Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:02591


This item is only available as the following downloads:


Full Text

ANNO Ul 834.
QUARTA FEIRA 28 DE MAIO
NUMERO 398.
>> **!*.
H1UI0 US iMMLlIMK.Q%

Nul>screve-se meiisalmente a 640 res, adiautados. na Tipografa
So Diario, pateo ra Main/ nde se receem correspondencia*, e anuncioi estei insireni-.s-
Tudo agora depende de nos mesmos, da nossa prudencia, na
deraco. e energa: continuemos como principiamos e sereaoi
aponiadob con admircao entre as Nacoes mais cultas.
Pt o clamaba u da Assemblaa Qeral du tiran l'
amprcwo tm ptrmmxmco pot 3- % De Hiranfta falcao.
DAS da semana
4.a -S Germano- Ses. da Thezouraria Publica. Pr. as
7 h. 42 m. da.m.
<># Festa do Coipo de Dos. Preamar as 8 h. 30
m. da m.
6. -S. Flix- Ses. da Tliez. P. de m. e aud. do
.1. de Orlaos del. P. as9 h. e 18 m. du m.
Sabbado 5. Diogo l\*-\'m de e aiid. do Vig.-
G. de t. Preamar as 10 h. 6 m. da m.
Dom. S. Fumino M. Preamar as 10 e 54 minu-
tos da m.
PROMOTORIA PURLICA.
Li-m. SenhorHavendo nesta Comarca dous Jui-
/.es de Direito no crime, e lendo estes, por o Art. 6.*
do Cdigo do Processo Criminal jurisdicao rumuLtiva
parece-me, que aoda2.a vara compre substituir o da
I.', em todos os seus impedimentos, por cuja raza'o es-
tando aquelle desimpedido nao (levo nem posso com V.
S. fazt-r a visita das prizoesc cadiias, para que me con-
vida, determinad no Art. 4. do Decreto de 29 de
Marco de 1834, como perlende o Juiz de Direito Che-
le de Polica, Francisco Mara de Freitas e Albnquer-
que, citando para esse fim, no offieio que dirigi a V.
S., o Art. 35 do mencionado Cdigo, que nenhuma
api cacao tem pira o cazo, em quanto nao constar, que
lambem esta imposibilitado o Juiz de Direilo da 2/ va-
ra, queainda.no dia 24, em que recebi ooffino de V.
S., officiou como Auditor de Guerra no Palacio do
Governo da Provincia.
Dos Guarde a V. S. Recite 26 de Maio de 1834
Lllm. Senlior Doutor Juiz Municipal, Jlo Paulo de
CarvalhoJoze Ta vares Gomes da Fonceca, Promo-
tor Publico.
^(?^^^^ ^^
EDITA ES.
A Cmara Municipal da Cidade do Hecifi e seu
termo em virtude da Le.
M. Az saber a seus Concidados, que (indo o prazo
de nove dias, que coimcar.i a correr dep >is da publi-
eaco de>te, sera arrematadas a quem mais der na sal-
la de stus scs-o-s por as 1 l oras do dia as lojaS da Praca
da Indi-pendencia Cada huma de per si, a presentndo-
te os pcrtendhtes com seus i i dores chaos e abonados.
K para que chegue noticia a todos se mandou puhli-
car o prezente eilal por a Imprensa, o qual vai por el-
la assignado.
Reciftt 13 de Maio de 1834. Joze Ta vares Gomes
da Fonceca Secretario a escrevi. Joze Antonio Este-
ves Vio PresidenteLuiz Gomes FerreiraJoze Joa-
quim de OliveiraTliomaz Joze da Silva Gusmo
Antonio Luiz de SouzaJoaquim de Oliveira Souza
Joze Narctzo CameloJoze Bento da Costa.
vm**v
P,
Erante a Thezouraria da Fazenda desta Provincia
s hade realizar no dia 30 do corrente, a arremata-
cao do fornecimento da Bolaxa, e carne verde para as
Embarcarles de Guerra, Paquetes, e Arcenal da Ma-
rinha, aquem por menos fuer por tempo de hum an-
no.
As p?ssoas que se proposerem a licitar poderocom-
pnre-er com seus fiadores na'Satla das Sessoes da raes-
ma Thezouraria no referido dia, aonde lhe sero ap-
prezenladas as condico<*s da mencionada arremalacp.
Secretaria da Thezouraria de Pernambuco 26 da
Maio de 1834.
O Official Maior interino-
Joaquim Francisco Bastos.
Jacintho Alves "Bronco Momz Barreto, Capil&o
Te neni d'Armada Nacional, e Imperial, e Ins~
pector do Arcenal da Mariana des la Provincia
pela Regencia, em Nome de S. M. o Imperador
oSnr. D. Pedro 2. Se.
F,
Ac saber, em conformidde do Cap. 15, Art.
34 do Regu'amento dos Areenaesde Mantilla do Im-
perio de 13 d Janeiro deste auno, que o sitio aonde
se deve laucar o lastro, de boje em diante, he o que
decorre desde o muro do Quartel de minha residencia
para o Puente, at a ca/a onde se guarda a Galiota do
Governo, deixando com tudo livre a earreira desta :
Brando severamente prohibido que, com grave (him-
no do Porto, se lance ao mar o dito listro. E para
que os Capitaes, e Mestres tanto das Embarcar6es Na-
cionaes, como Eslrangeiras nao alleguem ignorancia
minio nfixar Editat-s, e lazer publico pelos Jornaer.
desta Cidade.
Inspecco do Arcenal da Marinha de Pernambuc*
24 de Mam de de 1834.Jacintho Alves BiancoMe-
niz Brrelo.
Joo francisco Regs Quintella, Juis do 3.* anno
do 4. Districto da Ribei>a do Bairro de Santo
Antonio do Recife em virtude da Lei.
F
Az saber nos moradores do mesmo Destricto, que
elle e acha em eflertivo exen-irio por impedimento de
molestia do Juiz effeclivo do 2.* auno, e que por isso
dar audien ia todas as Terc^, e Sext .s (viras as 4 ho-
ras da larde na caza de sun residencia na ra da Penha
D. 5, e miando taes das forem Santos, ou feriados se-

_


.?', v..l-
7T

(1588)

r no dia antecedente, despachando todos os das das
6 as9 horas da manh, e das 3 as 5 da tarde,
JooFi ancisco Regs Quintella.
%S+y*r%+\~%*
Rodolfo Jo&o Barata de Almeida Fiscal do Bairro
de Santo Antonio do Recife 6,c.
F
Az saber a todos quantos conservo entulhos as
diversas ras deste Bairro, que 09 devero remover
para os lugares designados, dias contados da publicaco d'este Edital, sob pena de
serem multados na conformidade das Postura* Muni-
cipaes.
E para que nao posso alegar desculpa manda publi-
car o prezente pela, impuensa, e affixal-o nos lugares
deMaio de 1834. Francisco Amancio Martina A-
; judante do Porleiro da Cmara Municipal o escreveo.
Rodolfo Joo Barata de Almeida.
%%*%%

CORRESPONDENCIA.
Snt Redacto*'.
^ando no Diario de 23 do corrente, t com assom-
fcro nome do Snr. Thomaz Lins Caldas, e com mais
assombro h e to.raei a ler a sua correspondencia, nao
pude deixar de exclamar- eisaqui mais um dos omnia
habentes el nilnl possidenles, que o nosso douto Pa-
Jricio Redactor doTyphis traduzio com jocosidade em
m rifao bem conheeido. Pois que ? O Snr. Tho-
maz Lins nada deve Fazenda Publica, porque a sua
Mipposta divida nao est liquidada ? E sao falsos os
^nuncios, que o tere publicado devedor, porque al-
guem nao quiz ainda liquidar as contas do Snr. Tho-
jiraz Luis? Ou todo o mundo se engaa grosseira-
mente ou o Snr. Thomaz Lins ainda mais grosera-
mente quer impor qUe nao devedor, somente pela
sua palavra honrada. Si oSnr. Thomaz Lins dissesse,
ja nao quero dizer provasse, que devendo entrar com
tal quantia para os cofres pblicos, o havw feito em
tal e tal tempo com tantas e quantas sommas que firio
um crdito pouco mais ou menos igual ao seu drbito,
cque nao havendo ainda sido liquidada a sua conta,
nao poda elle ser reputado devedor ; ealar-me-hia, si
eu podesse porafeco feixaros olhos a um documento
claro, e abri-los somente para a palavra do Snr. Tho-
maz Lins. Mas nao foi aquillo o que disse o Sr. Tho-
maz Lins nem o seu doeumento o prova e para que o Pu-
blico ppssa melhor avaliar as razes que ha pro e con-
tra, eu Ihe offereco o resumo substancial do documen-
to que, aprezentei, da correspondencia do Snr. Tho-
mazLins, e do seu documento. Diz pois a certido
da Thesouraria que dei ao publico
Que os oficios de Kscrivo da Abertura, e Descar-
ga da Alfandega das Fazendas(que serve o Snr. Tlw
maz tyns) fora primeiro lotado em 500$ reis annuaes
e depos em 3:400$ reis.
Que o Snr. Thomaz Lins tomara posse deste Oficio
em 27 de Setembro de 834.
Que nao consta dos Livro9 que este Snr. ha a en-
trado com quantia alguma por conta da sontma de
6:3 57$864 reis de que devedor Patead* Publica
at 30 de Junho doanno passado, relativa terca par-
te do rendimento dos ditos Oficios.
Que nem mesmo p3ra seguranea deste, consta haver
elle prestado flanea alguaia.
Disse o Snr. Thomaz Lins na sua correspondenci--
Que nao pode ser considerado devedor da Fazenda
Publica, porque nada se tena liquidado sobre a sua
supposta divida, o que prova com o documento publi-
cado. E mais d a entender.
Que era falsario quem o fazia devedor.
Diz finalmente o documento do Snr. Thomaz Lins,
que se Ihe pedio nanea idnea ao que se liquidar das
tercas partes dos oficios qne serve, at soluco dessa
liqutdaco pelo Tribunal do Thesouro Publico.
Agora combine-se todo o expendido, e decidi os
inteligentes si o documento do Snr. Thomaz Lins pro-
va, que elle nao devedor Fazenda Publica, si nao
da quantia de 6 contos e tantos pelo menos de urna pr-
xima. Creio que basta. Sou do Snr. Redactor Scc.
Caetano Pinto de Peras.
**% mavu
PERGUNTA.
mell
Ergunta-se ao Senhor Doulor Joze Narcizo Ca-
lo, os dias, horas, e meiosde se Ihe fallar; pois que
sendo preciso, que S.S. d audiencia seus Conslitain-
tes como Advogado, e ao Publico como Procurador
Fiscal, he procurado quase todas as horas do dia, sem
que se digne dar hum ar de sua graca. Pede se igual-
mente a S. S. que se nao enfade com esta pergunlinha,
que em nada deminuir pode o respeito, que Ihe he de-
vido.
O Pe tendente.
*\% *%%%*%
THEATRO DO RECIFE.
Manh 29 do corrente; depois da orehestra desero-
penhar urna bela simphonia dar principio oexpertu-
culo com urna aria Italiana. Seguir-se-ha a reprezen-
taeo da milito aplaudida pecaO Parricidio Frustra-
do, ou o Filho natural.no fim doterceiro acto o ac-
tor Joo Baptista Lopes Guimires, em obsequio ao
Emprezario desempenhar os seguintes equilibrios: 1 .*
Trez granadeiras na ponta de urna baioneta : 2. Seis
espadas sobre a ponta de urna deltas: 3. um menino
sobre um pao : 4.* O mesmo menino sobre urna es-
cada de mo : 5. A Legenda mgica rodeada de fogo
artificial. Isto ludo sobre a ponta do queixo inferior.
Seguir-se-ha o dueloPela boca morre o pexe.ao
qual se seguir o pantomimoA recruta na Aldeia
que findar com o miudinho de nove. A orehestra se-
r acrescentada, e o Ttaatro estar completamente il-
luminado.
O
abtgo* Do Comi.
W Correio Terrestre de Limeiras parte boje ao
meio dia.
tJ^ O Correio Terreste de S. Ante chega boje e
parte amanli ao meio dia.
M..
*%%%MV*%
& en Das.
Anteiga, cha perol, e hisson, prezuntos Ingle-'
zes, lonas, vii.ho do Porto, e Madeira em barris,
engarrafado, erveja branca, genebra. charutos lo
Habana, verniz em barris, chapeos de castor bramos
e pretos, cazacas, e saltos rnglczes ltimamente che-
gados, e sortimentos de vinhoj e conservas de todas as
qualidades : no armazem de Joo Dowslev ra da Cruz
n. 10.
yf^ Quatro tachos, urna escumadeira, um caco-
jete de cobre, e um talhador de folha para refinar as-
1
^p
*!". ..
"V
I -*
mmmr


i
' ..' VT-
~~ i"!! .
ill ll M
CI589)

f
-sacan era Fora de Portas na venda n. 44 lado esquer-
do.
^3* Farinha de mandioca de superior qualidade,
viuda de Sania Calharina no Brigue Novo Jpiter que
se ach i ancorado di 'fronte da escada do caes d'Alfande-
gi: abordo do dito Brigue ou na ra da Cruz do Reci-
te n. 22.
^3T" Brote de milho do Porto as arrobas, e libras;
ovas do certo : era Fora de Portas venda D. 23 n.
188.
$cy Urna sobre cazaca de excellente panno verde
garrafa : na ra da Cruz tenda de marcineiro ,n.
17.
V^" Una cadela de lila, e duas bandas para ofici-
al ainda era bom uzo : na ra Direita O. 30.
$ty- 2 arrobas e 10 libras de guaran vindo lti-
mamente do Para, por preco comniodo-, urna rotla,
e janela nova de goslo moderno : na ra do Arago a.
194.;
Um cabra moco de bonita figura, para fora
da Provincia : na Pracinha do Livramento D. 22.
Urna caza de tai py e lelha, com bom quintal,
na ra principal odiante da gameleira, um (avallo cas-
tanho muito novo, carregador, e esquipador, e um
negro : na ra larga do Rozario D. 4 ao p do bote-
quim da porta larga.
&&" Casticaes de casquinlio Inglez com lanterna,
casticaes ricos e singelos sem lanleruas, palmatorias ri-
cas de casquiuho, aalvnhna com tezouras, salvas re-
dondas para 3 copos d'agoa, tinleiros com armacoes
de casquiuho, selins Ingleze* mui razsebons, marro-
quins verdes e amarellos, rap princeza, vindo pela
Babia, eapaxo* redondoe compridos, e outros mni-
tos objectos: na loja do Quaresma ra da Cada N.
41.
$cy Rap Princeza de Lisboa : eni caza de Mano-
el Emilio Sertoriauo Bandeira, ra da Senzala, caza
cujos fundos o limtrofes da caza de Bairo, na ra
da Cadeia.
^Ey Urna rede de pal ha de cores, e de tecido mili-
to lorie, feita no Para : no i. andar do sobrado de
Miguel Bernardo Quinteiro na ra Nova.
^ry Urna muala de 25 anuos que sabe bem cozer
eengomar lizo, e cosinhar mais que o diario de qual
quer tasa : no atierro da Boa vista D. 40 sobrado de
a andaras.
$y Carne seca san de Montevideo a 1$440 arro-
ba : no armazem da ra do Collegio D.7. No mesmo
lugar excellente farinha de meza da Muribeca.
7^" Una porco deazeite de carapato em quar-
tollas, e barris, e um braco grande proprio de pezar
eaixas por preyoeommodo : na ra da Cadeia velha
ti. 5.
:
Compras
Mi escra va cabra, ou preti, crila, ou de Nago,
que saiba bem engomar, e de bons costumes, nao se
reparando em o preco, urna vez que agrade na quali-
dade \ e um preio que nao sej i velho, ou mesmo mo-
ldete, cosiuheiro, e nao vicioso : em caza de Miguel
B-Tnardo Quinteiro na ra Nova 2."andar.
^p* Uma caza nobairro de Santo Antonio que nao
exceda de 500 a 600$ reis : anuncie.
^y Canoas de amarelo, inleiras, e novas, de 40
a 50 p ilmos de comprimenlo, e 3 a 4 de boca : anun-
cie.
tyC^ Urna venda com poucw fundos, em boa ra,
a dinheiro : na ra O. 17.
Uma escrava de 40 a 50 annas, sem vicio al-
gum, que saiba cozinhar o ordinario e engomar algu-
ma oouza : na ra que atravessa a da Gloria para a da
Alegria caza de duas portas verdes, ou anuncie.
$y As obras de Filinto Elyzio em bom uzo : an-
nuncie.
ty^ A 2.* e 3.' parte de Metbafizica de Genuen*
se em Portuguez e Ethica de Job: na loja de miudezas
da ra do Queimado D. 11.
. ^pgr- Um moleque, ou negriuha, de idade at 8
annos, e que nao tenha vicios, para o ser vico de casa:
na praca da Boa-vista Botica D. 3.
^Cjr Uma balanca e bracos grandes com pezos de 6
arrobas a uma libra : no forte do Mattos D. 12, de
manba at as 9 horas, e de tarde at as 4. Ah tam-
ben se compra uma preta que saiba engomar e cozi-
nhar o ordinario com limpeza.
Sf^ Um palanquim novo, ou em bom iwo : na
Praca da Independencia n. 4.
3lluguei0.
^_F 2." andar de um sobrado por detraz da Matriz
de Santo Antonio com mui tos commodos : no pateo da
Santa Cruz sobrado de dois andares defronte do oito
da Igrja.
arrenuamento.
M terreno, na estrada de Beberibe que compre-
hende tres silios'comalgum arvoredo de fruto e mais
de uma casa de taipa para vi venda, e toda esta exten-
co de trra plantada e cercada : a fallar com Joae
Carlos Tcixeira, na Cruz das Almas.
n
k *%% *^%-\
aforameuto-
.
" Terreno de um sitio na estrada de Joo de Bar-
ros que vai para- Olinda : na ra do Rozario da Boa-
vista, D. 6.
&bt50Tparncuiarc&.
tPOo Simplicio d'Araujo Caldas, anuncia por este
Peridico, ao respeitavel publico, que est com aula
aberta das primeiras letras, ensignandc*a lercom cor-
reco Gramatical, escrever, e contar por principios
Arithmeticos, o que promette o adiantamento de sua
parte, e qualquer pessoa, que se quizer utilizar, po-
der fallar com dito Professor na ra das cinco ponate
D. 22.
$3" Da-se 200$ reis a premio, em boa moeda
de 80reis, sobre pinhores ou boas firmas : 11* ven-
da da S ra do Rozario.
y Um rapaz chegado prximamente do Rio de
Janeiro, e que sabe ler escrever e contar, em Francez*
Italiano, e Portuguez, deseja se era pregar em algnina
casa de wegocio ; si bouver alguem que se queira uti-
lizar do sen prestimo, queira anunciar por esta folha.
^ry Qnem quizer 300 a 400$ seis a premio dan-
do penhores de ouro, ou prata, hipoteca, ou boas fir-
mas, dirija-se ao pateo do Carmo, esquina da ra de
Hortas D. 1.
^y Por obzequio pede-se aolllustrissimo Sr. Ad-
ministrador do Correio nao entregue cartas vindas do
Rio de Janeiro para D. Joanna Francisca daSilveira,
se nao a Manoel Antonio Florencio de Mello.
.-i f"1
rrr
-r=z
<-^m


i_
[1590)
Pen iza-sede um bom padeiro e prefere-se hoje depozitadoem mo doSn'r. Jjo Balista de Albu-
Portuguez ; na ra do Peixoto D. 25.
%cy D-se 400$ a premio de 2 por cento em bi-
lhetes de cobre da Alfandega j vencidos, pelo tempo
que quizerem, a quem der um sobradinho para quem
d o dinheiro morar, pagando o allugucl com os ju-
ros, e fcando o predio hipotecado para seguranca da
quantia; no largo de N. S. do Terco i. andar na
esquina do beco do Lobato.
%U Antonio Domingos Pinto, adverle ao publico
que nao faci negocio com Antonio Joze de Freitas,
sobre duas letras sacadas por elle Freilas, e aceitas por
Joze Francisco Teives, por se acharem embargadas
para pagamento do anunciante, em razio de ja ter da-
do principio a sua execucio contra o dito Freitas antes
de se vender a sua venrla, e para que se nao chamen]
a ignorancia faz o pre/ente anuncio.
&&' Ninguem negocie letras obrigaces ou contas;
compre esclavos, ou faca negocio de qualidade algu-
na sobre semelhantes objeclos pertencentes ao meu ca -
zal com Joaquim Joze da Costa Oliveira, e seu filho
Joo Chrisostomo He Oliveira sob pena de incorrer as
que se achio establecidas no Cdigo Criminal Artigos
257, 258, 259, 260, -a63 4.e Artigo-265 emvirtu-
dedos Artigos 4, e 5 e 6, que proteja reclamar.
Izabfl Francisca das Cha gas Lieutier.
%C^ Quem ununciou querer vender meio faquciro
de prata ; dirija-se a venda defronte do Quartel do
Paraizo.
&&* Jacob Le Jolle & Compnnhia fazrm sciente
quedcixou de ser seu caixeiro Francisco Malaquias So-
ares.
\T^ Rpga-se ao Snr. Manoel Vfrissimo queira a-
hunciar a sua morada, parase !he comunicar um ne-
gocio de seu iut**resse.
#&* O abaixo asignado faz sciente ao Snr. que fez
o anuncio pelo Diario da Administra ao n. 111, de
S. seacho devendo na sua lojj da ra do Crespo, na
qual leve por oaixeiroe socio, o fallescido Joio Anto-
nia de Souza Sumatra; que o abaixo asssignado,
quem sempre esleve e est aulhorizalo para recbel-
as dividas, que o fallescido seu caixeiro esocio (ou
durante lodo o lempo que esleve na dita sua loja, nao
O poique por direito Ihe perlencecomo dono que sem-
pre fui, como por se achar convencionado com a pes-
s >a que tiesta Ci'adereprezenta por parle do fillesci-
do, para realizar todas afe transa oes fritas pelo mes-
mo. Por lano lodos os Surs. 'que seacho devendo
podem dirigir-se casa da residencia do abaixo asig-
nado, ao lado daCdeia D. 3.
j4nt ni Fabio de endonra.
tST^ Tendo algniis (levadores casa do fallescido
Coronel Bento Joze da Costa remetido em diversas Sa-
frascaixas de assucar pagamento ; e, (lalvrz para nio
seren lembrados doseu credor) nunca exigido cohla
deltas, e nem pai te< palo em tempo para se Ih*; abo-
nar o liquido : os abaixo assignados avisio, aos ditos
devedores de seu fallescido Manido, e Pai, que llies
mandemas notase maisesclarecimenlos a respailo das
caistas em questo, afim de evitarse duvidas (e at
mesiiiosusp.ila>) as contHs correles, que Ibes forem
aprezentadas pelos Administradores dacasn ; porquan-
to, os abaixos assignados nao podem advinh ir de quem
sao algumascaixas, queexistem entradas nos seus li-
v.ros, seul teros nonies dos proprietarios.
Viuva Costa & Fifho.i. i
. %3>" Havendo o ebaixo assignado |u*lificadtf ser le
tfitimosenhor do eseravo Antonio Mncamhiqtie que
foiurlado de*!* praca em 11 de Agosto de 183a, e
vendido para omnalo Joaquina Gomes de Souza, e I
querque. o abaixo assignado roga ao Snr. Padre An-
tonio Jorge Guerra digno Juiz de Paz da Villa de San-
to Anto queira ter a bondade de mandar para esta
praca o dito eseravo, e mandar prender o roubador
pera ser punido com a penadalei.
Joo Soares de Briti e Mello.
ty&* O abaixo assignado roga ao Snr. que no dia
16 do correle levou (por pessa) um relogio que esta-
va pendur'ado as partileiras da sua botica baja de o
restituir no prazo de 4 dias, do contrario publicar
seu nome, e uzar dos meios que a Lei Ihe faculta.
Jiiciulio Rodrigues Tcixeua.
^3" O Snr. Solteiro quequizer urna creada para
todo oservco de casa, procure na ra do Mundo no-
vo D. 31.
t^* Preciza-se fallar com o Snr. Joaquim Antonio
Carneiro em negocio de seu interesse, e porque se ig-
nora a sua rezidencia, queira anuncala por este Ciirio.
VT^ D-se 500$ reis em prata e cobre, a juros,
sob boas firmas, ou hipoteca em obras de prata e ouro:
no atierro da Boa vista D. 40.
fg* J. H. & F. H. Lutlkens mndaro se para a
ra da Cruzo. 60 caza que occu pava o Sr. Em1 Ricou.
^T3* Quem precisar de urna criada para todo o
servico de osa, dirija-se a ra das aguas verdes D. 22.
^&- A pessoa que ofTereceo 970$ reis por duas
pretas com crias, na ra Nova D. 34, queira aparecer
para ffeeluar o negocio.
^T^ Preci/a-se de um bomem solieiro, que enten-
d de planlacoes, para trabifhar em um sitio milito
perlo desla praca ; quem esliver nestis circunstancias,
anuncie, ou di i ]ase ao sobrado ultimo junto a caza
da fundicio ra da Aurora.
t"^ Troca-se um sobrado na ra do Nogueira,
novo, por um urna casa terr.*a, mas que tenia pelo
menos trez quartos, e que seja as ras Direita, Ilor-
tas, Rangel, ou Agoas verdes, recebeudo-se o "xcesso
do valor em dinheiro: na casa D. 5, no beco da Bom-
ba.
X?' Preci/a-se de um mestre pura os meninos da
urna familia, a quem ensine a lere>crever, principios
de Arilhmeti' a, e Gramtica Porlugueza, em um En-
ffenho distante 5 legoas desta praei, e com as condicco-
es, que na occasio do trato serio expendidas : os per-
tendentes dirijo-se ao proprictario desta folla no pa.-
teo d.i Matriz de S. Antonio.
Eneraros jFagi&or.
MjEuteri crilo, 20 anuos, seceo do corpo, e un
dos peseuxado de eresipella, calca de pao pri lo, cha-
peo de pal ha e jaqueta de rucado ama relio ; fgido DO
di 17 do corrente 'Maio : roa larga do Roz.iro por
cima do butequini da porta grande 1." andar.
St^" Joze crilo, bn'xo, cheio do corpo, de 30 a
35 anuos; fgido a 19 do correte, vestido de camisa
e calca de estopa: ra dos Barbearos n. 8 que se grati-
ficar.
^3^ Domingos, Angola, 30 anuos, cara descarna-
da, ponta de barba aguda, gilorina, nariz chato, o-
llios pequeos e nevoados, uma arvada em urna orelha,
falla fMansa, muito mezur vestido de calca de riscado a/.ul, chapeo de seda breto,
e mais roupa, em uma moxila vilha de soldado : su-
p5e-se ter ido para as partes do Fragozo, ou parad Su!,
onde andou com seu senh-o- no Acrpunento d Agoa
Prela ra dos Bairros Baiv'os c!.sa quc'foi do Padnt
Manuel do muro.
J-^i_______JL-J-! _________L____.i'j..L i V .jjmwu
. Pern. na Typ. do Diario. 1834.

TT
/


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ELI8AOL9Q_PPEPXE INGEST_TIME 2013-03-27T16:03:34Z PACKAGE AA00011611_02591
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES