Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03006


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO DE 1835.
SEXTA FEIRA
16 DE OUTBRO N. I9.
DIARIO DE PERNAMBUCO.
Pkuwaiiboco, ha Trr. db M. F| de Pabia. 1835.
DAS DA SEMANA.
12 Segunda S-Svpriano And. dos Js. do C. de m. e de t ses
13 Ten-a^S- 'Eduardo- Re. de ra: aud. do J. de O. de f
j Qoaria S. Cslisto sessao da T- Pub. Quarto ming. as 7
,9 (iJinlI's'.Thc.cza de Jezsn Re de m., aud. do Juia do C.
ir, SiuVlMartiniano sessa* da T. P. de m. e aud. do
7 Saldado. S. Heduviges D. Relacao de m. e aud. do V.
0. de t mi Olinda.
18 Domingo S- tucas Evau plista.
Tudo agora depende de nos mesmos, da nossa prudencia, mode-
raciio. e energa: continuemos conw principiamos, e seremos a-
pontadoscom admiraqao entre as NacSes mais cultas.
Proelamfio da Autmblia Gara* do Bratil-
Subscreve-se a 1000 rs. mensaes paros adiantados nesta Typogra-
fia, e na Praca da Independencia N. 37 a 88 ;onda se receben
correspondencias leralisadas, eannuncios; inserindo-se estes gra-
tis sendo dos propriosassignantes, e yindo aaeignados.
PARTIDAS DOS CORRE10S.
OlindaTodos os diasao meio dia.
Goiana, Alhandra, Paraiba, Villa do Conde. Mamanguape, Pi-
lar, Real de S. Joo, Brejo d'Areia, Rainha, Pombai, Nova d-
Souza, Cidade do Natal, Villas de Goiannlnha, e Nova da Prinee,
za; Cidade da Fortaleza, Villas do Aquirs Monte mor novo*
Aracaty Cascajal, Canind, Granja, Imperatriz, S- Beraardoc
S. Joado Principe, Sobrar, Novad'EIRej, Ico, S. M atWB,
acho do sangue, Santo Antonio do Jardim, Qnexeramobim, e Par.
naiba- Segundas e Sextas feiras ao meio dia.
Santo Antao Todas as quartas feiras ao meio dia.
Garanhuns, e Bonito nos dias 9 e 23 do mez ao meio dia.
Flores no dia 13 de cada mez ao meio dia.
Serinhaem, Rio Formozo, e Limeiras-Segundas, Quartas,
extas feiras ao meio dia. _____.
RIO DE JANEIRO.
CMARA DO DEPUTADOS.
Extrato da Sessao em 11 de Julho.'
Presidencia doSnr. Araojo Lima.
W Eita a chamada pelas dez horas da manhS, e a-
rhando-se presentes cincoenta e hura Depatados, o
Presidente deckrou abei ta a sessao, e Hda a acta da
antecedente, fit approvada.
# primeiro Secretario passou a dar conla do ex-
pediente.
ORDEM DO DIA.
,sasis3|
urecer asa
rinaeiro artigo do
..^Fbposta do Go-
verno a respeito da suspen.-o de garantas para o
Pai, emendas apoiadas. O Sr. Manso d pois de
ter feito huma larga narracfo sobre o estado poltico
da Provincia de Malto Grosso, e da conducta dos dif-
ferenles Presidentes q' forlo para al noraedos, tra-
uou da Sociedade que se formou em Guiaba, coni
a denorainac/ de Sociedade dos Zelosos da In-
dependencia, cuja Sociedade fra inslallada em Sele
de Setembro, e cojos estatutos fora pblicos; disse
que a Sociedade tinha por fim reunir Cidadaos Bra-
zileiros para, por meio da sua instruccio, sustenta-
rem a Independencia do Brazil e resistirem lyran-
nia ; que nessa poca houve toda a raiio para sus-
peilare que baviao restauradores, porque a mensa-
gem do.Governo assim o disse, e as fulhas publicas
appareciio recheadas de protesto, e outros docu-
mentos a semelhanle respeilo; que em fim, o que
a Provincia de Mato Grosso precisa va era de ins-
truccio, e conelao dizendo, que elle Deputado d-
se ja va que a Cmara apoiasse certas providencias
que pedia para aquella Provincia, e remetlia a mesa.
O Sr. Moniz Barreto oblendo a palavra pela or-
dem, disse que nao sabia se estava, ou nio na letra
do Regiment da Casa hum requerimento que pre-
tenda fater para bem da ordem. O Ilustre De-
putado obsenou ao Presidente, que nio tendo appa-
recido emenda alguma relativa as Provincias das
Alagss e Mato Grosso, tudo que se tem discutido
a respeito de semelhantes Provincias, tem sido ao
seu ver incompetente, q' o seu requerimento pois se re-
duziaapedr a sua Excellencia queexercendo attri-
buices de Presidente, exigisse o comprimcnlo do
regiment, e chamaste ordem a.todos aquelles
oradmes que se desviassem della.
O Presidente disse ao Sr. Manso, que a proposla
que havia mandado a mesa liria HJa em tempo pro-
prio. ,.
O Sr. Climaco obtendo a palavra pela ordem, de-
clarou que o Presidente devia mandar 1er a emenda
do Sr. Manso, para a Cmara ver se a havia ou nao
apoiar.
O Sr. Alvares Machado filiando igualmenta pela
ordem, ponderou Cmara o estado em que talvez
ektivesse a ota hora o Para, e a necessidade de huma
medida; e pedio que se tratasse la somente para
aquella Provincia, desta medida que ten levado tan-
tos diii de discussa.
O Sr. Vosconcellos disse que tinha pedido a pala-
bra para responder ao Deputado que hontem liuha
fallado sobre a Provincia das Alsgoas, e exiga saber
do Pesidente se Ihe era permttido tocar de leve em
algumaa comas que o dito illuatre Deputado havia
dito acerca das Alagas; respondendo-lhe o Pre-
sidente, que se devia' restringir qnesta do Para,
di-se o nobre orador: Enta cedo da palavra.
Tendo fallado sobre a materia o Sr. Limpo d'A-
breu, o Sr. Costa oblendo a palavra pela ordem,
pedio aos Deputados que fallara sobre outras Pro-
vincias, como dss Alagas, Mato Grosso, e especial-
mente aes da sua Provincia, cedeisem das suas palavras
para se evitarem questSes vergonhosas e indecentes
para aquello lugar; que com esta materia se tem
gasto j oito dias, e se a discossa continuar assim co-
mo tem do, na5 se concluir ta5 cedo hum negocio
de tan importancia; que ao sen vera materia j
estava suficientemente discutid; pelo menos elle De-
putado j tinha fixo o seu voto; o qul havia de reca-
hir sobre huma medida que se devia dar ao Governo a
respeito do Para, e concluio dizendo que esperava
dos Deputados a quem se havia dirigido, Ihe fizessem
o obsequio de ceder da palavra.
O Sr. Rafael de jiacedo pedindo a palavra pela
ordem, pretenden responder ao que o Sr. Dqutor
Fernandes Barros havia ditona sessao de hontem, e
demonstrou que era falso, e que tinha em seu poder
documentos que o provassem.
O Mo-tre Deputado na5 continnou a fallar em
cansequencia de se Ihe advertir que nao era esta a or-
dem. '
Drpoii de ter fallado sobre a materia o v conde
de Coianna, o Sr. Hollanda Cavalcanti n'hura longo
e enrgico discurso desenvolveu a questa, e mostrou
que ella se reduza a estes dous pontos essenciaes:
Crear-se-ha huma Relaca no Para? ou, mandar-se
ha boma atoada em conformidade da proposta do Go-
verno?~E depois de ter expendido muites argumentos
em spoi de sua opnsS, pronuncou-se contra a pro-
posta do Governo pela julgar prejudicial na sua doutri-
na e forma, como contra a emenda das Commisses :
sendo de opiniaS o Ilustre Depusado, q' se devia man-
dar crear no Para estaleiros, e conduzir p' aquella pro-
vincia barcos de vapor para facilitarem a navegado e
correspondencia com o Rio de Janeiro e outras Provin-
cias, e que se devia contratar com Juizes de Direito,
Magistrados habis, que fossem residir para o Para,
e se auxiliaase Brasi'eiros pobresq' tambera p* laqui-
zesseroir residir; q' finalmente se mandasse p* aquelles
povos pao e carne, e sutoridades que saiba adminis-
trar justica. ( Apoiados.)
O Sr. Remigio contoo toda a historia do que acon-
teceu na Provinaia das Alagas a respeito das elei-
ces.
Como tivesse dado a hora, muilos Deputados pedi-
ra6 votos, e oSr. Carneiro LeaSpropza prorogaqao
da sessad, e venceu-se que sim por 6o votos.
Houve huras questa de ordem para se saber at q'
hora havia de ser a proregacah sendo alguns Depu-
tados de opinia que fosae al qlie se votasse sobre a
materia era discussaS, e o Sr. Hollanda Cavalcanti
foi de opiniaS que nao se poda entender por este mo-
do, sem que a Cmara se declaraste primeiro em ses-
sa5 permanente. .
O Sr. Soqza OUveira leu o artigo 87 do Regiment
da casa, e reclamou atba observancia.
Sendo proposta a prorogaca at s 4 horas da tar-
de, naSsevcnceu.
Propondo-ae a prorogaca5 at se findar a discu-
sao, houveraS 4o votos contra 4o.
Declara ndo-*e a votaca em pitada, pedio-seasua
verificagao, e achou-se contra a prorogaca proposta
4i votos contra 39.
Propz-se a prorogaca at as 3 horas da tarde, e
veneeo-se que sim.
Enta o Sr. Rafael de Macedo respondeu a todos os
factos expostos na sessa6 anterior pelo Sr. Doutor
Fernandes cia das Alagas, e contrariou a sua opinia a seme-
lhanle respeito.
A discussaS ficou ainda adiada pela hora, e o Pre-
sidente dea para ordem do dia 13 a mesma mareta
dada para hoje, e levanlou a seasa depois das 3 ho-
ras da tarde.
O.
GOVERNO da PROVINCIA.
Expediente da dia ia.
_ 'Ffcos } Ao Exm. Presidente fia ilelaca, para
nomear quem subttitaa o Dezembargador Joze Liba-
uio de Souza na Junta de Justica Militar.
AoCommandante da Praca, afira de convocar
os Vogaes Militares da Junta de Jnatifa, paraseasa
no dia 16 do corrate.
Aoa Dezembargadores Silva Tavares, e Bel-
ment convocando-oa para compareceretn na sessaS
de que trac la o officio precedente.
ARTIGO D'OFFICIO.
PARA'.
MLlm. e Exm. Sr. Eu tenho o doloroso e pre-
ciso deverde noticiara V. Ex., que no dia i4 do
correte pouco depois dss 1O horas da manh, so
verificara todas as denuncias que se revesara6 a ca-
'da momento, e fui atacado pelos bandos de sedicio-
sos, tendo a sua frenta Antonio Pedro Vinagre, ir-
mado intruso Presidente, queso acha preso, e uro.
tal Eduardo do Cear, chefes de todo o partido Vi-
nagreta ; eexcessi va na verdade a minha magoa
por ter de dizer a V. Ex., que at esta hora 4 horas
da tarde dura ainda o fogo, sem me ser possvel ter
acabado com esta horda de assassinos, n tanto pelo
systema de guerra, qne fazem, mas peJa falla de Taho-
na de primara Linha. Esta cabilda dividida em
bandos, vestidos de cor de tena, nao ouza appare-
cerem campo, nem por cons^qnencia medir-se com
os bravas, que atac- traica por entre as immen-
sas estacadas dosquintaes da Cidade, as cazas de pa-
cficos Cidadoes, que forca penetrad para apoiarem
suas ferinas ntence*, e covardia, dingindo assim o
fogo acoberto, era quauto os briozos soldados do Ba-
talha 4- de primeira Linha dessa Provincia, e
seus dignos Oficiaes, os valientes Marnheiros, os de-
nodados Ofiriaes da Esqnadra, e os bons Volunta-
rios Nacionaes tem offerecdo em seus peilos urna trin-
ebeira de honra, e por isso tenha tido at hoje atf
mortos, e entre elles o meu fiiho, meu Ajudanle de
Ordena, e perto de aOO feridos, entre elles alguns
Officiaes, o que me tem levado a mais pungente si-
tuaca. Com qnaulo porem tudo que maga metf


2
DIARIO J>F PFRNAMBUCO.
'
' ni pi mmm
PiH .MI
k
corcn, a experiencia da guerra nao permita, que
estranbc, se nao quanto ao modo do ataque j eu nao
osso deixar de dizer a V. Ex., que me acho no
cumulo de mmha afflica de ver a Cidade' tres noi-
tes soffrendo saques sem ter forca, que oppr em pa-
trulhas, necessitado a coneenlr.ua forca em ralacio,
jv imeiro alvo de seusataques, porisso que tem per-
dido a sporanca de tomar o Arsenal de guerra, que
i esslja o ataque de 30C Tapuios, e a esta mestna
hora alguns roubtf's se me tem apprescnlado o que
tem derramado coin taaa lira terror as familias que
desampara suas casas, deixando as ao frentico tu-
ro; destes.monslros, fugindo para os Navio, e para
este Palacio, nojestado mais dolorozo que pode des-
ere-er-se era priva^es do proprio vestuario, com-
o, e sustento. Tenho recebidoa promet id a co-
t erca& dos illuslres, e excellentes Commandantes
da Crvela de Guerra Portugueta, e Ingleza, que
'desembarcando o numero possivel da sua valiente
guarnica, tem sacrilicados suas vidas ao generoso
intento de salvar a Provincia, e de manter a dignida-
de do Augusto Nome de S. m. o Imperador, unin-
i!o-se-Mjeos respectivos subditos de suas Naces, que
todps cmhprem o que havia a esperar; mas nao
P'SMvel agente, que nao tem a disciplina nilitir,
auffrer ataques de golpes de mao com qu este modo
!e guerra dvia ser terminado* Hei recibido tam-
bern um exo'ssivosoccorro com seu Irabalho e pro-
videncias do Chefe Commandante das Forras Navaes,
:>.s forcoso confessar, que a nmito numero de fe-
i dos, os navios a guarnecer, e os pontos principaes
a sustentar, nao permiiiem a oppur una decia&a
al systema de guerra, como levo ditoi Inteirado
pois do estado de apuro, e risco desta Provincia, em
ir se est fazendo guerra de morte, e roubo indis-
inctamente, violando-seas cazas Extrangeiras, e era
finia todo, que tm a cor branca; para acodir a
'.antos horrores, que nao tem expresses digna d'elles,
rendo a esta desgracada Cidade, o aspecto o mais
medoiiho, e compassivo, nao s pelo sangne, que
orre, como pela ruina dos Edificios com .o f<>go in.
drspensatel dos Navios : Rogo a V. Ex. em Nome
e Sua Magestade o Imperador, por una seniwina-
TeiHVela Naca, e em boma a humanidnde, que
iigO; e quanto antes, sema menor demora acuda
a Proviucia, com os ltimos esforcos de salracaf),
anudando me a mante-la, alias ella ficar perdida por
,.a vez mandando-lite V. Ex. a genie que o
.' atriotismo e brio dos Maranhenses permillir, e mu-
llicos de guerra, e bpra de toda a qualidade, poi-
que os Tapuios tem bloqueiado a Cidade, e logo que
luatempo leuba gente, pretendo escarmentar esta
monstruosa faccaS; o que tudo rogo a V. Ex. devse
ervir levar'ao alto conhecimento da Rrgencia em
-lome do Imperador, por me achar entre o fogo, e
> desacotego de providencias, sem o pre-izo tempo
partofficiat* ( que mal roe perrailte reooirer a V.
'?*.' ) a fim de mtndar medidas promplas, e enrgi-
ca.", quesegurem a Provincia, e de urna vez eneie
impmidade, igualmente rogo a V. Ex. de faaer
esla cofnmirnicaca aos Exro. Presidentes do Ccar,
Pernambuco, alim de mandarem quanto antes os
possiveis succorros a es,la Provincia, no que far um
raemoravil servico. DeosGuardea V. Ex. Pala-
cio do Governo no Para \j de Agesto de 1835.
Illm. t Exm. Sr. Antonio Pedro da Costa Ferreira,
Prezidente da Provincia do Maranha. Manoel
Jorge Rodrigues.
Illm. e Exm. Sr. Pelos ofikies que tenho di-
rigido a V. Exc. depois de minha chega-la a este
Porto, e com- particulai iikuie pelo que ltimamen-
te remetti pelo Paquete Brasilia em dta de 9 do
crtente mez, V. Exc. detadiadamente ter co-
uheeid quaes as circunstancias tristes em que es-
ta inleliz Provincia se achava, quaes os grandes
recursos do inimigo, e quaes finalmente os pou-
cos das forcas legaes ; entretanto a industiia da
guerra nos sugera jneios de com essa esraa inferio-
rfJtade de forcas, faser di>p'ic5fs para resistir aes i-
nimigos, que repetidas denuncias todos os das fisia
e>peiar. A guerra tinha enta tomado um carcter
muito^erii, eHa nao era o resultado de paixes de-
sordenadas, nem de principias polticos, seu nico
fim era acabar com a casta branca no Para, como
jemprelenhoesbripto, e por sso ternando-se a cau-
sa geral todos os estrangeiros a prona se presta a ao
senrieo, < por vezes em virlude de denuncias acredi-
tare as Ci vt-ias Inglesa, e Portuguesa fisea per
pedido do Prndenle desembarcar suas guan ices.
Todos o- dias se esperara o assalto, mas ha se duvi-
dava jamis da victoria, is'o he na Capital por quan-
to forca* faltava para della destacar em s -corro dos
destricios vi>inbos aomlc o iuimgo fazia suassorli-
das. Vo dia 15 diste mtz recel>eo se urna denuncia
pie o inim'go atacara na noite daquelle dia, tudo
nt pos en niovimento, os .Navios ertian^eiios dw m-
barcarao suas guarnicoes, c dos Navios Najpnaes an-
da pode desembarcar um pequeo reato de inaiiuha-
geui que abordo existia, as maiores providencias se
tomaih, o lugar prximo a Cidade aonde se tinha
denunciado ser a reuniaS do inimigo foi explorado,
indo eu proprio nessa diligencia, naSse achou nelle
coisa alguma, mas apezar di-so passou-se a noite em
armas. Na madrugada do da 14^ as guarnicoes ts-
trangeiras retiraia5-se a seus resneclivos Navi.-s, e
muitos dos Cidadas dos nao alistados que tinha cor-
rido a* af mas, voltara assua^^asas, na5 b por se do tendo sofi ido grande eslrago? e achanilo-
icad..s: na dvnun- roiralarjs r*tirrd-se para burdo, donde i
\
nao lerem verificado os signaes nd
cia, como poc rnnguem pnsumir ue o arrojo dos
inimgos cbig'asse a ponto de pertndt rem dar o ata-
que de da. Bera depressa porem ficanjos desengaa
dos, seria dez horas da manhi do dia i4 quando inu-
meravel povo que habita a campia com parliculaii-
dade o das iminediaces do Campo di Plvora correo
espavorido reunir-fe em Palacio, p->r toda a Cida-
de soarao gritos de que os inimigos vinha entrando :
inmediatamente em Palacio, e abordo desta Fragata
le fez signa! de sua proximidad, tudo toma armas,
desembarca5 as guarnieres estrangeitas ; e os nicos
da nossa E^quadra, que existido abordo da Fragata
Imperatriz em numero de trinta va aera trra sobo
Command a\j Capita de Fragata Guilhtrme Eyre,
e toda a marinbagem debaix do Comniando do Ca-
pitaS de Fragata Jorge Mausou, urna loica de cem
piacas de voluntarios Nacionaes, e alguns soldados
partir5 a encontrar o inimigo na embocadura da
estrada de Nazareth, lugar par onde' se di.ia, que
ellas vinh,- mas beiu de pieria, e,j.1 dentro da Cida-
de o encontrase verifica, o que foi annunciado por
um vivo liri-teio : alguns tiras soleos, se puvira por
differentes logares da Cidade, e bem de pr< cj se obscr-
vou, que elle* a vinha tainhem atacando ptlo lado
rao cartuxos, o que -empossibelilou a turnaieni a
desembarcar a fim de defuiderem a propriedanV-.
de fius coiii'idadpos, falta a.--siz seittivei p*-lo valr
com lljijtt "= dia ba-t|^|yila|^do. Neste dia
o fogo continuou como no antecedente, os tiimigos
f.-ra desalojados de alguns pintos, v oceupara ou-
tros de novo, soffrendo nossa gente grande estrago
por se ver obrigada a expor-se descuberta ao^m.
bo>calo fogo, que contra ella -*e fazia. Os Inglezes,
que conTinuavao a oceupar o punta^ cima declara-
re en-
domi-
nando todo o fluieo esque-dp subir elle fizeia
fogo, e afugfntava5 o inimigo. O dia 16 fui pelos
malvados escolbido para dar ao Tieni um forte /
e decisivo aiaque, e eff divamente .as. A horas e '
meia da madrugada elle e uas immi diaces se acha-
v5 coalbadas dos brbaios inimigos, porm o
valor da guarnica do Trern, o biio do ieforQo
existeute no quavteb das' Mcrrez, as tapidas pro-
videncias logo, tomada*, e o vivo fogo feilo por
esta Fragata, Crvela Ingiera, e Rigenalap.
sobre o flanco ctuquando| e. da Crvela PorLugue-
za e a Fragata Imperatijz sobre o direito fez
que as 7 pa/a 8 horas da roa ubi o inimigo >e
retirsse deixando o largo das Mercez, e a ra
lo Asspngue juncadyS de Jiegaos e pardos cada-
Veres, sendo digno.de notar-.se que por vezes tn-
lara, e. chegar^ a meter AaChadoa primeira
poita do Trem, porem as granadas que Ihe clie-
via os fizeia desistir do seo temerario arrojo.
As casas proxim.^* ,ao- Trem e atgumas outras
se achava inteirameute arruinadas por quanto
ten do se os iuiuiigos m lias inliiut lieirados, os
navios de Guerra se vi\. na necessidade de as
demoJir, sendo tal a lemerjdade dos malvados,
do Porto o Sal, e ra dos Cavaleirosem distanciada i quenas proprias ruinas se intrincfaeiravo a pon-
menos d'uro tira de espingarda, emesnio nosquintaea to de ser mister por diferentes veses desajojal-os.
roui prximos de Palacio os crimiuosos desftixavc ; Nao desanimara os malvados com este re vez, el-
suasaruas. O Batalha de-Cassadores do Maraiiba, bse derramap pelos quintaes da Cidade, lomadr-
os Soldados de Aitilharia de Marinba, alguns volun- i ferentes casas,, nellas se fortfica, matando t
tarios Nacionaes, e urna porca de marinhagem mar-
char. por differentes ras a impedir a marcha dos
malvados : osprincipaes pontos sao por uoss? gente
oceupados, de alguns dog quaes fura desalojados os
inimigos, osquaess defigenciava (Qmar Palacio, al-
gumas cazas em suas immediaces ja era pqj eljes
oceupadas, euma pe^adeGampanha marebava pela
ra nova, providencias se toroaraS para Ihe embargar
o passo, diferentes forcas se poe em moviraento, os
pontes Ihe sao retomados alguns a baQ.nela calada, e
a peca entra em breve prisioneira pe]o largo de Pala-
r -7------, t-w *vnr ........"
logo aos primeiros tiros, do inimigo fosse gravemente.
ferido o Capita de Fragata Guillurme Eyre, e al-
gum t^mpo depois mortalmente o i. Tenente Ro-
ber|o Nicalo Morphy, e o Capitao Jeraninio rftrp-
lano Rodrigues, Ajudante d'Ordens do Presidente
(oqual ileceu de note ). A guarnica da Crvela
poderar-se dos edificios fronteiros ao referido Trem,
o que nao pode conseguir peja efficacia e valor coru
que Ihe foi disputado o Campo. A guarniese da
Crvela Portuguesa devidida pela* embocaduras das
ras da paixa Cadeia e praia e. oulras fiz u-
ma valorasa resistencia ao inimigo, e muLu evi-
tou, que elle se iutrinebeirasse em muilaa casas,
com tudo o inimigo ja se achara de paste o Thetlro
Providencia e desuasjanellas com um vivo fogodomi-
nava o |rgo das Aletees, e impeda a conununica-
ga do Trem com o Palacio. O fugo que principiou
as lo horas e meia da msnhaa foi para a larde pro-
gressivamenledeminuindo, eas6 horas t-1 le se ac-
bou de parte a parte, achando-se cow ludo o inimi-
go de posede muilas casas ua Cidade. A guarnica
da Corveta Portugueza pouco depois das 6 horas re-
colheo-sea bordo tendo-lbe morfido em trra um
Marinheiro, esido feridas algumas oulras pracas de
msrmhagern, tropa e Portugueses paizauos, que se
lhes ajuntar5 armados. A noite toda foi silenciosa,
e como se observarse que omaior intento .do oimigo
era apossar-se do Trem para se refaser de muniees
tentou-se antes de amsnhecer colocar no sobrado do
Quartel das Mercez, que fica eran/ente da Tbeatro,
urna pessadectnpaahfa e um refor?o decincoeulabo-
mens para desla raanena ver se podia desalojar o ini-
migo do vantajoa poni q'oceupava^pore'm nao sen-
do possivel eflecluar tal empreza de noite, ella
sobre a madrugada foi presentida p.los inimigos,
o nao se podeirecluar, todava a peca e o rtforco
se conservou na embocadura de urna das ras,
e grande estrago Ihe fez. No dia i5 apenas amanhe-
coo de novo ronipeo o fogo, e nao sei por que fa-
la I ida de guarnica da. Crvela Poilugueza falta-
dos os brancos de sexos e idades que nellas en-*
contra, e em quanio'uns suslenL. m> fogo mais
vivo, outios. saqueando-as leva para fia jtttt*
Cidade as riquesas que havia as inos. DeparW
a parte se conservou o mais vivo, fogo por lo-
do o dia e corno nunca so conseguio a pri-
sionar vivo um. dos njnigoa nao .-.e pede saber
aocei-lo.nem sed numero ^otal nem o numero dos
que Ihe tinha mrrido, entretanto seo ptejuiso
grande, mas que importa se seo numero he mijito
mais. Floje i7 de Agosto anda continua um vivo
fogo pov tuda Cidade, e nao sei d que possa dfsr
a_V. Exc. sobreo resultado 4a ac^s, porq-ianto
todos os diassofre prejuisoa foica legal, e o rnanti-
meatos falfa nao s para as guainices dos Navios
come, tambem para susteijter tropa, voluntarios
Nacioi
enlre
chao
futuro aguardar a estas desgranadas victimas
ou se os injmigos conlarem tiunfo, ou se nio
fierem os rpidos socorros, que se pediao ao
Presidente do Maranho. u tenho estado qaa.-i
sempre em .Ierra aq |adp do Presidente, nioitsveSs
tenho avaneado pe s ras da cidade persegundo o
inimigo, e oulras o me deve.r me tem, chamado a-
bordo, por sso nao posso em tanta agitaco ser rtiinu-
cioso no presente ofli io, mandar ciroo me'cumpra
urna relacoa V. Exc. dos Omciaes que mais se (em
distingnidQ, por sso reservando o fase-lo para occa-
zi|o oportuna, s me 11 mi t arel agora em tliser, que
a forca da Legalidade nestes dias de fogo tem pirdido
envaiortos e feridos dusentos e cincuenta para mais
perseas incluir alm dos Olficiaps j feridos o Capi-
tao Faklo Comroanddhle dos Municipaes, os 2.' 'P-
nenles Velozq, e Joo Joze.'Rodrigues, etrez Officia-
es de.ti opa, e can grande magia participo tambem
qije na occasilo em que regreasava o i. TeiVenre V*i-
ga da Commissoa que linha ido e de qiie falei em
m,eu a citado offieio de 9 deste mez o in.inn'go Ihe fez
do caminhouma embuscada sendo morto este Ollici-
al, firido um Aferegde Cacadores, e morios e feridos
mais de v inte e, seis entre Soldados, Marinheiros, e
Nacionsesde Bu jur. Para fazer este offi-io sabi* do
fogo, e para tli de novo vo't, recomraendahdo
muito a V. Ex, Tropa, ao, contrario o Para se ani-
quilar. Este offieio he remettido com sello vo-
lante ao Presidente do Maranhlo afim de que elle
possa conbecer o estado desgracado dest Proviw-
cia, e, t.endq-lbe j por outras vezes escripto sobre
remessa.de mantim,entos agora de novo o fac pe-
diudo lamban quarenta mil caVlujos de mosque-
iart, gente, e urmam-'nto, o que tudo vai em
armouia com o que eu disse a V. Ex. ante*1 da
niuh'a sabida dessa Curte, isto he de ser mister
vireni ordens para a Provincia do MaranMo forae-
Qer as forcas aqu eslsconadas, e "V. xc. agora
r^\
S\
MELHOR EXEMPL


V
BTXttlU DI PlfliNAlftiBLCO
-..... -ilfrff-^-T
Ha 'do ovrno do Ceaidtt de Setcmbro r-w
. poder coh^erW .Jilo lempo con_
E ,Imoedir, que os malvados t-mcm inte.ra- ,
iWU! n3 dW ^ diligencie: so firf j
^VmbW:f*l-d desembarque, que psalo
1 75E& e- uW boa mW*. Uh niaiste,
irdej
'"'.uXaer. ?*Vdo. malvado,, e eolio* que
m SSfi-r .U,^^ fnmquia
T oara isso tiver mautirmnlos, e pode ,V. Lx.
,e para iu ,elofU|r Gidade e perseguir
ticar certo que P W n u/u meil05
os
uois
/se. i.
/ huanle
me tenho a
decaicif a V.
fdoV Sliil. Nacion.es, lalve.t m t
teah! .portado com valor sendo certo
', leuha porlauo cora va -r -- _-.
oJos "e decidissem a reb.ter o mfotas u nao
%?:&...!' .1 niir'em duvila o resultado d
que
,7a7sg"to de pb'
contend, q'u<
se
teria
unta
S.
acceder
denles de Mmanho, e Para pa.- .
liuia provincia, atas^alaada, equa*i; aniquilada pelo (
lu.pv de crueis assssmos, cotiideraudo ao mesmo
tempty q\uaJUo:seii gloriozo para atropa, Cea.re,nse
hir defender.huma Provincia liman, *C"J e"a a i
cauUnJSacwnal, o Trono Jo-NostO Joven Monarca,
e t liuflaanidade que tudu alli souYe, disapiedudos gol-
pos, tem determinado mandar huma fiorca aerara ,.
(biaaxleArtelhria,
iles, edoOwpo
..........,* pejeSnr. Ma-
jor Francisco Xavier Turres; como nasCompa-
nhias mencionadas apenas existe era cada |mma use.
Commandante, S. Ex. orden que a primeira .-seja
addido oSnr. Alftres Felipe, da Silva nliago, e,a
segunda o Sor. Alferes Jlo BaptUte eMello, eque o
nunca
Corpo Policial v sendo Commandado pelo 2. Ce
mandante Xllderico Cicero d*lencar Araiipe, lev
o Com-
pe, levan-
do como seu mediato o3- Commandante Manoel
Moreira da Rocn. Olro sim S. Excel.' orden., que
lo Ja esta forca lique prompta a embarcar primeira
vozna Escuna de Guerra surta nestcPOrtOj e^uaba-
|ue
avaneavi
%*tS*^
qua l^ visto auasc.Msa^a,ei"o vista n largo do Palac*, onde comparecer o a.
.Ussinada., e:dcruidos^P^^^, Mjdr Fr.ncUcoX.viur Torres q.ra tom.r o-lfcmv
^^t^rt^Z^^^^ -UdrfU- S^Ex.laaandoS..o.xPerH^
!S.'.Uao a necesdade da punile-.do Vinagre, e
^ oC eu m>oh* que do persuadir que rf d* Le.
devera f.'p mdo i a. eUea te.moxos lentas fasei-
vradnhoura. Camaradas! marchai, e hide^hatra"
par'cterno e glorioso o Nomo C'eeronse. AOcoa;
Ceo voaiesre,./ Pilado do Goveruo do Cear 24 d^
Setembro de i835.
Jozf Mai titiiano d'Alencar.
camaradas Um novo tlieatrb de gloi ta se uoa
oferec, Seaantos. vejes o Ierro, e fogo de fciox^a .
ssinoSj e'iniwgosda Iibe:4rde i'.h nos le feito
reeaai-, nosso iriuofuse toheiu iuf*lvel no i-ara.
Sooos;os nauos Cearenses de4.de4bn!, eosiui-
tnigosque vamos bater filo lo de.outro genero fjue
as das hordas infames efue infestarlo o centro de assa
Provincia em 1838. Voemos poia*socorrer nossos u-
mloa Paraen-, e Oais eU vez nto os malvados o
(broa dos que daffendein osdireitos da humanidade,
e a orden)' Voaao aqtigo camarada, e vossu Com
maodaale ttr semp e com vosco,,no3 pengn. (
murada!
Viva a Conslilui^o !
Viva o Sr. D- Pedro 2. !
\ ivlb es daffensprea da Honra Nacional
Ceara 25tJe.Setenbro de 1835. a Francisco \ "
vier Toires, ftijor e Commandanta^du Corpo fijP''-
dicionario Provincia do Para.

una representaclo por e*cripo, e sa.assim for eu
Tr cto ossalisf-rei pais^otoheco que e precia*-
r2oe.rival W******* oa mdvados que
n.o dio quartel ^pSUalfulm.branca, apesardeque
u P,eMdeate>equVr botar foca daalonegoc.o, *s a
mceiid.de de minb^ inlencoes me jua.^o
u,Qrte de malvados me nao causarlo repvos U^
ser que com qualro oujai||aJlMdores, que ^e lus.16,
se vio poupaceeileiiastvcBis, e certo que sa-o
Braxil se tivesse aeguulo e.U: siateija. a ^lucao do
l'ar e outros nao leUitt apparecid. Tropa, A ropa,
mumcSes de Guerra, e Boca, se toruio iudi>peiia
Zl ao contrajo o Par4 d'eiia. W Vmfi^U V
B.2, a a mentialei em seo conlinenle urt novo
natiy. Od Guarde a V. Kk\ Bordo jl Fragata
Campista *ira nPaiem .8 de Agosto-de i835.
JllusU eExcel. SuH4**+*rin*Ho Ministro e Se-
cretario de E-lado dos Negocios da Mannba. Joao
Taylor, Che/a de Uivisan Graduado, e Gommandan-
ie ddi Forcas Navaes estacionadas no Para.
N. U. Calcul^udo-se agora os mantinienlos, que
existem, e'as pracas que tem deserem abonada,
lu obiigado a p.r a meH a\lo.
Efcl conforme. Frederieo Magno da Atwancbea.
mando della. SrUi. Tasando juntia ao xperiaa*!-
'tdo valor da uroaTropa Cearerisejeda quena-
iih'u'm indiviuuo della daixar do correr aomgokio
em defexa dos caros, cbjeclos do seu amor, oosao-sioo
humanidade, a honra Nacional, ee Trono do aeu
Monaica, a que em Hm hir todo mostrar no para
qoesaquellesmesmo*B.avos, que Koglorbro a
4'd'Abril de i83a, reducidos ^>peqoeno imeaero da
tresenls aesliocai-lo ainda assim hWa t:ordaie ais
4e trex mil assas^inos, be ecaHhalJWs a essea, que
hoie dilacerad o iufelis 'vd Paraense. Joa da Ro-
cha Moreira. A pdanle d'Orfdnn* do Govef no.
PxoCL.VMlCBS.
ddados Guardas aunaes da Capital.
M*
o;
IUust. e Exce|. Sur. r- Sendo j kastante para
cauzar.-m<-'dor a leilura do Officio que V. Ex. se dig-
nou dirigir-me em cinco de-Agosto, rvUiando a pei^r
vel siluagio em que V. Ex. e a Provincia culi caneaos
seus cuidados se achavlo al aquella data^ foi anda
maior e moa desabor leudo as ptrlecipac6esoicia-
es do Excel. Sur. Presidente do Maranhios dloroxa
poslo de V. Ex. Y e-da meSma Prfrincia nos luclu-
oaos dias de quatorre, a dezoilo do mesmo mez, nao
escapando* miuha sensibilidde o tomar hina'esp-
cial parte na dor, que lera maguado o coraclo de V.
Ex. tendo somido alm do mais otenivel g peda de seo Fjlhb,' pel 'qne Ihe dou os pefeines.
Cerlamente ExelV Snr., eh nlo tenho exprs bes ra-
pases de bem paienliaremo V. Ex. a dor do meo co-
raclo pelasdesgWas'do Pi, espoderia d*y al^um
alivio a esta dor, se cbllocado a testa de^hura Pro-
vincia de maiores recursos, podesse enviar V.Ex.
hum socorro decisivo. No entretanto eu mando ludo
qiianlo o Cear pode dar nesta dcCasHk)'} e nao leudo
eu Uum llio, que possa mandar, fco seguir a 003-
soa que tenho mais co^anefa a mni erri paVenWacb,
qu te1 meo sobrinho' Wtiti de mrmbravo, cr%' mor-
reo no campo, sunondo defpdder a honra, el berda-,
d desla Patria, fote'o fiho'mitar seo Pai, 'e ser
do que elle mars feliz. He pequeo o socorro i apb-
nas chega a cem homens ; mais pode VEx; confiar
nio s em sua fidelidade, como em sua bravura : so
Cearenses, e qua^i todos dqulles, sendo seo Chefe o
Mjor rraneisco Aavier iorie u ucamu, ^x*- *".j ^
de Abril de 1832^ em pumer^ de t resecos disloca-
rlo na Villa do Ico desla Provincia hum bsndo de ma-
is de trez rail assassinos bem semilliantes a eses, que
hora dessolaclo o infeliz Para.
D*% Guarda .a V. Ex. Palacio do Goyerno do
Ceai 23 deSelerqhro de |835. Ulusl. e Excel. Sr.
I T I. I U____!.!.... ,1.. r>, ni.ll ll'ia (ll)
A baibaridade de ci ueis aasassino", que desde o
dia se de Janch'trabslaa por aniquilar o mfelu pa-
ra reae1jd coin m>is impetuosidade no da lide
Agoste jdo torrente anno. O ferro, a o fogo desees
baibaros raanejadl peta mais vil ft-aic*>y* nao poa-
pannoosexo, ouide lomveiuwio cuisas huna
Caital nds a pouco tio biilhanie, e popnjesa. Ha
npmeiu desla consterotfo, quindo cercados de tc-
ds os b.n-rores daWiW, e da dessoluclo, que os
(eslos.dos infe)ises paraettses uahdarle peut a seu* Ir-
maos Cearenses hum socorro, hum remed, a sua
crueldesgrsca. E sari.poss.vel n.g.l-o! jNfljv Os
bravos, qu por veaes tem levado a v*lenf.a de seus
bracos P.ovmcu.terseta, vio partir em socorro
do Pai. ACapiul pois ecajjitvagua no vc-330 em-
dado, *o VosSO>atrio.lilTho. Cidados quando o. di-
raos Militares vio Fa>or os mJi cuslnsoa aeriusNS
por Salvar hua Provincia liman, 5e^ ^
5.fftjes aquellas de s.rdar vussa Cidad*. He isto ,
o que a Palrja exige de vos na presente irise, eoqoe
o vosso Presidente, Amigo, e Patnc.o de vos espera ,
Palacio'do Governo dd Cear 23de *temb.odelM5. ,
Jote Martinian cCAlencar.
CAMllftADAS i
A Honra Nacional, que o vosso bro Unto presa, I
o Trono do Joven Monarca, que a vossa fiiehdade
lano deFehde, e s humnidrde ero fio, que a voua -
filantropa aprecia em ext.ehio, Wdo sofre os ais di-
sapiedao. golpes nb i.felix Para, entregue a hmu ;
bnrda.de1 cambaes, que comessando o apparece no
dia sete de Janeiro1, requiniou em suaS-atVocioades no |
dia quatorre de Agosto do corrente anno. E serio por
ventura 0^ Cearenses rtsensivejs a lam hoi-rores
-w -Pede-se-11 os a pubUaaco da seguale cait
m ai?p '
Nuntr.
Dordo da Fragata Campista a6 de Agosto a 1
'...... l ,
^ubom ecaroFIlho. Estouvivo.'. 5im; meu
filhoy vivo, e cueio i para n ver, se chegar a ler ss*
forluns., porqueestou rodeado de cte*grafta, de mise-
rin, eiomecoi teus Iroilos, e a familia, menos o
ten Irmlo, a aaeo fiiho Cnrius, que nio sei dtlle, e o'
saponbo-kk'Lo .' Ueti o ijia 4 dcsi mez.. que o Ma-
recbal ero oti-.cnou para s snasoru ns, tenho Udo
bu irab-lhe, q3 ianllo pos&ocoUr,, e havia^SO
dias, qua su nlo do"r. em,caza.
3m fim ea nao ieoo lempo para historiar, aciu
mesmo abordo O Marachal nio me deixa, estou serr.-
pre aescrimeri ipoc is:o saberlo po- oolras vica a Ta
tal botona do ar, e svo jSSxerrte, que a Cidad
foi tUestd em i4 do m*./. por mais de ^00 Tapuios,
mas que nio nelio modo se a taes veluntanos nio
fogom, awzcr de no Isarer Tropa ds Linha, que o
I'larecual n2o trouce, e qe por 9 iu se sustaute a
defeta conira os t.baacs, jue faeio foSo pelas ca .as
qne pentravaoi**as iw* ouias.&c isanoilede
22afv8rachsl se re-JoUso residencia na xga Oks.?:U, onde conliua-a ld-
gal admtuistrafio da vtevincia, c eubarcaru5 mv.ito
aaied.aWpas.oaa, e -qui estaos _, ne.a racao de
..ro, esperado swrconj de MrsaLio, poisludo; he
huma miseria. .
Meu EiMo : ha nscessatio albrtc, como devo,
e.sicu desgra^C com a familia, aoamr-v que tenho
lo i. raius, non ao cuicas, noui o eollete ; leu,
limaos us.seiu t--.ma c-ps*, miaAa sogra, e mi
nha Butberapecea cem hum vesUdo, se terem inei-
as, nemsaptlos, nea 3, nO*a, a3m tenho di-
r.heirouaracor;iprar, eper-vlrao frme, baauta
gente, 3 so vive atrrot, eDeos quein nio,
fho.
Manoel Jorge Rodigu.s, Pre.sdeute da'riviucia do
rara.* Jore Martiniauo de Alenoa*.'........
ventura _
licados em huma, provincia
pra-
Irmsnt Os Cearenses,
v queporvezes, c por motivos menos urgentes temie-
ndo scu valor a Provincias remotas ? Eia pois, Ca-
maradas, a'cod a vossos Imilns i'araenSes, que no
maior aperto vos pedm om auxilio......... < ;
vossa ausencia da rata ser breve; porque chegareis
e venceris; mas vossa gloria sera eterna. amis
'remota posteridade o Para, se lembrar cora saodade, c
eralidodehura punhado de bravos Cearenses, que o
foi salva, do ctelo dos ^saSMnos. Nio tenoaes cui-
dado em vossas familias- b vosso presidente, vosso
Amigo e Patricio, que na extrema ne.esinJ.de doae-
parar-vosdelle sent a mis viva saodade, lanJaM cui-
dado della; isto psigoyo debaixo demmhs paii-
RMtar, e o Goverwv So buha gente para impedir
m msequeneb afauxiia fi*io tal, qu.l BUffof a
penas se lambrario iacaix. dapr:--., mas nao toda
porque e-feuma e*tave de foro, eda ca.xa dos mu
EapS a por lano no se salvoq raupa alguma, neo
tidnS nim Waates da valer, eathe perd odrnhe.ro
do Luis, udomero.iH.io, .,3 rnew hvros, o algn-
Uvrasbons, a D* relo, a n.ni 3S ^das ncas,
mmhnailcaadrajunai, osmeusbons, neos un-
ornSr; US .- ^ ^T PrOTf cJ-? turt
untes lanooes, inulta renpa branoa de cama, tuTO,
tudperdt enot-nlobumajaq^la, ce.wtime...
'' 'Afacinac softreo hom saque ral, j*^;
huma carnficencia ho.rivcl, tem matado uno.
b ancos, c^statermorrido:. A. Uppjs, emats.ao
Lo U0 do&rmo 16 Bcos entre elle. oCoronel
Joxe Wo fice. Em tira a edad- apretn, hum
Codernin... hor.ores, e aohdlodos tmulos, o
fo's daEsqnadra ? dai (^rvetaa|deuerr Porlu
IL e logiza s caas onde os rebeldes f.z.ao fogo,
m muila ruin-! immonsas, familias vao para
M,r.ohio na .mor mise. e penuoa posanei-, Vu
laTnbemquorm, o devia ir, .na, Kref nao .
deixa, maiormenle tetfdo lbe .uorrido. o fi/bo fendc_
doicabmos-. em ultima analy*e, udl la <.?*>
-aomma
LAR ENCONTRADO L



4
DIARIO OE PftRNAMBUCO.
'


m% e em pobrera, niaguem faz idea Aqu ando
*as. Senhoras Ja primeira reprezentacio, romo minha
mulliet, e as Chermonths, eoutras, que metem d,
meias, eso com hum vistido Dasta. Esta te ser
teroettida por Meireltes a quem eu escrevo pediodo-
!hc at por amla atguma fazenda para carnizas, e
para vestidos, e meias, e sapo tos, e tar.enda para hu-
ma sobrecazaca paramim, e para vestir a familia, e
Ib digo, que ou por favor, ou, poresmola, ou, que
oagarei com os 5 escravos, que ose resto. No dia i 4
'"ugio a familia, efugio toda a gente da Campia, e
igftez sabio, e disse a teu L mi Carlos, que aeguisse
air-az com o Duarte, e ou, porque o Carlos nao sabio
iogo, ouflcorque Ignez mais se nio lembrou, o oer-
to he, queomeu fimo Carlos nao apparece, nem sei
d'elle, e nio appareceo mais O ir.eu tlho Carlos, coi-
'..idinbo Nio appareeerio, nem sei onde eslie, e
- sao vivos ou morios. Duarte, Joio Antonio, e Bo-
za !! Ah Estou pobre, e muito pobre, nada te-
nbo, os tspaios roubario, escangalhario tudo, e dei-
sario a caza aberla, segundo diz hum Erancec, por
tora smda se sabe individualmente, mas ira que o sa-
que he horrivel, e muitas as mortes nos Brancos. Ho-
e veio da cidade o Conego Raimundo Secretario do
Hispo, e conla horrores, conta, que o saque he geral,
ti que -So mnitas as mortes &c.
Mostra esta a Chtby, eu nio pono eserever mais,
.oda a gente de vulto fugio, e diza eChaby, que se
eslivesse mais perto Ibe pedia huma carniza, pois me
cuita andar com huma s desde o dia i4, e hoje he
que me emprestarlo huma para se lavar a outra, e Ig-
nez nio tem, nem teus Irmios.....oh Que quu-
dro Paciencia, se viver para onde fr, com o meo
sold acabaret os dias, mas ja nio terei a fartura ; a-
fjora nem buma rede tenho, eu durmo sobre o cbio,
e. afanulia dorme com a cabeca no chao, nio k nem
buma coberta, nio temos nada, e andamos morrendo
de fome s cora o arroz e as creancas a rhorerem, e
nuas.....Assim quer oCeo, paciencia, tem tu vida,
que t*nos restituyas abundancia, e que comer. Eu
te abenco, e te abencj em Nome de Dos : a farui-
N se racomenda.
Ten Pai
Britto.
DIVERCAS REPARTICOENS.
EDITAL.
Thezouraria da Fazeuda desta Provincia con-
tiuuande a negociar Letras sobre a praca de Londres
manda convidar aoa Snrs. Negociantes Nacionaes,
e Eslrangeiros, que a esta transaccio se proponhio,
jueiro comparecer na dia 19 do corrente mez na
niesma Thezouraria horas do seu expediente pa-
ra faser-se o ajnsle.
Secretaria da Thezouraria de Pernambuco i5 de
Outubro de i835.
Joaquim Francisco Bastos,
Of&cial Maior.
MEZA DAS DIVERSAS RENDAS.
Pauta do preco corrente dos gneros pelo qual se la-
zas* es despaches do assucar e algodio na Mesa das
Diversas Randas d'esta Provincia do Psrnamsmcn
na semana de 15 a 31 de Outubro de lili.
Velbo 1100 Assuear B. 1 serte t$250 )t.' 2#0t5 1000 Dito velho (S*,,. 1$T15 Nevo 20450 1&1I5 1#925
iftflQO 2#100
1100 Dito M. it.'si. I."., 1000 Dte velho lf.% l&iOO 1&400 i#3oo 1^00 1#00 1*500
Algedio empluma 9&000
Miguel Areaajo Monteiro de Andrade.
AdministraaW.
Antonio Joze d'Albuquerque.
Joze Joaquim da Fonceca Capibaiibe.
THEATRO DO RECIFE.
H
LOje 16 do corrente a Beneficio de Vicente Ferrei-
ade Figueredo se representa a pecaOsman e Zu-
lima, oua queda da uzurpacio. DaetoQuero ou-
vii- a coadjfes Pa.iloinimoAmante estatua
Rematando com a finca Manoel Meudts.
AN-'UNdOg.
lf Snr. Inspector do Arsenal de Maiinba manda
faser publico -que, em consequencia das ordena do
Exsn. Snr. Presidente da Provincia, se hade fielar
huma embrcacio para conduzir mantimentos
provincia do para; preferindo-se a que ti-
ver maior numero de toneladas. Os Senhores pro-
pietarios, ou comignatarie deembarcaces, quem
possa convir o referido frelemento, poderio compa-
recer, com as propostas, na casa da Tnspeccio do
mesmo Arsenal, s io horas ate urna da tarde do dia
de smanhi 16 do crtente, afim de se traclar do a-
juste, e rondicdes do mesmo fretament. Arsenal
de Marinha 15 de Outubro de i835.
No impedimento do Secretario,
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
UP Segunda feira i9 do corrente andfo impre-
terivelmenie as Rodas da Lotera, no consistorio da
Igreja do Rozario.
AVIZOS PARTICULARES.
Comk'o Administradora dos 7-lospitaes de Ca-
i idade faz scienle ao Respeitavel Publico q' de hora
em da rile nio .se eflectuar venda de predio q' pague
foroao Grande Hospital, e anda mesmo de qualquer
traspasso de terreno aforado, sem prftneiro preceder
concurso da dita Administracio e ser pago o valor do
Laudemio ao respectivo Thesoureiro son pena de nu-
lidade.
Padre Joze Theodoro Cordeiro
Escrivio da Administrado Gei al dos Hospitaes.
|T^ Quem precisar de um caixeiro Portuguez
pata loja, escriptorio, ou mesmo caixeiro de roa,
dando fiador a sua conducta, dirija-se a ra Nova
D. 7, ou annuncie.
XJp D-se 5oo$ reis em moeda de prata (rom o
premio corrente) a juros de um o meio por eenlo,
sobre boas firmas: quemquiser, annuncie para ser
procurado.
fcjr Aluga-se urna ama que tenha hom leite, for-
ra, ou cativa; em casa de Antonio Joze de Magalhies
'Bastos.
W8* Previne-se ao respeitavel publico que tem
tomado bilhetes do Theatro, que s os paguem aos
proprios Beneficiados; pois que hum jtal Lul, e o
ex Ponto do Theatro Pessoa se tem dado ao trabalho
de cobradores sem authorisaco dos Beneficiados os
quaes rogie igualmente que visto ter secado a abun-
dancia do cobre nio se torna pezado aos senliores que
tomio bilhetes pagaren na niesraa noite nos seus res-
pectivos camarotes como sempre fui costume nesta
Provincia e em todos os Theatro.
MP A pessoa que tirou urna carta do correio pa-
ja Miguel Antonio Ribeiro, queira entregada na ra
do Cabug loja D. 3, .ou botalla no mesmo correio,
pois j a lempos que foi tirada, e ate o presente an-
da o dito senhor nio foi entregue.
fe]*" Quem I he faltar um carneiro, procure na
ra do collegio Botica de Cypriano Luiz da Paz, que
lhe dir quem o tem, e dando os signaes certos, lhe
ser entregue: adveite-se que se levar sumsso,*o di-
to carneiro ; o annunciante nio responde pela falta.
*fl^ Quem precisar Je um caixeiro Brazileiro de
16 annosai 18 para qualquer casa de negocio, ou pa-
ra prensa de algodio, dirija-se a ra de Manoel Co-
co D 4.
jcjr* No dia i3 as n horas da noite desapareceo
4im cohoculiubo de 8 mezes: roga-se a pessoa que o
tirou baja por humanidade de o entregar a sua m i
na ra do Fagundes sobrado de 2 andares D. 9, do
lado esquerdo viudo da Ribeira.
/^?flP* A arrematacio anunciada no dia i3 foi trans-
ferida para o dia 16 do enrente.
*y O abaixo assignado, viudo do passeio a ca-
vallo do manguinho, para o Becife no dia i4 do cor-
rele as 7 horas da noite foi atacado por dois ladrees,
que lhe sahirio de dentro do. muro (entre a estancia,
e a estrada da Magdalena) armados de facas, e ccete ;
e agarrando-Ibes as redeas, um delles atirou lhe ti-
ma punhalada, em cufaaccio o abaixo assignadp sal-
tou abandonando o cavallo, de cojo se apoderario,
os diltos ladroes, e com elle seevadirio, e por isso
faz scienle que pessoa nenhuma faca negocio respec-
tivo ao mesmo, cujos signaes sao 0% seguintes : alazio,
Ti'anla uKjtt.1* <> *%A o#r**^*>rlr> mIa*Jm .' ...ln__
.._...^ _^.,, v j/vwljiBu taiyuu au, a JUI1U, IUIII
urna mordedura no selsdor, e urna ferida por baixo
da barriga junto as mios, bom esquipsdor, e pouco
descarnado. Adverte-se que qualquer pessoa que o
aprehender, o poder trazer a ra da cadeia velha
n. 4i que ser generosamente recompensada, e pro-
mele-se mais, nio proceder-se cunta os auctores de
tal surpreza.
I. O. EUler.
NAVIOS A CARGA.
Parr a Parahiba.
I^Egue viagem a Lanxa Conceico Oliveira: rece
becarga de toda especie e pussageiros homens, no,"
preco rnuito commodo ; e poda para isso nrocSrar .
consiguataris Domingasdos Mrtires, 110 becodo Lin
goeta aThoras proprias.
I!
E.
COMPRAS.
i
M meio uso a obra de Gil Braz, e de D. Qui'nxo-'
quem tiver annuncie.
_W Comprarse ou aluga-se urna casa, terrea no
baino de Santo Antonio : na ra do Cobato D. 26 '
Lma mesa queseja larga, sem aba, que fus-
sede contar dmhe.ro de cobre, embora sea de ama-
rello, louro, ou p,nho : na pra9a da Independencia
loja n. 20. *
WT Uma flauta de bano de quil'ro chaves,
sendo de bomba : annuncie.
VENDAS.
OAl de Lisboa de superior qualidads: abordo de
pataxopernambucan., oua fallar com ManoelGon
calves pe eir Lima.
j** Dusentas e tantas pelles de cabra, 10 fras-
queiras vasias, e frascos por preco commodo : na ra
da cruz armasem n. 4%.
^sJT Sal de pedia do A.'s : abordo da Sumaca A-
ve Mara fundiada defronte Ha Lingoets.ou no porto
dus canoas casa de ranoel Joze Xalaca.
*3^ 3 moradas de casas terreas no lugar da caaa-
Forte: na roa da conceicio da Boa-vista defronte da
Igreja casa n. 78.
m
ALUGUEIS.
brado junto ao bald em Olinda, cana estribara para
cavallos, e bom banheiro, tudo junto a casa quero
a perlender dirija-se a roa dos Quarleis D. 4.
ESCRAVOSJ^UQIDOS.
Itorino, crilo, de 12 annos, seco do corpo, pe-
quea figura, tem um ulho sobre uma venta, e uma
sicatrzsobre a cpela de um olhoj pernaa finas, e
tiobem i gago ; eslava aprendendo rfficio de sapatei-
ro na lenda> de Vicente de tal, adisnte da casa do Pe-
rele no Bairro da Boa-vista; fgido no dia i do
corrente: os aprehendedores levem-o a seu senhoi
morador na casa junto ao sitio do Pombal, que serio
recompensados.

NOTICIAS MARTIMAS.
Taboas das matas cheias no Pono de Pernambuco,
5
s
Q
2iSegunda s* 9h. 42 m 1
jT: I io-3i [Tarde.
a3Q:- fi. n 18 )
24Q:----- 06 ..
25S: A -54 a i
26
27
Manhi.
a. 1 i'
D:----- 2- 30 '
Navios entrados no dia H.
JJORDEAUX,- 44 dias; Barca Franc. Lajeune Nelly,
capilao Mamus: diferentes gneros : A. S^hramm.
Ton. 18O.
HAMBBGO; 5t das; B. Ing. Thereza, capi-
tio Jaeob Jehsen : faseudas : if. O. Bieber, Ton.
181. Passageiros 2.
Observacad.
Sahiu o Brigue Ing. Rapide, e deu fundo no La-
meirio. _____________
CORREIO.
\J Brigue 25 de Julho recebe a malla para Lisboa
no dia 17 do corrente as 5 horssda tarde.
/
rJ\
*
Ptrn. na Typ. do Diario 18.35.
M,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ET6JOEOHG_C24X5L INGEST_TIME 2013-03-29T16:27:37Z PACKAGE AA00011611_03006
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES