Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:02639


This item is only available as the following downloads:


Full Text
).
.., V;j-
ANN DE 1834. SEGUNDA FEIRA 30 DE JUNHO NUMERO 423.
>.< MMHMHMU4M!%*%
*%
mrnvtwMliwMMm
iHmimi*-w **
muio di imiisno^
>ulscreve-se mensalmente a 640 res, adiantados. na Tipoprafi
do Diario, paleo da Matriz de S. Antonio sobrado da porta larga
onde se recehem correspondencias, e anuncios; estes insirem-se
gratis sendo dos propriosassi junantes BOtanie e vindo assipnados.
Tudo agora depende de nos mesmos, da nossa prudencia, ma
deracao, e energa: continuemos como prineipiamss e Beremo
apontados com admiracao entre as Nacocs mais cultas.
Ptoclamacao da Assemblea Geral do Brattl
gmpj:e$0o em j&ernamtmco pot X % De itttrattDa jfalca'o.
i
N
'S
i
f
DAS da SEMANA.
2.1 -5. Marcal- Aud. dos J.* do Civ. de m. e de t. bes.
da Thez. P. e Ch. de t. P. as 10 h. e 54 m. da m.
3. S. Tlieodorio Re. de m. Aud. do J. de Orfos
de t. Pr. as 11 h. e42m. da m.
4.' -S. OthonB. Ses. da Thez. Publica. Pr. aos 30
m. da t.
5/ S. Jacintho- Re. de m. A. dos J. Civ. de m.
o de t. Pr. as 1 h. e 18 m. da t.
6.' -S. Izabel R. de P. Ses. da Thez. P. de m. e
aud. do J. de Orfos de t. P. as 2 h. e 6 m. da t.
Sabbado S. Athanazio Relm de e aud. do Vig.
G. de t. Preamar as 2 h. 54 m. da t.
Dom. S. Domingas V. M. Preamar as 3 h. e 42
minutos da t.
***%*****%/****
D
RIO DE JANEIRO.
.JO Jornal do Commercio do Rio de Janeiro, ex-
tractamos os seguintes mais interessantes trabalhos da
Assemblea Geral.
Cmara dos Deputados.Na Sessao do dia 21 de
Maio apresentou o Snr. Correia Pacheco, membro da
Commisso encarregada das reformas do Cdigo do
Processo Criminal, seus trabalhos a este respeilo. No
dia 27 do mesmo foi aprovado o requerimento do Snr.
Bherinq pedindo se exija do Governo a remessa do
processo crime contra o ex Ministro o Snr. Carnciro
Leo. No dia 28 apresentou a Commisso composta
dos Snrs. S. Oliveira, Mello, e Limpo de Abreu seu
parecer aprovando a suspensao do Tutor. No mesmo
dia propoz oSenhor Mello um projecto para suspensao
de garantias as Provincias de Pernambuco, e Alagoas,
no qual permite em summaDar busca, e varejos em
qualquer caza suspeita, e qualquer horaConservar
prezo, ou remover para dentro, ou fora da Provincia
os evidentemente suspeitosDeclarar sitiados os ter-
ritorios, que necessario forJulgar-se os rebeldes no
Concelho do Jury da CapitalSer difinitivo o 1. Ju-
ry, que imposer a penaSerem s suspensivos os re-
cursos da imposieo da pena salvo sendo de morte
Suspenderem-se os Presidentes das Provincias, e a
quaes quer Empregados, que lhes nao mereca confian-
za por cabanismoe isto pelo prazo de 6 mezes, que
ser prorogado pelo Governo se or mister. Foi tam-
bem no mesmo dia aprovado em 3.' discusso o projec-
to sobre o impedimento volta do ex-Imperador, por
61 contra 19 votos. No dia 30 do mesmo requereo o
Snr. Pinto de Mendonca ao Governo esclarescimentos
sobre a Lei em que se fundara para nomear Juizes de
Direito para Comarcas ainda nao aprovadas difinitiva-
mente pela Assemblea, e para despachar Bachareis sem
anno de pratica. No dia 2 de Junho foi aprovada a
redaco do projecto para impedir a volta ao ex Impe-
rador, o qual foi remeltido ao Senado. Na Sessao do
dia 21 de Maio foi reprovado o projecto vindo do Se-
nado para se darem arrhas ex mperatriz, e mais
cem contos de reis annuaes ,
Cmara dos Senadores.Na Sessao de 21 de Maio
propoz o Snr. Almeida Albuquerque um projecto pa-
ra que as compras, e vendas d'escravos s posso ser
feitas por escriptura publica, e em que alem dos mais
declare o vendedor o titulo porque possue o escravo ,
sob pena de ficar livre todo o escravo, que por outra
forma for vendido &c. &c, e outro para que se nomeie
em cada Provincia do litoral um Curador publico quo-
trienal, e com ordenado de 2 a 6 contos de reis, o qual
vigi naexecuco da Lei de 7 de Novembro de 1831,
que prohibe a importaco de escravos Africanos. Da
26. Foi aprovado o parecer da Commisso de Consti-
tuico sobre a representadlo da Cmara Municipal de
Sabara, que pede a eliminaco dos Senadores Mrquez
de Jacarepagu, e Tinoco nudamente nomeados pelo
ex Imperador, os quaes a Comisso achou devidanen-
te nomeados, e que como taes devio continuar era se-
us lugares. Foi tambem aprovado depois de longa
discusso o parecer da commisso sobre os officios dos
Snrs. Senadores Visconde de S. Leopoldo, e Ferreira
da Cmara em que pedem sua demisso, a qual ella
julga dever-se negar-lhes, e que de novo se lhes omcie
para que venho tomar assento na Cmara. (Foi o pa-
recer sustentado pelos Srs. Cair, Almeida Albuquer-
que, &c. e os velhos mostraro evidentemente o receio,
que'tem das novas eleicSes, e que querem a todo o
custo conservar seus emperrados companheiros. A
Naturezaporem vai destruindo seus clculos. Que
maior absurdo do que o de sustentar, que nomeado li-
ma vez o Senador s com a morte deixar de o ser !)
No dia 30 de Maio nao houve Sessao por falta do nu-
mero legal. No dia 31 se fez a leitura d'uma repre-
sentadlo da Sociedade Defensora Campanhense pedin-
do se mande eliminar da'futura Lei do Orcaraento o
subsidio dos Senadores, que nao foro contemplados
na lista trplice conforme a Constituico ordena. Nos
dias 3, 4, e 5 se tratou da Lei das attribuicoes dos
Presidentes, proposta pelo Snr. Feij, e se fallou mul-
to sobre a extinco dos Concelhos Presidenciaes, ou
Ma converso para Concelho Consultivo nomeaco
do Presidente ; e sobre competir a nomeaco dos Vice
Prezidentes ao Imperador por lista triplice do Conce-
lho Geral, ou sem ella. Eno dia 4 de Juuho apresen-
tou o Senhor Almeida Albuquerque um projecto, pa-
ra que nao posso exercer officios pblicos os Cidados,
que por falta de inteligencia, integridade, e bons cos-
tumes forem excluidos da lista dos Jurados; e mais a-
quelles, que nao estando naquel'.es casos e sendo ex-
cluidos nao reclamarem seu direito.
MWWM Wi
,
m
T
/


w
mmmm
HHMH
(1682)
EXTERIOR
Blgica.
Desordens em Bruxellas, saque dos Orangistas.
Bruxellas, 8 de Abril.
.Ntes de oerecer os detalhes dos ltimos impor-
tantes suceessos, cumpre explicar as causas em que ori-
ginaro. Ha algum tempo que os Jornaes Orangistas,
e os Chefes deste partido, animados pela apparente in-
ditlerenca e fraqueza do governo, o teem atacado e
pnovocado sem piedade, vociferando as mais insultan-
tes e inveteradas diatribes contra o Rei, contra o Go-
verno, e contra todos aquelles que Ihes sao affeicoa-
dos. Nao pouparo esforco algum para semear o des-
contentamento entre as classes inferiores, para promo-
ver a dissenso entre os de graduaco mais elevada, e
para injuriar e lancar o odioso sobre quantos se tem vo-
tado causa da independencia nacional. Durante a
recente enfermidade do Principe Real, ran s mani-
estaro a mais indecente alegria pela molestia do Real
paciente, como chegaro a proclamar abertamehte as
escei'&ncas que os animava de quo terminara fatalmen-
espefa
qu
te. Agarrando-se com visionaria tenacidade chime-
ra da restauradlo, nao s se ligarao aos republicanos
para promover commocao interna e a guerra exter-
ila, como procuraro intilmente seduzir as tropas rue
guarnecen) as fronteiras.
As intrigas republicanas em Paris, a concentrac.o
las tropas Hollandezas no Brabante septentrional, e os
suceessos do Luxemburgo augmentaro sua ouzadia,
estimulada j pela singular predlecco que Ibes bavia
mostrado parte docorpo diplomtico predileccao por
ventura natural seolbarmos s graduaco e qualida-
des stimaveis dos sugeitos como individuos particula-
res, mas inquestionavelmente impoltico, se se liver
attenco s suasopinioes e sua posicao politiza.
Tudo isto porem teria passado sem se Ihe dar gran-
de importancia, se hum facto recente, sentido e des-
approvado mesmo pelos amigos mais sinseros do Go-
verno Belga, nao viesse dar novo desenvolvimenlo ao
espirito de partido, e occasionar assim a catastrophe
'ata'l. A commsso desequestro, nao tendo recebido
t'uudos alguns da Hollanda, e tendo ja disposto de cer-
tas propriedades perteneentes ao Principe de Orange,
resolveu vender os cavallos que seachavo em Terveu-
ren valendo-se para isso da lei que determina que to-
dos os bens sequestrados paguem as despezasque moti-
varem. Logo que isto se soube proposero os chefes
dos Orangistas huma subscripeo para comprar alguns
dos cavallos de maior valor, e aprescnta-los sita Al-
teza Real, acto generoso e louvavel, comoquiera ques-
to de aTeico individual, e de neribuma importancia
para o paiz, se nao lhe ligissem circunstancias de po-
ltica geral, e nao quisessem que servase de vehculo
a expresso de senlimentos facciosos. Os Orangistas
porem tivero a imprudencia, nao s de querer dar
hum ar de nacionalidade ao acto do huma faceo, in-
duziftdo os mercadores e mesmo os criados de servir a
partecipar na subscripeo, como tambem a autorisar a
publicaco de seus nomes, acompanhidos de oberva-
ces que insultavo os patriotas, e tendio drectamen-
te a promover a guerra civel.
A exasperaco e frmentacao dos pitriotas e das clas-
ses inferiores tornou se intensa. Al;ins dos mais ar-
dentes dos primeiros se reuniro e dirigirlo huma
proclamaco ao Povo Belga, composta na linguagem
mais excitante^e terrivel, convidando o Povo a suble-
var-se, e a exercitar-se a vinginca mais cruel sobre os
subscriptores, que ero ali denunciados j naco como
traidores. *
IMilhares de copias foro distribuidas com rapidez, e
tmidamente respondidas. Organizou-se o plano da
aeco com a mais escrupulosa exaclido, e dicidio-so
que s a propredade das pessoas designadas ser acota-
da a destruico. To exactos foro elles, que no do-
micilio do Baro Ovorschie, exigiro do proprietario
da casa que designasse e segurasse a sua propredade,
e o resto foi logo aniquilado.
O acto de demolico foi to rpido como o pensa-
mento. Bandos de assoladores, precedidos por ban-
deiras e prvidos de morroes e alavancas, se arreme-
cavo s casas votadas destruico, arrombavo as por-
tas, quebravo, derrubavo, rasgavo, e pilhavo tu-
do quanto encontravo, ereduzindo os movis a mil
atomes osarrojavo ra, onde os fragmentos io aca-
. bar de ser mutilados pela multido que lali os anima-
va. To promptos e activos se mostraro os amotinn-
dores, que mea hora bastou para reduzir a ca-
za mais ricamente mobilhada a hum mero esqueleto.
Os militares, em mu pequeo numero puraque pades-
sem obrar efficazmenle, nao linho ordem de interyir;
e olhavo para a scena devastadora, como se ali s es-
tivessem para seguranca das roubadores. Era na ver-
dade hum triste espectculo.
Nunca pessoa alguma pagou lo.caro como os Oran-
gistas, a honra estril de verseus nomes em letra re-
donda. Dos explenddos Palacios do Duque.de rsel
Principe ele Ligne, Mrquez de Trezegnies, Condes
Belhune, de Oularemont, e Marnex, Bairoes de Vin-
ck, e Overschic, da typographia do Ljex, e de seis
outras casas perteneentes a negociantes ricos, quinae
ao todo, apenas resta hum.vistgio, excepeo das pa-
redes.
Pinturas, livros, papis, movis, relogios, espe-
Ihos, carruagens, tudo quk nao havia sido removido
foi demolido. A ruina e a devastaco nao podio ter
sido mais rpidas ou mais completas.
Era evidente que a grande massa das Guardas Cvi-
cas, nem sympatisava com as victimas, nem quera in-
terferir. Nao se pode a presentar huma prova mais
convincente de inutilidade desla forca na manutenco,
da ordem publica.
Mas de dez mil destes cidadcs armados se acho
alistados, e se podio ter reunido as suas paradas em
menos de meia hora, Nem hum s se moveu, nem
apparentemente se fez exforco algum para convaca-
los.
O terror geral que rstes procedimentos odiosos de-
vio inspirar, dimnui-se em grande parle pelo co-
nhecimento que havia de que o seu objectoera deter-
minado, e de que era huma terrivel demonstrarn da
vinganca popular contra cortos individuos, cujos nomes
se denunciavo publicamente, e que por inconcebivel
acto de imprudencia tinho chnmado sobre si estes ma-
les. Nao havia a menor causa de receio para outro qual
qner individuo.
A afflicco dn Rei, logo que disto foi informado,
mostrou-se intensa. Montn inmediatamente a caval-
lo, e acompanhado de trez, ou quatro officiaes, apre-
sentou-se aos amotinadores, esperando apazigua-los
com a sua presenca. Rngos e suplica era tudo que
Sua Magestade poda empregar. A cansina respon-
da s suas exhortficoes com gritos estrondosos de Vi-
va o Iieil Mor rao os Orangistas e continuava a o-
bra da destruico. O Monarcha e o seu squito fo-
ro constrangidos a permanecer espectadores a scena
odiosa, ou a passar a outro lugar para intervir pelos
mesmos meios, ecolher o mesmo rezultado.
Tudo o que resta a dizer he que na chegada de re-
7
7


i' i *'L-
(1683Y
f
t
forros conderayeis se adoularao medidas vigorosas, e
que a tranquilidade se restabeleceu immediataraente.
Desde Domingo tarde as Choras, al o momento pre-
sente, tem reinado a maior ordem. A furia da popu-
laca leve o seu respiradouro, e as autoridades j tem
torca para fazerem obedecer. ACidade est cheia de
tropa, o ainda quando assim nao fosse, nao ha o me-
nor receio de repetico da scena dolorosa. Esta terri-
vel oceurrencia deve mostrar as grandes Potencias, -
necessidade de ppr hum termo queMo Batavo-Bel-
ga. Em quanto estiver indecisa, teremos conspirar-
es, conjujpcofis, ecdmmocoes. Deve a tranquilidade
de toda huma nacao, e por ventura o repouso de ou-
tros Estados, perpetuamente a merc d^nfgrados da
casa de Nassau ? Resolva-se a Prussia a tomar huma
parte activa; he do seu dever e do seu nteresse o
rnanter a tranquilidade na Blgica; e se o nao fizer, to-
me cuidado com as suas Provincias do Rheno.
(Comet, de Guernesey, de 14 de Abril.)
Do Jornal do Commercio.
Jf
A
..Manh 1. de Julho he odia anniversario da a-
bertra do Grande Hospihl de Caridade, que no
circulo d'hum anno, sem possuir quantiosassommas,
azilou niais de quinhenlos enfermos, sistentando-os
com hum tratamento anlogo seu estado de financas:
<>is Lum estahtlecimeuto hem digno das vistas de todo
0 a'migo da humaiiid.ide; nelle o desvalido enfermo
encostra O remedio de seus males, e o caridozo fcem
feitor adquire o premio tjuem deixar de promover huma to pia, como pro-
ficua Ji slituico, huma vez que della nos resulto do-
us grandes bensSaudev gloria .' Todos sem du-
vida (le/.ejo aquella, e ambiciono esta, os pobres re-
cuperando a primeira, e os ricos obtendo a segunda j
eja duiadour este monumento de Filantropa, de
Caiidade, e de Religio !
ED1TAL.
Or ordem do Illustrissimo Snr. Inspector interi-
no da Thesouraria desta Provincia se faz publico ser
necessario comprar se mil arrobas de carne secca para
fornecimento da Tropa nos Acampamentos d'Agoa
Prela, eLagoa dos Galos.
As pessoas, que tiverem dito genero compareco na
mesma Thesouraria nos dias do seu Expediente, afim
de proceder se ao necessario ajuste.
Secretaria da Thezouraria de Pernambuco 27 de
Junhode 1834.
O Offieial Maior interino,
Joaquim Francisco Bastos.
*,% *%%*%%
abijes Do Ccruto
A
Sumara Hacia Africana recebe a malla para Ma-
celo no (lia 30 do eorrente pelas 4 horas da tarde..
^p" Os Correios Terrestres deLimeiras e Para-
hiba partem boje ao meio (lia.
pendo*.
Bussola da Liberdade do N. 1 at 5 a 80 reis
cada urna : na praca da Independencia n. 37 e38.
tyC^ A loja de miudezas da ra do Livramento es-
quina do beco do padre D. 1 metade a dinheiro, e me-
tade a prazo de 2 e 4 mezes com boas firmas ; a qual
tem'de fundos de 1:000^)400 1-.000&600 reis : na
mesma das7 horas da manh at as 9, e das 2 as 5 da
tarde.
^g^ Para fora da trra um escravo cozinheiro:
na segunda casa de sobrado na ra do Sol.
^P Urna casa terria aonde finda o muro do sitio
da Manga defronte da Solidade D. 445, chaos propri-
os, cOm boas salas, quartos, quintal, e boa cacimba:
na mesma.
^* Umacrilinha costureira de 12 annos, urna
negra de idade lavadeira, e um bom canoeiro, lam-
bem de idade, cujosescravos nao haver duvida tro-
carem-se por oulroscapazesde trabalharem deenxada,
e mesmo a boas vaccas paridas, hois d$ carro, e quar-
tes : na mesma cima.
$^ Urna venda na esquina da ra do Fogo, com
800 e lanos mil reis de fundos, a dinheiro o boas
firmas : na mesma.
$3 Saccas de caff, tintas de todas as cores, oleo
de linhaca, sapatos para homem, e para senhora, ser-
veja preta e branca, e charutos da Babia: no arma-
zem de Diogo Halliday & Comp. ra da Cruz n. 53.
*3?" Ervilhas de Angola para smente, um sorti-
menl de cera em vellas de libra at urna qurta, e de
6 a 10 em libra, bogias, pao de linht de Nogoi*,
meias de linho, cha hisson, sag de primeira e segun-
da sorte, tapioca, sevadinha de Franca, um sortimento
decondecas de todos os tamanhos: no armazem do
Machado ra do Vigario n. 14.
$3* Vende-se ou troca-se por urna negra moca, e
que saiba engomar, um negro moco bonita figura e
bom canoeiro : na ra do Crespo D. 5. '
$3- Lenha lascada a 20 reis o fexe ; cafe da pri-
meira sorte a 200 a libra, capim de planta a iG0,,efei-
tos de venda, e ranxo para comboeiros com seguranza
para animaes, tudo por preco commodo : nos Apipu-
eos otaria de Joaquim do Reg Barros.
^&- Acasos da fortuna, em'livro de sortes diverti-
das, em que por virtude de dous dados, vem ca^a um
noconhecimento do estado, riquezas, herancas, ami-
zades, fortunas &c, que ter, e outras muitas, e ga-
lantes sortes, augmentada com um novo methodo de
azer mais de mil Decimas nicamente com o traba-
lio de laucaros dois dados, e um tratado das sinas, ou
dos e'eitos e Prognosticos dos doze signos do anno: na
praca da Independencia loja de livros n. 37 e 38. Pre-
co 640 reis.
$3 Urna venda com poucos fundos, e com com-
modos para familia, dinheiro : na ra do Arago n.
194-
tS? Urna boa negra sera vicio algum, cosinha o
ordinarjo de urna casa.: no alterro da Boa-vista de-
fronte di Matriz D. 40.
^3" Urna porco de toros de angico por preco
eomiuodo : no armazem dp Goncalo Joze da Costa e
S defronte do caes da Alfandega. ,
^^ Vinhodemuito boa qualidade cljegado pr-
ximamente da Ita|ia, em pipas de 90 ranadas a 40-^
reis, em quartolas ou meias pipas a 20) reis, caada
7-20, cirw garrafa, a 100 reis, azeile doce, vinagre, a-
goanlenle do aniz, bixas de boa qualidade, sedas de
dtveisas cores para vestidos, cascos de pipas e meias
pipas portuguezas : no armazem da ra dos Quartcis
D. 8.
$3 Um meioaparelho de meza rico, um jarro e
hacia de Christal \ 3 pentes de tartaruga, um moder-
no ; gramticas Portuguezas muito modernas ; um so-
f de cbelo; urna carteira de escritorio para urna pes-
soa ; bausas de meio de sala, mezas; espelhos; sclin:.


- ., ;;.___-S v.in...
~t
1
(1684)
J
de meo uzo; um preto moco, sem vicios tudo por
preco muito commodo : no armazcm de trastes da ra
Nova D. 34, no qual se recebem todos os objectos no-
vos, e uzados para vender.
^f^* Sacas de farinha de mandioca de alqueirebem
medido a 10$000 reis sem esclha de moeda, exceto
voador e fundido : na ra do Rangel tenda de alfaiate
D. 5 da parte do nascente.
ty^ Urna preta moca boa figura, engoma bem, co-
ze, lava de sabo, ecosinha, sem vicios, nem achaques;
para fora da Provincia : no atterro da Boa-vista n. 29.
Compra*.
M par de esporas de prata sem feitio, sendo dou-
zo, e prata boa, paga-se a oitava pelo preco, que se
compra aos ourives : anuncie.
\^ Escravsde ambos os sexos para fora da Pro-
vincia : na loja de cabos na praca do Corpo Santo
n. 5.
$C^" Urna negrinha de 7 a 8 annos: na ra do
Collegio D. 8.
^3r* Urna casa lerria, enaqualquer dos trez Bairros
sendo em ra das principiaos, e nao se duvida dar mais
algumacouzade seu valor sendo em lugar que agrade
ao comprador : na ra do Collegio D. 9 segundo an-
dar da parte do Nascente se dir quem compra.
O
$lbt?D0 particulares.
Abaixo assignado, procurador bastante de J. S.
Pinheiro, vendo o annuncio do Snr. A. Scheramm,
relativo ao frete de drogas vindas para casa do mes-
mo Pinheiro, noBrigue Conceico ; responde ao dito
Snr. Scheramm, que pode mandar receber o frete des-
sas drogas do annunciante, apaezentando-lhe conheci-
mento, ou outro documento por onde r.onste sua im-
portancia ; visto que sndo taes drogas recebidas pelo
caixeiro de seu constiluinte Pinheiro, e tendo ma
chado este para Panellas, nao 'em o abaixo assigna
conhecimento deslo negocio.
Manoel Figuer de Faria.
fc3" Preciza-se de um inteligente feitor de Enge-
nho, quem estiver nestas circunstancias, dirija-se ca-
za de Joze Francisco Ribeiro da Silva, de fronte do
Trapixe novo.
^^ Preciza-se de um caxeiro para venda, na
ra velha D. 36.
' fc^" Precisase d'uma ama com bom e bastante lei-
te, e captiva: na ra do Collegio D. 10, 2. andar.
^^* Em Fora de portas na terceira casa junto a
pagadoria da Marinha existe urna carta vinda do Ma-
ranhao para o Snr. Joze Antonio de Azevedo, o qual
a pode mandar receber, ouannunciara sua morada.
SS&* Quem precizar de um caixeiro de 18 annos;
dirija-se a Olinda na ra do Rozario terceira casa.
fcy* O abaixo assignado faz sciente ao respeitavel
publico que deixou de ser caixeiro de Joze Joaquim
Marques Braga desde o dia 23 de Junho de 1834.
Manoel Francisco Lavra.
\f&~ Precisase allugar um sobrado de 3 andares
para urna grande familia, as ras do Rozario, Colle-
gio, e Cruz ; quem o tiver annuncie.
^5" Preciza-se de urna ama de leite, prefere-se
cativa ; na ra larga do Rozario D. 4.
ty^* Aviza-se a todas as pessoas, que tiverem filhos
em estado de receber urna aducaco digna de bom re-
bultado, que no beco do Sarapatel sobrado novo con-
tiguo outro de varandas de pao cor de chumbo ha
urna pessoa, que propoe-se cuidadosamente ensinar
as primeiras letras, isto 1er, escrever, Gramtica
maternn, contar por principios Arithmeticos, e a Dou-
trina Christ"; tudo com grande zello, e pelo methodo
mais fcil de conceber-se estas preliminares ideias tao
necessariis para a recta continuaco dos estudos mais
fortes : e Lodo aquelie, que quizer utilizar-se do pres-
umo do annunciante, dirjase ao supradito lugar, on-
de achara com quem tratar.
^5" O leilo dosbensdo finado Brigadeiro Torre-
zao, annunciado para a tarde de 28 de Junho, ficou
transferido para as 4 horas da tarde do dia 1. de Ju-
Iho em dita caza e lugar.
^3* Joze Joaquim Marques Braga faz publico que
deixou de ser seu caixeiro do dia 22 de Junho Manoel
Francisco Lavra.
ty^* Quem annunciou querer receber nesta praca
100$ reis e dallos na Bahia dando bom endocador a
letra, emais 5$ reis alem do cambio da Praca ; diri-
ja-se ao Escritorio do Escrivo Bandeira na ruadas
Cruzes.
^3" Quem precisar de um rapaz portuguez che-
gado proximente do Rio de Janeiro para caixeiro ; di-
rija-se ao beco do porto das canoas em casa de Antonio
Joze Coelho Braga.
^3?* Quem tiver para alugar urna negra que saiba
cosinharo ordinario de trez pessoas e vender algumas
coizas de tarde na ra ; dirija-se ao pateo da Santa
Cruz venda da esquina que volta para a ra da Ale-
gra. *
^^* Precisa-se de urna lavadeif a de varrela, na
ra do Rosario estreila confronte o beco da Igreja so-
brado que tem urna venda pequea no primeiro an-
dar.
^^ O abaixo assignado propoe-se a dar licoesde
muzica violo, flauta, e da ricas: quem do seo presu-
mo se quizer utilizar, dirija-se a praca do Corpo San-
to n. 29, das 6 horas da tarde as 9 da noite.
Caciano Pimenta de Souza Peres.
lu.iunnn
era w JFittDQ?.
16 a 18 annos, estatura ordinaria,
tem um talho em sima de cada olho ; levou vestido cal-
ca de riscado e camisa dita : ra do Collegio D. 8.
$^ Eugenia crila, 20 e tantos annos, um tanto
fulla 5 fgida em 27 de Marco p. p. e foi vista nos ar-
redoresdesta Cidade e ltimamente consta ter sido vis-
ta em Goianna, aonde bem conhecida por ter sido
ahicria de urnas senhoras conhecidas por Mestras e
depois captiva do Europeo Manoel de Almeida :
ra das Flores D. 12, ou na ra do Queimado D. 2,
e d-se 20$ reis de gratificaco em boa moeda pagan-
do-se a despeza.
NOTICIAS MARTIMAS.
Navio entrado no dia 27.
19dias; Pataxo Francelina,
M. Joze da Silva Neves : carne.
Jr ORTO AL
'oze da S
Sahidos no mesmo dia.
"ORTO DE PEDRASj Hiate Brazilia, Com.
Francisco Romano da Silva.
DiaZ-
NOVA BEX FAROL; B. Esc. Amr. Parthiam,
Cap. Tubias Bavio Jnior : lastro.
Pera, na Typ. do Diario. J 834
i

1

H
1


r
.
i
T


ir m un
\
mmmmmtammUmmmmm fl m ..... ___n n H.....
EDITAL. ,
c
W+mmMm.-

fMPRESSO MPERN. NA TYP. FIDEDIGNA DE J. N. DE MELLO R. DAS FLORES. ^ 18%
-M cmprimento ao Art. 4- do Regulamento de 8 de Outubro do anno prximo passado, e de
fcouformklade com a designacao feita por S. Ex. o Snr. Prezidente da Provincia era a do passado ioi
"Silo IlJm. Snr. Inspector da Thezouraria da mesma marcado o dia l. do seguate mez de Agosto pa-
ira nesta Cidwle e as Villas do Rio Fornozo, Garanhuns, flrejo da Madre de Dos e Flores tec
principio o troco da moeda de cobre por Sedulas e Conhecimentos como se acha desposto no Art,
i.o jar Jjei ,de 3 do dito Outubro, e Aviso circular de 4 de Fevereiro ultimo abaixo transcripto,
Cija operacao durar em todos os referidos pontos por espaco de dous mezes, dentro do quai, e de
Sutro igual consecutivo s nesta Tbszouraria potVo os possuidores das Sedulas e Connecimentos
realisal-os na moeda de abre legal., que represent.
J
E para que cbegue a noticia de todos, e 'nao pos io lilm. Sur. Inspector afixar o presente nesta Cidade, e fora della e publicar pela imprensa.
Secretaria da Thezouraria de Pernambuco 1 de Julho de i83/|.

O Official Maior interino,
Jouquim Francisco Bastos.
J
(ORDEM DE 4 DE EEVEREIRO DO CBRENTE ANNO, A QUE SE REFERE O EDITAL CIMA.
Andido Joz d'Araujo Viana, Prezidente do Tribunal do Thezouro Publico Nacional tendo ei
..vista accelerar a operacao do troco da moeda de cobre por Sedulas em conformidade do (fue dispoen
Lfi de 3 de Oulubro de i833, resolveu em Tribunal o seguate: i. Que a substituido la moed:
,c cobre seja feita as Estacoens competentes metdde de cada quantia por Sedulas, e a outra metad)
^)or Conhecimeiitos que com aquellas saO remettidas do Tliezouro: a. Que na emissao das Selllas di
fdifferentes valores entre em numero igual, quauto ser possa e pelo que respeita aos Conlveci ment I
)mpressos, aquelles que vao sem disigoacao de valor sero destinados para completar os computo! I
Has quantias apresentadas ao troco nao preenchidas com as Sedulas, e outros Conhecimentos; para ir
fatie se far no modello, que accompanbou o Regulamento de 8 de Outubro de io"33 as devdas alj ,
'Wacoens : 3. Que os Conhecimentos de valores determinados, a saber de quinhentos mil reis e d
*ium cont, possa circular, sendo recebidos as Estacoens Publicas pelos seus respectivos valores coi
ssignatura da Parte, que os entregar: 4. Que .lindos os dous mezes marcados pela Le para ternii
iar a operacao' do troco, se comecar a remir os Conhecimentos emittilos pelas Sedulas, que fore
successivamente remettidas do Thezouro comecando primeiro pelos Conhecimentos nao' circulaves: 5.
")uo no caso de nao' bastarem as Sedulas enviadas na primeira remessa para occorrer ao troco n
Thezoul* anida nao cneguem suppra-se esca iaua.pur uuuus puueuuu sci iui^.cmwb u* i iumua
pectiva na forma daquelles : 6.c Que no decutso aa operacao' do troco o Inspector far substituir poi
Sedulas e Conhecimentos na forma cima dita a moeda de cobre existente em Cofre na Thezourarii
respectiva, 011 em outras Estagoens Fiscaes, na parte excedente s necessidades dos pequeos pagamen
los, para o que ser abonada aos Thezoureiros a differenca entre o valor nominal da mesma, e c
Jiquido resultante da operacao' do troco, em conformidade .fo Lei e Regulamento. O que partecip
ao Inspector da Thezouraria da Provincia de Pernambuco pVa dar-lhe a devida execuga. Thezoura
>ia Publico Nacional em 4 de Fevereiro de i834- Candido Joz de Araujo Viana. Campra-se. Th
lomara de Pernainbuco em i5 de Abril de i834.Silva.
$A TYPOGRAIA EWEDIGJSJ DE J. TV, DE MELLO RA DAS FLORES D. in.
18W,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E10LJT8FT_BXBEGQ INGEST_TIME 2013-03-27T15:36:22Z PACKAGE AA00011611_02639
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES