Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:02125


This item is only available as the following downloads:


Full Text
. \ S V. > ... y ^ ; 1, > .
TT

>n.>*i(W!.vlJ7Vv <*vF i;.'n8WWIt
-'i.i'-.' .: >
di I i | M ti : -.
' n!<" i .< cor. '.;,.
ff.'l i- -i .--: !- ..: :i ':-'. n I
mi'.n-u*-.A>.M,Ma,a,l ut*rjtiji*mtuaun >"i*.:\-ji:*jmixih+
i a r>ra di n i. la noa pi i iSciici i. "*
c .'! rjti ': itMii princJffiitMw* <' : en
i-un uumi!!.(,;> enve 'S '': .>"" iii.'ir cultos.
l'tn,lnfit

zvw
ACJOzm
DAS da SEMANA.
3."->. Hiplito WA.m de ni., e au.l de J. de
Orflk le I. P. as 2 h. e 80 m. fin I.
4.a- S. Euzebi,- Sesso du Thez. Publicar Pr. as
3 h c 8 m. (h t.
&*."-# ftotwnpriio Wossa Senhova-Vr. as A h. e
G m. da f.
6*.'-5. '.'.'//.'>.. da Thez, P. d' ., eAod. doJ.
ile Orlaos del. Pr. '- 4 b. (> &4 m. da i.
Sabhado-& Mamfile-\\\ ''" le m. < aud. do Vig. G.
de i. Preamar as 5 li- 42 m. da t.
Dom*.-5. Joaqium Paide Nol*a Senhora. Vv. as t
h. 54 m. da ni.
1Mm\ii\tamf.istf, que pela Provincia de Minas .se
espalhou a noticia da sublevar') CaramurUana em
Oura-Prelo a 22 (Je Marco do presente annol as C-
maras Municipaes se reuoro, ofueiaro ao Goveruo,
e olerccero indas seus exforcos a prnl da cauza Naci-
onal, as Sociedades patriticas protesta rao sua mais fir-
me adhe/Jo, c abriro subscripces, oque (''i imitado
por todas as Villas, e Ideares; as Guardas Nacionaes
se reuniro, c sustentados a cu>i das subscripces,
dos seus Chefes, e Offieiaes, e por si mesmos, mar-
charo contra os sediciosos, que foro batidos, disper-
sos, e presos alguns no curto epaco i!e 2 mozos, tem-
po necessario para seren ceivadfes de lodos os-lados.
Tuda se Tez no mais breve espaeo de tempo possivel,
esemquas despeza alguma do Thezouro Publico,
fiaras ao patriotismo Mineiro. E-norque nao temos
uo.s feito, ou nao Paremos o mesmo? 0 PovoPernam-
buc.mo uocede ao de Mina? ro anuir da Patria, das
insliluii oes livres, e na energia, e enra^em, c s'> po-
de attribuir-sc a culpa parte dos Cidados, influen-
tes [icios seus lugares, postos, e riquezas, os quaes
devendo animar a popula cao, e dar o cxemplo, apre-
sentaado-se, Lrabafhando, ou subscretendo em pri-
meiro lugar, tcm (;alvas militas v honrosasexeepedes)
mostrado un indi crensmo, sobre criminoso, peri-
rjoxo ncslas circunstancias. Tanto mais cfic be a
guerra do interior desia Provincia, nao pelo numero,
ou valor doi Calanos mas por su :s posices, c me-
thodo de guerra, tanto matares devem ser os nossos
exforcos. O que fasem a Cmaras, e aulhoi idades
do interior, que nao altendem a sorle desgracada de
seus irmosdoSul assassinados, roubados, ou ex pal-
Mi de suas habitar Oes por urna horda de salteadores?!
O que fazem as Sociedades patriticas, que nlo coad-
juvo o Goveruo cora lodos os meiojt a sen alcance ?!
O que fazem os Gdados lodos, qi^ n2o prestito, uns
Beus beus, mitras suas pessoas, c q
loda -o i inSui ncia fiara acabar urna gu
liiccr.' a Pr, ,,, i 1: wart J q
dittbeiro nenhum ha ucrra continua, <
pfov ofr, eiiaecess tiferensa f! OGotrr-
1 ni lera im feito lodos seos exforcos, pelo que mere-
I cmi rucomiosos Exrlls. Snrs. Manuel Znerino, c S:-
ligo, assim como a OfficiaUdade qfue tem sicrificado
sois vidas e repouzo a prnl de sua Patria; mas que
pode o Governo sem apoio geral i} Pouco, ou qua;>i
nada, c si deseiamos as vantagens das associacScs pn-
litcas l- misler, que llie soframos os onus, que con-
tr-huamos eon lodos nossos exforcos pira ajudar o
Governo a destruir quanto antes oquelle quillombo,
ci'.ie inlViicita, e envergan ha a Provincia. Oouvem
que Peruambuco conserve para com as outras Provj l-
elas o crdito, que justamente tem adquerido, c a ex-
tincao dos Salteaores das mattas de Panellas be um
passo para isso absolutamente necessario. Lembramos
tambem ao Exm. Sor. Presidente a necessidade, que
ha nao s d'armar, mas anda de disciplinar Inda a
(Guarda Na ion al da provincia. Hum exciceio por
si'mana, ou lodo os 15 (lias lie pequeo sacrificio, a
que se devem sugeilar anda.os Guardas Nacionaes da
reserva, e sua utlidade he 13o manifesta, quanto o he
a Mip'rioridade da tropa desciplinada sobre a hisonha.
Seria sanihem til organizar, e nomcar (licl'is aos 01-
i i*i es de Milicias, dispensad >s das Guardas .Nacionaes
pe is arligos8'*. 5, < artigo 24 da. Le da reforma
dis mesmasde 25 de Outubro de 1832. Taes medi-
das ufis em qualquer lempo, sao indispensaveis no
actual, emquealem das revoilai eslinas^ recamos
urna agresso do exterior.
c
CORRESPONDENCIA.
Snr, Redactor.
0*io j' nao pode entrar em duvida que um plano
de restauraco existe para reentroeizar o prfido,
moral, e infame Braganca, Amo d Paz dos Cira-
inuriis, deeujo exurcito guarda avancada o bando.
Salteador de Panellas, como se deprelieiule da caria
do General das massas, eitquidos, em que fallou o
\ i '.lio Pernamhucano : ffgOta, queja muita gente tra-
ta de tirar carta de seguro, guardndose para ovi-
va quem venceo. e perseguir o partido vencido,
cortos de que, se br o hheral, e que ao depois torne
a triunfal-, ler 0 salutar perdao pava 09 illudidosl\
eu que me desojo lser hem rerommendado do tul su- ,
geitinho Duque holieiro, e de roda a sua comitente ca-
terva ile caramun, restauradores, neutro', indife-
rentistas, el ri'liqua, ro(;o lhe o obsequio de publicar
as sepuiutes md aiiuhovadas clchelas, que fiz, e re-
eilei noTlieairo desta Cid.itle no dia 7 de Abril de
m\yi rsario doem que o monstro nos dcixou
H
Jozc Jcaquirn da l'oiucca Cajtil
i
" <


/ *
De Serembro n DiafSete,
O Dia Sete de Abril.'
. FLOZA.
j&E liouver inda quem progete
O Brazil rec'lonizar,
Ho-de as armas sustentar
De Setembro o Dia Sete ,
A este Povo nao competo
D'escravo o titulo vil,
Defender hade o Brazil,
D'Eroes o berco, e Naco,
A Dir a Constituico,
O Dia Sete de Abril.
I>
Jamis ser o Brazil
Patrimonio de tiranos.
GLOZA.
Evoisde Sete de Abril
T)o anno de trinta e un
Eseravo de Rei algum
Jamis ser o Brazil;
E se da intriga o ardil
Desunir Brazilianos,
>Os livres Pernambucapos,
Pari que (brapdindo a espada)
Jamis seja a Patria amada
Patrimonio de Tiranos..
El.M.
Pede-se-nosa publicaran das seguintes
JNSTiRUCCES.
Para o rgimen Policial do Theatro desta Cidade
do Recife.
tOaquim Aires de Almeida Freitas Interino 'Juiz de
. J Direito Chefe de Polica desta Commarca do Reci-
fe, em virtude do 7 do Artigo l.p do Decreto de
29 Marco de 1833, ordena se observem as seguintes
Instruceis para o jegimen Policial do Theatro desta
Cidade do Recife.
Art. 1. O Empresario dever com antecedencia
anunciar ao Publico o que pertender apresentnr em
srena, e nada se anunciar ou se representar sem pri-
meiro ter sido revisto pelo Inspector para riscar qual
quer descursa, oracao, ou parte della, que por pala-
vras obscenas ou indecentes, ofendao a Moral Publi-
ca, ou se dirijo ataques pessoaes.
Art. 2. O Empresario ser obrigado a aprsenla?
,em acea o que tiver anunciado.
Art. 3. O Emprezario ter a seu cuidado o aceio
do Theatro, a illuminaeo necessaria tanto interna co-
mo a dos corredores.
Art. 4." O Empresario destinar hum camarote pa-
ra a Inspecco, .que ser prximo ao scenario, nesse
camarote harer meza, luz, penna, tinta, e papdl
para qualquer ordem, que tenha de dar o inspector
Peculiar do Theatro, e hum lugar na Phle'ia para
hum Official de Justica Policial para cumprir as ordena
,do Inspector, ,e as que nestas Inslrucees the sao in-
cumbidas.
Art. 5. O Empresario mandar numerar os assen-
.-tcf, tanto da Platea superior como inferior, e serJb
ttmbem numerados os bilheles, de maneira, que qual
quer Espectador pelo hilheti saiba o assento que Ihe
1 t < ompetir na Platea.
Art. 6." Em quan nnim rarem os assen
.o Empresario nal [lie se venda raaior nu-
mero de bilbetes de Platea, i- que o que poder con-
/er a mesma, de manfiri^qua poeo estar todos os F-
idoaes sentados sem vexame ; e nao consentir que
se v ma bilbele a pessoa, que nao estoja d ecen temen-
'stida.
Art. 7." Os Camarotes de primeira e segunda or-
-er;.o vendidos a Pessoas honestas, e nunca para
P^soas de vida escandalosa.
Arl 3 O Comprador tambem ficar responsavcrl
indecentes e escndalos pralicados por ta-
es Pessoas na forma do Artigo 5.' do Cdigo Crimi-
nal.
Art. 9* Durante o dia s aos Assignantes he per,
metida a entrada no Theatro, e o mesmo as noites de
ensaio.
Art. 10. O Commandante da Guarda prestar os
auxilios que forem requisitados pelo Inspector para
qualquer deligencia Policial, e mesmo dar ordem aos
Soldados da Guarda a,que auxilien) qualquer deligen-
cia, que em virtude destas Inslrucces tenha de azer
o Official de Justica, que estiver as ordens do Inspec-
tor.
Art. 11. Meia hora antes da indicada para o eome-
co do Espectculo, o Commandante da Guarda do
Theatro, e requisico lo Empresario, dever prestar
as sentint'llas, que devem co;rdjuvar aos Porteiros, .e
manter a boa ordem e decencia durante o Espectcu-
lo.
Art. 12.* As senlineilas cumprirao puntualmente
as ordens, que Ibes orem dadas pelo Inspector
Art. 13. He prohibida a entrada as Plateas, e va-
randas sem o bilhete do dia.
Art. 14. He prohibido o transito de huma Platea
para outra por cima dos bancos, estar em p sobre os
mesmos, e ter o chapeo na cabeca durante arepresen-
taco. O infractor ser advertido pela primeira vez
pelo Official dt Justica, e se continuar ser conduzido
pelo mesmo presenca do Inspector para proceder co-
tra o desobediente na forma da Lei.
Art. 45 He prohibida a entrada c'e Pessoas em-
briagadas, e se por descuido entrarem sero conduci-
das .peloOfflcial de Justica a presenca do Inspector que
proceder na forma da Lei.
Art. 16. He prohibido todo o adjunto nos corredo-
res e portas de camarotes, motins, fllatenos, c alter-
caooes. Os infractores sero conducidos a presenca
do Inspector para proceder como Ibr de Lei.
Art. 17." Aquelle que se nao portar com decencia
e'boneslidade, aquelle que proferir palavras indecen-
tes ser conduzido a prezenca do Inspector para pro-
ceder contra o delinquente na forma da Lei.
Art. 18. Aquelles que fizerem motins, voserias,
que tocarem assobios, ou por outro modo encomoda-
rem o Publico, aquelles que pcrtu harem os represen-
tadores adrando lhes papeletas, ou por outro qual-
quer modo, serS pela primeira ves advirtidos pelo
Official de lustica, e se continuarem sero conduci-
dos a presenca do Inspector para proceder na forana .da
Lei comra os desobedientes.
Art. 19; Ninguem poder entrar no TJjeatro oom
armas, salvo os exceptuados na Lei. O que intentar
ser-lhe ba tomado o instrumento e conduzido a pre-
senca do Inspector para proceder na forma da Lei.
Art. 20." He prohibido o uzo de fumar dentro do
Theatro, seja qual for o lugar. O infractor ser ad-
vertido pela primeira vez, e se continuir ser condu-
zido a presenca do Inspector que o intimar que nao
continu sob pena de desobediencia.
Art ?[. O Commandante c OFiciaes inferiores da
Guarda terS entrada livie as Plateas tanto inferior
como superior.
Art. 22.* So em servico os soldados da Guarda en-
trarn no Theatro, os infractores serao'declarados ao
.


"Commandante da mesma para proceder na
Lei.
Art. 23." O Empresario lera a scu cuida
obre a observancia dos rticos do Reglame!
no, que dizem respeito as obrigaces dos rej
dores, dando parte ao Inspector detjwrtqiier
,eao para ser punido o infractor. r ,
Art. 24. Em quanlo, pela Auelordade a^rjuem
.competir, nao for designado o Ji P<^<' *
deste Theatro, fiea incunbida ao Juiz Municipal a
execucao das presentes Instruccoes.
lecifeO de Agosto de 1833. %
Joaquim Jyies le Ahneida Frotas.
ANUNCIOS.
POr molestia repentina do membro da Commissao
Redactara da representaco que a Sociedade Fede-
ral tem de levar a Assemblea'Legislativa, nao pode ha -
ver a Sesso extraordinaria anunciada para o dia 1.0,
Meando transferida para Quinta feira 15 do corrente
as 9 horas da manh: roga-se aos Snrs. Socios hajo
de comparecer.
^ Pedc-se ao Snr. Luis AntonioGoncalves, que
a bem da sua reputaco, naja de declarar, qual o mo-
tivo que o obrigou a fugir da Cidade da Parahiba, sb
pena de que o nao fasendo, se dar a este trabalho.
I "m frazileiro (/ue de todos os seos bons Jeitos est
scwnte.
Quisto* do Correto.
A Sumaca Bom Jezus dos Navegantes de que he
Mestre Joze de Freitas Flores sai para o Acarac
no dia 25 do corrente.
^ A Sumaca Mara Thereza recebe a mala pa-
ra Campos no dia 14 do corrente ao meie dia.
WAt%U\"*V
(len&as.
POtassa da Rucia primeira sorte. chegada ltima-
mente, em o mez de Julho do corrente anno : na
ra da Cruz n. 4.
^3* Carapexe, e goma arabia, em grandes e peque-
as porcoes : na Praca da Unio loja n. 37, e 38.*
^5" Urna escrava mossa de naco rebolo, para fo-
Ta da Ierra : no Pateo de S. Joze D. 3.
$C^* Urna cadeirinha muito boa : na rna da La-
aangeira n. 9, se dir quem vende.
^3^ 2 moradas de casas terrias, urna prompta, e
outra principiada, com parte do material prompto,
ambas com um grande quintal, ou pequenp sitio, bas-
tante plantado de pequeos arvoredos, murado na ^
frente, portao, e a lgrete, sitas na ra do Bom Su-
cesso da Cidade de Olinda, a dinheiro, ou a praso,
com boas firmas : na ra do Vigario n. 26, 2. e 3.
andar.
^^* Um negro muito bom canoeiro sem vicio al-
-gum. e um negro da costa, bom socador de assucar,
'angueiro, e de todo o sorvico, ambos muitosadios, c*
mocos : na ra Nova junio ponte da Boa-vista n.
fcj Para (ora da Pro. inri., jujwra i
ma escrava crila de 19 i 20 .-mimos. >vended< ira,
lizo, e lava; as 5 Ponas venda D 'i 2.
y^~ Scbollasem molhos. chegada ultinumcnlc de
Lisboa': na ra da Cruz n. 29.
i
Un\ norrio de^ i
mtmm
*)3* Um\ porco de1 sal; abordo do Brigue Dots
Irmaos, viudo de (Lisboa.
$3" As obras intituladas Geoarsphia Histrica, e
Mappa Geohidrografico, Histrico Mercantil, por Ca-
zado Geraldes, por preco commoda : no pateo ao Ter-
co D. 8.
^Jf- Urna negrinha crila de 3 annos : as 5 Pon-
tas D. 16, a qual se vende por preciso.
' ^J Um crdito de 948$043, rs. por menos de seo
valor: na>rua da Cadeia loja do Pessoa, o qual dim
quem o tem.
^^- Urna armaco de loja, e asendas Francezas,
na ra Nova n. 9, no dia 17 do correnle, das 10 ho-
ras da manh al as 2 da tarde : na raesma loja.
Cooptas
UM armazem,ou loja em lugar proprio para nego-
cio, e tambem se arrenda : no Forte do MattoF
prensa de Francisco Ribeiro de'Brillo.
$l? O Diario da Administradlo de 25 de Junho :
na loja do Bandeira ruado Cabug.
ft^ Trez canoaos que carregucm barro, para 300,
ou 400 tijollos de alvenaria para trafico de Olaria. no
atierro da Boa-vista em casa de Joo Francisco Santos
de Siqueira.
K^" Um forte e bem construido carrinho de dua-
rodas, com assento para duas pessoas, caixa de abrir
e feixar, e arreios competentes para um cavallo : na
'Praca da Unio loja n. 37 e38.
A
<3lluguet-
Lluga-sc o primeiro andar da casa da ra do \ i-
gario, n. 31 : na mesma.
% v**.** *%%
1^ev&as.
PEnDEO-se no dia l'O do corrente das 6 para as 7
horas da noite um par de esporas de prata de cor-
rentes, j uzadas, mais a moderna, desde Bellem at
a ra das Cruzes, as quaes trazia um preto com um
cavallo, que trazia para o Recife* e diz o dito preto
que .na ra da Conceico da Boa-vista Ihe cahira o
chapeo aonde as trazia, e que oulro prelo lhe o pa-
nhara, e correr com elle : roga-se a qualquer pessoa'
a quem for ofierecida as ditas esporas haja deas.tomar e,
levar a ra da Conceico da Boa-vista D. 9, ou em
Bellem no hoco de Santo Amaro, que ser receropen-
cado.
%\* *-%-*%*%
furtot.
C Andida Boza da Ressurreico moradora na ra do
Nlxo do Livramento parlecipa ao respeitavel pu-
\blico que na madrugada de dia 11 do corrente tend
A i (I o a ouvir Missa em S. Joze na volta achou a suu
casaroubada, e urna sua escrava amarrada na porta do
quintal, o que foi visto nao s por toda a vizinhane*,
mas ainda do Delegado do Sr. Juiz de Paz, que para
isso fora chamado 5 levaro da Anunciante todo o ou-
ro, pi'li, e^d-inheiro em moeda de prata e cobre, sen-
do a mnior parle do ouro que levaro penhores qu
rsiavao em sen pudor empenhados, excedendo dito
ouro a mais de quatr libras : roga por tanto a toda<
ispesaOtsaq Ifce* for oflFeiecido ulgum ouro de
venda queira paiiirpar nos dos memos penhores queiro comparecer em
sua rasa, tra/endo a n laiu dos pnnhorc^ pV -
que os ladroms levavo ;is rela>i5es.


i
t 700;
^T^5" Fin a noilr de 10 pada 1! ro da Mulriz de S. Laurenco du Malla, as' pcssas de
prata seguidlestrez calix sendo dous dounados, um
vazo grande de dar a comunliao, um turibulo, e na-
veta, 3 resplandores grandes. 2 coroas. urna diadema
cravada de podra, e espadas da Senhora das Dores,
umaambula dourada* t a chave do Sacrario, o 2 ar-
de piula cara gula
relicarios ; una caz uta de i!i
de feridas que inlcndu-sc eom o Vicario da mesma, o
Na Boa-vista na ruada Conticaa sobrado n." 170. que
ser recouipeneado.
OAbaixo assignado, fae publico, puvn eoulicri-
menio deseus eredores, o inleltigencia Jo corno
de Comuicrcio desta Praca : que girando o seu nego-
cio desde 20 de Maio desle aune, al 9 to crrenle,
por tna coala, e debaixo de seu nomo, leve fugar no
dia 19 do correnle a selebraco de urna Sociedade, a
qual vai girar de hora era diante debaixo da razio de
Henrique d'Araujo Jordao &c Coran., sendo odos os
documentos, e correspondencia Commerciai, firmados
pelo ahaixoassignado debaixo da niesma firma especi-
ficada.
Henrique ftjraujo Jordao.
TJ* O Sor. Sacerdote que quiser diser ninas ca-
pelln de Missas, a proco de 1G< res ; dirija-so a es-
quina da Pracinha do Lirrametilo loia do Burgos.
^ Quem tiver para alindar um !.'andar, ou so-
brado nico no Bairro de S. Antonio, nao sendo era
ra muito remota, e leudo commodos para familia :
anuncie.
^^* A pessoa que anunciou a rifa de um pava!lo
por pedido de pessoa de sua amisade, e Como nao es-
tivn ao faelo que era prohibido rifas de dades por
isso faz scieulc ao respeitavel Publico que desde ja lem
dcixado de por cm execucao dila perlencao.
^3 Como anareoesse no Diario de 7 do correnle
anuncio de Alaria Rila da Conceico, todo (aleo,
contra o meu amigo Virginio Antonio Hornera por
quem devo lomar a snplislaco, e iiser publico, que a
Seutcnca de divorcio da anunciante foi em 8 de Ou
tubro de 1S25, tempo cm que o mcu amigo divorcia-
do nada possuia, leve bens sim desos de selle anuos
por falescimento de sua Mi D. fiiaria Roza, e se a
' divorciada lem parle naquella Franca enlfto lanibem
leveler em quantas o divorciado Marido livor, cm
quanto ella for viva.
Ln amigo de Virginia Antonio Hwnrnn.
^l^1* O abaixo assignado, leudo o Diario n. 171,
de 8 do corrente, cm que declara ser elle devedor de
1$)7i 1 ; quaulia que ignora dever. assiracomoa pes-
soa que a publicou ; pede baja de d 'clarar nao s seu
nouie para ser coubecido, mais tambom o proveniente
dess divida.
Joze Fen eir liamos.
*&" A pessoa, que pedio em una luja urna meia
dobla a um mez, e 10 palacoes no dia Terca (eir 6
do correnle, para dar Manea a uns limbos, queira res-
tituil-os quanto antes, do contrario declarar-se-a o seo
lime.
tC?* Pede se ao Reverendo Sur. Domingos Mon-
des d'Azevedo, que declare por este Diario a sua mo-
jada, para ser procurado, sobre negocio de impor-
tancia. ,
^ Preisa-se fallar uara negocie d'impoilancia
coro a Senhora bina Joaquina, Mi do Sr I-VI
"de tal, tempo- moradora na Boa-vala. Roga-se a
nierc^ de anunciar por este Diario a sua morada certa,
o numero da casa.
i
::*V,) ;. -< lidiar ao Sur, Francisco Jo/ Alves
(jama, I roga-se por isso anuncie asna morada, ou
I ai i o w.equio drirgir-sc ra da Cruz n.. 57, 2.'
andar.
~yV a-se dealgumas cscravas aeostumadas a
vendem q' sejao ti is e babeis para este irafi-
ii i\\:\lir&\ iju< esquina um lampio affixado.
Francisca das Cbagas lem contrata
inorada de cava desua proprieda-'
de sita na pita das cinco Pona-; D. .>2, com Ignai o
Joze (Pocilio, c por isso faz publico a bera do compra-
dor, para que havoudo ulgum euibaracn se d la:-., por
sta olfia n'estes seis dia*.
*"3^ Quem percisar de wn Brasileiro jara ci iieiro
de cobran ea, muito hab!, para esU ierveo; (:::.--
a ra doJardim D. M. cuant-uieie.
Oao, naco Rebolo,
boa estatura, grosso do corno,
cabessuilo, cabello en jdo, i'.illo, uissas esin iia>,
e eompridas ao p da e.reih fei(,6es grosseirat, pei-
nas um tanto arquiadas, por wk>I< -!i> que lc:a nos n manqueija muito poueo, pnrem divi Ig.t-se \u m no an-
dar, ps lardos, e lonu-/.cllos grosso-; u',(!:) no dia
21 do paseado, eom calca preta de duraque roli, c.
camisa tambom rota de Brlin branco, porcm con) 1 le-
vasse quaudo fugio IoKj roupa pollera mudar de di-
ferentes li'ajos: a ra Direita emeasa de Maiiocl Fer-
nandes da Ciaiz.
Vr:r- A 22 do mez passado fugio do Engenbo Novo
de l'.'.u d'Albo um cabra do 20 annos de idade, com
principio de barba, dente.-, limados, baixoe grosSO do
corpo, cora urna sicalriz no sobrancelba esquerda, e
tema unba do dedo grande da man direita cattida ; !,-
vou uma guia de baixa dpS tldodo do Batalho 17, G."
Companbia em que servio a titulo de forro, mais um
bacamarie granadeiro, e um quario russo preto de
segunda muda com cangaiba, <|ue ludo l'urlju aseo
S-nbor Francisco do llcj;o e Albuquerque. Prome-
te se ser generoso com o aprebensor, que o podera le-
var ao dito no mesmo Faigenbo, no Recife a Joaquini
Francisco de Mello Cavalcanli, cm Olinda : Jo5o
Mauricio Cavaleanli Wauderley, ou a Joo dos Santos
JNtVfs de Oveira na Ba-vi(a.
:\OTJCJAS MARTIMAS.
19avias entrados no dia 11.
S' ONDRES; M das; 6. loe. U'Miam Cap.
jWilliarn Rud : fasendas: Suiitli &Lencaster.
LI\ EWPOOL ; 3; das: B. Ing. //'. Hussell, Cap.
Robert Brumo : lastro.
RIO GRANDE DO Si L ; 28 div -. 15. Santa Ju-
na, ('.ao. Cap. Joze Maria Bibeiro : carne.
RIO DEf ANEIRO ; 11 : B. Ing. Autlove, Cap.
J. DalzYrnplc : lastro.
Dm 12.
LIVERPOOL; 38dias; B. Barca Ing. Momaret
Johnson, Cap. llenry Sourrly : fasendas: Cral>trc
Hcvwrlbs & Como.
tERRA ^0\A; 50 das; II.
%Johnson, Cap. Jo.scpb Job uso n : bacalbao : a Diogo
Cockshot.
Saludo no dia 11.
"TaARCFLOXA; Polaca Heananbol Paula, Cap,
ffl.P! $
Ing. Fortitudn


NPM
Duina.

i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EYJUAYP22_8UVO2J INGEST_TIME 2013-03-27T17:01:51Z PACKAGE AA00011611_02125
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES