Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:02117


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AVNODE 183.3.
SEXAT FEIRA4 UE AGOSTO.
*
M*a %* vw
v~w*~ *-' ~~
iMwMM^M,MV%M%V%WM%M"M*MIMqaM'M'Mv
mmwnt umv!."*
NUMERO 166.
Sul.reve-se mentalmente .640 reis. ^^*^*J22C
do Diario. pafto da Matriz de S. ^^J^SSS
nnde se receben correspondencias e a1'^ Wnados
gratis sendo do, pronrio asonantes rnente e vindo aaMgn
Tudo ajrora depende de nos mesmos, da nossa prudencia, in-
deracao, c enerva: continuemos como principiara e seremu
apontados coa admirado entre as-Nacoes maU cultas
Pntclamafio da Assembha Qeral do Brazu.
gmpmuo m #cwatntuco por 3o?c actonuo &c abreu.
^.in^-T>-ap>H
DAS da SUMANA.
II
Ul/W ha aun.
o.--y Eiamio IV da F., A. do O. daCdo Me F.
dem., edo.T. dcF. del. Pr. as 5 h. 18 da t.
Sabhado-S. Hennillo^Y"- de m. aud. do \ .g. G.
de t. Preamar as 6 h. 6. m. da t.
Dom*.-& Domneos Pr. as 6 h. 54 m. da t.
PROCLAMACES.
[Abitantes do Cabo, e de Ipoiuca Esperaes, q'
Jos salteadores das malas de Jacoine arrasen as
vossas Fazendas, para desperlardcs entao i Si nao se
acode ao encendi, quando na caza doveziuno, em
breve as chamas prendera na propna caza, e a devo-
ran. He lempo de prevenir males, cpie esto eminen-
tes: mais tarto cWes serlo sem remedio. Os qneas-
solo as Freguezias de Porto Calvo, Unne, e %gon-
Prela, sao bomens. pela mor parte fteinorosos, que
se tinho ido abrigar! as.matas, da punirn dos seus
crimea. Que outra ebsa ha a esperar dclles, si nao
incendio, roubo, c morles? E guardaos a oposicao pa-
ra o lempo da afavfto ? Marchai pis, e mostrai que
vos eondueis dos padocimcnlos alheios, e que tendea
previdencia bastante para evitar com tempo os proprt-
os. Hide ganhar esta gloria, salvando os vossos visi-
nhos, os vossos bens, e vos meamos, vossa Patria, a
Constituico, ecom ella o Jovem Imperador o Snr. I).
Pedro 2.Palacio do Govcrno de Pernambuco 31 de
.lulho de 1833.
Manoel Zeferiw dos Santos.
Valerosos Habitantes do Serlao! Vos que pron-
tos correales a acodir aos povos do Cear, voai agora
em socorro dos vossos Comprovincianos. Se a Liber-
dade, de que tao zellosos vos mostraste perigava entao.
raator perico corre ella boje. Como be possivel que
o divi/.asseis, quando longe, e nao o vejaes, (piando
tao porto est ? Os desgracados habitantes dos limites
desta Provincia, com a de Alagoas clamao pelo vosso
seccorros; ouvi-os: Ouvi a voz da Patria, que pen-
fa, e ella ser salva. Vinde que brevemente vollarcis
dando vivas a Ltberdade, a Patria, a Constituico, e
ao Jovem Imperador Brasileiro o Sur. D. Pedro 2.-
Palacio do GoTerno de Pernamboco 31 de Julho de
1833.
Manoel Zefilino dos Santos.
ILlm. Inr. A Sociedade Federal desta Provincia,
querendo dar teda pubeidade ao incluso oficio da
Sociedade Defensora da berdade, e Independencia
Nacionaj) erecta no Rio de Janeiro, nianda rogar a V.
m. a inserco do dito officio era um dos prximos N."
<\o sen Peridico.
Aproveito esta oecasio para reiterar a \ m. os pro-
t>*os de miuha eslima. Dos Guarde a V. m. Sana
das Sessdes da Sociedade Federal de Pernamboco 30
de JuiLo de 1833 Illm. Sur. Redactor do Diario de
PernambucoJoze Joaquim da Fonceca Capibaribe,
2." Secretario.
"Li.,""" Snrs.__A Sociedade Defensora da Liberdade
le Independencia Nacional ola Corte, nao perden-
do occasio de communicar s ouIras Associaces pol-
ticas do Imperio quaesquer ocurrencias que possao n-
teressar a causa da Liberdacle. vai agora levar ao co-
nhecimentq rlessa Ilustre Sociedade hum assumpto, q
sem duvida Ibe merecer a mais seria alinelo. -
Desde que cm principios do auno passado, se co-
mecou a publicar o jornal denominado Caramur ;
pelas .as doutrinas,' bem como pclocnlhuzasmo com
que foi recebido de bomens, buns suspeilos, outros
conbecidamente deffectos e bostis a nova orden de
cotizas ; e sobra tudo vendo-se que emanava de lumia
assooinco intitulada Conservadora, composta de iden-,
ticos elementos, os Liberaos eouhecero que bum par-
tido restaurador, constante de antigos ser vos do 1 ac,
que lamento a perda das grapas, e dos cabedaas, que
por todos os meios amontoavao, de individuos alta-
mente dominados pelo espirito Metr .poblano, e de
descontentes que julgarao encontrar na revolucao de
7 de Abril hum meto fcil de selocuplelarem *, per-.-
tenda perturbar a ordem estabelecida, e chamar de
novo ao Throno Brasileiro o Principe, que o occupa-
ra.
O primeiro resultado desse monstruoso composto de
parles heterogneas foi o da 17 de Abril do anuo pas-
sido, cm que os descontente*, capitaneados por hum
vil aventureiro, ousaro mostrarse em campo, dando
vivas a Pedro Io; porem os bravos da Patria imme-
diata mente os destrocaro, corlando destalle por eo-
lio as suas orgulhozas esperancas. Nao escarmenta-
dos com esse revez continuarn os cheles de to deles-
lavel faccao a promover por todos os meios a desordena
no Brasil, contando com a impunidade que a docura
e desordem das nossas Leis, a eorrupco dos Magistra-
dos e a inexplicavel condescendencia de outrasauto-
ridades, Ibes outorgava. Os horrores commethdos no
Cear, e em Pancllas de Miranda ; e sedicao do Ou-
ro-Prelo, os diversos movimenlos operados em oulras
Provincias, e sobre tudo a insolencia com que osjor-
naes da accao arnaldicoo o Dia da nossa gloriosa Re-
reneraco e chamo ao slo Rrasileiro o Patpcipc ex-
travagante, que tem feilo com seus erros a desventu-
ra de das JVaces, sao huma prova rrclragave aa
existencia de seus tenebrosos planos.
E quando algwem la o cago, ou uicrcdue, houvesse
aue duvidasse anda do horroroso atteniado, que se
edita, hum novo laclo geralmenlc sabido, acensara
dlamcnle a sua sem razo. Hum dos cheles mata no-
i,veis da Opposico, correado Corte, na poca tu-
multuosa daseleices gerae, para dirigir por ventura
a exrcuc. d planos que entao em grande escala se
ureparavo mas que o bom fado do Brazd fez abortar
M maior parte, assoalbou eseriptos em lingoagem ob-
soleta, mas summamenle tasarla, vnsinuaudo arevolta
I
",'j.u-
-^
^


r-^r
\
{(t6)
a restauracao; e ltimamente parti para a Europa,
segundo tedas as probabilidades e informacoes ocom-
proyo, com a missao de promover a desgraca do Bra-
sil, incitando o ex-Monarcha, que recentes provas tem
dado em PortuSal dasua incapacidade, a vir invadir
este imperio romos seus forasteiros armados.
Noticias fidedignas dos Diplomatas Brasileiros, e
constantes da VIensagem do Ooveruo que junta envia-
mos, anuncio que se greparo na Europa colonias mi-
litares para o Brasil, que esse Principe allucinado por
aquclle abominave! partido, tem mandado proceder a
recrutamcnlos da mercenarios, para scrvirem<>m Por-
tugal ou fora defle; isto be, para virem a sea lempo
.arrazar o paiz que Ibe prestou enrinhoza hospitalidad?,
e aond* (alvez, era consequencia da sua obstinada ce-
gueira, e em premio de seusdelirios, venha encontrar
a sorle de oulros ambiciosos.
Tal he a crise em que a Patria se considera A So-
Ciedade Defensora nao receia que possSo vingar .final
os planos dirigidos por hum tal Chefe : ella confia na
lealdade de carcter dos briosos Ika^Ieiros, no seu a-
mor a liberdade, na sua averso a huma restauracao,
a peor, a mais horrorosa de todas as revoluroes: ella
espera que hum s grito, que huma s vontade, de<-
de o Para at ao Rio Grande do Sul nos una, para re-
pellirmos victoriosamente o invasor, e debellarmos os
inimigos que misturados comnosco, e fascinados por
uas paixoes pertenderem manifestar-se. Mas o peri-
50 he grave, e ha-se de mister que todas a Socieda-
des patriticas, fazendo conhecer estas Veadades, sin-
cera, e eficazmente se empenhem em eslabeleccr entre
tocios os bous Cidados huma uniao indissoluvel, em
Armar as opinioes sustentadoras da revoluco de 7 de
Abril, e em organizar assim huma resistencia compac-
ta, sisuda e invencivel em defina das nssas liberda-
des, e do Throno do Snr. D. Pedro 2. Com esta uni-
^dade de senlinuntos seremos salvos: sem ella nos tor-
earemos o ludibrio dos Povos e ou sofreremos o jugo
de ferro de hum despota vencedor, e oendido, ou o
Brasil deixar de ser contado na lista das Nacoes. Os
indiferentistas, os pusillanimes e os traidores perten-
dem conservar-nos em lel'nargo engaoso, e son frivo-
los pretextos nos procurao inspirar liuma falsa confian-
ca: cumpre que as Sociedades patriticas do Imperio,
animadas do logo do amor do paiz, pelo contrario pa-
tenteem aos Cidados o risro que nos ameaca, e a nc-
ee->idadc de huma energa regular que dirigindo para
fim uli! ns partidos, nos acautele da invasao do Prin-
cipe abflicador, ou de funestas tentativas dos escravos
restauradores que nao cesso de intrigar, de vociferar,
e de conspirar impunemente entre nos. lie nos seus
filhos que a Patria confia : ella os chama a deporem
boje mutuos ressentimentos, a abraca rem-se, a ansien-
tarem o Governo 'ue a revoluco de 7 de Abril ele-
vou, e que os asseclas da retrogradaco intenlo derri-
bar, e a formarem hum feiche commum que o braco
dos conspiradores nao possa partir, anda mesmo aju-
dado da preseea do que inlilulo seu Rcdemptor e
udnjo da Salvacao. Dos e a justica presidirn a
nossos esforcos-, os votlos das Nacoes livres, da civili-
saco, e a stmpathia de toda a America serio comnos-
co.
Sala das sessoes do Conselho era 22 de Junho de
18-5 5.
Joaquim Jote Percira de Foto.
Presidente.
/ varifto AV-. at
1.' Secretario.
**
Do Rio de Janeiro pede-se-nos a publicaco dos se-
quintes
SONETOS.
^^CJe fizestes, Parca enexoravel,
5>empre cortando o fio precioso
Da vida d'bum Hroe forte, ebrioso
Sempreao jugo tirnico indomavel?
Da Patria aos inimigos formidavel
Intrepilo, valente, corajozo
Aniquilen o monstro furiozo,
Que damno prometa irreparaveJ.
Funreo manto a Patria hoje vestindo
Do filho a mortc lamentosa, e dura
Aflicta est em lagrimas carnindo.
Aos Ceos voou sua sua alma heroica, e pura;
E as Naides gentis vo repetindo
Tristes Nenias na fra sepultura.
*
1
,**
iffH.Orreste, Carapeba, denodado
Da Patria os inimigos debelando,
Desse partido prfido, nefando,
Que quer ver o Brasil escravisado.
D'honra, c valor leu nohre peito armado
Foi sempre a mortc, e p'rigos afrontando ;
E Cero Despotismo derrotando,
Deixasto hum nome lustre, hum nome honrado.
A Patria Olinda aflicta, e luctuosa
De fnebre cipreste coroada
Por ti suspira misera e saudoza
Deixaste em orfaudade aFilha amada ;
Mas do amigo na dextra generosa,
E Honra Nacional fica amparada.
ANUNCIOS.
AMahbX ahr o N. 64 do Garapuoeiro, conten-
do 11ra 3. rehar contra a restauracao, e urna pro-
el macan feita aos Bahianos em 1817 pelo Snr. Anto-
nio Carlos Ribeiro do And rada, contra o falescido
Re D. G., pela qual se eonhece at onde pode chegar
o carcter de uir Basilei'ro. degenerado. Vndese nos
lugares do costume. ,
' {Renta*.
tMa morada de casa terria na Solidada n. 17, ron-
J fronte a Igreja, chaos propios; na ra Din la,
esquina do fceco do Serigado 1. andar.
p* Umcarrinho de 4 rodas: na ra das Ti11-
cheiras D. 2-.
trj* Um cabello louro, para crescente: na ra
Nova armazem que tem louca; e no mesmo se com-
pra e vende porcoes de louca de diferentes qnahda-
des, penas de ema, lenha, rias, para suri par casas,
c vende-se um moinho construido a moderna p?.ri
moer milho, c um jogo de pedras para outro.
*--"v*" U'UH parle de um sobrado sito no paleo do
Coilegip de 3 andares, aonde assiste o Commandlpte
da Prac : na ra Cruzes D. 15, fallar com Joaquim
de Jezus Pinto. ,
fcy* Sacas com um alqueire de milho a 4^500 rs.,
bixas muito boas de superior qualidade ebegadas pr-
ximamente de Lisboa, azeile de mandobi a caada a
1-3600, e garrafa 240, eazeite doce a caada 2&000,
e garrafa 280 : na venda da garapa do patio do Hos-
pital do Paraizo.
*"^ Cha hisson a 1.^300 libra, dito perola a
20, t'ml di a 160 1 bixaa uAti-
uente chegadas, grandes, e pequeas: na Prai
di linin foj 1 u." 20.
V5T" U na parte no Engenho [t.ipiss9ca, Fregue-
I


4
(607J
i "y
1
zia ele S. Lourenco de Tijicupapo, com Ierras mu i
proprias para todas as plantara!, o proporcoes para
salinas : na ra das 5 pontas i). 21 por cima da loja
de sera ; e na mesma no topo da escada tambem se
vende muito bom lcite sem falsificaco todas as nianhas
as 7 horas.
^^* Urna molata mossa, coze, e engoma lizo, e
boa para tratar decrianeas: na ra Dircila sobrado
D. 53.
^3P" Um negro mosso, possante, ecosinhetro: no
pateo de S. Pedro D. 7.
^3?" Una preta mossa, que sabe tratar de tima ca-
za, e vender : na ra Nova casa de Calderoiro D. 13.
.? Urna canoa de earreira de amarello, I .-i acaba-
da de 40 palmos de comprido, e 2 e meio de boca: na
loja de ferragem defronte do b<_vo da Congregaco n.
M.
$3r* Urna escrava propria para o seryieo decampo:
na ra d'Agoas verdes D. 16.
$^y=" Bisas chegadas de Li boa na Galera Santa Ri-
ta, de superior qualidade : na ra eslreita do Rozario
padaria 1). 17.
^3* lna crila de 16 a 18 annos, parida a dotis
mezes e pela primeira mez, sem crii por Ihe ter mor-
dido ontem quinta feira, com muito bom leile, lava,
engoma, cose chao, cosinba, muito sadia, c sem vicio
ajglira : na ra das Flores I). 16 se lhc dir quem a
vende.
&&* Para Cora da Provincia, um negro de naci
da Cosa, ile 30 annos bom pideiro, e orneiro : na
ra da Larangeira D. 5.
TRrz-canoas que carroguem barro, para 300, ou 400
tijollos de ai vena ra para trafico de Olafa : no
a [Ierro da Boa-vista em casa de Joze Francisco Santos
de Siqueira.
%%% Srretifcgusettta
ARrknd.v-sc um Cnrtorio de segund" Tahelufo Es-
rrivo de Orfaos, na Villa de S. Anto : no pateo
do Hospital do Paraizo ) 2.">.
f^lM dia 31 de Jnlbo perdeu-se desde a Ciclado de
.J Olinda ateo Areal un Cathoeumo de Economa
Poltica por JoSo Baptispta Say: quem o aehar, e
qnuer reslituilo, pode lvalo nesta Cidadecaza do
Padre Antonio da Tritdade ntuues Me ira, na ra
das Cruces D. 14, e na de Olinda ao Snr. Joo Ca-
pistrano Bandcira de Mello em a r-ua de S. liento.
W** i
de Albuqueroue, ou no mesmo lugar da Ah'av!
as oito horas da m,nha, ou na ra l\ova armas,,,, D.
>, as sette horas.
K^ ?ercisa-se de umeaxeiro Porluguez para urna
venda >endo capaz : na ra do Cordnz do Forte do
Mallos, na esquina do beco de Jopo de Barros n. 4
I J
t^" Joze Francisco Ferreira faz publico que se
acha em sua casa urna tarda de nomo Anna coxa, que
diz ser esclava de D. Rita de Barros Mello viuva de
Joaquim Joze de Oliveira, moradora em Santo Anto,
cuja parda veio a casa do anunciante no dia 28 de Ju-
Iho p. p. para a comprar, e disto mesmo fez sciente
ao Juiz de Paz : e a dita Sen hora a poder mandar
buscar na ra Diretta D. 9, lado esquerdo.
$3* Roga-se ao Snr. Antonio Marques de Costa
Soares nao pague a ticssoa nenhnma que nao sejao os
anunciantes, um bilhete de sua firma da quaniia de
lOOt^OOO numerado em nossos livros, pelo N.a 5, por
o mesmo se ter desencaminhado e nao se saber se lo i
perdido, ou roubado.
Gcorg Brosklchnrst & Comp.
%Cjp" O abaixr assignado pede ao Snr. que diz ter
urna couta de um Guarda da Estiva, queira declarar
se
Miguel Corrcia dos Santos.
VI** A abaixo assignada mulher de Francisco das
Chagas Pasaos, fas sciente ao respeitavel publico, que
ninguem faca negocio algum com o seo marido, sobre
mu 1 morada de casa, que o dito tem na ra da Glo-
ria I). 7 visto t-i!e querer vender a dita sem ella ser
sabedora, e para isto previne ao respeitavel publico,
nao faca negocio algum com seo marido, sem ella st;r
assignada.
Mara Madalena.
Vj?" Perciza-se de -OO^OOO reisa premio de dois
por corito ao mez dando-se para soguranca deste nheiro urna hipoteca de Ierras ta Cidade de Olinda,
com maltas de boas madeiras, por lempo de um anuo:
anuncie.
VTj? O abaixo assignado pede ao Sr. Joaquim Fer-
nandos Gama, que (leve resto de urna Execueio da
quantia de mais de oilo ceios mil reis como consta da"
mesma Execucao pelo Cartorio boje do Escrivao Reg,
e que If-m palliado al boje o dito Snr. o pagamento
prometido para o prazo de Irez mezes, quando j h
pastado mais de qualro, baja de satisfazer o dito resto
ltendendo boa f, e franqueza com que o anunci-
ante lhc emprestou, para objecto de muila necessida-
de, e nao queira estar demorando este resto de paga-
mento, escrevendo ao anunciante o Snr. seu ilho Joa-
quim Fernandes de Albuquerque Gama, que diz se
I acha auefo!isa.do pelo Snr. scu pai, para faser este di-
to resto (!e pagamento, com escriptos de ompalhaces,
que recebe boje, e recebe amanh, e nada de apare-
cer o dinheiro, at o prezente o que se tem feito mais
suspeilo estes proeedimenlos, e querer anda uzar de
mais chicania, ou de oirtros intentos iguaes como fez
no principio da execucao, que apareeeo embargos de
tereeiro, que a figurando Joze dos Santos e Silva, co-
motesta de ferro nos bens pcnborados, isto em're-
rompenca do imprrslimo, (pie fez o anunciante na
boa le, o franqueza de a misado, que est ainda tao-
bem por ser pago das custas dos embargos, que nao
h quem de noticia aonde existe o dito Santos e Sihn,
ese nao quer ainda pagar continuar0anunciante com
os termos jtidiciaes, como lem feito das mais vezesj
pois percisa do seu dinheiro para pagar a quem eleve.
Damazio Smico de Souza.
^^ Perc6a-se de um bom fetlor para um sitio, que
saina traetar de parreiras, e outras arvores de 'ructo,
e juntamente tirar leitc : na Tipografa Fidedigna.
%^" Luis da Gasta Leite, pede ao rospeitavel Pu-
blico, que. ninguem compre a venda das 5 Ponas D.
24, em que esl Francisco Joze Ferreira Veiga. pois
que este ajustou compralla a dinheiro avista, e como
por bom modo procurou, encaixar-se dentro da mes-
a, sem a pagar, cat hoje ajfcic; .pagou; antes sim ne-


r
(66S\
l
gou a divida, perante o Juiz de Paz clesleBairro, aon-
de fo; chamado no dia 31 do passado .lulho, negand
tambem o balaneo por onde lomou i mita da mesma,
que rm seu podei fieou, fcito pelo anunciante, o qoal
pertende mostrar a verdade, pois em quanto nao lor
embolcado nao Ihr passar pertence da mesma, e se
alguera apresentar scm que o anunciante o publique
pelo Diario ; desde ja jura ser falco.
r^" Qualquer Pai de familia que quizer por seo
filho a lee, eserever, e contar com perleito, e cmo-
damente ; dfHja-se a ra do Arago l). 37.
^^ O abulto assignado fa/ scicnte a Manoel rra-
rist Ce/, ir que na qualidade de Enfermeiro do Hos-
pital dos Laxaros compre com tuejo que Ibe lor orde-
nado pela lll.ma Commissao, e que nao obstante as in-
trigas que lena formado todas le sero Ilustradas, e
basta que tenba em vistas todas as partes que sobre sua
conducta Ibe dco o ex Administrador Peixolo : e to
bem por este anuncio protesta contra elle no caso de
ihe acontecer qualquer vinganca que pcrleuda por em
ortica contra
Francisco Jozc de (Jlivcira Barbota.
.*&& Oabaixo assignado declara ao rcspeitavel Pu
buco que elle vai chamar ao Tribunal compclenle o
Autor lio insultante annuncio que contra tile aparece-
r no Diario de Pernambuco N. 164.
Joao de Barros Falcao a"Albuquerque Maranhao.
$^- Quem anunciou precisar de 150-ftOOO reis a
dous por cento porespaco de 3 mezes dando por s go
ranea um oscravo cosinheiro, dirija-se a ra Direita
na esquina do beco <\o Serigado I.'1 andar.
CT" 0 Senbor Jernimo Antunes 'Jorres mande
buscar urna carta vinda de Lisboa pela Galera Santa
Hila, na ra Direila esquina do beco do Serigado 1."
andar.
^^" AUugu-se um pequeo sobrado, ou caza ter-
rea para pequea familia, as ras datiuia. Porto das
canoas, ScnzaUa velba, e nova: quema tiver anun-
cie.
$3 Precisa-se de 100$ reis em cob.ie, com o
premio de dois por cento ao mez, por espaco de seis
mezes, dando-se paraseguranca urna morada de caza
terna: anuncie.
$^- Quem preciar de urna ama de leile dirija-se
a ra Vellia D. 33.
^C?" Oabaixo assignado como Adminislradcr de
SCU filbos tendo lido o anuncio Jeito pelo Sur. Jozc
Carlos Texeira, para se vender um sitio de plantar
capim, faz cerlo ao rcspeitavel Publico que ninguem
compre dito sitio, e nem bens algn* perlencenles ao
cazal do faleeido sogro doabaixo assignado, lYanrisco
Xunes Muniz, |>or ter o mesmo abaixo assignado obti-
do 2 sentencas de nullidade as parlilbas a favor dos
Oros seus filbos, por nao terem sido feilas com i-
gualdade de direito; por isso qualquer possoa que co-
prar bens perlencentes a aquelle cazal se pora no risco
de lcar sem elles, caso na reforma das parlilbas vc-
ribo a tocar aos ditos orfos; e dito Snr. bens alguns
pode vender portencentcs a aquelle cazal romo Procu-
rador baslanle da\iuva (como o tcm fe i lo) pois anda
nao sabe que bens poderao locar a sua Procuradora
nas partilhas que se bouvercm de fazer.
Jozc. Lino vili'es Coc !//o.
%Z$" Um Pernambucano hbil para ensinar as pri-
meira letras cenrperfeico, ofrece o seo presiimo os
Pais de familia q' se quisercm utilisar, para dar licoes
particularmente em stias casas indo par::
[-> as vys precisas, coanndo a ambos o juste. Ad-
e qin a seu mezes a esta parle que se dicoU
a boT'ro/a tare! n alguns alumnos parlii alares,
$ dellcs tcm colindo bou adianlafflcuto; cujoa
rao a informaeo que exigirem do anunciante : procu-
rem na ra Vc'ha JL). 2.4.
fc^ Alluga- e urna preta escrava, ou forra, qUe
se queira sugeitar a comprar e vender na ra ; quem
a ti ver dirija-se atrax do Calabouco passando o portao
dos quarteis, em um sobrado de um andar, lado direi-
l0- ti -
ter$" Quem anunciou querer comprar a collccao
do Popular ; dirija-se a ra das Cruzes n. 120.
MAria. de naco Anuir, (pie parece ler 30 annos,
roslo comprido, orcinas pequeas, seca do corno,
com urna marca nas costas em sima de um hombro,
lem urna impigem e esta apostemada, tem mais urna
em um braco em sima do sangrador, e meta aratro-
zada dos hombros, e peinas finas; futida a 30 de Ju-
lho com dois vestidos, um de xila prela, eoulro blan-
co, e um pao preto: Praca da Boa-vista caza da
esquina D. 12, que vira para o beco do Tambia.
K^~ Faustino crilo, baixo, grosso, cor fula, car-
rancudo, com marcas de bexigas no ^oslo. lem um
lluxo ao p doouvidu, urna costura em um lado di
ventre procedida de urna xifiada, 33 anuos, carreiro,
serrador, e ja lavr.iva de machado ; fgido (fe neis pa-
ra sete annos, consta andar pelo Recife : em Olinda
da ladeira da Mizericordia.
V3" Na noile de 31 de Julho prximo pascado se
auzenlaro 3 escravos, urna negra de Angola, boa es-
tatura, 40 annos, com um filho crilo, magro, roslo
comprido, de 7 annos: e um moleque de Angola, 1 "2
annos, ffrosso docorpo, beeos grandes, e ol.o peque-
os : Boa-vista sobrado encarnado, da ra do Cebo.
&^=- Mari d naco Congo, idozi, estatura ordi-
naria, seca, andar vagaroso, pes um lano enxados,
e tem na cabeca urna calva a maneira de cora. e>cra-
va que foi de Manoel Poreira \ alent, morador na
ra das Calcadas altas ; fgida mais de trez semana :
ra do Nogueira D. 10, lado do Sai.
^^ Jacob, com 8 palmos de altura, na.cabeca do
lado esquerdo urna brecha grande, esta com o cabello
bstanle grande, e por cssa razo so i'oni o cabello cor-
tado que ve-sea brecha, roslo retaihado, com diver-
sos riscos da nacao, olbos grandes e vivos, e alguma
couza encarnados, orelhas fu radas em ponto muito pe-
queo, pouca barba, bracos compridos, e igualando
o-omprimenlo da altura do corpo, peinas finas, pes
compridos e alguma couza chatos, no pcito com a mar-
ca C ; fgido no dia sabbado 27 do passado Julbo do
sitio do Arraial de Joo Carlos Pereira de Burgos com
calca de brim entrancado blanco, camisa de panmho
fino, colele preto, aqueta de chita, e chapeo (,c S'';i
de massa, ludo uzado: Praeinha do Livramenlo, to-
ja do Burgos.
-.v*. *,
A
iNOTICIAS MARTIMAS.
Navio entrado no dia J n
HILADELPHIA : 48 das das; E. Amr. Lioni-
Wda, Cap. C. H. Dearborn : fartnhn, o mais gne-
ros. : a Ferreira & Mansfield.
Sabidos no mesmo dia.
IIIO GRANDE no SL ; S. 1 Amigos, Cap. An-
J^lonio Luiz Gonzaga : sal, evinho.
PORTO ALF.GRE; B. Minerva Cap. Joze Ra-
mos deSou/a : assucar. tal, e vinho.
DITO DITO \ Kiaxo Saudade, Cap. J/. Frao-
< teco Sc'ia: assucar, ial, e vinho.
^ j ..' "
B'
"lyfSK.\\ s\J Vi r no UnlO. \>
I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E5GC1T3NR_Q6OQQG INGEST_TIME 2013-03-27T14:37:32Z PACKAGE AA00011611_02117
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES