vel nao poda ser senu o solo britarinico.
Ali as instituicocs feud'cs, pondo po' toda a
paite frente a frente extrema misiiaca
extrema opulencia, deveriam ler preparado
os uspintos para so infeccionaren! com as
doutrinis lalsas. Todava u que vemos nos ?
Emquanto ollas assolam o continento, nem
se quer a supeilicio da socieda lo ingleza
tem perturbado. O carlismo nio tem podi-
do tomar raizes ali. Sabol o porque ? Por-
que a asociacao,que durante dex anuos tem
discutido o rgimen protector 1180 tem
triumphado sendo laucan 10 viva luz sobre o
principio da proprielade e sibreas func-
c,oos racionaos do estado.
Sem duvida se desmascarar o prohibicio-
nismo he feriro communismo, pela mesina
razSo, eem virtudo da sua estreila conncxi-
dade, podem ambos esses erros ser atacados
M'gun !', como voso lizestes, a marcha in-
versa. A ristriecio nlo poderia resistir por
muilo lempo a urna boa- dclinicflo do direi-
tode propriedade. Assim que se alguma
eousa mu tem sorprendido e alegra lo he v r
a associacSo para a defesa dos monopolios
consagrar os seus recursos propagac3o do
Voto livre. He dos mais curiosos espect-
culos, o qual milito me consoli da inutili-
Uide dos meus esorcos passados. Esla re-
solucSo da commissiln lUnnercl vosobrigar
*em duvida a multiplicar as odenos do vos-
sa obra. \csle r ,-n |i ; milli 11 1. obseivar-
vos que tal qual ella lio aprsenla una gran-
de laeunn, Em nome da scicnea, em nomr
la vi-rdade, em nomo do bem publico de-
preco-vos que a errabais, e que me respon-
dis s ln.is seguinles pergumas :
t." llavera incompatibilidado em princi-
pio entie o rgimen prolector oodireitodc
prooriudade .'
2. A missilo do govorno ser garanlir a
cada um o livre exercieio das suas faculda-
dcs c a livro disposicSo do frurto do seu Ira-
balho, isto he, a propriedade, ou a tirar a
uns para dar a oulros, de mancira quo equi-
libre os lucros, as vicissitudes e o hen-es-
lir.f
Ah Sr. Tliiors.se vos chegar les as mea-
mil CuiiclusOesqueeu.se grabas aos vos-
sos tlenles, a vossa faina, h vossa influen-
cia, vos litoidea prevalecer estas conclusis
na opiniSo publica, qum pode calcular a
exteusSo do servico que prestareis socio-
dade franreza ? Ver-so-ha o estado circums-
crover-se no ambiln da sua misso,, a qual
ne garantir a cada um o livro excrcicio das
suas faculdsdrs e a livro disposic,.1o dosseus
bens. Vi lo hemos descartarse o mesmo
lempo das colossacs Btlrbuc.Ot'S illrgilimas
que ora exerce, o da assuslailors responsa-
bilidado que a isso se prendo Elle se limi-
tara a re. rimir os abusos .la liberdado, 0
que lie realizar a niesma lilier.U o. Elle
assegurarla o juslifa a todos, e nao promot-
teria cbela! a ninguem Os cuajaos apren-
deram a dislinguir o que he rnzoavcl c o
que he pueril 1 elimo estado.
(.No brasil no lem cunta o numero dos
pedidos extravagantes-que lodosos das se
fezem ao governo e as cmaras Este qu r
nlosei quantas duznis deconlosde roil pa-
r dotar ao paiz com urna fabrica de colchc-
t-'S magnilicos aquello quer pelo menos
yo.000,000 rs OU aiimas loteras para SOS-
toutar a sua Sarro de han/tos salgados, que
nSo tem sido tilo procurada quo deixe lu-
cros ; Analmente aquel'outro (que desafo-
ro elevo pidrlnhoi/J quer urna subven-
cdo do thesouro para estabelecer ou manler
urna gzcU dos trlbumes!! E assim por
diaute E nao tu nnn'riuma deslas estlidas
pretenQes que nSo aoja apadrinhadi pelo
Sr. senador KuSo, que he um estadista do
pulso ; pelo Sr. conselhoiro do estado Siera-
110, que sabe o que ao diabo esqueceu, que
he honradissimo, que so desvivo pela patrio
etc., ele. '.) '
Ellos ileixariam de acabiunha-lo com
pretndese exigencias, de altrtbuir-lhc os
seus males, e do p" nelli es erancas chi-
mericas, e nessnanlenle eroprnho de conse-
guir do estado bens que no.Jhe compete
dispensar, no o veramos cada decepcSo
aecusar ao legislador o a lei, dosejar mu-
danza de homens o da fprma do governo, e
acumular insliluices sobre insfiluicoes, e
deitrocoi lobre deslrocos. Ver-se-hia ex-
tincla esta universal (ebre de espoliaco ro-
ciproca pela inlorvencao ISo cuslosa o ta"o
porigosa do estado. O govorno limitado ao
seu fin e i sui respomabilidide, simples ni
sua bcqo, pouco despendioso, nSo fizendo
mais pesar sobre os governsdos os gasto
das suis propri-s oadis, sustentado pelo
bom sonso publico, tem umi solidez que
no nosso piiz minea Ihe coube; emlim, te-
ramos resolvido esto grande problem:
Fechar para sempre o abtjsmo dai revota
com.
Bastiat.
{Traduiida pilo X )
ICorreio Mercantil)
aaia
Hecelta no correte ni.
Dcspezi no corrate m.
___PEBNAMBUCO
JUIZES DE PAZ DO PRIHEIRO DISTRICTO
DA EREGUEZIA DE S. ANTAO.
('.apilan JoSeverino Cavilcante de Al-
buquerque otos 600
Coronel Jos Cavaleaute Ferriz de Aze-
vedo 500
Mijor Jos Jernimo Kernandcs Coelho 401
Joaquim Pedro d > Rogo nrrelo 30*
Do legundo districlo.
Lourengo Marlius Pcr'rira Monteiro 300
Kelix Ferreiri de Muraos 200
Jos Ignacio Cabril *99
francisco Antonio Sobral 16
JUIZES DE PAZ 1)0 PRIMEIRO DISTRICTO
DA ESCADA.
Commandanto superior Francisco Anto-
nio do Barros o Silva- 604
Coronel Jos Pedro Velloso da Silveira 583
Major Mariano Xavier C. da Cunha 48
CapitUo Jos Cavalcanlo L. Campello 481
Do segundo dislricto.
Mljor Candido Jos Lopes do Mirauda 163
1 Andr Das do Araujo 140
Csetann da Silva Caliral 118
Command.inte suporior Maiiool Thom
do Jess 87
Do terceiro districlo.
Ilelmino Velloso da Silvoira l.ins 88
llenrlque Mirques Lina 88
A. Marques do llollanda Cavalcanlo 88
Aggco Eduardo da Silveira Freir 84
Do guari districlo.
Manuel Ja Hucha l.ins.
J. Claudio 1 iv.ile -ni de Albuquorque
Francisco Cavalcanlo de All'uqucrquo
Jos II reulano Cavalcanlo Lins
Saldo coi ledras em 30
deiclcinbro p. p.
Rcccila no correte 111.
Despcia no correte mea
lu cobre
Notas
Lrtiasa vencer emju-
nbo de 1853
dem einjuubo de 1854
0:523/787
--------------103.-512M
3:900/781
Saldo 90;525/47u
14:703/120
/ _
iWBtfltfl
iiOoo/OOO
-------------- I3:793#I20
113:318/500
2
130/170
00:388/000
6:896/560
(i:806ii60
--------------113:318/1.90
O llieaourelro,
Tliorna: Joit da Silva (iusmlto Jnior.
O escrivo da receila o despeza,
/ln.''im CardozodeQueiros l'onstca.
Dcmonslracdo do saldo existente na calxa da
excrcicio de 185-2 o 1853 em 30 de oulubro
de 1852.
Saldo cm 30 de Miem-
bro p. p.
Receila no correte 111.
Despeza no corrente mez
Saldo cm letras cm 30
de setembro
llcccilaoocorrcnlc 111.
Despera Idcm
18:160/484
02:281(1346
-------------- 80:*53/830
59:361/188
Saldo. 21:0881312
de de niim so, e he isso urna vintagom
di situagn, porque militas vezes asm a op-
purencia do bem nos engaamos. Posso ter
commeltido muitos erros en minhi looga
carreira parlamentar, mas c.ses erres ter.lo
si.lo o (nieto do niiuha iMnlligencii, nun-
ca, poror, nunca da ambeflo e da lisonja
Santo Antonio do Hccife 29 do oulubro de
1852.
O vlgario Vtnanoio Ilmriquei de Beiende-
136:7303000
/
136:7*IJ000
34:187/500
---------------|02:M7/^
123:636/112
F,m cobre 0/342
. Notas 2I.-079/OOO
Lctraa a vencer em dc-
icmbrodclSSJ 33:D27/2.MI
Idcm em Janeiro de 1853 21S/250
33;97/250
loS/SO
dem em marco
l.leni em abril
I 1.111 em junhn
ldcineui julbo
124
120
96
95
2070
2008
1512
1403
1280
1250
860
814
G68
658
657
655
VEREADOHES D\ CMARA MUNICIPAL DA
CIDW1E DA VICTORIA, COMARCA l)E S.
ANTAO.
I Coronel Jos Pedro V. da Silvoira
i Jos Cavalcanlo Ferrar do
Asevedo
3 Capiulo Jo.- Sovorino Cavalcanlo
de Albuquorque
4 Dr. Joaquim Jorge dos Sanios
5 Tenento-coronel M nniol Duarto da
Costa
Major Jos Jernimo Fernandos
Coelho
7 Anloniu de llollanda Cavalcanlo do
Andrade
8 l-rmcisco Paulino Comes de Mello
9 Ignacio Joaquim llar.dio
SIJPI'LENTES.
10 Juaquim Pedro do RJgo Brrelo
II Manuel do llrilo Salguoiro
12 Manuel Cavalcanlo do Albuquor-
que Sa
13 Amaro do Rogo Rarros
14 Aloxandro Jos do Bollindl Ca-
valcinte
15 l'auliiio Teixeiri do Carvalho
16 Antonio Juilo de Lima
17 Jnsc Ignacio Cabral
18 Jos Francisco Coelho de Cois
19 II.Tinca Plllliu D Igado llorba
20 .Manuel Cvale inlo do Albu|uer-
que Lins
21 Cernido do Ranos Coclllo
22 Jos IraliCISC'i PedrosO
23 Jos Mondes Carueiro Lelo
21 Joao Florentino Coelho de Cees
25 D'. Joo Antonio de Souza Itellro
26 Alnxan Iro Bezeria de Albuquor-
que llarrus
27 Major Joao Francisco de Araujo
28 Candido Jos Lopes de Miranda
29 Lucio Camello Cavaleaute de Al-
buqnerque
30 Julio Cavilante de Albuquorque
31 Vicontu de Paula Uizerra Caval-
canlo
32 JullSo Cuncaivcs Lima
33 llormogciies Con^alves Lima.
34 Antonio LOUrencO do Albuqucrqtiu
Barros
35 Roi.to Jos de Alhuquerqne
36 Mino'd Joaquim Morcia
37 Cuilhermiuo Piel Brrelo
38 1: i.'t .n Jos llinciro.
39 Joaquim Mauricio WanJcrley
40 Majur Andi Das de Araujo
MlOaOO
66000
----------------I?3:il3l/812
O thciourciro,
7'Aamas Jos da Silva tiuimuo Jnior.
O racrivao da receila cdcapea,
Antonio Cardoio Qutiros Fontica.
Com municado.
Pernamhucinns meus muilo amados c
generosos comprovincianos !
Estamos bracos com asoleiciies: he este
um campo honroso para as ambicOes razoi-
veis: a illustra(.1o,a probidade.as virtudes e-
vicas.adedicaclo, o palriolisno silo os titu-
Ins.as habililafOrscom quo cala un sople
legtimamente recommendar vossa consl-
dcraco, e solicitar os vossos votos, sopor-
ventura taes ttulos teem necessidade de
solicila(0''S. Ouauto a mim, tenho recla-
mado a d'dicaco e patriotismo, o nelles
adiado meu nico a.mio, pitriulismo puro
e dosinteressado : creio que he so por estes
ttulos que lenho obtido sempre a vossa es-
tima e os vossos votos desde que no Brasil
independonle fui adoptado o systema de go-
verno moiarchico representativo que feliz-
mente nos rege: s na primeira o stima
legislatura deixei de ter assente no meio
dos vossos representantes: so bem sabidas
840 ascircunulancias desses lempos. Urna elei-
cSo, porm, entro tintas meencheo do mais
nobre o'gulho e da mais profunda gralido
para com vosco, e poderia ciusar patritica
inveja aos mais bellos caracteres.
Achava-me a milhaies de milhas da nossa
patria e sem cu ninunic-icao com ella, e vus
jlombrasles do miro, o II me fosl'S buscar !
648 Era eu um homem nec.'ssaro? Miuha il-
648 I luslracSo, meus talentos, minlias vjitudes
645 cvicas vos eram indispensaveisp NSo, so
645 gti'amenle no ; poique cssas qualidado
COMMEBCIO
PRACA DORECIFE3 DE NOVEMBHO, AS
S HORAS DA TARDE.
COTI^OESOFrlCIAES.
Cambio sobre Londres 1 a 28 3|8 d. dinhei-
ro de contado.
Compras de issucar.
Mascavadoescolhidoa 1.45U rs. por irrobi.
Dito regular a 1,400 rs por arroba.
ALFANIIKGA.
Rendimento do da 2 6:723,207
dem do dl(3.......18:956,323
25:679,530
Descarregam hoje 4 de novembro.
Rarca ingleza florida roercadorias.
Brigue escuna brasileiro Laura dem
Iluto brasileiro Flor do Curuript geno-,
ros do paiz.
iinportncau.
Teviot, vapor inglez, vindo dos portosda
Europa, minifeslou o seguinlt:
1 embrulho amostras ; a Fox Brother9.
2 ditos dilss; a Le Bretn Schramm
Companhia.
2 .'inlu'uMus amostras Me. Calmont &
Companhia.
1 dito jomaos ; a Schafheitlin Tobler.
1 caixa peridicos, 1 dita reloglos, I em-
brullio-amostras; a Russell Mellors& Com-
panhia.
I embrulho amostras, 2 ditos ignora-se; 1
Richard Royle.
I caixa amostras a F. Souvage & Com
panhia.
1 embrulho ditas; a J. Keller c Com-
panhia.
1 dito ignnra-se, 1 caixa joias; a C. J. As-
tley & Companhia.
1 e.nbrultio ignora se ; a A. C. de Abreu.
I dito ignora-so ; a II Cibson.
1 dito idem a Brunn Prae_ger & Com-
panhia.
1 dito gnora-seja J.JI. Camsl-y & Com-
panhia.
1 dito lila para bordar, 1 caixa chapeos;
a Mr. Catess.
1 caixa doce, I lata peixe; a Mr. Payndes-
Ire & Companhia.
1 oaixa joiis ; a Karl Schemettan.
1 dita relogios ; a Avrial Frores.
Tentadora, escuna nacional, vinda do As-
s, consignada a Antonio Alves de Miranda
i; ,imanics manifeslou o seguinte
546 alqueircs do sal, 121 mol ios de palha
de carnauba ; aos consignatarios
CONSULADO CERAL.
da Diesma tunta, no da cima declarado, dita deslate o dii 6 com anuii propostas
pelo meio dia, competentemente habilita-
das,
E para constar 10 mandou iflxsr o pre-
sento o publicar pelo Diario.
Secretaria di theiourarii provincial de
Pernambuco 3 de novembro de 1859. O se-
cretario, Antonio Ferreira di AonunciicBo.
Clausulas especiaos da arrematado.
. Primeira. Sor feita esta obra de confor-
mldado com o ornamento aprese:.lado a ap-
provactlo do Exm. Sr. presidente da pro-
vincia na importancia do 1:188,000 rs,
Segunda. As obras principiaran no praso
de 15 das, e serio concluidas no praso dej
2 mozos contados, como determina o artigo
31 da lei provincial n. 286.
Tercena. A importancia de-la obra serl
em cartas fechadas
Secretaria di inspeccSo do arsenal de ma-
nnba de Pernambuco 3 de novembro de
1852.O secretario, Thom Fernandos Mi-
deira de Castro.
O lllm. 8r. inspector da thesourarii
provincial manda faier publico, que do dia
4 do corrente por diaotn pagam-se os ordo-
nados e mais despozas provineiaes, venci-
das at o lim de outubro prximo liodo.
Secretaria da liiesnuiaria provincial de
Pernambuco 3 de novembro de 1853.O
secretario, Antonio Ferreira da Annuncia-
co.
-- A repartido das obras publicas com-
pra os seguinles materiaes : urna peca do
cabo do cairo, que tenha a grossura de qui-
paga emduas prestacOes da mancira seguin-j tro pollegadas, tresentos caibros para an-
te: a primeira do valor de tres que/tos. daimes, quinhenlas pecas de corda de einbi-
da importancia da arrematadlo, quando sej ra brauca, o mil Iqueires de cal prela. As
tiver concluida a obra, e a segunda de um pessoas quo taes objectosquizorem vender,
quarto, quando so effectuar o recebimenlo, curnparecam no dia 6 do corrente nesta re-
dinnitivo, que Jtei lugar um anuo, dopois partalo ao meio dia, trazando as
do recebimento provisorio.
Unirla. Para tudo o mais quo nao osli-
ver determinado as presentes clausulas, e
nem no orcamento, seguir-se-ha o quedis-
pe lei provincial n 286 de 17 de maio de
1851.
Conformo. O secretario, Antonio Fer-
reira da Annuiirnel..
O lllm. Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial ein cumprimento da m lem do Exm.
Sr. presidenli da provincia de 13 do corren
le, manda fazer publico, quo nos das 3, Ve
5 de novembro prximo vimlouro ir a pra-
ca para ser arrematado perante a junta da
la/onda da mestna thesouraria, a quom por
menos fizer a obra dos conccrlos da ponte
de Tracunbaem, avahada novamento em
1:936,000 rs.
A arrematicSo ser feita na forma dosar-
suas pro-
no n d i ni o M n dodia2
Idcm do dia 3
1:159,522
1:127,211
2:586,733
DIVERSAS PROVINCIAS.
Kcnili incnlo do dia 2
dem do dia 3 .
27,878
84,410
112,288
615
644
246
201
201
2U0
211(1
200
200
151
THESOURARIA DA FAZENDA PROVINCIAL.
f)emonslrac~to do saldo existente na caix* de
depsitos em 30 de oulubro de 1852.
Saldo fin 10de setem-
bro p. p. 165-49U0OO
Kccci'ta 110 corrente 111. /
--------------165:491/000
Despeza no correle 111. H
Saldo 165:491/000
proseguio ella. Eoga-
vcl I.... Porin eu o vi, eu o rcconlieu, siT'al-
II, Inda agora.....
Ella abri a janclla, e proeurou com oaolhos
jia ra sombra.
Nada, nada, agora
nei-me, era una viio.
Ein aua pcrlurba(n ella lancou-se de joc-
llios dianle do geuulleiorio. Sua reapiracao era
breve, aeus olbos eipantados, sua oraco entre-
cortada de suspiros. Quando levantou-se, a$
torcas Ihc fallaram, ella arrastou-sc consterna-
da at Junio do lelto, c oa aua sede ardente pc-
gou oo copo e bebeu ....
Be.....nurinuron ella como ae ciiiveaie
ainda fallando com a Moorlaca ; beio, Suiana,
rata bebida uie lia de acalmar.
Meamo vestida como eatava, lan;ou-ie oa ca-
ma; seuaolhos ae fecharain logo, um soinno
petado ligou seus mciiibro.i.
O doutor abri entSo a coi lio, e aahlodo com
precauco de teu escondrijo, correu o ferro-
Iho do quarto ..'..
Agora, moa a obra, inurmurou elleolhan-
do para a duquea, a quil parcela una dessai
inulherca de marinte deitadaa brandaiiientc
sobre a pedra de uin cenotapbio... O doutorpa-
rou alKiins Instamos para conleinplir esta mae-
iiilica ligura, bellea real, c soberana que o
clnzel de ilerrugurte ui> de Ano pareca lar
adcvinliado.
Longos cabellos negros ornados de ncrolai
calilam em eolios em torno desti fronte c des-
sis faces esplendidas aoda com o brillio do
Eili leltrasa vencer em
1853 a I8.'i4
Km letras a vencer cm
I S t a 1855
135:709/00"
29:782/000
-a.----------11,5:491,000
O tlicsoureiro,
7'Aeinas Jote da Silva Cusmo Jnior.
O eeerlvao da rcccitacdcspcia,
Antonio Lnrdvzo dt Queiros t'onscca.
Deinonttracto do saldo existente na caixa do
excrcicio de 1851 a 1852 em 30 de outubro de
1852.
Saldo em 30 de selcin-
bro p. p. 03:902/46)
ma
baile ; as eapadai da duquesa deaputavaui
com a alvura do Iravcsseiro Scus bracos c
inos cslavain cirregadas de joias domis alio
preco, seu vestido borda do de ouro, suas ren-
das c iru relicario de pedrasdeslumbravain... .
Uin pcifiiiue de mbar e vilela le cacapava
anda de suas luvaa iicglgeulciucnie laucadas
sobre as cortinas penodu seu Icquc de laia ...
S ao ver eaia n.ulhe. qualquer outro que
nao o doulorsc leria coinuiovido. As linbas de
aeu rosto perlciiciain d dlreilo a essa arlslo*
cracia italiana, orgulliofca do jan :iie das M. .li-
is, typo altivo, severo e quasl perdido cm
Franca depoia da morle da rainba Calharina.
A alvura dessa pellc igualava a do caumfeu,
auas palpebrai negraa como as aias de uin cor-
vo, aballadas occultavmn enlo o fago de leui
olbos hmidos e brilbaotea.
Ella linba apenas trie.ta c um aunoi, a idade
do poder e do imperio uamulher. Einquanlo o
veolo do invern dava fura horrivcii grum,
sen silencio oo meio dsle quarto silencilo c
fecbado gelava aaliua..... Adormecida, venci-
da por essa infernal bebida, ella u.iu represen-
tava inais do que uin cadver.....
O doutor a observara com una ebridade fria,
c recolida como o aligtor depoii de ter fn-
eiuado o paisaro, coitioo ligre acordado junio
do pastor adormecido.....
Loilim, inuriniuoo elle eamiiihaudu coui
passo lirme para a varan.la.
Ao ruido da aldrava, Pompeo apparcceu oa
sombra.
superabundivam em nossa Ierra. Mas eu
era um l'ernambucano quo solTria por amor
da liberdade; eu era um Pornambucano
quo por causa do seu patriotismo roin o p<1o
do lagrimas em torra alheia, o talvoz som
meios de tirar-me d'alli, e vos me estn
il .-tes a mBo generosa, o vossol votos me
reslituiram ao scio da patria c ap abramos
dos prenles e amigos, o me llzerim vosso
representante. Como esquecer-me um s
mumonlo de Ido alio favor ? Recebei, Per-
iiaiiih ii-.i 11 s, os cordi ios sentimenlos do
meu reconhocimenlo o gratidilo, e poupai-
ma palavras que dilllcilmenle exprimen
bem as fortes affecges do cora^So.
Tendo, pois, at luje gozado das honras
de vosso represenlanle, e de todas as con-
sideraoiJes annexas a 13o brlhante posigilo,
deveria estar o com elTeito eslava bem icos-
turnado a etsi vids de honras o de conside
raees; deveria sonlir, c com elTeito sinto
vivas -mi des ao doixa ra. Mas em Urna
idade ja avanzada, asssllado 'le graves en-
(ormidades, o pauco ospaco vendo ja dian-
le de inim na carreira da vi ta, cntrou em
mim o desgusto e aborreclmentd das agita-
?0es parlamentares, e u-n rdanle desojo
de dar o servico da minha pBt'ia os pou-
cos das que me reslasscm de cxistoucii
.Vio quiz l.i/or dissu urna mamfestacSo pela
impreusa, porque nunca goslel de fazer bu-
lla com o meu pobre nome, a no ser a isso
obligado pola necessidade do legitima de-
feza : paroceu-me que havendo dito fran-
caroonte a meus amigos esta minha resolu-
to r 11.I0 me aprosentandu candidato, isso
bastava. Era, porm, necossario di'igir-
vosos meus agr lecimenlos por lana bon-
dade c tantas considerares para comijo,
e entilo frca lio declarar qun me no con-
vi' n a depulac.to gorsl ; que he para mim
lempo de deixar o campo a nutras mais vi-
fosas e mais subidas ca, acula les. Se, po-
rm, isso vos aprouvor ofT recorei meu pe
Sueno prosti no para a provine al, quo pu
erei, e rnesmo desejo servir em ulilidide
da nussa provincia, sem ser preciso ir Ion
ge d'aqui. Assim vus fallo com franqueza
o lisura.
Teuho servido comsincro o dcsinteres-
sa lo palriolsmo, tanto quanlo comporta-
ran) mulla intelligoncia u capacidade N1a
liz todo o b-m que dosojava ao paiz, nem
promelli faze-lo, porque fu; emp o pnu-
cipio meu nu pronetler n quo no dopen-
1
I'.c
RECEBEDORIA DE RENDAS INTEBNASCE-
RAES DEPERNAMBUCO.
Rondimonto do dia 3.....2148,551
^'CONSULADO PROVINCIAL.
Knndimento dn diK 3. 656,618
Movimento do porto.
Navios entrados no dia 3.
Liverpool -- 52 das, brigue ingloz Flint,-le
306 toneladas, capSo John C. YVright,
oquipagem 14, carga carvSo do peJra ; a
James Crabtree & Com anhia.
Ilav e 40 dias, barca francezi Pernambu-
co, de 194 toneladas, ca pililo Durruty.
oqulpsg.im 14, carga fazendas ; a J. II.
I.assorre & Go npannia. I'assagoiros, llo-
guier I aeaze Madamozil-Dosire C.
Scasso, Madamozelle-Solia TrulTaut.
Ilamburgo--56 das, pitacho hamhurguez
Johanna de 88 toncladis, capito C.
IHntr, oquipagem 8, carga qu'ijus^ mais
goneros ; a N. O Bieber tCo npanhia.
Navios sahiiot no mesmo dia.
Parahlba hllto brasileiro Flor do Brasil,
mestre Joaquim Antonio de Figuoiredu,
Cirga fazendas e mais gneros. Passagei-
ros, Jos lavares de Au Irale. Eliziario
Alexandrino de Barros, Mannc Francisco
Bolelho, JoSo Jos Vianna.
Ilha de S. Miguel com escala por Faial -- es-
cuna portugueza Thetis, capit.lo Manoel
Mana da Silva, carga assucar o mais g-
neros.
liahia oseuii 1 brasileira Adelaida, capillo
l'iuipiiilu J.1I1.1 da Costa Sirne, carga va-
rios gneros. Passsgmro, Cuilhorme Co-
sario da Ciuz.
ObtervacaO.
A bares americana Meca, tendo sabido de
New Bodfurl ha 41 moze, capito A. Ilesso,
carga ateite de poixo, ao mosmn capilo.
Veio a este porto refrescar, e segu para a
ni s'ii .1 porto.
tigos 24 J7 da lei provincial n. 286 le 17 de
maio de 1851, e sobas clausulas esoeciaes
abaixo copiadas.
As pessoas quo se propozerem a esta ar-
re 1 al:u;,lo comparceam na Sili das sessOes
da mesmajunla, nos dias cima declarados,
pelo meio dia, coropelentemenlo hsbilila-
das.
E para constar se manduu alizar o presen-
te e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesourarii provincial de
Pernambuco 18 le outubro do2852. Osa-
cretario, Auto Clausulas especiaos da arremalacilo.
1.' As obras dosconcettos desta ponto so-
rdo feitas tle conformi lado com o orcamnn-
to aprerenlado I ipprovacSo do l.x .. Sr.
presidente da provincia na importancia de
1:936,000 Ti.
3.a Estas oDras deverilo ser principiadas
no praso de um mez, e conclui las no do cin-
co mezes, cunta ios como determina o arti-
go 37 da lei provincial n. 286
3." A importancia desta irrematielo ser
paga em duas prestares iguaes, da manei
ra seguinte : a primeira quando o arre-
matante tiver fjilo metade das obras, ea
segunda quando estivoreni todas conclui-
das.
4.' Durante a cxecucSo das obris o arre-
matante dar fcil passsgum para o trasito
publico.
5." Para tudo mais quo nSo eslver de-
terminado as presentes clausulas, e nem
no orcamento, seguir-so-ha o que dispo a
lei provincial n. 286 de 17 de maio de 1851.
Conforme. O secretario, Antonio Fer-
reira da \ii:.iiiie ,. 1 ..
Pela admioisuacilo da moss do con-
sulado se faz publico, quo no da 6 do cor-
rente se hilu de arrematar em hasta publi-
ca, porta da mesma, e na forma determi-
nada no art. 291 du regulamtnto de 22 de
junho de 1836, 41 saceos com assucar, sen-
do 30 b. e 14 m com 248 arrobis 6 libias,
no valor do 497,237 rs., vindns do engenno
Tab, da provincia da Parabyba, tiacnia
Feliz Brasileira, mestre Jos Francisco do
Araujo, portoncentos a Eslevo Cavalcante,
o consigna-tos a Antonio Annes Jacome Pi-
res, apprcliendidos-polo guarda conferentc
Francisco de Paula Machado, lie mo o arre-
matante obrlgado a pagar odizimo da res-
pectiva provincia.
Mesa do consulado de Pornambuco 2 de
novembro de 1852.O a Iminislralor, Jo:1o
Xavier Carneiro da Cunha.
Deca raijoes
EHITAES.
mascarado ein voz baixa,
cu ic reconbeco..... espe-
I
o, dlisc
Bel ao sigual...
ra-111 e !
hile lornuii a entrar 110 quarto, pegou no veo
pelo que cobria o cofre e alou-o subre o roato
da duquea, depoia lanjou aobre ella ai corti-
nas do leito.
Agora csschoincm pode entrar, disse elle
vollando a varanda.
Pompeo acbou a porta fechada, c nao ousava
baler i o doutor arruucou os damascos da ja-
uella e lanjou-os a Pompeo.
O Italiano subi logo varanda com o aoc-
corro desta escada improvisada.....
Pompeo, disac-llie o doulor, nao temos
um instante a perder, ocardeal he apieaaado.
Eicelleocia, estou as suas ordena, reipou-
deu Pompeo depondo os dous saceos no meio
do quarto.
Pompeo, tornou o mascarado, pens que
nao le esqucceslc das uossas convciicci ?
Nao, aeuhor, nem das su.5. nem das
niinliai.
O doutor reprimi uui aorriio de amargo
deapeito.
Tu sabes que a viuganca de Richelieu he
inuitaa vezes justica..... conlinuou elle caute-
losamente.
-. Sel que o eordeal lem sem duvida dircilo
de fazer o que o senbor val me diier que laca
aqu, reapontleu Pompeo einpailldeceiido.
Odia pois. e aprompta-te 1
O doutor abriu cotao ai cortinas do Icilo, e
0 lllm. Sr. inspector da thosouraria pro-
vincial em cumprimento da ordem do Exm.
Sr. presidente da provincia de 30 deoutubro
prximo passado, manda fffzer publico que
nu dia II do correte ir a io:ici para ser
ajomalado peanlo a junta da fazenda i\a
mesma thesouraria, a quem por menus Ir-
zcr a obra do enrocliamento em Irente a
ponte da ra da Aurora, avahada nov.i-
bentoem 1:188,000 tis.
A arrematac.lo sera foita na fuma dos
artigos 24 e 27 da lei provincial o. 286 de 17
de maio de 1851, o sob as clausulas espe-
ciaes abaixo copiadas
As pessoas qua se propoze cmi esla arre-
matarlo, comnarecam na san das ses-Ons
inui.li mi ao Italiano a iiiulhcr adnrinecida Ven-
do esse rosto coberlocom uin veo prelo. Pom-
peo reprima um cilreinecinieotoligeiro.
Alguna crlmc de calado, inunnurou el-
le. .. urna iniillier que j nao he 111.11 que uin
cadver.
Uin cadver, disse o doutor, he isso
mesmo. Oiivea a caso ella pronunciar uroa
Iun> 1 .leh.m. desse veo.' Reiponde, ella falla
l) Italiano perafe;iiou-ie.
Enlo, conlinuou o doutor, toma eise
corpo inelle-o uciae aacco. Por detrs della
vil 1.111,liem .1.lucilo cofre ?
-- Sim, senhor. vejo.
Ene cofre, e 055.1 inulber deveni dcsappa-
recer para sempre... Apressemo-nos.
Po.npeo permaneca aanlquilado, um com-
bate interior quebrava-lhe as Coreas.
Ellea deiarlparecero como Samuel, diaie
elle, o senhor assim m'ojurou!..
E o Italiano moitrava com o dedo um cru-
cifxo ao aeu guia.
Dianle deisa imagem sagrada o doutor rc-
cuou ao principio, depois respoodeu ;
Slm, juro ainda que vers Samuel.' S'.in,
conlinuou elle a parle tu o veril.
Epoderei vingar-ioe delle.
I'u te vingari.
Sexla feira 5 do corrente. depois da au-
diencia do lllm. Sr. Dr. juiz dos (eitos da fa-
aenda na sala das au.liencias, tem de se arre-
matar .ni uliiui'i praca por execuedesda i'aien-
da provincial os seguinles bens ; 1 casa terrea
lita na ra do Fogo n. ii, avallada em I :!00/0fl0
por cxeeiie.iu contra os herdeiros de Antonio
Francisco Marques; outra dita n. 67, na na
do Motocolamb por I50,00, por czecucao
contra Antonio Joaquim de Mello, outra dita
de laipa na ra do llruin n. 1 por >tio,00U, e 1
terreno contiguo com una peqiieua casa de
madelia poi 30n,o00, penboradoa a Antonio Jo-
s Prea da Silva ; 1 casa terrea slla na Ra Ve-
Iti.i n. 2l por 600,000, penliorada a Annado
Carino Fernandes; outra dita de taipa e tijollo
sita oa ra do Motocolomb o. 73, penhorada
a Auna Maria do Nascimenlo por 19,2(10 ris ;
ditas os. I A c 52, na ra de S. Miguel dn A-
fogado, a primeira por -j;000,0 poroO.nuo peuhoradaa a Jos Pedro de Farias;
outra dita de taipa n. 6 II sita na ra de Joiio
fernandes Vlelra por liO.OOD, penhorada a
Joao Evaugeliata da Costa e Mlva ; outra
dita :> 52, illa na ra doQuiabo do bairro do
Afogado por 30.000, penhorada a liento Joa-
quim de Carvalbo 1 olaria sita 00a 1 oelhoa
n. 23, com diversas beinfeitorias por l:?0'l,00',
penliorada viuva de Aulouiu Joicdc Almci-
da i.a renda annual da casa de sobrado de uin
andar na rila de Apollo n. 17 em 120,000, pe-
nliorada a Joaquim .Nones da Silva; a renda
animal da casa terrea n, 3, sita na ra da ('lo-
na da Boa Vista, ein o.000, porexecucao con-
tra os herdeiros de 11. Genoveva Perpetua de
Jess Cablas; a renda annual da casa 11. j6sila
na ra das Cinco Pomas em 2o0,0r)il, penhora-
da a Jobo Juaquim de Figueiredo. Coiopare-
ca quem quizer arrematar.
O arsenal de marmita compra 200 il-
Iit res de Cll branca, da melhur qua idade
e eontr la o f n .coi ucirn de Cal ireta para
ss obras do mclliorameulo do porto pelo es-
paco de tres mezes, sendo olla foruecida a
proporcSoquo fr sendo nncessana- As p s-
soas a quem cunviu: scnicha .1: vrnla o for
necimonto compir-tam nasla .....1111.1.11
paanBaVBBBSBMkaaaalABBSJBa)
-- Hasta, dilc Pompeo. Nao lie esta inullier,
lie Samuel que me parece que vou sepultar pa-
ra sempre i
I. guiado pela luz que enlo o doutor leviva.
Pompeo pegou na inulber que eslava noleilo
deiaando escapar uin rugi.iu d'alegria. Seu
corpo iilun .j 1. seus bracos, e seu poscoco, el-
le os .1 olii ou como I n o cacador a una cabra
montea que acaba de matar.
Un eatrenieciinento horrivel e feroz agitava-
llie os ineiubros, eem seus olbolliaviasanguc
e r.IV. 1
Asiim leja feito de Samuel, disie elle a-
pertando as cordal do laceo.
O doutor o vlu obrar como se ic tratasse
d'um corpo j privado da vida. Neohum sui-
piro, iienlllllli.l -1 lien I -. rs. i|. 1 v III di-.ssl bOC-
i (cebada com o sello d'um iuiplacavel aom-
i, encadeada por um torpor letbargico...
Agora, disse elle, toma cise cufie.
Pompeo levantou sua fronte petada, elle nao
sabia oque via, porque l via Samuel... Che-
cando junto do cofre, levantoii-o com ino se-
gura, <|ue encerrava ene estojo de cedro, el-
le o ignorava ; mal por, ordem do doulor niet-
leu-o igualmente uo laceo. O doutor chegou
de novo i Janella.
l-.st.unos seubore dn terreno, prosegiliu
postas em carias fechadas.
~ Pranle o Sr. Dr. juiz do civel da pri-
meira vara desta cidade, se ha de arromatar
nos das 5, 9, e 12 do crrenle,tima casa ter-
rea meia agos, sita ni tnvessi da Senzslla
.Nova n. 14, perteocente a JoSo Prudencio da
Cruz e sui mulher, na execuco de Alexan-
dre Rodrigues dn A l nenia, a qual fon iva-
liada em 400,000 rs.: quem a pretender dt-
rija-seasala das audienciis nos dias refe-
ridos.
los Camillo do Reg Barros juiz de
paz presidente da mesa parochisl dafreguc-
zia do l'oeu da Panells, avisa a todos os se-
nliores eleitores suplientes, e mais votantes
daquolla frcguozia, que por n.to so adiar a
igreja matriz om osla 1o do nella so celebrar,
e ser feito o processo elettoral, e mais actos
inherentes a eloico de domingo, 7 do cor-
rento, visto so acttar em obras : convoca por
isso aos mesaos senhoroi clellorese mais
volantes para assistirem ao mesmo aclo, ni
capel la dnS. I'antaleflo.na povoacSo do Mon-
teiro, pertencentea mesma freguezil. E pa-
ra quo chegue ao con declnenlo de lodos,faz
o prosonto om virtude do artigo 4.', titulo
i., capitulo I.0 da lei de 19 de agosto de
1846
Osubdelegalo da freguezia de Sanio
Anlonio faz publico que a sua ordem se acha
preso, na cadeia desta cidade, o prolo Elias,
quo diz ser cscravo do Manoel Eleulerio, se-
nhor do engenho Fofo, donde fu gira.
0< creJoresdo fall lo Leopoldo Jos da
Costa Araujo, residentes nesta praca, Viu-
va Amorim <\ Filho, Oliveira IrmffoscV Com-
panhia, Antonio Ignacio de Madeiros, Joo
Java res Cordeiro, Amorim & IrmSos, Joflo
l.eitc Pita Orligueira, Manoel Concilves di
Silva, Russell Molinrs & Companhia,Jos Ro-
drigues Pereira, eane Youle Companhia,
Antonio Francisco da Silva Carneo, Anto-
nio Joaquim de Souza Ribeirn, Novaes &
Companhia, Manoel Joaquim llamse Sil-
va, Manoel Jos Ribeirn, (us Cyprianu de
Moraes Lima, Jacintho ElesbSo, Caetano
da Costa Moreira Jos Joaquim Fernandos
e Antonio Comes ; Marcelino de Souza
Pereira de Brilo, em Lisboa ; Antonio Fer-
reira da Silva Santos, no Maranh.lo Novaes
& l'assos, no Rio de Janeiro; Araujo rV Car-
valho, na Bshia ; Manoel Ferreira dos San-
tos Magano, em Santa Catherina; Antonio
Ferreira da Silva, em Santos; Manoel de
Souzi Comes, Manuel Jos Rodrigues Valla-
dares e Francisco Jos da Costa Araujo, no
Rio Ciando do Sui, comparecam por si ou
por seus procuradores bastantes no dia 5 de
novembro prximo soguinle ao meio dia,cm
casa da residencia do Dr. Francisco Rodri-
gues Selte, juiz municipal da segunda vara
e do commercio, na ra da Concordia n. 21,
aiiui de cli'gen" n novo administrador da
casa fallida, para substituir a Jos Saponli
que foi dispensado da administrarlo, le-
nle 30 de outubro do 1852. O escrivo in-
terino, Manoel Joaquim Baplista.
1 uno de l'eniinitnKM.
Os descontos rontinuam a 8 por cenlu
ana mu, por letras at 6 mezes. Compra e
vendo letras sobre o Rio do Janeiro do
qualquer quantia ea presos rasoaveis. Tam
bem recebe dinheiros a premio de 5 ror
cunto ao anuo, a nao menos de 6 mezes do
praso. Banco de Pernambuco 30 deoutubro
do 1852 O secretario, M. I. de Oliveira.
--Pela secretaria da thesouraria de fazen-
da, se faz publico para conhecimento do
quem convicr a ordem circular do tribunal
dolhosouro iiaciunal n. II abaixo transcrip-
ta, ,'nlvei lu lo se de que nenhum andamen-
to lero os requerimenlos que forem apre-
scntalosseiu os requisitos determinados na
dita ordem.
Secretaria da thesouraria do fazenda de
Pernambuco 29 deoutubro da 1852. O of-
flcial inaiof interino.Emilio Xavier So-
bri'ir.i de Mello.
Ordem a que se refere a declaraco cima.
Circular n. II. Joaquim Jos Rodrigues
Torres, presidente do tribunal do thesouro
nacional, tendo ubservado que muitos re-
querimenlos teem sido romeltidos ao the-
souro pelas thesourarias das provincias e
oulras repartieres de fazanda.aem que te-
oham si lo dala os e assignados polas partes
inlcressadas, ou por s us procuradores ; re-
commonda aos Srs. inspectores das ditas
thesourarias e aos chefes de reparlicOes, quo
n.lo ad.niitaui a despach > requerimento al
gum quo no seja datado e assignado co-
ino jase tem ordenado.
Thesouro nacional cm 22 de marco de
1851. -- Jntquim Jos Rodrigues Torrea.
Conformo. JooM>ria Jacobina.
THMTIIO
Como o cardeal ae viuga aqu delta I elle, a lu desappareceu. A Mourisca dorme,
uiulber l i partamos '
-- Slm, tu podras uin dia lerubrar-me cssas j Elle apagou a lampada e cerrou as cortinas
palavras, .lis-e o mascarado com voz surda. ido leito.
Que mais queres ? 1 Depois de terem ambos dcscido a cicada
16/ RECITA DA ASSICNATUBA.
SABRADO 6 DE NOVEMBRO DE 1852.
Grande e rariad'j espectculo.
Estrs do ador Manoel Joaquim Mondes.
acharam-sc na ra. O HnutoTlIiibaicarregado
o cofre, e Pompeo a mulher. Ainhoa ganha-
rain entSo a poute Marie...
Pompeo, disse o doulor depois de ler en-
costado oa dous saceos no parauelto, Pompeo
lembra-te da tua promesia 1
Messe mcsiiio nioineutn um passo ligeiroque
vinha da ponte da Touruelle fez estremecer os
dous homens.... A nolte era profunda c nao se
distinguia ornbuina luz na liba de San Luis.
-- Alerta, Pompeo .' disse o doutor, atlra es-
sea dous aaccoi no Sena !.-.
Pompeo ia obedecer, maj vencido pe'o peso
(rnm dos saceos deisou-o apoiado contra o ou-
tro aobre o parapeito da ponte...
Talvez tambein a idea de seinclhaotc atlcn
lado gelaase ai Torcas do Italiaoo...
-- Sentido tornou o doutor, eu te ob-
servo!
Diiendo estas palavaa, o doutor puiou de
uin punli.-il, eabrigou-sc depois debati do al-
pendie mus viilnbo da ra dea Nonaindle-
rea... Pompeo heiitava alada quando lembrou-
se da ordena absoluta do cardeal... elle levan-
tou o aacco ein que eitava o cofre e ia lanc-i -in
no sena quando enlreviu ao aeu lado una
forma humana... Era um rapaz que ae mili
nava tanibciii sobre o parapeito.
( Conli/iaar-ie-li-i. )
.1.
/>


/>
liopuis da execuco de noia brilhtote ou-
vertura subir* i scena o drama em 1 acto,
ornado de msica.
O |iobre Jacques.
Pertonageni e aclott.
JacquosJ. A. da Coala.
Marcello-L C. Amocdo.
BernardoB deSenna.
AmeliaL OraalMendea.
AntonioM. /. I'into.
Em seguida representar-se-h* a comedia
em 3 actos ornada de coros.
Keniilard em Hespanlia.
Vcrionaytns e adora.
Desir Reniflard M. J. Meodes.
D. Benito-II. J. Pinto.
I). Ramn de la-CruzJ. J. Bozerra.
D. IigoL. A. Monteiro.
PabloI'. B. S. Rosa.
D. Catalina. Florinda Knolh.
D. Roslna D. L. Ursat Mendos.
GustnlnRosendo.
l'in desconbecido N. N.
I ni aguasil-N. N.
Soldadus, salteadores.
Terminar o espectculo cnm a sompre
applaudidafarca lyrica em 1 acto
O Bcijo.
Na anal far a parte de talaia a Sra D.
Manuelita Luccique se acha novamenle es-
cripturada.
i'rinripiara >s8 lloras.
Advertencia.
Scientica-se aos amantes de bi-
Ihetes e cautelas de loteras do
Rio de Janeiro, que hoje se acha
aberto o novo estabelecimento dos
mencionados bilhetes na praca
da Independencia n. 4<> j portan-
to, roga-se aos mesmos queiram
dignar-se experimentar a sorte ,
pela primeira vez, no dito estabe-
lecimento i certos dequeencon-
traroum bom sortimento cujos
nmeros sao inteiramente dilie-
rentes daquelles, que co-tumain
vir a esta provincia os quaes se
vendem peios precos abaiso, e he
pago inmediatamente qualquer
I premio sem descont.
Bilhetes inteiros u.ooo
Meios bilhetes n,ooo
I Quartos 5,5oo
itavos a,8oo
Vigsimos i,3oo
Desappareceu no dia 22 de outubro.utna
do estatura
sDlinetes ja soacham a venda, tyer- "'' t"" """!.....""f-i.";I."n"",w,"
tindo-ae que os camarotes de 3.'' orden, uUr< cho" "S'Rffi St li,ir.
cmquanto se nao aaODOClar o"'- 'evou um roupao de chita verde de li
continan) a vender-se por 6,000 rs.
I'ublicacoss litteraria.
Sabio a luz a lerceira cdiccSo do resumo
de
primei
tom
i-mu palmas solas, e j foi vista com panno
do Cosa: roga-se as autoridades puliciaes
le capitales decampo, queiram emprogsr to-
da a diligoncia sobro a apprehcnso dedita
e leva-la a scus sonhorrs, na ra
ilar, ou na do Hin-
que so recompeu-
Precisa-se alugar um oseravo de meia
idade, para servico de caaa de portas fra :
quem tiver annuncie, ou dirija-se ao ater-
ro da Boa Vista, primeira fabrica de charu-
tos do lado tsquerdo.
Precsa-ae deaim caixeiro, do 11 anuos
de Idade, para urna refluacSo : a tratar ni
ra Nova n. 50.
Deseja-s fallar cnm o Sr.Antonio Mar-
ques deMedeiros.qun diz morar na estrada
Nova, para se Ihe. dar a rosposta de sui
carta : no pateo do Paraso n. 22.
~ Deseja-so fallar com a senhora D. An-
tonia Francisca de Mello, para ae Ihe dar a
rosnosta de sua cirta, sobre o negocio que
propOa : no piteo do Paraso n. 22.
Precisa-se de urna ama aecea, que en-
tend alguma cousa de engommado: na ra
da Praia n 49, primeiro andir
Precisa-se de um bom cosiobeiro, que
seja perito e activo na sua arte : na ra do
Trapiche n. S.
Aluga-se um bom mulequinho, de 13
anuos ile idade, para o servio de Igiima
casa do familia, ou de homem solteiro, pois
he de ptima conducta! as Cinco Ponas
n.112.
Na ra do Livramento, sobrado n. 10,
se diri quem d dinheiro a premio.
Na ra do Livrarnonto, sobrado n. 10
3
Alinalo.
Roga-so ao senhor M.'li. H. B. o obsequio
do mandar pagar na ma da Senzalla Velha.
n. 46, o seu vale que sta vencido ha seis
mezas, do contrario passar pelo goatinho
do ver o seu nume por extenso em quanlo
nSo pagar.
Precisa-so de um criado, para tratar de
um ovillo e fazer algum servico interno e
externo de urna casa de pour.a familia: n
ra da Al'giia na Boa Vista n. 42.
Existo na ra do Trapiche n. 6, urna
carta para Jos Julio da Silva, vinda de Lia-
boa, no vapor Teviot.
Precisa-se de um cont de ris a juros,
ilando-se por hypotheca um sitio e dous es
cravos, pelo lempo do 8 mezes : quem qul-
zer este negocio, dirija-se a ra estrella do
Roaario n. 8 segundo andar, quo se dir
quem he.
Bazar, ra do Vigario n. 4.
Neste eslabelecimeDto se acha presento-
mente nm sortmantu de fazendas Irancezas
e inglezis todas as quaes se vendem a rete-
llio ou em porgues ao gosto dos comprado-
res, pelo proco de atacado, lambem se acha
mantas de linho mullo lindas, para monta-
ra, palitos feilos, urna machina galvnica,
muito lindos quadros, uns plntadoa a oleo
se dir que. vende varias obras de ouro outros de estampas, um cabriole* eai es
* tadi. narfmtn m mnini mua nhierlns nni
prala.
tado perfoito, e muilos mais objectos que
Sabio a luz a lerceira odiccSo do resumo' '
i erylhmetca, pelo antigo professor -< dnCn7a'n 9 segundo an
imeiras letra Cardim, quo lana Mtlma *."W :'u"'lo indar
m merecido do publico ; vende-se a 640 *JD" 36, ge8un,, 8na,r'
rs.: na livrana n. 6 e 8 da praca di In lepen-! Ausontou.se ie casi de s.u senhor, no
Avisos martimos.
, da 27 de outubro proxiu.o passado, a preta
de nome Joaquina, dnselo Benguella : al-
ta, cheia do corpo, bracos grossos, dentes
,, .,--------rz--------------- I bem alvos, cor fula, tom um sitial de quci-
Leara e iMarHiiliao. i ,,, tura na tca direiti at o meio do pesco-
Segue em poucos das, o bem conheoido co, e outro no lagarto do brago : levou ves-
brigue escuna Laura; pira carga e passagoi- lido de chita anuir-Mu,e panno da Costa ve-
ros, trata-ae com o consignatario Jos Bap- Iho ; gratifica se bem a quom i levar casa
lista da Konseci Jnior, na rus do Vigario ,n. 10, junto a igreja da Estancia.
D.23, ou com o capiao na pragi. O ahaixo assignado, res.dente na Ba-
-- Para Lisboa a galera portugueza Mar- |hia, avisa ao Sr. Daniel, na ilha do Fornsn-
garida, capitn Silverio Manoeldos liis, sa- do, que nesla ci la le declare que n suas ve-
healOde novombro vlndouro : quem qui-.zes fac, para receber a importancia que o
zer carregar ou ir de passagem, para oque; mcu cisal Ihedove.-Jos Pedreia do Canto.
I ni excedentes commodos dirija-se aos I Desappareceu a 14 de outubro desloan-
consignatarios Oliveira Irmaos r> Compa- no, a negia Ignez, de nacflo Costa da Mina,
nina, na ra do Apollo n. 14, ou ao ruferido
capilSo, na praca docommercio.
Vende se a veleira e bem
construida escuna brasileira Ade-
laide, forrada de cobre, <; prestes
u seguir para a Babia por j estar
carregada. Faz-se a venda para
Iru-'passiir a posse do navio, ou
antes da sna sabida, uu depuis da
Ma volta da Babia; c erlectua-se
que representa tor 33 a 35 annos, secca do
corpo, altura regular, olhos vivos, tem na
face esquorda urna marca preta, o dous ta-
inos da marca da sua Ierra no hombro es-
querdo na coixa da perna um carogo e
urna marca de ferida que parece ser boba,
tom es peitos pequeos e em p, e os ps
cambados, he bem fallante, e quando anda
puxa pela perna ; levou cabeco de mada-
poln,vestido de chita ingieza de listras rou-
xas j desbotado, saia de chita franceza
branca com lisras rouxas, e panno da Costa
rouxo velho : quem a pegar queira lova-
a a ra do Trapicho n. 36, segundo andar,
r, .eia aI por faltado espaconSo se pode parlicula-
tiompanhia lusitana de paquetes fizar.
vapor Precisa-so do um molequo de 14 a 16
Os senhores accionistas desta companbia annos, pira o servico do urna casa depouca
sao convidados a dirigirom-se a casa do a- Timilia : quem o tiverc quizer alugar, fallo
baixoassignado, ra do Trapiche n. 20, ate na tua Nova n. 36, luja de culilciro.
o dia 19do concille, para declararem quem Precisa-so de srvenles Iivres ou escra-
os representar na ci lade do Porto, e en- vos, para a obra da ponte da 1 assagcm da
trarcouia primeira prestarlo de 20 por cen- Magdalena, pagando so a 600 rs. diarios :
to de suas aceces, como estabelece o contra- quem quizer pJe dingir-se a
aquclles senhores que
. a a i un uu impiliuu H.
porque seu dono quer retirar-se : qu0 ser recompensado.
quem pretender compra-la, pode O Sr. .loaquim Rodrigues
drieir-se ao coasignatai in, na rila i de Oliveira, tem urna carta vinda de Europa,
. rS i o i na ra da Cruz n. 6, primeiro andar.
do trapiche Novo n. 16, segundo
andar.
l'ara i Baha
Acha-sc fgido o escravo, crioulo, de
nome Vicente, de idade 28 annos, cor fula,
cara redonda, pes grandes, vestido de roupa
de algoIBo, com principio de barba n suis-
Sahe o hiate Ligeiro, forrado o pregado de sa> portence'nte ao Sr. Jo5o do llego Maciel:
cobre; para carga o pafsigenos, trata-se na ,,tlleat 0 pPg,r |0vo-o a prensa do Joaquim
ra do Vigirio B. 5. jso Ferreira, no Forl.n do Maltos,quc se pi-
Para O Ceara [gara toda a dospeza
Sahe com muita brevidade o hiato Augeli-: -- Precisa-se de um ciixeiro do 10 a 12
ca.quejalem parte da carga, e para o resto, > anuos para venda : na rua dororten. l.
trata-se na rua da Cadeia do Recito n. W,\yyiQyyy primeiro andar, ou no trapiche do algodo, j gh
rom o meslrc. >
-- Para o Rio de Janeiro saliir com a]
maior brevidade, o bem conceiluado brigue
Piquete de Pernambuco, recebe carga o es-
rravos a frete, e lein aceiados commodos
para paesageiros : quem pretender qual-
quer daa cousas, i o .lea dirigir-se a sen
proprietario Manoel Conexivos da Silva.
Vende-se o brigue brasileiro Sara, de
lamosa conslrurc,3oinglezi, todo de carva-
-'!
al
<=-
c.
28 RUA DAS CRUZES 28, J
Mrigiilapor um pharmactutieo approvado Este estabelecimento possue todos HOMEOPATHICA,
.>
i
s-
* os niedioamentos ate agora expen-
Iho, prigado, encavilhado, e forrado de cu-1 ;> montados, taulo na Europa como no
bre.e no melhor estado possivel;pois lu.ape-1 <> Brasil, c proparados pelas machinas *
nasdous aunosquosaliio do estaleiro; lem da invencno do IH'. Mure. <:
oxcollentos imarras do ferro, e o ina{aine c
veame quasi novo, lie lie viole mil arrobas
de carga, e ichi-se iuteinmenle proparado
a navegar para qualquer paite: os preten
dentes podem examiua-loo tratar com Bal
thar e Oliveira, na rua da Cadeia do Recife, a> remedios homopalhicos e 3 obras
Carteiras de 12 tubos al 160, por
|T precos variaveis, conforme a quali-
^ oade das caixas, a quanlidado dos re-
medios e suas lynainisacOes.
SV lima carteira com os 2i principaes
armazem n. 12,
Segu para o Rio dejanoiro nestes 10
das o brigue nacional Klor do Rio, do en-
cllenle marcha, forrado o pregado do co-
bre, lendojmais da metide de sua carga
prompla ; para o resto da carga a frete, es-
cravos e passsgeiros, lnta-so no escriptoiio
do Jos Candido de Marros o. 66.
Aviso* diversos.
to de issignalura
prefenrem qui pagar o (oderBo faier,visto
star para isto aulurisado pela dIreccSo.
Manoel lluarl Rodrigues.
a}>#?* *? *'**S
*t Germanistas alerta! 9
9 A Manoolilacontratou-se de novo no a>
a tbeatro do Santa Isabel I ..EentBoPI! m
+ O pai do Vigilante.
#*ff> *??># 5
Precisa-se de 20U,000ria a premio pe-
lo lempo de tres mezes dando-se lirma a
contento : na rua da Senzalla Nova n. 39.
Noamanhecer do da 3 do novembro,
no sitio do Monteiro da fallecida D. Citharl-
na, roubaram ao ahaixo assignado os objec-
tos seguuiics : 1 relujo sabonelede ouro pa-
tente suisso, n1o lem nomo no fundo da Oti-
la, lem O 6182, com um.correntio ; I alli-
netede pello, 7 coris, 1 imagem de Santo
Antonio com os scus competentes onfeiles,
I bmdeirae2cruzes: todos esles objectos
do ouro, assnn como lambem entre alguns
papis slgumas lolras ; roga-se a toja e
qualquer aulori ladeo mesmo a alguns ou-
rives quo sendo offerecidos deem parte a po-
lica para ser o Iadr3o capturado, que atrio
bem recompensado no menino sitio cima
declado. Claudimi Paulj de'Lyra Flores.
Koi preso no da l.'de novembro nos
cannaviaes
escravo
chato, beicos linos, testa grande con uina
cicatriz cima da pestaa do olho osquordo,
e outra junta atravessando o canto do mos-
mo oliio, com sigues grandes de acoules
as nadigas, pernas riuasi lovod camisa de
algodSo trancado e cale* do chiti azul, e
Aluga-se urna casa, nisrtnsse-
gunites : das Cinco Ponas, Au-
gusta, de Hurlas, Concordia, tra-
vessa da dita e Agoas Vordes, seja tei-
roa, ou sobrado: quem tiver, annuncie.
III n. e Exm. Sr. conselbeiro presidente
da relacSo.--Diz Jos Fernandos da Cruz
que para bem de seu direito precisa que o
escrivBo Ferreira revendo os autos flndos
de revista civel entre partes, recorrente Pe-
dro da Cunha albuquerque e outros eo
tupplicanle Ihe de por certidBo o theor do
accordam do supremo tribunal de jiislisa,
pelo qual foi denegada a revista. P. V.
Exc. detrimento.-E R. M. Passc. Recife
23 de outubro de 1852.--Azevedo.Antonio
Joaquim Ferreira do Carvalho, escrivSo das
sppellacOes o aggravos da relicSo de Per-
nambuco etc.
Certifico ser o theor da senten^a do su-
premo tribunal de Jnstisa proferido aos au-
tos mencionados na peticBo supra o se-
guinteT-Vistos, expostos, e relatados estes
autos'civeis entre parles simultneamente
recorrentes e recorridas, Pedro Velho de
Mello, Pedro da Cunba Albuquerque e ou-
tros, o Jos Fernandes da Cruz, negim a pe-
dida revista, por n5o bavr nullidade maui-
festa, nem injustas notoria no accordam
de que se recorre. Regressem os autos so
juizo, onde foram sentenciados, pagas as
cusas polo recurrente. Rio 22 dejuntio le
1852-Nabuco presidente interino, Pinto
Pecanha, PerdigSo Milheiro, Siqueira, Al-
meida, Cerqucira Lima, C. Franca, Ponco,
Castro Mascarenhas, Veiga. E maissenBo
couliuha en dita sentenca aqu copiada dus
referidos autos, aos qnaes me reporto, e
vai esta sem cousa quofa^a duvida conferi-
da a concertada na forma do estilo, sub-
scripta e assignada neslti cidado do Recife
aos 25 de uutubro de 1852. Subscrevi e as-
siguei. Em fe de verdjdc.--Aulonio Joa-
quim Ferreira de Carvalho.
Desappareceu no dia 28 do correnlo,
pelas 3 horas da larde, um papagaio: quem
o pegou e quizer restituir a seu dono, diri-
ja-se a rua du Collegio, venda n. 25, que se-
r lecompensadu.
i'erda.
Quom achou um annel de ouro com tran-
Daguerreolypo .
No aterro da Boa-Vista, subrado n. 10, ti-
ram-se retratos a daguorreotypo, dasOho-,
ras da roanliBa as 3 da tarde ; lambem vam-,
se tirar em casas particulares. Gupiamse'
retratos de daguerreolypu para miniatura
com i'xaclidBo ; exisliudo para os mesmos(
retratos ciixts e quadros de gosto particu-l
lar.
Antonio Francisco dos Santos Conde, a de cabello, e o quizer restiluir.pde o fa
retira-se para Lisboa. zer loja dos senhores Moreira & Duarte, na
Um mogo casado, bastante habilitado rua do Csbug, que gratificar generosa-
em tocar rebeca e pianno, o cantorla, como mente.
tambem a ensinar arguims pecas de dan e querendo continuir no exercicio fra jaria ,|U cunha, c paga-so bem.
da capital, do ensuio destes instrumentos, Pr.cisa-se do urna ama de leite forra e
oirerece-se a qualquer pessoa que quizor preferc-se par la de pouco.osem lilho : nes-
utilisar-se do seu prestimo dirija-so a |a Typogra.ilna ma das Cruzes.
rua de Hurtas n. 37. -Anda se alugam qualro grandes arma-
-- Aloga-se o segundo andar do sobrado ens, sitos na rua Imperial do aterro dos Afu-
silo na ruada Senzalla Vcllia n. 42, com galos, entro os sobrados do Sr. GusmSo o
commodos para graudo familia, por 15,000 Campeltb : a fallar na rua da Cadeia do Re-
oiensaes : a tratar con JoSo Leite Pila Cjfe| loja n. 59, com Jo.- lias da Silva.
Ortigueira, na rua da Cruz n. 12. Precisa se de una ama para casa de
-Os senhores Jus Eustaquio Maciel llOO- humein soltoiro : a tratar na praca da Boa-
teiro, eo acadmico Solu'stio, natural da Ba- Vista n. 5.
hia, moradores em Oliuds, comparer;am na Joaquim Antonio Ribeiro embarca pa-
vendadarua da Cruz n. 57, a negocio de ra o MaranhSo, o seu escravo Faustino,
aeus interesses. CASA FELIZ.
Precisa-so alugar um preto para servi- n praQi da Indopendoncia n. 36.
aes do engeuho Sanios Meudes, um da porlas do|ro jest, typographia ; o caulelista da casa cima annuncia aos
fula, de boa eslitura, naris grosso o quom 0 tier para alugar podo dirigir-se a seus freguezi-8 que boje principia a pagar as
liviana n. 6 e8 da prn?a da Independencia. suis cautelas premiadas da loleria da ma-
Cliegou este mez sement de alfaco tnz ; assim como troca pelas cautelas da lo-
muilonov,repolliudae sem mistura: quem teria do Rosario da Boa-Visla, que ha le
a pretender v a casa n 70, na rua da Sol- correr as rodas no dia 25 ne novembro fu-
dado. turo. Na mesma casa cima vendem-se bi-
~ Aluga-se por preco commodo, urna ca- ihcles, meios, quartos, decimos o vigsimos
Roga-se toa devedores do (nado Anto-
nio Jos Vieira d'Araujo, que veobam pagar
um terco de seus dbitos aos abaixoassig-
nadot na qualida le de herdeiros do dito
finado, para o que ae acham devidamento
habilitados ; isto pois o deverBo fazer no
prazo de oilo das, do contrario serBo seus
nomes, e quantiaa declaradas par esta fo-
Iha, e se proceder judicialmente. Rua do
Trapiche Nuvo n. 16 4. andar. Antonio
Jos Vieira d'Araujo, Jeronymo Jos Vieira
de Araiijo. _
Compras.
-- Compra-se urna escrava, moca, que
seja perfeita engommadelra, cosinhelra, e
que saiba enzer alguma cousa; na ruada
Midre de Dos n. 36, primeiro andar.
Compra-se urna carrosa forte em bom
estado, e um boi manco par a mesma : na
rua da Solidado casa terrea n. 42.
Compram-se as imagens de Nossa Se-
nhora do Rosario, e de Nossa Senbora do
Carmo, de madeira, o de 2 palmos de altura,
mesmo em uso: quem tiver annuncie.
Compra-se um negro que seja bum e
robusto, paratrabalhar em padaria: a tra-
tar na travesa do Rosario n. 2.
- Compra-se um methodode piano, pre-
fere-se de Vigairi : na travessa da Concor-
dia n.5
Compra-so um escravo de nacBo, de
idade al 30 annos, sadio, fiol, sem vicio,
paia o servico de casa, e compras na rua.pa-
ga-se bem ; na rua do Livramento, loja n.
19, se dir ajuem preteudo.
Compram-socscravos de rabosos se-
xos, para duntro e fra da provincia; agra-
dando paga-se bem : na rua estrella do Ro-
sario n 28, segundo andar.
Compra-so urna casa terrea, na rua das
Flores, pateo do Carmo, ou Camba : quem
liver dirija-se a rua das Flores n. 21.
Compra-so effectivamentn papel de Dia-
rios, a 3,200 rs. a arroba : na rua larga do
Rosario n. 15.
Compram-sn escruvas novendem-so, re-
cebem-so do couimlssao, tanto para a pro-
vincia, como para fura della: na ruados
Quarteis n. 24, segundo andar.
-- Compram-se escravos de ambos os se-
xos, para dentro o fra da provincia, agra-
dando pigao-so bem : na rua das Larangei- .
ris n. 14, segundo andar.
Vendas.
conduzio urna espingarda velha ; declara i gm H,Dl'/),ona, cum commodos para una eslt lotera. Tambem so vendem os mes-
que foi da Viuva doSr. Borges Leal, esleve graile fa,iii,. baixa de capim, estribara mos bilhetes na rua Nova, loja de chapeos
no deposito do Sr. padre olix o que ro ven-|altro c,v,i|0Si e cocheira : a tratar
didoao Sr. do engenho Tapacur : quomsoiCu|n LulI Gomes Ferreira, no Mondego.
julgar com direilo ao mesmo, dirija-se aoi
esoioeiige....., sullicenleinento h'.blil.-; VM t Vf ***? f Vf f VJf f fl
do, certo de quo o seu proprietario aenBo ,l> l'aulo (jaignoux. dentista.
responsaliilisa porqHalquer occu enca. |^ I'oilc ser |>l'ociii'ii(lo n |iiu-
auciscu Malhias Peroira da Coala ex- d
n. 4. Precos.
Bilheies
Meios
Quartos
Decimos
Vigsimos
8 400
4,200
2,200
1,000
500
cusa na m 9f$?,^9%>*,?mmmm***'*w
fio 11. .10, S^^GuTsUrORK) IPIMEOPATIIICO.
Francisco Malhias Peroira da cosa ex-, *r ,11101- liorii cm sin
porla para o Rio de Janeiro, a sua escrava ^ 1..l |ni->;\ 1I0 Ko/.in'
Paula, crloula, de 27 anuos de idade. |C sefUndOmular. Lotera de Nossa Senhora do AA^iAifcAA.*.^ A^fyli^AAAA* oi)r. casanova, estn iodo volts da
.. Arronda-se urna piopriedade, sua na Z Franc tom aberto o seu consultorio
li.-aio. 'rua da Florentina,contigua a do Sr. Beran- S na rua ju Trapicho 11. 9,no llulel Fran-#
As rodas tiesta lotera Olldaill im- ger.com ptimas proporces para nclla se ^ cisco, aoudo da consultas gratis aos *
1 r- ,C ^- -.,,!.. fundar qualquer estabelecimento om poni ^ nobres todos os dias.
prelerivel no da i5 do corrente Krailllo>MporMt9r bastapu exicnao, o porto JJM0tm*<9**99****9*
o resto dos bilhetes acham se a ven- de embarque polos fundos: quem a preten- .. i;i,g0lnia-so com toda perfeicflo e a-
,ta na lii da nos lugares aocosiume. redor dac-sa n. I6da dila propriedade. o ,'oja ^
~ JosoGuedesde Albuquorque vaia lor- qu,| ,|ii com quem so deve tratar do qual- ._ |,a.e pBi|uenasquanliis a premio, so-
tuBa'-........_. ,.._.i. quer ajuste. bre ponhores de ouro e prala, c rebatem-se
Aluga-se o sobrado de um andar e so- so|ji,s,|0s senhoresolliciaes reformados uni-
auient" : na rua do yueiinado, loja de ou-
ves 11. 25, das 7 as 9 horas da inauhaa.
999f999>: ** ****
J.
>
.
I
>
i
>

i>
a>
S Aviso aocommercio.
Visto a deliberacao da di-
ta reccao da associacao dos lo-
2 gstas desta praca recom-
an ilion iamlo aos seus mem-
I bros, de nao comprarem, se-
V nao em 8 casas entre 1 7 im-
portadores de fazendas e
I como os abaixo assignados
sao uns dos interdictos ; fa-
J zem publico aos senhores de
ti engenho, lavradores, fasta-
llenos e commcrciante.- ,
tanto desta ciilade, cmodo |,"
1 A Jane
interior e 110 povo em geral B eiori
desta pra;a, que franqueam *i
' seus sortiinentos de fazendas $
j. por baixos precos nao me- ,
a nos de 1 peca,ou tima dutia, >
difleronles in I spensiveis paia os
principiantes quo se quizerem con-
vencer da verdade da nova medici-
na ; contondo alm de muilos cou-
sollios dioicos, a pilhogenesia de _
48 medie mentes por 25^000 jjj
Tubos avulsos.icada um) 1/000 -#
Tinturas do lo los os meJicameii- m
tos em frascos de l|2 on?a 2000
AVIAM-SE GRATUITAMENTE
para oS pobres,todas asroceitasque ^
paraaliman larqualquer professor. ^
Na rnosn a botica encontrar-se-ba ^
sempre um grande sorlimenlo de li- .g
vrosem purluguez o francez o em- -tft
lim ludo quanto lio nccessaiio p > oostudo e>ratica da humopalliia
*
a dinheiro, ou a praso, coti-
la form se justar : noseuar-
9
mazcm da praca do Corpo
Santo, esquina da mi do
Trapiche n. t\8.
Kostron Rookcr tk C,
0- Negociantes inglezcs.
aJ*ai*>*V***ti*
Precisa-ae do um caixeiro para padaria
na rua Direita n. 82.
Offcrecesi para caixeiro do rua ou de
casi estraugeua um rapas brazileiro do 14
annos de idade, do que tem pralica ; quem
precisar annuncie para ser procurado. .
Perdeo-se na nuile de 31 rio Ibeatro de
Sinla Izabd, urna ataca de ouro lavrada
com urna chapa eoicima cravada com dia-
manles ; quem tchou querendo restituir a
sen dono dirija-se a rua larga do Rozarlo n.
44, loja de miudezaa, que se recompensar,
*i. B Refurmam-sc gratuitamente J
todas as carteiras vendidas no esta- J
belecimento do cujos remedios, pe- ^,
la humidade ou |Or qualquer ou- .4
ira causa tiverem sido deteriorados. <..
ia%*ft,4* No dia 5 do coriontn, depois da audl-
oncia doSr, lir. juiz da primeira vara do ci-
vel na casa domusino, ten do ser arrema-
tada por sor a ullima pratja, urna casa ter-
rea no lugar da Gasa Faite, froguozia do Po-
co da Panella, por oxecurao de Pedro Jos
Carneiro ilunleiro, contra Mara do Livra-
mento
-- Manoel Juquim Lobato v ao Rio de
iro, c leva em sua companbia as suas 3
cscravas, Antonia, catira, do 17 annos ; Ma-
ris, mulata, de 20 annos, o Maria, crioula,
de 17 annos.
Aluga-so um oscravo por mez, para
m'scalcar : quem livor dirija-so a rua de
Hurtas 11 10.
. No subrado In rua de Santa Tnoroza ,
precisa-so do urna ama de leite : quem se
quizei occupardcslo servico dirija-se a di-
' u cbsb quo achara com quom tratar; se fr
captiva inolhor.
Aluga-se para se pascar a fosta, urna
casa no lugar da Torre, que t las, dous quailos, oulro para dispensa o co-
sinha fra, bom lugar o mullo perlo do ba-
uho : quom a pretender dirjase a M guel
Jos de Almeida Pernambuco, no sobrado
da rua de Santa Tboreza, quo he quem a a-
"-!'Francisco da Silva Miguis, subJito
porluguez, retira -se para fra do imperio.
--'Dosoja-se saber onde mora nesla cida-
de o Sr. JoBo Ferreira dos Sanios, e aua so-
gra a senhora D. Rila Lourensa dos Santos,
llm de se Ihe fallar a negocio de inleresse.
Bernardo Dotel Pereira retira-se do im-
perio '
-- Precisa se do urna ama, para casa de
pouca familia: uo aterro da Boa Visti, ven-
da o. 24, ae dir quem precisa.
.- O Sr. Jos de Mello Cezar do An Ira lo,
procurador da cimara municipal dolinda, y^ ja rua do Seve, contigua a casa Finque CJ
venhaa rua do Crespo n. 23. ^ mora 0 r. Dr. Carvalho, omprezario do rj
Jindama Mauvernay & Compa- tbeatro, com commodos para gruido fami-
nlaia ,I 1,, ,1 1 Un ,' V isla 11 11 lia, quintal, cocheira, estribara o um vivci-
nliiH, aterrona Boa-vista n. n. ; al,8lir' ,,., ,|a cadeia do Recife n
Tem a honra de prevenir ao rcspcitavl 5J ouno escrlpir0 u.rreo n. 23, da rua da
publico, quo a loja que foi de madama Por- ..'_
ta se acha novamonto auoita com um com- __'a, rua dl (:aueja 0 necife, escriplo-
pleto sorlimenlo de objectos do loil eto para 60 .prccjsa.s0 ,,0 um PSCravo para ser-
senhora, bem como, vestidos de seda, cha- j d ca fami|ja p,ga.Se men-
eos, enfeites para solr, manteletes, capo- ")"',, K
_i__________..1-1. .m..l*k< ...........1.,!..,.. aHIIIH'1'l
IllUAli UO IIK...JAKII.
TRADUZIDO EM PORTUGUEZ.
16,000 rs. de assignntura.
Sabio a luz o primeiro volumo desta obra,
a melhor de todas em seu genero : o uoico
pe .
tinbos com coleto o camisinha,poscocinhos,
romeiras, manches da moda, bonets o cha-
peos para meninos,hurzeguins para os mes-
mos ; rendas de tolas as qunlidades,tranr;as
e franjas de todas as cores, e muilos outros
objectos que se tarto patentes aos compra-
Jores. Na mesma loja faze:n-se vestidos o
--------------------------------- [Uiiriii. '' ....... ... .- r.---------~-~-------------
roupa para meninos, chapeos e enteiles para verJaueiro |ivru, por onde so podo estudar e
baile, ludo pela ultima modaqpor precos pralcar a homeopathia. Esta ntidamente
commodos. imprcsso em excellente papel, com todos os
Precisa-se de um rapaz que de lador a S8J0!, quoconlm oonginal para denotar
sua conducta, para caixeiro de urna loja es- g dn;erenca do valor dos syniplomas.
trangoira : aquello a quom couvier, appare- oootrtai, a assgnatura 110 consultorio ho-
O abaixo assignado d> novo pede ero-
ga a lodos os seus d. vo lores, para quo sem
perda de lempo venham saldar seus dbitos,
pois quo se o no lizerem se vera obngado a
usar dos uicios indicies; e para se DIO cha-
marem a ignorancia fazo presente. Jos
Dias da Silva. ...a,
sre#**atSS)*
m O bacharcl Wlliuvio propOe-.se a 9
m onsinar o francez o mais aUum oulro J|
S preparatorio, assim como olTerece-se
a dar licOes por casas particulares I
A) sexos, em materias de instruccBo lan-
m to primaria como socundiria : quom ti
tjk quizerutilisar-se de seu prestimo, po- m
+ do ,.rocura-lo na rua das Cruzes n. 22, *
*****'****>
.-Precisa se alugar por lempos, um pre-
to escravo de boa conducta, para trahalhar
tratar na rua da Soli lado cisa n. 42. meatos homopalhicos VEUDAK1ROS ; as-
Jos Joaquim Ferreira de Souza, deca- gjm como ricas carteiras, o reformam-se
ra ao publico, quo o aiinuncio publicado ora auaes,,uer bolicas, cujos modicamenlos se-
0 Diario 11. ;46, do 30 de outubro do Corren- ^ara fa|sos_ uu licle,orados ,uflsaiha be n cosinhar o diir
to anuo, sobre a cocheira do pateo do Car- ^^a^^f ?JJ((?5;^* ? oe mo, nBo so emendo com elle; pois nunca i|Ug,nl.se e vendom-se bisas na "' ecq,yo', r.-anjos? alm do
praja da Indopendoncia n 10, con- *
fronte a rua das Cruzes.
leve cochoira, e nem tao pouco negocio il-
gum com o Sr. Joaquim do Souza Cirne.
Precisa-so do seis conlos do res por \^Jjtmjf%^m9t%%%%%^9%%
lempo de sois mezes ou ir.ais, com o pro- _, |_,,Ya.S0 engomma-se, com muila por-
nno que so cunvencionar : quem quizer dar fecao e asseio : uo pateo da Ribeira de S.
annuncie. jase n 15.
Grande hospital ( --Oslllms. Srs. csludantos do quinto anno
O grande hospital de carida lo procisa do das sciencias juiidicas da academia de 0-
u 1 a enfermara quem quizer oceupar es- linda, que devem tomar o grao de Daciiare,
ta lugar procure o regente. sAo convidados para cumprarem as -lilas
Furlaram da sala do abaixo .asignado para as suas caitas, na loja n. 1, da rua no-
no dia I do corrente una garralinha para va atrs da matriz.
agua do colonia, do vitiro cor de rosa com No subrado da rua de S. Francisco n.
Iisiras do flores dourados o rolha do meia 8, ainda precisa-se alugar urna pola e um
loa, urna dita de vi iro cor azul, com rolha prelo, escravos; a primeira que saina la-
fiugindoumaangolica, urna dita de vidro zer o servico interno da casa, e o segundo
verde bordada de ouro, com rolha repro- para fazer compras e ludo o mais quo Ihe
sentando taubem urna anglica, urna ligu- fr detormihadu, 11S0 leudo os vicios de be-
ra depurcelana dourada, representando urna berefuilar.
satoia com una ceslinha na m3o, e um par Para so passar a lesli.
de ligaras pequeas de porcelana: a quem Aluga-so um bom sitio no lugar do Cor-
for olTerecido esto roubo poder aprehen- doiro. margem do Capihanbe.cum boa ca-
der, ou quem delle soubor dar parte que as- sa, estribara para tres cavallos, casas pa>a
r recompeocado, guardando-se segredo.-- pretos e fetor, pomar o jardim, assim como
Marcelino Jos Lopes. Daixas com capim e muita horlalice : na rua
O abaixo assignado confessa-se roli- do (Jueimado 11. 30, segundo andar, ou na
glosameiite grato a todas aquellas pessoas, roa da Madre de llous, trmazam do Barroca
que fizoram a honra do comparecer ao fu- & Castro.
neial da sua presada mSi, D Mana Antonia No dia 27 de outubro prolimo passa-
da ConceisSo. Luiz Cesariodo llego. do, desappareceu da rua Augusta, urna ca-
- Do-ae 500,000 rs. apremio, com so- bra preta com mallas brancas, e urna cabri-
giuana a contento : na rua Velha o. 81, se tinba de cor parda : quem della soubor, di-
iiir quem os d. l nja-se a dita rua, casa terrea de frente cor
Os senhores acadmicos do quiuloan- de chumbo, que ser recompensado.
no sao convidados compraras utas das Thomaz Ferreira Serrao, embarca para
suas caitas dodoulor, no aterro da Boa-Vis- i> MaranhSo em companbia do seu primo o
la n. 1; certo de que acharSo nessa loja mo-' bacharel Josa Mariano Alvea Serrfio, o seu
dicidade de preco equalidade superior. [escravo creoulo de nume Francisco. ,

Precisa --
solT-velrneulo, para o servico de urna casa
franreza : no aterro da Boa Vista n. 1.
.- Precisa-so alugar urna preta escrava,
cosinhar o diario de urna ca-
ra comprar respectivos arranjos; ai u uo suslenlo.da
se o vestir e 10,000 rs. mensaes : quem li-
vor annuncie, uu dirija-se a travessa do Ar-
raial para a Casa Forlo, no sitio quo foi do
Sr. Paulnio.
-. Acha-sc para lugar um sobrado na rua
da Uniilo, com os mclhores coinmodos.mui-
lo fresco e de excellente vi.ta: a entender-
se com o bacharel C. Xavier Lopos em dita
casa, ou no escriptorio do paleo do Collegio
n. 35
33P4*.?
r ^__^ l)ciili-l:i ainrilcnio.
^S t>. W. Ilii.vnon, el-
5 r1^
rarglfto dentista eon> *
iinuil extraer mi proiis- ?
sao, fuzeinlo toilns a operu- |
* roe* i|iir fol'CIII prensas (te
4 iHiiilqiici-iiatiirc?a,tuiitopor
I..I-.I.I1IHK1 miau 1 -i-siiii 1111:1. aj
oiulc porte ser prociirnrto n aj
? limli|in-r Hora : n rua rt f.
(j) Cruz n. 7, seglliulo aiuliir.ja
m 110 Itecifc.
*#**
Alugam-se duas casas no sitio do Ca-
jueiro, com commodos para familia excel-
lente banho, por anno, ou para quem liver
bom gosto do passar urna excellente fasta :
para vre tratar no mesmo sillo do Cajuoi-
ro da Passagem da Magdalena.
- A quem Ihe fallar urna mulatinna de
nomo Antonia, que represenli ter 10 annos,
pouco mais ou menos.procure na Uoa-Vista,
rua de Santa Cruz n '
78, om casa do subde
liOteria de Nossa Senhora do
liosa rio.
Casa da I nilin.i, na rua Direiti n. 7, nesla
casa, e na pri(a da Independencia loja do
Sr. Fortunato, e nos lugares docostumees-
tilo a venda cautelas, bilhetes e meios da lo-
tera cima, cujas rodas andam impreleri-
vel por todo o mez do novembro.
Billieles 8,000
Moios 4.000
(juartos 2,200
Decimos 1,000
Vigsimos *W
Lotera do Hio de Janeiro.
aos ao:ooo,ooo e 10:000,000 ders.
Nalojademiudezasda pra?a da
Independencia n. 4 vendem-se
bilhetes inteiros, meios quartos,
olavos c vigsimos, a beneficio da
i5. lotera do thcatro de Nicthe-
roy ; vein a lista no primeiro va-
por que chegar do l\io de Janeiro.
Na iiiLsiiia loja cima recebem-se
bilhetes c caulelea premiada da
lotera da Matriz da Boa Vista ,
em troca las que lem a venda do
IWo.
I'ra9a da Independencia n. 17.
Vendem se chapeos envemisadus dos mais
modernos, galilo de ouro do varias larguras,
holOes dourados lisos do Pedro II e de an-
cora, ludo por pretji commoJo.
- Na ven la di esquina da rua das Gruzos
n. 2, vondo-se manteiga ingleza.a 720, 610,
520 0 500 rs.,qiieijos, a i,120, presuntos, a
360, alelria, a 320, macarrilo, a 240, cha, a
2,240, dilo a 1,809, bnlachinha de araruli, a
560 rs. a libra, dita ingieza. a 280, paseas, a
320, figos, a 200 rs a libra, zeitonas, a 320
rs. a garrafa, doce, a 560 rs. o cuxSo, velas
deespermacete.a 720, ditas a 560, ditas de
carnauba, a 280 de 6 9 em libra, arroz, a
80 rs. a libra, dito a 100 rs., cat, a 160, di-
to a 110, assucar lino refinado, a 100 rs,, di-
to a 90 rs., dito hranco, a 80 rs,, farnha da
araruta, a 160, dita do Maranho, a 120; e
ja mo osqucceu do raelhor vinho muito ve-
Ino, a 1,000 rs. a garrafa, dito mais mor,o, a
560, dito do Lisboa, a 2,240 a caada, dito a
2,000 rs., dilo a 1,800, dito a 1,600, dito a
1,500, dito a 1,400, vinagro, a 1,880, dito a
640 a caada, azeite doco, a 610 a garrala,
orveja boa, a 480 a garrafa, e tambem be-
lendo seise pagando duas.istochama agra-
lar freguezes, e pareco-ueser muilo bom
para quem goste ; o muilos mais gneros pe-
lo baiatissimo preco, que s a vista do fra-
gaez se dir o preco.
-- VcnJe-se por 260,000 rs uina rela,
crioula, de idade 50 anuos, muito boa lava-
deira de varrcla o sabio, o lambem cusinha
o diario do urna casa, :io lem vicios nem
molostias : no principio da rua de Hurtas,
110 segn lo andar do primeiio sobrado an-
tes do becco de S. Pedro, junto a relinacSo.
Telo barato, para acabar.
Vondem-so spalos do setim preto fran-
cezos, a 1,000 rs o par, pules de bezerro
francez, a 2,560, e out as muitas obras do
paizdc todas as qualilide), e aviameotos
para sapateirus, ludo pelo barato : na loja
da estrella da rua do Livramento n. 19.
Vendom-se duas escravas, sendo urna
boa quilandeira o outra engommadeira : na
rua ostroita do Rosario n. 28 segundo
andar.
Vcnde-so urna casa Ierro na rui Impe-
rial, ii m sobrado na rua do Fagundes,e tam-
bem urna padaria : a tratar na rua do Livra-
mento n. 41.
Kcas bandejas recortadas,
de todos os tamaitos, grandes e pequeas,
com pinturas as mais delicadas poasiveis, e
mais barato do queem outra qualjuer par-
te ; na rua do Queimado, nova loja da miu-
dezis n. 47.
Deposito de cal e potassa.
Cunha & Amorim, na rua da Cadeia do
Recife n. 50, vendem barra com cal em pe-
dra, nova, chegada de Lisboa pelo ultimo
navio, o brigue Flor do Mar; assim como
barris com superior potassa nova, por pre-
cos rizoaveis.
Vende-se um sitio foreiro, plantado de
novo, com planta de capim para dous caval-
los, na freguezia dos Afogados : quem o
pretender dirija-se a mesma freguezia, do
largo da matriz n. 74,que achara com quem
tratar.
VenJem se tres molecotes de idade de '
15 a 16 anuos, fi ionios, dous mulatinhos de
idade de 14 a 22annos, de bonitas figuras.
os q'iaes acham-ao despachados pela polica
para soguir para o Rio de Janeiro, tres es-
cravos mogos, de servico de campo, um mu
lenado-aqualfoirncnilralatirdeda noito lato de Jale 30 anno. qne cosinba bem o
de hontem, duendo que eslava perdida, e diario de urna casa com perrelr.no, e duas os-
quo nSo saba a casa de sua senhora. teravas quitandeiras: na ruaDireita n. 3.



Sands
SALSA PARRILHA.
Vicente Jos de Brito, nico a-
genteem Pernambuco deB. J. D.
Sands, chimico americano, faz pu-
blico, que tem cbegado a esta pra-
ca urna grande porcSo de frascos
de salsa parrilha de Sands, que sao
verdaderamente falsificados e
preparados no Bio de Janeiro, pe-
lo cjue se devem acautclar os con-
sumidores de t3o precioso Talis-
mn, de cahir neste engao, to-
mando as funestas consequencias ,
que sempre costutnam trazer os
medicamentos falsificados, e ela-
borados pela mao daquelles que
antepoem eus interesses nos ma-
les da humanidade. Portanlo, pe-
de para que o publico se possa li-
vrar desta fraude e distingua a
verdadeira salsa parrilha de Sands
da falsificada, e recentemente a-
qui chegada ; o annunciante faz
ver, que a verdadeira se vende
nicamente em sua botica,.na ra
da Concei?3o do Becife n. 61 ; e,
alm do receituario que acompa-
nha cada frasco, tem embaixo da
primeira pagina sea nome impres-
so, e se achara sua firma em raa-
nuscripto sobre o involtorio im-
presso do mesmo frasco.
Moinhos de vento
com bombas de repuxo para regrar hortaa
e iiaixasdecaplm na fundicSode I). \V Bow-
m 111:11 ra do Brumns.6,8el0.
Deposito los o*
Taixas para enqentios.
Na fundicSo de ferro de D.
W. Bowman na ra do Brutn
paseando o chafariz contina a
haver um completo sortimento
de taixas de ferro fundido e ba-
tido, de 3 a 8 palmos de bocea,
as qnaes acham-se a venda, por
preco commodo e com prompti-
dSo, embarcam-se, ou carregam-
e em carros, sem despezas ao
comprador.
Feijao novo a 6,000 rs.
No armazem de Gooveij & Das, confron-
te a escadinha da Alfandega.
Chapeos para senhoras.
Vendem-se no atorro d Boa-Vista, loja
n. 1, chapeos de seda cum flores e bicos.pelo
preco de 8,000 rs. para cima.
Na rus do Crespo, loja n. 6.
Vendem-se supurores cortes de cambraia
desalpicos, com 6 lia e 7 varas, a 3,500 e
4,000 rs.; corles do cassa chita, de noros
gostos, a 3,340 e 2,500 rs.; cassa franceza a
?40 rs. a Tara ; cortes de brim trancado os-
curos e mesclados, a 2,000 rs. ; panno fino
preto, a 3,000 e 4,000 rs.; lencos de cambraia
de linho, a 480 rs.; ditos de cassa grandes,
a lfil) rs.; nsraiio i liuto a 180 rs. o c.ivailo
e muitas mitras fazendas em conta.
Botica homeopathica.
a8 ra das Orates a8 J.
Ha pra se vender algumas caixas +
,4 ricas com medicamentos em tintura
4 Cada urna ser comparta la de um
4 Frasco com glbulos inertes, e o
/ meio de os preparar.
-- Vendem-ae asseguintea aemenies:
nabos,rabanos,rahanelesoncarnadosebran-
cos, ~r lio la. couve trinxuda alface ala-
moa, repulhuda.chicoria, senoulas, feijSo
carrapato do tres qualidades, ervilha torta e
direita, fav, coentro de touceira, salea, to-
mates grandes, repolbo, couve lombarda,
saboia, e mostarda : ni ra da Cruz n. 46,
.-unios mi Hi.liii.. | derronte do Sr. doutor Coser.
Vende-se,emeasa deN. O.IIeber&C., Vendem-Seamarrasdeferro: na da
na ra iiai.ru/ n. 4,algodSotransado a-
qnella fabrica,muitopropno para saccosde
assucar eroupa deescravos.porprecocom-
00

ss
s.
O
M
c

"2
S
s
9ir
O
<
B
3
11 a
tfflffil
9-gS
o covado ou 4,5oo rs.
modo.
a i ao rs.
a peca.
Na ra do Queimado, loja n. 3, vendem-
se chitas escuras muito boas, e de lindos
mslizes, pelo baratissimo preco de 120 rs. o
covado. ou 4 500 rs. a peca ; bem como ou-
tras fazendas baratas.
Cal virgem de Lisboa.
Vende-se superior cal virgem,
chegada ltimamente de Lisboa, e
por preco muito em conta: no ai-
mazem do Caes da Alfandega n.
7, ou a tratar no escriptorio de
Novaes & Companhia, na ra do
Trapiche n. 34-
Fazenda da moda.
Vendem-se superiores cortes de cambraia
de salpico lirancos de cor, pelo diminuto
proco de 3,500 rs.: na ra do Crespo, loja
n. 6.
l'otassa americana.
No antgo deposito da cadc.a velha, n. Rtiamti
12 existe urna pequea porcao de potassa, mmente da Europa.
Senzalla Novan.42
Farinha de mandioca a i,6oo rs. a
sacca.
Noarmazemde J. J. Tasso Jnior : na ra
o dAmorim n. 35.
Deposito de panno de algodao da
fabrica de Todos os Santos do
Baha.
Vende-se o bem condecido pan-
no de algodo da Baha, proprio
para saceos e roupa de escravos,
a vontade do comprador assim
como fio de algodao da mesma fa-
brica no escriptorio de Novaes
& Companhia, na ra do Trapi-
che n. 34-
Vendem-se saccas com gomma, muito
alva : na ra da Cruz o. 33-
Em casa de J. Keller &
Companhia na ra da Cruz n.
55, ha para vender dous excel-
lentes pianos fortes, e de urna das
melhores fabricas, chegados ulti-
5
sr
O)
25
M
i
i
*
f 8
d
e

1
s
i
M
fl
i
I
i
a
a
ce
1
&
?'
O
O
o
T.
n
t>
tu
*a
t

S
fD
3

C0
Si
M



c
ll
_ 9
n
siE
5- g 8 2. 5.
b> I m a- j>
f o> ja
C 9 e
a- s
^ g.0
8 -a
o e
QJ
e
n
o
C 9-5'
B)
s


: =
os O 2 **
- 2. _
re S <
1 sr
a
L2
- -i a> a
t ra i
o- S 2-3 g
3 2. a
S 3,8 S g
3 g-.ou= S
0 o_ q, o> I a>
5 ft
O a,
n n
9 e
a>
3 c_
fl Bi
2. a
3?"
^
o s
s E

c 5
0 i
5
f te
m
3
2- o
r""
o
o
,1:
a a
n
S

m aj
3 2
fTo
o.?
o

n

a
5
p -o
l S
c 3
: S.
- 21
rSVs
ja
i
II.
* o
4 3 "
o. 2.-3 3
ai O" r re
. re a> _
Fii I
B C S. -1
1 o. tr 88
o
os
o
v.
fl
o -
X
Bicos quadros para sala.
No aterro da Boa-Vista o. 73, anda exis-
te um resto de quidrns seguintes, que ae
vendem por mdico preco, a saber.' collec-
co>s de ft estampas em formato grande, dos
amores de D. Ignez de Castro; ditas peque-
naa da 30 estampas com todo o reinado de
Portugal, deade ARbnan llenriques at D
Hara segunda ; retratos do duque de Bra-
gnca, grandes e pequeos; ditos do mesmo
i frente do exercito libertador no Porto;
ditoade D. Fernando aegundo; ditos de Vas-
co da Gama ; vistas da revoluco da patulea,
ediversaa eatampas de Santos : na mosma
foja tambem se vendem por precos muito
em conta, meias de linho e turas Je polica
para homem.
Barege para vestidos, a 600 rs
covado.
Lsta fazenda feita de iSie seda,
oferece ao comprador, n5o a
cominodidade do preco, como por
ser um vestido de lindo padr3o ,
c que nao precisa lavar-fe: na ra
do Queimado n. 10 adiar Ao os
compradores, nao s as amostras ,
como as pecas.
-- Vende-se gello, a qualquer hora do da,
no dei osi'o da ra da Senzalla Velha n.
118, ou na ra do Trapiche n. 8.
Vende-se rap princeza de Lisboa, che-
gado pelo vapor Severo: no escriptorio de
T. S. Rabello.
Vendem-se relogios de ou-
ro de patente inglez, de um dos
melhores fabricantes: no escrip-
torio de Bussell Mellors Se Com-
panhia : na ra da Cadeia do Be-
cife n. 36.
Vendem-se, na ra da Cruz,
armazem n. 5,
Prezuntos de Westphalia,
Salames de Hamburgo,
Conservas francezas e inglezas,
tudo chegado recentemente ; as-
sim como um magnifico escaler pa-
ra quatro remos, de construcrao
tlamburgueza.
trelo a 4,ooors asseca.
Bilhetes do Bio de Janeiro.
Aos 20:000,000, 10:000,000, 4:000,000,
2:000,000 e 1.000,000 de rs.
Kslflo a venda na ra da Cadeia do Recl-
fo n. 24, loja de cambio de Vieira da Silva,
o resto dos muito .fortunados bilhetes ,
meios, quartos, oitavos e vigsimos da H.
lotena beneflcio do thaatro da mi erial
cidade de Nlclheroy, coja lista deve vir pe-
lo primeiro vapor, e troca-se por bilbetea a
cautelas premiadas da matriz da Boa Vista.
Luvas de torcal a 640 n- o par.
Vondem-se muito Anas lovaa de torcal,
pelo barato preco de 610 rs., he na verdade
o mais barato quo asp le encontrar, pela
sua boa qualidade; na ra do Qaeimado,
nova loja de miudezas n. 47, de Antonio
Jos de Azevedo.
Cal virgem de Lisboa.
Vendem-se bsrris con cal de Lisboa, pro-
pna para o fabrico do aaaucar, por preco
mu commodo: na ra do Apollo n. 10, ar-
mazem de assucar.
Bicos lequesde madreperola.
Vendem-ae muito delicados loques de
madreperola, com pennas e muito delica-
das pinturas, com urna borla e um frasqui-
nhodouradopara deilar chairo, pelo dimi-
nuto pre?o de 20,000 rs. cada um ; na ra
o Queimado, loja de miudezaa n 47.
Fitas de velludo para pescoco
com suss competentes ftvellaa douradaa a
de madreperola, abertas e Techadas, de mui-
to bonitos padre-as, e mais barato do que
e.n oulra qualquer parte; na ra do Quei-
mado, nova loja de miudezaa a. 47, da An-
tonio Jos de Azevedo.
Na ra daaCruiea o. 82, vende-se um
creoula, de 22 annos, que engomma, cose
chao e cosinha pouco, lava.de sabio, com
um filho moleque muito lindo ; urna dita
para campo, ou servioo de roa, e um escra-
vo para o servico de campo.
Vende-seno arma.em do MourSo, no caes Kir^hTfaTelo toX'^H*?'1*1'S
da alfandega, ao p do Becco da Concedo '
Lotera do Bio de Janeiro.
3*85
* 2 2
? s
- 9 2
Q. re ">
O re 3
S rt 3 qj
I 1 I
atp
0 t-i
2 "
1 2
=- ai
americana,chegada recentemente quopor
superior rivalisacom adaltussia: vende-
se por proco razoavol.
Deposito de cal e potassa.
No armazem da ra da Cadeia
doKecife D. i a, ha muito supe-
rior cal de Lisboa, em pedra ,
assim como potassa chegada l-
timamente a precos muito ra-
snaveis.
Agencia de Edwin Maw.
A 2,000 rs. o corte.
Bilhetes do Bio de Janeiro.
0 cautelista Salustiano de Aqui-
no Ferrera, avisa ao respeiUvel
publico, que os seus bilhetes e
cautelas da decima quinta lotera
ido theatro de Nithcroy, e-l5o ex-
Narua de Apollo a.6,armiieni de c.Cal- 1,280 rs.; na ra do Crospo, loja n. 5.
raontai Companhia, acha-sccoaatanlenieote I l'rilassa da BtlSSa, e Cal virgem
boas aorttmenlos de taiaa de ferrocoado e
batido,lano rasa como fuudas.mocndasin-
No arniazom da ra do Trapiche n, 17, de
eir. toda, de ferro para aammZSZ** > ^1"^ B"?t' L^hZt"' SUP"Or
dita para arraaren madeir de iodos o. la- POlasM da llussia. chegada ha po
Na loja da esquina, quevolta para a rus
doCollegion, 5, vendem-se cortes de meias jpostos a venda as tojas do COStn-
me. a lotera corre hoje S<3 do cor-
rentc mez. e espera-se a lista da
mesma nc vapor brasilero no dia
aV;eeb.e \Em3S?mmng 4 ou 5 de novembro. Sao imme-
quer premios que saliirem nos bi-
lhetes e cautelas as lojas j an-
nunciadas.
Bilhetes 32,000
Meios 11,000
5,5oo
casimiras a 2,000 rs., e bonitos cortos de
cambraias francezas de coros, a 3,200 rs. o
corle.
Carnauba.
do que em qualquer parte, em consequen-
cia de se querer- acabar ; na ra da Cruz,
confronte o chafariz n. 19.
A 1,280 iris !
Vendem-so cuites do ISas para cal;a, a
11
maullos t: madelloa o mais moderno,machina
boriaontal para vapor,com forfa de \ caval-
los, coucos,paaaadciras de ferro eatanhado
para caaa de pulgar,por menoa pref oque oa
de cobre, eacovenaparanavioa,ferro inglez
tantoembarraacomo em ircosfotbas.cludo
por barato preco.
Arados de ferro.
Na tundirlo da Aurora, em S. Amaro,
THUdem-se arados de ferro de diversos
mjelos.
Vendem-se os vordadeiros selina in-
glezes, patente, de molla e sem ella : na
ra da Senzalla Nova n.42.
Vendcm-se relogio. de ou-
ro epr&ta, patente inglez: na ra
da Senzalla Nova n. I\i.
AGENCIA
da fundico.Low-Moor.
KUA DA SENZALLA NOVA S. 48
Neste estabeleeimento conti-
na a haver um completo sorti-
mento de moendas o meias mo-
enlas para engenho machinas
de vapor, e taixas de ferro bati-
do ecoado de todos os tama-
itos, para dito.
Moeutlns superiores.
UCOS illas,"
cal virgem da mais nova que ha"no morcado.
Vendc-se muito em conta urna casa si-
tuada na Casa Forte, tendo de frente duas
jaoellas e una porta, hom quintal com arvo-
res de fructo, o excellente cacimba : as pes-
soas a quem semelhante negocio ?onvier,
queiram dirigir-.se a ra Imperial n. 79.
Calcado.
Sapatos de cordavao para se-
2,800
guarios
Oitavos
Vigsimos i.*3oo
t^" Vendem-se palitos preto mais ba-
rato do que em outra qualquer parte : na
ra Nova n. 26 ; a 11* s. com dinheiro
Itelogios americanos, para cinia de
mesa, com corda para oito dias e dura 30
huras, e o mais barato que em outra parlo ;
na ra do Trapiche n. 8.
-- Arados americanos, chegados dos Es-
nhora, 64ors. ; tpalos de lus- lados-Unidos; na ra do Trapichen. 8
tre, a 1,000 rs.j chinellas de mar-
roquim para homcm, a 1,000 rs.;
na loja do Arantes n. i3 e i5.
- Vende-so no aterro da Boa-Vista n. 88,
segundo andar, urna mulata de 22 a 24 an-
nos de idade, sadia, sem vicio algum, sa-
liendo com perfeicSo lavar, engommar, o
tratar de urna sala ; ao comprador se dir o
motivo.
Acha-se venda a boa pitada de rap
princeza de Lisboa, em libras e meias,
vontade do comprador, chegado ultimamcn
te pelo vapor Severnc ; na ra da Cadeia do
lienii', loja de fazendas, de J0S0 da Cunha.
Magalhes, n. 51.
iVdamsctiado monstro com 8 pal-
mos de largura.
Vende-se na ra do Crespo n. 5, na lo-
ja que faz esquina para a ra do Collegio o
novo adamascado brancopara toalhascom 8
palmos de largura pelo barato proco de
Na fundicSo do C. Starrt Companhia,I|,a300 rs. a vara, na mesma loja ha um rico
em s. Amaro, acham-seavenda moendaa
de canna, todas de ferro, e um modelo o
cooatruccSomuitosunerior.
Cal virgem.
Vende-se cal de Lisboa a mais nova do
mercado: oa roa do Vigario n. 19, primei-
andar, escriptorio de T. de Aquino Konseca
>/:'illio, ouna ra do Trapiche, amazem de
Autonio Augusto da Konseca.
Urna encommenda de cobertores,
Que por sercm poucos
.vio podem chegar
K todos os compradores,
a 1,600 rs. cada um : na ra do Crespo, lo-
ja n. 6.
Alerta freguezes
Que sSo cnegados,
Cobertores de algoJSo
Muito encorpadoa.
Na ra do Crespo,loja da esquina quo vol-
ta para a Cadeia, a 1,600 rs. cada um.
A 5,ooo rs.
Superiores chapeos do sol do seda ingle-
zes chegados pelos ltimos navios, pelo di-
minuto proco do 5,000 rs. cada urna : na
ra do Collegio n. 4.
Vendem-se lonas, brinzSo, brins, e
meias lonas da llussia ; no armazom de N.
O. Rieber & Companhia, na ra da Cruz
11 4.
sortimento de manguitos de cambraia para
vestido de senbora o mais moderno que tem
apparecido pelo preco da 1,000 rs. cada
um.
Toda attenrjo ao novo soi tmenlo
cheo ido da cidade da Hahia !.
na ra do Crespo n. 14 loja de
Jos Francisco Dias.
As muito acreditadas chitas ciboclas do
novos gostos a 200 rs. o covado ; chitas li-
nas com novos desenbos e cores (xas a 240
rs. o covado ; chitas francezas da primeira
qualidade a 280 rs. o covado; riseados fran-
ceses os mais linos que tem vindoao mer-
cado e de novos padrOos a 280 rs. o covado ;
superiores cortes de cassa chita muito finas
a 2000 o corte, diversos padrOes de riseados
de cafa fingindo seda de quadros a 220 o co-
vado ; alpakas de cores fazenda do ultimo
gosto a 640 o covado; ditas rom (ios de se-
da fazenda muito fina a 800; ditas pretas
lavradas imitando seda a 880 ; brim tranca-
do de puro linho cor de lama de Pars a
1600 o corte: dito amar ello com urna lina
istra fazenda de muita du.rac.1o a 1600 o
corle: assim cono otitras muitas fazendas
por muito pequeo preco, como sejarn
Pechincha.
No aterro da Boa Vista n. 1" .
loja de J. S. de Menezes, tem um
grande sortimento de bahis, de
diversos tamanhos e gostos, por
terem alm da variedsde das tin-
tas com que sao pintados, diversas
e lindas paizagens, he mais barato
do que em outra qualquer parte,
assim spparecam,freguezes.
Uculos baratos.
No aterro da Boa Vista, loja n.
46, de J. S. de Menezes, vendem
se uculos de armacSo de 890, mui-
to finos, pelo diminuto prego de
800 rs. o par ; assim como lindas
e modernas luvas para senhoras,
de diversas cores, a 1,000 rs. o
par, e outras muitas ferrageos e
miudezas, que tudo se vende mui-
to barato.
-- Vende-se sal do Ass, a bordo da su-
maca Flor do Angelim, fundeada no Forte
do Malto : trata-se na ra da Cruz do Rcci-
fe n. 33, em casa de s. Araujo.
Vendem-se, por preco com-
modo, saceos com fardos, gigos
com muito boa cerveja, champag-
ne cm garrafas e meias ditas, fras-
cos com msnleiga, vinho de Bor-
dean em barricas, e velas steari-
nas, ludo chegado pelo Cont Ho-
ger : na ra do Trapiche n. ti.
Aos senliorcs de engenho.
Na ra do Crespo, loja n. 19, de Jos da
Silva Campos & Compannia, tem para ven-
der, a diiiliei-o, os afamados cobertores de
algodSo brancos, vindoa da BaJiia, sendo o
preco dos grandes 1,000 rs., e dos peque-
nos 800 rs., a i'orco be pequea, e portan-
madapoles, algodOes e zuarques e maislto devem-se aproveitar, porque talvez nSo
fazendas baratas. Icheguem para asoncommendas.
Casimiras modernas, a 1,000 rs. o
covado.
Na loja de fazendas da ra do Crespo n.
5, que faz esquina para a ra do Collegio,
vendem-se casimiras de gostos modernos ,
a 1.000 rs. o covado.
Vende-se urna casa terrea na traves-
sa do Marisco : a tratar na ra da Santa
Cruz n. 70.
Vende-se um ptimo sitio, na estrada
do Manguinho com o oito para a ponte da
Capunga, com 180palmos de fundo e til de
frente ; na ra da Cadeia Velha o. 40 se di-
r quem vende.
U cautelista Antonio Jos
Rodrigues de Souza Jnior avisa
aorespeitavel publico, que o i5.
lotera do theatro da imperial ci-
dade defliclheroy, corre hoje a3
do correle, no Bio de Janeiro, e
que seus bilhetes e cautelas, cs-
tao a venda em sua loja de ferra-
gens n 37 a, na ra do Queimado
junto ao becco da Congrcco, e na
mesma ra loja n 11, de JoSo
liaptista Itodrigues de Nouzn, e no
trro da Bo Vista, lojt de miu-
dezas n. 48 1 de ntonio da Silva
(i ni maraes. O mesmo avisa ao res-
peitavel publico, que na mesma
loja foram vendidos em vigsimos,
n. 3i3i,com 10:000,000de rs., e
outros miiitos nmeros com pre-
mios de 1:000,000 ders., de4oo.
rs de 200,000 rs de 100,000 rs.,
e de 40,000 rs.; convida po9 aos
possuidores a virem receber seus
respectivos premios que immc-
il. tamente s3o pagos.
Bilhetes 23,000
Meios 11,000
Quartos 5,5oo
Oitavos 2,800
Vigsimos i.3oo
Bicas abotoaduras.
Vendem-so ricas abotoaduras para colo-
tes, as.mais modernas que ha, o por preco
mais commodo, do que em outra qualquer
parle : na ra doa (juarteis n. 24, loja de
miudezas de Cruz & Bastos.
Loja nova.
Ven l' ni- se na loja nova da ra do Rangel
n. 8, capotinhos de seJa furta-rores borda-
dos de matiz com colote de sel un e gorgu-
r.io hranco, um completo sortimento de
manilete- .reos mullo enfeitadose da ul-
tima moda, capotinhos de fil preto borda-
dos de seda, chales de seda de varios tama-
nhos, vestidos de cambraia de cores de trea
babados, manguinhaa de linho para veatidos
de manga curta, cortes de IS de camello,
vestidos linos de cambraia branca com fron-
tispicio bordado, boas luvas desedaama-
rella para senhura, um completo sortimen-
to do trancas pretas finas proprias para en-
eiUr vestidos, loocos do seda com franja,
los pretos de linho, muito bom sortimento
de cambraias de seda, e de meias de fiu da
Escocia para senhora, e outras muilas fazen-
das que se vendem por prec,o cammodo.
-- Vende-se ou aluga-se urna padaria em
Santo Amaro, muito em conta, pelo doooada
mesma nflo querer mais continuar com ella:
a fallar na mesma padaria, com J A. Vi-iga.
Vende-aaou troca-ae por lijlo de al-
venara, duaa canoas de car reir novas; na
roa da Concordia, a (aliar com o mestre Jos
Carvalho da Fonaeca.
Aos 20:000,000 de rs.
NA CASA. FELIZ
dos quatro cantos da ra do Queimado n.
20, vendem-se os muito felizes bilhetes,
meios, quartos, oitavos, e vigsimos da 15.a
lotera de Nictheroy, cuja lista chega de 3
a 4 de novembro; a ellos,que estilo no resto,
l'otassa boa e barata.
V ende-se, no armazem do ('am-
pollo na travessa da Madre de
Dos n. 7.
-- Vendem-se caivetes muito superiores
aparadores de pennas, tesouras muito finas
para costuras, limas proprias para limar
dentes, sparelhos de cosinha, e dechado
folha de ferro estanhado pa'a brinquedode
meninos, chaves para tirar denles, granata-
rias pira pesar ouro, tudo por preco muito
commodo : na loja de ferragens, na ra da
Cadeia do Recifen. 53.
O verdadero metal principe.
Vendem-se as mais ricas colheres para so-
pa e para cha, de metal principe, de um mo-
dello mais moderno, do que as mais que
teem apparecido oeste mercado: lia ra dos
Quarteis n. 24, loja de Cruz & Baatoa.
Aos senhores logistas.
Vendem-se ilhiquetas para marcar fazen-
das e por nmeros em chapeos : na ra dos
Quarteis n. 21, loja de Cruz & Bastos.
ideas bandejas.
Vendem-se ricas bandejas de todos os ta-
manhos e por preco commodo : na roa dos
Quarteis n. 24, loja de Cruz & Bastos.
Ricas fitas de veludo.
Vendem-se ricas fitas de veludo para vol-
ta, com as competentes fivelas, e por preco
mais commodo, do quo em outra qualquer
parte, franquean lo-se as amostras aos com-
pradores : na ra dos Quarteis n. 24, loja
de Cruz & Bastos.
Papel marfim.
Vende-se o mais superior papel marlim,
muito proprio para carlorios, e de muita re-
commendacSo para os senhores procurado-
res de foros, alm desta qualidade, se ven-
dem outraa diversas, como de peso muito
superior, e almaco perlina, tudo por preco
mais commodo do que em outra qualquer
parte : na ra dos Quarteia n. 24, loja de
Cruz & Bastos.
Para casamento.
Na loja nova da ra do Rangel n. 8 tem
para vender seda branca lavrada, piorna
para vestido de noiva, pelo barato preco de
2/0 covado, sidas de furia corea largas, cor
de chumbo, cor de perola, azul e cor de ou-
ro; capotinhos bordados para menina pelo
preco de 3,600; tambem ven lo-se um bom
ViolSo com algum uso por preco rasoavcl.
Vinho de Colares,
em barra de 7 em pipa ; em casa de Augus-
to C. de Abreu, na ra da Cadeia do Itecife
n. 48:
Vinho de Lisb),
de superior qualidade, em barra de 5 em
pipa; em cas de Augusto C. de Abreu, Da
ra da Cai'eia do Recife n. 48.
Bom negocio.
Vende-se urna armario feita de pinho,com
caixilhos e em muilo bom estado, propria
para loja de miudezas, calcado ou de cha-
rutos; a tratar na ra Direita n 83.
Vende-se a pura gomma de araruta,
pelo preco de 400 rs a libra ; na relinacSo
da ra Direita o. 32.
Vende-se urna novilha, muito gorda ;
a fallar na tua de S. Amaro n. 16.
Bicas luvas enfeitadas para
noivados.
Vendem-se muilo ricas luvas de pellica,
onfeitadas, com requifes e fitas de varias
ei'i es, o a,ais delicado possivel, muito no-
vas e frescas, chegadas ltimamente, pelo
diminuto preco de 2,500 rs. o par; na ra
do Queimado, nova loja de miudezas n. 47,
de Antonio Jos de Azevedo.
Luvas de ponto inglez para
homem.
Vendem-se luvas de ponto inglez, muito
elsticas o de nimio ln'11 qualidade, chega-
daa ltimamente, as quaes os amantes de
bom goslo podem procurar na ra do
Queimado, nova loja de miudezas n. 47, de
Antonio- Jos do Azevedo.
Lindas abotuaduras para collete.
Vendem-se, na ra do Queimado, nova
loja de miudezas 11. 47, muito ricas aliutua-
duras para cojlele, pelo barato preco de 500
rs. cada orna ; a ellas antea que se acabem.
Vende-se urna preta, crioula, moca e
de ba figura ; a tratar na ra do 8. Gon-
Calo n. 27.
possivel e por commodo preco : na ra da
Cruz do Recife n. 26, primeiro andar.
-- Vende-se urna eacrava crioula de 25an-
nos de idade, bonita figura, bem possante,
sem vicios nem achaques, muito fiel, pti-
ma cusioheira, lava e engomma, faz laby-
rinthos, corta veatidos de senbora, amarra
cbelo de senhora, corta e (faz camisas do
homem, marca e faz tudo com perfeicSo,
esta escrava foi recolhtda de casa de no-
bre familia da-se a esperimentar ao compra-
dorantes de acomprar ; vende-se para casa
de pessoa conbecida desta praca, o motivo
da venda se dir ao comprador; na ra do
Rangel n. 44.
-Vende-se urna vi cea tnarjna com dous 10
nos de trra : quem a pretender dirja-so a
ra do Sol n. 21 primeiro andar.
Vende-ae urna mulata da idade de 20
annos, para algum engenho ou para tora da
provincia, com urna bonita cria de idade de
3 mezes : a mulata tem bom leite, engom-
ma, ecozinha o diario de urna casa: quem
pretender diraja-sea ra da Guia n. 9.
Vende-se urna das melhorej lojas de fa-
zendas da ru do Possoio, muilo afregueza-
da, com poucos fundos: oa mesma ra, loia
n. 21.
~ Vende-se nina garrolinha de pura raca
tourina, filha do paiz: os pretendentea po-
dem dirigir-se a rus da Cruz n. 45.
Vinho tint'j a 160 rs. a garrafi.
Na ra da Praia de Santa Rita, taberna n.
43, vende--" urna poreflo de viono tinto ve-
Ibo, e de bom paladar, sendo a caada a
1,120 rs., e a garrafa, a 160 rs.; a elle, se-
nhores ta boa pinga, que est se acabando.
scravos futidos.
--Desappareceu da ra da Praia da cas; de
Claudino do Reg Lima,urna escrava do Sr.
Francisco Jos Barbosa, de nome Gertrudes,
de nnc.lo Angola, de idade 30 annoa, pouco
mais ou menos: roga-se aossenhoreaagen-
tes de polica e capitffes de campo, a appre-
henean dol, levando-a a caaa do Sr. Bar-
bosa, ou do annunciante, no primeiro andar
da casa n 43, donde desappareceu na noite
do primeiro do correte novembro
Roga-se as autoridades policiaes e ca-
pitSesde campo, deapprehendera Antonio,
creoulo, natural do mato, com appelido da
Antonio Pato; be cheio do corpo, a toca lor
de viola, costums andar em batuque, be da
idade de 30 annos, sem barba, tem cima de
urna m.lo una marca de queimadura, e nos
bracos urna marca de dentada de cachorro,
lie oficial de marcineiro: quem o appre-
hender, poleo levar na ra do Sol n. 13,
quesera generosamente recompensado.
Dassppareceu no dia 7 de maio de 1851
um mulato de nome Miguel, eseravo, com
os signaes seguintes: idade 25 annos pou-
co mais ou menos, cor parda escura, altura
regular, rosto oval, cabellos grenhos, olhos
pretos, nariz regular, dentes lunados e es-
pontados, nSo tem barba e smente buco;
ar muilo alegre e risonbo, tem aa pernaa
um pouco arqueadas, he ollicial de aapatei-
ro, e por isso tem callos as mos depuxar
o fio. Foi cria e eseravo do padre Felippe
Jos Pessoa de Vasconcellos, morador na fa-
zenda ConceicSo da villa do Catle comarca
da Parahibs, quo o vendeo ao capillo de ca-
vMara Jlo Antonio iiezerra de Menezes,
e este o vendeo neata praga a lose doa San-
tos Neves: levou comsign um bah de couro
preto com bstanlo roupa, que furtou de
casa.furtou igualmente um annelSo de ouro
esmaltado cum a firma R. A. A. estas letras
de azul, dous Moldes do ouro, cada um com
um brllhante e com esmalte azul ferrete,
com a conliguracSo quadrilongo, e outro
oval com um linlnante e esmalte azul, to-
dos de grande valor; levou um chapeo de
seda novo, e na cahec um do chile ordina-
rio, nao usa suspensorios,o sim um eorreia
oa cintura ; consta qne tirou passaporte da
policia como forro, e com nome mudado, e
que foi para o sertSo do riacho doa Porcos
d'oode he filho, e tem mili e iroiBas : quem
pegar dito mulato tari a gratificado de 100/
rs.alm das desposas que seBzer com a ap-
prehenslo, o que tudo pagara aeuSr. Rufino
Jos Correia de Almeida, morador neata ci-
lade do Recito, ra da Santa Cruz da Boa-
Vista n. 78.
100,000 rs. de gratificacSo.
Desappareceu no dia 7 de malo prximo
passado, o pardo Leonardo, de idade 18 an-
nos pouco mais ou menos, e tem os signaes
seguintes: baixo, o pello um tanto medi-
do para dentro,cabellocarapinhadbe at ao
meio da testa, falla descargado. Este es-
eravo vinha todos os dias vender leite no Re-
cife, de um sitio na lloa-viagem, pertonceu-
teajoanna Hara dos Passos, de quem fui
eseravo: quem o apprehender e Irguxer na
ra da Senzalla Velha n. 60, segundo andar,
recebera a gratilicncao cima.
Piaa. : Tvp. di M F. 01 Fama. 1852-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EYL6DW5YM_MTFZCY INGEST_TIME 2013-03-29T16:16:19Z PACKAGE AA00011611_03091
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES