Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:02485


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO UE 1834, SEGUNDA FEIRA 14 DE ABRIL
**>-*** %*%%*.%,,
NUMERO 364
UMLlR8VGQ

IL,l_.. '-!?. !'-!
t,,sr.v,.-st. merisalmenio a540 reis. adiantados. ha TiPormfii
o w.ar.o. ,,. (la viain/ de S. Antonio sobrado da |>..na larffa
ae >.,. n-i.ei.viii correspondencias. anuncios; vsles insireni-se
ralis sendo ios prounos assijjnaues xoinenie e vindo assiiraados.
Tildo agora depend- de nos nicsnuis. da nossa pmd.-ncia. m
derarao. e enerna : continuemos como principiamos e seremos
aponanos coiii artmiraro entre as Naroc. man. culi..-.
Ptor-liima^Tiu dn Aste.mblen crnt 3mpjrc0so cm #cnumuco por a. 91- De tiranta flalca'o.
aac ii mu i DAS da SEMANA.
i i
h '
2.a S. Tiburcio -A. dos J.'do C. He ra., e de t, Ses.
da Thez. P., e Ch. det.- P. as 8 h. 30 m. da m.
**- S. Basili.isa- Rel.*m de m., e aud. do J. do
Orfos det. P. a 9 h. 18 m. da m.
4.1 S. Engracia-Sos. da Thezouraria Publica. Pr. as
10 h. 6m. da m.
5.*-S. Aniceto -Re.""de m., Aud. dos J.'do Cv.
de m. e de t.. e Ch. Pr. as 10 h. 54 m. da ra.
6.a -S. Cardeal- Ses. da Thez. P. de m. e Aud. do
T. de Orfans do t. P. as 11 h. e 42 m. da m.
Sahhado-5. ffermogenes-T{\.*m de m. eaud. doVfj.
G. de t. Preamar aos 30 m. da t.
Dom.- S. Sulpicio Preamar as 1 h. 18 minutos
da tarde!
PROMOTORIA PUBLICA.
*Li.m8 Snr. Prezidente da Relaco da ProvinciaPe
rante V. S. denuncia, Joze Tavare Gomes da Fonce-
ca Promotor Publico neste Municipio, do Doulor Juiz
de Direito e Chefe de Polica desla Comarca do Recife,
Francisco Mua de Freitas e Albuquerque, ea raso
de sua denuncia consiste no que pasta aexpor. Ten-
do o Denunciado feilo reunir no dia 3 do correte
meas, cm sua casa na ra da Aurora da Boa-vista, hu-
ma Junta Policial, na conformidade do Decreto de 9
de Julho de 1831, para tomarem-se algumasmedidas a
cerca da caprxoza regeico, que da moeda de cobre
se esta va fazendo nesla Cidade, foi o resultado dessa
reunio, a que prrzdo o Denunciado, deliberar-se
unnimemente contra a Le de 3 deOutubrode 1833,
que se obrifjasse o Povo a receber a moeda de
cobre, que tivesse o canto vzivel, sem dislinen alftu-
ma de ser, ou nao fundida, e a de 80 reis, que tivesse
de 7 a 8 oitavas, delberaeo que o Denunciado nao
podia tomar por ser huma perfeta uzurpacodo Po
der 'Legislativo a quem s he dado, o poder de fi/i-r
Leis, interprtalas, suspndelas, e revcalas, como he
expresso na Conslituico Poltica do Imperio, Art.
15 8.", e nao a nenhum Juiz de Direito, ou Junta
Policial a quem s cumpre lazer obedecer a Lei, e nao
interprtala, suspndela, e revo^la, como fez o Juiz
Denunciado mandando, que corresse a Torca a moeda
falsa de cobre, contra o difposlo nos Art. G. e 7. da
referida Le de 3 de Oulnhro. F, como com este pro-
cedimento o Juiz Denunciado se ten ha lomado crimi-
noso, e esteja incurso as penas do A-rt. 1 42 do Cod.
Crim., c as do Art. 8." da citada Le, o Supplicante
o denuncia ante V. S a quem requer, (jne, tomando
por termo seu juramento, e distribuida estaseja o mes-
mo ouvido na forma do Art. 159 to Cod. do Proc, e
depois pronunciado a vista do documento junto, que
o Acrece, como prova -- Pede a V. S. seja servido Ikfl
deferir E. R. M. Recfe 11 de Abril 1834
Joze Tavares Gomes da Fonceca.
Perante V. S., Snr. Juiz de Paz Suplente do
l.Districto do Sacramento da Boa-vista, denuncia
Joze Tarares Gomes da Fonceca, Promotor Publico
neste Municipio, dos Cidadans Joze Bernardo de F-
ftueredo, Juiz de Paz do 1. Distrcto do Collepio,
Antonio Francisco Batista de Almeda, Juiz de Paz
do 3. Districto doCarmo, Joze Hignio de Miranda.
Juiz de Paz do 4. Districto da Ribeira, Joze Antonio
Correa Gomes, Juiz de Paz do 1. Districto da Varzea,
Francisco de Paula Gomes dos Santos, Juiz de Paz do
2." Districto do Sacramento do Bairro de Santo Anto*
nio, Joaquina Mara de Carvalho, Juiz de Paz do 5.
Districto das Cinco Ponas, Joze Themulco Ferreira
Bastos, Juiz de Paz do 2. Distrito da Varzea, Clau-
dio Perrira de Carvalho, Juiz de Paz do 3. Districto
do Barro Vermelho, Manoel Thomaz Sodrgues Cana-
pelo, Juiz de Paz do 5 Districto di Bemfiea. Rufino
Jo/e Correa de Almeda, Juiz de Paz do 3. Districto
da Estancia, Francisco de Salles Rcjo e Andrade, Ju-
iz de Paz do 4. Districto dos Aflojados, Patricio Jo-
ze Bordes, Juiz de Paz do 2. Dislriclo da Santa Cruz,
Francisco Rodrigues Maxado, Juiz de Paz do 3. Dis-
tricto da Madre Dos, e J.e Bernardo da Gama, Juiz de
Paz do I. Districto da Boa-vista, ea razio de sua de-
nuncia he a seguidle. Tendo-se no da 3 da corren-
te mez, os Denunciados reunido em Junta Policial, na
cara do Juiz fie Direito e Chefe de Polica, na ra da
Aurora drsse Deslricto, para tomarem medidas acer-
ca di caprixoza regeirfo da moeda de cobre,
que ruste Municipio se eslava fazendo, o resultado
d-ssa reunan foi deliberaren) unnimemente, contra
a Lei de 3 .1.-Oulnbro de 1833, que fosse recebida B
moeda (!c cobre, que tivesse <>eui|ho visivel, sem dis-
lincu. al;nimi de ser, ou nao undidg, e a de 80 reis
que tives.e. de 7 a 8 oitavas, deliberarn que nao po-
diao tomar por ser huma usurpa co do Poder Legisla-
tivo a quem fi lie dado o pode de fazer Leis, inter-
prtalas, suspndelas, e revcalas, como determina
a Constituirlo do Imperio, Art. 15 8.", e nao aos
Juizes de Paz reunidos em Junta Policial por o De-
creto de 0 de Julho de 1831, aos quaes s ciimpr.i
(azer com que o Povo obedecesse a citada Lei, e nao
a ord-ns arbitrarias dadas pira que se recebesse a mo-
eda de cobra fl, em consequencia da arbitraria de-
liberaclo tornad- em dita Junta no dia 3 do crrente
Cjue, lendo os Denunciados incorrdo as penas dos
Arlaos 143 do Codito Crimina!, e 8. da Lei de 3 de
Ontubro, o Supplicante os denuncia a V. S. u quem
requer, que, lomarlo por termo seu juramento, sejo
os Denunciados ouvidos na forma do Art. 159 do Co-
dito do Prnccsso e depois pronunciados, a visla do
documenfo junio, que o Re rece como prova. Pede a
Vv S. seja servido Ihe diferirE. R. M.Recife 11
de Abril de 1834. Joze Tavares Gomes da Fonce
ea.
i
TT-7
7T


i
(V456)
lirj. Scnhor irio proccder-$ a
iKtnae na ooeda de cobre, se tem recolhido nes.-a
Thezouraria, em virtude do Art. 1.* da Carla de Le
de 3 de Qutubro de 1833, e pela qual se ha dado co-
nhecimentos, que tem agora de serem substituidos
por sedulas; peco a V. S. que a bem da Cauza Publi-
ca, haja de designar-me da e bora em que eu, e o
Juiz de Par respectivo devemos ahi comparecer para
o referido exame a que dpvem to bem assistir V. S.,
e o Doutor Procurador Fiscal.
Dos Guarde a V. S. Recife 12 de Abril de 1834
Illm. Senhor Joo Goncalves da Silva, Inspector In-
terino daTh-zourariaJoze Tavares Gomes da Fon-
ceca, Promotor Publico.
Publicaco d pedido.
MLi.m. e Exm. SenborQuando pela avancada do
Commandanle Geral do Termo contra os malvados, se
julgavo livres de semelhanle orda de salteadores os
pacifico* ii.ibitnntes desla Villa, supondo occupados
os lugares d'afluencia daquelles : he quando (sem o
pensarmos) no (lia 21 docorrente pelas G horas da ma-
nila livero os inimigos de atacarem pela antiga estra-
da do commercio para cssa Capital, e esta que supon-
do-se livre de tal bando de malvados nao conservara
tropas, e nem municoes blicas.
Atacada de surprza mas no apuro de rezistirem, ou
morrerem cruelmente, alguns dos pouquissimos que
existido fi/.ero-lhes por qualro partes a mais hrilhante
rezistenea, e durante esta meia hora mais ou mpnos;
, e quando por todas as entradas desta oprimida Villa a
porfa acodem acarreiras Cidadosde todas asclasses,
o que sendo observado pelos inimigos, em vergonhosa
fuga desamparar, a Villa a quem lindan jsitiado por
todos os lados, deixando um dos d'estes morto, e dois
graveso Gipio da cxlin< ta Ordenanca Joze Paes de
Lira, e um soldado e.G. N. que passado 9 (lias fal-
lesceo, sendo al indivisivel aocorrencia de Cidadns,
e o dezejo de perseguirem o inimigo fez o Prezident
deste Municipio Antonio Teixeira de Macedo expedir
urna partida de 39 pracas porque s para estes desco-
briu-se mnnicows, a qual Coi encarregada ao Juiz de
Paz Bernardo Joze da Cesta, o qual topando-os no lu-
gar da Caxoeirinha depois d'um vivo fogo debandou-
os, observando-se elles conduzirem alguns morios, e
bstate sague pela estrada de sua fuga, tomouse Ihes 13
cabecas de gado yacum, eScavalaes. Avista da aflu-
encia voluntaria, e Patriotismo que aprezentSo os ha-
bitantes dest,- Termo afirmamos a V. Exc. que jamis
progridir semelhinte cfila de salteadores. Temos
mais a levar ao conhecimento de V. F.\c. que no dia
23 ajuutando-se o Povo em massa pediro a este Mu-
nicipio providencias sobre a guarnicao para esla Villa,
pois que a muito se achava em total abandono ; e con-
vocando o Prezident os Venadores para urna ses^o
extraordinaria, deliberou-se que se ofRciasse ao Com-
mandante Geral das Forcas deGaranhuns em opera-
coes contra os rebeldes, houvesse mandar um desta-
camento de 50 homens, s anuiu o dito Commandan-
te 31 Pracas, asquaes deverio ser su pridas por el-
le.
He o quanto temos a expor a V. Exc. a quem Dos
Guarde como he mister. Caza da Cmara na Villa de
Garanhuns em sesso extraordinaria de 23 le Feve-
reiro de 1834Illm. e Exm. Senhor Manoel de Car-
valho Paes de Andrade, Vice Prezident da Provincia
Antonio Teixeira de Macedo, P.Antonio Lopes
ViannaOuinliliaqo Ferrejra. fy Qqnha Oliveira-^-
oel dos Sanios Mulloi ,ao ignacio de veioEs-
ta conforme. Eu Joze de Lima e Silva Secretario que
o escrevi.
** % v% X% %%
o
Continuacao do If. 163.
S armazens de deposito (entrepts) sao o comple-
mento das boas estradas. A Inglaterra nosofferece to
bem excellentes modelos para a organizaco interior
destes vastos bazares. As novas dohas de Sania Ca-
tharna em Londres parecem-me exceder tudo que o
genio do commercio tenha imaginado al hoje com
maior perfei^o. Hum navio de 500 toneladas pode
ser descarregado n'hum dia, e veem-se circular sobre
caminhos de ferro areos, carros guarnecidos de gan-
chos, por meio dos quaes os fardos sao conducidos
com huma facilidade extrema.
Huma curiosidade infatigavel eciosa me chama cm-
pre este paiz classico da industria e do commercio.
Nao posso expremir-vos o contraste afflictivo, que a
Franca offerece meusolhos, quando alravesso u
Mancha, e revejo as tristes aldeias da Picarda. Esta
comparacao das aldeas inglezas, cuja limpeza he lao at-
traliva, e as avenidas to elegantes-, eslas janellas or-
nadas de flores at fronleira da Eseossia, &c. &c,
tudo excila em mim o sentimento de nao ver meus Con-
cidados gozando das mesmas vantagens. Hum senti-
mento profundo de convieco me diz, que a Franca
tem em si os germens da fortuna, e que ella s carece
d'hum impulso aclivo para os desenvolver. A rique-
za tem ja feito lao grandes progressos entre nos e
nosso solo, quasi todo virgem, encerra thezouros to
preciosos! Nos os fecundaremos ; vira hum dia, em
qne os trigos de Beaure podero concorrer em Marse-
lha com os d'Odessa, Cidade moderna, e filha da li-
berdade do commercio.
A economia poltica tem illucidado muito estas gran-
des qnesloes de prosperidade nacional. Quantas tem
ella s per si j resolvido Quem defende hoje, por
excmplo, as vantagens da cultura pelos negros ? a sei-
encia demonslrou, aos que a humanidades nao pode
convencer, que se o commercio da escravatura era con-
trario as leis da moral, Lo bem nao deixava de o ser
ao interesse bem entendido dos plantadores, que hoje
ja reconhecem que os negros sao operarios infinita-
mente mais dispendiosos do que os outros. Tobem
sereconhece, que nenliuma prosperidade he solada
sobre a trra, nenhnm infortunio sem compensaco
sobre qualquer parte do globo, e abandona se geral-
mente o prejuizo fatal, que aquillo que he nocivo
huns, pode aproveitar outros. Deste modo desap-
parecero as antigs cauzas de inimizade e ruina entre
os Povos. Huma m noticia de Franca faz cahir os
fundos em Londres, eos povos torno-se assim mutu-
amente reponsaveis de qual quer ataque imprudente
feito paz. Esta nova disposicao he de hum agouro
favor.wel, e parece nos ser o signal d'huma amanea
verdadeiramente sania ntreos Povos civilisados para
sustentar os progressos da civilisaco.
As grandes questScs industriaes tendem hoje tor-
nar se polticas. Huma disidencia industrial deu lu-
gar sepiraco da Blgica e da Hollanda. Huma dis-
sidencia da mesma onlem manifestou-se, ha pouco
lempo, entre os Estados do Norte eos do Sul d'Ame-
rica Septentrional. Os manufactores do Norte pre-
tendio sujetar toda a Unio tarifas, que virio a ser
funestas s Provincias do Sul: estas insurgiro so ,
porem a prudencia do Governo Americano sobe pre-
venir por sabias concessoes huma colliso deploravel,
triunfando desta sorte a fortuna da Unio dos resenli-
mentos e prejuizos antigos.

-----------
TT


(1457:
Pr^enterrfente a Inglaterra he aguda por outras
quesloes de economa poltica nao menos importantes,
decusa se pagar nesle paiz o imposto das portas e le-
las, que he ma.s avultado para a trapeira do pobre
do que para as jnr.elas dos palacios do aristcrata. A
Irlanda eatholica insurge-se contra o dizimo dos pa-
dres protestantes. Na grande Assemblea Popular de
lirrningham, hum banquriro sustentou, em prezen-
ca decem mil homens reunidos n'hum campo, as van-
tagens do crdito attacado por hum adversario elo-
qucnte. Estes, e outros muitos acontec imentos pro-
rao, que he chegado o momento de discutir seriamente
as grandes dificuldades dacivilisaco industrial. S
alla a Fnnca, para elevar sua industria ao grao que
tem direito, conhecer-se si mesma, e applicar com
mais discertumento aos magnficos recursos do seu ter-
ritorio a intelligencia, e a potencia productora de
soiis habitantes. Convem arrancar os soldados esta
vidaorciosa, que os fatiga e enerva : o soldado ser,
quando se quiser, o typo do trabalhador, por isso que
rene a forca physica e exactido do servico a sobor-
dinacaoe o senlimento d'honra, que sao mais particu-
larmente inherentes n sua prafisso. O melhor canal
da huropa, 0 de Gothia na Suecia, foi feito por sol-
dados : as melhores estradas da Escossia foro constru-
idas por soldados : as melhores fortalezas da Belpica
lorao ed.ficadas por soldados. Se fora necessario, a-
cha riamos nos Romanos muitos exemplos, que com-
|>rov"o aquillo mesmo.
Confiemos no futuro industrial e commercial da
tranca. Diminuamos nossos impostos sobre os ob-
jectos de primeira necessidade ; substituamos por di-
reilos rasoaveis as prohibicoes absolutas ; cubramos o
territorio de canaes e de estradas nos lugares, onde
elles orem favoraveis circulaco dos productos, a fim
de duplicar etnplar o seu valor: acautelemo-nos de
despresar nossas forcas vivas, e de pagar por mais
lempo trezentos milhoes por anno ao budget da Puer-
ra, que so serv-m para inutilisar forcas, que poderi-
ao lornar-se a alma da industria. Tudo islo be fcc-
tivel. OGoverno ja deu o impulso neste anno : ob-
teve cem milhoes para trabalhos de embellesamento
o que se Ibe nao conceder para trabalhos de utilida-
de i*
(Do Correio Oficial.)
vv
o
3bto0 do Correio.
Brigue Lu.za deque he Cap. Joze Gomes Vello-
zo, sai para o Maranho no dia 30 do corrente.
fc^ A Escuna Jovina recebe a mala para o Mara-
nho hoje (14) do corrente ao meio da.
K&- OsCorreios Terrestres para Limeira, e Para-
niha partem hoje(l4)ao meio da.
K3- O Paquete Nacional da Baha recebe as ma-
las para as Provincs do Sul hoje as 9 horas da noi-
U.
MnM***
(HeriDa*.
IM earnnlio Inglez de dnas rodas, bem montado,
com oseo competente cavallo, edemui linda pelle :
na cocheira da ra Nova era os dias 14, e 15 do cor-
rente.
&^- 2 bracos de balanca para pezar al 20 arrobas
por banda, e |ouro e prata para dourar : na ra do
y ueimado n. 30, ou na ra da Cadeia n. 5.
K3* A posse de um terreno com 300 palmos de
frente e 600 e tantos de fundo,, terreno bom para se
lazer um sitio por ser boa qualidade de trras e
das mais altas que tem a planice de Santo Amaro, afo-
radas aoSr. Ve.ga, e tambem se troca por um escra-
vo, ou canoa aberta, ou de conduzir agoa, voltando-
se de parte parte o que fizer conta segundo o nego-
cio que se tratar : na ra Nova junto a ponte arm-
zem que tem louca de barro.
fc3 Um terreno com paredes volhas em Olinda
na ra de S. Bento : na mesma ra, sobrado n. 30.
tr^- 1 braco de balanca grande, proprio para pe-
zar cautas, 20 e tantas libras de relroz do Porto, pe-
lo e ferrete : o Index Alfabtico das Leis do Brazil :
na ruadaCadfia velha n. 5.
fc&" Moendas horizontaes inteiras de ferro, de
muito superior construeco, laxas de ferro balido e
coado : no Escriptorio de Joo B. Fox, praea do Cor-
poSanto n. 3.
*r^* Um negro bom padeiro, forneiro e canoei-
ro : em casa de Luiz Ferreira Campos defronte do
paco do Corpo Santo.
^- Barra de viuho velho de 18 caadas por 28$
res, barris de breu '5$500, saceos de sevada 2#400,
saceos de ervilha a 6$ res, queijos ingleses muito
superior, vmho velho do Porto, queijos francez.es
400 a libra, nozes, amendoas a 160 a libra, esper-
macete em canas a 640 reis, e a retalhoa 720, vinho
branco Anguiliza a garrafa 400 reis, caixoes de doce
marmelada, traques, toucinho muito bom a arroba a
7$ reis, e em libras a 260, caf a 240, geuebra de
Olanda superior em garrafas 280, e azeilonas de er.
vas muito superiores a 640 : na venda do Roza rio
larga ao p do botequim D. 4.
&y* Urna casa no atierro dos Affogados de taipa
coberta de telha, rebocada, e com duas portas: na ra
Direita n. 13.
fc3* Urna duza de cade ir as Americanas em bom
uzo, e urna cadeirinha nova, e alguma couza rica :
na ra por detraz da Penha sobrado D. 18.
$^* Sag fino lano em libras, cpmo em arrobas :
na Praga da Boa-vista D. 16.
%& Um escravo official de selleiro; na ruado
Cabug Botica D. 5.
fc^" Sag muito novo e bom por preco commodo :
no pateo da Santa Cruz venda que faz eequina para a
ra Velha casa do lampio.
$3?- Urna negrinha crila de 6 para 7annos com
principio de costura : anuncie.
$C3- Um moleque crilo de 20 tantos annos :
anuncie.
^l^ Milho de superior qualidade, viudo ultima-
mente do Maranho : nos armazeris do caes da Alfan-
dega.

%**% %vv\
Cotoprag.
Ma esrrava que saiba ensaboar, e comprar de
portas para fora : na ra dos Martirios D. 9.
^ty AsOrdenacrs do Reino novas, tizadas, ou
mesmo velhas, por bom diu'^iro de prata, ou cobre :
em Olinda, ra do Amparo n. 39, ou anuncie.
fc^ Armajo.s de chapeos de sol de seda : no For-
te do Matos D. 12, de manh aleas 8 horas, e de lar-
de at as 3.
/ Htwu
ailuguei*.
/m.Lluga,-se um preto de todo o servico fiel, que o
* .1 '-J



' .i m .> ,
(1458)
dono assegura qualquer translorno de quem o allugar,
dundo adientado 50$ ceis : anuncie.
TU
furto.
O dia 7 da Abril furtaro iim reloio de algibeira
i 'j
de sima de urna meza, com caixa de prata, com una
falta na louca ; qualquer pessoa a quem for oflerecdo
dirija-se ao pateo do Carmo na loja de tartarugueiro,
que ser recompensado.
^E^* A pessoa a quem se offerecer um prato e the-
/oura de espivilar velas sendo as ditas pecas de prata,
tenha a bondade de levar em o 2. andar da caza da
ra do Colegio D* 4 que ser generosamente recom-
pensado.
^V%M"%V**
o
8ta?o0 particulares.
J Abaixo assiguado, vendo o anuncio que fez na
Quotidianu o seu socio Joze Nunes Vieira que tinha
largado a sociedade que tinha com o mesmo e que nao
responde por qualquer divida que o mesmo faca, isto
he tendente aquella venda, em que j foro socios, o
mesmo anunciante nao costuma uzar dessas abelidades
c nem valer se dessas abortas para tal fim, porem po-
de comprar para a sua venda por ser muito capaz de
pagar, as'sm como foi capaz de dar em 7 mezes 600
tantos mil rfei de lucro, lempo que teve a sociedade
na referida venda, talvez que a soberna llie caia em
sima, porem o abaixo assignado est salisfeilo em tra-
balbar s para si.
Jozf Basqueo.
^r^* Alluga-se urna cansa aberta que carregue
300 lijlos de alvenaria ; qoem a liver para allugar,
dira-*e a ra Nova junto a ponte armazem com lou-
ca de barro.
$^~ Perciza-se de um menino que tenha 12 para
13 anuos, e queja tenha principio de fazendas, dan-
do fiador a sua conducta : na ra do Quemado D. 2.
$^~ Allua-se. um sobrado de um s andar que
sirva para urna grande familia, ou um segundo andar
que tenha commodos suficientes para a mesma, sendo
no Buirrode Smlo Antonio : anuncie.
fcy Quem anunclou querer vender um trancelim
de ouro com o seo pissador, um relojo, urna botoa-
diira, e um cordo de ouro ; sendo queira vender lao
gmenle o trancelim, e o cordo : anuncie pois que
segundo a (ualidade do ouro se ajustar, sendo ludo
com feilio.
^ry Quem anunciou querer urna lista dos premi-
os da Lotera paseada ; dirija-se a fora de portas casa
do Juiz de Paz segundo andar.
$3? Quem percisa'r de urna ama para o servico de
urna casa, a qual sabe ensaboar, e engomar: anuncie.
$?- Perciza-se de urna ama que tenha bastante e
bom leite ; na ra do Nogueira D. 21.
f^ Dezejj-se fallar com o Stir. Joo Pereira da
Silva para negocio de seu interesse, e como se ignora
a sua morada queira anuncia-la.
^3" O abaixo assignado, ten do sido nomeado, por
ordein do Dia do Quartel do Commando das Armas de
11 do correte, para tomar o commando da 5.a Clas-
sc, faz sciente aos Senhores Officiaes ella pertencen-
te, que o Quarlel de sua rezidenci.t ( na ra dos
Bairros baixos, casa que foi do Padre Manoel do Mu-
ro.
Francisco de Farm Lentos.
^p O anuncio que fez Custodio Manoel Goncal-
ves pelo Diario de 8 do corente mez, em que para-
va em sua mo um alfinete de um brilhante, de novo
anuncia que o Snr. Juiz de Paz do seo Districto fora
em sua casa pedir o dito alfinete para seo poder, assim
quem for seo dono o procure em casa do dito Juiz de
Paz, ficando por isso o anunciante desonerado.
^y Ou- m tiunciou querer comprar os Diarios
do mez de Abril prximo passado ; dirija-se ra da
Senzalla velha n. 44.
^cy* A Viuva que no Diario de Sexta feira se ofle-
rece para administrar um sitio; dirija-se a ra do
Livramento D. 7.
^y- Quem quizer dar um cont a um cont e du-
zentos mil reisem dinheiro de cobre bom, a juros de
nm e meio por cento ao mez sobre hipoteca, ou boas
firmas : anuncie.
^$3 O abaixo assignado faz publW que quem ti-
ver penhores om sua mo os venho tirar no prazo de
8 dias, do contrario os vende para seu pagamento.
Joatjuim Joze da Costa.
*& Os abaixos assignados avizo aos credores da
massa de Joo Antonio Carvalho de Siqueira, que po-
dem mandar receber, um dividendo de seis por cerdo.
N. O. Bieber Se Compartida.
yg&~ Perciza-se de urna ama de leite que seja ca-
tiva, e que esteja parida de poucotempo ; na ra da
Cruz n. 11.
*& Perciza-se de um caixeiro Portuguez de lia
12 aunos: na ra das Cruzes rrfinaco de asquear
D 6
^3 Quem pereizar de urna ama de leite; dirija-
se ao pocinho da panella hdo direito D. 8.
^T^** O Snr. Ma|or Francisco de Faria Lemos
queira dirigir se a Pracinha do Corpo Santo N. 67,
e procure por Antonio Joze de Sn Araujo, para rece-
ber huma carta, e huma encomenda, que Ihe entregou
hum Snr. Official da Fragata Campista.
^T^ Precssa-se de um cixeir hbil para urna
venda : na ra da Cruz venda D. 34.
?<=>*
J
tfgcrato* Tu3 Oquim naco Benguella, alto, seco do corqo, ros-
to comprido, cheio de cravos pelo rosto, beicudo, sem
barba, fulla, pomas finas, pes tortos ; fgido no dia
9 do correle as 10 horas da noite, levou carniza e s-
roula de algodo, e um lencol de madapolo de um fo-
Iho e novo : ra dos Burgos n. 69 refjuaco de as-
sucar, ou na ra da Cadeia velha n. 60.
- ^^ Joo, crilo, alto e seco do corpo, beicos gros-
sos, cara comprida, pes grandes, e pernas finas, com
piincipio de enxaco por estar doente de frieldade :
ra do Amparo da Cidade de O'ind i n. 53.
^ Mara orila, cor pret t, biixa e seca, nariz
chalo, denles limados e podres, una marca deferida
em um lado da cabeca, urna orelha radiada do brin-
co, pes e mos pequeuos, falla fanhoza ; fgida a 27
de Selembrode 1831 : ra lo Sol segunda casa da
o
esquina, qnesera recompencalo.
$^" A Francisco Antonio Pereira Rocha espdan-
la da Academia d'Olinda fugio no dia 8 do corren-te
um pardo por nome E/.equiel de idade 18 aanes, es-
tatura ordinaria, magro, sem barba, rosto compri-
do ; levando i-iuita roupa, e algum dinheiro : quem
Ihe o levar ser bem recompensado.
t
w
wni twwwBcva*
Pku.y. Jf'j Ti r bo Diario f33 f.
T*
T


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E9EMHFRKH_L3WLMS INGEST_TIME 2013-03-27T16:25:17Z PACKAGE AA00011611_02485
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES