Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:02442


This item is only available as the following downloads:


Full Text
flNMMhda
i^iiii immftmtK0t&mim*m*m*m*mmm
NMaMMMMMHMHM
#
AVNU K 18,34. QUINTA FLIRA 1.3 Ol MARCO NUMEROS.
v **...-. **y^ *
l/*-***^*/. V^/^v **,*.^%. *W h* VX -<<*/... W..%. ..%*.%*>%%%*- v*
,
SIMIO US MMMNWCO*
Sul)surevc-8p mensaimente a f40 res, avilantado*, na Tipogr^fia
o Diario, palco da Matril de S. Amoi :: -oiirado da pona larsa
nde e receuoni correspondencias, e Mnjiici.i j esu-s insirem-sr
lfriiK sendo dos proprios assignaiues smente e rindo asignados.
fc
Tudo a^ora depende de nos metmos, da mssa prudencia, ni
deraciio, eenertia; continuems corno priiiep4auns e seremo
apoiuados COUl aiimiracao ontre as Nacoes mais culta*.
J'i ui-lamndo da Assemblea Gernt do Urattl
3ntpjre&30 em Jdraiamtmco por 3;ofe (ictormo tic&btca.
Ztti
DAS da SEMANA.
.-*}. Sandia- Re."" dt m., Aud. dos J." (lo Civ.
de m. e de (., e Ch. Pr. as 6 h. 6 ni. da m.
6\*-.S. 3falde. J. de Orlaos de t. P. ns 6 h. 54 m. d;i m.
Sihhado-vV. Fenriqte Rl '" de m. < aud. do Vig-
(j. de t. Pleamar as 7 h. 42 m. da m.
f)on.-.S*. Cyiiaco -Proamar P. as 8 h. 30 mirtillos
da in.
**^**^*****'*^***%*<'W% %%%/%+> %%*%^)l%^^%%v%%%'^%**v*-*%%^%. %* %**^v
swsrwaic*
v>
NOTICIAS ESTRANGEIRAS.
Imos o Tcmpn, Peridico (fe Pariz at 27 de Ja-
neiro, edellfl extrahimos as seguintesnoticias Tale-
graphieasHespanha Madrid 15 fe Janeiro de 1834
O Embaixador de Tranca junto Corle de Hespa-
uha ao Sur. Ministro dos Negocios Eslrangeiros.
O Ministerio Hespanhol acaba de ser mudado em
parle. O Senhor Zea Barmodes foi substituido pelo
Senhor Martnez de la Roza, e o Ministro da Justiea
pelo Senhor Gazeli. *0 Ministro da Marin* h o Se-
ubor Vzquez Figuera, u Ministro di Fazenda he o
Senhor Arnalde interinamenteO poder passnu do
partido do Staln quo para o do movimento. O Sor.
Martnez d- la Roza hum dos mais eloquenles orado-
res (lis Costt'S homeni de hum saber mui dislrnclo, he
bem eonheedo em Franca. Elle foi Ministro dos ne-
gocios Eslrangeiros em 1822 debaixo do governo das
Corlea. O Senhor A r naide he mui versado cm con lie-
cimento, financeiros. He hum liberal (raneo, e hum
Iwmem de recorihecida probidade. A prese"nca de
Martnez je la Roza como presidente do Conselho he
huma garanta segura deque a Hesptnha vai obler ins- j
tiluico.-s conformes ao espirito do seculo.
I
mudanca de Ministerio occasionou o reconheetraenW
do imprestimo das Cortes.
A mudanca politiea que acaba de ter lugar na He.*-
panrm, reabr inevitavclmenle sobre a situaco de
Portugal. Nao de vemos reeear que da parle do novo
gioinete de Madrid bajo as mesmas atiendes para
com D. Carlos, e seu insensato sohrinho. Elle loma-
r hum pirtido enrgico e vigoroso contra o foco da
guerra civil, que nmeaca a Hespanha lert das suas
fronleiras; o que produsir huma diverso mui favo-
ravcl ,-ios Constitucionaes Portuguezes.
As ultimas noticias da Cidade Rodrigo nos disemq-'
D. Carlos eslava em Villa Real o qual tomou grandes
medidas de precauco. Elle linba sentinellas amanea-
das ata meia legoa <\,\ Villa e huma guarda no seu Pa-
lacio com 2 pecas de pequeo calibre. Os seus nicos-
companh^iros ero Merino-e o "Rispo de Leo. EHes
tem um medo terrivel do General Rodil e suas quimri-
cas esperancas comecao a desvanecerse.
As noticias que temos recebido do exercito Migue-
lista emSiotircm, esto milito longe de serem avora-
veisa I). Miguel cujo exercito tem mais de 2000 solda-
dos do.*ntes, e morrenv diariamente grande numero
delles. As privacos de todo o governo e as deserces,
o infraquecem de huma maneira assaz visml.
O lempo de 27 de Janeiro diz o seguinte : o Snr.
M.irlinez de la Roza mircha francamente pidos cami
nbos de huma verdideira emancipaco liberal. O re-
eonhecimento das Ameritas a dos hens das Cortes, a
convocacao das Corles em duas Cmaras, a expulsode
D. Carlos c I). Miguel, humi amnistia geral, ex aqu
medidas esceilenles que tem o dobr.nlo inerecimenlo
de serem conformes com os votos do Paiz, e coiicert-
das com o Conseibo de Regencia.
Pede se nos a publi cacao dos se quintes officiosi
Como este importante acoulecimcnto nosebegou pe j np
a va Tel.graphica, nao podemos ainda saber! J. Endo sido ofliciado pelo Exm. Presidente da Pro-
quaeb as cauzas nnmodiatis (lue o provocaro. O fu- vinria, para aprehender em caza de seu Pai, 15 gra-
lro nos Uraconheccr os delalhes do pissado. Basta j nadeiras, e algnns btcamartes e cl.iviooles, desejava
pnrem que boje gibamos que Mara Cnristina laucn | que V. S. no caso de exutirem as ditas armas fosse
os fundamentos de hum futuro de forcaido gloria pa* j mesmo o a prehensor dellas, por quinto conhecendo
ra o seu Paiz. !),' boje em dianle a Hespanha e Fr- o seu Patriotismo, estou certo que V. S. de bom gra-
ca sao irmaes. Evapadas huma e outra das cadeias | do se prestar a exigir do Senhor sen Pai, as armas
do despotismo, ellas podem d .r-se as mios e a sua u- I da Naco ; o qu > tenho a conmuniear-lhe. Dos o
nioser indessoluvel. N* ajuntaremos com hura j (iuarde. Villa de Goianna 4 de Miro de 1834
sentment des.lisl'aco, que as ultimas reslricoes da
amnista, vio sem duvtda desaparecer, e que oslo
natal se tornara apcesivel aos nobles infelices (jue ainda
g-inem no desterro. Am>rillas e Martnez de la Roza,
i.o podem lechar a entrada do Paiz a Mina, a Galta-
iio, e a todos o> gr tules homens que a mesquinha ly-
rannia do Ministerio que cabio, repeli do seio da pa-
tria Hesponhola.
Illm. Senhor Mmoel CoelhO Cintra, Teneute de Ma-
rinliaJoaquim Nunes Machado, Juiz de Direito.
Illm. SenhorEstando convencido da benevo-
lencia e dignidade que a muilo distingue o carcter de
V. S. e do quinto se mostrar pronto pira desmasca-
rar a calumnii e re ituir o crdito olendido de C-
dados pacficos, eh>ue>tos; por aso son a rogar a-
V. S. de declarar junto a este, aqualidade das armas
meo
Huma carta de Madrid, de 16 que aoompaiihou O que ainda exislem em seu poder, perti'ncentes am
Decreto da nomeaco dos novos'Ministros, trata posi- | Pai, romo, e de que maneira Ibe lorio entregues,
tivdmeule da cojivocaca.) das Corle.s. Jlga-se que a. em que poca, Dos Guarde a V. S. Engvnho
e
Pe^
'*
7


, *
dreir 5 de Miren de 1834lUm. Sanhor Luir Fran-
cisca de Paula Cava lea! i, ex Jm/. de Pal da Villa 'miaaManuel Cocino Cintra, Segundo TeneoJe
, da A. N.
\l Lu/. Francisco de Paula C ivaicauli, Cavalu. u
da Qrdem do Christo c Corone! de Milicias Reforma-
do por S. :M. I. e C. que Dos GuardeAtiesto, e
fisso certo que era Maio de 1832 sendo eu Juiz de
Paz da Villa de Goiana, denuncios Manoel Cavalcan-
te, rendeiro do engenho Cat, e lfoje Tertente Coro-
uel de (iuarda^jNacionaes, que o Brasileiro adoptivo
Elias Coelho CitiTra, senhor do ffgenho Pedreira, ti-
nia ama grande quawlidade de armas com as quaes
podia causar-nos muita damno iiTjuella epoea, e pas-
cando logo a fazer um escrupuloso exame sobre aquel-
le objeclo, ar.hei (pico dito Flias s tinha se is baca -
martes era indo estado calguns suchos, cujas armas
-disae elie, que as tinha para defeza de sua caza, e vo-
iuntaiiamente mas oflfereceo, eeu me utilisei deltas
para o servico de rondas e oulras deligencias deque
eslava naquelle lempo encarregado, e anda as tenho
hoje fin meo poder, para as entregar a seu dono a to-
do o tempo que mas pedir, por nao serem pertcnecn-
tes a JVaco ; e nessa oocasio p.'ssoas fidedignas me
certifiearo (pie o sobrdito Elias, hera um Cidado
honrado, pacifico, e de muito regalar conducta, e
que z falsa denuncia que delle dera o Manoel Ca-
valcanti hera proveniente do odi> que lite tinha por
cauza de pleitos judiciaesque corrio ; oque ludo a-
firmo debaixo de padvra de honra, e por me ser pedi-
da a dei de minha letra, e firma. Engenho Jacar 6
de Mareo de 1834Lui/. Francisco de Paula Caval-
canti.
Illrr. SenhorTenho presle o Omcio de V. S.
requisitando-me por otdem do Fxm. Presidente desta
Provincia, 12granadetras, tftgtfns baeamartc9 cclavi-
notes perlencentcs e Nseo, que .li: exislirem nesta
Fazenda; sou a (Iber-llie que taes armas nao existem,
s sim na mente de quem lio grbssefra'nVnte soobei'l-
ludir a boa le' de S. Fxc Bem se deix 1 ver o veneno
que existe oecullo na falsa denuncia que directa, ou
indirectamente dera o meu gratarlo inimipo. V. S.
devecipacil.ir-se da veracidade do qiYe levo dito, e
quando nao queira estar pela inform nao d,|da por sse
honrado e probo Cidado que junto Ihe re netb, pode
uzar dosmeios que as Leia Ihe faetff&o pin cnlo mi-
Ihor capacitar-se da malvadeza de carcter desse dila-
tor falso e assassino da reputaeo de um Cidado livre,-
e amante de sua Patria. He o que tenho a diser a es-
te respeilo, restndome nicamente o pez ir de ler
sido lio colnrdemeule fe-rid a reputara > de meo P,ii.
DeosGuardea V. S. Engenho Pedreira 6 de .Marca
de 1834Illm. 9 iihor Joaqun Nunes Machado, Ju-
ii de Diieito di Commavea de GoianaMmoel Co-
elho Cintra, Segundo Tenenle (\.\ Armada Nacio-
nal.
(\H6Q)
*
1
00 H R ES PON DEN CIA S.
c
Snr. Red actor.
lOmo me ehega a noticia, que pessas ignorantes
na malcra rrittco da ftlt d'agoa na C/ldeih desta Ci-
il.ule ; supondo, que por ser etl encarregado da co-
medoria dos piv/.os por isr ohr i gado a dar goa s'u
a dizer Ih, que nenhumi obrjgiio ler'ib de tal fa-
zer, por isso, (tic sendo rc'n.uisitiido pelo Career- ii o
dito objeclo ao Presidente da Provincia ; este m.indou
a oGhanciller ; o qual mandando lambni 110 Juiz de
Direito paca providenciar, o resallado fui nada, por
ntfe o dilo Juiz respoudeo : nao ser1 d,i sua competen-
cia ; e por lauto nao sendo da compelencia das Au-
ihori i.i'i> Superiores, menos o ser deMium empre-
ado, u" st deve limitar 11 eumprir conraquillo. que
Ihe he prescripto, e ordenada. Fu tenho bastante c-
paixao (I is (rtf/.os, e eslou piomplo ()ar,i la/ei lu sem me poupar a traballio huma vez. que for mandj-
do por aothoridade complenle.
Queira Sur. Redactor inserir no seo conceituado jor-
nal estas quatro lindas para iptelligencia do p ibeu, e
certeza dos ditos presos, do obligado
O sen Venerador e Sel -
Jo? a liodii&ues da Sil Vil-
* %\\ *
IV.
Snr. Redactor.
O Diario 1N. 337 encontr! huma coi're*ponueii-
(i 1 do Senhor Luiz Antonio Alves Masctrenhi, que promete phamar-me a Jurados por n baver cu ch 1
mado inimigo da Inaepen (enca, partidisla do )ni(-o
de Braganpa, e ratis utpigante dito o Senhor Capitn Flurencio. Ora com eUVUti na-
da rae deo tanto prazer com e|se prometimenlo do
Senhor l\farcarenhaspnis qu eU queria aorespeil ivel
Tribunal dos Jurados ananca -Ihe. a mascara di hipo-
Cl'ia, C f.iselo conhecer por tojos, lal e q^ial el'ii- he :
mas o m-o pr.isrr durou pouco, pois que 11:111 pessoa
de criterio e ^' conhece perfeilamente as manilas lo tal
!\I isc* me afirmou que elle nao me chamariz amis
a lutados, e que a tal correshomdencia era hum dos
ninitis ardiz com que elle procura va engalla:' ati- lio'r
mens sensatos. .Se assim for, e eu nao liver uceaVio
de ice .1 face provar oque disse o Snr. Masca re 11 has
l |ue elle certissimo de que por este mesmn Diario v~j-
tar-llu-hei a vida poltica desde o lempo em que elle
hia dormir no ipiartel do Algarve com a sucia que fa-
t.'ui a guerra uos Pernambucanos ena 1824. Esteja poi
t..ntooSnr. Mascarenhas cenvencido de que por las
ou por nefas hei-de rasgar-lhe a mascara, e que nao
atire indirectas ao Snr. Capillo Florencio de quem el-
le faz lana diferenca como agoa do viuho. Qu^m os-
creveo a correspondencia que tanto magoou o Snr.
Mascarenhas n:> loi o Snr. Florencio fui cu que nao
temo a sueii do Snr. Masearenhrfs, e que son
(r. !V. da 2. Companhia do Poco da ."arte la
%**%*\%%x\,
AVIZO.
\W Administrado dor Correio de Olio da respode ao
assignarrte do Diario da Administra ci de 10 do cor-
rente, censor incompclenlc de seus passos, e diver-
limcnios, que elle est tempr propio para enlregar
cartas desde as 8 al as 12 d manh, e desde as .'i .1-
le as (') da larde, como he obrlgad pelo Pijnl unento.
que o dirige ; mas nao i ida. e qualquer hora ln
da, e noile, como talvez o exija seu caprixo, e ni-
os linda portadores (pie as nao sabe01 prmir.ir as
listas; meio de que algum se serr para se sifbtrahr
a competente paga, e para tirar cartas que Ihe ni
pertencem. Quanlo as suas chocarrices, que a>assiii-
ne, (, terao resposta ; e talvez nem Uto seja nceessario;
porque a ser quem se supoem o encapotado, a puhli-
cacao de seu nome ser seu inais completo elogio, e
di'slorco o doestado.
*** %%
\W B. M-.iianna recebe a mala para o Maranho iio-
je (13) ao meio dia.
f* O Correio Terrestre de S. Anlo narte h
(i3J ao meio dia.
] I LE 6IV EL I


V
j:
ma-
I Mp* O Correo Terrestre da'Parabiba parle am
ii (14) fu incio dia.
-3* (/Comi Terrestre S'Afto1 Vela parte ama-
nhi (I 4) ao meio dia.
^ A .Sumaca Palma de que be Capitn Manoel
Joze Suva Mata sai para o Rio Grande do Sul com es-
cala pelos Portos do Sul no dia 20 do rorrele'
uinmtio
Para (i a no va.
Galera Sarda ^/o/*, sabir;, al o fin do corre..-
l mea ,r ler prompta maor parte de seu cargamen-
to : quem na il^ma quuer carregar ou hir de passa-
genVdinpi-M- abordo da mesma, ou na ra da Trani
xe ni. ft.
-> *** .*


WOrge Broeklehursl &C fazem leilo de fazen-
das Iimpa>. e van ,das no da 14 do corren!
de su i residencia na ra da Cruz n. 7.
ite ca easa
MjSh venda em j\. S. do Terco I) 9. rom os fon-
dos de 430,>000 reis poueo rrtais, ou menos, a d-
nheiro avista j na ra de Santa Rila nova, lado da 1-
gnejfl D. 1S.
tT3 Urna pedra de filtrar a^fc, rfflflfc ,.}._
log.o pequeo eaixa de ,,rata, P jjm C\r(i fc ,,.,.,. _
qunio, tud- ---
cjina.
o[K)r firteoeemniudo: ta me-mi l-..-
p- Carne seca de superior qualidade a troro de
Ma qualidade de moel de cobre, excepto avoador,
e tundido: na ra do Colirio I). 8.
*y Pentes de telba a!>...,'ros e laos : no pateo do
Carmo na loja de tai tnruguciro.
9 Binas grandes muito boas vindas de prximo
da Europa: M Botica da un nov* I). 27.
n ^" Lll,a VL'"(J" "< Ribeira da Bo-visla,
U. .50, en, mu.lo bom lugar, com rommodos para R-
m.h^a dinbe.ro ou boas firmas: na mesma.
^ Urna cabra mossa, boa figura, sabe bem en-
gomar, cozer l.zo, 'az lavarinto, cosinbar, boa a-
ma de urna casa, v, nde-se ou troca-se por urna eseta-
va propr.a pura roa : ,, ,ua do Rangel D. 24.
fcjf Urnas poueas de arrobas de doce de polpa de
tamarindos por preco commodo, ei embarrilados pi-
ra embarque : na ra da Cadeia velba n. 53.
$3* Saboamarello eni caixas a 80 reis a libra, e
a retadlo a 120, arroz braneo e vermelho superior
qualidade medido a alqueires, e em sacas, qor preco
commodo : as vendar, do Campos no pateo doCarmo
D- 1, e I). 7. '
$^* Urna eommoda de amarello, dois jogo.-. de da-
mas, un video de cadeira, urna rotula uzada, trez
portas, nina meza com duas gavetas, um jogo de ban-
cas lodo de amarello, e urna caixa grande 'om re par*
limento por dentro: na ra da Gloria casa de Irez
portas junta a venda.
$3* Carne M-cu do Rio Grande por preco muito
commodo : abordo da Sumaca Boa Espera rica fundia-
da na praia do Collcgio, ou na ra da Cadeia velba
n. 43, 1. andar.
&& Urna carteira propria para escriptorio, uaqual
p leja n. 44.
^3T* Vfew de seda muito finas para Senbnras. |&j
pr.tos, e blancos de fil de iinba, validos, eollari
nbos, e bicos dito ; sarjas, gurguroes, (- sitios de di- j
versas cores, bales de la e seda, pannos finos ptimo*,
e 0(1 tras muit.-s fa/.endas de bom gosto : na loja nova
da ra do Crespo D. 5.
"JC^* Tijoib e ladrilbo. c lapamnilo, jai ra> fina-,
para goa, resfiadores dito, moringues. quartinlia.^
^. lahia, ditas dr. Ierra, jarras gros-as. < outras q-iu-
lidadesde louca, e tobem penas baca ospanadores: na
ra Nova ao p da ponte.
$3* Um negro proprio para lodo o qiialqutr ser-
vito : na ra d.i Ciuz venda ti. 2lJ.
^r^" Bitas grandes por preco commodo : na Prac
da Uoiao loja n. 20.
*3" Urna escrava de naeo moca, osinha muito
bem o diario de urna casa, boa fnrneira, engoma, eco
te sofrivelmetite, lava muito bem de snbao, e mnif'o
pralie.i em l'a/cr bolinbos, e pd-de-I : na na do Ro-
r.ar;o estreita sobrado D. 29, segundo andar.
?t?- Pentes de tartaruga com molde de telba aber-
tos. r maneira de fina-graui cbegidos prximamente da
Frnn h, assim como bicos pelos de. linba de muito
bom goslo : na roa do Crespo, loja do Serafim.
nambuco, e vende-se com prazo : fallar com Lia
Gomes Ferreirn, no VIondego, ou no seo Escriptorio
na v\n da Cadeia do Recile.
Vr^s" Reflexoes sobre a carta do Conde da Taipa na
parte que diz respeilo Junta do Exanlv do Ivtado ac-
tual, e mrlboramento temporal das ordena Regulares!,
enc-trregada da reforma ge ral Ecclcsi.istica, do Reino
lie 'nilugal ; que po luir O ?. no Saero Colleg:o. o Snntissimo Padre (ire-
gorio X\ I contra o procediinenlo do Duque de Bra -
gca Regente do mesmo Reino, por Fr. Joode S. Boa
Ventura: lia Praea da Unio n. 37 e 38, pelo preco de
120 rs.
^r"c Carne do Cenr nova por toda a qualidade d
moeda, excepto fundida, e voador : na ra do Cole-
gio I). 8. da parte do poente.
y3&* fm esciivo de nacao de 18 anuos : na i'tn da
Cadeia do Recile Armazem n. 4.
'^f Urna casi terria com quintal, P urna ptima
cacimba, na Cidade de Olinda ra da Biqdiha dos 4
cantos, n. 19 (juem a perlender dirija-se a mesma
Cidade a fallar com Antonio Ferreira Lobo, ou nesta
Praea na easa de Padre Manoel do Muro, ra dos
I Jai r i os b.ixos.
VI?" Um pardo mogo : fallar com Ignacio A Ivs
da Silva Santos, na Olaria da ra da Gloria na Boa ,
vista f). 25.
^r3 Una venda com poucos fundos, sita na Sott-
dade junto a Igreji. esquina que vai para Belem, e
tem commodo para urna familia : na mesma.
?r.~-
U
ctp
M.i es; r.iva. que saiba eosinbar, engomar, e que
nao lenlia vicio: na ra do Cabug loja do Mello.
^r^ E^scravos de ambos os sexos, para lora da Ier-
ra h moeda de cobre ou prala : na ra da Cadeia do
Recic n. 58.
TV.
O dia 10 do correle perdeo-se na loja de Manoel
Goncalves da Silva na ra da Cadeia n. 18 um Bilhe-
_>_
ZH-


(1368)
te de cobre passado pelo Snr. Antonio Joze Pires da
quantia de Rs. 100$ era 21 de Fevereiro de 1'834,
numero 13, e como o dito Snr. Pires est sciente de
nao pagar a pessoa algtima por se ter desedcaminhado,
e por isso niuguem o receb por qualquer tranzacao ;
e sendo.(fue soja adiado o devero entregar na dita to-
ja quo ser recom penca do.
"&&* Perdeo se no Lia 11 do corrente urna letra da
quanlia de 100$ reis em cobre, saccada sobre o Snr.
Joze Duarle Guimarens e endocada pelo Snr. Fran-
cisco Joze da Costa Guimaraens passada ao Snr. Joze
Maria Marques em 28 de Janeiro avencer-se em 28
de Maio de 1834, tendo a dita letra as costas o per-
tencea Cedido Per eir de Souza e por isso fique sciente
o respeitavel publico de nao fazcr negocio algumcom a
dita letra, e a pessoa que a achar queira entrega-la a
Candido Pereira de Souza, na Fortaleza do Brum, ou
anuncie a sua morada, que ser generosamente reco-
pe usa do.
Ey Perdeio-se duas certidoes de idade, buma
de homem, e oulra de mullier, da ponte da Boa vista
al o Recife, no da 11 do corrente mez as 6 boras da
tarde : a pessoa que as achar queira entregar nesta Ty-
pografia, que ser recompensado.
.w
&\)i?os \>amiataT&
o
Empresario do Theatro, sabendo ante onterapor
este Diario, c s por elle que na no i te do dia 9 tinbao
sido alterados os precos da plutea, roga ao Sr. Can-
dela, se abstenha de mentir to descaradamente, por
que se continuar, dar-se-lhe-h o nome que' merece
quem lem o descaramento de mentir ao Publico desta
(orina. He muilo natural que o Snr. Candeia, seja
algum dos muitos guaderiosque aparecem ueste Thea-
tro, pois sao esses quem piis crilico, e isto se pro-
va pela ignorancia que tem dos precos.
O Empresario.
%3F Percisa-se de um eaixeiro Brazileiro ou Por-
Uiguez de 10 a 12 annos para menos; na ra do Roza-
rio da Boa-vista venda que volta para o beco do Tam
bin [). 7. r
Vty* Roga se aoSnr. Antonio Joaquim han de de-
clarar quem tem o cavallo achado, e onde mora, pois
]a se dro os signaes, os quaes>o os proprios q' diz o
mesuio Sr., morador em Tora de portas, ecomo j te-
nba-se bido duas vezes a sua casa, e 0 dito cavallo nao
existe la como diz por este Diario por isso ficar res-
ponsavel pelo dito cavallo e dias de ser vico (porque j
a muito devia ter anunciado) estando muilo sumido.
O dono do cavalle exige resposla do dito Sr. Antonio
Joaquim em 24 horas.
Vr^* Troca-se um moleque de naco, de 12 14
anuos, bonita figura, tanto pan pace, como para
qualquer servico ; por urna negra vendedeira de ra :
anuncie.
$C3* Quem precisar de um rapaz Brasileiro para
raieiro de ra, toja de fajenda, ou ferragom, e mes-
nio para armazem, o qual d fiadora sua conducta :
anuncie,
$^"" Precsa-se de urna canoa que ca regu tresen-
tos a quinhentos lijollos de al venara ; na ra Nova ao
pe da pon le, casa que tem louca.
$^ Quem tiviM- cavallq*- eos queira mandar tra-
tar em um sitio na ponte do Ux.i, dirjase ao arma-
zem de carne seca na esquina do beco da Cadeia das
10 horas aleo meio dia tratar do seu ajuste, prome-
metendo o dono do sitio o bom Iralo, e al manda-los
guando sejo precisos para passeio.
*>3J* Quem precisar d'um Caxeirp Porluguez para
venda, ou para ra, e d fiador a sua conducta y ajh
nuncie. *
^ry> Joaquim Joze Flix faz sciente as Snrs. Ad-
ministradores da actual cobra nca do consumo das a-
goas-ardentes que elle deix-ou de vender agoa ardente
na sua venda da esquina da S. Cruz debaixo do sobra-
do n. 104, des de 11 de Marco corrente, por a ter
vendido neste dia a Joo Joze de Figueredo, e o mes-
mo avizo faz ao Snr. Colector sobre o Novo Imposto
por fiear pertencendo o pagamento delle de boje em
diante ao mesmo Figueredo.
^3^ A pessoa que pertende eselarecimentos sobre o
modo por que foi herdadaa propriedade da ra do Li-
vramento do falecido Joo Pereia de S, deve procu-
rar no Car lorio por ond foro movidos esses autos, e
examinando bem aquelles documentos, declare o au-
thor e teslemunlias que achar nessa juslificaco para
aparecer melhor esse bocaduho, que nao he mau !..
T^r* Qual quer mullier que se achar as circuns-
tancias de servir urna casa de pouca familia ; dirija-se
a camboa do ('armo I). 8.
^3?" Quem precisar de urna ama para tratar de a
casa d'um homem solleiro, que sabe engomar bem, e
rin fiador a sua conduela ; dirija-se a ra da Ordem
3.' de S. Frcisco debaixo do sobrado do Mejor Castro
\r^* Quem quizer dar duzentos mil reis a juros
de 2 por eenlo com hipoteca em dous ou tres cscravos
em Olinda ; anuncie.
\T3?* Quem precisar de rcupa engomada de loda
qnalidade, por preco eommodo ; dirija se ao beco do
Falco, por detraz da ra de Santa Thereza, em urna
casa nova pintada de verde.
r^ Quem precisar de urna ama para o ser vico de
urna casa, a qual sabe bem engomar ; dirija-se ao be-
co do Adique D. 4.
^3T Qiem tiver, e queira allugar um nrgro, que
entenda de Padeiro ; dirija-se a ra Direila, Padaria
D. 43.
C3" O abaixo assignado faz sciente aa respeitavel
Publico, que exigindodos herdeiros de Francisco de
Paula Chaves urna boa quantia de dinheiro, por gar-
dos, que l!ie enviou de Goiana para os seostalhos do
Recife, (piando elle era vivo : e embargando todos os
spos bens judicialmente,, apareoeo Manoel Benlo de
Macedo por si, como Tutor di Orlaa Marta de Paula
Chaves, e sua mai Quileria Maria da Ora, com em-
bargos de terceiro Senhores possuidores prejudicados,
apauharo-mo fora desla Cidade, e com cerlidoens fal-
sas de se me ler aqui citado na ra Nova, oblivero
senlen^a, pela qual levantno do embargo por mim
feilo um sitio junio do Riacho Agoa fria : que diz Ma-
noel BcnIo IIip perlence, levanlou pira a rla oses-
cravos Feliciano, e Rila : urna casa na ra da Alegra
o ponto de receber madeiras : oulra principiada na
ra que vira pnra a Gloria s rom a frente levantada :
e levanlou Quileria Maria da Hora a cscra va ficnedita
disendosor sua. O abaixo- assignado avisa a todos os
Senhores. que nao compren), era troquem laes bens,
nem confiVm na legalidnde da Sentouca, que vai ser
anulada infilivelmenlc pela faUdade cnn> ()ue fui obli-
da na auzencia do abaixo assignado ; fit ando entendi-
dos de que esses bens sao realmente do falecido Fran-
cisco de Paula Chaves, e que ainda sao poucos para
pagamento da divida que elle exige dos seos herdeiros,
e de quem quer que for, que os possuir : e para nao
ser algiiem iludido, e em boa f negocia-los, o abaixo
assignado az o prezente avizo, que estimara a todos a-
proveite.
Manoel T'elho de Faifa.

1
l?F!jy #ij Txn 90 Ummiu LK?M,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EW4LL2CGJ_XZEX77 INGEST_TIME 2013-03-27T16:04:41Z PACKAGE AA00011611_02442
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES