Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:02635


This item is only available as the following downloads:


Full Text
'tti'tiiu \M- ftiinr ""^fliftii A ilftiKAm m.JWtV)ni "'AiMaW"JB.'
>MVM*4MVM.nViH ^**%fc^fc*%*^V*
** *.!%** fw%
V
ftIMtQ m ts
-*-
4.
Siihscreve-se mcnsalmentc a 640 reis. adiantados. hx Tipografa
dn F)iario, pateo da Matriz de S. Antonio sobrado da porta larga
nde se recphen correspondencia*, e anuncio; etei insirenf-se
gratis sendo dos propnos assi liantes somnin- e viudo ansiraadot.
tu
Tildo a-rora depende de nos mesmos, da nossa prudencia, ota
deracao, e enerpia.- continuemos como principiamos e sere
apuntados con admiraco entre as N'ucoe* mais cultas.
ftocmaio da Jssemblen (Jera/ du Branl
3nipjre0o cm $ernammicopot 3. % De jftiranfta jfalQ'c
**** OSKISSHK JES!
DAS da SEMANA.
4.*- S. Guilherme- Ses da Thezouraria Publica. P. as
7 h. 18 m. da m.
5.a S. Vigilio Re. de m. A. dos J. do Cv. de"*m.
ede t. Pr. as 8 h. e 6 m.
6.* -S. Ladislao- Ses. da Thez. P. de m. eaud. do
J. de Ori'os de t. P. as 8 h. e 54 m. da m.
Sabbado S. Leo G. Re"" de e aud. do Vig.
G. de t. Preamar as 9 h. 30 m. da m.
D)m.# S. Pedio Ap. Preamar as 10 e 18 minu-
tos da m.
CMARA MUNICIPAL.
84-* Ses sao ordinaria do da 17 de Junho de 1831.
Presidencia do Sr. Dr. Mavighier.
VjOmparecero os Senhores Camelo, Ferreira, Jo-
ze Joaquim, Souza, Gusmo, e Costa, fallando com
eauza os Snrs. Silva, e Este ves.
Aberta a Sesso e lida a acta da antecedente oi san-
cionada por estar conforme.
O Secretario dando parte do expediente mencionou
hum officio do Juiz de Paz da Luz dando parte estar
feito o alislamento para as Guard.is Nacionaes : que se
officiasse a respeito ao Exm. Presidente da Provin-
cia.
Outro da Cmara da Cidade da Fortaleza p; dindo
algumas laminas de puz vacinco : que se officiasse ao
Exm. Presidente a respeito.
Outro do Fiscal da Boa-vista sobre diversos objectos:
que se authorisasse ao Procurador para mandar f'azer
e dar o que pe ren de ao mesmo Fiscal.
Outro do Fiscal deste Bairro sobre a limpeza do in-
tulho a entrada da Ponte da Boa vista : addiado
Outro do Engenheiro Fermino Herculano sobre a
pertencac do Pudre Francisco do Reg Barros,, e An-
tonio Luiz Ribeiro de Brito, no altvrro dos A togados:
addiado.
Outro do mesmo enviando os requerimentos de Joze
Jacinto Silveira, e Joze Clemente Pereira dos Santos:
que se officiasse uo Cordiador1 pedindo informaco por
escripto sobre o objecto dos mesmos requer.imen-
tos.
Outro do Juiz de Paz do 5.. Destricto das 5 Ponas
pedind 8 taboletas : adiado.
Outro do Juiz de Paz do Bairro vermelbo parteci-
pando estar doente : que observasse a Lei, que s* Ihe
nao poda aceitar a dimissao.
Outro de Mano-I Thomaz dos Santo^sobre a escu-
za que da pra nao tomar posse do cargo de Jurz de
Paz do 5. D-slricto : que o mesmo na forma da Lei
leve apprezentar ultestado em forma de Facultativo
Cve comprove a existencia das cauzas phrzicas, para
que deu para sua escuza, a fin de se Ihe atlender, e
que do contrario sera responsavel.
Outro do Juiz de Paz do 1. Destricto de S. Joo
dando parte da nomea^So que fizera para Fiscal da
Freguezia da Varzea do Cidado Joze Goncalves da
Luz : approvada a nomeaco e que se passasse titulo
ao Fiscal nameado.
Outrq de Joaquim Correia Lea1 excuzandose por
molestia de tomar posse de Juiz de Paz do 5. Destra-
to das 5 Ponas : que comprove as molestias com ates-
tado de Facultativo.
Outro de Pedro Joze Tavares de Faria provando as
molestias que padesse com altestado de Facultativo pa-
ra ser escuzado de tomar posse de Juiz de Paz Sup-
plente do 1. Destricto do Collegio : escuzo.
Outro do Juiz de Paz do 3. Destricto da Madre
de Dos sobre o alislamento feito para Guardas Nacio-
naes : que se remeta ao Juiz do 1.* Destricto da Fre-
guezia a quem compete a qualificacao.
Outro do Juiz de Paz do 1. Destricto da Boa-vista
sobre a qualificacao dos alistados para Guardas Nacio-
naes nos mais Destricto da Freguezia : que Ihe compe-
le a qualificacao de todas as listas parciaes dos Guardas
Nacionaes da Freguezia.
Outro do Juiz de Paz do 3. Destricto da Madre de
Dos sobre humas multas pertencentes a Cmara, que
elle tem em seu poder : que se passasse orden ao Pro-
curador para as ir receber* agradecendo-se e louvan-
do-se no dito Juiz o zello com que ha servido.
Outro do Juiz de Paz do Par partecipando ter pas-
sadn a vara ao Supplente : inteirada.
Outro de Joo Francisco Regs Quintella parteci-
pando ter tomado conla da vara de Paz do 4. Destris-
to da Ribeira : inteirada.
Outro da Cmara da Villa' de Flores agradecendo a
remessa que se Ihe fez do folaeto sobre a cholera mor-
bus: inteirada.
Outro do Veriador Esteves, partecipando estar
encommpdado : inteirada.
Outro do Guardio de S. Francisco desta Cidade
negando a salla dos actos para a instalacio dos Jurados:
inteirada.
Por ser contra a- Lei de 15 de Outubro de 1827
nao foi approvado o parecer da Commisso sobre a per-
temao do Mestre das primeiras Letras Manoel Antonio
Monteiro de Andrade.
OSnr. Camelo fez a segunte propostaConvindo
evitar se nao sos impressos que continuadamente ap-
pireeem no melhodo do alislamento, e qualificacao dos
Guardas, Nacionaes das Freguezias deste Municipio,
como o regnlamento de cada hum Juiz de Pa, perten-
der em seu Destricto fazer dito alislamento e qualifica-
cao, qiundo este he, indubitavelmente da atlribuico
dos Juizes de Paz dos primeiros Destrictos de cada hu-
ma das Freguezias, como esta Cmara ja deliberou, e
est determinado por avizo Imperial : proponho que
-T"


r' ww;
se officie a lodosos Juizes de Paz, que nSo forem dos
irimeiros Destrictos dasFreguezias, determinando-se-
he, que devem fazer somenle os alistamentos nos seos
Destrictos para os Guardas Nacionaes, e que frito os
devem enviar aos Juizes de Paz dos primelros Destric-
tos respectivos para fazerem as Cmara Munieipnl do Recife em 17 de Junho de 183*4
O Veriador Camelocuj proposta foi approva-
da.
O mesmo Snr. Camelo fez esta outra propostasen-
do de transcendente utilidade a conservaco do limita-
do ancoradoro do porto desta Cidade, e de maior pu-
blicidade, que com a edificaco e existencia do pare-
do, que se fez para o Arcena!, ha occorrido o grande
entulhamento, que hora ja apparecem no lugar deno-
minado Arcenal de Fora de Portas, entulhamento, que
progridir se nio se pozer hum caes desde a pnnta do
Fortinho do Bom Jezus, a feixar no caes do Trapito
do mesmo Arcenal proponho que se nomeie huma C5-
misso, para hir examinar com Perito a necessidade da
obra indicada, e reconhecida se pedir no Exm. Pre-
sidente para mandar fazer, como huma das obras pu-
blicas e de mais urgente necessidade.- Paco da Cma-
ra M. do Recife em'sesso de 17 de Junho d'1834O
Veriador Joze Narciso Cameloesta proposta sendo
approvada foro nomesdos para a Commisslo os Snrs.
Joze Joaquim, e Costa, osquaes devino convidar para
tambem ir com elles examinar, o Engenheiro Fermi-
no Herculano de Moraes Ancora. E or ser dada a
hora alevantou-se a sessao. Eu Joze Tavares Gomes
da Fonceca Secretario a escreviDoutor Mavignier
Pro P.GosmoJoze JoaquimCameloCosta
SouzaFerreira.
O /tbaixo assignado pede resposta s seguales pe-
guntas.
RimeiraUm Snr. Jurado, que foi do Jury de
Pronuncia sobre um eerto Processo, e que no Jury de
Sentenca sobre o mesmo Processo appresenta-se como
Advogado do Reo, sustentando que nao ha materia
para accusaco contra sen Cliente, disfazendo assim,
ou esforcando se por disfazer como Advogado aquillo,
que fez como Juiz, nao reprezenta um ente contradic-
torio ?
SegundoSi um Snr. Juiz de Facto sorteado para
urna Sessao se appresenta no Tribunal dos durados co-
mo Advogado de urna das Partes, e e\ nessa mesma
Cauza, lirado pela sorte para o Jury de Sentenca, po-
da elle deixar de tomar o seu logar de Juiz para exer-
cer as funcoes de Advogado, e fazendo-o, ou consen-
tindo o Senhor Juiz de Direito que o faca, nao temos
aberlamente violada a letra dos artgos 238, e 259 do
Cdigo do Processo Criminal sobre as palavrasAs
penos* que. ellas ( cdulas ) designar em forma-
rs Sfc. ?
TerceiraNfo diminuto o numero legal dos Jura-
dos, que compem as suas Sessoes, mxime pelo mo-
do de proceder-se diariamente ao sorteamento para o
J:ry de Pronuncia (como deve ser) e consequente-
mente nao pode acontecer mu i (as vezes que nSo se pos-
ta effpituar o Jury de Sentenca s pela falta de um,
ou dois dos Snrs. Jurados, que abandono o logar,
que a Le Ihestem destinado, para exercerem o ofFi-
QuartaE' por ventura expresso no artigo 322 do
mesmo Cdigo que permillido s Partes chamar os
Advogados, ou Procuradores, que quizerem, ainda
que seja do Conseiho dos Jurados ?
Eis, Senhor Redactor, os pontos, sobre que dezeja
ser illustrado o constante leitor do seu Peridico
Doutor Lourenco Trigo de Loureiro.
A:
.Sperguttas do nossocorrespondente o Snr. Dou-
tor Loureiro tem por fm contestar nossa opinio, qu
os Jurados, que tiverem entrado no 1. Concelho po-
dem ser perante o 2." Advogados, ou Procuradores
do Reo. Sustentando-a, mas sem pertinacia, dare-
mos resposta aos seus quizitos.
Respondemos quanto ao 1.Que nem sempre >
contradiz advogmdo perante o 2. Concelho o Jura-
do, que no 1 eutrou ; porque talvez naquelle votasr
se pela nao acusacoporque avista das provas, e tes-
temunhas do Reo se poda convencer de sua inocencia
porque as provas, que se exige para sustentar urna
acusaco, nao sao sempre suficientes para impor pena
porque a defeza nem sempre consiste na negativa ; po-
rem muitas vezes se confessa o facto, e se justifica,
atena ocrime pelas circunstancias, que o acompanha-
ro porque em fim mudado de cargo, e de veres defiende
como Hit cumpre na qualidade de Advogado, nquelle
m.mo, q'como Juizdevi* sent'ncear, eofez. Masconve.
olamos em que possa haver essa contradicho : Lei s*
deve imputar; porque nao dispensa os advogados(e com
razo por cauza de nossas circunstancias) como na
Franca, e Inglaterra. E o que seria melhor fiearem os
Reos sem advogados, ou sahirem estes dentre os Ju-
rados? Si esle recurso nofosse permittido, talvez -
quelle mal tivesse entre nos aparecido ; porque infe-
lizmente parte dos advogados deste Termo entraro no
Jury, e os outros se tem negado defeza dos Reos, que
tem recorrido alguns Iurados. Tal nos tem aconte-
cido : defendemos algumas cauzas pedido dos Reos,
oulras chamados, e rogados pelo Snr. Doutor Juiz de
Direito. Na occasio, pelo menos, ninguem mais-ha-
via, que as quizesse defender, e ou sero julgados
indefezos os Reos, ou parara o Jury. Mas para que ;
se nenhuns incovententes se seguem de defender os
Jurados no 2. Concelho cauzas, que julgaro a. 1.*--
No ha quanto ao 2.quizto a infracao de Lei, que
supoem a pergunta do nosso correspondente, bera co-
mo a nao ha*, quando se da o Jurado si mesmo de
suspeitos* quando o recuso, ou quando he pedido pa-
ra testemunha, de queja deu exemplo o nosso corres-
pondente. Si nestes casos nao ha infracao de lei : em-
bora o Jurado sorteado ; nao entre no Concelho ; como
he que se diz haver naquelle? A (alta he a mesma :
as razoes, que a justificacao julgamos serem igualmen-
te fortes.
Quanto ao 3 de cerfo a falta nao se verificar
respeito do 2. Concelho no qual he vedado por Lei
entrar o Jurado, que do 1. tenha feito parte. Nem
he sensivel a falta de um, ou dois Jurados, que tenhSo
de ser advogados, e nao posso nesse dii, ou por algu-
mas horas ser sorteados para o 1. Concelho. E que
inconveniente he este par do mui sensivel de se dei-
xar um Reo indefezo, de se privar o infeliz acusado
do nico advogado em que deposita va sua eonfianca,
e em cujas mos julgava estar sua sote ?
E ao 4.He de certo permittido as partes chantar
os advogados ou procuradores, que quizerem (pala-
vras formaes do artigo322) e porque nao do Jury?
O artigo nao destingue ; ninguem o prohibe ; razes
ha que o mostrao necessario; a generaldade da ex-
presso do artigo o permite ; porque Ihe ser negado ?
Nenhuma razo ha em favor da negativa e nos, si nao
temos respondido a gosto do nosso correspondente, te-
mo-lo pelo menos feito com tanto convencimento nos-
so, que ficamos cada vez mais persuadidos, de que a
./
T


p--
i
XrifBTj
>
razao est de nosso lado. Convenco-nds do contra-
rio, e. cederemos- Para melhor desenvolv ment da
ijuesto recorra-.se oulro artigo, que nesta mesma fo-
llia sobre e.Ha publicamos.
ED1TAL.
Francisco Xavier de Miranda, Juiz de Paz do 2.8
Des trido do Corpo Santo da Fieguezia de S.
Fr. Pedro Goncalves do Recife de Pernambuco
por S. M. I. e C. o Senhor D. Pedio 2.* que
Dos Guarde Sf-c.
F
Ac saber a todas os meos Districtanos qae em vir-
tude do Offioio do Doutor Juiz de Direito Chefe de
Polica em que exige o cumprimento do Edita! do Exm.
Presidente desta Provincia de 27 de Janeiro do cor-
rente anno, sobre o fabrico de plvora, e igualmente
o de Posturas da Cmara Municipal desta Cidade tt.
.1.* 6." Fica prohibido o fabrico e venda de plvora,
fogos artificiaes, sob pena de serem punidos com o
rigor das Lcis.
E para quechegue a noticia de todos-mandei lavrar
o ["(sent Edita!, e afixal-o nos lugares raais pblicos
atffl Destrelo, e publical-o pela Lnprensa a fim de
VCorpo Santo em 19 de Junlio de 1834. Eu Anto-
i\i Francisco Rodrigues Magalhes Escrivo de Paz o
ex rt vi.
Francisco Xavier de Miranda.
[7.
%%%% %%. x
lotera.
Endcm-se bilbetes da 2. parte da 9.* Lotera, 8
palmas os meioe, e 16 os interos, em o Recife caza
de cambio, loja que foi d'Antonio Gomes Villar, boje
pertencente a Joaquim Goncalves Viera Guiraares,
ra da Cadeia n. 10 : e em caza de Joo Mara Seve;
em Santo Antonio casa e loja do Thezoureiro, loja de
livros da Praca.da Uuio, loja do Bandeir, e Botica do
Moreira, no Atierro da Boa-vista, casa de refinaco
dassucar, e ero.Olinda, loja do Pasaos Silva. Sen-
do que a extracao continu cQm tanto fervor como
at agoia, dentro de pouco tempo se acabaro os
Mketes, e andaro as rodas.
O
*
Jabo a Jfrtte.
Muito velleiro Brigue Ing. Reform Capillo W.-
Ogston, do lote de 195 lonelladas, e de priraeira clas-
se, forrado e cavilhado de cobre, est promptoa rece-
ber carga em poucosdias; quem o pertender fretar di-
rija-se aos consignatarios Me Calmont & Comp. ra da
Cruz u. 11.
^ f9" O muito velleiro Brigue Ing. Speculador,
Cap. John Bishop, chegado ltimamente de Liverpo-
ol, do lote de 126 tonelladas A I. forrado e encavi-
Ihado de cobre, est prompto a receber carga ; quem o
pertender fretar dirija-se aos raesmos consignatarios
cima.
Letlao'.
^Ue pertendem fazer Jones & WynneQuinta
f'eira 26 do corrente de fazendas limpas e avariadas
em casa de sua residencia ra da fcti n 43Prin-
cipiar pelas 10 horas da manhl.
(Seiroa*.
D
Uas escravas do gento d'Angola, mocas de bonita
figura, e ambas engomo, cozem, e sabem fazer lava-
rinto : na roa do Collegio, D. 13, segundo andar da
parte do nascente.
&3r* Superior, carne de Montevideo : graxa em
bexigas : e mui boas lingoas seccas : bordo da Pola-
ca Sarda S. Joo Baptista : fundeado na praia do Col-
legio : ou a ajustar na ra do Trapiche n. 3, com u-
o Mara de Seixas.
^3T* Um berco em bom uzo, quatro roeiat portas
que Torio de janella, e um par de canteiros todo por
preco com modo : na roa do Fagundes D. 9 lado da
poente. .
&9T 42 espadagoens de cavallaria a 4$ reis cada
um ; na loja de ferragens da pracinha do Livramento
D. 32.
fcy Urna negra mossa parida de 5 dias com cria :
na mesma loja cima.
^3P Urna cabra parida d pouco muito boa letei-
ra : na pracinha do Livramento lja de fazenda D. 31.
&& Estrume : na ra da Aurora n. 9.
^y 2 barris de vinagre : na ra do Rosario ao
p do botequim da porta larga.
foCJ* Bixas muito boas chegadas no Brigue LiSo i.'
vindo de Lisboa: na ra do Rozario Botica de Joo Pe
reir da Silveira.
&3h Urna canoa d'agoa que oonduz 14 patacas a
20 reis o caneco, e igualmente canoeiro: no Fort
do Mttos n. 141.
V9" Um escravo pintor e caiador de 40 annos no-
atterro da Boa-vista venda de arco debatxo da casa de
3 andares.
ty*9 Um sobradinho na Cidade de Olinda roa de
S. Bento n. 50, com chaos proprios : na ra OireiU
loja d ourives D. 54-
^9* Vinhos de diversas qualidades era cauadas
960, garrafa 140, dito 800, gar. 110, dito, a 640, gar*
90 : no armazem novo na ra do Aragao na Boa-vista
que tem a parade pintada de verde.
$3" Algumas redes finas e ricas, leitas de palba,
barandas bordadas de penas, e vindasdo rara : na ra
do padre Floriano sobrado de 2 andares 0. 27 dir-se-
h, quem as tem.
|jr^ Um negro para fora da provincia bom casi-
nheiro : na ra do Rangel D. 22.
$C7 Urna boa escrava, um trancelim de ouro com
relogio de caixa de ouro, ou sera elle, um bonito alfi-
neite de peito de diamante rotas, mais outro pequeo
de outras pedras, uns atacadores para sentura. e pu-
nhoscom engaste de ouro, urnas redes brancas, urna
pequea porco de prata de muito bom toque para o-
bras : na casa de pasto na* frente doquartel dos Muir
cipaes.
?y Ura berco decondur cora armaco : na ra
do padre Floriano Di 4.
^p* Urna venda na ra das Cruzes D. 12, a di-
nheiro on a prazo com boas firmas: na ra do Quei-
mado D. 2.
^ry Cinco pezos de fierro de 2 arrobas, 1. arroba,
e 16 at urna libra : na ra do Vigario armazem N.#
18.
1_
__
T


(1668)

G
Compra*.
" A rra fas pretas, ou se troco por vinho, arazo
de 40 reiscada garrafa: na ra do Arago armazem
novo quetem parede pintada de verde.
$& Wraa casa de sobrado de um andar, e soto,
ou terrea, bem construida, e que tenha suficientes
commodos para, grande familia, nos Bairros de Santo
Antonio, e Boa vista : com tanto que uoseja em be-
cos: no principio do atierro dos A (Togados lado es-
querdo segunda casa de sobrado se dir quem compra.
^^ Um cao de fila que seja de boa raca : na ra
Nova D. 20.
^C^- Urna banheira de falha de flandes, propria
para se tomar batiho ao corpo todo, que tenha pouco
uzo, ou esteja em bom 'estado : no 3. sobrado da ca-
za de Francisco Antonio no porto das canoas, defron-
te da casa nova que est junto da do Mesquita.
ty Um cavallo novo e gordo : na casa de Joze
Goncalves da Faria no atierro dos Affogados defronte
do viveiro do Muniz.
Annaes historeos do para, e Maranhao, por
Bernardo pereira de Berredo : Arte de viver em paz
com os homens, por D. Fr. Antonio de padua, Bispo
do Maranhao : Direito patrio, civil, ecmico do Bra-
zil, pelo Duutor Mara, rezidonte nesta provincia de
Pemambuco : annuncie por este Diario.
#er&a.
L Erdeo-se um bilhete da cfgantia de scenla e um
mil e setecentos e oitenla reis sacada por Joo Ferreira
da Fonceca em; 3 de Janeiro do prezente anno : quem
o liver achado pode levar a ra do Crespo, D. 8 que
ser recompensado.
.%.A*fc%V/W
O
flbt?c* particulares.
Abaixo assignado passando aos Estados Unidos
afim de obter o rest.ibelieimento da sua saude, faz pu-
blico, que deixa a sua Procuraco bastante ao Snr.
Luiz Gomes Ferreira para tratar, e arranjar na sua
auzencia qualquer negocio quelhe diga respeito, como
se elle prezente estivesse.
* John T. Mam fiel d.
&^ Arrenda-se um sitio annualmente, sendo pe-
queo, que tenha casa devivenda para pe*quena fami-
lia, arvores frutiferase baixa para orla de vero,quem
O tiver anuncie.
^py Precisase alugar duas pretas, ou molleques.
prra venderem pao de manh, fespons.ibelisando-se
seu eenhor pelas faltas que posso ter; quem os liver
annuncie.
Vj&" Precisa-se de um Alemo, que queira dar li-
coes da sua lngtia materna, tendo boa pronuncia e
convindo-lhe dirija-se ao higo da Boa-vista, canto da
ra do Arago por cima da brica 1. andar.
^y Quemquizer trocar huma caza de,8$ reis
em ras principaes deste Birro, por urna de 4$' reis
na ra das Trinxeiras : anuncie.
tT3^ Precisa-se de duas molheres que queir an-
dar com pretas de fazendas pagndose nos Sabbados
ou no fim de cada mez conforme o tracto : na ra do
Fagundes D. 14 lado do mar.
$cy Precisa-sede nmcaixero de 12 a 14 annos,
para urna loja, d.ndo fidor de sua conducta : na pra-
<;a da Boa-vista botica D. 10.
$3 Os abaixo nssignados partecipSo ao publieo
que a Caza de Malhues & Forsler foi dissolvida nodia
15 docorrente por consentimento mujual j 'qualquer
pessoa que tiver contas com a dita Caza pod?m aprezen-
ta-las no Escritorio dossobreditosqueser prompta-
mente pagos.
Joo Mathues.
Hemique Forster.
^C5" Henrique Forster faz seiente ao publico que
tendo admittido como socio de sua caza Edwin Forster
Adums elle continua a negociar debaixo da firmada
Henrique Forster & C*
^y Joo Joze de Figueredo aviza aquellas pessoai
qu tem penhores na sua mo hajo de os ir tirar no pra-
zo de 8 dias.
Dese]a-se fallar com o Senhor Joo Joze de Farias
morador que foi no atterro da Boa-vista para negocio
de seu interesse : no pateo da Santa Cruz venda da es-
quina da ra Velha.
Fi
05craro$ fugijor:
Rancisco, Angola, official de carpinteiro e ser-
rador ; fgido a 6 do corrente, com calca branca
carniza de madapolo, jaqueta de xila encarnada, es-
tura ordinaria, cor fula, e semblante carreg/jdo :
ra da Cadeia D. 7, que ser recompencado.
*$3&* Manoe! de naco, 20 e tantos annos, estatura
ordinaria, seco do corpo, pernas finas, nariz afilado,
cara comprida, bastante alrapalhado na falla, e ven-
da pao para as bandas do Arraial fgido em dias de
Novembro do anno passado.
^py Vicente moleqne, angola, baixo grosso do
corpo, feo de cara, semblante carrancudo, ps gros-
sos nariz chato, cara.redonda, orelhas grandes, muito
ladino ; fgido no 1." de Maio p. p. : ambos a Jou-
quim JozeFelis, morador na esquina Santa Cruz ,so-
brado n. 104, que alem de pagar toda dspeza grati-
ficar generosamente.
IVVVW*'*V*^*
NOTICIAS MARTIMAS.
Navio entrado to da 21.
R.IO DE JANEIRO; 13 dias,- Paq. Ing. Pegeon,
Com. John Benuey. PassageirosChizalulh, e Cresr
leoma Schmabeg para Inglaterra.
Saludos no mesmo da.
1 ARAHIBA-, Hiate Prazeres Varalbano, M.
Francisco da Costa : difrenies gneros.
TRIESTE 5 Pol. Aust. /fe/oce, Cap. Gaspar Bla-
sinick : diferentes gneros.
OBSERVARES.
, i
No dia21 fundiou no hmeiro fora do alcance da
baleria um Pat. Ing. ; e bordejou urna Barca lambem
Ingleza.
Da 22-
Fundiou no hmeiro urna Escuna d'G. Arar.; fez-
se de vellao Pat, Ing. que esta va fundiado; e v'eio a
trra urna Balieira de urna Galera Amr. que andava a
pesca. _____

/
A\
H
Pern. na Tt/p. do Diario. 1834
T

" i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E320AXTUS_66VGCW INGEST_TIME 2013-03-27T16:42:10Z PACKAGE AA00011611_02635
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES