Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:02767


This item is only available as the following downloads:


Full Text
_:
h.V\D1 !8#J. SKftrDA FEIKA 11 DKXOVglBKO NU 51 RU 24.
*-V%^\%%.*r.Mt.*t* *. *.*X*%*.**VA.<,. v fcv4t I VVVV%^V'*.tUil\HUI \V %% *% '

WCO<
/
W
"W

_- liwrt/-. Intente 'fiW'r i.'rtiitriMrio*. Ha'Fpoc
'" lH d ?' !< S. Aik>i!h. Miiin.iu! d.i porta larga
"' e receto? ai currc|iotidenclwi, eautueins: este n>remeso
- :d i do i'roi-ios asi nances so ment p > imlo ans a-nados.
Ttttlo .^or-'' 'lf lenilf rf n<- inesmos, da nussa prudencia, m-
deraco. c eiHTS'ia lunitinueiito como principiamos csecctm*
afumados cor idniira^ao entro .is NncoVs uiais cultas.
Ptoclma-lo da Asscinkleu eral do Brasil.
VOM
mi
tt
Impreco ca &cniam&tico por 3of e aictonno De abreu.
!
/
V
>
I
HIAS da SEMANA.
fr-S.Crtos-ie. dos J.' do C. de m., ede t., Ses.
fin Thez. P., eCh. det.-P. as 4 h. 6 m. da t.
3." $. T)iogo Rel.*m de m., e aud do J. de
Orlaos dr t. P. as 4 h. 54 m. da t.
4.n-S\5wrvo-.Sesso da Thez. Publica. Pr. as 5
h. >2 m. da t.
*.'-S.Florencio- Re.*" de m., Aud. dos J.' do C. de
m. c de t., c Ch. Pr. as 6 h. 6 m. da m.
<">.'-S. Gerlrudes-Ses. da Thez. P. de ni. e Aud. to
I de Orlaos del. Pr. as 6 h. e 54 m. da ra.
Snb)ndo-i$. Victorino- Rl.'"* de m. aud. do Vig.
(r. de t. Prcamrr as 7 h. 42 m. da m.
;> toingo-S. Gregorio Tliaumaturgo. Pr. as 8 h. 30
r.i. da m.
%-*.% %\*V*%%-k .%%%
EDITAL.
. / Cantara Municipal da Cidade do Jtecife e seu
termo em vil tude da Lei.
FAz saber aos habitantes do Municipio, que em
memoria do dia 7 de Setembrode 1822 fica de ho-
je om diante sendo chamada Praea da Independen-
cia -a antig.i praoj da Uniao- que a ra nova que fi-
ca por traz da ra das Flores sera chamada ra ca Paz
c que a nova ra que fica por traz do quintal da
Ordcm terceira do Carmo ser chamada Ra da
Concordia. -- E para que chegue a noticia a todos
mandn passar e publicar o presente assignado por el-
la. Recite em 5 de Novembro de 1833. Jos Tavares
Gome* da Foneeea Secretario o escrev. Joze Anto-
nio Este ves Pro PresidenteDr. Antonio Peregrino
Maciel Monteiro -- Dr. Simplicio Antonio Mavignier
Joze Narciso Camelo -- Joaquim de Olive ira Sou
zb -- Jozo Rento da Costa Thomaz Joze da Silva
Gusmo.
k NOTICIAS ESTRANGEIRAS.
VImos folhas de Londres at 6 de Setembro, e del-
las extrahimos as seguinles noticias.A Rahinha
de Portal eslava no Porto do Havre a espera de na-
vios para vir para Lisboa, lendo primeiro de tocar em
Londres. D. Miguel achava-se no centro de Portu-
gal, e o seu exercito compunha-se de cerca de 13
mil homens. Bourmont ainda o commandava, mas
linha por vezes querido dimitlir-se. As tropas Mi-
guelistas tinhao reentrado em Beja onde commetiero
atrocidades, bem como tem feito por toda a parte por
onde passao. Pouca, ou nenhuma esperanza havia
de que sua causa podesse ir avante, si bem que seus
partidarios ainda olha para a prxima morte de Fer-
nando 7., como um meio de poder D. Miguel subir
outra vez ao Throno. E Fernando sempre despota,
at as bordas da sepultura, nao quer consentir no re-
eonhecmento de D. Mara, se nao cora a ondico de
detar ella abaixo a Carta Constitucional Portuguezs.
Por ontro lado D. Pedro continua sempre o mesmo ho-
mem, governado per meia duzia de favoritos, que o
tem perdido. Segunda vez acaba de dimittir o Du-
que Palmela, e 'allava-se em querer elle ser Re
de Portugal. Assim o diz o prop io Times, um dos
peridicos, que mais a seu favor fallo. Trata va-hc
da convocacSo das Cortes Portuguesas, e disia-sc. t[ue
seria un dos seus primeiros, e mais intrincados tra-
btlho?, a eleieao d'um Regente, e a escolha d'um ma-
rido pora a Rain!;;.
Em Inglaterra tinha o Re prorogado as Cmaras.
E a Franca continuara em alguma agitaco, excitados
os partidos uns contra os oulros, sobre ludo em Pa-
riz, onde de novo aparecerSo duellos por opinies pp-
liticas; mas entre os Moderados, e os Republicanos.
Tinho j chegado a Inglaterra noticias da Mensa-
gem, e nao obstante aparecerem acompanhadas de
cartas Caramuruanas, que a docomo manejo do Go-
verno, para pedir mais dinheiro, e tropas, diz o Ti-
mes, que D. Pedro nao reinar mais no Brasil. Al-
gumas falsas noticias se espalharo, como a de teren
havido desordens, e muilo sangue no Rio de Janeiro,
v Icrem sido assassinados 50 e tantos Inglezes em um
dos lugares desta Provincia. Taes noticias sahem da-
quelles mesmos, que daqui raandao diser, que as 3
partes dos habitantes do Brasil, querem a restauraeo
de D. Pedro. S si fallo da 3/I00 parles porque a res-
tante bem claramente tem mostrado, que mais o nao
deseja ver.
Baiona 28 de Agosto.Dois extraordinarios
correios por aqui passaro de Madrid para Pariz, e
deixaro despachos para o Cnsul Hespanbol nesta
Cidade : desde sua chegada vogaro noticias mui fa-
voraTis a D. Pedro. Si as devemos acreditar pare-
ce, 'ue depois de urna mui seria escaramuca entre
as tropas de Bourmont, e Villa Flor, que se diz toda
em vantagem de D. Pedro, o Duque do Cadaval se
lhe submeteu com a maior parte de suas tropas, em
consequencia do que teve D. Miguel de relirar-se pa-
ra Campo Maior, perto de Badajoz, e a ultima Villa
de Portugal as fronte i ras.
(Times de 5 de Setembio.)
CORRESPONDENCIA.
Serihor Redactor.
\7~Iva o inimigo dos columnas com a sua correspon-
dencia em o seo Diario N. 241 : si eu quizesse
tomar em lom alguma coiza gracejador talvez que ,
com o Dormitabo aut ridebo -- do Poeta, eu lhe
respondesse : ms.eu nao costumo fallar si nao com a
dignidade de homem de bem, e Cidado livre. Quan-
do eu, Sr. Redactor, tomei a defsa do honrado Ma-
gistrado o Sr. Thomaz Antonio Maciel Monteiro ,
nao fo'i por que elle necessUasie della para debellav


':)
gratuitas, pueril, injustas, e criminosas diatribes vo-
cifera tas contra elle, visto que toda esta Provincia
1) m conhece, e Ihe fa/em aquella juslica, e conci-
to d.-que elle por inultos ttulos se faz credor, ms
sim foi porque podia chegar aalgum oulro lugar on-
de elle lsse pouco conhecido, e ah se po/.e.v>e por
momentosem duvida sua llibada honra, e reputacio;
por isso disse o que sent a sen respeito : e rom que
se pretende destruir istq ? Com huma irona atrevida
lirada de hu:n (acta nao exacto, e verdadeiro. Sim
1I11 como por mola se afirma, que o Sr. M. Montciro
o Sei viro mus relevante, que h prestado n esta Pro-
vincia, lora o Seguro que em qualidat'c do Juiz dos
Feitos da Fusenda, conceder a Jos Rernardino tfe
Sena, ladino, segundo diz o seo Correspondente, da
Fa/.enda Publica, e hoje livre por graca do mesmo
Sv. M. Montiro. Ora Sr. Redactor, aqu he bem
aplicado o dito mentris impudentissime -- Si nao
exislisse o processo feito a este homem ; si noexistissc
milhares de teslemunhas, tal vez se podesse dar al-
gum crdito ao que se afirma : mas o Processo existe,
e tanto hasta : delle consta : primo que o Sr. Maciel
Monleiro nao foi, ms sim a Rellacao queni conceder
o seguro aquehe Sena, e o motivo foi, nao s por a-
char-se naquella occasio ja paga a I' azenda Publica
das faltas, que enconlrarao no Cofre de que o mesmo
Sena era Thezoureiro, e isto pelos bens de seo fidor,
mis laohrm por que a Le, debaixo da i ptese dada,
lio prohibe o seguro ; e secundo, que elle nao lora
livre, ms sim ra condemnado. pela mesma Relia-
cao, a prizao, e em perda do Officin com inhabil'da-
de de servir mitro algum da Fazenda Publica. E le
he o fado constante dos autos para onde remeto es Cu-
nozos : concluitido-s d'aqui a inexatido, e falta de
, verdade, e maledicencia do seo Correspondente no q e
afirma do Sr M. Monleiro. Quanto a advertencia
que nos faz de que niuguem nunca d^o f ( frase chu-
la ) do Patriotismo do Sr. M. Montciro, e do nossoj
respondemos que nem nquelle Sr, e nem nos andamos
a gritar por toda a parte, qae somos Patriotas 5 Ion-
ge de nos esse censuravel modo de proceder : somos
amigos do nosso Paiz, e de coraco dezejamos sua
prosperidad?, r-ngraudeeimenlo e a proptgaeao de
Loses, e ptinctaios da bem atendida lber da de civil;
faaemoi o que est da nossa parte para ohtermos >to,
8 nSo queremos elogios, e nem agradecimientos por is-
to, porque cumplimos o nosso de ver : quanto ao
PATRIOTISMO doSr. Tavares cot que parece se
nos qier '.ir para servir de exemplo, ignoramos qual
elle #ja, muito manos, que seja conhecido desde
18I1-. OSr. Tavares em 18I8 foi oficial de Meli-
cia cm Oiinda, das fileiras de Luiz do Reg, e s
lorio eflevdo* a seraclhantcs Poslos os An-tpatriotas
de 17 : cm 1819 pou le obler ser Escrivao de Correi-
cao doSerto : em 1821 o foi do Recife, e Luiz do
Reg einconcu.niaocia com outros o mandn prero
para L^b m, por irr levado hum tiro vollou di l:
ti em 1824 foi a Baha levar humas cartas ; ( servico
que qufilqtur pessoa poda fazer ) regressou para a-
qui por causa de hum sumario que por aquilo se pro-
tedeo 11a Baha, e nao querendo jurar a Constituicao,
que boje felizmente nos rege, passou reciozo de algu-
uiacouza para os Estados Unidos, onde se diverta*
cust.1 dos .imgos : dali torna para esta Provincia onde
ofrcra algurs1meses de prizao por cauza d'aquelle su-
mario, que se Ihe fuera na Baha, e de hum celebre
profesad da Pasquinada, sendo a final julgado sufici-
entemente punido com o tempo da prizao sofrida : de-
pois de sollo priucipiou a gritar que era Patriota, teu-
do-se ja dedicado ao omVio de Procurador de causas
tiie que fizmeite apanhou o oficio de Secretario da
Cmara Municipal que ora est exercendo conjuncta-
mente com o lugar de Promotor, Ris aqu a vida
publica do Sr. Tavares se isto he ser Patrila ~ di-
cantPaduaue. AJcosSr. Redactor.
O Assombrado.
%** *,*v^ -v*
Meiodo de milhorai os que!jos damnificados, ou
de m qualidade.
TOmem sal de trtaro (subs carbonato de potan-
dciaiulu-se lht novo vinagre, nao faca mais eflerv^-
cenca : caso em que o sal de trtaro -estsuficiente-
mente saturado: resuHar un licor similhanle atto-
lucode*nl: roolbo-se com elle panos delinho, nos
quaes se cmhrulha e.quejo ; e todos os das se reruo-
Iho os panos. Passados 3o", ou 4o das achar-se-h ler
o queijo adquirido boa qualidade, ou por que elle a ti-
vesse antes m, ou por quec.livesse arruinado. Este
melhodo he boje pralicad nos rmaseos de queijos
(hamados Catete, (jucijeira) na Lombardia com
grande vautagem, e proveito.
(Do Jornal da Socicdade.)
,**% \ %
PERGUNTA-SE
A O Ilm. Sr. CoMeelor di Villa de Goianna Joze
da Silva Montciro, que fim deo a urna maula de
carne, urnas linguissag, e umqueijo. ludo doCerto,
que mandarao entregar a um EUl da te do Seminario
d'O'indi, eoliloSr. tem-se esquecdo de entregar,
v la fazem mus de dous meses, que suponho estar o
dito presente infecionado, e se responder ter,. mais
que Ihe agradecer
O Curioso.
^f3F Ao Sr. Compositor reformado que a.nttuciou
no Diario N. 243, se sabe me diser a rasan por que,
nao te deisem illndir com as promessas dos Rio (i lau-
den e dn Norte-, e se nao sabe a rasao pela qual, o que
para la foi se sabio mal ? Eu Ihe digo, foi por que sen-
do elle de boa estatura, se quiz faerbonco, el abeo,
apanhou {mita pancada j o que su ceder com
qual quer que for para l se proceder como o pri-
meiro.
IIum Iiiog ndense
$r^* Ao riru. Sr. Commandanle do Brigue B. S.
ChristovSose a segunta pessoa que Ihe pedio pela sol-
tura do Marojo Frane s:o de S-.!es, lem olis carcter,
e brobidadeq' o Capilodc ArtIberia C. IVl. de Alb.
C q'lbe pedio primeiro, p"sollal-o immedialamenle, e
e O nao responder fiea-Sfl fazendo ma con. cito
do mesno Sr Commandanle.
%% iwnmvHMi
ANUNCIO.
BREvemente sabir a \u o Demcrata Pernanibu*
cano escrito por Joao de barros Falca o d'Albu-
querque; Maranho.
PROSPECTO.
Svm> Cm*. sao 1" mostrar a uceessidade que lera
todas as NacOes Aniercauas tic se unirem ou federa*
rem. 2" o interesso ijue tem o Brasil de se federar
com as siias Provincias. 3o oFerecer aos Augustos o.
I)ignisimos Srs. Representantes da Naco um novo
Projecto de reforma da Constituicao. A mostraras
bondades dos Governos Democralcos, e que o Au-
gustsimo Senhor D. Pedro 2o nao ser feliz se to-
mar as redeas do Governe sem preceder a reforma da


(
J
V
l
{
\
/
)
(iiiilitui o. 5* oppor-se na rqnia Jo POYO c ty-
rania do Go'verno, e ao*Eaeiiplora (ju: i li*iit.rt 111 o
i OVO as armas para c conseguir a ivlonna da (.ons
lituiyo. G vellar na obs< rvaocia da Cohstiluico to
Esiado, e n execuco das Le*. 7.* ativi nlar o^Pre-
zidcntcs dosla Provijn ia c 'V Alagoas u fin de txlin
guivaj quaiilo antes a guerra intestina de Pam las.
U Peridico una vez na semana em frmalo
{>,! iihI t-nllr nao se admiti Correspondencia, e sim
Coinmoicado tendentes 10 plano oeste Peridico :
osera o mu preco mensal 32o pagos no principio de ca-
da lili 7..
*v%%%%v
Lcao'.
g^i Arlos Joaquim Welik faz Lilao de 149 Larris de
* < mauleiga, por conta de qyem pcrlencer no dia 4.a
I ia 12 do trrenle, no armazem de Jo/.e Goncal-
*l\S.
(Hean.
Ci Etti branca dt Lisboa, refinada em granito, e de
superior qualidaile, eo Larris de. pouco mais de
4 (!.< (.iuh' ti. 10 procurando para a ordem 3.a de Sao
Francisco.
"iC?" Urna morada de caza na ra do Amparo di
(Tufada de Olind.i n. 31, com 2 quartos, e grande
piii'.Ul com varias fructeiras: fallar na mesma ra
h. -i.
^rj^ Ovelhas paridas, e por parir, carneiros, e
calilas: na Piranga ao lado do Jiquia no sitio que foi
do Couto.
Jpjh Osseguinles livros em Portugus: Telema-
co, Gil Braz, Modelo dos lovens. Dole de Suzan:
una, Gdilberme Tel ou a Suissa libertada, Joo Sb -
_gar, c utu relogio de sabon te : no atierro da Boa-v ;-
la venda U. 3.
ICJ* Rap. Princeza o mais moderno a 2400, o
lois anti{;< a #240, dito Bibiauo muito boma W 0,
chapeos co^or pardos, e brincos. Ien>03 de cod.i dio-
los com cercadura eu'aruada: na ra da Cadea *e-
ilia luja n. 40.
$3 P clacos de lijlos para alieerces : na loja do
Batldeira ra do Cabug.
5^* Urna venda n;i ra da Gloria com poucos fun-
dos : dirija-se a mesma ou na ra estrella do Rozario
1). 28.
%& Urna cscrava com 14 annos de idade de boa
figura, sabe costnhar, emgomar, e cozer cham e o
na s ser rico de caza, e de-bous costumes propria para
vi ver 110 centro de urna familia honesta: na ra da
S1 nzalla nova N. 67.
&y Hum sobrado na ra do Fagundcs de 2 anda-
res 1). 8 da parle do Nascetite : anuncie.
K~$*- Bolinabiaucos c pretoa de Lisboa a ioo, Fi-
tas^Jar* dibruiu desapalos a 17o a peca, Carta* Por-
lUgMetaa, Ditas Francezas copos para agoa, ditos
para champagnha, fbres para casi i cal, Pao fino de
cores a 384o o covado : na ru do GaLug loja de (a-
zu.das D. 3.
A Fbula de Cizoiro : na ra do Colegio D. 13, ou
anuncie.
$3- Eseravos para fora da Provincia, tanto com
vicios como sem elles, de 10 a 20 annos, pagaudo-ie
em boa moea: 110 armazem da ra da Cadeia velba
. 61.
n 11" i
COU : piqui Q UH 'I'yp >'. U'
\&* Le.il I iaui lili | 11 ''
Caridade : dirija-se |nr o au&i< 1
.J .i IV >. '
* v. %*
A
SllUOrUW
Lluga-sp para pascar a festa urna caza ) i
commodo na roa da Magueira que vai p"
dereiro : a fallar com Alcixo Jjzc de Luna 1 iu.t i.o
atierro da Boa-vista.
A%M%MIMM
3rren&sineuto.
ARRERB\-se o grande quintal, que foi lo finado
Cartaxo na ra da Aurora, com as cazas novas
no fundo-do mrsmo quintal, e ra : a fallar com Ma-
noel Gregorio da Silva na sobredila ra sobrado n.
10.
^^ Urna caza acabada de novo, com eommouos
para urna grande familia, na Mag4alena juulo pon-
tezinba que vai para o Luca : na mesma.
*%%**% fc%V^*
Avi^ns partKlatfS-
mOzE Maria da Cunba Guimares Jnior uvi/a a
Jqualquer pessoa que livor ordena suas para o Sur.
Antonio Joze de Magalbaes Bastos bajo de Iho as apre-
senlar boje por todo o dia para serem pagas, alias nem
o anunciante riera o dito Bastos se respousabidisar
pelos prejuizos.
^^ A pessoa que estivrr as circunstancias de en:
siuar o Francez e Ingles, dirija-se atraz do l'orpo
Sanio D. 67.
t^y Responde-se ao lsudo. e ignorante Guarda
Nacional do Batalho do Recife, que o Major
do mesmo Balallio nao teni cjue Ihe dar su lista*
roes tendentes ao seu dever, e sim oaconsellia, que
cumpra comas suas 0L1 igacSes, e que cobiba-se.de
praticar accSes, que o facao indigno da Sociedade.
^ Como to reclmenle se Um comportado o Sr.
Promotor Tarares, avisa-se-lbe que o Senbor Fiscal
Barata comette ommisses, e abusos 00 seu Kmprego,
e um delles he ter por iuimsade que professa ao Amo-
rim das Ponas eondemnado-o por 4 vete* por urna
preta sua vender moclo denla de sua aaza:
o Senbor Promotor veja se alguma Poslura tal prohi-
be, e a vista disto esperase, que proceda com este
Senbor Siscal, como tem procedido com os oulro Em
plegados que lem abusado.
O amigo da rectida*.
^T^ O abaixo assignado declara ao publico que
dci.vou de ser caixeiro de B. Lasserre-
Cxpriano (Je Barros Leilao.
^y Onem liver em seu poder duas ordens sendo
urna da quanlia de trezentos e lanos mil rcis, e ou-
ira de cele ceios noventa e nove mile quinln utos rs.
em que dizMeo Mano pague ao portador desle cm
moeda de cobre correnteassignadas pelo abaixo as-
signado, as queira hir receber no prazo de seis dias,
do contrario ficaro sugeitos ao prejuiso quando bou-
ver mudanca na moeda, e to bem se nao corre risco
moeda. m
Joaijnim Antonio do Paraso.
^3- Quem precisar de roupa lavada, e engoma-
da por preco commodo, dirija se a ra das Flores
D. 8.
^y Avisa-se a um Senhor Estudaute do Semina-
rio d'Olinda, que quanto anles baja de hir satisl'aser
urna qu.nntia, que deve na mesma Cidade ra de S.
Pedra Mrtir no sobrado de dnus andares n. 24, a-
lias...



988 >
*"*?** Quem percisar do um eaixtiro Brasileo para
na, vend:, ou armazem, d fiador sua conducta,
tiiriji-se as Cinto ponas venda D. 17, ou anuncie.
tF^* Quem percisar de urna ama do lette, parda.
o forra, dirija-se a ra do -Nogueira D. 15.
s^" A ignorancia, e o pedantismo da pergunta q'
ao Ex ni. Conselho taz um Empresario da exlincta Re-
partidlo das obras Publicas, (que eu bem o conheco)
seri i assas bastante para demonstrar a ineapacidade do
>eu attthoi, e consequeiitemente o nenhum crdito que
merece, se ea nao involvesse a calumnia a mais atre-
vida contra csse Empregado nomeiade pelo mesmo
Kxm. Conselho, qua a de diser a pergunta que o no-
meiado nunca servio lugares pblicos. Ora Senhor
Pergunlador para que he mentiroso : se Vmc. queria
srrever para o Diario porque nao o fez com exacti-
dao? O Exm. Conselho obrou com justica : o nomei-
ado tem servido cargos Pblicos, pergunte-o aos mes*
mos'Snrs. JooGoucalves da Silva, e Miguel Areanjo
Monlciro de Andrade, e servio Senhor Pergunlador
com mais habilidade, e inteligencia do que Vmc, que
pelo aranzel de sua pergunta d urna perfeita idea de
que lie luim pedante consumado, e por isso incapaz
de oceupar cargo Publico. A Naco Brasiloira quer
gente que b m a sirva, e seus cargos nao sao patrimo-
nios, nem herdades de tatambas, e estupidos. A-
prenda melhor, Senhor Perguntador, alingoa Por-
tugueza, saiba mclhor escrever ; teuha mais circuns-
peccao, e ento pretenda cargos Pblicos. Ilum Em-
pregado inhbil nunca faz js a empregos : esse tem-
p est acabado. Presentemente aprndese, esluda-
se, e tem-se boa conducta para se ter direito a empre-
gOS.
Me lastima, ver eertos homens julgarem se com d-
r^ilo a tudo, nao obstante estarem convencidos de que
sao nullos anda mesmo para as menores cousas, e a-
penas nao se Ihes faz as vontades, detraclo de qual
quer Aulhoridade, nao ha urna sboa, tudo lie in-
jurien, e a final amargo-se quando se Ibes poem as
ial.cs ao vento.
Um aue convida ao auihov da pergunta, a fa-
cer um exame de escripturacao.
^^* Cuidar o Senhor inculcado inimigo dos im-
puslores, que imbassou ao Publico, com a sua res-
posta (como l dizem de Cabo de esquadra) em o Di-
ario N. 220 ? afirmando que o Empregado em ques-
tao admiltido por o Senhor interino Juiz da Alfande-
ga das Fazendas Sampaqo, se acha legtimamente e-
mancipado pelo Juizo de Orfos, e por isso apto para
todo e qualquer emprego civil, ou militar : bem ago-
ra de novo pergunta-se a vista da certido obtida do
dito Juizo de haver aquelle Empregado obtido carta
de Emancipaco em 4 de Oulubro p. p. tendo j sido
admitido naquella Repartidlo anteriormente em dias
de Agosto, se cometeo, ou nao aquelle interino Juiz
arbitrariedade responda o Senhor inculcado inimigo
dos impuslores; e permita-me que Ihe diga que S.
S. com tal resposta he que se mostrou legtimamente
impustor 5 e persuada-se tobem o Senhor interino Ju-
iz que os empregos Pblicos, nao sao propriedade sua,
p-.ra os prover conforme a sua paixo, e interesses de
encontr com a Lei; como taes procedimentos nao se-
jo fiscalisados, e nem sensurados pelas Authoridades
competentes nao deixarei de velar, e de continuar a
ser
O Justiceiio.
^3* Quem aunciou querer servir de criado, diri-
|a-se ao atierro da Boa-vista do lado da guarda D.
40.
^J" George Brocklehnst & Cemp. fazem publico
iquella pessoa que tiver urna ordeni sobre elles da
quantia de 600 e tanto:? mil reis, que elles -nao estas
mais responsveis por tal importancia em \ irlude de
seu anuncio em o Diario N. 243, e que -lies lencio-
no pn^ar dita somma aos laceadores da rnesnia or-
dem.
^?3" OSr. .Toio Teixeira de Agui, natural da
Villa de Mucei ser-llie- muito uti nao se atrever a
cobrar dividas que nunca so lev rao como se colli-
ge no seu mesmo anuncio inserido no Diario n. 245 ,
9 de Novembro ; por isso que nao se assigna, c nem
sabe o lempo serto da divida que figura da quantia de
8^> rs. cuja limitada quantia nunca pedio a pessoa al-
guraa naquella Villa nem QUtra a'.guma quantia maior.
Se o Sr. Texeira de Agui preciza de cobres para as
suas despezas nesta Cidadadquira-os por outros meiosr
"mais licitse eslimarci que haxe quem Ihos-dc para se
poder retirar.
Francisco Joze Baptista.
% kiV/M *
$gKrat0g fritos.
JANeta, molata, 22 anuos, boa estatura, eh< ia do
corpo, denles limado-, nina vfelide no olhoesquer-
do, que poueo se divufg; fgida1 no dia 5 do curren-
te, do sitido Cajuteiro,'levando 3 vestidos, l Je ca-
ca branca com babado li/.o, oulro de riscado azul ,t
u/.ado, e oulro de riscado amarelo novo : a ru? Po-
Va em caza do Gadautt D. 10 que sera generojameule
gratificado.
$l^" Bernardo, crilo, lOannos, crtra comprida,
nari. choto, ventas largas, mete um olho p^Io oulro,
ps compridos, cor b m prela ; fgido em 15 de Maior
do anno passado : ra do Mondgo venda n. 388,
que receber de gralificaco 50<) reis.
\J^" Joze Congo, representa ter 38 annos de da-
de com pouca barba, cara aboeetnda, com um den-
te fallo na (rente, olhos encarnicados nariz chato.
ps apalhetados, de boa estatura, c tem oficio de ga-
nhador, levou vestido calca e carniza de esloupa nova,
chapeo preto ja vclho, fgido no dia 9 de JVovembro
deste corrente anno : quem o pegar leve a seo senhor
defronte da Ribeira da Boa-vista D. 3o que tem de
gralificaco lo$ooo rs.
NOTICIAS MARTIMAS.
Navios entrados no dia 8.
CEARA'; 25 dias; E. Mucuiipe M. Manoel
Gonsalves da Costa : sal e couros : a Silva, v
Com. Passageiros Domingos Nuno Ramos Ferreira,
com sua familia, Doutor Antonio Borges Leal Caslello
Branco, Joze Sergio Ferreira, Antonio Joze Ferrei-
ra, Antonio Faustino da Rocha, e Joaquim Ribeiro
do Naseimento.
--LIVERPOOL; 51 dias; B. Ing. George eu-
lick Cap. Meksnnid : differentes gneros : a Cseks-
chott & Comp.
Salados no rnesmo dia.
RIO FORMOSO j S. S. Jos } ajante : M.
Henrigue Carneiro de Almeida : sal, e carne.
Passageiros 2.
ASSLT ; B. Escuna Amisade Cap. Manoel Ma-
riano Ferreira : Lastro. Passageiros 3.
%v*%*%*-*v
ERRATAS.
myO Diario ng. 215, pag. 2.a corresqondencia 1." ,
1\| lin. 9 -- seu Autor -- lea-se o Aulor -- linha 1 5
-- pondo em rezerva -- ea-se pondo-nos em reserva.
Peiijv. jrf Typ* do Di**h/u. 1833


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EHVQ2IYY9_6BV4AD INGEST_TIME 2013-03-27T16:47:21Z PACKAGE AA00011611_02767
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES