Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03016


This item is only available as the following downloads:


Full Text

ANNO DE 18.85. QUINTA FEIRA
J
gjl>'
OUTBRO N. 30*.
DIARIO DE PERNAMBUCO.
Pkritamiidco, mTvr. diM. F de Paria- 1835.
BK4
M
WrVBBIiYiiH
DIAS DA SEMANA.
de
S Segunda S. "Evaristo P. M. aud. dos Juizcs do C. de m.
t ew-Xo^la Tbez. R. Chue, de t.
.7 Terca jeium S. RlesbSn KeL de m.aud. do J. de Orf. He t.
58 Quar'a fa P. Simio e S- Judiis Thadco, quart. cresc. al he
82 miii. da l. _
?9 ,Qmnta S. Feliciauo M- Re. de m- aud- dn J. do C- de tn. e
de t.
50 Sexta S- Serapiao B- C. ses. da Tliez. P. aud. do J. de O- de
tarde.
51 SaMiado jojiin S. Qiintino M.{liel. de m- eaiid. do Vig. <*.
de t. fm Ol ma-
1 Domingo Priraeiro d Novernbro. 'csta de todos os Santos.
Tudo agora depende de nos mesmos. da.'no rACao. eenerpia: conlinueitn^eom prinr'i|iiaiiio, e eremos a-
ponlado* coiii adtaivafao entre as Na uiajsculi
Pror.lammcn da Jhemblm Qtrnt dn Oratil.
Sulwcrevr-se a 1000 rs. meii.ie pago* adiantados nesta Typogra-
fia. e ni l'r.ir:i .l.i liicleprnHcii'in \. 37 e SS : onde e ree.eliem
correopondencias lecalisadas. aminnciosi inserindo'se estes gra-
tis sendo dos proprfofSMKiiantes, e viudo assignado*.
PARTIDAS DOS CORREIOS.
OltndaTodos os das ao meio dia.
Goiana. Alhahdra, Caraiba, Villa do Conde. Mamanguape, P-
lar, Real de S. Joio, Bren d'Areia, Raiuha, Pomlial, Nove d.
Snuza, Cidade do Natal, filial de Goianninha, e Novada Prinee,
z.i: Cidade da Fortaleza, filia* do Aquirs, Monte mor novo.
Aracatv Cascavel, Caniud. Granja. Imperatrz, & Bernapoc
S. Joodo Principe, Sobrar, Nova d*KlUer, Ico, S. M atheus,
acho do angue. Sanio Antonio do Jardim. Qfuexeramobiu, e Par.,
naiba Secundas c Sextas feiras aojneio dia.
Santo AntnoTodas as quarta* feiras ao meio dia.
Garaiilnins. e Bonitoflos das y e 23 do mez ao meio dia.
Floresno dia 13 de cada" mez ar. meio dia.
Seriolia'em, Rio' Pormoao, e Limeiras Segundas, Quartai,
-
extas ii-iras ao meio lia.
VARIEDADES.
OM0STEIR0 DE S. JUSTO.
Este mo8teiro est situado porto de Placencia na
Estreroadura He-p pequea apparencia, ciijas paiede-ln anqueadas o dei-
so apenas perceber no "meio dos escarpados rochedos
que o rodeio. A' vista deste convento, que se asse-
melha a huma fortaleza isolada no.'meiodasmontanhas,
Ibnge de toda a habila<;o human*, ocoraco se aper-
ta, eo ptnto re-pira com dificuldade : o mesmo susur-
ro d.is arvotes, semelbante a hum ajando e prolongado
gemido, augmenta a tristeza misteriosa queinspia to
yedonho sitio. Para o visitar he preciso ter toda .a
coiosidade de hum viajante estrangulo : para o ha-
bitar he.preciso ter renunciado a todoi os lacos- que nos
prendem a trra, e a todas as fruices que nos tornio
a \ ida doce e agra'davel.
He por tanto a este moateiro'q' urna tarde chegou
un humera menos abatido pela jdade do q' pelas fadigas
e trabilhos em que seus dias forjo passados. Tres ou
quatro pessoas de aspecto grave e melanclico o
companhavo. Este pequeo cortejo, sem fausto nem
apparencia, havia atravessado a Cidade de Burgos,
sem'que pessoa alguma sahisse ao seu encontr, uin-
g-nem tiuha notado a sua passagem : talvez ilg.um
habitante d'uldea le ia por acaso chegado porta di
sua cabana para o ter passar.
Esteliotnem apeou-se 'da liteira que o conduzira ;
baten elle msmo a portara do Convento, e respondeu
em voz bixa r abii o porteiroque o interrogara.
Tcndo dec|arado>a>istei i osado en tea tifo norae ao irmio
fnverso, a pesada porta do Convento rangpu sobre
seuigonzos ferrugentos para Ihe franquear livre en-.
Irada.
Foi preciso que oestrangeiro, .lebaixo da abatida
abobada, curvassesea alto talbe e sua ca beca meiacal-
va, onde com tudo brilhava hum ar de respeilo ede
grandeza.
Ctagou o Abbade e lancou a sua benclo ao novo tr-
roSo converso : este ajoelhou humildemente para a re-
ceber, cumoultimoadosnoTicoa: beijou depois a tr-
ra, eexclamnu.
Nsahi de teu seio, en tornare! a ti, oh mi
com mu m dos homens i
Dali foi tomar posse da sua pequea sella, e depois
ao refeilorio para receber sua modrea rcio, na ultim|
extremidade da mesa, eomo convinha ao seu estado.
No lia segojinle, depois do officio da manhi, diri-
gio-se horta ereoebeu huma enchada, ea tarefa de
cultivar hum longo talrro de trra. Poz-se obra le-
vantando a cubto o pesado instrumento 5 semp e*ilen-
oioso, obediente, e solitario : seus dias passavo na ora-
cao e no Irabalho.
Hum anuo depois elle pronunciou seus votos.
No dia S'guinte celeb-ou-se o officio de defuntos
sobre o novo iirao que acabava de profes-ar; e, se-
gundo o mo e coshune da orden*, huin panno por-
tuario foi lanrado sobre seu eoipo prostado em tr-
ra.
Em fira quasi dous annos depois da sua entrada
no Convento de S. Justo, a de Setembro de i558,
> irmio desconhecido e de que ninguem sabia o ver-
da^leiro nonie, expirou em ps*, Mancado sobra hum
leito de cinza, envolto era spero borel, e con os
sinaes de profundo arrVpendimento.
O nome deste irmio converso, ero quantp vivefa
no mundo era Carlos-Quinto, aqueie ijmc uii;
nra meia Europa, e cujo nome e ambicio enchra
o mundo todo. (*)
Mr. Estanislao JuliaS, professor do idioma chi-
nea no collegio de Franca, no di. 3 deste mez, com-
munieou o seguinte, extracto, da gazeta de Ptkin,
que cbrrte'm fados i ttere sanies para o g'-olo^ia. Re-
fere-se a huma carta da China de i5 de Janeiro.
No departamento de. Tchang-te-Fon, provincia
de Honan, sentio-se hum teirivel tremor de Ierra.
Princioiou na tarde do vigsimo segundo dadaqu nta
la (a8 de Junho de i83.}), e durou at.ao terceiro
da -sexta la (i9 de Julho) Extendia-se pelo lado do
Oeste alea provincia de Chansi ao norte, de Pe-
'trhi-li, e ao E-te, Je Chan-tong. Na capital do
di-iricto de Wonngan mslou rauitas pesoas, que
ficar:5 sepultadas debaixiO das ruinas dos edificios que
be desmoronaras, e nos arrabaldes, fora destruidas
cento e noventa e cinco herdades. Coulad-se cem
mil casas arruinadas, qua4ro mil pessoas moras, e
selecenlas perigosamente feri las.
k j districto de Ts-Tchoa experimentotrtse o
mesmo tremor, a tena abri, e tragou hons 4,000
individuos, inclusos o goverador do districto, sua
mulher, criados e empregadoV Na5 se podem enu-
merar as casas que foraS de^truid^s, e as pescas que
pereeraS nos districtos de Than-In, LinaUchang,
Ngan-Jang, Won-Techi, etc. Os campos estavsS Co-
bertos'de mortosque ninguem cuidava em ^aterrar, c
os vivos sem casas, dormiaS a milhares expostos
inclemenria dotempo, ferindo de dia de'noite o ar
com coutiuuas lagrimas e gemidos.
Em Pnug-Tchin, abrio-se a trra, e sahio ham
impetuoso rio d'agua negra que arrastava comsigo
fzendas, colheitas, homem, animaes, casase'quan-
to encontrou diante At ao presente ainda nao se
esgotou. f
No hospital deS. Pedro," emBruxellas, obser-
'1 ""

(?) Carlos-Quinto, Imperador"' da Alemanha Bei
de Hespjnha, de Napo'e, e dos Paizes-Baixos, nas-
ceu em Gand em 15o. Sustentou grandes e porfiQ-
sas guerras com Francisco I de Franca, a quera fez
prisioneiro na batalha de Payia, e conservou. em
Madrhfj^l ao Sen resgate e paz de i535. Carlos-
Quinto levu ento suas armas vitoriusas a frica,
toinou a G.Ieta, derrotot Bai ba-rouxa, entrou, em
Tuuis, resiabelereti sobra o trono tyuley Hassau.
Veuceu outra vez a Franca e o Papa. Sustentou
longa guei*ra contra os-Prjncipes protestantes, que
btiverlo, em fim a liberdades de consciencia, depois
da celebre conGssio d'Augsbgrgo. Caneado le gloria,
de grandeza e de guerras^ abdicou em fim as Coras
em i556, a de Alemanha em seu irmio Fernando
as de Hespanha, Naptrlea, Jtc. em seu filho
Filippe II, de Caslella, e retirou-se ao Convento
de S. Justo, onde passot o resto de seus dias em
exerccios de piedade e morreu em i558, discon-
tehte do mundo, da sea filho,ede' si mesmo.
voa-se hum phenoraeno notavel n'hum joven de i3 a
14 ahnotf, nfofto do tipho. t Tendo-se praticado^ sua
autopsia, apresentou huma conformacaS. interior
uu-i ;::t'::'in;cn!e 2 d h?rr|'*m o,'di">'i'>. O m-
r.iciS, estomago, eos raais 01 gao-, que no estado na-
tural se;acha8 ao lado esqurdo, elle os tinha 110 di
reito, .e s'que occupaS este lado, estava no oppos-
ti'. O figado, situado naturalmente ao lado dircito,
appareceu neste corpo ao esquerdp, seguindo todas
' asdemais visceras ta extraordinaria posigaS.
A i5 de Maio faleceu em Wurlzbourg (Bariera)
huma das pensionistas dos hospicios, chamada Both-
mann, que naseeu a 15 de Outubro de 17i7, e qud
contava por^conseguinte cento deze-ete apnos e-oito
mezes. At<5 sua moi te conservou todas as stias "j-
culdades, e em 1833 tinha assislido Vihdim>'. Foi
casada com hum soldado a qiiam acompanhou .na
guerra dos sete annos, durante a qual fez grandes ser-
vicos aos fe idos e enfermos do exercito.
A marinha mercante da Gri Bretanba, coni-
prebende.ndo a das Colonias, compoe-se o presente
de 24,5oo vaso? de todas as classes, tripulados por
160,000 marinbeiros, e cujo porte sobes a^65o,ooo
toneladas. Calculando o valor medio de-mu huma
em 1,ooo'reales, o malerial da marinha mercante
Ingleza,'equiflea huma somraa de i3a,5oo,000 pe-
sos.
1 PeVse ltimamente hun, descobrimento em
T^errire-Ia-Grande (Franca) dtenlos pasaos rri
frente do estabeleciminto de M. Dumont. Este deseo-
brimento he tanto mais digno de'notar-se, por quan-
to tem-se feito mni poucos como este no cantaS de
Maubeuge. Trabalhando huns obreiros ana cavar
os alicercesdebuma casa, encontrraS a cinco ou seis
ps de profunaidade tres esqueletes humanos, doua
dos quaes formavaS por sua psicaS hum ngulo re-
cio e o tarcei#o estava'calloeado inais longe. Junto
dehumdestes esquelelosencontrou-se huma especie
de espada, cousa de tres psde comprido e duas pole*-
gadas meia de largura, e roda della varios entei-
tes de cobre, que.se suppem pertencfaS ao boldrffi.
Em seguida encontr se outra arma semlhnte e
hum punhal de hum p de largura, hum machado
os restos* de huma aHaga triangular e de huma (an-
ca. Ests ltimos objectos estaS taS cober-tos de
ferrngem, que r>fficilmente se conhece sua primi-
tiva, forma. A mesma langa deveu s a sua conser-
vaca a/sua muita grossura, que devia ser tal, jue
o hornera que a maneasse naS podia deixar de ter
tido huma forca extraordinaria.
EncontrraS-se igualmente dous vasos de hura bar-
ro cimento e l<-.ve, que, segundo disseraS os obreiroa
nao continhaS raais qu trra. Hum de lies foi es-
pedacado a goldes de martello e o segundo que tinha
humas sete poleg'idas de largura, acha 6 agora inta-
cto, assiai iorno os restos das armas, em poder de M.
Bernardon, director do estabelecimeuto de M. -Du-
mont. 'Pudolaa, presumir que estes objectos fjer-
lenciaS a algum romano de di>tincca, que fpi enter-
rado neStes sitios. Desr naS.se poude
descobrir nenbmna pedra sepulchral. ero inscripcaS
que possa acreditado, porem naS 'aUca,.algum an-
tiquario, que coro ajuda deatea ojelos consiga des-
cbrir a que nacaS perteneeri e s)m que 'poca fiwaS
nterradqs neste sitio.
i DATA INCORRETA
ti
I


DAB10 DE PEBrNAMBUCO.



Cenia hum peridico de Madrid, que fin hum
convento Franciscano de Acarra jachara o Guar-
di. gravemente enfermo. Era Padve digno, nda-
vel pur seusse vic/'s, feilos rdero, e de boa opiniao
entre ella. Porni cocotudo tinha huma preso ni pea
superior ao sen mrito, tanto que achanta' se no l-
timos momentos exelamou : c Meus Padies, nao
sintodeixar este ropndo d miserias, nem estas dis-
tineces de que gozo, t nasminhas luzes, e no met zelo pelo bem da commu-
nidad. O que meaffliiie, meus irma*, he deixar-
?os no abandono em qneidesficar 'log) queeu falte.
A isto todos os Padres l)ixava as OidTecas sera saber
que responder-lhe : porm hum npvico sem 1 fiVxa
jwlgando consu' lo, llie respondeu con) voz baixa e
tom mbruisso : Met Padre, .pe tosca plernidade
morrr descancado, porque o nosso Padre S. Francis-
co tambem morreu e nao fe* falta.
( Do Jornal do Commercio. )
RIO DE JANEIRO.
CMARA DOS DOS SFNAOKES.
Extrato da Sessa em aO de Julho.
Presidencia do Sr. BenloBarroso Pereira.
^ Elas dez horas e meia abertp a sessa cora a8
Senadores, leu-se e approvon-se*a acia da antece-
dente. .
O'primeiro Secretario parlhipou que o Senador
Pedrt> Joze da Costa Barros na5 podia comparecer
jv>i" iiiOullliiiOwauO. riCu O uciiauu imh:iiu.
F*'*-se"reilura dos dtus projectos do Sr. Patricio,
apresenlados na sessa de 16 do cociente, oS quaes
fora apoiados, e mandaran se imprimir para entra-
ren) na prdem dos trabalhoa.
OR.DEM DO DA;
Continuo a segunda discussa do projecto viudo
da ouira Cmara, relativo aos processos judiciarios
que forem remecidos pelo Supremo Tribunal de
Justica s Relaces Provinciaes, para seren revistos
segundo a'le de 18 de Setembro de 1828, artigo 16,
etc. conjunctamentecom as emendas da Commiasa
de Legislaca, no artigo 5 additivo pmposto pida
CommissaS, e emendas a elle offereoidas e apoiadas
as sess&esd 16 e i7 do do correle.
O Sr. Paula Souza continuon anda a demonstrar
a utilidadee constitucionalidade do Supremo Tribu-
nal de Justica julgar. definitivamente das sentoiica* ;
coTroboTou alguna dos argumentos j presentados
eombatendoos apresenlados pelos S nadoresjde opr-
Tiia contra.
OSr? Borges tambera conlinuou a sustentara con-
cessao de tal atti ibuic., refutando jos 'argumentos
bpresentados em contrario, e concluio pbservjndo,
que por eUe procedimnto do Coi po Legislativa
nao temesseo aniquilamenloda Constituica, porque
ella jamis seria despedazada com -a-ampliaca do ar-
tigo 164. dando s ao Supremo Ti ibunal de Justica'
a atti ibuica de decidir quer quer no de injusticia ; porm sim, com o se nao cor-
rigir a intelligenci desorientada, deixando de se le-
gislar segundo os interesss da Naca; fazendo-lhe
sentir os beneficios que ella espera e lhe a5 garanti-
dos pela Cnstituicao : declaron-se finalmente contra
o artigo da Commiss, c emenda do Si. Carneiro
dt Campos.
O Sr. Carneiro de Campos sustentando a emenda
apreseptad''coflrarou as opinis dos antecedentes
oradores, s desviou di Commissa algumas arguiges
que lhe fora laucadas ; e mostrou que o que se pre-
tenda era que o Tribunal Supr/mo sahisse do ponto
em quea Cunstituica o collocou.
O Sr. Vergueiro em hum longo... discurso comba-
ten o nobre orador que o preceden, e com fortes ra
zes demontrou nao ser a sua emenda opposla Cns-
tituicao, como se pretenda fue.
Depois de longo debate, dando a hora, ficou an-
da a materia adiada, o Presidente declarou que no
ditdeQoaita feira.aa do correte ae tratara d hu-
ma da* resol uc*s a que a. Regencia negou a saneca,
enodia Quinta de outr'a de igual ffaluresa; e dea
para ordem do diada segunle sesssa a ultima du-
cussa da resoluca vinda da oulra Cmara relativa
aos ph-irmaceuticos, e a materia adiada, e levaniou
a sessa depois das duas hpras.
GOVEKNO da PROVINCIA
Expediente do dia a3.
\JFruio j A'o Iii Ibe, que; no ajuste de contas que pela Thesou-
raria se proceder com Antonio Duarte Pereira, com-
prador dos coiros das eses consumidas no Acampa-
mento da Forca da direita, dever-se-h ter attenca
ao que sobre es le negocio diz o Commandanle em
Chtfe em o cilicio que armpanhou o do Pagador
Joaqum Pereira Chaves d'Olive'fra.
-* Ao inesmo, reenviando-lhe as copias das con-
dicoeos com que fcram fretados os Brigues Hercules,
e MathiMes caa conduzircm tropa, > matiliro%ilos
ao Pai, freiamento este que foi approvado pelo Go-
"verno.
- Ao mesmo, paraq', ouvindo o Inspector da Al-
fandega, informar obre o objeclo constante do ofb-
cio do Cnsul Ingle*, que com este se Ihe^nviou.
Ao m.'smo, para informar a cerca do que re
presenta o Chele da Legia5de G. N. de S. Anta.
AoCommandanieda Prapa, para empregar no
rommand* da FortaFeza de kamar o 1." Tenente
Avulsod'Arldheria Joi5 Rilieiro Pesso'a de Lacerda.
AoJuizde Direito Intirino da Commarra de
Goianna, lemetUndo-lbe a copia do parecer do Pre-
zidente da Relaca sobre o procesan de Custodio Ma-
chado Aranha da Fonceca, coma qual copia se satis-
faz o que exegiu o mesmo Jui* de Direito.
A' Cmara do Litnuero, approvando provso-
1 iamente a Postura sobre a coostruca dos edefieios
da Villa, em quanto a Assemblea Provincial definiti-
vamente a nao approva.

Dia 24.
Offlo ; Ao Esm. Presidente da Relaca. tn-
viando-lhe um officio da Cmara Mun< pal do Boni-
to sobre a serven'a dos'tugares d juizes de GiTa
Municipios, para sobre o objecto dar o sen parecer.
A'Cmara Municipal d'esta ddade, parasatis-
faaer o que exige emseu officio o Jnizde Direito Che-
fe de Polica, reeviando o'dito officio.
, Ao Doutor BentoJoaquim d<- Miranda Henri-
ques, reenvando-lhe os papis offieiies que aeompa-
nharam o seu officio de 24 de Setembro ultimb, e
re.spondendo-lbe que deve ime'dialainerile convocar
os roesmos Juizes de Facto da sessa uliiim, em que
se na trahalhou por falta do DOmerw legal, e que
o numero fixadono Art. 320 do Cod. do Pie. deve
ser inteirado da manera indicada no Art. 5t5 do
mcsino Cod.
Ao Fxm. Prezidente da Belca* para infor-
mar sobre a du vida proposta pelo Juis Municipal da
Villa do Brejo, relativa ao modo pnr que deve ser
suprida a fallado Juiz de Direito d'aquella Commar-
ca.
Dia aS.
Officq,; Ao Inspector da Thezooraiia, para
mandar pagar a Manoel Joaqum Paes Barreto a quan-
tia de a7^a00 rs. que despend-ni o Juiz de Direito
Intirino d Commarca de Goianne com carne e (an-
ona para fomecimenle da tropa que marebou para
Mo duca es 1 eferidos gneros.
A^mesmo, para mindar p^gar a Antonio Jo-
ze, Cabo Villa de S; Anta a diaria que marcam as Inslru-
coens para o reciutament >.
Ao m'sm>, para mandar adiantar dois mese
de sold aosOfficiaes que marchar para o Para.
Ao Commandante da Pra^a, rommunicando-
Ibe a precedente 01 drm.
AoChefe de Polica, para, ouvindo o Juiz de
Paz do a. Deslricto de S. Amaro Jaboata. infor-
mar a cerca do objecto de um officio do mesmo Juiz.
- Ao Director do Arsenal de Guerra, dizendo-
Iheque deveu'do serem mais circunstanciados os es-
elaret imenlos que da sobre os Educandos, que eta
no cazo de serem recolhidos ao Colegio dos O fas;
compr que o mesmo Director forma I te unn relaca
d'efles, declarando suaa naturalidades idades, qua-
es os que sao 01 f.s de pa e mai(Je quaes os de um,
ou outro somale.
COVIJJANDOdaPRACA.
Aleixo Jope de Oliveira Coronel Commandanle
da Piaqa em Pe nam buco &c.
V Acb saber ao Sr. Official de Secretaria Antonio
Jos P eixoto, que se deve aprezentar e a liceiica com
que se aclia para traclar de aua saode, por j a ler
excedido desde 18 do corrente mes, em consequen-
cia de ha ver sido Momeado para marchar na Brigada
Expedicionaria ao Para, e mandada recuiher da i-
cenea, deixando nao de Cotnparecer, mas ainda
nao sendo encontrado em seu domicilio, ignorando
p'ssoas de sua familia seu destino, cuja apresenlaca
deve ler Afeito 0 prefixo praso de dona meten para
evictar as-im a pena designada no Art. i.^daflrgoi
cao d'Aambla Geral Legislativa de a6 de Maio de
te anno, em prezenca da geral, e de quele soba *x-
pecificadono Art. 3/ tUinpre-me em ausencia d
Exm. Commandanle das Armas 'azer o presente cha
mmenlo.
Quartel do Commondo da Praca de PernamburA
a4 de Cojtubro de 1855. co
Aleixo Joze d'Oliveira.
Quartel do Commando da Praca de Pernatubucn
ax de Outubiode 1835.
O
ORDEM ADDICIONAL.
vj Commandanle da Praca em cumprimento dn
Artv 3.* da Besoloca d'Assembla (Jera! Legislativa
de ai de Mao desle anuo fas declarar para conJieri.
ment das Tropas da Guarnica, que se arba auzen-
te desde de 18 do corrente o Sr. A Teres de Secreta-
ria Antonio Joze Peixoto, por haver sido mandado
recuiher da lircuea com que se achava para t>a< t'r dt
sua saude no dia antecedente, m que no s deixou
de com pareen-, como al nao foi encontrado em aua
casa, ignoraadosua familia o.seu destino..
, Aleixo Jvze d'Oliveira.
DIVERCAS REPARTICOENS.
EDITA L.
O Cidada Manoel Francisco da Si'va, Juiz d Paz
do PrimeiroDistricto do Colegio da Ciiade do Re-
ciiie de rt-riiamuco em virtude a i.ey.
JO Ac sab-r queem o da dous de Nverobro dVate
auno pelas nove boras d.< manbi tena piiucipioa reu-
nia da1 segunda sesaa da Junta de Paz n'eita Cidade
em a Salla dos Jurados: e para constar fiz passar
prezenle para intelligenci dos enteressados, o qual
sei afixado, e publicado pela Iinpmn a, Primeiro
Deslricto do Colegio do Bairro de Santo Antonio da
Cidad do Reriffe de 'Fernarabuco aos a4 de Ou tabre-
de i855. Eu Joaqum Carneiro de onza Lacerda,
Escriva a escievi.
Manoel Francisco da.SiUa.
MEZA DAS DIVERSAS RENDAS.
A pauta he m mesma do N.' 204.
Ni
Maranhao 7 de Setembro.
O dia 4 do corrente san para o Para p paquete
Moderado com pouco maisde cem hmeos a seu bor-
do, entre soldad'se Maruja, qninhentai armas de fa-
go, un- dez mil ra lux >s, mil alqueir- s d firinha,
^uinlienlas arrobis de arroz. O Mrquez de Pombal,
embarcacin mercante que para l lainliem parliu, le-^
vou grande porcio de carne, e feijao que trvuxe do
Ro. Consta h'os que o governo da provincia -preten-
de ainda mandar a mais tropa do restante do batalbio,
eque para essefi#) j ordenou que o|igeros viessem
pra a cidade em ordem a guarnec-la. Mein d'islo
cle>pediu-se no mesmo da quatro, urna escuna para o
Cear a pedir soccorro de tropa. Tudqse de.ve faser
por salvar-o Pu'. (Ecco do Norte..)
Maranha a 1 de Agosto.
l^Os abaixo assi/nados leudo sofi do grandes pre-
itiizos em coasequencia da rnuitaJalta qu tem sentido
N
juizos em coDsequeucia da muiia^alla qu tem seni.ii
esta Praca de hum meio circulaste para trsnsacces
pequeas, temos concordado, a fim de remediar este
mal, estabrlecer huma Caxa de Deposito da quanlia
I* de cem tontos de res em Sedlas (Rs. 100:000$000)
de cem mil reis nada huma, e de cinto e cincuenta
conloa de reis (Rs. ,150':000$000) em Conhacimen-
tos de quinhentos mil rei, e de bum cont de reis ca-
da hum, para a qual enlrarS voluntariamente lod
osCidados Nacionaes, eEstrangeiros com a quantia
que lha convier recebendo dos Caixas deste Deposito
em troco Vales du valor de 5#0 ra., 1$00Q rs., 2^
rs. e 5^55006 rs. pelas Sedula : e Vales do valor de
10)000 i-eis e 20$000 reis cada hum pelos Conbeci-
mei.tos, debaixo das condige abaixo declaradas, p
brigando-nos reciprocamente a dar-mos a estes Vales
0 mesmo crdito que gozi > at respectivas Sdala* e
Conhecimentos, e nio recebar-moa em nossas traosac-
9es Vales de quaiquer outro particular.
Condicoens.
i.* Ha ver huma Ca xa r Deposita para Sedlas


DIARIO DR PERNAMBUCO
3
eConhecimenlos, fechada a qoatro Chaves, estabe-
lecida em Caz dos Negociantes Henrique & 3 lo Mo-
. & Comp- que serS os Caixas para emissio
pigmentodos Vales.
a, SerS Depositaros e Directores desla Caixa os
KeOciantes Henrique Se JoSo Moon & Comp. Juie
Rodrigues Roxo, Francisco Tacares, de Barros, Anto-
nio Goneal ves Machado, Victorino Joz.e Rodrigues,
jooGualberto da Cos'a, A.Russel Shi'th, JoSo Du-
,rtedo VkIIa, Antonio Fram seo de Aeevedo, Nno-
|o Joze Teixeira, Mauoel Antonio dos Santos, Luiz
Per eir Campos e Joio Antonio, da Costa Rodrigues,
Jos quaes os primeiroa qualro rScada hum boma
das chaves do Cofre de Deposito, e na lalta, de qal-
quer destes o seu lugar seisupprjd. por hum dos
outios Directores elegido pela marola, destes.
3.' O Gofre nunca ser abertp sena a coearren-
cia dosquatro Directores queguardarein as Chaves.
4/ Os Vales si-r, emit idos logo que estejio
promptos na caza dos Caixas na nroporcio segumte,
s.ber: por cada huma Sedula de cetn mil res, d-z
Vales de quinhenlos res, quiuze Vales de mil res,
quinze Vales detfous mil-res, e d Vales de cinco
mil reis cada hum : por cada hum Conhecimento de
quiohentos mil reis, trila Vale de dez mitris, e
dez Vales de vjnte mil reis cada hum: e por.cada hum
ConKecimenlo de hum cont tle reis. cinco.nta Val de vinte mil'reU cada hum, ahatendo se desla quan-
tias hum por cento para satisfacer asdespesa inoiden-
taes ao etab-.-lecimento da Calza.
5/ Os poesnidores de Vales de cinco mil reis pira
baixo, que monlarem al arquautia decem uniris,
poderlo exigir o pagamento delles, dos Caifas qual-
nuer dia dservic desJe asdez. horas da manhi teas
duas da tarde, em huma SeduW d.-sin qaWa, igual-
mente o poder fazer o possuidores de Va'e.- de vin-
le, e dez mil reis para baixo, que'montarem a qui-
tihentos m-1 reis, e hum coito de reis, exigindo paga-
mento dos meamos em [vita Conheciniento d-stas res-
pectivas qunlias. t
6\ .* Vales aerad imp e-sos rom tarjas, e do
theor abaixo declarado, sendo cada hum delje* assig-
nado por deus dos Directores, e para m Ihor evitar
falsifieaco serio endossadas por todos os passadores
oaa quanlo permillir osen formflb.
5 Ficar lo.a da Caixa ar^JF'itia de cinco rqn-,
tos.de reis era Sedulas, c cinco contos de reis ein Co-
nhecimentos, senJo osseus nico Depositarios o
Caixas Henrique Se Joio Moon & Comp. para com es-
tas uantias poderem >at sfazer aquelles que exigirem
o curoprimento ^ (lue uca especificado no Arti-
go
8.* 0>Directoresficioeucar.M|gsdca de providen-
ciar inmediatamente qualqnr Ifcificacfo que possa
occorrer nos Vales, de ven do para este fim ft*i|M-
rem aos possuidores a conferencia dos Vales com os
Livros da tarjas.
9/ Logo que os Diiec lores julgarem queno hija
mais preciziodetes Vales em circularlo ero cense-
quencia do melhorarpetilo do meio circulante em ge-
ral, ou por outiO qaalquei motivo ; ellesseifo im-
inedialamnto resbalados pelos FimJos ero Deposito,
e drpois de >e ter publicado na.< Ga/etas desla Cidade
por tres mez.es successivos, que se pe-tiende rVsgata-
los, nao fi ario mais responsaveis por aquelles que fi-
carem em cjiclaco. findo o prazo do seu resgle.
10.* Se na realizacao dos m-smos Vales sec- nhe
ctr haver-se perdido algum delles ilepois de 6ndo o
prazo marcado para ap presen taci d'S mesmo*. o
valor dos perdidos ser entregue Santa Caza da Mi-
sericordia, com o Gnus porem de pagaren) os Vales
perdidos no caso deapprecerem, e t do qualquer ex-
censo do premio de hum por cento extrahido da total
quaotia entrada pira a Caita de Depotito, depois de
deducidas as despezas da apuraco do m<-smo Deposi-
to, lera entregue Superiora do ReColhimentb da
Cidade para a ajuda de se completar moro daquelle
azilo, ou para outro qualquer fim em beneficio do
mesmo.
11/ A maioria dVa Directores terS authondade
de poderem alterar, emendar estas Condicoens
quando as'sim acharem ser tiecssario para o nielhfi a-
inento e vantagena da dita Gaiza.
12* Estas Resolucoens e Ootidrjjjoens se fafS pu-
" bcasem dous nmeros successivos da G'dze\f* Echo
do Norte.
(THEOR do VALE.)
N/ Marnhio, i835 Vale Ra, ^0 reis.
Vale quinhentos rei-, por igual quanlia racolhida
ero Sedulas de cem mil reis na Caixa de Deposito es-
tablecida Beata Cidade debaixo 4 Condieoens pu-
blicfidas pelos Directores da mesma Caixa. Maranho
ai de Agosto i835.
Henriquer Joto Moon i Comp.Joze Rodri-
|i*sRxo Francisco Tavares de Hartos Antonio
Goncalves Maiado-Victorino Joz.e Rodrigues
Joio Gualberlo da Cosa A. Russel Smith JoSo
Duarte do Valle Antonio Francisco de Azevedo
Nicolao Joz.e Teixeira Manoel Antonio dos Santos
__ Loiz Pereira Campo Joio Antonio da Costa
Rodrigues.
CORRESPONDENCIAS. f. ''
t h
Srs. Ilefactoitss.
^jOmo o Mundo est tpdo as aves-as, cOm Juizes de
Oireilo, que pedem Presidentes interpretarles de
Ley, e'Presidentes, que as .inlerpretio de hum 'modo
bmconiraiio ua literal dls^osic^o, eat contra as
ordena superiores, hora he, que para proteito publi- ,
co, e desengao dos ignorau'es, Vms. transcreio o
seguinle Aviso, econalua coro hum concelho prudya
te, que ninguem e fez scelebre persegoindo, e muit>
menos ppr-egnindo aos pobres, e aos fracos.
Com este faVor.muijo obligar ao
Seo constante leilor
B
THEATRO DO RECIFE.
AVIZO,
OPigilont*.
I^INDO presente JUaeicia em Nomedo Imperador
o Snr. D. Pedro 2/ oOfficio que Vm. dirigi eui4 do
coi rente ao Cbefe de Policia, pedindo esclarecimentos
re> ca de poder reci ular os cazados que vivero sef a-
rads de suas mulheres; A mesma Regencia roe Or-
dena I he responda, que huma vez fue os individuos
tiveiem aquelle estado nao deve.ro ser recrulados, ero-
boja estejo separados de suas mulheres, cnmprindo
em tal caso a Vm. pelocarg que oceupa proc*ar por
Briol conciliatorios, e petos qucasL-is !he ...ai\5o,
qu vivi unidos, e qoe adoptem ofit costumes.
DeosGu.iidea Vm. Palacio do Rio'de Janeiro,
em 26 de Oulubro de i833. Aurcliano de Souza e
(Miveira Coutinho Snr. Juiz de Paz da Villa de
Paraty.
Colleciio do Ouro prct0/5/ Vol. a fl 920.
* Srs. Redactores.
AI
.Uito meadmirei quando soube, que soraente
hia um Cirui^iao Ajud^nie em coropanhia dos600 bo-
meov qne marebo ao infeliz Para Ignoro d onde
insce tal negVnci*..... ser porque falli Cirur-
gies Militares? Creioque ainda exislem algunsnes-
ta Cidade: lalvez, que se julgue ser bastante rnen-
te, oqoeagoia maicba, que falal erro Nio he pos-
sivel, qui oro s GiVurgiaoainda otnuis hbil, seja
ufl'u ente para rmar tanta geiite : mxime em crize
to arriscada. Eu nio conbeco 6 Facultativo nomea-
do ; mas segn-lo dizem hedomumero d'aquelles, que
oCommandante em Chele J. J. Lnii juliciazamei.te
dis-e em um ofli. o >er mais apto para matar do
que para curar s'accaio he na^eadade assim, eu
lamento as s >rts dos nossos bravos Soldados, que ti-
vrrem a ufclividade dradoecereni. He assa* repre-
hensivai o despiez ), que garalment. se fazWBraz.il
da Cii rgia Militar, os peiorea Cir^rgioes sio empre-
g.dos nosExercilos de Mar, e Terra, ate brbaroa-
buzo no veio do velho Poitugal ; porin he necessa-
rio, que dezapareca d'enlre ni. Eiigaiiio-se ai Au-
toridades, que assim ebrio, 110 Ex,erilos be onde
existem iml.-.-tis horrorosas, e dignas d'um genio at-
tento, e observador, ahi quotidiananieute v se phe-
nomenos extraordinarios, e.a prtlica emiquece-he
com asuaaequizico. He da cla*se de Facullativ.s
Militares, que a Franca, Inglaterra, ^ oulrQ* Paizes
tero tirado os maiacelebres Professoies", que lera hon-
rado a Sciencia, r peitado a classe, e euchido d'as-
sombro a Naci : por falta de escolha, e recompensa
nao tem aparecido esse genios admirareis entre yoi.
A guerra, eoxpediciodo Para nio deve-se equiparar
coro a dePantllas, e Jacuipe, para onde forio nome-
ad. 8 Ci urg 6 s Ajudantes individuos, que nem sableo
eacrever sofrivelmente! manidade !..... He assaa-rergonhozo Perhmbuco
presentar taes charlalans a frente d'um* brilbanie, e
valerosa Tropa de defensores da Liberdade. R go a
Excel. Sur. Prezidente em noroe da Patria, e da Hu-
manidade, quedigne-se dar providencias sob*e este
objecto, que ao nosso ver nio he pequeo : esper fi-
nalmente, .que S.' Ex. ouca as vozes da razio, encare
este negocio^aiMi aquelln attencio, que.he preert^p
nio com a indFerenca, q te outrVao Excel. Mano-
el deCarvalho tratou a justa reprVZentaclo doCom-
mairdanle em Chcfe : e pera boro xito deita corres-
pondencia
Hum Voluntario.'
JJEni ficio das destacadas familia Paraenses. Gil-
de xpectaculo n.s trez noites 29, 50, e 3i de Ou-
lubro. F.xpectaculo do da 29 } Drama Independen-
cia onmor.te: peca Amor] e Philozoia ; Duelo d
Rociue- lzabel e Thadav.
Expectaculo do d a 30. Drama Congreco dos Peo
zes : Tragedia FaeJ, ou o amor ztloto: Terceto--De
Ignacio de Fieitas.
xpertaculo dodia 3i. Drama os Pernainbuca-
nosno Pai ; pefu jo Realce do patriotismo : Pniilo-
mimo e danca. .
O Director do Theatro comovidq com a leitura^ do
mizeroeatado a que se atebio reduzdaa tantas famiHas
de nossos irmios'Paraenses, oflereceo a S.'Exc. o Sr.
Presidente da Provincia, trez noites em beneficio da-
quellas familias, eleve a sJisfacio de ver, que S. Exa.
s dignou aceitar siifofferta, nomeaudo para Direc-
tor dos ditos Renefieiosao Illm. Sur. Chcfe de Policia
Inspector do THlalro, e paa-Thezouieiro ao Snr.
Luiz Gomes Ferreira. O actual Emprczario e Di-
rector do Theatro, quereria que estas tres noii.ee de
Beneficios fossem expa?adaS,je'nio seguidas ; afina d
promover mais concorrericia ; porem o Illm. Snr. .
Inspector atendendo a bievidade com que cL^ye naai-
char a expedicio ao Para, assenloo serem o c indicado: o Emprezario p.ga todas, e qqaesquer
despezas, nio desprezando a coadjuvacio de todos a-
quelhs aeua Empaegados nao Escriptqrddoa, a que o
ajudemera tio caridoza Empieza : elle convida a to-
dos os Senhores MuzicjQB de Piofisso, a que s ve-
nhio reunir aos da aclaal Orcheslra, afim de qu esta
fique muito^ mais brincante: igualmente convida, [e
espera que o Snr. Labotier venha em alguina desUs
UUIlCS lloi 10 \-wui auw ,.m...-^-- v -,-~ ,---------,
osnos^o F.xpectaculos, ficaiido da parte do Empre-
zario faser publico pela Iroprensa, os nones daquel-
lesque tomarem paite em accio tio benemrita: sir-
va este Theatro donde muitos tm tjrado mjejos de
subsistencia, de um canal pekqual vamos aliviar em
parte o males da nossos iranios Brazileiros. Que
nos. resta a esperar em retallado destes trex Benefici-
os ? Se hum Lacroba, huma Scheroni, hum Chaii-
ne, eultimamenleo Joven Planel, merecerlo a Pro-
tegi dos^obresPernambucano,; se o apaixonado a-
manle esgota seus cofres para agradar as mais das ve-
r.es aua falca Syrene; se apaixonado do jogo \efu-
gir-lhe das roios o lomo metal ganhp as mais das ve-
zes casta de suores, e Migas de scus progenitores,
e com toda a grandeza d alma continua a.sofrer os re-
vezes de hum importuno azar, seo Commerciante sa-
crifica em e.pecubuSes erradas somas consideravia
donde vem a rezultar .Ihe a infalivel quebra :"se final-
mente o Prodigo para anstentar o fausto, e o luxo v
di minnirem seu;bens, topara agraciar huma orda
d'aduladores, que o desprezario no momento em.que
se v aproximando ao estado decadente; se. todos es-
tes, ufo duvidio saerificer seus bens par s^bfazer
seus apetites, tendo a espeiiencia nioalrado, qual o
fim desgracado que os espera; por que nio esperare-
mos a mais decedida coadjuvacio, pera esta obra cu-
jo fimjs anche de hum prazer sobre natural, em
que ocoracio do hornera se extazia quando em aua
conciencia diz--Eu fiz beraprazer consolador, dia-
roelralme-ite aposto acuelle que os remreos produ-
zem pela pratica ds aeces ms. Fi'hos d>mbos os
mundos ; desenvolvei vossa Philantropia : e j que
os nossos braeos nao podem hir soccorrer nossos li-
maos Paraenses, vem l vosso thezouros a roborar
seus male*, vio clles; acompanhmdo esse punhado
de Bravos- Pernarebucanos, rstabelecer a pez, e 01-
dera ; pode ser que hum dia se vtlva a aorte, e yan-
tnos ser grato ver aportar s Peaias do Recile-re-
tribuin Mas o:ige, longede nos tio lad'^alenibranea Se-
jamos liberaes cora es que nece>sitio, quo nosso pie-
mi ser a recordacio da nossa boa obra ; e hum 'Dos
que Vea sobre as aecesdos mizerns humanos, dito
i,os nos far porlojwos annos.
G Snr. Lahot* e sua Senhora venar em huma das
trez noites 'gratuitamente retorcer os expectaculos.
O Snr. Joio Nepoinoceno de Mello tendo j asigna-
do a aubscnpcio, deo papel ej'impressio de bilhete
gratis. De novo se convida osSeohres Muzicos a
seguir o exemplo do Snr. Labotief, esua Senhora.
Consulado de Franca em Pernambuco.
Oie faz se leilio das mercadorras provenientes do
carregamento da galera frauceza Genoveva. A pes-
soas uuc a&coruprarem devero comparecer amana*,
dep is do meio dia, na porta d'Alfartdegi para tom-
remeont* d'ellas-


DIABI* DE PI RNAMBUCO.
T
*
ANNUNCIOS.
JbLfEo luz o N/ 5i do Aristarlfc conteado trez res-
postas ao Velho Pernambucano, urna Quolidiana.
Vendfe-se nos lugares do coslume.
JS* Sahioo. 6 io Mesquita de Capote. Ven-
de-se na loja do Snr. Bsndeira Jnior.
AV1ZOS PARTICULARES.
^FALQUERSnr que percisar, fora d'esta Praca de
imisugeio casado, e cor pouca familia, para ensi-
llar primeirae letras, gramtica Portugueza, e rudi-
mentos de Latinidade; anuncie.
ff' Quem quizer aforar um terreno que fica na
Estrada do Manguinho indo par* os Aflitos, perten-
cenleo Dezembacgador Maciel Monleiro, e com a
condico de levantarem logo propriflades, entenda se
con o Eacrivio Almeida, para se tratar dos termos do
foramen i o.
1 jpry Pefgunta-se ao Sur. Juiz de P*z, a quem
pertencer a polica-do Destrielo da Entberibeira,, en-
Ir.Affogads, e Boa-viagem, o motivo porque con-
sent queo B. Antonio Therezo, possutudo n'aquella
estrada bum terreno, onde se acha construido um
viveirode peine, tenhaem tanto desprezo a commo-
didade do publico, que deixe estar a dita estrada in-
tranzitavel", por causa de.grandes cavidades, on antes
profundos precipicios, em que. diariamente s/> sito
jados centenares de cavallos, jayalleiros, almocreves,
Stc. ? Quem quer regalar-sede, bom peixe parece
qnedevedar-seao trabalb de fazei4 no referido lu-
_. --r--_--------------r------"- o jr- ---
dantes-, pois la diz o antigo prove bio: nSe je co-
nten trucas a\ bragas enxufat ; eseo R. .proprieta-
rio do tal viveiro nao se aflige com os encommodos, e
prejujaps do rovo, ao Snr. Jura de Paz do Desdido
comp^BIem dovda providenciar o caso, e sem .de-
mora, alias tornar a reccorrer ao pelo com per-
guhtinha nuis calbegorica
O Discpulo de Moiis. '
< *JV Prgunta-se, porque "defendendo-se tanteo
incontestabel direito .dos Parochos de nomftr Sacer-
dote idneo em sua ausencia, tambem nao promobe o
prroeiro, e mais sagrado deber dos Parochos, que he
a predica, bibendo os parochwnos na mis crtssa ig-
norancia dos seus deberes religiosos ? E nSo tem os
Parochos este deber por direito? Tal vea que esle di-
reito seja considerado por direito iiupe tai vabe]
Nao pode dcixar de eatranba resta lo p,.lmar parcia-
lidade
QAbbadeMingu.
VV A officina de pentes, ca.xas, e mais obras de
tartaraga, pertencente a AnlnoBodrigneaSamico, e
outr'ora eslabelecida na ra de Hortaa D. 43, acha-
se mu|ada para a do Rozario (a larga) D. 6, e o raes-.
mo pi'oprietai io. da referida Oficina a lodos os seus
fregueze se oflerece para os continuar a servir com
muito bota gosto em qualquer encommenda, B< ja o-
bra nova, aeja concertos, como at agora tt*u praii-
cado.
JV Troca-se um escravo da muito boa fignra,
bom cosinh'eiro do ordinario Agruma ca>a, e que tem
18 annoa.de i da de por urna jscr^va que saiba en-
gomar, 9'ja mossa, de boa figura e sem vicios; no
beco da lingoeta,, sobrado de 3 andares da esquina da
ruada cruz.
das, atoieca na ra da cadeia doRecife n.,56.
f.y Na menina casa cima precisa se de um bom
feilor que entenda de podar par reirs, plantar verdu-
ras, florea, e todas as mais plantas de um. sitio.
f|^ O Snr. Fabio qu tomou o camarote da
Cazapara as trez noites dedicadas aos infelizes Pa-
raenses, o Snr. Eozebio, e o Snr. Joi.o Francisco de
Oliveira, Asaignantes do Tlieatro, quefro por obse-
quio declarar as folhas publicas de amanhi Sexta
jeira 30 do cprrente, quanlo de*io dar pelos res-
pectivo camarotes, para o a-bato assignrdo' entrar
com essaqnantia para a caixa da Sociedade benefi-
cente.
i) Director do Tbeatro Francisco de Freilas Gamboa.
Os Srs. e^carregados da Fregueiia de S. Pedro Gon-
calves, na subscripca dos infelizes da Provincia do
Para, iodo eu metido na minha cadeirnha na, rna
da Cadeia medsseru tinhuo vindo na minha .caza,
dizendoquetinbaS vindo a mnba residencia saber
quantoeu dava pijra dita subsciipQaj eu 1 he res-
pond que nada dava, ( e na5 biras palavras, como
diz no Diario ) por ter cbjgfdo na quilfe dia de fora,
pdo'Manteiro, por ter i enado doente, e nao ter li-
dio as folhas publicas por cauza da minha molestia, e
falta de vista, porera a sea tempoeu mostrarei, e fa-
rei publico o qOanto eu tinba dado ordem ao Illm.
Antonio JoZe Meirelles, para dar na dhta Cidade,
na5 em meu nomer sim era noroe de hum annimo
desta Praca de Perriambuco, pelas f)lias que de l
vierm se ver, porque nuuca gostei de meu nome
andar em folhas, so quando Ire pedido pelas Autho-
ijlades, por que todo o tempo tenho desculpa, e
nao voluntariamente onTiecerme, e rieni dar a sa-
ber, Poreat agora'eomo me vejoobrigado a faz^l-o,
que dou minha resposta, poremsempre tenho a di-
zer que a alma do negocio he o segredo, e que tem
hido muito bem 8to prezente.
Domingos Rodrigues dos Passos.
Q4P" Peiza-se aligar huma preta para servir
dentro de huma caza sem ser perciso Cozjnhar, na
penltima caza da ra da Aurora I). 14.
yf&" Na ra da Pr'aia sobrado, quefoi do iwarro-
quim, i/andar alluga se urna ama de leite forra, ou
captiva, que seja preta.
hnu
das de novo, e trz duzias de casticaes pratiad
bem de novo porpreco muito commodo; na
Rodaladod norte em casa de Eustaquio Pijtor"3
H^ Verdadero ungento de marisco -na Boa
a largo da -Santa Cruz Botica de Jaze Mara, p-3'
Gameire. ^- ri*eire
y/^ m piano de mito boas vozes : na rna A
Vigai io 1 / andar do sobrrdo dolampilo, junto a v
da do Themoieo, defronte da Menezes.
%^" Um grande sortimento de cadeifas anjerir.
as de todas as corea, cmodas, camas, nuaiirn
quezas, e pspelhos poi
1u,d'o> mar-
preco muito commodo- n
rmazem da roa Nova D 3o p da ponte: '
no
mesmo recebe-te lodos objectos tanto n'nvos
zados para vende/- por meo do seo es(abelecim
^ Ui
commodo:
NAVJOS A CARGA.
Pava Jaragu.
k_jrEue vagem no dia 51 do corrente o Pataxp Per-
nambucano : quem quiser carregar oo rr de passa-
gem dirija-se a Manuel Gonoalves Pereira Liosa, ou
com o Gdpilo do Husmo. ,
PARA A BAflfA
^9* Saheno dia 31 do corrente, a Barca frnce-
za La jeune Nelly, Cap. Momus; quem n'ellequizer
hir de pas dirija-se ao seu Consignatario A. Schramro, ra da
Cruz, N. 27.
Dento.
ma cadeirnha em m^io uso, por
: ao entrar da ra do Rangei do lado?
reily venda D. 2. w'
; W^ Pea de ayo de mujto boa qualidade em d
ziis com sen competente cabo e varias miucfezas d
todas asqui.lades, e ludo por preco commodo- Z
praca da Independencia loja n. ,8. '
** Pa" fea da Provincia, 1 escravo den^-jj, .
3Q annni pouco mais, ou menos, official de eaiin
bonita fijrora: no sobrado D. ai por cima da boti-
ca mais prxima a torre do Livramento.
*y' Um pardo escuro de idade pofe mais on me-
de 26 a 28 annos de sei vico de campe e carg
potrada: lio 1/ andar da casa da
ro do
juei-
esquina da
ra dojrirantanient que fdZ frente para a praca dn
commercio. r v o
W Dous qoartos bem fortes, e por preco cmo-
do, na loja de f;.zenda\lo Livramento D. t3.
P* Agosardente de suprior qualidade empipas
e por cmodo preco r na ra d Cruz n. 61 ^
c 1^ Bacas de rame de todos os tamanhoa: na
ra nova loja de ferragem de Joze I^uiz Pereira.
O
COMPRAS.
e outnis
Espadas boyas de bom gosto para Officas
propriaaparacavalleria : na mesma cima '
cima.
S- ------" "HlllO,
ementes de ortajica muito, boas, prxima-
mente ebegadas : na Sollidade, caaa 450.
f-*?r
KlJGUEIS.
Almoereve de petas: quem o tiver annuncie por
esta folha.
W^ 3 cjbras'(bixo) e 3^ovelhas, que sejo novas:
em Oiinda ra de S. Bento loja de Oliveirr.
VENDAS.
M Otassa Ruciaaaaem bar iz de qustro arrobas, che-
gada pronimamente : na ra de c^llegio D. q 1/ an-
d'\ e o Kngenho Giqu para osSnrs. de ugenho.
fcJrnUma preta eoni idade de ?,5 a 26 arviybs com
habilidades, para fora da tena: na ra do Rocario
larga D. 9. /
%ty U.na parte do sobrado, e sitio que fo do (*-
lesrido Francisco de Paula Pinto cito mr Povaaci
dos Affogados : na ra do Aragio D. i5, ou annun-
cie por esta folha.
ttLluga-se m negro cosinhero :-quem a quier
dnja-ea Joze Carlos Teixeira n? praca da Boe-vis-
tj j*.7 aU- HS 9 I,uri"5 da.manhi e d^s 2 as 4 da tarde.
*W* 4 Quartaospelo preco de960 rs. men'sae!
na ra da Boda, lado do norte, em caza de Eustaouio
Pintor.
fcJF Urna caza
com bastantes com
Cyoriaao Luiz da Paz.
<4er
iodos
fia np Bairro de S., Antonio,
: na rua do Colegio, Botica de
ARRENDAMENTO.
Bhendio-se^ duas moradas de casas para pas-
festa perto do assude do Monteiro : no so-
m
par a
bi-ado, de um s andar atraz da Matriz da Boa-viala.
ESCRAVOS FUJIDOS:
Ij9* Oabaixo assignado participa ao Sqrs. Juiats
deFacto sorteados para a sesso de i5 de Agosto que
nao trablhou por falta de numero suffic'ienie, que
S. Exc. o Sur. Presidente pr offioo qu 1 me dirigi
em 24 do corrente manda que se convoque de novo
ditos Jaizes soi teados, e tenho por isso marcado o dia
i5 do mez vindouro de Novembro, pelo que convi-
da aos ditosjfora. Juizes de Facto para comparecerem
debaixo das-^vits tabelccidaa.
Bento Joaquimde Miranda Henriques.
Jl^flesposta aoannuncio viudo na Quotidiaoa n."
z3i aobraoque diz contra o abaixo assignado.
C?Imao, cor bstanle preta, eatarnra alfa, cora prin-
cipio de barba, e beicos grossos ; fgido a dia i5 do
crreme, com calca e carniza de estopa: o Armaiem
IV-Uma magnfica Casa terrea de pedra e cal i- Le1M3ur0 PnC0M e S','vi ^<> p do Corpo Santo,
ta na principal rrfa da Povoacio dos Affogadoi muito fSs.*^* No'dia 23 de Out'ubro, fugio' um negro por
bem construida, xos proprios, quintal-murado, ca- l nome Damasio, crilo de idade para mais de 40 an-
c i roba com excellente agoa, meia agoa no fundo do 1 n0$'. estatura regular, corpo o mesmo, picado de
quintal com saida para-o beco: na mesma>casa aci- | bexigas iniuda, tem huma velida no olho'dfreite,
i quando falla entorta a boca para O mesmo, parece que
Ihedeooar, tem na.ma5'espierda o dedo polegar
torto, he retorico no fallar as perpas al^ums coiaa
2 arqueadas, anda ron j.queta !ire o hombro esquer-
Jdo, foi captivo do Sr. Joa Velbo de Mendonca Fur-
la^o morador em G.anna, e hoje captivo de D. Jo-
anna Francisca da Silva.
ma
., ou annunne.
*V Uma venda com poneos fundos, com cora-
rnfdos para um. pequea familia, em milito bom lu-
gar, na ra das 5 ponas D. 5l na m'esma'.
W" Um preto da cesta, alto, de bonita figura,
de 20 a 25 nfios : na ra do Varadouro primeira ca-
za deaoboaiJoa direita yoltand paraS. Bento. '
W Um quarlo anda coro urna muda por fa-
zer^em boa* ca nes : na ra do Banel D. 29. '
Ifi^" U^n escravo moo do gento de angola, de 16
annos, para fora da provincia : na ra das Trinchei-
ras D. 18..
yt^Vma scrava crila de 18 aaoannos, pro-
pia para uma cana de familia por saber coser, engo-
mar, faz layar.nto, den-s, a refina arpear: na'rua
do Collegio D. 6, sobrado de um s andar.
W '-''"du^'adecadeirasdepalhinha, um^of,
uro jogo de b.nquinhas, ludo de bOJ ..deira/e em
muito bom nzo, uma earteira de amarello, e nim par
de m..ng-s de vidro : na segunda casa na ra da Flo-
rea lina quarteiafo de casas novas.de Joo Zurrick.
Duas cadeirinhas de carregar senhora junta-
NOTICIAS MARTIMAS.
Toboas das mares cheias no Pono de Pernambuc*
3

-o
I
Q
6Segunda
7-T::
8Q:
9~ 10S:-----
11S:----- ,
12D:
- Oh. 18
- 10- G
- 10-54
- 11-4*
- 0-30
- 1-18,
- 2-.
m
1




a
Manila.
Tarde.
FerTa Typ. do Diario 8S3T
^


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EVAVRQD7H_DJSINA INGEST_TIME 2013-03-29T16:20:09Z PACKAGE AA00011611_03016
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES