Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:02350


This item is only available as the following downloads:


Full Text
* m ii-. :
VMNO
DE 1836. QARTA FE1RA
16 DE MARCO N. 61
DIARIO DE PERNAMBUCO.
PanyuBOco, haTyp.dbM.F de Fama-
1836.
-
DAS DA SEMANA-
14 Segunda S. Mathtlde R- A. dos Js. do C. de m.
edet-ses. da Thezouraria Publica, c Chae, da
t Abertura Extraordinaria da A. Provincial.
15 Terca S. Hcnrii|ue Kei Hcl. de n. aud. do J.
de O. de t.
16 Qaarta Si. Cjriaco M. ses. da 1 hez. Pub.
1 7 Quinta S. Patricio Hel. de m. aud. do J. do
C. de ni. e de t. La n. as S h- e 38 ra. da m- Pro-
c i ata o noite.
18 sexta S. Gabriel Arcanjo. ses. da Thez. P. and.
do J. de O. 19 Sbado'^ S-JOZE Espozo da Virgen Mara.
50 Domingo da Paixao S. Martinho.
PARTE OFFICIAL.
DECRETO.
0 Regente, em Nome] do Imperador o
Snr. D. Pedro Segundo, Ha pT bem,
que, na exectico da Le de6 de Oulubru
de 1835, se observe o Regulameuto que
com este baixa, as-signado por Manoel do
Nascimeiilo Castro e Silva, do Conselho
deS. M. o Imperador, Ministro eSecre-
tario de Estado dos Negocios da Fazenda,
c Presidente do Ti ibunal doThesourp Pu-
blico Nacional. Omesmo Ministro assim
o tenha entendido, e foca execuUr coro
os despachos necessarios.
Palacio do Rio de Janeiro em quatro
de Noverobrode i835, dcimo quarto da
Independencia e do Imperio.Diogo An-
tonio Feijo. Manuel do Nascimento Cas-
tro e Silva.
Regulamento para a ex*cuco da Le
de 6 de Uutubrodt 1855.
CAPITULO I.Numeracio das Notas.
Ai i- l. Este'srrvico ser feilo no The
louro Nacional pelos guinte empiega-
doi.
i Director, cora a'gratificaca
meiisal de 17O
1 Ajudantedodito l00#
4 Fiis do Director, cada hura 66$
1 Escripturario 83$
Chefes de Secqes da Numeraca,
cada hura 6" 5
Numeradores a 5 r.ipor Notas que nu-
meraren?.
1 Continao que^servir de Por-
teiro 33$
Qualqiierontro veneimento que tenli.
pela Fazenda Nacional os Horneados para
ete servico, cessa em quanto nelle esli-
verem eropregados ; meuos o dos Aposen-
tados.
Art. a.* Cada Seceso de numeraca tc-
r hum Chele, e aO Numeradores, e lla-
vera o numero de Secces que o Presi-
denle do Thesouro determinar, sendo
CliefeJdaSerca de nunieraca das Notas
de iOCZ> eis, ed'ahi para cima, o seu A-
judanle.
Art. 3.* O Director, Escriturario,
Che-fes de SeciOe, Numeradores e Conti-
nuo, aera oomeadua pelo Presidente do
Tribunal do Thesouro : o Aj'danto e Fl-
us 00 Director, o serio por esle, com ap-
jnovacaS do mesmo Presidente.
Art. 4-# ao iiector compete a inspec-
cn6 de todos^osJtrab-lhosda'Repartica, e
Ihe ser. subordinados todos os Empre-
gados della. O, Chefes de Secces iinpec-
1 ionato, debaixo das orden do Director,
ostrabalhos da respectiva Secca.
Ait. 5. O Director, por roeio do MU
AjoJaiitc e I'icb, leabci do Th-foureuo
Tudo agora depende de nos mesmos. da nossa pru
deuda, moderacao. e energia: continuemoscom
principian, e .je re moa apontadoi com admira-
qao eutre a Naques uiaiscultas.
Proctamufo da Jntmblta Otra! do flrosil
Sulmcreve.se a 1000 rs. menmM pagos adiantados
esta Tjpi.gr.6a, c .... l'raca da ladependertciN.
S7e38 onde se receben, correspondencias legan-
asas, e a.i.iii.icios ; uiser.ndo-se e-te (rana elido
.los propriosaasigiia.ues, e viudo assiguados.
Geral !do Thesouro Publico, em virtude
de ordens do Inspector Geral do mesmo
Thesouro, a pedido do Director, as Notas
que forem necessarias para a numeraca,
e depois de contadas as hir entregando
aos Chefes das Secces, para as distribui-
rem pelos Numeradores, passando hunse
outros secibo em protocollos. os Chefes
de Secces ao Director, e os Numeradores
aos'rsped i vos Ch.fes.
Ait. 6. Os Cheles de Secces nao en-
tregaio a hnm Numerador mais de hum
volme de 500 Notas por cada v*i, e sem
que o entregue numerado nao o encarre-
g.irio de oalro.
Art. 7.* Ha ver fna Repanica os co-
fres que fon m precisos para a guarda das
Notas cargo do Director, o qual lera hu-
.tia das chaves delles, e asoulias osen A-
judante e Fiis.
Art. 8* Fmdo o expediente do da, os
Chefe* de Secces entregaiao ao Direot-.r
osvoluroes de Notas que se hooveieni nu-
merado : osm concluidos serio reco!hi-
ds hnm dos Cof.es de que o Dfreclr
Lera huma chave, e as ouims os Cheles
dsrjSeccSes.
Art. 0.* As notas de cada' valor serio
nomeradas em series de 1 a i00:000, qui-
do sclasses excederem desle numero, e
nasoutras ateo mximo onde chegmein,
tendo por cima do numero a designa*
da serie, de*e modo l.' S.2.* S. O ta-
lan de cada Nota ter o misino numero del-
la, e a designado da serie por baixo.
A.t. i0. O Director fr numerar as
Notas de cada valor na propoi<>5 que lhe
for indicada pelo Inspectns Geral, e s
hir entnginilo DireccaS de Asignatu-
ra da Cortee Provincia do Rio de Jan-i-
ro, e enviando para as Thesoorariwa das
outi as Provincias, conforme as ordens que
recebar do mesmo Inspector; e este as
mandar rerometier a miudo (quando se
ol"-rerer va segur;*) para que asoperace.s
de numeraca, assignatma e Mibs!ituic..
sepossa fHZersimoltaneamenle, lendo em
visia que as primeiras reme** s>: com-
ponha de olas maiores, de mistura com
as de pequeos valores, para que postas
logo em circulaca faciliten ast.an>rc
es roiudas, e se reiirem da circulaca os
Conhecimentos.
Art. ti. Asremes'as ser.'aeompanha-
das de guias assiguadas pelo Director, em
qn declare a quantidade de volu.ne-, e
de Notas, osseusuumeros, series, e valo-
res, a importancia das de cada valor, e
Illa soi.ma total. 0t igual guia remet-
iera \ Contadoria fde Revis-, onde sera
guaidada, e frita a competente esciintu-
iaca, % As gui-s hira numeradas, tendo
asdejeada Protincia ai.ajnumeracf espe-
cial.
Art. ia. As Notas que se remetterem
para a Duecoa de Assignatura, na Corte,
bra pegadas aos tales, nos seus respec-
tivos volume*j asqu ,0 emetierem pr4
CAMBIO.
Uax XiOndres, 38 !|2 39 Da. St por 1 ctd. ou prata
a 50 por cento de premio.
Lisboa 50 por o|o premio, por metal, No.
Franca '245 -'-'40 Ra. por franco
Hio de Jan. Cal por cento de premio
Muelas de 64O0 l.,000 a ^,,200
4000 7.,000a 7i00
Pezo I ..440
Premio da prata 50 p. c-
da lettras, por inez I 2 por 0[O-
Cobre '25 por cento de ucsconto
rWIlTIDA. I)(>5 lilil KKIOs.
Ol.ndaTnilns os das ao meio da.
oiana, Albandra. Paraiba, Villa do Conde, Ma-
mangiiape, IMar, Heal de S. Joao, Brejo d'Areia,
llainlia, Pombal, Nova ce Sou/a, Cidade do Natal,
Villas de (oaniiinba. e Novada Prineeza, Cidade
da Fortaleza, Villa do Aquirs, Monte mor noro,
Aracalv Cascavcl. Canil.dc, l'iranja, iii.peratriz,
S- liernardo, S. Joo do Principe, Sobrar, Novad'
Blltev, Ico, S. Matbens, Reaohodo saiif>iie. S.
Aiiiiiino 1I0 Jardini, Quexerinliim. e Parnahiba
Segundas e Sextas fei.as ao meio dia por via da
Paraiba. Santo A litioToda* as quintas leiras ao
meio di, (ii.iai.I11111. e Boliilonos das 10 B 54
de cada mez aoineio da. Flore0 din 13 de
cada mez ao meio da. Cabo. Serinliaem. Rlfl For-
nn.zo. Apoa Frota e Porto Calvonos dia I, M,
e 21 d-cad.t mez. Seriahcem. Kin rormozo. c A-
fto.i Prela Sejfiinda. QuarMs. e Sexta leiras.
1 imiafii iimi-i^t~,'n!,-"*:*"ie-,'mmmi
as Provincias sera cortadas dos tales, e
emmassadas em volumes de 500, e depois
de bem acondicionadas, sera rernetlidas
a dispozica dos Inspectores das The-ou-
rarias, acompanhadas de ordens do Presi-
dente* do Thesouro, e da guia do Director,
comando-se recibo doPo.tador, e serio
guardadas nos Cofres das roesmas Thesou-
raiias: os taloes hira para a Caixa d'
Amorlizaca, onde saguardai com os
que ficarein das Notas colladas para a su-
h-tituica do Papel e troco do cobre, na
Corte e Provincia do Rio de Janeiro.
Att. 13. Todo o recebioriento e entre-
ga das olas pelos Director eseus Ajudan-
les, sera escripturada pelo F>cripltuatio
desta Directoiia em livros propiios, pelo
modo exemplificado nos Modelos N. 1 a
5, sendo as entregas legalisadas com reci-
bo de quem rect-ber as ola*.
Ait. 14. O Director, proporca que
sel'o.em initilL-ando ns Notas, as hir n.S-
lami marcar coin o signele deInuliU-
S.das. ... 1
Art. 15. Nop-imeuo da de cada se-
mana, o Director enviar ao Inspector
Geral hum mappa que demonstre a qui
lidade de Notas de cada clase de valores,
e SU* importancia em ieis, recebidas do
Thezoure.ro Geral, e rernetlidas a cada
huma das Estaies de Asignatura desde
o principio da operaca, as que se tiwme-
lara na semana antecedente, as que hca-
rav"j em ser numeradas, por numerar, e
inutilizadas, casque acontecer extravia-,
rem-se, todo de modo que se aprsenle
o eslado da operaca desde o principio d
ella, e p.v.gresso uue leve na .-emana an
tuedente. Mflelo N. 6.
Ait. iti O Director e seus Ajudantes,
e ou Numeradores sao responsaveis pelo
custo dea3 ni de cada Nota que estra-
garem, epelo valor das que se extiaviarem
de S! 11 poder.
Ait. \t- Finda que seja N numeraca,
se tomara conta no Ttiesi.ui<> Pnnli.o ao
Director, e emp. estuca do Trilmnal, do
dito Director, e do da Asignatura, e su-
bstiluiya ttCorte, eseus Adjuntos, se
proceder qneima das Notas inutilisadas,
lavrando-se de tudo os competentes T-.-
mo-, ein duplcala, archivzndo-se hum
na Secretaria do Tribunal, e leoiettendo-
se nutro it caixa de Amoiliaca, mdese-
la guardado,
capitulo ti.Assignatura das olas.
Art. 18. A Direcc-5 deste servico, na
Coi lee Provincia do Rio de Janeiro, a*!
na C*a <|<'e para isso se acha preparad*
noedflcio onde esla a Caixa d'Amo.tisa-
ca, oebaixo da iuspecca de hum Direc-
l.r,' gue ser oluspeclor da mesma L'aixa,
servindo em seus impedimentos o Conta-
dor da dita, ecomo Adjunto, da Classe
dos Propietarios e Negociantes cejpeila.
veis, os Mtnibic da JuaU Ad.aiiaU-
va da sobredita Caixa ; e h.iver para o
Mni expediente luuu Thcsoureiro, quatro
Ajudantes do dito, hum Piimei.o Escii-
piurario, hum Segundo, hum Porteiro, o
hum Continuo.
Art. 19. O Director e sen Subtitulo,
liem pomo os Vlerobros Adjuntos, nao re*
cebei por esta Commissa estipendio
algum ; m-s o Governo tt-r muilo e.-n
consideraca, e como relevantes, os serv*
eos que nella prestaren!.
Ait. aO. Hum dos Adjuntos, por turno
diario. 011 semanal, ou como Ibes for ma-
is commodo, te>, em quanto durar o
p roces so da assignatura, huma das cha-
ves dos Cofres aonde *e guardarem as
olas novas antes e depois deassignad e quando principiar asubstiluica dever
ter lambem huma das chaves de ludo, na
Cofres que sei viiem nesla operaca ; e le-
nto por dever assislir aberlu.a delira
quando principiaren! os trabadlo-", o igu-
almente ao balanco que diariamente deve-
la proceder an seu encerranitnto.
Ait. ai. O Thesoureiro e mais Empre-
cados sera nt)ineados pelo Presidente do
'riiluinal, os Ajudantes do Thesoureiro
sera por esle Horneado, e approvados pe-
lo mesmo Presidente.
Aii. aa. O Tnesonreiro vencer huma
grali6i'8ca ra*n*l de 200$ reis, 01 aeint
Ajudantes de i0$ nis cada hum, o I.
Lvscriplurario 100$ reis, o a. 66$ rs.,
o Porieiro40$rs., eo Continuo 5a$ rs.,
cessando qualquer outro veocimenio, n
forma do Arl. 1.
Art. 25. Os Assinatarios das olas se-
rio pessoas de notoria probidade; na Cor-
le e Provincia do Rio de Janeiro sera
nomeados pelo Presidente do Thesouro,
e as mais Provincias pelos Presidentes,
tendo preferencia os que sepres'.arem gra-
tuitamente a este aervico, o qual lhe se. i
tido pelo Governo como relevante. Os
Bmpregadoede Reparlicesextinrtis, que
l.iu.lvm se quizerem prestar, percehei,
ulem do seu Ordenado, huma grattcjr;.3
deSheis porcada assignaiuta ; -s Apo-
seulad..s e Particulares receber, que-
rendo, 5 reis por cada a-SKnalurrf, teado
preferencia aquell.s individuos qne em
oulro lempo tzera esle servico gratuita-
mente.
Arl. i4. As Notas tera huma so assig-
mtura, no claro nleiior da}fenle, den-
tro da (aria, sendo de uome inteiro, e
com osignal deque coaluroe usar o Assig*
nal-no.
Ait. a5. 0 Thesoureiro desta DireccaS,
poi si e pelos MtM Ajudanlc, reoebej do
Director da numeraca as Notas numera-
das, e as distribuir pelos Assigoalariw-,
segundo as ordens que receber do Direc-
tor, o qual tei cuidado em que cada hum
delles assigne Notas de hum mesmo va-
lor, e sendo possivel, da mesma serie.
Art. 26. Os Asignatarios, qi ando ve-
cebeiem mNotas, assignavao recibo, qu

t


^
DIARIO DE PERNAMBUCO,
a
lhes ser i esliluido quinto as entregaren! ;
e tera a mesma responsabilidade do arti-
go 16. Os recibos sera impresso?, com
os claros necessaros, que sei a5 cheios por
hum das Escripturarios.
Art. %?. Olnspecto, Geral do Thescu-
TO participar to Direto quantidade, e
valoi es das Nota* que de preferencia se de-
Tem .-signar, para, na Corte e provincia
ceasivamenie dt diveisas t-uostitnices de
Srdulas, (.'obre, e Notas lo ex tinelo Ban-
co, leudo eui vista qu na 1." siihauiluica
se ha de eminir relativamente roaioi quan-
tidiide de Nota de 1$ rs. e a# rs.
Ait. 28. Concluida a assignaturi das
Notas que tiverem de ser empregadas ero
cada huma das operaces, se formara
listas dos seus numeres, series, valores, e
Asignatarios, cono mostra o modelo N.
JI, as quaes sera assignadas por lodosos
ditos Assignalarios, e remettid.s ao The
fouro Nacional, ea cada huma das The
sourarias provnciaes, onde sera enea-
dernadas, e guardadas pelos Thesoureiros,
para sei viren ao exime das Notas ciico-
lantes. Pelas lisias remethdas ao Thesou-
ro Nacional se fui mar a final huma lista
geral, quesera impressa e disliibuida pe-
las Provincias.
Ait. 29. Fin da que seja a Asignatura
tola! das olas, o Thesoureiro ficar com
dois Ajudanles, que servirn era quanto
durar a substituica de que traa o Capitu-
lo seguate.
CAPITULO iir. Subaituicao do Papel.
Arl. 30. Esta operacio, no Municipio
da Corle e na Provincia do Rio de Janeiro,
ser feita pela mesma Direcc,ode Assigna-
tura de que traa o Capitulo II, com o
mesmo Thesooreiro, e dois Ajudanles, e
mais dois Em prega dos para leceberem das
Partes o papel ciiculante, e dai-lh.s ern
.troca as Notas novas: serio escolhidos pa-
- ra estemister pessoas peritas no conheci-
- ment do papel verdadeiro, e vencei ca-
da hum de lies a gratificado inensal de
i00$ rs., e raais 30$ rs., para quebras,
na forma do Aitigo 1;*
f- Art. 31. Hum dos Adjuntos presidir
este acto, e na aua fulla presidir o Dire-
ctor^ ou o seu knmediato.
Art. 3a. A substituicio lera piincipio
logo que esliver a.ssignada buma quantida-
de tal de Notas, que possa hir alimentan-
do diariamente o troco aopasso que ellas se
forem s-sgoando, e piicipiar: i., pe-
los Conhi lmenlo-, e qoaesqner Cautelas
emiltidaspor f-lia de Sedlas; a.*, pelas
SeduUs, pre edendo ilaes do Director,
affixado nos lugares pblicos, e transori-
pos repetidas \ et.es nos peridicos.
Art. 25. Concluida a assignalura de hu-
ma somma era Notas igual que se enjil-
li em Sedulas, e dos Conhecimentos
que ainda te nao hajio subsiitiudo, o Di
rectoro participar ao Pr si den te do The -
souro, e por ordem desle annuncar, na
forma declarada no Artigo antecedente,
com enticipacio de 6 meees, o prazo em
- lor igual; da qual prazo em diante o re>-
pectivo Papeleo ra tocado datante tO
meees, cora-a descosto d* i0 per oento
ro cada me*, al li< ai sen valor algum,
a forma do Arl. 5. <'a Le.
Art. 34. A sub-tiiuicio das Notas do
exlincto Banca ser fita pela mesma for-
ana terminada uo Artigo antecedente,
depois que bou ver terminado a dos Co-
nbecimentos e sedulas, e o troco do cobre,
que te bou ver assignado a somma de No-
tas necessaria para se dar principio das I
Notas do Banco.
Art. 35- A subsiituicio das Notas d<>
exlincto Banco ser dividida em dois pra-
sos :. 1.", para aa Notas de i$i 50$ rs.,
e ., para as maiores de 50$ rs. ; pu-
dendo principiar o segundo praeo antes de
findarol.0, se ja ealiver auignada a wa-
tt* nece-saria paia este, e para se entrar
no a. nao ftnwendo inconveniente.
Art. 36. O Thesoureiro entiegai dia-
riamente aos Ti ocadores, em Notas novas,
asquanlias que forem necessarias para o
troco, e no fin do expediente de rada dia,
os Trocadores, em presenca do Director
a do Adjunto que estiverde turno, entre-
gario ao Thesoareiro o papel recela i do das
}s\tst e as Notas p.vT*s que sebrarem do j
troco, de maneira qtae todos os das liqua
saldada a conta dos Trocadores.
Art. 37. Os Trocadores, logo que ti-
verem feito o troto, da rio hum golpe de
l sofera no papel que houverem recehido
das partes, e depois de marcado c-m o si-
nete de Inut ilisado assim o entrega-
rio aoThesoureiro, o qual examinar se
he verdadeiro, e no caso de duvida lecor-
rer aos lloes que se achio na Caixa da
Amortisacio, espondetido jas Trocadores
pelo valor das Notas que neste acto se le-
couhecerem falsas, as quaes seiio corta-
das, na forma do Artigo seguinte.
it. 38. O papel talso que vier ao tro
co; ser logo cortado pelos Trocadores em
duas melades, dando buma ao portador
(se este duvidar da falsdade) para coro ella
poder just iicar que he verdadeiro (-e as-
sim o entender) ; a metade que se entie-
gar ao portador, ser a inferior da Nota,
Conbecimer.'o, ou Sed lija, naqualoTio-
cador lancera o numero della que se achar
(sna o ni liver) na paite superior que
tica, sendo esta entrego* ao Thesoureiro,
lindo o expediente do dia ; e na metade
que fica ser posto o hete de Falsa.
Art. 39. O papel falsificado ser pago
pelo valor verdadeiro com que foi emita-
do (ou pelo da ola, Sedula, 011 Conbe
cimento de menor valor, quando nao seja
possivel conhecer se o verdadeiro), e com
elle se praticar o roesraoque a respeito do
falso se dispije no Artigo antecedente, Jan-
eando de mais o Trocador na metade que
entregar parte, e na que ficar, o verda-
deiro valor, ou aquelle porque foi troca-
da, marrando-se (a que ficar) com o sine-
le de Falsificada.
Art. 40. Fiodo opraxo dasubsllnica,
os poi (adores do papel fabo, 011 falsifica-
do, perdem o direito reclamaca, e o
papel ser queimadocom as solemnidades
prescriptas no aitigo 50.
Art. 41- Os ta!6es dS Notas novas se-
ra guardadas na Casa da Caixa da Amor-
t isa cao.
Art. 4i. Para a guarda dos valores a
cargo do Thesoureiio haver Cofres de
tres chaves, da quaes ter buma o Dire-
ctor, oulra o Thesoureiro, e a ouira o
IMemb.io Adjunto que estiver deservigo.
Ait. 43. O Thesoureiio guardar em
cofres disiinctos : i., as Notas noval ain-
da at asignadas, recebidas do Dire lor
da numeaca ; 2., as assignadas : 3.,
o papel substituido: e /(.', o papel falso,
falsificado, e o novo que aconteca inutili-
sar se, o qual .era nese caso logo marcado
0 n o sinete de Inutilizado.
Arl. 44. O Thesoureiro e Trocadores
sao responsaveis pelos valores que tiverem
a seu cargo. O Thesoureiio he respon-
savel pelos seus Ajudanles.
Art. 45. As operaces de-la Direcca
sera escripturadas pelo modo que vai ex-
eraplificado nos Modelos n. 7 a 1a; de-
vendo todo e qualquer recebimento de va-
lores legali-ar se com a ass gnatura de
quem os receber.
Art. 46. Nu principio de cada seman.",
o Director remetiera ao Inspector Gerai
do Thesouro Publico Nacional hum Vlap-
pa, que demonstre a quantidade e valor
drfs Notas recebidas do Director da Nume-
raca na semana antecedente, as d-tribui-
das pelos As-ignatarios, as recebidas de-
les, as emiitidas em cada boma das substi-
tuidles, as que por algum motivo se inu-
lilisia, as que fica em caixa, e a quan-
tidade a valor do papel circulante substi-
tuido ; ludo de modo que se aprsente o
estado das operaces desde o principio
dellas, e o progresso que tiverad na sema-
na antecedente. Modelo n. i3.
Art. 47. O papel substituido ser en-
tregue pelos Trocadores ao The-oureiro,
olas8ficado pelos seus valores, e assim se-
r encriplurado e guardado, fazendo se
diariamente hum Mappa, como do Mode-
lo n. 14. Findos os prazos de cada substi-
tuica5, em presenca do Tribunal do Th"
a>uro, do Dir, t ir, Aiijuntos, e dos m. is
emprrgados, ser queimadu em lugar pu-
blico com os seus tildes, lavrando-se Ter-
mo, em duplcala, des-e aclo, no qual
se descrever por extenso a quantidade e
importancia do papel de cada classe de va-
lores, guardndose hum dos ditos Ter-
mos na Caixa d'Amoi lisaca, e o oulio na
Secretaria do dito Tribunal.
At. 48. Na Frofiucitu os Presidentes,
precedendo informaca dos Inspectores das
Thesou rarias, no mea rao os Directores, e
seus Ajudanles, Thesooreii os e roaia Em-
pregados necesssrios para eflectuar as ope-
races da Assignalura e substituica, de
hora modo anlogo ao disposto ueste Ca-
pitulo e no antecedente, relativamente a
Dtreeca da A-signatura e substituica na
Corte e provincia do Rio de Janeiro, dan-
do paite ao Presidente do Thesouro das
gratificaces que arbitrarem ; devendo ta-
es Empregadoa ser pc-ssoas de toda a con-
fianca, e lendoem vista que as alleracSes
accidentaes, a que a neces-idade obligue,
ofi'eieca as garantas indispensaveis em
tses opertces.
Ar. 49- O papel actualmente circuan-
le no Imperio, de que trata a arl. \ da
Lei, so poder ser substituido as Cap'
taen das Provincias onde foi emittido, por
ser nellas qoe existem os Ules para a con-
ferencia ; guardando-sena sua sub-titoi-
ca a precedencia determinada no art. 4."
da mesma Lei.
Arl. 50. Findas as subslituicfs dos
diversos.papes as Provincias, os Inspe-
ctores das Tin si curaras rem'ttera (com
os seug tal5e.-)ao Thesouro Nacional, nao
so os suli-tituidos, como ot Conhecimen-
tos, e Sedulas que se achaS em ser de sohi &
do 1 troco do cobre, e ah, depois de ba-
lanceados, sera queimados, rom as so-
lemnidades do arl. 47, lavrando-se desse
acto os competentes Termos, em duplicata,
dos quaes se remetiera hum Caixa d'A-
morlisaca, e o oulro ser archivado na
Secretaiia do tribunal.
capitulo iv. Do troco da moeda de
cobre.
Art. 5i. Esta operacio, no Municio da
Corle, lar se-ha na Casa da Moeda, e ser
presidida pelo Provedor da mesma Casa
sob aDirecciodo Inspector Geral do The-
souro, e as Provincias sob a Direceiodo
Inspector da Thesouraria respectiva ; sen-
do presidida as Capitaes (menos a do Ro
de Janeiro, que nio ser ponto de troco)
por hum Empregado Publico de notoria
probidade, e public cooceito, nomeado
pelo Presidente : nos outros pontos de
troco das Provincias ser presidida pela
Authordade, ou pessoa que o mesmo Pre-
-i lente designar. Os Presidentes de troco
nio perceberio gratiicacio alguma, mas
o Governo ter em muita consider.icio, e
como relevantes, os servicos que pre la-
rem nes'a Commis Ait. 52. Os pontos de tn co as diver-
sas Provincias serio os meamos em que
se fez o determinado pela Lei de 3 de fia-
tubrode i833, ou os que o Presidente,
consultando o Inspector da Thesouraria,
julgar necessaros para commodidadepu-
blica, sendo todava us menos que for pos-
sivel.
Art. 53. Em cada hum dos pontos de
troco haver hum Thesoureiro e hura Es
envi, nomeados pelo Director, com ap-
provaeio, na Corte, do Presidente do The-
souro, e as Provincias, dos respectivos
Presidentes. as Capitaes das Provincias
ser Thesoureiro o mesmo da Thesoura-
ria, se nis.-o nao bou ver inconveniente, e
Esc 1 ivau hum dos Etnpregados da Thesou-
raria.
Arl. 54. Na Coi te o Presidente do The-
souro, e as Provincias os Presidemes, ar-
fan rario gratificaces razoaveisao The-ou-
reiroe Escrivio do troco, dsndo parte o
Presidentes das Provincias ao do Thesou-
ro, para resolver o que lhe parecer con-
veniente.
Arl. 53. Sea {fluencia de concorren-
t"s ao troco exigir que o Thesoureiro e
K-t rivio sejio coadjuvadus em suas obri-
gaces, os Director.s as Capilaes, eos
P^^idenles da operacio nos outros pontos
providenciarlo op por tunamente.
Arl. 56. P.iraolrabalho bragal, os Pre
sidentesdo troco, de accordo com o The-
s mil i o e Escrivio, chamario os operarios
que foi em precisos, a quem ai biliario sa-
larios lazoaveis, precedendo approvacio
do Dir lor as Capitaes.
Art. 57. LogoqacfcsJa moeda de cobre
recolhida, em virtude da Lei de 3 de Ou-
tuhro de 1833, estiver escolhida e punga-
da (como ja s ordenoo pelo Thesouro s
Lei de 6 de Oulubro do corrente anno, e
houver a-signada huma quantidade de No.
tis novas que porjcalculo r para principiar o troco do cobre na respe-
ctiva Provincia, o Director da operacio
far distribuir essas Notase robre purga-
do p los pontos do Ireco com as seguran-
cas couvenientes,?e logo queahi chegarem
e estiver todo preparado, o Pre-ide'ntHo
troco, por Elilaes affixados nos hig*res
pblicos, annunciar o dia em quepVn.
cipiar oirofo. *
Ai t. 58 Os portadores da moeda de co-
brea aprsenla!iu acompuihada cb buma
nota com o nome do dono, ou aprsenlan~
te, e o valor apresenlado.
Ai t. 59. A moedajde cobre levada ao-
troco ser examinada, e sendo legal ser
paga aos portadores pelo sou valor nomi-
nal (descontados 5 por /.; em Notas e co-
bre puncado, ni excedendo este a meta-
de ; e a que for conhecida falsa se lhe dar
hum corte quanto basle para mais nao
correr como moeda, e se entregar ao por.
lador sem descont algum.
r ^'0 Aa,"edalevadaaotro>. q
for de 80, 40ea0 re.s era algaris.no e-
miltida no Rio de Janeiro, ser logo pon-
cada com o novo valor, a ouirs, posto q'
legal, ser cortada do modo determinado
no Artigo antecedente para ser lemetiidas
Thesouraria, na forma do Art. 6*.
Art. 61. Nao se admitlirao iroco me-
nor quantia doque 1)200 ris em moeda
legal, nem maiorqueoaseja mutplicada
de aOO res, a fim de poder ler lugar o de-
terminado no Art. 7. da Lei, e se evita-
r*m frarces menores de 10 res na deduc-
596 dos 5 por /
Art. 62. Ni, Provincias doGoiaie Mal.
toGrosso, na Calla daquella moeda emenda
no Rio de Janeiro, se. lambem puiicada,
e dada em troco pela 4.* parle do sen valor
nominal a moeda legal nella emiltida co-
mo determina o art. 8. da Lei, nao po-
dendo correr fora cLs mesmas Provincias :
a moeda que foi emiltida as referidas du-
as Provincias de Goyaz e Mallo Grosso, e
as de Minas e S. Paulo, poder ser tro-
cado em qualquer dellas ; e na do Para
a de Goyaz e Matto Grosso. smenle. A
antiga moeda pi.ncada anles do primeiro
troco, sei trocada ptlo valor com que fi-
cou depoi de puntada : a que se puncou
e erailtio ns Provincias do Maranhaa
Gear depis do primeiro troco, ser ora
trocada pelo v depois di- puncado, a saber: por nitttvie
a puncada no M..ianh. com a letra M do
lado da esphera, e pela quarta p*t'e, a
puncada do oulro lado sobie o algaiismo-
e a pnngada no Cena com huma estrella
sobre oalgarismo romas jetias CEARA',
por metade do dito valor nominal.
Art. 63. Da operaca do troco da mo-
eda de cobre se far huma exacla c rega-
lar esciipturagaem hum livro para isso-
destinado, contendo especificadatnente o
da da operaca, o nome do dono ou -
presenlaoteda moeda, eo valor nomi'r.af,
com distinca da legal e fi,|,a, a de Ipcci6
dos 5porcento, o valor das Notas e do
cobre dado em troco, ludo na conform-
dade do Modelo N. 15: chegada a hora
de acabar o lr.balliodiaiio.se bdancea
rao as entradas e sabidas, e se lechar a
conta do dia, c-mo indica o mencionado
Modelo, transportando ie o resultado iq
Livro de Receita e Despeza ModeloN. 16|.
Art. 64. A operabas e expedenle des-
te troco se far diariamente por espaco de
cinco horas con ecutivas, dede as o da
manha as a da tarde, aviando-e aos por-
tadores da moeda com a possivel bievida-
de, sem se admit ir ja irais a pretexto al-
gum a escolha, ou precedencia entre elles.
Para mantera Iranquillidadee boa ordem,
o Presidente do Iroco pedir o auxilio de
Forca Publica que preciso for.
Art. 65. Depois que estiver emactiv-
dade a operacio do troco em toda a Pro-
vncio, pelo espaco de lempo que razoa-
velmenie fosse bstanle para te poder tro-
car a maior parte da moeda de cobre era
circulacio, o Ministro|da Fazenda na Cor-
te, e os Preaideutes as Provincias, fix-
o dia em que deve findar o troco
1
que por elles possa depois ser propaga'd
1 hesouranas) a que lera de ser de novo Art. 66. Quando pelo processo da 0pe -
sraituda, em conformidad do Ait. 7/ da ) racjle te recoultr^t q8 I flCr bisfam-


P E R M A M B V C O.
I
tes as Natas paca o troco em algum dos
.pontos, o Presidente deJJe es pedii aopi-
rector corri necessurh antrcipvcio, e Ibe
serio immediataraente remettidas com as
segurancas convenientes : no raso ponm
de niocru>garems lempo, se darlo aos pon
dadores caula* nio crrcaraveis-exlTshidW
de Lvrooelstio numerad,, eTtrbrioedos
pelo Presidente do mesmo troco, asquaes,
loflo que cheguem'as Notas, serio resga-
iadase inutili-adas.
A't. 6*?. Concluido" que bp o praso,
ter logar por qualro rner.es o truco deter-
minedono A'iig" li da Lei, lindos os
quaes o 'CsiJente do troco i emetser im- .
inedia I mente su Diieclor as Notas e mo-
eda puntada que sobrsrem -do troco, o
cobre b-gal cortado, "os carimbos, e oa
Livros da esciipturacsS ; e depois deludo
examinado p*-la Yle*oorara, o Inspector
delta reme'.tei ao Thesooro Nacin!, por
via segura, e coni a possivel brevidade, as
referidas Notas e carimbos, efa.io guar-
dar pelos Tbesouieicosi'dasTbfouraiiaa
o mencionado cobre, al que o Thesouro
Nacional deleimine o desuno qoe se llie
deve dar, remetiendo- hum sjuadvo-expli-
cativo do reauliado da operaco em toda a
Provincia.
Arl. 68 Toda a despeta com a operacio
do troco ser feita pelo producto dos 5 por
cento deducidos do cobre trocado, eee-
cripturada com a conveniente distinc-
fio. .....
cAPlTUi.0 V. DisposiqGes. di-veuas.
Art. 69. Quando nio ha~t<.rem os Em-
pregdos que por <".ie Reimlaroenti se diu
para s d vers.-soperats de que nelfi *e
traa, eqOando solm-m, o Presiente Uo
The>our< ua Coite, e os Presidente* as
Provincias, nomeaio interinamente- os
que forem necessarios, cu deroitiirao os
auperfluos, arbitt ando vencimentos rszoa-
?eis aos nomeadoi.
Art. 70. Os vencimentos dos Em pre-
gados, e asmis despezas que se liseiem
com as diversas operacSes na Corte, e naa
Cspitaes das Provincial, serio pagas e abo-
nadas as Tiiesourai as vita de Folhas as-
signadas pelos Directores, e feiras pelos Es-
criptu arios, e em viriude de Despachos
dos Cofres das Thesourarias, sendo toda
esta despesa escripturada com a necessaria
distinecao de outi'i qualquer cargo das
mesnm Tli'Souraiia<. O* venrimentos,
ernais deza> que >fiviem oes poni*
du troco ocubie (ore das GwpiUes das
Provincias, si-rao psgonlo
pelos Thesoureiro- do troco, em viriude
de Ordem do Presidente delle, e vista de
Folhas processadas pelos E-cn vaes.
Art. 7I. Os Livros que hio de-servir
as refet idas operacSes, serio rubricados e
encerrados pelo inspector Geral do The-
sooro na Corte, e pelo* Inspectores das
' Thesourarias naa Provincias, os quaespo-
der5 dar rommiasio a qualquer Emprega-
do, para o fazer qaando o nio pdssao.
Art. 7a: Os Directores da diversas o-
peri6es na forte', e os Presidentes e Ins-
pectores das Tli6Ouraiias as Provincias,
daiso parle ao Presidente do Ttesouro Na-
cional de todas aoccorrenciaa estraordi-
.narias quenellas houver, sollicitando de>-
le as providencias que di-pendio do Gofer'
no. O mesmo observa ru 01 Di lectores e
iCbeies das mesmas ope aces naa Previnci-
as para com os respectivos Presidentes.
Art. 73. Finda qoeaejs cadabuma des
diversas operacSes, se encerrarlo as contas
dos Livros del las, e uellea ae lavraihum
Termo geral de eucsrraaento, referindo-
se operario ioteira, era qee se relate por
extenso os resultados finan dalla, cemet-
teodo ludo assim legalisado o Thesouro
Nacional.
Art. 74. O- Empregados noneados, em
.virtude deste Reglamento, sarao deenitti-
dos pelas Authoi dadas que es nomeiio,
pelos Superiores deslae, quando Ibes pare-
cer que elles nio cumprem lomo de tan ee
suas obrigaeftes, to responsaveis peloa
prejuisoe que por sus ommissio causaran
Pasenda Nacional.
Ai't. 75. Naa diversaa opere^ies de que
trata este Regulamenlo serio aproveilados
os Empregadoa de Repartios eptinctaa
que forem apios.
Art. 76. O Juiz que lomar conbeci-
piento de algnma Note snsycRa e ftlaa, t
padreo daa que ora te vio emittir, logo
que ella for competentemente examinada,
ireonhecida fala*, dar dis*o parte nime-
diatamente ao Ministro da Fasenda na Cor.
te, ellas Provincias aos Presidentes, e es-
tes ao dito Ministro, remetiendo huma de--
eripeftt.della-oontt ndo o eo valor, nume-
re, serie, a.ssignatora, ees-differesicas oa-
issensiveisque as distinguirem das verda-
deras do mesmo valor ; e o dito Ministro,
Presidentes, e Jiiir.es mandar5 annunciar
logo pela Iiiiiireasa, e por Editaesecbas diffe
rengas, para conhecimenlo do Publico, em
quanlo se nio realisar a providencia do
Art. i5 da Lei.
Art. 77. Quando a estampa, e o papel
de Nota t'urem, ou parecerem verdadehos,
o s lia ja duvida na assignatura, ou mime- '
roeserie, ueste ceao se remetiera a Nota
ao Tbesoui o -na Corte, e ai .Tbesbiirai as,
naa Provincias, e dabi aoThesouro, afim de
se conferir com o talio ; e arhando-se que
be verdadeira se restituir a sen dono; mas
ae nio obstante ser verdadeira tiver algum
dtfeitoquea pos-a tornar duvidosa na culaco, se dar ao dono o *eu valor, 6-
cando a Nota em depo-ilo no ThesourO,
para ser amortisada em lempo competente:
quando porem se reconheca falsa, ser res-
tituida Tbesouraria donde tiver vindo,
procedendo-se conforme ao Art. 76.
Art. 78. Os Chees das Estag5es Publi-
cas a que for alguina Nota falsa, a faioa-
prehendei, ha forma da Circular de a8 de
Novessbro de 1834. e remelter con) o por-
tador em costodia ao Juiz competente, pa-
ra proceder na confomiidade dos Artigos
76 e 77.
Att. 79. Os rendimentOs que o Arli.;o
i3 Ha Lei applicou amortisario do Papel
moe.'B, escri(.lurr-se-hio em srpirado liss
The-ourarias, eficaraoem reserva a' que
o Thesoura Nacional Ihe d o destinado
no mesmo Artigo', nopodendo por moiir >
algum serdislrahidos para cutres ins, sob
penade-sJrlcta re-ponsabilldade dos que o
contrario determinaren!, ou consentirem.
Art. 80. A sobra da renda geral, de
que trata o 3.* do Art. i3 da Lei, se en-
tender depois de pagas as despezas geraes
proprias do anno fiuanceiro, apiincipiar
do corrente.
Rio de Janeiro 4 de Novembrode i35.
Manoel do Nascirntnto Castro e Suva.
^bcz:
salla, o Snr. Presidente nomoou huma
commiasio para o acrompanhar, a tim de
prestar o jai-amento e tomar a-.sent po-
reai come j nio o achasse n'ante salla,
voltario sos os membros da Gommissio.
OS ficia8-o aos meamos Snr-. Deputadce An-
tonio Carneirc, e Francisco Carneiro para
tomaren aeseMo, oque foi appr^vado; e"
por nio haver mais que tratar, o Snr. Pre-
zrdenle levsntou a Sessio a huma hora, e
meia da tarde.
Tliomsz Antonio Maciel Mooteiro,
Presidente.
L urentino Antonio Moreira de Carvalho,
i.* Spcrelario.
Dr. Francisco de Paula Baptista,
l.* Secretario.
DIVERSAS REPARTICOFNS.
MEZA DAS DIVERSAS RENDAS.
A pauta he a mtma do N.' 47.
la dispesico d acesso aos raios do Sai, t
abriga os aninaes dos entes hwmidit do
sudoeste, e dos Crios do 1101 te, e do dema-
siado calor do roci dia. TJm dos grandes*
inconvenientes da eiposicio aomeio dia be
a afluencia das moscas, verdedeiro lagel-
lo para os anmates, porque os atormenta
eem inten upcio, fa/endo-osemmegieeer-
As portas, que, segundo o cumplimento
de edificio., devem haver mais ou menos,
impoi ta que sejam listante altas, e que
subre ludo tenban suficiente largura, ps-
ra qoeesammaespaesam psesar poreUas
livremente ; oque ae deve atteoder enuito,
particular mete bavtndo vacas prenhm.
Co itinuar sea.
CORRE! O.
OBrigne Sania Mara, de que Capi-
lio Antonio Henriques Mafra, sai para o
Rio Grande do Sul, no dia aa do corren-
te.
A Calera Sania Rila, de que Cap-
lio Alexandre Joze Alves, sai para Lisboa
no dia a8 do corrente.
A Barca Porlugueza Bella Pernam-
bii d Oveira, sai pa>a o P01 lo no dia 30 do
corrente.
m
PKRN 4MBUCO.
ASSliMBLEA PROVINCIAL.
Acta da Sessio preparatoria d'Assemblea
Provincial aos 13 de Marco de i 836.
Adravo-se presentes osSnrs. Deputa-
dos Barata, Fermino, Laurentino, Viei
ra, Gama, Raptistu, Christovio, Caval-
canti, FranciscoCavalranli, eoSnr. Pre-
sidente declarou aderla a Sesso.
O Snr. Luiz Cavalcanti acrompanhado
de huma eommissio nomeada pelo Sr. Pre-
zideirte lomen assento dep >s de prestar o
juramento ; Requereo depois o mesmo Sr.
Luiz Cavulcanti, que acominissio dejus-
tica criminal iutei po-esse seu pirecer a
respeilo d*habilitai;io dos Snrs. Dcpulad^a
Antonio Carneiro, Francisco Carneim.
O Snr. Deputado Vieira requereo, que
fosse a eommissio de poderes para esta iu-
terpor seu parecer a respeito dos meamos
Snrs. Antonio Carneiro, e Francisco Car-
neiro ; porem foio regeitadws anbos oa
requerimentos tanto odoSnr. Deputado
Luia Cevalcanti como o do Snr. Vieira.
Requereo o Snr. Deputado Luis Cavalcan-
t, que se mandassw chamar oa Snrs. I)e-
putados Sappleotes, Dr. Brito, Gomes,
Peregrino Montairo, Peinlo, Manoel da
Fonaeca, e Reg Berros, para virem to-
mar a-aento, easeim decedio a Assemhlea,
em censequencia do que fcou o ftnr. 1 .*
Secretario ineumhido de officiar aos mea-
mos Sara. Suqpleute-. O Snr. Deputado
Fermino requereo, que se aotasse sobre a
priraeira pai te de parecer da eommissio de
poderse relativamente aoaSnra. Deputados
Antonio Carneiro, e Francisco Carneiro e
decedindo a Assemhlea pela afirmativa,
poz-se a v o lacio o dito parecer, e foi ap
pro.vado. Constando, que o Snr. Depu-
tado Aatoaio Carneiro se achara n'ante
AGRICULTURA.
A ffygiena do Boy,
Estrellido do tratado em Francs das en
fermi Jades dos gados, por Mr. Dla-
guelte.
(Continuaco do N.* antecedente.)
Alvergue.
Quando se conhece a influencia do ar
atnioslericw sobie a econmia animal, nao
se pode deiXar de eslranhar o modo con
quegeralmente se aliriga osammaes, e por
isso recommendaramos, que este respeito
se d maior allenrio na coiistrucpio dasca-
vallarices, cunaos, e redis, dando a cada
animal a massa de ar necessario para que
elle pi-rfeitamente re.-pire, favorecendo a
reiiov.icao do mesmo ar, como a mis salu-
bridade, evitando a humidade. E por tai-
ta destas caulcllaa he que acontece haverem
enfermjdades, que, sem interrupcio, ma-
tara a maior parte dos gados de algumas
granjas, altrihuindo-se as causas conta-
gio, quando nio sao mais do que o esquec-
menio destas legras, vendo-se que e.-t >u
enormidades nio deixam de haver, se nio
qi.a ido se empregam meioscapaces de tor-
n..r sailr s os lugares em que ellas faziam
estragos.
O terreno sobre o qual se deve levantar
as moradas dos animaes, deve ser mais al-
to do que oscircumvisinhos, para que as
ominas possam nio tiquem estagnadas na visinhanga. So-
bre tudoo solo se for de trra forte ou ar-
gilosa, convm que seja cavado mui pro-
fundamente, formando-ge no fundo um
leilo da sexos e saibro, ou outras quaes-
quer substancias, que conservem a seqni-
dio, pois a bumidade he por extremo per-
niciosa, facen Jo esperiruentar passagans
sbitas de urna temperatura nutra. Aa
dimentes de urna estribara ou curral, tan-
to em largura, como em cumprimento e
altura, devem ser taes, que oa animaes
possam estar aoseo cmodo, deitaodo*se
fcilmente, e que entre bstanle ar para
querespirem com desafogo, e alm disto,
que teulia toda a capacidade neoessaria pa-
ra se poder fazer o ser vico, que convier
para o seo aceio e limpesa. Se o edificio
oblongo, forma mais particularmente a-
doptada, convm que aa suas frentes fi-
que m pr a o nascente e poeute, porque es/*
AV1ZOS PA*T*CUt.A8.
Desejq-se saber sondee a moradia do
Snr. Vicente Ferreira Fonles, pois se de*
ceja fallar.
fc9 Na ra Nova toja n. a3 que faz es-
quina para o becc da ra do calabeuoohi
urna iiiulher de idae que seprupoea ser-
vir em orna casa.
j^ Quem tiver urna casa terrea ne
Bairro de Santo Antonio, 011 wm sobrado
para alucar, annuncie por este Diario.
Hy Quem tiver equiser dar um son-
to de reisa jaros de um por rento con bo-
as firmas annuncie por este Diatio pala ser
procurado.
ajrjr Na praca da Boa-vista, no sobrade
da esquina, que dobra para obeeo do Ve-
ras, em o l.9 andar, ha quem faea florea
de pennasdo ultimo gosto, i moda da Ba-
bia : qoemquiser comprar aa ditas flores,
ou encomendar porcio dellas, pode-ae di-
rigir a dita casa, que achar coa quem
tratar.
jty Quem qviser tomar a jures,
qoantiade oilocontosa vinte rail rai, so-
bre pinhores de prata, ou ouro, oa Letra
endossada por dua* firmas oa pacas, dirja-
se a ruada cruz casa n. Se, 8.* aadar, que
l ae Ihe dir, quem ee propoeaa ao nego-
cio.
fjry O- abaixoassignadosfaaeai acian- '
te aos credoresde falieacido sen Pai Tiaen-
te Nunea da Scrra, que ae acha depasAada
na casa do Cnsul Portugus! ceita quevtia
do dito fallescido: os seas eredores puda-
r6 lapparecer para entaaiem na rateio
da mesma quanlia, e pare q*e ao dapois
niosechamem a ignorancia Taseus o pre-
zentc anniiiK'iu.
" Vicente Nunesda Serve aaior.
Paulo Nuiles de Serr.
t/3T Precisa-se de um teitor pese aa
sitio na ponte de LVhAa que tntcnee de
arvoredo, a ortalicea e que queire teaba-
Ihar ; quem quiser pode procurar a ra
das Gruses D. 13, pi imeiro andar.
f/9 as 5 pontas D. 8 d> fronte da For-
taleza precisa-se de urna ama forra rnen-
te para o servico da cosinba, e outie para
o servico de casa como coser, eamajar me-
nino e mais servico.
fjTJP* O Hotel da ra da cadeia do Reci-
fe D. 63 ofletece e quem se quiser ajuetar
para almoco, jantar e ceia diaiio, aeedo
por meses d por preco commodo, e rece-
be toda e qualquer encomend pare foca,
de jantar todo completo, ou pessas de per
si, assim como presunto de fiambre, pu-
dins, toitas, e oulrasdilferentea mascas.
/y Quera quiser urna ame brinca pt-
' ra o servico de urna cese, procure e rae ele
Nogueirs D. 9.
COMPRAS.
Um preto, ou pardo, que saja eaipina,
ca pin trico, oamarcineiro, e um preto ea-
noeiro: na ra do FogoD. 11.
tjry* 800 ou mil lelhas, ou mesmo em
menores porces ainda que sejio usadas,
sendo por preco commodo 1 atrs da Igre-
ja dos Martirios casa de tres rotulas verdes,
ou annuncie.
%3F" Urna porcio de smenles de espi-
nbeiros de Caian.na .* no sobrsde junto a
esta Typografia.
t


DIAAvIO DE JK Ji^B^O-
\*
LEILAO.
'Joze Antonio Maia faz leilo, por sua
conta, e de qnem mais pertencer no da lo
do correte roer no Forte do Maltos no Es-
taleiro de Jos Pereira Campos, dos perten-
ces da Sumaca Santo Antonio Triumpho,
que vem a ser ferros, faleixa, cabos, panos,
e urna canoa, achando-se tudo a rala dos
.pertendentes no mesmo lugar : principia-
r as 10 horas da roanli.
jr^CIsssen & C:* fazem leilo Quinta
feira 17 do corrate, pelas 10 horas, de vi-
nho de Brdeos e Agoardente de Franca,
uor detraz do cambio na ra da cadeia 11.
"48.
ALUGUEIS.
Quem precisar de urna ama com moto
tfbomleite, e de bons costumes, dirija-se
ai ua das'Trinxeras D. 18.
ACHADOS.
Achou-se urna canoa berta, decsrregar
^ntulho, com um paneiro na proa { quem
Ihe ser entregue.
VENDAS.
"Diferentes vinhos engarrafados, cha bis-
aon, preto. e perola, manteigt, presuntos
c ruis molhados por preco commodo :
no armasem por baixo do Hotel da ra da
cadeia do Recite.
/y Bilhetes, e rocos Bilhetes da Lote-
ra que est i" correr; os primeiros a
o^bO, e os segundos a 2&880 : na Praca
da Independencia loja de livros n. 3; e
38.
a/y Miudesal de diversas qualidades, p*
pajeco commodo em porco ou a retalho :
lia rua'Wova loja n. a3, que fez esquina
par o hrrm da ra do calbouco,
*jry"tlin selim m muito"bom estado e
"por preco commodo : no armasem de leilo
ua ruaNoaa D. 3.
IBP" Um preta moca, com boas habili-
dades, e .em vicio algum: na ra do Fu-
go D. 11,
/y Meios bilhetes da presente Lote-
ra': 11a ra do Crespo loja D. 6 do lado
do sul por baixo da casa de quatro anda-
res.
f/y "Una cavallo com passo picado, por
preco muito commodo : na ruada Alian-
dega velha n. 9.
*yy Vende-se e lobem se aluga urna
preta de meia idade do gento de Angola,
Eropria para oservicode casa, lava de a-
oe varrella, e tiobem qjitandeira : a-
trat da I^rejfl dos Martirios casa de treZ
rotulas pintadas de verde.
%fjr* Bou* licores engarrafados de varias
qualidades, e por precos raioavei, a.m
romogenebra UeHollanda em bulij-s : na
mesen a casa cima.
jry 100$ 'eis de robre marcado por
prata sendo 80$ de 80 re, e 40$ dr 40:
adverte-s que se dar com poucu ganho :
quem pertender annimcie.
yaya Mt-ios Bilbet.s desta prxima Lo-
tera que principia a correr no dia ai do
crreme a,3$oo em prata : na loja de
Euzebio Pinto & Comp., ra do Qutima-
do D. 5. #
jry* Para fora da Provinea, por preco
commodo um mulato moco mui claro, sem
vicios ou deffeitos, com bons piincpios de
aapateire, e babil para todo o seivco ru-
ral : na ra Nova defionte da Igrej Ha
Conceicie prmeiro andar do Sobrado .
22. -
* ajSjr Urna Imng'-m] da Pdarle de pp-
dra nova, um sua manga de vidrO : ne.>-
ti Typog'fid se dir quem vende.
|rTp Um escravo de servico do campo :
na praca da Unio n. 37 t 38.
(3" Folinlias de porta, de Al-,
gibeira, e de Padre, para o pre-
sente atipo de 1836, por preco
eommodo, na Prafra da Indepen-
dencia, loja de Livros N. 37 e
38, e na ra da Madre de Dos
venda que foi do Rezende.
*y Um Gallet Tablea de Logarilhe-
mes: na Tvp. da roa das Cruces;
yy Manteiga nova em barris, relia de
cebo em cacas, e oculos de ver ao longe
por preco commodo: no armasem n. 3 ra
da A Ifandega velha.
YW' Processo criminal por Pereira e
Souza, Classea dos crmes pelo mesmo, e o
Tratado da pena de morte por Guicot: na
ra da cadeia do Recife loja n* 19.
ARRENDAMENTO.
Arrendarse um sitio na Povoagio da
Varee que foi do defunto Vigario, por pre-
90 commodo : quem pertender dirija-se ao
sobrado junto a Typografia deste Diario.
fcy Arrenda-seero praca em Mao pr-
ximo o Engenho Araripe de sima, sito no
termo de Iguarasm moente e correte, dis-
tante desta Cidade oito leguas, um dos me-
lbores Engenhos daquelle termo: os p re-
tendentes podero hirem ou mandar exami-
nar o mesmo Engeuhu.
PERDAS.
Perdeo-se do pateo do Carmo aleo Po-
co da Panella, Hez chaves pequeas, enfia-
das em urna crrenle de piala, dentro de
urna bolcinba de brim, e um palacio den-
tro da mesma boleinba: a pessoa q'ie a u-
char querendo restituir, dinja-seas 5 pon-
tas sobrado D. 8 defronle da Fortaleza que
sera recom pencado.
ESCRAVOS FGIDOS.
Em 10de Fevereiro p. p. fuco um ne-
gro por nome Francisco de Naci Cabinda
com os signaes seguintes : corpolenio, com
o rosto um tanto descarnado, representa
40a 50 annos, aleijado deum dos |)<, es-
tando este sem dedos no mesmo, ecom u-
ma crnica fe ida no coto do mesmo p,
e oulra na mesma perna no lado direito da
canelta, e oulra quasi secca por cima do
calcanhar do ratsmo p, Me pelo tem-se
einpregadocm cortar capiro paia um ca-
vallo condusiudo em irtua pequea canoa
de Olinda para % Recite, d..-donde seau-
zentou ; pelo que se wcomenda a todo e
qnalquer Capatao decampo, ou pessoa par-
ttuuUr que o eneootrar o mande peg*r e
conduzir a ra dos Qosrteis D. 4 e 5 aoarie
se Ihe dar una gralifi.ra^io corresponden-
te a longitude em qu for pegado.
Taboas das mares vheias no Pono de
Pernambuco.
27Segunda i lh. 30 m \
I 3-i8
28 T:
4 -$' -
r> aS:----- -
r- ^
2 oS:m -
4~D:* -
4- 6
5-i8
6- 6
6-5
7-48

i>

u
Manhi
NO TCIA8M A RITIMS..
Navios entrados no da i4.
FO DI3 JVNEIRO; i9 dias; Polaca
Gej.oves Ma.i^n*, M- NMil -u-br:
ajar a: A. Schramm. 'on. 186.
SETUBAL; 96-d*i Barca llouindeta
Zwjhii, Cap. C. Iram U. Mmej : sal.^ e
queijos: ao mesmo Schramm. lou. 2d3.
Saludo no mesmo' dia.
Entrou arribado com agua aberta o Br-
cuefrasilciro Oliropc, que sahioda Bdhia,
e segua para Lbbja.
ESTATISTICA MILITAR DA FRANCA.
i. de Janeiro i856.
Estado mtior general. ,,,..,.,....--*
Dito dito da pracas fortificadas, c. ,,...^ -
V-V
8
AdmstracSo: hespitaea., ,.........................
para farda ment e acampamento..-.-..
Tropas, (a)
k .... ,,...,............ 33.77S
Art.lhan...,.^...............-.......' '......... g 8l
Engenhe.ros..................... ""' '..... 43.055
ICafVa'h'n......................'/.'....',............. 232,025
Infantana......,.....*.......*.....'........ g
Barcos de conslruccio para pontes, c...................
E>tabelecimentos militares, arsenaes, manufacturas d'armas de
plvora, fundices, quarteis, &c.................. 8
Aulas militares.... 4 *..*..?......? *........... *
822
1,631
8,868
307,064
511,963
Guarda Nacional, (b)
Guardas Narionacs da idade de aO 35 snnos...
de mais de 35 annos.........
Cavaliaria e Artilharia.. ....:.*..-.<................*"
1:945,809
1:947,846
86,175 3:979,920

Marinha.
A administraban da Maiinha becomposU
De Empregados.................,.........'
O pessoal militar de..................y"!'.........*
Forio ltimamente chamado para oservico militar, mari-
nheiros.......... < 4........... <...............

A marinha compe-so dos vasos seguintes:
No mar
Naos de primeira Iinha, tendo.... 14a.... .^bocas defogo 8,
169
4i,735
ia,000 60,904
Ditas de segunda.. ........ 90 a |00 .*
Ditas de lerceira... o ... ..... 82 a 84 .*<
Fragatas de 1.'.... ........ 62 a 64 a ...
Ditas. .. dea.'.... ... ..... 54 a ...
Ditas... de 3.'.... a.......*. 44 a ...
Corvetas de... *#. *<." .<.......... '* '
Ditas.;. de.......;..,..'....-....." a8 a ...
Di 1 as... de.,....................-'* 4
Ditas... de......................... 20
Corvetas-avisos............... ? '8



Briguet de..................... ... aO
Ditos.
de...................... 6 a 18
B> igues avisos...
Brigues-Escunas.
iO
12
Bombardas de. .... 1.................. >0
Canhoueiras-Brigue.'' ....i....*'. o
Escunas e Cuitis, &c..............-..<.
Navios deflolilha de. ................ *. 4
a .
a
a .

a -.
a ..
u .
a
a
a
w

a

a



a
a
a
a
19
4
1
14)
35
NosEstaleros
13 26
10'
is!8
7
8
6J
6>30
1
9
ai ai
9 0
a3 a3
1 1
8 8
4 4
18 18
33 33
Corvetas de carga, armadas 800 toneladas..........4..' i9 19
Ditas............. 500 ditas..............- 7 7
Ditas............ 400 ditas.................* J3 13
Ditas .. .. ...... 250 ditas.......... ....... 8 o
aa
ai

1
h a

a n

a

i a
m

a a
5 5
o
Transportes........................
Barcos de vapor (l60 i-avallo) armados.
Dito fiO dit'-s )
Dit >s ( 80 ditos ) a
Dilos ( 60 ditos ) >
4 4
n,
a .1
1
t
i
No* portn 011 em viag-n
Lu Cunstrucciu......
. ."
a.a4 .

>7
7a
7a
. Totol gersl 351 Vasos de guerra.
(Jornal do Havre.)
(-0 KVct. rerensiamento figura o eff,cTO sob as arma, e f^^h. que se acl-*
com licencas seu.eslres. Os 70,000 homens da poln. Umbeo uio entrio n asi. reca
pilulacio.
(b) Sem contar a gusrdi nscionil daCorsica e Algerina.
1'l-bk. m Tvr. BoDiim. Ijj'J


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EWG6ASBB9_1TP8RR INGEST_TIME 2013-03-27T14:43:54Z PACKAGE AA00011611_02350
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES