Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:02477


This item is only available as the following downloads:


Full Text

ANN DE 18.34
SEXTA FEIRA 4 DE ABRIL
V %** /***V**fc^*< *.%.
t^%>v%''^ *^,*'*'%'^%*'***'***'>%%>%*v**%'%%%'fc**'%%*
%%>%%%' %*%** V**f%%*fc*^'%**"
NUMERO S5&
Sitlisc-revece mentalmente a >40 rcis. adiantados, na Tipografa
j. Diario, palco da Matriz de J. Antonio sohrado da porta larga
nde ke receben) correspondencias, e anuncios; estes insirem-se
ralis sendo dos pruprios assi'liantes soiiieute e viudo assigwados.
Tudo arora depende de nos mesmos, da neua prudencia, m
deracao, e energa: continuemos como prineipiamoa e ociemos
apuntados coni aumirucuo entre as Naques mais culta.
>toclamaflo da Jintmblta Gem ao uratti.
impresas nn ^ernambuco por a. 31- De&ran&a Falca'o.
DAS da semana.
*.'* **% *
6.*-S. Izidoro- Ses. la l>e*. P. clem. eAud. do
.1. de Orfos de t. P. aos 30 m. da t.
Sabbado-S. Ficente-W"" de m. fi }ud. do Vig.
G. de t. Prcamar all. 18 m. da t.
Dom.- S. Marcelino Prcamar P. as 2 h. 6 mi-
nutos da t.
AVIZO INTERESSANTE.
%9 Proprietario desta follia e de sua Typographia'
roga mullo encarecidamente aquelles Senhoresque es-
to habituados a remeter ao escriptorio da mesma cor-
respondencias, e arligos de tfaM quer natureza, que
nao sao verdudeiros anuncios, 'pie d'ora em di.inle se
escusem de o cuilinuar a fazer, pois que taes rticos
nao sero mais publicidos, como muito contra a sua
vontade su tem (cito al o presente : os Snts. Subscrip-
tores s> tem (lireio a publicacao gr.-.tis dos seus anun-
cios e destes os que conliverem injurias nao serio
publicados era gratis, era por dinheiro. Todava
para nao feix ir a porfa a censura justa e decente das
Aueloridades e empregados pblicos, que faz. a excel-
encia da liberdade de imprensa, o proprictario rece-
ber lodas e quacs (uer instru-cues legilisad-.s dasquei-
xas e aeeusacoes que cida um tiver contra urnas e ou-
tros, as quies descripcio dos Redactores da folha se-
ro redusidos artigis, e publicados como eonvier ,
excluidas celtas frivolidades com que pessoas menos
prudentes esto semprc dispostas a surtir o escriptono
do Diario. Anuncios chamando devedores, ratonei-
ros, &c. &c. nao ser;i5 m;iis publicados : temos Aue-
loridades Policiaes em abundancia, e ellas que se
rostnma, e se deve queix ir quem se julga lesido por
taes individuos.
---v..
EDITAL.
i. Orordem do Illm. Senlior Inspector interino di
Fazenda desta Provincia se faz publico, que se preci-
za comprar carne seca para a reparticio de Guerra :
as pessoas, que tiverem o dito genero, haiio.de din-
gir-se mesma Thezouraria nos dias de suas Sessoes,
a fim de proccdcr-sc ao necessario .juste. E para que
chegue a noticia de todos se mandn afixar o prezen-
nos logares le mais publicidade, e inserir nos Pre-
los.
Secretaria da Thezouraria da Fazenda de Pernam-
bueo 8 de Abril de 1834.
O OfFicial maior interino
Joaquim Francisco Bastos.
%i %*\*
EXTERIOR.
PORTUGAL.
Secretaria dEstado dos Negocios da Gueria.
Ala esquerda do exercilo de operacoes.
JlLlustrissimo e excellentissimo senborCom muila
satisfacao tenlio a honra de participar a v. exc, para
conbecimenlo de Sua Mageslade Imperial o Duque de
Braganca. commandante cm ehefe do exercilo liber-
tador, que o prestigio da cavallaria de Chaves desapa-
receo, e que a maior parte daquella cavallaria foi boje
aniquilada. V. exc. sabe a importancia que os rebel-
des davio quelle corpo, nico no seu exercito, que
nao tinba dado algum contingente para o exercilo da
Rainha. Os nossosexcellentes soldados cousa alguma
desoja vio tanto como encontrar-se com elles 5 felismen-
te coube-me a ventura de Ihes proporcionar a occasiio
que elles tinto anhelavio. Tendo deixado o lente
coronel Joze de Vasconcelos Bandeira de Lemos cn-
carregado do governo de Leiria, puz me honlem em
movimenlo, c vm firar a Aldea da Cruz, e Ourera ;
e hojeantes de amanhecer marchei sobre csla villa.
O terreno favoreceo muito o nosso movimento, e eu
tive a cnutella de fazer retirar os piquetes do inimigo
sem jamis Ihe mostrar maior forca do que hum esqua-
dro. A' pequea distancia da villa, sabendo que o
inimigo tinba, alem de 220 eavallos, huma forca de
infantera de 230 homens dos b.talhes de realistas
dest villa, e de Santarem, fiz alto, a espera que se
aproximasse a columna do commando do brigadeiro
Schwalbacb, edispuz a cavallaria de maneira que po-
desse seguir pelos dous ramos, cm que se divide o ca-
minho. O quartel meslre general acompanhou os es-
quadro-sda nel Simio da Cota Pessoa, e o brigadeiro Bacon se-
guio com osoutrns que avancaro pela es(|uerda. Os
csqundrSes da direila foro os primeiros que entrarlo
na villa, donde o inimigo bavia ja feilo sabir a infan-
taria, tendo no Roci poueo mais ou menos 40 caval-
los em linha, eorestocm columna na estrada. Os
nossos bravos nao hesitaran hum instante cm car regar
o inimigo, (jue na distancia de mais de duas leguas,
em que foi perseguido, duas vezes procurou formar-
se mas semprecom o mesmo resultado. A tenacidade
do inimigo tem feilo enraivecer os nosso soldados, a
ponto que se torna mu diffieil o conseguir que Ibes
deem quartel ; em consequencia o numero de morios
foi consideravel 5 e em nosso poder lemos 78 prisio-
neros, entrando neste numero o capitn Antonio IV-
reira da Fonceca, todos do regiment de Chaves. A-
ikI.i nao posso dar a conta exacta dos cavallos, mas ja
eslo reunidos 72 apparelhados, e promptos nrao ser-
vico. Ne inciivel,.nviis asseguro a v. exc. pea mi-
nha honra, que nao tiveraos iiem hum SO homem fe-
TTT
-r-r;i
2


MM^HVN
MHVBHBHBIiMl^^BBH
(1122)
rido, ou lium s cavallo ; apenas o bravo capilo Jo-
ze de Vasconcellos, ajudanle do regiment de cavalla-
ria n. 10, que por lisiantes estove em poder do
inimigo, foi ligeiramente conluzo. O valor, e deci-
/o da nossa cavallariu nao se pode descrever, e ape-
nas he comparavel com o ardor da infantaria : oba-
talho de cacadores n. 12, eo regiment 3 de infan-
tera, que marcharan na frente, por muito tempo se-
guirn a marche-marche, nao obstante o excessivo ca-
lor. O coronel Pimentel faz os maiores elogios ao te-
nentj coronel Simo da Costa Pessoa, ao capilo Vas-
concellos do 10 de cara liara, eao capilo de lancei-
ras Joo de Mello. O brigadeiro Bacon recommenda
estes mesmos officiaes, o igualmente o capilo Wake-
field, e o lente Skipworth. O lenle coronel Pes-
soa apresentou me o soldado Terena, do regiment
10, como aquelle que mais se distingui. Todos os
ofliciaes, que avanc.aro com os esqnadrSes dadireita,
azem os maiores elogios ao voluntario Joaquim Igna-
cio, e eu o recommendo i consideradlo de Sua Ma-
gestade Imperial, podendo accrcscenlar qus o longo
servieo deste vplunlario tem sido excellente, lendo a
melhor conducta tanto militar cerno civil. Muitos dos
oftici.ies do estado maisr s conduziro com a bravura
que Ibes he propria, mas, como entrarlo na carga
em minba permisso, deixo de nomear os seus no-
mes. Quando voltamos mandei hum esquadro pela
(iolleg, o qual, quando recolheo, trouxe 4 prisio-
neiros.Dos guarde a v. exc. Quartel Genernl em
Torres Novas, 25 de Janeiro de 1834.Illustrissimo
c excellontissimo senhor Agostinho Joze Freir.
Conde de Sandanha.-
VARIEDADES.
Artigo traduzdo por *
lL Impossibilidade, que encontro os viajantes, de
conservar por muito tempo os legumes as viagens lon-
giquas, sem a coadjuvaco de processo algum ; e os
beneficios que seu u/.o sempre procura saude, nos
obrigo transcrever o seguinte processo, que, sendo
ao mesmo tempo de fcil execuco, e muito pouco dis-
pendioso, de eerto nao deixar de ser lido com avidez
pelos nossos navegantes.
Piocesso para conservar, debaixo de hum pequeo
volunte, as substancias vegetaes pata o provinten-
to dos navios.
Ufa constiluiclo dos vegelaes entra huma to grande
quantidade de materia liquida, que, quando se Ibes
subtrahe, o seu volume lorna-se mui pequeo. Estas
substancias podem, da mesma maneira que asanimaes,
reduzir-se, e guardar-se por muito tempo n'hum es-
tado perfeito de conservaco, sugeitando-as proces-
sos, que as privem das suas parles hmidas.. He des-
te modo, que se prepara o pemntican, nutrico ani-
mal de que os Cacadores do Canad fazem uso as suas
longas e penosas excursoes. Seis libras de carne, rc-
du/.idas hum estado conveniente de deseeaco, tem
o mesmo volume, que huma libra dosta mesma carne
antes de preparada. Eis aqui_o modo de preparar os
ligumes verdes, que desejlo conservar-se para nutri-
co da equipagem dos navios.
Cozer-se-ho hum fogo muito vivo de madeira se-
ca, e nunca de carvo de pedra, ou de carvo ordina-
rio, de modo que elles conservem a sua cor. Quan-
do estiverem completamente cozidos, rcduzir-se-ho
polpa por algum dos mejos ordinariamente emprega-
dos para esmagar as maces, de que se propOe fazer
cidra ; subv.i r e-lio depois ceo d'hurpa pren-
sa, a fim de ixlrahir toda a parte hmida, havendo
previamente o cuidado de os meller em saceos de cri-
na. Obler-se-ha dete modo huma mas6a secca e com-
pacta, que dever ser tirada dos sacos e deposla em
vasos de barro vidrados ou em caixas de lata, tendo
a precauco de a compremir o mais possivel. Eitas
caixas ou os vasos scro coberlos com huma hexiga,
que se apertar bem com hum cordel, a fim de os fe-
char o mais hermticamente possivel. Feito isto, por-
se-ho n'hum grande caldeiro, porem a agoa nu
chegar bexiga, e deixar se-ha ferver, al que todo o
ar interior seja absorvido \ o que fcilmente se reco-
nhece pela forma concava, que tomao as bexigas, que
cobrem os vasos. Esto retirar-se-ho estes do cal-
deiro, e se acharo em estado de se embarcarem.
Quando a preparaco for feila em trra, pode fcar-se
na certeza de que os legumes esto perfeitamente saos,
em quanto as bexigas conservaren! a forma concava ;
porem se elles tiverem ganho ou lenderem ganhar a
forma convexa, ser preciso abrir os vasos, e gastar
immediatamenle os legumes, ou sugeital-os huma
nova ebolico : a convexidade das bexigas indica a fer-
mentaco das substancias vegetaes, que estavo prepa-
radas.
Para que os legumes assim preparados posso servir
a nutrico, ser necessario mettel-os ou n'huma casa-
rla com hema quantidade suficiente de agua, leite,
caldo, &c, o competente tempero, e aquecel-o.
Deste modo conservo se os legumes frescos, para
dar s equipagens dos navios, mesmo as viagens as
mais longas : he digno de notar-se, que esta nutrico
convem a todos os temperamentos, e at svpessoas,
que digerem difficilmente os legumes, que nao rece-
bero semelhante preparaco.
Do Correio OJjicial.
Mar de perguntas.
mJM em pregado publico, que tem 400$ reis de or-
denado, e que qual macaquinho de cheiro, que por
traquinas nao pode ser absolvido da corrente, mandou
fazer urna de ouro que afora o passador importou em
600$ reis, ladro ? Nao.....
Este empregado publico que tem urna casa para a
mulher que nao direila, outra para si, outra para urna
mulher torta e outra para terceira mulher, j que nao
pode ter um serralho, ser ladro? Nao.....
Este empregado que no eclipse que sofreo (ai ecos!)
no seu emprego (Dos perdoe a quem le po/. fim no
eclipse) nao tinba com que manler sua familia, agora
jogagrosso, roda pegas, e perde patacoes, e patacoes,
e mais patacoes, pode ser ladro ? Nao.....
Ora gosto muito de ver estes sugeilinhos fallarem de
empregados pblicos ladroes! quem? quem os nao
pode obstar de furtar. Sao pacovios, sao codeas :
mas elles sao ladroes ? Nao..... Ao menos assim o
pe usa
O Publicla.
tWMUlHMliMI
JJL Erguntase ao Snr. Redactor da Quolidiana Fide-
digna, so he que est bem instruido nos negocios do
Para, como o inculca o seu artigo do N. 127, 1. Se
em todas as Typografias do Para foi recusada a inser-
co do Peridico Puhlicador Amaso,ier.se ? 2. Se sao
ellas todas pertencentes adoptivos? 3 Se foi este, ou
outro o motivo da nao inserco ? 4. Que Sociedade
he essa secreta de que falla, e com que dados a julga
to despiedosamente ? Se em fim sabe, que tenha em
H

7TT
T"


**HK^M
(1423^
seu sek> tantos, e to mus adoptivos ? Sua resposta
se faz necessaria para que o publico assente o seu jui-
7.0 : ella pode provocar alguns esclareeimentos da par-
te de pessoas, abono dosassertos do Senhor Redacior, quesejulga-
rao inflis, e inexactos se nao for satisfatoria.
O Cuiiozo.
vv
IV.
THE A TRO DE OLINDA.
O dia 6 de Abril se principio a formar as Assig-
naturas que j poralguns Senhores Acadmicos aman-
tes da scena tem sido pedida.
Projecfo.
Em cada mez s haverao quatro Operas as quaes se-
ro contadas na Assignatura. Nunca em cada mez
poder haver mais de hura Beneficio. A Assignalura
ter principio a 6 de Abril com hum excellenle diver-
limento composto da Peca novaA queda da Inquizi-
coe o Triunfo Constitucionalhum Drama Liberal
em que aparecer o Emblema da Liberdade cantndo-
se o Himno Nacional, baver entervallos de Danca, e
cantona. Findar a Assignalura a 6 de Outubro e
por conseguinte he de 6 mezesa qual se facilita cmo-
damente da maneira seguinte. Os Senhores que as-
signo por dois mezes somente, pagaro a 500 reis,
os que as-igno por quatro mezes pagaro a 400 reis, e
os que assignarem por todos os 6 mezes pagaro a 240
reis, os primeiros pagaro sempre hum mez adienta-
(lo, dos segundos pagaro dois mezes adienlados, e
os terceiros pagaro quatro mezes adientados.
Os Espectculos sero compostos de comedia enter-
valo de cantoria, ou Danga, Entremez, ou Pantomimo
havendo sempre o cuidado de entrelacar as Pecas no-
vas, com Entremezes ou cntervalos vistos, e vice ver-
ca : e como pela Quaresma sabiro bem desempenha-
das todas as Mgicas que neste Theatro se reprezenta-
ro ; se por em scena algumas Pecas Mgicas bem
como o Mago de fricao Mouro de Ormuz, e ou-
trasque sem duvida ho de agradar aos Senhores As-
signantes ; diz-se aos Senhores Assignanlcs, porque
da boa Assignatura que se obtiver he que depende o
bom xito da empreza. A Assignatura dos camaro-
tes seguir a mesma praxe da platcia, seado tanto mais
baratos, quanlo mais for o lempo da Assignatura.
Esperamos que mui principalmente os Senhores A-
cademicos concorrao a Assignar para hum lo licito, e
commodo diverlimento, que sendo somente hum em
cada semana, muilo contribuir para a recreaco do
Espirito, no meio da fadiga dos seus laboriosos Estu-
dos.
AVIZO.
VFS Senhores subscriptores deste Diario do Bair-
ro da Boi-vsla, podero salisfazer as suas subscrip-
eoes do presente mez de Abril a um novo apresenta-
dor de recibos; e aquella* que se acharcra devendo
mezes atrazados ao autigo.
O
Simsos Do Correto.
Correio Terrestre de Limeiras parle boje 4 ao
meio dia.
^?^" O Correio Terrestre da Parahiba parte hoje
ao meio dia.
^CJ" O Paquete Nacional Constanca de que he Co-
mandante o 1. Tenente Henriques Manoel de Moraes
Valle, sai pira o Para locando nos Portos do Rio
Grande do Norte, Cear, e Maranho no dia 15 do
corrente : quem no mesmo quizer carregar ou hir de
passagem, dirija-se a Administraco do correio ; as ma-
las das cartas sero entregues no dia i A pelas 9 horas
da noite.
%&* A Escuna Juvina sai para o Maranho no dia
13 do corrente.
0abtoj3 a carga-
Para Buenos Ayres, com escalla pelo Rio de Ja-
neiro.
s,
'Egue viagem, esahir impreterivelmente ateo dia
8 do corrente o superior em marcha Brigue Argenti-
no General Rondeau: recebe alguma carga a frete
para qualquer dos portos, e pissageiros, para oque
tem excellentescommodos : tallar com oseuCupilo
Don1 Campbell, ou com o consignatario, Nuno Ma-
ra deSeixas, na ra do Trapixe n. 3.
Paia o Rio de Janeiro.
^^" Sahe com toda a brevidade posvivel a Sumaca
Aurora, Capito Joo Rodrigues Amaro : quem na
mesma quiser carregar, ou ir de passagem, dirija-se
a Gaudino Agoslinho de Barros na Pracinha do Cor-
po Santo D. 67, ou ao Capito.
U.
%V*%"'V %%*
acnDa*.
'Ma escrava que sabe engomar lizo, e cos'mha so-
frivelmente : no principio da ra do Rangel sobrado
D. 37, 2o andar.
^&* Urna farda, e urna barretina de Guarda Na-
cional quazi nova, por preco commodo : na ra do Cal-
dereiro casa que confronta com a Sacrista dos Marti-
rios.
^3* Um escravo de naco da Cosa de idade pouco
mais, ou menos de 28 a 30 annos : robusto, sem vi-
cio algum, com os seguintes officios : curniceiro, ca-
ranguegeiro, canoeiro, e capinheiro : na ra do Ran-
gel casa terrea D. 22.
fc^ Um escravo sapateiro : na ra de Manoel
Coco lado direito D. 4. *
^C^* Alguns movis de urna casa por preco romo-
do: na ra Nova sobrado da esquina que volta para
a ra do Sol, segundo andar.
^^ Urna preta de 22 annos, bonita figura, engo-
ma, cosinha, faz doce, e refina sofrivelmenle : na
praca da Boa-vista D. 16, se dir quem vende.
JC^ Urna caza de taipa coberla de telha, cora du-
as portas, no atierro dos Affogados : na ra Direita
D. 13.
^y Urna venda cita na ra da Gloria D. 16, com
os fundos de 400$ reis pouco mais ou menos, que
paga 4^000 reis dealluguel, e tem commodos para
familia : na mesma.
SJ&* Batatas chegadas prximamente milito boas por
preco cmodo : na ra Nova loja de chapeos D. 17.
$C3* Urna venda com poucos fundos no largo da
Sen hora do Terco defronte do beco do Lobato : na
mesma.
^f^ Dous escravos : na ra de Santa Thereza D.
9.
fcjp" Um cvalo bom carregador : na ra Nova D.
22.
^py Urna moleca crila de 3 annos muito esperta :
na ra da Florentina defronte do campo de Palacio
velho junto padaiia.
|H
TH


(1484")
t^* barris de mel tie furo de muilo boa qualidade:
na venda da esquina que volta para a ra do Mundo
Novo.
*S~5* Urna porco de barris de mel a 9$ reis ca-
da um : na ra do Livramente esquina do beco do
Podr D. 1.
f T
U Ma venda rom poucos fundos, sendo na ra do
Queimado, c Rozario : anuncie.
$Zgh Um cavallo de estribara que se] i novo e de
bons andares, que nao exceda de 100$ reis : anuncie.
<&* Urna venda com poucos fundos; anuncie.
^^ Os trez compendios latinos, Lgica, Metapbi-
ca, e Elbica : na ra da Roda D. 9, ou anuncie.
^3* Urna caza em qual quer dos 3 bairros at
700$ reis : anuncie.
$^~ Urna molalinlia, ou negrinha de 7 annos : a-
n inicie.
^g- Um perfeito official de alfaiate, um dito pe-
dreiro, um dito carpina, c moleques de 10 a 15 an-
nos : na ra da Cruz botica n. 23.
F.
/%% %v% % W%*
.furto.
Uitaro nos dhs-saritos de Paschoa um barquinbo
com urna tliezoura de espivitar vela, tudo de prata,
com as segundes iniejaesF. A. F. : a quem forem
oferecidas estas pecas, lome-as, e restilun-as na ra
da Aurora, caza immediata do ex- Inspector das o-
bras publicas, que ser recompensado.
*v%%v*%**v
?
I>
b!^c" particulares
'A-se 100$ reis a juros de dois por cento ao mez
com penliores de ouro e prata ; na ra do Caldereiro
D. 20 se dir quem os d.
^^ Se nesla Praca h quem se proponba a ensi-
nar o idiona Italiano, roga-sequeira anunciar por es-
te Diario, para ser procurado.
^^* Toma-se 300$ reis a juros de 2 por cento ao
mez, dando-se fiador, ou bipotecando-se escravos:
anuncie.
$^ Percisa-se de 200 a 300$ reis, com o pre-
mio de 2 por cento : anuncie.
^3- Acha-se um preto de Angola por nome Do-
mingos cm o Brejo da Madre de Dos, e diz ser escra-
vo de D. Firmina que morou ou mora no porto das
canoas do Recife : quem delle for senbor dirjja-se a
ra das 5 PonUs D. 14, que se dar noticia do lugar
em que est dito cscravo.
$l^ As abaixo asignadas fazem publico, que a
propriedade de casa n; 96 sita na ra Velha do Bairro
da Boa visti desli Cidide, est bipotec.ida as anuncian-
tes por Escritura publica, por debito, que be devedor
o irmo das anunciantes Camilo Ferreira Madeira, e
fazem o prezente anuncio, para inlelligencia do mes-
nio Publico.
Senhorinha da Assumpcao Made'ua.
Alaria dos Prazeies Madeira.
^" Precisa-se de allugar um ou dous pretos, ou
pretas pira vender pao de manila" com vendage : an-
nuncie.
^3** A pessoa que precisar para qualquer Engenho,
ou Povoaco, de um Professor de primeiras letras,
(rramatc'i Latina, e Lingoa Frsncp.za, dirjanse ao
Arraial no sitio do Tenente Coronel ManoelGoncalves
Rodrigues.
$3?" Precisa-se de 400$ reis a juros de 2 por cen-
to ao mez com hipoteca cm um sitio de Ierras sem em-
baraco algum no lugar denominado Agua fria debaixo :
em Olinda ra do Jogo da bola a fallar com Lourcnco
Antonio de Albuquerquo Mello.
%^ O abaixo assignado, aviza a todos os seos
credores, que elle se cha procedendo inventario dos
bens do seu prim* iro cazal, por falescimento de sua
mulber Maria Roza Alexandrina, fim de que no pra-
zo de 30 dias hajo de justificaren! pelo Cartorio dos
Orfos as suas dividas, e para que nao so chamem a
ignorancia faz o prezente.
Luiz Francisco Barbalho.
t&" Precisa-sc allugar um esclavo, ou escrava
para todo servico de portas fora, dando-se-lbe almo-
co, juntar, e ceia : na ra da Prain sobrado do Mar-
roquim 1." andar.
^3" Re*ponde-se ao Senbor ignorante do Diario
de Pernambuco N. 355, que nao sabe, nem entende
de approvacoes de CirurgiSes ; mas sem carta por on-
de conste que foi approvado, existe tiesta Provincia o
Sargento mor Sutero : islo afirma referindo-se a bum
documento que tem em seu poder, e d por Test em ti-
libas o Fiscal da Boa-visla, e seu competente Escrivo
quando foro exigir a Carta do cujo
O Inimigo das Reverendas falsas.
^r^~ Precisa-se de uin caixeiro para urna venda
dando fiador de sua canducla : na ra do Caldereiro
D. 10.
t?^- Camilo erreira Madeira por meio do presen-
te participa a seu amigos qu<- vendo-jc na restricta
necessinadede se retirar desla Provincia com seo ne-
gocio por ter sido atrozmente lezado por trez sugeitos,
isto dois com loja na ra do Cabng, e lium na ra
do Queimado ? e nao podendo por isto, dar cum-
priment ao seo crdito (o que em breve tempo per-
lende fazer) por isso, que nao podendo-se dispedir
pessoalmenle por falta de tempo, o faz por meio desle
anuncio, e espera que bem informados do que o anun-
ciante sofreo bajo de os desculpar ; at logo?

w*%%w\ V % V
i)
#cra?os fttjW
Amio Congo de idade de 20annos, pomo mais
ou menos, estatura regular, com fallas de denles na
frente, eanlioto ; fgido no dia 3 do correnle, bvou
vestido calca de brim escuro, e carniza de madapolo,
foi escravo de Ignacio Lins Barradas : ra do Quei-
mado 1. andar D. 14, quesera generozamente grati-
ficado.
^^" Malaquias, que costuma, quando se auzenta
de casa, mudar o nome para Joaquim, tem 25 auno*
de idade, o rosto de moleque, pez apalbelados, estatu-
ra, e corpo ordinario, farcola, regrista, e bebado al-
gumas vezes; fgido no dia 24 de Marco p. p. do
Engenbo Sebir do Caralcanti, freguezia de lpojuca ;
levou camisa, e si rola de algodo, tem o cabello corta-
do a moda ; isto be rente no meio da cabeca, e cres-
cido dos lados : o mesmo Engenbo ao seu scnlior o
Padre Agostinba Maria Cavalcanti, ou nesta l)raca ao
Padre Thoifi da Silva Guimar.icns, no piteo de S.
Pedro.

"#"" 1 mi I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EP14Q3L86_G8KTNP INGEST_TIME 2013-03-27T16:01:54Z PACKAGE AA00011611_02477
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES