Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:02806


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANN0 DE 18.1-4
*.-..............s~-
SEXTA FLIRA 28 DE FEVEREIKO NUMERO 331.
M *~~ %*/***>*, -^- w.
SuiMicreve-se mentalmente a 640 res, aili.-uitados. na Tfpogft fia
onde se receliem correspondencias, e anuncios; estes i nsi remane
gratis sendo dos proprios aui|rnantes tmente e vindo assi^aado*.
Tildo agora depende de nos meamos, da nmssa prudencia, bi
deraco. e enertria : continiicmos romo prineipiamas e seremc-
apontadol com aciimn .rao entre as Matjes mais cultas.
Ptoclamaijo da Asscmblea Geral liu lirntil
Umpresso em f&ernambuco por go?e atetarme tu bteu.
DAS na semana.
>*.* .t^^
6."-S. Iiomao- Sos. la Thez. P. de, m. e Aud. do
|. de Orlaos do t. P. as 2 h. 6 m. da t.
Sabhado-.S*. \drio Rl.,m de m. f aud. do Vig.
G. de l. Preamar as 2 h. 54 m. da t.
Dom\ S. Siinplicio-Vve/AmM- as 3 h. 42 minutos
da. !
**%* *** **% v% **% X x% <%%^f%xxxxx .%%%%*%%'*%'% ****%%**%%*
Falla que o Exm. Commandante da* 4rmas diri-
gi a Furca Expedicionaria de 1." Liaba no da
26 do corrate, na occasiao do seu embarque pa-
J ta o s campamento.
BRAVOS Camarndas Expedicionarios! ... O C6-
mandanto das Armas tem a fortuna de comv,eo
W congratular, e dar-vos os parabens, por hirdes ao
Marcio Campo ajudar aos vossos fiis, e destimidos
compantviros, a banir do nosso Solo os inimigos da
Liberdade, e da Patria.
Cantaradas Dirigidos como sois, por habis e va-
lentes Oflriaes, tereis occasiao de ponles a prova no
vasto, e glorioso Campo da Honra, que se vos eflore-
ce, a bravura que vos innata !
Nao vos lembroque aSubordinaco, e a Dcoiplina,
o m.iis nobro, e neerssario ornato do Militar, por
que avalio ser este o eareeteristico vosso, e o timbre
de to Heroica Expedido.
As (idigis, e as privarnos, que a paz occnlta, e a
Guerra deixa apparecer ; jamis faro retrogradar da
senda da Honra, e do Dever a Cidados, qu tem Pa
triotismo, e que pre'erem a morte, evravidSo !
Eia Camaradas O Exm. Senhor Vire Presidente
Manoel de Carvalho Paes de Andrade abrasado no
santo fogo da Liberdade, quer de porto tomar parte
nos vossos trabilbos, e aeompanhar-vos ao Acampa-
mento de nossas Tropas: vos seris levados em breve
a presenca do inimigo que de urna vez sr aniquilar.
O Dos dos Fxercilos, vela nos destinos do Brasil,
protege a nossa (lanza, e contente dos servieos, que
ludes prestar decidir seta duvida a victoria pola nos
sa parte.
O Commandante das Armas d'ante mo vos sanda
pelo nl.ilivel tryunfo: no vosso regresso encontrareis
as mais decisivas provas do amisade dos vossos Conei-
dadaos, os earinhos, e '!fagos de voseas ternas esposas
e queridos filhos, e o riso da Patria, que agradecida
vos oFertara duradora paz, e verdeja otes lou ros, se-
r a recompensa dos vossos relevantes feitos.
Viva a Santa Religio Viva a ConslituicSo Viva
o Senhor Dom Pedio Segundo Nosso Imperador Vi-
va a Forca Expedicionaria / !
Joze Joaquim Coelho.
Pede-se-nos a publicaco das seguintes pecas officU
aes.
wI-lm. SenhorEm resposta ao oBcio de V. S., da-
JLlado do dia de boje, no quul, responde do nos
moos de 6. o 17 do eorronte me:, diz V. S. que nao
tem continuado com o proeosso do Cidado Lourenco
Antonio d" Albnqnerqno Mello, por se ter dado de
suspeito o Escrivao desse Juizo de Paz, e nao ter \ .
S. adiado qnem mieirn escrever no mesmo processo ;
oque polo mesmo motivo de auspeiefto tem-se o dito
Eserivo eximido de passnr as eertidoes por mim re-
queridas oflfereoe-se-nie responder a V. S., quanto :
pnmeira parte, fine e me faz preciso que o mesmo
EserivSo reporto por f os motivos, que Ihe sobrevie-
rto nara se dar por suspeito nossa cauza depois de ha-
ver comocado a escrever nel!a, o que nesta mesma OC-
casirn paseo a requerer a V. S. em forma curial ; e
quanto segunda que nao intendo que seja admis-ivel
n suipeieao no caso, de que se trata ; por que, uma
vez admittida olli. teriao sempre os Escrives um pre-
texto prompto o p! insivel para se recu*arem ao traha-
Iho de nassarem corlido's ex o/ficio, e assim condes-
cpn tem para quanto so Taz sob osse titulo.
Aproveito to bem esta occasiao para communicar a
V. S. que fendo-me sido representado por alguns Ci-
dados desse Districto que V. S. constrange as pessoas,
que manda chamar su a pre por meio de ordem vocal, pagar a estes os mesmos
emolumentos, que Ib'-ssao devidos pela intimaeo do
despachos, e mandados pidiciaes determinados por
eserinto, faz-s.-- preciso que V. S.. em virtude do ar-
tigo 338 do Cdigo do Processo Criminal, se digne
declirar me ofK'almente si com effeito assim tem -
hrado, o si ha Le para poder assim obrar, do que n
me record.
Dos Gu >rde a V. S minios anflOS Olinda 10 de
Fevereiro de 1834. I'lm Senhor Juiz de Taz Sup-
plente do 2. Districto do Teumo de Olinda, Clemen-
te Joze Forrein da CostaDoutor Lourenco Trigo
de Loureiro, Promotor Publico (I).
Illm. SenhorIlivondo-me boje mesmo sido
entregues nns Autos, em nu" V. S. me nomera Ar-
bitro, e mais ao Escrivlo Joze Justino de Soiua, para
avaliarmos a quanlia da fnnea, que o Reo preso Flori-
ano Morrira re Mallos e offerece prestir para effei-
to do se livrar sollo, e constando dos mesmos Autos
que o dito Reo preso, usando de titulo, que nao tinha,
qual o decorretor, eempregando a fraude, aroeacas,
o at a forca obtivera pira si, o para outros O, que ontro modo nao conseguira, delirio esto, que ap-
piicavel a pena de gi's por um a OtO anuos segundo
os artigo-; .102, e 2G!) do Cdigo Criminal, e porcon-
seguinte iua6ancnvel vista do artigo 101 do Cdigo
do Processo Criminal ; nao obstante acbar eu de e-
milir o mou parecer, como Arbitro, concebido nesse
mesmo senlido, agora na tjualidade i\e Promotor Pu-
(l) IVosentido da nliim parto deste officio l'i i5o.
b-m oficiado ao T''m. Senhor Juiz de Pa* do 1 Di-
hielo do mesmo Termo.
X
JTT


MMMHhU
(1592)
blieo deste Municipio requeiro a V. S. ha ja de nao
< >ti< < dci ,1 dita fi un-1, mandando apensar nos Autos
*!** nipu officio ; oquandoV. S., inlendendo ocon-
tr.iriq do, que levo dito, haja do se determinar a con-
redel-a, desde ja requemo a V. S. que isso mesmo me
seja previamente communieado, para eu me informar
inelhor, e cumprir final os deveres do mu car-
Dos Guarde n V. S. minios anno Olinda 17 de
Fevereiro de 1834Illm. Senlior Juiz de Paz Sup-
liente do 2. Destricto do Termo de Olinda, Clemen-
te Joze Ferreira da Costa Doutor Lourenco Trigo
eV Loureiro Promotor Publico.
HAvendoeu por vezes o admoeslado, quando ser-
vi o I upar de Juiz de Paz efectivo, (leste Destric-
to. por (actos platicados por Vine, que llie ero pro-
hibidos; e nao dignos da confianza que deve ler o
Em pregado Publico, e axando me agora de novo no
xcrcicio da mesma vara como Suplente, e persuadido
deque Vmc- proceda no exerccio deseo cargo de
Inspector do pritnero Quarteiro deste Destricto, com
aquella honra, e probidade que Ihe era ndispensavel.
Eis que tive o discabor de ser informado, que Vmc. ao
amarillecer do da 19 do corrente valendo-se da sin
authordade, e de huma Patrulha que Ihe fora eonfi
ada para a ronda de sen Destricto fora obrigar a huma
jwssoa para que fora de horas, e forzosamente Ihe de-
re huma rede de arrasto, e com ella, ea mesma patru-
lha principiara a dispescar o viveiro xamadodo Ma
iricde que resultara haver alguns tiros, contra Vmo.
e os que o companharo, da parle do rendeiro do
mesmo sitio, e viveiro Rodolfo Joao Barata de Almei-
ila. E como tal faci, he bastantemente indigno a to-
da e qualquer pessoa, e muito principalmente a hum
Kmpregado Publico que deve manfer o direito de pro-
priedade a que he obrigado. Cumpre-me parteci-
par-lhe que em virlude do artigo 20 das inslruccdes
para a execuco do Cdigo do Procero, mandadas ob-
servar pelo Decreto de 13 de Dezembro de 1832, o
Hu por suspenso do lugar de Inspector do primeiro
Quarteiro deste Destricto fasendo-me entregar neste
mesmo dia todo o armamento que om seu poder tiver
sob sua responsabelidade. 5. Destricto do B;lirro de
S. Antonio do Recife 20 de Fevereiro de 1834. Ma-
noel Francisco Monleiro, Juiz de Paz SuplenteSnr.
Vlanoel Felis Alves da Cruz.
HVMttMtM
CORRESPONDENCIAS.
Snr. Redactor.
HUm rasgo de Patriotismo acaba de faser o Snr.
Eslevo Cavalcanti offerecendo-se para forneecr
todo o gado, que se fizer mister para forneeimento das
Tropas em operacoes a rasa o de vinte e cinco mil rea
por eabeca, al o fim de Abril, e dahi em (liante a
vinte mil reis, sendo o quantitalivo de tal guio pira
Pagtmenlo de preslaces, de que o Senhor Eslevo
he devedor a Fazenda Publica pr.isos de hum, a
inco annos; ora Senhor Redactor em hum tal ne-
gocio descobre-se duas vaiilagens para a Fazenda Pu-
blica, primeira, a diferenca de clenla e cinco por
cento a vista do que con tracto u Francisco Antonio Pe-
reira dos Santos ; segunda, que o Senhor Eslevo
nenhum dinheiro recebe at saldar a sua divida com
a Fazenca Publica, e (piando saldada, receber letras
a praso por seis me/.es, (|uando n Senhor Francisco
Antonio Perejil dos Santos recebe a vista ; a vista
piiis, do expendido parece-me, que se o Senhor Kste-
vo Cavalcanti nao for diferido no seu ofeYecimenlo ;
a toda prova transluz nao s patronato a favor do Sr.
'. rancisco Antonio, como at connivencia nos lucro;*
(como afirmao os meninos do Trem) e como neja tem-
'O ainda de salvar-se de tal boato o Senhor Inspector
uterino da Tezouraria por isso lauco mo da punrw
para que elle se compadece do tizico cofre do The-
zouro Publico, aceitando o vanlajoso oferecimento d
Snr. Eslevo Cavalcanti.
./.
%%^v%%*%*
Sai'. Redacto/.
LEndo o seo eslimavel Diario de Quinta feira 20 correte enconlrei humas qualro peguntas feitas
\'m. por hum seo assignante, creio que a primeira,
e Segunda foro carapucas talhadas para a eabeca do
Procurador da Cmara Municipal da Cidade de Olin-
da, em quanto a lerceira. e quarta parece-me Ihe nao
servirn ; em quanto a primeira como a Cmara de O
linda ten ha no termo de seo Municipio 8 Districlo d*
Paz, parece que o Procurador da Cmara Municipal
sendo em hum s Districlo pode muito bem exercer s-
se cargo quando he Patriota, e nao renuncia os sufra-
gios dr seos Concidados por dezejar o Offieio ; e lie
a razo porque nos selle Dislrictos continua a.requerer
perante os Juizes de Paz os direitos da Camila, e a-
conlecer haver 00 seo Districlo alguma occazio de o
fizer enlo fica nessa parte empedido, e passa a reque-
rer perante os Juizes que a Le tem determinado no
seo empedimcnlo. Em quanto a segunda perguuta.
Eis ocaso nao ha venda arrematante no anuo prximo
passado para o contracto de Alericocs fkou na Admi-
nislraco da Cmara, e por a mesma foi eucarregado a
Procurador de Administrar essa repailico, e por isso
iva no dito auno as funcoes de Alcridor. Queira pois
me fazer rnerc trariicrever estas poucas linhas e a res-
posta as duas primeiras perguntas de seo assignante,
com o que deixrr obligado ao
Rosseiro.
%%*
PERGUNTAS.
PErgunta se ao Senlior Joze Goncalves de Faria,
se certo como se gabo o Senhores Manoeis
Thomaz, e Felis, (|ue S. S. os incumba, por lerem
muita opiniao as Cinco ponas, de orgwiisar una
companhia de volunta/ios, para marcharem para Pa-
nellas? Sendo, que responda pela afirmativa, per-
guuta-se mais, (|uem o auctorisou para isso ? Quem
paga a tal companhia voluntaria? Deque qualida-
de de gente ser ella composta?.... &e. &c &o. !
IV* \
AVIZO.
OSnrs. assignantes deata lollia queiro ler a bou -
dade de pagarein os mezesatrasados que estn de-
vendo, pois que ja se tem esperado bastante lempo,
alias se riscara do numero don asignantes, e lambem
os Snrs. que coslumo a pagar no fin do mez, (|Ue
asas-signaturas sao naftas logo no 1., como da
eoslume, e nao no fim ; e esperase ser esta a ultima
vez de lembranca. O Cobrador.
3 U0O0 DC Coseno.
O Paquete Allante fu transferida a sua sabida pa-
ra o dia 3 de Marco ponoulim.de.5: E*c...o Si
\ ce Prezideutc.
X
i


\
t

^^l
(1323)
%3^* O Brigue Oreste deque he Capito Joaquim
francisco Afolada sai para o Rio de Janeiro no dia 8
de Marco *
*&* O Brigue Marianna de que he Capito Joa-
qini Jor dos Santos sai para Maranho no dia 8 de
IIa reo
&3^ O Brigue Amparo deque he Capito Jerni-
mo Antonio de Souza sai para o Rio Grande do Sul
no dia 10 de Marco
"^Cy* A Sumaca S. Antonio Triumfo de que he
Westre M^noel Jote" Vieira Jnior sai para Santos com
M ralla pella Baha no dia 8 de Marco.
tff^" A Escuna Olinda recehe a malia para Lishoa
no dia 1. de Marco as 10 horas da manija.
&& O Pataxo N. Sen hora do Rosario S. Joz de
me he Meslre Joaquim Antonio Mara, sai para o Ro
ttunde do Sul no dia 4 de Marco prximo vendouro.
*%v%%v%
Sabios a Carga
Paia o Aracali.
SEgue viagem a Sumaca Ave Mara : quera nella
quizer car regir, ou hir de passagem, dirija-se ao
Vhstre Ancelmo Joze dos Sanios abordo da dita Suma-
ca lundiada defronte do Trapixe novo, ou ao proprie-
lario Nano l Joze morador no porto cas canoas.
Vara o Hio de Janeiro.
*r^ Segu viagem com toda u brevidade a t 8 do
prximo Marco o Brigue Brazilriro Oresles, o qual a-
imlrt recebe algua caiga, c passigeiros, para o que se
entendern rom oseo propietario Joo Pinto deLemos
na praca do Commercio N. 118.
Para Londres.
$C^ Sahir rom hrevidado o novo, bem construi-
do, e muito velleiro Brigue Inglez Madonna Capito
A. I). Sinih : quem no mesmo quizer carregir ou hir
de passagem dirja-se a Crabtree Htvworth & Com.,
no Forte do Mallos.
Para Livepool.
$^ O Brigue Inglez Nightingale, Capito H.
Crookshank, tambem novo e tem exeellenles arran-
jos para passageiros : fallar rom os mesmos consig-
natarios Crabtree Heyworlh & Comp.
. i
X. %
Clcn&as-
l-
SAccas de milho de superior qualidade chegado ul
tunamente ; sendo branco a preco de seis mil res
o alqueire da medida velha, amarello a selle mil reis,
v era porco se dar mais em conla : no armazem de
(ioucalo Joze da Cosa e S, defronle do caes d'Alfan-
dega.
^T^* ptima palha de carnauba : na loja da ra
doQueimado D. 5.
V^* Uma porco de sola da mata por preco rom-
modo : na ra do Cabug loja de fazendas D. 2, ao p
d.i loja de cera.
*SC^" 100 palmos de trra de propriedade no atter-
ro dos A (Toga d os do Lulo da mar pequea, com fun-
dos at a baila mar do Capibaribe : na ra d'Agoas
verdes sobrado D. 20
^^ As seguidles Drogas Medcinaes : Avcnea, A
ido Ntrozo, Amarello Frasees, Assafetida, Actate
de Morfina, Aleassus, Almeras, Allheia, Assopp,
Belladona, Bardana, Bi-carboiiato de Soda, Campho-
ra. Cantbandas em p, Ci, Crmor, chicoria, Ca-
raba, Carcanilha, ranas para pillas, caparroza, Ei-
sencia de Rozas, dita caneila, diti de laranja, dita de
eravo, cllur sulfrico, erva lidrera, estoraque L,
cxlraclo de salea, dilo de gensiana, dito de Ruibardo,
S
dilo de Belladona, dito de Bardana, dito de stramo"
nio, dilo de macella, dito de aleassus, dilo de taraxa"
co, emplasto de Atnnazio, dito contra-rotura, expiri-
to de nitro doce, dito de jasmim, flor de rosas, dita8
de sabugo, ditas de violas, ditas de ail, ditas de ti-
lia, fumaria, goma arabia, dita de alcatira, dita dita
em p, dita amoniaco, grama, hdriodala de polassa,
hera teneslre, linhaca, malvas, ni.ir lia, murgo, mer-
curio doce, nosmoscada, nitro de prata, opio, oleo de
amendoas, dito de alfazema, dilo de mamona, dito de
vitriodo, p.ipoutas brancas, pedra hume, dita lipes,
dita caustica, pocampcxe, pos pretos, ditos de joanes,
pasta de jujub.i, pionia, quacia, rezina de pinho,
raspa de guarjaco, rezina de jalapa, ruiva dos lintu-
reiros, saponaria, sulfato quinino, silla, sal dioretico,
dito de glaubel, dito de chumbo, striquenine, serpeii-1
taria,.sement de cirdamano, serveja preta, Iridace.
lartaro*emelico, tale pulverisado, Irincal, talelaes iu-
glezes, terebentina, valeriana, vitriolo branco, verme-
Iho, e verdete cristalisado : em Olinda Botica da ra
do Amparo D. 5, e as pessoas do Recit que qoi/.erem
qualquer dossobreditos objeclos podem dirigir suasen-
comendasa prnca da Unio loja de livros n. 37 e 38,
para se mandar aviar com presteza, e por preco mui
commodo.
$T^ Um bom quarlao de carga, anda novo, e por
preco commodo : na Ponte de Uxoa silio que fi.a de-
fronte de um p de tamarindos.
^3* Uma preta da costa moca de boa figura, eosi-
nba o ordinario de uma casa, lava de sabo, e vende
na ra : na ra do Arago 13. 1.
^55* Um cvalo caslanho novo, carrega de cima
para baixo, e esqnipa pouco : no aterro dos Afogados
sobrado do Lima defronte do viveiro.
%&* Pentrs de tartaruga candeia, xegados ltima-
mente de Pariz abertos, e de lelba : na ra do Cabu-
g loja ii. 4.
^TS6* Huma armario para venda ou lojc no largo
do Terco, lado do nacente : a fallar com Antonio Dias
da Silva Cardial na espuria do beco do Padre D. 1.
^3*p Sacas de farinha de mandioca : na casal). 3
ao lado da cadeia.
CotDprag
M aparelho de barretina de Guarda Nacional : a*
nuncie.
^3~ Uma venda, com letras a vencer, firmadas por
pessoa acreditada : anuncie.
^5* Uma preta que saiba engomar, e coser ejom
perfeico : na ra Nova em casa de Manoel Contal-
ves Pereira Lima D. 22.
^* Uma marqueza em meio uzo com assento de
palhinha, ou sola- anuncie.
^3* A dinheiro de prata ou cobre, huma Es'Tava
que saiba cozinhar e engomar : na rua Nova D. 2.
ALlugi-se um sitio na Magdalena, com fructciaas
de toda qualidade, e baixa com capim : na rua
d'Agoas verdes sobrado D. 20.
^y Allug se uma boa caza com um grande quin-
tal, na estrada da Trempe para a soledade : na fbri-
ca to fundan a (aliar com Feliciano Augusto de Vas-
concellos.
M
fuito
tO dia 9 deste correte mez de Fevereiro, etard#
o anunciante em Olinda, e indo ouvir missa dd
T-r


( 1.321)
W>ro fl S. Beata (onde assisliraro tamben trez pessoas
conheridas, que por ora nao se nomeia) succedou
alli cl.ixar. n'um dos assentos, snacaixa de prata, a
qn.il tjnhn os signaos seguintesA' parte superior ti-
nha urna fbula, que reprezentavaUnio, pois q
no meio eslava urna pyra ardente, em cuja frente, na
parle media, esta van parle direila, urna figura em p, ornada de -aprete,
e vestido talar, a qual tinha na mo csquerda urna lau-
ca, e rom a direila pareca laucar oleo na pyra para
m.iis arder, e na parle csquerda, oulra figura, que
pareria estar sentada debaixo de urna arvore excelsa,
e que linha n'uma mo um byssopo, n'outra um ra-
mo, e nos pea urna macbadinba, lauca, e mitras ar-
mas, de que o anunciante se nao lcmbra. Finalmcn
te parle inferior, c dos lados era toda cheia de fleles,
por dentro dourada, e tinha de pczo urna quai ta : p
como ledetencaminhassed'aqiwHe logar, n ppsso que
a aehou, ou a quem for offereeid.i, qucrendo fazer a
honra reslitoil-a, dirija-se, ou mande ra do No*
gueira D. 19, lado do Sttl, Aula de Prior-iras !< tras,
onde achara (pelo goslo da obra) de grajfificaco 20000
reis, e promte-se generosamente inviolawl segredo.
e a quem delU der noticia se dar boa recompensa, lo-
go que o anunciante verifiear-se da pessoa que a agar
rou.
fc3T* Furtaro, na noite do dia 25 do correte do
Arrombado um cvalo todo castanbo, s com signal
branco abaixo da venta direila. snn marca algn de
ferro, rom 7 palmos o meio de altura, capado, com
o c.bo cortado pelo sabugo, dinas riparias: quem
delle tiver noticia ou o apresender leve-o a ra da
Cruz n. 17 que tcr cincoenta mil res de gratlfic. -
c5o.
%* *\-.x
Atolles p8tttcul&tt&
PRecisa-se deum bomem Martimo, Porluguez pa-
ra emprrgo no mar, que ten ha bom proced 0*0
to, dando fiador de sua conducta : em Fora de portas
n. 217.
fc^ Pergunta-se a Francisco Ignacio .Toldan se a-
inda vive de seu ofi-io de lser coi fas : anun< ie.
K3" Toma-se 250&000 reis a juros de 2 por cen-
to ao rr.cz com hipoteca em escravos: anuncie.
^^ Precisarse fallar com o Scnhor Joan Jote de
Souza, pura negocio de seu interess : anuncie pof
este Diario.
^t^" Precisa se de um cosinheiro hbil, e fiel para
o Seminario dn Olinda ; filar <'om o Reverendo \ i-
ee rV-ilor do mesmo Seminario.
^C?" Precisa-se de um preto, ou preta para todo
servico de urna caza, sendo fiel : na ra do Hospicio
ultima caza.
$C^" Francisco Antonio de Brito mora na ra de
Ortas D. 55.
^&" Precisa-se de um menino Brasileiro, ou Eu-
ropeo para caixeiro de venda : na ra do Cabug loja
do Mello.
^^* Precisa-se de um feitor, que d conheri-
monto de sua pessoa, para 6 engenho novo da LVlurt-
beca : no mesmo engenho, ou na ra da Colegio bo-
tica D. 3.
^3F Quem precisar de um rapaz para caixeiro de
escripia, ra, ou armazem de assucar, dando fidor
de s,ua conduela, dirija-se a ra por dclraz dos Mar-
tirios D. 21.
* fc^* Precisa se allugar algumas eseravas, ou mo-
leques, que sejao fii>, e ladinos para venderem na
ra, pagando-se a 320 reis diarios : na ra da Gloria
)& Qualquer mulber que quizer ser ama de un
casa e esta com popca familia } dirija-se a**ua do IU-
zario estrella D. 3.
vy^y Quem anuncio querer aprender a lingoa I-
taliana ; dirija-se a ra do Cabug loja do Baudeira
que l se dir quem ensina.
^- Quem anuneiou querer comprar urna-preta,
que entend de cozinha \ dirija-se a ra d'Agoas. ver-
des sobrado D. 20.
fc-y Quem pereisar de um caxeiro Brazileiro para
qualquer emprego de negocio : anuncie.
**%W%%v
JOaquim, nacao Cacange, 20 a 22 annos, meia esta-
tura, bem preto, reforcado do corno, cora um pe-
queno golpe sobren testa, outro maior abaixo da fon-
te direila, mete alguma consa pouco os joelhos para
dentro, pez, maos, e cara achatada, sapateiro e pes-
cador, e nao tem outros signaes, e consta que foi ven-
dido para o sul : loja de livros defronte de Palacio,
que reci bf'r 100$ reis em moeda de bom cobre.
* Um moleque, crilo. 10 a 12 annos, olbos
grandes, e bastantemente vivos, secodocorpo; levou
vestido camisa de algodozinho novo, sem calca ou si-
rla : ra da Roda n. 20.
$3- Joaquina, pardo, 45 annos poueo mais ou me-
nos, estatura mediana, seco do corpo, official de
sapateiro, e bolieiro; fgido na manb do dia 25 do
.o rente do lugar do Mondego : o dito lugar, ou na
ra do Collegio D. 3 casa do Major Costa, que ser
generosamente recompenerdo, assim como protesta-se
perseguir a qualquer pessoa q'lbede azilo fiesta Praca,
ou o mandar para certa fuzenda, poli nao desconhe-
ciila ao anunciante.
NOTICIAS MARTIMAS.
Navios entrados no dia 25.
RTO FORMOZA ; 12 horas-, S. Santo Antonio
Triunfo M. Joze de Dos Monleiro : assucar.
DITO DITO; 12 horas; L. Calvario da Santa
Cruz, M. Joaquim Monleiro Pereira : assucar.
Dia 26.
CAMAR AGIR; 2 dias ; Escuna Brazileira,H. ,
Ma noel Fidelis de Miranda : asacar : ao mesmo Mes-
lie. Passageiro* Manoel Antonio de Mello, Antonio
Joaquim de Paula Lins, e Antonio Joaquim Lins Pi-
ro,!.
Navio sahido no dia 25.
RTO FOR MOZO ; S. S. Jote Viajante, M. Hen-
rinoe Carneiro de Almeida : lastro.
GOINXA : Canoa Lialdude, M. Joaquim Joze de
Castro : varios gneros. Passageiro Manuel Autonio
Femandes.
Dia 26.
GENOVA, por RARCELOXA ; Polaca Sarda Boa
Mara, Cap. Manoel Natini.: algodio. Passageiro
Joze Aymar.
RIO CfAFDE DO SUL; R. Escuna Matildes,
Cap. Antonio Joze de Abreu : vinbo, e assucar. Pas-
sagpiros Luiz Lucio Monleiro, e Alexandre Francisco
de Smli Anua.
TAMANDARE'; R. de Guerra Imperial Pedro,
Com. o 1. Tenenie da Armada Joaquim da Silva Me-
d(ll.i : ronduz 2<)1 praca de Tropa inctuziv Officia-
es, assim como 30 mulheres pertencenles a alguns dos
mesmos soldados.
tf': .'.{ Trp no i>i^mo 14143.
X


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EK9DPUASL_NJ8Z36 INGEST_TIME 2013-03-27T14:46:26Z PACKAGE AA00011611_02806
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES