Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:02487


This item is only available as the following downloads:


Full Text
BMWWB'
ANNO DE 1834,

JH
QUARTA FEIRA 16 DE ABRIL
>i Ti>orrsfia
4o Diario', parpo (tu Mlrift i>.- >. Antonio .obrado da viirui larga
ande m| r;-<:eltem corresi'umieiteiH*.. e aimiirins: cmi's insirein-se
frftii tendn < proprms assi; ii^iuo *om->iie f "indo atMignadoi,
%> % .<%*>
NUMERO 36(5.
HQ0<
Tudo acora depende de pos masinos. da nossa prudencia, m
'deraco. t energa' continuemos eotnq prinejpiamtrt e lerqu)?
apuntados com acinnraco entre as RiicSe mai* Milla?..
l'ti>iliimn<;'a,. litt asemillen Gcr.A Ai* Hmzii
3iupvc$5o em j&raiamtmco por a. 31- &* jHiran&a falc'A
gaCHii lili'i ii|M-*qB>*ffBSE=aKc.;
DAS da SEMANA
* *^v%vv\v
4.1 S. Engracia- Sos. da Thezouraria Publica. Pr. as
10 h. 6 m. da m.
5.*-S. Aniceto -Re.""di m., Aud. dos J/ do Civ.
de m. e de t., e Ch. Pr. as 10 h. 54 m. da ra.
6.' -S. Cardeal- Sea. da The*. P. de m. e Aud. do
.. de Orfos de t. P. as 11 h. e 42 ra. da m.
Sal>bado->. IIerinogenes-T{\.'m de m. eaud. do Vig.
G. de t. Preamar aos 30 ra. da t.
Dom.0- S. Sulpicio Preamar as 1 h. 18 minutos
da larda.
ARTIGOS D'OFFICIO.
I Ministerio da Guerra.
Llm., eExm. Snr. Adiando se reformada por
Decreto e Estatutos de 22 de Outubro do anno p. p.
a. Academia Militar, e sendo muito de esperar, que
no pe era que esta actualmente existe, sejao grandes
as vantagensque hajo de colher os Militares, que se
dedicarem aos Estatutos d sua Profisso : A Regen -
a em Nome do Imperador o Senhor Dom Pedro 2.,
Dezejandoque de todas as Provincias deste Imperio
concorroa aproveitar-se da nstruco de pessons, que
desenvolvendo se's talentos, hourem a Academia, e a
Patria : authoriza a V. Exc. nao so para animar os
Militares a que venho frequentar os ditos Estudos ;
porem mesmo a permittir-lhes Licencas para este ef-
f'eito ; com tanto que sejlo mocos, probos, e robustos;
nao excedendo oseu Postono de Aliares, ou 2. Te-
nerife inclusive.Dos Guarde a V. Exc.Palacio do
Rio de Janeiro em 18 de Janeiro de 1834.Antero
Joze Ferreira de Brito.Sr. Presidente da Provin-
cia de Parta Albuco.Cumpra-seAcampamento de
himeiras 5 de Abril de 1834Paes d'Andrade.
Illm., e Exm. Snr.Nao sendo propria dos
principios polticos, modernamente adoptados pela
Naci, a formula actual do Juramento, que presto
os Officiaes do Exercito: Ordena a Regencia?em Nome
do Imperador O Senhor Dom Pedro 2o que se obser.
ve provisoriamente o Termo de Juramento do Regu-
lamento de 1763, com algumas alteracoes na confor-
midade da Formula inclusa, assignada pelo Conse-
Ibeiro, Joze Ignacio da Silva, Omcial Maior desta
Secretaria de Estado dos Negocios da Guerra. O que
assim communico a V. Exc. para sua intelligencia, e
exccuco.Dos Guarde a V. Exc.Palacio do Rio
de Janeiro em 21 de Fevereiro de 1834.Antero Jo-
ze Ferreira de Brito.Snr. Presidente da Provincia
de Pcrnambucp.Cumpra-se.Acampamento deLi-
meiras 5 de Abril de 1834.Paes d'Andrade.
Formula do Termo do Juramento, ta/ provisoriamente os Officiaes do Exercito, /o-
go que entrem no exercicio de seus Postos, na
conformidade do Avlzo datado de hoje.
E
geslade O Imperador do Brazil fui feito Alferes, T-
liente, Capitao &c. da Companbia, Regiment, Bata-
Ihao, ou Corpo de F. juro aos Santos Evangelhos m
que ponbo a mo direiti perat F. Coronel, Tenen-
te Coronel, ou Comraandante, do mesmO Regiment,
Batalhao. ou Corpo, quequanto me for possivel, **
vrei fielmente, e de boa vontade, como bom e leal
subdito a sua Magostad* Imperial, e obedeccrei com
a mais exacta promptido e res pe i to nos Arhgos de
Guerra, Regulamento, e Onlenanca Militares, e
a todas as Ordens dos meus Superiores, Concernen-,
tes ao Imperial Servico ; e de nao me apartaf po**
pretexto algum do meu Regiment, B.italho, ou Cor-
po se m licenca, nem desamparar as B.mdeiras, de-
baixo das quaes estou allistado, e as seguirei nos mat-
ores perigos at derramar todo o meu Sangue cin Sua'
defeza, da Independencia do Imperio, do Systcja
Constitucional nelle adoptado, e da Dymstia Impe-
rante, e de dar toda a ajud.i, e favor as Juslicas de^
Sua Magestade Imperial, sendo-me por ellas requer-'
do ; como lo bem de nao rae valer dos Soldados, do'
meu Regiment, Batalho, Companhia, nem parte
delles, para Caso algum meu particular, nem dep-
rente, ou amigo meu, posto que importe a seguranza
da minha vida, ou honra : e todo o sobredito me o-
brigoa cumprir sem cautela, engao ou diminuico
alguma. Para firmeza do que assiguei este Ternio d
Juramento, feito em......aos.....dias do mez
de.....do anno do Nascimento de Nosso Senhor
Jezus Chrislo....... Assignado o Nome, Posto, Re-
giment, Batalho, ou Corpo a que pertenece. Se-
cretaria de Estado em 21 de Fevereiro de 1834.
Jeze Ignacio da Silva.
Do Islario da Administraco.
O
EDITAL.
U.'.........que ora por mandado de Sua Ma-
Illm. Senhor Inspector interino da Fazenda des-
ta Provincia manda publicar, que se ha tar em hasta publica, por tempo de hum anno, o for-
necimento de carne verde para as Embareaioes, e Ar-
cenal de Guerra ; devendo as pessoas, que se propose-
re m a contrariar o referido lornecimento comparecer
com seus fiadores perante a The/.ouraria (testa Provin-
cia, as Sessoi's de 14, 16, e 21 de Maio prximo
vindouro. E para constar se mandou publicar n pre-
sente pela Imprensa, e affxar nos, lugares pblicos.
Secretaria da Thezouraria de Pernambuco 14 de A-
brildel834.
No Impedimento do Offiial Maior
Ignacio dos Santos da Fonceca.
INTERIOR.
mTEssoas rindas do acampamento nos dio salisfutorias '
*m
-tr
wm


(Non) |iJk'|
policas .lo esta lo da jjucTrtl contra oi cubano,-, e nos
asseguro, que embora tenhi do durar anda algum
tempo j por que o inimigr, rst embrenhado as na-
tas onde lie mister bir caca-lo ; com ludo ha toda a
probabehdude de que por esla vez se acabe. He mui
limitado ocirculo a que esto reducidos osebanos,
nenhum ponto forte occuplc-, nio tem manlimento
nem municSes, nem fazera (Vente a nenhum corpo de
tropas oossas esto pois reduzidos a ultima extremi-
dade, e atacados por todos os Indos de necessidade bao
de ceder. Ajas a difieuldade est em pode-los lanear
das calas onde esto embreohados, e por isso hade
durar anda por algum tempo o guerra, que he ja an-
tes una especie de cacada de animaos feroces, do que
guerra contra o i ni migo deseuberto ; e he o que fa-
zem os Qossas tropas, corea-Ios por todos os lados, de<-
njhrw, e balter as maltas, c desencjva-los dos escon-
dni):. era que se oeulto. Da nossa parte reina a mai-
Qrartmdaile, e coracero, a tropa acha-se mui bem
disciplinada, .-as operares conlnuSo com todo o vi-
gor. Em uutro tempo podio-se os rbanos dUforcar,
vir as poyoacSes, prover-se de mantimentos, e muni-
coes,^e vullar s.d vos aosseus pontos: boje nao o po-
dem azer. Todo o terreno, que ocupao, e miis a-
mda esta sitiado, e deshabitado de gente nossa, de
sprte, que quera ahi aparece s pode vir do lado 'dos
inimigos, e como (abano he logo prezo. Em oulro
tempo at do proprio acampamento tiravo raunicOes :
o cartuxame desapareca, e fcil he de ver para onde
hia ; (lojeamaibr vigilancia reina neste particular.
JJums eartuxonao desaparece, que nao seja o solda-
do pbrigado a dar ronla delle, e por isso" castigado
com pransadai. A maor ordem, e disciplina reina
em todo* os pontos, esto cortadas todas as comunica-
roes, c os calanos faltos de todo o necessario, e aper-
lados, v. cacados de continuo de certo esto prximos
i sua total ruina. Do lado d'Alagoas observase a
>iu-sma ordem, artividade e vigilancia devida' nos ex-
forcos do Exm. Senhor Camargo, que tem sabido e-
mendar os erros, e restaurar a disciplina perdida no
lempo do Gommandante Leile. Eslava ja no acampa-
mento o Major JozB^Thomaz Henriqnes da Parahba,
que se dizia bir eommandr as tropas das Alagoas em
lugar do Coronel Lete, que m.uito bom Cdado, a-
migo do Brazil, era com ludo julgd mui poucoapto
para a commandancia c direceo da guerra, que exi-
ge conhecimentos locaes, e mais algumas qu.didades
que nelle se nao tem encontrado. Espernva-se todos
os das su i demisso, por olio mearan pedida, ou alias
dada pelo Prezidente, e que em breve partsse para o
Rio de Janeiro. Assm vo as coisas do Acampamen-
to, e se hotirer perseverancia, unio, duas coizas
sobre modo ncf-essaras, (eremos de ver etn breve a-
rabada lao devastadora guerra, edelida .1 nodoa, que
na reputdmelas du.w limtrofes Provincias ella tem
lineado,. XiU o esperamos do patriotismo, < aclivi-
dade dos Exms. Scnliores Carvalho, e Oamargo, da
pericia do Sr. Cnmmandante Joaquim Joze Luiz do
valor da nossa Oflvu'alidude, e tropa ali empragada, e
da justica da cauza, que defendemos.
"ni\mt
Lcem-sc no Biittith Packt as seguinf.es Noticias
que impoi to Uberdade de tuda a Ame-
rica.
t%da de Londres em de Novembrode 1833, do Snr.
Moreno, ministro plenipotenciario da repblica Ar-
gentina Corte de Londres, dirigida ao ministro dos
negocios estrangeiros em H. Ayres, ncluindo copia
de huma^communicacao da Legaco do Mxico em Pa-
rs, aoWerno do Mxico. Em a nota do Senhor
Moreno se diz que esta incidiosa manobra do Gabine-
te de Madnd era dirigida a remover as difieuldade*
da successao, pelo que respeita pessoa do infante D.
Carlos; o que llie inspirou a idea de procurar par
este Principe huma coroa, comporta de todo u aotjffo
vire-reinado le Ayres, incluido o Cbili, Bolivie
o l eru ; e que se traba I baria pira encapotar esle pla-
no com o pretexto de reeonheeer a independencia da-
uuelles paizes. Que esle designio absurdo cabio pela
baze, em consequeneia da morle de Fernando : mas
que, logo que a guerra civil na Pennsula acabaste
em favor da Rajaba, D. Carlos ficaria no carcter
de \ ertendente, e seria bom conselho removel o para
longe.
O
ial de
\j Monitor de honlem continha a pubraco o-
ficial dos documentos relativos ao projeclo da Corle de
Madrid, para establecer Monarchjas nos Estados da
America do Sul. Oque segu, lie bum abbreviado
esboppdo svu contheudo.J\. 1 : he huma nolta da- |
N. 2 : he a communieaco da Legaco do Mxico,
relenndo que o Governo fiespanhol escrevera ao seu
agente em Pars, determinando Ihe que tivesse huma
entrevista com os Agentes da America do Sul, resi-
dentes naquella Capital, ecolligisse as suas ideas cer-
ca de huma conferencia as fronteiras da Franca, en-
tre elles e alguns Commissarios Hespanboes ; que estes
ltimos levano plenos poderes, para fazerem ampias
concessoes &c. &e. Em consequeneia desla ola, o
.''gente Hespanhol dirigio-se ao Senhor Miguel de la
Lana, Enviado do Cbili, nico agente Americano
residente era Pars, requerendo-lhe huma entrevista
por meo do Snr. Rivadavia. O Senhor /larra res-
pgndeo que os Estados A menanos do Sul nao an-
ceavao pelo reconhecimento da sua Independencia
da parte da Hespanha ; que era a Hetpnnha quem
gannayacom isso. pelo consideravel commercio que
podena fazer com elles. Em todo o caso, se a Hes-
panha era sincera nosseus dezejos de negociar de hura
modo formal e decisivo com as repblicas do Sul da
America, que devia dirigirse a todas ellas, sem re-
serva.. A communieaco, que he muito longa, entra
entaoem huma variedade de tpicos, relativos ao ob-
jecto em queslo.
JN. 3 : he huma communieaco datada de B. Avret,
10deJinc.ro de 1834, do ministro dos negocioses-
trangeiros Thomaz Cuido, ao Senhor Moreno em
Londres, declarando que o Governo de 15. Ayres sen-
Uo a maior saVaco era lestenuinhar a uniformidad
de ideas entre os Goyernoi Americanos, de nao feze-
remamm.maconcesso Hespanha, para obterem o
reconhecimento da sua independencia. Que nao deve
admirar a tenacidad,, do Gabinete Ilespnnhol, mal in-
formado como est do espirito publico que reina na A-
meriea, e confiando em detalhes exagerados que Ihe
sao transmiltidos por seus agentes. Que a repblica
Argentina nao sollicitar o reconhecimento da sua in-
aeppndenrw pela Hespanha \ que l.um tal aconleci-
'^ntolhenoheindfferenle; mas que esse nunca
sera admitlido, excepto dcbaixo da forma republicana
que os Argentinos jurarao manter. Eis o que- ha so-
bre a especie de restaratelo que se pretende impr
America ex-Hespanhola.
Qualqucr que M-ja a laslimoza situaco das antipas
Colimas da Hespanha, retalhadas pela guerra civil" <
subordinadas ao dominio militar que ahi nao deixa de
repblicas se na'o o nome, toda-via nao he possivel bo-
je, a vdha Metropole preponderar em seus interesses,
e guiar os seus destinos. A Realeza ser odioza to-
aos os Estados da America do Sul que perlencero a
Hespanha, so por isso que Ibes vem, como hum pre-
PAGINApAO INCORRETA
_------r
mmm^mmm
w


(14(55)
sefcM da Mi Patria. Tudo he possivel no novo Con-
tinente, menos o jugo Europeo que a populadlo detes-
ta, pela reeordacao dos males que supportou por trez
.stculos, pela consideraco dos males que hirio cahir
T sobre hum paiz, sugeito de novo a vingativos domi-
nadores, e pelosentimento da dignidad* Americana
que sena ueste cazo aviltada at o derradeiro limite da
ignominia. No estado cm que cxistem as repblicas da
America do Sul, a Monarchia Constitucional seria tal
vez par,, ellas hum porto de seguranca e de repouzo,
dpdi do lautas tempestades, agitacSes e naufragios
polticos, He sob e>sa forma de governo que elles po-
dra..., quantoa nos, conciliar seus hbitos e educa-
Po raonarehiea, com as recentes p'ecizoes da liberda-
le que se 1,-ucm sentir, de hum modo irresistivel, em
tc.o d Mundo nvilizado. Porem a ultima influencia
donde esses Estados pdenlo receben hum Principe,
para governal-os, seria a da fespanha. Antigos odios,
justos resentanlos; e mesmo o desprezo, po/.ero
huma barren-a de separago invencivel entre a Metro-
pote, e su,s eveolonias. Hum Infante Castellano re-
tnta,,, ., Amonc, (0(los os; al4raeJ tw|||| as
'...(.cas todos os insultos, todas as crueldades que
r S Z^rJ "r^^oesj elle seria, com
raMo justrficada, hum objerto de aversao, irreconci-
nel com o espirito publico, o alvo de todas as tenta-
dJTlTT n,Pal' Pnra a 'bertarem, a pedra
de e cndalo dos filhos do paiz, e o fraco centro a que
se
*as
te reumssehum p.r idosubjugado equasi extinto nes-
contra TaS, ??hUc*S- Fernando pela forca e
* VOnade rf* povos, esse Principe, cazo po-
r^:SpWPmqr!lIaer ^ ''America do
T LSn ^V.'1 ^'"^ de reconciliar por algnm tempo
H faecdes drergentes, atrahindo todas a'fforcas dev
S2SS sv ria,,le d^fed'ra,i$,a> e ^SriS,
q'enduu,,, da Ameno; eludir o jugo do Castelha-
do'da A,n,reT ^ C;,r,e (,e Wadrid alnd (1-PO""
me mo n '. f^0 d<5 h,,m frod subaltern, e
Sk, n r'Tr para onde manda "s SP"^'-
Tfarono nS '*" rn <,0,S ^ <*rtendam manten"no
1 roo p^uena filha de Fernando 7.- ; va para os
* ados do 8.1, e sej ahi Re de Americanos PQ,!
ci: IU'inl 'T"ll'o, e quanta falta deconhe-
un lodascouzas, nesla suppoUa nccomodac.o O
l mpo a dev,, ier pa^do em que lVae e a IT r^",!",S deca< o filho. ao rmfio
S._ ou daquea testa coroada, porque assim eonvinha
Taind. i-'" lS ka?," fein^. W "se tom-
,0-ind,nao passou de todo ; se hum Othon na Gre-
a, se hum Leopoldo na Blgica prbfo que o princi-
po espe aala.oda subsiste J velha Eur^a, vea-se
nanlas ltenles, quanlai delicadezas foi misferguar-
dar, quantas coneesses foi mister facers d do
seculo para collocar otes dons Principes nos thronos
qneselheserguerao. A primeira destas condss6es
o o-egimen reprez,nta.vo, pelo qual hoje anhelao
O" pugno todos os povos cultos. l,s na America
hum Hespanbol hum n r.nU. i i n,ie,Ka
nn*M i i darlos, o absohitismo p-r-
notincado sobre o ihronn Til Mk: i i
An^ m' i J,Uirono 'al combinacao he di^na
dos m.ms ros de Fernando 7. : 5 elles podiao c er
que os Estados do Sul descessem a esse batimento e
dix(./.a. i\ao mais va|e combat(>r pm nomR da [iher
uaue, anda mesmo sem encontral-a por largo lempo,
maniendo o decoro c a independencia do paiz.
(Da aurora.)
. -
A
sabt0O0 do Correto.
Escuna Brasileira recebe a mala para a Ilha
de S. [Miguel hoje (16) pelas 9 horas da manha.
UUVUUi
s
2nbto0 a Carga.
Para o Aiacali.
Egue vingem a bem conhecida Sumaca S. Joze Pa^
lafoz forrada de cobre, e muito veleira, sahir impre-
tenvelmente no dia 1. de Maio prximo vindouro,
por ter a maior parte da sua carga pronpta : quem nu
mesma quizer carregar dirija-se a ra da Cruz n. 17.
iLetlao'.
CPOh'nston Pater & Comp; fazem leilo de urna gran-
de porca'o de fazendas limpas e avariadas no dia 10
do corrente as cazas de sua residencia ra da Madn-
de Dos, pelas onze horas da manh.
D
rntumm
<3cn&a0.
as negrinhas de 13 par 14 anuos, por preco
cummodo : na venda da ra do Cebo.
&^- Bixasde boa qualidade : na ra Nora Botica
^^* Caf muido muito superior, orchata de si-
mente de melancia, e assucar refinado : no Bulequim
junto a ponte da Boa-vista.
fc^" Vende-se, ou arrenda se um sitio no lugar du
rapunga a margem do rio capibara be com boa casa de
pedra e cal, cacimba d'agoa de beber, e frurieiras de
toda qualidade : no beco do Tambi na Boa-vista n.
23, pegado ao YJestre regio.
^r^* Sag e sevadinha fina por preco commodo, e
urna canoa nova de carreira : na ra da Cruzesarma-
zem n. 131.
^3 Um moleque de 12 anuos do gento de An-
gola : na ra da Penha defronte do nixo da Assump-
co D. 11. '
^^* Capim muito bom, e por preco muito commo-
do : as 5 Ponas a fallar com Luix Antonio da Silva.
T^" Urna armaco de venda cita #em bom local no
vallor de GO^J res : anuncie.
$3" 50 cauoens pequeos com doces sonidos bem
acodicionados : no beco do Marisco D. 9.
^T^" Barricas de-serveja pela e branca, vinho de
todas as qualidades, tintas de todas as cores, oleo de
linhaca, caixinhas de poz de secdlelz : no armazem de
Diogo Halliday & Comp, ra da Cru n. 53.
WT* Tijollo de boa qualidade, posto em qualquer
porto que se precise, cm grande porco: nos Api-
pucos olaria de Joaquim do Reg, ou na ra do Ca-
Dg loja do Mello.
*&&* Um moleque de 18 a unos, bom para o servi-
co de campo, e hbil para qualquer oulro servico : na
ra ruado Bangel 13. 8.
l?3* Urna bairelina a fu n la di com os seos apare-
Ihos para G. N. : na ra das 5 Ponas venda D. 4.
^- Um preto de naci, 40 anuos, e preco com-
modo : no pateo de S. Pedro sobrado de 1 andar, com
varandas de ferro do lado do nascente que se acha sem
numero.
\&* Urna escrava crila de 19 annos, com algu-
mas habilidades de servico de caza : na ra Velha ca-



(1466)
a envidracada ao p do Professor de priraeiras let-
tras.
$^* Para fora da trra urna escrava crila .de 18
annos, engoma, cote, e cosinha : no pateo de Santa
Cruz.sobrado de 2 andares que fica em frente ao oito
da Igreja.
A.
CoropraJ.
.Lvumas obras antigs de diamante ou brilhante,
que sejo grandes : anuncie.
^3f- Um palanquim em bom uzo : na Pracinha do
Livramento D. 24.
^^- Urna casa de dois andares no Bairro de San-
to Antonio, e outra terrea : na ra do Collegio D. 8,
1." andar.
$3" Urna Arle Franceza em bom uzo, por l'Ho-
mond, como tambem urna Arte La ti un, por danlas :
na ra do Nogueira D. 19.
F
* v .%.- v%v*/
furto.
Urtou-se de urna estante um livro intitulado Ele-
mentos da Civilidade, por Prevest: a quem for offe-
recido, querendo restituil-o, dirija-se a ra do No-
gueira D. 19, lado do'.Sul, onde se Ihe dar as alviea-
ras, ou o custo porque Coi comprado.
fe***"***'***
- dmjos particulares.
I Em deliberado a Meza actual da Vencravel Ordem
3.* do Carmo desta Cidade fazer em o dia 20 do cor-
rente pelas nove horas da manh urna Meza Geral, a-
fim de se tratar a cerca do Hospital da mesma Ordem
sobre a sua conservadlo, e progresso, ou sua demoli-
o ; e por isso roga a todos osIrmos3.* Proessos
hajo dt comparecer nesse dia hora indicada, para
se concluir lo importante negocio.
Pedro Ignacio da Cunha.
Secretario.
^&" O Snr. que empenhou urna cala de prata na
venda da ra do Cebo querr hit* trala dentro eui 15
dias salisl'azendo a quantia de que devedor, do con-
trario fiear a dita pela mesma quantia.
|E|^ Quem anunciou querer comprar as Oriie-
nacoens do Reino,; dirija-se ao armazem de vidros
ao lado da Cadeia*
C^" Quem anunciou querer comprar o trancelim
ecordo de ouro : dirija-se a Tremne buscando o
Moudego delrontc do sitio do falescido Vigario em u-
ma casa lerria pintada de verde com calcada alta que
se dir quem o vende.
$r^" Quemtiver adiado alguma mobillvis roupas,
pesssas de vallor, e outras joias da casa queimada da
ruado Vigario, na imite do dia 13 para 14 do corre-
le e as queira restituir, se dirigiro a Praca do Com-
mercio em casa de Joze Manoel Fiuza, ou na ra da
Cruz em casa de Francisco Mamede d'Almeida, asse-
veramlo'-ae Mies que sero gratificados com superiori-
dade ao valor que por ellas poderoo achar.
$3- O Juiz de Paz Suplente do 5. Districto das 5
Pontas faz publico que elle Cara audiencia as Segun-
dase Quintas Ceiras pelas 4 horas da tarde.
^C^* Lava se, e engomase por preco commodo :
no paleo da Soledade deCronte da Igreja em urna ca-
za de rotulas verdes pintadas de novo.
$^ O abaixo assignado tendo despedido a Anto-'
nio Joze de Santa Anua de ser seu caixeiro por moti-
vos, e tendo anunciado por esta mesma folha, que
pessoa alguma pague ao dito, e como tem noticia que
elle anda cobrando as ditas, dividas para nao pagaros
prejuzosque deo na loja do anunciante \ de novo faz
certa, que nao paguem ao dito Santa Anna, por elle Y
ficar a dever ao anunciante, e dar para pagamento V
ditas dividas, cuja relaco se acha junt ao balanco,
que o anunciante tem era seo poder.
Domingos Barboza Rodrigues.
<83T Quem anunciou ter para vender 4 encerados
de cobrir caixas 5 dirija-se ao alterro da Boa-vista D,
53.
$3P O Snr. Tenente que recebeo o anno passado
no Acampamento de Agoa Preta a quantia de 18#>160
res em moeda de prata da mao do Cirurgio Ajudan-
te decommisso Lino da Penha de Franca, para dar a
mi do dito, queira vir entregar ao proprio em sua
casa ra Direita sobrado D. 20.
^^- A pessoa que anunciou, ou outra qualquer,
que se queira arranjar de caixeiro em um Eecriplorio,
senda tenha conhecimento de escripturacao commer-
cial, dirija-se a ruu do Vigario, armazem de Antonio
Francisco Maya, que alli se lhe dir com quem dev
tratar.
^r^- Quem percizar de urna ama escrava engoma-
deira. cosinha o diario de urna casa, e niuito hbil pa-
ra todo o servico menos para ra \ dirija-se a ra do
Nogueira n. 17.
3- A pessoa, que anunciou ter urna negrinta
crila de 6 para 7 annos com principio de costura, pa-
ra vender, dirija-se ao Forte do Mallos, prenca de
Pedro Francisco de Mello, ou anuncie a sua morada.
V&" Perciza-se de um caixeiro Portuguez de 12 a
14 annos, dando fiador asna conducta ; detraz da
Matriz da Boa-vista primeira casa.
yy Quem peroisar de um homem para feitor, de
um sitio, ou para engenho 5 dirija se ao Mondego na
venda n. 27.
%**. **v
"$txzvox tfugiDo*.
iNnocencio, idade 8 annos, mal encarado, rnbeea
grande, testa acarneirada, olhos pequeos, peschatos,
e falla om tanto grossa j fgido no dia 12 do correte
levando vestido carniza e sironla de algodo : supoem-
se. ter sido furtado por haver noticia de ter sido neo
trado na passagem de S' Anna, e no atravessar do rio
Monteiro em podor de um matulo: o Recife a casa
n. 45 de D. Izabel Maria Ferreira que ser recom-
pensado.
^3* Anglica de naco, altura mediana, bem pre-
ta, ealgum tanto barriguda, olhos vivos, e quando a
querem pegar diz ser escrava de Marcelina Maria da
Conceico : casa do Capito Antonio da Silva San_-
tiago que ser recompensado.
CT Joaquina crila, cor preta, baixa do Cor DO,
cabecae testa um tanto grande, bocea grande, e pes
pequeos; fgida no dia 12 do corrente : ra do
Collegio D. 4, 3. andar, quesera bem recompensado.
% ******** *** ** *
.%m ^**<**********^*********/**~*^~*****^*^%*>*
NOTICIAS MARTIMAS.
Navios saludos no dia 13.
K.IO FOMOZO ; S. Santo Antonio Ligeiro, M.
Joze de Dos Monleiro : lastro.
Dia 14.
PARAHIBA ; Hiate Ptazeres ParaJubano, M-
Joo David : varios gneros.
*
lJtRjf. jv- Tvp. do Dijrio 1834.
~*-
TT-T


tfcjrUJYWI,
i\
O
.
Abaixoassiguadona qualidade de ex
socio administrador e caixa da extincta fir-
ma denominada Lima Jnior Braga e
Companhia tem a satisfacao de fazer
certo ao respeitavel publico, e mu particu-
larmente ao digno Corpo do Commercio
desta Cidade, que tendo dissolvido asua so-
tiedade em 1832, e pago logo, emfazendas
e_ crditos, ao Pay de seus ex socios pelo
que aos mesmos pertenceu Rs. 28:280$690,
ficara a cargo do annunciante a inolemni-
zaco do debito passivo a que a mesma so*
ciedade estava sujeita na importancia de
Rs. 30:000^000: hoje com a maior gloria
annuncia que dita firma nada deve. Ornes-
ino respeitavel publico e mui digno Corpo
do Commercio tem perfeito conhecimento
da espinhoza tarefa de que o annunciante
tomou cota, e d'elladeu inteiro cuprimento,
e n'huma poca assas desgracada para o
commercio! Sim; porque tendo o annun-
ciante contrahido uim debito passivo em
1829 de maisde Rs. 100:000^000 seus ex
socios, aconselhados por malvadas pessoas
pouco afei^oadas ao annunciante, Ihe mo-
verao huma renhida escandoloza questao,
que o resultado d'ella, e de murmurbalo de
ditos seus dezateicoados foi reduzir a firma
a menor crdito! Todava o annunciante
foi continuando o seu commercio no meio
de imen^os vexames e afflices por que se-
us inimigos anoticiavao, como certo, que
a caza nao tinha fdos suficientes com que
satisfizesse seu debito passivo, em conse-
quencia do que, por muito tempo, o obje-
cto das conversa9oes dos taes meus Srs era
a caza de L. J. B: e Comp. nao tarda a
falir; amanhaa sao-Ihe feixadas as portas
&c. &c. &c.
Ah Malvados! E assim he que vos intitu-
lae9 religiosos? Roubando aquillo que nem
vos pezados a ouro sois capazes de restitu-
irdes, qual o crdito ? !
Se nesta occazio Dos me favorecesse
com erigenho, de que nao sou dotado, e a
minha trmula mo me pertnitisse escrever
sobreest assumpto quanto tenho no dezejo,
seria principiar e nao acabar !
Apezar de tudo isto parte dos benignos
credores da caza conhecero muito bem a
intriga, por via das deligencias que o an-
nunciante fez para desmintir taes voatos:
em consequencia do que foro suprindo a
caza com fezendas; apezar de que com
menos confianza : com tudo em 1830 an-
da a caza comprou Rs. 52:482^983; em
1831 Rs. 19:626^930; tendo comprado
desde Setembro de 1828 ate Dezembro de
1829 Rs. 172:379#486 montando todas as
compras a cima em Rs. 244:489^339, alem
de outras avultadas somas contrahidas por
diversas repart9oes; do que nada se deve
como dito fica, sem diminu9ao alguma.
O annunciante tem por esta occazio a pe-
dir aquellas pessoas, que inviarao cartas,
firmadas ao Snr. Manoel Joze Pereira Li-
ma, do Porto, em que Ihe certificarao qne o
annunciante nao pagava o debito que con-
trahio nesta praQa, que Ihe fa9ao certo des-
te annuncio, e que se desdi gao do que fala-
rao em desabono, e deslustre do crdito do
annunciante, e assim cumpriro religiosa-
mente com seu dever, j que tiverao a fra-
queza de falarem tanto sem conhecimento
de caliza. O mesmo convite faz aquelles
individuos que tiverao a lembran9a de in-
viar ao mesmo Snr. Lima, iguaes cartas, e
que por vergonha as nao assignarao. Parte
deste roubadores do crdito do ajinuncian-
te bem conhecidos sao por elle : a favor de
huns. e outros, se fica rogando a Dcos que Ihcs recompence os ser-
vidos que prestarao, conforme os seus merecimentos; a pozar de
que para satisfago do annunciante basta elles terem ficado por men-
tirosos, e mesmo do roubo que fizerao ao de ser atinuados dos ter-
riveis remreos da conciencia; isto he aquelles que d'ella professarem
alguns vestigios.
O annunciante tem por esta monna occazio de assegurar a seus
mui diminutos credores de sua firma particular, que em breve tempo
Ihcs far annuncio que de seu debito passivo contrahido at hoje, na>
da deve: fazendo-lhes desde ja certo. que nao est honerade a ma
de Rs. 2:4O0U00O, e para garanta d'elles ainda fica em seu poder o
valor de Rs. 44:CCOUCCO cm crditos a receber.
A vista do prezente annuncio espera o abaixo assignado que ;eus
contrarios obriguem suas depravadas lingoas a conterem-se rm se-
us limites ; sendo o contrario, efleitos, sem a menor contradicho, de
sua mui vil e rasteira rducarao, e mui particulaimente, falta de
principios commerciaes, e de Religiao. Pernambuco 14 de Abril
de 1634.
Manoel Joze Go nsalves Braga.
Impresso em Pern. na Typ. do Diarto 1 834
.1
m

z


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EMVT7X6JK_NC86PC INGEST_TIME 2013-03-27T17:04:43Z PACKAGE AA00011611_02487
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES