Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:02476


This item is only available as the following downloads:


Full Text
v
. i
jf

MaMriIMpHNMaH
.j.. ir.mn.....illimlf 1I1M "Til- -"-
MHBM'SH

AS Si) UK I8.34
QUINTA FEIRA 3 E ABRIL
> %%%*%*>.
NUMEttO 355.
ftlMtO M lfilUKIQC(K
llUIL'.'"
Suliscrevc-se int-nsulmcnte : H40 res, adiantados. na Tipografa
o Diario, fia ico da Matriz de Antonio sobrado da porta farpa
iide se recebem correspondencias, e anuncios; estes nsirem-se
gratis sendo dos propnos attifraantes so mente e viudo assignados.
Tildo agora depende de nos niesmos. da nSM prudencia, m
cao. e energa: coiitinueino como prinsipatn^a c crcflios
' i_.:_....-... .._.._...... k:...~........;....!....
T
deracao. ocie....."................;- ir-
apontados com admiracao eitue as Nares inais cultas.
l'aclamaban da j4stcmblen Gtrttl Au Brattl.
3ipjce00o em p>etnambuco por a- 91- De tttran&a jfalcsfa.
(OB
r>
e*
DAS da semana.
*%- *^* V*
. *v ***> *%v
o.*-S. Ricardo -fiel......da m., And. dos J.' do Civ.
de m. e '> '$. Isidoro- Sis. da Thcz. 1*. de m. e Aud. do
J. tle Orlaos de l. P. nos 30 m. da t.
Sal>hado-5. ficante-lU."* de m. r and. do Vig.
G. de l. Pleamar a lh. 18 m. da t.
Dom.- S. Maree i no Pleamar P. as 2 h. 6 mi-
nuto*- da I.
31.
r.IO DE JANEIRO.
Artigo kao Official.
IAv<-mos ja publicado a correspondencia Official
batida enlre as Auhoiidaihs sobre os novos Cabanas
da Praia Grande, e provavelmrnle nos ser remellida
a qu~ se seguio, ou for segniudo. He para admirar
o arroje,, e luueura dessa gente, que, segundo nos
asseverao, lie capitaneada pelo muilo celebie Gene-
ral, denominado das Massas, com alguns Officiaes
.Militares, que tendo desobedecido as ordens do Go-
verno, oecullaro-se para nao serem presos, e ando
indignamente fgidos. Cncava ha diasque na Praia
Grande o milito celebre /'adre Mestre MaiceUno
(?x Ri dador de hiim papel ll XO que elle ctlimotl 0
Exaltada) eonvidiva mieraveH Eslrangeiro* de
todas as Nacoes, e alguns incautos Nacionacs, vadios,
e criminosos pi ftegoidos pela Juslica, para sealistarem
debiixo de suas baudeiras, e pogarem em armas con-
tra a Beg-nci i, e Governo 5 e o meuno constata que
fazio por aqui alguns bem condecidos : a Polieia os
vigiava, sabia de seus passos, e esperava o momento
dos surprehender ; elle chegou, eos miseraveis co-
nhecero inda huma ver. mais a sus loueura, e impo-
tencia. Hum linio devemos referir, e he que tendo
essa gf nte feilo espalhar pela Cidade no dia de sahba-
to (quandoo Governo ja linha mandado 30 Munici- I
paes Permanentes para a Praia Grande) que o sen ex- j
rrcilO era nuivrnMi, 6 que at ja linbo lomado Foi-
lalezas &e. a Alfatideg nesse dia rendeo m tisque nos |
outros: os Caladnos perguntando-se hun aosoutns
O que linviu iilli, acrescenlavo que, eomo o Governo ,
ja sabia lii.io descamados para suas cazas. Do- 1
mingo tendo de sabir a Proeisso de Cinta foro os j
eucarregados dote neto religioso pergunlar ao Exm.
.Ministro da Juslica se ha vera nisso ineonveni-
eoto e sendo-lhes respondido, que nenhum, e que fi-
cestera sabir a Procissao bem cerlos-de que a Polica i
velava na seguranca publica, observou-se (|ue o con- i
curso do Povo foi numeroso, e que este asststio ao ac-
to religioso na melhor ordem, Ir.inquillidade, e segu-
ranea. Na segunda Cetro, edias seguintes iem a Al- !
andeg continuado render m.iis que nos dia* ante- |
ce denles. Assim ve se a impresso, que na Grande
mnssa da Populaco sa, e industriosa da Capital pro-
(ln/cm as bravatas desse? anarrhistas, e restauradores
encapados com o manto de Patriotismo, e a segu 1 ida-
de eom que deseancao na vigilancia do Governo, que
ao facto da tea urdida por osa gente, e eonhecedor
dos inlriginlcs, c inimigos da ordem, e da publica se-
guranca, sabe at quando os ha de somentc espreitar,
e quando compre derrocar os seus planos, c eastcllos.
Emendem-.se elles para que o Governo nao se veja for-
cado pas.Srtr avante.
* *
Do Correio JJieia!.
CMARA MUNICIPAL.
65.* Sessao Ordinaria de 8 de Fevereiro de 1834.
c
Pkf.idencia uo Skr. Dn. Mavignif.u.
OmpareeerSo os Snrs..Ferreira, Silva. Gusmo,
Camelo, o Oliveir., filiando eom eauza os Snrs. Este
ves, Costa, e Doulor Peregrino Maciel.
A berta a seso e lida a acta da antecedente foi san-
cionada por estar conforme. O Secretario dando con-
I la do expediente menciono os seguintes offieios.
Hum do.luiz de Paz do 5. Destrit lo pedindo certos
esrlarceimeiitos acerca do alislamenlo dos Guardas Na-
eionarsdo sen Deslrielo : que se Ihe ofBciasse di/.endo
qudete proceder ao alistamento no seu DeslrtelO, e
ipuraco com os Eleitores na eonformidade da Le i de
18 de Agoslo de 1831, c da reforma, parlecipando
Cmara o resultado, e chamando bomens bous na fal-
ta de Eleitores para a apurado ou qualiflcacln.
Outro do Jui/. de Paz do 1." Destriclo do Sacra-
mento da R').-vista representando acerca de hum Ins-
pector de Qu irleiro que nao Iem querido lser o ser-
vico, e pedindo a deeiso di proposta, que ez de Joze
Luiz Innocencio Poges para Inspector de hum dos
quarleiroes do sen D rtelo : intetrada.
Outro do Fiscal da Ma-vista dando parle de que o*
leito da ra do atierro da Boa visla logo ao sabir da
ponte est descalcado; que se offieiasse ao Exm. Vice
Presidente pedindo, que por a repirtico das obras
publicas mandasse concerlar a referida c..lcadi assim
como reparar as pontes do Manguinlio, e Boa-vista.
Outro do Juiz de Paz do 3. Desrielo de Dos insluido pora deeiso da proposia, que fize-
ra de dous Cidados para Inspectores do 3., c 5.
Qu-irteiro s de seu l)e.>lieto : que se Ihe dieesse rftttr
fu rao approvados os propostos os quaes podem re que-
rer os seus Difilomas.
Outro do Jniz de P.iz do 1. Deshielo do Collegio
propondo para Eserivo a Joaquim Seb islio Alvesda
l'Oncera, o qo.il foi logo npprovado.
Foi ipprov.ido o parecer da Co rmisso acerca da
edibraco e atterros lalos no lugir do Ctielho no lia i r -
ro ta Uba-vi-la. com o aditamenlo dos Senliores C|-
',' I1" T*
wfmmmm^

aaai


(.1418)
( :., oDoutor Mavu*icr, o qual a re-queiimento do
Snr. Gusmo se vnandou publicar no Diario.
Foi igualmente approvado ulro parecer da Com-
misso sobre a edifieaco do atierro los Aflojados o
qual arequerimeulo do mismo Sin. Otismo lambe ni
se nvtndou imprimir.
Tambem Coi approvado outro parecer sobre as gra-
des rio assourue da Boa-vista.
i
DwpacnnrSo-se alguns- rcqucrimcnios e por ser da-
da a hora alevanlou-se a sesso. Joze Tavarcs (iomes
da Fouecca Secretan a esorevi- Doulor Mavignier
Pro PresidenteGusmoOiiveira-- SilvaFerrei-
raCamelo.
6/ Sess&o Ordinaria de 12 do, Feverei/o do 1S34.
c
Presidencia uo Su. I)r. MiviGJSirsi
Oinparecero os SenUores Silva, Gusmo, Oliveir
ia. Ferreira, e Camello, faltando com cauza os Snrs.
Doulor Peregrino Miciel, EUleves, e Cosa.
.Aberta a sesso e lida u acta da antecedente foi san-
cionada por e.-iar conforme. O Secretario fez a leiiu-
ra do expediente.
Hum offieio do Veriador Eleves partecipando a sua
molestia : inteirada.
Outro do Juiz de Paz do 2. Deslrieto de Santo A
marinlio sobre os terrenos devolulos em SCO Deslrie-
to : ao Snr. Camelo.
Olfo do Juiz de Paz do 1. Deslrieto de S. Lon-
r neo dando as ra o.-s por que nao tintn viudo no da
mi rea do para a apuraco dos Jurados : qne so Ibe de-
signaste odia 20 do corrente para ler lugar dita apu-
raco a que elle impreleri\elmentc dever asistir.
Outro do Juiz de Paz da Luz., da imsni.i natureza
Uve .i mesma resol uco, (jue leve o o Juiz de Paz do
J. Dislricto de S. Lourenco, e os Vicarios desta Fro-
gucsia, e ao d'aquella se mandou convidar pura com-
parecer e;n dito dia. E por ser dada a hora alevantou-
se a sesso. Eu Francisco Antonio Rabello de Car*
v.dho no impedimento do Secretario a subscreviDou-
lou Mavignier P. PresidenteGusmoSilvaFcr-
reiraCameloOiiveira.
Acampamento em Limaras 18 de Mateo de JS34.
Oudem no Da. ua Brioada.
O
Tenente Coronel Commandante da Brigada aten-
deudo s reiteradas, e justas reclamecSes do Snr. Te-
nente Coronel Commandante de 2. lialalho, e final-
mente a que agora ez ao Illustrissimo Snr. Comman-
dante em Chele, mostrando a falta de Olliciaes que
tein no seu Co.ipo, e mormenle a que Ibe cauza o Sr.
Capito Joze Antonio de Oiiveira c Silva, que se arh.i
serrindo interinamente de Major da Brigada, se v
torcido, dispensar este abil Snr. Oficial de lal ej-
ercicio, e mandar que elle se rcrolha a teu Batalhio.
O Tenente Coronel muito agradece so Sor. Capillo
Oiiveira o zello e interesse rom qne lera di semponnado
as funcoens de seu cargo, e sinceramente declara que
SO o peso das razoesalegadas pelo (lito Snr. Tenente
Coronel do 2. Balalhp o farii dispensar de limn ser-
vico, que taobem tem desempenliado. Estando pois
vago o lugar de Major de Brigada O Tenenla Coronel
nomeia para este empregoao Snr. Major Jno de Car-
valho Pses de Andrade, o qual estando seienle desta
nomiaco, paasa desde ja a entrar no exereieio ilo em-
prego respectivoAssignado Antonio Carneiro Ma-
chado Rios Tenente Coronel Commandante da Briga-
da.
.' campan: rr.i > -i Jacuipe 23 de Mateo de 1834.
Amigo;. Guardas Nacionaes do Brioso Bataljid i\'
lenbo a honra tte interinamente Commandar ; en mui-
to me congratulo de me achar a vosaa frente, e mui->
me lizongearei de contar-vos algum dia como iguacs
estes celebres Patriotas, e guerreiros, que tem l\ ito
osanaes da Historia. Eu nao exijo de vos, caros Pa-
tricios, tanto o denodo, e a coragem (porque dol vir-
tude nao he o vosso fraco Official capaz de vos dar ex-
emplo) como a obediencia a seus superiores, presteza.
amor, e desinteresse, com que vos deveis ipr.-zetitar
spmpre promptos ao servico da vossa, e mililia cara
Patria; vos sois livres, o vosso Commandante ama a
liberdade, esta he a cauza comraum, presintamos n 11.
que seremos felizesJoze Antonio d'Oiiveira e Silva
Captlo Commandante interino do 2.* BatalhSo expedi-
cionario.

CORRESPONDENCIAS.
Snr. Redactor.
Endo a Quotidiana 3V. 119 nella vi ineerla huma
correspondencia contra mim feita por Joo Manee l
Mendes da Cunha Azevedo, por alguns momentos i-
zitei se ueveria dar rrsposla as calumnias de hum men-
tiroso, que de certo nao merece que homem aigum de
senco cecupe o lempo mais ocioso, ainda mismo para
o detestar, pois he lal calumniador, e mentiro/o, qui-
nao merece atenco alguma, mais pan que o respei-
lavel Publico nao izile sobre minha conducta, pasan
a desmentir esse abjeclo, ignobil detrator, c(rlo de
que nada dislo lhe dar aballo, porque quem nao lem
ver gen ha todo mundo he seo : nada mais irrisorio,
Snr. Redactor, do que dizer esse mentecaplo, que por
meos crimes fui processado, quando Juiz de Paz do
Cear, o que se pode ver provado subeij.imente dos
Autos; fortemeulirozo. Seiba o Publico que o mo-
tivo de eu ler sido processado foi porque- desobedece--
rao me dois OfBciaes, o de visita, e oque eslava de
Estado maior, quando eu fui pedir-lhe forra, quei-
xsndo me ao Snr. Joze Marianno, pedindo huma sap-
tislacao, este surdo a minha requizico, deo motivo
que eu officiasse Cmara para chamar o mediato,
cerlificando-lhe que desde logo deixava de exercer o
lugar de Juiz de Paz, e como estivesse a Cidade trez
dias ^em Juiz de Paz, eis a cauza porque fui processa-
do, como se poder ver dos mesmos Auctos: diz mais
o meo desprezivel menleeapto, que lugi precipitada-
mente do Cear ; que despeijada calumnia Sahi do
Cear com passaporle (1) que ainda lenbo, o qual Coi
me dado pelo mesmo Joze Marianno, minha sabida
foi publica, e sabida por todos, principalmente por
meos amigos, dos quaes me despedi ; ora Snr. Redac-
tor, se eu Uvera cometido abusos, e crimes noem-
prego de Juiz de Paz, leria o Snr. Joze Marianno, i
quem eu era desafelo poupado-mc ? quando laucn
mo para se vingar de mim da Boira brexa, que axou
e silo, [lorque eu nao quiz continuar a exercer o lu-
gar do Juiz de Paz, para nao tornar a ser menospre-
zada minha Aulhoridade pelos dois OHiciaes, em me-
noscabo a Le deixo esta decizo ao Juizo des meos lei
lores : vamos ao lumaeento Candeia, Impostor, quaes
sao :is infamias que exerci, e continuo a exercer ?
Iudigitas, sera tal ves porque tenho desmacarado, e a-
jirezei.tado ao Publico as indignidades que exercesles
quando indignamente ocupastes o lugar de Juiz de
(l) Temos em nosso poder o passaporle de que fal-
la o correspondente.
O E dictar.
1 ILEGVEL
-
i' f


( MW>
l
I)
5r
Par. ? M sTo salas, protesto continuar a cxerce-las,
porque, o que lenho fcito he mostra do panno, quandn
lores chamado ;io Tribunal do Jury em prezenoa dos
mocrrimos Juizes, enlo ser-te ho aorezentados
documentos que eomprovem as indignidades, e baixe-
Ets : indignidades estas, que fario envergonhar ao
h iik ".i mais em vergonha huma vez que nao fosse o
ex-Juiz de Paz Mendos da Cunha qual pelos seos i-
normo erimes lem perdido a estima dos homens pro-
bos qua o detestao : corrija-SS por tanto, meo ex-Juiz,
procure hum meio honesto para sua subsistencia, e nao
pilge que o Juizo de Paz veio Ibe por cianea do Tio
do Porto. Basta, Sur. Redactor, u-miIiosido mais ex-
lenco do (pie pertendia mus a materia do assumplo be
muivHsUecom quanto qniz >er lacnico nao pude
deixarde lecer hum exleftoo o fnebre, mas verdico
elogio ao Hroe Xauxatmta (2) o qual por seos memo-
randos fe i losa muilo devora ser hum dos Colonos de
Ancoclia. e Podras negras. Querr Sur. Redactor
inserir rm sua folln c-stas mal trabadas lindas eom que
muito obrigar a
Soo aliento leilor.
Manoel Pacheco de Queiroga.
n
VAR1EDADKS.
.Una molber de 2G un nos sofra accessos peridi-
cos, om que senta agonas iuexprimiveis, e a lerrvel
lentaco de se destruir, e de matar soo marido, e seos
filhos, (jue ella a Ola va extraordinariamente. Hum
combale se dava em seu interior entre os seus deve-
ros, seos principios de religiao, o o impulso que a ex-
citara a accao mais atroz. Havia ja muito lempo, que
olla nao ti tilia eoragcm para baulnr o mais novo dos
seus filbos, porque huma voz interior Ihe (liza instan-
tneamenteafoga-o, afoga-o. Apenas tinba for-
<-a, e lempo ncccssario para tirar para longe de si hu-
ma faca, que por muitas vezes bi tentada derravar no
seu proprio peito, e no de seus filhos. Qoando en-
trara no quarto de seus filbos, e achava dormindo, apossava-se immediatamente della a
inveja de os malar. Algumas vezes ('ochava precipita-
damente a porta do quarto e deilav.i fora a chave, a
din de nao poder vollar durante a noite, se aconteces-
so nao poder resistir a sua infernal lentaco.
Gallextrahido por Georget
Papavoine, naseid.i de huma familia em que
se eontavo muilos doidos, leve sempre hum carcter
sombro; sua dispo-ueo para a melancola tinha sobre
modo augmentado desde que sous notorios domsti-
cos Ibe prinoipiaro a dar graves motivos de inquieta-
co. Para furlar-se s ideias tristes, que a atormen-
lavo, ella Ib passear em Yincennes, onde enconlrou
duas enancas, e dominada por hum furor sbito, cor-
roo a buscar huma faca, eom que as matou aos olhos
da propria IMi.
(Guichard.)
Legar, rapaz, que linha semp o moslrado abor-
reeimenlo sociedade dos outros homens, dcxou
hum da a Aldea, que habitaba, e retirou-se a hum
bosque, onde por espaco de l das sustenton-se
em raizes e frutas solvagens. No fim doste lempo !an-
cou-se a huma menina que descobrio no campo, co-
mo um animal feroz se precipita sol re a preza. Dc-
pois de a ter estrangulado a fez em pedacos, e buscou
servir-se de seus membros delaeerados para saciar os
desejos de huma imaginadlo delirante, e depois dor-
mio tranquilamente. Na preaenca dos Juizos, eonlou
(2) Por cujo motivo se acha pronunciado.
framente o caso, que si? havii passido, sero parecer
afecta-do nem do que tinha leilo, era do suplicio que
0 esperava.
(Guichard. )
Todas estas actes ero practicadas por huma espe-
cie de loucura chamada mana, a qual acoberla a-
gente de qualquer imputacao.
*..**.% *
PF.RGUNTA.
.T Ergunta-se ao Snr. lnimigo das Reverendas rabas,-
se sabe eom certeza, se ha aijrum Cirurgio mor dos
que exista na Provincia, pie it osteja aprovado na
Arte Cirurgica. Quera perguuli quer saber.
O Isnoianic-
**
8:
jUabtog a i&arga.
Para Lisboa.
Egue viagem a Galera Brazleira Santa Uta, for-
rada, e encavilhada de cobre, de muito boa marcha, e
construcao, eom a brevidade pnssivel, por ter ja
prompto paite do seo carregamento : quom na dita
(paizer carregar, ou ir de passagem para o que lem ex-
eollentes commodos, dirija-se ao Capillo da mesma no.
Rscriplorio de Joze Antonio Gomes Jnior, ra da
Cruz II. 12.
Para Trieste-
^3" O lirigue Ingle/, lavne, fabricado no princi-
pio do anno prximo passado, e da melhor construcao,
deque he Capito Robert Thompson, devora siliir pa-
ra aquelle porto aleo fim do correte mez de Abril, e
leudo a maior parle de sua carga engajadi, anda lem
lugar para noventa, ou cem toneladas do assuear, o
qual recebe por frete mu commodo ; quem n'elle qui-
zer carregar, dirija-se a seus consignatarios Hirrson-.
Latbam & Hibberl, ra da Alfandega velha n. 9.
Para o Aracali.
fT^" Srgue viagem o mais breve possivel por se a-
char j eom a maior parte de sua carga abordo a Su-1
maca Ave Mara, de que Mestre Ancelmo Joze dos
Sanios: quem nella qui/.or carregar ou ir de passa-
gem dirija-se ao seo proprietario Na noel Jo/.o no por-
to das canoas.
Para Lisboa.
^Z$* Segu viagem eom brevidade o muilo velleiro,
e bem acreditado, Brigue Ligeiro, o qual ojuda rece-
bo alguma carga, e passageiros ; os pertendentes di-
rijao-se ao seu consignatario Joo Pinto de Lemos, ia
praca do Commereio n. 118.
Cien Das-
F
Arinha de mandioca, de superior qualidade, feita
na Muribeea. em sacas de alqueire por preco commo-
do : na ra da Cruz n. 12.
tup" Metade da caza de sobrado de 3 andares e
sotao, chaos proprios na ra do Amotina n. 132, e u-
ma porco do Ierra no atierro dos ATogados da parte
da mar pequea, e duas frentes de casa de pedra e
cal no mesmo lugar lado da mar grande : na ra No-
va D. 21.
fc^" Urna porco de taimado de assoalhode louro e
amarello, a vrr no armazem da ra das Flores que foi
deslilaco, e a tratar do ajuste na ra da Roda sobrado
D. 27, das 6 horas da manh as 9, e de urna da tar-
de as 4.
33
;i*_
S2


tmmatmmmattte
(1420)
$^# Um preto mosso bonita figura, com officio de
ranociro ; para fora da Provinci.i : no atierro da Boa-
vista n. 29.
^t^ Um negro mosso de Na cao : na ra do Ro-
zario que volta para o Collegio venda I), i I.
^3" Noveou de/, arrobas de eapim annunl : no
Botcquim (\,i portJi larga, ou anuncie.

otopras
I Sera vos de ambos os sexos, para fora di Provin-
cia : na praca do Corpo Santo na luja de cabos n. 5.
^t^" Escravos de 10 a 20 anuos, tanto com vicios
como sem elles, para fora da Provincia, e se paga
cm prala com o cambio : na ra do Vigario D. 13, 2."
andar.
^3" Btalas de anglica dobradas : em fora de
Portas I). 20.
^3? Um piano ainda cm bom u/.o : anuncie por
esta olba, ou pelo Diario da Administradlo.
aiiujneta
.Lluga-se umquartoa um bomem solteir que nao
lenlia obrigacc, c scjii capaz: deronle da cadeia na
loja n. 6.
**.%*
4HU09 tarneulfires.
O
Abaixo assignado de novo torna' f.-.zer publico,
que continua a correr Alvaros de folias pelos Eseri-
vaens doCrme. com a presteza possivel do seo coslu-
me, no espaco de dois (lias, ou ainda era menos, salvo
havemlti motivo de que nao seja elle o culpado, e isla
por menos prego do que be coslume pagar-se : quem
do seo preslimo se quizer utilizar procure o na ra
dasCruzes nos arturios dos Escrivaen* Reg, e Ma-
galbaeus, ou em sua casa na ra do Callabouco vclbo
I). S.
Afanonl Theinoteo de S. Vicente Fetreia.
^?* Perci/.a-se de urna ama com bom leite : no
beco da Lingoelan. 21.
^T3P* Dezeja-se fallar com o Sur. Antonio Jerni-
mo Vianna, para negocio de seo interesse : o incsmo
Sur. queira anunciar n sua morada.
^3?" Troca-se a posse de um terreno com 100 pal-
mos de frente, e 660 de fundo, c parle do dito na
frente em campia para edificar-se 3 moradas de ca-
zas, na estrada que vai pira Santo Amaro, por um es-
cravo ainda sendo de meia ida le, que enlenda do tra-
balbo decusada : na ruadlo Rozario estrella lado es-
querdo indo para o Carmo D. 3.
^3^ Perciza-se allugar urna escrava que saba en-
saboar, e engomaP; na ra da Senzalla vellia n. 49.
Z^" Quem percizar de urna preta cativa com bom
leite parida de pouco tempe : dirija-se a ra do Ro-
zario eslreita sobrado D. 32.
VCS* Carlos Dubois (relojoeiro na ra Nova) de-
clara ao mosso que no dia 1. de Abril correte de tar-
de esteve em sua tenda, que leu lia a bondade de tra-
zer a caixinba em a qual tem vinle buloens de ouro
para camisas, que tirou por um buruco da rotura de
um vidro de urna das vidracas que eslo em sima do
balcio, pois que nao entende de gracas, e nao ofa-
zendo no espaco de qualro dia* sera o sen nome pu-
blicado pela i m prensa.
%&* Perca-w f'Hur no S.ir. Isidoro Fer.oiudes
de Jczns, e como se ignora a sua morada anuncie, pa-
ra ser procurado. .
*S3* Perciza-se allugar um negro que enlenda al-
gumo corza de tra'balhar em padaria, e juntamente
vender na ra; no atierro da Boa-vista D. 63, se dir
quem pereiza.
ft-^F- Por engao se tirou urna carta viuda do Rio
de Janeiro, com o sobscripto a Jo/e Ferreirn Ramos,
e sendo o anunciante do mesmo nome por isso laz es-
te annurcio para a quem pertencer proco ral-a na
Praia do Collegio no armazem de Joze Ferr ira Ra-
mos.
S^ Precisa se de um caixeiro Porluguez para ad-
ministrar urna padaria, que saiba bem ler, ecscrever,
goze bom crdito, eque lenba quem abone a sua con-
duela : na ra dos Quarleis I). 5.
^* Perciza-se de um caixeiro, para lomar conla
de urna venda por bataneo, prestando fiador: offere-
ce-se, 150$000 res de ordenado por nnno ; a tratar
no pateo do Carmo, venda do Campan l). 7.
%*V%v ***%*
Cjscraiw finioos.
x%.Goslinbo, crilo, 14 a 15 annos, caa redonda,
ebeio do corpo, codicia de urna pe ra, o na talla al-
gumas vezs lem pronuncias gagas; lugido no dia '.\ l
do passado, levou vestido calcas brancas, carniza d
riscadinbo, natural do Abren de Uuna, lem viudo
algumas vezes a esta Cidade por mar, loi escravo d<-
Joze Francisco Barbosa, e t ni mi e mais prenles em
o mencionado lugar cima : rua do Rozario I). I (i,
segundo andar na esquina do beco junto a Igreja, ou
na ra Nova D. 34. que ser bem gratificado.
^3- Roza, naco Rebollo, Fulla, de boa estatura,
cabello cabido no meio da cabeci, denles acangalba-
dos ; fgida no 1. do corrcnle com vestido de risca-
dinbo azul, palio preto, e saia prela uzada, e com 28
anuos de idade : esquina da ra do Encantamento,
perto da [iraca por sima da lo|i do Bnrbeiro, 3. andar,
que ser recompensado.
***.-.'. *
.. %%*% **%%*'* ** %%%%*%%% \% %*
NOTICIAS MARTIMAS.
Navios entrados no dia 31.
n
.10 GRANDE DO SL; 24 das; B Principo
Imperial, Cap. Joaquim Joze da Silv.i : carne: ;i
Gaudino Agoslinbo de Barros. Passageiros Francisco
de Paula da Silva Lopes, e um Cabo de esquadra de
I." Linda doextinclo BatalniJ 17, com sua familia.
DITO DITO; 39 dias; B. Escuna, Cap. Manocl
Pereira de S : carne. Passageiros2.
PORTO; 55 dias; Pataxo Porluguez, Cap. Joo
Joze da Nalividade : sal, e mais gneros : Manocl
Goncalves da Silva.
Din 2.
MONTEVIDEO; 26 dias: B. OiienltiL Cun,
Cap. Joze Antonio da Cunba : carne : Antonio Jo-
ze de A mor i m.
Navios sabidos no dia \.
P.
ORTOS DO NORTE; Paquete Feliz, Com o
2. Tenente Ernesto Alves Branco Muniz Brrelo.
Passageiros pira o Rio Grande do Norte o Tenente
Coronel Marcos Antonio Bricio : para o Ceara Joo
Pinto, e o Vigario Frutuozo DiasRibciro : para o Ma-
ranlio o Major Santiago, e Arcenio Fortunato da
Silva.
c
l'gujf. a'- Tvp n > Di~*nro I3


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EPM8L2GXA_9TTETJ INGEST_TIME 2013-03-27T15:51:06Z PACKAGE AA00011611_02476
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES