Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:02623


This item is only available as the following downloads:


Full Text
II ll I
Mi
ANNO DE 18.34.
SEGUNDA FEIRA. 9 DE JUNHO
NUMERO 406.
*%"***%'**%'%%* tW.rt)tWWWWW*>MWVWWv%%>%MWW v^, v
tmn*m/mm*t <%. /%%% r r-/%v
Sirhscreve-se mentalmente a 640 res. adiai dos. Ha Tipografa
onde se receben) eorre^poiidenciis. e anuncios: estes msireci-si-
fraiifc siendo dos proprios assi^naiues ^oiuciiie e viudo assiu u-ados.
Tudo gor depende da, nos niesmos. da nona prudencia, na
deraco. e energa: rtuitinuemoa como pripeipjamw e seremos
Hpontados com admirarlo entre as Nacoes mais cultas.
J'iurlaminTiit Ha Axscmblea Gem to lirmii
iW.*m
3i)nprc00C3 em pernammico pot X % Dr jRir&n&a faUa'o.
iwewa^sc
i '
DAS da semana
2.a S. Melania-A., dos Js. dojCiv. de m. e det. Ses
da Thez. P. e Ch. de t. P. as 6 h. e 6 m. da m.
3.\S. Margarida-T{e\. de m e aud. do J. dos Orf. de
t. P. as 6 h. 54 m. da ni.
4.'-S Barnabc- Ses. da Thezouraria Publica. Pr. as
7 h. 43 m. da m.
5 -S. Guido- Re. de m. A. dos J.a do Civ. de m.
e de t. Pr. as 8 h. e 30 m. da m.
6.'->c S. Antonio de Padua Pr. as 9 h. 18. m.
da m.
Sabbado- 5. Bazilio- Rel"m de e and. do Vig.
(t. Dom. S. Fito M. Preamar as 10 e 54 minu-
tos RIO DE JANEIRO.
Noticia dos trabalhos da Cantara dos Snrs. Deputa*
dos.
11 A Sessao de 5 de Maio proeedeo se a riomeaco da
Meza, r silo era segundo scrtttrnio Presidente o Snr.
li.-nto de Oliveira Braga com 33 votos; Vice-Preziden-
1" n Sur. Henriqne de Ko/.cnde com 37 votos; e Se-
eretanos os Senhores rMZirin, Costa Miranda. De-
pois da eteicio da Meza proeedeo-se a oleico das duas
Commissoi's para fizer a Resjiosta Falla do Trono, e
t\v Cnnstituieo e Poderes. Compo/.erao a primeira
os Saibores Limpo de A breo. Joze Pedro de Clrva-
llio, e Souza Marlins; epmpSe a segund* os'Senhores
Saturnino, Limpo de Abren, e Antonio Joaquim de
Mello. Entrou em diseuco o seguinte requerimeno
do Senbor Henriqne de RezendeRequeiro que com '
urgencia se eieja urna Commisso esperi.il para apresen-
tar a redarn das reformas dos rticos da Constituido
conforme os a rife, da Le relativaHouve alloma oppo-
sicio, e aparcero .-.Igumas emendas, ficando adiado
pola hora.
Na Sesso de G entre outros objectos de expediente,
leo-s- um Olcio do Secretario do Senado commuui-
eando terem saido eleitos para a Meza da actual sesso
Presdanle o Senhor RnTo Rirrozo Perreir.a, Viee-
Presidenle o Sor. Mrquez de Paran-ign, Secretarios
os Sriihorca V. de Caeth, L. .T. d' Oliveira, L. T.
Duque Krada F. de M. e P. J. da C Mirros Con-
tinuon a rfiseiico itdi.ida da Sessa'n antecedente : fo a-
jMOVado o Rfequei metilo do Sor. Rezende por" 46 vo-
to*/. I',ir i a conimisvio requerida foro pleitos os Snrs.
VaseofK ellos. Limpo de Abren, e Paulo Aratilo. Con-
i !uio-se u sesso com a nomeacao deCnmmiss5es.
Na Sesso de 7 os P'xms. Ministros da Guerra. Fa-
;end.i. e Marinba oro introduzidos na Salla, e fise-
: to H leitura de setlS RelatoiioS.
Ni Se-o de 9 conlinunu a eleico das diferentes
Commisso'.'s pe inmanentes.
Na Sesso de 10 o Senhor Henriqne de Revende
aprezentou as sefjuintes propostas de reforma dos Codi-
tos Criminal, e de Processo.Rebelio he a perpetra-
co dos crimes mencionados nos rticos 68, 85, 86,
87, 88, 89, 91, e 92 do Cdigo Criminal, manifesta-
da pela reuniao de gente armada, influida por urna fac-
cao existente no EstadoFica suprimido o Tit. 6 do
Cdigo do Processo CriminalNesta mesma sesso o
Relator da Commisso encarregada de redigir a res-
po*ta Falla do Trono apresentou os seos trabalhos.
Na Ses^ao de 12 o Senbor Deputado Antonio Joa-
quim de Mello requpreo que se pedissem inbrmacoes
ao Govprno sobre as mineraeoes de ouro, que existem
rin Paja de Flores, e Pianc, e sobre os direitos, que
rila? tem pago. Requereo tambem, que se pedisse
ao Governo at copias dos OHcios dos Presidentes
desta e da Provincia das Alagoas relativos a guerra de
Panellas.
Na Sessao de 13 foi aprovada a Rcsposta a Falla do
Trono tal, e'qual foi aprezenlada pela Commi>so e
a seguihte. '
Senhor.
A Cmara dosDeputados penhorada de gmlido pe-
Ja eonfianca, que V. M. I. tem nella depositado, nos
envia ante o Trono de V. M. I. pira assegnrarmos os
sentimentos de lealda'de, e adheso que consagra
Augusta Pessoa de V. M. I., protestando que bem
convencida de que > destinos do Rrazil agora m^is do
que nunca pendem do resultados de snas deliberacoes,
ella rpdohrar os spus esforcos e desvellos, para que se
conserve e conolidem cada vez mais a Monarqua
Constitucional Reprezentativa, e a integridade do Im-
p"rio, decretando com prudencia e circunspecco a-
quellas reforma1!, que (dentro los limites para que se
aeha autorizada) sao reclamadas pelo progresso das ln-
zes. e np'cossidudes dos Povos ; e indi-ipensaveis a feli-
ciltde' do Imperio, e a sdslentacao do Trono de V.
M. I.
A C irrnra do Drputados, Senbor, milito se com-
pra/, roma noticia da boa inteligencia e amizade, que
f'dizmentp existe entre o Governo de V. M. I. e os di-
ferentes Governo* do novo e velho Mundo; e descan-
cando na Sabedoria e Justien de V. M. I. confia, que
V. M. I. maniendo illesa a Honra, e a Dignidade Na-
rioml taer perpetuar o beneficio da paz, que he em
duvid i a primeira necessidadr dos Povos, a proteceo
m.iis ffi-az que pode dar-se as Artes, e a Industria,
para que se desenvolvi, e floresca'o todos os elementos
d<> riqueza de>te Solo abencoado, que be Patria de V.
Rff. I
Foi pore.m em extremo dolorosa Cmara dos De-
putado* a eommuniracSo, de que ainda as raias de du-
as Provincias do Imperio se derrama o saugue Rrazilei-
ro por espirito de rphellla'o, que o Governo Imperial
nao tpm podlo completimeiiie snffocar, e que conti-
tu'ia a ser nutrido pela faeco que se insurgi no meio
de nos nos inlcrcsses do Principe est angeiro decahido
;.
a
77
"TT
TT^-



^^
(1618)
do Solio que oceupava, no glorioso Dia Sete de Abril,
facclo, que tanto tem offendido o orgulho e pundonor
Nacional. Por isso, Sehhor, a Cmara dos Depila-
dos espera, que o Governo de V. M. I. empenhe no-
vo^, exforcos, e continu a empregar toda a energia, e
actividade deseus recursos para terminar de huma vez
ossa luta sanguinolenta, que tanto afflige os coracocs de
todos os Brazileiros, nao hesitando, depois que liver
verificados necessidade de dar maior forca eaceoao
Governo, em coadjuva-lo com todos os meios legaes
que lorem justos e necessarias para comprimir as fac-
c5es, epara consolidar a paz, e tranquilidade interna
do Paiz, como anhelo os verdadeiros amigos da Li-
berdade, edo bemser do Brazil.
A Cmara dos Deputados, Senhor, apreciando a re-
commendaco de V. M. I. nao deixar de dar, como a-
te agora tem dado, alta importancia a sustentaco do
crdito Nacional, e ao melhoramento do meio circu-
lante,quejustamente considera como objecto de vital
interesse para o aumento e prosperidade do Imperio.
Ka vista dasinformaci'se Relatnos que devem apre-
zenlaros Ministros de V. M. I. nosfixu as forcas,
e a sepurauca do Estado, como tambem nao recular
todas aquellas medidas legislativas, que mais reclama-
das 'orem pelas necessidades do Imperio.
Taes sao, Senhor, os senlimenlos, de que se acha
animada a Cmara dos Deputados, e que ella nos en-
earregou de'patenlearmosa V. M. I. ; assim como de
agradecer o zelo com que V. M. I. se empenha era
promover a prosperidade do (Imperio ; e de assegu-
rar a sua fiel cooperaco, sempre que a conduda do
Governo, eos seus actos esliverem de acord como
Volq Nacional.
Paco di Cmara dos Deputados, lOdeMaiode 1834.
Joze Pediv de CarvalhoLimpo d'AbreuSou-
za Marlins.
% V*"> V \M'M %%*
O Enviado Extraordinario, e Ministro Plenipo-
tenciario do Brasil, junto ii Corle de Londres, Joze de
Araujo Ribeiro, no acto de aprezentyr a sua Creden-
cial a S. M. Britnica no dia, 26 de Fevereiro passado,
proferio o seguinle Discurso :
SenhorO meu primeiro dever, em huma oecasio
lio solemne, eto lisongeira para mim, he dar V. M.
huma seguranca dos senlimentos amigaveis de meu
Augusto Soberano para com V. M. He mui verdadei-
ro o esmero, com que o Governo Brazileiro cultiva a
amizade de V. M. e a satisfaco que sent, vendo
prosperar as relacois commerciaes do seu pniz.com
Inglaterra. Desde que os nossos por tos seabriro ao
commercio Inglez, sobre ludo depois da nossa separa-
(3o de Portugal, o E-ra/il, Senhory..fcem siJo hum dos
mercados os mais consideraveis para as man ufa tu ra
daGrSBrelanha. Muitos Subditos de V. M. se diri-
gem ao Brazil para -eommerciar, gozando dos mesmos
ireitoscomo os Brazileiros \ e por todas estas rauta-
gens, em compensaco de tantas concessoes espontane-
as, o Brazil, Senhor nao pede favores especiaes ao Go-
rerno de V. M. : nao os pede a Naco algum*., porque
delles nao precisa. O que pede nicamente, e o que
f o ob|ecto dos seus mais ardentes votos, he que, Se-
ohor, as outras Nacoes res^eilem os seus Dir tos ; que
seio justas para com elle ; pois que elle o he para com
Hilas. Taes sao os votos de meu Governo e eu ose-
auncio perante V. M. inteiramente convencido deque
ocontraro hum perfeito acolhimento em hum Rei,
amo V. M. he, tao justoe magnnimo.
(Do Correio Oficial.)
EXTERIOR
PORTUGAL
Prefeituia do Douro,
JL-Lle. e Excel. Snr.Das participaces Officiaes di-
rigidas ao Govrno ver V. Exc. que a parte desta
Provincia que fica ao Norte do Douro, e toda a Pro-
vincia do Minho estn livres, e todos os Povos tem re-
conhecido a Authoridade do Legitimo Governo com o
maior enthusiasmo, manifestando sem receio os seus
senlimentos, pela confianca que tem na superioridade
de nossas forcas, meios e recursos. A Diviso doBa-
ro do Pico do Celeiro forcou os rebeldes a passar
Tamega na ponte de Amarante, e, segundo as ultimas
noticias, parecem seguir a estrada de Villa Real. O
Duque da Terceira, agora que sao duas horas da tarde,
est a sahir para Amarante. O seu nome, e as forcos
que leva, nos do toda a esperanca de que em poucos
dias estar livre a Provincia de Traz-os-Montes. Ti-
ve noticias porem muilo alrazadas, do Tenente Gene-
ral Jorge de Avilez, de Alcanicas, pela mesma via re-
cebi o Officioque incluzo tenho a hon.a de remetiera
V. Exc. A este tempo deve ter recebido os fundos
que Ihefiz entregar. Foi-lh etambem hum crdito a-
vultado, como j partidpei ao Governo. Com o Du-
que da Terceira fico no mais perfeito accordo, e na me-
Ihor intelligencia. Para a promplido das communi-
cac5es mandei "estabelecer huma Posta desta Cidade a-
t ao Quartel General, prolongando-se medida que
for avancando. Huma embarcaco deve estar prom-
pta a sahir para essa Capital, caso seja necesario fazer
immediatamente alguma communcaeo de importan-
cia. Consta que o Almirante Visconde do Cabo de S.
Vicente tomara Valenca.
Dos guarde a V. Exc. Porto 5 de Abril de 1834.-
Illm. e Exc. Snr. Agostinho Joze Freir.Manoet
Goncalves de Miranda.
Tomando em consideraco o relatorio dos Ministros
e Secretarios das deferentes reparlicoes, e tendo ouvi-
do o Conselho d'Estado : Hei por bem, em nome da
Rainha Decretar o seguinte ;
A rt. nico. O Infante D. Miguel, usurpador da
Cora da Rainha, he pelo prezente Decreto destituido,
e exauthorado de todas as honras, prerogatiyas, pri-
vilegios, isempces, e regalas, que na qualidade, e
pelo'titulo de Infante Ihe pertencia, e nao poder ser
mais tratado ou nomeado tal nestes Reinos. Os mes-
mos Ministros, e Secretarios de Estado assim o tenho
entendido, e faco executar. Palacio das Necessidades
em 18 de Marco de 1834.
D. Pedro Duque de Braganca.
Por Decreto de 18 de Marco, S. M. I. extingui a
Caza do Infantado, e os bens fio pertencendo Fa-
zenda Nacional.
(Gazela Come.i cial da Baha;.
D
COMMUNICADO.
'E novo a testa dos negocios da guerra est collnca-
do o mui digno Prezidente das Alagoas o Exm. Snr.
Camargo. Urna pandilha de sceleratos que se linha
insurgido na Villa de Macei o Imvio apartado do A-
campamento; mas com a sua sabida nrnhum perigo
correroos negocios da guerra. J ento havia deixa-
do o eommando das forcas em operarSes o Coronel
Leite Parhe-o, eestava delle envestido o honrado Ma-
ior da Parahiba Joze Thomaz Henriques! A s noti-
cia da partida do Exm. Senhor Camargo fez serenar
todas as couzas, e areados os sediciosos procuraro es-
(
7TT
*mjax&i


(1619)
E
Macei se acha em fim traiupM! i'!
Seas grandes vanlugcns, que temos colindo ltima-
mente sobre os salteadores nao perlencem cxcluziva-
menle aos Exms. Presidentes desti, e da Provincia das
Alagoas, se convir por certo que o estado em que pa-
rara a guerra antes de sua marcha para o Acampamen-
to nos era inleiramente fnvoravel D-se porem que
hoas resullas teriamos das operacoes das forcas desta
Provincia por se ter de seo Commando investido oSr.
Major Joaquim Joze Luiz ; da parte das Alagoas ne-
nhum proveito colheriamos pela frouxido, inhabili-
dade, e deslcixo do ento commandante Geral o Co-
ronel Leite, e da maior parte de sua officialidade; mas
em fim sem o impulso dos dois Presidentes (todos con-
viro) nadase faria. Estive no Acampamento das Ala-
goas, e como testemunha ocular poderia p^ssar a papel
eousas por certo inauditas e que muito desabonao ao
que ento diriga as forcas em operares. Nunca me-
nos ouvi fallar em guerra do que no tempo em que de-
morei-me em Porto de Pedras Que desleixo ento
existia, que de fraudes em prejuizo da Fazenda Publi-
ca A indisciplina nao poderia chegar grao maior !
Tudosanou a energia do Presidente das Alagoas, ea
demisso do Coronel Leite do Commando das forcas
oi o golpe mais decisivo que poderio receber os sal-
teadores. Nao se conolua d ma sido conivenle com osebanos; puros sentimentos,
ss inlencoes elle possue ; mas em fim muito Ihe falta
para preeneber a Commisso, de que foi encarregado.
Tambem nao se Ihe (tribu toda a parte em to ruins
l'eilos, o certo e que ao seo deslcixo se deve tudo !
Si
labios a Catira.
Para a I/ha do. S. Miguel.
fEgue viageiu o Palaxo Brazileiro Lio, Capito
Carlos Liocadio Vieira, at 20 de Julho doeorrente
imprelerivelmente : quem no mesmo quizer earregar
ubir de pasangem dirija-se a bordo do mesmo surto
no Forte do Mallos.
Ur
* *.-%%* \^%
(HenDa^.
IM quarto, bom carregador, por preeo eommo-
do; na Boa-vista, ra da Alegria junto a Meslra Regia.
$C?" Pecas de madapoloes finos jarda 180; algo-
(lo/.inhos largos em peca a jarda 160; ulgodo tranca-
do dito 200 ; tudo com um pequeo toque de avarii :
na loja da esquina da Pracinha do Livramento de Joo
Carlos Pereira de Burgos.
^^ A venda da ra da Cadeia n. 7, metade di-
nheiro avista, e metade a prazo, e nao lem alcaides por
1er sido posta de novo em Marco; no 1." andar da men-
cionada casi.
fcy Azeiledoreem barris, pimenta da India, ser-
veja branca, queijos Francezes, batatas, prez untos, cha
perola, e enxofreem calas de C e 12 libras, vinbo da
inadeira e do Porto em barris, farinha de milho, cha-
peos de castor, breos e pretos, cazacas e sobre-caza-
ra, lonas, charutos de Havana, vinho de Bordeauxem
caigas de duzia, tintas de todas as cores, oleo de briba-
cu, vinho de Champagne, r cidra, urna porco dse-
bolas, conservas e vinhos de todas as qualidades: no
armazem de Jeo Dowsley ra da Cruz n. 10.
^^" Ricos pentes de tartaruga de molde de eonxa,
Hiegndos prximamente da Franca : na ra do Crespo
loja do Serafim ). 8 e n. 6.
$r^ Urna eserava, Benguella, robusta, bonita fi-
gura, boa cozinheira, e engomadeira, tanto delizo co-
momo de pregas por 400$ res, lobem se troca par
dois escravos de meia idade, que trabalhem de enxa-
da ; ou por vacas paridas leUeiras, boys de carro, ou
quartos grandes, e novos : na primeiracaza terria D.
445, onde fnda o muro do sitio da Manga, defronle
da igreja da Solidade ; e na mesma casa se inculcar
urna das boas lavadeiras, e urna crilinha costureira a
fazer 12 annos de idade.
^^ Um cabra de 23 annos bom pescador, e-car-
raleiro, bonita figura e sem vicio : em Olinda ra de
Mathias Ferreira sobrado D. 7.
$^" Um preto Angola, sem vicios nem achaques,
muito fiel: em Olinda ladeira do varadouro n. 47.
%& Um crilo de 20 annos por preco commodo :
na ra do Sebo D. 9.
i
mmm^u
Compra*-
M negro de bonita figura, sem vicio : no arma-
zem de couros do atierro dos Affogados defronle do
viveiro do Muniz.
SS3f Um negro born na ra da Cruz n. 00.
$3" Urna molata moca para fora da Provincia:
na ra estreila do Bozario esquina do beco junto a I-
greja 2."andar D. 16.
tt^ Urna casa terria em qualquer ra do Bairro de
S. Antonio, nao sendo em becos anda que exceda de
1:000$ reis: na Botica do Brando defronle da lorre
do Livramento.
*r^" Dois talins para officiacs de Guarda Nacional
e insignias para Capito e Alferes : na ra do Crespo
D. 5 l.8 andar.
^C^ Um cvalo novo e gordo, e com selim em bom
uzo : anuncie.
ty^* Garrafas vazias : no botequim da Praca.
^F" Urna negra que saiba bem cosinhar, engo-
mar, e lavar de sabo : anuncie.
*%%,V%Vfc\*. v*^
SlUuguet*.
Ma caza terria na ra do Terco D. 27 com duas
portas, concertada de novo, propria para loja de falen-
cias ou venda; na ra do Queimado loja de ferragem
de 3 portas n. 30.
Ni
9.m?o0 particulares.
Os das nove, e doze do corrente continua a arre-
m rio da Administraco, principiando por as da ra da
Madre de Dos, seguindo-se as da ra do Torres, da
Lapa, do Cordeniz, da Moeda, do Amorim, do Azeite
de Peixe, da Cacimba, e do Burgos. A casa n.* 15
da ra da Cadeia do Recife, cuja arremalaco ficou a-
diada, nao hade ter eTeito se nao quando a Adminis-
traco poder obter as chaves della para as entregar ao
arrematante, o que se ha de publicar.
M. Z. dos Santos.
Joze Francisco Ferreira Clao.
Patricio Joze Borges.
^3" Manoel Marques Vianna faz publico que na
noule de 6 para 7 do corrente Ihe roubaro da sua
venda D. 5 na ra das 5 Ponas o seguinte : 2 caixas
de sabo, 2c.iixas decbisson, urna cheia, e outra
meia, 2 colheres de piala, um sacco com diversas en-
commendas de fazendas e ferragem e 10$ reis de co-
bre marcado, e 1 palaco, 1 garralo de vinho, 2 ar-
robas e meia de carne do cear, feitas em um costado
T


M*aaaoMalHalMBaaMMaaMHanaaM
(1620)
de carga, 1 gayola com dinljeiro de prata e cobre, pou-
comis oa menos valor de>60$ res, 8 queijos, e al-
gumas botijos de genebra : roga por tanto a quem des-
cobrr parle or todo oroubo, lho partecipe, que dar
boas alvicaras. Adverte, que os ladrees se dirig rao
para a parte dos acouguinhos, era cuja direcco foro
apanhadosalguns objectos ja roubados, na perseguico
que Ihes fez o Senhor Juiz de Par respectivo.
$^ Precisa-se de um criado, Holandez, ou Ale-
m"o para um Esludante : em Olinda largo do Amparo
n. 15, 1. andar.
^C^ Precisarse de urna mulher branca ou parda pa-
ra ama de caza que tem meninas, que entenda de cozer
e engomar com peifeico e alguma couza de cosinba, e
cuja idade nao exceda de 30 a 40 annos : na ra Nova
loja francesa lado do Norte D. 7.
'^O Negocate estrangeiro, ou nacional, que pre-
cisar de um bom cosnheiro francez para alguns jama-
res, oualmocos, drija-se dita loja I). 7.
t^ Precisa se alugar um sobrado de um andar ou
mesmo um 2. andar para familia seria que nao exceda
de 10$ reis por mcz, dando-seao senhorio a seguran-
eaque Iheconvier : na ra dos Quarieis D. 5.
$C^ Quem quizer lium homm para emsignal Me-
ninos derijasse na Prassa Boa Vista Botica do Bra-
ulio para trata 1 do Seo negocio, sendo para qualquer
parte que queiro pois Sabe bein Escrever e Con-
trar.
paz, branca, de 50 annos ; procure no pateo de S. Jo-
ze caza D..11 junto ao lampio.
^3* Precisa-se de alugar urna caza terrea na fre-
guezia de S. Antonio cu jo aluguel nao exceda de 7$
reis, pagndose dous mezes adiantados : annuncie por
esta folha.
^g Precisa-se de 150$ reis a juros, dando-sees-
cravos para seguranea : na ra do Padre Floriano D.
34 lado do nascente.
^f3 Quem no Diario annunciou querer vender do-
is faqueiros de prata, procure na Igreja do Para-
izo ao Padre Regente da mesma Igreja.
^y Quem tiver urna caza, terrea ou sobrado, e a
quena allugar por seis mil reis, mensal, pagando-se
seis mezes adiantados, as ras das Trinxeiras, Laran-
geiras, Rozaro, Cruzes, e Pateo do Carmo ; anuncie
por este Diario.
yy O antigo Professor de primeras Letras Joze
Vital Ferreira Pinto, faz seiente ao publico que elle
se muda da ra da Cruz para a da Senzalla nova, so-
brado N. 38 com a sua aula em cuja casa se continua- a
vender, tinta fina de escrever, por grosso e miudo na
forma do costume, do dia 10 do corrente em diante.
$3 Prerisa-sedeum caixeiro de 12 a 16 annos pa-
ra venda jacm pratica : no aterro da Boa-vista pri-
meira venda ao p da ponte.
^3* Quem quizer dar sessenta patacoes, por lem-
po de dois mezes, pagando-se de juros 8 por ce uto em
cada mez, dando se fiador aos patacoes : anuncie.
^^ Faco saber as Pessoas, que liverem qualquer
dependencia pera n te a Vigararia Ge ral deste Bispado,
que o respectivo Viga rio Geral delle, tendo a rctirar-se,
por coiiselho de Professor para fora a Cidade de O-
linda, a fim de ver se se reslabelece da sua gande ;
faz partecipante ao respeilavel Publico, que trago as
suas pertencoes por escripia nos das Segundas, Quar-
tas, e Sextas feiras, de cada semana, ficando certos de
deixar Os requerimentos. ou outros papis qualquer,
OHe sejo, entregues no Eserivo do mesmo Jui/.o na
rila da Mizericoria Francisco Antonio das Cha gas ;
na certeza, d que acharad os despachos no dia imme-
dialo qualquer daquelles trez e pato fictos de audi-
encia havendo-os, faraocertoao mesmo Escrivao, para
rogar aos Senhores Advogados, para que venho fa-
zer a mcu rogo, e do contrario mo partecipar a mim
mesmo.Joze Rebello Pe reir Torres.
^C^"" Quem anunciou por este Diario pretender a-
lugar um sobrado de um sobrado com bastan-
tes commodos para grande familia, com preferen-e
cia tendo soto e quintal, e as principaes ras d
Santo Antonio ; venha a esta Tipografa que sel!
dirquem tem um ptimo.
^ Quem precizarde urna crila forra para cria-
da para todo o servico : dirija-se a ra da cadeia es-
quina de baixo do sobrado do Sur. Conceicao D. 16.
^3** Preciza-se allugar um preto que saiba tratar
de cavallos : na Boa-vista ra da Alegra junio a Mes-
tra Regia.
^^- Afora-se o terreno de um sitio na estrada de
Joio de Barros para Bellem muito proprio para ra
de cazas por ser xo solido, para novo sitio por ja ter
bastantes arvoredos e estar cercado de limo na ra
do Sebo D. 4 ou no mesmo sitio canto do beco do es-
pnbero.
^3 No Consulado de Franca, recebem-se as car-
tas para Rochefort, para onde parle a Fragata Timb,
boje 9, at o meio dia.
V^* No dia 8 do eorrenle cao do dedo de urna
menina um annel de ouro debuxado e lavrado a buril
com um diamante roza e mais fino pela parte que fici
para dentro do dedo, < julga-se com algum fundamen-
to ler sido apanhado por um escravo : roga~c por tan-
to a quem elle baja de ser olferecido o tome, e resti-
tu Claudino do Reg Lima na Administraco do
Correio, que gratificar, si for pessoa que queira esse
agradecimenlo.
C3* Tendo-sejevtingnido em 1832 a socied.ide que
oabaixo assignado levecom Francisco Alberto Alves o
Joze Goncalvcs de Oliveira licbaixo da firma de 0!i-
veira & Costa o abaixo asignado faz publico, que s
Ignm deslesSenbores ou s-us proi uradores (pie te-
nho Ilimitados poderes se acliao nesla praca queiro
no prazo de oito di.-is dirigirem-se a ra da Cadeia ve-
llia n. 7 para apiste de contas, e serem emboscados no
caso de se llie restar : o nl)>xb assignado roga a lodosos
seos credores o favor de Ihe nprezeutarcm as suas cou-
tas no prazo de 4 (lias para com ellas, o abaixo assigna-
do poder ti atar da brwidade do seu embolco logo que
llie venho a mao o* seus livros, vislo que os nao quer
prejudicar em um real.
Manoel Joaquim redi o da Costa.
*X% ll\ ^
R
e0cravc9 fagiDo.
.Oza, cassange, 30 a 35 annos, magra, e estatura
regular, rosto comprido, nlhos fundos, vestido braneo
de babados, psmu preta de lila uzada, e pao azul lo-
bem uzado ; julga-se ter fgido para o Monleiro, ou
Api pucos, onde tem lavado roupa : ; caza de Miguel
Bernardo Quioleiro ra nova, 2. andar.
NOTICIAS MARTIMAS.
Navios saludos jio dia 6.
KlO DE IANEIRO; B. A guia do Biazil, Cap,
Joze Milito Teixcira : sal, e outros gneros. Passa-
geirosJo/e pacheco Ozono, o Jo/.e Joaquim pereiru
Braga.
HAMBURGO; B, Dinamaiqunz, Cap. Cliristian T.
Rock : assucar. passageiroAntonio Luiz pi reir.
'
Peni, na Typ. d> Diario. J8.34.

t
**H


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZ1L6WLMT_TXT1BS INGEST_TIME 2013-03-27T16:33:04Z PACKAGE AA00011611_02623
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES