Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:02465


This item is only available as the following downloads:


Full Text

ANNO DE 1836. QUINTA FEIRA
15 DE DEZUMBRO N. 372.
PutMAMBOco. a Tvr.oa M. V.de Paria- 1836-
DAS DA SEMANA.
12 Seronda S. Justino M-Aud. .los Jiiizcs. do Cr.
de m. e de, ses- da l'bczouraria Publica e
13 Ter^a 8. Luida V. Re- de m- c and. do J. de
44 Quaria 1> jej. S. Agnclo Ses. da Tu. P-
15 Quinta 5. P.uzebio n. Itel. de m. and. do J do
C de < c Ch. do t Quartfl cr. a 7 e 2:1 m da ni.
16 Se.xia Tt-nip.jcj. S. Adelaida sus. da Tli. 1'. aud.
.lo J. de <> det.
17 sbado Tp. jt'j S. nartholomco Re. de m. e aud.
do V. (1. de t em litada,
18 Domingo 5. d<> Advento N. S. do 0':
PARTE OFFICIAL.
RIO DE JANEIRO.
ASSEMBLEA. GERAL LEGISLATIVA.
CMARA DOS DEPUTADOS.
Sessa de a6 de Setembio.
Pelas 10 horas da manhi abre-se ass-
alo, e lida a acta da antecedente, fica ap-
pn vada. ,.
O Sr. I. S-cretario ('aconta do expedi-
ente.
Ordem do dia.
Enfrio em discussio as seguimos reso-
luces, que sio approvadas e adopta-
das, e passio Comraissio de Redaccao.
A Assemblea Gcral Legislaba re-
sol ve.
Art. nico. Fica approvada a ten-
ca animal de i00$ ivis, conrtdiJa p.r
Decreto de aa de Julho de i85, aoMaior
Joo Nunes Ramalho, e mais a quantia
de i0$ reis tarabem annual, por ter sido
fui ido em rain pal a.
P.90 da Cmara dos Depurados bde
Junbo de i836J. F. deTohdo.-Go-
ines da Fonce a.Pairo.
m A Assemblea Geral Legislativa re-
olTe: 1
Art. nico. Fu approvada a ten-
?a annual de duient a e vinte mil res,
concedida ao Coronel eff.ctivo de pri-
meira liuba, Joo Carlos P-rda', por de-
creto de 30 de Junho de i835, em
remuneragio de seus servivo-.
Paco da Cmara do Senado, em ldr
Setemb. de i835.-liento Bairoso Parara,
P,asdente.--Conde de Valenca, 1. Secre-
tado. Luii Joxe de Oliveira, a. Secie-
" "a Assemblea Geral Legislativa re.ol
ve *
Ait. nico. F.ca appror.dj aten-
ea anoual decent e vinte mil res, con-
cedida ao Coronel Graduado dep.mieirs
linha, Joaquim Francisco das Cbagis Cal-
iste, por decreto de ift de Julho de i835,
em re.nuneracaS de seus servicos.
,( Paco do Senado, em 18 ieSetmb'o
de 1855. Bento Barroio Pe eir, Pie;-
dente.Conde de Valenca, 1. S celari t
Lui JoiedeOlivi.a, a. Secretario.
A Assemblea Geial Legislativa resol-
ve: ,
,, Ait. Uniro. Fica approvada aleara
de aaO$ 1is, concedida ao Marechal re-
lora Jo, Duaito Gailhiroe Correia de
Ttd,o agora depende de nos menmoi da nossa pru-
dencia. iuol.raco, e eiiertcia:conliniiemos coma
priucipianii>9. e lereram apomados com admira-
ao cutre ai N'a<;de mais cultas.
Proclamaba da Juemhlia Osrol da Brasil
Sul>creeea lOOQra. mensaes pagniadiantados
nesia Trpo(rrafia, na das Cruzcs D. 3, e na i'ra-
ca la Independencia M~ 37 .1H : (imlc e reeeliem
correspondencias lea-alisadas, a annuncio*: iisarin*
do se asta* fmiii cudo don proprios assignanles,
a rindo assi^nailo.
CAMBIOS.
Dezimbro 14.
JLOnitres 38 Ds. St. poi 1 ctd. ou prata a
50 porecnto de premio Nomina.
Lisboa 55 por o|o premio, por uieial, Nom.
Franca 'J55 Its. por franco
IIio de Jan. (> p. C- de prem.
Moe.las de 6..400 I3..200 I3..400
4000 C.TOOa 680
Pezos I40
Premio da prata 50 p. c.
das lollras, por me I i 2 por o|o
Cobre 25 por cenio de descont
PAItTIDA n()S COUHRIOS.
Olinda_Todis os diasun meio dia.
Goiana, Alhandra, Parail.a, Villa di. Conde. Ma-
maiiKiiape, Pilar, Rea. He S. Joan. Brejo d'Areia,
Rainlia, Pnmhal. Nora de Sonta, Cidade do Natal,
Vil'as de Goianninlia. e Novada Priueeia, Cidade
da Forlale/a, Villas do Aquirs. Monte mor novo
Aracatv, Caacavel. Canind, (Iranja, Impcratnz,
S. Bernardo, S. Jobo do Principe, Solirar. Nu\ad'
RlHe.T. Jc, S. Mallieus. Rearhodo sang-ue. S
Antonio rfn Jardim, Quexerainuliim. e Parnahi
Secundas c Sexlas (eiras ao meio dia por va da
Paraiba. Sanio AnlS>- Todas as qninus fciras ao
meloda. Garanhuna. e Bonilo nos Jia 10 24
de ada niez ao meio da. Plores-no dia 13 li-
rada ea ao meio dia. Cabo. Srriiil.aeni. Rio Ocr-
mozo, e Porto Calvo- nos das 1, I l.c SI de cail.i
mea- ____
Mello, por decreto do Governo do a3
de Marco do corrente anno, correspon-
dente ao scu posto de Coronel eff.cti-
vo.
Paqo da Cmara dos Oepntados, 30
de Jui.ho de i835. Visconde de Goian-
n i..-1'eixolo de Albuquerque.Gomes da
Fonceea.a
A Asaembka Geral Legislativa resol-
ve:
* Art. Un'o. Fica approvada a tenca
annual de i40$ res, concedida pelo Go-
vtrno em Decieio de 14 de Jullio de i833
ao Co'Onel nforman1 o de 2. linha, Joa-
quim Onto deCarvallio.
Paco daC^maia dos Depotado, 3i
de Julbo de i835.--Gome8 da Fonceca.
Visconde de Goiana- Peixolo de Albu-
qieique.a
x A Assemblea Geral Legislativa rejo!-
ve:
Art. nico. Ficio appiovadas as
teneas de 80$ res por anno, concedidas
aoCpitio Tenente da Armada Narional,
Joio Fram seo Regis, e ao T< nente Coro-
ne.1 leformdo, Luiz En y^dio de Castro,
eem reniuiiiraco dos seus servicos, di-
miouindo-se porta a quantia de 20 quandotenhio obtido o habiio da ordem
de Avii.
Paco d Cmara ds Diputados, 8 de
Junho de 1835. J. F. de Toledo. G.
di Fonceca. Pairo.
m A Assemblea Geral Legislativa resol-
ve:
a At. nico. Fica approtad^ a pen-
sio da terceia parte dequ^tro centos mil
reis, comedida pelo Governo era Deere
to de a8 de Julho do corrente anno, a D.
Anua Roduzinda Vendciina da Silva, em
1 emuneracio dos servicos de seu finido ma-
rido, o Capilio Joie Ped o Ca Uw da Fon -
cee.
u Paco da Cmara dos Deputadcs, 4 de
Agosto de 183a.Manoel Gomes(U Fon-
ceca.Bernardo Lobo de Souza.J. F.
de Toledo.
A Assemblea Geltl Legislativa resol-
ver
Art. nico. J;i uto Hypou'lo Guy
on, francez de Naca6, e emproga lo no
exeicito do Braiil, desde i8a3 al Maio
del83i, e^tcomprehendi o na excepcio
do ait. dcima da lei de 24 de Novembio
del 831.
k P.110 da Cmara dos Deputados, ira
de Setembro de i836.- P. Peixolo.F.
do Reg
Entia em discossSo o segmnte :
" A A>emblea Geral Legislativa resol-
ve :
" Art. nico. Fica redutida a20$
re atenea que repetidamente foi con-
cedida a D. Anua Jo.iquin Glv-> de
.Moma e Liccrda, D. Mia Tb,eod ra Gal-
vio, D. JosnnasBaptista Galvio, e D. Es-
colstica Joaquina Galvio, em reroune-
racio dos bervicos de seu pi, o talleiiJo
Bngadeiro reforma lo, Joxe Pedro Galvio
deMoura e Lacerda.
" Paco da Cmara dos Depuiados, 8
de Junho de i836.-J. F. de Toledo.-
G. da Fo'iceca.,,
He apniada huii.a emenda off recida pe-
lo Sor. Floriano de Toledo, quedix;em
lugar de a40# reia, diga-se 500$
reis.
,D-se por discutida a resjlucio, e he
appi ovada salva a merHa ; a qtial pe-se
a votos e he igualmente approvaflik
Sendo adoptada com a emenda, pasta
Com. de Redaccr.
Pilas li horas e humquaito, com as
formalidades doeostume, e estilo, tem in-
gre.-so na sula o Snr. Ministro da Ju-tica,
^% em sua presenta conlinua a primen
discusaio da propo-ia do Governo conver-
tida em p'ojelo de lei, que tonltm al
gumas disposic5es sobre as rdeos de 11.'-
beas-Corpus.
O Sf. Coi nelio Franca obierva que na
proposta se pretende providenciar a res-
pailo das ordena de H.b. as-Corpus, mas
nao se diz qual o piocesso que se deve se-
guir, quando a prisa se julgar illegal, en-
tretantuque v no til. 6. arl. 353 do Co-
digo, que se ai ha consagrada e..*e mar-
cha j e o Sr. Mini-troqoer que se na5 con-
ceda cideni de Ilaheas Corpus, (|u>nd>
baja hum proceso nullo em vi t. Hj e-p ri que o Snr. Mini-tro Ibe d alguns
tsclarocimen'os.
O Sr. Mini tro responde so m.be De
putado, observando Iheqoe oque tem em
vi la ho que < ordem de llabeaa Coi pus
nenlmma iiiflu^nca tenha para a de-
c sao du julgameuto quando o protvsso
leubi dereguir, mm lio pouco o prore-
so deve influir paia a cuiice-sa do Habe-
ds Corpus.
O Snr. Cornelio F. amja responle
obervdGo do Snr. Mi'iistro; coni'n'na a
di-posicio da proposta, i om a do Cdigo
do Processo, e d ila culli^e que a propo-
la n 6 pode pas ai-, p-la rain de so ir
coau'tar o^ direitus individuaes do cida-
dio : eat persuadido que o Cdigo tem
alguns dtfeitos, porem a proposta heui
!onge de os eliminar, os ai au.mentn ;
pjr lanto declara-.-e contra o pioje. to de
iei.
O Sr. Mini-tro em hum 1 >ngo discurso
mostra a coiiveiii* ocia da prup tenia a sua otiiidade; obrera que nio
sendo esta orcasiao opporluna de se entrar
na materia dos ailigei, ella deve passar
asegunda discussa5 onde, maii de perto
-e pode entrar no exaose das direis-s dis-
posices contidas pos arligos di proposta,
os q'iacs i poden offmever aj emendas
que se julgarem convenientes. Respondo
aos ai gmenlo* presentados na antece-
dente sessio pelos Snrs. Vasconcel'os
Caroeiro Lea'o, e Visconde de Goianna,. e
bem assim ao que na p esente sesi
presentou o Sin-. Cornelio Franca.
O Snr. Visconde deGoiaona------
OSnr. Vascoecellos obse va que a pio-
posla ufo he o lompetente remedio para
smalesque sesoffem, e a se-lo nio la-
Vena huma discussa ta prolongada;
a adoptar-se a'goma cousa, nio ser oqua
se acha aonlido na proposta. O orador
combina a proposta com o CoJigo do
Piacenso, ede.-la analie rourlue que a
proposta sendo contrarij a algumas das
disjosic5ea do Cdigo, nio admilleo Ha-
bees-Corpus, que eipress..mente oll'en-
de a Constituicio do Estado, a qual nao
permilleque p.ssoa alguma stffia prisio,
huma vez que a paite na5 aprsente as
competentes testemunhas. Paiece-lhequo
a doatrina da proposta hebuma suspeusjo
de garantas, p. is que su-peode a garan-
ta que a ConstituicaS d ao CidaJio, da
livrar se sollo, em certo caos, confian-
ca. D.pois de 1er alguns arligos do Cdi-
go a este re>pei!o, di que deaejaa'q e
l'ossem chamados discussio os arl. do
Cdigo e da proposta do nobre Mioi.tio,
para se conhecer como pela p.op.sta so
preteuden ca'ar algumas garantas do Ci-
dadio. Depois do nob: e o ador 1er a di-
posicoei do Cdigo lelavas concessio
do Hb as-Co-pus, pedeao Snr. Mini tro,
que Ibe roost.e onde na proposia se acbao
consagradas as byf.olhe.ts do Cod-go do
Processo G.iininal, para a couce^ao do
H.bess-Corpu-. Em d.scuiso, iembra que afamara ja ieco-
nhereo que o maior d feilo do Cdigo es-
t Daforreacao da Culpa, e vista desla
deiisio da Cama, ii, peje que se ade e.t*
discussa, al entrar em discussa o pro-
jectr sobre a furmacsd da culpa, e depo-
is seja tomada em lousideracio a piopof-
ta do nobie Ministro.
O aiiamenlo pedido he apoiado, e de-
pois de sustenido pelo &r. V. de Gowna,
po.toavotos, l.e legetado. Continua a
OSnr. Mini-tro daJustga, em respos-
la ao* Snrs. Vasconcelos e Visconde de
Goianna, dis que os nob.es Depulados
confund m o fi u com o meio: quo mn-
guem d que liqoem suspensas as garan-
ta-, nem <|ue qual.pier seja preto coui
s ormali.a Jes lefaOS) m.s como o Lo-
dio ufferece outios recursos pra eva-
rficar esta soltura, nio he necesario o
Haheas-Coipus; o meio da proooata he
retiingir a multipci lado de mow q';e
liiiba os pacientes : nio qui confundir
huma meJida de lUbeas-Corpus, cora es-
sas ccuivUacias de iuilidade de pro-?
i '
t
1
u
4
10
ti
it
O
ll
Ia
i*
Ut
)0
tu i
p
d
V
2


DIARTO DEPERNAMDUCO.
IV3KH
casso, de p> isid, e & couzi que po lem
ser roelhor notadas e ventiladas em ou-
Iros iccursos que a lei faculta aoi pacien-
tes. Nota aos "ustres Deputadc-s que a
proposta nao quiz confundir a materia de
fianza com a de Hibeas Corpus. De-
monstra que pela proposta, nadseoffen-
de osdireitos de Cidadio netn a Consti-
tuicad do Imperio. O que ao orador pa-
rece tumultuario e contrario aos princi-
pios de jurisprudencia be que o pio-es
so julgado decidido pelo tribunal cura-
ptente Tenha depois a ser annulado pe-
lo Juiso de hni s hornera ; que leud-
se seguido os transmitos Iegaes, leudo o
reo procurado os recursos da Le, ou
tendo deixado de peor ural-os possa
hum Jaiz Municipal polio na ra s p*or
qus julgaqtie nao te observaran s for-
mulas, assim fique de nenlium efF ito o
processe pascado pelos transmites da Lei.
Se o reo be condemnado por huma ten-
tenca injusta anda Ihe fica recursos ;
recorra ao poder Moderador expenda
as sius raz5es.
O Snr. Vascoocellos concorda com o
nobre Ministro, que a propota nad sus-
pende as garantas mas malta as garan
tia.
O Sor. Souza e iveira exp ule an-
da algumas rasdea pelas quaes corrobo-
ra a soa opioiio contra a proposta.
O Snr. Henriques de Resende observa
que tendo a Asamblea Provincial de Per-
nambuco abolido os Jui-es Municipaes ,
se for approvada approposta que no dis-
cate ella va fazer naquella Provincia
hnma extraordinaria disordem, porque
a Relaca s pode conceder pela piopos-
ta o mandado de Hibeas Corpus na sua
Comarca o Juiz de Direito pode nao es-
tar na Provincia pode por expropio es-
tarna As emblea Geral romo Deputado,
ceolio o orador n.5 sabe qu ro hade dai
e_-.se-. mandados de ILbeas Corpus : eru
Con-equencia manda a meia oseguinte re
qoerimento que he api do e entra em
disctissaS ficando no en tanto sustentada
a da Pioposta.
Reqneiro o adiamento at que se lo
me a medida proposta, ou qualquer outra
qne se adopte, a cerca da Lei de 14 de
Junho de i835, da Assemblea Provicial de
Pernambuco.
bre Polica, o Taras ..reMloefos : levan -
toa a Sessad.
O Snr. Carneiro Lea pronuncia-se pe-
lo adiamento e esta' persuadido que o
Snr. Ministro da Jusiica appioveitara'
eta ocrasiio de d fender o adiameuto a
fim de q' elle passe porque parece, aco-
rador, ser este omelhor Mito que pode
ter a proposta. Ci que a maioria depois
de terouvido ludo quanto esta proposta
involve em si ludo quanto tein contra
ai garantas da Libeidade individual es-
tablecidas na Constitiiicad, n.' leudo
ouvido que o Senbor Ministio apresentas-
se slgum ontio recurso aos pacientes, se-
nt a bemlicencia do Poder Moderador,
se envergonhar' de appiovar semelhan-
te proposta, mesmo em piimeira discus-
sa5.
O Snr Ministro da Jusiica diz que
tendo ja emettido suas ideas a espeito da
proposta, deve a e.-perar pela decisa d*
Canina entretanto que o Snr. Deputido
que acahoude fall.-r trouxe ocaso do re-
cu. so do Poder Moderador, a vista do
que a nidio i i .-e de vera envergonhar de
Votar pioposla, diz ter fallado nesse re-
curso no caso especial, depois de huma
sen tenca final e nao recoirer ao Poder
Moderador em todos os caso, como ni-
co recurso.
O Snr. Va8Concello! produz multas ra-
zes em favor do ad4i*mento; mostra
anda os inconvenientes da proposta, e
inda quandoella passe a segunda d seus
sao est eerlo que o Snr. Presidente nao
dar nunca para ordem dodiaa fim
de poupar ao Gove n > ver sabia a sua
pro posta.
O -ddiam uto he julg^do suffi-iente-
mi nte discutido e poslo a Votacad be
pprovado p r v nte nove votos contra
lite seis.
He dada hora. O Sur. Ministro re
tii a-se rom as foi maliadtt do esli'o ; o
Snr. Prndenle marca para ordem do
i| adiscussa proposta do Governo, 10-
----- rr""1
PERN^BqCQ. -
OVKRNO DA PROViaCIA.
Expediente do da \\ de Dezcmbro.
OFFICIOS.
Ao Commandantedas Armas remellen-
do-lhe os Procesaos dos Reos Soldados
Antonio Ferreira Marinho, Cario- Jos
Antonio, Francisco da Cunha, e Pedro
Alves da Costa, julgadot pela Junta da
Justica.
Ao Prefeito da Commarca de S.
Anto commuoicando lhe que foi expe-
dida ordem ao Director do Arsenal de
Guerra para mandar apiontar eentregar
a sua disposigad o sioete das Armas luipe-
riaesque regiiLitou em seu oficio de l3
do coi rento para o expediente de sua Pre-
feitura.
AoPreeio da Commarca do Recife
partecipando lhe que pode remetter para
bordo do Paquete Gonceicad como iequ
sita em seu olficio de 13 do coi rente o de-
g'idado Jos Antonio Baplista, a fim de
seguir o seu destino.
PORTARAS.
A o Director do Arsenal de Guerra para
aprontar, eentiegr a di-p osicio du rre-
f-ito da Commarca de Sanio Aotio, um
sincle das Armas Impeiiaes para o ex-
pediente da Secretaria d'aqoella Prcfei-
tura.
Ao Commandante do Paquete Con-
ceicad para leceber a seu bordo e trans-
portar para a Corte, a fim seguir d'ali
para Santa Catharina o degred.ido J.i-e
Antonio Ba'piista que lhe sera' enviado
pelo Prefeito da Commarca.
Ao Inspectoi do Arsenal de Mantilla pa-
ra mandar para bordo do Paquete Con-
ceicad is precisas rages para o degreda-
do Jos Antn o Baptitta, que pelo Pre-
feilo da Commarca be remmetido paia
Corte.

CMARA MUNICIPAL DE OLINDA
5/ ScusaSordinaria de ifide Novem-
bro/Jle 1836.
Presidencia do Sr. Barros Falca.
Aberta a S nboi.es, Oliveira, Doutor Rosdles Car
dim, e Albuquerque filiando com cau-
sa os Senbo'i'es Guede-, Passos Azeve-
do, e Xavier.
O Secretaiio menrionoo os Ollicios se-
guintes:
comparecesse na'essafi seguinte.comsuas
con tas.
E por 6er dado a hora o Senhor
Piesidente levantou a Sessad, e fiz esta
Acta em que ssignard. EeuJosquini
Higino da Motta Sveira, Secretario in-
tirino o escrevi. B ir ros Falcad, Presi-
dente, Rezt-lies, Cardim, Oliveira, e Al-
buquerque.
Navios despachados no da i\.
Canoa, Conceicad do Pilar, Meslre Pe-
dio Galdino Pinlo Para Guian na.
Qiat i o dos Secretarios das Mesas Ele,i-
toraes drfs Freguesias ala S, S. Pedro
Mrtir, Maranguape, e Popo da P-nella,
remettendo inclusos o Livro, erna,
rom as Actas dos Eleitores das respectivas
Fregoesias.
Outio Olficio do Juiz de Paz daFre-
guesia 4S. Ped-o Mariyr oCidadio Mi-
guel JosTeixeira, partecipando que jus-
tos motivos deixava de continuar no ex-
eicicio das funcies de seu caigo, e que
no seu impedimento transmetlia a vara
para o Suplente : inteirada.
Outro do Cidadio Francisco de Paula
de Souza Le > partecipando, que accei-
tava a nomeaca de Veieador para a pr-
xima stguinte Legislatura : intuirada.
Cnmpareceu o Cid>dio Adolfo Manu-
el Camello de Mello e Araujo, que foi pro-
posto p lo Juiz de Paz da Freguesia de
Maiaguape para sei vir de EscrivaS do seu
cargo, o qual sendo approvado, prestou
o competente jnramento, e logo se lhe
deu o seu ti mo.
O Senhor Presidente prop z que se
fisesse especial menead n'Aea de hum
requerimento do Cidadio Antonio Do-
mingos Pinto ; issnn se resolveu, sendo
devoto contrario o Senhor Cardim por
ihe parecer antecipada e^a deliberaea,
antes da informacio do Secretario da C-
mara a cerca do indicado requerimeuto.
Asumma &o couteudo no requeiimento
he a seguinte Antonio Domingos Pin
to exige da Cmara a quan.tia de i/ j)96o
rs. proveniente de alguna movis, que
compiou o procurador da iiit-mi para o
ornato diS.lh dos Jurados ; as.>br i2
cideiras de Jacaranda a nove mil res cada
huma, ii\ cadeiras ordinarias a trez mil
res cada huma, huma Mu de amarello
DIVERSAS REPARTICOENS.
HBXA DAS DIVBRSAS RINMIAS.
A pauta he a niesma do N. 258.
CoRRElO.
A Sumara Emilia, de que he (pitad
Jernimo Antonio de Soma sae para o A-
racaly rio dia i7do correte.
A Sumaca Unlmira de que he Capitad
Jase Joariuim Alves, sae paia o Aracaly
no dia jj do rente.
PREFEITL RA DA COMARCA DO RECIFBt
Parte do dia i3.
Illm. e Exm. Sr.
Paitccpo a V. Ex. que dat parle
reclalas, consta nad haver novidade.
Dos Guarde a V. Ex. Secretaria da
Prefeitura da Commarca do Recife i3 de
Deeemhro de 1836. Illm. e Exm. Sr.
Francisco de Paula Cavalcinti de Albu-
querque, Presidente da Provmci.i. Ma-
nuel do Nascimenlo da Costa Monleiro.
por seu mil res; inpoilando tudo na
qaaotia de l86$ooor., sendo lhe deve-
dor o mesmo Procurador, do que exige
de i40$960 ; movis estes que foca.fi
i omp a jos a 2 de Maio do anuo prximo
Minia.
Requereo mais o Senhor Presidente,
que fo-86 dimittido o Procurador da C-
mara pelas fallas r ileirudas no cumpri
ment de seus deveres.
No mesmo sentido requereo o Snr. Al-
buqueique ponderando outro sim que
-e nomeas-e novo Procurador, em seu lu-
gar, e que se ch Procu-ador, que ce proceda contra o
mesmo como de Direito fosse, visto que
a quautia que exiga o requerimento su
pra ja fora-epprovada, e o memoex-Pio-
curadur api-esentou-a como exacta, o que
pre>entemnte nad se v; protestando des
de ja que nafi se responsabelisava por
qujlquer fado reprehenivel do m-.^mo
ex-Procnrador (caso fosse continuando).
A Cmara resol veo no sentido das du-
as propostas, sendo de voto contrario o
Sr. Cardim, por nad se achar piesente
dito procurador, na qual Sessad deresse
ser ouvido, e ma a Cmara em consideracad.
Senhor Oliveira requereu, que nad
obstante ser laugado foit o actual Pro-
curador, todava elle fosse chamado paia
ser ouvido e convensido na Sessad se-
uuote de 2a acerca do requerim'nto de
Antonio Domingos Pinto: reso veu a C-
mara no sentido de seu parecer; e pro-
cedendo-se a nomeacad de novo Procu-
rador Interino o mesmo Sor. Oliveira
propoz ao Cidadio Man.oel Jos do Nas-
cimento, o qml sendo approvado triar-
cou-se a Sessad de 18 do coi rente paia
vir -asignar o competente termo de ban-
ca e dirigir-si como tade-r idneo na
forma da Lei.
Ojtro sim que o ex-Procurador fosse
aviente de semelbante resolugafi e que
VARIEDADES.
Vfutura da obscui idade.
Feliz boje de quera em lugar de pre-
correr o mundo, vive longe dos bomens!
Felizdaquelie que nada conbece alem do
seu horisonte, e para quem a aldea vi-
sinha he huma trra estranha elle nad
entregou o seu coracao objectos ama-
dos, que nad tornara' mais a ver nem
sua reputacio descripcad dos malevo-
Ios! Elle julga que a innocencia habi-
ta as cli jpanas, a honra nos palacios,
ea virtude nos lempos. Elle pde sua glo-
ria e sua religi.d em tornar fvlir, tudo
quanto o circunda. Se nad divisa em se-
of-jaidins. nem os frutos d'Asia assom-
biias ai venes d'America, elle cultiva plan-
tas que Lsem a alegra de sua espcza a
deseusfilhos. Elle nad tem precisad de
monumentos de architectura para enno-
blecer sua paizagem. Urna Arvore a
sombra da qual um hornera viituoso se re-
costou, lhe suscitou sublimes recorda-
ces : o ch.'upo nos bosques lhe n.corda
os combates de Hercules : a folhagem dos
Caivalh.s, as cord< do Capitolio. A
culluit do trigo ihe aprsenla bem ou-
Im>s concerlos agradaveis a vid^ huma-
na: elle condece pellas suas sombran, as
boras d > dia pelos geusconhecimentos,
as rpidas estaedes e nad conta sena fu-
gitivos annos, sead pelas i-uan colhetas
innocentes. Elle n-d teme pois, como
as cid .des, nm hy meneo infiel, ou u-
ma postei idade muito numerosa : seus
trabalhos sad tempre excedidos pelos bc-
neficios dm ntur-s. Apenas o sol appa-
rce no sgno da Virgem elle rene seus
prenles, convida seus visinhoi, e logo
que a aurora desponta entra com tiles
as maduras searas, com a Lucinha
na mao. Seucoracad palpita de praser,
vendo accumular-se as paveas, e seus fi-
; Ihos danc. em toi no della*, coroados de
plantas, e de p-ipoulas seos jogos lhe re
! cordad os da boa primeira idade e a me-
moria dos virtuo.-os antepagados, queel-
le conta tornar a ver um dia em um mun-
do majsfelix. Elle niid duvida que n.d
exista um Dos, tendo em vista suas sea-
ras, e as doces pocas que ellas o trasem
a sua memo:ia elle agradece lhe-por ter
ligado a sociedade- pvs^ageira d'-8 homens
por huma tad. eterna de beurfi ios.
Prados luridos magestosos e murmuran-
tes bosques, fonte< spu,no-as, s-lvagens
roebedos fnquentados pela pompa ni-
camente, amovis solides que nos arre-
bataes por inefaveis concerlos : feliz de
quem puder ra-gar o v.> que cobre vos-
boi secretos encantos' porem mais feliz
ainda aquelle, que os pode desfruclar em
paz no patrimonio de seos pais !
(Bei naudin de St. Pivrre).
(DoCorreio Mercantil).
Colonias Agrcolas da Prussis.
Dede o anno de 168o o Eleitor f'e Br-
deburgo, Frederico lo( r berano da Prussia em i^oo ) formoo nos
seus Pistados colonias agricolas para os pro-
test.ntes Fraucezes, refugiados em conse-
quencia da rivoga?io do edicto de Nanles
A este beneficio ajuntou o d fudac" de
um hospital destinado a receber os t Ihos
dos no vos vasillos.
Em i7l8, Fredeiico Guilherme, sea
succetsor, para reparar os estragos que ti*
tilia causado a peste no recinto da Pi iis-i',
recentemente o ganisado trouxe a todo o
custo colonos da Suissa Suab>a e dos
Palaiinados; e eslobeltceu os na Lithua-
nis; diste modo conseguiu dar rpido un-


---------------
DIARIO DEPERNAM8UCO.
palo populaeio e culturas de seus esta-
dos.
. Mais adan te., qoerendo o grande Fre-
derico vir.ficar e fazer prosperar a Sile-
sia que conquistou depois de urna liuta
obstinada e sanguinolenta offereceu a ca-
da familia de cultivadores que fosse es-
tabelecer se no meio dos bosques da alta
Silvia urna casa com estrebaiia e cur-
ial i2 ou ao gaifas Fmucez.s ( arpents.)
de teiras de la?oura ou prados, ama bor-
la de urna geira Francesa e o correspoo-
denie gado. O colono proprietario eslava
izempto por algum Umpo de contribu -
cesedeservico militar assirn como os
illios que tioba levado consigo para o pa-
U. Frederico depois de ter elevado nos
bosques de seus dominios tautas aldeas no-
vas quantO pe minia a prudencia tici-
tou os sen lio res das trras a fater outro
Canto. Aquelle de entre elles que estaba-
lecia urna ftmilia estrangeira as suas fa-
tendas, como o Rei nos seus dominios, re-
cebia do Real Thcsouio urna grati6. aco
de uns 835 francos indemniaacio conai-
deravel n'um paiz em que e-tavara pelo
nfimo preco as trras e a mi de obra.
A fim de augmentar tambem as provin-
cia o numero dos jornaleiris, da va Fie-
derico aos senbores por cada casa nova com
borla uma aomma de 490 francos.
Dele modo vimos levanlarem-se na Si-
lesia algum tempo depois da guerra dos
sete anuos mais de 25o aldeas e mais
de a mil cstabelecitnentos noves de agri-
cultura e indu-t ia lbil. Supp.ndo
que cada aldea teuba ^.i i rite familias por
te i tu o medio i e cada familia quatro pes-
soas resollar contando as novas ca-
sas de habitantes, um numero de i7 mil
colonos.
Em 178 i783, 1784, e 1785 secon-
sagrou a estes melboramenlos urna aomma
de 10 miIbea de francos. Gastava o Rei
de in-peccionar por si mesmo estes traba -
Utos em frequentes visitaa e a historia
tem conservado as con er saca que ti riba
o Mona re ha oom os Magistrados, e ins-
pectores da diiecyio do* coloaias agrco-
las como um monumento capaz de fazer
conheoer o genio extraordinario e quaai u-
nivernal do giande Fred rico. Eis aqoi
como se txpressava n'uma das suas cartas
datada de li de Outubro de 1773. Fui
Prussia abrir um caual qu* une o Wor-
t ao Vstula e o Neiss ao Elba reedifi -
car alguma povoaces destiuidas, o enxu
guti ao milbas de terreno pantmoso ; alera
disso mandei proceder construccn de
60 povoaces na alta Sil sia onde aindi
ficavam trra incultas, cada povoacfo
tem ao familias. Fiz establecer estrada
reaes as montanhas para facilitar o com-
mcrcio, e reedificar as cidades incendia-
das. (,)
Aiin destaa brilhantes colon nacoes, que
levara imprtsso a sello de um poder, e de
urna vonlade verdadeiramenie leaes, a
Pru-sia oiierere um exemplo mais mo-
desto sem duvida mas nio menos digno
de inlertsse, edobomixito qne sempre
S
ras nfosio balantes para a necessidade da
populaeio, e j se tem formado o projecto
de dar mais extensfo colonia. Ha nos
airabaldes urnas i300 geiras francezas de
maos bosques, cujo solo pode conven r-se
em campo frtil, queosfilhos da colonia
desejam sudosamente rotear, mas que
Ihes disputara varios districtos visinh >s,
que tiram das mattas alguna recursos. Os"*
babtantfs propS m se chamar a nova co-
lonia Louysemburgo em honra da bella e
desditosa Rainha de Prussia, que foi neu-
tro tempo sua protectora.
O maia singular que os Ingieres han
causado involuntai iamtnfe o extraordina-
rio, e rpido incermento da colonia de
Phaldo; ff pelo anno de 1759. lavara
entio recrutando colonos para a Pensil va-
nia no principado de Nassau. Os colonos
destinados a ser transportados a America,
depois de terera esperado loago tempo em
Rottedam os navio que deviam vr bsca-
los, canea>am-se por lim, e pedirm ao
G.verno Piussiano algons crtous para ra-
tear. Federico Ihes concedeu os terrenos
imniediatos na colonia de Phaldoif; Fez-
Ihes destribuir semeutes, den Ihel raadei-
ia pas edificar casas, econcedeu-lhes to-
da a sortc de nobres estmulos; desde a-
qoelle momento adqiiiriu a colonia o de-
sen volvimento p'ogressivo, que a levou ao
ponto em que boje s acha, apear da m
qualidade de suas trra-,
( Magasin Unirersel. )
(Do Diario do Governo de Liabna.)
CORRESPONDENCIA.
Snrs. Redactores.
cota o trabalbo unido inteligencia e
constancia.
Nos fius dosecillo 17.0, um bomem res-
peitavt 1, Hollandez de naci, chamado Ul
lino, lancou os fundamentos de uma colo-
nia agrcola em Phald. 1 ff, no ducado de
Clevt-s. Fez rotear urnas 170 geiras fran-
cezas de terrenos manmhos, que dividiu
ein seis casae. Em I7O9 fea; uma semea-
dura de pinheiros, os primeiros que ae vi
rain por aquellas trra, e que medraram
perleitamentr. Effl 17 iO a povoacao do
Pli-ldoif suba a 156 habitantes ; no se
quinte anuo augraentou com aO familias;
bjje consi te em a539 individuos, que
formara .\id fa.uilias, repartidas em 393
casas j o terreno de 233^ geiras france-
*as da tenas de laroura ( eutre as quaes as
que h 1 mais lempo su cultivam sao as me-
Ihons da colonia), 35a geiras francezas
I de bosque, e i03.de matagae incultos, pa-
ra cujas culbelas ntram como eltmenios
na lu m.ci dos etrames.
Esta bella colonia acha-se ha mais de um
secuto rio estado mai floresCente, e excita
a admirarlo dos viajantes j poiin as ter-
( 1 ) Obra posthunaa de Frederico
2. s
Cumprr-'me inda jnstificar e defender
minba conducta perante o Pub'ico em
consequencia da Portaiia de a8 de No-
vembro que de alguma >one a compro-
meta. Sao es'f s casos em que a utili-
dade da liberdade d'imprensa se demons-
tra eom evidencia.
Nio be para admirar, que o meu pro-
ced meoto que re puta rei sempie pru-
dente nio encontias-se a ap-ovacfo do
Exm. Sr. Presidente da Provincia, p->s
raras vezes entre os homens se indentifi-
co os principios ou as opm.-s, e moito
menos as obras. S. Exa. inostmc-se pou-
co satisfeito de minba resolueio de vir pro-
prio expor-lhe os factos occorridos em
Gararihiins ober delle as provid nci.is ,
e combinar nos meics deltas : S. Exa.
qualificou isto nao s em miuha prsen-
la, comoem auaPoilaria, de abandono
daComaica, e omissio de empregar os
recursos que a lei Imha posto ao m.-u das-
por : he justo que tu interrogue aqui,
quaes sao es-es recursos deque se blasona,
nete tempo e em crise tal qual a em
que eu me acbei em Garaubuns sem for-
ca fsica ( quero di/.er ; forca militar )
que imposes-e aos revoltosos ; sem ascen-
dencia na mor parte da populacio ; com
buin carcter encap.>z de acender a guer-
ra civil ; como poderia eu abafar huma
sediccaa que da alguma forma contra
mim se decl.rava ? Com quaes recursos ?
Com pioclamacdes com Preces? Tudo
sena vio. E nao seria melh >r que neu
tralisando o plano dos revoltosos deixan-
do a Comarca entregue a quem pelo art.
g da L i de i\ de Abril de direito tocava,
vic-se. consultar com a primeira Auloii-
dade com o Cbefe d > Executivn da Pro
vmcia que pode dispor de todos os re-
cursos della que a le p >z em suas mos,
os meios rnain marca P S. Exa. chamou a isto hum a
bandono : mas S. Exa. rae di-e ao mes-
mo tempo, que nio linda forca depo-
uvel e que nem sabia em tal caso as
providencias quedevia dar. Ora eu be
que as tmha e as pod a dar em Ca a-
nhuiis 1 Son en a arca dos recursos !
A Vista da resposla pouco satisfat ria
do Sr. Presidente, eu julguei do m- u da-
ver pedi-!he na luesma ocasiao demi*>aio
da Preleitu arada na supracitada Paitara, nio me
foi (ou-a nova nsm p- nivel ; eo motivo
que neil.i seda para desaiiar-me, avista
do que venho de expor, o Publico a quem
gara S'gundo as .-ircunstancias das cousas
actnaes. Eu estou salisfeilo.
O Publico (quem nicamente deiijo
minba defeza ) dere saber un como niy
fui dtsleixado nos deveres que me in-
cumba a Lei de 14 de Abril : a marcha da
Prafeitura deGaianhunt foi por mim pos-
ta em andamento com rapidtz e pruden-
cia : eu comessei por nouiear quem exer-
cesse interinamente as varas de Direito
do Ciyel eCrime. No-niei Sub Prefei-
tus e Notarios para as fivguesias e povo-
aces ; dei-lhes in-truces j mandei fic-
xar ed taes em todas as fieguesias conv-
darrdo homens para ee engajrem no des-
tacamento mostrando-Ibes qiaes as va ri-
ta gens da lei a seu favor; outros edilaes
prohibndo o uzo de anJarem armados
dentro dos povoadi, e de tia/.erem ar-
mas curtas : fz huma circular todos os
Sub-Prefeitos e Notarios, para em confor-
m i da de do art. 16 da Lei de 14, faterem
o ahstamento dos Cidados nio Guardas
NN : e Ihes nomeiawem Inspectores para
osderigir nos srvissos nocturno x e no
mais dos seus deveres. Fie ootra tircular
aos meamos exigindo as relac5es dos Ci-
dadios para serem Jurados em confnmi-
dade do art. 3. dasqiiaeS relace- eu fiz
a apurad > e remetti a Cmara Munici-
pal. A marcha policial foi desenvolvida
com acert, e eu b>a providenciando se-
gundo occi'i'i iio os casos em tudo que es-
lava ao meu alcance obiendo com pru-
dencia, e dignidadea'gons fructos do mi u
re vello ; isto comprovo com o documento
que junto esta correspondeuca.
Esli tg anuos completos, que sirvo
nesla Provincia, sempre na estima publi-
ca, e sernpre apreciado a distinguido por
todos os Cov'i nos que nella se tem susce-
dido. Permita se-me huma kgeira re-
cordaca.
Tenho sido Comroandante Militar da
maior parte das Villas da Provincia; ede
huma v, 7. cammandei tres : Santo Autio,
Limoeiro e Pao-do- huma Brigada no interior ptlo dectir-o de
tres uno-, at que ella fosse com as de ma-
is dassolvida. Sempre fui bem conctitua-
do, e nunca oprim a ninguem : fui Cbefe.,
e Commandaute da Polica da Prace. Fui
acomodar una rbvlifo dos puros no Boni-
to emi826, e tivea felicMa le de pacifcal-
os. Fui eucomdi lo de hum g- ande recruta-
mento para a i.a Li ib, ne ta Capital, e
seus suburbios. Reoganizei alguus car-
pos de a.a Lnha no sul : passei estes to-
dos huma revista de nspeccio geral fora
da Praga, fz hum segn lo recrutamento
para elhs. Finalmeu'e, quando Comman-
dante Militar de Olinda, suprehendendo
o Destacamento de linda em i5 de Setem-
bro de i83i, salvei-a dos hoiroas por q.'
passou a Ci tade do Reciffe na fatal s-r-t m-
brisada / Eis aijui como eu leiibo aban-
donado as commis 5cs que se me tem en-
carregado, eis aqui como s>m ser por mei
os de adulacio, e da haixeias eu l en do,
( repilo anda ) merecido a cordianca, a
estima, e bonr.>s, tanto dos anligos Capi-
tae8 Generaes, como de todos os Governo-
da Independencia : foi por taes abando-
no-, que eu obtive lodos os acebos milita-
res ate Bi igadeiio, que nao me honrio, se
nao por que eu os ganhei por seivis'os,
e no servisso n do Brasil. Creio Srs. R.R;
que estes sio os seutimentos que deve nu-
trir todo o hornera de b m, todo o Brazi-
leiro de cen-o. Seguindo-os eu, priic.an-
do eu sempre arces de prudencia, nio
me julgo n eno cabado por hum instante
de capricho.
Onuda 6 de Desembro i836.
Sou c<>m estima e respt-ito Seu muito
ltenlo Venerador e Obrigad.
O Biigadeiro Antonio Borges Leal.
limpie. Pede a Vosa.-s S'-nho' ia Illus
ti i-simos Senhores Preciiient e Veteado-
res desla Cmara ihe atiestem quamosu-
bfiieui til .-paito. E receher mcn-.
Atteslamos que o \le>eiisim> Urigad i o,
e Prefeto desla Comarca Antciiiv Bordes
L"a! desd o da de sua posse I li boje tem
c .inpido as obrigaces de *eo e.rgo com
en rgia e louvavel aplauso-, tanto desta
Cmara como de todos os bons horneas
desta Comarca louvan 10 tale* as aceita-
das medidas do seu pacifico governo. Ca-
sa da Cmara na Villa de Cranburis em
oesato extraordiuaiia de vinte deNovem-
bro de mil oitoceulus liiuta e seis. Tti-
xeira. -- Crrela Cunha Santos
Mello Est.>va o Sello das Armas Impe-
ndes E nio secontiuha mais em dito
documenli que eu T.belliio abaixo assig-
nado bem e fielmente capiri em publica
formado pieprio que me foi a presentad'
ao qual merepoitj e vai esta na verdade
sem cida faca confeiide a
concertada na foi ma do estillo e eutreguti
o orig nal a pes-oa que de eo lecebiment
a baixo asslgnou por mim escrita a asig-
nada eip publico e razo de que uto. Ra-
cife vinte nove de Novemhro do anno do
Na cimento de Nosso Seohor Jess Ghris*
lo de mil oit> ceios e lunta e seis. D-
cimo quinto da Independencia e do lape-
rio'do Brasil escievi e assignei.
Em testemunho de verdad*. O Tabellifo
Publico Joaquim Jos Ciraco.
V1ZOS PARTICULARES.
lembra-se ao Snr. Prefrito, que baja
de prestar sua altenco par a estrada, que
vai desta (idade do Rccife de Olinda,
per onde sempre foi restume faserem-sn
f'nquttes ataques e ronbos aos pasasnte,
tanto pe> tei ra, como pelo rio, e mor men-
te em tempes de feta : ver se he po-sivel
prevenir esles crimes tanto mais senaivei.
quanK) elles sio pratieadosem um tio cur-
io espaco entre du. das bateras de % Fortalezas, que ah axis-
lem cornos eu.s competente destacamen*
toa. Assimo pede era nome da bem Pu-
blico.
O morador do Reeife amigo dos banbos
do Varadouio.
Declaramos que esta conrc.-poudcocia
existia i das em nosso poder.
RR.
Documento.
I lu-trissimos S nhores. -- Diz o Briga-
deir> Antonio Borges Leal I' e ito desla
Co narca du (iaranhuns que ihe fas a bem
que Vossas Senhorias ae dignem declarar
Ihe sa o supplicante dtsde o dia de sua
po-se atde boje viole do trrenle me de
No vembro de mil o tocen tos tiinta a seis
tem compiido 110 exeicicio de sua Prtfei
bubmello o juio da miaba causa ju'ga- j tura rom o acerlo e dignidade que Ihe
Quem annunciou no Diario de
l4 do con ente ler pata vender uma pe-
quena morada decasa terrea de p.-.'ra e cal
nesla fn goe/ia de S. Antonio, livre e des-
embarazada ; queira annori. lar sua mora-
da, ou diiigir-a"a iua dos Marn io- D. 8
lado d.I^reja, d-sGas 8 horas da m.nlii
edas a al as 6 da larde que achara com
quem ti arlar.
atlv* Quem annunciou ler urna pique-
ra c para se tractn do negocio.
Jjr A peasoa, que pretende aoo^J n.
a juros a 2 por rento ao mez, e piomete
boa firma, dirija-se a li t m I) lonaiua
larga do Rosario, das 10 horas da man ha
ao meio dia.
jrjs- Quem quizer dar 4' oJ) rs. a ju .
rosa um emeio por rento, com hypote-
ca em morada de caza li* re e desemba-
razada, por lempo de um anno: annuurie
a sua morada para ser piocmado.
jCJr- Felippe Menna Callado da Fonse-
ca participa aos seus Clienies e Amig"s,
que lem mud.-do o seu escriptorio e resi-
dencia para o principio da madosQuar-
teis n. a.
*ato>* Preci.sa-se d'aluguel um sobrado,
de um ou mais andar, dentro doRecifa
em quslquer das ras nio sendo exquisitas,
ou me.mo uma casa t n> a na ra da Guia;
quem a tivar avi e no segundo andar da
tasa da esquina do beco doEnc-anti.me.ttoa
Antonio Joze Boa que este dir quena a
pene .d-.
tOT* A pessoa que annunciou naste
Da io querer aer oceupadoem plmtavdes
dando paia isso um mes servifo glis
para se podr apreciar o seu trabadlo,
caso amda es'ja desocupado, iipai-ec*
n-'sta Typografia que se ihe dir quem o
pertend' j s-im como qualquer outro ,
que ao m sino trabalbe se queira propor
se far regorio.
ajrjr* Pivcisa-se de uma ama de caes a
da -se por auno mais de 60$ reiscomLt


1
DIARTO DE P ERNA M BUCO.
3
me o ajle sendo dita iota preta captiva :
no largo da Igreja d N. S. do Terco D. {.
19" Q 1. ni livet- dividas, as queira
cobrar na Provincia do Geera, e Ro gran-
de d< Norte, e bfferece urna pessoa fie!
que tnn de ir para aquelles lugares t o
principio de Fevere-iro do anno prximo
viii'louro que prometa as ai recad.r a
contento de seos dono* por ter bistante pra-
tira de C-rta e ser igualmente oelle raui-
toronhecido; quem se quiser utilisar do
pre-tirno do annunciaote, annonckin su-
as mor*d*s, para serem procuradas, ou
ae dirija.1 a ru< du Palacete D. 23 que te
dir quem a pessoa.
V9T1 Qiem precisar de urna mulher de
roeia idade, branca, e capas para todo o
arranjo de urna casa sendo de lio nem sol-
tero, dirija se a ra da pn na casa ''a es-
quina D. 1 no fundo du sobrado do Ec. i-
rio Peres.
1^ Precisa se de 600$ res a premio
de um e meio por ceno, por tempo de
metes com boas firmas: quem os quiser
dar annuncie.
tP3P Prer-isi-se de 550$000 res por
tempo de um anno, hipoiecando-se um es-
cravo, e o servico do mesmo o premio
da referida quantia.
%9 Roga-se ao Snr. Corneta-mor de
um dos N-ilafhSes de 6. N. que empenbcu
urna banda de lan, por oto das, ej >o
pascados metes, que a venha tirar quanlo
antes, do conda io se publicar sen nome.
W9 O Snr. qie annuaciou no Diari >
deb"ine-ii ter comprado fexe de capim
no rmasem da rua do S-.l por 400 reis,
por favor declare quem foi que hio Ten-
deo, poique romo a rasa tem dos caiisiros
que recebem capim no dito ai masem, dse-
ja saber qualdelles foi
Um dos caixeiios;
OfFerece-se nm rapan rortnguez,
para caixeirode venda ou loja de negocio,
ououua qua'quer Ca8<, mesmo que seja
paraforada trra, armasem da asaurar ou
da outra qualquer occupaci ; dando fi-
ador a sua conducta ; quem pertend r di-
xija-ae a venda da ra Nova D. 36, que se
Ibe dir quem perlende.
t& Preciza-se de 400$ res a premio
comas seguranzas do estillo : quem o qui-
ter dar annum ie para .-er procurado.
UF" Quem precisar de um cosinheiro
que sabe lser todas as qualidades de co-
midas, e igual doces, dirija-se aopoito
das canoas casa de pasto n. |50, ou anun-
cie par ser procurado.
P Oadminisirador da Capella da Se-
nbora da Conceico da Bo*-vta torna se-
gunda vez fasersciente a todos os propie-
tarios de predios, fritos em tetras prrten-
ren'es a mema Capella, que vio pag fotos que se achio a dever ate este anno
t seu Procurador Bist.-nte Jote Joaqaira
do Espirito Santo, e o nio fasendo at o
fira desteTorrente mez de Desemhro co-
brar immediataraeute pelos termoa Judi-
eiaes, e para que nio a chamem a igooian-
cia, 1 z este aviso.
aT^" O aba-xo assignado faz publico que
tem contratado com o Snr* Francisco B01-
ges dos Santos Less.t compra-Ibe urna sua
morada de casas terreas sitas ra ra d'Agoas
Verdes D. i3; quemseacbar projudicado
com dita venda ou -e achar com direito a
inanu casa declare p r ele Diario no pra-
co de oito das, alias se t Efectuar o ne>o
cio,e o abaixo asignado nio se icsponsa-
bilisara por qualquer duvida que apareca.
Joze Ribeiro de Vascoocellos.
J^r* Aluga-se um cobrado que seja bas-
tante grande para uro Kan ipioi io e arma-
sem, sito em qualquer das principaes ras
de Santo Antonio, na visiahanca da pon-
te do Rccife: quem tiver annuncie para
aet procurado.
j^ Off.rece-se para raxeiro d'Escri
torio, ou luja de faseud ..s um poi tugues de
17 anuos de idade, oqual filia e traduz com
per ft icio o idioma Ligler.
If^P Quem pitci-ar de um homem
inSO para ca xeiro de armasem ou de ra
equedai fiadora sua conduela ; annun-
cie a sua morada, ou dirija-se ao armasem
de assuc -r da ra da veimb da casa n. 5.
mr* Joio Dornel'y rom loja e arma-
zn ua n da 1 'ad. ia do Reeife, lem a
boora dav anunciar aos seus fregueses e a-
migos, e mesmo ao Publico em g-ral ,
que elle acabs de c-hegar de Londres com
bus compl. to e grande tui tmente escu-
lliido, defasandas, que pelas suas quali-
dades cbom goto, convidio a atenqiode
seus frtguezes a consta d<> seguinle : pi-
nos finos das principaes fab>ic>>a de In-
glaterra, de todas as cores e qualidad-s,
casemiras, muiis' duraques, brins,
valencias chales, e alcochuados, Tillados,
Isjs e lavrado-, grvalas de seda de x
que-iti gosto e novidade, sarjas (para eo
etes, a fuitSes e um grande sorlimen-
o de falo feito constando de casacas ,
subiecasacas calcas, coleles, jaquetis o
jaqueN, tudo de panno e de oulras mui-
tasdiveisas fasen las tuda feito no ultimo
gusto e moda de Londres, que em quali-
dade eelegancia nunca foi excedido, e
agora acaba da recehee outro novo sjrli-
mento de tude quanloassima fica dito, tu-
do ja de milbor e ruis moderno g >so.
Julo Dornelly aproveita esta oca^ifo para
agrade* er lo* habitantes dcsla Provincia,
a deeidida pieferencia rom que o lem
honrado, eav,pgu;i a seus fregueses que
grato a seos favores ja mais se dcaviar do
sistema que sempre leve de vender suas
fallidas cun o menor lucro p-'svel.
NAVIOS A CARGA.
Pra o Rio de Janeiro
O Brigue Santa Mara} Doa-soite, sahr
com milita brevid ida (por Ur a sua carg
prompta) ; quem no memo quiser caire*
gar, ou ir de pisstgem dirija -se a Jos Gon-
calves Cascio na ra daCadeian. 1 9, ou
so Capillo Antonio H^mique Mafra abor-
do, ou na Praca do Commercio.
COMPRAS.
Uma HPlhafizica portuguesa, traducida
por CardoZa : quem tiver annuncie.
LEILAO.
Joze Pereira da Cunha faz leillo boje
l5 do coi rente mez de ama porfi de afta
ras de figos, no armasem de Antonio Joa-
quim Pereira no caes de Alfandega pelas
10 hoiasda manhi.
VENDAS.
Fonhas de Algibeira a dose
vitttens e de porta a seis vintens:
Na Praca da Independencia loja
de livros n. 37 e 38, na loja do Sr.
Antonio Jos Bandeira e Mello ,
ra do Cabug e defronte da
Igreja da Madre de Dos, venda
que foi do Rezende.
iy Urna pre'a demeia idade, muto
-adia, e fiel; cos'nha, compra, e lava,'mui-
(0 bem de sabio, e serve para todo o ar-
ranjo de uma casi : na ra da Cruz pii
meiro andar do sobrado n. 3i
W Vende-ae, ou aluga-se uma mo-
rada de casa terrea de pedra e cal, no lu
gr do P0Q0 da panella rom a frente, para
ofiio, salla aniante e afra/., cosinha for<:
no pa'eo de N. S. <'o Tergo sobrado D. 6g
que se di com quem hade tractar.
MT* Duas casas ter/e-s acabadas a pon-
co no atierro dos Affogados da parte do
mar, (endorada urna 36 f-a'msde fren'e,
e 88 de fundo, com cosiuha, quintal gran
de e todo murado rom grande caes de pe-
dra : na ra dos M u tirios 0. 8, lado da I
greja.
|ty" Uflaescravoofficlal de alf., ite, do
gento de Angola, de 18 annos, e milito
bom pira tU'fo p >r snr anlidos >, e pti-
mo para pagem, sem vicios nem acbaquis,
e tambem ie aluga sendo p.vsoa conhecida :
na rua do Collegio D. 7, i.' andar.
%.9 Ni padaria da rua Dircitj d.fr-
te da casa do fallescido Joze Fcn eir da Fa-
nha vende-.-e jiio de muito boa fsrinba a
seis por quatro virl>n, as-im romo bola.
xa, a bolaxinha, por preco cmodo; a$
pessoas que quiserem podem mandar a di-
ta padarit que serlo bem servidas; assirn
tiobem alguraas pessoas que o quiserem
tomar para pagar por semana, ou todos os
mezes, sendo pessoas de crdito s rio acei-
tas com a dita condic.io.
^ry Virgillio era tres tomos, e Horo-
c o em a, toJos ara bom uZo, e pre;o c-
modo : na rua do Collegio Botica D. 3 de
Cypriano La da Paz.
^ry Um bom cvallo novo, e muito
bom esquipador ; dtfronte do Trapixe no-
vo, cass de varandas de ferro.
S/y A^ile dore superior a 400 res a
garrafa, vinho de Lisboa milito bom a 1^
reis a caada medida velba, pipas vazias a
ir patacas cada utn*rm tonel grande de
aros de ferro por 6$ *, ms8 "'Run8
gneros baratos : na venda da rua do Rosa-
rio larga D. 7.
fcy Urna canoa de carreira com t
palmos de cumplido e 3 de boca multo
sin de poup a pro, a qnal se acba cf oti-
la a po ta do Tiem : os pertendentes diri-
io-sc a rua do Cabug junto a loja do Si.
Bandtira.
jB Boas vaccas de leile, e outras pro-
ximao a parir, e bstanle gordas : na Po-
voacio dos Af< gados rua de S. Miguel de-
fronte da casi n. 12a.
^tjf Por prego cmodo uma feixadu-
ra grande de broca, e uma dita pequea :
quera a pertender annuncie.
*y Uma b >a casa Imrea na ruado
Aragio : no atierro da Bo-vi>ta n. 2g.
1f& Saccas com frinha de supeiior
quili lade, vindas do Rio de Janeiro a
5$760: Q.i praia do Collegio armasem da
casa de imoel de Carvalbe.
ITaT' Um ptimo oculo de ver ao longo:
na loja do livros defi oute do Collegio, do
Piolo.
fcjp Uma morada de casa terrea em
chaos proprios na rua de S. Hento da Cida-
de deOlinda n. 6,e com um terreno per-
tencentea misma casa : na tnsma Cidade
na rua do I! mfin D. 18.
tu9 Oois cavallos um alacio e outro
mellado ambo-> bons esquipadores e carre-
gadoiese muito novos; na ruado Rangel
D. 29.
VJT Um Magnum Lexicn, e uma Ar-
te latina, tudo novo, e por menos do sen
vallor : prorure-aeo destribuidor do Dia-
rio emOlinda.
^y 68 couros salgados: na Povoaco
dos Afogados no primeiio assougue por
baixo do sobrado do falescido Paula Pinto.
WP" Um vacca parida de fretco com
muito bon leite : no mesmo assougue ci-
ma.
IBP Continua se a vender os seguirites
geneos : doceem calda, bocetas com m>r-
mllada de 4. 2, 1 e meia libra, paios pre-
zuios, rhouricas, toucinho tudo chegado
prximamente, vinho do Porto e de Lis-
b-a, e.outros raoitoH gneros prego como
do: no atierro da Boa-vista 1) Ji, venda
de Manoel Francisco Logoa.
IQP Cairinboa para meninos do me-
Ihor goto possivel e por prego cmodo :
na rua da Cadeia ve'lu D. 48.
V&~ Uma morada de casa terrea sita na
ruadeS. Joze, e oseuul'imo precoli-
vr'd todas as dispeas do vendedor, um
cont e dnzentos mil reis : na camboa do
Carmo D. 8 a M'ar com Joze R beno de
VoSCO'itelloii Se Irrnio.
tey A Escuna P .1 tugueza Res-us1 iia )a
ebegada prximamente do Porto a rjual se
acha prompta a seguir viagni para qual-
quer parte : quem a pertender falle com o
reuconsignataiio Manotl Igu.icio de Oli-
. veirs na Pract do C mmer-io n. 28.
^9 Urna rica colcha branca de setira
de macau boidada dematis: na ine.-ma
asa cima.
H91 Feixos de pinbo do Porto pro-
prios para asquear por ser muito fortes
que dispensio arcos: na mesraa casa ci-
ma.
ARRENDAMENfO.
Arrcnda-e um bom sitio rom grande
ta a na juvoacio da Varzca; quem per
tender dito arien lamento dirija;se ao
pateo da Matriz de Santo Antonio sobrado
de oro andar junto a casa em que esteva a
'J ypngrafia deate Oiaiio.
ESCRA VOS FGIDOS.
Sabbado 10 docorrenfa fugio orna preta
de nome Mara, naci Rebolo, de meia ida-
de, tema mi direila trmula qutndo pe-
ga einSilguma cotasa tosi meio cumprido,
tem ums marca no ro to de sua trra, tem
a perna zamba, estatura regular, meia cam-
bada, e lavou um ve-tido de xita meio
desbolado, e nm pao da costa nzado:
quem a aprehender aiinun- ie, que ser k>
comp". d d '.
tjr* Dcsapareceono da Segunda feirs
la do correte da casa do abaixo assigna-
do na Cidade deOlinda um molatinho de
nome Iridio de idade loannos pouco mais
ou menos, baixo a rbeio doroi po, pnr isso
roga-se a qualquer pessua que Oelle soubei-
ou mesmo que o lenba ero casa por ignorar
a quem pertenca du o levar a mesma rua
do Amparo sobrado grande indo para o
Bom Soreg, ou ao beco da Liogoeta ca
doannunciante
Joaquim Joza Rebello.
No da 10 do corrente desspare-
ceo uma negra da costa por nome Jacinta
a (jual representa ter 25 annos de id de,
com os signaes seguintes : alta, rosto au-
pado por estar um tanto magra, signaes da
sua meio no mesmo rosto ao cumplido e
pelas costas a moda de um picado em ra-
lombiuhos, poretn muilo miudos, levou
ao pescoco uma volla decontas azuaes mis-
turadas, com amarellas eruaig quatro vol-
tas de c >nlas do Rio de Janairo, foi vestida
oom um vestido de xita de asiento azul ca.
ro, e mais listras brancas ja sujo, saia pie-
ta por sima c pao de baet<5 azul e-curo
coro a orella branca, ella bem conhecida
pelo nome e tambera por ser muito bri-
gu nta com as ouitas, tem sido vista aqu
noli lino du Santo Antonio e no tanque
d'agoa oh rua da rraia no Reeife e porto das
canoas em uma venda grande, de garnpa, e
dei.ti o do trapixe da Alfandega velha ; foi
comprada f. mii d Snr. Manoel Joze Galviu que mo-
ra na rua do Rosa lio estieita : osprehen-
dedores levem-na a rua do Livramentb U.
4, que serio generosamente recompensa-
dos, assim como se pro1 esta contra quem a
tiver ocujta.
|rjkv De-apareceo umaescrava no da i3
para 14 do coi rtnte, do gento de Ang illa
que repieseiita ter de idade 28 a 30 anuos,
de nome Mara Rita, que and^va venden-
do pi de lu' em uma bandeija, a que al-
gum tempo foi escrava do falescido Capi-
tio Roma : os aprehendedoies a conduzi-
r ao Reeife, rua da Carimba, armasem
de assucar o. 5, que serio gratificados do
seu trabalho. 4
Taboas das mares chelas no Pono da
1 5 Segur fernambuco.
da g i0!i. 6 m ) Z iO- 54 jMan.
.- 6 T: S 7 Q-
* ii 4a )
4 Q: - 0-30 .
9S: 310-S: f: i='i: **
11-D: j a- 54 > ]
MOTiciAs martimas.
Navio entrado no dia i4.
Philadelphia, 38 dias, B. Aro. Le Ba-
rn Cap. Le Cbaminont carga varios
geneos Consig. HanriqueFoster.
Saludos no mesmo dia.
Barcelona, Mstico Hrf Cap. Martin Roses, Consig. J. Pinto de
Lem<8, ca'ga algndam.
Liperpooi pela Parahiba, B. I. yViliomv
Healhet, M. Wiliom.
II" .....1Mi
1HKN., NA T1P. UH ti, l. FARIA lbjt).


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E3XBIT73J_BCQ19Z INGEST_TIME 2013-03-27T15:37:24Z PACKAGE AA00011611_02465
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES